Você está na página 1de 47

ELETROMAG INDUSTRIA E COMERCIO DE MATERIAL ELETRICO

E SERVICOS DE ENGENHARIA LTDA

Relatório Nº RT 0231/19

Solicitante: WHITE MARTINS GASES INDUSTRIAIS DO NORTE LTDA

Endereço: AVENIDA AUTAZ MIRIM, 1053 - SÃO JOSÉ OPERÁRIO - MANAUS - AM

Finalidade do Relatório: Relatar a análise das instalações do sistema de proteção contra descargas
atmosféricas e medições de resistência da malha de aterramento da empresa WHITE MARTINS.

ART Nº AM20190179001

Execução:

ELETROMAG INDUSTRIA E COMERCIO DE MATERIAL ELETRICO E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LTDA


CNPJ nº 21.675.420/0001-48, Insc. Municipal nº 21992901 Rua Kobe, 560, Galpão 01 Quadra J Lote 01 A11 Lote Jardim Sakura Sala 01 – Bairro:
Parque 10 de Novembro, CEP 69054-645, Manaus/AM Fone: (92) 99132-7441 / 99132-5622 - E-mail: engenharia@eletromag-am.com.br
1. OBJETIVO
Relatar a análise das instalações do sistema de proteção contra descargas atmosféricas e
medições de resistência de continuidade da malha de aterramento da empresa WHITE
MAR- TINS GASES INDUSTRIAIS DO NORTE LTDA, localizada na Avenida Autaz Mirim,
1053 - São José Operário - Manaus - Am

2. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES
Estes trabalhos estão cobertos pela ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) nº
AM20190184643, emitida junto ao CREA-AM (Conselho Regional de Engenharia,
Arquitetura e Agronomia do Estado do Amazonas).

3. NORMAS E REGULAMENTOS UTILIZADOS


As normas relacionadas contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, consti-
tuem prescrições para este relatório.

NBR 5419-2015: Sistema de proteção contra descargas atmosféricas.


NBR 5410: Instalações elétricas de baixa tensão.
NBR 6323: Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a quente.
NBR 13571: Hastes de aterramento em aço cobreado e acessórios.
NBR15749-2009: Medição de resistência de aterramento e de potenciais na superfície
do solo em sistemas de aterramento.
Norma regulamentadora NR-10 do MTE: Segurança em instalações e serviços com ele-
tricidade.
Norma interna da White Martins: A resistência de aterramento máxima dos sistemas de
terra não deve exceder a 5Ω.
4. ANÁLISE DE RISCO

4.1. Risco tolerável

Item 5.3 da 5419/2015 parte 2- Valores representativos de risco tolerável RT, onde as
descargas atmosféricas envolvem perdas de vida humana ou perda de valores sociais
ou culturais, são fornecidos na Tabela 4.

TIPOS DE PERDA RT (y–1)


L1 Perda de vida humana ou ferimentos permanentes 10–5
L2 Perda de serviço ao público 10–3
L3 Perda de patrimônio cultural 10–4
Tabela 04 : Valores típicos de risco tolerável RT

Em princípio, para perda de valor econômico (L4), a rotina a ser seguida é a


comparação custo/ benefício dada no Anexo D. Se os dados para esta análise não estão
disponíveis, o valor representativo de risco tolerável RT = 10–3 pode ser utilizado.

5. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS


Inspeção visual de todos os componentes do SPDA, conexões e fixações para
assegurar que os mesmos estejam firmes e livres de corrosão.
Medição de resistência da malha de aterramento no sistema de proteção contra
descargas atmosféricas, através de equipamento específico, para diagnóstico de
possíveis desvios das recomendações das normas relacionadas.
Sistema de alarme de emergência, testes das botoeiras e detectores de fumaça.

6. DADOS DOS INSTRUMENTOS DE MEDIÇÕES:

As medições foram realizadas utilizando-se os seguintes instrumentos:

Terrômetro de estaca modelo:


O terrômetro de estaca MTD 20KWe mede a resistência
de sistemas de aterramento formados por estacas ou
malhas pequenas por medição da resistência de um laço
de terra aproveitando a presença de aterramentos
vizinhos, sem a necessidade de utilizar estacas auxiliares
próprias e sem desconectar o aterramento sob teste.
Micrôhmimetro, modelo: MPK-253
O Micrôhmimetro digital MPK-253 é um instrumento
portátil, controlado por microprocessador, desti- nado a
medir com alta precisão resistências muito baixas de
contato de disjuntores e chaves, barras condutoras,
bobinas de transformadores e motores, etc., com
correntes de prova desde 1 mA até 10 A.

Certificados de calibração em anexo.


Os valores das medições estão descritos a seguir com ilustração e identificação dos pon-
tos através de layout em anexo:
RESISTENCIAS DE CONTINUIDADE – FÁBRICA DE
OXIGÊNIO
ITE DESCRIÇÃO VALOR MEDIDO RESULTADO
M (mΩ)
1 Ponto 30 ao 32 4,1 CONFORME
2 Ponto 32 ao 31 7,8 CONFORME
3 Ponto 31 ao 26 7,3 CONFORME
4 Ponto 26 ao 33 0,41 CONFORME
5 Ponto 33 ao 29 32,5 CONFORME

RESISTENCIAS DE CONTINUIDADE – PRÉDIO ADM


ITE DESCRIÇÃO VALOR MEDIDO RESULTADO
M (mΩ)
1 Ponto T1 ao T2 6,0 CONFORME
2 Ponto T2 ao T3 4,3 CONFORME
3 Ponto T3 ao T4 6,0 CONFORME
4 Ponto T4 ao T5 5,3 CONFORME
5 Ponto T5 ao T6 5,2 CONFORME
6 Ponto T6 ao T7 17,2 CONFORME
7 Ponto T7 ao T8 49,9 CONFORME
8 Ponto T8 ao T9 115,1 CONFORME
11 Ponto T9 ao 4,0 CONFORME
T10
12 Ponto T10 ao 3,3 CONFORME
T11
1 Ponto T11 ao 5,9 CONFORME
3 T1

RESISTENCIAS DE CONTINUIDADE – PRÉDIO PRODUÇÃO


ITE DESCRIÇÃO VALOR MEDIDO RESULTADO
M (mΩ)
1 Ponto T13 ao 8,7 CONFORME
T14
2 Ponto T14 ao 12,9 CONFORME
T24
3 Ponto T24 ao 16,7 CONFORME
T18
4 Ponto T18 ao 9,8 CONFORME
T19
5 Ponto T19 ao 4,3 CONFORME
T20
6 Ponto T20 ao 3,2 CONFORME
T21
7 Ponto T21 ao 8,4 CONFORME
T22
8 Ponto T22 ao 8,5 CONFORME
T23
11 Ponto T23 ao 9,8 CONFORME
T13
RESISTENCIAS DE ATERRAMENTO – PRÉDIO
T15
ITE DESCRIÇ VALOR MEDIDO RESULTADO
M ÃO (Ω)
1 Ponto 29 0,48 CONFORME
2 Ponto 30 0,77 CONFORME
3 Ponto 31 0,68 CONFORME
4 Ponto 32 0,78 CONFORME
5 Ponto 33 0,41 CONFORME

RESISTENCIAS DE ATERRAMENTO –
ADMINISTRAÇÃO
ITE DESCRIÇ VALOR MEDIDO RESULTAD
M ÃO (Ω) O
1 Ponto T1 0,93 CONFOR
ME
2 Ponto T2 0,70 CONFOR
ME
3 Ponto T3 0,28 CONFOR
ME
4 Ponto T4 0,89 CONFOR
ME
5 Ponto T5 1,74 CONFOR
ME
6 Ponto T6 1,68 CONFOR
ME
7 Ponto T7 1,27 CONFOR
ME
8 Ponto T8 1,24 CONFOR
ME
9 Ponto T9 1,23 CONFOR
ME
10 Ponto 1,44 CONFOR
T10 ME
11 Ponto 1,22 CONFOR
T11 ME

RESISTENCIAS DE ATERRAMENTO – PRODUÇÃO


ITE DESCRIÇ VALOR MEDIDO RESULTAD
M ÃO (Ω) O
1 Ponto 1,63 CONFOR
T13 ME
2 Ponto 0,33 CONFOR
T14 ME
3 Ponto 0,86 CONFOR
T15 ME
4 Ponto 1,19 CONFOR
T16 ME
5 Ponto 0,59 CONFOR
T17 ME
6 Ponto 0,58 CONFOR
T18 ME
7 Ponto 0,68 CONFOR
T19 ME
8 Ponto 0,66 CONFOR
T20 ME
9 Ponto 0,80 CONFOR
T21 ME
10 Ponto 0,65 CONFOR
T22 ME
11 Ponto 0,77 CONFOR
T23 ME
1 Ponto 1,33 CONFOR
2 T24 ME
7. ANEXOS FOTOGRÁFICOS

MEDIÇÕES DA RESISTÊNCIA DE CONTINUIDADE – GALPÃO DE


FÁBRICA
Valo
Descrição Image Resultado
r
m
medi
do

NBR 5410- 7.3.2 Continuidade


dos condutores de proteção,
incluindo as
equipotencializações principal e
suplementares: Um ensaio de
PONT con- tinuidade deve ser
4,1
O 30 realizado. Reco- menda-se que
mΩ ele seja efetuado com fonte de
AO 32
tensão apresentando tensão
em vazio entre 4V e 24V, em
corrente contínua ou alternada
e com uma corrente de ensaio
de no mínimo 0,2 A.

NBR 5410- 7.3.2 Continuidade


dos condutores de proteção,
incluindo as
equipotencializações principal e
suplementares: Um ensaio de
PONT con- tinuidade deve ser
7,8 realizado. Reco- menda-se que
O 32
mΩ ele seja efetuado com fonte de
AO 31 tensão apresentando tensão
em vazio entre 4V e 24V, em
corrente contínua ou alternada
e com uma corrente de ensaio
de no mínimo 0,2 A.

NBR 5410- 7.3.2 Continuidade


dos condutores de proteção,
incluindo as
equipotencializações principal e
suplementares: Um ensaio de
PONT con- tinuidade deve ser
7,3 realizado. Reco- menda-se que
O 31
mΩ ele seja efetuado com fonte de
AO 26 tensão apresentando tensão
em vazio entre 4V e 24V, em
corrente contínua ou alternada
e com uma corrente de ensaio
de no mínimo 0,2 A.

NBR 5410- 7.3.2 Continuidade


dos condutores de proteção,
incluindo as
equipotencializações principal e
suplementares: Um ensaio de
PONT con- tinuidade deve ser
54,2 realizado. Reco- menda-se que
O 26
mΩ ele seja efetuado com fonte de
AO 33 tensão apresentando tensão
em vazio entre 4V e 24V, em
corrente contínua ou alternada
e com uma corrente de ensaio
de no mínimo 0,2 A.
NBR 5410- 7.3.2 Continuidade
dos condutores de proteção,
incluindo as
equipotencializações principal e
suplementares: Um ensaio de
PONT con- tinuidade deve ser
32,5 realizado. Reco- menda-se que
O 33
mΩ ele seja efetuado com fonte de
AO 29 tensão apresentando tensão
em vazio entre 4V e 24V, em
corrente contínua ou alternada
e com uma corrente de ensaio
de no mínimo 0,2 A.
MEDIÇÕES DA RESISTÊNCIA DE CONTINUIDADE – PRÉDIO ADM
Valo
Descrição Image Resultado
r
m
medi
do

NBR 5410- 7.3.2


Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
de continuidade deve ser
PONT
6,0 mΩ realizado. Recomenda-se que
O T1 ele seja efetuado com fonte
AO T2 de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.

NBR 5410- 7.3.2


Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
de continuidade deve ser
PONT realizado. Recomenda-se que
4,3 mΩ
O T2 ele seja efetuado com fonte
AO T3 de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.

NBR 5410- 7.3.2


Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
de continuidade deve ser
PONT realizado. Recomenda-se que
6,0 mΩ
O T3 ele seja efetuado com fonte
AO T4 de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.
NBR 5410- 7.3.2
Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
de continuidade deve ser
PONT
5,3 mΩ realizado. Recomenda-se que
O T4 ele seja efetuado com fonte
AO T5 de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.
NBR 5410- 7.3.2
Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
PONT de continuidade deve ser
5,2 mΩ
O T5 realizado. Recomenda-se que
ele seja efetuado com fonte
AO T6
de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.
NBR 5410- 7.3.2
Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
de continuidade deve ser
PONT realizado. Recomenda-se que
17,2
O T6 ele seja efetuado com fonte
mΩ
AO T7 de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.
NBR 5410- 7.3.2
Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
de continuidade deve ser
PONT
49,9 realizado. Recomenda-se que
O T7 ele seja efetuado com fonte
mΩ
AO T8 de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.

NBR 5410- 7.3.2


Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
PONT de continuidade deve ser
115,1
O T8 realizado. Recomenda-se que
mΩ ele seja efetuado com fonte
AO T9
de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.

NBR 5410- 7.3.2


Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
PONT de continuidade deve ser
4,0 mΩ
O T9 AO realizado. Recomenda-se que
ele seja efetuado com fonte
T10
de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.
NBR 5410- 7.3.2
Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
PONTO de continuidade deve ser
3,3 mΩ
T10 AO realizado. Recomenda-se que
ele seja efetuado com fonte
T11
de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.
NBR 5410- 7.3.2
Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
PONT de continuidade deve ser
5,9 mΩ realizado. Recomenda-se que
O T11
ele seja efetuado com fonte
AO T1 de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.

MEDIÇÕES DA RESISTÊNCIA DE CONTINUIDADE – PRÉDIO PRODUÇÃO


Valo
Descrição Image Resultado
r
m
medi
do

NBR 5410- 7.3.2


Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
de continuidade deve ser
PONTO
8,7 mΩ realizado. Recomenda-se que
T13 AO ele seja efetuado com fonte
T14 de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.

NBR 5410- 7.3.2


Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
de continuidade deve ser
PONTO
12,9 realizado. Recomenda-se que
T14 AO ele seja efetuado com fonte
mΩ
T24 de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.

NBR 5410- 7.3.2


Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
de continuidade deve ser
PONTO realizado. Recomenda-se que
16,7
T24 AO ele seja efetuado com fonte
mΩ
T18 de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.
NBR 5410- 7.3.2
Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
de continuidade deve ser
PONT realizado. Recomenda-se que
9,8 mΩ
O T4 ele seja efetuado com fonte
AO T5 de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.

NBR 5410- 7.3.2


Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
PONT de continuidade deve ser
4,3 mΩ
O T5 realizado. Recomenda-se que
ele seja efetuado com fonte
AO T6
de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.

NBR 5410- 7.3.2


Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
PONT de continuidade deve ser
3,2 mΩ realizado. Recomenda-se que
O T6
ele seja efetuado com fonte
AO T7 de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.

NBR 5410- 7.3.2


Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
de continuidade deve ser
PONT realizado. Recomenda-se que
8,4 mΩ
O T7 ele seja efetuado com fonte
AO T8 de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.

NBR 5410- 7.3.2


Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
de continuidade deve ser
PONT
8,5 mΩ realizado. Recomenda-se que
O T8 ele seja efetuado com fonte
AO T9 de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.
NBR 5410- 7.3.2
Continuidade dos condutores
de proteção, in- cluindo as
equipotencializações principal
e suplementares: Um ensaio
de continuidade deve ser
PONT realizado. Recomenda-se que
9,8 mΩ
O T9 AO ele seja efetuado com fonte
T10 de tensão apresentando
tensão em vazio entre 4V e
24V, em cor- rente contínua
ou alternada e com uma
corrente de ensaio de no
mínimo 0,2 A.

MEDIÇÕES DA RESISTÊNCIA DE ATERRAMENTO – PRÉDIO ADM


Valo
Descrição Image Resultado
r
m
medi
do

O ponto PT1 está de


PON acordo com as
0,93 Ω
TO recomen- dações
T1 normativas da NBR
5419-2015.

O ponto PT2 está de


PON acordo com as
0,70 Ω
TO recomen- dações
T2 normativas da NBR
5419-2015.

O ponto PT3 está de


acordo com as
PON
0,28 Ω recomen- dações
TO
normativas da NBR
T3
5419-2015.
O ponto PT4 está de
PON acordo com as
0,89 Ω
TO recomen- dações
T4 normativas da NBR
5419-2015.

O ponto PT5 está de


PON acordo com as
1,74 Ω
TO recomen- dações
T5 normativas da NBR
5419-2015.

O ponto PT6 está de


PON acordo com as
1,68 Ω
TO recomen- dações
T6 normativas da NBR
5419-2015.

O ponto PT7 está de


PON acordo com as
1,27 Ω
TO recomen- dações
T7 normativas da NBR
5419-2015.

O ponto PT8 está de


PON acordo com as
1,24 Ω
TO recomen- dações
T8 normativas da NBR
5419-2015.
O ponto PT9 está de
PON acordo com as
1,23 Ω
TO recomen- dações
T9 normativas da NBR
5419-2015.

O ponto PT10 está de


PON acordo com as
1,44 Ω
TO recomen- dações
T1 normativas da NBR
0 5419-2015.

O ponto PT11 está de


PON acordo com as
1,22 Ω
TO recomen- dações
T11 normativas da NBR
5419-2015.
MEDIÇÕES DA RESISTÊNCIA DE ATERRAMENTO – GALPÃO DE FÁBRICA
Valo
Descrição Image Resultado
r
m
medi
do

O ponto PT29 está


de acordo com as
PON
0,48 reco- mendações
T
Ω normati- vas da
O
NBR 5419- 2015.
29

O ponto PT30 está


de acordo com as
PON
0,77 reco- mendações
TO
Ω normati- vas da
30
NBR 5419- 2015.

O ponto PT31 está


de acordo com as
PON
0,68 reco- mendações
TO
Ω normati- vas da
31
NBR 5419- 2015.

O ponto PT32 está


de acordo com as
PON
0,78 reco- mendações
TO
Ω normati- vas da
32
NBR 5419- 2015.
O ponto PT33 está
de acordo com as
PON
0,41 reco- mendações
TO
Ω normati- vas da
33
NBR 5419- 2015.
MEDIÇÕES DA RESISTÊNCIA DE ATERRAMENTO – PRÉDIO
PRODUÇÃO
Valo
Descrição Image Resultado
r
m
medi
do

O ponto PT13 está


de acordo com as
PON
1,63 reco- mendações
TO
Ω normati- vas da
T1
NBR 5419- 2015.
3

O ponto PT14 está


de acordo com as
PON
0,33 reco- mendações
TO
Ω normati- vas da
T1
NBR 5419- 2015.
4

O ponto PT15 está


de acordo com as
PON
0,86 reco- mendações
TO
Ω normati- vas da
T1
NBR 5419- 2015.
5

O ponto PT16 está


de acordo com as
PON
1,19 reco- mendações
TO
Ω normati- vas da
T1
NBR 5419- 2015.
6
O ponto PT17 está
de acordo com as
PON
0,59 reco- mendações
TO
Ω normati- vas da
T1
NBR 5419- 2015.
7

O ponto PT18 está


de acordo com as
PON
0,58 reco- mendações
TO
Ω normati- vas da
T1
NBR 5419- 2015.
8

O ponto PT19 está


de acordo com as
PON
0,68 reco- mendações
TO
Ω normati- vas da
T1
NBR 5419- 2015.
9

O ponto PT20 está


de acordo com as
PON
0,66 reco- mendações
TO
Ω normati- vas da
T2
NBR 5419- 2015.
0

O ponto PT21 está


de acordo com as
PON
0,80 reco- mendações
TO
Ω normati- vas da
T2
NBR 5419- 2015.
1
O ponto PT22 está
de acordo com as
PON
0,65 reco- mendações
TO
Ω normati- vas da
T2
2 NBR 5419- 2015.

O ponto PT23 está


de acordo com as
PON
0,77 reco- mendações
TO
Ω normati- vas da
T2
NBR 5419- 2015.
3

O ponto PT24 está


de acordo com as
PON
1,33 reco- mendações
TO
Ω normati- vas da
T2
NBR 5419- 2015.
4
INSPEÇÃO VISUAL DOS COMPONENETES
Descrição Image Referênc
m ia

Prédio Subsistema de captação e


Administ descida estão atendendo a NBR
ra- tivo 5419-2015 parte 03.

Prédio Subsistema de captação e


Administ descida estão atendendo a NBR
ra- tivo 5419-2015 parte 03.

Subsistema de captação e
Prédi
descida estão atendendo a NBR
o
5419-2015 parte 03.
Produç
ão

Malha com cabos frouxos, não


Prédi
ten- sionados. Não atendendo a
o
NBR 5419 2015.
Produç
ão
Malha com cabos frouxos, não
Prédi
ten- sionados. Não atendendo a
o
NBR 5419 2015.
Produç
ão

O subsistema de captação do
sis- tema de proteção contra
descargas atmosféricas está
solto, não aten- dendo o item
5.5.2 da NBR 5419 2015 – parte
Prédi
3 que diz: Elementos captores e
o
condutores de descidas devem
Produç
ser firmemente fixados de forma
ão
que as forças eletrodinâmi- cas
ou mecânicas acidentais.

Subsistema de captação e
Prédio descida estão atendendo a NBR
T15 5419-2015 parte 03.

Subsistema de captação e
Prédio descida estão atendendo a NBR
T15 5419-2015 parte 03.
8. CONCLUSÃO

Conforme análise da classificação de risco realizada no "Sistema de proteção contra


descargas atmosféricas", verificou-se que os três prédios ficaram caracterizados de
acordo com suas zonas e com o nível de proteção abaixo:
 Prédio Administração, ficou caracterizado com nível de proteção classe IV para o
“SPDA”, e nível de proteção classe III- IV para o Sistema de proteção contra
surtos nas linhas elétricas e sinais.
 Prédio Produção, ficou caracterizado com nível de proteção classe IV para o
“SPDA”, e nível de proteção classe III- IV para o Sistema de proteção contra
surtos nas linhas elétricas e sinais.
 Prédio Planta T15, ficou caracterizado com nível de proteção classe IV para o
“SPDA”, e nível de proteção classe III- IV para o Sistema de proteção contra
surtos nas linhas elétricas e sinais.
Com base na classificação de risco, inspeção visual dos arranjos existentes,
componen- tes e ensaios elétricos, verificou-se as seguintes não conformidades:
 O subsistema de captação do sistema de proteção contra descargas
atmosféricas no Prédio de Produção está solto e não tensionado, não atendendo
o item 5.5.2 da NBR 5419 2015 – parte 3 que diz: Elementos captores e
condutores de desci- das devem ser firmemente fixados de forma que as forças
eletrodinâmicas ou me- cânicas acidentais.

Com relação as medições dos arranjos existentes, os mesmos apresentaram valores


satisfatórios, com a NBR 5419/2015 e o regimento interno da empresa White Martins,
onde consta que a resistência máxima dos sistemas de aterramento não deve exceder
a 5 Ω.
Instalação de Alta e Baixa Tensão, Rebobinamento de Motores Elétricos, Manutenção, Projetos, Comandos Elétricos, Quadros
de Distribuição e Conservação de Energia.

Analise
Projeto: de Risco CASO BASE
ADM
Dimensões da estrutura
Zona: EXTERNA INTERNA
Área de exposição equivalente AD [m2] 5717 5717

Influências ambientais
Estrutura cercada Estrutura cercada
por objetos de por objetos de
Localização (cD): mesma mesma
altura ou mais altura ou mais
baixos baixos
Freqüência de descarga para terra NG [1/km2/ano]: 14,47 14,47
Tipo de solo: Agrícola, Concreto Agrícola, Concreto
Locais onde falhas de Locais onde falhas
sistemas internos não de sistemas internos
causam perdas de não causam perdas
Tipo de estrutura: vidas humanas de
vidas humanas
Risco de incêndio (rf): Incêndio Normal Incêndio Normal

Baixo nível de Baixo nível de


pânico (ex.: prédio pânico (ex.: prédio
com até 2 andares com até 2 andares
e quantidade e quantidade
Perigo especial (hz): pessoas limitadas pessoas limitadas
a a
100) 100)
Número de pessoas na zona: 12 17
Serviços conectados:
Largura da blindagem ou distância entre as descidas w1 [m] 0,0002 0,0002
Largura da blindagem ou distância entre as descidas w2 [m] 0,0002 0,0002

Medidas de proteção
Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas (SPDA): Classe do SPDA IV Classe do SPDA IV

Extintores Extintores
manuais, manuais,
alarmes alarmes
manuais, manuais,
hidrantes, rotas hidrantes, rotas
Meios para restringir as conseqüências de incêndio (r p): de fuga de fuga
protegidas ou protegidas ou
compartimentos compartimentos
à à
prova de prova de
fogo fogo
Contra tensão de toque ou passo na estrutura (PTA): Avisos de alerta Avisos de alerta
Avisos visíveis de Avisos visíveis de
Contra tensão de toque ou passo na linha (PTA): alerta alerta

Atributos da linha conectada:


Linha de energia

ELETROMAG INDUSTRIA E COMERCIO DE MATERIAL ELETRICO E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LTDA


CNPJ nº 21.675.420/0001-48, Insc. Municipal nº 21992901 Rua Kobe, 560, Galpão 01 Quadra J Lote 01 A11 Lote
Jardim Sakura Sala 01 – Bairro: Parque 10 de Novembro, CEP 69054-645, Manaus/AM
Fone: (92) 99132-7441 / 99132-5622 - E-mail: engenharia@eletromag-am.com.br
Instalação de Alta e Baixa Tensão, Rebobinamento de Motores Elétricos, Manutenção, Projetos, Comandos Elétricos, Quadros
de Distribuição e Conservação de Energia.
Fator ambiental da linha: Suburbano Suburbano
Não Não
blindado- precaução blindado- precaução
Fiação interna: para evitar para evitar
grandes grandes
laços laços
Tensão suportável de impulso atmosférico no sistema [kV] 1kV 1kV
Dispositivo de proteção contra Surto DPS (PSPD): III-IV III-IV
Modo de instalação da linha (Cl): Enterrado Enterrado

ELETROMAG INDUSTRIA E COMERCIO DE MATERIAL ELETRICO E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LTDA


CNPJ nº 21.675.420/0001-48, Insc. Municipal nº 21992901 Rua Kobe, 560, Galpão 01 Quadra J Lote 01 A11 Lote
Jardim Sakura Sala 01 – Bairro: Parque 10 de Novembro, CEP 69054-645, Manaus/AM
Fone: (92) 99132-7441 / 99132-5622 - E-mail: engenharia@eletromag-am.com.br
Linha de telecomunicação
Fator ambiental da linha: Suburbano Suburbano
Não Não
blindado- precaução blindado- precaução
Fiação interna: para evitar para evitar
grandes grandes
laços laços
Tensão suportável de impulso atmosférico no sistema [kV] 1,5kV 1,5kV
Dispositivo de proteção contra Surto DPS (PSPD): III-IV III-IV
Modo de instalação da linha (Cl): Enterrado Enterrado

Resultado
Perda de vida humana R1 6,5874E-07 1,3998E-06
Avaliação de risco: tolerável tolerável
Perda de serviço público R2 9,7598E-05 1,3826E-04
Avaliação de risco: tolerável tolerável
Perda de herança cultural R3 0,0000E+00 0,0000E+00
Avaliação de risco: tolerável tolerável
Perda econômica R4 0,0000E+00 0,0000E+00
Avaliação de risco: tolerável tolerável

Projeto avaliado por: Dener Aquino


Data da avaliação: 03/09/2019

Total:
Perda de vida humana R1 2,0586E-06
Perda de serviço público R2 2,3586E-04
Perda de herança cultural R3 0,0000E+00
Perda econômica R4 0,0000E+00

Componentes de risco
RA - DA na estrutura - choque elétrico 1,1410E-08 2,4247E-08
RB - DA na estrutura - danos físicos 2,2820E-07 4,8493E-07
RC - DA na estrutura - sistemas internos 0,0000E+00 0,0000E+00
RM - perto da estrutura - sistemas internos 0,0000E+00 0,0000E+00
RU - DA na linha - choque elétrico 0,0000E+00 0,0000E+00
RV - DA na linha - danos físicos 3,9917E-07 8,4824E-07
RW - DA na linha - sistemas internos 0,0000E+00 0,0000E+00
RZ - perto da linha - sistemas internos 0,0000E+00 0,0000E+00

Memorial de Calculo de Risco – Níveis aceitáveis


Resultados
Riscos Valores toleráveis Avaliação de Risco
Zona Interna Zona Externa
R1 ( Perda de vida humana) RT = 1 x 10 -5 6,5874 x 10-07 1,3998x10-06 Tolerável

R2 ( Perda de serviço público) RT = 100 x 10 -5 9,7598 x 10-05 1,3826x10-04 Tolerável

R3 (Perda de herança cultura) RT = 10 x 10 -5 0,0000x 1000 0,0000x 1000 Tolerável


R4 (Perda de valor
RT = 100 x 10 -5 0,0000x 1000 0,0000x 1000 Tolerável
econômico)
Analise de
Risco
Projeto: -Prédio CASO BASE
Produção
Dimensões da estrutura
Zona: EXTERNA INTERNA
Área de exposição equivalente AD [m2] 82448 82448

Influências ambientais
Estrutura cercada Estrutura cercada
por objetos de por objetos de
Localização (cD): mesma mesma
altura ou mais altura ou mais
baixos baixos
Freqüência de descarga para terra NG [1/km2/ano]: 14,47 14,47
Tipo de solo: Agrícola, Concreto Agrícola, Concreto
Locais onde falhas de Locais onde falhas
sistemas internos não de sistemas internos
causam perdas de não causam perdas
Tipo de estrutura: vidas humanas de
vidas humanas
Risco de incêndio (rf): Incêndio Normal Incêndio Normal
Perigo especial (hz): Sem perigo especial Sem perigo especial
Número de pessoas na zona: 12 6
Serviços conectados:
Largura da blindagem ou distância entre as descidas w1 [m] 0,00002 0,0002
Largura da blindagem ou distância entre as descidas w2 [m] 0,00002 0,0002

Medidas de proteção
Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas (SPDA): Classe do SPDA IV Classe do SPDA IV

Extintores Extintores
manuais, manuais,
alarmes alarmes
manuais, manuais,
hidrantes, rotas hidrantes, rotas
Meios para restringir as conseqüências de incêndio (r p): de fuga de fuga
protegidas ou protegidas ou
compartimentos compartimentos
à à
prova de prova de
fogo fogo
Contra tensão de toque ou passo na estrutura (PTA): Avisos de alerta Avisos de alerta
Avisos visíveis de Avisos visíveis de
Contra tensão de toque ou passo na linha (PTA): alerta alerta

Atributos da linha conectada:


Linha de energia
Fator ambiental da linha: Suburbano Suburbano
Não Não
blindado- blindado- precaução
Fiação interna: precaução para para evitar
evitar grandes
grandes laços
laços

Tensão suportável de impulso atmosférico no sistema [kV] 2,5kV 2,5kV


Dispositivo de proteção contra Surto DPS (PSPD): III-IV III-IV
Modo de instalação da linha (Cl): Enterrado Enterrado
Linha de telecomunicação
Fator ambiental da linha: Suburbano Suburbano
Não Não
blindado- precaução blindado- precaução
Fiação interna: para evitar para evitar
grandes grandes
laços laços
Tensão suportável de impulso atmosférico no sistema [kV] 1,5kV 1,5kV
Dispositivo de proteção contra Surto DPS (PSPD): III-IV III-IV
Modo de instalação da linha (Cl): Enterrado Enterrado

Resultado
Perda de vida humana R1 3,1639E-06 2,3729E-06
Avaliação de risco: tolerável tolerável
Perda de serviço público R2 3,0951E-05 1,5475E-05
Avaliação de risco: tolerável tolerável
Perda de herança cultural R3 0,0000E+00 0,0000E+00
Avaliação de risco: tolerável tolerável
Perda econômica R4 0,0000E+00 0,0000E+00
Avaliação de risco: tolerável tolerável

Projeto avaliado por: Dener Aquino


Data da avaliação: 03/09/2019

Total:
Perda de vida humana R1 5,5368E-06
Perda de serviço público R2 4,6426E-05
Perda de herança cultural R3 0,0000E+00
Perda econômica R4 0,0000E+00

Componentes de risco
RA - DA na estrutura - choque elétrico 2,6512E-07 1,9884E-07
RB - DA na estrutura - danos físicos 2,6512E-06 1,9884E-06
RC - DA na estrutura - sistemas internos 0,0000E+00 0,0000E+00
RM - perto da estrutura - sistemas internos 0,0000E+00 0,0000E+00
RU - DA na linha - choque elétrico 0,0000E+00 0,0000E+00
RV - DA na linha - danos físicos 2,2509E-07 1,6882E-07
RW - DA na linha - sistemas internos 0,0000E+00 0,0000E+00
RZ - perto da linha - sistemas internos 0,0000E+00 0,0000E+00

Memorial de Calculo de Risco – Níveis aceitáveis


Resultados
Riscos Valores toleráveis Avaliação de Risco
Zona Interna Zona Externa
R1 ( Perda de vida humana) RT = 1 x 10 -5 3,1639 X10-06 2,3729 X10 -06 Tolerável

R2 ( Perda de serviço público) RT = 100 x 10 -3 3,0951X 10-05 1,5475 X10-05 Tolerável

R3 (Perda de herança cultura) RT = 10 x 10 -4 0,0000X 1000 0,0000X 1000 Tolerável


R4 (Perda de valor
RT = 100 x 10 -3 0,0000X 1000 0,0000X 1000 Tolerável
econômico)
Análise de
Risco-
Projeto: Prédio T15 CASO BASE
Dimensões da estrutura
Zona: EXTERNA INTERNA
Área de exposição equivalente AD [m2] 37113 37113

Influências ambientais
Estrutura cercada Estrutura cercada
por objetos de por objetos de
Localização (cD): mesma mesma
altura ou mais altura ou mais
baixos baixos
Freqüência de descarga para terra NG [1/km2/ano]: 14,47 14,47
Tipo de solo: Agrícola, Concreto Agrícola, Concreto
Locais onde falhas de Locais onde falhas
sistemas internos não de sistemas internos
causam perdas de não causam perdas
Tipo de estrutura: vidas humanas de
vidas humanas
Risco de incêndio (rf): Incêndio Normal Incêndio Normal
Perigo especial (hz): Sem perigo especial Sem perigo especial
Número de pessoas na zona: 4 4
Serviços conectados:
Largura da blindagem ou distância entre as descidas w1 [m] 0,00002 0,00002
Largura da blindagem ou distância entre as descidas w2 [m] 0,00002 0,00002

Medidas de proteção
Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas (SPDA): Classe do SPDA IV Classe do SPDA IV

Extintores Extintores
manuais, manuais,
alarmes alarmes
manuais, manuais,
hidrantes, rotas hidrantes, rotas
Meios para restringir as conseqüências de incêndio (r p): de fuga de fuga
protegidas ou protegidas ou
compartimentos compartimentos
à à
prova de prova de
fogo fogo
Contra tensão de toque ou passo na estrutura (PTA): Avisos de alerta Avisos de alerta
Avisos visíveis de Avisos visíveis de
Contra tensão de toque ou passo na linha (PTA): alerta alerta

Atributos da linha conectada:


Linha de energia
Fator ambiental da linha: Suburbano Suburbano
Não Não
blindado- precaução blindado- precaução
Fiação interna: para evitar para evitar
grandes grandes
laços laços
Tensão suportável de impulso atmosférico no sistema [kV] 2,5kV 2,5kV
Dispositivo de proteção contra Surto DPS (PSPD): III-IV III-IV
Modo de instalação da linha (Cl): Enterrado Enterrado
Linha de telecomunicação
Fator ambiental da linha: Suburbano Suburbano
Não Não
blindado- precaução blindado- precaução
Fiação interna: para evitar para evitar
grandes grandes
laços laços
Tensão suportável de impulso atmosférico no sistema [kV] 2,5kV 2,5kV
Dispositivo de proteção contra Surto DPS (PSPD): III-IV III-IV
Modo de instalação da linha (Cl): Aéreo Aéreo

Resultado
Perda de vida humana R1 2,1283E-06 2,1283E-06
Avaliação de risco: tolerável tolerável
Perda de serviço público R2 2,0669E-05 2,0669E-05
Avaliação de risco: tolerável tolerável
Perda de herança cultural R3 0,0000E+00 0,0000E+00
Avaliação de risco: tolerável tolerável
Perda econômica R4 0,0000E+00 0,0000E+00
Avaliação de risco: tolerável tolerável

Projeto avaliado por: Dener Aquino


Data da avaliação: 03/09/2019

Total:
Perda de vida humana R1 4,2566E-06
Perda de serviço público R2 4,1338E-05
Perda de herança cultural R3 0,0000E+00
Perda econômica R4 0,0000E+00

Componentes de risco
RA - DA na estrutura - choque elétrico 1,7901E-07 1,7901E-07
RB - DA na estrutura - danos físicos 1,7901E-06 1,7901E-06
RC - DA na estrutura - sistemas internos 0,0000E+00 0,0000E+00
RM - perto da estrutura - sistemas internos 0,0000E+00 0,0000E+00
RU - DA na linha - choque elétrico 0,0000E+00 0,0000E+00
RV - DA na linha - danos físicos 1,4470E-07 1,4470E-07
RW - DA na linha - sistemas internos 0,0000E+00 0,0000E+00
RZ - perto da linha - sistemas internos 0,0000E+00 0,0000E+00

Memorial de Calculo de Risco – Níveis aceitáveis


Resultados
Riscos Valores toleráveis Avaliação de Risco
Zona Interna Zona Externa
R1 ( Perda de vida humana) RT = 1 x 10 -5 2,1283X 10-06 2,1283X10-06 Tolerável

R2 ( Perda de serviço público) RT = 100 x 10 -3 2,0669 X 10-05 2,0669 X 10-05 Tolerável

R3 (Perda de herança cultura) RT = 10 x 10 -4 0,0000 X 1000 0,0000 X 1000 Tolerável


R4 (Perda de valor
RT = 100 x 10 -3 0,0000 X 1000 0,0000 X 1000 Tolerável
econômico)
Página 1 de 2
AM03516/19

Certificado de Calibração AM03516/19


Solicitante:Eletromag Manutenções e Instalações Industriais Eirelli - ME
Rua Kobe, Galpão 1, Qd J, Lote 01 à 11, Jardim Sakura, Sala 01, No.560 - Pq. 10 de Novembro - M

Local de realização da calibração: Laboratórios do IAM - Instalações Permanentes

Objeto: Micro Ohmimetro


Identificação: MU7216C
Fabricante: Megabrás Modelo: MPK253
Nr. Ordem: 7645/19 Nr. Série: MU7216C
Características:
0 ~ 200Ω

Procedimento de Calibração:
MC5.04.003(rev.05)

Rastreabilidade:
Instrumento calibrado através dos seguintes Padrões
utilizados:

Padrões Utilizados Série Certificado Validade


Órgão
Década Resistiva 2793 26FT0341 AM02106/18 abr/20
IAM/RBC
Resistor Padrão RS-.1 ES-16500 E0074/17 jan/20
PUC-Labelo/RBC
Resistor Padrão 1565905 E1524/15 out/20
Puc-Labelo/RBC
Resistor Padrão 1527426 E1526/15 out/20
Puc-Labelo/RBC

Condições Ambientais: Temperatura: 23± 2 ºC Umidade: 50± 15 %

Terminologia Utilizada:

VIP Valor Indicado no Padrão


VIM Valor Indicado no Mensurando
M.E. Melhor Incerteza Estimada - (Referentes ao Padrão Utilizado)
Ue A incerteza expandida de medição relatada é declarada como a incerteza padrão
de medição multiplicada pelo fator de abrangência k, o qual para uma distribuiçãot
com veff graus de liberdade efetivos correspondente a uma probabilidade de
abrangência de aproximadamente 95%. A incerteza padrão da medição foi
determinada de acordo com a publicação EA-4/02.

Data da calibração: 06/06/19


Data da emissão do certificado: 06/06/19
Celso Moresco
Metrologista: Claudir Andrade de Carvalho Signatário Autorizado

ESTE CERTIFICADO É VÁLIDO EXCLUSIVAMENTE PARA O OBJETO CALIBRADO NAS CONDIÇÕES ESPECIFICADAS, NÃO SENDO
EXTENSIVO A QUAISQUER LOTES MESMO QUE SIMILARES.
A REPRODUÇÃO DESTE DOCUMENTO SÓ PODERÁ SER FEITA INTEGRALMENTE E SEM NENHUMA ALTERAÇÃO.

Av. Rodrigo Otávio, 1405 - Sala 01 – Crespo - CEP: 69073-000 - Manaus –


AM PABX: +55 (92) 3237-7690 – Fax: +55 (92) 3613-1585
e-mail: iam@labcal.com.br - www.labcal.com.br
Resistência VIP( VIM( Ue(µΩ) k V
µΩ) µΩ) e
f
2000 µΩ 1000 1017 1 2,0 5
Resistência VIP(mΩ. VIM(mΩ Ue(m
, k V
2
) .) Ω.) e
5

Resistência
20 VIP(mΩ.
1,00 VIM(mΩ
1,014 Ue(m
0,0015 k
2,0 V
5
mΩ ) 0 .) Ω.) e
2
.
Resistência VIP(mΩ. VIM(mΩ Ue(m k V
20 )10,0 .)
10,01 Ω.)
0,012 2,0 e
I
mΩ 00 8 N
. F
Resistência VIP(mΩ. VIM(mΩ Ue(m k V
) .) Ω.) e
200 mΩ. 10,0 10,00 0,015 2,1 5
0 0
Resistência VIP(mΩ. VIM(mΩ Ue(m k V
) .) Ω.) e
200 mΩ. 100, 100,1 0,011 2,5 6
00 4
Resistência VIP(mΩ. VIM(mΩ Ue(m k V
) .) Ω.) e
2000 mΩ. 100, 100,3 0,15 2,1 4
0 5

Resistência VIP(Ω) VIM(Ω) Ue(Ω k V


2000 mΩ. 1000 1004, )1 2,0 I
e
,0 5 , N
2 F
1800 1805, 2 2,0 I
,0 9 , N
Resistência VIP(Ω) VIM(Ω) 1
Ue(Ω k F
V
) e
20 Ω 2,00 2,005 0,0025 2,0 I
0 N
F
10,0 10,00 0,012 2,0 I
00 1 N
F
18,0 17,98 0,014 2,0 I
00 8 N
F

200 Ω 20,0 20,00 0,018 2,0 9


0 3
100, 100,0 0,036 2,0 I
00 2 N
F
180, 179,9 0,064 2,0 I
00 8 N
F
T1

T11
T14
T23 0,33 Ω
0,77 Ω

PAI - 1
T10

T15
0,86
T2
T9
T22
0,65 Ω

T24
1,23 Ω

T3
T21
0,80 Ω
T8
PAI - 2
T4
T7

T20
T18
0,58 Ω
T19
0,68

T5

T6

Ponto 01
0,74 Ω

Ponto 06
0,94 Ω
Ponto 05
0,81 Ω

Ponto 02
0,79 Ω
SPDA PRÉDIOS ADM E Dener Aquino 00
WHITE MARTINS PRODUÇÃO
Setembro/2019
- 01
Ponto 32 Ponto 31
0,77 Ω
0,68 Ω

nto 06
15 Ω

Ponto 05 Ponto 26
0,11 Ω 0,68 Ω
Ponto 04
0,11 Ω

Ponto 33 Ponto 29
0,41 Ω 0,48 Ω
PRÉDIO T15 Dener Aquino 00
WHITE MARTINS Setembro/2019
- 02