Você está na página 1de 56

FISCALIDADE

ASPETOS GERAIS

Caderno de Apoio às Aulas

João Canedo
jpcanedo@iseg.ulisboa.pt

Ano letivo 2019/2020


FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

NOTA DE INTRODUÇÃO

Este caderno tem vindo a ser desenvolvido e trabalhado com os seus destinatários, os alunos de Fiscalidade do
ISEG, foca-se especialmente nas questões de revisão e nas respetivas resoluções, com as quais se pretende abranger
os aspetos gerais da fiscalidade dos programas das unidades curriculares das licenciaturas e mestrado de
Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais, ajudando a identificar as matérias contidas no programa através
de questões de revisão que possam despertar o interesse pelo seu estudo e discussão.

Complementarmente, sobre cada capítulo do programa das unidades curriculares, indicam-se as referências à
literatura de base e complementar de cada um dos temas desta parte do programa, ou seja, a teoria geral do
imposto, o direito fiscal e os impostos, a economia e a gestão e sistema fiscal português.

A formulação de questões com respostas de escolha múltipla, tem por objetivo tornar o estudo mais atrativo, porque
permite encontrar nas alternativas apresentadas referências para pesquisa e aprofundamento dessas temáticas e
desse modo suscitar alguma discussão à sua volta, permitindo no final uma melhor compreensão dos fundamentos
que identificam uma das respostas como correta.

Saliente-se, contudo, que este caderno de apoio às aulas tem a natureza de uma sebenta, podendo conter
imprecisões e omissões, pelo que deve ser utilizado com alguma precaução, sendo eventuais contributos para o seu
melhoramento muito apreciados. Por essas razões, não deve deixar de referir-se que, em nenhuma circunstância,
este caderno, ou as próprias apresentações das aulas, dispensam a consulta e o estudo da literatura recomendada.

Todos os textos e questões apresentados reportam-se à legislação em vigor à data da publicação deste caderno no
Áquila.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 2 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

SUMÁRIO

1 - Teoria geral do imposto


− Noção de imposto
− O imposto e algumas figuras afins
− Estrutura e dinâmica do imposto
− Classificação dos impostos

3 - Direito fiscal
− Fontes de direito fiscal
− Interpretação e integração da lei fiscal
− Aplicação da lei fiscal no tempo e no espaço
− Relação jurídico-fiscal
− Garantias dos contribuintes

4 - Os impostos, a economia e a gestão


− Nível de fiscalidade e esforço fiscal
− Estrutura fiscal
− Política fiscal

5 - O sistema fiscal português


− Noção de sistema fiscal. Tipologia. Princípios de tributação
− Sistema fiscal português

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 3 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

1 – TEORIA GERAL DO IMPOSTO

O IMPOSTO E ALGUMAS DENOMINADAS FIGURAS AFINS

Literatura para consulta: Freitas Pereira, 2018, pp. 17-30

QUESTÕES DE REVISÃO

1. Uma prestação pecuniária que tem subjacente uma contraprestação específica qualifica-se como:
A. Imposto.
B. Taxa.
C. Contribuição especial.
D. Contribuição para a segurança social.

2. Um tributo que consiste numa prestação pecuniária unilateral com vista à realização de serviços
públicos indivisíveis denomina-se como:
A. Empréstimo público forçado.
B. Taxa.
C. Imposto.
D. Contribuição especial

3. A que tipo de denominada figura afim de um imposto se refere a tributação sobre o aumento de valor de bens
derivado da atuação de um sujeito público:
A. Contribuição para a segurança social.
B. Empréstimo público forçado.
C. Contribuição especial.
D. Taxa.

4. A Câmara Municipal de Lisboa publicou o Regulamento n.º 569-A/2014, de 30 de dezembro, que prevê a
entrada em vigor a partir de 1 de janeiro de 2016 do pagamento de € 1 por hóspede e por noite devido, de
acordo com o art.º 68.º daquele diploma, como contrapartida do singular aproveitamento turístico
proporcionado pelo conjunto de atividades e investimentos relacionados direta e indiretamente com a
atividade turística, designadamente, através da realização de obras de construção, de manutenção, de
reabilitação e de requalificação urbanas e das demais benfeitorias efetuadas em bens do domínio público e
privado municipal, em zonas de cariz potencialmente turístico. Pretende-se que caraterize aquele tributo e
explicite as diferenças mais relevantes para outro tipo de tributos que conhece.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 4 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

5. O sistema previdencial visa garantir, assente no princípio de solidariedade de base profissional, prestações
pecuniárias substitutivas de rendimentos do trabalho perdido em consequência da verificação das
eventualidades legalmente definidas. Para a determinação do montante das contribuições das entidades
empregadoras e das quotizações dos trabalhadores, considera-se base de incidência contributiva a
remuneração ilíquida devida em função do exercício da atividade profissional ou decorrente da cessação do
contrato de trabalho nos termos do Código Contributivo. De acordo com o exposto, caracterize o tributo aí
descrito e identifique as principais diferenças relativamente a outros tipos de tributos que conhece.

6. “Um imposto sobre os gigantes da Internet, como a Google e o Facebook, semelhante ao que o Governo
francês vai introduzir já em janeiro, poderia trazer uma receita fiscal a Portugal de cerca de 60 milhões de
euros, segundo estimativas de fiscalistas que têm acompanhado este tema ao Negócios. A criação de um
imposto sobre as "GAFA" (Google, Apple, Facebook e Amazon) tem estado em debate a nível europeu há
mais de um ano e recuperou mediatismo depois de a França ter anunciado há umas semanas que vai avançar
unilateralmente com a medida em 2019. O país liderou a pressão sobre a Comissão Europeia, mas depois
do último Conselho de Ministros das Finanças da União Europeia (UE) ter terminado sem consenso e com a
pressão orçamental das medidas para responder aos protestos dos "coletes amarelos", o governo francês
decidiu não esperar mais pelos parceiros europeus. Embora os detalhes da medida ainda não estejam
fechados, Paris pretende avançar com uma taxa de 3% sobre as receitas provenientes da venda de dados,
da publicidade e de serviços de aproximação entre utilizadores destas tecnológicas e estima arrecadar 500
milhões de euros.” In Jornal de Negócios, 28-12-2108
Admitindo que Portugal pretenda aderir à criação de um imposto com aquelas caraterísticas, comente esta
notícia, referindo-se nomeadamente aos princípios a que devem obedecer a criação de impostos.

7. Com o objetivo de financiar mecanismos que promovam a sustentabilidade sistémica do setor energético,
que contribua para a redução da dívida tarifária e para o financiamento de políticas sociais e ambientais do
setor energético, cuja receita é consignada ao Fundo para a Sustentabilidade Sistémica do Setor Energético
(FSSSE) foi criada uma contribuição incidente sobre as pessoas singulares ou coletivas que integram o setor
energético nacional e que sejam titulares de licenças de exploração de centros electroprodutores ou outras
licenças de produção. Analise a natureza jurídica desta contribuição, face aos aspetos caraterizadores dos
tributos que conhece.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 5 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

ESTRUTURA E DINÂMICA DO IMPOSTO

Literatura para consulta: Freitas Pereira, 2018, pp. 31-50.

QUESTÕES DE REVISÃO

8. O elemento subjetivo da relação jurídico-tributária resultante da perceção de um rendimento corresponde a:


A. Quantitativo do rendimento.
B. Perceção do rendimento.
C. Momento em que o rendimento é posto à disposição do beneficiário.
D. Entidade beneficiária do rendimento.

9. Considere a seguinte informação veiculada num jornal económico e responda às questões a seguir colocadas:
“Em maio de 2016, uma sociedade anónima, com sede e direção efetiva em Portugal, colocou à disposição da
sua acionista maioritária, também com sede e direção efetiva em Portugal, o valor de € 2.000.000 respeitante
aos dividendos do período de 2015, em cumprimento da deliberação da Assembleia Geral, tendo efetuado a
retenção na fonte devida nos termos da lei em vigor”
i. Identifique os aspetos constitutivos do elemento objetivo do facto gerador do imposto, necessários
para que ocorra a tributação, explicitando cada um deles com o exemplo concreto do texto.

ii. Identifique qual o elemento subjetivo do facto gerador do imposto na operação descrita e efetue a
sua caraterização.

iii. Diga em que consiste a figura jurídica da substituição tributária e indique se a mesma está presente
na operação acima referenciada.

10. Considere que a empresa Triângulo, Lda, adquire à Sociedade de Construções do Sul, SA, um imóvel
localizado em Lisboa, pelo valor de € 500.000, cuja escritura de compra e venda foi celebrada no dia 4 de
novembro de 2015, tendo como outorgante por parte do adquirente o senhor António Oliveira, sócio-gerente
da mesma.
i. Indique se na situação descrita estão presentes todos os aspetos constitutivos do elemento objetivo
do facto gerador do imposto, necessários para que este ocorra, explicitando cada um deles com o
exemplo concreto do texto.
ii. Identifique qual o elemento subjetivo do facto gerador do imposto na operação descrita e efetue a
sua caraterização.

11. A incidência económica do imposto verifica-se relativamente a:


A. Pessoa sobre quem recai o encargo de suportar efetivamente o imposto.
B. Pessoa sobre quem foi legalmente aplicado o encargo do imposto mas não suporta efetivamente
o imposto.
C. Pessoa sobre a qual foi repercutido o encargo de suportar o imposto por outra pessoa a quem
foi legalmente aplicado o encargo do imposto.
D. As respostas A. e C. estão corretas.
____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 6 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

12. A repercussão do imposto é obrigatória quando:


A. Se transfere a carga fiscal do contribuinte de direito para o contribuinte de facto.
B. Se transfere a carga fiscal do contribuinte de facto para o contribuinte de direito.
C. Se transfere a carga fiscal do substituto tributário para o contribuinte de direito.
D. Se transfere a carga fiscal do contribuinte de facto para o substituto tributário.

13. Um facto tributário isento significa:


A. Não estar sujeito a imposto
B. Estar fora do campo de incidência do imposto
C. Estar sujeito a imposto mas um facto autónomo impede a sua tributação
D. Nenhuma das respostas anteriores está correta.

14. Para além das taxas nominais de tributação do rendimento, são também utilizadas outras na análise dessa
mesma tributação, podendo distinguir-se de entre estas últimas as taxas médias efetivas e as taxas marginais
efetivas. Indique em que medida a informação obtida a partir de cada uma daquelas diferentes taxas
(incluindo as nominais) pode influenciar as decisões de investimento e justifique.

15. Considere uma empresa que apresenta no Balanço do ano n um resultado líquido do período de 50.000. Para
a determinação da matéria coletável foram efetuadas correções positivas e negativas tendo resultado um
montante dedutível de (-) 20.000. A taxa nominal do imposto é de 21%. Foram ainda efetuadas deduções à
coleta de benefícios fiscais ao investimento de 2.300. Determine a taxa efetiva do imposto.

16. O Senhor Silva tem rendimentos brutos de trabalho dependente numa empresa de construção civil de 24.400.
As deduções ao rendimento bruto de que pode usufruir são de 4.400. A taxa nominal aplicável do senhor
Silva é de 23,6% e tem 1.120 de deduções à coleta. Sabendo que o Senhor Silva teve um convite para dirigir
um departamento da empresa onde vai auferir um rendimento bruto adicional de 10.000:
a) Determine a taxa marginal de imposto que resulta do acréscimo de rendimento, considerando que o
Senhor Silva fez as contas e concluiu que o imposto que vai passar a pagar é de 7.300 (admita que
as deduções ao rendimento bruto e à coleta se mantêm constantes).
b) Refira-se às características de progressividade ou regressividade da taxa.

17. Admita que uma empresa multinacional americana pretende realizar um investimento na Europa para
produzir um novo automóvel elétrico e efetua para o efeito um estudo para a determinação de localizações
alternativas e diferentes volumes de produção. No estudo foram consideradas as seguintes hipóteses, tendo
como localizações alternativas Portugal e Espanha:
Hipótese A:
− Volume de produção de 800.000 unidades do modelo K;

− Resultado antes de impostos (RAI): 1.000.000; Acréscimos ao RAI: 150.000; deduções ao RAI
450.000;

− Deduções à coleta como benefício fiscal atribuído ao investimento: 47.000.

Hipótese B:
− Volume de produção de 4.000.000 unidades do modelo K;

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 7 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________
− Resultado antes de impostos (RAI): 10.000.000; Acréscimos ao RAI: 1.500.000; deduções ao RAI
3.500.000;

− Deduções à coleta como benefício fiscal atribuído ao investimento: 400.000.

São conhecidos os seguintes dados relativamente ao potencial investimento em Espanha:


− Taxa média efetiva do imposto sobre o rendimento do investimento: 12%

− Taxa marginal efetiva do imposto sobre o rendimento do investimento: 23%

Com base na informação disponibilizada, analise este investimento e indique qual será a opção fiscalmente
mais eficiente que a multinacional americana deve escolher, considerando para investimento em Portugal
a taxa estatutária do imposto sobre o rendimento e um adicionamento ao imposto de 7,5% para matéria
coletável superior a 1.500.000.

18. Quando o pagamento do imposto não é exigido ao titular do rendimento mas sim ao respetivo devedor,
está-se perante a figura jurídico-tributária designada por:
A. Retenção na fonte por conta do imposto devido no final do período que dispensa a entrega da
declaração de rendimentos.
B. Retenção na fonte por conta do imposto devido no final do período que obriga à entrega da
declaração de rendimentos.
C. Retenção na fonte a título definitivo que dispensa a entrega da declaração dos rendimentos.
D. As respostas B e C estão corretas, dependendo das circunstâncias.

19. A cobrança de dívidas fiscais efetuada depois de decorrido o prazo fixado para o seu pagamento voluntário
corresponde a:
A. Cobrança voluntária que não implica o pagamento de juros.
B. Cobrança coerciva que implica o acréscimo de juros de mora contados até à data do pagamento da
dívida.
C. Cobrança coerciva que não implica o pagamento de juros de mora.
D. Cobrança voluntária que implica um pagamento especial por conta.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 8 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

CLASSIFICAÇÃO DOS IMPOSTOS

Literatura para consulta: Freitas Pereira, 2018, pp. 51-65

QUESTÕES DE REVISÃO

20. Considere os seguintes critérios distintivos entre impostos diretos e impostos indiretos e comente a sua
adequabilidade para esse efeito:
− Os impostos diretos não podem ser repercutidos para terceiros enquanto os impostos indiretos
possibilitam essa repercussão.
− Os impostos diretos incidem sobre a obtenção de um rendimento e os impostos indiretos incidem
sobre a utilização do rendimento.
− Os impostos indiretos abstraem-se do condicionalismo económico ou da situação pessoal dos
contribuintes e os impostos diretos tem em consideração a situação pessoal dos contribuintes.

21. Um imposto que se abstrai de condicionalismos económicos ou da situação pessoal em que se encontra o
contribuinte designa-se por:
A. Imposto de quota fixa.
B. Imposto pessoal.
C. Imposto real.
D. As respostas A e B Estão corretas.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 9 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

2 - DIREITO FISCAL

FONTES DE DIREITO FISCAL


Literatura para consulta: Freitas Pereira, 2018, pp. 155-218.

QUESTÕES DE REVISÃO

22. O princípio da legalidade em matéria fiscal tem como consequência:


A. Que só a lei formal pode criar impostos e definir os seus elementos essenciais, sendo competência
exclusiva da Assembleia da República.
B. Que só a lei formal pode criar impostos e definir os seus elementos essenciais, sendo competência do
Governo mediante autorização legislativa expressa.
C. Que só a lei formal pode criar impostos e definir os seus elementos essenciais, sendo competência
exclusiva do Governo.
D. As respostas A. e B. estão corretas.

23. O princípio da igualdade em matéria fiscal significa que:


A. Os indivíduos que não têm capacidade contributiva não devem pagar impostos.
B. Os indivíduos que têm capacidade contributiva devem pagar impostos na medida dessa capacidade.
C. Todos os indivíduos devem pagar os mesmos impostos.
D. As respostas A e B estão corretas.

24. Quais os seguintes elementos da lei fiscal que estão sobre reserva absoluta da lei formal?
A. Incidência, obrigações acessórias, benefícios fiscais e regime sancionatório.
B. Incidência, taxas, benefícios fiscais e garantias dos contribuintes.
C. Incidência, taxas, garantias dos contribuintes e cobrança.
D. Incidência, liquidação, cobrança e regime sancionatório.

25. O elemento tipicidade fechada é um dos pilares em que assenta o princípio da legalidade e caracteriza-se por:
A. Só a lei é fundamento da atividade da administração;
B. A lei contém em si todos os elementos para a valoração dos factos e produção dos efeitos;
C. Apenas a lei formal reservada à Assembleia da República pode criar impostos;
D. É vedada a analogia relativamente às normas em que existe reserva absoluta da lei formal.

26. Considerando que o direito comunitário constitui uma fonte de direito fiscal, indique qual dos seguintes
instrumentos tem carácter geral, é obrigatório em todos os seus elementos e diretamente aplicável em todos
os Estado membros?
A. Decisão.
B. Diretiva.
C. Regulamento.
D. Recomendação.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 10 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

27. Qual dos seguintes instrumentos do direito comunitário vincula o Estado membro destinatário quanto aos
resultados a alcançar, deixando, no entanto, às instâncias nacionais a competência quando à forma e aos
meios?
A. Regulamento.
B. Recomendação.
C. Decisão.
D. Diretiva.

28. As convenções para eliminar a dupla tributação sobre o rendimento que Portugal celebrou com vários países
seguem o modelo da:
A. União Europeia.
B. OCDE.
C. Banco Central Europeu.
D. Fundo Monetário Internacional.

29. A eficácia vinculativa dos regulamentos emanados da administração tributária, no âmbito dos poderes
executivos que lhe estão conferidos, nomeadamente através de circulares ou ofícios circulados, aplica-se
aos:
A. Tribunais Administrativos e Fiscais.
B. Sujeitos passivos.
C. Sujeitos passivos e aos funcionários da Administração Tributária e Aduaneira (AT).
D. Funcionários da Administração Tributária e Aduaneira (AT).

30. Admita que o governo pretende introduzir as seguintes disposições normativas no sistema fiscal:
i. Regulamentar a forma como se deve processar a exportação de ficheiros informáticos para
auditoria tributária, nos termos do disposto no art.º 123.º, n.º 8 do CIRC;
ii. Alterar o art.º 71.º do Código dos Impostos Especiais de Consumo para alteração das taxas de
imposto sobre a cerveja;
iii. Reformular a Declaração de Rendimentos Modelo 3 do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas
Singulares.
Indique relativamente a cada um destas situações, se as mesmas estão sujeitas à reserva de lei formal ou
se são da competência executiva do Governo e justifique.

31. A Assembleia Municipal de Lisboa aprovou, no dia 16 de dezembro de 2014, a Taxa Municipal de Proteção
Civil (TMPC). Este tributo substituiu a extinta taxa de conservação de esgotos, prevista no Regulamento
Geral de Taxas, Preços e Outras Receitas. De acordo com a Câmara Municipal de Lisboa o pagamento da
TMPC confere aos munícipes o direito ao acesso a serviços prestados nas áreas da proteção civil, do combate
a incêndios e da garantia da segurança de pessoas e bens, justificando assim a sua criação. Contudo a TMPC
foi considerada inconstitucional pelo Tribunal Constitucional (TC), por Acórdão de 13 de dezembro de 2017,
declarando o tributo chamado de «taxa municipal de proteção civil» como um verdadeiro imposto. Comente
a decisão do TC tendo em conta a natureza dos tributos que conhece e o princípio da legalidade em matéria
fiscal.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 11 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

INTERPRETAÇÃO E INTEGRAÇÃO DA LEI FISCAL

Literatura para consulta: Freitas Pereira, 2018, pp. 219-236

QUESTÕES DE REVISÃO

32. Verificando-se uma omissão na lei fiscal relativamente à tributação de uma determinada realidade a
administração tributária:
A. Não deve aplicar nenhuma norma ao caso concreto, não tributando essa realidade.
B. Deve aplicar ao caso concreto uma norma que seja aplicável a casos análogos.
C. Deve aplicar ao caso concreto uma norma que o próprio intérprete é obrigado a criar.
D. Não deve aplicar qualquer norma ao caso concreto, remetendo a decisão para o Tribunal.

33. Verificando-se uma desconformidade entre a letra e o espírito da lei, considerando o intérprete a letra como
mais limitada que o espírito da lei fiscal, a administração fiscal na apreciação de um caso concreto deve efetuar:
A. Uma interpretação restritiva da norma que limite a aplicação a lei ao caso concreto.
B. Uma interpretação extensiva da norma que permita aplicar a lei ao caso concreto.
C. Uma interpretação declarativa da norma.
D. Uma interpretação autêntica da norma.

34. A interpretação jurisprudencial da lei fiscal consiste na interpretação efetuada por:


A. Especialistas reconhecidos pelos seus pares.
B. Governo.
C. Tribunais.
D. As respostas b) e c) estão certas.

35. As lacunas da lei fiscal por inexistência de norma diretamente aplicável ao caso concreto em matéria
abrangida na reserva da lei da Assembleia da República são preenchidas através de:
A. Aplicação ao caso concreto de norma aplicável a casos análogos.
B. Interpretação extensiva da norma cujo sentido e alcance importa precisar relativamente ao caso
concreto.
C. Aplicação ao caso concreto uma norma que o próprio intérprete criaria.
D. Nenhuma das respostas está correta.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 12 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

APLICAÇÃO DA LEI FISCAL NO TEMPO

Literatura para consulta: Freitas Pereira, 2018, pp. 237-248

QUESTÕES DE REVISÃO

36. Qual das seguintes situações não configura o termo da vigência de uma norma fiscal?
A. Caducidade.
B. Revogação expressa.
C. Inconstitucionalidade.
D. Revogação tácita.

37. Em que circunstâncias se poderá afirmar a existência de aplicação retroativa de uma lei fiscal?
A. Aplicação de uma lei nova a facto gerador do imposto que ocorreu no domínio da lei antiga, mas
em que a liquidação e a cobrança ocorrem na vigência da lei nova.
B. Aplicação de uma lei nova a factos que não se verificaram por inteiro no domínio da lei antiga,
prolongando-se a sua produção já com a lei nova em vigor em razão de se tratar de factos
complexos de formação sucessiva.
C. Aplicação de uma lei nova a factos que se verificaram por inteiro no domínio da lei antiga.
D. As respostas A e B estão corretas.

38. No Acórdão n.º 1582/13, do Supremo Tribunal Administrativo, pode ler-se:

“A questão a decidir é a de saber se a sentença recorrida incorreu em erro de julgamento (…) – respeitante
à aplicação da taxa de 20% às mais-valias resultantes da venda de ações realizadas antes de 27 de julho de
2010, data da entrada em vigor da Lei n.º 15/2010 que alterou aquela taxa de tributação (antes daquela
data a taxa era de 10%)”

Pretende-se que comente esta passagem do Acórdão à luz dos princípios que regem a aplicação da lei no
tempo no âmbito do direito fiscal.

39. No dia 5 de dezembro de 2008, foi publicada a Lei n.º 64/2008, introduzindo uma nova redação no art.º
88.º do CIRC, que determinou o agravamento das taxas de tributação autónoma de 5% para 10% sobre as
despesas e encargos dedutíveis relacionados com despesas de representação e com viaturas ligeiras de
passageiros e mercadorias, determinando que a mesma produzisse efeitos a partir de 1 de janeiro desse
mesmo ano. Considere que a sociedade A não aplicou as novas taxas da tributação autónoma às suas
despesas e encargos do ano n, conforme dispunha a lei no que respeita aquela tributação. Analise e
apresente, fundamentadamente, a sua opinião relativamente a esta questão, tendo em consideração os
elementos do facto gerador do imposto e das diversas fases do imposto. Formule as hipóteses que considerar
necessárias para preencher as eventuais lacunas da informação.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 13 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

40. Com a entrada em vigor da Lei n.º 15/2010, de 26-7-2010, que revogou o art.º 10.º, n.º 2, do CIRS,
passaram a estar também abrangidas pela norma de incidência as mais-valias obtidas com a alienação
onerosa de participações sociais, ainda que detidas há mais de doze meses, que até essa data estavam fora
do campo de incidência do imposto. Por outro lado, aumentou-se o valor da taxa a que está sujeita a
tributação das mais-valias de 10% para 20%, prevista no art.º 72.º, n.º 4 do CIRS, também aqui atenuando
a proteção aos ganhos de capital em valores mobiliários.

A Administração Tributária e Aduaneira (AT), entendendo que no ano de 2010 a parte correspondente à
tributação do saldo de todas as mais e menos-valias realizadas até 26/07/2010 deviam ser tributadas à taxa
de 20%, efetuou uma liquidação adicional do imposto correspondente ao Senhor Barbosa. O Senhor Barbosa
considera no entanto que a AT não poderia ter tributado o saldo das mais-valias e menos-valias as obtidas
com a alienação de ações, detidas há mais de 12 meses, ocorrida antes de 26/07/2010, nem aplicar a taxa
especial de 20%.

Analise e apresente, fundamentadamente, a sua opinião relativamente a esta questão, tendo em


consideração os elementos do facto gerador do imposto e a aplicação da lei no tempo.

Formule as hipóteses que considerar necessárias para preencher as eventuais lacunas da informação.

41. A Assembleia da República resolve (…) fazer cessar a vigência do Decreto-Lei 11-A/2017, de 17 de janeiro,
que cria uma medida excecional de apoio ao emprego através da redução da taxa social única (TSU) a cargo
da entidade empregadora”, lê-se no diploma hoje publicado. Tendo em consideração esta informação
retirada de um jornal diário, caraterize aquele tributo e indique o fundamento que obriga a que tenha sido
a Assembleia da República e decidir pela cessação da sua vigência.

42. A contribuição sobre o setor bancário (CSB) constitui uma das formas de financiamento do Fundo de
Resolução o qual disponibiliza as quantias monetárias necessárias caso uma instituição apresente sinais de
crise e necessite da sua intervenção, de modo a evitar, igualmente o alastramento às demais e o seu
colapso». A jurisprudência tem vindo a qualificar a CSB como uma contribuição financeira, uma vez que
«trata-se de um tributo que não visa simplesmente fazer com que o sujeito passivo concorra para os encargos
gerais da comunidade, assentando sobre factos que exprimam a sua capacidade de contribuir, mas tributo
público que visa compensar prestações presumivelmente aproveitadas pelo sujeito passivo, diretamente e
com afetação dos montantes pagos aos objetivos que lhe foram propostos, salvaguardando, em certa
medida, o erário público, as expetativas dos contribuintes e depositantes e o mercado financeiro».

Aquela contribuição foi criada pela Lei n. º 55-A/2010, mas a fixação das taxas aplicáveis às bases de
incidência da CSB foram publicadas posteriormente através de Portaria do Ministro das Finanças.

À luz do princípio da legalidade, comente a situação exposta e fundamente com disposições constitucionais
que considere pertinentes.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 14 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

APLICAÇÃO DA LEI FISCAL NO ESPAÇO

Literatura para consulta: Freitas Pereira, 2018, pp. 249-285

QUESTÕES DE REVISÃO

43. Os elementos de conexão do princípio da territorialidade fiscal no âmbito dos impostos sobre o rendimento
são:
A. Materialidade, residência e fonte de rendimentos.
B. Materialidade, residência e localização das operações.
C. Nacionalidade, residência e fonte de rendimentos.
D. Nacionalidade, residência e localização do património.

44. Considere que uma sociedade com sede no Porto recebe dividendos de uma participação de capital de 95%
numa sociedade com sede Amesterdão-Holanda. Esta distribuição de lucros sobe a forma de dividendos pode
originar uma situação de:
A. Dupla tributação económica.
B. Dupla tributação jurídica.
C. Não origina qualquer dupla tributação.
D. Dupla não tributação.

45. A importância da determinação da localização das operações nos impostos sobre o consumo é relevante
porque:
A. A tributação das operações deve efetuar-se no território de destino dos bens.
B. A tributação das operações deve efetuar-se no território de origem dos bens.
C. A tributação das operações deve efetuar-se no território onde está localizado o adquirente do
serviço.
D. Todas as respostas podem ser consideradas certas, dependendo das circunstâncias.

46. Nos impostos sobre o património é relevante para efeitos de tributação:


A. Local onde se situa a residência do sujeito passivo do imposto.
B. Local onde se situa a fonte do rendimento sujeito a tributação.
C. Local onde se situa a sede ou direção efetiva do sujeito passivo.
D. Local onde se situam os bens ou direitos objeto de tributação.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 15 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

47. O conceito de estabelecimento estável é relevante para efeito de tributação do rendimento porque:
A. Permite caraterizar o elemento fonte de rendimentos como elemento de conexão do princípio da
territorialidade relativamente a entidades que obtém rendimentos num determinado território mas
não têm aí sede nem direção efetiva.
B. O elemento nacionalidade não é suficiente para se constituir como elemento de conexão do
princípio da territorialidade relativamente a entidades que obtém rendimentos num determinado
território mas não têm aí sede nem direção efetiva.
C. Permite caraterizar o elemento residência como elemento de conexão do princípio da
territorialidade relativamente a entidades que obtém rendimentos num determinado território mas
não têm aí sede nem direção efetiva.
D. Permite caraterizar a localização das operações tributáveis para efeitos da sua tributação
relativamente a entidades que não têm nesse território sede nem direção efetiva.

48. Comente a seguinte afirmação:


“A nacionalidade não é, atualmente, um elemento de conexão relevante da territorialidade”.

49. Quando a legislação de um país preveja que se considera residente no seu território qualquer cidadão que
deslocalize a sua residência fiscal desse país para país, território ou região, sujeito a um regime fiscal
claramente mais favorável, e aí não exerça efetivamente qualquer tipo de atividade, pode afirmar-se que:
A. O elemento de conexão do princípio da territorialidade é a nacionalidade.
B. O elemento de conexão do princípio da territorialidade é a fonte do rendimento.
C. O elemento de conexão do princípio da territorialidade é a residência.
D. O elemento de conexão do princípio da territorialidade é a localização do património.

50. Distinga entre dupla tributação económica e dupla tributação jurídica.

51. Considere que um trabalhador com residência em Badajoz (Espanha) atravessa diariamente a fronteira para
vir trabalhar numa empresa sediada em Elvas (Portugal). Os rendimentos que este trabalhador auferir vão
originar uma situação de:
A. Dupla tributação económica.
B. Dupla tributação jurídica.
C. Dupla tributação juridicamente irrelevante.
D. Não origina qualquer dupla tributação.

52. O senhor António Carlos, cidadão português, residente no Reino Unido, efetuou em 2014 um estudo
económico para uma sociedade industrial localizada no território nacional, cuja titularidade do capital é
integralmente detida por entidades residentes em Espanha, tendo auferido por aquele estudo o montante
de 20.000. Analise do ponto de vista espacial a tributação dos rendimentos obtidos por aquele cidadão,
justificando com as normas jurídico-tributárias aplicáveis.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 16 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

53. Uma sociedade A com sede e direção efetiva em território português, que exerce a atividade de fabricação
de produtos siderúrgicos, detém uma participação de capital de 40% numa sociedade B localizada no
território brasileiro que exerce a atividade de comércio de redes e tubos para a indústria da construção, e
sujeita a imposto sobre o rendimento naquele País. A sociedade A no ano n apresentou o seguinte resultados:

Rendimentos
Obtidos no território nacional 5.500.000
Obtidos no Brasil 1.000.000 6.500.000
Gastos -4.000.000
Resultado antes de impostos (RAI) 2.500.000

Sabe-se que em Portugal as taxas incidentes sobre os rendimentos são de 21% para a totalidade da base
tributável e com um adicionante de 3% para o montante que exceda 1.500.000. No Brasil aplica-se uma
taxa proporcional de 25%.

Pretende-se que determine o valor do imposto sobre o rendimento a pagar pela sociedade A no ano n (no
total Brasil e Portugal), admitindo as seguintes hipóteses:

− Hipótese 1: É aplicável em Portugal a isenção dos rendimentos obtidos pela sociedade A no Brasil
(considere o método integral e o método com progressividade).

− Hipótese 2: É aplicável em Portugal um crédito de imposto relativo aos rendimentos obtidos pela
sociedade A no Brasil (considere o método da imputação integral e o método da imputação normal).

54. Qual a razão que explica a opção do legislador nacional para aplicação do método crédito de imposto normal e
não do método de dedução integral.?

55. A sociedade Multicentros, SA, desenvolve a título principal, a atividade de construção, administração e
exploração de centros comerciais, de hipermercados e de outros estabelecimentos congéneres, nos quais
são comercializados bens tanto do sector alimentar (produtos de grande consumo e produtos frescos) como
do setor não alimentar (bazar, têxtil e eletrodomésticos), e encontra-se enquadrada em sede de IRC pelo
regime geral da tributação.

No período de 2017, verificaram-se as seguintes situações:

a) Efetuou pagamentos relativos a prestações de serviços realizados ou utilizados em território


português a uma sociedade localizada em França, sem sede ou direção efetiva nem estabelecimento
estável em território português;

a) Recebeu dividendos de uma participação de capital que possui numa sociedade localizada em Angola.

Analise, na perspetiva da aplicação da lei fiscal no espaço, cada uma das situações expostas, tendo em
consideração os elementos de conexão da territorialidade.

Formule as hipóteses que entender necessárias para preencher eventuais lacunas da informação.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 17 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

A RELAÇÃO JURÍDICO-FISCAL

Literatura: Freitas Pereira, 2018, pp. 287-334

QUESTÕES DE REVISÃO

56. Da relação jurídico-fiscal que decorre da verificação do facto gerador de imposto nasce uma obrigação que
se distingue das obrigações jurídicas privadas por:
A. Ser uma obrigação legal.
B. Ser uma obrigação que depende de um ato de pronúncia judicial.
C. Ser uma obrigação renunciável.
D. As respostas a) e b) estão certas.

57. O sujeito passivo como um dos elementos da relação jurídico-fiscal corresponde ao:
A. Elemento titular do direito subjetivo do arrecadar a prestação de imposto.
B. Elemento que está obrigado a efetuar a prestação de imposto.
C. Elemento devedor do imposto mas que não suporta efetivamente o respetivo encargo.
D. As respostas b) e c) estão certas, dependendo das circunstâncias.

58. O pagamento de juros compensatórios ocorre quando:


A. O contribuinte não proceda ao pagamento do imposto devido no prazo de pagamento voluntário.
B. Por motivo de imputável aos serviços da administração tributária ocorra atraso na liquidação do
imposto.
C. Por facto imputável ao sujeito passivo for retardada a liquidação do imposto devido.
D. O sujeito passivo tenha pago um valor de imposto superior ao devido.

59. O pagamento de juros de mora é devido quando:


A. O contribuinte recebe um reembolso de imposto superior ao devido.
B. O contribuinte não pague o imposto devido no prazo de pagamento voluntário.
C. Exista erro na liquidação que seja imputável ao contribuinte.
D. Exista erro na liquidação imputável aos serviços da administração tributária.

60. A substituição tributária verifica-se quando:


A. A prestação tributária e os deveres acessórios forem exigidos ao sujeito passivo.
B. A prestação tributária for exigida a pessoa diferente do contribuinte.
C. A prestação tributária for repercutida numa pessoa diferente do contribuinte.
D. Nenhuma das respostas anteriores está certa.

61. As obrigações acessórias visam:


A. Reduzir os custos de cumprimento.
B. O cumprimento das obrigações declarativas.
C. O cumprimento das obrigações contabilísticas.
D. As respostas B. e C. estão certas.
____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 18 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

62. A responsabilidade pela totalidade da dívida tributária, pelos juros e demais encargos legais no caso do
sujeito passivo originário não cumprir a obrigação fiscal é:
A. É sempre do sujeito passivo originário dado que não é possível transferir as responsabilidades do
pagamento da dívida tributária para quaisquer outras pessoas ainda que relacionadas de algum
modo com o sujeito passivo originário.
B. Dos responsáveis subsidiários mesmo existindo património do devedor suficiente para o pagamento
da dívida.
C. Dos responsáveis subsidiários quando o sujeito passivo evidenciar inexistência ou fundada
insuficiência de bens penhoráveis.
D. As respostas B e C estão corretas.

63. O direito da administração tributária liquidar IRS caduca se:


A. Se a liquidação não for validamente notificada ao contribuinte e este não proceder ao pagamento do
imposto no prazo de 8 anos.
B. Se a liquidação não for validamente notificada ao contribuinte no prazo de 3 anos a partir do termo
do ano em que se verificou o facto tributário.
C. Se a liquidação não for validamente notificada ao contribuinte no prazo de 4 anos a partir do termo
do ano em que se verificou o facto tributário.
D. Se a liquidação não for validamente notificada ao contribuinte no prazo de 4 anos a partir da data
em que o facto tributário ocorreu.

64. A extinção da obrigação fiscal pode ocorrer por:


A. Sucessão fiscal.
B. Prescrição.
C. Caducidade.
D. Sub-rogação nos direitos da Fazenda Pública.

65. Refira em que consistem as garantias de cumprimento da obrigação fiscal e indique quais os tipos de
garantias que a lei confere ao Estado para assegurar a cobrança dos seus créditos.

66. O procedimento tributário compreende:


A. A sucessão de atos concretizadores e exteriorizadores da vontade dos órgãos judiciais.
B. A sucessão de atos concretizadores da aplicação das penas aos crimes tributários.
C. A sucessão de atos concretizadores e exteriorizadores do processo judicial tributário.
D. A sucessão de atos e formalidades tendentes à formação e manifestação da vontade da
administração tributária ou à sua execução.

67. O processo de execução fiscal consiste no:


A. Meio processual para um contribuinte reclamar de uma liquidação adicional de imposto efetuada
pela administração tributária.
B. Meio processual para a administração tributária proceder à anulação de imposto pago em excesso.
C. Meio processual para um contribuinte impugnar uma liquidação de imposto efetuada pela
administração tributária.
D. Meio processual para a administração tributária proceder à cobrança coerciva das dívidas ao
Estado.
____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 19 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

68. A garantia geral do crédito tributário é constituída pelo:


A. Património do devedor.
B. Património de outras pessoas que fica vinculado ao cumprimento da obrigação tributária.
C. Constituição nos termos da lei de um penhor.
D. Constituição nos termos da lei de hipoteca legal.

69. Qual das garantias do cumprimento da obrigação fiscal é considerada uma garantia real?
A. Fiança legal.
B. Privilégios creditórios.
C. Penhor.
D. As respostas B. e C. estão certas.

70. A prestação de uma garantia pessoal de um terceiro para assegurar o cumprimento da obrigação fiscal de
um devedor, para além do património deste, designa-se por:
A. Penhor.
B. Fiança.
C. Hipoteca.
D. Prestação de caução.

71. Uma empresa residente fiscal no território nacional, não efetua, por falta de meios financeiros, o pagamento
do imposto apurado numa declaração periódica de IVA, após decorrido o prazo de pagamento voluntário
para o efeito. Tendo sido instaurado o respetivo processo de execução fiscal, indique fundamentadamente,
tendo em consideração as garantias de cumprimento da obrigação fiscal que conhece, quais as
consequências para a empresa que podem decorrer daquele facto.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 20 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

GARANTIAS DOS CONTRIBUINTES – NA LEI GERAL TRIBUTÁRIA E NO


PROCEDIMENTO E PROCESSO TRIBUTÁRIO

Literatura a consultar: Freitas Pereira, 2018, pp. 335-418; Lei Geral Tributária (LGT); Código do Procedimento e
Processo Tributário (CPPT); Regime Complementar do Procedimento de Inspeção Tributária e Aduaneira (RCPITA).

QUESTÕES DE REVISÃO

72. O dever de confidencialidade fiscal a que estão obrigados os dirigentes, funcionários e agentes da
administração tributária cessa:
A. Por força dos deveres de cooperação legal com outras entidades.
B. Por deveres de cooperação e assistência mútua com outras administrações tributárias
C. Por colaboração com a justiça nos termos do Código de Processo Penal.
D. Todas as respostas anteriores estão corretas.

73. A sociedade A pretende realizar uma operação internacional com potencial risco fiscal associado e entendeu
auscultar a administração tributária para o efeito afim de garantir a certeza jurídica da mesma. A sociedade
A para o efeito pode pedir:
A. A revisão da matéria coletável.
B. Uma informação vinculativa que vincula os serviços da AT a não proceder no futuro no caso em
concreto em sentido diferente da informação que foi prestada.
C. Uma informação vinculativa mas que não vincula os serviços da AT a proceder no futuro no caso em
concreto em conformidade com o informado, dependendo da economia de imposto
D. A avaliação da sua situação fiscal.

74. A empresa B pretende realizar uma operação de reestruturação empresarial, incluindo a aquisição de um
grupo de sociedades, para posterior processo de fusão por incorporação, pelo que pode:
A. Pedir uma inspeção tributária a pedido cujas conclusões do relatório vinculam a administração
tributária não podendo proceder a novas inspeções com o mesmo objeto.
B. Pedir uma inspeção tributária a pedido cujas conclusões do relatório vinculam a administração
tributária embora esta possa realizar novas inspeções com o mesmo objeto.
C. Pode pedir a revisão da matéria coletável.
D. Nenhuma das respostas anteriores está correta.

75. O pagamento de juros indemnizatórios ocorre quando:


A. Quando seja retardado o reembolso de imposto aos contribuintes por motivo imputável à
administração tributária.
B. Quando em resultado de decisão de reclamação graciosa tenha sido reconhecido o pagamento de
dívida tributária em montante superior ao legalmente devido por erro na liquidação imputável aos
serviços da administração tributária.
C. Quando seja reconhecida a existência de erro na liquidação imputável aos serviços da administração
tributária de que resulte reembolso de imposto superior ao devido.
D. As respostas A. e B. estão corretas.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 21 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

76. Por sentença do Tribunal Administrativo e Fiscal foi determinada a anulação de uma liquidação de imposto
efetuada pela administração tributária que foi paga pelo contribuinte impugnante e verificando-se um atraso
na execução daquela sentença com a devolução do imposto indevidamente pago, são devidos pela
administração tributária:
A. Juros indemnizatórios.
B. Juros compensatórios.
C. Juros de mora.
D. As respostas A e C são verdadeiras.

77. As decisões da administração tributária que impliquem uma alteração da matéria tributável de um sujeito
passivo:
A. Apenas são fundamentadas por meio de sucinta exposição das razões de facto e de direito que as
motivaram quando o sujeito passivo as solicite.
B. Devem ser fundamentadas por meio de sucinta exposição das razões de facto e de direito que as
motivaram.
C. Não devem ser fundamentadas por meio de sucinta exposição das razões de facto e de direito que
as motivaram por razões de sigilo fiscal.
D. Apenas são fundamentadas por meio de sucinta exposição das razões de facto e de direito que as
motivaram se tal resultar de decisão judicial.

78. O princípio da participação dos contribuintes através de audição prévia na tomada de decisão que implique
o indeferimento de uma reclamação graciosa obriga a administração tributária:
A. A notificar o contribuinte, mas a participação deste no exercício do direito de audição é opcional.
B. A notificar o contribuinte, com participação obrigatória deste no exercício do direito de audição.
C. Não obriga a notificação do contribuinte para o exercício do direito de audição, mas este pode
requerer a sua participação.
D. Não obriga a notificação do contribuinte para o exercício do direito de audição.

79. A empresa Ouro, Lda, com sede em Lisboa, que exerce a atividade de fabricação de peças de metais
preciosos, é objeto de uma inspeção tributária realizada pela Autoridade Tributária e Aduaneira (AT).
Relativamente aos seus deveres e garantias previstos na lei, indique:

i. Quais os deveres de cooperação que a empresa está obrigada durante o procedimento de inspeção
por forma a proporcionar as condições necessárias à eficácia da ação.
ii. Quais as garantias de participação da empresa na decisão do procedimento de inspeção antes da sua
conclusão;
Justifique com a indicação das normas jurídico-tributárias aplicáveis a cada uma das situações.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 22 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

80. Uma sociedade anónima, residente no território português, foi objeto de uma inspeção tributária tendo sido
detetada a utilização indevida de um benefício fiscal em sede do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas
Coletivas (IRC), por não reunir todos os pressupostos para o efeito. A sociedade foi notificada pela Autoridade
Tributária e Aduaneira (AT) daquele facto tributário através do projeto de relatório de inspeção. Indique
quais as garantias legais de âmbito administrativo que este contribuinte dispõe por forma a intervir no
procedimento em defesa dos seus direitos e interesses após a conclusão do procedimento de inspeção,
admitindo que a sociedade não concorda com a liquidação adicional de imposto, nem com a fundamentação
da mesma.

81. Uma empresa do setor da construção civil foi objeto em 2016 de uma inspeção tributária referente ao período
de 2014, tendo-se verificado, após a conclusão daquele procedimento, as seguintes situações:
i. Os serviços da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) efetuaram uma liquidação adicional de IVA,
no montante de 27.500, por terem considerado que aquela empresa havia deduzido imposto
indevidamente.
ii. A empresa não tendo concordado com a posição da AT, apresentou uma reclamação graciosa da
liquidação do imposto, tendo a mesma sido integralmente indeferida, por decisão proferido pela
entidade competente para o efeito.
Perante esta situação, indique, fundamentadamente, quais os meios de defesa ainda ao alcance da empresa
para contestar aquelas decisões.

82. Foi efetuada pela AT uma liquidação adicional de IRC no montante de 25.000 por se ter verificado num
procedimento de inspeção a dedução indevida de um benefício fiscal ao investimento. Verifica-se que o
contribuinte não foi notificado do projeto de relatório de inspeção para o exercício do direito de audição
prévia à decisão final nem foi notificado da liquidação adicional do imposto. O imposto liquidado:
A. Não é devido por falta de notificação válida da liquidação do imposto.
B. Não é devido por falta de notificação do projeto de relatório de inspeção para exercer o direito de
audição prévia à decisão final.
C. É devido não obstante a falta das notificações pois em substância o sujeito passivo deduziu
indevidamente um benefício fiscal para o qual não preenchia os requisitos necessários.
D. As respostas A e B estão corretas.

83. A sociedade AURORA foi notificada pela Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) de uma liquidação adicional
de IRC de € 250.000, relativamente ao declarado na Declaração Modelo 22 de IRC de 2016, na sequência
de um procedimento de inspeção realizado pela AT. Consultados os seus advogados, a sociedade foi
aconselhada a efetuar o pagamento do imposto e, simultaneamente, a contestar a referida liquidação
adicional. Indique, fundamentando com as normas jurídico-tributárias aplicáveis:

i. Admitindo que a decisão final da contestação é favorável à sociedade DELTA, explicite qual a
compensação devida pelo prejuízo provocado à sociedade Delta pelo pagamento indevido da
prestação tributária.

ii. Admitindo que a decisão final da contestação é favorável à sociedade DELTA e, na sequência da
execução da sentença de anulação da liquidação que implicava a restituição do imposto já pago, a
AT devolveu a quantia devida a título de imposto para além do fim do prazo de execução voluntária
da sentença anulatória, explicite qual a reparação devida pelos presumíveis prejuízos sofridos
derivados da indisponibilidade da quantia não paga pontualmente.
____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 23 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

84. Considere que uma sociedade foi objeto de três procedimentos de inspeção efetuados pela Autoridade
tributária e Aduaneira (AT), abrangendo o IRC do período de 2016, verificando-se que:

− O primeiro procedimento, notificado em 07-03-2017, destinado a consulta, recolha e cruzamento de


elementos, no âmbito da qual foi facultado o acesso ao software de movimentos de vendas e
prestações de serviços ocorridos nos períodos de 2015 e 2016;

− O segundo procedimento, notificada em 12-06-2017, teve como objeto a inspeção ao período de 2016,
que foi objeto de uma prorrogação, tendo os atos de inspeção sido concluídos em 29-02-2018;

− O terceiro procedimento, destinado a consulta, recolha e cruzamento de elementos, relativamente aos


períodos de 2016 e 2017, foi notificada em 23-07-2018, através da qual a AT pretendeu esclarecer as
operações registadas na contabilidade relativamente a aquisições intracomunitárias de bens efetuadas
em 2016 e 2017;

− Na sequência do relatório de inspeção ao período de 2016, resultou uma liquidação de IRC no


montante de € 850.000.

Tendo em consideração os factos descritos, pronuncie-se sobre a atuação da AT, fundamentando com as
normas jurídico tributárias aplicáveis.

85. Um procedimento de inspeção tributária só pode realizar-se desde que se verifique a seguinte condição:
A. Os funcionários da Autoridade Tributária e Aduaneira sejam portadores de cartão profissional não
necessitando de qualquer outro tipo de credenciação.
B. Os funcionários da Autoridade Tributária a Aduaneira sejam portadores de cartão profissional e estejam
credenciados com ordem de serviço emitida pelo serviço competente para o procedimento de inspeção,
com a identificação do próprio funcionário e da identidade a inspecionar.
C. Os funcionários da Autoridade Tributária a Aduaneira não necessitam de qualquer credenciação para
iniciar o procedimento de inspeção, bastando para o efeito a notificação prévia com uma antecedência
mínima de cinco dias.
D. Nenhuma das respostas anteriores está correta.

86. O procedimento de inspeção pode iniciar-se até ao termo do prazo:


A. De caducidade do direito de liquidação dos tributos.
B. De prescrição da dívida fiscal.
C. De reclamação graciosa.
D. Do recurso hierárquico.

87. Durante a execução de um procedimento de inspeção tributária:


A. O âmbito e extensão do procedimento podem ser alterados se o inspetor credenciado assim o entender.
B. O âmbito e extensão do procedimento podem ser alterados mediante despacho fundamentado da
entidade que o tiver ordenado e ser notificado à entidade inspecionada.
C. O âmbito e extensão do procedimento não podem ser alterados.
D. As respostas A e B estão corretas.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 24 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

88. Um inspetor em serviço de inspeção tributária tem direito:


A. Ao livre acesso às instalações da entidade inspecionada pelo período de tempo necessário ao exercício
das suas funções.
B. Ao exame, requisição e reprodução de documentos em poder dos sujeitos passivos para consulta.
C. À requisição às autoridades policiais e administrativas da colaboração necessária ao exercício das suas
funções, no caso de ilegítima oposição do contribuinte a realização da inspeção.
D. Todas as respostas anteriores estão certas.

89. O procedimento de inspeção é contínuo e deve ser concluído no prazo máximo de 6 meses a contar da
notificação do seu início, pelo que:
A. Em caso algum pode ser ultrapassado aquele prazo.
B. Só pode ser ultrapassado aquele prazo se o contribuinte concordar.
C. O prazo pode prorrogar-se por mais 3 meses, se tiver por fundamento a existência de situações
tributárias de especial complexidade.
D. O prazo pode prorrogar-se por mais de 12 meses, sempre que existam situações de especial
complexidade.

90. O contribuinte antes da conclusão do procedimento inspetivo:


A. Tem direito a pronunciar-se sobre o projeto de conclusões do relatório do procedimento inspetivo,
sendo para o efeito notificado pela administração tributária para exercer o respetivo direito de audição
prévia.
B. Não tem direito a pronunciar-se sobre o projeto de conclusões do relatório do procedimento inspetivo.
C. Pronuncia-se obrigatoriamente sobre o projeto de conclusões do relatório, sendo para o efeito
notificado pela administração tributária para exercer o respetivo de audição prévia.
D. Apenas tem direito a pronunciar-se sobre o projeto de conclusões do relatório do procedimento
inspetivo no caso dos atos e da respetiva fundamentação se referirem a proposta de tributação por
métodos indiretos, sendo para o efeito notificado pela administração tributária para exercer o
respetivo de audição prévia.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 25 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

INFRAÇÕES TRIBUTÁRIAS

Literatura: Regime Geral das Infrações Tributárias (RGIT)

QUESTÕES DE REVISÃO

91. A aquisição da notícia do crime adquire-se por:


A. Conhecimento próprio do Ministério Público.
B. Conhecimento próprio dos órgãos da administração tributária.
C. Denúncia.
D. Todas as respostas anteriores estão certas.

92. A ocultação de valores que devam constar dos livros de contabilidade a fim de que a administração fiscal
especificamente controle a matéria coletável de que resulte uma vantagem patrimonial ilegítima superior
a € 15.000 constitui de acordo com o regime das infrações tributárias:
A. Fraude qualificada
B. Fraude.
C. Contra-ordenação.
D. Abuso de confiança.

93. A falta de entrega de declaração que para efeitos fiscais deva ser apresentada a fim de que a
administração tributária especificamente determine a matéria coletável, constitui:
A. Fraude fiscal qualificada.
B. Abuso de confiança.
C. Contra-ordenação fiscal.
D. Fraude fiscal.

94. A ocultação de factos não declarados e que devam ser revelados à administração tributária é punível com:
A. Coima, multa ou pena de prisão dependendo da gravidade do ato.
B. Coima.
C. Pena de prisão.
D. Multa.

95. A celebração de negócio simulado quer quanto ao valor, quer quanto à natureza, em que o agente se
tenha conluiado com terceiros com os quais esteja em situação de relações especiais, constitui:
A. Fraude fiscal.
B. Fraude fiscal qualificada.
C. Contra-ordenação fiscal.
D. Abuso de confiança.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 26 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

96. A não entrega à administração tributária de prestação tributária de valor superior a € 7.500, deduzida nos
termos da lei e que estava legalmente obrigado a entregar e tenham decorrido mais de 90 dias sobre o
termo do prazo legal de entrega, constitui:
A. Fraude fiscal.
B. Abuso de confiança fiscal.
C. Contra-ordenação fiscal.
D. Fraude fiscal qualificada.

97. A não organização da contabilidade de harmonia com as regras de harmonização contabilística quando não
seja punida como crime, é punível com:
A. Coima.
B. Pena de multa.
C. Pena de prisão.
D. Qualquer uma das respostas anteriores, dependendo da gravidade da contra-ordenação.

98. O direito à redução das coimas ocorre quando:


A. Se o pedido de pagamento for apresentado nos 30 dias posteriores ao da prática da infração e não
tiver sido levantado o auto de notícia, recebida participação ou denúncia ou iniciado procedimento
de inspeção tributária.
B. Se o pedido de pagamento for apresentado até ao termo do procedimento de inspeção tributária e a
infração for meramente negligente.
C. Se o pedido de pagamento for apresentado depois dos 30 dias posteriores ao da prática da infração
sem que tenha sido levantado o auto de notícia, recebida participação ou iniciado procedimento de
inspeção tributária.
D. Todas as respostas anteriores estão certas, variando apenas a percentagem de redução
relativamente a cada uma delas.

99. Quando um sujeito passivo apresenta um pedido de pagamento de uma coima um ano após a prática da
infração sem que tenha sido levantado auto de notícia, recebida participação ou iniciado procedimento de
inspeção tributária, tem direito a:
A. Redução da coima para 25% do montante mínimo legal.
B. Redução da coima para 75% do montante mínimo lega.
C. Redução da coima para 1,25% do montante mínimo legal, após a conclusão de um procedimento de
inspeção tributária e a infração for meramente negligente.
D. Redução da coima para 50% do montante mínimo legal.

100. Distinga entre contra-ordenação fiscal e crime fiscal, apresentando exemplos ilustrativos de uns e outros.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 27 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

3 – OS IMPOSTOS, A ECONOMIA E A GESTÃO

NIVEL DE FISCALIDADE, ESFORÇO FISCAL E ESTRUTURA FISCAL

Literatura recomendada: Freitas Pereira, 2018, pp. 67-84 e 419-456

QUESTÕES DE REVISÃO

101. Refira o que entende por nível de fiscalidade e explicite qual a informação que este indicador fornece.

102. O nível de fiscalidade mede-se pela:


A. Relação entre as receitas fiscais, incluindo as contribuições para a segurança fiscal, e o produto
interno bruto.
B. Relação entre as receitas fiscais e as contribuições para a segurança social.
C. Relação entre as receitas fiscais, incluindo as contribuições para a segurança fiscal, e o produto
nacional bruto.
D. As respostas A. e C. estão certas.

103. O nível de fiscalidade indica:


A. A preferência que é dada num determinado país aos bens coletivos em detrimento dos bens
privados
B. As políticas fiscais a serem prosseguidas através da concessão de subsídios.
C. O peso da receita fiscal que é afetado pela evasão fiscal.
D. Nenhuma das respostas anteriores está certa.

104. A capacidade tributária corresponde a:


A. Relação entre o nível de fiscalidade efetivo e o nível de fiscalidade potencial.
B. À relação entre as receitas fiscais e o produto interno bruto.
C. Aptidão de um país para consagrar através do imposto uma parte dos seus rendimentos ao
financiamento das despesas públicas.
D. Articulação entre desenvolvimento económico, grau de abertura ao exterior e composição do
produto interno bruto.

105. O esforço fiscal significa:


A. O nível de fiscalidade que pode ser obtido tendo em conta a capacidade tributária.
B. Que o nível de fiscalidade efetivo é superior ao nível de fiscalidade potencial.
C. Relação entre as receitas fiscais efetivamente cobradas e a capacidade tributária.
D. Que o nível de fiscalidade efetivo é inferior ao nível de fiscalidade potencial.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 28 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

106. Admita os seguintes dados estatísticos:

Receitas fiscais PIB a preços de Nível de fiscalidade


(incluindo C.S.S.) mercado estimado (%)
em M€ em M€
Portugal 58.487 176.166 33,8
Alemanha 1.039.154 2.699.100 42,2
Dinamarca 116.531 244.299 42,7
Espanha 341.897 1.075.147 37,3
Grécia 67.311 207.751 34,5
Fonte: Eurostat; Pordata – 2011

Considerando os dados fornecidos no quadro abaixo, relativos a Portugal e a mais quatro países da União
Europeia, efetue uma análise comparativa das seguintes variáveis fiscais:

a) Nível de fiscalidade efetiva;

b) Esforço fiscal.

107. Considere os seguintes dados de uma determinada economia no ano n:


- Produto interno bruto: 180 mil milhões de euros;
- Receita fiscal, incluindo contribuições sociais: 62 mil milhões de euros;
- Nível de fiscalidade estimado: 40%.
De acordo com estes dados, pode afirmar-se que:
A. A capacidade tributária está sobreutilizada e existe esforço fiscal da população.
B. A capacidade tributária está subutilizada e não existe esforço fiscal da população.
C. A capacidade tributária atingiu o seu nível de fiscalidade possível.
D. A capacidade tributária está sobreutilizada mas não existe esforço fiscal da população.

108. Considere os seguintes dados relativos ao PIB e níveis de fiscalidade dos seguintes países:

PIB Nível de fiscalidade Nível de fiscalidade


Países per capita (€) efetivo (%) estimado (%)

Países Baixos 37.511 39,1 43,0


Espanha 26.535 33,3 38,3
Portugal 22.398 35,2 35,4
Hungria 19.523 40,2 33,2
Fonte: PIB Per Capita – World Bank / World Bank Indicators

Comente, de acordo com os dados apresentados, o esforço fiscal exigido à população de cada um dos Países
referenciados no quadro acima.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 29 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

109. A estrutura fiscal carateriza-se pela:


A. Dispersão do peso dos diferentes impostos na receita fiscal total.
B. Forma como se articulam entre si os diversos impostos que integram um sistema fiscal e pela
posição que cada um deles tem em termos absolutos e relativos no total das receitas fiscais.
C. Evolução da receita fiscal verificada num determinado espaço de tempo.
D. Impacto da receita fiscal no crescimento da economia.

110. A estrutura fiscal dos países mais desenvolvidos assenta essencialmente nos:
A. Impostos sobre o consumo e impostos sobre o património.
B. Impostos sobre o rendimento e impostos sobre o património.
C. Impostos sobre o rendimento, contribuições para a segurança social e impostos sobre o consumo.
D. Impostos sobre o património, contribuições para a segurança social e impostos sobre o consumo.

111. Considere os seguintes indicadores económicos e fiscais relativos a Portugal e Polónia:

Receitas fiscais e PIB a preços de Nível de fiscalidade


Contribuições sociais mercado estimado
(em milhões de euros) (em milhões de euros) (%)

Portugal 66.613 185.179 33,8

Polónia 147.827 425.980 31,6

Com base na informação acima disponibilizada, pode afirmar-se que:


A. O nível de fiscalidade efetiva na Polónia é superior ao de Portugal.
B. O esforço fiscal em Portugal é inferior ao da Polónia.
C. A capacidade tributária da Polónia é superior à que se verifica em Portugal.
D. O esforço fiscal em Portugal é superior ao da Polónia.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 30 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

POLÍTICA FISCAL

Literatura recomendada: Freitas Pereira, 2018, pp. 457-512; Constituição da República Portuguesa, art.º 103.º, Lei
Geral Tributária, art.º 14.º, Estatuto dos Benefícios Fiscais, art.ºs 1.º a 15.º-A.

QUESTÕES DE REVISÃO

112. A política fiscal constitui um instrumento de:


A. De política económica.
B. De política económica e de política orçamental.
C. De política orçamental.
D. Nenhuma das respostas anteriores está certa.

113. Os principais objetivos da política fiscal são:


A. Redistribuição do rendimento e da riqueza, estabilização económica e desenvolvimento económico.
B. Aumento das taxas marginais de tributação, redistribuição do rendimento e da riqueza, estabilização
económica e desenvolvimento económico.
C. Assegurar as receitas fiscais afetadas pelas variações da atividade económica, redistribuição do
rendimento e da riqueza e desenvolvimento económico.
D. Redistribuição do rendimento e da riqueza, estabilização económica e garantia da disciplina
orçamental.

114. Um benefício fiscal define-se por uma:


A. Vantagem ou desagravamento em favor de certa entidade, atividade ou situação particular
independentemente de objetivos económico-sociais,
B. Exclusão tributária de determinados factos.
C. Derrogação às regras gerais de tributação independentemente de objetivos económico-sociais.
D. Derrogação às regras gerais de tributação com objetivos económico-sociais.

115. A isenção fiscal consiste num:


A. Benefício em virtude do qual embora exista o pressuposto previsto na lei como base de tributação,
por razões extrínsecas, de conveniência política ou económica, a tributação é afastada
temporariamente.
B. Benefício em virtude do qual embora exista o pressuposto previsto na lei como base de tributação,
por razões extrínsecas de conveniência política ou económica a tributação é afastada
definitivamente.
C. Delimitação negativa do facto constitutivo da incidência.
D. Nenhuma das respostas anteriores está correta.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 31 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

116. As despesas fiscais definem-se como:


A. Derrogação deliberada ao sistema normal de tributação que permite atuar sobre a economia
privada do mesmo modo que por despesas diretas.
B. Pagamento implícito feito pelos poderes públicos por intermédio de uma redução dos impostos a
pagar.
C. Despesas públicas diretas efetuadas através de subsídios e subvenções.
D. As respostas A e B estão certas.

117. As despesas fiscais distinguem-se das despesas publicas diretas por:


A. Maior transparência.
B. Menores custos administrativos.
C. Maior possibilidade de controlo.
D. Maior capacidade de atingir quem não tenha base tributável.

118. Caracterize a noção de benefício fiscal e apresente as suas principais modalidades com exemplos do sistema
fiscal português.

119. Admita que o Governo pretende incentivar o investimento industrial no setor de fabricação de equipamentos
de alta tecnologia para telecomunicações. Refira quais os instrumentos de política fiscal que o Governo pode
utilizar com vista a alcançar este objetivo, concretizando com exemplos concretos que lhe pareçam
adequados para o efeito.

120. Considere que o País A escolhe levar a cabo a sua política económica e de assistência social através de
despesas (benefícios) fiscais em vez de despesas públicas diretas. Esta escolha política:

A. Contribui para que o nível de fiscalidade seja inferior do que seria caso a escolha para a sua política
económica e de assistência social fosse levada a cabo através de despesas públicas diretas.
B. É indiferente para o cálculo do nível de fiscalidade.
C. Contribui para que o nível de fiscalidade seja mais elevado do que seria caso a escolha para a sua
política económica e de assistência social fosse levada a cabo através de despesas públicas diretas.
D. Só influencia o nível de fiscalidade no caso de ser utilizado para o respetivo cálculo o PIB a preços
de mercado.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 32 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

4 – SISTEMA FISCAL PORTUGUÊS

Literatura a consultar: Freitas Pereira, 2018, pp. 449-456

QUESTÕES DE REVISÃO

121. Um sistema fiscal de um país industrializado carateriza-se essencialmente por:


A. Nível de fiscalidade alto, estrutura fiscal baseada em vários impostos cujo peso total se encontra
relativamente repartido entre eles e organização administrativa amplamente informatizada.
B. Nível de fiscalidade baixo, estrutura fiscal baseada em impostos indiretos e sobretudo relacionados com
o comércio externo e organização administrativa com baixo nível de informatização.
C. Nível de fiscalidade alto, estrutura fiscal baseada no imposto sobre o rendimento das pessoas singulares
e organização administrativa altamente informatizada.
D. Nível de fiscalidade baixo, estrutura fiscal baseada em vários impostos cujo peso total se encontra
relativamente repartido entre eles e organização administrativa altamente informatizada.

122. A equidade fiscal, também designada no direito constitucional como igualdade fiscal, constitui um princípio
que deve integrar um sistema fiscal moderno. Pretende-se que explicite em que consiste este princípio e
retire do que conhece do sistema fiscal português elementos ou referências que permitam identificar a sua
presença no referido sistema.

123. A equidade horizontal significa:


A. Que se tribute de forma idêntica as pessoas que têm igual capacidade contributiva.
B. Que se tribute de forma diferente as pessoas que têm diferente capacidade contributiva.
C. Que o sistema fiscal deve permitir tendencialmente uma igualdade de sacrifícios entre os
contribuintes.
D. A diferente importância que uma dada sociedade atribui às necessidades cuja satisfação é
sacrificada pelo imposto.

124. A eficiência económica de um sistema fiscal assenta:


A. No aumento da carga excedentária resultante da modificação dos preços relativos das variáveis
económicas diretas ou indiretas.
B. Na neutralidade total do sistema fiscal.
C. A minimização da carga excedentária para que os impostos causem a menor distorção possível.
D. As respostas A e B estão certas.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 33 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

125. O aumento de um imposto pode modificar os preços relativos das variáveis económicas, direta ou
indiretamente relacionadas com a sua incidência, gerando ineficiência económica quando:

A. Diminui o poder de compra dos contribuintes mas não provoca a substituição do consumo de um
bem por outro, tendo apenas como consequência a transferência de recursos dos contribuintes para
o Estado.
B. Diminui o poder de compra dos contribuintes e provoca a substituição do consumo de um bem por
outro, tendo apenas como consequência o aumento dos recursos para o Estado.
C. Diminui o poder de compra dos contribuintes e não provoca a substituição do consumo de um bem
por outro, tendo apenas como consequência a perda de bem estar dos contribuintes.
D. Diminui o poder de compra dos contribuintes e provoca a substituição do consumo de um bem por
outro, tendo como consequência a perda de bem estar dos contribuintes sem aumento de recursos
para o Estado.

126. A equidade vertical e a simplicidade são alguns dos princípios que devem estar presentes num sistema fiscal
moderno, podendo contudo apresentar alguma incompatibilidade entre si. Qual das seguintes respostas
fundamenta tal constatação:

A. A equidade vertical é tanto mais aplicável quanto for maior for a simplicidade do sistema fiscal.
B. Alguma complexidade é inevitável para assegurar o princípio da equidade vertical o qual só é
concretizável quando o sistema fiscal possibilita uma igualdade de sacrifícios para as pessoas.
C. Alguma complexidade é inevitável para assegurar o princípio da equidade vertical o qual só é
concretizável quando se tributa de forma idêntica as pessoas que têm igual capacidade contributiva.
D. Alguma complexidade é inevitável para assegurar o princípio da equidade vertical o qual só é
concretizável quando o setor público suporta os custos de complexidade mantendo-se os custos de
cumprimento das pessoas a níveis equitativos.

127. Um dos princípios em que deve assentar um moderno sistema fiscal é o da simplicidade, o que significa a
maximização da diferença entre a receita e os custos administrativos de gestão do sistema, redução dos
custos de cumprimento, maior eficácia no combate à evasão fiscal e melhor aceitação do cumprimento das
obrigações fiscais por parte dos contribuintes. Contudo, a aplicação daquele princípio sofre limitações
resultantes de:
A. Da aplicação do princípio da eficiência económica.
B. Da aplicação do princípio da equidade.
C. Da aplicação dos princípios de eficiência económica e da equidade.
D. Não sofre limitações dado que não conflitua com nenhum dos outros princípios.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 34 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

128. Considerando a informação abaixo indicada,

a) Caraterize a estrutura do sistema fiscal português e comente o respetivo alinhamento com a estrutura
fiscal dos países mais desenvolvidos.

b) Comente a evolução verificada do nível de fiscalidade nos anos indicados.


Unidade: milhões de euros
2011 2012 2013 2014
RECEITA FISCAL
IRS 9.831 9.085 12.311 12.849
IRC 5.167 4.280 5.095 4.517
IVA 13.051 12.800 13.242 13.812
ISP 2.305 2.115 2.102 2.092
Restantes impostos 4.005 3.760 3.522 3.841
Total receita fiscal 34.359 32.040 36.272 37.111
Contribuições para a Segurança 15.247 16.860 18.514 19.366
Social
PIB a preços correntes 176.166 168.397 169.394 173.053

Fonte: DGO-Síntese da Execução Orçamental 2011 a 2014; Pordata.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 35 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO
PARA AS
QUESTÕES DE REVISÃO

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 36 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

1 – TEORIA GERAL DO IMPOSTO

1. (B) – Trata-se uma taxa por se destinar ao financiamento de serviços públicos divisíveis, enquanto o imposto
se destina ao financiamento de serviços públicos indivisíveis – critério financeiro por ter um carácter bilateral
enquanto o imposto tem um carácter unilateral - há lugar a uma determinada contraprestação por parte do
Estado, nem sempre em benefício do contribuinte

2. (C) – Imposto

Os tributos compreendem os impostos, incluindo os aduaneiros e especiais, e outras espécies tributárias


criadas por lei, designadamente as taxas e demais contribuições financeiras a favor de entidades públicas.

3. (C) – A contribuição especial assenta num benefício individualizado reflexamente derivado da atuação de
um sujeito público, como por exemplo a valorização de terrenos situados em áreas beneficiadas por
empreendimentos promovidos pelo Estado, verificando-se que a jurisprudência tem decidido que aquelas
contribuições seguem o regime jurídico dos impostos.

4. A taxa distingue-se do imposto por se destinar ao financiamento de serviços públicos divisíveis, enquanto o
imposto se destina ao financiamento de serviços públicos indivisíveis – critério financeiro e por ter um
carácter bilateral enquanto o imposto tem um carácter unilateral - há lugar a uma determinada
contraprestação por parte do Estado, nem sempre em benefício do contribuinte.
Não é considerada preço público e não está sujeita ao princípio da legalidade aplicável aos impostos, ou seja,
da reserva absoluta da lei formal quanto aos seus elementos essenciais - incidência, taxa, benefícios fiscais
e garantias dos contribuintes.

Trata-se de uma taxa por se destinar ao financiamento de serviços públicos divisíveis, tem um caráter
bilateral pois há lugar a uma contraprestação efetuada pelo Estado, não sendo considerada como preço
público e não está sujeita ao princípio da legalidade aplicável aos impostos, ou seja, da reserva absoluta da
lei formal quanto aos seus elementos essenciais - incidência, taxa, benefícios fiscais e garantias dos
contribuintes.

Distingue-se de outros tipos de tributos, como

‒ o imposto, pois este, de acordo com um possível critério financeiro, destina-se ao financiamento de serviços
públicos indivisíveis, tem um carácter unilateral – enquanto a taxa tem um carácter bilateral resultante de
uma contraprestação por parte do Estado, enquanto no imposto embora havendo lugar a uma determinada
contraprestação por parte do Estado, nem sempre é em benefício do contribuinte.

‒ as contribuições para a segurança social pois este tributo apresenta caraterísticas dicotómicas, isto é,
compõe-se de uma parte que é obrigação do trabalhador e outra parte que é da responsabilidade da
entidade patronal, sendo neste caso um verdadeiro imposto.

‒ A contribuição especial refere-se a um tributo que é devido pela valorização patrimonial de uma pessoa ou
entidade resultante da ação de uma entidade público (do Estado), não se diferenciando pelas suas
caraterísticas do imposto, aliás expresso pelo n.º 3, art.º 4.º da LGT, que considera este tributo como um
imposto.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 37 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________
‒ o empréstimo público forçado pois este não é unilateral nem a título definitivo, pois é reembolsável e não
visa constituir uma contraprestação por um serviço prestado ao cidadão.

5. Contribuição para a segurança social. São classificadas como tributos para-fiscais – prestações coativas que
tem a ver com a assunção por parte do Estado de funções económicas e sociais
Tem características dicotómicas - uma parte incide sobre a entidade patronal e outra parte sobre o
trabalhador
O seu enquadramento como taxa, prémio de seguro de direito público ou imposto tem sido matéria de
discussão
No plano económico-financeiro o sistema de capitalização existente não segue as técnicas de seguros – falta
de ligação entre benefícios individuais a contribuições individuais
Nas classificações internacionais dos impostos incluem-se normalmente as contribuições para a segurança
social – condição necessária de comparabilidade entre os vários países.

6. Criação de imposto sobre os grandes operadores da internet – ver literatura recomendada.

7. Contribuição extraordinária sobre o setor energético (CESE)– ver literatura recomendada.

ESTRUTURA E DINÂMICA DO IMPOSTO

8. (D) Entidade beneficiária do rendimento.

9. Aspetos dos elementos que compõem o facto gerador do imposto

a) Material, espacial, temporal e quantitativo.

b) Sujeito passivo, acionista maioritário.

c) Retenção na fonte.

10. Aspetos dos elementos que compõem o facto gerador do imposto

a) Material, espacial, temporal e quantitativo.

b) Sujeito passivo, empresa Triângulo, Lda.

11. (D) – Incidência económica


Corresponde a quem suporta efetivamente o imposto ou a um terceiro a quem um determinado sujeito
passivo por repercussão transfere a obrigação de suportar o imposto (distribuição final do imposto) – quem
suporta efetivamente o imposto o contribuinte de facto

12. (A) - Repercussão do imposto

Repercussão progressiva
por ex.º: através de variação de preços - adicionamento do IVA numa compra (o cliente suporta o IVA, mas
não é o sujeito passivo)
Repercussão degressiva
por ex.º: redução de salários para acomodar a contribuição patronal para a segurança social

13. (C) - Isenções

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 38 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________
Correspondem a situações abrangidas pelas regras de incidência mas que um facto autónomo impede que
sejam tributadas – por atribuição de benefícios fiscais ou por razões técnicas
Qualificam-se como
– Objetivas ou reais - se o facto autónomo se referir ao elemento objetivo
– Subjetivas ou pessoais - se o facto autónomo se referir ao elemento subjetivo

14. Taxas efetivas: decisão de investimento. Taxas marginais: dimensão do investimento. Taxas nominais:
atração de lucros.

15. Taxa efetiva de imposto

− Resultado antes de impostos: 50.000

− Correções fiscais ao resultado antes de impostos: - 20.000

− Matéria coletável = 30.000

− Coleta = Matéria coletável x taxa nominal = 30.000 x 21% = 6.300

− Deduções à coleta = 2.300

− Imposto a pagar = 4.000

− Taxa efetiva de tributação = 4.000/50.000 = 8%

16. Taxa média efetiva = imposto a pagar/indicador de base tributável

A taxa marginal de imposto que resulta do acréscimo de rendimento, considerando que o Senhor X fez as
contas e concluiu que o imposto que vai passar a pagar é de 7.300 (admita que as deduções ao rendimento
bruto e à coleta se mantêm constantes).

Taxa efetiva = Rendimento bruto – deduções específicas = rendimento coletável

Rendimento coletável x taxa = coleta

Imposto a pagar = coleta – deduções à coleta

Taxa efetiva = 24.400 – 4.400 = 20.000 x 23,6% = 4.720 – 1.120 = 3.600

Taxa efetiva = 3.600/24.400 = 14,75%

Taxa média = Coleta/Rendimento coletável

Rendimento coletável = 34.400 – 4.400 = 30.000

Taxa média = 7.300/30.000 = 24,33%

Taxa marginal = coleta/matéria coletável

Taxa marginal = (7.300 – 3.600)/(30.000 – 20.000) = 3.700/10.000 = 37%

A taxa média (24,33%%) é progressiva dado que é inferior à taxa marginal (37%)

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 39 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________
17. Opções fiscalmente mais eficientes em investimentos

Hipótese A

Resultado antes de impostos 1.000.000


Acréscimos 150.000
Deduções -450.000
Matéria coletável 700.000
Taxa nominal 21%
Coleta 147.000
Deduções coleta -47.000
Imposto a pagar 100.000

Taxa média efetiva 10% 100.000


1.000.000
Hipótese B

Resultado antes de impostos 10.000.000


Acréscimos 1.500.000
Deduções -3.500.000
Matéria coletável 8.000.000
Taxa nominal 21%
Coleta 1.680.000
Deduções coleta -400.000
Imposto 1.280.000
Adicionamento 7,5% 487.500 8.000.000 1.500.000 6.500.000
Imposto a pagar total 1.767.500

Taxa marginal efetiva 19% 1.767.500 100.000 1.667.500


10.000.000 1.000.000 9.000.000

Verifica-se que a taxa média efetiva é inferior à taxa marginal efetiva, pelo que se conclui estarmos perante
um sistema de tributação progressivo.

18. (D) – O pagamento de um imposto pode ser exigido a um terceiro que seja o devedor do respetivo
rendimento, percebido por um beneficiário, nos termos das regras estabelecidas nas normas jurídico-
tributárias do próprio imposto (CIRS ou CIRC, por exemplo), de acordo com o princípio estabelecido no art.º
34.º da Lei Geral Tributária – “As entregas pecuniárias efetuadas por dedução nos rendimentos pagos ou
postos à disposição do titular pelo substituto tributário constituem retenção na fonte”. Por outro lado,
podemos distinguir retenções na fonte a título definitivo e retenções na fonte por conta do imposto devido
a final, sendo que no primeiro caso existe dispensa de entrega da declaração de rendimentos, considerando-
se por isso terem a natureza liberatória, sendo contudo possível, nalguns casos, haver opção pela entrega
da declaração e outras em que isso não é possível, como se verifica neste último caso quando ocorre o
pagamento a uma pessoa ou entidade não residente sem estabelecimento estável. Nos restantes casos,
quando a retenção na fonte tem a natureza de pagamento por conta do imposto, a entrega da declaração
periódica de rendimentos é obrigatória.

19. (B) – Cobrança coerciva

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 40 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

CLASSIFICAÇÃO DOS IMPOSTO

20. Critérios distintivos entre impostos diretos e impostos indiretos.

21. (C) - Existem impostos que têm em consideração a situação pessoal do contribuinte, por exemplo, o IRS
com as suas caraterísticas personalizantes e progressivas, verificando-se, por outro lado, a existência de
impostos que desconsideram a situação pessoal do contribuinte, como é o caso, em geral, dos impostos
sobre o património ou dos impostos indiretos, embora se possa encontrar nalguns destes impostos alguns
traços de natureza socializante, que se pode retirar da existência de escalões diferenciados para a
determinação das taxas aplicáveis no caso do IMT ou do IMI e de algumas isenções ou taxas reduzidas no
IVA. Assim, os impostos que se abstraem de condicionalismos económicos ou da situação pessoal dos
contribuintes designam-se por impostos reais.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 41 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

2 - DIREITO FISCAL

FONTES DE DIREITO FISCAL

22. (D) – O princípio da legalidade previsto nos art.ºs 103.º da Constituição da República Portuguesa estabelece
que os impostos são criados por lei, que determina a incidência, a taxa, os benefícios fiscais e as garantias
dos contribuintes, pelo que só a lei formal pode criar impostos e definir os seus elementos essenciais,
sendo, nos termos do art.º 165.º, n.º 1, al. i), da exclusiva competência da Assembleia da República, salvo
autorização ao Governo, legislar sobre a criação de impostos e sistema fiscal e regime geral das taxas e
demais contribuições financeiras a favor das entidades públicas.

23. (D) – O princípio da igualdade pretende estabelecer a igualdade de todos os cidadãos perante a lei, mas
ressalvando a capacidade tributária dos indivíduos que, não devem pagar impostos. Os indivíduos que têm
capacidade contributiva devem pagar impostos na medida dessa capacidade, determinando uma
uniformidade na tributação baseada na repartição do esforço fiscal na medida dessa capacidade, seguindo
o mesmo critério para todos.

24. (B) – Em conformidade com o art.º 165.º, n.º 1, al. i), da Constituição da República Portuguesa, é da
competência exclusiva da Assembleia da Republica legislar sobre a criação de impostos e sistema fiscal ou
do Governo mediante autorização expressa da Assembleia da República. Por seu lado, o art.º 103.º, que se
refere aos princípios do sistema fiscal, estabelece que os impostos são criados por lei, que determina a
incidência, a taxa, os benefícios fiscais e as garantias dos contribuintes. Conclui-se assim que apenas a
Assembleia da República ou o Governo, mediante autorização legislativa, pode criar impostos ou definir os
seus elementos essenciais, tratando-se também de uma reserva absoluta porque a lei deve conter todos os
elementos essenciais à sua aplicação, não se admitindo a analogia ou qualquer margem discricionária para
a administração tributária na sua aplicação.

25. (B) – Tipicidade fechada – a lei contém em si todos os elementos para a valoração dos factos e produção de
efeitos.

26. (C) – Direito comunitário – Regulamento

27. (D) – Direito comunitário - Diretiva

28. (B) – OCDE

29. (D) – Emanados da administração tributária e aduaneira: p. ex.º: despachos, instruções, circulares, ofícios-
circulados vinculam apenas os agentes administrativos a quem são dirigidos dentro da disciplina hierárquica
a que estão obrigados não são fonte de direito fiscal e não obrigam particulares, nem têm que ser tomados
em consideração pelos tribunais

30. Competências legislativas


a) Competência do Governo.
b) Competência da Assembleia da República.
c) Competência do Governo.
____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 42 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

31. Taxa considerada inconstitucional devido ao facto de ter sido reconhecida pelo Tribunal Constitucional como
um imposto e como tal apenas a Assembleia da República poderia ter aprovado a mesmo e não a Assembleia
Municipal.

INTERPRETAÇÃO E INTEGRAÇÃO DA LEI FISCAL

32. (A) – Integração da lei fiscal.

33. (B) – Interpretação extensiva da norma fiscal.

34. (C) – Jurisprudência produzida pelos tribunais.

35. (D) – Nenhuma das respostas está correta, porque em direito fiscal não é permitido o preenchimento das
lacunas da lei por analogia ou outras formas.

APLICAÇÃO DA LEI FISCAL NO TEMPO

36. (C) – Inconstitucionalidade

37. (D) - Aplicar uma lei fiscal a factos que se verificaram por inteiro no domínio da lei antiga, tendo-se já
produzido todos os seus efeitos constitui a denominada retroatividade máxima ou de 1.º grau (p. ex.º: já
ocorreu o facto gerador, a liquidação e a cobrança).
Aplicar uma lei fiscal a factos que ocorreram no domínio da lei antiga, não se tendo ainda produzido os seus
efeitos na totalidade designa-se por retroatividade imprópria ou de 2.º grau (p. ex.º: já ocorreu o facto
gerador mas não a liquidação e cobrança).

38. Acórdão 1582/13 – a lei foi aplicada retroativamente, pois apesar de se tratar de um imposto de formação
complexa e sucessiva o momento do facto gerador do imposto ocorreu antes da entrada em vigor da lei.

39. Lei 64/2008 – tributações autónomas aplicadas a despesas verificadas antes da entrada em vigor da lei, pelo
que se considera uma aplicação retroativa da mesma.

40. AR resolve fazer cessar a vigência do Decreto-Lei 11-A/2017 - a lei foi aplicada retroativamente, pois apesar
de se tratar de um imposto de formação complexa e sucessiva o momento do facto gerador do imposto
ocorreu antes da entrada em vigor da lei.

41. Taxa social única foi criada pela Assembleia da República pelo que apenas esta pode decidir sobre a sua
revogação.

42. Contribuição sobre o setor bancário (CSB) – ver literatura recomendada

APLICAÇÃO DA LEI FISCAL NO ESPAÇO

43. (C) – Nacionalidade, residência e fonte de rendimentos


____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 43 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

44. (A) – Dupla tributação económica

45. (D) – Localização das operações na tributação do consumo depende dos intervenientes na operação - sujeito
passivo/sujeito (B2B) passivo ou sujeito passivo/particular (B2C) e do tipo de bens transmitidos ou serviços
prestados.

46. (D) – Localização das operações onde se situam os bens ou direitos objeto de tributação.

47. (C) – Qualquer instalação fixa através da qual seja exercida uma atividade de natureza comercial, industrial
ou agrícola natureza comercial, industrial ou agrícola. Incluem-se na sua noção um local de direção, uma
sucursal, um escritório, uma fábrica, uma oficina, uma mina, um poço de petróleo ou de gás, uma pedreira
ou qualquer outro local de extração de recursos naturais
Um local ou um estaleiro de construção, de instalação ou de montagem só constitui estabelecimento estável
se a sua duração exceder 6 meses. Considera-se que também existe um estabelecimento estável quando
uma pessoa que não seja um agente independente atue em território português por conta de uma empresa
e tenha, e habitualmente exerça, poderes de intermediação e de conclusão de contratos que vinculem a
empresa.
O conceito não compreende as atividades de caráter preparatório ou auxiliar – por exemplo utilizações de
armazéns, depósitos ou outros similares

48. A nacionalidade é pouco relevante na atualidade como elemento de conexão da territorialidade, exceto
quando se trate de aplicar medidas anti-abuso.

49. (A) – Quando pessoas singulares de nacionalidade portuguesa residentes em território português
deslocalizem a sua residência fiscal para país, território ou região, sujeito a um regime fiscal claramente mais
favorável constante de lista aprovada por portaria do membro do Governo responsável pela área das
finanças, são considerados residentes no território nacional no ano em que se verifique aquela mudança e
nos quatro anos subsequentes, salvo se o interessado provar que a mudança se deve a razões atendíveis,
designadamente exercício naquele território de atividade temporária por conta de entidade patronal
domiciliada em território português. Sem prejuízo da aplicação daquele período, a condição de residente
subsiste apenas enquanto se mantiver a deslocação da residência fiscal do sujeito passivo para país, território
ou região, sujeito a um regime fiscal claramente mais favorável constante de lista aprovada por portaria do
membro do Governo responsável pela área das finanças, deixando de se aplicar no ano em que este se torne
residente fiscal em país, território ou região distinto daqueles (Ver CIRS, art.º 16.º, n.ºs 6 e 7).

50. A doutrina distingue entre dupla tributação económica e dupla tributação jurídica do seguinte modo:
− Dupla tributação jurídica – a mesma pessoa é tributada mais do que uma vez relativamente a um
mesmo rendimento ou património
− Dupla tributação económica – duas pessoas diferentes são tributadas pelo mesmo rendimento ou
património

51. (B) – Dupla tributação jurídica.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 44 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________
52. Localização em Portugal dos rendimentos auferidos por um cidadão português residente no Reino Unido,
por aplicação da regra da fonte, mas tributado também no Reino Unido por aplicação da regra da residência.

53. Métodos de eliminação ou atenuação da dupla tributação internacional

Rendimentos TN 6 500 000


Território nacional 5 500 000
OT Brasil 1 000 000
Gastos -4 000 000
RAI 2 500 000

PT Taxas progressivas Até 1.500.000 21%


> 1.500.000 24%
BR Taxa proporcional 25%

Método da Isenção
Isenção integral
2.500.000-
PT 1.000.000=1.500.000 1 500 000 21,0% 315 000
BR 1 000 000 25,0% 250 000
565 000

Isenção com
progressividade
Taxa média 2 500 000 21,0% 1 000 000 3%
2 500 000 22,20%

PT Taxa média 1 500 000 22,2% 333 000


BR 1 000 000 25,0% 250 000
583 000

Método da Imputação
Imputação integral
Imposto pago no país
BR fonte - Brasil 1 000 000 25,0% 250 000
Imposto exigível no país
residência PT - Taxas
PT progressivas 2 500 000 21,0% 525 000
1 000 000 3,0% 30 000 555 000
Crédito de imposto no
país residência -
Portugal -250 000
Imposto a pagar no país
residência - Portugal 555 000

Imputação normal
Imposto pago no país
BR fonte 1 000 000 25,0% 250 000
Imposto exigível no país
residência PT - Taxas
PT progressivas 2 500 000 21,0% 525 000
1 000 000 3,0% 30 000 555 000
Imputação permitida de
crédito de imposto pago
no país fonte
BR 25,0% 1 000 000 250 000
PT 22,2% 1 000 000 222 000 -222 000
Imposto a pagar no país
residência 583 000

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 45 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

54. Opção pelo método do crédito de imposto normal

55. Aplicação da lei fiscal no espaço.

A RELAÇÃO JURÍDICO-FISCAL

56. (A) – Verificação do facto gerador do imposto.

57. (D) – Sujeito passivo.

58. (C) – Juros compensatórios.

59. (B) – Juros de mora.

60. (B) – Substituição tributária.

61. (D) – Obrigações acessórias.

62. (C) – Responsabilidade subsidiária.

63. (C) – Caducidade do direito à liquidação

64. (B) – Extinção da obrigação fiscal, por prescrição.

65. Garantias do cumprimento fiscal.

66. (D) – Procedimento tributário.

67. (D) – O processo de execução fiscal é o meio processual para proceder à cobrança coerciva das dívidas ao
Estado ou a outras pessoas coletivas de direito público relativas a impostos, contribuições e quotizações para
a Segurança Social, taxas e demais tributos. O processo de execução é instaurado pela Administração
Tributária e Aduaneira (AT).

68. (A) – Garantia geral do crédito tributário.

69. (C) – Penhor garantia real.

70. (B) – Fiança.

71. Garantias da obrigação fiscal.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 46 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

GARANTIAS DOS CONTRIBUINTES NA LEI GERAL TRIBUTÁRIA E NO


PROCEDIMENTO E PROCESSO TRIBUTÁRIO

72. (D) – Todas as respostas anteriores estão corretas.

73. (B) - vincula os serviços da AT a não proceder no futuro no caso em concreto em sentido diferente da
informação que foi prestada.

74. (A) - Pedir uma inspeção tributária a pedido cujas conclusões do relatório vinculam a administração tributária
não podendo proceder a novas inspeções com o mesmo objeto.

75. (D) – Juros indemnizatórios.

76. (D) – Juros indemnizatórios e juros de mora.

77. (B) – Fundamentação das decisões, LGT, art.º 77.º e CPPT, art.º 36.º.

78. (A) – Princípio da participação dos contribuintes nas decisões, LGT, art.º 60.º e RCPITA, art.º 60.º.

79. Deveres de cooperação dos contribuintes com a administração tributária e as garantias de participação dos
contribuintes nas decisões dos procedimentos administrativos realizados pela administração tributária

Os deveres de cooperação estão previstos no art.º 59.º da Lei Geral Tributária (LGT)

“1 - Os órgãos da administração tributária e os contribuintes estão sujeitos a um dever de colaboração recíproco”

Por sua vez o art.º 63.º da LGT determina no seu n.º 1 que os órgãos competentes podem, nos termos da lei,
podem desenvolver todas as diligências necessárias ao apuramento da situação tributária dos contribuintes,
nomeadamente:

a) Aceder livremente às instalações ou locais onde possam existir elementos relacionados com a sua atividade
ou com a dos demais obrigados fiscais;

b) Examinar e visar os seus livros e registos da contabilidade ou escrituração, bem como todos os elementos
suscetíveis de esclarecer a sua situação tributária;

c) Aceder, consultar e testar o seu sistema informático, incluindo a documentação sobre a sua análise,
programação e execução;

d) Solicitar a colaboração de quaisquer entidades públicas necessária ao apuramento da sua situação tributária
ou de terceiros com quem mantenham relações económicas;

e) Requisitar documentos dos notários, conservadores e outras entidades oficiais;

f) Utilizar as suas instalações quando a utilização for necessária ao exercício da ação inspetiva.

No âmbito do RCPITA, art.º 28.º, são classificadas como garantias de eficácia do procedimentos inspetivo, cabendo
genericamente às autoridades públicas e às entidades inspecionadas facultar à inspeção tributária, nos termos da
lei, todas as condições necessárias à eficácia da sua ação.

Os funcionários em serviço de inspeção tributária têm direito, nos termos do número anterior:

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 47 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________
− Ao livre acesso às instalações e dependências da entidade inspecionada pelo período de tempo
necessário ao exercício das suas funções;

− À disposição das instalações adequadas ao exercício das suas funções em condições de dignidade e
eficácia;

− Ao exame, requisição e reprodução de documentos, mesmo quando em suporte informático, em


poder dos sujeitos passivos ou outros obrigados tributários, para consulta, apoio ou junção aos
relatórios, processos ou autos

− À prestação de informações e ao exame dos documentos

As garantias de participação da empresa estão previstas no art.º 60.º da LGT 60 1 - A participação dos contribuintes
na formação das decisões que lhes digam respeito pode efetuar-se, sempre que a lei não prescrever em sentido
diverso, por qualquer das seguintes formas:

− Direito de audição antes da liquidação

− Direito de audição antes do indeferimento total ou parcial dos pedidos, reclamações, recursos ou
petições

− Direito de audição antes da revogação de qualquer benefício ou ato administrativo em matéria

Também de acordo com o art.º 60.º do RCPITA 60, o sujeito passivo tem direito a audição prévia à decisão
administrativa no caso dos atos de inspeção originarem atos tributários ou em matéria tributária que lhe sejam
desfavoráveis, sendo para isso notificado do projeto de conclusões do relatório, com a identificação desses atos e
a sua fundamentação.

80. Procedimento de reclamação graciosa (CPPT, art.º 68.º) e recurso hierárquico (CPPT, art.º 66.º)

O procedimento de reclamação graciosa visa a anulação total ou parcial dos atos tributários por iniciativa do
contribuinte, incluindo, nos termos da lei, os substitutos e responsáveis. Não pode ser deduzida reclamação
graciosa quando tiver sido apresentada impugnação judicial com o mesmo fundamento.

A interposição do recurso hierárquico decorre, sem prejuízo do princípio do duplo grau de decisão, das decisões
dos órgãos da administração tributária.

Os recursos hierárquicos são dirigidos ao mais elevado superior hierárquico do autor do ato e interpostos, no prazo
de 30 dias a contar da notificação do ato respetivo, perante o autor do ato recorrido.

Adicionalmente, de acordo com o art.º 99.º do CPPT, um sujeito pode ainda impugnar judicialmente as decisões
da administração tributária, com base nos seguintes fundamentos de ilegalidade:

a) Errónea qualificação e quantificação dos rendimentos, lucros, valores patrimoniais e outros factos
tributários;

b) Incompetência;

c) Ausência ou vício da fundamentação legalmente exigida;

d) Preterição de outras formalidades legais.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 48 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________
81. Os meios de defesa ao alcance do contribuinte depois de indeferido o pedido de reclamação graciosa são:

− Recurso hierárquico CPPT, art.º 66.º -

Sem prejuízo do princípio do duplo grau de decisão, as decisões dos órgãos da administração
tributária são suscetíveis de recurso hierárquico.

− Para além dos meios de defesa anteriores, pode ainda o sujeito passivo impugnar judicialmente, nos
termos dos art.ºs 99.º e seguintes, com base nos seguintes fundamentos de ilegalidade:

a) Errónea qualificação e quantificação dos rendimentos, lucros, valores patrimoniais e

outros factos tributários;

b) Incompetência;

c) Ausência ou vício da fundamentação legalmente exigida;

d) Preterição de outras formalidades legais.

82. (D) Falta de notificações válidas.

83. Meios de defesa e compensações por decisões favoráveis ao sujeito passivo ou à AT - juros indemnizatórios

De acordo com o art. 43.º da LGT, por pagamento indevido da prestação tributária são devidos juros
indemnizatórios quando se determine, em reclamação graciosa ou impugnação judicial, que houve erro imputável
aos serviços de que resulte pagamento da dívida tributária em montante superior ao legalmente devido.

São também devidos juros indemnizatórios nas seguintes circunstâncias:

a) Quando não seja cumprido o prazo legal de restituição oficiosa dos tributos;

b) Em caso de anulação do aco tributário por iniciativa da administração tributária, a partir do 30.º dia
posterior à decisão, sem que tenha sido processada a nota de crédito;

c) Quando a revisão do ato tributário por iniciativa do contribuinte se efetuar mais de um ano após o pedido
deste, salvo se o atraso não for imputável à administração tributária.

d) Em caso de decisão judicial transitada em julgado que declare ou julgue a inconstitucionalidade ou


ilegalidade da norma legislativa ou regulamentar em que se fundou a liquidação da prestação tributária e
que determine a respetiva devolução.

A taxa dos juros indemnizatórios é igual à taxa dos juros compensatórios.

Também, no período que decorre entre a data do termo do prazo de execução espontânea de decisão judicial
transitada em julgado e a data da emissão da nota de crédito, relativamente ao imposto que deveria ter sido
restituído por decisão judicial transitada em julgado, são devidos juros de mora a uma taxa equivalente ao dobro
da taxa dos juros de mora definida na lei geral para as dívidas ao Estado e outras entidades públicas.

84. Procedimentos de inspeção. Repetição dos atos.

A AF procedeu à recolha de elementos situados nas instalações da sede da impugnante, através de três
procedimentos inspetivos incidentes sobre o IRC de 2004. Através das inspeções em causa, os registos contabilísticos
da impugnante, no exercício de 2004, foram objeto de fiscalização, através de ações administrativas de fiscalização
que implicaram a intromissão na esfera jurídica da impugnante, incidindo sobre o seu espaço físico e sobre a sua

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 49 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________
vida interna. Ocorreu a violação da regra do preceito do artigo 63.º, n.º 4, da LGT, proibição da repetição do
procedimento inspetivo externo, na medida em que foram realizados mais do que um procedimento inspetivo
externo, em relação ao mesmo sujeito passivo, imposto

85. (B) – RCPITA, art.º 46.º.

86. (A) – RCPITA, art.º 36.º.

87. (B) – RCPITA, art.º 15.º.

88. (D) - RCIPTA, art.º 28.º.

89. (C) - RCPITA, art.º 36.º.

90. (A) - RCIPTA, art.º 60.º

INFRAÇÕES TRIBUTÁRIAS

91. (D) - RGIT, art.º 35.º.

92. (B) – Fraude - RGIT, art.º 103.º, n.º 1, al. a).

93. (C) – Contra-ordenação fiscal - RGIT, art.º 116.º.

94. (C) - Pena de prisão até 3 anos, multa até 360 dias ou contra-ordenação neste caso se a vantagem
patrimonial ilegítima for inferior a € 15.000- RGIT, art.º 103.º.

95. (B) – Fraude fiscal qualificada - RGIT, art.º 103.º.

96. (B) – Abuso de confiança fiscal - RGIT, art.º 105.º.

97. (A) – Coima - RGIT, art.º 121.º.

98. (D) - RGIT, art.º 29.º.

99. (A) - Se o pedido de pagamento for apresentado depois de 30 dias posteriores ao da prática da infração,
sem que tenha sido levantado auto de notícia, recebida participação ou iniciado procedimento de inspeção
tributária, para 25 % do montante mínimo legal.

100. Os crimes e as contra-ordenações tributárias constituem infrações que se caracterizam por constituírem
factos típicos, ilícitos e culposos e declarados puníveis por lei tributária anterior.

As infrações tributárias dividem-se em crimes e contra-ordenações. O crime corresponde a uma conduta


voluntária e culposa que corresponde a um dos tipos legais onde a lei inscreveu bens jurídicos considerados
dignos de protecção, enquuanto que a contra-ordenação é o facto típico, ilícito e culposo declarado punível
por lei tributária anterior mas cujos elementos constitutivos não preenchem um tipo legal de crime.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 50 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

3 – OS IMPOSTOS, A ECONOMIA E A GESTÃO

NIVEL DE FISCALIDADE, ESFORÇO FISCAL E ESTRUTURA FISCAL

101. Mede a parte do rendimento nacional que é transferida das mãos dos particulares para o sector público:
− Preferência que é dada aos bens coletivos versus bens privados
− Nível de intervenção do Estado na economia
Pode ser afetado nomeadamente por:
− Opções políticas por maior incidência sobre os benefícios fiscais ou maior incidência sobre os
subsídios diretos (transferências)
− Pelo diferencial que pode existir entre os valores estimados da fraude fiscal (receita perdida) e os da
economia subterrânea (não reconhecidos no PIB)

102. (D) O nível de fiscalidade mede-se pela relação entre:

Receitas fiscais

– prestações obrigatórias feitas sem contrapartida em benefício de administrações públicas, incluindo


as contribuições para a segurança social – definição da OCDE

Indicador económico

– geralmente utiliza-se o Produto Nacional Bruto ou Produto Interno Bruto, a preços de mercado

103. (A) – O nível de fiscalidade permite a indicação da parte do rendimento nacional que é transferida das mãos
dos particulares para o sector público

− Preferência que é dada aos bens coletivos versus bens privados


− Nível de intervenção do Estado na economia

104. (C) – A capacidade tributária corresponde a

− O nível de fiscalidade não dá indicação sobre o seu posicionamento (alto ou baixo) tendo em conta
a situação específica de um dado país

− Para avaliar o nível de fiscalidade é necessário introduzir a noção de capacidade tributária que se
qualifica como a aptidão de um país para consagrar através do imposto uma parte dos seus
rendimentos ao financiamento das despesas públicas

− A quantificação da capacidade tributária permite calcular o nível de fiscalidade potencial

105. (B) - O esforço fiscal determina-se pela relação entre o nível de fiscalidade efetivo e o nível de fiscalidade
potencial. Esta relação permite concluir

− Se nível de fiscalidade efetivo > nível de fiscalidade potencial a capacidade tributária sobreutilizada,
existe esforço fiscal exigido à população;
− Se nível de fiscalidade efetivo < nível de fiscalidade potencial a capacidade tributária subutilizada,
não existe esforço fiscal exigido à população;

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 51 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________
− Se nível de fiscalidade efetiva = nível de fiscalidade potencial (rácio = 1) a capacidade tributária
utilizada racionalmente, esforço fiscal equilibrado.

106. (B) - Nível de fiscalidade = 62/180 = 34,44% < 40%, logo a capacidade tributária está subutilizada.

107. (B) – A capacidade tributária está subutilizada porque o seu nível de fiscalidade efetivo é de 34%
(62.000.000/180.000.000) inferior portanto ao nível de fiscalidade estimado de 40%, isto é, 34%/40% =
0,85 como indicador de esforço fiscal.

108. Compara níveis de fiscalidade efetivos e níveis de fiscalidade estimados.

109. (B) – Consiste na forma como se articulam entre si os diversos impostos que integram um sistema fiscal e
pela posição que cada um deles ou um determinado conjunto deles ocupa em termos absolutos e relativos
no total das receitas fiscais.

110. (C) – A estrutura fiscal dos países mais desenvolvidos assenta essencialmente em impostos sobre o
rendimento.

111. (B) – O esforço fiscal em Portugal é inferior ao da Polónia.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 52 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

POLÍTICA FISCAL

112. (B) – A política fiscal constitui um instrumento da política económica e de política orçamental.

113. (A) – Os principais objetivos da política fiscal são a redistribuição do rendimento e da riqueza, estabilização
económica e desenvolvimento económico.

114. (D) – Derrogação às regras gerais de tributação com objetivos económico-sociais.

115. (D) – Constituem benefícios aplicáveis a factos em que existe um pressuposto de incidência tributária mas
por razões de conveniência política ou económica a tributação é afastada.

Tem a natureza de um facto impeditivo autónomo e originário e não de uma simples delimitação negativa
do facto constitutivo da incidência

As isenções podem caraterizar-se por terem natureza

− Objetiva (do objeto tributado) ou subjetiva (da pessoa tributada);

− Temporária ou permanente (por um período predeterminado ou não);

− Total ou parcial (abrangem todo o facto tributário ou apenas uma parte);

− Automática ou dependente de reconhecimento (resultam imediatamente da lei ou exigem atos


posteriores de reconhecimento).

116. (D) – Derrogação deliberada ao sistema normal de tributação que permite atuar sobre a economia privada
do mesmo modo que por despesas diretas e constitui igualmente um pagamento implícito feito pelos poderes
públicos por intermédio de uma redução dos impostos a pagar, já que representa um montante de imposto
que o estado deixa de receber.

117. (B) – Menores custos administrativos.

118. Consideram-se benefícios fiscais as medidas de carácter excepcional instituídas para tutela de interesses
públicos extrafiscais relevantes que sejam superiores aos da própria tributação que impedem
Correspondem a derrogações às regras gerais de tributação - são distintas das situações de não sujeição
tributária, porque estas são genericamente medidas fiscais estruturais de carácter normativo que
estabeleçam delimitações negativas expressas da incidência.

119. O Governo pode utilizar benefícios fiscais que diminuam o custo do investimento e aumentem o fluxo de
rendimentos líquidos esperados.

120. (A) – Contribui para que o nível de fiscalidade seja inferior do que seria caso a escolha para a sua politica
económica e de assistência social fosse levada a cabo através de despesas públicas diretas.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 53 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

4 - SISTEMA FISCAL PORTUGUÊS

121. (A) – Nível de fiscalidade alto, estrutura fiscal baseada em vários impostos cujo peso se encontra
relativamente repartido entre eles e organização administrativa amplamente informatizada.

122. Equidade fiscal.

123. (A) – Que se tribute de forma idêntica as pessoas que têm igual capacidade contributiva.

124. (C) – Na minimização da carga excedentária para que os impostos causem a menor distorção possível.

125. (C) – O princípio da simplicidade está, em regra, limitado pelo princípio da equidade e da eficiência
económica, dado que é preciso garantir, por um lado, a progressividade do sistema previsto
constitucionalmente e, por outro, assegurar a neutralidade do imposto de que pode resultar a denominada
carga excedentária.

126. (B) – Alguma complexidade é inevitável para assegurar o princípio da equidade vertical o quel só é
concretizável quando o sistema fiscal possibilita uma igualdade de sacrifícios para as pessoas.

127. (B) – Da aplicação do princípio da equidade.

128. Caraterização do sistema fiscal português e evolução verificada.

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 54 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

BIBLIOGRAFIA

− Pereira, M. (2018). Fiscalidade, 6.ª edição. Coimbra: Almedina

− Constituição da República Portuguesa

− Lei Geral Tributária (LGT)

− Código do Procedimento e Processo Tributário (CPPT)

− Regime Complementar do Procedimento de Inspeção Tributária e Aduaneira (RCPITA)

− Regime Geral das Infrações Tributárias (RGIT)

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 55 de 56
FISCALIDADE – ASPETOS GERAIS
________________________________________________________________________

PUBLICADO EM

https://www.iseg.ulisboa.pt/aquila/

João Canedo
Setembro 2019

____________________________________________________________________________________________________________
J. Canedo - 2019

Página 56 de 56

Você também pode gostar