Você está na página 1de 108

POVOS

DO
BRASIL
C atálogo
POVOS DO BRASIL
C AT Á L O G O
Comitê Multidisciplinar | Projeto Povos do Brasil
Paulo Teixeira de Sousa Jr. (Coordenador)
Universidade Federal de Mato Grosso

Àguida Aparecida Gava


Universidade Federal de Mato Grosso

Beleni Salete Grando


Universidade Federal de Mato Grosso

Benedito Dielcio Moreira


Universidade Federal de Mato Grosso

Moacir Francisco Barros


Universidade Federal de Mato Grosso

Naine Terena de Jesus


Faculdade Católica de Mato Grosso

Nilo Alvez Bezerra


Universidade Federal de Mato Grosso

Paulo Sergio Delgado


Universidade Federal de Mato Grosso

Paulo Teixeira de Sousa Jr.


Universidade Federal de Mato Grosso

APOIO TÉCNICO

Rose Soares

PRODUÇÃO EDITORIAL
Genius At Work Produções Cinematográficas LTDA.
POVOS DO BRASIL
C AT Á L O G O
1. Site do Projeto Povos do Brasil 15

2. Sinopses dos documentários


disponíveis no site Povos do Brasil 19
2.1 Região Norte. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Beká: o que é escola tradicional Gavião . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
De onde vem a borracha?:
os Huni Kuin e a extração de látex. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Huni Kuin - Povo Verdadeiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Estudantes debatem:
Por que a Escola Indígena é Masculina?. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Katxa Nawa: festival da fertilidade Huni Kuin . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Bases para uma nova política indigenista. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Belo Monte, anúncio de uma Guerra. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Inani e Banu - Imagens da Mulher Huni Kuin. . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Uma Assembléia Ticuna. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
E agora, hoje, é Quartel! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Povo Hupda do Amazonas:
Fragmentos de um diário de Campo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Muita terra para pouco índio?. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Huni Kuin - Os últimos guardiões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Beiradão Hup Boyoh. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Kisibi - Desano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Eu moro aqui - Histórias das florestas do norte do Brasil. . . 27
Índios Urbanos - Movimento Migratório
dos Índios Sateré-Mawé. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Memorial Indígena Sateré-Mawé. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Narrativas sobre os isolados nos rios Jordão e Envira . . . . . . 28
Rituais da tribo Desana. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Rony Wasiry Guará - Maraguá . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Rosi Waikhon - Piratapuia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Yawá - História do povo Yawanawá. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Shuku Shukuwe - A vida é para sempre. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Txirin, O Batismo do Gavião. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Aldenor Felix - Tikuna. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
A visão do Xamã. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

2.2 Região Centro Oeste. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32


A história da cutia e do macaco. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Formação audiovisual das mulheres indígenas . . . . . . . . . . . . . . . 32
Takumã Kuikuru: Pele de Branco (Povo Kuikuro). . . . . . . . . . . . . . 33
Pirinop - Meu primeiro contato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Tsõ’rehipãri - Sangradouro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Febre da Cana: À Sombra de um Delírio Verde. . . . . . . . . . . . . . 34
Bro Mc’s. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Cordilheira de Amora II . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Do Bugre ao Terena . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Guapoy, a árvore viajante. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Jerosy Pukui (cerimônia do milho branco). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Índios no poder. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Jaguapiré na luta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Kaiowa Kunhatai - Mulher Kaiowá . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Kunumi Pepy . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Porahey . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Histórias de Avá – O Povo Invisível. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Flor Brilhante e as cicatrizes da pedra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Terra dos Índios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Teko Mbarete - Guarani Kaiowá . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Tajujá . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Pirakuá - Os Guardiões do Rio Apa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Panambizinho - O fogo que nunca apaga. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Osiba Kangamuke - Vamos lá criançada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Olhar no fim do meio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Ohokoti. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Hinokoku Hiyokexeokono Ikatakoti Kali Kamó - A última
dança do Cavalinho. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Povos do Xingu contra a construção de Belo Monte . . . . . . . . . 43
Daniel Munduruku - Munduruku. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Ava Yvy Vera - A Terra do Povo do Raio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Cuhkõnre Jarkua - Cabacinha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Berahatxi-rbi Olodu Mahadu -
O povo que veio do fundo do rio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Karioka. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Xavante - memória, cultura e resistência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Em trânsito: A saga dos Manoki. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Haliti Paresí. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
A trama do olhar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Manoel Chiquitano Brasileiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Daniel Cabixi - Paresí . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Estratégia Xavante. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
A terra não termina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Abazei é ze wasu’u . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
A’uwe Uptabi – O Povo Verdadeiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
O Índio e o Karaiwa -
Arte e Contato (Programa Cinema Livre). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Homem Branco em Marãiwatsédé . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Caminhos do tempo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Indígenas: a luta dos povos esquecidos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49

2.3 Região Nordeste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50


500 anos: a outra história . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Os rituais sagrados realizados pelo povo Atikum. . . . . . . . . . . . 50
Espelho Partido. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Histórias Tumbalalás no sertão da Bahia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Ihiato - Narrativas dos Anciãos do povo Fulni-ô. . . . . . . . . . . . . . 52
Indígenas Digitais: novas alternativas para falar . . . . . . . . . . . . . 52
Vinho de Jurema no Ritual Afro Indígena . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
O retorno da Terra. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
O Sal Tupinambá . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
Oi, que Prazer, que Alegria Kapinawá. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
Tupinambá Digital: tecnologia,
preconceito e demarcação de terras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
Pisa Ligeiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
Chicão Xukuru. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
Menino no Rancho - Cura e Iniciação entre os Pankararu. . 56
Promessa Pankararu. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Retomada. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
A festa dos encantados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
A Importância  e os
Significados das Pinturas Pataxós. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
Quintal da Pajé. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
Fogo do 51. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Aldeia do Saber. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Cabloco Marcelinho. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Memórias retomadas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
Pakhê Pataxó. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
Tedyasese - Superamos os Tempos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
A Lingua Pataxó. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Armas e armadilhas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Culinária Pataxó . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Awê . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Jokana Pataxó. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
Artesanatos Pataxó . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
Tribo indígena xucuru-kariri. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
Meu Atikum . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
2.4 Região Sudeste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Kotkuphi. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Mîmãnãm: o ritual religioso dos Maxakali. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Panha do Pequi. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
São Paulo: a terceira margem Pankararu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
Xupapoynãg . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Yãmîy . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Yiax Kaax - fim do resguardo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
Atrás da Pedra - Resistência Tekoa Guarani. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
Kunumi chegou. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
Kakxop pit Hãmkoxuk Xop -
Iniciação dos filhos espíritos da terra. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
Guerra sem fim - resistência e luta do povo Krenak . . . . . . . . . 69
Ök’ahpó - Desenforme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Konãgxeka - O Dilúvio Maxakali . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
O povo do canto - Maxakali . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Ka’a’i - O ritual da erva-mate . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
Cultura indígena Tupinikim. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
Dia do Índio na aldeia verde de Maxakali. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
Caminhos da reportagem - Território de(s)marcado . . . . . . . . . 72

2.5 Região Sul. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73


Aldeia Piraí: Brincadeiras das crianças Guarani . . . . . . . . . . . . 73
Kamé e Kairu: revitalização cultural Kaingang . . . . . . . . . . . . . . . 73
Karai Ha’egui Kunhã Karai ‘ete:
uma história Guarani . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Mbyá Reko Pyguá. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Ñande Guarani: nós, Guarani. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Mbyá Avaxy - Semente tradicional Guarani. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Ojepotá - Mito Guarani. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
O infortúnio do povo Xetá no interior do Paraná. . . . . . . . . . . . . 76
O Canto do Voo do Urubu:
Revitalização da Cultura Xetá. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Tekowe Nephyrun - A origem da alma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
Ara pyau. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
Veredas kaingang - trajetória indigenista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
Vida Kaingang . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78

3. TEASER 79

4. Documentários produzidos pelo Projeto


Povos do Brasil 83
4.1 Documentário sobre a Região Sul . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85

4.2 Documentário sobre a Região Sudeste. . . . . . . . . . . . . . 86

4.3 Documentário sobre a Região Centro-oeste . . . . . . 88

4.4 Documentário sobre a Região Nordeste. . . . . . . . . . . . 89

4.5 Documentário sobre a Região Norte . . . . . . . . . . . . . . . . 91

5. Imagens Fotográficas 93
5.1 Imagens de Povos Indígenas
da Região Norte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96

5.2 Imagens de Povos Indígenas


da Região Nordeste. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97

5.3 Imagens de Povos Indígenas


da Região Centro Oeste. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98

5.4 Imagens de Povos Indígenas


da Região Sul . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99

5.5 Imagens de Povos Indígenas


da Região Sudeste. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100

6. Livro Povos Indígenas no Brasil: Perspectivas


no fortalecimento de lutas e combate ao
preconceito por meio do audiovisual 101
Apresentação

A s ações do projeto Povos do Brasil tiveram como objetivo principal


reunir um acervo audiovisual que fosse representativo da diversida-
de étnica e cultural dos povos indígenas do Brasil.

Esta iniciativa é louvável. Primeiramente pelo caráter pedagógico que


a constituição do acervo possibilita em oferecer conteúdo audiovisual
sobre a temática acerca dos povos indígenas ao público em geral, so-
bretudo estudantes. O segundo mérito do projeto é a disponibilização
de uma base de dados igualmente acessível a pesquisadores nacionais
e internacionais.

Para constituição deste acervo foram contratadas duas empresas que


atuam no mercado publicitário para mapear um banco de sessenta ho-
ras de produção áudio visual, cuja temática envolvesse os povos indíge-
nas do Brasil. Em paralelo a este mapeamento, um comitê multidiscipli-
nar composto por professores da Universidade Federal de Mato Grosso
e colaboradores de diferentes áreas de conhecimento, passou a avaliar
os documentários reunidos. Como critério de seleção foram observa-
dos o ano da produção, considerando principalmente as produções
recentes, além de priorizar o conteúdo produzido pelos próprios povos
indígenas e posteriormente de produtores independentes, sobretudo or-
ganizações não governamentais (ONG).

Além destes tipos de produção, foram identificadas reportagens e docu-


mentários produzidos por diferentes grupos de mídias. As reportagens
televisivas ou documentários produzidos por grandes empresas de co-
municação, sobretudo de emissoras de televisão, tendem a reproduzir
ideias do senso comum, assim como produzir narrativas que situam os
povos indígenas numa escala evolutiva na qual ainda não alcançaram
a “civilização”. Esta perspectiva reforça estereótipos e preconceitos
contra os povos indígenas, dificultando ainda mais a conquista de re-
conhecimento e valorização da diversidade étnica e cultural presente
no Brasil. Ademais, quando se considera as mídias locais, que estão
muitas vezes na mão de grupos econômicos ligados ao agronegócio, o
preconceito apresentado é ainda maior, principalmente quando envolve
questões relacionadas ao reconhecimento de territórios tradicionais de
diferentes povos indígenas. De modo geral, os discursos e editoriais ali
presentes procuram colocar a população local contra os interesses dos
povos indígenas1. Diante disso, os documentários e reportagens que
apresentam conteúdo desta natureza não foram incluídos no banco de
dados.

1 A dissertação de mestrado de Lélio Loureiro da Silva traz uma boa análise do editorial e
reportagens do Jornal O Progresso sobre os Guarani Ñandeva e Kaiowá que vivem na
Reserva de Dourados (Dourados/MS), (Cf. SILVA, Lélio Loureiro da. As Representações dos
Kaiowá-Ñandeva no Jornal O Progresso na Década de 1980).
Outro critério adotado na seleção dos documentários reunidos pelo
projeto diz respeito à linguagem. Não se buscou selecionar o “politi-
camente correto”, mas produções que apresentem os povos indígenas
num formato e um conteúdo no qual eles desejam ser conhecidos. Para
tanto, os olhares antropológico e etnográfico foram considerados no
processo seletivo.

Dessa forma, o conteúdo das produções audiovisuais reunidas pelo Pro-


jeto Povos do Brasil pode ser resumido em dois pontos principais:

1. aqueles que mostram diferentes formas se organização sócio cultural,


principalmente por meio da apresentação de diferentes rituais, ou con-
forme se apresenta no senso comum: “as festas”, formas particulares de
ser e viver, ou seja, o cotidiano das aldeias;

2. aqueles que mostram o protagonismo indígena, por meio de diferentes


ações, articulações em prol do reconhecimento e efetivação de direi-
tos, sobretudo, ligados ao reconhecimento de territórios e implantação
de políticas públicas diferenciadas que atendam as especificidades de
cada povo indígena. Aqui se destacam também os documentários que
mostram a articulação do movimento indígena com diferentes apoiado-
res (antropólogos, juristas, religiosos, agentes políticos) das bandeiras
de luta do movimento.

Há ainda um terceiro ponto, que pode ser situado no primeiro, que diz
respeito ao gênero animação, cujo conteúdo reproduzido diz respeito
às narrativas míticas encenadas por personagens. Diferente do perso-
nagem genérico Papa-Capim2 de Maurício de Sousa, os personagens
destas animações estão relacionados a etnias reais, com destaque ao
conteúdo mito-cosmológico.

Além dos documentários completos, produzidos por indígenas e não


indígenas, reunidos no site Povos do Brasil, o Projeto apresenta uma
seleção de 30 (trinta) teasers, ou seja, um resumo provocativo de pro-
duções audiovisuais para instigar o internauta, pesquisador, estudante
e outros interessados a buscar seu conteúdo completo no site Povos do
Brasil (http://ufmt.br/povosdobrasil).

O Projeto Povos do Brasil igualmente produziu um conjunto de cinco


documentários nos quais apresenta um panorama geral das etnias que
vivem nas cinco regiões do Brasil. Neste sentido são apresentados in-
formações sobre o contingente populacional e distribuição das etnias
por região. Destaca-se nestes documentários as entrevistas, realizadas
pelos diretores da produção, com diferentes lideranças indígenas que
participavam do Acampamento Terra Livre (ATL) em 2017.

2 Papa-Capim é uma criança indígena “genérica” e essencializada, pois não se identifica


sua etnia, integrante da “Turma da Mônica” que vive na Amazônia. É apontado como
defensor da natureza, da floresta e contra o desmatamento. Todavia, situado dentro do
politicamente correto, não é um personagem militante a ponto de denunciar somente o
desmatamento, mas não os agentes do desmatamento. Do mesmo modo, o personagem
é idealizado, sobre o qual abstrai-se o contato e as transformações culturais, bem como a
violência impingida sobre os povos indígenas.
Este catálogo igualmente apresenta imagens fotográficas de alguns po-
vos indígenas que estão distribuídos nas cinco regiões brasileiras. Esta
apresentação objetiva apenas mostrar a rica diversidade étnica e cultu-
ral presente no Brasil, porém, sem elencar hierarquicamente, ou conside-
ra-los como mais ou menos importante na região. Ademais, quando se
considera que, segundo dados do Censo do IBGE (2010), são 896.917
pessoas que fazem parte de 305 etnias (povos) autodeclaradas, não
haveria espaço suficiente para apresentar todas elas.

Outro produto do Projeto Povos do Brasil foi a produção do livro Povos


Indígenas no Brasil: Perspectivas no fortalecimento de lutas e combate
ao preconceito por meio do audiovisual, organizado por integrantes do
Comitê Multidisciplinar do projeto. Esta publicação, composta por nove
capítulos e destinado ao público em geral, foi escrita por várias mãos,
por autores indígenas e não indígenas de diversas áreas de conhe-
cimento (acadêmicos ou não), trazendo importantes reflexões sobre a
produção audiovisual no contexto de uma (re)afirmação étnica, ou seja,
de povos diferentes que romperam com os projetos assimilacionistas que
tinham como principal objetivo o apagamento da diversidade étnica e
cultural presente no contexto brasileiro, e protagonizam por meio do
áudio visual diferentes formas de lutas por direitos e divulgam seu modo
de ser e viver. Esta obra está disponível em formato digital (e-book) no
site do Projeto.

Por fim, a equipe do Projeto Povos do Brasil agradece aos colaborado-


res que foram sensíveis à proposta e autorizaram a inserção de suas
produções audiovisuais neste projeto, àqueles que cederam imagens fo-
tográficas e aos autores dos textos reunidos no livro Povos Indígenas no
Brasil: Perspectivas no fortalecimento de lutas e combate ao preconceito
por meio do audiovisual. Ademais, o Projeto Povos do Brasil está aberto
a receber novas produções que venham a enriquecer este acervo. Es-
peramos com esta iniciativa contribuir para valorizar e promover ações
positivas de combate ao preconceito étnico e cultural que ainda persiste
na sociedade brasileira contra os povos indígenas.

Prof. Paulo S. Delgado


Membro do Comitê Multidisciplinar
1

Site do Projeto
Povos do Brasil
O site

O site Povos do Brasil (http://ufmt.br/povosdobrasil) é o espaço virtual


onde está reunido grande parte do acervo do projeto. Pensado para
facilitar a experiência do usuário, tem uma estrutura simples, que se
adapta às diferentes telas e garante uma navegação intuitiva. De forma
gratuita e livre, os internautas interessados nos povos indígenas bra-
sileiros (sejam estudantes, pesquisadores, indigenistas ou entusiastas)
podem ter acesso a uma grande e preciosa variedade de material fruto
de cuidadosa curadoria do comitê de pesquisadores que compõem o
projeto, que se preocuparam em selecionar conteúdo que fosse além do
estereótipo de índio que se convencionou a representar em certos meios
da sociedade.

As fotos, documentários e publicações disponíveis na plataforma, sem-


pre separadas por região do país e por etnias (nesta ordem), são dividi-
das em quatro grandes eixos:

Documentários - filmes produzidos pelo projeto Povos do Brasil e que


tem o objetivo de proporcionar um panorama das etnias nas diferentes
regiões do país. População, idioma que falam, principais demandas so-
ciais e outras informações importantes são apresentadas de forma breve
e podem servir como incentivo para despertar o interesse dos internautas
que podem continuar a aprender sobre as populações nativas em outras
páginas do mesmo portal, bastando para isso dois ou três cliques.

Filmes licenciados - sob esta aba, estão reunidos documentários, filmes


etnográficos, reportagens e filmes, produzidos por diferentes instituições e
pessoas de todas as partes do Brasil. Eles registram, sob vários pontos de
vista, a situação dos povos indígenas na atualidade e tratam de questões
relevantes para eles, tais como demarcação e luta por territórios, conflitos
com não-indígenas, questões ambientais, aspectos culturais, etc. Os filmes
selecionados foram previamente estudados e discutidos pelos membros
do comitê multidisciplinar do Povos do Brasil para garantir a relevância
do material a ser disponibilizado. Além disso, são apresentados com as
informações técnicas e com uma breve sinopse que pode ajudar o inter-
nauta a saber se um determinado filme foca mais num aspecto que é do
seu interesse no momento e, por consequência, otimizar sua experiência
de navegação no site.

16 Site do Projeto Povos do Brasil


Biblioteca - esta página reúne as publicações (artigos científicos,
trabalhos acadêmicos, livros, etc.) previamente selecionadas, sejam
elas de membros do grupo ou não, desde que sejam relevantes para
as discussões sobre as questões ligadas aos povos indígenas. Parte do
material (como os artigos científicos, por exemplo) podem ser baixa-
dos no próprio site; em caso de livros e outros arquivos que não sejam
públicos ou cujos direitos não tenham sido adquiridos pelo Povos do
Brasil, constarão com link encaminhando para as páginas onde pos-
sam ser acessados e/ou adquiridos.

Galeria de fotos – é um banco de imagens adquiridas com parcei-


ros em todas as regiões do país. Algumas dessas imagens foram feitas
com propósitos científicos, outras apenas como registros do cotidiano
nas aldeias; algumas foram feitas por profissionais, com propósitos
artísticos, outras foram feitas por índios, que mostravam sua realidade
sob seu próprio ponto de vista. Pinturas corporais, rituais religiosos,
trabalho cotidiano, produção de artesanato,
enfim, o ordinário no dia-a-dia das comuni-
dades nas aldeias, mas que chama atenção
nos que estão de fora.

Uma outra característica óbvia quando se


fala de internet, mas que não deixa de ser
uma vantagem do site, é a possibilidade de
compartilhamento rápido: com uma captura
de tela ou o envio de link, os internautas
podem compartilhar todo o conteúdo dis-
ponibilizado pelo site, espalhando esse co-
nhecimento e disseminando esse outro olhar
sobre as populações nativas brasileiras.

Site do Projeto Povos do Brasil 17


2
Sinopses dos
documentários
disponíveis no site
Povos do Brasil
NORTE

2.1 Região Norte

Beká: o que é escola tradicional Gavião


»»Direção: Alunos de iniciação científica da Licenciatura em Educação
Básica Intercultural da Universidade Federal de Rondônia
»»Doc | 14min | 2013 | Pará
»»Etnia: Gavião
No documentário, produzido pelos alunos de iniciação científica da
Licenciatura em Educação Básica Intercultural da Universidade Federal
de Rondônia, o cacique Catarino Gavião fala a respeito da importância
da educação - tanto a educação tradicional indígena quanto a educa-
ção escolar não-indígena - para os povos indígenas. Para ele, qualquer
indígena mais velho tem algo para ensinar para os mais jovens. Essas
crianças não precisam de papel e caneta porque o que eles aprendem
de sua cultura dependem principalmente de seu interesse verdadeiro e
fica guardado no coração.

Ao comentar sobre a educação formal disponibilizada para os jovens


das aldeias, o cacique afirma que atualmente é muito importante para
os povos indígenas dominarem a língua portuguesa, porque apenas
dessa forma podem defender sua cultura, sua terra e seus direitos.

De onde vem a borracha?:


os Huni Kuin e a extração de látex
»»Direção: Mari Corrêa
»»Animação | 06min | 2014 | AC
»»Etnia: Huni Kuin
O tema deste documentário é a extração do látex por comunidades
indígenas da etnia Huni Kuin (Kaxinawá), natural do Estado do Acre,
na região de fronteira com o Peru. No filme podemos ver o ritual de ex-
tração de látex, principalmente nas seringueiras ao longo das margens
do rio Envira. Com duração de pouco mais de seis minutos, o filme foi
produzido pelo Instituto Catitu, 2014. A proposta de trabalho deste ins-
tituto é que os próprios indígenas contem a sua história. Para isso, eles
aprendem a manusear os equipamentos de audiovisual. Em parceria
com o projeto “Tecendo os Saberes”, o instituto oferece cursos de produ-
ção audiovisual e incentiva a documentação nas aldeias para que haja
uma maior interação entre culturas.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 21


NORTE

Huni Kuin - Povo Verdadeiro


»»Direção: Mari Corrêa
»»Doc | 05min | 2015 | Acre
»»Etnia: Huni Kuin
Produzido pelo Instituto Catitu como parte do Projeto Tecendo Saberes,
que pretende registrar os saberes populares das comunidades indíge-
nas sob o ponto de vista das crianças, “Huni Kuin - Povo Verdadeiro”,
da diretora Mari Corrêa, o vídeo apresenta o cotidiano na Aldeia São
Vicente, na Terra Indígena Kaxinawá, do rio Humaitá, no Estado do
Acre. Nessa obra é possível conhecer um pouco da organização das
atividades necessárias para a convivência na comunidade, o trabalho
com artesanato e pinturas corporais, além de conhecer um pouco mais
sobre as plantas mais utilizadas pelos Huni Kuin.

Estudantes debatem:
Por que a Escola Indígena é Masculina?
»»Direção: João Guató
»»Doc | 28min |2012 | Rondônia
»»Etnia: Surui, Puruborá, Gavião, Canoê, Jabuti
Trata-se de um episódio piloto de um programa de TV produzido pelo
projeto de pesquisa e extensão “Pedagogia da Roda”, da Universidade
Federal de Rondônia (UNIR), vinculado ao Departamento de Educação.
Os indígenas são entrevistados por alunos do projeto, cujo objetivo é
discutir os motivos que levam as escolas indígenas a possuírem mais
alunos homens que mulheres. As indígenas que querem estudar recla-
mam que precisam lidar com a “superproteção” por parte dos homens e
o preconceito de suas próprias comunidades, que não veem com bons
olhos a independência da mulher.

22 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


NORTE

Katxa Nawa: festival da fertilidade Huni Kuin


»»Direção: Mari Corrêa
»»Doc | 05min | 2008 | Acre
»»Etnia: Huni Kuin
O povo Huni Kuin vive na porção norte da América do Sul, entre o Bra-
sil e o Peru. A comunidade brasileira está localizada na Terra Indígena
Kaxinawá do Rio Humaitá, no Estado do Acre. Um dos rituais pratica-
dos por essa comunidade é o Kaxinawá, o festival da fertilidade. Esse
ritual pode acontecer várias vezes durante o ano e tem como objetivo
garantir uma boa colheita. O documentário foca na participação das
crianças nesse ritual, desde a preparação da pintura corporal até a
dança em volta do tronco oco de paixiúba.

Para a dança, os participantes pintam o corpo com urucum (corante de


tonalidade vermelha) e Jenipapo (corante de tonalidade preta) e ves-
tem-se com folhas de jarina. O documentário Katxa Nawa contou com
a direção de Mari Corrêa, uma cineasta e produtora que desde 1992
dedica-se a produzir documentários sobre a vida indígena, além de
ensinar técnicas de produção audiovisual nessas comunidades.

Bases para uma nova política indigenista


»»Direção: Bruno Pacheco de Oliveira
»»Doc | 08min | 2010 | Acre
»»Etnia: Várias etnias.
No documentário, tomamos conhecimento das expectativas dos par-
ticipantes do evento “Bases para uma nova política indigenista” que
ocorria paralelamente à Cimeira do Rio de 1999, que reuniu lideranças
de todo o mundo na cidade do Rio de Janeiro. Nesse evento para-
lelo, organizado pelo Museu Nacional, foram convidadas lideranças
indígenas de todo o país, membros de organizações não governamen-
tais e representantes de organismos governamentais e internacionais.
Os entrevistados falam da importância da modernização das políticas
da FUNAI, da importância de reconhecer as particularidades de cada
povo e não continuarem a tomar decisões como se todos os índios do
país tivessem as mesmas formas de organização sociocultural e anseios.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 23


NORTE

Belo Monte, anúncio de uma Guerra


»»Direção: André D’Elia
»»Doc | 104min | 2012 | Pará
»»Etnia: Várias etnias.
Fruto de um projeto de financiamento coletivo, que conseguiu arrecadar
cento e vinte e um mil reais em apenas quinze dias, o documentário
“Belo Monte - anúncio de uma guerra” retrata o impacto da construção
da Usina de Belo Monte no meio ambiente e na vida das comunidades
indígenas. Obra do governo federal, que mudou a rota de parte do rio
Xingu para que um pedaço de terra antes ocupado por floresta e pastos
se tornasse reservatório e que, quando concluída será a terceira maior
usina do mundo e a segunda maior do Brasil.

Dirigido por André D’Elia, o documentário levou mais de dois anos para
ser concluído e se posiciona contra a continuação da obra. Procura
mostrar como ela modificaria, para pior, a realidade dos habitantes
locais. Foram ouvidos especialistas, lideranças indígenas e personalida-
des não indígenas que recontaram a história da usina desde o regime
militar até o início da construção, quando o tema se tornou objeto de
discussão pública em todo o país.

Inani e Banu - Imagens da Mulher Huni Kuin


»»Direção: Elisa Scmidt
»»Doc | 24min | 2015 | Acre
»»Etnia: Huni Kuin
Premiado no VII Prêmio Funcine de Produção Audiovisual Armando Car-
reirão de 2012, o documentário “Inani e Banu - Imagens da Mulher Huni
Kuin” mostra o cotidiano das mulheres da etnia Huni Kuin que habitam
a região da fronteira do Estado do Acre com o Peru. A diretora Elisa
Schmidt mostra como é feita a divisão dos trabalhos entre as mulheres,
que tradicionalmente são as responsáveis por cuidar das crianças, da
comida e do artesanato. Além disso, uma questão relevante levantada
pelo documentário é a continuidade das regras exogâmicas segundo
a qual não pode ocorrer casamentos entre pessoas de clãs diferentes,
dessa forma pessoas ligadas ao clã da onça não se casam com o clã
do gavião, por exemplo.

24 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


NORTE

Uma Assembléia Ticuna


»»Direção: Bruno Pacheco
»»Doc | 20min | 2000 | Amazonas
»»Etnia: Maguta (Ticuna)
Dirigido por Bruno de Oliveira, o documentário registra um dos encon-
tros do Conselho Geral Tribo Ticuna (CGTT), que reuniu na Aldeia de
Vendaval membros do povo Ticuna do Brasil, da Colômbia e do Peru.
O povo Ticuna possui, segundo os dados mais recentes do programa
Povos Indígenas do Brasil, do Instituto Socioambiental, pouco mais de
cinquenta e três mil membros no Estado do Amazonas - muito mais do
que as populações de Ticunas da Colômbia e do Peru juntas, que não
chegam a quinze mil, segundo a mesma instituição. Formados principal-
mente pelas lideranças do povo Ticuna, os CGTTs abrem espaço, ainda,
para as mulheres e os estudantes desta etnia da região Amazônica.
Essas reuniões, além de discutir questões políticas relevantes para esse
grupo, é uma afirmação cultural. Tanto que, como exibido na peça, as
reuniões costumam ser encerradas com a festa da moça nova - ritual
que marca a passagem das meninas para a idade adulta, mas que,
nas palavras do antropólogo João Pacheco de Oliveira, é “como se
fosse a verdadeira escola dos Ticunas”, pois é o momento em que os
mais novos aprendem sobre a relação com o “sobrenatural, as crenças
fundamentais, as crenças que regulam as relações entre os sexos”, etc.

E agora, hoje, é Quartel!


»»Direção: Bruno Pacheco de Oliveira
»»Doc | 17min | 2004 | Roraima
»»Etnia: Várias etnias (IngariKó, Macuxi, Patamona, Taurepang e Wapixana)
Este documentário de Bruno Pacheco recupera a história do contato dos
povos indígenas habitantes da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, no
Estado de Roraima, a partir de depoimentos dos próprios índios. Esses
habitantes originais daquela região foram vítimas de ataques gratuitos
de não-indígenas, foram enganados para que trabalhassem de graça,
passaram a obter acesso a bebidas e drogas, algumas de suas esposas
e filhas foram estupradas na frente de suas famílias, alguns índios foram
espancados e baleados.

Desde 1977, organizados, passaram a brigar pelo reconhecimento le-


gal de seu território e por indenizações que acreditam ter direito. Mais
recentemente, além da construção de uma cidade por autoridades lo-
cais como uma forma de intimidação a essas populações, o governo
federal autorizou a construção de uma base do Exército no território
demarcado como sendo daqueles índios. Os militares, em operações
oficiais, andavam armados pelas aldeias, intimidando os habitantes.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 25


NORTE

Povo Hupda do Amazonas:


Fragmentos de um diário de Campo
»»Direção: Renato Athias
»»Doc | 07min | 1997 | Amazonas
»»Etnia: Hupda
Narrado e produzido por Renato Athias, o documentário “Fragmentos
de um diário de Campo” acompanha Messias, um indígena da etnia Hu-
pda, que habita região próxima ao rio Umari, no Estado do Amazonas,
região Norte do Brasil.

Messias está sozinho na aldeia porque ficou como o responsável pelas


crianças que não tinham idade para ajudar seus pais no trabalho que
faziam na floresta e permite que o Renato filme o processo de prepara-
ção do pu´úk, um alimento típico feito com folhas de Coca.

Muita terra para pouco índio?


»»Direção: Bruno Pacheco de Oliveira
»»Doc | 23min | 2002 | Falta estado
»»Etnia: Várias Etnias
O documentário de Bruno Pacheco busca refletir sobre a ideia precon-
ceituosa de que os índios têm terras além de suas necessidades. Além
de enfatizar que a atual política de demarcação de terras é fruto de
intensas discussões que aconteceram durante a Assembleia Constituinte
de 1988, e que resultaram num capítulo inteiro da Carta Constitucio-
nal, os entrevistados acusam os políticos que disseminam essa ideia no
cenário nacional de ter interesses nas terras ocupadas por populações
indígenas - seja por causa da agricultura, da exploração de madeira ou
recursos minerais. Sem esquecer que essas terras ocupadas por índios
são “unidades essenciais no sistema de preservação ambiental”.

Huni Kuin - Os últimos guardiões


»»Direção: Danilo Arenas
»»Curta | 07min | 2016 | Acre
»»Etnia: Huni Kuin
O curta é um alerta para as atrocidades que acometem os indígenas
Huni Kuin da Aldeia Novo Segredo Rio Envira, no Acre. Dentre outras
situações, eles enfrentam escassez de água, contaminação dos rios por
metais pesados e lixo proveniente da fronteira peruana, interferência
das igrejas em suas crenças, avanço da pecuária e de madeireiras nos
limites da terra demarcada. O filme possui bela fotografia, edição ágil e
trilha que acompanha o tom dramático da narrativa. O filme é permea-
do pela relação dos indígenas com Yuxibi, o grande espírito da floresta,
protegido pelos guardiões Huni Kuin que lá vivem.

26 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


NORTE

Beiradão Hup Boyoh


»»Direção: Jéssica Mota e Alice Riff
»»Curta | 28min | 2015 | Amazonas
»»Etnia: Hupd’äh
O curta “Beiradão – Hup Boyoh” conta a história dos indígenas da etnia
Hupd’äh, habitantes do alto rio Negro, no Amazonas, após o seu con-
tato direto com os não indígenas no princípio dos anos 2000, quando
começaram a se qualificar como professores e agentes de saúde e a
receber benefícios sociais, como aposentadoria e bolsa família. A ânsia
pelo recebimento do dinheiro levou a etnia a construir acampamentos na
cidade de São Gabriel da Cachoeira, cidade onde se localiza a agência
do INSS. No entanto, esses locais se tornarão precários e insalubres cau-
sando, principalmente para crianças, malária, diarreia e alguns casos
levando até a óbito. O retrato demonstrado no filme é de desespero pe-
los indígenas à procura de sobrevivência e de descaso pelo Estado, que
tenta ajudar financeiramente, mas não oferece condições dignas para os
Hupd’ä sobreviverem tanto na cidade quanto em sua aldeia.

Kisibi - Desano
»»Direção: Antônio Carlos Banavita
»»Doc | 09 min | 2011 | Amazonas
»»Etnia: Desano
No filme, o Xamã Kissibi conta a origem da formação do povo Desa-
no, Alto Rio Negro, às margens do rio Tiquié, bem perto da fronteira
com a Bolívia. O Xamã apresenta a trajetória milenar da etnia e relata
orgulhoso o fortalecimento de sua cultura. As trovoadas captadas pelo
som externo criam uma trilha incidental e acidental propicia às histórias
etnológicas narradas por Kissibi.

Eu moro aqui -
Histórias das florestas do norte do Brasil
»»Direção: Fernando Segtowick e Pedro Afonso Sena
»»Doc | 14min | 2013 | São Paulo
»»Etnia: Tiriyó
O filme colhe narrativas de moradores das áreas protegidas do Escudo
das Guiana, no Pará e Amapá. Entre os habitantes se encontram indí-
genas, quilombolas e extrativistas. Os diretores passam por algumas
regiões e registram experiências de vida de moradores de comunidades
tradicionais, a relação desses grupos com a terra e a natureza, e suas
lutas pelo reconhecimento de seu território e de sua cultura.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 27


NORTE

Índios Urbanos - Movimento Migratório dos


Índios Sateré-Mawé
»»Direção: Bruno Sá Guimarães / Janna Gabriellle de Oliveira Farias / Mauro da Silva Azevedo Júnior
»»Doc | 26min | 2015 | Parintins
»»Etnia: Sateré-Mawé
Na área urbana de Parintins-AM residem 519 indígenas distribuídos,
principalmente, pelos bairros periféricos da cidade. Desse total, 115 fa-
mílias são de Sateré-Mawé, do qual 70% da aldeia de Porto Alegre/
Andira e podem ser denominados índios urbanos. O filme mostra a histó-
ria de vida dos indígenas, como se organizam no contexto urbano e as
dificuldades enfrentadas por eles. Pelos depoimentos apresentados fica
claro os problemas pelos quais os Sateré-Mawé habitantes da área urba-
na passam, como difícil acesso à saúde, à moradia e empregos dignos.
Assim como pelo preconceito e a crise de identidade.

Memorial Indígena Sateré-Mawé


»»Direção: Diana Paola Gómez Mateus
»»Doc | 33min | 2011 | Amazonas
»»Etnia: Sateré-Mawé
Capitão França, importante liderança Sateré-Mawé, considerava a edu-
cação uma ferramenta política. Hoje, muitos dos seus filhos e netos que
estudaram ou já se formaram em instituições de ensino, como a Universi-
dade Estadual do Amazonas, vivem na cidade de Parintins. Eles e outros
Sateré-Mawé contam sobre a vivência na cidade e na Terra Indígena,
suas experiências pessoais e histórias de vida. Essas narrativas tratam
de sua etnia, de suas comunidades, suas famílias, do artesanato e do
auxílio a Sateré-Mawé em trânsito. Falam também sobre sua língua e
seus rituais, sua religião e os significados de ser Sateré-Mawé, legando
às próximas gerações aspectos de sua cultura e tradição.

Narrativas sobre os isolados nos rios Jordão


e Envira
»»Direção: Nathalia Clark
»»Entrevista | 06min | 2016 | Acre
»»Etnia: Huni Kuin
Neste curta, os indígenas da aldeia Kaxinawá, autoidentificados Huni
Kuin, contam como foram seus primeiros contatos com os indígenas iso-
lados da região entre os rios Jordão e Envira, no  Acre, que ocorreu no
início dos anos oitenta, e como se dá hoje por meio de agentes agroflo-
restais indígenas, que têm a responsabilidade de fiscalizar e denunciar
invasões na terra Indígena.

28 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


NORTE

Rituais da tribo Desana


»»Direção: Projeto Viva Índios
»»Doc | 13min | 2014 | Amazonas
»»Etnia: Desana
O filme mostra por meio de danças e cantos os rituais do povo Desana.
Cada dança e instrumentos musicais apropriados marcam um evento
importante, como casamentos, nascimentos, morte, plantio, colheita etc.
O curta é um belo registro da importância desses rituais.

Rony Wasiry Guará - Maraguá


»»Direção: Antônio Carlos Banavita
»»Doc | 33min | 2011 | Amazonas
»»Etnia: Maraguá
Rony é do povo Maraguá, indígenas que vivem na região do rio Aba-
caxis, nos municípios amazonenses de Nova Olinda do Norte. No fil-
me, Rony Wasiry conta a formação de um Maraguá que ocorre desde
criança por meio de brincadeiras e pesca, assim como por exemplo e
espelhamento das atitudes vista nos adultos. O desenho, o grafismo e a
contação de histórias pelos mais velhos também são elementos impor-
tantes na formação do caráter das crianças Maraguá. O filme é uma
ode à educação prática, vivida no cotidiano e nas ações comuns, mas
coberto de significados.

Rosi Waikhon - Piratapuia


»»Direção: Antônio Carlos Banavita
»»Doc | 33min | 2011 | Amazonas
»»Etnia: Piratapuia
Neste filme, Rosi Waikhon, descendente do povo Piratapuia, do Ama-
zonas, fala sobre liberdade de expressão e infância. Em seu relato, Rosi
problematiza os conceitos de liberdade, quando se refere a uma partici-
pação em um evento acadêmico, e brincadeiras que seriam específicas
de cada gênero, quando recorda seu tempo de criança. A imagem é
captada todo o tempo em plano fechado, dando ênfase à fala reflexiva
de Rosi. O filme é uma celebração à cultura e identidade indígena ao
mesmo tempo que levanta questões sobre essa mesma cultura.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 29


NORTE

Yawá - História do povo Yawanawá


»»Direção: Tashka Joaquin Yawanawa / Laura Soriano Yawanawa
»»Doc | 54min | 2014 | Acre
»»Etnia: Yawanawá
Os Yawanawá (yawa/queixada; nawa/gente) são um grupo pertencen-
te à família lingüística pano que ocupa atualmente a terra indígena Rio
Gregório. Os Yawanawá vivem no estado do Acre. Diferentemente, de
outros povos amazônicos, que vivem espalhados em distintas localida-
des, os Yawanawá vivem em um mesmo território com cultura e língua
própria. Vítimas da colonização, os Yawanawá tiveram muitos integran-
tes mortos, suas terras invadidas e trabalharam como escravos para os
invasores, que se diziam donos da terra. Depois, por meio dos missio-
nários, sofreram aculturação. Após lutas, com a expulsão de missioná-
rios e fazendeiros, os Yawanawá,  do rio Gregório, foram os primeiros
indígenas a ter suas terras demarcadas no Acre. O filme acompanha
uma semana de celebração de dança, expressão artística, manifesta-
ção cultural e espiritual. Produzidos pelos próprios indígenas, o curta
conta a história e a cultura dos Yawanawá por meio de episódios, que
falam de caça, espiritualidade, formação para a vida adulta, relação
sexual e muito mais.

Shuku Shukuwe - A vida é para sempre


»»Direção: Pajé Agostinho Ika Muru
»»Doc | 42min | 2017 | Acre
»»Etnia: Huni Kuin
Por três vezes, yuxibu cantou shuku shukuwe, a vida é para sempre.
Ouviram as árvores, as cobras, os caranguejos. Ouviram todos os seres
que trocam suas peles e cascas. Por três vezes, yuxibu cantou shuku
shukuwe. Mas a inocente não soube ouvi-lo em silêncio. E a vida se
tornou breve.  Neste documentário, conta-se o surgimento das doenças
e também se vê a história do surgimento dos Huni Kuin por meio de can-
ções tradicionais da aldeia. Para os Huni Kuin, cada grupo de doença
está relacionado a um grupo de animais e seu tratamento é realizado a
partir da combinação de ervas específicas. As “ervas medicina”, como
são denominadas pelos pajés, surgiram da transformação dos primeiros
Huni Kuin em famílias de plantas, cujo uso foi transmitido de geração
em geração desde os tempos antigos até os dias de hoje. As ervas estão
divididas em quatro grupos, que representam as quatro famílias origi-
nais Huni Kuin: Inu, Inani, Dua e Banu.

30 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


NORTE

Txirin, O Batismo do Gavião


»»Direção: Isaka Mateus HuniKuĩ
»»Doc | 29 min | 2017 | Acre
»»Etnia: Huni Kuin
O filme mostra o batismo do Txirin realizado na aldeia São Joaquim
Centro de Memória, do povo Huni Kuin, no Acre, 5 anos após o faleci-
mento do pajé e patriarca da comunidade, Agostinho Muru. Os canto-
res do povo Huni Kuin podem passar por ritos de iniciação, entre eles
o txirin. Txirin, o batismo do gavião, acontece quando a saudade e a
tristeza provocadas pela perda de um ente querido abalam a vitalida-
de e o bem-estar da comunidade. Jovens iniciam o aprendizado desse
antigo ritual utilizado para superar a dor da perda e trazer ânimo e
prosperidade para os vivos.

Aldenor Felix - Tikuna


»»Direção: Antônio Carlos Banavita
»»Doc | 16min | 2011 | Manaus
»»Etnia: Ticuna
O filme registra o depoimento de Aldenor Felix, que conta a história do
povo Ticuna, do Alto Solimões, fronteira com Colômbia e Peru. Aldenor
é professor há 9 anos na comunidade, ensinando na própria língua da
aldeia, uma forma de resistência e de manter a identidade do seu povo.
Na sua narração, Aldenor conta como se desenvolve a formação da
criança Ticuna para adulto por meio de brincadeiras, do trabalho e do
ensino.

A visão do Xamã
»»Direção:  Ricardo José Paranaguá
»»Doc | 48min | 2012 | Tocantins
»»Etnia: Krahô
Documentário sobre os índios Krahô, que vivem no Cerrado brasileiro,
nos estados do Tocantins e Maranhão. Dona Lúcia, uma anciã, resgata
o mito de origem do Xamanismo - a medicina tradicional indígena - e
conta a história de Tirkré, o primeiro xamã (ou Wayacá) do povo, e de
como ele conseguiu seus poderes de cura. O mito se tornou o ritual que
marca a iniciação dos jovens na vida adulta. Alguns deles desenvolvem
a sensibilidade espiritual e a capacidade de ver plantas, raízes e cas-
cas de árvores que formam a riqueza do conhecimento tradicional da
medicina dos Krahô.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 31


CENTRO-OESTE

2.2 Região Centro Oeste

A história da cutia e do macaco


»»Direção: Wisio Kayabi e Coletivo das Cineastas Xinguanas
»»Fic | 12min | 2014 | Mato Grosso
»»Etnia: Kawaiweté
Trata-se de uma peça de ficção, uma representação de um antigo mito
do povo Kawaiweté, que habita a aldeia Kwarujá, Parque Indígena
do Xingu, no Mato Grosso. Uma anciã, sentada numa rede, rodeada
de crianças, conta a história que assistimos no documentário. A Cutia,
representada por Kujãesage Kawaiweté, trai seu marido, interpreta-
do por Awakari Kawaiweté, com o Macaco, representado por Awari
Kawaiweté. Dessa relação, até então mantida em segredo, nasce um
macaquinho.

Trata-se de um mito que, a anciã pede, seja preservada e re-contada


pelas crianças que a ouvem.

Formação audiovisual
das mulheres indígenas
»»Direção: Aldeia em Cena - Instituto Catitu
»»Doc | 17min | 2013 | Mato Grosso
»»Etnia: Kawaiwete
O documentário mostra os resultados práticos de uma iniciativa do Insti-
tuto Catitu: dar às mulheres indígenas a oportunidade, os meios e as téc-
nicas necessárias para que possam registrar sua cultura ou mesmo para
que possam expressar-se livremente, lutar pelas causas de seu povo ou
simplesmente mostrar o orgulho de sua identidade indígena.

Para impulsionar o protagonismo feminino também nas aldeias, essas


mulheres participam de oficinas de filmagem, por meio das quais apren-
dem a manusear equipamentos de áudio e vídeo, além de técnicas pro-
fissionais para garantir a qualidade dos registros, sejam em vídeo ou
em fotografia.

32 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


CENTRO-OESTE

Takumã Kuikuru:
Pele de Branco (Povo Kuikuro)
»»Direção: Takumã Kuikuro, Marrayury Kuikuro
»»Doc | 25min | 2012 | Mato Grosso
»»Etnia: Kuikuro
Gravado no Alto Xingu, no Estado de Mato Grosso, o documentário
Takumã Kuikuru, em português “Pele de Branco”, mostra como as novas
tecnologias afetaram também o modo de vida do povo Kuikuro. Para
a produção do filme, o Coletivo Kuikuro de Cinema, formado por indí-
genas desta etnia, levou para a aldeia equipamentos de audiovisual e
forneceu o treinamento necessário para que os próprios Kuikuro pudes-
sem registrar o modo como vivem. Como prática do Coletivo, depois
de editado o trabalho é apresentado na comunidade. Takumã Kuikuro,
que assina a direção com Marrayury Kuikuro, foi premiado, em 2004
com o Prêmio Chico Mendes de melhor documentário, no Festival Cine
Amazônia, com a obra “O dia em que a lua menstruou”.

Pirinop - Meu primeiro contato


»»Direção: Mari Corrêa e Karané Ikpeng
»»Doc | 13min | 2007 | Mato Grosso
»»Etnia: Ikpeng
Os índios Ikpeng não poderiam imaginar como suas vidas mudariam
depois de terem visto aquele enorme e barulhento pássaro de metal.
Naquela época eram menos de 60 pessoas e ainda viviam às margens
do rio Jatobá, onde tinham à disposição todo o espaço de que preci-
savam, além de seus lugares sagrados e a liberdade. Naquele avião
estavam os irmãos Villas-Bôas, mas é claro que os Ikpeng não sabiam
quem eles eram, sabiam apenas que não eram como eles. Os irmãos
famosos atribuíram a eles outro etnônimo e passaram a lhes chamar
de Txicão, sem que tenham sido consultados. Os Ikpeng se orgulham
de ser chamados Ikpeng, se orgulham de ser bravos como marimbon-
dos. O documentário produzido pelo Instituto Catitu mostra como foram
feitos os primeiros contatos desse povo com os não-índios, como foi a
aproximação e como foi a transferência deles para o Parque Indígena
do Xingu, a que se referem como “exílio” e “tristeza” - ali tiveram que
conviver e até depender de outros povos com quem já haviam inclusive
guerreado, mas que conheciam melhor o território. Mais tarde optaram
por se isolar dos demais, marchando para o norte do parque. Toda essa
história é contada pelas testemunhas oculares, os Ikpeng.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 33


CENTRO-OESTE

Tsõ’rehipãri - Sangradouro
»»Direção: Amandine Goisbault, Divino Tserewahú e Tiago Campos Torres
»»Doc | 28min | 2009 | Mato Grosso
»»Etnia: Xavante
Os índios Xavante sempre evitaram o contato com os não-indígenas.
Essa indisposição de interagir com os desconhecidos fez com que dei-
xassem o litoral do país e fossem se isolar mais ao centro do Brasil. E, de
fato, obtiveram considerável êxito em seu intento, até que, em 1943, o
presidente Getúlio Vargas lançou a campanha “Marcha para o Oeste”,
com o fim de povoar o interior do país. Este documentário mostra como,
do ponto de vista dos “índios bravios” do “oeste selvagem”, um grupo
de índios liderados por Papai Pedro, depois de resistirem às epidemias
trazidas pelos intrusos e massacres promovidos pelos mesmos, se rende-
ram às tentativas de contato de padres missionários salesianos. No iní-
cio, aconteceram muitos conflitos causados principalmente pelo fato de
os padres não entenderem a cultura dos índios. Os Xavante, que sempre
foram um povo de pensamento estratégico, por sua vez viram naqueles
padres uma oportunidade para continuarem a viver e, por isso, acaba-
ram desenvolvendo um comportamento submisso. Foram catequizados,
alfabetizados e obrigados a trabalhar para ter o que comer. Mas alguns
índios mais velhos acreditam que se não fosse pelos missionários, teriam
morrido ou teriam matado uns aos outros.

Febre da Cana: À Sombra de um Delírio Verde


»»Direção: An Baccaert, Nico Muñoz e Cristiano Navarro
»»Doc | 29min | 2012 | Mato Grosso do Sul
»»Etnia: Guarani-Kaiowá
Por muito tempo, os Guarani-Kaiowá de Mato Grosso do Sul puderam
usufruir de amplo território para caçar e coletar aquilo que era necessá-
rio para a sua sobrevivência. Construíam suas casas e faziam pequenas
plantações daquilo que era ainda mais importante para sua alimenta-
ção. Com o desenvolvimento e o incentivo governamental pela adoção
do combustível Etanol, produzido principalmente a partir de cana de
açúcar, houve um aumento pela demanda desta planta e consequente
aumento do valor das terras onde poderiam ser plantadas.

Por causa disso, populações indígenas começaram a ser expulsas de


suas terras - em alguns casos, mesmo terras que já tinham sido reconhe-
cidas como territórios tradicionais destes povos - por causa dos interes-
ses dos fazendeiros locais. O delírio verde a que se refere o título é a
corrida que se deu no país inteiro, na primeira década do século XXI,
para produzir e vender cana de açúcar para a fabricação de combus-
tível verde.

34 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


CENTRO-OESTE

Bro Mc’s
»»Direção: Associação Cultural dos Realizadores Indígenas- ASCURI.
»»Doc | 08min | 2010 | Mato Grosso do Sul
»»Etnia: Guarani Kaiowá
Gravado na Aldeia Jaguapiru, em 2010, o documentário “Bro Mc’s”
retrata a realidade de jovens da etnia Guarani que vivem em Dourados,
no Estado de Mato Grosso do Sul, e que encontraram no estilo musical
hip hop uma forma de expressar suas demandas sociais, desde desnutri-
ção infantil nas terras indígenas, casos de Guarani que se suicidam ou
são assassinados, preconceito, desigualdades sociais e orgulho de sua
origem indígena.

As lideranças da aldeia veem esses jovens como exemplos para os ou-


tros jovens indígenas e também como uma alternativa de mostrar para
as autoridades as questões mais importantes para aquele povo.

Cordilheira de Amora II
»»Direção: Jamille Fortunato
»»Doc | 11min | 2015 | Mato Grosso do Sul
»»Etnia: Guarani Kaiowá
O documentário “Cordilheira de Amora II”, filmado na Aldeia Amam-
bai, em Mato Grosso do Sul, habitada por membros da etnia Guarani
Kaiowá, mostra como Cariane Martines, uma menina Guarani, usa o
quintal de casa, alguns tijolos e outros objetos. Com sua imaginação
fértil, transforma tudo em um mundo novo e fantástico, em que pode se
divertir com seus amigos imaginários.

Uma caixa de sabão em pó se torna uma televisão, alguns tijolos se


tornam sofás e poltronas. Folhetos publicitários e catálogos de venda de
cosméticos se tornam livros infantis (os preferidos são Chapeuzinho Ver-
melho e Os três porquinhos). Um galinheiro vazio é o seu ônibus e um
monte de lixo é o seu shopping, onde encontra tudo o que precisa: salão
de beleza, doces, lojas de todo o tipo e pode até comprar champanhe.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 35


CENTRO-OESTE

Do Bugre ao Terena
»»Direção: Aline Espíndola e Cristiano Navarro
»»Doc | 26min | 2011 | Mato Grosso do Sul
»»Etnia: Terena
O filme registra a vida de algumas pessoas, que por razões distintas
precisaram sair de seus territórios tradicionais para a capital de Mato
Grosso do Sul, Campo Grande. O filme, na verdade, é uma reflexão
sobre a identidade indígena. Um índio é índio na aldeia, no campo ou
na cidade. As razões que levam pessoas a deixarem suas aldeias rumo
às cidades não-indígenas não influenciam essa identidade.

A partir dos depoimentos pessoais dessas personagens - que falam de


suas dificuldades, decepções, mas também de suas conquistas, de histó-
rias que lhes marcaram de algum modo - pode-se refletir sobre a maneira
como habitualmente se enxerga os índios brasileiros - já que o documen-
tário, ao nos apresentar essas personagens, humaniza essas discussões,
nos apresenta os anseios de pessoas com nome e sobrenome.

Guapoy, a árvore viajante


»»Direção: Ava Marandu: os Guarani convidam
»»Doc | 11min | 2010 | Mato Grosso do Sul
»»Etnia: Guarani
É uma peça de ficção, produzida num workshop de cinema na Aldeia
Amambai, uma comunidade Guarani no Estado de Mato Grosso do Sul,
organizado pelo projeto “Ava Marandu: os Guarani convidam”. Os
jovens Nika e Tangará estão no meio da floresta, num passeio, quando
o rapaz Tangará é picado por uma cobra.

O documentário descreve o mito de Guapo’y, a árvore da cura. Ela é


capaz de curar qualquer coisa, “quando alguém se quebra a erva faz
juntar de novo”, “a seiva e a casca curam feridas”. Além disso, o filme
tem uma mensagem ecológica. Para garantir que Guapo’y continue a
existir, é preciso cuidar das árvores, pois elas é que garantem a vida.

Jerosy Pukui (cerimônia do milho branco)


»»Direção: Ava Marandu: os Guarani convidam
»»Doc | 12min | 2010 | Mato Grosso do Sul
»»Etnia: Guarani
Neste documentário, produzido no projeto “Ava Marandu: os Guara-
ni convidam”, é registrado um ritual do povo Guarani localizado na
Aldeia Panambizinho em Dourados no Estado de Mato Grosso do Sul.

36 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


CENTRO-OESTE

Índios no poder
»»Direção: Rodrigo Arajeju
»»Doc | 21min | 2015 | Distrito Federal
»»Etnia: Várias etnias
Neste documentário de Rodrigo Arajeju discute-se a representação (ou
a falta de representação) das populações indígenas no Congresso Na-
cional. Desde a proclamação da República, em 1889, apenas um índio
conseguiu se eleger para o Legislativo Federal: o deputado Mário Juru-
na, cujo mandato durou de 1983 a 1987. De lá para cá, nenhum outro
índio conseguiu se eleger.

O documentário aponta a dependência a que os povos indígenas sem


representação direta estão submetidos aos políticos não indígenas. Um
exemplo do filme é o caso do governo Dilma Rousseff: com apoio de
lideranças indígenas de todo o país, a presidente se comprometeu a
defender os direitos das populações indígenas, mas como um de seus
primeiros atos de governo nomeou a senadora Kátia Abreu, defensora
da PEC 215, como Ministra de Estado da Agricultura, Pecuária e Abas-
tecimento. A Proposta de Emenda à Constituição nº 215 tinha o objetivo
de dar ao Congresso Nacional a palavra final sobre as demarcações
de terras indígenas, o que foi visto pelos índios como uma tentativa da
chamada Bancada Ruralista (grupo de parlamentares que, no Legisla-
tivo, defende os interesses de proprietários rurais) de impedir os povos
indígenas de recuperar a posse de seus territórios tradicionais.

Jaguapiré na luta
»»Direção: Ava Marandu: os Guarani convidam
»»Doc | 10min | 2010 | Mato Grosso do Sul
»»Etnia: Guarani
Produzido no projeto “Ava Marandu: os Guarani convidam”, num pri-
meiro momento “Jaguapiré na luta” parece se tratar de uma peça de
ficção. Uma voz em off, de dono desconhecido, narra o que vai acon-
tecer, como que na descrição de um roteiro de cinema. De fato, trata-se
de uma peça ficcional, mas nada ali é ficção. Para ser mais específico,
trata-se de uma representação de fatos acontecidos com os moradores
de Jaguapiré. Fazendeiros da região invadem as terras dos Guarani, os
levam à força para fora do tekoha e queimaram suas casas. Os anciões
contam, em depoimento, que foram várias as vezes que voltaram para
ocupar seu território.

Apesar dos acontecimentos violentos, a Terra Indígena Jaguapiré foi


homologada pela presidência da República em 1992, no município de
Tacuru, Estado de Mato Grosso do Sul.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 37


CENTRO-OESTE

Kaiowa Kunhatai - Mulher Kaiowá


»»Direção: Ava Marandu: os Guarani convidam
»»Doc | 17min | 2010 | Mato Grosso do Sul
»»Etnia: Guarani
Produzido pelo projeto Ava Marandu: os Guarani convidam, realizado
pelo Pontão Guaikuru, este documentário registra os rituais de passa-
gem para a vida adulta das meninas quando estas têm sua primeira
menstruação.

O filme foi produzido em 2010 por membros do povo Guarani da al-


deia Panambizinho, na cidade de Dourados, Estado de Mato Grosso
do Sul.

Kunumi Pepy
»»Direção: Associação Cultural dos Realizadores Indígenas- ASCURI
»»Doc | 10min | 2010 | Mato Grosso do Sul
»»Entia: Guarani
Neste documentário, produzido no projeto “Ava Marandu: os Guarani
convidam”, é registrado um ritual do povo Guarani Kaiowá, que vivem
em Dourados no Estado de Mato Grosso do Sul. Nesse ritual, os me-
ninos que alcançaram a puberdade são preparados para se tornarem
adultos: aprendem com seus pais e dos líderes religiosos (xamãs) conhe-
cimentos diversos. O Ponto alto do ritual é a perfuração do lábio inferior
com uma tembeta, concluindo o ritual de passagem a partir do qual
serão considerados verdadeiros homens Kaiowá. Conforme prescrito no
processo ritual, alguns tabus alimentares devem ser observados. Assim,
durante o ano que antecede a perfuração, esses meninos deixam de se
alimentar com comidas “pesadas” e comem preferencialmente pratos
pastosos, feitos a partir do milho.

Porahey
»»Direção: Ava Marandu: os Guarani convidam
»»Doc | 25min | 2010 | Mato Grosso do Sul
»»Etnia: Guarani
Neste documentário, produzido no projeto “Ava Marandu: os Guara-
ni convidam”, é possível observar de que maneira povo Guarani, lo-
calizado na Aldeia Panambizinho, em Dourados, no Estado de Mato
Grosso do Sul, vivencia suas práticas culturais, especialmente os cantos
de danças. Como todas as produções desse projeto, esse filme é uma
realização de membros daquela aldeia Guarani.

38 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


CENTRO-OESTE

Histórias de Avá – O Povo Invisível


»»Direção: Bernardo Palmeiro
»»Doc | 19min | 1998 | Goiás
»»Etnia: Avá-Canoeiro
O documentário conta a história povo Avá-Canoeiro, ameaçado de ex-
termínio em decorrência da violência do processo de contato. O filme
mostra, ainda, a busca de quatro grupos Avá que vivem isolados na
região da Serra da Mesa (GO). O pequeno grupo de sobreviventes,
na atualidade, acabou sendo pivô de uma grande discussão sobre pro-
gresso e preservação, que permanece em pauta até os dias de hoje. A
direção do curta metragem é de Bernardo Palmeiro e percorreu vários
festivais nacionais e internacionais.

Flor Brilhante e as cicatrizes da pedra


»»Direção: Jade Rainho
»»Doc | 28 min | 2013 | Mato Grosso do Sul
»»Etnia: Guarani
Flor Brilhante é a tradução em português do nome de dona Floriza, a lí-
der de uma comunidade da etnia Guarani-Kaiowá, localizada no Estado
de Mato Grosso do Sul. Em “Flor Brilhante e as cicatrizes da pedra”, co-
nhecemos o conflito que se formou na Aldeia Jaguapiru com a empresa
Mineração Santa Maria que, há mais de quarenta anos, atua na região
explorando os recursos minerais. As explosões constantes causaram sur-
dez e machucaram os habitantes locais, além de danificar suas casas.
Apesar disso, a FUNAI só levou o assunto para o Ministério Público Fede-
ral e para o IBAMA pouco tempo antes da gravação do documentário.

A maior preocupação de dona Floriza e de sua família – eles não es-


tão dispostos a deixar a terra que habitam desde que perderam seu
território original - é transmitir às crianças e aos jovens os ensinamentos
sobre as rezas e práticas religiosas tradicionais vivenciadas pela etnia.
Enquanto as gravações eram realizadas e as explosões continuavam, a
chefe da família fazia questão de rezar pelas crianças e pelos adultos,
para que sua gente não abandonasse sua cultura.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 39


CENTRO-OESTE

Terra dos Índios


»»Direção: Zelito Viana
»»Longa | 107min | 1977 | Mato Grosso do Sul
»»Etnia: Várias etnias
Com narração de Fernanda Montenegro, o filme registra depoimentos
de várias lideranças indígenas sobre a situação de seus povos no Rio
Grande do Sul, Mato Grosso e outros estados. O longa, de 1977, é uma
denúncia da violência por trás do projeto nacional de “integração dos
índios”, revelando as condições vergonhosas nas quais se encontravam
muitos desses povos. Diante da impossibilidade de viver conforme seus
costumes e cercados por colonos não indígenas hostis, os indígenas
sucumbem ao interesse de fazendeiros e empresários que grilam suas
terras, derrubam suas ancestrais matas e em nome de sua ganância
colocam em risco o futuro destas sociedades. Este filme continua atual,
pois com o passar dos tempos a luta parece cada vez mais desigual e
as lideranças dos povos indígenas não se renderam e continuam com
suas bandeiras de luta nos tempos atuais.

Teko Mbarete - Guarani Kaiowá


»»Vídeo produzido pelos alunos da oficina básica de audiovisual Vídeo Índio
Brasil, na aldeia urbana, Agua Bonita, em Campo Grande/MS
»»Doc | 10min | 2011 | Água Bonita (MS)
»»Etnia: Guarani Kaiowá

Na aldeia Guarani Kaiowá , em Mato Grosso do Sul, o povo Kaiowá


luta para manter viva sua tradição. O filme aborda como a educação
está voltada para o objetivo de valorizar seu modo de ser. Isto ocorre tan-
to na própria aldeia por meio da Casa de Reza, na qual socializam-se os
mais jovens em seu universo cultural, como dança, quanto em uma esco-
la estadual, em que funciona um projeto musical, que ensina o violão e
pretende propagar a música na língua guarani, e também o artesanato.

Tajujá
»»Direção: Gilmar Galache
»»Doc | 7min | 2015 | Bela Vista (MT)
»»Etnia: Guarani e Guarani Kaiowá.
Os saberes tradicionais constituem o que há de mais importante para
qualquer povo, e Tajuja mostra um ritual de cura a partir de elementos
extraídos da natureza e manuseado por um especialista. O vídeo foi
produzido em agosto de 2015 por alunos da Oficina de Audiovisual
realizada pela ASCURI em parceira com o GATI, em fortalecimento ao
Programa Mosarambihára, de busca pela Autonomia e Sustentabilida-
de a partir do Audiovisual na Aldeia Pirakua, município de Bela Vista.
Mato Grosso do Sul - Brasil.

40 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


CENTRO-OESTE

Pirakuá - Os Guardiões do Rio Apa


»»Direção: Gilmar Galache
»»Doc | 11min | 2014 | Mato Grosso do Sul
»»Etnia: Guarani e Guarani Kaiowá.
Na fronteira do Brasil com o Paraguai, os Kaiowá, da aldeia Pirakuá,
foram incumbidos por Pai Kuará para cuidar do bem mais importante
para os seres humanos, a água. Confinados em seu território, eles cum-
prem a missão a eles designada, com muita luta e força, mantendo a
mata de pé e sua cultura ecoando pelos cerros da fronteira, orgulhando
os Donos da Água. O filme é permeado por belas imagens, pelos can-
tos e por falas que descrevem a relação religiosa entre o rio, os indíge-
nas e os espíritos que cuidam da água.

Panambizinho - O fogo que nunca apaga


»»Direção: Gilmar Galache
»»Doc | 12min | 2014 | Mato Grosso do Sul
»»Etnia: Guarani Kaiowá
Em Panambizinho – MS, Jari Alice Pedro conta a relação e a necessida-
de básica que os Kaiowá possuem com o fogo. Este, segundo ela, cria-
do por Ke’yrusu, o sol. Na narrativa, ela relata a história do fogo para
o povo antigamente e hoje, quando se encontra dificuldades por causa
do desmatamento perpetrado pelos não indígenas, que dificulta a ob-
tenção de lenha para produzir o fogo tão essencial a sua subsistência.

Osiba Kangamuke - Vamos lá criançada


»»Direção: Bernardo Palmeiro
»»Doc | 20min | 2016 | Mato Grosso
»»Etnia: Kalapalo
O filme mostra o trabalho realizado coletivamente pelos indígenas
Kalapalo e pesquisadores durante uma oficina de vídeo realizada com
crianças da aldeia Aiha Kalapalo do Parque Indígena do Alto Xingu
(MT). As crianças da aldeia são as protagonistas desse filme e escolhe-
ram mostrar alguns aspectos da sua rotina e da sua cultura. Da escola,
onde aprendem o português até os rituais e a luta ikindene, os pequenos
Kalapalo demonstram uma sutileza peculiar de quem conhece suas tra-
dições. Na oficina de vídeo, as crianças da aldeia participam não só
na frente das câmeras, mas também em todo o processo de gravação.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 41


CENTRO-OESTE

Olhar no fim do meio


»»Direção: Manu Campos
»»Doc | 17min | 2015 | Mato Grosso
»»Etnia: Kayapó, Kuikuro e Iny (Karajá)
O filme acompanha três realizadores cinematográficos indígenas - Tumre
Kayapó, Takumã Kuikuro e Juana ho Iny -  durante os I Jogos Mundiais
dos Povos Indígenas em Palmas. Os comunicadores falam sobre a im-
portância de os próprios indígenas registrarem a cultura de seu povo e
como isso também se torna uma realização pessoal.

Ohokoti
»»Direção: Oficina de audiovisual para o Koxunakoti Kixovoku Terenoe
»»Coordenação: Gilmar Galache e Eliel Benites
»»Doc | 09min | 2015 | Mato Grosso do Sul
»»Etnia: Terena
Realizado na Aldeia Babaçu, no município de Miranda - MS, o filme
registra a narrativa de Anuti, rezador tradicional Terena, que conta um
pouco sobre a importância do Itâka e Ohokoti para seu povo. Ohoko-
ti, explica Anuti, é o ritual de cura e Itâka, a porunga, utilizada para
evocar os espíritos durante os rituais de pajelança. O xamã explica a
importância social da sua função, feita de forma gratuita, e como é im-
portante para o seu povo a manutenção de alguém que faça esse papel.

Hinokoku Hiyokexeokono Ikatakoti Kali


Kamó - A última dança do Cavalinho
»»Direção: Associação Cultural dos Realizadores Indígenas- ASCURI
»»Doc | 07min | 2011 | Mato Grosso do Sul
»»Etnia: Terena
Na aldeia de Cachoeirinha, em Miranda – MS, os habitantes contam
a história da dança do cavalinho, uma manifestação cultural do povo
Terena. A dança consistia em uma disputa entre o lado vermelho e azul.
Durante a história contada pelos adultos, o filme capta imagens de
crianças encenando o “ritual”. Essas que são lembradas e “conclama-
das” a manter a tradição nos depoimentos. O curta é produzido pelos
alunos da oficina básica de audiovisual indígena da própria aldeia.

42 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


CENTRO-OESTE

Povos do Xingu contra a


construção de Belo Monte
»»Direção: Todd Southgate
»»Doc | 21min | 2009 | Mato Grosso
»»Etnia: Várias etnias.
O filme registra o encontro de 15 povos indígenas na aldeia Piaraçu
do povo Capoto/Jarina, no Xingu, em 2009, em manifestação contra
a construção da hidrelétrica de Belo Monte. A reunião é marcada pela
indignação dos indígenas, que acusam o governo de não os consultar
sobre a construção, e pela revolta por causa de uma declaração precon-
ceituosa do ministro de Minas e Energia. Apesar de convidados, repre-
sentantes do governo federal da época não participaram do encontro.
Nos depoimentos colhidos, os indígenas argumentam que a construção
destruirá a natureza e consequentemente a sua subsistência.

Daniel Munduruku - Munduruku


»»Direção: Antônio Carlos Banavita
»»Doc | 10min | 2011 | Mato Grosso
»»Etnia: Munduruku
Daniel Munduruku, escritor, fala de sua proposta de formação de indí-
genas por meio da educação e da literatura. No entanto, uma educa-
ção prática e telúrica no convívio com o seu ambiente, não formal. A
infância vivida integralmente faz parte do rito de passagem para a vida
adulta, pois quando vivida assim, faz com que o adulto não sinta a falta
de sua infância. Todo o contato da criança Mundurucu com o adulto e
com o mundo a sua volta é um aprendizado, uma prática pedagógica
na formação do caráter do jovem.

Ava Yvy Vera - A Terra do Povo do Raio


»»Direção: Genito Gomes
»»Doc | 51min | 2016 | Mato Grosso
»»Etnia: Guarani e Kaiowá
Terra é lugar de conhecimento, de resistência e encanto. É lugar de
reestabelecer a comunicação com os ñanderu, de viver a vida de reza,
roça, escola, família extensa, chicha, chima, terere, guahu, kotyhu. Para
os Guarani e Kaiowá no Mato Grosso do Sul, retomar as terras tradi-
cionais, tekohas, é retomar a possibilidade de viver o seu modo de ser,
o seu teko. A história de resistência dos povos indígenas Guarani e
Kaiowá na empreitada que levou-os a reconquistar suas terras é tema
desse documentário realizado por um coletivo de diretores encabeça-
dos pelo cineasta Genito Gomes, que explora também a influência do
“teko” (lar, em tradução informal) na rotina da própria etnia e na comu-
nicação com outros povos.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 43


CENTRO-OESTE

Cuhkõnre Jarkua - Cabacinha


»»Direção: Cuxy Krahô
»»Doc | 14min | 2016 | Mato Grosso
»»Etnia: Krahô
Entre os Krahô, a cabacinha (cuhkõnre) é um instrumento musical sagra-
do, que une corpo e espírito. Usado durante as festividades, somente
quem pode tocá-lo e interpretar seu som são alguns iluminados Krahô.  

Berahatxi-rbi Olodu Mahadu -


O povo que veio do fundo do rio
»»Direção: Juanahú Iny
»»Doc | 21min | 2011 | Mato Grosso
»»Etnia: Karajá
Em 2011, o diretor Juanahú Iny e sua equipe gravaram na aldeia Bõ-
toiry (Fontoura) a realização do ritual hetohoki. O ritual Hetohoky marca
a passagem dos meninos (período chamado Weryryhyk) para a fase de
Jiré. São os primeiros contatos com um universo de ensinamentos do que
é ser um homem Iny (Karajá). O filme capta imagens dos preparativos
para o ritual, como as jovens indígenas dançando para um espírito pela
manhã, os homens pegando cipó, folhas e madeiras para a construção
da “Casa grande”, local sagrado onde só homens podem entrar, com
a única condição de terem passado pelo ritual de iniciação. O filme é
narrado na língua dos karajá, sem tradução para o português.

Karioka
»»Direção: Takumã Kuikuro
»»Curta | 20min | 2014 | Mato Grosso
»»Etnia: Kuikuro
Takumã Kuikuro sai de sua aldeia localizada no Alto-Xingu, Mato Gros-
so, com sua mulher, Kisuagu Regina Kuikuro, e o filhos Kelly Kaitsu,
Ahuseti Larissa e Mayupi Bernardo Kuikuro para morar um período no
Rio de janeiro. O filme mostra Bernardo Mayupi Kuikuro de 2 anos de
idade descobrindo a praia e outros lugares da cidade grande. Eles
fazem muitas coisas, tudo é novidade e, enquanto vivem essa experiên-
cia, a parte da família que fica na aldeia tem medo porque as notícias
do Rio de Janeiro nem sempre são boas, o que causa preocupação e
inquietude. O documentário mostra um retrato dos contrastes brasileiros
entre o imaginário do povo indígena e a realidade de uma metrópole.

44 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


CENTRO-OESTE

Xavante - memória, cultura e resistência


»»Direção: Gilson Costa
»»Curta | 29min | 2017 | Mato Grosso
»»Etnia: Xavante
Gravado na Aldeia indígena Namunkuru, do povo Xavante, em Barra
do Garças, o filme mostra dois rituais de passagem na vida de jovens
indígenas. O Wapté Mnhõnõ é o ritual no qual os rapazes se tornam
adultos através de desafios que envolvem disputa física e resistência psi-
cológica. Após esse rito de passagem, os meninos passam a morar no
Hõ (casa dos solteiros), auxiliados apenas pelos padrinhos, nesse lugar
ficam até 5 anos. O outro ritual é o Wai’a rini (darini), ritual de inicia-
ção religiosa, que consiste na aprendizagem dos jovens como conseguir
força e poder de cura através do sacrifício. O filme é todo atravessado
pelas falas de indígenas mais velhos que demonstram a preocupação
em manter sua cultura.

Em trânsito: A saga dos Manoki


»»Direção: Elton Rivas
»»Doc | 48min | 2008 | Mato Grosso
»»Etnia: Manoki
Em meados do século XX, cercados pelas frentes de expansão, atacados
por povos inimigos e atingidos por doenças, a maior parte do povo indí-
gena Irantxe, autodenominado Manoki, foi obrigada a sair de suas terras
tradicionais, em Mato Grosso, seguindo para Utiariti, a última Missão Je-
suíta no Brasil, onde estiveram até o fim dos anos 60. Nessa relação, os
Irantxe se viram divididos em dois mundos, o indígena e o não indígena.
Desde então, tentam voltar para casa e lutam pela demarcação de sua
terra enquanto convivem com a animosidade dos fazendeiros da região.

Haliti Paresí
»»Direção: João Carlos G. S. Barbosa
»»Curta | 55min | 2017 | Mato Grosso
»»Etnia: Haliti Paresi
O filme conta a vida na aldeia Haliti Paresí, em Lucas do Rio Verde.
Por meio de depoimentos dos indígenas, o filme vai relatando a origem
e história desse povo. Enfatiza-se a relação da aldeia com um projeto
agrícola com criação de gado, porco, galinha e piscicultura que move
a economia da localidade, assim como o turismo e a valorização do
ensino como forma de ascensão do povo. A abertura de estradas pró-
ximas à aldeia, construção de uma hidrelétrica também foram pontos
desafiadores que levaram a transformações regionais e trouxe desafios
aos jovens indígenas. Porém, como ressaltam os indígenas estas ações
não provocaram rupturas no modo de ser e viver dos Paresí.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 45


CENTRO-OESTE

A trama do olhar
»»Direção: Gloria Albues
»»Curta | 50min | 2010 | Mato Grosso
»»Etnia: Bororo
Em um mergulho pela etnia Bororo, Gloria Albues costura uma narrativa
que mostra por meio de entrevistas o olhar dialógico entre indígenas
de Córrego Grande em Mato Grosso e não indígenas em Cuiabá. As
impressões demonstradas são permeadas de preconceito e ignorância
por parte dos moradores da capital, mas também de respeito por al-
guns. Nos depoimentos, são registradas falas que reproduzem ideias
do senso comum, como os índios são preguiçosos e para que querem
tantas terras entre outros. Grande mérito da diretora é mostrar um gru-
po de realizadores indígenas gravando os depoimentos tanto na rua
quanto os que são feitos durante um “tour” pela cidade, quando con-
versam sobre música para as duas culturas e como são caracterizados
nas artes plásticas. A equipe é composta por 3 indígenas de etnias
diferentes: Winti, da etnia Kïsêdjê; Maricá, que é Kuikuro; e Caimi, que
é Waiassé (Xavante). Eles se revezam nas funções técnicas de direção,
câmera e som. Além do fato de captar belas imagens na aldeia, o filme
se justifica por mostrar impressões e situações pelo olhar dos próprios
indígenas, diferenciando-se de outras produções com o mesmo tema.

Manoel Chiquitano Brasileiro


»»Direção: Aluízio Azevedo e Glória Albues
»»Curta | 26min | 2011 | Mato Grosso
»»Etnia: Chiquitano
O filme entrelaça a história do povo Chiquitano e a história pessoal de
Manoel. A maioria do povo Chiquitano vive no Departamento de Santa
Cruz de La Sierra na Bolívia e no lado brasileiro, em Mato Grosso e
Mato Grosso do Sul, parte do seu território tradicional. Ignorados pelo
Estado Brasileiro que não os reconhecem como índios e vistos pela po-
pulação como “bugres bolivianos”, a denominação Chiquitano abriga
identidade de várias etnias aldeadas nas Missões Jesuíticas de Chiqui-
tos nos séculos XVII e XVIII. Ao longo de delimitações de fronteiras que
não desejaram e sequer foram consultados, os Chiquitano são vítimas
de um conflito imposto pelo homem branco: ser ou não ser Chiquitano.

46 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


CENTRO-OESTE

Daniel Cabixi - Paresí


»»Direção: Antônio Carlos Banavita
»»Doc | 33min | 2014 | Mato Grosso
»»Etnia: Paresí
Daniel Cabixi, do povo Paresí, aldeia de Rio Verde no Mato Grosso,
problematiza no filme a relação da cultura indígena com a não indíge-
na, que desde a colonização impôs religião, modo de vida etc. não só
à etnia Paresí, mas também às outras que habitavam o território hoje
chamado Brasil. Daniel fala não só da situação de forma histórica e
antropológica, mas de forma pessoal também, como isso construiu a sua
história. Criado por padres e freiras, sendo batizado inclusive, Daniel
conviveu até o fim dos estudos entre os não indígenas, e só depois voltou
a sua aldeia. Daniel fala da relação dos Paresí com a natureza, da mi-
tologia, e também como a organização irá ajudá-la progredir no futuro.

Estratégia Xavante
»»Direção: Belisário Franca
»»Doc | 86min | 2006 | Mato Grosso
»»Etnia: Xavante
O documentário apresenta a estratégia visionária do cacique Apowê,
do povo Xavante, que, em 1973, propôs ao seu povo o envio de oito
meninos para serem criados por famílias de não índios na cidade de Ri-
beirão Preto, em São Paulo. O filme foi construído através das histórias
pessoais desses jovens indígenas que foram estudar os costumes dos
não índios nas grandes cidades com objetivo de se tornarem interlocu-
tores de seu povo. Depoimentos emocionantes mostram a experiência
vivida por aqueles jovens Xavante e seu retorno à aldeia, Terra Indígena
Pimentel Barbosa, após concluírem os estudos.

A terra não termina


»»Direção: Marcelo Bichara
»»Doc | 14min | 2012 | Mato Grosso
»»Etnia: Xavante
O curta mostra parte do Seminário: “Marãiwatsédé - Terra de Esperan-
ça - 20 anos de promessa, desde a Rio92”, realizado pela Operação
Amazônia Nativa (OPAN) na Rio+20, em 2012. No documentário, o
cacique Damião Paridzané – povo Xavante, oferece sua versão da luta
de seu povo para retornar ao seu território tradicional, onde posseiros,
na época, haviam invadido e ocupado.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 47


CENTRO-OESTE

Abazei é ze wasu’u
»»Direção: Imanhari ‘Wa Zahuré
»»Curta | 6min | 2014 | Mato Grosso
»»Etnia: Xavante
O curta registra as técnicas de cortes da carne de caça pelos Xavante,
na aldeia Wede’rã, T.I Pimentel Barbosa/ Canarana-MT.

A’uwe Uptabi – O Povo Verdadeiro


»»Diretor: Belisário França e Angela Pappiani
»»Curta | 33min | 1998 | Mato Grosso
»»Etnia: Xavante
O curta-documentário apresenta diversas formas de manifestação cul-
tural do povo Xavante que vivem na aldeia Pimentel Barbosa. Dividido
em 3 temas – tradição, contato com os “brancos” e o ciclo da vida –,
registra práticas rituais, de trabalho, organização social, artística etc.,
assim como revela os desafios do povo Xavante para preservar e prote-
ger seus territórios e práticas culturais. A narrativa ainda é composta por
imagens históricas de arquivo sobre os primeiros contatos dos Xavante
com os não indígenas.

O Índio e o Karaiwa -
Arte e Contato (Programa Cinema Livre)
»»Direção: Éder Rodrigues
»»Curta | 21 min | 2014 | Mato Grosso
»»Etnia: Várias etnias
O documentário foi dirigido pelo jornalista Éder Rodrigues e pelo pu-
blicitário Jpavani e tem duração de 20 minutos. Traz entrevistas com
artistas indígenas e imagens do II Encontro de Todos os Povos, ocorrido
em 2014, no Espaço de Cultura e Arte União Operária, em Boa Vista.
O filme discute sobre as expressões da arte contemporânea em que os
indígenas do extremo norte do Brasil são os protagonistas.

48 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


CENTRO-OESTE

Homem Branco em Marãiwatsédé


»»Direção: Marcelo Bichara
»»Curta | 12min | 2010 | Mato Grosso
»»Etnia: Xavante
Em 2010 Marãiwatsédé (MT) recebeu o triste título de Terra Indígenas
mais devastada da Amazônia. Este fato deve-se à invasão de não índios
que provocaram desmatamentos em larga escala para criação de gado
e, posteriormente, plantio de soja. O filme conta a história do povo Xa-
vante que foi removido de Marãiwatsédé, durante o regime militar, para
implantação da fazenda Suiá Missu, considerada o maior latifúndio do
mundo na década de 70. Após anos de luta, os Xavante conseguiram
reaver parte de seu território chamado por eles de Marãiwatsédé.

Caminhos do tempo
»»Direção: Alberto Alvares
»»Curta | 35min | 2017 | Mato Grosso
»»Etnia: Guarani
O curta de Alberto Alvares mostra a chegada de Guarani Mbya na ci-
dade de Maricá-RJ. Depois de passar pelo estado do Espírito do Santo,
os indígenas chegam à cidade, segundo eles, enviados por Nhanderu e
começam a construir a nova aldeia, cheios de esperança e felizes pela
escolha do lugar com mata e perto da praia. O filme é um belo registro
sobre recomeço para um povo que procura a subsistência e permanên-
cia de sua cultura.

Indígenas: a luta dos povos esquecidos


»»Direção: TV Brasil - Caminhos da Reportagem
»»Reportagem | 52min | 2017 | Mato Grosso do Sul
»»Etnia: Várias etnias.
Produzido pelo programa Caminhos da Reportagem, da TV Brasil, a
equipe da emissora percorre três aldeias que foram apresentadas na
grande mídia por causa da luta das etnias que ali vivem pela demar-
cação de suas terras: os Guarani Kaiowá, em Mato Grosso do Sul; os
Suruí, em Rondônia; e várias etnias, em Roraima, na terra indígena
Raposa Serra do Sol. As dificuldades estruturais e ameaças constantes
são realidades vividas pelos povos apresentados no documentário, que
vivem sob pressão de madeireiros, mineradores, pecuaristas etc., que,
ou se entendem donos da terra ou simplesmente invadem a  área para
retirar os bens naturais. Salienta-se que algumas terras foram demarca-
das ou homologadas, mas mesmo assim os indígenas não conseguem
subsistir com dignidade ou viver em paz.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 49


NORDESTE

2.3 Região Nordeste

500 anos: a outra história


»»Direção: Renato Athias
»»Doc | 24min | 2000 | Bahia
»»Etnia: Várias etnias
Reunidos no litoral do Estado da Bahia, representantes de mais de 150
povos indígenas brasileiros marcaram a data dos 500 anos da che-
gada dos portugueses ao Brasil com um movimento de resistência. A
Conferência Indígena 2000 começou com uma reconquista simbólica
do Monte Pascoal, primeiro ponto avistado na costa brasileira pelos
colonizadores portugueses.

O documentário registra as expectativas das lideranças indígenas, para


os próximos anos, que vão desde a demarcação de terras e a apro-
vação de leis que beneficiem os povos indígenas, mas tramitam lenta-
mente no Congresso Nacional. Outro tema importante à época foram
os assassinatos de lideranças indígenas, por conta de conflitos com
ruralistas e pela posse de suas terras. Todavia, estes conflitos e mortes
ainda persistem na atualidade.

Os rituais sagrados
realizados pelo povo Atikum
»»Direção: Gilmar Linhares
»»Doc | 40min | Falta ano | Pernambuco
»»Etnia: Atikum
O Povo Atikum vive em Pernambuco e sua população está estimada
em mais de 5.100 pessoas. Segundo o Núcleo de Estudos e Pesquisas
Sobre Etnicidade da Universidade Federal de Pernambuco, seu território
está localizado na serra de Umã, e foi demarcado em 1993. O vídeo
aborda alguns pontos sobre o processo de luta pelo qual os Atikum con-
quistaram seu direito à terra. Traz também elementos da organização
social desta etnia, apresentando alguns cânticos e rituais, executados
não só para a gravação, mas também como uma forma de fortaleci-
mento da cultura.

O documentário apresenta cenas de alguns rituais considerados sagra-


dos pelos Atikum, como cantos e danças, além de narrativas de lideran-
ças da etnia sobre o processo de reconhecimento constitucional de suas
terras. As gravações foram feitas nas aldeias Brejo do Gama, Lagoinha
e “Pedra do Gentio”, na Serra de Umã. Essas aldeias estão localizadas
na Terra Indígena Atikum, situada no município de Carnuabeira da Pe-
nha, no interior do Estado de Pernambuco.

50 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


NORDESTE

Espelho Partido
»»Direção: Thaís Brito
»»Doc | 4 min | 2011| Bahia
»»Etnia: Tupinambá
O documentário “Espelho Partido”, produzido pela produtora Cine
Kurumin, traz para discussão a identidade indígena na atualidade. O
preconceito, o conflito entre sua própria cultura e a cultura não-indígena
são alguns dos assuntos refletidos por membros da etnia
Tupinambá, do sul da Bahia. O filme tem apenas três minutos e vinte
segundos de duração. No entanto, a discussão traduz o sentimento dos
indígenas sobre o sentido de pertencimento na sociedade brasileira.

Histórias Tumbalalás no sertão da Bahia


»»Direção: Denise Santos
»»Doc | 9 min | 2011| Bahia
»»Etnia: Tumbalalá
Neste documentário, dirigido por Denise Santos, Dona Maria de Lour-
des conta a história do povo Tumbalalá, residente na Aldeia Tumbalalá,
no interior do Estado da Bahia. Ela recorda com saudosismo a fartura
de alimentos e a felicidade dos seus dias de juventude.

Conta histórias das pessoas que conheceu, canta músicas antigas, tra-
dicionais de seu povo e lamenta não poder mais dançar, apesar de
arriscar alguns passos. Dona Maria de Lourdes pode ser considerada
como a memória viva de seu povo.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 51


NORDESTE

Ihiato -
Narrativas dos Anciãos do povo Fulni-ô
»»Direção: Elvis Ferreira
»»Doc | 98 min | 2015| Pernambuco
»»Etnia: Fulni-ô
A aldeia Fulni-ô fica em Águas Belas, no Estado de Pernambuco, no
nordeste Brasileiro. A obra, com 98 minutos de duração, contém narra-
tivas dos anciãos desta etnia sobre a disputa de terras entre indígenas
e não-indígenas. Segundo reportagem publicada no site Alagoas 24
horas, uma decisão do então Presidente da Província, Luiz Rômulo Peres
de Moreno, em 1872, retirou dos indígenas o direito às suas terras. So-
mente um século depois os descendentes deste povo encontraram meios
de se organizar e reivindicar seus direitos.

Nesse contexto está o Padre Alfredo Dâmaso, que apoiou os índios


em sua luta por reconhecimento e por direitos, e foi lembrado pelos
indígenas que participam do documentário. A obra é dirigida por Elvis
Ferreira, que também já dirigiu o filme Yoonohale em 2012, este em
parceria com o Vídeo nas Aldeias.

Indígenas Digitais:
novas alternativas para falar
»»Direção: Sebastián Gerlic
»»Doc | 26 min | 2010| Bahia
»»Etnia: Tupinambá, Pataxó Hahahãe, Kariri-Xocó, Pankararu, Potiguara, Makuxi, Bakairi
O documentário mostra a relação dos indígenas com as tecnologias de
comunicação. Os participantes são de diversas etnias, do Nordeste,
Norte e Centro-Oeste: Tupinambá (BA), Pataxó Hahahãe (BA), Kariri-
-Xocó (AL), Pankararu (PE), Potiguara (PB), Makuxi (RR) e Bakairi (MT).
O filme conta com narrativas de vários indígenas que, usando celulares
e câmeras, registram seu cotidiano e seus rituais. Segundo o documen-
tário, os objetivos são vários e vão desde o registro de manifestações
culturais até o uso da tecnologia para expor sua realidade e reivindicar
direitos.

Os entrevistados também criticam o pouco espaço que a mídia brasilei-


ra lhes oferece, e utilizam suas produções como uma forma de ter voz
e levar seus conhecimentos para fora das aldeias. A obra foi lançada
em 2010 e tem 26 minutos de duração. A direção ficou por conta
de Sebastián Gerlic, presidente da Thydêwá, organização que realiza
projetos para a inclusão dos indígenas no meio digital e promoção do
diálogo sobre as diferentes culturas.

52 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


NORDESTE

Vinho de Jurema no Ritual Afro Indígena


»»Direção: Marcos Alexandre dos S. Albuquerque
»»Doc | 40 min | 2003| Pernambuco
»»Etnia: Pankararu
Jurema é uma planta comumente encontrada no nordeste brasileiro. A
planta tem propriedades psicoativas e é usada em rituais indígenas e
no Candomblé. O documentário é composto por várias narrativas de
Juremeiros, como são conhecidos os que usam a planta em processos
rituais. As falas mostram experiências pessoais dos entrevistados com
uso da planta e detalhes de alguns rituais. A obra foi filmada na Terra In-
dígena Atikum, localizada no município de Carnaubeira da Penha, em
Pernambuco. O documentário ganhou uma menção honrosa no Prêmio
Pierre Verger em 2004.

O retorno da Terra
»»Direção: Daniela Alarcon
»»Doc | 25min | 2015 | Bahia
»»Etnia: Tupinambá
Produzido por meio de financiamento coletivo, o documentário dirigido
por Daniela Alarcon retrata a luta do povo Tupinambá pela demarcação
de suas terras. Suas terras originais foram invadidas por produtores de
Cacau situação que levou ao assassinato de muitos indígenas por tenta-
rem resistir. Este processo de violência persistiu durante o século XXI. Em
2008, numa tentativa de reintegração de posse - que a FUNAI já havia
conseguido suspender, cuja decisão de suspensão não foi respeitada -
vários índios, após o confronto, foram atingidos e ficaram com marcas
de balas de borracha. Em 2009, numa outra reintegração de posse,
homens foram torturados por policiais com choques elétricos.

Hoje, no território que ocupam, já se nota clara recuperação na fauna e


na flora. Peixes deixaram de morrer por conta da descontaminação da
água e com a recuperação da mata, pássaros que haviam desapareci-
do da região voltaram a ser observados ali.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 53


NORDESTE

O Sal Tupinambá
»»Direção: Sebastian Gerlic
»»Doc | 03min | 2008 | Bahia
»»Etnia: Tupinambá
Dirigido por Sebastian Gerlic, “O Sal Tupinambá” é um documentário
de três minutos que mostra o depoimento de uma única personagem:
Binho, uma criança dessa etnia. Ele fala da dificuldade de viver na re-
gião, mas sob um ponto de vista otimista, “tendo sal e farinha, pronto,
já tá tudo feito, não é mesmo?”. Ele fala das possibilidades que a roça
proporciona em comparação à cidade, e ensina que precisam encon-
trar alguma forma, se virar já que “roubar a gente não vai, assassinar
gente pra tomar dinheiro a gente não vai”.
Os Tupinambá que vivem na Bahia, também conhecidos como Tupi-
nambá de Olivença, habitam a região de Olivença, distrito de Ilhéus,
desde pelo menos 1680, quando jesuítas fundaram a Aldeia de Nossa
Senhora da Escada. Apesar disso, a posse do território vinha lhes sen-
do negada pelas autoridades que chegaram a questionar até mesmo
sua identidade indígena. Em 2009, contudo, a Fundação Nacional do
Índio delimitou o que poderá vir a ser a Terra Indígena Tupinambá de
Olivença, num território que se estende pelos municípios de Buerarema,
Ilhéus e Una.

Oi, que Prazer, que Alegria Kapinawá


»»Direção: Marcos Alexandre dos Santos Albuquerque
»»Doc | 30 min | 2006 | Pernambuco
»»Etnia: Kapinawá
Os Kapinawá de Buíque, no Estado de Pernambuco, se “acostumaram”
a não ser reconhecidos como índios. Ali começaram a ser tratados
como “caboclos”. A luta por suas terras começou na década de 1960,
quando fazendeiros locais passaram a exigir o pagamento de um ar-
rendamento das terras para que os índios pudessem viver ali - o que
acabou provocando conflitos, que às vezes chegavam às vias de fato.
A partir de 1980, outra luta importante: o reconhecimento, por parte
da FUNAI e das autoridades competentes, de sua identidade indígena.
Para alcançar esse reconhecimento, contaram com ajuda de dois índios
Kambiwá, que os ajudaram a começar um intenso trabalho de resgate
de sua cultura que vinha se transformando com o passar do tempo - prin-
cipalmente o ritual político e religioso do Toré e as cantigas antigas, que
se somaram às novas composições.

54 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


NORDESTE

Tupinambá Digital: tecnologia,


preconceito e demarcação de terras
»»Direção: coletivo
»»Doc | 12 min | 2012 | Bahia
»»Etnia: Tupinambá
O documentário Tupinambá Digital é uma produção dos indígenas de
Olivença, no litoral baiano. Realizada através do Coletivo Oca Digital,
a obra traz o entendimento dos Tupinambá sobre temas como tecno-
logia, preconceito e a importância da demarcação de seus territórios.
Para os indígenas, a tecnologia é uma forma de registrar seus rituais
e práticas culturais para apresentá-los às próximas gerações, além de
expor seu próprio ponto de vista, pouco abordado pela mídia tradicio-
nal. Em março de 2012, o Coletivo promoveu oficinas de produção
audiovisual para os professores da Escola Estadual Indígena Tupinambá
de Olivença.

Pisa Ligeiro
»»Direção: Bruno Pacheco de Oliveira
»»Doc | 41 min | 2004 | Bahia
»»Etnia: Várias etnias
É um documentário de Bruno Pacheco, produzido nos primeiros anos
da década passada, com populações indígenas de diferentes regiões
do país. O filme é um resumo das movimentações políticas - e seus re-
sultados - desde a promulgação da Constituição Federal de 1988, sob
o ponto de vista de lideranças indígenas e as expectativas quanto ao
futuro. Preservação da cultura, dos territórios, o respeito à identidade
indígena, acesso à educação e saúde são alguns dos temas conside-
rados importantes pelos povos indígenas e guiam seus movimentos e
articulações.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 55


NORDESTE

Chicão Xukuru
»»Direção: Nilton Pereira
»»Doc | 20min | 1999 | Pernambuco
»»Etnia: Xucuru
Em maio de 2018 completou vinte anos do assassinato do líder da tribo
Xucuru de Ororubá Francisco Assis de Araujo, conhecido nacionalmente
como Chicão Xukuru. Ele foi eleito cacique de seu povo numa situação
de intensos conflitos pela demarcação dos territórios do povo Xucuru,
no Estado do Pernambuco. A regularização da posse daquelas terras
transformou a pequena cidade de Pesqueira numa praça de guerra, em
que os indígenas tinham que enfrentar os interesses de latifundiários e
lideranças políticas que queriam a posse da terra.

O povo Xukuru foi um dos primeiros povos com quem os colonizadores


europeus tiveram contato no Monte Pascoal, juntamente com os Tupini-
quins. Sob a liderança de Chicão Xukuru, os indígenas se uniram não
apenas por causa das terras, mas de sua cultura, sobretudo por sua
religião, a Toré. Chicão também defendia uma escola pensada para os
indígenas, que contasse a história sob o ponto de vista dos indígenas.
Chicão Xukuru foi assassinado em 20 de maio de 1998, na porta da
casa de sua irmã, na cidade de Pesqueira. Apesar de ter informado às
autoridades competentes que vinha sofrendo ameaças, nada foi feito
para protegê-lo.

Menino no Rancho -
Cura e Iniciação entre os Pankararu
»»Direção: Renato Athias
»»Doc | 22 min | 2006| Pernambuco
»»Etnia: Pankararu
Trata-se do registro audiovisual de um ritual religioso do povo Pankara-
ru, do Estado de Pernambuco. Acontece em agradecimento a uma cura
alcançada com a ajuda dos Encantados - espíritos que agem como me-
diadores entre os homens e Deus - e indica que algum garoto da aldeia
foi protegido por um desses espíritos. O ritual acontece durante o final
de semana inteiro e mobiliza toda a aldeia.

Os pais do garoto são responsáveis pela alimentação de todos os con-


vidados e indicam, ainda, quem serão seus padrinhos e quem será sua
noiva. Participantes marcantes deste ritual são os praiás, homens vesti-
dos com máscaras feitas de palha, que conduzem os diferentes momen-
tos do ritual.

56 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


NORDESTE

Promessa Pankararu
»»Direção: Marcos Alexandre dos Santos Albuquerque e
Maria das Dores Conceição Pereira do Pardo
»»Doc | 14min | 2009 | Pernambuco
»»Etnia: Pankararu
Gravado na Terra Indígena Pankararu, no Estado de Pernambuco, o
filme de Marcos Alexandre dos Santos Albuquerque e Maria das Dores
Conceição Pereira do Pardo mostra um ritual religioso deste povo indí-
gena do Nordeste do Brasil. Apesar de não poder ser registrado em sua
totalidade, o ritual apresentado no documentário “Promessa Pankararu”
é uma forma de agradecimento às divindades, a quem chamam de
Encantados.

São a essas divindades que os Pankararu recorrem quando uma criança


está doente, fazem promessas e, se o pedido for atendido, cumprem
com gosto.

Retomada
»»Direção: Leon Sampaio
»»Doc | 16min | 2015 | Bahia
»»Etnia: Pankararu
Neste documentário pode-se conhecer parte da realidade do povo Tu-
pinambá, que vive no Estado da Bahia, um dos primeiros a ter contato
com os colonizadores europeus. O filme foca no processo de retomada
de territórios tradicionais. Conduzido pelos Pankararu, que habitam na
região conhecida como Serra do Padeiro, o processo de retomada ob-
jetiva reaver territórios que foram invadidas por fazendeiros, sobretudo
a partir do momento que o cacique Babau assumiu o protagonismo do
movimento de resistência. Ao assumirem as plantações de cacau na
região, os índios deixaram de ser empregados dos fazendeiros em sua
própria terra e passaram a assumir o controle da produção do fruto na
região. Pode-se perceber, ao longo do filme, que os índios não aceitam
a ideia de alguém possuir uma terra e não viver nela.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 57


NORDESTE

A festa dos encantados


»»Direção: Masanori Ohashy
»»Animação | 13min | 2016 | DF
»»Etnia: Guajajara
A Festa dos encantados é uma animação baseada num mito do povo
Guajajara e conta a origem de seus rituais.  O mito narra a saga de um
Guajajara que, procurando pelo irmão perdido, encontrou um mundo
subterrâneo habitado por seres encantados e ali permaneceu até apren-
der todos os rituais e cânticos. Com saudade da família, voltou para
seu povo e passou a contar sua história e a ensinar, na sua aldeia de
origem, tudo o que havia aprendido com aqueles seres. Antes disso, de
acordo com o mito, os Guajajara não realizavam seus rituais.

A Importância  e os
Significados das Pinturas Pataxós
»»Direção: Marcelo Bráz
»»Doc | 8 min | 2013 | Bahia
»»Etnia: Pataxó
Realizado em parceria com os professores e lideranças da Aldeia Velha
Pataxó e o Empreendimento de Economia Solidária Colibre.

O curta mostra como é produzida, assim como, a importância da pintu-


ra corporal para os Pataxó de Arraial d’Ajuda. As pinturas representam
parte da história, sentimentos do cotidiano e o sagrado. Existem pintu-
ras para o rosto, braços, costas e pernas. Usam-se pinturas específicas
para os homens, mulheres e crianças. As pinturas têm diversidade de
tamanho e significados, servindo como meio de comunicação entre os
membros da aldeia, como entre solteiros e casados.

Quintal da Pajé
»»Direção: Marcelo Bráz
»»Doc | 2 min | 2011 | Bahia
»»Etnia: Pataxó
O filme registra em Arraial d’Ajuda, Porto Seguro – BA, o quintal de
uma senhora no qual identificam-se vários tipos de árvores frutíferas e
plantas medicinais. “A natureza traz saúde pra gente, é coisa maravi-
lhosa a gente viver na natureza”, com essa fala se resume não só a vida
dessa senhora, como a sua relação com seu quintal frutífero em plantas
e ervas medicinais usadas na cura para os males da saúde e do espírito.

58 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


NORDESTE

Fogo do 51
»»Direção: Kefas Matos
»»Ficção | 6 min | 2016 | Brasil
»»Etnia: Pataxó
O filme – em que um ancião conta para o seu neto – narra de forma dra-
matizada a história de um fato ocorrido na Aldeia Pataxó de Barra Velha
no ano de 1951, quando duas pessoas, levadas pelas lideranças indíge-
na da época com o objetivo de demarcar as terras indígenas, queriam
utilizar as terras para interesses pessoais, o que resultou em violenta repres-
são perpetrada por um destacamento de policiais vindos de Porto Seguro
e Prado. Como consequência daquela situação de violência registram-se
as mortes de uma liderança indígena e dois não indígenas, bem como, na
prisão de 38 índios, e no incêndio e destruição da Aldeia de Barra Velha.

Aldeia do Saber
»»Direção: Marcelo Alves
»»Doc | 24 min | 2017 | Ceará
»»Etnia: Tapeba
O filme conta a história da Escola do povo Tapeba, localizada em
Caucaia, região metropolitana de Fortaleza.  Criada nos anos 90 pelo
povo Tapeba, inicialmente embaixo de um cajueiro, a escola foi am-
pliada nas duas décadas de existência. Atualmente tem sede própria,
oferece educação infantil, ensino fundamental e médio, a partir de um
currículo diferenciado que busca valorizar e preservar os costumes indí-
genas. Nas narrativas de professores e alunos, constata-se o orgulho de
sua identidade étnica, tantas vezes alvo de preconceito, mas também
a necessidade de estudar o currículo convencional para se formar e
chegar à faculdade.

Cabloco Marcelinho
»»Direção: Nildson B. Veloso
»»Doc | 11 min | 2012| Bahia
»»Etnia: Tupinambá
O filme mostra por meio de imagens fotográficas o VII Seminário Inter-
nacional Índio caboclo Marcelino e XV Caminhada Tupinambá em me-
mória dos mártires do rio Cururupe, em Território Indígena Tupinambá
de Olivença - Ilhéus / Bahia, tendo como trilha sonora as canções “Mira
ira” e “Hermano, dame tu mano”.  O evento é pautado pela troca de
saberes e conhecimentos entre os Tupinambá, indígenas de diferentes
povos e não indígenas, assim como discussões por reivindicações do
respeito à direitos conquistados.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 59


NORDESTE

Memórias retomadas
»»Direção: João Martinho de Mendonça
Doc | 23 min | 2015 | Paraíba
»»Etnia: Potiguara
O filme narra em dois tempos a história da luta pela demarcação da
terra das aldeias de Monte-Mór e do Alto do Tambá, nas cidades de
Rio Tinto e Baía da Traição (Paraíba) pertencentes ao povo Potiguara.
Com narrativas atuais e de arquivo, extraídas de outros documentários
pelo projeto “Acervos, memórias e antropologia visual”, o curta mos-
tra como foi demarcado o último território (Monte-Mór) sob a liderança
do cacique Vado, liderança representativa e respeitada na aldeia. No
filme, é possível ver as narrativas e depoimentos do cacique cheio de
combatividade na luta pelo reconhecimento do território e dos direitos
de indígenas. Considerando a importância daquela liderança para o
povo Potiguara o documentário alterna entre trechos de sua fala sobre a
luta pela terra e cenas de seu velório e sepultamento em 2004.

Pakhê Pataxó
»»Direção: Kefas Matos
»»Curta | 17 min | 2017 | Bahia
»»Etnia: Pataxó
O curta é um registro do depoimento de Nayara Pataxó, liderança na
aldeia Jaqueira, situada em território Pataxó, na Bahia. Em sua fala,
ela comenta sobre o artesanato Pataxó e a importância dele para sua
cultura. Por ser um elemento muito representativo, a escolha da cor do
material e outros aspectos está permeada de variados significados.
Além disso, comenta sobre religião e educação, que estão dentro de um
contexto de resistência.

Tedyasese - Superamos os Tempos


»»Diretor: Kefas Matos
»»Doc | 20 min | 2016 | Pernambuco
»»Etnia: Fulni-ô
O curta-metragem produzido pelo Coletivo Fulni-ô de Cinema faz um
raio-x das dificuldades indígenas em diferentes tempos da ocupação
da aldeia Fulni-ô. Os Fulni-ô vivem na terra indígena Fulni-ô que está
localiza no município de Águas Belas, no agreste pernambucano, e
se destacam por ser a único povo indígena do nordeste que conseguiu
manter sua língua materna, o yaathê, até os dias atuais.

60 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


NORDESTE

A Lingua Pataxó
»»Direção: Kefas Matos
»»Dep | 8 min | 2017 | Bahia
»»Etnia: Pataxó
Depoimentos sobre a língua pataxó. Importância e aprendizado.

Armas e armadilhas
»»Direção: Kefas Matos
»»Dep | 14 min | 2017 | Bahia
»»Etnia: Pataxó
Depoimentos sobre técnicas de armadilhas para captura de animais.

Culinária Pataxó
»»Direção: Kefas Matos
»»Dep | 11 min | 2017 | Bahia   
»»Etnia: Pataxó
Depoimento sobre o uso da planta chamada patxoba na culinária pa-
taxó.

Awê
»»Direção: Kefas Matos
»»Dep | 15 min | 2017 | Bahia
»»Etnia: Pataxó
Depoimentos sobre o canto e a dança. O ritual Awe nas escolas.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 61


NORDESTE

Jokana Pataxó
»»Direção: Kefas Matos
»»Dep | 7 min | 2017 | Bahia
»»Etnia: Pataxó
Depoimentos sobre a presença e luta das mulheres Pataxó na sociedade.

Artesanatos Pataxó
»»Direção: Kefas Matos
»»Dep | 6min | 2018 | Bahia
»»Etnia: Pataxó
Depoimento do Comerciante e Artesão Kapimbará, falando um pouco
sobre as suas dificuldades na atualidade de ser um artesão.

Tribo indígena xucuru-kariri


»»Direção: Produção e Pesquisa- Museu Histórico Municipal Tuany Toledo
»»Doc | 21 min | 2016 | Alagoas
»»Etnia: Xukuru-Kariri
Os Xucuru e os Kariri habitavam o entorno de um lago em Palmeiras
dos Índios, em Alagoas, em meados do século XVIII. Fugindo da fome,
da seca e da ocupação pelos colonizadores, os Kariri tinham se disper-
sado, tendo sobrevivido poucos indígenas. Neste processo de luta pela
sobrevivência muitos elementos de sua cultura permaneceram adormeci-
dos. Do outro lado do lago, os Xucuru resistiam melhor. Pouco a pouco,
os dois povos foram se aproximando para formar os Xucuru-kariri. O
documentário aborda um dos grupos Xucuri-Kariri que migrou para o sul
de Minas Gerais, mais precisamente no município de Caldas, e apre-
senta uma população de 155 pessoas. Este curta registra o depoimento
do cacique Jal, que conta sobre a cultura, o dia a dia e a relação entre
o povo consigo mesmo e também com o Poder Público.

62 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


NORDESTE

Meu Atikum
»»Direção: Marcos Albuquerque
»»Doc | 9 min | 2005 | Pernambuco
»»Etnia: Atikum
O documentário “Meu Atikum” conta a história da luta do povo Atikum
por seu território tradicional, em Pernambuco, que havia sido invadido
por fazendeiros com apoio do governo municipal. O povo Atikum se for-
mou a partir do casamento do índio Vitório de Oliveira com uma mulher
índia da Serra da Barra, ademais constata-se que houve um processo
de miscigenação no qual foram integradas pessoas de origem negra
e branca. Para obter o reconhecimento legal de sua identidade étnica
como forma de ter acesso à direitos diferenciados e reconhecimento seu
território tradicional, foi preciso revigorar aspectos culturais importantes
que já estavam se perdendo e que precisam ser transmitidos às novas
gerações de Atikun com apoio dos índios da etnia Tuxá. Dessa forma,
retomaram a realização do ritual do Toré, muito comum entre os povos
indígenas do Nordeste do Brasil. Na atualidade, eles mantem a preo-
cupação com a proteção do lugar conhecido como Pedra do Gentio,
considerado sagrado por eles.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 63


SUDESTE

2.4 Região Sudeste

Kotkuphi
»»Direção: Isael Maxakali
»»Doc | 30 min | 2012 | Minas Gerais
»»Etnia: Maxakali
O documentário registra um dia diferente na comunidade Maxakali da
Aldeia Verde, quando todos se reúnem para colheita da mandioca nos
roçados. Este dia diferente compõe o ritual do Kotkuphi que começa
numa tarde e termina na noite do dia seguinte. A mandioca colhida é
descascada e cortada em pequenos pedaços que são deixadas no rio
de um dia para outro e, posteriormente, são lavados na água corrente
para ser cozida com carne e servido a todos os moradores da aldeia.
No centro da aldeia, um mastro com uma galinha morta é erguido.

Todas as mulheres da comunidade levam cobertores para construir uma


espécie de cerca ao redor de uma casa. Ao som de cantos, as pessoas
erguem lanças ao redor dessa cerca. No fim do ritual, a galinha presa
ao mastro é acertada com flechas. O ritual do Kotkuphi marca um mo-
mento importante na vida dos moradores da aldeia, assim como sua
relação com o calendário agrícola observado pelos Maxakali.

Mîmãnãm: o ritual religioso dos Maxakali


»»Direção: Isael Maxakali
»»Doc | 17 min | 2012 | Minas Gerais
»»Etnia: Maxakali
Neste documentário somos apresentados a um ritual religioso praticado
pelo povo Maxakali, formado a partir da união de etnias aliadas e
estabelecidas na região do Rio Jequitinhonha, em Minas Gerais: Pata-
xó, Monoxó, Amixokori, Kumanoxó, Kutatói, Malalí, Makoní, Kopoxó,
Kutaxó e Pañâme. O filme descreve o ritual do Mîmãnãm: uma tora de
madeira pintada e enfeitada, fixada em frente à Kuxex (“casa da reli-
gião”), em honra à Yãmîy (divindade Maxakali). Mîmãnãm quer dizer
“pau da religião”. Após a fixação, durante a performance do ritual os
Maxakali cantam e dançam ao seu redor em honra à Yãmîy. A tora
de madeira permanece no mesmo local por um ano, quando o ritual é
repetido. Isael Maxakali, diretor do documentário, é um dos fundadores
da Pajé Filmes.

64 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


SUDESTE

Panha do Pequi
»»Direção: Joel Xacriabá e Pajé Vicente Xacriabá
»»Doc | 14 min | 2014 | Minas Gerais
»»Etnia: Xacriabá
O documentário “Panha do Pequi” mostra a coleta anual do pequi no
Estado de Minas Gerais pelo povo Xacriabá.  Este fruto é encontrado
nas regiões de cerrado e é utilizado pelos Xacriabá, principalmente
para a produção de óleo. Com a castanha do fruto é feito paçoca e
com as folhas banhos energizantes. A maior ameaça a esta tradição
são as queimadas que destroem a vegetação nativa. Sobreviventes dos
ataques dos bandeirantes e de garimpeiros, os Xacriabá, atualmente,
lutam pela demarcação de suas terras invadidas por fazendeiros. A
terra é condição principal para manterem suas práticas culturais e sua
reprodução física e cultural.

São Paulo: a terceira margem Pankararu


»»Direção: Marcos Albuquerque
»»Doc | 24’ | 2009 | Minas Gerais
»»Etnia: Pankararu
Dirigido por Marcos Albuquerque, trata-se de um vídeo etnográfico que
aborda a presença dos Pankararu na cidade de São Paulo. Original-
mente habitantes do Estado de Pernambuco, a migração dos Pankararu
ocorreu principalmente por uma tentativa de encontrar melhores condi-
ções de vida na região mais rica do país.

Atualmente, essa população luta para manter sua cultura (religião, dan-
ças, cantos, etc) e pelo reconhecimento de sua identidade indígena,
questionada principalmente pelo fato de viverem no coração da maior
cidade do país.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 65


SUDESTE

Xupapoynãg
»»Direção: Isael Maxakali
»»Doc | 15min | 2011 | Minas Gerais
»»Etnia: Maxakali
Xupapoynãg, na língua Maxakali, quer dizer lontra. Trata-se de um ani-
mal sagrado para esta etnia e, portanto, não deve ser usado como ali-
mento, pois está inserida nos tabus alimentares. Os yãmïys, divindades
deste povo, não gostam que as lontras, suas parentes, sejam caçadas.
Durante o yãmïyxop, ritual dos Maxakali, vão até a aldeia para se vin-
gar daqueles que os desobedeceram.

Neste curta metragem, os indígenas com os corpos pintados, com os


rostos cobertos, representam os yãmïys. Eles andam pela aldeia, à pro-
cura de homens que estejam fora de suas casas para que possam matá-
-los em vingança pela morte das lontras, a quem chamam de mãe. Cabe
às mulheres da aldeia a expulsão espíritos yãmïys. Elas arremessam pe-
dras e montes de lama em sua direção, em resposta recebem empurrões
e puxões de cabelo. Juntas, conseguem mandá-los embora da aldeia.

Yãmîy
»»Direção: Isael Maxakali
»»Doc | 15min | 2011 | Minas Gerais
»»Etnia: Maxakali
Este documentário de Isael Maxakali registra um ritual tradicional de seu
povo. Homens aparecem representando os animais - tais como onça, o
quati, o javali, etc - que tradicionalmente são usados como símbolos dos
Yãmîy, divindades do povo Maxakali. 

Gravado na Comunidade Maxakali de Aldeia Verde, o filme é uma


importante contribuição de registro e preservação da cultura original
desse povo nativo brasileiro.

66 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


SUDESTE

Yiax Kaax - fim do resguardo


»»Direção: Isael Maxakali
»»Doc | 24min | 2010 | Minas Gerais
»»Etnia: Maxakali
Neste documentário de Isael Maxakali conhecemos a maneira como
o povo Maxakali lida com o período posterior aos partos. Durante os
primeiros 30 dias, período chamado de resguardo, é prescrito ao casal
uma série de regras, como se alimentar apenas de frangos, ovos e pei-
xes, não se coçar com as mãos, não dormir muito e nem dormir em cima
dos braços, tampouco bocejar. No fim do resguardo há um ritual em
que marido e mulher, guiados pelo pajé da aldeia, colhem uma planta
chamada jaborandi e procuram uma pedra para cortar um pedaço de
bambu. O jaborandi é raspado com uma “pedra-cristal” e as raspas
divididas entre o casal para que mastiguem até que comece a arder.
Em seguida devem deixar a boca salivar. Às margens do rio, o pajé
cava um buraco que se enche de água. A saliva acumulada na boca é
misturada com a água do buraco que é sugada com o bambu e cuspida
para o sentido nascente e para o poente, seguida de uma prece ao sol.
Um mergulho no rio finda o resguardo.

Atrás da Pedra - Resistência Tekoa Guarani


»»Diretor: Thiago Carvalho
»»Doc | 31 min | 2015 | São Paulo
»»Etnia: Guarani Mbyá
A partir da disputa fundiária pela terra localizada próxima ao Parque
Estadual do Jaraguá, pertencentes à etnia Guarani Mbyá, e conside-
rada a menor terra indígena do país, o curta-documentário “Atrás da
Pedra – Resistência Tekoa Guarani” discute a situação da demarcação
de terras indígenas no Brasil hoje. De um lado, não índios, que argu-
mentam serem donos da terra oficialmente, alegando que não registros
de indígenas na terra. Do outro, os habitantes da aldeia Tekoa Pya,
que dizem serem donos históricos do território. Partindo desta situação
específica, o diretor Thiago Carvalho se refere, por meio de depoimen-
tos, à luta indígena pela terra, passando por decisões judiciais até pela
discussão sobre a PEC 215, que pretende transferir para o legislativo a
decisão quanto a demarcações de terras indígenas.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 67


SUDESTE

Kunumi chegou
»»Diretor: ANGRY (Bruninho & Gabe Maruyama)
»»Video Clipe | 2 min | 2016 | Aldeia Krukutu, Parelheiros-SP
»»Etnia: Guarani
Videoclipe do MC Kunumi que em sua letra defende a identidade in-
dígena e a demarcação dos territórios de sua etnia, aliando-se em seu
discurso à defesa da justiça, de minorias e relato do cotidiano, comuns
ao rap. O clipe possui uma boa fotografia e elementos próprios da lin-
guagem videoclípica, como cortes rápidos e planos tanto abertos quan-
to fechados.

Kakxop pit Hãmkoxuk Xop -


Iniciação dos filhos espíritos da terra
»»Direção: Isael Maxakali
»»Doc | 47 min | 2015 | Minas Gerais
»»Etnia: Maxakali
O documentário mostra o ritual de iniciação dos meninos do povo Ma-
xakali na aldeia Verde, em Ladainha-MG, que são levados para o ku-
xex, um local no qual aprenderão a respeitar elementos importantes
para o seu povo. O rito acontece por 30 dias, quando os meninos ficam
longe de sua casa e de suas mães e são cuidados pelo pajé e pelos
yãmĩys, espíritos protetores das crianças personificados pelos homens
adultos. Durante o ritual de “amadurecimento”, os meninos aprendem a
preservar a natureza e a sua subsistência, como cuidar da plantação.
As imagens são captadas pelo diretor Isael Maxakali, que interage com
os seus personagens, os meninos e outros membros da aldeia.

68 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


SUDESTE

Guerra sem fim -


resistência e luta do povo Krenak
»»Direção: Vitor Blotta e Fabrício Bonni
»»Doc | 29 min | 2016 | Minas Gerais
»»Etnia: Krenak
O documentário é uma produção do MPF em parceria com a Associa-
ção Nacional dos Procuradores da República (ANPR) e a produtora
Unnova. O filme conta a história do povo Krenak, em Resplendor-MG,
durante regimes militares no século XX. Vítimas da violência do Estado
e de campanhas de extermínio, os Krenak foram removidos diversas
vezes de suas terras durante décadas, voltando e saindo de acordo com
decisões judiciais. Em 1957, foram retirados de Resplendor mandados
para Maxakali onde já viviam outros indígenas. Em 1959, ocorre a
reintegração de posse de suas terras, porém lá já estavam posseiros
e grileiros. Em 1969, o governo militar criou a guarda indígena, que
agia contra os próprios indígenas. Assim, mergulha-se pela história dos
Krenak e como suas vidas foram modificadas pelo poder dos governan-
tes da época. Além da violência física, por meio de torturas, os Krenak
também tiveram que suprimir seu idioma e até mesmo foram considera-
dos extintos para facilitar a desapropriação de suas terras. No filme, há
referência ao Reformatório Krenak, local onde indígenas eram levados
quando acusados por crimes e sem ao menos condenação ou apu-
ração dos fatos. “Guerra Sem Fim” narra a história, resistência e luta
contra o extermínio.

Ök’ahpó - Desenforme
»»Direção: Adolfo Borgês
»»Doc | 08 min | 2012 | São Paulo
»»Etnia: Tukano
Este curta de Adolfo Borgês faz a defesa pelo modo de vida indígena
pelas falas de um indígena e um não indígena. O roteiro é estruturado a
partir de textos/falas, em off, dos personagens numa situação ficcional
com clima de suspense. Pelo lado dos primeiros habitantes deste territó-
rio, fala Bú’u, indígena da etnia Tucano, que relata como se estabelece
a relação de respeito dos indígenas com a natureza, chamada por eles
de Ye’pamabsã, “a Terra é o ventre”. Já, pelo outro lado, discorre um
professor de história, que defende a cultura e o respeito a esses povos.
No final do filme, ocorre o encontro das personagens, na beira da re-
presa da Graça, em Cotia/SP, com tom de paródia de filme de faroeste.
Algumas dívidas e dúvidas poderão ser esclarecidas nesse confronto.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 69


SUDESTE

Konãgxeka - O Dilúvio Maxakali


»»Direção: Isael Maxakali e Charles Bicalho
»»Animação | 12 min | 2016 | Minas Gerais
»»Etnia: Maxakali
Konãgxeka na língua Maxakali quer dizer “água grande”. Trata-se da
versão Maxakali do mito bíblico do dilúvio. Como um castigo, por cau-
sa do egoísmo e da ganância dos homens, os espíritos yãmîy enviam a
“grande água”. Quando um Maxakali salva uma lontra de um rio, esta
retribui a proeza com a promessa de um pescado farto para o resto das
suas vidas. No entanto, quando outro índio da aldeia não cumpre sua
parte no acordo, entregar os três maiores peixes da pesca, a catástrofe
chega ao homem. As ilustrações para o filme foram feitas por indígenas
Maxakali durante oficina realizada na Aldeia Verde Maxakali, no muni-
cípio de Ladainha, Minas Gerais.

O povo do canto - Maxakali


»»Direção: Marcelo Brum
»»Doc | 21 min | 2013 | Minas Gerais
»»Etnia: Maxakali
O povo Maxakali, pouco conhecidos, vivem no norte de Minas Gerais,
próximos à fronteira com a Bahia, em três terras indígenas, sendo duas
delas separadas por um corredor de fazendas e áreas urbanas. Apesar
da proximidade com centros urbanos eles mantem uma fronteira étnica
que reforça sua identidade indígena. O curta registra a situação desse
povo no ano de 1994 e sua relação bastante conflituosa com os fazen-
deiros da região, além de apresentar sua cultura, volta das expedições
de caça e pesca, a relação com a espiritualidade manifesta nos rituais
e em seus cantos. O documentário recebeu prêmios nacionais e interna-
cionais por abordar conflitos entre os Maxakali e fazendeiros no estado
Minas Gerais, decorrentes da disputa e luta pela terra.

70 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


SUDESTE

Ka’a’i - O ritual da erva-mate


»»Projeto Ponto Indigenista de Cultura
»»Direção: Centro de Trabalho Indigenista – CTI
»»Curta | 19 min | 2015 | São Paulo
Gravado na terra indígena Guarani em Ribeirão Silveira, o curta mostra
o ritual da erva-mate. Segundo os indígenas, os ramos da erva-mate
reúnem em si todas as coisas boas. A partir do ritual, os indígenas
encontram força, iluminação e saúde para crianças que possam estar
doentes. O filme registra vários momentos do ritual desde a colheita ao
seu preparo envolto em vários cantos tradicionais.

Cultura indígena Tupinikim


»»Direção: Alunos da Escola Estadual de Ensino Fundamental
e Médio Primo Bitti - Aracruz - ES
»»Doc | 17min | 2016 | Espírito Santo
»»Etnia: Tupiniquim
O curta faz parte de um projeto de pesquisa etnoeducacional com pro-
posta voltada ao audiovisual, no qual alunos da Escola Estadual de
Ensino Fundamental e Médio Primo Bitti realizam uma entrevista com
Helena Coutinho, da etnia Tupinikim e que vive na aldeia de Caieiras
Velhas, município de Aracruz no Espírito Santo.

Dia do Índio na aldeia verde de Maxakali


»»Direção: Isael Maxakali
»»Curta | 27min | 2010 | Minas Gerais
»»Etnia: Maxakali
Registro audiovisual das comemorações do Dia do Índio na Aldeia Ver-
de Maxakali, no Vale do Mucuri, Minas Gerais, em 2010.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 71


SUDESTE

Caminhos da reportagem -
Território de(s)marcado
»»Direção: Bianca Vasconcellos
»»Curta | 27min | 2010 | Minas Gerais
»»Etnia: Guarani
O Caminhos da Reportagem acompanhou os últimos protestos na Terra
Indígena Jaraguá, onde cinco aldeias ocupam um espaço na região
periférica da capital paulista. Entre as aldeias, a menor do país, com
menos de dois hectares. No total, 700 famílias habitam a Terra Indígena
Jaraguá, um lugar sem infraestrutura: nem todas as casas têm banheiro e
o rio que circunda o parque está poluído pelo lixo que vem dos não-indí-
genas vizinhos da aldeia. A 80 km das aldeias do Jaraguá, 98 famílias
Guarani vivem de forma totalmente diferente. Eles têm espaço para os
rituais da cultura, a caça e a pesca. Estão no meio de uma reserva
da Mata Atlântica, mas os cerca de 600 indígenas também têm medo
de serem expulsos a qualquer momento. “Estamos na aldeia desde a
década de 20, mas a demarcação feita em 1985 até agora não foi
homologada”, diz Mariano Fernando, líder da aldeia. A demarcação
e preservação da cultura são temas dos rappers jovens que lutam para
não perder os vínculos, indo e voltando para as aldeias de onde saíram
no norte e nordeste do país.

72 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


SUL

2.5 Região Sul

Aldeia Piraí: Brincadeiras das crianças Guarani


»»Direção: Projeto Indígena Digital
»»Doc | 15min | 2010 | Santa Catarina
»»Etnia: Guarani
As crianças indígenas da etnia Guarani não brincam mais do mesmo
modo como brincavam seus antepassados. Diante disso, eles empreen-
dem um movimento de redescoberta daquelas brincadeiras. Do mesmo
modo que houve inúmeras transformações nas atividades lúdicas das so-
ciedades não indígenas, o mesmo ocorre entre os povos indígenas. No
caso do povo Guarani, os adultos desta etnia afirmam que as crianças
hoje trocaram seus divertimentos tradicionais pelo consumo de tecnolo-
gias. Este é o tema do documentário.

Com duração de 15 minutos, o filme foca nos costumes das crianças


Guarani, como elas se divertem, como passam o tempo, como vivem sua
infância, principalmente como se dá esse “divertimento” em uma época
de constantes avanços tecnológicos e que afetam também o modo de
vida das crianças indígenas. Brincadeira da Mamãe Galinha e a Dança
dos Guerreiros (Xondaro) são exemplos de divertimentos tradicionais das
crianças Guarani que ainda estão persistem na memória dos adultos.

Kamé e Kairu: revitalização cultural Kaingang


»»Direção: Produção Maurício Hepp
»»Doc | 27 min | 2012 | Rio Grande do Sul
»»Etnia: Kaingang
É um trabalho etnográfico realizado de forma a atender um termo de re-
ferência emitido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacio-
nal, em consequência da construção da Usina Hidrelétrica de Mauá-PR.
Para sua produção, foram realizadas filmagens entre os anos de 2011
e 2012 nas terras indígenas de Mococa, Queimadas, Apucaraninha,
Barão de Antonina e São Jerônimo.

O filme registra uma tentativa de recuperar elementos culturais, bem


como formas de organização social dessas comunidades indígenas que
estavam em processo de transformação e mudanças, mas também sen-
do retomadas, tais como pinturas corporais, artesanato, língua, danças
e cantos tradicionais.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 73


SUL

Karai Ha’egui Kunhã Karai ‘ete:


uma história Guarani
»»Direção: Alberto Alves
»»Doc | 67 min | 2014 | Santa Catarina
»»Etnia: Guarani
Em “Karai Ha’egui Kunhã Karai ‘ete”, o Guarani Alberto Alves nos mos-
tra a história de Xeramoi Alcindo e Xejaryi Rosa, um casal de idosos
guaranis que vivem em Santa Catarina. Conforme vamos sendo apre-
sentados à história e à realidade do casal, vamos conhecendo também
a história e a cultura do povo Guarani. A todo o momento os anciãos
são incentivados a falar sobre os cantos tradicionais e as plantas me-
dicinais da região. Eles compartilham seus conhecimentos sobre sua
história e sobre o mundo na língua Guarani. Este é o primeiro longa me-
tragem dirigido por Alberto Alves. Foi lançado em 2014 e sua versão
completa conta com mais de uma hora de duração e possui legendas
em português, francês e inglês. A produção ficou por conta de Marina
França e Guilherme Cury. 

Mbyá Reko Pyguá


»»Direção: Kátia Klock e Cinthia Creatini da Rocha
»»Doc | 18 min | 2012 | Rio Grande do Sul
»»Etnia: Mbyá Guarani
Cada vez mais influenciados pela cultura não indígena, os Guarani da
Aldeia Yynn Moroti Wherá, em Biguaçu, Santa Catarina, tentam fazer
com que os jovens mantenham o interesse pelo modo ser e viver daquela
etnia. As lideranças da aldeia incentivam que, entre Guaranis, se use a
língua Guarani, além de incentivar os rituais religiosos e culturais.

Ñande Guarani: nós, Guarani


»»Direção: André Luís da Cunha
»»Doc | 76 min | 2008 | Rio Grande do Sul
»»Etnia: Guarani
Quando os primeiros navegadores europeus chegaram ao território de-
nominado posteriormente de América do Sul, o povo Guarani tinha
população estimada entre 1,5 e 2 milhões de pessoas. Muitos grupos
foram escravizados pelos colonizadores, que também forçavam as mu-
lheres desta etnia a se casarem com alguns daqueles forasteiros. Atual-
mente não chegam à um quarto do que já foram, segundo os dados
mais recentes do Mapa Guarani Continental, e habitam o sul e sudeste
do Brasil, além de Bolívia, Argentina e Paraguai.

74 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


SUL

Este documentário de André Luís da Cunha trata de questões relevantes


para este povo nos dias de hoje, tais como a ocupação de suas ter-
ras tradicionais e a não demarcação desses territórios que consigam
atender às suas necessidades populacionais, além das demandas mais
básicas para sua vida nos dias de hoje, sobretudo quando os não-índios
estão cada vez mais próximos e eles já não tem muitas opções para
deslocamento.

Mbyá Avaxy - Semente tradicional Guarani


»»Direção: Projeto “Indígena Digital”
»»Doc | 11 min |falta ano | Santa Catarina
»»Etnia: Guarani
Segundo a cosmovisão do povo Guarani, logo depois da criação dos
seres humanos, a primeira coisa a ser criada foi o milho, para que
pudessem ter o que comer. E enquanto seu objetivo não for fazer mal à
terra, sempre que plantarem milho, ele vai nascer.

O documentário, produzido por jovens da Aldeia Imaruí, localizada


no município de Imaruí, estado de Santa Catarina, por meio do projeto
Indígena Digital, mostra essa relação religiosa do povo Guarani com
este tipo de grão.

Ojepotá - Mito Guarani


»»Direção: Jovens Guarani da Aldeia Itaty. Palhoça/SC
»»Doc | 58 min | 2011 | Santa Catarina
»»Etnia: Guarani
Trata-se de um filme feito (tanto no que diz respeito à produção quanto
na atuação das personagens) pelos jovens Guarani da Aldeia Itaty, em
Palhoça, no estado de Santa Catarina. É baseado num mito daquele
povo segundo o qual aqueles quem desobedecem às regras da natu-
reza são castigados, tem seu corpo dominado pelo mal e se transfor-
mam em algum ser da mata. Este ser precisa ser morto pelos membros
da aldeia para que não lhes venha a causar algum mal.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 75


SUL

O infortúnio do povo Xetá


no interior do Paraná
»»Direção: Renato Severo
»»Doc | 20 min | 2010 |Paraná
»»Etnia: Xetá
O documentário reúne antropólogos e sobreviventes do povo Xetá para
contar a história da etnia: nômades originários da região noroeste do
Estado do Paraná viviam da caça e da coleta de produtos naturais.
Na década de 40, quando a região começou a ser colonizada, foi
igualmente noticiada nos grandes centros urbanos a venda de terras,
propícias principalmente para a produção de café. Quando a imprensa
passou a especular sobre a presença de indígenas “selvagens” nestas
terras, aqueles que pretendiam vendê-las, temendo ter seus negócios
prejudicados por conta dos habitantes “não civilizados”, viram como
uma solução rápida exterminar o povo Xetá. Para isso, eles usaram ar-
mas de fogo e envenenaram sua comida. Muitos adultos sobreviventes
desapareceram depois que foram levados para Curitiba pela compa-
nhia colonizadora. Algumas crianças foram adotadas por não-índios
que se dispunham a “civilizá-los”. Dirigido pelo ex-diretor do Museu da
Imagem e do Som do Paraná, Renato Severo, o documentário segue as
histórias de algumas dessas crianças que, hoje, são os últimos sobrevi-
ventes da etnia.

O Canto do Voo do Urubu:


Revitalização da Cultura Xetá
»»Direção: Laboratório de Arqueologia, Etnologia e Etno-
história da Universidade Estadual de Maringá
»»Doc | 16 min | 2012 |Paraná
»»Etnia: Xetá
O povo Xetá, cuja história é marcada por trágicos acontecimentos que
culminaram na quase extinção de todos os seus membros, é protagonis-
ta deste documentário. Originalmente habitantes do que é na atualida-
de o estado do Paraná, foram perseguidos e mortos por fazendeiros que
tinham interesse em ocupar suas terras para o desenvolvimento da cul-
tura cafeeira. Atualmente, os descendentes de crianças que foram leva-
das pelas autoridades e adotadas por famílias de não-indígenas, e que
formaram as doze famílias de Xetás que reivindicam o reconhecimento
legal de sua identidade, vivem na Terra Indígena de São Jerônimo, junto
com os povos Kaingang e Guarani. O documentário, produzido por
pesquisadores do Laboratório de Arqueologia, Etnologia e Etno-história
da Universidade Estadual de Maringá, mostra todo o esforço dos sobre-
viventes dessa etnia para recuperar e preservar sua cultura e seu terri-
tório tradicional, na cidade de Umuarama, hoje ocupado por pastos.

76 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


SUL

Tekowe Nephyrun - A origem da alma


»»Direção: Alberto Alvares
»»Doc | 49 min | 2015 | Paraná
»»Etnia: Pataxó
O filme, produzido a partir de imagens captadas na aldeia Yhowi, em
Guaíra - PR, mostra a relação dos indígenas da etnia com Nhande-
ru’Ete, que em guarani significa “Deus Verdadeiro”, que dá alma, luz
e sabedoria para que cada pessoa busque sua força na vida. O filme
centra-se na relação do povo com a alma, que perpassa pela natureza,
rituais de cura, de batismo e morte.

Ara pyau
»»Direção: Wera Alexandre
»»Doc | 2 min | 2016 | São Paulo
»»Etnia: Guarani
Filmado na Aldeia Tekoa Itaoca em São Paulo, Ara pyau significa, na
língua guarani, significa “tempo novo”. O curta apresenta, pela fala de
uma indígena, as motivações e como ocorre o ritual ara pyau, que con-
siste na época em que nhanderu kuery, conjunto de deuses, ficam jovens
e se renovam, é um momento de alegria para a aldeia.

Veredas kaingang - trajetória indigenista


»»Direção: Trabalho desenvolvido pela Associação Indigenista - ASSINDI
»»Doc | 25 min | 2017 | Paraná
»»Etnia: Kaingang
O que os Kaingang fazem em Maringá? De onde eles vêm? Maringá
tem algum vínculo com a história desse povo? Por que eles estão aqui?
Essas perguntas são o norte do filme Associação Indigenista - ASSINDI –
Maringá. O documentário trata da presença indígena na cidade de Ma-
ringá. O propósito da produção é apresentar quem são essas pessoas,
de onde vêm e por que estão nos centros urbanos, além disso, mostrar
à comunidade o trabalho da Associação que acolhe essas famílias há
16 anos e luta pelo fortalecimento e a garantia dos direitos dos povos
indígenas no Paraná.

Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil 77


SUL

Vida Kaingang
»»Direção: Nelson Akira Ishikawa
»»Doc | 50 min | 2014 | Paraná
»»Etnia: Kaingang
O filme mostra o povo Kaingang da terra indígena de Apucaraninha,
no Paraná, localizada na confluência entre os rios Apucarana e Apuca-
raninha e Tibagi a 80 km de Londrina. O curta capta alguns momentos
especiais em sua vida, como a Festa da pesca do Pari, evento realizado
às margens do rio Apucarana, afluente do rio Tibagi, o qual tem obje-
tivo de preservar as tradições e a cultura indígena entre os jovens da
aldeia. Mostra a festa do índio, no dia 19 de abril, momento que que
para celebrar seu dia se apropriam de elementos da cultura não indíge-
na (suas músicas e bebidas). O filme ainda apresenta a educação es-
colar das crianças Kaingang, onde se destaca o ensino tanto na língua
materna, quanto em português.

78 Sinopses dos documentários disponíveis no site Povos do Brasil


3

Teaser
Apresentação

Nesta sessão apresentamos uma síntese de 30 produções de audiovisual


no formato de teaser, ou seja, um resumo provocativo para instigar o
internauta, pesquisador, estudante e outros interessados a buscar seu con-
teúdo completo no site Povos do Brasil (http://ufmt.br/povosdobrasil).
Tais produções se destacam por oferecer ao visitante do site, ainda que
de forma bastante resumida, em virtude do formato oferecido, uma varie-
dade de produções audiovisual que mostram parte da rica diversidade
étnica e cultural dos povos indígenas.

NORTE
»» Huni Kuin
»» Yawá - A história do povo Yawanawá
»» Shuku Shukuwe - A vida é para sempre
»» Txirin, o batismo do gavião
»» Rosi Waikron - Povo Piratapuia

CENTRO OESTE
»» Tribo Avá - Canoeiro a história de um povo invisível nas matas do país
»» Osiba Kangamuke
»» Ohokoti
»» Ava Yvy Vera
»» Cuhkõnre Jarkua - Cabacinha
»» Memória Cultura e Resistência
»» Em Trânsito: A saga dos Manoki
»» Manoel Chiquitano Brasileiro

Teaser 81
NORDESTE
»» A festa dos Encantados
»» A importância e o significado
das Pinturas Pataxó

»» O Quintal da Pajé
»» Fogo do 51
»» Aldeia do Saber
»» Caboclo Marcelino
»» Memorias Retomadas

SUDESTE
»» Atrás da Pedra Resistência
»» O Kunumi chegou
»» Kakxop pit Hãmkoxuk
Xop - Iniciação Dos Filhos
Espíritos Da Terra

»» Guerra sem fim - Resistência


e Luta do Povo Krenak

»» Konagxeka - O dilúvio Maxakali


»» Kotkuphi - Comunidade
Maxakali de Aldeia Verde

»» O povo do canto – Maxakali

SUL
»» Ara pyau
»» Veredas Kaingang
»» Vida Kaigang

82 Teaser
4
Documentários
produzidos
pelo Projeto
Povos do Brasil
Sinopses

4.1 Documentário sobre


a Região Sul

Francisco Kaingang, membro da Articulação dos Povos Indígenas da Região Sul.

Diferentes etnias estão presentes na Região Sul do Brasil. A maior po-


pulação é do povo Kaingang, com aproximadamente 42 mil pessoas.
Para o vídeo do Povos do Brasil entrevistamos uma de suas lideranças,
Francisco Kaingang, que vive no Rio Grande do Sul e é membro da
Articulação dos Povos Indígenas da Região Sul. A luta pelos direitos in-
dígenas é uma das bandeiras desse povo que está preocupado com sua
história, identidade e manutenção da cultura para as futuras gerações.

Marciano Rodrigues, da etnia Nhandeva, do Paraná.

Outro povo que vive na Região Sul são os Guarani. Entrevistamos a lideran-
ça Marciano Rodrigues, da etnia Nhandeva, do Paraná, que faz parte da
Articulação dos Povos Indígenas da Região Sul. A luta pela retomada de
seus territórios tem marcado os conflitos numa área de colonização muito
forte que reduziu drasticamente as terras indígenas. Há um número expressi-
vo de acampamentos na região, principalmente dos povos Guarani e Kain-

Documentários produzidos pelo Projeto Povos do Brasil 85


gang. Além do enfrentamento, o movimento indígena no sul do país procura
o fortalecimento cultural dos povos, mantendo as especificidades das etnias.

4.2 Documentário sobre


a Região Sudeste

Cacique Davi
Foto: Luzo Reis/Teo Miranda

A região sudeste do Brasil abriga mais de cem mil indígenas. O Caci-


que Davi Guarani vive na região de Jaraguá – SP. Ele destaca a preo-
cupação com as demarcações de terra que estão paralisadas pelo go-
verno federal. Os Guarani são afetados também pela falta de políticas
públicas voltadas para a educação e saúde indígenas.

Cacique Gevaci Xacriabá

O líder Xakriabá, Abedias, da região norte de Minas Gerais, destaca


a luta pela retomada de seus territórios como uma das principais ações

86 Documentários produzidos pelo Projeto Povos do Brasil


que envolvem 11 mil pessoas da etnia. A ameaça vem de fazendeiros,
madeireiros e garimpeiros e do próprio Estado, surgindo, assim, áreas
de conflito e retirada de direitos.

Cacique Gevaci Xacriabá


Foto: Luzo Reis/Teo Miranda

Novas lideranças estão sendo preparadas para lutar pelos direitos


Xakriabá, como vem ocorrendo no oeste da Bahia. Lá o jovem cacique
Gevaci Xacriabá aponta o trabalho de organização de base hoje feito
nas aldeias como uma das principais ações para garantir os direitos
indígenas e reverter perdas históricas.

Paulo Tupiniquim
Foto: Luzo Reis/Teo Miranda

O povo Tupiniquim vive no norte do Espírito Santo com uma população de


3.700 pessoas. Uma importante liderança desse povo é Paulo Tupiniquim.
Por quarenta anos a etnia viveu um sério conflito fundiário na região,
envolvendo uma empresa multinacional. Só em 2008, os Tupiniquim con-
seguiram a demarcação de suas terras. A grande ameaça a essa popula-
ção está na presença de empreendimentos industriais no entorno de suas
terras que causam impactos negativos no cotidiano das aldeias.

Documentários produzidos pelo Projeto Povos do Brasil 87


Líder Daniel Krenak
Foto: Luzo Reis/Teo Miranda

Outra importante liderança do Sudeste é Daniel Krenak, que destaca a


questão ambiental como um dos principais problemas enfrentados hoje
pela etnia. O rompimento da barragem de Mariana atingiu o rio Doce,
que corta a aldeia, matando parte da cultura Krenak por ficarem impe-
didos de pescar e caçar na região.

4.3 Documentário sobre a


Região Centro-oeste

Evelin Terena, líder feminina.

A população autodeclarada indígena no Centro-Oeste ultrapassa 130


mil indivíduos, de acordo com o último censo brasileiro realizado em
2010. Mato Grosso e Mato Grosso do Sul concentram a maioria dos
indígenas que também estão presentes em porções do território goiano.
No Centro Oeste vivem 46 etnias em territórios como os dos parques

88 Documentários produzidos pelo Projeto Povos do Brasil


indígenas do Xingu e do Araguaia, a Ilha do Bananal e as reservas indí-
genas Xavante e do Parecis. Uma das populações indígenas do centro
oeste é do povo Terena, abrigados na sua maioria em Mato Grosso do
Sul. Uma forte liderança feminina é Evelin Terena para quem o conflito
fundiário é hoje o principal problema que atinge os povos indígenas
que vivem no Mato Grosso do Sul.

Iacari Kuikuro, vice-presidente da Associação


dos Povos Indígenas de Mato Grosso.

Para o vice-presidente da Associação dos Povos Indígenas de Mato


Grosso, Iacari Kuikuro, do Parque Indígena do Xingu, a luta pelos direi-
tos das nações originárias passa pela capacidade dos grupos se orga-
nizarem para fortalecer politicamente.

4.4 Documentário sobre


a Região Nordeste

Cacique Babal, da aldeia Tupinambá, Serra do Padeiro.

Documentários produzidos pelo Projeto Povos do Brasil 89


A região nordeste possui mais de 230 mil indígenas. A maior parte está
concentrada entre Maranhão, Paraíba e Pernambuco. O acesso à terra
constitui a principal luta política dos povos do Nordeste. No vídeo pro-
duzido para a região nordeste conversamos com o cacique Babal, da
aldeia Tupinambá Serra do Padeiro, da região de Ilhéus, na Bahia. Um
dos primeiros povos a ter contato com o homem branco, os Tupinambá
continuam no enfrentamento, lutando por seu território.

Líder Dinamã Tuxá.

Conversamos com o líder Dinamã, do povo Tuxá, quer vive no extremo


norte da Bahia, divisa com Pernambuco. Membro da Articulação dos
Povos Indígenas do Brasil, Dinamã ressalta a luta de seu povo contra a
inoperância do Estado, pela demarcação de um território de aproxima-
damente 4 mil hectares.

Cacique Maria das Graças Araújo, da aldeia Katoki, no sertão alagoano.

A questão da saúde da mulher indígena é uma preocupação também


entre lideranças indígenas do nordeste, como destacou em entrevista
a líder Maria das Graças Araújo, cacique da aldeia Katoki, no sertão
alagoano.

90 Documentários produzidos pelo Projeto Povos do Brasil


No Nordeste encontra-se ainda pequenos grupos sobreviventes do ex-
termínio ao longo de 500 anos de colonização. O povo Guajá é um
deles agrupados em quatro aldeias no Maranhão.

4.5 Documentário sobre


a Região Norte

Ragi Manchineri, liderança do povo Manchineri.

A região norte possui o maior contingente indígena no Brasil com tre-


zentos e quarenta e dois mil indígenas, segundo o IBGE. A maior po-
pulação é do Amazonas. É também na região norte que estão algu-
mas das principais cidades com maioria da população formada por
indígenas: entre elas Uiramutã, em Roraima (88,14%), São Gabriel da
Cachoeira (76,57%) e Santa Isabel do Rio Negro (59,24%), no Ama-
zonas. A população indígena está concentrada em zonas rurais. Para
o vídeo do Povos do Brasil conversamos com uma liderança do povo
Manchineri, que vive na Amazônia peruana, na terra indígena Mamoa-
date, no Acre.

Documentários produzidos pelo Projeto Povos do Brasil 91


Telma Marques, liderança do povo Taurepang.

Em outra fronteira estão os Taurepang, entre o Brasil, a Venezuela e a


Guiana Inglesa. A liderança Telma Marques destaca a luta indígena ao
combate de políticas que representam o retrocesso de direitos em decor-
rência da especulação econômica sobre seus territórios.

Osana Oliveira Puroborá.

Em Rondônia estão os Puroborá, que na tradição de sua cultura se deno-


minam como “povo que se transforma em onça”. Dados como extintos,
lutam por sua identidade e cultura. Os Puroborá enfrentam problemas
ambientais com fazendeiros da região e lutam pela retomada das de-
marcações de suas terras, às margens do rio Manoel Correia.

92 Documentários produzidos pelo Projeto Povos do Brasil


5

Imagens
Fotográficas
Apresentação

O Brasil possui uma rica diversidade étnica e cultural. Não obstante, par-
te significativa desta diversidade foi exterminada em decorrência do pro-
cesso histórico de colonização. Ademais, quando se considera o proces-
so histórico de formação do Brasil, constata-se que esta diversidade não
diz respeito somente aos povos indígenas, pois nela se inserem vários
povos que migraram e aqui reconstruíram suas vidas. Todavia, diante
deste quadro pluriétnico e para os propósitos do Projeto Povos do Brasil
consideramos somente os Povos Indígenas. Apresentamos aqui imagens
de alguns povos indígenas que estão distribuídos nas cinco regiões bra-
sileiras. Esta apresentação objetiva apenas mostrar a diversidade étnica
e cultural e não elencar hierarquicamente, ou considera-los como mais
ou menos importante na região. Ademais, quando se considera que,
segundo dados do Censo do IBGE (2010), são 896.917 pessoas que
fazem parte de 305 etnias (povos) autodeclaradas, não haveria espaço
suficiente para apresentar todas elas. Diante disso, são apresentadas
algumas imagens fotográficas de etnias de cada região brasileira.

Apresentamos nesse catálogo imagens do cotidiano de quem vive com


intensidade, paixão e luta constante para ser o que sempre foi e que
nós, distante desse mundo, às vezes pouco compreendemos. São ima-
gens do belo, da natureza, da vida como ela é ou como poderia ter
sido. O essencial aqui retratado significa apenas vida, ou totalmente a
vida de quem ainda é capaz de contar sua história no jeito de olhar, de
se pintar, de se vestir, de nos encarar como que pedindo - me veja como
sou, não como queres me ver. São imagens que tanto resgatam nossa
humanidade mais sagrada, remota, quanto nos pedem um enfrentamen-
to. Estão além do que representam, são fortes, insistem em mostrar, ain-
da que muitas vezes insistimos em não ver.

94 Imagens Fotográficas
As imagens, conta Gottfied Boehm, “implicam nos corpos aos quais
elas se mostram e pelos quais elas podem se mostrar”, são “mostrações
originárias”, “nos ensinam alguma coisa sobre o fenômeno expressivo
em geral”1. São simplesmente aquilo que mostram, e que nos convidam
ao diálogo. São duas coisas em uma só, diz Marie- José Mondzain:
“ao mesmo tempo uma operadora em uma relação e objeto produzido
por essa relação”2. Pertencem ao sensível, à nossa capacidade de con-
templar. Diante delas, de repente, podemos descobrir que elas também
podem conosco falar. São imagens que pedem nosso tempo, nosso en-
gajamento e nossa sensibilidade.

O Brasil tem mais de duas centenas de etnias indígenas, infelizmente


algumas delas muito perto de existirem somente em imagens, para pro-
vocar nossas lembranças, se ainda formos capazes de tê-las, para então
dizer que tudo poderia ser diferente, ou igual às imagens: encantador,
complexo, como o acontecimento da vida, do outro, de quem requer ser
visto como tu e não como isso, no dizer de Martin Buber3.

Prof. Benedito Diélcio Moreira


Prof. Paulo S. Delgado
Membros do Comitê Multidisciplinar

1 BOEHM, Gottfried. Aquilo que se mostra. Sobre a diferença Icônica. In: ALLOA, Emmanuel
(Org.). Pensar a imagem. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.
2 MONDZAIN, Marie-José. A imagem entre proveniência e destinação. In: ALLOA, Emma-
nuel (Org.). Pensar a imagem. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.
3 BUBER, Martin. Eu e Tu. 10° ed. São Paulo: Centauro, 2012.

Imagens Fotográficas 95
5.1 Imagens de Povos
Indígenas da Região Norte
A região norte do Brasil apresenta o maior contingente populacional,
pois segundo dados do IBGE (2010) são 305.873 pessoas que fazem
parte de mais de 140 povos que vivem em Terras Indígenas com proces-
sos diferenciados de demarcação, ou seja, nem todas estão de posse
efetiva dos povos indígenas, ou em áreas urbanas, mas mantém fluxos
constantes com as aldeias. Aqui são apresentadas imagens de alguns
desses povos indígenas que vivem no norte do país:

Habitação Apurinã
Fonte: foto de Adriano Gambarini, cedidas pela Operação Amazônia Nativa (OPAN)

Etnia Deni Etnia Jamamadi


Fonte: foto de Adriano Gambarini, cedidas Fonte: foto de Adriano Gambarini, cedidas
pela Operação Amazônia Nativa (OPAN) pela Operação Amazônia Nativa (OPAN)

Etnia Katukina Etnia Paumari


Fonte: foto de Rodrigo Ferreira Barros, cedidas Fonte: foto de Adriano Gambarini, cedidas
pela Operação Amazônia Nativa (OPAN) pela Operação Amazônia Nativa (OPAN)

96 Imagens Fotográficas
5.2 Imagens de Povos
Indígenas da Região
Nordeste

A região nordeste apresenta a segunda maior população indígena do


país, com 232.739 pessoas pertencentes a mais de 50 povos. Contudo,
quando comparado com outras regiões, o nordeste brasileiro é região
que apresenta o maior percentual de pessoas autodeclaradas como indí-
genas vivendo fora de seus territórios tradicionais. Isto reflete o processo
de colonização do Brasil que resultou na expropriação territorial dos po-
vos que ali vivem. Ademais, é também resultado da morosidade do Go-
verno Federal em operacionalizar os procedimentos administrativos para
o reconhecimento étnico e territorial dos povos indígenas do nordeste do
país. Abaixo são apresentadas fotos de alguns desses povos indígenas.

Etnia Canela Etnia Karapotó


Fonte: originais de South American Ethnology, Fonte: livro “R. I. S. A. D. A.” organizado pela
Department of Anthropology, Smithsonian Institution ONG Thydêwá sob direção de Sebastián Gerlic

Etnia Truká
Fonte: Livro “Índios na visão dos índios: Truká”. ONG Thydêwá. Direção: Sebastián Gerlic

Etnia Potiguara Etnia Pataxó Hã-Hã-Hãe


Fonte: Livro “Índios na visão dos índios: Potigua- Fonte: Livro “Índios na visão dos índios:
ra”. ONG Thydêwá. Direção: Sebastián Gerlic Pataxó do Prado”.
ONG Thydêwá sob direção de Sebastián Gerlic

Imagens Fotográficas 97
5.3 Imagens de Povos
Indígenas da Região
Centro Oeste

Com terceira maior população indígena do pais, o Centro Oeste tem


143. 432 habitantes que se autodeclaram indígenas, distribuídas em
mais de 40 povos. A maior parte da população indígena vive em Terras
Indígenas já demarcadas, porém, ainda existem terras que precisam ser
reconhecidas e regularizadas pelo Governo Federal. A demarcação da
Terra Indígena não é garantia de sua posse efetiva pelos povos indíge-
nas, pois estes territórios vivem sob constantes ameaças e rotineiramente
são invadidas por madeireiros e garimpeiros, bem como afetadas por
empreendimentos estatais e privados. O avanço do agronegócio sobre
as terras indígenas contribui para situações de degradação ambiental
que afetam igualmente índios e não índios. Abaixo apresentamos fotos
de algumas das etnias do Centro Oeste (Nambikwara, Myky, Manoky,
Paresi, Xavante):

Etnia Nambikwara Etnia Manoki Habitação da etnia Paresi


Fonte: foto de Adriano Gambarini e Thiago Foresti, Fonte: foto de Flávio Souza e Laércio Miranda, Fonte: foto de Adriano Gambarini, cedidas
cedidas pela Operação Amazônia Nativa (OPAN). cedidas pela Operação Amazônia Nativa (OPAN) pela Operação Amazônia Nativa (OPAN)

Etnia Xavante
Fonte: foto de Adriano Gambarini, cedidas
pela Operação Amazônia Nativa (OPAN)

Etnia Myky
Fonte: foto de Adriano Gambarini, cedidas
pela Operação Amazônia Nativa (OPAN)

98 Imagens Fotográficas
5.4 Imagens de Povos
Indígenas da Região Sul
A região sul do pais apresenta, segundo o IBGE (2010), o menor con-
tingente populacional de pessoas autodeclaradas como indígenas. São
78.773 pessoas pertencentes à oito povos, portanto, constitui a menor
região do país tanto em população quanto em número de etnias. Assim
como ocorre no Nordeste, suas terras indígenas, quando comparadas
ao território tradicional antes da colonização, são diminutas, e essa
situação compromete a sobrevivência física e cultural destes povos. Ade-
mais, como se visualiza em outras regiões do país, existem territórios
indígenas que não foram devidamente regularizados, acarretando situa-
ções de tensões e conflitos entre índios e não índios. As imagens repro-
duzidas neste catálogo, gentilmente cedidas pelo Centro de Memória
de Santa Catariana (SC) e pelo Museu Julio de Castilhos (RS), apresen-
tam membros de diferentes etnias da região Sul. Conforme se observa,
são imagens dos séculos XIX e XX, e permitem visualizar como estas
pessoas já estavam significativamente impactadas pelo contato com os
não índios. Um olhar desatento poderia até inferir que eles “perderam
sua cultura”, entretanto, estes povos resistiram e resistem na atualidade,
reafirmando sua identidade étnica e cultural.

Etnia Kaingang
Fonte: Acervo Centro de Memória do Oeste
de Santa Catarina – CEOM/Unochapecó

Etnia Guarani
Fonte: Acervo do Museu
Julio de Castilhos

Imagens Fotográficas 99
5.5 Imagens de Povos
Indígenas da
Região Sudeste

Na região Sudeste estão presentes cerca de 15 povos indígenas que


perfazem uma população de 99.137 pessoas, conforme dados do Cen-
so de 2010. Assim como os povos que vivem no Nordeste, estes igual-
mente foram impactados com o processo de colonização que teve seu
início no litoral e depois adentrou ao “sertão”. Como resultado dos con-
tatos durante o processo de colonização, assim como após o mesmo,
constata-se o extermínio de inúmeros povos que ali viviam, bem como
a expropriação de seus territórios tradicionais. Aqui são apresentadas
imagens dos povos Guarani, Krenak, Tupiniquim e Xacriabá:

Etnia Krenak
Fonte: fotos de Teo Miranda/Luzo Reis

Etnia Tupiniquim Etnia Xacriabá Etnia Guarani


Fonte: fotos de Teo Miranda/Luzo Reis Fonte: fotos de Teo Miranda/Luzo Reis Fonte: fotos de Teo Miranda/Luzo Reis

100 Imagens Fotográficas


6
Livro Povos
Indígenas no Brasil:
Perspectivas no fortalecimento de
lutas e combate ao preconceito
por meio do audiovisual
Apresentação

O audiovisual foi sem dúvida uma das principais ferramentas utilizadas


para a conquista de corações e mentes no transcorrer do século XX.
Lanço aqui mão do genial Noel Rosa para ilustrar o que digo:

“O cinema falado é o grande culpado da transformação


Dessa gente que sente que um barracão prende mais que o xadrez
Lá no morro, seu eu fizer uma falseta
A Risoleta desiste logo do francês e do Inglês....”
Noel Rosa (Não tem tradução)

Esta foi a estratégia, extremamente bem sucedida, que Hollywood uti-


lizou para difundir mundialmente o consumo de Coca-cola, goma de
mascar, cigarros (sim, cigarros) e outros produtos de consumo caracterís-
ticos do modo de vida americano (American way of life) incutindo, desta
forma, o modo de vida ocidental, principalmente o americano, como
modelo de sociedade a ser seguido. A partir dos anos de 1990 com as
novas tecnologias de informação e comunicação, intensificou-se o pro-
cesso de homogeneização cultural, difundido a partir dos países eco-
nomicamente dominantes, notadamente os de língua inglesa. A partir
desse período e talvez como uma reação ao status quo, houve também
o despertar de um movimento de resistência justamente para valorizar
as culturas locais, ameaçadas de desaparecimento pelo rolo compressor
da globalização. Um exemplo cabal desta nova ordem local pode ser
visto no dinamismo dos povos indígenas ao tornarem o áudio visual
como instrumento de luta política. Os povos indígenas tomam o áudio
visual também para reafirmarem seu modo de ser, ou igualmente o seu
Indian way of life. Nas aldeias as projeções de filmes e documentários
sobre a própria etnia é mais concorrida do que muitas salas de cinema
das grandes cidades.

Estima-se em aproximadamente 5 milhões a população autóctone do


Brasil quando da chegada do colonizador europeu em 1500. Atualmen-
te, no Brasil vivem mais de 250 povos indígenas que, em 2010 (censo
do IBGE) somavam uma população de 896.917 pessoas, sendo que
324.834 habitando o meio urbano e 572.083 em áreas rurais, ou seja,
principalmente em Terras Indígenas, sendo que muitas delas sem o reco-
nhecimento pelo Estado brasileiro. Trata-se de um quadro significativo,
principalmente se considerarmos que, nesse mesmo período, a popula-

102 Livro Povos Indígenas no Brasil


ção não índia cresceu de zero para aproximadamente 200 milhões. Os
indígenas atuais, representando em torno de 0,5% da população brasi-
leira, são detentores de riquíssima diversidade étnica e cultural; porém,
pouco compreendidos e respeitados pelos não índios.

O projeto “Povos do Brasil” vem, nesse sentido, dar a


sua contribuição, buscando apresentar um apanhado da
produção audiovisual indígena (produzida por índios e
não índios), representativa das 5 regiões do país. São
60 horas de material audiovisual, acompanhados por
trailers, além de 5 vídeos apresentando os povos das 5
regiões do Brasil e um banco de fotos, além deste livro
e de um catálogo, disponibilizado a partir da web page
do projeto (http://ufmt.br/povosdobrasil). O teor destas
produções revela uma rica diversidade sócio cultural ma-
nifesta na apresentação de rituais, no cotidiano das al-
deias, bem como, nas diferentes formas de organização
política e cultural em defesa de modos distintos de ser e
viver.

Este livro, composto por nove capítulos e destinado ao


público em geral, foi escrito por várias mãos, por autores
indígenas e não índios de diversas áreas de conhecimen-
to (acadêmicos ou não), trazendo importantes reflexões
sobre a produção audiovisual no contexto de uma (re)
afirmação étnica, ou seja de povos diferentes que rompe-
ram com os projetos assimilacionistas que tinham como
principal objetivo o apagamento da diversidade étnica
e cultural presente no contexto brasileiro. Esperamos as-
sim, contribuir para a disseminação e a compreensão
destas singularidades que são as culturas dos povos indígenas, com
seus modos distintos de ser e viver. Assim, quem sabe, possamos perce-
ber e reconhecer neste OUTRO, que são os povos indígenas, importan-
tes aspectos perdidos de nossa própria humanidade. Boa leitura.

Prof. Paulo Teixeira de Sousa Jr


Coordenador do Projeto Povos do Brasil

Livro Povos Indígenas no Brasil 103


Agradecimentos

A equipe do Projeto Povos do Brasil agradece a todos e a todas que


contribuíram de forma direta e indireta para que o mesmo se tornasse
realidade. Foram vários parceiros que se sensibilizaram com a impor-
tância do Projeto e generosamente contribuíram por meio da disponibi-
lização de suas produções de audiovisual, e forneceram fotos que estão
presentes neste catálogo e no site. Agradecemos ainda aos autores e
autoras envolvidos (as) na produção do livro Povos Indígenas no Brasil:
Perspectiva no fortalecimento de lutas e combate ao preconceito por
meio do audiovisual. Finalmente, agradecemos a todas as instituições
governamentais e não governamentais que igualmente contribuíram
para que se concretizassem os diferentes produtos do Projeto Povos do
Brasil.
APOIO

CANAL 2

REALIZAÇÃO

UFMT UFMT