Você está na página 1de 5

1

Os Adventistas e o mau uso


da Lei de Moisés
Pr David Cloud

Um erro fundamental do Adventismo do Sétimo Dia é o seu mau


uso da Lei de Moisés. Esta é a mesma heresia da qual muitos dos
judeus da época de Paulo foram culpados. É a heresia que ele
confronta em sua epístola aos Gálatas.

[Três de] Quatro Erros Adventistas sobre a Lei

1. De acordo com o adventismo, a lei e a graça não são


sistemas que estão se opondo, mas ambos trabalham juntos
para a salvação do homem.

"O fato de que todos os que são resgatados são salvos pela graça
não dispensa a lei de Deus, não mais numa dispensação do que na
outra. A lei não é contra graça, e graça não é contra a lei "(Charles
Everson, Salvos pela graça, p. 11).

2. A Lei de Moisés é o padrão pelo qual Deus deve julgar os


crentes.

"A lei de Deus é a norma pela qual os personagens e as vidas dos


homens serão aferidos no juízo. ... Aqueles que no julgamento são
"dignos" terão uma parte na ressurreição dos justos "(Ellen White,
O Grande Conflito, pp 423-425).
3. A Lei de Moisés é a regra de vida do crente.

"Em vez de ser livre, para ignorar e violar a lei porque ele é salvo
pela graça, ele agora está duplamente obrigado a mantê-la. ... É
muito evidente, então, que na nova aliança não vemos a lei como
algo sem importância, mas nós a encontramos ocupando o centro
da aliança." (Charles Everson, Salvos pela graça, pp 23, 36).
2

"Os Dez Mandamentos são a única e perfeita regra de conduta no


mundo de hoje. Deus deu ao homem o Decálogo como uma regra
de vida." (JL Shuler, O Grande dia do Juízo, pp 113-114).

O QUE A BÍBLIA DIZ


A seguir, um resumo de cada principal passagem do Novo
Testamento tratando da lei. O leitor é convidado a procurar e a
estudar cada uma destas passagens. Estamos confiantes de que o
Senhor vai encorajá-lo na liberdade da glória eterna que o crente
tem em Cristo Jesus.
1. A Lei de Moisés tem um objetivo principal, que é a levar os
homens a Jesus Cristo. Um homem é salvo e justificado SOMENTE
pela fé e SOMENTE pela graça, sem a lei. Por causa da condição
caída do homem, a lei só pode condená-lo. A lei é de fato santa e
boa, mas ela nada pode fazer para auxiliar o homem pecador,
exceto revelar sua condição de impiedade e conduzi-lo a Cristo.
Veja Romanos 3:19-20; 5:20, Romanos 7:7-13, 1 Coríntios 15:56,
2 Coríntios 5:5-13, Gálatas 2:16; 3:9-24; 1 Timóteo 1:6-11.

"A lei exige força de quem não tem nenhuma, e o amaldiçoa se ele
não pode exibí-la. O Evangelho dá força para aquele que não tem
nenhuma, e abençoa-o na exposição da mesma. A lei propõe a vida
como o fim da obediência, o evangelho dá vida como única base
adequada da obediência." (CH Mackintosh, Notas sobre o
Pentateuco, pp 232-233).

2. A Lei de Moisés não detém poder sobre o crente; ele é colocado


inteiramente em Cristo, fora do alcance da lei. A lei não pode mais
trazer condenação para o crente tanto quanto para O próprio
Cristo, uma vez que o crente foi feito perfeito em Cristo. A lei não
tem mais poder sobre o crente mais do que o marido morto tem
sobre uma esposa viva. Os apóstolos não ensinam a doutrina
adventista de que o crente deve conformar sua vida ao padrão da
lei pelo poder do Cristo ressuscitado e que, se ele não o fizer, a lei
irá condená-lo no dia do julgamento. Veja Romanos 5:1-2, 6-11;
6:3-7; 8:8-10; 10:4; 07:04, Gálatas 3:24-29.

3. Os Dez Mandamentos são um pacto de morte, que é feito à


3

parte de Cristo. Os professores Adventistas protestam que a lei


moral, representada nos Dez Mandamentos, não foi abolida na cruz
de Cristo e que só a lei cerimonial foi abolida. Mas o Novo
Testamento ainda descreve os Dez Mandamentos como um pacto
de morte! O Direito Mosaico, como um todo, teve um objetivo
principal. Ele foi dado por Deus para o homem caído, a fim de
mostrar-lhe o seu pecado e sua necessidade do Salvador. 2
Coríntios 3:6-13 ver.

O apóstolo disse que a lei escrita em pedra é feita à parte de Cristo,


e isto se refere aos Dez Mandamentos. Duas vezes o apóstolo nos
diz que os Dez Mandamentos foram abolidos. Duas vezes ele nos
diz que os Dez Mandamentos constituíam um ministério de morte e
de condenação! As palavras não poderiam ser mais claras. Por isso,
ao vir o professor adventista orientando os crentes a um retorno à
Lei de Moisés como sendo uma regra de vida, isto constitui um
grande mal.

5. A Lei de Moisés não é a regra de vida do crente. O crente é


orientado a se colocar em Cristo e a seguir o Espírito de Deus. O
objetivo de vida do crente não é ser conformado à lei, mas serem
conformados à imagem de Cristo (Romanos 8:29). O Santo Espírito
molda e transforma a vida do crente na imagem do Senhor Jesus.
Romanos 8:11-14; 8:29; 13:13-14, 2 Coríntios 3:18, Gálatas 5:16-
25, Efésios 4:20-24, Colossenses 3.9-11.

"Se a lei fosse de fato a regra de vida de um crente, onde nós


achamos esta apresentação no Novo Testamento? O inspirado
apóstolo evidentemente não tinha nenhum pensamento de ser
governado por ela quando ele escreveu as seguintes palavras:

"Porque em Cristo Jesus nem a circuncisão, nem a incircuncisão


tem virtude alguma, mas sim o ser uma nova criatura. E a todos
quantos andarem conforme esta regra, paz e misericórdia sobre
eles e sobre o Israel de Deus." (Gl 6:15-16). O que 'domina'? A lei?
Não, mas a 'nova criação'. Onde vamos encontrar isso em Êxodo
20? Ele não fala uma palavra sobre a ‘nova criação’. Pelo contrário,
ele dirige-se ao homem como ele é - em seu estado natural ou em
sua velha criação - e coloca-o à prova mostrando o que ele é
4

realmente capaz de fazer. Agora, se a lei fosse a regra pela qual os


crentes devem andar, por que o apóstolo pronunciar seu bênção
sobre aqueles que andam compleamente por outra regra? Por que
ele não diz, a todos quantos andarem de acordo com a regra dos
Dez Mandamentos? Não é evidente, a partir desta passagem, que a
Igreja de Deus tem uma regra maior pela qual deva andar?"
(Mackintosh C.H., Notas sobre o Pentateuco, pp 232-233).

"Eu, como cristão, devo obedecer a toda a lei que é moral no


Decálogo, não porque está na lei, mas porque está no Evangelho.
Adorar somente a Deus nos é ordenado 50 vezes no Novo
Testamento; a idolatria é proibida 12 vezes; os palavrões quatro
vezes; honrar de pai e mãe é ordenado seis vezes; o adultério é
proibido 12; roubo seis; falso testemunho quatro, e cobiça, nove
vezes. 'Os Dez Mandamentos’, como diz Lutero, ‘não se aplicam a
nós Gentios e cristãos, mas apenas aos judeus’. Então, portanto,
Paulo, em todas as suas 14 epístolas, nunca uma única vez
menciona o sábado, exceto em uma única passagem onde, ao
classificá-lo como parte de toda a lei, ele declara que ele tinha sido
totalmente abolido. E isto foi mantido pela igreja primitiva."
(William C. Irvine, Heresias Exposto, p. 165).

6. Lei e Graça são dois sistemas diferentes que não podem ser
mesclados na salvação. Já olhamos para isso na seção sobre o falso
evangelho Adventista do Sétimo Da da graça somada à lei. Veja
Atos 15:8-11, Romanos 3:18-25; 4:4-5; 11:6; Efésios 2:8-10.

7. Orientar os crentes a voltarem para a Lei de Moisés como uma


regra de a vida é colocá-los de volta sob escravidão legalista,
trazendo uma maldição sobre aquele que ensina esta heresia, bem
como sobre aquele que a segue. Os apóstolos condenaram, em
uma linguagem bem forte, aqueles que tentaram fazer os crentes
voltarem-se para a Lei de Moisés como uma regra de vida. Isso
refuta a doutrina adventista do sétimo dia que a lei é uma bênção
para o homem justificado. Veja Gálatas 1:7-9; 2:4; 3:1-9; 4:9-11,
19-21; 5:1-9.

Cristo veio para redimir os homens da escravidão da lei, remover a


condenação e pagar o preço que a lei exigia pelo pecado do homem.
5

Aqueles que tentam levar os crentes de volta à submissão da lei


estão enganando os homens e direcionando-os para longe da obra
consumada por Cristo e verdadeira liberdade Bíblica que há nele.
Eles próprios são amaldiçoados por causa de seu falso evangelho, e
eles estão levando os outros para longe da verdade. O objetivo da
salvação não levar o crente para a lei, mas para apresentá-lo
perfeito em Cristo!

Trecho do resumo do livro de David Cloud, paginas 36 a 40.