Você está na página 1de 52

Mensagem NESTE

NÚMERO
de
Inspiração Mensagem de Inspiração
James A. Cullimore
James Â. Cullimore Amai-vos Uns aos Outros
N. Eldon Tanner
egundo cremos, à testa da Igreja existe SEGUI AOS IRMÃOS

S atualmente um profeta vivo, a quem o Se­


nhor revela seu pensamento e vontade
para a orientação do povo. Também apoiamos
Alma P. Burton
MARCA DE UM POVO PECULIAR
Edwin B. Firmage
o Conselho dos Doze como profetas, videntes QUE O REINO DE DEUS PROGRIDA
e reveladores, divinamente escolhidos e inspi­ Pres. Harold B. Lee
rados para vigiar a Igreja e mantê-la em ordem, Advertências do Espaço Exterior
e para serem testemunhas especiais de Cristo. N. Eldon Tanner
Quando apoiais o vosso presidente de estaca, Por Que a Igreja de Jesus C ris to ...?
o vosso bispo, vosso presidente de missão ou Marion G. Romney
de ramo, como representantes de Deus, indi­ O INIMIGO
cados divinamente para presidir sobre vós em Vivian Bartholomew
vossa respectiva área, e depois deixais de DANIEL
obedecer ao conselho deles, negais a vós mes­ Mary L. Lusk
mos as bênçãos do Evangelho, e a orientação De Um Amigo Para Outro
e bênçãos pessoais. O conselho dos líderes Pres. Harold B. Lee
geralmente é apenas repetição das leis do Coisas Para Fazer
Evangelho, e encorajamento para seguir os en­ ALEGRIA
sinamentos da Igreja, para guardar os convê­ Reed Smoot
nios feitos, quando entramos nas águas do Eu Sei Que Meu Redentor Vive
batismo, e na casa do Senhor. Bruce R. McConkie
A obediência a esses conselhos só pode Ser Um dos Pescadores
trazer felicidade. A desobediência só pode James E. Faust
resultar em prejuízo para nós, e freqüente­ O Velho Testamento Fala Hoje
mente, leva a um espírito de crítica, enfraque­ W. Cleon Skousen
cimento da atividade na Igreja, quebra dos Um Instrumento nas Mãos de Deus
mandamentos, e até à perda da fé. Rex D. Pinegar
Não posso pensar num conselho melhor Joseph Fielding Smith. ..
para os dias atuais do que seguir o canal prin­ Leon R. Hartshorn
cipal da corrente, guardar-se dos extremos da TRÊS PROMESSAS
direita ou da esquerda, através da obediência L. Tom Perry
à orientação contínua do Senhor para a direção SERVIR AO MESTRE
da Igreja. O. Leslie Stone
Este testemunho deixo convosco em nome Perguntas e Respostas
de Jesus Cristo. Amém. HUMOR MÓRMON
Destaques
Destacamos, neste mês, os discursos pro­
Publicação Mensal d'A Igreja de Jesus Cristo
dos Santos dos Últimos Dias
feridos pela Primeira Presidência, na primeira
conferência em que estes irmãos foram apoia­
dos. (Antes dessa ocasião, eles haviam sido
apoiados na conferência geral de área, realiza­
A PRIMEIRA PRESIDÊNCIA da na Cidade do México, em agosto de 1972.)
Neste número, também estão incluídos os dis­
cursos proferidos pelas novas Autoridades
Harold B. Lee
Gerais apoiadas na mesma conferência.
N. Eldon Tanner
Marion G. Romney
Cartas e Pedidos
CONSELHO DOS DOZE Nenhuma revista pode funcionar no vácuo. Que­
remos conhecer as necessidades e desejos dos leito­
Spencer W. Kimball res no que se refere à nossa revista, e uma das me­
lhores maneiras de que dispomos para conhecer isso,
Ezra Taft Benson
é através de suas cartas. Mandem-nos dizer o que apre­
Mark E. Petersen ciaram mais, e o que gostariam de ver publicado no
Delbert L. Stapley futuro. Gostaríamos até de que nos falassem dos erros
LeGrand Richards que temos cometido. É verdade que há ocasiões em
Hugh B. Brown que recebemos pedidos que não podemos atender. Por
Howard W. Hunter exemplo, de vez em quando, recebemos perguntas a
respeito de normas e doutrinas da Igreja, e sentimos
Gordon B. Hinckley
não poder responder a elas, porque a revista não foi
Thomas S. Monson criada para esse fim . Os bispos e presidentes de ra­
Boyd K. Packer mos foram chamados para conselheiros espirituais da­
Marvin J. Ashton queles sobre quem presidem, e são as pessoas que
Bruce R. McConkie devemos procurar, quando temos perguntas e proble­
mas. Precisamos apoiá-los e usar as linhas de comu­
nicação do Sacerdócio já estabelecidas, e deveríamos
COMITE DE SUPERVISÃO também estudar as Escrituras e aprender tanto quanto
pudéssemos acerca do Evangelho.
J. Thomas Fyans, Diretor-Gerente de Ocasionalmente, recebemos pedidos para o esta­
Comunicações Internas; John E. Carr, belecim ento de uma seção em que os leitores pudes­
Diretor de Distribuição e Tradução; sem trocar endereços com o propósito de manter cor­
Doyle L. Green, Diretor de Revistas respondência entre si. Imaginamos que muitos gosta­
riam de uma seção desse tipo, mas, depois de muito
da Igreja; Daniel H. Ludlow, Diretor
ponderarmos, decidim os que seria impraticável.
de Materiais de Instrução.

EDITOR No Próximo Mês


Larry Hiller No mês que vem, concluirem os nossa série sobre
a vida dos presidentes da Igreja, com um artigo a res­
EDITOR RESPONSÁVEL peito do Presidente Harold B. Lee, escrito pelo élder
Osiris G. Cabral Gordon B. Hinckley. Teremos igualmente um artigo so­
bre o presidente N. Eldon Tanner, escrito por Hugh B.
REDATOR Brown, e um artigo a respeito do presidente Marion G.
Wilson R. Gomes Romney, de autoria do presidente Spencer W. Kimball.

Abril de 1973 3
inenarrável aqui, e felicidade eterna como igualmente entre os próprios
na vida futura. Essas são as bênçãos filhos. Jamais conseguiremos exage­
que todos nós deveríamos estar bus­ rar a importância e o valor da corte­
cando. sia, amabilidade, consideração e po­
Quando o doutor da lei perguntou lidez no lar. Quando existe verda­
a Jesus, “ M estre, qual é o grande deiro e perfeito amor em uma fa­
mandamento na lei?" Jesus respon­ m ília, não há necessidade de lem­
deu: “ Amarás o Senhor teu Deus de brar outros mandamentos como
todo o teu coração, e de toda a tua “ Honra teu pai e tua mãe” , “ Não fur-
alma, e de todo o teu pensamento. tarás", “ Não m atarás” , e “ Não dirás
Este é o prim eiro e grande manda­ falso testem unho” , porque serão
mento. E o segundo, semelhante a guardados automaticamente.
este é, “ Amaras o teu próximo como Se tentarm os seriamente aplicar a
a ti m esm o” . (Mat. 22:36-39) Regra Áurea que o Salvador nos deu,
Não nos esqueçamos nunca de que encontraremos maior alegria, su­
o Senhor nos deu este mandamento cesso, satisfação e amizade através
de amar a Deus e ao nosso próximo, da vida, e desfrutarem os do amor dos
aplicando a Regra Áurea. Não pode­ outros e do Espírito de nosso Pai Ce­
mos amar a Deus sem amar ao nosso lestial. Se buscarmos sempre o me­
próximo, e não podemos amar ver­ lhor nos outros, em nossos amigos,
N. Eldon Tanner dadeiramente o nosso próximo sem vizinhos, nossa esposa ou marido, e
Primeiro Conselheiro amar a Deus. Isto se aplica a vós e em nossos filhos, eles se revelarão
Da Primeira Presidência a mim, e, se cada um de nós o apli­ as pessoas mais maravilhosas do
car a si mesmo, não precisa preo­ mundo. Por outro lado, se estivermos
cupar-se com os demais. procurando suas fraquezas e faltas,
Se pretendermos te r esse amor de e falando sempre nisso, essas mes­
que falou Jesus, acentuando tratar- mas pessoas poderão tornar-se até
nquanto procurava um assunto

E
se da coisa mais im portante da vida, desprezíveis.
para minha mensagem, come­
deveremos iniciar em casa, e depois Às vezes, quando ando pelo meio
cei a pensar nas condições
levá-lo para nossas vidas diárias. O do povo, chego quase a convencer-
que, no mundo, estão causando tan­
amor começa no lar. Sacrifiquemo- me de que faz parte da natureza hu­
ta insegurança e infelicidade, e per­
nos uns pelos outros. Façamos fe li­ mana aumentar as fraquezas do pró­
guntei a mim mesmo: Qual é nossa
zes uns aos outros. ximo, para tornar menores as pró­
maior premência para enfrentarm os
Se houver amor entre pai e mãe, prias. Um dos hinos que cantamos,
tais condições e conseguirmos uma
haverá amor entre pais e filhos, diz o seguinte:
transformação, a fim de podermos
gozar paz e felicidade?
Minha resposta pareceu centrali­
zar-se nestas duas mensagens, tira ­
das dos ensinamentos do Senhor Je­
sus C risto: “ Buscai prim eiro o reino
de Deus, e a sua justiça; e todas
essas coisas vos serão acrescenta­
das” , e "Amai-vos uns aos o u tro s” .
Amai-vos
Nestas duas afirmações, pode ser
encontrada a chave para a solução
de todos esses problemas que estão
causando tal m iséria e dificuldades
Uns aos Outros
para os indivíduos, comunidades, na­
ções e o mundo em geral. Através da
aceitação e obediência a essas duas
doutrinas, poderíamos te r alegria Mensagem da Primeira Presidência
4 A LIAHONA
Conheça cada qual a si mesmo mágoas ou sentim entos maus, que Cada indivíduo que tenho conhe­
e empenhe-se nessa direção corroem a alma e expulsam o amor. cido, cada comunidade em que tenho
Corrija em si aquelas falhas Ferimo-nos a nós mesmos, quando vivido, cada nação a respeito da qual
que tanto aponta em seu vizinho. mantemos melindres e sentim entos tenho lido, ou que tenho tido oca­
Quão indulgentes somos com nossas negativos, e ferim os, e algumas ve­ sião de visita r, tem-me convencido,
faltas zes até destruím os a pessoa a res­ fora de qualquer dúvida, de que, onde
e com que perícia abafamos a voz da peito da qual espalhamos maledicên­ o povo aceita a Deus e guarda seus
consciência. cia. Nunca pensaríamos em fu rta r ou mandamentos, há mais felicidade,
Entretanto, com que rigor olhamos em agredir fisicam ente um de nos­ mais contentamento, mais sucesso e
as mesmas faltas no próximo! sos companheiros, amigos ou vizi­ mais segurança. É a infidelidade das
O exemplo espalha um notável raio nhos, mas fazemos pior que isso, pessoas e das nações que está cau­
de luz quando lhes roubamos o bom nome. sando a turbulência tão evidente no
que os homens fácilm ente conse? Não é raro verm os pessoas — bal­ mundo atual. Se tão somente cada
guem captar. conistas em lojas, secretários em or­ um dos que professam o C ristianis­
Portanto, aperfeiçoa-te prim eiro a ti ganizações, indivíduos em clubes, ou mo o aplicasse em sua vida diária,
mesmo hoje, em atividades da igreja, ou do go­ nós poderíamos co rrigir esses ma­
para melhorar os teus amigos verno — falando uns dos outros e les. Mantenhamos a hipocrisia longe
amanhã. criticando, na tentativa de divulgar de nossas vidas, e sejamos verda­
as fraquezas alheias com a idéia de deiram ente cristãos.
Hino n.° 91 do Hinário em inglês dim inuir as pessoas, na esperança de Creio sinceram ente que, se os
te r suas próprias fraquezas atenua­ adultos forem honestos e verazes, e
Lembremo-nos sempre de que ho­ das ou toleradas. viverem os ensinamentos do Evange­
mens de caráter elevado não têm Se tiverm os, portanto, amor em lho, dando um bom exemplo, não
necessidade de depreciar o próximo, nossos corações a todos os nossos precisarem os preocupar-nos com a
nem de exagerar suas fraquezas. Na semelhantes, e amor a nosso Pai Ce­ juventude. Não podemos p erm itir que
realidade, o que os torna grandes é lestial, desejaremos procurar prim ei­ nenhum de nossos atos seja respon­
a demonstração de amor para com ramente o reino de Deus e a sua jus­ sável por influenciar a vida de nin­
seus vizinhos, e de interesse em seu tiça, sabendo que todas as outras guém de maneira a fazer com que
sucesso e bem-estar. Particularmente coisas, destinadas ao nosso bem, ser- essa pessoa se espante, vacile ou
quando discutim os religião e polí­ nos-ão acrescentadas. Observo todas ponha em dúvida a veracidade do
tica, temos a tendência de querer as vezes em que tenho estado no Evangelho, do plano da vida e da sal­
dem olir as crenças e princípios dos governo ou em negócios, que o ho­ vação, ou do grande sacrifício que
demais. É contristador lermos e ou­ mem que busca a Deus e sua justiça Jesus fez, para que pudéssemos go­
virm os por todo lado ataques a pes­ é mais feliz, mais bem sucedido, e zar da vida e da exaltação eternas. A
soas em cargos públicos, cujos no­ possui maior paz de espírito, é mais responsabilidade é enorme.
mes são enlameados, e cujas fam í­ respeitado em negócios, e contribui Façamos, cada um de nós, um con­
lias igualmente sofrem tais infâ­ mais para a comunidade e para a ale­ vênio de buscar a Deus e viver re­
mias. gria e bem-estar de sua fam ília, que tamente, guardando seus mandamen­
Como seria melhor manterem-se o indivíduo que deixa essas coisas tos, e vivamos de tal maneira, que
as campanhas e os debates em alto fora de sua vida. ninguém possa desculpar-se por
nível, evitando-se toda essa guerra Concordo com o que disse Abraão causa de seus pais, vizinhos adultos,
de lama. Na realidade o povo apre­ Lincoln: “ Deus governa este mundo. professores, ou qualquer outro com
cia um contendor que defende prin­ Creio inteiram ente que Deus sabe o quem se tenha associado, e que por
cípios e foge às críticas pessoais. É que deseja dos homens: que façam seus atos lhe tenha dado permissão
muito melhor levantarmo-nos em fa­ aquilo que lhe agrada. As coisas ou desculpa de fazer qualquer coisa
vor de alguma coisa, do que lutarmos nunca vão bem para o homem que que traga resultados desastrosos, in­
contra tudo. não lhe dá ouvidos. Sem a assistên­ felicidade ou fracasso. Vivamos de
Quando tentamos aplicar a Regra cia daquele ser divino, não posso tal maneira, que sejamos uma gran­
Áurea, devemos reconhecer que o vencer. Com ela, não posso fracas­ de influência para o bem, e uma luz
amor não nos perm itirá conservar sa r.” para o mundo.

Maio de 1973 5
SEGUI
AOS
IRMÃOS
Alma P. Burton

“ Porque eu te s tific o a todo aquele que ouvir as

0
presidente W ilford W oodruff contou certa vez
que, numa reunião realizada em Kirtland, Ohio, palavras da profecia deste livro que se alguém lhes
nos prim eiros dias da Igreja, um dos líderes acrescentar alguma coisa, Deus fará v ir sobre ele as
falou a um grupo de irmãos sobre os oráculos vivos de pragas que estão escritas neste livro;
Deus. O irmão que falava expôs suas crenças nas se­ E, se alguém tira r quaisquer palavras do li­
guintes palavras: vro desta profecia, Deus tirará a sua parte da árvore
“ Tendes a palavra de Deus aqui, diante de vós, na da vida, e da cidade santa, que estão escritas neste li­
Bíblia, no Livro de Mórmon, e em Doutrina e Convê­ v ro .” (Apoc. 22:18-19)
nios; tendes a palavra de Deus escrita, e vós que dais A declaração de João está em plena vigência e
revelação, devereis fazê-lo de acordo com estes livros, não pode ser negada, mas o leito r deve lembrar-se de
porquanto o que está contido nestes livros é a pala­ que apenas se refere ao livro de Apocalipse e não aos
vra de Deus. Deveríamos limitar-nos a eles.” 1 outros escritos por João ou por outros autores bíblicos.
Quando o orador term inou, o profeta Joseph Smith Quando João escreveu as palavras acima citadas,
voltou-se para o presidente Brigham Young e disse: os livros do Novo Testamento ainda não haviam sido
“ Irmão Brigham, quero que assuma a tribuna e nos compilados em um volume só, mas eram escritos sepa­
diga seu ponto de vista com relação aos oráculos v i­ rados e só mais tarde foram unidos no Novo Testamento
vos e a palavra escrita de Deus." O irmão Brigham su­ como atualmente o conhecemos. Não houve intento, nas
biu à tribuna, pegou a Bíblia, e pô-la de lado, depois palavras de João, de referir-se a qualquer outro livro
fez o mesmo com o Livro de Mórmon e Doutrina e de Escrituras além do Apocalipse.
Convênios, e disse: “ A í está a palavra escrita de Deus A necessidade de orientação, através de oráculos
para nós, referente à obra de Deus desde o princípio vivos, foi mais tarde afirmada pelo presidente W oodruff,
do mundo até quase ao dia de hoje. E agora,” disse ao dizer:
ele, “ . . . esses livros não trazem a palavra de Deus “ Podemos tom ar a Bíblia, o Livro de Mórmon e
diretam ente a nós, como as palavras de um profeta Doutrina e Convênios, e lê-los de ponta a ponta, bem
ou de um homem portador do Santo Sacerdócio em como a qualquer outra revelação que nos tenha sido
nossos próprios dias e g e ra ç ã o ..." Quando term inou dada, e d ificilm e n te seriam suficientes para guiar-nos
de falar, o irmão Joseph disse à congregação: “ O ir­ por vinte e quatro horas. Temos em registro apenas um
mão Brigham vos disse a palavra do Senhor, e o que esboço de nossos deveres; devemos ser orientados,
acaba de vos dizer é a verdade.” 2 isto sim, pelos oráculos v iv o s .”3
Os m inistros do mundo cristão têm proclamado O Senhor tem revelado sua palavra a seus servos
que Deus cessou de falar dos céus, que deixou de re- no passado, e atualmente revela seu pensamento e von­
velar-se ao homem. Tal afirm ativa é feita por alguns tade ao profeta vivo.
em virtude de interpretação errônea do que diz João “ C rem os” , escreveu o profeta Joseph Smith, “ em
no livro de Apocalipse: tudo o que Deus tem revelado, em tudo o que ele re­

Malo de 1973 7
vela agora, e cremos que ele ainda revelará muitas Falando sobre o assunto da revelação do Senhor a
grandes e im portantes coisas pertencentes ao reino de seus profetas, o presidente John Taylor deixou claro
Deus". (9." Regra de Fé) O que declarou proclama a que a Igreja precisa te r revelação nova e contínua, para
revelação contínua de Deus e estabelece o princípio enfrentar as necessidades correntes de seus membros.
segundo o qual aceitamos todas as revelações anterio­ Disse ele: “ . . . precisamos de uma árvore viva — uma
res, ao mesmo tempo em que olhamos para o futuro, fonte viva — uma inteligência viva, procedente do Sa­
antecipando outras, quando necessárias para o benefí­ cerdócio vivo dos céus, através do Sacerdócio vivo na
cio dos filho s e filhas de Deus. te r r a ... desde o tempo em que Adão, pela primeira
O profeta Joseph Smith ensinou que, se qualquer vez, recebeu uma comunicação de Deus, até a época
pessoa afirmasse que Deus havia cessado de revelar- em que João, na ilha de Patmos, recebeu seu aviso, ou
se desde os céus, isso exigiria uma nova revelação, di­ ao tempo em que Joseph Smith teve os céus abertos
ferente das que anteriorm ente haviam sido dadas pe­ sobre si, sempre houve necessidade de novas revela­
los profetas e apóstolos. ções, adaptadas às circunstâncias peculiares em que
O presidente Harold B. Lee costuma relatar um in­ as igrejas ou os indivíduos são colocados. A revelação
cidente relacionado com revelação contínua em nos­ de Adão não instruiu Noé a construir a sua arca, nem
sos dias: tampouco o que foi revelado a Noé disse a Ló que
abandonasse Sodoma; nem qualquer dessas revelações
falou da saída dos filhos de Israel do Egito. Todos esses
tiveram revelações para si próprios, e o mesmo acon­
“ Irmãos, mantenham-se atentos ao teceu com Isaías, Jeremias, Ezequiel, Jesus, João, e
Presidente desta Igreja. Se ele lhes Joseph, e nós igualmente delas necessitamos, ou de
disser que façam alguma coisa outro modo naufragarem os.” 5
errada, e vocês a fizerem, o O élder Joseph F. M errill também admoestou os
Senhor os abençoará por isso. Mas santos a seguirem os irmãos:
"Deseja o povo da Igreja uma orientação segura a
ninguém deve preocupar-se com isso;
respeito do que lhe é conveniente fazer? Aqui está:
o Senhor jamais permitirá que seu Mantenham-se em harmonia com a Presidência desta
porta-voz conduza seu povo ao erro” Igreja. Aceitem e sigam os ensinamentos e conselhos
do Presidente. Em todas as conferências, levantamos as
mãos para apoiar o Presidente como profeta, vidente e
“ Quando eu estava cumprindo missão, estive certa revelador. Será consistente fazer isso e depois andar
vez, em companhia do meu presidente de missão, na de maneira contrária aos conselhos dele? Será que
cadeia de Carthage. Impressionados com a atmosfera alguém é tão infantil, a ponto de crer que está ser­
do lugar em que o profeta e seu irmão Hyrum enfren­ vindo ao Senhor, quando se opõe ao Presidente? É
taram o m artírio, pedimos-lhe que relatasse os inci­ claro que o Presidente não é infalível. Ele não tem a
dentes que haviam levado àquele final. Senti-me bas­ pretensão da infalibilidade, mas quando ensina e acon­
tante impressionado, como jovem que era, quando o selha os membros da Igreja, em sua capacidade oficial,
presidente disse: “ Ao m orrer o profeta Joseph Smith falando-lhes de seus deveres, que nenhum homem que
m uitos morreram espiritualm ente com ele. Assim tem deseje agradar ao Senhor diga coisa alguma contra o
acontecido com cada mudança de adm inistração no conselho do Presidente.
reino de Deus. Quando Brigham Young faleceu, muitos
morreram com ele espiritualm ente, e o mesmo acon­
teceu com a morte de John Taylor, e com o passamento
de cada um dos presidentes da Igreja.”4 “ Cremos em tudo o que
Quando um presidente conclui seu serviço como
Deus tem revelado, em tudo
representante do Senhor na terra, os santos devem
confiar naquele que é indicado pelo Senhor como o o que ele revela agora, e
novo profeta, vidente e revelador. Cada homem que cremos que ele ainda revelará
presidiu sobre esta igreja teve uma certa obra a seu
muitas grandes e
encargo, e quando essa missão foi concluída, o Senhor
o chamou para o lar. Após a m orte de um presidente, importantes coisas pertencentes
o Salvador torna conhecido, através do novo profeta e ao reino de Deus”
presidente, o curso que a Igreja deve seguir.

8 A LIAHONA
No intuito de ajudar, permitam-me que lhes dê O presidente Spencer W. Kimball escreveu que os
uma chave. Quando estiverem em dúvida, caiam de joe­ irmãos têm a experiência de testemunhar, freqüente­
lhos com humildade, com a mente aberta e o coração mente, que a Igreja é, de fato, dirigida pelo Senhor Je­
puro, e com um sincero desejo de fazer a vontade do sus C risto através de seu profeta, vidente e revelador.
Senhor, e orem com s in c e rid a d e ... até que recebam “ Quando numa reunião de quinta-feira no templo,
uma resposta que lhes encha a alma com alegria e sa­ depois de oração e jejum , são fe itos importantes pro­
tisfação. Essa resposta virá de Deus. Se vocês forem nunciamentos, novas missões e novas estacas são fo r­
obedientes a essa resposta, agirão sempre como o madas, novos sistemas e métodos iniciados, a novi­
Presidente indicar, e assim estarão seguros.”e dade é aceita como verdadeira e possivelm ente consi­
derada como mera atitude humana. Mas para aqueles
que se assentam nos círculos íntim os e ouvem as ora­
ções do profeta e o testemunho do homem de Deus;
“ Quando o Profeta Joseph Smith para aqueles que vêem a profundidade de suas delibe­
rações e a sagacidade de suas sentenças e pronuncia­
morreu, muitos morreram mentos, ele é verdadeiram ente um profeta. Ouví-lo
espiritualmente com ele. concluir im portantes desenvolvim entos novos, com ex­
pressões tão solenes como “ o Senhor agradou-se” ;
Assim tem acontecido com cada “ este passo é c o rre to "; “ nosso Pai Celestial falou", é
mudança de administração no saber de maneira positiva.

Desde o profeta da restauração até o profeta de


Reino de Deus”
nossos dias, a linha de comunicação tem sido ininter­
rupta, a autoridade contínua, e a luz resplandescente e
penetrante continua a brilhar. O som da voz do Senhor
O élder Orson Pratt ilustrou a maneira como al­ é uma contínua melodia e um apelo incoercível. Por
guém, que rejeita os oráculos vivos de Deus, na reali­ quase um século e meio, não tem havido interrupção.”8
dade põe de lado as revelações que Deus tem dado no O presidente Harold B. Lee declarou que “ o presi­
passado, deixando claro que seremos condenados pela dente Grant costumava d iz e r-n o s ... 'Irmãos, mante-
palavra escrita, se não seguirmos os oráculos vivos. nham-se atentos ao presidente desta Igreja. Se ele lhes
Devemos estudar diligentem ente as obras-padrão disser que façam alguma coisa errada, e vocês o fize­
da Igreja e as palavras de profetas que viveram no pas­ rem, o Senhor os abençoará por isso. Mas ninguém
sado, mas também devemos olhar para o profeta, v i­ deve preocupar-se com isso; o Senhor jamais perm itirá
dente e revelador vivo, para que nos dê novas revela­ que seu porta-voz leve seu povo ao e rro !”9
ções, nova interpretação sobre pontos doutrinários de
Nenhum membro desta igreja jamais a abandonará,
que necessitarmos, e novas escrituras e doutrinas para
ou será encontrado em oposição aos seus ensinamen­
a orientação da Igreja no cum prim ento de sua missão
tos e práticas, ou às palavras dos profetas vivos, vi­
atualmente. Quando nos sentirm os inclinados a encon­
dentes e reveladores, se ouvir o profeta vivo de Deus.
tra r erros nos Irmãos, lembremos o princípio ensinado
O profeta vivo de Deus foi escolhido pelo Senhor e
pelo presidente George Q. Cannon:
apoiado pelos membros da Igreja como porta-voz do
“ Deus tem escolhido seus servidores, e declara
Senhor Jesus C risto aos habitantes desta terra. Ele é
ser prerrogativa sua condená-los, se necessitarem de
a pessoa através da qual a revelação será dada para a
condenação. Não nos foi dado a nós, pessoalmente, o
bênção e bem-estar dos membros da Igreja, da mesma
direito de censurá-los. Ninguém, por mais fo rte que
form a que para todos os habitantes da terra.
seja na fé, por mais alto que esteja no Sacerdócio, pode
falar mal do ungido do Senhor, e apontar erros na au­
toridade de Deus na terra sem incorrer no seu desa­
grado. O Santo Espírito afastar-se-á de tal homem, que 1 Relatório da Conferência, outubro de 1897, p. 22.
será deixado em escuridão. E uma vez que o caso é 2 Ibid.
3 Jornal de Discursos, vol. 9, p. 324.
esse, será que não vemos quão importante é que seja­ 4 Palestra na Universidade Brigham Young, 19 de abril de 1961.
mos cuidadosos? Por mais d ifíc il que nos possa ser o 5 M illenial Star, vol. 9, p. 323.
6 Relatório da Conferência, abril de 1941, p. 51.
entendimento das razões para qualquer ação das auto­ 7 Gospel Truth, ed. Jerrald L. Newquist (Salt Lake City: Zion’s
ridades da Igreja, não deveríamos questioná-las de ime­ Book Store, 1957), p. 278.
8 Instructor, agosto de 1960, p. 257
diato, nem declará-las erradas.” 7 9 Palestra na BYU, 19 de abril de 1961.

Maio de 1673
MARCA DE UM a maioria dos embaixadores que re­
presentavam as vinte e cinco nações
em negociação. Antes de entrarmos

POVO PECULIAR em debates mais sérios, era costu­


me que os embaixadores me ofere­
cessem algum tipo de bebida alcoó­
lica, ou ocasionalmente café, como
prelim inar. Uma vez que a recusa
sem explicações seria ofensiva na­
quelas circunstâncias, adotei o cos­
tume de explicar que minha religião
proscrevia tais bebidas.
Conquanto eu considerasse inade­
quado, na época, oferecer maiores
informações quanto às minhas cren­
ças, quase invariávelm ente meus
hospedeiros me pressionavam com
bom-humor, para saber mais quanto
à natureza e as bases de tal impe­
dimento. Isso em geral levava a um
debate sobre minha religião, que ia
bem além da Palavra de Sabedoria,
passando para a história do Livro de
Mórmon, os alicerces da religião
mórmon, e daí para diante.
Essa experiência se repetiu inú­
meras vezes em Genegra, e mais
tarde em Moscou, Leningrado, Lon­
dres e Copenhague, à medida que mi­
nhas obrigações me levavam a esses
lugares para o acompanhamento das
negociações.
Duas longas conversas tiveram lu­
gar, por exemplo, em Moscou, com
Edwin B. Firmage renomados intelectuais soviéticos.
Em cada um dos casos, a gênese da
conversa foi a Palavra de Sabedoria,
e em ambas as vezes, a palestra
manteve como tema a teologia do
Mormonismo, por insistência de
meus hospedeiros, tendo ido muito
além daquele ponto em que eu já me

O
grau em que a lei de saúde cias me convenceram desta verdade. sentia compelido, pelas circunstân­
do Senhor, a Palavra de Sa­ Durante o ano passado, estive em cias de nossa reunião, a mudar de
bedoria, exerce função de Genegra, Suíça, participando de ne­ assunto para o objeto de nosso de­
apoio para a manutenção de uma
gociações que ali se realizavam para bate. Finalmente, nos dois casos, foi-
identidade separada da igreja em re­ a lim itação de armamentos. Minhas me pedido que lhes mandasse exem­
lação ao mundo, não era evidente responsabilidades tornavam neces­ plares do Livro de Mórmon, quando
para mim, até que recentes experiên­ sário que falasse pessoalmente com retornasse aos Estados Unidos.

10 A LIAHONA
Eu já havia passado por experiên­ güidade que eram uma “ geração temente de certo modo com o mundo
cias algo semelhantes anteriorm ente, eleita, o Sacerdócio real, a nação — pelo menos na circunstância — e
em conexão com meu emprego em santa, o povo adquirido, para que difundir a minha religião. Assim ilar-
Washington, D.C., mas a intensidade anuncieis as virtudes daquele que me de modo inconsciente tinha-se
dessa experiência, uma vez que se vos chamou das trevas para a sua tornado quase impossível, em decor­
repetia diversas vezes por semana, maravilhosa luz." (1 Pe. 2:9) rência da Palavra de Sabedoria, e a
levou-me a perceber, pela prim eira Uma certa separação parecia ser mesma lei que evitou a absorção
vez, uma possível função da Palavra essencial para o cum prim ento dos gradual e de certo modo inconsciente
de Sabedoria que eu não havia com­ papéis a serem desempenhados pela pelo mundo, criou, da mesma forma,
preendido anteriorm ente. antiga Israel, e mais tarde pela igre­ o tram polim para que apresentasse
Tendo crescido na Igreja, nunca ja cristã. Inúmeras vezes foi reco­ mensagem da restauração do Evan­
havia tido ocasião de pôr em dúvida mendado a Israel que “ saísse de Ba­ gelho.
a Palavra de Sabedoria. Eu a havia bilônia". O cristão era instruído a Mais tarde, de volta ao Departa­
vivido como um hábito e nunca t i­ estar no mundo sem ser do mundo. mento de Estado nos Estados Uni­
nha sentido nenhuma tentação par­ O mundanismo de Roma e Jerusalém dos, relatei algumas dessas experi­
ticular de agir de outra forma. Na era comparado, pelos prim eiros cris­ ências a um jovem advogado judeu
medida da necessidade, havia racio­ tãos, com o de Babilônia e Sodoma. do escritório da assessoria jurídica,
nalizado o princípio como uma lei de Aos membros da igreja dizia-se que e ele disse que sempre havia enten­
saúde, portadora de bênçãos tão ób­ se guardassem livres das manchas dido que aquelas partes da lei de
vias, que dispensavam qualquer de­ do mundo. Moisés, que tratavam sobre alimen­
fesa, ou análise. Evidentemente, ne­ As relações entre a igreja e o tos, haviam sido dadas para servir
nhuma experiência recente, ou idéia mundo continham, em essência, um exatamente à mesma circunstância
nova muda aquela conclusão, mas constante elemento de tensão, sendo por seu povo, ou seja, para evitar a
uma nova maneira de ver — nova que, as tentativas da igreja no sen­ inconsciente assimilação pelos ju­
pelo menos para mim — empolgava- tido de cum prir as suas funções re- deus, do mundo gentílico.
me como outro propósito possível do sultavam em violências. Mas em É d ifíc il conceber um veículo mais
Senhor ao in stitu ir a Palavra de Sa­ qualquer das circunstâncias, de ten­ adequado para conseguir um certo
bedoria. são ou de violência aberta, enquanto grau de peculiaridade e auto-consci-
A idéia de separação para seus dis­ Israel, e mais tarde a igreja cristã, entização entre um povo, do que re­
cípulos sempre foi acentuada pelo mantinham sua identidade separada, querer um diferente sistema alimen­
Senhor. Em sua prim eira epístola ge­ suas funções peculiares podiam ser tar: algo que deve ser feito de ma­
ral à Igreja, Pedro relembrou aos p ri­ cumpridas. O perigo para o cum pri­ neira regular e de certo modo aberta,
m itivos cristãos que eram os esco­ mento dessas funções não estava na uma vez que é impossível manter
lhidos de Deus, para que se e fe ti­ perseguição ou na impopularidade, oculta uma circunstância tão pública.
vassem certas funções, básicas ao mas antes no risco de que Israel ou Talvez eu compreenda melhor agora,
acabamento de seu plano para a sal­ a igreja se assim ilassem inconscien­ num nível mais pessoal, o sign ifi­
vação dos homens. Como os antigos temente com o mundo, perdendo a cado das palavras de Pedro aos cris­
israelitas estavam sob convênio com separação essencial ao cumprim ento tãos prim itivos acerca de serem um
o Senhor, para cum prir um papel pe­ de sua obra. Os profetas e apósto­ “ povo p ecu lia r” , um povo separado
culiar no plano, e nesse sentido eram los clamaram contra todas as tendên­ para o cum prim ento de uma obra es­
um povo escolhido, assim agora os cias de Israel e da Igreja, de amal­ pecial: a pregação do Evangelho.
seguidores de Jesus haviam tomado gamarem-se com o mundo, perdendo
sobre si mesmos, pelo batismo, um sua identidade peculiar.
convênio sim ilar. A igreja prim itiva, Assim , em Genebra, eu me havia O Dr. Firmage, professor de direito na
possuindo os poderes exclusivos do transform ado num homem visado, Universidade de Utah e presidente de um
Sacerdócio, tinha um papel a reali­ talvez desde o prim eiro dia. Minha ramo de estudantes, compareceu no ano pas­
sado às negociações para controle de arma­
zar no plano de salvação, o qual não religião era conhecida por todas as
mentos em Genebra, Suíça, como Adjunto
podia ser cumprido por outros. delegações. Teria sido impossível, de Negócios Internacionais do Conselho de
Pedro disse aos cristãos da anti­ para mim, conformar-me inconscien­ Relações Estrangeiras dos Estados Unidos.

Maio de 1973 11
Os prim eiros passos foram dados

QUE O por ação dos Doze, e foram realiza­


dos numa reunião sagrada, convoca­
da no templo, a 7 de julho de 1972,
na qual a Primeira Presidência foi
nomeada.

REINO Hoje, como nunca dantes, tenho


mais plenamente percebido a impor­
tância daquela últim a exigência: que
esta presidência, na linguagem do
Senhor, seja apoiada pela confiança,

DE fé, e orações da Igreja — referindo-


se sem dúvida, à congregação total
da Igreja.
Testemunhamos, pouco tempo
atrás, a efusão de amor e fra te rn i­

DEUS PROGRIDA dade manifestada na grande confe­


rência regional de nossos maravi­
lhosos santos lamanitas da América
Central e México, reunidos na Cida­
de do México, em agosto. Mais de
16.000 santos reuniram-se em um
grande auditório, e ali apoiaram suas
Autoridades Gerais.
Discurso proferido pelo Presidente Lee na assembléia solene
em que foi apoiado como Presidente da Igreja de Jesus Cristo dos Mais uma vez, na vigorosa de­
Santos dos Últimos Dias. monstração desta assembléia solene,
sinto-me movido por emoções indes­
critív e is , enquanto sinto o verdadei­
ro amor e os laços da fraternidade.

H
oje, no maior momento de m i­ requisitos para o estabelecim ento da Tem havido aqui um irre sistíve l der­
nha vida, encontro-me sem Primeira Presidência, ou presidência ramamento espiritual, atestando, sem
palavras para expressar meus do Sacerdócio de Melquisedeque, ou dúvida, que, de acordo com todas as
profundos e íntim os sentim entos.
Sumo O Sacerdócio da Igreja, como o indicações, estamos ria presença de
que venha a dizer, portanto, deverá Senhor o chamou. (D&C 107:22) personagens, visíveis e invisíveis,
ser por influência do Espírito do Se­ Primeiro: foi estabelecido que que aqui compareceram. Quem sabe
nhor, para que vós, meus amados deve haver três sumo-sacerdotes se até nosso próprio Senhor e Mes­
santos do Deus A ltíssim o, possais presidentes. tre não está junto de nós nesta oca­
sentir as profundezas de minha busca Segundo: eles deveriam ser esco­ sião, porquanto nem nós, nem o
espiritual, nesta momentosa e his­ lhidos pelo grupo (que se compre­ mundo, devemo-nos esquecer de que
tórica ocasião. ende ser o Quorum dos Doze Após­ esta é a igreja dele, e sob sua dire­
Enquanto participo convosco nesta tolos) . triz todo-poderosa é que devemos
tocante experiência de uma assem­ Terceiro: eles deveriam ser indi­ servir! E, de fato, gostaria de relem-
bléia solene, tem-me vindo à mente, cados e ordenados pelo mesmo grupo brar-vos aquilo que ele declarou
com mais fôrça que nunca, o sig n ifi­ — o Quorum dos Doze. numa conferência semelhante, dos
cado da grande revelação do Senhor, Quarto: deveriam ser apoiados santos em Fayette, Nova Iorque, e,
dada à Igreja em 1835. Naquela reve­ pela confiança, fé, e orações da indubitávelmente, nos repetiria nes­
lação, o Senhor deu instruções espe­ Igreja. te dia. O Senhor disse: “ Mas eis
cíficas, estabelecendo a ordem do Todos esses passos foram toma­ que, na verdade, na verdade, vos digo
Sacerdócio no governo da igreja e dos, a fim de que a Primeira Presi­ que os meus olhos estão sobre vós.
reino de Deus. dência pudesse ser formada para di­ Eu estou no vosso meio e não me
Nela, o Senhor especificou quatro rig ir a Igreja. podeis ve r." (D&C 38:7)

12 A LIAHONA
Na sagrada ocasião, três meses padamente as coisas que deveria fa­ O presidente David O. McKay, alto
atrás, quando comecei a sentir ze r” . e imponente, olhava agora para mim
a magnitude da esmagadora respon­ Embora o presidente Lorenzo com seus olhos penetrantes, que
sabilidade que devo agora assumir, Snow tivesse tido uma adm inistra­ sempre pareciam esquadrinhar minha
dirigí-me ao tem plo santo. La, em ção m uito breve, viveu um papel pre- própria alma. Nunca tive o privilé­
sincero recolhimento, olhei para os eminente no estabelecim ento de seu gio de estar em sua presença sem
retratos daqueles homens de Deus povo em base temporal mais sólida, sentir, por um breve momento, como
— verazes, puros, nobres homens de por meio da aplicação decidida da tantas vezes aconteceu, que me to r­
Deus — que me haviam precedido lei do sacrifício, para aliviar os gran­ nava um homem melhor por te r es­
numa chamada semelhante. des encargos colocados sobre a Igre­ tado em sua companhia.
Poucos dias atrás, nas prim eiras ja, em virtude de enganos e erros Àquele que não buscou honras te r­
horas da manhã, no escritório parti­ que inadvertidamente se haviam in­ renas, mas cuja alma totalm ente se
cular de casa, sozinho com meus sinuado nela. deleitava nas coisas do espírito, ao
pensamentos, li os tribu tos presta­ Quando desejo buscar uma defi­ presidente Joseph Fielding Smith
dos a cada um dos presidentes por nição mais clara de assuntos doutri­ que ali estava com sua face sorri­
aqueles que haviam sido mais in­ nários, volto-me geralmente para os dente, ofereço meu tributo. Meu
tim am ente associados a cada um. escritos e sermões de Joseph F. amado líder profético que jamais
Joseph Smith foi aquele a quem Sm ith. Enquanto olhava para sua no­ comprometeu a verdade. Quando “ o
o Senhor levantou desde a adoles- bre figura, pensei no menino de nove dedo de Deus o tocou e ele adorme­
sência, revestiu com divina autori­ anos ajudando a mãe viúva através ceu” , pareceu-me, naquele breve mo­
dade, e ensinou as coisas que ne­ das planícies, do m issionário de 15 mento, que me entregava como que
cessitava saber, e as que precisava anos de idade, nas encostas de Ha- um cetro de retidão, dizendo-me:
possuir, para receber o Sacerdócio leakala, na ilha de Maui, sendo fo r­ “ Vai e faze tu o mesmo."
e lançar as bases para o reino de talecido por uma visão celestial de Agora eu permanecia só com meus
Deus nestes últim os dias. seu tio Joseph Smith. Foi ele quem pensamentos. De algum modo as im­
A li estava o presidente Brigham presidiu durante os tempestuosos pressões que vinham a mim eram
Young, que fôra preordenado antes dias em que uma imprensa antagô­ sim plesm ente no sentido de que, o
que existisse este mundo, para seu nica difamava a Igreja. Contudo, seu único registro verdadeiro que jamais
divino chamado de liderar os san­ foi o firm e braço que, por designa­ será fe ito de meus serviços neste
tos perseguidos, em sua fuga da ira ção do Senhor, livrou a Igreja triu n ­ novo chamado, será o que eu tiver
que os ameaçava naqueles prim eiros fantemente. escrito nos corações e nas vidas da­
lugares de congraçamento em Mis- Suponho que nunca cheguei mais queles a quem tiv e r servido e por
souri e lllinóis, dando início ã e d ifi­ perto da significação de um chama­ quem tiv e r trabalhado, dentro e fora
cação de uma comunidade interna do divino que na hora em que o pre­ da Igreja.
nos cumes destas montanhas majes­ sidente Heber J. Grant colocou as No dia seguinte a esta designa­
tosas, para cum prir os propósitos de mãos sobre meus ombros e, com um ção, após o passamento do nosso
Deus. profundo sentim ento análogo ao meu, querido presidente Smith, minhas
Olhar para o rosto do presidente anunciou meu chamado para tornar- atenções foram despertadas por um
John Taylor significa alcançar a per­ me apóstolo do Senhor Jesus C risto. parágrafo em um sermão proferido
cepção de que ali estava alguém de Enquanto seu retrato olhava para em 1853 numa conferência geral,
quem o presidente Joseph F. Smith mim, vieram-me de novo à mente as pelo élder Horson Hyde, então mem­
podia dizer: “ Um dos homens mais palavras proféticas de sua inspirada bro do Quorum dos Doze. Aquelas
puros que jamais c o n h e c i...” bênção, quando fui ordenado por ele palavras induziram-me também a al­
Ao observar as feições virtuosas no tem plo sagrado. gumas perquirições d'alma.
do presidente W ilford W oodruff, cer­ O presidente George A lb e rt Smith O assunto de seu sermão era: “ O
tifiquei-m e de que era um homem foi um discípulo da amizade e do homem que guia o povo de Deus” ,
semelhante a Natanael na antigüida­ amor, e sem dúvida, um amigo de e passo a citá-lo brevemente. “ Inva-
de, no qual não havia dolo, e que era todos. Meu olhar à sua figura pare- riávelm ente", disse ele, “ quando
susceptível às impressões do Espí­ ceu-me trazer o calor daquela radia­ uma pessoa é ordenada e indicada
rito do Senhor, em cuja luz parecia ção que fazia de cada pessoa um para guiar o povo, já passou por tri-
sempre andar, “ não sabendo anteci­ amigo seu. bulações e angústias, e já se pro­

Malo de 1973 13
vou diante de Deus e de seu povo, que haviam acontecido e que me ha­ mananciais de compreensão espiri­
mostrando ser digno da posição que viam sido d ifíce is de entender. Em tual. Conheço perfeitam ente a ver­
o c u p a ... de maneira que uma pes­ certas ocasiões, parecia-me ser como dade do que o profeta Joseph disse
soa que não se tenha provado diante que uma pedra bruta rolando pela aos prim eiros m issionários para a
de Deus e de seu povo, e diante dos encosta de um alto monte, fustigada Grã-Bretanha: “ Quanto mais uma
conselhos do A ltíssim o como digna, e polida, suponho eu, pelas experiên­ pessoa se aproxima do Senhor, maior
não se habilitará para guiar a Igreja cias que tinha de superar, tornando- poder será manifestado pelo adver­
e o povo de Deus. Isso jamais acon­ me um seta polida na aljava do Oni­ sário para impedir a realização dos
teceu, mas desde o princípio, alguém potente. propósitos de Deus." (Orson F.
que compreende o Espírito e o con­ É possível que, também eu, tivesse W hitney, Vida de Heber C. Kimball
selho do Todo-poderoso, que conhece necessidade de aprender a obediên­ (Bookcraft, 1967, p. 131)
a Igreja e por ela é conhecido, é o cia através das coisas que tive de Não existe a menor sombra de dú­
tipo de pessoa que guia a Igreja.” sofrer — a fim de que me dessem vida em minha mente, de que estas
(Jornal de Discursos, vol. 1, p. 123) experiências que seriam para meu coisas são tão certas atualmente
Na medida em que tenho tido co­ bem, para ver se eu passaria algu­ quanto naqueles dias, mas estou da
nhecimento das vidas daqueles que mas das diversas provas da m orta­ mesma forma seguro de que, como
me precederam, tenho-me convenci­ lidade. o Senhor disse, “ Não há arma al­
do de que cada um parecia te r uma Com a escolha de meus nobres guma que, formada contra vós, haja
especial missão para seus dias e conselheiros, presidentes N. Eldon de prosperar; e, se contra vós qual­
sua época. Tanner e Marion G. Romney, desco­ quer homem erguer a sua voz, no
Então, com perquiridora introspec- bri que não estava sozinho, com uma meu próprio e devido tempo, será
ção, comecei a pensar em mim mes­ rica medida do dom de profecia. Eles confundido.” (D&C 71:9-10)
mo e nas experiências a que a apre­ também haviam passado pelos tes­ Quão grato estou por vossa leal­
ciação de Orson Hyde fazia referên­ tes, e diante do Senhor não tinham dade e por vosso voto de apoio!
cia. Recordei as palavras com que o sido achados em falta. Quão grato Presto-vos solene testemunho quan­
profeta Joseph se havia caracteriza­ sou por esses nobres homens da to à divina obra do Salvador e quanto
do a si mesmo, e que de certo modo Primeira Presidência, dos Doze e das à certeza de sua mão orientadora
pareciam aplicáveis a mim. Disse demais Autoridades Gerais. nos negócios de sua igreja atual­
ele: Na manhã que se seguiu à minha mente, tanto quanto em todas as dis-
“ Sou como uma grande pedra bru­ chamada, quando me ajoelhei para pensações do tempo.
ta rolando de uma alta montanha; e orar com minha querida companhei­ Eu sei, com um testemunho mais
o único polim ento que recebo é ra, meu coração e minha alma pare­ poderoso do que a visão, que, como
quando uma aresta é arrancada por ceram estender-se a todos os mem­ o Senhor declarou, “ As chaves do
entrar em contato com alguma outra bros da Igreja com uma forma espe­ reino de Deus são entregues aos
coisa, chocando-se com fôrça acele­ cial de fraternidade e amor, que era homens na terra (desde o profeta Jo­
rada contra o fanatism o religioso, as­ como que a abertura das janelas dos seph Smith e através de seus suces­
túcia sacerdotal, advogados e dou­ céus, para dar-me uma sensação bre­ sores até o presente) e como a pe­
tores, editores m entirosos, juizes e ve de pertencer aos mais de três m i­ dra que, sendo cortada da monta­
jurados subornados, e autoridade de lhões de membros da Igreja, em to ­ nha, sem mãos, rolará adiante até
executivos perjuros, acobertados pela das as partes do mundo. que encha toda a terra, assim tam ­
populaça, por blasfemadores, homens Repito o que já tenho dito em ou­ bém até aos confins da terra rolará
e mulheres corruptos — todo o in­ tras vezes: que ferventem ente pro­ de agora em diante o Evangelho.
ferno arrancando uma aresta aqui e curo ser apoiado pela confiança, fé e Portanto, que o reino de Deus vá
outra além. Desse modo, eu me to r­ orações de todos os santos fié is em avante, para que venha o reino dos
narei uma flecha lisa e polida na toda parte, e vos prometo que, en­ c é u s ... ” (D&C 65:2,6)
aljava do T od o-p o d e ro so ..." (Ensi­ quanto orardes por mim, sincera­ Presto este testemunho com toda
namentos do Profeta Joseph S m ith ). mente tentarei viver de tal maneira, a certeza de minha alma, e deixo mi­
Estes pensamentos, agora corren­ que o Senhor possa responder às nhas bênçãos à congregação da Igre­
do por minha mente, começavam a vossas orações por meu intermédio. ja e aos puros de coração em toda
dar maior significação a algumas das Nestes últim os meses, parecem parte, em nome do Senhor Jesus
experiências de minha vida, coisas te r brotado em mim, também, novos C risto. Amém.

14 A LIAHONA
Advertências do Espaço Exterior
Presidente
N. Eldon Tanner

s condições do mundo hodier-

A no levaram-me a ponderar
sobre um editorial que li re­
centemente, e que dizia:
"Um astrônomo germânico acredi­
ta que a jovem civilização da terra
aproxima-se agora de sua primeira
grande crise, em virtude de seus re­
centes poderes de auto-destruição, e
que a melhor esperança de evitarmos
o desastre, reside em escutarmos
atentamente qualquer advertência ra-
diofonizada das distâncias do espa­
ço e s te la r” .
Lá, nalgum lugar, crê esse cientis­
ta, existe uma sábia civilização anti­
ga, que sobreviveu a muitas crises e
está tentando advertir a inexperiente
terra contra os erros de sua própria
juventude.
Que astuta observação! Contudo,
por m ilhares de anos, o M estre Cria­
dor, de lá do seu mundo, vem ten­
tando fazer com que o seu povo da
terra ouça atentamente os conselhos
e sabedoria. Das duas uma, ou eles
não têm estado sintonizados, ou são
obtusos de vista e ouvido. Tem ha­
vido m uitas mensagens de outros
mundos." {Serviço de Informações da
Igreja, setem bro 1970).
Desde o princípio dos tempos, te ­
mos um registro das mensagens de
Deus ao homem, seja por apareci­
mento pessoal, seja por anjos, por

Maio de 1973 15
revelação direta, visões, sonhos ou pessoas estão preparadas para acei­ ram de tal forma, que perm itiram a
inspiração. A prim eira vez foi quan­ tar fatos registrados por historiado­ passagem a pé enxuto dos israelitas,
do o Senhor Deus apareceu a Adão res em história secular, e contudo se nossos pais, ao passo que se fecha­
e Eva no Jardim do Eden; e depois recusam a acreditar na história ecle­ ram sobre os exércitos egípcios,
que foram expulsos do jardim , cla­ siástica conform e registrada, nas Es­ tragando-os?
maram pelo nome do Senhor, e em­ crituras, por homens cujo caráter E eis que, se Deus deu a esse ho­
bora não o tivessem visto, ouviram está acima de qualquer suspeita, e mem tal poder, por que discordais
a sua voz, e ele deu-lhes mandamen­ chegam mesmo a recusar-se a crer entre vós e dizeis que ele não me
tos de que adorassem ao Senhor seu que tenham vindo do Senhor profe­ concedeu poderes para conhecer os
Deus e lhe oferecessem sacrifícios. cias que foram cumpridas e v e rifica ­ castigos que vos serão dados, caso
“ . . . E Adão foi obdiente aos man­ das pela história secular. Especial­ não vos arrependais?
damentos do Senhor. mente os homens através das eras, Mas eis que não somente negais
E, após m uitos dias, um anjo do têm-se recusado a aceitar profetas as minhas palavras, como também
Senhor apareceu a Adão, dizendo: de seu próprio tempo, e m uitos des­ repelis as que foram proferidas por
Por que ofereces sacrifícios ao Se­ tes têm sido perseguidos, rid icula ri­ nossos pais e por esse homem, Moi­
nhor? E Adão respondeu: Não sei, zados e mortos. sés, que recebeu tão grande poder;
exceto que o Senhor me mandou. As Escrituras estão repletas de in­ sim, as palavras que ele falou a res­
Então o anjo falou, dizendo: Isto é cidentes lamentando o fato de que a peito da vinda do Messias.
à semelhança do sa crifício do Uni- maior parte do povo sempre se re­ E eis que, não somente Moisés
gênito do Pai, que é cheio de graça e cusou a aceitar os profetas que têm te stificou destas coisas, mas tam­
verdade. clamado arrependimento no seu meio, bém todos os santos profetas, desde
Portanto, farás tudo o que fazes e relembrado as suas iniqüidades. os seus dias até o tempo de Abraão.
em nome do Filho e te arrependerás Certamente vos lembrais do que dis­ E quisera que soubésseis que mes­
e invocarás a Deus em nome do Fi­ se o Salvador à multidão, ao denun­ mo na época de Abraão houve mui­
lho para todo o sempre. ciar os escribas e fariseus: tos profetas que afirmaram essas
E, naquele dia, desceu sobre Adão “ Jerusalém, Jerusalém, que matas mesmas coisas; sim, eis que o pro­
o Espírito Santo, que dá testemunho os profetas, e apedrejas os que te feta Zenos intrepidam ente testem u­
do Pai e do Filho, dizendo: Sou o Uni- são enviados! Quantas vezes quis eu nhou delas e por essa razão foi
gênito do Pai desde o princípio, agora ajuntar os teus filhos, como a galinha assassinado.
e para todo o sempre, para que, as­ ajunta os seus pintos debaixo das .. .e agora sabemos que Jerusalém
sim como caíste, possas ser redim i­ asas, e tu não quiseste! foi destruída, segundo as palavras de
do, e também toda a humanidade, Eis que a vossa casa vai ficar-vos Jeremias. Assim , pois, por que não
mesmo tantos quantos quiserem .” deserta; há de v ir o Filho de Deus, segundo
(M oisés 5:5-9. Itálicos acrescenta­ Porque eu vos digo que desde ago­ sua profecia?
dos) ra me não vereis mais, até que di­ E negareis que Jerusalém foi des­
Torna-se evidente, portanto, que gais: Bendito o que vem em nome do truída?. ..
foi revelado a Adão que C risto have­ Senhor." (Mateus 23:37-39) Nosso próprio pai Léhi foi expulso
ria de expiar e sofrer pelos pecados Precisamos dar ouvidos e apoio de Jerusalém, porque afirm ou estas
dos homens e que haveria uma res­ aos profetas, se quisermos estar bem c o is a s ...
surreição. Isto é uma evidência de aos olhar do Senhor. Um dos p rim i­ E agora, vendo que conheceis estas
que, como* disse Amós: “ Certamente tivos profetas do Novo Mundo, Néfi, coisas e que não as podeis negar
o Senhor Jeová não fará coisa algu­ lamentou-se com seu povo: sem que mintais, haveis, portanto,
ma, sem te r revelado o seu segredo “ Eis que, meus irmãos, não tendes nisto pecado, porque renegastes a
aos seus servos, os profetas." (Amós lido que Deus deu poder a um ho­ todas estas coisas, apesar das mui­
3:7) mem, sim, a Moisés, para fe rir as tas provas que recebestes. . .
É d ifíc il entender por que tantas águas do Mar Vermelho, que se abri­ Mas eis que rejeitastes a verdade

16 A LIAHONA
e vos haveis rebelado contra vosso Temos registro de muitas outras
Santo Deus; e ainda agora, ao invés revelações recebidas pelos profetas
de amontoardes tesouros no céu, dos dias antigos, tanto quanto dos
onde nada se corrompe e onde nada tempos modernos. Profecias concer­
de impuro pode entrar, estais acumu­ nentes ao nascimento, obra, crucifi-
lando contra vós mesmos a ira para xão, e ressurreição de Jesus C risto
o dia do juízo. são proferidas muitas vezes por dife­
Sim, e ainda agora a estais ama­ rentes profetas, tanto da Bíblia quan­
durecendo, em virtude de vossos to do Livro de Mórmon, algumas das
assassínios, fornicação e iniqüidade quais centenas de anos antes de seu
para a eterna destruição; sim, e a nascimento. Temos as palavras de
não ser que vos arrependais, ela vos Isaias, Jeremias, Ezequiel, Léhi, Alma,
alcançará mui brevem ente." (Hei. e m uitos outros profetizando desse
8:11-13, 16, 19-22, 24-26) Presidente N. Eldon Tanner grande evento.
Estaremos nós hoje preparados Da Primeira Presidência Néfi registra com certa particulari­
para nos arrependermos, aceitando a pretas.” dade suas visões de tais aconteci­
palavra de Deus, ou, como essas pes­ Replicou-lhe José: “ Isso não está mentos, como lhe haviam sido mos­
soas de antigamente, continuaremos em mim; Deus dará resposta de paz trados por um anjo do Senhor. Viu
a amontoar para nós mesmos a ira a Faraó.” ele a Maria, mãe de Jesus, levando
para o dia do julgam ento e da eter­ Então contou-lhe o Faraó seu sonho uma criança nos braços, que era o
na destruição? Através das eras, a respeito das sete vacas gordas e próprio Cordeiro de Deus, o Reden­
essas mensagens têm vindo aos habi­ das sete vacas magras, e das espigas to r do mundo. Viu o profeta que o
tantes da terra, procedentes de um cheias e das secas. José então a fir­ batizaria, o Espírito Santo descendo
Pai amoroso do qual somos filhos mou que Deus havia mostrado ao sobre ele, sua obra com os Doze, a
espirituais. Elas destinam-se a nosso Faraó o que estava para fazer, e cura dos doentes, e a expulsão de
benefício e bênção. Ele está interes­ alertava-o de que haveria sete anos demônios e espíritos imundos.
sado em nós, e deseja que sejamos muito fru tífe ro s , depois dos quais ha­ Néfi também prediz os últim os
bem sucedidos e felizes nesta vida veria fome por outros sete anos. eventos da vida do Salvador, nas se­
e por toda a eternidade. Ele criou o Todos sabemos que o Faraó acredi­ guintes palavras:
mundo e enviou-nos para cá, e sabe tou em suas palavras, designando-o “ Pois que terão guerras e rumores
o que é melhor para nós; e, através governador, e ordenando-lhe que de guerras; e quando chegar o dia
de seus profetas e de seu Filho Je­ cuidasse de que todo o excesso de em que o Unigênito do Pai, sim, o
sus C risto, deu-nos o plano de vida alim ento fosse preservado para os próprio Pai dos céus e da terra, se
que nos levará à salvação e exalta­ anos magros que viriam . Em virtude m anifestar a eles na carne, rejeitá-lo-
ção. O amor de Deus para com seus de ser fie l e de sua sensibilidade à ão por causa de suas iniqüidades, da
filhos, e seu desejo de orientá-los, inspiração e revelações, achou-se dureza de seus corações e da infle ­
tornam-se evidentes de m uitas ma­ José numa circunstância tal, que xibilidade de suas cerviz.
neiras. pôde salvar sua fam ília, quando o E eis que eles o crucificarão e de­
Falemos de José, que foi vendido pai, Jacó, enviou os outros filhos para pois de te r permanecido numa sepul­
para o Egito. Haveis de recordar que comprar trig o do irmão que haviam tura, pelo espaço de três dias, se
o Faraó estava perturbado por um vendido ao Egito. levantará dentre os m ortos, com o
sonho que tinha tido, e soubera que José te stifico u mais tarde: “ ...Deus poder de curar em suas asas; e todos
José poderia ser capaz de o inter­ me enviou diante da vossa face, para os que crerem em seu nome serão
pretar, de modo que mandara cha­ conservar vossa sucessão na terra, salvos no reino de Deus. E minha
má-lo, dizendo: “ . . . d e ti ouvi dizer e para guardar-vos em vida para um alma se deleita, portanto, em profe­
que quando ouves um sonho o inter- grande livram ento.” (Gen. 45:7) tizar sobre ele, porque vi o seu dia,

Maio de 1973 17
e meu coração m agnífica seu santo profetas! As Escrituras contêm nu­ tade. Nós, como membros da Igreja,
nome." (2 Néfi 25:12-13) merosas advertências a nós nestes cremos “ em tudo o que Deus tem
Essa profecia foi feita cerca de últim os dias, sobre calamidades que revelado, em tudo o que ele revela
seiscentos anos antes do nascimento nos sobrevirão, e elas têm aconteci­ agora, e cremos que ele ainda reve­
de C risto. Entretanto, cada evento do e estão acontecendo. Somente lará muitas grandes e importantes
predito ocorreu exatamente como quando o mundo se arrepender e coisas pertencentes ao Reino de
profetizado. Os escritores do Novo aceitar, vivendo os ensinamentos do Deus. (9.a Regra de Fé)
Testamento dão testemunho irre futá ­ Evangelho conform e revelados por O maior evento e bênção jamais
vel para comprovar essas declarações Deus através de seu Filho Jesus advindo à humanidade foi o sacrifício
proféticas. O Novo Testamento tam ­ C risto, bem como aos profetas, é que expiatório de Jesus C risto e o plano
bém comprova outras profecias re­ nos salvaremos da hecatombe. de vida e salvação dado por ele. Em
gistradas no Velho Testamento e no segundo lugar, em importância para
Livro de Mórmon, às quais já nos re­ a humanidade, foi a restauração do
ferim os. Evangelho, através do profeta Joseph
A narrativa de Lucas diz-nos que “ O maior evento Smith. Deus o chamou e ele atendeu,
um mensageiro do Pai cruzou o espa­ e bênção jamais e por meio de revelação, trouxe à
ço para anunciar: “ Pois na cidade de advindo à humanidade luz um registro sagrado contendo o
Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que Evangelho em sua plenitude, o qual,
foi o sacrifício
é C risto, o Senhor." (Lucas 2:11) E juntam ente com a Bíblia e a revela­
de longe, no espaço, subitamente
expiatório de Jesus ção moderna, concede ao mundo o
chegou “ . . . uma multidão dos exér­ Cristo” mesmo plano de vida e salvação que
citos celestiais, louvando a Deus, e Jesus tinha dado quando estava na
dizendo: Glória a Deus nas alturas, terra.
paz na terra, boa vontade para com “ Mensagens do espaço têm chega­ Joseph, aos 14 anos de idade, sen­
os hom ens.” (Lucas 2:13-14) (Edito­ do em grande número através das tia-se grandemente confuso, em con­
rial do Serviço de Informação da Igre­ eras, fielm ente interpretadas por ho­ seqüência das atividades proselitis-
ja, setembro de 1970) mens como Jeremias, Ezequiel, Da­ tas das diferentes igrejas de sua co­
O propósito de Deus para te r pro­ niel, Néfi e M oroni, Pedro e Paulo, e munidade, e desejava saber a que
fetas sobre a terra é retra nsm itir as nos tempos modernos por homens igreja filiar-se. Ao ler a Bíblia, en­
mensagens que envia para o benefí­ como Joseph Smith. M elhor que co­ controu as seguintes palavras de
cio e bênção da humanidade, por municações radiofonizadas ou te le vi­ Tiago:
quaisquer meios de comunicação es­ sionadas, têm vindo mensageiros pes­
“ E, se algum de vós tem falta de
pacial que prefira usar. Em sua p ri­ soais, sem cápsula espacial, avião,
sabedoria, peça-a a Deus, que a todos
meira medida, preparou ele um cami­ ou nave-foguete. Há um longo cami­
dá liberalmente, e o não lança em
nho para que ganhemos imortalidade nho a percorrer, antes de entrarmos
rosto, e ser-lhe-á dada.
e vida eterna, o que, segundo disse no reino dos planetas habitados. Con­
Jesus, é a sua obra e sua glória. tudo, existe essa coisa chamada co­ Peça-a, porém, com fé, não duvi­
Antes do grande sa crifício de C risto municação espacial. O homem tem dando; porque o que duvida é seme­
por nós, e desde aquela data, a men­ falado com Deus e recebido respos­ lhante à onda do mar, que é levada
sagem tem sido revelada através dos tas. Tais mensagens têm vindo, para pelo vento e lançada de uma para
profetas, no sentido de que devemos o benefício e bênção dos habitantes outra parte." (Tiago 1:5-6)
ser obedientes às leis e ordenanças da terra, por mais de 6.000 anos." Joseph comentou que, se alguém
do Evangelho, e, por meio do arre­ (Ibid.) necessitava de sabedoria, era ele, de
pendimento dos pecados do mundo, Há um profeta sobre a terra atual­ forma que se retirou para um bosque
poderemos ganhar exaltação. mente, através do qual o Senhor to r­ onde podia estar a sós e ajoelhou-se
Quão importante é que ouçamos os na conhecido seu pensamento e von­ em oração.

18 A LIAHONA
Escreveu ele: “ .. .vi uma coluna Continente Americano, e que in­ Os canais estão abertos atualmen­
de luz acima de minha cabeça, de cluíam o Evangelho em sua plenitude. te entre nós e o Senhor, de maneira
um brilho superior ao do sol, que Ele traduziu as gravações daquelas que podemos orar em segredo, em
gradualmente descia até cair sobre placas pelo dom e poder de Deus e fam ília, ou em reuniões públicas, sa­
mim. por revelação, para convencer aos bendo que ele está ali, que é um pai
.. .quando a luz repousou sobre judeus e aos gentios de que Jesus é amoroso, e que está pronto para res­
mim, vi dois Personagens, cujo res- o C risto, o Deus Eterno, m anifestan­ ponder às nossas orações e orientar-
plendor e glória desafiam qualquer do-se a todos os povos. nos, se tão somente lhe perm itirm os
descrição, em pé, acima de mim, no que o faça em nossos próprios ne­
ar. Um deles falou-me, chamando- gócios ou no o fício ou chamada que
me pelo nome, e disse, apontando possuirmos.
para o outro: “ Este é o meu Filho “ Os canais estão Quero também prestar testemunho
Amado. Ouve-o!" (Joseph Smith de que o nosso presente líder, Ha­
2:16-17)
abertos atualmente rold B. Lee, é um profeta de Deus,
Joseph, por meio dessa visão, entre nós e o que foi preparado e escolhido por
constatou, como sabia estar vivo, que Senhor” ele, e foi ordenado e designado por
Deus, o Pai, e seu Filho Jesus C risto aqueles que têm autoridade. Ele tem
eram dois Personagens vivos, que o o direito de receber, e efetivamente
conheciam pelo nome e que tinham recebe, orientação do Senhor para a
ouvido sua oração e a ela respondi­ Temos a seguinte promessa dada Igreja e para o benefício da huma­
do, dando-lhe instruções. Quando re­ por Moroni a respeito do Livro de nidade.
latou essa experiência aos amigos e Mórmon: O Senhor disse aos membros da
ao m inistro, verificou que levantava “ E, quando receberdes estas coi­ Igreja a respeito de seu profeta:
uma grande onda de preconceito con­ sas, eu vos exorto a perguntardes a “ ...d e v e re is atender a todas as
tra si, e foi perseguido e ridiculariza­ Deus, o Pai eterno, em nome de C ris­ suas palavras e aos mandamentos
do. Contudo, escreveu: to, se estas coisas não são verdadei­ que ele vos dará conforme os rece­
“ . . . f u i induzido a dizer em meu ras; e, se perguntardes com um co­ ber, andando em toda santidade dian­
coração: Por que me perseguem por ração sincero e com real intenção, te de mim;
dizer a verdade? Tive realmente uma tendo fé em C risto, ele vos m anifes­ Pois suas palavras recebereis co­
visão; e quem sou eu para opor-me tará a verdade disso pelo poder do mo de minha própria boca, em toda
a Deus? Ou, por que pensa o mundo Espírito Santo. paciência e fé.
fazer-me negar o que realmente vi? E pelo poder do Espírito Santo po­ Pois, assim fazendo, as portas do
Porque havia visto uma visão; eu o deis saber a verdade de todas as inferno não prevalecerão contra vós;
sabia, e não podia negá-lo, nem ou­ coisas." (M oroni 10:4-5) sim, e o Senhor Deus dispersará
saria fazê-lo; pelo menos eu sabia Humildemente, presto testemunho diante de vós os poderes da escuri­
que, procedendo assim, ofenderia a de que a veracidade dessas coisas dão, e fará sacudir os céus para o
Deus, e estaria sujeito a condena­ foi-me revelada, e de que o Evange­ vosso bem e para glória do seu nome.
ção.” (Joseph Smith 2:25) lho foi restaurado nestes últim os Pois, assim diz o Senhor Deus: Eu
Quando Joseph clamou a Deus, pe­ dias por interm édio do profeta Joseph o inspirei para promover a causa de
dindo por mais esclarecimento, o Smith, a quem Deus, o Pai, e seu Sião com grande poder e para o bem,
anjo Moroni apareceu-lhe, falando a Filho Jesus C risto apareceram; de e a sua diligência eu conheço, e suas
respeito das placas de ouro, e mos- que Deus vive; de que Jesus é o orações o uvi.” (D&C 21:4-7)
trou-lhas em visão. Ao fim de qua­ Cristo que veio e deu sua vida por Que possamos dar ouvidos ao Pro­
tro anos, foram-lhe dadas as placas nós e por mim, para que pudésse­ feta e segui-lo, é o que rogo hum il­
que continham um registro das rela­ mos gozar de im ortalidade e vida demente em nome de Jesus Cristo.
ções de Deus com o antigo povo do eterna. Amém.

Maio de 1973 19
Por Que a Igreja
Mas, empregando todas as minhas
forças para pedir a Deus para livrar-
m e . . . , e no momento exato em que
estava prestes a cair em desespe­

de Jesus Cristo ro,



abandonando-me à destruição
.. .vi uma coluna de luz acima de
minha cabeça, de um brilho superior
ao do sol, que gradualmente descia

dos Santos dos até cair sobre mim.


Logo após esse aparecimento, sen­
ti-me livre do inim igo que me havia

Últimos Dias?
sujeitado. Quando a luz repousou so­
bre mim, vi dois Personagens, cujo
resplendor e glória desafiam qual­
quer descrição, em pé, acima de mim
Presidente Marion G. Romney no ar. Um deles falou-me, chaman-
Segundo Conselheiro na Primeira Presidência do-me pelo nome, e disse, apontan­
do para o outro: “ Este é o meu Filho
Amado. Ouve-o!” (Joseph Smith
2:15-18)
rmãos, irmãs e amigos, onde Entre os desnorteados, havia um Esta visão foi o intróito de um te r­
quer que estejais: por nome Joseph Smith J r„ jovem de rível drama que, cerca de dez anos
Como foi anunciado, esta reunião 14 anos de idade. Na primavera de mais tarde, culmiou com o estabe­
é parte da 142." Conferência Geral 1820, incitado por um reavivamento lecim ento da Igreja.
Semi-anual da Igreja de Jesus C risto religioso nas proximidades de Palmy- Peio Filho, com quem conversou
dos Santos dos Ú ltim os Dias. ra, Nova Iorque, onde vivia, perplexo na visão celestial, foi dito a Joseph
Por haver na ocasião em que foi diante das pretensões conflitantes que não se ligasse a nenhuma das
organizada, como na atualidade, mui­ das igrejas e motivado pela admoes- igrejas existentes, porque “ estavam
tas outras igrejas chamadas Cristãs, tação de Tiago de que “ Se algum de todas erradas” . (Joseph Smith 2:19)
a pergunta: “ Qual a necessidade de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Faltavam-lhes ambos os componen­
outra igreja?” é freqüentem ente fe i­ De u s . . . e ser-lhe-á dada" (Tiago tes necessários à igreja de Jesus
ta, e a ela passarei a responder. 1:5), Joseph, em inocente fé, inqui­ C risto, a saber: o seu Evangelho e
riu do Senhor “ qual de todas as sei­ o seu nome.
Inicialm ente, torna-se óbvio, pela tas era ce rta ", para que “ pudesse Os indispensáveis elementos do
própria natureza da pergunta, que a saber a qual unir-se” . Evangelho que lhes faltavam, in­
existência de tantas igrejas causava “ ...a jo e lh e i-m e (disse ele) e co­ cluíam:
perplexidade. Os honestos de cora­ mecei a oferecer o desejo de meu 1. A verdade concernente à per­
ção mostravam-se perturbados e con­ coração a Deus. Apenas fizera isto, sonalidade de Deus, e a relação do
fusos a respeito de qual, dentre as quando fui subitamente subjugado homem para com ele.
igrejas, seria verdadeiram ente a de por uma força que me dominou intei­ 2. Conhecimento de seus p rincí­
C risto, se é que alguma o era. ram ente. .. pios e ordenanças salvadoras.

20 A LIAHONA
3. O Sacerdócio de Deus, e Em setem bro de 1827, M oroni, um ajoelhavam em oração, foram visita ­
4. Revelação contínua. antigo historiador e profeta am eri­ dos por um mensageiro celestial que
Quanto ao prim eiro elemento, a cano, naquele tempo já ressuscitado, disse chamar-se “ João, o mesmo que
personalidade de Deus, o Pai, e de entregou a Joseph um registro inscri­ é chamado João Batista no Novo Tes­
seu Filho, Jesus C risto, Joseph apren­ to em finas folhas de ouro que, pelo tam ento." Este mensageiro colocou
deu a verdade na visão acima refe­ dom e poder de Deus, Joseph tradu­ as mãos sobre suas cabeças e disse:
rida. Mais tarde, ele disse: “ O Pai ziu. Esse registro continha uma ex­ “ A vós, meus conservos, em nome
possui um corpo de carne e ossos planação dos princípios e ordenan­ do Messias, eu confiro o Sacerdócio
tão tangível como o do homem; o ças do Evangelho de Jesus C risto, tal de Aarão, que possui as chaves da
Filho t a m b é m . . . ” (D&C 130:22) como era ensinado e difundido entre m inistração dos anjos, do Evangelho
Quanto à relação entre Deus e o o povo antigo da Am érica. do arrependim ento e do batismo por
homem, Joseph aprendeu numa reve­ imersão para remissão dos peca­
Em 1829, Joseph publicou sua tra ­
lação subseqüente que os habitantes dos. . . " (D&C 13)
dução sob o títu lo de Livro de M ór­
“ dos m undos” (incluindo-se nós, que Poucas semanas mais tarde Pedro,
mon. Este livro contém um registro
vivemos nesta terra) “ são filhos e Tiago e João conferiram a Joseph e
do m inistério pessoal de Jesus C risto
filhas gerados por Deus." (D&C O liver o Sacerdócio de Melquisede-
entre os habitantes da Am érica, ime­
76:24) que, ordenando-os apóstolos. (Ver
diatamente após seu m inistério na
Essas verdades fundamentais, con­ Documentary H istory of the Church,
terra de Jerusalém, depois da ressur­
cernentes ao relacionamento entre vol. 1, p. 40)
reição. A eles ensinou seu Evange­
Deus e o homem; não estavam sen­ O quarto elemento indispensável
lho, da mesma forma que na Pales­
do ensinadas pelas igrejas dos dias do Evangelho, revelação contínua,
tina. Entre eles, organizou sua igreja,
de Joseph Smith, pela simples razão veio ao ser restaurado o Sacerdócio.
e sobre seus líderes conferiu o santo
de não serem conhecidas nem cridas. É óbvio, pela maneira como Joseph
Sacerdócio. Instruiu-os a respeito
É verdade que eram conhecidas, ensi­ Smith recebeu o conhecimento de
das ordenanças salvadoras do Evan­
nadas e cridas pelos membros da Deus e dos princípios e ordenanças
gelho, e mostrou-lhes como adminis-
igreja de C risto nos dias de Jesus e do Evangelho, que ele próprio estava
trá-las.
seus apóstolos. Mas, em 1830, a recebendo revelação direta dos céus,
Ao tempo em que publicou o Livro mas isso não era tudo o que se fazia
compreensão delas já se havia perdi­
de Mórmon, Joseph tinha também re­ necessário.
do de há muito e a ignorância da
cebido o terce iro elemento indispen­ Todo membro da Igreja de Cristo,
verdadeira relação entre Deus e o
sável ao Evangelho, a saber: o santo no m eridiano dos tempos, recebera
homem é que gerara as muitas
Sacerdócio, que o dotou de poder o dom do Espírito Santo. O Espírito
igrejas.
para agir em nome de Deus.
Durante a década de 1820, o co­ Santo é um revelador. Recebê-lo é
nhecimento dos princípios e orde­ O Sacerdócio Aarônico recebeu ele ser espiritualm ente regenerado. Re­
nanças fundamentais do Evangelho em maio de 1829. Enquanto traduzia cordemos o que Jesus disse a Nico-
foi novamente revelado dos céus ao os ensinamentos do Salvador concer­ demos: “ Na verdade, na verdade, te
menino profeta, Joseph Smith. M uitos nentes ao batismo, conform e esta­ digo que aquele que não nascer da
desses princípios e ordenanças ele vam registrados no Livro de Mórmon, água e do Espírito, não pode entrar
aprendeu no Livro de Mórmon, que ele e seu escriba, O liver Cowdery, no reino de Deus.” (João 3:5)
veio às suas mãos da seguinte ma­ rogaram ao Senhor por mais luz a Receber o dom do Espírito Santo
neira: respeito do assunto. Enquanto se é ser nascido do Espírito. O Senhor

Maio de 1973 21
Por que a Igreja...?

instruiu os oficiais do Sacerdócio da Esta afirmação nos dá o duplo


Igreja de Jesus C risto dos Santos teste: a Igreja de C risto (1) deve
dos Últimos Dias a “ confirm ar os levar o seu nome, e (2) tem de ser
que são batizados na igreja, pela edificada sobre o seu Evangelho.
imposição das mãos para o batismo Para que não houvesse incerteza a
do fogo e do Espírito Santo, de acor­ respeito do nome nesta últim a dis­
do com as Escrituras.” (D&C 20:41) pensação, o Senhor disse a Joseph
O Sacerdócio e o poder do Espí­ Smith: “ .. .assim será a minha igreja
rito Santo é que dão vida à Igreja e chamada nos últim os dias, mesmo
a seus membros: A Igreja de Jesus C risto dos Santos
" . . . o o fício especial do Espírito dos Ú ltim os Dias.” (D&C 115:4, Itá­
Santo é ilum inar e enobrecer a licos acrescentados)
mente, p urificar e sa ntifica r a alma, A denominação de "Igreja M ór­
persuadir às boas obras, e revelar as Presidente Marion G. Romney m on” é apenas um apelido.
coisas de Deus.” (James E. Talma- Da Primeira Presidência A igreja restaurada resiste assim,
ge, Regras de Fé, p. 158) ao teste duplo do Salvador: leva o
Sem esse dom, a Igreja seria tão Entretanto, o Senhor não somente seu nome, e é edificada sobre o seu
morta e impotente quanto uma casa orientou Joseph a organizar a sua Evangelho. A respeito disso, não
de força sem eletricidade. igreja: ele lhe disse também que pode haver dúvida, porque tanto o
Havendo, assim, recebido uma nome deveria dar-lhe. nome quanto o Evangelho foram re­
nova dispensação do Evangelho, Jo­ Fato digno de nota é que, de todas velados pelo próprio Senhor Jesus
seph Smith estava qualificado para as igrejas que na época pretendiam C risto a Joseph Smith.
restabelecer a igreja de C risto sobre representar a C risto, nenhuma levava E agora em conclusão, eu gostaria
a terra, conforme fora instruído pelo o seu nome. Joseph aprendeu dos de dizer algumas palavras, dando
Senhor. Essa diretriz veio em muitas ensinamentos de Jesus aos nefitas, meu testemunho a respeito do
revelações, nas quais a forma e a que nenhuma igreja poderia ser a de Evangelho restaurado e da Igreja de
data da organização foram especi­ C risto, a menos que levasse o seu Jesus Cristo.
ficadas. nome. Quando os nefitas levantaram Não houve ocorrência nesta terra,
Obedecendo a esses mandamentos, a questão de como chamar a igreja, desde o m inistério de Jesus no me­
Joseph Smith Jr. organizou, a 6 de Jesus, então ministrando entre eles, ridiano dos tempos, que tivesse tal
abril de 1830, a Igreja de Jesus C ris­ disse: importância para vós e para mim,
to, em Fayette, condado de Sêneca, " . . . como poderá ser minha igre­ como os eventos que acabamos de
Nova Iorque, estritam ente em harmo­ ja, sem que tenha meu nome? Por­ rememorar. Eles não ocorreram ape­
nia com os mandamentos de Deus e que se uma igreja fô r chamada pelo nas para o benefício de Joseph
as leis da terra. nome de Moisés, então será a igreja Smith e seus associados, mas por
Assim , a resposta à pergunta — de Moisés; ou, se fo r chamada pelo amor do mundo todo.
Por que foi organizada a Igreja, quan­ nome de um homem então será a Na introdução às revelações dadas
do já havia tantas? — é obviamente: igreja desse homem; mas, se leva o ao Profeta, o Senhor disse:
porque o Senhor Jesus C risto em meu nome, então é minha igreja,
pessoa determ inou que Joseph Smith desde que esteja fundada em meu
a organizasse. Evangelho." (3 Nefi 27:8) (Continua na pág. 31)

22 A LIAHONA
Vivian Bartholomew

"F ilib e rto ” , disse o pai, ao term inar o prato de mingau matutino, “ você vai te r que cuidar dos
gansos sozinho hoje.”

Filiberto sentiu instantaneamente os cabelos se eriçarem e o coração bater mais depressa.


Voltou-se do pai para o irmão mais velho, Flaviano, com os olhos arregalados e inquiridores. Durante
todo o verão, ele havia acompanhado Flaviano lá para baixo, além de sua vilazinha em
Madagascar, onde os gansos pastavam nos arrozais já colhidos, que se estendiam
em terraços na encosta dos montes. Mas os gansos haviam sido sempre
responsabilidade de Flaviano!

“ Vou precisar de Flaviano,” continuou o pai, "para me ajudar na


colocação de mais colmo no telhado, para que não vaze água,
quando vierem as chuvas."

Filiberto viu o irmão so rrir com orgulho. Era uma honra ser
considerado suficientem ente grande para trabalhar com
o próprio pai.

Claro que pastorear os gansos é im portante também,


pensou Filiberto.

“ Você não gostaria de que o pai o tivesse escolhido


para ajudá-lo?" provocou Flaviano, quando ficaram sozinhos,
cotucando-o com o cotovelo.

“ Ele me escolheu para cuidar dos gansos,” replicou Filiberto bravamente. “ Posso usar seu cajado
de pastorear, hoje?”

“ Pode usá-lo, desde que não o quebre. O Inimigo não terá coragem de chegar perto
de você, se bater nele com freq üê n cia !” insistiu Flaviano.

Filiberto quase se havia esquecido do Inimigo. Enxugou o suor da testa, quando se


lembrou de que Inimigo era o nome que Flaviano tinha dado ao ganso macho. Toda vez que Flaviano
lhe voltava as costas, o Inimigo o atacava, bicando-lhe os fundilhos das calças, ou as pernas
nuas. Filiberto tinha visto o irmão usar o cajado no ganso inúmeras vezes — mesmo quando o macho
estava quieto. Flaviano explicava que fazia isso para descontar do Inimigo tudo o que lhe
havia fe ito no passado.

Filiberto olhou para o cajado — era comprido e fo rte. "Cuidarei bem dele,” prometeu.
Tomou do cajado e vibrou-o no ar algumas vezes para praticar, depois dirigiu-se para os gansos
e abriu o portão. O macho, com seu longo pescoço
erguido, saiu do cercdo à frente
do bando. Filiberto manteve-se de esguelha enquanto desfilavam,
fazendo o possível que o Inimigo visse que estava
de posse do cajado. Depois, saiu correndo
pelo caminho de terra vermelha, atrás dos gansos fam intos.

Quando chegaram aos campos colhidos de arroz,


os gansos espalharam-se em busca de brotos verdes mais tenros
para comer. O garoto manteve-se próximo,

23
segurando o cajado em guarda, para defender-se do Inimigo, mas o velho macho não lhe
parecia dar atenção, enquanto, os gansos perambulavam de um campo terraceado
para outro.

O Inim igo cuida dos gansos como se fosse o próprio pastor, pensou Filiberto
consigo mesmo.

Repentinamente, um zumbido no ar chegou aos ouvidos do menino, e se


foi tornando cada vez mais forte. Filiberto viu o ganso macho inclinar
a cabeça, até que o pequeno círculo de seu olho fitasse o céu.

O garoto sorriu: “ Você quer ver o que está fazendo aquele ruído,
tanto quanto eu, "disse, falando alto.

Filiberto adorava aviões, embora só os tivesse visto no ar. Nenhum


deles jamais havia descido em sua aldeia. Filiberto gostava de saber
que pessoas de países distantes vinham a Madagascar. O pai lhe dissera
que a República Malga era um grupo de ilhas localizadas no Oceano Índico,
ao longo da costa do continente da África.

Quem sabe se esse avião vem de longe ao norte, onde o gelo e a neve cobrem a terra!
pensou ele.

Filiberto havia sonhado m uitas vezes que algum dia


haveria de voar pelos ares, atravessando o grande aceano para ver terras estranhas.
M uito depois que o avião se havia perdido de vista, os pensamentos
de Filiberto sobre lugares distantes continuavam a falar-lhe.

Repentinamente, lembrou-se de que estava vigiando os gansos.


Olhou ao redor, mas o Inimigo e todos os outros
haviam desaparecido!

“ Eu não estava vigiando! O Inimigo levou embora todos os gansos.


Como poderei vo ltar para casa sem eles?” chorou ele alto.

F iliberto correu para o terraço seguinte, e quase


tropeçou nos gansos que descansavam abaixo do paredão de terra.
As aves reclamaram em altos brados por terem
sido assustadas.

“ Desculpe,” justificou-se Filiberto para o Inimigo,


com os soluços transform ados em riso.
“ Você não levou os gansos embora, mas cuidou deles
por mim. M uito obrigado."

Aliviado, Filiberto tomou um gole d ’água no regato e assentou-se à


sombra de uma touceira mais alta de onde podia vigiar o bando.
Colocou o cajado junto de si e ficou olhando o grande macho alisar as penas.
“ Flaviano aborrece-o quando o vê alisar as penas,” disse Filiberto sorrindo para o Inim igo.” “ Eu
não vou bater em você, só porque quer parecer um re i.”

24 A LIAHONA
Filiberto ouviu um barulho do outro lado do campo, e olhou em tempo de ver um zebu
bravo romper através dos arbustos. O animal escarvou o chão e sacudiu os chifres em forma de lira,
quando viu o menino.

Ao ouvir sons como que de serpente vindos do Inimigo, o suor brotou da fronte de Filiberto.
Ele já ouvira o macho produzir aqueles sons anteriorm ente. Imaginando qual dos dois adversários
o atacaria prim eiro, F iliberto estava tão apavorado que
nem conseguia alcançar o cajado.

Desviou o olhar do zebu para dar uma espiada no


ganso, e viu o pescoço do Inimigo estirar-se, enquanto
abria as asas e arrem etia contra o zebu!

O boi viu a ave e parou de


escarvar o chão. O ganso,
atirando a terra vermelha para
trás com os pés, corria
através do campo,
agitando o ar com as
asas. O zebu virou-se
e correu, abrindo
caminho por entre
os arbustos.

Filiberto levantou-se
aos tropeções e correu
pelo campo
aberto para ver o Inimigo perseguir o zebu. Ele estava radiante com a grande
verdade que havia aprendido: o Inimigo não era realm ente um adversário e sim
um amigo!

Quando o zebu já ia longe morro abaixo, o ganso deixou de persegui-lo e começou


a votar gingando para o bando. Filiberto mal podia esperar, e correu na sua direção.
Seus braços imediatamente envolveram o ganso, enquanto aquele repousava a cabeça
no peito de Filiberto.

“ A m igo,” murmurou Filiberto suavemente. “ Somente um amigo


poderia salvar-me de um zebu enfurecido.”

Naquela tarde, Filiberto caminhou ao lado do seu amigo


e, juntos, levaram os gansos para casa. Os olhos de
Flaviano estavam arregalados de espanto, quando
passaram por ele. No portão, Filiberto parou para acariciar
o ganso antes de dizer-lhe boa noite.

“ Tome cuidado!” gritou Flaviano. “ O Inimigo


vai pegá-lo!”

“ Não, ele não v a i,” disse Filiberto mansamente, e


sorriu: "H oje eu mudei o nome do ganso macho
para A m igo.”

Maio de 1973 25
as suas vidas, até que pudesse falar com o rei.
Daniel e seus amigos então oraram para
que o sonho de Nabucodonor e o que signifi­
cava pudessem ser-lhes dados. Naquela noite,
o segredo do sonho do rei foi revelado a Daniel
em uma visão, e ele bendisse ao Deus do céu,
dizendo:
“ Seja bendito o nome de Deus para todo o
sempre, porque dele é a sabedoria e a força;
ó Deus de meus pais, eu te louvo e celebro
porque nos fizeste saber este assunto do re i.”
Daniel então disse a Nabucodonosor que

DANIEL homem algum, por mais sábio, poderia ter co­


nhecimento do sonho esquecido, dando o seu
significado, mas ambas as coisas lhe haviam
sido reveladas, a fim de que pudesse dizê-las
Mary L. Lusk ao rei, e para que este pudesse saber a respeito
do único Deus verdadeiro.
Depois que Daniel repetiu o sonho e expli­
cou sua significação, o rei caiu sobre o seu
rosto e disse: "Na realidade, o teu Deus é o
Deus verdadeiro, e revelador dos segredos.
Suas obras são verdadeiras."
Nabucodonosor mais tarde fez Daniel go­
vernador de toda a província de Babilônia e
erta noite, o rei Nabucodonosor teve um chefe dos governadores sobre todos os sábios

C sonho aflitivo e acordou apavorado. Bem


cedo, na manhã seguinte, chamou todos
os sábios, para que viessem postar-se diante
de Babilônia.
Após a morte de Nabucodonosor, a cidade
de Babilônia foi capturada pelo rei Dario, que
de si, e disse-lhes: “ Tive um sonho, e meu designou cento e vinte príncipes sobre todo o
espírito está perturbado em entendê-lo.” reino. Acima dos príncipes, havia três presi­
“ Conte-nos o seu sonho, ó re i,” responde­ dentes, e em virtude da sabedoria de Daniel e
ram eles, “ e dir-lhe-emos o que significa." de sua bondade, foi ele nomeado como primeiro
“ O sonho já se foi de minha mente," expli­ dentre os presidentes.
cou o rei. “ Se vocês me contarem o sonho e Isso fez com que os outros príncipes se
sua significação, receberão presentes, recom­ tornassem enciumados e se irassem, e conspi­
pensas e grandes honrarias.” raram juntos no sentido de remover Daniel
Quando não puderam fazer o que o rei pe­ de sua posição de confiança.
dia, Nabucodonosor irou-se com eles, e ordenou “ Certamente ele tem alguma fa lta ,” disse
que todos os sábios da Babilônia fossem um dos príncipes, “ para que a possamos apon­
mortos. tar ao rei Dario.” Mas não conseguiam encon­
Daniel e seus amigos não haviam compa­ trar omissão ou erro em seu trabalho.
recido perante o rei, e ficaram surpreendidos Alguns dos príncipes sugeriram que se
quando um de seus servos veio para executar descobrisse uma forma de incrim inar Daniel
a ordem. Daniel persuadiu o servo a poupar em relação à lei do seu Deus.

26 A LIAHONA
Foram pois os príncipes ao rei Dario e dis­
seram: “ Ó rei, não há ninguém tão grande
quanto vós. Ninguém deveria pedir favores a
nenhum homem ou deus, senão a t i . ” E persua­
diram o rei a assinar um decreto de que qual­
quer que fosse encontrado dando graças ou
louvando a qualquer deus ou homem durante
os próximos trinta dias, que não ao rei, seria
lançado na cova dos leões. O rei Dario, imagi­
nando que isso estava sendo feito para honrá-
lo, assinou o decreto.
Bem cedo, na manhã seguinte, quando Da­
niel se ajoelhou em sua casa em oração, o que
costumava fazer três vezes ao dia, os princípes
enciumados vieram e o prenderam, levando-o
à presença do rei, e dizendo a Dario que haviam
encontrado Daniel pedindo ajuda e oferecendo
louvores ao seu Deus.” “ Lembra-te do decreto
que assinaste,” insistiram.
E o rei, pesarosamente, recordou-se. Em­
bora amasse a Daniel e estivesse descontente
consigo mesmo por te r permitido que os prín­
cipes o levassem a assinar o decreto, não podia
mudar uma lei que havia feito e assinado.
Quando Daniel estava sendo levado, o rei
falou-lhe, dizendo: “ O teu Deus, a quem tu ser­
ves continuamente, te há de liv ra r.”
Uma pedra então foi trazida e colocada na
entrada da cova dos leões em que Daniel havia
sido lançado, e o rei a selou.
Tendo feito isso, o rei Dario retornou ao
palácio e determinou que nenhuma música
fosse tocada, e nenhum alimento lhe fosse
servido. O rei passou uma noite de ansiedade
e insônia, e quando, finalmente, chegou a ma­
nhã, correu para a cova dos leões e chamou
por Daniel.
Daniel calmamente respondeu: “ Meu Deus
enviou o seu anjo e fechou as bocas do leões
para que não me ferissem ."
O rei Dario então regozijou-se, e escreveu
a todo o povo sobre a terra, proclamando que
o Deus de Daniel era “ o Deus vivo e para sem­
pre permanente: ele livra e salva, e opera
sinais e maravilhas no céu e na te rra .”

Maio de 1973
ma família constituída por minha avó, pode estar muito próximo em tempos de

U minha mãe, e duas ou três das crian­


ças menores estava sentada diante de uma
porta aberta, observando o grande espe­
necessidade.
Durante os prim eiros anos de minha
juventude, houve muitas ocasiões em que
táculo pirotécnico que uma violenta tempes­ a compreensão intuitiva de minha mãe per­
tade estava apresentando perto da montanha mitiu-lhe saber que havia necessidade de
em que se localizava nossa casa. O brilho de ajuda. Certa vez, em uma noite tempestuo­
um relâmpago em cadeia, seguido imediata­ sa, ela fez com que meu pai fosse à minha
mente por um forte estouro de trovão, indi­ procura, para descobrir que meu cavalo ha­
cou que o raio havia via tropeçado, atirando-
caído muito perto. me em um buraco cheio
Eu estava de pé jun­ de lama semi-congelada.
to à porta, e subitamen­ Minha mãe tinha sabido
te, sem qualquer aviso, que havia necessidade
minha mãe deu-me um de ajuda.
vigoroso empurrão que A l g u é m inventou
me atirou estatelado de uma frase que tem gran­
costas longe da porta. de significação: “ Deus
No mesmo instante, uma não podia estar em todos
descarga elétrica des­ os lugares, por isso
ceu pela chaminé do fo­ criou as mães."
gão na cozinha, saiu Dentro de c a d a
pela porta aberta, e ra­ criança nascida neste
chou, num talho enor­ mundo, existe um dom
me, de cima em baixo, celestial. O Senhor re­
uma grande árvore logo
em frente da casa. Se
De Um velou que se trata da
Luz de Cristo, ou da Luz
eu tivesse permanecido Amigo da Verdade. Mesmo em
no vão da porta, não es­
taria escrevendo esta
Para Outro tenra infância, esse dom
dá a cada pessoa a ca­
história hoje. pacidade de reconhecer
Minha mãe nunca a diferença entre o que
pôde explicar sua ati­ é certo e provém do Se­
tude de fração de se­ nhor, e o que é errado
gundo. Tudo o que sei e mundano. Algumas
é que minha vida foi poupada por causa de vezes, chamamos a isso de consciên­
sua ação impulsiva e incoercível. cia, ou a voz do Espírito de Deus dentro
Anos mais tarde, quando observei a pro­ de nós.
funda cicatriz naquela grande árvore em nos­ Após o batismo, e como uma bênção dos
sa velha casa da fam ília, só pude dizer do élderes da Igreja, recebemos outra dádiva —
fundo do coração agradecido: Graças a Deus o dom do Espírito Santo. Conforme explica­
por aquele precioso dom possuído em abun­ do pelo Mestre, ele se destina a ensinar-nos,
dância por minha própria mãe e por muitas para que saibamos a verdade de todas as
outras mães fiéis, por meio do qual o céu coisas, para trazer à nossa lembrança todas

28 A LIAHONA
as coisas, e até para mostrar-nos coisas fu­ gamentos amadurecidos e tomar decisões
turas. corretas, terão recebido o ensinamento ade­
Quando alguém se torna pai ou mãe, é quado de pais sábios nos lares de que pro­
especialmente importante que prepare para vieram.
receber, por meio desses dons maravilho­ Segundo a minha experiência, parece
sos do Senhor, o grande dom da percepção, que as mães fiéis têm um dom especial, a
necessário para criar filhos e ter certeza de que freqüentemente nos referimos como
que são adequadamente ensinados confor­ intuição materna. Talvez com a grande bên­
me as ordens do Senhor. Essas instruções ção da maternidade, nosso Pai Celestial as

e avisos celestiais que os pais recebem tenha dotado com essa qualidade, uma vez
para suas famílias, podem ser chamadas de que os pais, ocupados com os chamados do
intuição ou de voz do Senhor que vem à sua Sacerdócio e com o trabalho de ganhar a
mente, procedentes de fontes celestes para vida, nunca se aproximam tanto dos seres
a salvaguarda de seus lares. Os pais têm celestiais em assuntos que se relacionam
o encargo de ensinar e treinar nos princí­ com os detalhes mais íntimos da educação
pios corretos. Então, quando os filhos fo ­ de filhos no lar. Poder-se-ia descrever a
rem suficientemente idosos e tiverem esta­ situação desta maneira: O pai é o cabeça,
bilidade, sendo responsáveis para fazer jul- mas a mãe é o coração do lar.

Maio de 1973 29
Coisas BRINCADEIRA DE COLORIR

Zezé joga, Pedro agarra, e Chico fá-la


Para Fazer saltar. Para saber o que é, pinte com
lápis de cor vermelha os espaços
que contêm pontos.

Acho melhor não ir.


Parece que vai chover.
Por que a Igreja...?
(Continuação da pág. 22)

" . . . escutai, ó povo de terras lon­ (outras) d e s o la ç õ e s ... a terra in­ A restauração cumpre a profecia
gínquas, e vós que habitais as ilhas teira estará em c o m o ç ã o ...” (D&C de Daniel de que, nos dias dos rei­
do mar, escutai juntamente. 45:26,33) Essas são as palavras do nos desunidos, “ . . . o Deus do céu
Pois, na verdade, a voz do Senhor próprio Senhor. (levantaria) um reino que não (se­
se dirige a todos os homens, e nin­ O Senhor anteviu a vinda dessas ria) jamais d e s tr u íd o ...” (Dan. 2:
guém há de escapar, e não há olho calamidades, advertiu-nos a respeito 44)
que não verá, nem ouvido que não delas, restaurou seu Evangelho, e Cumpre a predição de Miquéias de
ouvirá, nem coração que não será restabeleceu a sua igreja como um que “ ... nos últim os di as . . . o
penetrado. meio a'e escape dessas coisas. monte da casa do Senhor será esta­
E outra vez, em verdade vos digo, Cerca de ano e meio após a orga­ belecido no cume dos montes, e se
ó habitantes da terra: Eu, o Senhor, nização da Igreja, ele assim explanou elevará sobre os outeiros, e con­
estou disposto a tornar conhecidas a causa de nosso presente transe: correrão a ele os povos.” (M iq. 4:1)
estas coisas a toda a carne; “ ... pois se desviaram (re fe rin ­ É o cumprim ento da visão em que
Pois não faço acepção de pessoas do-se aos habitantes da terra) dos João presenciou “ um anjo voar pelo
e desejo que todos os homens sai­ meus estatutos, e quebraram o meu meio do céu, e tinha o Evangelho
bam que o dia rápidamente se apro­ eterno convênio; eterno para o proclamar aos que ha­
xima; ainda não é chegada a hora, Não buscam ao Senhor para esta­ bitam sobre a terra, e a toda a na­
mas está perto (isso foi em 1831), belecer a sua justiça, mas cada um ção, e tribo, e língua, e povo.
quando a paz será tirada da terra e o segue o seu próprio caminho, se­ Dizendo com grande voz: Temei a
diabo terá poder sobre o seu pró­ gundo a imagem do seu próprio Deus, e dai-lhe glória; porque vinda
prio domínio. Deus, a qual é à semelhança do é a hora do seu j u í z o . . . " (Apo 14:
E o Senhor também terá poder so­ mundo, e cuja substância é a de um 6-7)
bre os seus santos, e reinará no seu ídolo, que envelhece e perecerá em Sim, na verdade é a "restituição
meio, e descerá para ju lg a r ... o Babilônia, mesmo a grande Babilô­ de todas as coisas” que Pedro disse
mundo.” (D&C 1:1-2, 34-36) nia que cairá. que viria em preparação para o se­
Hoje, mais de 140 anos desde que Portanto, eu, o Senhor, conhecen­ gundo advento do Senhor. (Ver Atos
as palavras oitadas foram p ro feri­ do a calamidade que haveria de vir 3:21)
das, a paz foi retirada da terra. O sobre os habitantes da terra, chamei E agora, como testemunha espe­
diabo agora tem poder sobre seu do­ meu servo Joseph Smith, falei-lhe cial de Jesus C risto, acrescento meu
mínio, e o Senhor tem poder sobre dos céus e dei-lhe mandamentos; próprio testemunho de que essas
os seus santos. O dia se aproxima E também a outros dei mandamen­ coisas são verdadeiras. E mais de­
em que ele “ descerá para ju lg a r ... tos, para que proclamassem estas claro a todos os que me ouvis ou
o mundo" e reinará no meio do seu coisas ao m u n d o . . . " (D&C 1:15-18) que havereis de ler o que estou di­
povo. Os mandamentos que devem ser zendo que, se vos informardes dos
Entre agora e aquele tempo, con­ proclamados ao mundo são os prin­ fatos históricos e das verdades re­
tudo, se os homens e as nações con­ cípios e ordenanças do Evangelho de veladas da restauração, e humilde e
tinuarem em seu presente curso, Jesus C risto. Ao restabelecer seu sinceram ente, clamardes ao Pai em
grandes tribulações virão sobre nós. Evangelho e sua igreja na terra, o nome de Jesus C risto, ele vos dará
Haverá mais “ guerras e rumores de Senhor preparou os meios para semelhante certeza pelo poder do
guerras, . . . haverá também terrem o­ nossa salvação, tanto temporal quan­ Espírito Santo. Em nome de Jesus
tos em diversos lugares e muitas to espiritual. C risto, Senhor nosso. Amém.

Maio de 1973 31
ALEGRIA
Este artigo foi extraído de uma palestra
inédita do élder Reed Smoot, membro do Con­
selho dos Doze, desde 1900 até à data de seu
falecimento, em 1941. A palestra foi proferida
em Provo, Utah, a 25 de maio de 1904.

as oscilações da vida real, a alegria e a mas deixai que tenham que percorrer o cami­

N dor nunca se encontram muito distantes


uma da outra. Na mesma rua, as persia­
nas de uma casa estão fechadas, enquanto as
nho inteiro para suas penas. Talvez desistam
de sua visita, mesmo à vista de vossa casa.
Se o infortúnio chegar, sede pacientes: ele logo
cortinas da seguinte se agitam com o perpas­ se afastará, porque não pode suportar compa­
sar dos bailarinos. Um cortejo matrimonial nhia jovial.
retorna da igreja, e o acompanhamento de um Lamentar sem medida é insensatez; não
enterro sai da casa adjacente. Satisfação e lamentar de forma alguma, é insensibilidade.
suspiros iluminam e obscurecem o espelho da Deus ordena à árvore frutífera: “ Floresça e fru-
vida diária. Lágrimas e riso são irmãos gêmeos. tifiq u e ” , e ao coração humano: “ Frutifique e flo ­
Como duas crianças que dormem na mesma resça” . A grande florada da alma é a flo r do
cama, quando uma desperta e se agita, a outra sofrim ento. Assim como o sol converte as nu­
acorda também. vens em gloriosos cortinados, inflamando-as
Não vos desanimeis com as provocações com magníficos matizes, barrando todo o hori­
da vida; elas são enviadas para nosso bem. zonte com suas roupagens gloriosas e escre­
Deus conhece as cordas da alma humana que vendo vitória em toda o seu trajeto, da mesma
deve tocar, a fim de produzir suas mais doces forma algumas vezes um coração radiante lança
e perfeitas harmonias. Podem ser os acordes suas esperanças por cima de suas penas, e toda
da tristeza e sofrimento, tanto quanto as mais a sombra se desvanecem, e os problemas que
sublimes notas da alegria e satisfação. se acumulavam para apavorar, parecem juntar-
Não imagineis que a alegria ininterrupta se ao redor como triunfante procissão, acom­
seja boa. A luz do sol brilha sobre o cume da panhando os passos de um vencedor.
montanha durante todo o dia, e demora-se por Estimulemos as alegrias do lar, porque sua
lá por algum tempo e mais longamente ao cair satisfação perene sugere sua eternidade. A
da tarde. Entretanto, o vale é verde e fé rtil, criança que, juntamente com seus coleguinhas
enquanto o pico é estéril e infrutífero. Vida sai de casa caminhando pelos montes e cam­
feita só do brilho do sol, sem sombras, só de pinas, quando se cansa de suas brincadeiras e
felicidade, sem sofrimento, toda prazeres sem jogos, retorna ao cair da noite para repousar a
dor, não seria vida de forma alguma; pelo me­ cabeça fatigada no regaço materno. Assim
nos não seria vida humana. Examinemos a exis­ também, quando nós estivermos cansados de
tência do mais feliz, e veremos que é como um nossos pequenos deveres e alegrias da terra,
novelo de linha, feito de alegrias e tristezas, saibamos encontrar nosso caminho de volta a
sendo que as alegrias são tanto mais doces casa, através das campinas da vida e sobre o
por causa dos sofrimentos. monte, até a soleira de nosso lar eterno, para
Nunca vos adianteis para as dificuldades, uma mansão preparada para os fiéis.

32 A LIAHONí
Eu Sei
Que Meu
Redentor Vive
Bruce R. McConkie
Do Conselho dos Doze

stá além de qualquer medida dons do Espírito — aquelas maravi­ dos Santos dos ú ltim o s Dias é o

E de expressão, acima de toda


a minha capacidade descritiva,
lhas, glórias e m ilagres que um Deus
gracioso e benevolente tem sempre
derramado sobre seus santos fié is.
o meu agredecimento pelas bênçãos
que o Senhor, com tanta abundância, O prim eiro desses dons, relacionado
reino de Deus na terra, e como está
atualmente constituída com o presi­
dente Harold B. Lee à testa, conta
com a aprovação do Senhor, está en­
verteu sobre mim, sobre minha fa­ em nossa revelação moderna como quadrada dentro de seus deveres, e
m ília, e sobre os santos fié is em fazendo parte dos dons espirituais, é prepara um povo para a segunda vin­
todo o mundo. Procuro agora, since­ o do testemunho, o d om 'd a revela­ da do Filho do Homem.
ra e devotadamente, ser orientado ção, o dom de conhecer a veracidade Sei mais ainda que o Senhor der­
pelo poder do Espírito Santo ao pres­ e divindade da obra. É descrito em rama sobre seu povo da atualidade
tar o meu testemunho da veracidade outra parte como o testemunho de os mesmos dons gloriosos e mara­
e do caráter divino desta gloriosa Jesus, que é o espírito de profecia. vilhosos desfrutados pelos santos
obra em que estamos todos empe­ Esse é o meu dom. Eu sei que esta prim itivos. A nós, neste dia, ele con­
nhados. Rogo também que o espírito obra é verdadeira. cede o espírito de profecia e de re­
de luz, verdade e edificação até ago­ Tenho um perfeito conhecimento velação, da mesma forma como a
ra presente entre nós, possa conti­ de que Jesus C risto é o Filho do eles no passado. “ Eu fa la re i” das
nuar a repousar em vossos corações, Deus vivo, e de que foi crucificado glórias e maravilhas do Evangelho
de sorte que vós, sendo edificados, pelos pecados do mundo. Eu sei que eterno, diz ele: “ Eu falarei à tua
possais saber, por vós mesmos, que Joseph Smith é um profeta de Deus, mente e ao teu coração, pelo Espírito
estas coisas a respeito das quais através de cuja instrum entalidade a Santo, que virá sobre ti e habitará
te stificarei, são verdadeiras. plenitude do Evangelho eterno foi no­ em teu coração. Agora, eis que este
Como membros da igreja e reino vamente restaurada em nossos dias. é o e spírito de revelação." (D&C
de Deus na terra, desfrutam os os E sei que esta Igreja de Jesus C risto 8:2-3)

Maio de 1973 33
Eu sei
Sei que existe revelação na Igreja, Deus chamou para presidir sobre seu A credito que falo em nome de
porque eu a tenho recebido. Sei que reino: a Primeira Presidência da cada um de vós. Sei que o faço em
Deus fala nestes dias, porque ele Igreja — o presidente Harold B. Lee, meu próprio nome e no de minha fa­
me falou a mim. Regozijo-me no p rivi­ um vidente, homem cheio do espírito m ília, quando digo que nesta assem­
légio e oportunidade de servir como de revelação e de sabedoria, que vive bléia solene — como a efusão do
testemunha do seu nome, de ensi­ na intimidade do Senhor a quem per­ Espírito do Senhor que se fez pre­
nar as verdades de salvação que ele tencemos; o presidente N. Eldon sente enquanto apoiávamos as auto­
revelou, e de te s tific a r que essas dou­ Tanner, corporificação da integridade ridades da Igreja e ouvíamos o pre­
trinas são verdadeiras. e das virtudes cristãs básicas, que sidente Lee falar pelo poder do Es­
Esta forma de ensinar a sã doutri­ ama ao Senhor e guarda seus man­ p írito — penso que todos nós dese­
na e de te s tific a r da verdade é o damentos; o presidente Marion G. jamos re-dedicar nossas vidas aos
sistema do Senhor. A religião vem Romney, um gigante espiritual, um princípios de verdade e retidão pelos
de Deus. Não há outra fonte. Aquilo pregador da retidão, que conhece o quais estes nobres líderes, os presi­
que é verdadeiro, aquilo que traz ale­ Senhor e ensina a sua doutrina. O dentes da Igreja nomeados pelo pre­
gria e paz aos corações dos homens presidente Romney e eu pertence­ sidente Lee, têm vivido, labutado e
neste mundo e os prepara para a gló­ mos à mesma fam ília. Depois que eu morrido.
ria no mundo vindouro — tudo isto soube a respeito de meu chamado, Seja este, pois, o nosso convênio
se origina no Senhor. O homem não ele comentou comigo: "A cho que o — qualquer que tenha sido o passado
é capaz de criar uma religião salva­ avô Redd (Lemuel Hardison Redd) — seja este o nosso convênio, de
dora, da mesma forma como não é ficará feliz em nos receber.” Eu dis­ que andaremos impecáveis em todas
capaz de ressuscitar-se a si mesmo. se, “ Vou viver para ser digno de ir as ordenanças do Senhor. Seja este
Deus tem-nos dado as verdades aonde ele e stá,” e ele retrucou: "Eu o nosso convênio, de que guardare­
salvadoras nestes dias, na mesma tam bém ” . mos os mandamentos de Deus e se­
base em que as tem revelado em remos testemunhas vivas da veraci­
Com referência a esses irmãos que
cada dispensação. Seu sistema é dade e caráter divino desta gloriosa
possuem as chaves do reino de Deus
agora, e sempre tem sido, revelar a obra, que está destinada a varrer a
nesta hora, a voz do Senhor a seu
apóstolos, profetas, e homens jus­ terra como um dilúvio e que a cobrirá
povo é: “ Estes são os que tenho es­
tos as doutrinas e verdades de salva­ como as águas o mar.
colhido como Primeira Presidência de
ção, e ordenar-lhes que ensinem
minha Igreja. Segui-os.” E também: Ó Deus, perm ite que eu e minha
essas verdades e delas prestem tes­
“ .. .sobre eles depositei a responsa­ fam ília, e todos os membros fié is da
temunho ao mundo. Eles devem pres­
bilidade de todas as ig re ja s ... e casa de Israel, possamos andar em
tar testemunho de que sabem que
quem me recebe, recebe àqueles, a retitude e luz, e tendo desfrutado a
seus ensinamentos procedem do Se­
Primeira Presidência, a quem e nviei.” fraternidade, parentesco e associação
nhor. Seus representantes e servos
{D&C 112:18-20) que não podem ser encontrados em
são sempre testemunhas da verdade.
nenhum lugar da terra fora da Igreja,
Regozijo-me no p rivilégio de erguer- Desejo, com toda a minha alma,
possamos desfrutar aquele mesmo
me como sua testemunha nestes dias. apoiar e sustentar a Presidência da
Estou grato por te r tido o privilégio espírito, aquela mesma fraternidade
Igreja, andar na luz da revelação e
de levantar a mão em ângulo reto, e em sua plenitude eterna, nas man­
verdade que vem de seus lábios
fazer convênio em minha mente e sões e reinos que estão além.
quando apresentam o pensamento e
em minha alma neste dia, quando o desejo do Senhor, tanto a seu povo Tudo isto eu digo com humildade
Espírito do Senhor foi derramado so­ quanto aos honestos pesquisadores e reconhecimento, no espírito de tes­
bre esta grande congregação, no sen­ dos princípios retos dentre todas as temunho e ação de graças, e no sa­
tido de apoiar, manter e buscar con­ nações da terra. Eu sei que a obra é grado nome do Senhor Jesus Cristo.
selho destes grandes homens que verdadeira. Amém.

34 A LIAHONA
Ser Um dos Pescadores
que tem sido fácil para mim crer e bedor deste chamado, que aqueles
te stificar. Sou levado a concluir que, que me conhecem haveriam de dizer:
se há um dentre as Autoridades Ge­ “ Certamente James Faust foi chama­
rais que é o mais fraco e o menos do pelo Senhor, porque nenhum outro
qualificado, então eu posso aqui es­ o cham aria.”
tar. Também, em virtude de haver Quero que o presidente Lee saiba
servido missão no Brasil, eu sou o que o apoio, como também àquele a
único que fala português. quem ele representa, com toda a mi­
Com todo meu coração, quero agra­ nha fé, todo o meu coração e todo
decer a Ruth W right Faust por per­ o meu ser. Sob suas mãos, fui orde­
m itir-m e com partilhar sua vida e dar- nado bispo, e por ele fui chamado
me a esperança de que poderemos como presidente de estaca, e ele tem
estar na eternidade juntos. Ela é mais sido para mim, em toda a minha vida
que uma esposa querida, porque se de adulto, um grande e amado mes­
tornou parte de meu próprio ser. Com tre e exemplo de tudo o que é nobre
todo meu coração, quero que meus e bom. O presidente Tanner tem sido
James E. Faust filhos saibam que não posso alcançar como um pai para mim, sempre dis­
Assistente dos Doze sucesso neste chamado, a menos que ponível, sempre prestativo, bondoso,
também o alcance como pai, e que e cheio de atenção, e sabe quanto
eus queridos irmãos e ami­ sempre serão preem inentes em mi­ amor e respeito sinto por ele.

M gos: Tem sido uma sublime


e tocante experiência partici­
par do apoio ao presidente Lee
conselheiros como a nova Primeira
nha vida.

e que
Pouca gente teve um pai melhor
seuso meu, e espero que possa sem­
pre honrar o seu bom nome. Minha
O presidente Romney, como todos
sabem, possui especiais qualidades
de inspiração e sabedoria, e tem sido
um amigo especial e um confidente,
Presidência da Igreja, e eu humilde­ mãe viúva está entre vós no audi­ e meu respeito e honra por ele não
mente imploro que o mesmo espírito tório de televisão, e estou certo de conhecem lim ites. Gostaria também
me sustenha nestes breves momen­ que está chorando. Muitas vezes em de mencionar a profunda influência
tos, enquanto falo. minha infância dei com ela de joe­ que o presidente Henry D. Moyle e
Desde a manhã de quinta-feira, lhos, orando por seus cinco filhos, e Hugh B. Brown têm tido em minha
quando o presidente Lee me informou gostaria de dizer-lhe que este filho vida. Estes são, e têm sido, verda­
de meu chamado, na mais comovente continua a necessitar de sua fé e deiramente grandes homens na terra.
e tocante experiência de minha vida, orações. Expresso meu apreço por toda a
têm-me advindo os mais solenes pen­ Compreendo que a vida para mim hoste de pessoas que tem abençoado
samentos que podem chegar à alma e para os meus nunca mais será a minha vida, aqueles de quem aprendi,
humana. Tenho-me perguntado uma mesma. Durante vinte e dois anos, meus companheiros de missão, aque­
centena de vezes: Por que eu? — e até quinta-feira passada de manhã, les com quem servi em bispados, em
pois está além de meu entendimento tenho sido advogado, e desde aí te ­ sumos conselhos, presidências de
que eu devesse ser chamado a jun- nho tentado arrepender-me. Agora estacas, e meus queridos amigos Re­
tar-me a estes grandes irmãos das farei o possível para ser um dos pes­ presentantes Regionais dos Doze.
Autoridades Gerais, a quem tenho em cadores, e ajudar esses irmãos a lan­ Agora, como humilde seguidor do
tão grande estima. çar e recolher as redes da vida eter­ divino Mestre, presto testemunho da
Oro para que Deus tenha m iseri­ na, e gostaria de dizer que, se alguém sua divindade como Salvador do mun­
córdia de mim por causa das minhas jamais se sentiu ofendido por qual­ do, e de sua igreja como está esta­
fraquesas e imperfeições. Até onde quer coisa que eu tenha fe ito em mi­ belecida nestes dias, atualmente en­
alcança minha memória, sempre tive nha vida eclesiástica, profissional ou cabeçada pelo presidente Harold B.
um testemunho pessoal da divindade política, eu hum ildem ente rogo o seu Lee, em nome de Jesus Cristo.
de Jesus C risto e de sua igreja, o perdão. Mencionei a um amigo, sa­ Amém.

Maio de 1B73 35
O Velho Testamento Fala Hoje
W. Cleon Skousen

urante séculos, alguns erudi­ ma coisa para seu povo, e o mesmo M orto, de que havia um “ C ristianis­

D tos têm olhado para o Velho


Testamento como uma escri­
tura arcaica, pré-cristã (e portanto
aconteceu com Noé, Abraão e M oi­
sés. Na realidade, uma escritura mo­
derna revela que os profetas do Ve­
m o" pré-cristão.
Certamente é importante lembrar
quão te rríve is as profecias concer­
in fe rio r). Mas com o descobrimento lho Testamento testificaram de C ris­ nentes à prim eira vinda de C risto
e a tradução dos M anuscritos do Mar to. (Jacó 7:11) deveriam te r parecido aos ouvidos
Morto, um certo número de estudio­ Precisamente isso é que Eusébio dos antigos escribas judeus. Tais
sos modernos tem sido levado a crer disse que havia acontecido. Eusébio, profecias diziam que o grande Mes­
que o C ristianism o, na realidade, que viveu aproximadamente de 260 a sias viria entre os homens e seria
pode ter-se originado durante o pe­ 340 DC, foi o prim eiro grande histo­ morto por seu próprio povo. Tal pos­
ríodo do Velho Testamento. riador eclesiástico cristão, e chama­ sibilidade parece ter-se tornado tão
va ao C ristianism o a mais antiga re­ completamente inadm issível às men­
Os manuscritos fazem referência a
ligião do mundo: tes dos veneráveis escribas, que vi­
conceitos, doutrinas e práticas que
“ . . . nos sa vida e nossa conduta, veram durante o período judaico de
tinham sido consideradas inexisten­
juntamente com nossas doutrinas re­ decadência nacional, que eles come­
tes antes do m inistério de C risto.
ligiosas, não foram inventadas u lti­ çaram a arrancar essas passagens
Na realidade, como a história dos ma­
mamente por nós, mas, desde a pri­ das Escrituras. Entretanto, pelo me­
nuscritos tem demonstrado, surge
meira criação do homem, por assim nos um profeta, Néfi, soube anteci­
para algumas autoridades a idéia de
dizer, tem sido estabelecida pelo en­ padamente que isso iria acontecer.
que Jesus, afinal de contas, não ini­
tendim ento natural de homens anti­ (1 Né. 13:28-29)
ciou o C ristianism o. Ele sim plesm en­
gos divinam ente fa v o re c id o s ... Felizmente, eles deixaram passar
te restaurou a rica cultura religiosa
O que então, nos im pediria de con­ o grande capítulo messiânico de
que Deus havia partilhado com a hu­
fessar que nós, que somos de C ris­ Isaías (capítulo 53). Contudo, quase
manidade desde tempos prim itivos, o
to, praticamos o mesmo modo de todo o restante a respeito da primeira
que coloca uma perspectiva diferen­
vida, e temos a mesma religião da­ vinda de C risto foi posto de lado. Em
te no estudo do Velho Testamento.
queles homens de antigamente, divi­ certos casos, livros inteiros foram
Nada disso, entretanto, veio como namente favorecidos? Donde se torna suprim idos, inclusive os inestimáveis
novidade para os Santos dos Últimos evidente que a religião perfeita, en­ textos messiânicos de Zenos, Zeno-
Dias; eles já sabem que o Evangelho tregue a nós pelos ensinamentos de que e Neum. (1 Né. 19:10)
de Jesus C risto foi ensinado a Adão. C risto, não é nova nem estranha, A restauração do Evangelho, entre­
(Moisés 6:51-68) Sabem que lhe foi mas, se é que se pode falar a ver­ tanto, alterou tudo isso. Segmentos
dito tudo a respeito da obra do Sal­ dade, é a prim eira e verdadeira re li­ inteiros da história e doutrina do Ve­
vador, da doutrina do arrependimen­ gião." (Eusébio, H istory of the lho Testamento emergiram numa vas­
to, da necessidade do batismo por Church 4:4,15) ta efusão de revelações no Livro de
imersão, e sobre o Espírito Santo. A partir do momento em que o Ve­ Mórmon, Doutrina e Convênios, Pé­
Mais ainda, a revelação moderna lho Testamento começou a ser reco­ rola de Grande Valor e a Versão Ins­
mostra que Adão foi ordenado ao nhecido como parte significativa da pirada da Bíblia.
santo Sacerdócio (D&C 84:16-17), re­ história do Evangelho, seu prestígio Estas notáveis Escrituras fornecem
cebeu a investidura “ endow m ent” também começou a subir. Apesar contribuições que, de longe, excedem
(Moisés 5:59) e foi instruído a regis­ disso, os eruditos não podem deixar o valor das de qualquer outra origem.
trar a história inteira do Evangelho de se espanatr de como pôde ficar Elas não somente estabelecem, com
em uma linguagem perfeita (Moisés perdida tanta coisa da história, espe­ dramática certeza, a antigüidade do
6:5-6). cialm ente as profecias e ensinamen­ Evangelho de Jesus C risto, como to r­
Como resultado dessa tremenda tos concernentes à missão e mensa­ nam claro que o Velho Testamento
dispensação de conhecimento divino, gem terrena de Jesus C risto. Não inteiro era, originariam ente, uma his­
Adão foi capaz de ensinar a seus nos espanta que tenha vindo como tória da repetida ascensão e queda
descendentes o completo Evangelho uma surpresa tão grande a aparente do C ristianism o em tempos antigos.
de Jesus C risto. Enoche fez a mes­ revelação dos manuscritos do Mar Revelam também que o Senhor pre­

Malo de 1973 37
tendia que o Velho Testamento fosse Israel, traria à luz o Livro de M ór­ pudesse estar tão amplamente esta­
de grande valor para o homem mo­ mon, uni-lo-ia à Bíblia, fazendo de belecida no saber judaico, embora
derno. O texto inteiro é aplicável aos ambos um só corpo de Escrituras. não houvesse qualquer referência a
problemas de nossos tempos, com ex­ Tinha conhecimento de que o jovem ela nas escrituras israelitas.
ceção de pequenas partes que cuidam profeta iniciaria sua obra em desa- Houvesse o Dr. Klausner vivido um
da lei de mandamentos carnais, que lentadora fraqueza, mas que even­ pouco mais e poderia ter-se encon­
foi cumprida e tornada absoleta pela tualm ente se tornaria um m agnífico trado com alguns eruditos mórmons
missão terrena do Salvador. e poderoso líder, semelhante a M oi­ que estão fazendo pesquisa escritu-
Um dos aspectos mais intrigantes sés. (2 Né. 3:7, 11-21) rística na Terra Santa. Estes pode­
da pesquisa do Velho Testamento, é Tais escritos do antigo patriarca riam ter-lhe explicado esse m istério,
a descoberta do quanto os antigos José impressionaram tanto a Moisés, partilhando com ele as boas novas
servos de Deus sabiam a respeito de nascido mais tarde, que este os in­ de que essa grande expectativa ju­
nossos dias. cluiu no qüinquagésimo capítulo de daica já se cumpriu. O “ messias ben
Nenhum deles registrou mais por­ Gênesis. Tragicamente, algum escri- José” já veio, da mesma forma que
menores concernentes aos últim os ba antigo os tirou fora presunçosa­ Elias.
tempos que Isaías. Os santos dos mente, e tiveram que ser restaurados A vinda de Joseph e de Elias nos
últim os dias bem reconhecem que de novo em nossos dias. (Ver Versão últim os tempos destinava-se a pro­
ele sabia a respeito da América, dos Inspirada da Bíblia, Gên. 50; e 2 Né. clamar o alvorecer de uma impor­
índios americanos e do aparecimento 3:5-24) tante era nova para a tribo de Judá,
do Livro de Mórmon. Ele conheceu A despeito das alterações do Gê­ e é interessante observar que os ju­
Joseph Smith 2.500 anos antes de nesis, entretanto, os judeus ortodo­ deus têm ido avante, cumprindo as
te r nascido. Sabia que palavras se­ xos retiveram uma rica tradição a profecias, mesmo sem saber que os
riam ditas na Primeira Visão no bos­ respeito de um descendente de José dois precursores que estavam espe­
que sagrado de Palmyra, Nova Iorque. nos últim os dias, que viria para pre­ rando já vieram.
Isaías tinha conhecimento do pa­ parar o caminho ao grande Messias. Os profetas do Velho Testamento
pel que M artin Harris deveria de­ Referências a esse José moderno, ao disseram que, nos últim os dias, os
sempenhar nos prim eiros dias da qual os judeus chamam de “ messias judeus começariam a voltar à sua
Igreja. Estava também fam iliarizado ben José” , podem ser encontradas terra ancestral. (Isa. 11:12; 61:4, Jer.
com a participação de um certo ho­ no Talmude, no M idrash, e no Tar- 3:18; 12:14-15; 30:3) Predisseram
mem "d ou to ", que se verificou ser gum judaico. que o solo seria transform ado da
o professor Charles Anthon, um dos Essas tradições dizem que o servo esterilidade absoluta, a uma terra de
mais eminentes estudiosos clássicos de Deus dos últim os dias seria des­ beleza, abundância e fertilidade.
dos meados do século dezenove, na cendente de José, através de Efraim, (Isa. 35:1; 41:19-20; 55:13)
Am érica. Isaías sabia o que o pro­ que sua missão começaria aproxima­ Existe uma profecia no Velho Tes­
fessor Anthon haveria de dizer quan­ damente ao mesmo tempo em que tamento de que um novo templo será
do M artin Harris lhe falasse acerca Elias haveria de retornar (Mal. 4:5-6) edificado em Jerusalém, de acordo
das placas do Livro de Mórmon. (Isa. e que, finalm ente, seria morto. com a planta descrita no livro de
29) Tudo isso é sumarizado com cita­ Ezequiel. (Eze. 20:40-43) Os judeus
Sabe-se agora que José, que fora ção das fontes, em um livro escri­ modernos também terão que tira r de
vendido para o Egito, teve m uitas to pelo falecido Dr. Joseph Klausner, seu meio os filhos de Levi (id e n tifi­
revelações relativas aos tempos mo­ da Universidade Hebraica de Jerusa­ cados como cohens desde os tempos
dernos, semelhantes àquelas de lém. O livro do Dr. Klausner, A Idéia antigos) e fazê-los oferecer o anti­
Isaías. Ele sabia que Joseph Smith Messiânica em Israel (Nova Iorque: go sa crifício como uma “ oferta em
seria descendente seu, que seu no­ The Macm illan Co., 1955), devota o retid ão ” que será aceitável a Deus.
me seria José, e que o nome de seu capítulo nono da parte 3, inteiro ao (Eze. 43:18-27; 44:9-27; Mal. 3:3)
pai também seria José. Não desco­ debate da tradição do “ messias ben As Escrituras advertem que essa
nhecia que o moderno José iria lan­ José". Entretanto, sempre intrigou obra é tão importante, que qualquer
çar a grande e últim a coligação de ao Dr. Klausner que essa tradição judeu ou gentio que lutar contra Sião

38 A LIAHONA
e tentar frustra r os propósitos de Os judeus aí se ajuntarão ao redor
Deus, será destruído. (2 Né. 10:16) de seu Messias no mais devotado
É propósito de Deus te r judeus jus­ culto, mas ficarão intrigados com os
tos, árabes justos, e gentios justos, ferim entos em suas mãos. Gradual­
e todos os demais que derem ouvi­ mente, ir-se-ão apercebendo de que
dos à sua voz, trabalhando juntos esse não é outro senão Jesus de Na­
para a paz e prosperidade universal, zaré, e o povo se entregará a grandes
preparatória para o estabelecimento lamentações, porque seus pais falha­
do milênio. ram em reconhecê-lo, quando veio à
Antes do milênio, porém, uma te r­ terra, e o crucificaram .
rível experiência espera os judeus, Daquele momento em diante, tan­
à qual os profetas chamaram de Ar- to os judeus quanto os cristãos ado­
magedon. Será uma época de gran­ rarão o mesmo Messias. As nações
de sofrim ento, ao qual Isaías chama pagãs dirão aos judeus: “ Iremos con-
de “ fezes do cálice da vacilação". vosco, porque temos ouvido que
(Isa. 51:17) Uma vasta coalizão de Deus está convosco.” (Zac. 8:22-23)
nações gentias tentará vencer os ju ­ O Velho Testamento é um livro
deus. Um capítulo inteiro de Eze- emocionante. Temos exem plificado Um
quiel é devotado ao cerco (Eze. 38), aqui apenas uns poucos de seus
e noutro lugar nos é dito que durará tesouros; há outros assuntos profun­
Instrumento
três anos e meio. dos que se relacionam com os tem ­ Nas Mãos de Deus
Nenhum líder judaico saberá como pos modernos e que têm sido explo­
salvar seu povo desse transe, mas rados recentemente, e que são igual­ Presidente Rex D. Pinegar
o Senhor levantará dois poderosos mente estim ulantes.
embro-me, enquanto vos enca­

L
profetas que usarão os poderes do Um deles é o relato de um tipo
ro hoje, de uma escritura que
Sacerdócio para deter as hostes dos especial de civilização potencialm en­
me foi enviada numa carta, por
gentios. Apesar disso, os gentios te capaz de elim inar o crim e, a es­
um dos m issionários da Missão Norte
teventualmente invadirão a terra e cravidão, prisões, guerras, pobreza, Carolina-Virgínia. Ela expressa os
matarão esses dois profetas. (Apo. injustiça, intemperança, e im oralida­ sentim entos de meu coração, e foi
11:2-7) Metade de Jerusalém será de. As leis e princípios para tal civ i­ tirada de Alma, capítulo 29, versícu­
pilhada. Os corpos dos dois profetas lização foram revelados por Deus e los 9 e 10, onde encontramos:
permanecerão nas ruas durante três realmente demonstrados em certa “ Sei o que o Senhor me ordenou
e nisso me glorifico. Não me glori-
dias e meio, e então serão elevados época durante o período do Velho
fico de mim mesmo, mas me glorifico
aos céus para encontrar o Messias, Testamento. daquilo que o Senhor me ordenou; e
quando se m anifestar em benefício Deus também revelou um modelo a minha glória é que talvez possa ser
de seu povo. para a d iretriz ideal do Sacerdócio, um instrum ento nas mãos do Senhor
As Escrituras dizem que o Salva­ que oferece o modo mais eficiente e para fazer com que alguma alma se
econômico para o governo de gran­ arrependa; e esta é a minha alegria.
dor aparecerá no Monte das O livei­
E eis que, quando vejo m uitos de
ras, e que aquele monte a leste de des populações, sem o sa crifício do
meus irmãos verdadeiramente peni­
Jerusalém será rachado em dois, controle local e da iniciativa par­ tentes, vindo ao Senhor, seu Deus,
abrindo, assim, uma passagem atra­ ticular. minha alma se enche de alegria; lem-
vés da qual os sobreviventes da cida­ D ificilm ente se encontrará qual­ bro-me então, do que o Senhor fez
de poderão fu g ir para a segurança. quer problema de relações sociais da por mim, pois que ouviu a minha
oração; sim, então recordo seu mise­
(Zac. 14:2-5; Apo. 14:1) Ao mesmo atualidade, que não tenha sido trata ­
ricordioso braço que se estendeu até
tempo, os exércitos dos gentios se­ do no Velho Testamento. Por isso é
m im .”
rão destruídos pelo poder de Deus, que o chamamos um livro moderno, Que sempre nos recordemos da­
e somente uma sexta parte será dei­ destinado ao homem moderno. Ele quele braço, é minha oração em nome
xada. (Eze. 39:1-8) nos fala dos dias que correm. de Jesus C risto. Amém.

Maio de 1973 39
Joseph
Fielding
Smith

Um Estudante
do Evangelho
Leon R. Hartshorn

W T Y T unca há de chegar o tempo em Foi chamado para preencher uma vaga no


que o Senhor não possa achar Conselho dos Doze em 1910, com a idade
alguém a que possa dar crédi- de trinta e três anos, e por mais de ses-
to, no qual deposite confiança, senta anos, serviu fielm ente como apóstolo
e que seja qualificado para levantar-se e do Senhor Jesus Cristo. Teve a pesada res-
representá-lo entre o povo. Este é o meu ponsabilidade de ser presidente do Conselho
testemunho, e eu me regozijo em sua ve- dos Doze por dezenove anos, e durante cinco
racidade." foi conselheiro na Primeira Presidência.
O mesmo que disse estas palavras alguns Em adição à sua notável passagem como
anos atrás, tornou-se o homem autorizado a Autoridade Geral, seus serviços e contribui-
representar Deus entre o povo. ções em outros campos são quase inigua-
Jamais alguém havia chegado à presidên- léveis na história da Igreja. Serviu como
cia da igreja preparado por mais anos de Historiador da Igreja por quarenta e nove
dedicado serviço, que o amado profeta Jo- anos, e tem de há muito sido reconhecido
seph Fielding Smith. Levando o mesmo nome em toda a Igreja pelo excepcional conhe-
do pai, presidente Joseph F. Smith, que pre- cimento da sua história e doutrina. Em 1901,
sidira a Igreja de 1901 a 1918, era ele tam- escreveu seu prim eiro livro, Asael Smith,
bém neto de Hyrum Smith, o inabalável e de Topsfield. Em 1970, seu últim o volume,
leal irmão do Profeta Joseph. Buscai Diligentemente, saiu do prelo. Nesse
O grande alcance da experiência desse intervalo de tempo, escreveu um total de
líd e r está simplesmente além da compreen-vinte e cinco obras, muitas das quais fami- Joseph Fielding Smith como
são da maioria de nós. liares aos estudantes do Evangelho. Entre apóstolo.

40 A LIAHONA
Ele participou em inúmeras cerimônias de
formatura.

Pai e filho, dois profetas de Deus.

essas, acham-se Essentials in Church His- emprego no Escritório do Historiador da voção e amor realmente maravilhosos. Ela
tory, 1922; 0 Caminho da Perfeição, 1931; Igreja, ao qual acabou devotando grande viveu para vê-lo tornar-se presidente da
O Progresso do Homem; 1936; Ensinamen­ parte de sua vida. Responsabilidades adicio­ Igreja, e viajou largamente com ele em suas
tos do Profeta Joseph Smith, 1938; O Homem: nais lhe advieram em 1907, quando foi de­ muitas designações na Igreja, partilhando
sua Origem e Destino, 1954; três volumes signado secretário da Sociedade Genealógica. não somente seu programa rigoroso como
intitulados Doutrinas de Salvação, 1954-56; Dois anos antes de tornar-se membro do também a amorosa recepção dos santos de
e cinco volumes denominados Respostas a Conselho dos Doze, o presidente Smith per­ muitas terras. Quando veio a sucumbir a um
Perguntas sobre o Evangelho, 1957-66. deu sua prim eira esposa, Louie Emyla. A 2 ataque cardíaco, a 3 de agosto de 1971,
Nascido a 19 de julho de 1876, casou-se de novembro de 1908, casou-se com Ethel milhões de pessoas compartilharam da amar­
pela primeira vez com Louie Emyla Shurtliff, Georgina Reynolds, que veio a falecer a 26 gura e a dor do presidente Smith. Ao ver a
em abril de 1898, aos vinte e dois anos. de agosto de 1937. Duas filhas haviam nas­ compaixão e cuidado demonstrados na época
Com apenas um ano de casado, foi ordenado cido da prim eira esposa em seus quase dez pelo presidente Harold B. Lee, o presidente
setenta por seu pai, a 12 de maio de 1899, anos de vida conjugal. A segunda esposa Smith assegurou a seu conselheiro que o
e partiu no dia seguinte em missão. Sem foi mãe de cinco filhos e quatro filhas, e Senhor lhe daria forças para prosseguir em
dúvida, um tal sacrifício pessoal para o foi sua companheira por vinte e nove anos. suas obrigações. ‘ Eu já passei por isso
presidente Smith na época, não foi mais O presidente Smith desposou então Jessie antes, você sabe,” disse ele.
fácil do que seria para qualquer de nós na Evans, ex-contralto e solista do Coro do Em virtude de sua intransigente defesa
atualidade. Entretanto, ele aceitou seu cha­ Tabernáculo de Lago Salgado, a 12 de abril das leis e princípios de Deus, alguns ju l­
mado, trabalhou na Conferência de Nottin- de 1938. A rtista nata, dotada de uma natu­ garam que ele fosse um tanto austero. En­
gham durante dois anos, e retornou ao lar, reza viva e jovial, esteve ao lado do presi­ tretanto, nada poderia estar mais longe de
em junho de 1901. dente por trinta e três anos, sustentando- seu verdadeiro caráter. Os que privaram
Ao retornar, o presidente Smith aceitou lhe o ânimo e cuidando dele com uma de­ com ele sabem que era profundamente res­

Maio de 1973 41
peitador dos outros, e extraordinariamente Com notável discernimento, parece ter so­ Poucos anos atrás, enquanto estava sen­
generoso com sua simpatia, amor e perdão. mente duas medidas para chegar a deci­ tado sozinho com meu pai em seu escritó­
Uma afirmativa atribuída a mais de um sões finais: Qual o desejo da Primeira Pre­ rio, observei que estava em profunda me­
dentre seus amigos, expressa-se nos se­ sidência? O que é melhor para o reino de ditação, e hesitei em quebrar o silêncio,
guintes termos: “ Se tenho de ser julgado Deus? mas finalm ente ele falou: 'Ú meu filho, gos­
por algum de meus amigos,” diziam, “ que Um dos filhos do presidente oferece esta taria de que você tivesse podido estar co­
seja por Joseph Fielding Smith." aguda observação quanto ao caráter do pai, migo na quinta-feira passada, quando estive
Em 1956, os membros do Conselho dos e a fonte da grande força interior do pre­ reunido com meus Irmãos no templo. Se
Doze publicaram uma homenagem a ele, sidente Smith: você tivesse podido ouvi-los te stifica r de
dizendo entre outras coisas: "Quando crianças, freqüentemente ouvía­ sua devoção para com o Senhor e Salvador
"...G o s ta ría m o s apenas de que a Igreja mos nosso pai dizer: ‘Se o povo do mundo Jesus C risto !’ Então, baixou a cabeça, e as
toda pudesse sentir a brandura de sua alma, pudesse entender ao menos as dores, tri- lágrimas desceram-lhe pela face, caindo-lhe
e sua grande preocupação com o bem-estar bulações, e pecados que o Senhor tomou sobre o peito. Depois de vários segundos,
dos desafortunados e daqueles que sofrem. sobre si mesmo para benefício nosso!' E sem mesmo levantar a cabeça, mas balan­
Ele ama todos os santos e nunca cessa de sempre que fazia referência a isso, vinham- çando-a suavemente, disse: Como eu amo
rogar pelos pecadores. lhe lágrimas aos olhos. a meu Senhor e Salvador, Jesus C risto!”

O presidente Smith sempre


foi um homem de interesses
amplamente diversificados.

42
Joseph Fielding Smith, quando me­
nino (centro), com seus irmãos (d.
para e.) Gorge Carlos e David A.

O presidente Smith, em d i­
versas épocas de sua vida.

Sua devoção ao Senhor nasceu na juven­ "Quando eu era garoto, novo demais para que apanhara. Encantado com o seu tesouro,
tude. O presidente Smith disse: ter o Sacerdócio Aarônico, meu pai colocou e sempre ansioso por dividir, perguntou a
"Fui treinado, no regaço de minha mãe, em minhas mãos um exemplar do Livro de um dos irmãos se já "havia provado uma
a amar o profeta Joseph Smith e a meu Re­ Mórmon, pedindo-me que o lesse. Recebi azeitona acabada de apanhar." Sua vítim a
dentor. Não cheguei a conhecer minha avó esse registro nefita com agradecimento e inocente não havia, de maneira que deu uma
Smith, e sempre o lamentei, porque ela foi apliquei-me à tarefa que me tinha sido de­ dentada decidida numa azeitona, o que logo
uma das mulheres mais nobres que já exis­ signada. Há certas passagens que ficaram se revelou como uma amarga experiência,
tiram , mas conheci sua boa irmã, minha tia estampadas em minha mente, e nunca mais e enquanto as feições do irmão se con­
Mary Thompson. Quando criança, eu costu­ as esqueci.” traíam , o presidente Smith perguntava ino­
mava visitá-la e sentar-me em seus joelhos, Mas paralelamente à sua natureza séria e centemente: “ Que aconteceu? Você pegou
e ela me contava histórias acerca do pro­ estudiosa, havia um lado mais alegre na uma ruim? É melhor experimentar outra."
feta Joseph Smith, e quão grato sou por personalidade do presidente. Ele possuía um Provavelmente, a melhor descrição de uma
aquela experiência." senso de humor sempre pronto e que apa­ pessoa vem daqueles que com ela viveram.
Bem cedo na vida decidiu ele ler as Escri­ recia com freqüência e espontaneidade. Em 1932, sua esposa Ethel disse:
turas. Segundo sua irmã Edith, ele já havia Em certa ocasião, o presidente Smith re­ Pedem-me que fale a respeito do homem
lido o Livro de Mórmon duas vezes ao atin­ tornava de uma conferência na Califórnia, que conheço. Tenho sempre pensado que,
gir os dez anos de idade. com a sacola de lanche cheia de azeitonas quando ele tiver partido, as pessoas dirão:
'M uito bom homem, sincero, ortodoxo etc.’
Estarão falando dele como o público o vê;
mas o homem que eles terão em mente é
muito diferente daquele com quem convivo.
O que eu conheço é um marido e pai bon­
PONTOS RELEVANTES DA VIDA DE JOSEPH FIELDING SMITH doso, cheio de amor, cuja maior ambição
(1876-1972) na vida é fazer feliz sua fam ília, inteira­
Julho 19 idade mente esquecido de si próprio. É o homem
1876 — Nasce na Cidade do Lago Salgado, filho do sexto presidente que acalenta para dorm ir a criança ame­
da Igreja. drontada, que conta histórias aos pequeninos
1896 20 Bênção patriarcal declara: “ Será dever teu assentares-te em na cama, que nunca está cansado demais,
conselho com teus irmãos e presidir sobre o povo.”
1897 21 Ordenado élder.
O élder Joseph Fielding Smith com os filhos,
1898 22 Desposa Louie Emyle S hurtliff, que falece em 1908, deixando
em 1940.
duas filhas.
1899-1902 22-24 Serve missão na Inglaterra.
1901 25 Torna-se secretário no Escritório do Historiador.
1908 32 Casa-se com Ethel Georgina Reynolds, que lhe dá cinco
filhos e quatro filhas, e falece em 1937.
1910 33 Ordenado apóstolo por seu pai.
1921 44 Torna-se Historiador da Igreja.
1934 57 Torna-se presidente da Sociedade Genealógica.
1938 61 Desposa Jessie Evans, que falece em 1971.
1939 63 Viaja pela Europa; está na Alemanha, quando estoura a II
Guerra Mundial; orienta a retirada de todos os missionários
da Europa.
1945 68 Torna-se presidente do templo de Lago Salgado.
1951 74 Torna-se presidente do Conselho dos Doze.
1965 89 Torna-se conselheiro do presidente David O. McKay, na
Primeira Presidência.
1970 93 Apoiado como presidente da Igreja.
1971 95 Celebra 95.° aniversário; preside sobre a prim eira conferência
geral de área da Igreja em Manchester, Inglaterra.
Julho 2
1972 95 Falece.

Maio de 1973 43
ou demasiado ocupado para assentar-se tarde adverte gentilmente quando erram, até que amados. Esse é o homem que eu conheço."
da noite ou para levantar-se bem cedo, a se torne felicidade para eles fazer o que o Estas vinhetas, portanto, dão alguma idéia
fim de ajudar os filhos mais velhos na so­ torna feliz. da sua natureza mas é talvez em seu papel
lução dos desconcertantes problemas esco­ O homem que conheço é extremamente de estudioso que ele será lembrado por
lares. Quando surge a doença, o homem que gentil, e se acha que foi injusto para com mais tempo. Numa conferência geral, disse:
conheço cuida amorosamente do doente e o alguém, a distância nunca é demasiada para "Por toda minha vida, tenho estudado e
atende. É pelo pai que chamam, sentindo que ele vá, com palavras amorosas ou atos ponderado os princípios do Evangelho, bus­
que sua presença é uma panacéia para todos amáveis, apagar o mal. Ele acolhe alegre­ cando viver as leis do Senhor. Em resultado,
os males. São suas mãos que fazem cura­ mente os jovens em seu lar, e nunca está adveio a meu coração um grande amor a ele
tivo nos ferim entos, seus braços que dão mais feliz do que quando discute com eles e à sua obra, bem como a todos os que
coragem para suportar, sua voz que os assuntos do dia — esportes ou o quer que buscam levar avante seus propósitos na
seja que mais lhes interessa. Aprecia uma te rra ” .
boa história, e está sempre pronto para dis­ Todos nós precisamos tornar-nos mais es­
tinguir o humor de uma situação, para rir tudiosos do Evangelho, lendo as Escrituras,
e para que riam dele, sempre disposto a lendo bons livros a respeito da igreja. O
participar em qualquer atividade sadia. presidente Smith estabeleceu um exemplo
O homem que conheço é altruísta, pa­ para nós, e disse-nos o que acontecerá se
ciente, amável, ponderado, simpático, fa­ estudarmos e ponderarmos: “ Em resultado,
zendo tudo a seu alcance a fim de tornar adveio a meu coração um grande amor a
a vida uma suprema alegria para os seus ele e à sua o b ra .. . "

O presidente Smith com o filho Lewis, O presidente Smith com seus dois conselheiros, presidente Tanner
morto durante a II Guerra Mundial. e Presidente Lee.

44 A LIAHONA

I
Servir ao Mestre
O. Leslie Stone
Assistente dos Doze

eus queridos irmãos, não sei por Depois de progredir, fui ordenado élder e

TRÊS M que haveria de estar tremendo


como agora, já que sei que estou
entre amigos, e que ninguém me
tem mais amor que estes irmãos que es­
tão sentados diante de vós, e que eu tam­
recebi uma recomendação para o templo.
Fomos selados para o tempo e a eternidade
no templo do Lago Salgado, a 23 de abril
de 1924. Sou muito grato por minha com­
panheira eterna e por minha fam ília, Inclu­
PROMESSAS bém os amo. Praticamente todos eles já
visitaram nossa casa, permaneceram conosco
sive catorze netos. Ontem foi aniversário
de minha esposa, no dia em que fui apoiado
e deixaram suas bênçãos. como uma das Autoridades Gerais.
Quando o presidente Lee me chamou para Gostaria de te stifica r que a maior fe lic i­
L. Tom Perry presidente de estaca, cerca de dezesseis dade de nossa vida, tem sido viver o Evan­
anos atrás, lembro-me de que, a caminho de gelho, servindo ao Mestre e para ilustrar,
Assistente dos Doze
casa, ele disse: "Presidente Stone, gostaria tenho que contar-vos apenas uma curta his­
de que se preparasse agora para o dia de tória.
sua desobrigação.” E eu lhe assegurei que Poucos anos atrás, cerca de uns vinte e
estava pronto, a qualquer momento que os cinco, eu estava iniciando um novo negócio,
ostaria apenas de fazer três Irmãos desejassem desobrigar-me. Mas vós e tendo dificuldade em mantê-lo com saldos

G promessas: A prim eira de to ­


das à minha esposa querida,
a quem amo, apoio e mantenho, Se
ela continuar a apoiar-me da maneira
sabeis que desta vez, quando ele me chamou
outro dia, não disse uma palavra a respeito
disso. Mais tarde comentou que a designa­
ção era para toda a vida.
Sinto-me humilde e agradecido, e assegu­
positivos, e como não gosto de operar com
saldos em vermelho, dirigi-me a meu Pai
Celestial, de joelhos dobrados, e fiz um
convênio de que, se me abençoasse com
inspiração e diretrizes para fazer aquele ne­
como vem fazendo nos últim os vinte ro-vos e aos Irmãos do meu desejo de servir, gócio prosperar, eu o serviria e seria liberal
de devotar meu tempo, energia e meios para com meu tempo e meios, para a edificação
e cinco anos, eu sei que não poderei a edificação do reino. do reino.
fracassar em nenhuma designação. O Salvador certa vez, sabendo das muitas O Senhor abençoou-nos abundantemente, e
Segunda, a meus três amados f i­ tentações que teríam os que defrontar nesta agora eu prometo ao presidente Lee, ao pre­
vida, disse o seguinte: “ ...b u s c a i prim eiro sidente Tanner e ao presidente Romney, e
lhos, Barbara, Lee e Gay. Procurarei
o reino de Deus, e a sua justiça; e todas a todos estes Irmãos, que envidarei os me­
viver de modo que demonstre ser estas coisas vos serão acrescentadas." (Mat. lhores esforços para cumprir esta nova de­
digno da inspiração do Senhor para 6:33) Temos tentado viver por aquela regra signação. Eu amo ao Senhor e desejo ser­
ser um líder do Sacerdócio no lar. em nossa fam ília. Meus filhos, que foram vi-lo.
ambos presidentes de missões, costumavam No dia em que fui empossado como pre­
E finalm ente, ao presidente Lee,
citar-me isto, quando eu lhes falava do futu­ sidente de estaca, o presidente Lee citou
seus grandes conselheiros, e o Con­ ro de suas vidas. esta Escritura, e como tem ela sempre es­
selho dos Doze: eu os apoio e sus­ Agora, gostaria de que todos se recordas­ tado presente em minha vida, gostaria de
tento. Permitam-me ajudá-los a car­ sem do programa de élderes em perspectiva, citá-la agora, porque é uma de minhas fa­
e vou dizer por quê. Eu era um élder em voritas:
regar a grande carga que levam.
perspectiva, quando conheci minha esposa “ Confia no Senhor de todo o teu coração,
Esta é a Igreja de Jesus C risto, em Blackfoot, Idaho; e depois que eu a havia e não te estribes no teu próprio entendi­
como tem sido estabelecida nos úl­ cortejado por algum tempo, e decidido (e mento.
tim os dias. Sou grato por este tes­ dado conhecimento a ela) de que era a garota Reconhece-o em todos os teus caminhos,
dos meus sonhos, ela me fez saber em ter­ e ele endireitará as tuas veredas." (Pro.
temunho, pela força que me dá, e
mos positivos, que eu tinha que “ progredir” . 3:5-6)
digo isto humildemente, em nome O casamento no templo era o único tipo de Oro para que sempre possa fazê-lo, em
de Jesus C risto .Amém. matrimônio que lhe interessava. nome de Jesus Crito. Amém.

Maio de 1973 45
Na realidade, quem converte as pessoas ao Evange­
Perguntas & Respostas lho é o Espírito Santo. Nós somos meramente os instru­
mentos que Deus usa, para ajudar a promover a imor­
talidade e a vida eterna do homem. Deveríamos viver
de tal forma, que pudéssemos ser inspirados a dizer o
que Deus gostaria de que fosse dito, na hora que lhe
aprouvesse. Qualquer pessoa trazida para a Igreja sem
“ Que posso fazer, o testemunho do Espírito, cai na categoria do homem
que constrói sua casa sobre a areia. Deus tem dado a
todos os membros da Igreja dons espirituais que devem
a fim de preparar uma ser cultivados e que os ajudarão a tornarem-se exem­
plos vivos do Evangelho, perm itindo-lhes falar com o

família muito talentosa e poder do Espírito para convencer os homens. Indivi­


dualmente, deveríamos lembrar-nos de nossos vizinhos
em oração. Deveríamos apegar-nos aos princípios do
próspera para aceitar o Evangelho tão intim am ente quanto possível, de maneira
que possamos ser exemplos, e inspirados a dizer as
coisas certas.
Evangelho?” “ E onde vos receberem, aí estarei também, pois irei
diante de vossa face. Eu estarei à vossa mão direita
e à vossa esquerda, e o meu Espírito estará em vossos
corações, e os meus anjos ao vosso redor, para vos
su ste r.” (D&C 84:88; também D&C 49:27) Deus já tem
ido adiante, e está preparando oportunidades para que
Todo indivíduo tem necessidades básicas e desejos
exerçamos os dons do espírito. "E em nada ofende o
a satisfazer, para conservar um e quilíbrio feliz na vida.
homem a Deus, ou contra ninguém está acesa a sua
Rico ou pobre, cada qual tem problemas não resolvidos,
ira, a não ser contra os que não confessam a sua mão
pressões, e uma afinidade para com Deus. Esses seto­
em todas as coisas, e não obedecem aos seus manda­
res precisam ser satisfeitos, da mesma forma que nossas
m entos.” (D&C 59:21) Deus importa-se com os seus
necessidades tem porais de comida e roupa. Embora
vizinhos e amigos, e está ansioso por testemunhar a
uma pessoa nos pareça feliz, próspera e talentosa, ainda
eles da divindade do Evangelho restaurado. Deus tam­
não está completa sem o Evangelho. Os vazios em sua
bém conhece os mais íntim os pensamentos e desejos de
vida precisam ser preenchidos, se desejam ser feliz.
cada indivíduo, e quando vocês tiverem-se preparado e
Como a maioria das pessoas conserva naturalmente
desenvolvido a amizade, a ocasião chegará, para que
seus pensamentos mais íntim os para si mesma, não
falem a seus amigos e vizinhos. Se vocês estiverem
podemos facilm ente conhecer suas necessidades e de­
inspirados, tocarão as sagradas, ansiosas e insatisfeitas
sejos. Essas necessidades, entretanto, chegam mais
necessidades da alma, que só o Evangelho, por interm é­
perto da superfície, quando o indivíduo passa por uma
dio do Espírito, pode satisfazer.
experiência nova.
Após o casamento, o nascimento de um filho, mu­ M uitos dos m issionários em perspectiva fracassam
dança para uma nova comunidade, doença, ou perda de diante de tal oportunidade, em virtude da lógica ou do
um ente querido, as pessoas parecem mais desejosas raciocínio. Temem dizer algo que ofenda ou destrua a
de aprender a respeito de nosso Pai Celestial. amizade. O Senhor nos tem precavido a esse respeito:
Disse Deus: "No dia de sua paz eles trataram com “ Mas com alguns não estou satisfeito, pois não abrem
leviandade os meus conselhos: mas, no dia de suas a sua boca, mas, por causa do tem or dos homens, escon­
tribulações, me procuraram por necessidade.” (D&C dem o talento que lhes dei. Ai dos tais, pois contra
101:8 ) eles está acesa a minha ira .” (D&C 6Q:2) Raramente
Prepare-se, estudando as Escrituras e orando, pois, inspiraremos alguém com a conversação diária despreo­
quando o momento estiver maduro para falar a respeito cupada. Precisamos de aprender a falar quando inspi­
do Evangelho, você poderá oferecer as respostas certas. rados, e a dizer aquelas coisas que estão gravadas em
Você pode começar por ser um genuíno amigo e vizi­ nossa mente pelo Espírito Santo. Mesmo quando pos­
nho. Molhe o gramado do seu vizinho ou alim ente seus sam parecer duras ou impróprias em certos momentos,
animais de estimação, quando ele sair de férias. Quando essas são as coisas que tocarão os puros de coração.
fizer bolo, leve um pedaço ao vizinho. “ Portanto, não Há muitos panfletos e livros que os ajudarão a atin­
vos canseis de fazer o bem, pois estais construindo o g ir seus amigos. Seria bom te r alguns à disposição
alicerce de um grande trabalho. E de pequenas coisas em suas casas, para que os pudessem dar, quando a
provêm as grandes.” (D&C 64:33) A principal coisa a oportunidade surgisse. Se estiverm os adequadamente
lembrar é que, tudo o que se fizer, que o seja, com preparados, cada um de nós poderá te r diversas e ricas
humildade e sinceramente. Vicente de Paulo disse: “ Pre­ experiências espirituais, ao testemunhar a transform a­
cisamos amar tremendamente os pobres, ou eles nos ção e alegria que se manifestam nos corações daqueles
odiarão por lhes darmos pão.” que conhecem e aceitam o Evangelho.

46 A LIAHONA

I
Um zeloso élder da Missão Alemanha Sul estava ansioso

HUMOR por d ifundir a mensagem do Evangelho, de maneira que,


ao enviar um film e para revelação, escreveu a pergunta
de ouro do lado de fora: “ Que sabe a respeito dos Mór-
mons?” Quando voltaram as fotografias já reveladas,

MÓRMON havia um bilhete que dizia: “ Quanto à sua pergunta


referente à Igreja Mórmon, sugerimos que escreva para
a sua sede na Cidade do Lago Salgado, em Utah." —
Debra Gunther, Provo, Utah.
Durante um programa excepcional­
mente longo, minha filha de dois
anos de idade, tornou-se desassosse-
gada. Disse-lhe que, se não se aco­
modasse, seria levada para fora e
apanharia. Dez minutos mais tarde,
ela cochilou ao meu ouvido: “ Mamãe,
leve-me para fora para me bater." —
Bonnie Schwab, Cidade do Lago Sal­
gado, Utah.
Irlandês: “ Não acredite em tudo o
que lê na imprensa a respeito dos
distúrbios em Belfast. Eu tenho um
emprego normal lá e uma vida emo­
cionante."
Uma professora da Escola Domi­
nical deu à sua classe uma aula a
respeito do pecado, da oração e do Inglês: “ Que é que você faz?"
pedido de perdão. Ao term inar, per­ Irlandês: “ Eu sou metralhador de
guntou a uma garotinha: “ Que é que cauda de uma perua de entrega de
devemos fazer, antes de pedir ao Se­ pão.”
nhor que nos perdoe ” ao que a c ri­
ança respondeu confiantem ente: “ Pe­
ca r”
Numa reunião sacramental, espe­ A pequena Cindy ficou muito aba­
cialm ente longa, uma criança de lada, quando o nosso gato Francis
quatro anos de idade levantou-se e, pegou um passarinho e o comeu. “ Tia
em voz suficientem ente alta para ser Ruth” , perguntou ela finalmente,
ouvida por todos na capela, inclusive “ quando o gato come um passarinho,
o incansável terceiro orador, disse: o passarinho vai diretam ente para o
“ Mãe, ainda é dom ingo?” — M rs. G. céu, ou tem que esperar, até que o
S. Brewer, Ogden, Utah. gato m orra?" — Ruth W. Andrews,
Valley Center, Califórnia.

Escritor: “ Até que enfim , escrevi Dever: Algo para o que olhamos com
algo que será aceito por qualquer desagrado, fazemos com relutância,
revista." e nos gabamos eternamente de haver
Am igo: “ Que poderia ser?” feito. — Joe Smyly, Northridge, Ca­
Escritor: “ Um cheque para uma lifórnia.
assinatura anual."
Numa noite de talentos em uma
reunião fam iliar, certo pai foi levado
ao lim ite da irritação por seu filho Um professor da Escola Dominical anunciou que, no do­
de oito anos, que arranhava o v io li­ mingo seguinte, daria uma aula especial, e que durante
no. O cachorro da fam ília uivava an- a semana todos na classe deveriam ler o décimo sétimo
gustiosamente durante todo o tem ­ capítulo de Marcos. No domingo seguinte, pediu que
po. Depois de alguns m inutos dessa levantassem a mão os alunos que tivessem lido a desig­
tortura, o pai atormentado pergun­ nação. Quase todos levantaram as mãos. “ Exatamente
tou: “ Filho, será que você não pode­ como eu imaginava,” disse o professor. “ A aula de hoje
ria tocar algo que o cachorro não será a respeito da honestidade e não sobre Marcos.
conheça?” Existem somente dezesseis capítulos nesse Evangelho.”

Maio de 1973 47

r
PERNAMBUCO:
Festival de Oratória
om a participação numerosa de jo­ versas classes da AMM e Cavalheiros
C vens dos ramos de Recife, Boa Via­ e Ceifeiras. Os jurados tiveram gran­
gem, João Pessoa e Campina Grande,de dificuldade para apontar os melho­
realizou-se o Festival de Oratória do res, já que as apresentações foram
Distrito de Pernambuco. todas de boa qualidade. Aos vencedo­
res foram entregues taças e medalhas,
O programa constou de discursos marcando a participação individual
proferidos por representantes de di­ dos concorrentes.

A boa qualidade dos discursos dificultou a decisão dos jurados. Uma jovem da classe das Meninas-Moças faz sua apresentaçao.

Estaca em Pôrto Alegre


inalmente chegou aos santos do Rio Grande do A liderança da estaca ficou assim constituída: Pre­

F Sul a ocasião tanto esperada por todos naquela


região: foi organizada a Estaca de Pôrto Alegre.
Sob a presidência do Élder Mark E. Petersen, do
sidente: M iguel Sorrentino Netto; 1.° conselheiro: Wil-
mar G. Pacheco de Caldas; 2 ° conselheiro: Arm ênio A.
de O liveira Seabra. Para Patriarca foi chamado o irmão
Conselho dos Doze e a direção do Presidente Orson P. Pedro Bortolotto.
Arnold da Missão Brasil Sul, realizou-se no dia 13.2.73
a reunião na capela do D istrito de Pôrto Alegre, onde O Sumo-Conselho da Estaca de Pôrto Alegre foi
os nomes dos irmãos que foram chamados para liderar constituído pelos seguintes irmãos: Dorival B. Kunz;
a nova estaca foram apresentados para apoio da con­ Sérgio Nascimento; Adão A. Vieira; Ivo da Silva; Aroldo
gregação. de Jesus Pinto; W alquir V. Ermida; Dirceu A. Portes;

48 A LIAHONA
A presidência da Estaca de Pôrto Alegre. Élder Petersen e esposa, acompanhados da esposa do Presidente
Arnold.

José Pereira dos Santos Filho; A risteu Klegues; Joaquim Ramo 6 de Pôrto Alegre, Presidente Otávio Nunes
da Costa e Silva. de Borba.
Compõe a nova estaca as seguintes unidades: O Presidente Miguel Sorrentino Netto, de 38 anos
Ala I, Bispo Rafael Danton Teixeira da Cunha. de idade, nasceu em São Paulo, é casado com Clarice
Ala II, Bispo Nelson Delvaux. D ’Am brosio Sorrentino e o casal tem dois filhos, Miguel
Ala III, Bispo Enno Romildo Leal. de 12 anos e Ana Paula de 8 anos. O Presidente Sor­
Ala IV, Bispo W alter P. Gerdt K ittler. rentino tem ocupado sempre cargos de liderança, sendo
Ala V, Bispo Adão Luiz Sefrin. anteriorm ente presidente do D istrito de Pôrto Alegre.
Ala de Canoas, Bispo Enio Alves Cannavó. Na vida profissional o irmão Sorrentino é Gerente de
Ala São Leopoldo, Bispo A lm ir Severo Dutra. Vendas.

Aspecto da congregação minutos antes da reunião. A capela de Pôrto Alegre.

Abril de 1973 49
V ATIVIDADE NACIONAL
DO SEMINÁRIO

O Presidente Christensen e esposa. A equipe vencedora: E.S.P.

ealizou-se dia 6 de março passa­ servido a todos os presentes, com a


R do, a 1.aAtividade Nacional do Se­ preciosa colaboração da Sociedade de
minário, que contou com a presença Socorro da Ala III da Estaca São Paulo,
alegre e disposta de jovens vindos dos realizou-se a esperada competição
mais diversos pontos do território final, para apontar os melhores no co­
nacional. nhecimento do Livro de Mórmon e nas
Por volta das 10 horas da manhã buscas de escrituras em todo o país.
iniciou-se a recepção das embaixadas À noite, durante o baile de encer­
na Capela de Pinheiros, pouco a pouco ramento foram anunciados os ganha­
os seminaristas se entrosavam e ao dores, que segundo a palavra do Pre­
início da reunião de testemunhos, ha­ sidente Christensen foram identifica­
via cerca de 500 jovens provindos de dos por uma margem de apenas um
São Paulo, Porto Alegre, Curitiba, So­ ponto nas buscas e de dois pontos na
rocaba, Campinas, Santos, Rio de copa, sobre os que se colocaram em
Janeiro, Belo Horizonte, Brasília e 2.° lugar:
Recife. Campeão Nacional de Busca: São
Durante a reunião matinal um jo­ Paulo.
vem de cada embaixada foi escolhido Vice-Campeão Nacional de Busca:
para prestar testemunho em nome de São Paulo Leste e Curitiba.
seus colegas. Também na mesma reu­ Campeão Nacional de Copa: São
nião foram apresentados os nomes dos Paulo.
novos líderes do Seminário no Brasil. Vice-Campeão Nacional de Copa:
A parte da tarde, após o almoço Porto Alegre e Rio de Janeiro.
EDIFICADORES
DO
REINO

Os missionários-construtores não se desanimam com o trabalho e Quem vê o in ício de uma construção não imagina que ali uma bela
a aparente confusão de ferros e materiais de construção. Capela surgirá.

Um dos aspectos que tornam os mórmons, vos servir, não deveis também vós traba­
um povo peculiar é a beleza de suas Capelas. lhar para vos servir uns aos outros?
Nada é mais agradável do que estar em um . . .quando estais a serviço de vosso pró­
lugar tão belo, para ali adorar ao Pai e aprender ximo, estais somente a serviço de vosso
mais sobre seu Evangelho. D e u s . . . ” (Mosiah 2:14-18)
Mas poucos são os que se lembram dos Atualmente 13 missionários construtores
trabalhadores anônimos que deixaram seus estão em atividade no Brasil, trabalhando nas
afazeres, lares e estudos para dedicar 2 anos construções das Capelas de São Leopoldo —
de suas vidas ao trabalho de construção das RS, Apucarana — PR, Cascadura — GB, Novo
Capelas. A edificação do Reino de Deus aqui Hamburgo — RJ, Jardim Botânico — GB, Pe­
na terra depende muito deles e os que se entre­ dreira — SP, Niterói — RJ.
gam a este serviço sabem e sentem o que o Rei Em breve, com as novas Capelas a serem
Benjamim quis dizer: iniciadas serão necessário mais 27 construto­
res, pois já estão aprovadas as construções
“ E eu mesmo trabalhei com minhas pró­ das Capelas de Jundiaí — SP, Belo Horizonte
prias mãos. . . — MG, Vila Maria — SP, Florianópolis — SC,
. . . não é meu desejo vangloriar-m e... e São Borja — RS, Lapa — SP, João Pessoa — PB
se eu, a quem chamais rei, trabalho para e Meier — GB.