Você está na página 1de 2

Q21 ENADE 2016. Observemos primeiro o enunciado da questão.

Trata sobre a história


de um paciente ,menor de idade. Que vem referindo "dor no osso da perna". Apresenta
aumento de volume identificado por uma massa no local da dor. A situação prejudica o
desempenho físico funcional ,do paciente, nas sessões de fisioterapia. Pensando nisso,
qual das três opções reflete a conduta mais adequada para o fisioterapeuta.
I- O profissional deve encaminha o paciente ao médico; solicitando-lhe a realização de
exames de imagem, como ressonância magnética, do membro inferior direito e
cintilografia óssea.
Nos podemos e devemos encaminhar o paciente sempre que necessário [somos
respaldados na Resolução COFFITO nº424/2013 Art.12. Essa resolução é a responsável
por estabelecer o Código de Ética e Deontologia da Fisioterapia.] Entretanto, nos é
vedado indicar qualquer conduta profissional (artigo 23 da mesma resolução). Isso não
significa que não possamos solicitar exames , com o objetivo de realizar um diagnóstico
fisioterapêutico e planejar a conduta com a maior convicção possível (Resolução
Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Superior Art. 5º inciso VI), mas
não podemos requerer a outro que faça a solicitação de exames.
II- O profissional deve realizar a avaliação funcional do paciente e encaminhá-lo à
avaliação médica do membro inferior direito.
Como explicitado anteriormente, o fisioterapeuta pode encaminhar encaminhar
pacientes a outro profissional, quando julgar necessário. Encaminhar o paciente com a
avaliação funcional (e consequentemente seu diagnostico funcional , de acordo com a
CIF) é atividade do fisioterapeuta e encaminhar o paciente , com uma avaliação
funcional, a outro profissional não configura desrespeito ao Código de Ética e
Deontologia da Fisioterapia.

III- O profissional deve comunicar a queixa do adolescente aos pais deste e encaminhá-
lo ao hospital local da sua região.
Como não se trata de uma situação de urgência ou emergência não há necessidade de
encaminhar o paciente diretamente a um hospital.

Q34. Essa questão trata de 3 afirmativas sobre as obrigações e deveres legais do


fisioterapeuta. Vejamos cada uma delas e verifiquemos quais são verdadeiras.
I- Constitui obrigação do fisioterapeuta o preenchimento diário do prontuário de seus
pacientes internados em hospitais ou atendidos na rede pública de saúde, com o relato
dos procedimentos terapêuticos adotados e a evolução do quadro clínico de cada
paciente; nos atendimentos particulares e individuais realizados nos domicílios ou em
consultório privado, tal procedimento é opcional.
De acordo com a resolução do COFFITO nº414/2012(que versa sobre o prontuário
fisioterapêutico), é obrigatório o registro em prontuário das atividades prestadas pelo
fisioterapeuta. Por toda a resolução, não ha aparição de qualquer exceção que
desobrigue o fisioterapeuta de cumprir esta obrigação. Portanto a afirmativa esta
incorreta.

II- Laudos e atestados emitidos por fisioterapeutas, relacionados a alterações físico-


funcionais, bem como o respectivo prognóstico de tratamento, podem ser utilizados pelo
paciente para abono de faltas ao trabalho.
O fisioterapeuta é competente para elaborar laudos e atestados (conforme nos respalda a
Resolução COFFITO nº381/2010). Entretanto esses documentos não podem ser
utilizados pelo paciente para abono de falta, visto que não há lei que respalde essa
utilização. Existem duas eis que versam sobre o assunto: Lei 605 / 1949, e Lei 5.081 /
1966, (uma autoriza medicos e outra odontólogos a emitir atestados para fins de falta
trabalhistas e abonos.) ambas são mais antigas que a regulamentação da fisioterapia que
data de 1969(decreto lei 938).Logo a afirmativa esta incorreta.

III. Ao fisioterapeuta é permitida a divulgação de seus serviços profissionais, desde que


seu nome conste junto da palavra "fisioterapeuta", acompanhada do número de seu
registro junto ao Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional de sua
região, bem como é permitida a divulgação dos títulos de especialidade profissional,
desde que sejam reconhecidos pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia
Ocupacional.
Para verificarmos se essa afirmativa esta correta, leremos o artigo 48º do código de ética
da fisioterapia "Art. 48º - Nos anúncios, placas e impressos, bem como divulgação em
meio eletrônico, devem constar o nome do profissional, da profissão e o número de
inscrição no Conselho Regional, podendo ainda consignar:
I – os títulos de especialidade profissional que possua e que sejam reconhecidas pelo
Conselho Federal de Fisioterapia e de Terapia Ocupacional para os quais o
fisioterapeuta esteja habilitado..." Vemos que a afirmativa é praticamente uma copia do
artigo 48º, e do inciso I, da resolução nº424/2013 do COFFITO. Logo ela esta correta.