Você está na página 1de 14

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO

PARA JOVENS, ADULTOS E


IDOSOS: TEORIA E HISTÓRIA

GUIA DE ESTUDOS

ORGANIZADORAS

Sandra Fernandes Leite


Sueli Helena de Camargo Palmen

Campinas-SP, 2018
CURSO DE EXTENSÃO: FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PARA JOVENS,

ADULTOS E IDOSOS: TEORIA E HISTÓRIA.

Selecionamos uma poesia para você de Cecília Meireles, citada por Palange (1998):

Ou isto ou aquilo
Cecília Meireles.
Ou se tem chuva e não se tem sol,
Ou se tem sol e não se tem chuva!
Ou se calça a luva e põe o anel,
Ou se põe o anel e não se calça a luva!
Quem sobe nos ares não fica no chão,
Quem fica no chão não sobe nos ares.
É uma grande pena que não se possa
Estar ao mesmo tempo nos dois lugares!
Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,
Ou compro o doce e gasto o dinheiro.
Ou isto ou aquilo; ou isto ou aquilo...
E vivo escolhendo o dia inteiro!
Não sei se brinco, não sei se estudo,
Se saio correndo ou fico tranqüilo.
Mas não consegui entender ainda
Qual é melhor: se é isto ou aquilo.

Referência Bibliográfica:
PALANGE, Ivete. Diário de um Educador. Rio de Janeiro, SENAI/DN, 1998.

1
O Curso de Extensão Fundamentos da Educação para Jovens, Adultos e Idosos:
Teoria e História conta com a seguinte equipe:

Ana Martha Santos Vieira;


Beatriz de G. Meigger Ferreira;
Daniela Gobbo Donadon Gazoli;
Daniela dos Santos Caetano;
Ingred Luana Souza Rosário Tanihara;
Janaina Guerreiro;
Rodrigo Castilho de Almeida;
Leonardo Ferreira Andrade;
Sandra Fernandes Leite;
Sueli Helena de Camargo Palmen;
Tayná Victória de Lima Mesquita;

Ao longo do curso você terá a oportunidade de conhecer cada um, cada uma.
No momento, desejamos a todos e todas um excelente curso.

Vamos seguir viagem? Pronto para adquirir novos conhecimentos?

2
Caro (a) educando (a),

Seja bem-vindo (a) ao curso “Fundamentos da Educação de Jovens, Adultos e


Idosos: teoria e história”.
Preparamos este Guia de Estudos para orientá-lo (a) no seu percurso acadêmico.
Aqui você encontrará as principais informações sobre os objetivos, os módulos, as aulas,
as atividades propostas, as avalições e outras demandas do curso de extensão. Este é um
importante instrumento para o desenvolvimento do trabalho que realizaremos no decorrer
dos próximos meses.
O objetivo principal do curso é apresentar os componentes históricos, sociais,
econômicos, políticos e pedagógicos presentes na educação para jovens, adultos e idosos
sob a ótica das concepções de Paulo Freire. O curso “Fundamentos da Educação de
Jovens, Adultos e Idosos: teoria e história” será desenvolvido na Modalidade Educação a
Distância (EAD) e tem carga horária de 120 horas/aula, divididas em 05 módulos com 24
horas de duração cada.
Com a certeza de que juntos possamos realizar um trabalho de qualidade,
convidamos você para essa caminhada. Compartilharemos saberes e experiências, neste
espaço, de setembro de 2018 a fevereiro de 2019.

Bons Estudos!

Coordenação do Curso de Extensão “Fundamentos da Educação de Jovens, Adultos e


Idosos: teoria e história”.

3
Orientações para os (as) Educandos (as) do Curso de Extensão “Fundamentos da
Educação de Jovens, Adultos e Idosos: teoria e história”

Caro estudante,

Os cursos desenvolvidos na Modalidade Educação a Distância (EAD) constituem-


se como uma nova alternativa de ensino para os (as) alunos (as) que desejam cursar cursos
de formação inicial e continuada. Pensando na praticidade, flexibilidade e duração dos
cursos realizados a distância, o curso de extensão “Educação de Jovens, Adultos e Idosos:
teoria e história” foi construído com o objetivo de complementar os cursos de graduação,
enriquecer os currículos e as práticas profissionais e ampliar os horizontes sobre a
Modalidade Educação de Jovens e Adultos no Brasil.
A Modalidade EAD tem características distintas, tendo em vista sua organização,
estrutura, professores/tutores e o uso, impreenchível, de diferentes tecnologias, tais como:
Internet, Ambientes Virtuais de Aprendizagens e diferentes recursos didáticos (textos e
vídeos).
A EAD exige dos saberes e práticas que extrapolem o processo de ensino e
aprendizagem que estão acostumados a exercitar. Ou seja, ao invés de alunos (as) e
professores(as) se encontrarem em uma sala de aula, com dia e horários marcados, os (as)
alunos(as) da EAD estudam em horários diferentes e onde quiserem (em casa, na
biblioteca, no trabalho etc.).
Por este motivo, a EAD exige dos(as) alunos(as) dedicação e disciplina. Portanto,
é fundamental que você reflita sobre sua decisão de estudar a distância e sobre as
características desta metodologia de ensino. Em suma, estudar a distância implica ajustar
suas necessidades, bem como as condições pessoais, profissionais e acadêmicas.
De modo especial, queremos chamar sua atenção para as especificidades do curso
de extensão “Fundamentos da Educação de Jovens, Adultos e Idosos: teoria e história”. O
curso foi construído com objetivo principal de apresentar os componentes históricos,
sociais, econômicos, políticos e pedagógicos presentes na educação para jovens, adultos
e idosos. Assim, partimos de uma concepção de educação democrática, emancipadora,
participativa, consoante com a realidade dos (as) alunos (as) e, principalmente, apoiada
nos fundamentos e concepções de Paulo Freire.
Ao longo deste curso, você encontrará o termo “educador (a)” ao se referir ao
“professor(a)”. Em muitos casos, as concepções de professor (a) e educador(a) são
tratadas como sinônimos, por este motivo é bastante relevante destacarmos as diferenças
4
entre as duas concepções. Entendemos o (a) professor (a) como o (a) profissional que é
responsável por ministrar os conteúdos disciplinares aos (as) seus (suas) alunos (as);
enquanto o (a) educador (a), além de ser profissional, tem o objetivo de transformação
social dos seus educandos (as). É importante destacar que todo (a) educador (a) também
é um(a) professor(a) e nem todo(a) professor(a) é necessariamente um (uma) educador(a).
Os (as) educadores (as) constroem, juntamente com seus (suas) educandos (as), o
conteúdo estudado. Dissemos tudo isso, para que você possa compreender, com clareza,
a concepção de educação em que foi construído o curso de extensão “Fundamentos da
Educação de Jovens, Adultos e Idosos: teoria e história”.
Entendemos que as relações de ensino e aprendizagens construídas no método
dialógico, implicam no entendimento de que aprendemos entre iguais. Nesta prática, não
há um (uma) único(a) educador(a) e sim os (as) educadores(as) coletivos(as), de modo que
ensinar e aprender é uma responsabilidade de todos nós. Atente para isso, você também
é responsável pelo processo de aprendizagem de seu (sua) colega, como também pela
qualidade das trocas ocorridas no ambiente virtual (Plataforma Moodle).
Gostaríamos de enfatizar como é bom contar com você nesta caminhada. Estamos
certos que muito aprenderemos com a troca de saberes, trabalhando e buscando
estabelecer, conjuntamente, um método dialógico, ou seja, uma relação de ensino e
aprendizagem construída no diálogo e na comunhão, entre educadores (as) e educandos
(as), base teórica deste curso.
Todos nós, educadores (as) e educandos (as), somos responsáveis pelo
desenvolvimento do curso “Fundamentos da Educação de Jovens, Adultos e Idosos: teoria
e história”, ou seja, cada um tem a sua responsabilidade no conhecimento construído nesta
caminhada. Por este motivo, é primordial que você se atenta ao fundamento básico da EAD:
o foco está na aprendizagem e não no ensino em si. Sua participação ativa e suas
contribuições serão determinantes para que se atinjam os para que se atinjam os objetivos
deste curso.

5
Para auxiliar os seus estudos na Modalidade EAD, listamos algumas ações a serem
realizadas por você no andamento do curso, tais como:

 Organização de um cronograma e horário de estudo;


É muito importante que, desde o início do curso, você procure estabelecer um
cronograma de estudos, inclusive com horários determinados, buscando desenvolver a
sua autodisciplina de estudo.

 Criação do hábito de estudo sistemático, bem como o acesso diário ao ambiente


virtual (Plataforma Moodle);
Criar hábitos de estudo diários facilitará muito o seu percurso, porque você não deixará
acumular as atividades solicitadas. Por isso, procure acessar todo dia o ambiente de
aprendizagem onde se realiza o curso.

 Participação ativa e colaborativa no ambiente virtual do curso;


Procure acessar diariamente o seu curso e participe ativamente das atividades
indicadas no ambiente virtual de aprendizagem (Plataforma Moodle).

 Importância do material didático;


Num curso a distância, o material didático tem especial papel, pois se trata de sua fonte
de estudo e exercitação dos conceitos aprendidos. Busque sempre ler e estudar o que
é indicado, assim como sugerir leituras, trazer novas informações e notícias que possam
complementar e melhor ilustrar o material do curso.

 Busca pela autonomia de aprendizagem;


Este é, se não o maior desafio do aluno a distância, um dos mais difíceis de aprender.
A almejada autonomia de aprendizagem é algo a ser construído, muitas vezes a duras
penas, passo a passo, no dia a dia desse contexto de aprendizagem mediado por
tecnologia, no qual você é o principal gestor do seu processo de aprendizagem.

 Avaliação da sua aprendizagem.


Cada módulo apresentará atividades escritas, de modo que você possa acompanhar o
que está aprendendo e o seu desempenho como um todo.

O Curso de Extensão “Fundamentos da Educação de Jovens, Adultos e Idosos:


teoria e história”
Nosso curso foi concebido com o objetivo de apresentar os componentes históricos,
sociais, econômicos, políticos e pedagógicos presentes na trajetória dos sujeitos da
Modalidade Educação de Jovens e Adultos (EJA), sob a ótica das concepções de Paulo
Freire.
É importante você compreender que quando nos propomos a estudar a EJA,
estamos falando sobre pensar a educação para estudantes jovens, adultos e idosos que já
possuem longas trajetórias de vida, com marcas sociais, afetivas, culturais, entre muitas
outras. Muitos já carregam as marcas de experiências anteriores com a escola, muitas
vezes, recordando momentos de afastamento e abandono que geraram uma ideia de
6
fracasso. Assim sendo, ao pensarmos sobre os educandos jovens, adultos e idosos
envolvidos no processo de escolarização na EJA, é fundamental reconhecer estas
diferentes trajetórias de vida, que resultam em ricas histórias, carregadas de marcas
afetivas, culturais, sociais, individuais e coletivas que precisam ser levadas em
consideração em uma proposta de estudo que, verdadeiramente, respeite o educando.
É muito comum encontrarmos nas salas de EJA pessoas que não tiveram
oportunidade de estudar ou permanecer na escola por diversos motivos: alguns precisavam
trabalhar e contribuir para o sustento da família; ou viviam em áreas rurais de difícil acesso
à escola; ou, ainda, narram histórias de migração entre os mais diversos Estados no Brasil,
o que dificultava a continuidade dos estudos. A verdade é que este público, que teve o seu
direito negado, guarda algumas semelhanças: o desejo de aprender e alguns sentimentos
de ausência por não terem frequentado a escola.
Não concebemos a ideia do educando jovem, adulto ou idoso marcado apenas por
ausências – ausência de domínio do código escrito, ausência de conhecimentos escolares,
ausência de condições financeiras – ideia esta comumente difundida no senso comum.
Entendemos que esta concepção é equivocada e distante do real conhecimento dos
educandos da EJA. Basta conhece-los para observarmos a riqueza das experiências de
vida de cada um, entendendo que são, diferentemente do que o imaginário social faz crer,
cidadãos e protagonistas de suas vidas. Estes homens e mulheres, na maioria das vezes
não alfabetizados, desenvolveram suas próprias formas de lidar com suas dificuldades na
sociedade letrada, assim como aprenderam a suprir suas necessidades e de suas famílias,
a partir de suas experiências de vida. Ou seja, criaram suas estratégias para resolverem
seus problemas, sem fazerem o uso do código escrito.
Ao mesmo tempo, é preciso que tenhamos a sensibilidade para percebemos que,
muito deles, internalizaram ideias equivocadas, como a sua culpabilização pelo seu
fracasso ou exclusão escolar. Muitos se inferiorizam pelo fato de não dominarem o código
escrito, interpretando essa realidade como sua responsabilidade, não do sistema escolar
excludente em uma sociedade tão marcada pelas injustiças sociais e que anseia por uma
mão-de-obra barata e pouco qualificada, a qual advêm das classes menos favorecidas,
obrigando estas pessoas a se afastarem das possibilidades de estudo em função da sua
sobrevivência e de sua família.
O (a) Educador (a) que atua na Modalidade EJA lida com uma grande diversidade
de educandos (as) em suas salas de aula. É importante que reconheçamos, enquanto
profissionais da educação, estas diferentes necessidades – profissionais e pessoais –
trazidas pelos (as) educandos (as) da EJA. Além de conhecer os diferentes ritmos de
7
aprendizagem, as concepções de escola e de fracasso escolar que carregam em suas
memórias, bem como compreender o que estes sujeitos esperam do seu processo de
escolarização.
Mas, para compreender a Modalidade EJA e os (as) educandos (as) aos quais ela
se destina, é preciso conhecer sua história. Portanto, o objetivo deste curso é possibilitar a
reflexão sobre a Modalidade EJA no Brasil a partir de suas faces políticas e sociais. Nosso
objetivo é que você e seus colegas aprofundem seus conhecimentos sobre vários aspectos
da realidade da EJA no Brasil: as características; os desafios históricos e a formação e
prática dos (as) educadores (as) que atuam nesta Modalidade de ensino.
Esperamos que vocês se interessem pelos estudos e investigações na EJA e que,
caso sejam educadores (as), a partir das leituras e questionamentos propostos no curso de
extensão “Fundamentos da Educação de Jovens, Adultos e Idosos: teoria e história”,
possam fortalecer seus conhecimentos sobre as concepções de educação para a
Modalidade EJA e, a partir das reflexões propostas, possam fortalecer a sua prática na sala
de aula. Neste sentido, os objetivos do curso são:

 Conhecer os componentes históricos, sociais, econômicos e políticos presentes na


educação;
 Analisar os períodos históricos e sua importância para a educação de jovens e
adultos;
 Identificar a influência das transformações sociais e sua relação com a modalidade
EJA;
 Analisar os movimentos ideológicos, os avanços e retrocessos para a Educação de
Adultos até a Modalidade EJA.

Nosso curso tem carga horária de 120 horas/aula, divididas em 05 módulos de 24


horas de duração. O material didático está dividido em cinco módulos, cuja leitura e estudo
deverão ser feitos de forma linear, pois os temas vão sendo construídos gradativamente.

 Módulo 01 – Sistema Educacional no Brasil;


 Módulo 02 – Fundamentos da Educação de Jovens e Adultos;
 Módulo 03 – Fundamentos da Educação Popular no Brasil;
 Módulo 04 - Gestão, Planejamento e Avaliação na Modalidade EJA;
 Módulo 05 - Paulo Freire e a Educação para Jovens, Adultos e Idosos.

8
Apresentamos uma síntese de cada modulo do curso de extensão “Fundamentos
da Educação para Jovens, Adultos e Idosos: teoria e história”:

 Módulo 01: Sistema Educacional no Brasil - o módulo apresenta os componentes


históricos, sociais, econômicos e políticos presentes nas legislações educacionais; os
períodos históricos e sua importância para a concretização do direito à educação para
os jovens, adultos e idosos que ultrapassaram a idade escola no Brasil.

 Módulo 02: Fundamentos da Educação de Jovens e Adultos - o objetivo deste


módulo é o aprofundamento sobre vários aspectos da realidade da EJA no Brasil: as
características; os desafios históricos e a formação e prática dos (as) educadores (as)
que atuam nesta Modalidade de Ensino.

 Módulo 03: Fundamentos da Educação Popular no Brasil - o módulo apresenta


uma proposta de educação, forjada nas comunidades urbanas, rurais, ribeirinhas,
quilombolas e indígenas. Uma proposta de educação construída por pessoas simples e
humildes, na maioria das vezes, pobres trabalhadores (as) e excluídos (as) do Sistema
de Ensino regular.

 Modulo 04: Gestão, Planejamento e Avaliação na Modalidade EJA - o objetivo


deste módulo é apresentar temas relativos à avaliação e seu papel na organização do
trabalho pedagógico, destacando seu papel como processo formativo e instrumento de
aprendizagem.

 Módulo 05: Paulo Freire e a Educação para Jovens, Adultos e Idosos - o


objetivo deste módulo é apresentar a concepção de educação e o pensamento político
e pedagógico de Paulo Freire, destacando suas implicações para a educação de jovens,
adultos e idosos e, consequentemente, para a realidade da Modalidade EJA no Brasil.

Tutoria e Acompanhamento
Durante a oferta do curso você contará com tutores e facilitadores para orientá-los
no que for necessário. Essas pessoas serão responsáveis pela mediação direta com você,
fazendo o acompanhamento do seu desempenho, avaliação, orientações, discussões e
interações no ambiente virtual de aprendizagem (Plataforma Moodle).

Atividades de Avaliação (Avaliação da Aprendizagem)


Em cada aula, você encontrara atividades escritas que devem ser respondidas e
postadas no ambiente virtual de aprendizagem (Plataforma Moodle). As atividades escritas
foram construídas por meio de estratégias para que você possa acompanhar o que está
aprendendo e o seu desempenho como um todo.

9
Ao concluir o curso de extensão “Fundamentos da Educação de Jovens, Adultos e
Idosos: teoria e história”, verifique o que você aprendeu em relação aos seguintes objetivos:

 Entender a trajetória da Modalidade EJA no Brasil;


 Conhecer os documentos e a legislação nacional que trataram da Modalidade EJA
nas últimas décadas;
 Compreender a complexidade da garantia do direito à educação para as pessoas
jovens, adultas e idosas no Brasil.

Este curso será certificado pela Escola de Extensão da Universidade Estadual de


Campinas (EXTENCAMP/UNICAMP) e terá como trabalho final a elaboração de um
Memorial de formação do curso de Extensão “Fundamentos da Educação de Jovens,
Adultos e Idosos: Teoria e História”.

10
Memorial de formação do Curso de Extensão Fundamentos da Educação de Jovens,
Adultos e Idosos: Teoria e História

O trabalho final do curso consistirá na elaboração de um memorial de formação. Você


tomará por base a proposta de Jane Quintiliano Guimarães no artigo: O Memorial no espaço
da formação acadêmica: (re) construção do vivido e da identidade, publicado na Revista
Perspectiva, Florianópolis, v. 28, n. 2, 601-624, jul./dez. 2010. Disponível em:
<http://www.perspectiva.ufsc.br>. Data de acesso: 17/08/2017.

No entanto, algumas regras precisam ser definidas e padronizadas para a apresentação


deste material. Elucidá-las é o que faremos aqui.

1. QUANTO À APRESENTAÇÃO
A estrutura de apresentação do memorial deverá conter, pela ordem, as seguintes partes:

Capa
Deve conter, no alto da folha, o nome da Unicamp, o nome da Faculdade de Educação e o
nome do (a) autor (a). O título deverá estar no centro da folha; cidade e ano, no final da
folha.

Folha de Rosto
Segue a mesma estrutura da capa, sendo que, logo abaixo do título, da metade da folha
para a direita, deve aparecer uma explicação rápida e clara acerca dos objetivos
institucionais do memorial, seguidos da instituição a que se destina.

Dedicatória (opcional)
Esta folha não é obrigatória, mas o (a) autor (a) pode fazer um texto curto para dedicar seu
trabalho a alguém.

Agradecimentos (opcional)
Esta folha também não é obrigatória, mas o (a) autor (a) pode usá-la para agradecer às
pessoas que contribuíram com o seu trabalho, ou prestar homenagem àqueles (as) que
estiveram diretamente envolvidos com a realização do mesmo.

Epígrafe (opcional)
Trata-se de um pensamento de algum autor (a), cujo conteúdo tenha relação com o tema
do trabalho.
11
Sumário
O sumário é onde se encontram as divisões do trabalho. Os tópicos, títulos, subtítulos e
assuntos do memorial deverão ser apresentados com o número das páginas nas quais se
encontram.

O Texto
O texto deve iniciar-se com uma Introdução, seguida do desenvolvimento de seu
relato/reflexão, o qual, por sua vez, deverá estar organizado em temas / títulos / subtítulos,
que correspondam aos conteúdos escolhidos pelo (a) autor (a) do relato. No final do
trabalho deverão constar as considerações finais.

A Introdução deve explicitar ao (a) leitor(a) a estrutura do memorial e o processo vivenciado


pelo(a) autor(a) durante a produção do mesmo. Apesar de vir logo no início do texto,
geralmente a Introdução é a última parte do memorial a ser escrita, por ter como objetivo
demonstrar a organização de todo o trabalho.

Relembramos que o eixo central do memorial deve referir-se ao processo da sua reflexão
sobre o que você aprendeu e as experiências que vivenciou durante o curso, que
contribuíram de forma significativa para operar mudanças em você e refletir sobre a
educação para jovens, adultos e idosos.

Referências Bibliográficas

Deverão ser organizadas em ordem alfabética, a partir do sobrenome dos (as) autores (as)
todo em letras maiúsculas, seguido do nome em minúsculas. O título do livro / revista /
dissertação / tese, destacado em itálico. Deve seguir as normas da ABNT (Associação
Brasileira de Normas Técnicas).

12
Encontro Presencial

Ao longo do curso serão realizados alguns Encontros Presenciais para que possam trocar
seus saberes e terem a oportunidade de estar presente. Serão disponilizados a
possibilidade de no mínimo duas e no máximo cinco datas para que possam se organizarem
para esse encontro. Acreditamos que será um momento muito especial para todos e para
todas. Não há necessidade de presença em todos os encontros. A proposta dos encontros
presenciais é de serem espaços de troca e também de avaliação do curso.

Em breve divulgaremos as datas e a programação dos encontros presenciais.

Bons Estudos!
As Organizadoras

13