Você está na página 1de 14

A importância das cores e sua aplicação na ambientação na arquitetura corporativa

Dezembro/2016
1

A importância das cores e sua aplicação na ambientação na


arquitetura corporativa

Luciana Batista do Prado – email: lucianaprado.arq@gmail.com


Master em Arquitetura
Instituto de Pós-Graduação - IPOG
Porto Velho, RO, 28 de Fevereiro de 2016

Resumo
Na busca de melhorar o local de trabalho, os profissionais que desenvolvem projetos de
interiores no ramo da arquitetura corporativa têm se procupado em proporcionar os
ambientes agradáveis aos usuários deste espaço, compreendidos como humanizados. Como
planejar da melhor forma a ambientação de espaços corporativos quando se tem as cores
como ferramenta principal na percepção das pessoas que ocupam o espaço. A influência das
cores na ambientação de locais de trabalho interfere nos campos físicos e emocionais.
Quando trabalhada de forma planejada, pode melhorar o desempenho dos indivíduos na
empresa. A pesquisa foi elaborada por meio de referências bibliográficas; livros, artigos,
dissertações e teses sobre o tema escolhido. Os efeitos causados pelo uso planejado das cores
em locais de trabalho no âmbito psíquico e físico dos usuários destes espaços serviram como
base para a realização deste trabalho. Conclui-se que o uso das cores tem grande
importância para ambientação na arquitetura corporativa.

Palavras-chave: Cores. Ambientação. Humanização. Ambientes Corporativos.

1. Introdução
O estudo deste artigo está inserido na área da arquitetura de interiores corporativa, o qual
evidencia a importância da utilização das cores a partir de seus significados ao ambientar um
projeto arquitetônico de locais de trabalho. O interesse em produzir este estudo surgiu da
influencia cognitiva ao desenvolver projetos corporativos, o qual esta diretamente ligada ao
bem estar do individuo e sua demanda de atividades em seu ambiente de trabalho. Durante
alguns anos atuando como arquiteta e urbanista em um Shopping Center, propiciaram-me
fazer algumas observações, entre elas, destaco as dificuldades cada vez maiores de alguns
profissionais em desempenhar suas atividades, onde de forma clara, alguns fatores
influenciavam diretamente em sua produtividade e nas demandas exigidas deste seguimento
do varejo.
Diante disto, observo que nos dias de hoje, para dar cumprimento à transformação de espaços
corporativos, a arquitetura se faz presente em tentar proporcionar qualidade de vida, onde
cada pessoa tem sua individualidade e seus momentos em conjunto, respeitando e atendendo
às necessidades dos mesmos em vários fatores, seja fisiológico, sociológico ou psicológico.
O individualismo teve seu marco na década de 80, em seguida, nos anos 90 o marco se deu
pela necessidade de observação do outro, dando o surgimento do trabalho voluntário no
sentido de comunidade, onde um complementava o outro. Seguindo esta linha cronológica, o

ISSN 2179-5568 - Revista Especialize On-line IPOG - Goiânia - 12ª Edição nº 012 Vol.01/2016 Dezembro/2016
A importância das cores e sua aplicação na ambientação na arquitetura corporativa
Dezembro/2016
2

terceiro milênio evidencia a necessidade e a preocupação dos indivíduos em manter-se


conectados a partir do desenvolvimento tecnológico, onde a informação e a troca de produtos
se faz presente a todo o momento. Por esta razão, a arquitetura corporativa tem sido destaque
nos últimos anos, por vencer diversos desafios diante das transformações no que tange o seu
interior.
Diante do exposto, cabe questionar: As cores podem influenciar nas tarefas executadas pelo
indivíduo em seu ambiente de trabalho? Após algumas leituras, compreendo que é impossível
analisar o ambiente corporativo somente pelo prisma projetual sem as relevâncias sensoriais,
as quais o corpo humano reflete diretamente em seu comportamento.
Estudos apontam que para garantir maior produtividade e desempenho em locais de trabalho,
os usuários precisam executar suas atividades em locais com boas condições ambientais,
como também, espaços que estejam de acordo com suas necessidades. Segundo Bins Ely
(2003) faz-se necessário o conhecimento dos elementos do ambiente que causam estímulos
sensoriais, em perceber e receber as informações geradas, provocando respostas ao nível do
corpo, remetendo-se assim, ao seu comportamento.
Contudo, Mahnke (1996) fala que colorir apenas é insuficiente, pois é necessário que haja
adequação das cores com a função do espaço, retratando-se assim às características do
indivíduo e as tarefas vivenciadas nesse espaço. Todos esses fatores são relevantes para o
estudo em questão, me despertando assim, a vontade de buscar um melhor entendimento
sobre o assunto. Identificar a importância do uso das cores para ambientação em projetos
arquitetônicos corporativos, como também apontar os estímulos visuais e o uso estratégico
delas a partir de sua simbologia, determinam os objetivos deste artigo.
Em suma, torna-se evidente que antes de elaborar o projeto cromático para os ambientes
corporativos é essencial saber essas necessidades, pois se devem considerar as pessoas que
irão ocupá-los, ratificando o uso das cores como estímulo visual na ambientação corporativa.

2. Método
Com o intuito de elucidar questões que diversos teóricos e profissionais do ramo da
arquitetura tenham pensado sobre o tema apresentado, a metodologia adotada neste trabalho
foi puramente bibliográfica. A escolha desse tipo de abordagem, diferentemente da pesquisa
de campo, traz a partir deste método uma melhor compreensão do processo desde a
concepção dos significados das cores até os efeitos que elas causam aos usuários dos
ambientes onde foram aplicadas a partir da elaboração dos projetos de espaços corporativos.

3. Cor
As cores possuem diversas teorias, as quais já se tem conhecimento há muito tempo atrás.
Alguns retratavam as cores como simbolo, relacionando-as num grande sentido psicológico,
onde a relação ultrapassava da definição estética. Segundo Guimarães (2000:10) a
conceituação de cor dada pelos filósofos Aristóteles (384-324 a.C.) e Plantão (428-347 a.C.)
era “sensação formada pela união entre as chamas emanadas pelos corpos e o fogo da vista”.
Já a definição de cor para Michaelis (2001) é a “impressão variável que a luz refletida pelos
corpos produz no órgão da vista; qualquer colorido, exceto o branco e o preto”.

ISSN 2179-5568 - Revista Especialize On-line IPOG - Goiânia - 12ª Edição nº 012 Vol.01/2016 Dezembro/2016
A importância das cores e sua aplicação na ambientação na arquitetura corporativa
Dezembro/2016
3

A definição de cor é dada pelo fenômeno fisico-quimico em que os raios luminosos vão até a
retina dos olhos estimulando os nervos ópticos existentes que estão ligados ao cérebro, ou
seja, existirá cor enquanto existe luz, onde ao refletir todos os raios luminosos se tem o branco
e a absorção de todos é dada o preto. Os cones e bastonetes são células que identificam as
cores, onde uma possui a capacidade de reconhecer a cor e a outra a luminosidade,
respectivamente.
Numa visão mais moderna diante das diversas teorias criadas para definição das cores, a de
Young-Helmholtz no dizer de Freitas (2007:2) ele buscou três cores primárias na constituição
do homem, contradizendo diante das outras definições até então criadas onde era na natureza
da luz se daria a existencia das cores. Young retratava a cor a partir da sensibilidade à luz dos
fenomenos gerados pelos estímulos de excitação do olho.

"A cor é uma onda luminosa, um raio de luz branca que atravessa nossos olhos. É
ainda uma produção de nosso cérebro, uma sensação visual, como se nós
estivéssemos assistindo a uma gama de cores que se apresentasse aos nossos olhos, a
todo instante, esculpida na natureza à nossa frente" (FARINA, 2006:1).

Depois desta reflexão científica, as cores também desempenham um papel importante como
componente físico, mental e emocional, podendo definir o comportamento de uma pessoa
diante do contexto em que ela se enquadra possuindo vários significados. A partir de um
esquema de cores pode classificá-las em dois aspectos, sendo eles o harmônico e contrastante.
No primeiro as cores não competem entre si, não influencerá no resultado o fato da existencia
de uma variedade de textura, já no segundo aspecto, se tem o foco da decoração, onde os tons
suaves e fortes inlfuenciam diretamente no resultado a ser obtido.

4. Colorindo o ambiente
A partir das cores é possível na imaginação do homem, obter um leque criativo de
possibilidades, transmitido não só por quem admira a imagem, como também sobre quem a
produz. Elas exercem ações sobre quem as observa, as quais garante o deslumbramento da
retina, a provocação de uma reação e por fim, a construção de uma linguagem propria
transmitindo uma ideia, sua expressividade é atemporal, sendo compreendida por todos.
Desta maneira, o entendimento das cores e suas características passam a ser de fundamental
importância para a obtenção do sucesso de um projeto de interiores. No entender de
GURGEL (2007:47) “Usar as cores a favor dos usuários, e não contra eles, deve ser o alvo de
qualquer projeto de interiores”. O uso das cores por quem irá decorar um ambiente, quando
possui o conhecimento necessário, irá utilizá-las com sabedoria, transformando-a em uma
grande aliada no projeto em questão.
As sensações visuais criadas que possuem apenas a dimensão da luminosidade são definidas
como acromáticas podendo utilizar o branco, o preto ou qualquer tonalidade de cinza, também
denominadas de cores neutras, as quais não influenciam nenhuma sensação.
Quando todas as cores do especto solar estão contidas nas sensações visuais, são denominadas
de cromáticas. A psicologia das cores relaciona de qual forma a cor pode ser percebida pelo
indivíduo, e as reações por elas geradas quando aplicada num ambiente.

ISSN 2179-5568 - Revista Especialize On-line IPOG - Goiânia - 12ª Edição nº 012 Vol.01/2016 Dezembro/2016
A importância das cores e sua aplicação na ambientação na arquitetura corporativa
Dezembro/2016
4

As cores possuem tipos de reações, sendo quentes as que derivam do vermelho-alaranjado, ou


frias do azul-esverdeado. São classificadas em vários tipos, onde cada uma delas apresenta
uma simbologia, podendo ser: cores primárias as originadas de outras e não são decompostas,
elas dão origem a todas as cores sendo compostas pelas cores-luz (vermelho, verde e azul) e
cores-pigmento (ciano, magenta e amarelo). Já as secundárias se deram a partir da
combinação de duas primárias, por fim as terciárias, as quais são criadas a partir da união
entre as cores primárias e secundárias. Também existem as cores pastéis criadas na mistura
com o branco.

Figura 1 – Circulo Cromático


Fonte: Padilha (2009)

Para melhor estudar as combinações e tons, há o círculo cromático, ferramenta criada para
representar as cores do espectro visível com as cores primárias e as relações criadas entre elas.
A figura 1 demonstra as matizes de 1-12, onde as de números 3,7 e 11 sendo as cores-
pigmento primárias (cores-pigmento secundárias), com 1,5,9 as cores-pigmento primárias
(cores-luz primárias), por fim os números 2,4,6,8,10 e 12 são as cores terciárias. Já a letra A
representa as cores complementares, a letra B as cores quentes, as cores frias compoem o
espaço compreendido pela letra C, as cores analógicas estão demonstradas pela letra D, e por
fim, as escala de neutralização indicada pela letra E.
Vários autores falam sobre a influência da cor e os estimulos gerados por ela no ambiente de
local de trabalho a partir da percepção gerada, seja pisiquica, fisiológica ou simbólica.
Refletindo o pensamento de Farina (2006:8) onde ele fala que no interior de um avião as cores
amarelas e café devem se evitadas, pois produzem enjoô; as cores vibrantes, alegres
estimulam o apetite ao serem pintadas numa sala de jantar; tons suaves num dormitório tarna-
se o ambiente confortável e repousante.
Após a compreensão psiquica mencionada anteriormente, a percepção fisiológica da cor pode
ser dada a partir de uma das teorias mais recente sobre o assunto, onde ressalta COLLARO

ISSN 2179-5568 - Revista Especialize On-line IPOG - Goiânia - 12ª Edição nº 012 Vol.01/2016 Dezembro/2016
A importância das cores e sua aplicação na ambientação na arquitetura corporativa
Dezembro/2016
5

(2005) que o universo é inodoro, incolor, insípido e silencioso, onde experimentamos


vibrações, ondas de sensações eletromagnéticas e susbstâncias químicas reagidas pelo
indivíduo fazendo valer no processo de percepção as experiencias vividas e a atenção dada a
elas. Os estímulos visuais possuem tamanho, proximidade, iluminação e cor de forma própria,
resultando num leque que se obtem como resultado é a relação das propriedades e a natureza
do ser humano que a observa.
As influencias e significados das cores são dados de acordo com a cultura, onde para uns o
vermelho significa amor e para outros poder; o preto significa luto e o branco referencia
espirituais. Elas são objetos fundamentais de estudo da pscicologia quando planejado o
ambiente corporativo, transmitindo diversas sensações e influenciando na forma de trabalho
de um individuo em seu local de trabalho.
Devem ser analisadas de forma específica considerando o receptor desta análise, as
influenciam de forma direta no centro piscológico dos seres humanos, dando alusão ao
estético, sendo também de suma importancia para a harmonia do ambiente de trabalho
corporativo. São objeto de discussão por alguns autores:
Conforme Gurgel (2007:52), “o azul está ligado à lealdade, ao respeito e à responsabilidade.
Esverdeados aliviam o estresse e a tensão, podendo ser aplicados em locais de trabalho.
Presentes em sala de reunião, ajudarão ao alcamar a comunicação e a fala entre as pessoas”.
Já Teodoro (2010:186) remete o azul como uma cor com o potencial de combate ao estress
trazendo a sensação de paz e tranquilidade.
Para Lacy (2002:24) é uma cor teurapêutica, onde para cada cor em seu leque de tonalidade
associa com algumas características do ser humano como; o respeito, lealdade,
responsabilidade e outras. Por se tratar de uma cor fria, quando trabalhada juntamente com
uma cor quente trará equilíbrio no ambiente. Ressalta que em tons claros é interessante ser
aplicada junto com tons vibrantes de rosa ou de laranja, porém o azul imperial é conveniente
ser empregado em objetos que complementam o ambiente.
O violeta e roxo remetem-se à sensibilidade e sofisticação, porém são impróprias para
ambientes que serão desenvolvidas tarefas dinâmicas, pois desencorajam o esforço físico
(GURGEL, 2007: 53). Já Lacy (2002:25) propõe o uso da cor violeta em ambientes como
salas espaçosas e hall de entrada, pois dará a sensação de grandiosidade no local.
Para Lacy (2002), o vermelho é motivador, estimula agir antes de pensar, afetando nas
reações emocionais. Neste contexto Gurgel (2007) ressalta que a cor vermelha não é uma cor
propícia para ambientes onde haverá pessoas por um longo período de tempo, ela deverá ser
usada com moderação, pois o indivíduo pode perder a noção do tempo. Em locais pequenos,
quando aplicada, pode deixar os locais claustrofóbicos. Quando misturado no branco, se tem
os tons rosa, eles darão suavidade e são estimuladores do afeto entre pessoas e induz a
comunicação entre elas.
A cor laranja na visão de Gurgel (2007:54) está ligada à intelectualidade, ao movimento e à
ação, é uma cor ligada à antidepressão. Quando utilizada em tons escuros, pode transmitir a
sensação de insegurança, os tons “terra” como; canela, terracota, caramelo, são cores que são
a sensação de dimnuição do espaço. Ao aplicar os tons claros, como o pêssego e laranja, o
ambiente trará aconchego e alegria.
Lacy (2002:20) compartilha da mesma definição que Gurgel (2007:53) complementando que
é ótimo o uso da cor azul juntamente com os tons claros de laranja. Ao ver de Teodoro

ISSN 2179-5568 - Revista Especialize On-line IPOG - Goiânia - 12ª Edição nº 012 Vol.01/2016 Dezembro/2016
A importância das cores e sua aplicação na ambientação na arquitetura corporativa
Dezembro/2016
6

(2010:185) a cor laranja é estimulante para a criatividade e promove a comunicação entre as


pessoas. Nos ambientes como salas de trabalho e de estudos esta cor acelera o raciocínio.
(GURGEL, 2007:55)
Amarelo: Traz otimismo e autocontrole, uma cor alegre que promova o raciocínio
(TEODORO, 2010:185). Já para Gurgel (2007:55) o intelecto e a criatividade são estimulados
pelo amarelo, promovendo também a comunicação entre as pessoas. A cor nos tons variantes
do creme pode ser aplicada em qualquer ambiente, pois estimula o cérebro a trabalhar.
Quando mais alaranjados traz sofisticação para o ambiente, nos tons vibrantes, as cores são
ativas e quentes trazendo a sensação de mais luminosidade para o espaço.
O verde e seus tons variados minimiza o estado de stress e tensão, ele se relaciona com a
sensação de autoestima, como também a de relaxamento (LACY, 2002). No ver de Gurgel
(2007:55) é uma opção de cor para ambientes de tomada de decisões, onde se deve manter o
equilibrio. Em tons claros mais pastéis, são direcionados para ambientes de estudos, salas de
espera e reuniões, pois trará calma.
Retomando ao parecer de Lacy (2002), remete o tom claro do verde para auxiliar as pessoas a
se sentirem bem consigo mesmas. Já o verde escuro segundo Lacy (2002:23) é interessante
aplicar em ambientes grandes juntamente com cores em tons claros, transmite estabilidade e
força. Já Teodoro (2001:186) relata que a cor verde estimula o equilibro pessoal, segurança e
serenidade, onde estabelece a harmonia da mente e do corpo.
Branco: Realça qualquer outra cor que for colocada juntamente no ambiente, promovendo
luminosidade (LACY, 2002:28). Ao ver de Gurgel (2007:56) retrata o branco como uma cor
sutil, remetendo à inocência e pureza. No ambiente, evitar colocar somente ela para não criar
uma atmosfera impessoal, com outras cores ela aumenta a vida dos matizes, como também
dos objetos do espaço.
Alguns autores associa a cor cinza de formas distintas, onde para alguns ela exprime
sabedoria e à idade, para outros está relacionada ao estress, à fadiga e à negatividade. Pontua
Gurgel (2007:56) que onde os tons claros são mais sublimes refletindo menos tristeza, sendo
interessante a utilização dela junto com cores quentes.
Por fim, segundo Gurgel (2007:56) o preto é uma cor que absorve todas as outras resultando
na dimiuição do ambiente, deixando-o sóbrio masculino e traz consigo a sofisticação. Na
visão de Lacy (2002:28) esta cor é imponente, caso ela não tenha outras cores usadas no
ambiente, o indivíduo fica prepotente e inacessível.
Diante dos sentimentos produzidos pelas cores a capacidade delas de envolverem o indivíduo
no ambiente onde elas foram aplicadas para transmitirem o sentimento definido pelo projetista
do espaço, fica claro que não são usadas isoladamente, pois quando empregada juntamente
com outras cores determina o efeito da cor principal destinado a exprimir a sensação
escolhida para o local.

5. A influência no uso cores em ambientes corporativos


A arquitetura corporativa envolve o projeto do edifício diante das necessidades e recursos
existentes, possuindo assim diversos papéis envolvendo desde a estrutura da edificação,
tecnologia, acessibilidade, entre outros. A concepção final deste projeto evidencia a estética a
ele destinado, onde a decoração e o layout viram peças fundamentais para o ambiente de
trabalho. Dentre todos os desafios que o profissional desta área da arquitetura enfrenta na
ISSN 2179-5568 - Revista Especialize On-line IPOG - Goiânia - 12ª Edição nº 012 Vol.01/2016 Dezembro/2016
A importância das cores e sua aplicação na ambientação na arquitetura corporativa
Dezembro/2016
7

elaboração do projeto, a escolha das cores para criação de ambientes mais funcionais
retomada a simbologia e significação destas cores é de suma importancia, pois possibilita o
bem estar as pessoas que lá trabalham, garantindo agilidade nos processos, comunicação entre
setores e alta produtividade para a empresa.
Nota-se que o resultado financeiro e operacional de cada empresa foi influenciado pela
importancia dada a este papel que as cores possuem no projeto, tendo em vista que os
materiais e o conforto ambiental também são pontos importantes na arqutetura corporativa. A
transformação que esta área tem ultrapassado no decorrer dos anos percorre todas as vertentes
da administração do local, onde a arquitetura engaja com a missão, visão e valores da empresa
evidenciando suas cores e logomarcas de forma conotativa afim de garantir os resultados e
metas demarcadas por ela.
É importante ressaltar os aspectos que devem ser considerados antes da escolha das cores em
locais de trabalho, pois elas influenciam não só no espaço como também nas pessoas que o
ocupam, onde as cores quentes aproximam os objetos e dão ao ambiente a sensação de menor,
já as cores frias dão amplitude. A percepção do tempo pelo ser humano pode sofrer
influencia a partir das cores do local, onde as frias a sensação de tempo demora a passar,
sendo rápida nas cores quentes.
As cores não agem apenas na mente do ser humano, mas em todo o espaço, portanto é flexível
nas alterações de dimensões. Ao saber cada cor, sua propriedade e característica, poderá
utilizar esse conhecimento como ferramenta do projeto de ambientação de um espaço
corporativo. A utilização do esquema de cores, onde as combinações de cores que há na
natureza ou tidas por algumas regras, quando se obtém uma composição o resultado será
positivo. Na Figura 2, o esquema de cores foi retirado a partir de uma foto.

Figura 2 – A natureza é maior fonte de esquemas de cores


Fonte: Gurgel (2007)

“Lembre-se de que o sucesso de um esquema não está apenas nas cores escolhidas.
São da mesma forma importantes a quantidade de cada cor, as texturas das
superfícies onde foram aplicadas, a iluminação natural e artificial existente e a
função do ambiente. Quando todos esses fatores estão harmonicamente combinados

ISSN 2179-5568 - Revista Especialize On-line IPOG - Goiânia - 12ª Edição nº 012 Vol.01/2016 Dezembro/2016
A importância das cores e sua aplicação na ambientação na arquitetura corporativa
Dezembro/2016
8

é que podemos dizer que o esquema de cores foi bem escolhido” (GURGEL,
2007:57 ).

Analisando os elementos existentes em ambiente corporativo que exercem influencia no


comportamento dos indivíduos que o ocupa, a iluminação, os mobiliários, a cor de parede e
piso são exemplos, podendo atrapalhar ou agregar positivimente o desempenho de cada
pessoa na empresa. Por isso, a atenção nas cores e seus tons evidencia a expressividade direta
no comportamento dos usuários do espaço, garantindo assim o sucesso na decoração.
Nas Figura 3, é clara a compreensão da elaboração do projeto de interiores feito pela empresa
Casa 3 Arquitetura para a empresa Schlumberger, onde compondo as cores nos elementos de
decoração corporativa, conseguiu alcançar os objetivos e metas administrativas traçadas na
empresa garantindo conforto aos funcionários da empresa.

Figura 3 – Escritório do Grupo Gallegos - EUA


Fonte: Casa 3 Arquitetura
A alegria do ambiente imposta pelas cores vivas nos mobiliários e no teto, dão um ar mais
descontraído no local induzindo as pessoas para que se comuniquem. Porém, quando a
decoração é composta apenas por cores claras apesar de atribuir ao ambiente a sofisticação e
elegância, pode trazer a sensação de um local fatigante, desta maneira é interessante conceber
no projeto a combinação das cores com o objetivo de estimular os indivíduos que farão uso do
espaço.
Diante dos efeitos que a cor atua no ambiente de trabalho, sua aplicação é agregada ao projeto
como um fator estratégico na arquitetura corporativa. A partir daí, a identidade da empresa é
criada e positivada pelos estimulos causados pelas cores, deixando o local produtivo. Este uso
planejado segrega os departmentos, tanto pela localização quanto as tarefas traçadas a serem
produzidas por cada um deles. Sendo assim, em ambiente cuja a atividade seja em menor
volume, deverá ser composto por cores mais vivas; o laranja e vermelho são cores ideais. Já
em locais onde exige maior concentração e tranquilidade, cores mais amenas como o verde, é
indicado.
Outro exemplo a ser considerado, são as cores utilizadas em salas de espera, pois trata-se de

ISSN 2179-5568 - Revista Especialize On-line IPOG - Goiânia - 12ª Edição nº 012 Vol.01/2016 Dezembro/2016
A importância das cores e sua aplicação na ambientação na arquitetura corporativa
Dezembro/2016
9

um local monótono, quando aplica cores alternadas nas paredes, passa a criar sensação de
movimento, deixando o ambiente descontraído. Contudo, é de suma importância saber
equilibrar as cores e seus matizes.
Desta forma, a alteração da estrutura física do espaço também se enquadra como outra
propriedade da influência estratégica no uso das cores em ambientes corporativos, onde a
percepção é modificada, podendo o espaço ser alto, pequeno, claro, dentre outras
caracteristicas conforme a impressão que queira dar ao ambiente.
A iluminação é considerado um fator direto de interferência na percepção da cor e sua
qualidade, onde deve ser planejada juntamente com as cores a serem empregadas no projeto
de arquitetura, pois uma complementará a outra, resultando num melhor conforto e bom
desempenho do ambiente. Sendo assim, nota-se que a influencia no uso das cores em
ambientes corporativos ultrapassa o objetivo estético, compondo uma relação de várias
diretrizes e funções a ser agregada no espaço remetendo à identidade da empresa, sua
comunicação no mercado e o bem estar dos indivíduos que a frenquenta.
De acordo com o sítio Dabus, as tendências de mercado também devem ser consideradas ao
planejar na arquitetura corporativa, ou seja, todos os elementos estratégicos, as necessidades e
objetivos empresariais, saúde dos usuários, eleva ao grau de destaque na concepção do
profissional ao elaborar o projeto. Desta forma, há também alguns estilos que são agregados
ao projeto, sendo eles:
Ambientação tradicional: Na decoração é utilizado como material em destaque a madeira,
sendo utilizada nos móveis e piso. A iluminação dos ambientes neste estilo é focal.
Ambientação irreverente: Neste modelo utiliza a inovação como foco, onde o plástico é o
material em destaque, como também as cores contrastantes e um design engajado nos móveis
na composição dos ambientes.
Ambientação clean: É concebida por cores amenas e claras, onde os tons não possuem muitas
variações. A decoração com mobiliários desordenados e práticos compõem esse tipo de
ambiente, possuindo vidros, brilhos e iluminação difusa.
Ambientação acolhedora: Nesse modelo é trabalhado algo mais específico, onde as cores são
quentes e vibrantes, a iluminação é focal e paraos móveis a madeira é usada. O uso de vários
artigos é dominante, por isso o planejamento deve ser bem feito para que não deixe o espaço
carregado.
Ambientação contemporânea: Compõe neste estilo a alusão à tecnologia, onde a disparidade
nos materiais são marcantes. A iluminação dominante é a natural, o uso das cores em tons
neutros como branco e cinza são utiilzadas com frequencia, remetendo à ideia de
sustentabilidade.
Atualmente no mercado de escritórios, vem à tona o posicionamento da Geração Y, a qual é
composta por jovens empresários, a ideia de informalidade no ambiente de trabalho é a
característica mais marcante, onde traz um clima agradável e leve para integrar as pessoas a
trabalharem reelevando o aproveitamento da criatividade e incentivar a proatividade.
O planejamento de maneira informal é produzido para que haja a quebra dos níveis
hierárquicos burocráticos, assim os espaços são organizados afim dos ocupantes trocam as
experiências e ideias do dia a dia. O conceito basea-se na elaboração de um design inovador
com ar de modernidade entre os mobiliários e o contraste entre as cores para decorar, onde a
integração desta composição não distoa a atmosfera criada.

ISSN 2179-5568 - Revista Especialize On-line IPOG - Goiânia - 12ª Edição nº 012 Vol.01/2016 Dezembro/2016
A importância das cores e sua aplicação na ambientação na arquitetura corporativa
Dezembro/2016
10

Figura 4 – Projeto Bangkok University Student Lounge - Thailand


Fonte: Dabus (2013)

Figura 5 – BU Lounge – Supermachine Studio


Fonte: Archdaily (2012)

As figuras 4 e 5 traduzem o conceito inovador trazido por esta linguagem de projeto induzida
por esses novo campo da arquitetura cororativa, onde o projeto demonstra diversas
características, porém trabalhado com o bom gosto sem exageros não desfocando o objetivo

ISSN 2179-5568 - Revista Especialize On-line IPOG - Goiânia - 12ª Edição nº 012 Vol.01/2016 Dezembro/2016
A importância das cores e sua aplicação na ambientação na arquitetura corporativa
Dezembro/2016
11

deste estilo chamado open space. Conforme sítio Dabus, este conceito é compreendido como
uma cultura no meio corporativo de carater moderno, o qual é definido por ambientes abertos
e integrados, o que não impossibilita de conter espaços individualizados em alguns locais
específicos da empresa.
Diante disso, o ambiente de trabalho é dividido em dois tipos de níveis, sendo eles; o
comportamental e o arquitetura corporativa. O nível comportamental é composto por uma
comunicação livre e aberta, há a integração das pessoas no trabalho, estimula a comunicação
entre os indivíduos na elaboração de suas tarefas, aumenta a produtividade decorrente da troca
de ideias. Já o nível arquitetura corporativa define os espaços e o que irá decorá-lo, retratando
à inovação. Ser diferente, único e criativo, faz jus ao significado deste nível marcado pelo
design de propostas atuais e modernas.
Essa ideia de informalidade em projetos de ambientação de locais de trabalho retrata a
concepção de mundo atualmente, onde a busca pela vitória diante o posicionamento que o
mercado hoje se enquadra.

6. A humanização do ambiente corporativo


A empresas vêm se preocupando com a humanização nos ambientes corporativos a fim de
garantir melhores resultados com o aumento da produtividade e competitividade por parte dos
profissionais, os quais passam a trabalhar em condições mais confortáveis. Para isso é
essencial que o profissional contratado para a elaboração do projeto une-se aos profissionais
destes locais para que a ambientação seja funcional e aconchegante.
Nos ambientes corporativos existe por natureza uma grande pressão para o alcance dos
resultados e metas, vindo em sequencia às cobranças diárias, e quando aliadas a uma cultura
organizacional antiga fatores determinantes como; foco, saúde, bem estar, tornam-se
ameaçados.
No entender de (MORGAN, 1996, p. 142) que “a natureza verdadeiramente humana das
organizações é a necessidade de construí-la em função das pessoas e não das técnicas”.
Diante dessas palavras, a humanização é o ato de humanizar, onde algo se torna adaptado ao
ser humano, sendo necessária uma nova cultura organizacional onde a realização pessoal e
profissional garanta a atividade diante da motivação em querer e sentir-se bem para trabalhar.
O papel da arquitetura é fundamental no tratamento estético na concepção física dos
ambientes corporativos, todavia este tratamento deve atentar-se na empatia dos usuários em
relação a esse meio corporativo.
Há três fatores fundamentais, os quais o ser humano é influenciado: o físico, cognitivo e
psíquico, diante do exposto, fica a critério da gestão de cada empresa, escolher as estratégicas
que se enquadra em seu perfil.
No entanto, Elke (2012)1 destaca algumas das estratégicas usadas pelas empresas, sendo elas:
o reconhecimento do trabalho desenvolvido pelo colaborador, constituir uma relação aberta ao
tratar dos assuntos pertinentes, promover momentos de lazer, premiação por metas, ambiente
de trabalho confortável para o funcionário na realização de sua atividade.
Diante dessas estratégias relacionadas ao ambiente corporativo, destaca-se como fator direto à

1
Disponível em: <http://blcorporativo.blogspot.com.br/2012/08/humanizacao-em-ambientes-corporativos.html>.
Acesso em: 22 de fev.2016.

ISSN 2179-5568 - Revista Especialize On-line IPOG - Goiânia - 12ª Edição nº 012 Vol.01/2016 Dezembro/2016
A importância das cores e sua aplicação na ambientação na arquitetura corporativa
Dezembro/2016
12

arquitetura a relação da cor e sua importância quando aplicada no projeto de ambientação,


com estilo e possibilidades agregadas ao bem estar do usuário.

7. Conclusão
Por tanto, tendo em vista os aspectos apresentados para obter o conhecimento das influências
no uso das cores e a importância dada a elas ao projetar um ambiente corporativo, fica visível
que vários fatores são determinantes na contextualização do espaço, onde a estética é
importante, mas o foco concentra-se na procura pela humanização desses espaços com o
objetivo de garantir o bem estar dos usuários. Por isso todas as cores e seus matizes tornam-se
aliados diante de seus significados físico, psíquico e simbólico, transmitindo diversas
sensações ao ambientar projetos arquitetônicos corporativos.
Para que se garanta o sucesso ao escolher cores apropriadas para cada espaço, deve ser feito
um estudo aprofundado na área, pois a funcionalidade do local e as maneiras que elas podem
agir serão de forma diferente para cada situação.
Sendo assim, as cores frias se enquadram melhor em ambientes para relaxamento, trará
tranquilidade para as ações que deverão ser tomadas ali. As cores quentes e vibrantes instigam
o meio em que serão aplicadas, é necessário que haja equilíbrio ao decorar locais de trabalho.
Este artigo menciona um leque de possibilidade em transformar o ambiente corporativo por
meio da humanização engajada às tendências de mercado, fazendo-os locais mais agradáveis
a seus usuários.

Referências
Figuras:
Figura 1 – Circulo Cromático
Retirada do Site WordPress.
Disponível em: <http://www. arianepadilha.wordpress.com/2009/12/04/classificacao-das-
cores/>
Acesso em: 13 de fevereiro de 2016.

Figura 2 – A natureza é maior fonte de esquemas de cores


Retirada do livro Projetando Espaço: design de interiores/ Miriam Gurgel. – 5ª ed. – São
Paulo: Editora Senac São Paulo, 2013.

Figura 3 – Escritório do Grupo Gallegos | Lorcan O’Herlihy Archtects


Retirada do Site Casa 3 Arquitetura.
Disponível em: <http://casa3.com.br/os-efeitos-do-uso-de-cores-na-decoracao-corporativa/>
Acesso em: 20 de fev de 2016.

Figura 4 – Projeto Bangkok University Student Lounge - Thailand


Retirada do Site Dabus (2013).
Disponível em: <http://www.dabus.com.br/blog/2013/05/informalidade-no-ambiente-de-
trabalho-e-na-arquitetura-corporativa/>

ISSN 2179-5568 - Revista Especialize On-line IPOG - Goiânia - 12ª Edição nº 012 Vol.01/2016 Dezembro/2016
A importância das cores e sua aplicação na ambientação na arquitetura corporativa
Dezembro/2016
13

Acesso em: 15 de fev de 2016.

Figura 5 – BU Lounge – Supermachine Studio - Thailand


Retirada do Site Archdaily (2012).
Disponível em: <http://www.archdaily.com/254392/bu-lounge-supermachine-studio>
Acesso em: 20 de fev de 2016.

BATTISTELLA, Márcia Regina. A importância da cor em ambientes de trabalho: um


estudo de caso. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Faculdade de
Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.
Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/84678>. Acesso em 18 de
fevereiro de 2016.

CASA 3 ARQUITETURA. Disponível em: <http://casa3.com.br/os-efeitos-do-uso-de-cores-


na-decoracao-corporativa/>. Acesso em 20 de fevereiro de 2016.

DABUS ARQUITETURA. Disponível em: <http://www.dabus.com.br/blog/2010/12/a-


aplicacao-estrategica-das-cores-na-arquitetura-corporativa/>. Acesso em 15 de fevereiro de
2016.

DANGER, Eric P. A cor na comunicação. Rio de Janeiro: Fórum, 1973. 214p.

FERRAZ, Aline Martins Faria. O uso das cores em publicidade: um estudo do caso Itaú.
Monografia (Graduação em Publicidade e Propaganda) – Escola de Comunicação,
Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

FONCECA, Juliane Figueiredo. Apostila Ergonomia e cor nos ambientes de locais de


trabalho. Rio de Janeiro, 2004. Disponível em:
<http://www.iar.unicamp.br/lab/luz/ld/Arquitetural/livros/ergonomia_e_cor_nos_ambientes_e
_locais_de_trabalho.pdf>. Acesso em 15 de fevereiro de 2016.

FREITAS, Ana Karina Miranda de. Psicodinâmica das cores em comunicação. Limeira,
v.4, n.12, 2007. Disponível em:
<http://www.iar.unicamp.br/lab/luz/ld/Cor/psicodinamica_das_cores_em_comunicacao.pdf>.
Acesso em 20 de janeiro de 2016.

LACY, Marie Louise. O poder das cores no equilíbrio dos ambientes. São Paulo:
Pensamento, 2002.

PADILHA, Ariane. Classificação das Cores. 2009. Disponível em <


https://arianepadilha.wordpress.com/2009/12/04/classificacao-das-cores/>. Acesso em: 13 de
fevereiro de 2016.

ISSN 2179-5568 - Revista Especialize On-line IPOG - Goiânia - 12ª Edição nº 012 Vol.01/2016 Dezembro/2016
A importância das cores e sua aplicação na ambientação na arquitetura corporativa
Dezembro/2016
14

SILVA, Laís. Como as cores influenciam pacientes em ambientes de internação


hospitalar. Artigo (Pós-Graduação em Master em Arquitetura) – Instituto de Pós-Graduação,
Campo Grande, 2013.

TEODORO, Wagner Luiz Garcia. Depressão: corpo, mente e alma. 3. ed. Uberlândia, 2010.
240 p.

WORK SOLUTION. Disponível em: <http://www.worksolution.ws/entenda-o-efeito-das-


cores-no-ambiente-de-trabalho/>. Acesso em 12 de fevereiro de 2016.

ISSN 2179-5568 - Revista Especialize On-line IPOG - Goiânia - 12ª Edição nº 012 Vol.01/2016 Dezembro/2016