Você está na página 1de 34

TARÔ & KABBALAH : OS CAMINHOS DA

ÁRVORE DA VIDA
junho 07, 2017

Tarô & Kabbalah: Os Caminhos da Árvore da Vida


Compilação de
ntino K. Riemma
agrama da Árvore da Vida estão inscritas 22 conexões, ou
s caminhos, que ligam as 10 sefirot entre si. Eles constitu
o de manifestação dos atributos divinos personificados
t, acomodando tudo o que flui através deles.
ência de cada Caminho é constituir a união de dois Sefirot. Somente poder
ender seu significado levando em conta a natureza das Esferas unidas na Ár
m sefirah não pode ser entendido num único plano." (CM,24)
minhos da Árvore da Vida resumem as infindáveis possibilidades de circulaçã
s, tanto no cosmo quanto no homem.
xos entre cada par de sefirot podem ser alternados e cada caminho constitui ap
arte da circulação total. Por causa dessa adaptabilidade essencial, ocorrem m
iferentes de padrões de circulação determi-nados pela sefirah que gera o
" (AAK-30-31)
as siglas no final das citações referem-se aos livros e respectivas pági
onados na bibliografia final.
firot podem ser consideradas como macrocósmicas e, os O LIVRO DE HERM
Caminhos, como micro-cósmicos, visto que as sefirot representam as suces
ções Divinas, que constituem a evolução criadora, ao passo que os Cam
ntam os estágios sucessivos da compreensão cósmica na consciência humana."
minhos indicam fases da consciência subjetiva, através dos quais a alma desen
sua compreensão do cosm
25 e
e da Vida na Cabala
Cuidados nas correlações
pre muito importante estarmos atentos aos critérios necessários para estabe
s adequadas entre símbolos de linhas diferentes de ensinamentos.
á Silva Barros deixou bem claro em Tarô e Qabalah, qu
lações usuais entre as cartas do baralho e as letras do alf
ico devem ser tomadas com a devida cautela, pois tratam-s
os casos de hipóteses sumárias nem sempre de acordo c
ção cabalística.
notável divergência aparece na atribuição de cada um do
os maiores do Tarô aos 22 caminhos da Árvore da Vida. Qu
gue os autores ingleses, a tendência é a de identificar o Cam
arta sem número, O Louco; o Caminho 2 à carta 1, O Ma
nho 3 à carta 2, A Papisa, e assim sucessivamente. No ent
e uma outra linha de correspondência, sustentada
iosos franceses em que o primeiro caminho é associado à
Mago; o segundo caminho à carta 2. A Papisa; o terceiro cam
ta 3. A Imperatriz, e assim por diante. Escolher entre u
alternativa implica numa avaliação criteriosa do sentido de
do tarô e de cada caminho ou letra do alfabeto hebraic
tados serão muito diferentes de acordo com a altern
hida.
m tem interesse em estudar de fato as relações entre T
e da Vida, está diante de um campo de pesquisa que con
berto, sem receitas prontas.
Detalhes dos resumos e suas fontes
extos a seguir, para cada Caminho, iniciam com um pri
rafo de "miscelânea", justapondo correspondências de v
s: a letra do alfabeto hebraico (com o valor numérico
tesis), sua significação mais comum e seu hier
Mebes).
ambém apresentadas, nesse primeiro parágrafo, as atribu
ógicas e as cores citadas com maior freqüência nos t
ultados. Por fim, é indicado o Arcano Maior do Tarô,
ração coincide com a do caminho: essa correspondência
mos, é a mais comum entre os autores franceses.
tesis, porém, é indicada a segunda relação, usual entre o
em a linha inglesa: que deslocam a sequência numérica
s do tarô em relação às letras/números usais na á
ística.
undo parágrafo, em itálico, foi retirado do Shepher Yetzir
das Formações. Embora de difícil compreensão, ele merec
derado por se tratar de um texto da tradição cabalística.
m, o terceiro parágrafo, ou bloco, traz indicações e coment
dos principalmente de Gareth Knight e da obra de Z'ev
on Halevi.
11º Keter - Hokhmah
eph (1), o boi, o homem. Mercúrio, Touro, Gêmeos e o elemento Ar. Amarel
ilhante, azul celeste, azul esmeralda, esmeralda salpicada de
orresponde ao Arcano da Mística: I - O Prestidigitador, o Mago, Divina Essên
- O Louco, o Espírito do Éter).
1º caminho é a Inteligência Cintilante porque ele é a ess
cortina colocada junto da ordem de arranjo e lhe é dada
dade especial de ser capaz de manter-se de pé diante da Fa
a das Causas."
A "Face da Causa das Causas" é a fonte de toda a Cria
Keter; por isso a experiência espiritual de Hokhmah é
de Deus face à face.
No sentido ascendente, de Hokhmah para Keter,
caminho constitui portanto esse alto nível de consciênci
alma iluminada percorre desde a Visão direta de Deus
face até a experiência transcendental ainda mais alta de
real com Deus. Trata-se da "Inteligência Cintilante".
Em Keter está o Verdadeiro Plano da evolução e de to
criada. "A ordem de arranjo (ou de composição)" é p
um título válido para Keter. A "cortina" ou Véu é o d
na Forma. A Forma é a cortina que oculta (e ao mesmo
revela) a essência da vida. Mas, nesse caso se trata d
força pura, pois o 11º caminho é a "essência dessa co
Nesses níveis supremos, a forma é muito atenua
comparação ao nível denso da nossa existência, mas n
isso é menos poderosa. Uma forma incorreta ou mal a
num nível superior da manifestação pode p
deformações que se ampliarão à medida que seus ef
façam sentir nos planos inferiores.
O elemento Ar é um bom símbolo para o Espírito,
ilimitado, insinua-se por toda parte e é também um
disseminador.
No sentido ascendente, o 11º Caminho reapresenta a
final da união com Deus. A descida desse caminh
primeira etapa da
da do Poder simbolizado na Kabbalah pelo Raio Fulgurant
senta, portanto, os primeiros inícios.
12º Keter - Binah
eith (2), a casa; a boca humana. Lua e Mercúrio. Amarelo, violeta, cinza,
lpicado de
orresponde ao arcano da Gnose: II - A Papisa, Gnose, Porta do Santuário,
ubstância (ou I - O Mágico; o Mago do Poder).
º caminho é denominado Inteligência da Transparência por
espécie de Magnificência, chamada Chazchazit, que prové
s daqueles que se vêm em aparição.
er o caminho da "Inteligência da Transparência" signif
idade de ver as coisas tais como elas são na realidade. A F
culta a luminosa imagem do Criador, mas sim a revela. O V
lo, para falar simbolicamente, nada tem de opaco. É o cam
ne o princípio da Forma (Binah) à sua fonte Espiritual (Ket
deira fonte da qual provém a Forma e sua força interior.
z do termo Chazchazittem acepções de vidente, vidência, v
-se, por certo, da mais alta forma de profecia, o conhecim
tual, uma forma de percepção interior muito mais delica
que a intuição, que por sua vez é uma forma de consci
o mais importante e exata do que a clarividência, a clariaudi
mais formas de psiquismo.Esse caminho representa capac
essentir o Verdadeiro Plano nas alturas de Keter e de fa
r sob a forma de uma Verdadeira Impressão na sefira
a, Binah. A descida do Plano é uma decorrência necessária
nhecimento seria de pouca utilidade se não se manifest
sivamente até os níveis da consciência mental e do efeito fí
13º Keter - Tiferet
mel (3), o camelo; uma mão que pega. Vênus e Virgem; a Lua. Azul, pratead
o frio, prateado riscado de azul
responde ao arcano da Magia: III - A Imperatriz, Vênus Urânia ou Vê
verso, Natureza, Divina Natureza, Parto, Geração, (ou II - A Papisa, Sacerdoti
º caminho é denominado a Inteligência Unificadora e é a
ado porque é em si mesmo a essência da Glória; é a Perfeiç
ade das coisas espirituais individuais.
caminho se destaca entre os demais porque se encontra so
direta de contato entre o Espírito e a Individualidade.
az parte do que se poderia denominar de coluna vertebr
e da Vida, o longo caminho entre o Espírito e a Terra, Ke
hut.
ha ascendente vertical da Árvore da Vida é o Caminho da Fl
Mística dos que não procuram manipular poderes ocultos
a União com Deus. O Caminho dos Místicos sobe pelo
nho, a Entrada dos planos interiores, e passa através dos r
onscientes de Yesod. Como Yesod está ligado à função se
-se compreensível a ocorrência de imagens de natureza s
ertos tipos de misticismo.
esod, a Via leva através do "deserto" do 25º caminh
gência da Prova, que é a primeira Noite Escura da Alma,
cançar a aurora dourada da consciência de Tiferet e o co
o "deus interior". Mas o contato de Tiferet é ainda um as
r do "deus interior", pois o Caminho conduz a s
amente à fonte do ser espiritual em Keter. Essa segunda m
3º Caminho, ao qual corresponde a letra hebraica Guíme
lo, o que nos lembra um outro deserto, portanto uma seg
Escura da Alma, a travessia do Abismo, descrita por São Jo

a morte e o nascimento, o 32º, o 25º e o 13º caminhos for


palmente uma via de transição. Poderia ser denominada
direta na demanda do Santo Graal, compreendendo-se o
o recipiente que se pode fabricar com o próprio ser pa
r capaz de reter as forças superiores, o Sangue e as Águ
to.
14º Hokhmah - Binah
álet (4), a porta; o seio, como idéia de alimentar e ser alimentado. Júpiter e
ênus. Verde esmeralda, azul-celeste, rosa ou cereja rajada de verde
orresponde à Filosofia Hermética e à Obediência: IV - O Imperador, Pedra C
rma, Autoridade, Adaptação (ou III - A Imperatriz, a Filha dos Poderosos).
º caminho é a Inteligência Iluminante e é assim denom
ue é esse Chasmal o fundador das idéias ocultas e fundame
ntidade e de suas fases de preparação.
esmo modo que o caminhos transversais interiores, o 27
são respectivamente os "suportes" da Personalidade
idualidade, o 14º é o suporte do Espírito em seu próprio nív
yetzirático o denomina Chasmal, ou seja, "o Brilhante, fund
déias ocultas e fundamentais da santidade". Ele é, por ce
mento oculto de todos os seres na Forma. A fonte do noss
em Keter, mas a manifestação enquanto unidade es
upõe o funcionamento do Princípio da Polaridade que,
É o princípio arquetípico de Hokhmah e Binah. E esses
pios são ligados pelo 14º Caminho.
seguir o simbolismo da letra hebraica. esse caminho é a P
eja, a entrada para a manifestação. Poderíamos m
miná-lo a Porta do mundo do Espírito, pois esse caminho se
o do Rio Fulgurante.
ntido ascendente, esse caminho é o último canal de consci
ual os pilares da Manifestação em sua ação de defensor
a têm ainda influência. É a Porta da Iluminação,
ntende o texto yetzirático, Iluminação Total da Visão de
a face, em Hokhmah.
re esse aspecto de manifestação que o simbolismo da lâmi
desse caminho se refere: é a pedra fundamental da const
mplo do Homem na existência manifestada.
15º Hokhmah - Tiferet
ei (5), a janela; a respiração. Áries e Mercúrio. Vermelho vivo, chama br
rmelho incande
orresponde ao arcano da Transcendência e da Pobreza: V - O Papa, a E
vina, Quintessência, Religio. (ou IV - O Imperador; ou XVIII - A Estrela)
º caminho é a Inteligência Constituinte, assim denom
ue constitui a substância da Criação nas trevas puras
ns falaram das contemplações; é dessas trevas que se fa
ura: "e o enfaixei com névoas tenebrosas" (Jó).
substância da Criação são as Águas do Não-manifestado
m na manifestação.
entido ascendente, lembrando que a experiência espiritu
mah é a visão de Deus face a face, podemos dizer que, ao
caminho, a alma pode perceber uma centelha da majesta
riador, como se, assentada diante de uma janela estreita
ela olhasse fixamente para as trevas do espaço e
amente uma estrela lampejar, indicando o ponto de orige
e a meta para a qual ela deve dirigir a sua evolução.
or de início e fim da evolução pessoal é sublinhado pela form
astrológico de Áries: ; a queda súbita na manifestação
rior retorno ao ponto de partida.
eio de alcançar essa meta de toda humanidade poderi
sso em termos bem simples: "Amarás o Senhor teu Deu
o teu coração, de toda a tua alma, com toda a tua força e de
entendimento; e a teu próximo como a ti mesmo" (Lucas 10-27, Mateus
16º Hokhmah - Hesed
(6), o prego; o olho e o ouvido. Touro, Sagitário e Vênus. Vermelho alar
go escuro, marrom br
responde ao arcano da Iniciação, do Livre Arbítrio: VI - O Enamorado, Bifu
ei da Analogia, Liberdade, Mediação (ou V - O Papa, o Mago do Eterno).
º caminho é a Inteligência Triunfal ou Eterna e é a
minado porque é o prazer da Glória além da qual não há G
É também chamado de Paraíso preparado para os Justos.
minho 16º, paralelo ao 18º, é um dos laços entre o Espírit
idualidade. O prego, reapresentação da letra Vav, é um sím
rtante do ponto de vista esotérico cristão, pois o Espír
do três vezes à cruz da matéria.
entido ascendente, esse "prazer da Glória além do qual nã
a igual" permite considerar o caminho 16 como um mode
everia ser e uma promessa do que será alcançar o nível zod
esentado por Hokhmah, também denominado "Pa
rado para os Justos".
no astrológico desse caminho é Touro, animal que represe
densa concretude sobre a terra, enquanto a Vaca,
aparte feminina simboliza o princípio feminino, receptiv
a, matriz na qual se incrusta a jóia do Espírito. A form
, , se adequa a esse caminho: um disco solar indican
ção dos poderes do Eterno e sua difusão sob a forma de

aal, em suas diferentes versões, também pode ser relacion


caminho, que leva à Távola Redonda Zodiacal (Hokhmah
o da qual se encontra o Santo Graal.
aminho no qual podemos aprender a ligar a sabedoria ao am
modo, servir de maneira totalmente impessoal.
17º Binah - Tiferet
n (7), a espada; uma flecha lançada com pontaria certeira. Gêmeos, Áries e C
anja, cinza averm
responde ao arcano do Repouso: VII - O Carro, Carruagem de Hermes, V
eito de Propriedade (ou VI - Os Namorados, os Filhos da Voz, Oráculo dos Deu
º caminho é denominado a Inteligência Ordenadora que d
ustos; nesse caminho eles são revertidos do Santo Espírito
nominado o Fundamento da Perfeição no estado das c
iores.
, por ser o mais "concreto" dos três sefirot supremos, cont
em do Espírito e sua destinação sobre a Terra. No Caminho
iência do destino do Espírito é concentrada na sed
iência manifestada, Tiferet.
é a "mãe da Fé, da qual a Fé emana". Nesse caminho, a
aos Justos, que assim são revestidos do Espírito Santo.
estreitamente ligada ao Santo Anjo da Guarda.
pode ser considerada não só como a fé comum em Deus
ém a confiança em si que cada ser humano deve ter
nuar no caminho da sua vocação, o domínio no qual deve a
esforços, sejam quais forem os obstáculos. O signo astrol
êmeos, , indica a verdadeira relação que deve existir en
Anjo da Guarda e a Individualidade. Eles devem ser
xo do outro. A chave desse caminho, a letra hebraica
ica espada. A forma da letra sugere uma espada e, de
, a ação do Santo Anjo Guardião, o qual repre
ecimento e Propósito. O Anjo projeta uma "varinha
ecimento e Propósito para os níveis inferiores da manifestaç
18º Binah - Gevurah
het (8), a cerca; um campo com tudo o que pode ser cultivado. Câncer e
mbar, marrom púrpura, ruivo brilhante, castanho escuro esver
orresponde ao arcano do Equilíbrio: VIII - A Justiça, a Lei do Equilíbrio, Lei,
u VII - O Carro, Filho dos Poderes da Água, Senhor do Triunfo e da Luz).
º caminho é denominado a Inteligência da Casa da Influ
do a sua grandeza é aumentada a abundância do influxo de
s sobre os seres criados) e do seu seio são extraídos o arc
ntidos ocultos que habitam sua sobra e que aí perman
tamente unidos pela Causa de todas as causas.
caminho age como via de comunicação entre o Espírito
ade inteligente da Individualidade (Gevurah). Ele é tam
ado de Casa da Influência. O texto yetzirático ("devido
deza é aumentada a abundância do influxo de boas coisa
res criados") indica o quanto essa ligação é importante par
tino do Espírito seja cumprido na manifestação. Quando iss
e o Karma em geral se acumula e os resultados da
mente são bons; o que é uma das conseqüências do Prim
o que abriu um buraco ou Abismo entre os dois níve
ência.
é a Mãe da Fé, da qual a individualidade obtém
ecimento superior do seu destino. Esse conhecimento
o e os sentidos ocultos" mencionado do texto yetzirático.
ntido ascendente, isso significa que a nossa meta na evolu
esses dois níveis, e que a nossa primeira tarefa é desprend
para transpor o Precipício e o Abismo. Só então será pa
a impregnação do conhecimento de nosso destino nos n
densos e a sua aplicação no plano físico da vida diária.
19º Hesed - Gevurah
et (9), a serpente; um telhado enquanto proteção e abrigo. Leão, Capricó
irgem. Amarelo esverdeado, violeta escuro, cinza, amarelo averm
orresponde ao arcano da Consciência: IX - O Eremita, Luz Oculta, Pro
iciação, Prudência (ou XI - A Força, a Filha da Espada Flamejante, Guia do L
º caminho é a Inteligência do secreto de todas as atividade
espirituais e é assim chamada por causa da influência qu
de a partir da mais alta e exaltada glória sublime.
minho 19, de grande poder dinâmica, é o principal supor
idualidade, do mesmo modo que o 27º (igualmente de gr
) é o suporte principal da Personalidade. O 19º dispõe de
de "empacotamento", que mantém juntos os diversos asp
idade de evolução, a Individualidade; de igual modo o cam
antém a unidade de encarnação, a Personalidade.
º se encontra na trajetória do Raio Fulgurante. A image
to, após ter sido propulsionada de Binah, via Daat, até H
ça a construir uma sucessão dinâmica de atividades. O se
so, de Gevurah a Hesed, é a via iniciática a partir da qual nã
necessárias outras encarnações sobre a terra. As tomad
iência desse Caminho são particularmente profundas, poi
tantes finais da experiência e da compreensão de um
leto de evolução.
va fundamental desse caminho é a capacidade de encarar t
correu durante o ciclo completo da evolução pessoal, aceita
almente sem fuga ou repressão. Esse balanço final não
e adiamentos; o que não for enfrentado permanecerá como
ira ao progresso.
caminho não é de fato agradável, mas pela simples razã
nós, que por ele caminhamos, não somos pessoas agradá
e das dificuldades, nossa reação habitual é atribuir a culp
s. Trata-se de um grande passo começar a compreender qu
m modo, contribuímos largamente para estabelecer n
io karma.
º caminho corresponde à segunda barreira (ou véu) da Ár
chendo o intervalo entre a Severidade e a Misericórdia.
20º Hesed - Tiferet
d, a mão; o dedo indicador. Virgem, Capricórnio e Júpiter. Verde amarelado
uro ou esver
responde ao arcano da Natureza Decaída: X - A Roda da Fortuna, Testa
bbalah, Moinho do Mundo, Fortuna ou Sorte (ou IX - O Eremita, o Pro
rno).
º caminho é a Inteligência da Vontade. É assim chamado po
meio de preparação de tudo e de cada ser criado, e, por
gência se adquire o conhecimento da existência da Sabe
ordial.
et é a sefirah central da Árvores da Vida e representa as
de convergência da integralidade do ser humano
estação. É o ponto de equilíbrio entre a força e a form
dualidade (Gevurah e Hesed). É também o ponto médio ent
s espirituais e a manifestação densa sobre a Terra.
d, por sua vez, representa a primeira manifestação do ser
ência sub-espiritual e contém a imagem mais pura de co
to deveria se manifestar enquanto ser humano.
entido ascendente da Árvore, o 20º Caminho dá a visã
lo do destino, proveniente dos níveis espirituais. No
ático esse caminho é denominado Inteligência da Vontad
da Vontade Espiritual, pela a qual se adquire o conhecimen
ência da Sabedoria Primordial, ou seja, o conhecimento
ades espirituais dos níveis superiores. A contemplação con
erdadeira imagem é assim o "meio de preparação de to
uer ser criado", pois ela serve de guia no caminho da evo
dual e indica os tipos de veículos ou recursos que devem
ruídos para continuar a segui-lo.
e do caminho é a letra hebraica Yud, a primeira letra do Nome Divino
o JHVH, que significa o início das coisas. Seu significado é a Mão, neste
Mão de Deus ou a mão do Espírito que guia a alma na sua evolução.
-se denominar Consciência Crística a tomada de consciênc
ade do Pai que está nos Céus. A primeira centelha
iência Crística pode ser vista como a influência do 20º Cam
ga Tiferet (o ponto mais baixo da individualidade e o mai
ersonalidade) à Hesed (a esfera do ser manifestado na q
deira Vontade do Espírito é conhecida).
m, por causa do Desvio Original, a situação real está muito
r tão simples como essa. O Pecado Original foi a recus
da individualidade de realizar a vontade original do Espíri
ento de entrar no universo de Deus Pai. A conseqüência
ão de um falso modelo. Em termos cabalísticos isso signific
agem refletida de Hesed não é mesma que se encontr
gulo Supremo do Espírito. Há como que uma fissura en
to e a Individualidade, que se reproduz no nível inferior
fissura entre a Individualidade e a Personalidade. O Abism
enhadeiro são conseqüências dos feitos do homem, fruto
do. O processo evolutivo deveria ser uma luta, segundo o
o, e não essa estagnação na obscuridade espiritual cercad
a, pobreza e doença que acabaram por definir a con
na.
ão a reter é que a Demanda no Santo Graal não termin
et, nem mesmo em Hesed, mas em Keter. O destino pessoa
ção completa só podem ser alcançadas no momento
odos os elos partidos sejam restabelecidos e que a Verda
ade do Espírito, e não só a da individualidade, se manifes
odo totalmente controlado sobre a Terra.
21º Hesed - Nezah
af (20), a palma da mão. Leão, Marte, Júpiter. Violeta, azul, púrpura brilhan
rilhante raiado de am
orresponde ao arcano da Virgem: XI - A Força, o Leão Dominado, Força
orça Humana, Força Natural (ou X - A Roda da Fortuna, as Forças da Vida).
º caminho é a Inteligência da Conciliação e da Recomp
m chamado porque recebe a influência divina que aí oper
das bênçãos dadas a todas as existência e a cada um
cular.
esenta a ligação entre a pura imagem do que a individual
a intenção de cumprir (Hesed) e a imaginação criativa
ões superiores da personalidade (Nezah). Compreende os i
irações que cativam a imaginação do homem.
e sentido, talvez, o símbolo mais importante para o ho
ntal seja o da Demanda do Santo Graal. A influência
nho age principalmente sobre as emoções e é essa aspi
nida que leva homens e mulheres a se colocarem na bus
fase que se tornam "buscadores" no mundo interno, em
os escolham o caminho das aventuras físicas ou se de
onar pelas viagens. Outros confundem ainda o apelo de
ia natureza superior com a atração física por um outr
no.
utro fator interessante é o desejo de mudança que esse im
muitas vezes sob a forma de sonhos de uma vida paradisíac
desertas e afastadas ou, mal terminadas as férias, já come
planos para as férias seguintes. No extremo encontra
es que se intoxicam com drogas ou com experiências se
meio de "fugir desse mundo".
meira exigência nas fases iniciais da Busca é o Discernim
de de Malkhut. Porém, todas as virtudes das sefiro
nalidade inferior serão chamadas a atuar: a Independênc
d, pois deverá conservar uma abertura a toda prova; a pass
crivo das provas subjetivas ou objetivas que vêm a segu
ntra na Veracidade de Hod; a capacidade de admitir sua pr
ância, de "voltar a ser como uma criança", está contid
pego de Nezah; e, acima de tudo, a virtude que levará a
és de todas as dificuldades do caminho: a Devoção à Gr
de Tiferet.
e um nexo entre este caminho do Desejo e da Visão e o
nho do Ir e Voltar na forma física em Malkhut. Basta lembra
ra Kaf, que corresponde ao caminho 21, também aparec
a de echarpe que flutua ao redor da personagem dançarin
a 21, O Mundo, que alguns numeram como 22.
22º Gevurah - Tiferet
med (30), o aguilhão; o braço utilizando todas as articulações. Libra, Peixes, N
meralda, azul, verde-azulado, verde
rresponde ao arcano da Fé: XII - O Pendurado, Messias, Misericórdia (ou C
díaco (ou VIII - A Justiça, a Mestra do Equilíbrio.
caminho é a Inteligência Fiel e é assim denominado porque
s virtudes espirituais são desenvolvidas e todos os habitant
estão perto de ficar sob a sua sombra (= sob a proteção de
.
Esse caminho tem uma importância suplementar
encontrar na linha do Raio Fulgurante. É gera
conhecido, no sentido ascendente, como o caminho dos
Cármicos. Tal como o 20º, seu oposto complementa
caminho tem afinidades com Daat, pois Daat é també
esfera de equilíbrio. Esses ajustes e reajustes pod
representados pelo monstro com cabeça de crocodi
devora os Reprovados na cena do Julgamento no Liv
Mortos egípcio.
Como a maior parte dos espantalhos pavorosos dos
religiosos ou das lendas, os chamados monstros do mal
realidade, um véu que oculta aquilo que não p
enfrentar em nós próprios.
No sentido ascendente, o 22º caminho pede a redenç
assimilação de todo o nosso passado. A maior parte
confrontação ocorre no caminho 19, mas a avaliação d
os fatores, na qual nada será esquecido, se faz no 22º.
O aguilhão, símbolo da letra Lamed, como os demais sí
de Gevurah, pode sugerir idéias de castigo, mas isso
estritamente exato. Podemos também associar esse cam
11º (Keter-Hokhmah), representado pela letra Ale
simboliza o boi, o mais terra a terra dos animais.
O processo da manifestação, que continua ativo no c
que vai de Gevurah para a relativa estabilidade de Tifer
bem simbolizado pelo aguilhão.
oderes desse caminho poderão ficar mais claros se
rarmos de um símbolo menos conhecido para a letra Lamed
m as Asas da Fé que a alma pode melhor cumprir seu dest
ar da sombra do karma, como sugere o texto yetzirático.
23º Gevurah - Hod
em (40), a água; a qualidade mediadora do feminino nas mudanças. Esc
arte, Plutão, Saturno; o elemento água. Azul escuro, verde água, verde
orresponde ao arcano da Vida Eterna: XIII - "Sem Nome", a Foice, M
eencarnação, Transmutação da Energia (ou XII - O Pendurado, Espírito das Á
º caminho é a Inteligência Estável e é assim denominado po
virtude da coerência entre todas as numerações.
no sentido ascendente, o princípio intelectual a uma facu
tual de julgamento rigoroso. Compreende o sacrifício das i
rões anteriores, sem o qual se retrocede.
é um dos sefirah que correspondem ao elemento Água. Um
utos da Água é a reflexão e, em Hod, podemos distingu
xos dos princípios dos mundos superiores.
magens em Hod se apresentam mais sob a forma de abstr
ímbolos geométricos de Pitágoras, por exemplo) do que
a de confusas inquietações do subconscientes (os sonhos
plo) de Yesod.
ilaridade de função dos dois sefirot pode ser compreendida
esentação dos planetas correspondentes: a Lua de Yesod t
a de uma taça, de um receptáculo, que é o mesmo símbolo
Mercúrio.
rah não alcança seus propósitos apenas pela intensa ativ
ela violência, mas também pela sua persistência no te
s, portanto, no 23º caminho, de um lado a estabil
sária para refletir os mundos superiores sem deformá-los
, a estabilidade do esforço durante um período incomensurá
24º TIFERET - NEZAH
n (50), o peixe; o fruto. Escorpião, Aquário e Sagitário. Azul-esverdeado, m
corado, marrom bem escuro, marrom esve
responde ao arcano da Inspiração: XIV - A Temperança, Dedução, Reversib
enho Solar (ou XIII - A Morte, Filho dos Grandes Transformadores).
º caminho é a Inteligência Imaginativa, assim denom
ue dá uma semelhança a todas as similitudes criadas de
ar às suas harmoniosas elegâncias.
esenta a prova no caminho do poder. Corresponde à destr
mpulsos egoístas com finalidade de uma reconstrução num
elevado de individuação.
ês caminhos (24º, 25º e 26º) que ligam as sefirot do Mun
a (Yetzirah) à Tiferet, são caminhos de sacrifício, ou sej
de alguma coisa por outra melhor. A meta é descobrir a n
deira Vontade Espiritual e ter a coragem de agir em função
caminho representa a morte e o nascimento da personalid
laciona com a Vontade de Transformação. O 26º prop
formação da inteligência em Intuição; e o 27º a transform
ontade, da inteligência e da memória da personalidad
ade, Fé e Esperança.
ra esses três caminhos tenham igual importância, o 24º pos
icado suplementar de estar na rota do Raio Fulguran
minado "Inteligência Imaginativa", pois a personalidade po
r imagem do princípio espiritual. A letra hebraica
sponde ao caminho 24 é Nun, o peixe, que no níve
olismo sexual representa o esperma masculino. O peixe
ial, está associado a Cristo.
25º Tiferet - Yesod
amech (60), o sustentáculo; uma flecha contornando a superfície de
rcunferência. Sagitário e Saturno. Azul, amarelo, verde, azul escuro br
orresponde ao arcano da Contra-inspiração: XV - O Diabo, Lógica, Nah
rpente que seduziu Eva), Fatum (ou XIV-A Temperança, Filha de Reconciliad
º caminho é a Inteligência da Prova ou Tentação, a
minado por ser a primeira tentação pela qual o Criador
as pessoas virtuosas.
aminho entre a Personalidade e a Individualidade, no qu
nvolvem os primeiros vislumbres da consciência sup
esenta a prova da viagem de travessia do deserto, que nece
e da Coragem para ser empreendida, que exige o abando
nte segurança dos mundos inferiores.
uma das três vias que levam a Tiferet (os caminhos 24, 25
m a experiência conhecida pelo nome de Noite Escura da
5º caminho a alma deve progredir no Caminho Deserto, deix
trás a vida dos mundos exteriores e inferiores, embora
sciente da vida dos mundos interiores e superiores, invoca
terior que se tornará a aurora dourada nas trevas.
Trechos de Noite Escura da Alma, São João da Cruz
almas começam a entrar nessa Noite Escura quando De
a pouco a pouco de um primeiro estado, aquele em qu
a na vida espiritual, e as introduz num estado mais avan
é o dos contemplativos. É necessário passar por esse cam
se tornarem perfeitas, ou seja para alcançar a divina uniã
com Deus. Ora, para explicar e melhor dar a entend
eza da Noite que a alma deve atravessar e o motivo pelo
a introduz aí, é indispensável dizer uma palavra sobr
tos específicos dos iniciantes: seremos breve, mas sem deix
ser útil. Eles assim se darão conta da fraqueza do estado no
se encontram. Com uma nova coragem, desejarão que De
duza nessa Noite em que a alma é confirmada em suas virtu
al se encontra as inefáveis delícias do amor divino. Que nos
nto permitido deter um momento para dizer simplesme
sário em vista da Noite Escura, que trataremos a seguir".
emos que a alma, tão logo tenha se decidido a se co
letamente a serviço de Deus, torna-se objeto especia
tude divina para favorecê-la e fazê-la crescer em espírit
dos com os quais Deus preenche sua vida espiritual lembra
ma mãe, cujos afetos se concentram sobre seu filho. E
ce em seu seio, os alimenta com seu leite, dá os mais delic
ntos, carrega-o em seus braços e o cobre de carícias. Mais t
do a criança cresce, o carinho se torna menos expansivo, o
ulta, os seios esfregados com aloés enjoam a criança, e en
termina por colocá-lo no chão, para que ele use os próprios
de ser pequeno e se desenvolva com atos mais de acordo
igências da vida... "
Noite Escura, entendemos a Contemplação, e ela produ
tuais dois gêneros de trevas ou de purificações, conforme
u outro dos elementos do homem, a parte sensitiva ou a
tual. Há portanto uma primeira Noite ou purificação
dos, que dá à alma sua pureza segundo sua parte sensit
odando o sentido ao espírito. A segundo Noite ou purifi
tual é aquela em que a alma se purifica e se despoja segu
to a fim de se acomodar e se tornar apta à união de amor
A Noite dos sentidos é comum: ela se produz num g
ro de iniciantes, e dela nos ocuparemos em primeiro lug
do espírito é excepcional; ela é privilégio daqueles que
itaram e avançaram e a explicaremos em segundo lugar. "
imeira noite é amarga e temível para os sentidos, tal
mos. A segunda não tem comparação, é só horror e espanto
írito; e como a Noite dos sentidos é pela ordem a primeira
deve atravessa, direi uma palavra sem me estender, vist
conhecida e ter sido descrita com freqüência. Nos deter
tudo na Noite do espírito porque os ensinamentos orais
geralmente as negligenciam e principalmente porq
iência é rara.
o modo pelo qual os iniciantes principiam o caminho div
r, e como ela está muito sujeita aos seus próprios dese
Deus se interpõe para fazê-los progredir, libertando-os d
concepção de amor. Ele quer eleva-os até Ele, faz
donar o exercício inferior dos sentidos (a imaginação)
cínio através do qual se busca Deus de modo mesquinho no
bstáculos que já assinalamos, e os introduz no exercício
do do espírito, aquele que permite comunicar m
rfeitamente com Deus. Ele se ocupa deles porque já desde a
o os iniciantes mostraram sua perseverança nos caminho
de pela meditação e pela oração.
ntrando aí um sabor, satisfazendo seu gosto, eles são
s desligados das coisas do mundo. Suas forças espiritua
são aumentadas e, por isso, eles aprenderam a refrear o ap
eva para as criaturas. Eis que se tornam capazes de suporta
uma contrariedade, uma aridez sem ter imediatamente a
cuar para encontrar as antigas satisfações."
no momento em que estão bem à vontade em seus exer
tuais, em que imaginam caminhar plenamente com os fa
os, bruscamente Deus os mergulha na obscuridade: a por
dade se fecha, a fonte tão agradável da bebida espiritual, em
eavam Deus tão freqüente e tão longamente qu
assem, encontra-se esgotada... E Ele os deixa numa obscur
ue eles chamam em vão o socorro do sentido (da imaginaç
aciocínio para se dirigir. Para onde vão? Eles o igno
ssível avançar como antes pela meditação discursiva. O se
or, já paralisado nessa Noite, encontra-se tão árido que,
encontrar a antiga satisfação e o encanto das coisas espiritu
us exercícios, ele só se choca com desgostos e contrariedad
s notou que esses iniciantes tinham crescido um pouco; ago
esso deve retirá-los dos cueiros, afastá-los do seio alime
á-los na terra para que aprendam a usar os próprios pé
isso parece estranho, é porque tudo se passa no se
ário ao dos seus hábitos".
26º Tiferet - Hod
yin (70), o olho; uma conexão em estado de tensão. Capricórnio, Escorpião, P
rano. Índigo, negro, azul escuro, verde escuro e
orresponde ao arcano da Construção: XVI - A Torre, Eliminação Lógica, Con
stral, Destruição física, Casa de Deus (ou XV - O Diabo, a Porta da Matéria).
º caminho é denominado a Inteligência Renovadora porque
o Deus Santo renova todas as coisas mutáveis que
eradas pela criação do mundo.
esmo modo que o 25º caminho é uma Noite Escura da Alm
nho do Amor ou do Misticismo Devocional, e o 24º camin
prova no Caminho do Poder ou do Misticismo da Natureza
pode-se considerar o 26º caminho como uma prova simil
nho da Sabedoria, o Caminho Hermético.
ar das limitações da forma exige a ruína das construçõ
cto. A idéia que o homem faz de Deus, por exemplo, v
icando na medida de sua própria evolução.
no de Capricórnio atribuído a esse caminho fala da autori
mitação e da densificação. Mas a cabra que figura esse
ém diz que percorrendo agilmente o caminho, de roched
do, poderemos alcançar altos picos. No correr do percurso n
reensão se modificará pois, afinal, esse caminho é denom
gência Renovadora. À media em que o ar mental se rarefa
ssos mentais se transformarão de inteligência em intuição.
nho é uma operação de transformação da consciência intele
d na consciência iluminada de Tiferet.
27º Nezah - Hod
i (80), a boca; uma boca com língua, ou seja, uma boca que fala. Mercúrio, P
etuno, Marte. Vermelho, vermelho brilhante raiado de azul e esm
orresponde ao arcano do Crescimento e da Mãe: XVII - A Estrela, a Esp
tuição, Estrela dos Magos (ou XVI - A Casa de Deus, Senhor dos Exércitos).
º caminho representa a Inteligência Ativa e estimulante po
e, cada ser recebe seu espírito e seu movimento.
caminho é o suporte principal da Personalidade. É o primeir
rreira do caminho ascendente, ligando o centro do poder cr
ezah ao centro do pensamento concreta em Hod.
caminho está na rota do Raio Fulgurante e manifesta a for
nos mundos inferiores. Ele liga as sefirot de base dos
os do Princípios da Manifestação, o pilar positivo da Miseric
lar negativo do Rigor.
ra hebraica para esse caminho, Peh, significa boca, órgão
e os alimentos (aspecto receptivo) e emite a palavra (as
). O Yud que preenche a boca pode ser considerado
ação da língua que formula o Verbo em ação, ou até mes
io Verbo. No caso do 27º caminho, os Verbo se refletiu
s inferiores astral-mental e formou uma veículo para
nalidade. É por meio dessa Personalidade que o Ver
unciado para o nível de existência mais denso, Malkut, o m
.
esse caminho representa a estrutura da personalidad
olo da boca nos lembra que a meta da encarnação é a bus
nto na Forma em benefício da individualidade e do Espírito.
ome do caminho dá uma boa indicação. O caminho entre H
h é chamado, a partir da letra hebraica que lhe foi design
gnificado de sua raiz, "florescer e murchar", isto é, aparec
, desvanecer. Isso é um fenômeno vital e contínuo da men
nho entre Hod e Yesod é chamado de "Boca", originando-
hebraica Peh; o seu complemento no caminho Yesod-Ne
ado de "macaquear ou imitar". Esse caminhos combin
am, com seus sefirot, um nítido retrato do trabalho dessa tr
do mais, se levarmos adiante esse princípio kabalísti
ra "Nakaph", formada pelas letras desses três cami
ica "andar em círculos". (AAK,207).
i, como se pode notar pela citação acima, estabelece
ão entre as letras hebraicas e os Caminhos, diferente do
m até agora os autores franceses e ingleses.
28º Nezah - Yesod
sadi (90), o anzol; uma cobertura, uma tampa que se fecha. Aquário, Câncer
eixes. Violeta, azul celeste, malva azulada, branco matizado de pú
orresponde ao arcano da Inteligência: XVIII - A Lua, Crepúsculo, Hier
culta, Perigos Ocultos (ou IV - O Imperador, Filho da Manhã; ou XVII - A Est
º caminha é denominado a Inteligência Natural; por ele, tu
e encontra abaixo do Sol é terminado e concluído.
aminho de grandes poderes e forças porque, por ele, as f
da imaginação criadora são vertidas para o nível subconscie
as pessoas cultivadas, a Personalidade deveria ser
dução da Individualidade; em outros termos, o que
ixo deveria ser semelhante ao que está acima, para est
o com o axioma hermético. Esse fator é mostrado pelo sig
rio, , uma linha em ziguezague que lembra o Raio, ref
o por uma linha ziguezague similar. A linha superior repre
ividualidade, a linha inferior a Personalidade. Desse modo,
se encontra sob o Sol é terminado e concluído".
oração da Natureza também cabe no 28º caminho. O as
ino dessa adoração, Vênus ou Ísis, é indicado pela f
ólica de Nezah, a Bela Mulher Nua, embora seus asp
ndos venham de Binah. Esse caminho corresponde ao can
ação artística e de todo trabalho criativo. Ele se refere a Lú
tador da Luz., cujos aspectos superiores aparecem na lend
Graal, vaso que teria sido esculpido da esmeralda caíd
e de Lúcifer. E a esmeralda é a pedra atribuíd
s/Afrodite/Nezah.
ariados significado do 28º caminho vão desde o da polar
al, do contato com os reinos não humanos, até a formação d
interior na consciência para a representação dos asp
iores da alma.
29º Nezah - Malkhut
uf (100), o machado, uma arma cortante, a nuca. Peixes, Gêmeos, Sol e
ermelho vivo, camurça salpicado de branco prateado, castanho
orresponde ao arcano da Intuição: XIX - O Sol, Luz Resplandecente, V
ecunda, Virtude Fecunda, Ouro dos Filósofos (ou XVIII - A Lua, a Regente d
Refluxo, Filha dos Filhos do Todo Poderoso).
º caminho é denominado Inteligência Corporal porque con
corpo criado em todos os mundos, bem como sua reproduçã
igado ao corpo físico, esse grande complexo de sangue, c
e nervos que o Espírito utiliza para se manifestar sobre a T
ém se refere aos instintos fundamentais, em particu
alidade e à reprodução. O fato de possuirmos raízes bioló
s é uma das verdades que devemos enfrentar no 29º camin
mem urbano tende a aumentar o controle sobre os instint
pode torná-lo cego para as leis da natureza. Mas o homem
escapar do seu aspecto primitivo. Ele pode cont
cender, mas sempre se deparar á com esse lado da naturez
ida física. A aceitação desse estado talvez seja a principal
minho 29º.
-se de um caminho do panteísmo e das etapas primitivas e
a terra do "Raio Verde", a via do misticismo da natureza.
cabe o "amor" superficial e sentimental do citadino
eza, mas sim a atitude ambivalente de amor e ódio do camp
ela deve tirar sua subsistência através de uma verdadeira l
or real pela natureza, como o verdadeiro amor humano, n
coisa de apreciação refinada e impalpável, mas
ontação e aceitação voluntária da realidade. O mito de Led
(Zeus) cabe neste caminho. Do seu encontro amoroso na
r e Pólux, os Gêmeos Celestes, representação da Individual
Personalidade.
30º Hod - Yesod
eish (200), a cabeça; uma cabeça humana. Saturno, Urano e o elemento Ar
aranja, amarelo dourado, âmbar, âmbar rajado de ver
orresponde ao arcano da Ressurreição: XX - O Julgamento. Transformação
ransformações no Tempo (ou XIX - O Sol, o Senhor do Fogo do Mundo).
º caminho representa a Inteligência Coletiva e, por meio de
ogos adquirem o conhecimento das estrelas e dos c
tes e aperfeiçoam sua ciência em função das leis que reg
mento das estrelas.
-se de um caminho de esclarecimento, que liga a visã
nismo do universo, Yesod, à visão do esplendor, Hod. Est
h do Mensageiro Divino, do Senhor dos Livros, e igualmen
jo Miguel, que dispersa as forças das trevas.
a hebraica significa cabeça, o que supõe inteligência, enqu
texto yetzirático sublinha a perfeição da ciência. Nesse te
ogia é representativa de todas as ciências, cuja meta
reensão das leis com as quais se pode preve
ecimentos.
ncípio solar do 30º caminho pode lançar uma luz crua sob
os do ser, tais como se manifestam na personalidade. A la
ada do Miguel Arcanjo, neste caso, não são apenas as a
ólicas para lutar contra os demônios, mas as pontas de acu
terização dirigido para o mais profundo do coração daquele
nham nos níveis mais baixos desse caminho.
aminhos da Árvore da Vida são para a alma como gra
ns e importantes experiências e aquele que está na deman
Graal em Keter acolherá com prazer os processos petrifica
u caminho. Aquele que ousa se manter nu sob a luz brilhan
ade, como fazem os personagens da lâmina do
reenderá que iniciou uma Busca verdadeira e probatória e
omance encantador ou um jogo esotérico de salão.
31º Hod - Malkhut
hin (300), o dente; uma flecha em movimento oscilante. Sol, Sagitário e o el
go. Laranja, vermelho vivo salpicado de ouro ou de esm
orresponde ao arcano do Amor: "O Arcano Sem Número", o Louco, o Viaj
atéria ou XXI - O Mundo (ou XX - O Julgamento, o Espírito do Fogo Primord
º caminho é a Inteligência Perpétua, mas porque é a
minada? É porque ele rege os movimentos do Sol e da Lu
umo próprio, cada um na órbita que lhe convém.
caminho comunica a direção ou a revelação de fatores me
elevados a um nível sempre crescente, vão provocar a gr
ença entre o homem e os animais selvagens.
to yetzirático, o único com pergunta e resposta, indica que
nho se refere à instrução no nível mental.
ege os movimento do Sol e da Lua, símbolos supremo
ção e da receptividade.
a/Vesta, deusas do fogo, e Prometeu, cujo nome sig
isão, que oferecem a principal distinção entre os homens
ais, podem ser associados a esse caminho. Pode-se dizer
compreende os instintos superiores, por exemplo, os t
mentos associados à paternidade, à maternidade, à união.
ele nos leva a Hod, é influenciado pelos aspectos civiliza
úmero e da palavra, que permitem o cálculo e a medi
ém, a comunicação com um nível superior.
anto o caminho 29 nos oferece uma confrontação com a he
gica, recapitulada no ventre materno, o 31º pode nos reve
es das vidas precedentes que desempenham uma
rtante na formação do temperamento da vida presente.
32º Yesod - Malkhut
av (400), a cruz; um peito. Sol, Saturno e os signos fixos (Touro, Leão, Esco
quário). Índigo, negro, azul escuro, negro rajado de
orresponde ao arcano da Alegria. XXI - O Mundo, a Coroa Mágica, Adapta
bra Magna, Onipotência Natural ou O Louco, o arcano sem número.
º é a Inteligência Organizadora. É assim denominado po
na e associa os movimentos dos sete planetas guiando-o
trajetórias próprias
caminho liga Malkhut, o mundo físico, à Yesod, o véu etér
sciente universal que representa o fundamento da exist
. É um caminho de introversão da consciência sensorial p
iência das profundezas do mundo interior.
mbém o caminho da Iniciação. Yesod, sefirah da Lua, refl
etiza o poder oculto. Deméter e sua filha Perséfone, podem
iadas a esse caminho.
onto de vista psicológico, poder-se-ia dizer que as téc
ianas correspondem a esse caminho, na medida em que aj
ceber as imagens inconscientes de Yesod em relação a Mal
ja, à vida cotidiana. Já as técnicas junguianas poderiam aju
r essas imagens até se tornarem símbolos de transformaçã
uzem à harmonia psíquica de Tiferet (caminho 25, Y
et).
º caminho representa as primeiras fases da devoção mí
como o caminho que leva aos planos inferiores e à mem
sciente. Suas lições mais importantes são, no se
dente, a existência da causalidade das coisas num plano
do ou profundo que o do mundo físico e, no se
ndente, a aceitação de uma limitação do espírito numa f
densa.

Agrupamentos dos caminhos


s Pequenos Mistérios (da Personalidade)
Os que vão e vêm do ser físico: 32, 29 e 31.
As estruturas da personalidade: 28, 30 e 27.
Os laços com a individualidade: 25, 26 e 24.
s Grandes Mistérios (da Individualidade)
As estruturas da individualidade: 20, 22 e 19.
As influências sobre a personalidade: 21 e 23.
Os laços com o espírito: 13, 17 e 15.
s Mistérios Supremos (do Espírito).
As influências sobre a individualidade: 18 e 16.
As estruturas do espírito: 14, 12 e 11.

Livros utilizados nesta compilação


reth Knight. Guide Pratique du Symbolisme de la Qabal, tom
II. Ediru, France (G
v ben Shimon Halevi. (Warren Kenton). Adão e a Árvore K
a. Ed. Imago. (
-. Escola de Kabbalah.Siciliano
-, Cabala e Psicologia. Ed.Siciliano
-. Universo Kabbalístico. Siciliano
-, Astrologia Cabalística. Pensamento
on Fortune. A Cabala Mística. Pensamento
O.Mebes. Os Arcanos Maiores do Tarô. Ed. Pensamento (
-. Os Arcanos Menores do Tarô. Pensam
alentim Tomberg (Anônimo). Meditação sobre os Arc
es do Tarô. Ed. Pensamento (MA
avid Zumerkorn, Numerologia Judaica e seus Mistérios
anot, de onde validamos a g
o nome das letras alfabeto hebraico.
Edição: feverei
Revisão: janei
Contato com o autor:
Constantino K. Riemma - contato-ct@clubedotaro.com.br
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
:http://www.clubedotaro.com.br/site/r64_1_caminhos_ck

Comentários

Postagens mais visitadas

MEMORIAL DOS PACIFISTAS : GRANDES LÍDERES MUNDIAIS PELA PAZ

Memorial dos Pacifistas

DALAI LAMA\"SEM PAZ DE ESPÍRITO É IMPOSSÍVEL PAZ NO


MUNDO\"

Dalai-Lama Tenzin Gyatso é o atual líder religioso do Tibete. Os


tibetanos preferem chamá-lo simplesmente de Kundum, a Presença.
Vive no exílio e combate a ocupação chinesa de sua nação sem
abandonar seus princípios religiosos e opiniões ponderadas. Filho de
camponeses, nasceu em 6 de julho de 1935, na aldeia de Takster, com o
nome de Lhamo Thondup. Com dois anos de idade, foi reconhecido
como a reencarnação do 13º Dalai Lama (Avalokitesvara); sendo,
então, o 14º Dalai Lama, o Buda da compaixão.

A história do primeiro contato com o novo Dalai Lama é magnífica.


Quem se aproximou da humilde residência foi o monge mais
importante do grupo e amigo íntimo do 13º Dalai Lama. Ele estava
vestido de mendigo e trazia ao pescoço, por baixo das vestes, o terço do
13º Dalai Lama. Foi recebido à porta por uma mulher segurando uma
criança e pediu comida. A criança, então, segurou a roupa do homem e
perguntou:…

PARA ONDE VAMOS QUANDO MORREMOS,SEGUNDO A DOUTRINA


ESPÍRITA ?

Vamos tentar responder neste artigo a pergunta que todo ser humano
faz em algum momento da vida: “Para onde vamos quando
morremos?” O primeiro ponto que precisamos aceitar como verdade é
que depois da morte nossa individualidade continua existindo

Você também pode gostar