Você está na página 1de 2

Visão Geral:

Os sistemas de notação só entraram em uso geral no século XI e careciam da


precisão mais tarde alcançada.
Normalmente os sistemas de notação provinham dos círculos letrados da Igreja,
somente. Quando se fala em música da idade média, o canto orfeônico e
compositores sacros permaneceram. Mas a música fora do círculo religioso não
deixou qualquer prova direta.

A música era criada e transmitida oralmente, mesmo quando o meio era uma
cultura oral refinada. A informação remanescente em fontes literárias e
pictóricas é de especial valor na indicação do uso de instrumentos musicais. O
núcleo relativamente estável da liturgia da Igreja durante aquele período tornou
possível a preservação de fontes de informação ainda hoje disponíveis.

Há evidência de que a música era usada na chamada "igreja apostólica". Nos três
primeiros séculos, o repertório estava razoavelmente unificado.

Sabe o por que do interesse da Igreja em usar a notação musical, quando o povo
em geral não se preocupava tanto com isso? O uso da notação pode ser visto
como o exercício de uma espécie de autoridade, dando à música uma existência
objetiva e uma forma verificável.

O clero conservador, entretanto, se opunha a algumas tendências que acabaram


se tornando a prática aceita. Por exemplo, a polifonia (música para várias vozes
simultâneas) e o emprego de um método afetado e expressivo de interpretação.

O conhecimento de composição musical extra-eclesiástica é seriamente afetado


pela pequena quantidade e parcialidade das fontes. As canções dos trovadores,
que nada tinham de rudimentares ou "populares", parecem ter existod em forma
oral até dois séculos antes do surgimento da forma escrita, no século XIII. As
coletâneas de música artística se tornaram cada vez mais freqüentes a partir
desse período e refletem o estabelecimento do papel do poeta-compositor
cortesão, bem como de um ambiente secular que favoreceu a perpetuação de sua
obra no que eram, por vezes, manuscritos suntuosamente produzidos.

A dependência de tais provas do seu contexto cultural pode ser apreciada


comparando-as com as fornecidas pela Inglaterra. Aí o estabelecimento de
músicos seculares "domésticos" funcionou principalmente no ambito de um
sistema fechado de corporação ou guilda, a qual não fez uso de notação e cuja
obra, por conseguinte, se perdeu.

Além da prática cotidiana de composição musical, seus aspectos teóricos e


especulativos eram parte importante do Quadrivium dos estatutos universitários,
e foram desenvolvidos ao longo do período de acordo com as diretrizes
estabelecidasd por Boécio.

Bibliografia: J. Chailley, Histoire Musicale du Moyen Age (1950); The Middle Ages
- A Concise Enciclopedia

Postado por Wisley Vilela às 15:54


0 comentários:

Postar um comentário
Links para esta postagem

Criar um link

Postagem mais recente Postagem mais antiga Início

Assinar: Postar comentários (Atom)