Você está na página 1de 39

Começar de Novo – Apoio à

Autonomização dos Refugiados

Guia de técnicas de
procura de emprego

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


Índice

Introdução ..................................................................................................................................... 3
1. Por onde começar? ........................................................................................................... 4
2. O balanço pessoal ............................................................................................................. 5
3. O mercado de trabalho .................................................................................................... 7
4. O currículo e a carta de apresentação ............................................................................. 8
4.1. O currículo ...................................................................................................................... 8
4.2. A carta de apresentação............................................................................................... 12
5. A Procura de emprego .................................................................................................... 15
5.1. Os anúncios de emprego .............................................................................................. 15
5.2. O jornal ......................................................................................................................... 16
5.3. A internet ..................................................................................................................... 17
5.4. A candidatura espontânea ........................................................................................... 17
6. A entrevista ..................................................................................................................... 19
7. O contrato de trabalho ................................................................................................... 25
8. A manutenção do posto de trabalho ............................................................................. 27
Conclusão .................................................................................................................................... 28

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


Introdução
Iniciar a procura de emprego ou tentar reenergizar uma procura já existente pode parecer
confuso uma vez que existem muitas variáveis: sabe do que está à procura? Quais os cargos
adequados ao seu perfil? Consegue listar as suas principais competências?

Como em qualquer aspeto das nossas vidas, da prática vem a perfeição – a procura de
emprego não é diferente. Encontrar emprego implica conhecimento, organização e a aplicação
de estratégias que podem maximizar as oportunidades. Com este guia, pretendemos:
• Ajudar a desenvolver uma atitude positiva e dinâmica face à procura de emprego;
• Informar sobre as diferentes técnicas e instrumentos de apoio à procura de emprego;
• Desenvolver e promover a autonomia na procura de emprego;
• Apoiar na identificação de potenciais oportunidades.

Por enquanto a procura de emprego é o seu trabalho: invista nela diariamente, estamos certo
que irá ser bem-sucedido/a!

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


1. Por onde começar?
Um primeiro passo importante é considerar o que realmente queremos fazer – o emprego que
desejamos deve ser um objetivo a longo prazo – uma carreira; a nossa construção pessoal.

O desemprego pode surgir em qualquer altura do percurso profissional é, por isso, é


importante tirar partido dos períodos em que não se encontra a trabalhar:
 Faça o ponto de situação da sua carreira;
 Decida qual a direção a seguir em termos profissionais;
 Adquira ou melhores os seus conhecimentos (ex. língua portuguesa);
 Não se isole: procure ajuda junto de amigos, contactos profissionais ou serviços de
apoio ao emprego.

Para procurarmos emprego, deve sempre adotar uma atitude positiva, proactiva e dinâmica, o
que requer tempo, energia, vontade e persistência. É importante organizar um plano de ação:
 Conheça-se a si próprio/a;
 Analise o mercado de trabalho do setor a que me candidato;
 Dê-se a conhecer;
 Analisar e responder a anúncios de emprego;
 Faça candidaturas espontâneas;
 Construa uma rede de contactos;
 Foque-se na entrevista.

Antes de iniciar a procura de emprego é igualmente importante certificarmo-nos de que


dispomos de todos os documentos necessários ao início da atividade profissional,
nomeadamente autorização de residência provisória ou título de residência e número de
identificação fiscal. Certifique-se que conhece os seus direitos e deveres, mediante os
documentos que apresenta – nem sempre os empregadores têm conhecimento acerca dos
diferentes documentos de identificação, pelo que é essencial que tenha toda a informação
relevante.

Apesar de ser exigido pela maioria dos empregadores, o número de identificação da


segurança social não é um requisito obrigatório por lei quando iniciamos a procura de
emprego, podendo este ser solicitado pelo empregador no momento da elaboração do
contrato de trabalho.

A maioria dos empregadores faz os seus pagamentos via transferência bancária pelo que será
importante ter uma conta bancária em seu nome num banco à sua escolha.

No momento de escolher um banco para abertura de conta, não se esqueça de reunir


várias propostas de forma a perceber qual será a melhor para si.

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


2. O balanço pessoal
É importante conhecer as suas competências e os seus interesses, para que possamos
identificar mais facilmente quais as ofertas de emprego ou quais os postos de trabalho aos
quais nos devemos candidatar.

O balanço pessoal é, por isso, um passo indispensável permitindo orientar os seus esforços de
procura de emprego das seguintes formas:
 Procura emprego nas áreas profissionais relacionadas com os meus interesses,
características pessoais, conhecimentos e competências;
 Ao refletir sobre si próprio/a é mais fácil responder aos anúncios de emprego e
preparar-se para uma entrevista de emprego;
 Ajuda a identificar e a valorizar os meus pontos fortes, bem como a identificar as
minhas dificuldades e a delinear estratégias para as ultrapassar.

Como posso fazer o meu balanço pessoal?


Exercício 1:
O presente exercício permite refletir acerca das nossas características mais gerais.
Desenhe a sua mão numa folha de papel. Para cada um dos dedos identifique:
 O que gosto de fazer no meu tempo livre?
 Qual a característica pessoal que mais me tem ajudado desde que cheguei a
Portugal?
 Qual a característica pessoal que não me tem ajudado desde que cheguei a
Portugal?
 Qual é o meu maior desafio?
 O que gostaria de saber no final?

Exemplo: Desorganização
Boas competências de
comunicação
Aprender a língua
portuguesa
Gosto de ler

Identificar boas oportunidades


de emprego

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


Exercício 2:
Após termos definido algumas das nossas características mais pessoais, é importante agora
refletir em relação ao emprego.
Responda de forma honesta às seguintes perguntas:

 O que sei fazer?


_____________________________________________________________________________
 O que gosto de fazer?
_____________________________________________________________________________
 O que não gosto de fazer?
_____________________________________________________________________________
 Em que tipo de atividade sou melhor?
_____________________________________________________________________________
 Que imagem/ideia têm os outros de mim?
_____________________________________________________________________________
 Que aspetos posso melhorar?
_____________________________________________________________________________

 Estou disposto(a) a ter um emprego diferente dos que tive até agora?
_____________________________________________________________________________
 Tenho necessidade de atualizar os meus conhecimentos e competências profissionais?
_____________________________________________________________________________

A resposta a estas perguntas é o seu balanço pessoal! Analise bem as suas respostas –
serão a base orientadora da sua procura de emprego!

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


3. O mercado de trabalho
Conhecer o mercado de trabalho pode parecer complexo, contudo é um dos aspetos com mais
influência na procura de emprego, uma vez que nos indica elementos tais como as áreas ou as
profissões com mais disponibilidade ou as qualificações ou conhecimentos necessários para
executar determinado tipo de tarefas.

Que informação devo recolher?


É importante recolher o máximo de informação acerca da área profissional em que
procuramos emprego (lembra-se do balanço pessoal?). Para tal, devemos tentar conhecer os
seguintes aspetos:
 Conhecer as profissões para a área profissional escolhida (ex. àrea profissional:
Restauração; Profissões: cozinheiro; ajudante de cozinha; copeiro; empregado de
mesa; empregado de balcão; gerente; entre outras);
 Conhecer as competências exigidas para desenvolver essa atividade (ex. sentido
de responsabilidade; conhecimentos linguísticos; capacidade de trabalho em
equipa; etc…);
 Conhecer as qualificações e formação exigidas (ex. habilitações escolares mínimas
ou formação profissional específica);
 Conhecer o tipo de entidades que existem e onde se pode exercer a atividade
profissional desejada (ex. empresas, associações, organizações não-
governamentais…);
 Conhecer as modalidades de emprego existentes e quais se aplicam à situação em
que se encontra (ex. trabalho a tempo inteiro; trabalho a tempo parcial; trabalho
noturno; trabalho por turnos; …).

Como posso conhecer o mercado de trabalho?


 Leia diariamente os anúncios de emprego publicados nos jornais e selecione os
que lhe interessam;
 Consulte e selecione as ofertas disponíveis nos Centros de Emprego, nos serviços
de apoio ao emprego, tais como Gabinetes de Inserção Profissional, Centros
Locais de Apoio à Integração de Migrantes; nas Empresas de Trabalho
Temporário e nas bolsas de emprego difundidas pela Internet1
 Consulte e selecione os anúncios afixados nas Juntas de Freguesia, nos
supermercados ou noutros serviços públicos;
 Utilize a sua rede de contactos para obter informações sobre oportunidades de
emprego;
 Analise quais os postos de trabalho mais oferecidos e quais os requisitos mais
exigidos pelos empregadores.

1
Consulte uma lista das principais bolsas de emprego online em www.cpr.pt/comecardenovo

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


4. O currículo e a carta de apresentação
Agora que se conhece a si próprio/a e ao mercado de trabalho é importante pensar no passo
seguinte: dar-se a conhecer às entidades empregadoras. Para tal, existem Portugal existem
dois documentos indispensáveis à procura de emprego – o currículo e a carta de apresentação.
Aprenda, neste capítulo, como construir um currículo forte e uma carta de apresentação
apelativa e que demonstre o melhor de si!

4.1. O currículo
O curriculum vitae, currículo ou CV é uma das ferramentas mais importantes para a procura de
emprego. É neste documento que vamos descrever a nossa experiência profissional, o nosso
percurso formativo e as nossas competências pessoais. É com base no currículo que o
empregador vai decidir apostar ou não na nossa contratação.

Devemos enviar o currículo sempre que respondemos a anúncios de emprego ou sempre que
apresentamos candidaturas espontâneas.

O currículo é a sua imagem de marca: aposte na construção de um currículo


personalizado.

Qual a informação que devo colocar no meu currículo?


É através do currículo que fazemos o nosso primeiro contacto com o empregador, pelo que
toda a informação apresentada deve servir para projetar uma imagem positiva.
 Seja honesto/a – todas as informações devem corresponder à verdade.
 Seja inteligente – valorize as informações que o/a favorecem!

Independentemente do formato de currículo que escolher, este deve ser dividido em, pelo
menos, seis categorias:

Nome completo
Identificação Morada
Contactos: número de telefone / telemóvel; endereço de email

Nota importante: Não indique os números de identificação no currículo – estes devem


ser apenas cedidos em contexto de entrevista.
Informações como a data de nascimento ou o estado civil são facultativas.

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


Escolaridade
Habilitações Data de conclusão
académicas Classificação obtida
Estabelecimento de ensino

Nota importante: Indique a sua média de conclusão da sua habilitação literária apenas se
esta for favorável!

Formação Cursos ou outras ações de formação


Seminários ou congressos

Nota importante: Para cada uma das ações identifique a data de conclusão, classificação
obtida (se favorável) e a entidade formadora.
Se tiver realizado estágios, também deve identifica-los nesta secção.

Função
Experiência Principais atividades / responsabilidades
profissional Datas de exercício da função
Nome do empregador

Nota importante: identifique a informação acima descrita para cada uma das suas
experiências profissionais.

Voluntariado
Atividades Atividades culturais e recreativas
extraprofissionais
Atividades desportivas
Atividades de tempos livres

Nota importante: esta rúbrica é tão mais importante quanto menos experiência
profissional tiver. Se estiver à procura do primeiro emprego, descreva bem as suas
atividades extraprofissionais.

Outros Conhecimentos de informática


conhecimentos Conhecimentos linguísticos
Carta de condução

Nota importante: esta rúbrica pode fazer a diferença entre si e outros candidatos. Seja
claro nos níveis de proficiência das línguas.
Se não tiver carta de condução reconhecida em Portugal, elimine o campo.

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


Como devo organizar o currículo?
A informação deve seguir a organização em cima indicada. Contudo, nas secções de formação
e experiência profissional pode escolher organizar de duas formas diferentes:
 Currículo cronológico: neste modelo, dispomos a informação por ordem cronológica,
permitindo que o empregador faça uma leitura fácil e rápida do currículo. Existem dois
tipos de currículo cronológico:

CV cronológico direto CV cronológico inverso

Informação organizada da mais antiga


Informação organizada da mais
para a mais recente.
recente para a mais antiga.
Evidencia a progressão profissional,
Evidencia a última experiência
sendo particularmente interessante se
profissional, sendo particularmente
começou a trabalhar numa função
interessante se procuramos emprego
com menos responsabilidade e evoluiu
na mesma área ou função.
para cargos superiores.

Atenção: atendendo a que este tipo de currículo coloca em destaque as datas do


exercício das funções, irá colocar em destaque períodos de desemprego mais longos, o
que pode não ser positivo.

 Currículo funcional: este modelo destaca a experiência profissional e as competências


obtidas através das mesmas. A organização da informação faz-se por temas, ou blocos,
sendo para cada um dos tópicos listadas as funções desempenhadas e as metas
atingidas.

Se tiver pouca experiência profissional Se tiver muita experiência profissional

Debruce-se sobre as suas experiências


extraprofissionais, nomeadamente ao Organize as suas experiências por área
nível do voluntariado, estágios de curta profissional.
duração, entre outras.
Permite mascarar possíveis períodos
A falta de experiência profissional não será longos de desemprego.
tão evidente.

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


Atenção: uma vez que se debruça sobre as nossas competências, estes currículos são
normalmente mais extensos, o que pode ser cansativo ou desmotivador para o
empregador.

Como devo apresentar o currículo?


O currículo deve ser:
• Processado em computador, sem erros de ortografia ou de gramática, em folha A4
branca;
• No máximo 2 a 3 páginas;
• Deixe espaço suficiente entre as letras, as linhas e nas margens;
• Utilize palavras simples e frases curtas;
• Transmita uma ideia por parágrafo;
• Evite parágrafos com mais de 5 linhas;
• Utilize verbos de ação e na primeira pessoa (ex: organizei..., dirigi..., sei fazer...);
• Especifique as atividades exercidas;
• Não escreva números por extenso;
• Apresente as datas sempre da mesma forma;
• Escreva sempre o significado das siglas.

Caso não tenha acesso a um computador ou sinta dificuldades em redigir o seu currículo,
peça o apoio de serviços de apoio ao emprego, tais como o Gabinete de Inserção
Profissional mais perto de si, aos técnicos do CPR ou aos técnicos do município onde
reside.

5 dicas para um escrever bom currículo:


Concentre-se no essencial

Seja breve: 2 páginas é normalmente suficiente para valorizar o seu perfil. Não exceda as 3
páginas;
Se tiver pouca experiência de trabalho, descreva primeiro a sua formação e depois
experiências de estágio ou voluntariado.

Seja claro/a e conciso/a

Utilize frases curtas;


Dê exemplos específicos;
Atualize o currículo sempre que tiver uma nova experiência.

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


Adapte o seu currículo

Realce os pontos fortes que se adequam ao posto de trabalho a que se candidata;


Não inclua informação que não seja relevante para a candidatura em questão;
Justifique interrupções de estudos ou carreira com competências que adquiriu durante os
mesmos.

Preste atenção à apresentação

As habilitações, aptidões e competências devem ser apresentadas de forma clara e lógica;
Coloque em primeiro lugar a informação mais importante.

Releia com muita atenção

Corrija todos os erros de ortografia e observe a estrutura com cuidado;


Dê o seu CV a ler a outra pessoa para se certificar que o conteúdo é claro e de fácil
compreensão.

Consulte os anexos deste manual para exemplos de currículos

4.2. A carta de apresentação


Agora que tem um currículo forte, é altura de pensar na sua carta de apresentação!

A carta de apresentação é um documento, enviado juntamente com o currículo, sempre que


faz uma candidatura a um posto de trabalho. Tal como o currículo, a carta de apresentação é
um dos primeiros contactos do candidato com a empresa. Por isso, a carta deve ser bem
redigida e criativa, para que possa destacar-se dos outros e conseguir uma oportunidade de
trabalho.

Como devo formatar a carta de apresentação?


A carta de apresentação deve ser formatada em computador, não excedendo as 500 palavras
(3 a 4 parágrafos). Não pode conter erros ortográficos ou de gramática!

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


Qual a informação que devo colocar na carta de apresentação?

Dados de Dados da
Localidade e data
identificação entidade

Posto de
Referência à fonte do trabalho a que Referência ao
anúcio nos envio do CV
candidatamos

Apresentação
Disponibilidade
de Assinatura
para entrevista
cumprimentos

É importante que a carta seja clara, concisa, sem erros ortográficos e que salientem o melhor
do seu currículo e de si.

O importante em ambas as cartas é que sejam claras, concisas, sem erros ortográficos e que,
sem exageros, saliente o melhor do seu currículo e de si.

Como escrever uma carta de apresentação para candidatura a anúncio de emprego?

1.º parágrafo – Refira-se ao anúncio

 Porque é que está a candidatar-se?


 Está a candidatar-se a que função?
 Onde encontrou o anúncio?

2.º parágrafo – Mostre interesse

 Apresente-se e expresse interesse pelo posto de trabalho a que se candidata;


 Relacione o posto de trabalho com a sua experiência e competências profissionais;
 Porque é que considera que é a pessoa indicada para a função anunciada?
 Quais os conhecimentos/competências que tem que se ajustam à função?

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


3.º parágrafo – Manifeste disponibilidade

 Informe que está disponível para prestar mais informações ou para uma entrevista

Consulte os anexos deste manual para exemplos de cartas de apresentação.

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


5. A Procura de emprego
Agora que tem um currículo forte e uma boa carta de apresentação, é importante identificar
os meios através dos quais os pode fazer chegar às entidades empregadoras.

A procura de emprego pode realizar-se de duas formas diferentes: através da resposta a


anúncios de emprego e através da realização de candidaturas espontâneas.

5.1. Os anúncios de emprego


Os anúncios de emprego são, de forma geral, compostos por quatro tipos de informação:
 Informação sobre a empresa: apresentação da empresa, que pode estar ou não
identificada.
 Informação sobre o posto de trabalho: designação da função, principais atividades.
 Perfil pretendido: habilitações literárias ou profissionais; experiência profissional;
conhecimentos valorizados.
 Condições contratuais: tipo de contrato; remuneração.
 Forma de resposta: indicações sobre como proceder para responder ao anúncio.

Leia o anúncio de emprego com muita atenção e selecione os que lhe interessam em função
do seu perfil e objetivo profissional.

Não responda apenas aos anúncios que correspondem totalmente ao ser perfil. Arrisque
responder a alguns anúncios para os quais não reúna a totalidade dos requisitos exigidos
– poderá ter outras características igualmente valorizadas pelo empregador!

No que respeita à forma de resposta, e conforme descrito anteriormente, os anúncios de


emprego têm sempre indicação sobre como responder. Normalmente, existem três
possibilidades de contacto:
 Morada e horário: deve realizar uma candidatura presencial, dirigindo-se a uma
morada indicada. Leve todos os seus documentos, currículo e carta de apresentação.
Apresente-se no horário indicado. Não se esqueça: este será o seu primeiro contacto
com a entidade – cuide da sua apresentação física e prepare algumas palavras sobre si.
 Endereço de email: remeta, via email, o seu currículo e carta de apresentação;
 Número de telefone: o contacto telefónico pode, pode vezes, ser um pouco difícil.
Encontre em baixo algumas dicas importantes para vencer o nervosismo.

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


O contacto telefónico

 Anote antecipadamente as perguntas que necessite de fazer;


 Leia o currículo e tenha-o à mão para o caso de lhe serem colocadas questões
relacionadas com o mesmo;
 Tenha à mão um bloco de notas para anotar informações necessárias;
 Escolha uma hora para efetuar o telefonema que se insira dentro do horário de
trabalho da empresa;
 Faça o telefonema de um local apropriado;
 Identifique-se e esclareça o objetivo do telefonema;
 Confirme com o interlocutor se é com ele que deverá falar acerca da oferta de
emprego;
 Fale pausadamente por forma a ser percetível para o outro;
 Responda com clareza a todas as questões;
 Agradeça a disponibilidade;
 Marque na agenda a indicação do próximo contacto.

5.2. O jornal
Uma das formas mais fáceis de aceder a ofertas de emprego é a consulta da secção de
“Classificados” dos jornais. A maior parte dos jornais diários tem secções ou cadernos
específicos para anúncios de emprego. É frequente conseguir encontrar jornais para consulta
nos cafés ou comércios locais.

Um dos desafios da consulta do jornal é a linguagem: os anúncios são dispendiosos e por isso
quem os coloca opta, na maioria das vezes, por abreviar palavras de forma a poupar algum
dinheiro com a publicação.

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


Listamos, em baixo, as abreviaturas mais frequentes e o seu significado:

 S/ EXP = sem experiência  FOLGAS FIXAS = o dia da semana em


 C/ EXP = com experiência que não se trabalha é sempre o mesmo
 C/ PRÁTICA = com práti ca / experiência  HORÁRIO SEGUIDO = sem pausas
 S/ FORM = sem formação  HORÁRIO REPARTIDO = horário com
 C/ FORM = com formação intervalo de horas
 F/M = Feminino/Masculino  HORÁRIO POR TURNOS = horário
 FOLGA= dia de descanso rotativo, que muda frequentemente
 ENT. IMEDIATA = Entrada Imediata

5.3. A internet
A forma mais fácil de chegar às ofertas de emprego, hoje em dia, é a através de motores de
busca online. Em Portugal existe uma panóplia de sites de procura de emprego, alguns
inclusive dedicados a áreas profissionais específicas.

A maior parte destas plataformas d e procura de emprego permitem que faça um registo para
que possa receber ofertas de emprego adequadas ao nosso perfil.

Na plataforma informática www.cpr.pt/comecardenovo poderá, no separador “Emprego”


fazer o seu registo como candidato a emprego, para que a equipa do Conselho Português
para os Refugiados (CPR) possa entrar em contacto consigo sempre que existir uma oferta
de emprego indicada para si.

Para responder às ofertas de emprego que encontre na internet pode:


 Telefonar (se tiver indicação de contacto telefónico);
 Enviar o currículo através do próprio site (se estiver registado);
 Enviar o currículo por email, com carta de apresentação: Devemos remeter o
currículo e a carta de apresentação, contudo devemos sempre escrever um breve
texto no corpo do email, de forma a informar qual é a nossa intenção com a presente
mensagem:

5.4. A candidatura espontânea


A candidatura espontânea é uma forma de dar a conhecer as suas competências, isto é, de
fazer a sua promoção pessoal.

Aposte na candidatura espontânea: na maioria das vezes, as entidades empregadoras


consultam estas candidaturas antes de lançarem os seus anúncios de emprego!

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


Como pode fazer uma candidatura espontânea?
 Através do envio de cartas de candidatura espontânea a entidades empregadoras /
empresas de recrutamento / trabalho temporário;
 Através da divulgação do seu currículo online;
 Através do contacto presencial com as entidades empregadoras.

Como deve proceder?


 Reflita sobre o seu balanço pessoal e área profissional – identifique o tempo de
entidades em que poderá trabalhar (ex. empresas? organizações sem fins lucrativos?
…)
 Faça uma lista de empresas em que gostaria de trabalhar;
 Mediante a lista mencionada, pesquise e reúna o máximo de informação possível
sobre cada uma das empresas a que pretende apresentar candidatura;
 Escreva a sua carta de candidatura espontânea!

Como escrever uma carta de apresentação para candidatura espontânea

1.º parágrafo – Motivações

 Explique porque escreve a carta, evidenciando conhecimento sobre a entidade;


 Mostre que conhece a empresa: porque é que envia o e-mail? Como conhece a
empresa e o que lhe atrai nela?

2.º parágrafo – Estabeleça uma relação

 Relacione o seu perfil com a empresa


 Fale um pouco sobre si. Qual a sua mais-valia para a Empresa?

3.º parágrafo – Manifeste disponibilidade

 Solicite uma entrevista: desperte interesse no empregador para que lhe seja concedida
uma entrevista. Termine a carta de forma amável.

Consulte os anexos deste manual para exemplos de cartas de apresentação.

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


6. A entrevista
A entrevista é a fase final dos processos de seleção. É no momento da entrevista que tem a
possibilidade de se dar a conhecer ao seu potencial empregador – prepare-se bem!

Quais são os objetivos da entrevista?


A entrevista é o momento de diálogo entre a entidade empregadora e quem se candidata à
função. É uma troca de informações.
Durante a entrevista, os objetivos deverão ser dar-se a conhecer, valorizar as suas
competências, verificar se o posto de trabalho corresponde aos seus interesses e convencer o
empregador a admiti-lo na sua empresa.

Por outro lado, os objetivos do empregador serão aprofundar os elementos apresentados no


currículo e verificar se o seu perfil de adequa às exigências da função.

Existem vários tipos de entrevista: individual, em grupo, entre outras. Também é possível
que lhe seja solicitado para realizar uma atividade prática, para demonstrar os seus
conhecimentos (ex. cozinhar). Prepare-se, também, para ter de enfrentar mais do que um
entrevistador.

Como deve preparar a entrevista?


A entrevista é um momento decisivo na procura de emprego. É, por isso, importante garantir
que está o melhor preparado/a possível.

Pesquise

 Conheça bem a entidade: a área de atividade, a dimensão, o tipo de empregados e as


suas funções principais, tipo produtos ou serviços, valor médio de remuneração.

Tenha em atenção o seu currículo

 Conheça bem o seu currículo: é no momento da entrevista que vão querer aprofundar
a informação que indicou no currículo – tenha bem presente informação detalhada
para responder a questões. Se ajudar, faça algumas notas!

Fale de si

 “Fale de si” é uma das perguntas mais frequentes em entrevistas. É, também, das
perguntas mais difíceis de responder! Prepare, antes da entrevista, um pequeno
discurso de 1 a 2 minutos para responder a esta pergunta. Foque aspetos e vivências
que se relacionam com a empresa de forma a criar uma relação.

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


Organize-se

 Previamente à entrevista reúna todos os documentos importantes e leve-os consigo.


Se lhe for solicitada entrega de documentação, nunca entregue os seus documentos
originais – tenha sempre cópias disponíveis. Lembre-se: qualquer documento entregue
deve estar em boas condições de conservação – são uma imagem de si!
 Verifique a data, hora e local da entrevista incluindo os transportes disponíveis para
chegar;
 Anote algumas perguntas que precise de fazer no decurso da entrevista;
 Prepare respostas para as questões mais frequentes;
 Chegue sempre 10 minutos antes – nunca chegue atrasado/a!

A imagem profissional é importante?


Sim. Não há uma segunda oportunidade para se criar uma boa primeira impressão!

Além de verbal, a comunicação também é visual por isso, a forma como nos apresentamos diz
bastante sobre nós. Em contextos de entrevista o objetivo é que a sua imagem comuni
transparecer confiança, seriedade e responsabilidade.

Planeie com antecedência o que vestir em entrevistas – pode ter um ou dois conjuntos
especificamente para vestir nestes momentos mais formais, dessa forma não terá de pensar
sempre no que poderá vestir. Deixamos em baixo algumas dicas:

O que não deve vestir O que deve vestir

Chinelos ou ténis; Roupa limpa, sem manchas e sem


Calções ou saias curtas; buracos;
Calças de ganga (a menos que sejam Vestuário discreto, de cores sóbrias (ex.
muito escuras); apertadas ou de cintura preto, azul escuro, cinzento, bege);
baixa; Tecidos que não sejam marcantes;
Blusas ou camisas muito decotadas ou Roupas com cortes direitos;
que mostrem a barriga; Sapatos limpos;
Acessórios ou roupas que façam barulho; Cinto;
Roupas sujas ou estragadas; Pasta com documentos necessários, uma
A roupa interior nunca deve estar visível. esferográfica e um bloco de notas.

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


Tatuagens e piercings: Embora sejam uma expressão da sua personalidade, algumas
empresas são mais conservadoras e tendem a não favorecer candidatos com tatuagens
ou piercings. Jogue pelo seguro: durante a sua entrevista de emprego cubra as tatuagens
com uma peça de roupa (ex. manga comprida) ou retire os piercings.

A imagem não se compõe apenas pelo que vestimos – a higiene pessoal é igualmente
importante!

Para as senhoras Para os senhores

Banho tomado;
Banho tomado;
Cabelo lavado, pintado (se necessário) e
Barba feita ou curta, com apresentação
penteado;
cuidada;
Perfume discreto;
Mãos hidratadas e unhas cortadas e
Maquilhagem discreta, em tons neutros;
limpas;
Mãos hidratadas e unhas cortadas e
Perfume discreto.
limpas.

Nunca deve usar acessórios tais como boné, chapéu, óculos de sol ou auscultadores.

Que comportamentos deve adotar durante a entrevista?


 Sente-se apenas quando for convidado – nunca se sente antes do entrevistador;
 Se lhe for oferecido, dê um aperto de mão firme;
 Mantenha uma postura correta;
 Mostre-se interessado;
 Escute com atenção;
 Fale em capacidades e não em necessidades: as pessoas são contratadas pelas
vantagens que podem trazer para a empresa e não porque precisam de um emprego;
 Responda às perguntas de forma clara e completa;
 Por vezes surgem momentos de silêncio: espere até o silêncio terminar e o
entrevistador voltar a falar ou aproveite para fazer perguntas;
 Se não compreender alguma questão ou informação, peça para repetir;
 Não insista na questão do salário – por vezes o entrevistador ainda não tem essa
informação pelo que pode perguntar mas não insistir.

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


Que comportamentos deve evitar durante a entrevista?
 Cortar a palavra ao entrevistador;
 Falar do último chefe / entidade empregadora;
 Fazer afirmações que não pode comprovar;
 Fugir às questões que lhe são colocadas;
 Mexer-se muito na cadeira;
 Mendigar o trabalho;
 Mostrar arrogância;
 Mastigar pastilha elástica;
 Insistir muito na remuneração.

Quais são as perguntas mais frequentes numa entrevista?


Todas as entrevistas são diferentes, contudo existem várias perguntas cuja ocorrência é muito
frequente:
 Quer falar mais pormenorizadamente sobre a sua experiência profissional?
 Por que razão se encontra desempregado?
 Que iniciativas tomou para resolver essa situação? (dê exemplos da sua motivação e de
esforços que tenha feito através da procura de emprego)
 Porque quer vir trabalhar nesta empresa? (relacione o seu perfil com as atividades da empresa)
 Como acha que a sua experiência nos pode interessar?
 O que sabe acerca dela?
 Como ocupa os seus tempos livres? (devemos indiciar atividades positivas, que demonstrem que
somos ativos e que gostamos de nos cultural – ex. leitura, voluntariado, deporto).
 Quais são as suas atividades extraprofissionais?
 Quais são os seus objetivos para os próximos cinco anos?
 Quais as suas qualidades e defeitos? (tente indicar defeitos que não sejam prejudiciais à atividade
profissional – ex. sou determinado/a, por vezes um pouco teimoso/a)
 O que pensa de si próprio?
 Fale-me de si.
 Qual a remuneração que gostaria de auferir? (refira as remunerações de acordo com a
informação que conseguiu reunir. Indique um salário médio. É importante valorizar-se, mas também é
importante manter-se realista.)
 Que tipo de funções gostaria de desempenhar? (lembre-se do que leu no anúncio de emprego
ou da função para a qual está a ser entrevistado/a – indique funções que se alinham com o posto de
trabalho).
 Gosta mais de trabalhar só ou com outras pessoas?
 Como foram as relações com o seu último chefe? (independentemente de terem sido boas ou
más, é vital nunca dizer mal acerca do seu último chefe ou do último local onde trabalhou. As entidades
querem trabalhadores que sejam leais – o facto de dizer mal do empregador anterior vai passar a
mensagem que fará comentários negativos sobre esta empresa, um dia que mude de emprego).
 Qual a sua disponibilidade para se deslocar?
 O que o atrai neste emprego?

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


 Quais são os seus objetivos profissionais?
 Dê um exemplo de uma situação em que demonstrou (organização, autonomia,
criatividade).

A entrevista é uma troca de informação: o seu potencial empregador está a fazer-lhe


perguntas sobre si e as suas competências. Se também fizer perguntas vai demonstrar
interesse pelo posto de trabalho e pela empresa no geral. Eis algumas ideias:
 Pode falar mais sobre as responsabilidades do dia-a-dia deste posto de trabalho?
 Quais são as qualidades mais importantes para alguém se destacar neste papel?
 Quais são as suas expectativas durante os primeiros 30 dias, 60 dias, ano?
 Quais são as maiores oportunidades para a empresa / departamento agora?
 Quais são os maiores desafios que a empresa / departamento enfrenta agora?
 Qual é a carreira mais típica para alguém nessa função?
 Quais são os próximos passos no processo de entrevista?

O que deve fazer depois da entrevista?


É frequente que, no final da entrevista, lhe seja indicada uma data na qual a entidade
empregadora voltará a contactar. Se essa data chegar e ainda não tiver recebido um contacto,
pode contactar a empresa e perguntar se terão alguma informação acerca do resultado das
entrevistas.

Logo após a entrevista pode dirigir um contacto via carta ou email à empresa,
agradecendo o tempo dispensado e reforçando a sua motivação para iniciar atividade
profissional.

Após a entrevista, aproveite também para fazer uma pequena avaliação: em primeiro lugar,
anote os pontos mais importantes que foram abordados durante a entrevista. Seguidamente,
coloque a si próprio/a as seguintes questões:
 Quais foram as questões mais difíceis de responder?
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

 O que correu mal?

_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


 O que correu bem?

_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


7. O contrato de trabalho
É muito importante ter um contrato de trabalho. É neste que estão descritos os direitos e
deveres do trabalhador e da entidade empregadora. O contrato é realizado em duplicado:
existem um exemplar para si e outro para a entidade empregadora.

Existem vários tipos de contrato de trabalho?


Sim. Existem 4 tipos de contratos:

Contrato sem termo Contrato a termo certo

Vínculo permanente com a empresa; Contrato com data de fim definina;


Os trabalhadores ficam efetivos ou seja, Tem possibilidade de renovação,
fazem parte dos quadros da empresa. mediante as condições determinadas no
contrato.

Contrato a termo incerto Contrato temporário

Contrato com uma duração que, embora


Contrato de curta duração, geralmente
seja previsível não pode ser determinada
aplicável a campanhas ou ações
(ex. substituição de trabalhador por
específicas (ex. apanha de fruta).
motivos de doença)

Existe ainda a possibilidade de exercer atividade como trabalhador independente ou


seja, como prestador de serviços a uma determinada entidade empregadora. Tem
objetivos a cumprir, mas não há um horário definido pela entidade empregadora. Se
trabalhar neste regime terá de emitir os chamados “recibos verdes” e acautelar as suas
próprias contribuições. Saiba mais aqui e aqui.

Quais são as principais diferentes entre ter um contrato de trabalho e ser trabalhador
independente?

Contrato de trabalho

 Salário fixo;

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


 Vínculo laboral;
 Subsídio de férias;
 Subsídio de Natal;
 Subsídio de alimentação (sob forma de dinheiro, vale, cartão ou refeição);
 Horário e local de trabalho;
 Subsídio de desemprego em caso de eventual desemprego, nos termos e condições
aplicáveis;
 Entidade empregadora realiza descontos para IRS e Segurança Social em nosso nome
(descritos no recibo de vencimento).

Trabalhador independente

 Não tem salário fixo;


 Não existe um vínculo laboral, excepto em caso de contrato de prestação de serviços
(usualmente de curta duração);
 Não recebe subsídio de férias;
 Não recebe subsídio de Natal;
 Não recebe subsídio de alimentação ;
 Pode ou não ter horário e local de trabalho definidos;
 Não recebe subsídio de desemprego em caso de eventual desemprego;
 É responsável por realizar os seus próprios pagamentos de IRS, IVA e Segurança Social.

Quais os valores dos salários?


 Em Portugal, a remuneração bruta mínima mensal (RBMM) é, em 2018, de €580. Após
os descontos, dependendo dos casos, poderá ficar em aproximadamente €515
(remuneração líquida mensal);
 De acordo com o instituto nacional de estatística, a remuneração bruta mensal (RBM)
média ronda os €860;
 A estes valores poderá acrescer os subsídios acime referidos, de acordo com o tipo de
contrato efetuado.

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


8. A manutenção do posto de trabalho
Fez o seu balanço pessoal, analisou o mercado de trabalho, construiu um currículo e uma carta
de apresentação fortes, fez uma excelente entrevista e… foi-lhe feita uma proposta de
emprego – Parabéns!

Agora que se encontra a trabalhar, é necessário desenvolver estratégias que vão permitir que
mantenha o emprego de forma a promover a sua autonomia e independência. Eis algumas
sugestões:

 Seja pontual;
 Seja flexível;
 Não falte ao trabalho a menos que seja absolutamente necessário. Se tiver uma
emergência ou um imprevisto, informe imediatamente o seu superior e pergunte de
que forma poderá compensar as horas que teve de tirar. Se precisar de umas horas
para uma consulta médica ou ida a um serviço, fale com o seu chefe antes da data de
forma a combinar essa falta com a empresa;
 Quando precisar de tirar férias ou uma folga, faça esse pedido com antecedência –
informe-se junto da entidade empregadora qual é o prazo necessário;
 Conheça bem as suas funções e o que é esperado de si;
 Peça ajuda ou mais informação sempre que precisar;
 Os erros acontecem: procure formas de melhorar ou rentabilizar o seu trabalho;
 Trabalhe em equipa: crie relações harmoniosas e de entreajuda com os seus colegas;
 Mantenha uma atitude positiva e seja agradável e cortês com o seu supervisor e os
seus colegas de trabalho. Ouça e respeite as ideias dos outros. Trabalhe para se dar
bem com todos;
 Se tiver problemas ou problemas com o seu trabalho ou colegas de trabalho, fale com
o seu supervisor. Tenha a mente aberta a sugestões e trabalhe de forma positiva com
eles para resolver quaisquer problemas.

A comunicação é extremamente importante: sempre que tiver questões, coloque-as.


Certifique-se que dispõe de informação correta, inclusive acerca de descontos e
contribuições que são feitas pelo empregador em seu nome.

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


Conclusão
Através do presente guia propusemo-nos a criar uma ferramenta orientadora da sua procura
de emprego em Portugal. Esperamos que este instrumento o/a apoie e esclareça os aspetos
mais importantes da procura de emprego.

Não se esqueça: por vezes a procura de emprego pode parecer difícil, particularmente quando
nos esforçamos todos os dias e não obtemos respostas. Trabalhe, não apenas na procura de
emprego, mas também na sua autoestima e motivação: visualize os seus objetivos e tome os
passos necessários para os concretizar. Sempre que preciso, redefina ou repense os seus
objetivos: será que o objetivo inicial é demasiado ambicioso? Haverá alguns passos a dar antes
de o atingir?

Não tenha receio de redefinir os seus objetivos – sempre que precisar de apoio ou orientação,
procure os técnicos locais ou a equipa do CPR. Estaremos aqui para ajudar.

Muito sucesso e boa sorte,


A equipa Começar de Novo

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


O currículo
Exemplo 1 – modelo clássico

Dados Pessoais

Nome: Joana Catarina Teixeira


Data de Nascimento: 5-04-1975
Morada: Rua das Cachoeiras lote 27 São João da Talha
Estado Civil: Solteira
Telemóvel: 963 883 671
E-mail: joanacatarina.teixeira@mail.com

Formação Profissional

Curso profissional de técnicas administrativas, no Instituto do Comércio, em 2005.


Principais disciplinas: Programa Primavera, Contabilidade, etc.
Curso de informática de 200h, na Melhor Escola do Mundo.

Formação Escolar

12.º ano de escolaridade, Escola São Vicente de Paulo, Lisboa.

Experiência Profissional

Administrativa, Empresa SOTODEX, de 1991 a 2005.


Actividades: expediente geral de escritório, facturação, recepcionista e telefonista.
Administrativa, Empresa LEVIN. de 2006 a 2010.
Actividades: expediente geral de escritório e facturação.

Informação Adicional

Gosto pelo atendimento ao público e espírito de equipa.


Membro do Grupo de Teatro da Bobadela e Voluntária na rádio local.

CURRICULUM VITAE 2 - Melhorado

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


O currículo
Exemplo 2 – modelo clássico

INFORMAÇÃO PESSOAL
Nome: António da Silva Almeida
Morada: Av. da Liberdade, n.º 5 3.º esq. 1700-183 Lisboa
Data de Nascimento: 05-07-1969
Telemóvel: 96 349 85 47
E-mail:

FORMAÇÃO ESCOLAR
2000
Licenciatura em Informática, pela Universidade Nova de Lisboa, média de conclusão de 17
valores. Principais disciplinas:

FORMAÇÃO COMPLEMENTAR
De Setembro de 2000 a Julho de 2002
Formação em tratamento de áudio digital (Adobe Audition, Sony Acid pró, Sony Sound forge) e
em ferramentas de tratamento de imagem (Adobe Photoshop, Macromedia freehand,
Macromedia Fireworks), pela Escola Profissional de Tecnologia Digital.

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL
2002-2004, Empresa InforTar
Função
Actividades / Principais Responsabilidades
2005-2006, Empresa Corlagar.
Técnico de Informática.
Principais Responsabilidades: Gestão do parque informático da empresa; Manutenção dos
computadores a nível de hardware e software.
2007-2009, Empresa AmbiWork.

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


OUTROS CONHECIMENTOS
Óptimos conhecimentos de língua inglesa ao nível da compreensão oral e escrita.

OUTRAS INFORMAÇÕES
Gosto e prática pelo desporto, sobretudo basquetebol.

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


O currículo
Exemplo 3 – modelo Europass

https://europass.cedefop.europa.eu/editors/pt/cv/compose

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados
A carta de apresentação:
Exemplo 1

Dados Pessoais
(Nome do remetente,)
morada, telefone)
Dados da entidade
(Nome do destinatário, cargo,
nome da empresa, endereço)

(Localidade, dia, mês e ano)

Exmo. Senhor Director dos Recursos Humanos,


(Nota: se no anúncio houver a indicação de um nome, "Exmo. Senhor X"),

Foi com grande interesse que li o vosso anúncio publicado no site Net Empregos, a
21 de Setembro. Deste modo, venho por este meio candidatar-me à função de escriturária.

A minha experiência profissional enquanto escriturária e as actividades desenvolvidas no


atendimento ao público, permitiram-me desenvolver capacidade de comunicação interpessoal e
sentido de organização.

Para v/ apreciação, envio em anexo o meu currículo.

A minha disponibilidade é total para, numa próxima entrevista, aprofundar as razões da


presente candidatura.

Com os melhores cumprimentos,

Nome do candidato

Anexo: Curriculum Vitae

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


A carta de apresentação:
Exemplo 2

Dados Pessoais
(Nome do remetente,)
morada, telefone)
Dados da entidade
(Nome do destinatário, cargo,
nome da empresa, endereço)

(Localidade, dia, mês e ano)

Exmo. Senhor

Gostaria de apresentar a minha candidatura ao lugar de Técnico de Informática, anunciado pela


vossa empresa no Jornal da Região, no dia 23 de Novembro.

Junto envio currículo apresentando em pormenor a minha formação escolar e a minha


experiência profissional.

Apreciaria muito que me dispensasse alguns minutos do seu tempo, para aprofundar melhor as
razões da minha candidatura.

Esperando a melhor atenção da V. parte, queira aceitar desde já os meus cumprimentos.

Nome do candidato

Anexo: Curriculum Vitae

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


A carta de candidatura espontânea
Exemplo 1

Dados Pessoais
(Nome do remetente,)
morada, telefone)
Dados da entidade
(Nome do destinatário, cargo,
nome da empresa, endereço)

(Localidade, dia, mês e ano)

Exmo. Senhor Director de Recursos Humanos,


(Nota: se souber, dê a indicação de um nome, "Exmo. Senhor X"),

Tenho conhecimento do dinamismo e profissionalismo da Vossa Empresa na área de


Instalações Eléctricas, Industriais e Civis. Tomo, por isso, a iniciativa de Vos enviar o meu currículo, na
esperança de que o mesmo possa suscitar interesse numa futura colaboração.

Tenho o Certificado de Técnico Responsável por Instalações Eléctricas de Serviço Particular


(nível II) e experiência profissional como electricista de baixa tensão. Considero-me uma
pessoa dinâmica e com sentido de responsabilidade.

A minha disponibilidade é total para quaisquer esclarecimentos que considerem necessários,


agradecendo desde já a Vossa atenção.

Subscrevo-me com a máxima consideração,

Nome do candidato

Anexo: Currículo e Certificado

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


A carta de candidatura espontânea
Exemplo 2

Dados Pessoais
(Nome do remetente,)
morada, telefone)
Dados da entidade
(Nome do destinatário, cargo,
nome da empresa, endereço)

(Localidade, dia, mês e ano)

Exmo. Senhor,

O crescimento da sua empresa no âmbito do mercado de electrodomésticos de linha branca,


em 2005, foi sem dúvida impressionante, segundo os números publicados na revista «Expansão» e
também noutras publicações.

Por ter trabalhado como responsável de relações públicas numa empresa deste ramo durante
oito anos, acompanhei de perto o desenvolvimento deste sector. Pela minha formação académica em
Marketing e Relações Públicas e outros cursos de especialização, bem como pela minha experiência
profissional, creio que poderia ser-lhes útil no planeamento de campanhas de promoção da empresa.

Por estes motivos, permitir-me-ei telefonar-vos nos próximos dias, a fim de vos expor os meus
projectos e conhecer mais aprofundadamente as perspectivas da Durafor.

Com os meus melhores cumprimentos,

Nome do candidato

Anexo: Currículo e Certificado

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


O contrato de trabalho
Minuta exemplificativa

PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados


PT/2017/FAMI/261: Começar de Novo – apoio à autonomização dos refugiados