Você está na página 1de 193

Ciência do

Solo: Física e
Conservação do
Solo e Água
Rodrigo de Menezes Trigueiro
© 2019 por Editora e Distribuidora Educacional S.A.
Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida
ou transmitida de qualquer modo ou por qualquer outro meio, eletrônico ou mecânico,
incluindo fotocópia, gravação ou qualquer outro tipo de sistema de armazenamento
e transmissão de informação, sem prévia autorização, por escrito, da Editora e
Distribuidora Educacional S.A.

Presidente
Rodrigo Galindo

Vice-Presidente Acadêmico de Graduação e de Educação Básica


Mário Ghio Júnior

Conselho Acadêmico
Ana Lucia Jankovic Barduchi
Danielly Nunes Andrade Noé
Grasiele Aparecida Lourenço
Isabel Cristina Chagas Barbin
Thatiane Cristina dos Santos de Carvalho Ribeiro

Revisão Técnica
Francisco Ferreira Martins Neto
Isabella Alice Gotti
Mauro Stopatto

Editorial
Elmir Carvalho da Silva (Coordenador)
Renata Jéssica Galdino (Coordenadora)

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


Trigueiro, Rodrigo de Menezes
T828c Ciência do solo : física e conservação do solo e água /
Rodrigo de Menezes Trigueiro. – Londrina : Editora e
Distribuidora Educacional S.A., 2019.
192 p.

ISBN 978-85-522-1366-6

1. Erosão do solo. 2. Compactação do solo.


3. Desertificação do solo. I. Trigueiro, Rodrigo de Menezes.
II. Título.

CDD 630

Thamiris Mantovani CRB-8/9491


2019
Editora e Distribuidora Educacional S.A.
Avenida Paris, 675 – Parque Residencial João Piza
CEP: 86041-100 — Londrina — PR
e-mail: editora.educacional@kroton.com.br
Homepage: http://www.kroton.com.br/
Sumário
Unidade 1
Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo�������������������� 7
Seção 1.1
Introdução à conservação do solo................................................. 9
Seção 1.2
A expansão agrícola brasileira e a qualidade do solo������������� 22
Seção 1.3
Consequências ambientais
e agronômicas do inadequado uso do solo������������������������������ 36

Unidade 2
Processos de degradação do solo��������������������������������������������������������� 51
Seção 2.1
Degradação química do solo������������������������������������������������������ 53
Seção 2.2
Degradação física do solo����������������������������������������������������������� 65
Seção 2.3
Levantamento da degradação química,
física e biológica do solo������������������������������������������������������������� 79

Unidade 3
Manejo, proteção e uso de solos tropicais������������������������������������������� 97
Seção 3.1
Práticas conservacionistas edáficas������������������������������������������� 99
Seção 3.2
Práticas conservacionistas mecânicas�������������������������������������114
Seção 3.3
Práticas conservacionistas vegetativas������������������������������������129

Unidade 4
Recuperação e restauração de solos degradados������������������������������145
Seção 4.1
Principais formas de recuperação de solos degradados�������147
Seção 4.2
Recuperação de pastagens degradadas�����������������������������������160
Seção 4.3
Recuperação e restauração de áreas degradadas�������������������173
Palavras do autor

C
aro estudante, como já deve saber, o solo é a matéria-prima de nosso
trabalho. É por este motivo que a ciência do solo é tão importante para
a formação do engenheiro agrônomo. Estudar suas propriedades nos
permite conhecer os principais fatores que ocasionam a degradação do solo
e como as atividades agrícolas contribuem com esse cenário. Neste sentido, a
fim de podermos garantir a sustentabilidade dos sistemas rurais de produção, é
fundamental conhecermos os tipos de degradação do solo e identificarmos suas
principais características e consequências, além de conhecermos as técnicas
que contribuem para a conservação dos solos, com o objetivo de reconhecermos
e indicarmos as práticas mais adequadas para a sua conservação. Portanto, o
engenheiro agrônomo exerce um papel relevante na prevenção da degradação
do solo. Mas não é só isso: também é comum a ocorrência de ambientes degra-
dados pelo mau uso do solo, e nestas situações o agrônomo poderá ser o profis-
sional responsável pela recuperação destes ambientes. Assim, deverá conhecer
as técnicas que contribuem para a recuperação de solos, sendo capaz de adotar
medidas visando reverter uma degradação.
Cientes da importância destes saberes para a sua formação acadêmica,
buscaremos desenvolver estas competências por meio do conteúdo deste
livro, que foi distribuído em quatro unidades. Na Unidade 1 - Sustentabilidade
e fundamentos da conservação do solo, faremos uma introdução sobre a
importância da conservação do solo para a sustentabilidade da atividade
agropecuária e como a expansão desta atividade afeta a qualidade do solo. A
Unidade 2 - Processos de degradação do solo, apresenta informações impor-
tantes sobre a degradação das propriedades do solo e sobre o uso de técnicas
para se reconhecer o tipo e o grau da degradação. Na Unidade 3 – Manejo,
proteção e uso de solos tropicais, conheceremos a forma adequada de se fazer
uso do solo sob as condições climáticas do Brasil e, por fim, na Unidade 4 -
Recuperação e restauração de solos degradados, discutiremos sobre as técnicas
que podem ser empregadas para se reverter o quadro de degradação já insta-
lado em diferentes ambientes rurais.
Considerando que a situação de degradação da paisagem agrícola é uma
situação comum nas diversas condições de solo e clima no Brasil e que o
engenheiro agrônomo tem grande responsabilidade na reversão deste quadro,
temos certeza que este conteúdo despertará sua curiosidade e seu interesse.
Bons estudos!
Unidade 1

Sustentabilidade e fundamentos da conservação


do solo

Convite ao estudo
Caro estudante,
Com esta unidade daremos início ao estudo de um dos conteúdos
mais relevantes para a sua formação acadêmica: a conservação do solo e
da água. Estes recursos naturais constituem a base da produção agropecu-
ária e florestal, daí a importância de se conhecer e saber aplicar técnicas de
manejo que promovam a manutenção da capacidade produtiva dos sistemas
agrícolas. Neste sentido, o conteúdo desta unidade foi elaborado de maneira
que você possa conhecer os principais fatores que ocasionam a degradação
do solo e como as atividades agrícolas contribuem com esse cenário. Assim,
contaremos um pouco da nossa história do uso do solo, como se deu a
expansão das atividades agrícolas no território brasileiro e suas consequên-
cias ambientais. Ao final desta unidade você será capaz de identificar como as
atividades humanas e o setor agrícola podem influenciar na degradação das
propriedades do solo.
Para tornar nosso trabalho mais estimulante, considere a seguinte
situação: como extensionista de uma instituição pública, você foi desig-
nado para atuar numa região que é campeã nacional em produção de grãos.
Entretanto, a cada novo recorde de safra, esta região vivencia um agrava-
mento de problemas ambientais e sociais que vêm sendo ignorados por
grandes produtores pois, apesar disso, a produtividade da área ainda é satis-
fatória. Para buscar uma solução para este problema, foi criada uma equipe
de profissionais de diferentes entidades, da qual agora você faz parte. Sua
primeira ação foi realizar um levantamento de campo para analisar de perto
o que estava acontecendo e identificar como as atividades humanas e o setor
agrícola podem influenciar a degradação das propriedades do solo da região.
Entre observações e entrevistas com produtores, você conseguiu levantar
os seguintes problemas: uso agrícola de áreas de preservação permanente,
erosão do solo em vários tamanhos e graus de complexidade, assoreamento
de nascentes e rios, diminuição da qualidade e quantidade de água produ-
zida pelas nascentes, diminuição da resistência das plantas aos períodos de
seca e péssimas condições das estradas rurais. Diante destas constatações,
surgiram alguns questionamentos: como este cenário de degradação está
se instalando numa região tão próspera? Será possível reverter este quadro
apenas aplicando as técnicas de conservação do solo e da água?
Para ajudar a responder estes questionamentos, elaboramos o conteúdo
desta unidade dividindo-a em três seções. Na primeira seção, faremos uma
introdução sobre a conservação do solo e sua importância para a sustentabi-
lidade da atividade agropecuária. Na segunda seção, abordaremos o avanço
das fronteiras agrícolas e a qualidade do solo. A terceira seção será dedicada
ao estudo das consequências agronômicas e ambientais da degradação das
propriedades dos solos.
Você estará pronto para responder a estas perguntas depois de concluirmos
o estudo desta unidade. Para isso, tenha em mente o cenário descrito.
Boa leitura!
Seção 1.1

Introdução à conservação do solo

Diálogo aberto
Como futuro agrônomo, você já deve ter notado que a paisagem rural
brasileira é bastante diversa, e é possível observar diferentes atividades
agrícolas sendo desenvolvidas ao mesmo tempo. Entre áreas de lavoura e
pastagens vemos também pomares, hortas e fragmentos de mata nativa e,
não raramente, podemos identificar áreas que foram abandonadas e que
se encontram degradadas pela erosão. Em um primeiro momento, somos
levados a pensar que o problema que causou aquela degradação é pontual,
uma vez que as áreas do entorno ainda estão sendo utilizadas comercial-
mente. Na verdade, aquela parcela de solo degradado é um sintoma claro
de que algo não vai bem e que, muito provavelmente, a região do entorno
corre o risco de se tornar assim também. Sob esta ótica, ao analisarmos uma
paisagem rural é preciso ter um olhar crítico, buscando identificar o mau uso
do solo, seja pela adoção de práticas inadequadas ou pela escolha de ativi-
dades inapropriadas para uma determinada condição de ambiente.
Para exercitarmos sua capacidade de análise, vamos considerar que,
como engenheiro agrônomo extensionista, você ficou responsável por
realizar um diagnóstico do caso de degradação descrito anteriormente. Em
suas visitas a campo, você pode observar diferentes situações e entrevistar
produtores de realidades distintas. Apesar de predominar o monocultivo
de grãos em grandes propriedades agrícolas, na região também são reali-
zadas as pecuárias de corte e leiteira, produção de suínos e aves, fruticul-
tura, cafeicultura e horticultura, sendo estas atividades desenvolvidas em
pequenas, médias e grandes propriedades rurais. Buscando entender o que
está acontecendo na atualidade, você levantou o histórico da ocupação do
solo na região e, conforme relataram os produtores rurais, essa ocupação
se deu, primeiramente, nas áreas mais planas, com a derrubada da floresta
tropical, que inicialmente deu lugar à cafeicultura. Neste período, as
lavouras eram conduzidas sem muita tecnologia, usando basicamente a
força de trabalho humano. Posteriormente a este período, a região revelou
sua vocação para a cultura de grãos que, paulatinamente, foi substituindo o
café e o trabalho manual nas lavouras. Agora, o solo passara a ser explorado
de forma muito mais intensa, pois todo o trabalho passou a ser realizado por
máquinas, possibilitando a produção de duas safras por ano. Baseado nestas
informações, rapidamente foi possível concluir que a degradação obser-
vada estava intimamente associada à mudança no padrão de exploração do
solo da região, uma vez que os problemas relatados não eram observados

Seção 1.1 / Introdução à conservação do solo - 9


quando a região era apenas produtora de café. Como você pôde chegar a
essa conclusão? Que diferenças na forma de explorar lhe auxiliaram nesse
diagnóstico? É possível dizer que a modernização do sistema de produção
agrícola potencializou a degradação do solo na região?
Para te ajudar a responder estes questionamentos, estudaremos como
aconteceram a ocupação e o uso do solo no Brasil e a importância da conser-
vação do solo para a manutenção dos sistemas agrícolas produtivos. Vamos
começar?

Não pode faltar


Para iniciar nossa discussão sobre conservação do solo, precisamos
resgatar alguns conhecimentos sobre o processo de formação dos solos, que
conhecemos como gênese.
Como você já sabe, o solo é o material resultante do processo dinâmico
de transformação da paisagem. De maneira simplista, podemos dizer que
clima, relevo, organismos e material de origem são os fatores que, ao intera-
girem, dão origem ao que chamamos de solo. Sendo assim, sua composição e
suas características estão intimamente associadas às condições do local onde
são formados os solos.
Diante destas considerações, já podemos fazer alguns questionamentos:
quando o solo fica pronto? Quando este processo termina?
Respondendo a estas perguntas, podemos dizer que um substrato,
formado pela degradação de uma rocha, passa a ser considerado solo quando
se torna capaz de sustentar a vida; quando dele os organismos vivos extraem
pelo menos uma parte dos nutrientes necessários para completar seu ciclo
de vida, passando assim a interagir com este substrato. Desta forma nasce
um solo.
Mas este processo de amadurecimento nunca termina, sendo contínua a
transformação. Os fatores que atuaram para a gênese dos solos permanecem
trabalhando no material de origem juntamente com os organismos vivos que
nela habitam. Tudo acontecendo de forma muito lenta, porém sucessiva. Até
a chegada do homem.
O ser humano é o organismo com maior poder de transformação do
meio onde habita. Em qualquer ambiente, o homem é capaz de promover
mudanças profundas na paisagem, em um espaço muito curto de tempo. Este
é o ponto em que queríamos chegar.

10 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


A atuação do clima e dos organismos sobre um determinado substrato
é considerado algo normal e, apesar de ser contínua, esta transformação
não constitui um problema ambiental, uma vez que acontece ao longo de
milhares de anos, dando oportunidade para que o ambiente consiga se
adaptar à medida que as mudanças vão acontecendo, e por este motivo essa
mudança passa despercebida por nós.
Porém, quando se trata da ação humana, essas transformações acontecem
em um ritmo muito acelerado, não permitindo que o ambiente se estabilize,
ocasionando assim seu desequilíbrio e, consequentemente, sua degradação.
Para se ter uma ideia da velocidade dessa transformação, uma única chuva
intensa que incida sobre um solo desprotegido já pode iniciar o processo
erosivo.
Para entendermos como isso acontece na prática, usaremos como exemplo
a ocupação, pelo homem, de uma área de floresta, para a instalação de sua
lavoura. Assim, considere uma área que ainda conserva a sua mata original,
rica em biodiversidade, nascentes e ribeirões. Imagine que todo esse sistema
é suportado por uma camada de solo, sobre a qual se deposita uma manta
orgânica, composta de resíduos vegetais e animais em vários estágios de
decomposição, habitada por milhares de organismos que transformam toda
essa matéria orgânica novamente em nutrientes, sendo estes prontamente
absorvidos pelas plantas. Parte desses nutrientes ficará imobilizada nestas
plantas, constituindo seus tecidos em raízes, caules, folhas, flores e frutos e,
na medida em que amadurecem, vão sendo devolvidos ao solo, fechando-se
o ciclo. Não podemos nos esquecer do importante papel das espécies animais
neste processo de ciclagem de nutrientes. Todo esse material orgânico, junta-
mente com tecidos fúngicos e raízes, formam uma manta que protege o solo
e é responsável por lhe conferir grande parte de suas propriedades químicas,
físicas e biológicas, tais como a agregação e estruturação de suas partículas,
porosidade, capacidade de retenção de água, armazenamento e disponibili-
zação de nutrientes, entre outras.
Com essa imagem em sua mente, considere agora um produtor rural que
deseja expandir sua área de cultivo e, respeitando a área de Reserva Legal
(conforme Lei 12.651/2012), realizará o desmatamento de uma determi-
nada área de vegetação nativa, com as características da floresta descrita
anteriormente.
Quando se deseja implantar uma área de cultivo, a primeira ação empre-
endida pelo homem é remover a cobertura vegetal original do solo junta-
mente com a manta de material orgânico que o recobre. Todo material resul-
tante dessa operação é amontoado em leiras e queimado. Com isso, toneladas
de nutrientes são transformadas em cinzas e fumaça. Na sequência é feito

Seção 1.1 / Introdução à conservação do solo - 11


o preparo do solo, visando remover os restos de raízes e tocos de árvores
que ainda persistem na área, além de revolver o solo e quebrar os torrões de
terra, tornando o solo mais solto e nivelado. Este trabalho é feito por meio do
emprego de subsoladores, arados e grades e outros equipamentos pesados.
Se considerarmos apenas as ações empreendidas até aqui na área em
questão, podemos dizer que o ambiente sofreu uma degradação que seria
impensada numa condição natural, estando agora o solo totalmente exposto
às condições do clima. Lembre-se, o processo de transformação nunca cessa
e, sendo assim, os fatores responsáveis pela gênese do solo continuarão
atuando neste ambiente. Agora, cada nova chuva, cada novo preparo do solo
e colheita promoverão efeitos desastrosos neste ambiente, tornando o solo
cada vez mais pobre e instável. No decorrer de alguns anos este solo poderá
perder em parte – ou totalmente – sua capacidade produtiva.
Infelizmente este é um cenário ainda muito comum no Brasil e em todo
o mundo.

Saiba mais
Um relatório produzido pela Organização das Nações Unidas para a
Alimentação e Agricultura (FAO) com a participação da EMBRAPA indica
que aproximadamente um terço (33%) dos solos do mundo apresentam
algum tipo de degradação. No Brasil, os principais problemas encon-
trados são erosão, perda de carbono orgânico e desequilíbrio de
nutrientes. Leia o artigo na íntegra!
BRASIL. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Relatório da FAO
com participação da Embrapa revela que 33% dos solos do mundo
estão degradados. Brasília, 7 dez. 2015.

Como pudemos verificar, o fato de destinar uma área ainda ocupada


pela vegetação nativa para a instalação de uma atividade rural qualquer gera
a degradação do solo e, consequentemente, a qualidade e a quantidade de
água produzida também são afetadas. Esta situação poderá tornar-se um
problema à medida em que o solo é utilizado sem o emprego de técnicas
conservacionistas. Dizemos isto pois a história apresenta referências de
lavouras milenares onde as áreas destinadas à agricultura encontram-se, de
certa forma, estáveis e em equilíbrio com o ambiente. Esta situação somente
é possível onde o desenvolvimento da atividade agrícola, a escolha da forma
de cultivo, das práticas culturais e das espécies a serem cultivadas ocorreu
respeitando-se as limitações locais quanto ao tipo de solo, relevo, clima e
biodiversidade.

12 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


Você é capaz de se lembrar de alguns exemplos que ilustrem o que
acabamos de dizer?
Se não conseguiu pensar em nenhum exemplo, ajudaremos.
Certamente você já ouviu dizer que a civilização egípcia prosperou graças
às excelentes condições que o rio Nilo proporcionava para o desenvolvimento
da agricultura. Assim, há milênios suas margens vêm sendo cultivadas por
estes povos.
Podemos citar também um exemplo que acontece na região da Amazônia,
onde algumas etnias indígenas desenvolveram uma forma peculiar de cultivar
os solos da floresta, aproveitando o melhor que esta pode oferecer: a matéria
orgânica. Dessa forma, praticam uma agricultura itinerante, buscando usar
as áreas de cultivo, abertas na mata, apenas durante um certo período, e
depois estas áreas são deixadas em pousio, ou seja, “descansando” até que o
solo recupere sua capacidade produtiva.
Outros exemplos podem ser citados como o sistema de cultivo de arroz
em patamares na China, onde as encostas dos morros são transformadas em
grandes escadas e, nos patamares, é cultivado o arroz inundado. Também são
famosos os parreirais cultivados em várias regiões da Europa que apresentam
o solo pedregoso e relevo bastante acidentado.
Em todos exemplos citados você pôde observar que houve a transfor-
mação do meio com possíveis efeitos deletérios às propriedades químicas,
físicas e biológicas dos solos cultivados, entretanto, as técnicas empregadas
estão em consonância com as características ambientais da região onde foram
aplicadas. Nestes casos, podemos dizer que, passado o impacto da instalação
da lavoura, o equilíbrio ambiental, necessário para a sustentabilidade dos
sistemas agrícolas, paulatinamente foi se estabelecendo.
Mesmo que em um período curto de nossa história, podemos dizer que
no Brasil houve situações semelhantes, em que a agricultura praticada estava
em relativo equilíbrio com o ambiente e os impactos após a instalação das
lavouras eram mínimos. Em seu artigo, Bertol (2016) conta um pouco dessa
história, destacando que até meados da década de 1960 predominava no Brasil
o sistema colonial de exploração do solo. Neste sistema, o preparo do solo,
a semeadura, os tratos culturais e a colheita eram realizados manualmente,
usando a força humana ou a tração animal, caracterizando-se uma agricul-
tura de baixo impacto. A queimada dos resíduos culturais era o principal
fator de degradação do solo, pois, além de eliminar a matéria orgânica,
tornava-o desprotegido. A pecuária era extensiva, com baixa taxa de lotação
(número de cabeças por unidade de área), portanto exercia pouca pressão
sobre a pastagem, que permanecia densa desempenhando importante papel

Seção 1.1 / Introdução à conservação do solo - 13


na proteção do solo. Por sua vez, a exploração florestal ocorria de forma
extrativista: apenas a madeira era retirada da floresta para atender, princi-
palmente, a demanda energética e construção civil, e os resíduos florestais
permaneciam sobre o solo.
Porém, com o passar do tempo e a evolução dos sistemas de cultivo, o uso
do solo passou a ser muito mais intenso, não oferecendo oportunidade para
que o ambiente pudesse se estabilizar.

Exemplificando
Podemos utilizar como exemplo desta mudança o que aconteceu com
a lavoura cafeeira no Brasil. Neste episódio de nossa história, extensas
áreas de florestas foram substituídas pelo café e, com isto, uma série
de impactos ambientais aconteceram neste processo. Entretanto, por se
tratar de uma cultura perene e pelo trabalho de condução da lavoura ser
realizado manualmente, em algumas regiões os impactos ao solo foram
menos importantes e as lavouras permaneceram produtivas por muitos
anos. Com a modernização da agricultura e a especialização da cafeicul-
tura, que se tornou restrita às regiões com verdadeira aptidão para este
produto, muitas fazendas substituíram o café por culturas anuais. Em
algumas regiões do Brasil, esta mudança foi desastrosa para o ambiente
e o impacto na capacidade produtiva destes solos foi imediatamente
percebido. Em outras regiões, os solos se mantiveram produtivos apesar
da perda de grandes volumes de solo devido à erosão hídrica.

De maneira geral, a história da agropecuária brasileira tem muito mais


erros que acertos e como resultado, muitas áreas antes agricultáveis encon-
tram-se degradadas ou em pleno processo de degradação. Isto porque até
meados da década de 1940 não havia no Brasil nenhuma preocupação com a
conservação dos solos.
Nesta época, o despertar para o problema aconteceu com a instalação das
lavouras de algodão no interior de São Paulo. Devido às características do
solo e às técnicas empregadas para a implantação e condução dessa cultura,
o impacto gerado pela erosão do solo foi tão significativo que o governo se
sentiu obrigado a tomar alguma providência junto aos produtores. Foi então
que a Secretaria de Agricultura do Estado criou o Serviço de Terraceamento
(BORGONOVI, 2014). Segundo relatos do mesmo autor, nascia assim a
conservação do solo no Brasil. Os agrônomos envolvidos no projeto estabe-
leceram um estreito relacionamento com pesquisadores norte-americanos,
pois nesta época o conhecimento sobre a conservação dos solos era bem
evoluído nos Estados Unidos da América.

14 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


Assimile
O terraceamento é a prática conservacionista mais comum empregada
na conservação dos solos agrícolas. Constitui na construção de leiras de
terra, chamadas de terraços, que acompanham as curvas de nível do
terreno e tem a função de barrar o escoamento superficial, retendo a
água numa canaleta formada entre a base do terraço e a superfície do
solo. O número de terraços numa encosta bem como a altura de cada
um deles são determinados em função da declividade do terreno, tipo
de solo e regime pluviométrico da região.

As primeiras iniciativas para a conservação do solo aconteceram por


meio da implantação dos terraços que, como vimos, consistiam em barreiras
de terra de seção triangular, construídas para deter o escoamento superficial,
impedindo assim a formação de enxurradas e, consequentemente, reduzindo
a erosão dos solos.
Apesar da grande aceitação dos produtores, o Estado não dispunha de
estrutura para promover o terraceamento em larga escala. Os custos de
implantação dos terraços eram, e continuam sendo, muito altos, constituindo
uma dificuldade para a disseminação desta prática. Buscando superar esta
barreira, foram criados implementos de madeira e aço para serem usados
por tração animal. Estes implementos funcionavam, mas não eram aplicáveis
a todas as condições de solo encontradas no Brasil.
Durante muito tempo, a construção de terraços foi a única técnica empre-
gada pelos agricultores para a conservação do solo. Mesmo nas propriedades
onde era empregado, ele se mostrava insuficiente para conter o processo de
degradação promovido pelo pacote tecnológico utilizado na época. Este pacote
de que estamos falando era formado pelo conjunto de técnicas utilizadas para
o desenvolvimento da agricultura. Em sua maioria, estas tecnologias foram
desenvolvidas em países com condições de clima e solo diferentes daquelas
observadas no Brasil e, apesar de terem sofrido algumas adaptações, não eram
adequadas para as regiões tropicais. Em geral, era feito o preparo convencional
dos solos, com arados e grades e, por vezes, se fazia o uso de subsoladores.
Após a colheita, normalmente se praticava a queimada dos resíduos culturais
(palhada), mantendo-se do solo limpo até o próximo plantio.
Em meados da década de 1970, este sistema convencional de preparo
do solo passou a ser substituído pela semeadura direta. Nesta técnica,
após a colheita, nenhuma operação de preparo de solo é realizada, sendo
a semeadura e adubação inicial realizadas por um único implemento sobre
os resíduos culturais (palhada) da safra anterior. Este sistema trouxe uma
grande vantagem para o solo, que permanecia protegido entre o período

Seção 1.1 / Introdução à conservação do solo - 15


compreendido entre uma colheita e o estabelecimento da cobertura vegetal
proporcionada pela lavoura subsequente.
Aparentemente, a semeadura direta, associada ao terraceamento, havia
resolvido o problema da erosão dos solos, pois as águas que escoavam
das áreas cultivadas sobre este sistema pareciam limpas, ou seja, sem solo.
Entretanto, a semeadura direta também apresentou algumas desvantagens,
mais pelo modo como foi implementada do que pela técnica em si. Vamos
entender melhor o que aconteceu.
A grande maioria das propriedades que adotaram estas práticas conser-
vacionistas o fizeram sobre um solo degradado pelo preparo convencional
e, sendo assim, já apresentavam algumas restrições, principalmente na sua
capacidade de absorver e reter a água das chuvas.
Outro problema é que na semeadura direta, toda a aplicação de insumos
(sementes, adubos e corretivos) é feita na camada mais superficial do solo.
Um terceiro problema observado foi a compactação do solo, ocasionada
pelo trânsito do maquinário pesado sobre um solo que nunca é revolvido e
que já apresentava sinais de degradação.
Você consegue imaginar o que acontece se associarmos estes três fatores?
Se respondeu “mais degradação do solo e da água”, acertou!
Juntando-se o trânsito de máquinas pesadas em um solo pulverizado
e desestruturado pelo preparo convencional e com baixo teor de matéria
orgânica, ocasionaremos a compactação do solo, principalmente nas camadas
subsuperficiais. Este impedimento físico à infiltração da água das chuvas gera
o escoamento superficial e, consequentemente, o carreamento dos insumos
aplicados na superfície do solo.
Neste cenário, a palhada formada pelos resíduos culturais exerceu seu
papel, protegendo o solo contra a ação desagregadora das chuvas, porém não
impediu o escoamento superficial, que carregava consigo corretivos, adubos,
matéria orgânica e até defensivos agrícolas para dentro dos corpos hídricos,
contaminando-os.
Este efeito da palhada fez com que produtores e profissionais acreditassem
que o problema da erosão havia sido resolvido, e com isso iniciou-se um novo
ciclo de degradação do solo. Acreditando que a palhada impedia a erosão do
solo, pressionados pelo comércio de máquinas e implementos cada vez maiores
e buscando a otimização do uso do solo, os produtores passaram a destruir os
terraços de suas propriedades rurais, pois acreditavam que estas estruturas eram
desnecessárias no sistema de semeadura direta e que elas passaram a atrapalhar
o desempenho das operações de semeadura, pulverizações e colheita.

16 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


Buscando otimizar ainda mais o desempenho destas operações, os produ-
tores passaram a realizar o trânsito do maquinário no sentido mais longo do
terreno, mesmo que, para isso, a semeadura ocorresse morro abaixo.
Este equívoco na interpretação do comportamento das lavouras condu-
zidas sobre a semeadura direta tem custado muito caro para o ambiente,
uma vez que houve um retrocesso dos pequenos avanços conquistados pela
pesquisa e extensão rural na conservação dos solos e da água. Isto devido
à falta de informação e, principalmente, da falta de consciência dos produ-
tores rurais.

Reflita
Vimos que na história de nossa agricultura muitos erros foram cometidos.
Houve alguns avanços no desenvolvimento de técnicas para a conser-
vação do solo e da água, mas também, houve retrocessos bastante signi-
ficativos. No seu ponto de vista, a atual situação da conservação de solo
no Brasil é apenas uma consequência da falta de informação e consci-
ência dos produtores rurais? Você acredita que a pesquisa e a extensão
rural também podem ser responsabilizadas pela conformação deste
cenário generalizado de degradação? E o poder público, o que poderia
fazer para auxiliar na reversão deste quadro?

Diante do que foi posto, entendemos que a situação da conservação de


solos no Brasil é crítica. A forma como a agricultura, a pecuária e a produção
florestal vêm sendo praticadas comprometem seriamente a sustentabilidade
dos sistemas produtivos, uma vez que, a cada colheita, as características
desejáveis de um solo produtivo vêm sendo degradadas e sua capacidade de
suporte, reduzida. E como se isto não bastasse, também está sendo prejudi-
cada a capacidade do meio em produzir água de qualidade e em quantidade
suficiente para atender a nossa demanda.
Como futuro engenheiro agrônomo você deve estar se perguntando: de
que maneira podemos reverter esta situação?
Certamente você percebeu que se trata de uma questão complexa e que
solucionar este problema depende de uma ação conjunta de vários setores
da sociedade.
O ponto de partida para este trabalho está na aproximação da pesquisa
com o que de fato acontece no campo. O estudo e a quantificação das perdas
e o desenvolvimento de técnicas conservacionistas adequadas à realidade
vivenciada pelos produtores são passos importantes que deverão ser vencidos
para que possamos melhorar o desempenho das propriedades rurais no Brasil.

Seção 1.1 / Introdução à conservação do solo - 17


A extensão rural e a assistência técnica têm grande responsabilidade
neste processo, pois caberá aos profissionais que prestam este tipo de serviço
a difusão das técnicas mais adequadas para cada situação. E ao produtor rural
cabe a responsabilidade de compreender que o sustento das futuras gerações
deverá vir do mesmo solo que hoje está sendo por ele degradado e, sendo
assim, deve zelar por este recurso como sendo o bem mais precioso dentro
de sua propriedade agrícola.
Não podemos nos esquecer do importante papel do poder público neste
contexto: por meio do estabelecimento de regras, incentivos e controle, ele
deverá propiciar o ambiente favorável para o desenvolvimento desta nova
perspectiva de uso dos solos.

Sem medo de errar


Ao longo do texto estudado, pudemos observar que a situação-problema
apresentada no início desta seção descreve um episódio da nossa história
do uso do solo. Vimos que na região onde você atua como extensionista
ocorreu uma mudança significativa na forma como o solo vinha sendo
utilizado para a produção agrícola. Assim, a cultura do café, que é perene e
vinha sendo conduzida pela força de trabalho humano, deu lugar ao cultivo
de espécies anuais, com intenso trabalho de movimentação do solo, reali-
zado por máquinas. Neste cenário, observou-se a instalação e evolução de
processos erosivos que não eram notados quando as terras eram ocupadas
pela cafeicultura.
E então, preparado para explicar o que está acontecendo?
Considerando o que foi discutido, podemos dizer que na ocasião da
instalação da cafeicultura, os solos da região sofreram impactos significa-
tivos em suas propriedades químicas, físicas e biológicas, entretanto, passado
algum tempo, os processos de degradação do solo se estabilizaram. Isto
ocorreu porque o café é uma cultura perene, cujos tratos culturais eram
feitos de forma manual e visavam, principalmente, à parte aérea da planta,
havendo pouco ou nenhum revolvimento do solo. Com a introdução das
culturas anuais, o ambiente tornou-se novamente instável; porém, como o
solo passou a ser trabalhado anualmente, não houve mais condições para que
o equilíbrio fosse restabelecido e, assim, os processos erosivos tornavam-se
mais intensos a cada novo preparo do solo.

18 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


Podemos dizer ainda que a modernização dos sistemas de produção
potencializou a degradação dos solos na região, uma vez que o uso de imple-
mentos agrícolas, como arados e grades, promove a pulverização do solo,
tornando-o mais suscetível à erosão e à compactação provocada principal-
mente pelo trânsito de máquinas.
Analisando esta situação-problema muito comum no Brasil, podemos
perceber que as atividades humanas – sobretudo a agrícola – são capazes de
promover profundas transformações no meio ambiente, geralmente causando
a degradação do solo e comprometendo também a produção de água.

Avançando na prática

A degradação do solo por uso de áreas


inadequadas à atividade agropecuária

Descrição da situação-problema
Na sua atuação como extensionista, um novo problema lhe foi apresen-
tado. Consta que um senhor chamado Geraldo adquiriu umas terras na
região onde você atua, e este produtor deseja cultivar grãos como o milho
e a soja. Entretanto, algumas partes da propriedade recém-adquirida eram
utilizadas como pastagens pelo antigo dono. Como estas pastagens encon-
travam-se bastante degradadas e foram implantadas em áreas de encosta,
com relevo muito íngreme, o Sr. Geraldo decidiu substituí-las pelo cultivo
de espécies florestais, optando pelo eucalipto. Porém, mesmo em se tratando
de uma espécie vegetal rústica, os eucaliptos plantados não se desenvolveram
conforme esperado, resultando numa floresta heterogênea quanto ao desen-
volvimento das plantas, e falhada, devido à morte de muitos indivíduos. Com
o objetivo de aproveitar o máximo possível suas terras, o Sr. Geraldo pediu o
seu auxílio para ajudá-lo a entender o que havia acontecido e, assim, buscar
uma alternativa para o uso do solo na referida área. Baseado nos conceitos
trabalhados até aqui, você se sente capaz de orientar o Sr. Geraldo?
Resolução da situação-problema
A solução desta situação deve ser iniciada por meio do levantamento do
histórico de uso do solo na propriedade. Primeiramente, é preciso conhecer
os detalhes do plantio do eucalipto, pois só assim você poderá saber se o
resultado observado no campo ocorreu devido a erros no plantio ou na
condução da floresta. Eliminada esta hipótese, você poderá seguir com sua
investigação.

Seção 1.1 / Introdução à conservação do solo - 19


Até onde você sabe, a área destinada ao plantio de eucalipto tinha como
cobertura vegetal uma pastagem degradada, e resta saber qual o estágio
de degradação desta pastagem. Qual o manejo adotado na condução da
pastagem? O que havia antes da pastagem?
Para que você identifique quais fatores de degradação estão atuando para
tornar a área improdutiva foi preciso investigar e, de acordo com seus levan-
tamentos, você descobriu que existem dois cenários prováveis relativos ao
uso daquele solo. Em um primeiro cenário, podemos dizer que a pastagem foi
formada logo após a remoção da cobertura vegetal original e que o processo
de exaustão do solo ocorreu devido ao manejo inadequado dessa pastagem
(escolha de espécies forrageiras inadequadas, alta taxa de lotação e inaptidão
do solo, entre outras práticas equivocadas). O segundo cenário provável é
característico da ocupação e uso do solo no Brasil, em que, após ser exaurido
por lavouras, o solo é destinado à formação de pastagens que, normalmente,
são pouco produtivas e rapidamente se degradam.
Em ambas situações, podemos dizer que as práticas adotadas corrobo-
raram para a degradação daquele solo. Porém, o fator que mais possa ter
influenciado para a configuração atual se deva ao fato de a área não apresentar
aptidão para uso agrícola, devido às suas características de relevo.
No Brasil, foi muito comum destinar as áreas declivosas ao cultivo de
espécies perenes, como o café. Entretanto, em pouco tempo estas áreas
deixavam de ser produtivas, e as lavouras eram substituídas por pastagens.
Considerando que estas áreas já se encontravam degradadas e que a implan-
tação dessa pastagem acontecia sem o emprego de técnicas adequadas,
agravava-se o grau de degradação destes ambientes. Em muitos desses casos,
devido à exaustão dos solos, a pecuária também deixou de ser lucrativa,
sendo substituída pelo plantio de espécies florestais, como o eucalipto. Ao
longo do tempo, esta prática se mostrou uma péssima opção.
Atualmente, com maior consciência sobre as limitações dos terrenos, as
áreas que não são adequadas aos cultivos de lavouras e tampouco de pasta-
gens podem ser utilizadas para compor a reserva legal das propriedades, um
uso nobre que atende a legislação e proporciona a conservação de áreas sensí-
veis dentro das propriedades rurais.
Considerando o caso do Sr. Geraldo, esta seria a melhor opção para se
corrigir os erros do passado e devolver a esta área degradada uma função
ecológica e social.

20 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


Faça valer a pena
1. Como vimos, na história brasileira do uso do solo ocorreram muito mais erros
que acertos. Os resultados das escolhas equivocadas e inadequadas às nossas condi-
ções de clima e solo refletiram em um cenário de degradação dos solos, observado em
todos as regiões do país.

Nas alternativas a seguir, identifique aquela que apresenta uma prática típica da
agricultura colonial praticada até meados da década de 1960.
a) Semeadura direta.
b) Plantio adensado.
c) Queima de resíduos da colheita.
d) Terraceamento.
e) Uso de máquinas e implementos agrícolas de grande porte.

2. Até nos dias atuais é comum que o uso do solo seja feito sem a adoção de práticas
de conservação do solo e da água. Deste fato decorre o empobrecimento de nossos
solos, o assoreamento dos rios e a redução da qualidade da água produzida nestes
ambientes.

Nas alternativas a seguir, identifique aquela que descreve o principal fator de degra-
dação responsável pelo cenário descrito anteriormente.
a) Erosão hídrica.
b) Efeito estufa.
c) Erosão eólica.
d) Aquecimento global.
e) El Niño.

3. Em visita a uma propriedade agrícola, você pode observar que em uma área culti-
vada com soja havia centenas de pequenos sulcos que se alargavam e se aprofun-
davam à medida que se caminhava no sentido do ponto mais alto para o mais baixo do
terreno e, neste local, você verificou um acúmulo de terra solta, sementes e resíduos
da cultura anterior.

Considerando o conhecimento obtido nesta seção, o que pode estar provocando esta
situação?
a) Erosão eólica devido à falta de quebra-ventos.
b) Compactação do solo devido à constrição de terraços.
c) Empobrecimento do solo devido às queimadas.
d) Salinização do solo devido ao uso inadequado de adubos.
e) Erosão hídrica devido à falta de estrutura para interromper o fluxo da enxurrada.

Seção 1.1 / Introdução à conservação do solo - 21


Seção 1.2

A expansão agrícola brasileira e a qualidade do


solo

Diálogo aberto
Certamente você já leu ou ouviu notícias sobre o desmatamento e as
queimadas na Amazônia. Estas matérias costumam ressaltar os impactos
ambientais destes processos, pontuando a questão do aquecimento global e a
qualidade do ar, entre outros assuntos nesta temática. O que as matérias não
deixam claro é a razão dessa devastação, que se repete ano após ano.
Você saberia explicar?
É fato que o desmatamento tem como causa mais urgente a extração de
madeira. As queimadas, por sua vez, normalmente decorrem do processo
de limpeza das áreas desmatadas, bem como são empregadas na renovação
das pastagens degradadas que foram introduzidas nestes ambientes. Na
verdade, estas notícias continuam contando com o mesmo enredo, a história
da expansão das fronteiras agrícolas no Brasil.
Desde o tempo do descobrimento, a sequência de ações para a insta-
lação de uma atividade agrícola permanece a mesma: derrubada da floresta,
extração da madeira, queimada dos resíduos vegetais e, finalmente, a explo-
ração comercial do solo.
Como você comprovará por meio do estudo desta seção, o avanço das
atividades agrícolas sobre os ambientes naturais remanescentes não é o pior
dos nossos problemas, pois constitui uma reposta previsível à demanda
crescente por alimentos. Nossa questão diz respeito à forma com que a
expansão e o desenvolvimento da atividade agrícola vêm acontecendo, uma
vez que as escolhas das áreas e das atividades a serem implantadas desconsi-
deram as características ambientais e os critérios técnicos que deveriam ser
empregados na determinação da melhor forma de uso dos solos.
Assim, nesta seção vamos falar sobre a exploração do solo pela agropecu-
ária e entender como o crescimento populacional, a demanda por alimentos
e a qualidade dos solos influenciam a expansão de nossas fronteiras agrícolas.
E, para que você se sinta inserido neste debate, lançaremos um novo desafio.
Lembre-se de que agora você faz parte de uma equipe de profissionais
que está responsável por apresentar uma solução para os problemas de
degradação do solo e da água, observados em uma região agrícola produ-
tora de grãos. Sabendo que a construção de uma boa solução deve partir

22 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


de um diagnóstico bem feito do problema, você e a equipe da qual faz parte
realizaram uma série de visitas a campo, onde puderam observar que, além
das áreas agricultáveis, também estavam sendo exploradas áreas sem vocação
para a atividade desenvolvida. Por exemplo: áreas que deveriam ser desti-
nadas à cultivos florestais estavam sendo utilizadas para o cultivo de lavouras
e áreas que legalmente deveriam ser destinadas à preservação permanente
estavam sendo ocupadas por pastagens. De forma geral, a região analisada
apresenta vocação para a produção agrícola, pois apresenta solo fértil e
relevo suave. Estas características conferiram alto valor à terra na região e,
por este motivo, mesmo as áreas mais sensíveis estão sendo exploradas. A
demanda por terras é tão grande que alguns produtores chegam a aterrar
suas nascentes para que possam cultivar o solo sobre elas. Este mau compor-
tamento dos produtores é desenvolvido para aumentar a produção de suas
terras; entretanto, por esta expansão acontecer em áreas ambientalmente
sensíveis e inadequadas à exploração agrícola, trazem pouco retorno econô-
mico e ganhos inexpressivos se considerados aos impactos gerados.
Diante desta situação, qual estratégia deve ser adotada para se convencer
os produtores a recuarem suas áreas de cultivo? Como aumentar a produção
sem aumentar a área explorada? Qual o efeito esperado desta mudança de
comportamento?
As respostas para estas indagações vamos construir juntos, estudando
como se dá a expansão das fronteiras agrícolas no Brasil e sua relação com a
qualidade dos solos.
Bom trabalho!

Não pode faltar


Você já deve ter percebido que todo ano a mídia apresenta notícias que
anunciam o alcance de novos recordes de safra, principalmente de produtos
gerados pela agricultura extensiva, tais como soja e milho. Concomitante ao
alcance de novas marcas de produção, também assistimos as notícias sobre
o aumento do desmatamento no Brasil, sobretudo na área abrangida pela
Amazônia legal, formada pelos estados brasileiros do Acre, Amapá, Pará,
Amazonas, Rondônia e Roraima, e também parte do Mato Grosso, Tocantins
e Maranhão, constituindo assim a nova fronteira agrícola do nosso país,
conforme veremos mais adiante.
No estudo da primeira seção, você verificou que a substituição de uma
floresta por uma lavoura gera impactos significativos para os ecossis-
temas, com efeitos desastrosos nas propriedades do solo. Estas transfor-
mações, além de degradarem o meio ambiente, contrariam as expectativas

Seção 1.2 / A expansão agrícola brasileira e a qualidade do solo - 23


de preservação ambiental estabelecidas em acordos internacionais para a
redução das emissões de gases do efeito estufa e conservação da biodiversi-
dade, entre outros.

Saiba mais
É importante entender que as transformações promovidas na paisagem,
a própria atividade agrícola e as grandes queimadas vêm contribuindo
significativamente para a geração de gases do efeito estufa. Visando
controlar estas emissões, o Brasil participa de acordos internacionais,
como é o caso do Acordo de Paris. Dentre muitas orientações, estes
acordos afetam a regulação legal sobre a ocupação e o uso do solo brasi-
leiro.
BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Acordo de Paris. Brasília, [s.d.].

Mesmo diante de tantos aspectos negativos, a agricultura e a pecuária


continuam avançando sobre as áreas de floresta. No seu ponto de vista, o que
move a expansão de nossas fronteiras agrícolas? Será o baixo preço da terra? A
promessa de solos mais produtivos? A pressão do mercado de commodities?
Ou apenas o crescimento populacional e aumento da demanda de alimentos?
Ao longo do estudo desta seção, você verá que uma série de fatores
influenciam e determinam o local e a forma que a expansão agrícola acontece.
Para entendermos o momento atual da ocupação e do uso do solo no Brasil, é
importante resgatarmos um pouco da nossa história.

Reflita
Você deve ter percebido que nesta seção falaremos sobre a forma como
aconteceu – e ainda acontece – a expansão da atividade agrícola em
solos brasileiros. Levando em consideração este tema, você deve estar
se perguntando: qual a relação deste assunto com a conservação do solo
e da água? Você se sente capaz de responder a esta pergunta?

Do período colonial até os dias atuais, os fatores que influenciaram a


expansão de nossas fronteiras agrícolas ainda são os mesmos: demanda por
produtos agropecuários, distância das áreas de produção ao centro consu-
midor, fertilidade natural dos solos e topografia. Entretanto, a evolução da
pesquisa e das tecnologias aplicadas ao agronegócio promoveram mudanças
no grau de importância de cada um desses fatores.
Para ilustrar o que acabamos de comentar, utilizaremos como exemplo
o estudo realizado por Silva et al (2013), em que os autores buscaram

24 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


caracterizar como os fatores distância do mercado consumidor, fertilidade
do solo e topografia influenciaram a ocupação do cerrado brasileiro. Eles
verificaram que, por um longo período, o avanço da agricultura e da pecuária
era limitado pela distância entre a produção e o mercado consumidor. Assim,
as atividades agrícolas eram desenvolvidas nas redondezas dos aglomerados
urbanos, destinando-se as áreas naturalmente mais úmidas e férteis para a
agricultura; já a pecuária se estabelecia nos planaltos, onde era comum a
ocorrência de pastagens naturais, portanto, estas atividades não concorriam
por espaço. A construção de estradas e a criação de meios de transporte de
cargas, aliadas à modernização da agricultura, permitiram que as barreiras
impostas pela distância e fertilidade dos solos fossem vencidas, passando a
topografia ser o fator limitante de maior relevância, uma vez que, para ser
mecanizável, a agricultura precisa ser desenvolvida em terrenos mais planos.
De forma geral, a ocupação agrícola do solo no Brasil aconteceu seguin-
do-se esta lógica e sob o efeito dos fatores descritos anteriormente. A princípio,
as lavouras se instalaram na zona litorânea, local onde aportavam os navios
portugueses e, portanto, onde se estabeleceram os primeiros povoamentos.
Originalmente, esta faixa de terra que se estendia de norte ao sul do país era
coberta pela Mata Atlântica, que foi sendo gradualmente devastada para a
instalação de cidades e fazendas. Não à toa, este bioma brasileiro ainda é o que
mais sofre com a pressão exercida pela atividade humana. O avanço da fronteira
agrícola para o interior do país aconteceu como consequência da exploração de
metais, pedras e plantas nativas. Assim, à medida que as atividades de explo-
ração mineral e o extrativismo se tornavam menos lucrativos, as atividades
agrícolas ganhavam força, tanto para suprir as necessidades internas de uma
população que não parava de crescer, quanto para atender as demandas do
mercado externo por commodities como açúcar, algodão e o café.
O avanço da atividade agrícola foi gradativamente conquistando o interior
do país e assim progredindo, até que uma barreira, imposta pela qualidade do
solo, estabelecesse uma nova fronteira agrícola: o cerrado. Este é o segundo
maior bioma sul-americano, ocupando uma área de aproximadamente 22%
do território brasileiro (BRASIL, 2018). Apesar da grande extensão de área,
a baixa fertilidade natural do solo, seu pH ácido e altos teores de alumínio
(Al) trocável (LOPES, 1983) impediram a ocupação deste imenso espaço de
terras no interior do país.
Como resultado do avanço das pesquisas em fertilidade dos solos, por
volta das décadas de 1960 e 1970 as condições dos solos do cerrado deixaram
de ser um impedimento à expansão de nossas fronteiras agrícolas, dando-se
início à sua exploração comercial.

Seção 1.2 / A expansão agrícola brasileira e a qualidade do solo - 25


Concomitante à ocupação do cerrado, as áreas abrangidas pela
Amazônia Legal também sofreram grandes transformações no uso e na
ocupação do solo. A exploração mineral e a construção de rodovias abriram
caminho para a expansão agrícola na floresta amazônica. Primeiramente, o
desmatamento dessas áreas era realizado para a formação de grandes exten-
sões de pastagens; posteriormente, pelo mesmo motivo que impulsionou a
ocupação do cerrado, a tecnologia tornou viável a exploração de terras para
o cultivo de grãos, principalmente nos estados de Mato Grosso, Tocantins,
Maranhão e Piauí.
No contexto da conservação do solo, as tecnologias que permitem a
expansão da agropecuária sobre nossas últimas fronteiras agrícolas, princi-
palmente sobre o cerrado e a Amazônia, não estão sendo suficientes para
superar a suscetibilidade dos solos à degradação. A consequência disso você
já deve saber: grandes extensões de terras encontram-se hoje degradadas ou
em pleno processo de degradação, seja pela agricultura ou pela pecuária.
Naturalmente, a ocupação do solo para o uso agrícola acontece seguin-
do-se os padrões discutidos anteriormente, quanto à fertilidade, topografia
e distância. Porém, a pressão exercida pelo mercado leva os produtores a
tomarem decisões equivocadas sobre ampliar suas áreas de cultivo, ocupando
áreas inaptas dentro da propriedade rural ou adquirido novas propriedades
em áreas extremamente sensíveis à exploração comercial dos solos. Neste
contexto, somente os resultados no curto prazo são considerados na tomada
de decisão e, na maioria dos casos, os solos são explorados e levados à degra-
dação de suas propriedades.
A pressão exercida pelo mercado sobre os produtores rurais é uma conse-
quência do aumento crescente da demanda por alimentos. Esta demanda,
por sua vez, resulta do crescimento da população mundial que, segundo a
Organização das Nações Unidas (2017), já atingiu a marca de 7,6 bilhões de
habitantes e continua crescendo a uma taxa média de 83 milhões de pessoas
por ano.
O Brasil é um dos países que tem apresentado uma diminuição de sua
taxa de fertilidade; entretanto vivemos em um mundo globalizado e, sendo
assim, ainda que o tamanho da população brasileira se estabilize ou até
mesmo venha a diminuir, continuaremos sendo importantes fornecedores de
alimentos para o mundo, ou seja: esta pressão continuará existindo e tende a
se tornar cada vez mais intensa.
Fatalmente, estamos caminhando para um momento de nossa história
em que não haverá mais para onde expandir as áreas de produção agrope-
cuária. Mas isto será mesmo necessário? Paradoxalmente, enquanto a mata
nativa vai dando lugar às atividades agrícolas, milhares de hectares de terras

26 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


agricultáveis estão sendo abandonadas pois tornaram-se improdutivas
devido ao mau uso do solo e sua consequente degradação.
Diante do atual cenário de ocupação do solo e das perspectivas de futuro,
duas lições devem ser aprendidas: a primeira diz respeito à ocupação de
novas áreas para o desenvolvimento das atividades agrícolas, e a segunda
lição nos ensina que, em caráter de urgência, temos de rever a forma como as
terras já exploradas estão sendo utilizadas.
A expansão agrícola sobre novas áreas
Como vimos, a expansão de nossas fronteiras agrícolas sobre áreas
naturais é uma realidade que responde diretamente ao crescente aumento da
demanda mundial por alimentos e outros produtos agrícolas. Para que isto
não continue sendo um grave problema ambiental, esta expansão deve ser
feita observando-se os critérios técnicos quanto à capacidade que os ambientes
dispõem para suportar o desenvolvimento das atividades agrícolas. Isto signi-
fica dizer que antes de instalar uma determinada atividade agrícola é preciso
conhecer as limitações ambientais do local. Uma vez identificadas as áreas
mais adaptadas ao desenvolvimento de cada tipo de atividade, é preciso o
acompanhamento de um profissional para que se possa definir qual a melhor
estratégia de trabalho, ou seja, a escolha das práticas mais apropriadas de
preparo e correção da fertilidade do solo e também de manejo da cultura.
Neste sentido, qualquer novo projeto de implantação de uma lavoura
deve seguir os princípios conservacionistas que garantam a sustentabilidade
da propriedade rural.
Aliado aos princípios agronômicos comentados anteriormente, todo o
trabalho deverá ser conduzido em acordo com a legislação vigente observan-
do-se os critérios para a delimitação de áreas sensíveis que, portanto, deverão
ser destinadas à preservação permanente, como é o caso das matas ciliares,
áreas de nascentes, topos de morros e encosta íngremes. Não obstante,
também é importante estarmos atentos à ocorrência de locais com caracte-
rísticas peculiares de interesse ambiental, podendo estes serem preservados
pela criação de uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN).

Assimile
Você sabe o que é uma RPPN? As Reservas Particulares do Patrimônio
Natural constituem uma categoria de Unidade de Conservação prevista na
Lei nº 9.985 de 18 de julho de 2000, lei que instituiu o Sistema Nacional de
Unidades de Conservação da Natureza. Nesta categoria, as áreas particu-
lares que apresentem caraterísticas ambientais especiais tais como beleza
cênica, hábitats de espécies endêmicas e áreas de interesse histórico e

Seção 1.2 / A expansão agrícola brasileira e a qualidade do solo - 27


cultural, entre outras, poderão ser transformadas em reservas da biodiver-
sidade, garantindo assim a sua perpetuidade como unidade de conservação.

É importante lembrar que os ambientes naturais, transformados em


unidade de conservação ou não, têm grande potencial turístico e podem
constituir uma fonte de renda extra para os produtores rurais. Assim, paisa-
gens bucólicas, cachoeiras e até mesmo a simplicidade da vida no campo têm
sido muito procuradas pelos moradores das grandes cidades.

Exemplificando
O turismo rural tem se consolidado como uma alternativa para a comple-
mentação da renda do homem no campo, propiciando mais uma opção
para a diversificação das atividades rurais, sobretudo nas pequenas
propriedades agrícolas.

Restruturação de áreas agrícolas já consolidadas


Se aprendermos a primeira lição e começarmos a utilizar o conhecimento
agronômico e a observação de leis para o estabelecimento de novas áreas de
cultivo, já será uma grande conquista para a conservação do solo e água nos
ambientes rurais.
Mas nosso trabalho não termina por aqui; resta aprendermos a segunda
lição sobre o uso dos solos para a atividade agrícola: o que fazer com as áreas
agrícolas já consolidadas que, na maioria dos casos, apresentam algum grau
de degradação decorrente do mau uso do solo?
Dizemos que o trabalho de correção e adequação do uso do solo em áreas
já consolidadas é mais penoso pois, nestes casos, são envolvidas questões
culturais, hábitos e tradições, que são mais difíceis de se mudar. Certamente
você vivenciará situações em que o convencimento do produtor rural se
mostrará uma tarefa quase impossível de se realizar. Mas não desanime, pois
muitas vezes você será o detentor do conhecimento que poderá salvar uma
propriedade rural.
Assim como vimos anteriormente, a avaliação da capacidade de uso
das terras também se faz necessária quando desejamos reorganizar as ativi-
dades agrícolas dentro de uma propriedade rural já estabelecida. É preciso
conhecer o ecossistema com o qual estamos trabalhando, identificando suas
limitações e potencialidades e, a partir destas informações, verificar quais
ações podem ser empreendidas a fim de promover as correções e adequa-
ções necessárias para tornar viável a exploração comercial dos solos, sempre
considerando o emprego das práticas conservacionistas. Neste sentido, é

28 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


muito importante o acompanhamento técnico no levantamento das infor-
mações referentes à propriedade rural e na recomendação das atividades e
manejos mais apropriados a cada situação.
Você conseguiu perceber que nas duas lições aprendidas a forma de
proceder é fundamentada no mesmo princípio?
Tanto na expansão agrícola sobre novas áreas, quanto na reestruturação
de áreas agrícolas já consolidadas, é imprescindível conhecer o ecossistema
no qual pretendemos desenvolver uma atividade rural, seja a agricultura, a
pecuária, silvicultura ou preservação ambiental.
Fundamentados nesta percepção do ambiente, pesquisadores de diferentes
países criaram – e vêm aperfeiçoando – uma ferramenta para auxiliar produ-
tores rurais e profissionais do campo a decidir onde, o que e como produzir.
O resultado deste valioso trabalho gerou o conceito de aptidão agrícola do
uso das terras, que é um instrumento básico de planejamento da propriedade
rural (RAMALHO FILHO; PEREIRA, 1999).
Por meio da aplicação deste conhecimento, busca-se entender o meio
ambiente como um todo, identificando-se suas limitações e potencialidades
quanto à disponibilidade de recursos naturais e sua qualidade. Balizados por
estas informações, é possível predizer quais são as opções mais adequadas de
uso do solo e, ainda, qual o nível de manejo recomendado para promover as
correções necessárias e redução das limitações observadas.
Agora que você já está um pouco mais familiarizado com o conceito de
aptidão agrícola dos solos, vamos ver como podemos aplicá-lo na prática.
É importante destacar que a evolução do conhecimento sobre o tema gerou
várias linhas de trabalho e, portanto, diferentes métodos para a avaliação
da aptidão agrícola de terras foram desenvolvidos. Em um trabalho reali-
zado pela Embrapa para se avaliar a aptidão agrícola das terras do Brasil,
os autores Ramalho Filho e Pereira (1999) apresentam uma análise crítica
dos principais métodos de avaliação de terras empregados no país. De forma
geral, o trabalho de avaliação da aptidão de terras começa pela determinação
do método a ser utilizado, uma vez que cada método se baseia em determi-
nadas informações ambientais para proceder a classificação das terras quanto
a sua aptidão.
Uma vez determinado o método, faz-se necessário realizar a caracteri-
zação do ambiente. Neste sentido, poderão ser levantadas informações sobre
as condições do solo (fertilidade, acidez, suscetibilidade à erosão, impedi-
mento à mecanização, declividade, profundidade, rochosidade, etc.), sendo
necessárias também informações sobre o regime hídrico local e fatores
climáticos.

Seção 1.2 / A expansão agrícola brasileira e a qualidade do solo - 29


Somente após o diagnóstico da área é possível realizar a avaliação da
aptidão das terras segundo os parâmetros predeterminados pelo método
escolhido.
Normalmente, as classes de aptidão agrícola são caracterizadas segundo:
Níveis de manejo: são definidos segundo as práticas agrícolas disponí-
veis e separados em diferentes níveis conforme o contexto específico, técnico,
social e econômico.
Grupos de aptidão agrícola: buscam definir o tipo de utilização mais
intensivo suportado pelo ambiente em estudo, sendo dividido em lavouras,
pastagens plantadas, silvicultura e/ou pastagem natural e preservação da
flora e da fauna.
Classes de aptidão: buscam caracterizar a aptidão das terras para um
tipo de uso, sob determinado nível de manejo e refletir o grau de intensidade
com que as terras são afetadas pelas limitações identificadas (RAMALHO
FILHO; PEREIRA, 1999).

Exemplificando
Um bom exemplo para ilustrar a aplicação da avaliação da aptidão
agrícola de terras foi o que realizou a Prefeitura Municipal de Santa
Margarida do Sul – RS. A Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente
deste município promoveu um levantamento da aptidão de uso agrícola
das terras em uma área representativa de um assentamento rural da
região. Este trabalho teve como objetivo gerar informações que subsi-
diassem os produtores rurais assentados em suas escolhas, de forma
que pudessem fazer o melhor uso do solo, sem extrapolar sua capaci-
dade de suporte quanto às atividades e ao manejo escolhidos. Como
resultado, foi possível identificar cinco potencialidades de uso dos solos
estudados. Diante destas informações, os produtores poderão optar
pelas atividades que melhor se adequam às situações observadas em
suas propriedades, bem como definir o nível de manejo apropriado à
cada classe de uso identificada.
SILVA, Franquiéle Bonilha. Aptidão de uso de solo em uma propriedade
rural de Santa Margarida do Sul, RS. 2011. 35 f. Relatório de Estágio
Curricular Obrigatório como requisito parcial para obtenção do grau de
Engenheiro Florestal, Universidade Federal do Pampa, São Gabriel, 2011.

Na próxima seção, você conhecerá as consequências do mau uso do solo


nas atividades agrícolas e, assim, poderemos reforçar a importância da classi-
ficação da aptidão de uso das terras como ferramenta de planejamento da
propriedade rural.

30 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


Sem medo de errar
De acordo com o conteúdo estudado até aqui, tenho certeza que você já se
sente mais confortável para resolver a situação-problema proposta no início
desta seção. Então vamos relembrar.
Você e sua equipe buscavam soluções para controlar o processo de degra-
dação do solo que estava acontecendo em uma região produtora de grãos.
Nos levantamentos realizados a campo, foi possível observar que o aqueci-
mento no mercado de produtos como soja e milho motivou os produtores
a expandir suas lavouras, mesmo em áreas sem aptidão para a produção de
grãos. Consequentemente, o quadro de degradação se intensificou e os resul-
tados de produção alcançados não foram tão satisfatórios.
Diante deste cenário, a primeira questão a ser resolvida diz respeito à
mudança de comportamento dos produtores da região quanto ao uso do
solo. Qual estratégia você empregaria para promover esta transformação?
Conforme vimos, em casos como este a ferramenta mais adequada para
a proposição de mudanças é o conhecimento da capacidade de uso do solo.
Isto significa saber quais atividades e tipos de manejo são suportados pelos
diferentes ambientes observados a campo, quais obstáculos poderão ser
transpostos por meio da aplicação de técnicas viáveis às condições sociais,
econômicas e ambientais da região, e ainda quais potencialidades poderão
ser mais bem aproveitadas, adequando-se o nível de manejo empregado ou
até mesmo a atividade desenvolvida.
Você deve se lembrar de que todo este trabalho pode ser realizado por
meio da avaliação da aptidão agrícola das terras, em que a identificação das
diferentes classes é realizada com base nas características locais de solo e
clima, principalmente. Com base neste trabalho, você poderá identificar as
áreas que estão sendo exploradas além de sua capacidade de suporte, áreas
subexploradas e aqueles ambientes que deveriam ser destinados à preser-
vação da biodiversidade.
Portanto, um diagnóstico de campo bem elaborado proporcionará
informações valiosas para que você e sua equipe possam avaliar a aptidão
agrícola das áreas em estudo e, assim, poderão construir um plano para a
reestruturação dessas propriedades rurais. Este é o primeiro passo para a
transformação.
De acordo com a proposta construída, torna-se mais fácil para o produtor
perceber que está desperdiçando recursos e energia com áreas que não trazem
o retorno econômico desejado e, em contrapartida, pode estar deixando de
aproveitar as potencialidades de outras áreas. Este é o ponto que queríamos
chegar, pois quando conseguimos mostrar para um produtor que a mudança

Seção 1.2 / A expansão agrícola brasileira e a qualidade do solo - 31


proposta poderá melhorar o desempenho de sua propriedade, aumentamos
as chances de ganharmos a sua confiança.
Assim, além de identificarmos as áreas mais adequadas para o desen-
volvimento de cada tipo de atividade agrícola, poderemos incrementar a
produção melhorando-se também o manejo adotado, buscando práticas
conservacionistas que melhorem a produtividade por otimizar a disponi-
bilidade de água e nutrientes para as lavouras e, desta maneira, podemos
aumentar a produção sem a necessidade de expandirmos as áreas de cultivo.
Se conseguirmos convencer os produtores a realizarem o planejamento
de suas propriedades de acordo com a aptidão agrícola das terras, estaremos
promovendo a mudança de comportamento que contribuirá muito para
a conservação dos solos e sustentabilidade da região, uma vez que, neste
processo, além de definirmos o melhor uso do solo para o local, é indicado
também qual o tipo de manejo mais adequado para cada situação.

Avançando na prática
Alternativas para o uso do solo

Descrição da situação-problema
Ao longo desta seção você pôde verificar que, de acordo com as caracte-
rísticas ambientais de uma determinada área, várias possibilidades de uso do
solo podem ser empreendidas. Pensando nisso, avalie a nova situação-pro-
blema a seguir.
Em seus levantamentos a campo, realizados para construir uma solução
para a primeira situação-problema desta seção, você e sua equipe conhe-
ceram o Sr. João, um produtor rural muito hospitaleiro, cuja principal ativi-
dade é o cultivo de grãos. Na conversa que tiveram com ele para conhecer
melhor o histórico de uso do solo na região, o Sr. João se mostrou bastante
ansioso para ampliar suas áreas de lavoura, pois precisava aumentar sua
renda. Entretanto, avaliando a sua propriedade, você e sua equipe verifi-
caram que não havia mais áreas com aptidão ao cultivo de lavouras em seu
sítio. A única área que ainda não havia sido explorada era composta por um
remanescente florestal, com tamanho superior à reserva legal exigida por lei,
porém com solo bastante raso e rochoso e, por este motivo, desaconselhável
ao uso agrícola. Durante a entrevista, o Sr. João revelou que no interior da
mata havia um riacho muito bonito e que em seu leito formavam-se cacho-
eiras e piscinas naturais muito procuradas pelos vizinhos, que utilizavam o
local para recreação. A propriedade ficava próxima à uma rodovia que dava
acesso ao núcleo urbano do município, também pouco distante dali.

32 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


Diante do cenário observado, como você e sua equipe poderiam ajudar
o Sr. João a melhorar sua renda, uma vez que a expansão da lavoura sobre
novas áreas dentro do sítio é desaconselhável?
Resolução da situação-problema
O primeiro passo para podermos auxiliar o Sr. João consiste em avaliar
o manejo que vem adotando em sua propriedade rural. Para isso, devemos
verificar se as atividades desenvolvidas condizem com a aptidão agrícola das
terras utilizadas. Também é importante levantarmos as informações sobre
o manejo do solo (preparo do solo, correção da acidez, adubações, etc.),
manejo das espécies cultivadas e as práticas conservacionistas empregadas.
Na maioria das vezes, é possível conseguir alguns ajustes que possam propor-
cionar aumentos da produção sem a necessidade de se ampliar as áreas de
lavoura.
Outro ponto a ser considerado diz respeito às alternativas de uso da
propriedade rural, e para isso devemos estar atentos às suas potencialidades.
No caso da propriedade do Sr. João, não há mais como ampliar suas áreas
de lavoura, portanto para que consiga aumentar sua renda, existem duas
possibilidades: mudança de atividade agrícola para uma opção mais rentável
ou busca por alternativas de uso para a área ainda não explorada.
Na situação em questão, o produtor não tem intenção de mudar a ativi-
dade agrícola principal de seu sítio; sendo assim, resta apenas a segunda
opção: pensar em um uso rentável do remanescente florestal.
Uma alternativa ainda pouco explorada no Brasil é o turismo rural. Neste
sentido, para que esta possibilidade de uso possa se transformar em um
negócio próspero devemos observar alguns pontos: a facilidade de acesso,
distância de centros urbanos, potencialidade turística da propriedade rural e
região (belezas cênicas, hospitalidade, características peculiares da proprie-
dade, entre outras).
Considerando as características da propriedade do Sr. João e também
de seu perfil, podemos considerar a possibilidade de uso do remanescente
florestal como um atrativo turístico, que por sua vez pode se transformar
em uma alternativa para ampliação da renda desse produtor rural. Ao consi-
derar esta possibilidade, é importante destacar a necessidade de se consultar
o órgão ambiental competente para se verificar a necessidade de licenças
ambientais para o uso legal da área em questão.

Seção 1.2 / A expansão agrícola brasileira e a qualidade do solo - 33


Faça valer a pena

1. De acordo com o conteúdo estudado, pudemos verificar que o uso do solo para o
desenvolvimento da atividade agrícola no Brasil iniciou no litoral e seguiu avançando
para o interior do país. Este processo continuou durantes anos, até que na região
central do país a fertilidade do solo estabeleceu uma barreira, impedindo a progressão
desse processo de ocupação do território.

O texto desta questão descreve as características dos solos de um dos maiores biomas
do país. Nas alternativas a seguir, identifique o bioma caracterizado.
a) Caatinga.
b) Amazônia.
c) Cerrado.
d) Pampa.
e) Pantanal.

2. Desde o descobrimento a ocupação do território tem acontecido, primor-


dialmente, pelo avanço da exploração agrícola do solo. Em nossa história, alguns
produtos como a cana-de-açúcar, o algodão e o café motivaram a transformação do
país, tornando-o uma potência na produção de alimentos. De forma geral, a expansão
de nossas fronteiras agrícolas aconteceu sob a influência de alguns fatores. Sobre este
tema, analise os itens a seguir:

Distância do mercado consumidor.


Demanda por produtos agropecuários.
A fertilidade natural dos solos.
A topografia.

São fatores que influenciaram a expansão de nossas fronteiras agrícolas os itens:


a) Apenas I e III.
b) Apenas II e IV.
c) Apenas I, II e III.
d) Apenas II, III e IV.
e) I, II, III e IV.

3. De forma geral, a maior parte dos problemas associados à degradação dos solos
no Brasil são uma consequência da não observação da sua capacidade de uso que,
por sua vez, tem levado produtores rurais a escolhas equivocadas quanto à atividade
agrícola definida e também quanto ao tipo de manejo empregado.

Nas alternativas que seguem, identifique aquela que apresenta a forma mais adequada
de se conhecer a capacidade de suporte do solo e, assim, subsidiar o produtor na
tomada de decisão sobre o melhor uso e manejo do solo em sua propriedade rural.
a) Análise econômica da região produtora.

34 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


b) Avaliação da aptidão agrícola das terras.
c) Sensoriamento remoto.
d) Avaliação de impacto ambiental.
e) Mapeamento climático.

Seção 1.2 / A expansão agrícola brasileira e a qualidade do solo - 35


Seção 1.3

Consequências ambientais e agronômicas do


inadequado uso do solo

Diálogo aberto
Provavelmente você já teve a oportunidade de ver uma área que foi
explorada até a sua exaustão e, mesmo que por meio de fotografia ou
vídeo, você pôde reconhecer que se tratava de uma área degradada. Isto
porque, independente da atividade que tenha provocado a degradação da
área observada, visualmente é possível verificarmos algumas caracterís-
ticas comuns nestas situações como: cor do solo, cobertura vegetal (quando
existente) e topografia. Numa avaliação mais detalhada, constataremos que
as diferenças são muito mais profundas e, na maioria das vezes, determi-
nantes para o abandono desta área tida como improdutiva.
Em nosso trabalho, nem sempre essas constatações sobre o grau de
degradação de uma área serão facilmente detectadas o que dificulta a
atuação do agrônomo junto aos produtores rurais, no sentido de se propor
uma metodologia mais adequada ao uso do solo.
Dessa forma, para que você possa ir se acostumando com este tipo de caso,
propomos uma nova situação. Assim, resgatando as informações iniciais desta
unidade, verificamos que você é um engenheiro agrônomo extensionista e está
atuando juntamente com uma equipe de profissionais para propor uma solução
ao problema de degradação do solo e da água que está se intensificando numa
determinada região, que tem como principal atividade agrícola a produção de
grãos. Considerando o diagnóstico construído até aqui, à base de observações
a campo e da entrevista com moradores e produtores da região, sua equipe de
trabalho pôde concluir que a instalação do processo de degradação se deveu
principalmente à mudança de atividade agrícola e também à forma como a
exploração do solo passou a ocorrer. Comprovaram ainda que a ocupação de
áreas inaptas aos cultivos anuais e o desrespeito ao Código Florestal (Lei nº
12.651, de 25 de maio de 2012) agravaram a situação como um todo. Diante
deste fato, constatou-se uma série de impactos ambientais que, se não forem
mitigados, poderão comprometer seriamente a atividade econômica da região
e afetar a qualidade de vida de sua população. Dentre estes impactos, desta-
cam-se a perda da capacidade produtiva do solo, a redução da quantidade e da
qualidade da água produzida e a perda da função ecológica de algumas áreas
que apresentavam avançado grau de degradação. Para facilitar seu trabalho,
sugerimos que elabore um relatório de análise do histórico da região, com
reflexões e indicações técnicas para os produtores da área.

36 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


Sabemos que uma mudança de comportamento se inicia pela infor-
mação e, sendo assim, você e sua equipe organizaram uma reunião com os
produtores da região, visando apresentar o problema observado, expor as
consequências do mau uso do solo e estimular os produtores à adoção das
práticas de conservação do solo e da água em suas propriedades agrícolas.
Como você comprovaria que a situação observada é uma consequência
do mau comportamento destes agricultores? Que argumentos você utili-
zaria para convencê-los a mudar sua atitude em relação à sustentabilidade
da região?
Este é o seu desafio agora, mas não se preocupe: com o estudo do
conteúdo desta seção, conheceremos os principais fatores que ocasionam
a degradação do solo e como as atividades agrícolas contribuem com esse
cenário. Faremos isso por meio do estudo das consequências do uso inade-
quado do solo, entendendo seu efeito na perda de função ecológica do solo,
na perda de capacidade de produzir alimentos e até no ciclo hidrológico no
solo. Assim, você será capaz de se preparar para esta reunião e promoverá
uma revolução na agricultura da região.
Ao final desta seção, reforçaremos sua capacidade de identificar como as
atividades humanas e o setor agrícola podem influenciar a degradação das
propriedades do solo.
Bons estudos!

Não pode faltar


Prezado estudante,
Desde o início de nosso estudo, temos comentado sobre como o desen-
volvimento das atividades agrícolas vem afetando a qualidade do ambiente
rural brasileiro. Dos primeiros cultivos até os dias atuais, muito se evoluiu
no aprimoramento das ciências agrárias, do melhoramento genético, desen-
volvimento de máquinas e equipamentos e na criação de uma infinidade de
produtos agrícolas. Produzimos mais e com melhor qualidade, passamos
a ocupar um lugar de destaque no mercado internacional de commodities
como soja, milho e carne, entre outros produtos alimentícios. Entretanto,
mesmo com toda essa evolução, pouco se avançou no tratamento dado ao
solo que, apesar de ser a base deste desenvolvimento, continua sendo degra-
dado pelo homem, sobretudo pela atividade agrícola.
Como vimos anteriormente, com a modernização dos sistemas de
produção, poucas são as restrições que limitam a expansão das áreas de
cultivo. Aliado a isto, a grande disponibilidade de terras tem afetando a

Seção 1.3 / Consequências ambientais e agronômicas do inadequado uso do solo - 37


maneira como é feito o uso do solo no Brasil. Para ilustrar esta fala, podemos
usar como exemplo o que aconteceu em algumas regiões dos estados de São
Paulo e Rio Grande do Sul: houve degradação por conta do mau uso do solo
e, por este motivo, muitos produtores migraram para os estados do Paraná
e Mato Grosso, expandindo assim nossas fronteiras agrícolas, mas deixando
para trás grandes extensões de solo degradado.
Muitas são as consequências do mau uso desse recurso tão precioso.
A degradação do solo pode afetar a soberania de uma nação, uma vez que
diminuirá sua autossuficiência na produção de alimentos, aumentando assim
a sua dependência externa.
Apesar de muito grave, a perda da capacidade de produção não é a única
consequência indesejada do mau uso do solo. Este recurso natural integra
e exerce forte influência nos ecossistemas onde está presente. Portanto,
qualquer alteração que se promova às propriedades do solo, desencadeará
alguma reação do ambiente onde está inserido.
Neste sentido, as reações mais imediatas decorrentes da implantação
de uma atividade agrícola são observadas na biologia do solo. Se conside-
ramos a mudança de um ambiente florestal para uma área de cultivo ou de
pastagem, podemos dizer que haverá uma transformação brutal nas condi-
ções ambientais, sendo imediatamente observadas variações na temperatura,
umidade e disponibilidade de alimentos à fauna de solo. A nova condição
ambiental é totalmente hostil à biodiversidade ali existente, grande parte dos
organismos desaparece e a área afetada passa a ser o lar de um número bem
menor de espécies, sobretudo aquelas mais adaptadas aos ambientes degra-
dados, normalmente seres pouco exigentes. O uso continuado do solo para o
desenvolvimento de atividades agrícolas sem a adoção de práticas conserva-
cionistas, tende a agravar esta situação, tornando o ambiente cada vez mais
desequilibrado e favorável à instalação de pragas agrícolas.
Com o avanço do processo de degradação provocado pela ação do
homem, a área afetada torna-se cada vez mais inóspita e com características
extremamente diferentes do ambiente circunvizinho. Quando esta área deixa
de ser interessante para o desenvolvimento de qualquer atividade econô-
mica, é abandonada. Porém, nos locais onde o grau de degradação é muito
avançado, a área perde sua resiliência e não consegue se inserir no contexto
local por meios naturais, perdendo também a sua função ecológica.

Assimile
Você conhece o termo resiliência?
Na física, a resiliência é a capacidade que um corpo apresenta de
retornar à forma original depois de ter sofrido uma deformação. Neste

38 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


sentido, o termo resiliência é comumente empregado para medir a
capacidade que um ambiente tem de retomar a sua condição de equilí-
brio ambiental e de se tornar parte contínua do ambiente onde está
inserido, retomando assim sua função ecológica. Por exemplo: a parte
de uma floresta que tenha sido desmatada para a implantação de um
cultivo e logo após a primeira colheita tenha sido abandonada terá alta
resiliência, pois o processo de degradação durou pouco tempo e a área
está inserida no contexto de sua vegetação original, o que facilita muito
a recuperação de suas funções ecológicas. Da mesma forma, quanto
mais intenso o processo de degradação e maiores forem as transforma-
ções no ambiente afetado, menor será sua resiliência, ou seja, mais difícil
será recuperar sua forma e função originais.

Quando falamos de função ecológica, estamos nos referindo à impor-


tância de determinados aspectos ambientais para o equilíbrio ecossis-
têmico. Neste sentido, os solos têm importantes funções ecológicas pois,
como vimos, são parte integrante e fundamental para os ecossistemas onde
estão presentes. Além de conferir resiliência ao ambiente, um solo equili-
brado tem outras funções importantes na regulação dos ciclos de elementos
químicos e da água, pois em ambos os casos é responsável por armazenar,
transformar e disponibilizar estes elementos em acordo com o equilíbrio
ambiental estabelecido.
Um exemplo disso é a importância do solo no ciclo do carbono, pois este
é capaz de armazenar até duas vezes mais carbono que a atmosfera. Para se
ter uma ideia do quanto isso representa, a quantidade de carbono armaze-
nada na camada superior de solo em até um metro de profundidade dos solos
minerais da Bacia Amazônica, representa, aproximadamente, 3% do estoque
global estimado de carbono no solo. Se considerarmos ainda o carbono dos
resíduos orgânicos depositados sobre o solo e o carbono estocado a profundi-
dades maiores do que um metro, esta quantidade de carbono estimada pode
ser quatro vezes maior (TRUMBORE; CAMARGO, 2009).
Refletindo sobre estas informações, é fácil imaginar que a alteração da
condição natural de um solo para seu uso no desenvolvimento de atividades
agrícolas modificará a dinâmica dos processos de transformação e armaze-
namento do carbono no solo. Vamos entender como isso acontece.
Basicamente, o carbono é estocado no solo na forma de compostos
orgânicos, portanto esteve ou ainda está intimamente associado à biodi-
versidade presente no ecossistema do qual faz parte. Em nossas condições
de clima tropical, em que as médias anuais de temperatura e pluviosidade
são mais altas que em climas temperados, a velocidade de degradação da
matéria orgânica é maior, pois estas condições ambientais favorecem o

Seção 1.3 / Consequências ambientais e agronômicas do inadequado uso do solo - 39


desenvolvimento dos organismos que participam da decomposição destes
resíduos orgânicos. Para que você tenha uma ideia da velocidade deste
processo, considere um plantio de milho. Após sua colheita, apenas os grãos
são retirados da área de cultivo e o restante da planta é picado e devolvido
ao solo na forma de palhada. Se for incorporada ao solo logo após a colheita,
praticamente toda essa matéria orgânica será decomposta no período de seis
meses. Por este motivo, o manejo da palhada em solos tropicais tem sido
profundamente estudado pela pesquisa agropecuária, considerando que a
presença de matéria orgânica no solo é fundamental para a manutenção de
suas propriedades físicas, químicas e biológicas, além do seu papel regulador
do carbono presente na atmosfera.
Muitos estudos comprovam que a matéria orgânica é responsável pela
estabilidade do solo, no que diz respeito à manutenção de suas propriedades.
No aspecto físico, a matéria orgânica confere estabilidade aos agregados
do solo, funcionando como um agente cimentante entre as partículas. Isto
quer dizer que em solos agrícolas, normalmente muito revolvidos, a matéria
orgânica garantirá a manutenção de sua estrutura e, consequentemente, sua
porosidade.
A porosidade do solo é a propriedade que lhe confere sua capacidade de
absorver água. Sabemos que o solo exerce um papel fundamental no ciclo
da água, funcionando como depurador e reservatório, pois a água que se
precipita na forma de chuva se infiltra pelos poros do solo, caminhando por
meio destes em profundidade até atingir o lençol freático. Neste caminho a
água é purificada e será parcialmente absorvida por microporos existentes no
interior das partículas do solo. Esta água que fica retida no solo garantirá a
manutenção de sua umidade, proporcionando um reservatório de água para
as plantas e para os outros organismos do solo, mesmo em épocas de estiagem.
A água que abastece o lençol freático será lentamente devolvida ao ambiente
por meio de seu afloramento na superfície do solo, na forma de nascentes.
Por meio deste breve relato, conseguimos compreender a importância
que a matéria orgânica tem para a manutenção das condições de equilíbrio
dos ciclos do carbono e da água, portanto a ausência de práticas conserva-
cionistas que busquem manter elevados os teores de matéria orgânica no
solo fatalmente o levarão à degradação de suas propriedades.
Os solos desprovidos da cobertura formada por resíduos vegetais
ficam expostos à energia das gotas de chuva, que quando caem no solo
promovem a desagregação de suas partículas. As partículas do solo pulve-
rizadas apresentam tamanho bem menor do que o original, sendo capazes
de percolar juntamente com a água que se infiltra no solo, promovendo o
entupimento de seus poros.

40 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


Os solos agrícolas com baixo teor de matéria orgânica apresentam uma
estrutura muito mais frágil, sendo mais suscetíveis à pulverização promo-
vida tanto pelo impacto da gota de chuva como pelos revolvimentos decor-
rentes das operações de preparo do solo. A diminuição no tamanho das
partículas do solo tem efeito imediato na redução da sua porosidade, uma
vez que os poros responsáveis pela absorção da água e sua infiltração em
profundidade são constituídos pelos espaços formados entre estas partí-
culas. Logo, a falta de matéria orgânica associada ao preparo intensivo do
solo formam a condição perfeita para a sua compactação.
Regiões com ocorrência de solos compactados apresentam problemas
graves de erosão, pois toda a água que não é absorvida escoará superficial-
mente e deixará de abastecer os depósitos subterrâneos e a umidade do solo,
comprometendo o regime hídrico local.
Milhões de toneladas de sedimentos são removidos anualmente das terras
agricultáveis pelas águas das chuvas que escorrem superficialmente na forma
de enxurrada. Todo este sedimento é depositado ao longo do leito dos rios
e outros corpos hídricos, promovendo seu assoreamento. À medida que se
acumulam, causam profundas transformações nas características ambientais
desses corpos de água, alterando os padrões de qualidade da água, profundi-
dade, largura, fluxo, vazão, temperatura e evaporação, entre outros.
O assoreamento dos rios tem causado grandes transtornos sociais,
econômicos e culturais às comunidades que fazem uso desse recurso hídrico.
Os rios que se tornam mais rasos deixam de ser navegáveis, causando preju-
ízos ao deslocamento de pessoas e mercadorias. As mudanças ambientais
promovidas pelo assoreamento dos rios também afetam profundamente
a vida de seus organismos, uma vez que suas características são modifi-
cadas, o que torna o ambiente inadequado para as espécies adaptadas a sua
condição original.
A alteração da qualidade e da quantidade de água, resultante da presença
dos sedimentos, dificultam a sua captação para os diferentes usos humanos,
tais como abastecimento das cidades e irrigação.
Além do assoreamento dos rios, outro efeito preocupante da erosão
dos solos é o assoreamento de reservatórios de água. Formados pelo repre-
samento dos rios, os reservatórios de água são construídos para atender
a uma série de necessidades do homem, tais como a produção de energia
elétrica, criação de peixes, armazenamento de água para abastecimento de
cidades e propriedades rurais, entre outras aplicações. Em todas as situações,
a construção desses reservatórios gera impactos ambientais significativos,
custa muito caro e, portanto, é desejo de todos que fazem uso desses reserva-
tórios que sua vida útil seja bastante longa.

Seção 1.3 / Consequências ambientais e agronômicas do inadequado uso do solo - 41


Mas o que poderia reduzir a vida útil de um reservatório de água?
Se você respondeu a erosão dos solos, acertou mais uma vez! Os sedimentos
transportados pelas enxurradas poderão afetar diretamente os reservatórios
quando escoam até suas margens ou quando são levados pela água dos rios
que contribuem para sua formação. À medida que estes sedimentos vão
sendo depositados no fundo dos reservatórios eles diminuem sua profundi-
dade, até que passam a aflorar na superfície da água. Nesta situação o reser-
vatório fica inutilizado, uma vez que os custos para a recuperação de suas
funções, normalmente por meio da dragagem, são extremamente elevados e
não garantem o resultado no longo prazo, caso o problema da produção de
sedimentos não seja resolvido.
Este problema é tão grave que muitas ações vêm sendo desenvolvidas para
se impedir que isto aconteça, principalmente nos casos em que a água dos
reservatórios é utilizada para o abastecimento de cidades ou para a geração
de energia elétrica.

Exemplificando
Um ótimo exemplo para ilustrar o esforço no sentido de se prolongar a
vida útil de um reservatório de água é o trabalho que vem sendo desen-
volvido pela Itaipu Binacional. Esta organização é responsável pela maior
usina hidroelétrica da América Latina, que dispõe de um reservatório
com 1.350 km² de área inundada e é o sétimo maior do Brasil. Preocu-
pados com a questão ambiental de toda a área afetada por este empre-
endimento, desenvolvem uma série de ações socioambientais, dentre
as quais destacamos o Programa Cultivando Água Boa e sua Gestão por
Bacias. Este programa busca, por meio da sensibilização, mobilização
e informação, estimular mudanças na forma como a comunidade se
organiza, produz, consome e cuida da água, proporcionando assim um
futuro mais sustentável. Neste programa, as características naturais são
consideradas no planejamento das ações de recuperação ambiental, do
uso da terra e para a conservação e o manejo dos solos.
ITAIPU BINACIONAL. Cultivando água boa. [S.l.; s.d.].

Como vimos ao longo desta seção, o mau uso do solo promove a degra-
dação de suas propriedades e também do ambiente no qual está inserido. A
combinação dos fatores redução nos teores de matéria orgânica, compac-
tação do solo, perda da capacidade de absorver água e erosão afetam profun-
damente a qualidade do solo agrícola, o que pode ser traduzido em sua perda
de capacidade produtiva.

42 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


Assim, um solo degradado oferece um ambiente pouco favorável para o
desenvolvimento de raízes, pois a camada compactada impede o seu cresci-
mento em profundidade, reduzindo a área disponível para a absorção de
água e nutrientes. Além disso, o solo nesta condição absorve menos água,
portanto as lavouras cultivadas em solos compactados são muito menos
resistentes ao déficit hídrico.
Seguindo este raciocínio, se a água não consegue se infiltrar no solo, os
adubos permanecerão na sua camada mais superficial, próximo do local de
aplicação. Considerando que os solos compactados são mais suscetíveis à
erosão promovida pelo escorrimento superficial, podemos concluir que grande
parte dos adubos aplicados na ocasião do plantio e dos resíduos orgânicos
remanescentes das últimas colheitas serão carregados pela enxurrada junta-
mente com o solo, causando a degradação dos corpos hídricos vizinhos.
Sendo assim, nestes casos, mesmo que se faça a adubação química e
orgânica e mesmo sob irrigação, solos degradados não oferecem o suporte
adequado para a produção economicamente viável de uma lavoura.
Portanto, a perda de capacidade produtiva de um solo resulta da combi-
nação de uma série de fatores que, juntos, dificultam o desenvolvimento das
plantas, impedindo que atinjam seu potencial produtivo. Para melhorar sua
compreensão, podemos utilizar como exemplo a lavoura do milho. O melho-
ramento genético de algumas linhagens de milho conferiu a esta espécie
o potencial para produzir em torno de 12 toneladas por hectare plantado.
Entretanto, este potencial somente atingirá seu máximo quando todas as
condições para o pleno desenvolvimento da planta forem alcançadas. Assim,
à medida que o mau uso do solo impõe dificuldades para o pleno desenvol-
vimento das plantas, menores serão os índices de produtividade alcançados.
Portanto, fica claro que, ao promovermos a manutenção da saúde do solo,
estaremos investindo na produtividade das lavouras.

Reflita
De acordo com o conteúdo apresentado até aqui, você pôde comprovar
que são muito graves os efeitos colaterais produzidos pela degradação
dos solos aos diferentes setores de nossa economia, afetando direta-
mente nosso modo de vida e constituindo-se, assim, um problema
ambiental de alta relevância para o país. Ao mesmo tempo que obser-
vamos muitas iniciativas políticas e sociais sendo desenvolvidas para o
tratamento de várias questões, vemos poucos esforços sendo empre-
endidos pela nação no sentido de se buscar soluções para esta questão
tão grave. Em sua experiência de vida, você já teve a oportunidade de
conhecer alguma iniciativa que tenha sido promovida pela sociedade
civil ou por alguma organização para o tratamento desta questão? No

Seção 1.3 / Consequências ambientais e agronômicas do inadequado uso do solo - 43


seu ponto de vista, quem é o responsável pela situação atual e quem
poderia promover a mudança?

Diante de tudo que foi posto, podemos dizer que a conservação do solo é
uma medida de proteção ao patrimônio de um produtor rural. Assim como
uma máquina que precisa receber a manutenção rotineira, lubrificação,
combustível, etc., para garantir a sustentabilidade do solo é preciso investir
na implantação de práticas adequadas de manejo e conservação. Somente
assim é possível garantir a manutenção de sua capacidade produtiva, além de
manter saudável o ambiente onde a propriedade está inserida.

Sem medo de errar


Caro estudante, por meio do conteúdo estudado você pôde perceber
que a degradação do solo agrícola gera efeitos indesejáveis não só dentro
da propriedade rural mas em todo o ambiente no qual está inserida. Vimos
ainda que o mau uso do solo, além de comprometer a sua capacidade produ-
tiva, afetará também suas funções ecológicas e seu importante papel na
ciclagem de nutrientes e água.
Sendo assim, agora que você já está mais familiarizado com as conse-
quências diretas e indiretas do uso do solo, chegou a hora de resolvermos a
situação-problema proposta no início desta seção.
Conforme foi apresentado, em seu trabalho de levantamento de campo
você e sua equipe de profissionais identificaram uma série de situações de
degradação do solo e do ambiente onde estão atuando, situações essas decor-
rentes da forma equivocada como os produtores da região fazem o uso do
solo para o desenvolvimento de suas atividades rurais. Essas informações
devem constar no relatório de análise do histórico da região, conforme foi
sugerido anteriormente.
Coube a vocês a difícil tarefa de expor os problemas identificados aos
agricultores e convencê-los de que a solução passa pela mudança de compor-
tamento da forma como eles vêm desempenhado suas atividades.
O primeiro passo para se promover a mudança de comportamento de
uma pessoa ou de uma comunidade, como é o caso, se dá por meio do conhe-
cimento. Isso não quer dizer que devemos subestimar a sabedoria popular,
que é muito rica no meio rural, mas sim trazer informações novas que
possam agregar e aprimorar os saberes desta comunidade. Normalmente,
produtores rurais têm conhecimento profundo do ambiente onde vivem e
tiram seu sustento, trazendo informações valiosas do histórico da região.
Baseados nestas informações é que podemos fazer compreender que a

44 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


forma como o solo vem sendo utilizado é a responsável pelas transforma-
ções ambientais vivenciadas pela comunidade. Neste sentido, os produtores
poderão ser estimulados a compartilhar suas experiências pessoais sobre as
mudanças por eles observadas. Nestes casos, é comum o relato de mudanças
no padrão do clima da região (principalmente da temperatura média e da
distribuição de chuvas), de nascentes que secaram, rios assoreados e poluídos
onde a pesca e a recreação não são mais possíveis, dificuldade de se encontrar
água de qualidade, entre outras situações que refletem a perda da qualidade
de vida destas pessoas.
Uma vez sensibilizados e tendo seu conhecimento valorizado, os produ-
tores estarão aptos a receber sua proposta de mudança como uma sugestão
voltada ao restabelecimento de uma condição apreciada pela comunidade.
Assim podemos seguir com a apresentação do relatório de análise do
histórico da região, com as reflexões e indicações técnicas para os produtores
da área, elaborado com base nos resultados dos levantamentos realizados por
sua equipe e, de acordo com o conteúdo trabalhado nesta seção, promover
a relação entre causa e efeito. Para isto, poderão ser utilizadas situações
hipotéticas nas quais o manejo da atividade agrícola seja o mesmo observado
por você a campo e as consequências ambientais sejam similares àquelas
relatadas pelos agricultores, permitindo assim que se identifiquem com
os casos apresentados. Esta é uma forma de fazer com que a comunidade
perceba como as atividades humanas e o setor agrícola podem influenciar a
degradação das propriedades do solo e comprovem que a situação observada
a campo é uma consequência do mau comportamento destes agricultores.
Conscientizados da importância da preservação ambiental para a
melhoria de sua qualidade de vida e cientes de que a continuidade e prospe-
ridade de sua atividade agrícola depende de uma mudança no seu compor-
tamento, é preciso destacar que estes produtores vivem em uma comunidade
e que as escolhas de um produtor afetarão, direta ou indiretamente, seus
vizinhos e até a comunidade em geral. Neste sentido, não basta um ou dois
produtores adequarem o sistema de manejo adotado em suas propriedades: a
mudança deve ser mais abrangente e, quanto maior número de produtores a
participar desta mudança, mais forte será a comunidade.

Seção 1.3 / Consequências ambientais e agronômicas do inadequado uso do solo - 45


Avançando na prática

Poluição de açudes

Descrição da situação-problema
A água é imprescindível para o desenvolvimento de qualquer atividade
agrícola; não à toa, o setor rural é o que apresenta maior índice de consumo
deste recurso natural. Por esta razão, a presença de água em uma propriedade
agrícola é um fator de valorização do preço da terra. Pensando nisso, muitos
produtores buscam estabelecer sua fonte de água por meio da perfuração
de poços, barramento de rios e construção de açudes, tudo para garantir o
acesso fácil e, às vezes, ilimitado a este bem natural.
Porém, a falta de informação sobre como o mau uso do solo pode afetar
a qualidade e a quantidade de água produzida numa bacia hidrográfica tem
causado muitos problemas no setor rural. Grande parte desses problemas são
decorrentes da perda de capacidade de absorção de água pelo solo e, conse-
quentemente, da erosão promovida pela água que escorre na superfície do
solo em direção ao corpo hídrico mais próximo.
É nesse contexto que você conheceu a propriedade do Sr. André, produtor
rural que optou por diversificar as atividades desenvolvidas em seu sítio, e
assim buscou dividir a sua propriedade em três áreas, designando as partes
mais altas e com maior declividade para a criação de gado de corte; na zona
intermediária entre as pastagens e as margens do rio instalou sua lavoura
de grãos, onde fazia o cultivo de soja no verão e milho no inverno, e nas
partes mais baixas, respeitando-se a faixa destinada à composição da mata
ciliar, instalou seus tanques para a criação de tilápias. Com o passar dos
anos, o produtor começou a ter dificuldades com a criação de tilápias, pois
percebeu que os tanques de água barrenta começaram a se tornar mais rasos,
impedindo que este produtor usasse a mesma taxa de lotação empregada em
anos anteriores. Numa determinada safra, houve uma infestação de pragas
mais intensa do que de costume e o Sr. André teve de recorrer ao aumento
do número de aplicações de inseticidas em sua lavoura. Foi no mesmo ano
em que observou uma alta taxa de mortalidade de peixes. Desesperado, o
produtor solicitou seu apoio para identificar o que poderia estar acontecendo
em sua propriedade. Como você explicaria os fatos e orientaria o produtor?
Assim, após ouvir o relato da situação vivenciada pelo produtor, você
decidiu visitar sua propriedade para tentar identificar o que poderia estar
acontecendo. A visita iniciou pela parte mais alta do sítio, seguindo em
direção aos tanques instalados próximo ao rio que corta a propriedade.
Durante o trajeto, você observou fortes indícios de erosão nas pastagens

46 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


que direcionavam o fluxo de água para a área de lavoura. Sob a soja, era
possível perceber que os sulcos erosivos aumentavam de largura e profun-
didade à medida que se aproximavam da área destinada à piscicultura. Em
sua caminhada pela propriedade pôde notar ainda que, ao longo das áreas
de pastagem e de lavoura, não havia nenhuma estrutura que pudesse inter-
romper o fluxo da enxurrada. Os tanques eram escavados no solo e não
dispunham de nenhuma proteção ao seu redor que pudesse impedir o fluxo
da enxurrada para seu interior.
Com base em suas observações de campo e nas informações prestadas
pelo produtor, você pôde identificar o problema.
Resolução da situação-problema
Como era de se esperar, as áreas de pastagem e as destinadas ao cultivo
de grãos não tinham nenhuma estrutura que pudesse interromper o fluxo da
enxurrada da pastagem para a lavoura e desta para os tanques de peixes. Isto
era fácil de se comprovar, pois os tanques estavam assoreados ou, como o
próprio produtor havia relatado, ficavam mais rasos a cada ano. Diante desta
constatação, é possível dizer que a água da enxurrada não estava levando
apenas sedimentos para o interior dos tanques; carregavam consigo adubos
e resíduos químicos, proveniente dos defensivos utilizados nas lavouras.
Provavelmente, a intensificação das aplicações de inseticidas tenha elevado
o residual destes produtos no solo a níveis tóxicos, aumentando assim a
probabilidade de contaminação dos tanques pela água da enxurrada. Alguns
inseticidas são altamente tóxicos a organismos aquáticos, podendo causar a
mortalidade de peixes em rios, lagos e açudes.
Neste caso, o produtor deverá se atentar para o manejo adotado, pois a
forma como vem conduzindo suas lavouras tem causado impacto à capaci-
dade do solo em absorver a água das chuvas, o que pode ser comprovado pela
instalação de processos erosivos. Como vimos, uma forma de reduzirmos o
efeito deletério das chuvas é melhorar a quantidade de matéria orgânica no
solo, uma vez que esta substância também melhora a estrutura dos solos, além
de oferecer uma camada de proteção contra a energia das gotas de chuva.

Seção 1.3 / Consequências ambientais e agronômicas do inadequado uso do solo - 47


Faça valer a pena
1. O mau uso do solo no Brasil tem causado uma série de problemas ambientais que
afetam não só a vida das comunidades rurais mas também a vida da população que
mora nas cidades.

O assoreamento dos corpos hídricos são exemplos de problemas decorrentes do mau


uso do solo e são uma consequência direta:
a) Da erosão hídrica.
b) Do preparo do solo.
c) Da expansão agrícola.
d) Do uso de agrotóxicos.
e) Da construção de barragens.

2. Em nossos estudos vimos que solos bem estruturados tendem a ser mais porosos
e, portanto, têm maior capacidade de absorver a água da chuva que se infiltra em
profundidade para abastecer os reservatórios subterrâneos de água.

Nas alternativas a seguir, identifique aquela que apresenta uma consequência da


redução da porosidade dos solos.
a) Redução do escoamento superficial.
b) Aumento da capacidade de absorção de água.
c) Redução da erosão hídrica.
d) Aumento do abastecimento do lençol freático.
e) Redução no número de nascentes (ou olhos d’água).

3. Dos constituintes do solo a matéria orgânica tem papel fundamental, pois


influencia a qualidade de diferentes propriedades do solo. Solos mal manejados
costumam apresentar baixos teores de matéria orgânica e, consequentemente, são
mais suscetíveis à degradação.
Sobre a matéria orgânica do solo, analise as afirmativas a seguir e verifique se são
verdadeiras ou falsas.
A matéria orgânica está associada à estrutura do solo, pois funciona como agente
cimentante entre partículas de solo, constituindo assim seus agregados.
A matéria orgânica do solo, na forma de cobertura morta, funciona como uma
camada protetora contra a ação desagregadora das gotas de chuva.
A umidade do solo não é influenciada pelo teor de matéria orgânica do solo.

Assinale a alternativa correta onde I, II e III são respectivamente:


a) V, V, V.
b) V, V, F.
c) V, F, V.
d) F, V, F.
e) F, F, F.

48 - U1 / Sustentabilidade e fundamentos da conservação do solo


Referências
BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. O Bioma Cerrado. Brasília, [s.d.]. Disponível em:
http://www.mma.gov.br/biomas/cerrado. Acesso em: 2 set. 2018.
BERTOL, I. Conservação do solo no Brasil: histórico, situação atual e o que esperar para o
futuro. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, 2016. Disponível em: http://www.sbcs.
org.br/wp-content/uploads/2016/04/Conserva%C3%A7%C3%A3o-do-solo-no-Brasil-.pdf.
Acesso em: 21 ago. 2018.
BORGONOVI, M. A Gênesis da conservação do solo no Brasil. Fundação Agrisus – Agricultura
Sustentável, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: http://www.agrisus.org.br/arquivos/artigo_
mario_Borgonovi_julho_2014.pdf. Acesso em: 20 ago. 2018.
ITAIPU BINACIONAL. Cultivando água boa. [S.l.; s.d.]. Disponível em: https://www.itaipu.
gov.br/meioambiente/cultivando-agua-boa. Acesso em 25 set. 2018.
LOPES, A. S. Solos sob “Cerrado”: características, propriedades e manejo. Piracicaba, Instituto
da Potassa & Fosfato: Instituto Internacional da Potassa, 1983. 162 p.
ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU BR. Apesar da baixa fertilidade, mundo
terá 9,8 bilhões de pessoas em 2050. [S.l.], 22 jun. 2017. Disponível em: https://nacoesunidas.
org/apesar-de-baixa-fertilidade-mundo-tera-98-bilhoes-de-pessoas-em-2050/. Acesso em: 24
set. 2018.
RAMALHO FILHO, A.; PEREIRA, L. C. Aptidão agrícola das terras do Brasil: potencial de
terras e análise dos principais métodos de avaliação. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 1999. 36
p. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/336394/aptidao�-
-agricola-das-terras-do-brasil-potencial-de-terras-e-analise-dos-principais-metodos-de-ava-
liacao. Acesso em: 2 set. 2018.
SILVA, E. B da et al. A expansão da fronteira agrícola e a mudança de uso e cobertura da terra.
Ateliê Geográfico, Goiânia-GO, v. 7, n. 2, p.116-138, 2013. Disponível em: https://www.revistas.
ufg.br/atelie/article/view/15660/15102. Acesso em: 29 ago. 2018.
TRUMBORE, S.; CAMARGO, P. B. de. Dinâmica do Carbono do Solo. Amazonia and Global
Change Geophysical Monograph Series 186, American Geophysical Union, 2009. Disponível
em: https://daac.ornl.gov/LBA/lbaconferencia/amazonia_global_change/27_Dinamica_do_
Carbono.pdf. Acesso em: 30 out. 2018.
Unidade 2

Processos de degradação do solo

Convite ao estudo
Caro estudante, após o estudo da primeira unidade deste livro você pôde
concluir que não há como fazer a exploração agrícola de um solo sem causar
algum dano em sua composição, estrutura ou biologia. E você está certo em
pensar assim.
Desde que promovemos a remoção da cobertura vegetal original de um
solo até a realização da primeira colheita agrícola, imprimimos neste corpo
transformações profundas e, muitas vezes, irreversíveis em seus atributos
químicos, físicos e biológicos. Entretanto, isso não significa dizer que
tornamos este solo improdutivo, mas que promovemos a transformação
de um solo florestal em um solo agrícola. A partir deste ponto é que as
ações empreendidas poderão transformar este solo agrícola em um solo
improdutivo (salinizado, desértico, etc.). Neste sentido, é imprescindível
conhecer não só os atributos do solo com o qual se deseja trabalhar mas
também os parâmetros desejáveis de um solo produtivo. Dessa forma, é
possível efetuar as devidas recomendações para aplicação de correções
necessárias a cada situação.
Entretanto, raramente temos a oportunidade de orientar um produtor
desde o primeiro cultivo de uma determinada área. Durante sua atuação
profissional, você perceberá que são muito mais comuns as situações em
que o nosso trabalho é requisitado para recuperar o potencial produtivo de
um solo. Nesta situação, é fundamental ser capaz de conhecer os tipos de
degradação do solo e identificar suas principais características e consequên-
cias. E para desenvolver esta competência, estudaremos alguns indicadores e
parâmetros que lhe permitirão analisar as características do solo degradado
de uma determinada área e identificar o tipo e o grau de degradação, infor-
mações fundamentais para se determinar as técnicas mais adequadas a fim de
interromper o processo de degradação do solo e promover sua recuperação.
Diante dessas considerações podemos estabelecer seu próximo desafio.
Imagine que uma grande empresa agrícola, com várias unidades produtoras
espalhadas pelo país, vem enfrentando problemas com a degradação do solo
de suas fazendas. Preocupada com esta situação, a diretoria da empresa criou
uma gerência responsável pela gestão dos solos das unidades produtoras.
Você foi contrato para este cargo e, como engenheiro agrônomo, deverá
orientar seus técnicos a realizarem o manejo correto dos solos (mecanização,
correção, adubação, etc.). Lembre-se de que para proceder ao manejo dos
solos você deverá estabelecer critérios, os quais serão fomentados de acordo
com os parâmetros edáficos preestabelecidos para cada cultura. Você terá de
considerar que a cada nova safra uma série de efeitos colaterais são gerados,
afetando negativamente a qualidade dos solos. Por onde começar? Quais
atributos servirão de parâmetro para se conhecer a capacidade produtiva dos
solos? Como orientar os técnicos de cada unidade produtora a realizarem o
levantamento de dados necessários?
Está achando muito difícil? Não se preocupe! No conteúdo desta unidade
estudaremos como acontecem os processos de degradação dos atributos
químicos e físicos dos solos, e como efetuar o levantamento necessário para
se conhecer o estado de saúde de um solo.
Bons estudos!
Seção 2.1

Degradação química do solo

Diálogo aberto
Durante sua vida profissional como engenheiro agrônomo, você vai notar
que um dos fatores mais importantes para o desenvolvimento saudável de
uma lavoura consiste no fornecimento equilibrado de nutrientes para que
as plantas consigam completar seu ciclo de vida. Nesse sentido, a adubação,
quando bem empregada, é a técnica que prevê a reposição de nutrientes aos
solos, na forma e na quantidade adequadas para que as plantas cultivadas
atinjam seu potencial máximo de produção. Isso significa aplicar os adubos
em quantidade ideal, evitando déficit ou excessos de nutrientes durante o
desenvolvimento das culturas. Considerando o que foi posto, você pode
imaginar que qualquer adubação deva ser feita de acordo com as recomen-
dações específicas para cada situação, quando informações como o histórico
de uso da área, o tipo de solo, o clima e o tipo de cultura serão decisivas para
se determinar as doses de adubos, o período e forma de aplicação. Diante
disso, já podemos partir para uma nova situação-problema.
Como vimos, agora você é o responsável pelo setor de solos de uma grande
empresa agrícola e, como tal, foi requisitado para resolver um problema observado
pelo técnico de campo em uma das unidades produtoras desta organização. Como
bom agrônomo, antes de ir a campo você entrevistou o técnico, buscando infor-
mações a respeito do histórico da área. Perguntou sobre o tipo de manejo adotado
(preparo do solo, correção e adubação do solo), sobre as características do solo e o
tipo de produtos cultivados naquela unidade, e também sobre o regime de chuvas
na região. Durante a entrevista, foi dito a você que se tratava de um solo arenoso,
com baixo teor de matéria orgânica, em que era feito o cultivo de espécies anuais
por meio do plantio direto e que a dosagem de adubos químicos vinha sendo
repetida anualmente, conforme recomendação feita há dez anos. Sobre o regime
de chuvas, o técnico destacou que costumam ser intensas e concentradas no verão.
Ele também relatou que, apesar de se manterem constantes o manejo e os tratos
culturais, ano após ano a produtividade vinha diminuindo, mesmo quando utili-
zadas sementes de alta performance. O que pode estar acontecendo nesta fazenda?
O que podemos inferir por meio dos dados fornecidos? Como estes fatos podem
estar influenciando a produtividade?
Para sanarmos essas dúvidas precisamos conhecer os atributos químicos
do solo, como acontece sua degradação e quais indicadores podem nos
auxiliar no diagnóstico de distúrbios químicos do solo.
Vamos trabalhar?

Seção 2.1 / Degradação química do solo - 53


Não pode faltar

Olá, aluno!
Retomando o conteúdo estudado na primeira unidade, os solos, para
serem chamados assim, devem ser constituídos de minerais, matéria
orgânica, água e ar e, de forma geral, sua diferenciação em classes é determi-
nada pelas características da porção mineral e pelas quantidades de cada um
de seus constituintes.
Essa combinação entre os elementos constituintes do solo é fundamental
na determinação de suas características químicas, físicas e biológicas. Do
ponto de vista químico, a composição da fase mineral é que conferirá sua
capacidade de fornecer e armazenar os nutrientes para as plantas e demais
organismos do solo. Vamos entender melhor como isso acontece.
Lembrando do processo de formação dos solos, vimos que este recurso
natural resulta da atuação dos elementos do clima sobre o material de origem
(rochas formadas por diferentes processos geológicos). O arenito, por
exemplo, que é uma rocha sedimentar, dá origem a solos com baixos teores
de argila, portanto mais arenosos, que frequentemente são mais pobres em
nutrientes do que os solos argilosos.
Conforme vimos anteriormente, a degradação da fase mineral é um
processo muito lento, sendo assim, a liberação de nutrientes é limitada pelo
tempo. Neste sentido, podemos dizer que as plantas absorvem os nutrientes
disponíveis no solo em uma velocidade maior do que capacidade deste de
repor esses nutrientes.
Considerando essas informações, você pode estar se perguntando se este
processo leva o solo à exaustão. A resposta para essa indagação é sim, se
o solo não dispor de mecanismos capazes de regular a disponibilidade de
nutrientes.
Em uma condição natural, os nutrientes absorvidos pelas plantas e outros
organismos são devolvidos ao solo na forma de matéria orgânica, que é
depositada sobre o solo e, à medida que são mineralizados, vão devolvendo
lentamente ao solo os nutrientes outrora absorvidos. Portanto, uma boa parte
do que é retirado do solo pelas plantas é cíclico, proveniente da decompo-
sição da matéria orgânica, que em condições de equilíbrio dinâmico mantém
constantes os teores de nutrientes nos solos.

Reflita
Vimos que em ambientes naturais a disponibilidade de nutrientes no solo
está em equilíbrio dinâmico com a sua utilização pelos seres vivos. Porém,

54 - U2 / Processos de degradação do solo


em solos agrícolas esse equilíbrio é quebrado, pois o aporte de nutrientes
decorrente da decomposição da matéria orgânica é incapaz de devolver
ao solo a quantidade de nutrientes que é exportada com as colheitas.
Nestes casos, como isso poderia refletir nas culturas? E no solo?

Outro fator que influencia fortemente a capacidade do solo em regular a


disponibilidade de nutrientes é a presença de argilas. Por apresentar grande
superfície específica, carregada negativamente, as argilas constituem um
grande reservatório de íons carregados positivamente, os cátions. Como a
maioria dos nutrientes absorvidos pelas plantas são cátions, as argilas têm
papel importante no equilíbrio da disponibilidade de nutrientes do solo.
Logo, solos mais argilosos têm condições de reter mais nutrientes do que
solos com baixos teores de argila.
Essa capacidade de reter e disponibilizar os elementos carregados positi-
vamente é conhecida como Capacidade de Troca Catiônica, ou CTC do solo.
De certa forma, a matéria orgânica do solo, quando degradada, também
dá origem a partículas muito pequenas (coloidais), com propriedades
semelhantes às argilas, sendo, portanto, capazes de incrementar a CTC de
um solo.
É importante destacar que, além de nutrientes, elementos tóxicos também
poderão ser retidos pela CTC do solo, como é o caso do hidrogênio ( H+ ) e
do Alumínio ( Al 3+ ).
Por falar em hidrogênio, vamos relembrar de outro importante atributo
químico do solo: o potencial hidrogeniônico, ou pH do solo. Este atributo diz
respeito à quantidade de íons H+ presentes no solo. Quanto maior a concen-
tração de íons hidrogênio, mais ácido é o solo e menor será o valor de pH, já que:

NH 4+ .pH=-log éëêH+ ùûú

Por se tratar de um cátion, o íon H+ também poderá ser absorvido pela


CTC do solo, competindo com nutrientes por espaço neste “reservatório”.
Portanto, a concentração de hidrogênio exerce forte influência na fertilidade
do solo, por afetar sua capacidade em reter nutrientes.
Agora que você já conhece os mecanismos de retenção e disponibilização
de nutrientes no solo, vamos estudar as formas como estes nutrientes podem
ser perdidos.
A maneira mais comum de se promover o empobrecimento do solo é
por meio da redução do seu teor de matéria orgânica. Como vimos, este

Seção 2.1 / Degradação química do solo - 55


componente do solo exerce papel fundamental na restituição dos elementos
que foram absorvidos pelas plantas e outros organismos, e também é respon-
sável por incrementar a CTC do solo. Quando diminuímos a quantidade
de matéria orgânica do solo, reduzimos também sua capacidade de reter
nutrientes e seus estoques de liberação lenta.
Como já estudamos, a primeira grande perda de matéria orgânica
acontece quando o solo florestal é transformado em solo agrícola. Após este
grande impacto, a perda de matéria orgânica acontece de forma gradativa, à
medida que os cultivos subsequentes são realizados.
Além da degradação da matéria orgânica no solo, grandes quantidades
de material orgânico deixam as áreas de lavoura com as colheitas. No caso
de culturas anuais, a colheita retira da área de produção o material mais
rico em nutrientes, restando apenas a palhada, que em ambientes tropicais
é rapidamente decomposta. Nestas condições, se não houver um aporte de
material orgânico, pouco a pouco o teor de matéria orgânica no solo vai
sendo reduzido, e com ele parte da fertilidade também é perdida.
Já vimos também que a água pode provocar grandes problemas de
perda de solo e matéria orgânica, sobretudo em solos mal manejados, nos
quais a ausência de práticas conservacionistas leva à formação de enxur-
radas e, consequentemente, de processos erosivos. Nesse processo de
escoamento superficial, a água carrega consigo partículas de solo que têm
nutrientes aderidos. Assim, a erosão tem sido uma das grandes responsá-
veis pela perda da fertilidade natural dos solos, uma vez que remove sua
camada mais superficial, que contém a maior parte dos nutrientes e da
matéria orgânica. A água da enxurrada lava o solo em todos os sentidos,
pois consegue remover também os grânulos de adubo, bem como os sais já
dissolvidos na solução do solo.

Assimile
A solução do solo consiste na água presente nos poros do solo (parti-
cularmente em seus microporos), onde encontram-se dissolvidos os
nutrientes prontamente absorvíveis pelas plantas. De forma geral, a
maior parte dos nutrientes entram nas plantas por meio da absorção
da solução do solo. A fase aquosa do solo é responsável por manter em
equilíbrio a quantidade de nutrientes aderidos às partículas carregadas
do solo (complexo de troca) e as dissolvidas na solução. Desta forma, os
adubos adicionados ao solo, quando diluídos por esta solução, poderão
enriquecer o “reservatório” constituído pelas argilas e pela matéria
orgânica do solo.

56 - U2 / Processos de degradação do solo


A água que incide sobre um solo agrícola também pode causar perda
de nutrientes pelo seu transporte em profundidade, no perfil do solo. Este
processo, conhecido como lixiviação de nutrientes, é responsável pela perda
dos nutrientes que se encontram dissolvidos na solução do solo. A água
que se infiltra no perfil também poderá provocar a remoção de nutrientes
solúveis, que estejam fracamente ligados ao complexo de troca. Os nutrientes
lixiviados saem do alcance das raízes, podendo se fixar à CTC em camadas
mais profundas ou ser diluídos em reservatórios de águas subterrâneas e,
neste caso, podem gerar problemas de contaminação do lençol freático.
É importante salientar que essas situações não acontecem apenas pela
incidência de água de chuva, mas também podem ser ocasionadas pelo efeito
de irrigações superdimensionadas.
De forma geral, os solos arenosos estão mais sujeitos às perdas de nutrientes
promovidas pelo excesso de água que incide sobre ele, pois dispõem de um
percentual de microporos muito inferior ao observado em solos argilosos.
Sendo assim, são facilmente lavados pela água da chuva ou de irrigação.
Nestes solos, o manejo da matéria orgânica é fundamental para se manter
elevada a capacidade de retenção de nutrientes, devido ao seu comportamento
semelhante ao da argila, bem como a retenção da umidade, pois desempenha
papel fundamental na agregação de partículas e na estabilidade dos agregados,
o que, consequentemente, melhora a sua microporosidade.
Além das perdas ocasionadas pelas colheitas, erosão e lixiviação,
nutrientes podem ser perdidos também por volatilização, que consiste na
perda de nutrientes do solo para a atmosfera. Isto ocorre porque algumas
formas químicas são pouco estáveis e, quando em contato com o ar, se volati-
lizam. De acordo com Costa et al. (2004), a intensidade das perdas por este
processo é influenciada pela combinação de fatores como as práticas de
manejo do solo, as condições climáticas e as características do solo.

Exemplificando
O nitrogênio é o elemento mais afetado pela volatilização de seus
compostos. Neste processo, o amônio ( NH 4+ ) presente em adubos
químicos e orgânicos tem seu íon de hidrogênio ( H+ ) adicional
removido por outro íon de carga oposta, como é o caso das hidroxilas
( OH- ), dando origem à uma molécula de amônia ( NH3 ), que é mais
instável e pode se volatilizar para a atmosfera. O pH elevado do solo
estimula essa transformação, pois é rico em OH- - livres. Este processo
é comumente observado em adubações feitas com ureia, em cobertura
e sem incorporação ao solo, o que aumenta muito a possibilidade de
perdas por volatilização (MOTA, 2013).

Seção 2.1 / Degradação química do solo - 57


Considerando o exemplo utilizado, você pôde verificar que alguns adubos
nitrogenados, como a ureia, são chamados de adubos de reação ácida, pois em
seu processo de transformação química liberam íons H+ no solo. Conforme já
estudamos, o aumento da concentração de íons hidrogênio afeta o pH do solo,
tornando-o mais ácido. Esta é apenas uma das formas de acidificar o solo.
Alguns solos podem ser ácidos por natureza, devido às características de
seu material de origem ou por consequência do processo de intemperização,
que gera maiores teores de hidrogênio e alumínio (EMBRAPA, [s.d.]). Porém,
a atividade agrícola pode intensificar o processo de acidificação por meio de
suas práticas, seja pela exportação ou lixiviação de nutrientes, pela aceleração
da decomposição da matéria orgânica e, como vimos, até pela correção da
fertilidade, como é o caso do uso de adubos de reação ácida (EMBRAPA,
[s.d.]; CIOTTA et al., 2002). Além da adubação química, outros fatores podem
afetar o pH do solo, tornando-o mais ácido, conforme veremos a seguir.
Um dos produtos resultantes do metabolismo dos organismos do solo é
o CO2 . Este gás reage com a água formando HCO3 e liberando H+ no solo.
Outra reação química que promove a acidificação do solo é desencadeada
pela presença do Al 3+ . Solos com altas concentrações desse elemento tendem
a ser mais ácidos, pois o alumínio reage com a água do solo, formando hidró-
xido de alumínio e liberando íons de hidrogênio, processo conhecido como
a hidrólise do alumínio (LOPES; SILVA; GUILHERME, 1991). Os mesmos
autores ressaltam ainda que a decomposição da matéria orgânica constitui
um processo natural de acidificação do solo, pois ao ser degradada pelos
organismos do solo libera amônia ( NH3 ) que, na presença de oxigênio, é
transformada em nitrato ( NO3 ), liberando íons H+ no solo.
Apesar de estar mais restrito às regiões áridas e semiáridas, a salinização
também é um problema de degradação química do solo. Sua ocorrência
está associada ao uso inadequado das técnicas de manejo de fertilidade e
irrigação. Apesar de ser intensificada pela ação do homem, a salinização tem
origem no processo de formação dos solos, quando as condições do clima,
o relevo e o material de origem atuam de maneira singular para formação
de solos contendo camadas com altas concentrações de sais (PEDROTTI
et al., 2015). Essa condição gera uma falsa impressão de que os solos não
apresentam restrições ao uso agrícola sendo, portanto, cultivados.
Por ocorrerem em regiões com restrições hídricas e baixa pluviosidade,
normalmente os cultivos nestes solos são irrigados. Como vimos anterior-
mente, o excesso de irrigação promove a infiltração da água em profun-
didade, que atinge as camadas salinas. Quando isso acontece, os sais são
diluídos na água de irrigação que se infiltrou formando uma solução, com
uma concentração de sais muito mais alta do que normalmente observamos

58 - U2 / Processos de degradação do solo


na solução do solo. Conforme a umidade do solo vai sendo evaporada de
suas camadas mais superficiais, a solução salina é “bombeada” para a super-
fície, levando consigo os sais diluídos. Ao atingir a superfície do solo, a água
desta solução salina se evapora e restam os sais, que agora se concentram na
superfície do solo. Em alguns casos é possível observar a formação de uma
crosta de cristais salinos sobre o solo, utilizada com indicadores de solos
salinizados.
Em outra condição de solos, a salinização pode ocorrer devido ao uso
de águas salobras na irrigação. Assim, à medida que a água aplicada pela
irrigação é absorvida pelas plantas e evaporada, aumenta-se a concentração
de sais no solo. Dessa maneira, um solo que naturalmente não apresentava a
formação de camadas com alta concentração de sais passa a se tornar salino
pelo aporte desses elementos, feito pela água de irrigação.
A salinização também pode ser provocada pelo uso excessivo de adubos
químicos. Esta situação é mais comumente observada em solos cultivados
com espécies altamente exigentes do ponto de vista nutricional. O cultivo de
hortaliças em solo protegido constitui um ambiente favorável à salinização,
pois são usadas altas doses de adubos químicos e o ambiente é protegido da
chuva, portanto, o fornecimento de água é restrito à irrigação localizada.
Nessa situação, a restrição de água favorece o acúmulo de sais na camada
mais superficial do solo, uma vez que não há excesso de água para trans-
portar parte desses sais para fora deste sistema.
Tanto no caso da acidificação do solo quanto na sua salinização ocorrem
desequilíbrios químicos entre os elementos presentes na solução do solo, e
também entre os elementos aderidos ao complexo de troca (cargas presentes
nas argilas e matéria orgânica). Nestas situações, os espaços destinados
aos nutrientes são ocupados por elementos capazes de causar toxidez nas
plantas, ou seja, se absorvidos em grandes quantidades promoverão distúr-
bios químicos no metabolismo vegetal, prejudicando – ou até interrom-
pendo – seu ciclo de vida. No caso de solos salinos, a concentração de sais
pode ser alta o bastante para promover a desidratação das raízes, levando
as plantas à morte.
Diante do que foi posto, você deve estar se perguntando: como fazer para
identificar as situações descritas anteriormente?
A degradação química do solo pode gerar alguns efeitos que são obser-
váveis a campo, sendo assim, constituem indicadores de aspectos químicos
do solo. Porém, existem aspectos que somente poderão ser identificados
por meio de análises laboratoriais, conforme veremos na Seção 3 desta
Unidade

Seção 2.1 / Degradação química do solo - 59


Assim, para uma análise rápida da ocorrência de distúrbios químicos no
solo, podemos lançar mão da observação desses indicadores a campo. Nesse
sentido, a ocorrência de alguns tipos de plantas podem ser um indicador
das características químicas do solo, pois são adaptadas às condições consi-
deradas adversas para o desenvolvimento de lavouras comerciais. Como
exemplo, podemos citar a samambaia, muito comum em pastagens degra-
dadas: sua presença indica a ocorrência de solos ácidos, com altos teores de
alumínio. Neste caso, à medida que o solo vai se tornando mais ácido, cria
uma condição desfavorável para o desenvolvimento das gramíneas forra-
geiras; em contrapartida, proporciona ambiente favorável ao crescimento da
samambaia, que passa a dominar a paisagem.

Pesquise mais
Muitas outras plantas podem ser utilizadas como indicadores da quali-
dade química do solo. Para conhecer um pouco mais sobre o assunto
visite o site do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.
BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 34. Plantas
indicadoras – Parte 1.pdf.
BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 35. Plantas
indicadoras – Parte 2.pdf.

Considerando o que foi posto até aqui, parece ser muito mais fácil
cometermos erros do que acertos quando o assunto é manejo do solo. Isto
somente será verdade se durante nossa atuação profissional ignorarmos o
conhecimento adquirido. Todas as situações de degradação descritas até
aqui, decorrem da ignorância e da negligência por parte daqueles que fazem
uso do solo. Por isso não se preocupe, pois tenho certeza que você fará a
diferença nestes casos.

Sem medo de errar


Agora que você conhece um pouco mais sobre os problemas que podem
gerar a degradação dos atributos químicos do solo, poderemos partir para a
resolução da situação-problema proposta nesta seção. Assim, como primeiro
desafio em seu novo emprego, você precisa identificar por qual motivo uma
das unidades produtoras da empresa em que trabalha vem apresentando
declínio de produtividade mesmo quando é mantido o padrão de adubação
e outros tratos culturais.
Você começou bem o seu trabalho, fazendo um levantamento do histórico
de uso da área e conhecendo suas características principais. Em relação a essas

60 - U2 / Processos de degradação do solo


características, três informações serão bastante úteis para a compreensão do
problema: o solo arenoso, o baixo teor de matéria orgânica e a distribuição
de chuvas, que neste caso é intensa e concentrada no verão. Estes três fatores
juntos geram uma condição peculiar, que torna esse tipo de solo muito sensível
à perda de nutrientes, principalmente pelo processo de lixiviação.
Solos arenosos são muito porosos, portanto têm grande capacidade de
absorver água, que se infiltra e desloca facilmente através de seu perfil. Esses
solos são pobres em argila e, no caso estudado, apresentam ainda baixo
teor de matéria orgânica. Sendo assim, têm baixa capacidade e reter água e
nutrientes. Dessa forma, quando sujeitos à pluviosidade intensa ou irrigações
superdimensionadas, a adubação feita é lavada pela água, que transporta os
nutrientes para as camadas mais profundas desses solos, tornando-os indis-
poníveis para as culturas.
Diante dessas observações, podemos inferir que o solo desta unidade
produtora apresenta baixa capacidade de reter os nutrientes aplicados por
meio da adubação, tornando-se mais pobre a cada colheita e chuva intensa.
Em qualquer tipo de solo, a recomendação de adubação deve ser reali-
zada com base no resultado da análise química deste solo, que deve ser feita
pelo menos a cada dois anos, pois como vimos, muitos fatores naturais ou
antrópicos alteram gradativamente as características químicas do solo, como
pH e fertilidade.
No caso do solo alvo de nosso estudo, as adubações vinham sendo reali-
zadas com base em uma recomendação no mínimo oito anos defasada,
mostrando-se insuficiente para atender as necessidades da cultura e fazer
com que o solo atingisse seu potencial máximo de produtividade.
Um ponto importante para se melhorar a condição deste solo é
realizar o manejo da matéria orgânica, uma vez que não é possível
incrementarmos o seu teor de argila. Com isso, é possível aprimorar a
estrutura do solo, estimulando a formação de agregados, o que, por sua
vez, proporcionará um aumentando da sua microporosidade. Portanto,
elevando-se o teor de matéria orgânica, podemos promover um aumento
da CTC do solo, de sua capacidade de reter a água e, consequentemente,
dos nutrientes na solução do solo.
Como considerações finais, é importante destacar que mesmo em
situações nas quais se realiza o manejo do solo seguindo-se recomenda-
ções técnicas, podemos causar a sua degradação, quando esse manejo não
é feito de forma adequada. Neste caso, o mau uso da informação técnica
afetou a fertilidade do solo, comprometendo sua capacidade produtiva.
Observamos ainda que a análise das características do solo degradado da
área em questão nos permitiu identificar o tipo e o grau de degradação que

Seção 2.1 / Degradação química do solo - 61


a atividade agrícola havia imprimido àquele solo. Com isso, finalizamos
com sucesso mais esse desafio.

Avançando na prática

Salinização do solo em ambientes protegidos

Descrição da situação-problema
Em um determinado município do semiárido brasileiro, foi construído
um canal que trazia parte da vazão de um grande rio que cortava a região.
Esta obra permitiu que muitos produtores rurais passassem a utilizar a água
para promover a irrigação de pequenas áreas agrícolas, com o objetivo de
produzir alimentos para a subsistência da comunidade rural do município.
Após o preparo do solo e a instalação dos sistemas de irrigação deu-se
o plantio. As primeiras colheitas foram fartas, atendendo a expectativa e a
demanda da população. Porém, com o passar do tempo, a produtividade
começou a cair na maioria das propriedades que foram beneficiadas pelo
canal. Nessa ocasião você fazia estágio curricular em uma empresa de assis-
tência técnica da região, que foi chamada para avaliar o que poderia ter
acontecido.
Ao chegar no local, os agrônomos extensionistas conversaram com os
produtores e logo perceberam que não se utilizava critério algum para realizar
a irrigação, e a maioria dos produtores aplicavam mais água do que o neces-
sário. Em visita às lavouras, você notou que o solo tinha grandes manchas
esbranquiçadas e que as plantas não apresentavam aspecto saudável. Ao ver
este cenário, sua curiosidade foi aguçada. O que estava acontecendo naquelas
propriedades?

Resolução da situação-problema
Após a conversa com os produtores e visita à área de produção, os
agrônomos se reuniram para debater sobre o diagnóstico realizado no campo.
Ao escutar as observações feitas pelos extensionistas, você se lembrou da aula
sobre salinização do solo, recordando que era muito comum a ocorrência de
solos com uma camada de alta concentração de sais. Baseado nessas informa-
ções, você questionou os agrônomos se o problema era de salinização do solo,
ao que estes responderam que sim, e passaram a explicar o que havia ocorrido.

62 - U2 / Processos de degradação do solo


Considerando que a região do semiárido está sujeita à ocorrência de
solos com altas concentração de sais em suas camadas mais profundas, não
foi difícil perceber que o manejo equivocado da irrigação colocou água em
excesso no solo, fazendo com que a umidade atingisse a camada de sais,
promovendo sua solubilização. Com o processo de umedecimento e secagem
do solo, os sais dissolvidos na umidade ascenderam ao perfil do solo,
passando a se concentrarem na sua superfície, tornando-a esbranquiçada.
O aumento da quantidade de sais na região mais superficial do solo afetou o
desenvolvimento das plantas, o que reduziu sua produtividade, como conse-
quência do efeito tóxico destes elementos.

Faça valer a pena

1. Em alguns casos, o diagnóstico realizado no campo pode ser a única forma de


se constatar a degradação dos atributos químicos do solo. Nessas situações, o uso de
indicadores ambientais pode auxiliar bastante o trabalho do agrônomo na identifi-
cação de solos degradados.
Nas alternativas a seguir identifique aquela que apresenta um indicador de solos
ácidos, ricos em Al3+.

a) A ocorrência de samambaias.
b) A formação de cristais salinos sobre o solo.
c) A ocorrência de gramíneas forrageiras.
d) A infestação por gafanhotos.
e) A formação de sulcos erosivos.

2. A perda de nutrientes do solo constitui um dos principais problemas de degra-


dação química do solo, pois além de promover a redução de sua fertilidade, pode
desencadear impactos como a contaminação do lençol freático. Sobre este tema,
analise os itens a seguir:
I) Erosão hídrica do solo.
II) Lixiviação.
III) Redução no teor de matéria orgânica do solo.
IV) Volatilização.

São fenômenos que promovem a perda de nutrientes do solo os apresentados nos itens:
a) Apenas I e III.
b) Apenas II e IV.
c) Apenas I, II e III.
d) Apenas II, III e IV.
e) I, II, III e IV.

Seção 2.1 / Degradação química do solo - 63


3. Em nossos estudos, pudemos verificar que a matéria orgânica constitui um compo-
nente muito importante do solo, pois influencia vários de seus atributos. A redução do
teor de matéria orgânica no solo é, portanto, um fator de degradação da sua qualidade.
Sobre o tema, analise as afirmativas a seguir e verifique se são verdadeiras ou falsas.

I) Solos ricos em matéria orgânica têm maior capacidade de reter a umidade.


II) A presença de matéria orgânica no solo não interfere em sua capacidade de troca
catiônica (CTC).
III) A formação e estabilidade dos agregados é potencializada pela presença de
matéria orgânica no solo.

Assinale a alternativa correta, em que I, II e III são respectivamente:


a) V - V - V.
b) V - V - F.
c) V - F - V.
d) F - V - F.
e) F - F - F.

64 - U2 / Processos de degradação do solo


Seção 2.2

Degradação física do solo

Diálogo aberto
Caro estudante, quando falamos em degradação do solo é bem provável
que a primeira imagem que lhe ocorra seja a de um solo erodido, com grandes
sulcos e quase nenhuma cobertura vegetal. Isso porque esse cenário é bem
comum em nosso país e um dos mais importantes fenômenos de degradação
de solos e do ambiente como um todo. De acordo com o que vimos até aqui,
pudemos verificar que a degradação do solo é um assunto mais complexo
e que a perda de sedimentos pela erosão é consequência de uma série de
eventos que são desencadeados pela transformação de uma área natural em
agrícola. Sendo assim, nesta seção buscaremos nos aprofundar um pouco
mais no processo de degradação das propriedades físicas do solo e, para
começar nosso trabalho, vamos analisar a próxima situação-problema.
Lembre-se de que agora você trabalha em uma grande empresa
agrícola, na qual atua como responsável pela gestão dos solos de suas
unidades produtoras e, sendo assim, deverá atualizar seus técnicos
quantos às práticas mais adequadas ao manejo do solo para cada
situação. Continuando seu trabalho no setor de solos, você foi desig-
nado para verificar os problemas observados em uma fazenda locali-
zada em uma região onde o verão é muito chuvoso, sendo comum as
chuvas atrapalharem as operações mecanizadas. Em visita ao local, você
repetiu o procedimento rotineiro de entrevistar o técnico de campo para
o levantamento de informações sobre o manejo da área em questão. A
princípio, nada de estranho, como a ocorrência de pragas ou doenças,
foi revelado durante a conversa com o técnico, mas o problema apontado
era bastante curioso. Segundo seu relato, o cultivo vinha sendo realizado
seguindo-se os mesmos procedimentos já há seis anos, entretanto, nos
últimos dois anos de cultivo as lavouras se tornaram menos resistentes
à ocorrência de períodos de estiagem, comuns no verão daquele local,
mas por se tratar de um solo argiloso com alta capacidade de retenção de
água, as plantas atravessavam os períodos secos sem apresentar nenhum
sintoma de deficiência hídrica, diferente do que vinha sendo observado.
Após consultar as informações climáticas da região, você constatou que o
volume de chuvas e sua distribuição ao longo do verão havia sido bastante
regular, não justificando a mudança de comportamento da lavoura. Foi
aí que você realizou uma visita às áreas de produção e, na ocasião de sua
visita, havia uma lavoura de soja já em final de ciclo, porém com claros

Seção 2.2 / Degradação física do solo - 65


sinais de baixa produtividade e aparência murcha. Ao arrancar uma
planta do solo, percebeu que ela saiu facilmente e que suas raízes estavam
bastante contorcidas, não apresentavam indicativo de ataque de pragas
ou de nematoides. Outro detalhe lhe chamou a atenção: o solo tinha sua
superfície lavada por uma erosão laminar que se transformava em sulcos
mais profundos nas áreas de maior declive. O que poderia estar aconte-
cendo naquela situação? Seria possível chegar a uma conclusão apenas
pelas observações realizadas a campo?
Você acredita que é possível chegar a uma conclusão sobre qual é o
problema como o solo desta unidade produtora, sem a necessidade de se
realizar uma análise laboratorial?
Temos a certeza de que a partir do estudo desta unidade você será capaz
de apontar o responsável pela situação descrita pelo técnico de campo. Então
vamos juntos buscar a solução para este problema.
Bom estudo!

Não pode faltar

Prezado estudante, você já deve ter notado que no conteúdo estudado


até aqui já vínhamos falando sobre a degradação das propriedades físicas
do solo, e isto porque o processo de transformação do solo gerado pela
atividade agrícola é dinâmico, afetando simultaneamente diferentes
propriedades do solo.
Nesta seção, nos aprofundaremos um pouco mais no estudo das
propriedades físicas do solo, que são diretamente afetadas pelo processo de
degradação, buscando entender como estas transformações acontecem de
fato e também alguns indicadores que possam nos auxiliar no diagnóstico
de campo.
Para isso, iniciaremos apresentando as características físicas fundamen-
tais que influenciam a compactação e degradação do solo: textura, estrutura
e porosidade do solo.
Iniciaremos pela definição da textura do solo, é uma característica
morfológica que o diferencia quanto à proporcionalidade dos componentes
granulométricos de sua fase mineral. Afeta significativamente a dinâmica
da água no solo, bem como suas propriedades químicas, portanto, sua
avaliação é muito importante para a determinação do manejo e uso
adequados do solo (EMBRAPA, 2018). A Tabela 2.1 apresenta as classes de
tamanho utilizadas para a classificação das partículas do solo.

66 - U2 / Processos de degradação do solo


Tabela 2.1 | Classes de tamanho utilizadas para análise da granulometria do solo

Classes de tamanho Tamanho de partículas (mm)

Argila < 0,002

Silte 0,002 – 0,05

Areia fina 0,05 – 0,2

Areia grossa 0,2 – 2,0

Cascalho 2,0 – 20,0

Calhau 20,0 – 200,0

Matacão >200,0

Fonte: adaptada de Oliveira (1979, [s.p.]).

De forma genérica, a textura do solo pode ser identificada no campo,


porém um diagnóstico mais preciso requer uma análise laboratorial.
É importante destacar que a textura do solo está relacionada ao tamanho
de suas partículas minerais, sendo assim, devemos nos lembrar de que
estas partículas podem se encontrar unidas formando a estrutura do solo.
Esta é uma propriedade do solo que busca caracterizar a forma como os
componentes granulométricos se unem para formar os agregados do solo.
Como já discutimos anteriormente, um dos principais agentes que promove
estas ligações é a matéria orgânica, e alguns elementos químicos como os
óxidos de ferro e alumínio, carbonatos e sílica também exercem esta função
(EMBRAPA, 2018). Segundo o mesmo autor, a estrutura exerce grande influ-
ência no desenvolvimento radicular das plantas, no armazenamento e na
disponibilidade de água e nutrientes, bem como na resistência à erosão. A
estrutura do solo pode ser caracterizada quanto a três aspectos:
• Tipo: laminar, prismática, colunar, blocos angulares, blocos suban-
gulares, granular.
• Tamanho: muito pequena, pequena, média, grande, muito grande.
• Grau de desenvolvimento: solta, fraca, moderada, forte.
Pensando na forma como as partículas de solo se arranjam para formar
os agregados e como estes se distribuem no solo, fica fácil imaginar que, nas
duas situações, haverá espaços que não serão preenchidos nem por partículas
minerais nem pelos agregados. Estes espaços são conhecidos com a porosi-
dade do solo. Diante do que foi posto, podemos dizer que esta propriedade do
solo apresenta correlação com a textura e a estrutura do solo. Considerando a
diversidade de tamanhos, formas e arranjos possíveis da fase sólida do solo, a

Seção 2.2 / Degradação física do solo - 67


dimensão dos poros também pode variar bastante. De forma geral, a porosi-
dade do solo pode ser dividida em macroporosidade e microporosidade.
Os macroporos são constituídos pelos espaços de maior tamanho, estabe-
lecidos entre as partículas e agregados do solo. Devido ao seu tamanho, têm
baixa capacidade de reter a água, e normalmente encontram-se ocupados
por ar.
Os microporos, por sua vez, são espaços muito pequenos, formados no
interior dos agregados. Devido ao seu tamanho reduzido, quando hidra-
tados, apresentam alta capacidade de retenção de água, e normalmente estão
preenchidos pela solução do solo.
Conforme já vínhamos discutindo em nossos estudos, estas propriedades
físicas do solo são fundamentais quando o assunto é conservação pois, por
meio do seu conhecimento, podemos não só indicar o melhor uso e técnicas
de manejo adequadas para o bom desenvolvimento das atividades agrícolas,
como também dimensionar a estratégia mais eficiente para a recuperação de
solos degradados.
De maneira geral, a degradação física do solo decorre da alteração das
suas condições originas de estrutura e porosidade, que decorrem das altera-
ções ambientais promovidas pelo homem, tais como o desmatamento e o
manejo inadequado solo, entre outras ações já discutidas anteriormente.
Neste contexto, vamos resgatar alguns conceitos para compreender o início
do processo e como acontece a sua evolução.
Sabemos que a matéria orgânica desempenha um importante papel na
manutenção da qualidade do solo, em um nível desejável para o desenvol-
vimento de atividades agrícolas. Entretanto, paradoxalmente, são estas as
atividades responsáveis por acelerar o processo de degradação da matéria
orgânica do solo, reduzindo seu teor a taxas que comprometem a sua estabi-
lidade. Assim, ao promovermos a redução da matéria orgânica, diminuímos
a estabilidade de seus agregados, que se tornam mais suscetíveis à desagre-
gação promovida, principalmente, pela mecanização agrícola.
Os solos com textura mais argilosa tendem a manter a estabilidade de
seus agregados, mesmo em condições de baixo teor de matéria orgânica. Isto
se deve ao fato de as argilas apresentarem em sua superfície cargas elétricas
que favorecem uma forte ligação entre as partículas de solo.
Esta condição, apesar de favorável para manter a estrutura estável, pode
acelerar a formação de camadas compactadas no solo. Isto acontece porque
os agregados formados essencialmente pela influência das argilas, quando
sofrem a pressão imposta pelo peso de máquinas e implementos se deformam

68 - U2 / Processos de degradação do solo


e, devido ao rearranjo das argilas, formam uma estrutura muito coesa que,
mesmo após cessada a pressão, não retomam sua condição original. Em
argilosos esta condição é severamente agravada quando o preparo do solo
ou mesmo o trânsito de máquinas acontece com o solo muito úmido, pois a
água favorece o rearranjo das argilas. Ao secar, os torrões de solo formados
tornam-se muito resistentes, podendo impedir a germinação ou o desenvol-
vimento das plântulas.

Exemplificando
Um bom exemplo para ilustrar a situação descrita anteriormente é a
produção de objetos de barro, como tijolos. A fabricação dessas peças
utiliza como matéria-prima um material basicamente composto de
argila, que deve ser homogeneizado sob pressão e alta umidade. Este
processo visa eliminar o ar existente, distribuir de forma equilibrada a
umidade e promover o rearranjo das argilas. Uma vez homogeneizado,
o material é prensado em formas e levado para secar naturalmente.
Após está secagem prévia, as peças são cozidas em forno, de forma a
se eliminar toda a umidade residual da peça. O resultado é um material
muito coeso, denso e compacto que apresenta alta resistência à quebra.
Analogicamente, o preparo de solo e o trânsito de máquinas sobre um
solo argiloso, quando em um solo trabalhado acima da faixa de umidade
adequada, assemelha-se à argila que é homogeneizada para a produção
de tijolos. Os torrões, formados pelo revolvimento promovido por
arados e grades, ao se secarem, transformam-se em verdadeiros tijolos,
cozidos pelo calor do sol tropical.

Efeito mais prejudicial pode ser observado nas camadas subsuperficiais,


localizadas abaixo do limite de corte dos arados. Nesta região do solo dois
processos podem se combinar para a formação de uma camada de compac-
tação. O primeiro deles decorre da passagem dos arados que, ao cortarem o
solo molhado, promovem a formação de uma superfície “espelhada”. Quando
seca, esta superfície transforma-se em uma fina camada de impedimento
físico que funcionará como uma barreira à infiltração de água e ao cresci-
mento de raízes.
Outro processo que pode promover a formação de uma camada compac-
tada de solo decorre do processo de desagregação das partículas finas que
compõe os agregados, como o silte e a argila. Quando soltas, estas partículas
são facilmente transportadas pela água que incide sobre o solo, seja da chuva
ou de irrigação, podendo ser levada para fora do sistema pela formação de
enxurradas ou ser carreadas em profundidade através da porosidade do solo.
À medida que se infiltram, promovem o entupimento dos poros, formando

Seção 2.2 / Degradação física do solo - 69


uma faixa de sedimentação que pode ser compactada pela pressão exercida
pelo peso das máquinas. Neste sentido, é importante destacarmos que quanto
melhor for a distribuição do peso das máquinas menor será a pressão sobre o
solo, e aspectos como a largura e calibragem da máquina devem ser conside-
rados, pois quando bem dimensionados reduzem a energia de compactação
exercida pelo maquinário.
Em ambos as situações, a compactação da camada subsuperficial do solo
tende a evoluir, caso os processos que desencadearam sua formação não cessem.
Observe que em condições em que se tem solos ricos em matéria
orgânica, estes tendem a ser mais resistentes aos processos descritos, uma vez
que, diferentemente das argilas, a cimentação das partículas do solo promo-
vida pela matéria orgânica dá origem a agregados menos suscetíveis à defor-
mação ou à desagregação causadas pelo revolvimento do solo e pelo trânsito
de máquinas. Isto acontece porque este agente cimentante funciona como
uma esponja, sendo capaz de se deformar sob pressão e retomar sua forma
original quando a pressão cessa.

Pesquise mais
Muitos estudos têm comprovado o efeito benéfico da matéria orgânica
nas propriedades biológicas, químicas e físicas do solo. O artigo Matéria
orgânica do solo, disponibilizado pela Embrapa, traz um apanhado de
informações sobre o assunto.
CUNHA, T. J.; MENDES, A. M. S.; GIONGO, V. Matéria Orgânica do Solo.
In: NUNES, R. R.; REZENDE, M. O. O. (Org.). Recurso solo: propriedades e
usos. São Carlos: Cubo, 2015.

Agora que entendemos um pouco melhor como acontece a compactação


do solo, vamos aprofundar nosso conhecimento sobre outro processo de
degradação física do solo, que pode ser desencadeado ou intensificado pela
sua compactação: a erosão.
A erosão dos solos tem se mostrado como o principal responsável pela
perda da qualidade dos solos agrícolas, limitando o seu potencial produtivo e
causando ainda uma série de impactos ambientais na qualidade da água dos
corpos hídricos que recebem o escoamento superficial desses locais.
Na realidade, a erosão é um processo natural de transformação da
paisagem, ocasionado pela ação dos agentes do intemperismo sobre as
rochas e o material mineral gerado de sua decomposição. Em nossos estudos,
vimos que as atividades humanas promovem a aceleração e intensificação
desses processos, pois alteram profundamente a paisagem e o equilíbrio

70 - U2 / Processos de degradação do solo


naturalmente estabelecido. Vimos também que a instalação ou intensificação
de processos erosivos se dá pela remoção da proteção exercida pela vegetação
original e pela cobertura de matéria orgânica do solo.
Quando falamos de erosão do solo, devemos considerar que neste
processo atuarão forças que causarão a desestabilização dos agregados do
solo e que promoverão o transporte dos materiais resultantes do processo
de degradação.
A desagregação das partículas do solo é ocasionada quando a força que
incide sobre os agregados é maior do que a força que os mantém coesos. Em
solos agrícolas, a energia contida nas gotas de chuva, no preparo do solo, no
trânsito de animais e de máquinas sobre o terreno é capaz de promover a
destruição de seus agregados. Como vimos, solos úmidos e com baixo teor
de matéria orgânica tendem a ser mais suscetíveis à desagregação de suas
partículas.
As partículas de solo, resultantes do processo de desagregação, encon-
tram-se soltas sobre a superfície do solo, podendo ser transportadas pelo
vento e/ou água.
A erosão eólica (provocada pelo vento) é responsável pela movimentação
do solo, promovendo o transporte do material mais fino, podendo provocar
perdas de produtividade, uma vez que o material carreado pode se depositar
na superfície das folhas, diminuindo a absorção de luz e, consequentemente,
a fotossíntese.
A erosão hídrica pode ser caracterizada como um processo de escoa-
mento superficial em que podemos observar a desagregação, transporte e
deposição de partículas de solo, nutrientes e matéria orgânica (DECHEN et
al., 2015). Estes autores destacam ainda que a ocorrência e a intensidade de
uma erosão são função da erosividade da chuva, erodibilidade do solo e da
presença e qualidade da cobertura do solo, entre outros fatores.
Do ponto de vista agrícola e comparando-se com a erosão hídrica, a
erosão eólica não tem gerado grandes perdas, uma vez que nossas condições
de clima não são muito favoráveis à ocorrência deste fenômeno. Já a erosão
hídrica, provocada pela força das águas, tem grande importância para os solos
sob o clima tropical, uma vez que nestes ambientes é comum a ocorrência de
altos índices pluviométricos. É a forma mais comum de degradação dos solos
agrícolas no Brasil, constituindo um fator de grande preocupação.

Seção 2.2 / Degradação física do solo - 71


Assimile
Erosividade: fator ou capacidade medida da intensidade dos
diferentes agentes geológicos (chuva, em especial, gelo, vento, rios,
mares) em promover a erosão de um determinado tipo de solo ou
terreno geológico.
Erodibilidade: fator ou capacidade medida de diferentes tipos de solo
ou terrenos geológicos de serem erodidos por um determinado agente
geológico com definida intensidade de ação. A erodibilidade pode ser
definida de forma mais específica como:

“ Razão de erosão dos solos, dada por uma quantidade K, quanti-


ficada como a perda de um lote unitário de solo não cultivado
de 22m de extensão, posicionado numa encosta plana de 9% de
declividade, variando entre valores de ~0 a 0,6 (SIGEP, [s.d.]).

Neste contexto, devemos recordar que a erosão somente acontecerá


quando as condições forem desfavoráveis à infiltração da água no solo,
condição essa que poderá ocorrer, principalmente em:
• Solos saturados: independentemente da condição de porosidade do
solo, em situações em que a ocorrência de chuvas se dá por um período
prolongado (ou precipitação intensa em curto espaço de tempo), pode
haver a saturação de água no solo devido à capacidade limitada de infil-
tração de toda a água que precipita.
• Solos densos ou compactados: solos que apresentam porosidade
reduzida por serem naturalmente mais densos ou por terem sido
compactados.
• Solos com camada subsuperficial compactada: esta camada, conhe-
cida como pé-de-arado ou pé-de-grade, formada pelo uso de arados e
grades em condição de solo úmido, constitui um impedimento físico
à infiltração de água.
Em todas as situações descritas, o excesso de água que não se infiltra no
solo escoará superficialmente, e transportará consigo material leve e solto que
estiver sobre a sua superfície. Este tipo de erosão, conhecida como laminar,
ocorre de forma mais ou menos homogênea por toda a superfície em que
atua, sem que haja a formação de caminhos preferenciais de água.
Alguns fatores corroboram para tornar a erosão do solo mais intensa e,
portanto, mais destrutiva. O primeiro diz respeito ao volume de água que
escoa superficialmente. Quanto maior a quantidade de água maior também
será a energia da enxurrada.

72 - U2 / Processos de degradação do solo


Outros fatores estão associados às características do terreno percorrido
pela enxurrada: declividade, extensão da rampa e rugosidade do terreno.
Terrenos muito íngremes, com grande extensão de rampa e baixa rugosidade
apresentam as condições extremas que potencializam o poder destrutivo das
enxurradas pois, em todos os casos, favorecem a aceleração do escoamento
superficial. Nestas situações é que, além de transportar o material solto, a
enxurrada passa a ter energia suficiente para escavar o terreno, dando origem
à formação de sulcos erosivos. Solos pouco estruturados, com baixos teores
de argila e matéria orgânica, constituem um ambiente ideal para o aprofun-
damento e alargamento dos sulcos erosivos que podem evoluir até caracteri-
zarem voçorocas.
Áreas tomadas por voçorocas normalmente perdem sua capacidade
produtiva e sua função ecológica. Nestas condições, acabam sendo abando-
nadas, pois sua recuperação é economicamente inviável.

Reflita
Ao definir erosão hídrica, destacamos que se trata de um processo de
escoamento superficial, capaz de promover a desagregação, transporte
e deposição de partículas de solo, nutrientes e matéria orgânica. É fato
que este processo causa grandes impactos ambientais, principalmente
por constituir uma fonte de contaminação da água ao transportar ferti-
lizantes e outros insumos para dentro dos corpos hídricos. Mas, além
destes impactos, a erosão pode gerar também grandes prejuízos econô-
micos, tanto aos produtores rurais quanto aos usuários dos corpos
hídricos afetados pela erosão. Você seria capaz de listar quais são os
prejuízos que estamos considerando? Quais medidas podem auxiliar na
resolução desse problema?

Como vimos, a degradação física do solo poderá exercer forte influ-


ência sobre a capacidade produtiva de sistemas agrícolas. De forma geral,
a deterioração da estrutura e da porosidade dos solos afetarão a dinâmica
da água no solo. Uma vez que limitamos a capacidade do solo em absorver
e reter a água, iremos interferir também no comportamento da matéria
orgânica e dos nutrientes do solo, pois todos são fortemente influenciados
pela sua umidade.
Diante deste cenário, podemos dizer que os principais indicadores da
degradação física do solo estão associados com a questão hídrica no sistema
solo-planta. Assim, a ocorrência de áreas com baixa resistência a curtos
períodos de seca ou que apresentam murcha de plantas sem razão aparente
podem estar sofrendo as consequências de solos compactados, em que o

Seção 2.2 / Degradação física do solo - 73


desenvolvimento de raízes é limitado e a capacidade de infiltração e armaze-
namento de água são comprometidos.
Este sintoma pode ser confundido com o ataque de pragas ou com
a ocorrência de doenças de solo. Para evitar conclusões equivocadas, é
recomendável a análise do sistema radicular das plantas. Assim, no caso de
impedimento físico, as raízes terão aparência saudável, porém apresentarão
aspecto retorcido e crescimento limitado à região subsuperficial do solo,
proveniente do espaço inadequado para desenvolvimento (o solo limita a
penetração). O surgimento de áreas permanentemente encharcadas também
pode indicar a ocorrência de solos impermeáveis devido à compactação.
Diante de tudo que foi discutido até aqui, podemos concluir que os
processos de transformação promovidos nos solos agrícolas afetam suas
propriedades químicas e físicas. Evitar a degradação dessas características é
uma questão de se reconhecer as fragilidades e limitações de cada solo antes
de se determinar seu uso e as respectivas técnicas de manejo.
Agora que você já conhece os processos erosivos do solo, esperamos que
eles possam contribuir na sua futura profissão.

Sem medo de errar


Prezado estudante, estamos certos de que o conteúdo estudado nesta
seção proporcionou a você o conhecimento suficiente para resolver a situação
proposta, em você foi situado como engenheiro agrônomo de uma empresa
rural responsável pela manutenção da qualidade dos solos de suas unidades
produtoras. Em visita a uma dessas unidades, foi constatado um problema
que, pelas suas observações de campo e interpretação das informações levan-
tadas, decorria da compactação do solo. Ao chegar a este diagnóstico, o
técnico que lhe acompanhava na ocasião ficou surpreso e indagou como você
havia chegado a esta conclusão.
De acordo com o conteúdo estudado, pudemos verificar que a formação
de uma camada de solo compactada pode ser ocasionada pelo preparo do
solo realizado em condições inadequadas de umidade. Conforme descrição
das condições climáticas e relato do responsável técnico, foi dito que era
comum as operações mecanizadas acontecerem em meio à ocorrência de
chuvas, o que fatalmente nos leva a crer que o preparo do solo possa ter sido
realizado com o solo muito úmido, característica que favorece compactação
da camada subsuperficial do solo. Esta é uma situação a solos mais argiloso,
como é o nosso caso aqui.
Outro ponto relevante em seu diagnóstico diz respeito à mudança de
comportamento da lavoura, que passou a apresentar menor resistência ao

74 - U2 / Processos de degradação do solo


déficit hídrico, ocasionado por curtos períodos de estiagem. Provavelmente,
isto se deva à evolução na formação da camada compactada pois o processo
de compactação tende a se intensificar caso a situação que o gera não seja
cessada. Assim, a repetição do processo, ano após ano, foi agravando a
formação do impedimento físico, na camada subsuperficial do solo, até que
este passou a interferir significativamente no desempenho da lavoura.
Ainda, as condições das raízes permitem inferir a compactação do solo
local, uma vez que se mostravam curtas, retorcidas com desenvolvimento
limitado à camada mais superficial do solo. Nestas condições, se não obser-
vadas a ocorrência de pragas ou doenças, bem como se for constatada que o
manejo da fertilidade do solo tenha sido realizado de forma adequada, nos
resta concluir que a situação observada pode ser decorrente da compactação
do solo, provocada pelo seu manejo inadequado.
Esta conclusão pode ser comprovada pela abertura de uma trincheira
no solo onde, por meio da análise do perfil do solo, é possível evidenciar a
ocorrência de impedimento físico, bem como as características do desenvol-
vimento radicular da cultura.
Mais uma vez, pudemos comprovar que a análise das características do
solo degradado de uma determinada área nos permite identificar o tipo e
o grau de degradação. Estas são informações preciosas para que possamos
reconhecer e, assim, eliminar o agente da degradação, por meio das técnicas
de manejo adotadas.

Avançando na prática

Perdas por erosão hídrica

Descrição da situação-problema
Sabendo que você acabou de se formar engenheiro agrônomo, um amigo
lhe contratou para uma consulta, pois estava tendo problemas em suas
lavouras e pensou que você o pudesse ajudar.
Ao aceitar a proposta, você foi convidado a visitar a propriedade,
constituída de uma área retangular, toda localizada em uma face declivosa,
e tinha como limites no ponto mais alto a estrada e no ponto mais baixo,
um ribeirão. As laterais constituíam os lados maiores do retângulo e faziam
divisa com outras propriedades rurais. Da parte mais alta, onde ficava a sede,
até a borda da mata ciliar, a área era destinada ao cultivo de grãos, sendo
realizado rotação com soja no verão e milho na safrinha.

Seção 2.2 / Degradação física do solo - 75


Em visita à lavoura de seu amigo, você pôde notar que o aspecto das
plantas ia melhorando à medida que se descia em direção ao ribeirão. Na
parte mais alta, as plantas eram mirradas e amareladas. Na porção mais
central a lavoura era mais viçosa, apresentando aspecto mais saudável. Porém
era possível observar a ocorrência de falhas, ou seja, manchas sem plantas, e
no solo notava-se a formação de processos erosivos, mais pronunciados na
região onde eram observadas as falhas. Na região inferior da propriedade
você observou plantas acamadas (deitadas no solo), como se algo as tivesse
empurrado na direção do ribeirão. O mais curioso, é que você observou
plantas de milho e soja se desenvolvendo na bordadura da mata ciliar.
Durante a visita à propriedade, seu amigo lhe detalhou o histórico da área,
dizendo que fazia a correção do solo e a adubação de acordo com a recomen-
dação da análise de solo, porém sua produtividade média estava abaixo do
esperado para a região. O que poderia estar acontecendo?

Resolução da situação-problema
Durante sua visita à propriedade, além das observações relatadas anterior-
mente você também esteve muito atento aos aspectos do solo. Primeiramente
observou que, ao longo do declive, não havia nenhuma estrutura que pudesse
conter a enxurrada. Notou também que eram claros os sinais de erosão
laminar na parte alta, os sulcos na parte mediana do terreno e o depósito
de sedimentos na bordadura da mata ciliar. Sendo assim, ficou claro que
erosão que se iniciava no alto da propriedade já era forte o bastante para
lavar a adubação química, bem como a matéria orgânica da parte mais alta,
o que podia ser comprovado pelo aspecto desnutrido das plantas. Na parte
mediana do terreno, onde se formavam os caminhos preferenciais ou sulcos
erosivos, a perda era mais profunda, chegando a arrancar as plântulas, o que
gerava as falhas observadas. Como a erosão era mais localizada nesta região
da propriedade, ainda era possível se observar plantas bem nutridas, até
porque parte da adubação que vinha do alto poderia sedimentar neste local.
Por fim, suas constatações foram comprovadas pela observação da parte mais
baixa do terreno, onde claramente se observava a deposição de sedimentos,
sementes e muito provavelmente adubos, que eram carreados das partes mais
altas até aquele ponto. Diante disso, você sugeriu a seu amigo que seria neces-
sário elaborar um projeto de conservação do solo para sua propriedade, e
assim seus investimentos com insumos não seriam mais levados pela água
das chuvas. Pontuou ainda que se estivesse de acordo, você mesmo poderia
elaborar este projeto.

76 - U2 / Processos de degradação do solo


Faça valer a pena

1. Constitui os espaços vazios entre os agregados do solo, bem como aqueles estabe-
lecidos entre as partículas de solo unidas para formar estes agregados; portanto, é
muito influenciada pela textura e estrutura do solo.

A qual propriedade física do solo refere-se a definição apresentada no texto base desta
questão?
a) Textura.
b) Fertilidade.
c) Porosidade.
d) Acidez.
e) Estrutura.

2. A estrutura do solo é caracterizada pela presença e qualidade dos agregados do


solo. Os agregados do solo, por sua vez, são constituídos pelo agrupamento de partí-
culas do solo (minerais e orgânicas), que são unidas por agentes cimentantes.

Nas alternativas a seguir, identifique aquela que apresenta somente agentes cimen-
tantes, formadores de agregados do solo.
a) Argila e matéria orgânica.
b) Silte e areia.
c) Areia e argila.
d) Matéria orgânica e silte.
e) Argila e silte.

3. Em nossos estudos pudemos verificar que a erosão hídrica dos solos agrícolas é
potencializada por algumas situações que podem ou não decorrer do manejo inade-
quado do solo. Sobre este tema, analise as afirmativas a seguir.

I) Independentemente da condição de porosidade do solo, em situações nas quais a


ocorrência de chuvas se dá por um período prolongado, pode haver a saturação
do solo e, assim, a impossibilidade de mais água se infiltrar no solo.
II) Solos que apresentam porosidade reduzida por serem naturalmente mais densos,
ou por terem sido compactados.
III) Solos com camada subsuperficial compactada, conhecida como pé-de-arado ou
pé-de-grade, formada pelo uso de arados e grades em condição de solo úmido,
constituem um impedimento físico à infiltração de água.
IV) Independentemente da condição de porosidade do solo, a ocorrência de chuvas
muito intensas em curto espaço de tempo pode exceder a capacidade de infil-
tração de água do solo.

Seção 2.2 / Degradação física do solo - 77


São situações que podem contribuir para a formação de enxurradas:
a) Apenas I e III.
b) Apenas II e IV.
c) Apenas I, II e III.
d) Apenas II, III e IV.
e) I, II, III e IV .

78 - U2 / Processos de degradação do solo


Seção 2.3

Levantamento da degradação química, física e


biológica do solo

Diálogo aberto
Caro estudante, nas seções anteriores você pôde vivenciar dois casos
diferentes de degradação dos atributos do solo. Em ambas as situações
houve a necessidade de se realizar um levantamento de informações que lhe
auxiliaram tanto no diagnóstico do problema como na respectiva proposição
de soluções. Isto reflete uma realidade de nossa profissão, em que qualquer
decisão deve ser tomada com base em um diagnóstico das condições de
campo, que deverá ser o mais preciso possível. Vimos que alguns indicadores
podem ser bastante úteis quando não dispomos de infraestrutura e tecno-
logia para nos auxiliar no levantamento dessas informações. Entretanto, na
maioria dos casos as recomendações técnicas adequadas deverão considerar
os resultados de análises laboratoriais dos parâmetros químicos, físicos e
biológicos do solo, o que lhe permitirá o conhecimento mais preciso dos
problemas, proporcionando a você maior segurança na proposição de
soluções.
Para exercitarmos esta prática vamos recordar o seu desafio nesta unidade:
lembre-se de que você foi contratado para ser o gestor da qualidade do solo
de uma grande empresa, a fim de buscar soluções aos problemas identifi-
cados nas unidades produtoras. Sendo assim, considerando os problemas
observados nestas unidades, você identificou a necessidade de se realizar um
levantamento do solo (amostragem), de modo a conhecer aspectos relacio-
nados a sua fertilidade e física. Este conhecimento poderá auxiliar os técnicos
de campo a tomar decisões, e a você a acompanhar os efeitos do manejo
adotado nas propriedades química e física dos solos.
Neste sentido, quais informações serão necessárias para que você
tenha um diagnóstico da situação de cada unidade, e, juntamente com
os técnicos de campo, possa propor o manejo adequado do solo nestas
propriedades rurais?
Saiba como desenvolver este trabalho por meio do estudo do conteúdo
apresentado nesta seção, em que discutiremos o processo de amostragem do
solo e as análises laboratoriais.
Aproveite mais este conteúdo.

Seção 2.3 / Levantamento da degradação química, física e biológica do solo - 79


Não pode faltar
Caro estudante, ao longo de nossos estudos temos evidenciado que
o solo se constitui de um material heterogêneo e que suas caraterís-
ticas variam de acordo com os fatores que influenciaram a sua formação
(material de origem, relevo, clima, dentre outros.). Vimos também que
o uso agrícola pode promover profundas transformações locais em suas
propriedades, tornando-o distinto daquele que o circunda. Considerando
esta complexidade de informações, percebemos que o estudo do solo não é
uma tarefa simples, porém é de extrema importância para a determinação
de seu melhor uso e manejo.
Do ponto de vista agrícola, quando falamos em estudar o solo, nos
referimos ao levantamento de suas características químicas, físicas e bioló-
gicas que poderão influenciar todo o processo da lavoura, desde o plantio e
manejo até a quantidade e qualidade dos produtos colhidos. Assim, a deter-
minação das informações que serão levantadas depende da finalidade de uso,
das condições atuais observadas a campo e também do histórico da área.
Outro ponto importante no estudo do solo é a amostragem. É por meio
de uma amostra de solo que se realizam as análises das suas condições, bem
como se deduz quais as melhores práticas para o local, visando à conservação
de suas características.
Como normalmente estamos falando sobre o estudo de uma grande
quantidade de solo (área), é imprescindível que a amostragem seja feita com
muito cuidado, de forma que a amostra de solo a ser encaminhada para
análise em laboratório seja representativa das características da área que
pretendemos estudar.

Assimile
De maneira generalizada, podemos entender a importância da represen-
tatividade de uma amostra de solo com o exemplo a seguir:
• Se considerarmos o solo da camada arável teremos, em um hectare,
aproximadamente 2 mil quilogramas de solo.
• A amostra que preparamos e encaminhamos para análise de
parâmetros químicos deve ter 0,5 quilogramas de solo.
• A amostra analisada no laboratório tem 0,2 quilogramas.
Portanto, 20 gramas deverão representar, aproximadamente, 2 mil
toneladas de solo (BISSANI et al., 2004).

Em termos gerais, para que se possa garantir a representatividade de uma


amostra de solo, é preciso separar as áreas que apresentam características

80 - U2 / Processos de degradação do solo


distintas de relevo, de cobertura vegetal, de uso e de manejo, entre outras que
possam diferenciá-las (Figura 2.1).
Figura 2.1 | Esquema de separação da área a ser amostrada em talhões de característica homogênea

Fonte: elaborada pelo autor.

Deve-se coletar, ainda, subamostras em número suficiente para abranger


de forma homogênea toda a área a ser amostrada e realizar a homogenei-
zação (mistura das amostras), de maneira a se obter uma única amostra do
local. Por fim, lembre-se de acondicionar a amostra de forma adequada para
cada tipo de análise.

Pesquise mais
Diferentes metodologias podem ser empregadas para se proceder a
amostragem do solo. O artigo indicado a seguir trata da proposta da
Embrapa para se proceder a amostragem e os cuidados na coleta de solo
para fins de fertilidade.
ARRUDA, M. R.; MOREIRA, A.; PEREIRA, J. C. R. Amostragem e Cuidados
na Coleta de Solo para Fins de Fertilidade. Manaus: Embrapa Amazônia
Ocidental, 2014.

Algumas particularidades devem ser observadas quanto à finalidade da


amostra. Assim, algumas situações requererão a amostragem diferenciada por
camadas de solo, podendo ser necessária a coleta de amostras nas camadas de
0 a 20 e 21 a 40 centímetros de profundidade de solo, por exemplo.
Para análise de alguns parâmetros físicos, serão necessárias amostras
especiais, coletadas e acondicionadas com equipamentos específicos. O mesmo

Seção 2.3 / Levantamento da degradação química, física e biológica do solo - 81


acontece quando desejamos realizar a análise biológica do solo, sendo neces-
sário garantir as condições adequadas para que os organismos sobrevivam até
a chegada da amostra ao laboratório.
Mais adiante, quando falarmos especificamente do levantamento de alguns
parâmetros, poderemos nos aprofundar neste tema.
Em qualquer situação, as amostras de solo, devidamente acondicionadas,
deverão ser identificadas e encaminhadas para laboratórios de análise de solo,
que proporcionarão resultados confiáveis da realidade observada em campo.
Como vimos anteriormente, algumas características químicas do solo
podem nos ajudar a identificar sinais de degradação. Porém, a verificação precisa
dessa condição somente é possível pela realização de análises laboratoriais.

Saiba mais
É importante buscarmos laboratórios que tenham sua confiabilidade
atestada por algum órgão regulador.
No Brasil, este trabalho vem sendo desenvolvido pelo Programa de
Controle de Qualidade de Laboratórios (PAQLF) da Embrapa Solos e pelo
Programa Interlaboratorial de Controle de Qualidade de Análise de Solo
de Minas Gerais (PROFERT-MG), que envolve laboratórios de todo país.
Estas instituições utilizam métodos desenvolvidos a partir dos resultados
de anos de estudos em solos brasileiros (ROCHA et al., [s.d.]).
EMBRAPA SOLOS. Programa de análise de qualidade de laboratórios –
PAQLF.
PROFERT - Programa Interlaboratorial de Controle de Qualidade de
Análise de Solo de Minas Gerais. Regimento Interno.

Normalmente a análise química é recomendada para se identificar a


quantidade e a disponibilidade de nutrientes no solo, principalmente na
camada de 0 a 40 cm de profundidade onde, preferencialmente, acontece o
crescimento de raízes. O resultado nos permite conhecer os níveis dos macro-
nutrientes: Nitrogênio (N), Fósforo (P), Potássio (K), Cálcio (Ca), Magnésio
(Mg) e Enxofre (S), bem como dos micronutrientes: Ferro (Fe), Boro (B),
Cloro (Cl), Cobre (Cu), Zinco (Zn), Manganês (Mn) e Molibdênio (Mo). É
importante relembrarmos de que a divisão entre macro e micronutrientes
não diz respeito à importância desses elementos para o desenvolvimento das
plantas, mas sim à quantidade requerida para que estas possam completar
seu ciclo.
Além da quantidade de nutrientes, o uso agrícola do solo pode promover
ou potencializar a sua acidificação. Como vimos, a acidez do solo é provo-
cada pelos íons H+e Al 3+ , cuja presença afeta a disponibilidade de nutrientes,

82 - U2 / Processos de degradação do solo


podendo até inibir o crescimento de raízes. Em laboratório, a acidez do solo
é determinada pela acidez ativa e pela acidez potencial:
• A acidez ativa do solo é definida pela concentração de íons H+
em solução e sua determinação é realizada por meio da análise do
pH do solo.
• A acidez potencial diz respeito ao efeito acidificante do alumínio
trocável ( Al 3+ ) e da matéria orgânica. Na solução do solo, o Al 3+
reage com a água gerando íons H+ . A acidez potencial gerada pela
matéria orgânica é constituída por íons H+ de radicais orgânicos não
dissociados. Na prática, a acidez potencial é expressa pela soma dos
teores de H+ + Al 3+ (BISSANI et al., 2004).
A determinação do pH e do alumínio trocável faz parte da rotina de análise
química do solo, portanto, também deve ser realizada em laboratório. Os
resultados da análise química do solo subsidiam a orientação técnica quanto à
necessidade de adubação e também da aplicação de corretivos de acidez.
Em nossos estudos, vimos que os efeitos mais evidentes de degra-
dação do solo são decorrentes da deterioração de suas propriedades físicas.
Diferentemente da análise química pela qual com uma única amostra é
possível levantar uma série de informações em laboratório, a análise física
é realizada por meio de diferentes tipos de amostras, bem como de técnicas
realizadas tanto em laboratório quanto a campo. As características físicas
do solo consistem na análise da textura, estrutura, consistência, porosidade,
densidade e compactação do solo. Vamos conhecê-las?
A textura do solo pode ser observada em campo, na descrição morfoló-
gica, mas seu valor definitivo é dado pela análise granulométrica, realizada
em laboratório (EMBRAPA, 2018). A análise granulométrica nos permite
conhecer as frações do solo, separadas de acordo com o tamanho das partí-
culas que compõe seus agregados (areia, silte e argila). A amostragem para esta
análise é feita seguindo-se os mesmos critérios utilizados para a amostragem
destinada a análise química do solo. A determinação da textura do solo é
realizada por meio da dispersão total dos agregados do solo em meio aquoso,
feita com o auxílio de um dispersante químico e agitador elétrico. Após a
dispersão, obtém-se uma suspensão aquosa, da qual é tomada uma amostra
de volume conhecido para determinação da argila; para isto a amostra é
seca em estufa e pesada. As frações areia fina e grossa são separadas pelo
peneiramento da amostra, secas em estufa e pesadas. O percentual de silte
na amostra de solo analisada é obtido pela diferença entre o total de argila e
areias em relação à amostra original que corresponde a 100% (EMBRAPA,
1997). Por exemplo, se na determinação obteve-se Fração Areia = 35% e
Fração Argila = 50% logo,

Seção 2.3 / Levantamento da degradação química, física e biológica do solo - 83


Silte=100-(Areia+Argila)
Silte=100-(35+50)

Portanto, no exemplo, a amostra apresenta 15% de silte.


A estrutura do solo é conferida pela forma com que as partículas de
solo se organizam e se ligam para formar os agregados do solo, que são suas
unidades estruturais. Sua caracterização é realizada em amostras indefor-
madas, ou seja, que tenham preservadas a suas condições físicas observadas
em campo. Vários procedimentos foram criados para a coleta de amostras
indeformadas, como é o caso da coleta de solo em cilindros, blocos e torrões.
A determinação da estrutura do solo pode auxiliar na identificação de
solos degradados. Neste sentido, muitos pesquisadores têm trabalhado para
desenvolver métodos práticos e eficientes para se realizar esta determinação
a campo, sendo um deles o Diagnóstico Rápido da Estrutura do Solo (DRES).
Desenvolvido pela Universidade Estadual de Londrina e pela Embrapa, o
DRES é um método de avaliação visual da estrutura do solo que leva em
conta a qualidade da agregação a partir de amostras dos primeiros 25 cm.
São observados o tamanho e a forma dos agregados e torrões; presença ou
não de compactação ou outra modalidade de degradação do solo; forma e
orientação das fissurações; rugosidade das faces de ruptura; resistência à
ruptura; distribuição e aspecto do sistema radicular e evidências de atividade
biológica.
A partir desses critérios, atribui-se uma pontuação de 1 a 6, na qual “6” é
indicativo de melhor condição estrutural e “1” representa o solo totalmente
degradado. (EMBRAPA, 2017).

Exemplificando
Observe nas Figuras 2.2 e 2.3 a diferença entre as feições dos agregados de
solos degradados e de solos conservados/recuperados, respectivamente.

84 - U2 / Processos de degradação do solo


Figura 2.2 | Feições de degradação

Fonte: Embrapa (2017).

Note que temos amostras caracterizadas pela presença de raízes tortas,


achatadas e crescendo preferencialmente nas fissuras; predomínio de
agregados maiores que 7 cm e/ou agregados com faces lisas e ângulos retos
de ruptura, coesos, com pouca porosidade, exibindo espelhamentos e zonas
de umectação, com forma quadrada ou laminar; presença de solo desagre-
gado (pulverizado); presença de canais com areia solta no sentido vertical
do pefil do solo; e ausência ou poucos indícios de atividade biológica.

Figura 2.3 | Feições de conservação/recuperação

Fonte: Embrapa (2017).

Nesse caso, observe a presença de raízes crescendo sem restrição,


explorando o interior dos agregados; predomínio de agregados com
tamanho entre 1 e 4 cm, com baixa coesão, arrendondados, faces de
ruptura rugosas e linhas de ruptura sem orientação definida; presença
de agregados grumosos e indícios de alta atividade biológica.

A adesão e coesão das partículas do solo é determinada por meio da


análise da consistência do solo. Esta determinação pode ser feita no campo,
sendo influenciada pela textura, teor de matéria orgânica e composição

Seção 2.3 / Levantamento da degradação química, física e biológica do solo - 85


mineralógica do solo. Conhecer a consistência do solo auxilia o produtor
a determinar a hora certa de realizar as operações mecanizadas no campo.
De acordo como a Embrapa (2018), a consistência deve ser analisada em
três condições de umidade: seca, úmida e molhada.

Assimile
Como já vimos anteriormente, as operações de preparo de solo devem
ser realizadas sob condições ideais de umidade, de forma a se evitar
a formação de camadas compactadas. Neste sentido, a análise da
consistência pode ser de grande utilidade na definição do momento
mais adequado para se iniciar os trabalhos no campo. De forma geral,
recomenda-se que para as operações de aração e gradagem, o solo
deverá apresentar uma consistência friável, ou seja, quando um torrão
de solo úmido se desfaz sob leve pressão entre os dedos indicador e
polegar (LORENZO, 2010).

A porosidade do solo é dada pela contabilização de seus espaços vazios,


macro e microporos, formados pela atividade biológica e por processos
físicos como os de umedecimento e secagem. A determinação da porosidade
auxilia na identificação de solo compactados ou que apresentem algum outro
tipo de impedimento à infiltração da água e penetração de raízes.
A análise da porosidade do solo requer o uso de amostras indeformadas.
Estas amostras são saturadas, buscando-se garantir que todos os poros sejam
preenchidos com água. As amostras saturadas são colocadas sob tensão
para a retirada da umidade retida nos macroporos (poros com diâmetro >
0,05mm). Após a remoção da água retida nos macroporos, as amostras devem
ser pesadas antes e depois da secagem, realizada em estufa. A diferença entre
estes valores corresponde à umidade retida nos microporos. A porosidade
total é obtida pela soma da macro e da microporosidade (EMBRAPA, 1997).
De acordo com Embrapa (2018), a porosidade do solo também pode
ser visualizada em seu perfil, devendo ser descrita conforme a quantidade e
tamanho dos poros:
• Quantidade: poucos, comuns ou muitos.
• Tamanho: pequenos, médios, grandes ou muito grandes.
A análise da densidade do solo nos permite conhecer a quantidade de
massa de solo seco em um volume conhecido. Nesta determinação, inclui-se
o volume de sólidos e de poros de uma amostra, portanto, é influenciada por
sua estrutura e porosidade. Sendo assim, a avaliação da densidade do solo

86 - U2 / Processos de degradação do solo


pode ser utilizada como indicador da compactação do solo. Sua determi-
nação é feita por meio da coleta de uma amostra indeformada, de volume
conhecido. Assim, é possível conhecer qual a massa de solo contida em um
determinado volume de amostra.
Decorrente do uso Figura 2.4 | Penetrômetro manual em ação
inadequado do solo, a
compactação deve ser
analisada no campo. Sua
identificação pode ser
feita visualmente por
meio do estudo do perfil
do solo, em que é possível
se observar a formação de
uma camada adensada,
com ausência de poros
ou pouco porosidade, o
que impede o desenvol-
vimento das raízes em
profundidade.
A avaliação da
compactação do solo Fonte: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Penetrometer.
jpg. Acesso em: 4 dez. 2018.
pode ser feita também
com o uso de equipamentos, conhecidos como penetrômetros (Figura 2.4).
Estes aparelhos são constituídos por uma haste metálica ligada a um
sensor que é capaz de medir a força empregada por uma pessoa para se
promover a penetração da haste no solo. Por meio da leitura registrada no
aparelho, mede-se a resistência do solo à penetração.
Sabemos que em um ambiente natural, o solo constitui o habitat de
milhões de organismos e de uma infinidade de espécies. Sua presença torna
possível a dinâmica da matéria orgânica no solo, pois promovem sua decom-
posição, transformando-a em diversos compostos químicos, que serão utili-
zados como nutrientes por plantas e outros organismos. Além do impor-
tante papel na ciclagem e armazenamento de nutrientes, alguns organismos
simbiontes são responsáveis por incorporar ao solo uma quantidade signifi-
cativa de nitrogênio atmosférico (cerca de 100 a 160 kg de N.ha -1 ).
Seguramente podemos afirmar que a diversidade biológica e a quanti-
dade de organismos que habitam um determinado solo constituem ótimos
indicadores da sua saúde. Sendo assim, a análise biológica tem sido empre-
gada como parâmetro para se estudar a sua qualidade.

Seção 2.3 / Levantamento da degradação química, física e biológica do solo - 87


A análise biológica é realizada por meio da identificação e quantificação
dos compostos químicos resultantes do metabolismo dos organismos do
solo. Por meio desta informação é possível se avaliar a atividade biológica
de um solo.
A amostragem do solo para fins de análise biológica segue o mesmo
princípio da amostragem para análise química; entretanto, após homoge-
neizadas no local da coleta, as amostras devem ser acondicionadas em
sacos plásticos e armazenadas em recipientes térmicos resfriados com gelo,
para que sejam encaminhadas ao laboratório. Estas amostras devem ser
mantidas sob refrigeração (7 a 10oC) até o momento das análises biológicas
(PAVANELLI; ARAÚJO, 2010).
Por meio do conteúdo estudado nesta seção, você pôde perceber que o
processo de análise das propriedades físicas, químicas e biológicas do solo
constituem ferramentas muito importantes na conservação da qualidade
dos solos agrícolas, uma vez que proporciona ao produtor rural conheci-
mento das condições atuais do solo de sua propriedade, permitindo o plane-
jamento das ações necessárias para se manter ou melhorar a qualidade do
solo. Percebemos também que o levantamento dessas informações não é uma
tarefa simples, demandando conhecimento técnico e boa vontade por parte
dos produtores rurais, para agir de forma responsável e correta.

Reflita
Apesar de sua importância, a análise das propriedades do solo ainda
é uma prática pouco utilizada como ferramenta de planejamento da
atividade agrícola em nosso país. Talvez por este motivo a degra-
dação do solo ainda seja um problema tão comum no Brasil.
No seu ponto de vista, qual a responsabilidade do engenheiro
agrônomo neste cenário? Como podemos atuar para melhorar a
consciência dos produtores?

Nesta seção vimos algumas informações que auxiliarão você na busca


por soluções para muitos dos problemas observados a campo. Entretanto
cabe ressaltar que este assunto não se esgota aqui. Sendo assim, você poderá
aprofundar seu conhecimento por meio do estudo da bibliografia indicada
pelo professor e utilizada como referência neste livro. Bom estudo!

88 - U2 / Processos de degradação do solo


Sem medo de errar

Caro estudante, agora que você ampliou ainda mais seu conhecimento
sobre os parâmetros do solo que podem ser utilizados como indicadores de
sua qualidade, estamos prontos para a resolução da situação proposta no
início desta seção.
Lembre-se de que em seu novo emprego você recebeu a responsabilidade
de cuidar da qualidade do solo das unidades produtoras desta empresa e,
diante dos problemas relacionados ao manejo do solo observados a campo,
você julgou importante realizar um levantamento das características do solo
de cada uma das propriedades pertencentes a esta empresa.
Para o desenvolvimento deste trabalho devemos considerar quais infor-
mações serão necessárias para que você tenha um diagnóstico da situação
de cada unidade e, juntamente com os técnicos de campo, possam propor o
manejo adequado do solo nestas propriedades.
Na sua situação o levantamento de informação sobre os solos de cada
unidade se divide em dois momentos: no primeiro, você deverá propor a
realização de um levantamento pormenorizado das propriedades do solo,
de forma a estabelecer um diagnóstico da situação atual de cada unidade
produtora. Neste sentido, deverá propor uma análise química completa, bem
como deverá levantar também as características físicas: textura, estrutura,
porosidade e densidade do solo.
Em todas as análises a serem realizadas é preciso providenciar a
amostragem do solo, que deve ser feita seguindo-se os critérios preconizados
anteriormente, de maneira que esta amostra seja representativa e traduza as
condições observadas no campo. Sendo assim, recomenda-se a capacitação
dos funcionários que promoverão a coleta e o preparo das amostras. Também
é importante lembrar de que, por se tratar de um trabalho de caracterização,
a coleta de amostras deve ser feita em duas profundidades, de 0 a 20 cm e de
21 a 40 cm.
Todas as análises indicadas nesta fase deverão ser realizadas em laborató-
rios credenciados, com exceção da estrutura do solo, que poderá ser feita no
campo por meio do DRES.
Em um segundo momento, o resultado do diagnóstico feito inicialmente
subsidiará você na recomendação do manejo adequado para se corrigir os
desvios observados em cada situação. É importante destacar que ao se consi-
derar as diferenças entre as unidades produtores, não será possível criar
um roteiro padrão de análise de solo que atenda a todas as unidades pois,
fazendo isto, você corre o risco de negligenciar alguma informação que seja

Seção 2.3 / Levantamento da degradação química, física e biológica do solo - 89


importante apenas para uma determinada situação, ou pode aumentar os
gastos do setor sob sua responsabilidade com análises desnecessárias.
Neste sentido, é importante que o resultado das análises de solo propor-
cione informações suficientes para que você e sua equipe de campo possa
avaliar a eficiência do manejo proposto para cada área.
Em condições normais algumas análises raramente são repetidas, como
é o caso da textura do solo, que a princípio não deve mudar com o tempo.
Outras deverão ser repetidas com maior frequência, como é o caso da consis-
tência, que permitirá observar a condição mais adequada para o preparo de
solo e também para o trânsito de máquinas.
Assim, considerando estas colocações, caberá a você decidir quais infor-
mações e qual a frequência das análises serão adequadas para que você possa
acompanhar a evolução de seu trabalho nesta empresa.

Avançando na prática

Análise de solo no campo

Descrição da situação-problema
Buscando atender a uma demanda de um produtor de gado de corte, você
realizou uma visita técnica em uma propriedade localizada no sudeste do Pará.
A região onde estava a fazenda apresentava um clima típico da região com verão
muito chuvoso e inverno muito seco e quente. Após sua chegada à propriedade
rural, o fazendeiro lhe encaminhou para uma área onde a pastagem vinha
definhando ano após anos. Em entrevista com o produtor foi dito a você que
na fazenda inteira o solo apresentava boa drenagem e que raramente se obser-
vava a formação de erosões, porém naquele local era possível notar o acúmulo
de água na época das chuvas. Disse que esta situação começou a acontecer após
a instalação da pastagem e lhe perguntou o que poderia estar acontecendo.
Foi então que você passou a questioná-lo sobre o histórico de uso da área,
descobrindo que fazia três anos que a pastagem fora implantada e que, antes
disso, a área em questão era cultivada com milho. Disse também que desistiu
do milho pois devido à intensidade das chuvas, sempre encontrava dificul-
dade em realizar as operações mecanizadas (preparo do solo, aplicação de
defensivos e colheita).
Desconfiado do que estava acontecendo, você perguntou ao produtor se
ele conhecia a textura e a porosidade do solo. Perguntou ainda se era feita a
verificação da consistência do solo antes de se programarem as operações

90 - U2 / Processos de degradação do solo


mecanizadas. Para todas estas perguntas a resposta foi negativa. Foi então
que você sugeriu que a melhor forma de se saber o que estava acontecendo
seria por meio de uma análise física do solo. Assim, você orientou o produtor
a fazer a coleta das amostras para a determinação da textura e porosidade do
solo, fazendo-se amostragens diferentes para as áreas que apresentavam boa
drenagem e na área com problema.
Após receber o resultado da análise de solo, o produtor o chamou
novamente para você conhecer os resultados e propor a solução.
Quais foram os procedimentos para coleta? Quais foram os indicadores
observados?

Resolução da situação-problema
Considerando a necessidade de se conhecer os parâmetros porosidade e
textura do solo, dois tipos de amostragem foram empregados. Para a análise
da textura do solo, as amostras foram realizadas seguindo-se o mesmo
princípio da amostragem para fins de análise da fertilidade, em que é permi-
tida a coleta de amostras deformadas (amostras formadas pela composição
de subamostras). No caso da porosidade, as amostras devem ser não defor-
madas, ou seja, são retiradas de modo a se preservar a mesma estrutura
observada a campo. Neste caso não são coletadas subamostras, e cada coleta
constituirá uma amostra que será encaminhada para a análise no laboratório.
O resultado dessa análise mostrou que se tratava de um solo com textura
argilosa e com grande diferença de porosidade entre a áreas amostradas,
sendo que na área com problema de drenagem a porosidade era muito baixa.
Com o resultado dessas análises você pôde confirmar sua suspeita, pois o
fato de uma determinada área passar a apresentar problemas de drenagem
serviu como indicador de que o solo deste local deveria ter sofrido compac-
tação, pois se tratava de um solo argiloso, sujeito ao adensamento promovido
pelo trânsito de máquinas, sendo esta condição potencializada quando as
operações são realizadas com o solo muito úmido, conforme fora relatado
pelo produtor. Esta observação pôde ser confirmada quando se comparou a
porosidade de uma área que havia sido cultivada com milho e uma área que
sempre fora destinada à formação de pastagem.

Seção 2.3 / Levantamento da degradação química, física e biológica do solo - 91


Faça valer a pena

1. O levantamento das características químicas do solo nos permite conhecer


a quantidade e a disponibilidade dos nutrientes no solo, bem como os teores de
elementos tóxicos, como é o caso do Hidrogênio e do Alumínio. A elevação da
concentração destes elementos promove a acidez do solo, o que afeta a disponibili-
dade de nutrientes, podendo até inibir o crescimento de raízes.

No solo, a acidez gerada pela alta concentração de íons Al 3+ e pela matéria orgânica
é conhecida como
a) Acidez potencial.
b) pH.
c) Acidez ativa.
d) Al trocável.
e) Acidez trocável.

2. Sabemos que os solos dos ambientes naturais são extremamente ricos em diversi-
dade de organismos, o que lhes confere um sistema muito eficiente na ciclagem e no
armazenamento dos nutrientes provenientes da mineralização da matéria orgânica.
Esta característica nos serve de referência de solos sadios, podendo ser empregada
como indicador da qualidade do solo.

A análise biológica do solo pode ser realizada com o objetivo de se conhecer a quali-
dade de um solo. Esta análise tem como princípio básico o levantamento da(o):
a) número de indivíduos por centímetro quadrado.
b) atividade biológica pela análise dos produtos de seu metabolismo.
c) tipo de organismos.
d) quantificação de espécies.
a) separação de organismos segundo sua classe de evolução

3. Sabemos que o solo é o habitat de uma infinidade de organismos, sendo esta até
uma condição para que o solo seja assim definido. Sobre a biologia do solo, analise as
afirmativas a seguir e verifique se são verdadeiras ou falsas.

I) Os organismos do solo promovem a decomposição da matéria orgânica, sendo,


assim, responsáveis pela ciclagem dos nutrientes.
II) Alguns organismos do solo podem estabelecer uma relação simbiôntica com
espécies vegetais de interesse econômico.
III) A amostragem de solo para análise biológica deve seguir critérios especiais,
como o armazenamento das amostras em ambiente refrigerado.

Assinale a alternativa correta em que I, II e III são respectivamente:


a) V - V - V.
b) V - V - F.

92 - U2 / Processos de degradação do solo


c) V - F - V.
d) F - V - F.
e) F - F - F.

Seção 2.3 / Levantamento da degradação química, física e biológica do solo - 93


Referências
BISSANI, C. S. et al. Fertilidade dos solos e manejo da adubação de culturas. Porto Alegre:
Genesis, 2004. 328 p.
CAMPOS, A. D. et al. Resistência à penetração como indicadora de alterações estruturais no
solo decorrentes de implementos para manejo do solo. XXXV CONGRESSO BRASILEIRO
DE CIÊNCIA DO SOLO. Natal, 2015. Disponível em https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/
bitstream/item/138563/1/Resistencia-penetracao.pdf. Acesso em: 20 nov. 2018.
CIOTTA, M. N. et al. Acidificação de um latossolo sob plantio direto. Revista Brasileira de
Ciência do Solo. v. 26, n. 4, p. 1055-1064, 2002.
COSTA, A. C. et al. Perdas de nitrogênio por volatilização da amônia em três solos argilosos
tratados com ureia. Acta Scientiarum Agronomy, Maringá, v. 26, n. 4, p.467-473, 2004.
Disponível em: https://docs.google.com/viewerng/viewer?url=http://periodicos.uem.br/ojs/
index.php/ActaSciAgron/article/viewFile/1809/1264. Acesso em: 24 out. 2018.
DECHEN, S. C. F. et al. Perdas e custos associados à erosão hídrica em função de taxas de
cobertura do solo. Bragantia, Campinas, v. 74, n. 2, p.224-233, 2015. Disponível em: http://www.
scielo.br/pdf/brag/v74n2/0006-8705-brag-74-2-224.pdf. Acesso em: 9 out. 2018.
EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Sistema Brasileiro
de Classificação do Solos (SiBCS). Disponível em: https://www.embrapa.br/solos/sibcs. Acesso
em: 5 out. 2018.
EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Propriedades do
solo. Sistema Brasileiro de Classificação do Solos (SiBCS). Disponível em: https://www.embrapa.
br/solos/sibcs/propriedades-do-solo. Acesso em: 5 out. 2018.
EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Origem da Acidez.
Agência Embrapa de Informação Tecnológica. Brasília, [s.d.]. Disponível em: http://www.
agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/soja/arvore/CONTAG01_34_271020069132.html. Acesso
em: 30 set. 2018.
EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Pesquisadores
lançam diagnóstico rápido da estrutura do solo. 2017. Disponível em: https://www.embrapa.
br/busca-de-noticias/-/noticia/24645717/pesquisadores-lancam-diagnostico-rapido-da-estru-
tura-do-solo. Acesso em: 19 out. 2018.
EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Amostragem
e cuidados na coleta de solo para fins de fertilidade. Disponível em: https://ainfo.cnptia.
embrapa.br/digital/bitstream/item/117075/1/Doc-115.pdf. Acesso em: 20 nov. 2018.
EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Programa de
análise de qualidade de laboratórios PAQLF. Disponível em :https://ainfo.cnptia.embrapa.br/
digital/bitstream/item/117075/1/Doc-115.pdf. Acesso em: 20 nov. 2018.
EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). DRES | diagnóstico
rápido da estrutura do solo. Jun. 2017. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/
bitstream/item/160885/1/Folder-DRES-OL.pdf. Acesso em: 3 nov. 2018.
EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Manual de Métodos
de Análise de solo. Cento Nacional de Pesquisa de Solos. 2. ed. Rio de Janeiro, 1997. 212 p.
ERODIBILIDADE. In: Glossário Geológico. Comissão Brasileira de Sítios Geológicos e
Paleobiológicos, SIGEP, [s.d.]. Disponível em: http://sigep.cprm.gov.br/glossario/index.html.
Acesso em: 12 out. 2018.
LOPES, A. S.; SILVA, M. de C.; GUILHERME, L. R. G. Boletim técnico n. 1 | Acidez do solo e
calagem. São Paulo: ANDA, 1991. 22 p. Disponível em: https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/
recursos/Calagem_boletim_tecnicoID-80pHHoncbJ.pdf. Acesso em: 6 dez. 2018.
LORENZO, M. Pedologia, Morfologia: Consistência do solo. 18 out. 2010. Disponível em:
https://marianaplorenzo.com/2010/10/18/pedologia-morfologia-consistencia-do-solo/. Acesso
em: 19 out. 2018.
MOTA, E. P. Fertilizantes nitrogenados de liberação gradual: longevidade e volatilização em
ambiente controlado. 2013. 104 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Superior de Agricultura Luiz
de Queiroz, Piracicaba, 2013.
OLIVEIRA, L. B. (Coord.). Manual de métodos de análise de solo. V. 1. Rio de Janeiro:
Embrapa-ANLCS, 1979.
PAVANELLI, L. E.; ARAUJO, F. F. Parâmetros químicos e biológicos indicadores de qualidade
de solo sob cultivo de braquiárias e soja no oeste paulista. Revista Ceres, Viçosa, v. 57, n.1, p.
118-124, jan./fev. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rceres/v57n1/a19v57n1.pdf.
Acesso em: 19 out. 2018.
PEDROTTI, A. et al. Causas e consequências do processo de salinização dos solos Revista
Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental Santa Maria, v. 19, n. 2, p.
1308-1324, 2015.
PROGRAMA INTERLABORATORIAL DE CONTROLE DE QUALIDADE DE ANÁLISE DE
SOLO DO ESTADO DE MINAS GERAIS (PROFERT). Regimento Interno. Disponível em:
http://www.profertmg.com.br/secao.htm?idSecao=48. Acesso em: 20 nov. 2018.
REINERT, D. J.; REICHERT, J. M. Propriedade físicas do solo. Universidade Federal de Santa
Maria. Santa Maria. 2006. 18p. Disponível em: https://www.agro.ufg.br/up/68/o/An_lise_da_
zona_n_o_saturada_do_solo__texto.pdf. Acesso em: 19 out. 2018
ROCHA, P. M. et al. Controle de qualidade das análises de solos no laboratório da EMBRAPA
milho e sorgo. [S.d.]. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/
item/29880/1/Controle-qualidade.pdf. Acesso em 18 out. 2018.
Unidade 3

Manejo, proteção e uso de solos tropicais

Convite ao estudo
Caro estudante, desde o início de nossos estudos temos procurado
evidenciar como a exploração agrícola do solo pode promover sua degra-
dação (bem como do ambiente a sua volta) quando esta atividade é realizada
sem o emprego das técnicas adequadas ao tipo de solo e às características
ambientais da região onde está inserido. Enfatizamos ainda que nestas situa-
ções, se não forem aplicadas técnicas de uso e manejo visando à conservação,
podemos levar o solo à exaustão, tornando-o improdutivo, e também promo-
vendo a deterioração do ambiente.
Até aqui, estivemos preocupados em conhecer os problemas causados
pelo mau uso do solo, além de identificar o motivo e o grau da degradação
ocasionado. Nesta unidade, passaremos a conhecer as técnicas que contri-
buem para a conservação dos solos para que você seja capaz de reconhecer e
indicar as práticas mais adequadas para a sua conservação. Neste caminho,
considerando o conhecimento adquirido até aqui, nosso desafio agora será o
de analisar as características do solo de uma determinada área e propor um
plano de manejo para sua conservação, baseando-se nas técnicas que discu-
tiremos adiante.
Assim, é importante destacarmos que a melhor maneira de se tratar a
degradação do solo é prevenindo-a por meio do emprego de práticas conser-
vacionistas, que visam garantir a sustentabilidade dos sistemas agrícolas,
proporcionando a manutenção de padrões de qualidade do solo em níveis
aceitáveis, tanto do ponto de vista agronômico quanto ambiental.
Neste contexto, considere sua atuação como engenheiro agrônomo exten-
sionista na região norte do estado do Paraná, onde a agricultura sempre foi
estimada como uma atividade promissora, porém, com a instalação de um
assentamento agrário, os pequenos produtores vêm apresentando dificul-
dades em realizar o manejo do solo em suas propriedades rurais, o que tem
ocasionado declínio da produtividade e degradação do solo. Sendo assim,
você, como agrônomo extensionista, buscou inteirar-se da situação dos
produtores assistidos pela entidade onde atuará. Em suas visitas a campo,
pôde constatar que eram raras as situações em que os produtores empre-
gavam técnicas adequadas de produção; mais difícil ainda era encontrar
uma propriedade rural que fazia uso de práticas conservacionistas. De modo
geral, a agricultura no assentamento era praticada sem o emprego de técnicas
conservacionistas. Com isso, os sinais de degradação ambiental eram bastante
evidentes. Diante desta situação, coube a você elaborar e executar um plano
de manejo dos solos para a modernização da agricultura no assentamento,
visando melhorar os índices de produção e a qualidade do solo e da água,
bastante afetados pelo tipo de agricultura que vinha sendo desenvolvido
ali. Você já sabe como dar início a este trabalho? Quais informações você
precisa levantar e quais proposições deverá fazer para se elevar a qualidade
da agricultura praticada naquele lugar?
Para te auxiliar no desenvolvimento deste trabalho vamos estudar nesta
unidade as principais práticas empregadas na conservação do solo. Estas
técnicas conservacionistas estão agrupadas de acordo com a forma de inter-
venção e resultados alcançados, assim você verá que existem práticas conser-
vacionistas edáficas, mecânicas e vegetativas.
Vamos dar início a este estudo?
Seção 3.1

Práticas conservacionistas edáficas

Diálogo aberto
Caro estudante, uma das demandas mais comuns no trabalho do
engenheiro agrônomo extensionista está relacionada ao manejo da fertili-
dade do solo. Isto acontece pois grande parte dos solos brasileiros apresenta
alguma limitação de fertilidade, seja em função da sua acidez, pelos baixos
teores de nutrientes, ou até mesmo pela presença de elementos tóxicos. Neste
sentido, as técnicas de calagem, gessagem e as diferentes formas de adubação
tornaram-se a base da atividade agrícola em nosso país. Entretanto, nem
sempre estas técnicas são empregadas da maneira adequada para solucionar
as limitações enfrentadas no campo, podendo ainda gerar a degradação do
solo e do ambiente ao seu redor.
É neste contexto que desenvolveremos o conteúdo desta seção. Assim,
considerando sua atuação como engenheiro agrônomo extensionista na
região norte do Paraná, você foi indicado para atender a uma comunidade
de assentados que vem apresentando dificuldades para alcançar níveis
adequados de produtividade em suas lavouras.
Uma das propriedades que vinha enfrentando problemas era a do Sr.
João. Este produtor cultivava hortaliças já há quatro anos, em metade de seus
seis hectares, porém a produtividade de sua lavoura estava caindo ano após
ano. Foi então que este horticultor resolveu procurar a ajuda dos extensio-
nistas. Assim, atendendo à demanda do Sr. João, você foi até sua propriedade
para observar o que estava acontecendo e buscar informações sobre o histó-
rico da área. Em conversa com o produtor, você soube que a única adubação
foi feita na ocasião da implantação da horta, quando foram aplicados cerca
de 500 kg ha -1 de esterco bovino, doados por seus vizinhos produtores de
leite. Avaliando a lavoura, você pôde constatar que, de forma geral, as plantas
eram mirradas, os frutos eram pequenos e, na maioria, apresentavam algum
defeito que os desqualificava no mercado. Perguntado sobre as características
do solo, o produtor lhe revelou que recentemente havia recebido o resultado
da análise de solo, providenciada por um colega seu de trabalho. Ao analisar
o laudo do laboratório você pôde constatar que o solo analisado apresen-
tava características muito semelhantes e comuns aos solos tropicais brasi-
leiros. Tratava-se de um solo argiloso, com pH abaixo do índice adequado
para o desenvolvimento da maioria das lavouras. Além disso, apresentavam
alto teor de Al (alumínio), quantidades muito pequenas de P (fósforo) e K

Seção 3.1 / Práticas conservacionistas edáfica - 99


(potássio) e quase nada de matéria orgânica. A saturação por bases do solo
analisado era de 45%, com capacidade de troca catiônica CTC=8,0cmol cdm-3 .
Com base nestes resultados, você já pode dizer que identificou, pelo
menos em parte, a razão pela qual o Sr. João não estava obtendo bons resul-
tados em sua produção, uma vez que se tratava de um solo pouco fértil, utili-
zado para o cultivo de hortaliças – plantas muito exigentes quanto à quali-
dade do solo –, necessitando de elevados teores de nutrientes e de matéria
orgânica. O proprietário relata que havia adquirido recentemente calcário
com poder relativo de neutralização de 70%, porém ainda não havia aplicado,
pois aguardava orientação profissional.
Diante desta constatação, como você procederá para se promover a
conservação destes solos por meio do manejo da sua fertilidade?
Visando à construção de uma solução mais eficiente para tratar o
problema identificado, estude o conteúdo a seguir, no qual abordaremos as
práticas edáficas de conservação do solo.

Não pode faltar


Vivemos em um país onde as condições tropicais proporcionam um
ambiente muito favorável ao desenvolvimento da atividade agrícola pois,
de forma geral, temos luminosidade, temperatura e umidade adequados
à produção de várias espécies vegetais e animais de interesse comercial.
Entretanto, as mesmas condições que nos colocam em uma posição de
destaque na produção mundial de alimentos também são responsáveis por
acelerar os processos de degradação do solo, já comentados neste livro.
A atuação desses fatores na gênese de nossos solos proporcionou a
formação de grandes extensões com baixa fertilidade natural, normalmente
ácidos, muito argilosos, cujos minerais encontram-se muito degradados pelo
processo de intemperismo. Por estes motivos são muito sensíveis ao manejo
inadequado de sua fertilidade, exigindo-se assim especial atenção, não só na
ocasião da implantação de uma área de lavoura, mas também na manutenção
de sua capacidade produtiva.
Solos tropicais e subtropicais normalmente apresentam uma condição
de acidez limitante ao desenvolvimento da maioria das culturas comerciais.
Esta condição é decorrente dos altos índices de pluviosidade, que promove
a lixiviação dos cátions Na + , K + , Ca 2+ e Mg 2+ a uma taxa superior a de
reposição promovida pelo intemperismo dos minerais do solo. Considerando
o aporte de H+ proveniente da água da chuva, que é ligeiramente ácida (pH
5,5 a 6,5) e, também, da degradação da matéria orgânica, os espaços deixados

100 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


pela lixiviação dos cátions básicos passa a ser ocupado pelo hidrogênio
presente no complexo de troca (BISSANI et al., 2004). Os mesmos autores
destacam que em solos com baixo pH, os íons H+ atuam sobre a sua fase
mineral promovendo a liberação do Al 3+ presente na estrutura química de
algumas argilas por meio do intemperismo das mesmas. Como vimos, este
íon, juntamente com os íons de hidrogênio, é responsável pela acidez poten-
cial do solo, pois quando livre em sua solução, reage com a água liberando
H+ .

Assim, o uso agrícola dos solos tropicais requer a elevação do pH a uma


faixa em que tornam-se disponíveis a maioria dos nutrientes e mantêm-se
controlados os níveis de elementos tóxicos, como o alumínio e o manganês.
A correção da acidez do solo é realizada por meio da aplicação de calcário,
prática conhecida como calagem. O calcário é uma rocha constituída por
uma mistura de CaCO3 e MgCO3 em diferentes proporções. Com a calagem,
várias reações físicas acontecem envolvendo a neutralização dos íons H+ . O
processo se inicia pela hidrólise dos carbonatos, exemplificada com o CaCO3
(BISSANI et a.l, 2004):

CaCO3 +H2O ← 
→ Ca 2+ +HCO3- -OH-

As hidroxilas geradas nesta reação reagem com o hidrogênio do solo:

H+ +OH- ← 
→ H 2O

Segundo Bissani et al. (2004), a neutralização do H+ promove também a
neutralização do Al 3+ , que passa a formas insolúveis ( Al(OH)3 ), não tóxicas
às plantas.
O íon bicarbonato ( HCO-3 ) também reage com o H+ na solução:

H+ +HCO-3 ← → H2CO3 e H2CO3 ←

 
→ H2O+CO2

Reflita
Os íons H+ e Al 3+ na solução estão em equilíbrio dinâmico com os
retidos no complexo de troca. Se a calagem neutraliza os íons que estão
livres na solução do solo, como neutralizar aqueles que estão retidos nas
cargas negativas das partículas de solo?

Assim, a calagem é utilizada não só para regular o pH do solo, mas também


para diminuir a atividade do Al trocável e, ainda, promover o suprimento de
Ca 2+ e Mg 2+ ao solo. A determinação da quantidade de calcário necessária
para se promover estes efeitos no solo pode ser obtida por meio do cálculo da
necessidade de calagem (NC), utilizando-se o método da saturação por bases

Seção 3.1 / Práticas conservacionistas edáfica - 101


(V%), o qual tem como princípio que cada cultura apresenta melhor desen-
volvimento em determinado teor de bases no complexo de troca (BISSANI et
al., 2004). A saturação por bases é calculada por meio da soma de bases (SB)
e da capacidade de troca catiônica (CTC).
SB(cmol c dm -3 ) = Ca+Mg+K e CTC =(cmol c dm ) = SB+(H+Al)
-3

SB
V(%) = x100
CTC
assim,
CTC(V2 -V1 )
NC =
PRNT
onde:
CTC = capacidade de troca catiônica.
V1 = saturação por bases do solo analisado.

V2 = saturação por bases desejada (conforme a cultura, Tabela 3.1).

PRNT= poder relativo de neutralização total do calcário.


Quadro 3.1 | Valores de saturação por bases (V) adequados para calagem de algumas culturas

Cultura V(%) Culturas V(%)


Arroz irrigado 50 Mandioca 50
Milho 70 Cana-de-açúcar 60
Aveia branca 70 Cacau e café 60
Trigo 70 Algodão 70
Soja 60 Banana 60
Ervilha e feijão 70 Hortaliças 80
Fonte: adaptado de Raij et al. (1997).

Para exemplificar o cálculo, considere a seguinte situação:


CTC=7,3cmol c dm -3 ; V1 =23% ; V2 =60% (cultura da soja) e PRNT = 70%
7,3(60-23)
NC=
70

NC = 3,85 toneladas de calcário por hectare


A aplicação do calcário deve ser realizada de forma homogênea em área
total. Para se aumentar a reatividade do calcário, recomenda-se a sua incor-
poração ao solo, que pode ser feita por meio de uma gradagem. A calagem
deve ser realizada pelo menos seis meses antes do cultivo de leguminosos
e três meses antes do cultivo de gramíneas, de modo que o calcário possa
reagir com o solo, promovendo os efeitos desejados.

102 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


Outra prática que promove a adição de cálcio e, indiretamente, reduz a
atividade do Al trocável é a gessagem do solo. O gesso agrícola é um resíduo
da fabricação do superfosfato simples, um fertilizante químico produzido
pelo ataque ácido de rochas fosfatadas. Dessa reação deriva o sulfato de cálcio
di-hidratado, comumente denominada de gesso agrícola ( CaSO4 2H2O )
(ROSSETTO; SANTIAGO, [s.d.]).
Por meio da gessagem, adicionamos cálcio e enxofre ao solo e, por ser mais
solúvel do que o calcário, conseguimos promover o condicionamento do solo
na sua camada subsuperficial. Ao se dissiparem no solo, cálcio e sulfato reagem
com cátions e ânions, formando complexos químicos, inclusive com o Al
trocável, tornando-o menos disponível às plantas. Assim, a gessagem promove
o condicionamento do solo em profundidade, tornando a camada subsuperfi-
cial mais fértil, favorecendo o desenvolvimento de raízes nessa região do solo
(ROSSETTO; SANTIAGO, [s.d.]). De acordo com os mesmos autores, a deter-
minação da quantidade de gesso a ser aplicada pode ser calculada em função
dos teores de cálcio e Al trocável no solo. Assim, segundo Bissani et al. (2004),
a aplicação de gesso pode ser recomendada quando o teor de Ca 2+ trocável
for £ 0,5cmol cdm-3 , o de Al 3+ trocável for £ 0, 5cmol cdm-3 e a saturação por
Al 3+ 40%. Nestes casos, as quantidades a serem aplicadas variam em função
da textura do solo, sendo recomendado 2, 4 e 6 toneladas por hectare para os
solos arenosos, francos e argilosos, respectivamente.
Como vimos, em decorrência dos processos de intemperismo e lixiviação,
os solos formados sob clima tropical tendem a ser pouco férteis e, nestes
casos, a matéria orgânica constitui sua principal fonte de nutrientes. Por esta
razão, quando promovemos a remoção da cobertura vegetal original de um
solo, retiramos também a sua principal fonte de nutrientes. Diante deste fato,
o uso do solo para fins agrícolas requer especial atenção quanto ao forneci-
mento de nutrientes às culturas, em quantidades suficientes para que atinjam
seu potencial máximo de produção.
Assim, além das práticas de calagem e gessagem, o manejo da fertilidade
do solo é feito também por meio da adubação química e orgânica do solo.
A adubação química é realizada seguindo-se uma recomendação técnica
baseada na disponibilidade de nutrientes no solo, suas características
químicas e físicas, na demanda das culturas e em aspectos do clima. Parte
destas informações é fornecida por meio da análise química e física do solo,
conforme já estudamos.
É importante destacarmos que a recomendação de adubação, baseada
na análise química do solo, indica as quantidades de nutrientes a serem
aplicadas, considerando-se para este cálculo a forma química básica de cada
elemento (por exemplo: Nitrogênio = N, Fósforo P2O5 , Potássio = K 2O , etc.).

Seção 3.1 / Práticas conservacionistas edáfica - 103


Sendo assim, para o cálculo da quantidade de adubo é preciso definir qual
fonte de nutriente será utilizada, como a ureia (N), o cloreto de potássio (K)
e o superfosfato simples (P e S). Além destas fontes de nutrientes, chamadas
de adubos simples, é muito comum a utilização de formulações comerciais
contendo diferentes fontes de nutrientes, como é o caso do NPK 4–14–8,
que fornece simultaneamente 4% de nitrogênio, 14% de fósforo e 8% de
potássio. Seguindo a mesma lógica, é possível encontrar no mercado outras
formulações de NPK, como 10–10–10 e 20–5–20, entre outras. Também é
muito comum associar às formulações NPK fontes de micronutrientes como
o zinco e o cobre.
No Quadro 3.2 apresentamos o teor de nutrientes dos principais adubos
químicos utilizados na agricultura:
Quadro 3.2 | Principais adubos simples utilizados na formulação de adubos comerciais

Adubos Teores de nutrientes


N Outros
P2O5 K 2O

Ureia 44%
Nitrato de amônio 15%
Sulfato de amônio 20% 22 – 24% de S
Nitrato de amônio e cálcio 20% 2-8% de Ca
1 – 5% de Mg
Nitrato de cálcio 14% 18 – 18% Ca
Superfosfato simples 18% 10 – 12 % de S
Superfosfato triplo 41% 12 – 14 % de Ca
Monoamônio fosfato 9% 48%
(MAP)
Diamônio fosfato (DAP) 16% 45%
Cloreto de potássio 58%
Sulfato de potássio 48% 15 – 17% de S
Nitrato de potássio 13% 44%

Fonte: adaptado de Bissani et al. (2004).

De acordo com as características das culturas, das fontes de nutrientes


utilizadas e do clima, a adubação química recomendada poderá ser aplicada
em parcelas. Esta prática permite reduzir as perdas de nutrientes pelos
processos de lixiviação e de volatilização, conforme estudamos anterior-
mente. Assim, na ocasião da semeadura ou do plantio é feita a aplicação da
quantidade total de fósforo recomendada, que é pouco solúvel, e de parte do
nitrogênio e do potássio, sendo o restante destes nutrientes parcelados em até
duas aplicações após o plantio, conforme necessidade de cada cultura.

104 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


É importante destacar que na adubação de cobertura os adubos são
depositados sobre o solo, portanto, estão sujeitos às perdas pelos processos de
erosão e volatilização. Sendo assim, recomenda-se o uso de fontes de nitro-
gênio mais estáveis ou sua aplicação em condições adequadas de umidade do
solo, evitando-se assim as perdas por volatilização. Outrossim, veremos mais
adiante as práticas conservacionistas que deverão ser empregadas para se
reduzir o escoamento superficial nas áreas de lavoura e, consequentemente,
as perdas de adubos pela erosão do solo.

Reflita
Você consegue perceber que a adubação é um elemento chave para o
desenvolvimento adequado das espécies utilizadas na agricultura?

Em várias oportunidades temos destacado a importância da matéria


orgânica para a estabilidade do solo e a conservação de suas propriedades
químicas, físicas e biológicas. Comentamos, ainda, que a exploração agrícola
do solo em condições de clima tropical e subtropical exerce forte pressão
sobre a matéria orgânica no solo, acelerando seu processo de decomposição.
Nessas condições, o manejo da matéria orgânica torna-se imprescin-
dível para a manutenção da capacidade produtiva dos solos. Sendo assim, da
mesma forma que procedemos a adubação química, podemos fazer também
com a matéria orgânica, incrementando seus teores no solo por meio do
manejo dos resíduos culturais, bem como pela adição de material orgânico
ao solo.
A adubação orgânica do solo constitui a prática mais antiga de incre-
mentar sua fertilidade, sendo realizada por muitas civilizações que prati-
cavam a agricultura. Assim, diversos produtos orgânicos vêm sendo empre-
gados como fonte de matéria orgânica e nutrientes.
Os estercos de animais constituem a principal fonte de adubo orgânico
na agricultura, dada a facilidade de obtenção e quantidade gerada. Porém,
outras fontes podem ser utilizadas como alguns resíduos industriais (torta de
mamona, bagaço da cana, cinzas, entre outros) e os produtos do tratamento
de resíduos orgânicos gerados pelas populações urbanas (lodo de esgoto
doméstico e compostos de resíduos orgânicos).
De forma geral, os resíduos orgânicos utilizados, para serem empregados
como adubos, devem passar por um processo de estabilização, conhecido
como compostagem.

Seção 3.1 / Práticas conservacionistas edáfica - 105


Assimile
A compostagem é um processo controlado de decomposição micro-
biana de oxidação e oxigenação de uma massa heterogênea de matéria
orgânica no estado sólido e úmido, passando pelas seguintes fases: uma
inicial e rápida de fitotoxicidade (de composto cru ou imaturo), seguida
da fase de semicura ou bioestabilização, para atingir finalmente a terceira
fase de cura, maturação ou tecnicamente a humificação, acompanhada
da mineralização de determinados componentes da matéria orgânica,
quando se pode dar por encerrada a compostagem (KIEHL, 2002, p.1).

Quando não estabilizados, os resíduos orgânicos sofrerão o processo


de decomposição no solo e podem causar danos às plantas, considerando
que neste processo ocorre elevação de temperatura, liberação de substâncias
tóxicas e até imobilização de alguns nutrientes presentes no solo, tornando o
ambiente inadequado para o desenvolvimento de raízes.
Como era de se esperar, os adubos orgânicos apresentam uma grande
variação em sua composição química, que decorrem das condições onde
são produzidos e armazenados. Assim, a recomendação para a adubação
orgânica do solo é feita considerando-se a quantidade de nutrientes presentes
nas fontes empregadas, os teores de nutrientes e matéria orgânica do solo
(análise química do solo) e a necessidade das culturas.
Considerando os estercos a fonte mais comum de matéria orgânica no meio
rural, apresentamos no Quadro 3.3 o teor de nutrientes de alguns materiais.
Quadro 3.3 | Concentrações médias de C e de macronutrientes e teor de matéria seca de alguns
materiais orgânicos

Material orgânico Carbono N Ca Mg Matéria


orgânico Seca
--------------------% (m/m na matéria seca)--------------------
Cama de frango (3-4 30 3,2 3,5 2,5 4,0 0,8 75
lotes)*
Cama de peru 23 5,0 4,0 4,0 3,7 0,8 75
Cama de poedeiras 30 1,6 4,9 19 14 0,9 72
Esterco sólido de 20 2,1 2,8 2,4 2,8 0,8 25
suínos
Esterco sólido de 30 1,5 1,4 1,5 0,8 0,5 20
bovinos
*indicações do número de lotes de frangos que permaneceram sobre a mesma cama.
Fonte: adaptado de Bissani et al. (2004).

106 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


O cálculo da quantidade efetiva dos nutrientes N, P2O5 e K 2O aplicados
pela adubação orgânica pode ser calculado por meio da seguinte fórmula
(BISSANI et al., 2004):
B C
X=Ax x xD
100 100
Onde X é a quantidade do nutriente aplicado (kg/ha); A é a quantidade
do produto a aplicar (kg/ha); B é o teor de matéria seca do produto (%); C é a
concentração do nutriente na matéria seca (%) e D é o índice de eficiência de
liberação dos nutrientes, conforme indicado no Quadro 3.4.
Quadro 3.4 | Índice de eficiência de liberação dos nutrientes no solo (valores médios para cada
fonte)

Material orgânico Nutriente Índice de eficiência

1º cultivo 2º cultivo 3º cultivo

Cama de frango N 0,5 0,2 0,1

P 0,8 0,2 -

K 1,0 - -

Esterco de suíno sólido N 0,6 0,2 0,1

P 0,8 0,2 -

K 1,0 - -

Esterco bovino sólido N 0,3 0,2 0,1

P 0,8 0,2 -

K 1,0 - -

Fonte: adaptado de Bissani et al. (2004).

Exemplificando
Quer entender melhor como proceder o cálculo da adubação
orgânica? Então veja este exemplo:
Em uma determinada propriedade rural, cuja análise de solo
proporcionou a seguinte recomendação de adubação para o cultivo
de milho 120 kg ha -1 de N, 60 kg ha -1 de P2O5 e 60 kg ha -1 de K 2O ,
o produtor que dispõe de cama de frango (3-4 lotes), deseja utilizar
este material para economizar com a aquisição de adubos. Conside-
rando os valores dos Quadros 3.3 e 3.4, podemos utilizar a fórmula
para conhecer a quantidade de material orgânico necessária para
suprir as necessidades de fósforo:

Seção 3.1 / Práticas conservacionistas edáfica - 107


75 3,5
60 kg de P2O5ha -1 =Ax x 0,8
100 100
A = 2.857 kg ha -1
Resta saber se esta quantidade de adubo orgânico suprirá a neces-
sidades de nitrogênio e potássio:
1) Cálculo do N:
Kg de N = 2857 x0,75 x 0,032 x 0,5 = 34,2 kg ha -1
Neste caso haverá a necessidade de se complementar a adubação
nitrogenada, pois:
120 – 34,3 = 85,7 kg ha -1
o que poderá ser feito com a aplicação de 194,8 kg de ureia (44% de
N) por ha em cobertura.
2) Cálculo do K 2O :
Kg de K 2O - 2.857 x 0,75 x 0,025 x 1,0 = 53,6 kg ha -1
Neste caso também haverá a necessidade de se complementar a
adubação potássica, pois:
60 – 53,6 = 6,4 kg ha -1
O que poderá ser feito com a aplicação de 11 kg de KCl (58% de
K 2O ).
Fonte: Bissani et al. (2004).

É importante destacar que o fornecimento de nutrientes por meio da


adubação orgânica não consegue atender completamente às necessidades das
lavouras, portanto deve ser complementada com o uso de adubos minerais.
Além do fornecimento dos nutrientes, a adubação feita por meio da
adição de material orgânico ao solo pode proporcionar ainda a recuperação
de nutrientes, melhoria e estabilidade às propriedades físicas do solo e sua
proteção. Estas funções podem ser conseguidas por meio da adubação verde.

Assimile
A adubação verde é uma prática agrícola que consiste no cultivo de
espécies vegetais em rotação ou em consórcio com culturas de interesse
econômico. Essas espécies, de ciclo anual ou perene, cobrem o terreno
por determinado período ou durante todo o ano. Depois de roçadas,
podem ser incorporadas ou mantidas em cobertura sobre a superfície
do solo (BRASIL, 2007). BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e
Abastecimento. Adubos Verdes | Informações Técnicas. Brasília: MAPA,
2007.

108 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


Por meio desta prática, as espécies cultivadas, ao se desenvolverem,
absorvem os nutrientes residuais no solo e, em alguns casos, de regiões do
solo fora do alcance das raízes das espécies comerciais, promovendo assim a
recuperação desses nutrientes que poderiam ser perdidos pela lixiviação. Ao
se proceder o corte destas plantas, forma-se uma camada de cobertura morta
sobre o solo que, ao se decompor, devolve os nutrientes absorvidos, imitando
os processos naturais de ciclagem de nutrientes. Além disso, a cobertura
morta protege o solo contra a ação da chuva, reduz a amplitude térmica e
retém a umidade, proporcionando condições favoráveis à vida no solo.
Em áreas destinadas aos cultivos anuais e de hortaliças a adubação verde
é, normalmente, conduzida em rotação de cultura, sendo cultivada no inter-
valo entre as safras. Em culturas perenes, a adubação verde pode ser realizada
de forma consorciada, sendo as espécies de adubos verdes, normalmente,
cultivadas nas entrelinhas da cultura comercial.
São muitas as espécies que podem ser cultivadas como adubos verdes, e
em especial destacamos as leguminosas, que apresentam relação simbiôn-
tica com bactérias fixadoras de nitrogênio atmosférico. Estas plantas, além
de não dependerem do nitrogênio disponível no solo, promovem grande
incremento deste nutriente quando incorporadas ao solo ou, até mesmo,
formando a cobertura morta. Além das leguminosas, gramíneas e crucíferas
também são muito empregadas na adubação verde.
A adubação verde tem-se mostrado uma das técnicas mais eficientes na
reconstrução da fertilidade e da física de solos em áreas degradadas, inclusive
em taludes de corte e aterro, onde o substrato é quase inerte dada a sua rusti-
cidade, potencial de produção de massa verde e formação de cobertura do
solo. Nestes ambientes a semeadura pode ser realizada manualmente, sendo
as sementes depositadas em pequenas covas (5 cm de diâmetro por 5 cm de
profundidade) abertas na superfície do substrato.
Considerando as informações adquiridas nesta seção, você já dispõe
das ferramentas necessárias para realizar os processos de preparo do solo e
adubação. Então vamos avançar!

Sem medo de errar


Caro estudante, no desafio proposto, sua função como agrônomo exten-
sionista era atender à demanda do Sr. João, que solicitou sua ajuda para
avaliar o que estava acontecendo em sua propriedade, onde sua produção
de hortaliças vinha definhando ano após ano. Sobre o histórico da área, o
produtor havia lhe informado que, em quatro anos de cultivo, fizera uma
única adubação com esterco bovino, que era facilmente obtido com seus

Seção 3.1 / Práticas conservacionistas edáfica - 109


vizinhos. Também lhe foi apresentada o resultado de uma recente análise
de solo, que mostrou as graves deficiências de fósforo, potássio e matéria
orgânica daquele solo argiloso e ácido.
Diante destas informações você pôde construir seu diagnóstico,
revelando ao horticultor que o manejo da fertilidade do solo era urgente
em sua propriedade e, considerando as informações colhidas, você passou a
fazer suas recomendações.
Primeiramente, indicou a necessidade de se proceder a correção da acidez
do solo por meio da calagem, uma vez que as hortaliças são muito exigentes
quanto à fertilidade do solo e sensíveis à acidez. Assim, calculou por meio do
cálculo da necessidade de calagem, observou-se a necessidade de se aplicar 4
toneladas de calcário por hectare, conforme demonstramos a seguir:
Considerando os resultados da análise de solo:
CTC=8,0cmol c dm -3 e V1 = 45%

Considerando V2 = 80% (conforme indica a recomendação para


hortaliças)
E o PRNT do calcário = 70%.
Aplicando-se os valores na formula da NC:

CTC(V2 - V1 ) 8,0(80-45)
NC= assim, NC=
PRNT 70

NC = 4,00 toneladas de calcário por hectare

Foi importante destacar ao Sr. João que o calcário deveria ser aplicado e
incorporado em área total, de modo a acelerar a reação com o solo, desta-
cando-se que os melhores efeitos seriam observados a partir de seis meses
da calagem.
Além da correção do solo você recomendou que fosse realizada a
adubação orgânica utilizando o esterco bovino, que era abundante na região,
destacando que os adubos orgânicos devem ser usados somente após sua
estabilização. O cálculo da quantidade de esterco a ser aplicada foi feito para
se fornecer metade da quantidade de fósforo necessária, e, consequente-
mente, parte do potássio e do nitrogênio.
Considerando o aporte de nutrientes feito por meio da adubação orgânico,
você calculou a quantidade de nutrientes que ainda precisavam ser adicionados

110 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


ao solo, considerando as necessidades de cada hortaliça a ser cultivada pelo Sr.
João. Assim, calculou-se a quantidade de adubos químicos, considerando-se,
para isto, a concentração de nutrientes em cada fonte a ser utilizada.
Um ponto importante em sua recomendação diz respeito à pratica da
adubação verde, pois em se tratando de uma área de cultivo de hortaliças,
onde grandes quantidades de adubos são requeridas, o uso de adubos verdes
torna-se uma alternativa muito eficaz para se recuperar parte dos nutrientes
que são lixiviados no perfil do solo, além de se manter elevados os teores de
matéria orgânica, o que é muito desejável no cultivo de hortaliças. Neste caso,
o cultivo de adubos verdes deve ser feito em rotação com as hortaliças.
Com estas práticas, o Sr. João garantirá a manutenção da capacidade
produtiva de sua propriedade, protegendo seu solo contra a exaustão.

Avançando na prática

Revegetação em taludes de corte e aterro

Descrição da situação-problema
Você foi contratado por uma empresa responsável pela abertura de
rodovias para auxiliar no processo de estabilização do talude. Durante a
construção de uma rodovia, é comum que se proceda a movimentação de
solo por meio das operações de corte e aterro, realizadas nas elevações e
depressões do terreno ao longo do traçado da rodovia, de modo a se estabe-
lecer a declividade adequada ao trânsito seguro de veículos. Neste processo,
as camadas mais profundas de solo são expostas nas marginais das rodovias
pelos cortes e, em outra situação, os aterros das depressões formam verda-
deiras encostas de solo descoberto.
Diante desta situação, você deverá solucionar o problema da encosta onde
não estava ocorrendo a fixação da cobertura vegetal, pois em ambos os casos
apresentados, a implantação de uma cobertura vegetal se faz necessária, de
forma a se garantir a estabilidade dessas estruturas, bem como sua proteção
contra a formação de processos erosivos. Entretanto, em ambas as situações,
observa-se a utilização de um substrato inerte, praticamente desprovido de
nutrientes e matéria orgânica, o que dificulta muito o estabelecimento de
uma cobertura vegetal que desempenhe a função desejada de proteção das
estruturas. Dessa forma, qual a melhor forma de revegetar o local? O que
ocasionou as falhas nas tentativas anteriores?

Seção 3.1 / Práticas conservacionistas edáfica - 111


Resolução da situação-problema
Ao chegar no local, verificou o substrato e as declividades dos terrenos a
serem revegetados, você pôde concluir que a melhor forma de lidar com o
problema seria por meio da prática de adubação verde, uma vez que, por se
tratar de terreno muito declivoso, a aplicação de adubos orgânicos ou químicos
seria de pouca ou nenhuma eficiência, pois facilmente seriam carreados pela
água das chuvas que incidirem sobre estas superfícies inclinadas. Portanto,
a melhor forma de proceder a melhoria das condições físicas, químicas e
biológicas do referido substrato seria por meio da semeadura de espécies de
adubos verde, normalmente muito rústicas, de rápido crescimento e capazes
de gerar uma quantidade de massa verde satisfatória à cobertura do solo e ao
aporte de matéria orgânica. Neste caso, a semeadura pode ser realizada em
pequenas covas abertas em toda a superfície a ser revegetada.
Ao explicar as razões de sua recomendação, buscou-se destacar que, em
situações como as observadas ao longo da rodovia, o emprego da adubação
verde proporciona a formação de uma cobertura vegetal que protegerá o solo,
promoverá o desenvolvimento da sua estrutura do solo pelo crescimento das
raízes e pela deposição de matéria orgânica sobre a superfície do substrato.
Além disso, cria um ambiente favorável ao estabelecimento da biologia do
solo e regeneração de espécies vegetais locais.

Faça valer a pena

1. Solos formados sob condições de clima tropical e subtropical tendem a apresentar


altas concentrações de íons hidrogênio e alumínio, o que lhes confere um caráter
ácido. A acidez do solo afeta a disponibilidade de nutrientes e, consequentemente, o
desenvolvimento das plantas.

Em solos agrícolas a acidez pode ser corrigida por meio da prática conhecida como:
a) Calagem.
b) Fosfatagem.
c) Adubação química.
d) Adubação orgânica.
e) Adubação verde.

2. Em nossos estudos vimos que a matéria orgânica desempenha importante papel


na manutenção das propriedades químicas, físicas e biológicas do solo. Neste sentido,
a adubação orgânica constitui prática fundamental para a estabilidade dos solos
agrícolas e para o fornecimento de nutrientes. Sobre este tema, analise os itens a
seguir:
I. Esterco bovino.

112 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


II. Esterco de aves.
III. Esterco de suínos.
IV. Composto de resíduos orgânicos.
V. Lodo de esgoto.

Podem ser utilizados como adubos orgânicos os materiais apresentados nos itens:
a) Apenas II e IV.
b) Apenas I, III e V.
c) Apenas I, II, III e IV.
d) Apenas II, III, IV e V.
e) I, II, III, IV e V.

3. Solos muito intemperizados tendem a ser pouco férteis, dado o intenso processo
de desgaste dos minerais e lixiviação de elementos químicos liberados neste processo.
Estas condições são comumente observadas nas regiões dos trópicos, onde tempera-
tura e umidade atuam de forma bastante significativa no processo de transformação
das rochas. Sendo assim, solos formados nestas condições, quando destinados ao uso
agrícola, devem ter a fertilidade corrigida para que as necessidades nutricionais das
plantas possam ser atendidas.

Sobre a adubação química do solo é correto afirmar que:


a) Podemos definir a adubação química como a adição de qualquer material capaz de
fornecer ao solo elementos químicos considerados nutrientes para as plantas.
b) Na adubação orgânica, considera-se apenas o uso de materiais produzidos a partir
de restos vegetais e animais, fornecidos no meio rural.
c) No cálculo da quantidade de adubos orgânicos a ser aplicado em determinada
cultura, devemos considerar os valores de saturação por bases inicial e final além do
PRNT do adubo.
d) A ureia é um adubo químico que pode ser substituído pelo superfosfato triplo no
fornecimento de potássio.
e) As adubações química e orgânica devem ser realizadas com critério de modo a se
aplicar ao solo apenas as quantidades de nutrientes requeridas pelas culturas, poden-
do-se para isto utilizar adubos químicos e orgânicos de forma complementar.

Seção 3.1 / Práticas conservacionistas edáfica - 113


Seção 3.2

Práticas conservacionistas mecânicas

Diálogo aberto
Olá, prezado estudante!
Conforme temos comentado, a exploração agrícola do solo em regiões
tropicais expõe grandes extensões de terras à ação implacável do clima, lugares
onde a ocorrência de altos índices pluviométricos tem provocado a degradação
do solo e do ambiente ao seu redor. No desafio proposto, você está tendo a
oportunidade de avaliar as consequências da ação do clima em uma região
agrícola onde presta assistência como engenheiro agrônomo extensionista.
Você já verificou que o manejo inadequado da fertilidade do solo
pode trazer sérias consequências para a sustentabilidade de uma atividade
agrícola, ainda mais se esta for exigente quanto à fertilidade do solo. Agora
seu trabalho foi requisitado para auxiliar um casal de produtores que recebeu
uma das propriedades mais íngremes do assentamento; em média, as áreas
destinadas aos cultivos apresentavam entre 15 e 20% de declividade. Em sua
visita a esta propriedade, você constatou que nenhuma prática conservacio-
nista era adotada e, por este motivo, a água das chuvas vinha causando sérios
problemas, desencadeando a formação de processos erosivos em pratica-
mente todo o sítio, transportando sedimentos, nutrientes e matéria orgânica
para dentro do corpo hídrico, que era usado por diversas famílias para a
captação de água.
A produção do sítio era bem diversificada, sendo cultivados café, feijão,
milho e hortaliças, porém a erosão do solo, além de afetar a qualidade da
água, reduzia sua fertilidade, levando o casal de assentados a produzir cada
vez menos.
Considerando este cenário, como você poderia ajudar este casal de
produtores? Quais práticas conservacionistas seriam mais adequadas para
esta propriedade?
Essas e outras perguntas poderão ser respondidas durante o estudo desta
seção, na qual abordaremos as práticas mecânicas de conservação solo.
Bons estudos!

114 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


Não pode faltar
Ao longo do conteúdo trabalhado, temos evidenciado que a exploração
agrícola do solo requer responsabilidade por parte do produtor rural, uma
vez que, ao se modificar sua condição natural, ocorrem alterações signifi-
cativas em suas características, que podem, em situações extremas, torná-lo
improdutivo. Mas esta não é a única consequência do mau uso do solo:
temos buscado destacar também que o meio ambiente como um todo tem
sido degradado com a irresponsabilidade de alguns produtores rurais. Só
para recordarmos: a degradação do solo pode interferir até mesmo no ciclo
hidrológico de uma região.
Por estes motivos, a adoção de práticas conservacionistas, além de
proteger os solos e proporcionar maior estabilidade de suas propriedades,
visam ainda à manutenção das suas funções ecológicas, como é o caso das
práticas que serão discutidas nesta seção.
Independentemente das características do solo, da declividade e do tipo
de cultivo, a água da chuva sempre será um grande motivo de preocupação
no que diz respeito à conservação do solo. Ao mesmo tempo que é muito
desejada para o pleno desenvolvimento das lavouras, pode constituir um
grande problema quando o assunto é erosão.
Toda a água que incide sobre uma área será atraída pela gravidade ao ponto
mais baixo do terreno e, sendo assim, poderá infiltrar no solo ou escoar super-
ficialmente sobre ele. Nos dois casos, a água da chuva causa transformações nas
propriedades do solo, principalmente pelo transporte de sedimentos e nutrientes.
Isto posto, podemos dizer que as práticas conservacionistas mecânicas
têm o objetivo de proporcionar ao ambiente agrícola uma condição que
minimize a ocorrência de grandes perdas, limitando-as a uma dimensão
próxima àquelas observadas em condições naturais. Neste sentido, o primeiro
conceito que devemos compreender é o de curva de nível.

Assimile
As curvas de nível são a representação mais comum do relevo de uma
determinada área. São linhas imaginárias que conectam pontos de
mesma altura em relação a um plano horizontal (MCCORMAC; SARASUA;
DAVIS, 2019). Pois por meio desta representação é possível identificar
linhas e pontos importantes do terreno que definem sua forma e indicam
a caída das águas (TENÓRIO; SEIXAS, 2008).

Seção 3.2 / Práticas conservacionistas mecânicas - 115


Do ponto de vista agronômico, as curvas de nível são utilizadas como
referência para que as operações de movimentação de solo aconteçam em
nível. Isto significa dizer que as máquinas e implementos devem sempre
transitar perpendicularmente ao sentido da declividade do terreno.
Normalmente as curvas de nível são demarcadas no campo por meio
de piquetes fincados nos pontos de mesma altitude, definindo-se assim, a
direção e o alinhamento para a realização das operações. A determinação dos
pontos pode ser realizada de várias formas, com o uso de diferentes equipa-
mentos, tais como aparelhos de GPS (Global Positioning System), estação
total, teodolito, nível de mira e até mangueira de nível.
Quando trabalhamos o solo em nível, geramos uma rugosidade em sua
superfície (Figura 3.1), que funcionará como pequenas barreiras ao escoa-
mento superficial, reduzindo o potencial de formação de processos erosivos.
Figura 3.1 | Aspecto da rugosidade do solo criada pelo sistema de cultivo em nível

Fonte: UNESP (2019, p. 10).

As operações mecanizadas de preparo do solo (subsolagem, aração e


gradagem), cultivo mecanizado e semeadura, “cortam” o solo, promovendo a
formação de sulcos em sua superfície. Além de impor pequenas barreiras ao
escoamento superficial, estas operações melhoram a infiltração da água no solo,
aumentando assim a resistência das plantas à ocorrência de períodos secos.

Reflita
Ainda é muito comum que os produtores rurais realizem o preparo do
solo no sistema conhecimento como “morro abaixo” (Figura 3.2).

116 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


Figura 3.2 | Exemplo de preparo de solo no sistema “morro abaixo”

Fonte: adaptada de Lima et al. (2017, p. 16).

Neste sistema, os produtores fazem as operações mecanizadas no


sentido da declividade do terreno, portanto os sulcos abertos pelos
implementos são estabelecidos paralelamente ao sentido do declive.
O que podemos esperar que aconteça com o solo nas propriedades
agrícolas que adotam esta prática?

Como você pode imaginar, nem sempre a rugosidade gerada pelas opera-
ções mecanizadas será suficiente para conter toda a água que precipita, pois
em nossas condições de clima é comum a ocorrência de longos períodos de
chuva, que saturam o solo, acarretando que o excesso de água acabe escoando
superficialmente. Em regiões tropicais também é esperada a ocorrência de
precipitações intensas em curto espaço de tempo, em que a quantidade de
água descarregada sobre o solo excede sua capacidade de infiltração, gerando
o escoamento hortoniano (superficial). Em ambos os casos, a contenção da
água deve ser feita por estruturas mais robustas, capazes de proporcionar a
interrupção do caminhamento da água em superfície e, sobretudo, reter o
maior volume de água possível. Estas estruturas são chamadas de terraços.

Pesquise mais
O terraceamento consiste na construção de uma estrutura transversal ao
sentido do maior declive do terreno. Apresenta estrutura composta de
um dique e um canal e tem a finalidade de reter e infiltrar, nos terraços
em nível, ou escoar lentamente para áreas adjacentes, nos terraços em
desnível ou com gradiente, as águas das chuvas (UNESP, 2018). Segundo
o mesmo autor, a função do terraço é a de reduzir o comprimento da
rampa, que consiste na área contínua por onde há escoamento das
águas das chuvas, e, com isso, diminuir a velocidade de escoamento da
água superficial.

Seção 3.2 / Práticas conservacionistas mecânicas - 117


Quanto a sua função, os terraços podem ser classificados como terraço
em nível, terraço em desnível e o terraço misto. Os terraços em nível, também
conhecidos como terraços de retenção e infiltração, são indicados para solos
com boa permeabilidade, e a água interceptada pelo terraço permanece
retida em seu canal, permitindo que seja absorvida, o que é muito desejável,
pois eleva a umidade do solo, contribuindo para o abastecimento de reser-
vatórios de água subterrânea. Em situações extremas, entretanto, com preci-
pitações acima da média, os terraços em nível podem ter sua capacidade de
armazenamento superada e, ao transbordar, a água poderá comprometer a
estrutura do terraço. Outra desvantagem desse terraço é a necessidade de
limpeza frequente dos sedimentos acumulados em seu canal. A Figura 3.3
ilustra este tipo de terraço.
Figura 3.3 | Aspecto de um terraço em nível, evidenciando as estruturas canal e camalhão e o
acúmulo de água

Fonte: adaptada de EMATER (2017).

Em solos com permeabilidade reduzida, como é o caso de solos rasos,


recomenda-se a construção de terraços em desnível, ou seja, com um deter-
minado gradiente (diferença de nível), que proporcionará que a água inter-
ceptada pelo terraço seja lentamente conduzida para fora do sistema, garan-
tindo que não haja transbordamento. Esta é uma vantagem do terraço em
desnível pois, por não acumular água, pode suportar grandes quantidades
de chuva sem risco de se romper. Uma terceira opção a ser considera é a
construção de terraços mistos. Nestes, o desnível é construído de tal forma
que a água interceptada pelo terraço somente passa a escoar para fora do
sistema quando o nível do acumulado atinge determinada cota. Este tipo de
terraços proporciona maior tempo para a infiltração da água no solo que
o terraço em desnível e protege a estrutura contra o transbordamento, no
caso de precipitações muito intensas. É importante destacar que nos terraços

118 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


em desnível e mistos, a saída de água deve ser feita em canais devidamente
preparados para esse fim; normalmente eles são vegetados e resistentes à
formação de processos erosivos. O Quadro 3.1 apresenta as principais carac-
terísticas destes terraços.
Quadro 3.1 | Tipos de terraços, suas características e funções

Tipos de terraços Construção Função Indicação


Em nível (de Sobre as curvas de Interceptação da Solos com boa
retenção, absorção nível demarcadas enxurrada, retenção permeabilidade
ou Infiltração). e com bordas e infiltração da água. como latossolos,
bloqueadas. nitossolos, neossolos
quartzarênicos e
areias quartzosas.
Terraço em desnível Com pequeno Acumula o Solos com
(com gradiente, gradiente ou excedente de permeabilidade
de escoamento, desnível, com água, permitindo moderada ou lenta
com declive ou de uma ou duas seu escoamento como cambissolos,
drenagem). extremidades para fora da área argissolos e
abertas. protegida. neossolos litólicos.
Terraço Misto. Com um canal de Uma vez que Solos com
pequeno declive o volume de permeabilidade
e com volume acumulação seja moderada ou lenta
de acumulação preenchido começa como cambissolos,
do escoamento a funcionar como argissolos e
superficial. terraço em gradiente. neossolos litólicos.

Fonte: adaptado de Machado e Wadt ([s.d., s.p.]).

Quanto à construção, os terraços podem ser do tipo Nichols, em que o


solo deve ser cortado com arado e movimentado sempre no mesmo sentido,
de cima para baixo, de modo que o material que formará o camalhão, que é a
barreira construída acima do nível do solo, é retirado da faixa imediatamente
superior, dando origem assim ao canal em sua base, conforme podemos
observar na Figura 3.4. Este tipo de terraço é recomendado para terrenos
com declive até 15%.
Em terrenos com declive menor a 15% recomenda-se a construção de
terraços do tipo Manghum, em que a faixa de solo movimentada para a
formação do terraço é bem maior se comparada ao tipo descrito anterior-
mente, acontecendo tanto na parte superior como na inferior ao camalhão
(MACHADO; WADT, [s.d.]). A Figura 3.4 apresenta as características dos
tipos de terraços descritos.

Seção 3.2 / Práticas conservacionistas mecânicas - 119


Figura 3.4 | Esquema da seção transversal de terraços tipo Nichols e Manghum

Fonte: elaborada pelo autor.

De acordo com Machado e Wadt ([s.d.]) os terraços tipo Manghum


podem ser de base estreita, média ou larga, dependendo da dimensão da
estrutura construída, bem como do volume de terras movimentado, como
pode ser observado na Figura 3.5.
Figura 3.5 | Esquema da secção transversal de terraços de base larga (A), média (B) e estreita (C)
Nível original do terreno
A

6 a 12 metros

Nível original do terreno

3 a 6 metros

Nível original do terreno

C
3 metros
Fonte: elaborada pelo autor.

Agora que você tem uma boa noção de como são construídos os terraços
é importante destacarmos alguns critérios utilizados para se determinar o
espaçamento entre estas estruturas e o tamanho de sua seção transversal.
Esta determinação é muito relevante, uma vez que a construção de terraços
despende recursos financeiros e também podem dificultar o trânsito de
máquinas no terreno. Por outro lado, o subdimensionamento da quanti-
dade e do tamanho dos terraços pode expor o terreno a risco considerá-
veis de perdas, uma vez que o colapso de terraços mal dimensionados pode
ocasionar estragos ainda maiores do que sua ausência.

120 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


Assim, para o dimensionamento da quantidade de terraços devemos
considerar a declividade da área, sendo o tamanho de sua seção estabele-
cida em acordo com a velocidade de infiltração de água no solo, histórico
de pluviosidade com destaque para eventos de intensidade máxima provável
e volume de água a ser captado, incluindo aquela proveniente das estradas
rurais. (MACHADO; WADT, [s.d.]).

Exemplificando
Existem vários métodos para o cálculo do espaçamento entre
terraços. Machado e Wadt ([s.d.]) indicam a metodologia proposta
por Lombardi Neto, com adaptações para o sistema de plantio
direto, em que são considerados iguais as variáveis relativas à classe
de solo e tipo de cultivo. Nesta metodologia o espaçamento vertical
entre os terraços é determinado de acordo com o manejo do solo e
dos restos culturais, na seguinte proporção:
E = ev x n
onde:
E = espaçamento vertical entre os terraços.
ev = espaçamento vertical entre os terraços em sistemas de preparo
do solo com grade aradora, grade pesada ou enxada rotativa, e com
incorporação ou queima dos restos culturais.
n = fator de distanciamento dos terraços de acordo com o preparo
do solo e o manejo dos restos culturais, conforme Tabela 3.5.

Tabela 3.5 | Valores para o fator n de acordo com o manejo do solo


Preparo
Preparo secundário Restos culturais n
Primário
Arado de disco ou Incorporados ou
Grade niveladora 1,50
aiveca; subsolador queimados
Parcialmente incor-
Grade leve Grade niveladora 2,00
porados
Parcialmente incor-
Arado escarificador Grade niveladora 3,00
porados
- Plantio direto Superfície do terreno 4,00

Fonte: adaptada de Machado e Wadt ([s.d., s.p.]).

Seção 3.2 / Práticas conservacionistas mecânicas - 121


Um fator importante que costuma contribuir com a degradação do solo e
de recursos hídricos é a presença de vias rurais (estradas e carreadores), que
normalmente são construídos em discordância com as técnicas de conser-
vação do solo, transformando-se em verdadeiros canais de escoamento
da enxurrada que é produzida nas áreas de cultivo. O acúmulo de água
nas estradas promove a destruição de seu leito, podendo provocar ainda a
formação de voçorocas em propriedades rurais ou o assoreamento e poluição
dos recursos hídricos que recebem todo volume de água e sedimentos
captado por estas vias.
Para se evitar esta situação, a construção de estradas e carreadores deve
ser realizada seguindo-se as técnicas preconizadas para o escoamento da
água que incide sobre estas vias, de maneira gradativa e ao longo de toda
sua extensão. Assim, as vias rurais devem ser construídas acima do nível das
áreas de lavoura, tendo o centro de seu leito carroçável mais alto do que suas
bordas, conforme ilustra a Figura 3.6.
Figura 3.6 | Perfil transversal de uma via rural evidenciando a altura do leito em relação às áreas
adjacentes

Fonte: adaptada de Machado e Wadt ([s.d., s.p.]).

As vias construídas em declive deverão contar com lombadas, disposi-


tivos que simulam o efeito dos terraços, reduzindo a velocidade da água e
direcionando-a para as saídas previamente estabelecidas. As saídas de água
construídas nas estradas devem coincidir com o início dos terraços, assim a
água é retida e absorvida nestas estruturas. Por este motivo, no cálculo do
tamanho do terraço pontuamos que deverá ser considerada a água prove-
niente das estradas e carreadores. Quando não houverem terraços, deverão
ser construídos os “bigodes”, dispositivos que permitem a captação da água
das estradas para o interior das propriedades rurais, de forma que a maior
parte fique contida e o excesso escoe de forma suave para dentro do terreno.
Quando a construção do bigode não for possível, deve ser considera a
construção de caixas de contenção de água, que constituem pequenas bacias

122 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


situadas junto à saída de água proporcionada pelas lombadas. Estas estru-
turas podem ser observadas na Figura 3.7.
Figura 3.7 | Planta baixa de uma via rural evidenciando as estruturas que disciplinam a saída
de água e as que promovem a sua captação e retenção (A). Corte longitudinal da via rural (B)

Fonte: elaborada pelo autor.

Além dessas medidas, desenvolvidas para conter a ação da água das chuvas
nas áreas de lavouras, uma técnica bastante antiga de cultivo que pode ser
vista ainda nos dias atuais é o cultivo em patamares ou bancadas. O estabele-
cimento desta forma de cultivo é indicado para áreas com declividades entre
26 a 35%, consistindo na secção do terreno perpendicularmente ao sentido
do declive (AMBIENTE BRASIL, [s.d.]). Os mesmos autores apontam que,
assim como os terraços, os patamares promovem a diminuição da velocidade
e do volume do escoamento superficial, e destacam como principais vanta-
gens o controle de erosão e o aumento da eficiência das operações de preparo
do solo, semeadura e capina.
Figura 3.8 | Exemplo de patamares utilizados na cafeicultura no município de Caconde (SP)

Fonte: Disponível em: http://www.redepeabirus.com.br/redes/form/post?post_pub_id=67306. Acesso em:


6 dez. 2018.

Seção 3.2 / Práticas conservacionistas mecânicas - 123


Basicamente, os patamares são constituídos por uma plataforma agricul-
tável e por um talude. A superfície agricultável deverá ser construída com
leve inclinação em direção à base do talude, de modo que a água que incida
sobre o terreno seja retida neste local. Os taludes, por sua vez, devem ser
devidamente estabilizados por meio da formação de uma cobertura vegetal
rasteira. A construção desse tipo de estrutura demanda grande movimen-
tação de terra, sendo um sistema caro e, por este motivo, limitado a culturas
que possam trazer retorno econômico que justifique esse investimento.
Os patamares podem ser de dois tipos: os contínuos, semelhantes aos
terraços, ou descontínuos, constituindo banquetas individuais (UNESP,
2018), conforme podemos observar na Figura 3.9.
Figura 3.9 | Esquema representando a seção transversal de patamares contínuos e descontí-
nuos (banquetas)

Fonte: Disponível em: http://www.redepeabirus.com.br/redes/form/post?post_pub_id=67306. Acesso em:


6 dez. 2018.

Na Tabela 3.6 apresentamos os critérios utilizados para se dimensionar o


espaçamento entre patamares.
Tabela 3.6 | Espaçamento recomendado para locação de patamares

Declividade do terreno Distância entre patamares (m)


(%) Textura argilosa Textura média
Entre 26 e 27 11 10
Entre 28 e 29 10 9
Entre 30 e 31 9 8
Entre 32 e 33 8 7
Entre 34 e 35 7 6

Fonte: adaptada de Ambiente Brasil (2018, [s.p.]).

Considerando que um dos maiores problemas de degradação no ambiente


rural é a erosão do solo, temos a certeza de que as informações estudadas
nesta seção serão de grande valia para sua atuação profissional!

124 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


Sem medo de errar
No desafio proposto nesta unidade teremos a responsabilidade de auxiliar
um casal de produtores assentados a desenvolver práticas conservacionistas
em sua propriedade agrícola que permitam a preservação do solo e propor-
cionem a manutenção da produtividade em níveis satisfatórios, pois, como
vimos, estes agricultores receberam um lote dos mais acidentados do assen-
tamento, onde as áreas destinadas à agricultura apresentam de 15 a 20% de
declividade.
Neste sentido, coube a você apontar qual a melhor forma de se promover
a proteção do solo contra a ação da água das chuvas e a consequente formação
de processos erosivos, que já se fazem presente na propriedade.
Como você pôde acompanhar, ao longo do estudo desta seção buscamos
apresentar as informações necessárias à implementação de práticas que
promovam o disciplinamento da água das chuvas, permitindo a sua retenção
e proporcionando ambiente favorável a sua infiltração no solo.
Voltando para o problema verificado: você buscou recomendar que
nas áreas destinadas às lavouras anuais (feijão e milho) todas as operações,
manuais ou mecanizadas, fossem realizadas em nível, ou seja, seguindo-se
as curvas de nível estabelecidas perpendicularmente ao sentido da declivi-
dade do terreno. Assim, o preparo do solo, realizado em nível, promoverá o
alinhamento necessário para o procedimento da semeadura e cultivo do solo.
Com isto produziremos a rugosidade suficiente para se controlar o escoa-
mento superficial quando da ocorrência de precipitações de baixo volume,
aumentando-se também a capacidade do solo em reter e absorver a água das
chuvas. O primeiro passo para estabelecer esta linha de trabalho foi realizar
a demarcação destas curvas no terreno, com o auxílio de uma mangueira de
nível.
Considerando nossas condições de clima tropical, você ponderou sobre
a necessidade de estabelecer também estruturas capazes de suportar a
ocorrência de longos períodos de chuva ou de precipitações volumosas que
despejam grandes quantidades de água em curtos períodos. Na ocorrência
destes eventos climáticos é comum haver a formação do escoamento super-
ficial, devido à saturação do solo ou da velocidade de infiltração ser insufi-
ciente. Assim, considerando a declividade da área, você recomendou que
fossem implantados os terraços tipo Nichols em toda a propriedade, mesmo
na área cultivada com o café. Para o estabelecimento do espaçamento vertical
entre terraços, você considerou o manejo do solo e dos restos culturais utili-
zados nesta propriedade.

Seção 3.2 / Práticas conservacionistas mecânicas - 125


As práticas recomendadas são fundamentais para a proteção do solo
contra a formação de processos erosivos, sendo imprescindível em qualquer
sistema de manejo onde se deseja a conservação do solo. Nenhuma outra
prática conservacionista apresenta eficiência maior do que o terraceamento,
para contenção das enxurradas que possam se formar em área agrícolas.

Avançando na prática

Conservação do solo e das estradas rurais

Descrição da situação-problema
Atuando como engenheiro agrônomo autônomo, seus conhecimentos
foram requisitados por uma cooperativa recém-firmada pelos agricultores
do município, a fim de promover a conservação das estradas rurais de um
determinado município da região norte do Estado do Paraná. Consta que a
área agrícola desta região é dominada por lavouras anuais de grãos, como a
soja e o milho, cultivados em sistema de plantio direto.
Em visita à região você ficou surpreso com o péssimo estado de conser-
vação das estradas rurais, uma vez que se tratava de uma região que empre-
gava uma prática conservacionista em seus cultivos. Nos declives, as estradas
apresentavam sulcos erosivos nas laterais e no centro do leito carroçável. Nas
regiões de baixadas era possível observar o acúmulo de sedimentos, trazidos
das lavouras pela enxurrada. Inconformado com a situação, você passou a
analisar a paisagem, tentando identificar o que estava causando tamanho
estrago, pois lhe foi dito que as estradas eram reformadas, no mínimo, a cada
dois anos. Foi então que você percebeu que o plantio direto era a única prática
conservacionista adotada. As áreas destinadas à lavoura, independentemente
da sua declividade, não apresentavam nenhuma estrutura que pudesse conter
o escoamento superficial, o que podia ser evidenciado pela observação de
processos erosivos presentes na maioria das propriedades. Sobretudo as
condições do clima e do relevo local contribuíam para a conformação do
cenário observado, uma vez que se tratava de uma região com pluviosidade
média anual de 1800 mm, sendo que as chuvas se concentravam nos meses
de dezembro a fevereiro, quando a média mensal poderia passar os 300 mm.
Além disso, 80% da área agricultável apresentava declividade entre 5 e 12%.
Assim, preocupada com o sucesso e a durabilidade dos serviços a serem
realizados, a cooperativa o contratou para realizar um diagnóstico da situação
observada a campo e elaborar um laudo com as medidas para o controle do
processo de degradação instalado.

126 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


Resolução da situação-problema
Em seu diagnóstico, você pôde constatar que tanto as propriedades
quanto as estradas rurais estavam promovendo a degradação ambiental da
região, pois as propriedades sem conservação do solo despejavam grandes
volumes de água e sedimentos nas estradas rurais, que por sua vez, funcio-
navam como canais escoadouros, direcionando toda a enxurrada para outras
propriedades ou para recursos hídricos receptores. Destacando ainda que as
práticas conservacionistas adotadas pelos produtores da região eram insufi-
cientes para conter a água das chuvas, responsável pelo estrago identificado.
No laudo elaborado por você, foi descrito que a proposta de solução para
o problema observado era simples, porém trabalhosa; apontava que antes de
se promover a conservação das estradas era preciso conscientizar os produ-
tores rurais da região a incrementar a conservação de solo em suas proprie-
dades por meio da implementação do terraceamento. Somente por meio dos
terraços é possível conter o escoamento superficial, impedindo a formação
de processos erosivos e melhorando a retenção de água nas áreas de lavoura.
Após este trabalho concluído, seria viável proceder a recuperação das
estradas rurais por meio da elevação e abaulamento do leito carroçável e,
ainda, pela construção de lombadas que direcionam o fluxo de água para
as saídas previamente projetadas, coincidindo com os terraços construídos
nas áreas adjacentes. Para as situações as quais isto não fosse possível, você
indicou a construção de estruturas que promovam a contenção da água,
como os bigodes e caixas de retenção de água.

Faça valer a pena

1. O estabelecimento desta forma de cultivo é indicado para áreas com declividades


entre 26 a 35%, consistindo na secção do terreno perpendicularmente ao sentido do
declive (AMBIENTE BRASIL, [s.d.]).

De acordo com o texto, identifique a prática de conservação do solo descrita.


a) Patamares ou bancadas.
b) Cultivo morro abaixo.
c) Irrigação.
d) Adubação química.
e) Cultivo em nível.

2. O terraceamento é uma das práticas de conservação do solo mais difundidas, pois


é recomendada para terrenos com declividade de baixa a acentuada, garantindo a

Seção 3.2 / Práticas conservacionistas mecânicas - 127


proteção do solo contra o escoamento superficial, retendo a água das chuvas e propor-
cionando ambiente favorável a sua infiltração no solo.

Quanto à forma como são construídos, os terraços podem ser de dois tipos.
a) Bancadas e patamares.
b) Nichols e Manghum.
c) Base alta e base baixa.
d) Leiras e murunduns.
e) Em nível e em desnível.

3. No âmbito das práticas mecânicas de conservação do solo, há que se considerar


também a adequação das estradas e carreadores, pois estes, quando mal manejados,
podem causar problemas significativos em propriedades lindeiras às estradas, bem
como em corpos hídricos. Sobre o tema, analise as afirmativas a seguir:
I. Nas estradas rurais, as saídas de água devem direcionar o volume de água acumu-
lado nas estradas para as propriedades rurais, preferencialmente para os canais
coletores dos terraços.
II. As lombadas construídas ao longo das estradas têm apenas a função de controlar
o excesso de velocidade dos automóveis que transitam nestas vias.
III. O leito da estrada deve sempre estar acima das áreas adjacente e ter o centro mais
alto que as bordas, de forma que apresentem um aspecto abaulado.
IV. Nos locais onde não é possível a conexão das saídas de água das estradas rurais
com os terraços nas propriedades, a água deve ser direcionada por canaletas até
encontrar uma saída natural.
Assinale a alternativa correta:
a) Somente as assertivas I e III estão corretas.
b) Somente as assertivas II e IV estão corretas.
c) Somente as assertivas I, II e III estão corretas.
d) Somente as assertivas II, III e IV estão corretas.
e) Somente as assertivas I, III e IV estão corretas.

128 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


Seção 3.3

Práticas conservacionistas vegetativas

Diálogo aberto
Caro estudante, quando abordamos a necessidade de conservação do
solo, temos concentrado nossa atenção nas práticas de manejo da fertili-
dade e na forma mais adequada de se trabalhar o solo, seja por meio das
operações mecanizadas ou pela construção de estruturas que disciplinem o
fluxo de água pluviais. Podemos, entretanto, ir mais além, buscando ajustar
a maneira como procedemos os cultivos, na escolha das espécies comerciais
e não comerciais.
A ideia é que o trabalho de conservação do solo e água seja contínuo,
sendo desenvolvido mesmo quando o solo não estiver cultivado com
lavouras comerciais. Considerando estas informações já podemos partir para
seu próximo desafio.
Em seu trabalho de levantamento de dados para a elaboração de um
plano de manejo de solos, você constatou que, além dos problemas de fertili-
dade e da erosão, o solo permanecia muito tempo sem nenhuma proteção de
cobertura vegetal ou de palhada. Na região, você pôde visitar várias proprie-
dades rurais de diferentes tamanhos e constatou que era costume o cultivo de
uma única safra no verão, sendo sempre semeada a mesma espécie, ano após
ano. Assim, no período entre a colheita de uma safra e o estabelecimento da
cobertura vegetal da outra safra, o solo permanecia à mercê das condições
do clima, uma vez que a cobertura morta formada pelos resíduos da última
colheita era de baixa qualidade e se degradava muito rapidamente. Este tipo
de manejo produz efeitos indesejáveis em solos tropicais, principalmente em
seus atributos físicos, prejudicando sua porosidade e capacidade de retenção
de água. Outra questão importante diz respeito à redução no teor de matéria
orgânica que este manejo gera e, como sabemos, a matéria orgânica tem
grande importância na manutenção dos atributos físicos, químicos e bioló-
gicos do solo.
Diante deste quadro você precisa sugerir práticas que possibilitem a
formação de uma camada protetora do solo e que, consequentemente, eleve
seu teor de matéria orgânica. Neste caso, quais seriam as técnicas mais
adequadas? Será possível aumentar o número de safras nesta região ou, pelo
menos, manter uma cobertura vegetal entre os períodos da safra comercial?
Você poderá recomendar as mesmas práticas para todas as situações obser-
vadas ou deverá analisar cada caso em particular?

Seção 3.3 / Práticas conservacionistas vegetativas - 129


Buscaremos resolver estes questionamentos por meio da leitura do
conteúdo desta seção, na qual apresentaremos as diferentes técnicas vegeta-
tivas para a conservação do solo. Após adquirir mais este conhecimento você
poderá, com facilidade, definir quais técnicas melhor se aplicam para cada
situação e, assim, seu plano de manejo poderá ser concluído.
Bom estudo.

Não pode faltar


Já no início deste livro destacamos a importância do equilíbrio ecossis-
têmico para a conservação das propriedades físicas, químicas e biológicas
do solo, adequadas ao desenvolvimento da maioria das espécies vegetais.
Ressaltamos também que a instalação de uma área de lavoura promove distúr-
bios ambientais que podem tornar o solo instável e suscetível à degradação.
Nas seções anteriores pudemos conhecer algumas práticas conservacio-
nistas que, de forma “artificial”, buscam estabilizar as forças que atuam na
degradação do solo, reduzindo seu efeito e proporcionando a manutenção
das condições adequadas para a exploração agrícola dos solos. Nesta seção
iremos um pouco mais além: buscaremos trazer mais do conhecimento
aprendido com a natureza para nos auxiliar na conservação do solo e da água.
Para ilustrar esta fala, vamos retomar nossa discussão sobre o ambiente
florestal, que já havíamos abordado outrora, onde a cobertura do solo é
formada por uma camada de material orgânico em diferentes estágios de
decomposição. Esta camada constitui fonte de matéria orgânica, disponibi-
lizando nutrientes e oferecendo proteção ao solo contra a ação das gostas de
chuva. A camada de material orgânico que se forma sobre o solo atua como
um isolante térmico, reduzindo a variação de temperatura ao longo do dia,
bem como as perdas de umidade por evaporação.
Diante destas informações percebemos que a manutenção de uma cober-
tura de material orgânico sobre o solo pode trazer inúmeras vantagens
também em solos agrícolas, pois além das já citadas, o estabelecimento da
chamada cobertura morta ou “Mulch” promoverá ainda a redução das perdas
de nutrientes por volatilização, maior resistência das culturas a períodos de
estiagem e impedirá a germinação de algumas espécies de plantas invasoras.
Sabemos que, em condições de clima tropical, em que a temperatura e a
umidade favorecem a decomposição da matéria orgânica, torna-se difícil
formar uma camada de cobertura morta sobre o solo apenas com os resíduos
deixados pela colheita. Neste caso, a cobertura morta deverá ser formada
pela distribuição de materiais como palhas ou outros resíduos vegetais entre
as linhas das culturas ou apenas até a projeção da copa das plantas, no caso

130 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


de culturas arbóreas (OLIVEIRA et al., 2002), conforme podemos observar
na Figura 3.10.
Figura 3.10 | Aspecto de diferentes coberturas mortas e culturas: (A) Milho sobre resíduos cul-
turais. (B) Abacaxi sobre resíduos vegetais de gramíneas depositados manualmente. (C) Cacau
sobre folhas secas

Fonte: (A) https://www.embrapa.br/solos/busca-de-imagens/-/midia/193001/cobertura-morta---palhada.


(B) https://www.embrapa.br/mandioca-e-fruticultura/busca-de-imagens/-/midia/2277001/cobertura-
morta-em-abacaxi. (C) http://www.ceplac.gov.br/paginas/publicacoes/paginas/boletim_tecnico/cartilhas/
BOLETIM%20T%C3%89C.%20N%C2%BA%20202.pdf. Acesso em: 22 dez. 2018.

Diversos materiais podem ser utilizados para a formação da cobertura


morta, devendo ser selecionado o material mais comum e abundante em
cada região. Como exemplo de alguns materiais que vêm sendo empregados
para este fim, destacamos as gramíneas, as cascas, as palhadas e os bagaços.
Muitos estudos têm comprovado a eficiência da cobertura morta para a
conservação do solo, como poderemos verificar no vídeo sugerido a seguir
que apresenta o uso da palha gerada pelo coqueiro para a formação da cober-
tura morta desta cultura.

Saiba mais
Como você pode notar, são vários os materiais utilizados na formação
da cobertura morta e que vêm apresentando elevada eficiência. A
Embrapa realizou um estudo que utiliza cobertura morta com palha de
coqueiro, economizando água e ainda evitando o desenvolvimento de
ervas daninhas.
EMBRAPA. Cobertura morta com palha de coqueiro economiza água e
evita ervas daninhas.

A matéria-prima para a formação da cobertura morta pode também ser


cultivada na área onde será utilizada, como é o caso das espécies de adubos
verdes, que são semeados nos intervalos entre os cultivos comerciais, tais como
aveia preta (Avena strigosa), crotalária (Crotalária juncea), milheto (Pennisetum
americanum), sorgo forrageiro (Sorghum bicolor), calopogônio (Calopogonium
mucunoides) e centrosema (Centrosema pubescens), entre outros. Em áreas de

Seção 3.3 / Práticas conservacionistas vegetativas - 131


lavoura, os adubos verdes deverão ser ceifados antes que produzam sementes,
assim não constituirão uma fonte de plantas invasoras. Em alguns casos,
espécies perenes como algumas leguminosas arbóreas e arbustivas poderão ser
cultivadas e podadas para o fornecimento de massa verde.
Diversas pesquisas têm sido realizadas para se testar a qualidade da cober-
tura morta produzida por diferentes espécies de adubo verde, bem como seu
efeito na produtividade das culturas e proteção do solo, conforme podemos
verificar no artigo apresentado a seguir.
Outra técnica conservacionista de cultivo agrícola inspirada na natureza
é conhecida como consorciação de culturas. Esta técnica já vem sendo
empregada há muitos anos, principalmente por pequenos produtores que
visam otimizar o uso do solo, com o maior número de espécies cultivadas no
mesmo tempo e espaço. Assim, de acordo com a Hernani, Souza e Ceccon
(2018), a consorciação de culturas pode ser definida como o cultivo simul-
tâneo, na mesma área, de duas ou mais espécies, com características vegeta-
tivas distintas, como arquitetura vegetal, hábito de crescimento e fisiologia,
como acontece nos ambientes naturais.

Assimile
Hábito de Crescimento
Segundo Rocha (2018), o hábito de crescimento é uma característica
agronômica é determinada pelo crescimento do ramo principal e pelo
florescimento da planta. É classificado em determinado e indetermi-
nado.
Hábito de crescimento determinado: caracteriza-se por ter o caule e
os ramos laterais terminando em uma inflorescência e por apresentar
um número limitado de nós. A floração inicia-se do ápice para a base da
planta (Figura 3.11 A).
Hábito de crescimento indeterminado: caracteriza-se por apresentar
um caule principal com tecido embrionário existente na planta na fase
vegetativa (meristema), que permite um crescimento contínuo em uma
sucessão de nós e entrenós. As inflorescências desenvolvem-se a partir
do ponto de inserção de uma folha ou ramo na haste principal ou secun-
dária de uma planta, e a floração inicia-se da base para o ápice da planta
(Figura 3.11 B).

132 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


Figura 3.11 | Exemplo de espécies com hábito de crescimento (A) determinado e
(B) indeterminado

Fonte: (A) https://www.embrapa.br/soja/cultivos/girassol>. (B) http://sistemafaep.org.br/


organicos-radar-da-monsanto/. Acesso em: 22 dez. 2018.

Neste sistema as plantas poderão ser semeadas ao mesmo tempo ou em


momentos distintos, porém compartilharão o mesmo espaço durante seu
desenvolvimento, o que ocasionará grande interação entre as espécies consor-
ciadas. Como vantagens, podemos citar o melhor aproveitamento da área e
dos recursos ambientais disponíveis, além de favorecer a formação de cober-
tura viva bem como da cobertura morta do solo, promovendo efeito desejado
no controle de plantas invasoras e proteção do solo. Um exemplo clássico é o
cultivo de espécies anuais nas entrelinhas de espécies perenes arbóreo/arbus-
tivas, em que as primeiras proporcionam a cobertura do solo e retorno econô-
mico, no período em que a cultura perene ainda é jovem e pouco produtiva.
Na escolha das espécies a serem consorciadas é preciso considerar as
características de cada uma, de modo que a combinação entre elas possa
potencializar a produção agrícola da área, seja pelo aporte de nutrientes,
fornecimento de sombra ou suporte físico para o desenvolvimento vegetativo.

Exemplificando
Como exemplos de consórcios podemos citar:
• Milho (Zea Mays L.) com feijão (Phaseolus vulgaris L.): esta
consorciação é uma das mais comuns, empregada principal-
mente na agricultura familiar, em que a colheita é manual.
Diversas formas de se consorciar estas culturas podem ser
adotadas, considerando-se o momento da semeadura do
feijão. Esta espécie pode ser semeada na linha ou na entrelinha
do milho, 10 a 20 dias antes da semeadura do milho. Também
é possível proceder a semeadura do feijão simultaneamente à
do milho, ou até mesmo semeá-lo na maturação fisiológica da
cultura do milho (HERNANI; SOUZA; CECCON, 2018).

Seção 3.3 / Práticas conservacionistas vegetativas - 133


Figura 3.12 | Consórcio entre milho (Zea Mays L.) e feijão (Phaseolus vulgaris L.)

Fonte: http://folhaatual.com.br/mobile/index.php?page=shmt&ma_id=12928. Acesso


em: 22 dez. 2018.

• Milho (Zea Mays L.) e braquiária (Brachiaria decumbens Stapf ):


excelente opção para se promover a cobertura do solo, efeito
este devido ao ciclo da braquiária que se prolonga para além
da colheita do milho, protegendo o solo durante as primeiras
chuvas de primavera que, muitas vezes, são altamente erosivas,
e promovendo excelente cobertura morta até cerca de 50 dias
após a semeadura da safra de verão subsequente (HERNANI;
SOUZA; CECCON, 2018).
Figura 3.13 | Consórcio entre milho (Zea Mays L.) e braquiária (Brachiaria
decumbens Stapf).

Fonte: https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/1473003/consorcio-milho-
braquiaria-beneficia-o-solo-e-o-agricultor. Acesso em: 22 dez. 2018.

É importante destacar que além dos efeitos observados acima da super-


fície do solo, a consorciação de diferentes espécies vegetais possibilita melhor
aproveitamento do solo, pois cada espécie apresenta um tipo de sistema
radicular explorando ambientes distintos no perfil do solo. Neste sentido,
plantas com sistema radicular fasciculado, mais superficial, podem proteger
o solo contra a ação do escoamento superficial, ao passo que os sistemas

134 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


radiculares mais profundos permitem a recuperação de nutrientes e água em
zonas pouco exploradas. Outras relações entre plantas podem se estabelecer
no sistema de consórcio, favorecendo o desenvolvimento mútuo, conforme
podemos constatar no material disponibilizado a seguir.
O mesmo princípio pode ser obtido por meio da técnica conhecida como
rotação de culturas; entretanto, nesta prática o cultivo de espécies diferentes é
realizado na mesma área, porém em épocas distintas. Na rotação de culturas
busca-se, primordialmente, alternar o cultivo de espécies que apresentam
sistemas radiculares diferentes, como é o caso de gramíneas e leguminosas,
cada uma proporcionando um efeito residual benéfico para o solo e para a
cultura sucessora (GONÇAVES et al., 2007). Assim como na consorciação, a
seleção de espécies para a rotação de culturas dependerá das características
ambientais da região onde se pretende aplicar esta técnica e dos objetivos
(produção de biomassa, fixação de nitrogênio, entre outros). No Quadro 3.2
você poderá verificar a recomendação da Embrapa para a rotação de culturas
no Paraná.
Quadro 3.2 | Indicação de culturas para compor o sistema de rotação com a soja, milho, trigo
e cevada no Paraná
Culturas com restrição Cultura antecessora à Cultura Cultura sucessora à Cultura com restrição
para anteceder a principal principal principal para suceder à
principal principal
Tremoços, guandu, Milho, trigo, cevada, aveia Soja Milho, trigo, cevada, Girassol, canola
mucuna ou lablab. branca, aveia preta, nabo aveia preta, aveia branca e tremoços (para
forrageiro. (para grãos). semente).
Cevada, aveia preta Soja, guandu, mucunas, Milho Soja, aveia branca (para Cevada.
(para sementes), aveia crotalárias, lablab, grão e semente), aveia
branca (para grão e ervilhacas, nabo preta, girassol de verão/
semente). forrageiro, chícharo e outono, trigo, canola,
girassol. tremoços (para semente)
e milho (safrinha).
Aveia preta (para Soja, ervilhacas, nabo Trigo Soja, cevada, canola, Sem restrição.
semente). forrageiro, aveia preta, girassol safrinha, aveia
chícharo, tremoços, aveia branca, aveia preta (para
branca, milho, girassol cobertura e semente)
safrinha, canola e cevada. e milho.
Aveia preta (para Soja, trigo, aveia branca, Cevada. Soja, aveia preta (para Milho e trigo.
semente) aveia preta, ervilhaca, cobertura e semente) e
nabo forrageiro, chícharo aveia branca.
e tremoço azul.

Fonte: adaptado de Embrapa (2007).

Reflita
Considerando-se os inúmeros benefícios da rotação de culturas, sobre-
tudo com a utilização de adubos verdes, você saberia explicar por qual
razão esta prática ainda não é amplamente adotada pelos agricultores?

Seção 3.3 / Práticas conservacionistas vegetativas - 135


Conforme você pôde verificar, um dos benefícios da rotação de culturas
é a produção de biomassa que proporcionará a proteção do solo durante o
desenvolvimento das plantas e também após seu corte, estabelecendo-se
assim a cobertura morta. Neste sentido, os melhores resultados dessa prática
serão alcançados quando estiver associada ao plantio direto.
O plantio direto constitui uma prática conservacionista, bastante difun-
dida nos Estados da região sul do Brasil. Esta prática é conhecida pelo baixo
impacto ao solo, uma vez que preconiza a semeadura direta sobre os resíduos
vegetais deixados pela cultura anterior (palhada), sem que haja o revolvimento
do solo, diferentemente do que se observa nos sistemas convencionais de
cultivo. Como já estudado, a manutenção da palhada proporciona inúmeros
benefícios ao solo, mantendo-o em uma condição mais equilibrada e, portanto,
menos suscetível à degradação, comumente promovida pelo uso agrícola.
Neste sistema de cultivo as espécies vegetais que serão cultivadas em
rotação de cultura ganham uma importância anda maior, indo além dos
benefícios promovidos pela cobertura morta. Considerando que não
haverá revolvimento do solo, as plantas deverão promover o fornecimento
da matéria orgânica, essencial para a estabilidade da estrutura do solo.
Também caberá às espécies cultivadas o papel de promover, por meio de
seu sistema radicular, a manutenção da porosidade do solo e, primordial-
mente, o rompimento das camadas compactadas. Além dessas características
do sistema radicular, deverão produzir grande quantidade de biomassa, de
modo a proteger a superfície do solo e ser resistentes às principais pragas e
doenças, de modo que não constituam uma fonte de inóculo para as culturas
de interesse. Nada impede que as espécies usadas possam ter serventia como
produtora de grãos, sementes ou forragem, como exemplifica o Quadro 3.2.
Ao longo do estudo desta seção você deve ter notado que nenhuma
prática conservacionista apresentada consegue promover todos os efeitos
desejados na conservação do solo e água. Sendo assim, podemos concluir
que são complementares, cada uma com sua função, produzindo melhores
resultados quando empregadas em conjunto.
Com o sistema de planto direto não poderia ser diferente. Por si só esta
prática não produz o efeito desejado na proteção do solo contra a degradação
de suas propriedades; pelo contrário: quando não combinado com outras
técnicas, o plantio direto tem causado grandes problemas de ordem agronô-
mica e ambiental, tendo sido observada a compactação do solo, e perda de
solo, nutrientes e matéria orgânica pela erosão, entre outros. Sendo assim,
seu uso não dispensa o emprego das práticas conservacionistas edáficas,
mecânicas e vegetativas.

136 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


Você pôde perceber que existem diferentes práticas conservacionistas
vegetativas que podem e devem ser empregadas para se promover o manejo
e a proteção de solos tropicais. Como vimos, estas técnicas produzirão
melhor efeito quando combinadas entre si e também com as demais práticas
estudadas nesta unidade, cabendo ao agrônomo definir a melhor combi-
nação entre técnicas e materiais para cada situação vivenciada.

Sem medo de errar


Buscando melhorar a condição do solo e propor um plano de manejo
para a região onde vem atuando como extensionista, você notou que, além do
manejo inadequado da fertilidade e da ausência de práticas conservacionistas
mecânicas, era pouco comum – ou inexistente – o uso de práticas conserva-
cionistas vegetativas onde, de forma geral, é preconizado o manejo da cober-
tura vegetal do solo, seja viva ou morta. Em suas visitas ao campo, você notou
que, em parte, o processo de degradação dos solos da região decorria da sua
exposição às condições adversas do clima. A falta de cobertura do solo podia
ser observada tanto no intervalo entre a colheita de uma safra e a semeadura
da subsequente quanto na fase inicial de desenvolvimento das culturas.
Considerando o quadro observado no campo, ficou claro que havia
a necessidade de se difundir o manejo da cobertura do solo. Assim, você
passou a identificar e agrupar as propriedades com características similares
para que pudesse indicar as técnicas mais adequadas para cada situação.
Para as propriedades menores, onde predominava a agricultura familiar,
você sugeriu que se buscasse a consorciação entre espécies vegetais que
pudessem ser cultivadas no mesmo espaço e tempo, de forma a se otimizar
o uso do solo e elevar a produtividade das propriedades agrícolas. A escolha
das espécies foi realizada considerando-se as condições ambientais da região
além das características agronômicas das plantas, tais como arquitetura,
hábito de crescimento e fisiologia, de modo que produzissem a melhor
cobertura viva do solo e a melhor produção de biomassa.
Para as propriedades maiores, nas quais é mais comum o cultivo de grãos,
você indicou o plantio direto, que tem como princípio a semeadura realizada
diretamente sobre os resíduos vegetais da lavoura antecessora, sem que haja o
revolvimento do solo. Neste caso, considerando que somente se realizava um
cultivo por ano, você recomendou ainda o emprego da rotação de culturas com
a adição de uma safra de inverno, buscando espécies adaptas ao clima desta
estação e que pudessem produzir grãos ou sementes e biomassa, mantendo o
solo coberto na entressafra da lavoura principal e produzindo material orgânico
para a formação de uma cobertura morta mais robusta, que pudesse resistir até
que a safra subsequente se estabelecesse como cobertura viva do solo.

Seção 3.3 / Práticas conservacionistas vegetativas - 137


Independentemente do cultivo e do tamanho da propriedade, você
buscou indicar que os produtores mantivessem o solo protegido por uma
camada de cobertura morta, formada a partir dos restos vegetais das lavouras
ou de materiais introduzidos como cascas, palhadas, bagaços ou outro
resíduo orgânico que produzisse o efeito desejado de cobertura do solo e
fornecimento de matéria orgânica.
Assim, para concluir sua atuação, foi elaborado um plano de manejo para
a conservação dos solos, considerando as situações observadas nas seções
desta unidade. Fundamentalmente, este plano de manejo buscou ressaltar a
importância de se fazer a combinação entre as práticas edáficas, mecânicas
e vegetativas para a conservação do solo, pois, como vimos, quando empre-
gadas com exclusividade não surtirão o efeito desejado ao equilíbrio das
propriedades do solo e manutenção de sua capacidade produtiva. O plano de
manejo foi composto por uma introdução, na qual você buscou caracterizar
as situações vivenciadas e que necessitaram da indicação de intervenções,
apresentando as características ambientais, manejo adotado e problemas
observados. O plano contou ainda com a recomendação dos materiais
e métodos a serem empregados para a adequação do manejo adotado,
apontando-se a combinação das práticas conservacionistas mais apropriada
a cada situação. Por fim, o plano foi concluído com um parecer agronômico,
destacando-se a importância da combinação entre as práticas conservacio-
nistas edáficas mecânicas e vegetativas para o sucesso do manejo adotado e
promoção da conservação do solo e água na propriedade rural.

Avançando na prática

Compactação do solo sob sistema de plantio


direto
Descrição da situação-problema
Em sua atuação como engenheiro agrônomo consultor, seu serviço foi
solicitado por um produtor rural para avaliar a situação de sua propriedade,
onde mesmo sendo empregado o plantio direto, havia problemas com erosão
do solo. Assim, em visita à propriedade, você pôde comprovar que a área vinha
sofrendo com o efeito da erosão hídrica, sendo possível observar a presença
de sulcos erosivos em toda a área cultivada. Apesar do produtor rural dizer
que praticava o plantio direto já há dez anos, você notou que o solo que estava
sendo cultivado com soja, já em final de ciclo, estava descoberto, com pouco
ou quase nenhuma cobertura morta. Em conversa com o dono da proprie-
dade lhe foi informado que nos dez anos de plantio direto foi empregada a

138 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


rotação de soja como cultura principal e o milho na safrinha. Nenhuma outra
espécie havia sido cultivada, nem tampouco podia se observar o emprego de
outras práticas conservacionistas. O produtor revelou ainda que a produti-
vidade da área havia diminuído nos últimos anos e que as lavouras estavam
mais suscetíveis à ocorrência de pequenos períodos de estiagem.
Diante do que foi posto, ficou claro que o plantio direto com a rotação
de culturas de soja e milho não estavam sendo suficientes para preservar a
capacidade produtiva da área e estavam promovendo a degradação do solo.
Este diagnóstico pôde ser comprovado pela observação dos sulcos erosivos
e pela sensibilidade das plantas a pequenos períodos de estiagem, sendo este
um indicador de solo compactado, provavelmente decorrido do trânsito de
equipamentos agrícolas sobre um solo já degradado.
Como melhorar a condição desta área e incrementar a produção?

Resolução da situação-problema
Considerando suas constatações, recomende práticas que possam incre-
mentar a porosidade do solo e o rompimento da sua camada compactada.
Isto poderia ser conseguido por meio do uso de diferentes espécies vegetais
em rotação de culturas com a soja, que é a cultura principal. A seleção de
espécies para este fim deve considerar as características do sistema radicular
das plantas, que neste caso deve ser mais robusto e profundo do que o das
plantas utilizadas, sendo este capaz de romper o impedimento físico estabele-
cido na subsuperfície do solo. Outro ponto importante diz respeito ao incre-
mento da cobertura morta, que deverá exercer a proteção do solo contra o
impacto das gotas de chuva e promover o incremento no teor de matéria
orgânica, conferindo a este solo maior estabilidade de seus agregados (estru-
tura do solo). Assim como o crescimento de raízes vigorosas, a estabili-
dade dos poros formados é muito importante para que se possa melhorar a
capacidade de infiltração da água no solo. Com isso, influenciamos também
o comportamento das plantas frente aos períodos de estiagem, tornando-as
mais resistentes, pois terão mais água no solo e sistemas radiculares mais
profundos. Ressalte ainda que o emprego destas práticas não elimina a neces-
sidade de se adotar as práticas conservacionistas mecânicas, como o terra-
ceamento, que protegerá o solo contra a ação do escoamento superficial e
aumentará a quantidade de água que se infiltra no solo.

Seção 3.3 / Práticas conservacionistas vegetativas - 139


Faça valer a pena

1. As práticas conservacionistas vegetativas buscam reproduzir em uma área


agrícola alguns eventos observados no ambiente natural. Estes eventos são decor-
rentes da interação entre as diferentes espécies vegetais que se desenvolvem juntas em
um determinado local.

Como é conhecida a prática conservacionistas que reproduz esta condição do


ambiente natural no solo agrícola?
a) Terraceamento.
b) Consorciação de culturas.
c) Adubação química.
d) Rotação de culturas.
e) Plantio em nível.

2. A rotação de cultura é uma prática conservacionista vegetativa muito comum,


capaz de oferecer inúmeras vantagens quando praticada sozinha ou em combinação
com outras técnicas para a conservação do solo. Sobre esta técnica, analise as afirma-
tivas a seguir:
I. A rotação de cultura não é compatível com o sistema de plantio direto.
II. Não há restrições quanto à combinação de espécies que serão cultivadas em
rotação.
III. Recomenda-se que as espécies cultivadas em sucessão apresentem sistemas
radiculares diferentes.
IV. A produção de biomassa é um objetivo desta prática.
V. A escolha da espécie que sucederá a cultura principal não deve ser destinada à
produção de grãos ou sementes.

Sobre a rotação de culturas é correto afirmar:


a) Apenas as assertivas I e II estão corretas.
b) Apenas as assertivas II e III estão corretas.
c) Apenas as assertivas III e IV estão corretas.
d) Apenas as assertivas IV e V estão corretas.
e) Apenas as assertivas I, IV e V estão corretas.

3. O plantio direto constitui uma prática conservacionista em que se preconiza


a semeadura diretamente nos resíduos vegetais deixados pela colheita da cultura
antecessora. Sobre esta prática, analise as afirmativas que seguem e verifique se verda-
deiras ou falsas:
O plantio direto deve ser utilizado em combinação com outras práticas conservacio-
nistas.

140 - U3 / Manejo, proteção e uso de solos tropicais


No plantio direto, o preparo do solo é feito apenas por uma gradagem, realizada com
o objetivo de se incorporar a matéria orgânica no solo.
A formação da cobertura morta é essencial para o sucesso do plantio direto.

Assinale a alternativa correta onde I, II e III são respectivamente.


a) V - V - V.
b) V - V - F.
c) V - F - V.
d) F - V - F.
e) F - F - F.

Seção 3.3 / Práticas conservacionistas vegetativas - 141


Referências
AMBIENTE BRASIL. Controle do Escoamento Superficial da Água. [S.d., s.l.]. Disponível
em: http://ambientes.ambientebrasil.com.br/agropecuario/conservacao_do_solo/controle_do_
escoamento_superficial_da_agua.html. Acesso em: 7 nov. 2018.

BISSANI, C. S.; GIANELLO, C.; TEDESCO, M. J.; CAMARGO, F. A. O. Fertilidade dos solos e
manejo da adubação de culturas. Porto Alegre: Genesis, 2004. 328 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Banco comunitário de


sementes e adubos verdes: informações técnicas. Brasília: MAPA, 2007. 52 p. Disponível em:
http://www.agricultura.gov.br/assuntos/sustentabilidade/organicos/arquivos-publicacoes-orga-
nicos/cartilha_adubos_verdes_informacoes_tecnicas.pdf/@@download/file/Cartilha_Adubos_
Verdes_Informacoes_Tecnicas.pdf. Acesso em: 28 out. 2018.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Fichas Agroecológicas:


Consórcio de café com bananeira. [S.l., s.d.]. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/
assuntos/sustentabilidade/organicos/fichas-agroecologicas/arquivos-producao-vegetal/12-con-
sorcio-de-cafe-com-bananeira.pdf. Acesso em: 18 nov. 2018.

EMATER/RS. Escritório Municipal de Santa Maria será premiado em Concurso Estadual.


Porto Alegre, 1 dez. 2017. Disponível em: http://www.emater.tche.br/site/multimidia/noticias/
detalhe-noticia.php?id=27409#.XAfCBmhKg2w. Acesso em: 5 dez. 2018.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Cobertura morta –


palhada. Multimídia: Banco de Imagens. 16 maio 2012. Disponível em: https://www.embrapa.
br/solos/busca-de-imagens/-/midia/193001/cobertura-morta---palhada. Acesso em: 1 fev. 2019.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Consórcio milho-


-braquiária beneficia o solo e o agricultor. 18 fev. 2013. Disponível em: https://www.embrapa.
br/busca-de-noticias/-/noticia/1473003/consorcio-milho-braquiaria-beneficia-o-solo-e-o-agri-
cultor. Acesso em: 22 dez. 2018.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Cobertura morta


em abacaxi. Multimídia: Banco de Imagens. 4 set. 2015. Disponível em: https://www.embrapa.
br/mandioca-e-fruticultura/busca-de-imagens/-/midia/2277001/cobertura-morta-em-abacaxi.
Acesso em: 1 fev. 2019.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Girassol. Embrapa


Soja. [S.d.]. Disponível em: https://www.embrapa.br/soja/cultivos/girassol. Acesso em: 1 fev.
2019.

FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA DO ESTADO DO PARANÁ (FAEP). Orgânicos no radar


da Monsanto. 22 ago. 2016. Disponível em: https://sistemafaep.org.br/organicos-radar-da�-
-monsanto. Acesso em: 1 fev. 2019.

GONÇALVEZ, S. L. et al. Circular técnica 45 – Rotação de culturas. Embrapa. Londrina, set.


2007. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Repositorio/circtec45_000gdx3i�-
47x02wx5ok0ylax2lt6e5fmt.pdf. Acesso em: 18 nov. 2018.

HERNANI, L. C.; SOUZA, L. C. F.; CECCON, G. Consorciação de culturas. Agência Embrapa


de Informação Tecnológica. Embrapa, [s.d.]. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.
embrapa.br/gestor/sistema_plantio_direto/arvore/CONT000fx4zsnby02wyiv80u5vcsvyqcqraq.
html. Acesso em: 21 nov. 2018.

KIEHL, E. J. Manual de compostagem: maturação e qualidade do composto. Piracicaba: [s.n.],


2002. 171 p.

LIMA, C. E. P. et al. Benefícios da adoção do Sistema de Plantio Direto de Hortaliças. Brasília,


DF: Embrapa Hortaliças, 2017.

MACHADO, P. L. O. A.; WADT, P. G. S. Terraceamento. Agência Embrapa de Informações


Tecnológicas – AGEITEC. EMBRAPA.[S.l., s.d.]. . Disponível em: http://www.agencia.cnptia.
embrapa.br/gestor/arroz/arvore/CONT000fohgb6cq02wyiv8065610dfrst1ws.html. Acesso em:
30 out. 2018.

McCORMAC, J.; SARASUA, W.; DAVIS, W. Topografia. 6. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2019.

MONISE, P. Agricultores santanenses esperam aumento na safra de sementes. Folha Atual,


18 mar. 2017. Disponível em: http://folhaatual.com.br/mobile/index.php?page=shmt&ma_
id=12928. Acesso em: 1 fev. 2019.

OLIVEIRA, F. F. et al. Avaliação de coberturas mortas em cultura de alface sob manejo orgânico.
Hortic. Bras., v. 26, n. 2, abr./jun. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/hb/v26n2/17.
pdf. Acesso em: 20 nov. 2018.

OLIVEIRA, F. N. S. et al. Influência da cobertura morta no desenvolvimento de fruteiras


tropicais. Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical, 2002. 24 p. Disponível em: https://www.
infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/424667/1/Dc049.pdf. Acesso em: 20 nov. 2018.

RAIJ, B. V.; CANTARELLA, H.; QUAGGIO, J. A.; FURLANI, A. M. L. Recomendação de


adubação e calagem para o Estado de São Paulo. Boletim técnico nº100 (2. ed). Campinas:
Instituto Agronômico de Campinas, 1997. 285 p.
ROCHA, M. M. Hábito de crescimento. Agência Embrapa de Informação Tecnológica.
Embrapa, [s.d.]. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/feijao-caupi/
arvore/CONTAG01_2_510200683535.html. Acesso em: 21 nov. 2018.

ROSSETTO, R.; SANTIAGO, A. D. Gessagem. Agência Embrapa de Informações Tecnológicas


– AGEITEC. EMBRAPA. [S.d.]. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/
cana-de-acucar/arvore/CONTAG01_35_711200516717.html. Acesso em: 29 out. 2018.

SILVA, J; GUEDES, I. M. R.; LIMA, C. E. P. de. Calagem. Agência Embrapa de Informações


Tecnológicas – AGEITEC. EMBRAPA. [S.d.]. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.
embrapa.br/gestor/tomate/arvore/CONT000gn0jymr102wx5ok0liq1mqkfb2l9d.html. Acesso
em: 29 out. 2018.
SODRÉ, G. A. Formação de mudas de cacaueiro, onde nasce a boa cacauicultura. Boletim
Técnico nº 202. Ilhéus: CEPLAC/CEPEC, 2013. Disponível em: http://www.ceplac.gov.br/
paginas/publicacoes/paginas/boletim_tecnico/cartilhas/BOLETIM%20T%C3%89C.%20
N%C2%BA%20202.pdf. Acesso em: 1 fev. 2019.

TENORIO, B.; SEIXAS, A. Delimitação e reconstrução tridimensional de bacias hidrográficas


a partir de curvas de nível – Atividade prática da disciplina de topografia. In: II SIMPÓSIO
BRASILEIRO DE CIÊNCIAS GEODÉSICAS E TECNOLOGIAS DA GEOINFORMACAO, 2.,
2008, Recife. Anais [...]. Recife: 2008. Disponível em: https://www3.ufpe.br/cgtg/SIMGEOII_
CD/Organizado/geo/090.pdf. Acesso em: 6 dez. 2018.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA (UNESP). Práticas Mecânicas de Conservação de


Água e Solo. Capacitação EAD, [s.d.]. Disponível em: https://capacitacao.ead.unesp.br/dspace/
bitstream/ana/62/4/Unidade_2.pdf. Acesso em: 31 jan. 2019.
Unidade 4

Recuperação e restauração de solos degradados

Convite ao estudo
Caro estudante,
De acordo com o conteúdo estudado, pudemos verificar que a conser-
vação do solo e da água, sob condições tropicais, depende do uso adequado
das técnicas conservacionistas, as quais devem ser selecionadas e combi-
nadas para se atender as necessidades de cada situação. Constatamos que o
emprego dessas técnicas ainda na fase de instalação de uma área de lavoura
permite-nos manter a qualidade do solo e, ainda, mesmo quando aplicadas
em ambientes onde os processos de degradação já se iniciaram, podem gerar
efeitos positivos na estabilização ambiental e recuperação da capacidade
produtiva dos solos.
Entretanto, há situações em que as ações humanas podem gerar profundas
transformações nos ambientes, tornando-os improdutivos e, por vezes,
estéreis. Nessas condições, o processo de recuperação da qualidade do solo
e, também do ambiente, é possível, porém demanda mais tempo e recursos
para que se possa alcançar os resultados desejados.
É neste contexto que se desenvolve o conteúdo a ser trabalhado nesta
unidade do livro. Sendo assim, considere que agora você é o engenheiro
agrônomo de uma instituição pública de pesquisa e sua especialidade é
a recuperação de áreas degradadas. Em seu trabalho você já vivenciou
diferentes situações de degradação, as quais geraram projetos distintos de
recuperação ambiental. Esta atuação lhe proporcionou uma vasta experi-
ência no assunto e, por este motivo, você foi convidado a elaborar um projeto
de recuperação ambiental de um grande lote de terras no Norte do Brasil. A
propriedade, alvo de seu futuro trabalho, foi doada pelo Governo Federal à
uma universidade pública, para que neste local seja implantada uma fazenda
experimental, que será destinada ao desenvolvimento da pesquisa agrícola
(culturas anuais e perenes, pastagens, florestas, etc.). Pensando nisso, a
propriedade foi dividida e classificada conforme a aptidão dos solos para as
diferentes atividades agrícolas que serão instaladas.
O problema desta propriedade provém do seu histórico de uso. A fazenda
já foi utilizada para a pecuária de corte, por isso grande parte de suas terras
foi transformada em pastagens. Devido ao manejo adotado, as pastagens
foram se degradando e tornaram-se pouco produtivas, sendo então substi-
tuídas pelo cultivo de espécies florestais. Concomitante a estas atividades, a
propriedade em questão teve uma porção de suas terras destinadas à explo-
ração mineral.
Diante de tantos maus tratos, restou para ser utilizada como fazenda
experimental uma propriedade rural que mais parece uma “colcha de retalhos”
de ambientes degradados. Por este motivo sua experiência foi requisitada,
pois além de se recuperar a capacidade de produção dessa porção de terras,
a universidade deseja criar uma fazenda modelo na recuperação ambiental.
Provavelmente você ainda não se sinta totalmente confortável para
resolver este desafio. Isto é natural, pois nesta unidade trabalharemos o
conteúdo que irá auxiliá-lo na solução deste problema. Assim, primeira-
mente falaremos sobre a recuperação de solos degradados, sendo esta a base
para qualquer trabalho de recuperação ambiental. Depois, partiremos para
situações mais específicas, como o tratamento a ser realizado para a recupe-
ração de pastagens degradadas. E, finalmente, conheceremos o processo de
recuperação de uma área degradada, com vistas a sua estruturação para a
composição de uma área de preservação florestal.
Então não vamos perder mais tempo, pois o conteúdo é vasto e muito
interessante.
Bom estudo!
Seção 4.1

Principais formas de recuperação de solos


degradados

Diálogo aberto
Caro aluno,
Em nossos estudos temos enfatizado que o solo constitui a base dos
sistemas naturais e agrícolas, por este motivo temos dedicado tanta atenção
às práticas que garantem a manutenção da qualidade dos solos e sua capaci-
dade de produzir alimentos e água. Seguindo este raciocínio, no manejo
de áreas degradadas, não poderíamos iniciar sua recuperação sem antes
devolver ao solo sua capacidade de sustentar um desses sistemas, que por
mais simples que possam ser, irão depender fundamentalmente das condi-
ções do solo para “sobreviver”.
Neste contexto é que se materializa o seu próximo desafio. Assim, como
engenheiro agrônomo de uma instituição pública de pesquisa, você foi
indicado para a missão de recuperar a capacidade produtiva de uma antiga
fazenda, que foi doada a uma universidade para formação de uma fazenda
experimental, onde serão desenvolvidas atividades agrícolas, florestais e de
preservação ambiental. Mapeando a propriedade você pôde notar que a
cobertura do solo constituía um mosaico entre área de lavoura com solos
degradados pela erosão, pastagens degradadas e porções de solo exposto pelo
processo de mineração.
Como todo bom pesquisador, antes começar a pensar no projeto de
recuperação de áreas degradadas, você buscou levantar o maior número
possível de informações sobre a propriedade (tipos de solos, relevo, clima,
uso da terra, entre outras) que pudessem subsidiar o processo de tomada
de decisão sobre como trabalhar cada setor. Por meio do resultado das
análises de solo, realizadas para mapear o grau de degradação dos atributos
do solo, você pôde constatar que a propriedade apresenta vários talhões com
problemas de fertilidade, outros com alta compactação e erosão e, de forma
generalizada, baixo teor de matéria orgânica. Em alguns talhões todos os
problemas relatados ocorriam ao mesmo tempo.
Assim, independentemente da função que se deseja dar a uma determi-
nada área, o primeiro passo é adequar as condições do solo, criando-se, desta
maneira, um ambiente favorável ao desenvolvimento de espécies vegetais e
animais. Considerando esta premissa e as informações coletadas, no primeiro

Seção 4.1 / Principais formas de recuperação de solos degradados - 149


momento você decidiu dedicar atenção especial às áreas de lavouras degra-
dadas pela erosão, onde o solo apresentava condições muito ruins.
Nessa etapa surgiram alguns questionamentos: será possível recuperar
a capacidade produtiva desses solos? Será que as práticas conservacionistas
podem ser aplicadas nesses casos?
Estas e outras dúvidas devem estar surgindo em sua mente de pesqui-
sador. Fique tranquilo! Nesta seção vamos estudar como proceder nestes e
em outros casos onde a erosão tenha promovido a degradação das proprie-
dades do solo.
Então, boa leitura!

Não pode faltar

Caro estudante,
Em diferentes oportunidades pudemos verificar que o uso agrícola do solo
tem provocado profundas transformações no ambiente, sobretudo nas situa-
ções onde o manejo adotado não é capaz de proteger o solo contra a degradação
de seus atributos, sendo esta a condição mais comum observada a campo.
Ao longo do conteúdo trabalhado, buscamos apresentar diferentes
técnicas que, se aplicadas adequadamente, irão refletir na conservação do
solo, em sua qualidade de base para a produção de alimentos e água. Tais
técnicas, além de prevenir a degradação imposta pelas condições do clima
tropical, também podem proporcionar a correção das limitações naturais
do solo, bem como daquelas provocadas pelo homem. Porém, em condições
extremas de degradação, as técnicas estudadas somente irão promover o
efeito desejado se antes os fatores de degradação forem eliminados.
Seguramente, podemos dizer que no ambiente agrícola o principal fator de
degradação é a erosão do solo. Anteriormente, vimos que uma vez que a erosão
do solo se inicie, caso nenhuma ação seja empreendida para detê-la, o processo
irá evoluir em tamanho e profundidade, partindo de uma erosão laminar,
quase imperceptível, podendo chegar a uma ravina muito larga e profunda.

Reflita
Do seu ponto de vista, quando constatamos a presença de erosão
numa propriedade agrícola, quais ações devemos empreender para que
possamos garantir que o processo erosivo não evolua?

150 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


Várias são as possibilidades para se promover a correção dos estragos
provocados pela erosão, porém nenhuma solução será eficiente sem antes
eliminarmos a sua causa. Sendo assim, ao projetarmos as medidas a serem
tomadas para se recuperar uma área afetada por erosões, devemos buscar
conhecer qual a razão do processo ter se iniciado.
Resgatando o conhecimento adquirido, podemos dizer que a erosão do
solo acontece pela combinação de diferentes fatores que atuam de forma
conjunta, porém em intensidades distintas, conforme cada situação. Vamos
recordar estes fatores:
• Remoção da cobertura vegetal.
• Perda da camada de matéria orgânica da superfície do solo.
• Compactação do solo (destruição da estrutura e porosidade do solo).
• Perda da capacidade de infiltração de água.
Diante disto, podemos concluir que um projeto para recuperação de
uma área afetada por erosão deve considerar o controle desses fatores, a
contenção ou a correção dos processos erosivos e a estabilização do solo. As
medidas projetadas para este fim deverão ainda considerar as características
do ambiente, tais como distribuição e intensidade de chuvas, temperatura,
relevo, tipo de solo, entre outros.
Agora que já temos uma visão mais global do problema, passemos a
discutir as técnicas recomendadas para recuperação dos solos degradados
pela erosão. Neste sentido, podemos considerar que o trabalho será realizado
em etapas, tendo como ponto de partida o controle dos processos erosivos.
Nos ambientes onde o processo de degradação se deu pela perda da
camada fértil do solo, decorrente da erosão laminar e em sulcos pouco
profundos, o controle da erosão e a correção da superfície do solo pode ser
conseguida por meio do emprego das práticas conservacionistas mecânicas,
discutidas anteriormente. Assim, é imprescindível a implantação de terraços,
preferencialmente em nível, associado ao cultivo em nível, onde todas as
operações mecanizadas são realizadas perpendicularmente ao sentido do
declive. O emprego destas técnicas proporciona a interrupção dos caminhos
preferenciais do escoamento superficial, além de favorecer a infiltração da
água, que é interceptada pela rugosidade construída no solo e retida na base
dos terraços, proporcionando, assim, o controle do escoamento superficial.
Como vimos, a baixa capacidade de infiltração de água no solo pode
ser uma das causas da ocorrência de erosões. Esta situação é decorrente da
formação de camadas adensadas na subsuperfície do solo, ocasionadas por

Seção 4.1 / Principais formas de recuperação de solos degradados - 151


sua compactação e entupimento de seus poros. Por este motivo a água que
não se infiltra contribui para a formação do escoamento superficial, que leva
consigo a camada fértil do solo (sedimentos, nutriente e matéria orgânica),
deixando para trás um solo empobrecido.
Considerando que os solos degradados são muito sensíveis ao revol-
vimento produzido por arados e grades, recomenda-se que a adequação
das suas propriedades químicas e físicas seja realizada de forma gradativa,
utilizando-se práticas conservacionistas que promovam a reconstrução das
características desejáveis a um solo produtivo. Neste sentido, por meio do
resultado de uma análise laboratorial do solo, deve-se promover a recomen-
dação da necessidade de calagem e, se for o caso, da adubação química para
se atender, minimamente, às demandas nutricionais para o cultivo de adubos
verdes.
Em situações como esta, a adubação verde terá múltiplas funções, dentre
elas podemos destacar o rompimento da camada adensada, cobertura do solo,
fornecimento de biomassa (cobertura morta), matéria orgânica (incremento
da fertilidade e estrutura do solo) e ativação da biologia do solo, principal-
mente na zona das raízes (rizosfera). Para que a adubação verde proporcione
todas essas vantagens, recomenda-se a combinação de espécies vegetais,
que deverão ser semeadas ao mesmo tempo. Lembrando que na seleção de
espécies deverão ser consideradas as funções descritas anteriormente.
Uma etapa importante no processo de recuperação de um solo degradado
é o acompanhamento. Após a implantação das técnicas para a recuperação,
é preciso avaliar a evolução dos aspectos relacionados à fertilidade e física
do solo e considerar a necessidade de novas intervenções, caso a melhoria
destes parâmetros não tenham alcançado o nível desejado. Contudo, em
qualquer situação onde se tenha recuperado a capacidade produtiva do solo,
a retomada da atividade agrícola somente será possível se aplicados os princí-
pios conservacionistas.

Pesquise mais
Aprofunde seu conhecimento sobre algumas espécies utilizadas como
adubo verde e seu efeito na melhoria da fertilidade, física e biologia de
solo.

FERREIRA, E. L.; SOUZA, E. P.; CHAVES, A. F. Adubação verde e seu efeito


sobre os atributos do solo. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvi-
mento Sustentável. Grupo Verde de Agricultura Alternativa (GVAA).

152 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


Agora que já sabemos como lidar com áreas degradadas pela erosão laminar,
podemos avançar para uma situação mais complexa, onde as erosões tomaram
a proporção de uma voçoroca. Como veremos, nestes casos o trabalho de
recuperação é bem mais intenso, exigindo a aplicação de técnicas específicas
que devem considerar os aspectos ambientais que levaram a sua formação.
Ao observarmos uma área afetada por erosões, verificaremos que as voçorocas
costumam ocorrer nos pontos onde há a convergência dos sulcos erosivos. Estes
pontos são caracterizados por apresentar uma declividade mais acentuada que
o seu redor, sendo, naturalmente, um ponto de surgência de água (nascentes).
O controle de uma voçoroca deve ser iniciado pelo isolamento da área
afetada, o que pode ser feito por meio da implantação de cercas, de modo
que sejam impedidos os acessos de animais e de máquinas agrícolas, uma
vez que o trânsito de animais e máquinas nesses ambientes proporciona
a formação de caminhos preferencias ao escoamento das águas pluviais,
podendo direcionar o fluxo de água para dentro da voçoroca. Seguindo o
mesmo princípio, é importante também impedir o fluxo de água das áreas
vizinhas para dentro da voçoroca, sobretudo em suas cabeceiras. Sendo
assim, todo o seu entorno deverá ser estruturado para que a água seja captada
e direcionada para fora do ambiente afetado. Isto pode ser feito por meio da
construção de terraços em desnível, que irão captar a água que escoar super-
ficialmente, conduzindo-a para fora do sistema. A água recolhida por essas
estruturas deverá ser contida por uma bacia ou direcionada para uma saída
segura, onde o solo esteja protegido contra a ação da água.
Considerando que os pontos sujeitos à formação de voçorocas são áreas
de convergência de águas subter- Figura 4.1 | Esquema de uma voçoroca, des-
râneas, é muito comum que nestes tacando-se a localização dos drenos e o dire-
cionamento do fluxo de água
locais ocorra o surgimento de
olhos d’água. Sendo assim, para
garantir a estabilidade do solo
nesse ambiente, faz necessário o
estabelecimento de uma rede de
drenagem que possibilite o rebai-
xamento do lençol freático.
Esta rede de drenagem deve
ser construída abrangendo-se
todas ramificações dentro da
voçoroca, que se conectam a um
canal principal, conforme podemos
observar na Figura 4.1.
Fonte: elaborada pelo autor.

Seção 4.1 / Principais formas de recuperação de solos degradados - 153


Os drenos devem ser construídos no fundo da voçoroca, buscando-se
drenar todas as surgências de água. De acordo com EMBRAPA (2011), os
principais tipos de drenos são:
a) Dreno cego: consiste na construção de uma valeta revestida com
material filtrante (brita) e de um tubo perfurado colocado na saída
do dreno. A valeta deve ser selada com material impermeável como
argila ou plástico (Figura 4.2 a).
b) Dreno de bambu: consiste em usar como material filtrante feixes de
bambus envolvidos em manta geotêxtil, que são depositados numa
valeta da mesma forma que o anterior e selados com material imper-
meável Figura (4.2 b).
c) Dreno de material sintético: este dreno é construído sobre uma valeta
revestida com manta geotêxtil e preenchida com material filtrante,
devendo este estar totalmente envolvido por manta geotêxtil, sendo
da mesma forma que os anteriores selado com material impermeável
(Figura 4.2 c)
Figura 4.2 | Esquema dos tipos de drenos, destacando os materiais empregados na sua constru-
ção. (a) Dreno cego; (b) Dreno de bambu; (c) Dreno de material sintético

Fonte: adaptada de EMBRAPA (2011).

Uma vez estabelecida a rede de drenagem, é possível promover a reconfor-


mação do terreno, buscando regularizar suas imperfeições e, principalmente,
reduzir a declividade dos taludes. Este trabalho tem como objetivo favorecer
o desenvolvimento da cobertura vegetal que irá promover a proteção do solo
e a estabilização das vertentes da voçoroca. Neste sentido, recomenda-se que
os taludes tenham, no máximo, a inclinação 2:1.

154 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


Assimile
Os taludes constituem as superfícies inclinadas formadas pelas obras de
corte e aterro. Sua inclinação pode ser determinada pela relação entre os
catetos vertical e horizontal (v:h) de um triângulo retângulo. Assim, um talude
na proporção 2:1 significa dizer que o triângulo formado tem 2 medidas na
altura para uma medida na base. Veja os exemplos na Figura 4.3 a seguir:

Figura 4.3 | Inclinação de taludes em diferentes proporções de v:h

Fonte: elaborada pelo autor.

Nem sempre é possível se realizar a adequação da superfície do solo dentro


de uma voçoroca, sendo assim, é comum que alguns pontos permaneçam instá-
veis e sujeitos à ação da água da chuva. Nestes locais, recomenda-se a construção
de estruturas que possam conter o deslizamento de pequenas porções de solo.
Estas estruturas podem ser construídas com diferentes materiais e visam
dar estabilidade aos taludes e promover a retenção de sedimentos dentro da
voçoroca. As técnicas mais conhecidas são a paliçada e o rip rap.
As paliçadas são estruturas mais robustas, construídas ao longo do
caminho das águas, visando-se estabelecer uma barreira à passagem de
sedimentos, reduzindo a velocidade da enxurrada e, consequentemente, seu
potencial de destruição. Normalmente, as paliçadas são construídas com os
materiais disponíveis na propriedade rural, sendo muito comum e eficaz o
uso do bambu. Na Figura 4.4 podemos observar o aspecto de uma paliçada.
Figura 4.4 | Esquema de paliçada. (A) Vista frontal; (B) Aspecto da instalação de paliçadas ao
longo de uma voçoroca

Fonte: elaborada pelo autor.

Seção 4.1 / Principais formas de recuperação de solos degradados - 155


O rip rap é outra técnica muito empregada para a construção de barreiras
e estruturas de sustentação de taludes. Esta técnica consiste no uso de sacos
de ráfia preenchidos com solo ou areia, que são empilhadas como tijolos,
apoiando-se sobre uma superfície inclinada, conferindo-lhe estabilidade, ou
dispostas no fundo de uma ravina formando barreiras ao caminhamento da
água ou escadas para a dissipação de energia das enxurradas. Numa versão
do rip rap, os sacos podem ser preenchidos com uma mistura de solo, adubos
orgânicos e sementes, e após assentados no local desejado, têm sua superfície
perfurada para que as plântulas possam emergir de seu interior. Esta é uma
técnica empregada para promover a formação da cobertura vegetal nesses
ambientes. A figura 4.5 ilustra algumas aplicações do rip rap.
Figura 4.5 | Esquema de rip rap. (A) Vista lateral; (B) Vista frontal

Fonte: elaborada pelo autor.

Uma vez que tenhamos isolado e estabilizado uma voçoroca, podemos


dar seguimentos ao tratamento do substrato no interior da erosão e na área
cercada ao seu redor, visando estabelecer um ambiente favorável ao desen-
volvimento de uma cobertura vegetal perene e densa o suficiente para manter
o solo protegido e estável. Neste sentido, especial atenção deve ser dada à
escolha das espécies que serão utilizadas na revegetação da área afetada.
É importante destacar que no interior da voçoroca a erosão expos a camada
de solo mais pobre, o subsolo. Muitas vezes constituído por um substrato quase
inerte, desprovido de matéria orgânica, com baixíssimos teores de nutrientes.
Neste sentido, é importante procedermos uma adubação de base para que as
primeiras gerações de plantas possam se desenvolver e, a partir de s, obter seus
nutrientes pela ciclagem da matéria orgânica, conforme discutido anterior-
mente. Por esta razão, é imprescindível o uso de espécies vegetais capazes de
promover a fixação do nitrogênio atmosférico, como é o caso das leguminosas
que irão aportar grandes quantidade desse nutriente ao solo.

156 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


Exemplificando
Considerando a necessidade de se promover a semeadura de espécies
vegetais com diferentes características, bem como o fornecimento de
uma adubação básica, apresentamos a seguir, na Tabela 4.1, a sugestão
de uma mistura de sementes e adubos que poderão ser utilizados para
produzir a cobertura vegetal da superfície da voçoroca, considerando
que o substrato é inerte (teores de nutrientes inferiores às quantidades
mínimas necessárias para o desenvolvimento das espécies a serem
semeadas).

Tabela 4.1 | Composição da mistura de sementes e adubos para a semeadura das


superfícies no interior da voçoroca

Insumos kgha –1
Adubo orgânico compostado (mínimo de 1% de N) 1500
Adubo químico Fórmula NPK 04-14-08 600
Sementes de espécies regionais (arbustivas e arbóreas)* 20
Sementes de espécies adubo verde e forrageiras 280

* Seleção de espécies florestais da região, preferencialmente rústicas e de rápido crescimento.


Fonte: elaborada pelo autor.

A área de entorno à voçoroca (área isolada pelo cercamento) também


deverá ter sua cobertura vegetal restituída. Este trabalho poderá ser realizado
por meio da semeadura direta e/ou plantio de mudas. Os aspectos relacio-
nados à escolha das espécies, bem como às técnicas de semeio e plantio, serão
objeto de estudo da Seção 4.3, por ora vamos concentrar nossa atenção no
tratamento do solo.
Considerando às condições hostis estabelecidas nos ambientes degra-
dados pela erosão, sobretudo em voçorocas, torna-se inviável a recons-
trução das propriedades químicas, físicas e biológicas do solo por meio
das técnicas convencionais empregadas para solos agrícolas. Neste sentido,
devemos dar especial atenção às escolhas das espécies vegetais e à adubação
química e orgânica, que serão a base para que a cobertura vegetal se estabe-
leça, e por meio da sucessão das espécies semeadas e daquelas trazidas pelos
mecanismos naturais de dispersão de sementes (transporte de sementes, por
mamíferos, aves, insetos e vento) é que teremos a reconstrução da fertilidade
do solo, seus aspectos físicos e biológicos, que permita a sustentabilidade
desse ambiente.
Diante destas informações você já pode desmistificar o pensamento de
que uma voçoroca não tem solução. É fato que as recuperações de ambientes

Seção 4.1 / Principais formas de recuperação de solos degradados - 157


afetados por erosões demandam recursos materiais e financeiros, além da
dedicação dos profissionais responsáveis por sua recuperação, entretanto,
um problema como estes jamais deve ser abandonado, pois a cada chuva
irá tornar-se maior e continuará impactando vizinhos e recursos hídricos
próximos, degradando o ambiente com um todo.

Sem medo de errar

Caro aluno,
Chegou o momento de aplicarmos o conhecimento adquirido sobre a
recuperação de solos degradados. Lembre-se que você é o engenheiro agrônomo
pesquisador de uma instituição pública e que foi indicado para atuar na propo-
sição de medidas para transformar uma propriedade rural que foi doada a uma
universidade para transformá-la em uma fazenda experimental.
Para isso você fez uma análise geral das áreas a serem trabalhadas, consta-
tando que haviam várias frentes de trabalho a serem desenvolvidas, entre elas
você decidiu, primeiramente, atuar na recuperação dos solos degradados,
que tiveram sua camada fértil removida pelos intensos processos erosivos
instalados nesses locais. Considerando que se tratavam de áreas com aptidão
agrícola para a introdução de lavouras, você resolveu implementar técnicas
que promovessem a recuperação dos atributos químicos, físicos e biológicos
desses solos, devolvendo assim a sua capacidade produtiva.
Neste sentido, considerando os resultados das análises de solo, você pôde
mapear o grau de degradação dos atributos do solo, constatando problemas
de fertilidade e baixo teor de matéria orgânica, além da compactação do solo.
Por meio do resultado destas análises foi possível conhecer a necessidade de
calagem e, também, promover a recomendação de adubação para se atender
à demanda dos adubos verdes que seriam cultivados no local.
Uma vez que a amostragem de solo foi realizada, você passou para a etapa
seguinte, que foi o controle da erosão. Por se tratar de uma área afetada pela
erosão laminar, com presença de sulcos erosivos pouco profundos, você
decidiu empregar as práticas conservacionistas comuns às áreas agrícolas,
iniciando pela demarcação das curvas de nível que serviriam de base para
a construção dos terraços. Uma vez que o terraceamento fosse finalizado, a
área poderia então receber a calagem.
Por se tratar de um solo degradado, já muito pulverizado, você preferiu
não promover a preparo convencional, buscando melhorar as condições
físicas do solo por meio da adubação verde. Considerando as potenciali-
dades desta prática conservacionista vegetativa você buscou fazer a seleção

158 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


de espécies que pudesse desempenhar as funções de rompimento da camada
adensada do solo (sistema radicular pivotante profundo), enriquecimento
de sua porosidade (raízes fasciculadas), formação da cobertura do solo
(diferentes arquiteturas de copa), estabelecimento da cobertura (produção
de biomassa) e fixação de nitrogênio (leguminosas). Assim, feita a seleção de
espécies, a semeadura poderia ser realizada segundo os princípios do plantio
direto, juntamente com uma pequena adubação de base, recomendada
para se garantir o fornecimento mínimo de nutrientes para que as plantas
pudessem se desenvolver e promover, rapidamente, a cobertura do solo.
Considerando a necessidade de acompanhamento, ao final do ciclo da
maioria das espécies semeadas, você promoveu nova análise de solo para
verificar se houve melhoria nos parâmetros estudados, além das observações
de campo onde analisou a qualidade da cobertura do solo (viva e morta),
presença de erosão, capacidade de infiltração de água no solo.
Diante dos resultados obtidos desse levantamento, você pôde concluir
que foi possível recuperar a capacidade produtiva do solo trabalhado, tornan-
do-o adequado à utilização para o cultivo de lavouras, desde que aplicados
os princípios conservacionistas preconizados, de modo a se garantir a
manutenção da condição alcançada.

Avançando na prática

Estabilização de voçorocas

Descrição da situação-problema
Durante uma visita técnica a uma propriedade rural para avaliar a quali-
dade de uma pastagem, você se deparou com uma voçoroca que se formou
na parte mais baixa do pasto, local onde o gado se concentrava para descer
a encosta e beber água no açude que se encontrava logo abaixo desse ponto.
A área já não servia de pasto e o açude estava completamente assoreado. Ao
perguntar sobre a voçoroca o produtor respondeu que a encosta onde havia
a voçoroca é uma área de surgência de água e, por este motivo, foi feito um
açude para dar de beber ao gado e, devido ao caminhamento do gado naquela
área, iniciou-se a formação de sulcos erosivos até que numa grande chuva
houve o desbarrancamento que assoreou o açude e, desse dia em diante, a
voçoroca formada aumentava de tamanho a cada ano. Inconformado com a
situação, você perguntou se o produtor não ia tomar nenhuma providência
para interromper aquele processo. O produtor respondeu que aquilo não
tinha mais jeito, por isso resolveu abandonar a área.

Seção 4.1 / Principais formas de recuperação de solos degradados - 159


Foi, então, que você ofereceu ajuda ao produtor para solucionar o
problema. O que foi aceito de imediato! E agora, quais suas indicações ao
produtor?
Resolução da situação-problema
Assim, avaliando a situação, você pediu ao produtor que cercasse todo
o entorno da área afetada de modo a protegê-la contra a entrada de gado.
Sugeriu que se fizesse o terraceamento em toda a encosta onde a erosão havia
se formado, considerando que toda aquela área estava sujeita à formação de
novos sulcos erosivos. Sugeriu ainda que, manualmente, fosse realizada a
suavização dos taludes, de modo a reduzir-se a declividade das vertentes da
voçoroca, o que possibilitaria o estabelecimento da cobertura vegetal.
A cobertura vegetal é uma parte importante na estabilização de uma
voçoroca, sendo assim deve ser implantada com bastante critério por meio
da semeadura de espécies rústicas de adubos verdes, que possam produzir
sistemas radiculares vigorosos e uma cobertura do solo satisfatória, além
de favorecer o aporte de matéria orgânica ao sistema. Considerando que a
semeadura seria realizada no subsolo exposto pela erosão, e que este material
era desprovido de nutrientes, você recomendou que na semeadura fosse
fornecida também uma quantidade mínima de adubos químicos e orgânicos,
o que favoreceria o desenvolvimento inicial das plantas.
Além dessas medidas, sugeriu ainda que o fluxo de água dentro da
voçoroca fosse interrompido pela construção de paliçadas, que poderiam
ser construídas com bambu que, em geral, é um material muito resistente e
bastante comum nas propriedades rurais.
Com essas recomendações, você pôde garantir ao produtor que uma
voçoroca pode até não voltar a ser usada para a agricultura, mas pode ser
controlada e destinada à composição de um fragmento de mata.

Faça valer a pena

1. A erosão do solo é um dos fatores mais importantes de degradação dos solos


tropicais. Em algumas situações, podem promover a remoção da camada fértil do
solo, tornando-o impróprio para o uso agrícola. Sobre o tema, analise os itens a seguir:

I. Redução da capacidade de infiltração de água no solo.


II. Redução da porosidade.
III. Compactação da camada subsuperficial.
IV. Ausência de terraços.

160 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


São fatores que influenciam a formação de processos erosivos.

a) Apenas I e III.
b) Apenas II e IV.
c) Apenas I, II e III.
d) Apenas II, III, IV.
e) I, II, III e IV.

2. No caso de áreas afetadas por erosão laminar, com perda da camada superficial
fértil do solo, sua capacidade produtiva poderá ser recuperada pelo emprego das
práticas conservacionistas, para o controle do escoamento superficial e melhoria da
fertilidade e física do solo.

Nas alternativas a seguir, indique aquela que apresenta as práticas mais indicadas para
a recuperação da situação descrita.

a) Preparo convencional do solo e rotação de culturas.


b) Aração do solo e calagem.
c) Terraceamento e adubação verde.
d) Cultivo em nível e monocultura.
e) Gradeamento e adubação química.

3. As voçorocas constituem o estágio mais avançado de um processo erosivo, onde


grandes quantidades de terra são perdidas, tornando a área inútil ao desenvolvimento
da agricultura. Sobre as voçorocas, analise as afirmativas e verifique se são verdadeiras
ou falsas.

I. O uso de paliçadas e rip rap na recuperação de voçorocas é muito recomendável


para a formação de barreiras ao fluxo de água e fornecimento de sustentação para
superfícies instáveis.
II. No processo de recuperação de uma voçoroca é recomendado o isolamento da
área de modo a torná-la inacessível à animais e máquinas agrícolas, isto pode ser
conseguido pela instalação de cerca na área ao redor da erosão.
III. Numa voçoroca, o processo de estabilização de suas vertentes não pode ser conse-
guido por meio da fixação de uma cobertura vegetal.

Assinale a alternativa correta onde I, II e III são respectivamente:

a) V, V, V.
b) V, V, F.
c) V, F, V.
d) F, V, F.
e) F, F, F.

Seção 4.1 / Principais formas de recuperação de solos degradados - 161


Seção 4.2

Recuperação de pastagens degradadas

Diálogo aberto
Caro aluno,
Em 2017 o Brasil possuía o segundo maior rebanho de bovinos no
mundo. Graças ao clima e, também, à grande disponibilidade de área, 95
% da carne bovina produzida no país acontece em regime de pastagens, o
que proporciona menor custo de produção quando comparada à produção
em sistema semiconfinado ou confinado, onde a base da alimentação é a
ração. São aproximadamente 200 milhões de hectares de pastagens nativas e
plantadas. Porém, cerca de 130 milhões de hectares destas pastagens encon-
tra-se degradadas ou com algum grau de degradação (EMBRAPA, 2018a).
Neste contexto é que se concretiza nosso novo desafio. Assim, dando
sequência ao trabalho iniciado para se recuperar as áreas degradadas da futura
fazenda experimental, você irá agora dedicar-se ao tratamento das pasta-
gens degradadas, considerando que algumas áreas da fazenda experimental
apresentam vocação para este tipo de uso do solo e deverão permanecer assim
para se atender à pesquisa com a pecuária que será desenvolvida na propriedade.
Como vimos na seção anterior, a primeira ação para se promover a
recuperação de um ambiente degradado é o tratamento de seu solo. Por este
motivo, você dedicou uma atenção especial a áreas com solo degradado pela
erosão, identificando as áreas mais sensíveis e propondo as medidas necessá-
rias para se recuperar o seu potencial produtivo.
Agora você deverá projetar as ações necessárias para tornar as áreas desti-
nadas ao cultivo de pastagens novamente produtivas e capazes de proporcionar
alimento de qualidade aos animais. Neste sentido, você partiu para um diagnós-
tico das pastagens existentes, constatando que estas apresentavam grau interme-
diário de degradação, onde era possível observar um pasto mal formado, com
falhas e forragem com sintomas de deficiência nutricional, além disso o solo
estava compactado. Apesar das condições da forragem, o pasto era formado
por Brachiaria decumbens, que é uma espécie rústica, muito bem adaptada às
condições ambientais locais. Apesar de degradada, a pastagem não apresentava
infestação significativa com plantas indesejáveis, tão pouco de formiga e cupins.
Diante deste cenário, o que fazer: recuperar ou renovar as pastagens?
Quais métodos deverão ser empregados para se retomar a capacidade de
suporte destas áreas?

162 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


Não há como responder a estes questionamentos sem antes estudarmos o
conteúdo que vem pela frente. Portanto, mãos à obra e boa leitura!

Não pode faltar

Caro aluno,
No Brasil, a forma mais comum de exploração de pastagens naturais e
implantadas acontece por meio do sistema extrativista, que utiliza apenas a
fertilidade natural dos solos para nutrição das forragens. Neste sistema, o
pastejo contínuo sem a reposição de nutrientes tem causado impacto na
fertilidade desses solos, reduzindo-se a capacidade de suporte das pasta-
gens. Não raramente, esta forma de exploração gera a formação de pasta-
gens degradadas, que acabam sendo abandonadas e, nesta condição, são
dominadas por espécies invasoras rústicas, de difícil erradicação. Neste
contexto, podemos desatacar que a falta de informação e a negligência vêm
transformando milhões de hectares de pastagens em áreas degradadas,
afetando o potencial produtivo do país e, ainda, a qualidade do ambiente.
Este quadro de degradação vai de encontro ao cenário que tem se conso-
lidado nas últimas décadas, onde o Brasil se coloca em posição de destaque
na produção e fornecimento de carne para vários países. Neste sentido,
a pesquisa tem voltado sua atenção ao desenvolvimento de técnicas que
buscam recuperar pastagens degradadas e ainda propõem uma exploração
mais sustentável do solo para a geração de produtos de origem animal,
que tem o pasto como a base de produção. Porém, o primeiro passo para
se alcançar esse objetivo é entender os fatores que corroboraram para a
formação deste cenário, de modo que possamos atuar diretamente na
sua eliminação ou mitigação, sempre com foco na sustentabilidade dos
sistemas.
Diferentes fatores contribuem para a degradação das pastagens, como já
discutido anteriormente, uma das razões está associada ao uso de solos sem
aptidão agrícola para a implantação de pastagens. Partindo do pressuposto
que o reconhecimento da aptidão depende das características ambientais
(solo, clima, relevo, entre outros) favoráveis ao desenvolvimento de uma
determinada atividade, no Brasil é muito comum designar áreas inade-
quadas à agricultura para a implantação de pastagens. Este é o primeiro
grande equívoco, muitas dessas áreas também apresentam limitações para
o cultivo de forrageiras e para trânsito de animais, conforme podemos
observar na Figura 4.6.

Seção 4.2 / Recuperação de pastagens degradadas - 163


Figura 4.6 | Aspecto da área destinada à formação de pastagens afetada pela erosão do solo

Fonte:http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/agricultura_e_meio_ambiente/arvore/CON�-
TAG01_14_299200692526.html. Acesso em: 3 dez. 2018.

Além de usar áreas inadequadas, é muito comum os pecuaristas errarem


também na escolha da espécie forrageira. Sendo assim, na definição da
espécie há que se considerar as características do clima, solo, relevo e espécie
animal que irá consumir o pasto, visto que cada uma possui peculiaridades
na forma de pastejar e na demanda nutricional.

Saiba mais
A EMBRAPA (2016, p. 1) cita que “um bom pasto começa pelo seu correto
estabelecimento e o processo se inicia com a escolha das forrageiras
adaptadas ao ambiente da propriedade”.
EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA, EMBRAPA.
Notícias: escolha da espécie forrageira.

A não utilização de práticas conservacionistas, como terraceamento e


manejo da fertilidade, também tem colaborado para a degradação das pasta-
gens. Para se ter uma ideia da falta de atenção à fertilidade do solo em pasta-
gens, veja os dados da Tabela 4.2.

164 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


Tabela 4.2 | Comparativo entre área plantada e o uso de fertilizante por cultura

Área plantada
Atividade Entrega de fertilizantes
(valor aproximado em ha)
Soja 35.000.000 1,57%
Pastagem 200.000.000 42,52%

Fonte: elaborada pelo autor.

Somados a estes fatores, devemos considerar ainda o número de animais


por área, que normalmente é superior a capacidade de suporte das pastagens,
exercendo forte pressão sobre a forragem, gerando compactação do solo e,
consequentemente, erosão. E, por fim, uma prática ainda muito comum no
Brasil, a queima do pasto, que além de lançar toneladas de carbono na atmos-
fera consome também a maior parte dos nutrientes retidos no capim seco e
da matéria orgânica sobre o solo.
Como consequência à atuação dos fatores apontados anteriormente,
temos a geração de pastagens degradadas, incapazes de suportar uma taxa
mínima de lotação, onde as forrageiras, quando se desenvolvem, apresentam
baixa qualidade nutricional para atender às necessidades dos animais.
Quando degradadas ou em processo de degradação, as pastagens
apresentam sinais que podem ser utilizados por produtores e profissionais como
indicadores para identificar a necessidade de se promover alguma intervenção.
Neste sentido, podemos destacar que o vigor da forragem pode ser usado como
indicador de qualidade da pastagem, uma vez que em ambientes degradados
a forragem passa apresentar
porte menor que o esperado Figura 4.7 | Aspecto de pastagem com baixo vigor de
para a espécie, baixa capaci- forrageiras e exposição do solo
dade de rebrota, coloração
desbotada, conforme ilustra
a Figura 4.7.
À medida que a
forragem perde o vigor,
reduz-se sua capacidade
de rebrota, consequente-
mente a cobertura do solo
torna-se cada vez menor,
expondo-o às condições do
clima. Sendo assim, outro
indicador é a presença de Fonte: https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noti-
cia/2361250/embrapa-mapeia-degradacao-das-pastagens-do-
manchas de solo exposto, -cerrado. Acesso em: 8 dez. 2018
com evidências de erosão.

Seção 4.2 / Recuperação de pastagens degradadas - 165


A erosão em pastagens pode indicar diferentes fatores atuando para a sua
degradação, assim quando a cobertura vegetal se torna baixa e falha, passa
a não proteger o solo contra a ação da chuva que, consequentemente, irá
promover sua erosão. Também podemos atribuir a presença de processos
erosivos à compactação do solo que, nestes casos, pode ser gerada pela alta
lotação (número de cabeças por área acima da capacidade de suporte) e
continuidade do pastejo por períodos prolongados, sem que haja períodos
de descanso para que a vegetação possa se recompor.
Não obstante, estas condições proporcionam o ambiente favorável ao
aparecimento de cupins e formigas que agravam ainda mais a situação, pois
estes insetos consomem grandes quantidades de material vegetal, chegando a
competir com o gado em casos de alta infestação (Figura 4.8 A).
A infestação por plantas invasoras constitui outro indicativo de pastagem
degradada, uma vez que, quando saudáveis, as espécies forrageiras são
altamente eficientes no uso de água e nutrientes, cobrindo totalmente o
solo, impedindo assim que ouras plantas consigam se desenvolver naquele
ambiente. Em pastagens degradadas, as espécies forrageiras tornam-se
menos eficientes, tornando-se menos competitivas, permitindo que algumas
plantas se desenvolvam. As espécies invasoras podem variar com a região e
com as características do solo (Figura 4.8 B).

Exemplificando
A seguir apresentamos algumas espécies utilizadas como indicadores de
pastagens degradadas:
• Algumas espécies de samambaias, como e o caso da Pteridium
esculentum, desenvolvem-se muito bem em pastagens degra-
dadas, sobretudo naquelas que apresentam solos ácidos. Além de
invasora, é uma planta tóxica para os animais.
• O babaçu (Attalea speciosa) é uma espécie de palmeira muito
comum no norte do país, principalmente nos estados do Maranhão
e Pará. Nestes estados é comum realizar a “limpeza” das pastagens
pela queima da vegetação seca, este procedimento potencializa a
germinação do babaçu que passa a dominar a paisagem.
• Pastagens degradadas podem ser dominadas também por outras
espécies de gramíneas, porém sem valor como espécie forrageira, é
o caso do capim rabo de burro (Andropogon bicornis).

166 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


Figura 4.8 | Aspecto de pastagens infestadas por cupinzeiros (A) e por babaçu (B)

Fonte: A Comprerural (2018), https://www.comprerural.com/cupim-e-os-danos-pastagem�-


-controlar-e-preciso/; B Araújo (2018), http://www.feis.unesp.br/Home/departamentos/bio�-
logiaezootecnia/8manejo-de-plantas-daninhas-em-pastagem.pdf; C Museum of New Zealand
(2019), https://collections.tepapa.govt.nz/object/1421709.; D WWF (2019), https://www.
wwf.org.br/natureza_brasileira/areas_prioritarias/pantanal/pantanal_pub/anexo_eletronico.
cfm. Acesso em: 21 jan. 2019.

Como você pôde perceber, no Brasil, muitos fatores corroboram para a


construção de um cenário desfavorável à conservação das áreas de pasta-
gens e, sendo assim, é imprescindível para o país que ações sejam empre-
endidas para se reverter este quadro. Ainda é fonte de pesquisa o momento
certo de se promover a intervenção nas pastagens, buscando prevenir sua
degradação, dizemos isto, pois a verificação dos indicadores descritos nos
mostrará que o processo de degradação já está instalado e, neste momento,
a reversão do problema é mais difícil e dispendiosa. Por esta razão, desta-
camos que é necessário o emprego de ferramentas tecnológicas para que se
possa promover o controle da qualidade das pastagens e a prevenção contra
a degradação destes sistemas. Isto posto, podemos partir para o estudo das
técnicas e estratégias para a recuperação e renovação das pastagens.

Seção 4.2 / Recuperação de pastagens degradadas - 167


Assimile
Antes de prosseguirmos, é importante conhecermos alguns conceitos:

• Recuperação de pastagens: visa restabelecer a produção de uma


forragem, sem que haja a substituição da espécie ou cultivar
plantada;

• Renovação de pastagens: diz-se do trabalho de restabelecer a


produção de uma forragem por meio da substituição da espécie
que está degradada;

• Reforma de pastagens: termo empregado para designar o trabalho


de correção ou reparo que se faz necessário após o estabeleci-
mento de pastagem.

Conforme temos discutido, antes de se tomar qualquer decisão sobre


quais ações iremos empreender para se promover as mudanças desejadas,
devemos realizar um diagnóstico da situação. No caso de pastagens degra-
dadas, precisamos atuar da mesma forma, ou seja, antes de se optar pela
recuperação ou renovação das pastagens e definir quais as práticas e insumos
serão necessários, temos que levantar o histórico de uso da área, as caracte-
rísticas do solo, relevo, ocorrência de pragas e plantas invasoras.
Diante do diagnóstico realizado podemos indicar o método de recupe-
ração de pastagens degradadas mais adequado a cada situação. Neste sentido
podemos optar pelos métodos diretos, recomendados para pastagens ainda em
grau inicial de degradação, onde são empregadas apenas técnicas mecânicas e
químicas sobre a pastagem degradada. Para as situações onde a degradação é
mais intensa devem ser aplicados os métodos indiretos, onde a recuperação
ou renovação serão viabilizadas pelo cultivo de pastagens anuais ou lavouras
de grãos (EMBRAPA, 2012). Estes autores propõem quatro métodos para o
tratamento das pastagens degradadas, conforme veremos a seguir:
Recuperação direta: esta prática se justifica quando o consórcio com
lavouras não é possível, devido às condições ambientais e de mercado desfa-
voráveis à produção, transporte e comercialização de grãos. Neste caso, o
manejo para a recuperação das pastagens é feito considerando apenas a
aplicação das práticas agronômicas na pastagem degradada. E de acordo
com o grau de degradação é possível diferenciar três tratamentos a serem
aplicados à vegetação existente:
• Recuperação direta sem destruição da vegetação: destinada a pasta-
gens ainda em estágio inicial de degradação, ocasionada pela desnu-
trição da forragem. Sendo assim, a recuperação pode ser feita por

168 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


meio do uso de corretivos e adubos, com doses recomendadas a partir
da análise do solo, que poderão ser jogados à lanço, em área total,
buscando-se assim a retomada de vigor e a nutrição da forragem;
• Recuperação direta com destruição parcial da vegetação: recomen-
dada para pastagens em estágio intermediário de degradação, ocasio-
nada pelo manejo inadequado, desnutrição da forragem, compac-
tação do solo, pastagem malformada ou pelo desejo de se introduzir
leguminosas. Nesta situação, é preciso realizar a dessecação da
pastagem para facilitar as operações mecanizadas, isto deve ser feito
por meio do uso de herbicidas em doses que permitam o retorno
da forragem. Em áreas de solo compactado será necessário o uso de
subsolador. Não havendo solo compactado, a semeadura pode ser
realizada diretamente sobre a palhada do material dessecado. Esta
operação deverá ser realizada simultaneamente com a adubação,
podendo ser semeada a mesma espécie de forragem, introduzida
uma espécie de leguminosa, ou de espécie forrageira anual, que
permitirá o pastejo imediato até que a forragem perene se estabeleça;
• Recuperação direta com destruição total da vegetação: recomendada
para pastagens com alto grau de degradação, ocasionada pela baixa
produtividade da pastagem, ocorrência de solo exposto, infestação de
plantas invasoras, cupins e formigas, solo com problemas de fertilidade,
acidez, compactação e erosão, desejando-se a manutenção da espécie
ou cultivar. Esta situação é a mais crítica e, por este motivo, é a que
demanda mais esforços e recursos. São indicados o preparo total do
solo, introdução das práticas conservacionistas, aplicação e incorpo-
ração do corretivo do solo, com posterior semeadura da mesma espécie
ou cultivar forrageira, solteira ou em consorciação com leguminosas.
Recuperação indireta com destruição total da vegetação: este método
é recomendado para pastagens com alto grau de degradação, porém no
processo de recuperação será cultivada uma lavoura ou pastagem anual, que
viabilizará economicamente o trabalho até que a pastagem esteja totalmente
formada. Assim, após a implementação de todas as técnicas para a adequação
e conservação do solo, é realizada a semeadura da mesma espécie forrageira
simultaneamente com a pastagem ou cultura anual. É possível realizar a
semeadura da cultura anual de forma solteira e no final de seu ciclo semear
a forragem.
Renovação direta: este método tem como objetivo a substituição da
espécie ou cultivar, sendo assim, uma operação dispendiosa, realizada por
meio de tratos mecânicos e químicos com herbicidas, destinados a promover
a erradicação da espécie ou cultivar a ser substituída.

Seção 4.2 / Recuperação de pastagens degradadas - 169


Renovação indireta com uso de pastagem ou lavoura anual: este método de
renovação é recomendado para pastagens que apresentem alto grau de degra-
dação. Devido às condições nas quais o método é desenvolvido, constitui a
alternativa mais dispendiosa para o tratamento de pastagens degradadas,
requerendo condições ambientais e de mercado favoráveis ao cultivo,
transporte e comercialização da produção de grãos, em caso contrário,
recomenda-se o cultivo de pastagens anuais para a amortização dos custos
de renovação da pastagem. Neste sistema, a implantação da nova espécie de
forragem somente será realizada após sucessivos cultivos anuais (lavoura de
grãos ou pastagens anuais) e controle da forragem a ser substituída.

Reflita
Além de ser muito dispendioso, o método de renovação de pastagens, onde
se tem como objetivo a substituição de uma espécie ou cultivar de forrageira
por outra, é tido como a operação de tratamento de pastagens que oferece
maior risco de insucesso. Você saberia explicar a razão dessa afirmativa?

Do ponto de vista da conservação do solo em áreas e pastagens, além das


técnicas e considerações apresentadas, os sistemas de produção integrados
constituem uma alternativa promissora para a recuperação de pastagens
degradadas. Estes podem envolver a produção de diferentes produtos,
como grãos fibras, madeira, energia, leite ou carne na mesma área, graças
às técnicas, já discutidas, que permitem o cultivo de espécies distintas em
rotação, consorciação e sucessão. Basicamente os sistemas de integração são
desenvolvidos por meio do cultivo de lavouras de verão, como milho e soja
juntamente com espécies
Figura 4.9 | Aspecto do sistema de integração lavoura-pe-
florestais e espécies forra- cuária-floresta (ILPF)
geiras. Neste contexto,
inúmeras são as possi-
bilidades de combi-
nação entre as atividades
e sua distribuição no
espaço e no tempo. São
exemplos desses sistemas:
Integração lavoura-pe-
cuária- floresta (ILPF);
Integração lavoura-pecu-
ária (ILP); Sistema silvi-
pastoril (SSP) (Figura 4.9). Fonte: http://www.sif.org.br/noticia/ilpf--o-que-e-integracao-
lavoura-pecuaria-floresta. Acesso em: 9 dez. 2018.

170 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


De acordo com EMBRAPA (2012), o emprego destes sistemas pode inter-
mediar o processo de recuperação ou renovação de pastagens, por meio do
cultivo sucessivo de pastagens e lavouras anuais de verão, pois têm apresen-
tado excelentes resultados na recuperação das propriedades químicas, físicas
e biológicas do solo, sendo muito eficientes, ainda, na quebra do ciclo de
doenças e pragas e no controle de plantas daninhas. Como já estudado
anteriormente, a implantação destes sistemas proporciona a otimização do
uso do solo, potencialização da produção pela combinação adequada de
espécies, maior sustentabilidade da atividade agrícola, entre outras vantagens
que têm como produto a conservação do solo e da água.
De acordo com as informações trabalhadas aqui, pudemos perceber que a
degradação de pastagens no Brasil constitui um grande desafio a ser vencido,
porém, empregando-se as técnicas e insumos adequados para cada situação,
é possível revertermos esta situação, sendo esta mais uma possibilidade de
atuação para você, engenheiro agrônomo!

Sem medo de errar

Caro estudante, agora que já estamos mais bem informados sobre o trata-
mento de pastagens degradadas, podemos retomar nossa discussão sobre
quais medidas deverão ser aplicadas para que possamos tornar novamente
produtivas as pastagens da futura fazenda experimental. Lembre-se que em
seu diagnóstico você pôde constatar que a área apresentava um grau inter-
mediário de degradação, que é caracterizado, principalmente, pelo estado da
pastagem, que foi malformada e agora apresenta uma forragem com defici-
ência nutricional e falhas. Outra constatação importante referente ao solo é
que apresentava sinais claros de compactação. Como pontos positivos de sua
avaliação, você pode constatar que a área não apresentava infestação signifi-
cativa de cupins, formigas ou plantas indesejáveis e, ainda, que a forrageira
atual era adequada à região, sendo assim, não precisaria ser substituída.
Diante de seu diagnóstico, você pode concluir que a melhor opção para
o tratamento desta pastagem seria a metodologia de recuperação direta com
destruição parcial da vegetação, visto que se deseja manter a mesma espécie,
sendo a introdução de leguminosas uma possibilidade neste caso.
Assim, sua proposta consistiu em se recomendar o uso de herbicidas desse-
cantes em doses que pudessem controlar a parte aérea sem matar a planta, de
modo que sejam facilitadas as operações mecanizadas. Dessa forma, após a
realização das intervenções, a forragem volta a se desenvolver normalmente.
Com a pastagem dessecada é possível realizar a subsolagem para que rompa

Seção 4.2 / Recuperação de pastagens degradadas - 171


a camada de solo compactada, proporcionando-se, assim, um ambiente mais
favorável à infiltração de água e desenvolvimento de raízes, o que tornará a
forragem mais resistente a períodos de estiagem. Considerando o resultado da
análise de solo, você deve providenciar a recomendação de calagem e adubação
química, considerando-se as características do solo e, também, as necessidades
da espécie a ser cultivada. A calagem poderá ser realizada a lanço em área total,
já a adubação será realizada simultaneamente com a semeadura, que será feita
em sistema de plantio direto. Por se tratar de uma fazenda experimental, você
deve dividir as áreas destinadas às pastagens em duas glebas, assim, na primeira
gleba recomendaria a semeadura direta de sementes de Brachiaria decumbens
de forma solteira e na segunda gleba recomendaria a consorciação com uma
leguminosa, desta forma você proporcionará duas situações diferentes que
poderão ser comparadas em experimentos.

Avançando na prática

Sistemas de integração

Descrição da situação-problema
O Sr. Altair é um grande pecuarista do Mato Grosso, que se orgulha de
ter desbravado a região há trinta anos. Nessa ocasião, este produtor realizou
o desmatamento da área autorizada e sobre os restos florestais formou sua
pastagem. Nestes anos todos o Sr. Altair não realizou nenhum trato cultural
em seus pastos, como consequência, atualmente, a área se encontra em grau
avançado de degradação, onde é possível se observar a forragem com baixo
vigor e apresentando sintomas de deficiência generalizada de nutrientes, em
decorrência dessa desnutrição muitas plantas morreram deixando grandes
falhas com solo exposto. Apesar da baixa declividade (de 2 a 5%) nas áreas
de solo exposto, é possível observar a formação de processos erosivos. De
modo geral, o solo foi compactado pelo pisoteio do gado. Também é possível
observar a presença de cupins e plantas invasoras indesejadas. Com isso, o
Sr. Altair tem observado que a cada ano que passa fica mais difícil engordar
o gado e já teve que arrendar os pastos de vizinhos para que pudesse fazê-lo.
Diante deste cenário, você foi chamado para avaliar esta situação e
realizar as recomendações necessárias para restituir a capacidade produtiva
da fazenda do Sr. Altair, que lhe revelou o desejo de diversificar sua produção
por meio do cultivo de soja.

172 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


Em sua opinião, qual o melhor método para se tornar as pastagens do Sr.
Altair novamente produtivas e proporcionar à propriedade a diversificação
almejada?
Resolução da situação-problema
Diante da situação que se apresentava na propriedade do Sr Altair, você
considerou a necessidade de se aplicar o método de recuperação indireta
com destruição total da vegetação e uso de lavoura anual, preparando-se a
área para a integração entre lavoura e pastagens, onde é possível rotacionar
lavouras e pastagens anuais para a recuperação da capacidade produtiva do
solo. Assim, você deve sugerir que seja realizada análise de solo que servirá
de base para a recomendação de calagem e adubação. Considerando a infes-
tação de cupins e plantas invasoras, primeiramente deve ser realizado o
controle destes insetos, com destruição dos cupineiros, posteriormente o
controle das plantas daninhas simultaneamente com a forragem existente.
O terreno limpo possibilitará a realização da calagem, seguida da descom-
pactação do solo. Somente, então, é que poderá ser realizada a semeadura
da lavoura anual de verão, no caso, a soja, e, ao final do ciclo desta cultura,
realizou-se a semeadura da pastagem anual. Esta rotação deveria ser repetida
até que se obtivesse a estabilização dos parâmetros químicos e físicos do
solo desejáveis ao desenvolvimento da maioria das culturas. Somente nesta
situação é que se recomenda a formação de uma pastagem perene.

Faça valer a pena

1. O Brasil tem consolidado sua posição como um dos maiores produtores mundiais de
carne bovina. Considerando que a maior parte de nosso gado é criado em sistema exten-
sivo, utilizando pastagens como principal fonte de alimentos. Entretanto, ainda deixa
muito a desejar quanto à qualidade destas pastagens, que em grande parte apresenta
degradada ou com algum sinal de degradação. Sobre o tema, analise os itens a seguir.

I. Manejo inadequado da adubação.


II. Número de animais por área maior do que a capacidade de suporte da pastagem.
III. Escolha da espécie de forragem inadequada.
IV. Uso de área sem aptidão para a formação de pastagens.

São responsáveis pela degradação de pastagens os itens:


a) Apenas I e III.
b) Apenas II e IV.
c) Apenas I, II e III.
d) Apenas II, III e IV.
e) I, II, III e IV.

Seção 4.2 / Recuperação de pastagens degradadas - 173


2. Sobre o tratamento dado às pastagens degradadas, avalie os
conceitos apresentados:
I. Promove o restabelecimento da forragem, sem a substituição da espécie ou
cultivar plantada.
II. Promove o restabelecimento do potencial produtivo de uma pastagem por meio
da substituição da espécie ou cultivar que está degradada.
III. Trabalho de correção ou reparo que se faz necessário após o estabelecimento de
pastagem.

Os itens I, II e III apresentam respectivamente as definições de:


a) Sistema integrado, recuperação e reforma.
b) Reforma, renovação e manejo.
c) Recuperação, renovação e reforma.
d) Manejo, conservação e sistema integrado.
e) Recuperação, conservação e manejo.

3. De acordo com o grau de degradação da pastagem e com os objetivos pretendidos


para cada situação, diferentes métodos podem ser empregados para tratamento de
pastagens degradas. Considerando a seguinte situação: um pecuarista deseja fazer
a substituição da espécie de forragem usada e sua pastagem foi assim caracterizada:
baixa produtividade da forragem, solo descoberto, compactado e com baixa fertili-
dade, infestação de plantas indesejáveis, ocorrência de cupins.

Considerado a situação apresentada, qual método deve ser indicado para o trata-
mento da pastagem?
a) Reforma.
b) Recuperação direta.
c) Recuperação indireta com destruição total da vegetação e uso de pastagem ou
lavoura anual.
d) Renovação direta.
e) Renovação indireta com uso de pastagem ou lavoura anual.

174 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


Seção 4.3

Recuperação e restauração de áreas degradadas

Diálogo aberto
Caro aluno,
Em sua atuação profissional, além das situações já estudadas, você poderá
ainda ter a oportunidade de trabalhar com recuperação de áreas que tenham
sofrido a perda total de sua resiliência, ou seja, sua capacidade de retornar à
sua condição original por meio do estabelecimento de uma cobertura vegetal
que proporcione estabilidade e a sustentabilidade do sistema. Sobre este
contexto é que apresentamos seu novo desafio.
Assim, considerando sua tarefa de propor a recuperação para os diferentes
ambientes degradados da futura fazenda experimental, seus conhecimentos
como engenheiro agrônomo serão aplicados agora na recuperação de áreas
que tenham sido degradadas pela mineração, onde basicamente não há mais
solo, onde intensos processos erosivos deformaram o terreno e lavaram os
nutrientes e a vida do solo, transformando-o num substrato inerte.
Antes de iniciar seu trabalho, você obteve a informação de que as áreas
de mineração da fazenda deverão ser recuperadas e destinadas à constituição
da reserva legal da propriedade em questão. Sendo assim, você deverá consi-
derar, em seu projeto de recuperação, o emprego de técnicas que propor-
cionem a formação de um ambiente equilibrado e estável que, por sua vez, irá
favorecer o desenvolvimento da vegetação nativa!
Nesta altura novos questionamentos surgem. Neste caso, onde o solo
foi totalmente descaracterizado, quais são as técnicas mais indicadas para
a recuperação do solo? Que tipo de cobertura vegetal você recomendaria?
Onde conseguir as mudas e sementes necessárias para o processo de revege-
tação destes ambientes, considerando que não há viveiros florestais na região?
Estudando as definições e objetivos da recuperação e restauração de
áreas degradadas, a revegetação de áreas degradadas, assim com a seleção de
espécies vegetais para recuperação do solo e os aspectos mais relevantes para
a produção de mudas de espécies florestais para plantio em áreas degradadas,
você se sentirá bastante seguro para responder a estes questionamentos e,
finalmente, concluir seu projeto de recuperação de áreas degradadas da
fazenda experimental, que é o foco de sua atuação nesta unidade do livro.
Então, pronto para encarar mais este desafio?

Seção 4.3 / Recuperação e restauração de áreas degradadas - 175


Não pode faltar

Prezado aluno,
Ao longo de nossos estudos temos dedicado especial atenção à degradação
ambiental decorrente do uso agrícola do solo, onde as escolhas equivocadas
quanto à atividade a ser desenvolvida e o tipo de manejo adotado têm promo-
vido a redução da capacidade produtiva dos solos. Em outra mão, buscamos
apresentar as principais práticas que podem ser empregadas na recuperação
destes ambientes degradados e, também, para se reduzir o impacto das ativi-
dades agrícolas sobre o meio onde são desenvolvidas, evitando-se assim sua
degradação.
Porém, nosso trabalho pode ir um pouco mais além, podendo ser requisi-
tado para o tratamento de áreas que sofreram a perda total de sua capacidade
produtiva, pela perda ou destruição do seu solo, onde as condições são total-
mente adversas à regeneração natural.
Este cenário é facilmente observado em áreas afetadas por voçorocas,
áreas de mineração, taludes de corte e aterro, entre outras, onde o solo passou
a ser um substrato inerte. Nestas condições, quando a recuperação é desejável
e viável, uma série de ações deve ser empreendida de modo a se estabilizar
os fatores de degradação, quando estes ainda forem atuantes, e promover a
reconstrução química, física e biológica do solo, só assim o ambiente será
capaz de novamente sustentar uma cobertura vegetal que devolva o equilí-
brio ecossistêmico desejado para o ambiente tratado.
Dependendo da intensidade dos distúrbios e dos esforços empreendidos
na sua recuperação, uma área degradada poderá ser restaurada, reabilitada
ou ter suas funções redefinidas.

Assimile
Restauração: retorno completo da área degradada às condições
existentes antes da degradação ou a um estado intermediário estável.
Neste caso, a recuperação se opera de forma natural (resiliência), uma
vez eliminados os fatores de degradação.

Reabilitação: retorno da área degradada a um estado intermediário da


condição original, havendo a necessidade de uma intervenção antrópica.

Redefinição ou redestinação: recuperação da área com vistas ao uso/


destinação diferente da situação pré-existente, havendo a necessidade
de uma forte intervenção antrópica.

176 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


De fato, as técnicas empregadas para a restauração, reabilitação ou redefi-
nição podem ser as mesmas, porém, a diferença entre estas abordagens está
na definição das metas e objetivos, bem como na escala de tempo adotada
(ENGEL & PARROTA, 2003). Neste sentido, é importante destacar que um
projeto de recuperação de áreas degradadas deve deixar claro os objetivos,
a escala de tempo e o nível de recuperação desejado. Assim, de acordo com
as possibilidades, uma área degradada pode ser destinada a diferentes usos,
como cultivos, pastagens, reflorestamentos, parques e áreas urbanas, como
nos casos apresentados na Figura 4.10 que ilustram o uso de áreas degra-
dadas para diferentes finalidades.
Na Figura 4.10 A podemos observar uma área destinada à exploração de
areia, que posteriormente foi transformada num dos parques mais conhe-
cidos da cidade de São Paulo, o Parque do Ibirapuera (Figura 4.10 B). Outra
área de exploração de areia, localizada às margens do Rio Pinheiros, na
mesma cidade, foi transformada numa área para a prática de esportes, que
hoje é conhecida como Raia Olímpica da Universidade Estadual de São Paulo
– USP (Figura 4.10 C).
Figura 4.10 | Redefinição de áreas degradadas pela mineração de areia. A – área de extração
de areia, futuro Parque Ibirapuera; B – Parque Ibirapuera nos dias atuais; e C – Raia Olímpica da
Universidade de São Paulo (USP) nos dias atuais

Fonte: A - http://www.rc.unesp.br/igce/aplicada/ead/estudos_ambientais/pag02c.html; B - https://vejasp.


abril.com.br/estabelecimento/parque-do-ibirapuera/; C - https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/
obras/noticias/?p=237855. Acesso em: 18 dez. 2018.

De maneira geral, a observação das interações entre os componentes


naturais do ambiente tem nos auxiliado a desenvolver as técnicas que buscam
a reconstrução dos solos, a recuperação de seu potencial produtivo, bem como
a criação de um ambiente favorável à sucessão de espécies vegetais que promo-
verão revegetação de proteção ambiental. Cada situação deve ser analisada
para a escolha das técnicas ou práticas operacionais mais adequadas, podendo
acontecer de diversas delas serem utilizadas no mesmo ambiente, independen-
temente das condições edáficas, hídricas e da própria vegetação existente. Isto
posto, buscaremos apresentar a seguir as técnicas mais usuais para a recupe-
ração de ambientes degradados, independente de qual seja a destinação da área.

Seção 4.3 / Recuperação e restauração de áreas degradadas - 177


Assim, o primeiro passo é trabalhar a superfície do terreno, buscando
tornar sua topografia mais amigável à fixação da cobertura vegetal. Neste
sentido, esta prática deve ser planejada de modo a promover a suavização do
relevo, eliminando arestas, corrigindo a declividade de taludes e bancadas e,
sobretudo, disciplinando o escoamento das águas pluviais que incidam sobre
o sistema, conforme ilustra o exemplo apresentado na Figura 4.11.
Figura 4.11 | Esquema de corte da superfície de um barranco antes e após sua reconformação
topográfica

Fonte: elaborada pelo autor.

Outro fator importante a ser considerado em áreas degradadas é a


compactação do solo, decorrente do trânsito constante de máquinas.
Portanto, antes de se iniciar qualquer outra atividade, as camadas compac-
tadas do solo deverão ser rompidas por meio das práticas mecânicas de
escarificação e subsolagem, que devem ser executadas quando a umidade do
solo for adequada, conforme estudamos anteriormente.
Uma vez preparadas as superfícies, podemos proceder a calagem do solo
para correção de sua acidez e fornecimento de cálcio e magnésio, sendo
recomendada a aplicação de no mínimo 1,5 toneladas de calcário dolomítico
por hectare, a lanço em área total, sendo recomendável que esta prática seja
realizada, no mínimo, 45 dias antes do plantio ou semeadura da área.
Os próximos passos visam à reconstrução dos atributos químicos, físicos
e biológicos do solo. É importante ressaltar que este é um processo lento, que
está intimamente associado à qualidade da cobertura vegetal estabelecida,
onde a diversidade de espécies é fator decisivo para o sucesso deste trabalho.
Neste sentido, diferentes técnicas podem ser empregadas e combinadas para
a introdução de espécies vegetais, conforme veremos a seguir.
Uma das técnicas mais promissoras para o restabelecimento da cober-
tura vegetal em superfícies degradadas consiste na combinação das
práticas de adubação química, orgânica e verde, realizadas simultanea-
mente à semeadura de espécies vegetais regionais. A forma de proceder

178 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


a semeadura, bem como a combinação de insumos, deve ser projetada
de acordo com as características do ambiente, o que torna esta técnica
aplicável a diferentes situações.
Para a semeadura manual de taludes de corte e aterro, bem como de
superfícies menos declivosas, elabora-se a mistura de adubos químicos e
orgânicos, sementes de adubos verdes e de espécies regionais, em proporções
predeterminadas.
A escolha das espécies deve ser adequada para cada situação, porém,
de forma geral, devem possuir características desejáveis para a condição
ambiental onde se desenvolverão, tais como rusticidade e adaptabilidade,
resistência ao estresse hídrico, baixa exigência nutricional, fixação de nitro-
gênio atmosférico, enraizamento vigoroso, produção de biomassa e formação
da cobertura vegetal rápida e densa. Por meio do uso de espécies vegetais
que apresentem estas características podemos promover as transformações
necessárias no substrato, restituindo-se seus atributos químicos, físicos e
biológicos. Isto não significa dizer que todas as espécies escolhidas terão de
apresentar todas essas características, conseguimos contemplar nossas neces-
sidades por meio da mistura de espécies.

Exemplificando
Nos exemplos a seguir, apresentamos a recomendação para a aplicação
da mistura de insumos para três feições diferentes:

Tabela 4.3 | Mistura de insumos recomendada para áreas planas ou de baixa de-
clividade

Nome Comum Nome Científico Família Densidade (Kg/ha)


Feijão de porco Canavalia ensiformis Leguminosa 50
Crotalária Crotalaria ochroleuca Leguminosa 60
Feijão Guandu Cajanus cajan Leguminosa 70
Centrosema Centrosem pubescens Leguminosa 30
Nabo Forrageiro Raphanus sativus Crucífera 40
Girassol Variedade Helianthus anuus Composta 30
Total 280

Fonte: elaborada pelo autor.

Seção 4.3 / Recuperação e restauração de áreas degradadas - 179


Tabela 4.4 | Mistura de insumos recomendada para taludes de corte e aterro

Nome Comum Nome Científico Família Densidade (Kg/ha)


Crotalária Crotalaria ochroleuca Leguminosa 70
Feijão Guandu Cajanus cajan Leguminosa 70
Aveia Avena sativa Gramínea 30
Centrosema Centrosem pubescens Leguminosa 30
Estilosantes Stylozantis guianensis Leguminosa 40
Nabo Forrageiro Raphanus sativus Crucífera 40
Total 280
Fonte: elaborada pelo autor.

Tabela 4.5 | Mistura de insumos recomendada para áreas de empréstimos de mate-


rial laterítico ou que apresentem afloramentos rochosos

Nome Comum Nome Científico Família Densidade (Kg/ha)


Calopogonium mucu-
Calopogônio Leguminosa 50
noides
Crotalária Crotalaria ochroleuca Leguminosa 60
Feijão Guandu Cajanus cajan Leguminosa 60
Mucuna preta Mucuna aterrina Leguminosa 40
Aveia Avena sativa Gramínea 40
Nabo Forrageiro Raphanus sativus Crucífera 30
Total 280

Fonte: elaborada pelo autor.

Observação: Nas misturas acima, recomenda-se o acréscimo de, no


mínimo, 20 kg de sementes de espécies regionais, buscando-se a maior
diversidade possível.

Considerando os quantitativos apresentados nos exemplos, e que o solo


a ser trabalhado constitui um substrato estéril com teores de nutrientes
inferiores às quantidades mínimas necessárias para o desenvolvimento das
espécies a serem ali semeadas, recomenda-se a mistura de insumos nas
seguintes proporções:
• Sementes de adubos verdes: 280 kg por ha;
• Sementes de espécies regionais: 20 kg por ha;
• Adubo orgânico (mínimo de 1% de Nitrogênio): 1500 kg por ha;
• Adubo químico (Fórmula NPK 04-14-08): 600 kg por ha.

180 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


Esta mistura deve ser feita em quantidades suficientes para o uso imediato,
podendo ser armazenada por, no máximo, 24 horas.
Para a aplicação da mistura deverão ser abertas pequenas covas sobre
a superfície a ser revegetada. Estas covas terão em média as dimensões de
5 cm de diâmetro por 5 cm de profundidade, podendo ser espaçadas em
15 cm umas das outras. As covas deverão ser distribuídas em formato de
quincôncio (não alinhadas), conforme ilustra a Figura 4.12.
Figura 4.12 | Esquema do microcoveamento para a aplicação da mistura de insumos

Fonte: elaborada pelo autor.

Nesta técnica, proporcionamos o ambiente favorável para o rápido desen-


volvimento das espécies de adubo verde que absorverão grande parte dos
nutrientes adicionados por meio da adubação, retendo-os em sua biomassa.
Durante o desenvolvimento destas espécies, o solo permanece sombreado
e protegido da ação das chuvas, criando condição desejável à germinação e
estabelecimento das espécies regionais pioneiras, que são mais adaptadas a
esta condição ambiental. Com a senescência dos adubos verdes há a formação
de uma cobertura morta (camada de matéria orgânica) sobre o solo, que irá
devolver lentamente os nutrientes outrora absorvidos, proporcionando ainda
a melhoria da estrutura do solo e retenção de umidade, ambiente ideal para
o desenvolvimento da biologia do solo neste estágio, já podemos contar com
o estabelecimento de uma cobertura vegetal razoável, gerada pelas espécies
regionais pioneiras e o surgimento das primeiras espécies vegetais secundá-
rias e até clímácicas.
Outra forma de povoarmos uma área degradada é por meio do plantio
de mudas de espécies florestais. Esta é uma técnica mais cara, porém pode
proporcionar um resultado melhor e em menor tempo quando comparada
à semeadura. Diferentemente da técnica descrita anteriormente, o plantio
de mudas não se aplica a qualquer tipo de superfície, pois a área plantada
necessita de fácil acesso para a abertura de covas, o plantio propriamente dito
e realização dos tratos culturais.

Seção 4.3 / Recuperação e restauração de áreas degradadas - 181


Diferentes combinações entre espécies e espaçamentos são possíveis
nesta técnica, cabendo ao profissional analisar qual a melhor relação entre
custo e benefício, considerando-se para isto o objetivo do plantio, o tempo
desejado para o estabelecimento da cobertura do solo e a disponibilidade de
espécies nos viveiros regionais.
Em relação ao espaçamento, podemos dizer que são várias as possibili-
dades, sendo mais usualmente empregados 2,0 x 2,0 m (2.500 plantas por ha),
2,0 x 3,0 m (1.667 plantas por ha) e 3,0 x 3,0 m (1.111 plantas por ha). Definida
a população, é importante considerar a combinação de espécies de diferentes
grupos ecológicos nestes repovoamentos. Sendo assim, recomendamos que os
plantios sejam realizados com 60% de indivíduos de espécies pioneiras, 30% de
secundárias e 10% de climácicas. Nestes povoamentos, deve-se buscar a maior
diversidade possível, sobre tudo de espécies secundárias e climácicas, conside-
rando o plantio de, no mínimo, 80 espécies por hectare.
Definido o espaçamento, deve-se proceder a demarcação das covas, com
distribuição em quincôncio. As covas deverão ser abertas com, no mínimo,
30 x 30 x 30 cm. Considerando que o plantio será realizado em substrato
estéril, é recomendada uma adubação fosfatada e orgânica, que pode ser
realizada por meio da aplicação de 200 g do adubo superfosfato simples e 1
litro de adubo orgânico (mínimo de 1% de nitrogênio) por cova. Os adubos
devem ser misturados com o solo proveniente da abertura da cova e após
homogeneizada a mistura deve ser devolvida para o interior da cova. Na
ocasião do plantio, deve-se proceder a reabertura das covas, considerando-se
para isto apenas o tamanho do torrão das mudas.
Para garantir maior sobrevivência de mudas, recomenda-se que o plantio
seja realizado no início do período com maior concentração de chuvas. Caso
isso não seja possível, deve-se proceder a irrigação das mudas. Considerando
que é comum a mortalidade de mudas nesse tipo de plantio, recomendamos
o replantio, que deverá ser realizado até 90 dias após o plantio.

Pesquise mais
A partir dos princípios das técnicas descritas outros métodos podem ser
aplicados para a formação de uma cobertura vegetal.

EMBRAPA. Estratégias de recuperação.

Nem sempre a região onde estamos trabalhando dispõe de um viveiro


que produza mudas de espécies florestais, havendo situação onde a aquisição
e transporte a longas distâncias torna-se inviáveis. Nestas condições, torna-se
viável a produção de mudas no local, ou próximo, da área a ser revegetada.

182 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


O primeiro passo é a identificação de um local apropriado para a insta-
lação de um viveiro. O espaço deve ser relativamente plano, livre de sombre-
amento, com disponibilidade de água (em quantidade e qualidade).
Outro passo importante é definir qual sistema será utilizado, a produção em
tubetes ou em sacolas plásticas. A produção em tubetes proporciona a formação
de uma muda de melhor qualidade, em menor espaço de tempo, porém requer
uma estrutura mais sofisticada para a sustentação destes. Na produção de mudas
em sacolas plásticas não há necessidade de estruturas especiais, uma vez que as
mudas podem ser encanteiradas sobre o solo. Porém, apesar de mais barata, a
produção de mudas por este método exige maiores cuidados na manutenção
em viveiro, transporte e plantio, pois o torrão formado no saquinho é mais
suscetível ao esboroamento. Outra desvantagem é que na produção em sacolas
pode haver o enovelamento de raízes dentro do recipiente ou o enraizamento
destas no solo. A Figura 4.13 ilustra os dois sistemas de produção.
Figura 4.13 | Aspecto de mudas produzidas em tubetes (A) e mudas produzidas em sacolas
plásticas (B)

Fonte: A - http://www.hiroshibogea.com.br/seagri-se-prepara-para-produzir-um-milhao-de-mudas/; B -
http://www.colider.unemat.br/site/?link=news&idnew=68. Acesso em: 21 dez. 2018.

Um dos fatores determinantes na produção de mudas é o tipo de substrato


utilizado para o preenchimento dos recipientes (tubetes ou sacolas). Este
material deverá oferecer condições ideais para o máximo de desenvolvi-
mento de raízes, o que garantirá maior sobrevivência das mudas no campo.
Sendo assim, deve possuir porosidade bem equilibrada entre macro e micro-
poros, permitindo um ambiente arejado e com nível de umidade adequado.
Esta condição é mais facilmente conseguida na produção em tubetes, onde
o substrato pode ser bastante poroso, pois o próprio enraizamento obtido
nos tubetes fornecerá a sustentação necessária aos torrões. Já na produção
em sacolas plásticas, o substrato deverá ser menos poroso, de modo que o
material, ou mistura de materiais utilizados, proporcione a formação de um
torrão resistente.

Seção 4.3 / Recuperação e restauração de áreas degradadas - 183


Diversos tipos de materiais podem ser usados para a formação do
substrato, tais como terra de barranco, resíduos vegetais compostados, palha
de arroz carbonizada, vermiculita, perlita, casca de pinus, entre outros.
De modo geral, recomenda-se que sejam inertes e que o fornecimento de
nutrientes seja realizado por meio de adubação.
As sementes a serem utilizadas podem ser adquiridas de diversos forne-
cedores, porém é importante garantir que as espécies adquiridas ocorram na
região onde se deseja realizar o plantio. Outra forma de se obter é por meio
da coleta de sementes em remanescentes florestais da região, sendo para isto
necessária a autorização do órgão ambiental competente, já que a coleta de
sementes de essências florestais é uma atividade extrativista, normalmente
realizada em ambientes protegidos.
A semeadura pode acontecer diretamente no recipiente preenchido com
os substratos ou ser realizada em sementeiras. Neste caso, as plântulas podem
ser selecionadas e transplantadas para os recipientes, evitando-se, assim, o
desperdício de espaço e de materiais com recipientes vazios (pela não germi-
nação ou morte de plântulas).
Após a germinação ou transplantio, as mudas deverão passar por um
período inicial de desenvolvimento, onde as plântulas ainda são muito
sensíveis às condições extremas do ambiente sendo, portanto, recomen-
dado o cultivo num ambiente protegido contra a insolação intensa e perda
de umidade. Após esta fase, as plantas com 30 a 40 dias podem ser expostas
ao sol, desde que se possa garantir o fornecimento de água em quantidades
suficientes para que não haja estresse hídrico. Ao atingir de 30 a 50 cm, a
depender da espécie, as plantas podem ser rustificadas e expedidas para o
plantio no campo. A rustificação consiste em se adaptar as mudas às condi-
ções extremas do campo, isto é conseguido por meio da redução de forne-
cimento de água, de forma gradativa, para que as plantas despertem seus
mecanismos fisiológicos de defesa contra a perda de água e escassez de
nutrientes, características mais próximas do ambiente natural.

Reflita
Por meio do conhecimento adquirido você seria capaz de definir qual a
melhor técnica para se promover a revegetação de uma área degradada?

As informações trabalhadas nesta seção buscaram trazer um pouco do


universo da recuperação de áreas degradadas para a sua formação agronô-
mica, pois sabemos que na maioria das vezes nossa atenção é voltada apenas
à produção agrícola. Porém, como você pôde perceber, nosso conheci-
mento sobre as relações entre o solo e planta podem ser bastante úteis,

184 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


não só para se promover o melhor uso do solo, mas também nos permite
desenvolver o magnífico trabalho de devolver uma função produtiva a um
ambiente degradado.

Sem medo de errar


Caro aluno,
Nesta missão de promover a recuperação dos ambientes degradados da
futura fazenda experimental, o momento mais desafiador é o de devolver a
função ecológica das áreas degradadas pela mineração, que serão destinadas
à composição da reserva legal da fazenda. Considerando as características da
área a ser trabalhada, você poderá indicar as seguintes técnicas:
- Promover a reconformação da topografia para se readequar a inclinação
de taludes e eliminar arestas e sulcos gerados pela erosão. Após as operações
de suavização da topografia, deverá proceder a correção do solo por meio da
calagem, podendo ser recomendada a aplicação de 1500 kg/ha de calcário,
em área total, destacando-se que esta aplicação deve ser realizada no mínimo
45 dias antes da semeadura, de modo que o calcário possa reagir com solo
neste período, iniciando o processo de neutralização da acidez e liberando
cálcio e magnésio.
Levando-se em conta que a camada superficial do solo fora totalmente
removida pelo processo de mineração, será necessário promover a recons-
trução das propriedades químicas, físicas e biológicas do solo e para isto
poderá ser realizada a aplicação da mistura de insumos, composta por
adubos químicos, orgânicos e sementes de adubos verdes e de espécies
regionais de vários grupos ecológicos, destacando-se a necessidade de se
buscar introduzir nesta área o maior número de espécies possível, com vistas
a se estabelecer uma vegetação com alta diversidade. Esta técnica permite
a rápida instalação de uma cobertura vegetal formada pelas espécies de
adubos verdes, que protegerá o solo e proporcionará ambiente favorável
para o crescimento das espécies regionais. Optar pelo uso de sementes é
muito conveniente quando não se dispõe de viveiros de mudas florestais na
região onde se irá trabalhar.
Considerando que áreas resultantes da exploração mineral normalmente
apresentam superfícies com diferentes declividades, você poderá recomendar
a sua divisão em dois tipos de fisionomias e, assim, designar um conjunto de
espécies vegetais diferente para cada situação.
Sabendo que o uso de sementes de espécies regionais é extremamente
desejável neste tipo de trabalho, você deverá buscar auxílio nos órgãos

Seção 4.3 / Recuperação e restauração de áreas degradadas - 185


ambientais locais para se conhecer a disponibilidade de fornecedores de
sementes na região e, em caso contrário, solicitar informações de como
proceder para se realizar a coleta de sementes nos remanescentes florestais.
Para o emprego da técnica da semeadura doa mistura de insumos, você
poderá recomendar a aplicação de: 280 kg/ha de sementes de espécies de
adubos verdes, 20 kg/ha de sementes de espécies regionais, 600 kg/ha de
adubo químico (fórmula NPK 4-14-08) e 1500 kg/ha de adubo orgânico
(mínimo de 1% de nitrogênio). Em suas recomendações deverá destacar que
o preparo da mistura deverá ser feito em quantidades suficientes para o uso
imediato, não devendo ser armazenada por mais de um dia.
A mistura de insumos homogeneizada deverá ser aplicada em pequenas
covas a serem abertas nas superfícies que serão trabalhadas. Estas covas
deverão ter dimensões de 5 cm de diâmetro por 5 cm de profundidade e ser
distribuídas em quincôncio, num espaçamento entre covas 15 x 15 cm.
A aplicação destas técnicas permitirá a reconstrução das propriedades do
solo por meio do sombreamento e proteção do solo e formação de camada de
matéria orgânica que, por sua vez, irá promover sua restruturação e ciclagem
de nutrientes.
Considerando todo o trabalho a ser realizado na transformação da
propriedade para seu uso como fazenda experimental, é fundamental que se
produza um relatório técnico, onde você deverá caracterizar as áreas traba-
lhadas, descrever todos os procedimentos realizados, bem como os insumos
empregados na transformação de cada setor da fazenda experimental. Este
tipo de relatório deve apresentar ainda o manejo a ser adotado na condução
de cada área para que se possa garantir o sucesso de sua implantação. Não
esqueça de concluir com recomendações especiais quanto à importância da
manutenção das estruturas e técnicas conservacionistas, que permitirão a
sustentabilidade dos sistemas em recuperação.

Avançando na prática

Recomposição da mata ciliar

Descrição da situação-problema
Um produtor rural, proprietário de uma fazenda na região onde você
atua, solicitou seus serviços, pois precisará promover a recomposição de um
trecho de mata ciliar em sua propriedade.

186 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


Em visita ao local, você pôde notar que as margens do rio a ser revegetada
foram desflorestadas por uma grande cheia que havia ocorrido anos atrás.
Considerando a proximidade com outras áreas de mata, o fazendeiro não
tomou nenhuma providência, pois julgou que o trecho poderia ser recom-
posto pela regeneração natural. Porém, analisando a área, você percebeu que
a cheia do rio havia carregado consigo toda a camada superficial do solo,
restando o subsolo, normalmente muito pobre em nutrientes. Além disso,
a área que antecedia a mata ciliar era coberta por uma pastagem degradada,
sem nenhuma estrutura que pudesse conter o escoamento superficial, que
corria sobre o ambiente degradado até o rio, eliminando qualquer possibili-
dade de fixação de sementes ou nutrientes.
O que fazer diante deste cenário, já que o produtor tem pressa em atender
às exigências do órgão ambiental para a recuperação da mata ciliar de sua
propriedade?
Resolução da situação-problema
Considerando a situação observada a campo e a urgência em se promover
a recomposição florestal daquele trecho de mata ciliar, você poderá
recomendar que o reflorestamento seja realizado por meio do plantio de
mudas florestais. Entretanto, antes de qualquer ação será preciso impedir
que a água da pastagem entre no sistema. Sendo assim, será necessário
indicar ao produtor que primeiramente realize um plano de conservação do
solo em sua propriedade, a fim de se estabelecer melhores condições para a
retenção e infiltração da água da chuva na pastagem, evitando-se desta forma
que o escoamento superficial prejudique o processo de recuperação do local
afetado pelas cheias do rio.
Considerando a possibilidade de se realizar a recuperação da mata ciliar
por meio do plantio de mudas, é de extrema importância que exista um
viveiro florestal nas proximidades, além disso, este viveiro deverá oferecer
mudas sadias das espécies regionais mais indicadas para este plantio, consi-
derando a introdução do maior número possível de espécies, de maneira a se
garantir a alta biodiversidade no povoamento implantado.
Considerando a necessidade de se recobrir o solo rapidamente, você
deverá optar pelo menor espaçamento entre plantas (2,0 x 2,0 m), com
perspectiva de se plantar 2500 indivíduos por hectare.
Uma vez que tenha definido o espaçamento, deverá recomendar a distri-
buição das covas em sistema de quincôncio e uma adubação com 200 g de
superfosfato simples e 1 litro de adubo orgânico, por cova. Para a adubação
das covas, os adubos deverão ser misturados ao solo retirado da cova e retor-
nados para dentro da mesma.

Seção 4.3 / Recuperação e restauração de áreas degradadas - 187


Outra recomendação importante neste tipo de plantio é considerar que
seja realizado no período seco do ano, evitando-se que possíveis cheias
pudessem destruir o trabalho realizado. Entretanto, neste caso, haverá a
necessidade de se promover a irrigação das mudas até o início das chuvas,
garantindo-se assim maior índice de sobrevivência.
Por meio da aplicação destas práticas, espera-se obter uma cobertura
vegetal satisfatória, capaz de proteger o solo e consequentemente o recurso
hídrico, que margeia a área afetada.

Faça valer a pena

1. De forma geral, o trabalho de recuperação de áreas degradadas tem como objetivo


promover a reintegração da área afetada ao ambiente circunvizinho, proporcionando-
-lhe uma nova função, podendo ser ela de recreação, paisagística ou de preservação
ambiental. Dependendo da intensidade dos distúrbios e dos esforços empreendidos
na sua recuperação, uma área degradada poderá ser restaurada, reabilitada ou ter suas
funções redefinidas.

Assim, quando um projeto de recuperação visa ao retorno completo da área degra-


dada às condições existentes antes da degradação, ou a um estado intermediário
estável, diz-se que este é um projeto de:
a) Restauração.
b) Reabilitação.
c) Redefinição.
d) Resiliência.
e) Redestinação.

2. Quando desejamos promover a revegetação de uma superfície degradada podemos


recorrer a várias técnicas e metodologias para este fim, uma delas é a combinação
da adubação verde em consórcio com a semeadura de espécies regionais. Sobre esta
metodologia, analise as afirmativas a seguir:

I. O uso de sementes de espécies regionais deve ser feito com critério, buscando-se
selecionar poucas espécies, porém que tenham grande importância para a fauna
local.
II. A semeadura de espécies de adubo verde e regionais pode ser realizada ao mesmo
tempo, juntamente com a adubação química e orgânica da área a ser revegetada.
III. As espécies de adubo verde deverão prevalecer sobre as regionais, de modo que
mesmo com a floresta desenvolvida, permaneçam frutificando e povoando a área
e recuperação.

188 - U4 / Recuperação e restauração de solos degradados


Assinale a alternativa correta em que I, II e III são, respectivamente:
a) V, V, V.
b) V, V, F.
c) V, F, V.
d) F, V, F.
e) F, F, F.

3. Considerando que em determinada situação foi recomendado o plantio de mudas


de espécies florestais para se promover a recuperação de uma área degradada. Consi-
derando que na região não havia nenhum viveiro florestal para fornecer as mudas,
houve a necessidade de se estabelecer um viveiro provisório para se produzir as
mudas necessárias para o plantio.

Ponderando sobre o melhor sistema de produção de mudas (tubetes ou sacolas


plásticas), o responsável pela área decidiu por produzir mudas em tubetes. Anali-
sando as alternativas abaixo, identifique aquela que motivou sua decisão.
a) Custo de produção de mudas mais baixo.
b) Maior quantidade de substrato por recipiente.
c) Produção de mudas de melhor qualidade com torrão mais resistente.
d) A não utilização de estrutura específica para a sustentação dos recipientes.
e) A necessidade de irrigação.

Seção 4.3 / Recuperação e restauração de áreas degradadas - 189


Referências
ARAÚJO. L. C. Controle de plantas invasoras em pastagens para alta produtividade. Disponível
em: http://www.feis.unesp.br/Home/departamentos/biologiaezootecnia/8manejo-de-plantas-
-daninhas-em-pastagem.pdf. Acesso em: 8 dez. 2018.

BRASIL. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. 89ª Reunião


Da Câmara Temática de insumos agropecuários. 2017. Disponível em: http://www.agricultura.
gov.br/assuntos/camaras-setoriais-tematicas/documentos/camaras-tematicas/insumos-agrope-
cuarios/2017/89a-ro/app_davi-89a_ctia_17_04_2017_vf_89ro_insumos.pdf. Acesso em: 8 de
dez. 2018.

COMPRE RURAL. Cupim e os danos à pastagem, controlar é preciso. 5 ago. 2018. Disponível
em: https://www.comprerural.com/cupim-e-os-danos-pastagem-controlar-e-preciso/. Acesso
em: 7 dez. 2018.

EMBRAPA. Estudo revela que 30% dos solos do mundo estão degradados. Disponível em:
https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/14343883/estudo-revela-que-30-dos-so-
los-do-mundo-estao-degradados. Acesso em: 28 nov. 2018.

EMBRAPA. Recuperação de áreas degradadas. 2018 a. Disponível em: http://www.cnpma.


embrapa.br/unidade/index.php3?id=229&func=unid. Acesso em: 21 dez. 2018.

EMBRAPA. Sementes. Disponível em: http://www.cnpf.embrapa.br/pesquisa/efb/sementes.


htm. Acesso em: 21 dez. 2018.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA, EMBRAPA. 2018 a. Disponível


em: https://www.embrapa.br/agrobiologia/pesquisa-e-desenvolvimento/pastagens. Acesso em:
08 dez. 2018.

EMBRAPA. 2018 b. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/agricultu-


ra_e_meio_ambiente/arvore/CONTAG01_14_299200692526.html. Acesso em: 3 dez. 2018.

EMBRAPA. Soja em números safra 2017-2018. 2018 c. Disponível em: https://www.embrapa.


br/soja/cultivos/soja1/dados-economicos. Acesso em: 8 dez. 2018.

EMBRAPA. Pastagens. 2018 d. Disponível em: https://www.embrapa.br/agrobiologia/pesquisa-


-e-desenvolvimento/pastagens. Acesso em: 8 dez. 2018.

EMBRAPA. Notícias: escolha da espécie forrageira. 2016. Disponível em: https://www.embrapa.


br/busca-de-noticias/-/noticia/16117053/podcast-escolha-de-especie-forrageira. Acesso em: 7
dez. 2018.

EMBRAPA. Embrapa mapeia degradação das pastagens do Cerrado. 2014. Disponível em:
https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/2361250/embrapa-mapeia-degradacao-
-das-pastagens-do-cerrado. Acesso em: 8 dez. 2018.

ENGEL, V. L.; PARROTA, J. A. Definindo a restauração ecológica: tendências e perspec-


tivas mundiais. In: KAGEYAMA, P. Y.; OLIVEIRA, R. A.; MORAES, L. F. D.; ENGEL, V. L.;
GANDARA, F. B. (Ed.) Restauração Ecológica de Ecossistemas Naturais. Botucatu: FEPAF,
2003, p. 03-26.

FERREIRA, E. L.; SOUZA, E. P.; CHAVES, A. F. Adubação verde e seu efeito sobre os atributos
do solo. Revista verde de agroecologia e desenvolvimento sustentável. Grupo Verde de
Agricultura Alternativa (GVAA). Disponível em: https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/
RVADS/article/download/681/1274. Acesso em: 1 nov. 2018.

FILIZOLA, H. F. et al. Controle dos processos erosivos lineares (ravinas e voçorocas) em áreas de
solos arenosos. Embrapa Meio Ambiente-Circular Técnica (INFOTECA-E), dez. 2011. Disponível
em: http://www.cnpma.embrapa.br/download/circular_22.pdf. Acesso em: 28 nov. 2018.

MUSEUM OF NEW ZEALAND, 2019. Disponível em: https://collections.tepapa.govt.nz/


object/1421709. Acesso em: 21 jan. 2019.

WORLD WIDE FUND FOR NATURE-WWF. Conservando pastagens e paisagens – pecuária


de corte no Pantanal. 2019. Disponível em: https://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/areas_
prioritarias/pantanal/pantanal_pub/anexo_eletronico.cfm. Acesso em: 21 jan. 2019.

ZIMMER, A. H. et al. Degradação, recuperação e renovação de pastagens. Campo Grande, MS:


Embrapa Gado de Corte, 2012. 42 p. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-publi-
cacoes/-/publicacao/951322/degradacao-recuperacao-e-renovacao-de-pastagens. Acesso em: 8
dez. 2018.