Você está na página 1de 266

Estruturas Geométricas

em
Dimensão 2

Celso Melchiades Doria


cmdoria@mtm.ufsc.br
1 Celso M Doria

autor: Celso M Doria ii


Sumário

1 Introdução 5
1.0.1 Teorema Principal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.1 Fluxo de Ricci . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.2 Comentários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

2 Conceitos Básicos 15
2.1 Grupos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
2.1.1 Subgrupos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
2.1.2 Classes Laterais e Teorema de Lagrange . . . . . . . . . . . . . . . 22
2.1.3 Homomorfismos de Grupos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
2.2 Métricas Riemannina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
2.2.1 Grupo de Isometria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
2.2.2 Aplicações Conformes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
2.3 Ações de Grupos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

3 Geometria Euclideana 43
3.1 Geodésicas em E2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.2 Isometrias de E2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
3.3 Subgrupos Discretos de Isom(E2 ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
3.3.1 Grupos Triangulares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
3.3.2 Classificação dos Subgrupos Discretos de Isom(E2 ) . . . . . . . . . 71
3.3.3 Superfı́cies e Orbitais Euclideanos . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
3.4 2o -método para obter as geodésicas de E2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77

4 Geometria Esférica 83
4.1 A Esfera S2 . Coordenadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
4.1.1 Coordenadas Esféricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
4.1.2 Outras Coordenadas sobre S2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
4.2 Métrica Esférica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
4.3 Transformações Ortogonais em E3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
4.4 Geodésicas de S2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
4.5 Isometrias de S2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
4.6 Relações Métricas em S2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98

1
SUMÁRIO Celso M Doria

4.6.1 Área de um Triângulo Esférico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105


4.7 Subgrupos Discretos de Isom(S2 ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
4.7.1 Ações de Zn e Dn sobre S2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
4.7.2 Grupos Triangulares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
4.8 Superfı́cies e Orbitais Esféricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115

5 Geometria Hiperbólica 117


5.1 Espaço Hiperbólico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
5.1.1 Reflexões no Espaço Hiperbólico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
5.2 Geodésicas de H2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
5.2.1 Produto Angular entre Geodésicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
5.3 Isometrias de H2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
5.4 Modelos para o Espaço Hiperbólico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
5.4.1 H2P : O Modelo de Poincaré . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
5.4.2 H2M : Modelo de Minkowski . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
5.4.3 H2K : Modelo de Klein . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
5.5 Relações Métricas Hiperbólicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
5.5.1 Distância Hiperbólica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
5.5.2 Convexidade e Ângulos em H2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
5.5.3 Relações Métricas em Triângulos Hiperbólicos . . . . . . . . . . . . 143
5.5.4 Área de uma região em H2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
5.6 Identidades Métricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
5.6.1 Distância de um Ponto à uma Geodésica . . . . . . . . . . . . . . . 149
5.6.2 A Mediatriz de um Segmento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
5.6.3 A Distância entre Geodésicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
5.6.4 A Bissetriz de duas Geodésicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
5.6.5 Relações Métricas em Polı́gonos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
5.7 Geometria das Isometrias de H2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
5.7.1 Classificação das Isometrias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
5.7.2 Classes de Conjugação e Centralizadores . . . . . . . . . . . . . . 162
5.7.3 A Função Deslocamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
5.7.4 A Geometria do Produto de Isometrias . . . . . . . . . . . . . . . 171
5.7.5 A Geometria dos Comutadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176
5.8 Grupos Discretos de Isom(H2 ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
5.8.1 Grupos Fuchsianos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
5.8.2 Grupos Puramente Hiperbólicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
5.8.3 Conjuntos Limites. Classificação por Espécie . . . . . . . . . . . . 185
5.8.4 Polı́gonos Fundamentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
5.8.5 Polı́gonos de Dirichlet. Teorema de Poincaré . . . . . . . . . . . . 193
5.8.6 Região de Nielsen . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
5.8.7 Grupos de Schottky . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
5.8.8 Superfı́cies de genus g ≥ 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
5.8.9 Grupos Triangulares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204

autor: Celso M Doria 2


SUMÁRIO Celso M Doria

6 Geometria Intrı́nseca 209


6.1 Superfı́cies Riemannianas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
6.1.1 Grupo de Isometria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
6.1.2 Transformações Conformes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
6.2 Fibrados Tangente e Cotangente de uma Superfı́cie . . . . . . . . . . . . . 214
6.2.1 Fibrado Tangente T X . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
6.2.2 Fibrado Cotangente T ∗ X. Isomorfismo g : T X → T ∗ X . . . . . . . 218
6.3 Derivada Covariante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221
6.4 Curvatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225
6.4.1 Curvatura de Ricci e Curvatura Escalar . . . . . . . . . . . . . . . 229
6.4.2 Interpretação da Curvatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231
6.5 Conexão de Levi-Civita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 233
6.6 Geodésicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235
6.6.1 Aplicação: Relações Métricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239
6.7 Ações Descontı́nuas sobre Superfı́cies. Espaços Orbitais . . . . . . . . . . 241
6.7.1 Caracterı́stica de Euler de um Orbital . . . . . . . . . . . . . . . . 243
6.8 Espaços Homogêneos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247

7 Aplicações Diferenciáveis. Formas Locais. 253


7.1 Conceitos Básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253
7.2 Forma Local das Imersões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255
7.3 Forma Local das Submersões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257

autor: Celso M Doria 3


SUMÁRIO Celso M Doria

autor: Celso M Doria 4


Capı́tulo 1

Introdução

Historicamente, o estudo das superfı́cies foi uma fonte fundamental de idéias para o
desenvolvimento das técnicas empregadas na solução de problemas onde a geometria do
espaço mostrou-se relevante para obtermos uma solução. Por exemplo, na navegação a
geometria da superfı́cie da esfera tornou-se indispensável para a estimativa de distâncias
e posições.
Anteriormente ao estudo da superfı́cies, todo o Cálculo Integral e Diferencial havia
sido desenvolvido sobre o Rn . Em 1828, Carl Friedrich Gauss publicou o trabalho Ge-
neral Investigations of Curved Surfaces [9] no qual, pioneiramente, ele empregou as fer-
ramentas de cálculo integral e diferencial para descobrir objetos geométricos intrı́nsecos
sobre as superfı́cies; a curvatura sendo o principal deles. A originalidade deste trabalho,
conscientemente revelada na tese de doutoramento de seu aluno Berhard Riemann, foi
demonstrar a possibilidade de haverem diversas geometrias além da euclidena. Com seu
trabalho, Gauss ajudou a responder a questão

O que é uma Geometria ?

Até então, o conceito de geometria era o estabelecido pelo conjunto de axiomas


formulados por Euclides em sua obra Os Elementos [6]. A partir destes axiomas, Euclides
deduziu diversos resultados da geometria plana. Um dos axiomas, que ficou conhecido
como axioma das paralelas afirma o seguinte (versão moderna):

Por um ponto P não pertencente a uma reta r passa uma única reta paralela à r.

Este axioma despertou interesse por acharem que ele deveria ser demonstrado a partir
dos outros. Houveram vários matemáticos brilhantes que se deixaram envolver com o
problema e alguns anunciaram demonstrações erradas.
No decorrer dos séculos XVII e XVIII, a geometria plana esteve absorvida com o
problema do postulado das paralelas. Segundo D’Alembert, a polêmica sobre o axioma
das paralelas e a incapacidade de chegarem a um entendimento matemático para uma
situação tão simples era um escândalo.
Gauss havia sido colega, em Göttingen, de Farkas Bolyai, pai de Janós Bolyai. Em
1823, Janós Bolyai escreveu para seu pai as seguintes palavras:

5
Celso M Doria

“Eu descobri coisas tão maravilhosas que sinto-me aturdido ... do nada eu
criei um estranho mundo novo.”

J. Bolyai referia-se ao fato de ter descoberto uma geometria não-euclideana. Sendo amigo
de Farkas Bolyai, pai de J.Bolyai, Gauss ao ser informado da descoberta correspondeu-se
com o colega para elogiar seu filho;

“Eu considero este jovem geômetra Bolyai um gênio de primeira ordem.”

Gauss aproveitou a oportunidade para comunicar de que ele próprio já havia descoberto
aquele fato mas não havia publicado. Isto pode ser verdade, pois, por volta de 1817
Gauss estava convencido que o axima das paralelas de Euclides era independentente dos
outros postulados. Naquela época, Kant era um filósofo dominante e havia afirmado
que A geometria euclideana é uma necessidade inevitável do pensamento. É possı́vel que
Gauss não tenha anunciado a sua descoberta para evitar polêmica.
Em 1829, Lobachevsky’s publicou seu trabalho sobre a descoberta da geometria não-
euclideana, trabalho este desenvolvido na Russia de forma completamente independente;
nem Gauss estava ciente de suas idéias e de seu trabalho. A contribuição de Bolyai e de
Lobachevsky’s foi descobrir que era possı́vel alterar o axioma das paralelas de Euclides
sem que uma contradição fosse criada com os outros axiomas. É bom ressaltar que
eles não demonstraram a consistência dos axiomas. Isto deu origem à uma geometria
não-euclideana cunhada de geometria hiperbólica.
Na época, as diferenças entre as geometrias euclideana e hiperbólica eram puramente
formais, ou seja, diferiam no conjunto de axiomas. Isto quer dizer que não havia um mo-
delo concreto para a geometria hiperbólica, ou seja, não havia uma representação gráfica
para os objetos geométricos, por exemplo, para uma reta hiperbólica. O primeiro modelo
para a geometria hiperbólica foi criado por Beltrami. A geometria esférica já era objeto
de estudo devido a natureza dos problemas de navegação que eram importantı́ssimos,
porém, os objetivos neste caso eram meramente computacionais.
Conforme citamos, Bernhard Riemann foi um estudante de Gauss que desenvolveu
as idéias de seu orientador e tornou-se um dos maiores matemáticos do século XIX. A
grande contribuição de Riemann para geometria não-euclidena foi introduzir o conceito
do que denominamos, nos dias de hoje, de métrica riemanniana. A métrica riemanniana
vem a ser o objeto fundamental numa geometria. Riemann também foi um dos pio-
neiros na descoberta da importância da geometria das superfı́cies no estudo da Teoria
das Funções Analı́ticas, estudo este que deu origem, significado e valor ao Teorema da
Uniformização 1.5.
As técnicas desenvolvidas por Gauss consistiam em estudar as propriedades geométricas
de uma superfı́cie X ⊂ R3 com as ferramentas do Cálculo. Ele observou que o compri-
mento de uma curva, a área e a curvatura eram objetos geométricos intrı́nsecos, ou seja
dependiam apenas da métrica riemanniana. Além disto, estes são objetos invariantes por
transformações que preservam a métrica riemanniana, denominadas de isometrias. Em
suma, a métrica riemanniana possibilita definir o comprimento de uma curva e a área
de uma região contidas numa superfı́cie. Aqui vale mencionar as origens da motivação

autor: Celso M Doria 6


CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO Celso M Doria

de Gauss para chegar ao conceito de curvatura. No ı́nico de 1818, Gauss dirigiu um


projeto de inspeção geodésica do Reino Germânico de Hannover. A execução do projeto
levou Gauss a questionar-se se seria possı́vel determinar a forma da Terra a partir das
medidas realizadas, o que levou-o, em [9], ao conceito de curvatura. Também a Teo-
ria de Funções Analı́ticas induziu ao estudo de invariantes por deformações contı́nuas
sobre uma superfı́cie. Assim, as superfı́cies tornaram-se laboratórios naturais para a
generalização dos conceitos do cálculo integral e diferencial sobre espaços distintos de
Rn .
Euclides considerou que os elementos primitivos da geometria euclideana são o ponto,
a reta e o plano. No conceito atual de geometria, os elementos primitivos são o espaço
topológico, a estrutura diferenciável e a métrica riemanniana. A partir da métrica,
definimos uma geodésica como sendo a curva que minimiza a distância entre dois pontos.
Assim, o conceito euclideano de reta é substituı́do pelo de geodésica. Sobre a superfı́cie
da esfera não existem retas, mas dados dois pontos existe uma única geodésica ligando-
os. Desta forma, um triângulo geodésico é formado pelas geodésicas que ligam 3 pontos
que não encontram-se sobre uma mesma geodésica.

Figura 11

O estudo de Gauss culminou com o resultado, conhecido como forma local do teorema
de Gauss-Bonnet, que a soma dos ângulos internos α, β, γ de um triângulo geodésico
4 ⊂ X é dado por
Z
α+β+γ =π+ K, (1.1)
4

onde K : X → R é a curvatura gaussiana de X. Observamos que quanto menor for o


triângulo mais próximo de π estará a soma dos ângulos internos do triângulo.
Uma superfı́cie dita fechada se for compacta e sem bordo. Neste caso, há um número
natural associado a X que denominamos de genus e o denotamos por g. A caracterı́stica
de Euler-Poincaré de uma superfı́cie fechada X orientável é χ(X) = 2 − 2g, caso X seja
não orientável, então χ(X) = 2 − g.
Entre as superfı́cies temos a operação soma conexa definida assim: Sejam X e Y
superfı́cies e B1 = {(x, y) ∈ R2 | x2 + y 2 < 1} a bola aberta de raio 1. Considere VX ⊂ X
e VY ⊂ Y subconjuntos abertos homeomorfos a B1 . Seja φ : ∂(X − VX ) → ∂(Y − VY )
um homeomorfismo. A soma conexa de X com Y é a identificação ao longo do bordo
induzida por φ;

X#Y = (X − VX ) ∪ (Y − VY ) ,
φ

Qualquer que seja a superfı́cie X, segue que X#S 2 é homeomorfo a X. Por isto, temos
a seguinte definição;

autor: Celso M Doria 7


Celso M Doria

Definição 1.1. Uma superfı́cie X é irredutı́vel quando uma decomposiçâo decomposição


homeo homeo
X = X1 #X2 implica em X1 ' S 2 ou X2 ' S2.

Figura 12

Historicamente, um dos subprodutos do Teorema da Uniformização foi a classificação


das superfı́cies fechadas, a menos de homeomorfismos, como mostra o seguinte teo-
rema [16];

Teorema 1.1. Classificação das Superfı́cies Seja X uma superfı́cie fechada, então
ela é homeomorfa a uma das seguintes superfı́cies:

1. X é orientável
homeo
(a) Se χ(X) = 2, então X ∼ S2.
homeo
(b) Se χ(X) = 2 − 2g, então X ∼ T 2 #. g. .#T 2 (g = no de toros = genus).

2. X é não orientável
homeo
(a) Se χ(X) = 2−g, então X ∼ RP 2 #. g. .#RP 2 (g = no de planos projetivos)

Ao integrarmos a curvatura sobre uma superfı́cie fechada e orientável X obtemos o


primeiro teorema global de geometria;

Teorema 1.2. Gauss-Bonnet Seja X uma superfı́cie fechada e orientável. Sejam


K : X → R a curvatura gaussiana e χ(X) a caracterı́stica de Euler de X. Então,
Z
K = 2πχ(X) (1.2)
X

A expressão 1.1 nos induz a indagar sobre quais são as superfı́cies que admitem
curvatura constante. Neste caso, a área do triângulo é

K.A(4) = (α + β + γ) − π,

da onde concluı́mos que,

1. K = 0 ⇒ α + β + γ = π.

2. K > 0 ⇒ α + β + γ > π.

3. K < 0 ⇒ α + β + γ < π.

autor: Celso M Doria 8


CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO Celso M Doria

O objetivo será expor as técnicas que resultam na construção de superfı́cies de curva-


tura constante e estudarmos a geometria destes espaços. Em dimensão 2, existem apenas
três geometrias das quais originam-se todas as superfı́cies com curvatura constante com
área finita, são a geometria euclideana, a geometria esférica e a geometria hiperbólica.
O princı́pio básico das técnicas que empregamos é o de Simetria. O conceito de
Simetria tem sido fonte para diversas manifestações do conhecimento humano, o que de
certa forma é o reflexo do mundo fı́sico em que vivemos e de nossas estruturas cerebrais
para o pensamento. Nas artes, a simetria contribui na estética enquanto no mundo fı́sico
ela simplifica a natureza. Para darmos uma definição precisa de Simetria precisamos
do conceito de grupo, o qual deixaremos para a seção 2.1. Intuitivamente, o conceito
de simetria tem a ver com padrões que se repetem. Embora simples e corriqueiros, os
exemplo dos azulejos que preenchem um assoalho, ou de papéis de parede que cobrem
uma parede servem como motivação para a teoria que desenvolveremos nestas notas; a
isto denominaremos de ornamento.

Figura 13

Uma ornamentação é uma figura geométrica que se repete sobre uma superfı́cie dando
origem à uma simetria, tais tipos de simetrias são encontradas com abundância na na-
tureza em materiais conhecidos como cristais. A cada um destes cristais corresponde
um grupo. O estudo cristlográfico levou a classificação destes grupos, conhecidos como
grupos cristalográficos planares, e mostrou que existem apenas 17 tipos diferentes. Os
cristais com simetrias espacial foram classificados por Schöenflies que demonstrou exis-
tirem 219 tipos distintos (219 grupos cristalográficos).

1.0.1 Teorema Principal


Considere X uma superfı́cie fechada e S 1 = {(x, y) ∈ R2 | x2 + y 2 = 1} o cı́rculo.
Diremos que uma superfı́cie X é simplesmente conexa se toda aplicação contı́nua γ :
S 1 → X é homotópica a uma curva constante γx0 : S 1 → X, γx0 (t) = x0 para todo
t ∈ S1.
Sejam Xe e X superfı́cies. Diremos que X
e é o recobrimento universal de X se ocor-
rerem as seguintes condições:

1. X
e é simplesmente conexo;

e → X tal que p é um homeomorfismo local.


2. existe uma aplicação contı́nua p : X

Se apenas a condição (2) acima for verificada dizemos que X


e é o recobrimento de X.
Segue da teoria de Espaços de Recobrimento ( [16]) que existe um grupo G agindo
livremente sobre X
e de tal forma que X = X/G. e Este grupo denominamos de grupo
fundamental de X e o denotamos por π1 (X).
Uma métrica Riemanniana é uma aplicação que a cada ponto p ∈ X associa um
produto interno

autor: Celso M Doria 9


Celso M Doria

g(p) : Tp X × Tp X → R,

onde Tp X é o plano tangente à X no ponto p. Assim, denominamos de superfı́cie


riemanniana ao par (X, g).
No texto, consideraremos essencialmente os espaços

euclideano E2 = (R2 , ge ), K = 0, (1.3)


2 2
esférico S1/K = (S 1 , gs ), K > 0, (1.4)
K

hiperbólico H2K = (R2+ , gh ) K < 0; (1.5)

onde ge á métrica euclideana, gs é a métrica esférica e gh é a métrica hiperbólica. É uma


consequência do Teorema da Uniformização para Superfı́cies de Riemann [7], na Teoria
das Superfı́cies de Riemann, que uma superfı́cie simplesmente conexas é conformemente
equivalente à um dos espaços E2 , S2 ou H2 . Se exigirmos que a classificação seja a menos
de isometria, então os únicas superfı́cies simplesmente conexas são E2 , S1/K 2 e H2K , onde
cada uma tem curvatura gaussina constante igual a K; no caso euclideano K = 0.

Teorema 1.3. Seja X e uma superfı́cie simplesmente conexa munida de uma métrica
riemanniana g com curvatura constante. Então, (X,
e g) é isométrico a um dos seguintes
espaços;

1. Se K = 0, então X̃ = E2 ;

2. Se K > 0, então X̃ = S2K = (S2 ( K1 ), gs );

3. Se K < 0, então X̃ = H2K = (R2+ , gh ).

Em [5] há uma demonstração do teorema acima no contexto de Geometria Riemanniana,


enquanto em [7] encontra-se uma demonstração utilizando as ferramentas da Teoria
Analı́tica das Funções, mais precisamente da Teoria das Superfı́cies de Riemann.
Ao fixarmos uma métrica g sobre uma superfı́cie X os difeomorfismos f : X → X que
preservam g são denominados de isometrias de (X, g). As isometrias preservam todas as
propriedades métricas de (X, g), por exemplo preservam a distância entre pontos, a área
de regiões de X e a curvatura 1 . Além disto, o conjunto das isometrias de (X, g), quando
munidos com a operação de composição, formam um grupo denotado por Isom(X, g).
As propriedades intrinsecas de uma geometria (X, g) são aquelas preservadas por uma
isometria.
Dizemos que uma superfı́cie riemanniana (X, g) é homogênea quando o grupo Isom(X, g)
age transitivamente sobre X. Em dimensão 2, as únicas superfı́cies homogêneas simples-
mente conexas são E2 , S2 , H2 e R∗ o R; sendo que a partir da superfı́cie R∗ o R obtemos
apenas superfı́cies com área ilimitada.
1
Teorema Egregium de Gauss

autor: Celso M Doria 10


CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO Celso M Doria

Definição 1.2. .

1. Uma superfı́cie X é localmente homogênea se existe uma superfı́cie homogênea


e g) tal que todo ponto x ∈ X admite uma vizinhança isométrica a um subcon-
(X,
junto aberto de (X,
e g).

2. Se X é uma superfı́cie localmente homogênea, então dizemos que X tem uma


estrutura geométrica modelada sobre a geometria (X,
e g).

Decorre que as superfı́cies homogêneas e localmente homogêneas tem curvatura gaus-


siana constante. Uma vez que uma métrica sobre X induz uma métrica sobre o seu
recobrimento universal X,e e vice-versa, segue que para construirmos uma estrutura
geométrica sobre X é suficiente mostrarmos que existe um subgrupo G < Isom(X, e g),
agindo livremente sobre X,e tal que X homeo
∼ X/G,
e ou seja, G ' π1 (X).

Questão EG 1. Seja X uma superfı́cie fechada e irredutı́vel. X admite uma estrutura


geométrica ?

Existem três maneiras para respondermos a questão colocada: o método direto (que será
o objeto de estudo neste texto), o Teorema da Uniformização para Superfı́cies (Teoria
Analı́tica das Funções) e o Fluxo de Ricci. Os dois últimos métodos são indiretos e usam
ferramentas puramente analı́ticas. Para respondermos a questão colocada iremos seguir
o seguinte roteiro;

Roteiro: A estratégia para resolvermos a questão é definida de acordo com os seguintes


passos;

1. fixamos o recobrimento universal (X,


e g) de acordo a classificação em 1.3;

2. determinamos as geodésicas da geometria (X,


e g);

3. determinamos o grupo Isomg (X)


e e quais são os seus geradores;

4. determinamos os subgrupos discretos de Isom(X)


e e as respectivas regiões funda-
mentais.

5. para cada subgrupo discreto G < Isom(X,


e g) determinamos a caracteristica de
Euler de X/G.
e

Ao completarmos o roteiro para todos os espaços homogêneos simplesmente conexos,


obtemos o seguinte teorema;

Teorema 1.4. Seja X uma superfı́cie fechada;

1. Se X = T 2 , então existe um subgrupo G < Isom(E2 ) tal que G ' Z ⊕ Z e T 2 é


difeomorfo a E2 /Z2 .

autor: Celso M Doria 11


1.1. FLUXO DE RICCI Celso M Doria

2. Se X = RP 2 , então existe um subgrupo G < Isom(S2 ) tal que G ' Z2 e RP 2 é


difeomorfo a S2 /Z2 .
3. Se X = K2 , então existe um grupo G < Isomg (E2 ) tal que G ' Z ∗ Z2 e K2 é
difeomorfo a E2 /Z ∗ Z2 .
4. Se X é orientável e g ≥ 2, então existe um subgrupo G < Isom(H2 ) tal que
difeo
X ∼ H2 /G.
Portanto, toda superfı́cie fechada irredutı́vel ou orientável admite uma estrutura
geométrica. Entre as não-orientáveis, o plano projetivo RP 2 é obtido da geometria
esférica e a garrafa de Klein K2 = RP 2 #RP 2 da geometria euclideana.
Ao longo da exposição surgem espaços singulares sobre os quais há uma estrutura
geométrica definida no complementar de um conjunto finito de pontos. Um espaço desta
natureza é denominado de espaço orbital, ou simplesmente orbital.

1.1 Fluxo de Ricci


O método que utilizamos no texto para demonstrarmos o teorema 1.4 é direto, pois
após analisarmos todas as estruturas geométricas geradas a partir das geometrias eucli-
deana, esférica e hiperbólica concluı́mos, ao compararmos com o teorema 1.1, que toda
superfıcie irredutı́vel ou orientável admite uma estrutura geométrica. De fato, o Teo-
rema da Uniformização para superfı́cies, versão geométrica, garante que toda superfı́cie
riemanniana admite uma geometria canônica;
Teorema 1.5. (Uniformização) Seja (X, g) uma superfı́cie riemanniana fechada. Então,
na classe conforme de g existe uma única métrica g0 cuja curvatura escalar é constante.
Há um método de caráter essencialmente analı́tico, que conjectura-se ser equivalente
ao Teorema da Uniformização, denominado Fluxo de Ricci. Introduzido por Richard
Hamilton em [13], o Fluxo de Ricci consiste em resolver o problema de valor inicial
associado à seguinte equação diferencial parcial de evolução (parabólica):
R
∂g Kdxgt
= (κ − K)g, κ = RX ,
∂t X dxgt (1.1)
g(0) = g0 ,

onde K é a curvatura gaussiana e κ é a curvatura gaussiana média de XR que, de acordo


com o Teorema de Gauss-Bonnet 1.2, é dada por 2πχ(X)
At (X) , onde At (X) = X dxgt é a área
de X calculada com a métrica g(t).
Teorema 1.6. Seja (X, g0 ) uma superfı́cie riemanniana fechada. Então, existe uma
única solução g(t) da equação 1.1. A solução existe para todo tempo t. Quando t → ∞,
as métricas g(t) convergem uniformemente, em qualquer norma C k , para uma métrica
g∞ de curvatura escalar constante.
Demonstração. Ver em [3].

autor: Celso M Doria 12


CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO Celso M Doria

1.2 Comentários
O presente texto não se propõe a ser uma exposição das técnicas de geometrização
em dimensão 2. A proposta é estudarmos as geometrias euclideana e não euclideanas
inserindo-as numa questão maior, na sub-área de Topologia Geométrica, que é a clas-
sificação de superfı́cies ou de Variedades Diferenciáveis. No presente, a classificação da
Variedades fechadas de Dimensão 3 é um problema em aberto. No entanto, há uma
conjectura conhecida como Conjectura da Geometrização , decrita em [23], de como esta
classificação deve ser, embora ela nada mais é do que a questão 1 (EG) enunciada em di-
mensão 3. Uma proposta de solução desta conjectura foi efetivada por Grisha Perelman
seguindo o projeto iniciado por R.Hamilton em [13], projeto este baseado nas técnicas
de Fluxo de Ricci.
Um fator de motivação para o texto foi expor, de maneira acessı́vel, as geometrias
mais elementares dentro de um enfoque geométrico. A maioria dos textos que descrevem
o mesmo conteúdo o fazem num contexto menos elementar de Superfı́cies de Riemann ou
no contexto de Grupos Kleinianos. Além disto, o conteúdo é relacionado com as técnicas
que deram origem a famosa Conjectura da Geometrização para Variedades Fechadas de
dimensão 3 (descrita em [23]).
O texto é autocontido e os pre-requisitos para a leitura são Álgebra Linear e Cálculo
de Várias Variáveis. Ao leitor interessado em aprender o básico sobre cada uma das
geometrias, recomedamos a leitura dos capı́tulos I, II e III sem incluir a classificação dos
grupos discretos do grupo de isometria. O capı́tulo I é o único que deve ser lido antes
de qualquer outro capı́tulo se o leitor não for familiar com os conceitos lá introduzidos.
Dentre os capı́tulos II, III e IV qualquer um pode ser lido de maneira independente do
conteúdo dos outros, muito embora a Geometria Euclideana seja a mais fácil. O capı́tulo
IV pode ser deixado para o final, pois lá são introduzidos conceitos mais avançados para
o estudo de Geometria, porém necessários para questões mais atuais e também para
as aplicações. Para o estudo do conteúdo no capı́tulo IV, os capı́tulos anteriores são
fundamentais como fonte de exemplos.
A inter-dependência entre os capı́tulos esta descrita no diagrama abaixo;

Cap I
Q
 Q
 Q
 Q
 Q
 Q

+
 ? Qs
Q
Cap II Cap III Cap IV
Q 
Q 
Q 
Q 
Q 
Q 
Q ?
s
Q+
Cap IV

autor: Celso M Doria 13


1.2. COMENTÁRIOS Celso M Doria

autor: Celso M Doria 14


Capı́tulo 2

Conceitos Básicos

2.1 Grupos
Os grupos são estruturas que surgem naturalmente no estudo de geometria.
Definição 2.1. Um conjunto G com uma operação .G × G → G é um grupo se as
condições seguintes são satisfeitas:
1. (associatividade),

a.(b.c) = (a.b).c, para todos a,b e c ∈ G

2. (elemento neutro)

∃e ∈ G tal que e.a = a.e = a, para todo a ∈ G

3. (elemento inverso)

para todo a ∈ G, ∃a−1 ∈ G tal que a.a−1 = a−1 .a = e

Quando a operação satisfaz a propriedade adicional

a.b = b.a para todos a e b ∈ G

dizemos que o grupo é abeliano. Seguem dos axiomas de grupo algumas propriedades
elementares;
Proposição 2.1. Num grupo G,
1. O elemento neutro é único

2. O elemento inverso é único

15
2.1. GRUPOS Celso M Doria

3. O 3o. axioma para grupos é equivalente ao fato da equação a.x = b ter uma única
solução em G, a saber, x = a−1 .b

Demonstração.
seja e0 um outro elemento identidade, então

e = e.e0 = e0
seja b um outro elemento inverso de a ∈ G, então

a−1 = a−1 .e = a−1 .(a.b) = (a−1 .a).b = b

Exemplo 2.1. Os seguintes exemplos são fundamentais para o conteúdo dos capı́tulos
a seguir;

1. Grupo dos Inteiros Z = {. . . , −n, . . . , −3, −2, −1, 0, 1, 2, 3, , . . . , n, . . . }


(Z, +) é um grupo abeliano infinito. A operação + : Z × Z → Z é a usual de soma
de números inteiros;

(n, m) → n + m.

2. Grupo dos Números Racionais (Q, +), dos Números Reais (R, +) e dos Números
Complexos (C, +) são grupos abelianos infinitos.

3. Grupos dos Inteiros Módulo n


(Zn , +) é um grupo abeliano finito com n elementos Zn = {0̄, 1̄, 2̄, . . . , n − 1}, onde
k̄ ≡ k mod(n). A operação + é definida da seguinte forma;

¯l + k̄ ≡ l + k mod(n).

4. (Zp , .), onde p é primo, é um grupo abeliano finito com p − 1 elementos.


A operação . : Zp × Zp → Zp é definida da seguinte maneira;

¯l.k̄ ≡ l.k mod(p).

5. Sejam Q∗ = Q−0, R∗ = R−0 e C∗ = C−0. Consideramos sobre estes subconjuntos


dos números reais a operação de multiplicação. Assim, (Q∗ , .), (R∗ , .) e (C∗ , .) são
grupos abelianos (multiplicativos)

6. Grupo Linear
Gln (R) = {A ∈ Mn (R) | det(A) 6= 0} é o grupo das matrizes n × n reais inversı́veis.
Se considerarmos a operação . : Gln (R) × Gln (R) → Gln (R) de multiplicação de
matrizes segue que (Gln (R), .) é um grupo não abeliano.

autor: Celso M Doria 16


CAPÍTULO 2. CONCEITOS BÁSICOS Celso M Doria

7. Grupo dos Complexos Unitários


Seja U1 = {eiθ | θ ∈ R} e considere . : U1 × U1 → U1 a operação induzida pela
multiplicação de números complexos, então U1 é um grupo abeliano.

8. Grupo das Rotações em R2


Uma rotação em R2 é uma transformação linear Rθ : R2 → R2 cuja matriz em
relação a base canonica de R2 é
 
cos(θ) −sen(θ)
Rθ =
sen(θ) cos(θ)

A multiplicação de matrizes de rotação satisfaz a identidade Rθ .Rω = Rθ+ω . Por


isto, o conjunto

SO2 = {Rθ | θ ∈ R}

munido com a operação de multiplicação de matrizes é um grupo abeliano. Segue


que SO2 e U1 sâo grupos isomorfos.

9. Grupo das Raı́zes Complexas da unidade.


i2kπ
Considere o conjunto Rn = {e n | k = 0, 1, . . . , n − 1} munido com a operação de
multiplicação de números complexos. Assim, (Rn , .) é um grupo abeliano.

10. Grupo de Rotação que deixa invariante um polı́gono regular de n lados

Zn = {I, R 2π , R 4π , . . . , R 2(n−1)π }
n n n

Figuras 21 e 22

11. Grupo de Reflexão sobre a reta determinada pelo eixo-x.


A transformação de reflexão sobre a reta do eixo-x é dada por rx : R2 → R2 ,
 
1 0
rx = , rx2 = I.
0 −1

O conjunto R = {I, rx } munido com a operação de multiplicação de matrizes é um


grupo.

12. Grupo Diedral do triângulo equilátero .


Seja 4ABC um triângulo equilátero. Uma transformação T : R2 → R2 é uma
simetria de 4ABC√se T (4) = 4. Considere √ que os vértices são os pontos A =
(1, 0), B = (−1/2, 3/2) C = (−1/2, − 3/2). Assim, é imediato que as rotações

autor: Celso M Doria 17


2.1. GRUPOS Celso M Doria

R 2π , R 4π e R 6π = I deixam invariante o triângulo eqüilátero 4ABC. O conjunto


3 3 3
{R 6π = I, R 2π , R 4π }, munido com a multiplicação de matrizes é um grupo isomorfo
3 3 3
a Z3 .

Figura 23

Além disto, as reflexões {rA , rB , rC } sobre as bissetrizes do 4ABC também pre-


servam o triângulo, mas não formam um grupo, pois

rA .rB = rB .rC = rC .rA = R 2π ,


3

Portanto, o conjunto de transformações

D3 = {I, R 2π , R 4π , rA , rB , rC }
3 3

munido com a multiplicação de matrizes é um grupo; o grupo de simetrias do


triângulo equilátero, também denominado de grupo diedral do triângulo.
13. Grupo Diedral do Quadrado.
Seja ABCD um quadrado com centro na origem. Considere dAC e dBD as diago-
nais do quadrado. Sejam M, N, P, Q os pontos médios de cada um dos lados e lM P
e lN Q as retas definidas pelos pares de pontos sobre lados opostos. Agora, con-
sidere as reflexões {rAC , rBD , rM P , rN Q } sobre cada umas das retas construı́das.
Desta forma, o grupo diedral do quadrado é

D4 = {I, R π2 , Rπ , R 3π , rAC , rBD , rM P , rN Q }


2

Figuras 24

14. Grupo Diedral do Triângulo.


Sejam {1, 2, 3} os vértices de um triângulo equilátero e sejam f : R2 → R2 as
transformações do plano que preservam o triângulo. Tais transformações são ob-
tidas a partir da rotação do triângulo e de reflexões sobre as retas bissetrizes. Por
exemplo, podemos representar a transformação f definida por f (1) = 2, f (2) = 3
e f (3) = 1 na forma
 
1 2 3
f= .
2 3 1

autor: Celso M Doria 18


CAPÍTULO 2. CONCEITOS BÁSICOS Celso M Doria

Decorre das simetrias da figura que as seguintes transformações preservam o triângulo;

           
1 2 3 1 2 3 1 2 3 1 2 3 1 2 3 1 2 3
D3 = , , , , ,
1 2 3 2 3 1 3 1 2 1 3 2 3 2 1 2 1 3

Ao considerarmos a composição das transformações como operação, o conjunto D3


torna-se um grupo.

15. Grupo Diedral do Quadrado.


Sejam 1, 2, 3, 4 os vértices do quadrado. Neste caso, as transformações que pre-
servam o quadrado são as rotações de 0o , 90o , 180o , 270o , as reflexões sobre as dia-
gonais e as reflexões sobre as retas paralelas aos lados que passam pelo centro do
quadrado. Assim, o grupo Diedral do Quadrado é

       
1 2 3 4 1 2 3 4 1 2 3 4 1 2 3 4
D4 = , , , ,
1 2 3 4 2 3 4 1 3 4 1 2 4 1 2 3
       
1 2 3 4 1 2 3 4 1 2 3 4 1 2 3 4
, , ,
1 4 3 2 3 2 1 4 2 1 4 3 4 3 2 1

16. Grupo das Permutações , ou Grupo Simétrico (Sn , ◦).


Consideramos In = {1, 2, . . . , n} e definimos o conjunto

Sn = {f : In → In | f é uma função bijetora}.

A operação de composição de funções ◦ : Sn × Sn → Sn , (g ◦ f )(x) = g(f (x)) sobre


Sn dá à Sn uma estrutura de grupo. Decorre que os grupos S3 e D3 são isomorfos,
porém isto é falso em geral, pois é fácil verificarmos que Dn ⊂ Sn . No caso n = 4,
o número de elementos de D4 é 8, enquanto o de S4 é 24.

17. Considere os grupos (G1 , ∗) e (G2 , ). O produto (G1 × G2 , .) é um grupo munido


com a operação

(g1 , g2 ).(g1, , g2, ) = (g1 ∗ g1, , g2 g2, )

18. Grupo Ortogonal de R3 .


Seja T : R3 → R3 uma transformação linear que preserve o produto interno eucli-
deano, isto é, < T (u), T (v) >=< u, v > para todo u, v ∈ R3 . Segue que,

< u, T t .T (v) >=< u, v > ⇒ T t .T = I.

autor: Celso M Doria 19


2.1. GRUPOS Celso M Doria

O conjunto destas transformações, denominadas transformações ortogonais e deno-


tado por O3 , formam um grupo munido com a multiplicação de matrizes. Para ve-
rificarmos a afirmação é suficiente observarmos que, para quaisquer transformações
ortogonais T, Q : R3 → R3 , decorre das identidades

(T.Q)t = Qt .T t , (T t )−1 = (T −1 )t

que o produto delas e as transformações inversas também são ortogonais. Assim,


O3 munido com a operação de multiplicação de matrizes é um grupo. A identidade
T t .T = I implica em | det(T ) |= 1; o conjunto das matrizes ortogonais especiais é

SO3 = {T : R3 → R3 | det(T ) = 1}, (2.1)

denominado grupo de rotações de R3 .

Exercı́cio 2.1. :

1. Mostre que os conjuntos acima, munidos com as operações descritas, são grupos.

2.1.1 Subgrupos
Definição 2.2. Seja (G, .) um grupo. Um subconjunto não vazio H de G é um subgrupo
de G (denotamos H < G) se, quando munido com a operação induzida de G, (H, .) é
um grupo. Equivalentemente, se as condições a seguir são satisfeitas;

1. e ∈ H;

2. se h1 , h2 ∈ H, então h1 .h−1
2 ∈ H.

Exemplo 2.2. :

1. Dado um grupo G, {e} e G são subgrupos (triviais);

2. (nZ, +) é um subgrupo de (Z, +);

3. {I, R 2π , R 4π } é um subgrupo de D3
3 3

4. {I, Rπ } e {I, R π2 , Rπ , R 3π } são subgrupos de D4 .


2

5. Sejam m, n, p ∈ N. Se m = np, então Dn < Dm ;

6. Seja G um grupo qualquer. O subconjunto

Z(G) = {x ∈ G | xg = gx, ∀g ∈ G}. (2.2)

é denominado o centro de G e Z(G) < G. Se G é abeliano, então Z(G) = G.

autor: Celso M Doria 20


CAPÍTULO 2. CONCEITOS BÁSICOS Celso M Doria

7. Se H e K são subgrupos de G, então H ∩ K é um subgrupo de G. De maneira mais


T ı́ndices tal que, para cada ı́ndice α ∈ Λ, Hα é um
geral, seja Λ um conjunto de
subgrupo de G, então H = α∈Λ Hα é um subgrupo de G.

8. Seja G um grupo qualquer e g ∈ G. O normalizador de g é o subgrupo

N (g) = {h ∈ G | g.h = h.g}. (2.3)

Cada elemento g ∈ G gera um subgrupo, a saber

< g >= {I, g,2 , g 3 , . . . , g n , . . . , }.

Definição 2.3. Se g ∈ G, o grupo < g > é denominado subgrupo cı́clico gerado por g.
Se G =< g >, para algum g ∈ G, dizemos que G é um grupo cı́clico.

O conceito de grupo cı́clico pode ser estendido para um subconjunto S ⊂ G; sejam


S = {g1 , . . . , gn } e

< S >= {x1 .x2 .x3 . . . . .xn | xi ∈ S ou x−1


i ∈ S}

Dizemos que < S > é o subgrupo de G gerado por S. Caso G =< S >, então G é gerado
por S e os elementos de S são os geradores de G. Caso o conjunto S seja finito, o grupo
G é dito ser finitamente gerado.

Definição 2.4. Seja G um grupo. O subgrupo

[G, G] =< xyx−1 y −1 | x, y ∈ G > (2.4)


é denominado subgrupo dos comutadores de G. Se G é abeliano, então [G, G] = {e}.

Exercı́cio 2.2. :

1. Dê exemplos de subgrupos de (Z, +).

2. Dê exemplos de subgrupos de (Zm , +).

3. Dê exemplos de subgrupos de SO2 .

4. Mostre que um subconjunto H de G é um subgrupo, se as seguintes condições são


verdadeiras;

(a) ∀h1 , h2 ∈ H, temos que h1 .h2 ∈ H;


(b) ∀h ∈ H, temos que h−1 ∈ H.

5. Determine quando o grupo (Zm , +) é cı́clico.

autor: Celso M Doria 21


2.1. GRUPOS Celso M Doria

6. Calcule o centro e o subgrupo dos comutadores dos grupos (Z, +), S3 e D4 .

7. Seja G um grupo abeliano e o considere o subconjunto

T (G) = {g ∈ G | o(g) < ∞}. (2.5)

Mostre que T (G) é um subgrupo de G, denominado subgrupo de Torção de G.

2.1.2 Classes Laterais e Teorema de Lagrange


Definição 2.5. A ordem de um grupo G é o número de elementos em G e a denotamos
por o(G) ou por | G |. A ordem de um elemento g ∈ G é a ordem do grupo < g >.

Seja G um grupo e H um subgrupo de G. Sobre G consideramos a seguinte relação


de equivalência;

g1 ∼ g2 ⇔ g1−1 .g2 ∈ H, (2.6)

O conjunto gH = {g , ∈ G | g ∼ g , } é denominado a classe lateral à esquerda de g. Segue


da definição que x ∼ y se, e somente se, xH = yH.
A cardinalidade do conjunto das classes laterias à esquerda se chama ı́ndice de H em
G e é denotado por | G : H |.

Teorema 2.1. (Teorema de Lagrange) Seja G um grupo finito e H um subgrupo de G.


Então o(G) = o(H). | G : H |; consequentemente, a ordem e o ı́ndice de um subgrupo
dividem a ordem do grupo.

Demonstração. Fixemos g0 ∈ G − H. Devido ao fato de G ser um grupo, a função


H → g0 H definida por h 7→ g0 h é uma bijeção. Portanto, o número de elementos em
g0 H é igual a H, ou seja, igual à o(H). Considerando que o número de classes laterais
à esquerda de H é | G : H |, segue a afirmação.

Um caso relevante para a teoria de grupos e suas aplicações é o caso quando o


conjunto G/H = {g.H | g ∈ G}, das classes laterais de um subgrupo H < G, possuiu
herda a estrutura de grupo de G. É fácil verificarmos que isto nem sempre acontece.

Definição 2.6. Um subgrupo N de G é Normal se, para todo g ∈ G, temos que gN g −1 ⊂


N . Neste caso, denotamos N / G.

Proposição 2.2. Seja N um subgrupo normal de G. Então o conjunto G/N com a


operação induzida de G é um grupo

Nem sempre um subgrupo é normal, no entanto, é possı́vel normalizá-lo introduzindo o


seguinte conceito:

autor: Celso M Doria 22


CAPÍTULO 2. CONCEITOS BÁSICOS Celso M Doria

Definição 2.7. Seja G um grupo qualquer e H subgrupo de G. O normalizador de H


em G é o subgrupo

N (H) = {g ∈ G | ghg −1 ∈ H, ∀h ∈ H}

H é o maior subgrupo normal de N (H).

Exercı́cio 2.3. :

1. Defina classe lateral à direita. Mostre que há uma bijeção (explicite-a) entre os
conjunto das classes laterais a esquerda e à direita.

2. Mostre que se p ∈ Z é primo , então

ap−1 ≡ 1 mod(p), ∀a ∈ Z − pZ.

3. Mostre que se G é um grupo finito cuja ordem é um número primo, então g é


cı́clico.

4. Em D4 , se considerarmos H = {I, rd }, onde rd é a reflexão sobre uma diagonal,


mostre que H.R π2 6= R π2 .H.

5. Prove a proposição 2.2.

6. Mostre que um subgrupo N de G é normal se, e somente se, ∀g ∈ G temos que


gN g −1 = N

7. Mostre que [G, G] / G e G/[G, G] é um grupo abeliano.

8. Mostre que Z(G) / G

2.1.3 Homomorfismos de Grupos


A principal questão na teoria de grupo é o problema de classificação dos grupos.
Para isto, o conceito mais fundamental é o de homomorfismo;

Definição 2.8. Sejam G e H grupos. Um homomorfismo de G em H é uma função


φ : G → H tal que

φ(g1 .g2 ) = φ(g1 ).φ(g2 ). (2.7)

Exemplo 2.3. As aplicações a seguir são todas exemplos de homomorfismos;

1. φ : G → G, φ(g) = g (φ = idG ).

2. φ : G → H, φ(g) = eH .

autor: Celso M Doria 23


2.1. GRUPOS Celso M Doria

3. Seja n ∈ Z fixo. Então, φm : (Zn , +) → (Zn , +) definido por φ(x) = m̄x ≡ mx


mod(n) é um homomorfismo.

4. Seja g ∈ G fixo e φ : G → G definido por φ(x) = gxg −1 (conjugação por g).

5. Seja H / G, então φ : G → G/H, definido por φ(g) = gH é um homorfismo


denominado projeção canônica.

Proposição 2.3. Sejam G e H grupos e φ : G → H um homomorfismo. O núcleo de φ


é o conjunto

Ker(φ) = {x ∈ G | φ(x) = eH }. (2.8)


Então, Ker(φ) / G.

Demonstração. Sejam h ∈ Ker(φ) e g ∈ G, portanto,

φ(ghg −1 ) = φ(g)φ(h)φ(g)−1 = φ(g)φ(g)−1 = e ⇒ ghg −1 ∈ Ker(φ)

Definição 2.9. Sejam G e H grupos e φ : G → H um homomorfismo. Dizemos que;

1. φ é um isomorfismo se φ é invertı́vel, isto é, existe um homomorfismo ψ : H → G


tal que φ ◦ ψ = idH e ψ ◦ φ = idG

2. φ é um monomorfismo se φ for injetor, ou equivalentemente, se Ker(φ) = {e}).

3. φ é um epimorfismo se φ for sobrejetor, ou seja, φ(G) = H.

O núcleo de um homomorfismo sendo um subgrupo normal torna o seguinte resultado


fundamental para compararmos grupos;

Teorema 2.2. Seja φ : G → H um homomorfismo entre grupos. Se φ é um epimorfismo,


então
iso
H ' G/Ker(φ). (2.9)

Exercı́cio 2.4. Sejam G e H grupos e φ : G → H um homomorfismo;

1. Mostre que o conjunto Im(φ) = {y ∈ H | y = φ(g), para algum g ∈ G} é um


subgrupo de H.

2. Se N é um subgrupo de G, então φ(N ) é um subgrupo de H e φ−1 (φ(H)) =


N.(Ker(φ)).

3. Se J < H, então φ−1 (J) < G e φ(φ−1 (J)) = J ∩ Im(φ).

4. Mostre que SO2 é isomorfo à U1 .

autor: Celso M Doria 24


CAPÍTULO 2. CONCEITOS BÁSICOS Celso M Doria

5. Mostre que o grupo de simetrias do triângulo equilátero gerado pela rotação R 2π


3
é isomorfo à Z3 .

6. Mostre que o grupo Rn das raı́zes enésimas da unidade é isomorfo à (Zn , +).

7. Se p ∈ Z é primo, mostre que (Zp , .) é isomorfo à (Zp−1 , +).

8. Prove o teorema 2.2.

2.2 Métricas Riemannina


Na presente abordagem da geometria, a estrutura essencial é o de métrica rieman-
niana. Munidos com uma métrica nós podemos determinar o comprimento de curvas, a
área de regiões e definir ângulos. Antes de dar a definição de uma métrica riemanniana
vejamos como isto funciona em R2 . Em R2 , o produto interno euclideano é definido da
seguinte maneira: sejam u = (u1 , u2 ) e v = (v1 , v2 ), então

< u, v >= u1 v1 + u2 v2 (2.1)

Desta forma, o produto interno acima define uma aplicação < ., . >: R2 × R2 → R
satisfazendo as seguintes propriedades:

1. (bilinearidade) Para quaisquer a1 , a2 ∈ R e u, v, w ∈ R2

< a1 u + a2 v, w >= a1 < u, w > +a2 < v, w >

2. (simetria) para todo u, v ∈ R2 , < u, v >=< v, u >.

3. (positividade) para qualquer u ∈ R2 , < u, u >≥ 0, e < u, u >= 0 ⇔ u = 0.

Definição 2.10. A norma induzida pelo produto interno em R2 é a função || . ||: R2 → R


definida pela expressão

| u |= < u, u > (2.2)

Ao fixarmos a base canonica em R2 , a representação matricial do produto interno eucli-


deano 2.1 é
  
 1 0 y1
< u, v >= x1 x2 . (2.3)
0 1 y2
A medida do ângulo entre os vetores u e v é definida como sendo o número real θ tal
que

autor: Celso M Doria 25


2.2. MÉTRICAS RIEMANNINA Celso M Doria

< u, v >
θ = arcos( ). (2.4)
|u|.|v|
Vamos verificar que o valor de θ esta bem definido;

Proposição 2.4. (Desigualdade de Cauchy-Schwartz) Sejam u, v ∈ R2 vetores não nu-


los, então
< u, v >
−1 ≤ ≤ 1.
|u|.|v|
Demonstração. Considere o vetor w(t) = u + tv, onde t ∈ R. Assim, a inequação

0 ≤ | w(t) |2 =| v |2 t2 + 2 < u, v > t+ | v |2

é satisfeita para todo t ∈ R. Sendo assim, a equação do 2o -grau em t tem discriminante


negativo, isto é,
< u, v >
< u, v >2 − | u |2 . | v |2 ≤ 0 ⇔ −1 ≤ ≤ 1.
|u|.|v|

Pela continuidade da função cos(x), existe θ ∈ [0, π] tal que

< u, v >=| u | . | v | cos(θ), ](u, v) = θ.

Além disto, a função cos : [0, π] → R é invertı́vel neste intervalo. Portanto, o ângulo
entre os vetores u e v esta bem definido.
Vejamos agora como aplicar o conceito de produto interno para determinarmos o
comprimento de uma curva γ : [0, 1] → R2 . Façamos uma regressão ao cálculo: seja
γ : [a, b] → R2 γ(t) = (x(t), y(t)) uma curva diferenciável e

Pn = {a = t0 , . . . , tk , . . . , tn = b}

uma partição do intervalo [a, b] tal que

b−a
4t = tk+1 − tk = e ξk ∈ [tk , tk+1 ].
n
O comprimento aproximado de γ, restrita ao intervalo [tk , tk+1 ], é
0
4s =| γ(tk+1 ) − γ(tk ) |=| γ (ξk ) | .4t,
0 p
onde | γ (ξk ) |= < γ , (ξk ), γ , (ξk ) > e 4t = tk+1 − tk , 1 ≤ k ≤ n. Desta forma, o
comprimento da curva γ é dado por
0
L(γ) = lim | γ (ξk ) | .4t.
n→∞

autor: Celso M Doria 26


CAPÍTULO 2. CONCEITOS BÁSICOS Celso M Doria

Segue da teoria de integração que


Z b
0
L(γ) = | γ (t) | dt.
a
0
Na expressão acima, o termo | γ (t) | é definido ao tomarmos a norma do produto interno.

Definição 2.11. O comprimento de uma curva diferenciável γ : [0, 1] → R2 é dado por


Z 1
0
L(γ) = | γ (t) | dt. (2.5)
0

Analisando o formalismo necessário para a definição do comprimento de uma curva,


observamos a necessidade de termos uma norma. No entanto, existem diversos produtos
internos e, por isto, diversas normas. Como o comprimento da curva depende da norma
utilizada, concluı́mos que para cada norma haverá um valor do comprimento da mesma
curva. Vejamos como generalizar o conceito de produto interno: consideramos a matriz
 
g11 g12
g= ,
g12 g22

onde g11 > 0, g22 > 0 e det(g) > 0. Desta forma, g define um produto interno através
da expressão
 
g g
g(u, v) = ut . 11 12 .v =< u, g.v > (2.6)
g21 g22

A matriz g sendo simétrica é diagonalizável. Devido à positividade, os autovalores λ da


matriz g são positivos, pois se u 6= 0 é um auto-vetor,

g.u = λu ⇒ g(u, u) = λ. | u |2 > 0 ⇒ λ > 0.

Analogamente,
p associamos ao produto interno g : R2 × R2 → R a norma | . |g : R2 → R,
| u |g = g(u, u).

Proposição 2.5. (Desigualdade de Cauchy-Schwartz) Seja g uma matriz simétrica po-


sitiva definida. Então, para todos u e v

| g(u, v) |≤| u |g . | v |g

Demonstração. Análoga à da proposição 2.4.

Decorre da desigualdade de Cauchy-Schwartz que

g(u, v)
−1 ≤ ≤ 1.
| u |g . | v |g
Como a função arcos : [−1, 1] → [0, π] é contı́nua, existe θ tal que

autor: Celso M Doria 27


2.2. MÉTRICAS RIEMANNINA Celso M Doria

g(u, v)
cos(θ) = . (2.7)
| u |g . | v |g

Desta maneira, o conceito de ângulo em R2 decorre do conceito de métrica.


A seguir, vamos introduzir o conceito de plano tangente, fundamental para estudar-
mos geometrias não-euclideanas.

Definição 2.12. Dado um ponto p ∈ R2 , o plano tangente ao R2 em p, denotado por


Tp R2 é o conjunto dos vetores v ∈ R2 tais que existe uma curva γ : (−, ) → R2 cujas
condições iniciais são γ(0) = p e γ , (0) = v, isto é,

Tp R2 = {v ∈ R2 | ∃γ : (−, ) → R2 , γ(0) = p, γ , (0) = v}. (2.8)

Definição 2.13. Uma métrica riemanniana sobre o R2 é uma aplicação que para cada
p ∈ R2 associa um produto interno g(p) : Tp R2 × Tp R2 → R

g(u, u)p =< u, g(p).v > . (2.9)


cuja dependência em relação à p é diferenciável.

Exemplo 2.4. Seja p = (x, y);

1. métrica euclidena
 
1 0
g(x,y) (u, v) =< u, v >, g(x,y) =
0 1

u = (u1 , u2 )
⇒ < u, v >= u1 .v1 + u2 .v2
v = (v1 , v2 )

2. métrica hiperbólica.
!
1
1 y2
0
g(x,y) (u, v) = 2 < u, v >, g(x, y) = 1
y 0 y2

Vejamos que no caso da métrica hiperbólica, o comprimento do vetor depende do


ponto;

u = (1, 1) 1
ex: p = (1, 10), ⇒ g(1,10) (u, v) =
v = (1, 0) 100

1 u = (1, 1)
ex: p = (1, ), ⇒ g(1, 1 ) (u, v) = 100
10 v = (1, 0) 10

autor: Celso M Doria 28


CAPÍTULO 2. CONCEITOS BÁSICOS Celso M Doria

3. métrica esférica.
Um ponto p ∈ S 2 é descrito em coordenadas esféricas por p = (θ, φ) ∈ [0, 2π]×[0, π].

sen2 (φ) 0
 
2
g(θ,φ) (u, v) = sen (φ)u1 v1 + u2 v2 , g(x, y) =
0 1

Definição 2.14. Seja g uma métrica riemanniana definida em R2 ;

1. Seja γ : [0, 1] → R2 uma curva diferenciável. O comprimento de γ é dado por

Z 1p
L(γ) = g(γ , (t), γ , (t))dt. (2.10)
0

2. A área de uma região Ω ⊂ R2 é dada por

Z p
A(Ω) = det(g)dxdy. (2.11)

Exemplo 2.5. Considere a métrica hiperbólica sobre o R2 .

1. Seja γ : [, 1] → R2 a reta dada por γ(t) = (t, at) (figura ??). Assim, γ , (t) = (1, a)
e

1 + a2 1
g(γ , (t), γ , (t))γ(t) = .
a2 t2

da onde temos que o comprimento é

r r
1
1 + a2 dt 1 + a2
Z  
1
L(γ) = . = .ln .
 a2 t a2 

Consequentemente, quanto mais próximo do eixo-x estiver o ponto γ() maior será
o comprimento de γ.

Figuras 25 e 26

autor: Celso M Doria 29


2.2. MÉTRICAS RIEMANNINA Celso M Doria

2. A parametrização do cı́rculo com centro em (a, b) e raio R (figura ??), sendo que
R < b, é γ(θ) = (Rcos(θ) + a, Rsen(θ) + b), t0 = 0 e t1 = 2π. Assim,

γ , (t) = R(−sen(θ), cos(θ))

Z 2π
R.dθ 2πR
L(γ) = =√ .
0 b + Rsen(θ) b2 − R2
Casos limite,

(a) limb→∞ L(γ) = 0.


(b) limR→b L(γ) = ∞.

(c) b = 0 ⇒ L(γ) = 0 cossec(θ)dθ = ∞.

3. O elemento de área associado a métrica hiperbólica é

p 1
dA = det(g) = 2 dxdy.
y

Portanto, a área de uma região Ω ⊂ H2 é


Z Z
1
A(Ω) = dxdy
Ω y2

Sejam α e β ângulos fixos. Na figura ??, consideramos a região (gomo hiperbólico)

p
Ωαβ = {(x, y) ∈ H2 | R.cos(π − β) ≤ x ≤ R.cos(α), R2 − x2 ≤ y ≤ ∞},

Figura 27

Z R.cos(α) Z ∞
1
A(Ωαβ ) = √ dydx =
R.cos(π−β) R2 −x2 y2
ZR.cos(α)
1 x
R.cos(α)
= √ dx = −arcos |R.cos(π−β) = π − (α + β).
R.cos(π−β)
2
R −x 2 R

autor: Celso M Doria 30


CAPÍTULO 2. CONCEITOS BÁSICOS Celso M Doria

Definição 2.15. Sejam p, q ∈ R2 e Ω(p, q) = {δ : [0, 1] → R2 | δ(0) = p, δ(1) = q} o


espaço das curvas contı́nuas ligando p à q. Uma geodésica ligando p a q é uma curva
γ ∈ Ω(p, q) tal que

L(γ) = min L(δ) (2.12)


δ∈Ω(p,q)

No R2 munido com a métrica euclideana, a menor distância entre os pontos p e q é


realizado pelo segmento de reta conectando-os cujo comprimento define a distância eu-
clideana de p à q. Caso a métrica não seja a euclideana a segmento de reta pode não
ser o menor caminho de p à q. O conceito de reta será substituı́do pelo conceito de
geodésica, mas antes vejamos o seguinte;

Definição 2.16. A função distância d : R2 × R2 → R é dada por

d(p, q) = min L(δ). (2.13)


δ∈Ω(p,q)

Em decorrência da definição, a função distância satisfaz as seguintes propriedades;

1. (positividade) d(p, q) ≥ 0, e d(p, q) = 0 ⇔ p = q.

2. (simetria) d(p, q) = d(q, p).

3. (desigualdade triangular) Para quaisquer p, q e r em R2 ,

d(p, q) ≤ d(p, r) + d(r, q).

Para qualquer  ∈ R, a função distância nos permite definir vizinhanças de um ponto


qualquer. A bola abertas com centro em p e raio  é o subconjunto

B (p) = {q ∈ R2 | d(p, q) < }.

As bolas abertas formam uma base para a topologia de R2 .


A métrica hiperbólica não esta bem definida para os pontos pertencentes ao eixo-x
(y = 0). Este tipo de situação implica em dificuldades técnicas, como por exemplo no
cálculo de distâncias. Sendo assim, temos a seguinte definição;

Definição 2.17. Uma métrica é completa sobre uma região Ω ⊂ R2 se para quaisquer
par de pontos x, y ∈ Ω existe uma geodésica ligando p à q e a distância d(p, q) é finita.

No que segue, estaremos sempre trabalhando com métricas completas e, por isto,
faremos menção apenas ao termo métrica. Chamamos a atenção para o fato de que
definimos a métrica riemanniana e a métrica que nada mais é do que a função distância.

autor: Celso M Doria 31


2.2. MÉTRICAS RIEMANNINA Celso M Doria

2.2.1 Grupo de Isometria


Definição 2.18. Seja Ω ⊂ R2 e g uma métrica riemanniana definida sobre Ω;

1. Uma isometria de (Ω, g) é um difeomorfismo f : Ω → Ω tal que, para todo x ∈ Ω


e u, v ∈ Tx Ω,

g(dfx .u, dfx .v)f (x) = g(u, v)x (f ∗ g = g) (2.14)

2. O Grupo de Isometria de (Ω, g) é o conjunto

Isomg (Ω) = {f : Ω → Ω | f ∈ Dif (Ω), f ∗ g = g} (2.15)

Exemplo 2.6. Considere a aplicação definida pela rotação Rθ : E2 → E2 . Para cada


x ∈ E2 , a aplicaç ao linear (dRθ )x : Tx E2 → TRθ (x) E2 é (dRθ )x = Rθ . Como a métrica é
a euclidena, para todo x ∈ E2 e u, v ∈ Tx E2 , temos que

gx ((dRθ )x .u, (dRθ )x .v >=< Rθ .u, Rθ .v >=< u, v >= g(u, v).

Exercı́cio 2.5. Seja g uma métrica definida em Ω ⊂ R2 e f ∈ Isomg (Ω). Mostre que;

1. df t .g(f (p)).df = g(p).

2. Se γ : [0, 1] → E2 é uma curva diferenciável, então L(f (γ)) = L(γ).

3. Se Ω ⊂ E2 é uma região compacta e f (Ω) é a sua imagem, então A(f (Ω)) = A(Ω).

Comentário 1. Considerando que geometria significa medir a terra, foi visto que para
medirmos precisamos do espaço (terra) e do conceito de medição introduzido através da
métrica riemanniana. Portanto, geometria significa um par (Ω, g), onde Ω é um espaço
e g é uma métrica riemanniana definida sobre Ω.
Na geometria (Ω, g) o conceito de reta é extendido para o conceito de geodésica.
Portanto, as implicações dos Axiomas de Euclides não poderão mais serem aplicadas.
Por exemplo, o Axioma das Paralelas será modificado de acordo com a natureza das
geodésicas induzidas pela métrica. Nos capı́tulos subsequentes, mostraremos que na
geometria esférica um ponto p não pertencente a uma geodésica l não passa nenhuma
geodésica paralela à l, enquanto na geometria hiperbólica passam infinitas. Portanto, o
mistério a respeito do 5o Axioma de Euclides está desvendado.

autor: Celso M Doria 32


CAPÍTULO 2. CONCEITOS BÁSICOS Celso M Doria

2.2.2 Aplicações Conformes


Se relaxarmos um pouco a definição de isometria e exigirmos que apenas ângulos
sejam preservados, então temos o seguinte conceito;

Definição 2.19. Seja Ω ⊂ R2 e g uma métrica riemanniana definida sobre Ω;

1. Uma transformação conforme é um difeomorfismo f : Ω → Ω satisfazendo a se-


guinte condição: para todo x ∈ Ω e u, v ∈ Tx Ω, existe uma função λ : Ω → R+ ,
C ∞ , tal que

g(dfx .u, dfx .v)f (x) = λ(x).g(u, v)x (f ∗ g = λ.g) (2.16)

2. O Grupo Conforme de (Ω, g) é o conjunto

Cg (Ω) = {f : Ω → Ω | f ∈ Dif (Ω), λ : Ω → R+ , f ∗ g = λ.g} (2.17)

Exemplo 2.7. .

1. Sejam λ > 0 e b ∈ R2 . A transformação fλ,b : R2 → R2 , f (x) = λ.x + b é conforme.

2. A projeção estereográfica πe : S 2 − {N } → R2 ,

x y
πeN (x, y, z) = ( , ). (2.18)
1−z 1−z

é conforme.

3. Qualquer função holomorfa f : C → C é conforme. As anti-holomorfas também


são conformes, porém, elas mudam a orientação.

2.3 Ações de Grupos


Sejam Ω um subconjunto de Rn e G um grupo.

Definição 2.20. Uma ação à esquerda de G sobre Ω é uma aplicação diferenciável


α : G × Ω → Ω, satisfazendo as seguintes condições;

1. α(e, x) = x para todo x ∈ X;

2. α(g, α(h, x)) = α(gh, x) para todos g, h ∈ G e x ∈ X

autor: Celso M Doria 33


2.3. AÇÕES DE GRUPOS Celso M Doria

Analogamente, podemos definir uma ação à direita α : Ω×G → Ω. A ação α : G×Ω → Ω


induz as aplicações

αg :Ω → Ω, αg (x) = α(g, x) (2.1)


αx :G → Ω, αx (g) = α(g, x) (2.2)

Decorre da definição que, para cada g ∈ G, a aplicação αg é um difeomorfismo; caso


contrário, se existem x, y ∈ Ω tais que α(g, x) = α(g, y), então

α(g −1 , α(g, x)) = α(g −1 , α(g, y)) ⇒


α(g −1 g, x) = α(g −1 g, y) ⇒
α(e, x) = α(e, y) ⇒ x = y.

Notação. Por simplicidade, utilizaremos a notação g.x = α(g, x).

Exemplo 2.8. Os itens a seguir são exemplos de ações;


1. Ação Linear de GL2 (R) sobre R2 .
Esta é a ação fundamental, pois quase todas os outros exemplos que apresentaremos
decorrem deste exemplo. Considere α : GL2 (R) × R2 → R2 definida por

α(A, v) = A.v (multiplicação de vetor por matriz).

É imediato verificar que;

(a) α(I, v) = v;
(b) α(B, α(A, v)) = B.(A.v) = (BA).V = α(BA, v).

Todo subgrupo de GL2 (R) age sobre R?2 tomando simplesmente a restrição.

2. Ação de SO2 sobre R2 .


Considere α : SO2 × R2 → R2 definida por α(Rθ , v) = Rθ .v (multiplicação de vetor
por matriz).

3. Ação de U1 sobre S 1 .
Considere α : U1 ×S 1 → S 1 definida por α(eiθ , z) = eiθ .z (multiplicação de números
complexos).

4. Ação do grupo dihedral D3 sobre um triângulo equilátero.


Um triângulo com vértices nos pontos P1 , P2 e P3 é definido por

4 = {a1 P1 + a2 P2 + a3 P3 | a1 + a2 + a3 = 1}. (2.3)

autor: Celso M Doria 34


CAPÍTULO 2. CONCEITOS BÁSICOS Celso M Doria

Se g ∈ D3 , vimos que podemos representá-lo por uma matriz obtida pelo produto
de matrizes ortogonais com matrizes de reflexão. Assim, a ação é definida pelo
produto matricial sobre vetores em R2 . Uma vez que g(Pi ) = Pj , segue que
g(4) = 4.

5. Ação de SO2 sobre S 2 .


Considere α : SO2 × S 2 → S 2 definida por
 
Rθ 0
α(Rθ , v) = .v (multiplicação de vetor por matriz)
0 1

6. Ação de D3 sobre S 2 .
 
g 0
Seja g ∈ D3 ⊂ M2 (R) e considere a matriz ∈ M3 (R).
0 1

7. Ação de Z sobre R2 .
Seja α : Z × R2 → R2 , α(n, (x, y)) = n.(x, y) = (x + n, y). Claramente, seguem as
identidades 0.(x, y) = (x, y) e n.(m.(x, y)) = (n + m).(x, y)

8. Neste exemplo, uma EDO em R2 gera uma ação do grupo R sobre o R2 . Chamamos
a atenção para o fato do grupo R ser não compacto. Considere o sistema linear de
EDO
 ,    
x 0 1 x
, = . (2.4)
y 1 0 y

Obter uma solução para o sistema 2.4 sujeito a condição inicial (x(0), y(0)) =
(x0 , y0 ) é equivalente a resolver o sistema 2.5 abaixo
   t   
x(t) e 0 x
= −t . 0 (2.5)
y(t) 0 e y0

Assim, obtemos a ação α : R × R2 → R2 definida por


 
x
α(t, (x0 , y0 )) = e . 0
At
y0

9. Agora, veremos o caso geral de uma ação de R sobre R2 definida por um Sistema
Dinâmico. Seja f : R2 → R2 um campo vetorial C ∞ e considere a equação

0
Y = f (Y ).

Uma solução para a equação acima, com condição inicial em x0 ∈ R2 , é uma


aplicação γ : (−, ) → R2 tal que

autor: Celso M Doria 35


2.3. AÇÕES DE GRUPOS Celso M Doria

γ , (t) = f (γ(t)), γ(0) = x0

Para cada x ∈ R2 existe uma única solução γ(t) com γ(0) = x definida sobre
um intervalo maximal J(x) ⊂ R. Para indicarmos a dependência de γ(t) sobre
x, escrevemos γ(t) = γ(x, t), da onde γ(x, 0) = x0 . Seja Ω ⊂ R × R2 o seguinte
conjunto

Ω = {(x, t) ∈ R2 × R | t ∈ J(x)}

Desta forma, a aplicação γ : Ω → R2 , onde γt (x) = γ(x, t), satisfaz a seguinte


propriedade;

γs+t (x) = γs (γt (x)).

Isto caracteriza a ação induzida de R sobre R2 . Para demonstrarmos a identidade


acima, vejamos o seguinte; suponhamos que t, s são positivos e γs (γt (x)) está
definido. Isto significa que t ∈ J(x) e s ∈ J(γt (x)). Suponhamos que J(x) = (a, b)
e a < t < b, vamos mostrar que s + t < b. Defina δ : (a, s + t) → R2 por
(
γ(x, r), se a < r ≤ t,
δ(r) =
γ(γt (x), r − t), se t ≤ r ≤ t + s.

Então δ é uma solução e δ(0) = x. Consequentemente, s + t ∈ J(x) e, devido a


unicidade da solução,

δs+t (x) = δ(s + t) = δs (δt (x))

O caso quando a e b são negativos é tratado de maneira análoga.

10. Seja X um espaço topológico compacto e X̃ o recobrimento universal de X. Há


uma ação do grupo fundamental π1 (X) sobre o recobrimento X̃ (consultar [16],
Cap 5).

De uma forma geral, uma ação é um objeto bastante complicado para ser estudado,
por isto, consideraremos apenas algumas classes especiais de ações.

Definição 2.21. . Seja G um grupo, Ω um espaço topológico e α : G × Ω → Ω uma


ação;

1. A ação α é livre se g.x 6= x para quaisquer g 6= e ∈ G e x ∈ Ω.

2. A ação é transitiva se, para quaisquer x, y ∈ Ω, existe g ∈ G tal que y = g.x

No estudo de ações alguns conjuntos são fundamentais;

autor: Celso M Doria 36


CAPÍTULO 2. CONCEITOS BÁSICOS Celso M Doria

Definição 2.22. .

1. A órbita de um elemento x ∈ Ω é o conjunto

Ox = {g.x | g ∈ G} (2.6)

2. Em Ω, consideramos a relação de equivalência

y ∼ x ⇔ ∃g ∈ G tal que y = g.x,

ou seja, y ∈ Ox . Assim como no caso de grupo, podemos considerar o espaço


quociente Ω/G (ou espaço das órbitas)

Ω/G = {Ox | x ∈ Ω} (2.7)

Definimos sobre Ω/G a topologia quociente, de tal forma que a projeção π : X →


X/G, definida por π(x) = Ox , seja contı́nua.

A órbita de x ∈ Ω depende da dinâmica do ponto x quando deslocado pela ação.


Quando a ação é livre x desloca-se para todo g ∈ G, porém, isto não ocorre quando a
ação não é livre, motivando a definição dos seguintes conjuntos;

1. O conjunto dos pontos fixos da aplicação αg : X → Ω, induzida pela ação α :


G × Ω → Ω, é

F ix(g) = {x ∈ Ω | g.x = x}, (2.8)

e o conjunto dos pontos fixos da ação é

[
F ixα (Ω) = F ix(g) (2.9)
g∈G

2. O subgrupo de isotropia de um elemento x ∈ Ω é o grupo

Gx = {g ∈ G | g.x = x} (2.10)

Exemplo 2.9. Nos itens a seguir apresentamos algumas ações e descrevemos os conjun-
tos fundamentais;

autor: Celso M Doria 37


2.3. AÇÕES DE GRUPOS Celso M Doria

1. Ação de Zn = {I, R 2π , . . . , R 2(n−1)π } sobre R2 .


n n

Neste caso, temos que

F ix(g) = {0}, F ixα (R2 ) = {0}.

Os grupos de isotropia são Gx = {0}, se x 6= 0, e gx = Zn , se x = 0.

2. Ação de SO3 sobre S 2 .


Uma vez que todo elemento g ∈ SO3 fixa uma reta l passando pela origem em R3 ,
segue que F ix(g) = {Ng , Sg } = l ∩ S 2 . Desta forma, F ixα (S 2 ) = S 2 e para todo
g ∈ SO3 segue que Gx é isomorfo à O2 < SO3 .

3. Ação de D3 sobre um triângulo equilátero; α : D3 × 4 → 4.


Neste caso, se os vértices são P1 , P2 , P3 e os pontos médios dos lados são M, N, Q, é
fácil verificar que F ixα (4) = {P1 , P2 , P3 , M, N, Q}. Além disto, se x ∈ {P1 , P2 , P3 , M, N, Q},
então Gx é isomorfo à Z2 , enquanto se x ∈ / {P1 , P2 , P3 , M, N, Q} então Gx = {I}.

Assim, temos que;

1. A ação é livre ⇔ para todo x ∈ X temos que Gx = {e}.

2. A ação é transitiva ⇔ se existe x ∈ X tal que Ox = X.

Os grupos de isotropia apresentam dificuldades para o estudo de uma ação. Há


exemplos de ações onde os subgrupos de isotropia são todos isomorfos, caso da ação
de SO3 sobre S 2 . Quando os grupos de isotropia tem estrutura de grupo distintas, as
órbitas são espaços topológicos distintos (não-homeomorfos) e, por conseguinte, o espaço
quociente torna-se um espaço de difı́cil descrição por não herdar algumas das estruturas
sobre Ω.

Exemplo 2.10. Determinar Ox , Gx e F ixα (Ω) e Ω/G para cada uma das ações abaixo:

1. Ação de SO2 sobre R2

2. Ação de Zn sobre S 1

3. Ação de SO2 sobre S 2

4. Ação de D3 sobre um triângulo equilátero.

5. Ação de D3 sobre S 2

6. Ação de SO3 sobre S 2

autor: Celso M Doria 38


CAPÍTULO 2. CONCEITOS BÁSICOS Celso M Doria

7. Considere a ação α : R × R2 → R2 induzida pelo sistema linear de EDO


 ,    
x 0 1 x
= .
y, 1 0 y

Agora, vamos definir a categoria de ações que são importantes para a demonstração
do teorema ??.

Definição 2.23. A ação de G sobre Ω é propriamente descontı́nua se para todo compacto


K ⊂ Ω,

{g ∈ G | g.K ∩ K 6= ∅} é finito.

Proposição 2.6. Suponha que G age descontinuamente sobre Ω, então

1. Todo subgrupo de G age descontinuamente sobre Ω.

2. Se φ : Ω → Y é um difeomorfismo, então φGφ−1 age descontinuamente sobre Y.

3. Se Y é um subconjunto G-invariante de Ω, então G age descontinuamente sobre


Y.

4. Se x ∈ Ω e se g1 , g2 , . . . são elementos distintos de G, então a sequência {g1 (x), g2 (x), . . . }


não é convergente.

5. Se Ω ∈ Ω, então o subgrupo de isotropia Gx é finito.

6. Se Ω ⊂ Rn , então G é enumerável.

7. Se Ω ⊂ Rn , então F ixα (Ω) é enumerável.

Demonstração. Todo os itens 1-5 são imediatos.


6. Se Ω é compacto, então é imediato que G é finito. Consideremos o caso quando Ω não
é compacto, e suponha que o conjunto {g.x | g ∈ G} é não enumerável. Segue do fato que
todo subconjunto limitado e não-enumerável do Rn possui um ponto de acumulação que,
neste caso, o conjunto {g.x | g ∈ G} possui uma subsequência com ponto de acumulação
em Ω (Ω é fechado), o que contradiz o item 4.
7. Suponha que F ixα (Ω) seja não enumerável. Então, existe uma sequência limitada
{xn }n∈Z que acumula-se em p ∈ Ω. Seja K ⊂ Ω um compacto contendo p tal que, para
n ≥ n0 , tenhamos que xn ∈ K. Desta forma, se há um número infinito de elementos
xi ∈ Ω cujo grupo de isotropia é distinto, segue que

∪∞
i=n0 Gxi ⊂ {g ∈ G | g.K ∩ K 6= ∅}

da onde a ação não é descontı́nua.

autor: Celso M Doria 39


2.3. AÇÕES DE GRUPOS Celso M Doria

Seja Dif (Ω) = {f : Ω → Ω | f difeomorfismo} o grupo dos difeomorfismos de


Ω munido com a operação de composição. Como observado anteriormente, a ação α :
G × Ω → Ω define o subgrupo αG = {αg | g ∈ G} ⊂ Dif (Ω) isomorfo a G. O teorema
seguinte caracteriza uma ação descontı́nua.

Definição 2.24. Sejam T um espaço topológico e D um subconjunto de T . Dizemos


que D é um subconjunto discreto de T se para todo elemento f ∈ D existir um aberto
U ⊂ T tal que D ∩ U = {f }.

Proposição 2.7. Se a ação de um grupo G sobre um espaço topológico Ω é propriamente


descontı́nua, então o subgrupo αG ⊂ Dif (Ω) é discreto na topologia compacta-aberta
definida em Dif (Ω) (também denomina-se ação discreta de G sobre Ω).

Demonstração. Ver em [2].

Observação. A recı́proca é falsa em geral, mas é verdadeira quando Ω é munido com


uma métrica completa e G é um grupo de isometrias de Ω. Ao longo do texto, sempre
consideraremos Ω munido com uma métrica completa, portanto, a recı́proca é verdadeira
e, por isto, muitas vêzes diremos que a ação é discreta em vez de descontı́nua.

Definição 2.25. Se G é um grupo agindo discontinuamente sobre Ω, a região funda-


mental associada a ação de G é o conjunto fechado P ⊂ Ω tal que
S
1. Ω = g∈G g.P,

2. int(P) ∩ g.int(P) = ∅.

Definição 2.26. O orbital associado a uma açaão de G em Ω é o espaço das órbitas


OG = Ω/G = P/G, onde P é a região fundamental da ação.

Exercı́cio 2.6. Resolva os seguintes itens;

1. Mostre que os grupos de isotropia de elementos pertencentes a uma mesma órbita


são conjugados.
1-1
2. Mostre que existe uma relação biunı́voca Ox ↔ G/Gx

3. Seja G um grupo agindo discretamente sobre um espaço topológico Hausdorff Ω.

(a) Defina uma topologia sobre Ω/G e mostre que também é um espaço de Haus-
dorff.
(b) Defina uma topologia sobre P/ ∼ e mostre que é um espaço de Hausdorff.
(c) Mostre que existe uma região fundamental P ⊂ Ω associada a ação de G.
(d) Mostre que a ação induz uma relação de equivalência ∼ sobre ∂P de forma
que P/ ∼ é homeomorfo a Ω/G.

autor: Celso M Doria 40


CAPÍTULO 2. CONCEITOS BÁSICOS Celso M Doria

(e) Se G age livremente sobre Ω, então Ω é recobrimento de Ω/G. Se o recobri-


mento for regular, então

π1 (Ω/G)
G' , (2.11)
p∗ π1 (Ω)
onde p : X → Ω/G é a projeção.
(f) Dê um exemplo de uma ação de R sobre R2 tal que o quociente R2 /G não
é um espaço de Hausdorff. (dica: procure um sistema dinâmico cujas linhas
integrais “aproximem-se” quando t → ∞)

No Capı́tulo 3 esta demosntrado que Ω/G é uma superfı́cie sempre que a ação for
livre. Lá também analisamos o caso quando a ação possui pontos com grupo de isotropia
não-trivial.

autor: Celso M Doria 41


2.3. AÇÕES DE GRUPOS Celso M Doria

autor: Celso M Doria 42


Capı́tulo 3

Geometria Euclideana

Na sua obra Os Elementos, Euclides apresentou de maneira formal os conhecimentos


da geometria da época. A importância da sua obra foi a introdução do tratamento
lógico-dedutivo dada ao assunto, o que significa que os resultados foram demonstrados a
partir de premissas. Para descrever a geometria de maneira lógica, Euclides assumiu que
ponto, reta e plano não poderiam ser definidos, sua existência deveria ser simplesmente
assumida. Por isto eles são os elementos primitivos da geometria. Na sequência, Euclides
descreveu um conjunto de axiomas [1], dentre os quais citamos os seguintes:

Axioma 3.1. Por dois pontos passa uma única reta.

Axioma 3.2. (Axioma das Paralelas) Por um ponto P não pertencente a uma reta l
passa uma única reta paralela a l.

Uma consequência imediata do axioma das paralelas é que a soma dos ângulos inter-
nos de um triângulo qualquer é igual a π.
O axioma das paralelas tornou-se um dos maiores mistérios da matemática ao longo
de 2.000 anos, muitos acreditavam que deveria haver uma demonstração a partir dos
outros aximas. A estrutura que Euclides criou para descrever a Geometria acabou por
ser extremamente rı́gida e limitada para atacar o problema.
Neste capı́tulo, o objetivo é estudarmos a Geometria Euclideana a partir de outros
elementos primitivos: o espaço topológico R2 , a estrutura diferenciável e a métrica eu-
clidena g =<, >.

Definição 3.1. O espaço euclideano E2 é o espaço R2 munido com a métrica euclideana;

E2 = (R2 , < ., . >).

No Capı́tulo I mencionamos que o conceito de reta é substituı́do pelo conceito de


geodésica. Portanto, em E2 retas são geodésicas.

43
3.1. GEODÉSICAS EM E2 Celso M Doria

3.1 Geodésicas em E2
Um dos axiomas de Euclides afirma que a distância entre os pontos p e q em R2 é
dada pelo comprimento da única reta que une estes pontos. Se p = (p1 , p2 ) e q = (q1 , q2 ),
a distância é
q
| q − p |= (q1 − p1 )2 + (q2 − p2 )2 . (3.1)

A expressão acima é consequência do Teorema de Pitágoras. Seja

Ω(p, q) = {γ : [0, 1] → E2 | γ ∈ C 0 , γ(0) = p, γ(1) = q}

o espaço das curvas contı́nuas ligando p à q em E2 . A integral do comprimento de uma


curva define a função
Z 1
L : Ω(p, q) → R, L(γ) = | γ , | ds.
0

Portanto, a distância entre os pontos p e q em E2 é por definição

dE2 (p, q) = min L(γ).


γ∈Ω(p,q)

A estrutura de espaço vetorial presente no espaço E2 é uma propriedade fundamental


para que a geometria de E2 seja simples, permitindo o uso das técnicas da Álgebra
Linear. Uma reta r : [0, 1] → E2 , ligando p à q, é parametrizada por r(t) = p + t(q − p)
e L(r) =| q − p |.
Proposição 3.1. Sejam p e q pontos em E2 . A geodésica ligando p a q descreve uma
reta. Além disto,

dE2 (p, q) =| q − p | . (3.2)


Demonstração. Seja α : [0, 1] → E2 uma curva ligando p = α(0) à q = α(1). Assim,
Z 1
q−p= α, (t)dt.
0

Seja u ∈ E2 um vetor unitário qualquer. Desta forma,


Z 1 Z 1
,
< q − p, u >= < α (t), v > dt ≤ | α, (t) | dt
0 0

q−p
Ao tomarmos u = |q−p| , concluı́mos que | q − p |≤ L(α) e | q − p |≤ dE2 (p, q). Portanto, o
comprimento da reta ligando p à q é menor ou igual ao comprimento de qualquer outra
curva ligando estes pontos, da onde concluı́mos que a geodésica ligando p à q é uma reta.

autor: Celso M Doria 44


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

Corolário 3.1. Sejam p, q ∈ E2 . Existe uma única geodésica parametrizada pelo com-
primento de arco que liga p à q.
Demonstração. Seja α(t) = p + t(q − p), α : [0, 1] → E2 , a parametrização da reta que
miniza a distância de p à q. Neste caso, o comprimento de arco de α no instante t é
s
dado por s = t | q − p |. Tomando t = |q−p| , a curva parametrizada pelo comprimento
q−p
s
de arco é β(s) = α( |q−p| ). A unicidade segue do fato que β(0) = p e β 0 (0) = |q−p| .

3.2 Isometrias de E2
Com o intuito de descrevermos o grupo Isom(E2 ), primeiramente estudaremos as
isometrias mais simples de E2 .
Definição 3.2. Uma rotação de ângulo θ com centro na origem é uma transformação
linear Rθ : E2 → E2 que satisfaz as seguintes propriedade: para quaisquer θ ∈ R e
u, v ∈ E2

< Rθ .u, Rθ .v >=< u, v >, det(Rθ ) = 1

Observação. Decorrem da definição as seguintes propriedades de uma rotação:


1. Rθ (0) = 0 para todo θ ∈ R.

2. Rθ .Rθt = Rθt .Rθ = I,

3. decorre do lema 3.1 que a matriz que representa Rθ na base canonica β = {(1, 0), (0, 1)}
de R2 é
 
cosθ −senθ
[Rθ ]β = .
senθ cosθ

Não havendo possibilidade de mal entendido, denotaremos Rθ = [Rθ ]β . Desta forma, é


imediato verificarmos que, para quaisquer θ, φ ∈ R, valem as identidades

Rθ ◦ Rφ = Rθ+φ , Rθ−1 = R−θ . (3.1)

Seja SO2 = {Rθ | θ ∈ R} o conjunto das rotações em E2 . Decorre das identidades


acima que SO2 é um grupo abeliano.
Proposição 3.2. Para todo θ ∈ R, a rotação Rθ é uma isometria de E2 .
Demonstração.

Rθ (x, y) = (cosθ.x + senθ.y, −senθ.x + cosθ.y).

Portanto, (dRθ )(x,y) : T(x,y) E2 → TRθ (x,y) é dada por

autor: Celso M Doria 45


3.2. ISOMETRIAS DE E2 Celso M Doria

(dRθ )(x,y) .v = Rθ .v,

da onde

< (dRθ )(x,y) .v, (dRθ )(x,y) >=< Rθ .v, Rθ .u >=< u, v > .

Para introduzirmos as transformações de reflexão sobre uma reta, inicialmente vamos


considerar a reflexão sobre o eixo-x definida por

rx (x, y) = (x, −y)

Desta forma, rx : E2 → E2 é uma transformação linear tal que rx2 = idE2 e cuja matriz,
em relação a base canonica, é
 
1 0
[rx ]β = .
0 −1

Observamos que, para qualquer θ ∈ R,

Rθ rx = rx R−θ . (3.2)

Definição 3.3. Seja l ⊂ E2 uma reta passando pela origem cuja inclinação (medida em
relação ao eixo-x, no sentido anti-horário) mede θ. Uma reflexão em relação a l é a
transformação linear rl : E2 → E2 definida por

rl = Rθ ◦ rx ◦ Rθ−1 .

Segue da identidade 3.2 que

rl = Rθ .rx .R−θ = R2θ .rx . (3.3)

Exemplo 3.1. :

1. Reflexão sobre o eixo y.


rx (x, y) = (−x, y). Na base canonica temos

 
−1 0
[ry ]β = .
0 1

autor: Celso M Doria 46


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

2. Reflexão em relação a reta l = {(x, y) ∈ E2 | y = tg(θ)x}.


Se θ é a inclinação de l com respeito ao eixo-x, então decorre da definição rl =
Rθ ◦ rx ◦ Rθ−1 : E2 → E2 que a matriz de rl na base canonica é
 
cos2θ sen2θ
[rl ]β = . (3.4)
sen2θ −cos2θ

FIGURA 3.1

3. Em função do coeficiente angular de y = ax a reflexão do item anterior é

1 − a2
 
1 2a
rl = . (3.5)
1 + a2 2a −1 + a2

Observação. Seja l uma reta passando pela origem em E2 . Então;


1. Se p ∈ l, então rl (p) = p.

2. rl2 = idE2

3. rl : E2 → E2 satisfaz rlt .rl = rl .rlt = I, ou equivalentemente;

< rl .u, rl .v >=< u, v >, ∀u, v ∈ E2

Portanto, rl : E2 → E2 é uma isometria.

Proposição 3.3. Sejam l, r retas em E2 passando pela origem que formam ângulos α, β
com o eixo-x, respectivamente. Então,

rl ◦ rs = R2(α−β) , rs ◦ rl = R−2(α−β) .

Demonstração. De acordo com as identidades 3.4 e 3.2,

rl ◦ rs = Rα ◦ rx ◦ R−α ◦ Rβ ◦ rx ◦ R−β = Rα ◦ rx ◦ Rβ−α ◦ rx ◦ R−β =


= Rα ◦ rx2 ◦ Rα−β ◦ R−β = R2(α−β)

Analogamente, rs ◦ rl = R−2(α−β) .

Definição 3.4. O grupo ortogonal é o conjunto

O2 = {A ∈ M2 (R) | A.At = At .A = I}

munido com a operação de multiplicação de matrizes.

autor: Celso M Doria 47


3.2. ISOMETRIAS DE E2 Celso M Doria

O grupo O2 age sobre E2 tendo a origem como o único ponto fixo da a.

Exercı́cio 3.1. :

1. Mostre que O2 é um grupo e que SO2 é um subgrupo de O2 (subgrupo das rotações).

2. Seja Dn o grupo diedral do polı́gono regular de n lados. Mostre que se as retas l


e s passam pela origem e formam um ângulo πn entre si, então

Dn '< rl , rs > . (3.6)

Lema 3.1. Seja A ∈ O2 . Entào, há duas possibilidades: ou (i) A = Rθ , caso A ∈ SO2 ,
ou (ii) A = Rθ ◦ rx , caso A ∈
/ SO2 .

Demonstração. Seja A ∈ O2 a matriz


 
a b
A= .
c d

Segue da identidade At .A = I que

a2 + b2 = 1, (3.7)
ac + bd = 0, (3.8)
2 2
c + d = 1. (3.9)

A equação 3.8 implica em ac = −bd. Consideramos os seguintes casos;

1. c=0
Neste caso, d=1 ou d=-1, em ambas as situações temos b=0, da onde a = 1 ou
a = −1. Portanto, a matriz A é igual a uma das seguintes matrizes
       
1 0 −1 0 −1 0 1 0
, , , .
0 1 0 −1 0 1 0 −1

2. d=0
Neste caso, c=1 ou c=-1; em ambos os casos a=0, da onde b=1 ou b=-1. Portanto,
a matriz A será igual a uma das seguintes matrizes
       
0 1 0 −1 0 −1 0 1
, , , .
1 0 −1 0 1 0 −1 0

autor: Celso M Doria 48


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

3. a=0 ou b=0
Estes casos resultam, de maneira análoga, nas mesmas matrizes obtidas nos itens
anteriores.

4. a 6= 0 e b 6= 0
Neste caso, c = − bd
a . Ao substituirmos na equação 3.9 resulta em | d |=| a |.
Consequentemente, há duas possibilidades

d = a ⇒ c = −b, d = −a ⇒ c = b.

Assim, neste caso, temos que


   
a b a b
A= ou A = .
−b d b −a

Seja θ ∈ R tal que a = cosθ e b = −senθ, então as equações 3.7, 3.8 e 3.9
são satisfeitas. O ângulo θ sempre existe porque as funções cosseno e seno são
contı́nuas. Assim,

      
cosθ −senθ cosθ senθ cosθ −senθ 1 0
A= ou A = = .
senθ cosθ senθ −cosθ senθ cosθ 0 −1

Consequentemente, ou A é uma matrix de rotação Rθ ou A é o produto de uma rotação


seguida por uma reflexão.

Corolário 3.2. O grupo O2 é gerado por reflexões.

Demonstração. Na proposição 3.3 vimos que as rotações são produtos de reflexões, da


onde conluı́mos que O2 é gerado por reflexões.

Exercı́cio 3.2. :

1. Sejam Rφ uma rotação e rl uma reflexão sobre uma reta l passando pela origem.
Suponha que l forma um ângulo φ com o eixo-x. Mostre que Rφ ◦ rl é uma reflexão
ao longo de uma reta t e determine t.

2. Mostre que O2 tem duas componentes conexas sendo uma, a da identidade, igual
a SO2 .

3. Mostre que SO2 é um subgrupo normal de O2 e [O2 : SO2 ] = 2.

4. Conclua que O2 não é um grupo abeliano.

autor: Celso M Doria 49


3.2. ISOMETRIAS DE E2 Celso M Doria

5. Nos casos tratados na demonstração do teorema acima, diga qual o significado


geométrico para a transformações que surgem nos casos c = 0 e d = 0.

6. Considere uma transformação linear T : R2 → R2 satisfazendo T 2 = I e estude os


casos onde ela representa uma transformação ortogonal.

Definição 3.5. Seja b ∈ R2 . Uma translação é uma transformação Tb : E2 → E2


definida pela expressão

Tb (x) = x + b, b = T (0). (3.10)

Proposição 3.4. As translações satisfazem a seguintes propriedades;

1. Se b 6= 0 então as transformações Tb : E2 → E2 não são lineares.

2. Se b 6= 0, então para todo x ∈ E2 Tb (x) 6= x.

3. Sejam b1 , b2 ∈ E2 , então

Tb1 ◦ Tb2 = Tb2 ◦ Tb1 = Tb1 +b2 .

4. Para todo b ∈ E2 , Tb−1 = T−b .

5. o conjunto

T = {Tb | b ∈ E2 }

munido com a operação de composição é um grupo abeliano isomorfo a R2 .

6. T age em E2 sem pontos fixos.

7. Para todo b ∈ E2 , Tb : E2 → E2 é uma isometria.

Demonstração. .

1. Veja que Tb (x + y) = x + y + b enquanto Tb (x) + Tb (y) = x + y + 2b.

2. Se Tb (x) = x, então x + b = x e b = 0.

3. Tb1 ◦ Tb2 (x) = Tb1 (x + b2 ) = x + b2 + b1 = Tb1 +b2 (x).

4. Tb ◦ T−b (x) = Tb−b (x) = T0 (x) = x, ou seja Tb ◦ T−b = idE2 .

5. Pelos itens anteriores, segue que T é um grupo abeliano. A aplicação φ : T → R2


dada por φ(Tb ) = b define um isomorfismo entre grupos. Além disto, segue que T
age sobre E2 através da ação T × E2 → E2 definida por (Tb , x) → Tb (x).

autor: Celso M Doria 50


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

6. Seja Tb ∈ T , então Tb (x) = x + b e dTb |x .v = v,, da onde Tb é uma isometria de


E2 .

Uma vez que a composição de isometrias é uma isometria, vamos considerar para
todo A ∈ O2 e b ∈ E2 a isometria

TA,b : E2 → E2 , TA,b (u) = Au + b. (3.11)

Exercı́cio 3.3. :

1. Reflexão sobre uma reta l ⊂ E2 .


Seja l ⊂ E2 uma reta definida pela equação y = ax + b. Mostre que a reflexão em
relação a l é dada pela transformação rl : E2 → E2 ,

1 − a2
  
1 2a x 2b
rl (x, y) = + (−a, 1). (3.12)
1 + a2 2a −1 + a2 y 1 + a2

2. Se l = {(x, y) ∈ E2 | y = tg(θ)x − x0 tg(θ)} é a reta com inclinação θ passando pelo


ponto (x0 , 0), mostre que

2x0 .tg(θ)
rl (u) = rx R−2θ (u) − (−tg(θ), 1) ⇒ rl = Trx R−2θ ,b(θ,x0 ) , (3.13)
1 + tg 2 (θ)

3. Considere lb ⊂ E2 a reta definida pela equação y = ax + b. Sejam e = √(1,a) 1+a2


e
eb = (0, b) vetores definidos pela parametrização r(t) = te + eb de lb . Mostre que,
para qualquer vetor u,

rlb (u) = −u + 2 < u, e > e + 2vb , (3.14)

onde vb = eb − < eb , e > e é ortogonal a e (vb ⊥ e). Mostre que as expressões 3.14
e 3.12 são iguais.

4. Considere as reflexões rlb e rl sobre as retas lb = {(x, y) | y = ax + b} e l = {(x, y) |


y = ax}, respectivamente. Mostre que

rlb = T2vb rl , onde vb = eb − < eb , e > e. (3.15)

5. Obtenha a expressão para a reflexão ao longo dos eixos e das reta y = α, onde α
é constante.(no caso do eixo-y, considere o caso a → ∞).

autor: Celso M Doria 51


3.2. ISOMETRIAS DE E2 Celso M Doria

6. Rotação com centro em P


Sejam P0 = (x0 , y0 ) ∈ E2 e RθP0 : E2 → E2 uma rotação de centro em P0 e ângulo
θ. Considere v0 = OP ¯ 0 e mostre que

RθP0 (u) = Rθ (u) + v0 − Rθ (v0 ) ⇒ RθP0 = TRθ ,v0 −Rθ (v0 ) . (3.16)

7. Seja l uma reta qualquer em E2 e α ∈ R uma constante. Mostre que existe uma
isometria f : E2 → E2 tal que a imagem de l é a reta t = {(α, y) | y ∈ R}.

8. Considere as isometrias rl , RθP e Tv . Mostre que os comutadores [rl , Tv ] e [Rθ , Tv ]


são translações e descreva quando as direções destas translações são paralelas a v.

Proposição 3.5. Sejam l, s retas em E2 e rl , rs as respectivas reflexões. Então,

1. Se l//s, então rl ◦ rs = Tb e rs ◦ rl = T−b , onde b ∈ E2 é um vetor ortogonal as


retas l, s e | b |= 2dist(l, s)
P e r ◦ r = RP
2. Se l, s são concorrentes em P , então rs ◦ rl = R2θ l s −2θ são rotações
com centro em P e θ ∈ R é o ângulo formado por l e s.

Demonstração. .

1. Sem perda de generalidade, podemos assumir que

l = {(α, y) ∈ E2 | y ∈ R}, s = {(β, y) ∈ E2 | y ∈ R}

onde α, β são constantes. Assim, sejam u0 = (α, 0) e v0 = (β, 0). Segue que as
reflexões rl , rs : E2 → E2 são dadas por

rl (u) = ry (u) + 2u0 , rs (u) = ry (u) + 2v0 . (3.17)

Portanto, uma vez que ry (u0 ) = −u0 e ry (v0 ) = −v0 , a composição é

rl ◦ rs (u) = u + 2(u0 − v0 ) (3.18)


rs ◦ rl (u) = u + 2(v0 − u0 ) (3.19)

2. Sem perda de generalidade, podemos assumir que l e s são concorrentes na origem.


Suponhamos que l forma um ângulo α com o eixo-x e s forma um ângulo β com o
eixo-x. Assim, θ = α − β e a afirmação decorre da proposição 3.3.

autor: Celso M Doria 52


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

Teorema 3.1. Se T : E2 → E2 é uma isometria, então, existem A ∈ O2 e b ∈ E2 tais


que, para todo x ∈ E2 ,

T (x) = Ax + b (T = TA,b )

Demonstração. Seja p = (x, y) ∈ E2 . Por definição, < dTp .u, dTp .v >=< u, v > para
quaisquer u, v ∈ R2 , por isto dTp é ortogonal. Em relação a base canonica do R2 , em
cada ponto p = (x, y), existe uma matrix ortogonal Rθ(x,y) tal que [dTp ]β = Rθ(x,y) ou
[dTβ = Rθ(x,y) ◦ rx . Vamos tratar do 1o. -caso, uma vez que o 2o. segue de forma análoga.
Suponhamos que θ : E2 → E2 é não constante e que existem funções diferenciáveis
f, g : E2 → E2 tais que T (x, y) = (f (x, y), g(x, y)). Assim,
!
∂f ∂f
∂x ∂y
dT(x,y) = ∂g ∂g
∂x ∂y

Da igualdade dT(x,y) = Rθ(x,y) , segue que

∂f ∂g
= = cos(θ(x, y))
∂x ∂y
e

∂f ∂g
=− = −sen(θ(x, y)).
∂y ∂x
∂2f ∂2f
A identidade ∂y∂x = ∂x∂y implica em

∂θ ∂θ
− sen(θ(x, y)) = − cos(θ(x, y)).
∂y ∂x
∂2g ∂2g
Analogamente, segue de ∂y∂x = ∂x∂y , que

∂θ ∂θ
cos(θ(x, y)) = − sen(θ(x, y)).
∂y ∂x

Ao assumirmos que θ não é constante podemos dividir as expressões acima;


∂θ ∂θ
∂y
∂θ
= ∂x
∂θ
⇒ | Oθ |2 = 0 ⇒ Oθ = 0.
− ∂x ∂y

Ou seja, concluı́mos que θ é constante. Neste caso, ao integrarmos dTp = Rθ obtemos

T (x) = Rθ .x + b, b = T (0).

Ao aplicarmos os mesmos procedimentos para o caso A = Rθ ◦ rx , concluı́mos que

autor: Celso M Doria 53


3.2. ISOMETRIAS DE E2 Celso M Doria

T (x) = (Rθ ◦ rx ).x + b, b = T (0).

Corolário 3.3. O grupo Isom(E2 ) goza das seguintes propriedades: Ao fixarmos a


origem em E2 ;

1. O grupo Isom(E2 ) é gerado pelas reflexões.

2. Isom(E2 ) = T o O2 .

3. Ao considerarmos os homomorfismos ı : T → Isom(E2 ) (T ' R2 ) e  : Isom(E2 ) →


O2 definidos por ı(b) = TI,b e (TA,b ) = A, obtemos a sequência exata

ı 
0 −→ T −→ Isom(E2 ) −→ O2 −→ 1. (3.20)

A aplicação  é um epimorfismo cujo núcleo é N uc(j) ' ı(T ), enquanto ı é um


monomorfismo.

Demonstração. .

1. Uma vez que as translações e as rotações podem ser escritas como o produto de
reflexões, segue do teorema anterior que todas as isometrias de E2 são obtidas a
partir do produto de reflexões.

2. A demonstração decorre da definição de produto semi-direto [22]. Restrito ao


presente caso, o produto semi-direto T o O2 é definido da seguinte maneira;
considere sobre E2 × O2 o seguinte produto (semi-direto)

(a, A).(b, B) = (a + Ab, AB)

(a) o produto é associativo,

(a, A).[(b, B).(c, C)] = (a, A).(b + Bc, BC) = (a + Ab + ABc, ABC),
[(a, A).(b, B)].(c, C) = (a + Ab, AB).(c, C) = (a + Ab + ABc, ABC).

(b) o elemento neutro do produto é (0, I).


(c) o elemento inverso de um elemento (a, A) é (−A−1 a, A−1 ).

Desta maneira, o produto T × O2 munido com o produto semi-direto é um grupo,


o qual denotamos por T o O2 . Desta forma, a aplicação h : T × O2 → Isom(E2 )
definida por h(a, A) = TA,a é um homomorfismo de grupo, já que

autor: Celso M Doria 54


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

h(a, A).h(b, B) = TA,a ◦ TB,b = TAB,Ab+a = T(a,A).(b,B) = h((a, A).(b, B)).

Além disto, h é uma bijeção e portanto é um isomorfismo de grupos, da onde segue


que Isom(E2 ) = T o O2 .

3. Ao definirmos os homomorfismos ı(b) = (b, I) e (TA,b ) = A ( ◦ ı = I) obtemos a


sequência exata

ı 
0 −→ T −→ Isom(E2 ) −→ O2 −→ 1.

Definição 3.6. A isometria TA,b

1. preserva orientação se det(A) = 1.

2. inverte orientação se det(A) = −1.

Lema 3.2. Sejam l uma reta e TA,b ∈ Isom(E2 ). Então, TA,b (l) é uma reta.

Demonstração. Sejam p, q ∈ l. Desde que l minimiza a distância entre p e q, vamos


considerá-la parametrizada por comprimento de arco, γ : [0, 1] → E2 ,
q−p
γ(s) = s + p.
|q−p|

Assim,

1 1
TA,b (γ(s)) = s A(q − p) + Ap + b = s [(Aq + b) − (Ap + b)] + (Ap + b) =
|q−p| |q−p|
TA,b (q) − TA,b (p)
=s + TA,b (p).
|q−p|

Uma vez que | TA,b (q) − TA,b (p) |=| q − p |, temos

TA,b (q) − TA,b (p)


TA,b (γ(s)) = s + TA,b (p).
| TA,b (q) − TA,b (p) |

Portanto, TA,b (γ) é a parametrização por comprimento de arco da reta que minimiza a
distância de TA,b (q) à TA,b (p).

Lema 3.3. Seja f : E2 → E2 uma isometria tal que no ponto p satisfaz f (p) = p e
dfp = I. Então, f = idE2 .

autor: Celso M Doria 55


3.2. ISOMETRIAS DE E2 Celso M Doria

q−p
Demonstração. Decorre do lema anterior que a imagem da reta γ(s) = s |q−p| + p é

f (q) − f (p)
f (γ(s)) = s + f (p).
| f (q) − f (p) |
Pela hipótese,

d(f (γ)) q−p q−p


|s=0 = dfp . = .
ds |q−p| |q−p|
Portanto,

f (q) − f (p) q−p


= .
| f (q) − f (p) | |q−p|
Como f (p) = p e | f (q) − f (p) |=| q − p |, segue que f (q) = q para todo q ∈ E2 .

Observação. O lema acima, decorre do fato para cada ponto p ∈ E2 e v ∈ Tp E2 , existe


uma única geodésica satisfazendo γ(0) = p e γ , (0) = v ∈ Tp E2 . Como as geodésicas
ligando os pares de pontos p, q e f (p) = p, f (q) tem as mesmas condições iniciais e levam
os mesmo “tempo” para percorrerem os trajetos de p à q e de f (p) à f (q), segue que
f (q) = q.
Definição 3.7. Sejam A, B e C pontos não colineares em E2 . Um triângulo euclideano
4(A, B, C) é formado pelas 3 retas definidas pelos pontos A, B e C.
O seguinte axiomas de Euclides apresenta as condições suficientes para que 2 triângulos
sejam congruentes;
Axioma 3.3. Congruência (LLL) Dois triângulos quaisquer são congruentes se tive-
rem os 3 lados congruentes [1].
Na presente formulação da geometria euclideana o conceito de isometria substitui o
de congruência. O seguinte resultado é equivalente ao axioma citado acima;
Proposição 3.6. Sejam A, B e C pontos não colineares em E2 . Qualquer isometria
f ∈ Isom(E2 ) é determinada pelas imagens f (A), f (B) e f (C).
Demonstração. Considere em E2 a estrutura de espaço vetorial induzida pelo R2 de tal
forma que a origem esta em A e o eixo-x esta definido pela reta ligando A a B. O
eixo-y é determinado pela única reta perpendicular ao eixo-x. Sejam PB = (xB , yB ) e
PC = (xC , yC ) as coordenadas de B e C em R2 . Decorre da hipótese que os vetores
−−→ −−→
vB = OP B e vC = OP C são linearmente independentes. Por isto, para qualquer ponto
−−→
P ∈ E2 , representado pelo vetor v = OP ∈ R2 existem α, β ∈ R tal que v = αvB + βvC .
Seja f = TA,b , onde A ∈ O2 e b = f (0). Então, f (0) = b e

f (v) = Av + b = αf (vB ) + βf (vC ) + f (0)

Portanto, f é determinada pela imagem dos vetores 0, vB e vC .

autor: Celso M Doria 56


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

Exercı́cio 3.4. :

1. Enuncie e prove o caso (LAL) de congruência de triângulos.

2. Enuncie e prove o caso (ALA) de congruência de triângulos.

3. Sejam A, B ∈ E2 dois pontos quaisquer e l a reta definida por eles. Mostre que o
conjunto dos pontos eqüidistantes de A e B é uma reta ortogonal a l.

Proposição 3.7. Uma isometria f ∈ Isom(E2 ) é o produto de no máximo 3 reflexões.

Demonstração. Sejam A, B e C pontos em E2 e f (A), f (B) e f (C) as respectivas


imagens.

1. Suponhamos que f (A) = A e f (B) = B. Então ocorrem os seguintes casos;

(a) f (C) = C. Neste caso, f = idE2 .


(b) f (C) 6= C.
Consideramos a reta l passando por A e B e seja rl : E2 → E2 a reflexão
sobre l. Segue que rl (C) = C; como rl (A) = A e rl (B) = B, conluı́mos que
rl ◦ f = idE2 , ou seja f = rl .

2. Suponhamos que f (A) = A.


Consideramos l1 a reta eqüidistante de B e f (B) e seja r1 : E2 → E2 a reflexão
sobre l1 . Assim, r1 (B) = f (B) e r1 (A) = A uma vez que A ∈ l1 . Os seguintes
casos ocorrem;

(a) r1 (C) = f (C).


Como r1 (A) = A = f (A) e r1 (B) = f (B), considere r1 ◦ f ; então,

r1 ◦ f (A) = A, r1 ◦ f (B) = B e r1 ◦ f (C) = C,

da onde f = r1
(b) r1 (C) 6= f (C).
Consideramos a reta l2 passando por f (A) e f (B) e seja r2 : E2 → E2 a
reflexão sobre l2 . Assim,

r2 ◦ r1 (A) = f (A) e r2 ◦ r1 (B) = f (B).

No entanto, do fato que

| f (A) − r1 (C) |=| A − r1 (C) |=| r1 (A) − r1 (C) |=


=| A − C |=| f (A) − f (C) | .

autor: Celso M Doria 57


3.3. SUBGRUPOS DISCRETOS DE ISOM (E2 ) Celso M Doria

| f (B) − r1 (C) |=| r1 (B) − r1 (C) |=| B − C |=| f (B) − f (C) | .


segue que r1 (C) e f (C) eqüidistam de f (A) e de f (B), respectivamente. Isto
é, ou r2 (r1 (C)) = f (C) ou r1 (C) = f (C). Portanto,

r2 ◦ r1 (A) = f (A), r2 ◦ r1 (B) = f (B) e r2 ◦ r1 (C) = f (C).


Consequentemente, f = r2 ◦ r1 .

3. Suponhamos que f (A) 6= A, f (B) 6= B e f (C) 6= C.


Neste caso, consideramos a reflexão r3 : E2 → E2 sobre a reta eqüidistante de A e
de f (A). Por construção, temos que r3 ◦ f (A) = A. Ao aplicarmos o item anterior
à isometria r3 ◦ f , concluı́mos que f é o produto de no máximo 3 reflexões.

3.3 Subgrupos Discretos de Isom(E2 )


Nesta seção, vamos explorar o fato da estrutura do grupo Isom(E2 ) ser isomorfa a
do grupo R2 o O2 para descrevermos os subgrupos que agem descontinuamente sobre
E2 . Como vimos, esta estrutura se decompõem de acordo com a sequência exata 3.20;
i j
0 −→ T −→ Isom(E2 ) −→ O2 −→ 1,

Inicialmente, descreveremos os subgrupos discretos de O2 e os de T . Se G <


Isom(E2 ) é um subgrupo, consideramos TG = ı(T ∩ G) e OG = (G). Analogamente, a
estrutura de G se decompõem de acordo com a sequência exata
i j
0 −→ TG −→ G −→ OG −→ 1.

Os pontos p ∈ E2 cujo grupo de isotropia Gp é não trivial são centros de rotações da


ação de G; neste caso, ao fixarmos a origem em p temos OG ' Gp .
Começaremos por descrever os subgrupos finitos de O2 , em seguida descreveremos
os grupos discretos de T . A seguir, veremos que alguns subgrupos são simplesmente
excluı́dos da lista dos que agem discontinuamente sobre E2 ;
Proposição 3.8. Se θ ∈ 2π(R − Q), então G =< Rθ > é infinito.
Demonstração. Por absurdo, suponhamos que G é finito. Então, existe k ∈ N tal que
Rθk = I. Isto implica na existência de n ∈ N tal que
n
k.θ = 2πn ⇒ θ = 2π ⇒ θ ∈ 2πQ,
k
da onde temos uma contradição. Consequentemente, G tem que ser infinito.

autor: Celso M Doria 58


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

Proposição 3.9. Se θ ∈ 2π(R − Q), então;

1. G =< Rθ > é denso em SO2 .

2. A órbita de um elemento x ∈ S 1 é densa em S 1 .

Demonstração. O grupo SO2 age invariantemente e transitivamente sobre o espaço S 1 =


{(x, y) ∈ E2 | x2 + y 2 = 1}. Fixamos x0 ∈ S 1 ; a órbita de x0 pela ação de G =< Rθ > é

Ox0 = {Rnθ (x0 ) | n ∈ N}

Uma vez que Ox0 tem cardinalidade infinita, segue da compacidade de S 1 que existe uma
subsequência {Rnk θ (x0 )} ⊂ Ox0 convergente em S 1 . Suponhamos que limnk →∞ Rnk θ (x0 ) =
y0 . Isto quer dizer que dado  > 0 existe n0 ∈ N tal que para todo nk > n0

| Rnk θ (x0 ) − y0 |< .

Como toda sequência convergente é uma sequência de Cauchy, segue que existe um
número infinito de m, n ∈ N tal que se n > n0 e m > n0 então

| Rnθ (x0 ) − Rmθ (x0 ) |< ,

ou equivalententemente,

| R(n−m)θ (x0 ) − x0 |< .

(significa que existe N ∈ N tal que (n − m) ∼ 2πN ). Para obtermos a densidade da


órbita de x0 , seja y = Rβ (x0 ), onde 0 < β < 2π, um ponto qualquer de S 1 . Sejam k ∈ N
e δ = βk tais que

| R(n−m)θ (x0 ) − x0 |<| Rδ (x0 ) − x0 |< .

Consideramos l ∈ N de maneira que (k − 1)δ < l(n − m)θ < kδ. Portanto,

| Rβ (x0 ) − Rl(n−m)θ (x0 ) |=| Rkδ (x0 ) − Rl(n−m)θ (x0 ) |=| Rkδ−l(n−m)θ (x0 ) − x0 | .

No entanto,

| Rkδ−l(n−m)θ (x0 ) − x0 |<| Rkδ−(k−1)δ (x0 ) − x0 |=| Rδ (x0 ) − x0 |< 

l
Consequentemente, | y − R(n−m)θ (x0 ) |< .

Corolário 3.4. Se G é um subgrupo de SO2 que age descontinuamente sobre E2 , então


G é finito.

autor: Celso M Doria 59


3.3. SUBGRUPOS DISCRETOS DE ISOM (E2 ) Celso M Doria

Queremos classificar os subgrupos finitos de SO2 , mas antes estudaremos os subgru-


pos de SO2 da forma Zn .

Proposição 3.10. Sejam n ∈ N e Zn =< R 2π >. Os subgrupos de Zn são da forma


n
Zm , onde m ∈ N é um divisor de n.

Demonstração. A demonstração será realizada em duas partes;

1. Se n = km, então Zm < Zn .


Consideramos a classe [k] ∈ Zn e o subconjunto < [k] >= {0, [k], 2[k], . . . , (m −
1)[k]}. A seguir, verificaremos que < k > é um subgrupo de Zn .

(a) a operação definida em < [k] > é a induzida pela operação em Zn , por isto é
associativa.
(b) 0 ∈< [k] >;
pois m[k] = [m.k] = [n] = 0.
(c) Se 1 ≤ p ≤ m − 1, então (p[k])−1 ∈< [k] >;
observamos que pk + (m − p)k = n e, por isto, p[k] + [m − p][k] = 0 em Zn .
Portanto, (p[k])−1 = [m − p].[k] ∈< [k] >.

2. suponhamos que G < Zn e o(G) = m. Pelo teorema de Lagrange, o(G) = m


divide o(Zn ) = n, ou seja, existe k ∈ Z tal que n = k.m. Pelo item anterior,
< [k] >= {0, [k], . . . , (m − 1)[k]} é um subgrupo de G. Como a ordem de < [k] >
é igual a o(G) = m, concluı́mos que G = Zm .

Observação. A proposição acima é simples do ponta de vista geométrico (figura ??).


Seja Pn um polı́gono regular de n-lados e m ∈ N um divisor de n. Construa um polı́gono
regular Pm de m-lados da seguinte forma:

1. fixe um vértice v0 ∈ Pn e, no sentido anti-horário nomeie os vértices por v1 , v2 , . . . , vn−1 .

2. Se n = l.m, considere os vértices vb0 = v0 , vb2 = vl , vbi = vil , . . . , vn = vb(n−1)l .

3. Ligando os vértices vbi , i = l, 2l, . . . , (n − 1)l, obtemos um polı́gono regular de


m-lados.

Desta maneira, as transformações que preservam Pm preservam Pn .


Agora, investigaremos a estrutura de um subgrupo finito G < SO2 a partir de alguns
dos elementos de G < SO2 . Para isto, utilizamos o fato de que G é composto por
rotações racionais.

Proposição 3.11. Seja G um subgrupo finito de SO2 . Se R 2πn ∈ G e d = mdc(k, n),


k
então Zk0 =< R 2π0 >⊂ G, onde k 0 d = k.
k

autor: Celso M Doria 60


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

Demonstração. Existem a, b ∈ Z tais que ak + bn = d; por isto, segue que

b
R2π n = R
k 2π( d −a) = R2π d = R 2π0 ∈ G.
k k k

Consequentemente, Zk0 =< R 2π0 > é subgrupo de G.


k

Exercı́cio 3.5. Verifique geometricamente, que R 2π8 ∈ G ⇒ Z3 < G.


6

Proposição 3.12. Sejam G um grupo finito de SO2 , P = {p1 , . . . , pn } ⊂ N e M =


mmc(p1 , . . . , pn ). Se, para todo 1 ≤ i ≤ n, R 2π ∈ G, então ZM < G. Em particular, se
pi
P é o maior conjunto formado por elementos da forma R 2π ∈ G, então G = ZM .
pi

Demonstração. Mostraremos por indução. Sejam pi , pj ∈ P tais que pi = kb


pi , pj = kb
pj
onde k, pbi , pbj ∈ N e mdc(b
pi , pbj ) = 1. Assim,

R 2π R 2π = R 2π(bpi +bpj ) ∈ G.
pi pj kp
bi p
bj

Como mmc(pi , pj ) = kb pi pbj e mdc(b


pi + pbj , kb
pi pb)j ) = 1, segue da proposição anterior que
Zkbpi pbj é subgrupo de G. Agora, suponhamos que o resultado vale para {p1 , . . . , pn−1 }.
Seja M1 = mmc(p1 , . . . , pn−1 ), então

R 2π .R 2π = R 2πM1 +pn ∈ G.
M1 pn M1 pn

Sejam M1 = k.M2 e pn = kb
pn , onde mdc(M2 , pbn ) = 1. Desta forma,

R 2π .R 2π = R 2π(M2 +bpn ) ∈ G.
M1 pn kM2 p
bn

Uma vez que M = mmc(p1 , . . . , pn ) = mmc(M1 , pn ) = kM2 pbn , decorre de maneira


análoga que ZM < G. Uma vez qe G é finito, podemos encontrar o maior subconjunto
de G com as propriedades de P . Se P = {p1 , . . . , pn } ⊂ N for o maior subconjunto com
a propriedade que R 2π ∈ G, para todo 1 ≤ i ≤ n, então G = ZM .
pi

Corolário 3.5. Seja G ⊂ SO2 um subgrupo finito, então G é isomorfo a um dos se-
guintes grupos:

1. G ' {e}.

2. G ' Zk , k ∈ N. Isto é, existe k ∈ N tal que G =< R 2π >.


k

Ao juntarmos os resultados acima, temos a seguinte classificação;

Teorema 3.2. Se G < O2 age descontinuamente sobre E2 , então G é isomorfo a Zk ou


à Dk .

autor: Celso M Doria 61


3.3. SUBGRUPOS DISCRETOS DE ISOM (E2 ) Celso M Doria

Demonstração. Como G finito, podemos considerá-lo como gerado pelo conjunto de


reflexões {r1 , . . . , rn }, onde ri é uma reflexão sobre uma reta li passando pela origem.
Assim, o conjunto de retas {l1 , . . . , ln } é concorrente na origem. Sejam θij = ](li , lj ),
o ângulo entre li e lj . Decorre da racionalidade do ângulo das rotações Rθij = ri rj que
θij = p2π
ij
e pij ∈ N. Assim, há duas possibilidades para G;

G =< r1 , . . . , rn > ou G =< ri rj : 1 ≤ i ≤ n, 1 ≤ j ≤ n > .

No primeiro caso podemos reduzir o número de geradores, pois ri = R 2π .r1 . Portanto,


p1i
segue que G =< r1 , R 2π >= Dk . No segundo caso, decorre da proposição 3.12 que existe
k
k ∈ Z e G = Zk .

O próximo passo será descrevermos os subgrupos discretos de T . Antes, vejamos a


seguinte definição;

Definição 3.8. Sejam u, v ∈ E2 vetores linearmente independentes e G =< Tu , Tv > o


grupo gerado pelas respectivas translações. O retı́culado associado a G em E2 é a órbita
da origem 0 ∈ E2 , ou seja

O0 = {nu + mv | n, m ∈ Z}.

Proposição 3.13. Seja G < T um subgrupo discreto agindo sobre E2 . Então, ocorre
uma das possibilidades abaixo;

1. G ' Z e existe v ∈ E2 tal que G =< Tv >.

2. G ' Z ⊕ Z e existem u, v ∈ E2 tal que G =< Tu , Tv >.

Demonstração. Consideramos as seguintes situações;

1. Todas as direções das translações presentes no grupo G são paralelas.


Fixamos uma reta l ⊂ E2 paralela a direção de translação e consideramos um ponto
x ∈ l. Uma vez que a ação é descontinua, deve existir um ponto x1 ∈ Ox ⊂ l tal
que

dist(x1 , x) = inf dist(g.x, x) > 0;


g∈G

Seja u = x1 − x, a seguir verificaremos que G =< Tu >. Suponhamos que G 6=<


Tu >, então existe uma translação Tv ∈ G, na direção do vetor vetor u, onde
v = au e a ∈
/ Z. Consideramos [.] : R → Z a função

[x] = maior inteiro ≤ x

e x̂ = x − [x], 0 ≤ x̂ < 1. Assim, v = âu + [a]u e

autor: Celso M Doria 62


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

Tv x = x + [a]u + âu ⇒ Tv−[a]u (x) = Tâu (x).

−[a]
Como Tu ◦ Tv = Tâu ∈ G, concluı́mos que Tâu x ∈ Ox . Porém,

| Tâu (x) − Tu (x) |=| â − 1 | . | u |<| u | .

Desta forma, obtemos uma contradição devido à construção do vetor v. Conse-


quentemente, â = 0.

2. Existem várias direções de translação.


Fixamos a origem sobre o ponto x ∈ E2 . Seja l a reta paralela a uma das direção
de translação. Pelo item anterior existe x1 ∈ E2 tal que a translação Tu ∈ G,
onde u = xx1 e | u |= dist(x, x1 ), gera todas as translações na direção de l. Seja
s uma reta passando por x que seja paralela a uma outra direção de translação.
Analogamente, existe x2 ∈ E2 de forma que as translações paralelas à s são geradas
por Tv , onde v = xx2 e | v |= dist(x, x2 ). A órbita de x pela ação do grupo
< Tu , Tv > é {nu + mv | n, m ∈ Z}. Suponhamos que existe uma terceira direção
de translação gerada por Tw , onde w é um vetor obtido de forma análoga a u e v.
Sejam a, b ∈ R tais que w = au + bv. Como no item anterior,

w − [a]u − [b]v = âu + b̂v ⇒ Tâu+b̂v ∈ G

e, por isto, Tâu+b̂v (x) ∈ Ox . Decorre da densidade de Q em R que, dado  > 0,


existem k, m, n ∈ N tais que

| kâ − m |< /2, | k b̂ − n |< /2.

k −1
Consequentemente, | Tâu+b̂v
◦ Tmu+nv (x) − x |< .
Sendo assim, há elementos na órbita de x cujo módulo esta aproximando-se de
zero. Como isto não é admissı́vel para uma ação descontinua, concluı́mos que não
é possı́vel existir uma terceira direção gerada por um vetor que não pertença ao
retı́culado gerado por u e v.

Após termos classificado os subgrupos de SO2 e de T que agem descontinuamente


sobre E2 , passamos ao estudo dos subgrupos de Isom(E2 ) = T o O2 que agem descon-
tinuamente sobre E2 . Ao fixarmos a origem em E2 obtemos a sequência exata

0 −→ TG −→ G −→ OG −→ 1,

autor: Celso M Doria 63


3.3. SUBGRUPOS DISCRETOS DE ISOM (E2 ) Celso M Doria

onde OG é o subgrupo de SO2 isomorfo ao grupo de isotropia da origem e TG é o subgrupo


de translações puras de G.
Para efeitos da classificação, consideramos as seguintes classes de grupos discretos:

• Tipo I: Se TG ' Z

1. OG = {e},
2. OG ' Zn
3. OG ' Dn

• Tipo II: Se TG ' Z ⊕ Z

1. OG = {e}
2. OG ' Zn
3. OG ' Dn

As seguintes tr̂es proposições são fundamentais para a identificação dos grupos do


Tipo II que agem descontinuamente sobre E2 ;

Proposição 3.14. Se rl e Tv ∈ G, então existem um vetor w ∈ E2 tal que [rl , Tv ] = T2w .


Se rl (u) = −u + 2 < u, e > e + 2vb , como na equação 3.14, então

w = v− < v, e > e. (3.1)

Demonstração. Basta aplicar as fórmulas e observar que < vb , e >= 0.

Corolário 3.6. No resultado anterior, se rl , Tv ∈ G e < v, e >6= 0 (não forem ortogo-


nais), então G é do tipo II.

Proposição 3.15. Seja P ∈ E2 um ponto qualquer e suponhamos que a rotação RθP :


E2 → E2 , de centro em P e ângulo θ, pertence a G. Se Q é um ponto na órbita de P ,
então a rotação RθQ : E2 → E2 com centro em Q e ângulo θ também pertence a G.

Demonstração. Suponhamos que Q = g.P , onde g ∈ G. Definimos a isometria

R = g.RθP .g −1 , R(Q) = Q.
−−→
Sem perda de generalidade, podemos fixar a origem em P e considerar v0 = OQ. Seja
g = TA,v0 , então segue da expressão 3.16 que

g.RθP .g −1 (v) = g(Rθ (A−1 v − A−1 v0 )) = ARθ A−1 v − ARθ A−1 v0 + v0 .

Há duas possibilidades a serem consideradas:

autor: Celso M Doria 64


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

1. A ∈ SO2 . Neste caso temos que ARθ = Rθ A e

g.RθP .g −1 v = Rθ v − Rθ v0 + v0 = RθQ v.

2. A ∈ O2 − SO2 . Neste caso, de acordo com a expressão 3.3, existe um ângulo β tal
que A = R2β .rx e

ARθ A−1 = R2β .rx .Rθ .rx .R−2β = R−2β .R−θ .R2β = R−θ .

Consequentemente,

Q
gRθP g −1 v = R−θ v − R−θ v0 + v0 = R−θ v.

Proposição 3.16. Se RθP ∈ G e Tv ∈ G, então G contém a translação Tw , onde


w = v − RθP (v).
−−→
Demonstração. Sejam v0 = OP e T : E2 → E2 a translação definida por T = RθP .T−v .(RθP )−1 .
Assim,

T (u) = RθP .Tv (Rθ−1 u + Rθ−1 v0 − v0 ) = RθP (Rθ−1 u − Rθ−1 v0 + v0 − v) =


= Rθ Rθ−1 u − Rθ−1 v0 + v0 − v + v0 − Rθ v0 = u − Rθ v.


Desta forma, [Tv , RθP ] = Tw , onde w = v − Rθ v.

Corolário 3.7. Se o grupo G contém as isometrias RθP e Tv , onde θ 6= π, então G é


um grupo do tipo II.

Proposição 3.17. Sejam u0 = OP e v0 = OQ. Se RθP , RφQ ∈ G, então G é um grupo


do tipo II, pois [RθP , RφQ ] : E2 → E2 é igual à translação Tw0 , onde

w0 = (Rθ + Rφ − Rθ+φ − I) (v0 − u0 ). (3.2)

Demonstração. O resultado decorre da aplicação da expressão RθP = TRθ ,u0 −Rθ (u0 ) ; as-
sim, o comutador [RθP , RφQ ] = RθP .RφQ .(RθP )−1 .(RφQ )−1 é dado por

RθP .RφQ .(RθP )−1 .(RφQ )−1 (u) = u + (Rθ + Rφ − Rθ+φ − I) (v0 − u0 ).

Portanto, Tw0 ∈ G, TRP (w0 ) e TRQ (w0 ) pertencem à G.


θ φ

Exercı́cio 3.6. :

autor: Celso M Doria 65


3.3. SUBGRUPOS DISCRETOS DE ISOM (E2 ) Celso M Doria

1. Mostre que um grupo discreto G contendo uma rotação e uma translação é do tipo
I se e somente se a rotação for de ângulo π.

2. Mostre que um grupo contendo dois centros de rotações cujos ângulos são diferentes
de π é do tipo II.

3. Sejam lα e lβ retas passando pela origem e que formam, respectivamente, ângulos


α e β com o eixo-x. Sejam

(a) r(α) e r(β) as respectivas reflexões sobre lα e lβ .


(b) Rθ e Rφ rotações de ângulo θ e φ no sentido anti-horário.
(c) Tu translação de u ∈ E2 .

Mostre que,

Rθ .Rφ = Rθ+φ , r(α).r(β) = R2(α−β) ,

θ θ
r(α).Rθ = r(α − ), Rθ .r(β) = r(β + ),
2 2

onde r(α− 2θ ) é a reflexão sobre a reta passando pela origem e que forma um ângulo
α − 2θ com o eixo-x.

4. Seja 4(A, B, C) um triângulo com vértices A, B, C e com ângulos internos  =


θ1 , B̂ = θ2 , Ĉ = θ3 . Determine a expressão para as reflexões r1 , r2 , r3 sobre cada
um dos lados e a expressão para as composições r1 r2 , r2 r3 e r3 r1 .

Uma vez que o grupo Isom(E2 ) é gerado por reflexões, é natural classificarmos os
subgrupos que agem descontinuamente sobre E2 a partir dos subgrupos gerado por re-
flexões.

Proposição 3.18. Seja G < Isom(E2 ) um subgrupo de Isom(E2 ) do tipo I, agindo


descontinuamente sobre E2 , gerado por reflexões;

1. Se OG = {e}, então existem retas paralelas l1 , l2 tais que G =< r1 , r2 >; r1 e r2


são as respectivas reflexões sobre as retas.

2. Se OG 6= {e}, então existem retas l1 , l2 e l3 , onde l1 //l2 e l1 ⊥ l3 , tais que


G =< r1 , r2 , r3 >; r1 , r2 e r3 são as respectivas reflexões sobre as retas.

Demonstração. Se G =< r1 , r2 >, então as retas l1 e l2 tem que serem paralelas, caso
contrário G é um subgrupo de O2 . Suponhamos que G =< r1 , r2 , r3 >, neste caso há
duas situações a serem analisadas:

autor: Celso M Doria 66


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

1. l3 k l1 e l3 k l2 ,
Sem perda de generalidade, podemos supor que l1 = {(0, y) ∈ E2 }, l2 = {(n, y) ∈
E2 } e l3 = {(r, y) ∈ E2 }. Seja u = 2(n, 0) o vetor tal que r2 r1 = Tu e v = 2(r, 0) o
vetor tal que r3 r1 = Tv . Devemos provar que existe k ∈ Z tal que v = k.u, da onde
r3 = Tuk ◦ r1 . Suponhamos que não existe k ∈ Z tal que v = k.u, então podemos
escrever r = r̂ + [r], ou seja,

v = r̂.u + [r].u.

[r]
Decorre que Tv = Tu ◦ Tr̂u , da onde Tr̂u ∈ G e

| Tv (x) − Tr̂u (x) |=| v − [r].u |=| r̂.u |<| u |,

contradizendo a hipótese que | u |= inf g∈G | g.x − x |.

2. Suponhamos que l1 k l2 e p = l1 ∩ l3 . Se o ângulo formado por l3 e l1 é θ > 0, então


p
r3 r1 = R2θ ∈ G é uma rotação de ângulo θ e centro em p e r2 r1 = Tu , como no
item anterior. Segue da proposição 3.16 que a translação TR2θ (u) ∈ G. Se G é um
grupo do tipo I, então é necessário que Rθ (u) seja colinear com u, o que implica
em θ = 0 ou θ = π/2.

Exercı́cio 3.7. :

1. Sejam l1 , l2 retas em E2 , θ = π/n o ângulo formado por l1 e l2 , e G =< r1 , r2 > o


grupo gerado pelas reflexões sobre l1 e l2 . Considere l1n e l2n as retas obtidas pela
ação de G sobre as retas l1 e l2 respectivamente. Mostre que as reflexões sobre as
retas l1n e l2n pertencem a G e determine-as em função de r1 e de r2 .

3.3.1 Grupos Triangulares


Para classificarmos os grupos do tipo II que agem descontinuamente sobre E2 intro-
duziremos os grupos triangulares.
Três retas distintas l1 , l2 e l3 , mutuamente concorrentes mas não simultaneamente,
definem um triângulo em E2 . Seja 4(A, B, C) um triângulo com vértices em A = l1 ∩ l3 ,
B = l1 ∩ l2 e C = l2 ∩ l3 , e α, β e γ a medida dos ângulos internos correspondendo aos
vértices A, B e C, respectivamente. Para darmos enfâse aos ângulos internos, denotamos
o triângulo por 4(α, β, γ) e chamamos a atenção que 4(α, β, γ) corresponde à uma classe
de triângulos semelhantes.
Sejam r1 r2 e r3 as reflexões sobre os lados do triãngulo e G =< r1 , r2 , r3 >. Ana-
lisaremos a ação de G sobre E2 . Os vértices do triângulo são centros de rotação com
ângulo igual ao dobro do ângulo interno do triângulo no mesmo vértice. De acordo com
a proposição 3.2, para que a ação do grupo sobre E2 seja descontinua os ângulos internos

autor: Celso M Doria 67


3.3. SUBGRUPOS DISCRETOS DE ISOM (E2 ) Celso M Doria

π π
do triângulo devem ser da forma m , n e πp , onde m, n, p ∈ N. Além disto, como a soma
dos ângulos internos de um triângulo euclideano é π, temos a seguinte equação;

1 1 1
+ + = 1. (3.3)
m n p

Proposição 3.19. As únicas soluções (m, n, p) ∈ N × N × N da equação

1 1 1
+ + =1 (3.4)
m n p

são (2, 4, 4), (2, 3, 6) e (3, 3, 3).

Uma abordagem geométrica do resultado da proposição acima é indagarmos sobre o


número de lados que um polı́gono regular deve ter para que o ângulo formado no vértice
do polı́gono, que mede π n−2n , seja um divisor inteiro de 2π. Isto porque os vértices do
polı́gono são centros de rotação e ao aplicarmos uma destas rotações um número k de
vêzes o ângulo formado no vértice deverá medir 2π figura ??. Assim, para cada n ∈ N
tem que haver uma solução k ∈ N para a equação
 
2
k. 1 − = 2.
n

No entanto, a equação só admite solução inteira quando n = 3 (triângulo equilátero),


n = 4 (quadrado) e n = 6 (hexágono).
Ao considerarmos as retas que contém o centro do cı́rculo circunscrito e os vértices
do polı́gono regular, obtemos uma decomposição do interior do polı́gono em triângulos
congruentes. No caso do triângulo equilátero, o triângulo obtido é o 4(2, 3, 6); no qua-
drado é o triângulo 4(4, 4, 2); e no hexágono é o triângulo 4(3, 3, 3). Reciprocamente, se
refletirmos cada um dos triângulos sobre seus lados, obteremos os respectivos polı́gonos.

Definição 3.9. Os grupos triangulares euclideanos são os grupos da forma G(m, n, p) =<
r1 , r2 , r3 >, onde a tripla (m, n, p) é uma solução da equação 3.5.

Portanto, existem apenas três grupos triangulares euclideanos: G(2, 4, 4), G(2, 3, 6) e
G(3, 3, 3).

Exercı́cio 3.8. :

1. Prove a proposição 3.19.

2. Mostre que G0 =< r1 r2 , r1 r3 , r2 r3 > é um subgrupo de ı́ndice 2 de G =< r1 , r2 , r3 >.

3. Seja G um grupo do tipo II agindo descontinuamente sobre E2 . Mostre que G é


um subgrupo de um grupo triangular.

autor: Celso M Doria 68


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

4. Considere o triângulo 4(2, 3, 6). Mostre que se fixarmos a origem no vértice cujo
ângulo interno é π/2, então a sequência exata escreve-se como

0 −→ Z ⊕ Z −→ G −→ Z2 −→ 1.

Escreva a sequência exata fixando a origem em cada um dos outros vértices do


triângulo.
1
5. Seja 4(m, n, p) um triângulo onde m ≤ n ≤ p e m + n1 + p1 = 1. Considere a matriz

M (m, n) = R 2π + R 2π − R 2π(m+n) − I (3.5)


m n mn

Usando as identidades trigonométricas, prove que

π π
M (m, n) = 4.sen( )sen( )R π(p−1) . (3.6)
m n p

Utilizando a expressão 3.6, obtida no exercı́cio acima, podemos descrever explicita-


mente quem são os vetores que geram as translações decorrentes dos comutadores das
rotações centradas nos vértices do triângulo 4(M, n, p). Para este fim, consideramos a
tabela 3.1 abaixo;

m n M√(m, n)
2 3 2 3.R 5π
6
2 6 2.R 2π
√ 3
3 6 3.R π2
2 4 √4 .R 3π
2 4
4 4 2.R π2
3 3 3.R 2π
3

Tabela 3.1: R(m, n)

Também vamos fixar os seguintes elementos: Sejam A, B e C os vértices do triângulo


4(m, n, p), assim como mostra a figura ??. Consideramos os seguintes vetores

u0 = OA, v0 = OB, w0 = OC,


eAB = v0 − u0 , eBC = w0 − v0 , eCA = u0 − w0 .

1 - 4(2, 3, 6): Sejam


√ √
ν1 = 2 3.R 5π (eAB ), ν2 = 2.R 2π (eAC ), ν3 = 3.R π2 (eBC )
6 3

autor: Celso M Doria 69


3.3. SUBGRUPOS DISCRETOS DE ISOM (E2 ) Celso M Doria

Ao aplicarmos os dados na tabela 3.1, segue que

[RπA , RB2π ] = Tν1 , [RπA , RCπ ] = Tν2 , [RB2π , RCπ ] = Tν3 . (3.7)
3 3 3 3


Se os vértices de 4(2, 3, 6) são A = (0, 0), B = (1, 0) e C = (0, 3), então

√ √
ν1 = (−3, 3), ν2 = (3, 3), ν3 = −ν2 .

2 - 4(2, 4, 4): Da mesma maneira,

4 4
ν1 = √ .R 3π (eAB ), ν2 = √ .R 3π (eAC ), ν3 = 2.R π2 (eBC ),
2 4 2 4

da onde,

[RπA , RBπ ] = Tν1 , [RπA , RCπ ] = Tν2 , [RBπ , RCπ ] = Tν3 . (3.8)
2 2 2 2

Se os vértices de 4(2, 4, 4) são A = (1/2, 1/2), B = (0, 0) e C = (1, 0), então

ν1 = (2, 0), ν2 = (0, −2), ν3 = −ν2 .

3 - 4(3, 3, 3): Analogamente,

ν1 = 3.R 2π (eAB ), ν2 = 3.R 2π (eAC ), ν3 = 3.R 2π (eBC )


3 3 3

obtemos

[RA2π , RB2π ] = Tν1 , [RA2π , RC2π ] = Tν2 , [RB2π , RC2π ] = Tν3 . (3.9)
3 3 3 3 3 3


Se os vértices de 4(3, 3, 3) são A = (0, 0), B = (1, 0) e C = (1/2, 3/2), então
√ √
1 3 1 3
ν1 = 3.(− , ), ν2 = 3(− , − ), ν3 = −ν2 .
2 2 2 2

autor: Celso M Doria 70


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

3.3.2 Classificação dos Subgrupos Discretos de Isom(E2 )


Agora, aplicaremos os resultados obtidos para classificarmos os subgrupos discretos
de Isom(E2 ). Vamos considerar os seguintes casos: (1) TG = {0}, (2) TG ' Z e (3)
TG ' Z ⊕ Z. Seja PG a região fundamental associada a G.

1. TG = {0}. Sejam l1 e l2 retas que formam um ângulo θ entre si e sejam r1 , r2 :


E2 → E2 as respectivas reflexões. Segue que r1 r2 = R2θ ;

(a) Go =< r1 , r2 >=< r1 , R2θ >' Dk

(b) Go =< r1 r2 >=< R2θ >' Zk

Os grupos acima são subgrupos de O2 e tem ordem finita.

2. TG = Z, G é do tipo I.
Todos os grupos nesta categoria tem ordem infinita. Sejam l1 , l2 e l3 retas distintas
tais que l1 k l2 e l1 ⊥ l3 (considere l3 como sendo o eixo-x). Sejam ri : E2 → E2 ,
i ∈ {1, 2, 3} as respectivas reflexões. Se l1 ∩ l3 = {P } e l2 ∩ l3 = {Q}, segue que

r1 r3 = RπP , r2 r3 = RπQ , r1 r2 = T2u .

A transformação M2u;3 = r3 T2u é denominada reflexão-deslizamento. Decorre


2
de r3 (u) = u que r3 T2u = T2u r3 e M2u;3 = T4u . Consideramos as seguintes
possibilidades;

(a) GI1 =< r1 , r2 >=< r1 , T2u >,

(b) GI2 =< r1 r2 >=< T2u >' Z, (age livremente)

(c) GI3 =< r1 , r2 , r3 >,


Abaixo esta a tabela produto dos geradores de GI3 :

I r1 r2 r3
I I r1 r2 r3
r1 r1 I T2u RπP
r2 r2 T−2u I RπQ
r3 r3 RπP RπQ I

Tabela 3.2: tabela dos geradores de GI3

(d) GI4 =< r1 r2 , r3 >=< T2u , r3 >;

(e) GI5 =< r1 r2 r3 >=< M2u;3 > (reflexão-deslizamento). Este grupo age livre-
mente sobre E2 ;

autor: Celso M Doria 71


3.3. SUBGRUPOS DISCRETOS DE ISOM (E2 ) Celso M Doria

I T2u r3
I I T2u r3
T2u T2u T4u G2u;3
r3 r3 G2u;3 I

Tabela 3.3: tabela dos geradores de GI4

I M2u;3
I I M2u;3
M2u;3 M2u;3 T4u

Tabela 3.4: tabela dos geradores de GI5

(f) GI6 =< r1 r3 , r2 r3 >=< RπP , RπQ >;


De acordo com a proposição 3.17, GI6 é do tipo I;

[RπP , RπQ ] = T4v0 , onde v0 = P Q.

I RπP RπQ
I I RπP RπQ
RπP RπP I RπP .RπQ
RπQ RπQ Q P
Rπ .Rπ I

Tabela 3.5: tabela dos geradores de GI6

(g) GI7 =< RπP , Tu >;

Por exaustão, temos o seguinte resultado;

Teorema 3.3. Os grupos GIi , i = 1, . . . , 7 são, a menos de isomorfismos, os únicos


grupos do tipo I.

3. TG = Z ⊕ Z, G é do tipo II.

(a) Grupos gerados pelas reflexões sobre os lados do triângulo 4(2, 3, 6) (fi-
gura ??).
Sejam l1 , l2 , l3 os lados de 4(2, 3, 6) e r1 , r2 , r3 as respectivas reflexões. Con-
sidere que os vértices de 4(2, 3, 6) sejam

A = l1 ∩ l3 , B = l1 ∩ l2 , C = l2 ∩ l3 ,

cujos ângulos internos medem

autor: Celso M Doria 72


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

I RπP Tu
I I RπP Tu
RπP RπP I P
Rπ .Tu
Tu Tu Tu .RπP T2u

Tabela 3.6: tabela dos geradores de GI7

π π π
 = ](l1 , l3 ) = , B̂ = ](l1 , l2 ) = Ĉ = ](l2 , l3 ) = .
2 6 3

Desta maneira, as seguintes rotações resultam da composição das reflexões


r1 , r2 , r3 ;

r3 r1 = RπA , r1 r2 = RBπ , r1 r3 = RC2π .


3 3

Como visto na equação 3.7,

[RπA , RB2π ] = Tν1 , [RπA , RCπ ] = Tν2 , [RB2π , RCπ ] = Tν3 .


3 3 3 3

Além disto, também temos as reflexões por deslizamento Ki,νj = ri Tνj , onde
1 ≤ i ≤ 3 e 1 ≤ j ≤ 3.

(a.1) GII
1 =< r1 , r2 , r3 >
A tabela 3.7 corresponde ao produto dos geradores de GII
1 ;

I r1 r2 r3
I I r1 r2 r3
r1 r1 I RπA RC2π
3
r2 r2 RπA I RB5π
3
r3 r3 RC4π RBπ I
3 3

Tabela 3.7: tabela dos geradores de GII


1

(a.2) GII A B C
2 =< Rπ , R 2π , R π >;
3 3
A tabela 3.8 corresponde ao produto dos geradores de GII
2 ;

(a.3) GII A B A C
3 =< [Rπ , R 2π ], [Rπ , R π ] >=< Tν1 , Tν2 >;
3 3
a classe de isomorfismo deste grupo depende apenas da existência de 2
translações linearmente independentes gerando-o.

autor: Celso M Doria 73


3.3. SUBGRUPOS DISCRETOS DE ISOM (E2 ) Celso M Doria

I RπA RB2π RCπ


3 3
I I RπA RB2π RCπ
3 3
RπA RπA I RπA RB2π RπA RCπ
3 3
RB2π RB2π RB2π RπA RB4π RB2π RCπ
3 3 3 3 3 3
RCπ RCπ RCπ RπA RCπ RB2π RCπ
3 3 3 3 3 3

Tabela 3.8: tabela dos geradores de GII


2

(a.4) GII A B
4 =< r1 , [Rπ , R 2π ] >=< r1 , Tν1 >; a classe de isomorfismo inde-
3
pende da reflexão ri , i = 1, 2, 3, utilizada e também da translação esco-
lhida dentre ν1 , ν2 ou ν3 . Observamos que o lado l1 e a direção de ν1 não
são perpendiculares.
(a.5) GII B A B B
5 =< R 2π , [Rπ , R 2π ] >=< R 2π , Tν1 >;
3 3 3
a classe de isomorfismo depende da existência de uma translação qualquer
que seja ela dentre as geradas por ν1 , ν2 ou ν3 .
(a.6) GII C A B C
6 =< R π , [Rπ , R 2π ] >=< R π , Tν1 >; a classe de isomorfismo de-
3 3 3
pende da existência de uma translação qualquer que seja ela dentre as
geradas por ν1 , ν2 ou ν3 .
(a.7) GII A B
7 =< [Rπ , R 2π ], Ki;νj >=< Tν1 , Ki;νj >;
3
a classe de isomorfismo deste grupo independe da escolha dos vetores ν1
e νj dentre os vetores ν1 , ν2 ou ν3 .
(a.8) GII A
8 =< Rπ , Ki;νj >;
a classe de isomorfismo deste grupo independe da escolha dos vetores
dentre ν1 , ν2 ou ν3 .
(a.9) GII B
9 =< R 2π , Ki;νj >;
3
a classe de isomorfismo deste grupo independe da escolha dos vetores
dentre ν1 , ν2 ou ν3 .
(a.10) GII C
10 =< R π3 , Ki,νj >; a classe de isomorfismo deste grupo independe
da escolha dos vetores dentre ν1 , ν2 ou ν3 .
(a.11) GII
11 =< Ki,νj , Kk,νl >;
a classe de isomorfismo deste grupo independe da escolha das trans-
formações de deslizamento e refleão usadas, desde que sejam distintas.
Nos casos acima, havendo um centro de rotação, a classe de isomorfismo
depende do ângulo de rotação.

(b) Grupos obtidos pela reflexão sobre os lados do triângulo 4(3, 3, 3) (figura ??).

autor: Celso M Doria 74


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

Sejam l1 , l2 , l3 os lados de 4(3, 3, 3) e r1 , r2 , r3 as respectivas reflexões. Con-


sideramos

π π π
 = ](l3 , l1 ) = , B̂ = ](l1 , l2 ) = Ĉ = ](l2 , l3 ) = .
3 3 3

De maneira análoga ao caso do triângulo 4((2, 3, 6), as seguintes isometrias


são obtidas pela composição das reflexões r1 , r2 , r3 ;
rotações: r1 r2 = RAπ , r3 r2 = RBπ , r1 r3 = RCπ .
3 3 3

translações: Tν1 = [RAπ , RBπ ], Tν2 = [RAπ , RC2π ].


3 3 3 3

reflexões-deslizamento: Ki,νj = ri Tνj , i = 1, 2 e j = 1, 2.

Tendo em vista as observações feitas no caso anterior, dentre todos os grupos


discretos obtidos a partir do grupo triangular 4(3, 3, 3), somente os grupos
abaixo acrescentam novas classes de isomorfismo a lista grupos;
(b.1) GII A B C
12 =< R 2π , R 2π , R 2π >;
3 3 3

(b.2) GII A A B B
13 =< R 2π , [R 2π , R 2π ] >=< R 2π , Tν1 >;
3 3 3 3

(b.3) GII
14 =< RA 2π , Ki;νj >.
3

(c) Grupos obtidos pela reflexão sobre os lados do triângulo 4(2, 4, 4). (figura ??)
Sejam l1 , l2 , l3 os lados de 4(2, 4, 4) e r1 , r2 , r3 as respectivas reflexões. Con-
sidere que os ângulos internos medem

π π π
 = ](l1 , l2 ) = , B̂ = ](l2 , l3 ) = Ĉ = ](l3 , l1 ) = .
2 4 4

Como anteriormente, temos as seguintes isometrias:


rotações: r1 r3 = RπA , r2 r3 = RBπ e r3 r1 = RCπ ,
2 2

translações: Tν1 = [RπA , RBπ ] e Tν2 = [RπA , RCπ ],


2 2
reflexões-deslizamento: K1;νj = ri 1Tνj , onde i = 1, 2 e j = 1, 2.

Os grupos abaixo somam-se as listas dos grupos (a.1)-(a.11) e (b.1)-(b.3);


(c.1) GII A B C
15 =< Rπ , R π , R π >; 2 2

(c.2) GII
16 =< RBπ , [RπA , RBπ ] >=< RBπ , Tν1 >;
2 2 2

(c.3) GII
17 =< RBπ , Ki;νj >;
2

Teorema 3.4. Os grupos GII


i , i = 1, . . . , 17 são, a menos de isomorfismos, os únicos
grupos do tipo II.

autor: Celso M Doria 75


3.3. SUBGRUPOS DISCRETOS DE ISOM (E2 ) Celso M Doria

3.3.3 Superfı́cies e Orbitais Euclideanos


Fazer uma tabela

GRUPO GERADORES Figura do Espaço Quociente χ(X/G).

FAZER AS FIGURAS

autor: Celso M Doria 76


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

3.4 2o -método para obter as geodésicas de E2


Nesta seção, apresentamos um 2o método para demonstrarmos que as geodésicas em
E2 descrevem uma reta. Este 2o -método é realizado através da variação do funcional
comprimento de arco. Os procedimentos serão meramente formais pois não é nosso
objetivo estudarmos os aspectos analı́ticos que justificam os cálculos a seguir;
Consideramos

Ω(p, q) = {γ : [0, 1] → E2 | γ ∈ C 0 , γ(0) = p, γ(1) = q}

o espaço das curvas contı́nuas ligando p à q em E2 . A integral do comprimento de uma


curva define a função
Z 1
L : Ω(p, q) → R, L(γ) = | γ , | ds
0
As geodésicas são os pontos de mı́nimo desta função. Uma condição necessária para isto
é OL(γ) = 0. Algumas considerações sobre Ω(p, q) são necessárias antes de definirmos o
gradiente da função L. Observamos que Ω(p, q) é um espaço afim, no entanto, ao fixarmos
a origem no elemento γ ∈ Ω(p, q) obtemos o espaço vetorial

V(p, q) = {Λ : [0, 1] → E2 , Λ(0) = Λ(1) = 0}

munido com o produto interno


Z 1
<< Λ1 , Λ2 >>= < Λ1 (s), Λ2 (s) > ds.
0

Qualquer elemento η ∈ Ω(p, q) pode ser escrito na forma

η(s) = γ(s) + Λ(s), Λ ∈ V(p, q).

Além disto, uma curva Γ : (−, ) → Ω(p, q), tal que Γ(0) = γ, é escrita na forma

Γ(s, t) = γ(s) + tΛ(s), Λ ∈ V.

Por simplicidade de notação, indicamos Γ(s, t) = γt (s). Desta forma, se γ ∈ Ω(p, q) e


Λ ∈ V(p, q), então

∂γt (s)
γ0 (s) = γ(s), |t=0 = Λ(s).
∂t
Definição 3.10. Seja γ ∈ Ω(p, q) uma curva;

1. γ é regular no ponto t ∈ [0, 1] se for diferenciável em t e se γ , (t) 6= 0. γ é regular


se for diferenciável e regular em todos os pontos t ∈ [0, 1].

autor: Celso M Doria 77


3.4. 2O -MÉTODO PARA OBTER AS GEODÉSICAS DE E2 Celso M Doria

2. O vetor normal de γ é o vetor

<γ 0 ,γ 00 > 0
γ 00 − |γ 0 |2
γ
N= <γ 0 ,γ 00 > 0
.
| γ 00 − |γ 0 |2
γ |

3. A curvatura de γ é a função kγ : [0, 1] → R definida por

| γ 0 ∧ γ 00 |
kγ = .
| γ 0 |3

Proposição 3.20. Seja γ ∈ Ω(p, q) uma curva regular, e sejam kγ a curvatura de γ e


N o vetor normal de γ. Então,

OL(γ) = −kγ .N

Demonstração. Consideramos uma curva γt : (−, ) → Ω(p, q), tal que γ0 = γ. Por-
tanto,

γt = γ(s) + tΛ(s), Λ ∈ V.

Definimos a função L : (−, ) → R por


Z 1
L(t) = L(γt ) = | γt0 | ds.
0

(no caso de uma função f : Rn → R, o gradiente é definido por dfp .V =< Of (p), V >)
Assim,
Z 1 Z 1p
0 0
L(t) = | γ + tΛ | ds = | γ 0 |2 +2t < γ 0 , Λ0 > +t2 | Λ0 |2 .
0 0

A derivada de L(t), em relação à t, é

dL L(4t) − L(0)
|t=0 = lim = dLγ .Λ.
dt 4t→0 4t

Ao efetuarmos o cálculo obtemos


1
< γ 0 , Λ0 > +t | Λ0 |2
Z
dL
= p ds.
dt 0 | γ 0 |2 +2t < γ 0 , Λ0 > +t2 | Λ0 |2

Então,
1
γ0
Z
dL
|t=0 = < , Λ0 > ds. (3.1)
dt 0 | γ0 |

autor: Celso M Doria 78


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

Ao aplicarmos à expressão 3.1 as identidades

d < γ, Λ > γ0 γ0
=< ( 0 )0 , Λ > + < |, Λ0 >,
dt |γ | | γ0

d γ0 < γ0, γ0 > 0


 
1 0
( )= γ − γ ,
dt | γ 0 | | γ0 | | γ 0 |2

as definições do vetor normal e do vetor curvatura e a identidade

< γ 0 , γ 00 > 0 2 < γ 0 , γ 00 >2 | γ 0 ∧ γ 00 |2


| γ 00 − γ | =| γ 00 2
| − = ,
| γ 0 |2 | γ 0 |2 | γ 0 |2

então obtemos
1
| γ 0 ∧ γ 00 |
Z
dL
=< γ 0 (1), Λ(1) > − < γ 0 (0), Λ(0) > + <− N, Λ > ds.
dt 0 | γ 0 |3

Ao cosiderarmos que Λ(1) = Λ(0) = 0 a expressão finalmente torna-se


Z 1
dL
|t=0 = < −kγ N, Λ > ds =<< −kγ N, Λ >> .
dt 0

Portanto, dLγ .Λ =<< −kγ N, Λ >>, da onde concluı́mos que

OL(γ) = −kγ N.

Corolário 3.8. Sejam p, q ∈ E2 . Os pontos crı́ticos da função L : Ω(p, q) → R são as


curvas γ ∈ Ω(p, q) que descrevem uma reta.

Demonstração. Suponhamos que γ ∈ Ω(p, q) seja um ponto crı́tico. Então, para todo
Λ ∈ V(p, q) temos dLγ .Λ = 0. Isto é equivalente à

< OL(γ), Λ >= 0 ∀Λ ∈ V(p, q).

Em particular, se considerarmos Λ = OL(γ), segue que

| OL(γ) |2 =| kγ .N |2 = 0.

Como N 6= 0, concluı́mos que kγ = 0. Consequentemente, γ 0 ∧ γ 00 = 0, da onde uma das


seguintes situações ocorre;

1. γ 00 = 0.
Neste caso, segue que γ 0 = t(q − p) + p,

autor: Celso M Doria 79


3.4. 2O -MÉTODO PARA OBTER AS GEODÉSICAS DE E2 Celso M Doria

2. existe uma função f : [0, 1] → R tal que para todo s ∈ [0, 1] temos que γ 00 (s) =
f (s).γ 0 (s). Segue que a solução da equação

γ 00 − f γ 0 = 0, γ(0) = p, γ(1) = q


Rs Rσ
f (τ )dτ
e 0 dσ
γ(s) = R01 Rσ (q − p) + p,
f (τ )dτ
0 e 0 dσ

cuja imagem descreve uma reta em E2 .

Exercı́cio 3.9. :
1. Seja γ uma curva regular dada em coordenadas por γ(s) = (x(s), y(s)). Mostre
que a curvatura kγ é dada por

x0 y 0 − y 0 x00
kγ = .
[(x0 )2 + (y 0 )2 ]3/2

(a) Verifique através da fórmula acima que a curvatura é invariante por mudana̧
de parâmetro.
(b) Conclua, utilizando as coordenadas que quando kγ = 0 a curva γ descreve
uma reta.

2. Suponha que existe uma constante c ∈ R tal que γ 00 = cγ 0 . Mostre que

ecs 1
γ(s) = c
(p − q) + (q − ec p)
1−e 1 − ec
3. Seja f : [01, 1] → R uma função não-nula. Determine os em pontos em [0, 1] onde
a curva γ : [0, 1] → R2 , definida por
Rs Rσ
f (τ )dτ
e 0 dσ
γ(s) = R01 Rσ (q − p) + p,
f (τ )dτ
0 e 0 dσ
é regular. Calcule a função comprimento de arco de γ.
4. Sejam p, q ∈ E2 . Defina a função energia E : Ω(p, q) → R por
Z 1
1
E(γ) = | γ , |2 dt.
2 0

Mostre que;

autor: Celso M Doria 80


CAPÍTULO 3. GEOMETRIA EUCLIDEANA Celso M Doria

(a) A função comprimento L : Ω(p, q) → R é invariante por mudança de coorde-


nadas.
(b) A função energia não é invariante por mudança de coordenadas.
(c) Mostre que (L(γ))2 ≤ c.E(γ), onde c=constante.
(d) Mostre que OE(γ) = −γ 00
(e) Mostre que os pontos crı́ticos da energia são as retas descritas por um parâmetro
proporcional ao comprimento de arco.

autor: Celso M Doria 81


3.4. 2O -MÉTODO PARA OBTER AS GEODÉSICAS DE E2 Celso M Doria

autor: Celso M Doria 82


Capı́tulo 4

Geometria Esférica

4.1 A Esfera S2 . Coordenadas


Seja E3 = (R3 , < ., . >) o espaço euclideano de dimensão 3, onde < ., . >: R3 ×R3 → R
é o produto interno euclideano: u = (u1 , u2 , u3 ) e v = (v1 , v2 , v3 ),

< u, v >= u1 v1 + u2 v2 + u3 v3
A esfera de raio R0 com centro na origem de E3 é o conjunto

2
SR 0
= {v ∈ R3 ; | v |= R0 }. (4.1)

Decorre que SR 2 é um subconjunto compacto de E3 e, consequentemente, S 2 não é


0 R0
difeomorfo à R2 . Ao longo do texto denotaremos S2 = S12 . Ao considerarmos a função
2 = h−1 (R ) é uma
h : R3 → R, dada por h(x, y, z) = x2 + y 2 + z 2 , concluı́mos que SR 0 0
2
superfı́cie de nı́vel e o plano tangente no ponto p ∈ SR0 é

2
Tp SR 0
= {v ∈ R3 |< v, op
~ >= 0}. (4.2)

4.1.1 Coordenadas Esféricas


Os procedimentos analı́ticos na geometria euclideana E2 são realizados com a uti-
lização de coordenadas no plano R2 ; estas podem ser as coordenadas cartesianas (x, y),
ou as ccordenadas polares (θ, r) ou um outro sistema de coordenadas qualquer. O im-
portante é que a todo ponto p no plano associamos um par de números reais (x, y) que
denominamos coordenadas de p. Na esfera, por ela ser um subconjunto de R3 , procede-
mos da mesma forma associando a cada ponto p ∈ SR 2 uma tripla de números reais que
0
também denominamos de coordenadas de p. Quaisquer que sejam as coordenadas sobre
SR2 , iremos induzi-las a partir de coordenadas em R3 . Para descrevermos os pontos do
0
espaço é habitual associarmos a cada ponto p ∈ R3 uma tripla (x, y, z), onde x, y, z cor-
respondem à projeção ortogonal sobre os eixos ortogonais que denominamos de eixo − x,
eixo − y e eixo − z; a este tipo de coordenadas denominamos de coordenadas cartesianas

83
4.1. A ESFERA S2 . COORDENADAS Celso M Doria

de p. No entanto, nem sempre este é o melhor sistema de coordenadas para estudarmos


um problema. No estudo de questões sobre a esfera SR 2 é mais conveniente associarmos
0
a cada ponto p = (x, y, z) do espaço uma tripla (ρ, θ, ψ) definida assim:

ρ mede a distância de p à origem,


θ é o ângulo, medido em radianos, entre a projeção do vetor op
~ sobre o plano-xy e o eixo-x,
ψ é o ângulo, medido em radianos, entre o vetor op
~ e o eixo-z.
(4.3)

O ângulo θ é denominada a longitude de p, enquanto o ângulo ψ a latitude de p. Desta


maneira, temos figura ??

x = ρ.cos(θ)sen(ψ), y = ρ.sen(θ)sen(ψ) e z = ρ.cos(ψ). (4.4)

Isto define a aplicação F : R3 → R3 ,

F (ρ, θ, ψ) = (ρ.cos(θ)sen(ψ), ρ.sen(θ)sen(ψ), ρ.cos(ψ)), (4.5)

Observamos que F não é bijetora, pois

F (0, θ, ψ) = 0, ∀(θ, ψ) ∈ [0, 2π] × [0, π],


F (ρ, 0, ψ) = F (ρ, 2π, ψ), ∀(ρ, ψ) ∈ R × [0, π],
F (ρ, θ, 0) = (0, 0, ρ), F (ρ, θ, π) = (0, 0, −ρ), (ρ, θ) ∈ R × [0, 2π].

Ao restringirmos à F : (0, ∞) × (0, 2π) × (0, π) → R3 obtemos um difeomorfismo sobre


R3 − {(x, 0, z) | x ≥ 0}. Desta forma, F atribui a cada ponto de R3 − {(x, 0, z) | x ≥ 0}
uma única tripla (ρ, θ, ψ).

Definição 4.1. Um sistema de coordenadas esféricas local em R3 é dado por um sistema


ortogonal de coordenadas (ρ, θ, ψ) ∈ R+ ×[0, 2π]×[0, π] e uma aplicação F : R+ ×[0, 2π]×
[0, π] → R3 tal que:

1. F é diferenciável,

2. F : (0, ∞) × (0, 2π) × (0, π) → R3 é um difeomorfismo,


2 é descrita por
3. para qualquer R0 ∈ R, a esfera SR 0

2
SR 0
= {F (R0 , θ, ψ) ∈ R3 | (θ, ψ) ∈ [0, 2π] × [0, π]}.

2 dizemos que as coordenadas esféricas de p induzidas por


Se p = F (R0 , θ, ψ) ∈ SR 0
F são (θ, ψ).

autor: Celso M Doria 84


CAPÍTULO 4. GEOMETRIA ESFÉRICA Celso M Doria

A descrição da esfera SR2 em coordenadas esféricas é mais simples uma vez que ρ = R
0 0
é constante. Sendo assim, para descrevermos um ponto p ∈ SR 2 basta o par (θ, ψ).
0
Chamamos a atenção para o fato que F , definida em 4.5, depende da maneira como
medimos o ângulo θ em relação aos eixos ortogonais no plano xy e também da maneira
como medimos o ângulo ψ em relação ao eixo-z. Sejam F1 = F , θ = θ1 e ψ = ψ1 .
Desta maneira, ao tomarmos U = (0, 2π) × (0, π) e L1 = {(R0 sen(ψ1 ), 0, R0 cos(ψ1 )) |
0 ≤ ψ1 ≤ π}, segue que F1 : U → (SR 2 − L ) é um difeomorfismo. No entanto, F
0 1 1
não é suficiente para atribuirmos coordenadas à SR2 , pois F (U ) não cobre os pontos
0 1 1
pertencentes à curva L1 . De fato, F1 é apenas uma carta local. Para resolvermos este
problema temos que construir um outro sistema de coordenadas (carta local) sobre SR 2 .
0
3
Seja F2 : (0, 2π) × (0, π) → R dada por

F2 (θ2 , ψ2 ) = (−R0 .cos(θ2 )sen(ψ2 ), R0 .cos(ψ2 ), R0 .sen(θ2 )sen(ψ2 )),

onde θ2 e ψ2 são os ângulos conforme mostra a figura ??.

Seja U = (0, 2π) × (0, π), então a imagem de F2 (U ) = SR 2 − L , onde L =


0 2 2
{(R0 sen(ψ2 ), R0 cos(ψ2 ), 0)) | 0 ≤ ψ2 ≤ π}. Ao observarmos que L1 ∩L2 = ∅, concluı́mos
que

2
F1 (U ) ∪ F2 (U ) = SR 0
.

Além disto, L1 = F2 (θ2 , π/2), π/2 ≤ θ2 ≤ 3π/2, e L2 = F1 (θ1 , π/2), π/2 ≤ θ1 ≤ 3π/2.
Portanto, através de F1 e F2 associamos coordenadas a todos os pontos de SR 2 . Porém,
0
os pontos que pertencem a F1 (U )∩F2 (U ) possuem duas coordenadas, exemplo: ao ponto
R0 √
(√ 2
, R02 , 0) associamos as coordenadas (π/4, 0)1 e (5π/4, 0)2 porque

R0 R0
F1 (π/4, 0) = F2 (5π/4, 0) = ( √ , √ , 0).
2 2
Esta aparente ambigüidade é resolvida com a aplicação de transição entre as coordenadas
(θ1 , ψ1 ) e (θ2 , ψ2 ) dada pelo difeomorfismo f21 = F2 ◦ (F1 )−1 : (U − A) → (U − A), onde
A = {(θ, π/2) ∈ U | π/2 ≤ θ ≤ 3π/2}.
Para verificarmos que SR 2 é uma superfı́cie mergulhada em R3 basta verificarmos os
0
seguinte itens;
2 ,
1. F1 (U ) ∪ F2 (U ) = SR 0

2. F1 , F2 : U → R3 são bijetoras.

3. F1 , F2 : U → R3 são difeomorfismo.
F1 é uma imersão, pois
 
−sen(θ1 )sen(ψ1 ) cos(θ1 )cos(ψ1 )
d(F1 )(θ1 ,ψ1 ) = R0 .  cos(θ1 )sen(ψ1 ) sen(θ1 )cos(ψ1 ) ,
0 −sen(ψ1 )

autor: Celso M Doria 85


4.1. A ESFERA S2 . COORDENADAS Celso M Doria

e, para todo (θ1 , ψ1 ) ∈ U , posto(d(F1 )(θ1 ,ψ1 ) ) = 2. Pelo Teorema da Forma Local
das Imersões F1 é um difeomorfismo de U sobre F1 (U ) ⊂ SR 2 . Analogamente,
0
concluı́mos que F2 também é um difeomorfismo de U sobre F2 (U ) ⊂ SR 2 . Segue
0
2
da compacidade de SR0 que ela esta mergulhada. Uma base para o plano tangente
2 , p = F (θ , ψ ), é β = {e , e }, onde
Tp SR 0 1 1 1 1 2

e1 = (−sen(θ1 )sen(ψ1 ), cos(θ1 )sen(ψ1 ), 0),


(4.6)
e2 = (cos(θ1 )cos(ψ1 ), sen(θ1 )cos(ψ1 ), −sen(ψ1 )).

2 . O fato da aplicação
Consequentemente, AS 2 = {(U, F1 ), (U, F2 )} é um atlas para SR
R0 0

de transição f21 = F2 ◦(F1 )−1 : U −A → U −A ser um difeomorfismo decorre do Teorema


da Forma Local das Imersões.
2 é um cı́rculo C = S 2 ∩ π, onde π é um plano
Definição 4.2. Um grande cı́rculo em SR 0 R0
passando pela origem. As curvas coordenadas associadas a um sistema de coordenada
2 são assim denominadas;
esférica sobre SR 0
2 é a curva P
1. o paralelo Pψ0 em SR 0 ψ0 = {F (R0 , θ, ψ0 ) | θ ∈ [0, 2π]}. O paralelo Pπ/2
é denominado de Equador.
2. o meridiano Mθ0 é a curva Mθ0 = {F (R0 , θ0 , ψ) | ψ ∈ [0, π]}.
Um grande cı́rculo divide a esfera SR2 em dois hemisférios H = {F (R , θ, ψ) | ψ ∈
0 1 0
[0, π/2]} e H2 = {F (R0 , θ, ψ) | ψ ∈ [π/2, π]}. Assim,

2
SR 0
= H1 ∪ H2 , H1 ∩ H2 = Pπ/2 .

4.1.2 Outras Coordenadas sobre S2


Por simplicidade, vamos agora nos restringir à S2 .
Coordenadas Cartesianas
Sejam B1 = {w ∈ R2 ; | w |< 1} a bola aberta e (B1 , φi ), i = 1, . . . , 6, sistemas de
coordenadas locais (cartas) definidas assim: figura ??

p
φ1 : B1 → R3 , φ1 (x, y) = (x, y, 1 − x2 − y 2 ),
p
φ2 : B1 → R3 , φ2 (x, y) = (x, y, − 1 − x2 − y 2 ),
p
φ3 : B1 → R3 , φ3 (y, z) = ( 1 − y 2 − z 2 , y, z),
p (4.7)
φ4 : B1 → R3 , φ4 (y, z) = (− 1 − y 2 − z 2 , y, z),
p
φ5 : B1 → R3 , φ5 (x, z) = (x, 1 − x2 − z 2 , z),
p
φ6 : B1 → R3 , φ6 (x, z) = (x, − 1 − x2 − y 2 , z).

autor: Celso M Doria 86


CAPÍTULO 4. GEOMETRIA ESFÉRICA Celso M Doria

Segue que,
S6
1. S2 = i=1 φi (B1 );

2. φi é bijetora para todo i;

3. φ1 é um difeomorfismo entre B1 e a sua imagem φ21 (B1 ). Isto porque


 
1 0
dφ1 (x, y) = 
 0 1 
⇒ posto(dφ1 (x, y)) = 2,
√ −y

√ −x
1−x2 −y 2 1−x2 −y 2

para todo (x, y) ∈ B1 . Portanto, φ1 é uma imersão bijetora para todo (x, y) ∈ B1 .
Pelo Teorema da Forma Local das Imersões, φ1 é um difeomorfismo. Analoga-
mente, as outras aplicações φi também são difeomorfismos.

4. Decorre do item anterior que as aplicações de transição φij = φi ◦ φ−1


j : B1 → B1
são difeomorfismos;

φ21 (x, y) = (x, y), φ43 (y, z) = (y, z), φ65 (x, z) = (x, z),
p p
φ31 (x, y) = ( 1 − x2 − y 2 , y), φ41 (x, y) = (− 1 − x2 − y 2 , x),
p p
φ51 (x, y) = (x, 1 − x2 − y 2 ), φ61 (x, y) = (x, − 1 − x2 − y 2 ),
p p
φ32 (x, y) = (y, − 1 − y 2 − x2 ), φ42 (x, y) = (y, 1 − y 2 − x2 ), (4.8)
p p
φ52 (x, y) = (x, − 1 − x2 − z 2 ), φ62 (x, y) = (x, 1 − x2 − z 2 ),
p p
φ53 (y, z) = ( 1 − y 2 − z 2 , z), φ63 (y, z) = (− 1 − y 2 − x2 , z),
p p
φ54 (y, z) = (− 1 − y 2 − x2 , z), φ64 (y, z) = ( 1 − y 2 − x2 , z).

Desta maneira, segue dos itens acima que AS 2 = {(φi (B1 ), φ−1
i ) | i = 1, . . . , 6} é um
atlas diferenciável de S2 . Ao supormos que p = (x, y, z) ∈ φ1 (B1 ), uma base para o
plano tangente à S2 , em p, é β = {e1 , e2 } onde
−x −y
e1 = (1, 0, p ), e2 = (0, 1, p ) (4.9)
1 − x2 − y 2 1 − x2 − y 2

Coordenadas Estereográficas
Um outro atlas de S2 é construı́do através da projeção estereográfica;

Definição 4.3. Sejam Ω ⊂ R3 um subconjunto, π um plano e p ∈ R3 um ponto de-


nominado foco. A projeção estereográfica de Ω sobre π com foco em p é a imagem da
aplicação πe : Ω → π definida assim: Seja x = (x1 , x2 , x3 ) ∈ Ω, ~v = px
~ e r(t) = op
~ + t~v
a reta passando por p e por x. Se para cada x ∈ Ω a interseção π ∩ r(t) consiste de um

autor: Celso M Doria 87


4.2. MÉTRICA ESFÉRICA Celso M Doria

único ponto, então definimos πe (x) = π ∩ r(t), caso contrário πe (x) não esta definida;
conforme indica a figura ??

Exemplo 4.1. Considere Ω = S2 , π = {z = 0} e N = (0, 0, 1) o foco (no caso o


pólo norte). A projeção esterográfica sobre o plano {z = 0}, com foco em N , define a
aplicação πe : S 2 − {N } → R2 ;
x y
πeN (x, y, z) = ( , ) = (u, v). (4.10)
1−z 1−z

A inversa (πe )−1 : R2 → S 2 − {N } é dada por

2u 2v u2 + v 2 − 1
(πeN )−1 (u, v) = ( , , ). (4.11)
1 + u2 + v 2 1 + u2 + v 2 1 + u2 + v 2

Assim, πe : S 2 − {N } → R2 é um difeomorfismo. Ao considerarmos o foco no ponto


S = (0, 0, −1), temos
x y
πeS (x, y, z) = ( , ) = (u0 , v 0 ). (4.12)
1+z 1+z
e

2u0 2v 0 1 − u02 − v 02
(πeS )−1 (u0 , v 0 ) = ( , , ). (4.13)
1 + u02 + v 02 1 + u02 + v 02 1 + u02 + v 2

A transição πeS ◦ (πeN )−1 : R2 − {0} → R2 − {0} é o difeomorfismo, uma vez que
u v
πeS ◦ (πeN )−1 (u, v) = ( , 2 ) (4.14)
u2 + v u + v2
2

e a inversa é

u0 v0
πeN ◦ (πeS )−1 (u0 , v 0 ) = ( , ).
u02 + v 2 u02 + v 02

Desta maneira, AS 2 = {(πeN , S2 − {N }), (πeS , S2 − {S})} também é um atlas de S2 .


u v −1
Observe que o determinante da derivada da aplicação (u, v) → ( u2 +v 2 , u2 +v 2 ) é (u2 +v 2 )2 .

4.2 Métrica Esférica


Definição 4.4. Seja p ∈ S2 e u, v ∈ Tp S2 . A métrica esférica é a aplicação que a cada
ponto p ∈ S2 associa o produto interno gp : Tp S2 × Tp S2 → R

gp (u, v) =< u, v > .

autor: Celso M Doria 88


CAPÍTULO 4. GEOMETRIA ESFÉRICA Celso M Doria

A métrica esférica sobre S2 é induzida pela métrica euclideana de E3 através do mergulho


de S2 em R3 . Localmente, g é descrita assim;

1. (Coordenadas Esféricas) Seja (U, F1 ) o sistema de coordenadas definido em 4.5.


Sejam p = F1 (θ, ψ), β = {e1 , e2 } a base 4.6 e w1 , w2 ∈ Tp S2 , onde wi = ai e1 + bi e2 ,
ai , bi ∈ R e i = 1, 2. Assim,

g(w1 , w2 ) = a1 a2 g11 + a1 b2 g12 + b1 a2 g21 + b1 b2 g22 ,

onde

2
g11 =< e1 , e1 >= sen (ψ),
sen2 (ψ) 0
  
g12 = g21 =< e1 , e2 >= 0 ⇒ gp = (4.1)
 0 1
g22 =< e2 , e2 >= 1

Chamamos a atenção para o fato da base ser ortogonal e det(gp ) = sen2 (ψ).

2. (Coordenadas Cartesianas) Sejam (U, φ1 ) o sistema de coordenadas 4.7. Seja p =


φ1 (x, y), β = {e1 , e2 } a base 4.9 e w1 , w2 ∈ Tp S2 , onde wi = ai e1 + bi e2 , ai , bi ∈ R
e i = 1, 2. Assim como no caso anterior,

g(w1 , w2 ) = a1 a2 g11 + a1 b2 g12 + b1 a2 g21 + b1 b2 g22 ,

onde


1−y 2
g11 =< e1 , e1 >= 1−x2 −y2 , 1−y 2
 !
 xy
1−x2 −y 2 1−x2 −y 2
g12 = g21 =< e1 , e2 >= 1−xxy 2 −y 2 , ⇒ gs = xy 1−x2
(4.2)
2 1−x2 −y 2 1−x2 −y 2

g22 =< e2 , e2 >= 1−x

.
1−x2 −y 2

1
Neste caso, a base não é ortogonal e det(gp ) = 1−x2 −y 2
.

Definição 4.5. O Espaço Esférico é o par S2 = (S12 , g), onde g é a métrica esférica.

A expressão da métrica depende da carta utilizada, sendo assim a relação entre métricas
obtidas através de cartas distintas se dá de maneira análoga a relação entre as matrizes
que representam uma forma bilinear em bases distintas. Para melhor descrever considere
B : V × V → R uma forma bilinear e β, β 0 bases distintas de V ; assim sejam A = (bij ) e
A0 = (b0ij ) as matrizes representando B nas bases β, β 0 , respectivamente. Desta forma,
considere a relação de equivalência: A0 ∼ A se, e somente se, existe P invertı́vel tal
que A0 = P t AP . É tedioso verificar, mas as matrizes representando a métrica s ao

autor: Celso M Doria 89


4.2. MÉTRICA ESFÉRICA Celso M Doria

equivalentes quando restringimos a interseção das cartas. Este é mais um bom motivo
para usarmos cartas que sejam ”ortogonais”.
A geometria esférica estuda as propriedades métricas sobre a superfı́cie S2 = (S12 , g).
Devido as coordenadas esféricas fornecerem uma base ortogonal elas tornam-se mais
utéis para estudarmos a geometria esférica.
Considerando uma carta definida por coordenadas esféricas F : (0, 2π) × (0, π) → S2
e uma curva C ∞ r : [a, b] → (0, π) × (0, π), r(t) = (θ(t), ψ(t)), uma curva diferenciável
sobre S2 é uma aplicação diferenciável α = F ◦ r : [a, b] → S2 , definida por

α(t) = F (r(t)) = (cos(θ(t))sen(ψ(t)), sen(θ(t))sen(ψ(t)), cos(ψ(t))), (4.3)

Uma vez que α0 (t) = dFr(t) .r0 (t) = (θ0 )2 e1 + (ψ 0 )2 e2 , segue que

g(α0 (t), α0 (t)) = sen2 (ψ)(θ0 )2 + (ψ 0 )2

e, portanto, o comprimento de α é
Z bq
L(γ) = sen2 (ψ)(θ0 )2 + (ψ , )2 dt, (4.4)
a

A área de uma região Ω ⊂ S2 é


Z
A(Ω) = sen(ψ)dθdψ (4.5)

Exercı́cio 4.1. .
1. Utilizando a métrica 4.1 sobre S2 , determine;
(a) O comprimento do equador γ : [0, 2π] → S 2 , γ(t) = (cos(t), sen(t), 0).
(b) A área do hemisfério H + = {(x, y, z) ∈ S 2 | z ≥ 0}.
2. Mostre que o comprimento de um vetor independe do sistema de coordenadas
usado.
3. Mostre que o comprimento de uma curva γ : [a, b] → R3 , calculado em coordenadas
esféricas, é
Z bq
L(γ) = (ρ, )2 + ρ2 sen2 (ψ)(θ0 )2 + ρ2 (ψ , )2 dt. (4.6)
a

2 , descrito em coordenadas esféricas, é


4. Mostre que a área de uma região Ω ⊂ SR0
dada por
Z
A(Ω) = R02 sen(ψ)dθdψ, (4.7)

autor: Celso M Doria 90


CAPÍTULO 4. GEOMETRIA ESFÉRICA Celso M Doria

5. Mostre que o volume de uma região Θ ⊂ R3 , descrito em coordenadas esféricas, é


Z
V (Θ) = ρ2 sen(ψ)dρdθdψ. (4.8)
Θ

4.3 Transformações Ortogonais em E3


Seja E3 = (R3 , < ., . >) o espaço euclideano tridimensional. As transformações
lineares T : E3 → E3 que preservam o comprimento satisfazem a identidade

< T (u), T (v) >=< u, v >, ∀u, v ∈ E3 .

Consequentemente, se A = [T ]β é a matriz representando T numa base ortonormal β,


então At A = AAt = I.

Definição 4.6. O grupo ortogonal é o conjunto das matrizes

O3 = {A ∈ M3 (R) | A.At = At .A = I}. (4.1)

Para todo A ∈ O3 , a transformação A : E3 → E3 , A(x) = A.x, induz um difeomorfismo


A : S 2 → S 2 , pois, para todo p ∈ S 2

| A(op)
~ |=| op
~ |= 1 ⇒ ~ ∈ S2 .
A(op)

De fato, o difeomorfismo A : S2 → S2 é uma isometria de S2 uma vez que dAp .u = A(u),


para todo p ∈ S2 e u ∈ Tp S2 ; da onde

g(dAp .u, dAp .v) =< dAp .u, dAp .v >=< u, v >= g(u, v).

Sendo assim, O3 é um subgrupo de Isom(S2 ).


Em decorrência do observado, as isometrias mais simples de S2 são as rotações em
torno de um eixo fixo e as reflexões sobre planos que passam pela origem.

Definição 4.7. Sejam π um plano em R3 e β = {e1 , e2 , e3 } uma base ortonormal de R3 ,


onde {e1 , e2 } é uma base de π;

(i) A rotação de ângulo θ sobre o plano π é a transformação linear Rθπ : R3 → R3 que


fixa a direção ortogonal à π e realiza uma rotação de ângulo θ sobre o plano π.
Desta maneira, a matriz de Rθπ na base β é
 
cos(θ) −sen(θ) 0
[Rθπ ]β = sen(θ) cos(θ) 0 (4.2)
0 0 1

autor: Celso M Doria 91


4.3. TRANSFORMAÇÕES ORTOGONAIS EM E3 Celso M Doria

(ii) A reflexão induzida pelo plano π é uma transformação linear rπ : R3 → R3 que


restrito a π age como indentidade e restrito ao subespaço ortogonal a π age como
uma reflexão. Desta forma, a reflexão induzida por π é representada na base β
pela matriz
 
1 0 0
[rπ ]β = 0 1 0  ⇒ rπ2 = I (4.3)
0 0 −1

Para qualquer A ∈ O3 , observamos que det(At .A) = 1 implica em | det(A) |= 1,


ou seja, det(A) = 1 ou det(A) = −1. As transformações lineares ortogonais de R3 com
determinante igual a 1 preservam a orientação e formam o grupo ortogonal especial

SO3 = {A ∈ O3 | det(A) = 1}. (4.4)

Os autovalores de uma transformação ortogonal são ou 1 ou −1, pois, se u 6= 0 e


T u = λ.u, então

< T u, T u >=< u, u > ⇒ (λ2 − 1) | u |2 = 0 ⇔ | λ |= 1.

Proposição 4.1. Com respeito a transformações ortogonais T : R3 → R3 , seguem as


seguintes afirmações;
(i) Toda transformação T ∈ O3 fixa uma direção em R3 .

(ii) Para todo T ∈ O3 existe uma base ortonormal β = {e1 , e2 , e3 }, um plano π e um


ângulo θ ∈ R tal que a matriz A de T na base β é dada ou por A = [Rθπ ] se
det(T ) = 1, e A = [rπ ] se det(T ) = −1.
Demonstração. O polinômio caracterı́stico de T é da forma

pT (λ) = λ3 + aλ2 + bλ + c, c = ±1

e as suas raı́zes reais são 1 ou −1. Um polinômio de grau 3 com coeficientes reais sempre
tem uma raiz real, da onde concluı́mos que T fixa uma direção.

1. Suponhamos que pT (λ) possui uma raiz igual a 1; neste caso

pT (λ) = (λ − 1)(λ2 + a0 λ + b0 ).

Sejam e3 o autovetor unitário correspondente ao auto-valor λ = 1 e V ⊂ R3 o


subespaço ortogonal a reta l3 gerada por e3 ; portanto

R3 = V ⊕ < e3 > .

autor: Celso M Doria 92


CAPÍTULO 4. GEOMETRIA ESFÉRICA Celso M Doria

Se v ∈ V , então 0 =< u, e3 >=< T (u), T (e3 ) >=< T (u), e3 >, ou seja, V é


invariante por T . Seja {e1 , e2 } uma base ortonormal de V e R = T |V : V → V .
Assim, a matriz de T em relação a base {e1 , e2 , e3 } é da forma

 
R 0
A= , onde R : V → V satisfaz Rt R = R.Rt = I.
0 1

Sendo V ' R2 , segue da proposição 3.1 a existência de θ ∈ R tal que ou R = Rθ


ou R = Rθ .rx . No primeiro caso, a matriz de T torna-se

 
Rθ 0
A= ,
0 1

ou seja, A = Rθπ . No segundo caso, R é uma reflexão sobre uma reta l ⊂ V que
forma um ângulo θ/2 com o vetor e1 . Seja u o vetor unitário que gera l e u⊥ ∈ V
o vetor unitário ortogonal a u. Portanto, T (u) = u e T (u⊥ ) = −u⊥ , da onde a
representação matricial de T na base {u, u⊥ , e3 } é

 
1 0 0
A = 0 −1 0
0 0 1

Seja π o plano gerado pelos vetores u, e3 , então T |π = I. Neste caso, A = rπ .

2. Os argumentos são análogos para o caso quando

pT (λ) = (λ + 1)(λ2 + aλ + b).

Definição 4.8. Sejam π1 e π2 planos em R3 e considere os vetores v1 ⊥ π1 e v2 ⊥ π2 . O


ângulo θ formado pelos planos π1 e π2 em R3 é o menor ângulo formado pelas direções
definidas pelos vetores v1 e v2 ;
 
< v1 , v2 >
](π1 , π2 ) = θ = arcos | | . (4.5)
| v1 | . | v2 |

Proposição 4.2. Sejam π, π , planos em R3 e rπ , rπ, as reflexões em relação a cada


plano respectivamente. Então,

autor: Celso M Doria 93


4.3. TRANSFORMAÇÕES ORTOGONAIS EM E3 Celso M Doria

1. Se π, π , são plano transversais passando pela origem e o ângulo entre eles mede
θ, então existe uma base de R3 tal que
 
cos(2θ) −sen(2θ) 0
rπ ◦ rπ, = sen(2θ) cos(2θ) 0
0 0 1

2. Sejam π e π , planos paralelos, então existe um vetor v ∈ R3 ortogonal aos planos


tal que

rπ ◦ rπ, = Tv , onde | v |= 2.dist(π, π , )

Como consequência da proposição acima, toda matriz ortogonal é o produto de reflexões


em E3 .
Teorema 4.1. O grupo O3 é gerado pelas reflexões sobre os planos que passam pela
origem. O subgrupo SO3 é o subgrupo de ordem 2 em O3 gerado pelo produto de um
número par de reflexões.
Se π ⊂ R3 é um plano passando pela origem, denotamos por lπ a reta definida pela
direção invariante de Rθπ (lπ ⊥ π).

Exercı́cio 4.2. .
1. Mostre que dados 2 planos π1 e π2 passando pela origem em R3 , existe uma trans-
formação ortogonal A ∈ SO3 tal que A(π1 ) = π2 .

2. Demonstre a proposição 4.2 acima.

3. Mostre que Rθ não é diagonalizável sobre R se θ ∈


/ {0, π}, e que Rθ ◦ rx possui dois
autovalores distintos. No último caso descreva os subespaços invariantes.

4. Descreva as matrizes ortogonais diagonalizáveis e descreva geometricamente ação


que cada uma realiza em E3 .

5. Descreva os polinômios caracterı́sticos possı́veis para uma transformação ortogonal


em R3 .

6. Mostre que os subespaços invariantes de uma transformação ortogonal T : R3 → R3


são ortogonais. Dica: siga o roteiro abaixo;

(a) Mostre que existe a ∈ [−1, 1] tal que o polinômio caracterı́stico de T é igual
a um dos seguintes polinômios

(λ − 1)(λ2 − 2aλ + 1), (λ + 1)(λ2 − 2aλ + 1).

autor: Celso M Doria 94


CAPÍTULO 4. GEOMETRIA ESFÉRICA Celso M Doria

(b) Se a 6= 1, mostre que N uc(T − I) ⊥ N ucl(T 2 − 2aT + 1). O que ocorre se


a=1?
(c) Mostre que R3 = N ucl(T − I) ⊕ N ucl(T 2 − 2aT + 1).

7. Mostre que a ação de O3 sobre S2 é transitiva.

4.4 Geodésicas de S2
Como vimos em 4.4, o comprimento de uma curva γ ⊂ S2 parametrizada por

γ(t) = (cos(θ(t))sen(ψ(t)), sen(θ(t))sen(ψ(t)), cos(ψ(t))), (4.1)

onde θ, ψ : (0, 1) → R, é
Z 1 Z 1p
0
L(γ) = | γ (t) | dt = (ψ 0 )2 + (θ0 )2 sen2 (ψ)dt (4.2)
0 0

Seja γ(t) = (sen(ψ(t)), 0, cos(ψ(t))), 0 ≤ t ≤ b ≤ π, a curva parametrizada que


descreve o segmento do meridiano M0 = S2 ∩ {(x, 0, z) | x, z ∈ R} ligando o ponto
p = (0, 0, 1) à q = (sen(ψ(b)), 0, cos(ψ(b))). Neste caso, o comprimento de γ é
Z b
L(γ) = | ψ 0 | dt = ψ(b). (4.3)
0

Lema 4.1. Sejam p, q ∈ M0 = S2 ∩ {(x, 0, z) | x, z ∈ R}. A geodésica ligando p à q


descreve um segmento de M0 .

Demonstração. Seja β : [0, b] → S2 uma curva diferenciável qualquer tal que β(0) = p e
β(b) = q, então

Z bq Z b
L(β) = 0 2 2 , 2
(θ ) sen (ψ) + (ψ ) dt ≥ | ψ , | dt = L(γ),
0 0

onde γ ⊂ M0 é o segmento do meridiano que liga p a q. Consequentemente, γ minimiza


a distância entre p e q.

Consideramos p, q ∈ S2 e πpq o plano gerado pelos vetores op,


~ oq.
~ Desta forma, p, q
2
determinam um único grande cı́rculo cpq = πpq ∩ S e o dividem em dois segmentos
c1pq , c2pq tais como na figura ??

c1pq ∪ c2pq = cpq , c1pq ∩ c2pq = {p, q}.

Dizemos que os pontos p e q são antı́podas se q = −p.

autor: Celso M Doria 95


4.5. ISOMETRIAS DE S2 Celso M Doria

Teorema 4.2. Sejam p, q ∈ S2 não são antı́podas, então existe uma única geodésica em
S2 ligando p à q correspondendo ao segmento que minimiza o comprimento dentre os
segmentos c1pq , c2pq . Caso q = −p, então existem duas geodésicas.

Demonstração. Sejam p, q ∈ S2 dois pontos quaisquer. Seja T : S2 → S2 uma trans-


formação ortogonal tal que T (p) = (0, 0, 1) e T (q) = (sen(ψ(b)), 0, cos(ψ(b)). Ao apli-
carmos o lema anterior concluı́mos que um segmento de M0 realiza a distância de T (p)
a T (q). Portanto, a distância de p à q é realizada por um segmento sobre a curva
T −1 (M0 ), que também é um segmento de um grande cı́rculo. É claro, se q 6= −p só há
uma geodésica, caso contrário há duas.

Observação. .

1. Toda geodésica de S2 é uma curva plana.

2. Não existem geodésicas paralelas em S2 . Este fato difere com o que ocorre na
geometria euclidena E2 .

3. Um segmento de grande grande cı́rculo nem sempre minimiza a distância entre


dois pontos em S2 . Vejamos o seguinte caso: seja p = (1, 0, 0) e q = γ(t) um
outro ponto qualquer sobre o equador γ(t) = (cos(t), sen(t), 0). Se considerarmos
q = γ(π + ), temos que γ não realiza a distância dS2 (p, q) = π − , pois

Z π+
L(γ) = | γ , (t) | dt = π + .
0

e(t) = γ(2π − t).


De fato, a distância entre p e q é realizada pela geodésica γ

4.5 Isometrias de S2
A seguir, vamos classificar as isometrias de S2 ;

Teorema 4.3.
Isom(S2 ) = O3

Demonstração. Seja β = {e1 , e2 , e3 } uma base ortonormal de R3 e T0 ∈ Isom(S2 ). Uma


vez que ei ∈ S2 , segue da equação 6.3 que

< T0 (ei ), T0 (ej ) >=< ei , ej >= cos(θij ),

para todo i, j = 1, 2, 3. Consideramos a aplicação T : R3 → R3 , definida por


(  
u
| u | .T0 |u| , se | u |6= 0,
T (u) =
0, se u = 0.

autor: Celso M Doria 96


CAPÍTULO 4. GEOMETRIA ESFÉRICA Celso M Doria

0
Se u0 ∈ S2 , então T (u0 ) = T0 (u0 ). Tendo em vista que a base β = {T (e1 ), T (e2 ), T (e3 )}
é ortonormal, então para todo u ∈ S2
3
X X
T (u0 ) = < T0 (u0 ), T0 (ei ) > T0 (ei ) = < u0 , ei > T (ei ).
1 i

u
No caso u 6= 0, temos que u =| u | .u0 , onde u0 = |u| ∈ S2 . Segue da definição que
X
T (u) =| u | .T (u0 ) =| u | . < u0 , ei > T (ei ) =
i
X X
= <| u | .u0 , ei > T (ei ) = < u, T (ei ) > T (ei ).
i i

Consequentemente, T : R3 → R3 é uma transformação linear e, para todos u, v ∈ R3 ,

X X
< T (u), T (v) >= ui v j < T (ei ), T (ej ) >= ui v j < ei , ej >=< u, v > .
i,j i,j

Portanto, a matriz de T na base β pertence a O3 , ou seja, a cada T0 ∈ Isom(S2 )


corresponde uma única transformação ortogonal em O3 . Consequentemente, Isom(S2 ) ⊂
O3 , da onde concluı́mos que Isom(S2 ) = O3 .

Uma vez que o grupo Isom(S2 ) e as geodésicas de S2 foram completamente determi-


nados, podemos descrever as isometrias de S2 de maneira intrı́nseca, ou seja, sem utilizar
propriedades geometricas do espaço E3 .

Definição 4.9. Seja γ : (0, 1) → S2 uma geodésica, π um plano tal que γ = π ∩ S2 e


rπ : R3 → R3 a reflexão sobre π. A reflexão sobre a geodésica γ é a isometria

rγ = rπ |S2 : S2 → S2 .

Proposição 4.3. Propriedades de Isom(S2 ).

1. O grupo Isom(S2 ) é gerado pelas reflexões sobre curvas geodésicas.

2. O subgrupo Isom0 (S2 ) = SO3 de Isom(S2 ) tem ı́ndice 2 e é gerado pelo produto
de um número par de reflexões ao longo de geodésicas (por isto preservam a ori-
entação).

3. Todo elemento de SO3 fixa dois pontos sobre S2 .

4. Toda isometria de S2 é determinada pela imagem de 3 pontos.

autor: Celso M Doria 97


4.6. RELAÇÕES MÉTRICAS EM S2 Celso M Doria

4.6 Relações Métricas em S2


A determinação da distância entre dois pontos sobre S2 era uma questão fundamental
para os navegadores e cartógrafos antigos. Com a utilização de coordenadas esféricas
sobre S2 esta questão torna-se um tanto simples.
Nesta seção, todos os ângulos e arcos são medidos em radianos. Sejam

p1 = (cos(θ1 )sen(ψ1 ), sen(θ1 )sen(ψ1 ), cos(ψ1 ))


(4.1)
p2 = (cos(θ2 )sen(ψ2 ), sen(θ2 )sen(ψ2 ), cos(ψ2 )),

pontos pertencentes a S2 e seja α a medida do ângulo formado pelos vetores u1 = op ~1


e u2 = op ~ 2 . A distância esférica entre p1 e p2 é dada pelo comprimento de arco da
geodésica que liga os pontos, o qual é igual a α;

dS2 (p1 , p2 ) = α.

A determinação de α é uma tarefa fácil, basta ver que,

cos(α) =< u1 , u2 >= cos(θ1 − θ2 )sen(ψ1 )sen(ψ2 ) + cos(ψ1 )cos(ψ2 ).

Considerando ∆θ = θ1 − θ2 e 1 − cos(∆θ) = 2sen2 ∆θ



2 , obtemos a expressão
 
2 ∆θ
cos(α) = cos(∆θ).cos(∆ψ) + 2sen .cos(ψ1 ).cos(ψ2 ).
2

Consequentemente,

   
2 ∆θ
dS2 (p1 , p2 ) = arcos cos(∆θ).cos(∆ψ) + 2sen .cos(ψ1 ).cos(ψ2 ) . (4.2)
2

Sem perda de generalidade, poderı́amos ter suposto que o ponto p1 esta sobre o plano-xy;
neste caso ψ1 = π/2 e

dS2 (p1 , p2 ) = arcos (cos(∆θ).cos(∆ψ)) .

Ao tomarmos 3 pontos A, B, C ∈ S2 existem duas possibilidades;

1. A, B e C estão sobre o mesmo grande cı́rculo;

2. A, B e C não estão sobre o mesmo grande cı́rculo e definem uma região convexa
em S2 que denominamos de triângulo esférico com vértices A, B e C. Neste caso,
o triângulo é a região limitada pelas geodésicas γAB (ligando A à B), γBC (ligando
B à C), γCA (ligando C à A).

autor: Celso M Doria 98


CAPÍTULO 4. GEOMETRIA ESFÉRICA Celso M Doria

Teorema 4.4. Teorema de Pitágoras Esférico - Seja 4ABC um triângulo geodésico


sobre S2 com ângulo retângulo no vértice A e hipotenusa medindo a. Se os comprimento
do lados opostos ao vértices B e C medem b e c, respectivamente, então

cos(a) = cos(b).cos(c). (4.3)

Demonstração. Sem perda de generalidade, podemos considerar o lado AB sobre o equa-


dor ψ = π/2, conforme indica a figura ??;

A = (1, 0, 0), B = (cos(c), 0, sen(c)) e C = (cos(b), sen(b), 0).

Portanto,

~ OC
< OB, ~ >= cos(a) = cos(b).cos(c).

Proposição 4.4. Lei dos Cossenos - Seja 4ABC um triângulo esférico em S2 com
ângulos internos medindo α, β e γ e cujos lados opostos medem a, b e c, respectivamente.
Então,

cos(a) − cos(b)cos(c) cos(b) − cos(a)cos(c)


cos(α) = , cos(β) = ,
sen(b).sen(c) sen(a).sen(c)
(4.4)
cos(c) − cos(a)cos(b)
cos(γ) = .
sen(a).sen(b)

Demonstração. Sem perda de generalidade, suponhamos que (figura ??)

A = (1, 0, 0), B = (cos(θB )sen(ψB ), sen(θB )sen(ψB ), cos(ψB ))


(4.5)
C = (cos(θC ), sen(θC ), 0).

Assim,

~ OC
cos(a) = < OB, ~ >= cos(θC − θB )sen(ψB ), (4.6)
~ OC
cos(b) = < OA, ~ >= cos(θC ), (4.7)
~ OB
cos(c) = < OA, ~ >= cos(θB )sen(ψB ); (4.8)

da onde segue que,

autor: Celso M Doria 99


4.6. RELAÇÕES MÉTRICAS EM S2 Celso M Doria

p
sen(a) = cos2 (ψB ) + sen2 (θC − θB )sen2 (ψB ) (4.9)
p
sen(c) = cos2 (ψB ) + sen2 (θB )sen2 (ψB ). (4.10)

Os vetores

~ × OB
OA ~ (0, −cos(ψB ), sen(θB )sen(ψB ))
nAB = = (p
~ ~
| OA × OB | cos2 (ψB ) + sen2 (θB )sen2 (ψB )
~ × OC
OB ~ (−cos(ψB )sen(θC ), cos(ψB )cos(θC ), sen(θC − θB )sen(ψB ))
nBC = =
~ × OC
~ |
p
| OB cos2 (ψB ) + sen2 (θC − θB )sen2 (ψB )
~ × OA
OC ~
nCA = = (0, 0, −1)
~ × OA
| OC ~ |
(4.11)

determinam os planos πAC , πAB e πBC , respectivamente. Considere {nAB , nBC , nCA }
uma base orientada de R3 . Uma vez que,

cos(α) = − < nCA , nAB >, cos(β) = − < nAB , nBC >, cos(γ) = − < nAC , nBC >,

(o sinal “-” porque os ângulos são obtusos) temos

sen(θB )sen(ψB ) sen(θB )sen(ψB )


cos(α) = p = (4.12)
2 2 2
cos (ψB ) + sen (θB )sen (ψB ) sen(c)
cos2 (ψB )cos(θC ) − sen(θC − θB )sen2 (ψB )sen(θB )
cos(β) = p p (4.13)
cos2 (ψB ) + sen2 (θB )sen2 (ψB ) cos2 (ψB ) + sen2 (θC − θB )sen2 (ψB )
sen(θC − θB )sen(ψB ) sen(θC − θB )sen(ψB )
cos(γ) = p = . (4.14)
2 2 2
cos (ψB ) + sen (θC − θB )sen (ψB ) sen(a)

Decorre das relações 4.6 e 4.7 que

cos(a) =cos(a)cos(c) + sen(b)sen(θB )sen(ψB )


(4.15)
sen(θC − θB )sen(ψB ) =sen(b)cos(c) − cos(b)sen(θB )sen(ψB ).

Portanto,

cos(a) − cos(b)cos(c)
sen(θB )sen(ψB ) =
sen(b)
(4.16)
cos(c) − cos(a)cos(b)
sen(θC − θB )sen(ψB ) = .
sen(b)

autor: Celso M Doria 100


CAPÍTULO 4. GEOMETRIA ESFÉRICA Celso M Doria

Ao aplicarmos as expressões em 4.16 as expressões 4.12 e 4.14, resultam as seguintes


identidades:

cos(a) − cos(b)cos(c) cos(c) − cos(a)cos(b)


cos(α) = , cos(γ) = . (4.17)
sen(b).sen(c) sen(a).sen(b)

Analogamente, a identidade para o cos(β) é obtida a partir da situação na qual os


vértices do 4ABC são

A = (1, 0, 0), B = (cos(θB ), sen(θB ), 0)


(4.18)
C = (cos(θC )sen(ψC ), sen(θC )sen(ψC ), cos(ψC )).

Neste caso, obtemos

cos(b) − cos(a)cos(c)
cos(β) = .
sen(a).sen(c)

Lema 4.2. Sejam x, y, z ∈ R tais que x2 < 1, y 2 < 1 e z 2 < 1 e sejam

x − yz y − zx
a= , b= , (4.19)
(1 − y 2 )1/2 (1 − z 2 )1/2 (1 − x2 )1/2 (1 − z 2 )1/2
z − xy
c= . (4.20)
(1 − x2 )1/2 (1 − y 2 )1/2

Então,

a + bc b + ac
x= , y= , (4.21)
(1 − b2 )1/2 (1
− c2 )1/2 (1 − a2 )1/2 (1
− c2 )1/2
c + ab
z= (4.22)
(1 − a )1/2 (1 − c2 )1/2
2

Demonstração. Ao fazermos M = 2xyz − x2 − y 2 − z 2 + 1, temos

(x − yz)2 − (1 − y 2 )(1 − z 2 ) 2xyz − x2 − y 2 − z 2 + 1


1 − a2 = = =
(1 − y 2 )(1 − z 2 ) (1 − y 2 )(1 − z 2 )
M
= .
(1 − y )(1 − z 2 )
2

Analogamente, segue que

autor: Celso M Doria 101


4.6. RELAÇÕES MÉTRICAS EM S2 Celso M Doria

M M
1 − b2 = , 1 − c2 = .
(1 − x2 )(1 − z2) (1 − x2 )(1 − y2)

Portanto,

a + bc Mx
= =x
(1 − b2 )(1 − c2 ) M

De maneira análoga, obtemos as outras expressões em 4.21.

Teorema 4.5. (Caso AAA) Se os triângulos esféricos 41 e 42 tem ângulos internos


congruentes, então eles são congruentes.
Demonstração. Aplicando o lema 4.2, segue que

cos(α) + cos(β)cos(γ) cos(β) + cos(α)cos(γ)


cos(a) = , cos(b) = , (4.23)
sen(β)sen(γ) sen(α)sen(γ)
cos(γ) + cos(α)cos(β)
cos(c) = (4.24)
sen(α)sen(β)

Teorema 4.6. Lei dos Senos Esférica - Seja 4ABC um triângulo esférico sobre S2 .
Sejam a, b e c o comprimento dos lados, e sejam α, β e γ as medida dos ângulos
internos opostos a cada lado, respectivamente. Então,

sen(α) sen(β) sen(γ)


= = . (4.25)
sen(a) sen(b) sen(c)
Demonstração. Segue da identidade 4.4 que

sen2 (b)sen2 (c) − cos2 (a) + 2cos(a)cos(b)cos(c) + cos2 (b)cos2 (c)


sen2 (α) = =
sen2 (b)sen2 (c)
[1 − cos2 (b)][1 − cos2 (c)] − cos2 (a) + 2cos(a)cos(b)cos(c) + cos2 (b)cos2 (c)
= =
sen2 (b)sen2 (c)
1 − cos2 (a) − cos2 (b) − cos2 (c) + 2cos(a)cos(b)cos(c)
= .
sen2 (b)sen2 (c)

Portanto,

sen2 (α)
= S(a, b, c),
sen2 (a)

Analogamente, temos

autor: Celso M Doria 102


CAPÍTULO 4. GEOMETRIA ESFÉRICA Celso M Doria

sen2 (β) sen2 (γ)


= = S(a, b, c).
sen2 (b) sen2 (c)

Exercı́cio 4.3. .

1. Sejam A = (1, 0, 0) e C(A, r0 ) = {p ∈ S2 | dS2 (A, p) = r0 } ⊂ S2 o cı́rculo esférico


com centro em A = (1, 0, 0) e raio r0 ;

(a) Parametrize C(A, r0 ).


(b) Calcule o comprimento de C(A, r0 ).
2 e verifique os resultados
(c) Resolva os itens acima para o caso da esfera SR
quando R → ∞.

2. Teorema de Pitágoras Esférico

(a) Seja 4ABC um triângulo geodésico em S2 , cujo ângulo retângulo encontra-se


no vértice A e a hipotenusa mede a. Seja b o comprimento do lado oposto à
B e c à C. Mostre que no limite a → 0, b → 0 e c → 0, vale a relação

a2 = b2 + c2 ,

conhecida como Teorema de Pitágoras Euclideano. (dica: use a série de Taylor


2 4)
cos(θ) = 1 − θ2 + o(θ4 ), onde limθ→0 o(θ
θ2
= 0.
(b) Seja 4ABC um triângulo geodésico sobre a esfera S2R cujo ângulo retângulo
encontra-se no vértice A e a hipotenusa mede a. Sejam b o comprimento do
lado oposto à B e c o comprimento do lado oposto à C. Mostre que,

a  
b c
cos = cos .cos . (4.26)
R R R

(c) No item anterior, considere a << R, b << R e c << R (o comprimento dos


lados são desprezı́veis em relação ao raio R) e prove o teorema de Pitágoras
euclideano. Interprete o resultado obtido. (dica: use a série de Taylor
2 4)
cos(θ) ≈ 1 − θ2 + o(θ4 ), onde limθ→0 o(θ θ2
= 0.
(d) Repita a análise do item anterior para o caso R → ∞ e interprete-o geome-
tricamente.

3. Lei dos Cossenos

autor: Celso M Doria 103


4.6. RELAÇÕES MÉTRICAS EM S2 Celso M Doria

2 , valem as identidades
(a) Prove que em SR

a
− cos Rb cos c b
− cos Ra cos c
     
cos R R cos R R
cos(α) = , cos(β) = ,
sen Rb .sen Rc sen Ra .sen Rc
   

cos Rc − cos Ra cos b


  
R
cos(γ) = .
sen Ra .sen Rb
 

(4.27)

a
(b) Mostre que no limite R → 0 obtemos as leis dos cossenos da geometria eucli-
deana abaixo

a2 = b2 + c2 − 2bc.cos(α),
b2 = a2 + c2 − 2ac.cos(β), (4.28)
c2 = a2 + b2 − 2ab.cos(γ),

e interprete o limite geometricamente.


(c) Mostre que um triângulo é equilátero se, e somente se, os ângulos internos
tem a mesma medida.
(d) Obtenha condições para que um triângulo seja isósceles.
(e) Seja 4ABC um triângulo com lados medindo a, b, c e ângulos internos me-
dindo α, β, γ. Suponhamos que a, b, c correspondem aos lados opostos aos
ângulos α, β, γ, respectivamente. Mostre que a < b < c se, e somente se,
α < β < γ.
(f) Mostre que na demonstração da Lei dos Cossenos,

[cos(c) − cos(a)cos(b)].[cos(a) − cos(b)cos(c)] cos(a)cos(c) − cos(b)


cos2 (ψB ) = − .
cos(b)sen2 (b) cos(b)

4. Lei dos Senos


2 a lei dos senos é
(a) Mostre que sobre a esfera SR

sen(α) sen(β) sen(γ)


= =
sen( Ra ) b
sen( R ) sen( c
R)

e mostre que se a << R, b << R e c << R, então vale a Lei dos Senos
euclideana

sen(α) sen(β) sen(γ)


= = .
a b c

autor: Celso M Doria 104


CAPÍTULO 4. GEOMETRIA ESFÉRICA Celso M Doria

4.6.1 Área de um Triângulo Esférico


Um gomo esférico em S2 é uma região limitada por duas geodésicas η e ρ que ligam
pontos antı́podas p = (x, y, z) e q = (−x, −y, −z) sobre S2 ; isto é, η(0) = ρ(0) = p e
η(1) = ρ(1) = q. Em cada um dos vértices, as geodésicas formam um ângulo α que
denominamos o ângulo do gomo. Um gomo com ângulo α, conforme mostra a figura ??,
é equivalente por uma isometria de S2 à

Gα = {(cos(θ)sen(ψ), sen(θ)sen(ψ), cos(ψ)) | 0 ≤ θ ≤ α, 0 ≤ ψ ≤ π}. (4.29)

Lema 4.3. A área de um gomo com ângulo interno α é igual a 2.α.

Demonstração. Utilizando coordenadas, esférica nós temos que


Z αZ π
A= sen(φ)dφdθ = 2α
0 0

Em particular, quando α = 2π obtemos 4π para a área da esfera S2 .

Teorema 4.7. A área de um triângulo 4(α, β, γ) em S2 , com ângulos internos medindo


α, β e γ, é

A = (α + β + γ) − π. (4.30)

Demonstração. Seja A a área do triângulo. Pelo lema anterior a área do gomo Gα é

A + Aα = 2.α,

onde Aα é a área da região complementar ao triângulo no gomo. Uma vez que a área de
S2 é 4π e que H = 4 ∪ Gα ∪ ∪Gβ ∪ Gγ é um hemisfério, como mostra a figura ??, segue
que

A + Aα + Aβ + Aγ = 2π.

Consequentemente,

A + (2α − A) + (2β − A) + (2γ − A) = 2π,

da onde obtemos

A = (α + β + γ) − π.

autor: Celso M Doria 105


4.7. SUBGRUPOS DISCRETOS DE ISOM(S2 ) Celso M Doria

Exercı́cio 4.4. .

1. Mostre que;
2 , é igual a 2αR2 .
(a) A área de um gomo com ângulo interno α, em SR
2 , cujos ângulos internos medem
(b) A área de um triângulo esférico 4ABC ⊂ SR
α, β e γ, é

A = R2 . [(α + β + γ) − π] .

2. Determine a área de um triângulo esférico em função do comprimento dos lados.

3. Estude o caso quando A ≈ 0

4.7 Subgrupos Discretos de Isom(S2 )


Tendo em vista que Isom(S2 ) = O3 e Isom0 (S2 ) = SO3 , o estudo dos subgrupos
de isometrias agindo descontinuamente sobre S2 é mais simples quando comparado com
o caso euclideano E2 . Uma grande diferença é a ausência das translações. Além disto,
a compacidade da esfera simplifica enormemente as possibilidades como mostra a pro-
posição a seguir;

Proposição 4.5. Seja G ⊂ Isom(S2 ) um grupo agindo descontinuamente sobre S2 ,


então G é finito.

Demonstração. Segue da definição 2.23 de ação descontı́nua.

Um grupo que age descontinuamente sobre S2 é discreto em Isom(S2 ).

Proposição 4.6. Seja G ⊂ Isom(S2 ) um grupo agindo livremente sobre S2 , então G '
Z2 .

Demonstração. A hipótese da ação ser livre implica em G ∩ Isom0 (S2 ) = {I}. Suponha-
mos que g ∈ G e g 6= I; neste caso, para evitar a existência de pontos fixos por g, temos
det(g) = −1. Porém, como g 2 ∈ G e det(g 2 ) = 1, segue que g 2 = I. Consequentemente,
G = {I, g} ' Z2 .

Pela proposição anterior, um grupo G agindo livremente sobre S2 é da forma


    
 1 0 0 −1 0 0 
G = I = 0 1 0 , g =  0 −1 0 
0 0 1 0 0 −1
 

O difeomorfismo g : S2 → S2 dado pela expressão

g.(x, y, z) = (−x, −y, −z)

autor: Celso M Doria 106


CAPÍTULO 4. GEOMETRIA ESFÉRICA Celso M Doria

é conhecido como aplicação antı́poda da esfera S2 e g.x e x são denominados pontos


antı́podas .

Exercı́cio 4.5. .

1. Determine uma região fundamental da ação livre de Z2 sobre S2 .

2. Mostre que o espaço quociente pela ação livre de Z2 é S2 /Z2 ' RP 2 .

Teorema 4.8. O recobrimento universal de RP 2 é S2 . Além disto, π1 (RP 2 ) ' Z2 .

Demonstração. Pelo exercı́cio acima S2 /Z2 ' RP 2 . Como π1 (S2 ) = 0 ( [16]), segue que
S2 é o recobrimento universal de RP 2 .

4.7.1 Ações de Zn e Dn sobre S2


Alguns grupos que agem descontinuamente sobre S2 são elementares no sentido que
decorrem de ações descontı́nuas sobre E2 , pois, O2 ⊂ Isom0 (S2 ) = SO3 .

1. Ação de Zn sobre S2 .

Seja R 2π a rotação de ângulo n realizada no plano z = 0. O grupo cı́clico
n
Zn =< R 2π > é representado como um subgrupo de Isom0 (S2 ) da seguinte forma;
n

!
R 2π 0
R 2π 7→ n
n 0 1

A ação de Zn fixa os pontos (0, 0, ±1) (pólos norte e sul).

2. Ação de Dn sobre S2 .
O grupo Diedral Dn é gerado por uma reflexão rx e por uma rotação R 2π . Para
n
representarmos Dn ⊂ Isom0 (S2 ), consideramos a inclusão ρ : Dn → Isom0 (S2 )
extendida a partir da imagem dos geradores;
 
1 0 0 !
R 2π 0
7 ρ(rx ) = 0 −1 0 
rx → R nπ 7→ ρ(R 2π ) = n .
n 0 1
0 0 −1

Desta forma, Dn tem 3 órbitas com grupo de isotropia não-triviais. Sejam A, B e


C os pontos indicados na figura ??. Os grupos de isotropia de A e B são GA = Z2
e GB = Z2 , já GC = Zn . Chamamos a atenção para a relação entre a ordem do
grupo Dn (o(Dn ) = 2n), a ordem do grupo de isotropia de um elemento em S2 e
a cardinalidade da órbita deste elemento (#OA = n, #Ob = n, #OC = 2).

Exercı́cio 4.6. .

autor: Celso M Doria 107


4.7. SUBGRUPOS DISCRETOS DE ISOM(S2 ) Celso M Doria

1. Mostre que existe uma representação ρ : O2 → SO3 . Classifique os grupos de


isotropia para esta ação de O2 sobre S2 .

2. Descreva uma região fundamental para a ação de Zn gerada por R 2π e obtenha o


n
espaço S2 /Zn (faça uma figura).

3. Descreva a região fundamental para a ação de Dn e obtenha o espaço S2 /Dn (faça


uma figura).

4.7.2 Grupos Triangulares


Seja 4(α, β, γ) um triângulo esférico com vértices A, B e C, e ângulos internos
medindo α, β e γ, repectivamente. A área do triângulo esférico 4(α, β, γ), obtida no
teorema 4.7, é

A(4) = (α + β + γ) − π. (4.1)

As reflexões r1 , r2 e r3 sobre os lados do triângulo geram o grupo G(α, e β, γ) =<


r1 , r2 , r3 > . G(α, β, γ) contém o subgrupo G(α, β, γ) =< rα rβ , rβ rγ , rγ rα > de ordem
e
2, cujos elementos g preservam a orientação (det(g) = 1). Desta forma, os geradores de
G(α, β, γ) são rotações;

r2 r3 (A) = A, r3 r1 (B) = B r1 r2 (C) = C.

Devido as relações elementares

(ri rj )−1 = rj ri , r2 r3 = (r1 r2 )−1 (r1 r3 )−1 ,

segue que G(α, β, γ) =< r1 r2 , r1 r3 >.


De acordo com o corolário 3.5, se G(α, β, γ) age descontinuamente, então existem
n1 , n2 , n3 ∈ N tais que

π π π
α= , β= , γ= .
n1 n2 n3

Porém, a fórmula da área 4.1 impõem a condição


 
1 1 1
+ + −1>0 (4.2)
n1 n2 n3

aos valores assumidos por n1 , n2 e n3 . As únicas soluções {n1 , n2 , n3 } da desigualdade


acima são as seguintes;

autor: Celso M Doria 108


CAPÍTULO 4. GEOMETRIA ESFÉRICA Celso M Doria


(2, 2, n),



(2, 3, 3),
(n1 , n2 , n3 ) = (4.3)


(2, 3, 4),

(2, 3, 5)

No que segue, sejam


π π π π π π
G(n1 , n2 , n3 ) = G( , , ), 4(n1 , n2 , n3 ) = 4( , , ) (4.4)
n1 n2 n3 n1 n2 n3

Definição 4.10. Um grupo triangular esférico é um grupo do tipo G(p, q, r), onde a
tripla (n1 , n2 , n3 ) é uma das triplas descritas na expressão 4.3.
A existência de alguns dos subgrupos triangulares de Isom0 (S2 ) é relacionada à
existência dos sólidos de Platão (tetraedro, cubo, octaedro, dodecaedro e icosaedro),
como veremos a seguir;
1. Grupo do Tetraedro T = G(2, 3, 3)
Consideramos em R3 um conjunto de pontos {v1 , v2 , v3 , v4 } formando um tetraedro
T com arestas lij ligando o vértice vi a vj e faces fi opostas ao vértice vi . Também
seja {m1 , m2 , m3 , m4 , m5 , m6 } o conjunto formado pelos pontos médios dos lados
lij e o conjunto {b1 , b2 , b3 , b4 } formado pelos baricentros das faces fi , conforme
indica a figura ??.

Seja T o grupo de simetrias do tetraedro formado por transformações g : T → T


que preservam a distância e a orientação. Se considerarmos T centrado na origem,
as simetrias de T extendem-se a transformações ortogonais g : R3 → R3 , ou seja
g ∈ SO3 . Vamos descrever estas transformações acompanhando as figuras ?? e ??;

(a) Por cada um dos vértices vi passa uma reta que é a altura relativa a face
oposta. Seja bi o baricentro da face oposta ao vértice vi .
Usaremos os ı́ndices i, j, k, l para indicarmos os elementos do conjunto {1, 2, 3, 4},
sendo que eles são sempre considerados disjuntos dois a dois.
A rotação de ângulo 2π 3 , realizada no plano da face definida pelos vértices
vj , vk , vl , fixa os pontos vi e bi enquanto a face oposta a vi é rotacionada
sobre o seu próprio plano. Portanto, os vértices formam uma órbita e os
baricentros formam uma outra órbita, ambas as órbitas possuem grupo de
isotropia isomorfo à Z3 .
(b) De acordo com a figura, os pontos

{m1 , m3 , m5 , m6 }, formam o plano π1,3,5,6 ,


{m2 , m3 , m4 , m5 }, formam o plano π2,3,4,5 ,
{m1 , m2 , m4 , m6 }, formam o plano π1,2,4,6 .

autor: Celso M Doria 109


4.7. SUBGRUPOS DISCRETOS DE ISOM(S2 ) Celso M Doria

Cada um deste planos possui uma reta ortogonal que intersecta o conjunto
dos pontos médios naqueles pontos que não estão contidos no plano, vejamos
um exemplo: a reta ortogonal ao plano π1,3,5,6 passa pelos pontos médios m2
e m4 . De fato, os pontos {m1 , m3 , m5 , m6 } definem um quadrado. A rotação
Rπ , no plano do quadrado, deixa o tetraedro invariante. Portanto, os pontos
médios formam uma órbita cujo grupo de isotropia é isomorfo a Z2 .

Assim, concluı́mos que o grupo do tetraedro tem ordem o(T) = 12 e possui 3


órbitas com grupo de isotropia não trivial;

Tabela 4.1: Órbitas Singulares de T

órbita ordem Isotropia


vértices {vi } 4 Z3
baricentros {bi } 4 Z3
ptos médios {mi } 6 Z2

Observamos que os vértice, os baricentros e os pontos médios são vértices de uma


triangulação do tetraedro. Isto quer dizer que o tetraedro esta subdividido em
triângulos, cujos vértices são os pontos mencionados e cuja interseção de dois
triângulos da triangulação é ou um vértice ou uma aresta. Suponhamos que a esfera
circunscrita ao nosso tetraedro é S2 . Para obtermos um subgrupo de Isom(S2 ) a
partir do grupo T nós projetamos o tetraedro sobre S2 . Desta maneira, obtemos
uma triangulação de S2 onde o ângulo em cada um dos vértices é dado pela tabela
abaixo;

Tabela 4.2: Ângulos dos vértices

vértice ângulo
vi π/3
bi π/3
mi π/4

Desta forma, o triângulo formado pelos vértices vi , bj , mk tem ângulos π/2, π/3, π/3.
Concluı́mos que o grupo triangular G(2, 3, 3) é exatamente o grupo de simetrias
do tetraedro.
2. Grupo do Cubo C = G(2, 3, 4)
O procedimento para descrevermos o grupo C de simetrias do cubo é o mesmo.
Considere vi como os vértice do cubo, bi como o centro de uma face e mi como o
ponto médio de uma aresta. Ao ligarmos estes pontos obtemos uma triangulação
para o cubo. A ordem de C é 24 e a tabela relativa as órbitas singulares é a
seguinte;

autor: Celso M Doria 110


CAPÍTULO 4. GEOMETRIA ESFÉRICA Celso M Doria

Tabela 4.3: Órbitas Singulares de C

órbita ordem Isotropia


vértices {vi } 8 Z4
baricentros {bi } 6 Z4
ptos médios {mi } 12 Z2

Analogamente, ao projetarmos sobre S2 , obtemos um subgrupo triangular de Isom0 (S2 ).


De acordo com a tabela abaixo, o grupo triangular correspondente é o G(2, 3, 4).

Tabela 4.4: Ângulos dos vértices

vértice ângulo
vi π/3
bi π/4
mi π/2

Exercı́cio 4.7. .

1. Descreva o grupo D de simetrias do dodecaedro. Determine a sua ordem e qual


é o subgrupo triangular de Isom0 (S2 ) correspondente à D.

iso
2. Seja O o grupo de simetrias do octaedro. Mostre que O ' C .
iso
3. Seja I o grupo de simetrias do icosaedro . Mostre que I ' D.

Teorema 4.9. Seja G um grupo finito de Isom0 (S2 ). Então, G é isomorfo a um dos
grupos descritos na tabela abaixo, onde N é o número de órbitas singulares e o é a ordem
dos respectivos grupos de isotropia.

Tabela 4.5: Grupos finitos de SO3

G |G| N o
Zn n 2 (n,n)
Dn 2n 3 (2,2,n)
T 12 3 (2,3,3)
C 24 3 (2,3,4)
D 60 3 (2,3,5)

autor: Celso M Doria 111


4.7. SUBGRUPOS DISCRETOS DE ISOM(S2 ) Celso M Doria

Demonstração. A configuração da ação de G é dada pela tripla (| G |, N, o). Como


anteriormente, Gv denota o grupo de isotropia de v ∈ S2 . Começamos definido os
seguintes conjuntos;

V ={v ∈ S2 | Gv 6= {I}}, (vértices da triangulação)


(4.5)
E ={(v, g) ∈ V × G | g.v = v, g 6= I}

Uma vez que G é finito, o conjunto V é decomposto em s órbitas (s < ∞), digamos,

V = V1 ∪ · · · ∪ Vs .

Para cada i ∈ {1, . . . , s}, seja vi um representante da órbita Vi , Gi = Gvi e ni =| Gi |≥ 2.


A relação biunı́voca Vi ↔ G/Gi implica em

|G| |G|
| Vi |= = . (4.6)
| Gi | ni

Todo elemento g ∈ G, g 6= I, tem 2 pontos fixos sobre S2 , portanto,

| E |= 2 (| G | −1) . (4.7)

Além disto,

X s X
X
|E|= (| Gi | −1) = (| Gi | −1) =
v∈V i=1 v∈Vi
s s   (4.8)
X X 1
= | Vi | (ni − 1) = |G| 1− .
ni
i=1 i=1

Decorre das equações 4.7 e 4.8 a igualdade


s  
X 1
2 (| G | −1) = |G| 1− ,
ni
i=1

ou seja,
  s  
1 X 1
2 1− = 1− . (4.9)
|G| ni
j=1

Como | G |≥ 2 e ni ≥ 2, o lado esquerdo de 4.9 satisfaz


 
1
1≤2 1− ≤ 2, (4.10)
|G|

autor: Celso M Doria 112


CAPÍTULO 4. GEOMETRIA ESFÉRICA Celso M Doria

enquanto o lado direito satisfaz


s  
s X 1
≤ 1− ≤ s. (4.11)
2 ni
i=1

Consequentemente, as únicas possibilidades são ou s = 2 ou s = 3. Analisaremos cada


uma destas possibilidades;

1. s = 2.

 
1 1 1
2 1− =2− −
|G| n1 n2
  (4.12)
1 1
|G| + = 2 ⇒ n1 = n2 =| G | .
n1 n2

Neste caso, a configuração da ação de G é (n, 2, (n, n)).

2. s = 3.

 
1 1 1 1
2 1− =3− − −
|G| n1 n2 n3
(4.13)
2 1 1 1
1+ = + + .
|G| n1 n2 n3

Vamos estabelecer a ordem n1 ≤ n2 ≤ n3 para concluirmos que n1 = 2. Ao


substituirmos n1 = 3 em 4.13 obtemos

2 1 1 1
1+ = + + ≤ 1.
|G| 3 n2 n3

Portanto, n1 = 2 e

1 2 1 1
+ = + . (4.14)
2 |G| n2 n3

Se assumirmos que n2 ≥ 4 em 4.14, segue que

1 2 1 1
+ ≤ ≤ ⇒ n2 < 4
4 |G| n3 4

autor: Celso M Doria 113


4.7. SUBGRUPOS DISCRETOS DE ISOM(S2 ) Celso M Doria

(a) n2 = 2,

2 1
= ⇒ | G |= 2n3 .
|G| n3

Neste caso, segue que a configuração da ação é (2n, 3, (2, 2, n)).


(b) n2 = 3.

1 2 1 1 1 1 2
+ = + ⇒ = + ,
2 |G| 3 n3 n3 6 |G|

ou seja, 2 < n3 < 6. Ao analisarmos os valores 3, 4 e 5 para n3 obtemos a


seguinte tabela para as possiveis configurações;

Tabela 4.6: n3 = 3,4 e 5

n3 o(G) N o
3 12 3 (2,3,3)
4 24 3 (2,3,4)
5 60 3 (2,3,5)

Exercı́cio 4.8. Um poliedro em R3 é um conjunto conexo formado pela união de


polı́gonos cuja interseção ou é um vértice ou é uma única aresta (lado).

1. Um poliedro é regular se todas as suas faces são polı́gonos regulares. Prove que
existem 5 poliedros regulares em R3 , denominados poliedros de Platão.

2. Seja P um dos poliedros de Platão e T uma triangulação de P . Isto quer dizer


que existe uma coleção de triângulos

T = {T1 , T2 , . . . , Tn } ⊂ P,

satisfazendo as seguintes condições;

(a) P = ∪ni=1 Ti .
(b) Se i 6= j, então ou

Ti ∩ Tj = {v}, ou Ti ∩ Tj = {a},

autor: Celso M Doria 114


CAPÍTULO 4. GEOMETRIA ESFÉRICA Celso M Doria

onde v=vértice e a é uma aresta (não pode ser uma parte da aresta). Conside-
remos os seguintes números; V = número de vértice de T , A = número de arestas de T
e F = número de faces de T . A caracterı́stica de Euler de P é definida por

χ(P, T ) = V − A + F.

Mostre que para qualquer triângulação T de P temos χ(P, T ) = 2.


(c) Construa uma triangulação T sobre o plano projetivo RP 2 e mostre χ(RP 2 , T ) =
1.
(d) Construa uma triangulação T sobre o toro T 2 e mostre que χ(P, T ) = 0.

4.8 Superfı́cies e Orbitais Esféricos


Como vimos, as únicas superfı́cies obtidas na geometria esférica, são S2 e RP 2 =
S2 /Z2 .Os outros subgrupos discretos de Isom(S2 ) não agem livremente sobre S2 , con-
forme mostra a tabela 4.5. Desta maneira, os espaços quocientes obtidos são orbitais do
tipo apresentado na figura ??.

1. Regiões Fundamentais e Espaços Quocientes.

(a) XZn = S2 /Zn .


(b) XDn = S2 /Dn .
(c) XT = S2 /T.
(d) XC = S2 /C.
(e) XD = S2 /D.

Conforme a fórmula 6.4, dada na definição 6.33 no capı́tulo 4, a caracterı́stica de


Euler destes orbitais são dadas pela fórmula

n  
X 1
χ(X/G, T ) = 2 − 1−
ni
i=1

Desta forma, temos a seguinte tabela;

RP 2 XZn XDn XT XC XD
2 1 1 1
χ 1 n ∗ 6 12 30

autor: Celso M Doria 115


´
4.8. SUPERFICIES E ORBITAIS ESFÉRICOS Celso M Doria

autor: Celso M Doria 116


Capı́tulo 5

Geometria Hiperbólica

A geometria hiperbólica foi descoberta devido aos inúmeros insucessos em demonstrar


o axioma das paralelas 3.2. Então, Janós Bolya e Lobachvesky observaram que alterando
o axioma das paralelas não surgiam contradições com os outros axiomas e nem com as
suas consequências. Assim, o enunciado do axioma das paralelas foi alterado;
Axioma 5.1. Sejam l uma reta e P um ponto não pertencente a l. Por P passam
infinitas retas paralelas a l.
No formalismo moderno, leia-se geodésica no lugar de retas. A geometria que satisfaz
o axioma acima foi denominada de geometria hiperbólica.
Neste capı́tulo, faremos uso de alguns recursos básicos da teoria de funções de uma
variável complexa.

5.1 Espaço Hiperbólico


Seja R2+ = {(x, y) ∈ R2 | y > 0} o semi-plano superior de R2 .

Definição 5.1. A métrica hiperbólica (gh )p : Tp R2+ × Tp R2+ → R é dada pela seguinte
expressão: sejam p = (x, y) ∈ R2+ , v = (v1 , v2 ) e w = (w1 , w2 ) pertencentes à T(x,y) R2+ ,
então
1
(gh )(x,y) (v, w) = (v1 w1 + v2 w2 ); (5.1)
y2
Em termos do produto interno euclideano, temos
1
(gh )(x,y) (v, w) = < v, w > . (5.2)
y2

Definição 5.2. O Espaço Hiperbólico é a superfı́cie riemanniana

H2 = (R2+ , gh ).

117
5.1. ESPAÇO HIPERBÓLICO Celso M Doria

O comprimento de uma curva γ : [t0 , t1 ] → H2 , onde γ(t) = (x(t), y(t)), é


Z t1 p ,
(x (t))2 + (y , (t))2
L(γ) = dt. (5.3)
t0 y(t)

Exemplo 5.1. Em cada um dos itens abaixo, o objetivo será determinar o comprimento
L(γ) de γ ⊂ H2 .

1. γ(t) = (a, t), t0 ≤ t ≤ t1 (semi-reta vertical).


Z t1
dt t1
γ , (t) = (0, 1) ⇒ L(γ) = = ln( ). (5.4)
t0 t t0

2. γ(t) = (t, at + b), t0 ≤ t ≤ t1 (semi-reta).


Sejam y0 = γ(t0 ) e y1 = γ(t1 ). Sendo assim, γ , (t) = (1, a) e

s
t1
1 + a2
Z
L(γ) = dt =
t0 (at + b)2
Z t1  
p
2
dt p
2
y1
= 1+a = 1 + a .ln .
t0 at + b y0

Portanto, limy0 →0 L(γ) = ∞.


3. γ : [0, 2π] → H2 , γ(θ) = (Rcos(θ) + a, Rsen(θ) + b), onde R < b (cı́rculo de raio R
e centro em (a, b)).
Z 2π
, Rdθ
γ (t) = R(−sen(θ), cos(θ)) ⇒ L(γ) =
0 b + Rsen(θ)
2.dt
Substituindo t = tg(θ/2), temos que dθ = 1+t2
e
Z ∞
2R dt
L(γ) = R 2 b2 −R2
.
b (t +
−∞ b) + b2
R
Substituindo novamente por u = t + b, temos du = dt e

Z ∞
2R du
L(γ) = b2 −R2
= (5.5)
b −∞ u2 + b2
 
2R bt + R 2πR
=√ .arctg √ |∞
−∞ = √ . (5.6)
b − R2
2 b2 − R2 b2 − R2

Segue que limR→b L(γ) = ∞, uma vez que o cı́rculo aproxima-se do eixo-x.

autor: Celso M Doria 118


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

5.1.1 Reflexões no Espaço Hiperbólico


A distância entre dois pontos p e q em H2 é definida por

d(p, q) = inf L(γ).


γ∈Ω(p,q)

Para determinar d(p, q), em função de p e q, precisamos descrever as geodésicas de


H2 . Para este fim, vamos estudar a geometria das transformações de inversão sobre
cı́rculos, também denominadas de reflexões. Dentre as isometria de E2 , as únicas que
são isometrias de H2 são as reflexões sobre retas verticais e as suas composições, como
mostra a proposição a seguir;

Proposição 5.1. Seja a ∈ R e l = {(a, y) | y ∈ R+ } reta vertical em R2+ . A trans-


formação rl : R2+ → R2+ , induzida pela reflexão euclideana sobre l, é uma isometria de
H2 .

Demonstração. A reflexão sobre l é dada por


 
−1 0
rl (x, y) = (−x + 2a, y), drl = .
0 1
Portanto,

1 1
grl (x,y) (drl .v, drl .w) = < drl .v, drl .w >= 2 < v, w >= g(x,y) (v, w).
y2 y

A seguir, introduziremos a transformação de inversão sobre um cı́rculo no plano com o


intuito de obter mais isometrias de H2 . Para isto, consideraremos o cı́rculo de raio R e
centro em P = (a, b) como o conjunto

SR (P ) = {(x, y) ∈ R2 | (x − a)2 + (y − b)2 = R2 }, SR = SR (O).

Definição 5.3. A transformação de inversão sobre SR é a aplicação rSR : R2 → R2 dada


por
x y
rSR (x, y) = R2 ( , 2 ). (5.7)
x2 + y x + y2
2

Observe que a inversão rSR satisfaz a identidade


q
| rSR (v) | . | v |= R2 , onde v = (v1 , v2 ), | v |= v12 + v22 . (5.8)

autor: Celso M Doria 119


5.1. ESPAÇO HIPERBÓLICO Celso M Doria

Observação. Ao considerarmos o espaço R2 como sendo o espaço complexo C, isto é,


ao identificarmos (x, y) z = x + iy, a transformação rSR pode ser escrita na forma

z R2
rSR (z) = R2 . = . (5.9)
| z |2 z̄

Assim, rSR : C → C é anti-holomorfa, ou seja, preserva ângulo e inverte a orientação.

Proposição 5.2. A transformação de inversão rSR : R2 → R2 tem as seguintes propri-


edades:

1. Se l ⊂ R2 é uma reta, então rSR (l) é ou uma reta ou um cı́rculo.

2. Se C ⊂ R2 é um cı́rculo, então rSR (C) é ou uma reta ou um cı́rculo.

Demonstração. Observamos que, da expressão rSR (x, y) = (u, v) e de 5.7,


( (
x
u = R2 x2 +y 2
u
v = x
y
y ⇒ R4
,
v = R2 x2 +y 2 u2 + v 2 = x2 +v 2

ou seja,
u v
x = R2 , y = R2
u2 + v 2 u2 + v 2

1. Suponha que l = {(x, y) ∈ R2 | ax + by + c = 0}. Se substituirmos as expressões


acima, obtemos

au + bv
R2 . + c = 0. (5.10)
u2 + v 2

Portanto, há duas possibilidades a serem consideradas;

(a) c = 0. Neste caso,

au + bv = 0. (5.11)

(b) c 6= 0. Neste caso,

R2 au + R2 bv + c(u2 + v 2 ) = 0.

Consequentemente,
2 2
aR2 bR2 a2 + b2
 
u+ + v+ = R4 . . (5.12)
2c 2c 4c2

autor: Celso M Doria 120


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

2. Suponha que C = {(x, y) ∈ R2 | (x − a)2 + (y − b)2 = r2 }. Ao substituirmos x e y


em função de u e v na relação que define o cı́rculo o cı́rculo C, obtemos a relação

R4 − 2R2 (au + bv) + (a2 + b2 − r2 )(u2 + v 2 ) = 0


 
(5.13)

Assim, temos os seguintes casos;

(a) a2 + b2 − r2 = 0. Neste caso,

R2
au + bv = . (5.14)
2
(b) a2 + b2 − r2 6= 0. Neste caso,

2 2
aR2 bR2 r 2 R4
 
u− + v− = . (5.15)
a + b2 − r2
2 a + b2 − r2
2 (a2 + b2 − r2 )2

Exercı́cio 5.1. .

1. Seja l = {(x, y) ∈ R2 | y = x + 1}. Determine a inversão sobre o cı́rculo S2 .

2. Seja C = {(x, y) ∈ R2 | x2 + (y − 1)2 = r2 . Determine a inversão sobre o cı́rculo


S2 e análise o que ocorre quando variamos o parâmetro r.

3. Seja

SR (P ) = {(x, y) ∈ R2 | (x − a)2 + (y − b)2 = R2 },

o cı́rculo de raio R e centro em P = (a, b). Mostre que a inversão sobre SR (P )


define a aplicação rSR (P ) : R2 → R2 dada por

R2
rSR (P ) (x, y) = (x − a, y − b) + (a, b). (5.16)
(x − a)2 + (y − b)2

4. Sejam C1 = {(x, y) ∈ R2 | (x − a)2 + (y − b)2 = r2 } e rSR : H2 → H2 a inversão


sobre SR = {(x, y) ∈ R2 | x2 + y 2 = R2 }. Se rSR (C1 ) = C2 , onde C2 = {(x, y) ∈
R2 | (x − α)2 + (y − β)2 = ρ2 }, então:

 2 r
a b r α 2
= = , e R= (a + b2 − r2 ). (5.17)
α β ρ a

autor: Celso M Doria 121


5.1. ESPAÇO HIPERBÓLICO Celso M Doria

5. Mostre que a inversão dada por 5.16 transforma retas e cı́rculos em retas ou
cı́rculos.

6. Estude as relações análogas à 5.17 quando SR tem centro sobre o eixo-x.

Proposição 5.3. Seja SR (P ) = {(x, y) ∈ R2 | (x−a)2 +y 2 = R2 } um cı́rculo cujo centro


encontra-se em p = (a, 0) (sobre o eixo-x). Então, a inversão rSR (P ) é uma isometria
de H2 .
Demonstração. Consideremos o caso geral (b 6= 0)

R2
rSR (P ) (x, y) = (x − a, y − b) + (a, b) = (u, v).
(x − a)2 + (y − b)2
Segue que drSR (P ) : T(x,y) R2 → T(u,v) R2 aplicada ao vetor w = (w1 , w2 ) ∈ T(x,y) R2 é
dado por

R2 (y − b)2 − (x − a)2 −2(x − a)(y − b)


   
w1
drSR (P ) .w = .
[(x − a)2 + (y − b)2 ]2 −2(x − a)(y − b) (x − a)2 − (y − b)2 w2

Assim,

w12 + w22
g(u,v) (drSR (P ) .w, drSR (P ) .w) = R4 . .
{R2 (y − b) + b [(x − a)2 + (y − b)2 ]}2
Se b = 0, a expressão acima torna-se

w12 + w22
g(u,v) (drSR (P ) .w, drSR (P ) .w) = = g(x,y) (w, w).
y2
Desta maneira, a transformação

R2
rSR (P ) (x, y) = (x − a, y) + (a, 0) (5.18)
(x − a)2 + y 2
induz um difeomorfismo rSR (P ) : R2+ → R2+ que preserva a métrica hiperbólica. Conse-
quentemente, rSR (P ) é uma isometria.

O termo reflexão será utilizado para designarmos as inversões sobre os cı́rculos cen-
trados sobre o eixo-x, assim como também será usado para designar as reflexões sobre
retas verticais.

Observação. Se interpretadas como funcções de uma váriavel complexa, as reflexões


correspondem as funções anti-holomorfas.

R2
rl (z) = −z̄ + 2α, rSR (P ) = + z0 . (5.19)
z̄ − z̄0

autor: Celso M Doria 122


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

Exercı́cio 5.2. Sejam P1 , P2 ∈ H2 . Mostre que:

1. Se P1 e P2 encontram-se sobre uma reta, então, a imagem do segmento de reta


definido por P1 e P2 , por uma reflexão em H2 , é um segmento sobre uma reta
vertical ou um arco sobre um cı́rculo centrado no eixo-x.

2. Se P1 e P2 não encontram-se sobre uma reta vertical, então existe uma isometria
de H2 tal que ambos são levados sobre uma mesma reta vertical.

3. Sejam α uma reta vertical e β um cı́rculo centrado sobre o eixo-x tais que, na
interseção {p} = α ∩ β, α seja ortogonal à β. Considerando que rα e rβ são as
reflexões sobre α e β, respectivamente, mostre que rα (β) = β e rβ (α) = α.

4. Sejam α e β dois cı́rculos centrados sobre o eixo-x tais que na interseção {p} = α∩β
eles são ortogonais. Como no item anterior, mostre que rα (β) = β e rβ (α) = α.

5.2 Geodésicas de H2
Nesta seção, vamos determinar a geodésica que liga dois pontos em H2 .

Proposição 5.4. Para todo a ∈ R, a geodésica ligando os pontos p = (a, t0 ) e q = (a, t1 )


é o segmento de reta pertencente a semi-reta l = {(a, y) ∈ R2 | y > 0}.

Demonstração. Seja γ : [t0 , t1 ] → H2 a parametrização γ(t) = (a, t) de l e sejam p0 =


γ(t0 ) e p1 = γ(t1 ). O comprimento de γ em H2 , de acordo com a expressão 5.4, é
Z t1 Z t1
p
, ,
dt t1
L(γ) = g(γ (t), γ (t))dt = = ln( ).
t0 t0 t t0

Seja β : [t0 , t1 ] → H2 , β(t) = (x(t), y(t)), uma outra curva ligando os pontos p0 e p1 .
Suponhamos que β(t0 ) = p0 e β(t1 ) = p1 . Desta maneira,
t1 t1
y , (t)
Z Z
1 p , 2 t0
L(β) = ((x ) + (y , )2 )dt ≥ dt = ln( ).
t0 y(t) t0 y(t) t1

Uma vez que L(β) ≥ L(γ), ∀β, então γ minimiza a distância e, por isto, é uma geodésica
de H2 .

Corolário 5.1. Os cı́rculos cujo centro encontram-se sobre o eixo-x são geodésicas de
H2 .

Demonstração. Seja C = {(x, y) | (x − α)2 + y 2 = r2 } ∩ H2 um semi-cı́rculo com centro


sobre o eixo-x. É suficiente mostrarmos que existe uma isometria de H2 cuja imagem de
C é uma semi-reta vertical. Para esta fim, consideramos a isometria obtida pela reflexão
sobre o cı́rculo

autor: Celso M Doria 123


5.2. GEODÉSICAS DE H2 Celso M Doria

SR (P ) = {(x, y) ∈ H2 | (x − a)2 + y 2 = R2 }.

Conforme a expressão 5.13, a imagem de C é conjunto dos pontos (u, v) ∈ H2 satisfazendo


a relação

R4 + 2R2 (a − α)(u − a) = [r2 − (a − α)2 ][(u − a)2 + v 2 ].

Portanto, se a = α + r ou a = α − r a imagem de C é a semi-reta

R2
l = {(a − , y) | y > 0}.
2(a − α)

Consequentemente, a reflexão sobre o cı́rculo com centro em (a, 0), onde a = α + r ou


a = α − r, leva C sobre l. A conclusão segue da proposição 5.4.

Teorema 5.1. Se γ : [0, 1] → H2 é uma geodésica em H2 , então são as seguintes as


possibilidades;
1. γ descreve um segmento sobre a reta vertical.

2. γ descreve uma curva sobre um semi-cı́rculo centrado no eixo-x.


Demonstração. Sejam p e q dois pontos quaisquer em H2 e β : [0, 1] → H2 uma geodésica
minimizando a distância entre eles. Há dois casos a serem considerados;

1. p e q encontram-se sobre uma reta vertical l.


Conforme vimos, β é o segmento de reta vertical pertecente à l com extremidades
p e q.

2. p e q não encontram-se sobre uma mesma reta vertical.


Consideremos o cı́rculo C centrado no eixo-x e passando por p e q. Neste caso,
existe uma isometria r : H2 → H2 tal que a imagem r(C) é uma reta vertical. De
acordo com o item anterior, a única possibilidade é que a imagem r(β) esteja sobre
a reta vertical r(C) que, por sua vez, é a imagem do arco contido em C que liga p
à q.

Corolário 5.2. Sejam p, q ∈ H2 . Existe uma única geodésica minimizante ligando p à


q.

Desta forma, concluı́mos que o axioma 5.1 é válido no espaço hiperbólico. Dizemos
que duas geodésicas em H2 são concorrentes quando as curvas intersectam-se, são pa-
ralelas quando forem um par de retas verticais distintas (encontram-se em ∞) e são
ultra-paralelas quando são um par de cı́rculos disjuntos centrados na origem.

autor: Celso M Doria 124


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

Exercı́cio 5.3. .

1. Sejam p = (a, y0 ) e q = (a, y1 ), onde y0 ≤ y1 . Assim, segue de 5.4 que d(p, q) =


ln( yy10 ). Mostre que

y1 | y1 − y0 | 2
d(p, q) = ln( ) ⇔ cosh(d(p, q)) = 1 + . (5.1)
y0 2y0 y1
2. No item acima mostre que

d(p, q) 1 | y1 − y0 |
senh( )= √ . (5.2)
2 2 y0 y1

3. Calcule tanh( d(p,q)


2 ).

4. Sejam γ1 = {iy ∈ H2 ; y ∈ R} e γ2 geodésicas que na interseção formam um ângulo


θ. Se α é o raio de γ2 , mostre que γ2 = {z ∈ H2 ; | z − α.cos(θ) |= α}.

5.2.1 Produto Angular entre Geodésicas


Apresentaremos um invariante geométrico associado a posição relativa entre duas
geodésicas em H2 . A circunferência com centro em a = (a1 , a2 ) e raio r é o conjunto

Cr (a) = {v = (x, y) ∈ H2 ; | v |2 −2 < v, a > + | a |2 −r2 = 0},

onde | . |2 =< ., . >; a reta ortogonal ao vetor b = (b1 , b2 ), passando pelo ponto (x0 , y0 ) ∈
H2 , é o conjunto

Lt (b) = {v = (x, y) ∈ H2 |< v, b >= c}, onde b = (b1 , b2 ), t = b1 x0 + b2 y0 .

Observamos que tanto a reta quanto a circunferência podem ser descritas por uma
equação na forma

α | v |2 −2 < v, a > +β = 0, (5.3)

onde v, a ∈ H2 e α, β ∈ R. No caso da circunferência Cr (a), α = 1 e β =| a |2 −r2 ,


enquanto para a reta Lt (b) α = 0 e β = 2t. Desta maneira, associamos a cada geodésica
uma 4-upla (α, a1 , a2 , β).

Definição 5.4. Sejam Σ e Σ0 duas curvas geodésicas em H2 e cujas 4-uplas sejam


(α, a1 , a2 , β) e (α0 , a01 , a02 , β 0 ), respectivamente. O produto angular entre Σ e Σ0 é

2 < a, a0 > −αβ 0 − βα0


(Σ, Σ0 ) =| | (5.4)
2(| a |2 −αβ)1/2 (| a0 |2 −α0 β 0 )1/2

autor: Celso M Doria 125


5.2. GEODÉSICAS DE H2 Celso M Doria

A interpretação para o produto angular depende da posição relativa entre as geodésicas,


como mostram os exemplos a seguir;

Exemplo 5.2. .

1. Σ = Cr (a), Σ0 = Ct (b).
As 4-uplas correspondentes são

Cr (a) (1, a1 , a2 , | a |2 −r2 ), Ct (b) (1, b1 , b2 , | b |2 −t2 ),

da onde temos que

2 < a, b > −(| a |2 −r2 ) − (| b |2 −t2 )


(Ca (r), Cb (t)) =| | (5.5)
2rt
| r2 + t2 − | b − a |2 |
= . (5.6)
2rt

Há dois casos a serem considerados;

(a) Cr (a) ∩ Ct (b) 6= ∅.


Na figura ??, sejam θ o ângulo formado pelas curvas no ponto P = Ca (r) ∩
Ct (b) e α e β os ângulos complementares à θ (α = β); por isto

α + β + 2θ = π ⇒ cos(α + β + θ) = −cos(θ)

Desta forma, aplicando a lei dos cossenos ao 4ABP temos

| r 2 + t 2 − | b − a |2 |
| cos(θ) |=| cos(α + β + θ) |=| |. (5.7)
2rt

Consequentemente, (Σ, Σ0 ) =| cos(θ) |.


(b) Se Σ, Σ0 são circunferências centradas na origem, então a = b = 0. Suponha-
mos que Cr (0) ∩ Ct (0) = ∅, então

ed + e−d
 
1 r t
(Cr (a), Ct (0)) = + = = cosh(d), (5.8)
2 t r 2

onde d = ln(r/t) é a distância entre as geodésicas Cr (0) e Ct (0)). Mais


tarde veremos que, aplicando uma isometria, duas circunferências que não se
intersecptam podem ser colocadas de forma concêntrica.

autor: Celso M Doria 126


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

2. Σ = Cr (a) e Σ0 = Lt (b).
As 4-uplas correspondentes são

Cr (a) (1, a1 , a2 , | a |2 −r2 ), Lt (b) (0, b1 , b2 , 2t),

da onde

|< a, b > −t |
(Cr (a), Lt (b)) = .
r|b|

|<a,b>−t|
Como a distância do ponto a à Lt (b) é dada por d = |b| , segue que

d(a, L)
(Cr (a), Lt (b)) = .
r

(a) Cr (a) ∩ Lt (b) 6= ∅. Na figura ??, se o ângulo formado na interseção é θ, temos


que cos(θ) = dr . Consequentemente, (Cr (a), Lt (b)) =| cos(θ) |.
(b) Cr (a) ∩ Lt (b) = ∅. Neste caso, d(a, L) > r e, por isto, (Cr (a), Lt (b)) > 1.

3. Σ = Lt (a) e Σ0 = Ls (b).
As 4-uplas correspondentes são

Lt (a) (0, a1 , a2 , 2t), Ls (b) (0, b1 , b2 , 2s).

Portanto,

|< a, b >|
(Lt (a), Ls (b)) = .
|a|.|b|

(a) Lt (a) ∩ Ls (b) 6= ∅. Sendo θ o ângulo formado no ponto de interseção das


retas, temos

(Lt (a), Ls (b)) =| cos(θ) | . (5.9)

(b) Lt (a)∩Ls (b) = ∅. Neste caso, as retas são paralelas, então (Lt (a), Ls (b)) = 1.

autor: Celso M Doria 127


5.3. ISOMETRIAS DE H2 Celso M Doria

Nos exemplos mostrados acima, chamamos a atenção para o fato de que as curvas
não precisam serem geodésicas de H2 .

Exercı́cio 5.4. .

1. Mostre que o produto angular entre duas geodésicas é maior do que 1 se, e somente
se, elas são disjuntas.

2. Utilizando a expressão 5.4, prove que o produto angular é invariante por reflexões
em H2 .

5.3 Isometrias de H2
Nesta seção, vamos descrever as isometrias de H2 . Para isto, utilizaremos o fato que
as reflexões sobre as geodésicas de H2 pertencem a Isom(H2 ).
Visando descrever o grupo Isom(H2 ), vamos estudar as isometrias obtidas a partir
da composição de reflexões. Para isto, vamos utilizar a estrutura complexa do R2 . Para
efeitos de notação, sejam


C = {z = a + ib | a, b ∈ R, i = −1}
b = C ∪ {∞}
C

As reflexões sobre retas ou sobre os cı́rculos definem as seguintes funções de uma variável
complexa: considere a, b e c ∈ R,

ra : C → C, rl (z) = −z̄ + 2a (5.1)


b
rb,c : C → C, rb,c (z) = +c (5.2)
z̄ − c

Compondo estas isometrias obtemos as seguintes funções complexas;

(i) ra2 ◦ ra1 (z) = z + 2(a2 − a1 ), (5.3)


c
(ii) ra ◦ rb,c (z) = − − b + 2a, (5.4)
z−b
c
(iii) rb,c ◦ ra (z) = + b, (5.5)
−z + (2a − b)
c2 z − c2 b1
(iv) rb2 ,c2 ◦ rb1 ,c1 (z) = + b2 . (5.6)
(c1 − c2 )z + c1 − b1 (b1 − c2 )

Ao compormos um número par de funções complexas, dentre as descritas acima, obtemos


o conjunto

autor: Celso M Doria 128


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

az + b
Isom0 (H2 ) = {f : C → C | f (z) = , a, b, c, d ∈ R}.
cz + d
Ao excluirmos as funções constantes, torna-se um grupo com a operação de composição.
az+b
Proposição 5.5. Seja f (z) = cz+d ∈ Isom0 (H2 ). Assim, f (z) é constante se, e somente
se, ad − bc = 0.

Demonstração. (⇒) Seja k 6= 0 ∈ R uma constante e suponha que f (z) = k para todo
z ∈ C. Então,
(
a = kc,
⇒ ad − bc = 0.
b = kd.

(⇐) Suponha que ad − bc = 0.

1. Se a = 0, então b = 0 ou c = 0. Se b = 0, temos que f (z) = 0; se c = 0, temos


que f (z) = b/d é constante.
2. Se d = 0, então b = 0 ou c = 0. Se b = 0, temos que f (z) = a/c; se c = 0,
temos que f (z) não esta definida.
bc
3. Se a 6= 0 e d 6= 0, então d = a. Neste caso, temos que f (z) = 1/c é constante.

Se f (z) não é constante, então ela é invertı́vel e

az + b dz − b
f (z) = ⇒ f −1 (z) = .
cz + d −cz + a

Portanto, a condição ad − bc 6= 0 é necessária e suficiente para que f (z) seja invertı́vel.


Desta forma, o grupo de isometrias reduz-se para é

az + b
Isom0 (H2 ) = {f (z) = | ad − bc 6= 0}. (5.7)
cz + d
As reflexões 5.1 e 5.2 geram um grupo de funções que preservam ou revertem a orientação.
Vamos trabalhar exclusivamente com o grupo das isometrias que preservam a orientação,
no caso as funções holomorfas pertencentes ao grupo G definido em 5.7. A natureza de
G nos leva a considerarmos a ação das matrizes invertı́veis Gl2 (R) sobre H2 , definida
assim:

Φ :Gl2 (R) × H2 → H2 (5.8)


 
a b az + b
.z = . (5.9)
c d cz + d

autor: Celso M Doria 129


5.3. ISOMETRIAS DE H2 Celso M Doria

A ação define um homomorfismo Φ : Gl2 (R) → G, Φ(g)(z) = g.z. É imediato verificar


que Φ(g1 ) = Φ(g0 ) se, e somente se, existe λ 6= 0 ∈ R tal que g1 = λg0 . Isto é, a ação da
matriz g é igual a da matrix ge = √ 1 g, com a vantagem que det(e g ) = ±1. Portanto,
|det(g)|
a ação de Φ pode ser restringida a ação do grupo das matrizes com determinante igual
a 1.

Definição 5.5. O grupo linear especial de matrizes 2 × 2 é

SL2 = {A ∈ M2 (R) | det(A) = 1}. (5.10)

Concluı́mos que Φ induz o homomorfismo sobrejetivo

Φ :Sl2 (R) → G (5.11)


 
a b az + b
Φ( )(z) = . (5.12)
c d cz + d

O núcleo de Φ é
   
1 0 −1 0
N uc(Φ) = { , }.
0 1 0 −1

Definição 5.6. .

1. P Sl2 (R) = Sl2 (R)/Z2 .

2. O grupo de isometrias de H2 que preservam a orientação é

az + b
Isom(H2 ) = {f (z) = | ad − bc 6= 0}.
cz + d

Consequentemente,

Isom(H2 ) ' P Sl2 (R). (5.13)

Teorema 5.2. Toda transformação f ∈ Isom(H2 ) é determinada pela imagem de 3


pontos.
az+b
Demonstração. Suponha que f ∈ Isom(H2 ) é dada por f (z) = cz+d . Sejam

w1 = f (z1 ), w2 = f (z2 ) e w3 = f (z3 ).


Desta forma, para qualquer k = 1, 2, 3,

autor: Celso M Doria 130


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

az + b azk + b (ad − bc)(z − zk )


w − wk = − = .
cz + d czk + d (cz + d)(czk + d)
Segue que,

(w − w1 )(w2 − w3 ) (z − z1 )(z2 − z3 )
= . (5.14)
(w − w3 )(w2 − w1 ) (z − z3 )(z2 − z1 )
Portanto, os coeficientes a, b, c, d ∈ R de f são todos determinados pelas condições
wk = f (zk ), k = 1, 2, 3.

Corolário 5.3. A ação de Isom(H2 ) sobre H2 é transitiva.


Demonstração. Segue imediatamente da demonstração do teorema 5.2.

Definição 5.7. Sejam z1 , z2 , z3 , z4 pontos em C.


b A razão de Moebius é

(z1 − z3 )(z4 − z2 )
[z1 , z2 , z3 , z4 ] =
(z1 − z2 )(z4 − z3 )

Quando f ∈ Isom(H2 ), decorre da demonstração de 5.2 que

[f (z1 ), f (z2 ), f (z3 ), f (z4 )] = [z1 , z2 , z3 , z4 ].

Corolário 5.4. O subgrupo de isotropia de um elemento p ∈ H2 , definido pela ação de


Isom(H2 ), é isomorfo a SO2 .
Demonstração. Seja p = (0, 1), o grupo de isotropia de (0, 1) é formado pelas trans-
formações T ∈ Isom(H2 ) tais que T (0, 1) = (0, 1). A representação complexa de (0, 1) é
i; por isto,

ai + b
=i ⇔ a = d, e c = −b.
ci + d
Ao juntarmos esta informação com a relação ad − bc = 1, segue que a2 + b2 = 1. Como
a transformação preserva a orientação, existe θ ∈ R tal que a = cos(θ) e b = −sen(θ).
Portanto, G(0,1) = SO2 . Decorre da transitividade da ação de Isom(H2 ) que para
qualquer ponto p ∈ H2 Gp ' SO2 .

Algumas análises geométricas tornam-se mais simples se observarmos a expressão 5.15


abaixo, obtida para a transformação g(z) = az+b
cz+d , quando c 6= 0;

a ad − bc 1
g(z) = − . , (5.15)
c c cz + d

autor: Celso M Doria 131


5.3. ISOMETRIAS DE H2 Celso M Doria

1. O cı́rculo isométrico de g é o cı́rculo

{z ∈ H2 ; | cz + d |=| ad − bc |1/2 }.

Desta maneira, se z e w pertencem ao cı́rculo isométrico, segue da expressão 5.15


que

| g(z) − g(w) |=| z − w |,

ou seja, a distância euclideana de z à w é preservada por g.

2. Também segue de 5.15 que

a | ad − bc | 1
| g(z) − |= . .
c |c| | cz + d |

|ad−bc|1/2
Portanto, a ação de g sobre o cı́rculo C = {z ∈ H2 ; | cz + d |= c1/2
} leva-o
a |ad−bc|1/2
sobre o cı́rculo g(C) = {z ∈ H2 ; | g(z) − |= c c1/2
}.
Um cı́rculo C ortogo-
2
nal ao eixo-x divide H em duas componentes conexas, uma limitada por C e o
eixo-x, denominada de componente interior, e a outra ilimitada, denominada de
componente exterior. Desta forma, a região interior limitada por C e pelo eixo-x é
levada sobre a região exterior limitada por g(C) e a região exterior limitada por C
é levada na região interior limitada por g(C) e o eixo-x, conforme ilustra o exemplo
a seguir;

Exemplo 5.3. . Considere a transformação g(z) = z+1z+2 . Neste caso, o cı́rculo isométrico
de g é | z + 2 |= 1, C = {z ∈ H2 ; | z + 2 |= 1} e g(C) = {z ∈ H2 ; | z − 1 |= 1}, como
mostra a figura ??

Exercı́cio 5.5. .

1. Determine a transformação f : C → C tal que f (i) = 0, f (0) = −1 e f (∞) = 1.

2. Seja f : C → C uma transformação dada pela expressão

az + b
f (z) = .
cz + d

Mostre que f (R2+ ) = R2+ se, e somente se, a, b, c e d são números reais.

3. No exercı́cio anterior, descreva o conjunto f (iR), onde iR é o eixo-y.

autor: Celso M Doria 132


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

4. Mostre que Φ : Gl2 (R) × H2 → H2 definido por


 
a b az + b
Φ( , z) =
c d cz + d

é uma ação.

5. Conclua, do problema anterior, que Φ induz um homomorfismo sobrejetor de


Gl2 (R) sobre Isom(H2 ) e mostre que N uc(Φ) ' Z2 .

6. Sejam γ1 = {iy ∈ H2 ; y ∈ R+ } e γ2 = {z ∈ H2 ; | z − α.cos(θ) |= α} geodésicas que


interceptam-se, onde α é o raio de γ2 e θ é o ângulo formado na interseção. Se r1
e r2 são as reflexões sobre γ1 e γ2 , respectivamente, mostre que

cos(θ) −α.sen2 (θ)


 
r2 r1 (z) = .
1/α cos(θ)

7. Mostre que qualquer isometria f ∈ Isom(H2 ) pode ser escrita como a composição
de duas reflexões.

Determine a composição r2 r1 quando γ1 ∩ γ2 = {i}.

8. Considere a transformação f : C → C definida por

z−i
f (z) = . (5.16)
z+i

Mostre que, f (R2+ ) = D2 = {z ∈ C; | z |≤ 1}. Em particular, f (R × {0}) = S 1 ,


f (0) = −1, f (i) = 0 e f (∞) = 1.

9. Prove que R2+ ' P Sl2 (R)/SO2 .

10. Sejam {zi ∈ C b | i = 1, 2, 3, 4} e {wi ∈ C


b | i = 1, 2, 3, 4}. Suponha que [w1 , w2 , w3 , w4 ] =
[z1 , z2 , z3 , z4 ]. Mostre que existe f ∈ Isom+ (H2 ) tal que f (zi ) = wi para todo
i ∈ {1, 2, 3, 4}.

11. Considere os cı́rculos Cα = {z ∈ H2 ; | z − α |= rα } e Cβ = {z ∈ H2 ; | z − β |= rβ }.


Mostre que a transformação


 !
β αβ

rα rβ − rα rβ 1 + rα rβ
g= .
√ 1 − √rαα rβ
rα rβ

é uma isometria que leva a região interior limitada por Cα e o eixo-x sobre a região
exterior limitada por Cβ , e leva a região exterior de Cα sobre a região interior
limitada por Cβ e o eixo-x.

autor: Celso M Doria 133


5.4. MODELOS PARA O ESPAÇO HIPERBÓLICO Celso M Doria

12. Prove que a posição relativa entre duas geodésicas γ1 , γ2 em H2 , a menos de


isometria, enquadram-se numa das seguintes situações:

(a) γ1 = {y ∈ H2 ; y ∈ R} e γ2 = {x0 + iy ∈ H2 ; y ∈ R} (paralelas)


(b) γ1 = {z ∈ H2 ; | z |= R1 } e γ2 = {z ∈ H2 ; | z |= R2 } (ultra-paralelas)
(c) γ1 = {iy ∈ H2 ; y ∈ R} e γ2 = {z ∈ H2 ; | z − Rcos(θ) |= R} (concorrentes)

13. Conclua do exercı́cio anterior que o produto angular de duas geodésicas é, de acordo
com a posição relativa entre as curvas, cosh(d(γ1 , γ2 )) se forem ultra-paralelas, 1
se forem paralelas, e cos(θ) quando forem concorrentes.

5.4 Modelos para o Espaço Hiperbólico


5.4.1 H2P : O Modelo de Poincaré
z−i
Considere a transformação P : C → C definida por P(z) = z+i . Nas coordenadas
2
(x, y) ∈ R , temos
 2
x + y2 − 1

2x
P(x, y) = ,− = (u, v). (5.1)
x2 + (y + 1)2 x2 + (y + 1)2

A inversa de P é φ : C → C, φ(w) = i 1+w


1−w , quando escrita nas coordenadas (u, v), é a
aplicação φ : R2 → R2 ,

1 − (u2 + v 2 )
 
2v
φ(u, v) = − , . (5.2)
(1 − u)2 + v 2 (1 − u)2 + v 2

Pelo exercı́cio 5.5.5 temos φ(D2 ) = R2+ . Por isto, podemos induzir sobre D2 uma métrica
hiperbólica da seguinte maneira: sejam (x, y) = φ(u, v), w ∈ T(u,v) D2 e dφ(u,v) .w ∈
T(x,y) R2 ;
2
(1 − u)2 + v 2

gφ(u,v) (dφ(u,v) .w, dφ(u,v) .w) = wt .(dφ)t .dφ.w,
1 − (u2 + v 2 )

onde

2[v 2 − (1 − u)2 ]
 
1 −4v(1 − u)
dφ = .
[(1 − u)2 + v 2 ]2 2[v 2 − (1 − u)2 ] 4v(1 − u)

Uma vez que


 
t 4 1 0
(dφ) dφ = ,
[(1 − u)2 + v 2 ]2 0 1

a métrica torna-se

autor: Celso M Doria 134


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

4
gφ(u,v) (dφ(u,v) .w, dφ(u,v) .w) = < w, w > . (5.3)
[1 − (u2 + v 2 )]2

Definição 5.8. O plano hiperbólico de Poincaré é

4
H2P = (D2 , g), onde g(u,v) (., .) = < ., . > .
[1 − (u2 + v 2 )]2

O comprimento de uma curva γ : [0, 1] → H2P , γ(t) = (x(t), y(t)), é dado por

1
p
x02 + y 02
Z
L(γ) = 2. dt.
0 1 − [x2 + y 2 ]

Ao tomarmos o fecho de H2P obtemos o espaço H b 2 = H2 ∪ S ∞ , onde S ∞ é a circun-


P P
ferência {z ∈ C; | z |= 1} (linha no horizonte).

Exercı́cio 5.6. .

1. Calcule os seguintes comprimentos utilizando a métrica hiperbólica de H2P ;

(a) da reta γ : [0, a] → D2 , onde a < 1, definida por γ(t) = (0, t).
(b) do cı́rculo Sa = {(x, y) ∈ D2 | (x − a)2 + (y − b)2 = R2 }, onde a2 + b2 < 1 e
R2 < 1 − (a2 + b2 ).

2. Seja d = d(O, z) a distância em H2P da origem ao ponto z ∈ H2P . Mostre que


| z |= tanh( d2 ).

3. Descreva as geodésicas de H2P descrevendo aquelas que são imagens de geodésicas


verticais em H2 e as que são imagens de cı́rculos centrados sobre o eixo-x.

4. Mostre que as isometrias do Plano Hiperbólico de Poincaré formam o conjunto

[(a + d) + i(b − c)]z + [(a − d) − i(b + c)]


{ | a, b, c, d ∈ R, ad − bc = 1}.
[(a − d) + i(b + c)]z + [(a + d) − i(b − c)]

cos(θ)z−sen(θ)
5. Mostre que a isometria f (z) = sen(θ)z+cos(θ) em H2 corresponde a isometria R2θ (z) =
ei2θ .z em H2P (f é uma rotação).

6. Seja γ uma geodésica de H2 passando por (0, 1). Mostre que P(γ) é uma reta
passando pela origem de D2 . (isto explica porque o grupo de isotropia da origem
é SO2 )

7. Mostre que D2 ' P Sl2 (R)/SO2 .

autor: Celso M Doria 135


5.4. MODELOS PARA O ESPAÇO HIPERBÓLICO Celso M Doria

O modelo de Poincaré apresenta a vantagem de ser uma versão limitada de H2 , pois


ao tomarmos o fecho de H2P obtemos a bola fechada de raio 1. Isto torna mais simples a
visualização dos fenômenos globais. Por exemplo, todas as geodésicas de H2P são semi-
cı́rculos ortogonais à S ∞ , o que nos permite classificá-las assim: geodésicas concorrentes
são aquelas que interceptam-se em H2P , geodésicas paralelas são as que interceptam-se
sobre S ∞ e geodésicas ultra-paralelas são as geodésicas que nunca interceptam-se.
Decorre da expressão 2.11 que a área da região Ω ⊂ H2 é
Z Z
4
A(Ω) = 2 dudv. (5.4)
Ω [1 − (u2 + v 2 )]

5.4.2 H2M : Modelo de Minkowski


A Teoria da Relatividade Restrita motivou a definição dos espaços de Minkowski
(Rn , Q), onde Q : V → R é uma forma quadrática equivalente à forma L(x) = x21 +
· · · + x2n−1 − x2n , x = (x1 , . . . , xn−1 , xn ). Consideramos o R3 munido com a forma bilinear
L : R3 × R3 → R,
(
u = (x1 , y1 , z1 )
⇒ L(u, v) = x1 x2 + y1 y2 − z1 z2 .
v = (x2 , y2 , z2 )

Observamos que L não é um produto interno. A forma quadrática associada à L é


QL (u) = x21 + y12 − z12 , e a matriz de QL na base canonica é
 
1 0 0
L = 0 1 0  . (5.5)
0 0 −1

Definição 5.9. Seja M2 = {(x, y, z) ∈ R3 | x2 + y 2 − z 2 = −1} e M2+ = {(x, y, z) ∈ M2 |


z > 0}.

M2 é um hiperbolóide de 2 folhas em R3 e M2+ é uma componente conexa de M2 . Para


verificarmos que M2 é uma superfı́cie, consideramos a função f : R3 → R, f (x, y, z) =
x2 + y 2 − z 2 , e observarmos que M2 = f −1 (−1). Como −1 é um valor regular de f , segue
que M2 = f −1 (−1) e M2+ são superfı́cies. Fixando B1 = {(x, y) ∈ R2 | x2 + y 2 < 1},
uma parametrização para M2+ , obtida através de projeção estereográfica, é dada por
ζ : B1 → M2 ,

2x 2y 1 + x2 + y 2
ζ(x, y) = ( , , ). (5.6)
1 − x2 − y 2 1 − x2 − y 2 1 − x2 − y 2

A aplicação ζ é bijetora e a derivada dζ(x,y) : TB1 → Tζ(x,y) M2+ ,

autor: Celso M Doria 136


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

2
1+x −y 2 4xy
!
2 (1−x 2 −y 2 )2 (1−x2 −y 2 )2
dζ(x,y) = 4xy 1−x2 +y 2 ,
(1−x2 −y 2 )2
2 (1−x 2 −y 2 )2

tem posto igual a 2 para todo (x, y) ∈ B1 ; portanto, pelo teorema da função inversa, ζ
é um difeomorfismo. Desta forma, para cada p = (x, y) ∈ M2+ , podemos induzir sobre o
plano tangente Tp M2+ , a forma bilinear simétrica
2
gpM (u, v) = L(dζ(x,y) .u, dζ(x,y) .v) = ut (dζ t .L.dζ).v. (5.7)

Como
 
t 4 1 0
dζ .L.dζ = ,
[1 − (x2 + y 2 )]2 0 1

segue que M2+ é isométrico à H2P .


2
Definição 5.10. (M2+ , g M ) é o modelo de Minkowski para o espaço hiperbólico.

O modelo de Minkowski é útil porque o estudo do plano hiperbólico pode ser realizado de
forma análoga ao estudo da geometria sobre a esfera S2 ⊂ E3 . Deixaremos a exploração
desta similaridade para os exercı́cios. Porém, antes vejamos o seguinte;

Definição 5.11. Seja O(2, 1) = {A ∈ M3 (R) | At .L.A = L} o grupo das matrizes que
preservam L e SO(2, 1) o subgrupo de O(2, 1) que preserva a orientação.

Decorre das estruturas estudadas que Isom(H2 ) é isomorfo ao grupo SO(2, 1).

5.4.3 H2K : Modelo de Klein


A expressão 5.16, obtida na seção 1 para a reflexão sobre um cı́rculo SR (P ) ⊂ R2 ,
extende-se naturalmente para uma reflexão sobre a esfera SR (P ) ⊂ R3 ao acrescentarmos
a terceira componente. Sejam x = (x1 , x2 , x3 ) e e3 = (0, 0, 1), desta forma, a reflexão
sobre a esfera S√2 (e3 ) é

(x − e3 )
r : R3 → R3 , r(x) = e3 + 2 . (5.8)
| x − e3 |2

Decorre da expressão acima que


x3
| r(x) |2 = 1 + 4 .
| x − e3 |2

Observe que r(R3− ) = B13 , onde temos R3− = {(x1 , x2 , x3 ) ∈ R3 | x3 < 0} e B13 = {x ∈
R3 ; | x |< 1}. A aplicação r, quando restrita ao plano x3 = 0, é exatamente uma projeção
estereográfica πe , pois

autor: Celso M Doria 137


5.4. MODELOS PARA O ESPAÇO HIPERBÓLICO Celso M Doria

2x1 2x2 | x |2 −1
< x, e3 >= 0 ⇒ r(x) = πe (x) = ( , , ).
1+ | x |2 1+ | x |2 | x |2 +1

Ao considerarmos a decomposição em hemisférios S2 = H + ∪ H − , onde H± = S2 ∩ R3± ,


temos r(D2 ) = H − . Para preservarmos a orientação, consideramos a reflexão r3 : R3 →
R3 sobre o plano x3 = 0 e definimos a aplicação k = r3 ◦ πe : D2 → H + . Agora, seja
π3 : R3 → R a projeção π(x1 , x2 , x3 ) = (x1 , x2 ), da qual decorre que π(H + ) = D2 ; seja
π0 = π |H + .

Definição 5.12. A aplicação de Klein é K : D2 → D2 , K = π0 ◦ k;


x
K(x) = 2 .
1+ | x |2

Proposição 5.6. A aplicação de Klein leva arcos de cı́rculos ortogonais à S 1 e contidos


em D2 sobre segmentos de retas contidos em D2 .

Demonstração. Seja C um cı́rculo com centro em (a, b) e raio R e que seja ortogonal à
S 1 ; por isto, os pontos (x, y) ∈ C satisfazem a equação cartesiana

x2 + y 2 − 2ax − 2by + 1 = 0 (5.9)

A transformação inversa da aplicação de Klein K−1 : D2 → D2 é dada pela expressão

1
K−1 (u, v) = √ (u, v) (5.10)
[1 + 1 − u2 − v 2 ]

Devido a equação 5.9, o conjunto dos pontos L = {(u, v) ∈ D2 | (u, v) ∈ K(C)} satisfa-
zem a equação

u2 + v 2 2au + 2bv
√ − √ + 1 = 0;
[1 + 1 − u2 − v 2 ]2 [1 + 1 − u2 − v 2 ]

a qual, após expandirmos, implica em

au + bv = 1, ∀(u, v) ∈ K(C).

Agora, consideramos a estrutura hiperbólica H2P sobre o disco D2 no domı́nio de


K : D2 → D2 e induzimos, pelo difeomorfismo K, uma métrica hiperbólica gK sobre o
disco D2 na imagem;

Definição 5.13. O modelo de Klein para o espaço hiperbólico é H2K = (K(H2P ), gK ) .

autor: Celso M Doria 138


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

O modelo de Klein é particularemente útil para analisar questões relativas à conve-


xidade ou de incidência, tendo em vista que as geodésicas de H2P são transformadas em
retas por K; as extremidades são fixas por K.

Exercı́cio 5.7. .

1. Modelo de Minkowski.
Projeto: Explore as similaridades com a geometria esférica seguindo os seguinte
itens;

(a) Obtenha a parametrização 5.6 de M2+ projetando M2+ estereograficamente


( 4.3) sobre o plano z = 0 com foco em (0, 0, −1).
iso
(b) Mostre que Isom+ (H2 ) ' SO(2, 1).
(c) Mostre que as geodésicas de M2+ são planares e conclua que elas são obtidas
tomando a interseção de M2+ com um plano passando pela origem. (dica:
observe que (Tp M2+ )⊥ é gerado por n = (x, y, z)).
(d) Considere o par (C3 , Q), onde Q(z1 , z2 , z3 ) = z12 + z22 + z32 . Verifique que
(R3 , Q) = E3 e (R × R × (iR), Q) = (R3 , L).
(e) Explique a similaridade entre as relações métrica ?? e ?? parametrizando M2+
por

η :(0, 2π) × [0, ∞) → R3 , (5.11)


η(θ, ψ) = (cos(θ)senh(ψ), sen(θ)senh(ψ), cosh(ψ)), (5.12)

e levando em conta que cosh(x) = cos(ix) e senh(x) = sen(ix).

2. Modelo de Klein.

(a) Obtenha a expressão 5.10 para a transformação inversa da aplicação de Klein.


(b) Calcule gK .
(c) Determine o comprimento de uma curva em H2K .
(d) Determine a área de uma região Ω ⊂ H2K .
(e) Determine a equação da reta ligando os pontos na interseção S 1 ∩ C, onde C
é um cı́rculo ortogonal à S 1 .

5.5 Relações Métricas Hiperbólicas


Primeiramente, vamos obter a expressão para a distância hiperbólica, a seguir estu-
daremos as relações métricas em triângulos hiperbólicos. É importante observarmos que
para efeito de cálculos o modelo H2 será o mais utilizado, no entanto, para descrever a
situação recorreremos com frequência ao modelo H2P .

autor: Celso M Doria 139


5.5. RELAÇÕES MÉTRICAS HIPERBÓLICAS Celso M Doria

5.5.1 Distância Hiperbólica


Em H2 , dois pontos são ligados por uma única curva geodésica. Assim, vamos obter
a expressão para a distância hiperbólica dH2 : H2 × H2 → R. Primeiramente, vamos
apresentar um lema fundamental para simplicarmos os cálculos e para representarmos
as fórmulas.

Lema 5.1. Sejam p, q ∈ H2 dois pontos cujas representações como números complexos
sejam z e w, respectivamente. Considerando que g : H2 → H2 é uma isometria e I(z) é
a parte imaginária de z, então,

| g(z) − g(w) | |z−w |


1/2
= . (5.1)
[I(g(z)).I(g(w))] (I(z).I(w))1/2

Demonstração. Podemos verificar diretamente que,

az + b aw + b z−w
g(z) − g(w) = − =
cz + d cw + d (cz + d)(cw + d)

Também temos que,

I(z)
I(g(z)) = ,
| cz + d |2

da onde observamos que

| g(z) − g(w) | |z−w |


1/2
=
[I(g(z)).I(g(w))] [I(z).I(w)]1/2

Proposição 5.7. Sejam p, q ∈ H2 dois pontos cujas representações como números com-
plexos sejam z e w, respectivamente. A distância entre os pontos p, q ∈ H2 é
 
| z − w̄ | + | z − w |
dH2 (p, q) = ln . (5.2)
| z − w̄ | − | z − w |

Demonstração. Quando p = (0, a) = ia e q = (0, b) = ib, sendo a < b, segue da


equação 5.4 que dH2 (p, q) = ln(b/a). Assim, d = d(p, q) implica em ed = b/a e e−d = a/b;
consequentemente,

1 | z − w |2
 
1 b a
cosh(d) = + =1+ . (5.3)
2 a b 2 I(z).I(w)

Agora, sejam p e q dois pontos quaisquer em H2 representados por z, w ∈ C, respecti-


vamente, e g ∈ Isom+ (H2 ) de tal forma que g(z) e g(w) pertencem a uma reta vertical.
Ao aplicarmos o lema 5.1 à fórmula 5.3, conluı́mos que

autor: Celso M Doria 140


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

1 | z − w |2
cosh(d(p, q)) = 1 + . (5.4)
2 I(z).I(w)

Segue da identidade cosh(d) = 1 + 2senh2 (d/2) que

d 1 |z−w |
senh( ) = (5.5)
2 2 [I(z).I(w)]1/2

e de cosh(d) = 2cosh2 (d/2) − 1 que

d | z − w̄ |
cosh2 ( ) = , | z − w̄ |=| z̄ − w | .
2 2(I(z).I(w))1/2

Portanto,

d |z−w |
tanh( ) = .
2 | z − w̄ |

ed −1
Decorre de tanh(d/2) = ed +1
que

| z − w̄ | + | z − w |
ed = ,
| z − w̄ | − | z − w |

ou seja,
 
| z − w̄ | + | z − w |
d = ln .
| z − w̄ | − | z − w |

Definição 5.14. O cı́rculo hiperbólico de centro em p e raio R é o conjunto

SR (p) = {z ∈ H2 | dH2 (p, z) = R}. (5.6)

De acordo com a demonstração anterior,

d(z, w) |z−w |
tanh( = . (5.7)
2 | z − w̄ |

Ao assumirmos que d(z, w) = R é constante, temos

| z − w |= tanh(R/2). | z − w̄ | . (5.8)

Sejam c = tanh(R/2) (0 ≤ c < 1), z = a + ib e w = x + iy, ao substituirmos na


equação 5.8 segue que

autor: Celso M Doria 141


5.5. RELAÇÕES MÉTRICAS HIPERBÓLICAS Celso M Doria

(1 − c2 )(x − a)2 + (y − b)2 − c2 (y + b)2 = 0.

Após expandirmos e completarmos os quadrados a expressão acima torna-se


2 
1 + c2 2bc 2
 
(x − a)2 + y − b = . (5.9)
1 − c2 1 − c2

Desta maneira, concluı́mos que o cı́rculo hiperbólico com centro em p = (a, b) e raio R
é um cı́rculo euclideano com centro em p̃ = (a, b0 ) e raio ρ = 1−c
2bc
2 , onde

1 + c2
b0 = b ∈ H2 . (5.10)
1 − c2
As fórmulas acima, quando escritas em função de R, ficam assim;

p̃ = (a, b.cosh(R)), ρ(R) = b.senh(R); (5.11)

da onde é imediato verificar que b0 = b.cosh(R) ≥ b, limR→0 ρ(R) = 0 e limR→∞ ρ(R) =


∞.
Ao parametrizarmos o cı́rculo hiperbólico SR (p) por

ρ
γ(θ) = (ρcos(θ) + a, ρsen(θ) + b0 ) ⇒ | γ , (θ) |H2 = , (5.12)
b0 + ρsen(θ)

e aplicarmos a fórmula 5.4, obtemos que o comprimento do cı́rculo hiperbólico de raio


R é
Z 2π
ρdθ
L(γ) = = 2π.senh(R). (5.13)
0 b0 + ρsen(θ)

Exercı́cio 5.8. Resolva os seguintes itens;

1. Prove a fórmula 5.13.

2. Se R ' 0, conclua que o comprimento do cı́rculo é L(γ) ' 2πR.

3. Mostre que ρ = b.senh(R). Suponha b fixo e compare o comprimento hiperbólico


com o comprimento euclideano do cı́rculo. Varie b e chegue a uma conclusão a
respeito dos comprimentos quando b é muito grande ou muito pequeno.

4. Prove que em H2P , dados dois pontos quaisquer z e w, a quantidade

|z−w |
J(z, w) = 2 (5.14)
(1− | z |2 )1/2 .(1− | w |2 )1/2

autor: Celso M Doria 142


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

é invariante por isometrias. Conclua que

d(z, w) 1
cosh(d(z, w)) = 1 + J(z, w), senh( ) = J(z, w). (5.15)
2 2

(dica: aplique o lema 5.1)

5. Calcule a área de um cı́rculo hiperbólico de raio R.

5.5.2 Convexidade e Ângulos em H2


Definição 5.15. Uma região Ω ⊂ H2 é convexa se para quaisquer pontos p, q ∈ Ω a
geodésica ligando p à q esta contida em Ω.

Uma geodésica γ ⊂ H2 divide H2 em duas regiões denominadas de semi-planos.


Decorre do modelo de Klein H2K que ambos os semi-planos são convexos. Sejam α e β
geodésicas distintas e concorrentes em H2 , digamos que α ∩ β = {p}, e Σ1α , Σ2α os semi-
planos determinados por α e Σ1β , Σ2β os determinados por β. Ao fixarmos o semi-plano
Σ1α , obtemos as regiões convexas Σ11 1 1 12 1
αβ = Σα ∩ Σβ e Σαβ = Σα ∩ Σβ .
2

O ângulo formado por α e β é a região Σ1i


αβ que, no vértice p = α(0) = β(0), mede

gp (α0 (0), β 0 (0)) < α0 (0), β 0 (0) >


θ = arcos( = arcos( . (5.16)
| α0 (0) |h . | β 0 (0) |h | α0 (0) | . | β 0 (0) |

Segue que o ângulo hiperbólicos é igual ao ângulo euclideano.

5.5.3 Relações Métricas em Triângulos Hiperbólicos


Ao prolongarmos indefinidamente a única geodésica que liga os pontos A e B obtemos
um raio geodésico. Em H2P , por exemplo, um raio geodésico é um arco de cı́rculo
ortogonal à S ∞ . Dizemos que 3 pontos são não colineares em H2 se os 3 pontos não
pertencem a um mesmo raio geodésico.
Sejam A, B e C três pontos não-colineares no plano hiperbólico e γAB , γBC e γCA
as geodésicas determinadas pelos pares (A, B), (B, C) e (A, C) respectivamente. Con-
siderando que os pontos A, B e C são os únicos pontos de interseção possı́veis para as
geodésicas, segue que a união l = γAB ∪ γBC ∪ γCA forma uma curva fechada homeo-
morfa à S 1 . Pelo teorema da Curva de Jordan-Schönflies ( [18]) , l borda uma região
homeomorfa a B1 = {(x, y) | x2 + y 2 < 1} que denominamos de região limitada por γAB ,
γBC e γCA .

Definição 5.16. O triângulo hiperbólico definido pelos pontos não-colineares A, B e C


é a região limitada 4ABC definida pelas geodésicas γAB , γBC e γCA . Os vértices de
4ABC são os pontos A, B, C enquanto os lados são as geodésicas γAB , γBC e γCA .

autor: Celso M Doria 143


5.5. RELAÇÕES MÉTRICAS HIPERBÓLICAS Celso M Doria

Decorre das propriedades de convexidade que um triângulo é convexo. Os ângulos


internos de 4ABC são os ângulos Â, B̂ e Ĉ formados pelos seus lados, nos respectivos
vértices. Para efeitos de notação, a medida do lado oposto ao vértice A será denotada
por a e a medida do ângulo  será denotada por α; anologamente, denotamos (b, B̂, β)
e (c, Ĉ, γ), onde as letras latinas minúsculas são empregadas para as medidas de lados e
letras gregas minúsculas para as medidas de ângulos.
Em H2P , existem 4 posições para um triângulo de acordo com a posição dos seus
vértices; juntamente, descreveremos as situações correspondentes em H2 (notação: ∞ =
(a, ∞) para qualquer a ∈ R fixo)

1. A, B, C ∈ H2P ⇒ 4ABC ⊂ H2P .

2. A ∈ S ∞ ⇒ 4ABC ⊂ H b 2 . Neste caso, α = 0 e b = c = ∞. Em H2 , corresponde a


P
uma das seguintes situações;

(a) A = ∞,
(b) A ∈ eixo-x.

3. A, B ∈ S ∞ ⇒ 4ABC ⊂ H b 2 . Neste caso, α = β = 0 e a = b = c = ∞. Em H2 ,


P
corresponde a uma das seguintes situações;

(a) A = ∞ e B esta sobre o eixo-x,


(b) A, B ∈ eixo-x.

4. A, B, C ∈ S ∞ ⇒ 4ABC ⊂ H b 2 . Neste caso, α = β = γ = 0 e a = b = c = ∞. Em


P
H2 , corresponde a uma das seguintes situações;

(a) A = ∞ e B, C ∈ eixo-x,
(b) A, B, C ∈ eixo-x.

Por simplicidade, observamos que qualquer triângulo hiperbólico em H2 é isométrico


a um triângulo com um dos lados sobre uma reta vertical e o outro sobre a circunferência
S 1 . O ingrediente básico para deduzirmos as relações métricas é a expressão 5.4.

Teorema 5.3. Teorema de Pitágoras Hiperbólico - Seja 4ABC um triângulo hiperbólico


retângulo onde ângulo α = π2 . Então,

cosh(a) = cosh(b).cosh(c) (5.17)

Demonstração. Sem perda de generalidade, consideramos que

γAB ⊂ {0} × iR e γCB ⊂ {(x, y) ∈ R2 | t > 0, s2 + t2 = 1}.

Desta maneira, assumiremos que os vértice do 4ABC são os seguintes;

autor: Celso M Doria 144


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

A = i, B = ir, C = s + it;

onde r > 1, t > 0 e s2 + t2 = 1. Segue da expressão 5.4 que

1 + r2 1 1 + r2
cosh(a) = , cosh(b) = , cosh(c) = , (5.18)
2rt t 2r
e, consequentemente, a relação 5.17.

Ao aplicarmos as expressões 5.18 a identidade fundamental cosh2 (x) − senh2 (x) = 1,


∀x ∈ R, segue que;

p p
(r2 + 1)2 − 4r2 t2 (r2 − 1)2 − 4s2 t2
senh(a) = = (5.19)
2rt 2rt
s r2 − 1
senh(b) = , senh(c) = (5.20)
t 2r

Proposição 5.8. Seja 4ABC um triângulo hiperbólico retângulo tal que α = π2 . Então,

tanh(b) = tg(β).senh(c), senh(b) = sen(β).senh(a) (5.21)

Demonstração. Sem perda de generalidade, consideramos que o 4ABC seja o mesmo


da demonstração do teorema 5.3. Seja (x0 , 0) o centro do raio geodésico (cı́rculo) obtido
ao extendermos o lado γBC . Decorre de dist(q, B) = dist(q, C) que,

1 − r2
q p
x20 + r2 = (s − x0 )2 + t2 ⇒ x0 = .
2s
De acordo com a figura ??

r 2sr
tg(β) = = 2 . (5.22)
| x0 | r −1

Para mostrarmos a primeira identidade em 5.21, é suficiente observarmos que tanh(b) =


1/s e compararmos com a fórmula do senh(c) na equação 5.20. Também temos as
relações

2sr r2 − 1 1
sen(β) = p , cos(β) = p , (5.23)
(r − 1)2 + r2
2 2s (r + 1)2 − 4r2 t2
2

da onde verificamos a segunda relação dentre as expressões 5.21.

autor: Celso M Doria 145


5.5. RELAÇÕES MÉTRICAS HIPERBÓLICAS Celso M Doria

Um triângulo hiperbólico retângulo é determinado, a menos de isometria, pelos seus


ângulos internos, como mostra o próximo resultado;
Corolário 5.5. Seja 4ABC um triângulo hiperbólico retângulo tal que α = π2 . Então,

cos(γ) cos(β)
cosh(c) = , cosh(b) = (5.24)
sen(β) sen(γ)
cosh(a) = cotg(β).cotg(γ). (5.25)

Demonstração. Seguem da demonstração da proposição 5.8 as relações:

tanh(b) = tg(β).senh(c), tanh(c) = tg(γ).senh(b) (5.26)

A segunda relação segue por analogia. Ao substituirmos as expressões


s
tanh(c) tg 2 (γ) + tanh2 (c)
senh(b) = , cosh(b) = , (5.27)
tg(γ) tg 2 (γ)

em tanh(b) = tg(β).senh(c), temos

tanh2 (c)
senh2 (c).tg 2 (β) = . (5.28)
tg 2 (γ) + tanh2 (c)
2
Ao substituirmos tanh2 (c) = cosh (c)−1
cosh2 (c)
, e efetuarmos os cálculos obtemos a relação à
esquerda em 5.24; a expressão à direita segue por analogia. A expressão 5.25 é con-
sequência imediata das relações obtidas e do teorema de Pitágoras hiperbólico 5.3.

Exercı́cio 5.9. .
1. Analise a expressão 5.17 quando a ∼ 0, b ∼ 0 e c ∼ 0 e obtenha o Teorema de
Pitágoras Euclideano quando a → 0, b → 0 e c → 0.

2. Justifique os argumentos de analogia utilizados no Corolário 5.5.


Proposição 5.9. Lei dos Cossenos - Seja 4ABC um triângulo esférico em H2P com
ângulos internos medindo α, β e γ e cujos lados opostos medem a, b e c, respectivamente.
Então,

cosh(b)cosh(c) − cosh(a) cosh(a)cosh(c) − cosh(a)


cos(α) = cos(β) =
senh(b)senh(c) senh(a)senh(c)
(5.29)
cosh(a)cosh(b) − cosh(c)
cos(γ) = .
senh(a)senh(b)

autor: Celso M Doria 146


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

Demonstração. 4ABC ∈ H2P . Vamos assumir que o vértice A esta sobre a origem e o
lado γAC , com comprimento b, esta sobre o eixo-x. Desta forma, sendo C = (xC , 0), a
geodésica ligando A a C é γAC (t) = (t, 0) e o seu comprimento é
Z xC  
dt 1+t b
b=2 2
= ln ⇒ xC = tanh( )
0 1 − t 1 − t 2
Portanto,

c b
zA = 0, zB = eiα .tanh( ), zC = tanh( ).
2 2
De acordo com o exercıcio 5.8.4, segue que

| zB |2 + | zC |2 −2 | zB || zC | cos(α)
cosh(a) = 1 + 2 .
(1− | zB |2 ).(1− | zC |2 )
cosh(x)+1
Ao substituirmos os valores de zB e zC e aplicarmos a fórmula senh2 (x/2) = 2 ,
obtemos a expressão

cosh(a) = cosh(b)cosh(c) − senh(b)senh(c)cos(α),

da qual decorre a expressão para cos(α) em 5.29. As outras expressões seguem analoga-
mente.

Corolário 5.6. Lei dos Senos - Seja 4ABC um triângulo hiperbólico em H2P com
ângulos internos medindo α, β e γ e cujos lados opostos medem a, b e c, respectivamente.
Então,

senh(a) senh(b) senh(c)


= = (5.30)
sen(α) sen(β) sen(γ)

Demonstração. Segue da proposição 5.9 que

senh2 (b)senh2 (c) − (cosh(b)cosh(c) − cosh(c))2


sen2 (α) = = (5.31)
senh2 (b)senh2 (c)
2cosh(a)cosh(b)cosh(c) − cosh2 (a) − cosh2 (b) − cosh2 (c) + 1
= . (5.32)
senh2 (b)senh2 (c)

Ao dividirmos ambos os lados da expressão acima por senh2 (a), o lado direito torna-se
invariante por uma permutação do conjunto {a, b, c}. Da mesma maneira, obtemos a
mesma expressão para senh(b) senh(c)
sen(b) e para sen(c) .

autor: Celso M Doria 147


5.5. RELAÇÕES MÉTRICAS HIPERBÓLICAS Celso M Doria

Teorema 5.4. (Caso AAA) Se os triângulos hiperbólicos 41 e 42 tem ângulos internos


congruentes, então eles são congruentes.

Demonstração. Aplicando uma versão modificada do lema 4.2, segue que

cos(β)cos(γ) + cos(α) cos(α)cos(γ) + cos(β)


cosh(a) = , cosh(b) =
sen(β)sen(γ) sen(α)sen(γ)
(5.33)
cos(α)cos(β) + cos(γ)
cosh(c) = .
sen(α)sen(β)

Portanto, os ângulos internos determinam os lados e o triângulo.

Exercı́cio 5.10. .

1. Prove a versão hiperbólica do lema 4.2.

5.5.4 Área de uma região em H2


A área de uma região Ω ⊂ H2 é dada por
Z Z
1
A(Ω) = dxdy. (5.34)
Ω y2

Para efeitos de notação, vamos considerar a seguinte definição;

Definição 5.17. Um gomo hiperbólico em H2 é um triângulo hiperbólico com um lado


sobre um arco de um cı́rculo com centro sobre o eixo-x (base) e os outros dois lados são
retas verticais. Desta maneira, um vértice é ∞ = (x, ∞).

Em H2P , um gomo hiperbólico s é um triângulo com um dos vértices em (1, 0) ∈ S ∞ .

Lema 5.2. Seja C a base de um gomo hiperbólico Ω e l1 e l2 os lados. Se o ângulo


formado na interseção de l1 com C é α e o ângulo formado na interseção de l2 com C
é β, então a área de Ω é

A(Ω) = π − (α + β). (5.35)

Demonstração. Sem perda de generalidade, podemos supor que l1 encontra-se a esquerda


da origem enquanto l2 esta á direita. Sejam p1 = l1 ∩ C e p2 = l2 ∩ C os pontos de
interseção. Seja C = {(x, y) ∈ H2 | (x − a)2 + y 2 = R2 }. Desta forma, a ordenada de p1
é Rcos(π − α) e a de p2 é Rcos(β). Consequentemente,

1
Ω = {(x, y) ∈ H2 | Rcos(π − α) ≤ x ≤ Rcos(β), p ≤ y ≤ ∞},
R − (x − a)2
2

autor: Celso M Doria 148


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

e a área de Ω vale

Z Rcos(β) Z ∞
1
A(Ω) = √ dydx =
Rcos(π−α) R2 −(x−a)2 y2
Z Rcos(β)
1
= p dx = π − (α + β)
Rcos(π−α) R2 − (x − a)2

Teorema 5.5. A área de um triângulo hiperbólico 4, cujos ângulos internos são α, β


e γ , é dada por

A(4) = π − (α + β + γ). (5.36)

Demonstração. Sejam A, B e C os vértices de 4 e CAB , CBC e CCA os cı́rculos definidos


pelas geodésicas que formam 4. Agora, seja f : H2 → H2 uma isometria tal que
f (CBC ) = l1 , onde l1 é uma reta vertical. Seja l2 a reta vertical passando por f (A).
Portanto, surgem dois gomos hiperbólicos:
1. Ω1 limitado por l1 , l2 e CAB . Os ângulos internos de Ω1 são α1 e π − β.

2. Ω2 limitado por l1 , l2 e CAC . Os ângulos internos de Ω2 são α2 e γ.

A(4) = A2 − A1 = [π − (α1 + π − β)] − [π − (α2 + γ)] =

= π − [(α2 − α1 ) + β + γ] = π − (α + β + γ).

5.6 Identidades Métricas


5.6.1 Distância de um Ponto à uma Geodésica
Sejam z0 ∈ H2 e γ uma geodésica de H2 . A distância de z0 à γ é

d(z0 , γ) = inf {d(z, w) | w ∈ γ}.

Para determinarmos uma expressão para d(z0 , γ) será suficiente considerarmos cada um
dos seguintes casos (1) γ = {iy | y ∈ R+ } e (2) γ = {z ∈ H2 ; | z |= a}.

1. 1o caso: z0 ∈ H2 e γ = {iy | y ∈ R}.


Seja w = it ∈ γ um ponto qualquer de γ;

autor: Celso M Doria 149


5.6. IDENTIDADES MÉTRICAS Celso M Doria

Proposição 5.10. Sejam z0 ∈ H2 e γ = {iy ∈ H2 ; y ∈ R}. Então,

d(z0 , γ) = d(z0 , i | z0 |).

Demonstração. Segue da expressão 5.4 que (z0 = x + iy)

x2 + y 2 + t2 | z0 | | z0 | | z0 |
cosh(d(z0 , it)) = = .cosh( )≥ . (5.1)
2yt y t y

|z0 |
A igualdade cosh(d(z0 , it)) = y ocorre se, e somente se, t =| z0 |.

Corolário 5.7. A geodésica que realiza a distância d(z0 , γ) é ortogonal à γ.

Seja L a reta passando pela origem e z0 , e seja θ a medida do ângulo formado por
L e o eixo-y; desta maneira,

| z0 | 1
cosh(d(z0 , γ)) = = e senh(d(z0 , γ)) = tg(θ). (5.2)
y cos(θ)

Chamamos a atenção para a generalidade deste caso, uma vez que toda geodésica
de H2 é a imagem de uma reta vertical por uma isometria de H2 .

2. 2o caso: z0 ∈ H2 e γ = {z ∈ H2 ; | z |= a}.
Ao aplicarmos a isometria f (z) = 2a z−a iθ i θ
z+a sobre γ, segue de f (ae ) = 2 tg( 2 ) que a
imagem f (γ) é o eixo-y e w0 = f (z0 ) é

1
w0 = 2a (| z0 |2 −a2 + i2ay0 ), z0 = x0 + iy0 .
| z0 |2 +a2 + 2ax0

|w0 |
Considerando w0 = u0 +iv0 , pela fórmula 5.2, temos cosh(d(z0 , γ)) = v0 , da onde


| z0 |2 −a2
p
(| z0 |2 −a2 )2 + 4a2 y02
cosh(d(z0 , γ)) = , senh(d(z0 , γ)) = (5.3)
2ay0 2ay0

Exercı́cio 5.11. .

1. Considere a isometria f (z) = 2a z−a


z+a ;

(a) Seja γ = {z ∈ H2 ; | z |= a}. Mostre que f (γ) é o eixo-y.

autor: Celso M Doria 150


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

(b) Seja L uma reta passando pela origem e formando um ângulo θ com o eixo-y.
Mostre que f (L) é o cı́rculo
a
| z + ia.tg(θ) |= .
cos(θ)

2. Mostre que o conjunto dos pontos que distam d da geodésica γ = {z ∈ H2 ; | z |= r}


é uma reta que forma um ângulo fixo θ com o eixo-y.

3. Calcule a distância entre o ponto z0 = 1+i e a geodésica γ = {z ∈ H2 || z −2 |= 2}.

4. Mostre que se L ∈ H2P é a geodésica (−1, 1), então para todo z ∈ H2P

2I(z)
senh(d(z, L)) = (5.4)
1− | z |2

5.6.2 A Mediatriz de um Segmento


Dados dois pontos distintos z1 e z2 , seja γ a geodésica que realiza a distância d(z1 , z2 );

Definição 5.18. Dados dois pontos distintos z1 e z2 , a mediatriz da geodésica γ, ligando


z1 a z2 , é o conjunto

M = {z ∈ H2 | d(z1 , M ) = d(z2 , M )}.

Proposição 5.11. Dados os pontos z1 e z2 , a mediatriz de γ é a única geodésica orto-


gonal a γ.

Demonstração. Segue da definição que cosh(d(z1 , z)) = cosh(d(z2 , z)) para todo z ∈ M .
Sem perda de generalidade, ao considerarmos z1 = i e z2 = ir2 obtemos γ = {iy | y ∈ R}
e, de acordo com ( 5.4),

| z − z1 |2 | z − z2 |
= .
y iy

Consequentemente, a mediatriz de γ é M = {z ∈ H2 ; | z |= r}, que é ortogonal à γ.

5.6.3 A Distância entre Geodésicas


Ao considerarmos γ1 e γ2 duas geodésicas disjuntas de H2 , decorre que existe uma
única geodésica ortogonal à γ1 e γ2 . Para provar isto, podemos assumir que γ1 = {iy |
y ∈ R} e que γ2 = {z ∈ H2 ; | z − a |= r2 }, onde a ∈ R e a > r2 . Suponha que a geodésica
ortogonal a γ1 e γ2 seja β = {z ∈ H2 ; | z |= t}. Conforme mostra a figura ??, decorre da
ortogonalidade na interseção que a tangente à γ2 passa pelo centro de β, que é a origem,
e, por isto, t2 = a2 − r2 .

autor: Celso M Doria 151


5.6. IDENTIDADES MÉTRICAS Celso M Doria

Definição 5.19. A distância d(γ1 , γ2 ) entre as geodésicas γ1 e γ2 é igual ao comprimento


da geodésica β, ortogonal à γ1 e à γ2 , medido entre os pontos β ∩ γ1 e β ∩ γ2 .

Exercı́cio 5.12. .

1. Calcule a distância entre as geodésicas γ1 = {yi ∈ H2 ; y ∈ R} e γ2 = {z ∈ H2 ; |


z − a |= r}, onde a ∈ R.

5.6.4 A Bissetriz de duas Geodésicas


Sejam γ1 e γ2 duas geodésicas de H2 .

Definição 5.20. A bissetriz de γ1 e γ2 é o conjunto B eqüidistante de γ1 e γ2 , isto é,

B = {z ∈ H2 ; d(z, γ1 ) = d(z, γ2 )}.

Vamos considerar três casos;

1. γ1 e γ2 são paralelas.
Suponhamos que γ1 é a reta z = −a e γ2 é z = a, onde a ∈ R. Sejam P = γ1 ∩{y =
0} e r1 a reta passando por P e z = x + iy. Assim, pela identidade 5.2,

|x+a|
senh(d(z, γ1 )) = tg(θ1 ) = .
y

Analogamente, conforme mostra a figura ??, se Q = γ2 ∩ {y = 0} temos

|x−a|
senh(d(z, γ2 )) = tg(θ2 ) = .
y

Portanto, se z ∈ B, então θ1 = θ2 e x = 0.

2. γ1 e γ2 são ultra paralelas.


Suponha que γ1 = {z ∈ H2 ; | z |= 1} e γ2 = {z ∈ H2 ; | z |= R2 }. Então, de acordo
com as identidades 5.2,

|| z |2 −1 | || z |2 −R4 |
senh(d(z, γ1 )) = , senh(d(z, γ2 )) = .
2y 2yR2

Segue que B = {z ∈ H2 ; | z |= R}.

3. γ1 e γ2 intersectam-se em H2 .
Sejam γ1 = {z = iy; y ∈ R} e γ2 = {z ∈ H2 ; | z − a |= α}, a ∈ R. Se o ângulo
formado na interseção {iu} = γ1 ∩ γ2 é θ, então temos que

autor: Celso M Doria 152


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

|u|
α= , a = α.cos(θ) ⇒ a =| u | .cotg(θ). (5.5)
sen(θ)

Desta forma, γ2 = {z ∈ H2 ; | z− | u | .cotg(θ) |=| u | .cossec(θ)}.

A distância de z = x + iy à γ1 satisfaz a identidade senh(d(z, γ1 )) = xy , enquanto segue


da identidade 5.3 que a distância à γ2 satisfaz

|| z − α.cos(θ) |2 −α2 |
senh(d(z, γ2 )) = .
2yα

Decorre da igualdade senh(d(z, γ1 )) = senh(d(z, γ2 )) que

B = {z ∈ H2 ; | z − 2α.cos2 (θ/2) |2 = α2 .cos2 (θ/2)}. (5.6)

Exercı́cio 5.13. .

1. Se o ângulo entre duas geodésicas é θ, mostre que a bissetriz forma, com cada uma
das geodésicas, um ângulo medindo θ/2.

2. Uma geodésica γ é θ-transversal as duas geodésicas disjuntas γ1 e γ2 se γ forma


um ângulo θ nos pontos de interseção p = γ ∩ γ1 e q = γ ∩ γ2 . Mostre que quando
θ = π/2 existe uma única geodésica transversal a γ1 e γ2 , enquanto se θ 6= π/2
existem 4.

3. Obtenha relações métricas num triângulo eqüilátero. Prove que o ângulo interno
é α = 0 se, e somente se, o comprimento do lado é a = ∞.

4. Num triângulo isósceles, mostre que a mediatriz e a altura, ambas relativas ao


ângulo oposto à base, coincidem.

5.6.5 Relações Métricas em Polı́gonos


Nesta seção, obteremos algumas relações em polı́gonos que serão utéis para a sequência
do texto e que são interessantes por si mesmas.

Teorema 5.6. Sejam θ1 , . . . , θn uma n-upla tal que 0 ≤ θi ≤ π, para todo 1 ≤ i ≤ n.


Então, existe um polı́gono com ângulos interiores medindo θ1 , . . . , θn se, e somente se,

θ1 + · · · + θn < (n − 2)π

Demonstração. .

autor: Celso M Doria 153


5.6. IDENTIDADES MÉTRICAS Celso M Doria

1. (⇒) Se existe um polı́gono P com ângulos internos medindo θ1 , . . . , θn , segue da


fórmula 5.36 que a área de P é

A(Pn ) = (n − 2)π − (θ1 + · · · + θn ) (5.7)

Consequentemente, a inequação 5.6 é satisfeita.

2. (⇐) Dados os ângulos θ1 , . . . , θn , onde 0 ≤ θi ≤ π para todo 1 ≤ i ≤ n, construı́mos


o quadriláteros Q1 , . . . , Qn com vértice na origem, em H2P , conforme mostra a
figura ??. O comprimento d indicado na figura será determinado para atender a
equação

n
X
αi = π.
i=1

Observamos que os valores de αi e Qi dependem continuamente dos valores de d.


Segue da identidade 5.24 que

cos(θi /2)
sen(αi ) = .
cosh(d)

Assim, vamos investigar os valores assumidos pela função

n  
X cos(θi /2)
g(t) = arcsen .
cosh(t)
i=1

Além de ser continua, g é decrescente, limt→∞ g(t) = 0 e

n  
X π − θi
g(0) = =
2
i=1
1
= [nπ − (θ1 + · · · + θn )] > 2π
2

A continuidade de g garante que existe um valor d0 ∈ [0, ∞) tal que g(d0 ) = π.

Após o triângulo, o polı́gono seguinte a ser tratado é o quadrilátero . Na Ge-


ometria Hiperbólica, o quadrilátero mais simples é quadrilátero de Lambert (1728-
1777), mostrado na figura ??, cujos ângulos internos medem π/2, π/2, π/2, φ, sendo que
0 ≤ φ < π/2. Este quadrilátero é interessante porque ignora o postulado euclideano das

autor: Celso M Doria 154


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

paralelas. A partir do quadrilátero de Lambert podemos construir dois outros polı́gonos;


o quadrilátero de Saccheri (1667-1733) e um pentágono, conforme as figuras ?? e ??.
Daı́, temos as seguintes relações;

Proposição 5.12. No quadrilátero de Lambert (figura ??) temos as seguintes relações;

(i) senh(a1 ).senh(a2 ) = cos(φ) (5.8)


(ii) cosh(a1 ) = cosh(b1 )sen(φ), cosh(a2 ) = cosh(b2 )sen(φ). (5.9)

Demonstração. .

1. Suponhamos que o vértice definido pelos lados a1 e a2 esta na origem e que a1


encontram-se sobre o eixo-x positivo e a2 sobre o eixo-y positivo. Desta forma, o
centro do lado b1 encontra-se sobre o eixo-y, digamos em iα, enquanto o centro de
b2 encontra-se em β, sobre o eixo-x; conforme mostra a figura ??. Aos lados b1 e
b2 encontram-se sobre as geodésicas γ1 e γ2 , respectivamente, onde

b1 γ1 = {z ∈ H2 ; | z − iα |= r1 }, b2 γ2 = {z ∈ H2 ; | z − β |= r2 }

Se w1 é o ponto sobre γ1 mais próximo da origem, segue da expressão 5.15 que

2 | w1 |
senh(d(0, w1 )) = . (5.10)
1− | w1 |2

Considerando que α =| w1 | +r1 e α2 = 1 + r12 , obtemos

1 α
senh(a2 ) = senh(d(0, w1 )) = , cosh(d(0, w1 )) = . (5.11)
r1 r1

Uma vez que γ1 ∩γ2 6= ∅, o produto angular entre as geodésicas γ1 e γ2 é (γ1 , γ2 ) =


cos(φ); além disto, segue de 5.5,

2
r + r22 − | α − iβ | r12 + r22 − α2 − β 2

cos(φ) = (γ1 , γ2 ) = 1 = .
2r1 r2 2r1 r2

Como γi ⊥ S ∞ , i = 1, 2, verificam-se as identidades α2 = 1 + r12 e β 2 = 1 + r22 .


Portanto, (γ1 , γ2 ) = r11r2 . Ao compararmos com a expressão 5.11, verificamos a
expressão 5.8.

autor: Celso M Doria 155


5.6. IDENTIDADES MÉTRICAS Celso M Doria

2. Agora, conforme a figura ??, consideramos que o vértice formado pelos lados me-
dindo b1 e b2 encontra-se na origem, b2 encontra-se sobre o eixo-x positivo e b1
encontra-se sobre uma reta inclinada de φ em relação ao eixo-x. Seja γ a geodésica
contendo o lado a2 e γ 0 a reflexão de γ sobre o eixo-x. Segue da expressão 5.8 que
cosh(2a1 ) = (γ, γ 0 ). Se o centro de γ é em z0 = deiφ , então o centro de γ 0 é em
z1 = de−iφ e | z0 − z1 |> 2r; desta maneira, supondo que o raio de γ é r, temos

2r − | deiφ − de−iφ |2 2d2 sen2 (φ) − r2


2
0
cosh(2a1 ) = (γ, γ ) =
=
2r2 r2

Decorre da expressão 5.11 que cosh(b1 ) = cosh(d(0, γ)) = dr ; portanto,

cosh(2a1 ) = 2cosh2 (b1 ).sen2 (φ) − 1 ⇒ cosh(a1 ) = cosh(b1 ).sen(φ)

(note que cosh(2a1 ) = 2cosh2 (a1 ) − 1).

Em decorrência da relação 5.6, para um polı́gono ter todos os ângulos internos me-
dindo π/2 é necessário que o número de lados seja n ≥ 5. Vamos analisar os pentágonos
mais simples;

Proposição 5.13. Num pentágono cujos lados medem ai , 1 ≤ i ≤ 5, e cujos ângulos


internos medem αi = π/2, 1 ≤ i ≤ 4, e α5 = φ, conforme ilustrado na figura ??, valem
as seguintes relações;

1. Se 0 ≤ φ < π,

cosh(a1 ).cosh(a3 ) + cos(φ) = senh(a1 )cosh(a2 )senh(a3 ) (5.12)

2. Se φ = π/2, então;

(i) tanh(ai ).cosh(aj ).tanh(ak ) = 1, (ai , aj , ak ) são lados consecutivos (5.13)


(ii) senh(ai ).senh(aj ) = cosh(ak ). (5.14)

A identidade no item (ii) vale para todas as trı́ades (ai , aj , ak ), onde ai ∩aj = {vij }
é um vértice do polı́gono e ak é o lado oposto à {vij }.

Demonstração. .

autor: Celso M Doria 156


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

1. Sejam h a altura relativa ao lado a2 , φ1 , φ2 ângulos tais que φ1 +φ2 = φ e b1 , b2 lados


tais que b1 + b2 = a2 , conforme indica a figura ??. De acordo com as expressões 5.8
e 5.9, temos as seguintes relações no pentágono;

cosh(a1 ) = cosh(h)sen(φ1 ), cosh(a3 ) = cosh(h)sen(φ2 ) (5.15)


senh(a1 )senh(b1 ) = cos(φ1 ), senh(a)senh(b1 ) = cos(φ1 ) (5.16)

Decorre que cosh(a1 )sen(φ2 ) − cosh(a3 )sen(φ1 ) = 0 e, por isto,

[cosh(a1 )cosh(a3 ) − sen(φ1 )sen(φ2 )]2 = [cosh(a1 )cosh(a3 ) − sen(φ1 )sen(φ2 )]2 −
− [cosh(a1 )sen(φ2 ) − cosh(a3 )sen(φ1 )] = senh2 (a1 )cosh2 (b1 )senh2 (a3 )cosh2 (b2 );

Portanto,

cosh(a1 )cosh(a3 ) − sen(φ1 )sen(φ2 ) = senh(a1 )cosh(b1 )senh(a3 )cosh(b2 ) (5.17)

Desta forma, ao aplicarmos a expressão acima, juntamente com 5.16, obtemos

cosh(a1 )cosh(a3 ) + cos(φ) = cosh(a1 )cosh(a3 ) − sen(φ1 )sen(φ2 ) + cos(φ1 )cos(φ2 ) =


= senh(a1 )cosh(a2 )senh(a3 ).

2. Ao substituirmos φ = π/2 na expressão 5.12 obtemos

(a1 , a2 , a3 ) cosh(a1 )cosh(a3 ) = senh(a1 )cosh(a2 )senh(a3 ) (5.18)


(a2 , a3 , a4 ) cosh(a2 )cosh(a4 ) = senh(a2 )cosh(a3 )senh(a4 ) (5.19)

1
A expressão 5.19 fornece a identidade cosh(a3 ) = tanh(a2 )tanh(a4 ) , que ao substi-
tuirmos em 5.18 resulta no seguinte:

cosh2 (a1 ) = senh2 (a1 )cosh2 (a2 ) − senh2 (a1 )senh2 (a2 )tanh2 (a4 ) =
1
= senh2 (a1 )cosh2 (a2 ) − senh2 (a1 )senh2 (a2 )(1 − )=
cosh2 (a4 )
senh2 (a1 )senh2 (a2 )
= senh2 (a1 ) + ,
cosh2 (a4 )

da onde segue 5.14.

autor: Celso M Doria 157


5.6. IDENTIDADES MÉTRICAS Celso M Doria

O próximo polı́gono é o hexágono com os ângulos internos medindo π/2;

Proposição 5.14. Considere um hexágono com lados a1 , a2 , a3 , b1 , b2 , b3 , onde ai e bi


são lados opostos, conforme ilustrado na figura ??, e todos os ângulos internos medem
π/2. Então, valem as seguintes relações;

1.
senh(a1 ) senh(a2 ) senh(a3 )
= = .
senh(b1 ) senh(b2 ) senh(b3 )

2.
cosh(b1 ).senh(a2 ).senh(a3 ) = cosh(a1 ) + cosh(a2 ).cosh(a3 ). (5.20)

Demonstração. .

1. Seja t o comprimento do segmento geodésico ortogonal aos lados a1 e b1 . Decorre


de 5.14 que

senh(a2 ) senh(a3 )
senh(b3 )senh(a2 ) = cosh(t) = senh(b2 )senh(a3 ) ⇒ =
senh(b2 ) senh(b3 )

Ao procedermos analogamente, traçando a geodésica ortogonal aos outros pares


de lados opostos, obtemos as outra identidades.

2. Na mesma figura do item anterior, consideramos que os lados a1 , b1 estão divi-


dos, pela geodésica ortgonal à a1 e b1 , em segmentos de comprimento u, v e x, y,
respectivamente. Decorrem de 5.14, as seguintes relações:

senh(x)senh(a2 ) = cosh(u), senh(y)senh(a3 ) = cosh(v) (5.21)


senh(u)senh(t) = cosh(a2 ), senh(v)senh(t) = cosh(a3 ) (5.22)

As relações 5.22 implica em

cosh(a3 )senh(u) = cosh(a2 )senh(v) (5.23)

Desta maneira, valem as seguintes identidades;

autor: Celso M Doria 158


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

[cosh2 (a2 ) + senh2 (u)][cosh2 (a3 ) + senh2 (v)] = [cosh(a2 )cosh(a3 ) + senh(u)senh(v)]2
(5.24)
senh2 (a2 ) + cosh2 (u) = senh2 (a2 ) + senh2 (x)senh2 (a2 ) = senh2 (a2 )cosh2 (x)
(5.25)

Assim,

cosh(b1 )senh(a2 )senh(a3 ) = [cosh(x)cosh(y) + senh(x)senh(y)]senh(a2 )senh(a3 ) =


= (cosh(x)senh(a2 ))(cosh(y)senh(a3 )) + cosh(u)cosh(v) =
= [senh2 (a2 ) + cosh2 (u)]1/2 [senh2 (a3 ) + cosh2 (v)]1/2 + cosh(u)cosh(v) =
= cosh(a2 )cosh(a3 ) + senh(u)senh(v) + cosh(u)cosh(v) = cosh(a2 )cosh(a3 ) + cosh(a1 )

Exercı́cio 5.14. .

1. Mostre que a ŕea de um polı́gono Pn , de n-lados, com ângulos interiores θ1 , . . . , θn


A(Pn ) = (n − 2)π − (θ1 + · · · + θn ) (5.26)

2. Obtenha relações métricas num pengágono regular.

3. Calcule o lado do hexágono cujos ângulos internos medem π/2. Obtenha relações
métricas num hexágono regular.

5.7 Geometria das Isometrias de H2


5.7.1 Classificação das Isometrias
Ao compararmos os grupos de isometrias Isom(E2 ), Isom(S2 ) e Isom(H2 ), observa-
mos que a geometria hiperbólica é a geometria mais rica em simetrias. Com o objetivo
de compreender a geometria das isometrias de H2 , utilizaremos os modelos H2 e H2P ; o
primeiro porque os cálculos são mais simples e o segundo por ser o mais adequado para
a visualização e desenho dos fenômenos geométricos.
Como todo elemento f ∈ Isom+ (H2 ) é o produto de no máximo duas reflexões,
vamos assumir que f = r2 ◦ r1 , onde r1 e r2 são reflexões sobre as geodésicas γ1 e γ2 ,
respectivamente. As possibilidades são as seguintes:

autor: Celso M Doria 159


5.7. GEOMETRIA DAS ISOMETRIAS DE H2 Celso M Doria

1. γ1 ∩ γ2 = {p}. Então r2 ◦ r1 (p) = p ∈ H2 .

2. γ1 e γ2 são paralelas. Então, r2 ◦ r1 : H2 → H2 possui um ponto fixo p ∈∞ .

3. γ1 e γ2 são ultra-paralelas. Então r2 ◦ r1 : H2 → H2 possui dois pontos fixos


p, q ∈ S ∞ . Além disto, a geodésica ρ é ortogonal à γ1 e à γ2 .
Definição 5.21. Seja f ∈ Isom+ (H2 ) e F ixf = {x ∈ H
b 2 | f (x) = x}. Dizemos que:

1. f é elı́ptica se possui 1 ponto fixo em H2 .

2. f é parabólica se possui 1 único ponto fixo z0 ∈ S ∞ .

3. f é hiperbólica se possui 2 pontos fixos, ambos pertencentes à S ∞ .

Através do isomorfismo 5.11, entre Isom(H2 ) e P Sl2 (R), definimos o traço da iso-
metria f (z) = az+b
cz+d por
 
a b
tr(f ) =| tr(A) |, onde A = ∈ Sl2 (R).
c d

Proposição 5.15. Seja f ∈ Isom+ (H2 );


1. f é elı́ptica se, e somente se, tr(f ) < 2.

2. f é parabólica se, e somente se, tr(f ) = 2.

3. f é hiperbólica se, e somente se, tr(f ) > 2.


 
az+b a b
Demonstração. Suponhamos que f (z) = cz+d , A= ∈ Sl2 (R) e que z0 ∈ H2 é
c d
um ponto fixo de f . Então,

az0 + b
= z0 ⇔ cz02 + (d − a)z − b = 0 (5.1)
cz0 + c
Decorre da equação do 2o -grau que f possui no máximo 2 pontos fixos. Consideramos
f como uma transformação de f : C → C. Neste caso, f tem 2 pontos fixos. O
discriminante da equação 5.1 é

4 = (d − a)2 − 4bc = (d − a)2 − 4(1 − ad) = [tr(A)]2 − 4.

Assim, temos as seguintes possibilidades:


1. Se | tr(A) |< 2, então a equação possui 2 raı́zes complexas, sendo que apenas uma
das raı́zes encontra-se em H2 . Neste caso, f é elı́ptica.

2. Se | tr(A) |= 2, então f possui 1 ponto fixo em S ∞ que é z0 = a−1


c ∈ R. Portanto,
f é parabólica.

autor: Celso M Doria 160


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

3. Se | tr(A) |> 2, então f possui 2 pontos fixos em S ∞ , uma vez que ambas as raı́zes
da equação são reais. Consequentemente, f é hiperbólica.

Desta maneira, as isometrias são classificadas em elı́pticas, parabólicas ou hiperbólicas


e o conjunto invariante pode ser descrito a partir da sua natureza.
Veremos que as transformações elı́pticas são uma espécie de rotação no plano hi-
perbólico, as parabólicas são as rotações com centro pertencendo à S ∞ e as hiperbólicas
são novidade, se compararmos com as geometrias euclidena e esférica.

Definição 5.22. Seja Γ um conjunto de geodésicas de H2 . Um feixe de geodésica é um


conjunto de geodésicas atendendo à um dos seguintes itens:

1. Γ é um feixe elı́ptico se todas as geodésicas forem disjuntas e concorrentes no ponto


p ∈ H2 .

2. Γ é um feixe parabólico se todas as geodésicas forem disjuntas e concorrentes no


ponto p ∈ S ∞ .

3. Γ é um feixe hiperbólico se todas as geodésicas forem disjuntas e ortogonais a uma


mesma geodésica l ⊂ H2 .

As isometrias tem entre suas caracterı́sticas próprias os subconjuntos que deixam


invariantes; vejamos os seguintes exemplos, nos quais observamos o comportamento das
isometrias em geral;

1. g(z) = z + 1 (parabólica).
Para todo a ∈ R, as retas y = a são invariantes por g, assim como os semi-planos
Ha+ = {z = x + iy ∈ H2 | y > a} e Ha− {z = x + iy ∈ H2 | y < a}. Os semi-planos
Ha+ são denominados horobolas e o bordo y = a é o horocı́rculo.

2. g(z) = k 2 z (hiperbólica).
Para todo a ∈ R, as retas y = ax são invariantes por g. O cı́rculos | z |= R,
ortogonais as retas invariantes, são levados em | z |= k 2 R, respectivamente.
cos(θ)z+sen(θ)
3. gθ (z) = −sen(θ)z+cos(θ) (elı́ptica).

A famı́lia dos cı́rculos passando por z = i é invariante por gθ , sendo que cada
cı́rculo é levado à outro cı́rculo da famı́lia. Já os cı́rculos ortogonais a famı́lia
mencionada são, cada um deles, invariantes por gθ .

Exercı́cio 5.15. . Determine os pontos fixos das seguintes transformações;


z−2
1. f (z) = z−1 ,

2. Mostre que F ixf = F ixg ⇔ f g = gf .

autor: Celso M Doria 161


5.7. GEOMETRIA DAS ISOMETRIAS DE H2 Celso M Doria

3. Mostre que se f e g são hiperbólicas e possuem um ponto fixo em comum, então


F ixf = F ixg .

4. Considere as geodésicas γ1 = {z ∈ H2 ; | z − a |= α} e γ2 = {z ∈ H2 ; | z − b |= β},


onde a, b ∈ R. Se

α2 β2
r1 (z) = + a, r2 (z) = + b,
z̄ − a z̄ − b

são as respectivas reflexões sobre as geodésicas, mostre que g = r1 r2 é parabólica se,


e somente se, ou | α−β |=| a−b | ou | α+β |=| a−b |. Interprete geométricamente
e obtenha condições para que g seja elı́ptica ou hiperbólica.

5. Considere os cı́rculos Cα = {z ∈ H2 ; | z − α |= rα } e Cβ = {z ∈ H2 ; | z − β |= rβ }.
Mostre que a transformação


 !
β αβ

rα rβ − rα rβ 1 + rα rβ
g= .
√ 1 − √rαα rβ
rα rβ

é uma isometria que leva a região interior limitada por Cα e o eixo-x sobre a região
exterior limitada por Cβ e a região exterior de Cα sobre a região interior limitada
por Cβ e o eixo-x. Além disto, temos que tr(g) ≥ 2. A isometria g é hiperbólica

sempre que Cα ∩ Cβ = ∅ e é parabólica se | β − α |= 2 rα rβ .

6. No exercı́cio anterior, considere α + rα = β − rβ . Mostre que g é parabólica se,


e somente se, rα = rβ . Estude o caso dado por Cα = {z ∈ H2 ; | z − 1 |= 1} e
Cβ = {z ∈ H2 ; | z − 5 |= 3}.

5.7.2 Classes de Conjugação e Centralizadores


Nesta seção classificaremos as classes de conjugação de Isom(H2 ) e descreveremos o
subgrupo centralizador de uma isometria. Para isto, é importante a invariância do traço
por conjugação, isto é,

tr(t−1 f t) = tr(f ), ∀f, t ∈ Isom(H2 ).

Sejam f, g ∈ Isom(H2 ), Φ(f ) = A e Φ(g) = B, então Φ([f, g]) = [A, B] = ABA−1 B −1


e, por conseguinte,

| tr([f, g]) |=| tr([A, B]) | .

autor: Celso M Doria 162


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

Definição 5.23. Sejam r, θ ∈ R, r > 1. As isometrias n1 , nr e nθ de H2 , definidas por

cos(θ)z − sen(θ)
n1 (z) = z + 1, nr (z) = rz, nθ (z) = , (5.2)
sen(θ)z + cos(θ)

são denominadas isometrias normalizadas de H2 .


Observação. .
1. n1 , nr e nθ representam classes de conjugação distintas.

2. Na definição, é suficiente considerarmos r > 1 porque nr e n1/r são conjugadas.


Seja h(z) = 1/z, então

h ◦ nr ◦ h−1 (z) = n1/r (z).

Proposição 5.16. Seja f ∈ Isom(H2 ). Então f é conjugada a uma isometria norma-


lizada.
b 2 , a análise reduz-se aos
Demonstração. Como f possui no máximo 2 pontos fixos em H
seguintes casos;
1. f é hiperbólico.
Suponha que z1 , z2 ∈ S ∞ sejam os pontos fixos de f . Considere uma isometria
h ∈ Isom(H2 ) tal que h(z1 ) = ∞ e h(z2 ) = 0. Portanto, hf h−1 (∞) = ∞ e
hf h−1 (0) = 0. Desta forma, temos que F ixhf h−1 = {0, ∞}; consequentemente,
existe um número real positivo r tal que hf h−1 (z) = rz.

2. f é parabólico.
Seja z1 ∈ S ∞ o único ponto fixo de f . Considere uma isometria h ∈ Isom(H2 )
tal que h(z1 ) = ∞. Analogamente, ∞ ∈ F ixhf h−1 implica na existência de k ∈ R
tal que f (z) = z + k. Ao impormos sobre h as condições h(1) = 0 e h(f (1)) = 1,
obtemos hf h−1 (z) = z + 1.

3. f é elı́ptico.
Seja z1 ∈ H2 o ponto fixo de f . Considere uma isometria h ∈ Isom(H2 ) tal que
h(z1 ) = i e i ∈ F ixhf h−1 . Uma vez que o grupo de isotropia de z = i é Gi = SO2 ,
segue que

cos(θ)z − sen(θ)
hf h−1 (z) = .
sen(θ)z + cos(θ)

Corolário 5.8. Um elemento g ∈ Isom(H2 ) tem ordem finita se, e somente se, g é
elı́ptico.

autor: Celso M Doria 163


5.7. GEOMETRIA DAS ISOMETRIAS DE H2 Celso M Doria

Demonstração. Analisando cada um dos casos, segue da proposição anterior que;


1. se g é elı́ptico, então Φ(g n ) é conjugado à Rnθ , θ ∈ R. Neste caso, a ordem de g é
finita se, e somente se, θ = 2π n , n ∈ N.

2. se g é parabólico, então Φ(g n ) é conjugado à f (z) = z + n 6= idH2 .


3. se g é hiperbólico, então Φ(g n ) é conjugado à f (z) = rn z n 6= idH2 .

Vamos analisar o comutador de uma isometria para determinarmos o centralizador


de um elemento.

Exercı́cio 5.16. .
1. Utilizando o resultado da proposição acima, mostre que:
(a) tr(f ) ∈ (2, ∞) ⇒ f é hiperbólica.
(b) tr(f ) = 2 ⇒ f é parabólica.
(c) tr(f ) ∈ (0, 2) ⇒ f é elı́ptica.
z−6 z+3
(d) Determine a forma normalizada das isometrias z−4 , z−2 .
(e) Mostre que se f, g ∈ Isom(H2 ) são parabólicas, então elas são conjugadas.
2. Conclua que as isometrias elı́pticas correspondem as rotações euclideanas, as pa-
rabólicas as translações euclideanas paralelas ao eixo-x e a hiperbólicas não pos-
suem análogo euclideano.
Corolário 5.9. Sejam f , g ∈ Isom(H2 ) distintas de I, −I, e de tal forma que ambas não
sejam simultaneamente elı́pticas. Então, f é conjugada à g se, e somente se, tr2 (f ) =
tr2 (g).
Demonstração. .
1. (⇒) Esta direção da demonstração é imediata.
2. (⇐)
Uma vez que f é conjugada a uma das formas normalizadas, tr2 (f ) é igual a um
dos casos abaixo;

1
tr2 (f ) = 2 + r + , tr2 (f ) = 4, ou tr2 (f ) = 4cos2 (θ).
r

Analogamente,

1
tr2 (g) = 2 + s + , tr2 (g) = 4, ou tr2 (g) = 4cos2 (φ).
s

Se tr2 (f ) = tr2 (g), a questão reduz-se a analisarmos um dos casos abaixo;

autor: Celso M Doria 164


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

(a) f e g hiperbólicas ⇒ r + 1r = s + 1s .
Isto implica em que ou r = s ou r = 1s . Em ambos os casos, segue da
observação acima que f e g são conjugados.
(b) f e g são parabólica ⇒ tr2 (f ) = tr2 (g) = 4.
Neste caso, ambas são conjugados a n1 (z) = z + 1.
1
(c) f é hiperbólica e g é parabólica ⇒ 2 + r + r =4⇒r=1
(d) f parabólica e g elı́ptica, então θ = kπ e f = g = ±I.

Observação. .

1. No corolário acima, o caso elı́ptico não foi incluı́do porque a equação cos2 (φ) =
cos2 (θ) implica em φ = θ ± kπ.

2. Uma isometria hiperbólica f não é conjugada a uma elı́ptica, caso contrário exis-
tiriam θ, r ∈ R tal que

√ 1
r + √ = 2cos(θ);
r

o que ocorre se, e somente se, θ = 0 e r = 1 (f = g = I).

3. A conjugação preserva a natureza elı́ptica, parabólica ou hiperbólica de uma iso-


metria.

Em decorrência da proposição 5.16, para toda isometria g que não seja elı́ptica, segue
que limn→∞ g n (z) ∈ F ixg , vejamos a demosntração;

Proposição 5.17. Seja g ∈ Isom(H2 ) e considere o limite limn→∞ g n (z) na norma do


sup (convergência uniforme);

1. Suponha que g seja parabólico e F ixg = {α}. Então, para todo z ∈ H2 limn→∞ g n (z) =
α.

2. Suponha que g é hiperbólico e F ixg = {α, β}. Então, para todo z ∈ C − {β}, a
menos de conjugação pela isometria 1/z, limn→∞ g n (z) = α.

Demonstração. .

1. Pela proposição 5.16, existe h ∈ Isom(H2 ) tal que h(α) = ∞ e hgh−1 (z) = z + 1.
Segue que hg n h−1 (z) = z + n e g n (z) = h−1 (h(z) + n). Assim,

lim g n (z) = lim h−1 (h(z) + n) = h−1 (h(z) + lim n) = h−1 (∞) = α.
n→∞ n→∞ n→∞

autor: Celso M Doria 165


5.7. GEOMETRIA DAS ISOMETRIAS DE H2 Celso M Doria

2. De maneira análoga ao item anterior, existe h ∈ Isom(H2 ) tal que h(α) = ∞,


h(β) = 0 e hgh−1 (z) = kz, onde k > 1. Assim, hg n h−1 (z) = k n z e se z ∈ C − {0},

lim g n (h−1 (z)) = h−1 ( lim k n .z) = h−1 (∞) = α.


n→∞ n→∞

Ao considerarmos w = h−1 (z) ∈ C − {β}, temos limn→∞ g n (w) = α. É claro,


limn→∞ g n (β) = β.

Agora, investigaremos as relações entre o conjunto dos pontos fixos das isometrias f, g
com o comutador [f, g]. Seja F ixf = {x ∈ H b 2 | f (x) = x} . O objetivo é descrevermos o
centralizador de uma isometria f , por isto vejamos uma simples consequência de [f, g] =
I.
Lema 5.3. Sejam f, g ∈ Isom(H2 ), ambas distintas da identidade. Se [f, g] = I, então
f (F ixg ) = F ixg e g(F ixf ) = F ixf .
Demonstração. Seja w ∈ F ixg , então g(f (w)) = f (g(w)) = f (w) ⇒ f (w) ∈ F ixg . Con-
siderando que 1 ≤ #F ixg ≤ 2, segue que f (F ixg ) = F ixg . Analogamente, g(F ixf ) =
F ixf .

Portanto, se [f, g] = I, então as isometrias f e g são da mesma natureza elı́ptica, pa-


rabólica ou hiperbólica.
Proposição 5.18. Sejam f, g ∈ Isom(H2 ), ambas distintas da identidade, e z0 ∈ H
b 2.
b 2 se, e somente se, [f, g] é parabólico.
Então F ixf ∩ F ixg = {z0 } ⊂ H
Demonstração. .
1. (⇒)
De acordo com a classificação das isometrias e a classe de conjugação de cada tipo,
as únicas situações possı́veis são as seguintes;
(a) z0 ∈ H2 , da onde f, g são elı́pticas;
este caso é simples, pois se fixam o mesmo ponto então existe t ∈ Isom+ (H2 )
tal que Φ(tf t−1 ) e Φ(tgt−1 ) pertencem a SO2 e, por isto, comutam. Segue
que [f, g] = I e tr[f, g] = 2.
(b) z0 ∈ S ∞ e f, g são parabólicas;
suponha que o ponto fixo em comum seja ∞, então assumiremos que f (z) =
z + 1 e g(z) = z + k. Portanto, [f, g] = I e tr[f, g] = 2.
(c) z0 ∈ S ∞ e f, g são hiperbólicas
Suponha que F ixf = {0, ∞} e F ixf ∩ F ixg = {∞}, então f (z) = rz e
g(z) = αz + β. Portanto,

[f, g] = z + αβ(r − 1) e tr[f, g] = 2.

autor: Celso M Doria 166


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

(d) z0 ∈ S ∞ , f é parabólica e g é hiperbólica;


suponhamos que o ponto fixo em comum é ∞. A menos de uma conjugação,
temos f (z) = rz e g(z) = z + k. Desta maneira,

√ !  ! 
√1
   
r 0 1 k r
0 1 −k 1 k(r − 1)
tr[f, g] = √1
. . √ . = ,
0 r 0 1 0 r 0 1 0 1

ou seja, tr[f, g] = 2.

2. (⇐)
Suponha que tr[f, g] = 2. Vejamos os seguintes casos

(a) Suponha que f é elı́ptica;


   
cos(θ) −sen(θ) a b
Φ(f ) = , Φ(g) = .
sen(θ) cos(θ) c d

Assim,

tr[f, g] = 2 − (a2 + b2 + c2 + d2 ) cos2 (θ) + (a2 + b2 + c2 + d2 )


 

e tr[f, g] = 2 se, e se somente se, θ = 0 ou a2 + b2 + c2 + d2 = 2. Suponhamos


que θ 6= 2πk, a2 + b2 + c2 + d2 − 2 = 0 e tr(Φ(f )) = a + d ≥ 2;

(
ad − bc = 1
⇒ a2 + d2 ≥ 2 − 2bc;
(a + d)2 ≥ 4
⇒ 0 = a2 + b2 + c2 + d2 − 2 ≥ (b − c)2 , ⇒ c = b.
(
d≥2−a
⇒ 0 = a2 + b2 + c2 + d2 − 2 ≥ 2(a − 1)2 + 2b2 ⇒ a = d = 1, b = c = 0.
c=b

Portanto, g é elı́ptica e F ixf ∩ F ixg = {i}.


Agora, analisaremos os casos quando f não é elı́ptica. Podemos assumir
   
a b α β
Φ(f ) = , Φ(g) = ;
0 d γ δ

da onde,

tr[f, g] = 2 + b2 γ 2 + bγ(a − d)(α − δ) − γβ(a − d)2

autor: Celso M Doria 167


5.7. GEOMETRIA DAS ISOMETRIAS DE H2 Celso M Doria

(b) se f é parabólica, suponhamos que f (∞) = ∞ e a = d = 1. Assim,

tr[f, g] = 2 ⇔ γ = 0.

Decorre que g(∞) = ∞ (γ é parabólica ou hiperbólica).


(c) se f é hiperbólica, suponhamos que f (0) = 0 e f (∞) = ∞, ou seja, b = 0
e ad = 1, onde a 6= d. Portanto, βγ = 0 e, por isto, g fixa 0 ou ∞ (g é
hiperbólica ou parabólica).

Corolário 5.10. Sejam f, g ∈ Isom(H2 ), ambas distintas da identidade. Se [f, g] = I,


então, F ixf = F ixg .
Demonstração. .
1. Se f e g são da mesma natureza elı́ptica, parabólica ou hiperbólica, segue da
proposição anterior que F ixf = F ixg .

2. Suponhamos que F ixf 6= F ixg e que existe z0 ∈ (F ixg − F ixf ) tal que f (z0 ) 6= z0 ;
consequentemente, {z0 , f (z0 ), f 2 (z0 )} ⊂ F ixg . Portanto, há duas possibilidades
(a) f 2 (z0 ) = f (z0 ) e (b) f 2 (z0 ) = z0 .

(a) f 2 (z0 ) = f (z0 ) é impossı́vel, pois f (z0 ) 6= z0 ⇔ f (f (z0 )) 6= f (z0 ).


(b) f 2 (z0 ) = z0 ; neste caso, temos que f (f (z0 )) 6= f (z0 ), ou seja, F ixf ∩F ixg = ∅.
Segue que #F ixg = 2. Suponhamos que g(z) = rz e f (z) = az+b cz+d , por
isto, F ixg = {0, ∞}. Uma vez que f (0) = ∞, segue que a = 0. Desta
maneira, a menos de uma conjugação, podemos assumir que f (z) = kz e
√ √
F ixf = {− k, k}. Como g(F ixf ) = F ixf e F ixf ∩ F ixg = ∅, segue
que r = −1 e g(z) = −z. Neste caso, chegamos a uma contradição, pois
g∈ / Isom(H2 ).

Consequentemente, F ixf = F ixg .

Corolário 5.11. Sejam f, g ∈ Isom(H2 ). Se f e g possuem um ponto fixo em comum,


então uma das seguintes situações ocorre;
1. [f, g] = I, F ixf = F ixg e ambas são da mesma natureza.

2. [f, g] é parabólico e F ixf ∩ F ixg = {z0 }.


Os resultados desta seção tem como consequência a classificação do centralizador de
uma isometria;
Teorema 5.7. Sejam f ∈ Isom+ (H2 ) e Zf = {g ∈ Isom+ (H2 ) | [f, g] = I} o centrali-
zador de f . Então,

autor: Celso M Doria 168


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

1. Se Zf ' SO2 se, e somente se, f é elı́ptica.

2. Se Zf ' R, então f é ou parabólica ou hiperbólica.

Exercı́cio 5.17. Mostre que;

1. Se f é parabólico, então Zf ' R.

2. Se f é hiperbólico, então Zg ' R.

3. Se [f, g] = I e F ixf 6= F ixg , mostre que f 2 = g 2 = (f g)2 = I.

Corolário 5.12. Não existe um subgrupo de Isom(H2 ) que seja isomorfo à Z ⊕ Z. Em


particular, o toro T 2 não admite uma estrutura geométrica hiperbólica.

Demonstração. Caso existisse G < isom(H2 ), G ' Z ⊕ Z, o centralizador de qualquer


elemento de G teria um subgrupo isomorfo a Z ⊕ Z, o que é impossı́vel pelo teorema 5.7.

5.7.3 A Função Deslocamento


Para cada g ∈ Isom(H2 ) temos a função deslocamento Dg : H2 → R definida por

Dg (z) = d(z, gz) = d(z, g −1 z).

Assim como em algumas seções anteriores, faremos uso da função z → senh( 12 d(z, gz)).
Porém, antes de estudarmos a função deslocamento, temos o seguinte;

Definição 5.24. Seja g ∈ Isom(H2 ) um elemento hiperbólico. O comprimento da


isometria, ou comprimento de translação, induzida por g é

Tg = inf d(z, gz).


z∈H2

Proposição 5.19. Seja g ∈ Isom(H2 ) um elemento hiperbólico. Então,

1 1
cosh( Tg ) = | tr(g) | . (5.3)
2 2

Demonstração. Sem perda de generalidade, consideramos g(z) = kz, k ∈ R. Além disto,


também consideramos g = σ1 σ2 como o produto das reflexões σ1 , σ2 , onde σ1 é a reflexão
sobre a geodésica γ1 = {z ∈ H2 ; | z |= r1 } e σ2 é a reflexão sobre a geodésica γ2 = {z ∈
H2 ; | z |= r2 }. Desta forma, a geodésica invariante por g é γ0 = {iy ∈ H2 ; y ∈ R}. Seja
z = x + iy, decorre da expressão 5.5 que

1 | z − gz | |z |.|1−k |
senh( d(z, gz)) = 1/2
= √ .
2 2[Im(z).Im(gz)] 2. | y | . k

autor: Celso M Doria 169


5.7. GEOMETRIA DAS ISOMETRIAS DE H2 Celso M Doria

Portanto, a distância√será mı́nima quando x = 0, ou seja, quando z ∈ γ0 ; neste caso,


uma vez que tr(g) = k + √1k , temos

1 |1−k | 1 1
senh( Tg ) = √ ⇒ cosh2 ( Tg ) = tr2 (g).
2 2 k 2 4

Agora, analisaremos a função deslocamento;

Proposição 5.20. Seja g ∈ Isom(H2 ).

1. se g é hiperbólico com eixo L e comprimento de translação Tg , então

d(z, gz) Tg
senh( ) = cosh(d(z, L)).senh( ). (5.4)
2 2

2. se g é elı́ptico com ponto fixo z0 e ângulo de rotação θ, então

d(z, gz) θ
senh( ) = senh(d(z, z0 )).sen( ). (5.5)
2 2

3. se g é parabólico com ponto fixo z0 , então

d(z, gz)
senh( ).P (z, z0 ) = k, (5.6)
2

onde k ∈ R é constante e P (z, z0 ) é o nucleo de Poisson do plano hiperbólico.

Demonstração. .

1. Por conjugação, vamos considerar que g(z) = kz, k > 1. O eixo de g é L = {iy ∈

H2 ; y > o} e senh(Tg /2) =| k− √1k |. Além disto, de ?? temos cosh(d(z, L)) = |z|
y .
Assim,

|z| 1 √
 
d(z, gz) | z − gz | 1
senh( )= 1/2
= . | k− √ |
2 2[Im(z).Im(gz)] y 2 k
Tg
= cosh(d(z, L)).senh( )
2

autor: Celso M Doria 170


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

2. A menos de conjugação, podemos supor que z0 = i e g(z) = eiθ .z, 0 < θ < π.
Seja 4izg(z) o triângulo hiperbólico isósceles com vértices em i, z e g(z) e ângulos
internos θ, φ e φ. Conforme mostra a figura, ao traçarmos a bissetriz partindo do
vértice i obtemos o triângulo 4izB z cujos lados medem 21 d(z, gz), d(i, z) e d(i, zB ),
os respectivos ângulos opostos aos lados, medem θ/2, π/2 e φ. Portanto, segue
de 5.21 que

d(z, gz) θ
senh( ) = senh(d(z, z0 )).sen( ).
2 2

3. g sendo parabólico podemos assumir que g(z) = z + 1 e z0 = ∞. Neste caso,

d(z, gz) 1
senh( )= .
2 2y

Como o Núcleo de Poisson de H2 é P (z, ∞) = y [2], segue o resultado.

5.7.4 A Geometria do Produto de Isometrias


Uma vez que toda isometria g ∈ Isom0 (H2 ) é uma composição de duas reflexões,
vamos estudar a natureza do produto g = g1 g2 , g1 , g2 ∈ Isom(H2 ), conhecendo a na-
tureza das isometrias g1 , g2 . Além disto, veremos como a posição relativa entre γ1 e γ2
determina os parâmetros geométricos de g.
Vamos começar fazendo uma análise, caso a caso, das possı́veis situações: a letra e
denota uma isometria elı́ptica, p uma parabólica e h uma hiperbólica. Antes, façamos
a seguinte observação; se existem reflexões r1 , r e r2 , realizadas sobre as geodésicas
γ1 , γ, γ2 , respectivamente, tais que g1 = r1 r e g2 = rr2 , então, a natureza do produto
g1 g2 = r1 r2 é determinada pela posição relativa entre as geodésicas γ1 e γ2 .(notação:
e=eliptı́ca, p=parabólica e h=hiperbólica)

1. e1 e2 , conforme a figura ?? e ??
Sejam z1 e z2 os pontos fixos de e1 e e2 , respectivamente.

(a) z1 6= z2 . Neste caso, seja γ a geodésica que liga z1 à z2 . Assim, sendo g1 = r1 r


e g2 = rr2 , temos que g1 g2 = r1 r2 . Portanto, se γ1 ∩ γ2 = {z12 } ∈ H b 2 , então g
será elı́ptica ou parabólica, enquanto que, se γ1 ∩ γ2 = ∅ ela será hiperbólica.
(b) z1 = z2 . Neste caso, seja γ uma geodésica passando por z1 e sejam g1 = r1 r
e g2 = rr2 . Então, obviamente g = r1 r2 é elı́ptica.

2. pe,
Sejam zp e ze os pontos fixos de p e e, respectivamente.

autor: Celso M Doria 171


5.7. GEOMETRIA DAS ISOMETRIAS DE H2 Celso M Doria

(a) seja γ a geodésica que liga zp à ze . Analogamente, temos que g1 g2 = r1 r2 e


a natureza do produto será determinada pela posição relativa das geodésicas
γ1 e γ2 , podendo ser elı́ptica, parabólica ou hiperbólica.

3. he,
Sejam ρh a geodésica invariante por h e ze o ponto fixo de e.

(a) ze ∈
/ ρh . Seja h = r1 r, onde r é a reflexão sobre a geodésica γ contendo ze , e
e = rr2 , onde r ∩ r2 = {ze }. Portanto, he = r1 r2 é determinada pela posição
relativa entre γ1 e γ2 .
(b) ze ∈ ρh . Análogo ao caso anterior.

4. p1 p2
Sejam z1 e z2 os pontos fixos de p1 e p2 , respectivamente

(a) Se z1 = z2 , então p1 p2 é parabólica.


(b) Se z1 6= z2 , então seja γ a geodésica que liga z1 à z2 . Portanto, p1 p2 = r1 r2 e
a sua natureza depende da posição relativa entre as geodésicas γ1 e γ2 .

5. hp,
Sejam ρh a geodésica invariante por h e zp o ponto fixo de p.

(a) zp ∈/ ρh . Seja h = r1 r, onde r é a reflexão sobre a geodésica γ contendo zp


e ortogonal à geodésica ρh , invariante por h. Assim, ao escrevermos p = rr2
temos que hp = r1 r2 e a naturezada isometria hp é determinada pela posição
relativa entre γ1 e γ2 .
(b) zp ∈ ρh .
Sem perda de generalidade, podemos supor que ρh = {iy ∈ H2 | y ∈ R}.
Desta maneira, temos

z
h(z) = k 2 z, p(z) = ,
− az + 1

onde a ∈ R é o centro da geodésica γ2 = {z ∈ H2 ; | z − a |=| a |}. Portanto,

k2 z
hp(z) = ⇒ hp é hiperbólica.
− az + 1

6. h1 h2 ,
Neste caso, o método dos itens anteriores não pode ser usado, pois não há uma
geodésica γ de tal forma que h1 = r1 r e h2 = rr2 . Porém, através de exemplos
podemos verificar que h1 h2 pode ser uma isometria elı́ptica, ou parabólica ou
hiperbólica. Veremos adiante os critérios para avaliarmos a natureza de h1 h2 .

autor: Celso M Doria 172


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

Proposição 5.21. Sejam γ1 e γ2 geodésicas disntintas e r1 e r2 as respectivas reflexões.


Se g = r1 r2 , então o produto angular entre as geodésicas é
1
(γ1 , γ2 ) = | tr(g) | . (5.7)
2

Demonstração. Vamos proceder a demonstração considerando os casos quando γ1 e γ2


são ultra-paralelas, paralelas ou coincidentes. De forma geral, o resultado segue dos
resultados na seção 5.2.1

1. γ1 e γ2 são ultra-paralelas ⇒ g é hiperbólica.


Tg Tg 1
2 = d(γ1 , γ2 ). Da proposição 5.19, segue que cosh( 2 ) = 2 | tr(g) |. Assim, para
concluirmos basta aplicarmos a identidade 5.8.
2. γ1 e γ2 são paralelas ⇒ g é parabólica.
Este caso é trivial, pois (γ1 , γ2 ) = 1 e | tr(g) |= 2.
3. γ1 e γ2 são coincidentes e formam um ângulo θ, 0 < θ < π/2. Portanto, g é elı́ptica
e a conclusão segue da identidade 5.7 ao observarmos que | tr(g) |= 2cos(θ).

Proposição 5.22. Sejam g1 e g2 isometrias elı́pticas onde g1 tem centro em z1 e ângulo


θ1 , enquanto g2 tem centro em z2 e ângulo θ2 . Se z1 6= z2 e θi ∈ (0, π), i = 1, 2, então,
supondo que as isometrias rotacionam no sentido anti-horário,
1
| tr(g1 g2 ) |= cosh(d(z1 , z2 ))sen(θ1 ).sen(θ2 ) + cos(θ1 ).cos(θ2 ) (5.8)
2

Demonstração. Seja γ0 = {z ∈ H2 ; z = iy, y ∈ R} a geodésica ligando z1 à z2 . Sejam γ1


uma geodésica tal que z1 = γ0 ∩ γ1 e forme um ângulo θ1 com γ0 em z1 . Analogamente,
consideramos γ2 tal que z2 = γ0 ∩ γ2 e cujo ângulo com γ0 mede θ2 . Desta maneira,
conforme mostra a figura (xxx), para cada k = 1, 2,

γk ={z ∈ H2 ; |z− | zk | cotg(θk )|2 =| zk |2 .cossec2 (θk )}.

1
Assim, g1 = r1 r0 e g2 = r0 r2 implicam em g1 g2 = r1 r2 e 2 | tr(g1 g2 ) |= (γ1 , γ2 ).
Portanto, segue da expressão 5.4,

(γ1 , γ2 ) = cos(θ1 ).cos(θ2 ) + cosh(d(z1 , z2 )).sen(θ1 ).sen(θ2 ).

Observação. Na proposição anterior, ao considerarmos o triângulo hiperbólico formado


pelos vértices z1 , z2 e γ1 ∩ γ2 , observamos que a identidade 5.8 corresponde à expressão
obtida na Lei dos Cossenos em 5.29 (os ângulos internos são θ1 , π − θ2 e (γ1 , γ2 )).

autor: Celso M Doria 173


5.7. GEOMETRIA DAS ISOMETRIAS DE H2 Celso M Doria

Proposição 5.23. Sejam g1 e g2 isometrias hiperbólicas cujos comprimentos de translação


são T1 e T2 e os respectivos eixos são L! e L2 . Se L1 e L2 são disjuntos, então

1 T1 T2 T1 T2
| tr((g1 g2 ) |=| cosh(d(L1 , L2 )).senh( ).senh( ) + .cosh( ).cosh( ) |; (5.9)
2 2 2 2 2
(
1,
onde  = , de acordo se as orientações de g1 e g2 coincidem (+1) ou são invertidas
−1
(−1), conforme mostra a figura (xxx).
Demonstração. Sejam g1 = ra rb , g2 = rc rd e γi as respectivas geodésicas associadas a ri ,
i = a, b, c, d. Sem perda de generalidade, podemos assumir que γb = γc de tal forma que
g1 = ra rb e g2 = rb rd , ou seja, g1 g2 = ra rd . Assim, 21 | tr(g1 g2 ) |= (γa , γd ). Assumiremos
que γb = {iy ∈ H2 ; y ∈ R} e

L1 = {z ∈ H2 ; | z |= R1 }, L2 = {z ∈ H2 ; | z |= R2 }.

Desta forma, cosh(d(L1 , L2 )) = 21 ( R R1


R1 + R2 ).
2

Sejam za = γa ∩ L1 e zd = γd ∩ L2 ; além disto, sejam θa e θd os argumentos de za , zd ,


respectivamente. De acordo com 5.2,

T1 1 T2 1
cosh( ) = cosh(d(za , γb )) = , cosh( ) = cosh(d(zd , γb )) = . (5.10)
2 cos(θa ) 2 cos(θd )

Quando  = +1, conforme mostra a figura (xxx),

γa = {z ∈ H2 ; | z − R1 .cossec(θa ) |= R1 cotg(θa )},


γb = {z ∈ H2 ; | z − R2 .cossec(θb ) |= R2 cotg(θb )}.

Desta forma, ao aplicarmos a fórmula 5.4 e as relações 5.10, segue que

R12 + R22 1 1
(γa , γd ) =| − tg(θa ).tg(θd ) + |
2R1 R2 cos(θa ) cos(θd )
T1 T2 T1 T2
=| cosh(d(L1 , L2 )).senh( ).senh( ) − cosh( ).cosh( ) | .
2 2 2 2

No caso  = −1, basta considerarmos o centro de γd em (−R2 cotg(θd ), 0), então

1 T1 T2 T1 T2
| tr((g1 g2 ) |=| cosh(d(L1 , L2 )).senh( ).senh( ) + cosh( ).cosh( ) | . (5.11)
2 2 2 2 2

autor: Celso M Doria 174


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

Corolário 5.13. Se na proposição anterior  = +1, então g1 g2 é hiperbólica.


Corolário 5.14. Sejam g1 e g2 são isometrias hiperbólicas com eixos L1 e L2 disjuntos
e tendo o mesmo comprimento de translação T , então

d(L1 , L2 ) T
senh( ).senh( ) ≥ 1. (5.12)
2 2

Demonstração. Decorre da proposição anterior que

1 T T
| tr(g1 g2 | =| cosh(d(L1 , L2 ))senh2 ( ) + .cosh2 ( ) |≥
2 2 2
T T T T
≥| senh2 ( ) + .cosh2 ( ) ≥| senh2 ( ) − cosh2 ( ) |= 1
2 2 2 2

No entanto, concluı́mos ao observarmos que;

T T
cosh(d(L1 , L2 ))senh2 ( ) − cosh2 ( ) =
2 2
d(L 1 , L2 ) T T
[1 + 2senh2 ( )]senh2 ( ) − [1 + senh2 ( )] =
2 2 2
2 T 2 T
2senh ( ).senh ( ) − 1
2 2

Agora, vejamos a situação quando L1 ∩ L2 6= ∅;


Proposição 5.24. Sejam g1 e g2 isometrias hiperbólicas. Suponha que os respectivos
eixos são concorrentes em z0 = L1 ∩ L2 . Sejam Ti , i = 1, 2, os comprimentos de
translação e θ ∈ (0, π/2] o ângulo formado na interseção z0 . Então, g1 g2 é hiperbólica e

1 T1 T2 T1 T2
| tr(g1 g2 ) |= cosh( )cosh( ) + senh( ).senh( ).cos(θ). (5.13)
2 2 2 2 2

Demonstração. Primeiramente, observamos que uma isometria hiperbólica g pode ser


escrita como a composição g = σ1 σ2 de duas isometrias elı́pticas (rotação) de ordem 2.
É claro, os centros de rotação são distintos. Para vermos isto, suponhamos que g = r1 r2
é obtido pela reflexão sobre as geodésicas γ1 e γ2 . Sejam L o eixo de g e τ a reflexão sobre
L. Assim, σ1 = r1 τ e σ2 = τ r2 são rotações de ordem 2 com centros em z1 = L ∩ γ1 e
z2 = L ∩ γ2 , respectivamente. Consequentemente, g = r1 r2 = σ1 σ2 . Agora, suponhamos
que g1 = σ11 σ12 e g2 = σ21 σ22 . Assim, temos 4 centros de rotações {zi1 , zi2 } = Li ∩ γi ,
onde i = 1, 2. Ao considerarmos o triângulo hiperbólico com vértices em z0 , z11 e z12 ,
conforme mostra a figura (xxx), os comprimentos de translação de g1 e g2 são dados por
T1 = 2.d(z0 , z11 ) e T2 = 2.d(z0 , z22 ). Decorre da Lei dos Cossenos em 5.9 que

autor: Celso M Doria 175


5.7. GEOMETRIA DAS ISOMETRIAS DE H2 Celso M Doria

1 T1 T2 T1 T2
| tr(g1 g2 ) |= cosh(d(z11 , z22 )) = cosh( ).cosh( ) − senh( ).senh( ).cos(θ).
2 2 2 2 2

5.7.5 A Geometria dos Comutadores


Nesta seção, investigaremos a natureza da isometria [g, h] em função da natureza de g
e de h. A estratégia é analisarmos o comutador observando produto [g, h] = g.(hg −1 h−1 );
de imediato temos que se z0 ∈ F ixg então h(z0 ) ∈ F ixhg−1 h−1 ; além disto, hg −1 h−1 age
em sentido oposto à g e Thg−1 h−1 = Tg .
Proposição 5.25. Se g ∈ Isom(H2 ) é parabólica e F ixg ∩ F ixh = ∅, então [g, h] é
hiperbólico.
Demonstração. Vamos apelar para uma demonstração de caráter geométrico procurando
elucidar a questão. Seja zg o ponto fixo de g e h(zg ) o de hg −1 h−1 . Se γ denota
a geodésica ligando zg à h(zg ) e r a reflexão sobre γ, podemos escrever g = r1 r e
hg −1 h−1 = rr2 , onde r1 e r2 são reflexões sobre as geodésicas γ1 e γ2 . Assim, [g, h] = r1 r2 .
Como F ixg ∩F ixh = ∅ e as orientações de g e hg −1 h−1 são opostas, segue que γ1 ∩γ2 = ∅,
o que implica que [g, h] é hiperbólica.

Proposição 5.26. Seja g ∈ Isom(H2 ) elı́ptica com ponto fixo z0 e ângulo de rotação θ.
Se h ∈ Isom(H2 ) e z0 ∈
/ F ixh , então [g, h] é hiperbólica com comprimento de translação
T e

T d(z0 , h(z0 ))
senh( ) = senh( ).sen(θ). (5.14)
4 2

Demonstração. Seja g = r1 r2 a composição das reflexões sobre as geodésicas γ1 e γ2 .


Analogamente, hg −1 h−1 = r2 r3 , onde r3 é a reflexão sobre a geodésica γ3 . Uma vez
que z0 ∈ / F ixhg−1 h−1 , temos que γ1 é disjunta de γ3 . Seja γ a geodésica ortogonal a
γi , i = 1, 3; consideramos o triângulo com vértices em i, z0 e w0 = γ1 ∩ γ. Os lados de
4iz0 w0 medem d(γ12,γ3 ) , d(z0 ,h(z
2
0 ))
e t, enquanto os respectivos ângulos opostos medem
θ, π/2 e φ. Decorre da Lei dos Senos 5.30 que

d(γ1 , γ3 ) d(z0 , h(z0 ))


senh( ) = senh( ).sen(θ). (5.15)
2 2
Portanto, o resultado segue uma vez que T = 2d(γ1 , γ3 ).

Agora, consideraremos o caso quando g é hiperbólica. Se h for elı́ptica ou parabólica


o caso reduz-se aos casos tratados nas proposições anteriores. Por isto, consideraremos
g e h isometrias hiperbólicas. Se Lg é o eixo de g e Tg o seu comprimento de translação,
então o eixo de hg −1 h−1 é hLg enquanto o seu comprimento de translação também é Tg .

autor: Celso M Doria 176


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

Proposição 5.27. Sejam g e h isometrias hiperbólicas e suponhamos que os eixos ρg e


ρh intersectam-se formando um ângulo θ. Então, [g, h] é hiperbólica com comprimento
de translação T dado por

T Tg θ
cosh( ) = 1 + 2.senh2 ( ).cos2 ( ) (5.16)
2 2 2

Demonstração. Seja Tg o comprimento de translação de g e de hg −1 h−1 . O resultado é


imediato, basta aplicarmos a identidade 5.13 ao produto g(hg −1 h−1 );

T 1 Tg Tg
cosh( ) = | tr([g, h]) |= cosh2 ( ) + senh2 ( ).cos(θ) =
2 2 2 2
Tg Tg θ
= 1 + senh2 ( )(1 + cos(θ)) = 1 + 2.senh2 ( ).cos2 ( )
2 2 2

Consequentemente, tr([g, h]) > 1.

Proposição 5.28. Sejam g e h elementos hiperbólicos de Isom(H2 ) com eixos ρg e ρh


formando na interserção um ângulo θ, 0 < θ < π. Se [g, h] não é elı́ptico, então

Tg Th
senh( )senh( )sen(θ) ≥ 1 (5.17)
2 2

Demonstração. Como vimos, se ρg é o eixo de g, então h(ρg ) é o eixo de hg −1 h−1 . Ao


aplicarmos a identidade 5.9 ao produto g.(hg −1 h−1 ), obtemos

1 Tg Tg
1 ≤ tr[g, h] =| cosh(d(ρg , h(ρg ))senh2 ( ) − cosh2 ( ) |=
2 2 2
T g d(ρ g , h(ρg )) d(ρg , h(ρg ))
=| senh2 ( )[1 + 2senh2 ( )] − [1 + senh2 ( )] =
2 2 2
d(ρg , h(ρg ) Tg
=| 2senh2 ( )senh2 ( ) − 1 |,
2 2
d(ρ ,h(ρ ) T
Por isto, senh( g 2 g )senh( 2g ) ≥ 1. A não elipticidade de [g, h] implica que ρg ∩
h(ρg ) = ∅. Observamos que o ângulo formado por h(ρg ) e ρh também mede θ. Assim,
ao considerarmos o raio geodésico γ como o raio que realiza a distância d(ρg , h(ρg )), segue
que os raios geodésicos h(ρg ), ρh , γ definem o triângulo 4ABC, conforme mostrado na
figura (xxx), onde AB mede d(ρg , h(ρg )), com ângulo oposto mdeindo θ, e AC mede T2h ,
com ângulo oposto medindo π/2. Ao aplicarmos a Lei dos Senos 5.6, temos

Th
senh(d(ρg , h(ρg )) = senh( ).sen(θ).
2
Consequentemente, vale a identidade 5.17.

autor: Celso M Doria 177


5.8. GRUPOS DISCRETOS DE ISOM (H2 ) Celso M Doria

Exercı́cio 5.18. .

1. Seja h uma isometria hiperbólica e ρH seu eixo. Mostre que se z ∈ ρh , então


d(z, h(z)) = Th .

2. Sejam g, h ∈ Isom(H2 ), ambas hiperbólicas com eixos ρg e ρh e comprimento de


translação Tg e Th , respectivamente. Estude a natureza da isometria [g, h] quando
os eixos formam um ângulo θ.

3. Sejam g e h isometrias hiperbólicas com eixos ρg e ρh formando um ângulo θ,


0 < θ < π. Se [g, h] não é elı́ptica, mostre que

Tg Th
senh( ).senh( ).sen(θ) ≥ 1. (5.18)
2 2

4. Sejam g1 , . . . , gn isometrias hiperbólicas pertencentes a uma mesma classe de con-


jugação com nenhum elemento elı́ptico. Seja T o comprimento de translação co-
mum a classe e suponha que os eixos ρi , i = 1, . . . , n, são concorrentes, então

T π
senh2 ( ).sen( ) ≥ 1. (5.19)
2 n

5.8 Grupos Discretos de Isom(H2 )


5.8.1 Grupos Fuchsianos
Definição 5.25. G < Isom(H2 ) é um grupo Fuchsiano se é um subgrupo discreto de
Isom(H2 ).

Poincaré introduziu o termo grupo Fuchsiano em homenagem ao trabalho de Lazarus


Fuchs (1833-1902) .
Devido a transitividade da ação de Isom(H2 ) sobre H2 , segue do corolário ?? o
seguinte fato;

Proposição 5.29. Seja G um grupo fuchsiano. Então, o estabilizador de todo elemento


z ∈ H2 é cı́clico e isomorfo a Z2π/m , para algum m ∈ Z.

Definição 5.26. Um subgrupo G de Isom(H2 ) é elementar se a ação de G sobre H2


contém uma órbita finita.

Exemplo 5.4. Os grupos abaixo são elementares;

1. G =< g >, onde g é elı́ptico.

autor: Celso M Doria 178


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

2. G =< g >, onde g é hiperbólica. Por exemplo g(z) = kz, cuja geodésica invariante
é o eixo-y. Neste caso, as órbita finitas são {0} e ∞.

3. G =< g >, onde g é parabólica. Por exemplo, se g(z) = z + 1 temos que {∞} é a
única órbita finita.

Proposição 5.30. Seja G um subgrupo elementar de Isom(H2 ) e {z1 , . . . , zn } uma


órbita finita de G;

1. se n = 1, então G é conjugado a um subgrupo de Isom(H2 ) onde todo elemento


fixa ∞. Portanto, todo g ∈ G é conjugado a um elemento da forma g(z) = az + b.

2. se n = 2, então G é conjugado a um subgrupo de Isom(H2 ) onde todo elemento


deixa invariante o conjunto {0, ∞}. Portanto, todo g ∈ G é conjugado a um
elemento da forma g(z) = az ou g(z) = az .

3. se n ≥ 3, então G contém apenas elementos elı́pticos.

Demonstração. .

1. n = 1. Seja z1 o ponto fixo e h ∈ Isom(H2 ) uma isometria tal que h(z1 ) = ∞.


Decorre que, para todo g ∈ G, hgh−1 (z) = az + b, a, b ∈ R.

2. n = 2. Seja {z1 , z2 } um conjunto invariante e h uma isometria tal que h(z1 ) = 0


e h(z2 ) = ∞. Segue que ou hgh−1 (z) = az, quando g(z1 ) = z1 e g(z2 ) = z2 , ou
hgh−1 (z) = az , quando g(z1 ) = z2 e g(z2 ) = z1 .

3. n ≥ 3. Seja {z1 , . . . , zn }, um conjunto invariante de G. Assim, para todo g ∈ G,


existe uma potência kj tal que g kj (zj ) = zj e, portanto, ao tomarmos o produto
k = k1 . . . kn , temos g k (zj ) = zj , para todo 1 ≤ j ≤ n. Como n ≥ 3, decorre que
g k = idH2 . Consequentemente, todo elemento de G é elı́ptico.

A proposição a seguir revela a existência de um número infinito de elementos hi-


perbólicos num grupo não elementar;

Teorema 5.8. Se G é um subgrupo não elementar de Isom(H2 ), então existem infinitos


elementos hiperbólicos em G, sendo que o conjuntos dos pontos fixos destes elementos
são disjuntos entre si.

Demonstração. Realizaremos a demosntração em duas etapas;

1. Suponhamos que G não contém nenhum elemento hiperbólico. De acordo com o


exemplo 5.4, G tem ter pelo menos um elemento parabólico. Podemos assumir que
o elemento parabólico é p(z) = z + 1. Assim, para qualquer g(z) = az+b
cz+d segue que

(a + nc)z + (b + nd)
pn g(z) = , tr2 (pn g) = (a + d + nc)2 .
cz + d

autor: Celso M Doria 179


5.8. GRUPOS DISCRETOS DE ISOM (H2 ) Celso M Doria

Como pn g não pode ser hiperbólico, segue que

a b
(a + d + nc)2 ≤ 4 ⇒ c=0 ⇒ g(z) = z+ .
d d

Desta forma, qualquer g ∈ G fixa ∞ e, por isto, G é elementar. Portanto, G


contém um elemento hiperbólico.

2. Seja h ∈ G um elemento hiperbólico cujos pontos fixos sejam α e β. Como G é


não-elementar, existe f ∈ G tal que F ixh = {α, β} não é invariante por f . Conse-
quentemente, ao considerarmos a isometria hiperbólica h1 = f hf −1 , os conjuntos
F ixh1 = {f (α), f (β)} e F ixh são distintos. Assim, são os seguintes os casos para
analisarmos:

(a) F ixh ∩ F ixh1 = ∅.


Para cada n ∈ N, temos o elemento hiperbólico gn = hn h1 h−n , para o qual
F ixgn = {hn f (α), hn f (β)}. Para verificarmos que F ixgk ∩ F ixgl = ∅, para
todo par k, l ∈ N, temos que considerar duas possibilidades;
i. existem k, l ∈ N tais que hk (f (α)) = hl (f (α)) ou hk (f (β)) = hl (f (β)).
Neste caso, segue que hk−l (f (α)) = f (α) e F ixhk−l ∩ F ixh1 6= ∅, o que
contradiz a hipotese uma vez que F ixhk−l = F ixh .
ii. existem k, l ∈ N tais que hk (f (α)) = hl (f (β)) ou hk (f (β)) = hl (f (α)).
Desta forma, considerando a primeira situação, temos hn+k−l (f (α)) =
f (β) para todo n ∈ N. De acordo com a proposição 5.17, limm→∞ hm (f (α)) ∈
F ixh , contradizendo, novamente, a hipotese.
(b) Suponhamos que F ixh ∩ F ixh1 = {α}.
Neste caso, segue da proposição 5.18 que [h, h1 ] é parabólico e fixa α. Como
{α} não pode ser G-invariante, existe g ∈ G tal que g(α) 6= α; por isto g1 =
g[h, h1 ]g −1 é parabólico e não fixa α. Como h e g1 não tem pontos fixos em
comum, segue da proposição 5.25 que F ixhn ∩F ixg1n = ∅ e, consequentemente,
[hn , g1n ] é hiperbólico para todo n ∈ N.

Definição 5.27. Seja G um grupo fuchsiano.

1. Uma isometria g ∈ G é primitiva se é a geradora do estabilizador de cada um dos


seus pontos fixos.

2. Sejam h ∈ G hiperbólico e ρh a geodésica invariante por h. Dizemos que h é um


elemento simples de G se, para todo g ∈ G, ou g(ρh ) = ρh ou g(ρh ) ∩ ρh = ∅.

Se g é um elemento hiperbólico simples, então ao projetarmos por π : H2 → H2 /G,


a imagem da geodésica invariante por g é uma curva sem auto interseção.

autor: Celso M Doria 180


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

5.8.2 Grupos Puramente Hiperbólicos


Um subgrupo G de Isom(H2 ) é puramente hiperbólico se todo elemento não-trivial de
G é hiperbólico, mostraremos que tais grupos são discretos. É importante observarmos
que um grupo que não seja discreto possui uma sequência {gn }n∈Z convergindo para a
identidade do grupo.

Proposição 5.31. Sejam f e g são elementos não-triviais de Isom(H2 ). Se f e g tem


exatamente um ponto fixo em comum, então < f, g > não é discreto.

Demonstração. Pela proposição 5.18, o elemento g̃ = [f, g] é parabólico. Consideramos


f normalizado de forma que F ixf = {0, ∞} e suponhamos que F ixf ∩ F ixg = {∞},
caso contrário considere f −1 em vez de f . Assim,

   
k 0 1 b
f= , | k |> 1, g̃ =
0 k −1 0 1

Segue que

1 b(k 2 − 1)k −2n


 
−n n
lim f gf = =I
n→∞ 0 1

A seguir, vejamos que os subgrupos não discreto de isom(H2 ) possuem um elemento


elı́ptico;

Lema 5.4. Seja G um subgrupo não-elementar de Isom(H2 ) contendo uma sequência


{gn }n∈N tal que limn gn = I em Isom(H2 ). Então, existe um elemento elı́ptico g ∈ G.

Demonstração. Por contradição, suponhamos que não há nenhum elemento elı́ptico em
G. Seja h ∈ G o elemento hiperbólico h(z) = r2 z, ou seja,
 
r 0
h= , r ∈ R.
0 1/r

Seja {gn }n∈Z ⊂ G uma sequência onde


 
an bn
gn = ,
cn dn

e an dn − bn cn = 1, limn→∞ an = limn→∞ dn = 1 e limn→∞ bn = limn→∞ cn = 0.


Seja fn1 = [h, gn ]; então,

an dn − r2 bn cn (r2 − 1)an bn
 
fn1 =
( r12 − 1)cn dn an dn − r12 bn cn .

autor: Celso M Doria 181


5.8. GRUPOS DISCRETOS DE ISOM (H2 ) Celso M Doria

Desta maneira, tr(fn1 ) = 2 − bn cn (r − 1r )2 . Assim, segue que bn cn < 0, caso contrário fn1
seria elı́ptico. De maneira análoga, suponhamos que
 
An Bn
fn1 = , n ∈ N.
Cn D n

Seja fn2 = [h, fn1 ], analogamente, segue que

1
tr(fn2 ) = 2 + bn cn (1 + bn cn )(r − )4 .
r

Como existe um n0 ∈ N tal que bn cn ∼ 0, para todo n > n0 , segue que para todo
n > n0 fn2 não é elı́ptico se, e somente se, bn cn > 0. Consequentemente, bn cn = 0 e
tr(fn1 ) = tr(fn2 ) = 2, o que implica que para n > n0 fn1 e fn2 são parabólicas. Assim, a
sequência {fnk }k,n∈N , onde

f k = [h, fnk−1 ], fn1 = [h, gn ],

é uma sequência de isometrias parabólicas. A condição bn cn = 0 implica que podemos


assumir a existência de uma subsequência, que denotaremos {fnk }k,n∈N , na qual o pri-
meiro elemento da segunda linha de toda matriz fnk é nulo (a21 = 0). Desta forma, seja
{tkn }k,n∈N , tkn → 0 uma sequência tal que
 
1 tkn
fnk = , n, k ∈ N. fnk (z) = z + tkn ; fnk (∞) = ∞.
0 1

Como G é não elementar, existe um elemento hiperbólico h1 ∈ G cuja geodésica invari-


ante ρh1 não é o eixo {iy ∈ H2 ; y ∈ R}, fixado por h. Consideramos que h1 = r1 r2 , onde
r1 é a reflexão sobre γ1 e r2 sobre γ2 , sendo que ambas γ1 e γ2 são ortogonais à ρh1 e
γ2 tem uma extremidade em z = ∞ (uma semi-reta). Como {fnk }k,n∈N é uma sequência
densa, existe um elemento p ∈ {fnk }k,n∈N tal que p = r2 r3 , onde r3 é a reflexão sobre
a geodésica γ3 com extremidade em z = ∞, e γ1 ∩ γ3 = {ze }. Portanto, a isometria
g = h1 p = r1 r3 é elı́ptica com centro em ze , como mostra a figura (xxx).

Uma consequência imediata do lema anterior é a seguinte;

Teorema 5.9. Seja G um subgrupo não-elementar de Isom(H2 ) que não contém nenhum
elemento elı́ptico. Então, G é discreto.

Corolário 5.15. Se G é um grupo puramente hiperbólico não-elementar então G é


discreto.

Demonstração. É claro, a afirmação decorre diretamente do lema 5.4. Apresentaremos


uma demonstração geométrica para este fato. Sejam ρh = {iy ∈ H2 | y > 0} a geodésica
deixada invariante pela isometria h(z) = r2 z e {gn }n∈N ⊂ G uma sequência tal que

autor: Celso M Doria 182


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

limn→∞ gn = I em Isom(H2 ), assim como no lema 5.4. Desta maneira, gn (ρh ) é invari-
ante por gn h−1 gn−1 . Ambas as isometrias h e gn h−1 gn−1 são hiperbólicas e tem o mesmo
comprimento de translação T . Como [h, gn ] não é elı́ptica, segue da proposição 5.28 que
 
d(ρh , gn (ρh )) T
senh .senh( ) ≥ 1. (5.1)
2 2

Assim, se para n suficientemente grande tivermos gn (ρh ) arbitrariamente próximo de ρh ,


a identidade 5.1 é violada. Neste caso, a isometria gn h−1 gn−1 deixa de ser hiperbólica.
Observamos que

an dn + bn cn 1
ρh = {iy ∈ H2 ; y > 0} e gn (ρh ) = {z ∈ H2 ; | z − |= }.
2cn dn 2cn dn

Consequentemente,

lim cosh(d(ρh , gn (ρh )) = lim (an bn + cn dn ) = 1,


n→∞ n→∞

e limn→∞ d(L, gn (ρh )) → 0. Portanto, para n suficientemente grande gn h−1 gn−1 não pode
ser hiperbólica, o que contradiz a hipótese.

Os resultados anteriores indicam a natureza dos elementos de um subgrupo discreto


de Isom(H2 ). Agora, deduziremos uma estimativa para o produto do comprimento de
duas isometrias hiperbólicas;
Proposição 5.32. Seja G um subgrupo puramente hiperbólico de Isom(H2 ) e g, h ∈ G.
Se o subgrupo < g, h > é não elementar, então para todo z ∈ H2 temos
1 1
senh( d(z, gz)).senh( d(z, hz)) ≥ 1. (5.2)
2 2
O limite inferior é o melhor possı́vel.
Demonstração. Sejam ρg e ρh as respectivas geodésicas invariantes. Como < g, h > é
não-elementar e puramente hiperbólico, ou ρg e ρh são disjuntas ou são incidentes. Desta
forma, vamos tratar a questão considerando dois casos: (1) g e h são não-simples (2) g
é simples. Além disto, observamos que, de acordo com a identidade 5.4,

d(z, gz) Tg
senh( ) = cosh(d(z, ρg )).senh( ). (5.3)
2 2

1. g e h são não-simples.
Seja f ∈ G uma isometria tal que f (ρg ) incide sobre ρg formando um ângulo θg .
No entanto, f (ρg ) é invariante por f gf −1 e Tf gf −1 = Tg . Como [f gf −1 , h] não é
elı́ptico, decorre da inequação 5.17 que

autor: Celso M Doria 183


5.8. GRUPOS DISCRETOS DE ISOM (H2 ) Celso M Doria

Tg
senh2 ( ).sen(θg ) ≥ 1. (5.4)
2
Como h também é não-simples, a inequação 5.4 também é satifeita por h. Conse-
quentemente,

Tg Th
senh( ).senh( ) ≥ 1. (5.5)
2 2

Ao multiplicarmos as equações 5.3, escritas para g e h, e aplicarmos 5.5 obte-


mos 5.2.

2. g é simples.
Se ρg e ρh são incidentes, então o caso é análogo ao tratado no item anterior.
Por isto, podemos considerar que ρg , ρh e h(ρg ) são disjuntas dois a dois. Após
aplicarmos uma isometria, podemos considerar a situação como indica a figura
8.2.2. Consideramos que h = rr0 , onde r e r0 são as reflexões sobre γ e γ0 ,
respectivamente. Ao aplicarmos a identidade 5.20 ao hexágono de lados a1 =
d(ρg , h(ρg )), b1 = Th , a2 = a3 = d(ρg , ρh ), obtemos

cosh(Th ).senh2 (d(ρg , ρh )) = cosh(d(ρg , h(ρg ))) + cosh2 (d(ρg , ρh ));

da onde,

cosh2 (d(ρg , ρh ))[cosh(Th ) − 1] = cosh(d(ρg , h(ρg ))) + cosh(Th ) ≥ cosh(d(ρg , h(ρg ))) + 1
d(ρg , h(ρg ))
≥ 2senh2 ( )
2

Agora, sejam γn as geodésicas ortogonais à γg de forma que g n ou g −n seja igual


T
a rn r0 , onde rn é a reflexão sobre γn . Desta forma, d(γ0 , γn ) = n 2g . Segue que
γn ∩ γ = ∅ para todo n, caso contrário o elemento rn r = (rn r0 )(r0 r) ∈ G é elı́ptico.
Na figura 8.2.4, podemos assumir, sem perda de generalidade, que d1 ≤ d2 , o
T
que implica que d1 ≤ 4g . Ao aplicarmos a identidade ?? ao pentágono de lados
medindo a = d1 , b = d(ρg , γ) e d = d(γn+1 , γn ), conforme indica a figura 8.2.4
temos o seguinte;

Tg
senh( ).senh(d(ρg , γ)) ≥ senh(d1 ).senh(d(ρg , γ)) =
4
= cosh(d(γn+1 , γ)) ≥ 1.

Portanto,

autor: Celso M Doria 184


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

Tg Tg Tg
senh( ).senh(d(ρg , γ)) = 2cosh( ).senh( ).senh(d(ρg , γ)) ≥ 2.
2 4 4

No entanto,

2cosh(d(z, ρg )).cos(d(z, ρh )) ≥ cosh[d(z, ρg ) + d(z, ρh ))] ≥ cosh(d(ρg , ρh )).

Assim, decorre de 5.3 que

d(z, gz) d(z, hz) Tg Th


senh( ).senh( ) = cosh(d(z, ρg )).senh( ).cosh(d(z, ρh )).senh( ) ≥
2 2 2 2
1 Tg Th
≥ cosh(d(ρg , ρh )).senh( ).senh( ) ≥ 1
2 2 2

Resta mostra que o limite inferior em 5.2 é o melhor possı́vel. Consideramos 4 geodésicas
distintas γj , conforme mostra a figura 8.2.1. Seja g um elemento hiperbólico que fixa a
geodésica ligando 1 à −1 e leva γ1 sobre γ2 ; e seja h o elemento que fixa a geodésica que
liga i à −i e leva γ3 sobre γ4 . Assim, o grupo G =< g, h > é não elementar e, sendo
puramente hiperbólico, age discretamente em H2 . Além disto,

d(0, g(0)) d(0, h(0)) Tg Th


senh( ).senh( ) = senh( ).senh( ) =
2 2 2 2
= senh(d1 ).senh(d2 ) = cosh(d(γ2 , γ4 )).

No entanto, podemos construir as geodésicas de forma que d(γ2 , γ4 ) seja arbitrariamente


pequeno.

5.8.3 Conjuntos Limites. Classificação por Espécie


Definição 5.28. Seja G um grupo fuchsiano;

1. Um ponto x ∈ H b 2 é um ponto limite de G se existe um ponto z ∈ H2 e uma


sequência {gn }n∈N ⊂ G tal que x = limn→∞ gn (z).

2. O conjunto limite de G é o conjunto

b 2 | x é ponto limite de G}
Λ(G) = {x ∈ H (5.6)

Observação. Decorre da definição as seguintes propriedades para o conjunto limite;

autor: Celso M Doria 185


5.8. GRUPOS DISCRETOS DE ISOM (H2 ) Celso M Doria

1. Segue da natureza discontinua da ação de G que Λ(G) ⊂ S ∞ .

2. Λ é G-invariante, pois, se x = limn gn (z0 ), então g(x) = limn (g.gn )(z0 ), para todo
g ∈ G.

Exemplo 5.5. .

1. Seja g um elemento elı́ptico e G =< g >' Zn . Então, Λ(G) = ∅.

2. Seja g um elemento parabólico e G =< g >. Então, Λ(G) = {p}, onde g.p = p ∈
S ∞ é único ponto fixo de g.

3. Seja g um elemento hiperbólico e G =< g >. Então, Λ(G) = {p, q}, onde p, q ∈ S ∞
são os pontos fixos de g.

4. O Grupo de Picard é o subgrupo de Isom(H2 ) definido assim;

az + b
GP = {g(z) = | a, b, c, d ∈ Z}
cz + d

Obviamente, GP é um subgrupo discreto em Isom(H2 ). Ao considerarmos os


elementos

(1 − pq)z + p2
gp,q (z) = , p, q ∈ Z,
−q 2 z + (1 + pq)

observamos que, para todo p, q ∈ Z, a isometria gp,q é parabólica e g( pq ) = p


q.
Portanto, Q ⊂ Λ(G) e GP não age discontinuamente sobre H2 .

Um fato interessante é que o ponto limite depende exclusivamente de uma sequência


do grupo;

Lema 5.5. Sejam z0 ∈ H2 e {gn }n∈N ⊂ Isom(H2 ) uma sequência tal que limn→∞ gn (z0 ) =
x0 ∈ S ∞ . Se gn (z) = acnnz+d
z+bn
n
, então limn→∞ acnn = x0 e limn cn = ∞ ou limn→∞ dbnn = x0
e limn dn = ∞.

Demonstração. Como z0 ∈ H2 e limn gn (z0 ) = x0 ∈ R, apenas uma das possibilidades


abaixo pode ocorrer;
an bn dn
1. limn cn = x0 e limn an = limn cn = 0, ou
bn an cn
2. limn dn = x0 e limn bn = limn dn = 0.

No primeiro caso, segue da identidade


an 1
| gn (z0 ) − |= (5.7)
cn | cn | . | cn z0 + dn |

autor: Celso M Doria 186


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

que limn cn = ∞. No segundo caso, suponhamos z0 6= 0, caso contrário é imediato,


−1
consideramos a isometria hn (z) = bdnnz+a
z+cn porque limn gn (z0 ) = limn hn (z0 ) = x0 , para
n

todo n ∈ N. De forma análoga, temos

bn 1
| hn (z0−1 ) − |= (5.8)
dn | dn | . | dn z0−1 + cn |

e limn dn = ∞.

Proposição 5.33. Sejam z0 ∈ H2 e {gn }n∈N ⊂ G uma sequência tal que limn gn (z0 ) = x.
b 2 −{0}.
Então, existe uma subsequência tal que gn (z) → x uniformemente para todo z ∈ H
an z+bn bn z+an
Demonstração. Sejam gn (z) = cn z+dn , hn (z) = dn z+cn ,

1 1
Cn = {z ∈ H2 ; | cn z + dn |= } e Dn = {z ∈ H2 ; | dn z + bn |= }.
| cn |1/2 | dn |1/2

Segue das expressões 5.7 e 5.8 que

an 1 bn 1
gn (Cn ) = {z ∈ H2 ; | gn (z)− |= } e hn (Dn ) = {z ∈ H2 ; | hn (z)− |= }.
cn | cn |1/2 dn | dn |1/2

Assim como na demonstração do lema 5.5, vamos considerar as duas situações possi-
veis. No primeiro caso, onde limn acnn = x0 e limn cn = ∞, o exterior do cı́rculo Cn é
levado sobre o interior do cı́rculo gn (Cn ), conforme indica a figura (xxx), enquanto o
raio de ambos
 os
 cı́rculo tendem à zero. Além disto, o centro do cı́rculo Cn converge
dn
para limn − cn = 0. Consequentemente, para todo z ∈ H2 − {0}, limn gn (z) = x0
uniformemente. No segundo caso, a situação é análoga ao considerarmos hn e Dn ,.

Corolário 5.16. Λ(G) é fechado.

Demonstração. Consideramos {xn }n∈N ⊂ Λ(G) uma sequência convergindo para x ∈


S ∞ . Sejam z0 ∈ H2 e {gkn }n,k∈N tais que xn = limk gkn (z0 ). Agora, seja {gkn }n,k∈N uma
subsequência tal que
1
| gkn (z0 ) − xn |< .
n
Portanto,

| gkn (z0 ) − x |<| gkn (z0 ) − xn | + | xn − x |,

Consequentemente, restritos a subsequência, limk gkn (z0 ) = x.

autor: Celso M Doria 187


5.8. GRUPOS DISCRETOS DE ISOM (H2 ) Celso M Doria

Corolário 5.17. Se G é um grupo fuchsiano não-elementar, então Λ(G) é um conjunto


perfeito (contém seus pontos de acumulação).
Demonstração. Pelo teorema 5.8 existem infinitos elementos hiperbólicos em G, o que
implica em #Λ(G) = ∞. Vamos mostrar que todo ponto em Λ(G) é ponto de acumulação
de uma sequência em Λ(G). Sejam x0 ∈ Λ(G) e {gn }n∈N a sequência gn (z) = acnnz+d z+bn
n
tal
an
que x0 = limn gn (z0 ) e limn cn = x0 . O ponto 0 também é um ponto limite uma vez que,
 
pela proposição 5.33, 0 = limn − dcnn = limn gn−1 (z0 ). Havendo um terceiro ponto limite
x1 , ao aplicarmos a proposição 5.33 à extensão da ação da sequência {gn }n∈N sobre S ∞ ,
concluı́mos que limn gn (x1 ) = x0 . No segundo caso, a análise é análoga.

Corolário 5.18. Sejam G um grupo fuchsiano não-elementar e x0 ∈ Λ(G). Então, a


órbita de x0 é densa em Λ(G).
Demonstração. De acordo com a proposição 5.33, a cada ponto x ∈ Λ(G) associamos
uma sequência {gnx (z0 )}n∈N ⊂ Isom(H2 ). G sendo não-elementar implica em #Λ(G) >
2, da onde concluı́mos que todo ponto x ∈ Λ(G) pode ser aproximado por {gnx (x0 )}n∈N ,
onde x0 ∈ Λ(G).

Corolário 5.19. Seja G um grupo fuchsino não-elementar. Então, Λ(G) é o fecho do


conjunto dos pontos fixos dos elementos hiperbólicas em G.
Demonstração. Segue do teorema 5.8 que em G existem infinitos elementos hiperbólicos.
Seja h ∈ G o elemento hiperbólico h(z) = k 2 z, k > 1, assim temos F ixh = {0, ∞}.
Portanto, ∞ ∈ Λ(G) porque limn hn (z) = ∞ para todo z ∈ H b 2 − {0}. Decorre da
proposição 5.33 que a órbita de ∞ esta contida em Λ(G) e todas a suas subsequências
convergem em Λ(G).

Os grupos fuchsianos subdividem-se em duas espécies, de acordo com o conjunto


limite;
Definição 5.29. G é de 1a -espécie se Λ(G) = S ∞ , caso contrário G é de 2a -espécie .

Decorre dos resultados anteriores que quando G é um grupo fuchsiano de 2a -espécie o


conjunto limite Λ(G) é a união enumerável de arcos fechados mutuamente disjuntos em
S ∞ . Exemplos de grupos de 2a -espécie serão dados na seção sobre Grupos de Schottky
e de grupos de 1a -espeécie na seção sobre Grupos Triangulares.

5.8.4 Polı́gonos Fundamentais


Nesta seção, descreveremos alguns resultados que visam compreender o espaço quo-
ciente H2P /G. Devido a riqueza e a complexidade do assunto, não exauriremos a análise
nem apresentaremos algumas das demonstrações, as quais podem ser encontradas nas
referências [2] e [15]. Devido a compacidade do espaço Hb 2 , é mais simples a visualização
P
geométrica no disco hiperbólico H2P , embora os cálculos sejam feitos em H2 .

autor: Celso M Doria 188


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

Definição 5.30. Seja G um grupo Fuchsiano. P é um polı́gono fundamental convexo


para G (abreviaremos pf c) , quando;

1. P for uma região fundamental para G,

2. P for um domı́nio e ∂P é um polı́gono hiperbólico,

3. P for localmente finito, o que significa que cada subconjunto compacto de H2P
intersecta um número finito de G-imagens de P,

4. P for convexo.

Observação. .

1. P pode ter vértices em S ∞ , talvez um número infinito deles, assim como o bordo
de P também pode ter lados que são arcos de cı́rculo em S ∞ .

2. Sejam G =< g1 , . . . , gn > e Pn um (pf c) para o grupo Gn =< gn >, então

P = ∩ni=1 Pi , é um (pf c) para G.

Na próxima seção, veremos que todo grupo Fuchsiano admite um polı́gono funda-
mental convexo.

Exemplo 5.6. .
z
1. G =< g1 , g2 >, onde g1 (z) = z + 3 e g2 (z) = z+1 .

É fácil verificar que P1 = {z ∈ H2 | −3 ≤ Re(z) ≤ 3} é um pfc para G1 =< g1 >.


Para descrevermos P2 , o pfc de G2 =< g2 >, observamos que

z 1 1
=1− ⇒ | g2 (z) − 1 |= .
z+1 z+1 |z+1|

Assim, a imagem de σ = {z ∈ H2 ; | z + 1 |= 1} por g2 é τ = {z ∈ H2 ; | z − 1 |= 1}.


Além disto, o interior de σ é levado no exterior de τ , enquanto o exterior de σ é
levado no interior de τ . Desta forma, P2 = {z ∈ H2 ; | z + 1 | > 1} ∩ {z ∈ H2 ; |
z − 1 |> 1} é um (pf c) para G2 , enquanto a região P = P1 ∩ P2 na figura (xxx) é
im pfc para G.
3z+4
2. G =< g1 , g2 >, onde g1 (z) = 2z e g2 (z) = 2z+3 .
Neste caso, temos que

3 1 1
| g2 (z) − |= 3 .
2 4|z+ 2 |

autor: Celso M Doria 189


5.8. GRUPOS DISCRETOS DE ISOM (H2 ) Celso M Doria

Segue da expressão acima que g2 leva a região {z ∈ H2 ; | z + 32 |≤ 21 } sôbre a


região {z ∈ H2 ; | z − 32 |≥ 12 }, e leva {z ∈ H2 ; | z + 23 |≥ 12 } sôbre a região
{z ∈ H2 ; | z− 23 |≤ 12 }. Portanto, P2 = {z ∈ H2 ; | z+ 23 |≥ 12 }∩{z ∈ H2 ; | z− 23 |≥ 12 }.
Portanto, P1 = {z ∈ H2 ; 1 <| z |< 2} e P = P1 ∩ P2 é o pfc de G, conforme a
figura (xxx).

3. Seja γn a geodésica {z ∈ H2 ; | z − (4n + 2) |= 1} e γn0 a reflexão de γn sobre o


eixo imaginário. Para cada n ∈ N, seja gn ∈ Isom(H2 ) o elemento hiperbólico que
aplica o exterior de γn sobre o interior de γn0 , isto é,

1
gn (z) = −(4n + 2) + .
z − (4n + 2)

Seja G =< g1 , . . . , gn >. Um (pf c) para G é obtido assim: para cada n ∈ N seja

Pn = {z ∈ H2 ; | z + (4n + 2) |> 1} ∩ {z ∈ H2 ; | z − (4n + 2) |> 1},

e P = ∩∞
i=1 Pn . O (pfc) para G encontra-se na figura (xxx).

Uma vez que g(P̄) ∩ P̄ é convexo, segue que ele é um segmento de geodésica, possi-
velmente vazio, ou contém 3 pontos não colineares e o triângulo formado por eles. Se a
segunda possibilidade ocorrer, então g(P) ∩ P =6 ∅, o que não é possı́vel. Pelo mesmo
argumento, concluı́mos que para quaisquer g, h ∈ G, onde g 6= h, P̄ ∩ g(P̄) ∩ h(P̄) é um
ponto.

Definição 5.31. Seja P um polı́gono fundamental convexo para G.

1. Um lado de P é um segmento geodésico de comprimento positivo da forma P̄ ∩g(P̄),


onde g ∈ G.

2. Um vértice de P é um ponto v ∈ P̄ da forma v = P̄ ∩ g(P̄) ∩ h(P̄), onde g, h ∈ G


e g 6= h.

Observação. Pode ocorrer que uma sequência de lados de P esteja sobre uma mesma
geodésica. Neste caso, dizemos que a união destes lados formam uma aresta de P.
Um grupo fuchsiano G é sempre enumerável por ser um subgrupo discreto de Isom(H2 ).
Decorre da enumerabilidade de G, juntamente com o fato de P ser localmente finito,
que;

1. P tem um número enumerável de lados e vértices,

2. Dado um conjunto compacto K ⊂ H2P , apenas um número finito de lados e vértices


podem encontrar K,

3. ∂P é a união de lados de P,

autor: Celso M Doria 190


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

4. a interseção de um par de lados de P ou é vazia ou é um vértice que esta na


extremidade de cada um dos lados.

Vamos agora entender a relação entre G e P. Seja

G∗ = {g ∈ G | P ∩ g(P) é um lado de P},

e seja S = {P ∩ g(P) | g ∈ G∗ } o conjunto dos lados de P. Ao considerarmos a aplicação

Υ : G∗ → S, Υ(g) = P ∩ g(P),

observamos que, por definição, ela é sobrejetiva e também é injetiva porque P ∩ g(P) =
P ∩ h(P) se, e somente se, g = h. Desta forma, a cada lado s ∈ S podemos associar
gs = Υ−1 (s), e s = P ∩ gs (P). Decorre que s0 = gs−1 (s) = P ∩ gs−1 (P) também é um
lado de P e gs0 = gs−1 . Seja p : S → S, p(s) = s0 = gs−1 (s) a aplicação de aplicação que
identifica os lados em pares. Ela é bem definida, pois

(s0 )0 = gs−1 0 −1 −1 −1
0 (s ) = (gs ) (gs (s)) = gs gs−1 (s) = s.

{s, s0 }, onde
S
Assim, temos uma partição para o conjunto dos lados de P dada por S =
s0 = gs−1 (s) e gs ∈ G∗ .

Proposição 5.34. Seja G um grupo Fuchsiano e P um polı́gono fundamental convexo


para G. Então, o conjunto G∗ ⊂ G gera o grupo G.

Demonstração. Seja G0 o subgrupo de G gerado por G∗ . Seja z ∈ H2P e g ∈ G de


forma que g(z) ∈ P; além disto, suponha que para h ∈ G também tenhamos que
h(z) ∈ P. Assim, a única possibilidade é que h(z) e g(z) pertencem ao ∂P, ou seja
h(z) ∈ P ∩ hg −1 (P). Portanto, hg −1 ∈ G0 e [g] = [h] em G/G0 . Seja φ : H2P → G/G0
a aplicação definida por φ(z) = [g], onde g(z) ∈ P. O fato de P ser localmente finito
implica que, dada uma vizinhança aberta V (z) de z, existe um número finito de imagens
g1 (P), . . . , gm (P) tais que;

1. z ∈ g1 (P) ∩ · · · ∩ gm (P),

2. V (z) ⊂ g1 (P) ∪ · · · ∪ gm (P), e se g(P) ∩ V (z) 6= ∅, então g = gi .

Portanto, se w ∈ V (z), então w ∈ gj (P) para algum j ∈ {1, . . . , m}, da onde φ(w) =
G0 gj−1 = φ(z). Consequentemente, φ é constante em V (z). Como H2P é conexo, segue
que φ é constante em H2P . Desta forma, assumindo que z ∈ P, g ∈ G e w ∈ g −1 (P),
temos

G0 = φ(z) = φ(w) = G0 g ⇒ g ∈ G0 .

Consequentemente, G = G0 .

autor: Celso M Doria 191


5.8. GRUPOS DISCRETOS DE ISOM (H2 ) Celso M Doria

A seguir, analisaremos a geometria nos vértices para obtermos uma condição sufici-
ente que garanta que o polı́gono fundamental de G ladrilhe H2 .
Definição 5.32. Seja G um grupo Fuchsiano.
1. Um ciclo C em P é a interseção de uma órbita de G com P. Necessariamente, C
é um conjunto finito {z1 , . . . , zn } com comprimento denotado por | C |= n.
2. Se C = {z1 , . . . , zn } é um ciclo, então os grupos de isotropia de zj são conjugados
e isomorfos à ZN , para algum N ∈ N. A ordem do ciclo C é ord(C) = N .
3. Seja C um ciclo e suponha que em zj o ângulo interno de P seja θj . Então, o
ângulo do ciclo C é θ(C) = θ1 + · · · + θn .

Proposição 5.35. Seja G um grupo Fuchsiano e P um polı́gono fundamental convexo


para G de G. Então, para todo ciclo C ⊂ P temos

ord(C) = .
θ(C)

Demonstração. É imediata, caso contrário não existiria um (pfc) P para G.


Inicialmente, suponhamos que o ciclo C não contém nenhum elemento que seja ponto
fixo de uma isometria elı́ptica pertencente à G; neste caso dizemos que C é um ciclo
acidental . Ciclos acidentais são caracterizados pelo fato que θ(C) = θ1 + · · · + θn = 2π,
n =| C |; por isto, podemos classificá-los pelo comprimento;
1. C = {z1 }, então θ1 = 2π, da onde z1 ∈ P,
2. C = {z1 , z2 } θ1 = θ2 = π, uma vez que 0 ≤ θi ≤ π. Assim, zj é um ponto situado
no interior de uma aresta
3. Segue que se z é um vértice acidental, então o comprimento do ciclo de z é maior
ou igual a 3 (| C |≥ 3).
Observação. É conveniente considerarmos os pontos fixos elı́pticos como vértices de
P. É uma questão de conveniência considerarmos os pontos elı́pticos de ordem 2 como
vértices ou não; conforme mostra o exemplo G = {I, g}, onde g(z) = −1/z. Neste caso,
P = {z ∈ H2 ; | z |< 1}. Podemos considerar que P tem um lado dado pela geodésica
ligando −1 à 1 e nenhum vértice, ou considerar que P tem um vértice em z = i e dois
lados que formando a aresta {z ∈ H2 ; | z |= 1}.
Quando o grupo fuchsiano é de 1a -espécie o polı́gono fundamental convexo P é um
subconjunto limitado de H2 . Quando ele é de 2a -espécie P pode ter um conjunto enu-
merável de arestas sobre S ∞ com medida euclideana finita, tais arestas são denominadas
de lados livres de P ; cada um deles é um intervalo fechado. Quando um vértice v de
P pertence a S ∞ dizemos que é um vértice próprio sempre que v for a extremidade de
dois lados em P, e de vértice impróprio quando ele for a extremidade de um lado livre
de P. Em ambos os casos, v é um vértice de P no infinito. (figura 9.3.2)

autor: Celso M Doria 192


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

5.8.5 Polı́gonos de Dirichlet. Teorema de Poincaré


Nesta seção, apresentaremos, sem demonstrá-los, dois resultados fundamentais para
a teoria dos grupos Fuchsianos: O teorema de existência de um polı́gono fundamental
convexo e o teorema de Poincaré. Para maiores detalhes recomendamos as referências [2]
e [15].
Seja G um grupo Fuchsiano agindo em H2P e seja w ∈ H2P um ponto que não é ponto
fixo de algum elemento elı́ptico de G. Para cada g ∈ G, g 6= I, definimos

Lg (w) = {z ∈ H2P | dH2 (z, w) = dH2 (z, gw)}, Hg (w) = {z ∈ H2P | dH2 (z, w) < dH2 (z, gw)}
P P P P

Observação. Lg (w) é a geodésica mediatriz dos pontos w, g(w) ∈ H2P , enquanto Hg (w)
é um semi-plano, portanto convexo.

Definição 5.33. O polı́gono de Dirichlet D(w) com centro em w ∈ H2P que é associado
à G é
\
D(w) = Hg (w) (5.9)
g∈G

Um fato importante é que para todo elemento h ∈ Isom(H2P ), h(D(w)) = D(h(w)).

Teorema 5.10. O polı́gono de Dirichlet D(w) é um polı́gono fundamental convexo para


G.

Corolário 5.20. Se w1 e w2 forem pontos que não sejam pontos fixos de elementos
elı́pticos de G, então os espaços quocientes D(w1 )/G e D(w2 )/G são homeomorfos.

Assim, a cada grupo Fuchsiano G podemos associar um polı́gono fundamental con-


vexo PG que ladrilha H2 . O conjunto de geradores de G definem os lados de PG e
determinam os pares de lados que são identificados, o que nos permite descrever o orbi-
tal PG /G. A condição geométrica necessária para P ladrilhar H2 é a seguinte;

Condição (V) - Para todo ciclo C ⊂ ∂P G , a soma dos ângulos internos do ciclo é da
forma θ(C) = 2π
N , onde N = ord(C).

O Teorema de Poincaré afirma que a recı́proca é verdadeira, ou seja, a condição


(V) também é suficiente. Antes de enunciá-lo, vamos considerar sobre um polı́gono
hiperbólico P uma partição do conjunto de lados S;
[
S= {s, s0 }. (5.10)

Agora, seja GS = {g ∈ Isom(H2 ) | s = P ∩ g(P), s ∈ S}. Dizemos que GS é subordinado


a partição 5.10 se GS admite uma partição

autor: Celso M Doria 193


5.8. GRUPOS DISCRETOS DE ISOM (H2 ) Celso M Doria

[
GS = {gs , gs−1 },
gs 6=I

onde, s = P ∩ gs (P) e s0 = P ∩ gs−1 (P).


Teorema 5.11. (Poincaré) Seja P um domı́nio convexo em H2 de tal forma S que0 ∂P é
um polı́gono hiperbólico. Seja S = {s ⊂ ∂P | s é lado de P} e seja S = {s, s } uma
partição de S em pares de lados. Suponha que
1. GS = {g ∈ Isom(H2 ) | P S ∩ g(P) ⊂ S} é um conjunto de isometrias de H2
0
subordinadoa partição S = {s, s },

2. a condição (V) é satisfeita.


Então, o grupo G gerado por GS é um grupo Fuchsiano e P é um polı́gono fundamental
convexo para G.

5.8.6 Região de Nielsen


O polı́gono fundamental convexo de um grupo fuchsiano de 1a -espécie é um subcon-
junto limitado de H2 , quando G é de 2a -espécie surgem vértices e arestas no infinito.
Na proposição 5.31, mostramos que, num grupo fuchsiano, não podem existir um ele-
mento hiperbólico h e outro parabólico g com F ixh ∩ F ixg = {z0 }, senão < g, h > não
é discreto.
Definição 5.34. Um arco de discontinuidade para um grupo fuchsiano G é um arco em
S ∞ sobre o qual a ação extendida de G sobre H
b 2 é discontinua.

Quando G é de 2a -espécie vimos que S ∞ − Λ(G) é uma união enumerável de arcos,


cada um sendo um exemplo de arco de discontinuidade. Um arco de discontinuidade C,
conforme a figura (xxx), define uma geodésica γC que divide H2 em dois semi-planos, seja
HC1 o semi-plano cujo bordo é C ∪ γC e HC2 o seu complementar. Se G é de 2a -espécie,
S ∞ é a união enumerável de arcos Ci sobre os quais a ação de G é discontinua; sejam
γi as respectivas geodésicas definidas pelas extremidades de Ci , e Hi o semi-plano cujo
bordo é Ci ∪ γi . Como a coleção {γi }i∈N é G-invariante, a coleção {Hi2 }i∈N também é
G-invariante. Devido a possı́vel existência de pontos fixos em S ∞ , a união dos arcos de
discontinuidade é um subconjunto aberto de S ∞ .
Definição 5.35. Sejam G um grupo fuchsiano não elementar de 2a -espécie agindo sobre
H2 e {Ci }i∈N uma coleção de arcos discontinuos associados à G. A região de Nielsen
associada à G é a região
\
NG = Hi2 (5.11)
i

Se G for de 1a -espécie definimos NG = H2

autor: Celso M Doria 194


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

NG é o menor conjunto G-invariante aberto e convexo em H2 . Geometricamente,


NG corresponde ao espaço H2 cortado ao longo das geodésicas γi . Cada uma das compo-
nentes de (H2 − NG )/G é homeomorfa a um cilindro cujo bordo é formado pelas curvas
Ci e γ i .
Há dois tipos de elementos hiperbólicos que, por motivos geométricos, merecem
atenção:

(a) os elementos hiperbólicos simples, definidos em 5.27.

(b) os elementos hiperbólicos de bordo , que são aqueles deixam invariante algum arco
de discontinuidade. Estas isometrias existem apenas quando G é de 2a -espécie.
Neste caso, temos


[
S ∞ − Λ(G) = Ii , Ii ⊂ S ∞ é um arco fechado,
i=1

e a translação de cada Ii sobre S ∞ define um elemento hiperbólico de bordo.

Proposição 5.36. Seja G um grupo fuchsiano finitamente gerado. Então,

1. existe um número finito de classes de conjugação de subgrupos ciclı́cos gerados por


elementos hiperbólicos de bordo.

2. podem existir infinitas classes de conjugação geradas por elementos hiperbólicos


simples.

Demonstração. .

1. G sendo finitamente gerado implica que o (pfc) P possui um número finito de lados
livres s1 , . . . , sn , onde cada lado si pertence a um intervalo de discontinuidade Ci .
Seja hi o elemento hiperbólico de bordo que deixa Ci invariante. Agora, considera-
mos h um elemento hiperbólico de bordo que deixa o intervalo de discontinuidade
C invariante. Como C é um arco de dicontinuidade para G, existe g ∈ G tal que
C ∈ g(P). Desta forma, g −1 (C) = Ci , para algum 1 ≤ i ≤ n , e ghi g −1 deixa C
invariante, da onde temos que h = g −1 hi g. Portanto, todo elemento de bordo é
conjugado a um dos hi .

2. Neste item, basta construir um exemplo. Seja G o grupo fuchsiano gerado pelos
elementos hiperbólicos f e g obtidos pela identificações dos lados de um polı́gono
P de 4-lados e vértices v1 , v2 , v3 , v4 ∈ S ∞ , como mostra a figura 10.3.1. Segue
da geometria da ação que f e g são elementos hiperbólicos simples e primitivos.
Agora, consideramos o poligono P1 com vértices v1 , v3 , v4 , v5 , onde v5 = f (v1 ),
e observamos que pelo teorema de Poincaré ele também é um (pfc) para G. As
identificações dos lados de P1 são f e f g, ambos elementos hiperbólicos, simples

autor: Celso M Doria 195


5.8. GRUPOS DISCRETOS DE ISOM (H2 ) Celso M Doria

e primitivos. Este processo gera a sequência {f n g}, onde todos são hiperbólicos,
simples e primitivos. Além disto, após normalizarmos f na forma
   
k 0 a b
f= , g= ,
0 1/k c d

temos tr(f n g) = k n a + kdn . Portanto, a sequência tem uma infinidade de elementos


hiperbólicos, simples e primitivos que não são conjugados.

O significado geométrico da proposição acima, quando G é finitamente gerado, é que


H2 /G tem um número finito de fins e existem infinitas geodésicas fechadas mutuamente
não homotópicas.

5.8.7 Grupos de Schottky


0 0
Sejam C1 , C1 , . . . Cn , Cn uma coleção de geodésicas circulares em H2 limitando uma
0
região R ∈ H2 . Assuma que a cada par de geodésicas {Ck , Ck } existe uma isometria
0
fk ∈ Isom(H2 ) tal que fk (Ck ) = Ck e fk (R) ∩ R = ∅.

Definição 5.36. O grupo G =< f1 , . . . , fn > obtido a partir da famı́lia de geodésicas


circulares descrita acima é um Grupo de Schottky se, para cada k = 1, . . . , n, a isometria
0
fk leva o exterior de Ck sobre o interior de Ck .

Exemplo 5.7. Seja n o número de geradores de G e k o número de classes de conjugação


definidas por elementos hiperbólicos de bordo em G. Todos os exemplos a seguir são de
grupos de 2a -espécie.
0
1. {C1 , C1 } e G =< f1 >,
0
onde C1 = {z ∈ H2 ; | z − 1 |= 1}, C1 = {z ∈ H2 ; | z − 5 |= 3} e f1 (z) = 5z−8
z−1 .
2
Neste caso, f1 é hiperbólico e H /G é um cone com vértice em z = 2, conforme a
figura (xxx).
0
2. {C1 , C1 } e G =< f1 >,
0
onde C1 = {z ∈ H2 ; | z − 1 |= 1}, C1 = {z ∈ H2 ; | z − 3 |= 1} e f1 (z) = 3z−4
z−1 .
2
Neste caso, f1 é parabólico e H /G é um cone com vértice em z = 2, conforme a
figura (xxx).
0
3. {C1 , C1 } e G =< f1 >,
0 5z−6
onde C1 = {z ∈ H2 ; | z − 1 |= 1}, C1 = {z ∈ H2 ; | z − 5 |= 1} e f1 (z) = z−1 .
Neste caso, f1 é hiperbólico e H2 /G é um cilindro, conforme a figura (xxx).
0 0
4. {C1 , C1 , C2 , C2 } e G =< f1 , f2 >, onde os cı́rculos encontram-se desenhados na
figura (xxx). O espaço quociente H2 /G é um toro menos um ponto no infinito.

autor: Celso M Doria 196


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

0 0
5. {C1 , C1 , C2 , C2 } e G =< f1 , f2 >, onde os cı́rculos encontram-se desenhados na
figura (xxx). O espaço quociente H2 /G é homeomorfo à uma calça.
0 0
6. {C1 , C1 , C2 , C2 } e G =< f1 , f2 >, onde os cı́rculos encontram-se desenhados na
figura (xxx). O espaço quociente H2 /G é homeomorfo à um toro menos um disco.
0 0
7. {C1 , C1 , . . . , Cn , Cn } e G =< f1 , . . . , fn >.
Suponha que Σkg = H2 /G é uma superfı́cie de genus g e cujo bordo tem k compo-
nentes, k > 0. A superfı́cie dobro de Σkg é a superfı́cie

Σn = Σkg ∪id Σkg , (5.12)

obtida ao identificarmos as componentes do bordo pela aplicação identidade id :


∂Σkg → ∂Σkg . O genus de Σn é n, enquanto o genus de Σkg ∪id Σkg é 2g + k − 1.
Consequentemente,

1
g= (n − k + 1) , n ≥ 1, k ≥ 1. (5.13)
2

Exercı́cio 5.19. .

1. Considere 1 ≤ n ≤ 6 e 1 ≤ k ≤ 6 e construa uma tabela para o genus. Desenhe


cada uma das superfı́cies obtidas a partir da tabela.

2. Prove que o genus de Σn em 5.12 é n. (dica: construa Σn identificando os lados


do (pfc) de G)

5.8.8 Superfı́cies de genus g ≥ 2


Pelo fato dos grupos Fuchsianos finitamente gerados serem de maior interesse para a
teoria das superfı́cies compactas, observamos que G G é finitamente gerado se, e somente
se, todo polı́gono fundamental convexo de G tem um número finito de lados.
A seguir, definiremos a configuração de um grupo Fuchsiano. Para isto, considere
r o número de classes de conjugação de subgrupos elı́pticos, p o número de classes de
conjugação de subgrupos parabólicos e h o número de classes de conjugação de subgrupos
gerados por elementos hiperbólicos de bordo. Também considere que:

n = #G∗ , G∗ é o conjunto de geradores de G (5.14)


1
g = [n − (h + p) + 1] , (5.15)
2

autor: Celso M Doria 197


5.8. GRUPOS DISCRETOS DE ISOM (H2 ) Celso M Doria

Definição 5.37. A configuração de um grupo Fuchsiano G, finitamente gerado, é

(g : m1 , . . . , mr : p : h),

onde cada parâmetro é não-negativo e mj ≥ 2.

Devido ao teorema da classificação das superfı́cies ??, se a configuração de um grupo


fuchsiano G for (g : m1 , . . . , mr : p : h), então ele tem uma apresentação

0
g
Y h
Y p
Y
G = < a1 , b1 , . . . , ag , bg , c1 , . . . , ch0 , d1 , . . . , dp , e1 , . . . , er : [ai , bi ] cj dl = 1,
i=1 j=1 l=1
(5.16)
em
1
1
= ··· = em
r
r
=1>. (5.17)

Teorema 5.12. Para uma dada configuração (g : m1 , . . . , mr : p : h) existe um grupo


Fuchsiano finitamente gerado se, e somente se,
r  
X 1
2g − 2 + p + h + 1− >0 (5.18)
mj
j=1

Demonstração. .

1. (⇐)
Vamos começar construindo um polı́gono fundamental convexo em H2P e provar
que a condição (V) em 5.8.5 é satisfeita. Sejam d > 0 e Cd a circunferência com
centro na origem e raio d. Marcamos sobre Cd 4g + r + p + h vértices eqüidistantes,
conforme mostra a figura (xxx); assim, os vértices são

z1 , . . . , z4g , z4g+1 , . . . , z4g+r , z4g+r+1 , . . . , z4g+r+p , z4g+r+p+1 , . . . , z4g+r+p+h .

Se 1 ≤ i ≤ 4g, a cada par de vértices adjacentes zi , zi+1 construı́mos o segmento


geodésico zi zi+1 . Se 4g + 1 < j ≤ 4g + r + 1, marcamos os pontos wje eqüidistante
dos vértices zj , zj+1 e de tal forma que o ângulo formado pelos segmentos zj wje e
wje zj+1 mede 2π/mj . O mesmo é feito para obtermos o ponto wre , onde o ângulo
formado pelos segmentos z4g+r wre e wre z4g+r+1 mede 2π/mr . Analogamente, se
4g+r+1 < j ≤ 4g+r+p+1, marcamos os pontos wjp ∈ S ∞ de maneira eqüidistante
dos vértices e de tal forma que o ângulo formado pelos segmentos zj wp j e wp j zj+1
seja 0. Se 4g + r + p + 1 < j ≤ 4g + r + p + h + 1 (z4g+r+p+h+1 = z1 ), marcamos

autor: Celso M Doria 198


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

h , w h sobre S ∞ de maneira que os segmentos z w h e z


os pontos wj1 h
j2 j j1 j+1 , wj2 sejam
\
congruentes e os ângulos Oz \
wh e Oz wh , indicados na figura xxx, meçam
i j1 i j2

1+d
θ1 = θ.
1 + 2d

Seja Pd a região convexa de H2P limitada pelo polı́gono hiperbólico cujos vértices
são os pontos

z1 , . . . , z4g+1 , w1e , z4g+2 , w2e , . . . , z4g+r , wre , (5.19)


z4g+r+1 , w1p , z4g+r+2 , . . . , z4g+r+p , wpp , (5.20)
h h h h
z4g+r+p+1 , w11 , w12 , z4g+r+p+2 . . . , z4g+r+p+h , wh1 , wh2 . (5.21)

Consideramos S o conjunto dos lados de ∂Pd e GS o conjunto das isometrias que


realizam as identificações dos lados, definidas assim;

(a) as identificações dos 4g lados z1 z2 , . . . , z4g−1 z4g , z4g z4g+1 ;

h1 (z1 z2 ) = z3 z4 , h2 (z2 z3 ) = z4 z5 , h3 (z5 z6 ) = z7 z8 , h4 (z6 z7 ) = z8 z9


.. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. ..
. . . . . . . . . . . . . . . . . .
h2g−3 (z4g−7 z4g−6 ) = z4g−5 z4g−4 , h2g−2 (z4g−6 z4g−5 ) = z4g−4 z4g−3 ,
h2g−1 (z4g−3 z4g−2 ) = z4g−1 z4g , h2g (z4g−2 z4g−1 ) = z4g z4g+1 .

(b) as transformações elı́pticas ei com centro em wie e ângulo de rotação 2π/mi ;

e1 (z4g+1 w1 ) = w1e z4g+2 , ... e ) = we z


, er−1 (z4g+r−1 wr−1 r−1 4g+r ,
er (z4g+r wre ) = wre z4g+r+1 ,

(c) as transformações parabólicas pi , com centro em wip ∈ S ∞ ;

p1 (z4g+r+1 w1p ) = w1p z4g+2 , ... p


, pp−1 (z4g+r+p−1 wp−1 p
) = wp−1 z4g+r+p ,
pr (z4g+r+p wpp ) = wpp z4g+r+p+1 ,

(d) as transformações hiperbólicas bi (elementos hiperbólicos de bordo), que le-


vam o segmento geodésico zi wi1 h sobre z h
i+1 wi2 e o interior do cı́rculo definido
h sobre o exterior do cı́rculo definido por z h
por zi wi1 i+1 wi2 , onde 4g +r +p+1 ≤
i ≤ 4g + r + h + 1 e z4g+r+p+h+1 = z1 ;

autor: Celso M Doria 199


5.8. GRUPOS DISCRETOS DE ISOM (H2 ) Celso M Doria

Desta forma,

GS = {hi , h−1 −1 −1 −1
i , ej , ej , pk , pk , bl , bl , | 1 ≤ i ≤ g, 1 ≤ j ≤ r, 1 ≤ k ≤ p, 1 ≤ l ≤ h},
(5.22)

Agora, precisamos verificar a condição (V ) em 5.8.5 para cada um dos ciclos. Os


ciclos sobre ∂Pd são os seguintes:

(a) C1 = {z1 , . . . , z4g , . . . , z4g+r+p+h }, é um ciclo acidental;


(b) C2 = {w1e }, . . . , Cr+1 = {wre }, são ciclos formados pelos vértices dos elementos
elı́pticos;
(c) Cr+2 = {w1p }, . . . , Cr+p+1 = {wrp }, são ciclos formados pelos vértices dos
elementos parabólicos;
(d) Cr+p+2 = {w11h , w h }, . . . , C h h
12 r+p+h, = {wh1 , wh2 }, são ciclos formados pelas
extremidades dos lados livres de P.

De acordo com a hipótese do Teorema de Poincaré;

(a) a soma dos ângulos internos do ciclo acidental C1 tem que ser 2π,
(b) para cada ciclo elı́ptico Ci a soma deve ser 2π/mi ,
(c) para cada ciclo parabólico deve a soma deve ser 0,
(d) para cada ciclo hiperbólico de bordo a soma deve ser π.

É suficiente verificarmos a condição (V ) apenas para o ciclo C1 , uma vez que os


outros ciclos a satisfazem trivialmente. Ao ligarmos, por uma geodésica, a origem
a cada um dos vértices em 5.19 obtemos uma partição do polı́gono hiperbólico P̄
da seguinte maneira, como mostra a figura (xxx);

(a) 4g triângulos 4i = 4Ozi zi+1 com vértices O, zi e zi+1 , 1 ≤ i ≤ 4g + 1. Os


ângulos internos zi\
Ozi+1 , Oz
\i zi+1 e Ozi+1 zi medem θ, α e α, respectivamente.
\
Com a exceção de θ, que é fixo por construção, a medida de cada um dos
outros ângulos varia continuamente com d. Em cada um dos triângulos 4i ,
ao considerarmos o triângulo obtido traçando a altura relativa a base, temos
a relação

cosh(d) = cotg(θ/2)cotg(α), (5.23)

Portanto, quando d = 0 temos tg(α) = cotg(θ/2) e α = π/2 − θ/2, enquanto


limd→∞ α = 0.
(b) r quadriláteros ej = Oz4g+j wje z4g+j+1 com vértices O, z4g+j , wje e z4g+j+1 ,
1 ≤ j ≤ r. Os ângulos internos z4g+j\ Oz4g+j+1 , Oz\ e wje z4g+j+1 e
4g+j wj , z4g+j\
we z\
j 4g+j+1 O medem θ, βj , 2π/mj e βj , respectivamente. Os ângulos βj variam

autor: Celso M Doria 200


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

continuamente com d. Ao ligarmos a origem à wje obtemos um triângulo onde


vale a relação

cos(θ/2)cos(βj ) + cos(π/mj )
cosh(d) = . (5.24)
sen(θ/2)sen(βj )

Assim, quando d = 0 temos cos(θ/2 + βj ) = cos(π − π/mj ) e

lim βj = π − π/mj − θ/2, lim βj = 0


d→0 d→∞

(c) p quadriláteros pj = Oz4g+r+j wjp z4g+r+j+1 , 1 ≤ j ≤ p, com vértices O,


z4g+r+j , wp e z4g+r+j+1 . Os ângulos internos z4g+r+j\
j
\ wp ,
Oz4g+r+j+1 , Oz4g+r+j j
z4g+r+j\wjp z4g+r+j+1 e wjp z4g+r+j+1
\ O medem θ, γj , 0 e γj , respectivamente.
No triângulo construı́do ao ligarmos a origem à wjp vale a relação

cos(θ/2)cos(γj ) + 1
cosh(d) = . (5.25)
sen(θ/2)sen(γj )

Assim, quando d = 0 temos cos(θ/2 + γj ) = 1 e

lim γj = π − θ/2, lim γj = 0.


d→0 d→∞

(d) h quadriláteros h j = Oz4g+r+p+j wjh z4g+r+p+j+1 , 0 ≤ j ≤ h, onde z4g+r+p+h+1 =


z1 . Os vértices O, z4g+j , we e z4g+j+1 . Os ângulos internos z4g+j\
j Oz4g+j+1 ,
Oz\ e wje z4g+j+1 e wje z\
4g+j wj , z4g+j\ 4g+j+1 O medem θ, δj , 0 e δj , respectiva-
mente. Analogamente, no triângulo cosntruı́do ao ligarmos a origem à w1j h ,

vale a relação

cos(θ1 )cos(δj ) + 1
cosh(d) = . (5.26)
sen(θ1 )sen(δj )

Tendo em vista que θ1 = θ se d = 0 e limd→∞ θ1 = θ/2, temos

lim δj = π − θ/2, lim δj = 0.


d→0 d→∞

Portanto, o ângulo θ(C1 )(d) do ciclo C1 mede

θ(C1 )(d) = 8gα + 2(β1 + · · · + βr ) + 2(γ1 + · · · + γp ) + 2(δ1 + · · · + δh ).

Vejamos que existe um valor d0 para o qual θ(C1 )(d0 ) = 2π. Para isto, considera-
mos as seguintes situações;

autor: Celso M Doria 201


5.8. GRUPOS DISCRETOS DE ISOM (H2 ) Celso M Doria

(a) d = 0.
Neste caso,

r r  
X 1 θr X 1 θr
β1 + · · · + βr = πr − π − =π 1− − ,
mj 2 mj 2
j=1 j=1
 
θ
γ1 + · · · + γp = π − p,
2
 
θ
δ1 + · · · + δh = π − h.
2


Levando em conta que θ = 4g+r+p+h , então

 
r  
X 1 
θ(C1 )(0) = 2π 2g + p + h + 1− − (4g + r + h + p)θ =
mj
j=1
 
r  
X 1 
= 2π 2g − 2 + p + h + 1− + 2π.
mj
j=1

Consequentemente, segue da hipótese que θ(C1 )(0) > 2π.


(b) d = ∞.
Pelo que vimos, neste caso é imediato que

lim θ(C1 )(d) = 0.


d→∞

Como θ(C1 )(d) é continua na variável d, concluı́mos que existe um valor d0 ∈


[0, ∞] para o qual θ(C1 )(d0 ) = 2π. Portanto, pelo teorema de Poincaré aplicado
ao polı́gono Pd0 , construı́do sobre a circunferência Cd0 , o grupo G gerado pelo
conjunto das transformações GS é um grupo Fuchsiano. Além disto, Pd0 é o
polı́gono fundamental convexo para G.

2. (⇒)
Vamos calcular a área do polı́gono Pd0 . Para isto, observamos que existem 4g +
2r + 2p + 3h lados e a soma dos ângulos internos é

r r r
X 2π X X 2π
+ βi + πh = + 2π + πh.
mi mi
i=1 i=1 i=1

Segue da fórmula 5.7 que

autor: Celso M Doria 202


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

r
X 2π
A = [4g + 2r + 2p + 3h − 2]π − [ + 2π + πh] =
mi
i=1
r  
X 2π
= 2π[2g − 2 + p + h + 1− ].
mi
i=1

Consequentemente,

r  
X 2π
2g − 2 + p + h + 1− >0
mi
i=1

Observação. O teorema acima responde única e exclusivamente a questão sobre a


existência de um grupo fuchsiano com determinada configuração, ele não responde
questões sobre a relação entre os grupos cujos espaços quocientes sejam homeomor-
fos entre si. De fato, como mostra o exemplo abaixo, os espaços quocientes podem
ser homeomorfos e, por isto, os grupos são homeomorfos, porém não são conjugados
como subgrupos de Isom(H2 ). Para melhor compreender esta questão, recomendamos
a leitura do capı́tulo I em [16].
0 0
Exemplo 5.8. {C1 , C1 , C2 , C2 } e G =< f1 , f2 >, onde os cı́rculos encontram-se de-
senhados na figura (xxx). O espaço quociente H2 /G é homeomorfo à uma calça. O
isomorfismo entre os grupos pode ser entendido através da figura (xxx)

Exercı́cio 5.20. Seja G um grupo fuchsiano finitamente gerado de 1a -espécie e seja P


um (pfc) para G. Suponha que P tem N pares de lados distintos identificados;

1. Se a configuração de G é (g : m1 , . . . , mn ), 1 ≤ mr ≤ ∞, mostre que N ≤


12g + 4n − 6.

2. Se a configuração de G é (g : 0), mostre que N ≥ 4g e dê um exemplo onde o limite


inferiror é atingido.

3. Se a configuração de G é (g : m1 , . . . , mn ), n > 0, mostre que N ≥ 4g + 2n − 2


e dê um exemplo onde o limite inferior é atingido. (dica: considere que P tem
parabólicos e a ciclos acidentais. Se cada ciclo Ci tem | Ci |
n ciclos elipticos ou P
vértices então N = n+a
i=1 | Cj |; além disto, 0 ≤ a ≤
N −n
3 . Agora, use a fórmula
da Caracteristica de Euler)
homeo
4. Sejam G1 , G2 subgrupos finitamente gerados de Isom(H2 ). Se H2 /G1 ∼ H2 /G2 ,
iso
mostre que G1 ∼ G2 . (dica: demonstre o teorema de classificação das superfı́cies
compactas e mostre que a fórmula 5.16 é verdadeira)

autor: Celso M Doria 203


5.8. GRUPOS DISCRETOS DE ISOM (H2 ) Celso M Doria

5.8.9 Grupos Triangulares


Seja 4(α, β, γ) um triângulo hiperbólico com vértices A, B e C, e ângulos internos
medindo α, β e γ, repectivamente. A fórmula da área de um triângulo hiperbólico
4(α, β, γ), obtida em 5.36, é

A(4) = π − (α + β + γ).

As reflexões r1 , r2 e r3 sobre os lados do triângulo geram o grupo G(α,


e β, γ) =<
r1 , r2 , r3 > . Embora as transformações pertencentes à G(α, β, γ) sejam isometrias de
e
H2 , vamos nos restringir ao subgrupo G(α, β, γ) =< rα rβ , rβ rγ , rγ rα >, de ordem 2 em
G(α,
e β, γ), porque seus elementos preservam a orientação (são conformes) e, por isto,
ele é um subgrupo de P Sl(2, R). Desta forma, os geradores de G(α, β, γ) são elementos
elı́pticos ou parabólicos, tendo como centro os vértices de 4(α, β, γ), pois

r2 r3 (A) = A, r3 r1 (B) = B r1 r2 (C) = C.

Devido as relações elementares

(ri rj )−1 = rj ri , r2 r3 = (r1 r2 )−1 (r1 r3 )−1 ,

segue que G(α, β, γ) =< r1 r2 , r1 r3 >.


De acordo com ??, para que G(α, β, γ) seja um grupo discreto é necessário que
existam p, q, r ∈ N tais que
π π π
α= , β= , γ= .
p q r

Porém, a fórmula da área impõem a condição


 
1 1 1
1− + + > 0, (5.27)
p q r

aos valores assumidos por p, q e r. No que segue, sejam


π π π π π π
G(p, q, r) = G( , , ), 4(p, q, r) = 4( , , ) (5.28)
p q r p q r

Ao assumirmos que p ≤ q ≤ r, a primeira 3-upla possı́vel é (2, 3, 7). O Teorema


de Poincaré implica que G(p, q, r) é um grupo discreto e P = 4(p, q, r) ∪ r1 4(p, q, r) é
um (pfc) para G(p, q, r). Portanto, o (pfc) de G(p, q, r) é um quadrilátero cujos vértices
formam 3 ciclos distintos, digamos Cp , Cq e Cr , sendo que um deles contém 2 vértices.

Definição 5.38. Um grupo triangular hiperbólico é um do grupo do tipo G(p, q, r),


onde p ≤ q ≤ r pertencem à ∈ N e 2 ≤ p ≤ ∞, 3 ≤ q ≤ ∞ e 7 ≤ r ≤ ∞.

autor: Celso M Doria 204


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

Ao contrário do que ocorre nas Geometrias Euclideanas e Esféricas, na Geometria Hi-


perbólica a fórmula da área permite a existência de infinitos triângulos do tipo 4(p, q, r),
p, q, r ∈ N. Devido ao fato que a primeira 3-upla possı́vel é (2, 3, 7), segue que 4(2, 3, 7) é
o triângulo com a menor área possı́vel. Como todo polı́gono hiperbólico com um número
finito de lados que não sejam livres pode ser subdividido em triângulos hiperbólicos,
segue que todo subgrupo discreto de Isom(H2 ), de 1a -espécie, não-elementar é subgrupo
de um grupo triangular. Assim, a área de um polı́gono fundamental associado a um
grupo Fuchsiano é sempre maior ou igual ao dobro da área de um triângulo hiperbólico
do tipo 4(p, q, r), ou seja, 4(p, q, r) ∪ r(4(p, q, r)) ⊆ P, onde r é a reflexão sobre um
dos lados de 4(p, q, r). Assim sendo, temos o seguinte resultado;

Proposição 5.37. Para todo grupo Fuchsiano não-elementar G de 1a -espécie, com


polı́gono fundamental P, segue que
π
A(P) ≥ .
21
A igualdade é precisamente quando P tem a configuração (0 : 2, 3, 7; 0; 0).

Exemplo 5.9. .

1. G(2, 3, 7) (figura).

2. G(2, 3, 8) (figura).

3. Sejam T1 e T2 os dois triângulos ilustrados na figura 10.6.1. Assim, os ângulos


internos de T1 são π/2, π/3 e 0, enquanto em T2 temos ângulos internos 2π/3, 0,
e 0. Com isto, é claro que T1 = 4(π/2, π/3, ∞). Ao considerarmos as seguintes
reflexões;

r1 : sobre a reta x = 1/2, r1 (z) = −z̄ + 1


r2 : sobre o segmento | z |= 1, r2 (z) = 1/z̄
η : sobre o segmento x = 0, η(z) = −z̄,
τ : sobre o segmento x = 1, τ (z) = −z̄ + 2;

os grupos triangulares associados à T1 e T2 são

G1 =< r1 , r2 , η > e G2 =< r1 , r2 , τ >, respectivamente.

Decorre da igualdade ηr1 (z) = r1 τ (z) = z − 1 que η ∈ G2 e τ ∈ G1 . Consequente-


mente, G1 = G2 . Porém, a relação entre as áreas

A(T2 ) = 2.A(T1 ),

autor: Celso M Doria 205


5.8. GRUPOS DISCRETOS DE ISOM (H2 ) Celso M Doria

revela que T2 não é o polı́gono fundamental para G1 . Portanto, G2 é um grupo


triangular do tipo G(π/2, π/3, 0).

Os grupos triangulares são muito simples de serem descritos e muito simples de serem
caracterizados;

Proposição 5.38. G é um grupo triangular G(p, q, r) se, e somente se, G é de 1a -espécie


e tem configuração (0 : p, q, r).

Demonstração. .
(⇒)
Suponha que G = G(p, q, r). A região 4(p, q, r) ∪ r(4(p, q, r)) ⊆ P, onde r é a
reflexão de sobre um dos lados de 4(p, q, r), é um (pfc) de G e , pelo teorema de
Poincaré, G é um grupo fuchsiano. Obviamente, G é de 1a -espécie. As isometrias
g = r1 r2 e h = r1 r3 geram G e satisfazem as relações

g r = hq = (h−1 g)p = I.

Portanto, < g >, < h > e < h−1 g > representam classes de conjugação elı́pticas
ou parabólicas. O genus de H2 /G, igual ao genus de P/G, é g = 0, pois

2 − 2g = 3 − 2 + 1 ⇒ g = 0.

2.
1. (⇐)
Suponha que G é um grupo discreto com configuração (0 : p, q, r). Vamos assumir
que P é um (pfc) para G com os ciclos Cp , Cq , Cr , correspondendo as classes
de conjugação elı́piticas ou parabólicas, e C1a , . . . , Cka correspondendo aos ciclos
acidentais. O fato de G ser de 1a -espécie implica na inexistência de lados livres. A
área de P é
  
1 1 1
A(P) = 2π 1 − + + . (5.29)
p q r

Seja | C | o número de vértices pertencentes ao ciclo C; lembramos que | Cia |≥ 3,


1 ≤ i ≤ k. Fixando um w ∈ P e ligando-o à cada um dos vértices de P, decorre
da fórmula da área

k
!  
X 1 1 1
A(P) = π | Cp | + | Cq | + | Cr | + | Cia | −2 − [2πk + 2π + + ].
p q r
i=1
(5.30)

autor: Celso M Doria 206


CAPÍTULO 5. GEOMETRIA HIPERBÓLICA Celso M Doria

Igualando as expressões 5.29 e 5.30 obtemos

k
X
(| Cp | −1) + (| Cq | −1) + (| Cr | −1) + (| Cia | −2) = 1,
j=1

onde cada um dos termos é um inteiro não-negativo. As únicas possibilidades são


as seguintes:

(a) | Cp |= 1, | Cq |= 1, | Cr |= 2 e | Cia |= 0, para todo 1 ≤ i ≤ k.


(b) | Cp |=| Cq |=| Cr |= 1 e | C1a |= 3.

No caso (a), representado na figura 10.6.3, temos 4 vértices e, por isto, o polı́gono
é um quadrilátero. No caso (b), representado na figura 10.6.4, o poligono é um
hexágono com 3 vértices formando um ciclo acidental e 3 vértices correspondendo,
cada um deles, à um ciclo elı́ptico. O hexágono pode ser tranformado num qua-
drilátero fundamental do grupo G.

Exercı́cio 5.21. .

1. Mostre que se G < isom(H2 ) é um subgrupo discreto que contém um grupo trian-
gular G(p, q, r) como subgrupo, então G é um subgrupo triangular.

2. Mostre que todo subgrupo de 1a -espécie é um subgrupo de um grupo triangular


hiperbólico.

autor: Celso M Doria 207


5.8. GRUPOS DISCRETOS DE ISOM (H2 ) Celso M Doria

autor: Celso M Doria 208


Capı́tulo 6

Geometria Intrı́nseca

6.1 Superfı́cies Riemannianas


Para os propósitos do teorema ?? é fundamental o conceito de superfı́cie diferenciável.
Há dois conceitos básicos: o de superfı́cie como espaço topológico e o de superfı́cie
diferenciável. Para os nossos objetivos é necessário o conceito de superfı́cie diferenciável.
O âmago do conceito de superfı́cies diferenciáveis encontra-se no Teorema da Função
Inversa descrito no Apêndice A. O escopo mais geral do assunto encontra-se em qualquer
referência sobre Variedades Diferenciáveis. Tais espaços são naturais no contexto de
geometria.

Definição 6.1. Uma superfı́cie é um espaço de Hausdorff localmente homeomorfo ao


R2 , ou seja, cada ponto tem uma vizinhança aberta homeomorfa a uma bola aberta de
R2 . Uma superfı́cie também é denominada de uma 2-variedades (variedade de dimensão
2).

Decorre que toda superfı́cie S é um espaço paracompacto, o que significa que, para
qualquer conjunto indexador Λ, dada uma cobertura qualquer {Uα | α ∈ Λ} existe uma
subcobertura {Vβ | β ∈ Λ} de tal forma que: (i) Vβ ⊂ Uα , para algum α ∈ Λ, (ii) todo
ponto de S tem uma vizinhança que intersecta um número finito de conjuntos Vβ . Como
referência para espaços paracompactos citamos [17].
Para irmos além da geometria euclidena, ou melhor, para estudarmos geometria num
contexto mais geral, precisamos do conceito de plano tangente para podermos introdu-
zirmos o conceito de métrica sobre uma superfı́cie. Isto nos restringe a categoria das
superfı́cies diferenciáveis, ou seja, superfı́cies munidas com uma estrutura diferenciável.

Definição 6.2. Sejam X uma superfı́cie e Λ um conjunto de ı́ndices. Uma estrutura


diferencial sobre X, ou atlas , é um conjunto

AX = {(Uα , φα ) | α ∈ Λ},

cujos elementos satisfazem as seguintes condições:

209
´
6.1. SUPERFICIES RIEMANNIANAS Celso M Doria

1. Para todo α ∈ Λ, Uα ⊂ X é aberto.

2. X = ∪α∈Λ Uα (os abertos Uα formam uma cobertura de X).

3. φα : Uα → R2 é um homeomorfismo entre Uα e φα (Uα ), denominado carta local de


X.

4. Para cada par (α, β) ∈ Λ × Λ, a aplicação que realiza a mudança de carta

φβα : φα (Uα ∩ Uβ ) → φβ (Uα ∩ Uβ ), φβα = φβ ◦ φ−1


α

é um difeomorfismo entre abertos de R2 . As aplicações φβα , (α, β) ∈ Λ×Λ, também


são denominadas aplicações de transição figura (xxx).

Para darmos exemplos de superfı́cies podemos aplicar o teorema 7.7 demonstrado no


Apêndice A. O teorema a seguir, demonstrado em ??, afirma que muitos dos exemplos
que constru mos nos capı́tulos anteriores são superfı́cies diferenciáveis;

Teorema 6.1. Seja G < Isom(E2 ) um grupo discreto agindo livremente sobre E2 , então
E2 /G é uma superfı́cie. Analogamente, assumindo G discreto e a ação livre, se G <
Isom(S2 ) ou G < Isom(H2 ), segue que S2 /G e H2 /G são superfı́cies (teorema ??).

Exemplo 6.1. .

1. Considere a função f : R3 → R definida por f (x, y, z) = x2 + y 2 + z 2 . Para todo


p = (x, y, z) ∈ R3 o gradiente de f é grad(f )(p) = 2(x, y, z). Portanto, R 6= 0 é
um valor regular de f e SR 2 = f −1 (R) é uma superfı́cie.

2. Seja f : R3 → R dada por f (x, y, z) = x2 +y 2 −z 2 . Assim, c 6= 0 é um valor regular


de f e M2c = f −1 (c) é uma superfı́cie. A superfı́cie f −1 (c) tem duas componentes
conexas para todo c < 0 e uma única componente conexa se c > 0.
p
3. Seja f : R3 → R a aplicação f (x, y, z) = z 2 + ( x2 + y 2 − a2 ). Se a > b, então b é
um valor regular de f . Observamos que f −1 (b) é um toro.

4. Decorre do teorema ?? que

S 1 × R, M2 , T 2, K2 , RP 2 , Σg (g ≥ 2).

são superfı́cies diferenciáveis

5. Soma Conexa.
Sejam X e Y superfı́cies e B1 = {(x, y) ∈ R2 | x2 + y 2 < 1} a bola aberta de raio
1. Considere VX e VY abertos contidos em X e Y , respectivamente, homeomorfos
a B1 . Seja φ : ∂(X − VX ) → ∂(Y − VY ) um homeomorfismo. A soma conexa de X
com Y , definida por

autor: Celso M Doria 210


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

X#Y = (X − VX ) ∪ (Y − VY ) ,
φ

é uma superfı́cie topológica, mas admite uma estrutura diferenciável.

6. Superfı́cies com bordo.


Um exemplo simples é S 1 × [0, 1]. No item anterior, a superfı́cie X − VX é uma
superfı́cie com bordo homeomorfo à S 1 . Superfı́cies com bordo são superfı́cies cujo
atlas admite cartas locais (Uα , φα ) onde Uα é um aberto de R2+ = {(x, y) ∈ R2 |
y ≥ 0}.

Na introdução definimos uma superfı́cie fechada como sendo uma superfı́cie compacta
sem bordo. O teorema de classificação ??, pode ser extendido para as superfı́cies com
bordo ao considerarmos entre os invariantes que caracterizam as superfı́cies o número
de componentes conexas do bordo.

Definição 6.3. Uma superfı́cie diferenciável é uma superfı́cie munida com um atlas.

Decorre de um teorema demonstrado por T. Radó (ver em [18]) que toda superfı́cie
compacta admite uma estrutura diferenciável. Devido ao resultado de T.Radó, utiliza-
remos o termo superfı́cie ao nos refirir a uma superfı́cie diferenciável.
Sejam (X, AX ) e (Y, AY ) superfı́cies diferenciáveis. Uma função f : X → Y é
diferenciável de classe C r (0 ≤ r ≤ ∞) se, para todo par de cartas locais (Uα , φα ) ∈ AX
e (Vβ , ψβ ) ∈ AY , a aplicação fβα : φα (Uα ) → ψβ (Vβ ), dado por fβα = ψβ ◦ f ◦ φ−1
α , é de
r
classe C . figura (xxx)

Definição 6.4. .

1. C ∞ (X) é o conjunto das funções diferenciáveis sobre X. Uma vez que para quais-
quer f, g ∈ C ∞ (X) e a, b ∈ R temos (af + bg)(x) = af (x) + bg(x) ∈ C ∞ (X), segue
que C ∞ (X) é um espaço vetorial real.

2. Dif eo(X) = {f : X → X | f e f −1 são C ∞ } é o grupo dos difeomorfismo de X .

Para definirmos o plano tangente num ponto p ∈ X, primeiramente fixamos uma


carta (Uα , φα ) ∈ AX . O plano tangente induzido pela carta num ponto p ∈ Uα é
definido como

Tpα X = Tφα (p) R2 .

Observamos que para cada α ∈ Λ há um plano tangente. Isto é contornado tomando
classes de equivalência. Consideremos a seguinte relação de equivalência entre espaços
vetoriais em R2 : suponha que p ∈ X e que (Uα , φα ), (Uβ , φβ ) ∈ AX são cartas locais tais
que;

p ∈ Uα ∩ Uβ e q = φα (p), q , = φβ (p).

autor: Celso M Doria 211


´
6.1. SUPERFICIES RIEMANNIANAS Celso M Doria

Então, Tq R2 ∼ Tq, R2 . Assim, seja

Tp X = [Tφα (p) R2 ], α ∈ Λ.

Uma métrica sobre X é uma aplicação diferenciável que, a cada ponto x ∈ X, associa
uma forma bilinear simétrica

gp : Tp X × Tp X → R

satisfazendo as propriedades de um produto interno em cada ponto p ∈ X. O módulo


de v ∈ Tp X é
q
| v |g = gp (v, v).

As métricas com estas propriedades são denominadas métricas riemannianas. Toda


superfı́cie admite várias métrica riemannianas; a demonstração da existência pode ser
vista em [5]. Ao longo do texto, sempre estaremos trabalhando com métricas riemanni-
anas, o que justifica o esquecimento do termo riemanniana em muitas ocasiões.

Definição 6.5. Uma superfı́cie riemanniana é um par (X, g) onde X é uma superfı́cie
e g é uma métrica riemanniana definida sobre X.

Decorre que sobre as superfı́cies riemannianas podemos introduzir os seguintes conceitos;

Definição 6.6. Sejam (X, g) uma superfı́cie riemanniana e α, β : [0, 1] → X duas curvas
C ∞ sobre X

1. Se p = α(t1 ) = β(t2 ), o ângulo entre α e β no ponto p é

gp (α0 (t1 ), β 0 (t2 ))


 
θ = arcos ,
| α0 (t1 ) |g . | β 0 (t2 ) |g

2. O comprimento da curva α é

Z 1
L(α) = | α0 (t) |p dt.
0

3. A área de uma região Ω ⊂ X é

Z p
A(X) = det(g).

autor: Celso M Doria 212


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

Se (X, g) e (Y, h) são superfı́cies riemannianas (dim(X) = din(Y ) = 2) e f : X → Y


é uma aplicação diferenciável, então h induz a forma bilinear f ∗ h sobre X da seguinte
maneira;

fx∗ h(u, v) = hf (x) (dfx .u, dfx .v).

Quando f é uma aplicação de posto máximo, ou seja, quando posto(dfx ) = dim(Y )


∀x ∈ X, então f ∗ h é uma métrica riemanniana sobre X.

6.1.1 Grupo de Isometria


Definição 6.7. .

1. Seja (X,g) uma superfı́cie munida com uma métrica g. Uma isometria é um difeo-
morfismo f : X → X tal que, para todo x ∈ X e u, v ∈ Tx X,

gf (x) (dfx .u, dfx .v) = gx (u, v) (f ∗ g = g)

2. O Grupo de Isometria de (X, g) é o conjunto

Isom(X, g) = {f : X → X | f ∈ Dif eo(X), f ∗ g = g}

Decorre que toda isometria é um difeomorfismo. Uma isometria entre as superfı́cies


(X, g) e (Y, h) é um difeomorfismo f : X → Y tal que

hf (p) (dfp .u, dfp .v) = gp (u, v), para todos p ∈ R2 , u, v ∈ Tp X. (f ∗ h = g)

As isometrias entre superfı́cies riemannianas preservam o comprimento de uma curva,


o ângulo entre as curvas e a área de uma região. Em termos matriciais, f : (X, g) →
(X, g) é uma isometria se, e somente se, dfpt .g(f (p)).dfp = g(p). Uma determinada
quantidade associada a superfı́cie (X, g) é um invariante geométrico se for invariante por
isometrias em Isom(X, g) . Nos capı́tulos anteriores sobre geometria euclidena, esférica
e hiperbólica existem exemplos de isometrias.

6.1.2 Transformações Conformes


Ao relaxarmos a rigidez imposta a uma isometria e exigirmos que apenas ângulos
sejam preservados temos o conceito de transformação conforme;

Definição 6.8. .

autor: Celso M Doria 213


´Celso M Doria
6.2. FIBRADOS TANGENTE E COTANGENTE DE UMA SUPERFICIE

1. Seja (X,g) uma superfı́cie munida com uma métrica g. Uma transformação f :
(X, g) → (X, g) é conforme se, para todo x ∈ X e u, v ∈ Tx X, existe λ : X → R+
tal que

gf (x) (dfx .u, dfx .v) = λ(x).gx (u, v) (f ∗ g = λ.g)

2. O Grupo Conforme de (X, g) é o conjunto

C(X, g) = {f : X → X | f ∈ Dif eo(X), λ : X → R+ , f ∗ g = λ.g}

Exemplo 6.2.
Considere os vetores e1 = (1, 0), e2 = (0, 1) e u = (1, r). Sejam G1 = {ne1 + me2 |
n, m ∈ Z} e G2 = {ne1 + mu | n, m ∈ Z} os respectivos grupos de translação que
agem livremente sobre E2 . Suponha que o ângulo formado por e1 e u seja θ. Os toros
T12 = E2 /G1 e T22 = E2 /G2 não são conformemente equivalentes, a menos que θ = π/2.

6.2 Fibrados Tangente e Cotangente de uma Superfı́cie


6.2.1 Fibrado Tangente T X
Seja X uma superı́cie e AX = {(Uα , φα | α ∈ Λ} um atlas diferenciável de X.
Definição 6.9. O Fibrado Tangente de X é o espaço
[ [
TX = Tx X = {(x, v) | v ∈ Tx X}
x∈X x∈X

munido com uma projeção π : T X → X tal que;


1. π é sobrejetora e contı́nua. A topologia sobre T X é aquela gerada pelos seguintes
conjuntos:

b ⊂ TX
U é aberto ⇔ b = π −1 (U ),
U U ⊂X é aberto

2. π −1 (x) = Tx X para todo x ∈ X.


Dizemos que
Uma propriedade essencial dos Fibrados Tangentes é a trivialidade local descrita na
proposição a seguir;
Proposição 6.1. O fibrado tangente T X de uma superfı́cie é uma variedade dife-
renciável, de dimensão 4. Além disto, para toda carta (Uα , φα ) ⊂ AX , segue que
dif eo
T Uα ∼ Uα × R2

autor: Celso M Doria 214


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

Demonstração. ver em [17]

Os fibrados tangentes, são exemplos de espaços denominados Fibrados Vetoriais estu-


dados em [17]. Estes espaços são localmente difeomorfos ao produto cartesiano de um
aberto de Rn com um espaço vetorial. No entanto, globalmente eles não são difeomorfos
a um espaço produto. O exemplo mais simples deste fenomeno é o espaço T S2 que, como
veremos a seguir em ??, é homotópico á RP 3 e, consequentemente, não é difeomorfo à
S2 × R2 , pois π1 (RP 3 ) = Z2 e π1 (S2 × R2 ) = 0. A trivialização de um fibrado vetorial
de uma superfı́cie é relacionada com a existência de campos vetoriais que não se anulam
sobre X. Um resultado clássico que primeiro relacionou estes fenomenos foi o teorema do
ı́ndice de Hopf. Antes de apresentar resultados nesta direção, introduziremos o conceito
de campo vetorial;

Definição 6.10. Um campo vetorial diferenciável sobre X é uma aplicação v : X → T X


de classe C ∞ , tal que π ◦ v = idX . O espaço dos campos vetoriais diferenciáveis sobre
X é

Γ (T X) = {v : X → T X | v ∈ C ∞ , π ◦ v = idX }.

O espaço Γ (T X) é um espaço vetorial real, uma vez que para quaisquer v, w ∈ Γ (T X) e


a, b ∈ R, temos (av + bw)(x) = av(x) + bw(x) e 0(x) = 0 é o campo identicamente nulo.
Em R2 , a derivada de uma função f ∈ C ∞ (R2 ) induz, o funcional linear df : Γ (T R2 ) →
C ∞ (R2 ),
X ∂f
(df.u)(x) = dfx .u(x) = ui (x) (x).
∂xi
i

Motivados pela fórmula acima, nós identificamos um campo vetorial u ∈ Γ (T X) com o


operador linear diferenciável de 1a -ordem
i
X ∂
u= ui .
∂xi
Desta forma, um campo vetorial é indentificado com um operador linear diferenciável
de 1a -ordem u : C ∞ (X) → C ∞ (X);
i
X ∂f
u(f ) = ui .
∂xi

Observação. Ao identificarmos um campo vetorial em Γ (T X) com um operador dife-


rencial linear de 1a -ordem, temos que eles satisfazem as seguinte propriedades: sejam
v, w ∈ Γ (T X) e a, b ∈ R;

1. v(af + bg) = av(f ) + bv(g)

2. (regra de Leibniz) u(f.g) = u(f ).g + f.u(g).

autor: Celso M Doria 215


´Celso M Doria
6.2. FIBRADOS TANGENTE E COTANGENTE DE UMA SUPERFICIE

3. (a.v)(f ) = a.v(f )

4. (a.v + b.w)(f ) = a.v(f ) + b.w(f ),


Os dois últimos itens refletem a estrutura de espaço vetorial real sobre Γ (T X).
Observação. Um operador diferenciável é de 1a -ordem se envolve apenas derivadas
parciais de primeira ordem. Caso não apareçam termos com derivadas parciais dizemos
que o operador é de ordem 0.
Definição 6.11. O comutator de campos vetoriais é a aplicação [., .] : Γ (T X)×Γ (T X) →
Γ (T X) dada por

[u, v](f ) = u(v(f )) − v(u(f )), ∀f ∈ C ∞ (X)


Para darmos um significado geométrico ao comutador, vejamos o caso mais simples
quando u e v são a base de um sistema de coordenadas,

∂ ∂
u= , v= .
∂x1 ∂x2
Assim,

   
∂ ∂f ∂ ∂f
[u, v](f ) = − =
∂x2 ∂x1 ∂x1 ∂x2
∂2f ∂2f
= − = 0.
∂x2 ∂x1 ∂x1 ∂x2

i ∂e v = j v j ∂x∂ j ;
P P
Em geral, sejam u = i u ∂xi
 
X  ∂v j ∂ui

∂ 
[u, v](f ) =  ui − vj (f ). (6.1)
∂xi ∂xi ∂xj
i,j

Uma propriedade importante do comutador de campos é a identidade de Jacobi ; para


quaisquer u, v, w ∈ Γ (T X),

[v, [u, w]] + [w, [v, u]] + [u, [w, v]] = 0. (6.2)
Definição 6.12. Sejam U ⊂ X um aberto e e1 , e2 : X → T X campos vetoriais sobre
X. Dizemos que β = {e1 , e2 } é um referencial móvel sobre U , ou simplesmente um
referencial, se, para todo x ∈ U , o conjunto β(x) = {e1 (x), e2 (x)} é uma base de Tx X.
Teorema 6.2. As linhas integrais de um referencial β = {e1 , e2 }, definido sobre um
aberto U , formam um sistema de coordenadas em U se, e somente se, o comutador dos
campos é identicamente nulo em U .
Demonstração. Ver em [25].

autor: Celso M Doria 216


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

Teorema 6.3. (Hopf ) - Uma superfı́cie conexa, compacta e orientável X possui um


campo vetorial que não se anula se, e somente se, a sua caracterı́stica de Euler se anula
(χ(X) = 0).

Demonstração. Ver em [12].

Exemplo 6.3. .

1. X = R2 .
Considere β = {e1 = (1, 0), e2 = (0, 1)} a base canonica de R2 . Devido a estrutura
de espaço vetorial do R2 , temos que β é um referencial globalmente definido sobre
R2 . Desta forma, para todo v ∈ Γ (T R2 ) a aplicação Φ : T R2 → R2 × R2 , definida
no ponto x ∈ X por

Φ(x, v(x)) = (x, v1 (x)e1 + v2 (x)e2 ),

é um difeomorfismo, o qual denominamos de trivialização de T R2 . Portanto,

T R2 = {(x, (a, b)) | x ∈ X; (a, b) ∈ R2 } = R2 × R2 .

A identificação de T R2 com R2 ×R2 é possı́vel devido a existência de um referencial


globalmente definido sobre R2 .

2. X = T 2 .
Considere T 2 = R2 /Z2 . Para obtermos um referencial sobre T 2 é suficiente ob-
termos um referencial β = {e1 , e2 } sobre R2 tal que, para todo g ∈ Z2 , tenhamos
β(g.x) = β(x); ou seja, e1 (g.x) = e1 (x) e e2 (g.x) = e2 (x). Pelo exemplo ante-
rior acima, se tomarmos o referencial constante sobre R2 , segue que ele induz um
referencial sobre T 2 e, consequentemente,

T (T 2 ) = {(x, (a, b)) | a ∈ T 2 , (a, b) ∈ R2 } = T 2 × R2 .

3. Seja AX = {(Uα , φα | α ∈ Λ} um atlas da superfı́cie X. Então, para todo α ∈ Λ,


temos uma trivialização Φα : T Uα → Uα × R2 . Para descrevermos Φα , observamos
que Uα é homeomorfo ao aberto φα (Uα ) ⊂ R2 , sobre o qual temos um referencial
constante β descrito no exemplo 1. Assim, seja βα = β o referencial local induzido
sobre Uα . Analogamente à aplicação Φ no exemplo 1, a aplicação Φα : T Uα →
Uα × R2 define uma trivialização local (sobre Uα ) para T X.

4. Decorre do teorema de Hopf em 6.3 que, sobre uma superfı́cie orientável Σg com
genus g não existem referenciais globalmente definidos, uma vez que qualquer refe-
rencial definido sobre Σg não será uma base de Tx Σg para todo x ∈ Σg . Portanto,
T Σg 6= Σg × R2 .

autor: Celso M Doria 217


´Celso M Doria
6.2. FIBRADOS TANGENTE E COTANGENTE DE UMA SUPERFICIE

h
5. T (S2 ) ∼ RP 3 (h=homotópico).
O fibrado unitário tangente de T S2 é
[
S(S2 ) = {(x, v) | v ∈ Tx S2 , | v |= 1}.
x∈S2

Para qualquer ponto (x, v) ∈ S(S2 ), nós associamos ao ponto x a direção ox ~ e ao


vetor v o ângulo θ correspondente ao ângulo formado por v com um dos vetores
de uma base ortogonal de Tx S2 figura(xxx)). Esta correspondência implica na
existência de uma aplicação bijetora g : S(S2 ) → SO3 . De fato, g é diferenciável.
No entanto, SO3 é difeomorfo ao Espaço Projetivo Real RP 3 definido como sendo o
espaço das retas passando pela origem em R3 . Como π1 (RP 3 ) = Z2 e π1 (S2 ×R2 ) =
0, concluı́mos que S(S2 ) 6= S2 × S 1 . Tendo em vista que T S2 é homotopicamente
equivalente à S(S2 ) = RP 3 , segue que T S2 é homotopicamnete distinto de S2 × R2 .

Exercı́cio 6.1. .

1. Seja X = S 1 . Mostre que T S 1 = S 1 × R.

2. Seja K2 a Garrafa de Klein. Mostre que T K2 6= K2 × R2 .

6.2.2 Fibrado Cotangente T ∗ X. Isomorfismo g : T X → T ∗ X


Definição 6.13. Seja x ∈ X um ponto qualquer;

1. Um funcional R-linear definido sobre Tx X é uma função l : Tx X → R tal que, para


todos a, b ∈ R e u, v ∈ Tx X,

l(au + bv) = al(u) + bl(v)

2. O espaço dual de Tx X é o espaço vetorial

Tx∗ X = {l : X → R | l é R-linear}

Seja β = {e1 , e2 } uma base de Tx X. Consideremos os funcionais lineares e∗1 : Tx X →


R e e∗2 : Tx X → R assim definidos;
(
0, i 6= j
e∗1 (ei ) = δ1i , e∗2 (ei ) = δ2i , i = 1, 2, δij =
1, i = j

Desta maneira, se v = v 1 e1 + v 2 e2 , segue que

e∗1 (v) = v 1 , e∗2 (v) = v 2

autor: Celso M Doria 218


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

Proposição 6.2. O conjunto β ∗ = {e∗1 , e∗2 } é uma base de Tx∗ X; denominada base dual
de β = {e1 , e2 }.
Demonstração. Seja l ∈ Tx∗ X e v = v 1 e1 + v 2 e2 = e1 e∗1 (v) + e2 e∗2 (v). Assim,

l(v) = l(e1 )e∗1 (v) + l(e2 )e∗2 (v) = [l(e1 )e∗1 + l(e2 )e∗2 ] (v) (6.3)

Portanto, l = l(e1 )e∗1 + l(e2 )e∗2 e o conjunto β ∗ gera o espaço Tx∗ X. Para verificarmos
que β ∗ é um conjunto linearmente independente, suponhamos que existem a, b ∈ R tais
que

ae∗1 + be∗2 = 0

Então, 0 = (ae∗1 + be∗2 ) (e1 ) = a e 0 = (ae∗1 + be∗2 ) (e2 ) = b. Consequentemente, β ∗ é uma


base de Tx∗ X.

isomorfo
Corolário 6.1. Tx∗ X ∼ Tx X
Demonstração. O isomorfismo, descrito em relação as bases β e β ∗ , é dado por l →
(l(e1 ), l(e2 )).

Assumiremos que (X, g) é uma superfı́cie riemaniana. Portanto, sobre cada plano
tangente Tx X há um produto interno gx : Tx X × Tx X → R, o qual induz o isomorfismo
ĝx : Tx X → Tx∗ X, ĝx (v) = gx (v, .). Ao tomarmos

ĝx (e1 )(ei ) = g1i , ĝx (e2 )(ei ) = g2i , i = 1, 2,

e fixarmos as bases β e β ∗ , a matriz de ĝx é a própria g;

ĝx (e1 ) = gx (e1 , e1 )e∗1 + gx (e1 , e2 )e∗2 = g11 e∗1 + g12 e∗2 ,
(6.4)
ĝx (e2 ) = gx (e2 , e1 )e∗1 + gx (e2 , e2 )e∗2 = g21 e∗1 + g22 e∗2 .

Consequentemente, ao denotarmos as entradas da matriz gx−1 por (gx−1 )ij = g ij , temos

(ĝx )−1 (e∗1 ) = g 11 e1 + g 12 e2 , (ĝx )−1 (e∗2 ) = g 21 e1 + g 22 e2 (6.5)

Daı́ que, se l = l1 e∗1 + l2 e∗2 ∈ Tx∗ X, então o isomorfismo ĝx−1 : Tx∗ X → Tx X é dado por

(ĝx )−1 (l) = g 11 l(e1 ) + g 21 l(e2 ) e1 + g 12 l(e1 ) + g 22 l(e2 ) e2


   

Uma função diferenciável f : X → R induz em cada ponto x ∈ X o funcional linear


dfx : Tx X → R,

∂f ∗ ∂f ∗
df = e1 + e .
∂x1 ∂x2 2

autor: Celso M Doria 219


´Celso M Doria
6.2. FIBRADOS TANGENTE E COTANGENTE DE UMA SUPERFICIE

O gradiente de f em relação ao produto interno gx : Tx X × Tx X → R é definido por

(gradg f )(x) = ĝx−1 (dfx ).

Consequentemente,
   
11 ∂f 21 ∂f 12 ∂f 22 ∂f
gradg (f ) = g +g e1 + g +g e2 .
∂x ∂y ∂x ∂y

Desta forma,

df.v = g(gradg (f ), v).

O fluxo do gradiente de uma função f : X → R depende da métrica riemanniana.


Definição 6.14. O Fibrado Cotangente de X é o espaço
[
T ∗X = Tx∗ X
x∈X

Analogamente à T X, T ∗ X é munido de uma projeção π ∗ : T ∗ X → X contı́nua e so-


brejetora. Além disto, (π ∗ )−1 (x) = Tx∗ X. Também valem para T ∗ X todas as observações
feitas com respeito à T X.
Definição 6.15. .
1. Uma 1-forma diferenciável sobre X é uma aplicação diferenciável ω : X → T ∗ X
tal que π ∗ ◦ ω = idX .

2. Seja (Uα , φα ) ∈ AX uma carta local. Um co-referencial definido sobre Uα ⊂ X é um


conjunto β ∗ = {e∗1 , e∗2 } tal que, para todo x ∈ Uα , o conjunto βx = {e∗1 (x), e∗2 (x)}
é uma base de Tx∗ X.

Exercı́cio 6.2. Resolva os seguintes itens;


1. Verifique que a métrica Riemanniana define, para cada x ∈ X, um isomorfismo
ĝx : Tx X → Tx∗ X

2. Se a base β = {e1 , e2 } é ortogonal em relação ao produto interno gx : Tx X ×Tx X →


R, então ĝx (e1 ) = e∗1 e ĝx (e2 ) = e∗2 .

3. Mostre que T ∗ X é isomorfo a T X. (existe um difeomorfismo Φ : T X → T ∗ X


tal que π ∗ ◦ Φ = π e induz um isomorfismo Φ |π−1 (x) : Tx X → Tx∗ X entre espaços
vetoriais).

4. Mostre que (Tx∗ X)∗ = Tx X.

5. Calcule o gradiente da função f : H2 → R, f (x, y) = x2 + y 2 .

autor: Celso M Doria 220


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

6.3 Derivada Covariante


A estrutura diferenciável definida por um atlas AX nos permite derivar as funções f ∈
C ∞ (X). No entanto, para derivarmos campos vetoriais e tensores em geral, é necessaário
introduzirmos o conceito de derivada covariante. A derivada covariante generaliza a
derivada como um operador diferencial.
Definição 6.16. A derivada covariante é um operador diferenciável O : Γ (T X) ×
Γ (T X) → Γ (T X) satisfazendo as seguintes condições:
1. para cada campo v ∈ Γ (T X), a derivada covariante induz uma aplicação C ∞ (X)-
linear Ov : Γ (T X) → Γ (T X), isto é;

(a) para todo f, g ∈ C ∞ (X) e u1 , u2 ∈ Γ (T X), temos que

Of.u1 +g.u2 v = f.Ou1 v + g.Ou2 v

2. para cada u ∈ Γ (T X), a aplicação Ou : Γ (T X) → Γ (T X) é R-linear e satisfaz a


regra de Leibnitz; ou seja,

(a) se a, b ∈ R e v1 , v2 ∈ Γ (T X), então

Ou (av1 + bv2 ) = aOu v1 + bOu v2

(b) (Regra de Leibnitz) Se f ∈ ∞(X) e u, v ∈ Γ (T X), então

Ou (f.v) = f.Ou v + u(f ).v, u(f )(x) = dfx .u

e βα = {eα1 , eα2 }P
Seja (Uα , φα ) ∈ AX uma carta local P um referencial definido sobre
Uα . Sejam u, v ∈ Γ (T X) dados por u = i=1 u ei e v = 2j=1 v j ej . Desta forma,
2 i

X X X
Oαu v = OαP i α( v j eαj ) = ui eαi (v j )eαj + ui v j Oαeαi eαj
i u ei
j i,j i,j

A expressão depende do termo Oeαi ej . Para cada i, j, k ∈ {1, 2} e α ∈ Λ, consideramos


as funções diferenciáveis Aα,k
ij : Uα → R definidas por
X
Oeαi eαj = Akij eαk . (6.1)
k

Desta forma,
 
X X
Oαu v = u(v k ) + ui v j Akij  eαk . (6.2)
k i,j

As funções Aα,k
ij são os sı́mbolos de Christoffell associados ao referencial βα .

autor: Celso M Doria 221


6.3. DERIVADA COVARIANTE Celso M Doria

A expressão 6.1 pode ser escrita na forma


X
Oα eαj = Akj eαk ,
k

onde Akj : X → T ∗ X é uma 1-forma diferenciável (Akj (ei ) = Akij ). A matriz A = (Akj ) é
denominada forma local de conexão associada à derivada covariante . Se o co-referencial
associado à base β é β ∗ = {dx1 , dx2 }, então Akj = i Akij dxi . Desta forma,
P

X X
A= Ai dxi , Ai (ej ) = Akij ek , (6.3)
i k
e
 

Oi v = Oei v = + Ai (v). (6.4)
∂xi
Isto nos induz a escrevermos a derivada covariante na forma
X
Ov = (Oi v)dxi . (6.5)
i

Observamos que os sı́mbolos de Christoffell determinam a derivada covariante, que por


sua vez determina os sı́mbolos de Christoffell.
Devemos analisar o comportamento dos sı́mbolos de Christoffel de uma conexão
quando realizamos uma transição de coordenadas. Sejam (Uα , φα ) e (Uβ , φβ ) cartas
locais tais que Uαβ = Uα ∩ Uβ 6= ∅. A transição φαβ : φα (Uαβ ) → φβ (Uα β) induz uma
transição entre as cartas de T X;

Φαβ : φα (Uαβ ) × R2 → φβ (Uαβ ) × R2 , Φαβ (φα (x), u) = (φβ (x), dφαβ (x).u).

A derivada dφαβ define uma aplicação

dφαβ : Uαβ → Gl(R2 ), x → dφαβ (x).

Sobre Uβ , consideramos o referencial ββ = {eβ1 , eβ2 } e os sı́mbolos de Christoffel Bij


k :

Uβ → R. Desta forma,

Oβ eβj = Bjk eβk ,


X

Agora, vamos determinar a relação existente entre os conjuntos de sı́mbolos {Akij } e


k }. Denotando dφ
{Bij αβ = Ψ, segue que em relação ao referencial βα ,

Ψ(eβj ) =
X
Ψkj eαk .
k

autor: Celso M Doria 222


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

Ao exigirmos que Ψ ◦ Oβ = Oα ◦ Ψ, temos

ΨOβ (eβj ) = Oα Ψ(eβj ),

ou seja,
" # " #
X X X X
Bjl Ψkl eαk = dΨkj + Ψlj Akl eαk
k l k l

Portanto,
X X
Bjl Ψkl = dΨkj + Ψlj Akl .
l l

Ao considerarmos as matrizes Ψ = (Ψkj ), A = (Akl ) e B = (Bjl ), a expressão ?? acima


torna-se

dΨ + AΨ = ΦB.

Consequentemente,

B = Ψ−1 dΨ + Ψ−1 AΨ (6.6)

Observação. .
1. A equação 6.6 define uma condição de compatibilidade entre as formas de conexão
A e B permitindo-nos extender a derivada covariante Oα sobre Uα para uma deri-
vada covariante definida sobre Uα ∪ Uβ . Tal procedimento aplicado a um atlas de
uma superfı́cie gera uma forma de conexão globalmente definida.
2. Existem inúmeras derivadas covariantes definidas sobre Γ (T X). Porém, há obs-
trucões que impossibilitam que qualquer derivada covariante seja imposta sobre
uma superfı́cie.

Seja γ : [0, 1] → X uma curva regular sobre X e v ∈ Γ (T X). A restrição de v à γ


induz o campo vetorial v : [0, 1] → X, definido por v(t) = v(γ(t)). A derivada covariante
de v(t), ao longo de γ, é

Dv
= Oγ , (t) v(t)
dt
Isto motiva a seguinte definição;
Definição 6.17. Seja γ : [0, 1] → X uma curva regular. Um campo vetorial v : [0, 1] →
X é paralelo ao longo de γ se para todo t ∈ [0, 1]

Dv
=0 (6.7)
dt

autor: Celso M Doria 223


6.3. DERIVADA COVARIANTE Celso M Doria

Observação. As linhas integrais de campos paralelos são trajetórias sem aceleração


intrı́nseca.
Equivalentemente,
P2 ao fixarmos ao longo da curva γ um referencial β = {e1 , e2 }, o campo
v(t) = i=1 vi ei é paralelo ao longo de γ se v(t) satisfaz, para todo t ∈ [0, 1], o sistema
de EDO

dv k X dγ i j k
+ v Aij = 0, k = 1, 2. (6.8)
dt dt
i,j

P dγ 1
onde dγ
dt = i dt ei . Decorre do teorema de Existência e Unicidade para EDO’s que ao
fixarmos a condição inicial v(0) = v0 , o sistema 6.8 tem uma única solução.

Definição 6.18. Considere uma curva γ : [0, 1] → X tal que γ(0) = x0 e seja v0 ∈ Tx0 X.
O transporte paralelo de v0 ao longo da curva γ no ponto γ(t) é o valor v(t) ∈ Tγ(t) X do
campo vetorial paralelo obtido ao resolvermos ao longo de γ o sistema ?? com a condição
inicial v(0) = v0 .

O transporte paralelo ao longo de γ induz, para todo t ∈ [0, 1], uma aplicação linear

hγ : Tγ(0) X → Tγ(t) X. hγ (v0 ) = v(t),

denominada aplicação de holonomia.

Proposição 6.3. O conceito de derivada covariante é equivalente ao conceito de trans-


porte paralelo.

Demonstração. Seja (Uα , φα ) uma carta local e p ∈ Uα tal que φα (p) = 0. Seja β =
{e1 , e2 } um referencial sobre Uα e defina a curva ci : (0, ) → φ(Uα ) com sendo a solução
da EDO

c,i (t) = ei (ci (t)), ci (0) = p

Seja hci : Tp X → Tci () X a holonomia obtida. Para  suficientemente pequeno, nós
temos

hci (ej (ci ())) = ej (ci ()) + o()

o()
onde lim→0  = 0. Portanto,

hci (ej (ci ())) − ej (p) = ej (ci ()) − ej (p) + o() =


(6.9)
= Oei ej + o().

autor: Celso M Doria 224


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

i v j ej , temos
P P
Ao considerarmos os campos u = i u ei ev= j
X  
Ou v − Ov u = [u, v] + ui v j Akij − Akji ; (6.10)
i,j

em particular, seo referencial β = {e1 , e2 } define um sistema de coordenadas, então


Oei ej − Oej ei = Akij − Akji .

Definição 6.19. A forma de conexão A é simétrica se

Oei ej = Oej ei .

O fato de A ser simétrica num sistema de coordenadas implica que, para todo i, j, k ∈
{1, 2}, Akij = Akji . Também segue que

Ou v − Ov u = [u, v]. (6.11)

6.4 Curvatura
Um dos conceitos mais importantes na geometria é o conceito de curvatura. Através
da curvatura é possı́vel revelar alguns aspectos intrı́nsecos da geometria e também da
topologia de uma superfı́cie riemanniana (X, g). Por exemplo, o teorema de Guass-
Bonnet 1.2, na sua versão local, relaciona a curvatura com a soma dos ângulos internos
de um triângulo e, na sua versão global, relaciona a curvatura com a caracterı́stica de
Euler.

Definição 6.20. Ao fixarmos a derivada covariante sobre X, ou a forma de conexão,


a curvatura da conexão é a aplicação R : Γ (T X) × Γ (T X) → Hom(Γ (T X), Γ (T X))
definida por

R(u, v)w = Ou Ov w − Ov Ou w + O[u,v] w (6.1)

Vamos verificar que, para quaisquer u, v ∈ Γ (T X), R(u, v) ∈ Hom(Γ (T X), Γ (T X)).

1. Se w1 , w2 ∈ Γ (T X), é imediato verificar a linearidade

R(u, v)(w1 + w2 ) = R(u, v)w1 + R(u, v)w2 .

2. Sejam f ∈ C ∞ (X) e w ∈ Γ (T X), então

Ov Ou f w = Ov (f Ou w + u(f )w) = f Ov Ou w + v(f )Ou w + v(u(f ))w + u(f )Ov w


Ou Ou f w = Ou (f Ou w + v(f )w) = f Ou Ov w + u(f )Ov w + u(v(f ))w + v(f )Ou w.

autor: Celso M Doria 225


6.4. CURVATURA Celso M Doria

Portanto,

R(u, v)f.w = Ou Ov f.w − Ov Ou f.w + O[u,v] f.w =


= f (Ov Ou − Ou Ov ) + [v, u](f )w + f O[u,v] w + [u, v](f )w = f R(u, v)w

Assim, R(u, v)f.w = f R(u, v)w.

Proposição 6.4. A curvatura R : Γ (T X) × Γ (T X) → Hom(Γ (T X), Γ (T X)) satisfaz


as seguintes propriedades:

1. R é C ∞ (X)-bilinear; se f, g ∈ C ∞ (X) e u1 , u2 , v1 , v2 ∈ Γ (T X), então

R(f u1 + gu2 , v) = f R(u1 , v) + gR(u2 , v)


(6.2)
R(u, f v1 + gu2 ) = f R(u, v1 ) + gR(u, v2 ).

2. (Identidade de Bianchi) Se a conexão é simétrica, então para quaisquer u, v, w ∈


Γ (T X),

R(u, v)w + R(w, u)v + R(v, w)u = 0 (6.3)

Demonstração. .

1. Este item decorre da definição de derivada covariante.

2. A identidade de Bianchi 6.3 é consequência da identidade de Jacobi em 6.2;

R(u, v)w + R(w, u)v + R(v, w)u = Ou Ov w − Ov Ou w + O[u,v] w+


+ Ow Ou v − Ou Ow v + O[w,u] v + Ov Ow u − Ow Ov u + O[v,w] u =
(6.4)
= Ov [u, w] + Ow [v, u] + Ou [w, v] − O[u,w] v − O[v,u] w − O[w,v] u =
= [v, [u, w]] + [w, [v, u]] + [u, [w, v]] = 0

Observação. Num referencial β = {e1 , e2 } associado à um sistema de coordenadas,


segue da expressão 6.4 que

∂Aj ∂Ai
R(ei , ej ) = Rij = − + [Ai , Aj ] (6.5)
∂xi ∂xj

autor: Celso M Doria 226


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

Devido a anti-simetria R(u, v) = −R(v, u), a curvatura é uma forma diferencial de grau
2 que assume valores em Hom(Γ (T X), Γ (T X)). De fato,
X
R= Rij dxi ∧ dxj .
i,j

Agora, descreveremos as componentes da curvatura em relação a um referencial β =


{e1 , e2 }; seja
X
l
R(ei , ej )ek = Rijk el .
l

i v j ej e w = wk ek , segue da linearidade de R que,


P P P
Se u = i u ei , v= j k
X
l
R(u, v)w = Rijk ui v j wk .
i,j,k,l

l
Para obtermos os coeficientes Rijk em termos dos simbolos de Christoffel, escrevemos,

! !
X X
R(ei , ej )ek = Oej Oei ek − Oei Oej ek = Oej Alik el − Oei Aljk el
l l

Portanto,

l ∂Alik ∂Aljk X  s l 
Rijk = − + Aik Ajs − Asjk Alis . (6.6)
∂xj ∂xi s

Em algumas situações, onde há uma métrica, é útil utilizarmos os coeficientes


X
l
Rijkl = g(R(ei , ej )ek , el ) = Rijk .gsl . (6.7)
s

Para melhor de explorarmos o tensor de curvatura, vamos introduzir a métrica a este


estudo. Porém, a métrica deve ser compatı́vel com a conexão;

Definição 6.21. Seja g uma métrica riemanniana definida sobre a superfı́cie X e O :


Γ (T X) × Γ (T X) → Hom(Γ (T X), Γ (T X)) uma conexão. A métrica g é compatı́vel com
a conexão se, para quaisquer u, v, w ∈ Γ (T X),

Ow (g(u, v)) = g(Ow u, v) + g(u, Ow v).

Observação. Se a métrica é compatı́vel com a conexão, então o transporte paralelo


induz uma transformação que preserva g (g-ortogonal)

autor: Celso M Doria 227


6.4. CURVATURA Celso M Doria

Proposição 6.5. Se a métrica é compatı́vel com a conexão, então o tensor de curvatura


satisfaz as seguintes identidades;

(1) g(R(u, v)w, t) = −g(R(v, u)w, t), (6.8)


(2) g(R(u, v)w, t) = −g(R(u, v)t, w) (6.9)
(3) g(R(u, v)w, t) = g(R(w, t)u, v). (6.10)

Demonstração. .
1. segue da definição 6.1 de curvatura,
2. a identidade desejada é equivalente à identidade g(R(u, v)w, w) = 0, pois se esta
última ocorrer, então a afirmação segue de

0 = g(R(u, v)(w + t), R(u, v)(w + t)) = g(R(u, v)w, t) + g(R(u, v)t, w).

A seguir, vejamos que g(R(u, v)w, w) = 0;

g(R(u, v)w, w) = g(Ov Ou w − Ov Ou w + O[u,v] w).

Segue da compatibilidade da métrica que

g(Ov Ou w, w) = Ov (g(Ou w, w)) − g(Ou w, Ov w),


1
g(O[u,v] w, w) = O[u,v] (g(w, w)).
2
Logo,

1
g(R(u, v)w, w) = Ov (g(Ou w, w)) − Ou (g(Ov w, w)) + O[u,v] (g(w, w)) =
2
1 1 1
= Ov (Ou (g(w, w))) − Ov (Ou (g(w, w))) + O[u,v] (g(w, w)) =
2 2 2
1 1
= − O[u,v] (g(w, w)) + O[u,v] (g(w, w)) = 0.
2 2
3. de acordo com a identidade de Bianchi 6.3,
g(R(u, v)w, t) + g(R(v, w)u, t) + g(R(w, u)v, t) = 0
g(R(v, w)t, u) + g(R(w, t)v, u) + g(R(t, v)w, u) = 0
g(R(w, t)u, v) + g(R(t, u)w, v) + g(R(u, w)t, v) = 0
g(R(u, v)t, w) + g(R(v, t)u, w) + g(R(t, u)v, t) = 0

Ao somarmos as identidades acima obtemos a identidade desejada.

autor: Celso M Doria 228


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

Corolário 6.2. As coordenadas do tensor de curvatura satisfazem as seguintes identi-


dades:

(1) Rijkl + Rjkil + Rkijl = 0, (Bianchi)


(2) Rjikl = −Rijkl ,
(3) Rijlk = −Rijkl ,
(4) Rijks = Rksij .

Consequentemente, segue o seguinte resultado;

Teorema 6.4. Sobre uma superfı́cie X, as únicas componentes não-nulas do tensor de


curvatura são R1212 , R2112 , R2121 e R1221 . Portanto, o valor de K = R1212 , denominado
de curvatura gaussiana ou curvatura seccional , determina o tensor de curvatura sobre
uma superfı́cie.

6.4.1 Curvatura de Ricci e Curvatura Escalar


Vamos considerar o tensor R : Γ (T X) × Γ (T X) → Hom(Γ (T X), Γ (T X)),

Ru,w (v) = R(u, v)w.

Definição 6.22. O tensor de Ricci é a forma bilinear simétrica Ricc : Γ (T X)×Γ (T X) →


R definido pela expressão

Ricc(u, w) = tr(Ru,w )

Em coordenadas locais,
XX
Ricc(u, w) = ui wj g lk Rilj
k

i,j l,k

O tensor de curvatura de Ricci é definido, em coordenadas locais, por


X
(Ricc)ij = g lk Rilj
k
, (Ricc)ij = (Ricc)ji .
l,k

Exemplo 6.4. Se o referencial β = {e1 , e2 } é ortogonal, então


X
(Ricc)ij = g(R(ei , el )ej , el ).
l

Para uma variedade de dimensão n alguns autores consideram a curvatura de Ricci


como sendo a média

autor: Celso M Doria 229


6.4. CURVATURA Celso M Doria

1 X 1 X
Ricc(v) = g(R(v, el )v, el ) = (Ricc)ij , v ∈ {e1 , . . . , en }.
n−1 n−1
l l

Em dimensão n = 2, temos

(Ricc)11 = R1212 , (Ricc)12 = R1221 , (Ricc)22 = R2121 .

Portanto, Ricc(e1 ) = R1212 e Ricc(e2 ) = R2121 .

Definição 6.23. A curvatura escalar de uma conexão é


XX
S = tr(Ricc) = g ij g lk Rilj
k
.
i,j lk

Exemplo 6.5. Considere o referencial ortogonal β = {e1 , . . . , en }. Neste caso,


X
S= Rilil .
i,l

Alguns autores definem a curvatura escalar como sendo a média

1X
S= Rilil .
n
i,l

Em dimensão n = 2,

S = R1212 + R2121

Assim, no referencial β, temos que a relação entre as curvatura gaussiana K e a curvatura


escalar S de uma superfı́cie é S = 2K.

Exercı́cio 6.3. Resolva os seguintes itens;

1. Seja X uma superfı́cie localmente homogênea. Mostre que X tem curvatura cons-
tante.

2. Considere nos exercı́cios abaixo a conexão riemanniana;

(a) Mostre que a curvatura gaussiana do espaço euclideano E2 é K = 0.


(b) Mostre que a curvatura gaussiana do espaço euclideano S2 é K = 1.
(c) Mostre que a curvatura gaussiana do espaço euclideano H2 é K = −1.
2 e H2 .
(d) Determine a curvatura dos espaços SR K

autor: Celso M Doria 230


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

6.4.2 Interpretação da Curvatura


A seguir, daremos à curvatura uma interpretação geométrica em termos da holonomia
da conexão. Para efetuarmos o cálculo, consideramos (Uα , φα ) uma carta local de X e
indicamos por (x1 , x2 ) as coordenadas em Uα . Em X, consideramos a superfı́cie local

Σ12 = {φ−1
α (x1 , x2 ) | (x1 , x2 ) ∈ Uα }.

Segue da definição que, para qualquer p ∈ Σ12 , β = {e1 = ∂x∂ 1 , e2 = ∂x∂ 2 } é uma base
Tp Σ12 .
Agora, seja γ ∈ Σ12 uma curva fechada simples contida em Uα limitando uma região Ω12
cuja área é a12 . dado um campo V definido ao longo de γ, nosso objetivo é calcular o
limite

hγ (V ) − V
lim , i, j ∈ {1, 2}.
aij →0 aij

ou seja, quando a curva retrai-se à um ponto. Primeiramente, consideramos a curva


c : (0, 4) → R2 (descreve o bordo de um retângulo em φα (Uα )) dada por



 c1 (t) = tui , 0 ≤ t ≤ ;

c (t) = u + (t − )u ,  ≤ t ≤ 2;
2 i j
c(t) = (6.11)


 c3 (t) = (3 − t)ui + ui , 2 ≤ t ≤ 3;

c (t) = (4 − t)u , 3 ≤ t ≤ 4.
4 j

Assim, seja γ : (0, 4) → Σ12 definida por γ(t) = φ−1 (c(t)), ou seja, figura(xxx)



 γ1 (t) = φ−1 (c1 (t)), 0 ≤ t ≤ ;
γ (t) = φ−1 (c (t)),  ≤ t ≤ 2

2 2
γ(t) = −1
(6.12)


 γ3 (t) = φ (c3 (t)), 2 ≤ t ≤ 3
γ (t) = φ−1 (c (t)), 3 ≤ t ≤ 4

4 4

A seguir mostraremos como, a partir do conceito de transporte paralelo, chegamos a


definição de curvatura.

Proposição 6.6. Seja aij a área limitada por γ, então

hγ (V ) − V
lim = RA (ei , ej )(V ). (6.13)
aij →0 aij

Demonstração. A demonstração consiste em efetuarmos um longo cálculo repleto de


aproximações. Utilizaremos a notação dos infinitesimais ∆xi e ∆xj em vez de . É
importante observar que no caso em
Pque aij ∼ 0, a aproximação
Pm αeuclideana é satisfatória
m α
para efetuar o limite. Sejam V = α=1 v eα e hγij (V ) = α v hγij (eα );

autor: Celso M Doria 231


6.4. CURVATURA Celso M Doria

m
hγij (V ) − V X hγij (eα ) − eα
lim = v α lim (6.14)
aij →0 aij aij →0 aij
α=1

Quando ∆xi é suficientemente pequeno, de acordo com a equação 6.9, o transporte


paralelo de eα ao longo de γ1 é dado por

hγ1 (eα )eα (x + ∆xi ) = eα (x) + Oi eα .∆xi .

Em termos da forma de conexão obtemos


m
X
eα (x + ∆xi ) = eα (x) + Aκαi (x)eκ (x)∆xi ,
κ=1

onde Aκαi = Aκα (ei ). Analogamente, o transporte paralelo de hγ1 (eα ) ao longo de γ2 é

hγ2 (eα (x + ∆xi )) = eα ((x + ∆xi ) + ∆xj ) =


= eα (x + ∆xi ) + (Oj eα )(x + ∆xi )∆xj + o((∆xi )2 , (∆xj )2 ).

Considerando que

o((∆xi )2 , (∆xj )2 )
lim = 0,
∆xi →0,∆xj →0 ∆xi .∆xj

ignoraremos os termos de 2a -ordem o((∆xi )2 , (∆xj )2 ).

X
hγ2 (eα (x + ∆xi )) = eα (x) + Oi eα (x)∆xi + Aκαj (x + ∆xi )eκ (x + ∆xi )∆xj =
κ
X X X ρ
= eα (x) + Aκαi (x)eκ (x)∆xi + {Aκαj (x) + ∂i Aκαj (x)∆xi }.{eκ (x) + Aκi (x)∆xi }∆xj =
κ κ ρ

(ignorando x em cada um dos termos)


(" # )
Aραj Aκρi + Aκρi ∂i (Aραj )∆xi ∆xi ∆xj
X X X X
= eα + {Aκαi ∆xi + Aκαj ∆xj }eκ + ∂i Aκαj + eκ .
κ κ ρ ρ

Observamos que

hγ (eα ) − eα = h−1 −1 2 2
γ3 ◦ hγ4 (eα ) − hγ2 ◦ hγ1 (eα ) + o((∆xi ) , (∆xj ) )

e, como computado acima,

autor: Celso M Doria 232


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

X
h−1 −1
γ3 ◦ hγ4 (eα ) = eα ((x + ∆xj ) + ∆xi ) = eα + {Aκαj ∆xj + Aκαi ∆xi }eκ +
κ
X ρ
Aκρj ∂j (Aραi )∆xj ]∆xi ∆xj }eκ
X X
+ {[∂j Aκαi + Aαi Aκρj +
κ ρ ρ

Portanto,

X ρ
[Aαi Aκρj − Aραj Aκρi ]}eκ .∆xi ∆xj +
X
hγ (eα ) − eα = {[∂j Aκαi − ∂i Aκαj +
κ ρ

{Aκρj ∂j (Aραi )∆xj − Aκρi ∂i (Aραj )∆xj }eκ ∆xj ∆xi .


X
+
κρ

Consequentemente, ao aplicarmos a expressão em 6.6,

hγ (eα ) − eα X
κ
lim = R(ei , ej )eα = Rijα eκ .
∆xi →0,∆xj →0 ∆xi ∆xj
κ

Ao substituirmos em 6.13, temos

hγ (V ) − V
lim = R(ei , ej )(V ).
aij →0 aij

6.5 Conexão de Levi-Civita


Nesta seção mostraremos a existência de uma conexão canonica sobre uma superfı́cie
riemanniana (X, g). Esta conexão é denominada conexão riemanniana ou conexão de
Levi-Civita de (X, g).
Como mencionamos anteriormente, decorre da compatibilidade da conexão que a
holonomia é uma transformação g-ortogonal, pois , se v0 , w0 ∈ Tγ(0) X, considere v, w :
[0, 1] → X os respectivos transportes paralelos ao longo de γ. Assim, Oγ 0 v = Oγ 0 w = 0
e, consequentemente,

Oγ , g(v(t), w(t)) = g(Oγ 0 v, w) + g(v, Oγ 0 w) = 0.

Desta maneira, o transporte paralelo preserva a métrica, ou seja, g(v(t), w(t)) = g(v0 , w0 )
para todo t ∈ [0, 1].
Definição 6.24. (Grupo de Holonomia) O Grupo de Holonomia de uma conexão O :
Γ (T (X)) × Γ (T (X)) → Γ (T (X)), no ponto p ∈ X, é o grupo

HpO = {hγ : Tp X → Tp X | γ : [0, 1] → X, γ(0) = γ(1) = p},

autor: Celso M Doria 233


6.5. CONEXÃO DE LEVI-CIVITA Celso M Doria

onde hγ (v) é o transporte paralelo de v ao longo de γ.

Teorema 6.5. (Levi-Civita) Sobre uma superfı́cie riemanniana (X, g), existe uma única
conexão O : Γ (T X) × Γ (T X) → Γ (T X) tal que

1. g é compatı́vel com O.

2. O é simétrica.

Demonstração. Sejam u, v e w campos vetoriais. assim,

Ou g(v, w) = g(Ou v, w) + g(v, Ou w),


Ow g(u, v) = g(Ow u, v) + g(u, Ow v),
Ov g(w, u) = g(Ov w, u) + g(w, Ov u).

Ao somarmos as duas primeiras equações e subtraimos a terceira, obtemos, aplicando


também a simetria da conexão definida em 6.19, segue que

Ou g(v, w) + Ow g(u, v) − Ov g(w, u) =


= g([u, v], w) + g([w, v], u) + g([u, w], v) + 2g(v, Ow u).

Consequentemente,

1
g(v, Ow u) = [Ou g(v, w) + Ow g(u, v) − Ov g(w, u) − g([u, v], w) − g([w, v], u) − g([u, w], v)] .
2

Ao tomarmos u = ei , v = ej e w = ek na expressão acima obtemos


 
X
l 1 ∂gjk ∂gij ∂gki
Aki gjl = + − ;
2 ∂xi ∂xk ∂xj
l

da onde temos que


 
1 X lk ∂glj ∂gil ∂gji
Akij = g + − . (6.1)
2 ∂xi ∂xj ∂xl
l

Exercı́cio 6.4. Seja X uma superfı́cie munida com uma conexão O compatı́vel com a
métrica g. Se p ∈ X,

1. Mostre que existe um referencial β = {e1 , e2 } ortonormal numa vizinhinça de p.

2. Mostre que HpO é isomorfo a um subgrupo de O2 . Caso a superfı́cie seja orientável,


então o isomorfismo pode ser reduzido a um subgrupo de SO2 .

autor: Celso M Doria 234


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

3. Mostre que a forma de conexão A = (Aji ) associada a um referencial ortonormal é


anti-simétrica (Aji = −Aij ).

4. Seja R2+ = {(x, y) ∈ R2 | y > 0} e considere, sobre R2+ a métrica


!
1
y2
0
g(x,y) = 1
0 y2

(a) Calcule a conexão riemanniana de g e a curvatura correspondente.


(b) Seja γ : [0, 1] → R2+ a curva dada por γ(t) = (t, 1). Escreva a equação do
transporte paralelo do vetor v = (0, 1) ∈ T(0,1) R2+ ao longo de γ.

6.6 Geodésicas
Conforme definimos em 2.15, uma geodésica ligando os pontos p, q ∈ X é uma curva
γ : [a, b] → X cujo comprimento minimiza o funcional comprimento de arco
Z b Z b
L(γ) = ,
| γ (t) | dt = g(γ 0 (t), γ 0 (t))dt,
a a

entre todas as curvas que ligam p à q. Devido a invariância do funcional L quando uma
curva é reparametrizada, há um número infinito de curvas (parametrizadas) que mini-
mizam o funcional. Com o objetivo de reduzirmos o conjunto das curvas que minimizam
o comprimento, introduzimos o funcional energia;

Definição 6.25. A energia de uma curva γ : [a, b] → X é


Z b
1
E(γ) = g(γ , (t), γ , (t))dt.
2 a

Definição 6.26. Seja (X, g) uma superfı́cie riemanniana e Ω(p, q) o espaço das curvas
ligando p à q com energia finita. Dizemos que uma curva γ ∈ Ω(p, q) é uma geodésica
se o comprimento de arco de γ é o mı́nimo entre todas as curvas que ligam p à q, isto é,

L(γ) = min L(α).


α∈Ω(p,q)

A relação entre o comprimento de arco e a energia de uma curva é dada pelo desi-
gualdade de Cauchy-Schwarz;
Z bp 2 Z b
g(γ , (t), γ , (t))dt ≤ (b − a) g(γ , (t), γ , (t))dt,
a a

ou seja,

autor: Celso M Doria 235


6.6. GEODÉSICAS Celso M Doria

[L(γ)]2 ≤ 2(b − a).E(γ), (6.1)

sendo que igualdade ocorre se, e somente se, g(γ , (t), γ , (t)) é constante. Suponhamos que
g(γ , (t), γ , (t)) = c2 e seja β : [a, b] → X uma reparametrização de γ. Então,

[L(γ)]2 [L(β)]2
E(γ) = = ≤ E(β).
2(b − a) 2(b − a)

Portanto, será mais eficiente se minimizarmos o funcional energia. Seja γ : [0, 1] → X


uma curva com parâmetro t tal que γ(0) = p e γ(1) = q. Consideramos γs : (−, ) ×
[0, 1] → X uma variação diferenciável de γ, onde γs (t) = γ(s, t) e γ0 (t) = γ(t), tal que

∂γs (t)
γs, (t) = e γ , (t) = γ0, (t)
∂t
∂γs (t)
Λs (t) = , e Λ(t) = Λ0 (t).
∂s

Lema 6.1. OΛ γ , = Oγ , Λ.

Seja β = {e1 , e2 } um referencial no qual temos γ , = , )k e


P
Demonstração.
P j i (γ i e Λ=
j λ ej . Assim,

 
X X
Oγ , Λ = γ , (λk ) + Akij (γ , )i λj  ek ,
k i,j
 
X X
OΛ γ , = Λ, (γ , )k + Akij (γ , )i λj  ek .
k i,j

No entanto,

k
∂λk
 2
, k ∂ γs (t)
γ (λ ) = = ,
∂t ∂t∂s
k
∂(γ , )k
 2
, k ∂ γs (t)
Λ((γ ) ) = = .
∂s ∂s∂t

Do fato que as derivadas parciais comutam, segue que γ , (λk ) = Λ((γ , )k ) implica na
afirmação da proposição.

autor: Celso M Doria 236


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

Teorema 6.6. Sejam p e q pontos sobre X e γ : [0, 1] → X uma geodésica ligando p à


q. Então,

D dγ
Oγ , (t) γ , (t) = 0, ( = 0). (6.2)
dt dt

Demonstração. Sejam γ : [0, 1] → X uma geodésica tal que γ(0) = p, γ(1) = q, e


γs : (−, ) × [0, 1] → X uma variação diferenciável de γ tal que γs (0) = p e γs (1) = q
para todo s ∈ [0, 1]. Sejam Λ(t) = ∂γds
s (t)
(0, t) e
Z 1
1
E(γs ) = g(γs, (t), γs, (t))dt.
2 0

Assim,

1 1 d
Z
dE(γs )
= (g(γs, (t), γs, (t))) dt =
ds 2 0 ds
Z 1 Z 1
, ,
= g(OΛ γs (t), γs (t))dt = g(Oγ , Λ, γ , (t))dt.
0 0

Assumindo que γ é uma geodésica, ao tomarmos s = 0 segue que

dE(γs )
dEγ .Λ = |s=0 = 0;
ds
ou seja, para todo Λ
Z 1 Z 1
,
g(Oγ , Λ, γ (t))dt = − g(Oγ , γ , , Λ)dt = 0
0 0

Em particular, se tomarmos Λ = Oγ , γ , ,
Z 1
g(Oγ , γ , , Oγ , γ , )dt = 0,
0

e, consequentemente, Oγ ,γ
, = 0.

Corolário 6.3. Se γ : [0, 1] → é uma geodésica minimizando a energia, então ela esta
parametrizada por um parâmetro proporcional ao comprimento de arco.

Demonstração. Segue do teorema anterior que o campo γ , é paralelo ao longo de γ.


Portanto, existe constante c > 0 tal que g(γ , (t), γ , (t)) = c. Desta forma,
Z t
s= g(γ , (u), γ , (u))du = c.t
0

autor: Celso M Doria 237


6.6. GEODÉSICAS Celso M Doria

e t = sc .

Teorema 6.7. Sejam p ∈ X e v ∈ Tp X. Então, existe uma única geodésica γ : (−, ) →


X tal que

γ(0) = p, γ , (0) = v

Demonstração. Segue do teorema de existência e unicidade para EDO.

Observação. Alguns autores definem as geodésica como sendo aquelas curvas cujo
campo tangente é paralelo, isto é, Oγ , γ , = 0. Neste caso, existem geodésicas que não
minimizam a distância entre seus pontos extremos, conforme o item 3 do exemplo 4.4.

Exercı́cio 6.5. .

1. Calcule o gradiente do funcional energia.

2. Seja i : X → R3 um mergulho de uma superfı́cie X em R3 . Considere sobre X a


métrica induzida pela métrica euclideana em R3 , isto é,

gi(x) (u(x), v(x)) =< dix .u(x), dix .v(x) > .

3. Defina sobre X a seguinte 1-forma de conexão: considere πx : R3 → Tx X a projeção


ortogonal sobre o plano tangente e

∂ej X
Oei ej = πx ( )= Γkij ek
∂ei
l

∂e
onde ∂eji é a derivada direcional de ej na direção de ei . Mostre que esta conexão
é a conexão de Levi-Civita da métrica induzida.
(dica: considere X parametrizada, em seguida considere-a mergulhada)

4. Seja γ : [a, b] → X uma geodésica tal que γ(a) = p e γ(b) = b. Considere que
g(γ , (t), γ , (t)) = c2 para todo t ∈ [a, b]. Mostre que se a distância de p à q é d,
d
então c = b−a .

5. Seja f : [a, b] → [c, d] um difeomorfismo.

(a) Mostre que L(γ) independe da parametrização. Isto é, se α = γ ◦ f , então


L(α) = L(γ).
(b) Mostre que E(α) = E(γ) ⇔ f é da forma f (s) = as + b, onde s é o compri-
mento de arco e a, b ∈ R.

autor: Celso M Doria 238


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

6.6.1 Aplicação: Relações Métricas


A tı́tulo de curiosidade, apresentaremos uma aplicação da equação ?? para a obtenção
das relações métricas ?? e ??. Para isto, que as unifica num mesmo formalismo Conforme
a proposição ( ), uma curva que minimiza o comprimento de arco satisfaz a equação

Oγ , γ , = 0. (6.3)
No entanto, como veremos em S2 , existem curvas que satisfazem 6.3 mas não minimizam
a distância entre dois pontos.
Antes de obter qualquer resultado daremos à conexão de Levi-Civita de S2 uma
interpretação geométrica. Uma vez que a métrica esférica gs foi induzida sobre S 2 pela
métrica euclideana em R3 , temos o seguinte; sejam (U, φ) uma carta de S 2 , p = φ(q) ∈ S 2 ,
e û = dφq .u e v̂ = dφq .v vetores tangentes ∈ Tp S 2 ;

gs (û, v̂)p =< û, v̂ >=< dφq .u, dφq .v >,


Uma vez que os sı́mbolos de Christoffel da métrica euclidena em R3 são todos nulos, a
conexão de Levi-Civita de (R3 , < ., . >) é o operador de derivação usual, isto é,

OX Y = dY.X
Para cada ponto p ∈ S2 , seja πp : R3 → Tp S2 a projeção ortogonal. Desta forma,
podemos induzir sobre S2 a derivada covariante O : Γ(S2 ) × Γ(S2 ) → Γ(S2 ),

(OX Y )(p) = πp (dYp .X(p)). (6.4)


Observação. Todo campo X ∈ Γ(S2 ) pode ser extendido a um campo X
e ∈ Γ(R3 ).
Esta é a conexão de Levi-Civita associada a métrica esférica; a demonstração deste fato
é deixada como exercı́cio.

Lema 6.2. Como curvas de R3 , as geodésicas de S2 são curvas planares.

Demonstração. Seja γ : [0, 1] → S2 uma geodésicas e considere βF = {t, n, b} um refe-


rencial de Frenet( [4]) ao longo de γ, onde b = t ∧ n. As equações de Frenet são

t, = k.n, n, = −k.t − τ.b, b, = τ.n,


onde k é a curvatura e τ a torsão de γ.
Por definição b = t ∧ n; segue que

b, = t, ∧ n + t ∧ n, = t ∧ n, = τ.n.
No entanto, se γ é uma geodésica (parametrizada pelo comprimento de arco) e πγ(t) :
Tγ(t) R3 → Tγ(t) S2 é a projeção ortogonal, temos que

Oγ , γ , = πγ (γ ,, ) = 0.

autor: Celso M Doria 239


6.6. GEODÉSICAS Celso M Doria

Portanto, n(t) = N (γ(t)), onde N (γ(t)) é o vetor normal ao plano Tγ(t) S2 . Consequen-
temente, concluı́mos que n(t) = γ(t), ou seja ,

n, = γ , .
, 0
Como t = |γγ , | , segue que b = 0 e, por isto, a torsão de γ é nula. Então, o vetor b é
constante e γ esta contida no plano ortogonal à b.

Teorema 6.8. A curva obtida ao tomarmos a interseção de S2 com um plano passando


pela origem é uma geodésica. Todas as geodésicas de S2 são obtidas desta maneira.

Demonstração. Seja π é um plano passando pela origem e γ = S 2 ∩ π. Sem perda de


generalidade (exercı́cio 1.3(1)), podemos supor que π é o plano z = 0 e γ : [0, 2π] → S2
é dada por

γ(t) = (cos(t), sen(t), 0).


Assim, γ ,, = −γ é ortogonal ao plano tangente Tγ S2 = {u ∈ R3 |< u, γ >= 0}, o que
implica em

Oγ , γ , = πγ (γ ,, ) = 0.
Consequentemente, o grande cı́rculo parametrizado por γ é uma geodésica de S2 .
De acordo com o lema anterior, toda geodésica de S2 é planar, ou seja, ela é obtida pela
interseção de S2 com um plano. Suponhamos que o plano não passa pela origem, por
= c (c < 1). Neste caso, temos que γc : [0, 2π] → S2 é dada por
exemplo,√π é o plano z √
γc (t) = ( 1 − c cos(t), 1 − c2 sen(t), c) e
2

p p
γc, (t) = 1 − c2 (−sen(t), cos(t), 0), γ ,, (t) = − 1 − c2 (cos(t), sen(t), 0).

Segue que γc,, não é ortogonal ao plano Tγc (t) S2 ; ou seja,

Oγ , γ , = πγ (γ ,, ) 6= 0.
Considerando que, a menos de uma rotação em R3 , todo plano é equivalente por uma
transformação ortogonal à um plano do tipo z = c, segue que que as únicas curvas
planares contidas em S2 que são geodésicas são os grande cı́rculos, também denominados
de equador.

Entender quando uma geodésica deixa de minizar a distância entre pontos é um capı́tulo
muito ilustrativo e bonito na Geometria Riemanniana ( [5]).

Exercı́cio 6.6. 1. Mostre que a derivada covariante definida em 6.4 é a conexão de


Levi-Civita da métrica esférica induzida sobre S 2 .

autor: Celso M Doria 240


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

6.7 Ações Descontı́nuas sobre Superfı́cies. Espaços Orbi-


tais
Nesta seção, vamos estender o estudo das ações discontı́nuas sobre as superfı́cies. O
conceito é o mesmo introduzido em 2.23;
Definição 6.27. A ação de G sobre uma superfı́cie X é propriamente descontı́nua se
para todo compacto K ⊂ X,

{g ∈ G | g.K ∩ K 6= ∅} é finito.
Os resultados da proposição 2.6 exetendem-se naturalmente para ações sobre superfı́cies.
Além disto, se (X, g) é uma superfı́cie riemanniana cuja métrica é completa, a ação de G
sobre X é descontinua X se, e somente se, G é um subgrupo discreto de Isomg (X). Por
isto, estaremos sempre trabalhando com métricas completas salvo se dito o contrário.
Seja p : X → X/G a projeção sobre o espaço das órbitas da ação. Consideramos
sobre o espaço quociente X/G a topologia quociente, isto é, U ⊂ X/G é aberto se, e
somente se, p−1 (U ) ⊂ X é aberto. Desta forma, a projeção p é uma aplicação continua.
Definição 6.28. Se G é um grupo agindo discretamente sobre a superfı́cie X, a região
fundamental associada a ação de G é o conjunto fechado P ⊂ X tal que
S
1. X = g∈G g.P,
2. int(P) ∩ g.int(P) = ∅, (int(P)=interior de P).
A ação de G restrita ao bordo ∂P = P − int(P) possue pontos que pertencem a uma
mesma órbita, o que induz uma relação de equivalência sobre P;

x∼y ⇔ ∃g ∈ G tal que y = g.x.

Desta forma, o espaço quociente P/ ∼ é igual ao espaço X/G.


A seguir, vejamos que quando a ação é livre o espaço X/G admite uma estrutura
diferenciável.
Proposição 6.7. Se a ação de G sobre X é livre, então X/G é uma superfı́cie.
Demonstração. Seja AX = {(Uα , φα ) | α ∈ Λ} um atlas de X com a propriedade que
gUα ∩ Uα = ∅, para todo g ∈ G; o que é possı́vel devido à ação ser livre. Considere o
aberto Vα = φα (Uα ) ∈ R2 ; a ação de G sobre X induz uma ação sobre Vα definida da
seguinte forma;

G × Vα → Vα , g.v = φα (g.φ−1
α (v))

Decorre que, para cada α ∈ Λ, temos a aplicação p̂α = p ◦ φ−1 α : Vα → X/G, onde
−1
p̂α ([x]) = φα (Ox ∩Uα )∩Vα . Segue da construção que φα (Ox ∩Uα ) = {φα (x)}. Portanto,
p̂α é 1-1 e, consequentemente, é um homeomorfismo. Desta forma, (p̂−1 α , pα (Uα ) é uma
carta local para X/G e AX/G = {(p̂−1 α , pα (Uα ) | α ∈ Λ} é um atlas diferenciável sobre
X/G.

autor: Celso M Doria 241


´
6.7. AÇÕES DESCONTINUAS ´
SOBRE SUPERFICIES. ESPAÇOS ORBITAIS
Celso M Doria

Quando a ação não é livre assumiremos que o conjunto dos pontos fixos da ação
(F ix(X) ⊂ X) é finito. Existem ações descontı́nuas com #F ix(X) = ∞, basta conside-
rarmos, por exemplo, o grupo triangular GII 1 no Capı́tulo II. Neste caso, as arestas do
triângulo estão contidas em F ix(X).
Ao supormos que a ação é descontı́nua e #F ix(X) < ∞, podemos obter um atlas
AX tal que, para cada aberto Uα ∈ AX , #{Uα ∩ F ix(X)} ≤ 1. Se #{Uα ∩ F ix(X)} = 1,
a aplicação p̂α : Vα → p(Uα ), definida na demonstração do teorema ?? acima, não é um
homeomorfismo. No entanto, X −{x1 , . . . , xk } é uma superfı́cie. Os pontos p(xi ) ∈ X/G,
onde xi ∈ F ix(X), são denominados singularidades de X/G, ou singularidades da ação
de G sobre X.

Definição 6.29. Seja X uma superfı́cie e G um grupo agindo descontinuamente sobre


X. Se a ação não é livre dizemos que X/G é um orbital .

Suponhamos que a ação α : G × X → X induz, para cada h ∈ G, uma isometria


αh : X → X. Assim, se y = αh (x) = h.x, temos, para todo u, v ∈ Tx X,

gh.x (dαh .u, dαh .v) = gx (u, v).

Decorre, neste caso, que a ação de G induz o subgrupo αG = {αh | h ∈ G} ⊂ Isomg (X).
Além disto, a ação nos permite definir sobre a superfı́cie X/G − {p(x1 ), . . . , p(xk )} uma
métrica: se [x] ∈ X/G e u, v ∈ T[x] X/G considere

g[x] (u, v) = gx (dp−1 .u, dp−1 .v)

Para verificarmos que a métrica esta bem definida no ponto [x], considere x1 , x2 ∈ X
tais que p(x1 ) = p(x2 ) = [x] e sejam u1 , v1 ∈ Tx1 X, u2 , v2 ∈ Tx2 X tais que u2 = dαg .u1
e v2 = dαg .v1 . Portanto,

gx2 (u2 , v2 ) = gh.x1 (dαh .u1 , dαh .v1 ) = gx1 (u1 , v1 ),

Se F ixα (X) 6= ∅, a métrica de X pode ser induzida sobre X/G − {p(x1 ), . . . , p(xk )},
porém não pode ser extendida sobre X/G. Portanto, sobre os orbitais é preciso mais
cuidado ao fazermos qualquer análise de propriedades herdadas da métrica definida sobre
X.

Exercı́cio 6.7. Seja G um grupo agindo discretamente sobre uma superfı́cie X.

1. Defina uma topologia sobre X/G e mostre que se X é Hausdorff, então X/G é
Hausdorff.

2. Mostre que existe uma região fundamental P ⊂ X associada a ação de G.

3. Defina uma topologia sobre P/ ∼ e mostre que é um espaço de Hausdorff.

4. Mostre que P/ ∼ é homeomorfo a X/G.

autor: Celso M Doria 242


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

5. Dizemos que X e é um espaço de recobrimento de X se existe uma aplicação p :


Xe → X que é localmente um homeomorfismo. Mostre que se G age livremente
sobre X,
e então X
e é recobrimento de X/G. Se o recobrimento for regular (ver [16]),
então

π1 (X/G)
G' .
p∗ π1 (X)

6. Dê um exemplo de uma ação de R sobre R2 tal que o quociente X/G não é um
espaço de Hausdorff. (dica: procure um sistema dinâmico cujas linhas integrais
“aproximem-se” quando t → ∞)

6.7.1 Caracterı́stica de Euler de um Orbital


Nesta seção, introduziremos a caracterı́stica de Euler de um orbital compacto X/G
que é um invariante da estrutura geométrica de X/G.
Os pontos não colineares P1 , P2 , P3 ∈ R2 determinam o triângulo

4 = {x1 P1 + x2 P2 + x3 P3 | x1 + x2 + x3 ≤ 1}.
Os vértices de 4 formam o conjunto V = {P1 , P2 , P3 } e as arestas de 4, dadas por

a1 = {x1 P1 + x2 P2 | x1 + x2 ≤ 1},
a2 = {x1 P2 + x2 P3 | x1 + x2 ≤ 1},
a3 = {x1 P3 + x2 P1 | x1 + x2 ≤ 1},

formam o conjunto A = {a1 , a2 , a3 }. Um triângulo em X é um homeomorfismo T :


4 → T (4) ∈ X. O conjunto dos vértices de T em X é VT = {T (P1 ), T (P2 ), T (P3 )} e o
conjunto de arestas é AT = {T (a1 ), T (a2 ), T (a3 )}.
Definição 6.30. Uma triangulação de X é uma partição de X num conjunto de triângulos

T = {T : 4 → X | T é triângulo}

satisfazendo as seguintes condições;


1. X = ∪T ∈T T .
2. Se T1 e T2 pertencem a T , então a interseção T1 ∩ T2 ou é vazia, ou é um único
vértice, ou uma única aresta.
Devido ao fato que toda superfı́cie compacta admite uma triangulação (T.Radó
, [18]), assumiremos sempre que X é uma superfı́cie compacta. Decorre da compaci-
dade que o número de triângulos pode ser considerado finito. Assim, seja

T = {T1 , . . . , Tn }, X = ∪ni=1 Ti .

autor: Celso M Doria 243


´
6.7. AÇÕES DESCONTINUAS ´
SOBRE SUPERFICIES. ESPAÇOS ORBITAIS
Celso M Doria

1. Os vértices de T formam o conjunto VT = ∪T VT e o número de vértices de T é


VT = #VT .
2. As arestas de T formam o conjunto AT = ∪T AT e o número de arestas de T é
AT = #AT .
3. O conjunto das faces da triangulação de T é FT = ∪ni=1 Ti e o número de faces da
triangulação é FT = #FT = n.

Definição 6.31. Seja X uma superfı́cie compacta. A caracterı́stica de Euler de uma


triangulação T é

χ(X, T ) = VT − AT + FT . (6.1)
A Caracterı́stica de Euler é independente da triangulação. De fato, ela é um invari-
ante topológico de uma superfı́cie denotado por χ(X). A demonstração deste fato requer
a maquinaria de homologia singular e pode ser encontrada em [11].
Teorema 6.9. Seja X uma superfı́cie compacta. Sejam T1 e T2 duas triangulações
quaisquer de X, então

χ(X, T1 ) = χ(X, T2 ).

Devido ao teorema anterior, a Caracterı́stica de Euler de uma superfı́cie é denotada


por χ(X). Como exemplos, temos os seguintes: χ(D2 ) = 1, χ(S 2 ) = 2, χ(T 2 ) = 0,
χ(RP 2 ) = 1.
Proposição 6.8. Seja X uma superfı́cie compacta e G um grupo de ordem o(G) = d
agindo livremente sobre X, então

χ(X) = d.χ(X/G).

Demonstração. Pelo teorema 6.7, X/G é uma superfı́cie. Sejam T uma triangulação de
X/G e VT , AT e FT os conjuntos de vértices, arestas e faces associados a T . Como
a ação é livre e o(G) = d, para todo [x] ∈ X/G temos que #(π −1 ([x]) = d. Sejam
Te = π −1 (T ), VTe = π −1 (VT ), ATe = π −1 (AT ) e FTe = π −1 (FT ). Segue que VTe = d.VT ,
ATe = d.AT e FTe = d.FT . Consequentemente, χ(X) = χ(X/G).

Corolário 6.4. Se G é um grupo agindo livremente sobre uma superfı́cie compacta X,


então o(G) divide χ(X).

Definição 6.32. Sejam α : G × X → X uma ação descontinua sobre uma superfı́cie X


e p ∈ F ixα (X). O ı́ndice do ponto p, com respeito a ação α, é

να (p) = o(Gp ). (6.2)

autor: Celso M Doria 244


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

Quando uma ação descontı́nua α : G × X → X não é livre, o espaço quociente X/G


não é uma superfı́cie é um orbital. No entanto, se o conjunto dos pontos fixos F ixα (X) da
ação for finito, então a ação induz sobre (X − F ixα (X))G a estrutura de superfı́cie de
X. Uma triangulação de um espaço orbital X/G é um conjunto de triângulos satisfazendo
as condições de uma triangulação sobre uma superfı́cie e a condição adicional

F ixα (X) ⊂ VT . (6.3)

Ao fixarmos uma triangulação T de um orbital X/G temos os conjunto VT de vértices,


AT o de arestas e FT o de faces de T .

Definição 6.33. Sejam X uma superfı́cie compacta e G um grupo agindo descontinua-


mente sobre X.

1. Se F ixα (X) = {p1 , . . . , pn }, e νi o ı́ndice de pi ∈ F ixα (X), então a Caracterı́stica


de Euler de uma triangulação T de X/G é

n  
X 1
χ(X/G, T ) = VT − AT + FT − 1− . (6.4)
νi
i=1

2. Se #F ixα (X) = ∞, então

χ(X/G) = ∞.

Proposição 6.9. Sejam G um grupo de ordem o(G) = d e X uma superfı́cie compacta.


Considere α : G×X → X uma ação descontı́nua tal que F ixα (X) = {p1 , . . . , pn }. Então

χ(X) = d.χ(X/G)

Demonstração. Seja Gi o grupo de isotropia de pi , 1 ≤ i ≤ n, e νi = o(Gi ). Seja T


uma triangulação de X/G, sendo VT , AT e FT os conjuntos de vértices, arestas e faces
associados a T . Sejam

Te = π −1 (T ), VTe = π −1 (VT ), ATe = π −1 (AT ), FTe = π −1 (FT ).

Pelo Teorema de Lagrange 2.1, se o(G/Gi ) = ki então d = νi .ki . Como a ação não é
livre, para cada pi ∈ F ixα (X), temos que

#π −1 (π(pi )) = d − (νi − 1) − (ki − 1)(νi − 1). (6.5)

Isto porque ao fazermos a contagem dos vértices de Te = π −1 (T ) devemos descontar os


(νi − 1) elementos de Gi − {I} que fixam pi e, por isto, também devemos descontar a
ação dos (ki − 1) elementos de G/Gi − {I} sobre os (νi − 1) vértices que não existem.
Se x ∈ / F ixα (X), então #π −1 (π(x)) = d. Segue que

autor: Celso M Doria 245


´
6.7. AÇÕES DESCONTINUAS ´
SOBRE SUPERFICIES. ESPAÇOS ORBITAIS
Celso M Doria

n
X
VTe = d.VT − ki (νi − 1),
i=1
ATe = d.AT , FTe = d.FT .

Consequentemente,

n
X
χ(X) = d.(VT − AT + FT ) − ki .(νi − 1).
i=1
n 
" #
X 1
χ(X) = d VT − AT + FT − 1− = d.χ(X/G)
νi
i=1

Observação. A caracterı́stica de Euler χ(X/G) definida em 6.4 é um invariante geométrico


porque é invariante por isometrias, no entanto, não é um invariante topológico.

Exemplo 6.6. 1. χ(D2 /Zn ) = n1 .

2. χ(D2 /Dn ) = ∞.

3. Orbitais do tipo II

X1II X2II X3II X4II X5II X6II X7II X8II X9II


χ ∞ 1 2 3 4 5 6 7 8

II
X10 II
X11 II
X12 II
X13 II
X14 II
X15 II
X16 II
X17
χ 9 10 11 12 13 14 15 16

Exercı́cio 6.8. Mostre que

1. Sejam X1 e X2 superfı́cies compactas e X = X1 #X2 , então

χ(X) = χ(X1 ) + χ(X2 ) − 2

2. Aplicando o item anterior, prove que

χ(T 2 #. g. .#T 2 ) = 2 − 2g.

autor: Celso M Doria 246


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

3. Analogamente,

χ(RP 2 #. g. .#RP 2 ) = 2 − g.

4. Se T1 e T2 são duas triangulações de X/g, mostre que

χ(X/G, T1 ) = χ(X/G, T2 ).

6.8 Espaços Homogêneos


Definição 6.34. Uma superfı́cie X é homogênea com relação a ação de um grupo G se
a ação for transitiva.

As propriedades dos espaços homegeneos não se generalizam para outros tipos de


ações sem que a natureza da ação seja levada em conta. As técnicas apresentadas nesta
seção são aplicaveis ao estudo de uma órbita Ox ⊂ X. Uma superfı́cie X munida com
uma ação de um grupo G denominaremos de uma G-superfı́cie.

Exemplo 6.7. Considere X uma superfı́cie e G um grupo agindo sobre X. As seguintes


ações, induzidas pela ação linear, são transitivas (X é homogeneo);

1. Sejam G × X → X uma ação qualquer e x0 ∈ X. A órbita Ox0 é um espaço


homogeneo.

2. X = R2 − {0} e G = Gl2 (R).


α : Gl2 (R) × (R2 − {0}) → (R2 − {0}).

3. X = S 2 e G = SO3 .
onde (g, x) → g.x é a ação linear.

4. X = RP 2 e G = SO3 .
(g, [x]) → g.[x] é o quociente da ação do item anterior pelo grupo Z2 .

5. Seja G um grupo qualquer e considere X = G. Considere a ação de G sobre G.

No decorrer desta seção estaremos sempre considerando que X é uma superfı́cie


homogênea com relação à ação.

Proposição 6.10. Seja X um espaço Homogêneno e x, y ∈ X. Então, os subgrupos de


isotropia Gx e Gy são conjugados.

autor: Celso M Doria 247


6.8. ESPAÇOS HOMOGÊNEOS Celso M Doria

Demonstração. Uma vez que X é homogêneo existe g ∈ G tal que y = g.x. Seja h ∈ Gy ,
então

h.y = y ⇔ h.g.x = g.x ⇔ g −1 .h.gx = x ⇔ g −1 .h.g ∈ Gx

Portanto, Gx e Gy são conjugados através do isomorfismo g∗ : Gy → Gx definido por


g∗ (h) = g −1 .h.g.

Sejam x0 ∈ X e G0 = Gx0 o grupo de isotropia de x0 A aplicação φ : G → X,


definida por φ(g) = g.x0 , é sobrejetora devido transitividade da ação. Para analisarmos
a injetividade, observamos que

g.x0 = h.x0 ⇔ h−1 g ∈ H.

Assim, a aplicação induzida Φ : G/H → X, Φ([g]) = g.x0 é bem definida e bijetora.


Também segue que Φ é uma aplicação equivariante, isto é, φ(h.g) = h.Φ(g).

Definição 6.35. Seja X uma G-superfı́cie. Uma aplicação f : X → X é dita

1. equivariante se f (g.x) = g.f (x) para todo x ∈ X e g ∈ G.

2. invariante se f (g.x) = f (x) para todo x ∈ X e g ∈ G

Um aplicação invariante é constante sobre as órbitas e, por isto, induz uma aplicação
sobre o espaço quociente. Uma aplicação equivariante é determinada pelos valores as-
sumidos sobre seções s : X/G → X, objetos estes que nem sempre existem globalmente
(este fenomeno ocorre em Fibrados Principais).

Definição 6.36. O grupo dos automorfismos de um G-espaço X é o conjunto

AutG (X) = {f : X → X | f é equivariante}

Um dos aspectos interessantes sobre espaços homogêneos é a determinação da estru-


tura de AutG (X). Para este propósito utilizamos a observação simples que uma aplicação
equivariante preserva o grupo de isotropia; isto é, sejam g ∈ Gx e φ ∈ AutG (X), então

φ(x) = φ(g.x) = g.φ(x) ⇒ g ∈ Gφ(x) .

Consequentemente, ao fixarmos um elemento qualquer x0 ∈ X, sendo H = Gx0 , todo


φ ∈ AutG (X) induz um homeomorfismo do conjunto SH = {x ∈ X | Gx = H}.

Lema 6.3. Todo elemento do grupo AutG (X) é determinado pela extensão equivariante
de um elemento de AutG (SH )

autor: Celso M Doria 248


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

Demonstração. Fixamos x0 ∈ X e seja H = Gx0 . É claro da discussão acima que


um elemento φ ∈ AutG (X) induz uma bijeção em SH . Vejamos a recı́proca, considere
φ ∈ AutG (SH ) e seja y0 = φ(x0 ). Definimos a extensão φ : X → X da seguinte maneira:

z = g.x0 ⇒ φ(z) = g.y0 , ∀z ∈ X

1. φ é bem definida;
Se z = g.x0 = g , .x0 , então g −1 g , ∈ H. Da definição de φ segue que g.y0 = g , .y0
implica em g −1 g , ∈ Gy0 . Como Gy0 = H, decorre que φ é bem definida.

2. φ é diferenciável;
isto segue do fato da ação ser diferenciável.

3. φ é equivariante;
Seja z = g.x0 , então φ(g , .z) = φ(g , g.x0 ) = g , g.φ(x0 ) = g , g.y0 = g , .φ(z).

4. φ é sobrejetora;
Sejam w ∈ X e w = g.y0 , se z = g.x0 , segue que w = φ(z).

5. φ é injetora;
Sejam z = g.x0 e w = g , .x0 e suponha que φ(z) = φ(w), então g.y0 = g , .y0 , o que
implica que g −1 g , ∈ H. Seja h ∈ H tal que g , = gh, então

w = g , .x0 = gh.x0 = g.x0 = z

Observação. Seja X um espaço G-homogêneo;

1. Os automorfismos φ ∈ AutG (SH ) são determinados pelo valor de φ(x0 ). Sejam


φ1 , φ2 ∈ AutG (SH ) definidos da seguinte maneira: seja x = g.x0 , então

φ1 (x) = g.φ1 (x0 ), φ2 (x) = g.φ2 (x0 )

Decorre que φ1 (x) = φ2 (x) se, e somente se, φ1 (x0 ) = φ2 (x0 ). Ou seja, um elemento
φ ∈ AutG (SH ) esta determinado pelo seu valor num único ponto.

2. Seja N (H) = {g ∈ G | g −1 Hg = H} o normalizador de H em G. Sejam y, x ∈ SH ,


se y = g.x, então g ∈ N (H), pois para todo h ∈ H

h.y = y ⇔ h.g.x = g.x ⇔ g −1 hg ∈ H ⇔ g ∈ N (H).

Lema 6.4.
AutG (SH ) = AutN (H) (SH )

autor: Celso M Doria 249


6.8. ESPAÇOS HOMOGÊNEOS Celso M Doria

Demonstração. Começaremos mostrando que N (H) age transitivamente sobre SH . Se-


0
jam g ∈ N (H) e x ∈ SH , então g.x ∈ SH , pois, para todo h ∈ H existe h ∈ H tal que
hg = gh0 . Consequentemente,

h.(g.x) = hg.x = gh0 .x = g.h0 .x = g.x


A recı́proca é verdadeira, isto é, se x ∈ SH e y = g.x ∈ SH , então g ∈ N (H). Observamos
que se h.y = y, para todo h ∈ H, então h.g.x = g.x que g −1 hg ∈ H, da onde concluı́mos
que g ∈ N (H). A ação é transitiva uma vez que a ação de G é transitiva. Portanto,
consideramos o espaço

AutN (H) (SH ) = {φ : SH → SH | φ é N(H)-equivariante}

Agora é suficiente, pelo que foi discutido, aplicar o fato que um automorfismo φ ∈
AutN (H) (SH ) induz um automorfismo em AutG (SH ), e vice-versa.

Em vista do que foi visto, chegamos aos eguinte resultado

Corolário 6.5.
1-1
SH ←→ N (H)/H

Teorema 6.10. Seja X um espaço G-homogêneo. Fixe x0 ∈ X e seja H = Gx0 . Então,

AutG (X) ' N (H)/H,

onde N (H) é o normalizador de H em G.

Demonstração. À cada elemento n ∈ N (H) associamos o automorfismo φn (x) = gn−1 .x0 .


Isto define a aplicação

Φ : N (H)/H) → AutN (H) (SH ), Φ(n) = φn

Vejamos que Φ é um isomorfismo de grupo;

1. Sejam m, n ∈ N (H) e x = g.x0

Φ(m).Φ(n)(x) = φm (φn (x)) = φm (g.n.x0 ) = g.n−1 .m−1 .x0 =

= g.(mn)−1 .x0 = φmn (x) = Φ(mn)(x).

Portanto,

Φ(mn) = Φ(m).Φ(n).

autor: Celso M Doria 250


CAPÍTULO 6. GEOMETRIA INTRÍNSECA Celso M Doria

2. Φ é um monomorfismo, pois N uc(Φ) = {e}.

3. Φ é um epimorfismo. Isto decorre do fato que o automorfismo φ ∈ AutN (H) (SH )


esta determinado pelo seu valor em φ( x0 ), uma vez que para todo x = g.x0 ∈ SH

φ(x) = g.φ(x0 ).

Agora, é suficiente observarmos que existe n ∈ N (H) tal que φ(x0 ) = n−1 .x0 .

Exercı́cio 6.9. 1. Sejam x0 , x1 ∈ X e Φ0 : G/Gx0 → X e Φ1 : G/Gx1 → X as


aplicações bijetoras correspondentes. Mostre que Φ0 e Φ1 são conjugadas.
homeo
2. Conclua que S 2 ←→ SO3 /SO2 .

3. Na demonstração do teorema acima, defina Φ(n) = φn onde para todo x = g.x0 ∈


SH temos que φn (x) = g.n.x0 . Verifique que esta definição não funciona para
definir o isomorfismo desejado.

4. Mostre que SH possui uma estrutura de grupo.

5. Considere a ação de SO3 sobre S 2 . Calcule SH .

6. Considere a ação de SO3 sobre RP 2 . Calcule SH .

7. Seja G um grupo. Considere a ação de G sobre ele mesmo dada pelo produto
G × G → G. Mostre que esta ação é homogenea e SH = G.

8. Sejam x0 , x1 ∈ X e H1 , H2 os respectivos grupos de isotropia. Determine a relação


entre SH1 e SH2 .

autor: Celso M Doria 251


6.8. ESPAÇOS HOMOGÊNEOS Celso M Doria

autor: Celso M Doria 252


Capı́tulo 7

Aplicações Diferenciáveis. Formas


Locais.

Neste apêndice demonstraremos dois resultados fundamentais para a teoria das superfı́cies
diferenciáveis;

Teorema 7.1. Sejam U ⊂ R2 e V ⊂ R3 subconjuntos abertos. Sejam f : U → V uma


aplicação diferenciável e p ∈ U . Se f é uma imersão aberta, então f (U ) é uma superfı́cie
diferenciável.

Teorema 7.2. Sejam U ⊂ R3 e V ⊂ R subconjuntos abertos. Sejam f : U → V uma


aplicação diferenciável e p ∈ U . Se c ∈ Im(f ) é um valor regular de f então a superfı́cie
de nı́vel f −1 (c) é uma superfı́cie diferenciável.

7.1 Conceitos Básicos


Considere U = {(x1 , . . . , xn ) | xi ∈ R, 1 ≤ i ≤ n} um subconjunto aberto de Rn
e V = {(y1 , . . . , ym ) | yj ∈ R, 1 ≤ j ≤ m} um subconjunto aberto de Rm . O plano
tangente á um ponto p ∈ U é o conjunto

Tp U = {v ∈ Rn | ∃γ : (−, ) → U, γ(0) = p, γ 0 (0) = v}

Como, para todo p ∈ U e v ∈ Rn , a curva γ(t) = p + tv satisfaz as condições γ(0) = p e


γ 0 (0) = v, segue que Tp U é um espaço vetorial isomorfo à Rn .

Definição 7.1. Uma aplicação f : U → V é diferenciável se, para todo p ∈ U e v ∈ Tp U ,


existe uma transformação linear dfp : Tp U → Tf (p) V tal que

f (p + tv) − f (p)
dfp .v = lim
t→0 t
Nas coordenadas locais de U , seja f (x1 , . . . , xn ) = (f1 (x1 , . . . , xn ), . . . , fm (x1 , . . . , xn )).
Desta forma,

253
7.1. CONCEITOS BÁSICOS Celso M Doria

n
X ∂f
dfp .v = vi
∂xi
i=1

e
 ∂f ∂f1 ∂f1

1
∂xi ∂xi ... ∂xi
∂f2 ∂f2 ∂f2
...
 
 ∂xi ∂xi ∂xi 
dfp = 
 .. .. .. 
 . . ... . 

∂fm ∂fm ∂fm
∂xi ∂xi ... ∂xi

O subespaço gerado pela imagem de dfp é

∂f ∂f
Im(dfp ) =< ,..., >
∂x1 ∂xn

Definição 7.2. A aplicação f : U → V é um difeomorfismo se f : U → f (U ) for


bijetora, diferenciável e a aplicação inversa f −1 : f (U ) → U for diferenciável.

Teorema 7.3. (TFI) - Sejam U, V subconjuntos abertos de Rn e f : U → V uma


aplicação diferenciável. Seja p ∈ U e suponhamos que dfp : Tp U → Tf (p) V é um isomor-
fismos de espaços vetoriais. Então, existe uma vizinhança aberta W ⊂ U de p, tal que
f : W → f (W ) é um difeomorfismo.

Demonstração. Veja em [26]

A seguir, aplicaremos o Teorema da Função Inversa (TFI) em algumas situações


visando demonstrar os teoremas 7.1 e 7.2. Antes, precisamos das seguintes definições

Definição 7.3. Sejam U ⊂ Rn e V ⊂ Rm subconjuntos abertos. Sejam f : U → V uma


aplicação diferenciável e p ∈ U .

1. Se n < m e posto(dfp ) = n dizemos que f é uma imersão em p . Se para todo


p ∈ U f é uma imersão, então dizemos que f é uma imersão.

2. Se n > m e posto(dfp ) = m dizemos que f é uma submersão em p . Se f é uma


submersão para todo p ∈ U , então dizemos que f é uma submersão.

Exemplo 7.1. .

1. A aplicação f : (0, 2π) × (0, π) → R3 , definida por

f (θ, ψ) = (cos(θ)sen(ψ), sen(θ)sen(ψ), cos(ψ))

é uma imersão.

autor: Celso M Doria 254


CAPÍTULO 7. APLICAÇÕES DIFERENCIÁVEIS. FORMAS LOCAIS.
Celso M Doria

2. A aplicação φ1 : B1 → R3 , onde B1 = {(x, y) ∈ R2 | x2 + y 2 < 1}, definida por


p
φ1 (x, y) = (x, y, 1 − x2 − y 2 )

é uma imersão.

3. Seja f : R3 → R, f (x, y, z) = x2 + y 2 + z 2 é uma submersão em R3 − {0}.

4. Seja f : R3 → R, f (x, y, z) = x2 + y 2 − z 2 é uma submersão em R3 − {0}.

7.2 Forma Local das Imersões


Consideramos U ⊂ R2 aberto e φ : U → R uma função diferenciável; a imersão mais
simples que podemos considerar é do tipo

ι(x1 , x2 ) = (x1 , x2 φ(x1 .x2 )). (7.1)

Neste caso, ι(U ) é o gráfico da função φΥ → R e a matriz


 
1 0
df(x1 ,x2 ) =  0 1 ,
∂φ ∂φ
∂x1 ∂x2

tem posto(df(x1 ,x2 ) ) = 2. Vejamos que a imersão 7.1 é um difeomorfismo f : U → f (U );


Proposição 7.1. Sejam U ⊂ R2 aberto, φ : U → R uma função diferenciável e ι : U →
R3 a imersão definida por

ι(x1 , x2 ) = (x1 , x2 , φ(x1 , x2 )). (7.2)


Então, ι : U → f (U ) é um difeomorfismo.
Demonstração. É claro da definição que ι é bijetora, no entanto, precisamos verificar
que a inversa ι−1 é diferenciável. Para isto, extendemos a aplicação ι para a aplicação
Φ : U × R → R3 através da expressão

Φ(x1 , x2 , x3 ) = (x1 , x2 , φ(x1 , x2 ) + x3 ).

Segue que em p = (x1 , x2 , x3 )


 
1 0 0
dΦp =  0 1 0 .
∂φ ∂φ
∂x1 ∂x2 1

Desta maneira, dφp : Tp (U × R) → TΦ(p) R3 é um isomorfismo de espaços vetoriais


uma vez que posto(dΦp = 3. Pelo (TFI) em 7.3, existe um aberto W ⊂ U × R tal que

autor: Celso M Doria 255


7.2. FORMA LOCAL DAS IMERSÕES Celso M Doria

Φ : W → Φ(W ) é um difeomorfismo. Consequentemente, a restrição Φ : W ∩(U ×{0}) →


Φ(W ∩ (U × {0})), dada por Φ(x1 , x2 , 0) = ι(x1 , x2 ), é um difeomorfismo. A inversa ι−1
é dada por

ι−1 (u, v, φ(u, v)) = Φ−1 (u, v, φ(u, v)) = (u, v, 0).

A seguir mostraremos que toda imersão é localmente difeomorfa a um gráfico como


descrito na expressão 7.2.

Teorema 7.4. (Forma Local das Imersões) Sejam U ⊂ R2 e V ⊂ R3 abertos e f :


U → V uma imersão. Então, existem abertos U 0 ⊂ U e W ⊂ R2 , e um difeomorfismo
Φ : W → U 0 tal que a composição f ◦ Φ : W → V é dada por diagrama(xxx)

f ◦ Φ(x1 , x2 ) = (x1 , x2 , φ(x1 , x2 )), (7.3)

onde a função φ : W → R é diferenciável.

Demonstração. Seja

f (x1 , x2 ) = (f1 (x1 , x2 ), f2 (x1 , x2 ), f3 (x1 , x2 )

então
 ∂f1 ∂f1

∂x ∂y
 ∂f2 ∂f2 
df(x1 ,x2 ) =  ∂x ∂y 
∂f3 ∂f3
∂x ∂y

Como posto(dfp ) = 2, suponhamos que a matriz


!
∂f1 ∂f1
∂x1 ∂x2
∂f2 ∂f2
∂x1 ∂x2

seja não singular. Ao considerarmos a aplicação g : U → R2 , g(x1 , x2 ) = (f1 (x1 , x2 ), f2 (x1 , x2 )),
conluı́mos que dgp é não singular. Portanto, pelo Teorema da Função Inversa, existem
vizinhanças U 0 ⊂ U e W de f (p), tais que g : U 0 → W é um difeomorfismo. Seja
Φ = g −1 : W → U 0 ; ao denotarmos u = f1 (x1 , x2 ), v = f2 (x1 , x2 ) e φ1 (u, v) = f3 ◦Φ(u, v)
concluı́mos que

f ◦ Φ : W → U0 f ◦ Φ(u, v) = (u, v, φ1 (u, v))

Definição 7.4. Sejam U ⊂ R2 e V ⊂ R3 subconjuntos abertos. Seja f : U → V uma


aplicação diferenciável, dizemos que f é uma aplicação aberta se f (W ) é um subconjunto
aberto de f (U ), ou seja, existe um aberto V ⊂ R3 tal que f (W ) = f (U ) ∩ V .

autor: Celso M Doria 256


CAPÍTULO 7. APLICAÇÕES DIFERENCIÁVEIS. FORMAS LOCAIS.
Celso M Doria

Teorema 7.5. Consideramos U ⊂ R2 e V ⊂ R3 subconjuntos abertos e f : U → V


uma aplicação diferenciável. Se f é uma imersão aberta, então f (U ) é uma superfı́cie
diferenciável.

Demonstração. Pelo Teorema da Forma Local das Imersões em 7.4, para todo p ∈ U
existe uma vizinhança Up0 ⊂ U tal que f : Up0 → f (Up0 ) é um difeomorfismo. Decorre
do fato de f ser uma aplicação aberta que f (Up0 ) é também aberto em f (U ). Portanto,
tomando q = f (p) e Vq = f (Up0 ), segue que (Vq , f −1 ) é uma carta local para f (U ) e
A = {(Vq , f −1 ) | q ∈ f (U )} é um atlas para f (U ).

7.3 Forma Local das Submersões


Sejam V ⊂ R3 um aberto, p ∈ V e πx : V → R a projeção πx (x, y, z) = x. Desta
forma, o funcional linear d(πx )p : Tp V → R é dado por

d(πx )p .v =< (1, 0, 0), (v1 , v2 , v3 ) >= v1

e posto(d(πx )p ) = 1. Assim, concluı́mos que πx é uma submersão. Para cada c ∈ Im(πx ),


πx−1 é a interseção do plano x = c com o aberto V . Um outro exemplo de submersão é
dado por πx : V → R2 , πxy (x, y, z) = (x, y). Veremos que as projeções são os modelos
canonicos de submersão.

Teorema 7.6. (Forma Local das Submersões) - Sejam U ⊂ R3 , V ⊂ Rn abertos e


f : U → V uma submersão (n < 3). Então, existe uma vizinhança U 0 (⊂ U ) de p, um
aberto W ⊂ R3 e um difeomorfismo Φ : W → U 0 tal que a composta f ◦ Φ : W → V é
dada pela projeção diagrama(xxx)

f ◦ Φ(x, y, z) = x, se n = 1
f ◦ Φ(x, y, z) = (x, y), se n = 2

Demonstração. Vamos mostrar apenas para ocaso quando n=2. Seja

f (x, y, z) = (f1 (x, y, z), f2 (x, y, z))

enão
!
∂f1 ∂f1 ∂f1
∂x ∂y ∂z
df(x,y,z) = ∂f2 ∂f2 ∂f2
∂x ∂y ∂z

Por hipótese temos posto(dfp ) = 2 para todo p ∈ U ; por isto podemos assumir que a
matriz
!
∂f1 ∂f1
∂x ∂y
∂f2 ∂f2
∂x ∂y

autor: Celso M Doria 257


7.3. FORMA LOCAL DAS SUBMERSÕES Celso M Doria

é não singular. Ao considerarmos a função F : U → V ×R, F (x, y, z) = (f1 (x, y, z), f2 (x, y, z), z),
temos que a matriz derivada no ponto p é dada por
 
∂f1 ∂f1 ∂f1
 ∂x2 ∂y ∂z
dFp =  ∂f
∂x
∂f2
∂y
∂f2 
∂z 
0 0 1

e é não singular (det(dFp ) 6= 0). Pelo Teorema da Função Inversa, existem vizinhanças
U 0 (⊂ U ) de p e W (⊂ V × R) contendo f (p), tais que F : U 0 → W é um difeomorfismo.
Seja Φ = F −1 : W → U 0 e considere u = f1 (x, y, z) e v = f2 (x, y, z); assim

f ◦ Φ(u, v, z) = f (x, y, z) = (u, v)

Definição 7.5. Consideramos U ⊂ R3 , V ⊂ Rn (n ≤ 2) abertos e f : U → V uma


aplicação diferenciável. Um ponto c ∈ Im(f ) é denominado valor regular de f se, para
todo p ∈ f −1 (c), a transformação linear dfp : Tp U → Tf (p) V é sobrejetora.

Teorema 7.7. Sejam U ⊂ Rm , V ⊂ Rn abertos, f : U → V uma aplicação dife-


renciável e c ∈ Im(f ) um valor regular de f . Então, o conjunto f −1 (c) é uma superfı́cie
diferenciável.

Demonstração. Vamos demonstrar para o caso n = 2; nós faremos uso da notação usada
na demonstração do Teorema ??. Sejam c = (c1 , c2 ) ∈ Im(f ) e p = (x, y, z) ∈ f −1 (c).
Pela demonstração do teorema ??, existe uma vizinhança Up0 de p tal que Up0 é difeomorfa
à f (Up0 ) × R. Desta forma, f −1 (c) ∩ Up0 é difeomorfo à {(c1 , c2 , z) | z ∈ R}, pois

f (x, y, z) = c ⇔ F (x, y, z) = (c1 , c2 , z).

Sejam Ap = f −1 (c) ∩ Up0 e Fp = F : Ap → {c} × R, então (Ap , Fp ) é uma carta local para
f −1 (c) e A = {(Ap , Fp ) | p ∈ f −1 (c)} é um atlas para f −1 (c).

autor: Celso M Doria 258


Índice Remissivo

área caracterı́stica de Euler, 7, 108


de uma região, 29 de superfı́cie, 234
elemento de carta local, 200
hiperbólico, 30 ciclo, 183
órbita, 36 ângulo do, 183
ı́ndice acidental, 183
de um ponto, 234 ordem do, 183
ângulo classe lateral
entre vetores, 26 à direita, 22
pfc, 180 à esquerda, 22
comprimento
ação, 33
de curva, 26
grupo fundamental, 35
de curva, 29
linear, 33
Condição (V), 184
livre, 36
conexão
pontos fixos da, 36
Levi-Civita, 223
propriamente descontı́nua, 38
riemanniana, 223
transitiva, 36
configuração, 189
aplicação
da ação, 105
de transição, 200
conjunto limite, 176
aberta, 246
coordenadas
equivariante, 238
esféricas, 78
invariante, 238
curvatura, 215
aplicação antı́poda, 100
arco de curva, 73
discontinuidade, 185 escalar, 220
atlas, 199 gaussiana, 219
de S2 , 81 ricci, 219
Axioma seccional, 219
congrência LLL, 54
axioma desigualdade
das paralelas, 41 Cauchy-Scwartz, 25
difeomorfismo, 244
campo paralelo, 213 distância, 30
caracterı́stica de Euler esférica, 91
de orbital, 235 distãncia

259
ÍNDICE REMISSIVO Celso M Doria

euclideana, 42 finitamente gerado, 21


geradores, 21
esfera, 77 linear, 16
espaço multiplicativo, 16
hiperbólico, 109 normal, 22
das órbitas, 36 ordem, 21
esférico, 83 ortogonal, 46
euclideano, 41 O3 , 19
quociente, 36 SO2 , 17
estrutura SO3 , 19
geométrica, 10 permutações, 19
Picard, 177
fibrado tangente, 204 raı́zes da unidade, 17
forma de conexão, 212 simétrico, 19
Fuchs, 169 Tipo I, 61
função Tipo II, 61
deslocamento, 160 triangular
esférico, 102
geodésica, 30
euclideano, 65
geometria, 5
hiperbólico, 195
esférica, 83
grupo fundamental, 9
gomo
esférico, 98 hiperbólico
hiperbólico, 30, 139 de bordo, 186
grande cı́rculo, 80 simples, 171
grupo, 15 holonomia, 214
1a -espécie, 179 homomorfismo, 23
2a -espécie, 179 epimorfismo, 24
O2 , 46 isomorfismo, 24
U1 , 17 monomorfismo, 24
do dodecaedro, 104 núcleo, 23
abeliano, 15 Hopf, 207
cı́clico, 20
conforme, 32 identidade
de holonomia, 223 Bianchi, 216
de Schottky, 187 Jacobi, 206
diedral imersão, 244
quadrado, 18 inteiros, 16
triângulo, 17 módulo n, 16
do cubo, 104 invariante
do icosaedro, 104 geométrico, 203
do octaedro, 104 inversão, 111
do tetraedro, 102 isometria, 31, 203
elementar, 169 primitiva, 171

autor: Celso M Doria 260


ÍNDICE REMISSIVO Celso M Doria

Jordan-Schönflies, 135 reflexão


deslizamento, 66
lado livre, 183 reta afim, 49
Lambert, 146 sobre reta, 44
lei dos cossenos região
esfeŕica, 92 fundamental, 39
hiperbólica, 138 retı́culado, 59
lei dos senos retas
esférica, 95 concorrentes, 116
hiperbólica, 138 paralelas, 116
ultra-paralelas, 116
métrica
rotação, 43
esférica, 82
centro em P , 49
compatı́vel, 217
rotações, 17
completa, 31
esférica, 28 sı́mbolos
euclideana, 28 F ix(g), 36
hiperbólica, 28, 109 F ixα (Ω), 36
riemanniana, 28 Gx , 36
meridiano, 80 Isom(H2 ), 122
N / G, 22
norma, 25 O(2, 1), 128
O2 , 46
orbital, 232
O3 , 85
orientação, 52
OG , 56
paracompacto, 199 Rθ , 43
paralelo, 80 SO2 , 43
plano tangente, 28, 201, 243 TA,b , 49
polı́gono Tv , 48
fundamental, 180 Λ(G), 176
poliedro, 107 Ω/G, 36
de Platão, 107 Ox , 36
pontos antı́podas, 100 H2P , 126
produto E3 , 77
semi-direto, 52 T , 48
produto angular, 117 TG , 56
produto interno C, 104
euclideano, 25 D, 104
projeção I, 104
estereográfica, 81 T, 102
| G : H |, 22
racionais, 16 S2 , 77
recobrimento, 9 dE2 , 42
universal, 9 dS2 , 91

autor: Celso M Doria 261


ÍNDICE REMISSIVO Celso M Doria

rl , 44 esférico, 92
F ixf , 157 hiperbólico, 136
H2K , 130 transformação conforme, 32, 204
M2 , 127 translação, 48
M2+ , 128 triângulo
Hb 2 , 126 esférico, 92
P
SL2 (R), 121
vértice
SO3 , 85
impróprio, 183
Tg , 160
próprio, 183
Difeo(X), 201
valor regular, 248
sı́mbolos de Christoffell, 211
Saccheri, 146
sequência
exata, 52
simbolo
Isom(H2 ), 122
simplesmente conexo, 9
soma conexa, 7
subgrupo, 20
ı́ndice, 22
centro de G, 20
dos comutadores, 21
isotropia, 36
normalizador, 22
normalizador de g ∈ G, 20
torção, 21
submersão, 244
superfı́cie
localmente homogênea, 10
superfı́cie
fechada, 7
genus da, 7
homogênea, 10
irredutı́vel, 7
riemanniana, 202

Teorema
Gauss-Bonnet, 8
Lagrange, 22
Principal, 11
teorema
uniformização, 12
Teorema Pitágoras

autor: Celso M Doria 262


Referências Bibliográficas

[1] BARBOSA, J.L.M. - Geometria Euclideana, Coleção do Professor de Matemática,


SBM, Rio de Janeiro, 1995.

[2] BEARDON, A. - The Geometry of Discrete Groups, Springer-Verlag, GTM 91,


1982.

[3] BENNETT CHOW & DAN KNOPF - The Ricci Flow: An Introduction - Mathe-
matical Surveys and Monographs, 110, AMS.

[4] CARMO, MANFREDO P. - Differential Geometry of Curves and Surfaces, Prentice


Hall, New Jersey, 1976.

[5] CARMO, MANFREDO P. - Geometria Riemanniana, Projeto Euclides, SBM, Rio


de janeira, 1988.

[6] EUCLIDES - Elementos.

[7] FARKAS, H. & KRA, I. - Riemann Surfaces - 2a edição, Springer, New York and
Berlin, 1992.

[8] FEEMAN, TIMOTHHY G. - Portraits of the Earth - A Mathematician Looks at


Maps, Mathematical World, vol 18, AMS.

[9] GAUSS, Karl F. - General Investigations of Curved Surfaces, Raven Press, New
York, 1965.

[10] GREENBERG, MARVIN JAY - Euclidean and Non-Euclidean Geometries, Develp-


ment and History, W.H Freeman and Company, 2nd -edition, New York, 1979.

[11] GREENBERG,M. & HARPER,J.R. - Algebraic Topology - A First Course, The


Benjamin/Cummings Publishing Company, Advance Book Program, London, 1981.

[12] GUILLEMIN,V & POLLACK, A - Differentail Topology, Prentice Hall , Inc, En-
glewood Cliffs, New jersey, 1974.

[13] HAMILTON, R - Three Manifolds with positive Ricci curvature - J. Diff. Geometry,
17, (1982), no. 2 , 255-306.

263
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Celso M Doria

[14] HIRSCH, M.W. & SAMALE,S. - Differential Equations, Dynamical Systems, and
Linear Algebra, Series of Monog. and Texts in Pure and Applied Mathematics,
Academic Press, New York, 1970.

[15] MASKIT, BERNARD - Kleinian Groups, Springer-Verlag, erlin, 1980.

[16] MASSEY, W. - Algebraic Topology: An Introduction, Springer-Verlag, GTM 56,


New York, 1977.

[17] MILNOR,J & Stasheff,J - Characteristic Classes, Annals of Mathematics Studies,


Study 76, Princeton University Press, 1974.

[18] MOISE, EDWIN. - Geometric Topology in Dimension 2 and 3, Springer-Verlag,


GTM 47, New York 1977.

[19] MONTESINOS, JOSÉ M. - Classical Tesselations and Three-Manifolds, Springer-


Verlag, Universitext, Heidelberg, 1985.

[20] NIKULIN, V.V. & SHAFAREVICH, I.R. - Geometries and Groups, Universitext,
Springer-erlag, New York, 1980, ISBN3-540-15281-4.

[21] MISNER, C.W., THORNE, K.S. & WHEELER, J.A.: Gravitation, Freeman, San
Francisco-CA, 1973, ISBN 0-7167-0344-0.

[22] SAUNDERS MacLANE & GARRET BIRKHOFF: Algebra, The MacMillan Com-
pany, New York, 1967.

[23] SCOTT, PETER - The Geometries of 3-Manifolds, Bull. London Math. Soc., 15
(1983), 401-487.

[24] STILLWELL, J. - Geometry of Surfaces, Springer-Verlag, Universitext, New York


1992.

[25] WARNER, F. - Foundations of Differentiable Manifolds and Lie Groups, Scott,


Foresman and Company, London, 1971.

[26] WOLL, J.W.,Jr. - Functions of Several Variables, New York, Hartcourt, Brace &
World, Inc, 1966.

[27] YVES, L. & ARNALDO, G. - Álgebra: Uma Introdução, Monografias de Ma-


temática no 39, IMPA, Rio de Janeiro, 1983.

Universidade Federal de Santa Catarina


Campus Universitario , Trindade
Florianopolis - SC , Brasil
CEP: 88.040-900

autor: Celso M Doria 264

Você também pode gostar