Você está na página 1de 67

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER

FARMÁCIA HOSPITALAR

A Contribuição do Técnico em Farmácia


na Prevenção dos Erros de Medicação
Deise Mara Saraiva
Josiana Deyse Calazani da Silva
Técnico em Farmácia: Formação
e Regulamentação da Profissão
Século XIX – Práticos de botica diagnosticando, prescrevendo o
tratamento e vendendo seus próprios produtos.
Formação: Aulas práticas e exames perante os comissionários da
Fisicatura-mor.

Pereira Sandra. Revista POLI. Ano I – Nº 5 – mai/jun 2009


Técnico em Farmácia: Formação
e Regulamentação da Profissão
Entre os séculos XIX e XX – Posto ocupado pelo boticário foi perdendo
espaço. Nasce curso de farmacêutico de nível superior vinculado às
faculdades de Medicina.
“Por essa reforma, ninguém poderia curar, ter botica ou partejar,
sem título conferido ou aprovado por essas faculdades”.
l
Lei 3820/60 – Criação dos Conselhos de Farmácia: Fiscalização do exercício
da profissão Farmacêutica.
Prevê a inscrição nos Conselhos de Farmácia, em quadros separados, de
técnicos de laboratórios de análises clínicas / patologia clínica e técnicos de
laboratórios industriais farmacêuticos.
2010 – Criação do Catálogo Nacional de Cursos Técnicos (MEC) – Unificação
da nomenclatura dos cursos de nível médio: “Técnico em Farmácia”, não
contemplada na lei 3820/60.
Conselho Federal de Farmácia não registra técnicos de nível médio com essa
titulação.
Segundo o Catálogo de Cursos Técnicos,
o técnico em farmácia
“Realiza operações farmacotécnicas identificando e classificando
os diferentes tipos de produtos e de formas farmacêuticas, sua
composição e técnica de preparação.

Atua no controle de qualidade e na produção e manipulação de


formas farmacêuticas e de cosméticos.

Pode trabalhar em drogarias, postos de saúde e de medicamentos


e farmácias de manipulação”.

O Serviço de Farmácia do INCA consegue reunir em


um único profissional a habilidade de poder
desempenhar diversas funções.
As multifunções do Técnico em
Farmácia no INCA
Dispensação
Hospitalar

Nutrição
Farmacotécnica
Parenteral

SEGURANÇA
DO
PACIENTE

Estoque e
Quimioterapia Guarda de
Medicamentos

Dispensação
Ambulatorial
Segurança do Paciente

 Qualquer sistema de intervenção que apresente ou


demonstre habilidade para prevenir danos ao paciente
no processo do cuidado.
OMS 2006

 A segurança depende da criação de sistemas que


antecipem os erros e também os previnam ou
interceptem antes que causem dano.

Watcher, R.M. Compreendendo a segurança do paciente


Evento Adverso relacionado a
Medicamentos

Qualquer dano ou injúria, advindo de medicamentos,


provocados pelo uso ou falta do uso, quando
necessário.

A presença do dano é, portanto, condição necessária


para a caracterização do evento adverso.

“Estão incluídos neste conceito os erros de medicação


e as reações adversas”.

American Society of Health System Pharmacists, 1998


Erro de Medicação
Qualquer evento evitável que pode causar dano ao
paciente ou levar ao uso inadequado do medicamento.

Distribuição Prescrição

Dispensação

Mistura / Preparo Administração


Segurança em Sistemas de Saúde
Nos Estados Unidos:

 A cada ano 770.000 pessoas sofrem eventos adversos


graves e 98.000 pessoas morrem por causas evitáveis

 Aproximadamente 28% dos efeitos adversos são


produzidos por medicamentos e são evitáveis

 Em 1993 7.000 americanos morreram por erro de


medicação, contra 6.000 por acidentes de trabalho

 Aproximadamente 56% dos erros acontecem durante


a prescrição
Fonte: Improving the ICU*part.1.Chest.2005:127:2151-2164.
Medical erros:IOM report na underrestimate. Reactions Weekly.
(803):3,May 27,2000.
Cadeia de Falhas envolvendo processos e pessoas:
O queijo suíço pode ser penetrado por uma trajetória acidental

Risco

Dano

Fonte: James Reason. Human error: models and management. BMJ 2000;320;768-770
Tipos de erro de medicação

Erros de Erros de Erros de


Prescrição Dispensação Administração
Erros de Prescrição

Erro de prescrição com significado clínico é


definido como erro de decisão ou redação, não
intencional, que pode reduzir a probabilidade
do tratamento ser efetivo ou aumentar o risco
de lesão no paciente, quando comparado com as
práticas clínicas estabelecidas e aceitas.
ISPM - Brasil

Exemplos: Ilegibilidade, Falta de


concentração/via de administração e Uso de
abreviaturas
Erros de Dispensação

Erros que ocorrem durante a dispensação de


medicamentos; discrepância entre a ordem
escrita na prescrição médica e o
atendimento dessa ordem.

Cohen, 1999
Como o Técnico em
Farmácia do INCA
Contribui para a prevenção
de Erros de Medicação?
Dispensação Hospitalar

•Política Nacional de
Medicamentos

•O papel do técnico
em farmácia é
fundamental para
assegurar a qualidade
do processo.
Dispensação Hospitalar
Dispensação Hospitalar
Fluxo do Processo

Farmacêutico
Enfermagem
Médico prescreve avalia a prescrição
apraza
e tria

Técnico separa os
Farmacêutico
Técnico embala os medicamentos
confere os
medicamentos conferindo a
medicamentos
triagem
Dispensação Hospitalar
Técnico em farmácia: Atividades Diárias
• Checagem e controle de medicamentos de alto custo

• Checagem e controle de validade de medicamentos

• Fracionamento de medicamentos sólidos orais

● Separação de medicamentos para uso coletivo e SOS nas


enfermarias e ambulatórios = on-line

● Separação de medicamentos para pacientes internados – DOSE


INDIVIDUALIZADA

● Atendimento esporádico a pacientes ambulatoriais

● Embalagem de medicamentos
Tipos de erros de medicação
na dispensação
1. Triagem da prescrição pelo farmacêutico
2. Omissão de dose ou do medicamento
3. Medicamento dispensado com concentração
errada
4. Medicamento dispensado errado
5. Não prescrito e dispensado
6. Forma farmacêutica errada
7. Desvio de qualidade
8. Medicamento vencido
9. Atraso na dispensação dos medicamentos
Causas de erro de dispensação
 Desorganização do processo

 Processos de trabalho fragmentados (distrações e


interrupções) e falta de padronização dos
procedimentos (POPs)

 Desabastecimento

 RH; carga de trabalho excessiva

 Ambiente inadequado
Estratégias para reduzir erros de
dispensação
 Implantação de normas
 Conferência do rótulo
 Não interpretar ou deduzir prescrições médicas
 Não atender prescrições verbais
 BPA e BPM/F
 Monitoramento
 Dupla checagem do processo de prescrição médica, preparo e
dispensação de medicamentos, com registro dos erros preveníveis
 Sistema de dispensação eficiente e seguro: DOSE UNITÁRIA
 Código de barras
 Informatização da prescrição com Alertas (doses, duplicação
do medicamento)
Cuidados que são tomados para
prevenir erros de dispensação
1 Armazenamento

 Ordem alfabética por denominação genérica


 Formas farmacêuticas
 Identificação de prateleiras nome/concentração
 Identificação da validade
 Identificação de lote
 Embalagens e rótulos semelhantes (alerta visual)
 Cuidado ao guardar devoluções
 Dentro das condições de conservação exigidas
Organização dos Medicamentos no Setor:
Etiquetas coloridas

Quimioterápicos
Soluções Antineoplásicos
Parenterais Orais

Colírios,
Pomadas oftálmicas e
Cremes e Soluções p/Inalação
Pomadas
Medicamentos Controlados
Portaria 344/98
Comprimidos,
Cápsulas e
Drágeas
Soluções Orais
Prevenção de Erros com medicamentos
Potencialmente Perigosos

2. Etiquetas auxiliares com cores ou sinais de


alerta diferenciados na embalagem

Eletrólitos Concentrados
Prevenção de Erros com medicamentos
Potencialmente Perigosos
Eletrólitos Concentrados e Glicose 50%
Prevenção de Erros com medicamentos
Potencialmente Perigosos

Insulina
Insulina NPH
Regular
Cuidados que são tomados para
prevenir erros de dispensação

Identificação de embalagens semelhantes Alerta prazo de validade curto


Fita de Dispensação Individualizada
Controle de Validade
de Medicamentos
Segunda-feira Portaria 344/98

Terça-feira Quimioterápicos – Colírios-


Pomadas - Termolábeis
Quarta-feira Líquidos – Medicamentos
Não Padronizados
Quinta-feira Intravenosos

Sexta-feira Comprimidos – Cápsulas -


Drágeas
Sábado e Domingo Revisão Geral
Cuidados que são tomados para
prevenir erros de dispensação
3 Identificação dos medicamentos:
fracionamento/unitarização e selagem

Modelo de etiqueta

NIFEDIPINA 10mg HCI/INCA  RDC 67/2007 AnexoVI –


Lote: 123456 Val: 12/2013 Boas práticas para preparação
Lote Interno: DH 001 OUT 12 da dose unitária e unitarização
Farm. RT: Aaaaaaaaa CRF xxxx de doses de medicamentos em
serviços de saúde.
Monitoramento de erros de
dispensação
Erros de medicação evitados na
dispensação de medicamentos

1%
Triagem
2% 1% Falta do medicamento
17% 28% Troca de medicamento
10% Forma farmacêutica trocada
19% 22% Quantidade de medicamentos
Falta de etiqueta do paciente
Etiqueta do paciente trocada
Dose do medicamento trocada

Período de 01 de Março de 2010 a 31 de Agosto de 2010 no


Setor de Dispensação Hospitalar da Farmácia do HCI e CEMO
Dispensação Ambulatorial
Dispensação Ambulatorial
Dispensação Ambulatorial
Fluxo do Processo

Técnico do
Paciente vai até a
atendimento
Médico prescreve Farmácia com a
confere a receita e
receita
entrega senha

Técnico entrega os Outro técnico


medicamentos ao confere os Técnico separa os
paciente medicamentos e medicamentos
conforme a senha os embala
Dispensação Ambulatorial
Técnico em farmácia: Atividades Diárias

• Controle de estoque medicamentos de alto custo


• Controle de validade de medicamentos
• Separação de medicamentos à pacientes ambulatoriais
• Dispensação Orientada ao paciente
• Fracionamento de medicamentos
• Controle de temperatura e umidade do ambiente e
refrigerador (3xdia)
Cuidados para prevenção de erros na
Farmácia Ambulatorial

● Registro do nome comercial na receita do paciente

● Medicamento certo Paciente certo


Estoque e Guarda de Medicamentos
Estoque e Guarda de Medicamentos
Técnico em farmácia: Atividades Diárias

• Recebimento de solicitações de produtos


• Abastecimento dos diversos setores da farmácia
• Abastecimento de soluções eletrolíticas grandes
volumes para as enfermarias e postos de atendimento
• Conferência de produtos com as devidas Notas Fiscais
• Recebimento das devoluções de medicamentos
• Organização de prateleiras/controle de validade
• Boas práticas de armazenamento de medicamentos
Farmacotécnica de Não Estéreis
Farmacoténica de Não Estéreis
Técnico em farmácia: Atividades Diárias

• Paramentação e utilização de EPIs


• Solicitação de medicamentos ao estoque
• Higienização da embalagem primária
• Limpeza e higienização da cabine
• Manipulação: Fracionamento e Unitarização de
medicamentos sólidos orais e líquidos
Cuidados para prevenção de erros de
dispensação na Farmacotécnica de
Não Estéreis
• Unitarização da dose e manipulação de um
medicamento por vez
• Atenção e alertas as condições de armazenamento
específico
• Preservar o frasco ou blister junto ao medicamento
manipulado até a conferência pelo farmacêutico
• Atenção a validade atribuída
• Rastreabilidade
Farmacotécnica
Farmacotécnica
Farmacotécnica
Farmacotécnica
Farmacotécnica
Farmacotécnica
Farmacotécnica de Estéreis
Preparo de pré-QT, BCG, NPT e Auxílio
no Preparo de Quimioterápicos
Fluxo do Processo:
Farmacêutico Técnico solicita os
avalia a prescrição medicamentos ao
Médico prescreve
e prepara os estoque interno
rótulos

Técnico manipula Técnico higieniza


NPT, BCG e Pré QT os medicamentos os frascos e as
conforme rótulo cabines
Preparo de pré-QT,BCG
e Auxílio no preparo de QT
Técnico em farmácia: Atividades Diárias
• Paramentação e utilização de EPIs – Sala Limpa
• Solicitação de medicamentos ao estoque
• Higienização das bancadas, capelas, materiais e medicamentos
• Manipulação de Pré-Quimioterápicos,Solução Analgésica, Rasburicase,
Imunoglobulina e Interferon
• Auxílio na manipulação de quimioterápicos, fornecendo os medicamentos
e materiais (soro, equipo, seringa e agulha) ao farmacêutico que está
manipulando
• Rotulagem de todos os medicamentos manipulados
• Manipulação da BCG em salas para material biológico
•Acondicionamento da BCG em plástico foto e bolsas térmicas
Cuidados que são tomados para
prevenir erros de dispensação na
Quimioterapia
• Atenção as técnicas de assepsia

• Medicamentos com embalagens e rótulos parecidos - distantes na bancada

• Conferência da anotação manual (paciente/medicamento/dose) feita pelo


farmacêutico (QT) e pelo técnico com o rótulo a ser fixado no quimioterápico

• Fixação dos rótulos de forma a deixar exposta a anotação manual feita pelo
farmacêutico, para conferência na dispensação

• Atenção na dose a ser manipulada na pré QT, Solução Analgésica,


Rasburicase, Interferon, Imunoglobulina e Heparina

• Rastreabilidade
Erros evitados na Elaboração do rótulo
Erro de cálculo

23% Rasura
44%
18%
8% 7% Volume de soro
inadequado

Erro de
preenchimento do
rótulo

Período de 01 de Março de 2010 a 31 de Agosto de 2010 no


Setor de Dispensação Hospitalar da Farmácia do HCI e CEMO
Preparo de Nutrição Parenteral
(NPT)
Preparo de NPT
Técnico em farmácia: Atividades Diárias
• Paramentação e utilização de EPIs

• Limpeza da cabine, bancadas e materiais

• Solicitação de medicamentos ao estoque

• Identificação das bolsas com nome do paciente e horário início


manipulação

• Seringas identificadas e preenchidas com o volume solicitado na


ordem de adição

• Amostra de 5ml da solução (contraprova)

• Amostra 5ml da nutrição para o BacT/ALERT

• Checagem da amostra no BacT/ALERT – Gráfico Linear


Cuidados que são tomados para prevenir
erros de dispensação na NPT
• Técnica de assepsia rigorosa

• Reconferência da seringa com o mapa antes de adiciona-la á bolsa

• Atenção na ordem de adição

• Separação do material na bancada para produção de uma única


bolsa

• Conferência das bolsas seladas e rotuladas com o mapa de


produção

• Rótulos Informatizados

• Liberação da bolsa após no mínimo 14h da amostra no BacT


/ALERT. Alteração do gráfico no BacT/ALERT comunicar ao
farmacêutico
Controle de Qualidade

BacT/ALERT
Erros de Medicação – Como evitar?
 Reconhecer e analisar os erros como prevenção de
sua repetição

 Notificar

 Cercar sistematicamente os erros e os fatores de


não qualidade

 Despersonalizar os erros, pois só a analise coletiva


é produtiva

 Identificar os erros para por em ação medidas


preventivas e corretivas
“Nós somos o que fazemos repetidas
vezes. Portanto, a excelência não é
um ato, mas um hábito”
Aristóteles

jsilva@inca.gov.br
dpassos@inca.gov.br