Você está na página 1de 224

~1~

Cora Reilly
#5 Bound by Vengeance

Série Born in Blood Mafia Chronicles

Tradução Mecânica: Anne Pimenta

Revisão Inicial: Anne, Bia, Nicole, Sil, Ju, Tami, Nic e Day

Revisão Final: Sil

Data: 01/2017

Bound by Vengeance Copyright © 2017 Cora Reilly

~2~
SINOPSE

Growl

Ele nunca tinha tido algo para si mesmo, nunca ousou sonhar em
possuir algo tão precioso. Ele era o filho bastardo indesejado que
sempre teve que se contentar com as sobras dos outros. E agora eles
haviam lhe dado o que apenas algumas semanas atrás estava fora de
seu alcance, alguém que nem sequer lhe permitia admirar de longe,
uma de suas mais preciosas posses. Atiraram a seus pés, porque ele era
quem ele era, porque estavam certos de que ele iria quebrá-la. Ele era o
castigo dela, um destino pior do que a morte, uma forma de entregar o
castigo final a seu pai, que tanto os tinha desagradado.

Cara

Ela sempre fora a boa menina. Isso não a protegeu.

Ela não sabia o verdadeiro nome dele. As pessoas o chamavam de


Growl na cara dele, e de Bastardo por trás das costas. Ambos eram
nomes que ele não poderia ter escolhido para si mesmo. Os olhos dele
eram vazios, um espelho devolvia seu próprio medo para ela. Ele era
uma mão brutal da Camorra de Las Vegas.

E agora ela estava à sua mercê.

~3~
A SÉRIE

Série Born in Blood Mafia Chronicles

Cora Reilly

~4~
Prólogo
GROWL
Olhos arregalados. Lábios separados. Bochechas coradas. Pele
pálida. Ela parecia uma boneca de porcelana: Grandes olhos azuis,
cabelos cor de chocolate e pele branca e cremosa; beleza quebrável, algo
que ele não estava destinado a tocar com suas cicatrizes e mãos letais.
Seus dedos encontraram seu pulso; Seus batimentos cardíacos
pulsando rápido como um pássaro. Ela tentou lutar, tentou ser
corajosa, tentou machucá-lo, talvez até mesmo matá-lo. Teria ela
realmente esperado que pudesse ter sucesso?

Esperança; Deixam as pessoas tolas, as fazem acreditar em algo


além da realidade. Ele tinha desistido da esperança há muito tempo.
Sabia do que era capaz. Ela tinha esperança que ela poderia matá-lo.
Ele sabia que poderia matá-la, sem dúvida.

Sua mão rastejou a pele macia da sua garganta, então seus dedos
enrolaram em torno dela. Suas pupilas dilataram, mas ele não colocou
pressão em seu toque. Seu pulso batia contra a palma da mão calejada
dele. Ele era um caçador, e ela rezava. O fim era inevitável. Ele viera
reinvidicar seu prêmio. Foi por isso que Falcone a deu a ele.

Growl gostava de coisas que doíam. Ele gostava de causar dor.


Talvez até amasse; Se ele fosse capaz desse tipo de emoção. Ele se
inclinou até que seu nariz estivesse a centímetros da pele abaixo de sua
orelha e respirou fundo. Ela cheirava a floral com uma pitada de suor.
Medo. Ele imaginou que ele podia cheirar assim também. Ele não podia
resistir e ele não precisava, não mais, nunca mais com ela. Dele. Ela era
dele.

Ele baixou os lábios para sua pele quente. Seu pulso pulsava sob
sua boca onde ele beijou sua garganta. O pânico e o terror batiam em
um ritmo frenético sob sua pele. E isso o deixou fodidamente duro.

Seus olhos procuraram os dele, esperansosos, ainda


esperansosos, mulher estúpida, e implorando por misericórdia. Ela não

~5~
o conhecia, não sabia que a parte dele que não tinha nascido um
monstro, tinha morrido há muito tempo. A misericórdia era a coisa
mais distante da sua mente enquanto seus olhos reivindicavam seu
corpo.

~6~
Capítulo um
CARA
A primeira vez que o encontrei, ele estava disfarçado, vestido com
um elegante terno preto, fazendo parecer que ele era um de nós. Mas
enquanto as camadas de tecido fino cobriam suas muitas tatuagens,
elas não podiam esconder sua verdadeira natureza. Ela transpareceu,
perigosa e assustadora. Naquela época eu nunca teria pensado que eu
iria conhecer ele, e o monstro dentro dele melhor do que eu conhecia
qualquer outra pessoa, e que iria virar toda a minha vida de cabeça
para baixo. Que isso mudaria todo o meu ser para a própria essência.

***

— Eu não posso acreditar que eles te deixaram ir com eles, —


Talia murmurou. Eu me afastei do espelho para olhar para ela. Ela
sentou-se de pernas cruzadas na minha cadeira da escrivaninha,
vestida com suas calças gastas de corrida, e seus longos cabelos
castanhos estavam empilhado em cima de sua cabeça em um bolo
desarrumado. Sua camiseta, uma coisa cinzenta e desbotada, cheia de
buracos e manchas, levaria nossa mãe a um colapso. Talia sorriu
sombriamente quando ela seguiu meu olhar. — Não é como se eu
precisasse me vestir para qualquer um, você sabe.

— Há uma diferença entre não se vestir e entre o que você está


fazendo, — eu disse com uma pitada de desaprovação. Eu não estava
realmente irritada com minha irmã por usar suas roupas mais
surradas, mas eu sabia que seu único propósito era irritar a nossa mãe,
e era um cenário provável dada à tendência da nossa mãe para o
perfeccionismo e exageros. Eu realmente não queria que seu humor
azedasse tão pouco tempo antes da reunião. Eu seria a única a sofrer
desde que papai estava definitivamente fora de questão quando se
tratava de se tornar alvo favorito da nossa mãe. Ela tinha uma

~7~
tendência em torna-lo pessoal se Talia ou eu não estivéssemos
perfeitas.

— Estou fazendo um ponto, — disse Talia com um pequeno


encolher de ombros.

Suspirei. — Não, você está sendo mesquinha e infantil.

— Você é uma criança, muito jovem para uma reunião social na


mansão do Falcone, — Talia entoou em sua melhor imitação do tom
repreensivo de nossa Mãe.

— Este é um evento para adultos. A maioria das pessoas terá


mais de dezoito anos ou muito além. A mamãe está certa. Você não
teria ninguém para conversar e alguém teria que ficar de olho em você a
noite toda.

— Tenho quinze anos, não seis. E você é apenas quatro anos mais
velha do que eu, então não banque a adulta — disse ela, indignada,
levantando-se da cadeira, deixando-a girar em torno de si mesma,
cambaleando para mim. Ela me olhou de frente, me desafiando. — Você
provavelmente disse à nossa mãe para não me levar com você porque
você estava preocupada que você teria que me vigiar e que eu iria
envergonhá-la na frente de seus amigos oh-tão-perfeitos.

Eu arqueei a sobrancelha. — Você está sendo ridícula. — Mas um


lampejo de culpa me invadiu mediante com as palavras de Talia. Eu
não tinha falado com nossa mãe para deixar Talia ficar em casa, mas eu
realmente não tinha me esforçado para minha irmã se juntar a nós
também. Talia estava certa. Eu estava preocupada que eu ficaria presa
a ela durante toda a noite. Meus amigos a toleraram quando nós
ficávamos em casa, mas ser vista com uma menina quatro anos mais
jovem em um encontro oficial não iria cair bem. Uma festa nos Falcone
sempre significou a melhor chance de conhecer bons partidos, e ter que
cuidar da irmã realmente não ajudaria com esse esforço. Queria que
esta noite fosse especial.

Algo na minha linha de pensamentos deve ter mostrado em meu


rosto, porque Talia zombou. — Eu sabia. — Ela girou sobre os
calcanhares e saiu do quarto, fechando a porta com tanta força que eu
não pude evitar de estremecer.

Eu soltei um pequeno suspiro, depois voltei para o meu reflexo,


verificando minha maquiagem e meu penteado uma última vez. Eu
assisti a incontáveis tutoriais de beleza para me certificar de que eu
tinha os olhos esfumaçados. Tudo precisava estar perfeito. Minha mãe

~8~
era crítica, mas Trish e Anastásia eram ainda piores. Elas perceberiam
se eu combinasse o tom errado da sombra dos olhos com o meu vestido
ou se a minha mão estivesse tremula enquanto segurava o meu
delineador, mas suas fiscalizações tinham feito meus preparativos
serem meticulosos. Elas eram a razão pela qual eu nunca me descuidei.
E era para isso que os amigos serviam.

Meu vestido era verde escuro, e minha sombra dos olhos apenas
alguns tons mais claros. Perfeito. Eu verifiquei minhas unhas uma
última vez, mas elas também pareciam impecáveis em seu brilho verde
escuro. Eu alisei o meu vestido algumas vezes até que fiquei satisfeita
com a forma como a bainha roçou em meus joelhos, então verifiquei
meu cabelo novamente, virando-me para ver se os grampos ainda
estavam todos no lugar segurando minha mecha marrom do cabelo
para cima.

— Cara, você está pronta? Precisamos ir — disse a minha mãe do


andar de baixo.

Eu verifiquei meu reflexo e alisei meu vestido novamente,


examinei minha meia-calça, e finalmente me forcei a sair correndo do
quarto antes que minha mãe perdesse a paciência. Mas poderia ter
passado horas verificando minha roupa para possíveis erros se eu
tivesse tempo.

Mamãe estava parada na porta quando desci, deixando o ar fresco


do outono entrar na casa. Ela estava verificando seu relógio dourado,
mas no momento em que me viu, ela agarrou seu casaco de inverno
favorito, uma coisa esplêndida que custou a vida de muitos arminhos1 e
o colocou sobre seu vestido longo. Mesmo com a temperatura sendo
excepcionalmente fria em novembro para Las Vegas, um casaco de pele
estava completamente exagerado, mas desde que minha mãe tinha
comprado há muitos anos na Rússia e o amava, ela o usava em todas
as chances que tinha, não importa o quão inapropriado fosse.

Caminhei na direção dela, ignorando Talia, que se apoiava no


corrimão da escada, com um mau humor estampado no rosto. Eu senti
pena dela, mas eu não queria que ninguém ou nada arruinasse esta
noite. Meus pais quase nunca me permitiram participar de festas e esta
noite era o maior evento do ano em nossos círculos sociais. Todo mundo
que desejava ser alguém em Las Vegas tinha tentado conseguir um
convite para a festa de Ação de Graça de Falcone. Este seria o primeiro

1 Arminho é um carnívoro mustelídeo de pequeno porte pertencente ao grupo das


doninhas. A espécie ocupa todas as florestas temperadas, árticas e sub-árticas da
Europa, Ásia e América do Norte.

~9~
ano que eu frequentaria. Trish e Anastásia tiveram a sorte de ter estado
lá no ano passado também, e se meu pai não tivesse me proibido de ir,
eu teria ido também. Eu me sentia pequena e deixada de fora sempre
que Trish e Anastásia falavam sobre a festa nas semanas antes e
depois, e depois, e elas tinham feito isso sem parar, provavelmente
porque isso lhes dava a chance de se divertir.

— Mostre a Trish e Anastásia seu melhor, e a Cosimo um beijo, —


Talia disse docemente.

Eu ruborizei. Cosimo. Ele estaria lá também. Eu só o encontrei


duas vezes antes e nossa interação tinha sido mais do que um pouco
estranha.

— Talia, coloque esses trapos horrendos no lixo. Eu não quero


encontrá-los em qualquer lugar dessa casa quando voltarmos.

Talia levantou seu queixo teimosamente, mas mesmo do outro


lado da sala pude ver o brilho de lágrimas em seus olhos. Mais uma vez
a culpa inundou-me, mas eu fiquei parada ao lado da porta da frente.
Minha mãe hesitou, como se ela também percebesse o quanto Talia
estava magoada. — Talvez no próximo ano você venha junto. — Ela fez
soar como se não tivesse sido sua decisão de excluir Talia da festa.
Embora, para ser honesta, eu realmente não tinha certeza se Falcone
ficaria feliz se as pessoas começassem a trazer seus filhos mais jovens,
considerando que Falcone não era conhecido por sua paciência ou
senso familiar. Até mesmo seus próprios filhos foram enviados para
internatos na Suíça e na Inglaterra, de modo a não lhe causarem
problemas. Pelo menos, se alguém acreditasse nos rumores.

— Vista um casaco — disse minha mãe. Agarrei um que não era


de pele, o que não era uma façanha fácil no guarda-roupa da minha
mãe, e a segui para fora de casa. Não olhei para Talia quando fechei a
porta. Papai já estava esperando no banco do motorista da Mercedes
preta em nossa entrada. Atrás dele, outro carro com nossos guarda-
costas, estava estacionado. Eu me perguntava como era para as
pessoas que não eram seguidas.

Mãe abriu o casaco um pouco mais. Era Vegas, e não a Rússia,


eu queria dizer a ela. Mas se ela preferisse derreter para que ela
pudesse andar por aí com seu casaco de pele, então esse era seu
problema. Sem dor, sem ganho, eu supus. Anos de aulas de balé me
ensinaram isso.

Ela afundou no assento do passageiro enquanto eu deslizava na


parte de trás do carro. Eu fiz outra varredura rápida em minha meia-

~ 10 ~
calça, mas elas estavam impecáveis. Eu pensei que as empresas
deveriam colocar uma advertência em suas embalagens, como 'Somente
para ficar de pé, movimentos não permitido', considerando o quão fácil
era puxar fio, enquanto não fazia nada além de andar. É por isso que eu
coloquei duas meias novas em minha bolsa, apenas no caso de precisar.

— Apertem os cintos, — disse papai. Mamãe inclinou-se e


acariciou sua cabeça calva com um lenço de papel, absorvendo as gotas
de suor que haviam se reunido ali. Eu não conseguia me lembrar de
papai com cabelo.

— Cara, — disse papai, com um ar de irritação entrando em sua


voz.

Eu rapidamente afivelo o cinto, e ele desliza o carro fora de nossa


entrada.

— Cosimo e eu tivemos uma pequena conversa esta tarde — disse


ele com naturalidade.

— Oh? — Eu disse. Um nó de preocupação se formou em meu


estômago. E se Cosimo tivesse mudado de ideia? E se ele não tivesse?
Eu não tinha certeza de qual opção causou ao meu estômago uma
contração mais forte. Eu forcei meu rosto em uma expressão neutra
quando notei minha mãe me observando por cima do ombro.

— O que ele disse? — Eu perguntei.

— Ele sugeriu que vocês se casassem no próximo verão.

Engoli em seco. — Tão cedo?

Um pequeno olhar franzido apareceu entre as sobrancelhas do


meu pai, mas mamãe falou primeiro. — Você tem dezenove anos, Cara.
Você vai ter vinte no próximo verão. É uma boa idade para se tornar
esposa e mãe.

Minha cabeça girou. Enquanto eu poderia de alguma forma


envolver minha mente em torno de ser a esposa de alguém, eu me
sentia muito jovem para ser mãe de alguém. Quando eu teria a chance
de ser eu mesma? Para descobrir quem eu realmente era e queria ser?

— Cosimo é um homem decente e isso não é uma coisa fácil de


encontrar, — disse papai. — Ele é responsável, e ele é consultor
financeiro de Falcone há quase cinco anos. Ele é muito inteligente.

~ 11 ~
— Eu sei, — eu disse calmamente. Cosimo não foi uma má
escolha, não por qualquer padrão. Ele nem sequer era mau. Só que não
havia a vibração que eu esperava quando encontrasse o homem com
quem eu teria que me casar. Talvez esta noite. Ocasiões como uma festa
não eram o melhor lugar para cair de cabeça por alguém? Eu só
precisava estar aberta a esta possibilidade.

***

Entramos nas instalações da mansão Falcone quinze minutos


mais tarde e dirigimos por mais dois minutos até a garagem, finalmente
chegando a uma majestosa casa e a uma enorme fonte em frente a ela.
A estátua romana jorrava água em tons azul, vermelho e branco.
Aparentemente, um artesão da Itália tinha criado a coisa para Falcone.
Isso deveria ter custado mais do que o carro do papai. Foi apenas uma
das muitas razões pelas quais eu não gostava do Falcone. Pelo que
papai havia me dito sobre o homem, ele era um exibicionista sádico.
Fiquei feliz que minha família e eu estivéssemos do lado dele. Ninguém
queria Falcone como seu inimigo. Onde quer que você olhasse, carros
luxuosos estavam estacionados. A partir do grande número de pessoas,
eu me perguntava como todos os convidados caberiam na casa sem
pisar nos pés um do outro. Diversos manobristas correram em direção
ao carro no momento em que ele parou e abriu as portas para nós. Um
tapete vermelho subia as escadas e atravessava a porta da frente. Eu
balancei a cabeça, mas rapidamente parei no olhar de minha mãe. Ela e
o papai me fizeram caminhar entre eles enquanto nos dirigíamos para a
porta da frente. Lá, outro criado estava esperando por nós com um
sorriso profissional em seu rosto. Nem Falcone, nem sua esposa,
estavam em qualquer lugar para nos receber. Por que eu não estava
surpresa?

O hall de entrada era maior do que qualquer outro que eu já vira.


Uma miríade de figuras de cristal de todos os tamanhos estava de
encontro às paredes e nos armários, e vários retratos enormes de
Falcone e de sua esposa decoravam o topo da parede.

— Seja educada, — sussurrou minha mãe em voz baixa enquanto


éramos conduzidos para as portas duplas que se abriam para o salão de
baile com lustres de cristal e mesas altas com babados que cercavam a
pista de dança. Uma das paredes era delineada por uma longa mesa
cheia de canapés, pilhas de lagostins e lagostas, tigelas cheias de gelo

~ 12 ~
triturado que estavam cobertas com as maiores ostras que eu já tinha
visto, latas com caviar Ossetra2 e cada peça de luxo que eu poderia
imaginar. O mordomo se desculpou no momento em que chegamos
dentro do salão do baile e apressado se encaminhou para os próximos
convidados.

Uma vez lá dentro, deixei meu olhar deslizar sobre os convidados


à procura de meus amigos. Eu estava ansiosa para me juntar a eles e
deixar os meus pais procurem suas próprias companhias, mas minha
mãe não me deu uma chance de procurar por muito tempo. Ela tocou
meu antebraço levemente e sussurrou em meu ouvido. — Comporte-se.
Teremos de agradecer primeiro ao Sr. Falcone pelo convite.

Olhei por ela para onde papai já estava falando com um homem
alto de cabelos negros. Ele segurou seus ombros em uma suposição,
como se estivesse tentando curvar-se diante de seu chefe sem se curvar.
A visão deixou um sabor amargo em minha boca. Com a palma da mão
da minha mãe descansando contra as minhas costas, eu me aproximei
de meu pai e de seu chefe. Paramos um par de passos atrás deles,
esperando que eles se virassem para nós. Os olhos escuros de Falcone
me encontraram primeiro antes que papai percebesse nossa presença. A
frieza deles me fez tremer. Sua camisa branca e gravata preta fez com
que ele parecesse ainda mais intimidante, o que era incomum,
considerando que as gravatas borboletas geralmente deixam seus
usuários parecerem engraçados para mim.

Depois da troca de algumas gentilezas sem sentido, fui finalmente


liberada e corri em direção a um dos garçons equilibrando uma bandeja
cheia de taças de champanhe em sua palma. Ele estava vestido com um
smoking branco e sapatos branco polidos. Pelo menos seu traje o
tornou mais fácil reconhece-los.

Um de nossos guarda-costas seguiu alguns passos atrás de mim,


enquanto eu andava para longe dos meus pais, o outro se posicionou
na beira perto dos convidados reunidos e manteve um olho em meus
pais. Eu me perguntava por que era mesmo necessário ter nossos
guarda-costas conosco em uma festa de nossos supostos amigos. Eu
empurrei o pensamento para o lado, querendo aproveitar esta noite, e
tomei uma taça de champanhe com um agradecimento rápido, então
tomei um longo gole do líquido, fazendo uma careta ao gosto azedo.

2 Os caviar de Ossetra são as mais populares e procuradas variedades de caviares.

~ 13 ~
— Como você pode fazer uma careta enquanto bebe Dom
Perignon, a melhor bebida deste mundo, — disse Trish, aparecendo ao
meu lado do nada e pegando uma taça de champanhe para si mesma.

— É a bebida dos deuses, — entoou Anastásia, e era irritante que


eu não sabia se ela estava fazendo uma piada ou estava sendo honesta.

— Estou tentando me acostumar — admiti, abaixando a taça de


meus lábios. O álcool estava começando a fazer sua mágica e por isso
fiquei grata depois da curta conversa com Falcone. Ambas as minhas
amigas estavam vestidas de forma impecável. Anastásia em um vestido
longo prata, e Trish em um vestido de cocktail verde claro que escovava
seus joelhos. Não que eu tivesse esperado nada menos delas. Elas me
contaram cada detalhe sobre sua viagem as compras dos novos vestidos
para a ocasião. Claro que eu não tinha sido permitida a ir com elas
apesar de minhas melhores tentativas de convencer meus pais. Em vez
disso, minha mãe me fez usar um vestido que eu tinha comprado para o
Natal no ano passado. Meu único consolo era que ninguém, a não ser
minha família, tinha me visto usá-lo, então eu não me constrangeria na
frente de meus amigos.

— Ouvi dizer que é um gosto adquirido. — Acrescentou Trish,


pensativa. Ela tomou um pequeno gole de seu copo, sua expressão
transformando em um tom de felicidade. — Suponho que sempre tive
um dom para Dom Perignon e no ano passado eu certamente tive
chances suficientes para me acostumar ao seu gosto, e eu pretendo
beber ainda mais vezes no futuro. — Ela e Anastásia compartilharam
um riso, e eu amaldiçoei meus pais novamente por me protegerem tanto
quanto eles poderiam. Se Trish e Anastásia pudessem enfrentar os
supostos perigos do nosso mundo, eu também poderia.

Trish me deu um sorriso provocante, então me abraçou com um


braço, com cuidado para não arruinar os nossos penteados e nem a
maquiagem. Anastásia apenas sorriu. Seu corpete era uma obra-prima
de pérolas e bordados. — Estou preocupada que vá puxar fio se nos
abraçarmos, — disse ela em meia desculpa.

— Isso é razoável, — eu disse, tomando outro gole de minha


bebida e forçando meu rosto em prazer em vez de repulsa com o gosto.
Eu sabia que para a maioria das pessoas este champanhe era o auge de
suas fantasias de bebida, mas eu simplesmente não poderia desfrutar.
Eu teria que me esforçar mais se eu não quisesse ver a expressão de
piedade de Anastásia novamente.

— Uma de suas mechas de cabelo está solta, — disse ela.

~ 14 ~
Minha mão livre voou até o ponto que ela estava olhando e eu
tentei encontrar o grampo antes que isso pudesse arruinar meu
penteado. Outros convidados estavam jogando olhares na minha
direção de qualquer maneira, já que esta era a minha estreia em uma
festa. Eu não poderia arriscar aparecer nada menos do que impecável.

— Permita-me, — Trish disse, simplesmente empurrando o


grampo alguns centímetros para trás. — Feito, tudo pronto. — Seu
sorriso era amável.

Isso é tudo? Pela reação de Anastásia poderia ter pensado que eu


tinha cometido um pecado imperdoável.

— Há uma boa seleção hoje à noite. — Disse Anastásia. Seus


olhos persistentes em um grupo de homens em frente de nós deixando
claro que ela não estava falando sobre o aparador de comida.

Os homens que estavam em seu foco eram todos pelo menos dez
anos mais velhos do que nós, e enquanto eu examinava o resto da sala,
eu constatei que nós estávamos entre os convidados mais novos. A
maioria dos convidados trabalhava para Falcone. Era uma festa para
seus súditos; Eu duvidava que ele tivesse algum amigo. Homens como
ele não podiam pagar por esse luxo.

— Mas, claro, você não tem mais olhos para os outros homens
agora que está noiva de Cosimo, — continuou Anastásia, arrastando-me
de volta à realidade.

Eu não sabia o que dizer a isso. Sua voz tinha sido estranha. Ela
estava com ciúmes? Seu pai provavelmente já estava procurando um
partido apropriado para ela, assim logo ela estaria comprometida
também.

— Vamos nos casar em breve. — Falei em tom apaziguador.

— Você colocou as mãos no solteiro mais cobiçado, isso é certo, —


ela disse com um sorriso tenso. Então ela soltou uma gargalhada e
bateu sua taça contra a minha. — Estou brincando, não pareça tão
chocada.

Eu ri, aliviada. Eu realmente não queria brigar com Anastásia por


Cosimo. Todas nós casaríamos com bons partidos.

A música começou e eu tomei outro gole da minha bebida. Eu


estava começando a relaxar graças ao álcool se espalhando em meu
sangue e quase não percebendo os olhares curiosos ocasionais dos
outros convidados. Na próxima festa, eu já seria uma deles e alguém

~ 15 ~
estaria no centro das atenções. Trish batia o pé no chão de madeira no
ritmo da música e cantarolava alguns trechos antes que Anastásia lhe
lançasse um olhar. Eu tive que reprimir uma risada. A dinâmica entre
elas era ridícula às vezes.

Para minha surpresa, eu percebi que meu guarda-costas tinha


desaparecido de vista para me dar privacidade com meus amigos.
Lentamente mas certamente, esta noite estava ficando boa.

Eu sabia que Talia me escutaria contar detalhes sobre a festa


quando eu voltasse esta noite, mas nossos pais tinham razão quando
insistiram que ela era muito jovem para um evento social na casa de
Falcone. Claro que não lhe diria isso novamente. Seria difícil o
suficiente fazê-la me perdoar, embora alguns sutis rumores
provavelmente a amansaria. Não que eu fosse uma socialite experiente.
Eu teria que confiar em Trish e Anastásia para isso. O aborrecimento
com meu pai ressuscitou em mim. Talvez ele tenha se recusado a me
levar a uma reunião social até agora, porque ele pensou que eu o
envergonharia na frente de seu chefe. Eu o ouvi dizer a minha mãe
várias vezes o quão terrível e brutal era Falcone, por isso não era
exagero que meu pai pensou que eu poderia me acovardar com medo
diante daquele homem, o que era ridículo. Ele ainda era humano, não o
monstro que papai sempre o fazia parecer, e mesmo que fosse, duvidava
muito que ele odiasse me ver encolher de medo. Provavelmente o
excitaria se fosse o homem que papai descrevera.

— Eles são um pouco velho demais para o meu gosto, — disse


Trish, então tomou outro gole de seu champanhe, voltando ao nosso
tópico anterior.

— Eu não me importo. Eu quero ser tratada como uma princesa


pelo meu marido e homens mais velhos são mais propensos a isso, do
que rapazes mais novos, — disse Anastásia. Ela me deu um sorriso. Por
alguma razão, ele parecia falso. — Pelo que ouvi dizer o acordo entre
sua família e Cosimo está quase concluído, sua festa de noivado será
em breve.

Eu fiz uma careta ao ouvir a palavra — Acordo — quando me veio


à possibilidade de me casar com Cosimo. Mas com toda a honestidade,
era provavelmente o termo que se encaixava melhor em todo o arranjo.
Eu dei um pequeno encolher de ombros, tentando agir indiferente. Eu
não queria falar sobre ele esta noite, especialmente porque o tema
parecia irritar Anastásia.

~ 16 ~
— Oh meu Deus, Falcone convidou o monstro, — sussurrou
Trish, segurando meu braço e quase me fazendo derramar o
champanhe sobre seu vestido. Eu segui seus olhos castanhos em
choque para um canto do salão onde um homem alto e musculoso se
apoiava contra uma parede. Ele estava vestido com uma camisa branca
que se esticava perfeitamente contra seu enorme peito, um terno preto e
sapatos pretos. Na verdade ele não parecia tão diferente dos outros
homens na sala, exceto pela falta da gravata, se você levasse apenas o
seu traje em consideração. Mas o resto dele, Deus tenha misericórdia.

Ele parecia muito domesticado para alguém como ele. Ou pelo


menos ele tentou. Não enganava ninguém com sua natureza. Parecia
irradiar como uma nuvem escura de perigo sobre ele. Era quase
palpável, mesmo de longe.

Papai o mencionara uma ou duas vezes em voz baixa, mas eu


nunca o tinha visto, e ele definitivamente não era do tipo que aparecia
nas reportagens do jornal. Eu duvidava que qualquer jornalista fosse
louco o suficiente para arriscar a ira de um homem como ele.

— O Bastardo, é como a maioria das pessoas o chamam, —


acrescentou Anastásia. Ela parecia um gato que tinha visto um
pássaro. Eu sabia por que ela estava tão animada. Até agora nada de
interessante tinha acontecido, mas Anastásia provavelmente esperava
que isso tivesse o potencial para algumas fofocas.

— Qual é o nome verdadeiro dele? — Perguntei. Tentei uma vez,


mas o olhar que ela me deu não me fez perguntar outra vez.

— Eu não sei seu nome verdadeiro. Ninguém sabe. As pessoas o


chamam de — Growl3 — na sua frente, e — O bastardo — pelas costas.

Eu dei a ela um olhar. Sério? Ambos eram nomes que ele não
poderia ter escolhido para si mesmo. Alguém tinha que saber seu nome.
Pelo menos, Falcone. Ele sabia tudo sobre seus súditos. — Por que as
pessoas o chamariam assim?

Anastásia encolheu os ombros, mas não olhou para mim. — Há


algo errado com suas cordas vocais desde o acidente horrível. É por isso
que ele tem aquela grande cicatriz.

Eu não conseguia ver a cicatriz na posição que estávamos.


Estávamos muito longe. Presumi que Anastácia tivesse obtido esta
informação através de fofocas também. — Que tipo de acidente?

3 Similar a um rosnado, devido sua rouca voz enquanto ele falava, causada pelo
acidente.

~ 17 ~
— Eu não sei. Algumas pessoas dizem que a máfia russa fez isso,
outros dizem que ele tentou se matar porque não está bem da cabeça,
mas ninguém sabe ao certo, — Anastácia respondeu em voz baixa.

Quem tentaria se matar assim? E Growl não parecia ser um cara


que cometeria suicídio. A primeira história com a máfia soou muito
mais provável. — Então eles o chamam de Growl, porque é o como se
parece quando ele fala? — Perguntei.

Anastácia mal parecia registrar minhas palavras, mas Trish


assentiu com a cabeça em confirmação.

Não perguntei por que o chamavam de bastardo. Isso eu poderia


presumir. As pessoas em nosso mundo não olhavam de bom grado para
as crianças que nasciam fora do casamento. Era antiquado e ridículo,
mas algumas coisas nunca mudam. Eu não sabia quem eram seus
pais. Não podiam ser membros do alto escalão da sociedade, isso era
certo.

Eu dirigi meus olhos novamente para o homem. Ele parecia


completamente indiferente ao que estava acontecendo ao seu redor,
como se essa festa fosse apenas mais um de seus deveres. Mas algo me
dizia que apesar do tédio aparente, ele estava em alerta. Eu duvidava
que algo passasse despercebido de sua atenção. Ele estava segurando
uma taça de champanhe em suas mãos, mas ainda estava cheia. O
cristal elegante parecia pequeno comparado a ele e eu estava
maravilhada que ele ainda não a tivesse esmagado na mão. Como se ele
pudesse ler minha mente, ele virou a cabeça e olhou diretamente para
nós. Trish soltou um suspiro e tremeu ao meu lado, derramando
algumas gotas de sua bebida no chão de madeira caro. Ela realmente
não poderia ter agido de forma mais suspeita se ela tivesse tentado.
Depois de um momento, Trish e Anastácia baixaram a cabeça,
quebrando o contato visual. Talvez para fazê-lo acreditar que não
estavam o observado, ou talvez simplesmente não pudessem suportar o
poder de seu olhar. Agora eu entendia por que meus pais e até meus
amigos pareciam tão aterrorizados quando conversavam sobre ele.
Mesmo a distância, seus olhos quase fizeram meus joelhos se curvarem.

Não foi só o medo que fez meu coração acelerar; Havia algo perto
da emoção também. Era como assistir a um tigre através do vidro do
seu recinto e se maravilhar com seu poder. Só que aqui a única coisa
que o impedia de atacar, era as regras sociais, mesmo que alguém como
ele fosse obrigado. A coleira que Falcone colocava não era física ou
visível, mas estava ali.

~ 18 ~
Eu me perguntava o que estava acontecendo em sua cabeça.
Como ele se sentia rodeado de pessoas com as quais quase não tinha
nada em comum? Ele era um deles, mas ainda assim, não realmente.
Um homem das sombras porque ninguém o queria na luz. Quando
percebi o quanto eu estava olhando, desviei o olhar, mas a palpitação
no meu pulso continuou errática tempos depois. Eu não tinha certeza
de quando tempo eu não me sentia assim... Viva pela última vez. Minha
vida sempre serpenteava em caminhos predeterminados, mas esta noite
parecia uma aventura.

— Oh meu Deus, isso foi assustador, — Anastácia sussurrou. —


Ele deveria ter ficado no buraco de onde ele saiu.

Eu não podia dizer nada. Minha língua parecia estar presa no céu
da minha boca.

— Ele ainda está olhando? — Eu perguntei eventualmente, meus


olhos fortemente fixados sobre as bolhas da minha taça.

— Não, ele se foi, — Anastácia disse sem alívio. — Eu não posso


acreditar que ele veio aqui. Pessoas como ele devem ficar entre si e não
fingir que pertencem ao nosso meio.

Olhei para o canto onde ele tinha estado antes, mas como
Anastácia havia dito, ele tinha ido embora. Por alguma razão, eu fiquei
incomodada porque não sabia para onde ele tinha ido. Ele era uma das
pessoas que você gostaria de acompanhar porque temia que pudessem
chegar furtivamente perto de você. E eu poderia jurar que ainda podia
sentir seus olhos sobre minha pele. Eu tremi. A paranoia geralmente
não era meu estilo.

Procurei ao redor, mas ele estava longe de ser visto. Eu afastei a


ridícula sensação de ser vigiada. Não era de meu feitio começar a agir
como paranoica. Se eu fizesse algo para se envergonhar aqui, este seria
um dos poucos lugares que eu seria convidada novamente. Ou pior,
Cosimo decidiria que eu não estava apta para se tornar sua esposa.
Mamãe e papai nunca me perdoariam se isso acontecesse.

— Olha quem está vindo, — disse Trish em voz baixa, e por um


momento, meu coração parou, eu realmente pensei que fosse Growl.

Eu virei para ver de quem ela estava falando e senti o calor subir
em minhas bochechas. Cosimo estava a caminho. Ele estava vestido
com um terno cinza, cabelos loiros escuros e óculos sob o nariz.

— Parece um corretor. — Comentou Trish em voz baixa.

~ 19 ~
Ele conseguiu o dinheiro de Falcone, então isso não estava muito
longe. O terno era sua segunda pele. Eu nunca o tinha o visto em outra
coisa. Era um forte contraste do homem que eu estava espionando há
poucos segundos atrás.

Trish e Anastásia deram um passo para o lado, amontoando-se e


fingindo dar a Cosimo e eu um pouco de privacidade, o que realmente
era apenas fingimento, pois eu sabia que elas estariam observando
nossos lábios, memorizando nossas palavras.

Eu duvidava que elas fossem usá-las contra mim. Elas eram


minhas amigas, afinal, mas eu não queria arriscar.

Cosimo parou um pouco perto demais e levou a mão aos lábios.


Quase revirei os olhos para o gesto, embora uma pequena parte de mim
saboreou os olhares apreciativos que Trish e Anastásia trocaram.

— Você quer dançar? — ele perguntou, com voz suave e uniforme.


Que, assim como o terno, sempre foi o mesmo. Trish o havia comparado
a uma máquina bem lubrificada uma vez. O termo se encaixava muito
bem. Seus olhos corriam para minhas amigas, mas ele não disse nada.
Eu não segui o seu olhar, preocupada que Anastásia ficasse chateada.
Às vezes eu não tinha certeza do que diabos estava acontecendo com
ela.

Deixei que ele me guiasse em direção à pista de dança, consciente


dos olhares curiosos das minhas amigas em nós, e elas não eram as
únicas nos olhando. Meus pais também tinham voltado a sua atenção
para nós. Eu quase me encolhi com tanta atenção.

Não tropece, eu disse a mim mesma uma e outra vez quando nós
começamos a nos mover conforme a música.

Como nós dançávamos intimamente, eu esperei por uma


vibração, por algo, uma pequena palpitação no meu pulso, mas nada
aconteceu. Não que Cosimo parecesse que estava loucamente
apaixonado por mim. Não que o amor era necessário para um
casamento, mas teria sido bom, no entanto. Cosimo tentou uma
conversa. Sobre o tempo, como adorável meu vestido parecia, isso e
aquilo que ele pensou que eu talvez possa estar interessada. Ele não
poderia ter ido mais longe.

Minhas amigas ainda estavam observando Cosimo e eu. Embora


'observar' não fosse o termo certo para o olhar que Anastásia estava me
dando. Eu realmente esperava que ela encontrasse um bom homem
para ela em breve. Conhecendo-a como conhecia, ela provavelmente

~ 20 ~
estava apenas chateada que pela primeira vez eu estava na liderança,
mesmo que eu não teria me importado se meu pai tivesse tido mais
tempo para encontrar alguém para mim. Eu forcei meu olhar longe de
sua cara feia e deixei meus olhos se estabelecerem no canto onde Growl
estava. Ele não estava mais lá.

— Minhas amigas e eu notamos um homem encostado ali mais


cedo, — eu disse, nem mesmo tendo certeza do que Cosimo tinha
estado divagando antes que eu o interrompesse. — Minhas amigas me
disseram que seu nome era Growl. Ele parecia...

Cosimo aumentou seu aperto nas minhas costas. — Ele não deve
ficar onde ele não pertence, — disse Cosimo com uma rispidez e isso me
surpreendeu, então ele me deu um olhar encorajador. — Não se
preocupe. Você está segura. Ele sabe que não é permitido chegar perto
de mulheres como você.

Eu abri minha boca para mais perguntas, mas Cosimo balançou


a cabeça. — Vamos falar de outra coisa.

Não havia mais nada que eu quisesse falar, mas Cosimo e eu


continuamos uma pequena conversa. Mas eu não parava de olhar o
lugar onde Growl havia estado.

Cosimo levou-me de volta para as minhas amigas e um olhar


passou entre Anastásia e ele. Sua carranca, obviamente, não tinha
passado despercebido por mim. Se eu fosse mais corajosa, eu a teria
confrontado e lhe perguntado qual era o problema, mas eu
definitivamente não queria nenhum problema em minha primeira festa.

Cosimo desculpou-se e foi em direção a um grupo de homens,


incluindo Falcone. Trish me entregou uma taça de champanhe. —
Como foi?

— Bom, — eu disse automaticamente, sem querer admitir a elas


que eu não poderia me importar menos sobre meu noivado.

— Vocês pareciam bonitos juntos, — Anastásia disse docemente.


Pegando-me de surpresa, e eu me senti relaxar na mesma hora.
Aparentemente, Anastásia tinha percebido que não havia razão para ela
estar com ciúmes de mim e Cosimo.

~ 21 ~
Capítulo dois
CARA
Eu me perdi no meio do caminho; As três taças de champanhe
que tinha bebido, realmente não ajudaram muito. Esta casa era um
labirinto, obviamente construído para impressionar e intimidar, e não
tanto como um lugar para se sentir confortável e atualmente viver. Pelo
menos eu nunca poderia imaginar me sentir confortável em um lugar
como este, mas talvez a pintura quase em tamanho natural de Falcone
tinha algo a ver com isso também. Seus olhos assombrados pareceu me
seguirem onde quer que eu fosse.

Eu me atrapalhei com meu celular na minha bolsa e o puxei para


fora, mas hesitei no último instante. Quão embaraçoso seria se eu
chamasse Anastásia ou Trish e lhe dissesse à verdade, que eu consegui
me perder ao ir procurar o banheiro feminino? A atmosfera entre nós
tinha sido tensas desde a minha dança com Cosimo de qualquer
maneira. Não havia necessidade lhes dar mais munição contra mim.

Pela primeira vez, eu desejei que Talia estivesse aqui. Nós iriamos
rir sobre isso juntas, e ela me zoaria sobre isso por um longo tempo,
mas nunca fora de sua malícia. Ela não contaria para outras pessoas.

Fiz uma pausa, percebendo que eu nem sequer confiava nas


minhas duas melhores amigas. Eu balancei minha cabeça. Este era o
mundo em que eu vivia. Você não pode confiar nas pessoas, nem
mesmo nas pessoas que você chamava de seus amigos, isso é o que
meu pai sempre disse. Eu sempre fui relutante em acreditar nele. Eu
coloquei meu telefone de volta na minha bolsa. Eu não ia ligar para
elas, de maneira nenhuma.

Mamãe também estava fora de questão de qualquer forma.

E Cosimo. Não, eu não preciso de outra razão para que seja


estranho entre nós. E não havia diferenças entre ele e um estranho. Eu
tinha um pressentimento que isso não mudaria até dia do nosso
casamento e talvez muito tempo depois.

~ 22 ~
Com um suspiro, eu continuei. Em algum momento eu teria que
ver algo que eu reconheceria e encontraria o meu caminho de volta para
a festa.

Virei em outro corredor desconhecido – eles realmente pareciam


ser todos iguais – foi quando vi alguém no corredor apenas alguns
passos a minha frente. Finalmente, alguém que poderia ser capaz de me
apontar à direção certa!

Minha alegria se transformou em choque, então em medo quando


eu percebi quem eu tinha encontrado.

Growl.

Ele não se moveu. Apenas ficou lá. Era como se ele já estivesse
neste corredor por um tempo.

À espera de uma vítima, talvez, minha mente hiperativa sugeriu.

Mas tanto quanto eu queria zombar interiormente da ideia, eu


tinha a sensação de que não era assim tão distante. Medo e fascínio
começaram uma batalha em mim, e eu me lembrei de que ele não iria
me tocar. Meu pai era muito importante para Falcone, e isso significava
que eu era também. Talvez Growl fosse um assassino implacável, pouco
mais do que uma máquina de matar e um monstro, mas ele era
definitivamente um monstro inteligente ou ele não teria chegado tão
longe. E ainda assim eu esperava que meus guarda-costas viriam me
encontrar em breve. Mesmo que eles tivessem me visto deixando à
festa? Eles tentaram dar liberdade as minhas amigas e eu. Mas agora
eu queria que eles não tivessem feito isso.

Os olhos de Growl não demonstraram nada enquanto me


observavam. Uma de suas muitas tatuagens espreitou fora. Eu nunca
tinha visto elas, mas você não pode ser uma parte da sociedade e não
ouvir as histórias. Mesmo vestido com um terno, disfarçado como um
de nós, ele não conseguia esconder quem ele era. Suas tatuagens a
mostra era uma pequena dica do monstro debaixo do traje caro. Eu me
perguntava como ele ficaria sem o terno. Calor subiu em minhas
bochechas com o pensamento ridículo. Eu definitivamente tinha bebido
muito.

Uma carranca atravessou seu rosto antes dele desaparecer e eu


perceber quanto tempo eu estava olhando para ele de novo, julgando-o.
Eu provavelmente não tinha conseguido esconder meus pensamentos
muito bem. Um erro que poderia arruinar tudo em nosso mundo. Meus
pais me ensinaram como funcionavam as coisas.

~ 23 ~
A porta atrás dele, parecia vagamente familiar. Levava ao lobby
principal. Eu não me movi. Fazer o caminho de volta para a festa,
significava ir para perto dele.

Era ridículo. Eu não era qualquer uma. E não estávamos em


qualquer lugar. Ele não faria nada. Mesmo que ele tivesse regras uma
delas era que eu estava fora dos limites, assim como todas as meninas
de famílias como a minha. Não importa o quanto absurda à declaração
de Anastásia soou, era verdadeira.

Eu inclinei meus ombros e dei alguns passos determinados em


direção a Growl. Chegando mais perto meu pulso acelerou. Growl era o
caçador e eu era a presa, o que não fazia sentido desde que ele não
tinha se movido desde a minha chegada ao corredor. Estou a pensar
sobre isso, ele nunca chegou a falar quando eu estava me aproximando.

— Eu sou Cara, — eu disse com voz apressada. Talvez se eu


pudesse fazê-lo falar, ele não pareceria tão perigoso, mas ele não reagiu
só me olhou com uma expressão ilegível, e depois a porta se abriu atrás
dele, e minha mãe apareceu.

Seus olhos pousaram em mim, em seguida, mudou-se para


Growl, e sua expressão tornou-se rígida.

— Cara, eu e seu pai estávamos procurando por você. Volte para


o salão, — disse ela, ignorando completamente o homem no corredor
com a gente.

Eu balancei a cabeça e corri passando por Growl. Seus olhos,


âmbar escuro me seguiram, mas ele permaneceu em silêncio. Quando
olhei de volta para ele, uma emoção percorreu meu corpo e eu tive que
parar de olhar por cima do ombro.

No momento em que eu e minha mãe estávamos fora do corredor


e em uma sala deserta, ela agarrou meu braço em um aperto
esmagador. — O que você estava pensando em ficar sozinha com
aquele... Aquele homem, — ela praticamente cuspiu a última palavra.
Seus olhos estavam arregalados e quase frenéticos. — Eu não posso
acreditar que eles o deixaram entrar. Seu lugar é em uma gaiola com
algemas, longe de qualquer pessoa decente.

Suas unhas cravaram em meu braço.

— Mãe, você está me machucando.

Ela me soltou e eu finalmente reconheci a emoção no seu rosto.


Não era raiva, mas preocupação.

~ 24 ~
— Eu estou bem, — eu disse com firmeza. — Eu me perdi e me
deparei com ... — Eu procurei em minha mente por um nome diferente
de Growl, um que não parecesse muito com um apelido, ao redor da
minha mãe, mas fiquei de mãos vazias.

— Cara, você não pode sair andando por aí, sem pensar nas
consequências de suas ações.

— Eu estava procurando o banheiro. Eu não estava passeando


por aí, — eu disse.

— Cosimo é um bom partido. Não vá estragar tudo agora.

Pisquei, incapaz de acreditar nos meus ouvidos. — É com isso


que você está preocupada?

Mamãe respirou fundo e colocou sua mão no meu rosto. — Estou


preocupada com você. Mas isso também inclui a sua reputação. Neste
mundo, uma mulher não é nada sem uma boa reputação. Para um
homem, isso é uma questão diferente. Eles podem fazer o que eles
quiserem e isso ainda vai ajudar a sua reputação, mas somos obrigadas
a seguir diferentes padrões. Precisamos ser tudo o que eles não são.
Precisamos compensar as suas falhas. Isso é o que significamos para
eles. Nós, você, precisa ser gentil e dócil e virtuosa. Os homens querem
tudo e devemos manter nossos desejos firmemente trancados, Mesmo
que os homens não possam.

Não era a primeira vez que ela dizia algo assim para mim, mas a
maneira como ela acentuou a palavra — desejo — em seu discurso me
deixou preocupada de que ela sabia da reação do meu corpo com a
proximidade de Growl.

Ela não precisava ter se preocupado. Meu medo sobre esse


homem, de tudo o que ele representava e do que ele era capaz, superou
qualquer pequena arrepio de excitação que meu corpo poderia ter
sentido ao seu redor.

GROWL
Growl as assistiu sair do corredor. A porta se fechou e ele estava
sozinho novamente. Seu aroma de baunilha ainda permanecia no ar.

~ 25 ~
Doce. As meninas gostavam sempre de escolher aromas doces. Ele não
entendia por que elas tentavam parecer ainda mais inofensivas por
cheirar como uma flor delicada.

Ele puxou o colarinho. Muito apertado. O tecido contra sua


cicatriz, que ele tanto odiava. Este terno, esta camisa, não eram ele.

O olhar no rosto de sua mãe tinha o lembrado do porque ele


odiava eventos como este. As pessoas não o queriam por perto. Eles
queriam que ele fizesse o trabalho sujo, e eles apreciavam falar merdas
sobre ele, mas eles não o queriam ele próximo.

Ele não dava à mínima.

Eles não eram nada para ele.

Ele sabia que eles o viam como um animal de circo. Ele foi o
escândalo da noite. A menina com cheiro doce, também, tinha estado a
observá-lo. Ele tinha visto ela e suas amigas o observando do outro lado
do salão.

Mas a menina com cheiro doce o surpreendera. Ele sabia sobre


sua família. É claro. Falcone tinha falado sobre seu pai e sua família
com muita frequência nas últimas semanas. Cara.

Ela não tinha fugido gritando, apesar de ter ficado sozinha no


corredor com ele. Ela ainda não parecia muito assustada. É claro que
tinha estado com medo; havia sempre o medo, mas tinha havido um
‘que’ de curiosidade também. Porque ele era um monstro que eles
temiam e os fascinavam também.

Ele não se importava. Ela era apenas uma menina. Uma menina
da sociedade com um vestido bonito e um rosto ainda mais bonito. Ele
não deu a mínima para sua beleza. Não significou nada. Foi fugaz,
poderia ser levada em um piscar de olhos. Mas seus olhos haviam a
procurado várias vezes durante a noite. Ele tinha imaginado rasgando
seu vestido bonito fora de seu corpo, imaginou também passar as mãos
não dignas sobre suas curvas. Em seguida, ele forçou o olhar e deixou o
salão do baile antes que ele pudesse fazer algo muito estúpido. Ela era
alguém que ele não deveria ter. Alguém que não deveria sequer
imaginar ter. Ela era alguém para admirar de longe. E era melhor
assim.

CARA

~ 26 ~
Naquele dia, pouco depois de voltarmos para casa e eu estava
deitada na cama, meus dedos encontraram o ponto ideal entre as
minhas pernas, respondendo à necessidade que tinha me atormentado
desde que eu tinha visto Growl. O manto da escuridão lavou minha
resistência e minha preocupação em ser pega. Até mesmo quando as
palavras de minha mãe ecoaram na minha cabeça isso não foi capaz de
me parar. — Seja adequada, seja virtuosa. Isso é pecado. — A imagem
do temível homem tinha causado um formigamento doce no meu
núcleo, e eu era incapaz de resistir. Errado, minha mente gritava, mas
eu bani o pensamento até que finalmente meu corpo estremeceu com a
liberação.

Mas segundos depois, uma sensação familiar de estar suja tomou


conta de mim. Este era o pecado. Minha mãe não tinha parado de dizer
essas palavras para mim desde o dia em que ela me pegou tocando-me
há dois meses. Eu não tinha caído em tentação as minhas necessidades
pecadoras desde então, até esta noite.

Eu respirei fundo, desejando que meu coração parasse de tremer.


Desejando que meu corpo parasse de me lembrar o que eu tinha feito.

Desde que minha mãe me pegou havia uma tensão entre nós. Eu
mal podia suportar. Ela evitou meus olhos enquanto eu evitava os dela.
Eu estava quase feliz que meu casamento estava se aproximando
rapidamente, assim eu finalmente poderia escapar do seu julgamento.
Eu ainda sentia uma onda de vergonha quando me lembrava daquele
dia do flagrante e de seu olhar em choque. Não tinha sido a primeira vez
que eu tinha me tocado, mas a primeira vez que eu realmente entendi
que era errado. Eu tinha jurado a mim mesma naquela época nunca
deixar meu corpo se sobrepor sobre meu cérebro novamente e agora eu
tinha quebrado essa promessa. Na proteção da noite, eu ousei deixar
meus dedos vaguearem de novo, tudo por causa de um homem a quem
eu não deveria sequer pensar, muito menos fantasiar. Era errado.

Eu era fraca e pecadora, mas nos breves momentos de prazer, eu


me senti mais viva do que em qualquer outro momento da minha vida.

~ 27 ~
Capítulo três
CARA
Eu sabia que algo de errado estava acontecendo quando eu olhei
para meu pai durante o jantar. Ele tinha a energia nervosa de um
animal enjaulado. Os olhos de Talia se lançaram para mim, as
sobrancelhas escuras arqueando-se em uma pergunta silenciosa. Ela
sempre tentou agir como se ela fosse crescida, e ainda assim ela ainda
parecia pensar que eu sempre sabia mais do que ela. Mas sempre houve
mais perguntas do que respostas em nossa casa.

Eu dei de ombros e lancei um olhar para nossa mãe, mas sua


atenção estava voltada para papai, lá estava à mesma expressão curiosa
em seu rosto que de Talia estava me dando. Nenhuma de nós parecia
ter respostas; Papai olhou fixamente para baixo em seu iPhone, mas a
tela permaneceu apagada. Tudo o que ele estava esperando e
esperando, não estava acontecendo. Seus os dedos tamborilando em
um ritmo irregular no mogno da nossa mesa da sala de jantar. Papai
normalmente usava as unhas meticulosamente curta, mas o que o
transformou na pilha de nervos antes de nós, o fez esquecer a sua
higiene pessoal.

— Brando, você mal tocou o seu jantar. Você não gostou do


roastbeef? — perguntou mamãe. Ela passou duas horas na cozinha
preparando a nossa comida de domingo. Em todos os outros dias da
semana tínhamos nosso cozinheiro responsável pela culinária.

Papai saltou na cadeira. Seus olhos injetados arregalados


encontraram os de mamãe, então ele olhou para Talia e eu. Uma
inquietação embrulhou a boca do meu estômago. Eu nunca tinha visto
ele assim. Papai era calmo e analítico. Pouco lhe fazia perder a
paciência. Mas desde a festa no Falcone, ele parecia um pouco
sobrecarregado.

— Eu não estou com fome, — papai disse antes de seu olhar


voltar diretamente para o seu telefone celular.

~ 28 ~
Olhei para a barriga caída sobre o cinto. Pai gostava de comer, e
ele nunca deixava o roastbeef da mamãe ir para o lixo.

A tela do seu telefone acendeu com uma mensagem e seu rosto


empalideceu. Pousei meu garfo, já sem fome. Mas eu não tive a chance
de lançar outro olhar interrogativo para mamãe porque ele se atirou a
seus pés. Sua cadeira tombou e caiu no chão de madeira em um
estrondo. Minha mãe se levantou também, mas Talia e eu ficamos
congeladas em nossos lugares. O que estava acontecendo?

— Brando, o que...

Papai correu antes que nossa mãe pudesse terminar sua frase.
Mamãe o seguiu atrás dele e depois de um momento eu também me
levantei. Talia ainda estava colada à sua cadeira. Ela piscou para mim.
Meus olhos dispararam para a porta, dividida entre correr atrás de
nossos pais para descobrir o que estava acontecendo ou seguir as
regras. Nós não devíamos levantar da mesa de jantar sem permissão.
Eu não gostava dessa regra, mas eu sempre a seguia. Jantares era a
única vez que nossa família tinha a chance de realmente passar algum
tempo de qualidade juntos, depois de tudo.

A porta da sala de jantar se abriu novamente e Papai estava de


volta, com duas armas nas mãos. Ele colocou uma para baixo, apenas
para retirar o telefone do bolso e o pressionar contra seu ouvido. Olhei
para a arma na nossa mesa. Eu sabia que papai estava fazendo para
ganhar a vida, o que ele era. Eu o conhecia por tanto tempo quanto eu
poderia lembrar, Mesmo assim, Mamãe, Talia e eu, vivíamos uma vida
bem normal apesar de tudo. Mesmo se você se fizesse de cego para a
verdade, às vezes ela lhe batia na cara, sem convite. Mas até agora
Papai tinha tentado manter a ilusão de normalidade ao nosso redor.
Não tinha sido exatamente difícil para ele porque, até alguns meses,
Talia e eu estávamos ambas em um internato e só íamos para casa nos
fins de semana e durante as férias de verão. E logo eu iria embora para
a faculdade e Talia iria voltar para a escola. Eu nunca tinha visto ele
abertamente exibir uma arma. Eu nunca tinha visto uma arma tão
perto de qualquer forma. Papai estava envolvido no crime organizado,
mas muitas pessoas se envolviam com jogos de azar em Las Vegas; Eu
não tinha certeza do que exatamente ele estava metido, exceto que ele
conseguiu a maioria dos casinos da Camorra.

Mamãe entrou na sala de jantar, parecendo completamente fora


de si, mas papai não olhou em nossa direção. — Quando você vai estar
aqui? — Pai assobiou ao telefone. Ele balançou a cabeça depois de um
momento. — Estaremos prontos então. Apresse-se.

~ 29 ~
Finalmente, ele se virou para nós. Ele estava tentando parecer
calmo, mas falhando miseravelmente. — Talia, Cara, por favor,
arrumem a mala. Coisas que vocês realmente precisam para sobreviver
por alguns dias.

Mãe tornou-se um pilar imóvel.

— Estamos saindo de férias? — Perguntou Talia com esperança e


ingenuidade que eu desejava para mim.

Papai sempre nos oferecia uma risada quando dizíamos algo


bobo. Não hoje. — Não seja ridícula, Talia, — ele explodiu. Ela pulou em
sua cadeira, obviamente surpresa com o tom áspero.

— Estamos em apuros? — Perguntei com cuidado.

— Eu não tenho tempo para discutir os detalhes com você. Tudo


que vocês precisam saber agora é que não temos muito tempo, por isso,
vá pegar algumas coisas.

O telefone brilhou com uma mensagem. Os ombros de papai


relaxaram em alívio. Ele correu para fora da sala de jantar. Desta vez,
todas as três de nós o seguiu para o hall de entrada da casa. Papai
abriu a porta e vários homens que eu nunca tinha visto antes entraram.
Eles pareciam fortes em seus jeans, jaquetas de couro e tênis.

Parecia o tipo de caras que eu não gostaria de encontrar no


escuro - ou em qualquer outro lugar. Eles eram o tipo de homens que
faziam você atravessar a rua para evitá-los.

Eu tive que me impedir de passar os braços de forma protetora


em volta do meu peito. Se papai tinha os convidado a entrar, eles não
podiam ser perigosos.

Papai tirou um envelope do bolso do casaco e estendeu-o para um


dos homens. O braço de Talia escovava os meus quando ela se moveu
um pouco mais perto. Eu gostaria de poder dar-lhe o conforto que ela
estava obviamente procurando, mas meus próprios nervos estavam
temerosos.

O homem olhou dentro. — Onde está o resto? — Ele disse com


um sotaque pesado. Eram os russos? Eles pareciam ligeiramente Slavic
para mim, mas eu não tinha considerado a opção deles realmente sendo
russos. Meu pai trabalhava para a Camorra, e não era segredo que os
russos eram inimigos. Não era cometer traição por ter aqueles homens
dentro de nossa casa? Minha cabeça estava girando, mas eu guardei as
perguntas para mim mesma, por medo de tornar as coisas ainda piores.

~ 30 ~
— Vou te dar assim que minha família e eu estivermos seguros
em Nova York. Esse foi o acordo, Wladimir, — disse papai.

Talia me lançou um olhar confuso, mas eu não ousei tirar os


olhos do que estava acontecendo. Por que estávamos indo para Nova
York? E o que ele fez que ele necessitasse dos russos para protegê-lo?
Ele raramente falava sobre o negócio em nossa presença, mas já tinha
ouvido alguns trechos ocasionalmente sobre Nova York ou russos que
não tinha sido positivos.

Wladimir trocou um olhar com seus companheiros, em seguida,


deu um aceno rápido. — Isso não será um problema. Amanhã você vai
estar em Nova York.

Papai se virou para nós. — O que vocês ainda estão fazendo aqui?
Eu lhes disse para arrumar suas malas. Andem.

Hesitei, mas mamãe agarrou a mão de Talia e a arrastou para a


escada. Depois de um momento, eu segui, mas não sem olhar por cima
do meu ombro novamente. Os russos estavam falando entre si. Papai
parecia confiar neles, ou pelo menos confiava que eles queriam o resto
do dinheiro o suficiente para chegar a Nova York. Isso me assustou. Eu
conversando com mãe e Talia, sussurrei. — Porque Nova York? Eu
pensei que nós não poderíamos ir lá porque a família de lá não se dá
bem com o chefe do papai.

Mamãe suspirou. — Onde você ouviu isso?

— Eu não sei. Às vezes escuto umas coisas aqui e ali. É a


verdade, certo?

— Nova York é um tema difícil. Eu não vou para lá há muito


tempo.

Havia anseio em sua voz. Eu abri minha boca para lhe perguntar
sobre isso quando um estrondo soou no andar de baixo, então os
homens estavam gritando.

— Nós precisamos nos esconder, — Mamãe sussurrou enquanto


ela arrastou Talia em direção ao quarto principal. Eu estava prestes a
segui-las. Quando passos trovejaram até a escada. Eu rapidamente me
escondi na sala o mais próxima, Talia, e se escondeu em seu armário
superlotado. Havia uma pilha de roupas descartadas no chão e eu usei
para me esconder ainda mais. Eu ainda podia ver a maior parte da sala
através da fenda na porta, mas apenas com a luz fraca do corredor, era
difícil fazer muito. Eu quase não tive tempo de me abaixar antes da

~ 31 ~
porta se abrir. Alguém cambaleou dentro. Por um momento, a luz
atingiu o rosto do homem e eu o reconheci como um dos russos. Ele
estava sangrando com um ferimento em seu braço. Moveu-se para a
janela. Ele iria pular? Ele tentou empurrar a janela para cima, mas ele
ficou preso por causa de seus movimentos frenéticos.

Prendi a respiração e me enterrei mais fundo na pilha de roupas


Outro homem, muito mais alto e musculoso que o primeiro, entrou e
agarrou o russo. Tudo aconteceu muito rápido para ver, mas algo
parecia familiar sobre o segundo homem. Houve uma pequena luta. O
russo puxou uma faca, mas nunca chegou a usá-la. O outro homem o
agarrou pelo pescoço e torceu. Eu engasguei um suspiro enquanto o
russo caiu, colidiu com a porta de modo que ela abrisse, e acabou
caindo no chão sem vida. A luz agora encheu todo o centro do quarto.
Meus olhos se voltaram para o assassino. Suas costas se voltaram para
mim. Mas eu o conhecia. Eu tinha sonhado com ele várias vezes nas
últimas duas semanas desde a festa.

Growl, é claro.

~ 32 ~
Capítulo quatro
CARA
Sua camiseta preta colada à sua pele de suor, e seus braços
estavam cobertos de tatuagens. Sem o terno e o comportamento frio,
isso para mim sinalizava puro perigo. Nada o controlava agora. Tudo
nele gritava morte. Meu coração batia forte no meu peito enquanto eu
esperava ele se virar e me achar. Será que ele iria me matar também?

Ele não faria isso. Ele não podia. O estatuto da minha família
ainda tinha que contar para alguma coisa, certo?

Mas ele saiu do quarto sem olhar para o homem que ele matou –
ou para o guarda-roupa que eu estava escondida.

Só quando ele tinha ido embora e eu não ouvi mais seus passos
eu me atrevi a respirar. E, em seguida, um novo medo se instalou. Onde
estava papai e o que tinha acontecendo com ele? E o que dizer da
minha mãe e Talia? Eu tinha que ir a procura delas, mesmo que cada
fibra do meu corpo gritava para eu ficar onde estava. Precisávamos ficar
juntas, mas deixar meu esconderijo era um risco enorme. Olhei para o
corpo morto no meio do quarto novamente. Era esse o nosso destino
também?

Então, um pensamento esperançoso passou pela minha cabeça.


Talvez nós fôssemos poupados. Não foi uma surpresa que os soldados
da Camorra, eram como Growl, matavam membros da Bratva, seu
arqui-inimigo. Talvez houvesse uma forma, poderíamos convencer a
todos que os russos não tinham vindo até aqui para nossa proteção,
mas sim para nos matar. Gritos e tiros soaram lá embaixo. Ouvi uma
voz familiar, a voz do papai, mas ela não estava entre os gritos, nem
eram de Talia ou da nossa mãe. Elas estavam, provavelmente, ainda
escondidas no quarto principal.

Fechei os olhos. Eu não estava acostumada a este mundo, mesmo


que eu tivesse crescido em torno de pessoas que faziam parte do
mesmo. Mas eu sempre me mantive ás margens das maldades que meu

~ 33 ~
pai estava envolvido. Agora que eu fui jogada de cabeça, eu não tinha
certeza de como agir. Esperar como um rato em uma armadilha não era
uma solução. Em algum momento eles iriam procurar pelos quartos
corretamente, e então eu não queria tornar isso mais fácil para eles. Eu
empurrei meus pés e lentamente abri a porta, em seguida, sai. Embora
eu soubesse, eu agachei ao lado do russo e pressionei os dedos contra o
pescoço dele. Ele ainda estava quente, mas não havia pulso. Eu cogitei
a ideia de ajuda-lo, mas então percebi a maneira como seu pescoço
estava torcido e empurrei para longe.

Um tremor violento esmagou o meu corpo e por um momento eu


tinha certeza que eu iria ter um ataque de pânico, mas o som de vozes
me trouxe de volta à realidade. Fiquei de pé, o meu olhar caindo para
faca que o russo tinha deixado cair durante sua luta. Eu estava prestes
a pega-la quando as palavras do instrutor de autodefesa que tinha dado
um seminário de fim de semana em nossa escola surgiu na minha
mente: 'A arma que você não pode controlar é outra vantagem para o
seu inimigo'.

Eu não tinha dúvidas de que eu estaria desarmada em algum


momento. Eu nunca tinha aprendido a lutar com armas, ou a lutar.
Meus amigos e eu não tínhamos levado o seminário de Autodefesa
muito a sério. Agora eu gostaria de ter. Mas nós tínhamos estado tão
ocupadas cobiçando o nosso instrutor que não tínhamos tido tempo
para mais nada.

Quanto tempo se passou?

Talia gritou em algum lugar da casa, e eu comecei a me mover


sem pensar. Eu saí da sala. Eu não tinha certeza de como ajudá-la,
mas eu sabia que precisava para chegar até ela. Eu não fui muito longe
embora. Eu bati em alguém, minha cabeça colidiu com um ombro duro.
Minha visão ficou preta e eu cambaleei para trás, ofegante. Eu caí de
joelhos. A dor subiu pelas minhas pernas com o impacto. Depois de um
momento, eu olhei para cima e me vi olhando para o homem que tinha
matado um cara bem na frente dos meus olhos, o homem que eu tinha
medo e que me fascinara desde o nosso primeiro encontro. Ele era mais
alto de perto, e pude ver uma longa cicatriz desbotada, localizada em
torno de sua garganta. Growl. Sempre Growl. Meu fascínio deu lugar a
nada menos do que o medo, quando seus olhos encontraram os meus.
Ele não parecia humano naquele momento.

Um assassino, um monstro - nada de humano em sua expressão,


ou em seus olhos, ou nele.

~ 34 ~
Ele agarrou meu braço e me puxou para os meus pés. Minha
visão nadou novamente. — Leve-a com os outros, — respondeu
asperamente. Aquela voz, tão profunda e áspera, enviou um arrepio nas
minhas costas.

Outro homem me pegou pelo braço e me levou para longe. Eu


joguei outro olhar por cima do meu ombro, mas, Growl, o homem com a
cicatriz e sem piedade, foi embora. Eu quase não prestava atenção ao
meu redor e quase caí das escadas quando meu captor me arrastou
para baixo até chegarmos a sala onde meu pai, mãe e Talia já estavam
reunidos. Papai ajoelhou-se no chão, na frente de Falcone, que estava
vestido com um terno de listradas e uma camisa branca. Talia e mamãe
ficaram alguns passos para trás, parecendo tão aterrorizadas quanto eu
me sentia. Eu fui empurrada para eles e minha mãe imediatamente
envolveu um braço ao meu redor. O outro já estava segurando Talia. Eu
dei um olhar questionador para ela, mas ela estava observando Falcone
com olhos aterrorizados. Finalmente, eu me virei para ele também. Ele
tinha sido assustador em sua festa, mas hoje ele parecia realmente
assustador.

Benedetto Falcone, chefe do meu pai e chefe da máfia em Las


Vegas, estava em nossa casa e o olhar em seus olhos transformou meu
estômago em gelo. Ele estar em nossa sala de estar, era um sinal
horrível. Isso só poderia significar que o papai havia se enganado. E
esse pai que estava suando profusamente, só confirmou minhas
preocupações.

Em algum lugar da casa eu ainda podia ouvir os sons reveladores


de uma briga brutal. Eu tremi. Os homens reunidos naquela sala
pareciam todos estar procurando sangue. O homem morto no canto e
no andar de cima no quarto de Talia não parecia ser suficiente.

Passos pesados desceram a escada, e alguns instantes depois,


Growl apareceu. Suas mãos e antebraços estavam cobertos de sangue.
Eu não tinha certeza se era o seu próprio, mas eu duvidava.

Falcone olhou para ele. — Tudo certo, Growl? — Ele perguntou


com leve curiosidade, como se ele já soubesse a resposta e eu supus
que sim. Todas as histórias que eu tinha ouvido em vozes sussurradas
atravessaram minha mente.

Growl era invencível.

O homem na minha frente tinha pouco a ver com o homem que


eu vira na festa de Falcone. Naquele momento, Growl estava disfarçado.
Enquanto outras pessoas tinham que colocar máscaras, ele naquele

~ 35 ~
terno e em sua limpa aparência, tinha o transformado em um de nós,
mas debaixo dele o mesmo monstro estava deitado em vigília. Agora não
havia dúvida de quem ou o que ele realmente era. O melhor soldado nas
linhas de frente da Camorra de Las Vegas, e um monstro. Isso é o que
as pessoas sempre diziam pelas suas costas e que agora eu também via.
Ele era uma máquina de lutar sem emoções, uma mão brutal de
Benedetto Falcone.

— Tudo certo, — Growl disse naquele profundo murmúrio que era


sua voz. Pela primeira vez pude ver a longa cicatriz em torno de sua
garganta. Suas cordas vocais tinham sido feridas pelo acidente que lhe
tinha dado a longa cicatriz em torno de sua garganta. Growl não deveria
ter sobrevivido a uma ferida como aquela, mas de alguma forma ele
tinha, e talvez ele o tivesse transformado no monstro que era agora, ou
talvez ele tivesse sobrevivido apenas porque ele era um monstro.

Falcone se afastou de seu soldado e Growl desvaneceu-se no


fundo. Eu não tinha certeza de como ele conseguiu fazê-lo; Um homem
com seu tamanho e aura não deveria ter sido capaz de se misturar no
nosso ambiente tão facilmente, para fazer você esquecer que ele estava
lá. Essa era provavelmente uma das habilidades que o tornaram um
lutador tão temido.

Falcone aproximou-se mais de papai, forçando-o a inclinar a


cabeça para trás.

— Ouvi dizer que você esteve ocupado nestes últimos meses, —


Falcone começou em um sotaque, que fez os cabelos na parte de trás do
pescoço arrepiar. Seu sorriso era desagradável e mal-intencionado. Que
prometia punição.

O pai engoliu, mas não disse nada. Por que ele não estava
dizendo nada?

— Quanto do meu dinheiro você guardou para si mesmo, Brando?


— Falcone perguntou ainda naquela voz terrivelmente agradável.

Meu estômago se contraiu. Eu não podia acreditar que o papai


tinha roubado seu chefe. Ele não teria sido tão estúpido. Todo mundo
sabia o que acontecia com as pessoas que enganavam Falcone.

O sorriso de Falcone se alargou e ele deu um pequeno aceno para


um de seus homens, que imediatamente saiu e voltou alguns momentos
depois, com Cosimo nos calcanhares, como de costume impecável. O
que ele estava fazendo aqui?

~ 36 ~
Talvez ele daria o seu testemunho para papai.

Mas papai ficou pálido ao ver meu futuro marido e eu sabia que
minha esperança era em vão. Papai parecia querer dizer algo, mas ele
permaneceu em silêncio.

Eu tentei pegar os olhos de Cosimo, mas seu olhar não me


procurou uma única vez. Por que ele estava me ignorando? Estávamos
praticamente noivos; Nossa festa de noivado estava marcada para o Ano
Novo. Ele não deveria cuidar de mim?

Ele estava olhando para o pai com uma expressão que fez meu
estômago revirar. Isso ia acabar mal.

— Por que você não me conta mais o que você me disse há alguns
dias? — Falcone disse a Cosimo, sem tirar os olhos do meu pai.

— Depois que chegamos a um acordo sobre o noivado com sua


filha, Brando veio até mim e me perguntou se eu queria ganhar algum
dinheiro extra. Ele me contou sobre o negócio que ele fez com a Bratva,
e que ele estava tirando dinheiro de você.

Papai não disse nada. Eu queria sacudi-lo, queria fazê-lo negar as


acusações escandalosas de Cosimo. Com cada segundo que ele não fez,
minhas esperanças para um final misericordioso para esta noite
desapareceram. Eu tentei pegar o olhar de Cosimo novamente, ainda
esperando, e quando ele finalmente olhou para mim, meu coração
afundou. Não havia emoção em seus olhos. Ele não seria meu cavaleiro
em armadura brilhante hoje.

Falcone virou-se para minha mãe com uma expressão de tubarão.


Mamãe ficou rígida, mas manteve a cabeça erguida. Era uma mulher
orgulhosa; Uma das coisas que eu mais admirava nela. Eu fiquei
preocupada que Falcone pudesse querer quebrá-la. Ele era desse tipo.

Ele avançou sobre mamãe, e finalmente meu pai entrou em ação.


— Ela não sabe nada. Minha família não estava envolvida em nada
disso. Eles são inocentes. — Sua voz soou com medo alarmante. Vendo
seu terror, ouvindo-o, aterrorizou-me sem fim. Isso não era um jogo.

Talia olhou para mim novamente. Deus, e como eu queria saber


como ajudá-la, como ajudar a minha família, mas eu era inútil.

Falcone parou bem na frente de minha mãe, mais perto do que


era socialmente aceitável. Minha mãe não recuou, embora a maioria das
pessoas tivesse feito isso sob seu olhar, e eu esperava ter a mesma força
se Falcone me confrontasse. Ele estendeu a mão para sua garganta e

~ 37 ~
por um momento louco eu pensei que ele iria estrangulá-la. Papai fez
um movimento para se levantar, mas o homem de Falcone o empurrou
para baixo.

Falcone enrolou os dedos em torno do colar de Mãe. — Mas eles


estão colhendo as recompensas de sua traição, não é?

Pai sacudiu a cabeça. — Eu não comprei aquele colar com esse


dinheiro... — Ele parou, com uma expressão dolorosa em seu rosto. Isso
parecia um apelo culpado se eu já tivesse ouvido um. Eu queria chorar.
Papai tinha realmente roubado. Isso significava sua morte, e talvez a
nossa também. Falcone não era conhecido por sua bondade.

— Não? — Disse Falcone com uma curiosidade falsa. Ele


arrancou o colar de garganta da minha mãe. Ela suspirou e se encolheu
e sua mão voou para tocar sua pele. Quando ela puxou os dedos para
longe, eles estavam ensanguentados. A corrente de ouro atinha cortado.

Em seguida, ele apontou para os brincos de Talia. Talia deu um


passo para trás. — E isso? — Ele pegou um brinco.

— Deixe-a em paz, — Eu disse antes que pudesse me conter.


Papai e mamãe olharam para mim como se eu tivesse perdido a cabeça.
Falcone lentamente virou-se para mim, seus olhos se estreitando. Ele
deu um passo para trás de Talia e veio em minha direção. Levou tudo
de mim para ficar firme quando tudo que eu queria fazer era correr o
mais rápido que meus pés pudessem me carregar.

Eu não estava usando qualquer joia que ele pudesse segurar


contra mim, ou meu pai, mas eu sabia que isso não iria me proteger.

Seus olhos cruéis pareciam me perfurar até o cerne. Eu tentei não


mostrar minha repulsa e meu medo. Eu não tinha certeza se estava
conseguindo. Eu não tinha experiência em enfrentar o verdadeiro mal.

— Você é um bravo, não é? — Falcone disse. Tive a sensação de


que não era um elogio. Esperei que ele fizesse algo comigo, para me
castigar por minha insolência, mas ele apenas me olhou antes de se
virar e voltar para papai. De alguma forma, sua clemência me
preocupava. Isso me fez pensar que talvez ele tivesse algo pior em mente
para mim mais tarde. Isso ainda não terminou.

— Eu me pergunto se você realmente acreditou que você iria fugir


com isso, Brando? — Falcone perguntou. Ele tocou o ombro do papai
em um gesto amável e amigável.

~ 38 ~
— Eu sempre ganhei mais dinheiro do que qualquer um de seus
outros gerentes. Vou trabalhar de graça, enquanto você quiser. Eu vou
fazer isso por você, eu juro.

— Você quer trabalhar para mim? — Falcone repetiu. — Você me


traiu. Você roubou de mim e deu o meu dinheiro para os russos
imundos. Meus inimigos. Como você vai trabalhar para mim?

— Farei qualquer coisa — disse o pai.

Falcone tocou o queixo em contemplação. Parecia como se tivesse


praticado o movimento inúmeras vezes na frente do espelho. — Há algo
que você pode fazer por mim.

Pai assentiu ansiosamente, mas eu não estava tão otimista. O


olhar nos olhos de Falcone não prometiam nada de bom. Falcone puxou
uma arma fora do coldre sob o paletó e segurou-a contra a cabeça de
papai. — Você pode morrer.

Ele puxou o gatilho.

Eu gritei, dando um passo em frente para ajudar meu pai, assim


fez mamãe, mas nossos guardas nos seguraram de volta. Talia gritou
um som agudo que fez os pelos na minha nuca se levantarem. Mas
papai não se machucou. Ele estava ileso. Não havia uma bala na arma.
Eu tremi, minhas emoções mudaram de choque para alívio.

Papai fechou os olhos por um momento. Depois olhou para


Falcone. Havia definitivamente alívio em seu olhar, mas também
trepidação.

Falcone sorriu. — Mas primeiro precisamos saber tudo o que você


sabe sobre os russos e tudo o mais que possa prejudicar meu negócio,
não concorda?

Falcone não esperou a resposta do meu pai, ele apontou para


Growl. — Fale com ele. E faça isso rápido. Tenho coisas melhores a
fazer. — Growl não hesitou. Agarrou papai pelo braço, levantou-o e
arrastou-o para a sala de jantar ao lado.

Mãe, Talia e eu fomos conduzidos a um canto e tivemos que


esperar enquanto escutamos os gritos e gemidos abafados do meu pai.
Talia pressionou suas palmas contra suas orelhas e fechou os olhos
com força. Mãe apertou sua mão sobre nós duas. Eu queria tampar
meus ouvidos aos sons da tortura de papai, mas se ele tinha que
suportar a dor, eu poderia pelo menos suportar isso.

~ 39 ~
Ficou quieto na sala ao lado. A preocupação roeu meu interior. E
se o silêncio significasse que papai havia perdido a consciência? Ou
pior.

A porta rangeu. Minha mãe ficou rígida. Papai foi levado para
dentro por Growl. Ele mal conseguia manter-se ereto e sem o aperto
firme do outro homem que o pai teria derrubado. Falcone levantou-se
da cadeira. — Tudo feito?

Growl assentiu com a cabeça. Ele levou papai para o centro da


sala, depois o soltou. Ele caiu de joelhos. Growl voltou ao fundo da sala
quando Falcone pisou na frente de papai. — Você me decepcionou
muito, Brando. É uma pena, realmente. Deveria ter pensado na sua
família antes de decidir me ferir.

Papai tossiu, depois soltou. — Não... Não os castigue pelo meu...

Falcone não lhe deu a chance de terminar a frase. Ele virou as


costas para meu pai. — GROWL, — disse ele.

Growl avançou, esperando ordens. Ele ia matar meu pai, não


havia outra opção.

— Você fez bem, Growl. — Os lábios de Falcone se alargaram. —


É por isso que eu tenho um presente para você.

Growl parou, pingando sangue e suor, olhos frios e vazios, como


se não houvesse nada atrás deles, um vazio escuro que consumia
qualquer coisa ao redor. Eu tremi. Eu não me lembro de seu olhar ser
tão horrível na festa. Matar e mutilar deve ter trazido o monstro à
superfície.

Pai começou a sacudir a cabeça. — Você não pode!

Eu me assustei.

Growl mal olhou para o seu caminho, mas então seus olhos me
encontraram, e eles não se moveram. Deus no céu tenha misericórdia.

~ 40 ~
Capítulo cinco
CARA
— Eu posso e eu vou. — Falcone acenou com a cabeça para o
captor do meu pai, que o golpeou no estômago, fazendo-o balbuciar e
tossir.

Falcone abriu os braços. — Você foi um bom soldado, e você


merece uma recompensa. — Ele gesticulou para mim e eu pensei que
meu mundo estava caindo. Eu podia ver minha vida desmoronando bem
diante dos meus olhos. Mas tudo ficou muito pior. O dedo de Falcone se
moveu de mim para a minha irmã. Os olhos de Growl correram em direção a
ela. — É a sua escolha.

— Não, — eu gritei, fugindo do meu captor. Minha nova liberdade


foi de curta duração, no entanto, quando suas mãos me agarraram
pelos braços, me marcando. Eu estremeci com a dor disparando através
do meu corpo.

Talia estava congelada de medo e choque.

— Por favor — disse meu pai, com as mãos unidas num gesto de
mendicância. — Elas são inocentes. Me puna, mas não as machuque.

Falcone mal olhou para ele. — Oh, eu vou te punir, não se


preocupe. Mas não será tão fácil. — Era óbvio que ele estava se
divertindo tremendamente. Esta sala estava cheia de muitos monstros,
mas eu tinha a sensação de que ele era o pior deles.

— Você escolhe, Growl. Pegue quem quiser. Tenho certeza que


você vai gostar de qualquer uma delas — Falcone disse com um sorriso
desagradável. Eu não queria nada além de tirar esse sorriso do seu
rosto, pegar a pesada escultura de mármore de um deus grego nu, que
minha mãe amava tanto, e esmagá-la contra o rosto feio de Falcone. Eu
não sabia de onde vinham aquelas noções brutais. Eu nunca fui do tipo
violenta, mas eu supus que alguém poderia ser levado ao pior em uma
situação como esta.

~ 41 ~
Os olhos do Growl pararam em meu rosto. Eu pensei que ele
verificaria o meu corpo, mas seu olhar nunca se afastou do meu rosto.
Eu quase desejei que fosse diferente. Seus olhos eram como lagos de
âmbar vazios. Eu não queria descobrir os segredos horríveis que se
abrigavam em sua profundidade.

— Oh, eu acho que a escolha está feita, — Falcone disse com uma
risada.

Growl deu um pequeno aceno de cabeça. — Ela, — ele grunhiu, os


olhos ainda colados em mim.

Horror, medo e desespero caíram sobre mim. Deveria ter sido


alívio também. Alívio, porque Talia tinha sido poupada, mas, ao mesmo
tempo, em que eu não queria minha irmã em meu lugar, eu não poderia
sentir alívio quando minha própria vida estava desmoronando bem
diante dos meus olhos.

— Muito bem então — falou Falcone em tom condescendente. —


Ela é sua.

— Você não pode fazer isso, — rugiu meu pai. Eu não esperava
que ainda restassem forças nele.

— Leve-me. Ela é apenas uma criança, — Minha mãe implorou,


tentando fugir de seu captor mais uma vez.

Falcone riu de novo, um som ameaçador. — Quem quer uma


ameixa velha quando pode ter um pêssego suculento?

— Cuidado com a boca — sibilou meu pai. Talvez eu tivesse


admirado mais a sua bravura repentina se ele não fosse o motivo de
nossa morte. — Eu não vou ficar por perto enquanto você insulta minha
esposa e dá a minha filha para… — Ele olhou para Growl com desgosto.
— Aquele monstro.

Falcone assentiu com a cabeça. — Você está certo. Você não


deveria ter que assistir isso. — Antes que qualquer um de nós pudesse
reagir, ele apontou sua arma para o pai e puxou o gatilho. Desta vez
não foi apenas uma demonstração. A bala rasgou a têmpora do pai. Sua
cabeça girou violentamente, os olhos arregalados em choque. Depois de
um segundo, seu corpo caiu para trás. Suas pernas ficaram presas sob
suas costas em um ângulo estranho.

Um grito rasgou da minha garganta. Eu não conseguia entender o


que tinha acontecido. Parecia muito surreal, como algo de um filme,
algo que não poderia acontecer bem na frente dos meus olhos.

~ 42 ~
— Não, — mamãe gritou. Desta vez, ela conseguiu afastar-se do
seu captor. Ela chegou no pai e caiu de joelhos. Ela acariciou seu peito,
impotente, como se isso o fosse acordar. Parecia que ela estava
procurando por sua carteira, e por um momento horrível, algo como
uma gargalhada queria sair, mas, ao mesmo tempo, minha garganta
estava tão apertada que parecia impossível trazer oxigênio suficiente
para os meus pulmões e talvez isso não teria sido a pior coisa agora. A
mãe embalou a cabeça do pai em seu colo, mas quando ela tirou as
mãos, elas saíram cobertas de sangue e algo branco.

Minha visão borrou e bile viajou até a minha garganta. Eu engoli


em seco, me obrigando a enfrentar as criaturas horríveis que cercam a
mim e a minha família. Por alguma razão, olhei para as minhas próprias
mãos como se elas também pudessem estar cobertas de sangue. Elas
não estavam e depois de um momento de alívio, eu não pude deixar de
me perguntar como me sentiria se o sangue de Falcone cobrisse minhas
mãos, como seria a sensação de acabar com sua vida, como ele tinha feito com o pai.
Eu suspeitava que me sentiria maravilhosa, e me assustou que eu
tivesse esses pensamentos.

— Seu trabalho aqui está feito, Growl. Mike e Mimo cuidarão do


resto. Leve sua recompensa para casa e desfrute dela. Tenho certeza
que ela vai mantê-lo entretido por um tempo.

Demorou um momento antes de eu perceber que ele estava


falando sobre mim. Antes que eu pudesse reagir, Growl apareceu na
minha frente, maciço e alto. Meu olhar voltou para seu rosto, mas o
olhar em seus olhos me fez recuar e eu olhei para seu peito em vez
disso. Ele segurou meu braço. Seu aperto era forte, à beira do doloroso,
mas eu não me afastei. Atrás dele, minha mãe ainda estava ajoelhada
ao lado de pai, uma expressão horrivelmente vazia em seu rosto que eu
nunca tinha visto antes. Growl me orientou na direção da porta e
quando eu não reagi, ele começou a me puxar. Os olhos cheios de
lágrimas de Talia encontraram os meus. Eu tentei sair do aperto de
Growl, mas era como se ele nem fosse humano. Ele mal parecia notar a
minha resistência. Eu era uma mosca irritante atacando um leão.

— Espere! — Eu gritei e para minha surpresa, Growl realmente


parou, uma expressão incompreensiva em seu rosto. Eu virei até que eu
pudesse ver Falcone novamente. — E minha irmã e minha mãe? O que
acontece com elas?

— Isso não é da sua conta, — disse ele com aquele sorriso


malicioso. Depois olhou para Growl. — Tire-a de minha vista. Estou
ficando cansado dela.

~ 43 ~
Growl me apertou mais e me arrastou apesar de meus protestos.
Talia tentou correr até mim, mas foi interrompida por outro dos homens
de Falcone. Mamãe estava além de nosso alcance, presa em sua
tristeza.

— Cara! — Talia gritou, seus olhos implorando para eu fazer algo,


para ajudá-la. Mas como?

Growl abriu a porta e, em seguida, estávamos lá fora. Talia gritou


de novo, mas suas palavras não se perderam.

A porta se fechou entre nós, e os gritos aterrorizados de Talia


desapareceram. Eu andei no piloto automático. Não que mudasse uma
coisa se minhas pernas tivessem parado. Growl teria apenas me
arrastado. Eu finalmente afastei meus olhos de minha casa. Eu não
podia suportar olhar para ela mais um segundo sabendo que eu nunca
mais poderia vê-la novamente. Quando o meu olhar fixou-se no homem
alto puxando-me em direção a um Hummer preto, enorme, que era
muito adequado a ele, o medo pela minha irmã e mãe tornaram-se
secundários devido ao medo do meu próprio destino. Falcone tinha me
dado a seu soldado mais cruel. Se eu sobrevivesse hoje, eu ainda
quereria viver? Talvez a morte parecesse a mais doce misericórdia
depois de Growl ter terminado comigo.

~ 44 ~
Capítulo seis
GROWL
A mente de Growl estava a mil quando ele puxou Cara em direção
ao carro dele. Muitas vezes pensara na primeira vez em que a vira na
festa de Falcone. Ele tinha se arrependido de estar presente na festa,
especialmente porque sua imagem tinha assombrado seu sono nas
semanas seguintes.

Sentia-se como um macaco de terno, e sabia que também parecia


isso. Ele sabia que seu chefe só o convidava quando as pessoas tinham
algo para conversar. Mesmo depois de todos esses anos, eles ainda o
consideravam o monstro a temer.

Ele era um monstro, sem dúvida. Mas ele não era o único monstro
naquela sala. Ele nem sabia se era o pior. Ele tinha matado a maioria
das pessoas com suas próprias mãos, isso ele não podia negar. E ele
não queria. Ele estava orgulhoso do que tinha feito. A maior parte, pelo
menos. Era a única coisa no que era bom, matar. Ele era o melhor. E
talvez seu talento para matar o fizesse um dos piores monstros, mas ele
sabia o quão facilmente a ordem de matar e mutilar rolava para fora
das línguas de muitos homens reunidos nesta sala, e como eles
saboreavam o seu poder para fazê-lo. Ele não tinha certeza se isso não
os tornava tão ruins. Mas não era ele quem deveria decidir, de qualquer
maneira. Talvez um dia, todos eles incluindo Growl, teriam que
enfrentar um poder maior. Esse dia não terminaria bem para nenhum
deles.

Growl não estava muito preocupado, no entanto. Ele viveu no


inferno, ainda vivia. Ele não tinha nada a temer. Nada que o esperasse, além
da morte, poderia fazer danos piores do que já tinha sido feito. Não
havia nada nele que não tivesse sido quebrado, nada para destruir,
exceto seu corpo talvez, mas ele não estava preocupado com isso
também. Ele conhecia a dor, até a agonia. Era a única constante em sua
vida. Chegava a vê-la quase como uma amiga. Algo com o que ele podia
contar, algo previsível.

~ 45 ~
Não, ele não tinha medo da dor, nem da morte. Falcone sempre
disse que isso o tornava um bem tão valioso. E isso era algo de que
Growl estava orgulhoso, mesmo que as palavras vindas da boca de
Falcone deixassem um sabor amargo.

Eles o consideravam um idiota, pensavam nele como um


cachorrinho estúpido que fazia aquilo sem a menor ideia do que
estavam tramando. Como um dos muitos cães de briga de Falcone e dos
outros homens mantidos para entretenimento.

Mas muitas pessoas tinham cometido o mesmo erro, confundiam


o silêncio equivocado com estupidez, igualavam a falta de palavras com
falta de compreensão e conhecimento. Era um erro pelo qual eles
poderiam pagar por um dia. Ele conhecia a maior parte de seus
segredos mais profundos e escuros, simplesmente porque eles não
mantinham suas bocas fechadas quando ele estava por perto. Eles
pensavam que ele não estava ouvindo, e mesmo se ele estivesse, como
ele poderia entender o que eles estavam dizendo?

Ele os desprezava, mas pagavam bem e o respeitavam por sua


força e brutalidade, isso era o suficiente para ele. Ele não tinha intenção
de usar seu conhecimento. Ele não precisava de muito dinheiro para
comprar comida para seus cachorros e para si, e para as mulheres uma
bebida de vez em quando. Ele gostava de uma vida simples. Não queria
complicações. Ele lançou seus os olhos para a menina encolhida no
assento do passageiro. Ele esperava que ela não se tornasse uma
complicação. Ele não poderia devolvê-la. Falcone não gostaria disso.

Não que Growl tivesse qualquer intenção de devolvê-la. Ela era a


sua posse mais valiosa até agora. Ela estava olhando pela janela,
ignorando-o. Como ela tinha feito na festa. Como todos fizeram até que
não pudessem mais ignorá-lo. Ela ainda pensava que estava acima
dele? Voltou o olhar para a estrada. Não importava. Ela era sua agora. A
ideia emitiu uma punhalada de orgulho nele e sua virilha apertou em
antecipação.

CARA
Eu mal podia respirar. Por causa do medo e do fedor. Deus, o fedor
era pior do que qualquer coisa que eu já tinha cheirado antes. Sangue.
Metálico e doce, oprimindo. Eu ainda podia ver a poça de sangue

~ 46 ~
espalhando-se sob o corpo sem vida do pai, podia ver a mãe ajoelhada
no meio do líquido vermelho, e os olhos horrorizados de Talia. Cada
momento da noite parecia estar queimado em minha mente.

Meus olhos voaram para o homem ao meu lado.

Growl. Ele conduzia o carro com uma mão, parecendo relaxado,


quase em paz.

Como alguém podia parecer em paz depois do que tinha


acontecido? Depois do que ele fez?

Suas roupas estavam cobertas de sangue, assim como suas


mãos. Muito sangue. A repulsa me paralisou.

Algumas semanas atrás, meus guarda-costas teriam rapidamente


me levado para longe de um homem como ele. Minha mãe praticamente
me arrastou para longe dele na festa de Falcone.

E agora eu estava à sua mercê.

Ele era a mão brutal e violenta de Falcone. Ele se virou para mim.

Seus olhos estavam vazios, um espelho para jogar meu próprio


medo de volta para mim. Seus braços e peito estavam cobertos com
tatuagens bélicas, facas, espinhos e armas.

Eu não conseguia parar de olhar para ele, mesmo que eu


quisesse. Eu precisava, mas eu estava congelada. Eventualmente ele
voltou sua atenção de volta para a rua. Eu tremi, e deixei minha cabeça
cair para frente até que minha testa descansou contra a janela fria.
Havia um zumbido baixo na minha cabeça. Eu não conseguia pensar
direito. Controle-se.

Eu precisava descobrir uma maneira de sair disto.

Mas nós já estávamos diminuindo quando nós nos aproximamos


de uma área residencial antiga. A pintura tinha descascado da maioria
das fachadas, e o lixo espalhava-se pelas ruas. Alguns carros sem
pneus e com janelas quebradas estavam estacionados. Eles não
andariam para lugar nenhum.

Growl parou o carro em frente a uma garagem, que estava recém-


pintada, então ele saiu. Antes que eu pudesse bolar um plano, ele
estava do meu lado e abriu a porta. Ele agarrou meu braço e me puxou
para fora. Minhas pernas dificilmente poderiam me apoiar, mas ele não
parecia se importar. Ele me levou ao redor do carro, passando por uma

~ 47 ~
calçada rachada e um gramado cheio de mato. Um grupo de
adolescentes estava reunido duas casas abaixo ouvindo música e
fumando, e do outro lado da rua uma mulher com uma regata
manchada e tatuagens serpenteando pelos braços tirava o lixo, parecia
que ela daria à luz a qualquer momento.

Abri a boca para pedir ajuda.

Growl soltou uma respiração dura. — Faça. Grite. Eles não vão te
ajudar. Eles têm seus próprios problemas.

Eu hesitei. Os adolescentes e a mulher estavam realmente


olhando para nós, observando enquanto Growl estava me arrastando
para sua casa, e eles nem sequer piscavam. Até mesmo o sangue em
Growl não parecia chocá-los. Havia resignação em suas expressões,
parecia escapar de seus poros. Eles não tinham energia para cuidar de
si mesmos, assumir o controle de suas próprias vidas, ou lutar pelo seu
futuro, muito menos pelo meu. Eu supliquei a eles com os meus olhos
mesmo assim, esperando. Ainda esperando depois de tudo. A mulher foi
a primeira a desviar o olhar e a voltar para sua própria casa, momentos
depois os adolescentes voltaram para o que quer que estivessem
fazendo.

Aquelas pessoas não se importavam com o que estava


acontecendo comigo. Eles não me ajudariam.

Chegamos em frente a uma porta. A pintura tinha descascado,


revelando a madeira branqueada pelo sol. Growl abriu a porta. Não
estava trancada. Meus olhos se voltaram para o grupo de adolescentes.
Não parecia que eles deixariam passar a oportunidade de invadir uma
casa que nem estava trancada. Olhei para o meu captor, para a cicatriz
que percorre toda a sua garganta, o sangue em sua camisa e mãos, as
linhas duras de seu rosto.

Growl olhou para mim e minhas pernas quase dobraram sob a


escuridão em seus olhos ambares. Ele não disse nada.

— Mesmo nesta área ninguém ousa te irritar, — eu sussurrei.

— Isso é verdade. Mas não é por isso que eu não tenho que
trancar minha porta. A maioria das pessoas nessa área são viciados e
não têm nada a perder. — Growl me arrastou para sua casa e fechou a
porta. O interior da casa era ainda pior que seu exterior. O ar-
condicionado estava trabalhando no máximo, transformando o pequeno
corredor em que estamos em um freezer.

~ 48 ~
Eu tremi violentamente, mas Growl parecia imune ao frio. Não
haviam fotos nas paredes, nenhuma decoração. Esta casa era um lugar
solitário e escuro. Todas as portas estavam fechadas, mas de trás de
uma delas eu ouvia sons que eu não conseguia reconhecer. Parecia com
um raspar. Ele tinha outra mulher trancada lá?

Lágrimas chegaram em meus olhos. Era isso. Tudo estava


acabado.

Será que eu já tinha desistido de lutar?

Ele me arrastou para um quarto. Seu quarto? As únicas peças de


mobiliário eram uma cama e um guarda-roupa, mas o que faltava em
mobiliário, sobrava com decorações na parede. Punhais e facas
zombavam de todas as direções. Growl me soltou e eu tropecei para
frente. Eu caí de joelhos. A única outra opção teria sido cair na cama, e
eu não iria para qualquer lugar perto dessa coisa. Eu rapidamente me
virei, a garganta apertada com medo enquanto Growl me observava da
porta. Parecia que ele tinha se levantado do inferno; Um homem envolto
em trevas, morte e sangue. Um monstro.

Oh Deus, oh Deus, oh Deus.

— Eu voltarei — ele murmurou antes de se virar e fechar a porta.

~ 49 ~
Capítulo sete
CARA
Eu voltarei.

Eu não ouvi uma tranca. Ele estava tão seguro de si mesmo que
achava que não precisava disso? Seus passos se afastaram até que eu
não podia mais ouvi-los. O que ele estava fazendo?

Eu voltarei.

Isso soou como uma ameaça. Meus olhos encontraram a cama e


eu rapidamente me levantei. Eu não era estúpida. Eu sabia o que ele ia
fazer quando ele voltasse. Como eu ia sair disso?

Eu tentei sufocar meu pânico, mas meu coração não parou de


martelar e minhas mãos estavam úmidas de suor. As facas brilharam
no canto do meu olho. Eu sabia que não era uma lutadora, e eu não
sabia como lidar com uma faca ou qualquer outra arma. Eu nunca tive
que machucar alguém. Eu não tinha certeza se eu era capaz disso. Me
aproximei de uma das adagas. Era a menos chamativa, sem lâmina
curva ou ziguezagueada. Foi o que mais me assustou. Estendi a mão e
enrolei os dedos no cabo. Não me senti mal como eu esperava, mas eu
não me enganei pensando que eu poderia fazer mais com ela do que
segurá-la. Tirei da parede. Ela pesava mais do que eu tinha pensado e
de alguma forma eu estava aliviada por ter algo substancial para
segurar.

Meus olhos se moveram pelo quarto. A adrenalina eliminou o meu


terror por enquanto, pelo menos a maior parte. Eu corri para a janela,
mas havia grades em frente a ela. Uma bolha de riso histérico
borbulhou na minha garganta, mas eu a engoli. Não faz sentido ficar
louca, ainda. As janelas estavam cobertas por uma camada de poeira,
dando a ilusão de que o mundo exterior estava ainda mais distante. Não
que o exterior da casa fosse mais atraente do que o interior. Esse era
um lugar completamente sem esperança.

~ 50 ~
Me afastei da janela e apertei a faca com mais força. Esta era a
minha única chance. Poderia muito bem não ter tido uma. Eu ouvi passos
e, por um instante, fiquei congelada com indecisão e medo. Talvez as
coisas só piorassem se eu atacasse Growl, mas eu não tinha certeza de
como isso era possível. Não havia luz em seus olhos, nenhuma
misericórdia ou bondade, nada que eu pudesse me agarrar e esperar
por um destino aceitável. Talvez houvesse pouca esperança de eu ter
sucesso, mas…

Meus olhos se dirigiram para a cama, apenas uma queen-size, o


que era estranho para um homem do tamanho do Growl. Os cobertores
eram vermelho escuro, provavelmente para esconder manchas de
sangue. Estremeci enquanto imagens floresciam em minha mente, uma
mais horrível do que a outra.

Eu caminhei, o medo agora maior do que a indecisão, e me


escondi atrás da porta. Eu precisava pegar Growl de surpresa se eu
quisesse ter qualquer chance de feri-lo. Mas isso seria suficiente? Tive a
sensação de que Growl era como um touro na corrida. Algumas feridas
não o derrubariam. Uma imagem de Growl com várias facas enterradas
em seu peito fluiu pela minha mente. Eu precisava apontar para matar.

Uma nova onda de pânico tomou conta de mim. Eu não sou assim.
Não era assim que eu queria ser. Pela primeira vez na minha vida eu
odiava meu pai. Ele tinha trazido isso para nós, tinha nos forçado a
uma vida que nenhum de nós tinha escolhido. Deus, o que estava
acontecendo com Talia? Ela estava bem? Ela era muito jovem para isso.
E se ela fosse entregue a outro mafioso? Ela tinha apenas quinze anos.
Eu deveria estar lá para ela, deveria protegê-la, em vez disso eu nem
tinha certeza se eu poderia me proteger.

Os passos do Growl pararam bem em frente ao quarto. Eu


rapidamente tirei meus saltos altos, então segurei minha respiração
para ouvir melhor e levantei a faca. Eu teria que apontar para sua
garganta. Até eu sabia que era o ponto mais vulnerável no corpo de um
ser humano. Mas ele havia sobrevivido a uma lesão naquele ponto uma
vez antes. Como eu poderia esperar ter sucesso em matá-lo quando os
outros tinham obviamente falhado?

Ele era muito mais alto do que eu, então eu teria que dirigir a faca
para cima. Eu me preocupava de não ser capaz de colocar força
suficiente na facada desse jeito. A porta começou a se abrir e então a
forma alta de Growl apareceu. A adrenalina bombeou em minhas veias
quando eu pulei nele.

~ 51 ~
Growl ergueu seu braço nu para afastar meu ataque. A lâmina
cortou ao longo de seu antebraço e o sangue jorrou. Mas seu rosto não
mostrava dor. Ele agarrou meu braço, mas eu o desviei, usando minha
baixa estatura para evitá-lo. Eu apunhalei com a faca para cima
novamente, quase cegamente. Com um som baixo dentro de sua
garganta, Growl segurou meu pulso. Eu gritei de dor por causa da força
e soltei a faca.

Um medo me bateu enquanto eu observava minha única arma


aterrissar no chão com um barulho retumbante. Meus olhos
dispararam para os dele.

O rosto de Growl era uma máscara de nada, mas eu não me


enganei pensando que ele não estava furioso. Esse homem havia
matado pessoas por transgressões menores. Eu tentei me empurrar
para trás, mas seus dedos em torno do meu pulso eram implacáveis.
Mas isso não me impediu. Eu só tinha essa chance. Ele poderia muito
bem decidir que eu não valia a pena e me matar.

Eu o chutei, mas perdi o equilíbrio devido a seus reflexos rápidos.


Ele me empurrou para a cama como se eu não pesasse nada. Eu não
tive chance de evitar a minha queda e aterrissei de barriga em cima do
colchão. O ar saiu dos meus pulmões e por um momento eu tive certeza
de que morreria por falta de oxigênio no meu corpo, então eu respirei
fundo.

Tentei levantar, mas o corpo musculoso de Growl pressionou


contra minhas costas, me prendendo entre ele e a cama. Um pânico
disparou através de mim. Eu sacudi meus quadris em uma tentativa de
me libertar. Quando isso não funcionou, eu agitei meus braços,
tentando bater em Growl. Com um som impaciente, ele me virou e se
esticou sobre meus quadris e agarrou meus dois pulsos com uma mão.
Agora eu não tinha escolha senão olhar em seu rosto, olhar cada
centímetro de seu corpo assustador. Ele tinha trocado sua roupa
coberta de sangue e agora usava uma camisa branca apertada, que
agora estava coberta com sangue da ferida em seu braço.

Suas mãos eram ásperas e cheias de cicatrizes, elas pareciam


estranhas contra a minha pele pálida. Um horrível som aterrorizado
soou entre meus lábios. Os olhos estranhos e sem emoção de Growl
encontraram os meus. Suas maçãs do rosto e queixo eram linhas
afiadas em seu rosto. Não havia nada de suave sobre aquele homem,
muito menos seu coração.

~ 52 ~
Seu aperto em meus pulsos não afrouxou. Ele não fez nada,
exceto me olhar fixamente. Eu sabia que deveria desviar o olhar. Não
era isso o que você deveria fazer se estivesse diante de um cão perigoso?
Mas eu não estava apenas presa pelo poderoso corpo de Growl, mas
também pelo olhar aterrorizante em seus olhos. Sua respiração estava
calma, não havia nenhum sinal de nossa luta. Para ele, isso não era
nada. Uma de suas mãos se moveu para baixo em direção ao meu
estômago. Minha camiseta tinha subido durante a nossa luta e mostrou
a pele abaixo. Eu me retesei quando Growl colocou sua mão contra meu
estômago. O que ele estava fazendo? Ele olhou atentamente para sua
mão descansando contra minha pele mais pálida. A ponta dos seus dedos e
a palma mal me tocando. Lentamente, seu olhar voltou a se juntar ao
meu.

Growl estava me observando como se eu fosse uma espécie


desconhecida, algo que ele não poderia entender. E talvez isso fosse
verdade.

Eu fiz outra tentativa meia boca para me libertar, mas foi quase
ridículo. Talvez se ele fosse capaz desse tipo de emoção, Growl poderia
realmente ter rido de mim.

— Pare, — ele ordenou calmamente.

E por alguma razão eu parei.

GROWL
Ele tinha uma reputação, e ele estava orgulhoso dela. Sua
reputação era temida, respeitada, e isso era muito mais do que
qualquer um esperava de alguém como ele. O filho de uma prostituta. O
bastardo. O garoto que nunca falou.

Ele foi feito para ficar na sarjeta.

Ele nunca tinha tido algo para si mesmo, nunca ousou sonhar em
possuir algo tão precioso. Ele era o filho bastardo indesejado que
sempre teve que contentar-se com as sobras dos outros. E agora
Falcone lhe dera o que há poucas semanas atrás estava fora de seu
alcance, alguém que nem sequer o permitia admirar de longe, uma das
mais valiosas posses da sociedade.

~ 53 ~
Atirada a seus pés, porque ele era quem ele era, porque estavam
certos de que iria quebrá-la. Ele era seu castigo, um destino pior do que
a morte, uma forma de entregar o castigo final a seu pai, que tanto os
tinha desagradado.

E um aviso. Ninguém ousaria se opor a Falcone se isso


significasse que suas preciosas filhas poderiam acabar nas mãos de um
homem como ele.

Cara, um nome adequado para alguém como ela, alguém muito


bonita para um lugar como este, para alguém como ele. Uma princesa e
um monstro, isso é o que eram.

Olhos arregalados. Lábios abertos. Bochechas coradas. Pele


pálida. Ela parecia uma boneca de porcelana: grandes olhos azuis,
cabelos cor de chocolate e pele branca e cremosa; Quebrável, algo que
ele não estava destinado a tocar com suas mãos cicatrizadas e brutais.
Seus dedos encontraram seu pulso, seus batimentos cardíacos
tremulavam como pássaros. Ela tentou lutar, tentou ser corajosa,
tentou machucá-lo, até matá-lo. Teria realmente esperado que poderia
ter sucesso? Esperança, faz das pessoas tolas, as faz acreditar em algo
além da realidade. Ele tinha perdido o hábito de esperar há muito
tempo. Sabia do que era capaz. Tinha esperado poder matá-la. Ele sabia
que podia matá-la, não há dúvida sobre isso.

Sua mão rastejou pela pele macia de sua garganta, então seus
dedos enrolaram em torno dela. Suas pupilas se dilataram, mas ele não
colocou pressão em seu toque. Seu pulso batia contra a palma da sua
mão. Ele era um caçador, e ela orava. O fim era inevitável. Ele viera
pedir seu prêmio. Foi por isso que Falcone a deu a ele.

Growl gostava de coisas que doíam. Ele gostava de ferir. Talvez até
amasse, se ele fosse capaz desse tipo de emoção. Ele se inclinou até que
seu nariz estava a centímetros da pele abaixo de sua orelha e cheirou.
Ela parecia doce como uma flor com uma pitada de suor. Medo.
Imaginou que podia sentir o cheiro também. Ele não podia resistir e ele
não precisava, nunca mais com ela. Dele. Ela era dele.

Ele nunca gostou de coisas doces, mas talvez ela mudasse isso.

Ele baixou os lábios até a sua pele quente. Seu pulso zumbiu sob
sua boca onde ele beijou sua garganta. O pânico e o terror batiam num
ritmo frenético sob sua pele. E isso o deixou fodidamente duro.

Seus olhos procuraram os dele, esperando, ainda esperando a


mulher tola, e pedindo a ele por misericórdia. Ela não o conhecia, não

~ 54 ~
sabia que a parte dele que não tinha nascido um monstro tinha morrido
há muito tempo. A misericórdia era a coisa mais distante de sua mente
enquanto seus olhos reivindicavam seu corpo.

Ele rasgou a sua camisa, revelando polegada sobre polegada de


pele imaculada. Não havia uma única cicatriz ou defeito. Ela não
poderia ser sua. Ela era muito perfeita, simplesmente demais.

Ele enrolou os dedos em seu ombro. Suave. Mais suave do que


qualquer mulher que ele tivesse tocado. Nenhuma delas tinha sido
como ela, nem sequer de perto, nem mesmo a mesma espécie, se você
perguntasse a ele.

Os ossos de seu ombro eram afiados contra sua palma. Tão frágil.
Parecia uma boneca. Quebrável, mas bonita. Nada que ele estivesse
destinado a possuir. Sua pele parecia suja em relação à dela e ele
ergueu a mão alguns centímetros, esperando ela afastar a sua pele do
seu toque.

Ela não era como nada que ele já tivesse pensado em ter sob seu
alcance. Não era para ela estar. Nada que ele estivesse destinado a tocar
com suas mãos cicatrizadas e brutais.

Ele não era digno.

Não vale a pena.

Não vale a pena.

Não vale a pena.

Algo quente e afiado agarrou-se ao seu peito. Ele não gostou, nem
um pouquinho. Ele se empurrou da cama, cambaleando de pé. Ela ficou
de costas, os olhos cheios de confusão e perguntas, e novamente aquela
piscada de esperança. — É melhor parar com isso, — ele rosnou.

— O quê? — Ela sussurrou.

— A esperança. É um desperdício. — Ele a ergueu. Para ele, ela


não pesava nada. Ele precisava que ela saísse, fora de sua visão. Ele a
levou para fora do quarto até o quarto de visitas, que ele nunca tinha
tido que usar antes. Ela tremeu contra ele e por alguma razão isso o
deixou ainda mais irritado. Ele a deixou cair na cama e ela soltou uma
respiração chocada. Ele se virou, cansado de olhá-la, de se perguntar,
de duvidar de si mesmo.

~ 55 ~
Ele não deve… não importava porque Falcone a tinha dado a ele.
Ela era dele para fazer o que ele quisesse. Ele andou para a porta e a
fechou atrás de si mesmo. Amanhã ele a reivindicaria. Valendo a pena
ou não. Ele merecia algo bom em sua vida.

~ 56 ~
Capítulo oito
CARA
Eu estremeci quando a porta se fechou. Surpresa que o som tinha
conseguido penetrar o nevoeiro do medo e o martelar do meu coração.
Senti-me atordoada. Lentamente, sentei-me. Meu corpo doía, e eu não
tinha certeza se era da minha briga com Growl ou se era o terror se
manifestando em forma de dor física. Eu não sabia mais nada. Meu
mundo tinha sido destruído, e logo eu dividiria o mesmo destino. Growl
tinha partido, me poupou por enquanto, mas ele voltaria.

Ele voltaria.

Eu virei minha cabeça muito lentamente e espiei para baixo em


minha camisa rasgada, em meu ombro despido. Lembrei-me de seu
toque ali. As pontas dos meus dedos roçaram a pele, e eu tremi, então
tracei até a minha garganta e o ponto sob minha orelha. Seu toque
ainda estava lá, como uma marca. Fechei os olhos, soltei um suspiro.
Meu batimento cardíaco não diminuiu. Meu coração acelerou, como se
estivesse ansioso para bater fora do meu peito, longe, longe do meu
corpo.

Eu queria que fosse assim tão fácil, esquecer seu corpo, indo para
lugares e tempos melhores. Mas isso era um pensamento idiota. Não
haveria nenhum milagre que me tirasse desse lugar, do alcance de
Growl. A maior parte da minha vida eu vivi em uma bolha, afastada da
realidade que tantas pessoas enfrentavam. Eu não podia me permitir
esse luxo mais. Se eu quisesse fugir do meu destino, teria que me
salvar. Ninguém viria em meu socorro, e não meus guarda-costas que
agora serviam a Falcone, provavelmente sempre serviram. Não meu
noivo traidor. Não meu pai, que provavelmente já tinha sido despejado
em algum lugar que ninguém poderia encontrá-lo, ou Falcone o tinha
jogado para os cães como um lanche. Meu peito apertou, mas eu lutei
com esse sentimento. Não havia sentido em compadecer os mortos. Eles
não tinham mais nada a perder. Mas eu tinha, minha mãe, Talia.

~ 57 ~
Eu soltei um soluço trêmulo e rapidamente apertei minha palma
sobre meus lábios. Eu não queria que Growl me ouvisse, para que não o
excitasse e ele mudasse de ideia em me poupar hoje à noite. Eu rastejei
na direção da borda da cama e coloquei um pé no chão de madeira,
então esperei que meus músculos parassem de tremer antes que eu
ousasse me levantar. Minhas pernas estavam instáveis. Eu estava
instável.

Olhei em volta. Este quarto era ainda mais escasso do que o


último. As paredes estavam vazias. O piso de madeira completamente
arranhado.

Gotas de sangue manchavam minha camisa. Estava arruinada.


Eu não podia suportar continuar com ela nem por um segundo mais.
Eu a arranquei do meu corpo e envolvi meus braços ao meu redor. Não
havia roupa no único armário surrado do ambiente. Tudo o que eu
possuía ainda estava em minha casa. Não havia outra porta exceto a
que Growl tinha saído, então eu não tinha um banheiro para mim. Não
havia nada, exceto os móveis surrados. Afundei-me no colchão. Talvez
eu pudesse tentar escapar da casa depois do anoitecer. Coloquei o
cobertor sobre meus ombros, cobrindo-me. Se Growl voltasse, eu não
estaria usando nada exceto um sutiã. Como se isso o impedisse de fazer
qualquer coisa.

Eu ouvi algo farejando e depois roçando a porta. Meu corpo se


apertou com medo quando eu rastejei em direção a ela. Parecia cães.
Quando cheguei a frente da porta, um latido alto soou e eu pulei de
volta. O cão parecia grande, perigoso. O meu pai não havia mencionado
que Falcone criava cães de briga para se divertir?

Minha cabeça estava abalada. Isso era demais. Eu me afastei e caí


de volta na cama. E se os cachorros conseguissem entrar? Eles
provavelmente me rasgariam em pequenos pedaços. Era para isso que
haviam sido criados e treinados. Os boatos diziam que Falcone
arrecadava milhões com apostas em brigas de cães.

Meu coração afundou. Eu nunca seria capaz de sair da casa sem


que os cães percebessem. Mesmo se eu conseguisse me afastar de
Growl, e até mesmo isso parecia improvável, considerando sua
vigilância, os cães eram um obstáculo intransponível.

Enrolei-me em uma bola apertada na cama e enterrei meu rosto


no travesseiro. Ele cheirava a coisa velha por falta de uso. Growl
provavelmente não tinha muitos hóspedes durante a noite. A ideia
quase me fez rir. Eu envolvi meus braços em torno das minhas pernas e

~ 58 ~
fechei meus olhos. Lá fora um casal estava gritando obscenidades um
para o outro, carros passavam cantando pneus, e portas eram batidas.

Eu não tinha certeza quanto tempo eu estava assim, mas a noite


caiu em torno de mim e com ela veio um silêncio arrepiante. Eu preferia
ouvir os pneus cantando. Esse completo silêncio me fez sentir como se
já estivesse morta.

Eu tentei escutar alguma coisa, mas desejei que eu não tivesse


tentado, porque de repente havia rangidos e farfalhar. Eu não tinha
certeza do que a minha mente tinha inventado e o que era realidade. Eu
estava cansada, com sede e fome. Talvez eu morresse de sede ou fome.
Talvez Growl se esquecesse de mim. Fome não poderia ser tão ruim em
comparação com o que poderia estar para vir no meu futuro, se eu
permanecesse viva.

Pare com isso.

Eu tive que parar esses pensamentos loucos. Ficar louca não me


tiraria daqui. Eu precisava manter meu juízo em perfeitas condições,
precisava bolar um plano. Uma imagem de minha mãe e Talia brilhou
atrás das minhas pálpebras fechadas, tão vivas como se estivessem
bem diante de mim. Felicidade e profunda tristeza se sobrepujaram à
imagem. Essa lembrança seria a única coisa que lhes restava? Eu as
veria novamente?

As lágrimas brotaram em meus olhos e eu não as parei, deixei que


elas escorressem passando por minhas pálpebras e caindo sobre
minhas bochechas. Parecia bom, um alívio depois de fingir ser forte. Eu
não era, não realmente, mas talvez eu pudesse aprender. Minha família,
o que sobrou, eu poderia ser forte por eles. Se não fosse por mim, pelo
menos por eles, conseguiria reunir o pouco de coragem que eu possuía
e lutaria contra o Growl. Mais uma vez. E novamente, até que um dia,
talvez eu escapasse da minha prisão.

GROWL
Ele odiava esse sentimento. Odiava a nitidez e a intensidade do
mesmo. Odiava ser lembrado que ele ainda era humano a esse respeito.

~ 59 ~
Ele precisava ser o monstro que todos esperavam dele, ele queria ser
aquele monstro.

Ele lutou tanto para ser algo, qualquer coisa, mais do que o
bastardo e a cicatriz em torno de sua garganta, mais do que o filho de
uma prostituta, mais do que isso. Sempre mais.

Ele empurrou o pedal do acelerador com força. Talvez ele deveria


ter fugido. Precisava livrar-se daquela energia em excesso, daquele
aperto perigoso que abarcava seu peito. Mas onde ele precisava ir era
muito longe. Ele não podia esperar tanto tempo. Ele precisava liberar
alguma tensão agora. Era preciso se livrar dessa sensação em seu corpo.
Ele precisava ser ele mesmo novamente. Precisava lembrar a si mesmo.

No passado, ele tinha que fazer isso quase diariamente. Se


convencer de seu valor, de quem ele era, mas recentemente ele sentiu
como se isso bastasse, e agora aquela garota tão fora do seu alcance,
estava arruinando tudo.

Ele parou na frente do Baton Rouge na zona proibida estacionar,


ignorando o carro atrás dele buzinando. Ele abriu a porta e saiu do
carro. O segurança não disse uma palavra sobre o perigo de como Growl
tinha estacionado, só deu um passo para trás, quando Growl passava
por ele sem uma palavra de saudação. Growl estava quase triste porque
o imbecil não tinha dito nada a ele. Ele queria quebrar ossos, queria
mutilar alguém, matar.

O interior do bordel estava repleto de prostitutas e seus clientes.


Havia uma risada falsa e um perfume muito doce. Havia suor, sexo e
fumaça no ar. Havia uma tensão tão espessa, você poderia cortá-la com
uma faca.

O aperto no peito de Growl melhorou um pouco. Isso era familiar.


Era disso que ele precisava. Algumas prostitutas para ele, e
rapidamente, ele escolheria outra pessoa. Sua recusa não importava.
Ele nunca se importou com sua opinião. Tinha-os todos e a maioria
deles não valiam a pena. Elas não podiam dar-lhe o que ele queria, o
que ele precisava.

Mas havia alguém que podia, que gostava de arranhar e morder,


que gostava dele duro e impiedoso.

Lola tinha se afastado de seu pretendente potencial, um idiota


gordo em um terno escuro. Growl não conhecia o homem, então não
importava. Growl conhecia todos os que importavam nesta cidade, todos
que não deveriam atravessar sua frente, e a maioria deles era

~ 60 ~
inteligente o bastante para não se meter no caminho dele de qualquer
maneira.

O cara gordo apertou uma mão carnuda na coxa de Lola, mas ela
o sacudiu e abriu as pernas para gritar. Seu vestido se revirou,
revelando uma buceta bem depilada, um piercing cintilando sob a luz.
O cara gordo franziu o cenho e seguiu o olhar de Lola em direção a
Growl. Sua expressão caiu. Ele rapidamente deslizou fora de seu
banquinho e desapareceu de vista, procurando por outra prostituta
talvez.

Growl não se importava. Ele passou pelo bar em direção a parte


de trás antes de entrar no segundo quarto à direita. Estava vazio, mas o
cheiro de sexo, desinfetante e borracha pesava no ar. Ele caminhou em
direção à cama e segundos depois a porta se fechou atrás dele.

— Dia difícil, — Lola disse em uma voz rouca. Nenhuma pergunta,


nenhuma declaração. Ela sabia que era melhor não fazer perguntas. Ele
sabia que ela estava perto quando o cheiro de fumaça obsoleta e fresca
se fechava ao redor dele. Quando ela não tinha uma bebida ou um pau
na boca, ela estava fumando.

Ele virou. Seus lábios estavam cobertos de batom vermelho,


parecendo lustrosos e falsos. Tudo sobre ela parecia falso. Seus cabelos
pretos, tingidos muitas vezes, caíam direto em suas costas. Fixados com
spray de cabelo e tudo o que as mulheres costumavam fazer em seus
cabelos, e não deveriam. Seus lábios se torceram em um sorriso
preguiçoso, seus olhos, enrugados com muita maquiagem tremulavam
com ansiedade. Oh sim, ela gostou.

Ela não estava fora de seu alcance.

Ele agarrou seus braços e torceu-a ao redor, então jogou-a sobre


a cama. Sua mão se enroscou em seu cabelo, puxando com força
enquanto sua outra mão abria seu zíper, então empurrou para cima
sua saia e empurrou nela impiedosamente. Ela gritou, com dor ou
luxúria, ele não sabia, não se importava. Ela torceu os braços para trás,
raspou suas unhas compridas sobre suas coxas, tirando sangue. Ele
assobiou e fodeu-a com mais força, e mais duro até que a imagem de
pele de porcelana deixou sua mente, até que ele estava de volta a ser
quem ele deveria ser.

Um monstro, nada menos.

~ 61 ~
Capítulo nove
CARA
Fui acordada por um som que não consegui distinguir. Como
garras na madeira. Meus olhos se abriram, olhando para um teto
branco, não para minha cama de dossel. Algumas manchas escuras
pontilhavam o branco que era realmente mais cinzento, como se alguém
tivesse matado moscas ou mosquitos e não tivesse se preocupado em
limpar depois. A confusão deslizou através da minha mente sonolenta, e
então tudo o que tinha acontecido veio à tona. Eu me ajeitei em uma
posição sentada. Demorou um momento antes de descobrir de onde
barulho que tinha vindo. Os cachorros. Eles estavam na frente da
minha porta novamente.

Droga. Eu realmente precisava ir ao banheiro, mas com os cães


esperando por mim, isso estava fora de questão. Não que eu soubesse
onde o banheiro ficava.

Levantei-me lentamente, com as pernas trêmulas, e espiei pela


pequena janela. Dava para um pequeno jardim. O gramado não era
cortado em um tempo e como a casa, o jardim, também, estava
desprovido de qualquer decoração. Alguém estava gritando nas casas
vizinhas. Uma mulher, seguida por um homem. O mesmo casal que eu
tinha ouvido ontem à noite.

Eu encostei no parapeito da janela, analisando meu ambiente. Eu


sempre fui boa em matemática. Eu gostava de coisas legais e
previsíveis. E onde todos os meus planos foram parar?

A cerca no jardim era coberta com arame farpado. Posso superar


isso? Provavelmente não sem me machucar feio e, em seguida, Growl só
teria que soltar os cães, e eles seguiriam a trilha atrás de mim. E os
vizinhos? Eles me ajudariam a me esconder ou eles apenas gritariam na
esperança de uma recompensa? Provavelmente o último, considerando
as pessoas que eu tinha encontrado até agora.

~ 62 ~
A porta rangeu. Eu girei ao redor, meu corpo tensionado com
medo. Growl entrou, seus olhos pousando em mim. Eu rapidamente
cobri meu sutiã com meus braços.

Ele parecia menos perturbado do que na noite passada e, embora


seu olhar deslizasse sobre meu corpo meio desnudo, sua expressão não
mostrou nenhuma reação. Seu antebraço direito estava enfaixado onde
eu o cortara. Acima dele havia mais marcas. Arranhões que eu não me
lembro de ter feito, mas eu estava em pânico, então eu não tinha
certeza do que exatamente eu tinha feito. Ele seguiu meu olhar
brevemente, mas não reagiu. Ele não parecia se ressentir de mim por
machucá-lo. Eu esperava que isso fosse um bom sinal.

— Você está acordada, — ele disse em voz baixa. Ele nunca havia
levantado a voz nas poucas vezes que eu o ouvira falar, mas suas
palavras emanavam poder suficiente de qualquer maneira.

Eu bufei em sua declaração, mas não disse nada. A pressão na


minha bexiga estava crescendo perto de se tornar insuportável. Atrás de
Growl, dois cães aterrorizantes apareceram. Eles chegavam a seus
joelhos, mas considerando a estatura de Growl, era mais do que
intimidante. O que era pior: eles estavam ofegante e me dando uma boa
olhada em seus dentes afiados. Eles eram definitivamente um tipo de
cães de briga. E a julgar pelas cicatrizes em seus rostos e pelo rasgo no
ouvido do cachorro preto, eles haviam lutado algumas batalhas. Growl
colocou uma mochila que eu não tinha notado antes, no chão entre nós.
— Eu trouxe algumas coisas para você de sua casa.

Minha casa. Eu tentei evocar uma imagem da minha casa


acolhedora, bonita, mas as imagens da noite passada, era tudo que
passava na minha cabeça, e eu prefiro não me lembrar de minha casa,
estando presa aqui. Eu me aproximei. — Você viu minha mãe e minha
irmã? Como elas estão?

Ele rosnou franziu o cenho. — Não. Não me preocupo com elas.

— Mas você deve saber algo, qualquer coisa. O que Falcone lhe
disse antes de vir para nossa casa?

— Eu não perguntei a Falcone quais eram seus planos. Você não


deve fazer tantas perguntas. Eu não tenho as respostas, — disse ele
simplesmente e estava prestes a se virar.

— Eu preciso ir ao banheiro, — eu balbuciei. Eu me senti


envergonhada por eu ter que perguntar, se eu tinha permissão para ir
ao banheiro.

~ 63 ~
Growl fez uma pausa, franzindo o cenho. — E por que não foi?

Eu quase ri. — Porque eu não sei onde é, e eu pensei que eu


deveria ficar aqui nesse quarto.

— Você pode andar pela casa sempre que quiser. Não vou trancar
você no seu quarto. Você não é uma criança.

— Apenas uma prisioneira.

Uma de suas sobrancelhas castanho escuras se contraiu, mas


não consegui ligar a reação com uma emoção. Eu não o conhecia bem o
suficiente. E eu duvidava que alguém o conhecesse desse jeito. Para ser
honesta, eu não tinha certeza se ele era capaz de ter emoções em tudo,
ou se suas expressões faciais não eram apenas a reação natural do seu
corpo a influências externas ou um comportamento que ele tinha
aprendido ao ficar redor de outras pessoas.

Quando o silêncio tornou-se insuportável, perguntei. — Então eu


posso ir se quiser?

Os olhos âmbar de Growl me perfuraram até o âmago. — Você


pode tentar, — ele disse. — Mas eu vou te encontrar, não importa aonde
você vá. Eu te seguirei até o fim do mundo.

— Que romântico, — eu sussurrei com ironia.

— Você é minha.

— Pare de dizer isso. — Eu estava cansada dele me lembrar disso.


Eu queria bater nele com força, e eu teria orgulho de ter acertado seu
rosto quando ele disse que eu era dele.

— Você terminou? — Ele perguntou sem emoção. — Vamos. —


Ele se virou sem esperar minha reação. Eu não podia acreditar nisso.
Agarrei a mochila do chão e estava prestes a seguir quando vi os
cachorros de pé no corredor em frente ao quarto. Eu parei para olhar.
Ambos me observaram com calma, mas com um interesse definido. Meu
pulso acelerou. E eu pensei que eu estivesse cansada demais para ter
medo. Definitivamente não.

— Eles não vão te machucar. São bons cães — disse Growl,


esperando por mim no estreito corredor. Eu não tinha certeza, mas eu
pensei ter ouvido um tom de diversão em sua voz.

— Eles não parecem bons cães, — eu disse hesitante enquanto


me aproximava deles.

~ 64 ~
— Não julgue as coisas por seus olhares. Isso pode te enganar.

Com minhas costas grudadas contra a parede, passei pelos cães.


Eles me seguiram lentamente, seus olhos afiados nunca se afastando de
mim.

Meu olhar percorreu Growl. Suas tatuagens e cicatrizes. — Às


vezes, o exterior e o interior, se equivalem, — eu disse calmamente.

Sua expressão mudou, mas novamente eu não tive chance de


saber o que estava acontecendo em sua cabeça. Pelo menos ele
percebeu minha dica, então ele não era tão ignorante como algumas
pessoas o consideravam.

Ele apontou para uma porta. — Esse é o banheiro.

— Há apenas um? — Eu perguntei, e então quase encolhi como


isso me fez soar.

— Esta é a sua vida agora, melhor se acostumar com isso, —


disse ele.

Eu corri para o banheiro e tranquei a porta, sentindo uma


inundação de satisfação por ter aquela faixa de controle, mesmo apenas
por um momento. Eu ignorei a preocupação de que Growl pudesse ficar
na frente da porta e escutar o que faria, e fui ao banheiro. Ele tinha
ouvido e visto pior, sem dúvida. Mas eu me certifiquei de me apressar e
estava feliz quando eu acabei.

Eu peguei um vislumbre de mim mesma no espelho sobre o


lavatório, quando eu lavei minhas mãos e quase recuei com meu
próprio reflexo. Meu cabelo era uma bagunça selvagem e o rímel
manchou a pele ao redor dos meus olhos de tanto chorar, mas o pior de
tudo era quão pálido meu rosto estava e quão vazio meus olhos
pareciam. Apenas um dia e não apenas a minha vida tinha mudado,
mas meu corpo também.

Eu não queria imaginar o quanto eu estaria pior em algumas


semanas ou meses. Eu não queria imaginar ter que viver muitos dias
com Growl como meu sequestrador. Eu respirei fundo e mudei a água
para o frio, em seguida, espirrei meu rosto e com isso eu me senti
melhor. Eu tentei esquecer onde eu estava no momento, tentei deixar
movimentos familiares assumir meu corpo. Quando eu olhei para os
armários de banheiro de Growl para uma escova de dentes, fui saudada
pelo mesmo vazio que encontrei em outros lugares da casa. Havia uma
escova de dentes e pasta de dente, uma navalha e um desodorante.

~ 65 ~
Nenhum perfume ou outros produtos de cuidados para o corpo.
Coloquei um pouco de pasta de dentes no meu dedo indicador e usei
para escovar os dentes.

Depois disso me virei para o chuveiro, mas hesitei na frente dele,


debatendo se eu deveria arriscar ficar nua. Mas o cheiro de sangue
ainda permanecia na minha pele, misturado com suor e aroma
almiscarado de Growl. Eu tirei minha roupa. Eu não estava a salvo.
Tomar um banho não mudaria isso. Mais cedo ou mais tarde Growl
faria o que quisesse e não havia nada que eu pudesse fazer para detê-
lo.

O chuveiro e o box eram antigos, mas impecáveis, a torneira


rangia e levou muito tempo para a água sair de maneira descente e
aconchegante. Eu esfreguei minha pele até que ela parecesse
apresentável e quente, e provavelmente teria continuado a fazê-lo se
uma batida não tivesse me interrompido.

— Você tem mais dois minutos.

Eu desliguei a água. Apesar do meu primeiro instinto ser de


provocar Growl, eu não queria arriscar que ele entrasse no banheiro. Eu
rapidamente me sequei e então abri a mochila. Minha respiração
engatou quando eu avistei minhas roupas. Era estranho como coisas
pequenas de repente significavam tanto.

Peguei cuidadosamente um vestido de algodão cor creme que


abraçava meu corpo. Eu queria doá-lo porque não estava mais na
moda. Agora parecia a coisa mais preciosa que eu possuía. Eu deslizei o
tecido macio sobre o meu corpo e coloquei meias. Vestindo minhas
roupas velhas me senti mal neste lugar, como uma relíquia de velhos
tempos.

Quando saí do banheiro, Growl não estava lá, nem seus cães.

Eu me demorei no corredor, sem saber o que fazer ou para onde


ir. As paredes eram um branco acinzentado como no meu quarto, e o
piso de madeira escuro tinha visto dias melhores.

O cheiro de café passou por mim e eventualmente me atraiu para


uma grande cozinha. Growl inclinou-se contra o balcão da cozinha, uma
xícara de café na mão e seus cachorros deitados em cobertores num
canto da sala. Seu olhar estava em uma mensagem em seu celular. Não
havia cadeiras ou mesa. Aparentemente, Growl preferia fazer suas
refeições enquanto estava de pé.

~ 66 ~
Ele olhou para cima e seus olhos percorreram todo o meu corpo,
permanecendo nas minhas pernas, quadris e seios.

Eu me forcei a manter a calma, a esconder os nervos que o calor


de seu olhar criou.

Ele usava uma camisa branca apertada que não conseguia


esconder seus músculos, nem os contornos das suas tatuagens. Meus
olhos se moveram para a cicatriz em torno de seu pescoço.

— Aqui, — ele disse, empurrando uma xícara de café para mim. —


Beba.

— Eu prefiro meu café com leite, — eu disse.

— Não há leite na casa. É café preto ou nada.

Peguei o copo, saboreando o calor dele, e dei alguns goles no


líquido quente. Sua atenção voltou para o móvel no balcão da cozinha.
— Há ovos na geladeira se você estiver com fome.

Eu olhei para ele. — Você está falando sério? — Eu perguntei,


colocando a xícara com força no balcão. — Ontem Falcone me deu para
você como um presente e agora você fingir como se isso fosse normal,
como se pudéssemos agir normalmente um em torno do outro. Por que
você não nos faz um favor e me deixa ir?

Ele estava na minha frente antes que eu pudesse reagir. Estiquei


meu pescoço para olhar seu rosto. Eu estava presa entre ele e a
cozinha. Ele me agarrou pela cintura e me levantou no balcão, depois
pressionou entre minhas pernas, aproximando nossos rostos. Eu
segurei minha respiração, atordoada por seu movimento repentino.

Meu coração estava batendo freneticamente contra minha caixa


torácica, mas eu tentei esconder o medo dele por trás do meu ódio. Sua
mão segurou a parte de trás da minha cabeça, mantendo-me no lugar e
então sua boca caiu sobre a minha, sua língua deslizando para além de
meus lábios. Eu fiz um som de protesto, mas ele foi engolido pela boca
de Growl.

Eu empurrei minha cabeça para trás, ofegante e olhei para ele. Eu


o odiava. Odiava por quem ele era, mas pior, pelo que ele me fez sentir.
Por um pequeno momento eu tinha me permitido me afogar no beijo,
porque ele conseguiu me fazer esquecer tudo, me ajudou a afogar a
tristeza, medo e preocupação. E nesse curto instante, me senti
maravilhosamente bem. Tão bem, que meu corpo tinha formigado e eu

~ 67 ~
senti isso da ponta dos dedos das mãos até os pés. Em toda parte.
Estava errado. Deus, tão errado. Como o homem na minha frente.

Enxuguei minha boca e então, da mesma forma, o formigamento


desapareceu e o que restava era repulsa. — Não me toque, — eu
assobiei. — Nunca mais.

Ele sorriu sem humor. — Por quê?

— Porque você me repeliu. Você é um monstro e eu não quero


suas mãos em mim, não quando elas estão cobertas de sangue.

GROWL
Emoções, ele nunca tinha entendido bem. A maioria das pessoas
tinha muitas, e lhes deixava ainda mais dispostas. Especialmente as
mulheres pareciam muito despreocupadas em mostrar essa parte de si
mesmas. Cara não era diferente. O ódio, estava claro em seu rosto.

Ela o odiava.

Todos o odiavam.

Ela o temia.

Todos o temiam.

Estava acostumado a esse tipo de reação. Ele não se importava.

Ele não era um homem esperto; Nem sequer perto de ser tão
inteligente quanto ela. Ele sabia disso, e talvez isso o tornasse mais
inteligente do que a maioria dos homens de Falcone. Ele conhecia suas
limitações, as sentia todos os dias e as aceitava, mas nunca as deixava
pará-lo. Mas apesar de sua falta de inteligência, ele sabia que Cara não
era realmente uma recompensa para ele. Não era por isso que lhe fora
dada. Claro, ela era uma recompensa, era o maior presente que alguém
como ele poderia esperar, era mais do que alguém tão sombrio e sujo
merecia, mas não era por isso que Falcone lhe dera como seu presente.

Esta não foi uma recompensa para ele, era um castigo para ela e
seu pai, e se tinha alguma coisa de verdade nisso, era que tudo não
passava de um verdadeiro castigo. Growl sabia disso, e talvez ele deveria

~ 68 ~
ter se sentido revoltado, deveria ter se sentido culpado, deveria ter
recusado um presente como esse, mas ele não era esse tipo de homem,
e foi por isso que Falcone o tinha escolhido sabiamente. Ele era a
punição que ninguém merecia, muito menos ela. Mas agora que ele a
tinha, Cara, seu dom, ele nunca a deixaria ir. O beijo, tinha lhe dado
um gosto do que estava por vir, de Cara, e malditamente, ela tinha um
sabor doce com uma pitada de amargura do café. Mais doce do que
qualquer mulher que ele tinha beijado, mas não tinha havido muitas e
seu último beijo foi há muito tempo. Ele não gostava de beijar as putas.
Não porque tinham o gosto de outros homens em sua boca, embora isso
também contasse se ele fosse perfeitamente honesto consigo mesmo,
mas principalmente porque era muito íntimo. Ele nunca tinha
entendido o valor de beijar, quando o sexo e um bom boquete traziam
uma satisfação mais rápida, mas desde a primeira vez que ele viu os
lábios rosados de Cara, ele se perguntou como seria beijá-la. No
começo, tinha sido uma fantasia ridícula, que nunca se tornaria
realidade, mas então se tornara uma possibilidade.

Ele olhou para baixo para seu rosto furioso, e o duro conjunto de
seus lábios. Ele queria beijá-la de novo, prová-la novamente, mas ele
tinha aprendido a controlar seus desejos. A forma como ela olhava para
ele agora, o fazia lembrar da primeira vez que eles se encontraram, dos
olhares que cada mulher na sociedade lhe deu. Ele deu um passo atrás
antes que sua raiva pudesse tirar o melhor dele, como se tivesse
passado a última vez. Ele não teve tempo para outra visita com Lola. E
se ele fosse honesto, tinha sido tão satisfatório com ela como de
costume.

Então pegue Cara. Ela é sua.

Ela era. Mas ele não podia imaginar tratá-la como tratava Lola.
Não apenas porque Cara não reagiria do jeito que Growl queria, mas
também porque não gostava da ideia de tratá-la dessa maneira. Ela era
muito preciosa.

Ele se afastou dela e pegou seu telefone novamente. Falcone


queria vê-lo à tarde. Growl duvidava que o homem tivesse um trabalho
de verdade para ele. Falcone queria ouvir detalhes terríveis do que
Growl tinha feito com Cara.

Ele olhou para ela. Ela ainda estava sentada no balcão onde ele a
colocou, mas ela cruzou as pernas protetoramente e estava observando-
o cautelosamente. Mesmo assim, ela conseguiu parecer elegante e
absolutamente fora de lugar em sua casa.

~ 69 ~
Talvez Falcone não se limitasse a gritar como uma punição para
Cara. Talvez ele também tivesse esperado colocar Growl em seu lugar,
para mostrar que apesar de seus anos de serviço, ele ainda não era
digno.

~ 70 ~
Capítulo dez
CARA
Meus lábios ainda estão formigando do beijo, apesar do meu nojo
e raiva de Growl. Ele se afasta lentamente, com uma expressão que não
consigo decifrar. Eu pulo do balcão, tentando sair dessa situação
comprometedora, e congelo de medo quando os cachorros saltam de
onde estavam descansando no canto da cozinha.

O único cachorro com que tive contato nos últimos anos foi o
Chihuahua de Anastasia, que ela comprou depois que isso se tornou
um item essencial das fashionistas, de acordo com as revistas que ela
lia. Mas aquele cachorro tinha o tamanho de um porquinho-da-índia, e
seus dentes mal tinham força para arranhar a pele de alguém. Esses
cachorros, no entanto, eram monstros no tamanho e, principalmente,
na personalidade, assim como o seu mestre. Eu puxei uma respiração e
me encostei contra o balcão outra vez. Não havia nenhum outro lugar
que eu pudesse ir, e pelo jeito que eles me olhavam, iam me seguir de
qualquer maneira. Meu coração acelerou e eu congelei completamente.

Os cachorros também não se moveram, mas pareciam tensos,


como se estivessem prontos para me atacar se eu me mexesse de um
jeito errado. Growl me deu um olhar que deixou claro que ele pensava
que eu tinha perdido a cabeça, mas ele obviamente não era alguém em
quem eu confiava quando se tratava de julgar o perigo e
monstruosidade dos seus cães.

— Se você agir com medo, eles vão ficar desconfiados, — ele disse
como se eu fosse uma criança.

Eu olhei para ele. Suas palavras só aumentaram o meu medo me


deixaram mais tensa. Growl largou seu café outra vez e me olhou como
se estivesse tentando descobrir algo. Meus olhos corriam entre ele e os
seus cachorros.

Growl caminhou na minha direção, seu braço vindo para mim. Eu


estremeci e me encolhi, esperando um soco. Ele parecia frustrado.

~ 71 ~
Ele congelou com o braço no ar e a falta de compreensão cresceu
ainda mais em seu rosto.

— O que você está fazendo? — ele retumbou, lentamente


abaixando o braço musculoso. Havia mais arranhões na parte superior
do seu braço que eu notei agora. Com certeza eles não podiam ter vindo
todos de mim. Um círculo vermelho começou a se espalhar lentamente
pelo seu curativo, e eu estremeci. Growl baixou o olhar para o seu braço
machucado e deu um suspiro. — Você é problema demais, — ele disse
simplesmente. Seus olhos encontraram os meus. Eu não conseguia ler
a sua expressão.

— Talvez você devesse ir ver um médico, — eu disse, em vez da


resposta ácida que tinha em mente. Até agora Growl tinha sido mais
civilizado do que eu achei que fosse possível, e não podia arriscar
provocá-lo tanto a ponto de mudar isso.

— Eu não preciso de um médico. Eu costurei os meus ferimentos.


Eu já fiz isso antes. Mas você me cortou muito profundo e eu não
deveria mexer tanto o braço.

Pela sua reação ontem, eu pensei que mal tinha deixado uma
marca nele com a faca, mas ele provavelmente era muito cuidadoso
para mostrar a extensão do seu ferimento durante uma luta. Embora
chamar nossa pequena desavença de luta era algo risível.

— Por que você não se encolheu? — ele perguntou. Eu esperava


que ele tivesse esquecido minha reação à sua aproximação.

Dei de ombros e voltei minha atenção para os cachorros, que


estavam nos olhando. Eles ainda não tinham saído do seu lugar no fim
da cozinha, exceto que o preto tinha agora se sentado. — Pensei que
você ia me bater, — eu finalmente disse.

Silêncio se seguiu, até que eu não pude mais aguentar e levantei


o olhar para encontrar Growl me encarando em flagrante confusão.

— Ah, vamos lá, — eu murmurei, minha raiva crescendo, apesar


das minhas melhores intenções de não o provocar, seu choque era
ridículo. — Não haja como se isso fosse impossível. Eu vi você ontem. Vi
você matar um homem usando apenas suas mãos para quebrar o
pescoço dele.

— Onde você estava? Eu não vi você em lugar nenhum.

— No armário.

~ 72 ~
Growl assentiu. — Ele era o inimigo.

— E eu não sou?

Por alguma razão, ele parecia mais próximo do que antes, e seu
cheiro finalmente chegou até mim. Não o cheiro de suor, sangue e
morte, como na noite passada, mas algo fresco e almiscarado. Parecia
normal demais para alguém como ele.

— Não. Inimigos precisam ser eliminados porque representam


perigoso e, muitas vezes, morte. Você não.

— Eu tentei te matar ontem à noite, — eu disse indignada.

Ele não disse nada, e isso foi pior do que um insulto.

Cruzei os braços. Estava começando a me cansar dessa conversa,


dessa situação, de tudo. Fechei os olhos, mas no momento em que fiz
isso, imagens da noite passada voltam, e eu rapidamente os abri outra
vez.

Eu realmente queria que Growl parasse de me olhar com essa


expressão atenta. Ele parecia um explorador que tinha descoberto uma
nova espécie. — O que vai acontecer agora? — eu perguntei baixinho.

— Eu tenho trabalho a fazer e você vai ficar aqui vendo TV.

Eu ri. Será que me interpretou mal de propósito? — Não foi isso


que eu quis dizer. Você vai continuar a me manter aqui até que eu
morra ou você canse de mim?

— Não pensei muito sobre isso ainda. Eu não sabia que Falcone
ia te dar para mim, ou eu teria feito planos, — ele disse.

Planos para o meu cativeiro, quanta consideração. — Então, e


agora? — tudo parecia tão sem sentido. Minha vida nunca tinha sido
livre. Sempre houve regras e expectativas, mas agora eu não tinha
escolha sobre nada.

— Eu vou trabalhar e você vai ficar aqui.

Eu desisti. Ele não podia ou não queria me entender. — Você vai


levar eles com você? — eu acenei na direção dos cachorros.

Growl balançou a cabeça. — Eles vão ficar aqui com você.

— Você tem certeza que eles não vão me cortar em pedaços?

Growl se virou para os seus cachorros. — Coco, Bandit.

~ 73 ~
Eles não hesitaram. Dentro de segundos eles estavam ao lado de
Growl e olhavam para ele com o que eu só podia descrever como
adoração. — Eles são bem treinados, — ele explicou. — Você pode
chegar perto.

Eu assenti, mas não me movi do meu lugar contra o balcão da


cozinha. Como eles estavam ofegando, pude dar uma boa olhada no
tamanho dos seus dentes.

Ele franziu o cenho. — Você vai ter que se acostumar com eles.
Você vai passar muito tempo com eles no futuro, e eu não vou estar
sempre por perto para te ajudar.

A ideia dele me ajudando era ridícula. Eu certamente não estava


ansiosa pela sua presença.

— Se você quer tocar neles, deve sempre dar a chance deles te


cheirarem primeiro. Pelo menos até que eles te conheçam melhor. Eles
são cães desconfiados. A maioria das pessoas não lhes deu muitas
razões para terem confiança, — ele estende a mão na frente de Coco,
então na frente do nariz de Bandit, antes de dar tapinhas nas suas
cabeças. — Se eles se afastarem, deixe assim. Não tente acariciá-los se
eles não quiserem.

Como eu deveria saber quando eles querem ou não ser


acariciados? Não que eu tenha qualquer intenção de tocar neles sem
uma boa razão, ou sem Growl por perto. Eles me assustam. Não consigo
evitar. Eles parecem saber como rasgar as coisas em pedaços. Eles têm
muitas cicatrizes falando sobre o seu passado difícil.

— Eles são cães de rinha, certo?

Growl assentiu. — Os dois lutaram muitas vezes. Ganharam a


maioria.

— Aposto que você ganhou muito dinheiro com eles naquela


época, — eu murmurei, esperando que ele pudesse ouvir o meu
desprezo. Por que as pessoas gostam de ver cachorros se destroçando?
Mas eu nunca entendi o apelo de lutas de boxe, também; mas os
boxeadores pelo menos escolhem lutar por vontade própria.

Ele dá mais uns tapinhas na cabeça de Coco e Brandit antes de


virar toda sua atenção para mim. — Eu nunca coloquei eles em rinhas.
Eu os comprei quando eles ficaram velhos demais para ganhar, — sua
voz era mais suave quando ele falava sobre os seus cachorros, embora

~ 74 ~
ainda houvesse as bordas afiadas da rouquidão das suas cordas vocais
danificadas.

— Por quê?

— Porque eles seriam mortos, e depois de tudo que eles


passaram, mereciam viver em paz pelo resto dos seus dias.

Isso foi um lampejo de bondade? Parecia improvável, mas pelo


jeito que ele cuidava dos seus cachorros, eu não podia negar a
possibilidade. Talvez ele sentisse uma conexão com os cachorros porque
eles foram forçados a uma vida de violência. Não se sabia muito sobre o
passado de Growl, mas ninguém nascia assim, ninguém nascia mal.
Talvez ele também tenha sido forçado à essa vida. Talvez ele nunca
tenha experimentado uma vida normal. Isso não justificava suas ações,
mas era uma explicação que me ajudava a entendê-lo um pouco
melhor, um entendimento que era sempre o primeiro passo para a
solução. Se eu queria sair dessa situação horrível, primeiro teria que
descobrir mais sobre o meu captor, mesmo que isso significasse passar
algum tempo com ele.

— Então você nunca apostou em rinhas? Ouvi dizer que as


pessoas fazem milhões com isso, — olhando para a sua casa pobre,
pensei que ele certamente poderia usar esse dinheiro.

Ele balançou a cabeça. — Eu não me importo com dinheiro e,


mesmo que me importasse, não gostaria de ganhar deixando cachorros
se comerem vivos.

Esse homem era um enigma.

Ele fez um gesto para que eu me aproximasse outra vez. —


Venha. Vocês precisam se conhecer e eu não tenho muito tempo.

Dei passos hesitantes para me aproximar, e quando os dois


cachorros não saltaram, fechei a distância que faltava entre nós.

— Fique de joelhos, — Growl ordenou, e essas palavras trouxeram


outra imagem à minha mente, uma que me deixou mais agitada do que
os cachorros com dentes grandes, especialmente porque ela fez o meu
corpo esquentar. Rapidamente empurrei essa imagem para longe e me
agachei.

Growl pegou a minha mão, me assustando. Foi no último


segundo que consegui me impedir de me afastar. Sua palma era calosa
e quente. Parei de respirar quando ele estendeu minha mão na frente do
focinho marrom claro do cachorro. Ele cheirou, então balançou o rabo.

~ 75 ~
Growl colocou minha mão no meio das suas costas, a seguir. — Essa é
Coco. Ela tem oito anos, e eu estou com ela há dois, — Coco, parece um
nome tão doméstico para um cachorro como esse.

Corri minha mão para cima e para baixo pelo comprimento das
costas de Coco. Seu pelo era suave, e eu me encantei na sensação dos
seus músculos. Ela era forte, mais forte do que parecia. Eu só podia
imaginar a cadela na arena de lutas, e a pena por ela cresceu em mim
novamente. Seus olhos castanhos eram curiosos e gentis. Eu não podia
ver uma pitada de agressividade.

Growl pegou minha mão outra vez e a levou para o outro


cachorro, Bandit, inspecionar. Ele também me cheirou algumas vezes,
mas não balançou o rabo ou reagiu de qualquer outra forma. Ele não
parecia se importar muito com a minha presença.

Growl deu de ombros. — Ele precisa te conhecer melhor. Dê um


tempo a ele, — ele soltou a minha mão e eu a puxei rapidamente e
levantei. Isso era muito estranho. Growl estava agindo como se nós
fôssemos um tempo de família desconjuntada.

Growl se levantou também, pairando sobre mim. — Eu preciso ir


agora, — ele pegou seu celular no balcão da cozinha e foi para o
corredor.

— Você vai se encontrar com Falcone? — eu perguntei, o


seguindo. O nome se prendeu como ácido na minha língua.

Growl fez uma careta por cima do ombro na minha direção. Ele
não disse nada.

— Você pode perguntar a ele sobre a minha irmã e a minha mãe?


— eu disse, então completei. — Por favor? Eu vou ficar louca se não
souber que elas estão bem.

— Falcone pode ou não me dizer. Se eu perguntar, ele


provavelmente vai manter isso para si, porque significa mais um pedaço
de poder.

— Eu preciso saber se elas estão bem, — eu repeti.

Growl assentiu. — Levei os cachorros para uma longa caminhada


essa manhã, então é o suficiente se você os deixar correrem pelo jardim
por volta do meio-dia. Vou levá-los para passear de novo quando eu
voltar, — ele disse, então adicionou. — Não tente fazer nada. Isso não
vai ser bom para você nem para mais ninguém, — ele me deu um olhar
expectante até que eu finalmente assenti, então ele andou até a porta e

~ 76 ~
a fechou ao passar. Um momento depois, ouvi o som dela sendo
trancada e eu estava sozinha.

Me aproximei da porta, ouvindo o som do seu carro se afastando.


Então eu hesitei outra vez. Talvez isso fosse um truque? Talvez ele só
queria ver se eu ia tentar fugir se tivesse a chance. Talvez ele até mesmo
estivesse ansioso por uma oportunidade de me punir?

Soltei um suspiro e caminhei de novo até a cozinha, tentando


ignorar os cachorros, que voltaram para os seus cobertores. Não havia
cortinas na casa, então eu tinha uma visão perfeita na direção da
estrada. O carro de Growl tinha ido embora, mas eu ainda não
conseguia acreditar que ele realmente tinha me deixado sozinha. Meus
olhos começaram a correr pela vizinhança, procurando algo fora do
comum, mas para mim, nada era. Essa área estava enterrada na
miséria.

Um homem velho sentando junto ao portão da sua casa do outro


lado da rua. Ele estava me observando, ou pelo menos, a casa de Growl.
Será que Growl tinha lhe dado dinheiro para manter um olho na porta
da frente?

Eu me afastei da janela e corri para a portas dos fundos, que


levava ao jardim. Quando coloquei a mão na maçaneta, pude ver que
ela estava aberta. Growl não a trancou. Como o homem era cuidadoso
demais para deixar a porta destrancada por acidente, isso era uma
armadilha ou ele sabia que eu não poderia escapar, mesmo se tentasse.
Os dois cachorros apareceram ao meu lado, me assustando. Mas eles
não estavam interessados em mim. Em vez disso, eles saíram correndo
para o jardim e começaram a correr atrás do outro. Eu dei um passo
para fora e olhei ao redor. A única chance de escapar sobre a cerca alta
era usando uma cadeira ou uma mesa para chegar lá em cima.

Desde que a cozinha era desprovida de um luxo tal como


cadeiras, a mobília do jardim era minha única opção. Mas a mesa não
parecia estável o bastante para suportar o meu peso e as cadeiras eram
muito baixas para me dar a altura que eu precisava. Quando tentei
mover as cadeiras, no entanto, elas não se mexeram. Olhei para o chão
e vi que elas eram presas ao piso de concreto. Será que Growl fez isso?
Mas quando? Na noite passada, enquanto eu estava dormindo? Deixei
escapar uma risada afiada, e afundei em uma das cadeiras. Eu não
conseguia parar de rir. Os cachorros pararam a sua brincadeira e
ficaram me olhando, obviamente incomodados com a minha risada. Até
mesmo eu me assustei com o som. Cada pedaço de mobília, até mesmo
um banco pesado, estava preso ao chão.

~ 77 ~
Parei de rir, fiquei em silêncio e fechei os olhos, então lentamente
deixei minha cabeça cair para frente até que ela descansou em minhas
pernas. Deixei as imagens da noite passada me assaltarem, esperando
que as revivendo, elas parassem de me assombrar. Levaria tempo, eu
sabia disso. Talvez elas nunca fossem embora.

Talia. Mãe. O que elas estavam fazendo agora?

Eu não tinha como encontrar elas, não tinha como lhes dizer que
eu estava bem e que era para elas serem fortes. Talvez isso fosse a pior
parte, pior até do que ser prisioneira de Growl. Algo fungou no meu
pescoço e eu levantei a cabeça para encontrar Coco parada bem ao meu
lado, seu hálito quente de cachorro no meu rosto. Primeiro eu fiquei
com medo, mas então percebi que a cadela estava tentando me
consolar. Não me mexi, com medo de assustá-la. — Obrigada, — eu
sussurrei, embora me sentisse boba por falar com um cachorro. Coco
trotou até onde Bandit estava cavando em um ponto perto da cerca.

Me levantei da cadeira e olhei ao redor mais uma vez, então


cheguei mais perto da cerca para dar outra conferira, mas com o arame
farpado no topo, não havia como eu pular. E o que eu faria se
conseguisse escapar? Para onde eu iria? Eu não tinha dinheiro,
identidade e nem celular. Nada. Eu não tinha nada. E não havia
ninguém para quem eu pudesse correr. Os pais do meu pai morreram
quando eu era pequena, e ele não tinha irmãos. Já a mãe nunca falou
da sua família. Eu supus que ela fugiu para casar com meu pai. Trish e
Anastasia também estavam fora de cogitação. Os pais delas eram leias a
Falcone. No momento em que eles me vissem, eu seria entregue para
Growl.

Eu estava completamente sozinha até encontrar minha mãe e


minha irmã, e não havia como fazer isso sem a ajuda de Growl. Eu não
tinha escolha, além de achar um jeito de trazer Growl para o meu lado.

O casal começou a gritar um com o outro novamente. Esse lugar


era tão deprimente. Eu não conseguia entender como alguém viveria
aqui por opção. Mas a maioria das pessoas provavelmente não tinha
opção.

Voltei para a casa antes que meu mau-humor piorasse ainda


mais. Os cachorros ainda estavam ocupados perto da cerca.

— Bandit, Coco, venham aqui! — eu chamei, e


surpreendentemente os dois obedeceram ao meu comando sem hesitar
e correram para dentro de casa. Eu fechei a porta e tomando uma
respiração profunda, me virei para encarar a casa. Ela era sombria e

~ 78 ~
quase um inimigo por si só. Sem decorações, sem móveis
aconchegantes. Esse lugar estava equipado apenas para as
necessidades mais básicas. Dei uma olhada na geladeira, mas além de
uma dúzia de ovos e algumas latas de Coca, estava tudo vazio.
Considerei preparar uma omelete, embora eu só tivesse feito isso uma
vez antes. Não estava com tanta fome assim, de qualquer forma.

Voltei para a sala de estar e afundei no sofá. Uma mola escavou


na minha bunda e a coisa velha protestou sob o meu peso. Eu nunca
tive que assistir TV o dia todo. Eu sempre estava ocupada com a
faculdade, meus amigos e meus hobbies. Me inclinei para trás
lentamente. Os únicos outros itens na sala eram a TV, o aparador da
TV, que parecia como se Growl o tivesse encontrado na rua, e uma
pequena mesa. Não havia armários, fotos ou qualquer outra coisa.
Growl não podia passar muito tempo aqui.

Precisava achar um jeito de dar o fora daqui o mais rápido


possível.

Peguei o controle remoto da mesa e liguei a TV. Passei através de


muitos canais, mas não havia nada ligeiramente interessante. Larguei o
controle, deixando um canal da natureza como som de fundo enquanto
saí para descobrir os outros cômodos, mas eu já tinha visto todos, na
verdade. Havia um banheiro, o meu quarto e o de Growl. Ele não havia
trancado a porta, apesar das armas decorando as suas paredes.

Não havia sequer um livro na casa. E eu também não vi um


computador em lugar nenhum.

Frustrada, eu me sentei novamente no sofá e, sem mais nada


para fazer, eventualmente acabei adormecendo outra vez.

O som da tranca sendo aberta me acordou e eu me sentei.


Arrepios cobriam minha pele. O ar-condicionado estava gelado demais.
Procurei na sala por um relógio, mas até isso estava faltando.

Ainda tinha luz lá fora, então eu pelo menos sabia que não era
noite.

Os cachorros começaram a latir alegremente e então ouvi os


passos de Growl. Ele apareceu na porta, estudando a sala rapidamente
antes de olhar para mim.

— Está tudo bem? — ele perguntou desconfiado.

— Não, — eu disse. Que pergunta idiota.

~ 79 ~
Growl estendeu uma caixa de leite. — Para o seu café.

Meus lábios se partiram. — Hm, obrigada?

Nós nos encaramos. Ele parecia inseguro quanto eu sobre essa


situação. Comecei a esfregar meus braços para aquecê-los. — Frio?

Eu assenti. Ele se foi e então o ar-condicionado parou de soprar


ar frio na sala. Por que ele estava sendo assim? Eu tinha minhas
suspeitas sobre os seus motivos.

— Alguma novidade? — eu perguntei quando ele voltou.

Sua expressão se apertou. Então ele se virou e andou pelo


corredor na direção da cozinha. Eu saltei do sofá e corri atrás dele. Ele
estava parado em frente à geladeira aberta. — Você não comeu nada.

Ele era surdo? — Não estou com fome, — isso era mentira. — E
sobre a minha pergunta? Você se encontrou com Falcone, ele disse algo
sobre a minha mãe e a minha irmã?

— Você precisa comer, — Growl disse. — Morrer de fome não vai


mudar nada.

— Eu não me importo! Responda a minha pergunta, droga!

Bandit rosnou baixo, mas Growl o silenciou com um movimento


de mão.

Eu endureci. — E você diz que ele não é perigoso, hm?

— O que você espera quando você está gritando com o dono dele?

— Vamos lá, não é como se eu fosse um perigo para você, — eu


disse, zombando.

Ele olhou para o seu braço enfaixado, então deu de ombros. —


Você não é um perigo para mim, mas está sendo desrespeitosa.

— Você não merece o meu respeito.

Growl fechou a geladeira, inclinando a cabeça para me observar.


Novamente eu podia sentir que ele não sabia o que fazer comigo. — Vou
pedir uma pizza. Eu nem almocei. Que sabor de pizza você quer?

Cruzei os braços e me inclinei contra a moldura da porta. — Eu


não vou comer nada até que você responda a minha pergunta.

— E eu não vou responder até que você coma alguma coisa.

~ 80 ~
— Isso quer dizer que você sabe mais?

— Eu sei, — ele disse simplesmente.

~ 81 ~
Capítulo onze
CARA
Meus dedos tremiam ante a perspectiva de notícias sobre minha
mãe e minha irmã. — Está bem. Vou comer a pizza. Apenas me diga o
que você sabe.

— Que tipo?

Soltei um suspiro de exasperação, mas não poderia surtar de


novo, ou ele poderia decidir não me dizer nada. — Atum e cebola,
suponho.

Growl pegou o telefone e pediu a pizza para seis. Isso iria demorar
mais de uma hora.

Ele deve ter visto o desânimo em minha expressão porque ele


disse: — Coco e Bandit precisam caminhar. Se você vir, eu te direi tudo
o que sei.

Eu balancei a cabeça ansiosamente e como o único par de


sapatos que Growl trazia na minha mochila eram meus sapatos de
corrida, eu estava perfeitamente equipada. No momento em que saímos,
eu percebi o quão presa eu me senti dentro daquela casa. Growl não se
incomodou em colocar seus cachorros em uma coleira. Eles começaram
a cheirar os arbustos locais enquanto Growl e eu andávamos lado a
lado. Era estranho. Eu tinha estado com ele por quase vinte e quatro
horas e até agora ele tinha sido muito mais decente comigo do que eu
esperava. Mas eu tinha um sentimento que tinha mais a ver com o fato
de eu o confundi do que com misericórdia ou piedade. — Então? — Eu
comecei, quando ficou óbvio que Growl gostava da calma da
caminhada.

— Falcone parece estar contente com a punição que ele infligiu a


sua família até agora. Com seu pai morto e você comigo, ele não vê
nenhuma necessidade de punir sua mãe e irmã no momento.

~ 82 ~
— Então minha mãe e minha irmã estão bem? — Eu perguntei
aliviada.

— Por enquanto — disse Growl com naturalidade.

— Onde elas estão?

— Sua mãe está em sua casa velha. Ainda não sei onde está sua
irmã.

— O que você quer dizer, você não sabe? O que aconteceu com
ela? Como você pode ter certeza que Falcone não vai machucá-la se
você não sabe qualquer detalhe? E se ele a entregar a alguém como
presente?

Como ele fez comigo, eu adicionei em minha mente. Queria estar


lá para protegê-la. Era meu trabalho fazer isso.

— Falcone não tem recebido muita informação hoje. Depois da


traição de seu pai ele é ainda mais cauteloso. Mas ele tem algum tipo de
plano e parece exigir que sua irmã e sua mãe estejam bem.

— Mas-

— Não, — disse Growl com firmeza. — É o bastante. Eu te disse o


que eu sei. — Suas sobrancelhas se juntaram e ele balançou a cabeça,
mais para si mesmo do que dirigido a mim. Eu ainda me maravilhei
com o quão alto ele era, erguendo uma cabeça sobre mim. Meus olhos
traçaram seus braços musculosos, cobertos de tatuagem até que eu
pude ver. Especialmente o crânio e a cobra travando seus dentes me
davam arrepios. Perguntei-me quanto mais seu corpo estava coberto
assim.

— Devemos voltar ou perderemos a pizza — disse Growl.

Meus olhos se ergueram para seu rosto. Há quanto tempo eu


estava olhando para ele mesmo? Sua mandíbula estava apertada, seus
olhos cheios de um fogo que me deixou nervosa.

Eu rapidamente andei adiante e ele caiu em passo ao meu lado


pouco depois. Não conversamos mais.

~ 83 ~
GROWL
Growl cambaleou para o pátio em direção à sua área de fitness.
Ele precisava deixar escapar algum vapor e ele precisava treinar de
qualquer maneira.

Algo estava mal com ele. Ele tinha Cara em sua casa. Ele tinha
permissão para fazer com ela o que quisesse, e o que ele tinha feito até
agora? Nada. Algo sobre ela o deixava incapaz de apenas agarrá-la e
fazer o que quiser com ela.

Ele nunca forçou uma mulher a dormir com ele. Talvez fosse isso.
Ele gostava quando elas lutavam contra ele, quando elas mordiam e
arranhavam e às vezes até gritavam, mas não porque não queriam, mas
porque sim. Ele não tinha problemas em machucar as pessoas,
machucar mulheres, mas isso era diferente. Esse era seu trabalho. E
ele gostava. Não havia como negar. Mas o sexo era outra coisa. Ele não
queria forçar uma mulher. Queria que a mulher o desejasse.

É claro que muitas das prostitutas que ele teve no passado


provavelmente também não o queriam, mas fizeram isso por escolha,
porque queriam o dinheiro. Ele poderia viver com isso. E Lola, ela
definitivamente gostava dele mais do que os outros.

Ele suspirou e pôs mais peso na barra. Com um grunhido, ele a


pressionou.

O pior foi o modo como ele pegou Cara olhando para ele hoje. Ela
gostava de ver seus músculos. Ele tinha certeza de que ela estava
atraída por ele em algum nível básico. Ela também o odiava, e isso era
mais forte do que qualquer desejo que ela pudesse ou não sentir por ele.

Porra, ele a queria. A porta rangeu e Cara saiu para a varanda.


Quando ela percebeu que ele fazia seu treino, seus olhos se arregalaram
um pouco, então eles percorreram o comprimento dele antes dela olhar
para outro lugar.

Growl gemeu por dentro.

Ele não gostava de jogos. Ou analisar as sutilezas do


comportamento de uma mulher. Isso estava lhe dando uma fodida dor
de cabeça.

O olhar dela se fixou na mesa da varanda. — Você prendeu ao


chão, então eu não poderia usá-la para pular a cerca?

~ 84 ~
Como ela inventou esse tipo de lógica? — Não, — ele disse,
baixando a barra no suporte. — Eu não sabia que você moraria comigo.
Você queria usá-la para pular a cerca? — Ele suspeitava que ela
pudesse tentar escapar. Ele também sabia que ela não conseguiria.

— Por que não há mesas ou cadeiras na sua cozinha? — Ela


perguntou. — E por que não há livros?

Porque, porque, porque. Por que ela sempre tinha que fazer
perguntas?

Growl se levantou do banco e esticou os braços. Mais uma vez.


Aquele olhar. Porra. Ele cruzou a distância entre eles e a apertou contra
a parede. Seu grito de surpresa foi silenciado pela boca dele. Ele
mergulhou sua língua na boca dela, saboreando o gosto doce dela. E ela
se apertou contra ele. Porra. Ela estava atraída por ele. Ele sabia disso.
Ele a beijou com mais força e passou a mão por baixo da saia,
pressionando a palma da mão contra a virilha. Mesmo através da sua
calcinha e suas calças ele podia sentir o calor irradiando da buceta
dela. Ele pressionou um dedo entre suas dobras, esfregando-a através
do tecido. E ela gemeu em sua boca. Sua umidade estava começando a
embeber suas calças, e o pau de Growl ganhou vida. Porra. Ele queria
tomá-la bem ali na varanda até ela gritar seu nome.

As palmas dela começaram a empurrar contra seu peito e ela


rasgou sua boca para longe dos lábios dele. — Pare com isso! — Ela
ofegou, então mais firme. — Pare com isso! — Ela o empurrou com
força, e ele cedeu, dando um passo para trás e soltando a mão de sua
buceta. Os olhos dela estavam atordoados. Ela olhou para o pau que se
esticava contra as calças, depois para as casas vizinhas, e enrubesceu
um tom ainda mais escuro de vermelho. Ela se virou e tropeçou para
dentro da casa.

Growl a deixou, mesmo que fosse uma das coisas mais difíceis
que já fizera. Ele olhou para sua protuberância. O corpo de Cara
respondeu, só que a porra da sua mente ainda estava bagunçando as
coisas. Growl sabia agora que ela estava molhada para ele, não havia
como ser capaz de manter as mãos para si mesmo. Ele queria prová-la,
queria fazer o corpo dela anular sua mente.

~ 85 ~
CARA
Eu não parei de correr até eu ter fechado a porta do meu quarto
atrás de mim. O que eu tinha feito? O que eu deixei Growl fazer? Deus.
Meu coração estava pulsando descontroladamente em meu peito. Eu
podia sentir o baque, até a batida entre minhas pernas. Cobri os olhos
com a mão e respirei profundamente. Eu nunca senti isso antes. Mas,
movida pelos instintos, minha mente estava em silêncio.

Eu queria sentir seus dedos tão desesperadamente, mesmo


através do tecido que o toque tinha me inflamado. Por que meu corpo
fez isso comigo? Eu odiava Growl e ainda assim meu corpo respondeu a
ele. Ele não era muito bonito. Ele era nervoso, sombrio e marcado.

E meu corpo o queria por causa disso.

Estremeci, soltei a mão e cambaleei até minha cama, onde me


deixei cair. Estar perto de Growl me fazia querer me deixar cair
também.

Parte de mim queria voltar para o quintal e deixar Growl terminar


o que ele tinha começado. Eu poderia me arrepender das minhas ações
mais tarde, talvez até pudesse me convencer a culpar Growl por tudo.
Talvez fosse algum tipo de síndrome de Estocolmo?

Isso funcionava também para a atração sexual? Eu engasguei um


riso. Eu estava perdendo a cabeça.

A pulsação entre as minhas pernas ainda não tinha parado. Se


possível, ficara ainda pior. Coloquei minha mão na minha barriga,
depois parei. Isso não estava certo. Mesmo fantasiar sobre alguém como
Growl estava errado, e tocar-me ao fazer isso? Certamente o pecado.

Minha mãe nunca me perdoaria.

Enrolei minha mão em um punho no meu estômago. Eu seria


forte. Eu não deixaria meu corpo ditar minhas ações. Eu era melhor do
que isso.

***

As próximas duas manhãs eu não queria enfrentar Growl e


esperei até ouvi-lo sair da casa para sair do meu quarto. Eu não

~ 86 ~
conseguiria me esconder para sempre, mas meu embaraço ainda estava
muito fresco. Pelo menos, ele não procurou a minha companhia.

Como de costume eu primeiro chequei todas as portas e janelas


para encontrar elas trancadas. Os cachorros jaziam em suas camas,
sacudindo as caudas sem se importar quando passei por eles. Pensei
em acariciá-los, mas não ousei sem Growl por perto. O que era meio
divertido, considerando que não fazia muito tempo que eu o considerava
a coisa mais perigosa da minha vida. E provavelmente ainda era. Fui
para o meu lugar habitual no sofá e me assustei com a visão de seis
livros ordenadamente empilhados em cima da mesa da sala. Eu não
conhecia nenhum dos autores, mas era uma mistura de romances e
thrillers. Abaixei-me para o sofá, atordoada pela consideração de Growl.
Eu estava mais confusa do que nunca. Por que ele estava me tratando
com respeito? Peguei o livro no topo e comecei a ler, tentando
mergulhar em outro mundo e silenciar meus pensamentos.

***

Quando ele voltou à noite, ele trouxe pizza novamente e a colocou


na mesa da sala ao lado dos meus novos livros. Meu rosto queimou de
vergonha quando seu olhar finalmente se fixou em mim. Ele parecia
completamente não afetado, porém, pelo meu óbvio constrangimento
em relação ao nosso último encontro. — Obrigada pelos livros — eu
disse.

Ele acenou com a cabeça e se acomodou no sofá. Abriu a caixa de


pizza e pegou um pedaço. O perfume picante passou por mim e me
lembrou que eu não tinha comido desde a manhã. Growl tinha
abastecido a cozinha com algumas coisas desde que eu tinha mudado.

— Você descobriu algo mais sobre minha irmã? — Eu perguntei.

Algumas vezes eu me pegava olhando para seus dedos longos e


lembrava como era tê-los em meu corpo.

Eu precisava parar com essa loucura. Concentre-se em outra


coisa, eu disse a mim mesma, e finalmente eu resolvi olhar para sua
cicatriz. Meus olhos traçaram a linha vermelha irritada ao redor de sua
garganta. Era irregular como se tivessem usado uma faca dentada.
Como alguém poderia sobreviver a algo assim? Parecia impossível. Eu
não podia imaginar como deve ter sentido ter o sangue escorrer de você.

~ 87 ~
Eu tremi. Havia tantos rumores sobre como tinha acontecido, e ainda
mais sobre como ele tinha sobrevivido. Eu suspeitava que muitos deles
eram o pilar sobre o qual a notória reputação de Growl tinha sido
fundada. Por que ele estava vivo? Uma ferida assim, uma garganta
cortada, quase sempre significava morte. Por que alguém como ele,
alguém que não merecia viver, sobreviveu, enquanto outros morreram
por menos? Parecia injusto e cruel. Talvez fosse estúpido da minha
parte esperar que a vida fosse justa, dar a todos o que mereciam.

Eu afastei meu olhar, receosa que ele notaria e ficasse irritado.


Mas ele provavelmente estava acostumado a encaradas até agora. Onde
quer que ele fosse, as pessoas observavam com temor e horror. Eu
duvidava que ele gostava da atenção, tão diferente de seu chefe. Eu
tinha visto o orgulho e o prazer no rosto de Falcone sempre que as
pessoas fugiam de seu assassino mais temido.

— Coma, — grunhiu Growl.

Eu pulei e novamente meus olhos encontraram sua garganta.


Esta foi a minha chance de obter respostas, descobrir se havia um
pouco de verdade nos rumores que minhas amigas e eu tínhamos
sussurrado umas para as outras em voz baixa. Minha chance de
descobrir o homem na minha frente, e como influenciá-lo. No entanto,
eu não tinha certeza se eu queria saber mais sobre ele. As pessoas
temem o que não conhecem, essa era uma citação que eu sabia que era
verdade, mas eu tinha um sentimento de que não saber era uma
bênção quando se tratava do homem na minha frente. Com cada
camada que eu descascava, mais horrores estariam expostos.

— Pergunte ou pare de olhar — disse ele. Ele não parecia


zangado.

Eu brilhei. Eu queria perguntar e ao mesmo tempo não. Não


quando ele quase me ordenou, mas minha curiosidade venceu. — O que
aconteceu com você?

Growl empurrou outro pedaço de pizza em sua boca e mastigou


lentamente. Ele engoliu em seco, depois olhou para mim. — Alguém me
queria morto, cortou minha garganta — ele respondeu, os olhos vazios.
— Mas eu sobrevivi.

Eu o encarei. Essa não foi uma resposta, pelo menos não uma
que me permitiu descobrir mais sobre Growl. Era genérica e sem
emoção, mas me mostrou algo. Que eu tinha encontrado um tópico que
Growl estava desconfortável.

~ 88 ~
Ele balançou a cabeça em direção à minha pizza intocada. — Ou
você come ou eu vou dar para os cães.

Eu estava com muita fome para dar a pizza para os cães e então
comecei a comer.

Depois, Growl saiu novamente para trabalhar, e eu decidi me


esconder no meu quarto. Eu não queria arriscar algo como da última
vez. Mas eu não conseguia me conter por muito tempo e olhei pela
janela para o quintal. Growl estava coberto de suor quando ele
empurrou dois gigantescos pesos sobre sua cabeça, o rosto retorcido
com tensão.

Deixei escapar um suspiro e rapidamente me deitei na cama. Se


eu o observasse por um momento, eu só queria me tocar novamente.

~ 89 ~
Capítulo doze
GROWL
Growl sabia que ela estava olhando para ele de seu quarto. Ele a
vira pela janela. Isso estava consumindo seu controle. Não conseguia
mais pensar em nada além de seu corpo.

Growl voltou para a casa depois de uma hora de treino intenso,


mas ele ainda não sentia que isso o tinha acalmado. Foi até o banheiro
e pegou uma toalha para limpar o suor.

Um som chamou sua atenção. Aproximou-se do quarto de Cara. O


barulho estava vindo de dentro. Parecia que ela estava gemendo.

Growl baixou a toalha lentamente, sua virilha apertando. Ele se


aproximou e colocou sua orelha na porta. Mais uma vez, ouviu um
gemido, baixo e prolongado. Rosnando fechou os olhos. Ela estava se
tocando por causa dele. Ele não tinha dúvidas sobre isso.

Porra. Podia sentir-se endurecendo com a mera ideia do que


estava acontecendo atrás daquela porta fechada.

Por que ele ainda estava parado aqui? Ele agarrou a maçaneta e
abriu a porta. Ele se certificou de ser o mais silencioso possível. Ele não
queria que ela o notasse imediatamente. Ele olhou para dentro, e não
podia acreditar em seus olhos. Ela nem estava acordada. Seus olhos
estavam fechados e sua respiração muito baixa. Ele entrou e viu uma
de suas mãos mover-se entre suas pernas.

Seus lábios estavam ligeiramente separados e outro gemido


escorregou para fora. Growl deixou cair a toalha e aproximou-se da
cama. Porra, ele não era um bom homem, e ela estava fazendo isso
difícil para ele. Ele podia praticamente cheirar sua excitação, ou sua
mente já estava começando a enganá-lo.

Growl empoleirou na cama, com cuidado para não acordá-la. Mas


ele não precisava se preocupar. Ela estava perdida em seu sonho. Ela se

~ 90 ~
contorceu, então abriu as pernas sob o cobertor. Growl sufocou um
gemido ao ver. Ele pegou a borda do cobertor e lentamente puxou até os
joelhos. Ela estava usando uma camisola que tinha subido até seus
quadris, deixando sua vagina nua para ele. Ele respirou fundo enquanto
observava um de seus dedos delgados deslizar lentamente sobre seus
lábios inferiores. Foi a primeira vez que ele viu sua vagina. Ela não
estava bem barbeada como a puta que ele tinha no passado. Ela estava
aparada, mas os cabelos castanhos macios cobriam sua montanha. Seu
pau estava tão duro, Growl ficou surpreso por não ter explodido ainda.
Talvez esta fosse a primeira vez que Growl viesse em suas calças. Ela
choramingou novamente, necessitada, mas seu próprio toque não
parecia levá-la mais longe. Growl podia dizer que seu toque não era
praticado. Droga. Ele estava cansado de resistir quando era tão óbvio
que ela o queria tanto quanto ele a queria.

Ele se inclinou sobre ela, deixando que seu cheiro inundasse seu
nariz. Ele deu uma longa lambida sobre seus lábios inchados, e seu
gosto era tão doce, isso o deixou louco. Ela estremeceu e gemeu alto.
Growl não aguentou mais. Afastou a mão dela e deslizou a língua entre
os lábios. Ele lambeu seu buraco apertado e lentamente viajou até a
pequena protuberância no topo. Ela gemeu e depois ficou tensa. Ela
estava acordada, mas Growl estava decidido a não deixar que sua
mente tirasse o melhor dela. Ele puxou o clitóris em sua boca, e sugou
em um ritmo suave.

Ela inalou bruscamente. A tensão em seu corpo permaneceu, mas


ela não o afastou nem disse nada. Ela estava em conflito, ele podia
dizer. Growl usou todas as suas habilidades para convencê-la. Ele
deixou seu clitóris escorregar lentamente para fora de seus lábios e
começou a desenhar círculos suaves antes de lamber seu caminho de
volta para o seu canal estreito novamente.

— Nós não podemos fazer isso, — ela disse trêmula, mas não
havia quase nenhuma convicção em sua voz, e isso era tudo o que ele
precisava. Ele a lambeu mais forte, mergulhou sua língua dentro dela,
então sugou seu clitóris novamente. Ela gritou, e assim já gozou,
inundando sua boca com sua doçura. Ele não parou. Esta tinha sido
apenas a primeira batalha. Ele continuou lambendo, depois a fodeu
com a língua novamente. Ele não lhe deu tempo para se recuperar. Ele
deslizou um dedo nela. Ela estava tão molhada, que não foi encontrado
quase nenhuma resistência.

~ 91 ~
Seu pau estava quase cru de esfregar contra suas calças, mas ele
precisava de mais tempo para ela. Ele precisava prepará-la para o que
estava por vir. Dessa vez ele não iria parar.

CARA
Eu mal podia respirar. Meu corpo estava queimando, meu pulso
acelerado. Tudo parecia tão incrivelmente intenso. Growl estava
praticamente enterrado no meu colo, lambendo e beijando e chupando.
Eu estava tão perto do meu segundo orgasmo. Sua mão serpenteou sob
minha camisola até meu peito. Seus dedos fecharam em torno do meu
mamilo e torceu, e assim outra onda caiu sobre mim, ainda mais difícil
do que antes. O que estava acontecendo? Eu não conseguia entender
um pensamento claro.

Eu mal notei ele sair de suas roupas e só percebi o que iria


acontecer quando ele se agachou sobre mim. Eu não estava pronta para
isso, nunca estaria. Eu precisava detê-lo, precisava acabar com isso
antes que fosse tarde demais.

Ele subiu entre minhas pernas, separando-as. Seus olhos


seguraram os meus. Eu não conseguia me mover, não podia dizer ou
fazer nada. Eu temi esse momento desde quando Falcone me dera para
Growl e agora estava acontecendo, mas tão diferente de como eu tinha
imaginado.

E então ele começou a empurrar, e eu me agarrei a ele com força,


meus dedos escavando a pele cheia de tatuagens de seus braços. Ele
estava me despedaçando. Ele não hesitou, não parou. Mas ele observou
meu rosto. Deixando-me nua de tantas maneiras com seu olhar. Não
era suficiente que eu estivesse deitada nua sob ele? Ele tinha que tirar
as alas sobre a minha alma, ele tinha que me fazer sentir ainda mais
vulnerável do que eu já tinha? Eu engasguei. Isso machucava. De
muitas maneiras. Era assim que perder-se a si próprio parecia?

Meu corpo rendeu, e ainda assim eu estava me despedaçando.


Não fisicamente, embora eu desejasse que meu tumulto interior se
manifestasse de forma física. A dor não era suficiente. Não esta dor, não
quando se misturava com sugestões de prazer. Eu queria abaixar
minhas pálpebras, queria esconder o mundo ao redor e o homem acima

~ 92 ~
de mim, mas eu mantive meus olhos abertos, continuava olhando para
aquele rosto impressionante do meu captor, meu dono, e agora amante.
O ódio deveria estar na vanguarda da minha mente, mas não estava.
Ainda estava lá, ainda forte, mas estava lutando com outras emoções.
Emoções que eu não queria sentir. Compaixão e compreensão.
Agradecimento por sua quase bondade e até mesmo sugestões de
piedade.

Com cada impulso, Growl parecia arrancar um pedaço de mim.


Eu não estava apenas perdendo minha inocência, eu parecia estar
perdendo partes de mim, do que me tinha feito.

Então pare-o. Faça isso, enquanto ainda reste algo de você. Minhas
unhas enterraram mais profundamente nos braços de Growl e ele
grunhiu, os olhos brilhando de prazer. Ele estava gostando. E, por sua
vez, meu próprio corpo zumbiu de prazer. Ele nunca desacelerou, nunca
desviou os olhos de mim. Seu peito musculoso reluzia de suor. A dor
deu lugar a algo mais quente, algo que emocionou meu corpo mais do
que qualquer picada poderia. Eu levantei meus dedos até os ombros de
Growl, arranhando, deixando um caminho vermelho no meu caminho, e
saboreando nele, e nas gotas de sangue que pontilhavam o ponto onde
eu me agarrei a ele.

Growl começou a tremer e soltou um gemido antes de cair no


colchão ao meu lado.

Lâminas vermelhas em forma de meia-lua espalhavam sobre seus


braços, prova do que tinha acontecido. Não prova de luta, de
resistência, de briga. Não prova do que deveria ter sido. Eu não
conseguia tirar consolo dessas marcas. Elas não eram sinais de minha
falta de vontade, de uma luta corajosa contra a tomada de Growl de
mim. Não, eu o deixei me conquistar, até mesmo o tinha saboreado. O
que estava errado comigo? Como eu pude deixar isso acontecer?

Eu só podia imaginar o que Trish e Anastasia diriam se me


vissem agora. Eles ficariam chocados e revoltados, e eles falariam sobre
isso por dias. Mas isso não importava, não mais.

Mas Mãe e Talia sim. E elas me julgariam tão bem se soubessem.


Como não poderiam? Como poderia alguém não me condenar por o que
eu tinha permitido que Growl fizesse?

Era assim que perder-se a si próprio parecia? — Essa pergunta


ainda assombrava em torno do meu cérebro, mas agora uma outra
pergunta tinha sido adicionada à mistura, uma pergunta que me
assustava ainda mais. — Como você pode perder-se a si mesma se você

~ 93 ~
nunca teve a chance de se encontrar? — Eu empurrei o pensamento
para longe, banindo a miríade de pensamentos aglomerando-se no
cérebro. Eu não poderia levá-los mais. Growl estava ofegante ao meu
lado. Seu rosto parecia relaxado, em branco, mais do que nunca, como
se através do ato carnal de sexo, ele conseguira se libertar, conseguisse
banir qualquer demônio que o assombrasse.

Esta não seria a última vez. E eu não fiquei horrorizada com a


ideia. Apesar do estado dolorido e até da dor que latejava entre minhas
pernas, eu queria de novo. Eu admiti para mim mesma esse momento
de realização. O dano já foi feito. Eu não tinha mais nada a perder.

Growl sentou-se e balançou as pernas sobre a borda da cama. Eu


me empurrei em uma posição sentada também. Ele já estava saindo
depois do que acabamos de fazer?

Growl olhou para mim por cima do ombro, e agora seu olhar em
minha pele nua não fazia meu corpo zumbir de prazer e triunfo. Eu
segurei os cobertores sobre meu peito, agarrando-se ao tecido rápido
como eu tinha agarrado os braços fortes de Growl poucos minutos
antes. Eu não dei voz às minhas perguntas, não queria soar
desesperada e necessitada, especialmente quando ele era a última
pessoa que eu deveria precisar. Por um momento nós dois parecíamos
estar congelados, mas então eu desviei meus olhos sob o poder da
minha própria vergonha e Growl levantou-se. Do canto do olho, eu o vi
reunir suas roupas do chão, mas ele não se incomodou em se vestir. Em
vez disso, ele saiu e começou a fechar a porta, mas parou.

— Há algo para a dor no banheiro. — Ele parou e eu esperei por


ele dizer algo mais, mas então ele apenas fechou a porta. Esperei que
seus passos desaparecessem antes de me libertar dos cobertores e
rapidamente saí da cama. Eu não podia suportar estar nela agora.
Estava úmido com nosso suor, e cheirava a sexo. Olhei para o branco
dos lençóis. Ao ver o pequeno ponto rosa, soltei um suspiro trêmulo. A
traição veio em tantas maneiras e formas. Às vezes era um ato
proposital, e às vezes era algo que você deixava acontecer.

~ 94 ~
GROWL
Ele tomou vários goles longos de água gelada. Até agora seu corpo
parecia ferver de luxúria. Seu orgasmo não tinha diminuído nem um
pouco seu desejo por Cara. Não porque o sexo não tinha sido
satisfatório, embora isso fosse verdade também. Ele tinha tido orgasmos
mais fortes, tinha tido sexo melhor, mas o que tinha acontecido entre
ele e Cara tinha sido a coisa mais intensa que ele já tinha
experimentado. Não fazia sentido.

Ela não era alguém que pudesse saciar sua fome, e ela não era
alguém que ele normalmente escolhia para seu desejo, e mesmo assim
neste segundo de merda ele não podia imaginar estar com outra
mulher. Ele queria Cara, queria ver se conseguiria tirá-la de sua
concha, torná-la mais adiante e exigente. Ele queria liberta-la de sua
fome. Ela tentou esconder isso, mas naquela noite ele tinha visto e ele
queria mais.

Antes de Cara, ele estava satisfeito com o que tinha, com as


cartas que recebera, mas ela o fez querer mais e isso não era
exatamente seguro em seu mundo.

O que ela estava fazendo com ele?

A porta de Cara se abriu e fechou. Silenciosamente. Ela não


queria que ele ouvisse tantas vezes quando ela se arrastou pela casa.
Mas se sua vida lhe tivesse ensinado alguma coisa, era vigilância. Não
havia um som que passasse por sua audição. Seus passos eram
cuidadosos e depois pararam e outra porta se abriu e fechou. Growl
tomou outro gole de água e estava prestes a colocá-lo de volta na
geladeira e ir para a cama, mas então o chuveiro saltou para a vida. Ela
estava tomando banho. Ele nunca tomou banho logo após o sexo. Ele
gostava do cheiro dele, e da sensação pegajosa. Ele gostava de ser
lembrado do que ele tinha feito. Mas as mulheres sempre gostam de
coisas limpas, pelo menos mulheres como Cara. As putas com as quais
ele normalmente lidava, também tomavam banho, é claro, mas isso era
por razões práticas. Elas não podiam sair andando fedendo sexo de seu
último cliente quando seu próximo aparecesse.

Growl ficou tenso. Outro ruído perturbou o movimento monótono


de água. Soluços. Afastou-se do balcão da cozinha e entrou no corredor
e parou em frente à porta do banheiro. O soluço era um som baixo,
destinado a ser afogado pelo chuveiro. Não era para ele. Cara estava
chorando.

~ 95 ~
Growl estendeu a mão para a maçaneta da porta, seus dedos
apertando o metal frio até que seus ossos doeram da pressão. Ele soltou
e deu um passo atrás. Por que ela estava chorando?

A raiva surgiu através dele, queimando mais quente do que sua


luxúria. Ele girou sobre o calcanhar e se afastou do som de suas
lágrimas e não parou até que ele estava lá fora na varanda. Ambos os
cães o seguiram e agora o observavam com olhos curiosos.

Growl enrolou as mãos nos punhos e olhou para o céu noturno.


Ele nunca encontrara a visão calmante ou mesmo inspiradora. Para
Growl sempre tinha sido muito vasto, muito incerto. Algo que ele não
podia controlar ou compreender, nem mesmo começar.

Cara, ela, também, era como o céu noturno. Tão linda, não havia
dúvida sobre isso.

Ele podia controlá-la, pelo menos fisicamente, mas o que se


passava por trás daquele rosto perfeito, era que estava completamente
fora de seu alcance. Seu cérebro funcionava de maneiras que ele nunca
seria capaz de entender. Ele gostava de coisas simples. Descomplicadas.
Ela era qualquer coisa menos isso. Compreendendo-a, isso que ele
nunca faria.

Seus olhos encontraram a porta. Se ele entrasse agora, ela ainda


estaria chorando?

— Porra — ele rosnou e chutou o chão. Ambos Coco e Bandit


saltaram para trás e o observaram cautelosamente. Raiva era algo que
ele estava familiarizado, algo que ele mesmo achava consolador. Mas
hoje à noite isso não o fazia se sentir melhor. Ele estava com raiva dela,
mas ele não podia soltar sua fúria sobre ela. Não, ele podia, mas ele não
queria. E isso piorava as coisas.

Ela se divertiu sozinha. Ele a vira se divertir. Seu corpo tinha


respondido a ele. Ela gemeu, entregou-se ao prazer. E agora ela estava
chorando.

Ele também estava bravo com ele. Ele não deveria dar uma merda
sobre seus sentimentos. Ele tinha ouvido as pessoas chorando antes,
ouvido eles implorando e gritando de terror. O que era uma mulher
chorando? Nada. Mas isso não diminuiu sua raiva. Ele chutou o chão
novamente. Coco se escondeu atrás das cadeiras e Bandit se afastou
ainda mais longe dele.

~ 96 ~
Ele ficou de joelhos e fez um barulho reconfortante. Seus
cachorros nunca tiveram medo dele. Depois de um momento de
hesitação, primeiro Coco e, em seguida, Bandit aproximaram-se dele e
apertaram-lhe o corpo. Ele os acariciou por um longo tempo e,
finalmente, parte do fogo debaixo de sua pele desapareceu. É por isso
que ele preferia a companhia de cães. Eles não eram complicados. Eles
mostravam o que eles estavam sentindo.

Ele se levantou e voltou para a casa. Ele não permitiria que nada
ou alguém o expulsasse de sua própria casa. Coco e Bandit o seguiram
de perto. Growl fechou a porta do terraço e depois ouviu. O chuveiro
não estava mais ligado. Ele esperou mais um momento, mas ficou em
silêncio. Nenhum soluço, nada. Coco saiu de seu lado e trotou em
direção à porta de Cara, cheirando antes de se sentar. Growl suspirou.
Especialmente Coco tinha se afeiçoado a Cara, mas mesmo Bandit, que
nunca gostou de ninguém, parecia gostar da presença da mulher.

Growl seguiu em direção a Coco e escutou ainda mais de perto,


mas o silêncio reinava atrás da porta. Ele agarrou a maçaneta, e antes
que ele pudesse parar, empurrou para baixo e abriu a porta. Seus olhos
encontraram a cama onde Cara estava encolhida, suas pernas
apertadas contra seu peito. Seu rosto estava afastado dele, e se ele fosse
honesto consigo mesmo, ele estava agradecido por esse fato. Ele não
queria ver seu rosto molhado com lágrimas. Sua respiração era
uniforme, e ela não tinha ficado tensa quando a luz se acendeu. Ela
estava realmente dormindo.

Isso não o fez se sentir melhor. Ele não devia ter sentido nada à
vista.

~ 97 ~
Capítulo treze
CARA
Eu considerei ficar no meu quarto, mas então eu decidi que seria
estúpido fazer isso. Eu me odiava pelo que acontecera na noite passada,
mas talvez eu pudesse usar isso para minha vantagem. Eu queria ficar
no lado bom do Growl, então ele iria ajudar a mim e a minha família.
Dormir com ele talvez fosse o primeiro passo na direção certa, por mais
louco que isso fosse.

Quando entrei na cozinha, Growl não estava lá, mas a porta do


pátio estava aberta. Eu saí para encontrar Growl sentado em uma das
cadeiras olhando para o céu. Seus olhos se voltaram para mim, e
minhas bochechas se aqueceram, mas eu lhe devolvi o olhar.

Havia um piscar de surpresa em seu rosto quando me aproximei


dele. Eu me afundei na cadeira em frente a ele, estremecendo
ligeiramente.

— Você está bem? — Ele resmungou, as sobrancelhas juntas.

Eu balancei a cabeça. — Estou bem, — eu disse. Eu não queria


discutir minha dor com Growl.

— Há café para você lá dentro — disse Growl. Então ele se


levantou e eu pensei que ele queria me evitar, mas ele voltou alguns
minutos depois com uma xícara de café. Ele colocou muito leite no café,
mas eu estava feliz por sua consideração. Eu tomei um gole, então fiz
uma pergunta que estava me incomodando por um tempo.

— Qual é o seu verdadeiro nome? Growl foi o nome dado a você


depois dessa coisa com suas cordas vocais.

— Foi? — perguntou ele calmamente.

Eu fiz uma careta. De repente insegura, mas ninguém se chamava


Growl ao nascer. — Sim, por causa de como sua voz soa.

~ 98 ~
— Growl, — ele repetiu e ouvi-lo dizer o nome, se encaixou ainda
melhor.

— Qual era o seu nome verdadeiro?

— O que isso importa?

— Eu só quero saber, — eu disse calmamente.

Ele olhou para fora novamente, como se estivesse perdido no


passado. — Eu tenho sido chamado de Growl por um longo tempo. Esse
outro nome, não importa mais.

— Por que você diz isso? É o nome que sua mãe escolheu para
você.

— Mas o menino que recebeu esse nome não existe mais. Ele foi
apagado para sempre.

— Então você não se importa que as pessoas te chamem de


Growl? Não é frustrante ser reduzido a essa pequena parte de você?

— Growl é um nome que assusta as pessoas. É o nome que me


encaixa agora. É um nome que tem poder e significado porque eu
trabalhei duro.

— Mas seu antigo nome não é melhor do que um nome que


lembra todos os dias do que aconteceu com você? — Eu queria
perguntar a ele sobre os eventos, mas ele já estava tenso e eu tinha a
sensação de que ele não estaria aberto a dar mais informações se eu
perguntasse a ele agora.

— Eu não preciso de um lembrete. Eu nunca vou esquecer. Está


aqui — ele apontou para a cicatriz em sua garganta, — E aqui —
acrescentou, apontando para sua testa.

Só conseguia imaginar que tipo de imagens o assombravam à


noite. Talvez por isso ele pudesse lidar com suas próprias ações com
tanta facilidade, porque os horrores de seu passado ocultavam qualquer
outra coisa.

***

Ele parecia ansioso quando voltou naquela noite. Eu baixei o meu


livro. Era o terceiro que eu tinha terminado até agora. Growl

~ 99 ~
imediatamente se juntou a mim na sala de estar, mas ele não se sentou
e ficou na porta em vez disso. Sempre cauteloso para não chegar muito
perto, exceto quando éramos íntimos.

— Tenho notícias — disse ele calmamente. — Falcone tomou


algumas bebidas hoje e isso sempre o faz falar. Ele me contou mais
sobre sua irmã. Ela está escondida em uma das propriedades dele.

— Ele não disse onde? E por que ele a está escondendo? O que ele
quer com ela? E se eles a estão machucando? — Eu apertei meus
joelhos, a mera ideia da minha irmã estar machucada de alguma forma
me rasgou.

Growl se aproximou, obviamente incomodado com a minha


aflição. — Eu duvido muito. Sua irmã é muito valiosa como alavanca
para machucá-la. Isso não quer dizer que Falcone não vai fazer isso se
ele ver isso como benéfico para seu objetivo.

— Eu não entendo. Que objetivos? O que isso significa?

— Falcone precisa controlar a sua mãe. E ele a está ameaçando


com o que ela fez com Talia. Dê a ela alguém que a machucaria. Sua
mãe não está em um bom estado mental agora. Aparentemente ela se
sente culpada por causa do que aconteceu com você e faria qualquer
coisa para proteger pelo menos sua irmã quando ela não pode te
proteger.

— Não é culpa dela.

Growl sorriu de forma torcida. Talvez porque falássemos dele


como se ele fosse uma maldição, mas para ser honesta, foi exatamente
por isso que Falcone me deu a ele, porque todo mundo temia Growl.

— O que eu não entendo é como minha mãe poderia ser útil a


Falcone de qualquer maneira. Ela nunca esteve envolvida nos negócios
do pai. Ela sempre foi apenas uma dona de casa. A única coisa que ela
sabe é como organizar um jantar e onde comprar os melhores sapatos.

Eu me encolhi com o quão horrível isso parecia, mas era a


verdade. Eu não podia ver como Falcone poderia usar qualquer uma
dessas coisas.

— Sua mãe não precisa saber nada sobre negócios. Seu sangue é
o que importa.

Eu congelo. — O que você quer dizer?

~ 100 ~
Growl procurou meu rosto como se ele não pudesse acreditar que
eu não soubesse. — Sua mãe não é de Las Vegas. Ela nasceu em Nova
York, mas fugiu com seu pai.

Eu suspeitava que a mãe tivesse fugido com o pai. Ela sugeriu


algo assim. Mas em Nova York? Pensei nas poucas vezes em que
conversei sobre Nova York com minha mãe. Ela sempre evitava o
assunto. Eu nunca tinha pensado muito, mas tudo fazia sentido agora.
No entanto, ainda não explicava por que isso a tornava um trunfo para
Falcone.

Olhei para Growl, mais confusa do que nunca.

— Sabe quem é Salvatore Vitiello? — perguntou ele, pousando no


apoio de braço do sofá. A coisa rangeu sob seu peso.

Salvatore Vitiello? Todo mundo conhecia aquele homem. Mesmo


as pessoas que não tinham nada a ver com a máfia, sabiam quem ele
era. Sua morte tinha estado em todos os jornais. — Claro. Ele era o
chefe da Família de Nova York. Mas ele está morto agora.

Growl assentiu. — Ele está. E sua mãe é a irmã dele.

Meus olhos se arregalaram de surpresa. — Minha mãe está ligada


ao chefe da Família de Nova York?

— Está. Suponho que ela e seu irmão nunca se deram muito bem,
essa foi outra razão pela qual ela deixou Nova York.

— Ok, mas por que Falcone se importaria se minha mãe fosse


parente de Salvatore Vitiello?

— Porque isso significa que ela é a tia do atual chefe da Família, e


isso a torna a pessoa perfeita para fazer contato com eles.

— Eu pensei que Las Vegas não queria nada com Nova York. Eles
se odeiam. Foi o que meu pai sempre disse.

— Isso é verdade — concordou Growl. — Falcone quer a Família


morta, e a Chicago Outfit também. Mas seu poder está diminuindo. Os
russos ficaram muito fortes em Las Vegas. E agora que Chicago e Nova
York estão trabalhando juntos, Falcone teme que os russos perderão o
interesse nessas cidades e vão concentrar toda a sua energia em
assumir o controle sobre Las Vegas. Se Falcone quiser manter sua
cidade, ele precisa do apoio das outras famílias. E isso não será fácil.
Ele fez muitos inimigos ao longo dos anos.

~ 101 ~
Eu bufei. — Eu não estou surpresa. Ele é um bastardo sádico, e
nunca se importava em trabalhar com ninguém. Por que os Vitiellos
deveriam considerar ajudar a Camorra?

— Por causa de sua mãe. Ao que parece, Luca Vitiello é muito


voltado a família. Ou pelo menos desde que se casou com Aria. Se sua
mãe, como sua tia, entrar em contato com ele e pedir ajuda, as chances
de Falcone são muito melhores do que sem ela.

— Por que Falcone não pediu a minha mãe antes? Porque agora?

— Falcone tem tentado resolver as coisas por conta própria, como


sempre fez, mas agora que até seu pai o traiu com a ajuda da Bravta,
até mesmo Falcone percebeu que precisa fazer alguma coisa logo ou Las
Vegas está perdida.

— Eu digo que os Bratva tomem a cidade. Eles não podem ser


pior do que os Falcone. A cidade ficará melhor sem o bastardo.

— Talvez — disse Growl encolhendo os ombros. — Mas essa é a


sua resposta. E enquanto Falcone espera o apoio de Nova York e
enquanto sua mãe fizer como ele diz, sua irmã e ela estarão seguras.

— Mas e se Nova York se recusasse a ajudar Falcone?

— Então Falcone provavelmente ameaçará matar sua mãe e sua


irmã. Isso poderia fazer Luca Vitiello mudar de ideia. Embora eu duvide
que arrisque Nova York por uma tia que ele não conhecia, apenas
porque Falcone ameaça matá-la. Luca tem quase tanto sangue em suas
mãos como eu. Ele pode tomar decisões difíceis.

— Mas se isso acontecer, minha mãe e minha irmã morrerão!

— É uma possibilidade.

— E mesmo se Luca concordar em ajudar, Falcone manterá


minha mãe como prisioneira e minha irmã como alavanca. Elas não
estarão melhor do que eu.

O rosto de Growl apertou, mas ele concordou com a cabeça. — A


única chance delas é escapar de Las Vegas. Se elas forem para Nova
York, Luca provavelmente aceitar em protegê-las. A esposa dele vai
certamente convencê-lo.

Nova York. Essa era a solução para tudo.

— Quando posso ver minha mãe? Quero falar com ela para ter
certeza de que ela está bem.

~ 102 ~
Growl ergueu as sobrancelhas. — Você acha que eu menti para
você? Ela está bem, considerando tudo, acredite em mim.

— Sim, — eu disse. — Mas eu preciso vê-la. Por favor.

Growl suspirou. — Não é tão fácil. Falcone mantém um olhar


atento sobre ela. Ele não ficará feliz com isso.

— Tem que haver um jeito, — eu disse implorando.

Growl suspirou. — Eu nem mesmo sei por que eu estou dizendo


tudo isso. Isso poderia ser traição. Estou trabalhando para Falcone.

— Ou talvez ele achou que você me diria e ele espera que isso me
faça ficar fácil de ser controlada. Ele não pode acreditar que você não
mencionará nada a mim, — eu disse. Ele parecia duvidoso. Ele estava
escorregando novamente. Eu não sabia como ligá-lo a mim. A única vez
que baixou a guarda foi quando tínhamos feito sexo.

Eu me aproximei um pouco mais perto dele, mas eu nunca tive


que usar meu corpo para conseguir o que eu queria. Eu poderia dizer
que Growl não tinha parado de admirar meu corpo desde o momento
em que ele entrou. Ele ainda me queria, então na noite passada não
tinha sido suficiente. Se eu soubesse como seduzi-lo. Eu não tinha
certeza do que fazer. Meu corpo definitivamente já estava imaginando
como seria sentir seu toque novamente. Eu tentei não deixar os
pensamentos do que era certo ou errado arruinar isso para mim. Mas
sempre me ensinaram a agir como uma moça. Seduzir alguém não era
algo que minha mãe teria tolerado. Eu vacilei, meus olhos rastreando os
músculos de Growl visíveis através de sua camiseta fina e suas coxas
fortes. Minha barriga encheu de calor pela visão. Eu já tinha dormido
com ele. Isso era fácil agora, eu tentei me dizer.

Growl deve ter visto algo na minha expressão, porque ele soltou
um gemido baixo e me puxou para ele, alegando a minha boca para um
beijo. Quando ele se afastou, ele murmurou: — Você sabe o que está
fazendo?

~ 103 ~
Capítulo catorze
CARA
Eu sabia que estava fazendo? Deus, não, eu não sabia. A única
coisa de que eu tinha certeza era o que meu corpo o queria, o desejava
desde o primeiro momento em que nos vimos, e agora eu podia
justificar meu desejo com outra coisa. Ele era minha única chance de
conseguir o que eu queria e se isso exigisse usar meu corpo para obtê-
lo, eu estava disposta a fazê-lo. Ele me beijou novamente, mais forte
desta vez e começou a rasgar a minha camisa. Eu queria protestar, mas
antes que eu pudesse, ele já tinha rasgado, me deixando só de sutiã. E
então isso também se foi e ele chupou meu mamilo em sua boca. Eu
gritei de surpresa e luxúria, e mal tive tempo de recuperar o fôlego
quando Growl cambaleou em seus pés. Fiquei confusa. Ele estava indo
embora? Eu tinha feito algo errado? Eu pensei que ele me queria mais
do que eu o queria.

Olhei para ele, sentindo uma vergonha tomar conta de mim, mas
então eu o vi tateando seu cinto e empurrando suas calças para baixo.
Seu pênis saltou pra fora, já grande e brilhando na ponta. Um calor se
espalhou entre minhas pernas só de olhar, apesar da dor que eu ainda
estava sentindo.

Com seu pênis de pé, em alerta, ele se aproximou. Estava no nível


dos meus olhos e eu finalmente tive uma ideia do que ele tinha em
mente. Os nervos vibravam em meu estômago. Eu não tinha certeza se
eu poderia fazer isso, e se eu gostaria. Growl não me deu muito tempo
para ter dúvidas. Ele parou bem na minha frente, seu pênis apenas
alguns centímetros do meu rosto. Ele cheirava limpo e parte de mim me
perguntava como ele gostaria. Growl tinha aparentemente apreciado o
que ele tinha feito para mim ontem, especialmente o meu gosto. Olhei
para ele novamente.

Sua mão raspou meu cabelo e veio descansar na parte de trás da


minha cabeça. Ele me empurrou para a frente levemente até que meus
lábios roçaram a ponta. Isso era errado, não era? Growl não via nada

~ 104 ~
em mim senão uma coisa para lhe dar prazer. Por um instante meus
instintos me disseram para travar a mandíbula, mas então deixei que
ele deslizasse em minha boca. Ele era um pouco salgado, mas não de
forma ruim.

A luxúria brilhava em seus olhos.

Meu próprio corpo corou de alegria, e uma nova onda de calor se


acumulou entre minhas pernas. Eu não deveria querer, não deveria
gostar disso. Isso estava errado em tantos níveis, mas quando os
movimentos de Growl se tornaram mais duros, quando seu
comprimento deslizou dentro e fora da minha boca mais rápido, minhas
mãos agarraram sua bunda aparentemente por sua própria vontade.
Seus músculos se dobraram sob meus dedos, duros e implacáveis.

Seus empurrões se tornaram espasmódicos e então ele me soltou


com um gemido baixo. Eu tive dificuldade em engolir em torno dele,
mas ele não parou de empurrar em mim. Ele diminuiu gradualmente,
ainda tremendo. Seus olhos encontraram os meus e eu tremi. Eu tentei
puxar para trás, mas suas mãos me mantiveram no lugar. Depois de
um momento, ele deslizou seu comprimento para fora da minha boca
centímetro por centímetro. Ainda estava duro, mas menos do que antes.
Ele deu um passo para trás e meu rosto tornou-se insuportavelmente
quente quando a vergonha tomou conta de mim pelo o que ele tinha me
feito fazer, no que eu tinha feito, e tinha até gostado de fazer. Deus. Se
minha mãe soubesse. Se alguém soubesse. Eu sabia o que Trish e
Anastasia diriam sobre mim. Elas me chamam de uma puta suja.
Minhas emoções conflituosas me fizeram sentir como se tivesse uma
dupla personalidade.

De repente o gosto dele me fez sentir suja. Eu mal conseguia


parar de cuspir no chão. Mãos ásperas puxaram-me para os meus pés e
enrubesci contra seu corpo. Antes que eu tivesse uma chance de reagir,
ele enfiou a língua na minha boca, provando-me, saboreando a si
mesmo.

Meus joelhos ficaram fracos enquanto ele explorava minha boca.


Ele não se importava em sentir seu próprio gosto? Pensei que os homens
achavam isso nojento. Ele sugou meu lábio inferior em sua boca, então
o soltou com um estalo. — Sua boca fica com um gosto perfeito com a
minha porra nela, — ele rosnou.

O constrangimento me invadiu de novo, mas Growl não teve


misericórdia. Ele enfiou um dedo em mim e eu engasguei primeiro de
desconforto do que algo mais, algo incrível. Ele enrolou seus dedos

~ 105 ~
profundamente em mim e eu podia sentir as minhas terminações
nervosas, que eu nunca tinha sentido antes. Growl começou a deslizar
os dedos para dentro e para fora lentamente, e eu fiquei envergonhada
com o quão fácil era, já que eu estava molhada, quente e ansiosa. Dar-
lhe prazer tinha me excitado. Era mesmo normal que isso acontecesse
com algo tão sujo? Minha testa caiu contra seu peito forte. Eu não
poderia me segurar mais, não poderia mesmo ficar em minhas próprias
pernas. As sensações me seguraram em sua fortaleza. O polegar de
Growl passou por cima do nó dos meus nervos, novamente na
eminência de ser quase doloroso. Todo o meu corpo reverberava de
desejo.

Um grito se assentou na ponta de minha língua, mas eu a mordi,


apertei meus lábios contra o tecido áspero da camisa de Growl. Eu
podia controlar os sons que eu fazia, mas meu corpo tremia com a onda
de sensações quebrando sobre ele. Tudo estava em silêncio, exceto para
Growl e minha respiração rápida. Engoli em seco, tentando entender o
que tinha acontecido. Mas, novamente, Growl não me deu tempo para
refletir. Ele me soltou e quase perdi o equilíbrio.

— Vou pedir pizza. O que você quer? — sua pergunta me pegou de


surpresa enquanto ele já agarrava o telefone.

Eu senti como se alguém tivesse me jogado um balde de água fria.


Agora que o prazer estava desaparecendo, a culpa, a vergonha e a
solidão erguiam suas cabeças novamente. Os breves momentos de
paixão me fizeram esquecer o tipo de arranjo que era, que tipo de
homem era Growl. Eu não era nada mais do que sua puta, mais barata
do que as que ele usava nas casas de prostituição de Falcone e, ao
contrário delas, eu nem sequer fingira gostar do que ele estava fazendo.
Pare com isso. Você está fazendo o que é necessário, eu me lembrei.

Eu caí de volta no sofá. Minhas pernas tremiam e me senti


esgotada, emocional e fisicamente. Eu precisava tomar uma decisão. Ou
eu passaria por isso e tentaria fazer Growl confiar em mim dessa
maneira, ou eu teria que descobrir um jeito de sair dessa situação sem
ele. Eu precisava dele.

— Cara? — Growl repetiu. Ouvir meu nome de sua boca sempre


enviava um arrepio nas minhas costas. Essa voz, tão profunda e áspera.
— O que devo pedir para você?

Eu dei de ombros. Eu não me importava. Pizza era a última coisa


em minha mente agora. Era óbvio que Growl gostava de estar comigo
fisicamente, mas num nível emocional, eu não estava chegando a lugar

~ 106 ~
nenhum. Ele sempre se retirava depois do sexo. Como se ele não
pudesse suportar a proximidade física após o ato real. Eu não tinha
certeza de como mudar isso. O pior era que eu realmente queria estar
perto dele. A proximidade física do sexo me fazia ansiar por mais
proximidade depois.

Growl suspirou. — Vou pegar de atum, — disse ele. — Você


precisa comer o suficiente ou você vai ficar doente.

Pelo menos ele estava preocupado com o meu bem-estar físico de


certa forma. Embora ele provavelmente só estava cuidando do que era
seu. — Eu não acho que a comida será a razão pela qual eu vou ficar
doente, — eu murmurei.

Growl não disse nada, mas pensei que talvez tivesse percebido a
dica. Era difícil dizer, pois seus olhos estavam sempre vazios ou
desconfiados, e sua expressão era a mesma. Ele pegou seu telefone e
pediu duas pizzas, ainda completamente nu. Eu não conseguia parar de
admirar sua bunda musculosa. Quando ele se virou, eu pude ler o que
estava escrito sobre seu peito pela primeira vez. Até agora eu sempre
estive muito ocupada com outras coisas. As enormes letras negras
diziam: — Vou banhar-me no sangue de meus inimigos e banhar-me-ei
do seu medo também.

Palavras marciais que cruzavam o peito largo inteiro de Growl. Por


que as tinha escolhido? Para se lembrar de quem ele era? Talvez tivesse
algo a ver com a forma como ele tinha conseguido sua cicatriz, mas eu
ainda não tinha certeza de como entrar no assunto sem fazê-lo se
fechar completamente. Era óbvio que ele não gostava de falar sobre o
assunto ou das pessoas que sabiam dos fatos. Growl agarrou suas
calças do chão e as colocou. Minha própria camisa estava rasgada e eu
não estava realmente com vontade de vestir minhas calças justas. —
Você tem uma camisa para mim?

Por um momento Growl pareceu atordoado pelo pedido, mas


então ele foi para seu quarto e voltou com uma camiseta preta. Ele me
ofereceu com uma expressão quase hesitante. Fiquei de pé e puxei a
camisa dele, então passei sobre a minha cabeça. Chegou aos meus
joelhos, mas era muito confortável. Eu podia sentir os olhos de Growl
em mim o tempo todo. Se eu não estivesse enganada, havia nostalgia
em seu rosto. Por quê? O que ele estava pensando?

Sua expressão ficou em branco. Escondi um suspiro e me afundei


no sofá. Growl sentou-se ao meu lado. Perto o suficiente para que eu

~ 107 ~
pudesse sentir seu cheiro almiscarado misturado com sexo, mas sem
me tocar.

— Por que você não compra móveis de cozinha para que


possamos comer lá? — Eu perguntei quando ficou claro que ele não se
importava em ficar sentado em silêncio absoluto. Sua cabeça tinha que
ser um lugar incrivelmente excitante considerando quanto tempo ele
passava lá.

— Eu nunca precisei. Eu não como nada no café da manhã e eu


posso beber café em pé. E podemos sentar na sala de estar, — Growl
disse, apontando para a mesa na nossa frente.

— Eu sei, mas seria mais aconchegante sentar na cozinha do que


na frente de uma TV com uma mesa que mal chega aos joelhos.

Growl encolheu os ombros. — Não preciso de muito.

Isso era verdade.

— Você nunca tem convidados?

— Não tenho convidados.

— E quanto a família? — Eu estava pisando terreno arriscado,


mas era hora de descobrir mais sobre o homem que controlava meu
corpo de uma maneira assustadora.

— Eu não tenho uma família.

Suas palavras me lembraram que minha própria família estava


em risco. Eu não poderia imaginar estar sem família. O mero
pensamento apertava meu peito. Eu faria qualquer coisa para salvar a
família que eu tinha deixado. Me movi um pouco mais perto de Growl e
pressionei minha mão contra seu peito.

Growl olhou para mim, depois para minha mão. Ele parecia não
saber como reagir. Eu podia ver que ele estava desconfortável, mas ele
não me empurrou para longe.

— Você nunca teve uma família? — Eu perguntei para me distrair


da minha preocupação sobre minha própria família, e a maneira que
meu corpo estava saltando para à vida apenas por tocar o peito de
Growl.

Meus dedos localizaram as muitas cicatrizes em seu peito, sempre


encontrando novos caminhos em seu corpo. Rastrear seus músculos e
cicatrizes era uma boa maneira de acalmar minha mente nervosa.

~ 108 ~
Enquanto meus dedos permaneciam em movimento, meu cérebro
parecia desacelerar um pouco.

— Tive uma mãe — disse em voz baixa.

Meus dedos congelaram em sua clavícula, surpreendidos por suas


palavras. Eu pensei que ele iria evitar o assunto. Isso significava que ele
começou a confiar em mim?

Meu olhar foi até seu rosto, mas ele estava olhando para o teto
com uma expressão ilegível. Ele não queria que eu visse seus olhos, e
isso só me deixou mais curiosa para vê-los. — O que aconteceu com
ela?

O silêncio reinou entre nós por muito tempo e eu comecei a me


preocupar que eu tinha estragado a minha chance de ganhar a
confiança de Growl, quando ele finalmente disse: — Ela está morta.

— Como? — Eu perguntei. A mão de Growl subiu até sua


garganta, mas ele não se tocou lá. Ele parecia evitar tocar sua garganta
completamente, não apenas a cicatriz.

— A pessoa que cortou sua garganta a matou? — Eu arrisquei um


palpite.

Por um momento, Growl ficou em silêncio, e ele parecia ter


parado de respirar. — Sim, ele fez isso. Ele a matou bem na minha
frente. Fez-me vê-la sangrar. Ele cortou sua garganta também. Mas
primeiro a minha para puni-la. Ele pensou que eu iria morrer
rapidamente, mas minha mãe estava morta dentro de um minuto e eu
continuava respirando. — Ele parecia quase arrependido, como se ele
desejasse que ele tivesse morrido naquele dia.

Minha boca ficou seca. — E o seu pai? Onde ele estava?

— Ele não está morto. — Por que ele não respondeu a minha
segunda pergunta?

— Não posso acreditar que alguém faria isso a um menino


inocente. — Eu tracei as letras em seu peito. Essas palavras, todas as
tatuagens assustadoras, tudo começou a fazer sentido.

— Eu não era inocente, nem mesmo naquela época. — Suas


palavras ressoaram em seu peito, eu podia sentir contra minha palma.

— Por quê você diria isso? Quantos anos você tinha?

— Cinco.

~ 109 ~
Deus, como poderia alguém machucar uma criança de cinco anos
assim? As pessoas chamavam Growl de monstro, até eu pensava nele
assim, mas quem quer que tivesse tentado matar Growl quando criança
era muito pior. — Todo mundo é inocente nessa idade. Ninguém nasce
mal. Você era tão pequeno. Por que você não tentou caçar a pessoa que
fez isso com você? Você não é o menininho do passado, você tem
conexões e poder agora. Tenho certeza de que Falcone não se importaria
se você vingasse sua mãe.

Uma risada curta vibrou em seu peito. Isso fez os pequenos


cabelos em meus braços ficarem em pé. — Falcone se importaria.

— Por quê? É alguém com quem faz negócios?

Growl encontrou meu olhar e o que ele transmitia, em seus olhos,


levantou uma suspeita assustadora em mim. Mas eu não poderia estar
certa ...

— Falcone foi o homem que fez tudo isso — disse Growl, fazendo
sinal para a garganta.

Eu puxei minha mão longe de seu peito. — Então, — eu disse


lentamente. Foi difícil encontrar as palavras certas, ou quaisquer
palavras, realmente. — Falcone matou sua própria mãe e quis matá-lo
também, e você decidiu trabalhar para ele? — Eu queria entendê-lo,
mas como eu poderia entender algo assim? Isso estava tão longe do
normal. Soprou minha mente.

Growl deu um aceno quase imperceptível. Seu rosto era


impassível, mas havia um piscar de algo em seus olhos que eu não teria
notado há alguns dias. Eu estava me tornando mais perceptiva e
acostumada às pequenas mudanças em suas expressões faciais.

— Por quê? — Eu sussurrei. Por que alguém iria querer trabalhar


para tal homem? Talvez algo tivesse sido irremediavelmente danificado
quando Growl teve que assistir tudo isso ainda tão novo. Parte de mim
queria estender a mão para aquele pequeno menino danificado e apertá-
lo em um abraço apertado e dizer-lhe que tudo ficaria bem. Mas por um
lado, eu não tinha certeza se aquele garoto ainda estava escondido em
algum lugar em Growl ou se ele tinha murchado com o tempo e os
horrores que ele tinha testemunhado. E segundo, eu soube que eu
estaria mentindo a esse menino. Poucas coisas ficariam bem na vida de
Growl. Aquele menino foi moldado em um monstro através de abuso e
crueldade. Talvez tivesse sido melhor se ele não tivesse sobrevivido. Não
só para poupar-lhe os horrores de sua vida, mas também para salvar os
muitos que ele tinha torturado e matado por Falcone.

~ 110 ~
Eu tinha desistido de dar uma resposta a Growl quando ele disse:
— Porque ele é meu pai.

Eu respirei fundo. — Falcone? — Eu perguntei porque parecia


impossível. Não duvido que Falcone tivesse muitas amantes ao lado de
sua esposa. Um homem como ele não podia ser fiel. Mas simplesmente
parecia impossível que a palavra não tivesse saído. Que as pessoas não
mencionassem o nome de Falcone em uma respiração com Growl, o
bastardo. Meus olhos procuraram o rosto de Growl, mas se havia algo
de Falcone em suas feições, permaneceu escondido para mim.

Ele assentiu novamente. — Essa foi uma das razões pelas quais
ele quis se livrar de mim. E por que ele matou minha mãe. Ela ameaçou
contar às pessoas. Falcone não deixa ninguém ameaçá-lo.

— Ele matou a sua mãe. A mulher com quem ele teve um filho, —
eu disse lentamente.

Growl não reagiu.

— Como ele poderia fazer isso? Que tipo de monstro faria algo
assim? — Eu estremeci, de repente preocupada por ter ido longe
demais. Por alguma razão ridícula, Growl era leal a seu pai cruel.

— Um monstro como eu — murmurou.

— Tal pai tal filho?

Growl encolheu os ombros. Eu poderia dizer que ele estava farto


da nossa conversa, mas eu estava muito agitada para deixar o assunto
morrer tão rapidamente. — Talvez você não devesse tomar a natureza
horrível de seu pai como uma desculpa para ser um monstro também.
Talvez você deva se esforçar para ser melhor.

Ele soltou um suspiro, o que poderia ter sido uma risada, eu não
tinha certeza.

— Eu não estou brincando.

Ele se levantou. — Eu não sou um monstro por causa do meu pai.


Sou um monstro porque escolhi ser.

Eu duvidava que fosse verdade. Ele era um menino quando ele


tinha experimentado horrores, mesmo homens crescidos, mal poderiam
imaginar uma coisa dessas. — Nunca é tarde demais para mudar e para
compensar os seus erros.

~ 111 ~
Growl balançou a cabeça. — Você é ingênua se acha que isso é
uma opção. Eu não vou mudar. Eu não quero. Minha vida é boa assim.

— Você está trabalhando para o homem que matou sua mãe. Eu


não acredito que você possa viver bem com isso.

— Eu tenho vivido assim por muito tempo.

— Se eu fosse você, eu gostaria de me vingar.

Growl sorriu sombriamente. — Mas você não é. E você não me


conhece.

Ele se virou e saiu da sala. Um segundo depois eu ouvi a porta


dos fundos abrir e fechar.

Ele estava certo. Eu não o conhecia. Ainda. Mas hoje ele me


entregou alguns pedaços do quebra-cabeça que era ele, e eu estava
determinada a conseguir as peças restantes também.

~ 112 ~
Capítulo quinze
CARA
Eu decidi não insistir mais com Growl sobre Falcone e o que
aconteceu. Eu tinha a sensação de que ele iria se fechar completamente
se eu tentasse muito cedo novamente. Pelo menos ele não parecia muito
irritado com minhas perguntas para parar de dormir comigo.

Quando ficamos deitados um ao lado do outro na minha cama


depois de Growl ter me lavado a três orgasmos, minha mente estava
trabalhando em bolar uma maneira de fazê-lo ficar comigo. Ele
geralmente sempre se afasta após nós ficarmos juntos, não me dando
chance para conhecê-lo melhor. Nós nem sequer nos tocamos depois.
Ou pelo menos não tinha chegado tão longe.

Agora o braço de Growl estava levemente tocando o meu. Não foi


por acidente. Talvez no fundo ele desejasse a proximidade além do sexo?

Seus olhos estavam meio fechados e sua respiração já estava


diminuindo. Seu peito musculoso reluzia de suor. — O que aconteceu
com meu pai depois que você me levou para sua casa? — Eu perguntei.

Growl abriu os olhos. — Ele estava morto.

— Eu sei, — eu sussurrei duramente. — Isso não foi o que eu quis


dizer. Onde está seu corpo? O que você fez com ele?

Growl virou a cabeça para mim, franzindo o cenho. — O que isso


importa? Ele se foi.

— As pessoas enterram seus mortos por uma razão. Porque eles


precisam de um lugar para se sentir conectado a eles, um lugar onde
eles podem ir dizer adeus ou falar com o que resta das pessoas que
amam. É o que as pessoas fazem.

Growl não parecia entender. — Talvez. Não consigo ver como isso
ajuda.

~ 113 ~
— Você não precisa entender, — eu disse calmamente. — Apenas
aceite. Eu realmente preciso saber onde está o corpo do meu pai.
Preciso dizer adeus a ele para conseguir ter paz.

— Ele foi enterrado fora das fronteiras da cidade.

— Enterrado? Então ele não foi despejado em algum lugar ou


coisa pior?

— Eu não estava lá quando o enterraram. Mas foi o que me


disseram.

— Você sabe onde é? Você pode me levar?

Growl soltou um suspiro. Ele se sentou como eu esperava e


balançou as pernas para fora da cama, virando as costas para mim, que
também estava coberta de tatuagens, espinhos e rosas, crânios e
cobras, e letras negras que diziam — Dor, — nada mais. Havia mais
cicatrizes em suas costas, ombros e pescoço.

— Você tem que seguir em frente.

Eu sufoquei minha frustração. Ele simplesmente não conseguia


entender. As emoções e hábitos humanos eram estranhos para ele. Eu
me sentei e cheguei mais perto. Eu esperava que fosse um bom sinal de
que ele não tivesse se levantado ainda. Talvez algo nele quisesse
conversar comigo?

Minhas pontas dos dedos roçaram as estranhas cicatrizes


redondas que cobriam suas costas e seus braços. Elas não pareciam
feridas, mais como se alguém tivesse queimado Growl. Depois de um
momento de hesitação, perguntei calmamente. — O que é isso?

Growl olhou por cima do ombro. — Queimadura de cigarro.

Meus dedos congelaram. Ele parecia tão despreocupado, como se


não estivéssemos falando sobre seu corpo. — Quem fez isso com você?

— Talvez eu tenha pedido a alguém para fazer isso comigo, —


disse ele.

— Por que alguém pediria para sentir dor?

— Eu gosto de dor. Aprendi a gostar com o tempo.

— Você gosta? — Eu repeti, soltando minha mão de sua pele. Ele


pediu que alguém o queimasse? Será que ele estava confuso? A ideia
parecia não fazer sentido. Alguém que fez isso para si, provavelmente,

~ 114 ~
faria muito pior para os outros. Embora isso ter me surpreendido, era
ridículo. Eu sabia que tipo de homem era Growl. Mais monstro do que o
homem.

Um canto de sua boca se contraiu em um quase sorriso. Esse


pequeno gesto conseguiu mudar todo o seu rosto, fazendo-o parecer
mais acessível, menos perigoso. Mas a linha dura usual deixou seus
lábios muito rapidamente. — Não de ser queimado. Eu não pedi por
essas cicatrizes, — ele disse grosseiramente. — Quando eu era criança,
eu não pedia para sentir dor, ainda.

Meus olhos percorreram as muitas marcas de queimaduras,


contando quase uma dúzia. — Alguém fez isso com você quando você
era criança? — Eu parei, sem ter certeza sobre a próxima pergunta. —
Sua mãe? — Isso pelo menos explicaria por que Growl não queria vingá-
la.

Growl balançou a cabeça. — Ela não era a melhor mãe. Ela


trabalhava como uma prostituta. Seu vício e trabalho não ajudaram
muito na criação de uma criança, mas ela nunca me bateu ou me feriu
fisicamente.

Eu lambi meus lábios. Este era território perigoso que eu estava


pisando. Minha curiosidade me deixou ansiosa por mais, mas ao
mesmo tempo eu estava igualmente assustada dos horrores que eu
ouvia e do que eles me fariam sentir. Com cada parte do passado de
Growl e seu caráter que eu descobri, ficava mais difícil não sentir
compaixão, e muito mais. — Então quem fez? — Eu perguntei apesar
das minhas preocupações.

— Depois que minha mãe morreu e eu fui liberado do hospital,


Falcone me deu a um de seus capangas, Bud, que era responsável por
um dos bordéis. Ele era um cafetão, realmente, e não queria uma
criança por perto. Mas ele não podia recusar se quisesse cair nas graças
de Falcone, e assim ele me manteve. Mas ele era um bastardo sádico e
quando ele estava cansado de bater na merda de suas prostitutas, ele
gostava de me torturar.

— Por que Falcone não o deteve? — Eu balancei a cabeça. — Eu


não sei por que eu estou perguntando. O cara quase o matou. Não é
como se ele fosse um ser humano decente, ou algo parecido com isso.

— Ele não me matou, embora ele pudesse ter matado. E ele nunca
me tocou. Ele deixou um de seus homens cortar minha garganta. E Bud
sempre se assegurou de me bater e me queimar onde ninguém podia
ver.

~ 115 ~
— Então você acha que Falcone não sabia o que estava
acontecendo?

— As putas sabiam e elas gostavam de mim. Poderiam ter contado


a ele sobre isso.

— Mas ele não faria nada — concluí.

Growl encolheu os ombros. — As surras me deixaram mais forte.


Depois de um tempo, você não sente dor como as outras pessoas. Torna
familiar, quase como um amigo. Você para de temer, e até gosta disso.

Isso explicava a tatuagem em suas costas.

Movi-me para que eu pudesse ver seu rosto e fiquei atordoada


pela expressão quase serena nele. Eu esperava que fosse uma máscara
perfeita, porque se ele estivesse realmente tão bem sobre tudo isso,
havia pouca esperança para ele. Quando seus olhos encontraram os
meus, eu vi um lampejo, uma rachadura na máscara perfeita que ele
tinha construído ao longo do tempo e quase exalei em alívio. Eu
coloquei meu queixo para baixo em seu ombro, trazendo meu rosto
mais perto dele. — Há outras coisas que fazem as pessoas fortes, não
apenas dor. É horrível o que aconteceu com você. Alguém deveria ter
protegido você. Todas as pessoas que ficaram de pé enquanto eram
torturadas, podiam apodrecer no inferno.

— Você não deveria se importar, — Growl murmurou.

— Eu sei. — Eu não disse mais. Será que eu realmente me


importo? O homem na minha frente hoje não merecia minha piedade ou
ajuda. Ele não era o garoto indefeso há muito tempo. E ainda uma parte
de mim sentia por ele. Eu não pude evitar.

Durante vários batimentos cardíacos, ficamos olhando um para o


outro e palavras não verbalizadas pareciam pendurar no ar entre nós.
Eu estava tão perto de quebrar as paredes de Growl, tão perto de
ganhar sua confiança.

— Bud está morto agora. Conseguiu o que merecia, — Growl disse


eventualmente.

Levei um momento para me libertar da estranha conexão que


senti antes. — Você o matou?

Era assustador a facilidade com que as palavras deixaram meus


lábios e quão pouco impacto tiveram na minha consciência.

~ 116 ~
— Quando eu tinha dez anos — disse Growl com um tom de
orgulho em sua voz profunda. Talvez isso tivesse me deixado inquieta e
talvez, mesmo que Bud tivesse merecido morrer, se a ideia de se vingar
de Falcone não tivesse dominado meus pensamentos nas últimas
semanas.

— Ele tinha espancado a merda de uma prostituta, mas isso


realmente não dizia nada a ele. Falcone não tinha dado o segundo
bordel que Bud queria, e ele queria desabafar. Quando ele entrou em
meu quarto, eu sabia que ele estava fora de controle. E eu o deixei. Ele
me chutou e me bateu, e eu deixei, mas então eu decidi que era o
suficiente, e eu lutei contra isso. Eu sempre tinha um canivete suíço no
bolso e quando ele fez uma pausa para acender um cigarro e virou-se
para mim, eu cortei o tendão da sua perna em um corte seco.

Meus olhos se arregalaram.

— Ele gritou como um porco no matadouro. Não perdeu o


equilíbrio como eu esperava. Tentei de novo, então, eu o esfaqueei na
parte superior da coxa. Cortei sua artéria por acaso. Ele sangrou
rapidamente. E eu assisti. Eu ainda estava assistindo com a faca na
mão quando uma das prostitutas me encontrou e fugiu gritando. E eu
ainda estava lá quando Falcone chegou algum tempo depois. Eu estava
coberto de sangue da cabeça aos pés. Tinha apunhalado o bastardo
morto mais algumas vezes para liberar um pouco da adrenalina.

As imagens brilharam em minha mente e com o sangue, vieram


mais imagens, imagens de meu pai e como ele havia morrido. Mas eu
não podia me permitir pensar nessa memória agora. Não me ajudaria
em nada, nem a minha mãe ou irmã. — O que Falcone fez? Você matou
um de seus homens. Não devia ter matado você?

— Não, ele decidiu que era hora de me levar sob suas asas e me
mostrar o que eu era capaz de fazer.

— Matar e mutilar e torturar, — eu disse calmamente.

Os olhos de Growl quase se resignaram. — Isso é tudo que eu


posso fazer. Se houvesse mais que isso em mim, eu não sobreviveria.

Ele tinha dito palavras semelhantes antes. E eu comecei a


perceber que ele poderia estar certo.

— Então Falcone te ensinou como matar? Quando você se tornou


seu assassino?

~ 117 ~
Growl pensou sobre isso por um momento. — Eu matei o segundo
homem alguns meses depois de eu ter matado Bud. Falcone me disse o
nome do cara que me cortou a garganta e onde eu poderia encontrá-lo.

— Então ele queria que você matasse o cara?

— Ele não disse, mas eu fui matá-lo. Falcone me disse que esse
era seu presente para mim e que eu nunca mais iria matar sem sua
permissão explícita novamente, e eu nunca fiz.

— Então você se vingou do homem que queimou você e do homem


que cortou sua garganta, mas não o homem que é a razão pela qual isso
aconteceu?

Growl ficou em silêncio.

— Ele é a razão por que você tem isso. — Eu estendi a mão para
tocar a cicatriz em sua garganta, curiosa como ele iria se sentir, mas a
mão de Growl disparou e seus dedos enrolaram em torno de meu pulso.

— Não, — ele disse calmamente, advertindo. Seus olhos estavam


assombrados enquanto eles se fixavam em mim.

Puxei minha mão e coloquei a mão no colo. — Por quê? Não é


como se eu não tivesse tocado as outras cicatrizes. — E cada centímetro
de seu corpo.

— Não, — ele repetiu em uma voz que me fez tremer. — Ninguém


tem permissão para tocar essa cicatriz.

Mais perguntas ficaram na ponta da minha língua, mas Growl


não me deu a chance de expressar nenhuma delas. Desembaraçou-se
dos cobertores e ficou de pé. — Você deveria dormir. — Ele saiu sem
olhar para trás. Suspirando, eu voltei para as cobertas. Eu não me
preocupei em colocar minha camisola novamente. Eu estava exausta.
Sempre exausta. A preocupação me mantinha acordada também muitas
noites. Estiquei os ouvidos, ouvindo Growl, e como sempre ouvi o
rangido da porta dos fundos e os cães antes de ficarem em silêncio
novamente. Rosnar era um hábito. Talvez fosse por isso que os cães
eram leais a ele. Isso dava-lhes uma pitada de normalidade. Eu balancei
minha cabeça na escuridão. Normalidade. Minha vida sempre foi bem
longe do normal, mas agora?

***

~ 118 ~
Growl estava mais desligado nos dias que se seguiram. Eu pensei
que finalmente tínhamos uma conexão verdadeira durante nossa última
conversa, mas agora ele estava se afastando novamente. Ele não me
queria perto. E eu não tinha certeza de como mudar isso. Se ele não
confiasse em mim, como eu poderia sugerir que ele ajudasse minha
mãe e minha irmã? E se ele contasse tudo a Falcone? Então tudo
terminaria. E, no entanto, parte de mim tinha certeza de que ele não
contaria a Falcone nada do que conversamos. Growl guardava as coisas
para si mesmo. Ele era esse tipo de cara.

Ele nem chegou a minha cama à noite. Ele estava realmente


tentando ficar longe de mim. Estava preocupado em me aproximar
demais? Isso era mesmo uma possibilidade com ele?

***

— Falcone concordou em deixá-la visitar sua mãe — Growl disse


de repente, enquanto tomávamos café em silêncio uma manhã.

Quase deixei cair a xícara. — Sério? Por quê? Porque agora?

— Aparentemente, sua mãe está deprimida e Falcone acha que é


por isso que as negociações com Nova York estão indo mal. Eu disse a
ele que seria bom para sua mãe ver que você estava bem, então ela teria
algo para lutar.

Eu coloquei a xícara no balcão e fechei a distância entre nós. Eu


envolvi meus braços em torno dele e o abracei firmemente, minhas
bochechas pressionaram contra seu peito. Ele ficou tenso, depois
relaxado. Tínhamos dormido um com o outro várias vezes, mas esta foi
a primeira vez que nos abraçamos. Eu percebi que ele nunca me beijou
ou me tocou sem ser para fazer sexo.

— Obrigada, — eu disse, então me afastei e dei alguns passos


para trás.

Ele estava me observando com uma expressão estranha. Havia


nostalgia em seus olhos?

Deus, por que ele tinha que ser tão difícil de ler?

— Vou levá-la até ela agora no meu caminho para o trabalho, —


disse Growl.

~ 119 ~
Eu não podia esperar para vê-la novamente, mas ao mesmo
tempo eu estava aterrorizada de encará-la depois do que eu tinha feito
nas últimas semanas. Eu estava dormindo com Growl, e não porque ele
me forçou, nem mesmo porque eu esperava ganhar sua confiança. Eu
gostava. Não havia como negar. Se minha mãe soubesse, ela nunca
mais me olharia.

***

Encostar na frente da minha antiga casa parecia estranho. Eu não


me sentia em casa. Falcone e seus homens arruinaram o lugar para
mim. Minha lembrança do lugar onde eu cresci ficaria para sempre
contaminada com o sangue e a morte de meu pai.

— Eu pensei que você ficaria feliz, — disse Growl enquanto me


conduzia até a porta da frente.

Eu achei que eu estaria feliz também, mas me sentia culpada,


miserável e assustada. Eu forcei um sorriso, preocupada que Growl
poderia decidir que era melhor não me deixar visitar minha mãe, se isso
me deixasse triste. Essa era a última coisa que eu queria, mesmo se
pisar em minha antiga casa fizesse meu estômago revirar. — Estou feliz,
apenas nervosa.

Growl parecia duvidoso, mas ele tocou a campainha de qualquer


maneira. Demorou muito tempo até que finalmente um de nossos
velhos guarda-costas, Daryl, abriu a porta. Então ele estava protegendo
minha mãe? Ele sempre fora o espião de Falcone? Provavelmente. Não
havia lealdade neste mundo. Até meu pai havia traído seu chefe por
qualquer motivo. Não que eu não o entendesse.

Ele recuou, com uma expressão de cautela em seu rosto enquanto


observava Growl. Senti uma satisfação doentia por seu desconforto. Eu
não estava com medo de Growl mais.

Daryl me deu um aceno de cabeça, mas eu o ignorei e


rapidamente passei por ele para o lobby. A casa estava em silêncio. Uma
diferença tão grande da última vez que eu estive aqui.

— Cara? — Veio a voz mansa da mãe da sala de estar. Corri para


minha mãe e a encontrei sentada a mesa da sala de jantar, que estava
preparada para o almoço. Eu hesitei no meio da sala. Minha mãe tinha
perdido peso. Suas bochechas estavam afundadas, as maçãs do rosto

~ 120 ~
salientes. Ela não usava maquiagem. Ela sempre usava. E seu vestido
estava enrugado como se ela não se importasse em passá-lo. Mãe nunca
usaria um vestido que não tivesse sido passado. Ela tinha mudado. Eu
tinha mudado. Era ridículo pensar que minha mãe ou irmã não
tivessem. Deus, Talia. Como estava ela?

Minha mãe levantou-se da cadeira e abriu os braços. Eu não


hesitei. Eu voei nos braços da minha mãe. Era bom abraçá-la, sentir
seu cheiro reconfortante. A mãe enterrou o rosto no meu cabelo e
respirou fundo. Fechei os olhos, permitindo-me alguns momentos de
paz.

— Eu preciso sair agora.

A voz de Growl cortou o silêncio. Minha mãe e eu nos separamos.


Mamãe olhou para Growl com desgosto e medo.

Eu balancei a cabeça. — Está bem.

— Volto para buscá-la em duas ou três horas. — Havia um sinal


de aviso em sua voz. Eu não disse nada. Eu queria que ele saísse logo,
preocupada que a minha mãe pudesse notar algo estranho entre nós.
Eu quase suspirei de alívio quando ele partiu.

Daryl ainda estava na sala.

— Você pode dar a minha filha e eu um pouco de privacidade? —


Perguntou minha mãe educadamente. Ela parecia controlada agora.

Daryl parecia despedaçado. — Estou do lado de fora da porta.


Lembre-se de que há câmeras.

A mãe inclinou a cabeça, parecendo digna, mas no momento em


que ele fechou a porta, ela agarrou a borda da mesa e afundou na
cadeira. Puxei uma cadeira para perto da minha mãe e agarrei a mão
dela.

Minha mãe procurou no meu rosto, então olhou meus braços


como se estivesse procurando contusões. — Eu pensei que não iria vê-la
novamente. Eu tinha certeza que esse monstro iria matá-la.

— Growl? — Eu disse. — Ele não me machucou.

Mãe balançou a cabeça. — Não minta para mim. Eu conheço este


mundo. Eu conheço as regras. Eu sei mais do que eu deixei no passado
porque eu queria proteger você e sua irmã. — Ela soltou um riso triste.
— Eu falhei.

~ 121 ~
— Você não falhou. O que você poderia ter feito? Estavam
armados. Não tivemos chance contra eles.

Minha mãe tocou meu rosto, parecendo desesperada. — Eu queria


ser mais forte. Eu sei que devo perguntar o que aconteceu com você,
mas não tenho certeza se posso suportar a verdade. Você é muito mais
forte do que eu, Cara. Como você está aqui, parecendo saudável e
intacta, eu não posso imaginar como isso é possível.

Eu sorri tremulante. — Estou muito bem, mãe. Por favor, não se


preocupe comigo.

A mãe fechou os olhos e sacudiu a cabeça. — Eu não sei como


você pode até mesmo falar comigo depois do que eu fiz.

— O que você fez?

— Estou trabalhando para Falcone, ajudando-o. Depois que ele te


deu a esse monstro, eu não deveria ajudá-lo, não importa o que ele me
ameaça. Se seu pai soubesse, ficaria desapontado. Ele nem sequer
olharia para mim agora.

— O pai é a razão pela qual isso aconteceu. Ele é a razão pela


qual passamos pelo inferno. Foi a sua punição que tivemos de suportar.
Se estivesse vivo, não teria direito de nos julgar. Ele teria que nos
desculpar por ser tão egoísta, e não pensar nas consequências! — eu
estourei. Até agora eu não me permitia ficar com raiva, mas agora eu
percebi que estava. Eu estava furiosa porque meu pai deveria saber. Era
seu trabalho nos proteger e ele falhou.

Minha mãe me observava com os olhos arregalados, sem


perceber. — Não fale assim do seu pai. Ele era o melhor marido que eu
poderia ter imaginado e um pai ainda melhor. Ele merece nada além do
nosso respeito.

Isso era uma mentira. Meu pai não tinha sido um pai ruim, mas
ele estava longe de ser um bom pai. Ele estava muito ocupado com seu
trabalho, e muitas vezes impaciente demais para passar tempo com
suas duas filhas. Eu o amava e sentia falta dele. Eu desejava que ele
ainda estivesse vivo e eu o perdoasse pelo que ele tinha feito, porque ele
certamente não poderia ter imaginado para onde isso nos levaria.

— Eu não quero brigar por isso, — eu disse calmamente,


apertando a mão da minha mãe. — Eu sei que você está sofrendo, mas
eventualmente você vai perceber que o pai fez isso conosco.

~ 122 ~
Minha mãe olhou fixamente. Ela não protestou novamente, mas
eu poderia dizer que ela não estava pronta para admitir as falhas do
meu pai ainda. Sua morte ainda era muito recente.

Eu decidi mudar o tópico. — Eu sei o que você está fazendo, que


você está falando com Nova York em nome de Falcone.

— Como? — Minha mãe sussurrou.

— Growl me disse. Mas isso não é importante. Você está fazendo


progresso?

Mãe balançou a cabeça. — Ainda não falei com Luca Vitiello. É


difícil chegar até ele. Nova York não quer nada com a gente. — Minha
mãe tocou sua testa. — Eu não posso falhar. Se eu fizer, Falcone vai
machucar sua irmã. Não sei o que fazer.

— Continue tentando. Tem de haver uma maneira de chegar até


Luca Vitiello. Tenho certeza.

Minha mãe concordou. — Possivelmente. Mandei uma carta para


sua esposa. Ouvi dizer que ela é gentil. Ela pode ser nossa última
chance.

— Não desista. Nós vamos descobrir algo, — eu disse com firmeza,


tentando transmitir com meus olhos que eu estava trabalhando em um
plano.

As sobrancelhas de mamãe se juntaram, mas ela não perguntou o


que eu queria dizer. Ela era uma mulher inteligente. Tínhamos que ter
cuidado com o que dizíamos em voz alta.

Ela apontou para os sanduíches empilhados na bandeja. — Eu


mesma fiz. Algo para me manter ocupada. E eu sinto falta de cozinhar
para todos vocês.

Peguei um sanduíche de salmão e dei uma mordida, então sorri.


— É delicioso.

Minha mãe se recostou na cadeira e me observou comer outro


sanduíche. Eu engoli a última mordida, então perguntei: — Eu estive
me perguntando, por que você deixou Nova York e sua família? Você era
parte da família principal afinal. Você poderia ter uma grande vida lá.

A minha mãe parecia cansada. — Eu tinha. Mas meu irmão era o


Capo e ele era tão mau quanto Falcone. Claro, naquela época eu não
sabia o quão mal Falcone era em Las Vegas ou talvez eu teria ficado em

~ 123 ~
Nova York. — Então ela sorriu tristemente e balançou a cabeça. —
Embora eu estivesse com a cabeça virada e apaixonada por seu pai e
teria seguido ele em qualquer lugar.

Eu toquei sua mão. — Como vocês dois se conheceram se o pai


era um dos homens de Falcone? Nova York e Las Vegas odiavam um ao
outro também, não é?

Minha mãe concordou. — Oh sim, eles sempre se odiaram. Mas


Falcone tinha acabado de ser nomeado chefe e seu pai ainda tinha algo
a dizer na cidade. E o velho queria tentar ficar paz com Nova York,
então mandaram seu pai, porque ele sempre soube ser diplomático.
Falcone teria arruinado tudo se ele tivesse tentado fazer as negociações
ele mesmo.

— Mas eles não fizeram um tratado de paz, não é?

— Não. Salvatore e Falcone eram muito parecidos. Ambos queriam


ter a última palavra, então, não surtiu efeito a visita de seu pai em Nova
York.

— Vocês dois se apaixonaram.

— Sim, sim. Nas três semanas que ele estava na cidade, ele
capturou completamente meu coração. Eu implorei a meus pais que me
deixassem casar com ele, mas é claro que eles se recusaram e Salvatore
ficou furioso por eu ter sugerido uma coisa tão horrível. Ele escolheu
outra pessoa para mim, mas eu não queria ninguém além de Brando e
assim seu pai me levou com ele, e disse a Salvatore que ele tinha feito
isso como vingança pelos insultos que Salvatore tinha dito sobre
Falcone. Eu não tenho certeza se Falcone acreditou na história, mas ele
estava feliz de insultar Salvatore assim, então seu pai e eu nos casamos
dois dias depois de termos saído de Nova York. A festa foi notícia em
todos os jornais em Las Vegas e por isso, qualquer tipo de paz estava
fora de questão. Então Falcone conseguiu exatamente o que queria,
assim como o seu pai e eu. Parecia a solução perfeita na época.

— Você acha que o chefe da Família, que Luca, nos permitiria


ficar em Nova York? — Eu perguntei sussurrando.

Minha mãe tocou minha bochecha. — Eu não sei. Só vi ele e seu


irmão uma vez quando eram meninos.

— Você os visitou, mas eu pensei que era proibido?

— Oh, era. Mas a esposa de Salvatore e eu realmente gostamos


muito uma da outra. Eu sempre senti pena dela porque ela teve que se

~ 124 ~
casar com meu irmão sádico. E uma vez, quando eu estava grávida de
você, eu estava em Aspen na mesma época que a esposa de Salvatore.
Ela estava lá com as crianças e então nos conhecemos em segredo. Nós
vínhamos nos falando pelo telefone regularmente, mas essa foi a
primeira vez que nos conhecemos desde que fugi. Foi maravilhoso. E os
meninos eram realmente uns fofos, embora fosse inconfundível que
meu irmão era seu pai. Eles eram muito controlados e sérios para
meninos tão jovens. Especialmente Luca, que me deu arrepios algumas
vezes.

— Talvez ele vá se lembrar de você em breve e nos ajudar. É a


nossa melhor chance.

— É, — ela concordou, então sua expressão ficou quase


assustada. — Você sabe onde eles levaram o corpo de seu pai? Eu não
posso suportar o pensamento que Falcone deu ele para seus cães como
alimento. Isso quebra meu coração. Ele não merece isso.

Eu bati no braço dela. — Growl me disse que alguém enterrou o


pai no deserto. Eles não o deram como comida aos cachorros.

Os ombros da mãe caíram aliviados.

Mas de repente me perguntei se o Growl tinha me dito a verdade.


Não havia maneira de eu saber. Eu tinha que confiar em sua palavra.

Quando ouvimos o carro de Growl puxar para cima na garagem,


minha mãe me puxou contra seu corpo e sussurrou em meu ouvido: —
Você é uma menina tão boa. Eu não sei como eu mereço você. Seja
forte, querida. Não deixe esse monstro quebrá-la.

— Eu não vou deixar, — eu prometi automaticamente. Ela me


olhava com amor e piedade, e eu tive que desviar o olhar. Se ela
soubesse, o que eu tinha feito e o que eu estava fazendo ... Eu nunca
poderia dizer a ela.

~ 125 ~
Capítulo dezesseis
CARA
Eu mal olhei em direção a Growl enquanto voltávamos para sua
casa. Ele me deu uma olhada. — O que está errado?

— Nada, — eu disse severamente, então mordi o lábio. Eu não


sabia o que fazer. Eu precisava de Growl para estar do meu lado, e meu
corpo o queria, mas eu estava indo contra tudo o que minha mãe me
ensinara dormindo com ele.

As mãos de Growl no volante apertaram, os tendões em seus


antebraços flexionaram.

Concentrei-me na janela. Minha mente estava zunindo. Eu sabia


que precisava de Growl se eu quisesse ter alguma chance de ajudar
minha mãe e minha irmã.

***

Fiquei acordada naquela noite, quando a porta do meu quarto


abriu-se. Eu sabia por que o Growl estava aqui, o que ele queria, mas
eu estava tão confusa.

Ele aproximou-se da cama, iluminado pela luz do corredor. Ele


examinou meu rosto e eu só olhei para ele. Ele não estava usando uma
camisa, e meus olhos traçaram as linhas de seus músculos, a forma
como a luz acentuou seu abdômen. Eu queria esse homem. Vê-lo
sempre fez meu corpo estremecer, não importa o quão conflitante eu
estava. Meu olhar baixou para a protuberância nas calças de Growl.
Deus, por que eu tinha que querê-lo?

Growl ajoelhou-se na cama, mas eu apenas observei. Ele sempre


foi a parte mais ativa na nossa vida sexual, mas geralmente eu pelo

~ 126 ~
menos reagia de alguma forma. Eu podia ver frustração e confusão em
seus olhos, então ele rastejou em minha direção e pairava sobre meu
corpo. Seu cheiro me envolveu. Eu coloquei minhas mãos contra seu
peito, pensando entre empurrando-o para longe e puxa-lo para mais
perto. Growl tomou a decisão por mim. Ele agarrou minhas mãos e as
pressionou no colchão acima da minha cabeça. Então ele baixou a
cabeça para meus seios e sugou um mamilo em sua boca através do
tecido sedoso da minha camisola. Apertei meus lábios, tentando conter
um gemido. Mas isso parecia estimular Growl. Ele moveu sua cabeça
para baixo em direção a minha calcinha. Eu sabia que estaria em suas
mãos se eu o deixasse ir até lá. Eu me esforcei, mas sua outra mão
desceu no meu quadril, me segurando rapidamente. Quando seu rosto
estava a poucos centímetros do meu centro, ele inspirou
profundamente. O calor subiu em minhas bochechas como sempre fazia
quando ele fazia algo assim. Mas, apesar do meu embaraço, meu corpo
inundou de calor.

Growl lambeu minha calcinha e eu acalmei. Meu coração se


apertou e meu corpo começou a formigar. Eu me esforcei ainda mais,
mas Growl me ignorou completamente. Ele cutucou minha calcinha
para o lado com seu nariz e lambeu minha carne nua.

Ele deslizou a língua para cima e para baixo, com lambidas


firmes, uma e outra vez. Uma umidade se agrupou entre as minhas
pernas. Eu odiava meu corpo por isso, por sempre se render a ele.

Ele mergulhou sua língua em minha abertura e soltou um


estrondo profundo. Eu apertei meus olhos fechados, lutando contra a
reação do meu corpo, tentando segurar um gemido. Eu não lhe daria
essa satisfação. Mas ele não parou. Ele parecia desfrutar de cada
momento. Toda vez que ele cantarolava, uma parte estúpida de mim
estava ligada. Eu ainda não podia acreditar que ele gostava do meu
gosto lá, mas ele obviamente apreciava. Ele moveu sua língua para cima
e lambeu meu clitóris. Meus quadris se contraíram, mas desta vez não
estava em uma tentativa de fugir. Growl manteve um ritmo constante.
Eu não tinha chance de resistir a ele. Meu corpo estava sempre ansioso
por seu toque. Ele deve ter sentido a minha rendição, porque ele soltou
meu quadril e levou a mão para baixo entre as minhas pernas. Ele usou
seu polegar e indicador para me separar, permitindo a sua língua ainda
melhor acesso. Eu não pude evitar que um gemido alto escapasse.

Errado, minha cabeça gritou. Mas eu desisti de resistir.

~ 127 ~
Novamente minhas mãos encontraram a cabeça de Growl, mas
então ele enrolou a língua de uma maneira que me fez gritar com a
sensação.

Growl sabia que tinha vencido. Eu poderia praticamente sentir


sua presunção. Sua boca fechou sobre meu centro, mergulhando sua
língua ainda mais fundo em mim, e meus dedos cravaram mais em seu
couro cabeludo. Meu corpo começou a tremer e a língua de Growl
pressionou ainda mais forte contra meu clitóris. Minha última
resistência desmoronou quando uma onda de choque rolou sobre mim,
tornando-me impotente e atordoada enquanto eu ofegava.

Eu não tinha certeza de quanto tempo eu fiquei assim. Eu não


conseguia me mexer, mal podia respirar, meu coração batia forte no
meu peito enquanto eu olhava para a escuridão. Sombras dançavam
nas ruas distantes que atravessavam a janela. Growl pressionou outro
beijo entre as minhas pernas, então ficou de joelhos.

Ele se inclinou sobre mim e beijou meus lábios. Eu podia sentir o


gosto dele, sentir o cheiro de mim mesma. Eu respirei. — Isso é errado,
— eu disse calmamente. Isso era traição? Ficar íntimo assim com o
inimigo, com alguém como Growl, com um monstro, estava errado em
todos os níveis que eu poderia imaginar. Ele tinha ajudado a derrubar o
meu pai. Ele era parte de por que ele estava morto agora. E, no entanto,
aqui estava eu, compartilhando uma cama com ele e desfrutando.

— Pare de pensar demais em todas as merdas, — ele murmurou.

— Você não pode entender, — eu disse duramente. Para ele,


pecado e culpa e vergonha não eram palavras que importavam.

— Talvez — admitiu. — Mas eu entendo seu corpo. — Ele


pressionou dois dedos contra o meu centro úmido e os trouxe para seus
lábios. — E seu corpo gosta disso.

— Você é nojento, — eu disse. Eu tentei me afastar, fugir, mas era


quase impossível com seu corpo pairando acima de mim. — Talvez meu
corpo reaja com você, mas eu nunca sentirei nada além de ódio por
você, seu monstro. — Eu fechei meus lábios com um estalo, incapaz de
acreditar no que eu disse. Como eu poderia dizer-lhe algo assim se eu
queria sua ajuda?

— Eu sou um monstro, você tem esse direito. Sempre fui, sempre


serei. Sou bom em ser um monstro. Poucas pessoas encontram algo que
eles são boas, algo que deveriam ser, — disse ele simplesmente. Ele não
parecia zangado, apenas resignado.

~ 128 ~
— Isso é louco. Ninguém pretende ser um assassino. Ninguém
deve ser como você. Você quer ser assim. Você disse que gostava de
sangue, dor e morte, e fingir que nasceu um monstro é sua desculpa
para justificar os horrores que cometeu.

— Você está certa. Não há nada melhor do que o ímpeto de matar.


É emocionante. É você contra eles. É tudo ou nada. Nada neste mundo
faz com que se sinta mais vivo do que isso. Eu gosto disso. E eu não
dou a mínima para justificar qualquer coisa a ninguém. Eu faria tudo
de novo. Não me arrependo.

Engoli em seco. — Eu não entendo. Como alguém se torna assim.


Não pode ser por causa dessa cicatriz em sua garganta.

Ele saiu da cama. — Eu tenho muitas cicatrizes e todas elas me


fizeram o homem que sou hoje.

Procurei em seu rosto uma pista da humanidade que eu tinha


visto antes, mas ele parecia tão diferente naquele momento. — Isso não
significa que não pode ser diferente. Você age tão forte e imbatível, mas
você deixa seu passado e seu suposto destino ditar sua vida. Por que
você não luta por um futuro melhor?

— Para mim não há futuro.

— Mas poderia haver — sussurrei.

Growl procurou meu rosto novamente. Havia saudade. Ele queria


mais desta vida, mesmo que ele não pudesse admitir isso para si
mesmo ainda. Ele saiu sem mais uma palavra e fiquei acordada,
olhando para a escuridão.

Eu estava muito agitada para dormir e então eu levantei


eventualmente. Por alguma razão eu precisava estar perto de Growl
agora.

Estava em silêncio dentro da casa quando entrei no corredor.


Minha respiração lenta parecia uma intrusa no silêncio. Fui para o
quarto de Growl, mas a porta estava aberta e ele não estava lá dentro.

Onde ele estava? Eu escorreguei através da escuridão quando


meus olhos registraram uma luz fraca saindo dentro da casa do quintal.
Tentei me mover silenciosamente quando me aproximei da porta do
terraço. Growl estava sentado na pequena mesa surrada. Uma vela meio
queimada em um pires mal iluminava a noite, mas conseguiu lançar
sombras misteriosas em seu rosto. Os cães estavam esticados aos seus
pés. Eles não reagiram. Ou eles não tinham me notado, o que realmente

~ 129 ~
não os qualificava como cães de guarda, ou eles me consideravam
muito desinteressante para uma reação. Growl parecia solitário. No
curto espaço de tempo em que o conhecia, aprendi a ler melhor suas
expressões, mas ainda não o entendia.

Ele procurou se aproximar de mim, estava tentando me tratar


bem, mesmo que ele nunca tivesse aprendido como. Alguém já o tratou
bem? Exceto por sua mãe, talvez. Eu pensei em voltar para o meu
quarto, mas algo me manteve enraizada no local.

— Eu sei que você está aí, — Growl disse calmamente.

Caminhei em sua direção hesitante. Ele parecia cansado. — Você


deveria estar dormindo, — disse ele.

— Você também.

— Eu não consigo, — ele admitiu.

— Nem eu.

Nós olhamos um para o outro. — Posso ficar?

Growl assentiu. Dei um passo em direção à cadeira livre, então


mudei de ideia e fui até Growl. Suas sobrancelhas franziram quando ele
me observou. Eu rastejei em seu colo e coloquei minha cabeça para
baixo em seu ombro. Ele soltou um fôlego, mas não fez mais nada.

Ele era quente e forte. Eu inalei seu cheiro. Não demorou muito
para que meus olhos se sentissem pesados. Quando eu estava quase
dormindo, senti os dedos de Growl deslizarem sobre meu cabelo. Para
cima e para baixo. E então eu adormeci.

***

Eu estava de volta na minha cama quando eu acordei na manhã


seguinte, e Growl voltou a ser distante como habitual, quando eu entrei
na cozinha e agarrei a xícara de café esperando por mim.

— Vou lhe mostrar onde enterraram seu pai — disse Growl sem
aviso prévio.

Eu congelei. Minha garganta se apertou com emoções e a maior


parte da minha raiva se esvaiu. — Você vai? — Minha voz estava
trêmula.

~ 130 ~
Growl assentiu, com os olhos quase gentis. — Você deveria ter a
chance de dizer adeus. Se isso facilitar as coisas.

Eu não tinha certeza se isso era verdade, mas eu estava grata de


qualquer maneira. Seus atos de bondade ainda me surpreendiam. Eu
não sabia o que fazer com o homem na minha frente. — Você teve a
chance de dizer adeus à sua mãe?

A expressão de Growl tornou-se ainda mais cautelosa. — Eu a vi


morrer, e foi aí que eu disse adeus. Depois disso, eles cortaram minha
garganta, e eu tive que lutar por minha vida.

Eu ruborizei. Claro. Ele era um garotinho que tinha sofrido


horrivelmente. Era difícil imaginar o Growl como qualquer coisa além do
homem poderoso e cruel na minha frente. Que ele tinha sido um
menino inocente era fácil de esquecer.

Eu mudei de assunto. — Quando você vai me mostrar?

— Assim que terminar o seu café. — Ele esvaziou sua própria


xícara e colocou-a de volta no balcão. Eu dei dois longos goles que
queimaram minha língua e garganta, então assenti. — Estou pronta.

***

Dirigimos por um longo tempo até que as luzes chamativas e as


ruas lotadas de Las Vegas ficassem bem atrás de nós. A paisagem ficou
mais áspera, e cada vez menos sinais de civilização eram visíveis.
Rochas subiam ao lado da rua, brilhando vermelho e laranja no sol da
tarde. O vale do fogo. Eu só tinha dirigido por ele uma vez antes e foi na
noite em que o poder das cores não era visível mais.

Apesar de ter vivido em Las Vegas toda a minha vida, eu


raramente explorava seus arredores. Minha família nunca tinha sido do
tipo de fazer viagens pelas estradas. Nossas férias eram para Aspen,
México ou Bahamas. Meu peito apertou bruscamente com as
lembranças de nossa última viagem de esqui a Aspen em fevereiro
passado. Até mesmo o pai se permitiu um tempo livre suficiente para
esquiar conosco, e à noite todos nós nos reunimos em frente à lareira
em nosso chalé de esqui.

De repente eu não podia mais apreciar a paisagem. Esta viagem


era um adeus. Nunca mais passaria férias com minha família inteira,

~ 131 ~
nunca viria meu pai esforçar-se para manter o fogo queimando na
lareira, xingando enquanto a mãe o repreendia por isso. Eu nem sequer
tinha certeza se voltaria a ver minha irmã, e se algo acontecesse com
ela, nem minha mãe e nem eu poderíamos viver isso.

Eu tive que me forçar a continuar respirando, apesar da tensão


da minha garganta. Growl olhou para mim, mas eu o ignorei. Eu não
queria falar com ele. Minhas emoções eram um turbilhão, eu mal
conseguia entender. Eu duvidava que ele fosse capaz e eu me
preocupava que ele tentaria me convencer a não visitar a sepultura de
meu pai, afinal.

Eventualmente, ele puxou o carro para fora da rua asfaltada e


dirigiu ao longo de uma estrada de terra. Nossas rodas rodopiaram pó
vermelho que se instalou em uma camada grossa nas janelas. Growl
tentou tirar o pó das janelas com os limpadores de para brisa, mas em
vão. A vibração do carro enquanto nós dirigíamos sobre solavancos e
pedras menores me fez sentir mal, e eu fechei os olhos. Eu não tinha
tanta certeza se isso era uma boa ideia depois de tudo. Mas agora era
tarde demais para voltar sem ter que me explicar para Growl. Eu não
queria parecer fraca.

O carro parou e eu olhei para fora. Estávamos no meio do nada.


Nem sequer havia uma estrada de terra. Não havia absolutamente nada.

— Está aqui — Growl disse com naturalidade. Ele olhou para mim
como se estivesse esperando por algum tipo de resposta, mas não havia
palavras em mim no momento. Eu acenei com a cabeça apenas para
mostrar a ele que eu tinha entendido. Ele abriu a porta e saiu. Eu
respirei fundo e pressionei minha palma contra o meu estômago,
esperando me acalmar. Sem chance.

Saí do carro e o calor bateu em mim como um punho. Como


poderia sobreviver alguma coisa aqui? Meus olhos procuraram no
horizonte qualquer sinal de civilização, mas nós éramos as únicas
pessoas ao redor.

— Venha. Está muito quente aqui.

Ele se afastou, sem sequer verificar se eu estava seguindo. É claro


que ele não precisava se preocupar que eu fosse fugir. Não havia para
onde correr para fora daqui. Eu morreria de sede ou calor antes de
encontrar outra pessoa. Mas eu percebi então que ele tinha sido menos
cauteloso em geral em torno de mim recentemente. Ele começou a
confiar em mim.

~ 132 ~
Enquanto eu seguia Growl através da areia, outro pensamento de
repente me atingiu. E se Growl estivesse cansado de mim e decidisse se
desfazer de mim no deserto? Talvez eu tivesse feito muitas perguntas,
chegado muito perto da sua zona de conforto? Eu não sobreviveria
muito tempo aqui se ele me abandonasse. Ele nem precisava me matar,
o deserto o faria.

Eu balancei a cabeça. Minha imaginação estava fora de controle.


Growl não tinha razão para se livrar de mim. Ele gostava da minha
companhia, mesmo que tentasse esconder.

Growl levou-me a um lugar rodeado por alguns arbustos secos.


Não havia nenhum sinal de uma sepultura. — Ele está lá. — Ele
apontou para o chão empoeirado.

Eu me agachei ao lado do local e coloquei minha palma contra a


areia. Meus olhos chiaram, mas eu não chorei. — Eu realmente pensei
que você o teria alimentado aos cães.

Growl franziu o cenho. — Não é assim que se deve tratar os


mortos.

Eu soltei uma gargalhada. — Sério? Você não se importa de matar


e machucar as pessoas, mas você se importa com seus cadáveres.

— A morte era seu castigo. Não faz sentido contaminar seus


corpos.

— Eu sei que Falcone já fez isso antes. O pai contou à mãe sobre
isso, e até me perguntou quando eu a visitei. Cheguei a ouvir rumores
de que ele alimentava os seus cães de briga com os corpos e fazia com
que as famílias observassem.

— Eu nem sempre concordo com o que Falcone faz.

Isso era pelo menos alguma coisa, eu supus. — Você já o viu fazer
algo assim?

Growl assentiu. — Uma vez. Mas a família não precisava assistir.


Falcone sabe que eu não me importo com violência inútil, então ele
geralmente não me pede para ficar para assistir.

Abaixei meus olhos de volta ao chão. Era difícil imaginar que meu
pai estivesse abaixo de mim. O pai tinha conhecia os riscos de seu
trabalho, tinha ganhado muito dinheiro com ele, e provavelmente era
responsável pela morte de várias pessoas, mas ele não merecia isso. Eu
desejei que ele estivesse aqui, então eu poderia ter uma longa conversa

~ 133 ~
com ele. Eu não conseguia me lembrar quando tivemos a nossa última.
Há muito tempo. — Quando você veio para a nossa casa, você pensou
que era precisaria matar meu pai? — Eu não tinha certeza por que isso
importava. Eu sabia que Growl era um assassino e que ele não hesitaria
em puxar o gatilho.

— Falcone não nos tinha dito quem ia matar seu pai.

— Mas você sabia que ele o queria morto. — Eu levantei meus


olhos para encontrar o dele.

Ele me deu uma olhada. — Seu pai traiu Falcone. A morte é a


punição para isso.

Eu suspirei e me levantei, tirando o pó de minhas calças que


estavam cobertas por uma fina camada de areia vermelha.

— Você vai ao túmulo de sua mãe? — Perguntei.

— Não, — disse ele. Não havia emoção em sua voz. — É apenas


seu corpo lá embaixo. E nem me lembro dela muito. Prefiro não ficar no
passado.

Isso era provavelmente uma necessidade considerando os muitos


aspectos escuros de sua vida. — E, até certo ponto, você sabe.

Confusão encheu o rosto do rosnado. — O que você quer dizer?

— Você deixou o passado determinar quem você é agora, e está


ligado a um homem que fez você quem você é hoje. Há muito passado
em sua vida.

Growl considerou isso. Realmente parecia que minhas palavras


estavam chegando até ele.

Arrisquei o próximo passo. — Você não quer vingança? Você


nunca sonhou em matá-lo? Machucá-lo pelo que ele te fez? Você poderia
terminar tudo. Livre-se do seu passado de uma vez por todas.

Growl balançou a cabeça. — Eu lhe disse, o que ele fez para mim
me fez quem eu sou. Eu não estaria aqui sem ele. Eu não estaria aqui
com você sem ele. Ele me deu você e isso é mais do que eu esperava.

Por um momento eu não conseguia respirar, não conseguia me


mover, não conseguia fazer nada além de olhar fixamente e tentar
chegar a um acordo com o que o Growl acabara de dizer. Como poucas
palavras poderiam significar tanto para mim? Como poderia algo que

~ 134 ~
aquele homem, aquele monstro disse, significar alguma coisa? Parecia
impossível, mesmo agora.

Ele deu um passo mais perto e escovou um fio de cabelo do meu


rosto antes de pegar minha mão na dele. Não era um gesto romântico,
mais como se ele precisasse convencer-se de algo, necessário para
torná-lo tangível para compreender. — Mas ele dar você a mim, não foi
bondade, — disse ele. — Nada como isso. Era cruel e degradante. Ele
queria te punir e ele sabia que eu era o tipo de punição que iria quebrá-
la. — Ele soltou minha mão. — Basta olhar para a pele. Sem mácula.
Limpa. E olhe para mim. — Ele estendeu os braços, coberto de
tatuagens e cicatrizes, bronzeado e musculoso. Sua vida se mostrava
em seu corpo.

Eu não sabia o que dizer. A auto aversão escorria de todos os


poros de seu corpo, e eu não tinha certeza de como lidar com isso.

— Falcone esperava que eu fizesse com você o que ele fez comigo.
Transformar você em algo horrível. Quebra-la.

Eu agarrei sua mão firmemente. — Você não me quebrou, — eu


disse obstinadamente. Mas eu não tinha certeza se era verdade. Eu não
era a pessoa que eu costumava ser. Alguma parte de mim tinha sido
quebrada, não por violência causada por suas mãos e ainda, eu tinha
mudado.

— Pare de se odiar, — eu disse com raiva. — Você não é


impotente. Você é talvez a única pessoa que pode fazer algo contra
Falcone. Se você se sente tão mal sobre por que Falcone me deu para
você, então me ajude. Você sempre diz que está perdido, que não pode
se redimir. Mas isso não é verdade. Você poderia compensar seus
pecados ajudando a mim e a minha família.

Growl enrolou os dedos sobre a minha mão. — Por exigir vingança


— disse ele, curioso.

Eu hesitei. — Sim. — Eu estava sendo hipócrita por sugerir algo


assim? — Falcone merece a morte. Nós nunca seremos livres com ele
por perto. Não só porque ele pode nos dizer o que fazer, mas porque
controla o nosso passado, ele o moldou, moldou-nos irrevogavelmente.

Growl recuou, soltando minha mão. — Não me peça novamente.


Não posso te ajudar.

Meu coração afundou. Por um momento, ele realmente pensou em


dizer sim. Eu tinha visto isso em seu rosto. Devo continuar tentando

~ 135 ~
mesmo que ele me disse para não continuar? Ou devo apenas aceitar o
que, obviamente, nada poderia ser mudado e esperar que tudo ficasse
bem para minha mãe e irmã de qualquer maneira?

Eu não poderia dizer mais nada.

~ 136 ~
Capítulo dezessete
CARA
Growl afastou-se de mim nos dias depois da minha visita ao
túmulo. Eu o deixei. Eu não sabia o que fazer.

Ele não tinha sequer me visitado no meu quarto e eu estava


começando a sentir falta disso, sentir falta dele.

Deitada acordada em minha cama, eu escutava cada som lá fora.


Growl tinha saído novamente sem uma explicação depois de escurecer,
e eu estava aterrorizada neste bairro assustador em ficar sozinha à
noite.

Eventualmente, quando cada rangido me fazia pular, eu saía da


cama. Saí do quarto e parei no corredor escuro, ouvindo o som de patas
no chão, mas não havia nada. Talvez Growl tivesse deixado os cachorros
dormirem em seu quarto. Eu fui em direção a ele, mas atrás da porta
estava quieto. Eu caminhei na ponta dos pés na sala de estar. Estava
escuro lá também. Somente a luz da lua escura que fluía através das
janelas permitia meus olhos enxergarem qualquer coisa lá fora. Do lado
de fora eu podia ouvir os gritos ocasionais ou uma sirene à distância,
sons que pareciam encher todas as noites nessa área. Eu não tinha
certeza por que Growl escolheu viver aqui. Como ele podia suportar
isso? Ou talvez a desesperança e a brutalidade que enchiam tantas
casas na rua fosse algo familiar para ele, algo que ele podia entender.
Um movimento no canto me deixou tensa. Então meus olhos viram a
cabeça de Coco e, ao lado dela, a de Bandit. Os cães estavam me
observando, mas eles não se mexiam de seus lugares de dormir. Eu não
queria voltar para o meu quarto. Eu estava tão cansada de me sentir
sozinha todo o tempo, de estar sozinha com meus pensamentos, medos
e preocupações. Caminhei até o sofá e afundei-me. Coco levantou-se do
cobertor e trotou em minha direção. Eu não estava exatamente mais
com medo dos cães, mas às vezes eles ainda me deixavam nervosa,
especialmente Bandit, eu não podia ler seus movimentos muito bem,
uma vez que minha família nunca teve animais de estimação. Mas agora

~ 137 ~
Coco não parecia de mau humor. Ela parou ao lado de minhas pernas e
colocou a cabeça grande no meu joelho, olhando para mim com
expectativa. Levantei minha mão com cuidado, não querendo assustá-
la, e segurei-a em frente ao nariz para que ela pudesse cheirar como
Growl tinha me mostrado no começo.

Coco não fez, entretanto, ela lambeu minha mão. Sua língua era
quente e áspera, mas contra minha expectativa não era nojenta, embora
a ideia de todos os lugares que a língua tinha estado antes não era
reconfortante. A respiração morna do cão na minha pele e aquele sinal
óbvio de ternura trouxeram lágrimas aos meus olhos. Eu gentilmente
passei minha mão por suas macias orelhas e cabeça, e ela deixou
escapar uma respiração profunda. Eu não pude deixar de sorrir.
Estiquei-me no sofá e bati no estofado ao meu lado. Coco não hesitou.
Ela se levantou e se deitou ao meu lado, seu corpo musculoso
pressionado contra mim. Eu acariciei o comprimento de suas costas,
saboreando a sensação de seu corpo quente ao meu lado. O som de
garras na madeira me fez levantar a cabeça, bem a tempo de ver Bandit
pular do chão e pousar no sofá aos meus pés onde ele se enrolou, suas
costas pressionadas contra a curva dos meus joelhos. Eu sabia que
estaria segura com eles, e os ruídos assustadores do lado de fora
deixaram de me incomodar.

Com seus corpos me aquecendo, o sono rapidamente caiu sobre


mim.

***

Eu não tinha certeza do que me acordou, mas quando eu abri


meus olhos, o sol tinha acabado de sair do lado de fora. Coco e Bandit
ainda estavam aconchegados em mim; o que era provavelmente a razão
por que eu não estava com frio, embora não tivesse um cobertor.

Eu tinha dormido sem pesadelos, algo que não acontecia em um


tempo. Coco levantou a cabeça para olhar algo atrás de mim. Olhei por
cima do meu ombro e encontrei Growl encostado no batente da porta,
observando-me e os cães.

— Eles geralmente não aquecem as pessoas facilmente. Eles


devem realmente gostar de você para dormirem ao seu lado desse jeito.

~ 138 ~
Sentei-me, o que não era fácil, já que Coco e Bandit estavam tão
perto de mim. Ambos os cães me deram o que eu só poderia chamar
olhares reprovadores, porque eu perturbei o seu sono, mas finalmente
meus pés descalços atingiram o chão e eu estava sentada.

— Talvez eles estivessem solitários.

— Por que eles estariam? Eles não estão sozinhos. Eles têm um ao
outro e eu não os deixo sozinhos muito frequentemente.

— Só porque alguém não está sozinho não significa que ele não
está solitário — eu disse calmamente.

Growl procurou meu rosto. — Você está solitária? — A


intensidade de seu olhar me fez querer se esconder. Em vez disso eu
abaixei meu olhar para Coco e me levantei. Ouvi Growl vir atrás de
mim. Sua mão roçou meu ombro, depois garganta.

— Às vezes, — eu admiti. — Esta casa não é um lugar onde é fácil


se sentir em casa.

As pontas de seus dedos rastrearam minha clavícula e o toque


levantou arrepios em minha pele. Ele não disse nada, nem eu.
Lentamente, sua mão deslizou debaixo da minha camisola até que seus
dedos roçaram meu mamilo. Eu tremi com o formigamento que
percorreu meu corpo.

Sua mão segurou meu peito e apertou levemente. Um pequeno


gemido deslizou para fora da minha boca. Growl fez um movimento com
a outra mão e ambos os cães pularam do sofá. A outra mão de Growl
juntou-se à sua primeira e agarrou meu outro peito. Ele girou meus
mamilos entre as pontas dos dedos. Ele puxou um pouco mais e a dor
se misturou com a luxúria. Minhas pernas se separaram quando a
pressão e o calor entre elas se tornaram quase insuportáveis. Eu queria
que ele me tocasse ali, queria que ele elevasse minha necessidade.

Ele inclinou-se para baixo, enganchando-me entre seus braços


musculosos e deixando uma mão deslizar para baixo sobre o meu
estômago e através de meus cachos. Eu tremi novamente e abri minhas
pernas um pouco mais amplas. Depois de dias sem o seu toque, meu
corpo estava praticamente sedento por isso.

O que eu estava fazendo? Quando eu tinha começado a


choramingar por seu toque? Quando eu tinha abandonado
completamente a resistência? Growl mergulhou um dedo em meu
centro apertado, me fazendo gritar. Ele torceu meu mamilo novamente e

~ 139 ~
eu gemi alto. Minha cabeça caiu para trás e pousou em seu ombro. Eu
já estava tão molhada, e quando Growl puxou meus mamilos no ritmo
com seu dedo empurrando em mim, eu quase desmoronei. Lutei contra
o meu orgasmo. Eu não queria dar a ele a satisfação de me fazer gozar
depois de um minuto de que ele começou a me tocar.

Sua respiração estava quente contra a minha garganta enquanto


lambia o ponto sobre meu pulso cardíaco, então puxou a pele em sua
boca e sugou. Eu mordi meu lábio inferior, esperando que a dor me
acalmasse. Ele soltou minha pele, então deixou seu nariz escovar minha
garganta até o ponto atrás de minha orelha. Ele soltou meu peito e um
baixo som de protesto pressionou entre meus lábios. Growl ronronou
profundamente e o som me fez tremer de prazer. Sua palma segurou
minha bochecha e ele inclinou meu rosto para o dele, então esmagou
seus lábios contra os meus. Sua língua conquistou minha boca. Ele
tinha gosto de café fresco e sua boca estava incrivelmente quente, tudo
sobre ele era.

Ele soltou a mão do meu rosto e a devolveu ao meu peito,


continuando seus cuidados. Meu mamilo se sentiu quase cru de sua
torção, mas ele se sentiu muito vibrante, muito bom para pedir-lhe para
parar. Um segundo dedo juntou-se ao primeiro. Eu exalei,
acostumando-me à plenitude novamente, mas Growl não me deu muito
tempo. Ele estabeleceu um ritmo rápido e forte. Reivindicou minha boca
e peitos e vagina, meu corpo inteiro. Minhas pernas começaram a
tremer enquanto a pressão aumentava cada vez mais, e então eu
explodi. Ondas de luxúria se espalharam pelo meu corpo a partir do
meu núcleo. Arqueei do sofá e chorei na boca de Growl. Ele empurrou
seus dedos ainda mais duro em mim e deu um puxão final do meu
peito. Eu me encostei contra ele, completamente exausta e sem fôlego.

Growl puxou a mão dele e uma sensação de frio me venceu na


falta de seu toque. Mas Growl apareceu ao lado do sofá. Ele desabotoou
suas calças e as deixou escorregar pelas pernas. Seu pênis ereto saltou
livre, já brilhando. Ele segurou a parte de trás da minha cabeça e eu
deixei que ele me guiasse em direção a seu pênis, separando meus
lábios enquanto sua ponta os roçava. Growl segurou-me no lugar
enquanto ele fodia minha boca. De repente, o desejo de ter mais
controle superou-me e eu o empurrei para trás. O aperto na parte de
trás da minha cabeça apertou brevemente, mas então ele me soltou,
confusão piscando em seu rosto antes de ser substituído por uma
expressão neutra. No momento em que ele deixou cair a mão da minha
cabeça, me deixando livre, eu me inclinei para frente e o levei para
minha boca novamente. Surpresa encheu seus olhos, depois pura

~ 140 ~
luxúria. Eu girei minha língua em torno de sua ponta, então puxei de
volta outra vez para correr minha língua de sua base até sua ponta.
Enrolei meus dedos em torno de seu comprimento e movi-o para cima e
para baixo lentamente, tentando descobrir como se mover. Growl me
observou enquanto eu lambia suas bolas. Eles se apertaram e uma nova
gota apareceu na ponta de seu pênis, me encorajando ainda mais. Uma
das minhas mãos cobriu seu traseiro duro. Os músculos se dobraram
sob minha palma. A sensação de sua força me deu uma emoção. Como
poderia seu poder me intimidar em todas as outras situações, mas me
transformar no momento em que fazíamos sexo?

Eu desliguei meu cérebro. Eu não queria pensar, só queria sentir.


O sexo era o único momento em que sentia algo parecido com liberdade
e a felicidade. Talvez estivesse errado, mas eu estava determinada a me
agarrar a qualquer coisa que me ajudasse no futuro próximo. Eu
bombeei seu comprimento rápido e trabalhei a ponta entre meus lábios.
Logo Growl começou a bombear ligeiramente, dirigindo-se mais
profundo em minha boca. Eu o soltei e então ele ficou tenso, deixando
escapar um som gutural. Eu tentei engolir tudo, mas algumas gotas
correram pelo meu queixo. Growl me levantou e reclamou minha boca
para outro beijo. Eu o beijei de volta, querendo que ele se provasse
como eu. Quando ele se afastou, estávamos ambos ofegantes e suando.

Growl soltou meus ombros e deu outro passo para trás, bem
desse jeito construindo uma parede entre nós novamente.

— Vamos tomar o café da manhã. Estou morrendo de fome. —


Sua voz era ainda mais profunda do que o normal. Seus olhos
seguraram os meus por alguns segundos mais. Ele queria dizer algo,
estava claro em seu rosto, mas então ele se virou e foi para a cozinha.
Eu nem sabia o que eu estava esperando exatamente. Às vezes eu não
tinha certeza do que eu queria. No começo tudo tinha sido sobre fazer
Growl confiar em mim para que eu pudesse usá-lo para meus
propósitos, mas agora havia mais.

Eu não deveria esperar por algo que nunca iria acontecer. E o que
era ainda mais importante: eu não deveria desejar algo que era tão
errado. Eu não podia me permitir esquecer por que eu estava aqui,
mesmo se fingir tornasse a vida mais fácil. Mas eu era uma prisioneira.
Growl era praticamente meu dono, e mesmo se ele alguma vez decidisse
me deixar ir, o que eu duvidava que ele alguma vez fizesse, ninguém no
nosso mundo me tocaria depois que eu estive com o Growl, muito
menos casaria comigo. Eu estava manchada. Não servia como um bom
partido. Eu nunca poderia voltar para a sociedade. Las Vegas estava

~ 141 ~
morta para mim. Recostei-me no sofá. Uma onda de solidão estava
prestes a arrancar seu caminho para fora do meu peito novamente.

Eu peguei Coco olhando para mim. Ela parecia confusa.

— Eu também não entendo nada disso — sussurrei. Ela inclinou


a cabeça para o lado. Um pequeno sorriso puxou meus lábios para sua
confusão.

Eu empurrei para fica de pé. Eu não ia me afogar em auto


piedade. Não era como se eu precisasse ou quisesse o carinho ou a
proximidade de Growl. O sexo era um meio para um fim. Isso me ajudou
a me sentir melhor e me ajudou a entender Growl melhor. Se eu
quisesse uma chance de manipulá-lo para me deixar ir e ajudar a
minha família, eu teria que usar todos os truques que eu tinha.

GROWL
Seus cães não gostavam de seres humanos. Mesmo ele teve que
lutar por muito tempo para que confiassem nele. Mas Cara, eles
pareciam amá-la. Se os cães fossem mesmo capazes de ter esse tipo de
emoção. Growl estava certo de que a maioria dos humanos também
não. Eles gostavam da ideia do amor, mas nunca chegaram a esse nível
com alguém.

Amor. Uma noção tola. E perigosa. Coisas horríveis tinham sido


feitas em nome do amor. Ou a ideia disso.

Growl não pensou que ele já tinha sentido algo parecido. Pelo
menos ele não conseguia se lembrar. Talvez ele tivesse amado sua mãe
quando ele era pequeno. Ele tinha conseguido uma cicatriz por isso.

Amor.

Não era algo que pudesse compreender.

Cara. Aquela mulher.

Ele sentiu algo. Mas ele não sabia o que era. Nunca se sentira
assim antes.

~ 142 ~
Ela o fez querer tratá-la bem. Ela o fez querer ser melhor. Ela o fez
querer tantas coisas que ele não deveria querer.

Ela era perigosa para ele, para a vida que tinha construído, para a
pessoa em que se tornara.

Ela queria que ele fosse contra Falcone, contra tudo o que ele
tinha trabalhado tão duro para conseguir. Era por isso que ela deixava
que ele a tocasse e por que ela às vezes sorria para ele, por que ela
falava com ele e aceitava sua proximidade. Não poderia haver outra
explicação.

Ele sabia disso, e ainda assim ele era como uma mariposa atraída
pela luz dela. A única luz que já havia penetrado na escuridão que era
ele e sua vida.

~ 143 ~
Capítulo dezoito
CARA
— Há algo que você precisa saber. — Growl inclinou-se contra o
balcão da cozinha como ele frequentemente fazia. Ele quase nunca se
sentava, como se ele sempre quisesse estar preparado para correr.
Embora em seu caso o ataque fosse provavelmente mais exato. Mas seu
olhar me preocupava. Algo me disse que não gostaria do que ele tinha a
dizer.

— Ok, — eu disse lentamente. — O que é? — Tantas coisas


horríveis haviam acontecido nas últimas semanas, não havia muito que
poderia me devastar, e então o medo me atingiu. — É sobre minha mãe
ou irmã? Falcone decidiu que não precisa mais delas?

Growl franziu a testa como se não pudesse imaginar como eu


poderia ter tirado essa conclusão. Talvez a preocupação com os outros
fosse algo totalmente estranho para ele.

— Não, — ele rosnou. — É sobre o seu noivo.

— Duvido que ele ainda seja meu noivo — murmurei. Quem iria
me querer depois de tudo o que tinha acontecido? Eu era uma piada em
nossa sociedade.

O rosnado de Growl se aprofundou. — Ele não é. Você está certa.

Seu olhar estava começando a me perturbar, o que era


surpreendente considerando que, no começo, tudo sobre ele me
perturbava. Aparentemente agora eu precisava de uma razão adicional
para me sentir desconfortável em sua presença.

— Bom, — eu disse com firmeza. — Eu não gostaria de me casar


com ele de qualquer maneira.

Dúvida cruzou o rosto de Growl. — Por quê? — Ele ressoou. Havia


algo em sua voz que eu não conseguia colocar.

~ 144 ~
Eu bufei. — Por quê? Você realmente precisa perguntar?

Growl permaneceu em silêncio, aquela mesma expressão estoica


em seu rosto.

— Ele traiu meu pai para melhorar sua própria posição. Ele traiu
minha família. Ele me traiu. Eu não quero um homem assim. Um
homem que só olha para seu próprio umbigo, que não se importa com
quem ele destrói para alcançar seus objetivos. Eu não quero um homem
em quem eu não possa confiar. Ele é um porco, e eu gostaria de poder
cuspir em seu rosto.

— Você terá sua chance — disse Growl.

Eu parei. — O que você quer dizer?

Growl ignora a minha pergunta. — O que preciso dizer é que


Cosimo e sua amiga vão se casar.

Eu não tinha certeza se eu tinha ouvido corretamente. — Minha


amiga?

— Aquela menina Anastasia. Falcone me disse ontem à noite. Eles


anunciaram seu noivado ontem.

Eu não conseguia me mexer. Se isso era um pesadelo, eu queria


acordar agora. — Você tem certeza?

Growl assentiu com a cabeça. — Cosimo tem uma posição de


poder agora. Ele precisa de uma esposa e de um herdeiro.

Eu ri com amargura. — Não demorou muito para encontrar uma


nova mulher para se casar. — Eu odiava como a notícia me fez se
sentir. Apesar do meu ódio por Cosimo, senti-me esmagada. Não porque
eu queria casar com ele, mas porque isso fazia minha vida como era
agora, ainda mais de uma realidade. Não havia volta. A mudança era
irrevogável. E Anastasia, como ela pode fazer isso? Eu sempre soube
que Anastasia poderia ser viciosa e egoísta, mas nós éramos amigas
desde que nós poderíamos andar. Tínhamos experimentado tantas
coisas juntas. Isso não significava nada? Como minha amiga pode fazer
isso? Anastasia sabia de tudo? Será que talvez ela já soubesse disso na
festa de Falcone? Talvez isso explicasse por que ela parecia tão puta
quando eu tinha dançado com Cosimo.

Não, não poderia ser.

~ 145 ~
Eu não queria acreditar que minha amiga não teria me avisado.
Parecia cruel. Mais cruel do que o que Anastasia era capaz de fazer. Ela
gostava de conversas fúteis e destruir a reputação das pessoas, mas
este era um assunto diferente.

Talvez Anastasia fosse uma vítima. Talvez seus pais e Falcone a


tivessem obrigado a se casar com meu ex-noivo agora que eu já não era
elegível. Afinal, Anastasia tinha a mesma idade que eu e era de uma boa
família. Eu queria acreditar nisso. Mas o olhar que Cosimo e Anastasia
trocaram na festa brilharam em minha mente. Havia algo como
familiaridade entre eles. Ou eu estava pensando muito nisso agora que
eu sabia de seu noivado. Eu não estava no estado mental adequado
para pensar com clareza, então eu empurrei a imagem para longe. Eu
não era capaz de suportar a ideia da traição horrível da minha amiga.
Não, desde que eu não soubesse todos os fatos. Não fazia sentido eu
percorrer todas as possibilidades.

Growl ainda estava me observando. Eu não tinha certeza de


quanto tempo eu estava perdida em meus pensamentos e eu esperava
que meu rosto não tivesse entregado muito de meu tumulto interior.

— Isso não me preocupa mais, — eu disse. — Não é como se eu


ainda fosse parte de seu círculo.

— Por quê você diria isso?

Ele estava falando sério? — Oh vamos lá. Mesmo você deve


perceber o que está acontecendo em nossa sociedade. Mesmo se você
não se importa com nada disso. Existem regras. E eu sou tão boa
quanto exilada.

— Porque você está comigo. — Havia dor em sua voz. Seu rosnado
constante tornou ainda mais difícil ouvir as nuances de suas emoções.

Eu apertei meus lábios. Eu o ofendi? — Com você? — Eu


perguntei curiosamente. — Você faz parecer que somos um casal
quando eu sou apenas seu presente.

Growl assentiu. — Você era. Mas agora que você é minha, você
tem o mesmo status que eu tenho.

— Isso não é verdade, — eu disse, frustrada por sua falta de


compreensão. Será que ele realmente pensava que qualquer parte da
vida que eu tinha antes poderia sobreviver? Eu tinha feito o melhor do
meu destino, mas isso não significa que eu teria escolhido.

~ 146 ~
Growl parecia frustrado como eu me sentia, mas eu não me
importava. Eu não tinha energia para explicar nada a ele. Às vezes, sua
deficiência para entender os relacionamentos humanos me deixava
louca.

— Talvez você não seja tão especial como antes — disse Growl, a
palavra especial como uma maldição de seus lábios. — Mas você é parte
deste mundo.

Eu olhei para o balcão. — Eu não quero mais fazer parte deste


mundo.

— Isso não depende de você. Somos convidados para a festa de


noivado de Cosimo e sua amiga — disse Growl.

Minha respiração engatou e meus olhos voaram para olhar para


Growl. — Você não pode estar falando sério.

Ele olhou fixamente. Ele obviamente não estava brincando.

— Eu não vou — eu disse, minha voz tremendo. Coco trotou para


mim e descansou a cabeça no meu joelho. Eu coloquei minha palma
sobre sua cabeça macia, mas não consegui me acalmar. Até Bandit
viera da sala para me observar com olhos curiosos.

— Sim, você vai. Falcone nos quer lá, então estaremos lá.

— Eu não me importo com o que ele quer. Eu o odeio. E ele só


quer me humilhar de qualquer maneira. Todo mundo sabe que Cosimo
era meu noivo e que Anastasia é... era minha amiga. Todos vão rir de
mim.

Eu só podia imaginar a humilhação que eu seria submetida. Eu


não pensei que eu poderia suportá-la.

— Ninguém vai rir de você quando estiver ao seu lado, — disse ele
em voz baixa.

Eu parei. — Por que você se importa?

— Você é minha, e eu não vou deixar ninguém falar merda sobre


algo que pertence a mim.

Claro. Era uma coisa do ego. Ele não se importava comigo. Ele só
queria ter certeza de que as pessoas lhe mostraram o respeito
necessário e que incluíam respeitando seus pertences. Eu queria gritar
de frustração, mas eu o mordi de volta. Esta festa era a minha chance
de pedir aos meus amigos por ajuda. Nós nos conhecíamos

~ 147 ~
praticamente por toda as nossas vidas. Agora que Growl tinha deixado
claro que ele não iria me ajudar contra Falcone, eles eram
provavelmente a minha última chance.

***

Eu tinha temido este dia desde que Growl tinha me dito há dois
dias, mas eu prometi manter a cabeça erguida. Eu era mais forte do que
costumava ser. Eu passaria por essa festa.

Growl estava de pé na sala, puxando o colarinho da camisa com


uma mão enquanto um laço se enroscava na outra.

Era óbvio que ele se sentia incômodo vestido assim. Não era quem
ele era. Colocá-lo em um terno era como colocar um tigre em uma
gaiola. Na festa de Falcone, ele escondia seu desconforto por trás de
uma máscara de indiferença, mas agora, num momento em que
pensava que estava sozinho, suas defesas estavam perdidas. Não era a
primeira vez que eu via um vislumbre de algo humano. Foi
desconcertante porque eu não queria vê-lo como qualquer coisa além de
um monstro. Ele tornou as coisas mais fáceis. Eu não queria arriscar
realmente esperar por algo que era absolutamente irreal.

Growl colocou a gravata em volta do pescoço dele e depois se


atrapalhou por um minuto com ambas as extremidades até que ele fez
um som de frustração e jogou a gravata no chão. Era provavelmente por
isso que ele não tinha usado gravata na última festa. Um pequeno
sorriso puxou meu lábio e eu me aproximei.

— Você precisa de ajuda?

Os olhos do Growl lançaram-se para mim, parecendo


consternado. Então eles lentamente deslizaram para baixo, me olhando.
Poucos momentos antes eu me senti mal porque o vestido não era novo,
porque todo mundo sabia que eu tinha usado antes, mas agora, com a
maneira que Growl olhou para mim, de repente não importava muito.

Eu rapidamente desviei o olhar, assustada com a forma como sua


expressão me importava, e apontei para a gravata no chão.

— Você pode fazer um nó? — Ele perguntou com uma pitada de


surpresa.

~ 148 ~
— Claro, — eu disse enquanto caminhava em direção a ele. Seus
olhos seguiam cada movimento. Muitas vezes eu tinha problemas para
ler suas expressões, mas agora não havia necessidade de adivinhar:
luxúria e apreço. Isso enviou uma emoção através do meu corpo.

— Você parece uma dama, — ele murmurou.

GROWL
Seus movimentos eram pura graça. Não havia nada mundano,
nada barato sobre Cara. Ela era uma menina nascida para ser uma
princesa e agora ela tinha sido degradada a ser uma simples serva.
Talvez Falcone tivesse querido tirar tudo dela, mas isso, sua educação,
sua beleza e graça, isso ele não podia tirar. Talvez ele tivesse esperado
que a quebrasse tão irrevogavelmente que se tornaria outra pessoa, que
perderia aquela parte de si mesma. Mas ele não fez isso.

Ele era um monstro. Sempre seria. Mas ele podia apreciar algo
precioso, algo tão valioso quanto Cara, e ele nunca iria destruí-la. Ele
não era bom, não havia nada de cinza nele. Ele era todo negro, mas ele
estava tentando ser bom para ela. Nunca seria tão bom quanto ela
merecia, mas tão bom quanto ele era capaz. Não era suficiente, ele
percebia isso todos os dias. Ele nunca seria suficiente.

Ela pegou a gravata e se aproximou dele, seu aroma doce e florido


enchendo seu nariz e fazendo com que ele quisesse enterrar seu rosto
em seus longos cabelos castanhos.

Seus dedos longos e elegantes amarraram delicadamente o nó.


Dedos destinados a segurar copos frágeis de Champanhe e ser decorado
por apenas as melhores joias.

Ela alisou a gravata quando terminou. Não houve hesitação ou


hesitação. Ela foi feita para ser a esposa de um homem que usava
ternos todos os dias. Growl às vezes se surpreendia imaginando se ela
estaria imaginando ser a mulher de Cosimo, amarrando o nó de manhã
e cumprimentando-o com um beijo quando ele voltasse à noite. Ela
admirava seu trabalho, então olhou para ele com seus olhos azuis.

— Feito.

~ 149 ~
Nunca se sentira menos digno do que naquele momento. O
vestido que ela usava era perfeição sobre ela, como se tivesse sido feito
para ela. Ela foi feita para coquetéis e recepções elegantes. Ele foi feito
para pubs sujos e clubes de beco escuro.

Seus caminhos nunca teriam cruzado se não fosse pela vingança


de Falcone. O sofrimento de Cara tinha levado à coisa mais preciosa na
vida de Growl, e ainda assim ele não podia se arrepender. Ele era
egoísta. Ele estava feliz por ter tido a chance de ter alguém como ela.

Ele olhou para o relógio. — Precisamos sair.

Cara bateu um dedo no vidro do relógio. — Eu não teria atrelado


você como um tipo vestindo um Rolex — ela disse curiosamente.

— Eu não sou. O relógio pertencia a Falcone e ele deu-me como


presente por um trabalho bem feito.

A expressão de Cara tornou-se pedra, com os olhos brilhando.

— Como eu. — Um sorriso amargo tirou seus lábios vermelhos


perfeitos. — Mas eu não sou tão valiosa quanto aquele pedaço de metal
em torno de seu pulso.

— Você vale mais do que qualquer coisa que eu algum dia possuí
ou que possua.

CARA
Ele quis dizer isso como um elogio, mas as palavras pungiam
mesmo assim. Ser comparada a um relógio, mesmo se você o ganhou no
final, não era algo que eu gostava. Eu sabia que ele não conseguia
entender o efeito que sua comparação teve comigo. Ele estava tentando
ser gentil comigo, e isso ainda me surpreendia todos os dias.

Houve um momento de silêncio antes de Growl limpar a garganta,


um som áspero e profundo.

— Não devemos nos atrasar.

Eu balancei a cabeça. Eu não me importava se estivéssemos


atrasados. Tudo em mim gritava com a mera ideia de ir àquela festa,

~ 150 ~
mas eu tinha que manter minha calma se eu quisesse passar a noite
sem um completo constrangimento.

Growl dirigiu-se para a porta e destrancou-a. Bandit e Coco nos


acompanharam até o batente e nos viram fechar a porta com olhos
acusadores.

Deixei meu olhar vagar pelo bairro. Um casal de idosos negros


estava sentado na varanda de duas casas. Eu nunca os tinha visto
antes e eles observavam também um acervo considerável para esta
área. Talvez tivessem vivido aqui toda a sua vida e só nos últimos anos
tudo tinha ficado esgotado. Suas cabeças viraram nosso caminho
quando Growl e eu caminhávamos em direção a seu carro. Nós
estávamos provavelmente fazendo uma grande aparição vestidos em
nossos melhores trajes para noite. Pessoas por aqui geralmente não
tinham ocasiões para se vestir. Growl assentiu com a cabeça e eles
balançaram a cabeça, mas depois rapidamente viraram a cabeça para
longe.

Para minha surpresa Growl abriu a porta de seu carro para mim e
eu subi, com cuidado para não atolar a bainha do meu vestido na porta.

Eu juntei minhas mãos no meu colo e comecei a esfregar uma


contra a outra quando Growl saiu da entrada. Meus dedos estavam
gelados apesar do clima ameno. Quando esfregar não ajudou, eu os
levantei para o meu rosto e soprei ar quente em minhas palmas. Growl
virou os olhos para longe da rua para olhar para mim. — O que você
está fazendo?

— Nada, — eu disse rapidamente.

Growl agarrou uma das minhas mãos, me assustando. — Você


está com frio, — ele disse surpreso.

— Tem sido assim o dia todo. Provavelmente nervos. — No


momento em que as palavras saíram da minha boca, lamentei-as. Eu
não queria muito admitir isso para Growl.

— Nervos? — Fiquei feliz quando ele finalmente não teve escolha


senão voltar sua atenção para a rua. — Ninguém vai te machucar.

Eu ri sem humor. Não fisicamente, talvez. — Isso não é o que eu


estou preocupada. Só não quero ver Cosimo e os outros.

— Por quê?

~ 151 ~
Muitas vezes eu esquecia o pouco que Growl sabia da natureza
humana. Ele me lembrou de alguém que cresceu em torno de animais e
agora tinha que descobrir como as interações humanas trabalhavam.

— Porque me lembra tudo o que eu perdi, — eu admiti


finalmente.

Growl franziu o cenho para a rua. — Você o amava? — Seus


lábios se torceram com a palavra, como se ela deixasse um sabor
amargo em sua boca. — Você ama Cosimo?

Havia uma sugestão de algo duro e escuro em sua voz. E desta


vez eu peguei a emoção escondida por trás de sua frieza.
Vulnerabilidade e mágoa. Eu balancei a cabeça. Amor? Eu não sabia
nada de amor.

— Não. Eu nunca quis casar com ele. Mal o conhecia. Meus pais o
escolheram para mim. — Meu pai. Mas dizer seu nome em voz alta era
demais esta noite. Eu não chegaria àquela festa horrível com os olhos
cheios de lágrimas. Eu não daria a nenhum deles essa satisfação.

— Então por que você está triste, por você o ter perdido e que ele
vai se casar com aquela garota?

Eu estava triste? Não por ter perdido Cosimo. Eu não poderia me


importar menos com ele agora, depois de tudo. Fiquei triste embora. Mas
era apenas uma pequena parte das emoções que eu sentia. Com cada
segundo que passava, uma emoção mais sombria, crescia mais forte em
mim. Ódio. E o desejo de vingança. — Eu não estou triste, não sobre
perder ele. Se eu só o tivesse perdido... — Eu ri. — Deus, isso seria
esplêndido. Mas eu perdi tudo.

— E triste? Não. — Eu disse calmamente. — Estou furiosa. Quero


que sofram. Eu quero que eles se arrependam do dia em que decidiram
matar meu pai e destruir minha família. Cosimo, Falcone e todos os
outros que estavam envolvidos nisso.

Growl assentiu, como se fosse uma emoção que ele pudesse


compreender. Ele nem sequer se ofendeu que minha lista possivelmente
o incluísse também. Ele tinha sido parte do ataque à minha família,
mesmo que ele não fosse o chefe da operação, apenas a mão brutal de
Falcone.

— Não diga nada disso na festa — Growl grunhiu.

— Eu não sou idiota. Eu não vou dizer nada disso. — Mas eu me


lembrei da última vez que vi Falcone e como eu o desafiara. Meu ódio

~ 152 ~
por ele só havia crescido desde então. Parar de tentar arranhar seus
olhos para fora ou melhor ainda cortar sua garganta com uma faca de
ostra seria difícil.

— Eu sei que você não é estúpida. Mas a estupidez não tem nada
a ver com isso. As emoções seguem suas próprias regras.

Como você saberia? Eu queria perguntar, mas mantive as


palavras para mim. Por mais ridículo que possa parecer, Growl era
talvez o único refúgio naquela festa de hoje à noite. Eu não tinha
certeza do que esperar de Trish e Anastasia, embora eu esperasse que
ainda seríamos amigas e elas me ajudariam.

***

A casa de Cosimo era menor que a de Falcone, mas ele também


tinha uma fonte em sua entrada, embora menor que a de Falcone.
Quando Growl e eu entramos na casa, cada par de olhos nos observava.
A conversa morreu, só para retornar um momento depois, mas desta
vez atrás de mãos levantadas e com olhares roubados em minha
direção. Todo mundo estava falando sobre mim. O calor subiu em
minha cabeça, mas eu me forcei a ficar de pé e parecer relaxada, apesar
da vontade de fugir. Growl colocou a palma da mão contra a parte
inferior das minhas costas e por um momento o gesto realmente
conseguiu me relaxar, mas as pessoas rapidamente notaram o toque e
eu quase podia ouvir suas palavras desagradáveis. Eu tomei um
pequeno fôlego e deixei Growl empurrar-me mais para dentro da sala.
Pequenas mesas com aperitivos estavam distribuídas no grande área de
estar e de jantar. Supus que Cosimo tivesse escolhido o mesmo
fornecedor de Falcone. Ele parecia muito interessado em imitar seu
chefe em todos os sentidos possíveis de qualquer maneira.

E embora tudo parecesse uma cópia barata da festa de Falcone,


eu me peguei querendo ser a anfitriã. Era para ser a minha festa de
noivado. O dia mais feliz da minha vida, pelo menos para as aparências.
E agora…

Meus olhos registraram Anastasia e Cosimo no final da sala, perto


de um enorme refrigerador de Champanhe dourado. Anastasia usava
um novo vestido prata longo, que a fazia parecer uma princesa. E ao
seu lado estava Cosimo de terno escuro, um braço em volta da cintura
de sua noiva. A bile subiu em minha garganta e o sorriso engessado no

~ 153 ~
meu rosto se tornou doloroso. Eu precisava de algo para beber. Algo
forte. Growl parecia ler minha mente porque um momento depois, um
copo com vinho tinto apareceu na frente do meu rosto. As outras
mulheres bebiam champanhe ou vinho branco, então fiquei surpresa
com sua escolha.

— Vinho tinto é suposto para acalmar as pessoas. Talvez você


também.

Eu poderia ter o beijado então. Eu nunca teria esperado algo tão


prestativo de um homem como ele. Mas meu momento de paz foi curto
enquanto caminhávamos em direção a Falcone, que agia como se fosse
o anfitrião daquela noite, fazendo grandes gestos com seus braços e
rindo mais alto, enquanto as pessoas reunidas ao seu redor tentavam
agir como se ele realmente estivesse dizendo algo engraçado.

Eu tomei um grande gole de vinho, rezando para que me


acalmasse rapidamente antes de fazer algo que me impedisse de ter a
oportunidade de ver minha mãe e minha irmã novamente. Eu não
poderia me perder hoje à noite. Haveria tempo para vingança um dia,
mas não nessa festa.

O aperto de Growl nas minhas costas se contraiu quando


paramos na frente de Falcone como se ele estivesse tentando me avisar.

— Bela festa, chefe — comentou Growl.

Falcone sorriu amplamente. — Não é minha festa, infelizmente.


Cosimo fez um bom trabalho. Ele está tentando impressionar sua
pequena dama. — Finalmente, seus olhos frios se fixaram em mim,
triunfante e provocante. Meus dedos se apertaram no meu copo, mas
forcei meu rosto a permanecer calmo. Eu duvidava que tivesse sucesso.
Praticamente cada centímetro de mim estava queimando de ódio, com a
necessidade de fazer esse homem na minha frente sofrer.

— Espero que você esteja tão feliz por sua amiga e Cosimo como
todo mundo, — disse ele falsamente.

Diga algo. Diga algo. Mas tudo o que eu conseguia pensar era se
era possível esmagar o copo e cortar a garganta de Falcone com um dos
cacos antes que qualquer um dos homens ao nosso redor viesse em sua
ajuda.

Growl provavelmente seria o primeiro a salvar seu chefe.

~ 154 ~
— Estou feliz, — eu me forcei a dizer, mas as palavras soaram
falsas até mesmo para meus próprios ouvidos. Falcone zombou, depois
voltou-se para Growl.

— Estou surpreso que você conseguiu se arrancar da cama. Mas


mesmo você, meu Touro, precisa de uma pausa de vez em quando,
hein? — Falcone bateu palmas no ombro de Growl em um gesto
destinado a amigos. — Espero que você ainda esteja satisfeito com seu
presente. Caso contrário, ainda há outra irmã para você tentar, se você
se cansar deste presente.

— Talia? Onde ela está? — Eu exclamei antes que eu pudesse me


controlar. A expressão triunfante no rosto de Falcone dizia que tinha
conseguido o que queria. Ele sabia exatamente onde apertar meus
botões. Ele não me daria as respostas que eu queria.

Growl me apertou em advertência novamente, mas era tarde


demais. Apertei meus lábios e tive que lutar contra as lágrimas. Falcone
era um monstro pior do que Growl.

— Não vou me cansar de Cara — disse Growl.

O sorriso de Falcone virou-se lascivo quando seu olhar percorreu


o meu comprimento.

— Isso é bom, não é? Talvez eu devesse tê-la mantido para mim,


então. — Ele riu.

Growl não disse nada. Seu rosto era de pedra, e seu aperto na
minha cintura doloroso. Olhei para Falcone, esperando que ele pudesse
ver a promessa em meus olhos. Você vai morrer.

Seu sorriso se alargou apenas, mas a minha determinação estava


definida. Eu não iria parar até que o homem estivesse deitado aos meus
pés, morto. Eu odiava o sangue e a morte, mas eu assistiria a cada
segundo, enquanto a vida drenava de seu corpo e o apreciava.

Growl parecia sentir o crescente perigo. — Nós precisamos ir para


o casal feliz agora.

— Sim, você deveria, — Falcone disse, mas seus olhos nunca me


deixaram.

Estremeci quando tínhamos andado alguns passos longe dele.

— Você precisa ter mais cuidado — murmurou Growl.

~ 155 ~
Eu olhei para ele. Seu olhar estava posto em frente, expressão
rochosa. As pessoas o observavam com medo e repulsa, mas ele não se
importava. O único homem que podia controlar Growl era Falcone e isso
me assustava. — Não me dê a ele.

Growl franziu o cenho para mim. — Do que você está falando?

— Para Falcone. Não me dê a ele, — eu sussurrei.

Realização piscou através do rosto de Growl, depois determinação.


— Nunca. Você é minha. Ele não vai tirar você de mim.

— Você tem certeza? Ele é seu chefe. Ele poderia dizer para você
me dar a ele. — Foi uma surpreendente reviravolta do destino que eu
preferia ser a posse de Growl, mas qualquer coisa era melhor do que
pertencer a Falcone.

— Você é minha, — Growl repetiu e depois parou e notei que


tínhamos chegado ao fim de uma fila de pessoas que estavam
esperando para parabenizar Cosimo e Anastasia.

~ 156 ~
Capítulo dezenove
CARA
Eu exalava lentamente. Eu precisava ter o controle. Eu quase o
perdi na frente de Falcone. Pelo menos na frente do meu ex-noivo idiota
e traiçoeiro, eu queria manter minha calma. Ele não precisava saber
como eu estava quebrada. Anastasia estava ocupada sem olhar em
minha direção, mas mesmo ela deve ter percebido que eu tinha chegado
à festa. Afinal, todos haviam ficado em silêncio à nossa chegada, e
Anastasia sempre teve ouvidos e olhos para fofoca. Mas ela me
ignorando me deu a chance de classificar meus pensamentos e me
acalmar. Eu tomei um gole no meu vinho tinto. O álcool estava
começando a me relaxar. Não era de surpreender que tantas pessoas em
nosso círculo fossem alcoólatras. Esta vida muitas vezes só poderia ser
tolerada bêbada.

Os olhos de Cosimo brevemente pararam em mim e eu congelei


com o vidro contra meus lábios. Lentamente eu baixei, mas então
Cosimo desviou o olhar. Seu rosto não tinha emoção. Nem sequer havia
pena ou coisa alguma. Ele realmente não se importava comigo. Por que
isso ainda me surpreendeu, eu não tinha certeza. Afinal de contas, ele
não agia de forma diferente quando ele e Falcone vieram à casa de
minha família para arruinar nossas vidas.

Havia apenas um casal à nossa frente, e minhas palmas ficaram


suadas de nervos. Esta era talvez a minha única chance de falar com
Anastasia e descobrir a verdade. Growl inclinou-se para baixo, seus
lábios mornos escovando minha orelha e eu não pude parar de me
lembrar de como seus lábios eram em outras partes do meu corpo. Eu
tremi.

— Lembre-se, fique calma, — ele retumbou em meu ouvido, então


se endireitou, e de repente nós ficamos bem na frente de Anastasia e
Cosimo. Era nossa vez de parabenizar o casal feliz. Até mesmo o
pensamento me fazia sentir náuseas. Mas eu coloquei um rosto corajoso
e sorri. Anastasia parecia insegura e seu sorriso era mais que um pouco

~ 157 ~
forçado. Eu não sabia o que fazer com isso. Ela não fez nenhum
movimento para me abraçar ou se aproximar. Quando Cosimo e Growl
apertaram as mãos e conversaram, usei minha chance e puxei Trish
firmemente contra mim, tentando ignorar a forma como seu corpo se
tencionou em nossa proximidade. Ela estava preocupada que eu a
atacasse? Ou ela estava realmente enojada por estar tão perto de mim
agora que eu era menos? Eu bani o pensamento antes que pudesse me
distrair de meu plano. Eu trouxe minha boca perto de sua orelha. — Por
favor, Anastasia, ajude-me. Você pode ajudar a nós duas a fugir.

Anastasia agarrou meus braços, pregos cavando em minha pele, e


empurrou-me alguns centímetros de distância antes que ela se
inclinasse o suficiente para que ninguém ouvisse suas palavras. — Eu
não quero fugir, — ela sussurrou, então em voz alta. — Eu não poderia
estar mais feliz. — Ela deu seu melhor sorriso Grace Kelly para a
rodada de convidados reunidos, parecendo como este fosse o momento
de sua vida.

Olhei, incapaz de compreender o que estava acontecendo.


Anastasia estava montando um show? Ela estava preocupada se alguém
estava nos ouvindo?

Mas quando eu recuei para permitir que as próximas pessoas na


fila parabenizassem Anastasia e Cosimo, eu me permiti um olhar mais
atento à Trish. Ela não estava tendo uma atuação digna de um Oscar.
Não havia os sinais reveladores de linhas ao redor de seus olhos quando
ela estava forçando um sorriso. Isso era real. Growl começou a me levar
embora, mas eu continuava olhando de volta para minha ex-amiga e
meu ex-noivo. Eles pareciam felizes. Ninguém havia forçado Anastasia.
Ela realmente queria casar com ele.

Ninguém poderia evitar a se apaixonar, certo? Se Anastasia me


dissesse, eu teria tentado convencer meu pai a deixá-la casar com ele.
Eu teria querido que Anastasia fosse feliz, e eu nunca me importei com
meu noivo.

Como Anastasia poderia deixar isso acontecer? Há quanto tempo


isso estava acontecendo? Mas mesmo agora, eu não queria acreditar
que ela soubesse antes da festa. Talvez tivesse descoberto depois,
quando já era tarde demais. Eu dei um último olhar para Anastasia
antes de me virar. Ela não queria nada comigo esta noite, e eu
suspeitava que não era só porque outras pessoas estavam por perto. Ela
tinha um futuro perfeito pela frente, o que ela sempre quis. Ela não se
arriscaria por mim.

~ 158 ~
Eu esvaziei o meu copo e o coloquei na bandeja de um garçom
que estava passando. De repente eu me senti cansada, e não apenas de
álcool. Esta noite era como um pesadelo que eu nunca iria acordar.

Growl parou num canto da sala e se encostou na parede. Eu olhei


para ele. Ele parecia ter se cansado dessa festa também.

— Não podemos simplesmente sair? — Eu perguntei.

Growl balançou a cabeça. — Você realmente quer mostrar a eles o


quanto isso está incomodando você? Mostre-lhes a sua força. Não seja
covarde.

— Eu não estou me acovardando, — eu sussurrei, então suspirei.


— Mas eu sinto drenada. Eu não sou forte. Eu não me importo se eles
pensam que eu sou fraca. — Não era verdade e mais tarde me
arrependeria da minha falta de controle, mas agora eu só queria
escapar.

— Nunca mostre fraqueza a essas pessoas — disse Growl em voz


baixa, inclinando-se para baixo até que estivéssemos muito perto. —
Você é mais forte do que pensa. Nenhuma mulher me deu um tempo tão
difícil como você faz todos os dias. Se você pode ser forte em torno de
mim, você pode ser forte em torno desses fracos. Eles não são nada.

Eu pisquei em seus olhos âmbar. Pela primeira vez, eu realmente


pensei em agarrar seu rosto e beijá-lo. Eu queria fazer isso na frente de
todos. E isso, também, me assustou. Eu acenei com a cabeça. — Você
está certo. — Eu abaixei meus olhos, incapaz de suportar sua
proximidade por mais tempo. Eu peguei algumas pessoas nos
observando com a boca aberta. Aparentemente eles estavam esperando
ansiosamente por uma cena entre Growl e eu. Eles provavelmente
ficariam terrivelmente desapontados se esta noite não terminasse
comigo sendo espancada em uma confusão sangrenta por Growl.

Eu olhei para eles e eles realmente desviaram o olhar.

— Esse olhar é bom. Mostre-lhes quem você é.

— Se eu soubesse, — eu sussurrei. Do outro lado da sala, de


repente, vi Trish e o alívio me inundou. Trish sempre foi a amiga amável
entre minhas duas melhores amigas. Growl seguiu meu olhar. — Vá em
frente e fale com ela. Ela é sua amiga, certo?

— Como você sabe?

— Eu vi vocês juntas na festa de Falcone.

~ 159 ~
— Ok, — eu disse distraidamente, já pensando em como melhor ir
falar com Trish. Eu não poderia arriscar assustá-la.

— E não faça nada estúpido, — disse Growl quando eu já estava a


poucos passos de distância.

— Não vou.

Corri atrás de pessoas que me olhavam abertamente e apontaram


para mim, que sussurraram meu nome como uma maldição, e até riram
de mim, mas eu as ignorei.

Tudo o que importava era falar com Trish e descobrir o máximo


que pudesse.

Trish me viu quando eu ainda estava a uma boa distância e por


um momento eu tinha certeza que ela iria virar e correr, mas ela
esquadrou seus ombros e esperou por mim. Eu estava grata por esse
pequeno ato de bravura de sua parte, especialmente considerando os
muitos olhos que seguiam todos os meus movimentos. Quando eu
cheguei na frente dela, nós duas não fizemos nada por alguns
batimentos cardíacos. Então Trish me deu um tapinha desajeitado no
braço e eu me enrolei sob o gesto forçado. Qualquer esperança que eu
tinha deixado para a minha amizade com Trish desapareceu também.

Eu limpei minha garganta. Mas eu não sabia o que dizer. Eu tinha


feito tantos planos. Eles pareciam idiotas agora. Meus olhos se dirigiram
novamente para Cosimo e Anastasia.

Trish seguiu meu olhar e assentiu. — Sinto muito, Cara. Você


sabe que Anastasia sempre consegue o que quer.

Suas palavras eram estranhas, mas eu coloquei um sorriso


corajoso, lembrando as palavras de Growl. — Você não pode escolher
por quem você se apaixona.

Trish bufou. — Amor. Anastasia só ama a si mesma, você sabe


disso. — Pela primeira vez, Trish expressou críticas contra Anastasia, e
eu percebi que eu a subestimava. Eu nunca tinha pensado nela como
particularmente inteligente, e ela sempre tinha sido a loira estúpida,
mas seus olhos atentos agora me fizeram perceber como eu estava
errada. Ela provavelmente tinha visto através de Anastasia há muito
tempo.

— O que você quer dizer? — Eu perguntei calmamente.

~ 160 ~
— Ela o queria por causa de sua posição. Ele é um bom partido, e
depois da coisa com seu pai, ele ficou disponível. Isso é tudo.

Meu estômago se apertou. — Ela sabia antes que acontecesse? —


Ela não conseguia nem dizer as palavras.

Trish encolheu os ombros. — Provavelmente. Ela me ligou na


mesma noite e me contou sobre isso.

— Mas você não sabia... — Minha voz se apagou. Eu não tinha


certeza de quanto mais eu poderia ouvir.

Trish tocou ligeiramente meu braço. — Não. Eu não. E eu sinto


muito por tudo. — Seus olhos se lançaram em torno das pessoas nos
observando e sua expressão ficou mais cautelosa.

Eu sabia o que ia acontecer. Trish dependia da avaliação dos


outros como eu, antes que tudo tivesse sido tirado de mim. E ela, mais
do que eu, sempre fora a companheira de Anastasia. Isso não mudaria.
Ela não ia mudar. Trish não arriscaria sua reputação gastando o tempo
comigo no futuro. E o pior era, eu não poderia dizer se eu não teria feito
o mesmo se nossas posições tivessem sido revertidas.

Eu dei um passo para trás, forçando um sorriso. — Eu sei que


não podemos mais nos ver, — eu disse com firmeza. — Só uma última
coisa, você sabe alguma coisa sobre minha irmã?

Trish sacudiu a cabeça. — Anastasia provavelmente sabe.


Pergunte a ela. — Eu poderia dizer que ela estava ansiosa para terminar
esta conversa e eu fiz isso fácil para ela. Eu me virei e comecei a andar,
mas eu não sabia para onde ir. Onde quer que eu olhasse, eu vi pessoas
que não queriam nada comigo. Nem todos pareciam pensar que minha
família e eu tínhamos conseguido o que merecíamos, mas ninguém
parecia que ia me ajudar, ou até mesmo falar comigo. Eu nunca me
sentia tão sozinha em minha vida, e desta vez não havia sequer um
celular na minha bolsa. E mesmo que fosse, não havia ninguém que eu
pudesse chamar. Meu olhar desesperado assentou em Growl que não
estava mais conversando com o grupo de homens. Em vez disso, ele
estava parado sozinho, com um copo de vinho tinto na mão.

Parei por um momento. Mas ele era a única pessoa que eu podia
ir. Eu olhei ao redor de novo, em direção às portas e janelas, então olhei
para os meus pés e ri amargamente. Quando eu levantei os olhos, Growl
estava me observando. Eu sabia que ele nunca tinha tirado seus olhos
de mim. Não havia jeito de escapar, não sem ajuda, e embora doesse
reconhecer, eu não conhecia ninguém naquela festa que se preocupasse

~ 161 ~
o suficiente comigo para se arriscar. Trish girou em torno da pequena
pista de dança com um jovem que eu não conhecia e Anastasia estava
sorrindo largamente ao lado de Cosimo. Todo mundo estava bebendo e
rindo e vivendo sua vida. Mas eu não perdi os olhares que eles
mantinham em minha direção. Em alguns eu peguei piedade e
simpatia, mas assim que esses poucos me notaram olhando para eles,
eles rapidamente desviaram seus olhos como se eles estivessem
preocupados que minha má sorte esfregasse em cima deles ou talvez
que eles se sentissem obrigados a me ajudar.

Mas havia também os outros, aqueles que me observavam com


curiosidade, desesperados por continuar ansiosos pela sensação. Eu
estava bastante certa de que eles teriam se aproximado de mim para
obter uma atualização sobre suas fofocas sobre Growl se isso não
significasse que eles iriam arriscar a sua reputação por ser visto
comigo.

Eu fui em direção a Growl. Quando eu parei ao seu lado, ele


estendeu o copo de vinho tinto para mim. Eu levantei minhas
sobrancelhas. — Você está tentando me deixar bêbada?

— Parece que você precisa dele, — disse ele.

Eu bufei. — Eu não acho que o vinho é o suficiente.

Growl não riu nem sorriu, só me reuniu com seus olhos âmbar
afiados. Ele ainda estava segurando o copo e eu finalmente o peguei.

— Esse não é seu? — Eu perguntei, mas tomei um grande gole


antes que ele pudesse responder.

Ele não parecia se importar. — Eu não bebo.

— Você não bebe? Todos bebem. — Eu acenei com a cabeça na


direção geral dos outros convidados.

Growl não desviou os olhos de mim. — O álcool torna as pessoas


descuidadas. Isso traz o pior deles.

— Você mata para ganhar a vida. Não acho que fique muito pior.

Growl assentiu. — Possivelmente. Mas não vou deixar o álcool


atrapalhar meus sentidos.

Esvaziei o resto do vinho. — É exatamente por isso que eu bebo.

— Não. Foi errado dar-lhe o vinho. Não faz as coisas melhorarem.


Só faz você acreditar que sim.

~ 162 ~
Eu estava começando a me sentir trêmula e tonta. — Talvez seja o
suficiente. Se as coisas não puderem melhorar, pelo menos eu posso
fingir que sim.

Growl suspirou. — Vou dizer a Falcone e Cosimo que estamos


indo embora. Você ficará onde está enquanto eu estiver fora.

Eu me encostei na parede. Eu não tinha vontade de ir a lugar


algum. A sala estava girando e eu estava começando a me sentir quente.
Com um outro olhar para mim, Growl dirigiu-se para onde Cosimo
estava conversando com Falcone. A multidão se separou para ele. E ele
se erguia sobre eles, forte, alto e orgulhoso, apesar de seus sussurros.

Eu queria poder ser assim. Mas eu me importava com o que as


pessoas diziam. Doeu-me vê-los julgando e compadecendo. Eu fechei
meus olhos contra seu escrutínio e logo perdi todo o sentido do tempo.

Um toque no meu ombro me despertou do meu estupor. As


minhas pálpebras se sentiram pesadas quando as abri. Growl franziu o
cenho para mim e eu recuei pela raiva em seu rosto. — Nunca feche
seus olhos ao redor de seus inimigos. Você não vai sobreviver assim.

Eu sorri com cansaço. — Como se você tivesse tirado os olhos de


mim. Ninguém pode me machucar quando você está por perto. Se
alguém acabar me matando, então provavelmente será você.

Growl não negou. Ele enrolou os dedos em meu braço e me guiou


até a porta. Eu o segui num estado de transe. Quando chegamos lá fora,
o ar fresco me ajudou a recuperar meus sentidos e engoli o oxigênio
ansiosamente.

Mas eu ainda não estava no melhor estado de espírito e levei um


tempo para notar um homem encostado em um carro fumando um
cigarro. Eu não o conhecia, mas Growl conhecia do jeito que seus dedos
em meu braço apertavam em advertência.

— Boa conquista, — o homem disse.

Growl ignorou-o e tentou puxar-me para além dele. Mas o homem


afastou-se do carro, jogou o cigarro no chão e esmagou-o com o sapato.
Ele sorriu maliciosamente.

— Como você encaixa o seu pau grande naquela boca pequena de


dama dela? — Ele parecia bêbado, e eu jurei para mim mesma nunca
mais beber tanto quanto esta noite novamente.

~ 163 ~
De repente, Growl se afastou de mim e eu tropecei, mas peguei
meu equilíbrio no último segundo, me segurando novamente em outro
carro. Eu engasguei então girei ao redor quando ouvi um grito abafado.
Growl tinha agarrado o homem pelo pescoço e jogou-o no chão. Ele
chutou-o nas costelas duas vezes, em seguida, se inclinou para baixo e
deu um soco no rosto. O homem gemeu e sangue saiu do nariz e da
boca.

— Não, — Growl rugiu em uma voz que enviou arrepios frios em


minhas costas. — Nunca mais volte a falar assim ou eu vou te sufocar e
te estrangular com suas entranhas.

O homem tossiu.

— Entendido? — Growl perguntou, sacudindo o homem.

— Sim, — ofegou o homem em uma voz encharcada de sangue.

Growl enxugou as mãos no terno do homem antes de se endireitar


e enviar um olhar de advertência. Então ele voltou para mim com uma
expressão calma. Nenhum sinal de sua fúria anterior era visível.

— Por que você fez isso? — Eu perguntei enquanto ele me


conduziu em direção a seu carro, que estava estacionado no lado da
estrada perto dos portões de entrada.

Growl me ajudou entrar no lugar do motorista. — Porque você é


minha e eu não vou deixar ninguém falar merda sobre você.

— Na casa, na festa, todos estavam falando de mim.

Growl olhou de volta para a casa brilhantemente iluminada e por


um momento eu me preocupei que ele tempestearia de volta e batesse
alguns convidados mais, mas depois ele olhou para mim. — Eles eram
bastante inteligentes para não dizer nada quando eu podia ouvi-los, e a
maioria só sente pena de você. Eles dizem coisas ruins sobre mim, não
você.

A maneira como ele estava lá, com algumas gotas de sangue em


sua camisa branca e a determinação fria em seu rosto impressionante,
ele parecia meu anjo vingador. Quem poderia ser melhor para buscar
vingança do que Growl? Ele sabia como ferir as pessoas, como destruí-
las. Eu poderia convencê-lo a ajudar minha irmã e minha mãe? Mesmo
que ele nunca me deixasse ir, talvez ele pelo menos as ajudasse a fugir
de Las Vegas e começar de novo. Ele estava em conflito, eu podia dizer.
Poderia fazê-lo ir contra Falcone, afinal? Seus olhos âmbar encheram os

~ 164 ~
meus, e um lampejo de esperança surgiu em mim. Eu não desistiria. Ele
era minha única chance.

GROWL
Growl tinha suspeitado desde o início. Por que Falcone os
convidaria? Agora ele sabia. Era para humilhar Cara, e ao fazê-lo, ele.
Growl nunca se importava com o que as pessoas diziam, o que Falcone
dizia. Ele viveu sua vida, tentou sobreviver, nunca quis ou precisou de
muito.

O único propósito de Falcone nesta noite era humilhar Cara. O


sangue de Growl fervia com a memória. Growl não deixava ninguém
humilhar o que era dele, especialmente Cara.

Por alguma razão aquela garota significava algo para ele. Ele
nunca se importou com ninguém, exceto com seus cachorros e talvez
com ele, mas com Cara, ele não sabia ao certo o que estava acontecendo
com ele. Ele não queria se importar com ela. Ele sabia que ela não o
queria. O que ela estava fazendo era uma tática, uma maneira para ela
sobreviver ao que tinha sido significado como um castigo horrível.

Growl não sabia o que estava acontecendo com ela. Se talvez ela
não o odiasse tanto quanto ele suspeitava. Às vezes parecia que ela não
odiava estar perto dele tanto assim. Ela gostava de seu toque e sexo e
seus beijos, o que era óbvio. Isso era algo que ele podia entender, mas
além disso ela permanecia um mistério para ele.

E não importava de qualquer maneira. Ela era dele e ele a


protegeria. Mesmo contra Falcone. Esse homem estava arruinando a
vida de Growl por muito tempo. Ele nunca encontrara a motivação para
ir contra o homem, apesar de tudo o que Falcone fizera a Growl.

Growl nem sequer tinha certeza do porquê. Ele mataria qualquer


um que tentasse matá-lo. Ele nem hesitaria. Mas Falcone? Growl não
tinha certeza do que o impedira de se vingar durante todos esses anos.
Falcone era seu pai, mas Growl não achava que fosse por isso. Growl
não sentiu nada quando disse ou pensou a palavra — pai — Era uma
palavra vazia para ele. E ainda assim seu pai ainda estava vivo. Teria ele
esperado profundamente que Falcone o veria como seu filho? Growl não

~ 165 ~
conseguia sequer responder a essa pergunta. E agora ele não precisava
mais. Era irrelevante por que ele ainda não se vingara do homem.

Algo tinha mudado. E a razão disso era Cara. De alguma maneira,


Falcone tinha posto tudo em movimento. Ao dar Cara para Growl, ele
assinou sua própria sentença de morte, porque Growl queria ajudar
Cara a se vingar. Ele não queria nada mais. Falcone sempre o chamava
de sua máquina de matar. Falcone tinha criado o monstro, e agora ele
viria para matar seu criador.

Talvez ela parasse de odiá-lo, se o fizesse. Não podia esperar mais


do que isso. Ele sabia que ninguém jamais poderia gostar dele, e ele
aceitava isso.

~ 166 ~
Capítulo vinte
CARA
Growl estava muito quieto desde que tínhamos voltado da festa
ontem. Eu não podia dizer se isso significava que ele ainda estava
pensando em me ajudar.

Growl empurrou seu polegar sobre meu clitóris, arrancando-me


de meus pensamentos. Ele empurrou um dedo em mim. — Eu quero
toda a sua atenção, — ele retumbou, empurrando em mim novamente.

Concordei rapidamente e afastei qualquer preocupação.

De repente, Growl puxou a mão para longe. Fiquei confusa. — O que


há de errado? — eu perguntei.

— Toque-se — ordenou ele, sentando-se de costas.

Eu me enchi de vergonha. A última vez que fiz isso minha mãe viu
e não terminou bem. — Não está certo, — eu disse.

Growl soltou um riso. — Eu não dou a mínima para o certo, desde


que seja bom. Fizemos tantas coisas que não são certas. Não me diga
que isso é pior.

Olhei para ele, os braços ao meu lado. — Eu não posso fazer isso
com você assistindo.

— Mas você já se tocou antes?

Eu hesitei. — Sim — admiti com relutância. Mais uma vez a


vergonha passou sobre mim como há muitos meses atrás. Eu não tinha
certeza por que ainda me incomodava tanto. Afinal, Growl estava certo.
Eu tinha feito um monte de coisas piores com ele.

— E foi bom, certo?

Eu dei de ombros. — Foi bom.

~ 167 ~
Growl levantou uma sobrancelha. Ele segurou meu pulso e
empurrou minha mão entre minhas pernas. Eu pulei na sensação de
meus dedos escovando meu centro. Tentei me afastar, mas Growl estava
me segurando com força. — Pare de tentar fazer o que é certo e faça o
que é bom para você. Você pensa demais.

Eu olhei para ele. — Não me diga o que eu gosto ou não gosto.


Talvez eu não goste de me tocar.

Growl olhou para mim. Ele cobriu meu dedo indicador com o dele
e guiou o meu entre as minhas dobras. A ponta do meu dedo escovou meu
clitóris, então deslizou através da minha umidade. Estremeci com a
sensação. Growl continuou deslizando os dedos para trás e para frente
em um ritmo lento. Seus olhos encararam os meus e levou toda a força
que eu não tinha para fechar meus olhos para me esconder de seu
olhar. Ele guiou meu dedo para baixo até que eu cutuquei minha
abertura. Meus olhos se arregalaram. Eu nunca fiz isso. Eu sabia o
quanto eu gostava quando Growl fazia. Eu hesitei, mas Growl não
deixou minha insegurança me parar. Ele empurrou meu dedo dentro de
mim com o dele. Eu ofeguei em surpresa e luxúria quando os dois dedos
me encheram. A sensação era incrível, e a fome nos olhos âmbar de
Growl só aumentava meu desejo. Isso parecia tão errado, e era
extremamente bom. Growl estabeleceu um ritmo lento, deslizando
nossos dedos dentro e fora de mim. Foi incrível quão molhado e suave
eu estava.

— Como você se sente?

Eu balancei a cabeça, não querendo dar a ele uma resposta. Eu


não poderia admitir em voz alta que isso era bom. Já era ruim o
suficiente estar gostando tanto. Growl parou nossos dedos, seu olhar se
tornou desafiador. — Como. Você. Se. Sente?

Eu empurrei meus quadris, tentando manter a sensação, mas


Growl me parou com seu braço.

— Bem, — eu disse com raiva. — Isso é bom.

Um sorriso afetado cruzou o rosto de Growl, então ele se foi, mas


ele finalmente começou a se mover novamente. Ele empurrou nossos
dedos mais forte em mim, e eu estava ficando mais perto do meu
orgasmo, mas algo ainda estava faltando.

— Toque seu clitóris — disse Growl.

~ 168 ~
Desta vez eu não hesitei. Minha outra mão desceu e eu pressionei
dois dedos lá. Eu gemi, mas rapidamente apertei meus lábios,
envergonhada pelo som quando Growl estava me observando tão de
perto. Como se ele pudesse dizer que eu tinha problemas para me soltar
enquanto ele estava assistindo, seu olhar percorreu meu corpo e ele
observou enquanto nossas mãos e dedos se moviam em sincronia para
me levar mais perto do limite. E então quando isso finalmente caiu
sobre mim, tudo saiu de foco e eu me deixei levar, mesmo quando
Growl voltou seus olhos para mim. Eu não podia me segurar, não
queria. Eu não tinha nem mesmo regulado minha respiração quando
Growl se levantou e começou a se despir. Eu acho que eu nunca me vou
me acostumar com a visão dele nu. Sua tatuagem, suas cicatrizes, seus
músculos, tudo sobre ele gritava perigo, gritava para eu me afastar, e
ainda cada célula em meu corpo parecia amar sua proximidade. Seu
pau já estava de pé e isso intensificou a dor entre as minhas pernas
novamente. Eu sabia o que estava vindo agora e eu mal podia esperar.
Por um momento ele ficou de pé no meio do quarto, me admirando.
Mas, eu também não consegui me soltar o suficiente para deixar meus
olhos percorrerem seu corpo. Isso iria parar?

Quando meus olhos voltaram para seu rosto, sua expressão


quase me fez gemer. Ele veio até a mim e subiu na cama. Eu o esperei
subir em cima de mim e me foder. Mas ele me surpreendeu quando se
deitou de costas. Confusão fez com que minhas sobrancelhas
arqueassem, mas antes que eu pudesse perguntar o que ele estava
fazendo, ele agarrou meus quadris e me levantou em cima dele, então
eu estava montada em seus quadris. Sua ponta pressionou contra a
minha abertura e uma emoção disparou através de meu corpo com a
sensação. As mãos de Growl na minha cintura apertaram depois de um
momento. Um incerteza me inundou. Eu não estava exatamente certa
como fazer isso, mas eu não queria admitir isso em voz alta. Recolhendo
minha coragem, eu me contraí contra o peito duro de Growl.
Focalizando seus músculos e não a intensidade de seus olhos, eu
lentamente me abaixei em seu pau. Um longo gemido escapou de meus
lábios na sensação de seu comprimento deslizando em mim mais
profundo do que nunca. Eu exalei lentamente quando ele entrou todo o
caminho e eu me sentei confortavelmente em cima dele. Eu nunca tinha
me sentido tão cheia antes. Foi incrível.

Growl moveu seus quadris para cima alguns centímetros e meus


olhos voaram até os dele. Havia tensão em seu rosto. Eu sorri e seus
olhos brilharam. Cavando minhas unhas em seu peito do jeito que ele
gostava, eu me ergui lentamente, deixando seu pau deslizar para fora
de mim. Eu me concentrei em tencionar meus músculos internos para

~ 169 ~
tornar isso ainda mais intenso para Growl, querendo levá-lo à beira da
insanidade. Ele deu uma palmada na minha bunda, fazendo meus
olhos se arregalarem e um suspiro de surpresa sair, seguido por uma
risada que escorregou da minha boca.

Havia algo parecido com brincadeira em sua expressão. Comecei a


me mover mais rápido. Minha bunda acidentalmente escovava suas
bolas e ele exalou bruscamente. Eu hesitei, sem saber se isso era um
bom sinal, mas o olhar em seu rosto apagou todas as minhas
preocupações. Ele gostou. Muito.

Eu torci meus quadris, certificando de pressionar minha bunda


de encontro com suas bolas cada vez que eu me abaixava. A respiração
de Growl ficou mais rápida e os baixos grunhidos que eu adorava
vieram do fundo de sua garganta novamente. Meu próprio corpo
apertou antecipando um orgasmo, e quando eu me inclinei ligeiramente
para frente, meu clitóris escovou seu osso púbico e eu explodi. Meus
dedos cavaram ainda mais fundo em sua pele e eu me movi mais
rápido, empurrando meu próprio orgasmo em novas alturas. E então o
corpo de Growl estremeceu debaixo de mim e eu o senti gozar,
provocando ainda mais minhas paredes internas. Eu gritei, jogando
minha cabeça para trás. — Oh Deus, — eu disse.

Quando meus batimentos cardíacos diminuíram, eu abri meus


olhos e espiei o homem debaixo de mim. Ele estava me observando com
surpresa.

— O quê? — eu disse de forma consciente.

Growl correu seu dedo sobre meu peito, então lentamente abaixo
do meu estômago até que veio descansar sobre meu clitóris. Eu
estremeci, ainda muito sensível para seu toque.

— Esta foi a primeira vez que você gritou alto.

Meu rosto se aqueceu ainda mais. — Alto? — eu olhei para a


janela coberta pela cortina, preocupada com os vizinhos. Eles tinham
ouvido alguma coisa?

— Não se preocupe com eles. Eles não se importam se aquele


bastardo do outro lado da rua bater em sua esposa até virar polpa. Eles
não vão dar a mínima sobre você gritando porque você está gozando.

Eu olhei para ele. Sua linguagem suja ainda me assustava


algumas vezes. Mas ele estava certo. Eu tinha perdido a conta das vezes

~ 170 ~
que eu ouvi a mulher do outro lado da rua gritar, e nada nunca tinha
acontecido.

GROWL
Vê-la se tocar foi a coisa mais sensual que Growl já tinha visto.
Deus, ele tinha dito a outras mulheres para fazerem a mesma coisa
para ele, mas isso sempre parecia falso e errado. Mas com Cara, ela
realmente se soltava. Ela confiava nele na cama. Era mais do que ele
merecia com certeza.

Ele queria muitas coisas na vida. Ele queria possuir, destruir,


subjugar. Ele nunca quis ser gentil com alguém, ou estar com alguém
além do simples ato de foder. Ele tinha fodido muitas mulheres;
Nenhuma delas tinha significado algo para ele. Ele não desprezava as
mulheres. Não gostava menos delas do que dos homens. Ele
simplesmente não gostava dos humanos em geral. Eles eram criaturas
desonestas e fodidas. É por isso que ele preferia a companhia de seus
cachorros. Eles não esperariam que ele dormisse para matá-lo. Se um
de seus cachorros quisesse matá-lo, eles fariam no meio do dia. Growl
gostava mais dessa maneira.

Cara estava esparramada na cama ao lado dele, seu peito subindo


e descendo rapidamente, seus mamilos duros ainda mais rosados do
que o habitual contra sua pele branca. Algumas gotas de suor desceram
por seu estômago e ele teve que parar de lambê-los de sua pele. Ele
precisava falar com ela, não se distrair com outra rodada de sexo.
Embora a visão dela nua, e finalmente sem vergonha, tornava difícil se
conter.

Cara virou a cabeça, erguendo as sobrancelhas. — Há um olhar


engraçado em seu rosto. Eu fiz algo errado? — duas manchas rosa
apareceram em suas maçãs do rosto e ele se inclinou para frente e
beijou sua testa. Ele não sabia por quê. Ele nunca tinha feito isso.
Nunca tinha pensado em fazer. A testa não era um lugar muito
interessante para um beijo. Cara estava virando-o de cabeça para baixo,
isso era certo. — Você não fez nada de errado.

~ 171 ~
Surpresa encheu o lindo rosto dela. Mesmo ela não entendia por
que ele tinha feito isso, e ela geralmente era boa em emoções e ações
humanas.

Ela pôs uma mão no peito dele. Um pequeno gesto que também
não fazia sentido. Talvez nem tudo tivesse sentido. — Você está bem?

— Eu vou te ajudar, — ele disse com firmeza.

Ela piscou. — Me ajudar? — a mão dela contra a pele dele


começou a tremer. — Você quer dizer com Falcone?

Growl assentiu. Não havia volta agora. Ele tomara sua decisão e
nada o deteria. Ele morreria se necessário. Ela valeria a pena. — Eu vou
te ajudar a se vingar.

CARA
Eu não podia acreditar. Eu esperava por isso, claro, sonhei sobre
isso. Parecia improvável, impossível. Growl era o homem de Falcone,
seu assassino mais temido. Como eu poderia ter mudado isso?

— Então me deixe entender, — eu disse lentamente, querendo me


certificar de que eu não estava entendendo as coisas erradas. — Você
quer me ajudar a me vingar, mesmo que você nunca tenha tentado se
vingar do que Falcone fez com você e sua mãe? Por quê? Eu não
entendo. Você nem gosta do meu pai.

Cale a boca, Cara. Minha mente estava gritando para mim, mas
eu precisava saber. Eu estava começando a aceitar que por alguma
razão parte de mim sentia algo pelo homem na minha frente. E eu
precisava saber se ele também.

— Não é por causa do seu pai. Não me importo que ele esteja
morto. — as palavras mal doíam mais. Eu tinha me acostumado às
palavras duras de Growl. Ele era honesto, isso era algo que eu
apreciava.

Eu me apoiei no meu cotovelo e procurei em seu rosto por


respostas. — Então por quê? — minha voz era um sussurro.

~ 172 ~
Os olhos âmbar de Growl traçaram meu rosto. — Falcone foi longe
demais. Você não mereceu o que ele fez com você.

— O que você quer dizer? — eu perguntei cuidadosamente, sem


saber onde ele estava indo.

— Você era inocente. Ele te puniu por algo que seu pai fez. Isso
não está certo.

— E ele puniu você quando você era um garotinho por algo que
sua mãe poderia ter feito, te puniu por não fazer absolutamente nada.
Isso deveria ter sido suficiente para fazer você querer matá-lo.

— Eu sempre quis matá-lo.

— Então por que não o fez?

— Quando eu era um menino, eu o teria matado, mas naquela


época eu não tinha as habilidades. E mais tarde, quando as tive, senti-
me agradecido a ele, por me dar as habilidades, por me mostrar o que
eu podia fazer. Sem ele, eu não seria o que sou hoje.

— Um monstro? Um assassino? Você poderia ter se tornado muito


mais se ele não tivesse matado sua mãe e destruído sua infância. Ele
quebrou você. — eu estremeci no momento em que as últimas palavras
deixaram minha boca.

— Eu era filho de uma prostituta que trabalhava para Falcone. Eu


teria me tornado um de seus homens de qualquer maneira, mas sem
sua crueldade, sem o que ele fez feito comigo, eu nunca teria me
tornado implacável o suficiente para me tornar o seu melhor assassino.

— Então você está me ajudando porque Falcone me tratou mal?


Ele tratou muitas pessoas pior do que eu.

Growl assentiu. Ele correu um dedo pelo meu braço, em seguida,


de volta para cima novamente. — Ele fez. Eu fiz. Mas eu quero te ajudar
a ser feliz. Quero que você saia desta cidade e dessa vida miserável. Eu
nunca quis isso para mim, mas você, para você eu quero tudo.

— Obrigada, — eu disse calmamente. Eu não poderia dizer mais.


Isso foi esmagador.

Eu limpei minha garganta. Emoções nunca tinham sido parte do


plano, ou mesmo uma possibilidade no início. Eu precisava me
concentrar agora.

~ 173 ~
— O que vamos fazer com a minha irmã? Nem sabemos onde ela
está.

Growl puxou a mão para longe do meu braço. Eu me senti mal,


mas eu sabia que não tinha motivo. Eu nunca tinha escolhido isso.

— Vou descobrir — gritou Growl. Ele apoiou a mão em seu


estômago.

— Eu pensei que Falcone não compartilhava essa informação com


você.

— Até agora não. Mas agora que as coisas estão piorando com
Nova York, acho que ele logo terá razão para me contar sobre o
paradeiro de sua irmã.

Eu respirei. — Porque ele acha que você vai machucá-la.

— Mas não vou.

— Eu sei, — eu disse sem hesitação. Como as coisas podem ter


chegado até aqui? Eu estava me apaixonando por ele, e eu não tinha
certeza de como me impedir de me sentir assim. Mas eu precisava. Não
havia futuro para Growl e para mim. Não haveria.

Ele tinha sido um monstro toda a sua vida. Mesmo que eu


dissesse a ele que ele poderia se redimir me ajudando, eu nunca tinha
realmente acreditado, tinha? Como eu poderia estar com alguém assim?
Como eu poderia explicar isso para minha mãe e minha irmã? Eu não
podia.

~ 174 ~
Capítulo vinte e um
CARA
Os gritos dos vizinhos voltaram a aumentar. Era de manhã cedo.
O sol mal se levantara ainda, mas eu estava acordada por horas. Não
apenas por causa das brigas na casa vizinha, mas também por causa
do acordo de Growl para me ajudar.

Saí da cama e olhei pela janela para a casa do outro lado da rua.
Desta vez, o casal tinha levado a briga para fora. Ambos estavam de
frente um para o outro no gramado da frente. Um menino pequeno
estava na porta, talvez de dois anos de idade, observando enquanto
seus pais gritavam um para o outro.

O homem ergueu a mão e golpeou a mulher com tanta força que


ela tropeçou e caiu no chão, mas isso não o impediu. Ele se inclinou
sobre ela e a bateu novamente. O menino começou a chorar, o rosto
contorcido de terror.

— Growl, — eu chamei.

Ele veio em minha direção, parecendo em alerta. — O que está


errado?

— O cara está batendo na namorada de novo.

Growl deu o seu ‘e daí’ com o olhar. — Ele está fazendo isso quase
todos os dias e ela não o deixa. Não é problema nosso.

Outro grito atraiu meus olhos para o casal. A mulher estava


tentando rastejar para longe de seu namorado, mas ele a agarrou pelos
cabelos e a girou, batendo-a novamente.

— Ajude ela, — eu disse com firmeza. — Por favor. Ou eu vou


fazer. — eu me virei e me dirigi para a porta da frente, abrindo-a. Eu
sabia que seria quase impossível eu parar o homem porque ele era alto
e grande.

~ 175 ~
Growl estava perto de mim. — Você precisa aprender a cuidar do
dos seus problemas.

— Por quê? Para que eu possa me tornar tão implacável quanto


você e Falcone? Não, obrigada! — eu sussurrei enquanto eu descia pela
calçada.

Antes que eu pudesse alcançar o outro lado, Growl me agarrou


pelo braço, parando-me. Eu me virei para ele. O uivo do menininho
chegou até a nós e rasgou meu coração. Ninguém mais estava
ajudando, embora muitos rostos aparecessem nas janelas, observando
o que estava acontecendo. — Esse garoto tem que ver seu pai bater em
sua mãe? Você deve saber o que faz a uma criança ver esse tipo de
horror. Você realmente quer que esse garoto compartilhe o mesmo
destino que você?

Os olhos de Growl cintilaram com incerteza, então seu olhar caiu


na cena do outro lado da rua. Decisão e fúria tomou conta do seu rosto.
Um alívio me inundou. Eu conhecia aquela expressão.

Growl cruzou a rua sem olhar para a esquerda ou para a direita.


Eu o segui. O cara não tinha nos notado ainda e estava insultando sua
namorada, chutando e batendo ela alternadamente. Growl foi como um
touro quando bateu no ombro do homem. O cara soltou um grito e caiu
no chão. Parecia querer dar um soco contra quem o tivesse atacado,
mas então percebeu que era Growl e seus olhos se arregalaram.

Eu me agachei ao lado da mulher que ainda estava sentada no


chão, pressionando a mão sobre sua boca. O sangue escorria pelo
queixo. — Você está bem agora, — eu murmurei quando toquei seu
ombro. Seus olhos sem foco se fixaram em mim. Ela não disse nada. Eu
podia sentir o cheiro de álcool em sua respiração. Seu filho veio
correndo em nossa direção e a abraçou no pescoço. — Mãe... mamãe.

Ela o ignorou, olhos apenas para Growl que estava batendo e


sacudindo seu namorado, e dizendo algo que não poderíamos ouvir.

— Não deixe ele matar meu Dave, — ela disse quase implorando.

Eu a encarei. Depois de tudo, ela estava preocupada com seu


namorado abusivo?

— Você deve ir a um abrigo para mulheres com seu filho.

A mulher sacudiu a cabeça. — Dave não é um cara mau. Não


deixe ele machucar meu Dave.

~ 176 ~
Eu fiquei de pé. Growl empurrou o homem em direção ao carro. —
Dê o fora, — ele rosnou, soando tão ameaçador como ele parecia. O
homem entrou no carro e foi embora.

— Você realmente deveria ir, já que ele foi embora, — eu disse à


mulher. Mas seus olhos seguiram o carro com desespero e saudade, e
eu sabia que ela não iria embora. Eu baguncei os cabelos do menino e o
gesto trouxe um sorriso em seu rosto. Aquela pobre criança.

Eu ajudei a mulher e o menino a entrar em casa, ignorando suas


perguntas constantes sobre seu namorado. Dentro da casa estava cheio
de garrafas de cerveja vazias. Fedia a cigarro e álcool, e então eu decidi
que eu precisava salvar pelo menos o garoto. Eu o levantei em meus
braços e o levei para fora novamente. A mulher não me impediu. Ela
estava mexendo no seu celular, tentando ligar para o namorado.

Growl me deu uma olhada, mas não comentou quando saí com o
garoto. Atravessamos a rua e só quando entramos na casa de Growl, ele
disse. — Você não pode ficar com ele.

— Eu não vou. Temos de ligar para os serviços sociais. Temos que


fazer alguma coisa.

— Você não pode salvar todos eles.

— Mas eu posso salvar esse, e isso é o suficiente, — eu disse com


firmeza. O garoto estava olhando para Bandit e Coco curiosamente.

Growl olhou para mim e para o garotinho, e assentiu. — Eu


conheço alguém que eu possa ligar. Eles vão encontrar um bom lugar
para ele. — o garoto estendeu a mão e tocou uma das tatuagens de
Growl com fascínio. A expressão de Growl suavizou um pouco e então
ele se dirigiu para o telefone como se estivesse com medo de sua própria
reação. Afinal, havia esperança para ele. Uma hora depois, duas
mulheres vieram e pegaram o menino. Naquela noite, ouvi seus pais
gritando um com o outro novamente, mas eles não vieram perguntar
por ele.

***

Quando eu deitei ao lado de Growl depois do sexo naquela noite,


eu sussurrei. — Você fez a coisa certa hoje. — e era verdade. Talvez eu

~ 177 ~
estivesse errada, talvez ele pudesse compensar seus pecados fazendo o
bem.

Growl se virou para mim. — Possivelmente. Mas essa mulher


ainda está com o imbecil. Algumas pessoas só conhecem a miséria. É
algo confiável. A mudança os assusta mais do que sua vida de merda.

Tracei os espinhos entalhados sobre seu antebraço. — Como você.

Growl estreitou os olhos. — Estou mudando minha vida por você,


indo contra Falcone.

— Eu sei, e eu sou grata por isso. Mas você está fazendo isso por
mim. É como se você ainda não achasse que você merece algo de bom.
— eu disse. — Você mora neste lugar, embora você não precise. Não
consigo imaginar que Falcone esteja te pagando tão mal. Você é como
aquela mulher a esse respeito.

Ele se sentou. — Esta casa não é como ser espancado por alguém.
— ele hesitou. — Isso é ruim para você?

Suspirei. — Este lugar me faz me sentir miserável.

— Você quer dizer que eu faço você se sentir miserável.

— Não, — eu disse, e eu não tinha certeza se era a verdade ou


ainda parte do meu plano de fazê-lo confiar em mim. — Esse lugar. O
povo é desesperado e ignorante, e não há beleza neste lugar, apenas
desolação.

Growl olhou ao redor do quarto. — A beleza é passageira.

— E desolação e desespero não é? — eu me sentei também, e


encostei meu queixo em seu ombro, respirando seu cheiro almiscarado.
Eu não queria que ele partisse, mas eu poderia dizer que ele já estava
ficando inquieto.

— É familiar. É confiável — murmurou Growl. — Eu sempre


gostei disso. — e eu tinha estragado as coisas para ele, eu supunha.
Uma criatura de hábito, de fato. E, no entanto, ele estava desistindo
disso por mim.

Por um momento houve silêncio, então ele lentamente se retirou,


e eu não tive escolha senão soltá-lo. Ele se sentou na beira da cama,
mas depois se levantou. — Durma bem.

— Eu dormiria melhor se você ficasse, — eu disse.

~ 178 ~
Growl hesitou, mas depois saiu novamente. Cada vez que eu
achava que estávamos chegando em algum lugar, uma ação como esta
me lembrava de que não podíamos. Talvez em algum momento meu
coração entenderia isso também.

***

Dirigimos em direção a Strip de Las Vegas com seus arranha-


céus. Tudo era brilhante e as pessoas estavam se divertindo. Este era
um lugar totalmente diferente de onde Growl vivia. Nós paramos na
frente de arranha-céus elegantes com os carregadores de malas na
frente das portas corrediças. Growl saiu antes que o homem pudesse
abrir a porta, então ele me ajudou a sair do carro. Era estranho ser
cercada por este luxo novamente. Eu quase me senti como se eu não
pertencesse a isso, como se o último par de semanas tivesse me
mudado tanto que eu não poderia caber no mundo que eu tinha feito
parte toda uma vida. Era um pensamento assustador.

Growl me levou para dentro do prédio com a mão nas minhas


costas. Foi um gesto possessivo e, ao mesmo tempo, achei que ele
estava tentando me mostrar algo mais. Ou eu estava tentando ver
coisas que Growl não era capaz de fazer? O recepcionista nos deu um
sorriso brilhante demais enquanto íamos para os elevadores.

Saímos no topo do arranha-céu e entramos em uma enorme


cobertura. Tudo era branco, vidro e dourado. — O que é isso? — eu
perguntei. Era decorado com móveis de design preto e cinza. Tudo era
elegante e perfeito.

— Meu apartamento, — Growl disse simplesmente.

Eu congelei no meu caminho para as janelas do chão ao teto. —


Isto é seu? — este apartamento parecia completamente não utilizado. E
em seis semanas que eu tinha estado com ele, ele nunca tinha
mencionado isso para mim. Eu me assustei. Tinha sido realmente seis
semanas? Deus. E, ao mesmo tempo, seis semanas parecia um período
de tempo muito curto para tudo o que tinha acontecido.

Seis semanas. Sem a minha irmã. Ela estava bem, Growl tinha me
assegurado. E minha mãe, eu não a via há tanto tempo.

— Eu tenho ele há alguns anos, — Growl disse, me arrancando


dos meus pensamentos. Ele pegou uma coca da geladeira e bebeu. —

~ 179 ~
Falcone me deu como pagamento por um trabalho bem feito, mas eu
não uso. — ele me deu outra coca, mas eu só a usei para deixar o frio
me ajudar a me focar.

— Se você tem isso, — eu me virei. — Então por que você está


vivendo naquela casa terrível? Este lugar não parece ter sido usado
nunca. Não há nada que te pertença.

Growl me lançou um olhar estranho. — Porque este não é quem


eu sou. O mobiliário estava aqui quando eu ganhei e eu nunca mudei
nada, — disse ele em seu barulho habitual baixo. — Isso também é... —
os olhos dele vasculharam a sala. — Muito chique para alguém como
eu. Não sou eu.

Parei na janela e deixei meu olhar vagar sobre Las Vegas abaixo
de nós. Na distância eu podia ver o interminável deserto vermelho. Eu
preferia viver em uma casa, sempre tinha amado a minha antiga casa e
o jardim, mas tudo era melhor do que a barraca que Growl chamava de
casa. — Para alguém como você? — eu repeti suas palavras.

Growl se aproximou lentamente e seguiu meu olhar. — E Coco e


Bandit não se sentiriam tão confortáveis. Eles sentiriam falta do jardim.
Por aqui não há nenhum lugar onde eu possa caminhar com eles.

Eu dei a ele um olhar, mas ele evitou os meus olhos. Havia algo
estranhamente vulnerável e fora de lugar em Growl. Por que ele se
sentia tão desconfortável em um apartamento luxuoso? — Não é como
se a área onde vivemos fosse ótima para passeios com os cães.

Growl me deu um sorriso estranho. — Bandit e Coco estão


acostumados a lugares como esse. Eles sabem como lidar com bêbados
e viciados, prostitutas e os sem-teto. As pessoas por aqui com seus
sorrisos falsos, isso é algo que eles não podem lidar. Pessoas como essa
os envolveram em brigas de cães.

— Sabe, há lugares onde pessoas decentes normais vivem. Você


compara um extremo com o outro.

— Normal — grunhiu calmamente, testando a palavra. — Eu


nunca tive o normal. — ele se virou para mim. — Você pode me
imaginar entre pessoas normais decentes?

Eu não disse nada. Growl com suas tatuagens assustadoras e


cicatrizes sempre chamou a atenção para si mesmo, e para a sua
aparência assustadora.

~ 180 ~
Ele deve ter lido meus pensamentos do meu rosto. Ele assentiu. —
As pessoas normais não me querem em seu bairro, eles teriam medo de
mim. E as pessoas por aqui também não me querem, porque elas
também me temem.

— Todo mundo teme você, — eu disse com naturalidade. — Até


mesmo os criminosos e viciados em sua área. Se você quer viver onde
ninguém te teme, você terá que se mudar para o deserto. — era uma
piada, para iluminar o humor, mas Growl assentiu pensativamente.

— Os animais não me temem, só os humanos. Eu sou um


monstro criado pelo homem, talvez seja por isso. — ele olhou a nossa
volta novamente. — Monstros não são para um palácio como este.

Ele achava não merecer viver em um lugar agradável. Talvez ao


longo do caminho ele tivesse começado a acreditar no que todo mundo
dizia, que ele estava abaixo de todos os outros, que ele não valia nada.
Por alguma razão eu sentia muito por ele, mesmo que ele não
merecesse minha compaixão.

— Você pertence aqui — disse Growl em voz baixa. — Uma


princesa em sua torre.

Meus lábios se abriram em surpresa. Não era a primeira vez que


ele dizia algo assim, mas sempre me surpreendia.

— Então, por que estamos aqui? — eu perguntei a ele.

— Você odeia a casa, — ele disse simplesmente.

— E?

— Nós podemos viver aqui por um tempo. Vai fazer você se sentir
melhor até que eu descobrir o melhor dia para o nosso plano.

Fiquei atônita em silêncio. Growl estava realmente pensando em


se mudar para este lugar porque queria me ver feliz? — Você tem
certeza? — eu não queria nada mais do que viver aqui, neste lugar
brilhante, longe da miséria.

Ele acenou com a cabeça, mas eu pude detectar uma pitada de


incerteza.

— E quanto a Bandit e Coco? Você mesmo disse, eles precisam de


um quintal. Eles vão se acostumar com isso?

Growl escovou um fio de cabelo do meu ombro. — Estou a


negócios a maior parte do tempo. Eu posso levá-los comigo. Estou

~ 181 ~
muitas vezes fora, onde eles podem correr. E eu não vou vender a casa,
então podemos voltar para lá se não quisermos ficar aqui.

Eu duvidava que eu quisesse voltar para a casa de Growl. Não era


porque era pequeno e estava em um bairro ruim. O lugar estava cheio
de muita desolação; parecia queimado nas paredes e andares. Não havia
escapatória.

— Eu adoraria viver aqui, — eu admiti finalmente. E era verdade.

— Talvez não vivamos aqui por muito tempo. Depois que


terminarmos com Falcone, teremos que deixar Las Vegas.

Eu sabia disso, e depois de tudo o que tinha acontecido comigo


aqui, eu não estava triste em deixar minha cidade natal. Eu queria um
novo começo. Com Growl? Uma voz afiada perguntou em minha cabeça.
E parte de mim, queria dizer sim.

— Eu sei, mas mesmo algumas semanas ou apenas dias será


bom. Eu adoro ver o horizonte, — eu disse. Eu olhei para ele. Havia uma
borda macia em sua expressão, e eu não pude evitar. Eu nunca o
desejei mais do que naquele momento. Eu não tinha certeza se isso
ainda fazia parte do plano, se minhas ações em direção a Growl ainda
estavam destinados apenas para levá-lo do meu lado, atingir o meu
objetivo de vingança e segurança para a minha família. Fiquei na ponta
dos pés, agarrei-o pelo pescoço e o puxei para me beijar profundamente.
Ele imediatamente respondeu. Eu apertei contra ele e ele agarrou minha
bunda com uma mão, apertando. Comecei a puxar suas roupas, e logo
estávamos ambos nus, nossas mãos vagando cada centímetro de pele
descoberta. Meu corpo estava inflamado de necessidade. Growl me
levantou e apertou minhas costas contra a janela. Eu soltei um riso
surpreso. — Aqui? — eu perguntei. Ele cutucou minha entrada com seu
comprimento.

— É uma bela vista — disse Growl secamente.

Eu o beijei com força, e ele me empurrou ao mesmo tempo, me


fazendo ofegar em sua boca. Minhas costas esfregaram sobre a janela
quando Growl entrou em mim. E então nós dois gozamos ao mesmo
tempo. Growl afundou de joelhos comigo ainda embrulhada em torno
dele. Nós dois ofegamos. Meus olhos vasculharam os arranha-céus
vizinhos. — Este revestimento reflete?

Growl balançou a cabeça. — Acho que não.

Eu me encostei no vidro. — Então alguém poderia ter nos visto?

~ 182 ~
— Você se importa?

— Não, — eu disse. E era verdade. Algumas semanas atrás, isso


teria sido impossível, mas tantas coisas aconteceram desde então que a
ideia de alguém me ver fazendo sexo não era algo que poderia arruinar
meu dia. Longe disso.

~ 183 ~
Capítulo vinte e dois
CARA
— Por que você sempre vai embora depois de ficarmos juntos? —
Tentei parecer curiosa, mas deixei escapar uma pitada de
vulnerabilidade.

— Não consigo dormir com outra pessoa na cama. — Ele


respondeu. — Nunca pensei que compartilharia uma casa... — Ele
olhou ao redor de nosso novo ambiente. — ...ou apartamento com
alguém.

— Por quê? — Duvidava que ele estivesse preocupado se eu o


mataria.

— Eu simplesmente não consigo. Prefiro ficar sozinho, preferia


ficar sozinho.

— Não prefere mais? — Perguntei esperançosamente.

— Eu não durmo muito bem. E se alguém estivesse na cama


comigo, seria pior. — Growl falou, em vez de responder à minha
pergunta.

— Talvez você só precise se acostumar com isso. Talvez leve


algum tempo. Você está sozinho há muito tempo.

— Desde sempre — Ele murmurou. — Eu estive sozinho desde


sempre. Mesmo quando minha mãe ainda estava viva, ela trabalhava
muito, especialmente à noite. — Foi sua resposta. — E depois que ela
foi assassinada e eu fui morar com Bud, eu ficava feliz por estar
sozinho. Ficar sozinho significava não sentir dor. Isso era bom.

Meu coração se apertou por ele. Tanto horror em seu passado.


Não sabia se eu ou qualquer outra coisa poderia competir com isso,
contra as sombras de seu passado.

~ 184 ~
— Os seres humanos não foram feitos para ficarem sozinhos.
Precisamos de alguém. É a nossa natureza. Precisamos ser tocados.
Precisamos conversar com alguém. Ter alguém em quem confiar. Caso
contrário, nos tornamos...

— Como eu. — Growl rosnou. — Estou melhor sozinho. Estou


destinado a ficar sozinho.

Olhei para suas tatuagens, suas cicatrizes e seu olhar rígido.

— Talvez você tenha razão.

Mesmo que eu não quisesse aceitar, Growl poderia ser uma


daquelas pessoas que não consegue ficar perto de outras por muito
tempo.

Não tentei impedi-lo quando ele levantou dessa vez. Meus olhos
analisaram desde a linha de músculos dos seus ombros largos até sua
bunda firme. Minhas bochechas não aqueceram, mas o fogo na parte de
baixo da minha barriga acendeu novamente com aquela visão. Eu
nunca tinha sentido nada parecido antes. Já tive alguns namorados, já
senti borboletas no estômago, mas isso era algo mais, mais forte, mais
profundo. Eu o desejava, talvez até... o amasse. Eu não tinha certeza.
Não agora, não quando minha vida estava essa confusão e as escolhas
não eram minhas. O amor poderia começar em um cativeiro? Não era
algo que só poderia prosperar em liberdade?

Growl não olhou para trás enquanto caminhava em direção à


porta e saía. O fogo em minha barriga se apagou como se alguém o
tivesse apagado com água. Puxei os cobertores até o queixo. Eu nunca
tinha percebido que a solidão vinha com uma sensação gelada como o
orvalho, cobrindo a pele. Frio. Eu estava com frio. Ainda sentia a
sensibilidade entre minhas pernas por causa de Growl, mas o resto do
meu corpo não era nada. Aquela dor entre as pernas era tudo o que eu
tinha agora para lembrar de Growl. Logo, se... quando nosso plano
desse certo e estivéssemos todos seguros, o que aconteceria comigo?
Com Growl e eu? Ele lutava contra suas emoções. Na maioria das vezes,
eu nem sequer tinha certeza se ele conseguia entendê-las. Talvez para
ele as emoções fossem como as letras para pessoas com dislexia. Mas
essas pessoas conseguiam viver com suas limitações, aprendendo a ler
e escrever apesar de tudo. Então por que Growl não podia aprender a
lidar com suas emoções? Ele já tinha evoluído muito desde que nos
conhecemos. Talvez as emoções fossem algo estranho para ele, como a
paixão era para mim, mas as coisas não precisavam ser assim para
sempre. Growl tinha me ensinado o que era paixão, não tinha me dado

~ 185 ~
outra escolha a não ser me render a ela. Era idiota pensar que eu
poderia ensinar a ele como lidar com suas emoções, assim como ele
tinha me ensinado a lidar com o desejo e a paixão?

Talvez você já tenha ensinado, uma voz sussurrou em minha


mente. Talvez. E talvez não fosse o suficiente.

Meus olhos foram atraídos para a vista de Las Vegas. Ele tinha se
mudado para esse lugar por mim. Por alguma razão, ele havia virado
sua vida de cabeça para baixo por mim. As próximas semanas trariam
as respostas. Se o nosso plano de vingança desse errado, nada mais
importaria. Muito menos todas as minhas emoções. Logo tudo isso seria
decidido.

CARA
— Falcone não quer me contar onde está a sua irmã, e acho que
ele está ficando desconfiado do meu interesse. As negociações com Nova
York não parecem estar indo muito bem, o que pode significar que
Falcone não vai precisar da ajuda de sua mãe por muito mais tempo.
Nós não podemos esperar mais muito tempo. — Growl disse alguns dias
depois, quando voltou para o apartamento depois de algo que Falcone
lhe pediu para fazer. Coco e Bandit o receberam abanando o rabo
descontroladamente.

Se Falcone não precisasse mais da ajuda da minha mãe,


provavelmente se livraria dela.

— Mas o que nós podemos fazer se não descobrirmos onde está a


minha irmã? Não podemos nos vingar enquanto ela não estiver segura.

— Vou conseguir essa informação de Falcone, não se preocupe.


Vamos sequestra-lo, e eu vou fazer ele falar. Assim que eu descobrir
onde ela está, vou matar o Falcone e vou para Nova York com ela.

— E eu e a minha mãe?

— Você vai embora logo depois que eu capturar Falcone. Eu não


quero você na cidade enquanto estiver lidando com ele. Nós nos
encontraremos em Nova York.

~ 186 ~
Eu balancei a cabeça.

— Eu não vou embora sem a minha irmã. E se algo der errado e


não conseguirmos libertá-la? Eu quero estar lá para ter certeza de que
deu tudo certo.

— Você não tem como ajudar. Você só vai atrapalhar porque vou
ter que ficar de olho em você também, e não vou conseguir lutar tão
livremente como de costume.

— Você acha que haverá lutas?

Growl riu sem humor.

— Falcone nunca está sem guarda-costas, e suponho que sua


irmã também deve estar sendo vigiada. Vou ter que matar qualquer um
que fique no meu caminho. Não podemos deixar ninguém sobreviver.
Não podemos arriscar.

— Então nós vamos dirigir até a casa de Falcone e sequestrá-lo?

— Ele geralmente se encontra comigo uma vez por semana para


dar novas ordens. Esse é o melhor dia para atacarmos. Ele vai estar me
esperando, então não vai ficar desconfiado. Vou levar ele para um lugar
seguro, conseguir as informações que precisamos e matá-lo. Depois vou
atrás da sua irmã.

— Eu falei que não vou embora. Vou ficar o tempo que for preciso
para garantir que todos nós estejamos seguros e que Falcone esteja
morto.

Growl não disse nada. Talvez ele achasse que poderia me


convencer.

— E eu preciso falar com a minha mãe. Ela precisa saber o que


estamos planejando.

Growl balançou a cabeça.

— Não. Ela pode falar dar algo sem querer. Ela não precisa saber.
— Ele fez uma pausa. — Cara, eu realmente quero que você vá embora
com a sua mãe. Você não deve ficar em Las Vegas um minuto a mais do
que o necessário.

— Não! — Eu chorei. — Eu quero estar lá. Quero vingança mais


do que você. Eu não deveria estar lá quando isso acontecer?

Growl tocou em minha bochecha.

~ 187 ~
— Tem certeza de que você quer isso? Isso vai te mudar, acredite
em mim. Ter sangue nas mãos muda tudo.

— Minha vida mudou quando Falcone matou meu pai. Ver


Falcone morrer pelos seus pecados só vai melhorar as coisas.

Growl assentiu.

— Tudo bem. Mas quando as coisas ficarem perigosas, você


precisa obedecer as minhas ordens. Se eu te falar para correr, você
corre, sem hesitação e sem discussão. Entendido?

— Entendido. — Me aproximei dele e coloquei a mão contra seu


peito. — Eu não consigo acreditar que você vai mesmo fazer isso.

— Eu prometi. Vou fazer isso por você, então talvez você possa me
perdoar.

— Perdoar você... — Sussurrei, mas ele me silenciou com um


beijo e me levou para o quarto.

***

Os olhos de Growl estavam fechados. Porém ele não estava


dormindo. Não que eu soubesse como ele parecia quando estava
dormindo de verdade, já que ele nunca me deixou estar por perto
quando estava assim tão vulnerável. Sempre que ele estava perto de
pegar no sono, me mandava embora ou ia embora, se ele estivesse no
meu quarto. Fui até a borda da cama e me desenrolei dos cobertores.
Eu já estava aqui por muito tempo. Meus olhos estavam ficando
pesados. Eu não queria ser acordada mais tarde e mandada embora por
Growl. Assim era mais fácil, quando sair parecia minha escolha e não
resultado de sua incapacidade ou falta de vontade de compartilhar uma
cama comigo, de me dar mais proximidade do que era absolutamente
necessário. Era ridículo como esse pequeno ato de escolher fazia com
que eu me sentisse muito melhor.

Meus pés tocaram o chão frio, e um arrepio familiar percorreu


minha espinha. Dessa vez não me permiti ficar empoleirada na borda
da cama. Eu levantei. Não tinha me afastado um único passo sequer
quando uma mão forte envolveu meu pulso.

— Fique — Ele comandou com a voz áspera.

~ 188 ~
Congelei, meu olhar se dirigindo para Growl. Ele ainda estava
esparramado na cama com os olhos fechados. Nada em seu semblante
havia mudado, e se não fosse por sua mão segurando meu braço com
força, teria de me convencer que tinha imaginado aquela palavra.

Não dei muita atenção ao fato de que ele tinha mudado de ideia.
Escorreguei sob as cobertas, e só quando eu estava deitada ao lado dele
é que Growl soltou meu pulso.

— Por quê? — Perguntei suavemente. Ele continuou deitado de


costas, sem se aproximar, então não tentei me aconchegar nele. Seria
demais. Isso, ele me convidar para passar a noite com ele, já era um
grande passo, eu sabia.

— Não pergunte. — Ele respondeu.

Growl apagou as luzes e a escuridão tomou conta do quarto. Eu


não ousei respirar, muito menos me mover, ciente de que Growl
provavelmente estava escutando cada som que eu fazia. Eu estava me
intrometendo? Ele já estava se arrependendo de ter falado aquela
palavra?

Afastei aqueles pensamentos de minha mente. Então, quando eu


menos esperava, Growl colocou sua mão contra minhas costas. Um
toque leve, mas era o suficiente. Outro passo na direção certa. Com o
som de sua respiração inalterada ao fundo e a sensação da palma de
sua mão tocando levemente minhas costas, lentamente caí no sono.

~ 189 ~
Capítulo vinte e três
CARA
Naquela noite, fui acordada duas vezes por pesadelos. Não meu
próprio. Growl estava se contorcendo e ofegante em seu sono. Eu não
ousei acordá-lo. Tive a sensação de que ele não gostaria que eu
soubesse de seus problemas.

Era estranho vê-lo angustiado, seu rosto torcido de agonia. Eu


nunca tinha considerado que algo poderia incomodá-lo tanto. Talvez ele
fosse ainda mais humano do que eu pensava.

Ele não estava na cama quando eu acordei, mas eu o encontrei na


cozinha, encostado no balcão com uma xícara de café, como de
costume. Mesmo agora que tínhamos uma mesa de cozinha na
cobertura, ele ainda preferia ficar de pé.

Coco e Bandit estavam sentados ao seu lado, fitando-o com olhos


adoradores.

— Bom dia, — eu disse.

Growl encheu um copo e me entregou. Eu sorri e brevemente


toquei seu antebraço em agradecimento. Ele não se afastou e seu olhar
me fez parar. Bebi meu café e dei a ele o tempo necessário para dizer o
que ele queria.

— Eu tenho um pedido, — Growl disse calmamente.

— Ok. — O que eu poderia fazer por ele?

Ele olhou para Coco e Bandit. — Você vai cuidar dos meus cães
caso alguma coisa aconteça comigo?

Eu fiz uma careta. — Nada vai acontecer com você. Vamos todos
para Nova York juntos.

— Você deve estar ansiosa para a perspectiva da minha morte, —


ele murmurou. — Tenho certeza de que você sempre desejou isso.

~ 190 ~
Eu deveria esperar por isso, e no começo eu tinha. Eu mesmo
tentei matá-lo, afinal. Em breve arriscaríamos nossas vidas. Talvez fosse
a última vez que estaríamos juntos. Era estranho pensar nisso. Ainda
mais estranho que eu fiquei triste com isso. Eu examinei seu rosto. Eu
não estava mais com medo dele, e eu não queria mais que ele morresse.

Estendi a mão muito devagar e tracei a cicatriz em volta do


pescoço dele. Growl parou, mas ele não me impediu. Surpresa correu
sobre mim. Parecia um milagre que ele me deixasse fazer. E no fundo
senti medo de repente. Medo de minhas emoções e do que o futuro me
reservava.

— Você não vai morrer. Você é a pessoa mais forte que eu


conheço, — eu sussurrei. Eu me aproximei dele com os olhos fixos nele.

— Eu não sou. — Seus olhos âmbar me sugaram. Tantos horrores


estavam além deles, e ainda assim eu não o odiava, não mais.

Como eu poderia deixar isso acontecer?

— O que está acontecendo conosco? — Eu perguntei calmamente.

Growl franziu o cenho.

— O que eu sou para você?

— Você é minha — disse ele simplesmente. Dele.

Sua posse? Seu presente? Só isso, ou mais?

Não importava. Uma vez em Nova York, não haveria futuro para
nós. Eu não ficaria com Growl. Eu não poderia, não poderia fazer isso
com minha mãe e irmã. Elas não entenderiam, e como elas poderiam, se
nem eu sabia como isso aconteceu.

GROWL
— Vou cuidar de seus cães, se é isso que você quer — disse Cara.

Growl queria muitas coisas, coisas que ele nunca quis antes.
Acima de tudo, queria lhe dizer que não queria perdê-la. E que, pela
primeira vez em sua vida, ele estava com medo de morrer porque queria

~ 191 ~
ter mais tempo com ela, e ao mesmo tempo estava com medo de não
morrer e vê-la deixá-lo no momento em que estivessem em Nova York.

— Coco e Bandit te amam, — disse ele.

Ela procurou nos olhos dele, mas ele não tinha certeza do que ela
estava procurando. Mesmo agora ele mal compreendia o funcionamento
de seu cérebro. Ela era um mistério para ele, provavelmente seria
sempre, mas não importava. De alguma forma, ela tinha feito o que
ninguém mais tinha. Ela o ligara a ele e ele sempre seria leal a ela.

Ele também era leal a Falcone. E ele teria morrido por ele, porque
Growl jamais se importara se ele morresse. Mas agora... agora ele queria
viver, e mesmo assim ele daria sua vida por Cara, para que ela pudesse
ser feliz.

— E eu os amo, — Cara disse suavemente.

A palavra ‘amor’ dos lábios de Cara fez algo em Growl que ele não
conseguia entender.

CARA
Na manhã seguinte, Growl me acordou antes do nascer do sol. Ele
tinha sumido a noite toda e eu estava doente de preocupação porque ele
não tinha me avisado que ele ficaria fora por tanto tempo.

— Temos que agir hoje, — disse Growl.

Esfreguei os olhos. — O que... — eu me detive, percebendo o que


ele queria dizer. Eu me sentei. — Por quê? Aconteceu alguma coisa?

— Falcone está cansado de negociar com Nova York. Duvido que


ele encontre uso para sua mãe por muito mais tempo.

Eu me empurrei para fora da cama. — Estamos prontos?

Nós não poderíamos falhar.

— Prontos o suficiente, — Growl arranhou. — Temos que arriscar.


Não podemos esperar. Encontrei alguém que nos ajudará. Eu não posso
cuidar de tudo sozinho.

~ 192 ~
— Podemos confiar nele?

Growl balançou a cabeça. — Eu não confio em ninguém. Mas ele


está na lista de Falcone, e eu lhe ofereci uma chance de escapar.
Também ajuda que Falcone matou seus irmãos e ele está querendo
vingança como nós. Eu supostamente deveria matá-lo.

— Certo, — eu disse com incerteza.

— E eu o conheço de quando éramos crianças. A mãe dele era


uma das prostitutas de Bud. Ele e eu ocasionalmente ficávamos juntos
no bordel.

— Vocês eram amigos?

— Não. Eu não tinha amigos. Ele estava com medo de mim


mesmo naquela época, mas muitas vezes nos escondíamos de Bud
juntos, então éramos aliados.

— Ok, se você acha que ele não vai nos trair, eu acredito em você.

Growl estendeu a mão, como se para tocar minha bochecha, mas


deixou cair seu braço. Decepção me encheu, mas eu não tive tempo
para pensar nisso. — Você precisa se vestir. Pegue algumas coisas para
a viagem até Nova York. Quero partir daqui a quinze minutos.

Coloquei roupas confortáveis e coloquei uma escova de dentes e


uma muda de roupa em uma mochila antes de sair correndo do meu
quarto. Growl esperava na frente da porta. Bandit e Coco não estavam à
vista. — Eu já os coloquei no carro, — ele disse, como se ele tivesse
visto a pergunta em meus olhos.

Eu assenti, sentindo uma respiração trêmula. Eu queria dizer


algo, mas minha boca estava muito seca. Em vez disso, fiquei na ponta
dos pés e dei um beijo persistente em Growl. Seus olhos se suavizaram,
mas principalmente pareciam melancólicos.

— Vamos, — ele murmurou, abriu a porta e saiu.

Quando saímos da garagem, uma estranha sensação de


melancolia me dominou. Não porque eu sentiria falta desse ambiente
sem esperança, mas porque eu sentiria falta de qualquer conexão
estranha que Growl e eu tínhamos desenvolvido. Eu não tinha certeza
do que o futuro iria trazer, mas eu sabia que Growl e eu não
poderíamos ficar juntos. Não funcionaria. Era errado.

~ 193 ~
Eu arrisquei um olhar para o homem ao meu lado. Quase dois
meses atrás, estávamos em um carro juntos também, e naquela época
minha vida tinha acabado. Eu o odiava, o temia, o queria morto. Ele não
passara de um monstro aos meus olhos. Suas tatuagens horríveis não
me repeliram mais, e nem sua cicatriz, que eu sabia agora era apenas
uma de muitas. Eu o entendia melhor agora.

Ele não era um monstro. Ele era monstruoso por partes, não
tinha escolha a não se ser virar para sobreviver aos horrores de seu
passado. Mas havia um lado humano nele também. Tinha brilhado mais
e mais no tempo que passamos juntos. Talvez acabasse por conquistar
seu lado monstruoso, mas eu sabia que não poderia seguir seu
caminho para a humanidade com ele. Eu tive que pensar em minha
mãe e irmã.

A esperança de me encontrar com as duas me deu força. Eu não


queria considerar que hoje eu poderia perder tudo.

— Eu não disse a ninguém que nós estaríamos indo para sua mãe
hoje. Primeiro, pensei em fingir que você queria visitá-la, mas depois
das palavras de Falcone ontem, isso só teria causado suspeita. Ele
poderia ter se preocupado com o fato de você avisar sua mãe sobre os
planos dele de parar as negociações.

— Você provavelmente está certo, — eu disse. — Onde vamos


encontrar o cara que está nos ajudando?

— Mino estará em um ponto de encontro em uma fábrica deserta.

— Então ele não vai ajudar você a lutar contra os guarda-costas


de Falcone? — Qual era seu propósito então?

— Prefiro lutar sozinho.

De repente, me pareceu que Mino era apenas um motorista, mas


isso só fazia sentido se Growl não esperasse ser capaz de nos levar
dirigindo.

Eu não tinha tempo para pensar sobre isso porque estacionamos


na frente da minha antiga casa.

Growl não hesitou. Tudo tinha que ser muito rápido. Ele
praticamente saltou do carro e correu em direção à casa. Ele tocou a
campainha, e um homem que eu não conhecia abriu a porta depois de
um momento. Growl agarrou sua cabeça e torceu violentamente como
eu o tinha visto faz meses atrás. O homem caiu no chão, e então Growl
desapareceu dentro da casa. Minha mão se estendeu para a porta. Era

~ 194 ~
difícil ficar no carro e esperar. E se alguma coisa desse errado e eu não
estivesse lá para ajudar?

O que eu poderia fazer? Se um dos guardas da mãe conseguisse


dominar Grown, então essa pessoa definitivamente não teria problemas
comigo.

Os segundos estavam escorrendo e minhas palmas estavam


ficando suadas. Então, finalmente, Growl saiu da casa furiosamente,
arrastando a mãe atrás dele. Soltei um suspiro de alívio.

Mãe estava lutando contra ele, obviamente convencida de que ele


queria fazer mal. Abri a porta e foi quando ela me viu. Confusão
atravessou seu rosto, mas ela parou de lutar com Growl, não que ela
teria sucesso lutando com ele de qualquer maneira. Eu sabia o poder
por trás do aperto dele.

Growl abriu a porta de trás e empurrou minha mãe para dentro,


então fechou a porta novamente. Ele se sentou atrás do volante poucos
segundos depois e nós dirigimos para fora novamente.

A mãe se sentou no assento traseiro, depois notou Coca e Bandit


atrás dela no porta-malas. Ela ofegou e se afastou.

— Eles são inofensivos, — eu assegurei.

Ela me lançou um olhar interrogativo. Seus olhos se lançaram


entre mim e Growl, obviamente estava insegura se ela deveria falar na
frente dele. — Tudo vai ficar bem, — eu tentei acalmá-la. — Growl está
nos ajudando a fugir de Las Vegas.

Os olhos da mãe se arregalaram. — Mas, e Talia?

— Iremos pegá-la primeiro e depois iremos para Nova York.

Mãe balançou a cabeça. — Eu não tive sucesso. Luca não quer


nada com a Camorra.

— Você não faz parte da Camorra — interrompeu Growl. — Você


faz parte da família. Ele vai te aceitar.

Eu olhei para ele. — Mas você é. Luca não sabe?

— Ele sabe. Já fiz muito em nome de Falcone.

Eu não entendi. Luca o aceitaria de qualquer maneira? Ou talvez


Growl não tivesse intenção de se juntar a nós em Nova York, e era por
isso que Mino deveria nos levar.

~ 195 ~
Notei o olhar da mãe e afastei meus olhos de Growl. Ela não
conseguia entender os meus sentimentos.

— E Falcone? — perguntou Mãe.

— Não há tempo para explicar — disse Growl, impaciente. Seu


corpo estava tenso.

Ele parou o carro atrás de uma pick-up estacionada ao lado da


rua. — Este é o carro de Mino. Eu quero que você entre lá, e eu cuido de
Falcone.

Eu olhei para ele. — Eu pensei que ele estaria esperando em uma


fábrica depois de termos terminado com Falcone.

— Eu não quero você por perto quando estiver lidando com ele.
Você vai acabar me atrapalhando, e não há espaço suficiente para
Falcone, se você e sua mãe estiverem lá.

Um homem corpulento saiu da pick-up e esperou.

— Eu não vou sair, — eu disse com firmeza.

Growl apertou os lábios. Ele estava ficando com raiva, mas eu não
me importava. Eu queria fazer parte disso. — Tudo bem, — ele
murmurou. — Mas sua mãe vai.

Ele saiu e abriu a porta de trás. Minha mãe me deu um olhar


assustado. — O que você está fazendo, Cara? Isso é loucura. — Ela não
continuou. Growl a puxou para a pick-up e a colocou no banco de trás,
então ele estava de volta atrás do volante e nós fomos embora. Olhei por
cima do meu ombro para a pick-up que se afastou da estrada e saiu na
outra direção.

— Sua mãe está segura. Mino precisa de nossa ajuda. Ele e sua
família só podem esperar por segurança se Nova York lhes conceder
proteção, e a única maneira que isso pode acontecer, é se sua mãe falar
as coisas certas para ele. Ele não tem escolha a não ser fazer nosso
plano funcionar.

Essa informação me acalmou. Se você pudesse confiar em uma


coisa, então era que as pessoas queriam salvar sua própria pele e
proteger sua família.

O portão da mansão de Falcone apareceu à distância. — Há um


cobertor na parte de trás. Agache-se e se cubra com ele. Eu não quero
que eles te vejam.

~ 196 ~
Agarrei o cobertor e fiz o que ele pedira, tentando ficar o mais
quieta possível. Alguns minutos depois, o carro parou e ouvi a janela
deslizar para baixo, então uma voz masculina.

— Bom dia. O Sr. Falcone está esperando por você.

Depois de um breve momento de pânico, lembrei-me que Growl


tinha mencionado que ele deveria encontrar Falcone para discutir outro
trabalho. Pelo menos, dessa maneira ninguém suspeitaria. Eu ouvi um
tiro abafado e um corpo batendo no asfalto. Meu coração bateu em
meus ouvidos quando o carro foi posto em movimento novamente.

~ 197 ~
Capítulo vinte e quatro
CARA
— Fique aqui. Vou provavelmente demorar um pouco mais para
acabar com os guardas de Falcone, — disse Growl enquanto puxava o
cobertor para fora de mim. Ele segurou uma arma para mim. — Sabe
como usá-la?

Meus olhos se arregalaram e eu balancei a cabeça. Ele


rapidamente explicou o básico para mim, então saiu, e eu queria que
ele tivesse me dado um beijo caso ele não voltasse.

Nem pense nisso, eu me repreendi. Se Growl morresse, todos nós


morreríamos.

Growl abriu o porta-malas e os cães pularam. Eu fiquei agachada


no espaço para as pernas, mas olhei para fora da janela. Coco e Bandit
seguiram atrás de Growl enquanto ele se dirigia para a porta. Alguém a
abriu e Growl enfiou uma faca no ponto macio abaixo do queixo dele,
então Growl estava fora da minha vista.

Demorou dez minutos até que finalmente Growl apareceu na


entrada. O sangue escorria pela testa dele e sua camisa estava rasgada.
Meu coração disparou com a visão, até que Growl saiu, segurando
Falcone pelo colarinho. Uma perna da calça estava rasgada como se
Coco ou Bandit tivessem mordido Falcone lá. Sorri apesar da minha
tensão.

O porta malas ainda estava aberto, então Coco e Bandit pularam


sem precisar ser mandados. A boca de Coco estava coberta de sangue.
O pelo de Bandit estava muito escuro para dizer que tipo de líquido
estava lá, mas eu tinha uma ideia de que também era sangue. Afinal de
contas, eram cães de combate.

Growl empurrou Falcone para o banco de trás. As mãos do


homem estavam amarradas com fita adesiva, assim como sua boca. Ele
olhou furiosamente quando ele me viu no banco de trás.

~ 198 ~
Growl entrou em seu assento e ligou o carro. Precisávamos ficar
longe da casa o mais rápido possível. Ninguém tentou nos parar quando
saímos das instalações. — Está tudo bem? — Eu perguntei,
examinando o corte na cabeça de Growl. Não parecia muito profundo,
mas o sangue estava correndo pelo seu rosto e parando em seu olho
esquerdo. Ele limpou com impaciência. — Eu matei todos eles antes que
eles pudessem tocar um alarme.

Falcone emitiu um som abafado. Ele parecia irritado, mas


também havia uma pitada de medo que me dava uma satisfação
doentia.

Eu sorri sombriamente para ele antes de voltar para Growl. — E a


esposa e filhos?

— Os filhos deles estão na Inglaterra e sua esposa está em Aspen.

Ótimo. Pelo menos, esse sangue não precisava ser derramado. Eu


não gostava muito da esposa de Falcone, mas ela provavelmente tinha
sofrido bastante em seu casamento. Ela não merecia a morte.

Falcone tentou dizer algo de novo. Growl estacionou ao lado da


estrada e se virou em seu assento. Ele empurrou a manga da camisa de
Falcone para cima, e apertou a faca na pele alguns centímetros abaixo
do cotovelo.

— O que você está fazendo? — Eu perguntei.

— Ele implantou um rastreador GPS no corpo para que


pudéssemos encontrá-lo se ele fosse sequestrado, — disse Growl.

Falcone engasgou de dor quando Growl tirou o pequeno


dispositivo de sua carne com a ponta afiada da faca. O rastreador
coberto de sangue caiu no banco de trás. Growl abriu a janela e jogou o
dispositivo de rastreamento para fora.

Então ele puxou a fita sobre a boca de Falcone e continuou nossa


jornada.

— Tem certeza que é uma boa ideia deixá-lo falar? — Eu


perguntei.

Falcone ofegou no assento traseiro, a pele em torno de sua boca


vermelha, e nos encarou. — O que a puta fez para te embrulhar em
torno de seus dedos? Eu teria achado que você era imune à
manipulação.

~ 199 ~
— Você me manipulou toda a vida, — rosnou Growl.

— Ela te contou isso? Ela deve ter chupado seu cérebro.

— Tenha cuidado — advertiu Growl.

Ele tentou se sentar, mas com suas mãos amarradas isso não era
fácil. Eventualmente ele desistiu. O que provavelmente foi melhor
considerando que Bandit tinha colado a cabeça sobre o banco traseiro e
estava muito ansioso para provar Falcone de novo. — Ela vale a pena
perder tudo? Você poderia ter se tornado meu sucessor. Você ainda
pode, se você matar essa puta agora.

Eu ri. E Growl também sorriu amargamente. — Como se seus


homens me aceitassem como seu chefe. Eu sei o que todo mundo está
dizendo sobre mim, até mesmo você. Um bastardo nunca pode ser nada
além de um capanga. Eu não sou idiota. Eu sei o que está acontecendo
por trás das minhas costas. E você tem herdeiro legítimo, você não
precisa de mim.

— Esta vida é tudo que você conhece, tudo que você tem. Se você
arriscar por ela, você será deixado com nada. Ela não vale a pena,
acredite.

Os olhos de Growl me entediaram brevemente. — Sim, ela vale.


Ela vale mais do que você e eu. Ela vai valer a pena perder tudo.

Meu coração inchou de amor, e ao mesmo tempo meu estômago


se apertou. Isso não era para acontecer. Apaixonar-me por um homem
como Growl era o pior que eu poderia fazer, mas já era tarde demais. Eu
não podia negar minhas emoções para o homem ao meu lado.

— Eu devia ter matado você quando você era um menino inútil.


Você é inútil. O filho de uma prostituta boqueteira. Se você não
trabalhar para mim, o que você vai fazer? Não há nada que você possa
fazer. Você é um monstro. Você sempre foi. Eu soube assim que eu vi
você quando você era um bebê feio gritando.

Growl parou em um estacionamento deserto. A loja estava


fechada por um longo tempo pelo que parecia. Growl saltou do carro e
arrastou Falcone para fora do assento traseiro, então o empurrou para
o chão. Falcone cacarejou.

Saí do carro também.

Growl agarrou Falcone pela garganta. — Você fez bastante dano.


Eu não vou mais te ouvir. Você vai morrer hoje.

~ 200 ~
— Meus homens vão te matar. Você não pode deter a todos.
Provavelmente já estão procurando por mim.

Eu congelo. Como?

Growl estreitou os olhos. — Você está mentindo.

O sorriso de Falcone se alargou. — Eu tenho um segundo


rastreador em algum lugar no meu corpo. Depois da coisa com seu pai
traidor, eu decidi que eu precisava de medidas de segurança adicionais.
Alguém vai se perguntar por que eu estou saindo da minha casa e então
eles vão me encontrar. — Falcone me encarou com um olhar
aterrorizante. — Sua irmãzinha sofrerá muito.

Eu soltei um suspiro áspero.

— Vai demorar um pouco para que seus homens percebam que


você não está em casa. Eles não têm nenhuma razão para verificar o
seu rastreador, — disse Growl, mas ele não parecia certo.

— Temos que encontrar Talia, — eu implorei.

Falcone sorriu. — Não vou te contar.

Growl sorriu severamente. — Oh, você vai. — Ele se virou para


mim. — Você deveria voltar para o carro. Isso ficará feio.

— Não. Eu quero ver.

Growl hesitou, mas então tirou a faca e se ajoelhou ao lado de


Falcone. — Eu adoraria fazer isso lentamente, — ele murmurou em uma
voz que me lembrou por que eu tinha medo dele no começo. Por que eu
ainda deveria ter medo dele. — Mas estamos sem tempo. — Ele
silenciou Falcone com fita novamente, agarrou as mãos amarradas de
Falcone e empurrou a ponta da faca sob uma de suas unhas.

Meus olhos se arregalaram quando percebi o que ele ia fazer, e


então o grito abafado de Falcone soou e o sangue estava derramando
sobre a faca de Growl. Eu vomitei e me afastei, meu peito empinando
em uma tentativa de parar de vomitar.

Outro grito abafado. Comecei a tremer, e lentamente levantei


minhas mãos e cobri minhas orelhas. Eu queria isso, queria que
Falcone sofresse, mas eu não podia assistir. Eu não podia suportar ver
Growl como o monstro que eu não queria que ele fosse. Falcone merecia
isso. Ele era a razão pela qual Growl era capaz de tais atrocidades em
primeiro lugar. Agora ele iria provar do seu próprio veneno.

~ 201 ~
Uma mão no meu ombro me fez ofegar e eu me virei para
encontrar Growl me observando com olhos assombrados. — Nós
precisamos ir. Eu sei onde sua irmã está. Não é longe daqui. — Eu olho
atrás dele para onde Falcone estava deitado no asfalto, segurando sua
mão sangrando contra seu peito e chorando. Quando ele me notou
olhando, ele franziu o cenho. Ele me mataria se tivesse a chance, isso
era certo. — Isso foi rápido, — eu disse aliviada.

Growl encarou meu rosto, então assentiu. — Ele não está


acostumado com a dor. Isso facilita as coisas.

Eu me perguntava quantas vezes Growl tinha feito isso antes e na


época eu sabia que nunca lhe perguntaria.

— Eu não consegui assistir, — eu sussurrei.

— Isso é bom. Você é uma boa pessoa.

— Eu não sou, — eu disse. — Se eu fosse uma pessoa boa, eu não


queria que ele sofresse e morresse, mas eu quero. Só sou fraca demais
para ver.

Growl tocou minha bochecha. — É melhor, acredite em mim.

— Você vai matá-lo agora?

— Não. Podemos precisar dele como um escudo. E devemos nos


apressar. — Ele baixou a mão e carregou Falcone de volta para o carro,
sem se importar que ele tivesse sangue em todos os assentos. A camisa
do Growl já estava coberta disso. Mas antes de entrar no carro, ele
trocou uma camisa nova.

***

Depois de cinco minutos de carro, paramos na frente de uma casa


simples. — Aqui é onde sua irmã é mantida, — disse Growl. — Não sei
ao certo o que esperar.

— É por isso que eu deveria ficar no carro, — eu terminei para


ele.

Grown assentiu com a cabeça. — Eu voltarei logo. — Ele tirou


Falcone e começou a arrastá-lo para a casa, mas Falcone lutou.
Conseguiu se libertar. Eu rapidamente saí do carro.

~ 202 ~
Nesse momento, outro carro parou. Cosimo estava atrás do
volante. Abriu a porta do carro.

Falcone tropeçou a poucos passos de Growl. Eu estava prestes a


avisar, mas Growl agarrou Falcone e cortou sua garganta. A bile subiu
na minha garganta enquanto o sangue se espalhava. Mas dessa vez eu
não podia desviar o olhar. — Agora você sabe como é, — Growl
guinchou.

Falcone caiu no chão em uma poça de seu próprio sangue. Meus


olhos voltaram para Cosimo. Ele olhou com os olhos arregalados, então
seu olhar se moveu de Falcone para Growl e ele voltou ao carro e
começou a recuar. — Growl, — eu chamei.

Growl amaldiçoou, mas não impediu Cosimo de escapar. — Eu


não posso atirar nele. O barulho é muito alto. Fique aqui. — Com essas
palavras, ele correu em direção à casa, com a arma apontada. Peguei a
arma que Growl me dera e rastejei no banco de trás, estremecendo com
todo o sangue lá, mas eu queria estar ao lado de Talia.

Contei os segundos até que de repente Talia veio correndo em


minha direção. — Aqui! — Eu gritei e seus olhos aterrorizados focaram
em mim. Ela correu para mim e se jogou no carro. Apertei-a contra
mim, agradecida por tê-la de volta.

Ouvi disparos. Growl coxeou em direção ao carro e meio que caiu


no assento. Ele apertou os lábios enquanto ele ligava o carro. — Se
abaixem, — ele ordenou, e apenas um segundo depois de Talia e eu nos
agacharmos no banco de trás, uma bala atravessou a janela. Talia
gritou, e eu a abracei com mais força. — Está bem. Tudo ficará bem. —
Eu esperava que eu não estivesse mentindo.

~ 203 ~
Capítulo vinto e cinco
CARA
Dois carros nos seguiram, mas eventualmente conseguimos
despistá-los. Growl conduziu nosso carro em direção à fábrica vazia que
ele e Mino determinaram como ponto de encontro. Quando chegamos,
já havia um carro esperando e Mino estava fumando um cigarro. Não vi
minha mãe em lugar nenhum.

Talia levantou a cabeça quando paramos, seu rosto assustado e


manchado com as lágrimas.

— O que está acontecendo?

— Estamos indo. — Respondi, acariciando seu cabelo. Ela não fez


mais perguntas. Percebi que ela estava em choque. Saímos do carro e
Growl abriu o porta malas para que Bandit e Coco pudessem sair. Eu
tive que apoiar Talia. Ela estava tremendo demais para andar sozinha e
Growl também estava com problemas. Sua coxa havia piorado. Ele
notou meu olhar e encolheu os ombros, como se não fosse nada. Eu
não acreditava. Sabia que ele devia estar com muita dor.

— Por que vocês demoraram tanto? — Mino perguntou,


percebendo o machucado na coxa de Growl. — Vocês foram seguidos?
— Seu rosto se encheu de preocupação.

— Provavelmente. Vamos nos apressar — Disse Growl. As


palavras tinham acabado de sair de sua boca quando um carro virou a
esquina e entrou em nossa rua. — Pegue os cachorros e as garotas, eu
vou atrasá-los!

— O quê? — Gritei, mas Growl já estava correndo e atirando no


carro, que parou. Quatro homens saíram e o segundo carro apareceu ao
lado do prédio vizinho. Growl rapidamente mirou nas rodas e uma delas
explodiu. O carro girou e parou.

— Rápido! — Mino gritou me puxando.

~ 204 ~
— Cara — Talia gemeu. Seus olhos estavam suplicantes, e isso fez
com que eu me movesse. Mino e eu a levamos até o carro. Minha mãe
estava no banco de trás e quando Mino destrancou o carro percebi por
que ela não tinha saído para nos ajudar. Ele tinha deixado ela trancada.
Provavelmente por um bom motivo. Talia sentou no banco de trás com
nossa mãe, mas eu queria voltar e ajudar Growl. Não tive a chance.

Mino me agarrou e empurrou para o banco de trás com elas, e em


seguida, fechou a porta. Ele sentou no banco do motorista e travou as
portas para que eu não pudesse sair.

— O que você está fazendo? — Gritei enquanto observava Growl


nos defendendo de vários homens. Ele estava agachado atrás do carro,
atirando neles. Mas por quanto tempo ele conseguiria mantê-los
afastados?

— Me deixe sair!

Mino me ignorou. Ele ligou o carro e o colocou em movimento.

GROWL
Growl permitiu-se um momento para observar o carro se afastar e
Cara partir. Ele provavelmente nunca mais a veria, o que era melhor.
Ela seria mais feliz sem ele em sua vida.

Cravou uma faca em seu próximo oponente. Ele lutaria e morreria


hoje. Mas não em vão.

E se ele morresse, seria com a lembrança do sabor doce de Cara,


sua pele perfeita e seu rosto bonito. Ele fechou os olhos com a
lembrança, sem se importar com o que o esperava.

CARA
Bati os punhos contra a janela, ignorando a dor maçante que
corria através de meus braços devido à força.

— Me deixe sair. — Gritei novamente, ainda mais alto. Não que


Mino não tivesse ouvido da primeira vez. Estávamos a menos de dois

~ 205 ~
metros de distância um do outro. Em vez de prestar atenção em meu
pedido, ele dirigiu ainda mais rápido.

Levantei os braços e me apoiei contra o vidro. Growl estava


cercado pelos homens de Falcone. Nem mesmo um lutador como ele
teria chance contra tantos oponentes.

Gritei.

— Por favor, temos que ajudá-lo.

Mino balançou a cabeça.

— Tenho ordens estritas para te levar embora daqui.

— Mas o homem que deu as ordens a você estará morto em breve


se não o ajudarmos!

— Não importa. Uma promessa para um homem morto não vale


menos.

Afundei contra o assento. Estávamos muito longe. Eu não


conseguia mais ver Growl. Ele tinha sobrevivido a tantas coisas. Não
podia morrer, não assim. Não tão cedo.

— Cara? — Escutei a voz macia da minha mãe e percebi que


tinha esquecido completamente dela e de Talia. Virei em sua direção.
Confusão brilhava em seu rosto, mas também uma amarga realização.
Eu tinha me entregado, mas não conseguia me importar.

Meus olhos encontraram Talia. Ela estava olhando fixamente para


suas mãos, que descansavam em seu colo.

Peguei uma de suas mãos, mas ela não reagiu.

— Estaremos a salvo em breve.

Eu não sabia o que ela tinha passado nos dois últimos meses,
desde que eu a tinha visto pela última vez. Ela parecia fisicamente bem,
mas isso não significava nada.

Minha mãe envolveu um braço ao redor de minha irmã, mas


manteve seus olhos em mim.

— Por que esse homem nos ajudou?

— Acho que ele se sentiu culpado pelo que fez e quis se redimir.
— Respondi.

~ 206 ~
Minha mãe franziu os lábios.

— Aquele homem não sabe o que é culpa. Ele é um monstro. Ele


tem sido o assassino mais cruel de Falcone por tantos anos. Ninguém
poderia fazer isso sem se transformar em algo menos humano.

Eu não podia negar. Growl era cruel. Ele era um assassino. Tinha
feito mais coisas horríveis que eu pudesse enumerar. Não tinha como
explicar tudo isso para minha mãe, porque eu não podia explicar
sozinha.

— Eu ouvi as histórias. — Disse Mino. — Como Falcone te deu


para ele de presente. Era a punição de sua família, pela traição do seu
pai.

Ele estava me observando através do espelho retrovisor, uma


expressão curiosa em seu rosto maltratado pelo sol. Eu não reagi às
suas palavras. Não era uma pergunta.

Minha mãe empalideceu com a menção do meu pai, mas


permaneceu em silêncio.

— O que não entendo é por que você está chorando por causa
dele. Você não deveria estar aliviada por se livrar dele? Ele era um
monstro. — Mino continuou.

Levantei os dedos até minhas bochechas, sentindo a umidade.

— Ele era. — Concordei. Eu não estava delirando. Eu tinha


testemunhado a escuridão de Growl, seu lado irreparável, várias vezes,
e ainda assim tinha me apaixonado. Talvez porque conhecesse o outro
Growl, a pessoa que ele mantinha escondida sob as muitas camadas de
brutalidade. O lado sensível e vulnerável, carinhoso e amoroso. Isso me
conquistou. Eu sabia que o homem na minha frente não acreditaria se
eu contasse sobre Growl. E provavelmente era melhor assim. Growl
sempre fez tudo o que era possível para manter esse seu lado
escondido, para se proteger. Eu não iria destruir a imagem que ele
trabalhou tanto para construir, mesmo que eu a odiasse. Mas agora que
ele tinha ido embora, era tarde demais.

Meu coração se apertou como um punho.

— Talvez você devesse conversar com alguém, um psiquiatra. Já


ouvi falar dessa merda. Síndrome de Estocolmo.

~ 207 ~
A raiva irradiou por meu corpo. Eu odiava que ele tivesse colocado
uma etiqueta em meus sentimentos. Minha mãe tocou meu braço e
percebi que ela concordava com ele.

Talvez eles estivessem certos. Eu não sabia. Não sabia se meus


sentimentos por Growl teriam sobrevivido em liberdade, e nunca teria a
chance de descobrir.

***

Viajamos por dois dias, e só paramos para ir ao banheiro. Talia


não falou nada no primeiro dia. No segundo, ela finalmente nos disse
que estava bem. Que não tinha sido ferida. Que a esposa do cara que
ficava de olho nela, cuidou dela o melhor que pôde.

Fiquei aliviada, mesmo que tivéssemos mais um obstáculo à


nossa frente. Convencer o chefe da Família de Nova York a nos ajudar e
nos aceitar. Minha mãe ligou para ele de um telefone público velho no
meio da estrada, e avisou que estávamos chegando. Ele não tinha
prometido nada.

Provavelmente pensou que fôssemos espiãs.

Era difícil ter medo do futuro. Eu me sentia entorpecida. Muita


coisa tinha acontecido. O homem que eu amava estava morto. Ele
morreu por mim. Eu não tinha certeza do que acreditava exatamente,
mas tinha que existir alguma coisa depois desta vida. Eu esperava que
os atos de bondade de Growl fossem vistos como um passo para a
redenção, e lhe fosse concedido acesso a um lugar melhor na vida após
a morte. Ele tinha sofrido tanto enquanto estava vivo, e mesmo que
parte fosse sua culpa, eu queria a felicidade dele agora que estava
morto.

Chegamos em Nova York à tarde.

— O que vai acontecer se eles não nos deixarem ficar? — Talia


sussurrou.

— Ou eles pensam que somos espiões e nos matam, ou eles nos


mandam embora e os homens de Falcone nos matam. — Mino
respondeu com firmeza. Fiquei com vontade de bater nele por causa
daquela declaração, mesmo que provavelmente fosse verdade.

~ 208 ~
***

Coco latiu atrás de mim. Me virei e cocei atrás de sua orelha. Ela
inclinou a cabeça para me dar melhor acesso. Bandit enfiou a cabeça
sob meu braço, pedindo atenção também. Comecei a fazer cócegas sob
seu queixo, do jeito que ele amava, e ele fechou os olhos em evidente
satisfação. Esses animais, que me assustaram tanto no começo tinham,
de algum modo, entrado no meu coração. Assim como seu dono. Eles
compartilhavam a aparência assustadora e grande potencial de
destruição, mas por baixo disso, havia algo sensível e vulnerável, algo
que fazia você querer cuidar deles e amá-los. Agora Coco e Bandit eram
tudo o que restava de Growl. Eu cuidaria deles o máximo que pudesse,
tentaria protegê-los. Eu devia isso a Growl. Meus olhos começaram a
arder, da mesma forma que acontecera tantas vezes nos últimos dias,
mas pisquei para afastar as lágrimas. Eu não conseguia mais chorar.
Aquilo parecia drenar toda minha energia, e eu precisava dela para o
encontro com a Família de Nova York. Há apenas dois meses, minha
vida estava em ruínas, ou parecia que estava. Eu pensei que não
sobreviveria, mas tinha sido mais forte do que pensava ser possível. Eu
era forte. Meu tempo com Growl tinha me ensinado isso. Eu tinha que
descobrir uma maneira de convencer Luca de que não éramos inimigos.

O carro finalmente parou em uma área industrial que me deu


poucas esperanças. Era um lugar onde você levava alguém que queria
fora do caminho. Meus olhos viraram para Mino.

— Onde estamos? — Perguntei, minha voz rouca, mas firme.

— Esse é o endereço que Vitiello deu à sua mãe — Mino


respondeu. Ele olhou pela janela com preocupação.

Dois carros pretos estavam estacionados a uma boa distância de


nós.

— Talvez devêssemos sair para que eles possam ver que não
somos perigosos. — Sugeri.

— Eles poderiam atirar em nós. — Mino respondeu.

— Eu sei. Mas não temos escolha.

Abri a porta e saí. Me movimentei lentamente, mantendo os


braços afastados do corpo para que eles pudessem ver que não estava

~ 209 ~
armada. Meu coração bateu forte contra a caixa torácica quando dei
alguns passos para longe do carro. Depois de um momento de
hesitação, minha mãe e Talia seguiram meu exemplo e se juntaram a
mim. Nós não nos movimentamos, só esperamos.

Mino ficou no carro. Dei a ele um olhar, mas ele parecia


determinado a esperar.

Um homem alto saiu de um dos carros. Ele era alto e musculoso


como Growl, mas seu cabelo era preto e não havia tatuagens visíveis.
Por um momento enlouquecedor, pensei que fosse ele, ressuscitado dos
mortos por algum milagre.

— Luca. — Minha mãe suspirou ao meu lado. Um segundo e


terceiro homens se aproximaram de Luca um momento depois. Como
poderíamos ter certeza que a vida aqui seria melhor do que em Las
Vegas?

Eu não conhecia essas pessoas, só tinha ouvido histórias,


algumas os bajulando. Minha mãe também tinha saído de Nova York
porque seu irmão era cruel, e agora seu filho Luca decidiria o nosso
destino.

Depois de uma breve discussão, Luca e o segundo homem


começaram a caminhar em nossa direção. O terceiro ficou para trás,
mas provavelmente havia mais nos carros. Fiquei surpresa que Luca
estivesse se arriscando tanto. Falcone teria ficado para trás e deixaria
seus homens fazerem o trabalho sujo. Eu não tinha certeza se era um
bom sinal Luca ter decidido nos encontrar pessoalmente.

Eles pararam a uma boa distância.

— Seu motorista precisa sair. — Luca solicitou. Tanto ele quanto


o outro homem estavam segurando armas.

Encarei Mino e acenei para que ele saísse. Seus olhos se dirigiram
para Luca.

— Se ele não sair logo, eu mesmo vou tirá-lo de lá, e ele não vai
gostar muito disso. — O outro homem advertiu. Seu cabelo era marrom
escuro, um pouco mais longo do que o de Luca, e percebi que eles
compartilhavam as mesmas características. Provavelmente Matteo, se
eu me lembrava corretamente.

Mino deve ter ouvido porque finalmente saiu do carro, segurando


as mãos sobre a cabeça. Um homem correu ao redor do carro e o
agarrou, torcendo os braços atrás das costas. Mino gritou de dor, mas

~ 210 ~
ficou em silêncio quando foi atingido com o cabo de uma arma. Ele
caiu, inconsciente.

Talia começou a chorar silenciosamente ao meu lado. Segurei sua


mão. Nossa mãe já estava segurando a outra. Luca examinou minha
irmã, depois eu e minha mãe. Eu estava muito cansada e esgotada para
sentir medo deles. O medo viria mais tarde. Se houvesse mais tarde.
Pelo que eu sabia, eles nos viam como inimigos e nos matariam. Pelo
menos assim eu estaria com Growl. Mas algo em mim se rebelava
contra essa ideia. Eu sentia falta de Growl, mais do que eu pensava ser
possível. Mas havia muitas razões pelas quais eu precisava viver, pelas
quais eu queria viver. Minha irmã e minha mãe eram duas delas.

Invoquei toda minha coragem e falei.

— Eu sou Cara. Sua prima.

— Nós sabemos exatamente quem você é — Matteo interrompeu


bruscamente.

Não parecia que eles estavam felizes em nos ver.

~ 211 ~
Capítulo vinte e seis
CARA
Eles não nos deixaram falar, mas nos levaram para o que parecia
ser algum tipo de clube que estava deserto quando chegamos. Ninguém
nos disse nada enquanto fomos levados para um quarto na parte de
trás.

— Feche a porta, Romero. — Luca pediu ao terceiro homem. Ele o


obedeceu sem hesitar e ficou parado em frente à porta, seus olhos
atentos nos vigiando.

— Onde está o nosso motorista? — Perguntei. Eles o colocaram


em outro carro e eu não o tinha visto novamente.

— Precisamos ter uma conversa detalhada com ele para descobrir


quais são seus motivos. — Matteo respondeu com um sorriso afetado.

Um arrepio percorreu minhas costas.

— Você vai torturar a gente também? — Murmurei.

Matteo riu.

— Ah, uma atrevida.

Luca suspirou.

— Você já tem uma esposa atrevida. Não provoque meus nervos


discutindo com nossa prima também.

Meus olhos se arregalaram em surpresa.

Matteo encolheu os ombros e sentou na borda da mesa.

— E os cachorros, para onde você os levou? Por favor, não os


machuque.

— Alguém está cuidando deles — Luca respondeu. O que ele


queria dizer com isso?

~ 212 ~
— Precisamos da sua ajuda, Luca. — Minha mãe falou,
suplicante. — Nós somos da família.

— Você deixou sua família para ir à Las Vegas. Você se casou com
um membro dos Camorra.

— Pelo que eu sei, isso é traição. — Matteo disse com um sorriso


torto. — E pelo que ouvimos, sua família gosta de traição. Seu marido já
pagou por isso com sua vida.

Minha mãe hesitou.

— Nós nunca traímos ninguém. — Respondi com firmeza. — E


minha mãe só saiu de Nova York porque amava meu pai e porque o
irmão dela era um monstro.

— Bem, nós sabemos que pelo menos você sabe como lidar com
monstros, certo? — Matteo disse. — E não se esqueça que é do nosso
pai que você está falando.

Engoli em seco. Insultar Salvatore Vitiello provavelmente não foi a


melhor ideia.

— Eu conheci seu pai, meu irmão, bem o suficiente para saber


que você não deve sentir muito sua falta. — Minha mãe respondeu.

Luca encolheu os ombros.

— Ele não era um bom homem. Mas eu também não sou.

— Eu não acredito que você é como ele. Vi sua linda esposa no


jornal.

A expressão de Luca mudou. Seu instinto protetor levou para


longe a inexpressividade.

— Não estamos falando sobre ela.

A porta do quarto se abriu. Romero olhou atrás, depois se virou


com uma expressão de desculpa.

Uma linda mulher loira entrou.

— Já chega. — Ela falou. Sua voz era baixa e calma, mas tinha
um óbvio poder sobre Luca.

Ela era resplandecente. Foi tudo o que pude pensar quando a vi.
Sua pele era pálida, cabelos dourados e olhos azuis. Resplandecente.

~ 213 ~
Seu sorriso acolhedor me atingiu e o nó no meu estômago
afrouxou. Talvez houvesse esperança, afinal de contas. Ela caminhou
em minha direção. Era difícil não perceber a desaprovação no rosto de
seu marido ou a forma que seu corpo tencionou em antecipação. Como
se ele estivesse preocupado que eu fosse atacá-la. Essa era a última
coisa na minha cabeça, principalmente quando ela poderia significar
nossa segurança.

— Eu sou Aria. — Ela falou, estendendo a mão para mim. Eu a


cumprimentei com um sorriso.

— Eu sou Cara, e esta é minha irmã Talia. — Acenei para Talia


que parecia completamente congelada de medo. Aria deu um tapinha no
ombro da minha irmã.

— Você não precisa ter medo. Ninguém vai te machucar, eu


prometo.

— Aria. — Luca advertiu em uma voz tensa.

Ela cumprimentou minha mãe antes de finalmente encarar o


marido.

— Elas são da família. E passaram por muita coisa, você não está
vendo? Precisamos ajudá-las.

— Nós nem sabemos por que elas estão aqui. — Matteo ressaltou.

Aria caminhou até seu marido e o encarou.

— Elas são inocentes. Elas precisam de nossa proteção. Você


realmente acredita que elas estão aqui para nos fazer algum mal?

— Não. — Luca disse com um suspiro. — Eu não acredito. — Ele


olhou para nós. — Vocês podem ficar. Espero que eu não me arrependa.

***

Eles nos levaram para uma casa no Hamptons, depois de alguns


argumentos convincentes de Aria. Eu já gostava dela, embora não a
conhecesse.

Fomos colocadas na ala de hóspedes do grande edifício,


provavelmente por medidas de segurança, mas eu não me importava.

~ 214 ~
Estávamos um passo mais perto de um futuro melhor. Quando Aria nos
mostrou nossos quartos, eu disse:

— Obrigada, por tudo.

Ela sorriu.

— Seja bem-vinda.

— Eu tenho mais um pedido. Você pode se certificar de que eles


não machuquem os meus cachorros?

— Claro. — Ela disse sem hesitar. — Vou garantir que eles fiquem
seguros.

Talia veio até meu quarto naquela noite e se aconchegou em mim.

— Eu estava tão assustada, mas agora tudo vai ficar bem, não
vai? — Ela sussurrou.

— Sim. Vamos começar de novo. — Uma imagem de Growl


apareceu em minha cabeça, mas tentei manter a tristeza dentro de
mim. Em breve essas emoções teriam que desaparecer.

— Você realmente o amava?

— Amava. Ainda amo. — Admiti. Eu não queria mentir para Talia.

— Eu não entendo. — Sua respiração quente soprou sobre minha


garganta enquanto ela descansava a cabeça em meu ombro.

— Nem eu. Eu não queria que isso tivesse acontecido.

— Você não pode mudar o que sente. Está tudo bem. — Talia
disse suavemente, me abraçando com mais força.

— Mamãe está me evitando. Acho que ela não consegue me


perdoar por causa de Growl.

— Ela perdeu o pai. Ela precisa de tempo.

Eu esperava que Talia estivesse certa. Mesmo que ela não


estivesse, não havia nada que eu pudesse fazer com meus sentimentos.

***

~ 215 ~
Aria manteve sua promessa. No dia seguinte, Coco e Bandit
chegaram à mansão. Porém Luca se recusou a deixá-los correr pela
casa. Eu tinha que mantê-los em uma coleira quando estava fora do
quarto. Aria juntou-se a mim enquanto mostrava o jardim a eles. Tanto
Coco como Bandit pareciam gostar de sua presença.

Luca seguia atrás de nós como uma sombra.

— Eles eram usados rinhas de cães. Você deveria ter cuidado. A


maioria deles são monstros desagradáveis.

— Eles são bons. Melhor do que a maioria das pessoas. —


Respondi bruscamente.

— Isso não é difícil. A maioria das pessoas são idiotas. — Matteo


respondeu com um encolher de ombros, também aparecendo no jardim.
— Enquanto esses animais estiverem aqui, não vou permitir que
Gianna venha nos visitar.

— Como se você pudesse dizer a Gianna o que fazer. — Aria


brincou e se virou para mim. — Não os escute. — Completou em tom de
desculpas. Ela se agachou diante de Coco e Bandit. Me ajoelhei ao lado
dela e acariciei a cabeça de Coco. Depois de um breve momento de
hesitação, Aria fez o mesmo.

— Veja. — Ela disse com um olhar por cima do ombro em direção


ao marido. — Eles são inofensivos.

— Eles podem ser inofensivos agora, mas já viveram muito. Às


vezes eles podem perder o controle. Eu não os quero perto de você.

Aria suspirou e sussurrou para mim.

— Mantenha eles na coleira até que ele se acalme.

Assenti. Eu não tinha nenhuma intenção em ir contra as ordens


de Luca. Levei os cachorros para o quarto e me estiquei na cama.

Eles inspecionaram o quarto, mas não tiraram os olhos de mim.


Tive a sensação de que eles estavam procurando por Growl.
Provavelmente também sentiam sua falta. Eventualmente, dei umas
batidinhas na metade vazia da cama.

— Venham para cima.

Coco ergueu a cabeça, as orelhas levantadas.

~ 216 ~
Dei outro tapinha na cama com mais firmeza e repeti meu
convite. Coco foi a primeira a trotar em direção à cama e se juntar a
mim com um salto hesitante. Quando eu não a repreendi, ela se
aconchegou, pressionada contra a lateral do meu corpo. Bandit não
precisou de mais um convite. Ele se aconchegou rapidamente contra eu
e Coco. Eu coçava atrás de suas orelhas, apreciando a sensação da pele
macia. Com seus corpos quentes me dando o conforto que tanto
precisava, relaxei contra os travesseiros e apaguei as luzes. Eu não
tinha dormido bem ontem à noite, tinha sonhado com a morte de Growl
imaginando um final terrível atrás do outro. Eu queria saber
exatamente o que tinha acontecido com ele. A verdade, por mais difícil
que fosse, era sempre melhor do que não saber nada.

~ 217 ~
Capítulo vinte e sete
CARA
Algumas semanas mais tarde, minha família e eu estávamos
começando a nos instalar, e Talia estava quase de volta ao seu eu
habitual.

Voltei da minha caminhada com Coco e Bandit nas vastas


instalações da mansão Vitiello, e estava a caminho da ala dos hóspedes
quando ouvi uma conversa em outro lugar da casa.

Eu conhecia aquela voz. Todas as noites eu a ouvia em meus


sonhos, a maioria deles pesadelos. Mas ela não era a causa dos meus
medos, não mais. Tanta coisa havia mudado.

Deixei as coleiras caírem e comecei a correr em direção àquela


voz. Não parei até vê-lo na sala de estar. Derrapei até parar, meu
coração batendo em minha garganta.

E ali estava ele, sombrio, alto e ferido. Um de seus olhos estava


inchado, vários cortes e novas contusões lhe cobriam a pele.

Eu não conseguia me mexer. Os cachorros não compartilharam


da minha hesitação. Eles me seguiram, arrastando suas coleiras. Eles
pularam à frente, latindo e sacudindo os rabos.

Luca, Romero e Matteo se assustaram e puxaram as armas. Mas


Coco e Bandit não atacaram. Eles se espremeram nas pernas de Growl,
que estendeu a mão para acariciar suas cabeças, mas seus olhos foram
para mim, me perfurando até a alma.

Fazia duas semanas desde que nos vimos pela última vez. Onde
ele esteve? Por que ele não me deu um sinal de que estava vivo? Chorei
sua morte, fiz planos para um futuro sem ele, mas agora que ele estava
aqui, eu me perguntava se teríamos um futuro juntos. Nós nunca
conversamos sobre isso. Eu tinha sido dele, não por escolha, e agora
que eu estava livre, me perguntava se poderíamos fazer isso funcionar.

~ 218 ~
Será que eu realmente queria viver com o homem que era meu dono?
Será que ele ainda me queria, agora que eu não era mais apenas um
presente? Milhares de perguntas percorreram minha mente e me
deixaram cambaleando.

Fixei meu olhar no seu e percebi que, apenas um instante antes


de Growl levantar seus escudos novamente, minhas próprias perguntas
estavam refletidas nos olhos dele.

— Você está vivo. — Eu disse simplesmente.

Ele não se aproximou.

— É difícil de me matar.

Notei Aria no canto, nos observando.

Luca interrompeu o silêncio tenso.

— Está feito?

Growl finalmente afastou seu olhar do meu.

— Eu matei muitos dos homens próximos a Falcone. Tem muita


coisa acontecendo em Las Vegas agora. Os filhos dele e Cosimo estão
lutando pelo poder. Vai mantê-los ocupados por um tempo.

Luca pareceu satisfeito com isso. Negócios. Era tudo sempre


sobre negócios. Era por isso que eles tinham colocado Growl lá? Porque
Growl tinha informações importantes sobre os Camorra em Vegas?

Eu queria correr para Growl, mas ele não parecia querer isso.
Confusão nublou meus sentidos. Eu precisava de ar fresco. Eu
precisava pensar. Me virei e corri pra fora. Parei quando cheguei a um
banco e sentei nele.

Aria se juntou a mim alguns momentos depois.

— Você o ama. Por que você não fala com ele?

— Porque ele não me ama. Ele não pode. Essa coisa entre nós não
tem futuro.

Eu não era ingênua o suficiente para acreditar que Growl iria


mudar. Se ficássemos em Nova York e ele fosse autorizado a trabalhar
para Luca, havia apenas um trabalho que ele poderia fazer. Tornar-se
um dos assassinos de Luca. Muita coisa tinha sido arrancada de Growl
quando viu sua mãe morrer e quando ele mesmo quase sangrou até a
morte. Eu queria ajudá-lo, mas não tinha certeza se era capaz de

~ 219 ~
recuperar todas as peças quebradas. Algumas delas poderiam estar
perdidas para sempre.

— Por quê? Se você o ama, tem que haver um jeito.

— Ele... não é bom.

Aria riu suavemente.

— Luca também não é bom, mas eu o amo com todo o meu


coração. Você só tem que se permitir amar as partes boas dele.

Eu amava suas partes boas e suas partes ruins, o amava mais do


que deveria.

Ele roubou minha liberdade, minha vida. E de alguma forma ao


longo do caminho, sem eu nem perceber, ele também roubou meu
coração.

— Ele te ama. Eu não sei exatamente o que Luca e Growl


conversaram quando eles se encontraram ontem, mas tenho um
pressentimento de que a única razão pela qual Luca confia em Growl é
porque ele percebeu que Growl te ama. E Luca sabe o que o amor pode
fazer com uma pessoa. — Ela fez uma pausa. — Sua irmã mencionou
que sua mãe não aprova. Mas não deixe isso te impedir, se você
realmente o ama. Minha irmã Gianna também não gostava muito do
Luca no início.

Assenti para mostrar a ela que tinha escutado, mas não consegui
responder nada.

GROWL
Growl caminhava pelo corredor em frente ao quarto de Cara. Ele
não sabia por que estava esperando que ela aparecesse. O que ainda
restava para falar?

No momento em que ela partiu para Nova York sem ele, sabia que
isso significava o fim para os dois. Aquilo tinha sido como um soco no
estômago, a compreensão de que ela não ficaria com ele, um monstro.
Ninguém ficaria. Ela parecia desfrutar de sua companhia no final,
gostava de sua proximidade e do seu toque, mas ele não se enganou.
Sua afeição por ele havia nascido por necessidade. Ela não tinha

~ 220 ~
escolha. Ela não conseguia fugir dele. Mas agora tudo tinha mudado.
Em Nova York, Cara seria livre para fazer o que quisesse. Ninguém a
estava impedindo de fazer nada. Growl conhecia Luca o suficiente para
saber que ele não iria apoiá-lo em ficar com Cara. E embora tivesse
levado algum tempo para que Growl percebesse, ele não queria ter Cara
como uma posse. Ele queria que ela quisesse estar com ele. Ele sabia
que aquela ideia ridícula significava que a perderia completamente. Ela
viveria sua vida sem ele. Ela encontraria um novo cara, um cara legal,
alguém que não tivesse causado a ela tantos pesadelos.

Ainda era difícil para ele entender as emoções, e isso nunca


mudaria. Mas sua expressão deixou claro até mesmo para ele, que ela
não o queria. Talvez ela tivesse fingido tolerá-lo por sua própria causa e
para que ele a ajudasse a vingar seu pai, matando Falcone. Ele não
podia culpá-la.

Muitas vezes ele desejava nunca ter a possuído. Era mais fácil
viver sem algo que você nunca teve, porque você não sabia o que estava
perdendo. Mas uma vez que você tinha algo, era difícil deixar para trás.

Growl se acostumara com a presença de Cara. Ele sempre se


considerou uma pessoa solitária. Pensava que não queria outras
pessoas ao seu redor. Ele gostava de ficar sozinho, somente com a
presença de seus cães. Sua vida era só dele. Sem intercorrências e
conduzida por hábitos, mas segura. Agora que tinha vivido com alguém,
com Cara, tinha dificuldades em imaginar ficar sozinho de novo.

Ele superaria por aquilo. Sempre superou. Ele trabalharia duas


vezes mais e colocaria toda sua energia em fazer Luca confiar e valorizá-
lo. Ele faria um nome para si mesmo aqui em Nova York e
eventualmente, esqueceria Cara e voltaria à vida que ele tinha antes.

E então, Cara apareceu no fim do corredor, e ele percebeu que


estava se enganando se acreditasse que poderia esquecê-la.

CARA
Eu congelei quando vi Growl na frente do meu quarto. Bandit e
Coco estavam encolhidos a seus pés como se todos estivessem
esperando por um tempo.

~ 221 ~
Me aproximei lentamente, tentando controlar minhas emoções.
Coco balançou o rabo quando parei na frente de Growl.

Ele colocou as mãos nos bolsos, mas seu corpo estava tenso como
um arco.

— Não há motivos para você ficar comigo. Você está livre. Mesmo
que eu pudesse te forçar a ficar comigo, eu não vou. Você é livre para
decidir a sua própria vida.

As palavras que eu desejava ter ouvido desde o momento que


Falcone me deu para Growl de repente machucaram.

— Então o que você está dizendo? Que preferia que eu te


deixasse? — Embora, para que eu pudesse deixá-lo, precisaríamos ter
sido um casal em primeiro lugar.

— Essa é a última coisa que eu quero. — Ele falou com


ferocidade. Ele colocou as mãos para fora dos bolsos, inquieto, quase
como se quisesse me agarrar e colocar algum sentido em minha cabeça,
mas ele não me tocou.

— Então o que você quer? — Perguntei, frustrada. Talvez eu


deveria ter aceitado as palavras de Growl e ido embora.

Minha mãe iria preferir isso, e teria sido a escolha mais certa
moralmente, se eu estivesse sendo honesta comigo mesma.

Growl tinha partes monstruosas e isso não iria mudar. Anos de


abuso haviam deixado sua marca, e se eu escolhesse ficar com ele, teria
que viver com isso. Talvez em Nova York, Luca encontraria melhores
maneiras de canalizar os talentos de Growl para tarefas menos
horrendas, mas eu não estava me enganando em acreditar que matar
não seria mais uma grande parte da vida de Growl. Isso era algo que eu
teria que aceitar. Permanecer com alguém só porque espera mudar
aquela pessoa era esforço para o fracasso.

Os olhos de Growl brilharam com emoções, muitas mais do que


eu já havia visto.

— Eu quero... — Ele começou, então parou e rosnou. Ele


balançou a cabeça e olhou para o lado, para que eu ficasse olhando
para seu perfil.

— Uma vez você me disse que eu precisava ser corajosa. Quem


não é corajoso agora? — O desafiei.

~ 222 ~
Growl se virou, me agarrou pelos ombros e me pressionou contra
a parede.

— Eu quero você. Quero que fique comigo porque quer ficar. Eu


quero que você me queira.

Eu exalei.

— Eu quero.

Growl me soltou.

— Quer o quê?

— Quero você. Quero ficar com você.

Growl olhou fixamente.

— Eu... Eu acho. — Ele passou uma mão pelo rosto. — Eu não


sou bom com palavras. Você sabe disso.

— Mas você poderia ser. Talvez você só precise tentar. — Eu disse


suavemente.

Seus olhos se encheram de determinação.

— Poucas coisas me assustam hoje em dia. — Ele resmungou. —


Mas isso entre nós me assusta. Minhas emoções me assustam.

— Por quê?

— Eu desisti de esperar por algo bom há muito tempo. Deixava as


coisas mais fáceis. Nada podia me machucar. A dor não era nada. Os
insultos das pessoas não significavam nada. Eu não me importava com
nada. Não tinha medo de nada. Mas quando ganhei você, percebi de
repente o tipo de vida que tinha levado. Como as coisas significavam
pouco. E enquanto eu estava lutando contra os homens de Falcone,
percebi o quanto eu gostava de estar com você, de ter alguém para
conversar, compartilhar refeições com você, passear com Coco e Bandit
com você, e até mesmo compartilhar uma cama com você. Eu nunca
pensei que poderia gostar desse tipo de coisa, nunca pensei que poderia
precisar de algo assim, mas agora... — Ele parou, a incerteza voltando.
— Agora estou com medo pra caralho de perder tudo isso, de te perder.
Eu nunca soube que precisava de você, mas agora não posso imaginar
ter que ficar sem você. Eu... eu te amo, Cara.

~ 223 ~
Deixei escapar um suspiro trêmulo. Eu nunca pensei que ouviria
essas palavras de Growl. Nem em um milhão de anos. Toquei seu
coração e sua bochecha.

— E eu amo você, Growl.

Aria tinha razão. Eu precisava fazer uma escolha. E eu escolhi o


amor. Minha mãe aceitaria eventualmente. Afinal de contas, ela tinha
desistido de tudo por amor.

— Ryan. — Ele rosnou. O nome soava errado vindo de seus


lábios, como se não estivessem mais acostumados com aquela palavra.

— Ryan?

— É o meu verdadeiro nome.

— Oh. — Sussurrei, esmagada pela situação. — É um nome


muito bonito.

Ele sorriu fracamente. Ainda me surpreendia como um sorriso


mudava seu rosto irritado. Ele se inclinou, me beijou, e depois se
afastou alguns centímetros.

— Quero que Nova York seja um novo começo para mim e para
você, se você quiser. E eu quero ser conhecido como Ryan nesta nova
vida.

— E eu quero um novo começo com você, Ryan. — Respondi. Ele


envolveu seus braços em torno de mim e me segurou com força.

— Eu não mereço você. — Ele murmurou contra meu cabelo. —


Ainda. Mas eu vou.

~ 224 ~