Você está na página 1de 165

PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Érika Cássia Barroso Batista 1


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

SUMÁRIO
ANATOMIA E BIOMECÂNICA DO JOELHO 05
PROPRIEDADES DA CARTILAGEM ARTICULAR 08
ARTICULAÇÃO PATELOFEMORAL 10
PILATES NA SÍNDROME DA DOR PATELOFEMORAL 13
LESÃO MENISCAL 24
PILATES NO PÓS OPERATÓRIO DA LESÃO MENISCAL 30
EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS NA LESÃO MENISCAL 32
GONARTROSE OU OSTEOARTROSE DO JOELHO 33
TRATAMENTOS ADICIONAIS DA GONARTROSE 41
PILATES NO PÓS OPERATÓRIO DA GONARTROSE 43
EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS NA GONARTROSE 43
PROPRIEDADES DO LIGAMENTO 46
LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR 49
TRATAMENTOS NA LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR 52
PILATES NO PÓS OPERATÓRIO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR 57
EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS NA LESÃO DO LCA 58
ANATOMIA E BIOMECÂNICA DO PÉ 61
ENTORSE DE TORNOZELO 64
INSTABILIDADE CRÔNICA DO TORNOZELO 67
TRATAMENTO DO ENTORSE DE TORNOZELO 67
EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS NO ENTORSE DE TORNOZELO 69
PÉ PLANO 70
PÉ CAVO 71
PILATES NAS DISFUNÇÕES DO PÉ 72
EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS NAS DISFUNÇÕES DO PÉ 74
EXERCÍCIOS 75

Érika Cássia Barroso Batista 3


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

ANATOMIA E BIOMECÂNICA
DO JOELHO
O
joelho é uma das articulações mais comumente lesionada por estar
envolvida em grande parte dos gestos diários e ser uma das primeiras
estruturas a absorver o impacto das forças de reação do solo.

O Joelho é considerado uma das mais complexas estruturas anatômicas do corpo


humano, com seus vários componentes que desempenham diferentes funções.
Quando há desequilíbrio ou quando a função desta articulação é comprometida
pode-se desencadear lesões nesta estrutura. Além disso, como o joelho é uma
articulação intermediária, entre o quadril e o tornozelo, problemas nestas duas áreas
podem gerar consequências na função do joelho, interferindo na sua integridade.
Em vista de contribuir para uma boa funcionalidade do joelha, a boa compreensão
da anatomia e biomecânica desta articulação pode contribuir para o sucesso de
intervenções realizadas através do Método Pilates. A articulação do joelho é a maior
do corpo humano, composta pelos ossos do fêmur, tíbia e patela. Entre a sua gama
de movimentos, ela realiza flexão, extensão, rotação externa e rotação interna,
conforme a tabela abaixo:

Érika Cássia Barroso Batista 4


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Mais especificamente, a articulação tibiofemoral (concavidade da tíbia e


convexidade do fêmur) realizam movimentos de flexão, extensão e leve rotação lateral
e medial. Durante a flexão em cadeia cinética aberta*, a tíbia desliza anteriormente
sobre o fêmur, enquanto na extensão desliza posteriormente. Entretanto, em cadeia
cinética fechada**, durante a flexão o fêmur desliza posteriormente sobre a tíbia,
enquanto na extensão desliza anteriormente.

Figura 1: Vista anterior do joelho


*Cadeia cinética aberta: Movimento no qual o segmento distal de um membro se move livremente.
**Cadeia cinética fechada: Movimento no qual o segmento distal de um membro recebe apoio peso e
o corpo se movimenta sobre a base de apoio.

Érika Cássia Barroso Batista 5


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

A cápsula articular do joelho auxilia na estabilidade, juntamente com os


ligamentos e tem como função produzir o líquido sinovial que nutre a articulação
e dá origem às bolsas do joelho.

Os ligamentos colaterais dão estabilidade e proteção ao joelho contra os


estresses mediais e laterais. O ligamento colateral medial (LCM) se une ao menisco
medial evitando o estresse em valgo e a rotação lateral da tíbia sobre o fêmur. O
ligamento colateral lateral (LCL) impede o varo e a rotação medial da tíbia sobre
o fêmur. Dentre os dois ligamentos o LCM é o mais lesionado com o mecanismo
de torção com pé fixo, podendo atingir inclusive o menisco lateral e o ligamento
cruzado anterior, lesão conhecida como tríade infeliz.

Os ligamentos cruzados anterior (LCA) e posterior (LCP) dão estabilidade


anteroposterior e rotacional para o joelho. A lesão do ligamento cruzado
causa instabilidade no joelho e pode ser inclusive incapacitante. O LCA é mais
frequentemente lesionado do que o LCP, mais adiante será abordada a lesão do
LCA e seu tratamento.

Érika Cássia Barroso Batista 6


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

A articulação tibiofibular proximal não é uma articulação do joelho verdadeira,


mas sua hipomobilidade afeta tanto o joelho quanto o tornozelo e pode causar dor
na região lateral do joelho. Caso o aluno tenha hipomobilidade desta articulação,
o fisioterapeuta pode realizar mobilização articular anteroposterior.

As lesões mais prevalentes do joelho nos estúdios de Pilates serão discutidas


mais adiante.

PROPRIEDADES DA
CARTILAGEM ARTICULAR
A
s articulações sinovias apresentam cápsula articular, cavidade articular com
presença do líquido sinovial e a cartilagem articular nas extremidades ósseas.

A cartilagem articular é composta de células e matriz extracelular:

• Condrócitos

• Colágeno tipo II (40%)

• Proteoglicanos– GAGs (60%) composto de ácido hialurônico, sulfato de


glicosamina, de condroitina e queratina.

Os condrócitos são as células inseridas nas lacunas da matriz extracelular e são


responsáveis pela síntese de colágeno.

A matriz extracelular é composta de colágeno tipo II e proteoglicanos. O primeiro

Érika Cássia Barroso Batista 7


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

é responsável pela força tênsil da cartilagem, sendo a malha de sustentação da


cartilagem. E o segundo atua na absorção de água durante a compressão e tração
da cartilagem. A expansão dos proteoglicanos é limitada pelas fibras de colágeno.

Quando a cartilagem se degenera, são rompidas as fibras de colágeno. Os condrócitos


aumentam a produção de colágeno para manter a integridade da articulação, mas à
medida que a síntese e maturação ficam limitadas, ocorre a degradação da cartilagem
e a exposição do osso subcondral, como na síndrome da dor femoropatelar e na
osteoartrose, ambas patologias serão abordadas nos próximos capítulos.

Figura 3: Propriedades da cartilagem articular

Érika Cássia Barroso Batista 8


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

ARTICULAÇÃO
PATELOFEMORAL
A
patela se articula com o fêmur nos movimentos de flexão (0 a 135°) esta é
a sua posição de máxima congruência e, na extensão (0 a -15°) sendo a sua
posição de repouso. A patela tem como funções aumentar a eficiência dos
últimos 30 graus de extensão, diminuir o atrito do quadríceps no fêmur e proteger
o joelho contra golpes anteriores.

Quando o joelho estende a patela desliza no sulco femoral superiormente e


quando flexiona a patela desliza inferiormente, numa excursão entre 5 a 7 cm.

A patela apresenta cinco facetas: superior, inferior, lateral, medial e ímpar ou


terceira faceta (old facet), a geometria da faceta varia entre indivíduos e pode
afetar o alinhamento da patela, aumentando as forças compressivas sobre ela.

Figura 4: Facetas patelar

Érika Cássia Barroso Batista 9


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Os componentes do osso do fêmur são os maiores responsáveis por manter a


estabilidade da patela. O sulco femoral é formado pelos côndilos medial e lateral,
este é mais elevado e, quando raso a patela se lateraliza, esta pode ser uma das
causas da síndrome da dor patelofemoral. A estabilidade passiva também é dada
pelos retináculos lateral e medial e pela cápsula articular.

A estabilidade dinâmica da patela é dada pelos músculos quadríceps, em


particular pelo vasto lateral (VL) e vasto medial (VM). O VL combina-se com o
retináculo lateral tracionando a patela lateralmente. O VM é comumente dividido
em vasto medial oblíquo (VMO) e vasto medial longo (VML). Estes músculos
são responsáveis pela manutenção do alinhamento patelar no sulco femoral. O
desequilíbrio muscular entre o VL e VMO é um dos fatores que afetam a biomecânica
da patela e pode originar a síndrome da dor patelofemoral.

Figura 5: Vista anterior da patela e músculos

Érika Cássia Barroso Batista 10


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Durante as atividades diárias a força de reação sobre a patela pode chegar a 7


vezes o peso corporal, conforme a tabela abaixo.

Érika Cássia Barroso Batista 11


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

PILATES NA SÍNDROME
DA DOR PATELOFEMORAL
A
síndrome da dor patelofemoral também conhecida como condromalácia
patelar, estresse femoropatelar ou disfunção patelofemoral é uma
patologia frequente nos estúdios de Pilates. Esta doença tem alta incidência
nos esportes e na população em geral, estimasse que 7 a 15% da população são
acometidas com a síndrome da dor patelofemoral. Nas clínicas ortopédicas o
diagnóstico da síndrome da dor patelofemoral chega a 25%.

A síndrome da dor patelofemoral é uma alteração cartilaginosa da superfície


articular da patela. A cartilagem da patela apesar de ser a mais espessa do corpo
humano, é propícia a desgaste que se origina na camada superficial, intermediária
e profunda evoluindo para a exposição do osso subcondral. Quando a alteração
está em estágio avançado, aumenta a pressão intra-óssea resultando em dor. A
lesão da cartilagem articular desencadeia a irritação sinovial sendo outra fonte de
dor anterior ou retro patelar. Esta lesão pode ser desencadeada pelos seguintes
fatores:

• Desalinhamento patelar

• Aumento do ângulo Q

• Patela alta ou baixa

• Pronação subtalar excessiva

• Rotação lateral da tíbia

Érika Cássia Barroso Batista 12


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

• Anteversão femoral

• Joelhos valgos ou varos

• Encurtamento do retináculo lateral

• Encurtamento dos músculos isquiotibiais e trato íliotibial.

O desequilíbrio dos estabilizadores dinâmicos da patela entre os músculos


vasto medial oblíquo (VMO) e vasto lateral (VL) é considerado o fator primordial
para o surgimento dos sintomas, alterando a cinemática patelar e contribuindo
para o aumento das forças de reação e compressão femoropatelar. O tratamento
conservador tem efetividade de 75-80% nos pacientes acometidos com a
síndrome da dor patelofemoral, os exercícios do método Pilates promovem o
equilíbrio neuromuscular através do ganho de força, resistência, flexibilidade e
propriocepção. Os exercícios devem dar ênfase no fortalecimento do VMO e da
ativação dos adutores.

A síndrome da dor patelofemoral é classificada por Outerbridge em IV graus:

• GRAU I - Amolecimento da cartilagem

• GRAU II - Áreas de fibrilação ou fissura, superfície irregular; fissuras em área


menor que 1,3 cm de diâmetro

• GRAU III - Áreas de fibrilação com fissuras que se estendem até o osso subcondral;
fissuras com diâmetro maior que 1,3cm

• GRAU IV - Exposição/erosão do osso subcondral

Érika Cássia Barroso Batista 13


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Figura 6: Graus da síndrome da dor patelofemoral

O paciente se queixa de dor difusa na região anterior do joelho e durante as


atividades diárias como subir, descer escadas e agachar. É incirreto afirmar que
todas as dores na região anterior do joelho são sintomas exclusivos da síndrome da
dor patelofemoral. A dor também pode ocorrer na permanência de longo período
sentado, sintoma conhecido como sinal do cinema, a crepitação está presente em
aproximadamente 62% da população.

Nos exercícios de Pilates em cadeia cinética fechada (CCF) a área de contato da


patela aumenta conforme o joelho se flexiona até 90°. As maiores compressões
em cadeia cinética fechada da articulação patelofemoral ocorre entre 60° e 90°

Érika Cássia Barroso Batista 14


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

e à medida que a flexão aumenta entre 90° e 120° o estresse diminui. Em CCF as
menores compressões acontecem até os 30° e acima dos 90°.

Já em cadeia cinética aberta (CCA) o maior estresse articular ocorre nos primeiros
30° e diminui a 90°. A menor quantidade de estresse em CCA ocorre entre 60° e 90°
de flexão. Os exercícios em isometria com elevação da perna retificada produzem
o mínimo de estresse sobre a articulação patelofemoral.

Figura 7: Estresse sobre a articulação do joelho em CCF e CCA

As repetições vão depender da manutenção dos princípios do Pilates, do


alinhamento correto e da força muscular do quadríceps, nos casos de dor e edema
a força máxima do quadríceps diminui.

Inicia-se com movimentos de pequenas amplitudes e poucas repetições


livres de dor, aumentando à medida que o aluno ganha consciência corporal e
habilidade motora. O importante é dar ênfase na qualidade do movimento e não
na quantidade.

Érika Cássia Barroso Batista 15


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

A pelve estabiliza o joelho minimizando o estresse articular da patelofemoral,


deve-se dar prioridade para fortalecer os músculos glúteos (médio e mínimo)
e rotadores externos (piriforme, gêmeo superior e inferior, obturador interno e
externo e quadrado femoral) e durante os exercícios evitar o valgo dinâmico, pois
aumenta a pressão sobre a patela.

A pronação excessiva do pé causa torção da tíbia e altera a tração do tendão


patelar que pode acentuar o valgo dinâmico, todas estas alterações biomecânicas
aumentam a força de compressão patelar. Um exercício simples que o aluno com
pé pronador pode realizar em domicílio ou em qualquer lugar é de elevar o arco
longitudinal medial do pé deixando a pressão no hálux apoiado no solo ou flexão,
abdução e adução somente dos dedos.

O fortalecimento e o alongamento dos músculos reto femoral, isquiotibiais,


tensor da fáscia lata e gastrocnêmios devem ser realizado, estes músculos quando
encurtados, tracionam a patela lateralmente. Também pode realizar no final ou
início da aula, a autoliberação miofascial através do foam roller dos músculos acima.

Figura 8: Liberação miofascial do trato íliotibial com foam roller

Érika Cássia Barroso Batista 16


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Os exercícios proprioceptivos são indicados nas fases tardias da reabilitação e


devem ser introduzidos com o mínimo de queixa de dor. O tempo estimado de
melhora da dor do aluno com a síndrome da dor patelofemoral é de 2 a 6 meses,
contudo, o trabalho de fortalecimento e alongamento muscular deve ser contínuo,
pois os sinais e sintomas retornarão assim que o aluno perder a estabilidade
dinâmica.

Apesar dos pacientes com síndrome da dor patelofemoral ter um bom resultado
com o tratamento conservador, nos casos que evoluem para o tratamento cirúrgico
é realizada a liberação do retináculo lateral e por via artroscópica, adicionalmente
pode ser realizado a terapia com plasma rico em plaquetas (PRP), outros
procedimentos cirúrgicos também podem ser realizados como a mosaicoplastia e
a patelectomia.

Os testes abaixo podem ser realizados com os alunos no estúdio de Pilates para
confirmar o diagnóstico médico. Cuidado ao realizá-los, pois eles podem aumentar
a dor na articulação femoropatelar.

ÂNGULO Q
O ângulo Q (quadríceps) é definido pelo ângulo do músculo quadríceps e o
tendão patelar, representa a força do quadríceps. O paciente fica em pé com os pés
e pelve em neutra e os membros inferiores alinhados, num ângulo reto. Passa uma
linha da espinha ilíaca ântero-superior até o ponto médio da patela, o quadríceps
deve estar relaxado durante o teste. Outra linha é traçada da tuberosidade da tíbia
até o ponto médio da patela. O ângulo formado pelo cruzamento dessas duas
linhas é o ângulo Q. Normalmente o ângulo Q é de 13° nos homens e 18° nas
mulheres (em função da pelve mais larga). Ângulos menores que 13° ou maiores
que 18° podem estar associados com a síndrome da dor patelofemoral. Este teste
pode ser realizado diretamente no paciente ou no RX. Alterações no ângulo Q

Érika Cássia Barroso Batista 17


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

pode não ser a causa primária da síndrome da dor patelofemoral, mas contribui
para a síndrome na presença de outras alterações.

Figura 9: Ângulo Q

TESTE DE APREENSÃO PATELAR


Paciente em decúbito dorsal com o joelho a 30° de flexão. Cuidadosamente e
lentamente o profissional desloca a patela lateralmente. Se o paciente parece
apreensivo e tenta contrair o quadríceps para trazer a patela de volta à posição
neutra, o teste é considerado positivo.

Érika Cássia Barroso Batista 18


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Figura 10: Teste de apreensão patelar

SINAL DE CLARKE
Paciente em decúbito dorsal com o joelho estendido, pressionar a patela para
baixo, em seguida é solicitado a contração do quadríceps. O teste é considerado
positivo se causar dor ou não consegue manter a contração. Pode-se testar em
diferentes graus de flexão: 30°, 60° e 90°.

Érika Cássia Barroso Batista 19


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Figura 11: Teste de Clarke

TESTE DE OBER
Este teste tem como objetivo verificar o encurtamento do músculo tensor da
fáscia lata (TFL).

Paciente em decúbito lateral com o quadril flexionado a 90°, o profissional realiza


uma leve abdução e uma extensão do quadril depois devagar solta a perna, se o
paciente manter a perna elevada o teste é positivo para encurtamento do músculo
tensor da fáscia lata.

Figura 12: Teste de Ober

Érika Cássia Barroso Batista 20


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS
NA SÍNDROME DA DOR
PATELOFEMORAL
A
revisão sistemática de Alba-Martín et al., (2015) avaliaram os efeitos
do tratamento conservador através de exercícios físicos e técnicas
fisioterapeuticas em pacientes com a síndrome da dor patelofemoral e
concluíram que os exercícios de facilitação neuromuscular proprioceptiva (FNP),
alongamentos e fortalecimentos dos músculos rotadores externos e abdutores do
quadril, assim como dos extensores do joelho foram efetivos na melhora da dor e
da função de pacientes com síndrome da dor patelofemoral.

Os estudos selecionados nesta publicação também concluíram que a combinação


de exercícios de fortalecimento para os rotadores externos, abdutores do quadril
e flexores de joelho apresentaram valores mais baixos para o nível de dor e função
quando comparados com os exercícios de fortalecimento isolado de quadríceps.

O estudo randomizado de Yilmaz et al., 2015 tiveram como objetivo avaliar


o efeito dos exercícios de estabilização postural (n=22) e os fortalecimentos
tradicionais de quadríceps e adutores (n=20) na dor, qualidade de vida e função
de pacientes com síndrome da dor patelofemoral.

Os autores concluíram que os exercícios adicionais de estabilização postural


com o fortalecimento dos músculos transverso do abdome, multífidos, assoalho
pélvico e diafragma foram capazes de diminuir a dor, aumentar a função, a força

Érika Cássia Barroso Batista 21


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

e a flexibilidade muscular em 12 semanas de tratamento. Em 6 semanas a dor


diminuiu em ambos os grupos, mas foi menor no grupo de estabilização postural.

O artigo de revisão de Nobre (2011) avaliou os efeitos dos exercícios em cadeia


cinética aberta e fechada na síndrome da dor patelofemoral e concluiu que ambas
cadeias promovem diminuição da dor e aumento da força muscular, todavia, os
exercícios em cadeia cinética fechada têm sido considerados mais funcionais para
a reabilitação de indivíduos com dor patelofemoral.

O estudo de Baldon et al., (2014) avaliaram os efeitos dos exercícios apenas para
quadríceps comparados com o treinamento de estabilização funcional de quadris,
joelhos e tronco e concluíram que os pacientes com síndrome da dor patelofemoral
se beneficiaram do último tipo de tratamento após 8 semanas. Os autores também
destacam que se deve incentivar o alinhamento de membros inferiores nas tarefas
diárias e enfatizam o fortalecimento de abdutores, extensores e rotadores laterais
de quadris em pacientes com diagnóstico de síndrome da dor patelofemoral.

Petersen et al., (2012) pesquisaram o efeito de órteses na estabilização patelar


na prevenção da lateralização da patela na síndrome da dor patelofemoral e
concluíram que os estudos são limitados e de baixa qualidade metodológica sobre
a eficácia das órteses que prometem estabilizar a patela.

Érika Cássia Barroso Batista 22


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

LESÃO MENISCAL
Os meniscos são essenciais para a estabilidade articular do joelho, absorção de
impacto, distribuição de forças de contato, lubrificação articular e propriocepção.

O menisco medial tem formato de “U”, enquanto o menisco lateral tem formato
de “C”, eles absorvem cerca de 50-60% das forças compressivas sobre os joelhos.

São compostos de fibrocartilagem (condrócitos imersos em fibras colágenas),


formado de 75% de colágeno tipo I.

Eles são avasculares, área conhecida de zona branca, exceto na porção mais
externa conhecida como zona vermelha - área de aproximadamente 25% da
periferia. As lesões meniscais centrais têm baixa regeneração por ser na zona
avascular/branca.

Figura 13: Vista superior dos meniscos

Érika Cássia Barroso Batista 23


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Figura 14: Zona vermelha e branca dos meniscos

O menisco medial está conectado ao ligamento colateral medial (LCM) e, muitos


pesquisadores associam a prevalência das lesões meniscais mediais ao fato deste
ser mais imóvel (se desloca entre 2-5mm) quando comparado com o menisco
lateral, este já não sofre muito impacto de posicionamento. Estima-se que 75%
das lesões ocorrem no menisco medial e 25% do menisco lateral, 5% dos pacientes
tem acometimento bilateral.

Depois da remissão dos sintomas agudos, devem ser feitos exercícios em CCF e
CCA para preparar o aluno para os movimentos funcionais.

Rupturas meniscais que ocorrem externamente tem mais chance de cicatrização


e se beneficiam com a técnica de reparo meniscal, infelizmente somente 20% das
lesões menicais são reparáveis. Se houver cirurgia de reparo meniscal o tempo de
reabilitação é mais prolongado.

Érika Cássia Barroso Batista 24


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Figura 15: Corno meniscal anterior, posterior e corpo.

Quando a lesão ocorre no corno posterior, geralmente está associada à


degeneração como em atividades repetitivas e de forças em flexão, enquanto
as rupturas lateral e anterior parecem estar associadas a trauma como corridas e
mudanças abruptas de direção mais comum em jovens durante a prática esportiva.

Os sinais e sintomas de lesão meniscal incluem: dor intermitente na região


transversal da articulação femorotibial, edema e bloqueio articular.

As lesões meniscais podem ser classificadas quanto a sua morfologia: oblíquas


ou “flap”; verticais ou longitudinais, incluindo “alça de balde” onde o fragmento
rompido pode bloquear a extensão total da articulação do joelho; lesões transversas
ou horizontais e degenerativas que acometem adultos acima de 40 anos. Cerca de
80% das lesões menicais são longitudinais ou oblíquas.

Érika Cássia Barroso Batista 25


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Figura 16: Tipos de lesões meniscais

As rupturas de menisco podem causar bloqueio agudo da articulação e dor na


interlinha articular principalmente na extensão e flexão máxima.

O tratamento de uma lesão meniscal depende da sua localização, estabilidade


articular, tamanho, tempo de ocorrência, idade e estilo de vida do paciente. Em
casos onde há estabilidade articular, o tratamento conservador pode ser mantido.

O Pilates é indicado como tratamento conservador e durante o pós-operatório,


os exercícios são supervisionados e planejados individualmente e como resultado
melhoram a força muscular, flexibilidade e a propriocepção, diminuindo a pressão
intra articular. Caso os sinais e sintomas persistam, o paciente é indicado para
o tratamento cirúrgico, para evitar a evolução para a osteoartrose, perda da
funcionalidade e da qualidade de vida. As cirurgias têm evoluído bastante nos
últimos anos e o tipo de cirurgia está relacionada ao tempo de reabilitação e aos
cuidados com o paciente no pós-operatório.

Érika Cássia Barroso Batista 26


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

No reparo meniscal ocorre a sutura da área lesionada, geralmente a cirurgia


é indicada para pacientes jovens, com comprometimento na área vascular/
zona vermelha, apresentando melhores respostas à cicatrização. O processo de
reabilitação nestes casos é mais longo e o paciente retorna às suas atividades
normalmente após 4-6 meses. O profissional deve ter cuidado com a reabilitação e
respeitar as fases de reparo. Quanto mais precoce a realização do reparo meniscal
melhor é o prognóstico. A complicação desta cirurgia é a aderência do nervo
safeno tanto pós-operatório quanto durante a cicatrização por aderências.

Na meniscectomia parcial ou total é retirada a parte do menisco lesionada ou a


retirada total do menisco, esta última cirurgia é pouco realizada pois aumentam as
chances de evoluir para a osteoartrose de joelho, uma patologia abordada a seguir.
A liberação para atividades após a meniscectomia ocorre entre 4 – 6 semanas.

Os testes abaixo podem ser realizados no estúdio de Pilates para confirmar o


diagnóstico médico de lesão meniscal, todavia, o padrão ouro para o diagnóstico
médico é a ressonância magnética (RN) com acurácia de 90-95%.

TESTE DE MCMURRAY
Identifica a lesão do corno posterior do menisco. Com o paciente em decúbito
dorsal, os quadris a 90º e os joelhos em flexão máxima, o examinador ao lado
do joelho a ser examinado palpa a interlinha articular com uma das mãos e, com
a outra, segura o pé do paciente, provocando movimentos de rotação interna
e externa da perna, alternadamente. A presença de dor com ou sem estalidos,
junto à interlinha articular medial após rotação externa, pode caracterizar lesão
do menisco medial. Quando se realiza rotação interna com sintomatologia junto à
interlinha articular lateral, pode caracterizar a lesão do menisco lateral.

Érika Cássia Barroso Batista 27


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Figura 17: Teste de McMurray

TESTE DE APLEY
Paciente em decúbito ventral com o joelho flexionado a 90º. O examinador roda
a tíbia lateral e medial. Aplica-se uma força axial junto ao pé à medida em que se
realiza-se rotação interna e externa da perna. As lesões são caracterizadas pela
presença de dor ou estalidos junto às interlinhas articulares durante a fase de
compressão de teste, para o menisco medial em rotação externa e para o menisco
lateral em rotação interna.

Érika Cássia Barroso Batista 28


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Figura 18: Teste de Apley

PILATES NO PÓS-OPERATÓRIO DE LESÃO MENISCAL


Os tratamentos da lesão meniscal são três: não cirúrgico, reparo meniscal e
meniscectomia parcial. Os fatores que determinam o tipo de tratamento são: idade,
comorbidades, tipo de lesão e complicações. Pacientes idosos tendem a realizar o
tratamento não cirúrgico. A meniscectomia parcial é indicada nos casos de lesão
na área avascular e com sinais limitantes para restaurar a funcionalidade, já o
reparo de menisco é indicado para lesão na área vascular (periférica), geralmente

Érika Cássia Barroso Batista 29


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

esta cirurgia é mais indicada para pacientes jovens que após 2 anos tem 80% de
sucesso do tratamento. Durante as 3 primeiras semanas, o paciente permanece
com uma órtese para que o joelho fique em extensão durante a noite e após 6-8
semanas a órtese é removida.

O profissional deve focar no alongamento de quadríceps e mobilização da


articulação femorotibial para ganhar amplitude de movimento em flexão. Os
exercícios não devem produzir dor ou edema em qualquer fase da reabilitação.

A fase de proteção articular acontece entre a 4ª – 12ª semana de PO.

Nas 4 primeiras semanas de PO não se deve realizar flexões acima de 45 graus e,


a partir da 8ª semana de PO não realizar exercícios entre 60-70 graus de flexão, pois
impõe forças de translação sobre o menisco. Adiar as flexões do joelho por cerca
de 8 semanas de PO. Não fazer exercícios que envolvam agachamentos profundos
pelo menos durante 4-6 meses.

Enfatizar exercícios de estabilização de tronco e progredir com exercícios de


fortalecimento de quadril e tornozelo, com ênfase no fortalecimento de abdutores
e extensores do quadril.

Após 16 semanas evoluir com exercícios funcionais e de coordenação com


alinhamento correto de tronco e de membro inferiores.

Os exercícios de propriocepção e de equilíbrio podem ser realizados assim que o


paciente realizar a descarga de peso total. Também são adicionados os exercícios
de fortalecimento de quadríceps como miniagachamentos em isometria,
concêntrico e excêntrico. Os exercícios em cadeia cinética aberta somente serão
realizados após a 6ª ou 8ª semana de PO.

A partir do 6º mês de PO pode evoluir para exercícios funcionais para as atividades


exercidas pelo paciente.

Érika Cássia Barroso Batista 30


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS NA LESÃO MENISCAL


Kak, Park & Park (2015) avaliaram o efeito do glúteo médio em pacientes com
lesão meniscal após a artroscopia. Foram 24 indivíduos divididos em dois grupos:
experimental (exercícios de fortalecimento de glúteo médio com abdução de
quadris, n=12) e grupo controle (n=12).

Após 8 semanas foi possível observar no grupo experimental o aumento da força


de extensão de joelho de 40% comparada com aumento de 31% do grupo controle
e aumento da força de flexão de joelho de 31% comparado com o grupo controle
com 18%, comprovando que o músculo glúteo médio controla o movimento do
fêmur e estabiliza a pelve, gerando maior força muscular dos músculos extensores
e flexores de joelhos.

O estudo de Howell et al, 2014 afirmam que no tratamento conservador os


exercícios físicos são o foco da lesão meniscal, através do ganho da amplitude de
movimento, alongamento de isquiotibiais, fortalecimento de músculos do quadril
e joelho, além dos exercícios proprioceptivos.

Érika Cássia Barroso Batista 31


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

GONARTROSE
A
gonartrose também é conhecida como osteoartrose (OA) ou osteoartrite
do joelho, ela é a doença que mais afeta as articulações que sustentam
o peso corporal, aproximadamente 33% das pessoas acima de 65 anos
apresentam evidências radiológicas de OA e sua incidência aumenta com a idade.
No Brasil estimasse que o número de pessoas acometidas com doenças articulares
cresce 20% a cada ano, e 35% dos casos acomete o joelho.

A OA é classificada de acordo com sua causa em primária ou secundária:

• Primária ou Idiopática: em que a causa é inespecífica. Ela é a mais comum,


têm forte relação com a obesidade e com o aumento da idade.

• Secundária: é a artrose que ocorre após um trauma, lesão ligamentar ou


meniscal do joelho, sequela de infecções ou outras doenças locais ou sistêmicas,
como o lúpus, a artrite reumatóide, hemofilia e gota.

Embora a cartilagem articular contenha 8 tipos de colágeno, o mais abundante


é o colágeno tipo II. A cartilagem possui uma relativa capacidade de regeneração,
todavia, extremamente baixa. A matriz extracelular é composta por 60%-80% de
água em função da quantidade de proteoglicanos e 80% do seu peso seco é de
colágeno tipo II.

Érika Cássia Barroso Batista 32


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Figura 19: Propriedades da cartilagem articular

Quando um peso é descarregado sobre a articulação, a força de compressão


sobre a cartilagem articular libera água retida na matriz extracelular através
dos proteoglicanos, composto de glicosaminoglicanas (GAGs). Se a descarga de
peso continua, as camadas inferiores da cartilagem com presença de colágeno
asseguram a proteção contínua, conhecida como fase sólida da aceitação da carga.

À medida que envelhecemos a cartilagem fica menos espessa e mais quebradiça,


produzindo a degeneração da superfície articular. Depois que a cartilagem sofre
degeneração, a próxima estrutura envolvida é o osso subcondral.

Érika Cássia Barroso Batista 33


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Figura 20: Propriedades dos proteoglicanos

A cartilagem articular não apresenta inervação, mas no osso e ligamentos ao


redor da articulação sim, por isso a dor evolui com a progressão da doença.

Como dito anteriormente, a OA é a doença reumatológica mais prevalente


nos indivíduos acima de 65 anos e os exercícios podem aumentar a força, a
flexibilidade muscular e diminuir o estresse na articulação do joelho, diminuindo
a dor e melhorando a função dos pacientes.

Érika Cássia Barroso Batista 34


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Figura 21: Degeneração da cartilagem articular

A cicatrização da cartilagem articular depende de:

- A profundidade da lesão

- A maturidade da cartilagem e

- A localização da lesão

Érika Cássia Barroso Batista 35


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Os pacientes acometidos com OA queixam-se de dor articular profunda,


limitação da amplitude de movimento principalmente no início da deambulação,
fraqueza muscular e perda da qualidade de vida, levando até a incapacidade física
principalmente quando atinge articulações de descarga de peso como joelho e
quadril. É mais frequente em mulheres acima dos 40 anos e pós-menopausa. Os
hormônios sexuais femininos têm ação na produção de condrócitos e osteoblastos,
por isso é mais frequente a OA em mulheres pós-menopausada.

No joelho acomete principalmente a porção medial da articulação. Desenvolve-


se deformidade no joelho em varo. A sensação que o joelho está deslocando ou
faseando é comum entre os sintomas e crepitações.

Figura 22: Deformidade da OA de joelho

Iniciar com exercícios isométricos em vários ângulos, os exercícios realizados


em cadeia cinética aberta ou fechada devem ser na amplitude livre de dor, a
progressão deve ser moderada tanto de carga quanto de repetições. Os exercícios
não devem exacerbar os sintomas. Alguns alunos sentirão dor se a velocidade for

Érika Cássia Barroso Batista 36


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

baixa, nestes casos, aumentar a velocidade e muitas vezes diminuir a resistência.

REALIZAR EXERCÍCIOS ISOMÉTRICOS COM FOCO NOS


MÚSCULOS QUADRÍCEPS E ISQUIOTIBIAIS.
À medida que o aluno evolui realizar exercícios funcionais como subir e descer
da box, subir e descer de lado etc. Como o exercício going up front na chair, o
movimento deve ser sempre indolor.

Figura 23: Exercício Going Up na chair com disco de rotação

É importante fortalecer os músculos do quadril e tornozelo, eles também


dissipam as forças impostas ao joelho.

Agachamentos são permitidos desde que o aluno não sinta dor durante a
execução. Pode realizar agachamentos com a bola suíça na parede e sobre o bosu.

Érika Cássia Barroso Batista 37


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Na presença de dor articular e de edema ocorre inibição reflexa dos músculos


estabilizadores e fraqueza por desuso levando ao suporte inadequado da
articulação do joelho, aumentando a suscetibilidade aos traumas. Por isso o bom
suporte muscular protege a articulação artrítica.

Na OA o equilíbrio também fica comprometido em função dos impulsos


sensoriais alterados ou diminuição dos fusos musculares. A propriocepção e o
equilíbrio devem ser realizados na amplitude livre de dor.

O grau de dor é suficiente para comprometer as atividades de vida diária como


a marcha, diminuindo a qualidade de vida. As causas da OA são multifatoriais:
excesso de peso, trauma articular, deformidades no desenvolvimento, fraqueza de
quadríceps e rotação medial da tíbia.

Os pacientes devem ter consciência que a dor pode variar a cada dia. Se possível
realizar os exercícios no período vespertino ou noturno uma vez que a dor e a
rigidez matinal estão presentes na OA. Caso os exercícios sejam avançados para o
aluno, este irá sentir aumento da dor entre 1-2h após o Pilates.

Na OA de joelho, não somente os músculos que atravessam esta articulação


estão fracos, o fortalecimento lombopélvico e de tornozelos deve ser incentivado,
nestas articulações é possível observar a hipomobilidade.

A OA se desenvolve lentamente em respostas às sobrecargas mecânicas, no


RX evidencia a alteração da arquitetura articular, diminuição do espaço articular,
formação de osteófitos, esclerose do osso subcondral e nos exames de ressonância
ou artroscopia é possível observar a degradação da cartilagem. A OA pode
acometer mais de uma articulação.

Érika Cássia Barroso Batista 38


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Figura 24: Sinais radiológicos da OA do joelho

Figura 25: Alterações anatômicas da OA do joelho

Érika Cássia Barroso Batista 39


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Outros sinais são a rigidez matinal, aumento da dor articular com o apoio de
peso, crepitação e perda da amplitude de movimento.

TRATAMENTOS ADICIONAIS DA GONARTROSE


Os suplementos condroprotetores orais como condroitina e glicosamina
apresentam resultados na diminuição da dor, melhora da mobilidade e com
poucos efeitos colaterais, mas não há consenso científico sobre a sua eficácia.
Estas substâncias ajudam a manter a quantidade de água na matriz extracelular, à
medida que a doença evolui, o paciente recorre a outros métodos para a analgesia.

O transplante autólogo de condrócitos é um tratamento cirúrgico recente e de


alto custo, onde são implantados condrócitos na zona da cartilagem articular. As
células são retiradas do doador e cultivadas em laboratório para a sua proliferação
por 21 dias e reimplatadas no doador.

O plasma rico em plaqueta (PRP) é outro tratamento realizado na OA, consiste na


retirada de concentrados de plaquetas do próprio sangue do paciente. O coágulo
de plaquetas com alta concentração de fatores de crescimento liberada pelas
plaquetas potencializa a proliferação dos condrócitos e a produção de matriz
cartilaginosa extracelular, aumentando a celularidade, a qualidade e quantidade
do tecido cartilaginoso e serve como estrutura de base. Este tratamento não tem
unanimidade comprovada sobre a sua eficácia, contudo, alguns estudos sugerem
a eficácia clínica no uso do PRP para lesões de cartilagem com melhora da dor e
da função.

Nos casos em que o tratamento conservador é incapaz de controlar os sinais


e sintomas da OA, o médico pode indicar o tratamento cirúrgico. O tipo de
procedimento depende de vários fatores como a idade, nível de atividade, grau

Érika Cássia Barroso Batista 40


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

de destruição articular, deformidade e restrição da mobilidade. Uma das cirurgias


realizada na OA é a artroplastia parcial ou total do joelho cimentada ou não
cimentada.

Na artroplastia total são substituídas por prótese as áreas de contato articular:


tíbia, fêmur e algumas vezes o recapeamento da patela é realizado. Na parcial
apenas um dos componentes são substituídos por prótese: fêmur ou tíbia.

Figura 26: Degeneração da cartilagem articular e evolução para a artroplastia

O tipo de fixação pode ser cimentada onde a prótese é fixada co cimento ósseo
e, permite descarga de peso total logo após a cirurgia, também não requer a troca
da prótese por aproximadamente 20 anos. Já na não cimentada, facilita a troca
da prótese geralmente realizada em pacientes mais jovens, contudo, os cuidados
com este tipo de cirurgia são maiores, uma vez que se tem de respeitar as fases de
reparo ósseo. A descarga de peso acontece com a liberação médica em torno da
6ª semana de pós-operatório.

Érika Cássia Barroso Batista 41


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

A incisão é feita anteriormente pelo método tradicional ou minimamente


invasivo. Não há restrições quanto ao modo de sentar após a artroplastia de
joelho, diferente do que acontece quando a cirurgia é no quadril. A caminhada
com dispositivos auxiliares ou não, e os exercícios isométricos são realizados no
dia seguinte à cirurgia.

O tratamento pós-cirúrgico irá depender do tipo de cirurgia, tipo de fixação da


prótese, do tempo em que foi feita e da amplitude de movimento atual. Além
disso, a reabilitação deve ser cuidadosa e progredir com cautela para proteger o
reparo ou enxerto, respeitando as fases do processo de cicatrização.

PILATES NO PÓS-OPERATÓRIO DE OSTEOARTROSE


No pós-operatório geralmente os exercícios do Pilates são liberados após 2
semanas até 3 meses de pós-operatório e os objetivos são: manter e melhorar a força
do membro contralateral, recuperar a amplitude de movimento pré cirurgia, evitar
a contratura em flexão, melhorar a estabilidade do tronco e promover a mobilidade
funcional. O movimento mais importante a ser recuperado é a extensão de joelho.

Deve-se dar ênfase ao fortalecimento dos músculos posteriores da coxa,


quadríceps, extensores de quadril e abdutores. É comum a fraqueza muscular dos
flexores plantares e flexores dorsais do tornozelo.

Os exercícios de resistência muscular com cargas mais elevadas começam a partir


da 4ª a 6ª semana de pós-operatório. A partir da fase de apoio de peso total, o aluno
pode realizar exercícios proprioceptivos com o uso de acessórios como o bosu.

Professores de Pilates habilitados podem realizar a mobilização articular das


articulações adjacentes como a femoropatelar e a tibiofibular proximal, uma vez
que estas podem apresentar rigidez.

Érika Cássia Barroso Batista 42


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

O Pilates é um exercício seguro, no qual são recrutados músculos profundos e


globais. A estabilidade lombopélvica melhora a dor dos alunos acometidos com
a OA de joelho. O planejamento dos exercícios deve ser individualizado, levando
em consideração a idade e comorbidades do aluno.

A força do quadríceps tem papel importante na preservação do nível de atividade


e diminuição do risco da OA progressiva. É preferível fazer exercícios em CCA e
com cargas mais leves, caso o aluno sinta dor durante a execução do movimento,
solicitar que aumente a velocidade do exercício.

Atividade de alto impacto deve ser evitada, como os saltos no Reformer,


o professor deve atentar para a deformidade articular e se a biomecânica está
inapropriada para a tarefa, nestes casos a maioria dos alunos sente dor durante ou
após a aula.

O professor deve encorajar os alunos com OA de joelho a reduzir de peso, uma


vez que 500g de peso a menos gera diminuição da pressão sobre a articulação
de aproximadamente 1500g. Um excelente aliado do Pilates é a hidroterapia ou
qualquer outra atividade aquática, isto porque as propriedades físicas da água
aumentam a decoaptação articular e promovem a drenagem linfática pela
pressão hidrostática. Ou exercício aeróbio sem impacto para o condicionamento
cardiorrespiratório. Em geral os pacientes submetidos à cirurgia retornam sua vida
normal entre 8 a 10 semanas e em até 4 a 6 meses de pós-operatório.

EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS NA OSTEOARTROSE


A revisão sistemática de Duarte et al., (2013) teve como objetivo avaliar se os
exercícios físicos melhoram os sintomas da OA de joelho em pacientes acima de
50 anos. 101 artigos foram selecionados e os autores concluíram que os exercícios

Érika Cássia Barroso Batista 43


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

físicos mais benéficos na melhora dos sintomas da OA foram os aquáticos,


isocinéticos, treinamento de força muscular, caminhada, além da educação do
paciente.

Jegu et al. (2014) compararam os efeitos do fortalecimento muscular de


quadríceps no aparelho isocinético Cybex 6000 através de exercícios concêntrico
e excêntrico na OA de joelho e após 6 meses os autores concluíram que o exercício
excêntrico teve superioridade no aumento de força de quadríceps em comparação
com o exercício concêntrico. De modo que na reabilitação, se pode dar mais
prioridade a um treinamento excêntrico em pacientes com osteoartrose do joelho.

Lange et al., (2008) na sua revisão sistemática, confirmam que na literatura


científica, os exercícios especialmente de fortalecimento muscular são benéficos
na melhora da função física de pessoas com osteoartrose de joelho.

Érika Cássia Barroso Batista 44


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

PROPRIEDADES DO
LIGAMENTO
O ligamento é classificado como tecido conjuntivo regular denso constituído
por colágeno. A maioria dos ligamentos é denso, pouco vascularizado e com fibras
em paralelo.

As principais funções do ligamento são: união de ossos para formar articulações;


Restrição de movimentos articulares; Manutenção da congruência e estabilidade
articular e promovem mecanismo sensorial articular.

Sua constituição é de um terço de água, colágeno, elastina, proteoglicanos e


fibroblastos. O colágeno é o componente seco mais abundante (80%) e existem no
mínimo 18 tipos de colágeno no corpo humano. Nos ligamentos, tendões e ossos
predominam o colágeno tipo I que fornece força e resistência para o ligamento,
resistente à carga tênsil.

Os proteoglicanos são os principais componentes da matriz extracelular (MEC)


e resistem às cargas compressivas e constituem cerca de 1% do peso seco do
ligamento. Os proteoglicanos são formados por glicosaminoglicanos (GAGs) como
o sulfato de condroitina, sulfato de glicosamina, de queratina e ácido hialurônico

A elastina é uma proteína hidrofóbica com alto grau de extensibilidade quando


a força imposta é pequena e gradual. A maioria dos ligamentos contém 5% de
elastina.

Outras proteínas são essenciais na cicatrização do ligamento em caso de lesão,


dentre elas a tenascina, fibronectina e laminina, elas formam a rede de defesa

Érika Cássia Barroso Batista 45


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

e reparam o ligamento após lesão assim como as células inflamatórios como os


neutrófilos e macrófagos que são fundamentais no processo de reparo. Após a
fase inflamatória e de proliferação celular, a última fase é a de remodelação onde
o colágeno tipo III é convertido de colágeno tipo I, esta etapa pode durar até 18
meses para o ligamento se reparar completamente.

LIGAMENTO E DEFORMAÇÃO DE CARGA


O gráfico abaixo representa a força tênsil dos ligamentos quando empregada a
carga constante deformado até a falha/ruptura.

A primeira fase conhecida como fase toe é caracterizada pelo aumento


desproporcional do alongamento do ligamento, a força é absorvida pela ondulação
do colágeno, à medida que a carga progride ocorre o alinhamento do colágeno
para suportar a carga. A tensão é de aproximadamente 4% e está dentro do limite
funcional suportado.

Na fase II chamada de linear, as fibras de colágeno estão mais alongadas e


paralelas umas às outras. Se a carga é removida nesta região, o ligamento retorna
ao seu comprimento original sem dano permanente.

Na fase III conhecida como microfalha, ocorre a ruptura parcial das fibras de
colágeno e a força é redistribuída para as fibras remanescentes, o que aumenta a
tendência das fibras se romperem.

Na fase IV chamada de falha total, encerra-se a fase de absorção de energia com


a força tênsil final e ruptura completa das fibras de colágeno.

Érika Cássia Barroso Batista 46


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Figura 27: Força de tensão ligamentar

Nas atividades diárias usamos cerca de 30% do potencial total do ligamento,


fatores externos e internos interferem na força tênsil do ligamento como: idade,
frequência de esforço e direcionamento de carga.

Os mecanismo de lesão dos ligamentos são classificados em:

• Trauma de contato ou direto;

• Carga dinâmica;

• Overuse;

• Vulnerabilidade estrutural;

Érika Cássia Barroso Batista 47


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

• Baixa flexibilidade;

• Desequilíbrio muscular; e

• Estirão do crescimento.

Lesões do ligamento comprometem a estabilização da articulação, a capacidade


de limitar os movimentos e também produz diminuição proprioceptiva. Pode
acontecer com uma dose de carga que é além da tensão fisiológica ou por causas
cumulativas e baixo tempo de recuperação.

LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR


Os ligamentos cruzados anterior e posterior são intracapsulares. Eles atuam
promovendo a estabilidade articular e são limitadores de movimento.

No joelho saudável os estabilizadores estáticos e dinâmicos proporcionam


sustentação. Os estabilizadores estáticos são ligamentos, meniscos e cápsula
articular. Essas estruturas proporcionam estabilização à articulação dos tecidos
capsuloligamentares e desempenham importante papel sensitivo, pois detectam
a posição e movimento articular.

O ligamento cruzado anterior (LCA) é o principal limitador do deslocamento da


tíbia anteriormente e da rotação externa da tíbia em flexão, junto com o ligamento
cruzado posterior limitam a rotação, o LCA é o ligamento que mais frequente sofre
torções. Entre 30-60 graus de flexão do joelho o ligamento é menos estressado
e maior estresse acontece em 90 graus de flexão e na extensão completa. O LCA
tem baixa capacidade de regeneração quando rompido, geralmente indicando o
tratamento cirúrgico, a última fase de reparo - a remodelação dura entre 12 a 18
meses, mesmo assim a força de tensão é inferior ao ligamento pré-lesão, alcançado

Érika Cássia Barroso Batista 48


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

a funcionalidade de 91%. Tanto na lesão do LCA quanto no reparo ligamentar ocorre


a perda dos mecanorreceptores (proprioceptores) como os receptores de Golgi.

Figura 28: Vista anterior dos ligamentos cruzado anterior e posterior

Érika Cássia Barroso Batista 49


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Cabe salientar que a imobilização prolongada impede a organização do colágeno,


e os ligamentos respondem aos exercícios sintentizando colágeno e aumentando
a força ligamentar pós-lesão.

As lesões do LCA podem ser parciais ou totais, 70% das lesões do LCA ocorrem
por trauma indireto como a desaceleração aguda em extensão, mudança de
direção ou na aterrissagem do salto. Outro mecanismo de lesão do LCA é durante
a desaceleração quando o indivíduo fica com o pé no chão e promove uma força
de rotação do joelho, ou seja, é ocasionado por uma hiperextensão, ou ainda,
rotações com o pé fixo no chão, onde frequentemente são observadas também
lesões de ligamento colaterais e mediais, 30% das lesões por trauma direto como
a força lateral levando o joelho ao valgo.

As lesões do LCA podem ser graduadas em graus:

I- Lesão leve, com presença de edema, sensibilidade local, com rompimento


de alguns ligamentos sem perda funcional.

II- Lesão do tipo moderada, grande parte dos ligamentos encontram-se


rompidos seguido de instabilidade articular, não demonstrando perda completa
da integridade do ligamento.

III- Lesão grave com rompimento completo das fibras ligamentares.

Quando o LCA é lesionado, com frequência outras estruturas também são


lesionadas como o ligamento colateral medial (LCM) e/ou o menisco medial,
quando as três estruturas sofre lesão, o trauma é conhecido como tríade infeliz.
Neste caso a reabilitação pós operatória é mais prolongada.

Érika Cássia Barroso Batista 50


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

TRATAMENTO CIRÚRGICO DO LCA


Os fatores que indicam a cirurgia do LCA incluem:

• Idade

• Nível de atividade e alto risco de recidiva.

• Episódios frequentes de falseamento (flexão abrupta)

• Lesão de outras estruturas como menisco medial e LCM

• Desejo de retornar às atividades pré-lesão e

• Instabilidade do joelho causada pela ruptura parcial ou total

Na maioria das vezes o LCA precisa de reconstrução cirúrgica. Esta é feita por
artroscopia e o médico cirurgião utiliza como autoenxertos o terço central do

Figura 29: Auto enxerto do tendão patelar

Érika Cássia Barroso Batista 51


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

ligamento da patela ou do tendão da musculatura isquiotibial ou aloenxertos.

A cirurgia é indicada logo após a remissão do quadro inflamatório. O autoenxerto


do tendão patelar na porção média é considerado “padrão ouro” para a reconstrução
do LCA. A força e a rigidez são similar ao LCA, apresenta rápida revascularização
(aproximadamente 6 semanas) e boa habilidade de retornar ao estágio de pré
lesão. As desvantagens deste tipo de enxerto são: dor anterior no joelho e ao
ajoelhar e fraqueza do quadríceps a longo prazo.

O autoexerto com tendão do semitendíneo-grácil apresentam menos


complicações no local doador, as vantagens são força e resistência maior que o
LCA. As desvantagens são: tempo de cicatrização mais longo - aproximadamente
12 semanas, alguns relatam a frouxidão do enxerto pós a cirurgia e perda de força
dos flexores de joelho.

Figura 30: Reconstrução do LCA

Érika Cássia Barroso Batista 52


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Em casos remanescentes de autoenxerto pode ser realizado o aloenxerto


principalmente nos

pacientes jovens, os aloenxertos cicatrizam mais lentamente que os autoenxertos.

A fisioterapia deve ser iniciada logo após a cirurgia. O tempo de pós-operatório,


para recuperação total do atleta, ou do individuo não atleta é o mesmo, variando
de seis a oito meses para retorno à sua atividade normal. Muito tem se falado
em retorno precoce e reabilitação acelerada, mas devemos sempre respeitar a
anatomia e o tempo de recuperação do ligamento.

TESTES ESPECIAIS
Cuidados ao realizar os testes abaixo, o examinador deve utilizar um ou dois
testes para resultado mais acurado; a direção da instabilidade não indica apenas a
lesão unidirecional, considerar que estruturas adjacentes são também lesionadas;
testar o joelho não comprometido primeiro para referência do avaliador; aplicar
a mesma força bilateralmente; deve ser evitado a repetição nos testes rotacionais
pois podem lesionar a cartilagem, menisco e aumentar a lesão ligamentar.

GAVETA ANTERIOR
Em decúbito dorsal com o joelho em 90º de flexão, o examinador senta sobre o
pé do paciente e com as duas mãos apoiadas na região posterior do terço superior
da tíbia, traciona-a anteriormente. É positivo quando percebe-se a anteriorização
da tíbia durante a execução, sem a sensação do “end fell” que o ligamento íntegro
produz. Varia de 33% a 70% de positividade. Não é um bom teste na fase aguda.

Érika Cássia Barroso Batista 53


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Deve ser realizado com a tíbia em neutra e nas rotações interna e externa.

Figura 31: Teste da gaveta anterior

TESTE DE LACHMANN
Deve ser realizado comparativamente com o lado contralateral. Em decúbito
dorsal e joelho flexionado a 30º, segura-se com uma das mãos o fêmur e com a outra
desloca-se anteriormente a tíbia, provocando o deslizamento entre as superfícies
articulares. Como LCA íntegro o examinador percebe uma interrupção abrupta da
anteriorização da tíbia. O sinal positivo é caracterizado pela interrupção suave do
movimento sugestivo de ruptura do ligamento.

Érika Cássia Barroso Batista 54


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Figura 32: Teste de Lachmann

As imagens apresentadas pela ressonância magnética auxiliam no diagnóstico


da lesão do ligamento cruzado anterior, além de ser um exame fidedigno e não
ser invasivo.

Érika Cássia Barroso Batista 55


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

TRATAMENTOS ADICIONAIS NA LESÃO DO LCA


O plasma rico em plaquetas (PRP) e as células-tronco mesenquimais promovem
a aceleração do tempo de reparo ligamentar. No entanto o PRP não impede o
alargamento da reconstrução ligamentar. Também não se sabe se os efeitos dele
são anabólicos, catabólicos ou inibidores e, como pode influenciar o percurso da
recuperação, mais estudos devem ser realizados para comprovar a eficácia.

Exercícios de estabilização de tronco associados às atividades funcionais


diminuem o impacto articular e previnem lesões. Rodriguez- Roiz et al., relataram
que 91,9 % dos pacientes retornaram à atividade esportiva regular e 75 %
retornaram dentro do primeiro ano pós-operatório.

PILATES NO PÓS OPERATÓRIO DO LCA


A partir da 6ª até a 8ª semana o paciente deve alcançar a amplitude de movimento
completa. Entre a 8ª e a 12ª semana os exercícios de fortalecimento devem
progredir, como exercícios para os músculos isquiotibiais isométrico, concêntrico
e excêntrico, alongamentos de glúteos também devem ser realizados.

Deve-se incluir exercícios de equilíbrio sobre superfícies instáveis para a


ativação de músculos estabilizadores. Estudos comprovam que o treinamento
proprioceptivo acelera a em até 5 vezes a reabilitação quando comparado com o
treinamento convencional. Tanto na lesão ligamentar quanto na cirurgia, ocorre
a perda dos proprioceptores por isso são preconizados exercícios de equilíbrio e
propriocepção através do treino sensório motor.

A ênfase no fortalecimento muscular deve ser dada à cadeia posterior: isquiotibiais


e tríceps sural, pois são músculos que impedem a anteriorização da tíbia.

Érika Cássia Barroso Batista 56


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Cuidado com exercícios que anteriorizam a tíbia como a ponte com os MMII em
extensão sobre a bola suíça. A flexão total de joelho deve ser prioridade entre 40 e
60 dias mesmo nos casos de dor.

EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS NA LESÃO DO LCA


O estudo de Lee et al., (2016) avaliaram o efeito do protocolo acelerado de
reabilitação pós reconstrução do LCA em 16 jogadores de futebol do ensino
médio. Os exercícios do grupo intervenção (n=8) foram realizados em 2 dias de
PO e foi composto de 4 fases: 1. Controle do edema e inflamação; 2. Aumento da
ADM; 3. Aumento da força e 4. Melhora do equilíbrio e agilidade. Os exercícios
foram realizados durante 2h, 5x/semana. Oito dos participantes foram do grupo
controle. O grupo intervenção teve melhora da força isométrica nos graus 30 e 60
com efeitos positivos sobre o desempenho na recuperação de pacientes com uma
lesão do LCA e seu retorno ao esporte quando comparados com o grupo controle.

Após a lesão do LCA e reconstrução ligamentar ocorre inibição do quadríceps e


hiperatividade do isquitibial e tríceps sural, particularmente do sóleo.

O estudo de Czaplicki, Jarocka & Walawski (2015) teve como objetivo avaliar
o torque flexor e extensor (isquiotibiais e quadríceps) de 29 homens pré e pós-
cirurgia de reconstrução do ligamento cruzado anterior. E concluíram que após 6
e 12 meses tanto a força dos músculos flexores quando dos extensores do joelho
foi menor quando comparado ao membro inferior saudável. Os autores também
concluíram que 12 meses foi insuficiente para retornar ao esporte. Segundo os
autores, estes resultados biomecânicos são de relevância clínica, uma vez que
avaliou o progresso da reabilitação e incentiva a implementação de modificações
necessárias para a otimização de força no treinamento destes grupos musculares.

Jalali et al., 2015 avaliaram e efeito da órtese no joelho para evitar a translação
anterior da tíbia durante o exercício de afundo através da vídeo fluoroscopia e

Érika Cássia Barroso Batista 57


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

concluíram não houve diferença significativa na estabilização articular com ou


sem órtese de posicionamento durante a flexão de joelho em 0°, 15°, 30°, 45° e 60°
nos pacientes com lesão do LCA.

O estudo de Laible & Sherman (2014) destacou os fatores de risco responsáveis


pela lesão no LCA e com o prevenir a lesão:

• Fraqueza por alongamento dos isquiotibiais;

• Anteriorização pélvica;

• Fadiga muscular;

• Diminuição da propriocepção e força dos músculos do core/powerhouse;

• Aumento da dorsiflexão do tornozelo; e

• Diminuição dos ângulos de flexão de joelhos, quadris e tronco.

Durante as atividade esportivas o que predispõe à lesão do LCA:

• Pivot;

• Aterrissagem sem flexão de joelho;

• Aterrissagem com valgo de joelho; e

• Aterrissagem com os pés planos.

Os autores afirmam que múltiplos programas de exercícios são mais efetivos


para a prevenção como: Pliometria dos membros inferiores , equilíbrio dinâmico,
consciência corporal, controle de tronco, aumento da força de isquiotibiais,
alongamento muscular e treino proprioceptivo.

Érika Cássia Barroso Batista 58


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO


O pé e o tornozelo são estruturas complexas que exercem impacto em todo o
membro inferior como joelho e quadril. Existem 26 ossos no pé e 33 articulações
juntamente com vários músculos intrínsecos e extrínsecos.

Lesões nestas estruturas podem afetar a eficiência da biomecânica na propulsão


na marcha. Aproximadamente 80% da população apresenta problema no pé.

O pé tem com função propulsão e suporte, na primeira atua como uma alavanca
flexível na fase de impulsão e na segunda, como uma alavanca rígida que suporta
o corpo inteiro com o mínimo de esforço muscular.

O pé se adapta às diferentes superfícies irregulares, absorve impacto, dissipa


forças de cisalhamento, compressão, rotação e tração.

Durante a marcha a carga sobre o pé é de 1.2 x PC, na corrida é de 2 vezes o peso


corporal e nos saltos acima de 60 cm é de 5 vezes o peso corporal.

Érika Cássia Barroso Batista 59


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

ANATOMIA DO PÉ
RETROPÉ
ARTICULAÇÃO TIBIOFIBULAR

É uma articulação do tipo sindesmose e os movimentos são pequenos. Durante


a dorsiflexão a fíbula move-se para cima e durante a flexão plantar para baixo.

ARTICULAÇÃO TALOCRURAL

Também conhecida como a articulação do tornozelo, é do tipo sinovial e


dobradiça. Localizada entre o tálus e os maléolos lateral e medial.

Na articulação talocrural ocorrem os movimentos de flexão plantar a dorsiflexão.

O maléolo lateral é mais distal que o medial, por isso o movimento de inversão
é maior que o de eversão.

ARTICULAÇÃO SUBTALAR

Também conhecida como articulação talocalcanear do tipo sinovial. Os


movimentos desta articulação são a inversão e eversão. Nos casos de entorse do
tornozelo esta articulação fica hipomóvel.

MÉDIOPÉ
As articulações do médiopé são também conhecidas como mediotarsais em
conjunto permitem que o pé se adapte nos pisos irregulares. Fazem parte do médiopé
os ossos do tarso: cuneiformes medial, lateral e intermediário, navicular e cubóide.

Érika Cássia Barroso Batista 60


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

ANTEPÉ
Fazem parte do antepé os ossos do metatarso e as falanges. As articulações
são sinoviais, nas articulações tarsometatarsais e intermetatarsais ocorrem o
deslizamento. Já na articulação metatarsofalageanas ocorre a flexão, extensão,
abdução e adução. E na articulação interfalangeanas ocorre a flexão e extensão
dos dedos.

Figura 33: Divisão do pé

Érika Cássia Barroso Batista 61


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

MÚSCULOS DO PÉ
Há 12 músculos extrínsecos e 11 intrínsecos da perna e pé. A divisão dos
músculos extrínsecos é baseada na localização numa vista superior: anteriores,
posteriores profundo e superficial e laterais. Os músculos anteriores permitem
a dorsiflexão os músculos restantes cruzam a articulação posteriormente e são
flexores plantares. O músculo tibial anterior é responsável pela inversão e o tibial
posterior pela eversão.

Os músculos posteriores superficiais incluem: sóleo, gastrocnêmio e plantar. Já


os posteriores profundos estão os músculos: tibial posterior, flexor longo do hálux
e o flexor longo dos dedos.

Os músculos intrínsecos do pé estão contidos apenas no pé e não cruzam a


articulação. Sua função é fornecer estabilidade para os dedos, articulação
tarsometatarsais e mediopé.

ARCOS DO PÉ
São três arcos no pé: longitudinal medial e lateral e arco transversal.

Figura 34: Arcos do pé

Érika Cássia Barroso Batista 62


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

A principal estrutura de formação dos arcos longitudinais é a fáscia plantar. O


fibular longo é responsável pelo arco transversal.

A ação dos arcos do pé é promover suporte do peso do corpo estático e dinâmico.


Quando os arcos não tem equilíbrio, as forças são dissipadas anormalmente e
aumenta o estresse sobre outras regiões do pé.

Para avaliar o alinhamento dos arcos do pé pode ser realizado o teste da linha de
Feiss, sem descarga de peso, traça-se uma linha do ápice do maléolo medial a 1ª
articulação metatarsofalangeana. O normal é a linha passar sobre o osso navicular
ou perto dela.

No caso de pé pronado navicular está abaixo da linha de Feiss e o inverso ocorre


quando o pé é supinado. As alterações dos pés serão abordadas mais a adiante no
tópico de deformidades comuns dos pés.

ENTORSE DE TORNOZELO
O entorse de tornozelo é uma das lesões mais comuns sofridas no esporte e
durante as atividades diárias. As lesões dos ligamentos laterais do pé contribuem
para 15%-25% de todas as lesões nos esportes e são mal tratadas com hiperproteção
articular ou subtratadas.

A articulação talocrural é onde ocorre o entorse de tornozelo. Durante a


dorsiflexão o tálus se posiciona como uma cunha e são mínimos os movimentos
de inversão e eversão do tornozelo.

No posicionamento de dorsiflexão é onde ocorre maior congruência articular


do tálus. Já durante a flexão plantar o tálus tem maior mobilidade e se desliza
anteriormente, o que aumenta o risco de entorse de tornozelo em flexão plantar

Érika Cássia Barroso Batista 63


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

e inversão que geralmente acontece com o uso de salto alto ou durante a


aterrissagem do salto onde a articulação está em flexão plantar.

O entorse de tornozelo acomete os ligamentos laterais entre 80 a 90% quando


comparados com os ligamentos mediais. Lateralmente os ligamentos presentes
são: o talofibular anterior, talofibular posterior e calcaneofibular. O ligamento
talofibular anterior e o calcaneofibular são os mais comumente lesionados no
entorse de tornozelo.

O ligamento talofibular anterior é o que apresenta menor força tênsil em


comparação com outros ligamentos do tornozelo, deve ser por esta razão que ele
é o mais comumente lesionado. Estimasse que em 70% dos entorses de tornozelo
ocorrem isoladamente a lesão do ligamento talofibular anterior.

Figura 35: Ligamentos laterais do pé

Érika Cássia Barroso Batista 64


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Os fatores de risco extrínsecos para o entorse de tornozelo incluem: erros de


treinamento, tipo de esporte, nível de competição, equipamentos (ex. tênis) e
condições ambientais.

Dentre os fatores de risco intrínsecos para o entrose de tornozelo estão: mau


alinhamento estrutural, déficit de força, limitação da amplitude de movimento e
frouxidão ligamentar.

O entorse de tornozelo é classificados em 3 graus:

I- Estiramento microscópico do ligamento sem perda da função.

II- Ruptura parcial ou alongamento do ligamento com alguma perda da função.

III- Ruptura completa do ligamento com perda total da função.

A maioria dos entorses é em inversão e flexão plantar, e podem envolver outras


estruturas como a fratura por avulsão do maléolo, distensões musculares, luxação
ou subluxações fibulares e outras lesões nos tendões próximo à lesão.

Figura 36: Entorse de tornozelo em inversão

Érika Cássia Barroso Batista 65


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

INSTABILIDADE CRÔNICA DO TORNOZELO


Cerca de 20% das entorses de tornozelo podem evoluir para a instabilidade
crônica após seis meses da lesão inicial, acompanhada ou não de frouxidão
ligamentar. Os pacientes com instabilidade funcional têm como causa a falha na
propriocepção e o tratamento deve ser focado nos exercícios de equilíbrio estático
e dinâmico.

Os sinais e sintomas da instabilidade crônica incluem: sensação de falseio


articular, sinais inflamatórios e perda da função por pelo menos um dia após 6
meses de lesão ligamentar.

TRATAMENTO DO ENTORSE DE TORNOZELO


O tratamento do entorse de tornozelo é geralmente conservador, principalmente
nos graus I e II. O grau III pode ser tratado de modo conservador ou cirúrgico, os
testes de gaveta anterior e estresse em inversão confirmam o diagnóstico médico.

Após a remissão do quadro agudo é importante a retomada da amplitude de


movimento em todos os planos, não apenas no sagital para aumentar a síntese do
colágeno tipo I.

A reabilitação para o II e III grau é mais lenta que para o I grau. O entorse de grau
I limitam as atividades funcionais entre 1 a 3 semanas. O entorse de grau II limitam
as atividades entre 4 a 6 semanas.

Já o entorse de grau III varia amplamente o período de recuperação, entre 6


semanas a 3 meses ou mais para as atividades funcionais. Após o entorse de
tornozelo os exercícios funcionais com controle neuromuscular, força, amplitude

Érika Cássia Barroso Batista 66


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

de movimento e propriocepção devem ser incluídos como parte do processo de


tratamento. Outras intervenções que podem ser incluídas são: massagem nos
tecidos moles, mobilização articular principalmente no médiopé, exercícios de
força e equilíbrio são fundamentais no reparo ligamentar.

Os entorses de repetição podem evoluir para fraqueza muscular crônica e


diminuição da consciência sinestésica.

O fortalecimento funcional e exercícios proprioceptivos com controle devem


ser foco da reabilitação no Pilates.

Os exercícios proprioceptivos podem começar na primeira semana após o


entorse com apoio bilateral das diversas partes do pé, evoluir para apoio unipodal
e só então acrescentar acessórios instáveis com aumento de tamanho progressivos
para evitar a instabilidade crônica.

Exercícios de baixa carga e alta repetição auxiliam na produção do colágeno e


na cicatrização do ligamento.

A força de eversão é importante no momento de inversão durante as atividades


com descarga de peso. Exercícios que incluam a inversão e eversão do pé são
fundamentais no entorse de tornozelo. Exercícios em CCF em inversão e eversão
iniciam com baixa resistência e repetições e podem evoluir para o aumento de
carga e frequência conforme a capacidade e tolerância do paciente melhoram.

Apesar do uso frequente das órteses pelos alunos que sofreram entorse, seu
uso deve se limitar na fase aguda para evitar amplitudes de movimento maiores
e edema, já na fase crônica é aconselhável que o paciente evite o uso de órtese
durante as aulas de Pilates, pois não há evidências científicas que seu uso previna
novos entorses de tornozelo e que estabilize efetivamente a articulação.

O tempo médio para que o ligamento atinja a força tênsil é de 12 a 18 meses.


Mobilizações articulares nos pés podem ser realizadas caso o professor de Pilates

Érika Cássia Barroso Batista 67


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

seja capacitado. É preciso estar atento aos sinais inflamatórios indicando que
o estresse aplicado foi excessivo como edema pós-exercício e aumento da dor
durante ou após a aula de Pilates.

Cabe ressaltar que idosos também apresentam limitação de amplitude de


movimento do tornozelo como a dorsiflexão e flexão plantar. É importante
incentivar exercícios que promovam a mobilidade articular do tornozelo nesta
população para evitar o risco de entorse de tornozelo, assim como as quedas.

EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS NO ENTORSE DE TORNOZELO


McHugh et al., 2006 salientaram que a inclusão de fortalecimento muscular de
tronco e quadris previnem o entorse de tornozelo, e que a deficiência de força
proximal do quadril aumenta a chance de lesão ligamentar do tornozelo. Em
outro estudo Bullock-Saxton, Janda & Bullock evideciaram que a hipoativação
muscular dos glúteos por eletromiografia em estava presente nos pacientes com
instabilidade crônica do tornozelo.

O estudo de Kemler et al., 2015 teve como objetivo avaliar o efeito da órtese –
soft brace baseado no taping funcional (n=77) pós entorse de tornozelo em 157
adultos durante 4 semanas de uso comparado com o grupo controle (n=80) que
realizou o taping. Após 52 semanas, 17% do grupo intervenção e 14% do grupo
controle tiveram recidiva de lesão. Após um ano os sintomas residuais como o
edema estava presente em 11% (soft brace) e 12% (taping) e a dor nas atividades
funcionais como caminhar, correr e saltar estava presente em 21 e 18% dos
pacientes respectivamente.

Segundo You-jou Hung (2015) o treino de equilíbrio é o tratamento de reabilitação


mais comumente empregado nos indivíduos com instabilidade do tornozelo.

Érika Cássia Barroso Batista 68


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

A maioria da literatura relata efeitos terapêuticos positivos do treinamento de


equilíbrio (por exemplo, apoio unipodal ou pé sobre um disco de equilíbrio,
entretanto, alguns estudos não comprovam sua efetividade no tratamento do
entorse de tornozelo.

DEFORMIDADES COMUNS DOS PÉS

Figura 37: Tipos de pisada

Érika Cássia Barroso Batista 69


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Nosso sistema de amortecimento começa pelos pés, durante a passada o


primeiro contato com o solo é feito pelo calcanhar, seguido pela borda externa
do pé e terminando com a porção anterior do pé e pelos dedos, também ocorre a
rotação interna da tíbia, com a finalidade de amortecer o impacto.

Embora as deformidades abordadas abaixo não constituam lesões do pé, e sim


alterações anatômicas e estruturais, estas contribuem para a progressão de lesões
como síndrome da dor patelofemoral, fratura por estresse e fasceíte plantar.

Exitem 3 tipo de pés: neutro, plano e cavo. E os tipos de pisada são: normal,
pronada e supinada conforme a imagem abaixo. Um pé estático pode ser neutro
e, durante a pisada ser pronador.

PÉ PLANO
No pé plano o arco longitudinal medial está desabado, o pé plano é mais flexível
que o pé cavo e a linha de Feiss passa acima do navicular, estimasse que 20 a 30%
da população tenha alteração biomecânica com o pé plano e um dos fatores que
desencadeia é o excesso de peso. Na primeira década de vida os arcos plantares
ainda não estão completamente formados, por isso é comum o pé plano em
crianças, todavia, deve-se estimular o andar descalço e em diferentes solos para a
formação adequada do arco plantar.

A pronação envolve os movimentos de dorsiflexão, abdução e eversão sem


apoio de peso. Este movimentos ocorrem nas articulações subtalar a transversa
do tarso. Em cadeia cinética fechada a pronação acontece devido ao movimento
de adução do tálus no calcâneo, realiza a flexão plantar do calcâneo e cuboide e o
navicular realizam a abdução e eversão.

Com a pronação a tíbia roda medialmente, os joelhos flexionam e os quadris


flexionam e rodam medialmente, por isso é comum o valgo dinâmico no pé pronador.

Érika Cássia Barroso Batista 70


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Durante a descarga de peso deve-se incentivar que os alunos pressionem o hálux


contra o solo e que mantenha os dedos unidos para ativação de músculos intrísecos
e formação do arco plantar. A ênfase nos footworks deve ser em flexão plantar.

No pé plano a propulsão é ineficiente porque enquanto ele deveria estar


supinado, está em pronação, as lesões na femoropatelar, tendão calcâneo e fáscia
plantar são frequentes neste tipo de pé.

PÉ CAVO

Figura 38: Ângulo do tálus na pisada pronada, neutra e supinada

No pé cavo o arco longitudinal medial apresenta-se elevado e a linha de Feiss


passa abaixo do navicular. O pé cavo é rígido e mais difícil de tratar quando
comparado ao pé plano. O pé cavo não absorve impacto como deveria, sendo
mais comum a incidência de calosidades e lesão por overuse.

A supinação envolvem os movimentos de flexão plantar, adução e inversão


sem apoio de peso. Na supinação com apoio de peso o tálus abduz, o calcâneo

Érika Cássia Barroso Batista 71


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

inverte para tracionar o navicular e cuboide em adução e inversão, a tíbia roda


lateralmente, o joelho estende, os quadris abduzem e rodam externamente.
Os alunos de Pilates que tem o pé cavo os mecanismos de depressão do arco
longitudinal medial deve ser incentivado e exercícios em dorsiflexão do tornozelo.
O professor de Pilates também pode realizar a liberação miofascial com o uso de
bola de tênis e mobilizar as articulações do pé.

PILATES NAS DISFUNÇÕES DO PÉ


O professor de Pilates deve avaliar o aluno com disfunção no pé nos diferentes
movimentos do método, pode-se incluir no questionário de avaliação perguntas
como: incapacidade de sustentar o peso corporal, tratamentos realizados até
o momento, se os sintomas tiveram melhora, piora ou inalterados com os
tratamentos, quais as atividades que desencadeiam a dor, avaliar também o
calçado pelo desgaste medial ou lateral.

Durante os exercícios observar o posicionamento dos pés na vista anterior, lateral


e posterior e estimular a pisada neutra. A avaliação deve ser feita observando a
marcha sem que o aluno saiba que está sendo avaliado para comprovar se a pisada
(dinâmica) é neutra, pronada ou supinada.

Outro recurso utilizado nas aulas é de ficar com pés descalços, o que aumenta a
propriocepção e ativam músculos intrínsecos (músculos que tem origem e inserção
nos pés). Muitas alunas estão inseridas em trabalhos que o uso do salto alto é
rotineiro e às vezes obrigatório, este hábito pode ocasionar deformidades nos pés,
alterações posturais como hiperlordose lombar, aumento do risco de entorse de
tornozelo e joelho e até dor lombar crônica, por isso manter a estabilidade da
articulação para prevenir possíveis lesões.

Érika Cássia Barroso Batista 72


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS NAS DISFUNÇÕES DO PÉ


Rashmawati et al., (2016) avaliaram o efeito da órtese (palmilha) de pé em
mulheres pronadoras com idades entre 10-29 anos através do marcador de
lesão muscular creatina-quinase (CK). A CK é uma enzima que identifica a lesão
muscular e está presente no plasma sanguíneo após 24 a 72 de exercício físico.
As participantes foram orientadas a caminhar em alta velocidade durante 15
minutos em dois grupos: com tênis e palmilha para pé pronado e com tênis e
sem palmilha, a CK foi mensurada antes e após 24 a 72h do teste de caminhada. O
estudo concluiu que no grupo intervenção (que utilizou palmilha) a elevação da
concentração de CK foi menor (7.8 IU) quando comparado com o grupo controle
(22 IU). Todavia alguns estudos não comprovam a efetividade das órteses de pés
e durante a prática clínica alguns alunos de Pilates que utilizaram a órtese não se
beneficiaram do recurso além do alto custo.

O estudo de Goo, Kim e Lim (2016) teve como objetivo avaliar o efeito do
fortalecimento de glúteo máximo e do abdutor do hálux no pé pronador durante
8 semanas. Foram 18 participantes divididos em dois grupos: Fortalecimento de
glúteos máximo e abdutor do hálux e outro grupo que realizou somente exercícios
de fortalecimento de abdutor do hálux, ambos numa frequência de 5 vezes por
semana. Os autores concluíram que o fortalecimento de glúteo máximo foi efetivo
para diminuir o desabamento do navicular, consequentemente a pronação do pé.

Hawke, Rome & Evans (2016) avaliaram o pé, massa corporal e flexibilidade de
crianças entre 7 a 15 anos, os autores concluíram que as crianças com pronação
de pé apresentaram maior flexibilidade global, porém menor mobilidade de
tornozelo.

Érika Cássia Barroso Batista 73


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

A PRÁTICA COM O
MÉTODO PILATES
A seguir serão apresentados os exercícios que podem ser utilizados para reduzir
a dor no joelho e consequentemente melhorar a qualidade de vida dos alunos
com patologias de joelho frequentes nos estúdio de Pilates, todavia, cabe ao
profissional a aplicação dos exercícios de acordo com uma avaliação prévia, fase
de reabilitação e o estabelecimento de metas prognósticas que venham a conciliar
com o que os exercícios se propõem.

Érika Cássia Barroso Batista 74


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

EXERCÍCIOS NO

SOLO
Érika Cássia Barroso Batista 75
PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

IMÃS ARTICULARES

OBJETIVOS:

Aumentar a propriocepção e a ativação muscular do assoalho pélvico e a


estabilidade de membros inferiores.

INSTRUÇÕES:

Em qualquer posicionamento, solicitar para o aluno imaginar imãs entre os


maléolos mediais, parte medial dos joelhos e quadris. A contração é isométrica de
adução do quadril.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS:

A ativação deve ser suave. Para alunos com joelhos varos solicitar o objetivo
inverso, dando um estimulo para abdução do quadril de forma isométrica.

Érika Cássia Barroso Batista 76


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

1. BRIDGE

OBJETIVOS: Mobilizar a coluna e fortalecer os extensores do quadril e joelho.

INSTRUÇÕES: Em decúbito dorsal com a faixa elástica acima da pelve e


segurando abaixo das mãos. Mobilizando a coluna estenda o quadril até o
alinhamento do corpo.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: O apoio corporal deve concentrar-se na


região das escápulas.

MODIFICAÇÕES: Realizar a flexão plantar ou a flexão dorsal mantendo a


extensão do quadril em isometria.

Érika Cássia Barroso Batista 77


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

2. SIDE KICK
OBJETIVOS: Fortalecer os abdutores do quadril.

INSTRUÇÕES: Ajoelhado com uma faixa elástica posicionada sob o joelho de


apoio e ao redor do pé que realizará o movimento. Segure a outra extremidade
com uma das mãos. Realize a abdução do quadril contra a resistência da faixa
elástica.e retorne à posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Atentar para o aluno não perder a estabilidade


pélvica e escapular.

MODIFICAÇÕES: Realizar círculos com o membro inferior.

Érika Cássia Barroso Batista 78


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

3. GLUTEOS STRENGTH

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores de quadril e joelho.

INSTRUÇÕES: Em quatro apoios, fixe uma faixa elástica sob o joelho de apoio,
passe-a ao redor de um pé que irá realizar o movimento e fixe a outra extremidade
da faixa sob a mão de apoio. Realizar a extensão de quadril e joelho contra a
resistência da faixa elástica e retorne à posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Atentar para o aluno não perder a estabilidade


pélvica e escapular.

MODIFICAÇÕES: Flexionar o ombro contralateral até o prolongamento do


corpo.

Érika Cássia Barroso Batista 79


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

4. AFUNDO

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril e joelhos, abdutores ou flexores


do ombro e alongar os flexores do quadril e extensores do joelho.

INSTRUÇÕES: Em pé com um membro inferior à frente do outro, fixe uma faixa


elástica sob do pé à frente, segurando com as mãos as extremidade. Realize a
flexão do quadril e joelho do membro inferior à frente e do joelho do membro
inferior de trás, ao mesmo tempo que flexiona os ombros.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Cuidado com o valgo dinâmico dos joelhos.

MODIFICAÇÕES: Realizar abdução de ombros (ênfase em deltoide acromial e


supraespinal) ou flexão de ombros (ênfase em deltoide clavicular, peitoral maior
clavicular e coracobraquial).

Érika Cássia Barroso Batista 80


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

5. BRIDGE VARIAÇÃO I

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril, joelho e coluna. Alongar os


flexores e flexores horizontais dos ombros.

INSTRUÇÕES: Em decúbito dorsal com as mãos apoiadas no solo em rotação


externa e extensão de ombros. Mantenha quadril e joelhos flexionados com os
pés em contato com o solo. Estenda o quadril mantendo os joelhos flexionados a
90 graus.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Usar manipulas para o apoio das mãos em


caso de desconforto nos punhos ou para alunos com lesões nessa articulação.

MODIFICAÇÕES: Estender um dos joelhos mantendo o alinhamento o membro


inferior contralateral.

Érika Cássia Barroso Batista 81


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

6. LEG PULL BACK

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores e flexores do quadril e joelho e os


extensores da coluna. Alongar os flexores e flexores horizontais dos ombros.

Érika Cássia Barroso Batista 82


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

INSTRUÇÕES: Em decúbito dorsal com as mãos apoiadas no solo em rotação


externa e extensão de ombros. Estenda o quadril mantendo os joelhos em extensão.
Após, realize a flexão do quadril de um dos lados, sem que acha prejuízos para a
manutenção da postura.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Atentar para não perder o alinhamento


escapular e usar manipulas para o apoio das mãos, caso o aluno sinta desconforto
nos punhos. Se o aluno não for capaz de flexionar o quadril, unilateralmente, sem
compensação na posição da pelve, realize apenas a primeira fase do exercício.

MODIFICAÇÕES: a) Colocar minibands nos tornozelos para realizar resistência


contra a flexão do quadril; b) Utilizar o Bosu para apoio nas mãos para geral
instabilidade. Caso queira desafiar ainda mais o seu aluno, utilize-o invertido.

Érika Cássia Barroso Batista 83


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

7. AGACHAMENTO

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril e joelhos. Trabalhar


propriocepção e equilíbrio.

INSTRUÇÕES: Em pé sobre o Bosu, flexione os joelhos e quadril mantendo a


coluna em posição neutra. Estenda quadril e joelhos até a posição inicial.

MODIFICAÇÕES: a) Flexionar a coluna à frente; b) Utilizar o Bosu invertido


em busca de maior instabilidade; c) Para facilitar, pode-se realizar o exercício
segurando com as mãos à barra torre.

Érika Cássia Barroso Batista 84


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

8. CONCHA

OBJETIVOS: Fortalecer os rotadores externos do quadril.

INSTRUÇÕES: Em decúbito lateral com miniband posicionada acima dos


joelhos, quadril e joelhos semi-flexionados e pés unidos. Realize a rotação externa
de quadril mantendo o contato dos pés.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Mantenha a curvatura fisiológica da coluna,


evitando flexão lateral a favor da gravidade.

MODIFICAÇÕES: Para maior amplitude de movimento, iniciar o movimento


em rotação externa do quadril do membro inferior de apoio e rotação interna do
quadril superior, mantendo os pés unidos.

Érika Cássia Barroso Batista 85


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

9. LEG PULL FRONT

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do cotovelo, flexores da coluna, trasnverso


abdominal, extensores do joelho e quadril.

INSTRUÇÕES: Em quatro apoios, com miniband ao redor dos tornozelos,


estenda os joelhos até ficar com os membros inferiores e coluna alinhados. Realize
a extensão de quadril unilateralmente de forma alternada mantendo a pelve
neutra.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Caso o aluno tenha desconforto nos punhos,


realize o exercício com apoio de cotovelos ao invés do apoio de mãos.

MODIFICAÇÕES: Realize a abdução do quadril unilateralmente de forma


alternada para fortalecer os abdutores do quadril.

Érika Cássia Barroso Batista 86


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

10. BRIDGE III

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril, joelhões e coluna e flexores


dorsais do tornozelo.

INSTRUÇÕES: Em decúbito dorsal com miniband ao redor dos pés, estende ao


quadril sem movimentar os joelhos. Mantenha-se na posição e flexione o quadril
unilateralmente, sem movimentar o joelho. Repita alternadamente mantendo o a
estabilidade lombopélvica.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Orientar o aluno para não perder a estabilidade


pélvica durante a execução.

Érika Cássia Barroso Batista 87


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

11. BRIDGE IV

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril, joelho e coluna. Trabalhar o


equilíbrio e a propriocepção de membros inferiores.

INSTRUÇÕES: Em decúbito dorsal os pés apoiados sobre as hastes do Magic


Circle, sendo um na base e outro no topo. Estenda o quadril sem aumentar a
pressão sobre o Magic Circle.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Orientar o aluno para não perder a estabilidade


pélvica durante a execução.

Érika Cássia Barroso Batista 88


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

12. THE HUNDRED

OBJETIVOS: Fortalecer os flexores da coluna, transverso abdominal, abdutores


e flexores do quadril.

INSTRUÇÕES: Em decúbito dorsal com o Magic Circle posicionado ao redor dos


joelhos, mantenha quadril e joelhos fletidos cos pés apoiados no solo e os ombros
a 90 graus de flexão. Realize a flexão da coluna associada à extensão dos ombros e
estenda os joelhos e quadril, retirando o apoio dos pés do solo ao mesmo tempo
que abduz o quadril isometricamente contra a resistência do Magic Circle.

MODIFICAÇÕES: a) Para facilitar, realize o movimento de membros inferiores


de forma unilateral; b) Para dificultar, inicie o movimento com quadril e joelhos
flexionados a 90º sem que os pés estejam em contato com o solo.

Érika Cássia Barroso Batista 89


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

13. SWAN

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril e coluna e abdutores do


quadril. Alongar os flexores do quadril.

INSTRUÇÕES: Em decúbito ventral com Magic Circle ao redor dos tornozelos,


logo acima dos maléolos laterais, apoie as mãos e antebraços no solo com cotovelos
fletidos. Estenda os quadris mantendo a extensão de joelhos e abdução a abdução
do quadril de forma isométrica, contra a resistência do Magic Circle.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: O comando verbal deve ser dado para que o
aluno mantenha o Magic Circle a tensão em abdutores do quadril.

MODIFICAÇÕES: a) Usar um acessório como a minibanda para tornar a abdução


do quadril dinâmica; b) Apenas estender os quadris sem realizar a abdução
associada.

Érika Cássia Barroso Batista 90


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

14. SWIMMING

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril e coluna.

INSTRUÇÕES: Em decúbito ventral com a miniband ao redor dos tornozelos,


mantenha os ombros flexionados no prolongamento do corpo com cotovelos em
extensão. Estenda o quadril e a coluna. Mantendo a posição, estenda ainda mais
um dos quadris, ao mesmo tempo que flexiona ainda mais o ombro contralateral.
Repita alternadamente os movimentos em padrão cruzado.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Manter a coluna cervical neutra. Este é um


excelente exercício de isometria de paravertebrais que apresenta altos níveis
de ativação de multífidos, quando comparado com exercícios dinâmicos com o
mesmo objetivo.

MODIFICAÇÕES: a) Não utilizar acessórios; b) Realizar o exercício de forma


dinâmica, associando a flexão e extensão da coluna a cada movimento de membros
inferiores e superiores.

Érika Cássia Barroso Batista 91


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

EXERCÍCIOS NO

CADILLAC
Érika Cássia Barroso Batista 92
PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

1. MERMAID

OBJETIVOS: Alongar os flexores laterais da coluna, adutores e extensores do


quadril. Mobilizar a coluna vertebral.

INSTRUÇÕES: Em pé de lado para a barra torre, posicione um membro inferior


sobre o aparelho em contato com barra vertical mantendo a abdução do quadril.
Segure a barra torre com a mão tendo o ombro em abdução. Flexione lateralmente
a coluna em direção ao membro inferior abduzido. Retorne à posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Fique atento a mobilidade da coluna vertebral.


O movimento deve ser realizado com mobilização vertebral.

MODIFICAÇÕES: Realizar a rotação de tronco associada à flexão lateral, levando


a mão contralateral em direção à barra torre.

Érika Cássia Barroso Batista 93


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

2. MONKEY

OBJETIVOS: Alongar os extensores do quadril e flexores do joelho. Mobilizar a


coluna vertebral em flexão.

INSTRUÇÕES: Sentado de frente para a barra torre, mantenha quadril e joelhos


fletidos. Apoie um dos pés no solo e o outro pé sobre a barra. Posicione as mãos
na barra, uma de cada lado do pé. Realize a flexão da coluna com mobilização

Érika Cássia Barroso Batista 94


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

vertebral ao mesmo tempo que estende o joelho do membro inferior apoiado


à barra. Retorne à posição inicial e então flexione quadril estendendo o joelho
do membro inferior sobre a barra associado à extensão da coluna até a posição
neutra e flexão dos ombros.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: O aluno não deve perder o alinhamento


escapular.

MODIFICAÇÕES: Pode ser realizado com o aluno sentando sobre a Short Box
ou associada à rotação da coluna.

Érika Cássia Barroso Batista 95


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

3. FOOTWORK VARIAÇÃO I

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril e joelho e abdutores do quadril.

INSTRUÇÕES: Em decúbito lateral com a o membro inferior de apoio em flexão


de quadril e joelho a 90 graus, apoiar o pé do membro contralateral sob a barra torre
e estenda o quadril e joelho permitindo a abdução do quadril, simultaneamente.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Não permitir a perda do alinhamento pélvico.


Manter a coluna neutra, sem realizar uma flexão lateral, isso pode ser observado
quando a região da cintura do aluno está apoiada sobre o solo.

MODIFICAÇÕES: a) Manter o membro inferior de apoio em extensão de quadril


e joelho para diminuir a base de apoio e aumentar a instabilidade; b) para desafiar
seu aluno ainda mais, peça para suspendê-lo, sustentando a adução do quadril
em isometria; c) realizar o movimento em rotação externa de quadril.

Érika Cássia Barroso Batista 96


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

4. AGACHAMENTO

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril e joelhos, em cadeia cinética


fechada, podendo enfatizar os abdutores do quadril na variação.

INSTRUÇÕES: Em pé de frente para a barra fixa sengurando-a com as mãos. A


barra deve estar com um par de molas fortes oferecendo assitência para a fase
de extensão. Flexione os joelhos e quadris até 90 graus e retorne à posição inicial
estendendo-os.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Quanto maior a resistência das molas, mais


fácil será execução do movimento. Evitar o valgo dinâmico.

MODIFICAÇÕES: a) Para aumentar a instabilidade, pode ser realizado com barra


móvel ou alças de mãos; b) Pode-se utilizar o Magic Circle ao redor e acima dos
joelhos ou uma miniband para oferecer resistência a uma abdução isométrica do
quadril simultânea à flexão/extensão do quadril e joelhos.

Érika Cássia Barroso Batista 97


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

5. GLUTEOS STRENGTH

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril e promover a estabilização das


cinturas pélvica e escapular.

INSTRUÇÕES: Em 4 apoios com as mãos apoiadas sobre o Cadillac, coloque um


dos pés sob a barra torre (preferencialmente a frente dos calcanhares). Realize a
extensão do quadril mantendo a coluna neutra e após, retorne à posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Evitar compensações nos ombros, desequilíbrio


escapular e lombopélvico. Pode-se utilizar uma bola sob o a região abdominal
para diminuir a compressão no joelho e aumentar a estabilidade da coluna.

MODIFICAÇÕES: Utilizar a bola para apoio da região abdominal.

Érika Cássia Barroso Batista 98


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

6. PUSH BAR

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril e joelho e os adutores do


quadril. Proporcionar estímulos para a propriocepção e mobilização do tornozelo.

INSTRUÇÕES: Em pé de frente para a barra torre, posicione um dos pés com


antepé apoiado sobre a barra torre. Ulize molas de alta resistência contra a
extensão do joelho e quadril. Mantenha os membros superiores à frente e realize
a extensão do joelho e quadril. Retorne à posição inicial.

MODIFICAÇÕES: a) realizar o movimento mantendo diferentes posicionamentos


do tornozelo: flexão plantar ou flexão dorsal. b) realizar o exercício de lado para
a barra torre associando a adução aos movimentos concêntricos de extensão de
quadril e joelho.

Érika Cássia Barroso Batista 99


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

7. BRIDGE + TOWER

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril, joelho e coluna. Alongar os


extensores do quadril na variação.

INSTRUÇÕES: Em decúbito dorsal com quadril e joelhos fletidos, apoie os pés


na barra torre. Fixe uma mola de alta resistência vinda de cima para baixo. Estenda
o quadril, após, flexione os joelhos trazendo a barra em direção ao corpo e então
levando-a para cima estendendo ainda mais o quadril. Ao mesmo tempo, flexione e
estenda a coluna aos poucos mobilizando-a e permanecendo com apoio somente
na região escapular.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Aluno deve ter uma boa consciência corporal
para não perder o controle da barra. Priorize a mobilização da coluna vertebral na
execução e no retorno à posição inicial.

MODIFICAÇÕES: Realizar o exercício sempre em extensão de joelho.

Érika Cássia Barroso Batista 100


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

8. SIT UP + BRIDGE

OBJETIVOS: Mobilizar a coluna e fortalecer os flexores da coluna.

INSTRUÇÕES: Em decúbito dorsal com a cabeça abaixo da barra torre, apoie os


membros inferiores com joelho estendido sobre uma bola. Segure a barra com as
mãos e flexione a coluna elevando a barra e mantendo os cotovelos estendidos. Ao
retornar à posição inicial, prossiga estendendo o quadril e flexionando os ombros.
Retorne à posição inicial e repita as duas fases de movimento alternadamente.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: O aluno precisa ter boa consciência corporal


para não perder o contato dos membros inferiores com a bola.

MODIFICAÇÕES: Pode-se fixar molas de cima para baixo para auxíliar a execução.

Érika Cássia Barroso Batista 101


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

9. JETE

Érika Cássia Barroso Batista 102


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

OBJETIVOS: Fortalecer os adutores, abdutores, flexores e extensores do quadril.

INSTRUÇÕES: Em pé, com uma alça fixada no pé do membro inferior mais


distante da fixação da mola, segure-se na barra horizontal. Realize a abdução
de quadril, vire-se para o outro lado sem soltar a alça do pé e aduza o quadril.
Vire-se de costas à fixação da mola e flexione de quadril contra a resistência. Vire-
se novamente de frente para o ponto fixo da mola e estenda o quadril contra a
resistência da mola.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Atentar para aluno não perder a estabilidade


pélvica.

MODIFICAÇÕES: Colocar disco de rotação sob perna de apoio para aumentar


a instabilidade.

Érika Cássia Barroso Batista 103


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

10. LEG LOWERS

OBJETIVOS: Fortalecer os
extensores do quadril.

INSTRUÇÕES: Em decúbito dorsal com a alça de pés posicionadas nas coxas,


realize a extensão do quadril unilateralmente, sem movimentar o joelho.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Não perder a estabilidade pélvica. Este


exercício é indicado nas fases inicias da reabilitação.

MODIFICAÇÕES: Extensão de quadril unilateral ou bilateral ou associar a


extensão dos joelhos. Pode-se realizar o exercício com os joelhos estendidos
durante toda a fase de extensão e flexão do quadril.

Érika Cássia Barroso Batista 104


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

11. STIFF

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril e coluna.

INSTRUÇÕES: Em pé com os pés paralelos, segure com as mãos a barra móvel,


com molas resistentes vindo de baixo. Estenda os quadris contra a resistência das
molas mantendo os joelhos semi-flexionados.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Caso o seu aluno apresente hérnia de disco,


este exercício é contraindicado devido ao aumento a pressão nos discos vertebrais.

Érika Cássia Barroso Batista 105


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

12. FOOTWORK VARIAÇÃO II

Érika Cássia Barroso Batista 106


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril, joelhos e coluna.

INSTRUÇÕES: Em decúbito dorsal com os pés apoiados na barra móvel presa por
molas de cima para baixo, segure-se com as mãos nas barras verticais. Mantenha
os quadris flexionados a 90 graus e realize a flexão de joelhos até 90 graus.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Aluno deve ter consciência corporal para não
perder o contato dos pés com a barra móvel. Os tornozelos devem ser mantidos
em flexão plantar durante toda a execução do movimento.

MODIFICAÇÕES: Realizar a extensão do quadril associada a movimentos


de flexão e extensão da coluna até que somente esteja com a região escapular
apoiada no solo. Priorize a mobilização da coluna vertebral nas duas fases do
movimento. Como modificação facilitadora, utilize molas mais resistentes. Ao
utilizar molas pouco resistentes existe a ativação dos flexores da coluna associados
aos extensores do quadril e joelhos.

Érika Cássia Barroso Batista 107


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

13. ROLL DOWN

OBJETIVOS: Fortalecer os flexores da coluna e transverso abdominal, mobilizar


a coluna em flexão e fortalecer flexores dorsais do tornozelo.

INSTRUÇÕES: Sentado com os tornozelos em dorsiflexão prenda o dorso


dos pés na alça do trapézio. Mantenha os membros superiores à frente e realize
a extensão do quadril associada com a extensão da coluna de forma lenta e
progressiva, iniciando pela extensão da coluna lombar, torácica e cervical. Após,
flexione a coluna cervical, torácica e lombar associadas à flexão do quadril, de
forma progressiva.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Aluno deve mobilizar a coluna nas duas fases
do movimento.

MODIFICAÇÕES: Realizar com joelhos estendidos ou em rotação externa de


quadril.

Érika Cássia Barroso Batista 108


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

EXERCÍCIOS NO

REFORMER
Érika Cássia Barroso Batista 109
PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

1. ELEPHANT

OBJETIVOS: Alongamento dos extensores do quadril, flexores do joelho e


flexores plantares. Fortalecer os flexores da coluna e transverso abdominal.

INSTRUÇÕES: Em pé de frente para a barra de pés, apoio calcanhares nas


ombreiras do Reformer. Posicione as mãos na barra de pés e com máxima flexão
de quadris e com ombros fletidos no prolongamento do corpo. Realize a extensão
do quadril sem retirar os calcanhares do contato com o aparelho.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Peça para o aluno olhar para a borda do


carrinho durante a extensão do quadril para auxiliar na manutenção da coluna
cervical neutra.

MODIFICAÇÕES: Pode ser realizado em flexão plantar.

Érika Cássia Barroso Batista 110


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

2. FRONT SPLIT

OBJETIVOS: Alongar os extensores do quadril e joelho e os flexores do quadril


do membro inferior contralateral.

INSTRUÇÕES: Em pé de frente para a barra de pés, apoie o membro inferior


direito em flexão na ombreira e membro inferior esquerdo sobre a barra de pés
(apoio no antepé) com quadril e joelhos fletidos. Segure a barra de pés com as
mãos. Estenda o joelho esquerdo mantendo a coluna neutra e, ao mesmo tempo,
estenda ainda maior o quadril direito em busca de maior alongamento. Retorne à
posição inicial e após realize para o membro contralateral.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Aluno tende a flexionar o quadril ao estender


o joelho, fique atento às compensações.

MODIFICAÇÕES: Pode ser feito com o membro inferior apoiado no


Reformer mantendo o joelho fletido em contato com o aparelho, caso não haja
contraindicação desta postura.

Érika Cássia Barroso Batista 111


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

3. SIDE SPLIT STRETCH

OBJETIVOS: Alongar os adutores do quadril.

INSTRUÇÕES: Com um dos pés apoiado na ombreira mantendo o quadril


abduzido e outro no solo, posicione os quadris em rotação externa. Apoie uma
das mãos no carrinho e outra na lateral do aparelho permitindo a flexão do
quadril. Realize a abdução do quadril, e ao mesmo tempo, flexione os cotovelos e
mantendo a coluna neutra.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Evitar modificar a posição neutra da pelve.

Érika Cássia Barroso Batista 112


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

4. GLUTEOS STRETCH

OBJETIVOS: Alongar os extensores do quadril, e fortalecer os extensores do


quadril e joelhos.

INSTRUÇÕES: Com a short box sobre o Reformer, posicione o membro inferior


direito à frente em flexão e rotação externa do quadril associado ao joelho
flexionado. O membro inferior esquerdo deve estar com joelho fletido, quadril
estendido e com o pé apoiado sobre barra atrás. Realize a extensão de quadril
e joelho esquerdos empurrando o carrinho para frente. Retorne à posição inicial
e então inverta a posição dos membros inferiores para realizar o movimento
novamente.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Caso o aluno refira dor nos joelhos para esta
postura é contraindicado realizar este exercício.

Érika Cássia Barroso Batista 113


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

5. MERMAID

OBJETIVOS: Alongar os adutores do quadril e os flexores laterais da coluna.

INSTRUÇÕES: Em pé, com uma mão apoiada na barra de pés, um membro


inferior no solo e o outro apoiado na ombreira em abdução e rotação externa
de quadril. Realize a abdução de quadril associada à flexão lateral da coluna e
abdução do ombro do membro superior livre. Retorne à posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Manter a pelve neutra durante a execução


do movimento. Cuidado com a elevação das escápulas. Com pouca ou nenhuma
resistência nas molas pode-se considerar esse exercício como um fortalecedor de
adutores do quadril.

Érika Cássia Barroso Batista 114


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

6. SIDE SPLIT

OBJETIVOS: Fortalecer os adutores ou abdutores do quadril.

INSTRUÇÕES: Em pé sobre o Reformer, apoie um dos pés sobre o carrinho e o


outro sobre a extremidade do aparelho. O quadril deve estar levemente abduzido
e os joelhos estendidos. Realize a abdução do quadril mantendo a coluna neutra e
abduzindo os ombros simultaneamente. Retorne à posição inicial.

Érika Cássia Barroso Batista 115


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Se aluno tiver déficit de equilíbrio, pode-se


oferecer um suporte de apoio para membros superiores, como aproximar as barras
verticais da Chair do Reformer. Quando utilizado molas resistentes o exercício
prioriza o fortalecimento dos abdutores do quadril. Entretanto, quando utilizadas
molas de baixa resistência, ou nenhuma mola, o exercício terá como objetivo o
fortalecimento dos adutores do quadril.

MODIFICAÇÕES: Acrescentar acessórios para gerar resistência aos movimentos


de membros superiores, como faixa elástica, por exemplo.

Érika Cássia Barroso Batista 116


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

7. ONE LEG EXTENSION

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril e desafiar a estabilidade


escapular e pélvica.

INSTRUÇÕES: Em quatro apoios com as mãos sobre as ombreiras e uma alça


posicionada na planta de um dos pés. Realize a extensão de quadril contra a
resistência da corda mantendo a coluna neutra e retorne à posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Solicitar que o aluno ative os músculos flexores


da coluna e transverso abdominal para manter a coluna lombar em posição neutra.
MODIFICAÇÕES: Realizar o exercício sobre a Long Box.

Érika Cássia Barroso Batista 117


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

8. THE HUNDRED

OBJETIVOS: Fortalecer os flexores da coluna e quadril e o transverso abdominal.

INSTRUÇÕES: Em decúbito dorsal sobre a Long Box, posicione as alças de pés


acima dos joelhos. Mantenha ombros abduzidos e mãos na nuca. Para os membros
inferiores, os quadris e joelhos devem estar flexionados a 90 graus, assim como a
coluna, que deve estar flexionada. Estenda os joelhos e quadril e então, volte à
flexiona-los contra a resistência das cordas.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: O aluno deve manter a estabilidade


lombopélvica e ativar corretamente o powerhouse para não sobrecarregar a
coluna lombar.

MODIFICAÇÕES: Para progressão, inicie o movimento com ombros fletidos a


90º e os joelhos estendidos. Então, realize a flexão e extensão do quadril e ombros
mantendo a flexão da coluna em isometria.

Érika Cássia Barroso Batista 118


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

9. RUNNING

OBJETIVOS: Fortalecer extensores do quadril e joelho em cadeia cinética


fechada. Proporcionar estímulos proprioceptivos.

INSTRUÇÕES: Em pé sobre a Long Box posicionada ao lado do Reformer. Apoie


o membro inferior direito sobre a caixa com flexão de quadril e joelho estendido.
O membro inferior esquerdo deve estar em flexão plantar com o pé apoiado na
ombreira, quadril estendido e joelho semi-flexionado. Flexione o quadril e joelho
direto ao mesmo tempo que flexiona o joelho e esquerdo. Retorne à posição inicial
e inverta o posicionamento dos membros inferiores para realizar novamente o
exercício.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Pode-se aconselhar o aluno a retirar as meias


para aumentar a aderência dos pés com o apoio. Utilize molas de baixa resistência
para desafiar o aluno em relação ao equilíbrio. Movimente os membros superiores
alternadamente com os movimentos de membros inferiores.

MODIFICAÇÕES: Ao final da primeira fase do exercício, permanecer em


isometria associando a extensão e flexão do quadril e joelho esquerdo.

Érika Cássia Barroso Batista 119


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

10. AFUNDO

Érika Cássia Barroso Batista 120


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

OBJETIVOS: Fortalecer extensores do quadril e joelho em cadeia cinética


fechada. Proporcionar estímulos proprioceptivos.

INSTRUÇÕES: Em pé sobre o Reformer, posicione o membro inferior direito em


extensão de quadril e tornozelo em flexão plantar com o pé apoiado na Short
Box. Mantenha os membros superiores à frente e flexione os joelhos e quadril
esquerdo. Retorne à posição inicial e realize o movimento com o membro inferior
contralateral à frente.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Pode-se aconselhar o aluno a retirar as meias


para aumentar a aderência dos pés com o apoio. Pode-se colocar a prancha
extensora para maior área de contato do pé de apoio à frente, como modificação
facilitadora ou para ajustar o exercício para alunos com diferentes estaturas.

MODIFICAÇÕES: Ao final da execução da primeira fase do movimento, associa


a extensão do joelho e quadril posicionado em apoio na caixa, movendo-a para
trás.

Érika Cássia Barroso Batista 121


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

11. EXTENSÃO DE JOELHO

OBJETIVOS: Fortalecer extensores do quadril e joelho em cadeia cinética


fechada. Proporcionar estímulos propioceptivos.

INSTRUÇÕES: Em pé sobre o Reformer, posicione um membro inferior à frente


com quadril e joelho flexionados sobre o carrinho e o outro em extensão do quadril
e flexão plantar de tornozelo sobre a extremidade do aparelho. Realize a extensão
do joelho do membro inferior à frente contra a resistência das molas.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Pode-se aconselhar o aluno a retirar as meias


para aumentar a aderência dos pés ao apoio. Para facilitar, posicione a prancha
extensora proporcionando maior base de apoio para o membro inferior posionado
posteriormente.

Érika Cássia Barroso Batista 122


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

12. GLUTEOS STRENGTH

OBJETIVOS: Fortalecer extensores do quadril e joelho.

INSTRUÇÕES: Em quatro apoios sobre o Reformer, apoie um dos membros


inferiores na barra de pés com contato de calcanhar. Posicione as mãos próximas
às ombreiras. Realize a extensão de quadril e joelho unilateral contra a resistência
das molas.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS:

MODIFICAÇÕES: a) Utilizar o apoio de antepé e, após a primeira fase do


movimento, associar a flexão plantar e a flexão dorsal do tornozelo. b) Realizar
o exercício em rotação externa do quadril. c) Pode executar o exercício com
apoio dos antebraços no carrinho, em flexão de cotovelos. Dessa forma existe um
aumento da flexão do quadril, colocando os extensores do quadril e posição de
vantagem mecânica.

Érika Cássia Barroso Batista 123


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

13. PLANK I

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril e joelho, estabilizadores da


cintura escapular e flexores laterais da coluna.

INSTRUÇÕES: Em decúbito lateral no Reformer com ombro abduzido, cotovelo


fletido e o antebraço apoiado na cabeceira do aparelho. Mantenha a pelve apoiada
e pé do membro inferior de cima apoiado na barra de pé. Realize a extensão de
quadril e joelho unilateral contra a resistência das molas. Retorne à posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Não perder o alinhamento pélvico e escapular.


Manter a coluna neutra contra a tendência de flexão lateral.

MODIFICAÇÕES: Realizar em o movimento rotação externa de quadril. Além


disso, pode-se associar o movimento com a flexão e extensão do joelho da perna
de apoio de forma alternada aos movimentos do membro inferior na barra.

Érika Cássia Barroso Batista 124


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

14. ELEPHANT

OBJETIVOS: Fortalecer os flexores da coluna e transverso abdominal. Estabilizar


a cintura escapular e promover o alongamento dos extensores do quadril.

INSTRUÇÕES: Em quatro apoios sobre o Reformer, com mãos apoiadas nas


ombreiras, e os membros inferiores apoiados com os pés na barra, estenda os
joelhos e flexione o quadril para alcançar a posição inicial. Após, realize a extensão
e flexão do quadril com atenção à manutenção da postura neutra de coluna e
joelhos estendidos.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Atentar para a coluna o posicionamento da


coluna cervical.

MODIFICAÇÕES: Realizar com apoio unilateral dos membros inferiores


(exercício chamado arabesque).

Érika Cássia Barroso Batista 125


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

15. PLANK III

OBJETIVOS: Fortalecer os flexores da coluna, transverso abdominal e abdutores


ou adutores do quadril.

INSTRUÇÕES: Posicione a Long Box ao lado do Reformer. Em decúbito ventral,


com apoio de cotovelos sobre a caixa, mantendo om ombros em flexão. Mantenha
a barra de pés baixa, e apoie um pé na madeira e outro no carrinho. Realizar a
abdução de quadris, contra a resistência das molas, mantendo a coluna neutra.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Manter a estabilização pélvica e escapular.

MODIFICAÇÕES: Pode ser realizado com apoio de mãos, tendo os cotovelos


estendidos. Ao utilizar molas de baixa resistência ou nenhuma mola, pode-se
enfatizar os adutores do quadril.

Érika Cássia Barroso Batista 126


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

16. FOOTWORK

OBJETIVOS: Fortalecer os flexores da coluna, transverso abdominal, extensores


do quadril e joelho.

INSTRUÇÕES: Com as mãos apoiadas na barra de pés, ombros flexionados e


cotovelos estendidos. Apoie os pés na borda do carrinho do Reformer, com quadril
e joelhos flexionados. Estenda os joelhos e quadril, mantendo a estabilidade
pélvica e da cintura escapular.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Não perder a estabilidade pélvica e escapular.


Utilize uma mola de baixa resistência para desafiar a estabilização, os flexores do
tronco e transverso abdominal. Para maior contribuição dos extensores do quadril
e joelhos, utilize molas de maior resistência.

MODIFICAÇÕES: Realizar com apoio unilateral, realizando a flexão e extensão


do quadril e joelho alternadamente.

Érika Cássia Barroso Batista 127


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

17. FOOTWORK II

OBJETIVOS: Fortalecer os flexores da coluna, transverso abdominal e extensores


do quadril e joelhos.

INSTRUÇÕES: Com um pé em flexão plantar apoiado na ombreira, mantenha o


joelho e o quadril estendido. O outro pé deve estar apoiado no centro do carrinho,
com quadril e joelho flexionados. Realize a extensão de joelho e quadril do membro
inferior à frente. Retorne à posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Manter a estabilidade pélvica e escapular.

Érika Cássia Barroso Batista 128


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

18. LEG EXTENSION

Érika Cássia Barroso Batista 129


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do joelho.

INSTRUÇÕES: Sentado sobre a barra de pés com os membros superiores à


frente. Os pés devem estar apoiados na borda do carrinho, com joelhos flexionados.
Realize a extensão dos joelhos contra a resistência das molas. Retorne à posição
inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Manter a coluna neutra, se o aluno sentir


desconforto em sentar na barra sobre os ísquios, pode-se colocar antiderrapante
ou colchonete para aumentar a área de contato.

MODIFICAÇÕES: a) Pode-se realizar o exercício com os quadris em rotação


externa; b) Realizar o exercício de forma unilateral, mantendo o outro membro
fica em extensão de joelho c) Realizar a rotação da coluna quando em flexão de
joelhos.

Érika Cássia Barroso Batista 130


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

EXERCÍCIOS NA

CHAIR
Érika Cássia Barroso Batista 131
PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

1. STRETCH BACK

OBJETIVOS: Alongar os extensores da coluna e quadril e mobilizar os ombros.

INSTRUÇÕES: Em pé, de costas para o pedal da Chair, segure-o com as mãos


, mantendo a coluna e quadril e flexão. Realize a flexão e extensão de ombros,
mantendo a coluna e quadril e flexão.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Este exercício é contraindicado para alunos


hipertensos, com labirintite e/ou instabilidade articular nos ombros.

MODIFICAÇÕES: Realizar em sequência dos exercícios: stretch back, tríceps


back e leg pull back.

Érika Cássia Barroso Batista 132


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

2. LEG PULL FRONT

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril, joelhos e coluna.

INSTRUÇÕES: Os pedais devem estar dissociados. Sentado na cadeira com os


pés sobre os degraus. Flexione a coluna cervical, torácica e lombar ao mesmo
tempo que flexiona o quadril. Apoie as mãos no solo e vá caminhando com as mãos
até estender novamente a coluna e o quadril, chegando à posição de decúbito
ventral. Realize a extensão e flexão do quadril unilateralmente de forma alternada.
Retorne à posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Alunos que tem síndrome do túnel do carpo


devem começar o movimento na segunda fase, com apoio de cotovelos. Manter o
alinhamento de membros superiores.

Érika Cássia Barroso Batista 133


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

3. SIDE PLANK

OBJETIVOS: Fortalecer os flexores laterais da coluna, transverso abdominal e


flexores da coluna.

INSTRUÇÕES: Em decúbito dorsal com as mãos apoiadas nos pedais dissociados.


Gire o corpo sobre a articulação do ombro, mantendo o apoio sobre uma das mãos
até o decúbito lateral. Durante a rotação permita que o pedal suba suavemente.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Alunos com dor patologias na região dos


punhos não devem realizar este exercício. Durante a rotação do corpo, modifique
o posicionamento dos pés também.

MODIFICAÇÕES: Pode-se associar este exercício com a flexão e extensão de


cotovelos na primeira fase do exercício.

Érika Cássia Barroso Batista 134


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

4. PLANK

OBJETIVOS: Fortalecer os flexores da coluna, extensores do quadril, transverso


abdominal e os estabilizadores da cintura pélvica e escapular.

INSTRUÇÕES: Em pé sobre os pedais dissociados, flexione a coluna partindo da


cervical até associar a flexão do quadril. Apoie as mãos no solo e vá caminhando
com elas até estender a coluna e o quadril, mantendo o alinhamento axial. Realize
a flexão e extensão de quadril alternadamente contra a resistência do degrau,
mantendo a coluna neutra.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Retorne caminhando com as mãos até


flexionando o quadril, coluna lombar, torácica e cervical. Volte à posição inicial
voltando a estender o quadril e a coluna partindo da lombar até a cervical. Priorize
a mobilização da coluna. Caso o aluno sinta desconforto na região dos punhos,
use manipulas no solo. Este exercício requer boa consciência corporal.

MODIFICAÇÕES: Realizar com os pedais unidos, flexionando e estendendo o


quadril direito e esquerdo ao mesmo tempo.

Érika Cássia Barroso Batista 135


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

5. PULL UP I

OBJETIVOS: Fortalecer os flexores da coluna e quadril, transverso abdominal,


extensores e abdutores do quadril.

INSTRUÇÕES: Em pé, com os pés sobre o pedal, mantenha a coluna e quadril


semi-flexionados apoiando as mãos na borda do assento da Chair. Realize a flexão
da coluna e quadril elevando o pedal. Associe a extensão de quadril unilateral
durante a fase ascendente e a flexão deste na fase descendente do movimento.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Pode-se realizar o exercício em flexão plantar,


diminuindo a interferência de possíveis encurtamentos em extensores do quadril
e transferindo maior peso para suporte nos membros superiores, facilitando o
exercício.

MODIFICAÇÕES: Realizar a abdução de quadril unilateral associado à flexão de


quadril e coluna.

Érika Cássia Barroso Batista 136


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

6. PULL UP II

OBJETIVOS: Fortalecer o flexores da coluna e quadril, transverso abdominal,


flexores laterais da coluna e abdutores do quadril.

INSTRUÇÕES: Em pé, com um pé apoiado sobre o pedal, posicione o membro


inferior cruzado. Mantenha a coluna e quadril semi-flexionados e com leve rotação
de coluna para posicionar as mãos nas bordas do assento da Chair. Realize a flexão
da coluna e quadril, associada à flexão lateral e à abdução de quadril unilateral.
Retorne à posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: a) Retirar as barras verticais para facilitar o


apoio das mãos no assento; b) Realizar o exercício em flexão plantar, diminuindo a
interferência de possíveis encurtamentos em extensores do quadril e transferindo
maior peso para suporte nos membros superiores, facilitando o exercício.

Érika Cássia Barroso Batista 137


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

7. TEASER

OBJETIVOS: Fortalecer os flexores, rotadores e flexores laterais da coluna.


Fortalecer os flexores, adutores e abdutores do quadril.

INSTRUÇÕES: Em decúbito lateral sobre o assento da Chair, mantenha os


membros inferiores cruzados com joelhos estendidos, e a mão do membro
superior de apoio sobre o pedal. O outro membro superior deve estar fletido até o
prolongamento do corpo. Realize, simultaneamente, a rotação da coluna associada
à flexão lateral e a flexão do quadril. Ao mesmo tempo estenda o membro superior
fora do apoio à frente. Retorne à posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Alunos devem ter boa consciência corporal e


força nos flexores da coluna para realizar corretamente este exercício.

MODIFICAÇÕES: Para facilitar, pode-se manter o membro inferior de apoio em


flexão de quadril e joelho para aumentar a base de apoio. Neste caso, somente o
membro superior acima realizará o movimento.

Érika Cássia Barroso Batista 138


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

8. BRIDGE I

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do joelho, quadril e coluna, e os flexores


do joelho.

INSTRUÇÕES: Sentado sobre o assento da Chair, apoie as mãos na borda oposta,


mantendo os ombros em extensão e rotação externa. Apoie os pés sobre o pedal
com quadril e joelhos fletidos e tornozelos em flexão planar. Estenda o quadril até
manter a coluna em posição neutra. Após, realize a extensão e flexão de joelhos
sem movimentar a pelve e a coluna.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Manter a coluna cervical em leve flexão e a


estabilidade escapular.

MODIFICAÇÕES: a) Pode-se realizar o exercício em rotação externa de quadril;


b) Pode-se executar de forma unilateral, mantendo um membro inferior em
extensão de joelho sem contato com o pedal.

Érika Cássia Barroso Batista 139


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

9. BRIDGE II

Érika Cássia Barroso Batista 140


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril e coluna e os flexores do joelho.

INSTRUÇÕES: Em decúbito dorsal no solo, mantenha os pedais dissociados


e apoie os pés sobre os pedais com quadril e joelho fletidos. Estenda o quadril
mobilizando a coluna vertebral. Após, realize a flexão e extensão dos joelhos de
forma unilateral alternadamente.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Cuidado para não movimentar a pelve. Opte


por molas de pouca resistência para aumentar a instabilidade, ou por molas de
maior resistência para intensificar a ação dos flexores do joelho.

MODIFICAÇÕES: Realizar o movimento bilateralmente.

Érika Cássia Barroso Batista 141


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

10. GOING UP I

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril e joelho.

INSTRUÇÕES: Em pé sobre os pedais da Chair, apoie um dos pés sobre o


assento do aparelho com 90 graus de flexão de quadril e joelho. Para aumentar
a instabilidade, posicione um disco de rotação entre o pé e o assento da Chair.
Estenda o quadril e o joelho do membro inferior acima permitindo que o pedal
suba. Retorne à posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Não realizar o movimento utilizando com


contribuição excessiva de membros superiores. Além disso, não permitir o valgo
dinâmico. Caso o aluno sinta dor no joelho, realizar o exercício somente na
amplitude livre de dor.

MODIFICAÇÕES: Realizar sem apoio de membros superiores nas alças laterais.

Érika Cássia Barroso Batista 142


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

11. GOING UP II

OBJETIVOS: Fortalecer os adutores e extensores do quadril e extensores do


joelho.

INSTRUÇÕES: Em pé sobre os pedais da Chair, apoie um dos pés sobre o


assento do aparelho com 90 graus de flexão de quadril e joelho e leve abdução
do quadril. Para aumentar a instabilidade, posicione um disco de rotação entre o
pé e o assento da Chair. Estenda o quadril e o joelho do membro inferior acima
permitindo que o pedal suba. Retorne à posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Não realizar o movimento utilizando com


contribuição excessiva de membros superiores.

MODIFICAÇÕES: Realizar sem apoio de membros superiores nas alças laterais.

Érika Cássia Barroso Batista 143


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

12. GOING UP III

OBJETIVOS: Fortalecer os e extensores do quadril e joelho.

INSTRUÇÕES: Em pé frente para o pedal da Chair, apoiar um dos pés sobre o


pedal em flexão de quadril. O outro membro inferior deve ser posicionado atrás
com quadril estendido, tornozelo em flexão plantar e pé em contato com o solo.
Flexione os joelhos e o quadril do membro inferior à frente. Volte à posição inicial
e leve o membro inferior de trás para cima do assento da Chair, estando em flexão
de quadril e joelho. Após, estenda o quadril e joelho permitindo que o degrau
suba e retorne à posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: a) Não realizar o movimento utilizando com


contribuição excessiva de membros superiores; b) O joelho à frente não deve
ultrapassar a linha dos dedos do pé; c) Quanto maior a resistência das molas, mais
difícil será para realizar a primeira fase do movimento e mais fácil para realizar a
segunda fase.

MODIFICAÇÕES: Realizar somente uma das fases do exercício.

Érika Cássia Barroso Batista 144


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

13. FOOTWORK I

OBJETIVOS: Fortalecer e alongar alternadamente os flexores plantares.

INSTRUÇÕES: Em pé de frente para o pedal da Chair, apoiar um dos pés, na


região do antepé sobre o pedal com quadril e joelho fletidos. Mantenha o joelho
apoiado na borda do assento e apoie as mãos nas laterais do assento. Realize a
flexão plantar e flexão dorsal do tornozelo sem movimentar os joelhos.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Manter a coluna neutra durante a execução e


não movimentar o joelho, somente tornozelo.

MODIFICAÇÕES: Para dificultar o movimento, segure as barras verticais da


Chair com as mãos e realize o exercício sem o apoio do joelho no assento.

Érika Cássia Barroso Batista 145


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

14. FOOTWORK II

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril e joelho.

INSTRUÇÕES: Sentado sobre o assento da Chair, apoie um dos pés sobre o


pedal. O outro membro inferior deve estar com joelho estendido e apoiado na
região do tornozelo sobre uma bola. Realizar a extensão de joelho e quadril do
membro inferior sobre o pedal e, simultaneamente, abduza de quadril do membro
inferior sobre a bola. Retorne à posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Não perder a estabilidade pélvica.

MODIFICAÇÕES: Pode ser realizado sem a bola, abduzindo o membro inferior


em suspensão.

Érika Cássia Barroso Batista 146


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

15. FOOTWORK III

OBJETIVOS: Fortalecer os flexores plantares.

INSTRUÇÕES: Sentado sobre a Chair, com os pedais dissociados, posicione uma


barra acima dos joelhos. Mantenha as mãos nas barras laterais da Chair. Realize a
flexão plantar e flexão dorsal dos tornozelos alternadamente sem derrubar a barra.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Aluno deve permanecer em coluna neutra e


não perder a estabilidade pélvica.

MODIFICAÇÕES: Pode ser realizado unilateralmente.

Érika Cássia Barroso Batista 147


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

16. BALANCE

OBJETIVOS: Fortalecer os flexores do quadril e extensores do joelho. Produzir


estímulos proprioceptivos.

INSTRUÇÕES: De pé sobre o pedal estando de lado para o aparelho. Mantenha


os membros superiores a 90 graus de flexão de ombros e cotovelos estendidos.
Realize a flexão do quadril direito e, então, estenda o joelho. Retorne à posição
inicial e então repita o exercício para o membro inferior esquerdo.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Manter a coluna neutra.

MODIFICAÇÕES: Alunos iniciantes podem segurar na barra laterais da chair com


as mãos para maior estabilidade. Para progressão, pode-se associar o movimento
de abdução de quadril após a flexão.

Érika Cássia Barroso Batista 148


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

EXERCÍCIOS NO

BARREL
Érika Cássia Barroso Batista 149
PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

1. MERMAID

Érika Cássia Barroso Batista 150


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

OBJETIVOS: Alongar os adutores do quadril, os flexores laterais e rotadores da


coluna.

INSTRUÇÕES: Em pé, posicione-se de lado para espaldar mantendo a pelve


apoiada. A mão direita deve estar segurando o espaldar com radio-ulnar supinada.
Abduza o quadril direito e apoie o membro inferior sobre o topo do barril. Realize
a flexão da coluna para a direita associada a abdução do ombro esquerdo. Retorne
à posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Não perder a estabilização dos ombros, pelve


e cervical.

MODIFICAÇÕES: Pode-se realizar a rotação da coluna associada à flexão lateral.

Érika Cássia Barroso Batista 151


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

2. GLUTEOS STRETCH

Érika Cássia Barroso Batista 152


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

OBJETIVOS: Alongar o glúteo máximo.

INSTRUÇÕES: Em pé, com o quadril flexionado, em rotação externa e joelho


flexionado a 90 graus sobre o barrel. Posicione um disco de rotação sob o pé de
apoio. Gire sobre o disco, abduzindo o quadril apoiado sobre o barril. Retorne à
posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Solicitar que o aluno realize a rotação do


tronco com controle.

MODIFICAÇÕES: a) Pode ser realizada a rotação para os dois sentidos; b) Realizar


a flexão da coluna mobilizando-a.

Érika Cássia Barroso Batista 153


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

3. BRIDGE

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril, joelho e coluna.

INSTRUÇÕES: Em decúbito dorsal com a coluna torácica apoiadas sobre o barrel.

Érika Cássia Barroso Batista 154


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Apoie os pés no espaldar com quadril e joelhos aproximadamente a 90 graus de


flexão. Apoie as mãos na nuca sustentando a cabeça e mantendo a coluna cervical
neutra. Realizar a extensão do quadril e joelhos. Retorne à posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Caso o aluno sinta dor na cervical, pedir para
pressionar a cabeça contra as mãos. Quanto mais afastado o espaldar, mais fácil
de realizar o exercício devido à menor amplitude de flexão do quadril na posição
inicial.

MODIFICAÇÕES: Realizar o exercício de forma unilateral e, se indicado,


associado à extensão de joelho.

Érika Cássia Barroso Batista 155


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

4. SIDE KICK

OBJETIVOS: Fortalecer os abdutores do quadril e flexores laterais da coluna.

INSTRUÇÕES: Em decúbito lateral sobre o Barrel com o cotovelo apoiado no


topo do aparelho. Mantenha os membros inferiores apoiados no espaldar com
joelhos estendidos. O membro inferior de cima deve estar apoiado sobre o último
degrau do espaldar. Abduza o quadril, mantendo a coluna neutra. Retorne à
posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Não perder o alinhamento escapular e pélvico.

MODIFICAÇÕES: Realizar a flexão lateral da coluna, retirando o apoio da pelve


com o aparelho. Para esta modificação o Barrel deve estar mais afastado.

Érika Cássia Barroso Batista 156


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

5. SWAN

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores da coluna e quadril.

INSTRUÇÕES: Em decúbito ventral sobre o aparelho, apoie as mãos no espaldar.


Posicione uma miniband ao redor dos tornozelos. Realize a extensão e flexão de
quadril alternadamente com o ombro contralateral.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Solicitar que o aluno mantenha o transverso


abdominal ativo para evitar compensação com a extensão da coluna lombar.

MODIFICAÇÕES: Estender a coluna simultaneamente com os movimentos de


quadril e ombros.

Érika Cássia Barroso Batista 157


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

6. SWAN I

Érika Cássia Barroso Batista 158


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

OBJETIVOS: Fortalecer os extensores do quadril e coluna e os flexores do joelho.

INSTRUÇÕES: Em decúbito ventral com a pelve posicionada sobre o Barrel,


apoie as mãos no espaldar, mantendo a coluna neutra. Realize a extensão do
quadril com o joelho estendido.

MODIFICAÇÕES: a) Pode-se ser realizado de forma alternada, com circundução


do quadril, associado à abdução e adução do quadril ou, ainda, associado à flexão
dos joelhos e rotação externa do quadril.

Érika Cássia Barroso Batista 159


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

7. HORSE

OBJETIVOS: Fortalecer adutores do quadril associado aos abdutores ou flexores


horizontais do ombros.

INSTRUÇÕES: Sentado sobre o Barrel com os quadris em abdução e com


as extremidades de uma faixa elástica fixas nas mãos. Realize a adução de
quadris contra o aparelho ao mesmo tempo que estende os joelhos e quadril.
Simultaneamente, abduza os ombros contra a resistência da faixa elástica.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Evitar que o aluno se desloque em excesso


para frente. O movimento é acendente.

MODIFICAÇÕES: Pode-se realizar segurando um Magic Circle à frente para


flexão horizontal dos ombros contra resistência, ou sem acessório para membros
superiores.

Érika Cássia Barroso Batista 160


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

8. SIDE UP

OBJETIVOS: Fortalecer os flexores laterais da coluna.

INSTRUÇÕES: Em decúbito lateral sobre o Barrel, mantenha a pelve apoiada


no aparelho e os pés apoiados no espaldar.Posicione o membro inferior de apoio
com joelho estendido em uma posição mais baixo, e o membro inferior de cima
em uma posição mais alta com joelho flexionado e quadril em rotação externa
e abduzido. Apoie as mãos na nuca e realize flexão lateral da coluna. Retorne à
posição inicial.

DICAS E CUIDADOS ESPECIAIS: Manter a pelve neutra e evitar a flexão da


coluna cervical.

MODIFICAÇÕES: Segurar uma barra ou acessório (Magic Circle, bola, etc.) com
os ombros em 90 graus de flexão. Manter os ombros fletidos no prolongamento
do corpo para aumentar o torque resistente e dificultar o exercício.

Érika Cássia Barroso Batista 161


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Alba-Martín P, Gallego-Izquierdo T, Plaza-Manzano G, Romero-Franco N, Núñez-
Nagy S, Pecos-Martín D. Effectiveness of therapeutic physical exercise in the
treatment of patellofemoral pain syndrome: a systematic review. J Phys Ther Sci.
2015 Jul;27(7).

Andriolo L, Di Matteo B, Kon E, Filardo G, Venieri G, Marcacci M. PRP augmentation


for ACL reconstruction. Biomed Res Int. 2015; 2015:371746.

Baldon R de M, Serrão FV, Silva, Scattone SR, Piva SR. Effects of Functional
Stabilization Training on Pain, Function, and Lower Extremity Biomechanics
in Women With Patellofemoral Pain: A Randomized Clinical Trial. Journal of
orthopaedic & sports physical therapy, v.44, n.4, 2014.

Bullock-Saxton JE, Janda V, Bullock MI. The influence of ankle sprain injury on
muscle activation during hip extension. Int J Sports Med. 1994 Aug; 15(6):330-4.

Czaplicki A, Jarocka M, Walawski J..Isokinetic Identification of Knee Joint Torques


before and after Anterior Cruciate Ligament Reconstruction. PLoS One. 2015 Dec
8;10(12):e0144283

Coimbra IB, Pastor EH, Greve JMD, Puccinelli MLC,Fuller R, Cavalcanti FS, Maciel
FMB, Honda E. Projeto Diretrizes: Osteoartrite (Artrose): Tratamento, 2003.

Delzell E. Cell games: clinical use of stem cell therapy is starting to outpace the
evidence. Lower Extremity Review. May, 2014.

Duarte VS, dos Santos ML, Rodrigues K de A, Ramires JB, Arêas GPT, Borges
GF. Exercise and osteoarthrosis: a systematic review. Fisioter Mov. 2013 jan/
mar;26(1):193-202.

Érika Cássia Barroso Batista 162


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Forriol F, Pascual J. Footprint analysis between three and seventeen years of age.
Foot Ankle. 11:101–4, 1990.

Goo YM, Kim TH & Lim JY. The effects of gluteus maximus and abductor hallucis
strengthening exercises for four weeks on navicular drop and lower extremity
muscle activity during gait with flatfoot. J. Phys. Ther. Sci. 28: 911–915, 2016.

Houglum PA. Exercícios físicos terapêuticos para lesões musculoesqueléticas. 3ª


edição, Ed. Manole, Barueri, 2015.

Jalali M, Farahmand F, Mousavi SM, Golestanha SA, Rezaeian T, Shirvani Broujeni S,


Rahgozar M, Esfandiarpour F. Fluoroscopic Analysis of Tibial Translation in Anterior
Cruciate Ligament Injured Knees With and Without Bracing During Forward Lunge.
Iran J Radiol. 2015 Jul 22;12(3):e17832.

Jegu AG, Pereira B, Andant N, Coudeyre E. Effect of eccentric isokinetic


strengthening in the rehabilitation of patients with knee osteoarthritis. Trials 2014,
15:106.

Kak HB, Park SJ & Park, BJ.The effect of hip abductor exercise on muscle strength
and trunk stability after an injury of the lower extremities. J. Phys. Ther. Sci. 28:
932–935, 2016.

Kemler E, van de Port I, Schmikli S, Huisstede B, Hoes A, Backx F.Effects of soft


bracing or taping on a lateral ankle sprain: a non-randomised controlled trial
evaluating recurrence rates and residual symptoms at one year. J Foot Ankle Res.
2015 Apr 14;8:13.

Kisner C & Colby LA. Exercícios terapêuticos. Fundamentos e técnicas, 6ª edição,


Ed Manole, Barueri, 2016.

Kolt GS & Mackler LS. Fisioterapia no esporte e no exercício. Revinter, Rio de


Janeiro, 2008.

Érika Cássia Barroso Batista 163


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Gallagher S.P & Kryzanowska. O método Pilates de condicionamento físico. The


Pilates Studio Brasil, 2000.

Howell R, Kumar NS, Patel N, Tom J. Degenerative meniscus: Pathogenesis,


diagnosis, and treatment options. World J Orthop , November 18; 5(5): 597-602,
2014.

Laible C, Sherman OH. Risk factors and prevention strategies of non-contact


anterior cruciate ligament injuries. Bull Hosp Jt Dis (2013). 2014;72(1):70-5.

Lange AK, Vanwanseele B, Fiatarone Singh MA: Strength training for treatment
of osteoarthritis of the knee: a systematic review. Arthritis Rheum 2008, 59:1488–
1494.

Lee M, Sung DJ,Lee J, Oh I, Kim S, Kim S & Kim J. Knee joint function due to
accelerated rehabilitation exercise after anterior cruciate ligament reconstruction
surgery in Korean male high school soccer players. J Exerc Rehabil. 2016 Feb; 12(1):
29–36.

Magee D. Avaliação musculoesqulética. Vol. 5. Ed. Manole, Barueri, 2010.

McGovern RP, Martin RL. Managing ankle ligament sprains and tears: current
opinion. Open Access J Sports Med. 2016 Mar 2;7:33-42.

McHugh MP, Tyler TF, Tetro DT, Mullaney MJ, Nicholas SJ. Risk factors for noncontact
ankle sprains in high school athletes: the role of hip strength and balance ability.
Am J Sports Med. 2006 Mar; 34(3):464-70.

Mordecai SC et al . Management of meniscal tears: An evidence based approach.


World J Orthop, July 18; 5(3): 233-241, 2014.

Nobre TL. ARTIGOS DE REVISÃO: Comparação dos exercícios em cadeia cinética


aberta e cadeia cinética fechada na reabilitação da disfunção femoropatelar.
Fisioter. Mov (Impr.) vol.24 n.1 Curitiba Jan./Mar, 2011.

Érika Cássia Barroso Batista 164


PILATES NAS PATOLOGIAS DO JOELHO

Petersen W, Ellermann A, Rembitzki IV, Scheffler S, Herbort M, Sprenker FS,


Achtnich A, Brüggemann GP, Best R, Hoffmann F, Koppenburg AG, Liebau C.The
Patella Pro study — effect of a knee brace on patellofemoral pain syndrome: design
of a randomized clinical Trial. BMC Musculoskeletal Disorders 2014, 15:200.

Pilates JH. A obra completa de Joseph Pilates. Ed. Phorte, São Paulo, 2010.

Rachmawati MR, Tulaar ABM, Immanuel S, Purba A, Mansyur M, Haryadi RD,


Hadisoebroto I, Husni A, Ibrahim N. Correcting of pronated feet reduce skeletal
muscle injury in young women with biomechanical abnormalities. Anat Cell Biol
49:15-20, 2016.

Rodriguez-Roiz JM, Caballero M, Ares O, Sastre S, Lozano L, Popescu D. Return to


recreational sports activity after anterior cruciate ligament reconstruction: a one-
to six-year follow-up study. Arch Orthop Trauma Surg. 2015;135(8):1117–1122.

Staheli L. Planovalgus foot deformity. Current status. J Am Podiatr Med Assoc.


1999;89:94–9, 1999.

Yılmaz Yelvar GD, Baltacı G, Bayrakcı Tunay V, Atay AÖ. The effect of postural
stabilization exercises on pain and function in females with patellofemoral pain
syndrome. Acta Orthop Traumatol Turc. 2015; 49(2):166-74.

You-jou Hung. Neuromuscular control and rehabilitation of the unstable ankle.


World J Orthop. 2015 Jun 18; 6(5): 434–438.

Érika Cássia Barroso Batista 165