Você está na página 1de 1

Categorias farmacológicas na gravidez

As categorias farmacológicas na gravidez é um tipo de classificação de fármacos para


identificar os riscos potenciais ao feto durante o uso de determinados medicamentos
durante a gravidez. Existem várias classificações em diferentes países. No Food and Drug
Administration, são indicadas através das letras A, B, C, D e X.
Durante a gravidez ocorrem diversas mudanças que afetam a fisiologia do corpo da
mulher, o que altera os padrões de resposta farmacológica, além de afetar o embrião ou
feto pelo fato de muitos metabólitos ativos e fármacos atravessarem a placenta.[1] O
período de maior risco, na ingestão de medicamentos durante a gravidez, são os três
primeiros meses, mas todas as fases da gravidez podem ser afetadas pela ingesta de
fármacos.[1]
Alterações farmacológicas importantes na gravidez

1. pH gástrico está aumentado.[1]


2. Retenção hídrica elevada e aumento do volume sanguíneo, concentração
proteica no sangue reduzida[1]
3. Capacidade de metabolização hepática diminuída.[1]
4. Aumento da taxa de filtração renal, excreção de glicose na urina[1]

Categorias farmacológicas na gravidez segundo o FDA.[2]


Não há evidência de risco em mulheres. Estudos bem controlados não
Categoria na
revelam problemas no primeiro trimestre de gravidez e não há evidências
gravidez A
de problemas nos segundo e terceiro trimestres.
Não há estudos adequados em mulheres. Em experiência em animais não
Categoria na foram encontrados riscos, mas foram encontrados efeitos colaterais que
gravidez B não foram confirmados nas mulheres, especialmente durante o último
trimestre de gravidez.
Não há estudos adequados em mulheres. Em experiências animais
Categoria na
ocorreram alguns efeitos colaterais no feto, mas o benefício do produto
gravidez C
pode justificar o risco potencial durante a gravidez.
Há evidências de risco em fetos humanos. Só usar se o benefício justificar
Categoria na o risco potencial. Em situação de risco de vida ou em caso de doenças
gravidez D graves para as quais não se possa utilizar drogas mais seguras, ou se
estas drogas não forem eficazes.
Estudos revelaram anormalidades no feto ou evidências de risco para o
Categoria na
feto. Os riscos durante a gravidez são superiores aos potenciais
gravidez X
benefícios. Não usar em hipótese alguma durante a gravidez.