Você está na página 1de 72

Correio

DA U N E S CO julho-setembro 2018 • nº 3

Inteligência
artificial
Entre o mito
e a realidade
ISSN 2179-8818

Organização
das Nações Unidas
para a Educação,
a Ciência e a Cultura
Leia O Assine a
Correio da versão digital

UNESCO É 100% 
e ajude a GRATUITO!
divulgá-lo! https://en.unesco.org/courier/subscribe

Publicado em Seja um ator


nove línguas: importante!
árabe, chinês, inglês,
esperanto, francês, Compartilhe O Correio da UNESCO
português, russo, sardenho e espanhol.
em sua rede, promovendo-o de forma
Torne-se um parceiro editorial ativo,
propondo edições em outras línguas de alinhada com a políticas de acesso aberto
O Correio da UNESCO. da Organização:
Contato: i.denison@unesco.org https://en.unesco.org/open-access

Assine a versão impressa nas seis línguas oficiais


das Nações Unidas
• 1 ano (4 edições): €27 • 2 anos (8 edições): €54

Este preço cobre os custos de impressão e Para mais informações, acesse:


distribuição. Não há propósito lucrativo. http://publishing.unesco.org
Pacote promocional especial: 10% de ou contate:
desconto para pedidos de cinco ou mais DL Services, C/O Michot Warehouses,
assinaturas. Chaussée de Mons 77,
A edição em português existe apenas na B 1600 Sint Pieters Leeuw, Belgium
versão online. Tel: (+ 32) 477 455 329   E-mail: jean.de.lannoy@dl-servi.com

2018 • n° 3 • Publicado desde 1948 Editores das línguas: ISSN 2179-8818


Árabe: Anissa Barrak
O Correio da UNESCO é publicado Chinês: Sun Min e China Translation
trimestralmente pela Organização das Nações e Publishing House Periódico disponível em Acesso Aberto sob a licença
Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. A Inglês: Shiraz Sidhva Atribuição-Partilha 3.0 IGO (CC-BY-SA 3.0 IGO) (http://
publicação promove os ideais da UNESCO por Francês: Régis Meyran creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/igo/). Ao utilizar
meio do compartilhamento de ideias sobre Russo: Marina Yartseva o conteúdo desta publicação, os usuários aceitam a
questões de interesse internacional importantes Espanhol: Beatriz Juez vinculação aos termos de uso do Repositório UNESCO de
para o seu mandato. Tradução para o português: Gabriela de Freitas acesso livre (http://en.unesco.org/open-access/).
O Correio da UNESCO é publicado graças ao Romeiro e José Geraldo de Oliveira Almeida A presente licença se aplica exclusivamente aos textos.
Projeto gráfico: Corinne Hayworth Para o uso de imagens, deve ser solicitada autorização
generoso apoio da República Popular da China.
Imagem da capa: © Francesc Roig prévia.
Diretor: Vincent Defourny Impressão: UNESCO As indicações de nomes e a apresentação do material
Diretora editorial: Jasmina Šopova  ao longo desta publicação não implicam a
Edições coeditadas:
Diretor de produção e promoção:  Ian Denison manifestação de qualquer opinião por parte da
Editora associada: Katerina Markelova Português: Ana Lúcia Guimarães 
UNESCO a respeito da condição jurídica de qualquer
Editor de seção: Chen Xiaorong Esperanto: Trezoro Huang Yinbao 
país, território, cidade, região ou de suas autoridades,
Editora digital: Malahat Ibrahimova Sardenho: Diegu Corràine
tampouco da delimitação de suas fronteiras ou limites.
Editora de fotografia: Danica Bijeljac Informação e direitos de reprodução: As ideias e opiniões expressas nesta publicação são as
Produção digital: Denis Pitzalis courier@unesco.org dos autores e não refletem obrigatoriamente as da
Relações com a mídia: Laetitia Kaci 7, Place de Fontenoy, 75352 Paris 07 SP, France UNESCO nem comprometem a Organização.
Assistente administrativa e editorial: © UNESCO 2018
Carolina Rollán Ortega
Correio
O

D A U N E S CO

Em direção a um código de ética


global para a pesquisa em inteligência artificial
Nos últimos anos, avanços incríveis pode pensar? O que a IA é capaz de componentes de um ser humano em
aconteceram no campo da Inteligência fazer neste estágio da sua evolução? Em um computador! Um robô obedece a
Artificial (IA), levando a invenções que que grau ela é autônoma? Onde fica a um conjunto de rotinas que permite sua
pensávamos jamais serem possíveis. tomada de decisão humana? interação conosco, humanos, mas além
Atualmente, computadores e robôs deste quadro bastante limitado dentro do
Mais do que conduzir-nos à Quarta
possuem a capacidade de aprender qual ele deveria interagir, não consegue
Revolução Industrial, a IA está
a aperfeiçoar seu próprio trabalho, e construir uma relação social genuína.
provocando uma revolução cultural.
até de tomar decisões – o que é feito
Ela está inegavelmente destinada a E ainda assim, algumas das aplicações
por meio de um algoritmo, é claro, e
transformar nosso futuro, mas ainda não de IA já são questionáveis – coleção
sem consciência individual. Ao mesmo
sabemos exatamente de qual maneira. É de dados que invadem a privacidade,
tempo, não podemos deixar alguns
por isso que a IA inspira tanto fascinação algoritmos de reconhecimento facial que
questionamentos de lado. Uma máquina
quanto medo. deveriam identificar comportamento
hostil e estão impregnados de
Neste número, O Correio apresenta sua
Obra digital de autoria da artista preconceito racial, drones militares
investigação ao leitor, falando sobre
Evgenija Demnievska, que representa e armas letais autônomas etc. Os
diversos aspectos dessa tecnologia
Janus, o deus romano com duas faces: problemas éticos que a IA levanta – e
inovadora nas fronteiras da ciência da
uma que olha para o passado, e a outra, que sem dúvidas continuarão a aparecer
computação, engenharia e filosofia,
para o futuro. Ele atua em todas as no futuro, com mais gravidade – são
esclarecendo diversas questões pelo
transições, de um estado para outro. numerosos.
caminho. Porque, sejamos claros – nas
circunstâncias atuais, a IA não pode Enquanto a pesquisa avança
pensar. E nós estamos bem distantes rapidamente no campo técnico da
da possibilidade de baixar todos os IA, a parte ética não passou pelo
mesmo progresso. Apesar de muitos
pesquisadores terem expressado sua
preocupação com relação a este fato, e
alguns países terem começado a pensar
sobre isso seriamente, não há um quadro
regularizado para guiar pesquisas
futuras sobre ética em escala global.
“É nossa responsabilidade liderar um
debate universal e esclarecido de modo
a entrar nesta nova era de olhos bem
abertos, sem sacrificar nossos valores,
e tornar possível o estabelecimento
de uma estrutura mundial comum
de princípios éticos”, disse a diretora-
geral Audrey Azoulay sobre o papel da
UNESCO, neste número de O Correio
(veja páginas 37-39).
Um instrumento internacional
de regulamentação para o
desenvolvimento responsável de IA
é essencial, e esta é uma tarefa que
a UNESCO está realizando. O Correio
demonstra seu apoio a esta iniciativa,
propondo diferentes correntes de
pensamento sobre o assunto.

© Evgenija Demnievska
(evgenijademnievska.com) O Correio da UNESCO • Julho-Setembro 2018 |3
Sumário
GRANDE ANGULAR
7 Inteligência Artificial:
entre o mito e a realidade
Jean-Gabriel Ganascia

10 A mão biônica que enxerga


Chen Xiaorong

11 Sobre robôs e humanos


Vanessa Evers

14 O chef Giuseppe anuncia


uma nova era na culinária
Beatriz Juez

15 Miguel Benasayag: São os


humanos, não as máquinas,
que criam significado
Entrevista por Régis Meyran

18 Yoshua Bengio: Combatendo o


monopólio da pesquisa
Entrevista por Jasmina Šopova

20 Moustapha Cissé:
Democratizando a IA na África
Entrevista por Katerina Markelova

22 Yang Qiang: a Quarta Revolução

25
Entrevista por Wang Chao

A ameaça dos robôs assassinos


Vasily Sychev
6-41
29 Trabalhando para, e não
contra a humanidade
Tee Wee Ang e Dafna Feinholz

31 Marc-Antoine Dilhac:
Os riscos éticos da IA
Entrevista por Régis Meyran
42-49
32 Karl Schroeder: IA e literatura –
ZOOM
seria mesmo para o melhor?
Entrevista por O quanto você pode carregar?
Marie Christine Pinault Desmoulins Floriane de Lassée e
Sibylle d’Orgeval
34 Aprendendo a viver na era da IA
Leslie Loble

36 Audrey Azoulay: Aproveitando


o melhor da IA
Entrevista por Jasmina Šopova

40 Léxico da
Inteligência Artificial

4 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


50-55
IDEIAS
Dançar o inominável,
ou a questão da influência da memória
da escravidão na criação artística
contemporânea
Alain Foix

56-59

60-66 NOSSO
CONVIDADO
Malek Bensmaïl: Filmar a realidade pode
ser perturbador, mas amadurece
ASSUNTOS Entrevista por Jasmina Šopova

ATUAIS
61 Galápagos:
onde os habitantes comandam

62 Seres humanos reconciliados O CORREIO DA


com a natureza
Luc Jacquet UNESCO COMPLETA
64 Os segredos de Tiauanaco, 70 ANOS!
revelados por um drone

67-70
Lucía Iglesias Kuntz Celebrando os 70 anos de O Correio
O único periódico que Nelson Mandela
lia na Ilha Robben
Annar Cassam

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 |5


As promessas e as ameaças
Grande angular

Facial recognition
(Reconhecimento facial),
de acordo com o artista norte-
americano Tony Oursler.
© Courtesy of the artist and Lehmann Maupin,
New York and Hong Kong.

6 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Grande angular

Inteligência Artificial:
entre o mito
e a realidade
Jean-Gabriel Ganascia
recentemente por personalidades máquinas. Mais precisamente, esta
contemporâneas, incluindo o físico disciplina científica teve como base
É provável que as máquinas britânico Stephen Hawking (1942-2018), na suposição de que todas as funções
se tornem mais inteligentes o empreendedor norte-americano Elon cognitivas – especialmente aprendizagem,
Musk, o futurista norte-americano Ray raciocínio, computação, percepção,
que os seres humanos? “Não”, Kurzweil, e defensores daquilo que memorização e mesmo descobertas
diz Jean-Gabriel Ganascia: chamamos atualmente de IA sólida ou científicas ou criatividade artística –
trata-se de um mito inspirado Inteligência Artificial Geral (IAG). Nós não podem ser descritas com tal precisão que
discutiremos este segundo significado torna possível programar um computador
na ficção científica. O cientista
aqui, porque, pelo menos por enquanto, para reproduzi-las. Em mais de 60 anos de
da computação nos fala poderá apenas ser atribuído à imaginação existência da IA, não há nada que tenha
sobre os maiores avanços fértil, inspirada mais pela ficção científica negado ou provado de forma irrefutável
em Inteligência Artificial (IA), que por qualquer realidade científica esta possibilidade, que permanece tão
tangível confirmada por experimentos e aberta quanto cheia de potencial.
revisa os avanços técnicos mais observações empíricas.
recentes e discute as questões
éticas que pedem por respostas
Para McCarthy, Minsky e os outros Progresso desigual
pesquisadores do Projeto de Pesquisa de
cada vez mais urgentes. Verão de Dartmouth sobre Inteligência No decorrer de sua curta existência, a
Artificial, a IA foi inicialmente projetada IA passou por diversas mudanças. Elas
para simular as diferentes faculdades da podem ser resumidas em seis fases:
A Inteligência Artificial (IA) é uma
disciplina científica que começou inteligência – humana, animal, vegetal, O tempo dos profetas
oficialmente em 1956, durante um social ou filogenética – utilizando
workshop de verão organizado por quatro Primeiramente, na euforia da origem
pesquisadores norte-americanos – John da IA e seus primeiros sucessos,
McCarthy, Marvin Minsky, Nathaniel pesquisadores envolvidos em declarações
CB2, um robô infantil, construído por
Rochester e Claude Shannon – na imprudentes deram asas à imaginação,
Minoru Asada, Japão, que queria
Universidade de Dartmouth, em New fazendo declarações irresponsáveis pelas
compreender como os robôs aprendem. 
Hampshire, Estados Unidos. Desde quais foram, mais tarde, duramente
Aqui, o CB2 está aprendendo a
então, o termo “inteligência artificial”, criticados. Por exemplo, em 1958, o
engatinhar.
provavelmente criado para causar
impacto, se tornou tão popular que
atualmente todos já ouviram falar sobre
ele. Este uso da ciência da computação
continuou a se expandir ao longo
dos anos, e as tecnologias criadas
contribuíram enormemente para as
mudanças do mundo nos últimos 60 anos.
No entanto, o sucesso da expressão
“inteligência artificial” é às vezes
fundamentado em um mal-entendido,
© Max Aguilera-Hellweg / INSTITUTE

quando é utilizado para se referir a uma


entidade artificial dotada de inteligência
e que, como resultado, poderia competir
com os seres humanos. Esta ideia, que se
refere a mitos antigos e lendas como a do
Golem (do folclore judeu, uma imagem
dotada de vida), tem sido revivida

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 |7


Grande angular

cientista político e economista norte- A semântica biométrica, reconhecimento de fala


-americano, Herbert A. Simon (EUA), que etc.), onde as técnicas de IA, ciência
Todavia, o trabalho continuou, mas a
recebeu o prêmio Nobel de Ciências da computação, vida artificial e outras
pesquisa tomou nova direção. A pesquisa
Econômicas em 1978, declarou que disciplinas foram combinadas para
focou na psicologia da memória, nos
as máquinas se tornariam campeãs produzir sistemas híbridos.
mecanismos do entendimento – com
de xadrez dentro de dez anos, caso
não fossem barradas das competições
tentativas de simular esses mecanismos Da IA para interfaces homem–
internacionais.
nos computadores – e no papel do máquina
conhecimento no raciocínio. Essa nova
Os anos obscuros direção levou à ascensão de técnicas Começando no fim dos anos 1990, a
para a representação semântica do IA se juntou à robótica e a interfaces
Na metade dos anos 1960, o progresso homem-máquina para produzir agentes
conhecimento, que se desenvolveu
parecia ser lento demais. Uma criança de inteligentes que sugerem a presença
consideravelmente na metade dos
10 anos venceu um computador em um de sentimentos e emoções. Isso levou à
anos 1970 e levou ao desenvolvimento
jogo de xadrez em 1965, e um relatório ascensão, entre outras coisas, do cálculo
de sistemas periciais, chamados desta
encomendado pelo Senado dos Estados de emoções (computação afetiva), que
maneira porque utilizam a sabedoria de
Unidos, em 1966, descreveu as limitações avalia as reações de um sujeito sentindo
especialistas habilidosos para reproduzir
intrínsecas das traduções automáticas. A emoções e as reproduz em uma máquina,
seus processos de pensamento. Os
IA recebeu críticas negativas por quase e especialmente do desenvolvimento de
sistemas periciais despertaram enormes
uma década. agentes conversacionais (chatbots).
esperanças no começo dos anos 1980,
com uma ampla gama de aplicações, Renascimento da IA
incluindo diagnósticos médicos.
Desde 2010, o poder das máquinas
Neoconexionismo e machine fez com que fosse possível explorar
A primeira calculadora numérica learning quantidades enormes de dados (big
eletrônica programável, a ENIAC data) com técnicas de aprendizagem
Melhorias técnicas levaram ao
(Electronic Numerical Integrator and profunda, com base no uso de redes
desenvolvimento de algoritmos de
Computer), inaugurada em 1946, neurais formais. Um conjunto de
machine learning (aprendizagem
tinha o volume de 30 m³ e pesava aplicações de sucesso em diversas áreas
automática), que permitiram aos
30 toneladas. Foi desenvolvida pela – incluindo reconhecimento de fala e de
computadores acumular conhecimento
Universidade da Pensilvânia, nos imagem, compreensão de língua natural
para automaticamente reprogramarem-
Estados Unidos, e foi utilizada até 1955, e carros autônomos – está levando a um
se, utilizando suas próprias experiências.
primeiro para cálculos balísticos do renascimento da IA.
exército norte-americano e depois para Isso levou ao desenvolvimento das
resolver questões de física nuclear aplicações industriais (identificação
e meteorologia.
Fotop: domínio público/ Foto do Exército dos Estados Unidos

8 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Grande angular

Quais são os riscos


éticos?
Com a IA, a maioria das dimensões
de inteligência – talvez à exceção do
humor – está sujeita à análise racional
e à reconstrução por meio do uso de
computadores. Mais além, as máquinas
estão excedendo nossas capacidades
cognitivas na maioria das áreas, e gera
temores com relação a riscos éticos.
Esses riscos recaem em três categorias
– a escassez de trabalho, porque este
poderá ser feito por máquinas no lugar
de humanos; as consequências para a
autonomia individual, particularmente

© BBP/EPFL 2015
em termos de liberdade e segurança;
e a dominação da humanidade, que
seria substituída por máquinas mais
“inteligentes”.
Simulação de atividade em um No entanto, se examinarmos a realidade,
microcircuito de neurônios virtuais de veremos que o trabalho (feito por
um rato (2015), pela equipe Blue Brain humanos) não está desaparecendo,
Aplicações Project (BBP), parte do Human Brain muito pelo contrário, está mudando
Project (HBP) europeu. De acordo com e demandando novas habilidades. Da
Muitas conquistas com o uso de técnicas os cientistas, trata-se de uma etapa em mesma forma, a autonomia e a liberdade
de IA ultrapassam as capacidades direção à simulação do funcionamento individuais não são inevitavelmente
humana. Em 1997, um programa de do cérebro humano. enfraquecidas pelo desenvolvimento da
computador derrotou o campeão IA, desde que continuemos vigilantes em
mundial de xadrez, e, mais recentemente, face das interferências tecnológicas em
em 2016, outros programas de nossas vidas privadas.
computador venceram os melhores Os cientistas também estão utilizando
jogadores do mundo de Go (um antigo estas técnicas para determinar a Finalmente, ao contrário do que algumas
jogo de tabuleiro chinês) e alguns função de certas macromoléculas pessoas alegam, as máquinas não
dos melhores jogadores de pôquer. biológicas, especialmente proteínas oferecem nenhuma ameaça existencial
Os computadores estão provando, e genomas, a partir das sequências para a humanidade. Sua autonomia
ou ajudando a provar, teoremas de seus componentes – aminoácidos é puramente tecnológica, e nisso
matemáticos; o conhecimento está sendo para proteínas, bases para genomas. corresponde apenas a cadeias materiais
construído automaticamente a partir De modo mais geral, todas as ciências de causalidade que vão da coleta de
de um volume imenso de dados, em estão passando por uma enorme ruptura informação à tomada de decisão. Por
terabytes (1012 bytes), ou mesmo petabytes epistemológica com experimentos in outro lado, as máquinas não possuem
(1015 bytes), com o uso de técnicas de silico – nomeados desta maneira por autonomia moral, porque até elas
machine learning. serem realizados por computadores nos confundem e nos enganam no
a partir de uma enorme quantidade processo de tomada de decisão, não
Como resultado, as máquinas podem de dados, que utilizam processadores possuem vontade própria e permanecem
identificar um discurso e transcrevê- poderosos cujas centrais são feitas de subjugadas aos objetivos que damos a
-lo, assim como datilógrafos faziam silicone. Desta maneira, eles se diferem elas.
no passado. Os computadores podem dos experimentos in vivo, feitos em
identificar faces ou impressões digitais matéria viva, e, acima de tudo, dos
O cientista da computação Jean-
com precisão entre dezenas de milhões experimentos in vitro, feitos em tubos de
-Gabriel Ganascia é professor na
delas, ou podem entender textos escritos ensaio de vidro.
Universidade Sorbonne, em Paris. Ele
em línguas naturais. Com a aplicação das
Atualmente, as aplicações da IA afetam também é pesquisador no LIP6, o
técnicas de machine learning, os carros
quase todos os ramos de atividade laboratório de ciência da computação
podem circular sem motorista, máquinas
– particularmente na indústria, em na Sorbonne, membro da Associação
se tornam melhores que dermatologistas
bancos, seguros, setores de saúde e Europeia de Inteligência Artificial,
no diagnóstico de melanomas ao utilizar
defesa. Muitas tarefas de rotina são membro do Institut Universitaire de
imagens de sinais de pele a partir de fotos
agora automatizadas, o que provoca a France e presidente do comitê de
tiradas com câmeras de telefone celular;
transformação de diversas transações e, ética no Centro Nacional de Pesquisa
robôs estão lutando em guerras no lugar
eventualmente, a eliminação de algumas. Científica (CNRS), em Paris. Os interesses
de humanos; e linhas de produção nas
de sua atual pesquisa incluem machine
fábricas estão se tornando cada vez mais
learning, fusão de dados simbólicos,
automatizadas.
ética computacional, ética da
informática e humanidades digitais.

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 |9


Grande angular

A mão biônica que enxerga


Chen Xiaorong

Um tipo de mão biônica


intuitiva que pode
“enxergar” e manusear
objetos de maneira
objetiva e suave poderia
mudar a vida de pessoas com
deficiências nos membros
superiores. Projetada por
engenheiros biomédicos da
Universidade de Newcastle, esta
prótese ilustra a colaboração
entre a intenção humana e a
eficiência técnica da Inteligência
Artificial (IA).
Na nova versão, uma pequena câmera de indivíduos com dificuldades sensório-
(que custa menos de US$1,50), encaixada -motoras, transformando pensamentos
na mão biônica, capta a foto do objeto à em ações e sensações em percepção.
sua frente, avalia sua forma e tamanho, e
Esta mão biônica é capaz de pegar com O ponto mais importante é entender
dispara, em questão de segundos, uma
facilidade e rapidez qualquer objeto, como o sistema nervoso periférico
série de movimentos suaves para pegá-lo.
graças a uma câmera que o fotografa e responde à estimulação eletromecânica
avalia sua forma e dimensão. Não é preciso mais que um rápido olhar do membro, o que ajuda na criação
© Newcastle University, UK do usuário na direção correta. Para do projeto das próteses. Um projeto
escolher entre quatro maneiras diferentes eletromecânico e um programa de
de “pegar” – adequadas para segurar um computador estão disponíveis online,
copo, segurar o controle remoto da TV, e podem ser adaptados ou instalados
Quando Doug McIntosh, um homem segurar objetos com o polegar e dois em diversos produtos artificiais para
com a mão amputada que participou dedos, ou pinçar com o polegar e o dedo membros superiores.
de um experimento clínico, pôde pegar indicador – a mão utiliza a inteligência
“Nós produzimos o dispositivo e o
um objeto pela primeira vez após 20 artificial de modo a melhorar de forma
sistema de controle de software, mas
anos, de maneira rápida e efetiva, sem contínua suas habilidades para detectar
não as mãos artificiais”, disse Nazarpour,
fazer o menor esforço, o criador da mão e pegar. O dispositivo é dez vezes mais
e acrescenta que o equipamento custa
biônica que ele estava usando disse que rápido que os atuais membros biônicos.
apenas US$1. Além do óbvio benefício
nenhuma recompensa era maior do que
“A capacidade de resposta tem sido para pessoas com deficiência, a mão
ver a alegria estampada naquele rosto.
uma das principais barreiras dos biônica pode fazer parte de um robô
“Isso mostrou que minha inovação membros artificiais. Controlá-los requer inteligente, o que é de interesse das
tinha sido um sucesso e meu voluntário prática, concentração e tempo”, explica indústrias e dos negócios.
estava feliz com ela”, disse Dr. Kianoush Nazarpour. “As próteses de membros
Estatísticas recentes mostram que
Nazarpour, engenheiro biomédico do mudaram muito pouco nos últimos 100
no Reino Unido existem cerca de 600
Instituto de Neurociência da Universidade anos – os projetos estão muito melhores
novos casos de pessoas com membros
de Newcastle, no Reino Unido. A mão e os materiais são mais leves e mais
superiores amputados a cada ano, e
biônica é uma das vencedoras do Prêmio duráveis, mas ainda funcionam da mesma
50% delas têm de 15 a 54 anos de idade.
de Inovação Netexplo 2018. maneira”, acrescenta.
O número é muito maior nos Estados
A nova geração de próteses de membros “A beleza deste sistema é que ele é muito Unidos, onde são 500 mil novos casos
permite que o utilizador pegue objetos mais flexível e a mão se torna capaz de de pessoas com membros superiores
sem o uso de seu cérebro, ou seja, pegar qualquer tipo de objeto – o que é amputados a cada ano.
automaticamente e sem pensar. Funciona essencial, já que na vida real as pessoas
“Nós planejamos cooperar com muitos
como uma mão real, cuja habilidade para pegam sem esforço uma variedade de
fabricantes de próteses e precisamos
pegar objetos corretamente é tomada objetos que nunca viram antes”.
construir nossas redes”, disse Nazarpour,
como certa.
Nazarpour, que dedica sua pesquisa à cuja equipe ainda está aperfeiçoando o
O processo atual requer que o usuário melhoria de próteses desde 1999, cresceu projeto. “Eu espero que isso possa ajudar
veja o objeto, estimule fisicamente no Irã com o sonho de se tornar médico. milhares de pessoas com membros
os músculos do braço e execute um Sua pesquisa é motivada pelo potencial amputados ao redor do mundo”.
movimento com o membro com prótese. das próteses em restaurar a capacidade

10 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Grande angular

Sobre robôs e humanos


© Pascal Meunier / Cosmos

Os residentes da casa de repouso Tsukui,


na cidade de Kawasaki, no Japão,
Vanessa Evers fazem ginástica com seu treinador
Vivemos em um tempo no qual os Pepper (2015).
robôs podem limpar nossas casas, dirigir
Para que um agente artificial nossos veículos, desativar bombas,
assuma um papel verdadeiro oferecer próteses de membros, ajudar
em procedimentos cirúrgicos, fabricar nanométricas que permitem o
e estabeleça relações
produtos, entreter, ensinar e surpreender. enfrentamento preciso de doenças
significativas com um ser Assim como smartphones e redes sociais e de questões genéticas, além de
humano, ele precisa de um oferecem uma conectividade muito veículos autônomos que podem reduzir
perfil psicológico, cultural, além de qualquer coisa que poderíamos as fatalidades no trânsito. Nossos
imaginar, os robôs estão começando trabalhos mudarão drasticamente
social e emocional. Os métodos a demonstrar capacidades físicas, – alguns deixarão de existir e novos
atuais de machine learning Inteligência Artificial (IA) e habilidades ofícios surgirão, por exemplo, na área
(aprendizado de máquina) não cognitivas muito acima de nossas de desenvolvimento de aplicativos
permitem tal desenvolvimento. expectativas. Juntas, estas tecnologias de serviços de robô para serem
podem ser aproveitadas para ajudar a disponibilizados em plataformas de robôs
Os robôs de amanhã serão resolver desafios importantes, como o em nossas casas. A maneira como nossa
nossos humildes assistentes, e envelhecimento de sociedades, ameaças educação se desenvolve também mudará
nada além. ambientais e conflitos mundiais. radicalmente, nossos sentidos e cérebros
poderão ser artificialmente melhorados,
Como será o dia a dia de nossas
e nossa habilidade de refletir sobre novos
vidas neste futuro não tão distante?
conhecimentos adquiridos da análise
A ficção científica tem explorado
automatizada de grandes quantidades
estas possibilidades por séculos.
de dados irá demandar uma maneira
Provavelmente, nossas vidas serão ainda
diferente do tratamento da informação
mais longas, com órgãos sintéticos
nas escolas.
para substituir partes defeituosas de
nossos corpos, intervenções médicas

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 11


Grande angular

Mas como nos relacionaremos uns com


os outros em uma civilização que inclui
robôs? De que maneira vamos encontrar
uns aos outros, manter relacionamentos
e criar nossos filhos? Em que medida os
robôs e os humanos irão se misturar?
Muitos de nós se perguntam se a IA
se tornará tão inteligente e capaz na
comunicação humana que os limites
entre os seres humanos e os seres
artificiais serão menos distintos. Se é
possível se comunicar de maneira natural
e construir uma interação significativa
com um agente artificial ao longo do
tempo, ainda existirá uma divisão nas
relações que temos com as pessoas e
com a tecnologia? Além disso, o que
significará ser “humano”, uma vez que
nossos corpos e mentes humanos serão
melhorados com a IA e a robótica?

Truques inteligentes
Sob a perspectiva da engenharia, tais
capacidades avançadas ainda estão muito
© Pascal Meunier / Cosmos

distantes. Muitos obstáculos devem


ser superados. Por enquanto, robôs e
computadores são completamente
dependentes de uma fonte de energia –
como demandam muita eletricidade, esse
fator complica a integração de elementos
robóticos com o tecido orgânico humano.
Outro obstáculo é a complexidade da
comunicação humana. Apesar de uma fazem parecer interessante por mais batimentos cardíacos, postagens nas
conversa pontual em língua natural e em tempo, por exemplo. A pessoas têm a redes sociais etc. Quando armazenamos
um contexto específico com um robô tendência de “racionalizar” de maneira vídeos em um computador, eles são
pode parecer realista, envolver pessoas humana o comportamento dos robôs rotulados com informações a respeito
de modo verbal e não verbal por diversas (também fazemos isso com os animais). das pessoas, neles, estarem confortáveis
conversas e contextos é uma questão No entanto, para sustentar uma relação ou não – isso pode ser feito apenas por
bem diferente. significativa, que se aprofunda e evolui especialistas em psicologia ou em
Por exemplo: quando você liga para um com o tempo, será necessária a criação de cultura local.
agente artificial de achados e perdidos uma extensa vida interior artificial.
O computador utiliza a técnica de
em um aeroporto, uma conversa machine learning para “raciocinar” a
satisfatória é possível porque há apenas Como as máquinas partir desses vídeos rotulados e para
um número limitado de objetivos por
parte de quem faz a ligação. No entanto, aprendem identificar características importantes
que estão relacionadas à condição de se
ao criar uma relação mais ampla, por Um grande obstáculo na criação dessa sentir confortável. Isso pode ser a postura
exemplo, com um robô de estimação, rica vida interior artificial é a maneira com corporal da pessoa, o tom de sua voz etc.
um modelo muito mais complexo deve que as máquinas aprendem. A técnica
ser desenvolvido. O robô precisará ter Uma vez que a máquina tenha
de machine learning tem como base os
objetivos internos e uma memória identificado as características que
exemplos. Alimentamos o computador
extensa para relacionar experiências preveem o “conforto”, o algoritmo
com exemplos do fenômeno que
em diversos contextos, e precisará resultante pode ser treinado e melhorado
gostaríamos que ele entendesse – por
desenvolver tais capacidades ao longo ao utilizar conjuntos diferentes de vídeos.
exemplo, quando as pessoas se sentem
do tempo. Por fim, o algoritmo se torna sólido e um
confortáveis. Ao ensinar uma máquina
computador com uma câmera poderá
Por meio de “truques” inteligentes, um a reconhecer esse fenômeno, são
reconhecer o sentimento de uma pessoa
robô pode parecer mais inteligente e oferecidos a ela dados de pessoas em
com alta precisão ou até com precisão
capaz do que realmente é ao introduzir estado confortável. Isso pode acontecer
100% exata.
comportamentos variados que o por meio de imagens, vídeos, discurso,

12 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Grande angular

agente mantenha a comunicação ativa No entanto, assim como o físico inglês


por meio de uma variedade de tópicos Stephen Hawking (1942-2018) disse que
e situações. É possível criar um agente havia apenas arranhado a superfície
convincente, como a Alexa da Amazon do entendimento do universo, a IA
ou a Siri da Apple, com quem é possível está ainda meramente arranhando
falar em linguagem natural e ter uma a superfície do entendimento da
interação significativa em um contexto inteligência humana.
específico de utilização, assim como
ajustar o despertador, criar uma nota,
desligar o aquecimento etc.
Isso não acontecerá do
No entanto, mesmo em um contexto de
dia para a noite
utilização, a comunicação se quebra com Robôs e sistemas inteligentes
facilidade. O agente é capaz de encontrar artificialmente poderão nos oferecer
respostas aceitáveis para uma grande habilidades exclusivas para apoiar e
variedade de questões e comentários, mas melhorar tomadas de decisão e entender
não é capaz de sustentar uma discussão situações e maneiras de agir. Robôs
de uma hora sobre um tema complexo. poderão contribuir ou fazer nosso
Por exemplo, quando os pais discutem trabalho de maneira autônoma. Talvez
sobre como reagir ao filho por não estar a robótica irá totalmente se integrar
se esforçando na escola, a conversa é fisicamente aos nossos corpos humanos
bastante rica – eles consideram no diálogo uma vez que diversos desafios forem
seu entendimento sobre a criança, além superados. Além disso, iremos nos
de sua própria personalidade, emoções, relacionar com agentes artificiais assim
história, histórico socioeconômico como fazemos com os humanos, ao
e cultural, psicologia, composição nos comunicarmos por meio de uma
genética, hábitos comportamentais e língua natural, ao observarmos seus
entendimento de mundo. comportamentos e ao entendermos
suas intenções. No entanto, de modo
Para que um agente artificial exercesse um
a sustentar um relacionamento
papel social significativo e desenvolvesse
significativo, com diálogos e rituais, que
um relacionamento real com uma pessoa,
se aprofundam e evoluem ao longo
ele precisaria possuir um perfil psicológico,
do tempo no rico contexto da vida
cultural, social e emocional sintético. Além
Os robôs, uma nova geração de mão de diária, como é o caso entre as pessoas,
disso, ele precisaria aprender com o tempo
obra, estão ajudando a remediar a falta uma vida interior artificial extensa
sobre como se “sentir” e responder a
de cuidadores nos hospitais do Japão. precisará ser criada. É improvável que
situações de acordo com sua composição
Riba, inventado por Toshiharu Mukai, agentes artificiais e pessoas possam
interna sintética.
pode carregar pacientes com peso ser totalmente integrados enquanto
de até 80 kg. Isto requer uma abordagem estivermos apenas replicando ou
fundamentalmente diferente da atual ultrapassando algumas das funções
machine learning. É necessário um da inteligência humana, em vez da
Agora que entendemos superficialmente sistema inteligente artificialmente que inteligência humana completa e holística
como as máquinas aprendem, por que se desenvolva da forma mais semelhante posicionada no rico contexto de nossa
isso seria um obstáculo na criação de uma possível ao funcionamento do cérebro vida diária.
vida interior convincente para um agente humano, e que possa internalizar a
artificial de forma que ele desenvolva riqueza das experiências humanas. As
uma perfeita integração com os seres maneiras elaboradas com que as pessoas
humanos? se comunicam umas com as outras e Ativa no desenvolvimento de
entendem o mundo são um processo soluções em robótica, Vanessa Evers
(Países Baixos) é docente de Ciência
Para um perfil sintético inimaginavelmente complexo para ser
sintetizado. Os modelos de inteligência da Computação no grupo Human
complexo artificial imaginados e disponíveis Media Interaction e diretora científica
atualmente são inspirados no cérebro do DesignLab, na Universidade de
De modo a desenvolver um agente Twente. Ela publicou quase 200 artigos
humano ou têm elementos de como
artificial que possa ter uma relação científicos, é editora do Journal of Social
o cérebro funciona, mas ainda não são
contínua por um longo período com Robotics e editora sênior do Journal of
modelos plausíveis do cérebro humano.
uma pessoa, é necessário que este Human-Robot Interaction.
tenha personalidade e comportamentos Nós já vemos que a IA tem alcançado
convincentes, entenda a pessoa e a feitos incríveis, como ler a internet
situação em que ambos estão, bem como inteira, vencer um jogo Go (um jogo de
o histórico de sua comunicação. E, mais tabuleiro chinês antigo) ou comandar
importante que isso, é necessário que o uma fábrica totalmente automatizada.

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 13


Grande angular

O chef Giuseppe anuncia uma nova

era na culinária
O Giuseppe nunca deixa de surpreender
com suas combinações de ingredientes,
as quais nenhum humano seria capaz
de inventar. “Para preparar maionese,
© Cristhian Guzmán / Paula Magazine

utilizamos tremoços, uma mistura de


alguns componentes de grão-de-bico
que resulta em uma emulsão muito
similar ao ovo. Os cogumelos são usados
para acentuar a sensação de doçura
no chocolate, e o alpiste para alterar a
densidade de alguns tipos de leite”.
A NotCo tem a missão de revolucionar
Karim Pichara, Matías Muchnicky e a indústria alimentícia por meio da
Pablo Zamora, fundadores da Ele foi batizado em homenagem a elaboração e da divulgação de comidas
The Not Company. Giuseppe Arcimboldo (1527-1593), um saudáveis e saborosas de origem vegetal,
pintor italiano renascentista, famoso por a um preço acessível, produzidas sem
seus retratos de rostos feitos de flores, causar danos ao meio ambiente. De
frutas, plantas e animais. “Suas pinturas acordo com Zamora, 85% de seus clientes
nos dizem que podemos resolver não são veganos ou vegetarianos – eles
Beatriz Juez compram os produtos de ponta da NotCo
qualquer coisa com inteligência, talento
e muitas frutas e vegetais”, explica o porque gostam e porque são saudáveis
Giuseppe pode mudar bioquímico Pablo Zamora, cofundador da e bons para o meio ambiente. É, de
fato, o começo de uma nova era para os
radicalmente nossos hábitos NotCo, junto de Matías Muchnick e Karim
Pichara. alimentos: a ideia é “mudar a maneira
alimentares, mas este chef de como fazemos os alimentos que amamos
cozinha futurista é apenas um A paixão do nosso Giuseppe não é a comer, e não mudar os alimentos que
pintura, e sim a culinária. Para encontrar comemos”.
algoritmo! Ele foi criado pela
a receita certa, este chef inteligente
Not Company (NotCo), uma pesquisa uma base de dados de plantas
empresa startup fundada em para identificar quais alimentos precisam Maionese vegetal
Santiago, em 2015, por três ser combinados e em quais proporções, Já está no mercado chileno o condimento
de modo que ele consiga reproduzir o vegetal Not Mayo da empresa, que se
jovens chilenos. Com a ajuda sabor e a textura da comida que está parece com maionese, mas sem OGM,
de Inteligência Artificial (IA), sendo substituída. lactose, glúten, ovos ou soja. Outros
eles produzem substitutos para “Ele encontra ligações estranhas entre produtos serão lançados em breve, como
alimentos populares de origem plantas que ele classifica previamente por iogurte, leite, queijo, chocolate e cereais.
animal, utilizando apenas âmbitos molecular, nutricional, sensorial A NotCo espera expandir seus produtos
e físico-químico”, explica Zamora, que para a Argentina, o Brasil e a Colômbia no
ingredientes de origem vegetal futuro próximo.
compareceu ao Fórum Netexplo 2018,
para reconstituir não apenas realizado em fevereiro na sede da O bioquímico está convencido de
o sabor, mas também as cores, UNESCO em Paris. que o uso de inteligência artificial
as texturas e os nutrientes. Por sorte, Giuseppe não está sozinho na para alimentos contribuirá para o
Por esta inovação, o algoritmo cozinha, pois recebe ajuda de uma equipe desenvolvimento sustentável. A indústria
de cientistas e chefs que aperfeiçoam alimentícia precisa transformar seus
Giuseppe foi nomeado um dos
as receitas. “Às vezes, ele comete alguns métodos de produção, disse, lembrando
dez premiados no Netexplo erros”, admite Zamora. “Ele pode produzir que 1.5 mil litros de água são necessários
Inovação 2018. leite com um sabor perfeito, porém na para produzir um quilo de trigo, e dez
cor rosa! Então a equipe diz a Giuseppe vezes esta quantia para produzir um quilo
que há um problema, e ele reformula o de carne, segundo a Organização das
algoritmo para fazê-lo da cor certa”. Nações Unidas para a Alimentação e a
Agricultura (FAO).

14 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Grande angular

São os humanos, não as máquinas,


que criam significado

Miguel Benasayag,
entrevista por Régis Meyran

Na expressão Inteligência Artificial


(IA), a palavra inteligência
é apenas uma metáfora.
Enquanto a IA pode ultrapassar
os humanos com relação à
capacidade de calcular, ela é
incapaz de atribuir qualquer
© Jordi Isern (www.jordiisern.net)

significado a estes cálculos. Para


o filósofo e psicanalista argentino
Miguel Benasayag, reduzir a
complexidade de um ser vivo
a um código de computador é
um erro, assim como a ideia de
que máquinas podem substituir Obra da série Constelações (2014),
humanos é absurda. do artista espanhol Jordi Isern.

O que distingue a inteligência humana da Dois computadores na nuvem do relacionamento romântico de verdade
Inteligência Artificial (IA)? programa Google Brain se comunicam com um robô? Não, porque amor
um com o outro em uma “linguagem” que verdadeiro e amizade não podem ser
A inteligência viva não é uma máquina
eles mesmos criaram e a qual humanos reduzidos a um conjunto de transmissões
de cálculos. É um processo que articula
não conseguiram decifrar. O que o sr. neuronais no cérebro.
afetividade, corporalidade e erros.
acha disso?
Em seres humanos, é pressuposta a Amor e amizade existem além do
presença de desejo e da consciência de Isso não faz sentido algum. Na realidade, indivíduo, e mesmo além da interação
sua própria história em longo prazo. A cada vez que essas duas máquinas entre duas pessoas. Quando eu falo, eu
inteligência humana não é concebível são iniciadas, elas sistematicamente estou participando de algo que dividimos
separadamente de todos os outros repetem a mesma sequência de troca de em comum, que é a linguagem. O
processos cerebrais e corporais. informações. E isso não é uma linguagem, mesmo serve para o amor, a amizade
elas não se comunicam. É uma péssima e os pensamentos – que são processos
Diferente de humanos ou animais que
metáfora, assim como aquela que diz que simbólicos os quais dos humanos
pensam com a ajuda de um cérebro
a fechadura “reconhece” a chave. participam. Ninguém pensa somente
localizado dentro de seus corpos –
para si mesmo. Um cérebro utiliza sua
que existe em um meio ambiente É como quando algumas pessoas dizem
energia para participar do ato de pensar.
– uma máquina processa cálculos e ser “amigas” de um robô. Existem até
premonições sem a capacidade de mesmo aplicativos que supostamente Para aqueles que acreditam que uma
dar sentido a eles. A ideia de que uma deixam você “bater-papo” com um. No máquina pode pensar, devemos
máquina pode substituir humanos filme de Spike Jonze, Ela (Her, 2013), um responder que seria surpreendente que
é, de fato, absurda. É o ser vivo que homem recebe uma série de perguntas, uma máquina pudesse pensar, porque
cria significado, não a computação. o que permite que seu cérebro seja nem mesmo o cérebro pensa!
Muitos pesquisadores de IA estão mapeado. Então, a máquina sintetiza
convencidos de que a diferença entre a uma voz e fabrica respostas que disparam
inteligência viva e a inteligência artificial é um sentimento, nesse homem, de estar
quantitativa, enquanto ela é qualitativa. apaixonado. Mas você poderia ter um

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 15


Grande angular

Em sua opinião, reduzir um ser vivo a


códigos é a principal falha da IA?
De fato, alguns especialistas em IA
estão tão fascinados por suas próprias
conquistas técnicas – como garotinhos
fascinados por seus jogos de construção
– que perdem de vista o panorama
completo. Eles caem na armadilha do
reducionismo.
Em 1950, o matemático americano e pai
da cibernética Norbert Wiener escreveu
em seu livro, The Human Use of Human
Beings (O uso humano dos seres humanos),
que um dia poderíamos “telegrafar um
homem”. Quatro décadas depois, a ideia
transumanista de “transferência mental”
foi construída sob a mesma fantasia – a
de que todo o mundo real pode ser
reduzido a unidades de informação que
podem ser transmitidas de um hardware
para outro.
A ideia de que seres vivos podem ser
reproduzidos em unidades de informação
também é encontrada no trabalho do
biólogo francês Pierre-Henri Gouyon,
com quem eu publiquei o livro de
entrevistas Fabriquer le vivant? (Fabricar
seres vivos? [2012]). Gouyon vê o ácido
desoxirribonucleico (DNA) como a
plataforma para um código que pode
© Laurent Philippe / Divergence

ser transferido a outras plataformas. Mas


quando pensamos que seres vivos podem
ser moldados em unidades de informação,
esquecemos que a soma das unidades de
informação não é o objeto vivo, e ninguém
está interessado em fazer uma pesquisa
sobre o que não pode ser reproduzido.
Devemos levar em conta que aquilo que
não pode ser reproduzido não nos leva
real não poderia ser encontrada no transumanista. Mas quando meus críticos
à ideia de Deus, ou de obscurantismo,
mundo físico, mas no mundo das ideias. me chamam de reacionário, eles utilizam
o que quer que alguns pensem. Os
Para os transumanistas, 24 séculos os mesmos argumentos de políticos
princípios da imprevisibilidade e da
depois, a vida real não está no corpo, – que alegam estar modernizando ou
incerteza podem ser encontrados em
mas nos algoritmos. Para eles, o corpo reformando, enquanto estão corroendo
todas as ciências exatas. É por isso
é apenas uma fachada – um conjunto os direitos sociais de um país e chamando
que a pretensão dos transumanistas
de informações úteis a serem extraídas de conservadores todos aqueles que
de um conhecimento total é parte de
– e então nós precisamos nos livrar de querem defender seus direitos!
um discurso perfeitamente irracional
seus defeitos naturais. É assim que eles
e tecnófilo. Seu grande sucesso é A hibridização de humanos e máquinas já
pretendem alcançar a imortalidade.
devido à habilidade de saciar a sede de é uma realidade. Este também é um ideal
metafísica de nossos contemporâneos. Em conferências científicas, tive a transumanista.
Os transumanistas sonham com uma oportunidade de conhecer diversos
Nós ainda nem começamos a entender
vida livre de toda a incerteza. No membros da Universidade da
os seres vivos e a hibridização, porque
entanto, no dia a dia, como na pesquisa, Singularidade (mais um grupo de
a tecnologia biológica atual continua
precisamos nos contentar com incertezas especialistas do que uma universidade,
omitindo quase tudo sobre a vida,
e aleatoriedades. localizada no Vale do Silício, nos
que não pode ser reduzida apenas aos
Estados Unidos, com uma abordagem
De acordo com a teoria transumanista, processos fisioquímicos capazes de serem
transumanista não declarada) que
nós seremos imortais um dia, graças à IA. reproduzidos. Dito isto, os humanos já
usavam medalhões ao redor de seus
foram hibridizados com as máquinas,
Na atual agitação pós-moderna, onde pescoços pedindo que, caso morressem,
e isso certamente acontecerá cada vez
nós não mais refletimos sobre as relações suas cabeças fossem criopreservadas. Eu
mais, com os produtos resultantes das
entre as coisas, onde o reducionismo e vejo isso como o surgimento de um novo
novas tecnologias.
o individualismo dominam, a promessa tipo de conservantismo, mesmo sendo eu
transumanista toma o lugar da caverna quem aparece como um bioconservador, Existem diversas máquinas com as
de Platão. Para o filósofo grego, a vida porque eu sou contra a filosofia quais trabalhamos, e para as quais nós

16 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Grande angular

O que mais o preocupa?


Eu me preocupo com o sucesso
desordenado da lógica da inovação.
A noção de progresso falhou logo no
começo. Ela foi substituída pela noção de
inovação, que é algo bem diferente – ela
não tem nem um ponto inicial nem um
ponto final, e não é nem boa nem ruim. A
inovação deve, portanto, ser questionada
de maneira crítica. Utilizar um processador
de palavras em um computador é muito
mais poderoso que a máquina de escrever
Olivetti que eu utilizava em 1970 – para
mim, isso é um progresso. Mas por
outro lado, todo smartphone contém
diversos aplicativos e poucas pessoas se
perguntam sinceramente de quantos
realmente precisam. Sabedoria consiste
em separar a fascinação provocada pelo
entretenimento da efetividade das novas
tecnologias.
Além disso, em uma sociedade
desorientada que perdeu suas grandes
narrativas, o discurso transumanista é
bastante perturbador – ele infantiliza
os humanos, e vê as promessas de
tecnologia sem desconfiança. No
Ocidente, a tecnologia sempre se ligou à
ideia de transcender limites. Já no século
XVII, o filósofo francês René Descartes,
para quem o corpo era uma máquina,
imaginou a possibilidade do pensamento
sem um corpo. É uma tentação humana
sonhar que, por meio da ciência,
poderemos nos livrar de nossos corpos
e de suas limitações – algo que os
Robot (2013), uma performance criada transumanistas acreditam que um dia
para dançarinos e robôs pela coreógrafa irão alcançar.
espanhola Blanca Li, que propõe um Mas a ideia de um homem todo-
delegamos um certo número de funções. olhar questionador para um mundo
Mas seriam todas elas necessárias? Este poderoso e pós-orgânico que não
habitado por máquinas e homens. conhece limites tem todos os tipos de
é o ponto. Eu trabalhei com implantes
cocleares e a cultura dos deficientes consequências sérias para a sociedade.
auditivos. Existem milhões de deficientes Para mim, parece que isso deveria ser
Veja o caso do Sistema de visto como o reflexo do surgimento
auditivos que reivindicam sua própria
Posicionamento Global (GPS), por do fundamentalismo religioso, e que
cultura – que não é suficientemente
exemplo. Foram feitos estudos em se esconde atrás de supostos valores
respeitada – e que se recusam a utilizar
motoristas de táxi em Paris e em Londres, naturais humanos. Eu os enxergo
implantes cocleares porque preferem
ambas cidades labirínticas. Enquanto os como duas formas irracionais de
se expressar em linguagem de sinais.
taxistas de Londres trafegam orientando- fundamentalismo em guerra.
Esta inovação, que poderia acabar com a
-se, os parisienses sistematicamente
cultura dos deficientes auditivos, é parte
usam o GPS. Após um período de três
de um progresso? A resposta não é assim
anos, testes psicológicos demonstraram O filósofo e psicanalista argentino
tão óbvia.
que o núcleo subcortical responsável Miguel Benasayag é um antigo
Acima de tudo, precisamos nos assegurar pelo mapeamento de tempo e espaço membro da resistência de Che Guevara
de que a hibridização aconteça junto atrofiou na amostra parisiense (atrofias contra o regime de Perón. Ele conseguiu
com o respeito à vida. No entanto, o que certamente são reversíveis caso a fugir da Argentina em 1978, onde foi
que presenciamos hoje não é tanto a pessoa abandone a prática). Eles foram preso e torturado. Hoje vive em Paris
hibridização, mas a colonização dos seres afetados por uma espécie de dislexia que (França). Suas publicações recentes
vivos pelas máquinas. Por externarem os impedia de raciocinar por meio do incluem Cerveau augmenté, homme
suas memórias, muitas pessoas não tempo e do espaço. Isso é colonização – a diminué (Cérebro aumentado, homem
se lembram de mais nada. Elas têm área do cérebro está atrofiada porque sua diminuído [2016]) e La singularité du
problemas de memorização que não são função foi delegada, sem ser substituída vivant (A singularidade do ser vivo [2017]).
o resultado de doenças degenerativas. por nada.

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 17


Grande angular

Combatendo o

monopólio
da pesquisa
© The Canadian Press / Graham Hughes

Yoshua Bengio: “Devemos incentivar


Yoshua Bengio, entrevistado Durante os últimos cinco anos, a pesquisa uma maior diversidade no mundo
por Jasmina Šopova em IA virou moda em alguns dos gigantes econômico associado à IA, para evitar
da tecnologia, que estão investindo uma situação de monopólio”.
A Inteligência Artificial (IA) ainda somas consideráveis de dinheiro na área.
O sr. poderia explicar este fenômeno?
está em sua infância. “Seu nível
A resposta é muito simples. A ciência A Inteligência Artificial permitirá
de raciocínio é muito superficial, então que essas empresas vendam
da IA alcançou um grau de maturidade
e ainda não é equivalente que a torna muito útil para as empresas. mais, enriqueçam e possam pagar aos
nem ao de um sapo”, diz A acumulação de big data e o poder pesquisadores contratados muito mais
crescente da computação disponível do que fazem hoje em dia. Ao aumentar
Yoshua Bengio, pioneiro em
facilitam o desenvolvimento de novos sua base de consumidores, as empresas
IA e o maior especialista em produtos em IA, que serão ainda mais aumentarão a quantia de dados às quais
machine learning (aprendizado rentáveis no futuro do que são hoje em dia. têm acesso – e esses dados são uma mina
de máquina). No entanto, ele de ouro que torna o sistema ainda mais
Atualmente, quando navegamos poderoso.
alerta que já existem problemas na internet, somos constantemente
sérios de monopolização e aliciados por publicidade direcionada, Tudo isso cria um círculo virtuoso,
esses anúncios permitem que empresas que é bom para essas empresas, mas
distribuição desigual que só não é saudável para a sociedade. Tal
como Facebook, Amazon, YouTube etc.
podem ser solucionados em tenham sucesso. Atualmente, os produtos concentração de poder pode ter um
escala mundial. A coordenação de IA possuem apenas uma pequena impacto negativo tanto na democracia
internacional é indispensável parcela do mercado, mas os economistas quanto na economia, pois isso favorece
preveem que, em uma década, eles grandes empresas e diminui a capacidade
no desenvolvimento da IA, ele das novas pequenas empresas de
somarão até 15% da produção total de
adverte. bens e produtos. Isso é enorme. entrarem no mercado, mesmo que

18 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Grande angular

tenham melhores produtos para oferecer. Há cinco anos, praticamente todos os


pesquisadores de IA trabalhavam no
Devemos incentivar mais diversidade no
setor acadêmico.
mundo dos negócios associados à IA, e
evitar uma situação de monopólio. Empresas privadas contratam talentos
de todo o mundo. Isso contribui para
Mas o monopólio já está estabelecido. o êxodo de cérebros em países menos
Isto pode ser remediado? desenvolvidos?
Por meio leis antimonopólio. A história Inevitavelmente. É por essa razão que
ensina que tais leis podem ser efetivas
devemos pensar coletivamente sobre
contra o poder excessivo de algumas
como os países mais pobres podem se
empresas. Lembre-se da Standard Oil,
beneficiar dos resultados de pesquisa
nos Estados Unidos, que comprou as
mais recentes, e também sobre como
empresas de seus competidores para
criar centros de pesquisa em suas
monopolizar o mercado de óleo; ou
universidades. Na África, por exemplo,
Hollywood, que, até a metade do século
XX, controlava 70% dos cinemas e mais e mais instituições acadêmicas estão
impunha suas regras na distribuição de oferecendo cursos em IA e cursos de verão,
filmes. As decisões judiciais contra essas e que têm se mostrando bastante úteis.
outras empresas ajudaram a equilibrar os Além disso, existe um grande número
mercados novamente. de cursos, tutoriais e códigos disponíveis
Acredito que regulamentações criteriosas online gratuitamente. Eu conheço muitos
de publicidade podem contribuir muito jovens que fizeram cursos pela
para a prevenção do estabelecimento internet. Também devemos
de monopólio em pesquisa de IA. De procurar as melhores
certa maneira, somos todos prisioneiros maneiras de ajudar
da publicidade, e, muitas vezes, nos esses estudantes a
esquecemos que temos a opção de tomar aprenderem por si Digitalização do cérebro, pelo
uma decisão coletiva de regulamentá-la de mesmos. cartunista francês Bernard Bouton.
forma que não seja prejudicial à sociedade. © Bernard Bouton / Cartoon Movement
Alguns países,
Além disso, os serviços oferecidos por incluindo o Canadá, estão
grandes empresas privadas, como investindo pesado em pesquisa de IA.
Google ou Facebook, poderiam se Em primeiro lugar, o público geral e os
Sim, o Canadá decidiu financiar não tomadores de decisões políticas devem
tornar públicos, da mesma maneira
apenas a pesquisa básica e ajudar estar cientes das preocupações com
que a televisão é ao oferecer serviços
startups, mas também investir no relação à IA. Em algumas partes do
semelhantes.
pensamento coletivo e em pesquisa na mundo, pesquisadores já publicaram
O sr. decidiu não trabalhar para o setor área de ciências sociais e humanas, de alertas sobre os maiores problemas, e a
privado, certo? modo a avaliar o impacto social da IA. mídia e o público em geral têm retornado
Sim, eu quero permanecer neutro. Meu Foi aberto um debate, em 3 de com respostas. Estes são os primeiros
projeto é desenvolver uma ciência novembro de 2017, em uma iniciativa da passos que nos levarão em direção a um
acessível a todos, e não apenas a alguns Universidade de Montreal para ajudar a diálogo mais amplo e mundial sobre
acionistas. Eu quero que a pesquisa se desenvolver a Montreal Declaration for os problemas apresentados por esta
desenvolva de maneira que atinja os a Responsible Development of Artificial disciplina, em particular na área de ética,
serviços mais úteis para a humanidade, Intelligence (Declaração de Montreal meio ambiente e segurança.
e não necessariamente os mais rentáveis para o Desenvolvimento Responsável da
para a economia. Inteligência Artificial, em tradução livre).
Dito isto, eu tenho tentado criar um Esta aproximação busca essencialmente Cientista da computação e pesquisador,
ambiente comum que seja mutualmente estabelecer diretrizes éticas para o Yoshua Bengio (Canadá) é professor
benéfico tanto para a pesquisa quanto desenvolvimento de IA no âmbito titular do Departamento de Ciência da
para a indústria na Universidade de nacional. Nesta primeira fase do processo Computação e Pesquisa Operacional
Montreal, onde trabalho. Diversos participativo de longo prazo, o público (DIRO) na Universidade de Montreal;
laboratórios privados foram montados em geral é convidado a debater com chefe do Instituto de Aprendizado de
na capital Quebec, e eles colaboram especialistas e tomadores de decisões Algoritmos de Montreal (MILA); codiretor
conosco. Pesquisadores da indústria políticas. Sete valores foram identificados: do programa Aprendizado em Máquinas
estão contratados como professores bem-estar, autonomia, justiça, e Cérebros do Instituto Canadense de
associados na universidade e ajudam na privacidade, conhecimento, democracia e Pesquisa Avançada (Cifar) e da Cátedra
formação dos estudantes. As empresas responsabilidade. de Pesquisa do Canadá em Aprendizado
fazem doações para as universidades e Em que estágio esta reflexão está no Estatístico de Algoritmos. Os resultados
dão liberdade completa para decidirem cenário internacional? de sua pesquisa foram citados mais de
em quais áreas de pesquisa investirão. 80 mil vezes (até setembro de 2017).
Que eu saiba, não há um tratado Nascido em Paris, Bengio mudou-se
Qual é a proporção de pesquisadores que
internacional governando a pesquisa para Quebec em 1977, com 12 anos de
trabalham no setor acadêmico hoje?
em IA. No entanto, essas são questões idade, com seus pais, que são de origem
Se eu basear minha resposta nas pessoas internacionais e, sem uma coordenação marroquina. Foi condecorado Oficial
que conheço de grandes conferências internacional, não poderemos avançar na da Ordem do Canadá e membro da
internacionais, eu diria que metade. direção correta. Sociedade Real do Canadá.

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 19


Grande angular

Democratizando a AI na
África
Moustapha Cissé, entrevistado por Katerina Markelova
que, como uma comunidade científica,
Ele tem 32 anos de idade, nasceu e foi criado no Senegal, onde poderíamos ter um impacto muito maior
se nós olhássemos para as soluções dos
estudou matemática e física. Obteve seu primeiro mestrado em problemas dessas pessoas.
Inteligência Artificial (IA) na França e passou um ano em Montreal,
Em termos concretos, como você acha
no Canadá, para buscar seu segundo mestrado antes de voltar à que as vidas das pessoas podem ser
Paris para prosseguir com seu PhD. Há dois anos, se integrou ao melhoradas através da IA?
Laboratório de Pesquisa em Inteligência Artificial do Facebook Quando você oferece às pessoas a
(FAIR), uma organização fundada em 2013, que desde então oportunidade de acessar as informações
inaugurou laboratórios ao redor do mundo – em Nova Iorque, Menlo que precisam para fazer conexões sociais,
se integrar mais rapidamente a um
Park (Califórnia), Seattle, Paris, Montreal etc. Esta é, em resumo, a
ambiente, encontrar trabalho etc., você
história de Moustapha Cissé, que nos fala sobre sua pesquisa, suas melhora as vidas dessas pessoas. Se você
motivações e suas esperanças. utiliza a IA para diagnosticar doenças
mais cedo e oferecer terapias, você
também melhora suas vidas.
Em quais projetos você está trabalhando Estudos demonstram que os sistemas
no laboratório da FAIR em Paris? de reconhecimento facial funcionam A IA já está mudando muitas indústrias,
melhor com rostos europeus que e eu gostaria de torná-la disponível para
Os assuntos que eu mais acho
com rostos africanos, por exemplo. O todos aqueles que precisam dela, – não
interessantes são a equidade, a
mesmo serve para sistemas de IA que apenas uma parte da população do
transparência e a confiabilidade da
identificam câncer de pele: eles oferecem mundo – para vencer os diversos desafios
IA. Em 2017, um grupo de colegas e
melhores resultados para pacientes deste século. De minha parte, eu tento
eu fomos os primeiros a desenvolver
brancos que para pacientes negros. fazer com que as coisas se movam nesta
algoritmos (Houdini) que avaliam a força
Da mesma maneira, descobriram que direção. E eu continuo convencido de que
dos sistemas inteligentes, qualquer seja
alguns sistemas funcionam melhor com a comunidade de pesquisa em IA está
a mídia: áudio, vídeo ou outros.
homens que com mulheres. Portanto, dando passos gigantes.
A força dos algoritmos é essencial há uma completa dimensão axiológica
Como os menos favorecidos podem
para a segurança dos produtos de IA. que vem sendo negligenciada durante
ganhar acesso a estes avanços
Imagine o que poderia acontecer se o desenvolvimento destes sistemas. Eu
tecnológicos?
alguém com más intenções quisesse estou trabalhando com outros colegas
mudar o algoritmo que dirige o seu para integrar esta dimensão desde o Se esta tecnologia precisa ser acessível
carro autônomo! Qualquer sistema de começo da construção dos modelos de a todos, ela deve ser ensinada em todos
computador pode ser atacado pelo lado IA com os quais estamos trabalhando. os lugares. É através da educação que ela
de fora – por invasão ou por alguma Este é um aspecto muito importante do será posicionada nas mãos daqueles que
modificação maliciosa. Então, é essencial desenvolvimento de IA, se nós quisermos necessitam. E eu garanto a você que se
que asseguremos sua capacidade de que ela ofereça os mesmos benefícios você der os meios, as pessoas encontrarão
resistir a estes ataques. a todos. soluções para seus próprios problemas.
Outro trabalho que publiquei Você disse uma vez que a comunidade Durante os últimos três anos eu comecei,
recentemente junto a um colega envolve de pesquisa em IA deveria parar de focar junto a um grupo de amigos, a ensinar IA
equipar algoritmos inteligentes com exclusivamente em “problemas de gente em cursos de verão na África organizados
a capacidade de tratar todos os seres branca”. pelo Data Science Africa, uma organização
humanos de maneira justa – o que de compartilhamento de conhecimento
Eu chamo todos estes avanços
significa que seus comportamentos não sem fins lucrativos. Todo verão, durante
tecnológicos que estão na realidade
seriam diferentes caso você seja homem uma semana ou duas, nós introduzimos
do Ocidente de “problemas de gente
ou mulher, branco ou negro etc. diversas técnicas de IA para estudantes e
branca”, a outro reino de imaginação,
professores que queiram conhecer esta
Em outras palavras, eu tento assegurar como carros autônomos, por exemplo.
disciplina científica.
que os algoritmos sejam não apenas Na África e também em muitas partes
o mais confiáveis, mas também os da Ásia e da América do Sul, as pessoas No ano passado, nós lançamos a iniciativa
mais relevantes de acordo com as têm outros problemas para lidar em seu Black in AI com outro grupo de amigos.
necessidades e valores da sociedade que dia a dia cujas soluções dependem de Ela reuniu mais de 200 pesquisadores
eles foram criados para servir. tecnologias muito menos sofisticadas, negros (sem contar os norte-americanos)
e que ainda não existem. Eu acredito na 30ª edição da maior conferência

20 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Grande angular

© Maurice Mbikayi/ Imagem de cortesia da Galeria MOMO

Narcisurfing Netizenship (2015),


escultura de Maurice Mbikayi, artista do
científica de IA do mundo, a Neural Estas iniciativas foram lançadas por Congo que se interessa particularmente
Information Processing Systems (NIPS você sozinho, ou elas são parte de seu pelo impacto da tecnologia
2017). Em anos anteriores, nós não trabalho na FAIR? contemporânea na sociedade,
chegávamos a dez, de um total de mais especialmente na África.
Estas são iniciativas que eu lancei em
de 5 mil participantes.
caráter pessoal com amigos, mas recebi
Então, em nosso nível modesto, estamos o suporte financeiro e logístico do
tentando democratizar a IA e o acesso Facebook, que patrocinou a maior parte
a informações sobre a disciplina. Estou das participações de cerca de 50 jovens
ciente de que não é suficiente e que pesquisadores africanos na conferência
uma ação ainda maior é necessária, mas que mencionei.
permaneço otimista.

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 21


Grande angular

A Quarta
Revolução
Yang Qiang, entrevistado por Wang Chao

Após a internet e a internet móvel terem dado a largada para a


terceira revolução industrial, as tecnologias de Inteligência Artificial
(IA), direcionadas por big data, estão desencadeando uma quarta
revolução industrial.
Como surgiu a convergência entre IA e impulsionado pela IA” ou de “inteligência
big data? de dados”.
A convergência de IA e big data começou O sr. poderia definir o conceito de big
no início dos anos 2000. Quando o data? Como as empresas poderiam se
Google e o Baidu – os novos mecanismos adaptar a este conceito e quais mudanças
de busca da época – passaram a utilizar precisariam ser feitas?
sistemas de recomendação para
O primeiro ponto do conceito big data é
propagandas alimentados por IA, e
coletar dados de maneira consciente. Em
descobriram que os resultados eram
outras palavras, antes de fazer qualquer
ainda melhores que o esperado. E quanto
negócio, você precisa pensar em como
mais dados coletavam, melhores eram
vai coletar dados.
os resultados. Mas, naquele momento,
ninguém percebeu que isso poderia ser O segundo ponto é que a coleta de
aplicado também em outras áreas. dados e os algoritmos principais estejam
intimamente ligados. Você precisa saber
O momento real de mudança aconteceu
o que está faltando de acordo com os
com o surgimento do ImageNet, a maior
algoritmos, e então coletar dados com
base de dados de reconhecimento
um propósito específico, incluindo dados
de imagens do mundo, projetada
de fontes diferentes.
para uso em pesquisa de softwares
de reconhecimento visual. Criada O terceiro requisito é formular um
por cientistas da computação nas circuito fechado. Os serviços oferecidos
© Raquel Kogan / photo Domingues Freitas

universidades de Stanford e Princeton, por um sistema de software devem


nos Estados Unidos, ela é considerada ter a capacidade de estimular a fonte
o começo de uma revolução na a gerar ainda mais dados que podem
aprendizagem profunda. A grande ser alimentados de volta no sistema,
quantidade de dados de imagem na formando um circuito fechado. Isso
ImageNet resultou em uma queda de permite um processo contínuo de auto
10% na taxa de falso reconhecimento. melhoria e auto refinamento do sistema.
Isso demonstrou que, com a ajuda de Um modelo especial é necessário para o
aprendizagem profunda e big data, circuito fechado, o que é muito diferente
pode-se dominar cálculos extremamente do modelo anterior usado para os
complexos. negócios. Reflexão#2, instalação da artista
brasileira Raquel Kogan. Números
Como o sr. define a relação entre O sr. poderia falar mais sobre o design de gerados por computador são projetados
aprendizagem profunda e big data? circuito fechado para IA e big data? em uma sala escura, para que os corpos
Se um sistema de IA é bem projetado, Em primeiro lugar, deve-se considerar os dos espectadores sejam diretamente
o produto possuirá um uso mais fornecedores de dados – por exemplo, os integrados à exposição.
conveniente, mais preciso, portanto usuários. Todos os comportamentos de
será mais útil. Surgirão mais usuários, e usuários devem ser gravados em forma
consequentemente, mais dados, o que de dados. Então, prestadores de serviço
por sua vez torna o sistema de IA ainda como WeChat Pay, uma mobile wallet*
melhor. Há uma relação mutuamente chinesa, e Taobao, o site de e-commerce
fortalecedora entre sistemas de IA e chinês, precisam ser considerados.
dados. Retornos inteligentes são gerados
com base em dados para entender a
Big data e IA podem se fundir para se
necessidade dos usuários. Os usuários
transformar em um novo tipo de IA,
oferecem dados de retorno para os
que poderá ser chamada de “big data

22 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Grande angular

A segunda fase consistirá na forma


futura que a IA realmente dará à
sociedade
de riscos, e assim por diante. Estas são
tecnologias e soluções únicas que servem
a setores que já existem.
O segundo momento acontecerá com o
surgimento de indústrias completamente
novas, com inteligência artificial em sua
base. Por exemplo, um banco que utilizar
IA como o centro de sua tecnologia
pode ser completamente dirigido por IA
em termos de investimentos, serviços e
crédito. Os bancários seriam necessários
apenas para fazer pequenos ajustes.
Também será possível a construção de
tipos de sistemas de atendimento ao
consumidor completamente novos.
Eu acredito que a segunda fase consistirá
na forma futura que a IA realmente dará à
sociedade. Assim como na época em que
surgiu a internet, no início, uma livraria
tradicional criou uma página na internet
e se considerou uma livraria virtual, o
que não era o caso. Depois, sites como
a Amazon foram estabelecidos e eram
completamente diferentes das livrarias
tradicionais.
A combinação entre big data e IA também
poderia ameaçar o fluxo de informação
e a igualdade social. Como se pode
assegurar que o fluxo normal de dados
em larga escala ocorra sem violação da
privacidade pessoal?
Produtos criados por meio do uso de big
data e tecnologias de IA trarão novos
modelos de negócios. O sistema de
IA coleta dados dos usuários, constrói
um bom modelo a partir disso, e então
projeta deduções a partir de diversas
outras fontes. Ele observa o usuário
novamente e então coleta e analisa os
prestadores de serviço, e os prestadores Em terceiro lugar, o processo deve ser dados para servir o usuário. Não é apenas
de serviço, por sua vez, oferecem o contínuo para solicitar que os usuários um modelo que ajuda, é também um
serviço de dados aos usuários. Isso forma forneçam retornos constantes. Para excelente modelo de negócios.
o circuito fechado. resumir o processo em três palavras, ele No entanto, a condição preexistente para
deve ser curto, frequente e rápido. este modelo ser implementado em larga
Para que o circuito fechado
evolua rapidamente, ele deve ser Na sua opinião, quanto tempo levará escala é assegurar a privacidade dos
suficientemente curto. E é melhor para que esse circuito fechado seja usuários. Aqui estão três preocupações:
que não existam pessoas envolvidas alcançado de fato? Primeiro, devemos de um conjunto
nele, porque um circuito não pode ser de normas sociais e jurídicas para
Eu acho que o desenvolvimento de IA será
completamente automatizado se tiver proteger a propriedade dos dados e
dividido em dois momentos. O primeiro
participação humana. Em segundo lugar, para esclarecer onde eles podem e não
será quando todas as indústrias tentarão
o processo de atualização do circuito podem ser usados. Na minha opinião,
utilizar a tecnologia. Por exemplo, serviços
deve acontecer com frequência – o ideal os dados dos usuários deveriam ser
de segurança e vigilância utilizarão
é que seja atualizado diversas vezes ao classificados por categorias diferentes,
tecnologia de reconhecimento facial; o
dia, para manter o sistema atualizado. por exemplo, categoria vermelha para
setor bancário utilizará IA no controle

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 23


Grande angular

dados totalmente protegidos, amarela busca gera renda, essa renda deveria Por outro lado, se um país já possui uma
para dados com acesso restrito, e verde ser distribuída entre os usuários? Essas boa infraestrutura e educação de alta
para acesso livre. Por enquanto não há são algumas questões que valem a pena qualidade, ele poderá se beneficiar da
consenso sobre a classificação dos dados. serem exploradas. IA para alcançar uma produção mais
Além disso, não há nenhuma lei que eficiente. Assim como o uso de máquinas
Durante os próximos anos, todos
defina o perfil da pessoa responsável nem a vapor se desenvolveu mais rapidamente
compreenderão a importância da IA.
as sanções em caso de descumprimento em alguns países durante a Revolução
Devemos nos atentar mais quanto à
dessas normas jurídicas. Industrial.
forma pela qual ela será adotada e em
Segundo, devemos proteger quais áreas será aplicada. Atualmente, as Yang Qiang (China) é especialista
tecnicamente a confidencialidade dos áreas mais adequadas para a aplicação internacional em IA e em mineração
dados. Por exemplo, o 4Paradigm (um de IA são finanças, internet e veículos de dados (data mining). Ele é o
provedor de serviços e tecnologia IA automatizados. primeiro chinês presidente da
de Beijing) estuda atualmente o uso Conferência Internacional Conjunta
De uma perspectiva mundial, quais serão
de migration learning (aprendizagem sobre Inteligência Artificial (IJCAI),
os impactos da combinação entre big
de migração de dados) para proteger membro da Associação para o Avanço
data e inteligência artificial nos países em
a privacidade, o que é um campo da Inteligência Artificial (AAAI),
desenvolvimento?
relativamente novo. O aprendizado chefe do Departamento de Ciência
migratório pode ajudar empresas Eu acredito que as tecnologias de IA e da Computação e Engenharia na
diferentes a trocar dados. Por exemplo, big data permitirão que alguns países Universidade de Ciência e Tecnologia
a empresa A cria um modelo que pode emergentes alcancem o mesmo nível dos de Hong Kong, e cofundador e
ser transferido para a empresa B, em países desenvolvidos, ou até mesmo os cientista-chefe do 4Paradigm.
vez de transferir os dados diretamente superem. Porque no futuro, a competição
Wang Chao (China) é jornalista e líder
entre A e B, esses dados são incluídos no econômica não será apenas com relação
de equipe no AI Studio da NetEase
modelo intermediário, que tem a função à escala financeira ou econômica, mas
News, que oferece cobertura dos
de melhor proteger a privacidade do acima de tudo, sobre a quantidade de
maiores eventos na indústria de IA.
usuário. dados e a rapidez da aceitação de uma
economia de dados (data economy). Por
Terceiro, devemos pesquisar mais sobre a
exemplo, o rápido desenvolvimento da
relação entre a privacidade dos usuários
internet e da internet móvel na China
e o preço dos dados. Por exemplo,
permitiu a coleta de um grande volume
quando um usuário clica em um anúncio
de dados. Isso também irá acelerar o Songs of Anagura (Canções de
publicitário online oferecido por um
desenvolvimento da indústria de IA na Anagura), uma exposição interativa que
sistema de recomendação controlado
China, o que poderá mudar o padrão introduz um campo de pesquisa para
por IA, o sistema deveria receber uma
mundial. o estudo da coleção, o processamento
parte dos lucros? Se um mecanismo de
e o uso de dados sobre posição e
comportamento humano.

© Courtesy of Miraikan, National Museum of Emerging Science and Innovation, Tokyo, Japan

24 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Grande angular

A ameaça dos

robôs assassinos
© RYGER / Shutterstock

A opinião pública se mobiliza cada


Vasily Sychev
vez mais contra o desenvolvimento de
armas autônomas letais.
A Inteligência Artificial (IA) possui um número crescente de
aplicações nas áreas militar e de segurança. Ela facilita manobras
em campo, e pode salvar vidas quando as situações se complicam. Graças ao desenvolvimento das
tecnologias da informação, os sistemas
Ela também impulsiona o desempenho de exércitos, oferecendo bélicos do futuro se tornarão mais
aliados robóticos para combater forças. De acordo com especialistas, autônomos que os sistemas utilizados
os Sistemas de Armas Autônomas Letais (LAWS) estão criando uma atualmente. Por um lado, este
“terceira revolução bélica”, depois da pólvora e das armas nucleares. empoderamento trará, sem dúvidas,
uma assistência valiosa aos combatentes.
É tempo de começar a se preocupar com o dia em que exércitos de Por outro lado, trará sua parcela de
robôs serão capazes de conduzir conflitos com autonomia completa, desafios e riscos – e poderá desencadear
sem humanos para comandá-los. corridas bélicas entre os países, falta
de regras e leis em zonas de combate
Muitas empresas ao redor do mundo
e irresponsabilidade na tomada de
estão conduzindo pesquisas científicas
decisões. Hoje, muitos empreendedores,
vitais no campo da IA. Os resultados
elaboradores de políticas e cientistas
até agora têm sido excelentes – a IA
procuram proibir o uso de sistemas
aprendeu a prever o risco de uma
bélicos autônomos, embora as
pessoa desenvolver diabetes com o
autoridades militares insistam que em
uso de um relógio inteligente, ou de
combate, a decisão final – a de matar ou
diferenciar, com base na aparência, entre
não matar – será sempre tomada por um
pintas e certos tipos de câncer. Esta
ser humano.
ferramenta poderosa, que ultrapassa
a inteligência humana em virtude Nós queremos acreditar nisto. Mas
de uma de suas características mais devemos nos lembrar que as armas
importantes, a velocidade, é também nucleares – que nunca deveriam ter visto
de interesse dos militares. a luz do dia, e que enfrentaram oposição

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 25


Wide angle

chegando ao mesmo resultado.


Também existem aplicações mais
complexas da IA. O Laboratório de
Pesquisa do Exército dos Estados Unidos
(ARL), por exemplo, está desenvolvendo
um sistema de computador que analisa
a resposta humana a uma dada imagem.
Isto será útil a analistas militares, que
precisam ver e sistematizar milhares de
fotos e horas de gravações de vídeo.
O princípio do sistema: a IA rastreia
os olhos e rosto da pessoa e compara
as expressões faciais com as imagens
que as pessoas estão olhando. Se uma
imagem prende a atenção da pessoa
(quer dizer, se a expressão facial ou a
direção do seu olhar mudam), o software
automaticamente move-a para uma pasta
temática. Durante os testes, um soldado
foi exposto a um conjunto de imagens
divididas em cinco categorias principais:
barcos, ursos panda, frutas vermelhas,
borboletas e candelabros. Foi pedido
que ele contasse apenas as imagens das
categorias em que estava interessado.
As imagens se moviam à velocidade de
um por segundo. A IA “concluiu” que o
soldado estava interessado na categoria
barcos e copiou estas imagens para uma
pasta separada.

No campo de combate
A IA também pode ajudar soldados
em combate. Na Rússia, por exemplo,
o desenvolvimento da quinta geração
do caça a jato Sukhoi Su-57 está
Um desenho de perspectiva linear quase completa: o avião poderá ser
que originalmente seria publicado em número de câmeras de vigilância encomendado antes do fim de 2018. O
Crisis in Zefra (Crise em Zefra), uma cujos operadores simplesmente não software do computador de bordo deste
narrativa ficcional de autoria de Karl conseguem observar todas as imagens. avião contém elementos de IA. Desta
Schroeder, que é entrevistado neste A IA, portanto, é muito útil para analisar forma, em voo, o caça está analisando
número de O Correio. tais imagens, detectando a presença constantemente a qualidade do ar, sua
© Kalman Andrasofszky de armas e informando os agentes em temperatura, sua pressão e muitos outros
tempo recorde. parâmetros. Se o piloto faz uma manobra
e o sistema “estima” que a ação causará
Em outro exemplo, o Centro de um acidente, o comando do piloto será
em sua primeira fase de concepção
Inteligência Geoespacial (CGI) na ignorado. Se o avião começa a girar, o
– foram, entretanto, de fato bastante
Universidade do Missouri nos Estados mesmo sistema dirá ao piloto como
utilizadas.
Unidos desenvolveu um sistema de endireitar o avião e ganhar o controle
IA capaz de localizar rapidamente e novamente.
Um assistente virtual com precisão dispositivos de mísseis
Enquanto isso, o Japão está
antiaéreos em imagens aéreas e de
Assim como em todas as outras esferas satélite. A capacidade de pesquisa desenvolvendo sua própria quinta
de atividade humana, a IA poderá do sistema chega a ser até 80 vezes geração de caças. Seu protótipo de
facilitar e acelerar enormemente o mais rápida do que a de especialistas pesquisa, o X-2 Shinshin (“Espírito do
trabalho no campo da segurança. humanos. Para formar a rede neural Coração” em japonês), fez seu primeiro
Por exemplo, pesquisadores da base para este sistema, fotografias voo em abril de 2016. Uma vasta rede de
Universidade de Granada, na Espanha, representando tipos diferentes de mísseis sensores, que analisarão as condições
estão desenvolvendo um software que antiaéreos foram utilizadas. Uma vez que de cada componente da aeronave para
utiliza redes neurais para detectar armas o sistema foi treinado, ele foi testado determinar qualquer dano que tenha
pequenas – pistolas, metralhadoras em um conjunto de fotos. Em apenas sofrido, garantirão sua “sobrevivência”. Se,
e submetralhadoras – em imagens 42 minutos, ele encontrou 90% dos durante o combate, uma asa ou cauda da
de vídeo, quase instantaneamente e dispositivos de defesa. Os especialistas aeronave for danificada, seu sistema de
com alta precisão. Sistemas modernos humanos levaram 60 horas de trabalho controle será reconfigurado para que a
de segurança incluem um grande para resolver o mesmo problema, sua capacidade de manobra e velocidade

26 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Grande angular

continuem virtualmente inalteradas. O poderia – não apenas facilita o trabalho sistemas provavelmente serão criados.
computador do caça japonês poderá de uma aeronave de reconhecimento,
Em 2017, o Departamento de Defesa dos
prever o exato momento em que um de um operador de drone ou de um
Estados Unidos completou e começou
elemento danificado falhará por completo, comandante do sistema de defesa aérea,
a implementar a Third Offset Strategy.
para que o piloto possa decidir se continua mas também poderá salvar vidas. Ele
Ela envolve, entre outras coisas, o
o combate ou se retorna à base. poderá salvar membros da tripulação
desenvolvimento ativo de tecnologias e
a bordo de um submarino em perigo
Dessa forma, a IA é “enviada por Deus” conceitos de última geração e seu uso em
(apagando chamas remotamente em
– se é que tal termo possa ser usado futuras iniciativas militares.
compartimentos abandonados por
para armas e sistemas de combate. Um
humanos), pilotos de avião ou operadores No dia 1º de setembro de 2017, o
programa complexo capaz de resolver
de veículos armados danificados. presidente russo Vladimir Putin declarou
um problema particular perfeitamente –
em uma palestra pública em Yaroslavl
dez vezes mais rápido que um humano
Robôs assassinos que “a inteligência artificial é o futuro, não
apenas para a Rússia, mas para toda a
A velocidade de análise e habilidade de humanidade. Ela vem com oportunidades
aprender fazem da IA um sistema de colossais, mas também ameaças que
combate atraente. Os militares, embora são difíceis de se prever atualmente.
ainda não admitam, estão provavelmente Quem quer que se torne o líder nesta
tentados a criar sistemas de combate área se tornará o líder do mundo”.
capazes de operar no campo de batalha Ele acrescentou que seria “altamente
de maneira inteiramente autônoma, o indesejável que qualquer um ganhe seu
que significa poder identificar um alvo, monopólio. Então, se nos tornarmos
abrir fogo contra ele, mover-se e escolher líderes nesta área, nós compartilharemos
trajetórias perfeitas, permitindo que estas tecnologias com todo o mundo”.
cheguem até um lugar seguro. Mas isso não significaria que estamos
entrando no início de uma nova era de
Há alguns anos, as autoridades militares corridas bélicas?
da China, Alemanha, Rússia, Estados
Unidos e diversos outros países No planeta, há um número crescente
anunciaram que a criação de sistemas de áreas protegidas de forma confiável
de combate integralmente autônomos por sistemas antimísseis e antiaéreos,
não era seu objetivo. Ao mesmo tempo, monitoradas por satélites e sistemas
as forças militares observaram que tais automatizados, e patrulhadas por navios
e aeronaves. Nas mentes dos militares,
apenas sistemas de combate com IA
poderão, no caso de guerras, penetrar
nestas áreas fechadas e operar com uma
relativa liberdade.
Atualmente, já existem sistemas de
combate capazes de detectar e classificar
seus alvos, e de controlar o disparo

As Nações Unidas versus as LAWS


Desde maio de 2014, as Nações Unidas estão envolvidas em um debate
internacional sobre o desenvolvimento de Sistemas de Armas Autônomas
Letais (LAWS), também conhecidos como “robôs assassinos”. As Altas Partes
Contratantes na Convenção sobre Certas Armas Convencionais (CCW) adotaram
um novo compromisso: “discutir mais profundamente as questões relacionadas às
tecnologias emergentes na área de sistemas de armas autônomas letais (LAWS),
no contexto dos objetivos e propósitos da Convenção”.
Se reunindo pela primeira vez em novembro de 2017, um Grupo de Especialistas
Governamentais (GGE), presidido pelo embaixador indiano Amandeep Singh
Gill, teve a tarefa de revisar tecnologias emergentes em LAWS. Uma das
Um desenho de perspectiva linear diretrizes no relatório do consenso deste encontro foi que a responsabilidade do
que originalmente seria publicado desenvolvimento de qualquer sistema bélico de conflito está nos estados. “Os
em Crisis in Zefra (Crise em Zefra) estados devem ser responsáveis por atos letais de seus exércitos em conflitos
de autoria de Karl Schroeder, que armados”, disse o embaixador Singh Gill no último encontro GGE em Genebra, na
ilustra as tecnologias emergentes que Suíça, no dia 9 de abril de 2018.
podem se tornar parte do Exército
do Futuro do Canadá. Izumi Nakamitsu, subsecretária-geral e alta representante para Assuntos
© Kalman Andrasofszky
sobre Desarmamento da ONU, destacou no evento que as novas tecnologias
estavam “dando origem rapidamente a novos métodos e meios de guerra
com consequências potencialmente indesejáveis ou incertas”. Ela destacou a
responsabilidade do grupo de “construir consenso sobre o entendimento comum
de limites possíveis no grau de autonomia do uso de forças letais”.

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 27


Grande angular

© Pavel Chagochkin / Shutterstock

A possibilidade de exércitos de robôs


travarem uma guerra de maneira Para os exércitos, todos estes sistemas e IA enviaram uma petição aos Estados
autônoma permanece no reino da serão utilizados para atuar em diversas Unidos pedindo pelo banimento total
ficção científica. Ainda assim, muitos funções básicas, e mais importante, para do desenvolvimento e dos testes de
especialistas em IA estão extremamente destruir alvos inimigos de maneira mais armamentos ofensivos autônomos.
preocupados com essa possibilidade. eficiente e salvar vidas de seus próprios
soldados. Ao mesmo tempo, ainda Estes especialistas acreditam que a
não existem padrões internacionais ou criação de exércitos de robôs, capazes de
de mísseis antiaéreos, tal como os conduzir ofensivas de forma autônoma,
sistemas de míssil de defesa terra–ar documentos legais para regular o uso de
sistemas de combate equipados com IA levará inevitavelmente ao surgimento
S-400 da Rússia. O Sistema de Combate de um sentimento de poder absoluto
Norte-americano Aegis, que controla em guerra. Nem as leis de guerra nem as
Convenções de Genebra definem quais e impunidade. Além disso, quando
o armamento de navios de guerra, humanos estão em uma situação de
funciona da mesma forma. Pela zona sistemas de IA podem ser usados em
combate e quais não podem. Também conflito, eles tomam decisões que
desmilitarizada, na fronteira com a Coreia incluem, entre outras coisas, suas
do Norte, a Coreia do Sul posicionou não há nenhuma legislação internacional
que ajudaria a identificar aqueles atitudes morais, sentimentos e emoções.
diversos robôs militares SGR-A1 A observação direta do sofrimento
encarregados da vigilância. Em modo responsáveis pela falha de um sistema
autônomo. Se um drone bombardeia dos outros ainda possui um efeito de
automático, eles podem abrir fogo contra dissuasão em um grupo militar, mesmo
o inimigo, embora ele não vá atirar em civis de maneira autônoma, quem será
punido? Seu fabricante? O comandante entre soldados profissionais, a compaixão
pessoas que estejam com as mãos para e a sensibilidade eventualmente
cima. Nenhum destes sistemas é utilizado do esquadrão ao qual ele foi destinado?
O Ministro da Defesa? A corrente de diminuem. No caso da introdução
pelos militares em modo automático. generalizada de sistemas de armas
acusados potenciais é muito longa e,
Os últimos avanços no desenvolvimento como sabemos, quando existem muitos autônomos letais, cujos efeitos podem
da IA poderão criar sistemas de combate acusados, ninguém é culpado. ser desencadeados apenas por um
capazes de se mover. Dessa forma, nos movimento de dedos na tela de um
Estados Unidos, aeronaves automatizadas Em 2015, o Future of Life Institute, com tablet em outro continente, a guerra
estão sendo desenvolvidas para voar sede nos Estados Unidos, publicou uma inevitavelmente se tornará nada mais
atrás de aviões de combate operados carta aberta assinada por mais de 16 mil que um jogo, com baixas civis e militares
por humanos e atingir alvos aéreos ou pessoas alertando para as ameaças que reduzidas a apenas números na tela.
terrestres sob comando. um sistema de combate com base em IA
oferece aos civis, para os riscos de uma Especialista em armas e jornalista, Vasily
O sistema de controle de fogo do corrida bélica, e por último, para o perigo Sychev (Rússia) escreve para publicações
tanque T-14 de nova geração da de um resultado fatal para a humanidade. como o jornal Rossiyskaya Gazeta, a
Rússia, que se baseia na plataforma A carta foi assinada, particularmente, pelo revista de negócios semanais russa
universal Armata, será capaz de detectar empresário americano e fundador da Expert, o site independente de notícias
autonomamente alvos e bombardeá-los SpaceX e Tesla, Elon Musk, pelo astrofísico russo Lenta.ru, e o jornal de defesa
até que a destruição seja completa. britânico Stephen Hawking (1942-2018) e Military-Industrial Courier. Ele também
A Rússia também está trabalhando pelo filósofo americano Noam Chomsky. é chefe das seções Armas e Aviação no
simultaneamente em uma família de Em agosto de 2017, Musk e cerca de cem famoso jornal online de ciência N + 1.
robôs rastreáveis que poderá participar desenvolvedores de sistemas de robótica
em combates com soldados humanos.

28 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Grande angular

Trabalhando
para, e não contra a humanidade
Tee Wee Ang e Dafna Feinholz
(UNESCO)

Enquanto caminhamos
inevitavelmente para um
mundo automatizado e com as
quase infinitas possibilidades
da inteligência artificial,
torna-se necessário que
identifiquemos as implicações
éticas desta tecnologia
emergente e tratemos de seus
desafios legais e sociais sem
precedentes.

O fim da privacidade na era digital?


(obra do cartunista cubano Falco).
© Falco / Cartoon Movement

De tempos em tempos, nos deparamos nos arranjos socioeconômicos e políticos “autoconhecimento” e “consciência”.
com uma tecnologia que nos faz parar da sociedade atual. Atualmente, não há consenso sobre a
para considerar o que significa ser viabilidade da IAG, muito menos sobre
Quando refletimos sobre as implicações
humano. O advento da Inteligência quando ela poderia ser alcançada.
éticas da IA, devemos ser realistas sobre o
Artificial (IA) exige uma reflexão profunda
que é e o que não é a IA atualmente. Em
sobre seus abrangentes impactos.
Embora o conceito por trás desta
geral, quando falamos sobre IA, estamos Coleta de dados
tecnologia tenha sido objeto de nossa
falando sobre “IA limitada”, ou “IA fraca”,
que é projetada para cumprir uma
interminável
imaginação coletiva há décadas, só
tarefa específica – como por exemplo, A machine learning e a aprendizagem
agora ela está se tornando uma realidade
analisar e melhorar um fluxo de tráfego; profunda são abordagens que exigem
impregnada em nossas vidas.
fazer sugestões online de produtos com uma grande quantidade de dados em
Avanços recentes em tecnologia de IA base em compras anteriores etc. Essa tempo real para que o sistema dotado de
– especialmente aqueles relacionados “IA limitada” já está por aqui – e se tornará IA “aprenda” por meio da “experiência”,
à machine learning em geral e cada vez mais complexa e integrada à e uma infraestrutura para que a IA
especialmente à aprendizagem profunda nossa vida cotidiana. implemente seus objetivos e tarefas
– mostraram que sistemas dotados de com base no que acabou de aprender.
Por enquanto, não estamos considerando
IA podem superar o desempenho de Isso significa que quando consideramos
aquilo que é chamado de “IA sólida”
humanos em termos de eficiência e as implicações éticas da IA, precisamos
ou Inteligência Artificial Geral (IAG),
efetividade em diversas áreas, incluindo levar em consideração o complexo
mostrada em diversas histórias e filmes
em tarefas que exigem certo grau de ambiente tecnológico necessário para
de ficção científica – que supostamente
raciocínio cognitivo. Dessa forma, a IA tem o funcionamento da IA. Este ambiente
poderiam cumprir uma ampla variedade
o potencial de trazer imensos progressos inclui a constante coleta de big data pela
de tarefas cognitivas humanas e, segundo
e benefícios à humanidade enquanto, ao IA por meio da Internet das Coisas; a
especialistas, trazer inclusive traços de
mesmo tempo, pode trazer rompimentos armazenagem de big data na nuvem;

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 29


Grande angular

© Max Aguilera-Hellweg / INSTITUTE

Geminoid F e modelo anônimo,


uma instalação do fotógrafo e diretor pessoais de maneira voluntária e com base em tais preferências, limitar a
norte-americano Max Aguilera-Hellweg. gratuita sem realmente entender os extensão de nossa autonomia de escolha
usos potenciais destes dados e quem e criatividade, de alguma forma?
os utilizará. Estes dados alimentam
Outra questão importante a ser
sistemas dotados de IA, que estão sendo
o uso de big data pela IA para seu considerada é se os dados utilizados
desenvolvidos principalmente pelo setor
processo de “aprendizado”; e a por um sistema de IA para “aprender”
privado. Tais dados se tornam anônimos,
implementação de análises ou tarefas contêm distorções ou preconceitos
para que as informações sobre nossas
de IA por meio de cidades inteligentes, embutidos, já que levariam a IA a tomar
preferências e hábitos possam ser usadas
veículos automatizados ou dispositivos “decisões” que resultam em discriminação
para criar padrões de comportamento,
robóticos etc. e estigmatização. Os sistemas de IA
permitindo que um sistema dotado
encarregados das interações sociais ou
de IA possa oferecer mensagens
Quanto mais complexo o da entrega de serviços sociais podem
políticas, vender aplicativos comerciais,
desenvolvimento tecnológico se torna, ser particularmente vulneráveis a isso.
monitorar algumas de nossas atividades
mais complexas são as questões éticas Precisamos estar cientes do fato de que
relacionadas à saúde etc.
levantadas. Enquanto os princípios éticos alguns dados, tais quais os gerados
não mudam, as maneiras que abordamos na internet, contêm informações que
tais questões podem mudar radicalmente. O melhor e o pior refletem tanto o melhor quanto o pior
Como resultado, estes princípios podem para a humanidade. Dessa maneira,
ser severamente comprometidos, de Isso significaria o fim da privacidade? E a confiar em um sistema dotado de IA para
maneira consciente ou não. segurança dos dados, a vulnerabilidade aprender a partir de seus dados é, em si,
ao ataque de hackers criminosos? Seriam insuficiente para assegurar um resultado
Nossas noções de privacidade, de estes dados também cooptados pelo ético – uma intervenção humana direta
confidencialidade e de autonomia, por Estado para controlar sua população, seria necessária.
exemplo, podem mudar drasticamente. talvez em detrimento dos direitos
Por meio de dispositivos inteligentes e humanos individuais? Poderia um Um sistema dotado de IA poderia ser
aplicativos que se tornaram instrumentos ambiente dotado de IA, que monitora ensinado a ser ético? Alguns filósofos
de redes sociais como Facebook e Twitter, constantemente nossas preferências argumentam que algumas experiências
nós estamos fornecendo informações e nos oferece uma gama de opções – tais como as estéticas e éticas – são

30 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Grande angular

Seriam esses Os riscos éticos da IA


dados também Marc-Antoine Dilhac, entrevistado por Régis Meyran

cooptados pelo A Inteligência Artificial (IA) pode ser usada para aumentar a
Estado para eficácia de medidas discriminatórias já existentes, tais como
caracterização racial, previsão de comportamento ou mesmo a
controlar sua identificação da orientação sexual de uma pessoa. As questões
população, talvez éticas levantadas pedem por uma legislação que assegure o
desenvolvimento responsável da IA.
em detrimento dos Quais são as questões levantadas por softwares de análise comportamental
com base em filmagens?
direitos humanos A IA ajuda a melhorar o uso preventivo de sistemas de vigilância por vídeo
individuais? em locais públicos. Atualmente, as imagens são analisadas continuamente
por softwares que detectam atos de agressão e que é capaz de ativar o alarme
rapidamente. Este novo sistema está sendo testado, por exemplo, nos corredores
da estação de metrô Châtelet, em Paris. Se nós aceitamos o princípio de vigilância
inerentes aos seres humanos, então por vídeo, o único problema com o uso de IA é o risco de erro. E este risco não é
não podem ser programadas. Outros tão alto, já que são seres humanos que tomam a decisão final sobre intervir ou não.
propõem que a moralidade pode ser
Entretanto, erros de reconhecimento facial são muito comuns. Uma pequena
aumentada por meio da racionalidade
falha na imagem é tudo o que é preciso para que a IA veja uma torradeira no
e, dessa maneira, pode ser programada,
lugar de um rosto! A sensação de vigilância excessiva e a multiplicação de erros
mas a liberdade de escolha deve ser
certamente pode ser preocupante.
protegida. Atualmente, não há consenso
sobre como a ética e a moralidade podem É também motivo de preocupação que estes sistemas inteligentes e as técnicas
ser ensinadas, até mesmo para humanos de identificação de perfil racial e social utilizados possam levar a abusos.
com base apenas em pensamentos
A quais tipos de abuso o sr. se refere?
racionais, quanto mais com relação
à IA. E mesmo se uma IA tenha sido Eu me refiro, especialmente sobretudo, ano caso dos programas que já estão
eventualmente programada a ser ética, em uso sendo usados em diversos países, que utilizam o reconhecimento facial
qual ética utilizaríamos? Seria esta ética para identificar “comportamento terrorista” ou “caráter criminoso” utilizando
a mesma dos desenvolvedores? Já que o reconhecimento facial. Suas características faciais poderiam ser usadas para
desenvolvimento de IA é principalmente indicar suas tendências criminosas intrínsecas!
dirigido pelo setor privado, é necessário
Preocupados com o ressurgimento da “fisiognomia”, Michal Kosinski e Yilun
considerar a possibilidade de que a ética
Wang, da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, decidiram expor os
do setor privado possa ser inconsistente
perigos dessa teoria pseudocientífica – que imaginávamos ter ficado no passado
com a ética da sociedade.
–, que alega estudar o caráter de uma pessoa por meio do reconhecimento
Se procuramos nos assegurar de que facial. Para chamar atenção para os riscos da invasão de privacidade, eles criaram
a IA funcione para, e não contra, nós, “Gaydar” em 2017, um programa que identificaria se uma pessoa é homossexual
precisamos nos comprometer com ou não apenas ao analisarndo sua fotografia! De acordo com os autores, a
um diálogo abrangente, que inclui as margem de erro do programa é de apenas 20%. Além do efeito estigmatizante,
perspectivas éticas diferentes de todos a aplicação desta tecnologia violaria o direito das pessoas de não divulgar sua
afetados por ela. Nós precisamos ter orientação sexual.
certeza de que a estrutura ética usada
Qualquer pesquisa científica feita sem orientação filosófica ou diretrizes
por nós para desenvolver a IA também
sociológicas ou jurídicas é propensa a problemas éticos. Os poucos exemplos
leve em conta questões mais amplas
que eu acabei de mencionar mostram a necessidade urgente de se estabelecer
de responsabilidade social, para assim
um modelo ético para a pesquisa em IA.
equilibrar potenciais rupturas na
sociedade humana. E a questão dos abusos eugenistas?
Na minha opinião, a princípio, a IA não é um aspecto da eugenia. Alguns
Especialista de Programas, Bioética e
profetizam um mundo no qual os humanos possam ser melhorados por meio
Ética da Ciência na UNESCO, Tee Wee
do uso de IA – chips para expandir a memória ou melhorar o reconhecimento
Ang (Malásia) trabalhou em engenharia
facial etc. Enquanto a robótica inteligente pode oferecer soluções médicas
de projetos e gestão de engenharia
para algumas formas de deficiência (tais como oferecer mobilidade por meio
antes de juntar-se à UNESCO em 2005.
de próteses sofisticadas), as hipóteses transumanistas do homem aumentado
Chefe de Departamento, Bioética e Ética permanecem no reino da ficção científica.
da Ciência na UNESCO, Dafna Feinholz
(México) é psicóloga e bioeticista
Professor-assistente na cadeira de filosofia política na Universidade de Montreal,
de formação. Trabalhou como
Marc-Antoine Dilhac (França) é presidente do Programa de Pesquisa em Ética Pública e
secretária-geral da Comissão Nacional
codiretor de pesquisa ética e política do Centro de Pesquisa em Ética (CRE).
de Bioética do México.

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 31


Grande angular

IA e literatura: seria mesmo

para o melhor ?
Karl Schroeder, entrevistado por Marie Christine Pinault Desmoulins Isso significa que o sr. não tem
(UNESCO) preocupações com a IA?
Determinar se a IA é uma ameaça ou
Karl Schroeder dedica seu tempo a ler, estudar, observar e imaginar um benefício é uma responsabilidade
histórias futurísticas. Renomado internacionalmente como um dos inteiramente humana. Há diversas ideias
astros da ficção científica, seus livros inspiraram especialistas em simplistas sobre IA, como funciona, e
as razões pelas quais poderia ser uma
novas tecnologias e Inteligência Artificial (IA). Além disso, ele coloca ameaça à humanidade. Poderia até ser
sua imaginação a serviço de empresas e governos, ajudando-os a dito que há uma ansiedade exagerada,
prever suas transformações tecnológicas, econômicas e sociais. Para focada na perda de controle sobre as
o romancista e ensaísta canadense, a Inteligência Artificial é uma máquinas. No estágio que estamos hoje,
revolução mais cultural que tecnológica – e isso demanda uma maior este não é um raciocínio eficaz.
reflexão com relação às questões éticas, governamentais e legislativas. Por outro lado, é essencial escolher a
direção que a IA tomará e decidir como
será usada. Se decidirmos investir
Além de sua paixão por inovações seriam tipos diferentes de máquinas, em supermáquinas para batalhas
digitais e tecnológicas, quais são suas um tipo que ainda não elaboramos. Os econômicas ou políticas, nós estamos
fontes de inspiração? computadores de hoje não produzem tomando o caminho da construção de
sentido e a intervenção humana é um ambiente hostil, claro. A sociedade
Eu dedico uma grande parte do meu deve fazer as decisões corretas para a
sempre necessária no processo criativo,
tempo à leitura de grandes filósofos. implementação da IA.
mesmo que os dispositivos tecnológicos
Isto me permite ter uma visão global, a
estejam se tornando mais refinados e se
considerar as conexões possíveis entre as
aproximando das capacidades humanas.
tecnologias e os movimentos sociais. Mas,
deixe-me destacar, eu dou exatamente Em meu romance Lady of Mazes, há uma
a mesma atenção ao enredo, para que cena onde a IA está enlouquecendo e
meus livros sejam divertidos! cria uma espécie de bomba criativa que
abastece milhões e milhões de romances
Ao mesmo tempo, a internet é uma
de qualidade excepcional, literalmente
fonte infinita de informação e distração.
tantos que as pessoas não poderiam
Qualquer navegação na rede é uma
lê-los em todo seu tempo de vida coletiva
oportunidade de novas descobertas
somados. E então, o que acontece com
e pode me estimular a repensar ou
os humanos? Bem, eles se adaptam e
mesmo mudar radicalmente tudo que
continuam com suas próprias criações.
acabei de escrever. A internet faz minha
pesquisa mais fácil e eu retiro apenas o Imagine se esta bomba criativa
melhor dela. explodisse hoje. Por que isso me
impediria de escrever novos livros? Por
O sr. prevê que a IA poderá um dia
que eu deveria pensar “eu contra um
substituí-lo como escritor?
milhão de livros” e não “eu e um milhão
Neste momento, eu compararia a de livros?”. Eu considero a criatividade
contribuição da Inteligência Artificial – qualquer que seja sua origem – uma
em minha área a uma função de soma e não uma eliminação para a nossa
aleatorização, comparável a deitar um própria existência.
baralho de cartas, cada carta capaz de
De fato, a noção de substituição é
definir um personagem, uma cena etc.
inerente ao conceito de valor. Nós
Por exemplo, um deles poderia ser o “rei
poderíamos considerar que tudo pode
dos caras maus, ao lado de uma torre”, e
ser substituído, de acordo com um
a partir daí eu poderia desenvolver um
certo valor. Como escritor, eu poderia
personagem, um enredo.
ser substituído por um computador
Eu acredito que a criatividade poderia que possui mais sucesso comercial que
eventualmente acontecer fora dos seres eu. Mas esse raciocínio só é válido se
humanos. Então posso imaginar que a IA o sucesso comercial prevalecer neste
poderá criar um livro digno deste nome, sistema de valores.
mas certamente não na forma atual. Estes

32 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Grande angular

Ética? A ficção científica


Se um dia os produtos da IA se tornarem
independentes de nós, serão como
tem pensado sobre isso
crianças que nos deixam quando o
tempo chega, para levarem suas próprias
vidas! Nossa responsabilidade como pais
há um século!
é nutri-las e inspirar valores positivos.
Este é o alicerce da discussão.
Isto está relacionado à questão da ética?
Qual será a mensagem de seu Karl Schroeder (Canadá), futurista,
Sim, a ficção científica tem pensado
próximo livro? ensaísta e romancista de ficção científica,
sobre isso há um século! Os decisores
é o autor de dez romances traduzidos
políticos e a sociedade estão apenas Ele sem dúvida tratará do futuro da
para diversas línguas. Os títulos incluem
começando a pensar sobre estas política e dos processos de tomada
Ventus (2000), Permanence (2002), Lady
questões. É por não estarmos de decisão, e também dos meios
of Mazes (2005), Crisis in Zefra (2005) e
examinando seriamente o assunto que tecnológicos que poderiam levar-nos
Lockstep (2014). Ele recebeu o Prêmio
recorremos a especulações toda vez a outro nível de civilização.
Talento Netexplo pela UNESCO em
que uma grande inovação tecnológica é
Parece piada, mas estou pensando em fevereiro de 2018.
apresentada. E mesmo assim, a solução é
escrevê-lo com uma caneta! Será um
simples – devemos decidir implementar
experimento, assim como aqueles que as
uma nova tecnologia apenas quando
ferramentas digitais nos oferecem. Nós
tivermos identificado seu impacto social,
precisamos ter o poder de distinguir a
determinado seu uso e regulamentado
escrita dos meios de escrita. A tecnologia Cena de Poetic_AI, considerada a maior
da maneira correta.
é apenas um meio, e deverá ser colocada instalação em IA, criada totalmente por
Eu fiz deste problema uma das de volta em seu lugar apropriado. Não um algoritmo. A agência de mídia de
mensagens em Lady of Mazes – há nada que precisemos renunciar sobre Istambul Ouchhh produziu uma IA para
para encorajar o planejamento da o que somos ou o que queremos ser – visualizar incontáveis histórias, livros e
implementação de qualquer inovação nós apenas necessitamos nos preparar artigos, cerca de 20 milhões de linhas de
tecnológica, para antecipar melhor as coletivamente. texto – todas escritas por cientistas que
mudanças sociais. mudaram o mundo – para criar essa
instalação de 17 minutos.

© Ouchhh

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 33


Grande angular

Aprendendo
a viver na era da IA
Leslie Loble

Aos três pilares básicos de


qualquer sistema educacional
– leitura, escrita e aritmética
– devemos agora adicionar
mais três: empatia, criatividade
e pensamento crítico. Estas
habilidades, geralmente
adquiridas fora da escola,
devem ser incluídas no
currículo escolar ao passo
que a Inteligência Artificial
(IA) se torna parte de nossas
sociedades.

Na Austrália, 300 mil crianças começam


suas jornadas escolares neste ano, em
2018. Se graduando na escola em 2030,
elas passarão a maior parte de suas vidas
profissionais na segunda metade do
século XXI – e algumas ainda poderão
viver para ver o surgimento do século
XXII. A rapidez das mudanças criadas
pelas tecnologias avançadas faz com
que seja cada vez mais provável que
estas crianças venham a viver e trabalhar
em um mundo radicalmente diferente
do nosso. Os sistemas educacionais
devem se modificar prontamente para se
antecipar e se ajustar a esta mudança, se
© Vincent Fournier

desejam que as futuras gerações tenham


sucesso.
Nova Gales do Sul é o maior setor
educacional da Austrália, com cerca
de um milhão de crianças e jovens
frequentando cerca de 3 mil escolas. Em É por isso que o Departamento de Desde que o projeto começou, o
todas as salas de aula, todos os dias, um Educação de Nova Gales do Sul começou Departamento se comprometeu com
professor instrui e guia estes estudantes o Education for a Changing World, líderes globais das esferas econômicas,
em direção aos seus futuros. Mas, ao em 2016. Examinando os impactos tecnológicas e acadêmicas, e suas
nível de um sistema, especialmente em estratégicos dos avanços tecnológicos, considerações levaram à publicação
tamanha escala, as mudanças podem se este amplo projeto pretende esclarecer de Future Frontiers: Education for an
desenvolver lentamente, mesmo com a e estimular reformas necessárias no AI World  em novembro de 2017. O
urgência clara e crescente que as novas currículo, ensino e avaliação, e orientar livro explora o futuro da educação em
tecnologias trazem. o sistema inteiro em direção a uma um mundo com IA, e as habilidades
abordagem mais inovadora. necessárias para ter sucesso no

34 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Grande angular

século XXI. Alguns desses líderes


considerados se juntaram a educadores,
Os novos pilares O projeto Education for a Changing World
destacou a necessidade de fomentar
organizações não governamentais Os três pilares – leitura, escrita e práticas educacionais inovadoras que
(ONGs) e elaboradores de políticas em aritmética – são a fundação de todo o levarão a ganhos generalizados em todo
um simpósio internacional no fim de aprendizado, mas os estudantes de hoje o sistema. E já existem práticas inovadoras
2017, para discutir como utilizar novas precisam de habilidades fundamentais florescendo pela comunidade educacional,
tecnologias e ferramentas para ajudar adicionais e habilidades não cognitivas procurando motivar, engajar e desafiar
professores e melhorar os resultados importantes, como por exemplo, auto estudantes, e aproveitar o potencial da
obtidos pelos estudantes. A infusão de eficiência. A rapidez e amplitude das tecnologia avançada de melhorar seus
novas ideias levou a um compromisso mudanças tecnológicas pedem por desempenhos. Algumas dessas práticas
unificado de reforma. um entendimento mais profundo têm uma base de evidência maior que as
dos conceitos, e uma grande dose de outras, o que torna mais difícil distinguir
resiliência, adaptabilidade e flexibilidade quais são as mais efetivas.
para estudantes, professores e também
para os sistemas educacionais. IA na sala de aula
As habilidades humanas serão mais
Tomando como lição as melhores
importantes que nunca no novo mundo
práticas de inovação internacional e
que está se formando diante de nossos
nacional, nos setores público e privado,
olhos – e o pensamento crítico será uma
o Departamento de Educação de
das habilidades mais poderosas que os
Nova Gales do Sul está examinando
sistemas educacionais transmitirão aos
como apoiar ainda mais os educadores
estudantes.
a desenvolver e acelerar ideias
Por enquanto, estas habilidades inovadoras. O objetivo é estabelecer
essenciais podem ser adquiridas por novas maneiras de criar métodos
meio de atividades extracurriculares, sustentáveis e escalonáveis para
onde aprendemos sobre cooperação, estender o aprendizado, as capacidades
estabelecimento de metas e e as realizações de nossos estudantes.
planejamento, por exemplo. Disciplina
e espírito de equipe podem ser A IA oferece um potencial significante
desenvolvidos por intermédio dos dentro da educação, se usada com
esportes, criatividade por meio do teatro, sabedoria, e se servir às necessidades
pensamento crítico por intermédio dos educadores. Já existem sistemas
do debate, e empatia por meio da baseados em IA que podem apoiar o
arrecadação de fundos para a Cruz ensino personalizado, libertando os
Vermelha ou voluntariado em um grupo professores para focar nas necessidades
de jovens. individuais dos estudantes e em
liderança educacional. Estes sistemas
O desafio é como criar esta ampla poderão monitorar o engajamento e
variedade de oportunidades para todos progresso dos estudantes, e poderão
os estudantes, como valorizá-las como sugerir ajustes ao conteúdo.
experiências legítimas e integrá-las
em nosso currículo, e como avaliar É fundamental que os educadores estejam
os estudantes nestes domínios – que no comando com relação ao projeto e ao
anteriormente não eram considerados desenvolvimento de sistemas baseados
parte da educação escolar. em IA. Professores e líderes escolares
devem fazer o papel crítico ao definir um
Uma coisa é certa – o futuro exigirá que
propósito claro para a IA em sala de aula, e
crianças desenvolvam conexões umas
serem treinados para entender e utiliza-la
com as outras e semeiem um senso de
de maneira eficaz. Estudantes também
comunidade, cidadania e colaboração
devem se envolver nas decisões sobre o
baseado na empatia, que alguns
uso destas tecnologias, e educados sobre
acreditam ser a competência-chave para
as estruturas éticas que acompanham seu
o século XXI.
uso. Seus futuros dependerão das políticas
Competências interpessoais são e abordagens adotadas neste momento.
crescentemente reconhecidas como
componentes fundamentais para os
Leslie Loble (Austrália), vice-secretária
sistemas educacionais ao redor do
Foto do artista francês Vincent Fournier, no Departamento de Educação de
mundo. Organizações, incluindo a
tirada em Barcelona (Espanha), em 2010, Nova Gales do Sul, tem liderado a
UNESCO e a OCDE, estão desenvolvendo
como parte da série O Homem Máquina estratégia, reforma e inovação no maior
estruturas, padrões e avaliações para
(The Man Machine), que mostra “ficções e mais diverso setor de educação na
competências intrapessoais, e conceitos
especulativas”, onde criaturas artificiais Austrália por quase duas décadas. Foi
como habilidades globais para apoiar
interagem com humanos. uma maior colaboração intercultural. Na premiada como uma das 100 Mulheres
Austrália, um conjunto de capacidades de Influência em 2013 pela Australian
gerais incluindo pensamento crítico e Financial Review/Westpac por seu
criativo e entendimento intercultural impacto positivo nos assuntos públicos
foi incluído no currículo nacional em da Austrália e pelo reconhecimento de
2009 – deste então, muitas jurisdições as seu papel na reforma educacional.
adicionaram em seus próprios currículos.

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 35


Grande angular

Aproveitando o melhor
da IA
Audrey Azoulay

Audrey Azoulay,
diretora-geral da UNESCO,
entrevistada por Jasmina
Šopova

A Inteligência Artificial
(IA) poderia ajudar a
humanidade a superar
muitos dos sérios
problemas sociais que
enfrenta. Mas, ao mesmo
tempo, a IA apresenta Uma representação simbólica de uma
IA cooperando com humanos.
uma série de desafios © Veronique Deshayes
complexos, especialmente Por que a UNESCO está interessada
em termos de ética, direitos em IA?

humanos e segurança. Os especialistas são unânimes: a da Organização. A Educação será


humanidade está no limiar de uma profundamente transformada pela
Além disso, não há uma
nova era. A Inteligência Artificial (IA) IA. Ferramentas de ensino, modos
estrutura internacional transformará nossas vidas de uma de aprendizado, acesso à sabedoria
que se aplique a todos maneira que não podemos imaginar. e treinamento de professores serão
os desenvolvimentos Esta transformação já começou e afeta revolucionados. Será cada vez mais
todos os aspectos de nossas vidas. A IA importante ponderar sobre quais
e utilizações de IA que possui diversas aplicações em campos habilidades deverão ser desenvolvidas
existem atualmente. variados como saúde, educação, cultura, para evoluir em um mundo
Uma ferramenta sociedade, defesa etc. A pesquisa progressivamente mais automatizado.
regulatória internacional é aumentou consideravelmente nos
No setor cultural, a IA já é amplamente
últimos anos: os gigantes da internet,
indispensável. FAMGA (Facebook, Apple, Microsoft,
aplicada: por exemplo, imagens 3D
são utilizadas para reconstrução de
Google, Amazon) e muitos países
patrimônio – como faremos na cidade
estão investindo massivamente em IA,
antiga de Mosul, no Iraque. Nas ciências
e se tornando agentes desta “Quarta
também, especialmente em nossos
Revolução Industrial”.
programas ambientais e de pesquisa
A UNESCO possui um papel importante submarina – para a classificação de
nestes tempos de mudança. Primeiro, imagens de plânctons ou a detecção
porque as utilizações de IA afetam automática e censo de cetáceos e aves
diretamente as especialidades marinhas, por exemplo. Comunicação

36 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Grande angular

Robôs e ética
A UNESCO possui um papel O relatório COMEST sobre

importante nestes tempos de Ética Robótica, 2017


Atualmente, a robótica se baseia

mudança. [...] as utilizações


cada vez mais na tecnologia da
Inteligência Artificial (IA), em que os
robôs são dotados de habilidades

de IA afetam diretamente cognitivas ou semelhantes às


humanas, como percepção, uso da
linguagem, interação, resolução
as especialidades da de problemas, aprendizagem e até
criatividade. A principal característica

Organização desses robôs cognitivos é que suas


decisões são imprevisíveis e suas
ações dependem de situações
estocásticas (aleatórias) e da
experiência.
Isso é muito diferente dos robôs
Mas também é uma ameaça, porque
deterministas, cujo comportamento
a automação e a digitalização criam
é determinado pelos programas que
desigualdades. Elas podem diminuir
controlam suas ações. A questão
a diversidade em indústrias culturais,
da responsabilização das ações
atrapalhar o mercado de trabalho, criar
dos robôs cognitivos é, portanto,
inseguranças empregatícias e aumentar
essencial – especialmente porque
as disparidades entre aqueles que têm
estas têm um impacto sobre os
acesso a estas tecnologias e aqueles que
comportamentos humanos, induzem
são privados dela.
mudanças sociais e culturais, e
É aí que a UNESCO também tem levantam questões sobre segurança,
um papel – na tentativa de reduzir privacidade e dignidade humana.
as desigualdades no acesso ao
Em seu Relatório sobre Ética
conhecimento e pesquisa – por
Robótica, publicado em novembro
meio do apoio que oferece aos seus
de 2017, a Comissão Mundial
Estados-membros. É provável que
da UNESCO para a Ética do
divisão tecnológica crie um efeito
Conhecimento Científico e Tecnologia
multiplicador de desigualdades sociais.
(COMEST) propõe uma estrutura
A UNESCO deverá estar apta a ajudar
ética baseada na tecnologia para
seus Estados-membros na adaptação
desenvolver recomendações sobre
às novas realidades e no acesso ao
a ética da robótica – com base na
conhecimento tecnológico.
distinção entre robôs determinísticos
Como a UNESCO poderá oferecer este e cognitivos.
e informação também são diretamente
apoio, de maneira concreta?
dependentes dos avanços em IA. O relatório identifica ainda valores
A UNESCO deve liderar essa reflexão Um dos desafios dos Estados-membros e princípios éticos que poderiam
sobre os benefícios e riscos da IA na é possuir materiais de engenharia ajudar a estabelecer regulamentos
educação, cultura, ciência e comunicação sofisticados e de ponta, e recursos no campo da robótica, em todos
e informação. humanos adequados – cientistas os âmbitos e de maneira coerente
e engenheiros. Através de seus – variando de códigos de conduta
Em sua visão, quais são os riscos?
Centros de Educação e Treinamento para engenheiros a leis nacionais
Em geral, a IA pode ser uma para Ciência, Tecnologia e Inovação e convenções internacionais. Os
oportunidade fantástica de alcançar (CTI), do Observatório Mundial de valores e princípios destacados
objetivos estipulados pela Agenda 2030, Instrumentos de Política para a incluem dignidade humana,
mas isso significa abordar as questões Ciência, Tecnologia e Inovação (GO- autonomia, privacidade,
éticas que a IA apresenta sem mais SPIN) e de seu Programa Internacional segurança, responsabilidade,
demora. Uma oportunidade, porque de Ciências Básicas (IBSP), a UNESCO beneficência e justiça. O princípio
suas utilizações podem nos ajudar a está em posição de oferecer tal apoio – da responsabilidade humana é o
avançar mais rapidamente em direção e ajudar a reduzir as disparidades entre fio condutor que liga os diferentes
aos Objetivos de Desenvolvimento os países. valores examinados nesse relatório.
Sustentável (ODS) – permitindo uma
Quais são os desafios impostos pela IA A COMEST também faz uma
melhor avaliação de riscos; melhores
na educação? Como a UNESCO pretende série de recomendações
previsões e compartilhamento de
responder a eles? específicas sobre a aplicação de
conhecimento mais veloz; oferecendo
tecnologias robóticas. Isto inclui
soluções inovadoras nos setores de Esta é, claro, a área fundamental para a
o desenvolvimento de códigos de
educação, saúde, ecologia, urbanismo Organização. Novamente, a revolução
ética para roboticistas e advertências
e as indústrias criativas; e melhorando que está acontecendo está gerando
contra o desenvolvimento e uso
padrões de vida e nosso bem-estar diário. efeitos tanto positivos quanto negativos.
de armas autônomas.

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 37


Grande angular

É nossa Um software educacional baseado


em IA já está sendo utilizado para
a educação inclusiva e na avaliação
de seu provável impacto no futuro do
decentralizar o ensino e personalizá-lo, aprendizado.
responsabilidade e oferecer aos estudantes conselhos de
currículo, ou mesmo certificações. Mas
Promover o acesso aberto às ferramentas
de IA que incentivarão a inovação local
entrar nesta estas tecnologias são caras e por isso,
inacessíveis à grande maioria – é provável
que a lacuna entre ricos e pobres
será uma de nossas prioridades.
Para preparar futuras gerações ao
nova era com aumente ainda mais.
Como resultado de seu papel na
novo ambiente de trabalho que a IA
está criando, também será necessário

os olhos bem coordenação do Comitê de Direção ODS


Educação 2030 para monitorar o alcance
repensar os programas educacionais,
com ênfase em ciência, tecnologia,
engenharia e matemática – além de
abertos. do Objetivo de Desenvolvimento
Sustentável 4, dedicado à educação,
a UNESCO está em excelente posição
oferecer um lugar de destaque para a
área de humanas e as competências de
filosofia e ética.
para liderar este trabalho – identificando
as possíveis contribuições da IA para
Nós devemos evitar o uso indevido da IA.
© Veronique Deshayes

NETEXPLO NOTEBOOK | HUMAN DECISIONS THOUGHTS ON AI 101

38 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Grande angular

Qual a relação entre a IA e a filosofia A quem compete tomar a decisão?


ou a ética?
Reflexões sobre a publicação Human Decisions: Thoughts on AI
Em suas vidas adultas, as crianças e
estudantes das escolas de hoje sem Com o fenômeno do big data e a transição dos mecanismos de aprendizagem
dúvida enfrentarão problemas que profunda, a Inteligência Artificial (IA) tornou-se uma das tendências tecnológicas
são atualmente imprevisíveis para mais comentadas devido a suas repercussões nas pessoas e culturas.
nós. É difícil prever todos os possíveis
Os aspectos tecnológicos da IA ​​são fascinantes, mas alguns temem que a IA
desdobramentos destas máquinas
possa eventualmente eclipsar a inteligência humana. Mesmo se aceitarmos a ideia
cada vez mais sofisticadas, e que
de que a IA ajudará no avanço da humanidade, devemos antecipar os perigos de
estão ganhando um pouco mais de
uma IA fora de controle e ter consciência de suas implicações éticas.
autonomia a cada dia – ao ponto de
já estarem desafiando a identidade O Netexplo, um observatório independente que trabalha em parceria com a
humana, em certa medida. É por isso UNESCO, analisa cuidadosamente este vasto assunto – que engloba filosofia,
que as habilidades em ética e as ciências matemática, ciência, ciência da computação e engenharia. Em 2015, a UNESCO e
sociais e humanas em geral serão tão o Netexplo criaram um conselho consultivo comum (UNESCO/Netexplo Advisory
importantes quanto as ciências formais. Board, UNAB) – uma rede de professores, palestrantes e pesquisadores das
Sistemas de IA também podem possuir principais universidades do mundo para analisar as tendências da tecnologia
algumas tendências embutidas – digital e da IA em
​​ particular.
incluindo preconceito de gênero – que
Em 2018, o UNAB publicou Human Decisions: Thoughts on AI, uma coletânea de
demandam mais transparência desses
análises que tem como objetivo estimular o pensamento sobre os desafios críticos
sistemas e fortes princípios éticos para
da IA ​​e entender as chaves de seu funcionamento.
corrigi-los.
Uma preocupação universal que é examinada de diferentes perspectivas em todo
Por que é difícil prever futuros avanços
o livro é se os seres humanos deliberadamente confiam seus poderes de decisão
em IA?
à IA. A Inteligência Artificial é um substituto para os seres humanos? Quais são
Pesquisas no setor de IA estão avançando as possíveis medidas para nos proteger do abuso da IA? Essas questões são
em ritmo bastante acelerado, enquanto discutidas além dos pontos de vista desenvolvidos pelo Netexplo, comparando
os ambientes jurídicos, sociais e éticos diferentes cenários.
necessários para guiá-las estão evoluindo
Além dessas perspectivas, a questão sobre a tomada de decisão sempre se
muito vagarosamente. Até onde a
repete. Renunciamos da autoridade de controlar as máquinas? E se a IA acabar
autonomia e poder de tomada de decisão
controlando o comportamento dos humanos sem a participação deles? Neste
de uma máquina pode ir? Se um acidente
caso, quem, ou o quê, será responsável pela tomada de decisão?
ocorrer, quem é responsável? E quem
decide quais valores serão incutidos nas Enquanto alguns especialistas temem que a influência da IA possa
​​ nos levar a
máquinas durante aquilo que é chamado um sistema interconectado, onde nossa própria inteligência estará subordinada
“treinamento”? Estas e muitas outras à das máquinas, outros permanecem convencidos de que nosso estágio atual
questões permanecem sem solução de conhecimento sobre ciência da computação é muito limitado para justificar
atualmente. tal medo do desconhecido. Segundo este último grupo, não é uma questão de
competição, mas de cooperação entre a IA e os seres humanos.
Foi observado, por exemplo, que
algoritmos treinados em linguagem
humana comum adquiriram preconceitos
baseados em estereótipos de dados O que a UNESCO pode fazer com relação
textuais presentes na cultura do nosso a isso? É nossa responsabilidade liderar um
dia a dia. Como poderíamos não nos debate universal e esclarecido – não
Se queremos aproveitar o melhor das um debate técnico, mas um debate
preocupar com os perigos do surgimento
possibilidades oferecidas pela IA ao ético – de modo a entrar nesta nova era
de máquinas com comportamentos
mundo, devemos nos assegurar de que de olhos bem abertos, sem sacrificar
discriminatórios, racistas ou hostis?
ela sirva à humanidade, com respeito nossos valores, e tornar possível o
Também existem muitas outras razões à dignidade humana e aos direitos estabelecimento de uma estrutura global
para se preocupar – proteção de humanos. comum de princípios éticos, caso esta
privacidade e publicidade direcionada seja a vontade dos Estados-membros.
No entanto, não há nenhum padrão
na internet; liberdade de expressão
ético que se aplique a todos os
e algoritmos de censura; jornalismo
desenvolvimentos e aplicações em IA
automatizado e monopólios da * A Declaração Universal sobre o Genoma
atualmente. Humano e os Direitos Humanos (1997)
informação etc.
A UNESCO é um fórum universal único Declaração Internacional sobre os Dados
Mesmo se a pesquisa fundamental nesta Genéticos Humanos (2003)
com cerca de 20 anos de experiência
área seja amplamente motivada pelo Declaração Universal sobre Bioética e Direitos
no desenvolvimento de instrumentos
bem-estar, desvios não intencionais e Humanos (2005)
internacionais relacionados à bioética e
intencionais sempre podem acontecer. Declaração de Princípios Éticos em Relação
à ética da ciência e tecnologia*. Também
É por isso que é urgente assegurar-se às Mudanças Climáticas (2017)
pode contar com a competência de
de que esta tecnologia se desenvolva
dois órgãos consultivos trabalhando
de acordo com padrões éticos
ativamente nestas questões: a Comissão
rigorosamente estabelecidos.
Mundial para a Ética do Conhecimento
Científico e Tecnológico (COMEST) e o
Comitê Internacional de Bioética (IBC).

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 39


Grande angular

Léxico
da Inteligência Artificial
de desempenhar determinadas tarefas
Os termos e expressões destacados desenvolvimento de novos algoritmos* precisas de maneira autônoma, mas sem
com um asterisco estão definidos neste para armazená-la, classificá-la e analisá-la. consciência, dentro de uma estrutura
glossário definida por humanos, e seguir decisões
Bioconservadores tomadas apenas por humanos. IA sólida
Algoritmos Para os transumanistas*, são ou IAG seria uma máquina que possui
A palavra é derivada do nome de bioconservadores as pessoas que criticam consciência e sentimentos, capaz de
um matemático persa do século IX, seu ideal, ou seja, o homem aumentado – oferecer soluções para qualquer tipo
Muhammad ibn Musa al-Khwarizmi (por são indivíduos retrógrados que se negam de problema – o que é pura ficção, por
volta do ano de 820), que introduziu os a alterar as leis da vida e da natureza, enquanto.
números decimais no Ocidente. Hoje, muito embora a tecnologia torne isso Internet das Coisas
significa uma série de instruções que possível de se fazer.
devem ser executadas automaticamente Um conceito de computação que
por um computador. Algoritmos estão Criogenia humana descreve a ideia de objetos do dia a dia
ativos em todas as áreas, desde as Técnica para a conservação em nitrogênio ou locais no mundo físico que estão
consultas em mecanismos de busca e a líquido de um corpo ou de uma cabeça conectados à internet e capazes de
seleção de informações sugeridas aos humana após a morte de um indivíduo, identificar-se com outros dispositivos.
usuários de internet até os mercados com o objetivo de ressuscitá-lo um dia. Um objeto conectado coleta dados
financeiros. (temperatura, velocidade, umidade etc.)
Hibridização entre humanos e por meio de sensores, e os envia pela
Aprendizagem profunda máquinas internet para a análise de computadores.
No lado mais avançado da machine Este processo permite a conexão entre o O objeto pode ser um veículo, um relógio,
learning*, esta técnica permite que corpo humano e um sistema tecnológico.
uma máquina reconheça conceitos A conexão pode ser física, assim como
complexos como rostos, corpos humanos a prótese de um braço controlada
ou imagens de gatos de maneira pela mente, ou pode ser virtual, como
independente. Isto é feito com a análise os óculos do Google controlados por
de milhões de imagens retiradas da comando de voz, que podem mostrar
internet – imagens que não foram informações ou imagens em um canto
rotuladas pelos seres humanos. Resultado das lentes, sobrepostas a nossa visão
de uma combinação de algoritmos habitual.
de aprendizagem e redes neurais
formais* e do uso de dados em massa, a Homem aumentado
aprendizagem profunda revolucionou a O homem aumentado é o ideal
inteligência artificial. Ele possui muitas transumanista*, que compreende um
aplicações, como em mecanismos de indivíduo submetido a modificações
busca, diagnósticos médicos, carros para melhorar seu desempenho devido
autônomos etc. Em 2015, o computador a intervenções no corpo baseadas em
AlphaGo utilizou a aprendizagem princípios científicos ou tecnológicos.
profunda para vencer seres humanos em Parte homem, parte máquina, o indivíduo
Go, um antigo jogo de tabuleiro chinês. estaria apto a correr mais rápido, enxergar
bem no escuro, suportar dor, possuir
Big data habilidades intelectuais aprimoradas,
Um conjunto de dados digitais que, por resistir a doenças ou a morte etc. O
meio de seu volume, ultrapassa a intuição “homem consertado” já existe e próteses
humana e suas habilidades analíticas. “conectadas” são aprimoradas a cada dia.
Geramos cerca de 2,5 trilhões de bytes de Gradualmente, o homem aumentado
dados todos os dias na internet, por meio está se tornando uma realidade com o
de e-mails, vídeos, informações sobre o desenvolvimento de esqueletos externos
clima, sinais de GPS, transações online artificiais utilizados para fins militares.
etc. Nenhuma ferramenta tradicional
IA limitada/ IA sólida ou Inteligência
de gerenciamento de base de dados
Artificial Geral (IAG)
tem a capacidade de processar essa
quantidade de dados – e foi preciso o A IA existente é caracterizada como IA
limitada ou fraca – máquinas capazes

40 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Grande angular

uma máquina industrial ou mesmo uma aos outros, e que trocam mensagens Redes neurais formais
vaga de estacionamento. em tempo real por meio da internet.
São algoritmos implementados por um
Um cálculo ou o armazenamento da
Machine learning computador para replicar as conexões
informação lançados por um computador
neurais do cérebro. Os sistemas de redes
Uma máquina que utiliza um programa podem ser carregados por uma rede de
neurais formais existentes são muito
de aprendizagem automática para computadores interconectados, criando
mais limitados do que a inteligência
solucionar problemas por meio de assim uma nuvem.
humana. Ainda assim, são responsáveis
exemplos, para comparar e classificar por estimar a velocidade de um veículo
dados, ou até mesmo para reconhecer Realidade aumentada
de acordo com movimentos do pedal
formas complexas. Em 2010, antes do A sobreposição de elementos virtuais na acelerador e da inclinação da estrada;
advento da aprendizagem profunda*, realidade, calculada por um sistema de a solidez de um material como função
este tipo de programa precisava ser computador em tempo real (como sons, de sua composição química e sua
monitorado por humanos – cada imagem vídeo-imagens 2D e 3D etc.). Esta técnica temperatura de processamento; ou a
necessitava ser explicitamente rotulada é utilizada em vídeo games e no cinema, solvência de um negócio de acordo
como contendo uma face humana, onde o espectador interage com objetos com seu faturamento etc.
uma cabeça de gato etc., de modo que virtuais por meio de sensores. Também é
a máquina pudesse desempenhar a utilizada em aplicativos de geolocalização Representação semântica de
operação de reconhecimento solicitada. e de patrimônio. Por exemplo, a Abadia conhecimento
de Cluny, na França, utiliza telas de
Neoconexionismo Algoritmos* para formular uma frase
realidade aumentada para que os
escrita em qualquer língua, de maneira
Uma teoria que surge dos campos da visitantes visualizem a cidade como ela
lógica, para que um computador possa
ciência cognitiva e da neurociência, o era no século XV.
interpretá-la (por exemplo, “Paulo toma
neoconexionismo propõe desenvolver o ônibus para Berlim”). A máquina pode
modelos de computador com o objetivo Realidade virtual imersiva
então fazer inferências lógicas (como
de estimular a aprendizagem por meio Um universo virtual, gerado por deduções) que permitem a classificação
de redes neurais formais*, dos quais a computador, no qual o usuário imerge de palavras em diferentes categorias e
organização e funcionamento foram nesse universo por meio de diversos analisa as frases submetidas a ela.
designados por analogia a sistemas sensores ou objetos (óculos, roupas
neurais fisiológicos. de resposta sensorial etc.). A imersão Transferência mental
em realidade virtual pode envolver um
Nuvem De acordo com os transumanistas*,
jogador de vídeo game ou um piloto de
nossas sensações, pensamentos e
Sistemas computacionais diferentes aeronave em treinamento.
emoções podem ser resumidos em
que envolvem uma grande quantidade conexões neurais. A transferência
de computadores conectados uns mental é a ideia transumanista de que
os “conteúdos” do cérebro humano
podem ser reduzidos a um conjunto de
informações que podem ser traduzidas
em um código binário, e, dessa maneira,
transferidos para um computador.

Transumanismo
Um movimento cujos seguidores
desejam alcançar a condição
“pós-humana” ao eliminar deficiências,
sofrimentos, doenças, envelhecimento e
morte por meio da “convergência NBIC”
(a convergência de nanotecnologia,
biotecnologia, tecnologia da informação
e ciência cognitiva). Eles promovem o
uso de clonagem humana, realidade
virtual*, hibridização entre humanos e
máquinas e transferência mental*. Seus
oponentes os acusam de especulação
excessiva, de fundação de uma nova
ordem mística que idolatra a tecnologia,
e de fantasiar sobre um “super-humano”
com implicações eugenistas.

Vida artificial
Um campo de pesquisa interdisciplinar
que procura criar sistemas artificiais
© enzozo / Shutterstock

inspirados em sistemas vivos, na forma de


programas de computadores ou robôs.

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 41


Zoom

Em Tana Toraja, na ilha indonésia


de Sulawesi, ancestrais são
representados por chifres de
búfalos fixados na fachada da
casa, sinal da riqueza familiar.
Putrie demonstra seu patrimônio
simbolicamente.

42 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Zoom

O quanto você pode carregar?


Fotos: Floriane de Lassée
Texto: Sibylle d’Orgeval

Ao longo das trilhas de asfalto, pelas


intermináveis estradas de terra, onde as
brumas do calor encobrem o horizonte,
caminham silhuetas improváveis. Da
África Ocidental aos confins do Himalaia,
os corpos desses caminhantes se
alongam verticalmente por causa de
uma pilha de objetos, indistinguíveis
para aqueles que passam de carro,
motoristas ocupados demais com a
estrada e com o cuidado de não os
derrubar. Se o torso está ereto ou
inclinado pelo peso, a cabeça permanece
sempre erguida, alheia à passagem dos
carros antigos e desengonçados. São
cariátides* modernas!
Do outro lado da janela, arrebatados
por um mundo apressado que despreza
o ritmo lento dos carregadores, somos
meros espectadores destas vidas que
desfilam. Mas Floriane de Lassée,
fotógrafa e viajante, decidiu parar
seu percurso e dar-se o tempo de
conhecê-los, descobrindo que estes
artistas equilibristas carregam muito Quase sem fôlego,
mais que apenas uma lata, um jarro ou Mandebi sobe 2.500
uma trouxa de roupas, e também muito metros nas trilhas da
mais do que precisam para sobreviver: montanha Annapurna,
eles carregam o peso da vida. no Nepal, com uma
carga de 50 kg em
Sua série, intitulada O quanto você pode sua cabeça.
carregar? é, na verdade, uma pergunta
feita como forma de desafio: “Mostre-me
o quanto você pode carregar! Mostre-me Ou teriam emergido de um cérebro já
quem você é!”. consciente de suas responsabilidades
futuras?
Uma pergunta à qual a fotógrafa
francesa responde com humor e De Lassée toma o contraponto das A série de fotos O quanto você
profundidade: quem poderia imaginar imagens de rostos melancólicos e pode carregar? começou na Etiópia
que uma garotinha pudesse carregar colunas curvadas, indo além do clichê em 2012, e continua a crescer.
uma pilha de toras de lenha em sua do trabalhador massacrado pelo Atualmente, está espalhada por
cabeça com uma pequena cabra trabalho. Não importa qual a carga, quatro continentes e dez países,
empoleirada no topo? Seríamos mais o rosto está sempre orgulhoso e o incluindo Bolívia, Brasil, Indonésia,
fortes do que pensamos ser? Estes sorriso, brilhante. Como se estivessem Japão, Nepal e Ruanda, e é
objetos ficariam repousados nas cabeças zombando do destino no momento representada em 60 fotografias.
ou emergem delas, como se fossem a em que as fotografias foram captadas.
expressão de seu inconsciente; como A vida é um ato de equilíbrio e as fotos *Cariátides são colunas arquitetônicas
se, de repente, o “lado de fora” ilustrasse de Floriane nos levam além de toda a esculpidas em forma de mulher,
o que está no “lado de dentro”? Seria a gravidade. Enquanto contemplam tantos originárias da Grécia antiga, que, na
montanha de chifres sob a cabeça de pesos carregados com alegria, deixa- fachada de um edifício, funcionam
Putrie, na Indonésia, símbolo de poder e nos imaginar, por um momento, que como suportes ou pilastras. A palavra
riqueza, real? Teria sido colocada lá pelos poderíamos brincar com nossos próprios grega significa “moças de Karyai”, uma
ancestrais que repassam a ela este fardo? fardos, e sair de maneira ainda mais leve. antiga cidade do Peloponeso.

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 43


Zoom

1 2

1
Freddy carrega água doce na Isla del Sol.
Localizada no meio do Lago Titicaca (Bolívia), a
ilha sofre com grave escassez de água potável.
2
No Nepal, Dokalia carrega sua cama de bambu,
na qual seu corpo, enfraquecido pela idade, um
dia descansará quando ela partir para o além.
3
Aru, uma garota da Etiópia, se prepara para
caminhar por várias horas até o mercado, onde
irá trocar sua madeira e a pequena cabra por
alguns itens de primeira necessidade.
4
Gale, da etnia Hamer, na Etiópia, transporta
água – um bem tão escasso no vale do Omo, no
sul do país, que é preciso estar armado.

44 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Zoom

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 45


Zoom

46 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Zoom

2 3

1
Em um pequeno vilarejo em Ruanda, Casim
possui um quiosque no qual vende todo tipo
de coisa, incluindo malas – alimentando os
sonhos de viagens que jamais serão feitas.
2
Nascido em uma vila de pescadores próxima
a Fortaleza, Nonato carrega armadilhas para
capturar caranguejos – lagostas são cada vez
mais raras atualmente.
3
Na ilha de Sulawesi (Indonésia), Sary
e Nifah vendem cocos aos turistas que
desejam matar sua sede.
4
Yuzuke terá trabalhado por toda a sua
vida nos estaleiros navais de Onomichi, uma
vila portuária situada às margens do mar
interior de Seto, no Japão.

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 47


Zoom

Tamru, o pai de
Aru (p. 44) e de Aftam
(p. 49), fotografados na
mesma série, transporta
esterco de vaca seco que
serve para proteger a
casa do
frio e do calor.

48 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Zoom

Aftam, o irmão menor de


Aru (ver p. 44), também
caminhará várias horas
até o mercado para
trocar sua pequena
cabra por artigos de
primeira necessidade,
como o trigo.

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 49


Ideias

Ideias

© Juan Roberto Diago/ Courtesy Cernuda Arte

Aquí Estoy (Aqui Estou, técnica mista), 2014,


pelo artista cubano Juan Roberto Diago.

50 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Ideias

Dançar o
inominável
ou a questão da influência da memória da
escravidão na criação artística contemporânea
Alain Foix
é produzida pelas chamadas ondas
gravitacionais que, de certa forma, seriam
O artista Alain Foix lança um
o fluido dos antepassados. Portanto,
olhar filosófico sobre a questão em certa medida, nós humanos somos
da relação entre história, influenciados por este mesmo princípio
memória e criação artística. que nos prende ao solo.
Graças à sua arte, o artista Essa ideia de influência, passando de
não está vinculado à uma cor uma concepção cosmogônica, ou
de pele, nem está condenado mítica, a uma concepção cosmológica
ou científica, passando da astrologia à
a dançar irremediavelmente astronomia, foi ao longo do século XIX © Juan Roberto Diago/ Courtesy Cernuda Arte
uma história inominável. Em retomada pelo erudito bonapartista
vez disso, ele faz parte de uma Pierre-Simon de Laplace, sob a forma
dialética: ele é ao mesmo tempo do determinismo mecânico. Esse
determinismo é ilustrado por esta famosa
livre e possuído. Criando, ele
frase extraída de seu ensaio filosófico
torna-se senhor de sua própria sobre as probabilidades: “Devemos
história, o que lhe permite encarar, portanto, o estado presente do
ultrapassar o passado. Sua universo como o efeito de seu estado
inteligência artística deve ser anterior, e como a causa daquele que virá.
Uma inteligência que, em um determinado
vista como uma “artimanha”, que momento, conhece todas as forças pelas Mi historia es tu historia (Minha
produz uma influência nova no quais a natureza é animada, e a situação história é sua história, técnica
mundo e, produzindo uma obra respectiva dos seres que a compõe; se, aliás, mista, 2000), pelo artista cubano
ela fosse vasta o bastante para submeter Juan Roberto Diago.
aberta e indeterminada, convida
esses dados à análise, abarcaria na mesma
ao intercâmbio de culturas. fórmula os movimentos dos maiores
corpos do universo e aqueles dos mais leves
Com este artigo, O Correio da se alimentaram estudiosos que trazem
átomos; nada mais seria incerto para ela, e
UNESCO marca o dia Internacional uma terrível memória, como Gobineau,
tanto o futuro quanto o passado estariam
da Lembrança do Tráfico de Escravos Friedrich Blumenbach, Houston Stewart
presentes a seus olhos”.
e de sua Abolição, em 23 de agosto. Chamberlain ou outros como Vacher de
Sua primeira celebração ocorreu há Em outras palavras, acreditamos ser Lapouge? Todos inscreveram as ditas
20 anos, em 1998, em homenagem à sujeitos livres e autônomos, quando raças na determinação histórica de sua
insurreição de 1791 em São Domingo somos na verdade os objetos de eventos constituição.
(atual Haiti e República Dominicana), que nos precederam e permanecemos,
E se “Deus não joga dados com o universo”,
que desempenhou um papel decisivo portanto, sob sua influência.
para retomar a célebre frase de Einsten,
na abolição do tráfico transatlântico
Mas então, foi efeito do acaso ou de um haveria, então, dentro da ordem dessa
de escravos.
momento epistemológico e ideológico se, harmonia universal, uma lógica em tudo
sob o reinado de Napoleão (1804-1815), – segundo a qual existiriam escolhidos
Influência: “ação pela qual emana dos e no exato momento em que ele restaura e condenados, visíveis e notáveis
astros um fluido que age sobre o destino a escravidão e implanta a colonização cientificamente por sua morfologia.
dos homens”. Esse foi o sentido original intensiva, outros estudiosos se apropriam Nós sabemos que é este pensamento
dessa palavra. Segundo a teoria da desta concepção determinista, como mecanicista que encorajou a mecânica
gravitação universal, os astros exercem George Cuvier, para adotá-la e aplicá-la brutal da expansão industrial da
uma influência mútua, de acordo com à noção de raças humanas, criando escravidão.
suas respectivas massas, e essa influência assim um racismo científico, do qual

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 51


Ideias

Infelizmente, muito tempo após a


abolição da escravidão, e apesar dos
progressos da ciência em todos os
âmbitos da biologia, da antropologia
e das ciências duras, como a física e a
astrofísica, essa concepção perdura até
nossos dias em nossos espíritos e filtra
nosso substrato cultural. Por acaso, não
ouvimos falar na televisão e nas mídias
da “maldição do povo haitiano”, logo
após o terremoto que atingiu o Haiti, em
2010, associando assim um pensamento
teológico com um fenômeno tectônico,
ligado a causas econômicas, políticas e
sociais? Como se esse fenômeno, a partir
de uma condição inicial, permanecesse
sob influência de um passado, em que a
causa se encontra nos anos mais remotos.
É isso que permite, evidentemente, não
levar em consideração a questão colonial,
e a história política e econômica – que,
© Photo by Christopher Duggan

até os dias de hoje, conduziu o destino


desta ilha.
Tomemos, então, cuidado com esta noção
de influência que, como uma espada
de dois gumes, pode machucar aquele
que a usa. Porque não tomar cuidado
poderia levar ao retorno deste sentido
que significaria que somos determinados, Cena de Revelações, trabalho
condenados a pintar, dançar, cantar, coreográfico de autoria de Alvin Ailey
jogar, filmar até o infinito esta tela de American Dance Theater. Para além da memória,
fundo que constitui a memória residual
desta deflagração inumana que teria feito
ser sujeito de sua
o que somos. Condenados a dançar o
não o pode apreender ignorando que ele
exerce uma influência sobre este e que
própria história
inominável.
ele deve levar em conta esta influência. Essa liberdade é, de fato, aquela de
Tomemos, então, cuidado para não Não há, portanto, objeto absoluto e nossa ação no interior de nossa própria
retomar essa concepção determinista e determinado, nem sujeito absoluto, história. Uma história da qual não
racista dos seres humanos, até o ponto mas há uma relação. Relação induzida somos mais os objetos pensantes, mas
de fazer daqueles entre nós que têm pela ação, movimento, pensamento os sujeitos atuantes. Embora estejamos
capacidade de expressão artística – os do sujeito propriamente dito em agindo por nossa própria ação. Não
contadores de histórias e os pintores – os sua relação com o objeto. mais objetos de uma história que
prisioneiros de nossa história. nos compele a pensar por meio dela,
Mas qual seria a natureza dessa relação,
mas sujeitos de uma história que é
dessa influência, se o sujeito estivesse
Por uma história não determinado, sob a influência de uma
construída conosco e por nós.

determinista causa anterior? Ela seria simplesmente


nula e entendida a partir de uma
Devemos, então, pensar a história,
nossa história, não mais por meio
Posto que a história da escravidão não equação matemática. O princípio da da ótica dos deterministas, mas de
é nosso Big Bang, este momento inicial indeterminação, que pressupõe um acordo com Hegel e sua concepção de
e a partir do qual tudo aconteceria modo novo, não determinista entre nós sujeito da história. A famosa dialética
de maneira mecânica e irreversível; e nosso universo, implica que o sujeito de Hegel, do senhor e do escravo, é
posto que há, por um lado, a história é indeterminado, que sua ação e seu uma ilustração das consequências da
pré-colonial da África e das Américas, e pensamento não estão submetidos apropriação de sua própria história pelo
por outro, um futuro a ser construído, a a causalidade mecânica. Ou seja, que sujeito que se emancipa.
ciência e as novas concepções da história o sujeito é livre, em movimento e em
progresso. E por consequência, ele libera Nossa história e nossa memória só
nos permitiram descartar este perigoso
o objeto de si mesmo. Objeto que, por exercem uma influência sobre nós à
determinismo mecânico e sua concepção
esta indeterminação dialética da relação, medida em que nós mesmos exercemos
de influência.
encontra sua autonomia. uma influência sobre ela. Portanto, esse
Em meados do século passado, Werner fundo cósmico que é nossa memória não
Heisenberg introduziu na física quântica é mais nosso único horizonte. Fugimos
a noção da indeterminação ou princípio deste buraco negro para descobrir
da incerteza, que afirma que um objeto sua relatividade. Escapamos para nos
não é apenas um objeto para um sujeito tornarmos nós mesmos, para criar um
e que o sujeito que o observa, separado novo tempo que nada mais é que o
ontologicamente do objeto observado, nosso. Esse tempo do meu ser, da minha

52 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Ideias

história e uma cosmogonia, senhor de


uma ética e de uma estética, senhor de
O artista, ao
uma visão e uma concepção de mundo mesmo tempo livre
legada por uma história da qual seríamos
prisioneiros, mas como sujeitos atuantes,
e influenciado
autônomos e livres de expressão própria, É exatamente esta liberdade que agrega
visão do mundo e história próprias. É valor à doação, ao oferecimento pelo
então necessário reconsiderar sua obra a artista de sua obra. É ela que dá ao artista
partir de outros prismas estéticos, éticos a capacidade de criar, isto é, de produzir
e políticos. Devido à liberdade adquirida algo novo a partir do antigo, de criar
nos determinismos da história, devemos mutações de forma. É reformulando um
tomar a obra de todo artista, não com material, uma história estabelecida na
uma expressão forçada dele mesmo e de memória cultural, estética, até mesmo
sua memória, mas como a expressão de ética, que se produz sentido. Se ele assim
um ato deliberado ao qual ele dá sentido o faz, é em certa medida, por escolha,
e existência. de trazer sua própria energia, liberta
e autônoma, ao substrato residual da
A dialética do artista e memória que constitui a cultura. Sua
energia é sua ação formal, sua potência
de sua obra de trabalho no sentido que Aristóteles dá
à palavra energeia (literalmente “que está
Podemos então entender o artista na em pleno trabalho”, mas também “que
ordem dialética de um sujeito a partir dá forma, que faz uma obra”) – forma
de sua obra, na dialética sujeito/objeto. e energia sendo, na verdade, a mesma
Essa obra é uma expressão diferenciada, coisa, como atesta a física.
ela expressa uma différance, e nós
escrevemos esta palavra com um a como Pode-se dizer então, que, partindo desta
o fez Derrida, pois é o ato de diferir, de energeia, o artista é um exaltado, um
ação, que nada mais é do que eu mesmo. sair de si, do seu próprio tempo, algo possuído, aquele que é “trabalhado”.
Eu sou o tempo em ação. Eu sou sua que não é nem ninguém nem todos. Poderia se dizer igualmente, partindo
expressão. Distanciamento expressivo de si mesmo. do verbo energeio, que ele está sob
Essa armadilha, essa rede cósmica que O ato de criação artística é, portanto, influência. Mas então, como o artista
poderia se tornar minha memória, crítico na medida em que expressa uma pode, ao mesmo tempo, ser livre,
fecha-se naquele que não sou mais. crise. Krisis em grego significa “separação, autônomo, emancipado e estar sob
Ela se fecha em uma história passada distinção”. Mas, também, como no francês, influência de algo? Aí reside uma
relativizada. História que é minha e que “decidir, fazer uma escolha”. Esta crise contradição aparente, que se resolve pelo
me pertence, mas que não sou mais é o momento dialético do nascimento simples fato de que o artista é artista, livre
seu prisioneiro. Eu me torno o dono de de algo que vem de si, mas que não é si para escolher sua influência, livre para
minha história, pois eu abri seu horizonte. próprio. Essa différance é uma oferenda de se deixar possuir, se deixar trabalhar por
Rasguei sua rede. si para aquele que não é ele, para o outro. uma dimensão da memória coletiva que
Ela produz um objeto, mas um objeto ele torna sua. E é a esse preço que, por ser
Não estou mais condenado a dançar o subjetivo. O que faz sentido na obra é livre, ele pode dar forma própria e possuir
inominável, pois enquanto senhor do esta doação, que abre a possibilidade o que o possui, dominar aquilo que o
meu tempo, senhor de mim mesmo, de partilha entre o outro e si mesmo, domina. Essa escolha é exatamente o que
sou também senhor de minhas escolhas e é nessa partilha que se encontra a se pode chamar, no sentido sartreano, de
e de minha expressão. Sou um sujeito expressão. É nesta relação entre sujeitos, comprometimento. Ele se compromete
livre e autônomo, emancipado de minha por intermédio de um objeto subjetivo, por inteiro com o material escolhido,
memória, minha expressão não pode que por natureza provoca o diálogo e se arrisca uma vez que este material
ser lida e manifestada unicamente por silencioso entre os dois. o trabalha. E se ele é trabalhado pelo
meio do prisma de meu passado, seja ele material, é porque ele nota nele mesmo
individual ou coletivo. Abri o campo das Por ser livremente escolhida pelo sujeito uma necessidade, um vazio que ele
possibilidades. autônomo, que lhe dá visibilidade – de precisa preencher.
fato, doação e objeto de partilha com
Em outras palavras, não há nenhuma outro espectador –, a obra adquire sua É deste modo que se deve considerar
obrigação moral ou intelectual para um autonomia, seu sentido próprio, seu a memória residual da história da
artista negro de pintar o negro de sua enigma, sua indeterminação, e pode escravidão: material para o artista que
história, a partir do momento que ele se tornar objeto de apreensão e de quer lidar com isso.
é um sujeito livre e autônomo e que o compreensão, diferenciada de seu autor.
reconhecemos como tal. O que ele vai produzir a partir de seu
É por isto que alguns autores podem trabalho é o que Aristóteles chama de
O artista, quem quer que ele seja, não dizer que uma vez realizada, a obra não enteléquia (que vem de entelecheia,
pode mais ser considerado como o fator lhes pertence mais, e ela é inteiramente a realização ou a completa expressão
de expressão de um patrocinador que oferecida ao universo da percepção de alguma função). Uma finalidade de
seria o senhor, senhor de um assunto estética. forma, de certo modo, produzida pela
para retratar e expressar, senhor de uma energia-forma do artista que dá à obra

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 53


Ideias

sua autonomia. Mas esta obra, que não é


ele/ela, mas saiu dele/dela, continua a ser
uma questão, uma forma questionando o
próprio enigma da história, questionando
também este presente no qual esta
memória subsiste.
Então, esta obra não seria a “que viaja até
seu fim”, o ato deste exaltado que procura
por um fim nesta memória dentro dele
mesmo, terminar essa história de uma
forma nova, que ilumine o passado
deixando-o em seu lugar, e superando-o
literalmente?

Um artifício da
inteligência artística
Deste modo, o artista escolhe a sua
© Chichi Reyes

influência, exercendo sua liberdade


de artista, estritamente para não
permanecer sob a influência do passado
e para produzir o presente. Quando se
Hexadecimal (técnica mista), 2015, obra
fala, por exemplo, da influência da arte
de Chichi Reyes (República Dominicana).
africana ou da arte dita negra sobre a
arte moderna, como em Picasso, Braque, das tradições africanas ou indígenas e da
Derain, Matisse, ou até mesmo em memória da escravidão elementos que
ópera e o filósofo que, tendo se separado se tornam constitutivos de suas criações,
Apollinaire e nos surrealistas, trata-se de
do romantismo e de Wagner, procurava é no âmbito de uma busca por novas
entender não como a influência mecânica
uma nova forma estética que fizesse formas que permitem ao mesmo tempo
de um objeto sobre o sujeito, mas como
sentido e abrisse novos horizontes. iluminar o passado e produzir uma nova
um diálogo relacional. Essa influência
acontece porque estes últimos estavam De fato, falar de influência é falar de perspectiva. O jazz nasceu na Congo
em uma fase crítica, questionando uma busca por novas formas, novos Square, local de encontro e de dança dos
as formas herdadas de seu passado e conteúdos formais, aptos a transformar escravos de Nova Orleans, nos Estados
buscando novos materiais expressivos. o modo de ver, de entender, de apreciar. Unidos, para integrar em uma nova forma
Assim, o quadro Les Demoiselles Trata-se de um combate. A criação musical elementos constitutivos de sua
d’Avignon de Picasso é o fruto de um artística é mais do que resistência, é um memória, mas uma memória distanciada
diálogo entre uma questão estética “esporte de combate” contra modas, pela própria forma e criando
do Ocidente sobre ele mesmo, em um sedimentadas e impostas por uma uma zona de compartilhamento
determinado momento, e a arte africana, cultura dominante, da percepção de sensível entre várias formas de
que descobrimos então que não é, como mundo e de seus objetos. Quando cultura, vários horizontes.
se dizia, “primitiva”, e sim portadora de Martin Luther King dizia que “a música Podemos falar, então, de um artifício da
criação e de pensamento. O que permitirá é nossa arma de guerra”, ele não tinha inteligência artística que integra o antigo
Maillol dizer que “a arte negra comporta outra ideia em mente. Essa arma age na no novo, ultrapassando o passado, e
mais ideias do que a arte grega”. medida em que ela não apenas reúne permitindo influenciar a forma como
Desta forma, esse encontro produzirá, forças à sua volta, mas também porque era percebido. Isto é sem dúvida
ao mesmo tempo, novas formas de ela é capaz de entrar na sensibilidade a mestiçagem: movimento em
expressão e uma nova perspectiva sobre do adversário e o possuir. Ela fala com direção ao novo, permitindo
o objeto que introduz um novo diálogo ele e, por meio da sensibilidade, abre o criar uma nova influência.
estético: neste caso, a arte africana. horizonte. Isso é possível porque o gospel A deusa Métis, primeira
e o blues nos Estados Unidos têm uma mulher de Zeus, cujo nome
O que chamamos de influência é, na
base comum, que permite aos negros significa exatamente “o
verdade, uma escolha ditada por uma
falar aos brancos de uma forma sonora, conselho, a astúcia”, aquela
necessidade de expressão. E, nessa
abrindo o espírito ao conteúdo de seus de quem Hesíodo dizia
expressão, há sobreposição entre o
discursos. Até mesmo os discursos do “que sabe mais coisas que
sujeito e o objeto, há posse. Podemos
líder dos direitos civis eram entoados qualquer deus ou mortal”,
dizer que, nesse sentido, Les Demoiselles
em forma de cantos gospel – o que era capaz de influenciar até
d’Avignon são possuídas pela arte
permitia uma maior penetração e o que mesmo Zeus e lhe fazer mudar
africana. A obra é o produto da busca de
os levavam em direção ao universal. É de opinião.
uma nova perspectiva, de uma mudança
claro que a questão da memória comum
do gosto, ou como diria Nietzsche, a Assim, a integração da memória,
da escravidão estava presente nesses
respeito da música, “de um renascimento seja ela da escravidão ou qualquer outra
discursos, porém de uma forma que
na arte de escutar”. Ele foi seduzido memória em um novo corpo e em uma
criava distância dela, para poder falar a
pela Carmen de Bizet, obra na qual ele nova forma, é um artifício da inteligência
seus contemporâneos.
encontrou uma dimensão africana. Ele é artística, que permite influenciar o
seduzido porque há o encontro entre a Quando dança, Katherine Dunhan e, após presente. A atualidade artística tem
ela, Lester Horton ou Alvin Ailey, retiram

54 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Ideias

vários exemplos desses na dança, na Alain Foix é escritor, dramaturgo, diretor e filósofo guadalupense. Ele é fundador
música, no teatro, nas artes plásticas ou do “Quai des arts”, uma companhia multidisciplinar, que combina o espetáculo
no cinema. Esse artifício só é possível na vivo e as novas tecnologias da imagem e do som. Ele também é o autor do Je
medida em que admitimos que o artista danse donc je suis (2007), Histoires de l’esclavage racontée à Marianne (2007), Noir, de
se liberou de seu passado, integrando-o Toussaint Louverture à Barack Obama (2009), Martin Luther King (2012) e Che Guevara
em sua obra – enquanto sujeito livre e (2015). Entre suas obras teatrais citamos Vénus et Adam (2004), Pas de prison pour
autônomo, ele escolhe essa influência le vent (2006) e La dernière scène (2012), que encena uma conversa privada entre
e não é objeto dela. O que nos obriga Martin Luther King, sua esposa Coretta e Mumia Abu-Jamal.
igualmente a considerar o artista e sua
obra como separados ontologicamente, Nomes citados
ainda que ligados de certa maneira,
escolhido pelo artista e seu modo de Ailey, Alvin (1931-1989), dançarino norte-americano
ação sobre o material da memória. Isso Apollinaire, Guillaume (1880-1918), poeta francês
Aristóteles (século IV a.C.), filósofo grego
significa também que devemos olhar a
Bizet, Georges (1838-1875), compositor francês
obra enquanto obra na sua autonomia Blumenbach, Johann Friedrich (1752-1840), antropólogo alemão
e no enigma de sua indeterminação. Braque, Georges (1882-1963), pintor francês
Ela permanece aberta, objeto de Chamberlain, Houston Stewart (1855-1927), ensaísta britânico
compartilhamento e, por consequência, Cuvier, George (1769-1832), anatomista francês
de julgamentos diferenciados e de críticas. Derain, André (1880-1954), pintor francêsr
Derrida, Jacques (1930-2004), filósofo francês
Finalmente, partindo da obra Dunham, Katherine (1909-2006), dançarina americana
propriamente dita, não podemos inferir a Einstein, Albert (1879-1955), físico de origem alemã
cor de seu autor. Não podemos confinar Gobineau, Arthur de (1816-1882), escritor francês
o autor na sua cor, pois não é a cor do Hegel, Georg Wilhelm Friedrich (1770-1831), filósofo alemão
pintor que dá cor a sua obra, e sim a Heisenberg, Werner (1901-1976), físico alemão
própria obra e as análises críticas que lhe Hesíodo (século VIII a.C.), poeta e historiador grego
são feitas posteriormente. Essa obra que Horton, Lester (1906-1953), dançarino norte-americano
diz, na variedade de suas possibilidades King Jr, Martin Luther (1929-1968), norte-americano e ativista de direitos civis
Lamartine, Alphonse de (1790-1869), poeta francês
e nas possibilidades infinitas de sua
Laplace, Pierre-Simon de (1749-1827), matemático francês
forma aberta e de sua interpretação, o Maillol, Aristide (1861-1944), escultor francês
que dizia Lamartine quando combatia Matisse, Henri (1869-1954), pintor francês
a abominável escravidão: “eu sou da cor Nietzsche, Friedrich (1844-1900), filósofo alemão
daqueles que perseguimos”. Picasso, Pablo (1881-1973), pintor espanhol
Sartre, Jean-Paul (1905-1980), escritor e filósofo francês
Vacher de Lapouge, Georges (1854-1936), antropólogo francês
Wagner, Richard (1813-1883), compositor alemão

Voyage (350 x 300 x 300 cm), uma montagem


de chinelos e figurinos Yoruba (ibejis) evocando
© Dominique Zinkpé / o tráfico de escravos, pela artista beninense
Photo by Charles Placide TOSSOU
Dominique Zinkpé, 2015.

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 55


Nosso convidado

Pôster de A Batalha de Argel,


um Filme dentro da História (2017),
documentário de Malek Bensmaïl.
© Hikayet Films/Ina

56 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Nosso convidado

Filmar a realidade
pode ser perturbador, mas amadurece
Malek Bensmaïl
Malek Bensmaïl, entrevistado por Jasmina Šopova
Três anos após a independência da Argélia em 1962 – após oito
anos de guerra civil – o diretor italiano Gillo Pontecorvo filmou A
Batalha de Argel. O filme é sobre um dos episódios mais sangrentos
na guerra da Argélia, quando a Frente de Libertação Nacional
(FLN), pró-independência da Argélia, chocou-se com as autoridades
coloniais francesas em 1957.
Em 19 de junho de 1965, enquanto o filme estava sendo filmado,
as tropas FLN do Coronel Houari Boumédiène entraram na
Argélia. Tanques usados para as filmagens se misturavam com os
tanques reais, e os apoiadores do Presidente Ahmed Ben Bella não
enxergavam nada além de fogo. Como resultado, ele foi derrubado!
Meio século mais tarde, em 2017, Malek Bensmaïl examinou o papel
histórico do clássico do estilo-reportagem em preto e branco de
Pontecorvo em seu documentário A Batalha de Argel, um Filme dentro
da História. Mas este não é um “filme sobre um filme”, explica. É mais
uma interpretação da história de um país – a revolução, o golpe, as
mudanças de regime e a descolonização. Por quase 30 anos, o diretor
argelino tem criado o que ele chama de “memória contemporânea”
Retrato de Malek Bensmaïl (2016). de seu país.
© Bruno Lévy / Divergence

Por que o sr. escolheu o documentário Nos anos 1990, quando estávamos no Um dos pilares da democracia, a
como forma de expressão? meio da “década negra” na Argélia, eu liberdade de imprensa, é o assunto do
optei pela realidade. E continuo no seu filme sobre o jornal independente
Mais que a ficção, o documentário é
mesmo caminho. Minha ideia é fazer argelino, El Watan, lançado em 2015.
capaz de combater mitos nacionais.
um filme, a cada um ou dois anos, sobre Por que o sr. intitulou Contre-pouvoirs
Não para destruí-los, mas para
pessoas, instituições e questões sociais (Contra poderes)?
colocá-los em seus lugares, para que
importantes. Eu gostaria que esses filmes
eles não destruam a sociedade. Se você Liberdade de imprensa é uma condição
oferecessem um melhor entendimento
não filma sua própria realidade, como da democracia cujo direito muitos
sobre como um país é construído ao
você poderá assistir a si mesmo? De jornalistas pagaram com suas vidas. A
longo dos anos.
onde viria a sua inspiração? De onde guerra, que estourou em 1991, deixou
viriam os seus sonhos? Também, é Minha intenção é criar uma memória 200 mil mortos e 100 mil desaparecidos.
preciso lembrar, o cinema nasceu do contemporânea, ao mostrar este Cerca de 120 jornalistas argelinos foram
documentário – lembra-se dos irmãos laboratório que é a Argélia – um país assassinados por extremistas islâmicos
Lumière? O documentário determina a procurando sua identidade, com entre 1993 e 1998. Mas isso ainda não
imaginação coletiva. É a realidade que seus progressos, seus retrocessos e significa que a liberdade de imprensa
nutre a ficção e oferece um espelho suas questões. Você não alcança a represente uma força real de oposição
para a sociedade. Eu sei que filmar a democracia em um estalar de dedos. em meu país atualmente.
vida real pode ser perturbador: mas Nem com armas! Para este filme, eu decidi dar um
também sei que amadurece.
olhar “oblíquo”, seguindo um time de
jornalistas em seu trabalho. O que me
interessou não foi tanto a imprensa

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 57


Nosso convidado

como uma força contrária, mas as forças outros, incluindo Le Quotidien d’Oran, El Dito isso, o jornal passou por pelo menos
contrárias representadas por indivíduos. Khabar, Liberté e, até certo ponto, Le Soir seis interrupções em suas publicações,
d’Algérie, que também estão envolvidos e esteve envolvido em cerca de 200
Na Argélia, a noção de indivíduo ainda
na resistência e na luta. Eles não são processos legais, o que o tornaram
não se desenvolveu completamente.
jornais de oposição. O objetivo deles é vulnerável financeiramente. Eu fiquei
Estamos trancados em uma ideia
oferecer informações precisas de fontes surpreso ao ouvir que Omar Belhouchet,
de comunidade. Nós temos uma
equilibradas. Além disso, a maioria deles o fundador e diretor do jornal, acredita
nação para defender, um país para
tem websites gratuitos e acessíveis a que estes casos sejam importantes para
defender, um Deus para defender,
todas as pessoas, incluindo da diáspora. o processo democrático. Eu imagino que
um idioma para defender. Sempre há
tenham sido experiências dolorosas,
“aquela” figura, que é onipresente e O que o El Watan está fazendo para
mas ele sentiu que permitiram que ele
onipotente, e que deveria incluir a nós preservar sua independência? Como ele
não apenas defendesse os jornalistas e
todos – quando na realidade existem assegura sua sobrevivência?
cartunistas, mas também defendesse a
celebridades, intelectuais, jornalistas,
Com a venda de jornais – ele tem uma noção de liberdade de expressão, que
juízes, estudantes etc., que vivem em
tiragem de 140 mil cópias, que são está escrita na Constituição.
um espaço multicultural e multilíngue,
vendidas em 20 bancas argelinas (por
que pensam de maneira diferente e Estes julgamentos dão a ele (Belhouchet)
cerca de €0,20) cada – e por meio de
constituem forças contrárias necessárias a oportunidade de explicar para o
propaganda. O jornal, que foi privado da
para uma democracia. tribunal o que é uma caricatura, o que
receita de propaganda do estado desde
é humor, o que é uma crônica, o que
De que vale um jornal independente 1993, tem investido em uma rede de
é uma investigação, e onde estão as
se ele não possui nenhum impacto na publicidade e de distribuição, e em uma
restrições para a sociedade. Ele, na
sociedade? gráfica independente que divide com
verdade, utiliza esses casos para educar
o El Khabar. O jornal também se voltou
Mesmo se ele não constitui uma força jovens magistrados sobre a liberdade de
para o setor privado da publicidade,
contrária real, a imprensa livre consegue imprensa.
o que permite o pagamento de cem
condenar atos de violência invisíveis,
jornalistas e correspondentes que A educação tem papel central no seu
dos quais ninguém fala. A Argélia é
formam a sua redação. documentário de 2008 , La Chine
atualmente vista como um país calmo,
Est Encore Loin (A China Ainda Está
protegido do terrorismo, mas na
Distante, em tradução livre). Por que o sr.
realidade não está imune à humilhação e
faz uma referência à China quando fala
à manipulação.
sobre uma sala de aula em Tiffelfel, uma
El Watan não é apenas o único jornal pequena aldeia nas montanhas Aurès,
fazendo seu trabalho. Existem diversos Cena do filme La Chine Est Encore Loin onde a guerra da Argélia começou, em
(2008), de Malek Bensmaïl. novembro de 1954?
O título faz referência a uma frase
do Profeta Maomé: “Busquem
conhecimento, indo até à China se for
preciso”. A China é, no entanto, uma terra
simbólica, a terra do conhecimento,
que apenas poderá ser alcançada com
um esforço considerável. Uma terra que
ainda está distante, vista da Argélia.
Logo antes de fazer esse filme, eu filmei
um documentário sobre a loucura
(Aliénations, 2004; Alienações em
tradução livre). Eu passei três meses em
um hospital psiquiátrico e encontrei
diversos casos de pessoas com delírios
político-religiosos. Eu me perguntava
qual a origem dessas patologias.
Um psiquiatra me respondeu: “é a
sociedade”. Isso me encorajou a procurar
saber como os jovens estavam sendo
ensinados, que ideias estavam sendo
passadas a eles na escola. Então eu fui
até à escola na aldeia onde a guerra da
© Unlimited/CirtaFilms

Argélia começou.
Era uma guerra muito violenta, que
durou quase oito anos. Graças a sua
vitória, a Argélia se tornou um mito,

58 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Nosso convidado

© Unlimited/CirtaFilms
“Não se faz um filme sobre as pessoas,
mas com as pessoas da vida real”, disse o
diretor de cinema Malek Bensmaïl. Este
e sucessivos regimes trabalharam É esta a razão pela qual apenas uma grupo de alunos ajudou nas filmagens
bastante para consolidar esse mito. Eu mulher – Rachida, a faxineira da escola – de La Chine Est Encore Loin.
não estou dizendo que a criação de tem voz no filme?
um senso de orgulho nacional entre as
Rachida é incrível. Ela me deu uma
pessoas não seja algo bom, que eles homens que vão aos mercados. Ou seja,
lição maravilhosa sobre liberdade! Ela
valorizem o seu heroísmo. Mas eu não não são ouvidas! Os anos de Islamismo
vem de outra aldeia no sul da Argélia,
concordo quando isto é feito de uma e conservadorismo destruíram o papel
de onde ela precisou escapar porque
maneira que não condiz com o dia a social tradicional das mulheres, junto
era divorciada e, portanto, considerada
dia local. Eu queria filmar a Argélia que com todos os ganhos que elas haviam
uma prostituta.
trabalha e que luta todos os dias por trás conquistado com sua emancipação.
desse mito. Era impossível entrevistar outras Durante as filmagens, elas nos
mulheres, embora nesta região as mandavam bandejas de comidas, bolos
O filme mostra o abismo que separa
mulheres já tenham sido conhecidas e cafés por intermédio das crianças, mas
o mito da realidade social. No fim do
pelo gerenciamento da economia – a nós não víamos nenhuma mulher.
dia, percebemos que o que estamos
fabricação de tapetes e a agricultura
colocando na mente das crianças é o
estavam em suas mãos. Hoje elas ficam
ódio ao outro. O filme também mostra
escondidas atrás das paredes de suas
que a educação sobre o Alcorão está
casas. No interior, elas dificilmente saem
muito distante das palavras do Profeta.
de suas casas, mesmo com véus. São os
O Islamismo Político causou tanto
prejuízo que ainda está sendo sentido
hoje, especialmente nas áreas rurais.

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 59


Assuntos atuais

Assuntos atuais

Foto da série Genesis,


do fotógrafo brasileiro
Sebastião Salgado, tirada
em Galápagos, Equador,
em 2005.
© Sebastião Salgado

60 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Assuntos atuais

Galápagos:

onde os habitantes
comandam

No mercado de peixes de Santa Cruz, em © Sarah Del Ben


O que nós imaginamos quando pensamos em Galápagos? Tartarugas Galápagos, março de 2018.
gigantes, iguanas marinhas, Darwin e sua teoria da evolução?
Sim, claro. Mas Galápagos é mais do que tudo isso: também é uma
comunidade com 28 mil habitantes espalhados por quatro ilhas:
do Oceano Pacífico. Cobrindo uma
Santa Cruz, San Cristóbal, Isabela e Floreana. E é graças ao seu povo, área de 7,5 quilômetros quadrados, o
empenhado no gerenciamento participativo e sustentável dos Arquipélago de Colón – a Reserva da
recursos do arquipélago, que cerca de 240 mil turistas podem visitar Biosfera de Galápagos – cobre toda a
este paraíso a cada ano. O Arquipélago de Colón do Equador é um sítio superfície de terra do Parque Nacional
do Patrimônio da Humanidade desde 1978 e uma Reserva da Biosfera de Galápagos.  
listada desde 1984 na rede mundial coordenada pela UNESCO. Galápagos é um dos melhores modelos
de interação harmoniosa e mutuamente
Localizado a mil quilômetros do benéfica entre humanos e seu ambiente
continente, o arquipélago, lar de um natural. A estratégia de gerenciamento
dos ecossistemas marinhos mais ricos da reserva da biosfera é focada em uma
do mundo, inclui 13 grandes ilhas – e produção de alimentos que beneficia a
147 pequenas ilhas e pedras – que economia local, respeita os ecossistemas
foram formadas há 4 milhões de anos. A e evita a introdução de espécies
maioria delas são, na verdade, vulcões invasivas que poderiam ameaçar sua
submarinos, alguns deles levantando- biodiversidade endêmica.
se a mais de 3 mil metros do fundo

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 61


Assuntos atuais

No coração da reserva, o Parque a coleta dos resíduos que poluem o


Nacional de Galápagos é um exemplo mar; enquanto todos os habitantes se
de sucesso em gerenciamento comprometem regularmente com a
participativo, permitindo aos habitantes limpeza das praias. Desde 2017, metade
locais que vivam de maneira sustentável dos resíduos sólidos das ilhas foi
a partir das reservas oferecidas por reciclada através da seleção de resíduos
atividades como a pesca, a pecuária, e do programa de recuperação no qual
Luc Jacquet
o turismo ou a recreação, através de a população local está ativamente
planos de gerenciamento criteriosos envolvida.
que incluem produção alimentar local e
reciclagem de resíduos.
Através do projeto Reservas da Biosfera Em março de 2018, o diretor
Como um Instrumento da Gestão de cinema francês Luc
Para usar o exemplo do café, uma de Costas e Ilhas na Região Sudeste
cooperativa foi criada em 2015 – do Pacífico (BRESEP) o programa Jacquet, que venceu um
reunindo fazendeiros, torrefadores O Homem e a Biosfera da UNESCO Oscar por seu documentário
e comerciantes – para melhorar a (MAB) atualmente está trabalhando A Marcha dos Pinguins (2005),
produção e o marketing das oito – em colaboração com o Governo
viajou para Galápagos
variedades de arábica, cultivadas por do Equador, o Parque Nacional de
um século nas ilhas a 250 metros abaixo Galápagos e as comunidades locais com a fotógrafa e diretora
do nível do mar. Renomado por seu – para expandir a reserva da biosfera de cinema francesa Sarah
sabor, o café de Galápagos é vendido para 133 mil quilômetros quadrados, del Ben em uma viagem
por um preço sete vezes mais alto que o de modo a incluir a Reserva Marinha de
café continental. A produção, a colheita Galápagos, um verdadeiro santuário da
de prospecção para um
e o processamento livres de pesticidas vida marinha. Situada na confluência futuro projeto de filme. Eles
estão em conformidade com as regras de diversas correntes oceânicas, onde foram acompanhados pelos
de proteção ambiental – que logo águas geladas e mornas se misturam, especialistas do programa
levarão à certificação dessas variedades é lar não apenas de uma grande
como designações de origem. variedade de espécies endêmicas, mas O Homem e a Biosfera da
também de espécies de diferentes áreas UNESCO (MAB). Eis aqui o seu
O governo municipal da Ilha de Santa
Cruz tem desenvolvido e coordenado
do Oceano Pacífico. relatório.
iniciativas de reciclagem de resíduos Financiado pelo governo Flamengo
sólidos durante os últimos dez da Bélgica, o projeto BRESEP apoia
Este artigo marca a 30ª sessão do
anos. Elas incluem o lançamento a criação de reservas da biosfera
Conselho MAB em Palembang,
de programas de educação e como ferramentas para práticas
Indonésia (Sumatra do Sul), 23-28 de
conscientização sobre problemas inovadoras e adequadas social,
julho de 2018.
ambientais, banindo o uso de materiais cultural e ambientalmente. O projeto
com polietileno e proibindo a também incentiva a criação de uma
importação de cervejas e refrigerantes rede colaborativa para a troca de
em embalagens não recicláveis. informações e experiências sobre perda Nesta manhã, enquanto caminhava
de biodiversidade, gestão de costas e pelas ruas de Santa Cruz, avistei
Mas todas estas iniciativas devem
desenvolvimento sustentável. O projeto um senhor lendo seu jornal. Um
seu sucesso primeiramente aos
envolve particularmente as costas e ilhas leão-marinho lhe fazia companhia
moradores, que se apropriam da
da região sudeste do Pacífico, localizadas casualmente, sentado no mesmo
proteção ambiental e dos projetos
no Chile, Colômbia, Equador, Panamá e banco. Um pouco mais a frente,
de preservação. Artesãos utilizam
Peru. Tais esforços estão contribuindo homens recém-chegados de suas
materiais recicláveis para fazer objetos;
para melhorar os meios de sustento das pescarias vendiam peixes frescos que
pedreiros utilizam blocos reciclados
pessoas da região. seriam consumidos no mesmo dia. Eu
ou telhas de vidro na construção de
continuei minha caminhada, passando

Seres
casas; pescadores mobilizam-se para o
Reciclagem de lixo em Santa por transeuntes, turistas e iguanas.
banimento de redes de plástico e para
Cruz, Galápagos. Andando um pouco além das ruas,
eu podia ver as crianças brincando
perto de tartarugas de cerca de um
século de idade, que estavam pastando
tranquilamente na grama.
Eu viajei pelo mundo, mas nunca havia
encontrado antes tal proximidade
entre espécies diferentes, à exceção
de, talvez, na Antártica. Estes locais, tão
distantes de tudo, são afinal os últimos
santuários de convivência harmoniosa
entre humanos e natureza. E ainda, em
ambos os casos, as condições de vida
são extremas.
© Sarah Del Ben

62 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Assuntos atuais

Humanos reconciliados
com a natureza

© Sarah Del Ben


O diretor francês Luc Jaquet, em uma
Nas terras áridas de Galápagos, sim gerenciadores – em direção a uma viagem de reconhecimento em Galápagos,
castigadas pelo sol e hostis à vida, a sociedade que reconhece o valor do realizada em conjunto com uma equipe da
atividade humana e a biodiversidade planeta que habita. UNESCO, em março de 2018.
não estão em conflito. Temos a
De minha parte, eu tenho o privilégio
impressão de estar em um laboratório
de possuir o conhecimento que beleza, por conta de seu interesse ou
em tamanho real, testemunhando
me permite fazer o modesto papel simplesmente por curiosidade.
a demonstração brilhante de que
de mediador entre a ciência e o
é possível que humanos e animais As mudanças climáticas e a perda da
público geral. Eu posso criar imagens
vivam juntos – desde que coloquemos biodiversidade são questões complexas.
que trazem mensagens com uma
em prática políticas de gestão de O cinema pode fazê-las acessíveis ao
efetividade provada atualmente. E eu
recursos sólidas que permitam a público, traduzindo em histórias que
coloco este conhecimento à serviço do
sobrevivência dos ecossistemas. O são tão simples quanto universais em
planeta. É por isso que desejo apoiar
arquipélago deveria servir de modelo sua extensão. É assim que ele abre a pri-
o programa MAB da UNESCO – suas
para o restante do mundo, sobre como meira porta que nos levará ao caminho
aspirações estão em conformidade
transpor a lacuna que criamos entre nós da conscientização.
com as minhas. Sua filosofia é
e os outros seres vivos.
baseada em uma ideia que eu apoio E quando estamos neste caminho,
Participar da conservação dos completamente, a ideia da coexistência. entendemos a ilusão que é imaginar por
ecossistemas é uma tarefa sempre um momento sequer – e no entanto,
O cinema é uma ferramenta incrível
complicada. Mas, acima de tudo, as últimas quatro ou cinco gerações de
para despertar a conscientização. Ele
devemos conhece-los e amá-los. Se seres humanos tem feito isso – que nós
utiliza a linguagem da emoção e da
cada um de nós fizer isso, se utilizarmos poderíamos viver isolados da natureza.
metáfora. Longe de deixar-se levar
nossos talentos e conhecimentos, estou Nós viemos da natureza e precisamos
pela moralização ou pelo discurso da
convencido de que nossos esforços da natureza para atos básicos como
culpabilização – que foi demonstrado
coletivos darão frutos. Eu acredito respirar, beber ou comer. Mas nós
ser relativamente ineficaz – um filme
profundamente que esta energia também precisamos da natureza
age tanto nos corações quanto nas
coletiva permitirá que caminhemos para podermos sonhar.
mentes da audiência. Desta forma, ele
em direção a um modo de vida no qual
incita a audiência a se apropriar das
não seremos mais colonizadores, e
coisas da natureza – por conta de sua

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 63


Assuntos atuais

Os segredos de
revelados por um drone
Tiauanaco,
Lucía Iglesias Kuntz (UNESCO)

Tiauanaco, o centro político e


espiritual da cultura Tiauanaco,
na Bolívia, está a 70 km a oeste
de La Paz e a 15 km das margens
do Lago Titicaca. Inscrito na
Lista do Patrimônio Mundial
da UNESCO desde 2000, o
local ainda guarda diversos
segredos hoje em dia. O projeto
da UNESCO revela algumas
descobertas extraordinárias.

A publicação deste arquivo coincide


com a 42ª Sessão do Comitê do
Patrimônio Mundial, que acontecerá
de 24 de junho a 4 de julho de 2018,
em Manama, Bahrein.

Mapa de Tiauanaco, criado a partir de O presidente Evo Morales, que é


dados do modelo 3D gerado por um descendente de índios Aimarás,
Com seu monumental complexo de drone. As linhas negras provavelmente escolheu Tiauanaco como o local
construções e sua localização a mais de indicam estruturas residenciais simbólico da inauguração de cada um
3,8 mil metros acima do nível do mar, na área de Mollo Kontu. de seus três mandatos como chefe de
Tiauanaco é um dos sítios arqueológicos © José Ignacio Gallego / UNESCO Estado na Bolívia (em 2006, 2010 e 2015).
mais espetaculares da América do Sul. Como resultado, o local voltou a ganhar
Cidade pré-colombiana no sul dos prestígio e se tornou um importante
Andes, foi por séculos a capital de um Infelizmente Tiauanaco foi brutalmente destino turístico. É preciso muito esforço,
império vasto e poderoso que devia depredada logo após o colapso de sua no entanto, para que o visitante aprecie
sua supremacia ao uso de materiais cultura no século XIII. O local atraiu e entenda este local completamente.
inovadores e de técnicas para melhorar como um ímã caçadores de tesouros Tiauanaco é mais um exercício de
a produção da agricultura, aumentando enterrados, e muito de seu patrimônio observação e documentação do que
dessa forma o seu poder econômico. Foi valioso desapareceu. Diversos uma simples contemplação. Isto porque
a partir de Tiauanaco que a cultura de documentos históricos demonstram tudo o que permanece do majestoso
mesmo nome se espalhou, alcançando que o local se tornou uma pedreira, da conjunto de templos e palácios da
seu auge entre os anos 500 e 900 d.C. qual foram extraídos materiais para a cidade são as ruínas ou vestígios
A partir de então, sua influência foi construção de prédios modernos – a parcialmente reconstruídos de sete
disseminada por um vasto território que evidência disso ainda é visível no centro grandes construções – a Pirâmide
inclui o oeste da Bolívia, o sudoeste do da cidade mais próxima, e mesmo em La Akapana, o templo de Kantatayita,
Peru e o norte da Argentina e do Chile. Paz, a capital da Bolívia. o templo de Kalasasaya, o palácio
Putuni, o palácio Kheri Kala, a pirâmide
Puma Punku e o pequeno templo
semissubterrâneo.

64 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Assuntos atuais

© Ernestina Cortés Albor / UNESCO


Uma cerimônia Aimará
Esses vestígios, entretanto, exibem ambicioso, que foi completado em Tiauanaco, Bolívia.
a inconfundível marca de grandes recentemente, também inclui um
civilizações, com maravilhas tais como a plano para o turismo sustentável – já
Puma Punku (a Área da Puma), feita de que Tiauanaco está localizada no
blocos sólidos de arenito que chegam a Altiplano, uma zona sísmica em um
pesar até 130 toneladas, montados com
agrafos de cobre. Esta foi uma façanha
vale posicionado entre duas cadeias
montanhosas – e, finalmente, a pedido
Para mim, é
surpreendente para uma civilização que
não possuía o conceito de roda – alguns
do Comitê do Patrimônio Mundial,
a finalização de um levantamento a descoberta
especialistas estimam que entre 1,3 mil e topográfico de todo o local.
2,6 mil pessoas seriam necessárias para
levantar essas pedras. O conhecimento e
“Eu já estava trabalhando em campo,
de uma vida:
habilidade no uso do metal demonstra a
superioridade militar desta civilização.
então propus à UNESCO que este
levantamento topográfico fosse feito Tiauanaco tem
utilizando sensoriamento remoto,

Novas descobertas
porque atualmente, com drones e
satélites, podem ser obtidos resultados
sido uma das
A necessidade de oferecer ao lugar um
plano de gestão atualizado – requisito
topográficos de alta precisão”, explica
o arqueólogo José Ignacio Gallego referências
para todos os locais inscritos na Lista de
Patrimônio Mundial – assim como um
Revilla, que trabalhou no projeto em
nome da Organização. “Levamos um
ano para configurá-lo. Já que eu estava
históricas da
programa educacional e museus para
ajudar a resolver alguns dos enigmas
colaborando com a Universidade
Complutense de Madri, eu pensei em
arqueologia
de Tiauanaco, constituem a razão da
existência do projeto Preservação e
Conservação de Tiauanaco e da Pirâmide
ir até o Campus de Excelência – que na
verdade é um grupo de laboratórios mundial por
formado por diversas faculdades, com
Akapana. Lançado em 2015 pelo
Escritório da UNESCO em Quito, o projeto
profissionais excelentes e preços muito
competitivos. Mas nós precisávamos de
500 anos
de US$ 870 mil é financiado pelo Fundo um drone que pudesse voar a mais de
Fiduciário do Japão para o Patrimônio 4 mil metros e, como não poderíamos
Mundial. Este empreendimento transportar o que estava disponível na

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 65


Assuntos atuais

hectares sob estudos”, observa. “Este


é um marco para futuras pesquisas e
uma expansão da área sob alto grau de
proteção”.
Outro ponto forte do projeto é que as
comunidades indígenas que habitam a
área, em seus lados norte e leste, foram
consultadas em todos os estágios. A
municipalidade de Tiauanaco inclui
atualmente três cidades com 23
comunidades, e cerca de 12 mil pessoas
que vivem no próprio sítio arqueológico
e em seus entornos imediatos. “Em
cada estágio do projeto nós tivemos
uma interação bastante dinâmica
com os habitantes. Eu diria que esta é
exatamente a chave que nos permitiu
alcançar este resultado”, adiciona
Uma vista colorida da pirâmide Condori. “Membros das comunidades
Akapana. As linhas vermelhas Huancollo e Achaca participaram no
correspondem aos canais já conhecidos ano passado dos levantamentos que
Universidade de Madri para a Bolívia, graças às escavações arqueológicas. As conduzimos para verificar se a realidade
nós entramos em contato com uma linhas negras indicam possíveis canais, correspondia aos dados oferecidos pelo
companhia suíça que vende suas cuja deterioração pode ter causado drone, e eles fizeram isso com muita
aeronaves no Chile e na Bolívia. Esta grandes fissuras no edifício. satisfação. Nós precisamos continuar a
companhia capturou as imagens que © José Ignacio Gallego / UNESCO comunicar nossos resultados para que
então analisamos no laboratório, em
eles tomem posse deles”. Ao mesmo
Madri”.
tempo, o número de visitantes nacionais
As imagens foram feitas entre outubro agora sabemos que possui mais duas e internacionais – mais de 125 mil
e dezembro de 2016, e os primeiros plataformas enterradas. “O drone revelou em 2017 – continua a crescer. “Com
resultados foram obtidos em maio de que este é um complexo religioso que esta renda, o local é economicamente
2017. O drone forneceu uma topografia cobre 17 hectares, o que é três vezes o autossuficiente, e nos dá os meios de
altamente precisa de todo o sítio tamanho da Grande Pirâmide de Gizé, trabalhar com arquitetos, químicos,
arqueológico, com uma margem de no Egito”, explica o arqueólogo. “De geólogos etc.”, acrescenta Condori. “Nós
erro de menos de quatro centímetros. repente nós tínhamos um mapa do local esperamos continuar a trabalhar com
e de tudo que ainda está enterrado lá”, as autoridades municipais e nacionais, e
O mapa resultante revelou a presença
acrescentou Gallego Revilla. “Para mim, claro, com o apoio da UNESCO”.
de um conjunto de estruturas até então
é a descoberta de uma vida: Tiauanaco
desconhecidas que se estendem por De acordo com a lenda de Aimará, os
tem sido uma das referências históricas
toda a área explorada, se prolongando ancestrais esconderam o monumento
da arqueologia mundial por 500 anos.
por 411 hectares. No total, a área do mais emblemático de Tiauanaco em
Como pesquisador, situações como esta
patrimônio cobre mais de 600 hectares Puerta del Sol, a “Porta do Sol”. Este seria
acontecem apenas uma vez em toda a
– seis vezes mais do que o estimado um segredo importante que salvaria a
sua carreira”, se entusiasma, mostrando
anteriormente. humanidade quando ela atingisse a beira
em seu computador os mapas e imagens
do abismo. Felizmente, este momento
Após a análise, as imagens feitas pelo que confirmam sua declaração.
não parece ter chegado ainda. Em vez
drone tornaram possível a identificação
disso, a certeza é de que este trabalho
de traços de um templo de pedra
enterrado ao lado de cem ou mais
Envolvendo as e o voo de um drone abriram uma nova
estruturas circulares e retangulares comunidades era para essa cultura, e de que nas
margens do lago sagrado, o Titicaca, foi
de dimensões vastas, que eram
Julio Condori, diretor do Centro estabelecida a sociedade mais avançada
possivelmente unidades domésticas,
de Investigações Arqueológicas, de seu tempo, capaz de criar um tipo de
assim como valas, canais, estradas
Antropológicas e Administração de estado até então desconhecido neste
e outras construções de diferentes
Tiauanaco (CIAAAT), a entidade gestora canto do continente americano.
setores. Mas os novos dados também
da área, está envolvido no projeto desde
redefiniram monumentos conhecidos,
o seu começo. Para ele, o novo mapa
tais como Puma Punku, um complexo
topográfico é, em si, uma ferramenta
de templos do qual apenas dois
de conservação. “Agora nós temos 650
hectares haviam sido explorados, e que

66 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


E S C
N

O
U
70!

R
C
O E
U R I

O Correio da UNESCO fez


O único periódico que Nelson Mandela
lia na Ilha Robben

Annar Cassam

“O apartheid representa
hoje o mais hediondo tipo
de escravidão moderna. A
ação paciente, porém, firme
e intensa da UNESCO se une
à luta dos próprios negros da
África do Sul, que mostraram
que com a coragem da revolta
poderiam livrar-se do medo
e recuperar a esperança. Se
a comunidade internacional
© UNESCO / Michel Claude

deseja permanecer fiel a si


mesma, deverá mobilizar-se e
agir com firmeza de modo a não
decepcionar esta esperança”.
Isto é o que o prisioneiro
número 466/64 da Ilha Robben, Nelson Mandela, Presidente do
Nelson Mandela, leu em O Congresso Nacional africano, e Federico
Mayor, diretor-geral da UNESCO pensando em nós”, Mandela escreveu
Correio, debaixo dos narizes dos em sua autobiografia Long Walk to
(1987-1999), na sede da Organização,
vigilantes agentes do Estado de em 14 de outubro de 1993. Freedom, 1994 (Longa Caminhada
Polícia do apartheid na África do para a Liberdade, 2012, 1ª edição em
Sul. português).
Nelson Mandela e seus companheiros Mas os prisioneiros podiam se
Com este artigo, O Correio marca o prisioneiros políticos foram condenados candidatar aos estudos em cursos de
100º aniversário de Nelson Mandela, à prisão perpétua em 1964. Seus ensino médio e superior, e por isso
que nasceu em 18 de julho de 1918. primeiros anos na prisão foram tão encomendar publicações necessárias
inférteis intelectual e espiritualmente para seus estudos. Então, junto com
quanto as terras da própria Ilha Robben livros em matérias como contabilidade
– e as autoridades da prisão faziam e economia, a administração da prisão
questão disso. Jornais, mesmo os locais, também permitiu a revista O Correio
não eram permitidos. “As autoridades da UNESCO, que durante algum tempo
tentaram impor um bloqueio completo, chegava regularmente de Paris.
eles não queriam que aprendêssemos
nada que pudesse levantar nossa As autoridades da prisão, que em
moral ou assegurar-nos que as pessoas sua maioria, senão exclusivamente,
do lado de fora ainda estivessem falavam apenas o africâner tradicional,

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 67


70 O Correio da UNESCO chega aos 70 anos!

Polícia do apartheid na África do Sul. A


sabedoria e as ideias criam asas quando
necessário.

Apartheid: sem
escapatória
A Ilha Robben era a Alcatraz da África do
Sul, uma ilha penitenciária da qual não
havia escapatória, para os condenados
negros da lei de direito comum que
eram mandados para lá em prisão
perpétua. Nos anos 1960 e 70, enquanto
a luta contra o apartheid ganhava força
e se espalhava, a ilha se tornava o local
onde o governo racista enviava seus
principais oponentes políticos – também
por toda vida. Na realidade, a ilha era
uma prisão dentro da prisão, já que o
aprisionamento principal era a própria
África do Sul. Nesta, a minoria branca
da comunidade colonizadora estava
presa dentro de sua paranoia sobre sua
própria superioridade racial sobre a
população nativa. Todos os aspectos da
existência, tanto privada quanto pública,
eram governados por leis racistas criadas
para oprimir e depreciar a maioria negra
em benefício da minoria branca da
população, a qual era privilegiada em
todos os aspectos.
Fazendo isto, a classe dominante alegava
estar preservando e promovendo
“valores europeus”, mantendo sua
autodenominada “missão civilizatória”
na África. Ironicamente, os próprios
eram completamente alheios a estes
© UNESCO

valores – já que não possuíam qualquer


entendimento de conceitos como
liberdade, igualdade, democracia,
claramente consideravam a revista um Capa de O Correio da UNESCO, fraternidade, valores pelos quais os
material de leitura inofensivo para essa novembro de 1977. próprios europeus lutaram durante os
classe de prisioneiros. Após passar o séculos.
dia triturando pedras na pedreira de
calcário, eles podiam se recolher em De fato, a UNESCO e todo o Sistema das
do apartheid, muito menos nos
suas celas à noite e ler os conteúdos Nações Unidas nasceram exatamente a
confinamentos solitários da Ilha Robben.
“insignificantes” de O Correio. partir dessas lutas – uma guerra contra
Ler O Correio era uma forma de saber o o racismo nazista que levou o mundo
Foi o próprio Presidente Mandela quem que estava acontecendo no mundo real à beira do abismo na Segunda Guerra
contou este fato, em setembro de 1996, do lado de fora. Nelson Mandela queria Mundial. Em 1945, a lição foi aprendida
ao então diretor-geral da UNESCO, muito que o diretor-geral da UNESCO de que “nunca mais” as nações do
Federico Mayor, em Union Buildings, fosse informado sobre isso. mundo permitiriam que tais horrores
o escritório do Presidente em Pretória, acontecessem. Na UNESCO, estes países
durante visita oficial de Mayor à nova Eu tive o privilégio de acompanhar
decidiram deliberadamente “é nas
África do Sul democrática. Frederico Mayor nesta visita. Enquanto
mentes dos homens que devem ser
ouvia as palavras do Presidente,
O Presidente explicou o quanto ele e construídas as defesas da paz” (Veja a
minha mente tentava absorver seu
seus companheiros ficavam satisfeitos Constituição da UNESCO), dividindo e
significado e importância. O Correio,
em ler O Correio, por meio do qual compartilhando a sabedoria humana em
tão adequadamente nomeado, era o
aprenderam sobre diversos assuntos todos os seus aspectos, especialmente
pombo-correio que voava regularmente
que nunca tinham conhecido antes por meio das áreas de educação, ciência
de Paris para um ponto remoto no meio
– tais como diversidade cultural e e cultura.
do nada no sul do oceano Atlântico
patrimônios comuns da humanidade, – trazendo notícias e novidades dos O regime do apartheid, no entanto, havia
história africana, educação para o cinco continentes para Mandela e aprendido uma lição diferente e decidiu
desenvolvimento e assim por diante. seus colegas, debaixo dos narizes trilhar o caminho oposto – promovendo
Estes assuntos não existiam no léxico dos vigilantes agentes do Estado de separação, exclusão, privação,

68 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


O Correio da UNESCO chega aos 70 anos!
70
Jornais são mais
valiosos para
prisioneiros
políticos que
ouro ou
diamantes,
mais desejados
que comida ou
tabaco
Nelson Mandela

humilhação e violência. Para aqueles


cidadãos que ousaram questionar e
desafiar esta ideologia retrógrada, a
punição era o exílio perpétuo.

Lendo sobre racismo


na Ilha Robben
Eu visualizo Mandela e seus
companheiros de luta pela liberdade
sorrindo com satisfação enquanto leem o
artigo sobre racismo escrito por John Rex,
sociólogo e educador britânico, em 1968:
“A instância mais marcante de racismo no
mundo atual é a do sistema do apartheid
na África do Sul. O apartheid não é,
como algumas pessoas ainda podem
imaginar, uma tentativa séria de prover
instalações iguais, porém separadas, para
todas as raças. Trata-se de segregação
© UNESCO

realizada por homens de pele branca em


seu próprio benefício, e em detrimento
das populações negras e de cor” (The
Ubiquitous Shadow of Racism). “Libertem Nelson Mandela, corajoso
defensor dos direitos humanos”. Capa África do Sul, que mostraram que com
Menos de dez anos depois, o Levante de O Correio da UNESCO, novembro de a coragem da revolta poderiam livrar-se
de Soweto, em que estudantes foram 1983. O retrato de Mandela foi pintado do medo e recuperar a esperança. Se
massacrados por uma polícia altamente pelo artista irlandês Louis le Brocquy. a comunidade internacional deseja
armada em 1976, foi um marco definitivo permanecer fiel a si mesma, deverá
na história dos conflitos. Ele levou às mobilizar-se e agir com firmeza de modo
ruas uma geração de jovens lutadores evitado por quase todas as pessoas do a não decepcionar esta esperança”.
indignados contra o apartheid, revoltados mundo, se não por todos os governos.
pela hedionda Lei de Educação Bantu, Esta edição provavelmente não teria
que tornou ilegal o ensino de inglês, Em novembro do ano seguinte, O sido permitida na Ilha Robben, mas
ciências e matemática nas escolas de Correio publicou uma edição especial neste momento a luta havia atingido
negros. Também tornou óbvio para sobre racismo na África do Sul, Southern status mundial e alguns líderes em
o mundo todo que o governo racista Africa at Grips with Racism, que começa Pretória estavam se dando conta de
não tinha nenhuma estratégia exceto com as seguintes palavras: “O apartheid que precisariam de Mandela – mais
pelo uso de força bruta, mesmo contra representa hoje o mais hediondo tipo de cedo ou mais tarde. Enquanto os anos
crianças desarmadas na escola. Neste escravidão moderna. A ação paciente, se passavam, Mandela e sua causa
período, a África do Sul havia se tornado porém, firme e intensa da UNESCO cresceram em força e estatura, enquanto
um Estado-pária internacional, sendo se une à luta dos próprios negros da o regime do apartheid continuou em

O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018 | 69


70 O Correio da UNESCO chega aos 70 anos!

No dia 11 de
fevereiro de 1990,
Mandela saiu
pelos portões
da prisão, e em
alguns dias,
estabeleceu-se
como o líder
moral do país
seu caminho de destruição e violência
contra sua própria população negra e
contra estados africanos vizinhos.
O longo período de Mandela na Ilha
chegou ao fim em 1982, quando foi
trazido de volta ao continente para a
Prisão Pollsmoor, na Cidade do Cabo, e
então finalmente para prisão domiciliar
no relativo “conforto” de um chalé na
prisão Victor Verster, fora da cidade.
Durante esta fase em cativeiro, que
durou até 1990, Mandela passou horas
“conversando com o inimigo”, como
ele mesmo diz, iniciando diálogos
e discussões com os membros mais

© UNESCO
inteligentes e menos fanáticos do regime,
com a finalidade de fazê-los compreender
que violência do estado e ação militar “Apartheid: crônica de um fim
Os “companheiros brancos de tribo” da
não resolveriam a crescente inquietação anunciado”. Capa de O Correio da
África têm sorte que Mandela tenha
no país, e que a pressão por mudanças – UNESCO, fevereiro de 1992.
esperado estes longos anos, de que
que vinham de todos os lados, incluindo ele estivesse lá até o fim de modo a
da comunidade internacional – teria que Os “dez mil dias” de liderá-los, pacífica e pacientemente,
ser enfrentada politicamente. para fora das celas de seus próprios
Mandela pensamentos – fora da ilusão de
Finalmente, o dia que precisava chegar, Os 27 anos em que Mandela passou separação e superioridade, para uma
chegou. No dia 11 de fevereiro de 1990, na prisão podem ser vistos de duas terra onde todos poderiam pertencer
Mandela saiu pelos portões da prisão, maneiras – como um sacrifício terrível e da qual ninguém poderia ser expulso
e em alguns dias, estabeleceu-se como dos melhores anos da vida de um por causa da cor de sua pele.
o líder moral do país. Uma conquista homem, e o preço cruel da ausência
A Ilha de Robben se tornou o primeiro
notável para um homem que não apenas e perda exigido de sua família. Esta
local da África do Sul a fazer parte
foi banido por quase três décadas, mas punição é inegável e imensurável. Mas
da Lista do Patrimônio Mundial em
cuja publicação de seu nome, fotografias os “dez mil dias” de Mandela atrás das
1999. Se algum dia houver uma lista
ou palavras era um crime! Em maio de grades, para usar sua própria expressão,
do patrimônio mundial para nomear
1994, após quatro anos de negociações também podem ser vistos em outra
aqueles que expandiram e elevaram a
escala temporal – foi este o tempo que
exaustivas com o governo De Klerk, consciência coletiva da humanidade,
ele levou para convencer os racistas a
Mandela foi eleito o líder político da Nelson Mandela terá um lugar de
libertarem a si mesmos de suas próprias
nova África do Sul, o primeiro presidente destaque nela.
correntes ideológicas e culturais, a
de uma sociedade democrática e não aceitarem que a liberdade e a dignidade
racista onde os antigos opressores vivem para todos os sul-africanos, de qualquer Annar Cassam (Tanzânia) foi diretora
em paz ao lado da maioria que eles cor ou crença, seriam as condições finais do Programa Especial da UNESCO para a
mesmos humilharam durante séculos. para um estado civilizado. África do Sul, de 1993 a 1996.

70 | O Correio da UNESCO • julho-setembro 2018


Edições UNESCO
United Nations
Educational, Scientific and
Cultural Organization
www.unesco.org/publishing
publishing.promotion@unesco.org

Decifrar o código: educação Re|pensar as políticas Terrorismo e a mídia: um


de meninas e mulheres em culturais: manual para jornalistas
ciências, tecnologia, criatividade para o desenvolvimento; Autor: Jean-Paul Marthoz
engenharia e matemática relatório global 2018, resumo Brasília: UNESCO, 2018. 110 p. ISBN: 978-85-
(STEM) Brasília: UNESCO, 2018. 38 p., il. 7652-219-5

Brasília: UNESCO, 2018.  86 p., il.  Título original: Re|shaping cultural policies: Título original: Terrorism and the media: a
creativity for development, 2005 handbook for journalistsg
Título original: Cracking the code: girls’ and
Convention global report 2018; summary
women’s education in science, technology,
engineering and mathematics (STEM)
Em todo o mundo, vemos diversos atos de
O Relatório Global de 2018 analisa os novos violência contra civis para fomentar o medo
avanços alcançados na implementação da e a desconfiança. Vemos populações em
As áreas de STEM sustentam a Agenda
Convenção sobre a Proteção e Promoção muitos países convencidas de que o
2030 para o Desenvolvimento Sustentável,
da Diversidade das Expressões Culturais da terrorismo representa a ameaça mais
e a educação em STEM pode fornecer aos
UNESCO (de 2005), desde a publicação do significativa à sua vida cotidiana. Vemos
estudantes os conhecimentos, as
primeiro relatório deste tipo, em 2015. Ele movimentos políticos que se aproveitam
habilidades, as atitudes e os
fornece evidências sobre como o processo da tragédia e jogam cidadãos uns contra os
comportamentos exigidos para a
de implementação contribui para atingir os outros para obter mais apoio.
construção de sociedades inclusivas e
Objetivos e Metas de Desenvolvimento É fundamental refletir sobre como a mídia
sustentáveis. Este relatório visa a “decifrar o
Sustentável das Nações Unidas até 2030. pode estar inadvertidamente contribuindo
código”, ao desvendar os fatores que
A série Relatório Global produz dados para esse clima tenso, e quais medidas
impedem ou facilitam a participação de
novos e valiosos sobre a elaboração de devem ser tomadas para lidar com esse
meninas e mulheres, bem como o seu
políticas culturais e sobre o avanço da problema.
desempenho e a sua permanência na
criatividade para o desenvolvimento.
educação em STEM; e, em particular, o que
o setor educacional pode fazer para
promover o interesse e o envolvimento de
meninas e mulheres na educação em STEM
e nas carreiras dessas áreas. Pretende-se
que o relatório sirva como um importante
recurso para os envolvidos em educação,
bem como para todos os profissionais que
trabalham com igualdade de gênero.
O Correio chega aos 70!
Celebrando a diversidade cultural em suas páginas

© UNESCO