Você está na página 1de 2

interação com estruturas da membrana da célula

MICROBIOLOGIA 3CR° hospedeira.

VÍRUS A arquitetura e modo com que as partículas víricas são


construídas devem permitir o desempenho de duas funções
fundamentais: a) proteção do genoma durante o transporte
DICAS entre células e entre hospedeiros, e b) liberação do genoma
Parasitas intracelulares obrigatórios (precisa de celular para íntegro e viável após a penetração na célula hospedeira.
se replicar); não crescem; não se dividem; não possui Ou seja, os vírions são resistentes o suficiente para proteger
organelas. o genoma no exterior das células e são facilmente
desintegrados ao penetrarem na célula hospedeira, para
GENOMA OU NUCLEO permitir a pronta liberação do genoma no seu interior.
O genoma viral – ácido ribonucleico (RNA) ou
desoxirribonucleico (DNA) – codifica apenas as informações
necessárias para assegurar a sua multiplicação,
empacotamento do genoma e para subversão de funções
celulares em benefício da sua multiplicação.
Tipo de ácido nucléico viral:
• Fita simples de DNA;
• Fita dupla de DNA;
• Fita simples de RNA
• Fita dupla de RNA

ESTRUTURA DAS PARTÍCULAS VÍRICAS


De acordo com a estrutura básica das partículas, dois
grupos principais de vírus podem ser reconhecidos: os vírus
sem envelope e os vírus com envelope.
Os vírions mais simples são compostos pelo genoma
recoberto por uma camada simples de proteína,
denominada capsídeo. Os vírus mais complexos possuem
genomas longos associados com várias proteínas, GENOMA
recobertos por capsídeos complexos, revestidos O genoma dos vírus é constituído por moléculas de ácido
externamente por uma membrana lipoprotéica de origem ribonucléico (RNA) ou desoxirribonucléico (DNA), nunca
celular, denominada envelope. Capsídeo + Envelope = pelos dois.
ENVOLTORIO VIRAL.
Em geral, os vírus das diversas famílias contêm apenas uma
cópia do genoma por vírion (são haploides). Uma exceção
são os retrovírus, que possuem duas cópias idênticas do
genoma (são diploides).
Os genomas dos vírus apresentam variações de tipos e
estrutura, que incluem desde genomas de DNA de fita
simples (ssDNA) até RNA de fita dupla (dsRNA).

CAPSÍDEO
Capsídeo (também chamado de cápsula) é a camada
protéica que recobre externamente o genoma.
A função do capsídeo é proteger o material genético e
proporcionar a transferência do vírus entre células e entre
hospedeiros.
Vírus sem envelope, a superfície externa do capsídeo é
responsável pelas interações iniciais dos vírions com a
A função primordial dos envoltórios virais (capsídeo e célula hospedeira no processo de penetração do vírus.
envelope) é proteger o genoma de danos físicos, químicos Os capsídeos são formados pela associação de
ou enzimáticos durante a transmissão entre células e entre subunidades protéicas denominadas protômeros
hospedeiros. Outras funções importantes dos componentes
A associação dessas proteínas pode formar estruturas
superficiais das partículas víricas são o reconhecimento e
tridimensionais bem definidas, geralmente na forma de
pequenas saliências visíveis na superfície dos vírions. Essas
estruturas constituem-se nas unidades morfológicas do As proteínas da matriz desempenham importante função
capsídeo, também denominadas capsômeros. estrutural e na morfogênese das partículas víricas, pois
A associação entre essas proteínas pode resultar em interagem simultaneamente com a superfície externa do
nucleocapsídeo e com as caudas das glicoproteínas,
capsídeos com duas simetrias principais: (A) icosaédrica
funcionando como adaptadores entre o nucleocapsídeo e o
esférico e (B) helicoidal cilindrico.
envelope.

AS PROTEÍNAS VIRAIS
Proteínas sintetizadas são divididas em:
• Estruturais: proteção do genoma, reconhecimento
das células, atividade enzimática
• Não estruturais: atividade enzimática, regulação da
expressão gênica

AGENTES INFECCIOSOS MENORES QUE OS


VÍRUS
Príons – proteínas (desprovidas de ácido nucleico), e
capazes de infectar células e causar doenças.
A maioria dos vírus animais possui capsídeos icosaédricos Vírus Satélites – pequenos e defectivos que dependem de
ou helicoidais, mas alguns (poxvírus, iridovírus e outros vírus para se multiplicar.
bacteriófagos) possuem capsídeos com arquitetura mais
Viroides – compostos apenas por um ácido nucleico (ssRNA
complexa, denominados genericamente capsídeos
circular), capaz de se replicar quando infecta uma célula,
complexos.
podendo codificar ou não uma proteína.

ENVELOPE
O envelope é formado por uma camada lipídica dupla,
derivada de membranas celulares.
Nos herpesvírus, entretanto, existe um espaço de espessura
variável entre o capsídeo e o envelope, que é preenchido por
uma substância protéica amorfa, denominada tegumento.

Os vírions adquirem a membrana lipídica que compõe o


envelope pela inserção/protusão do nucleocapsídeo através
de membranas celulares, mecanismo denominado
brotamento.
Em geral, as glicoproteínas do envelope apresentam três
regiões principais em comum: a) uma região citoplasmática
ou interna (cauda); b) uma região transmembrana (tm) e c)
uma região externa.

A MATRIZ
Proteínas que recobrem externamente o nucleocapsídeo,
mediando a sua associação com a superfície interna do
envelope. Essas proteínas, denominadas de matriz, são
geralmente glicosiladas e abundantes, podendo
corresponder a até 30% da massa total dos vírions (como
nos retrovírus).