Você está na página 1de 14

Algumas representações do corpo negro masculino nas obras de Alberto Escobar

(2010-2019)

 

Alberto Antonio Escobar

Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Resumo

Cultura e poder são duas manifestações que podem ser representados em um meio, quer visual, física ou psicológica, dentro dessas duas potências têm muitos aspectos que a pesquica analisa, avalia e faz críticas. A cultura é uma forma de poder, e o poder, por sua vez, pode se manifestar em uma certa cultura, sendo ambos dependentes e independentes ao mesmo tempo. O artigo procura mostrar o meu trabalho como artista eu trabalho com desenho e pintura sob um tema homoerótico, destacando a figura masculina como referência principal para a maioria da minha produção, eu apropriar elementos clássicos e contemporâneos, juntamente com uma estética atletismo figurativa pictórica para apresentações, com o objectivo de proporcionar ao mundo um vislumbre dos meus pensamentos, idéias, sonhos e paixões, especialmente entre indivíduos do mesmo sexo, um tema recorrentemente marcado como tabu em alguns países latino-americanos. Meu trabalho é um esforço necessário para a visibilidade, valorização e aceitação no gênero, política e masculinidade, neste artigo eu está focada naquelas obras que representavam o corpo negro masculino desde o início da minha carreira no ano 2010.

Abstract

Culture and power are two manifestations that can be represented in a medium, be it visual, physical or psychological, within these two powers we have many aspects on which the investigation analyze, evaluate and make criticisms about it. Culture is a form of power, and power in turn can manifest itself in a certain culture, both being dependent and independent at the same time. In the present article seeks to show my work as an artist in which I work with drawing and painting under a homoerotic theme, highlighting the male figure as the main reference of most of my production, I appropriate classic and contemporary elements in conjunction with an aesthetic Figurative pictorial of athletic character for the representations, with the aim of providing the world with a vision of my thoughts, ideas, dreams, and above all passions between individuals of the same sex, a theme recurrently marked as a tabu in some Latin American countries. My work is a effort for visibility, valorization and acceptance in the matter of gender, politics and masculinity, in this article is focused on those works in which I have represented the male black body since the beginning of my artistic career in the year 2010

Palavras - chave:

Homoerotismo,

modelo

negro,

erotismo,

arte,

pintura,

dibujo,

representacion.

1.

Antecedentes

Diferentes períodos históricos e culturas diversas ao redor do mundo tenderam a favorecer certas relações entre os homens como uma atração baseada nas diferenças de classe, idade e dos ideais locais da beleza masculina, estes elementos tem sido representados em obras materiais de arte podendo apreciar dessa forma, diferentes cânones ou padrões estéticos. Esses registros foram capturados em meios artísticos como representações do homoerotismo, em pinturas rupestres, murais egípcios, divindades greco-romanas, cerâmicas orientais, pinturas e esculturas renascentistas (Imagem 01). A abordagem sobre o homoerotismo, nesse sentido, tem sido historicamente recorrente em diversas culturas.

tem sido historicamente recorrente em diversas culturas. IMAGEM 01. Representações do homoerotismo em diferentes
tem sido historicamente recorrente em diversas culturas. IMAGEM 01. Representações do homoerotismo em diferentes
tem sido historicamente recorrente em diversas culturas. IMAGEM 01. Representações do homoerotismo em diferentes
tem sido historicamente recorrente em diversas culturas. IMAGEM 01. Representações do homoerotismo em diferentes
tem sido historicamente recorrente em diversas culturas. IMAGEM 01. Representações do homoerotismo em diferentes
tem sido historicamente recorrente em diversas culturas. IMAGEM 01. Representações do homoerotismo em diferentes
tem sido historicamente recorrente em diversas culturas. IMAGEM 01. Representações do homoerotismo em diferentes
tem sido historicamente recorrente em diversas culturas. IMAGEM 01. Representações do homoerotismo em diferentes

IMAGEM 01. Representações do homoerotismo em diferentes culturas e épocas, da esquerda para a direita: Warren Cup (Roma, século I dC), Ilustração do Império Otomano (manuscrito turco, 1773), Cena do namoro pederasta (Grécia, 530 aC), Cliente Lubrificando um Prostituto de Kitagawa Utamaro (Japão, século 18), Nyaunkh Khom e Khom Hotep (Egito, 2300 aC), Beijo entre Erastés e Erómeno (Grécia, sigo V aC), Cerâmicas Homoeróticas Chimú (Peru, cerca de 1300 dC) e pintura homoerótica maia em Naj Tunich (Guatemala, 600 dC). Fonte: Imagens do Google.

Ao falar de homoerotismo, surge a categoria de homoarte que, segundo Garcia (2012), funciona como elemento intercomunitário e atrelado à noção de arte, onde elementos como subjetividade, inspiração, criação e manutenção de experiências contextuais são encontrados para o desenvolvimento de um produto artístico na representação masculina, segundo ele, pode funcionar como um canal para a reprodução de imagens baseadas em experiências e conhecimentos do indivíduo: sua relação entre o artista e o modelo.

Nesse sentido, entendo o processo criativo da homoarte como simbiótica (interação

benéfica) entre dois elementos importantes: o primeiro, é o artista criativo que usar

corretamente suas habilidades e gestão técnica pretende representar de acordo com os seus

interesses estéticos formulário figura masculina direta ou indiretamente erotizada, devo

mencionar que o erotismo não só é aplicável a obras em que o personagem é

completamente nu, temos, por exemplo, a

obra de arte O êxtase de Santa Tereza

(Imagem 02) pelo artista italiano Gian

Lorenzo Bernini, onde o todo: as roupas dos

personagens, a posição dos modelos, mãos,

pés e expressões dos rostos representam um

erotismo subliminal, característica das obras

religiosas durante o Renascimento. Em

contraste com a escultura (sempre do

mesmo autor) O Rapto de Proserpina, onde

Há um erotismo mais forte e mais explícito,

apreciável nas mãos de Pluton apertando o

corpo de Proserina (Imagem 02). O segundo

elemento seria o equivalente ao objeto de

representação, ou em outras palavras, o

modelo.

objeto de representação, ou em outras palavras, o modelo. IMAGEM 02. Duas esculturas de Gian Lorenzo
objeto de representação, ou em outras palavras, o modelo. IMAGEM 02. Duas esculturas de Gian Lorenzo
objeto de representação, ou em outras palavras, o modelo. IMAGEM 02. Duas esculturas de Gian Lorenzo
objeto de representação, ou em outras palavras, o modelo. IMAGEM 02. Duas esculturas de Gian Lorenzo

IMAGEM 02. Duas esculturas de Gian Lorenzo Bernini: O êxtase de Santa Tereza (Itália, 1657) e O Rapto de Proserpina (Itália, 1622), com dois respectivos detalhes em que se aprecia um erotismo y movimento sensualizado. Fonte: Imagens do Google.

O homoerotismo tem diversas vertentes aplicadas em diversos campos não só na arte, senão

também no comportamento humano dentro das sociedades, como descreve Graham:

O homoerotismo pode ser entendido como a relação entre homens que podem estar em uma escala hipotética variando de ligações puramente homossociais (não sexuais mas, no entanto, fortes, entre homens) a puramente homossexuais (envolvendo atração sexual, excitação e atividade genital) ). Nas sociedades ocidentais modernas, os homossociais e os homossexuais devem ser mantidos estritamente separados, uma separação imposta pela vigilância homofóbica de qualquer sinal de interesse sexual entre os homens (GRAHAM, 2007, p.307).

Algumas diferenças profissionais e de poder entre os homens também podem ser erotizadas. Ícones culturais como atletas e artistas podem ser objetos de interesse homoerótico. Formas de masculinidade que são inatingíveis para homens gays muitas vezes se tornam objetos eróticos, incluindo soldados, policiais, bombeiros e ocupações tradicionais da classe trabalhadora que são consideradas propriedade de homens heterossexuais, como trabalhadores da construção civil. Essas masculinidades "proibidas" são erotizadas e disponibilizadas para fantasias sexuais; Eles são os grampos da pornografia gay (Graham,2007, p.309).

Nesse sentido, vemos que os antecedentes registrados em imagens de diferentes culturas reproduzem elementos estéticos da região em que se originam, pois apresentam algumas diferenças na aparência corporal, formato do rosto, expressão facial, posição erótica, entre outros. No entanto, é importante notar que a grande maioria das imagens do passado que contêm registros de homoerotismo tem um padrão estético de modelo branco.

O modelo masculino negro tem sido representado, em menor escala, também nos séculos passados, é aqui que nasceu meu interesse como artista em investigar esse tipo de representações: modelos negros em telas de pintura erótica acadêmica.

2.

O Homoerotismo de Escobar

Um dos desafios como artista é e sempre será: a criação de um estilo pessoal, um elemento diferenciador, uma marca própria ou, o que eu chamo de "alma artística". Cada artista é capaz de criar esse elemento num curto ou longo período de tempo, no entanto ele nasce a partir do momento que o artista decide criar suas primeiras peças, ele forma parte de uma longa viagem e caminho que unicamente solidifica-se com tempo de prática, talento e dedicação.

Varios artistas têm um estilo pessoal muito forte, e são potenciais geradores e criadores de grandes movimentos nas artes pictóricas (ver, por exemplo, o trabalho de Monet, Picasso, Van Gogh, Michelangelo, Da Vinci, Andy Warhol, e muitos outros). História e registros através de imagens ao longo dos anos têm dado nas sociedades referências visuais do passado, fatos históricos, fictícios, religiões, mitologias, festas populares, incluindo uma perspectiva visual sobre o mundo dos sonhos (ver obras do surrealismo: Salvador Dali e Marcel Duchamp, por exemplo). A

surrealismo: Salvador Dali e Marcel Duchamp, por exemplo). A alma artística de cada autor encontra-se
surrealismo: Salvador Dali e Marcel Duchamp, por exemplo). A alma artística de cada autor encontra-se

alma

artística

de

cada

autor

encontra-se

em

elementos

que

distinguem

as

obras

de

cada

elemento

como

o

uso

de

determinadas

cores,

formas,

iluminação, pinceladas,

texturas,

padrões estéticos e cânones.

pinceladas, texturas, padrões estéticos e cânones. IMAGEM 03. Esquerda: Referências de obras de grandes
pinceladas, texturas, padrões estéticos e cânones. IMAGEM 03. Esquerda: Referências de obras de grandes

IMAGEM 03. Esquerda: Referências de obras de grandes mestres:

O

Arrebatamento de Ganimedes (1533), de M. A. Buonarroti e Satã

e

a Serpente (1866), de Gustave Doré. Direita: Reinterpretação de

Alberto Escobar: A Ascensão do Cisne Branco (2014) e A Primeira Metamorfose (2017). Fonte: Fotografias de Alberto Escobar.

Como artista, eu reconheço que ainda falta muito para completar meu estilo diferenciado, no entanto

tento representar em cada uma das minhas obras uma fineza no traço, esforço na mistura de cores e complexidade na composição de formas e os personagens. Eu me identifico como um grande fã do trabalho

de artistas internacionais como Miguel Angel Buonarroti e Paul Gustave Dore. Foi a partir

de obras referenciais deles que criei reinterpretações com meu próprio estilo (Figura 03).

Nessas reinvenções de obras de grandes mestres do passado, utilizo elementos

semelhantes dentro da composição, mas diferenciados nos modelos utilizados, no caso da

obra A ascensão do Cisne Branco, por exemplo, o modelo utilizado é um bailarino

salvadorenho, o mesmo acontece com o pássaro da versão de Buonarroti, que foi mudado

de uma águia (Zeus) para um cisne (baseado no trabalho de P.I. Chaikovski "O lago dos

cisnes" de 1877, em uma versão masculina); o outro exemplo em A primeira Metamorfose,

mostra uma reinvenção da obra de Gustave Dore que faz parte das ilustrações do livro de

Paraiso Perdido (1667) de John Milton, na minha versão mantém a posição do personagem

(o demônio) mas muda de fundo, a cobra , as cores e especialmente o modelo, que neste

caso é brasileiro.

No meu trabalho, o referente favorito sempre foi Miguel Angel Buonarroti, porque

como Neret (2003) diz, ele nunca escondeu que toda a sua vida, desde a juventude até a

velhice, foi marcada por paixões, e isso é claro tanto em suas obras como em seus poemas,

onde paixão e criação vêm da mesma fonte, de acordo com o autor um do seus poemas

explica a fonte de beleza em que suas criações foram baseadas:

"Se na minha juventude percebi que o esplendor da beleza pela qual eu me apaixonei tinha que ir ao meu coração e provocar uma luz do tormento imortal, como eu poderia voluntariamente extinguir aquela

luminária do meu olhar

" (Neret, 2003.p.7)

Minha intenção nesse sentido é representar uma beleza dotada de um elemento regional

aleatório (isto é, pode ser um edifício ou arquitetura, uma fruta, uma planta, o modelo

humano, uma paisagem local, animais, etc.) juntamente com paisagens ou fundos externos

(internacionais, e por vezes fictícios), considerando o meu trabalho como um híbrido

cultural e artístico, essa explicação tem sua base em minhas origens, pois nos ancestrais de

minha família há uma mistura de sangue indígena e espanhola.

Mas como e onde o homoerotismo entra no meu trabalho como um tema

fundamental? A história nasceu por volta de 2010, quando participei pela primeira vez em

um concurso para uma exposição nacional em El Salvador chamado Palmares Diplomat. Para a ocasião, apresentei um trabalho pictórico de dois homens nus deitados em uma cama em tons de amarelo e ocre mostrando amor e afeto um ao outro, foi o resultado da inspiração da música Que nadie Vea (2008) do cantor e compositor guatemalteco Ricardo Arjona.

Defino homoerotismo como um diferencial no meu trabalho onde procuro representar de forma sutil, expressiva e muitas vezes explícita, anatomia masculina dotada de uma anatomia clássica atlética de acordo com os cânones esteticos utilizados na arte grega e renascentista, com um toque de regionalismo baseado em elementos tropicais da minha origem centro-americana, que conferem na minha obra o caráter contemporâneo. Mas sempre havia um problema em relação aos personagens representados nas minhas obras, várias críticas nos círculos artísticos conservadores de El Salvador e até mesmo em minha própria Escola de Belas Artes (Universidad de El Salvador), se referiam sempre, a que nunca realize uma representação precisa do homem meio e comum do El Salvador como é considerado estereotipado: de pequena estatura, com um pouco de gordura (principalmente na área abdominal), com cabelo corporal, e dotado de um toque de masculinidade com tintes machistas. Provavelmente por essa razão o trabalho Calida (2006) por Edward Chang, e o Anjo do Profeta

(1998) de Mayra Barraza, são duas peças (ver Figura 04) preservados e expostos no Museu de Arte de El Salvador (MARTE) como elementos de representação do homem de El Salvador.

como elementos de representação do homem de El Salvador. IMAGEM 04. Esquerda: Calida (2006), Eduardo Chang.
como elementos de representação do homem de El Salvador. IMAGEM 04. Esquerda: Calida (2006), Eduardo Chang.

IMAGEM 04. Esquerda: Calida (2006), Eduardo Chang. Direita: O Anjo do Profeta (1998), Mayra Barraza. Fonte: Imagens do Google Images / Catalogo do Museu MARTE

Acredito que nenhum artista deve ser forçado ou persuadido sobre o que "deve" ou não usar como modelo de representação, considero a arte como uma expressão livre onde a diversidade e elementos como desejo, inspiração e especialmente uma estética visual pessoal deve ser o principal influenciador na sua criação.

3.

O modelo negro no trabalho de Escobar

Durante os meus primeiros anos de formação artística (anos 2010-2014) não me lembro de ter um modelo vivo de pele escura ou negro nas minhas aulas de desenho, pintura ou escultura. Da mesma forma que eu nunca vi nas obras dos meus colegas pintores a representação do corpo negro em qualquer tecido, talvez a coisa mais próxima que foi possivelmente mais semelhante a um tom de pele escuro naquelas sessões, foram modelos de fotos de internet com pele bronzeada ou como é popularmente chamado no meu país, com pele “morena”, que geralmente era usada para os trabalhos fora da aula.

Basta apenas uma visita a qualquer museu de El Salvador para perceber que a representação do negro é quase nulo na sua produção artística, e é, possivelmente, porque ele deu mais

visibilidade aos elementos de caráter indígena, local e cultura pré-hispânica como os maias

e olmecas. Alguns artistas salvadorenhos como Julia Diaz, Antonio Bonilla, Carlos Cañas,

Valero Lecha entre outros, trabalharão em algumas obras de suas produções, tons personagens de pele mais acentuados do que os modelos brancos convencionais utilizados na maioria da produção artística nacional, e isso pode ser visto em catálogos de exposições de produções artísticas do passado (Molina e Vasquez, 2012).

A primeira pintura em que utilizei um modelo negro como referência foi em 2011, com o trabalho intitulado A perfeição do café (Figura 05) na qual, usando uma imagem da internet como referência para o modelo, fiz o primeiro estudo da cor com um pele diferente da convencional que sempre foi pele branca. Neste trabalho,

o interesse inicial era praticar por primeira vez a anatomia do corpo negro retratado em uma pintura, a musculação do

do corpo negro retratado em uma pintura, a musculação do IMAGEM 05. A perfeição do café

IMAGEM 05. A perfeição do café, Óleo sobre tela, 2011. Primeira foto pintada por Escobar com modelo negro. Fonte:

Fotografia de Alberto Escobar.

modelo em conjunto com a iluminação que tinha a foto de referência foram os principais condutores de um desejo de criar nos próximos anos obras relacionadas com este tipo de tematica, este trabalho iniciou uma inspiração que continua até hoje para continuar criando mais peças de desenhos e pinturas baseadas em modelos negros masculinos carregados de homoerotismo.

Em 2013, foram criadas duas peças adicionais, nas quais foram apresentados modelos com um tom de pele mais acentuado, os chamados de "morenos" em El Salvador. Pedi a dois sujeitos, ambos homens, que posassem para fazer uma foto a maneira de retrato, os dois concordaram e desta atividade nasceram os trabalhos: Perfil de Daniel (2013) e Joseph

Effigiem (2013) (Imagem 06). Ambos estavam planejados para ser parte de uma futura série que visaria criar cerca de 12 pinturas com representação de cânones corporais de jovens salvadorenhos, mas que por razões de tempo, outros projetos e falta de modelos terminaram sem concluir, a maioria das pinturas deste período (2010-2013) foram por meio de retratos com apenas um personagem individual representado em cada tela.

IMAGEM 06. Esquerda: Perfil de Daniel, Óleo sobre Tela, 2013. Direita: Joseph Effigiem, Óleo sobre madeira, 2013. Fonte: Fotografias de Alberto Escobar.

sobre madeira, 2013. Fonte: Fotografias de Alberto Escobar. Em 2014, foi idealizada uma nova série de
sobre madeira, 2013. Fonte: Fotografias de Alberto Escobar. Em 2014, foi idealizada uma nova série de
sobre madeira, 2013. Fonte: Fotografias de Alberto Escobar. Em 2014, foi idealizada uma nova série de
sobre madeira, 2013. Fonte: Fotografias de Alberto Escobar. Em 2014, foi idealizada uma nova série de
sobre madeira, 2013. Fonte: Fotografias de Alberto Escobar. Em 2014, foi idealizada uma nova série de
sobre madeira, 2013. Fonte: Fotografias de Alberto Escobar. Em 2014, foi idealizada uma nova série de
sobre madeira, 2013. Fonte: Fotografias de Alberto Escobar. Em 2014, foi idealizada uma nova série de
sobre madeira, 2013. Fonte: Fotografias de Alberto Escobar. Em 2014, foi idealizada uma nova série de
sobre madeira, 2013. Fonte: Fotografias de Alberto Escobar. Em 2014, foi idealizada uma nova série de
sobre madeira, 2013. Fonte: Fotografias de Alberto Escobar. Em 2014, foi idealizada uma nova série de
sobre madeira, 2013. Fonte: Fotografias de Alberto Escobar. Em 2014, foi idealizada uma nova série de
sobre madeira, 2013. Fonte: Fotografias de Alberto Escobar. Em 2014, foi idealizada uma nova série de
sobre madeira, 2013. Fonte: Fotografias de Alberto Escobar. Em 2014, foi idealizada uma nova série de
sobre madeira, 2013. Fonte: Fotografias de Alberto Escobar. Em 2014, foi idealizada uma nova série de
sobre madeira, 2013. Fonte: Fotografias de Alberto Escobar. Em 2014, foi idealizada uma nova série de
sobre madeira, 2013. Fonte: Fotografias de Alberto Escobar. Em 2014, foi idealizada uma nova série de

Em 2014, foi idealizada uma nova série de pinturas eróticas que teriam o título Passions (Imagem 07), todas feitas em óleo de formato pequeno (24 x 24 cm) em madeira de cedro. O formato octogonal foi referenciado das clássicas Pinturas católicas onde geralmente se representava a paixão de Cristo, em algumas igrejas salvadorenhas.

A diferença era que eles eram imagens eróticas e muitas vezes cenas sexuais explícitas não apenas homossexuais, mas também heterossexuais, incluíam modelos brancos e negros.

IMAGEM 07. Coleção completa da série Passions, em ordem cronológica, data de criação 2014-2015. Técnica: Óleo sobre madeira de cedro. Fonte:

Fotografias de Alberto Escobar.

As três primeiras obras: Passion # 1, # 2 e # 3 foram escolhidas para uma exposição intitulada Mestres Masculinos, Os novos Homens Figurativos na Mooiman Galerie (Holanda) em 2015, onde a Passion # 1 e # 2 foram vendidas.

Tenho que reconhecer que em El Salvador existe certa homogeneidade com relação à fisionomia das pessoas, especialmente os modelos utilizados, provavelmente por esse motivo, muitas vezes o publico geral tem confundido algumas representações, como auto- retratos ou o uso do mesmo modelo em telas diferentes. Não foi até o ano de 2015 quando conheci a Jorge, um brasileiro de Recife que tinha uma anatomia incrivelmente proporcional e uma estética dotada de beleza de acordo com meus interesses artísticos. Depois de fazer uma amizade online com ele, me arrisquei a pedir que fosse meu modelo para alguns trabalhos (Imagem 08), incrivelmente esses trabalhos foram vendidos mais rápida e facilmente do que as obras feitas com modelos salvadorenhos.

IMAGEN 08. Izquierda: Defiant Luzbel (2015), Grafito sobre papel. Derecha: Mitologia regional de Centroamerica (2015), Oleo sobre

Mitologia regional de Centroamerica (2015), Oleo sobre tela Fuente: Fotografia de Alberto Escobar. Em 2016, conheci
Mitologia regional de Centroamerica (2015), Oleo sobre tela Fuente: Fotografia de Alberto Escobar. Em 2016, conheci

tela

Fuente: Fotografia de Alberto Escobar.

Em 2016, conheci pela primeira vez a cidade de São Paulo, a partir daquele momento, meus olhos se encheram de cores, minha mente de inspiração e minhas mãos de vontade de criar peças que tivessem modelos brasileiros do sexo masculino, foi um sublime sentimento de inspiração criativa para representar cada rosto, corpo e modelo possível em uma nova ideia. A grande diversidade de pessoas da cidade de São Paulo abriu mais possibilidades em minhas futuras pinturas a tal ponto que consegui voltar em 2018 para estudar o meu mestrado, desta vez em Salvador da Bahia.

Das viagens ao Brasil e das relações profissionais que surgiram com modelos diferentes, nasceram, um a um, trabalhos eróticos com uma representação da masculinidade negra. Neesse sentido as obras criadas mostram uma visão estrangeira (minha visão) sobre o corpo masculino negro representado de maneira clássica e anatomicamente atlético em um tecido,

temática que a julgar por minhas visitas a vários museus nacionais (MASP São Paulo, Museu Nacional do Rio de Janeiro, Museu de Arte da Bahia) deveria estar mais presente, pois existe um grande número de potenciais modelos negros em território brasileiro.

de potenciais modelos negros em território brasileiro. IMAGEM 09. Esquerda: O primeiro (2017), Óleo sobre tela.
de potenciais modelos negros em território brasileiro. IMAGEM 09. Esquerda: O primeiro (2017), Óleo sobre tela.

IMAGEM 09. Esquerda: O primeiro (2017), Óleo sobre tela. Direita: Orgulho brasileiro (2017), Óleo sobre tela. Fonte: Fotografia de Alberto Escobar.

As duas primeiras obras criadas no Brasil (Imagem 09): O primeiro (2017) e Orgulho Brasileiro (2017) mostram modelos negros como os protagonistas da cena, onde as linhas de seus corpos ultrapassam os limites estéticos conservadores ditadas principalmente pelas antigas academias de arte onde o modelo negro

não tinha lugar de representação como protagonista da cena (Batista, 2011).

As obras criadas em Salvador de Bahia contem da mesma forma uma representação fiel do modelo negro, mudando alguns elementos ornamentais como por exemplo com os trabalhos: Bendito o fruto (2018) e (IN)Civilização (2018), respectivamente (Imagem 10). No primeiro trabalho, vemos um modelo brasileiro negro dotado de um fisico musculado quase escultural rodeado por um conjunto de frutas tropicais e regionais do Brasil: entre bananas, açaí, manga, maçã, guaraná e outras frutas, o jovem nu mantém um olhar sensualizado com os lábios semiabertos para o espectador em um espaço íntimo de cor neutra como pano de fundo, o que ajuda a destacar sua figura como protagonista da tela.

O segundo trabalho é uma pintura histórica, representa o momento do trágico incêndio no Museu Nacional do Brasil, no Rio de Janeiro no dia 2 de setembro de 2018, entre os elementos que conformam a tela têm: o edifício do museu

IMAGEM 10. Acima: Bendito o Fruto (2018), Óleo sobre tela. Inferior: (In) civilização (2018), óleo sobre tela. Fonte: Fotografia de Alberto Escobar.

(2018), Óleo sobre tela. Inferior: (In) civilização (2018), óleo sobre tela. Fonte: Fotografia de Alberto Escobar.
(2018), Óleo sobre tela. Inferior: (In) civilização (2018), óleo sobre tela. Fonte: Fotografia de Alberto Escobar.

queimando-se, na parte central sobre o prédio do museu temos o trono de Daome, onde se encontra um modelo negro em atitude de lamento com as mãos na cabeça. Além do trono de Daomé outros elementos perdidos na tragédia foram representados como o tocado indígena na cabeça do modelo, a múmia Sha-Amun-en-su, uma pintura cerâmica de Pompei e o famoso crânio de Luzia. O trabalho busca reunir esses elementos simbólicos como um tributo para nunca esquecer, que da mesma forma que a história de um povo pode ser construída como objetos representativos é frágil e destrutível com um elemento básico como o fogo, algo que nos lembra sem lugar para duvidar que muitas vezes a fragilidade não está nos objetos que devem ser conservados, mas sim na dedicação humana em preservá-los para as gerações futuras.

Algumas exposições visitadas como Historias Afro-Atlânticas (2018) no Museu de Arte de São Paulo (MASP) e da coleção permanente do Museu Afro Brasil, localizado no Parque Ibirapuera (São Paulo), buscam expor ao público: o posicionamento e a reivindicação do modelo negro em contraposicao ao modelo branco representado principalmente em obras clássicas e modernas ao redor do mundo, nestas

exposições o modelo negro é o protagonista e reunem um valor cultural diverso sobre a representatividade afrodescendente (Imagem 11). Outros esforços para documentar parte dessa representatividade nas artes se reúne em vários artigos e livros publicados nos últimos anos, tanto nacionales como o artigo de Alves Rodrigues (2017) e internacionais como o livro Cleveland (2016). Ambos contêm informações sobre o que é chamado de arte afrobasileiro e sua abordagem entre brasileiros e estrangeiros, assim como alguns dos aportes de teoricos e sua abordagem do tema, as relações entre os artistas, os modelos, publico em geral, a sociedade e politicas tanto dentro como fora do Brasil.

a sociedade e politicas tanto dentro como fora do Brasil. IMAGEM 11. Acima: Retrato de Africano
a sociedade e politicas tanto dentro como fora do Brasil. IMAGEM 11. Acima: Retrato de Africano

IMAGEM 11. Acima: Retrato de Africano (1758) de um Autor Anônimo. Abaixo: Retratos de negros (sem data) por Benetido José Tobias. Fonte: Fotografia de Alberto Escobar.

4.

Considerações Finais

O objetivo principal deste artigo foi apresentar a minha proposta artística como estrangeiro sobre a visibilidade e representação do corpo negro basileño, utilizando recursos clássicos, estéticos e eróticos no Brasil.

Estou ciente de que eu não sou o primeiro a fazer esse tipo de abordagem, nem serei o último, mas acho que meu trabalho será um dia, referente para a temática homoerótica e afetiva de um elemento que não é muito comum na pintura acadêmica: a representação masculina do modelo negro. Há artistas afro-brasileiros do passado, citando como exemplo:

Arthur Timotheo (1882-1922), Benedito José Tobias (1894-1963) e Estevão Silva (1845- 1891), que trabalharam com temas de representação de modelos negros em suas obras, da mesma forma há trabalho contemporâneo com representação negra como o trabalho do artista baiano Oliver Dorea, quem trabalha num sistema tradicional (pintura e desenho feito à mão) e digital (pintura feita em um computador usando ferramentas digitais), nas suas obras Dorea, representa uma arte afro-brasileira em cada um de seus personagens, carregado com colorismo, utilização dos recursos naturais como flores, animais e frutas locais que acompanham os seus modelos (geralmente esses elementos são exibidos no cabelo ou sobre as cabeças de seus personagens).

Minha paixão pela arte e para a criação de um tema homoerótico nasceu a partir do dia do concurso Diplomat Palmares em El Salvador (2010), e foi criada a partir das reações do público salvadorenho para ver o trabalho de um artista iniciante que tinha tentado entrar um círculo artístico elitista, a ideia era clara: o meu destino era capturar através da inspiração, paixões e talento, o afeto entre dois indivíduos do sexo masculino de um modo erótico, sublime e sutil, o caráter mais explícito dos seguintes trabalhos veria a luz anos depois.

Percepções de meu trabalho serão variadas, positivas e negativas: no Brasil, principalmente por causa de não ser de ascendência negra, põe em duvida se eu deveria estar pintando modelos negros (de acordo com algumas opiniões de colegas acadêmicos) ou a utilização de padrões estéticos determinados. Como um criador individual, a minha resposta é que a paixão criativa artística não é regida por regras sobre o que deve e não deve ser pintado, eu

não pretendo ser o melhor ou o mais popular do tema homoerótico, mas eu tenho o meu objetivo claro: ser diferente.

Referencias

- ALVES, Sirlene y RODRIGUES, Marcelino. Arte e afrobrasilidade como expoentes de luta e

resistência. Revista Digital do LAV [en linea] 2017, 10 (Mayo-Agosto): [Fecha de consulta: 10 de febrero de 2019] Disponible en:<http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=337052479011> ISSN

- BATISTA, Stephanie. O corpo falante: as inscrições discursivas do corpo na pintura

acadêmica brasileira do século XIX. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Paraná. 2011.

- CLEVELAND, Kimberly. Black Art in Brazil. 1.ed. Estados Unidos de America: Editora University Press of Florida, 2013, p.8-18.

- GRAHAM, Mark. Homoeroticism. In: FLOOD, Michael (Org.). International Encyclopedia of men and masculinities. Estados Unidos de America: Editora Routledge, 2007.p. 307-309

- MOLINA, Rodolfo y VASQUEZ, Rafael. Al compas del tiempo: Procesos e influencias en el

arte salvadoreño. 1.ed. El Salvador: Editora Coleccion de Libros del Museo MARTE, 2012.

- NERET, Gilles. Miguel Angel. 2.ed. Mexico: Editora TASCHEN, 2003.p.7