Você está na página 1de 8

SEMINÁRIO DE PESQUISA E FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS:

“ISTVÁN MÉSZÁROS: A TEORIA DA ALIENAÇÃO EM MARX, 50 ANOS DEPOIS”

PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

DCH/UFLA, 2019/2020

1. ÁREA TEMÁTICA

(ii) Cultura; (iii) Direitos Humanos e Justiça; (iv) Educação.

2. COORDENADOR

Prof. Dr. Marcelo Sevaybricker Moreira (Departamento de Ciências Humanas –

DCH/UFLA).

3. DEPARTAMENTO OU SETOR

Departamento de Ciências Humanas (DCH/UFLA).

4. NÚMERO ESTIMADO DE PARTICIPANTES

Espera-se um comparecimento de em torno de 20 a 50 pessoas.

5. LOCAL(IS) DE REALIZAÇÃO

A definir (DCH).

6. PERÍODO

De agosto de 2019 a julho de 2020.

7. RESUMO DA PROPOSTA
Ciclo aberto de estudos a respeito do pensamento de Marx, com ênfase em seus

textos de juventude (1843-1852), partindo da investigação da hipótese (apresentada por

István Mészáros na obra A Teoria da Alienação em Marx, publicada em 1970) da

centralidade do conceito de alienação para a formulação inicial do sistema marxiano, bem

como para a compreensão de sua unidade e coerência, preservada, segundo o filósofo

húngaro, nos desenvolvimentos ulteriores da teoria por Marx – confrontando tal hipótese

com a leitura de outros autores, especialmente influentes no percurso dos estudos de

Marx no Brasil (GIANOTTI, FAUSTO, LÖWY, COSTA, PINASSI, LESSA, ANTUNES – v.

item: Bibliografia Básica do Seminário). O exame dos lineamentos da análise proposta por

Mészáros permitirá, numa etapa posterior, o debate a respeito de temas transversais

associados ao conceito de alienação, e. g.: relações entre filosofia e economia política;

ideologia e ciências sociais; desenvolvimento capitalista, individualidade e emancipação;

crise da educação etc., avaliando a pertinência e atualidade desses debates.

O Seminário consistirá de encontros quinzenais, em que um participante (ou

grupo) fará a apresentação da análise de um capítulo do texto em questão, seguido de

debate aberto entre todos. Será aberto à comunidade universitária (docentes, discentes e

servidores técnico administrativos), bem como aos eventuais interessados vinculados a

outras universidades e/ou integrantes de movimentos e organizações sociais.

8. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
Segundo Marcelo Musto:

A alienação pode ser incluída entre as teorias mais relevantes e


debatidas do século XX. Esta concepção elaborada por Marx
assumiu um papel determinante no âmbito das discussões
desenvolvidas sobre o tema. No entanto, diferente do que se poderia
imaginar, o caminho da sua afirmação não foi absolutamente linear.
(MUSTO, 2014, p. 61)

O conceito de alienação, apesar de pouco usado, expressamente, por Marx, em

diversos momentos foi redescoberto e ganhou grande importância para o debate de

questões contemporâneas. Abandonada tanto pela Segunda Internacional quanto pelo

marxismo soviético – com raras exceções, que lhe deram grande importância e, não por

acaso, acabaram por formular, a partir desse conceito, críticas decisivas ao chamado

“socialismo real” (e. g.: LUKÁCS, RUBIN, SCHAFF) –, a alienação esteve no centro dos

debates da intelectualidade europeia do pós-guerra, sendo recuperada por abordagens

diversas (marxistas ou não) como tema crucial tanto para a crítica social quanto para a

compreensão da subjetividade individual (e. g.: HEIDEGGER, ADORNO e

HORKHEIMER, FROMM, MARCUSE, SARTRE, HYPPOLITE, ARENDT, LEFÈBVRE,

DEBORD, BAUDRILLARD).

A publicação, em 1970, do livro de Mészáros, vem interceder diretamente nesse

debate, servindo-se de uma rigorosa exegese imanente dos escritos de Marx (mas sem

se furtar às polêmicas “do momento”), iniciando a construção de um robusto edifício

teórico original, fundamental para a revitalização da capacidade do marxismo de lidar, de

modo compreensivo – e ainda assim coerente – com problemas contemporâneos. Mais

que uma minuciosa leitura de Marx ancorada na ideia sintetizadora original de seu

sistema, in statu nascendi; trata-se do nascimento do próprio sistema de Mészáros (v.

PINASSI, 2009, pp. 105-6), cujas próprias ideias sintetizadoras permitirão importantes

desdobramentos em diversas direções – tome-se como exemplo a questão ambiental:

It was this overall viewpoint, already present in nascent form


in Marx’s Theory of Alienation, that led Mészáros to his theory
of “the global structural crisis of capital” (...) Mészáros
emerged as one of the first major social theorists to put the
relation of “Capitalism and Ecological Destruction”
(FOSTER, 2015)

Hoje, portanto, o debate sobre a alienação volta a ganhar importância pelo retorno

e intensificação de diversas modalidades de opressão que visam à manutenção do

sociometabolismo do capital, ao passo que se evidenciam seus limites objetivos

absolutos.

9. OBJETIVOS

O objetivo inicial deste projeto é estabelecer um diálogo entre pessoas

interessadas no estudo de Marx, dentro ou fora da universidade, para uma abordagem

coletiva minuciosa de textos fundamentais para a compreensão sistemática da obra

marxiana. Ou seja, constituir-se em um espaço de formação transversal mediante o

debate sobre uma problemática teórica central às diversas áreas de conhecimento em

humanidades – por ser fenômeno comum, em suas múltiplas expressões, às diversas

esferas de atividade humana – a saber, a da alienação; iniciando, com esse debate, uma

investigação a respeito da unidade e dinâmica do pensamento de Marx, bem como da

atualidade (ou necessidade de atualização) de sua propositura.

Objetiva-se, com isso, propiciar um espaço interdisciplinar de intercâmbio de

pesquisas e experiências, capaz de estimular a reflexão e elaboração coletiva sobre

questões sociais de modo articulado e totalizante.

10. JUSTIFICATIVA
István Mészáros é um dos maiores intelectuais marxistas dos séculos XX e XXI.

Sua obra, vasta e abrangente, atravessou as principais questões da filosofia

contemporânea referenciada no pensamento de Marx, da Estética à Política, passando

pela Educação, Sociologia, Antropologia, Economia, Direito e Ecologia, mobilizando suas

categorias – numa injunção radicalmente original, mas profundamente fiel aos

pressupostos ontológicos fundamentais e à lógica interna da teoria marxiana – para

possibilitar uma compreensão crítica, sistemática e totalizante de velhos e novos

problemas, postos pelo desenvolvimento do sociometabolismo global do capital. A

atualidade das formulações de Mészáros a respeito da crise estrutural que atravessa a

humanidade e acomete o planeta (pelo desenvolvimento incontrolável da produção

destrutiva); e a urgência com que esse autor, falecido em 2017, encarou até o fim da vida

a tarefa de examinar os limites objetivos de tal crise e propor novos modos de pensar a

organização, articulação e orientação emancipatória dos movimentos sociais – i.e., para

nos servir de expressões de Mészáros, elaborar um programa que ajude a constituir

novas mediações que enfrentem o sistema complexamente articulado de mediações

antagônicas de segunda ordem e apontem para a transcendência positiva da

autoalienação do trabalho e do sociometabolismo do capital – são características que, por

si sós, atestam a relevância de se estudar de modo sistemático, coletivo e socialmente

referenciado sua obra.

Com isso, o projeto visa a estimular a reflexão crítica interdisciplinar em ciências

humanas e o intercâmbio concreto entre diferentes áreas de pesquisa voltadas à

compreensão do social. Visa, ainda, a contribuir com a reflexão sobre as problemáticas da

educação e o próprio exercício da prática educacional, a partir da problematização

coletiva da relação entre ensino institucional e reprodução social da cultura – ou, de modo

mais geral, a relação entre intelectualidade e sociedade.

11. METODOLOGIA E AVALIAÇÃO


O seminário consistirá, fundamentalmente, de encontros de cerca de três horas de

duração cada, em um dia da semana a ser definido, a cada 3 semanas, em que um

participante previamente indicado (ou um grupo de participantes previamente organizado)

apresentará um capítulo do livro A Teoria da Alienação em Marx, de Mészáros, em uma

exposição com duração entre 40 minutos e uma hora, seguida de debate aberto entre os

participantes, com metodologia específica a ser definida coletivamente nos primeiros

encontros – tempo de fala, rodadas ou inscrições voluntárias, abertura ou não para

considerações finais dos seminaristas, entre outras questões que podem surgir no

planejamento e avaliação da qualidade do debate.

Outras leituras básicas (textos de Marx que são analisados no capítulo em

questão, bem como textos de outros autores que discutam questões relacionadas) serão

indicadas – tanto na Bibliografia Básica, a ser apresentada em reunião de apresentação e

planejamento (v. itens Cronograma e Bibliografia Básica), quanto a cada reunião, de

modo mais específico e aberto a eventuais sugestões de participantes – e deverão ser

levadas em consideração nas apresentações e no debate. Espera-se que o debate

contemple também a discussão coletiva de pesquisas desenvolvidas pelos participantes e

de questões provenientes de outras experiências, em outras áreas de atuação social, dos

mesmos.

Será estimulada a formação de grupos de estudos subsidiários, que aprofundem-

se no exame de pormenores teóricos e questões particulares que surjam dos debates, e

serão posteriormente organizados debates e conferências sobre temas correlatos, com

intelectuais de vulto em diversas áreas da teoria social brasileira contemporânea.

A avaliação das atividades do projeto será feita coletivamente, ao fim das sessões

de seminários, em exercício constante de diagnóstico de falhas e elaboração de

propostas para a melhor efetivação dos objetivos do projeto.

12. RELAÇÃO ENTRE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO


A imbricação entre ensino, pesquisa e extensão é constitutiva deste projeto na

medida em que se estabelece como atividade de pesquisa e formação, em diálogo

transversal entre distintas áreas do conhecimento voltadas à questão social, bem como

em diálogo horizontal com a sociedade, buscando fortalecer coletivamente bases teóricas

e articulações entre universidade e sociedade civil, que permitam a intervenção sobre

questões sociais candentes – bem como, reciprocamente, a intervenção da sociedade em

defesa da universidade pública, num contexto de crise em que o direcionamento do

trabalho acadêmico é objeto de intensas disputas ideológicas.

13. RESULTADOS ESPERADOS

Espera-se com este projeto, num primeiro momento, realizar um debate

qualificado sobre as origens e estrutura da teoria marxiana da alienação, a partir da leitura

de István Mészáros confrontada com outras leituras da obra de Marx de pronunciada

influência no Brasil, para posteriormente aprofundar aspectos específicos desta

problemática. Espera-se que isso ocorra, ao longo do projeto, concomitantemente a uma

crescente articulação entre núcleos de pesquisa, organizações sociais e políticas de

Lavras e região, através – além do seminário, em si – do fomento à formação de outros

grupos de estudo e organização de eventos, como conferências e debates com

estudiosos da teoria social brasileira contemporânea.

14. CRONOGRAMA
14. 1. Segundo semestre de 2019

19-23/08 – Divulgação e reunião de apresentação e planejamento

26-30/08 – 1º seminário: “Introdução” e “Cap. I – Origens do Conceito de

Alienação”

16-20/09 – 2º seminário: “Cap. II – A Gênese da Teoria da Alienação em Marx”

07-11/10 – 3º seminário: “Cap. III – Estrutura Conceitual da Teoria da Alienação

em Marx”

28/10-01/11 – 4º seminário: “Cap. VIII – A Controvérsia sobre Marx”

18-22/11 – 5º seminário: “Cap. IX – Indivíduo e Sociedade”

09-13/12 – 6º seminário: “Cap. X – A Alienação e a Crise da Educação”

14. 2. Primeiro semestre de 2020:

– “Seção II: Aspectos da Alienação” (para a qual serão necessárias quatro

sessões; datas a definir)

– Mesa de Debate: Teoria da Alienação em Marx, 50 anos: István Mészáros e a

atualidade do marxismo (data e conferencistas convidados a definir)