Você está na página 1de 226

Conselho Económico e Social …

Regulamentação do trabalho 1541


Propriedade
Organizações do trabalho 1676 Ministério do Trabalho
Informação sobre trabalho e emprego 1750 e da Solidariedade
Social

Edição
Gabinete de Estratégia
e Planeamento
N.o Vol. Pág. 2010
Centro de Informação
17 77 1537-1762 8 Mai e Documentação

ÍNDICE

Conselho Económico e Social:


Regulamentação do trabalho:

Despachos/portarias:

Portarias de condições de trabalho:


Portarias de extensão:

Convenções colectivas:
— Contrato colectivo entre a ANCIPA — Associação Nacional de Comerciantes e Industriais de Produtos Alimentares e a
FESAHT — Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal e outra (indústria
de batata frita, aperitivos e similares) — Revisão global . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1541
— Contrato colectivo entre a ANCIPA — Associação Nacional de Comerciantes e Industriais de Produtos Alimentares e a
FESAHT — Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal (pastelaria,
confeitaria e conservação de fruta — pessoal fabril) — Revisão global . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1556
— Contrato colectivo entre a ANIECA — Associação Nacional dos Industriais do Ensino de Condução Automóvel e a FETE-
SE — Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços — Revisão global . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1567
— Contrato colectivo entre a ANIECA — Associação Nacional dos Industriais do Ensino de Condução Automóvel e o
SITRA — Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes — Revisão global . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1584
— Contrato colectivo entre a ANCAVE — Associação Nacional dos Centros de Abate e Indústrias Transformadoras de Carne
de Aves e o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria e Comércio de Carnes do Sul e outro — Alteração salarial e outras . . . 1600
— Contrato colectivo entre a ANCIPA — Associação Nacional de Comerciantes e Industriais de Produtos Alimentares e a
FESAHT — Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal (pastelaria,
confeitaria e conservação de fruta — apoio e manutenção) — Alteração salarial e outras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1602
— Contrato colectivo entre a Associação dos Industriais de Panificação de Lisboa e a FESAHT — Federação dos Sindica-
tos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal e outras (fabrico, expedição e vendas, apoio e
manutenção) — Alteração salarial e outras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1605
— Contrato colectivo entre a ANIL — Associação Nacional dos Industriais de Lanifícios e outra e o SINDEQ — Sindicato
Democrático da Energia, Química, Têxtil e Indústrias Diversas e outro — Alteração salarial e outras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1606
— Contrato colectivo entre a APIO— Associação Portuguesa da Indústria de Ourivesaria e o SIMA— Sindicato das Indústrias
Metalúrgicas e Afins — Alteração salarial e outra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1608
— Contrato colectivo entre a APHORT — Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo e a FESAHT — Fe-
deração dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal — Alteração salarial e outras 1609
— Acordo de empresa entre o Metropolitano de Lisboa,E. P. E., e a FECTRANS — Federação dos Sindicatos de Transportes
e Comunicações e outros — Alteração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1614
— Acordo de empresa entre o Metropolitano de Lisboa, E. P. E., e o SENSIQ — Sindicato de Quadros e Técnicos e outros
– Alteração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1616
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

— Acordo de empresa entre a AIL — Associação dos Inquilinos Lisbonenses e o CESP — Sindicato dos Trabalhadores do
Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal — Alteração salarial e outras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1617
— Acordo de adesão entre o Centro de Formação Profissional para o Sector Alimentar — CFPSA e o Sindicato dos Traba-
lhadores da Função Pública do Sul e Açores ao acordo de empresa celebrado entre o CFPSA e a FETESE — Federação
dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1618
— Contrato colectivo entre a AECOPS — Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços e outras e o
SETACCOP — Sindicato da Construção, Obras Públicas e Serviços Afins e outros — Rectificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1618

Decisões arbitrais:

Avisos de cessação da vigência de convenções colectivas:


Acordos de revogação de convenções colectivas:


Organizações do trabalho:

Associações sindicais:

I — Estatutos:
— Sindicato dos Professores da Região Centro — SPRC — Alteração. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1676
— UGT-Beja — União Geral de Trabalhadores de Beja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1689
— UGT-Castelo Branco, União Geral de Trabalhadores de Castelo Branco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1699
— Sindicato dos Trabalhadores da Pesca do Centro — Alteração. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1709
— SINOOV — Sindicato Nacional dos Oficiais de Operações de Voo — Alteração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1710
— Associação de Classe Interprofissional — AC Interpro — Extinção do registo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1710

II — Direcção:
— Sindicato dos Técnicos de Voo da Aviação Civil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1710
— UGT-BEJA — União Geral de Trabalhadores de Beja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1711
— UGT — Castelo Branco, União Geral de Trabalhadores de Castelo Branco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1711
— SINOOV — Sindicato Nacional dos Oficiais de Operações de Voo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1712

Associações de empregadores:

I — Estatutos:
— ARTOGEL — Associação Portuguesa dos Geladeiros Artesanais — Alteração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1712
— Associação Empresarial de Baião — Alteração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1716
— Associação dos Industriais de Conservas de Peixe do Sul de Portugal — Cancelamento do registo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1723
— ANSTENC — Associação Nacional dos Técnicos em Terapêuticas Não Convencionais — Cancelamento do registo . . . . 1723

II — Direcção:
— Associação Portuguesa de Radiodifusão — APR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1723
— Associação Comercial e Industrial de Vila do Conde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1723
— ACCOAVC — Associação Comercial dos Concelhos de Oliveira de Azeméis e Vale de Cambra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1724
— Associação Portuguesa de Empresas de Gestão e Recuperação de Créditos — APERC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1724
— Associação Empresarial de Sines . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1724
— Associação Empresarial Penedo do Granada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1724
— Associação Portuguesa de Suinicultores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1724
— Associação Portuguesa dos Industriais de Tripas e Afins . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1724

1538
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

— Associação dos Comerciantes de Produtos Hortícolas, Frutas, Flores, Sementes, Plantas, Peixe e Criação do Distrito de
Lisboa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1725
— Associação Portuguesa dos Geladeiros Artesanais — ARTOGEL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1725

Comissões de trabalhadores:

I — Estatutos:
— BRISA — Auto-Estradas de Portugal, S. A. — Alteração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1725
— PALMETAL, Armazenagem e Serviços, S. A. — Estatutos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1726
— Webasto Portugal — Sistemas para Automóveis, L.da — Alteração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1734
— Metropolitano de Lisboa, E. P. E. — Alteração. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1734

II — Eleições:
— BRISA — Auto Estradas de Portugal, S. A. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1744
— PALMETAL, Armazenagem e Serviços, S. A. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1747
— Webasto Portugal — Sistemas para Automóveis, L.da . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1747
— Imprensa Nacional-Casa da Moeda, S. A. — Substituição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1747

Representantes dos trabalhadores para a segurança e saúde no trabalho:

I — Convocatórias:
— COFELY GDF SUEZ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1747
— CT — Cobert Telhas, S. A. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1748
— Bosch Car Multimédia Portugal, L. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
da
1748
— Europastry Portugal, S. A. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1748
— Câmara Municipal de Loures . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1748
— Serviços Municipalizados de Loures . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . 1748

II — Eleição de representantes:
— GESTAMP — Portugal, L.da . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1749
— Câmara Municipal de Setúbal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1749

Conselhos de empresa europeus:


Informação sobre trabalho e emprego:

Empresas de trabalho temporário autorizadas:


Catálogo Nacional de Qualificações:


Catálogo Nacional de Qualificações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1750
1. Integração de novas qualificações:

2. Integração de UFCD . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1751

1539
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Nota. — A data de edição transita para o 1.º dia útil seguinte quando coincida com Sábados, Domingos e Feriados

SIGLAS
CCT — Contrato colectivo de trabalho.
ACT — Acordo colectivo de trabalho.
RCM — Regulamentos de condições mínimas.
RE — Regulamentosde extensão.
CT — Comissãotécnica.
DA — Decisãoarbitral.
AE — Acordode empresa.

Execução gráfica: IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA, S. A. — Depósito legal n.º 8820/85.

1540
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL


REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO

DESPACHOS/PORTARIAS

PORTARIAS DE CONDIÇÕES DE TRABALHO


PORTARIAS DE EXTENSÃO

CONVENÇÕES COLECTIVAS

Contrato colectivo entre a ANCIPA — Associação tes de batata frita, aperitivos e similares representadas
Nacional de Comerciantes e Industriais de Pro- pela Associação Nacional de Comerciantes e Industriais
dutos Alimentares e a FESAHT — Federação de Produtos Alimentares e, por outro, os trabalhadores
dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, daquelas empresas com as categorias profissionais nele
Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal e previstas, representados pelas associações sindicais ou-
outra (indústria de batata frita, aperitivos e torgantes.
similares) — Revisão global. 2 — O presente CCT abrange um universo de 56 em-
presas e 750 trabalhadores.
O CCT para a indústria de batata frita, aperitivos e simi-
lares publicado no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª sé-
rie, n.º 30, de 15 de Agosto de 2007 e alterado no Boletim Cláusula 2.ª
do Trabalho e Emprego, n.º 28, de 29 de Julho de 2008 e no Vigência, denúncia e revisão
n.º 22, de 15 de Junho de 2009 é revisto da forma seguinte:
1 — Este CCT entra em vigor cinco dias após a sua pu-
blicação no Boletim do Trabalho e Emprego e será válido
CAPÍTULO I pelo período mínimo fixado por lei.
Área, âmbito, vigência, denúncia e revisão 2 — Entende-se por denúncia a apresentação da pro-
posta fundamentada à outra parte, nos termos legais.
Cláusula 1.ª 3 — A resposta, elaborada nos termos legais, será
enviada nos 30 dias posteriores à recepção da pro-
Área e âmbito
posta.
1 — O presente CCT aplica-se em todo o território 4 — Enquanto não entrar em vigor o novo contrato,
nacional e obriga, por um lado, as empresas fabrican- mantém-se válido aquele cuja revisão se pretende.

1541
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

CAPÍTULO II 5 — Quando qualquer trabalhador transitar de uma em-


presa parar outra da qual a primeira é associada, deverá
Admissão e carreira profissional contar-se, para todos os efeitos, a data de admissão na
primeira, bem como a respectiva categoria profissional e
Cláusula 3.ª demais direitos previstos neste contrato colectivo de traba-
Condições gerais de admissão lho se, entretanto, não for aplicável outro mais vantajoso.
1 — No preenchimento dos postos de trabalho a enti- Cláusula 6.ª
dade patronal dará prioridade aos trabalhadores da empresa
sempre que se encontrem em igualdade de circunstâncias Acesso ou preenchimento de vaga
com os restantes candidatos estranhos a esta. Para o acesso ou preenchimento de vaga deverá ser
2 — Antes da admissão o trabalhador terá obrigatoria- sempre ouvida a comissão sindical, delegado sindical e
mente de ser submetido a exame médico, feito por conta da ou comissão de trabalhadores.
empresa, destinado a comprovar se possui aptidões físicas
necessárias para o desempenho das suas funções. Cláusula 7.ª
3 — Se o resultado do exame revelar que o trabalhador
não possui as condições físicas indispensáveis, deve o Trabalho eventual
médico revelar-lhe as razões da sua exclusão. Os trabalhadores eventuais têm os mesmos direitos e
4 — Quando o trabalhador transitar de uma empresa obrigações estabelecidos nesta convenção para os trabalha-
para outra, da qual a primeira seja associada económica ou dores permanentes, salvo disposição expressa em contrário.
juridicamente ou tenham administração ou sócios gerentes
comuns, manter-se-ão, para todos os efeitos, os direitos e Cláusula 8.ª
regalias já adquiridos.
5 — As habilitações exigidas neste CCT não se aplicam Definição de categorias profissionais
aos trabalhadores que, à data da sua entrada em vigor, No anexo I são definidas as categorias profissionais
desempenhem funções que correspondam a qualquer das neste contrato e as funções que lhes correspondem.
profissões nele previstas.
6 — A exigência de habilitações mínimas para a ad- Cláusula 9.ª
missão de trabalhadores não se aplica em concelhos onde
não existam estabelecimentos que facultem os respectivos Atribuição de categorias
graus de ensino. 1 — A atribuição de categorias profissionais aos tra-
balhadores será feita de acordo com as funções por eles
Cláusula 4.ª desempenhadas.
Readmissão 2 — Quando os trabalhadores desempenhem, sem ser
por motivo de substituição, funções a que correspondam
1 — O trabalhador que, depois de vencido o período de várias categorias durante mais de 90 dias consecutivos,
garantia estipulado no regulamento da segurança social, seja ser-lhes-á atribuída a mais qualificada.
reformado por invalidez e a quem for anulada a respectiva
pensão em resultado de parecer da junta médica de revisão, Cláusula 10.ª
nos termos do citado regulamento, será readmitido, sempre
que possível, na sua anterior categoria, com todos os direitos Relações nominais, quadro de pessoal e quotização sindical
e regalias que teria se tivesse continuado ao serviço, salvo 1 — As empresas elaborarão os mapas dos quadros do
se tiver atingido, entretanto, a idade de reforma por velhice. seu pessoal, nos termos da lei.
2 — Na readmissão de um trabalhador não haverá pe- 2 — No preenchimento destes mapas, os trabalhadores
ríodo experimental. serão agrupados segundo as respectivas categorias e classes
profissionais.
Cláusula 5.ª 3 — As empresas obrigam-se a descontar mensalmente e
Período experimental
a remeter aos sindicatos respectivos o montante das quotas
sindicais, até 15 dias após a cobrança, desde que previa-
1 — Salvo estipulação em contrário, a admissão dos mente os trabalhadores em declaração individual escrita, e
trabalhadores obedece aos períodos experimentais pre- enviar ao sindicato e à empresa, contendo o valor da quota
vistos na lei. e a identificação do sindicatos, assim o autorizem.
2 — Tendo o período experimental durado mais de 4 — Para efeitos do número anterior, o montante das
60 dias, para denunciar o contrato nos termos previstos quotizações será acompanhado dos mapas sindicais utili-
no número anterior o empregador tem de dar um aviso zados para o efeito, devidamente preenchidos.
prévio de 7 dias.
3 — Quando a entidade patronal fizer cessar o contrato Cláusula 11.ª
sem respeitar o aviso prévio fixado no número anterior, o
Promoção e acesso
trabalhador receberá uma indemnização correspondente
ao período de aviso prévio em falta. 1 — Constitui promoção ou acesso a passagem de um
4 — Findo o período experimental, a admissão torna-se trabalhador à categoria ou classe superior.
efectiva, contando-se o tempo de serviço a partir da data 2 — Os trabalhadores da empresa têm preferência sobre
da admissão provisória. os outros a admitir de novo no preenchimento de todos os

1542
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

lugares a que possam ter acesso, desde que satisfaçam as vistos na lei, o tempo necessário ao exercício de cargos
condições necessárias. no sindicato, instituições da segurança social, comissões
3 — Para a promoção ou acesso, deverá ser ouvida pre- sindicais e outras a estas inerentes;
viamente a CT ou, na sua falta, o órgão com competência j) Facultar a consulta, pelo trabalhador que o solicite,
legal para representar os trabalhadores dentro da empresa. do respectivo processo individual;
4 — Os aprendizes são promovidos a praticantes ao fim k) Autorizar os contactos com os trabalhadores em ser-
de um ano ou logo que completem 18 anos de idade. viço, sem prejuízo do regular e normal funcionamento
5 — Os praticantes e os estagiários são promovidos às do mesmo;
respectivas categorias profissionais ao fim de dois anos. l) Afixar em local bem visível o mapa de horário de
6 — Todos os trabalhadores abrangidos por este contrato trabalho.
serão automaticamente promovidos de 3.ª a 2.ª ao fim de
três anos e de 2.ª a 1.ª ao fim de quatro anos. Cláusula 14.ª
7 — Para efeitos do número anterior, conta-se para efei-
Garantias dos trabalhadores
tos da promoção todo o tempo de serviço desempenhado
nas suas funções. É proibido à entidade patronal:
8 — Os paquetes logo que completem 18 anos de idade
são promovidos a contínuos sem prejuízo do estabelecido a) Opor-se por qualquer forma a que o trabalhador
no número anterior. exerça os seus direitos ou beneficie das suas garantias,
bem como despedi-lo ou aplicar-lhe sanções por causa
Cláusula 12.ª desse exercício;
b) Exercer pressão sobre o trabalhador para que actue
Antiguidade e certificado de aprendizagem no sentido de influir desfavoravelmente nas condições de
No caso de cessação do contrato de trabalho, a em- trabalho dele ou dos seus colegas;
presa passará ao trabalhador documento certificativo da c) Em caso algum diminuir a retribuição ou modificar
aprendizagem, de que constarão necessariamente a sua as condições de trabalho dos trabalhadores ao seu serviço
identificação, as datas relativas ao seu início e conclusão, de forma que dessa modificação resulte ou possa resultar
a respectiva profissão, bem como o estabelecimento em diminuição de retribuição ou demais regalias, salvo acordo
que teve lugar. do trabalhador;
d) Em caso algum, baixar a categoria, escalão ou classe
para que o trabalhador foi contratado ou promovido, salvo
CAPÍTULO III acordo do trabalhador;
e) Transferir o trabalhador para outro local de trabalho
Direitos e deveres das partes ou zona de actividade sem o seu prévio acordo feito por
escrito, sem prejuízo da cláusula 19.ª;
Cláusula 13.ª f) Obrigar o trabalhador a adquirir bens ou utilizar ser-
Deveres da entidade patronal viços fornecidos pela entidade patronal ou por pessoa por
ela indicada;
São deveres da entidade patronal: g) Explorar com fins lucrativos quaisquer cantinas, re-
a) Cumprir rigorosamente as disposições da lei e do feitórios ou outros estabelecimentos relacionados com
presente contrato; o trabalho para fornecimento de bens ou prestação de
b) Providenciar para que haja bom ambiente moral e serviços aos trabalhadores;
promover no seio dos trabalhadores as melhores relações h) Despedir ou readmitir um trabalhador, ainda que seja
de trabalho possíveis; eventual, mesmo com o seu acordo, havendo o propósito
c) Usar de respeito e justiça em todos os actos que en- de o prejudicar em direitos ou garantias já adquiridos;
volvam relações com os trabalhadores, assim como exigir i) Despedir sem justa causa qualquer trabalhador;
do pessoal em funções de chefia e fiscalização que trate j) Opor-se por qualquer forma ao exercício do controlo
com correcção os trabalhadores sob as suas ordens; de gestão da empresa, nos termos da lei;
d) Obter de cada trabalhador apenas o trabalho compa- k) Obrigar o trabalhador a utilizar máquinas que se
tível com a respectiva categoria e possibilidades físicas; comprove não possuírem condições de segurança.
e) Não deslocar qualquer trabalhador para serviços que
não sejam exclusivamente os da sua profissão ou não este- Cláusula 15.ª
jam de acordo com a sua categoria ou especialidade, salvo Transporte
acordo escrito do trabalhador;
f) Prestar ao sindicato todos os esclarecimentos que por 1 — A empresa assegurará aos trabalhadores, desde
este lhe sejam pedidos relativamente ao cumprimento da que não haja transportes públicos, o transporte de e para
presente convenção e da lei; as instalações da empresa a partir dos locais de concen-
g) Passar certificados, contendo descrição de funções ou tração habituais, situados entre 3 km e 15 km dessas
quaisquer outras informações solicitadas por escrito pelos instalações.
trabalhadores, devidamente autenticados; 2 — Os locais de concentração serão definidos por
h) Segurar todos os trabalhadores contra acidentes de acordo entre a entidade patronal e a comissão de traba-
trabalho, nos termos da lei; lhadores ou, na sua falta, os delegados sindicais.
i) Sem prejuízo de qualquer direito reconhecido neste 3 — As empresas que não assegurem o transporte pre-
contrato, facultar ao trabalhador, dentro dos limites pre- visto nos termos dos números anteriores subsidiarão os

1543
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

trabalhadores com 0,07 € do preço do litro da gasolina 2 — No caso de o trabalhador ser transferido, a entidade
super por cada quilómetro percorrido. patronal custeará todas as despesas directamente impostas
pela transferência.
Cláusula 16.ª
Formação profissional CAPÍTULO IV
1 — É obrigação da entidade patronal proporcionar Prestação de trabalho
aos trabalhadores ao seu serviço a necessária formação,
devendo ser ministrada pela própria empresa ou nas ins- Cláusula 20.ª
tituições acreditadas.
Horário de trabalho e horário móvel — Definição
2 — As empresas devem contribuir para o aperfei- e princípio geral
çoamento profissional dos trabalhadores, facilitando-lhes,
quando o solicitem e mereçam, e sempre que possível, a 1 — Entende-se por horário de trabalho a determina-
frequência de cursos considerados de interesse profissional, ção das horas do início e do termo do período normal de
sem perda de retribuição. trabalho diário, bem como a determinação dos intervalos
3 — Deverão as empresas cooperar em todas as inicia- de descanso.
tivas conducentes à criação de cursos de formação geral 2 — No estabelecimento ou modificação dos horários
ou profissional. de trabalho, mesmo em alterações permanentes de regime
4 — As empresas obrigam-se à aplicação e cumprimento individual de trabalho, serão sempre ouvidos a comissão
de toda a legislação sobre formação profissional. de trabalhadores e a comissão intersindical ou, na sua falta,
a comissão sindical ou delegados sindicais.
3 — Entende-se por horário móvel aquele em que, res-
Cláusula 17.ª peitando o cômputo diário e semanal, as horas de início
Violação das garantias dos trabalhadores e termo poderão variar de dia para dia, em conformidade
por parte da entidade patronal com as exigências de serviço.
A violação culposa por parte da entidade patronal de 4 — A empresa avisará de véspera o trabalhador que
direitos e garantias dos trabalhadores dá a estes o direito de pratique este tipo de horário, diligenciará fazê-lo o mais
cedo possível, assegurando ao trabalhador interessado
rescindir o contrato com direito à indemnização constante
qualquer contacto mesmo telefónico, mas nunca com me-
da cláusula 55.ª nos de doze horas efectivas.
5 — Entre o fim de um período de trabalho e o início
Cláusula 18.ª do seguinte mediarão, pelo menos, dez horas.
Deveres dos trabalhadores
Cláusula 21.ª
São deveres dos trabalhadores:
Duração do trabalho
a) Cumprir rigorosamente as disposições da lei e do
presente contrato; 1 — O período normal de trabalho para os trabalhadores
b) Executar com zelo, competência e assiduidade, de abrangidos por este contrato é de 40 horas semanais, de
harmonia com as suas aptidões e categoria profissional, segunda-feira a sexta-feira, sem prejuízo dos horários de
as funções que lhe sejam confiadas; menor duração que estejam a ser praticados.
c) Ter para com os demais trabalhadores a atenção e res- 2 — O período de trabalho não deve iniciar-se antes das
peito que lhes são devidos, prestando-lhes, em matéria de 8 horas nem terminar depois das 20 horas e será interrom-
serviço, todos os conselhos e ensinamentos que lhes forem pido por um descanso para almoço, que não pode ser infe-
necessários ao desempenho das respectivas funções; rior a uma hora nem superior a duas horas, depois de um
período máximo de cinco horas de trabalho consecutivo.
d) Zelar pelo bom estado de conservação do material
3 — Os horários estabelecidos nesta cláusula entendem-
que lhes estiver confiado; -se sem prejuízo de outros de menor duração que estejam
e) Cumprir e fazer cumprir as normas de salubridade, a ser praticados.
higiene e segurança no trabalho; 4 — Depois de visados pelos serviços competentes do
f) Respeitar e fazerem-se respeitar por todos aqueles Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, serão en-
com quem, profissionalmente, tenham de contactar; viados aos sindicatos dois exemplares do horário de traba-
g) Não negociar por conta própria ou alheia em con- lho, dos quais um se destina ao respectivo delegado sindical.
corrência com a entidade patronal nem divulgar informa-
ções sobre a sua organização, métodos de produção ou Cláusula 22.ª
negócios.
Trabalho por turnos
Cláusula 19.ª 1 — Deverão ser organizados turnos de pessoal dife-
Transferência de trabalhadores rente, sempre que o período de funcionamento ultrapasse
os limites máximos dos períodos normais de trabalho.
1 — A entidade patronal poderá transferir o trabalhador 2 — Sempre que os trabalhadores assegurem o funcio-
para outro local de trabalho se essa transferência não causar namento de uma instalação ou serviço durante o respec-
prejuízo sério ao trabalhador ou se resultar da mudança do tivo intervalo de refeição ou descanso, esse intervalo será
estabelecimento onde aquele presta serviço. contado como tempo de trabalho efectivo.

1544
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

3 — As escalas de turnos rotativos só deverão prever Cláusula 25.ª


mudanças de turno após o período de descanso semanal. Isenção do horário de trabalho
4 — A entidade patronal deve afixar, sempre que pos-
sível, a escala e constituição dos turnos até oito dias antes 1 — Aos trabalhadores isentos de horário de trabalho
do seu início. será concedida retribuição especial correspondente a 25 %
5 — São permitidas trocas de turnos entre trabalhadores da sua remuneração mensal.
da mesma especialidade, desde que previamente acordadas 2 — O requerimento de isenção de horário de trabalho
entre os trabalhadores interessados e comunicadas por será remetido ao Ministério do Trabalho e da Solidariedade
ambos à entidade patronal antes do início do trabalho. Não Social, acompanhado da declaração de concordância dos
são porém permitidas trocas que impliquem a prestação trabalhadores, bem como dos documentos necessários para
de trabalho em turnos consecutivos. comprovar os factos alegados.
6 — Qualquer trabalhador que comprove através de
atestado médico a impossibilidade de continuar a trabalhar Cláusula 26.ª
no regime de turnos passará, até ao termo da semana em
que fizer prova, ao regime de horário normal. Trabalho em dias de descanso semanal
7 — Aos trabalhadores que laborem em regime de dois 1 — Os trabalhadores que tenham trabalhado no dia
turnos rotativos, em que um deles seja parcialmente noc- de descanso semanal têm direito a um dia completo de
turno, será devido um subsídio de turno no valor de 15 % descanso num dos três dias seguintes.
da remuneração base efectiva. 2 — O disposto no número anterior aplica-se desde que
8 — Este subsídio, com a ressalva do disposto no número o trabalhador tenha prestado, pelo menos, três horas de
seguinte, inclui já a remuneração do trabalho nocturno. serviço no dia de descanso semanal.
9 — Os turnos referidos no n.º 7 serão efectuados entre 3 — Os trabalhadores só podem trabalhar nos dias de
as 7 e as 24 horas. Sempre que o trabalho seja prestado fora descanso semanal:
deste horário, o mesmo será pago como trabalho nocturno,
com o acréscimo de 35 % sobre a remuneração efectiva. a) Quando, em fase de circunstâncias excepcionais, a
entidade patronal tenha sido, para esse efeito, previamente
Cláusula 23.ª autorizada;
Trabalho suplementar
b) Em casos de força maior, cuja ocorrência deverá ser
comunicada ao Ministério do Trabalho e da Solidariedade
1 — Considera-se trabalho suplementar o prestado fora Social no prazo de 48 horas.
do período normal.
2 — Nenhum trabalhador poderá ser obrigado a prestar Cláusula 27.ª
trabalho suplementar.
3 — O trabalho suplementar só poderá ser prestado Trabalho nocturno
quando ocorram motivos imprevisíveis ou para evitar da- 1 — Considera-se nocturno o trabalho prestado no pe-
nos directos e imediatos sobre as pessoas, equipamentos ou ríodo que decorre entre as 20 horas de um dia e as 7 horas
matérias-primas, não podendo exceder 120 horas anuais. do dia imediato.
4 — No caso previsto no número anterior, e até perfazer 2 — Considera-se também como nocturno, para efeitos
as primeiras 60 horas, o trabalhador não poderá recusar-se a de remuneração, o trabalho prestado depois das 7 horas,
prestar trabalho suplementar, desde que tenha sido avisado desde que em prolongamento de um período de trabalho
no dia anterior, salvo se nesse dia invocar motivo grave. nocturno de, pelo menos, quatro horas.
Nas restantes 60 horas, o trabalho é facultativo. 3 — Por acordo escrito entre a entidade patronal e o
5 — Será considerado motivo de recusa de prestação de trabalhador, poderá não ser considerado nocturno o período
trabalho suplementar a inexistência de transporte colectivo entre as 6 e as 7 horas, quando não se tratar de prolonga-
ou da empresa desde o local de trabalho ao da concentração mento do período de trabalho.
habitual.
6 — Quando o trabalhador prestar horas suplementares,
não poderá entrar novamente de serviço sem que antes CAPÍTULO V
tenham decorrido, pelo menos, dez horas sobre o termo
da prestação de trabalho. Retribuição do trabalho
7 — Sempre que o trabalho suplementar ultrapasse duas
horas e seja prestado para além das 12 ou das 20 horas, a Cláusula 28.ª
entidade patronal obriga-se a assegurar ou a pagar a re- Retribuição
feição. O tempo de trabalho extraordinário, até ao limite
de meia hora. 1 — Só se considera retribuição aquilo a que, nos termos
8 — Para efeitos do número anterior, e quando a en- do contrato, das normas que o regem ou dos usos, o trabalha-
tidade patronal não assegure a refeição, esta pagará ao dor tem direito como contrapartida da prestação do trabalho.
trabalhador a importância de € 13. 2 — A retribuição compreende a remuneração de base
prevista no anexo II e todas as outras prestações regulares
Cláusula 24.ª e periódicas.
3 — Não se consideram como integrando a retribuição
Limites de trabalho suplementar
as ajudas de custo, as despesas de transporte, a remune-
O trabalho suplementar não poderá exceder o limite de ração por trabalho suplementar, os abonos para falhas e a
2 horas diárias, 10 semanais e 120 anuais. remuneração por trabalho nocturno.

1545
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

4 — Os trabalhadores que exerçam funções de caixa, direito a um dia completo de descanso num dos três dias
tesoureiro e cobrador têm direito a um abono mensal para seguintes.
falhas de € 28,40.
5 — Nos impedimentos dos titulares, os abonos serão Cláusula 33.ª
recebidos pelos respectivos substitutos, na proporção dos
Subsídio de Natal
dias de substituição.
6 — As quebras verificadas nas operações de cobrança 1 — Todos os trabalhadores têm direito a receber, pelo
e numerário efectuadas pelas equipas de distribuição serão Natal, até ao dia 15 de Dezembro, um subsídio correspon-
suportadas pela empresa, salvo em relação às quebras de dente a um mês de retribuição normal.
montante significativo ou acontecidas com regularidade. 2 — Os trabalhadores que não tenham concluído até 31
7 — A todos os trabalhadores são asseguradas as remu- de Dezembro um ano de serviço receberão a importância
nerações fixas mínimas constantes do anexo II. proporcional aos meses que medeiam entre a data da sua
8 — A fórmula a considerar para efeito do cálculo das admissão e 1 de Dezembro, considerando-se como mês
horas simples é a seguinte: completo qualquer fracção igual ou superior a 15 dias.
RH = RM × 12 3 — Nos casos de suspensão do contrato de trabalho por
HS × 52 impedimento prolongado, é devido subsídio de Natal na
parte proporcional ao tempo de trabalho prestado.
sendo RM a remuneração mensal e HS o horário semanal. 4 — Em caso de cessação do contrato, o trabalhador
terá direito a receber a parte proporcional do subsídio de
Cláusula 29.ª Natal relativo ao ano da cessação.
Tempo e forma de pagamento
1 — O pagamento da retribuição do trabalhador deve CAPÍTULO VI
ser efectuado até ao último dia útil de cada mês e durante Suspensão da prestação de trabalho, descanso
o período de trabalho. semanal e feriados
2 — No acto de pagamento da retribuição, a empresa é
obrigada a entregar aos trabalhadores um talão, preenchido Cláusula 34.ª
de forma indelével, no qual figurem: o nome do trabalha-
dor, a respectiva categoria profissional e classe; o número Descanso semanal
de inscrição da segurança social; o período de trabalho 1 — Considera-se dia de descanso semanal obrigatório
a que corresponde a remuneração; a diversificação das o domingo, o dia previsto na escala de turnos rotativos,
importâncias relativas ao trabalho normal, extraordinário, sendo o sábado considerado como dia de descanso comple-
prestado em dia de descanso semanal ou feriado, aos sub- mentar. Todos os restantes dias serão considerados úteis,
sídios, descontos e montante líquido a receber. com excepção dos feriados.
3 — O pagamento será feito ao mês, qualquer que seja 2 — Quando o trabalho for prestado em regime de labo-
o horário e a categoria do trabalhador. ração contínua o horário de trabalho tem de ser organizado
de forma a que os trabalhadores tenham, em média, em
Cláusula 30.ª
cada período de sete dias de trabalho dois dias de descanso
Remuneração de trabalho nocturno consecutivos que, no máximo de quatro semanas, devem
O trabalho nocturno será pago com os acréscimos se- coincidir com o sábado e o domingo.
guintes sobre a remuneração efectiva:
Cláusula 35.ª
a) 25 % para o trabalho prestado entre as 20 e as 24 horas;
Feriados
b) 35 % para o trabalho prestado a partir das 0 horas.
São equiparados para todos os efeitos ao descanso se-
Cláusula 31.ª manal, com a remuneração por inteiro, além dos dias con-
Remuneração de trabalho suplementar siderados feriados obrigatórios pela lei, os seguintes:
O trabalho suplementar será remunerado com o aumento Terça-feira de Carnaval;
correspondente a 50 % da retribuição normal até duas horas Feriado municipal.
por dia e a 75 % das horas seguintes.
Cláusula 36.ª
Cláusula 32.ª Período e época de férias
Remuneração de trabalho no dia de descanso semanal e feriado 1 — Todos os trabalhadores abrangidos por este contrato
1 — O trabalho prestado em dia de descanso semanal, colectivo de trabalho terão direito a 22 dias úteis de férias
dia de descanso complementar ou feriado será pago com o remuneradas, excepto no ano de admissão, em que terão
acréscimo correspondente ao dobro da retribuição normal, direito, após seis meses de execução do contrato, a 2 dias
para além do salário que o trabalhador receberia se não úteis de férias por cada mês de duração do contrato, até
efectuasse trabalho nesse dia. ao máximo de 20 dias úteis.
2 — Só o trabalho prestado no dia de descanso semanal, 2 — A duração do período de férias é ainda aumentada
a que se refere o n.º 1 da cláusula 26.ª, dá ao trabalhador no caso de o trabalhador não ter faltado ou na eventualidade

1546
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

de ter apenas faltas justificadas no ano a que as férias se seja do facto informada, prosseguindo o respectivo gozo
reportam, nos seguintes termos: após o termo da situação de doença, nos termos em que
a) Três dias de férias, até ao máximo de uma falta ou as partes acordarem.
dois meios dias; 2 — A prova da situação de doença prevista no número
b) Dois dias de férias, até ao máximo de duas faltas ou anterior poderá ser feita por estabelecimento hospitalar, por
quatro meios dias; médico da segurança social ou por atestado médico, sem
c) Um dia de férias, até ao máximo de três faltas ou prejuízo do direito de fiscalização e controlo por médico
seis meios dias. indicado pela empresa.
3 — Quando o trabalhador estiver doente até Dezembro,
3 — O direito a férias vence-se no dia 1 de Janeiro do tem direito a gozar as férias desse ano no 1.º trimestre do
ano civil subsequente, sem prejuízo do disposto na parte ano seguinte.
final do n.º 1 desta cláusula. 4 — Se, na data indicada para início das férias, o traba-
4 — A época de férias deve ser escolhida de comum lhador estiver ausente por doença ou acidente, gozará as
acordo entre a entidade patronal e o trabalhador. férias por inteiro e receberá o respectivo subsídio em data
5 — Na falta de acordo, compete à entidade patronal, a fixar por acordo entre as partes, podendo, no entanto,
ouvida a comissão de trabalhadores, determinar a época receber imediatamente o subsídio de férias se o desejar.
de férias.
6 — O período de férias será gozado em dias seguidos. Cláusula 40.ª
Se os trabalhadores o solicitarem, poderá ser fraccionado Regime de férias para trabalhadores
em períodos, por forma que o trabalhador goze sempre, regressados do serviço militar
pelo menos, 15 dias de férias consecutivamente.
7 — Os trabalhadores do mesmo agregado familiar que No ano em que regresse do serviço militar, o trabalha-
estejam ao serviço da mesma empresa, sempre que o soli- dor tem direito às férias e ao respectivo subsídio que teria
citem, gozarão as férias simultaneamente, salvo se houver vencido em Janeiro desse ano se tivesse estado ininterrup-
inconveniente para o normal funcionamento do serviço. tamente ao serviço.
8 — No ano da suspensão do contrato de trabalho por
impedimento prolongado, se se verificar a impossibilidade Cláusula 41.ª
total ou parcial do gozo do direito a férias já vencido, o Subsídio de férias
trabalhador terá direito à retribuição correspondente ao
período de férias vencido e respectivo subsídio. 1 — Os trabalhadores têm direito a um subsídio corres-
9 — A entidade patronal elaborará um mapa de férias, pondente à sua retribuição mensal, com excepção dos dias
a afixar nos locais de trabalho até 15 de Abril do ano em referidos no n.º 2 da cláusula 36.ª, que deverá ser satisfeito
que as férias vão ser gozadas. até 10 dias antes do início do gozo efectivo das férias.
10 — Os trabalhadores em regime eventual têm direito 2 — Este subsídio beneficiará sempre de qualquer au-
a férias e respectivo subsídio, na proporcionalidade de dois mento de retribuição que se efectuar até ao início das férias.
dias e meio por cada mês completo de serviço, mantendo-se 3 — Em caso de cessação do contrato de trabalho, o
a proporcionalidade nos casos inferiores a um mês. trabalhador terá direito às férias e subsídio vencidos, se
ainda as não tiver gozado, bem como à respectiva parte
Cláusula 37.ª proporcional relativa ao ano da cessação.
Indisponibilidade do direito a férias
Cláusula 42.ª
O direito a férias é irrenunciável e o seu gozo efectivo
não pode ser substituído, fora dos casos expressamente pre- Definição de faltas
vistos na lei ou nesta convenção, por qualquer compensação 1 — Falta é a ausência do trabalhador durante as horas
económica ou outra ainda que com o acordo do trabalhador. correspondentes a um dia normal de trabalho.
Cláusula 38.ª 2 — Nos casos de ausência dos trabalhadores por perí-
odos inferiores, os respectivos tempos serão adicionados
Violação do direito a férias para determinação dos dias normais de trabalho em falta.
1 — No caso da entidade patronal obstar ao gozo de
férias, nos termos desta convenção, o trabalhador receberá, Cláusula 43.ª
a título de indemnização, o triplo da retribuição correspon- Participação de faltas
dente ao período em falta, que deverá obrigatoriamente ser
gozado no 1.º trimestre do ano civil subsequente. 1 — As faltas justificadas, quando previsíveis, deverão
2 — O disposto nesta cláusula não prejudica a aplicação ser comunicadas à entidade patronal com a antecedência
de sanções em que a entidade patronal incorra por violação mínima de cinco dias.
das normas reguladoras das relações de trabalho. 2 — Quando imprevistas, deverão ser comunicadas à
entidade patronal logo que possível.
Cláusula 39.ª 3 — O não cumprimento do disposto nos números an-
teriores pode tornar as faltas injustificadas.
Doença no período de férias
4 — A entidade patronal pode, em qualquer caso de
1 — Se o trabalhador adoecer durante as férias, serão falta justificada, exigir ao trabalhador prova dos factos
as mesmas interrompidas desde que a entidade patronal invocados para a justificação.

1547
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Cláusula 44.ª serviço militar obrigatório, doença ou acidente, e o impedi-


Faltas justificadas
mento se prolongue por mais de um mês, cessam os direitos,
deveres e garantias das partes, na medida em que pressu-
1 — Os trabalhadores podem faltar, sem perda de qual- ponham a efectiva prestação de trabalho, sem prejuízo das
quer direito, designadamente retribuição, férias ou antigui- disposições aplicáveis da legislação sobe segurança social.
dade, nas seguintes condições: 2 — Terminado o impedimento, o trabalhador deve
a) Durante 15 dias seguidos, por altura do casamento; dentro do prazo de 15 dias apresentar-se à entidade patronal
b) Durante cinco dias consecutivos, por falecimento de para retomar o serviço, sob pena de perder o direito ao lugar.
cônjuge não separado de pessoas e bens ou de parente ou 3 — O tempo de suspensão conta-se para efeitos de
afim no 1.º grau da linha recta ou de pessoa que viva em antiguidade, conservando o trabalhador direito ao lugar.
união de facto ou economia comum do trabalhador, nos
termos da lei; Cláusula 48.ª
c) Durante dois dias consecutivos, por falecimento de Licença sem retribuição
outro parente ou afim da linha recta ou em 2.º grau da
linha colateral; 1 — A entidade patronal, mediante requerimento do
d) Por prestação de provas em estabelecimento de en- trabalhador, poderá conceder-lhe licença sem retribuição.
sino, nos termos da lei; 2 — O período de licença sem retribuição autorizado
e) Por impossibilidade de prestar trabalho devido a facto pela entidade patronal conta-se para efeitos de antiguidade.
que não seja imputável ao trabalhador, nomeadamente 3 — Durante o mesmo período cessam os direitos, deve-
doença, acidente ou cumprimento de obrigações legais; res e garantias das partes, na medida em que pressuponham
f) Por necessidade de prestação de assistência inadiável a efectiva prestação de trabalho.
e imprescindível a membros do agregado familiar, nos 4 — Durante o período de licença sem retribuição os
termos a lei; trabalhadores figurarão nos quadros de pessoal.
g) Ausências não superiores a quatro horas e só pelo 5 — A entidade patronal poderá fazer cessar a licença
tempo estritamente necessário, justificadas pelo responsá- sem retribuição logo que o trabalhador inicie a prestação
vel pela educação do menor, uma vez por trimestre, para de qualquer trabalho remunerado, salvo se a licença tiver
deslocação à escola tendo em vista inteirar-se da situação sido concedida com a menção expressa desse facto.
educativa do filho menor;
h) Pelos trabalhadores eleitos para as estruturas de re- CAPÍTULO VII
presentação colectiva, nos termos da lei;
i) Por candidatos a eleições para cargos públicos, du- Cessação do contrato de trabalho
rante o período legal da respectiva campanha eleitoral;
j) As autorizadas ou aprovadas pelo empregador; Cláusula 49.ª
k) As que por lei forem como tal qualificadas.
Formas de cessação
2 — Nos casos previstos nas alíneas do número anterior, O contrato de trabalho pode cessar por:
a entidade patronal poderá exigir prova da veracidade dos
factos alegados, só sendo as faltas consideradas justificadas a) Mútuo acordo das partes;
quando dadas por ocasião da ocorrência. b) Caducidade;
c) Despedimento promovido pela entidade patronal ou
Cláusula 45.ª gestor público com justa causa;
d) Despedimento colectivo;
Consequências das faltas justificadas e) Rescisão do trabalhador.
1 — As faltas justificadas não determinam perda de retri-
buição nem diminuição de férias ou qualquer outra regalia. Cláusula 50.ª
2 — Exceptuam-se do disposto no número anterior, Cessação por mútuo acordo
quanto à retribuição, as faltas referidas na alínea h) da
cláusula 44.ª, quando para além dos limites estabelecidos 1 — A cessação do contrato por mútuo acordo deve sem-
na cláusula 71.ª pre constar de documento escrito, assinado por ambas as
partes, em duplicado, ficando cada parte com um exemplar.
Cláusula 46.ª 2 — Desse documento podem constar outros efeitos
acordados entre as partes, desde que não contrariem as
Consequências das faltas não justificadas
leis gerais do trabalho.
As faltas não justificadas dão o direito à entidade patro- 3 — São nulas as cláusulas de acordo revogatório se-
nal de descontar na retribuição a importância correspon- gundo as quais as partes declarem que o trabalhador não
dente ao número de faltas dadas, que serão descontadas pode exercer direitos já adquiridos ou reclamar créditos
na antiguidade do trabalhador. vencidos.

Cláusula 47.ª Cláusula 51.ª


Impedimentos prolongados Despedimento
1 — Quando o trabalhador esteja temporariamente im- 1 — São proibidos os despedimentos sem justa causa
pedido por facto que não lhe seja imputável, nomeadamente ou por motivos políticos ou ideológicos.

1548
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

2 — Verificando-se justa causa, o trabalhador pode ser 3 — A comissão de trabalhadores pronunciar-se-á se-
despedido, quer o contrato tenha prazo ou não. guidamente, fundamentando o seu parecer, no prazo de
3 — Nas acções judiciais de impugnação de despedi- dois dias úteis a contar do momento em que o processo
mento, compete à entidade patronal a prova de existência lhe seja entregue por cópia.
de justa causa invocada. 4 — Decorrido o prazo referido no número anterior, a
entidade patronal poderá ou não proferir o despedimento,
Cláusula 52.ª devendo a decisão fundamentada constar sempre de do-
cumento escrito, de que será sempre entregue cópia ao
Justa causa de despedimento
trabalhador e à comissão de trabalhadores.
1 — Considera-se justa causa o comportamento culposo 5 — Caso a decisão fundamentada da comissão de tra-
do trabalhador que, pela sua gravidade e consequências, balhadores seja contrária ao despedimento, o trabalhador
torne imediata e praticamente impossível a subsistência dispõe de um prazo de três dias a contar da decisão do
da relação de trabalho. despedimento para requerer judicialmente a suspensão
2 — Constituirão, nomeadamente, justa causa de des- do despedimento.
pedimento os seguintes comportamentos do trabalhador: 6 — Nas empresas em que, por impossibilidade legal,
não haja comissão de trabalhadores, o trabalhador dispõe
a) Desobediência ilegítima às ordens dadas por respon- da faculdade de pedir a suspensão do despedimento, nos
sáveis hierarquicamente superiores; termos do número anterior.
b) Violação de direitos e garantias de trabalhadores da 7 — A entidade patronal poderá suspender preventiva-
empresa; mente o trabalhador, sem perda de retribuição, quando se
c) Provocação repetida de conflitos com outros traba- verifiquem os comportamentos previstos nas alíneas c), i)
lhadores da empresa; e j) do n.º 2 da cláusula anterior.
d) Desinteresse repetido pelo cumprimento, com a di-
ligência devida, das obrigações inerentes ao exercício do Cláusula 54.ª
cargo ou posto de trabalho que lhe esteja confiado;
e) Lesão de interesses patrimoniais sérios da empresa; Inexistência de justa causa
f) Prática intencional, no âmbito da empresa, de actos 1 — A inexistência de justa causa, a inadequação da
lesivos da economia nacional; sanção ao comportamento verificado e a nulidade ou ine-
g) Faltas não justificadas ao trabalho, que determinem xistência de processo disciplinar determinam a nulidade
directamente prejuízos ou riscos graves para a empresa ou, do despedimento que, apesar disso, tenha sido declarado.
independentemente de qualquer prejuízo ou risco, quando 2 — O trabalhador tem direito, no caso referido no nú-
o número de faltas injustificadas atingir, em cada ano, mero anterior, às prestações pecuniárias que deveria ter
5 seguidas ou 10 interpoladas; normalmente auferido desde a data do despedimento até à
h) Falta culposa de observância de normas de higiene data da sentença, bem como à reintegração na empresa no
e segurança no trabalho; respectivo cargo ou posto de trabalho e com a antiguidade
i) Prática, no âmbito da empresa, de violências físicas, que lhe pertencia.
de injúrias ou outras ofensas punidas por lei sobre trabalha- 3 — Em substituição da reintegração, o trabalhador
dores da empresa, elementos dos corpos sociais ou sobre a pode optar pela indemnização de antiguidade prevista
entidade patronal individual não pertencentes aos mesmos na cláusula seguinte, contando-se para esse efeito todo o
órgãos, seus delegados ou representantes; tempo decorrido até à data da sentença.
j) Sequestro e em geral crimes contra a liberdade das 4 — O despedimento decidido com alegação de justa
pessoas referidas na alínea anterior; causa que venha a mostrar-se insubsistente, quando se
k) Incumprimento ou oposição ao cumprimento de de- prove o dolo da entidade patronal ou gestor público, dará
cisões judiciais ou actos administrativos definitivos ou lugar à aplicação de multa de € 250 a € 1000 àquelas enti-
executórios; dades, cujo produto reverterá para o fundo de desemprego.
l) Reduções anormais da produtividade do trabalhador; 5 — Para apreciação da existência da justa causa de
m) Falsas declarações relativas à justificação de faltas. despedimento ou de adequação da sanção ao comporta-
mento verificado, deverão ser tidos em conta o grau de
Cláusula 53.ª lesão dos interesses da economia nacional ou da empresa,
Processo disciplinar em caso de impedimento
o carácter das relações entre as partes, a prática disciplinar
da empresa, quer em geral, quer em relação ao trabalhador
1 — Nos casos em que se verifique algum dos compor- atingido, o carácter das relações do trabalhador com os
tamentos que integram o conceito de justa causa na cláusula seus companheiros e todas as circunstâncias relevantes
anterior, a entidade patronal comunicará, por escrito, ao do caso.
trabalhador que tenha incorrido nas respectivas infracções 6 — Entre as circunstâncias referidas no número an-
e à comissão de trabalhadores da empresa a sua intenção terior deve ser incluído o facto da entidade patronal ou
de proceder ao despedimento, o que fará acompanhar de gestor público praticar actos, posteriormente à verificação
uma nota de culpa com a descrição fundamentada dos do comportamento do trabalhador ou ao seu conhecimento,
factos imputados ao trabalhador. que revelem não o considerar perturbador das relações
2 — O trabalhador dispõe de um prazo de três dias de trabalho, nomeadamente deixando correr, desde essa
úteis para deduzir, por escrito, os elementos que considera verificação ou conhecimento até ao início do processo
relevantes para o esclarecimento da verdade. disciplinar, um lapso de tempo superior a 30 dias.

1549
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Cláusula 55.ª 3 — A sanção a que se reporta a alínea d) do n.º 1 desta


cláusula obedecerá ao disposto na regulamentação legal
Indemnização por despedimento
imperativa ou, na sua falta, ao regime estabelecido na
Cada trabalhador abrangido pelo despedimento colectivo cláusula 53.ª
tem direito a uma indemnização de acordo com a respectiva 4 — A sanção disciplinar deverá ser proporcional à
antiguidade e correspondente a um mês de retribuição por gravidade da infracção e à culpabilidade do infractor, não
cada ano ou fracção, não podendo ser inferior a três meses. podendo aplicar-se mais de uma pela mesma infracção.

Cláusula 60.ª
CAPÍTULO VIII
Prescrição da infracção disciplinar
Disciplina A infracção disciplinar prescreve ao fim de 60 dias a
contar da data em que a entidade patronal ou superior hie-
Cláusula 56.ª rárquico com competência disciplinar tem conhecimento
Conceito de infracção disciplinar da infracção.
Considera-se infracção a violação voluntária e culposa CAPÍTULO IX
dos deveres dos trabalhadores.
Condições particulares de trabalho
Cláusula 57.ª
Cláusula 61.ª
Poder disciplinar
Protecção à parentalidade
O poder disciplinar tanto é exercido pela entidade pa-
tronal como pelos superiores hierárquicos do trabalhador, Além do estipulado no presente contrato para a generali-
nos termos por aquela estabelecidos e com observância das dade dos trabalhadores por ele abrangidos, são assegurados
disposições deste contrato. aos trabalhadores, enquanto mães e ou pais, os direitos
previstos na lei sobre parentalidade.
Cláusula 58.ª
Cláusula 62.ª
Poder disciplinar
Trabalho de menores
1 — No caso das sanções previstas nas alíneas b) e c)
1 — É válido o contrato celebrado com o menor que não
do n.º 1 da cláusula 59.ª, observar-se-á o seguinte:
tenha completado 18 anos de idade, se for desconhecido o
a) O processo disciplinar deve ser escrito e a acusação, paradeiro do seu legal representante.
devidamente fundamentada, será levada ao conhecimento 2 — O menor tem capacidade para receber a retribuição
do trabalhador mediante nota de culpa, na qual conste a devida pelo seu trabalho, salvo quando, sendo de idade
descrição do comportamento imputado ao trabalhador; inferior a 18 anos, houver oposição dos seus represen-
b) O trabalhador, no prazo de três dias úteis após a recep- tantes legais.
ção da comunicação, poderá apresentar a sua contestação, 3 — A entidade patronal deve proporcionar aos menores
indicando todas as diligências que se tornem necessárias ao que se encontrem ao seu serviço condições de trabalho ade-
apuramento da verdade, incluindo a consulta do processo quadas à sua idade, prevenindo de modo especial quaisquer
por si ou através do seu mandatário. danos ao seu desenvolvimento físico, espiritual e moral.
4 — Os menores de 18 anos de idade não podem ser
2 — No caso da sanção prevista na alínea a) do n.º 1 obrigados à prestação de trabalho antes das 7 horas e de-
pois das 20 horas.
da cláusula 59.ª, não é obrigatória a redução a escrito do
processo disciplinar. CAPÍTULO X
Cláusula 59.ª Trabalho fora do local habitual
Sanções disciplinares
Cláusula 63.ª
1 — A entidade patronal pode aplicar as seguintes san- Princípio geral
ções disciplinares, sem prejuízo dos direitos e garantias
gerais dos trabalhadores: 1 — Entende-se por deslocação em serviço a realização
temporária de trabalho fora do local habitual.
a) Repreensão verbal; 2 — Entende-se por serviço externo aquele que regu-
b) Repreensão registada; larmente é desenvolvido no exterior da empresa, sede,
c) Suspensão do trabalho com perda de retribuição; delegação, filial ou armazém.
d) Despedimento. 3 — Entende-se por local habitual de trabalho o esta-
belecimento em que o trabalhador presta normalmente
2 — As sanções disciplinares previstas nas alíneas b) e serviço ou a sede ou delegação da empresa a que está
c) do número anterior só poderão ser aplicadas mediante adstrito quando o seu local de trabalho não seja fixo.
processo disciplinar, nos termos do disposto no n.º 1 da 4 — As deslocações que não permitam o regresso diário do
cláusula anterior. trabalhador à sua residência habitual serão objecto de acordo.

1550
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Cláusula 64.ª até perfazer 80 % do ordenado mínimo da categoria que


Direitos dos trabalhadores nas deslocações
lhe cabia à data da sua reforma.

1 — Se o trabalhador utilizar a sua viatura ao serviço Cláusula 67.ª


da entidade patronal, esta pagar-lhe-á o produto do coe-
Refeitório, subsídio de alimentação e cantina
ficiente 0,26 sobre o preço do litro da gasolina super por
cada quilómetro percorrido. 1 — Todas as empresas terão de pôr à disposição dos
2 — Os trabalhadores terão direito nas suas deslocações trabalhadores um lugar confortável, arejado e asseado, com
ao pagamento como trabalho extraordinário do tempo que, mesas e cadeiras suficientes para todos os trabalhadores
nas viagens de ida e regresso, incluindo as esperas, exceda ao seu serviço, onde estes possam tomar e aquecer as suas
o período normal de trabalho diário. refeições.
3 — Os trabalhadores deslocados ou em serviço externo 2 — As empresas atribuirão a todos os trabalhadores um
são seguros pela empresa contra os riscos de viagens (aci- subsídio de alimentação diário de € 4,80, sem prejuízo do
dentes pessoais), durante o período em que se encontrarem disposto na cláusula 78.ª
nessa situação, e a favor de quem o trabalhador designe. 3 — O subsídio previsto nesta cláusula não é devido se
4 — As entidades patronais poderão transferir para as a empresa fornecer a refeição completa.
companhias de seguros as responsabilidades decorrentes 4 — Os trabalhadores só terão direito a beneficiar do
do número anterior. subsídio referido no número anterior nos dias em que
5 — Os trabalhadores têm direito, durante o período de efectivamente trabalharem antes e depois da refeição.
deslocação, ao pagamento das seguintes despesas:
a) Alojamento, contra a apresentação dos respectivos Cláusula 68.ª
documentos; Trabalhadores-estudantes
b) Pequeno-almoço — € 2,80;
c) Almoço ou jantar — € 12,10. Os trabalhadores-estudantes têm direito às regalias con-
sagradas na lei.
As partes podem acordar o pagamento das despesas de
pequeno-almoço, almoço ou jantar mediante a apresenta-
ção dos respectivos documentos comprovativos. CAPÍTULO XII
6 — Estas disposições aplicam-se também aos traba- Higiene e segurança no trabalho
lhadores em serviço externo quando, por motivos impre-
vistos, devidamente justificados, não possam regressar à Cláusula 69.ª
empresa às horas das refeições ou não possam tomar as
suas refeições nos períodos normais. Segurança, higiene e saúde no trabalho
7 — Nas deslocações, o início e o fim do almoço ou jan- 1 — As empresas instalarão o seu pessoal em boas
tar terão de verificar-se, respectivamente, entre as 11 horas condições de higiene e deverão prover os locais de tra-
e 30 minutos e as 14 horas e 30 minutos e as 19 horas e balho com os indispensáveis requisitos de segurança,
30 minutos e as 21 horas e 30 minutos.
cumprindo e fazendo cumprir as disposições legais sobre
8 — Considera-se que o trabalhador tem direito ao
a matéria.
pequeno-almoço quando inicia o serviço até às 7 horas,
inclusive. 2 — Pela entidade patronal devem ser distribuídos aos
9 — O disposto no n.º 5 não se aplica às refeições toma- trabalhadores fatos de trabalho sempre que a execução das
das no estrangeiro, que serão pagas mediante factura. tarefas que têm a desempenhar o aconselhe.

CAPÍTULO XI CAPÍTULO XIII

Previdência e outras garantias sociais Livre exercício do direito sindical

Cláusula 65.ª Cláusula 70.ª


Complemento de subsídio de doença Princípio geral

As entidades patronais pagarão aos trabalhadores com 1 — Os trabalhadores e os sindicatos têm direito a de-
baixa por mais de 15 dias, e até 90 dias seguidos ou alter- senvolver actividade sindical no interior das empresas,
nados, por ano civil, a diferença entre a retribuição auferida nomeadamente através de delegados sindicais, comissões
à data da baixa e o subsídio atribuído pela segurança social sindicais e comissões intersindicais.
ou pelo seguro. 2 — As direcções dos sindicatos comunicarão à empresa
a identificação dos delegados sindicais, bem como a daque-
Cláusula 66.ª les que fazem parte das comissões sindicais e intersindicais
de delegados, por meio de carta registada com aviso de
Complemento da pensão de reforma
recepção, de que será afixada cópia nos locais reservados
A todos os trabalhadores que tiverem pelo menos 20 anos às informações sindicais.
de trabalho numa empresa, esta complementará a pensão de 3 — O mesmo procedimento deverá ser observado em
reforma por velhice a que os trabalhadores tiverem direito caso de substituição ou cessação de funções.

1551
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Cláusula 71.ª representação da associação patronal e dois em represen-


Direitos dos delegados sindicais
tação dos sindicatos, com competência para interpretar as
disposições convencionais e integrar as suas lacunas.
1 — Os delegados sindicais têm direito de afixar no 2 — A comissão paritária funciona mediante convoca-
interior da empresa textos, convocatórias, comunicações ção de qualquer das partes contratantes, devendo as reuni-
ou informações relativas à vida sindical e aos interesses ões ser marcadas com oito dias de antecedência mínima,
sócio-profissionais dos trabalhadores, bem como proceder com a indicação da agenda de trabalhos e do local, dia e
à sua distribuição, mas sem prejuízo, em qualquer dos ca- hora da reunião.
sos, da laboração normal da empresa. O local apropriado 3 — Não é permitido, salvo acordo de ambas as partes,
de afixação será reservado pela empresa. tratar nas reuniões assuntos de que a outra parte não tenha
2 — Os delegados sindicais e membros dos corpos ge- sido notificada nos termos do número anterior.
rentes das associações sindicais não podem ser transferi- 4 — Poderá participar nas reuniões, se as partes nisso
dos do local de trabalho sem o seu acordo e sem o prévio estiverem de acordo, um representante do Ministério da
conhecimento da direcção do respectivo sindicato. Segurança Social e do Trabalho, que não terá direito a voto.
3 — Cada delegado sindical dispões para o exercício das 5 — Das deliberações tomadas será depositado um
suas funções de um crédito de cinco horas por mês, ou de exemplar no Ministério do Trabalho e da Solidariedade
oito, tratando-se de delegado que faça parte da comissão Social para efeito de publicação, considerando-se, a partir
intersindical. O crédito de horas é referido a período normal desta, parte integrante do CCT.
de trabalho e conta como tempo de trabalho efectivo. 6 — As partes comunicarão uma à outra e ao Ministério
4 — Os delegados sindicais, sempre que pretendam do Trabalho e da Solidariedade Social, dentro do prazo de
exercer o direito previsto no número anterior, deverão 30 dias a contar da publicação do contrato, a identificação
avisar por escrito a entidade patronal, com a antecedência dos respectivos representantes.
mínima de um dia. 7 — A substituição de representantes é lícita a todo o
tempo.
Cláusula 72.ª
Números de delegados sindicais CAPÍTULO XV
1 — O número máximo de delegados sindicais em cada Disposições gerais e transitórias
empresa que beneficiam do crédito estabelecido no n.º 3 da
cláusula 71.ª é determinado pela seguinte fórmula: Cláusula 76.ª
6+ n - 500 Retroactividade
200
O presente CCT produz efeitos a partir de 1 de Janeiro
representando n o número de trabalhadores sindicalizados de 2010.
pertencentes ao quadro permanente da empresa.
2 — O resultado apurado nos termos do número anterior Cláusula 77.ª
será sempre arredondado para a unidade imediatamente Garantia da manutenção de regalias
superior.
Da aplicação da presente convenção colectiva não po-
Cláusula 73.ª derá resultar baixa de categoria ou classe e, bem assim,
diminuição da retribuição ou suspensão de quaisquer outras
Direito de reunião regalias constantes à data de entrada em vigor deste CCT.
Os trabalhadores têm direito a reunir-se no interior da
empresa dentro dos limites e nos termos fixados na lei. Cláusula 78.ª
Pequeníssimas empresas
Cláusula 74.ª
As empresas classificadas pela convenção que ora se
Instalações altera como «pequeníssimas empresas» atribuirão aos seus
As empresas colocarão à disposição dos delegados sindi- trabalhadores um subsídio de refeição diário de € 3,50.
cais, desde que estes requeiram, e a título permanente, um
local situado no interior da empresa ou na sua proximidade ANEXO I
que seja apropriado ao exercício das suas funções.
Definição de funções

CAPÍTULO XIV Ajudante de electricista. — É o trabalhador que comple-


tou a sua aprendizagem e coadjuva os oficiais, preparando-
Relações entre as partes outorgantes -se para ascender à categoria de pré-oficial.
Ajudante de encarregado fabril. — É o trabalhador que
Cláusula 75.ª coadjuva o encarregado fabril no desempenho das suas
funções e o substitui nos seus impedimentos.
Interpretação e integração do contrato colectivo
Ajudante de motorista. — É o trabalhador que acompa-
1 — As partes contratantes decidem criar uma comissão nha o motorista, competindo-lhe auxiliá-lo na manutenção
paritária formada por quatro elementos, sendo dois em do veículo, e vigia e indica as manobras, podendo ainda

1552
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

fazer a distribuição dos produtos da empresa e proceder à ainda executar serviço de reprodução e endereçamento
facturação e cobrança dos mesmos. de documentos.
Ajudante de motorista vendedor-distribuidor. — É o Demonstrador/repositor. — É o trabalhador que faz a
trabalhador que, possuindo ou não carta de condução pro- demonstração e ou exposição dos artigos por grosso e a
fissional, colabora com o motorista vendedor-distribuidor retalho em estabelecimentos e indústrias, arruma e repõe
em todas as funções. nos locais devidos os materiais ou mercadorias.
Analista. — É o trabalhador com curso ou habilitações Director de serviços/divisão. — É o trabalhador que
adequadas ou conhecimentos profissionais adquiridos dirige um ou mais serviços e ou divisões, quer ela seja do
equivalentes que faz análises qualitativas e quantitativas âmbito administrativo, comercial, produtivo e ou técnico,
físicas, químicas e bacteriológicas e outras determinações entre outros.
laboratoriais. Embalador. — É o trabalhador que acondiciona e ou
Aprendiz. — É o trabalhador que, sob a orientação de embala o produto por métodos manuais ou mecânicos
profissionais qualificados, adquire conhecimentos técnico- com vista à sua expedição ou armazenamento. Detecta
-profissionais que o habilitem a ingressar na carreira pro- ainda possíveis deficiências nas embalagens, retirando-as
fissional de uma especialidade. e participando superiormente as anomalias detectadas.
Auxiliar de armazém. — É o trabalhador que auxilia Encarregado de armazém. — É o trabalhador que di-
nos trabalhos de armazém. Ajuda a arrumar os diversos rige os trabalhadores de armazém e planifica, organiza,
produtos no seu lugar, separando-os pela guia de remessa coordena e controla todas as actividades de armazém,
ou outros documentos. Procede ao carregamento dos di- responsabilizando-se pelo bom funcionamento do mesmo.
versos materiais a expedir. Encarregado fabril. — É o trabalhador responsável
Auxiliar de laboratório. — É o trabalhador que prepara pelo funcionamento de um ou mais sectores de produção,
o material necessário aos diversos trabalhos de análise ou de apoio à mesma.
ou outros trabalhos de laboratório. Procede à manuten- Encarregado de laboratório. — É o trabalhador respon-
ção, conservação, lavagem e secagem do equipamento, sável pelo funcionamento de uma ou mais actividades de
executando outras tarefas acessórias, podendo manusear laboratório de análises e ou ensaios físico-químicos.
reagentes. Encarregado de manutenção. — É o trabalhador res-
Caixa. — É o trabalhador que tem a seu cargo as ope- ponsável pela execução de trabalhos de reparação e con-
rações de caixa e registo do movimento relativo a tran- servação mecânica, eléctrica e ou construção civil.
sacções, pagamentos e recebimentos, de acordo com os Escolhedor. — É o trabalhador que procede à escolha
respectivos documentos; pode elaborar as folhas de orde- das matérias-primas e produtos por métodos manuais,
nados e salários e prepara os respectivos sobrescritos. Pode retirando-lhes todas as impurezas. Pode desempenhar ro-
preparar os fundos destinados a serem liquidados e tomar tativamente estas funções com as de embalador.
as disposições necessárias para os levantamentos. Escriturário. — É o trabalhador que executa várias
Chefe de equipa (electricista, metalúrgico, produção, tarefas que variam consoante a natureza e importância
vendas e outros). — É o trabalhador que, executando ou do escritório onde trabalha: redige relatórios, cartas, no-
não funções da sua profissão, dirige e orienta o serviço tas informativas e outros documentos, manualmente ou à
inerente às suas funções. máquina, dando-lhes o seguimento adequado; tira as notas
Chefe de secção. — É o trabalhador que coordena, dirige necessárias à execução das tarefas que lhe competem; exa-
e controla o trabalho de um grupo de profissionais de um mina o correio recebido, separa-o, classifica-o e compila
departamento de serviços administrativos ou do sector de os dados que são necessários para preparar as respostas;
produção. elabora, ordena ou prepara os documentos relativos à enco-
Chefe de serviços/departamento. — É o trabalhador menda, distribuição e regularização das compras e vendas;
que, sob orientação superior, coordena, dirige e controla a recebe pedidos de informações e transmite-os à pessoa ou
actividade de serviços e ou departamento de índole admi- serviço competente; põe em caixa o pagamento de contas
nistrativa, industrial, agrícola, comercial ou outras. e entrega recibos; escreve em livros as receitas e despesas,
Chefe de vendas. — É o trabalhador que dirige, coordena assim como outras operações efectuadas e de outros docu-
e controla um ou mais sectores de venda de empresa. mentos para informação da direcção; atende os candidatos
Cobrador. — É o trabalhador que procede, fora dos às vagas existentes, informa-os das condições de admissão,
escritórios, a recebimentos, pagamentos e depósitos ou efectua registos de pessoal e preenche formulários oficiais
outros serviços análogos. relativos ao pessoal ou à empresa; ordena e arquiva notas
Condutor de máquinas e aparelhos de elevação e de livranças, recibos, cartas e outros documentos para
transporte. — É o trabalhador que conduz guinchos, pon- informação da direcção; atende os candidatos às vagas
tes e pórticos rolantes, empilhadores, gruas de elevação e existentes, informa-os das condições de admissão, efectua
quaisquer outras máquinas de força motriz para transporte registos de pessoal e preenche formulários oficiais rela-
e arrumação de materiais ou produtos dentro dos estabe- tivos ao pessoal ou à empresa; ordena e arquiva notas de
lecimentos industriais. livranças, recibos, cartas e outros documentos e elabora
Contínuo. — É o trabalhador que executa diversos dados estatísticos. Acessoriamente nota em estenografia,
serviços tais como anunciar visitantes, encaminhá-los escreve à máquina e opera em máquinas de escritório. Para
ou informá-los; estampilhar e entregar correspondência; além da totalidade ou parte das tarefas acima descritas,
executar diversos serviços tais como entrega de mensa- pode verificar e registar a assiduidade do pessoal, assim
gens e objectos inerentes ao serviço interno e distribuição como os tempos gastos na execução das tarefas, com vista
da correspondência aos serviços a que é destinada. Pode ao pagamento de salários ou outros fins.

1553
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Escriturário principal. — É o trabalhador que executa a responsabilidade dessa execução, monta e repara instru-
tarefas mais exigentes que competem ao escriturário, no- mentos de medida e controlo industrial.
meadamente tarefas relativas a determinados assuntos de Operador de estação elevatória — água e esgotos. — É
pessoal de legislação ou fiscais, apuramentos e cálculos o trabalhador que opera e vigia o funcionamento dos equi-
contabilísticos e estatísticos complexos e tarefas de relação pamentos das instalações de bombagem e elevação de águas
com fornecedores e ou clientes que obriguem a tomadas e esgotos: acciona os comandos da instalação relativos à
de decisões correntes, ou executando as tarefas mais exi- passagem da água pelos filtros, grelhas e sifões e manobra
gentes na secção, colabora directamente com o chefe de as respectivas comportas; regista em mapas os valores
secção e, no impedimento deste, coordena ou controla as observados no equipamento das instalações de bombagem
tarefas de um grupo de trabalhadores administrativos com destinadas à captação e distribuição de água ou dejectos
actividades afins. e colabora na limpeza e conservação dos equipamentos.
Estagiário. — É o trabalhador que auxilia o escriturário Operador de fritadeira. — É o trabalhador que vigia e
e se prepara para essa função. assegura o funcionamento de uma máquina de fritar ba-
Fiel de armazém. — É o trabalhador que, nos armazéns, tatas, nomeadamente preparação da máquina, verificando
regista internamente as entradas e saídas de materiais, fer- a quantidade e qualidade da batata existente no sem-fim
ramentas e produtos, controla e responde pelas existências. da depiladeira. Procede ao enchimento do dispositivo de
Fogueiro. — É o trabalhador que alimenta e conduz lavagem e vigia o funcionamento do dispositivo de fritar.
geradores de vapor, competindo-lhe, além do estabelecido Controla o nível do óleo e a temperatura da máquina.
pelo regulamento da profissão de fogueiro (Decreto-Lei Operador de instalações de tratamento de água. — É
n.º 46 989, de 30 de Abril de 1966), providenciar pelo o trabalhador que opera e vigia instalações de tratamento
bom funcionamento de todos os equipamentos acessórios, e pré-tratamento de água: prepara soluções químicas para
bem como pelo tratamento de água e boa conservação das o tratamento de água a partir de análises efectuadas; in-
instalações. terpreta e regista os resultados de leituras e incidentes de
Guarda. — É o trabalhador encarregado da vigilância exploração; determina o Ph da água e procede às correc-
de edifícios, instalações fabris ou outros locais para os pro- ções necessárias; colabora na vigilância e nos trabalhos
teger, podendo registar saídas ou entradas de mercadorias, de conservação dos equipamentos e zela pela limpeza das
veículos e materiais. instalações e equipamentos.
Guarda-livros. — É o trabalhador que se ocupa da es- Operador de máquinas de contabilidade. — É o traba-
crituração de registos ou de livros de contabilidade, gerais lhador que trabalha com máquinas de registo das operações
ou especiais, analíticos ou sintéticos, selados ou não sela- contabilísticas, faz lançamentos, simples registos ou cálcu-
dos, executando nomeadamente trabalhos contabilísticos
los estatísticos, verifica a exactidão das facturas, recibos e
relativos ao balanço anual e apuramento dos resultados da
outros documentos. Por vezes executa diversos trabalhos de
exploração e do exercício. Pode colaborar nos inventários
das existências, simples ou com juros, e executar trabalhos escritório relacionados com as operações de contabilidade.
conexos. Não havendo secção própria de contabilidade, Operador de máquinas de empacotar. — É o trabalha-
superintende os referidos serviços e tem a seu cargo a dor que vigia e assegura o funcionamento de uma máquina
elaboração de balanços e escrituração dos livros selados automática utilizada para envolver o produto e fechar a res-
ou é responsável pela boa ordem e execução dos trabalhos. pectiva embalagem, nomeadamente preparando a máquina,
Inspector de vendas. — É o trabalhador que inspecciona colocando a bobina de material de envolvimento no eixo da
os serviços dos vendedores, visita os clientes e informa-se máquina e regulando as guiar. Introduz a película através
das suas necessidades, recebe as reclamações dos clientes dos rolos de transporte e prende-os ao mecanismo de em-
e verifica a acção dos inspeccionados pelas notas de en- balar. Regula, se necessário, os sistemas que comandam a
comenda. Pode receber as encomendas. tensão das bobinas e a velocidade das películas. Posiciona
Motorista (pesados ou ligeiros). — É o trabalhador que, o mecanismo eléctrico de termossoldagem para o fecho
possuindo carta de condução profissional, tem a seu cargo lateral das embalagens. Põe a máquina em funcionamento.
a condução de veículos automóveis (pesados ou ligeiros). Vigia a alimentação da máquina. Corrige o funcionamento
Compete-lhe zelar pelo bom estado de funcionamento, da máquina sempre que necessário.
conservação e limpeza da viatura e proceder à verificação Operador de máquinas de pinhão e outros frutos
directa dos níveis de óleo, água e combustível e do estado secos. — É o trabalhador que vigia e assegura o funcio-
de pressão dos pneumáticos. Em caso de avaria ou acidente, namento de uma ou mais máquinas utilizadas para des-
toma as providências adequadas e recolhe os elementos cascar as pinhas e partir o pinhão e outros frutos secos.
necessários para apreciação das entidades competentes. É o responsável pela alimentação das máquinas. Escolhe,
Quando em condução de veículos de carga, compete-lhe lava, seca e ensaca o pinhão.
orientar a carga, descarga e arrumação das mercadorias Operador mecanográfico. — É o trabalhador que abas-
transportadas. tece e opera com máquinas mecanográficas tais como
Motorista vendedor-distribuidor. — É o trabalhador interpretadores, separadoras, reprodutoras, intercaladoras,
que, possuindo carta de condução profissional e condu- calculadoras, tabuladoras; prepara a máquina para o tra-
zindo um veículo de carga, promove, vende e entrega os balho a realizar mediante o programa que lhe é fornecido;
produtos da empresa, zela pela boa conservação da viatura assegura o funcionamento do sistema de alimentação; vigia
e respectiva carga e procede à facturação e cobrança dos o funcionamento e executa o trabalho consoante as indi-
produtos vendidos. cações recebidas; recolhe os resultados obtidos; regista o
Oficial electricista. — É o trabalhador electricista que trabalho realizado e comunica superiormente as anomalias
executa todos os trabalhos da sua especialidade e assume verificadas na sua execução.

1554
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Paquete. — É o trabalhador menor de 18 anos que presta ANEXO II


unicamente os serviços referidos na definição de funções
dos contínuos. Tabela salarial
Pedreiro. — É o trabalhador que, exclusiva ou predomi-
Remunerações mínimas
nantemente, executa alvenarias em tijolo, pedra ou blocos, Níveis Categorias profissionais
mensais (em euros)
podendo também fazer assentamento de manilhas, tubos ou
cantarias, rebocos ou outros trabalhos similares ou com- 0 Director de serviços/divisão. . . . . . . . . . . 1 107,50
plementares, podendo executar serviços de conservação 1 Chefe de serviços/departamento . . . . . . . 1 005,50
e reparação de construção civil. Encarregado fabril . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Porteiro. — É o trabalhador cuja missão consiste em Encarregado de laboratório . . . . . . . . . . .
2 841,50
vigiar as entradas e saídas de pessoal, veículos e mercadoria Encarregado de manutenção . . . . . . . . . .
nas instalações, receber a correspondência e comunicar a Chefe de vendas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
chegada dos visitantes. Ajudante de encarregado fabril . . . . . . . .
Praticante. — É o trabalhador que faz tirocínio para Chefe de secção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
3 Encarregado de armazém. . . . . . . . . . . . . 757,50
qualquer das profissões previstas nesta convenção. Guarda livros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Pré-oficial electricista. — É o trabalhador electricista Tesoureiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
que, tendo completado o tempo de permanência como Chefe de equipa (electricista, metalúrgico,
ajudante, ou satisfazendo as condições escolares exigidas, produção, vendas e outros) . . . . . . . . .
coadjuva os oficiais e, cooperando com eles, executa tra- Escriturário principal . . . . . . . . . . . . . . . .
4 661,50
balhos de menos responsabilidade. Fogueiro principal . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Secretário de direcção . . . . . . . . . . . . . . .
Secretário de direcção. — É o trabalhador que se ocupa
do secretariado específico da administração ou direcção Analista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Caixa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
da empresa. Entre outras, competem-lhe as seguintes fun- Escriturário de 1.ª. . . . . . . . . . . . . . . . . . .
ções: redigir actas das reuniões de trabalho; assegurar, Fiel de armazém. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
por sua própria iniciativa, o trabalho de rotina diária do Fogueiro de 1.º . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Inspector de vendas . . . . . . . . . . . . . . . . .
gabinete; providenciar pela realização das assembleias Motorista de pesados . . . . . . . . . . . . . . . .
gerais, reuniões de trabalho, contratos e escrituras. Pode 5 621,50
Motorista vendedor-distribuidor . . . . . . .
operar eventualmente com telex. Oficial electricista . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Serralheiro mecânico. — É o trabalhador que exe- Operador de máquinas de contabilidade de 1.ª
Operador mecanográfico de 1.ª . . . . . . . .
cuta peças, monta, repara e conserva vários tipos de Pedreiro de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
máquinas, motores e outros conjuntos mecânicos, com Serralheiro mecânico de 1.ª . . . . . . . . . . .
excepção dos instrumentos de precisão e das instalações Vendedor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
eléctricas. Condutor de máquinas e aparelhos de ele-
Servente. — É o trabalhador que executa cargas e des- vação e transporte . . . . . . . . . . . . . . . .
Motorista de ligeiros . . . . . . . . . . . . . . . .
cargas, arruma caixas em paletes e executa trabalhos com- Operador de estação elevatória — águas e
plementares não especializados necessários. Procede ainda esgotos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
à limpeza geral ou parcial da fábrica. Operador de fritadeira . . . . . . . . . . . . . . .
Telefonista. — É o trabalhador que opera numa cabina 6 Operador de instalações de tratamento de 573,50
água . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
ou central, ligando e interligando comunicações telefóni- Operador de máquinas de empacotar. . . .
cas, independentemente da designação técnica do material Operador de máquinas de pinhão e outros
instalado, podendo eventualmente executar outras tarefas frutos secos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
compatíveis com a sua função. Torrador de frutos secos. . . . . . . . . . . . . .
Tesoureiro. — É o trabalhador que dirige a tesoura- Cobrador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
ria, em escritórios em que haja departamento próprio, Escriturário de 2.ª. . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Fogueiro de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
tendo a responsabilidade dos valores de caixa que lhe Operador de máquinas de contabilidade de 2.ª
estão confiados; verifica as diversas caixas e confere as 7 563,50
Operador mecanográfico de 2.ª . . . . . . . .
respectivas existências; prepara os fundos para serem Pedreiro de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Pré-oficial electricista do 2.º ano . . . . . . .
depositados nos bancos e toma as disposições necessá- Serralheiro mecânico de 2.ª . . . . . . . . . . .
rias para levantamentos; verifica periodicamente se o
Ajudante de motorista . . . . . . . . . . . . . . .
montante dos valores em caixa coincide com o que os Ajudante de motorista vendedor-
livros indicam. Pode, por vezes, autorizar certas despesas -distribuidor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
e executar outras tarefas relacionadas com as operações Auxiliar de armazém . . . . . . . . . . . . . . . .
financeiras. Demonstrador/repositor . . . . . . . . . . . . . .
Escriturário de 3.ª. . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Torrador de frutos secos. — É o trabalhador que esco- 8 Fogueiro de 3.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 523,50
lhe, prepara e torra frutos secos e zela pelo bom funcio- Pedreiro de 3.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
namento das respectivas máquinas. Pré-oficial electricista do 1.º ano . . . . . . .
Vendedor. — É o trabalhador que, predominante- Serralheiro mecânico de 3.ª . . . . . . . . . . .
Telefonista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
mente fora do estabelecimento, solicita encomendas,
promove e vende mercadorias ou serviços por conta da Ajudante de electricista do 2.º ano. . . . . .
Auxiliar de laboratório. . . . . . . . . . . . . . .
entidade patronal. Transmite as encomendas ao escri- Estagiário do 2.º ano . . . . . . . . . . . . . . . .
tório central ou delegações a que se encontra adstrito 9 Guarda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 494,50
e envia relatórios sobre as transacções que efectua. Porteiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Praticante do 2.º ano. . . . . . . . . . . . . . . . .
Mantêm-se, no entanto, em vigor os regimes de funções Servente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
praticados na empresa.

1555
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Remunerações mínimas
Contrato colectivo entre a ANCIPA — Associação
Níveis Categorias profissionais
mensais (em euros) Nacional de Comerciantes e Industriais de Pro-
dutos Alimentares e a FESAHT — Federação
Contínuo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação,
10 Embalador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 491,50 Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal
Escolhedor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
(pastelaria, confeitaria e conservação de fru-
Ajudante de electricista do 1.º ano. . . . . . ta — pessoal fabril) — Revisão global.
11 Estagiário do 1.º ano . . . . . . . . . . . . . . . . 478,50
Praticante do 1.º ano. . . . . . . . . . . . . . . . . A presente revisão altera o CCT para a indústria de pas-
Aprendiz. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . telaria, confeitaria e conservação de fruta — pessoal fabril,
12 Paquete. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475,00 publicado no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série,
n.os 28, de 29 de Julho de 2007, 28, de 29 de Julho de 2008
Lisboa, 5 de Março de 2010. e 20, de 29 de Maio de 2009.
Pela ANCIPA — Associação Nacional de Comerciantes
e Industriais de Produtos Alimentares: CAPÍTULO I
Estêvão Miguel de Sousa Anjos Martins, mandatário. Área, âmbito e vigência
Pela FESAHT — Federação dos Sindicatos da Agri- Cláusula 1.ª
cultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de
Portugal: Área e âmbito

Alfredo Filipe Cataluna Malveiro, mandatário. 1 — O presente contrato aplica-se no território nacional
e obriga, por um lado, as empresas que se dediquem ao
Pela FEPCES — Federação Portuguesa dos Sindicatos fabrico de pastelaria (incluindo a congelada), confeitaria e
do Comércio, Escritórios e Serviços: conservação de fruta representadas pela ANCIPA — Asso-
Alfredo Filipe Cataluna Malveiro, mandatário. ciação Nacional de Comerciantes e Industriais de Produtos
Alimentares e, por outro, os trabalhadores ao seu serviço
Declaração com as categorias profissionais nele previstas representa-
dos pelas associações sindicais outorgantes.
A Direcção Nacional da FESAHT — Federação dos 2 — O presente CCT abrange 350 empresas e 4500
Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria trabalhadores.
e Turismo de Portugal declara que outorga esta convenção
em representação dos seguintes sindicatos: Cláusula 2.ª
SINTAB — Sindicato dos Trabalhadores de Agricultura Vigência, denúncia e revisão
e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de 1 — Este contrato entra em vigor nos termos legais,
Portugal; sem prejuízo do disposto no número seguinte.
STIANOR — Sindicato dos Trabalhadores das Indús- 2 — As tabelas salariais e as cláusulas de expressão pe-
trias de Alimentação do Norte; cuniária produzem efeitos a partir de 1 de Janeiro de 2010.
STIAC — Sindicato dos Trabalhadores da Indústria 3 — O período mínimo de vigência deste contrato é
Alimentar do Centro, Sul e Ilhas. de um ano.
Lisboa, 15 de Abril de 2010. — Pela Direcção Nacio- 4 — Por denúncia entende-se o pedido de revisão feito
nal/FESAHT: Rodolfo José Caseiro — Maria das Dores por escrito à parte contrária, acompanhada de proposta
Oliveira Torres Gomes. de alteração.
5 — A parte destinatária da denúncia deve responder
Declaração no decurso dos 30 dias imediatos, contados a partir da
recepção daquela.
Informação da lista de Sindicatos filiados na FEPCES:
6 — As negociações iniciar-se-ão dentro do prazo de 8
CESP — Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, dias a contar da data da recepção da resposta da proposta
Escritórios e Serviços de Portugal; de alteração.
Sindicato dos Trabalhadores do Comércio e Serviços 7 — O presente contrato colectivo de trabalho mantém-
do Minho; -se em vigor até ser substituído, no todo ou em parte, por
Sindicato dos Trabalhadores Aduaneiros em Despa- outro instrumento de regulamentação colectiva.
chantes e Empresas;
STAD — Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de
Portaria, Vigilância, Limpeza, Domésticas e Actividades CAPÍTULO II
Diversas; Admissão e carreira profissional
Sindicato dos Empregados de Escritório, Comércio e
Serviços da Horta. Cláusula 3.ª
16 de Abril de 2010. — (Assinatura ilegível.) Categorias profissionais
Depositado em 26 de Abril de 2010, a fl. 73 do livro n.º 11, Os trabalhadores abrangidos por este contrato colectivo
com o n.º 58/2010, nos termos do artigo 494.º do Código do de trabalho serão classificados nas categorias profissionais
Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro. definidas no anexo I.

1556
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Cláusula 4.ª Cláusula 8.ª


Condições de admissão Substituição

Não poderão ser admitidos menores com idade inferior 1 — A admissão de qualquer trabalhador para desem-
a 16 anos que não possuam as habilitações mínimas legais. penhar as funções de outro cujo contrato se encontre sus-
penso por doença, acidente de trabalho, serviço militar
Cláusula 5.ª obrigatório ou qualquer outro facto que não lhe seja im-
putável é considerada provisória e durará até ao termo do
Informação livre das condições de trabalho impedimento do substituído.
No acto de admissão a entidade patronal entregará ao 2 — Enquanto durar a substituição, o trabalhador substituto
trabalhador documento escrito sobre as condições aplicá- terá direito à mesma retribuição do trabalhador substituído.
veis à relação laboral, nos termos legais. 3 — Se o trabalhador, no entanto, continuar ao serviço
durante mais duas semanas após o regresso do substituído,
Cláusula 6.ª a admissão considerar-se-á definitiva, produzindo efeitos
a contar da data da admissão provisória.
Período experimental 4 — O trabalhador substituto terá a categoria profissio-
1 — Salvo estipulação em contrário, a admissão dos nal do substituído e não poderá ter remuneração inferior
trabalhadores obedece os períodos experimentais previstos à deste.
na lei.
2 — Tendo o período experimental durado mais de 60 Cláusula 9.ª
dias, para denunciar o contrato nos termos previstos no Acessos
número anterior, o empregador tem de dar um aviso prévio
de 7 dias. 1 — A menos que seja acordado regime mais favorável
entre o trabalhador e a entidade patronal, serão classi-
3 — Quando a entidade patronal fizer cessar o contrato,
ficados como aspirantes ou como aprendizes todos os
sem respeitar o aviso prévio fixado no número anterior, o trabalhadores que ingressem na profissão, consoante de-
trabalhador receberá uma indemnização correspondente sempenhem funções, respectivamente, no sector de fabrico
ao período de aviso prévio em falta. ou nos serviços complementares de fabrico e desde que
4 — Findo o período experimental, a admissão torna-se não lhe caiba outra categoria nos termos da cláusula 12.ª
efectiva, contando-se o tempo de serviço a partir da data 2 — Nenhum trabalhador poderá permanecer mais de
da admissão provisória. dois anos na categoria de auxiliar (de fabrico ou dos ser-
5 — Quando qualquer trabalhador transitar de uma em- viços complementares), aspirante ou aprendiz, devendo
presa para outra da qual a primeira seja associada, deverá obrigatoriamente aceder às categorias superiores decorrido
contar-se, para todos os efeitos, a data da admissão na esse prazo.
primeira, bem como a respectiva categoria profissional e 3 — O oficial de 3.ª ou o operário de 2.ª podem, ao fim
demais direitos previstos neste contrato colectivo de traba- de três anos, requerer exame de competência, respectiva-
lho se, entretanto, não for aplicável outro mais vantajoso. mente a oficial de 2.ª e ou a operário de 1.ª, ocupando as
novas vagas na empresa desde que haja vaga no quadro.
Cláusula 7.ª 4 — Independentemente do disposto no número ante-
Contratos de trabalho a termo rior, o oficial de 3.ª ou o operário de 2.ª serão obrigatoria-
mente promovidos a oficial de 2.ª e ou operário de 1.ª logo
1 — Só é permitida a celebração de contratos a termo que cumpram o tempo de cinco anos naquelas categorias.
certo ou incerto de acordo com o disposto na lei. 5 — O oficial de 2.ª e o operário de 1.ª com dois anos
2 — Os contratos celebrados nos termos do número de permanência nessa categoria poderão requerer o com-
anterior deverão obedecer às seguintes condições: petente exame de qualificação, respectivamente a oficial
de 1.ª e a encarregado, ocupando as novas categorias na
a) O contrato não pode ser inferior a um mês; empresa, desde que haja vaga no quadro.
b) As horas suplementares nocturnas relativas ao tra- 6 — O oficial de 1.ª com três anos de permanência nesta
balho a termo regem-se pelas normas constantes deste categoria poderá requerer o competente exame de qualifi-
contrato colectivo de trabalho; cação a mestre ou técnico, ocupando a nova categoria na
c) São devidas a estes trabalhadores todas as regalias empresa desde que haja vaga no quadro.
existentes para os trabalhadores efectivos da empresa, salvo 7 — A proporção do pessoal em relação às diferentes ca-
as relativas à cessação do contrato de trabalho; tegorias é a constante do anexo II, «Quadros obrigatórios».
d) O salário dos trabalhadores contratados a termo será, 8 — As vagas abertas deixadas pelos trabalhadores pro-
no mínimo, o correspondente ao da categoria de auxiliar, movidos serão obrigatoriamente preenchidas.
salvo se as funções desempenhadas se enquadrem nou- 9 — Nenhum trabalhador se poderá recusar a efectuar ta-
tra categoria profissional a que corresponda salário mais refas que digam respeito a categoria igual ou inferior à sua.
elevado.
Cláusula 10.ª
3 — O trabalhador contratado a termo tem direito de
Mudança da entidade patronal
preencher qualquer vaga que se verifique na empresa,
nos termos em que o mesmo direito compete ao pessoal Se um trabalhador transitar de uma empresa para outra,
substituto e logo a seguir a este. dentro do mesmo ramo de actividade, a nova entidade pa-

1557
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

tronal deverá manter-lhe a categoria profissional constante 2 — A cada diuturnidade corresponde uma concessão
do certificado de trabalho emitido pela anterior entidade pecuniária de € 11,80 mensais.
patronal, desde que antes do início da relação laboral este 3 — A promoção de um trabalhador não prejudica o
seja facultado pelo trabalhador à nova entidade patronal. direito que ele tenha a diuturnidades já vencidas.

Cláusula 11.ª Cláusula 16.ª


Quadros de pessoal Subsídio de Natal

As entidades patronais obrigam-se a preencher o qua- 1 — Até ao dia 15 de Dezembro os trabalhadores têm
dro de pessoal com dados relativos ao mês de Outubro e direito a um subsídio correspondente a 100 % da retribui-
respeitantes a todas as pessoas ao seu serviço, indepen- ção mensal.
dentemente do vínculo, os quais serão entregues durante 2 — Com referência ao ano de admissão e ano da ces-
o mês de Novembro. sação do contrato de trabalho, este subsídio será pago
na proporção do tempo de serviço prestado em cada um
CAPÍTULO III desses anos.
3 — Nos casos da suspensão do contrato de trabalho por
Retribuição mínima do trabalhador impedimento prolongado, é devido subsídio de Natal na
parte proporcional ao tempo de trabalho prestado.
Cláusula 12.ª
Retribuição mínima CAPÍTULO IV
1 — Os trabalhadores abrangidos por este CCT são re- Prestação do trabalho
munerados ao mês e têm direito, conforme a sua categoria,
às remunerações mínimas fixadas em anexo. Cláusula 17.ª
2 — Sempre que se torne necessário calcular o salário Horário de trabalho
por hora ou o salário diário utilizar-se-ão as seguintes
fórmulas: O período normal de trabalho é de quarenta horas se-
manais.
a) Salário por hora:
Cláusula 18.ª
Ordenado semanal × 12
Número de horas semanais × 52 Trabalho por turnos

b) Salário diário: 1 — Deverão ser organizados turnos de pessoal, nos ter-


Salário mensal mos da lei, sempre que o período de funcionamento ultra-
30 passe os limites máximos dos períodos normais de trabalho.
2 — As escalas de turnos rotativos só poderão prever
Cláusula 13.ª mudanças de turno após o período de descanso semanal.
3 — A entidade patronal deverá, sempre que possível,
Funções inerentes a outras categorias efectuar a constituição dos turnos até 60 dias antes do seu
1 — Quando algum trabalhador exerça com carácter início e afixá-la com 30 dias de antecedência.
de regularidade funções inerentes a diversas categorias, 4 — São permitidas trocas de turnos entre trabalhadores
receberá a retribuição estipulada para a mais elevada. da mesma especialidade, desde que previamente acordadas
2 — Sempre que, em cumprimento de ordem legítima, entre trabalhadores interessados e a entidade patronal.
o trabalhador execute serviços de categoria superior àquela 5 — Nos casos de prestação de trabalho em regime de
para que está contratado, ser-lhe-á paga a retribuição cor- turnos rotativos, é sempre devido subsídio de turno, sem
respondente a esses serviços. prejuízo do subsídio nocturno, quando devido.
Cláusula 14.ª Cláusula 19.ª
Benefício da refeição Trabalho suplementar
1 — A entidade patronal obriga-se a fornecer gratuita- O trabalho suplementar pode ser prestado para fazer
mente o pequeno-almoço a todos os trabalhadores, desde face a acréscimos eventuais de trabalho ou em casos de
que iniciem o período de trabalho antes das 7 horas. força maior e ainda quando se torne indispensável para
2 — As empresas obrigam-se a conceder aos trabalhadores prevenir ou reparar prejuízos graves para a empresa ou
um subsídio diário de € 4,10, a título de alimentação, por qual- para a sua viabilidade.
quer dia em que prestem, pelo menos, quatro horas de serviço. Os trabalhadores não são obrigados à prestação de tra-
3 — A entidade patronal pode, em vez do pagamento balho suplementar quando, havendo motivos atendíveis,
daquele subsídio, fornecer em espécie o almoço ou o jantar. designadamente a assistência imprescindível ao agregado
familiar, expressamente solicitem a sua dispensa.
Cláusula 15.ª
Diuturnidades
Cláusula 20.ª
Isenção do horário de trabalho
1 — Por cada grupo de cinco anos de trabalho será
concedido ao trabalhador o direito a uma diuturnidade, 1 — Poderá ser concedida isenção do horário de tra-
até ao máximo de seis. balho aos trabalhadores que exerçam cargos de confiança

1558
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

ou de direcção e ainda em categorias profissionais em que b) Dois dias de férias até no máximo duas faltas ou
tal se justifique. quatro meios-dias;
2 — A isenção do horário de trabalho confere ao tra- c) Um dia de férias até no máximo de três faltas ou seis
balhador direito a um subsídio mensal de 20 % a 30 % do meios-dias.
vencimento mensal.
3 — O acordo entre a entidade patronal e o trabalhador 3 — A retribuição referente ao período de férias não
onde se estabelecer a isenção do horário deverá ser reme- pode ser inferior à que os trabalhadores receberiam se
tido à Inspecção-Geral de Trabalho. estivessem em serviço efectivo e deve ser paga antes do
início daquele período.
Cláusula 21.ª 4 — Além da retribuição mencionada no número ante-
Retribuição do trabalho suplementar rior, os trabalhadores têm direito a um subsídio de férias
de montante igual ao dessa retribuição, com excepção dos
1 — O trabalho suplementar dá direito a um acréscimo dias respeitantes ao n.º 2, o qual deve ser pago antes do
da remuneração de 100 %. início daquele período.
2 — Para efeitos do número anterior, e sempre que seja
necessário calcular o salário por hora, usar-se-á a fórmula Cláusula 25.ª
prevista na cláusula 12.ª
Fixação da época de férias
Cláusula 22.ª
1 — A fixação da época de férias deve ser escolhida de
Trabalho nocturno comum acordo entre a entidade patronal e o trabalhador,
1 — Considera-se trabalho nocturno o prestado entre sem prejuízo do disposto na cláusula 26.ª
as 20 e as 7 horas. 2 — Na falta de acordo, caberá à entidade patronal a ela-
2 — O trabalho nocturno será retribuído com o acrés- boração do mapa de férias, fixando-as entre 1 de Maio e 31
cimo de 50 %, sem prejuízo do acréscimo por trabalho de Outubro, ouvindo para o efeito a comissão sindical ou in-
extraordinário, quando a este haja lugar. tersindical, ou os delegados sindicais, pela ordem indicada.
3 — Aos trabalhadores que pertençam ao mesmo agre-
CAPÍTULO V gado familiar deverá ser concedida, desde que o solicitem,
a faculdade de gozarem férias simultaneamente.
Suspensão da prestação de trabalho 4 — No caso previsto no n.º 2 desta cláusula, a época de
férias tem de ser afixada entre 1 de Maio e 31 de Outubro.
SECÇÃO I 5 — A relação de férias tem de ser afixada na empresa
até 15 de Abril de cada ano.
Férias
6 — Uma vez fixado, o período de férias só pode ser al-
terado com o expresso acordo de ambas as partes, cada uma
Cláusula 23.ª delas tendo direito a ser indemnizada pelos prejuízos de-
Direito a férias correntes da alteração, quando devidamente comprovados.
1 — O trabalhador tem direito a férias em virtude do Cláusula 26.ª
trabalhado prestado em cada ano civil, sendo tal direito
irrenunciável. Encerramento total para férias
2 — O direito a férias, bem como o respectivo subsí- 1 — A empresa pode encerrar completamente todas ou
dio, vence-se em 1 de Janeiro do ano civil subsequente algumas das suas secções, para efeito de concessão de férias.
ao da sua admissão, sem prejuízo do disposto no n.º 1 da 2 — O período de encerramento terá de ser acordado
cláusula 24.ª entre a empresa e a comissão sindical e comunicado por
3 — Cessando o contrato de trabalho, o trabalhador tem escrito aos trabalhadores por meio de edital afixado na
direito à parte proporcional das férias e respectivo subsídio empresa até Fevereiro de cada ano.
dos meses decorridos no ano da cessação do contrato. 3 — Nos casos previstos nesta cláusula, as férias têm de
ser concedidas entre 1 de Maio e 30 de Setembro.
Cláusula 24.ª 4 — Ao trabalhador que, durante o encerramento da
empresa, não tiver direito a férias será garantida a remu-
Período de férias
neração do período de inactividade.
1 — Todos os trabalhadores abrangidos por este contrato
colectivo de trabalho terão direito a 22 dias úteis de férias Cláusula 27.ª
remuneradas, excepto no ano de admissão, em que terão Proibição de interrupção de férias
direito, após seis meses de execução do contrato, a 2 dias
É proibido à entidade patronal interromper as férias que
úteis de férias por cada mês de duração do contrato, até
o trabalhador esteja a gozar.
ao máximo de 20 dias úteis.
2 — A duração do período de férias é ainda aumentada
no caso de o trabalhador não ter faltado ou na eventualidade Cláusula 28.ª
de ter apenas faltas justificadas, no ano a que as férias se Doença ou férias e violação do direito a férias
reportam, nos seguintes termos:
1 — As férias não podem coincidir com períodos de
a) Três dias de férias até no máximo uma falta ou dois doença, sem prejuízo do disposto na cláusula 25.ª e no
meios-dias; n.º 4 da cláusula 24.ª

1559
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

2 — Sempre que um período de doença coincida, no canso complementar para os trabalhadores da pastelaria o
todo ou em parte, com o período de férias, considerar-se-ão sábado ou a segunda-feira, ou metade do período normal de
estas como não gozadas na parte correspondente. trabalho do sábado, e para os trabalhadores de confeitaria
3 — Quando se verificar a aludida situação de doença e conservação de fruta, o sábado.
relativamente a um período de férias já iniciado, o traba-
lhador deverá comunicar imediatamente e comprovar o dia Cláusula 32.ª
do início da doença, bem como o seu termo.
Feriados
4 — A entidade patronal que não cumprir, total ou par-
cialmente, as suas obrigações relativas a férias nos termos 1 — São considerados de descanso obrigatório, com
expostos, pagará ao trabalhador, a título de indemnização, direito a remuneração normal e não recuperáveis, os dias
o triplo da retribuição correspondente ao tempo de férias 1 de Janeiro, terça-feira de Carnaval, Sexta-Feira Santa,
que deixou de gozar, bem como o triplo do respectivo Domingo de Páscoa, 25 de Abril, 1 de Maio, Corpo de
subsídio. Deus (festa móvel), 10 de Junho, 15 de Agosto, 5 de Ou-
tubro, 1 de Novembro, 1 de Dezembro, 8 de Dezembro,
Cláusula 29.ª 25 de Dezembro e feriado municipal (da localidade onde
Efeitos da suspensão do contrato o trabalhador presta serviço).
de trabalho por impedimento prolongado 2 — É expressamente proibido o trabalho nos dias 1
de Janeiro, 25 de Abril, 1 de Maio e 25 de Dezembro.
1 — No ano da suspensão do contrato de trabalho por
impedimento prolongado, respeitante ao trabalhador, se
se verificar a impossibilidade total ou parcial do gozo do Cláusula 33.ª
direito de férias já vencido, o trabalhador terá direito à Remuneração em dias de descanso semanal
retribuição correspondente ao período de férias não gozado obrigatório, complementar e feriados
e respectivo subsídio. A remuneração em dias de descanso semanal obrigató-
2 — No ano da cessação do impedimento prolongado, rio, complementar e feriados, quando nestes haja presta-
o trabalhador tem direito, após a prestação de três meses ção de trabalho, é igual ao triplo da remuneração normal.
de efectivo serviço, a um período de férias e respectivo
subsídio equivalentes aos que se teriam vencido em 1 de Cláusula 34.ª
Janeiro desse ano se tivesse estado ininterruptamente ao
serviço. Descanso compensatório
3 — No caso de sobrevir o termo do ano civil antes de 1 — O trabalhador que prestar serviço em dia de des-
decorrido o prazo referido no número anterior ou de gozado
canso semanal obrigatório, além da retribuição referida
o direito a férias, pode o trabalhador usufruí-lo até 30 de
na cláusula 33.ª, terá ainda direito a descansar num dos
Abril do ano civil subsequente.
três dias seguintes.
4 — No caso de incorporação no serviço militar, sendo
conhecida a data da incorporação, com a antecedência 2 — Quando ocorrer prestação de trabalho em dias de
mínima de 40 dias, a entidade patronal deve conceder a descanso semanal complementar e feriado, os trabalhado-
esses trabalhadores as férias vencidas no decurso desse res têm direito a um descanso compensatório remunerado
ano e respectivo subsídio. correspondente a 25 % das horas efectuadas.
3 — O trabalho suplementar confere também direito a
Cláusula 30.ª um descanso compensatório remunerado, correspondente
a 25 % das horas efectuadas.
Férias e cessação do contrato 4 — O descanso compensatório vence-se quando per-
1 — Cessando o contrato de trabalho, a entidade patro- fizer um mínimo de horas igual ao período normal de
nal pagará ao trabalhador a retribuição correspondente ao trabalho diário e deve ser gozado nos 90 dias seguintes.
período de férias vencido e respectivo subsídio salvo se
o trabalhador já as tiver gozado, bem como a retribuição SECÇÃO III
correspondente a um período de férias e subsídio propor-
cionais ao tempo de serviço prestado no próprio ano da Faltas
cessação.
2 — O período de férias não gozadas por motivo de Cláusula 35.ª
cessação do contrato conta-se sempre para efeitos de an- Noção de falta e seu âmbito
tiguidade.
1 — Por falta entende-se a ausência, por inteiro, de um
dia de trabalho.
SECÇÃO II 2 — Nos casos de ausência durante períodos inferio-
Descanso semanal e feriados res a um dia de trabalho, os respectivos tempos serão
adicionados, contando-se essas ausências como faltas,
Cláusula 31.ª desde que perfaçam um ou mais dias completos de tra-
balho.
Descanso semanal
3 — A entidade patronal não poderá, nestas circunstân-
Para os trabalhadores abrangidos por este contrato, o cias, impedir o trabalhador de retomar em qualquer altura
descanso semanal obrigatório é o domingo, sendo o des- o seu trabalho.

1560
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Cláusulas 36.ª mês, manterá direito ao lugar com a categoria, antiguidade


Faltas justificadas
e demais regalias que por este contrato colectivo ou ini-
ciativa da entidade patronal lhe estavam sendo atribuídas.
1 — Os trabalhadores podem faltar, sem perda de qual-
quer direito, designadamente retribuição, férias ou antigui-
dade, nas seguintes condições: CAPÍTULO VI
a) Durante 15 dias seguidos, por altura do casamento; Cessação do contrato
b) Durante cinco dias consecutivos por falecimento de
cônjuge não separado de pessoas e bens ou de parente ou Cláusula 39.ª
afim no 1.º grau na linha recta ou de pessoa que viva em Causas de extinção
união de facto ou economia comum com o trabalhador,
nos termos da lei; O contrato de trabalho pode cessar por:
c) Durante dois dias consecutivos por falecimento de a) Caducidade;
outro parente ou afim na linha recta ou em 2.º grau na b) Revogação;
linha colateral; c) Resolução;
d) Por prestação de provas em estabelecimento de en- d) Denúncia.
sino, nos termos da lei;
e) Por impossibilidade de prestar trabalho devido a facto
Cláusula 40.ª
que não seja imputável ao trabalhador, nomeadamente
doença, acidente ou cumprimento de obrigações legais; Mútuo acordo das partes
f) Por necessidade de prestação de assistência inadiável
1 — A cessação do contrato por mútuo acordo deve sem-
e imprescindível a membros do agregado familiar, nos
pre constar de documento escrito, assinado por ambas as
termos da lei;
partes, em duplicado, sendo um exemplar para cada parte.
g) Ausências não superiores a quatro horas e só pelo
2 — Desse documento podem constar outros efeitos
tempo estritamente necessário, justificadas pelo responsá-
vel pela educação do menor, uma vez por trimestre, para acordados entre as partes, desde que não contrariem as
deslocação à escola, tendo em vista inteirar-se da situação leis gerais do trabalho.
educativa do filho menor; 3 — São nulas as cláusulas segundo as quais as partes
h) Pelos trabalhadores eleitos para as estruturas de re- declarem que o trabalhador não pode exercer direitos ad-
presentação colectiva, nos termos da lei; quiridos ou reclamar créditos vencidos.
i) Por candidatos a eleições para cargos públicos, du- 4 — No prazo de sete dias a contar da data da assinatura
rante o período legal da respectiva campanha eleitoral; do documento referido no n.º 2 desta cláusula, o traba-
j) Autorizadas ou aprovadas pelo empregador; lhador poderá revogá-lo unilateralmente, reassumindo o
k) Que por lei forem como tal qualificadas. exercício do cargo.
5 — No caso de exercer o direito referido no número
2 — Nos casos previstos nas alíneas do número anterior, anterior, o trabalhador perderá a antiguidade que tinha,
a entidade patronal poderá exigir prova da veracidade dos a menos que faça prova de que a declaração de revogar
factos alegados, só sendo as faltas consideradas justificadas o contrato foi devida a dolo ou coacção da outra parte.
quando dadas por ocasião da ocorrência.
3 — As faltas justificadas não determinam a perda de Cláusula 41.ª
retribuição nem a diminuição do período de férias, subsídio Despedimento com justa causa
de férias e subsídio de Natal.
4 — Para efeitos desta cláusula, é considerado cônjuge 1 — A cessação do contrato por despedimento da en-
a pessoa única que viva maritalmente com o trabalhador. tidade patronal com justa causa só poderá verificar-se
quando exista comportamento culposo do trabalhador que,
Cláusula 37.ª pela sua gravidade e consequências, torne imediata e prati-
camente impossível a subsistência da relação de trabalho.
Faltas injustificadas 2 — Constituirão, designadamente, justa causa de des-
1 — Consideram-se injustificadas todas as faltas que pedimento os comportamentos do trabalhador enumerados
não possam integrar-se na cláusula anterior. no n.º 3 do artigo 396.º da Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto,
2 — As faltas injustificadas implicam a perda de retri- ou em qualquer futuro diploma legal que venha a regular
buição, podendo dar origem a processo disciplinar; em esta matéria.
nenhum caso, porém, determinam a redução no período 3 — O apuramento da verificação da justa causa de-
de férias e nos subsídios de férias e de Natal. pende sempre de procedimento disciplinar, nos termos e
segundo preceituado neste contrato colectivo de trabalho
Cláusula 38.ª e na lei geral sobre despedimentos.
4 — Concluindo-se, nas instâncias próprias, que o des-
Impedimentos prolongados
pedimento é inadequado ou injusto, o trabalhador fica
Quando um trabalhador esteja temporariamente im- com direito às prestações pecuniárias que deveria ter nor-
pedido de comparecer ao trabalho, por facto que não lhe malmente auferido desde a data do despedimento até à
seja imputável, nomeadamente serviço militar, doença ou data da sentença, bem como à reintegração na empresa no
acidente e o impedimento se prolongue por mais de um respectivo cargo e com a antiguidade que lhe pertencia.

1561
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

5 — Em substituição da reintegração, o trabalhador 2 — Nos casos previstos na alínea b) do n.º 1 desta cláu-
pode optar por uma indemnização correspondente a um sula, só se considera verificada a impossibilidade quando
mês de ordenado por cada ano completo de casa, não po- ambos os contratantes a conheçam ou devam conhecer.
dendo a indemnização ser inferior a três meses.
6 — Tratando-se de dirigentes ou delegados sindicais, a CAPÍTULO VII
indemnização será o dobro da prevista no número anterior.
7 — Os trabalhadores com mais de 45 anos e, no mí- Deveres e garantias das partes
nimo, 20 anos de casa terão ainda direito a uma indemni-
zação de base de € 25 por cada ano de casa. SECÇÃO I
Deveres
Cláusula 42.ª
Rescisão do trabalhador Cláusula 44.ª
1 — O trabalhador tem o direito de rescindir o contrato Deveres das entidades patronais
de trabalho por decisão unilateral, devendo comunicá-la São deveres das entidades patronais:
por escrito com aviso prévio de dois meses.
2 — No caso de o trabalhador ter menos de dois anos a) Cumprir rigorosamente o contrato;
completos de serviço, o aviso será de um mês. b) Passar ao trabalhador um certificado de trabalho,
3 — Se o trabalhador não cumprir total ou parcialmente, nos termos da lei;
pagará à outra parte, a título de indemnização, o valor da c) Tratar com urbanidade os seus trabalhadores e, sem-
retribuição correspondente ao período do aviso prévio pre que lhes tiverem de fazer qualquer observação ou ad-
em falta. moestação, proceder de modo a não ferir a sua dignidade;
4 — Ocorrendo justa causa, pode o trabalhador fazer d) Exigir do trabalhador apenas trabalho compatível
cessar imediatamente o contrato de trabalho. com a sua profissão;
5 — Constituem justa causa de resolução do contrato e) Prestar ao sindicato todos os elementos relativos ao
pelo trabalhador, nomeadamente, os seguintes comporta- cumprimento do contrato, quando solicitado;
mentos do empregador: f) Providenciar para que haja bom ambiente moral de
trabalho e, na medida do possível, boas condições ma-
a) Falta culposa do pagamento pontual da retribuição; teriais, especialmente no que concerne a comodidade,
b) Violação culposa das garantias legais ou convencio- higiene e segurança;
nais do trabalhador; g) Facilitar a missão dos trabalhadores que sejam diri-
c) Aplicação de sanção abusiva; gentes sindicais, de instituições de previdência ou comis-
d) Falta culposa de condições de higiene e segurança e sões paritárias, nos termos da lei e deste contrato.
saúde no trabalho;
e) Lesão culposa de interesses patrimoniais sérios do Cláusula 45.ª
trabalhador; Deveres dos trabalhadores
f) Ofensas à integridade física ou moral, liberdade, honra
ou dignidade do trabalhador, puníveis por lei, praticadas São deveres dos trabalhadores:
pelo empregador ou seu representante legítimo. a) Exercer com competência, zelo e assiduidade as fun-
ções que lhes forem confiadas;
6 — Constitui ainda justa causa de resolução do contrato b) Guardar segredo profissional;
pelo trabalhador: c) Obedecer à entidade patronal em tudo o que respeite
a) Necessidade de cumprimento de obrigações legais ao objecto do contrato de trabalho;
incompatíveis com a continuação ao serviço; d) Respeitar e fazer-se respeitar dentro dos locais de
b) Alteração substancial e duradoura das condições de trabalho;
trabalho no exercício legítimo de poderes do empregador; e) Zelar pelo bom estado do material que lhe for confiado;
c) Falta não culposa de pagamento pontual da retri- f) Informar, com imparcialidade e isenção, em todos os
buição. aspectos morais, disciplinares e de eficiência e competência
profissionais dos seus subordinados;
7 — A cessação do contrato nos termos das alíneas a) e g) Dar estrito cumprimento a este contrato e observar
f) do n.º 5 desta cláusula confere ao trabalhador o direito os regulamentos internos.
à indemnização prevista nos n.os 5 e 7 da cláusula 41.ª
SECÇÃO II
Cláusula 43.ª Garantias
Caducidade do contrato de trabalho
Cláusula 46.ª
1 — O contrato de trabalho caduca:
Garantias dos trabalhadores
a) Expirado o prazo por que foi estabelecido;
1 — Não é permitido à entidade patronal:
b) Verificando-se impossibilidade superveniente, abso-
luta e definitiva, de o trabalhador prestar o seu trabalho ou a) Exercer pressão sobre o trabalhador para que actue
da empresa o receber; no sentido de influir desfavoravelmente nas condições de
c) Com a reforma do trabalhador. trabalho dele ou dos seus companheiros;

1562
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

b) Transferir o trabalhador para outro local de trabalho Cláusula 49.ª


ou outra zona, fora da unidade em que presta serviço, se Licença por maternidade
essa transferência lhe causar prejuízo devidamente com-
provado. 1 — Os pais trabalhadores têm direito a uma licença
de cinco dias úteis, seguidos ou interpolados, no 1.º mês
2 — Se a transferência a que se refere a alínea b) do a seguir ao nascimento do filho.
número anterior não causar prejuízo sério ao trabalhador, a 2 — O pai tem ainda direito a licença, por período de
entidade patronal poderá transferi-lo desde que lhe custeie duração igual àquele a que a mãe teria direito nos termos
as despesas de transporte e deslocações, cabendo à entidade da alínea a) da cláusula anterior e da ressalva da alínea h)
patronal a prova de inexistência de prejuízo. da mesma cláusula, nos seguintes casos:
3 — Havendo prejuízo, o trabalhador terá sempre direito
a) Incapacidade física ou psíquica da mãe, enquanto
a exigir a indemnização prevista na cláusula 41.ª
esta se mantiver;
b) Morte da mãe;
CAPÍTULO VIII c) Decisão conjunta dos pais.
Condições particulares de trabalho 3 — No caso previsto na alínea b) do número anterior, o
período mínimo de licença assegurado ao pai é de 14 dias.
Cláusula 47.ª 4 — A morte ou incapacidade física ou psíquica da mãe
Protecção à maternidade e paternidade não trabalhadora durante o período de 98 dias imediata-
mente a seguir ao parto confere ao pai os direitos previstos
Para além dos direitos estipulados no presente CCT nos n.os 2 e 3.
para a generalidade dos trabalhadores, são assegurados,
em qualquer caso, sem prejuízo de garantia do lugar ou Cláusula 50.ª
do período de férias, os direitos constantes nas cláusulas
seguintes. Adopção
1 — Em caso de adopção de menor de 15 anos, o can-
Cláusula 48.ª didato a adoptante tem direito a 100 dias consecutivos de
Licença por maternidade licença para acompanhamento do menor, com início a partir
da confiança judicial ou administrativa a que se referem
As trabalhadoras têm os seguintes direitos: os diplomas legais que disciplinam o regime jurídico da
a) A uma licença por maternidade de 120 dias conse- adopção.
cutivos, 90 dos quais necessariamente a seguir ao parto, 2 — Quando a confiança administrativa consistir na
podendo os restantes ser gozados, total ou parcialmente, confirmação da permanência do menor a cargo do adop-
antes ou depois do parto; tante, este tem direito a licença desde que a data em que
b) No caso de nascimentos múltiplos (gémeos), o perí- o menor ficou de facto a seu cargo tenha decorrido há
odo de licença previsto no número anterior é acrescido de menos de 60 dias, até à data em que estes se completem.
30 dias por cada gemelar além do primeiro; 3 — Se ambos os cônjuges forem trabalhadores, o di-
c) Nas situações de risco para a trabalhadora ou para reito referido nos números do casal candidato a adoptante
o nascituro (o que há-de nascer), impeditivo do exercício integralmente ou por ambos, em termo parcial ou sucessi-
de funções, independentemente do motivo que determine vamente, conforme decisão conjunta.
esse impedimento, caso não lhe seja garantido o exercício 4 — O disposto nos n.os 1 e 2 não se aplica se o menor
de funções e ou local compatíveis com o seu estado, a for filho do cônjuge do candidato a adoptante ou se já se
trabalhadora goza do direito de licença, anterior ao parto, encontrar a seu cargo há mais de 60 dias.
pelo período de tempo necessário para prevenir o risco,
fixado por prescrição médica, sem prejuízo da licença por Cláusula 51.ª
maternidade prevista na alínea a); Dispensas para consultas e amamentação
d) Em caso de internamento hospitalar da mãe ou da
criança durante o período de licença a seguir ao parto, este 1 — As trabalhadoras grávidas têm direito a dispensa
período será interrompido, a pedido daquela, pelo tempo de trabalho para se deslocarem a consultas pré-natais pelo
de duração do internamento; tempo e número de vezes necessários e justificados.
e) Em caso de aborto, a mulher tem direito a licença 2 — A mãe que, comprovadamente (por escrito e me-
com duração mínima de 14 dias e máxima de 30 dias; diante apresentação de atestado médico), amamenta o filho
f) Em caso de morte de nado-vivo durante o período tem direito a ser dispensada em cada dia de trabalho por
de licença de parto, o mesmo período poderá ser reduzido dois períodos distintos de duração máxima de uma hora
até 14 dias após o falecimento, sem prejuízo do disposto (cada um), para o cumprimento dessa missão, durante todo
na alínea g); o tempo que durar a amamentação.
g) É obrigatório o gozo de, pelo menos, seis semanas 3 — No caso de não haver lugar à amamentação, a mãe
de licença por maternidade a seguir ao parto; ou o pai trabalhador tem direito, por decisão conjunta, à
h) A gozar as férias a que tenha direito imediatamente dispensa referida no número anterior para aleitação até o
antes ou depois da licença de parto, salvo nos casos em que filho perfazer 1 ano.
as férias devam ser gozadas no sistema de encerramento 4 — No caso de trabalho a tempo parcial, a duração das
total ou parcial da empresa. dispensas referidas nos números anteriores será reduzida

1563
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

na proporção do período normal de trabalho desempe- da baixa e o subsídio mensal atribuído pela segurança social,
nhado. até ao limite de 90 dias em cada ano, seguidos ou alternados.
5 — O direito a dispensa do trabalho nos termos dos 2 — Esta obrigação não existe se o tempo de baixa não
números anteriores efectiva-se sem perda de remuneração exceder 15 dias.
e de quaisquer regalias. 3 — Esta obrigação não existe igualmente para os pri-
meiros sete dias de cada baixa.
Cláusula 52.ª
Suspensão da prestação de trabalho
Cláusula 57.ª
Acidentes de trabalho
O pai ou a mãe trabalhador tem o direito de suspender
a prestação de trabalho pelo período de seis meses, pror- 1 — Em caso de incapacidade temporária por acidente
rogáveis até ao limite de dois anos, a iniciar no termo da de trabalho, a entidade patronal completará o vencimento
licença por maternidade, para acompanhamento do filho. O do trabalhador sinistrado nos termos do disposto nos n.os 1
exercício deste direito depende de pré-aviso dirigido à enti- e 2 da cláusula anterior.
dade patronal até um mês antes do início do período de sus- 2 — Em caso de incapacidade permanente parcial ou
pensão, não podendo o referido período ser interrompido. absoluta, proveniente de acidente de trabalho, a entidade
patronal deverá providenciar no sentido da reconversão
Cláusula 53.ª dos sinistrados para o desempenho de funções compatíveis
Trabalho de menores
com as desvalorizações arbitrada pelo tribunal competente.
3 — No caso de o não efectuar, a entidade patronal deverá
A entidade patronal deve proporcionar aos menores que comprovar as razões da impossibilidade da reconversão.
se encontrem ao seu serviço condições de trabalho adequa-
das à sua idade, prevenindo, de modo especial, quaisquer
danos ao seu desenvolvimento físico, espiritual e moral. CAPÍTULO XI
Segurança, higiene e saúde no trabalho
Cláusula 54.ª
Trabalhador-estudante Cláusula 58.ª
Aos trabalhadores que frequentem qualquer curso de Segurança, higiene e saúde no trabalho
ensino oficial ou equivalente aplicar-se-á o regime esta- 1 — A instalação e a laboração dos estabelecimentos
belecido na lei. industriais devem obedecer às condições necessárias que
garantam a salubridade dos locais de trabalho, bem como
CAPÍTULO IX a higiene, comodidade e segurança dos trabalhadores.
2 — As empresas obrigam-se à aplicação e cumprimento
Formação profissional da legislação sobre segurança, higiene e saúde no local
de trabalho.
Cláusula 55.ª
Obrigações das empresas CAPÍTULO XII
1 — É obrigação da entidade patronal proporcionar Disciplina
aos trabalhadores ao seu serviço a necessária formação,
devendo ser ministrada pela própria empresa ou nas ins- Cláusula 60.ª
tituições acreditadas. Conceito de infracção disciplinar
2 — As empresas devem contribuir para o aperfeiço-
amento profissional dos trabalhadores, facilitando-lhes, É havido como infracção disciplinar do trabalhador, para
quando o solicitem e mereçam, e sempre que possível, a efeitos do presente contrato colectivo, o facto voluntário
frequência de cursos considerados de interesse profissional, doloso, quer consista em acção quer em omissão por ele
sem perda de retribuição. praticada, em violação dos específicos deveres decorrentes
3 — Deverão as empresas cooperar em todas as inicia- desta convenção.
tivas conducentes à criação de cursos de formação geral Cláusula 61.ª
ou profissional.
Processo disciplinar

CAPÍTULO XI 1 — O processo disciplinar deverá iniciar-se no prazo


de 60 dias a partir da data em que a entidade patronal
Segurança social e acidentes de trabalho teve conhecimento da prática das irregularidades que o
determinam.
Cláusula 56.ª 2 — O início da instauração do processo disciplinar,
assim como todas as diligências probatórias, tem de ser
Subsídio de doença
comunicado à comissão ou delegados sindicais da empresa
1 — Em caso de doença devidamente comprovada, a en- (se os houver), que acompanharão todos os trâmites do
tidade patronal completará mensalmente ao trabalhador a di- processo, bem como ao sindicato, que poderá estar repre-
ferença entre a remuneração mensal ilíquida auferida à data sentado para esse efeito.

1564
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

3 — Se o processo estiver parado por mais de 20 dias, sem 2 — O regulamento deverá ser afixado pela empresa e
despacho justificativo ou posição de espera pelo cumpri- distribuído um exemplar a cada trabalhador.
mento de diligências marcadas, deverá ser mandado arquivar.
4 — Além dos autos de ocorrência e de diligências que
forem reputados convenientes de um processo disciplinar CAPÍTULO XIV
constará necessariamente uma nota de culpa e um despa- Actividade sindical na empresa
cho decisório, onde se registarão as conclusões finais e as
eventuais sanções disciplinares a aplicar. Cláusula 66.ª
5 — A infracção, por parte da empresa, do disposto
nos números anteriores implica a nulidade do processo Princípios gerais
disciplinar. 1 — Os trabalhadores e os sindicatos têm direito de
Cláusula 62.ª
organizar e desenvolver a sua actividade sindical dentro
Garantias de defesa da empresa, nos termos da lei geral.
1 — São asseguradas aos trabalhadores as seguintes 2 — À entidade patronal é vedada qualquer interferência
garantias de defesa: na actividade sindical dos trabalhadores ao seu serviço.
a) Os factos de acusação são concreta e especialmente Cláusula 67.ª
levados ao conhecimento do trabalhador através de nota
de culpa reduzida a escrito, ficando uma cópia em poder Comunicação à empresa
do trabalhador; 1 — As direcções sindicais comunicarão à entidade
b) O trabalhador tem direito a apresentar a sua defesa por patronal a identificação dos seus delegados por meio
escrito, bem como o rol de testemunhas no prazo de 10 dias; de carta registada, com aviso de recepção, de que será
c) Todas as testemunhas indicadas pelo trabalhador têm afixada cópia nos locais reservados às comunicações
de ser ouvidas até ao máximo de 10 dias; sindicais, bem como daqueles que integram comissões
d) O processo disciplinar não será dado por concluído
sindicais de empresa.
e nenhuma sanção poderá ser aplicada sem que o sin-
dicato tenha conhecimento e cópia de todo o processo. 2 — O mesmo procedimento deverá ser observado no
caso de substituição ou cessação de funções.
2 — Qualquer sanção aplicada sem precedência de
processo disciplinar ou com qualquer irregularidade será Cláusula 68.ª
considerada nula e abusiva. Garantias dos dirigentes sindicais

Cláusula 63.ª Sem prejuízo de normas legais imperativas, são garan-


tias dos dirigentes sindicais:
Suspensão do trabalhador
a) Os trabalhadores eleitos para a direcção, ou órgão
1 — A empresa pode suspender, no início ou no decurso directivo equivalente, dos organismos têm direito a um
do processo disciplinar, o trabalhador, se a presença deste crédito de quatro dias por mês, sem perda de remunera-
se mostrar inconveniente. ção, devendo a utilização ser comunicada, por escrito, à
2 — Porém, não é lícito, em qualquer dos casos aponta- entidade patronal respectiva;
dos no n.º 1, suspender o pagamento da retribuição.
b) Para além do crédito atribuído, os mesmos traba-
3 — O trabalhador, bem como o sindicato, será avisado,
por escrito, da suspensão. lhadores deverão ser sempre dispensados, sem direito
a remuneração, pelo tempo necessário ao exercício das
Cláusula 64.ª suas obrigações, quando tal necessidade seja comuni-
cada pela associação sindical, nos termos do número
Sanções disciplinares anterior.
As sanções disciplinares aplicáveis são as seguintes:
Cláusula 69.ª
a) Repreensão simples ou admoestação verbal;
b) Repreensão registada; Direitos e deveres dos delegados sindicais
c) Suspensão com perda de retribuição de 1 a 12 dias; Aos delegados sindicais são assegurados os seguintes
d) Despedimento. direitos:
a) Um crédito de oito horas por mês, para o exercício
CAPÍTULO XIII das suas funções, sem prejuízo da remuneração ou de
Regulamentos internos qualquer outra vantagem decorrente da actividade de
serviço;
Cláusula 65.ª b) Para os efeitos da alínea anterior, deverão os delega-
dos sindicais avisar por escrito a entidade patronal com a
Regulamentos internos antecedência mínima de um dia;
1 — As entidades patronais poderão elaborar regula- c) Não serem transferidos do local de trabalho sem o
mentos internos desde que não colidam com os termos seu acordo e sem prévio conhecimento da direcção do
deste contrato ou da lei geral. sindicato respectivo.

1565
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Cláusula 70.ª ANEXO I

Actividade sindical na empresa Categorias profissionais


A entidade patronal é obrigada a:
Sector de fabrico
a) Nos estabelecimentos com mais de 50 trabalhado-
res, pôr à disposição dos delegados sindicais, quando Mestre ou técnico. — É o trabalhador que planifica,
estes o solicitem, um local apropriado para o exercí- dirige, distribui, coordena e fiscaliza todas as tarefas e
cio das suas funções; nas empresas com mais de 150 fases do trabalho fabril, nele intervindo onde e quando
trabalhadores, a atribuição desse local seria a título necessário.
permanente; Técnico de higiene e qualidade. — É o trabalhador que,
possuindo reconhecidos conhecimentos e uma elevada
b) Facultar aos trabalhadores a realização de reuniões
preparação para o desempenho da sua actividade, procede
nos locais de trabalho fora do horário normal, desde que aprofundadamente a estudos sobre o controlo da quali-
convocadas por no mínimo um terço ou 50 trabalhadores dade das matérias-primas, produtos em transformação e
do respectivo estabelecimento ou pela comissão sindical produtos acabados, de acordo com as normas e programas
ou intersindical dos delegados e desde que assegurada a preestabelecidos. Procede à elaboração de gráficos e rela-
normalidade da laboração; tórios com o objectivo de eliminar defeitos. Procura as suas
c) Facultar local apropriado para os delegados sindicais causas e apresenta sugestões fundamentadas por escrito.
poderem afixar no interior da empresa textos, convocató- Oficial de 1.ª — É o trabalhador que prepara massas,
rias, comunicações ou informações relativas à vida sindical desde o início da sua preparação, vigia temperaturas e
e aos interesses sócio-profissionais dos trabalhadores e pontos de cozedura e age em todas as fases do fabrico
permitir-lhes a distribuição dos mesmos documentos no dirigindo o funcionamento das máquinas, em tudo proce-
interior da empresa, mas sem prejuízo, em qualquer dos dendo de acordo com as instruções do mestre ou técnico,
casos, da laboração normal; substituindo-o nas suas faltas e impedimentos.
d) Sem prejuízo do funcionamento dos serviços de Controlador de qualidade. — É o trabalhador que, no
natureza essencial, autorizar reuniões dos trabalhado- abrigo das normas e especificações existentes e sob a orien-
res durante o horário de serviço, até no máximo de tação do seu chefe directo, procede predominantemente ao
quinze horas por ano, sem perda de retribuição ou de controlo físico da qualidade do produto acabado nas suas
direitos decorrentes da efectividade de trabalho, desde várias fases de produção. Determina a recolha de amos-
que convocadas pela comissão sindical ou intersindi- tras segundo padrões previamente estabelecidos. Regista
cal, com conhecimento de um dia e com a afixação de periodicamente o peso das embalagens à saída das linhas
convocatória. de produção e no armazém de saídas. Chama a atenção
do responsável quando verifica pesos anormais. Elabora
Cláusula 71.ª relatórios diários.
Oficial de 2.ª — É o trabalhador que trabalha com o
Quotização forno, qualquer que seja a sua área, coadjuva o oficial de
1 — As entidades patronais, enquanto abrangidas por 1.ª no exercício das suas funções e o substitui nas suas
este contrato, obrigam-se a liquidar ao sindicato, até ao dia faltas e impedimentos.
Oficial de 3.ª — É o trabalhador que trabalha com as
10 de cada mês, as verbas correspondentes à quotização
máquinas e delas cuida, não sendo responsável pelo seu
sindical, acompanhadas dos mapas de quotização conve- funcionamento, e coadjuva os oficiais de 1.ª e 2.ª nas suas
nientemente preenchidos. funções, substituindo este nas suas faltas e impedimentos.
2 — O desconto das verbas de quotização nos venci- Auxiliar de fabrico. — É o trabalhador que tem a seu
mentos dos trabalhadores sindicalizados só será processado cargo a movimentação de produtos e matérias-primas e ou
mediante autorização por escrito dos interessados, em operações auxiliares de fabrico.
modelo a fornecer ao sindicato. Aspirante. — É o trabalhador que, ingressando na pro-
fissão, inicia a sua preparação profissional no âmbito das
CAPÍTULO XV funções dos oficiais e do auxiliar de fabrico.

Disposições gerais e transitórias Serviços complementares de fabrico


Encarregado. — É o trabalhador que dirige, coordena
Cláusula 72.ª e executa tarefas de embalagem de produtos fabricados ou
Manutenção das regalias adquiridas outros serviços complementares.
Operário de 1.ª — É o trabalhador que executa tare-
1 — Da aplicação do presente contrato não poderão fas de lavagem, descasque e corte de fruta, pesagem de
resultar prejuízos para os trabalhadores, designadamente matérias-primas em fase anterior do fabrico, operações
baixa de categoria, bem como diminuição de retribui- de embalagem e afins e outros serviços complementares
ção ou de outras regalias de carácter regular ou perma- de pós-fabrico, competindo-lhe ainda a arrumação do seu
nente. posto de trabalho. Substitui o(a) encarregado(a) nas suas
2 — Consideram-se expressamente aplicáveis todas faltas e impedimentos.
as disposições legais que estabeleçam tratamento mais Operário de 2.ª — É o trabalhador que coadjuva o(a)
favorável do que o presente contrato. operário(a) de 1.ª, substituindo-o nas suas faltas e impedi-

1566
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

mentos, dentro da mesma linha de funções. Compete-lhe Remunerações mínimas


igualmente a arrumação do seu posto de trabalho. mensais (em euros)
Designação
Auxiliar de serviços complementares. — É o trabalhador Pastelaria
Confeitaria e
conservação de
que executa tarefas auxiliares no âmbito exclusivo dos fruta
serviços complementares de fabrico, definidas para o(a)
operário(a) de 1.ª Auxiliares de serviços complementares. . . . . 476,50 476,50
Aprendiz. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475 475
Aprendiz. — É o trabalhador que, ingressando na pro-
fissão, inicia a sua preparação profissional no âmbito de
funções dos(as) operário(as). Lisboa, 7 de Abril de 2010.
ANEXO II Pela ANCIPA — Associação de Comerciantes e Indus-
triais de Produtos Alimentares:
Quadros obrigatórios
Estêvão Miguel de Sousa Anjos Martins, mandatário.
1 — É obrigatória a existência de um mestre em todas
as firmas com mais de seis trabalhadores ao seu serviço. Pela FESAHT — Federação dos Sindicatos de Agri-
2 — É obrigatória a existência de oficiais de 1.ª em cultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de
todas as firmas, independentemente do número de tra- Portugal:
balhadores, quando não exista o lugar de mestre na res- Alfredo Filipe Cataluna Malveiro, mandatário.
pectiva firma.
3 — Nas firmas com mais de três trabalhadores ao seu Declaração
serviço, é sempre obrigatória a existência de oficiais de 1.ª
4 — Os oficiais de 2.ª não poderão exceder a proporção A direcção nacional da FESAHT — Federação dos Sin-
de dois por cada oficial de 1.ª dicatos de Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e
5 — Os oficiais de 3.ª não poderão exceder a proporção Turismo de Portugal declara que outorga esta convenção
de três por cada oficial de 2.ª em representação de:
6 — Os auxiliares de fabrico não poderão exceder nú- SINTAB — Sindicato dos Trabalhadores de Agricultura
mero igual à soma de todos os oficiais de 1.ª, 2.ª e 3.ª e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de
7 — Os aspirantes não poderão exceder o número de Portugal;
auxiliares. STIANOR — Sindicato dos Trabalhadores das Indús-
8 — É obrigatória a existência de um(a) encarregado(a) trias de Alimentação do Norte;
em todas as empresas com mais de 25 trabalhadores dos STIAC — Sindicato dos Trabalhadores da Indústria
serviços complementares ao seu serviço. Alimentar do Centro, Sul e Ilhas.
9 — É obrigatória a existência de operários(as) de 1.ª em
todas as empresas com mais de três trabalhadores dos Lisboa, 16 de Abril de 2010. — Pela Direcção Nacio-
serviços complementares ao seu serviço. nal/FESAHT: Rodolfo José Caseiro — Maria das Dores
10 — Os(as) operários(as) de 2.ª não poderão exceder Oliveira Torres Gomes.
a proporção de 2 operário(a) de 1.ª
Depositado em 22 de de Abril de 2010, a fl. 73 do livro
11 — Os auxiliares dos serviços complementares não
n.º 11, com o n.º 55/2010, nos termos do artigo 494.º do
poderão exceder o dobro da soma do número de operários
Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12
de 1.ª e 2.ª
de Fevereiro.
12 — Os aprendizes não poderão exceder o número de
auxiliares dos serviços complementares.

ANEXO III

Tabela salarial
Contrato colectivo entre a ANIECA — Associação
Remunerações mínimas Nacional dos Industriais do Ensino de Con-
mensais (em euros) dução Automóvel e a FETESE — Federação
Designação
Pastelaria
Confeitaria e
conservação de
dos Sindicatos dos Trabalhadores de Servi-
fruta ços — Revisão global.
Sector de fabrico
Mestre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 703 638,50 CAPÍTULO I
Técnico de higiene e qualidade . . . . . . . . . . . 668 598,50
Oficial de 1.ª. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 639,50 562 Área, âmbito e vigência
Controlador de qualidade. . . . . . . . . . . . . . . . 608 530,50
Oficial de 2.ª. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 576,50 502,50 Cláusula 1.ª
Oficial de 3.ª. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 522 480
Auxiliar de fabrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 481 477 Área e âmbito
Aspirante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475 475
Sectores complementares de fabrico 1 — O presente CCT aplica-se em todo o território
Encarregado (a) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 522 490 nacional e obriga, por um lado, as empresas do sector de
Operário(a) de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 485 483 ensino de condução automóvel representadas pela ANIE-
Operário(a) de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 481,50 477 CA — Associação Nacional dos Industriais do Ensino de

1567
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Condução Automóvel e, por outro, os trabalhadores ao seu cação de justa causa, não havendo direito a qualquer
serviço das categorias nele previstas, desde que represen- indemnização.
tados pelas associações sindicais outorgantes. 2 — O período experimental corresponde ao período ini-
2 — Para cumprimento do disposto na alínea g) do cial de execução do contrato e tem a seguinte duração:
artigo 492.º, conjugado com o artigo 496.º do Código do
Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, a) 90 dias para a generalidade dos trabalhadores;
serão abrangidos por esta convenção aproximadamente b) 180 dias para os trabalhadores que exerçam cargos de
650 empregadores e 4000 trabalhadores. complexidade técnica, elevado grau de responsabilidade
ou que pressuponham uma especial qualificação.
Cláusula 2.ª
3 — A denúncia do contrato por parte do empregador,
Vigência e denúncia cujo período experimental tenha durado mais de 60 ou de
1 — Este CCT entra em vigor nos termos legais e é 120 dias, está sujeita, respectivamente, a pré-aviso de 7
válido por um período de três anos, sem prejuízo, para ou de 15 dias.
efeitos de denúncia e processo de revisão, do disposto nos 4 — A antiguidade do trabalhador é considerada desde
números seguintes. o início do período experimental.
2 — O período de vigência da tabela salarial e demais 5 — Salvo acordo expresso por escrito em contrá-
cláusulas de expressão pecuniária é de um ano. rio, quando qualquer trabalhador for transferido de uma
3 — A denúncia pode ser feita por qualquer das partes empresa para outra da qual a primeira seja associada ou
com a antecedência de, pelo menos, três meses, em relação tenha administradores comuns, ou ainda em resultado da
aos seus prazos de vigência. fusão ou absorção de empresas, contar-se-á para todos os
4 — Por denúncia entende-se o pedido de revisão feito efeitos a data de admissão na primeira, mantendo o traba-
por escrito à parte contrária, acompanhado da proposta lhador o direito a todas as regalias anteriores.
de revisão.
5 — A parte destinatária da denúncia deve responder Cláusula 5.ª
no decurso dos 30 dias imediatos, contados a partir da
recepção daquela. Admissão para efeitos de substituição
6 — As negociações iniciar-se-ão dentro dos 15 dias 1 — A admissão de qualquer trabalhador para efei-
a contar da data da recepção da resposta à proposta de tos de substituição temporária entende-se sempre feita
alteração. por contrato a termo e desde que esta circunstância e o
7 — A tabela salarial e demais cláusulas de expressão nome do trabalhador a substituir constem de documento
pecuniária produzem efeitos a partir de 1 de Janeiro até escrito.
31 de Dezembro de cada ano. 2 — O trabalhador admitido nos termos do n.º 1 desta
cláusula tem direito às partes proporcionais do subsídio de
CAPÍTULO II Natal e do período de férias e respectivo subsídio.
3 — No caso do trabalhador admitido nestas cir-
Admissão e carreira profissional cunstâncias continuar ao serviço no termo do contrato
ou período de prorrogação e tendo-se já verificado o
Cláusula 3.ª regresso do trabalhador substituído deverá a admissão
Condições de admissão considerar-se definitiva, para todos os efeitos, no caso
do termo certo ou passados 15 dias sobre o regresso do
1 — São condições gerais de admissão as habilitações trabalhador substituído, no caso do contrato a termo
escolares mínimas obrigatórias correspondentes à idade
incerto.
de nascimento, a habilitação profissional, quando for caso
disso, e o certificado de aptidão profissional ou outro título
profissional, sempre que requerido para o exercício da pro- Cláusula 6.ª
fissão, sem prejuízo do disposto nos números seguintes. Quadros de pessoal
2 — Instrutor de condução automóvel — as habilitações
escolares e profissionais exigidas por lei. A empresa obriga-se a organizar e a apresentar, nos
3 — Trabalhadores administrativos — as condições de termos legais, às entidades competentes o quadro do seu
admissão para o desempenho de funções administrativas pessoal.
são o curso do ensino secundário correspondente à idade
de nascimento, a habilitação profissional, quando for caso Cláusula 7.ª
disso, e o certificado de habilitação profissional ou outro Categorias profissionais
título profissional, sempre que requerido para o exercício
da profissão. 1 — Os trabalhadores abrangidos por este CCT serão
classificados de harmonia com as suas funções, em con-
Cláusula 4.ª formidade com as categorias constantes do anexo I.
2 — É vedado à empresa atribuir aos trabalhadores
Período experimental
categorias diferentes das previstas neste CCT, salvo
1 — Durante o período experimental, salvo acordo se daí resultar benefícios para o trabalhador. Em todos
escrito em contrário, qualquer das partes pode rescindir os documentos que haja de elaborar por força dos pre-
o contrato sem aviso prévio e sem necessidade de invo- ceitos regulamentares das relações de trabalho, deve a

1568
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

empresa usar sempre a mesma designação na classificação rança, higiene e saúde no trabalho ou numa língua
profissional. estrangeira.
3 — Quando um trabalhador exercer normalmente fun- 3 — O trabalhador pode acumular os créditos anuais
ções correspondentes a várias categorias profissionais, de formação até ao máximo de três anos, caso não seja
manterá a que corresponde às funções de nível mais alto assegurada pelo empregador por motivo que lhe seja
com a correspondente remuneração. imputável, para frequentar cursos ou acções de forma-
ção profissional, por sua iniciativa, mediante comunica-
Cláusula 8.ª ção prévia ao empregador com a antecedência mínima
Dotações mínimas de 10 dias ou na data que tenha conhecimento da sua
O número de estagiários administrativos não pode exce- admissão.
der 50 % do número de efectivos administrativos, salvo no 4 — O crédito de horas para formação é referido ao
caso de haver um único trabalhador administrativo em que período normal de trabalho, confere direito a retribuição
poderá haver um estagiário. e conta como tempo de serviço efectivo.
5 — Cessando o contrato de trabalho, o trabalhador tem
Cláusula 9.ª direito a receber a retribuição correspondente ao crédito
Formação profissional — Princípios gerais
de horas para a formação que não tenha utilizado nos
últimos três anos.
1 — A formação profissional é um direito e um dever,
quer do empregador quer dos trabalhadores, tendo em Cláusula 11.ª
vista o incremento da produtividade e da competitividade
das empresas e o desenvolvimento das qualificações dos Regime de promoções
trabalhadores e da sua certificação. Constitui promoção a passagem de um trabalhador a
2 — O empregador deve assegurar acções de formação categoria ou grau superior dentro da mesma profissão
visando o desenvolvimento e a qualificação profissional
ou ainda a mudança para funções de natureza efectiva
dos trabalhadores afectando, para o efeito, os recursos
financeiros necessários. e permanente diferente a que corresponda um nível de
3 — O empregador deve assegurar, nos termos desta retribuição mais elevado, sem prejuízo do disposto na
convenção e da legislação em vigor, o acesso dos traba- cláusula 7.ª e nos termos do anexo II.
lhadores a cursos de formação profissional certificada, a
frequência de acções de formação sindical certificada nas Cláusula 12.ª
mesmas condições do número anterior e o tempo indis- Certificados
pensável para o tratamento administrativo do CAP com
vista à sua obtenção. 1 — Ao cessar o contrato de trabalho, a empresa
4 — Para o exercício do direito à formação profissional deve passar ao trabalhador um certificado onde conste o
o empregador assume a responsabilidade de elaborar um tempo durante o qual esteve ao seu serviço e o cargo que
plano de formação anual, comprometendo-se a proporcio- desempenhou.
nar formação contínua anual a um mínimo de 10 % do total 2 — O certificado não pode conter quaisquer outras
dos trabalhadores com contrato sem termo. referências, salvo quando expressamente requeridas pelo
5 — O trabalhador deve frequentar as acções de forma- trabalhador.
ção profissional que o empregador promova ou subsidie.
6 — O trabalhador deve manter e aperfeiçoar perma- CAPÍTULO III
nentemente as aptidões profissionais e, em especial, cuidar
do seu aperfeiçoamento profissional. Noções de local de trabalho
7 — Qualquer trabalhador devidamente qualificado
deverá, quando tal lhe for determinado, ministrar formação Cláusula 13.ª
profissional a outros trabalhadores da empresa.
Local de trabalho
8 — Os planos de formação anuais e plurianuais deverão
ser disponibilizados para informação e consulta dos tra- 1 — Considera-se local de trabalho aquele que se encon-
balhadores e dos sindicatos subscritores desta convenção, tra contratualmente definido ou a que o trabalhador se
precedendo o início da sua execução. encontra adstrito.
2 — O empregador pode transferir o trabalhador para
Cláusula 10.ª outro local de trabalho nas situações legalmente previstas.
Crédito de tempo e condições de aplicação 3 — O local de trabalho pode ser livremente alte-
rado desde que haja acordo entre o trabalhador e o
1 — O empregador reconhece a todos os trabalhadores
o direito a 35 horas anuais de formação. empregador.
2 — No caso do empregador não fornecer forma- 4 — No caso de transferência definitiva, o traba-
ção certificada, com a duração mínima referida no lhador pode resolver o contrato se tiver prejuízo sério,
n.º 1, o trabalhador tem direito ao crédito referido tendo direito a indemnização correspondente a um
nesse número, devendo a formação ter correspondência mês de retribuição por cada ano de serviço, salvo se o
com a actividade prestada ou respeitar a qualificações empregador provar que da mudança não resulta pre-
em tecnologia de informação e comunicação, segu- juízo sério.

1569
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

CAPÍTULO IV ou a segunda-feira de descanso complementar, conforme


opção, nos termos dos n.os 1 e 2 da cláusula 14.ª
Prestação de trabalho
Cláusula 18.ª
Cláusula 14.ª
Feriados
Período normal de trabalho
1 — São considerados, para todos os efeitos, como
1 — O período normal de trabalho para os instruto- feriados obrigatórios os seguintes dias:
res de condução automóvel é de 40 horas semanais, não
podendo ser superior a oito horas diárias, distribuídas por 1 de Janeiro;
cinco dias. Sexta-Feira Santa;
O período normal de trabalho pode ser também efectu- Domingo de Páscoa;
ado ao sábado, sendo neste caso a prestação de trabalho 25 de Abril;
deste dia compensada por dia de descanso na segunda- 1 de Maio;
-feira imediata. Corpo de Deus;
2 — O período normal de trabalho para os trabalhadores 10 de Junho;
administrativos é de 38 semanais, distribuídas por cinco 15 de Agosto;
dias, de segunda-feira a sexta-feira, podendo ser também 5 de Outubro;
efectuado ao sábado e compensado nos mesmos termos 1 de Novembro;
do número anterior, sem prejuízo de horários de menor 1 de Dezembro;
duração em vigor. 8 de Dezembro;
3 — O período normal de trabalho para todos os tra- 25 de Dezembro.
balhadores abrangidos poderá ser fixado entre as 7 e as
22 horas. 2 — O feriado de Sexta-Feira Santa poderá ser obser-
4 — O período de descanso para as refeições não poderá vado em outro dia com significado local no período da
ser inferior a uma hora nem superior a duas horas, devendo Páscoa.
ser fixado entre as 12 e as 15 horas ou entre as 18 e as 3 — Além dos feriados obrigatórios mencionados no
20 horas, de acordo com a organização dos períodos de n.º 1 desta cláusula, serão observados a terça-feira de car-
trabalho em vigor na empresa. naval e o feriado municipal da localidade.
5 — Nenhum trabalhador pode prestar serviço durante 4 — Em substituição dos feriados referidos no número
mais de cinco horas seguidas. anterior, poderá ser observado, a título de feriado, qual-
quer outro dia em que acordem o empregador e os
trabalhadores.
Cláusula 15.ª
Trabalho suplementar Cláusula 19.ª
1 — Considera-se trabalho suplementar todo o serviço Férias
prestado fora do período normal de trabalho.
1 — Os trabalhadores abrangidos por este CCT terão
2 — Só nos casos previstos na legislação em vigor direito a gozar em cada ano civil, sem prejuízo da retribui-
poderá haver lugar à prestação de trabalho suplementar. ção normal, um período de férias de 22 dias úteis.
3 — A prestação de trabalho suplementar não exce- 2 — A duração do período de férias é aumentada no
derá as duas horas diárias, nem ultrapassará, no total, as caso de o trabalhador não ter faltado ou na eventualidade
200 horas anuais. de ter apenas faltas justificadas, no ano a que as férias se
4 — O empregador deve ter um registo de trabalho reportam, nos seguintes termos:
suplementar em que são anotadas as horas do início da
prestação de trabalho suplementar e do seu termo. a) Três dias de férias até ao máximo de uma falta ou
dois meios-dias;
Cláusula 16.ª b) Dois dias de férias até ao máximo de duas faltas ou
quatro meios-dias;
Trabalho nocturno c) Um dia de férias até ao máximo de três faltas ou seis
O trabalho prestado entre as 21 horas de um dia e as meios-dias.
7 horas do seguinte é considerado trabalho nocturno, o
qual será remunerado nos termos da lei. 3 — Para efeitos do número anterior, são equiparados
a faltas os dias de suspensão do contrato de trabalho por
facto respeitante ao trabalhador. Não são consideradas
CAPÍTULO V como faltas as seguintes licenças:
Suspensão da prestação de trabalho a) Licença em situação de risco clínico durante a
gravidez;
Cláusula 17.ª b) Licença por interrupção de gravidez;
Descanso semanal
c) Licença parental em qualquer das modalidades;
d) Licença por adopção;
O dia de descanso semanal para todos os trabalhadores e) Licença parental complementar em qualquer das
abrangidos por este CCT é o domingo, sendo o sábado modalidades.

1570
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

4 — O direito a férias reporta-se ao trabalho prestado no 17 — O mapa de férias é elaborado pelo empregador,
ano civil anterior, adquire-se com a celebração do contrato com a indicação do início e do termo dos períodos de
e vence-se no dia 1 de Janeiro de cada ano civil. férias de cada trabalhador, até 15 de Abril de cada ano
5 — No ano da admissão, o trabalhador tem direito e mantém-se afixado nos locais de trabalho até 31 de
a dois dias úteis de férias por cada mês de duração do Outubro.
contrato, até 20 dias úteis, a gozar após seis meses com-
pletos de execução do contrato ou, no caso de o ano civil Cláusula 20.ª
terminar antes de decorrido este prazo, até 30 de Junho
do ano seguinte. Interrupção de férias
6 — A marcação do período de férias deve ser feita por
mútuo acordo. Na ausência de acordo, caberá ao empre- 1 — Sempre que um período de doença comprovada
gador marcar o período de férias entre 1 de Maio e 31 de por declaração de estabelecimento hospitalar, centro de
Outubro. saúde ou por atestado médico coincida, no todo ou em
7 — Se, depois de marcado o período de férias, exigên- parte, com o período de férias, considerar-se-ão estas não
cias imperiosas do funcionamento da empresa determina- gozadas na parte correspondente.
rem o adiamento ou a interrupção das férias já iniciadas, 2 — Quando se verifique a situação prevista no número
o trabalhador tem direito a ser indemnizado pela entidade anterior, relativamente a um período de férias já iniciadas, o
patronal dos prejuízos que comprovadamente haja sofrido trabalhador deverá comunicar à entidade patronal o dia do
na pressuposição de que gozaria integralmente as férias início da doença, bem como o do seu termo, devidamente
na época fixada. comprovado.
8 — A interrupção das férias não poderá prejudicar o 3 — O período de férias restante poderá ser gozado na
gozo seguido de metade do período a que o trabalhador
altura em que as partes acordarem, ou, na falta de acordo,
tenha direito.
9 — Haverá lugar a alteração do período de férias logo após a alta.
sempre que o trabalhador na data prevista para o seu início
esteja temporariamente impedido por facto que não lhe seja Cláusula 21.ª
imputável, cabendo ao empregador, na falta de acordo, Férias em caso de cessação do contrato
a nova marcação do período de férias, sem sujeição ao
disposto no n.º 6 desta cláusula. Cessando o contrato de trabalho, o empregador pagará
10 — Terminando o impedimento antes de decorrido ao trabalhador a retribuição, incluindo subsídio, correspon-
o período anteriormente marcado, o trabalhador gozará dente ao período de férias vencido, salvo se o trabalhador
os dias de férias ainda compreendidos neste período, já as tiver gozado, bem como a retribuição e subsídio
aplicando-se quanto à marcação dos dias restantes o dis- correspondentes a um período de férias proporcional ao
posto no número anterior. tempo de serviço prestado no ano da cessação.
11 — Nos casos em que a cessação do contrato de tra-
balho está sujeita a aviso prévio, a entidade empregadora Cláusula 22.ª
poderá determinar que o período de férias seja antecipado
para o momento imediatamente anterior a data prevista Licença sem retribuição
para a cessação do contrato. O empregador pode conceder ao trabalhador, a seu
12 — Aos trabalhadores do mesmo agregado familiar
pedido, licença sem retribuição. O período de licença sem
que estejam ao serviço da mesma empresa será concedida
a faculdade de gozarem simultaneamente as suas férias. retribuição é contado para efeitos de antiguidade.
13 — As férias devem ser gozadas no decurso do ano
civil em que se vencem, excepto nos casos previstos na Cláusula 23.ª
lei. Impedimentos prolongados
14 — No ano da suspensão do contrato de trabalho
por impedimento prolongado respeitante ao trabalhador, 1 — Quando o trabalhador esteja temporariamente
se se verificar a impossibilidade total ou parcial do gozo impedido por facto que não lhe seja imputável, nomea-
do direito a férias já vencido, o trabalhador terá direito a damente serviço militar, doença ou acidente, e o impe-
retribuição correspondente ao período de férias não gozado dimento se prolongar por mais de um mês, cessam os
ou ao gozo das mesmas até 30 de Abril do ano seguinte e direitos, deveres e garantias das partes, na medida em
ao respectivo subsídio. que pressuponham a efectiva prestação de trabalho, sem
15 — No ano da cessação de impedimento prolongado prejuízo da manutenção do direito ao lugar com a cate-
iniciado em ano anterior, o trabalhador tem direito a férias goria, antiguidade e demais regalias, nem da observância
e respectivo subsídio nos termos previstos no n.º 5 desta
das disposições aplicáveis de legislação sobre segurança
cláusula.
16 — Os trabalhadores de nacionalidade estrangeira social.
ou naturais das Regiões Autónomas quando desejarem 2 — O disposto no n.º 1 começará a observar-se,
gozar férias nas terras da sua naturalidade poderão acor- mesmo antes de expirado o prazo de um mês, a partir do
dar com a empresa regime diferente de férias e, quando momento em que haja a certeza ou se preveja com segu-
se verificar a situação inversa, referente aos naturais do rança que o impedimento terá duração superior àquele
continente. prazo.

1571
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

3 — Terminado o impedimento, o trabalhador deve c) Realizar o trabalho com zelo e diligência;


apresentar-se ao empregador para retomar a actividade, d) Cumprir as ordens e instruções do empregador em
sob pena de incorrer em faltas injustificadas. tudo o que respeite à execução e disciplina do trabalho,
salvo na medida em que se mostrem contrárias aos seus
direitos e garantias;
CAPÍTULO VI e) Guardar lealdade ao empregador, nomeadamente não
Direitos e deveres das partes negociando por conta própria ou alheia em concorrência
com ele, nem divulgando informações referentes à sua
Cláusula 24.ª organização, métodos de produção ou negócios;
f) Velar pela conservação e boa utilização dos bens
Deveres do empregador relacionados com o seu trabalho que lhe forem confiados
São deveres do empregador: pelo empregador;
g) Promover ou executar todos os actos tendentes à
a) Respeitar e tratar com urbanidade e probidade o melhoria da produtividade do empregador;
trabalhador; h) Cooperar, na empresa, estabelecimento ou serviço,
b) Pagar pontualmente a retribuição; para a melhoria do sistema de segurança, higiene e saúde
c) Proporcionar boas condições de trabalho, tanto do no trabalho, nomeadamente por intermédio dos represen-
ponto de vista físico como moral; tantes dos trabalhadores eleitos para esse fim;
d) Contribuir para a elevação do nível de produtividade i) Cumprir as prescrições de segurança, higiene e saúde
do trabalhador, nomeadamente proporcionando-lhe for- no trabalho estabelecidas nas disposições legais ou con-
mação profissional; vencionais aplicáveis, bem como as ordens dadas pelo
e) Respeitar a autonomia técnica do trabalhador que empregador;
exerça actividades cuja regulamentação profissional a j) Manter e aperfeiçoar permanentemente as aptidões
exija; profissionais e, em especial, cuidar do seu aperfeiçoamento
f) Possibilitar o exercício de cargos em organizações
profissional;
representativas dos trabalhadores;
k) Frequentar as acções de formação profissional que o
g) Prevenir riscos e doenças profissionais, tendo em
conta a protecção da segurança e saúde do trabalhador, empregador promova ou subsidie.
devendo transferir a responsabilidade pela indemnização
dos prejuízos resultantes de acidentes de trabalho para as 2 — O dever de obediência a que se refere a alínea d)
entidades legalmente autorizadas a realizar este seguro; do número anterior respeita tanto às ordens e instruções
h) Adoptar, no que se refere à higiene, segurança e saúde dadas directamente pelo empregador como às emanadas
no trabalho, as medidas que decorram, para o empregador, dos superiores hierárquicos do trabalhador, dentro dos
estabelecimento ou actividade, da aplicação das prescrições poderes que por aquele lhes forem atribuídos.
legais e convencionais vigentes;
i) Fornecer ao trabalhador a informação e a formação Cláusula 26.ª
adequadas à prevenção de riscos de acidente e doença; Garantias dos trabalhadores
j) Manter permanentemente actualizado o registo do pes-
soal em cada um dos seus estabelecimentos, com indicação 1 — É proibido ao empregador:
dos nomes, datas de nascimento e admissão, modalidades a) Opor-se, por qualquer forma, a que o trabalhador
dos contratos, categorias, promoções, retribuições, datas exerça os seus direitos, bem como despedi-lo, aplicar-lhe
de início e termo das férias e faltas que impliquem perda outras sanções, ou tratá-lo desfavoravelmente por causa
da retribuição ou diminuição dos dias de férias; desse exercício;
k) Assegurar acções de formação visando o desenvolvi- b) Obstar, injustificadamente, à prestação efectiva do
mento e a qualificação profissional dos trabalhadores, afec- trabalho;
tando, para o efeito, os recursos financeiros necessários; c) Exercer pressão sobre o trabalhador para que actue
l) Permitir, nos termos desta convenção e da legislação no sentido de influir desfavoravelmente nas condições de
em vigor, o acesso dos trabalhadores a cursos de formação trabalho dele ou dos companheiros;
profissional certificada, a frequência de acções de formação d) Diminuir a retribuição, salvo nos casos previstos na
sindical certificada nas mesmas condições da anterior e o lei e nesta convenção;
tempo indispensável para o tratamento administrativo do e) Baixar a categoria do trabalhador para que foi con-
CAP com vista à sua obtenção. tratado ou a que foi promovido;
f) Transferir o trabalhador para outro local de trabalho,
Cláusula 25.ª salvo nos casos previstos na lei e nesta convenção, ou
Deveres dos trabalhadores quando haja acordo do trabalhador;
g) Ceder trabalhadores do quadro de pessoal próprio
1 — São deveres do trabalhador: para utilização de terceiros que sobre esses trabalhadores
a) Respeitar e tratar com urbanidade e probidade o exerçam os poderes de autoridade e direcção próprios do
empregador, os superiores hierárquicos, os companheiros empregador ou por pessoa por ele indicada, salvo nos casos
de trabalho e as demais pessoas que estejam em relação especialmente previstos;
com a empresa; h) Obrigar o trabalhador a adquirir bens ou a utilizar
b) Comparecer ao serviço com assiduidade e serviços fornecidos pelo empregador ou por pessoa por
pontualidade; ele indicada;

1572
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

i) Explorar, com fins lucrativos, quaisquer cantinas, Cláusula 29.ª


refeitórios, economatos ou outros estabelecimentos direc- Direitos dos dirigentes e delegados sindicais
tamente relacionados com o trabalho para fornecimento de
bens ou prestação de serviços aos trabalhadores; 1 — Os trabalhadores eleitos para as estruturas de repre-
j) Fazer cessar o contrato e readmitir o trabalhador, sentação colectiva não podem ser transferidos de local de
mesmo com o seu acordo, havendo o propósito de o prejudi- trabalho sem o seu acordo, salvo quando a transferência
car em direitos ou garantias decorrentes da antiguidade. resultar da mudança total ou parcial do estabelecimento
onde aqueles prestam serviço.
2 — É garantido, nos termos da lei, o direito à greve e 2 — A transferência dos trabalhadores referidos no
a proibição a qualquer forma de lock-out. número anterior carece, ainda, de prévia comunicação à
estrutura sindical a que pertencem.
Cláusula 27.ª
Cláusula 30.ª
Direito de reunião
Crédito de horas
1 — Os trabalhadores têm o direito de reunir-se 1 — Cada delegado sindical, em número igual ao pre-
durante o horário normal de trabalho, sempre que forem visto na legislação em vigor, dispõe para o exercício das
convocados pela comissão sindical ou intersindical, suas funções de um crédito de horas não inferior a cinco
com a antecedência mínima de 48 horas, até ao período por mês ou a oito, tratando-se de delegado que faça parte
máximo de quinze horas por ano, que contarão, para ou não de comissão intersindical.
todos os efeitos, como tempo de serviço efectivo, sem 2 — O crédito de horas atribuído no número anterior é
prejuízo do normal funcionamento, no caso de traba- referido ao período normal de trabalho e conta, para todos
lho suplementar, e dos serviços de natureza urgente e os efeitos, como tempo de serviço efectivo, com direito
essencial. a retribuição.
2 — Fora do horário normal de trabalho, podem os 3 — Os delegados sindicais, sempre que pretendam
trabalhadores reunir-se no local de trabalho, sempre que exercer o direito previsto nesta cláusula, deverão avisar,
por escrito, a entidade patronal com a antecedência mínima
convocados pela comissão sindical ou intersindical, ou de um dia.
ainda por 50 ou um terço dos trabalhadores da empresa ou 4 — As faltas dadas pelos membros da direcção das
estabelecimento, sem prejuízo da normalidade da laboração associações sindicais para desempenho das funções
no caso de trabalho suplementar. consideram-se faltas justificadas e contam para todos
3 — Os representantes das associações sindicais podem os efeitos, menos da retribuição, como tempo de serviço
participar nas reuniões mediante comunicação dos promo- efectivo.
tores ao empregador com a antecedência mínima de vinte 5 — Para o exercício das suas funções, cada membro
e quatro horas. da direcção beneficia do crédito de quatro dias por mês,
4 — O empregador pode autorizar reuniões de natureza mantendo o direito a retribuição.
6 — A direcção interessada deverá comunicar, por
sindical, solicitadas pelas direcções sindicais, na falta das
escrito, com um dia de antecedência, as datas e o número
estruturas de representação sindical, que decorrerão nos de dias de que os respectivos membros necessitam para
termos e com os mesmos efeitos previstos no n.º 1 desta o exercício das suas funções ou, em caso de impossibi-
cláusula. lidade, nas 48 horas imediatas ao primeiro dia em que
faltarem.
Cláusula 28.ª
Garantias dos trabalhadores com funções sindicais CAPÍTULO VII
1 — Os dirigentes sindicais, membros da comissão Faltas
intersindical de delegados e delegados sindicais têm o Cláusula 31.ª
direito de exercer normalmente as funções sem que tal Faltas
possa constituir um entrave para o seu desenvolvimento
profissional ou para a melhoria da sua remuneração, 1 — Falta é a ausência do trabalhador durante o período
provocar despedimentos ou sanções ou ser motivo para normal de trabalho a que está obrigado.
mudança injustificada de serviço ou do seu horário de 2 — Nos casos de ausência do trabalhador por perío-
dos inferiores ao período normal de trabalho a que está
trabalho.
obrigado, os respectivos tempos serão adicionados para
2 — Os delegados sindicais gozam do direito de infor- determinação dos períodos normais de trabalho diário
mação e consulta, devendo requerer, por escrito, ao órgão em falta.
de gestão da empresa os elementos de informação relativos 3 — Para os efeitos do disposto no número anterior, caso
à evolução recente e provável do negócio, sobre a evolu- os períodos normais de trabalho diário não sejam unifor-
ção do emprego ou a antecipação de medidas em caso de mes, considera-se sempre o de menor duração relativo a
ameaça para o emprego bem como de decisões ao nível um dia completo de trabalho.
estrutural da organização do trabalho. É também um direito 4 — Quando seja praticado horário variável, a
dos delegados sindicais informarem-se junto do emprega- falta durante um dia de trabalho apenas se considera
dor sobre a aplicação do instrumento de regulamentação reportada ao período de presença obrigatória dos
colectiva de trabalho. trabalhadores.

1573
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

5 — O somatório das horas de trabalho em falta, para Cláusula 32.ª


apuramento do período de trabalho normal diário, apenas Tipos de faltas
pode ser efectuado durante o ano civil em causa.
6 — Não são considerados como faltas os atrasos na 1 — As faltas podem ser justificadas ou
entrada ao serviço dos trabalhadores administrativos inferio- injustificadas.
res a quinze minutos, desde que não exceda uma hora por mês. 2 — São consideradas faltas justificadas:

Natureza da falta Documento comprovativo

a) Doença, acidente de trabalho e prescrição médica em recurso a técnica Declaração de estabelecimento hospitalar, de centro de saúde ou atestado
de procriação medicamente assistida. médico.

b) Falecimento de pais, filhos, sogros, genros e noras, adoptantes ou Documento passado por órgão autárquico, agência funerária ou certidão
adoptados, padrastos ou enteados, do cônjuge não separado de pessoas de óbito.
e bens ou de pessoa que viva em união de facto ou economia comum
com o trabalhador — até cinco dias consecutivos.

c) Falecimento de outro parente ou afim, na linha recta ou em 2.º grau da Documento passado por órgão autárquico, agência funerária ou certidão
linha colateral (avós, bisavós, netos, bisnetos, irmãos e cunhados) — até de óbito.
dois dias consecutivos.

d) Motivadas por prestação de provas em estabelecimento de ensino, nos Documento passado pelo estabelecimento de ensino.
termos da lei em vigor.

e) Deslocações a estabelecimento de ensino do responsável pela educação Comunicação por escrito do responsável pela educação do menor.
de menor, até quatro horas por trimestre em cada ano.

f) Casamento — 15 dias seguidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Documento passado pela conservatória do registo civil.

g) Cumprimento de qualquer obrigação imposta por lei ou pelas enti- Documento comprovativo emitido pela entidade competente.
dades oficiais.

h) Exercício de funções em estrutura de representação colectiva dos Documento comprovativo adequado à situação.
trabalhadores para a qual tenha sido eleito.

i) Prestação de assistência inadiável e imprescindível, em caso de doença Documento adequado à situação.


ou acidente, ao cônjuge ou a pessoa que viva em união de facto ou
economia comum com o trabalhador, ascendente ou afim na linha recta,
descendente com 12 ou mais anos que, sendo maior, integre o agregado
familiar, ou no 2.º grau da linha colateral (irmãos e cunhados) — até
15 dias por ano; acréscimo até 15 dias por ano para assistência inadiável
e imprescindível a cônjuge ou pessoa que viva em união de facto com
o trabalhador, com deficiência ou doença crónica.

j) Candidatos a eleições para cargos públicos. Certidão do tribunal em que corre termos o auto do processo eleitoral.

k) Faltas que o empregador autorizar, prévia ou posteriormente, nas con-


dições em que for expressa e claramente definida tal situação.

l) Outras faltas que a lei considere como justificadas. Documento adequado à situação.

3 — As faltas das alíneas b) e c) do quadro do número Cláusula 33.ª


anterior entendem-se como dias completos a partir da data
Efeitos de faltas justificadas
em que o trabalhador teve conhecimento do facto.
4 — As faltas justificadas, quando previsíveis, serão 1 — As faltas justificadas não determinam perda de
obrigatoriamente comunicadas ao empregador, acompa- retribuição ou prejuízo de quaisquer direitos ou regalias
nhadas da indicação do motivo justificativo, com a ante- do trabalhador, salvo o disposto no número seguinte.
cedência mínima de cinco dias. 2 — Determinam perda de retribuição as seguintes
5 — Quando imprevisíveis, serão comunicadas logo faltas, previstas no quadro do n.º 2 da cláusula anterior,
que possível. ainda que justificadas:
6 — O não cumprimento do disposto nos n.os 4 e 5 torna
as faltas injustificadas. a) As referidas nas alíneas a) e i), desde que o trabalha-
7 — Em qualquer caso de falta justificada, o empre- dor tenha direito aos respectivos subsídios da segurança
gador pode, através dos serviços de pessoal competentes, social ou do seguro;
exigir ao trabalhador prova dos factos invocados para a b) As referidas na alínea h), salvo disposição legal em
justificação. contrário ou tratando-se de faltas dadas por membros de
8 — A prova, quando exigida, faz-se por meios idó- comissão de trabalhadores;
neos, designadamente os referidos no quadro do n.º 2 desta c) As referidas na alínea j) para além dos limites esta-
cláusula. belecidos nas leis eleitorais;

1574
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

d) As referidas na alínea k), salvo se tiverem sido auto- cada três anos de permanência na mesma categoria profis-
rizadas sem perda de retribuição; sional, até ao limite de cinco diuturnidades.
e) As previstas na alínea l), quando excedam 30 dias
por ano. Cláusula 38.ª
Retribuição do trabalho suplementar
Cláusula 34.ª
Faltas injustificadas e seus efeitos
1 — O trabalho suplementar prestado em dia normal
de trabalho será remunerado com os seguintes acréscimos
1 — São consideradas injustificadas todas as faltas não mínimos:
previstas na cláusula 32.ª
2 — As faltas injustificadas determinam perda de retri- a) 50 % da retribuição normal na primeira hora;
buição correspondente ao tempo de falta ou, se o trabalha- b) 75 % da retribuição normal nas horas ou fracções
dor assim preferir, a diminuição de igual número de dias subsequentes.
no período de férias imediato, não podendo, porém, este
período ser reduzido a menos de 20 dias úteis. 2 — Para efeitos do cálculo do trabalho suplementar, o
3 — Tratando-se de faltas injustificadas a um ou meio valor da hora será determinado pela seguinte fórmula:
período normal de trabalho diário, o período de ausência Retribuição mensal × 12
a considerar para os efeitos do número anterior abrange Horas de trabalho semanal × 52
os dias ou meios de descanso ou feriados imediatamente
anteriores ou posteriores ao dia ou dias de falta. Cláusula 39.ª
4 — No caso de a apresentação do trabalhador, para Retribuição do trabalho em dias de descanso ou feriados
início ou reinício da prestação de trabalho, se verificar
com atraso injustificado superior a 30 ou 60 minutos, pode 1 — O trabalho prestado em dia de descanso semanal
a entidade empregadora recusar a aceitação da presta- obrigatório ou complementar e em dia feriado será remu-
ção durante parte ou todo o período normal de trabalho, nerado com o acréscimo mínimo de 100 % da retribuição
respectivamente. normal.
5 — Incorre em infracção disciplinar todo o trabalhador 2 — Para efeito de cálculo, o valor da hora será deter-
que: minado pela seguinte fórmula:
a) Faltar injustificadamente durante cinco dias conse- Retribuição mensal × 12
Horas de trabalho semanal × 52
cutivos ou dez interpolados, no mesmo ano civil;
b) Faltar injustificadamente com alegação de motivo de
justificação comprovadamente falso. 3 — No caso da duração deste trabalho ser superior a
metade do período diário de trabalho, o trabalhador tem
direito a receber o dia completo de trabalho, de acordo
CAPÍTULO VIII com os n.os 1 e 2 desta cláusula.
4 — Se a prestação do trabalho tiver duração igual ou
Retribuição inferior a metade do período diário de trabalho, o trabalha-
dor tem direito a receber meio-dia de trabalho, calculado
Cláusula 35.ª
nos mesmos termos.
Retribuições mínimas 5 — Se o trabalhador prestar serviço no dia de descanso
1 — As retribuições mínimas mensais dos trabalhadores semanal obrigatório deve descansar um dia completo de
são as constantes da tabela do anexo III. trabalho num dos três dias úteis seguintes.
2 — As retribuições devem ser pagas até ao último dia
útil de cada mês a que disserem respeito. Cláusula 40.ª
3 — A empresa entregará, no acto de pagamento das Subsídio de férias
retribuições, cópia dos respectivos recibos.
Antes do início das férias, os trabalhadores abrangidos
Cláusula 36.ª por este CCT receberão do empregador um subsídio igual
ao montante da retribuição correspondente ao período de
Retribuição dos trabalhadores que exerçam funções inerentes férias a que têm direito, ou no início do primeiro período
a diversas categorias por substituição temporária de férias se estas forem repartidas.
Sempre que o trabalhador substitua outro de catego-
ria superior, receberá, a partir da data da substituição, o Cláusula 41.ª
vencimento correspondente à categoria profissional do Subsídio de Natal
trabalhador substituído.
1 — Todos os trabalhadores abrangidos por este CCT
Cláusula 37.ª têm direito a um subsídio correspondente a um mês de
retribuição, o qual será pago ou posto à sua disposição até
Diuturnidades
15 de Dezembro de cada ano.
1 — Às retribuições efectivas dos trabalhadores será 2 — Os trabalhadores que no ano de admissão não
acrescida uma diuturnidade no montante de 22,35 € por tenham concluído um ano de serviço terão direito a tantos

1575
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

duodécimos daquele subsídio quantos os meses de serviço 3 — Para efeitos do disposto no n.º 2, considera-se que
que completarem até 31 de Dezembro desse ano. o trabalhador está deslocado sempre que se encontre fora
3 — Cessando o contrato de trabalho, o trabalhador tem do concelho para o qual a viatura está licenciada e desde
direito ao subsídio fixado no n.º 1, em proporção ao tempo que por motivos de serviço não lhe seja possível regressar
de serviço prestado no próprio ano de cessação. a tempo de as tomar no seu local habitual.

Cláusula 42.ª Cláusula 44.ª


Abono para falhas Alojamento e subsídio de deslocação
1 — Os trabalhadores que exerçam funções de recebi- O trabalhador que for deslocado para prestar serviço
mento ou pagamento ou de cobrança receberão, a título de fora do seu local de trabalho tem direito, para além da sua
abono para falhas, a quantia mensal de 29,75 €. retribuição normal ou de outros subsídios consignados
2 — Sempre que os trabalhadores referidos no número neste CCT:
anterior sejam substituídos no desempenho das respectivas
a) A transporte, não só na ida como na volta, para onde
funções, o substituto receberá o abono correspondente ao
tenha sido deslocado a prestar serviço, desde que esse
tempo de substituição.
transporte lhe não seja assegurado pela empresa e sendo
o tempo perdido na deslocação remunerado como tempo
CAPÍTULO IX de trabalho;
b) A reembolso das despesas com a dormida, mediante
Refeições e deslocações apresentação de documentos comprovativos;
c) A subsídio de deslocação nos montantes de 3,45 € e
Cláusula 43.ª 7,30 € diários, conforme o trabalho seja realizado dentro
Subsídio de refeição ou fora do País e desde que o trabalhador não regresse ao
local de trabalho.
1 — Por cada dia de trabalho efectivo, os trabalhado-
res terão direito a um subsídio de refeição no valor de
3,45 €, salvo quando deslocados nos termos do número CAPÍTULO X
seguinte.
2 — A empresa reembolsará os trabalhadores desloca- Condições particulares de trabalho
dos das despesas efectuadas com as refeições que estes, por
motivo de serviço, hajam tomado pelos seguintes valores Cláusula 45.ª
mínimos: Licenças e dispensas no âmbito da protecção na parentalidade
Almoço: 11,25 €; 1 — Para além do estipulado no presente CCT para
Jantar: 11,25 €; a generalidade dos trabalhadores abrangidos, são ainda
Pequeno-almoço: 3,45 €. assegurados os seguintes direitos:

Protecção na parentalidade Comunicações ao empregador e apresentação de comprovativos

Licença de risco clínico durante a gravidez, caso o empregador não Comunicar 10 dias antes do início da licença e, em caso de urgência,
proporcione à trabalhadora actividade compatível com o seu estado e logo que possível.
categoria profissional — duração considerada necessária pelo médico Apresentar atestado médico com a indicação da duração previsível do
para a prevenção do risco. impedimento.
Licença por interrupção da gravidez — duração entre 14 e 30 dias . . . Comunicar logo que possível e apresentar atestado médico com indicação
do período da licença.
Modalidades de licença parental inicial: a) Em caso de partilha do gozo da licença parental, a mãe e o pai devem:
1 — Licença parental inicial, passível de ser partilhada pela mãe e pelo
Comunicar a pretensão aos empregadores, até 7 dias após o parto;
pai após o parto:
Entregar declaração conjunta com a indicação da duração da licença e
120 ou 150 dias consecutivos, consoante opção dos progenitores, sendo do início e termo dos períodos a gozar por cada um;
obrigatório a mãe gozar 6 semanas de licença a seguir ao parto;
Acréscimo de 30 dias, no caso de cada um dos progenitores gozar, b) Em caso de licença parental não partilhada — sem prejuízo de a mãe
em exclusivo, 30 dias consecutivos ou dois períodos de 15 dias poder gozar até 30 dias da licença parental inicial antes do parto e da
consecutivos, após o gozo obrigatório pela mãe de 6 semanas de obrigatoriedade de gozar seis semanas a seguir ao parto, o progenitor
licença após o parto; que goze a licença deve:
Acréscimo de 30 dias por cada gémeo além do primeiro. Havendo Comunicar ao respectivo empregador, até 7 dias após o parto, a duração
internamento hospitalar da criança ou do progenitor a gozar a li- da licença e o início da mesma;
cença após o parto, o período da licença suspende-se, a pedido do Juntar declaração do outro progenitor comprovativa de que o mesmo
progenitor. exerce actividade profissional e que não goza a licença parental
inicial.
Na falta das declarações referidas nas alíneas a) e b), a licença é go-
zada pela mãe;

c) Em caso de internamento, o progenitor em gozo da licença deve co-


municar a suspensão ao empregador e apresentar declaração do esta-
belecimento hospitalar.

1576
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Protecção na parentalidade Comunicações ao empregador e apresentação de comprovativos

2 — Licença parental inicial exclusiva da mãe: Comunicar com 10 dias de antecedência, ou em caso de urgência com-
provada logo que possível, que pretende gozar parte da licença antes
Faculdade de gozar até 30 dias de licença antes do parto;
do parto e apresentar atestado médico com a indicação da data pre-
Obrigatoriedade de gozar seis semanas de licença a seguir ao parto.
visível.
3 — Licença parental inicial a gozar por um progenitor na impossibili- Comunicar ao empregador, logo que possível e apresentar:
dade do outro: Comprovativo adequado (atestado médico comprovativo ou certidão
Totalidade ou período remanescente da licença, em caso de incapacidade de óbito);
física ou psíquica ou morte do progenitor em gozo da licença; Declaração do período de licença gozado pela mãe, sendo caso
Em caso de morte ou incapacidade física ou psíquica da mãe — gozo disso.
mínimo de 30 dias pelo pai;
Em caso de morte ou incapacidade física ou psíquica da mãe não
trabalhadora nos 120 dias a seguir ao parto — o pai tem direito à
correspondente licença parental inicial ou remanescente, não po-
dendo o gozo ser inferior a 30 dias.
4 — Licença parental exclusiva do pai: Comunicar ao empregador, com a antecedência possível, o período ou
períodos do gozo.
10 dias úteis seguidos ou interpolados, nos 30 dias seguintes ao nasci-
Em caso do direito ao acréscimo de 10 dias de licença o pai deve comu-
mento, 5 dos quais imediatos e consecutivos ao parto;
nicar, até 5 dias antes, o início do gozo da licença acrescida.
Acréscimo de 10 dias seguidos ou interpolados, desde que gozados em
simultâneo com a licença parental inicial da mãe;
Acréscimo de dois dias por cada gémeo além do primeiro.
Licença por adopção de menor de 15 anos: Os candidatos a adoptantes devem:
a) No caso de serem dois candidatos adoptantes, a licença pode ser Comunicar 10 dias antes o início da licença e, em caso de urgência
partilhada, após a confiança judicial ou administrativa, nos termos comprovada, logo que possível;
do regime de adopção: Apresentar prova da confiança judicial ou administrativa do adoptando
e da idade deste e, ainda, declaração do início e termo do período
120 ou 150 dias consecutivos, consoante opção dos adoptantes;
a gozar ou, sendo o caso, declaração conjunta com os períodos a
Acréscimo de 30 dias no caso de cada um dos adoptantes gozar,
gozar por cada um;
em exclusivo, 30 dias consecutivos ou dois períodos de 15 dias
Em caso de internamento hospitalar, comunicar a suspensão da licença
consecutivos;
logo que possível e comprovar a duração do internamento com
Acréscimo de 30 dias por cada gémeo além do primeiro;
declaração passada pelo estabelecimento hospitalar.
b) Em caso de incapacidade ou falecimento do candidato adoptante durante
O candidato a adoptante não tem direito a licença, sendo o adoptando filho
a licença, o cônjuge sobrevivo não candidato e com quem o adoptando
do cônjuge ou de pessoa com quem viva em união de facto.
viva em comunhão de mesa e habitação tem direito ao período de
licença não gozado ou a um mínimo de 14 dias;
c) Em caso de internamento hospitalar do candidato a adoptante ou do
adoptando, o período de licença é suspenso durante a hospitalização.
Licença parental complementar para assistência a filho ou adoptado de Comunicar, por escrito, 30 dias antes do início da licença a modalidade
idade não superior a 6 anos, em qualquer das seguintes modalidades: pretendida e o termo e início de cada período.
Licença parental alargada por três meses a gozar pelo pai ou pela
mãe;
Trabalho a tempo parcial durante 12 meses, com período normal de
trabalho igual a metade do tempo completo;
Períodos intercalados de licença parental alargada e de trabalho a tempo
parcial até ao limite de três meses. Qualquer das modalidades pode
ser gozada pelo pai e pela mãe de modo consecutivo, ou até três
períodos interpolados, não sendo permitida acumulação por um
progenitor do direito do outro.
Licença para assistência a filho com idade não superior a 6 anos, depois Comunicar ao empregador com antecedência de 30 dias:
de esgotado o período de licença parental complementar:
Início e termo do período em que pretende gozar a licença;
Até ao limite de 2 anos, de modo seguido ou interpolado, ou de 3 anos Que o outro progenitor tem actividade profissional e não se encontra,
no caso de terceiro filho ou mais; ao mesmo tempo, em situação de licença ou que está impedido ou
Sendo dois titulares, a licença pode ser gozada por qualquer deles ou inibido totalmente de exercer o poder paternal;
por ambos em períodos sucessivos; Que o menor vive com ele em comunhão de mesa e habitação;
Na falta de indicação do trabalhador sobre a duração da licença, Que não está esgotado o período máximo de duração da licença.
considera-se a duração de seis meses.
Licença para assistência a filho com deficiência ou doença crónica: Comunicar ao empregador com antecedência de 30 dias:
Até 6 meses, prorrogável até 4 anos, a usufruir pelos progenitores; Início e termo do período em que pretende gozar a licença;
Caso o filho com deficiência ou doença crónica tenha 12 ou mais anos Que o outro progenitor tem actividade profissional e não se encontra,
de idade, a assistência é confirmada por atestado médico. ao mesmo tempo, em situação de licença ou que está impedido ou
inibido totalmente de exercer o poder paternal;
Que o menor vive com ele em comunhão de mesa e habitação;
Que não está esgotado o período máximo de duração da licença;
Atestado médico confirmativo da assistência.

1577
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Protecção na parentalidade Comunicações ao empregador e apresentação de comprovativos

Faltas para assistência inadiável e imprescindível a filho, em caso de Comunicar e apresentar ao empregador, logo que possível:
doença, acidente, deficiência ou doença crónica: Prova médica do carácter inadiável e imprescindível da assistência;
A filho menor de 12 anos ou, independentemente da idade, com de- Declaração de que o outro progenitor tem actividade profissional e
ficiência ou doença crónica — até 30 dias por ano ou, em caso de não falta pelo mesmo motivo ou está impossibilitado de prestar
hospitalização, enquanto esta durar; assistência;
A filho com 12 ou mais anos de idade e, sendo maior, faça parte do Em caso de hospitalização, declaração comprovativa passada pelo
agregado familiar do trabalhador — até 15 dias; estabelecimento hospitalar.
Acréscimo de um dia aos períodos de ausência referidos, por cada
filho além do primeiro.

A possibilidade de faltar não pode ser exercida em simultâneo pelo pai


e pela mãe.
Caso os progenitores sejam substituídos na prestação da assistência a
filho por avós trabalhadores, o direito às faltas é reduzido em con-
formidade.
Faltas para assistência a neto: Comunicar ao empregador, com cinco dias de antecedência, ou em caso
a) A neto que viva em comunhão de mesa e habitação com o trabalhador de urgência logo que possível, e declarar que:
e seja filho de adolescente com idade inferior a 16 anos — até 30 a) No caso de recém-nascido:
dias consecutivos, a seguir ao nascimento do neto.
O neto vive consigo em comunhão de mesa e habitação;
Se houver dois titulares do direito, o período de faltas pode ser gozado
O cônjuge do trabalhador exerce actividade profissional ou se en-
por um deles ou por ambos, em tempo parcial ou em períodos su- contra física ou psiquicamente impossibilitado de cuidar do neto
cessivos, conforme decisão conjunta; ou não vive em comunhão de mesa e habitação com este;
b) Em substituição dos progenitores — prestação de assistência inadiá-
vel e imprescindível, em caso de doença ou acidente, a neto menor ou, b) No caso de substituição dos pais:
independentemente da idade, com deficiência ou doença crónica.
Carácter inadiável da assistência;
Os progenitores são trabalhadores e não faltam pelo mesmo motivo
ou estão impossibilitados de prestar a assistência e que nenhum
outro familiar do mesmo grau falta pelo mesmo motivo.
Dispensa para consultas pré-natais durante o horário de trabalho: Prova da impossibilidade de comparência na consulta fora do horário de
Não sendo possível fora do horário de trabalho, a trabalhadora grávida trabalho e da sua realização.
tem direito a dispensa pelo tempo e vezes necessárias;
A preparação para o parto é equiparada a consulta pré-natal;
O pai tem direito a três dispensas para acompanhar a trabalhadora às
consultas pré-natais.

Dispensa diária para amamentação ou aleitação: a) Em caso de amamentação:


Dois períodos distintos, com duração máxima de uma hora cada, durante Comunicação da mãe trabalhadora, 10 dias antes do início da dispensa,
todo o tempo de amamentação, salvo se outro regime for acordado de que amamenta o filho;
com o empregador; Apresentação após o 1.º ano de vida do filho, de atestado médico
Acresce 30 minutos por cada gémeo além do primeiro: justificativo da amamentação;
Em caso de aleitação, até o filho perfazer 1 ano de idade, podendo a b) Em caso aleitação:
mãe ou o pai trabalhadores ou ambos, conforme decisão conjunta,
beneficiar da dispensa. Comunicação, pelo progenitor trabalhador, 10 dias antes do início da
dispensa;
Comprovativo da decisão conjunta;
Declaração do período de dispensa gozado pelo outro progenitor,
sendo caso disso;
Prova do exercício de actividade profissional do outro progenitor e de
que informou o empregador da decisão conjunta.
Dispensas para a realização da avaliação para a adopção: Comunicar a dispensa com a antecedência possível e apresentar a devida
justificação.
Três dispensas de trabalho para deslocação aos serviços de segurança
social ou recepção dos técnicos no domicílio.

2 — As dispensas para consultas pré-natais e as dispen- b) Licença por interrupção de gravidez;


sas diárias para amamentação ou aleitação não determi- c) Licença parental, em qualquer das modalidades;
nam perda de quaisquer direitos e são consideradas como d) Licença por adopção;
prestação efectiva de trabalho. e) Licença parental complementar em qualquer das
3 — Não determinam perda de quaisquer direitos, salvo modalidades;
quanto à retribuição, cujo subsídio o trabalhador deve f) Falta para assistência a filho;
requerer à segurança social, e são consideradas como g) Falta para assistência a neto;
prestação efectiva de serviço as ausências ao trabalho h) Dispensa da prestação de trabalho por parte de tra-
resultantes de: balhadora grávida, puérpera ou lactante, por motivo de
a) Licença em situação de risco clínico durante a gra- protecção da sua segurança e saúde;
videz; i) Dispensa para avaliação para adopção.

1578
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Cláusula 46.ª 4 — A cessação do contrato de trabalho conferirá ao


Trabalhadores menores
trabalhador, sem prejuízo de outros devidos por força da
lei ou do presente CCT, o direito:
1 — A empresa e o pessoal dos quadros devem, dentro
a) Ao subsídio de Natal proporcional ao tempo de tra-
dos mais sãos princípios, velar pela preparação profissional
balho efectivo prestado no ano de cessação;
dos menores. b) Às férias vencidas e não gozadas, bem como ao res-
2 — A empresa deve cumprir, em relação aos menores pectivo subsídio;
ao seu serviço, as disposições legais relativas à aprendi- c) Às férias proporcionais ao tempo de trabalho efectivo
zagem e formação profissional. no ano de cessação e ao subsídio correspondente.
3 — Nenhum menor pode ser admitido sem ter sido
aprovado em exame médico a expensas da empresa, des-
tinado a comprovar se possui robustez física necessária CAPÍTULO XII
para as funções a desempenhar.
4 — Pelo menos uma vez por ano a empresa deve asse- Poder disciplinar
gurar a inspecção médica dos menores ao seu serviço, de
acordo com as disposições legais aplicáveis, a fim de se Cláusula 49.ª
verificar se o seu trabalho é feito sem prejuízo da saúde e Sanções disciplinares
do desenvolvimento físico normal.
1 — A inobservância por parte dos trabalhadores das
normas constantes do presente CCT será punida com as
Cláusula 47.ª sanções seguintes:
Direitos especiais dos trabalhadores-estudantes
a) Repreensão;
1 — Os trabalhadores-estudantes que frequentem com b) Repreensão registada;
aproveitamento cursos oficiais ou equivalentes terão os c) Sanção pecuniária até 30 % da retribuição média di-
direitos estabelecidos na lei. ária por infracções praticadas no mesmo dia, não podendo
2 — A fim de beneficiarem das regalias previstas no exceder, em cada ano civil, a retribuição correspondente
número anterior, os trabalhadores deverão, semestralmente, a 30 dias;
fazer prova das suas condições de estudante e dos resulta- d) Perda de dias de férias, com salvaguarda do direito
dos das provas efectuadas. ao gozo de 20 dias úteis;
3 — As regalias previstas no n.º 1 da presente cláusula e) Suspensão do trabalho com perda de retribuição e de
cessarão automaticamente logo que o trabalhador não antiguidade até 30 dias por cada infracção, não podendo
prove que obteve aproveitamento, nos termos da legis- exceder, em cada ano civil, o total de 90 dias;
lação em vigor. f) Despedimento sem indemnização ou compensação.

2 — A sanção disciplinar deve ser proporcionada à gra-


CAPÍTULO XI vidade da infracção e à culpabilidade do infractor, não
podendo aplicar-se mais do que uma pela mesma infracção.
Cessação do contrato de trabalho
Cláusula 50.ª
Cláusula 48.ª
Sanções abusivas
Cessação do contrato de trabalho
1 — Consideram-se sanções abusivas as sanções disci-
1 — Para além de outras modalidades legalmente pre- plinares motivadas pelo facto de o trabalhador:
vistas, o contrato de trabalho pode cessar por:
a) Haver reclamado legitimamente contra as condições
a) Caducidade; de trabalho;
b) Revogação (mútuo acordo das partes); b) Recusar-se a cumprir ordens a que não deve obe-
c) Despedimento por facto imputável ao trabalhador diência;
(despedimento promovido pelo empregador com justa c) Exercer ou candidatar-se a funções em estrutura de
causa); representação colectiva dos trabalhadores;
d) Despedimento colectivo; d) Em geral, exercer, ter exercido, pretender exercer ou
e) Despedimento por extinção do posto de trabalho; invocar os direitos e garantias que lhe assistem.
f) Despedimento por inadaptação;
g) Resolução pelo trabalhador (rescisão pelo trabalhador 2 — Até prova em contrário, presume-se abusivo o
com justa causa); despedimento ou a aplicação de qualquer sanção, quando
h) Denúncia pelo trabalhador. levada a efeito até seis meses após qualquer dos factos
mencionados no número anterior.
2 — É proibido o despedimento sem justa causa ou por
motivos políticos ou ideológicos. Cláusula 51.ª
3 — Dada a imperatividade do regime de cessação do
Consequências da aplicação de sanções abusivas
contrato de trabalho, aplica-se a todas as modalidades de
cessação previstas no n.º 1 desta cláusula o estabelecido A aplicação de alguma sanção abusiva, nos termos da
na lei. cláusula anterior, para além de responsabilizar o empre-

1579
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

gador por violação das leis do trabalho, dá direito ao tra- 1979, a diferença entre a retribuição auferida à data da
balhador lesado a ser indemnizado nos termos gerais, com baixa e o subsídio atribuído pela segurança social, até ao
as alterações seguintes: limite de 40 dias por ano, seguidos ou interpolados.
a) Se a sanção consistir no despedimento, o trabalhador
Cláusula 56.ª
tem direito a optar entre a reintegração e uma indemnização
calculada nos termos legalmente previstos; Quotização sindical
b) Tratando-se de sanção pecuniária ou de suspensão 1 — As empresas descontarão na retribuição dos traba-
do trabalho, a indemnização não será inferior a dez vezes lhadores sindicalizados nas associações sindicais outorgan-
a importância daquela ou da retribuição perdida. tes o montante das quotas por estes devidas e remetê-lo-ão
até ao dia 10 do mês imediatamente seguinte, acompanhado
Cláusula 52.ª de um mapa discriminativo que permita conferir a exacti-
Tramitação processual disciplinar dão dos valores entregues.
2 — O desconto das quotas na retribuição apenas se
1 — Nos casos em que se verifique comportamento aplica relativamente aos trabalhadores que, em declaração
passível de sanção disciplinar, o procedimento disciplinar individual enviada à sua associação sindical e à entidade
deve iniciar-se nos 60 dias posteriores ao conhecimento onde prestem serviço, assim autorizem.
da infracção por parte do empregador ou de superior hie- 3 — A declaração de autorização referida no número
rárquico com poderes delegados. anterior pode ser feita a todo o tempo e conterá o nome e a
2 — O procedimento disciplinar prescreve decorrido um assinatura do trabalhador, o valor da quota estatutariamente
ano contado da data em que é instaurado, quando, nesse estabelecido, mantendo-se em vigor até ser revogada, e
prazo, o trabalhador não seja notificado da decisão final. esta terá que ser feita por escrito.
3 — A sanção disciplinar não pode ser aplicada sem 4 — A declaração de autorização e a de revogação só
audiência prévia do trabalhador. produzem efeitos a partir do mês imediato ao da sua en-
4 — No caso em que se verifique algum comportamento trega.
susceptível de constituir justa causa de despedimento, o
empregador comunica por escrito ao trabalhador que o
tenha praticado a intenção de proceder ao despedimento, CAPÍTULO XIV
juntando nota de culpa com a descrição circunstanciada
dos factos que lhe são imputados, seguindo-se os demais Comissão paritária
trâmites previstos na lei.
Cláusula 57.ª
Comissão paritária
CAPÍTULO XIII
1 — Será constituída uma comissão paritária, com sede
Apoio aos trabalhadores em Lisboa, que integrará dois elementos de cada uma das
partes outorgantes, os quais poderão ser assessorados.
Cláusula 53.ª 2 — Cada parte indicará à outra, por escrito, nos 30 dias
Higiene e segurança no trabalho subsequentes à entrada em vigor deste CCT, os nomes dos
respectivos representantes na comissão paritária. Conjun-
1 — A empresa instalará o seu pessoal em boas condi- tamente com os representantes efectivos serão designados
ções de higiene e deverá prover os locais de trabalho com dois suplentes para substituir os efectivos em casos de
os indispensáveis requisitos de segurança. impedimento.
2 — As empresas obrigam-se a cumprir os regulamentos 3 — Tanto os elementos efectivos como suplentes po-
de higiene e segurança previstos na lei. dem ser substituídos a qualquer tempo pela parte que os
mandatou.
Cláusula 54.ª 4 — A comissão paritária terá, designadamente, as se-
Incapacidade permanente por acidente guintes atribuições:
de trabalho ou doença profissional
a) Interpretação do presente CCT;
1 — Em caso de incapacidade permanente, parcial ou b) Deliberação sobre questões de natureza técnica, no-
absoluta, para o trabalho habitual e proveniente de acidente meadamente a criação de novas categorias profissionais
de trabalho ou doença profissional ao serviço do empre- e sua integração na tabela salarial.
gador, este diligenciará para conseguir a reconversão dos
diminuídos para função compatível com as diminuições 5 — As deliberações da comissão paritária relativas a
verificadas. questões de competência atribuída por força da alínea a)
2 — A retribuição da nova função não poderá ser infe- do número anterior constituem a interpretação autêntica
rior à auferida à data da baixa. do presente CCT.
6 — A comissão paritária só poderá deliberar com a
Cláusula 55.ª presença de, pelo menos, um representante de cada uma
das partes, e para a deliberação só poderá pronunciar-se
Complemento de subsídio de doença
igual número de elementos de cada parte.
Em caso de doença, o empregador pagará aos seus tra- 7 — As deliberações da comissão paritária não podem
balhadores, desde que admitidos até 29 de Dezembro de contrariar a lei ou a substância deste CCT e são tomadas

1580
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

por maioria dos elementos presentes com direito a voto guarda, porteiro, estagiário (3.º ano), estagiário (2.º ano),
nos termos do n.º 6, sendo de imediato aplicáveis, salvo estagiário (1.º ano).
se tiverem de ser comunicadas ao ministério responsável 2 — Tabela de reclassificações:
pela área do trabalho, para efeitos de publicação.
8 — O expediente da comissão será assegurado pela Actual Após a entrada em vigor da convenção
ANIECA.
9 — A comissão paritária estará apta a funcionar logo
que cada uma das partes dê cumprimento ao disposto no Assistente administrativo . . . . . . Técnico(a) administrativo(a).
n.º 2. Secretário(a) de direcção . . . . . . Técnico(a) de secretariado.
Escriturário(a) de 1.ª e caixa . . . Assistente administrativo do
10 — Na sua primeira reunião, a comissão paritária grau II.
elaborará o respectivo regulamento de funcionamento. Escriturário(a) de 2.ª . . . . . . . . . Assistente administrativo do
grau I.
Contínuo(a) . . . . . . . . . . . . . . . . Contínuo(a) (mais de três anos).
CAPÍTULO XV Contínuo(a) (menos de três
anos).
Disposições finais e transitórias Estagiário(a) 1.º ano, 2.º ano, 3.º Estagiário(a) administrativo(a).
ano.
Cláusula 58.ª Cláusula 61.ª
Transmissão do estabelecimento
Manutenção de regalias
1 — A posição que dos contratos de trabalho decorre 1 — Da aplicação da presente convenção não poderão
para a empresa transmite-se ao adquirente, por qualquer resultar quaisquer prejuízos para os trabalhadores, de-
título, do estabelecimento onde os trabalhadores exerçam signadamente baixa ou mudança de categoria ou classe,
a sua actividade, salvo se, antes da transmissão, o con-
bem como a diminuição de retribuição e outras regalias
trato de trabalho houver deixado de vigorar nos termos
de carácter regular ou permanente não contempladas neste
legais ou se tiver havido acordo entre o transmitente e o
CCT.
adquirente no sentido de os trabalhadores continuarem ao
2 — As partes consideram que, globalmente, o pre-
serviço daquele noutro estabelecimento, sem prejuízo das
sente CCT proporciona tratamento mais favorável aos
indemnizações previstas na lei.
trabalhadores.
2 — O adquirente do estabelecimento é solidariamente
responsável pelas obrigações do transmitente vencidas nos
Cláusula 62.ª
seis meses anteriores à transmissão, ainda que respeitem
a trabalhadores cujos contratos hajam cessado, desde que Revogação de textos
reclamadas até ao momento da transmissão.
Com a entrada em vigor do presente contrato ficam
3 — Para efeitos do n.º 2, deverá a adquirente, durante
revogadas as matérias contratuais das convenções publica-
os 15 dias anteriores à transmissão, fazer afixar um aviso
das, respectivamente, no Boletim do Trabalho e Emprego,
nos locais de trabalho no qual se dê conhecimento aos
1.ª série, n.º 31, de 22 de Agosto de 2006, e n.º 9, de 8 de
trabalhadores de que devem reclamar os seus créditos.
Março de 2009.
4 — O disposto na presente cláusula é aplicável, com as
necessárias adaptações, a qualquer acto ou factos que en- ANEXO I
volvam a transmissão de exploração do estabelecimento.
Categorias profissionais
Cláusula 59.ª
Assistente administrativo(a). — É o trabalhador que
Falência ou insolvência
executa tarefas relacionadas com o expediente geral da
1 — A declaração judicial da falência ou insolvência da empresa, de acordo com procedimentos estabelecidos,
empresa não faz caducar os contratos de trabalho. utilizando equipamento informático e equipamento e uten-
2 — O administrador da falência ou da insolvência sílios de escritório; recepciona e regista a correspondência e
satisfará integralmente as retribuições que se forem ven- encaminha-a para os respectivos serviços ou destinatários,
cendo se o estabelecimento não for encerrado e enquanto em função do tipo de assunto e da prioridade da mesma;
o não for. efectua o processamento de texto de memorandos, cartas/
3 — A cessação dos contratos de trabalho, no caso pre- ofícios, relatórios, notas informativas e outros documentos,
visto nesta cláusula, fica sujeita ao regime geral estabe- com base em informação fornecida; arquiva a documen-
lecido na lei. tação, separando-a em função do tipo de assunto, ou do
tipo de documento, respeitando regras e procedimentos de
Cláusula 60.ª arquivo; procede à expedição da correspondência, identi-
ficando o destinatário e acondicionando-a, de acordo com
Extinção e reclassificação de categorias profissionais e profissões
os procedimentos adequados.
1 — São extintas as seguintes categoriais e profissões: Prepara e confere documentação de apoio à actividade
técnico examinador, contabilista, programador, tesoureiro, da empresa, designadamente documentos referentes a con-
assistente administrativo (perfil profissional de 2003), tratos de compra e venda (requisições, guias de remessa,
secretário de direcção, escriturário de 1.ª classe, caixa, facturas, recibos e outros) e documentos bancários (che-
escriturário de 2.ª classe, cobrador, telefonista, contínuo, ques, letras, livranças e outros).

1581
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Regista e actualiza, manualmente ou utilizando apli- empresa de maneira eficaz; colaborar na fixação da política
cações informáticas específicas da área administrativa, financeira e exercer a verificação dos custos. Pode propor
dados necessários à gestão da empresa, nomeadamente a aquisição de equipamento.
os referentes ao economato, à facturação, vendas e clien- Estagiário(a) administrativo(a). — O trabalhador as-
tes, compras e fornecedores, pessoal e salários, stocks e sistente administrativo que faz o estágio ou a adaptação
aprovisionamento. profissional.
Atende e encaminha, telefónica ou pessoalmente, o Instrutor(a). — O trabalhador que, legalmente habili-
público interno e externo à empresa, nomeadamente clien- tado, ministra o ensino de condução automóvel nos seus
tes, fornecedores e funcionários, em função do tipo de aspectos técnicos, teóricos ou práticos.
informação ou serviço pretendido. Técnico(a) de secretariado. — É o profissional que
Chefe de divisão/departamento/serviços/ planeia e organiza a rotina diária e mensal da chefia/direc-
contabilidade. — O trabalhador que estuda, organiza, ção, providenciando pelo cumprimento dos compromissos
dirige e coordena, sob orientação do seu superior hierár- agendados: organiza a agenda, efectuando a marcação de
quico ou do empregador num ou vários departamentos da reuniões, entrevistas e outros compromissos, tendo em
empresa, as funções que lhe são cometidas; exerce, dentro conta a sua duração e localização e procedendo a even-
da divisão ou departamento ou serviços que chefia e nos tuais alterações; organiza reuniões, elaborando listas de
limites da sua competência, funções de direcção, orien- participantes, convocatórias, preparando documentação de
tação e fiscalização do pessoal sob as suas ordens e de apoio e providenciando pela disponibilização e preparação
planeamento das actividades da divisão ou departamento do local da sua realização, incluindo o equipamento de
ou serviços segundo as orientações e fins definidos; pro- apoio; organiza deslocações efectuando reservas de hotel,
põe a aquisição de equipamento e materiais e admissão de marcação de transporte, preparação de documentação de
pessoal necessário ao bom funcionamento da divisão ou apoio e assegurando outros meios necessários à realização
departamento ou serviços. das mesmas.
Chefe de secção. — O trabalhador que chefia uma sec- Assegura a comunicação da chefia/direcção com inter-
ção ou grupo de trabalhadores. locutores, internos e externos, em língua portuguesa ou es-
Contínuo(a). — O trabalhador que anuncia, acompanha trangeira: recebe chamadas telefónicas e outros contactos,
e informa os visitantes, faz entrega de mensagens e ob- efectuando a sua filtragem em função do tipo de assunto,
jectos inerentes ao serviço interno, estampilha e entrega da sua urgência e da disponibilidade da chefia/direcção ou
correspondência, além de a distribuir aos serviços a que é encaminhamento para outros serviços; acolhe os visitantes
destinada. Pode ainda executar outros serviços análogos. e encaminha-os para os locais de reunião ou entrevista;
Director(a) de escola de condução. — É o que, para contacta o público interno e externo no sentido de trans-
além das funções de instrutor e da gestão corrente das acti- mitir orientações e informações da chefia/direcção.
vidades da escola que lhes estão cometidas, deve ainda: Organiza e executa tarefas relacionadas com o expe-
diente geral do secretariado da chefia/direcção; selecciona,
a) Coordenar, orientar e fiscalizar os instrutores no cum- regista e entrega a correspondência urgente e pessoal e
primento dos seus deveres; encaminha a restante a fim de lhe ser dada a devida se-
b) Promover a actualização de conhecimentos dos ins- quência; providencia a expedição da correspondência da
trutores; chefia/direcção; redige cartas/ofícios, memorandos, notas
c) Zelar pela transmissão de conhecimentos aos ins- informativas e outros textos de rotina administrativa, a
truendos através das metodologias adequadas; partir de informação fornecida pela chefia/direcção, em
d) Informar o titular do alvará sobre as questões res- língua portuguesa ou estrangeira; efectua o processamento
peitantes aos instrutores e ao pessoal administrativo, bem de texto da correspondência e de outra documentação
como acerca da necessidade de melhoria das instalações da chefia/direcção; efectua traduções e retroversões de
e do apetrechamento; textos de rotina administrativa; organiza e executa o ar-
e) Fazer a avaliação formativa dos instruendos, apoiando quivo de documentação de acordo com o assunto ou tipo
o instrutor; de documento, respeitando as regras e procedimentos de
f) Analisar o registo de reclamações e propor as solu- arquivo.
ções adequadas, com conhecimento à Direcção-Geral de Executa tarefas inerentes à gestão e organização do
Viação; secretariado: controla o material de apoio ao secretariado,
g) Estar atento à actividade da secretaria no que respeita verificando existências, detectando faltas e providenciando
aos elementos de registo dos alunos. pela sua reposição; organiza processos, efectuando pesqui-
sas e seleccionando documentação útil e pedidos externos
Director(a) de serviços ou chefe de escritório. — O e internos de informação; elabora e actualiza ficheiros de
trabalhador que estuda, organiza e dirige e coordena, nos contactos bem como outro tipo de informação útil à gestão
limites de competência que lhe é atribuída, as actividades do serviço.
do empregador de um ou de vários dos seus departamentos. Técnico(a) administrativo(a). — É o profissional que
Exerce funções tais como: colaborar na determinação da organiza e executa tarefas relacionadas com o expediente
política da empresa; planear a utilização mais conveniente geral da empresa, utilizando equipamento informático e
da mão-de-obra, equipamento, matérias, instalações e ca- equipamento e utensílios de escritório; recepciona e re-
pitais; orientar, dirigir e fiscalizar a actividade da empresa gista a correspondência e encaminha-a para os respectivos
segundo os planos estabelecidos, a política adoptada e serviços ou destinatários, em função do tipo de assunto
as normas e regulamentos prescritos; criar e manter uma e da prioridade da mesma; redige e efectua o processa-
estrutura administrativa que permita explorar e dirigir a mento de texto de correspondência geral, nomeadamente

1582
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

memorandos, cartas/ofícios, notas informativas e outros e livranças, bem como as contas referentes a compras,
documentos com base em informação fornecida; organiza vendas, clientes, fornecedores ou outros devedores e cre-
o arquivo, estabelecendo critérios de classificação, em dores e demais elementos contabilísticos, incluindo amor-
função das necessidades de utilização; arquiva a docu- tizações e provisões. Prepara, para a gestão da empresa, a
mentação, separando-a em função do tipo de assunto ou do documentação necessária ao cumprimento das obrigações
tipo de documento, respeitando regras e procedimentos de legais e ao controlo das actividades: preenche ou confere
arquivo; procede à expedição da correspondência e enco- as declarações fiscais e outra documentação de acordo com
mendas, identificando o destinatário e acondicionando-a, a legislação em vigor; prepara dados contabilísticos úteis
de acordo com os procedimentos adequados. à análise da situação económico-financeira da empresa,
Atende e informa o público interno e externo à empresa: nomeadamente listagens de balancetes, balanços, extractos
presta informações sobre os serviços da empresa, quer de conta; demonstrações de resultados e outra documen-
telefónica quer pessoalmente; procede à divulgação de tação legal obrigatória. Recolhe os dados necessários à
normas e procedimentos internos junto dos funcionários elaboração, pela gestão, de relatórios periódicos da situação
e presta os esclarecimentos necessários. Efectua a gestão económico-financeira da empresa, nomeadamente planos
do economato da empresa: regista as entradas e saídas de de acção, inventários e relatórios. Organiza e arquiva todos
material, em suporte informático ou em papel, a fim de os documentos relativos à actividade contabilística.
controlar as quantidades existentes; efectua o pedido de Trabalhador(a) de limpeza. — O trabalhador cuja ac-
material, preenchendo requisições ou outro tipo de docu- tividade consiste em proceder à limpeza das instalações,
mentação, com vista à reposição de faltas; recepciona o móveis, utensílios e interiores de veículos.
material, verificando a sua conformidade com o pedido
efectuado e assegura o armazenamento do mesmo. Orga- ANEXO II
niza e executa tarefas administrativas de apoio à actividade
da empresa: organiza a informação relativa à compra e Condições específicas e carreira profissional
venda de produtos e serviços, criando e mantendo actuali-
zados dossiers e ficheiros, nomeadamente, de identificação I — Admissão
de clientes e fornecedores, volume de vendas e compras
realizadas e a natureza do material adquirido; preenche e 1 — São condições de admissão as habilitações es-
confere documentação referente ao contrato de compra e colares mínimas obrigatórias correspondentes à idade
venda (requisições, guias de remessa, facturas, recibos e de nascimento, habilitação profissional, quando for caso
outras) e documentação bancária (cheques, letras, livranças disso, e certificado de aptidão profissional ou outro título
e outras); compila e encaminha para os serviços competen- profissional, sempre que requerido para o exercício da
tes os dados necessários, nomeadamente à elaboração de profissão.
orçamentos e relatórios. Executa tarefa de apoio à contabi- 2 — As condições de admissão para o desempenho
lidade geral da empresa, nomeadamente analisa e classifica de tarefas técnicas administrativas são o curso do ensino
a documentação de forma a sistematizá-la para posterior secundário correspondente à idade de nascimento, habili-
tratamento contabilístico. Executa tarefas administrativas tação profissional, quando for caso disso, e certificado de
de apoio à gestão de recursos humanos: regista e confere os habilitação profissional ou outro título profissional, sempre
dados relativos à assiduidade do pessoal; processa venci- que requerido para o exercício da profissão.
mentos, efectuando os cálculos necessários à determinação
dos valores de abonos, descontos e montante líquido a II — Carreira profissional
receber; actualiza a informação dos processos individuais
do pessoal, nomeadamente dados referentes a dotações, Princípios gerais
promoções e reconversões; reúne a documentação rela- 1 — A sujeição à autoridade e direcção do empregador
tiva aos processos de recrutamento, selecção e admissão por força da celebração de contrato de trabalho não pode
de pessoal e efectua os contactos necessários; elabora os prejudicar a autonomia técnica inerente à actividade para
mapas e guias necessários ao cumprimento das obrigações que o trabalhador foi contratado.
legais, nomeadamente IRS e segurança social. 2 — Os trabalhadores administrativos poderão ter um
Técnico(a) de contabilidade. — É o profissional que período de estágio ou de adaptação até dois anos, auferindo
organiza e classifica os documentos contabilísticos da em- 85 % da retribuição prevista para o assistente administra-
presa: analisa a documentação contabilística, verificando tivo de grau I (nível 8) na tabela de retribuições.
a sua validade e conformidade, e separa-a de acordo com
a sua natureza; classifica os documentos contabilísticos, III — Disposições especiais
em função do seu conteúdo, registando os dados referentes
à sua movimentação, utilizando o plano oficial de contas 1 — A promoção do grau I ao grau II é feita no período
do sector respectivo. Efectua o registo das operações con- máximo de três anos de exercício profissional na mesma
tabilísticas da empresa, ordenando os movimentos pelo empresa, salvo se o empregador deduzir oposição funda-
débito e crédito nas respectivas contas, de acordo com a mentada por escrito ou antecipar a promoção.
natureza do documento, utilizando aplicações informáticas 2 — A promoção de assistente administrativo a técnico
e documentos e livros auxiliares e obrigatórios. Contabiliza administrativo é da competência do empregador, a todo o
as operações da empresa, registando débitos e créditos: tempo, ou por proposta apresentada pelo trabalhador acom-
calcula ou determina e regista os impostos, taxas, tarifas panhada do currículo profissional dos últimos três anos de
a pagar; calcula e regista custos e proveitos; regista e con- actividade no grau II, onde conste a obtenção de formações
trola as operações bancárias, extractos de contas, letras profissionais ou certificação profissional (ou académica)

1583
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

por sua iniciativa, salvo se o empregador deduzir oposição Sindicato do Comércio, Escritório e Serviços — SINDCES/
fundamentada por escrito ou antecipar a promoção. UGT:
3 — As disposições previstas no número anterior são
aplicáveis em todos os casos de evolução vertical de passa- Vítor Manuel de Sousa Melo Boal, na qualidade de
mandatário.
gem de categorias ou profissões qualificadas para catego-
rias ou profissões altamente qualificadas dentro do mesmo Depositado em 26 de Abril de 2010, a fl. 73 do livro
agrupamento profissional. n.º 11, com o n.º 60/2010, nos termos do artigo 494.º do
Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12
ANEXO III de Fevereiro.
Tabela de retribuições mínimas mensais
e enquadramentos profissionais

Níveis Profissões e categorias profissionais Remunerações


Contrato colectivo entre a ANIECA — Associação
Nacional dos Industriais do Ensino de Condu-
1 Director(a) de serviços. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 241,55 € ção Automóvel e o SITRA — Sindicato dos Tra-
balhadores dos Transportes — Revisão global.
2 Chefe de escritório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 926,75 €

3 Chefe de departamento/divisão/serviços/ conta- CAPÍTULO I


bilidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 847,05 €
Área, âmbito e vigência
Chefe de secção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
4 771,85 €
Técnico(a) de contabilidade. . . . . . . . . . . . . . . .
Cláusula 1.ª
Técnico(a) administrativo(a) . . . . . . . . . . . . . . . Área e âmbito
5 709,15 €
Técnico(a) de secretariado . . . . . . . . . . . . . . . . .
1 — O presente CCT aplica-se em todo o território na-
6 Instrutor(a) (1) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 689,90 € cional e obriga, por um lado, as empresas do sector de
7 Assistente administrativo(a) II . . . . . . . . . . . . . . 686,55 € ensino de condução automóvel representadas pela ANIE-
CA — Associação Nacional dos Industriais do Ensino de
8 Assistente administrativo(a) I. . . . . . . . . . . . . . . 613,15 € Condução Automóvel e, por outro, os trabalhadores ao seu
serviço das categorias nele previstas, desde que represen-
9 Contínuo (mais de três anos) . . . . . . . . . . . . . . . 570,85 €
tados pelas associações sindicais outorgantes.
10 Trabalhador(a) de limpeza . . . . . . . . . . . . . . . . . 541,90 € 2 — Para cumprimento do disposto na alínea g) do ar-
tigo 492.º, conjugado com o artigo 496.º, do Código de
2
11 Estagiário(a) de assistente administrativo ( ). . . 521,20 € Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro,
serão abrangidos por esta convenção aproximadamente
12 Contínuo (até três anos) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475 €
650 empregadores e 4000 trabalhadores.
1
( ) O instrutor que desempenhar as funções de director de escola de condução tem direito
a um subsídio mensal de exercício no valor de 9 % incidente sobre a retribuição fixada para
o nível 6. Cláusula 2.ª
(2) Retribuição auferida nos termos do n.º 2, epígrafe II, do anexo II.
(3) Valor da retribuição mínima mensal garantida fixada pelo Decreto-Lei n.º 5/2010, Vigência e denúncia
de 15 de Janeiro.
1 — Este CCT entra em vigor nos termos legais e é
válido por um período de três anos, sem prejuízo, para
Lisboa, 15 de Abril de 2010. efeitos de denúncia e processo de revisão, do disposto nos
Pela ANIECA — Associação Nacional dos Industriais números seguintes.
do Ensino de Condução Automóvel: 2 — O período de vigência da tabela salarial e demais
cláusulas de expressão pecuniária é de um ano.
Eduardo Manuel Vieira Dias, presidente da direcção. 3 — A denúncia pode ser feita por qualquer das partes
Fernando Pereira dos Santos, vice-presidente da com a antecedência de, pelo menos, três meses em relação
direcção. aos seus prazos de vigência.
4 — Por denúncia entende-se o pedido de revisão feito
Pela FETESE — Federação dos Sindicatos dos Tra- por escrito à parte contrária, acompanhado da proposta
balhadores de Serviços, por si e em representação dos de revisão.
seguintes sindicatos filiados: 5 — A parte destinatária da denúncia deve responder
no decurso dos 30 dias imediatos contados a partir da
SITESE — Sindicato dos Trabalhadores e Técnicos recepção daquela.
de Serviços; 6 — As negociações iniciar-se-ão dentro dos 15 dias
STECAH — Sindicato dos Trabalhadores de Escritório a contar da data da recepção da resposta à proposta de
e Comércio de Angra do Heroísmo; alteração.
Sindicato dos Profissionais de Escritório, Comércio, 7 — A tabela salarial e demais cláusulas de expressão
Indústria, Turismo, Serviços e Correlativos da Região pecuniária produzem efeitos a partir de 1 de Janeiro e até
Autónoma dos Açores; 31 de Dezembro de cada ano.

1584
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

CAPÍTULO II 3 — No caso de o trabalhador admitido nestas circuns-


tâncias continuar ao serviço no termo do contrato ou perí-
Admissão e carreira profissional odo de prorrogação e tendo-se já verificado o regresso do
trabalhador substituído deverá a admissão considerar-se
Cláusula 3.ª definitiva, para todos os efeitos, no caso do termo certo
Condições de admissão ou passados 15 dias sobre o regresso do trabalhador subs-
tituído, no caso do contrato a termo incerto.
1 — São condições gerais de admissão as habilitações
escolares mínimas obrigatórias correspondentes à idade Cláusula 6.ª
de nascimento, a habilitação profissional, quando for caso
disso, e o certificado de aptidão profissional ou outro título Quadros de pessoal
profissional, sempre que requerido para o exercício da A empresa obriga-se a organizar e a apresentar, nos
profissão, sem prejuízo do disposto nos números seguintes. termos legais, às entidades competentes o quadro do seu
2 — Instrutor de condução automóvel: as habilitações pessoal.
escolares e profissionais exigidas por lei.
3 — Trabalhadores administrativos: as condições de Cláusula 7.ª
admissão para o desempenho de funções administrativas
são o curso do ensino secundário correspondente à idade Categorias profissionais
de nascimento, a habilitação profissional, quando for caso 1 — Os trabalhadores abrangidos por este CCT serão
disso, e o certificado de habilitação profissional ou outro classificados de harmonia com as suas funções, em con-
título profissional, sempre que requerido para o exercício formidade com as categorias constantes do anexo I.
da profissão. 2 — É vedado à empresa atribuir aos trabalhadores
categorias diferentes das previstas neste CCT, salvo se daí
Cláusula 4.ª resultar benefícios para o trabalhador. Em todos os docu-
Período experimental mentos que haja de elaborar por força dos preceitos regu-
lamentares das relações de trabalho, deve a empresa usar
1 — Durante o período experimental, salvo acordo es- sempre a mesma designação na classificação profissional.
crito em contrário, qualquer das partes pode rescindir o con- 3 — Quando um trabalhador exercer normalmente fun-
trato sem aviso prévio e sem necessidade de invocação de ções correspondentes a várias categorias profissionais,
justa causa, não havendo direito a qualquer indemnização. manterá a que corresponde às funções de nível mais alto
2 — O período experimental corresponde ao período
com a correspondente remuneração.
inicial de execução do contrato e tem a seguinte duração:
a) 90 dias para a generalidade dos trabalhadores; Cláusula 8.ª
b) 180 dias para os trabalhadores que exerçam cargos de Dotações mínimas
complexidade técnica, elevado grau de responsabilidade
ou que pressuponham uma especial qualificação. O número de estagiários administrativos não pode ex-
ceder 50 % do número de efectivos administrativos, salvo
3 — A denúncia do contrato por parte do empregador, no caso de haver um único trabalhador administrativo, em
cujo período experimental tenha durado mais de 60 ou de que poderá haver um estagiário.
120 dias, está sujeita, respectivamente, a pré-aviso de 7
ou de 15 dias. Cláusula 9.ª
4 — A antiguidade do trabalhador é considerada desde Formação profissional — Princípios gerais
o início do período experimental.
5 — Salvo acordo expresso por escrito em contrário, 1 — A formação profissional é um direito e um dever,
quando qualquer trabalhador for transferido de uma em- quer do empregador quer dos trabalhadores, tendo em
presa para outra da qual a primeira seja associada ou tenha vista o incremento da produtividade e da competitividade
administradores comuns, ou ainda em resultado da fusão das empresas e o desenvolvimento das qualificações dos
ou absorção de empresas, contar-se-á para todos os efeitos trabalhadores e da sua certificação.
a data de admissão na primeira, mantendo o trabalhador o 2 — O empregador deve assegurar acções de formação
direito a todas as regalias anteriores. visando o desenvolvimento e a qualificação profissional
dos trabalhadores afectando, para o efeito, os recursos
Cláusula 5.ª financeiros necessários.
3 — O empregador deve assegurar, nos termos desta
Admissão para efeitos de substituição
convenção e da legislação em vigor, o acesso dos traba-
1 — A admissão de qualquer trabalhador para efei- lhadores a cursos de formação profissional certificada, a
tos de substituição temporária entende-se sempre feita frequência de acções de formação sindical certificada nas
por contrato a termo e desde que esta circunstância e o mesmas condições do número anterior e o tempo indis-
nome do trabalhador a substituir constem de documento pensável para o tratamento administrativo do CAP com
escrito. vista à sua obtenção.
2 — O trabalhador admitido nos termos do n.º 1 desta 4 — Para o exercício do direito à formação profissional
cláusula tem direito às partes proporcionais do subsídio de o empregador assume a responsabilidade de elaborar um
Natal e do período de férias e respectivo subsídio. plano de formação anual, comprometendo-se a proporcio-

1585
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

nar formação contínua anual a um mínimo de 10 % do total CAPÍTULO III


dos trabalhadores com contrato sem termo.
5 — O trabalhador deve frequentar as acções de forma- Noções de local de trabalho
ção profissional que o empregador promova ou subsidie.
6 — O trabalhador deve manter e aperfeiçoar perma- Cláusula 13.ª
nentemente as aptidões profissionais e, em especial, cuidar Local de trabalho
do seu aperfeiçoamento profissional.
7 — Qualquer trabalhador devidamente qualificado de- 1 — Considera-se local de trabalho aquele que se en-
verá, quando tal lhe for determinado, ministrar formação contra contratualmente definido ou a que o trabalhador se
profissional a outros trabalhadores da empresa. encontra adstrito.
8 — Os planos de formação anuais e plurianuais deverão 2 — O empregador pode transferir o trabalhador para
ser disponibilizados para informação e consulta dos tra- outro local de trabalho nas situações legalmente previstas.
balhadores e dos sindicatos subscritores desta convenção, 3 — O local de trabalho pode ser livremente alterado
precedendo o início da sua execução. desde que haja acordo entre o trabalhador e o empregador.
4 — No caso de transferência definitiva, o trabalhador
Cláusula 10.ª pode resolver o contrato se tiver prejuízo sério, tendo di-
reito a indemnização correspondente a um mês de retribui-
Crédito de tempo e condições de aplicação ção por cada ano de serviço, salvo se o empregador provar
1 — O empregador reconhece a todos os trabalhadores que da mudança não resulta prejuízo sério.
o direito a 35 horas anuais de formação.
2 — No caso de o empregador não fornecer formação CAPÍTULO IV
certificada, com a duração mínima referida no n.º 1, o
trabalhador tem direito ao crédito referido nesse número, Prestação de trabalho
devendo a formação ter correspondência com a actividade
prestada ou respeitar a qualificações em tecnologia de Cláusula 14.ª
informação e comunicação, segurança, higiene e saúde Período normal de trabalho
no trabalho ou numa língua estrangeira.
3 — O trabalhador pode acumular os créditos anuais de 1 — O período normal de trabalho para os instrutores
formação até ao máximo de três anos, caso não seja assegu- de condução automóvel é de 40 horas semanais, não
rada pelo empregador por motivo que lhe seja imputável, podendo ser superior a 8 horas diárias, distribuídas por
para frequentar cursos ou acções de formação profissio- cinco dias.
nal, por sua iniciativa, mediante comunicação prévia ao O período normal de trabalho pode ser também efectu-
empregador com a antecedência mínima de 10 dias ou na ado ao sábado, sendo neste caso a prestação de trabalho
data que tenha conhecimento da sua admissão. deste dia compensada por dia de descanso na segunda-feira
4 — O crédito de horas para formação é referido ao imediata.
período normal de trabalho, confere direito a retribuição 2 — O período normal de trabalho para os trabalhadores
e conta como tempo de serviço efectivo. administrativos é de 38 horas semanais, distribuídas por
5 — Cessando o contrato de trabalho, o trabalhador tem cinco dias, de segunda-feira a sexta-feira, podendo ser
direito a receber a retribuição correspondente ao crédito também efectuado ao sábado e compensado nos mesmos
de horas para a formação que não tenha utilizado nos termos do número anterior, sem prejuízo de horários de
últimos três anos. menor duração em vigor.
3 — O período normal de trabalho para todos os tra-
Cláusula 11.ª balhadores abrangidos poderá ser fixado entre as 7 e as
22 horas.
Regime de promoções
4 — O período de descanso para as refeições não poderá
Constitui promoção a passagem de um trabalhador a ser inferior a uma nem superior a duas horas, devendo ser
categoria ou grau superior dentro da mesma profissão fixado entre as 12 e as 15 horas ou entre as 18 e as 20 horas,
ou ainda a mudança para funções de natureza efectiva de acordo com a organização dos períodos de trabalho em
e permanente diferente a que corresponda um nível de vigor na empresa.
retribuição mais elevado, sem prejuízo do disposto na 5 — Nenhum trabalhador pode prestar serviço durante
cláusula 7.ª e nos termos do anexo II. mais de cinco horas seguidas.

Cláusula 12.ª Cláusula 15.ª


Certificados Trabalho suplementar

1 — Ao cessar o contrato de trabalho, a empresa deve 1 — Considera-se trabalho suplementar todo o serviço
passar ao trabalhador um certificado onde conste o tempo prestado fora do período normal de trabalho.
durante o qual esteve ao seu serviço e o cargo que desem- 2 — Só nos casos previstos na legislação em vigor po-
penhou. derá haver lugar à prestação de trabalho suplementar.
2 — O certificado não pode conter quaisquer outras 3 — A prestação de trabalho suplementar não excederá
referências, salvo quando expressamente requeridas pelo as 2 horas diárias, nem ultrapassará, no total, as 200 horas
trabalhador. anuais.

1586
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

4 — O empregador deve ter um registo de trabalho a) Três dias de férias até ao máximo de uma falta ou
suplementar em que são anotadas as horas do início da dois meios dias;
prestação de trabalho suplementar e do seu termo. b) Dois dias de férias até ao máximo de duas faltas ou
quatro meios dias;
Cláusula 16.ª c) Um dia de férias até ao máximo de três faltas ou seis
meios dias.
Trabalho nocturno

O trabalho prestado entre as 21 horas de um dia e as 3 — Para efeitos do número anterior, são equiparados
7 horas do seguinte é considerado trabalho nocturno, o a faltas os dias de suspensão do contrato de trabalho por
qual será remunerado nos termos da lei. facto respeitante ao trabalhador. Não são consideradas
como faltas as seguintes licenças:
CAPÍTULO V a) Licença em situação de risco clínico durante a gravidez;
b) Licença por interrupção de gravidez;
Suspensão da prestação de trabalho c) Licença parental em qualquer das modalidades;
d) Licença por adopção;
Cláusula 17.ª e) Licença parental complementar em qualquer das
Descanso semanal modalidades.
O dia de descanso semanal para todos os trabalhadores 4 — O direito a férias reporta-se ao trabalho prestado no
abrangidos por este CCT é o domingo, sendo o sábado ano civil anterior, adquire-se com a celebração do contrato
ou a segunda-feira de descanso complementar, conforme e vence-se no dia 1 de Janeiro de cada ano civil.
opção, nos termos dos n.os 1 e 2 da cláusula 14.ª 5 — No ano da admissão, o trabalhador tem direito a
2 dias úteis de férias por cada mês de duração do contrato,
Cláusula 18.ª até 20 dias úteis, a gozar após seis meses completos de exe-
Feriados cução do contrato ou, no caso de o ano civil terminar antes
de decorrido este prazo, até 30 de Junho do ano seguinte.
1 — São considerados, para todos os efeitos, como fe- 6 — A marcação do período de férias deve ser feita por
riados obrigatórios os seguintes dias: mútuo acordo. Na ausência de acordo, caberá ao empre-
1 de Janeiro; gador marcar o período de férias entre 1 de Maio e 31 de
Sexta-Feira Santa; Outubro.
Domingo de Páscoa; 7 — Se, depois de marcado o período de férias, exigên-
25 de Abril; cias imperiosas do funcionamento da empresa determina-
1 de Maio; rem o adiamento ou a interrupção das férias já iniciadas,
Corpo de Deus; o trabalhador tem direito a ser indemnizado pela entidade
10 de Junho; patronal dos prejuízos que comprovadamente haja sofrido
15 de Agosto; na pressuposição de que gozaria integralmente as férias
5 de Outubro; na época fixada.
1 de Novembro; 8 — A interrupção das férias não poderá prejudicar o
1 de Dezembro; gozo seguido de metade do período a que o trabalhador
8 de Dezembro; tenha direito.
25 de Dezembro. 9 — Haverá lugar a alteração do período de férias sem-
pre que o trabalhador na data prevista para o seu início
2 — O feriado de Sexta-Feira Santa poderá ser observado esteja temporariamente impedido por facto que não lhe
em outro dia com significado local no período da Páscoa. seja imputável, cabendo ao empregador, na falta de acordo,
3 — Além dos feriados obrigatórios mencionados no a nova marcação do período de férias, sem sujeição ao
n.º 1 desta cláusula, serão observados a terça-feira de Car- disposto no n.º 6 desta cláusula.
naval e o feriado municipal da localidade. 10 — Terminando o impedimento antes de decorrido
4 — Em substituição dos feriados referidos no número o período anteriormente marcado, o trabalhador gozará
anterior, poderá ser observado, a título de feriado, qualquer os dias de férias ainda compreendidos neste período,
outro dia em que acordem o empregador e os trabalhadores. aplicando-se quanto à marcação dos dias restantes o dis-
posto no número anterior.
Cláusula 19.ª 11 — Nos casos em que a cessação do contrato de tra-
Férias
balho está sujeita a aviso prévio, a entidade empregadora
poderá determinar que o período de férias seja antecipado
1 — Os trabalhadores abrangidos por este CCT terão para o momento imediatamente anterior à data prevista
direito a gozar em cada ano civil, sem prejuízo da retribui- para a cessação do contrato.
ção normal, um período de férias de 22 dias úteis. 12 — Aos trabalhadores do mesmo agregado familiar
2 — A duração do período de férias é aumentada no que estejam ao serviço da mesma empresa será concedida
caso de o trabalhador não ter faltado ou na eventualidade a faculdade de gozarem simultaneamente as suas férias.
de ter apenas faltas justificadas no ano a que as férias se 13 — As férias devem ser gozadas no decurso do ano
reportam, nos seguintes termos: civil em que se vencem, excepto nos casos previstos na lei.

1587
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

14 — No ano da suspensão do contrato de trabalho e garantias das partes, na medida em que pressuponham a
por impedimento prolongado respeitante ao trabalhador, efectiva prestação de trabalho, sem prejuízo da manutenção
se se verificar a impossibilidade total ou parcial do gozo do direito ao lugar com a categoria, antiguidade e demais
do direito a férias já vencido, o trabalhador terá direito a regalias, nem da observância das disposições aplicáveis
retribuição correspondente ao período de férias não gozado de legislação sobre segurança social.
ou ao gozo das mesmas até 30 de Abril do ano seguinte e 2 — O disposto no n.º 1 começará a observar-se, mesmo
ao respectivo subsídio. antes de expirado o prazo de um mês, a partir do momento
15 — No ano da cessação de impedimento prolongado em que haja a certeza ou se preveja com segurança que o
iniciado em ano anterior, o trabalhador tem direito a férias impedimento terá duração superior àquele prazo.
e respectivo subsídio nos termos previstos no n.º 5 desta 3 — Terminado o impedimento, o trabalhador deve
cláusula. apresentar-se ao empregador para retomar a actividade
16 — Os trabalhadores de nacionalidade estrangeira sob pena de incorrer em faltas injustificadas.
ou naturais das Regiões Autónomas quando desejarem
gozar férias nas terras da sua naturalidade poderão acor-
dar com a empresa regime diferente de férias e, quando CAPÍTULO VI
se verificar a situação inversa, referente aos naturais do Direitos e deveres das partes
continente.
17 — O mapa de férias é elaborado pelo empregador, Cláusula 24.ª
com a indicação do início e do termo dos períodos de férias
de cada trabalhador, até 15 de Abril de cada ano e mantém- Deveres do empregador
-se afixado nos locais de trabalho até 31 de Outubro. São deveres do empregador:
Cláusula 20.ª a) Respeitar e tratar com urbanidade e probidade o
trabalhador;
Interrupção de férias
b) Pagar pontualmente a retribuição;
1 — Sempre que um período de doença comprovada c) Proporcionar boas condições de trabalho, tanto do
por declaração de estabelecimento hospitalar, centro de ponto de vista físico como moral;
saúde ou por atestado médico coincida, no todo ou em d) Contribuir para a elevação do nível de produtividade
parte, com o período de férias, considerar-se-ão estas não do trabalhador, nomeadamente proporcionando-lhe for-
gozadas na parte correspondente. mação profissional;
2 — Quando se verifique a situação prevista no número e) Respeitar a autonomia técnica do trabalhador que
anterior, relativamente a um período de férias já iniciadas, o exerça actividades cuja regulamentação profissional a exija;
trabalhador deverá comunicar à entidade patronal o dia do f) Possibilitar o exercício de cargos em organizações
início da doença, bem como o do seu termo, devidamente representativas dos trabalhadores;
comprovado. g) Prevenir riscos e doenças profissionais, tendo em
3 — O período de férias restante poderá ser gozado na conta a protecção da segurança e saúde do trabalhador,
altura em que as partes acordarem, ou, na falta de acordo, devendo transferir a responsabilidade pela indemniza-
logo após a alta. ção dos prejuízos resultantes de acidentes de trabalho
para as entidades legalmente autorizadas a realizar este
Cláusula 21.ª seguro;
h) Adoptar, no que se refere à higiene, segurança e saúde
Férias em caso de cessação do contrato
no trabalho, as medidas que decorram, para o empregador,
Cessando o contrato de trabalho, o empregador pagará estabelecimento ou actividade, da aplicação das prescrições
ao trabalhador a retribuição, incluindo subsídio, correspon- legais e convencionais vigentes;
dente ao período de férias vencido, salvo se o trabalhador i) Fornecer ao trabalhador a informação e a formação
já as tiver gozado, bem como a retribuição e subsídio adequadas à prevenção de riscos de acidente e doença;
correspondentes a um período de férias proporcional ao j) Manter permanentemente actualizado o registo do
tempo de serviço prestado no ano da cessação. pessoal em cada um dos seus estabelecimentos, com
indicação dos nomes, datas de nascimento e admissão,
Cláusula 22.ª modalidades dos contratos, categorias, promoções, re-
tribuições, datas de início e termo das férias e faltas que
Licença sem retribuição
impliquem perda da retribuição ou diminuição dos dias
O empregador pode conceder ao trabalhador, a seu pe- de férias;
dido, licença sem retribuição. O período de licença sem k) Assegurar acções de formação visando o desenvol-
retribuição é contado para efeitos de antiguidade. vimento e a qualificação profissional dos trabalhadores
afectando, para o efeito, os recursos financeiros neces-
Cláusula 23.ª sários;
l) Permitir, nos termos desta convenção e da legislação
Impedimentos prolongados
em vigor, o acesso dos trabalhadores a cursos de formação
1 — Quando o trabalhador esteja temporariamente im- profissional certificada, a frequência de acções de formação
pedido por facto que não lhe seja imputável, nomeadamente sindical certificada nas mesmas condições da anterior e o
serviço militar, doença ou acidente, e o impedimento se tempo indispensável para o tratamento administrativo do
prolongar por mais de um mês, cessam os direitos, deveres CAP com vista à sua obtenção.

1588
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Cláusula 25.ª f) Transferir o trabalhador para outro local de trabalho,


salvo nos casos previstos na lei e nesta convenção, ou
Deveres dos trabalhadores
quando haja acordo do trabalhador;
1 — São deveres do trabalhador: g) Ceder trabalhadores do quadro de pessoal próprio
para utilização de terceiros que sobre esses trabalhadores
a) Respeitar e tratar com urbanidade e probidade o exerçam os poderes de autoridade e direcção próprios do
empregador, os superiores hierárquicos, os companheiros empregador ou por pessoa por ele indicada, salvo nos casos
de trabalho e as demais pessoas que estejam em relação especialmente previstos;
com a empresa; h) Obrigar o trabalhador a adquirir bens ou a utilizar
b) Comparecer ao serviço com assiduidade e pontualidade; serviços fornecidos pelo empregador ou por pessoa por
c) Realizar o trabalho com zelo e diligência; ele indicada;
d) Cumprir as ordens e instruções do empregador em i) Explorar, com fins lucrativos, quaisquer cantinas,
tudo o que respeite à execução e disciplina do trabalho, refeitórios, economatos ou outros estabelecimentos direc-
salvo na medida em que se mostrem contrárias aos seus tamente relacionados com o trabalho para fornecimento de
direitos e garantias; bens ou prestação de serviços aos trabalhadores;
e) Guardar lealdade ao empregador, nomeadamente não j) Fazer cessar o contrato e readmitir o trabalhador,
negociando por conta própria ou alheia em concorrência mesmo com o seu acordo, havendo o propósito de o preju-
com ele, nem divulgando informações referentes à sua dicar em direitos ou garantias decorrentes da antiguidade.
organização, métodos de produção ou negócios;
f) Velar pela conservação e boa utilização dos bens 2 — É garantido, nos termos da lei, o direito à greve e
relacionados com o seu trabalho que lhe forem confiados a proibição a qualquer forma de lockout.
pelo empregador;
g) Promover ou executar todos os actos tendentes à Cláusula 27.ª
melhoria da produtividade do empregador; Direito de reunião
h) Cooperar, na empresa, estabelecimento ou serviço,
para a melhoria do sistema de segurança, higiene e saúde 1 — Os trabalhadores têm o direito de reunir-se du-
no trabalho, nomeadamente por intermédio dos represen- rante o horário normal de trabalho, sempre que forem
tantes dos trabalhadores eleitos para esse fim; convocados pela comissão sindical ou intersindical com a
i) Cumprir as prescrições de segurança, higiene e saúde antecedência mínima de 48 horas, até ao período máximo
no trabalho estabelecidas nas disposições legais ou con- de 15 horas por ano, que contarão, para todos os efeitos,
vencionais aplicáveis, bem como as ordens dadas pelo como tempo de serviço efectivo, sem prejuízo do normal
funcionamento, no caso de trabalho suplementar, e dos
empregador;
serviços de natureza urgente e essencial.
j) Manter e aperfeiçoar permanentemente as aptidões 2 — Fora do horário normal de trabalho, podem os
profissionais e, em especial, cuidar do seu aperfeiçoamento trabalhadores reunir-se no local de trabalho, sempre que
profissional; convocados pela comissão sindical ou intersindical, ou
k) Frequentar as acções de formação profissional que o ainda por 50 ou 1/3 dos trabalhadores da empresa ou esta-
empregador promova ou subsidie. belecimento, sem prejuízo da normalidade da laboração
no caso de trabalho suplementar.
2 — O dever de obediência, a que se refere a alínea d) 3 — Os representantes das associações sindicais po-
do número anterior, respeita tanto às ordens e instruções dem participar nas reuniões mediante comunicação dos
dadas directamente pelo empregador como às emanadas promotores ao empregador com a antecedência mínima
dos superiores hierárquicos do trabalhador, dentro dos de vinte e quatro horas.
poderes que por aquele lhes forem atribuídos. 4 — O empregador pode autorizar reuniões de natureza
sindical, solicitadas pelas direcções sindicais, na falta das
Cláusula 26.ª estruturas de representação sindical que decorrerão nos
Garantias dos trabalhadores
termos e com os mesmos efeitos previstos no n.º 1 desta
cláusula.
1 — É proibido ao empregador:
Cláusula 28.ª
a) Opor-se, por qualquer forma, a que o trabalhador
exerça os seus direitos, bem como despedi-lo, aplicar-lhe Garantias dos trabalhadores com funções sindicais
outras sanções ou tratá-lo desfavoravelmente por causa 1 — Os dirigentes sindicais, membros da comissão in-
desse exercício; tersindical de delegados e delegados sindicais têm o direito
b) Obstar, injustificadamente, à prestação efectiva do de exercer normalmente as funções sem que tal possa
trabalho; constituir um entrave para o seu desenvolvimento profis-
c) Exercer pressão sobre o trabalhador para que actue sional ou para a melhoria da sua remuneração, provocar
no sentido de influir desfavoravelmente nas condições de despedimentos ou sanções ou ser motivo para mudança
trabalho dele ou dos companheiros; injustificada de serviço ou do seu horário de trabalho.
d) Diminuir a retribuição, salvo nos casos previstos na 2 — Os delegados sindicais gozam do direito de in-
lei e nesta convenção; formação e consulta devendo requerer, por escrito, ao
e) Baixar a categoria do trabalhador para que foi con- órgão de gestão da empresa os elementos de informação
tratado ou a que foi promovido; relativos à evolução recente e provável do negócio, sobre

1589
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

a evolução do emprego ou a antecipação de medidas em mes, considera-se sempre o de menor duração relativo a
caso de ameaça para o emprego bem como de decisões um dia completo de trabalho.
ao nível estrutural da organização do trabalho. É também 4 — Quando seja praticado horário variável, a falta
um direito dos delegados sindicais informarem-se junto durante um dia de trabalho apenas se considera reportada
do empregador sobre a aplicação do instrumento de regu- ao período de presença obrigatória dos trabalhadores.
lamentação colectiva de trabalho. 5 — O somatório das horas de trabalho em falta, para
apuramento do período de trabalho normal diário, apenas
Cláusula 29.ª pode ser efectuado durante o ano civil em causa.
Direitos dos dirigentes e delegados sindicais 6 — Não são considerados como faltas os atrasos na en-
1 — Os trabalhadores eleitos para as estruturas de re- trada ao serviço dos trabalhadores administrativos inferiores
presentação colectiva não podem ser transferidos de local a quinze minutos, desde que não exceda uma hora por mês.
de trabalho sem o seu acordo, salvo quando a transferência
resultar da mudança total ou parcial do estabelecimento Cláusula 32.ª
onde aqueles prestam serviço. Tipos de faltas
2 — A transferência dos trabalhadores referidos no
número anterior carece, ainda, de prévia comunicação à 1 — As faltas podem ser justificadas ou injustificadas.
estrutura sindical a que pertencem. 2 — São consideradas faltas justificadas:

Cláusula 30.ª Natureza da falta Documento comprovativo


Crédito de horas
1 — Cada delegado sindical, em número igual ao pre- a) Doença, acidente de trabalho e Declaração de estabelecimento
prescrição médica em recurso a hospitalar, de centro de saúde
visto na legislação em vigor, dispõe para o exercício das técnica de procriação medica- ou atestado médico.
suas funções de um crédito de horas não inferior a cinco mente assistida.
por mês ou a oito, tratando-se de delegado que faça parte b) Falecimento de pais, filhos, so- Documento passado por órgão
ou não de comissão intersindical. gros, genros e noras, adoptantes ou autárquico, agência funerária
adoptados, padrastos ou enteados, ou certidão de óbito.
2 — O crédito de horas atribuído no número anterior é do cônjuge não separado de pes-
referido ao período normal de trabalho e conta, para todos soas e bens ou de pessoa que viva
os efeitos, como tempo de serviço efectivo, com direito em união de facto ou economia
a retribuição. comum com o trabalhador — até
3 — Os delegados sindicais, sempre que pretendam cinco dias consecutivos.
c) Falecimento de outro parente ou Documento passado por órgão
exercer o direito previsto nesta cláusula, deverão avisar, afim, na linha recta ou em 2.º autárquico, agência funerária
por escrito, a entidade patronal com a antecedência mínima grau da linha colateral (avós, bi- ou certidão de óbito.
de um dia. savós, netos, bisnetos, irmãos e
4 — As faltas dadas pelos membros da direcção das asso- cunhados) — até dois dias con-
secutivos.
ciações sindicais para desempenho das funções consideram- d) Motivadas por prestação de provas Documento passado pelo estabe-
-se faltas justificadas e contam para todos os efeitos, menos em estabelecimento de ensino, nos lecimento de ensino.
da retribuição, como tempo de serviço efectivo. termos da lei em vigor.
5 — Para o exercício das suas funções, cada membro e) Deslocações a estabelecimento de Comunicação por escrito do res-
ensino do responsável pela educa- ponsável pela educação do
da direcção beneficia do crédito de quatro dias por mês, ção de menor, até quatro horas por menor.
mantendo o direito a retribuição. trimestre em cada ano.
6 — A direcção interessada deverá comunicar, por es- f) Casamento — 15 dias seguidos Documento passado pela conser-
crito, com um dia de antecedência, as datas e o número vatória do registo civil.
g) Cumprimento de qualquer obri- Documento comprovativo emitido
de dias de que os respectivos membros necessitam para o gação imposta por lei ou pelas pela entidade competente.
exercício das suas funções ou, em caso de impossibilidade, entidades oficiais.
nas 48 horas imediatas ao primeiro dia em que faltarem. h) Exercício de funções em estrutura Documento comprovativo ade-
de representação colectiva dos tra- quado à situação.
balhadores, para a qual tenha sido
CAPÍTULO VII eleito.
i) Prestação de assistência inadiá- Documento adequado à situação.
Faltas vel e imprescindível, em caso de
doença ou acidente, ao cônjuge
ou a pessoa que viva em união de
Cláusula 31.ª facto ou economia comum com o
trabalhador, ascendente ou afim
Faltas na linha recta, descendente com
12 ou mais anos que, sendo maior,
1 — Falta é a ausência do trabalhador durante o período integre o agregado familiar, ou no
normal de trabalho a que está obrigado. 2.º grau da linha colateral (irmãos
2 — Nos casos de ausência do trabalhador por períodos e cunhados) — até 15 dias por ano;
inferiores ao período normal de trabalho a que está obri- Acréscimo até 15 dias por ano,
para assistência inadiável e im-
gado, os respectivos tempos serão adicionados para deter- prescindível a cônjuge ou pessoa
minação dos períodos normais de trabalho diário em falta. que viva em união de facto com
3 — Para os efeitos do disposto no número anterior, caso o trabalhador, com deficiência ou
os períodos normais de trabalho diário não sejam unifor- doença crónica.

1590
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

a considerar para os efeitos do número anterior abrange


Natureza da falta Documento comprovativo os dias ou meios de descanso ou feriados imediatamente
anteriores ou posteriores ao dia ou dias de falta.
j) Candidatos a eleições para cargos Certidão do tribunal em que corre ter- 4 — No caso de a apresentação do trabalhador, para
públicos. mos o auto do processo eleitoral. início ou reinício da prestação de trabalho, se se verificar
k) Faltas que o empregador autori- com atraso injustificado superior a 30 ou 60 minutos, pode
zar, prévia ou posteriormente, nas
condições em que for expressa e
a entidade empregadora recusar a aceitação da prestação
claramente definida tal situação. durante parte ou todo o período normal de trabalho, res-
l) Outras faltas que a lei considere Documento adequado à situação. pectivamente.
como justificadas. 5 — Incorre em infracção disciplinar todo o trabalhador
que:
3 — As faltas das alíneas b) e c) do quadro do número
anterior entendem-se como dias completos a partir da data a) Faltar injustificadamente durante 5 dias consecutivos
em que o trabalhador teve conhecimento do facto. ou 10 interpolados no mesmo ano civil;
4 — As faltas justificadas, quando previsíveis, serão b) Faltar injustificadamente com alegação de motivo de
obrigatoriamente comunicadas ao empregador, acompa- justificação comprovadamente falso.
nhadas da indicação do motivo justificativo, com a ante-
cedência mínima de cinco dias.
5 — Quando imprevisíveis, serão comunicadas logo CAPÍTULO VIII
que possível. Retribuição
6 — O não cumprimento do disposto nos n.os 4 e 5 torna
as faltas injustificadas. Cláusula 35.ª
7 — Em qualquer caso de falta justificada, o empre-
gador pode, através dos serviços de pessoal competentes, Retribuições mínimas
exigir ao trabalhador prova dos factos invocados para a 1 — As retribuições mínimas mensais dos trabalhadores
justificação. são as constantes da tabela do anexo III.
8 — A prova, quando exigida, faz-se por meios idó- 2 — As retribuições devem ser pagas até ao último dia
neos, designadamente os referidos no quadro do n.º 2 desta útil de cada mês a que disserem respeito.
cláusula. 3 — A empresa entregará, no acto de pagamento das
Cláusula 33.ª retribuições, cópia dos respectivos recibos.
Efeitos de faltas justificadas
Cláusula 36.ª
1 — As faltas justificadas não determinam perda de
Retribuição dos trabalhadores que exerçam funções inerentes
retribuição ou prejuízo de quaisquer direitos ou regalias a diversas categorias por substituição temporária
do trabalhador, salvo o disposto no número seguinte.
2 — Determinam perda de retribuição as seguintes fal- Sempre que o trabalhador substitua outro de catego-
tas, previstas no quadro do n.º 2 da cláusula anterior, ainda ria superior receberá, a partir da data da substituição, o
que justificadas: vencimento correspondente à categoria profissional do
trabalhador substituído.
a) As referidas nas alíneas a) e i), desde que o trabalha-
dor tenha direito aos respectivos subsídios da segurança Cláusula 37.ª
social ou do seguro;
b) As referidas na alínea h), salvo disposição legal em Diuturnidades
contrário ou tratando-se de faltas dadas por membros de
1 — Às retribuições efectivas dos trabalhadores será
comissão de trabalhadores;
acrescida uma diuturnidade no montante de € 22,35 por
c) As referidas na alínea j) para além dos limites esta-
belecidos nas leis eleitorais; cada três anos de permanência na mesma categoria pro-
d) As referidas na alínea k), salvo se tiverem sido auto- fissional, até ao limite de cinco diuturnidades.
rizadas sem perda de retribuição;
e) As previstas na alínea l), quando excedam 30 dias Cláusula 38.ª
por ano. Retribuição do trabalho suplementar
Cláusula 34.ª 1 — O trabalho suplementar prestado em dia normal
Faltas injustificadas e seus efeitos de trabalho será remunerado com os seguintes acréscimos
mínimos:
1 — São consideradas injustificadas todas as faltas não
previstas na cláusula 32.ª a) 50 % da retribuição normal na primeira hora;
2 — As faltas injustificadas determinam perda de retri- b) 75 % da retribuição normal nas horas ou fracções
buição correspondente ao tempo de falta ou, se o trabalha- subsequentes.
dor assim preferir, a diminuição de igual número de dias
no período de férias imediato, não podendo, porém, este 2 — Para efeitos do cálculo do trabalho suplementar,
período ser reduzido a menos de 20 dias úteis. o valor da hora será determinado pela seguinte fórmula:
3 — Tratando-se de faltas injustificadas a um ou meio Retribuição mensal × 12
período normal de trabalho diário, o período de ausência Horas de trabalho semanal × 52

1591
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Cláusula 39.ª funções o substituto receberá o abono correspondente ao


tempo de substituição.
Retribuição do trabalho em dias de descanso ou feriados

1 — O trabalho prestado em dia de descanso semanal


obrigatório ou complementar e em dia feriado será remu- CAPÍTULO IX
nerado com o acréscimo mínimo de 100 % da retribuição Refeições e deslocações
normal.
2 — Para efeito de cálculo, o valor da hora será deter- Cláusula 43.ª
minado pela seguinte fórmula:
Subsídio de refeição

Retribuição mensal × 12 1 — Por cada dia de trabalho efectivo, os trabalhado-


Horas de trabalho semanal × 52 res terão direito a um subsídio de refeição no valor de
€ 3,45, salvo quando deslocados nos termos do número
3 — No caso de a duração deste trabalho ser superior seguinte.
a metade do período diário de trabalho, o trabalhador tem 2 — A empresa reembolsará os trabalhadores desloca-
direito a receber o dia completo de trabalho, de acordo dos das despesas efectuadas com as refeições que estes, por
com os n.os 1 e 2 desta cláusula. motivo de serviço, hajam tomado pelos seguintes valores
4 — Se a prestação do trabalho tiver duração igual ou mínimos:
inferior a metade do período diário de trabalho, o trabalha- Almoço — € 11,25;
dor tem direito a receber meio dia de trabalho, calculado Jantar — € 11,25;
nos mesmos termos. Pequeno-almoço — € 3,45.
5 — Se o trabalhador prestar serviço no dia de descanso
semanal obrigatório deve descansar um dia completo de 3 — Para efeitos do disposto no n.º 2, considera-
trabalho num dos três dias úteis seguintes. -se que o trabalhador está deslocado sempre que se
encontre fora do concelho para o qual a viatura está
Cláusula 40.ª licenciada e desde que por motivos de serviço não lhe
Subsídio de férias seja possível regressar a tempo de as tomar no seu
local habitual.
Antes do início das férias, os trabalhadores abrangidos
por este CCT receberão do empregador um subsídio igual Cláusula 44.ª
ao montante da retribuição correspondente ao período de
Alojamento e subsídio de deslocação
férias a que têm direito, ou no início do primeiro período
de férias se estas forem repartidas. O trabalhador que for deslocado para prestar serviço
fora do seu local de trabalho tem direito, para além da sua
Cláusula 41.ª retribuição normal, ou de outros subsídios consignados
neste CCT:
Subsídio de Natal
a) A transporte, não só na ida como na volta, para onde
1 — Todos os trabalhadores abrangidos por este CCT tenha sido deslocado a prestar serviço, desde que esse
têm direito a um subsídio correspondente a um mês de transporte lhe não seja assegurado pela empresa e sendo
retribuição, o qual será pago ou posto à sua disposição até o tempo perdido na deslocação remunerado como tempo
15 de Dezembro de cada ano. de trabalho;
2 — Os trabalhadores que no ano de admissão não b) A reembolso das despesas com a dormida, mediante
tenham concluído um ano de serviço terão direito a apresentação de documentos comprovativos;
tantos duodécimos daquele subsídio quantos os meses c) A subsídio de deslocação nos montantes de € 3,45 e
de serviço que completarem até 31 de Dezembro desse € 7,30 diários, conforme o trabalho seja realizado dentro
ano. ou fora do País e desde que o trabalhador não regresse ao
3 — Cessando o contrato de trabalho, o trabalhador tem local de trabalho.
direito ao subsídio fixado no n.º 1 em proporção ao tempo
de serviço prestado no próprio ano de cessação.
CAPÍTULO X
Cláusula 42.ª Condições particulares de trabalho
Abono para falhas
Cláusula 45.ª
1 — Os trabalhadores que exerçam funções de recebi-
Licenças e dispensas no âmbito da protecção na parentalidade
mento ou pagamento ou de cobrança receberão, a título de
abono para falhas, a quantia mensal de € 29,75. 1 — Para além do estipulado no presente CCT para
2 — Sempre que os trabalhadores referidos no número a generalidade dos trabalhadores abrangidos, são ainda
anterior sejam substituídos no desempenho das respectivas assegurados os seguintes direitos:

1592
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Protecção na parentalidade Comunicações ao empregador e apresentação de comprovativos

Licença de risco clínico durante a gravidez, caso o empregador não propor- Comunicar 10 dias antes do início da licença e, em caso de urgência,
cione à trabalhadora actividade compatível com o seu estado e categoria logo que possível.
profissional: Apresentar atestado médico com a indicação da duração previsível
do impedimento.
Duração considerada necessária pelo médico para a prevenção do risco.
Licença por interrupção da gravidez: Comunicar logo que possível e apresentar atestado médico com indi-
cação do período da licença.
Duração entre 14 e 30 dias.
Modalidades de licença parental inicial: a) Em caso de partilha do gozo da licença parental, a mãe e o pai
devem:
Comunicar a pretensão aos empregadores, até sete dias após o
parto;
1) Licença parental inicial, passível de ser partilhada pela mãe e pelo pai Entregar declaração conjunta com a indicação da duração da licença
após o parto: e do início e termo dos períodos a gozar por cada um;
120 ou 150 dias consecutivos, consoante opção dos progenitores, sendo
b) Em caso de licença parental não partilhada:
obrigatório a mãe gozar seis semanas de licença a seguir ao parto;
Acréscimo de 30 dias, no caso de cada um dos progenitores gozar, em Sem prejuízo de a mãe poder gozar até 30 dias da licença parental
exclusivo, 30 dias consecutivos ou dois períodos de 15 dias conse- inicial antes do parto e da obrigatoriedade de gozar seis semanas
cutivos, após o gozo obrigatório pela mãe de seis semanas de licença a seguir ao parto, o progenitor que goze a licença deve:
após o parto; Comunicar ao respectivo empregador, até sete dias após o parto,
Acréscimo de 30 dias por cada gémeo além do primeiro. a duração da licença e o início da mesma;
Havendo internamento hospitalar da criança ou do progenitor a gozar Juntar declaração do outro progenitor comprovativa de que o
a licença após o parto, o período da licença suspende-se, a pedido do mesmo exerce actividade profissional e que não goza a licença
progenitor. parental inicial.
Na falta das declarações referidas nas alíneas a) e b), a licença
é gozada pela mãe;

c) Em caso de internamento, o progenitor em gozo da licença deve


comunicar a suspensão ao empregador e apresentar declaração do
estabelecimento hospitalar.

2) Licença parental inicial exclusiva da mãe: Comunicar com 10 dias de antecedência, ou em caso de urgência
comprovada logo que possível, que pretende gozar parte da licença
Faculdade de gozar até 30 dias de licença antes do parto;
antes do parto e apresentar atestado médico com a indicação da
Obrigatoriedade de gozar seis semanas de licença a seguir ao parto.
data previsível.

3) Licença parental inicial a gozar por um progenitor na impossibilidade Comunicar ao empregador logo que possível e apresentar:
do outro:
Comprovativo adequado (atestado médico comprovativo ou cer-
Totalidade ou período remanescente da licença, em caso de incapacidade tidão de óbito);
física ou psíquica ou morte do progenitor em gozo da licença; Declaração do período de licença gozado pela mãe, sendo caso disso.
Em caso de morte ou incapacidade física ou psíquica da mãe — gozo
mínimo de 30 dias pelo pai;
Em caso de morte ou incapacidade física ou psíquica da mãe não tra-
balhadora nos 120 dias a seguir ao parto — o pai tem direito à cor-
respondente licença parental inicial ou remanescente, não podendo
o gozo ser inferior a 30 dias.

4) Licença parental exclusiva do pai: Comunicar ao empregador, com a antecedência possível, o período
ou períodos do gozo.
10 dias úteis seguidos ou interpolados, nos 30 dias seguintes ao nasci-
mento, 5 dos quais imediatos e consecutivos ao parto;
Acréscimo de 10 dias seguidos ou interpolados, desde que gozados em Em caso do direito ao acréscimo de 10 dias de licença o pai deve co-
simultâneo com a licença parental inicial da mãe; municar, até 5 dias antes, o início do gozo da licença acrescida.
Acréscimo de dois dias por cada gémeo além do primeiro.
Licença por adopção de menor de 15 anos: Os candidatos a adoptantes devem:
a) No caso de serem dois candidatos adoptantes, a licença pode ser Comunicar 10 dias antes o início da licença e, em caso de urgência
partilhada, após a confiança judicial ou administrativa, nos termos comprovada, logo que possível;
do regime de adopção: Apresentar prova da confiança judicial ou administrativa do adop-
tando e da idade deste e, ainda, declaração do início e termo do
120 ou 150 dias consecutivos, consoante opção dos adoptantes;
Acréscimo de 30 dias no caso de cada um dos adoptantes gozar, período a gozar ou, sendo o caso, declaração conjunta com os
em exclusivo, 30 dias consecutivos ou dois períodos de 15 dias períodos a gozar por cada um;
Em caso de internamento hospitalar, comunicar a suspensão da
consecutivos;
licença logo que possível e comprovar a duração do internamento
Acréscimo de 30 dias por cada gémeo além do primeiro;
com declaração passada pelo estabelecimento hospitalar.
b) Em caso de incapacidade ou falecimento do candidato adoptante durante
O candidato a adoptante não tem direito a licença, sendo o adoptando
a licença, o cônjuge sobrevivo não candidato e com quem o adoptando
filho do cônjuge ou de pessoa com quem viva em união de facto.
viva em comunhão de mesa e habitação tem direito ao período de licença
não gozado ou a um mínimo de 14 dias;
c) Em caso de internamento hospitalar do candidato a adoptante ou do
adoptando, o período de licença é suspenso durante a hospitalização.

1593
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Protecção na parentalidade Comunicações ao empregador e apresentação de comprovativos

Licença parental complementar para assistência a filho ou adoptado de idade Comunicar, por escrito, 30 dias antes do início da licença a modalidade
não superior a 6 anos, em qualquer das seguintes modalidades: pretendida e o termo e início de cada período.
Licença parental alargada por três meses a gozar pelo pai ou pela mãe;
Trabalho a tempo parcial durante 12 meses, com período normal de trabalho
igual a metade do tempo completo;

Períodos intercalados de licença parental alargada e de trabalho a tempo


parcial até ao limite de três meses.

Qualquer das modalidades pode ser gozada pelo pai e pela mãe de modo
consecutivo, ou até três períodos interpolados, não sendo permitida acu-
mulação por um progenitor do direito do outro.
Licença para assistência a filho com idade não superior a 6 anos, depois de Comunicar ao empregador com antecedência de 30 dias:
esgotado o período de licença parental complementar: Início e termo do período em que pretende gozar a licença;
Até ao limite de dois anos, de modo seguido ou interpolado, ou de três Que o outro progenitor tem actividade profissional e não se encontra,
anos no caso de terceiro filho ou mais; ao mesmo tempo, em situação de licença ou que está impedido
Sendo dois titulares, a licença pode ser gozada por qualquer deles ou por ou inibido totalmente de exercer o poder paternal;
ambos em períodos sucessivos; Que o menor vive com ele em comunhão de mesa e habitação;
Na falta de indicação do trabalhador sobre a duração da licença, considera- Que não está esgotado o período máximo de duração da licença.
-se a duração de seis meses.
Licença para assistência a filho com deficiência ou doença crónica: Comunicar ao empregador com antecedência de 30 dias:
Até seis meses, prorrogável até quatro anos, a usufruir pelos progenitores; Início e termo do período em que pretende gozar a licença;
Caso o filho com deficiência ou doença crónica tenha 12 ou mais anos de Que o outro progenitor tem actividade profissional e não se encontra,
idade, a assistência é confirmada por atestado médico. ao mesmo tempo, em situação de licença ou que está impedido
ou inibido totalmente de exercer o poder paternal;
Que o menor vive com ele em comunhão de mesa e habitação;
Que não está esgotado o período máximo de duração da licença;
Atestado médico confirmativo da assistência.
Faltas para assistência inadiável e imprescindível a filho, em caso de doença, Comunicar e apresentar ao empregador, logo que possível:
acidente, deficiência ou doença crónica:
Prova médica do carácter inadiável e imprescindível da assistência;
A filho menor de 12 anos ou, independentemente da idade, com deficiência Declaração de que o outro progenitor tem actividade profissional e não falta
ou doença crónica — até 30 dias por ano ou, em caso de hospitalização, pelo mesmo motivo ou está impossibilitado de prestar assistência;
enquanto esta durar; Em caso de hospitalização, declaração comprovativa passada pelo
A filho com 12 ou mais anos de idade e, sendo maior, faça parte do agregado estabelecimento hospitalar.
familiar do trabalhador — até 15 dias;
Acréscimo de um dia aos períodos de ausência referidos por cada filho
além do primeiro.

A possibilidade de faltar não pode ser exercida em simultâneo pelo pai e


pela mãe.
Caso os progenitores sejam substituídos na prestação da assistência a filho por
avós trabalhadores, o direito às faltas é reduzido em conformidade.
Faltas para assistência a neto: Comunicar ao empregador, com cinco dias de antecedência, ou em
a) A neto que viva em comunhão de mesa e habitação com o trabalhador caso de urgência logo que possível, e declarar que:
e seja filho de adolescente com idade inferior a 16 anos: a) No caso de recém-nascido:
Até 30 dias consecutivos, a seguir ao nascimento do neto. O neto vive consigo em comunhão de mesa e habitação;
Se houver dois titulares do direito, o período de faltas pode ser gozado O cônjuge do trabalhador exerce actividade profissional ou se
por um deles ou por ambos, em tempo parcial ou em períodos sucessivos, encontra física ou psiquicamente impossibilitado de cuidar do
conforme decisão conjunta; neto ou não vive em comunhão de mesa e habitação com este;
b) No caso de substituição dos pais:
b) Em substituição dos progenitores:
Carácter inadiável da assistência;
Prestação de assistência inadiável e imprescindível, em caso de doença Os progenitores são trabalhadores e não faltam pelo mesmo mo-
ou acidente, a neto menor ou, independentemente da idade, com tivo ou estão impossibilitados de prestar a assistência e que ne-
deficiência ou doença crónica. nhum outro familiar do mesmo grau falta pelo mesmo motivo.
Dispensa para consultas pré-natais durante o horário de trabalho: Prova da impossibilidade de comparência na consulta fora do horário
de trabalho e da sua realização.
Não sendo possível fora do horário de trabalho, a trabalhadora grávida tem
direito a dispensa pelo tempo e vezes necessárias;
A preparação para o parto é equiparada a consulta pré-natal;
O pai tem direito a três dispensas para acompanhar a trabalhadora às
consultas pré-natais.
Dispensa diária para amamentação ou aleitação: a) Em caso de amamentação:
Dois períodos distintos, com duração máxima de uma hora cada, durante Comunicação da mãe trabalhadora, 10 dias antes do início da dis-
todo o tempo de amamentação, salvo se outro regime for acordado com pensa, de que amamenta o filho;
o empregador; Apresentação após o 1.º ano de vida do filho de atestado médico
Acresce 30 minutos por cada gémeo além do primeiro; justificativo da amamentação;

1594
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Protecção na parentalidade Comunicações ao empregador e apresentação de comprovativos

Em caso de aleitação, até o filho perfazer 1 ano de idade, podendo a mãe


ou o pai trabalhadores ou ambos, conforme decisão conjunta, beneficiar b) Em caso aleitação:
da dispensa. Comunicação, pelo progenitor trabalhador, 10 dias antes do início
da dispensa;
Comprovativo da decisão conjunta;
Declaração do período de dispensa gozado pelo outro progenitor,
sendo caso disso;
Prova do exercício de actividade profissional do outro progenitor e
de que informou o empregador da decisão conjunta.
Dispensas para a realização da avaliação para a adopção: Comunicar a dispensa com a antecedência possível e apresentar a
devida justificação.
Três dispensas de trabalho para deslocação aos serviços de segurança social
ou recepção dos técnicos no domicílio.

2 — As dispensas para consultas pré-natais e as dispen- 2 — A fim de beneficiarem das regalias previstas no
sas diárias para amamentação ou aleitação não determi- número anterior, os trabalhadores deverão, semestralmente,
nam perda de quaisquer direitos e são consideradas como fazer prova das suas condições de estudante e dos resulta-
prestação efectiva de trabalho. dos das provas efectuadas.
3 — Não determinam perda de quaisquer direitos salvo 3 — As regalias previstas no n.º 1 da presente cláusula
quanto à retribuição, cujo subsídio o trabalhador deve cessarão automaticamente logo que o trabalhador não
requerer à segurança social, e são consideradas como prove que obteve aproveitamento, nos termos da legis-
prestação efectiva de serviço as ausências ao trabalho lação em vigor.
resultantes de:
a) Licença em situação de risco clínico durante a gravidez; CAPÍTULO XI
b) Licença por interrupção de gravidez;
c) Licença parental, em qualquer das modalidades; Cessação do contrato de trabalho
d) Licença por adopção;
e) Licença parental complementar em qualquer das Cláusula 48.ª
modalidades; Cessação do contrato de trabalho
f) Falta para assistência a filho;
g) Falta para assistência a neto; 1 — Para além de outras modalidades legalmente pre-
h) Dispensa da prestação de trabalho por parte de tra- vistas, o contrato de trabalho pode cessar por:
balhadora grávida, puérpera ou lactante, por motivo de
protecção da sua segurança e saúde; a) Caducidade;
i) Dispensa para avaliação para adopção. b) Revogação (mútuo acordo das partes);
c) Despedimento por facto imputável ao trabalhador
Cláusula 46.ª (despedimento promovido pelo empregador com justa
causa);
Trabalhadores menores d) Despedimento colectivo;
1 — A empresa e o pessoal dos quadros devem, dentro e) Despedimento por extinção do posto de trabalho;
dos mais sãos princípios, velar pela preparação profissional f) Despedimento por inadaptação;
dos menores. g) Resolução pelo trabalhador (rescisão pelo trabalhador
2 — A empresa deve cumprir, em relação aos menores com justa causa);
ao seu serviço, as disposições legais relativas à aprendi- h) Denúncia pelo trabalhador.
zagem e formação profissional.
3 — Nenhum menor pode ser admitido sem ter sido 2 — É proibido o despedimento sem justa causa ou por
aprovado em exame médico a expensas da empresa, des- motivos políticos ou ideológicos.
tinado a comprovar se possui robustez física necessária 3 — Dada a imperatividade do regime de cessação do
para as funções a desempenhar. contrato de trabalho, aplica-se a todas as modalidades de
4 — Pelo menos uma vez por ano a empresa deve asse- cessação previstas no n.º 1 desta cláusula o estabelecido
gurar a inspecção médica dos menores ao seu serviço, de na lei.
acordo com as disposições legais aplicáveis, a fim de se 4 — A cessação do contrato de trabalho conferirá ao
verificar se o seu trabalho é feito sem prejuízo da saúde e trabalhador, sem prejuízo de outros devidos por força da
do desenvolvimento físico normal. lei ou do presente CCT, o direito:
Cláusula 47.ª a) Ao subsídio de Natal proporcional ao tempo de tra-
balho efectivo prestado no ano de cessação;
Direitos especiais dos trabalhadores-estudantes
b) Às férias vencidas e não gozadas, bem como ao res-
1 — Os trabalhadores-estudantes que frequentem com pectivo subsídio;
aproveitamento cursos oficiais ou equivalentes terão os c) Às férias proporcionais ao tempo de trabalho efectivo
direitos estabelecidos na lei. no ano de cessação e ao subsídio correspondente.

1595
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

CAPÍTULO XII Cláusula 52.ª


Poder disciplinar Tramitação processual disciplinar
1 — Nos casos em que se verifique comportamento
Cláusula 49.ª passível de sanção disciplinar, o procedimento disciplinar
Sanções disciplinares deve iniciar-se nos 60 dias posteriores ao conhecimento
da infracção por parte do empregador ou de superior hie-
1 — A inobservância por parte dos trabalhadores das rárquico com poderes delegados.
normas constantes do presente CCT será punida com as 2 — O procedimento disciplinar prescreve decorrido um
sanções seguintes: ano contado da data em que é instaurado, quando, nesse
a) Repreensão; prazo, o trabalhador não seja notificado da decisão final.
b) Repreensão registada; 3 — A sanção disciplinar não pode ser aplicada sem
c) Sanção pecuniária até 30 % da retribuição média di- audiência prévia do trabalhador.
ária por infracções praticadas no mesmo dia, não podendo 4 — No caso em que se verifique algum comportamento
exceder, em cada ano civil, a retribuição correspondente susceptível de constituir justa causa de despedimento, o
a 30 dias; empregador comunica por escrito ao trabalhador que o
d) Perda de dias de férias, com salvaguarda do direito tenha praticado a intenção de proceder ao despedimento,
ao gozo de 20 dias úteis; juntando nota de culpa com a descrição circunstanciada
e) Suspensão do trabalho com perda de retribuição e de dos factos que lhe são imputados, seguindo-se os demais
antiguidade até 30 dias por cada infracção, não podendo trâmites previstos na lei.
exceder, em cada ano civil, o total de 90 dias;
f) Despedimento sem indemnização ou compensação. CAPÍTULO XIII
Apoio aos trabalhadores
2 — A sanção disciplinar deve ser proporcionada à gra-
vidade da infracção e à culpabilidade do infractor, não Cláusula 53.ª
podendo aplicar-se mais do que uma pela mesma infracção.
Higiene e segurança no trabalho
Cláusula 50.ª 1 — A empresa instalará o seu pessoal em boas condi-
Sanções abusivas ções de higiene e deverá prover os locais de trabalho com
os indispensáveis requisitos de segurança.
1 — Consideram-se sanções abusivas as sanções disci- 2 — As empresas obrigam-se a cumprir os regulamentos
plinares motivadas pelo facto de o trabalhador: de higiene e segurança previstos na lei.
a) Haver reclamado legitimamente contra as condições
Cláusula 54.ª
de trabalho;
b) Recusar-se a cumprir ordens a que não deve obe- Incapacidade permanente por acidente
diência; de trabalho ou doença profissional
c) Exercer ou candidatar-se a funções em estrutura de 1 — Em caso de incapacidade permanente, parcial ou
representação colectiva dos trabalhadores; absoluta, para o trabalho habitual e proveniente de acidente
d) Em geral, exercer, ter exercido, pretender exercer ou de trabalho ou doença profissional ao serviço do empre-
invocar os direitos e garantias que lhe assistem. gador, este diligenciará para conseguir a reconversão dos
diminuídos para função compatível com as diminuições
2 — Até prova em contrário, presume-se abusivo o verificadas.
despedimento ou a aplicação de qualquer sanção, quando 2 — A retribuição da nova função não poderá ser infe-
levada a efeito até seis meses após qualquer dos factos rior à auferida à data da baixa.
mencionados no número anterior.
Cláusula 55.ª
Cláusula 51.ª Complemento de subsídio de doença
Consequências da aplicação de sanções abusivas
Em caso de doença, o empregador pagará aos seus tra-
A aplicação de alguma sanção abusiva, nos termos da balhadores, desde que admitidos até 29 de Dezembro de
cláusula anterior, para além de responsabilizar o empre- 1979, a diferença entre a retribuição auferida à data da
gador por violação das leis do trabalho, dá direito ao tra- baixa e o subsídio atribuído pela segurança social, até ao
balhador lesado a ser indemnizado nos termos gerais, com limite de 40 dias por ano, seguidos ou interpolados.
as alterações seguintes:
Cláusula 56.ª
a) Se a sanção consistir no despedimento, o trabalhador
Quotização sindical
tem direito a optar entre a reintegração e uma indemnização
calculada nos termos legalmente previstos; 1 — As empresas descontarão na retribuição dos traba-
b) Tratando-se de sanção pecuniária ou de suspensão lhadores sindicalizados nas associações sindicais outorgan-
do trabalho, a indemnização não será inferior a 10 vezes tes o montante das quotas por estes devidas e remetê-lo-ão
a importância daquela ou da retribuição perdida. até ao dia 10 do mês imediatamente seguinte, acompanhado

1596
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

de um mapa discriminativo que permita conferir a exacti- CAPÍTULO XV


dão dos valores entregues.
2 — O desconto das quotas na retribuição apenas se Disposições finais e transitórias
aplica relativamente aos trabalhadores que, em declaração Cláusula 58.ª
individual enviada à sua associação sindical e à entidade
onde prestem serviço, assim autorizem. Transmissão do estabelecimento
3 — A declaração de autorização referida no número 1 — A posição que dos contratos de trabalho decorre
anterior pode ser feita a todo o tempo e conterá o nome e a para a empresa transmite-se ao adquirente, por qualquer
assinatura do trabalhador, o valor da quota estatutariamente título, do estabelecimento onde os trabalhadores exerçam
estabelecido, mantendo-se em vigor até ser revogada, e a sua actividade, salvo se, antes da transmissão, o con-
esta terá de ser feita por escrito. trato de trabalho houver deixado de vigorar nos termos
4 — A declaração de autorização e a de revogação só legais ou se tiver havido acordo entre o transmitente e o
produzem efeitos a partir do mês imediato ao da sua entrega. adquirente no sentido de os trabalhadores continuarem ao
serviço daquele noutro estabelecimento, sem prejuízo das
indemnizações previstas na lei.
CAPÍTULO XIV 2 — O adquirente do estabelecimento é solidariamente
responsável pelas obrigações do transmitente vencidas nos
Comissão paritária seis meses anteriores à transmissão, ainda que respeitem
a trabalhadores cujos contratos hajam cessado, desde que
Cláusula 57.ª reclamadas até ao momento da transmissão.
Comissão paritária 3 — Para efeitos do n.º 2, deverá a adquirente, du-
rante os 15 dias anteriores à transmissão, fazer afixar
1 — Será constituída uma comissão paritária, com sede um aviso nos locais de trabalho no qual se dê conhe-
em Lisboa, que integrará dois elementos de cada uma das cimento aos trabalhadores de que devem reclamar os
partes outorgantes, os quais poderão ser assessorados. seus créditos.
2 — Cada parte indicará à outra, por escrito, nos 30 dias 4 — O disposto na presente cláusula é aplicável, com
subsequentes à entrada em vigor deste CCT, os nomes dos as necessárias adaptações, a qualquer acto ou factos que
respectivos representantes na comissão paritária. Conjun- envolvam a transmissão de exploração do estabeleci-
tamente com os representantes efectivos serão designados mento.
dois suplentes para substituir os efectivos em casos de
impedimento. Cláusula 59.ª
3 — Tanto os elementos efectivos como suplentes po- Falência ou insolvência
dem ser substituídos a qualquer tempo pela parte que os
1 — A declaração judicial da falência ou insolvência da
mandatou.
empresa não faz caducar os contratos de trabalho.
4 — A comissão paritária terá, designadamente, as se- 2 — O administrador da falência ou da insolvência satis-
guintes atribuições: fará integralmente as retribuições que se forem vencendo se
a) Interpretação do presente CCT; o estabelecimento não for encerrado e enquanto o não for.
b) Deliberação sobre questões de natureza técnica, no- 3 — A cessação dos contratos de trabalho, no caso pre-
meadamente a criação de novas categorias profissionais visto nesta cláusula, fica sujeita ao regime geral estabe-
e sua integração na tabela salarial. lecido na lei.
Cláusula 60.ª
5 — As deliberações da comissão paritária relativas a Extinção e reclassificação de categorias
questões de competência atribuída por força da alínea a) profissionais e profissões
do número anterior constituem a interpretação autêntica
do presente CCT. 1 — São extintas as seguintes categoriais e profissões:
técnico examinador, contabilista, programador, tesoureiro,
6 — A comissão paritária só poderá deliberar com a
assistente administrativo (perfil profissional de 2003),
presença de, pelo menos, um representante de cada uma secretário de direcção, escriturário de 1.ª classe, caixa,
das partes, e para a deliberação só poderá pronunciar-se escriturário de 2.ª classe, cobrador, telefonista, contínuo,
igual número de elementos de cada parte. guarda, porteiro, estagiário (3.º ano), estagiário (2.º ano)
7 — As deliberações da comissão paritária não podem e estagiário (1.º ano).
contrariar a lei ou a substância deste CCT e são tomadas 2 — Tabela de reclassificações:
por maioria dos elementos presentes com direito a voto
nos termos do n.º 6, sendo de imediato aplicáveis, salvo Actual Após a entrada em vigor da convenção
se tiverem de ser comunicadas ao ministério responsável
pela área do trabalho, para efeitos de publicação. Assistente administrativo . . . . Técnico(a) administrativo(a).
8 — O expediente da comissão será assegurado pela Secretário(a) de direcção . . . . Técnico(a) de secretariado.
Escriturário(a) de 1.ª e caixa. . .Assistente administrativo do grau II.
ANIECA. Escriturário(a) de 2.ª . . . . . . .
Assistente administrativo do grau I.
9 — A comissão paritária estará apta a funcionar logo que Contínuo(a) . . . . . . . . . . . . . .
Contínuo(a) (mais de três anos).
cada uma das partes dê cumprimento ao disposto no n.º 2. Contínuo(a) (menos de três anos).
Estagiário(a) do 1.º ano, 2.º ano, Estagiário(a) administrativo(a).
10 — Na sua primeira reunião a comissão paritária ela- 3.º ano.
borará o respectivo regulamento de funcionamento.

1597
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Clausula 61.ª das actividades da divisão ou departamento ou serviços


Manutenção de regalias
segundo as orientações e fins definidos; propõe a aquisição
de equipamento e materiais e admissão de pessoal neces-
1 — Da aplicação da presente convenção não poderão sário ao bom funcionamento da divisão ou departamento
resultar quaisquer prejuízos para os trabalhadores, desig- ou serviços.
nadamente baixa ou mudança de categoria ou classe, bem Chefe de secção. — É o trabalhador que chefia uma
como a diminuição de retribuição e outras regalias de ca- secção ou grupo de trabalhadores.
rácter regular ou permanente não contempladas neste CCT. Contínuo(a). — É o trabalhador que anuncia, acompa-
2 — As partes consideram que, globalmente, o pre- nha e informa os visitantes, faz entrega de mensagens e
sente CCT proporciona tratamento mais favorável aos objectos inerentes ao serviço interno, estampilha e entrega
trabalhadores. correspondência, além de a distribuir aos serviços a que é
destinada. Pode ainda executar outros serviços análogos.
Cláusula 62.ª Director(a) de escola de condução. — É o trabalhador
que, para além das funções de instrutor e da gestão cor-
Revogação de textos
rente das actividades da escola que lhes estão cometidas,
Com a entrada em vigor do presente contrato ficam deve ainda:
revogadas as matérias contratuais das convenções publica-
a) Coordenar, orientar e fiscalizar os instrutores no cum-
das, respectivamente, no Boletim do Trabalho e Emprego,
primento dos seus deveres;
1.ª série, n.ºs 31, de 22 de Agosto de 2006, e 9, de 8 de
b) Promover a actualização de conhecimentos dos ins-
Março de 2009.
trutores;
ANEXO I
c) Zelar pela transmissão de conhecimentos aos ins-
truendos através das metodologias adequadas,
Categorias profissionais d) Informar o titular do alvará sobre as questões res-
peitantes aos instrutores e ao pessoal administrativo, bem
Assistente administrativo(a). — É o trabalhador que como acerca da necessidade de melhoria das instalações
executa tarefas relacionadas com o expediente geral da e do apetrechamento;
empresa, de acordo com procedimentos estabelecidos, e) Fazer a avaliação formativa dos instruendos, apoiando
utilizando equipamento informático e equipamento e uten- o instrutor;
sílios de escritório; recepciona e regista a correspondência e f) Analisar o registo de reclamações e propor as soluções
encaminha-a para os respectivos serviços ou destinatários, adequadas, com conhecimento à Direcção-Geral de Viação.
em função do tipo de assunto e da prioridade da mesma; g) Estar atento à actividade da secretaria no que respeita
efectua o processamento de texto de memorandos, cartas/ aos elementos de registo dos alunos.
ofícios, relatórios, notas informativas e outros documentos,
com base em informação fornecida; arquiva a documen- Director(a) de serviços ou chefe de escritório. — É o
tação, separando-a em função do tipo de assunto, ou do trabalhador que estuda, organiza e dirige e coordena, nos
tipo de documento, respeitando regras e procedimentos de limites de competência que lhe é atribuída, as actividades
arquivo; procede à expedição da correspondência, identi- do empregador de um ou de vários dos seus departamentos.
ficando o destinatário e acondicionando-a, de acordo com Exerce funções tais como: colaborar na determinação da
os procedimentos adequados. política da empresa; planear a utilização mais conveniente
Prepara e confere documentação de apoio à actividade da mão-de-obra, equipamento, matérias, instalações e ca-
da empresa designadamente documentos referentes a con- pitais; orientar, dirigir e fiscalizar a actividade da empresa
tratos de compra e venda (requisições, guias de remessa, segundo os planos estabelecidos, a política adoptada e
facturas, recibos e outros), e documentos bancários (che- as normas e regulamentos prescritos; criar e manter uma
ques, letras, livranças e outros). estrutura administrativa que permita explorar e dirigir a
Regista e actualiza, manualmente ou utilizando apli- empresa de maneira eficaz; colaborar na fixação da política
cações informáticas específicas da área administrativa, financeira e exercer a verificação dos custos. Pode propor
dados necessários à gestão da empresa, nomeadamente, a aquisição de equipamento.
os referentes ao economato, à facturação, vendas e clien- Estagiário(a) administrativo(a). — É o trabalhador as-
tes, compras e fornecedores, pessoal e salários, stocks e sistente administrativo que faz o estágio ou a adaptação
aprovisionamento. profissional.
Atende e encaminha, telefónica ou pessoalmente, o Instrutor(a). — É o trabalhador que, legalmente habi-
público interno e externo à empresa, nomeadamente clien- litado, ministra o ensino de condução automóvel nos seus
tes, fornecedores e funcionários, em função do tipo de aspectos técnicos, teóricos ou práticos.
informação ou serviço pretendido. Técnico(a) de secretariado. — É o profissional que
Chefe de divisão/departamento/serviços/contabili- planeia e organiza a rotina diária e mensal da chefia/direc-
dade. — É o trabalhador que estuda, organiza, dirige e ção, providenciando pelo cumprimento dos compromissos
coordena, sob orientação do seu superior hierárquico ou do agendados: organiza a agenda, efectuando a marcação de
empregador, num ou vários departamentos da empresa as reuniões, entrevistas e outros compromissos, tendo em
funções que lhe são cometidas; exerce, dentro da divisão conta a sua duração e localização e procedendo a eventuais
ou departamento ou serviços que chefia e nos limites da alterações; organiza reuniões, elaborando listas de partici-
sua competência, funções de direcção, orientação e fisca- pantes, convocatórias, preparando documentação de apoio
lização do pessoal sob as suas ordens e de planeamento e providenciando pela disponibilização e preparação do lo-

1598
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

cal da sua realização, incluindo o equipamento de apoio; or- efectuado, e assegura o armazenamento do mesmo. Orga-
ganiza deslocações efectuando reservas de hotel, marcação niza e executa tarefas administrativas de apoio à actividade
de transporte, preparação de documentação de apoio e asse- da empresa: organiza a informação relativa à compra e
gurando outros meios necessários à realização das mesmas. venda de produtos e serviços, criando e mantendo actuali-
Assegura a comunicação da chefia/direcção com inter- zados dossiers e ficheiros, nomeadamente, de identificação
locutores, internos e externos, em língua portuguesa ou es- de clientes e fornecedores, volume de vendas e compras
trangeira: recebe chamadas telefónicas e outros contactos, realizadas e a natureza do material adquirido; preenche e
efectuando a sua filtragem em função do tipo de assunto, confere documentação referente ao contrato de compra e
da sua urgência e da disponibilidade da chefia/direcção ou venda (requisições, guias de remessa, facturas, recibos e
encaminhamento para outros serviços; acolhe os visitantes outras) e documentação bancária (cheques, letras, livranças
e encaminha-os para os locais de reunião ou entrevista; e outras); compila e encaminha para os serviços competen-
contacta o público interno e externo no sentido de trans- tes os dados necessários, nomeadamente à elaboração de
mitir orientações e informações da chefia/direcção. orçamentos e relatórios. Executa tarefa de apoio à contabi-
Organiza e executa tarefas relacionadas com o expe- lidade geral da empresa, nomeadamente analisa e classifica
diente geral do secretariado da chefia/direcção; selecciona, a documentação de forma a sistematizá-la para posterior
regista e entrega a correspondência urgente e pessoal e tratamento contabilístico. Executa tarefas administrativas
encaminha a restante a fim de lhe ser dada a devida se- de apoio à gestão de recursos humanos: regista e confere os
quência; providencia a expedição da correspondência da dados relativos à assiduidade do pessoal; processa venci-
chefia/direcção; redige cartas/ofícios, memorandos, notas mentos, efectuando os cálculos necessários à determinação
informativas e outros textos de rotina administrativa, a dos valores de abonos, descontos e montante líquido a
partir de informação fornecida pela chefia/direcção, em receber; actualiza a informação dos processos individuais
língua portuguesa ou estrangeira; efectua o processamento do pessoal, nomeadamente dados referentes a dotações,
de texto da correspondência e de outra documentação da promoções e reconversões; reúne a documentação rela-
chefia/direcção; efectua traduções e retroversões de textos tiva aos processos de recrutamento, selecção e admissão
de rotina administrativa; organiza e executa o arquivo de de pessoal e efectua os contactos necessários; elabora os
documentação de acordo com o assunto ou tipo de docu- mapas e guias necessárias ao cumprimento das obrigações
mento, respeitando as regras e procedimentos de arquivo. legais, nomeadamente IRS e segurança social.
Executa tarefas inerentes à gestão e organização do
Técnico(a) de contabilidade. — É o profissional que
secretariado: controla o material de apoio ao secretariado,
organiza e classifica os documentos contabilísticos da em-
verificando existências, detectando faltas e providenciando
pela sua reposição; organiza processos, efectuando pesqui- presa: analisa a documentação contabilística, verificando
sas e seleccionando documentação útil e pedidos externos a sua validade e conformidade, e separa-a de acordo com
e internos de informação; elabora e actualiza ficheiros de a sua natureza; classifica os documentos contabilísticos,
contactos bem como outro tipo de informação útil à gestão em função do seu conteúdo, registando os dados referentes
do serviço. à sua movimentação, utilizando o Plano Oficial de Con-
Técnico(a) administrativo(a). — É o profissional que tas do sector respectivo. Efectua o registo das operações
organiza e executa tarefas relacionadas com o expediente contabilísticas da empresa, ordenando os movimentos pelo
geral da empresa, utilizando equipamento informático e débito e crédito nas respectivas contas, de acordo com a
equipamento e utensílios de escritório; recepciona e re- natureza do documento, utilizando aplicações informáticas
gista a correspondência e encaminha-a para os respectivos e documentos e livros auxiliares e obrigatórios. Contabiliza
serviços ou destinatários, em função do tipo de assunto as operações da empresa, registando débitos e créditos:
e da prioridade da mesma; redige e efectua o processa- calcula ou determina e regista os impostos, taxas, tarifas
mento de texto de correspondência geral, nomeadamente a pagar; calcula e regista custos e proveitos; regista e con-
memorandos, cartas/ofícios, notas informativas e outros trola as operações bancárias, extractos de contas, letras
documentos com base em informação fornecida; organiza e livranças, bem como as contas referentes a compras,
o arquivo, estabelecendo critérios de classificação, em vendas, clientes, fornecedores, ou outros devedores e cre-
função das necessidades de utilização; arquiva a documen- dores e demais elementos contabilísticos incluindo amor-
tação, separando-a em função do tipo de assunto, ou do tizações e provisões. Prepara, para a gestão da empresa, a
tipo de documento, respeitando regras e procedimentos de documentação necessária ao cumprimento das obrigações
arquivo; procede à expedição da correspondência e enco- legais e ao controlo das actividades: preenche ou confere as
mendas, identificando o destinatário e acondicionando-a, declarações fiscais, e outra documentação, de acordo com
de acordo com os procedimentos adequados. a legislação em vigor; prepara dados contabilísticos úteis
Atende e informa o público interno e externo à empresa: à análise da situação económico-financeira da empresa,
presta informações sobre os serviços da empresa, quer nomeadamente listagens de balancetes, balanços, extractos
telefónica quer pessoalmente; procede à divulgação de de conta; demonstrações de resultados e outra documen-
normas e procedimentos internos junto dos funcionários tação legal obrigatória. Recolhe os dados necessários à
e presta os esclarecimentos necessários. Efectua a gestão elaboração, pela gestão, de relatórios periódicos da situação
do economato da empresa: regista as entradas e saídas de económico-financeira da empresa, nomeadamente planos
material, em suporte informático ou em papel, a fim de de acção, inventários e relatórios. Organiza e arquiva todos
controlar as quantidades existentes; efectua o pedido de os documentos relativos à actividade contabilística
material, preenchendo requisições ou outro tipo de docu- Trabalhador(a) de limpeza. — É o trabalhador cuja
mentação, com vista à reposição de faltas; recepciona o actividade consiste em proceder à limpeza das instalações,
material, verificando a sua conformidade com o pedido móveis, utensílios e interiores de veículos.

1599
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

ANEXO II (Em euros)

Condições específicas e carreira profissional Níveis Profissões e categorias profissionais Remunerações

I — Admissão

1 — São condições de admissão as habilitações esco- 3 Chefe de departamento/divisão/serviços/contabi-


lidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 847,05
lares mínimas obrigatórias correspondentes à idade de
Chefe de secção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
nascimento, habilitação profissional, quando for caso disso, 4 771,85
Técnico(a) de contabilidade. . . . . . . . . . . . . . . .
e certificado de aptidão profissional ou outro título profis- Técnico(a) administrativo(a) . . . . . . . . . . . . . . .
sional, sempre que requerido para o exercício da profissão. 5 709,15
Técnico(a) de secretariado . . . . . . . . . . . . . . . .
2 — As condições de admissão para o desempenho 6 Instrutor(a) (1) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 689,90
de tarefas técnicas administrativas são o curso do ensino 7 Assistente administrativo(a) II . . . . . . . . . . . . . . 686,55
secundário correspondente à idade de nascimento, habili- 8 Assistente administrativo(a) I. . . . . . . . . . . . . . . 613,15
tação profissional, quando for caso disso, e certificado de 9 Contínuo (mais de três anos) . . . . . . . . . . . . . . . 570,85
habilitação profissional ou outro título profissional, sempre
10 Trabalhador(a) de limpeza . . . . . . . . . . . . . . . . . 541,90
que requerido para o exercício da profissão.
11 Estagiário(a) de assistente administrativo (2). . . 521,20
II — Carreira profissional 12 Contínuo (até três anos) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475
Princípios gerais (1) O instrutor que desempenhar as funções de director de escola de condução tem direito
a um subsídio mensal de exercício no valor de 9 % incidente sobre a retribuição fixada para
o nível 6.
1 — A sujeição à autoridade e direcção do empregador (2) Retribuição auferida nos termos do n.º 2, epígrafe II, do anexo II.
(3) Valor da retribuição mínima mensal garantida fixada pelo Decreto-Lei n.º 5/2010,
por força da celebração de contrato de trabalho não pode de 15 de Janeiro.
prejudicar a autonomia técnica inerente à actividade para
que o trabalhador foi contratado.
Lisboa, 15 de Abril de 2010.
2 — Os trabalhadores administrativos poderão ter um
período de estágio ou de adaptação até dois anos, auferindo Pela ANIECA — Associação Nacional dos Industriais
85 % da retribuição prevista para o assistente administra- do Ensino de Condução Automóvel:
tivo de grau I (nível 8) na tabela de retribuições. Eduardo Manuel Vieira Dias, presidente da direcção.
Fernando Pereira dos Santos, vice-presidente da di-
III — Disposições especiais
recção.
1 — A promoção do grau I ao grau II é feita no período Pelo SITRA — Sindicato dos Trabalhadores dos Trans-
máximo de três anos de exercício profissional na mesma portes:
empresa, salvo se o empregador deduzir oposição funda-
mentada por escrito ou antecipar a promoção. Sérgio Alexandrino Monteiro do Monte, secretário-geral.
2 — A promoção de assistente administrativo a técnico Domingos Barão Paulino, presidente.
administrativo é da competência do empregador, a todo o Depositado em 21 de Abril de 2010, a fl. 73 do livro
tempo, ou por proposta apresentada pelo trabalhador acom- n.º 11, com o n.º 54/2010, nos termos do artigo 494.º do
panhada do currículo profissional dos últimos três anos de Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12
actividade no grau II, onde conste a obtenção de formações de Fevereiro.
profissionais ou certificação profissional (ou académica)
por sua iniciativa, salvo se o empregador deduzir oposição
fundamentada por escrito ou antecipar a promoção.
3 — As disposições previstas no número anterior são
aplicáveis em todos os casos de evolução vertical de pas-
sagem de categorias ou profissões qualificadas para ca- Contrato colectivo entre a ANCAVE — Associação
tegorias ou profissões altamente qualificadas dentro do Nacional dos Centros de Abate e Indústrias
Transformadoras de Carne de Aves e o Sindi-
mesmo agrupamento profissional.
cato dos Trabalhadores da Indústria e Comércio
ANEXO III
de Carnes do Sul e outro — Alteração salarial
e outras.
Tabela de retribuições mínimas mensais O CCT para os centros de abate de aves publicado no
e enquadramentos profissionais Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 17, de 8 de
(Em euros) Maio de 2009, é alterado da forma seguinte:
Níveis Profissões e categorias profissionais Remunerações Cláusula 1.ª
Área e âmbito
1 Director(a) de serviços. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 241,55
2 Chefe de escritório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 926,75 1 — O presente CCT vincula, por um lado, todas as
entidades patronais que exerçam a actividade de abate,

1600
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

desmancha, corte, preparação e qualificação de aves, bem Cláusula 44.ª


como a sua transformação e comercialização, representadas Subsídio de frio
pela associação outorgante, e, por outro, todos os trabalha-
dores ao seu serviço que, representados pelos organismos 1 — Os trabalhadores que predominantemente exerçam
sindicais outorgantes, exerçam actividade profissional cor- a sua actividade em câmaras frigoríficas terão direito a um
respondente a alguma das categorias profissionais previstas subsídio de frio de € 24 mensais.
neste contrato. 2— .......................................
2 — O presente CCT abrange todo o território nacional
e é aplicável a um universo de 52 empresas, num total de Cláusula 89.ª
4750 trabalhadores. Subsídio de refeição
3— ....................................... 1 — A todos os trabalhadores é devido um subsídio de
refeição no montante de € 4,50 por cada dia de trabalho,
Cláusula 2.ª salvo se a empresa possuir cantina própria.
Vigência e denúncia 2— .......................................
1 — O presente CCT entra em vigor, nos termos da lei, Cláusula 102.ª
com a sua publicação no Boletim do Trabalho e Emprego
e é válido pelo período de 12 meses. Pagamento de retroactivos
2— ....................................... Os retroactivos serão liquidados até 31 de Maio de
3 — A tabela salarial constante do anexo II e demais 2010.
cláusulas com expressão pecuniária produzem efeitos a
partir de 1 de Janeiro de 2010 e vigorarão por um período ANEXO II
efectivo de 12 meses.
4— ...................................... Tabela salarial

Remunerações
Cláusula 34.ª Grupos Categoria
(euros)

Conceito de retribuição
I Encarregado de matadouro . . . . . . . . . . . . . . . 634
...........................................
8 — Os trabalhadores que regularmente exerçam fun- Caixeiro-encarregado ou chefe de secção . . . .
ções de pagamentos e recebimentos em numerário têm II
Encarregado de expedição . . . . . . . . . . . . . . .
566
direito a um abono mensal para falhas no valor de €19,50. Encarregado de manutenção . . . . . . . . . . . . . .
Inspector de vendas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
...........................................
III Motorista de pesados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 550
Cláusula 39.ª
Aproveitador de subprodutos . . . . . . . . . . . . .
Diuturnidades Caixeiro de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Fogueiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
1 — A todos os trabalhadores constantes do anexo I Mecânico de automóveis de 1.ª . . . . . . . . . . . .
é atribuída uma diuturnidade de € 19,50 por cada cinco IV Motorista de ligeiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 510
anos de permanência na categoria profissional ao serviço Oficial electricista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Pendurador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
da mesma entidade patronal, até ao limite de cinco diu- Serralheiro civil de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
turnidades. Serralheiro mecânico de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . .
........................................... Vendedor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Ajudante de motorista/distribuidor . . . . . . . . .
Cláusula 43.ª Apontador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Caixeiro de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Retribuição dos trabalhadores nas deslocações Expedidor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
V Mecânico de automóveis de 2.ª . . . . . . . . . . . . 483
1 — As entidades patronais obrigam-se a pagar aos Pedreiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
trabalhadores deslocados em serviço as seguintes impor- Serralheiro civil de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
tâncias: Serralheiro mecânico de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . .
Telefonista de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
a):
Arrumador-carregador de câmaras frigoríficas
Pequeno-almoço — € 3,40; VI de congelação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 481
Diária completa — € 42,50; Manipulador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Telefonista de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Almoço ou jantar — € 14;
Dormida com pequeno-almoço — € 26; Caixeiro de 3.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Ceia — € 7,50; Empregado de refeitório . . . . . . . . . . . . . . . . .
Guarda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
VII Mecânico de automóveis de 3.ª . . . . . . . . . . . . 479
ou, se a empresa o preferir, o pagamento dessas despesas Pré-oficial electricista do 2.º período . . . . . . .
contra apresentação dos respectivos documentos com- Serralheiro civil de 3.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
provativos. Serralheiro mecânico de 3.ª . . . . . . . . . . . . . . .

1601
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Remunerações
sociação Nacional de Comerciantes e Industriais de Pro-
Grupos Categoria dutos Alimentares e, por outro lado, os trabalhadores ao
(euros)
seu serviço com as categorias profissionais nele previstas,
Servente de pedreiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . representados pelas associações sindicais outorgantes.
2 — O presente CCT abrange 350 empresas e 700 tra-
Ajudante de fogueiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Ajudante de mecânico de automóveis . . . . . . .
balhadores.
Ajudante de serralheiro mecânico . . . . . . . . . . Cláusula 2.ª
VIII Ajudante de serralheiro civil . . . . . . . . . . . . . . 477
Caixeiro-ajudante do 2.º ano . . . . . . . . . . . . . . Vigência do contrato
Pré-oficial electricista do 1.º período . . . . . . .
Trabalhador da apanha . . . . . . . . . . . . . . . . . . ...........................................
2 — As tabelas salariais produzirão efeitos a partir de
Caixeiro-ajudante do 1.º ano . . . . . . . . . . . . . . 1 de Janeiro de 2010.
Praticante de caixeiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
IX
Praticante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
475 ...........................................
Servente de limpeza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Cláusula 46.ª
Lisboa, 20 de Abril de 2010. Subsídio de alimentação
Pela Associação Nacional dos Centros de Abate e Indús- A entidade patronal obriga-se a conceder aos trabalha-
trias Transformadoras de Carnes de Aves (ANCAVE): dores um subsídio diário de € 4,10, a título de alimentação,
Manuel Cerqueira Pereira Lima, mandatário. por qualquer dia em que prestem, pelo menos, quatro horas
de trabalho, sem prejuízo de subsídios mais favoráveis já
Pelo Sindicato dos Trabalhadores da Indústria e Comér- praticados.
cio de Carnes do Sul:
ANEXO I
Agostinha do Nascimento Almeida Dias, mandatária.
Definição de funções
Pelo SITEMAQ — Sindicato da Mestrança e Mari-
nhagem da Marinha Mercante, Energia e Fogueiros de ...........................................
Terra: Motorista/distribuidor. — É o trabalhador que, pos-
suindo carta de condução de ligeiros, distribui as merca-
Agostinha do Nascimento Almeida Dias, mandatária. dorias por clientes ou sector de vendas.
Depositado em 26 de Abril de 2010, a fl. 73 do livro ANEXO III
n.º 11, com o n.º 59/2010, nos termos do artigo 494.º do
Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 Tabela salarial
de Fevereiro.
Remunerações
Níveis Categorias profissionais
mínimas (euros)

Chefe de vendas (com./arm.) . . . . . . . . . .


I Encarregado geral de armazém (com./ 720
arm.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Contrato colectivo entre a ANCIPA — Associação Técnico do serviço social (SS). . . . . . . . . .
Nacional de Comerciantes e Industriais de Pro-
dutos Alimentares e a FESAHT — Federação II Encarregado electricista (ele.) . . . . . . . . . . 687
Encarregado (metalúrgico) (met.) . . . . . . .
dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Be-
bidas, Hotelaria e Turismo de Portugal (pastela- Analista principal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
ria, confeitaria e conservação de fruta — apoio Caixeiro encarregado (com./arm.) . . . . . .
e manutenção) — Alteração salarial e outras. III Encarregado de armazém (com./arm.) . . . 667
Chefe de equipa (met.). . . . . . . . . . . . . . . .
Chefe de equipa (ele.) . . . . . . . . . . . . . . . .
Cláusula prévia Chefe de movimento (rod.) . . . . . . . . . . . .
Alteração Inspector de vendas (com.) . . . . . . . . . . . .
IV Preparador de trabalho (met.) . . . . . . . . . . 635
O CCT para a indústria de pastelaria, confeitaria e con- Analista físico-químico de 1.ª (qui.) . . . . .
servação de fruta (apoio e manutenção), publicado no
Encarregado (CC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 21, de 8 de Junho de Oficial de 1.ª (ele.) . . . . . . . . . . . . . . . . . .
2009, é revisto da forma seguinte: Chefe de cozinha (hot.) . . . . . . . . . . . . . . .
Encarregado de refeitório (hot.) . . . . . . . .
Cláusula 1.ª Afinador de máquinas de 1.ª (met.) . . . . . .
V Fiel de armazém (met.) . . . . . . . . . . . . . . . 619
Área e âmbito Canalizador de 1.ª (met.) . . . . . . . . . . . . . .
Mecânico de automóveis de 1.ª (met.) . . .
1 — O presente CCT aplica-se em todo o território na- Bate-chapas de 1.ª (met.) . . . . . . . . . . . . .
cional e obriga, por um lado, as empresas que se dediquem Serralheiro civil de 1.ª (met.) . . . . . . . . . .
ao fabrico de pastelaria (incluindo a congelada), confeitaria Serralheiro mecânico de 1.ª (met.). . . . . . .
Torneiro mecânico de 1.ª (met.) . . . . . . . .
e conservação de fruta representadas pela ANCIPA — As-

1602
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Remunerações Remunerações
Níveis Categorias profissionais Níveis Categorias profissionais
mínimas (euros) mínimas (euros)

Motorista de pesados (rod.) . . . . . . . . . . . . Motorista/distribuidor até três anos com co-


Motorista/distribuidor sem comissões . . . . missões. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Caixeiro de 1.ª (com./arm.) . . . . . . . . . . . . Embalador (com./arm.) . . . . . . . . . . . . . . .
Caixeiro-viajante e de praça sem comissões Servente (CC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
(com./arm.). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pré-oficial do 2.º ano (ele.) . . . . . . . . . . . .
VI Fiel de armazém (com./arm.) . . . . . . . . . . 603,5 Lavador (rod.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Promotor/prospector de vendas sem comis- XII Servente de viaturas de carga (rod.) . . . . . 493
sões. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Empregado de mesa/balcão ou self-service
Vendedor especializado sem comissões . . . (hot.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Demonstrador (com./arm.) . . . . . . . . . . . . Empregado de refeitório ou cantina (hot.)
Cozinheiro de 1.ª (hot.) . . . . . . . . . . . . . . . Servente (met.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Analista físico-químico de 2.ª (qui.) . . . . . Entregador de ferramentas, materiais ou
Oficial de 1.ª (CC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . produtos de 3.ª (met.) . . . . . . . . . . . . . .
Lubrificador de 3.ª (met.) . . . . . . . . . . . . .
Oficial de 2.ª (ele.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . Praticante do 2.º ano com aprendizagem
Encarregado de cargas e descargas (gar.) (met.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Afinador de máquinas de 2.ª (met.) . . . . .
Canalizador de 2.ª (met.) . . . . . . . . . . . . . . Caixeiro ajudante do 1.º ano (com.) . . . . .
Bate-chapas de 2.ª (met.) . . . . . . . . . . . . . XIII Pré-oficial do 1.º ano (ele.) . . . . . . . . . . . . 479
VII Ajudante de fiel de armazém (met.) (a) . . . 580 Praticante do 1.º ano com aprendizagem
Mecânico de automóveis de 2.ª (met.) . . . (met.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Pintor de 1.ª (met.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ajudante de electricista (ele.) . . . . . . . . . .
Serralheiro civil de 2.ª (met.) . . . . . . . . . . XIV Praticante do 1.º ano sem aprendizagem 477
Serralheiro mecânico de 2.ª (met.) . . . . . . (met.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Torneiro mecânico de 2.ª (met.) . . . . . . . .
Praticante de armazém de 17/18 anos (com./
Oficial de 2.ª (CC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . arm.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Caixeiro de 2.ª (com./adm.) . . . . . . . . . . . Praticante de caixeiro do 2.º ano (com./
Conferente (com./arm.) . . . . . . . . . . . . . . . XV arm.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 476
VIII Repositor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 545 Aprendiz do 2.º ano (met.) . . . . . . . . . . . .
Cozinheiro de 2.ª (hot.) . . . . . . . . . . . . . . . Aprendiz (hot.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Ajudante de fiel de armazém (com./arm.) Aprendiz do 2.º ano (ele.) . . . . . . . . . . . . .
Motorista de ligeiros . . . . . . . . . . . . . . . . .
Praticante de armazém com 16 anos (com./
Oficial de 3.ª (ele.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . arm.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Afinador de máquinas de 3.ª (met.) . . . . . . Praticante de caixeiro do 1.º ano (com./
Bate-chapas de 3.ª (met.) . . . . . . . . . . . . . XVI arm.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475
Canalizador de 3.ª (met.) . . . . . . . . . . . . . . Aprendiz (CC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Entregador de ferramentas, materiais e pro- Aprendiz do 1.º ano (ele.) . . . . . . . . . . . . .
IX dutos de 1.ª (met.) . . . . . . . . . . . . . . . . . 530 Aprendiz do 1.º ano (met.) . . . . . . . . . . . .
Lubrificador de 1.ª (met.) . . . . . . . . . . . . .
Mecânico de automóveis de 3.ª (met.) . . .
Pintor de 2.ª (met.) . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Serralheiro civil de 3.ª (met.) . . . . . . . . . . .
Serralheiro mecânico de 3.ª (met.) . . . . . . ANEXO III-A
Torneiro mecânico de 3.ª (met.) . . . . . . . .
Analista físico-químico de 3.ª (qui.) . . . . . Tabela de salários para profissionais de engenharia

X Ajudante de motorista (rod.) . . . . . . . . . . . 520,5


Lubrificador (rod.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . Grupos profissionais
Remunerações
mínimas (euros)
Caixa (balcão) (com./arm.) . . . . . . . . . . . .
Caixeiro de 3.ª (com./arm.) . . . . . . . . . . . . Grau I-A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 773
Operador de empilhador (com./arm.) . . . . Grau I-B . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 831
Caixeiro-viajante e de praça com comissões Grau II . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 889
(com./arm.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Grau III. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 096
Promotor/prospector de vendas sem comis- Grau IV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 288
sões (com./arm.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . Grau V . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 475
Vendedor especializado com comissões Grau VI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 702
(com./arm.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
XI Motorista/distribuidor mais de três anos com 494
comissões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lisboa, 5 de Março de 2010.
Cozinheiro de 3.ª (hot.) . . . . . . . . . . . . . . .
Despenseiro (hot.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pela ANCIPA — Associação Nacional de Comerciantes
Empregado de balcão (hot.) . . . . . . . . . . . e Industriais de Produtos Alimentares:
Entregador de ferramentas, materiais ou
produtos de 2.ª (met.) . . . . . . . . . . . . . . Estêvão Miguel de Sousa Anjos Martins, mandatário.
Pintor de 3.ª (met.) . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Lubrificador de 2.ª (met.) . . . . . . . . . . . . .
Preparador (qui.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pela FESAHT — Federação dos Sindicatos de Agri-
cultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de
Caixeiro-ajudante do 2.º ano (com./arm.) Portugal:
Servente ou auxiliar de armazém (com./
arm.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Alfredo Filipe Cataluna Malveiro, mandatário.

1603
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Pela FEPCES — Federação Portuguesa dos Sindicatos Sindicato dos Profissionais dos Transportes, Turismo e
do Comércio, Escritórios e Serviços: Outros Serviços da Horta;
Sindicato dos Profissionais de Transporte, Turismo e
Alfredo Filipe Cataluna Malveiro, mandatário.
Outros Serviços de São Miguel e Santa Maria;
SNTSF — Sindicato Nacional dos Trabalhadores do
Pela FECTRANS — Federação dos Sindicatos de Sector Ferroviário;
Transportes e Comunicações: OFICIAIS/MAR — Sindicato dos Capitães, Oficiais Pi-
Alfredo Filipe Cataluna Malveiro, mandatário. lotos, Comissários e Engenheiros da Marinha Mercante;
SIMAMEVIP — Sindicato dos Trabalhadores da Mari-
Pela FEVICCOM — Federação Portuguesa dos Sindi- nha Mercante, Agências de Viagens, Transitários e Pesca;
catos da Construção, Cerâmica e Vidro: Sindicato dos Transportes Fluviais, Costeiros e da Ma-
rinha Mercante.
Alfredo Filipe Cataluna Malveiro, mandatário.
Lisboa, 16 de Abril de 2010. — Pela Direcção Nacio-
Pela FIEQUIMETAL — Federação Intersindical das nal: Amável Alves — Vítor Pereira.
Indústrias Metalúrgica, Química, Farmacêutica, Eléctrica,
Energia e Minas: Declaração

Alfredo Filipe Cataluna Malveiro, mandatário. Para os devidos efeitos se declara que a Federação Por-
tuguesa dos Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro
Declaração representa os seguintes sindicatos:
A Direcção Nacional da FESAHT — Federação dos Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Cerâmica,
Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria Cimentos e Similares do Sul e Regiões Autónomas;
e Turismo de Portugal declara que outorga esta convenção Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Cerâmica,
em representação dos seguintes sindicatos: Cimentos e Similares da Região Norte;
Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Cerâmica,
SINTAB — Sindicato dos Trabalhadores de Agricultura Cimentos, Construção, Madeiras, Mármores e Similares
e das Indústrias de Alimentação. Bebidas e Tabacos de da Região Centro;
Portugal; Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Vidreira;
STIANOR — Sindicato dos Trabalhadores das Indús- Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil e Ma-
trias de Alimentação do Norte; deiras do Distrito de Braga;
STIAC — Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Sindicato dos Trabalhadores da Construção, Madeiras,
Alimentar do Centro, Sul e Ilhas. Mármores e Cortiças do Sul;
Lisboa, 16 de Abril de 2010. — Pela Direcção Nacio- Sindicato dos Trabalhadores da Construção, Madeiras,
nal: Rodolfo José Caseiro. — Maria das Dores Oliveira Mármores, Pedreiras, Cerâmica e Materiais de Construção
Torres Gomes. de Portugal;
Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil, Madei-
Declaração ras, Mármores e Pedreiras do Distrito de Viana do Castelo;
SICOMA — Sindicato dos Trabalhadores da Constru-
Informação da lista de sindicatos filiados na FEPCES: ção, Madeiras, Olarias e Afins da Região da Madeira.
CESP — Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Lisboa, 16 de Abril de 2010. — Pela Direcção: Maria
Escritórios e Serviços de Portugal; de Fátima Marques Messias — José Alberto Valério Dinis.
Sindicato dos Trabalhadores do Comércio e Serviços
do Minho; Declaração
Sindicato dos Trabalhadores Aduaneiros em Despa-
chantes e Empresas; Para os devidos efeitos, declaramos que a FIEQUIME-
Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria, TAL — Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgica,
Vigilância, Limpeza, Domésticas, Profissões Similares e Química, Farmacêutica, Eléctrica, Energia e Minas repre-
Actividades Diversas; senta as seguintes organizações sindicais:
Sindicato dos Empregados de Escritório, Comércio e SINORQUIFA — Sindicato dos Trabalhadores da Quí-
Serviços da Horta; mica, Farmacêutica, Petróleo e Gás do Norte;
16 de Abril de 2010. — (Assinatura ilegível.) SINQUIFA — Sindicato dos Trabalhadores da Química,
Farmacêutica, Petróleo e Gás do Centro, Sul e Ilhas;
Declaração Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Metalúrgicas
e Metalomecânicas dos Distritos de Aveiro, Viseu, Guarda
A FECTRANS — Federação dos Sindicatos de Trans-
e Coimbra;
portes e Comunicações representa os seguintes sindicatos:
Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Metalúrgicas
STRUP — Sindicato dos Trabalhadores de Transportes e Metalomecânicas do Distrito de Braga;
Rodoviários e Urbanos de Portugal; Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários e Actividades
STRUN — Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Metalúrgicas da Região Autónoma da Madeira;
Rodoviários e Urbanos do Norte; Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Metalúrgica e
STRAMM — Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários e Metalomecânica dos Distritos de Lisboa, Leiria, Santarém
Actividades Metalúrgicas da Região Autónoma da Madeira; e Castelo Branco;

1604
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Metalúrgicas Cláusula 57.ª


e Metalomecânicas do Norte; Pão de alimentação
Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Metalúrgicas
1 — Considera-se pão todos os produtos que as padarias
e Metalomecânicas do Sul; estão legalmente autorizadas a fabricar, incluindo produtos
Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Metalúrgicas afins e similares.
e Metalomecânicas do Distrito de Viana do Castelo; 2 — Os trabalhadores abrangidos por este contrato bene-
Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira; ficiam, quando admitidos anteriormente a 2004, do direito
SIESI — Sindicato das Indústrias Eléctricas do Sul e Ilhas; a 1 kg de pão fabricado com farinha de trigo tipo 110 ou
STIENC — Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias ao seu valor noutro tipo de pão.
Eléctricas do Norte e Centro. 3 — É expressamente vedado à entidade patronal pagar
Lisboa, 16 de Abril de 2010. — Pelo Secretariado: Del- e ao trabalhador receber o valor do pão de alimentação.
4 — Para efeitos do n.º 2, considera-se que o valor do
fim Tavares Mendes — António Maria Quintas.
quilograma do pão é de € 1,30.
Depositado em 22 de Abril de 2010, a fl. 73 do livro
n.º 11, com o n.º 56/2010, nos termos do artigo 494.º do Cláusula 58.ª
Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de Subsídio de refeição
12 de Fevereiro. 1 — Todos os trabalhadores abrangidos por este contrato
terão direito a um subsídio de refeição no valor de € 2,10
por cada dia completo de trabalho efectivamente prestado.
...........................................
ANEXO III
Contrato colectivo entre a Associação dos Indus-
triais de Panificação de Lisboa e a FESAHT — Fe- Tabela salarial
deração dos Sindicatos da Agricultura, Alimen- Remunerações mínimas mensais
tação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal Categorias profissionais
Horário normal Horário especial
e outras (fabrico, expedição e vendas, apoio (em euros) (em euros)
e manutenção) — Alteração salarial e outras.
Sector de fabrico:
A presente revisão do CCT publicado no Boletim do Encarregado de fabrico . . . . . . . . . . . . . 521 650
Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 17, de 8 de Maio de Amassador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 510 612
2009, dá nova redacção às seguintes matérias: Forneiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 510 612
Ajudante de padaria de 1.ª . . . . . . . . . . . 480 600
Ajudante de padaria de 2.ª . . . . . . . . . . . 477 595
Cláusula 1.ª Aprendiz do 2.º ano . . . . . . . . . . . . . . . . 475 590
Aprendiz do 1.º ano . . . . . . . . . . . . . . . . 380 380
Área e âmbito
Sector de expedição e vendas:
1 — O presente CCT é aplicável, por um lado, às empre- Encarregado de expedição . . . . . . . . . . . 517 645
sas representadas pela AIPL — Associação dos Industriais Caixeiro-encarregado. . . . . . . . . . . . . . . 510 612
Distribuidor motorizado (a) . . . . . . . . . . 510 612
de Panificação de Lisboa, que exercem as actividades da Caixeiro (a) (b) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475 590
indústria e comércio de panificação nos distritos de Lis- Caixeiro auxiliar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475 590
Distribuidor (a) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475 590
boa, Santarém, Setúbal, Leiria, Porto, Viana do Castelo, Ajudante de expedição. . . . . . . . . . . . . . 475 590
Braga, Évora e Faro e, por outro lado, os trabalhadores ao Empacotador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475 590
seu serviço, com as categorias profissionais nele previstas, Servente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475 590
Aprendiz de expedição e venda do 2.º ano 475 590
representados pelos sindicatos outorgantes. Aprendiz de expedição e venda do 1.º ano 380 380
2 — O número de empregadores corresponde a 200
Sector de apoio e manutenção:
empresas e o de trabalhadores a 4500. Oficial de 1.ª. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 510 612
Oficial de 2.ª. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 478 595
Cláusula 2.ª Oficial de 3.ª. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475 590
Pré-oficial (EL) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475 590
Vigência Pré-oficial (CC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475 590
Praticante do 2.º ano (MET) . . . . . . . . . 475 590
........................................... Praticante do 1.º ano (MET) . . . . . . . . . 475 590
3 — As tabelas salariais e as cláusulas de expressão pe- Aprendiz do 3.º ano . . . . . . . . . . . . . . . . 475 590
Aprendiz do 2.º ano . . . . . . . . . . . . . . . . 475 590
cuniária produzem efeitos a partir de 1 de Janeiro de 2010. Aprendiz do 1.º ano . . . . . . . . . . . . . . . . 380 380
(a) Estas remunerações podem ser substituídas por percentagens nas vendas, taxas domi-
Cláusula 27.ª ciliárias, ou qualquer outro sistema, sem prejuízo do mínimo garantido.
(b) V. cláusula 27.ª-A («Prémio de vendas»).
Prémio de venda

O caixeiro cuja venda média diária seja superior a € 275 Lisboa, 17 de Março de 2010.
(€ 8250 mensais), valor este que será sempre actualizado
Pela Associação dos Industriais de Panificação de Lisboa:
em percentagem igual ao aumento do preço do pão, tem
um prémio mensal de € 25. José Lima de Andrade dos Santos Correia, mandatário.

1605
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Pela FESAHT — Federação dos Sindicatos de Agricul- Declaração


tura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal: Para os devidos efeitos se declara que a Federação Por-
Alfredo Filipe Cataluna Malveiro, mandatário. tuguesa dos Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro
representa os seguintes sindicatos:
Pela FIEQUIMETAL — Federação Intersindical das
Indústrias Metalúrgica, Química, Farmacêutica, Eléctrica, Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Cerâmica,
Energia e Minas: Cimentos e Similares do Sul e Regiões Autónomas;
Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Cerâmica,
Alfredo Filipe Cataluna Malveiro, mandatário. Cimentos e Similares da Região do Norte;
Pela FEVICCOM — Federação Portuguesa dos Sindi- Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Cerâmica,
catos da Construção, Cerâmica e Vidro: Cimentos, Construção, Madeiras, Mármores e Similares
da Região Centro;
Alfredo Filipe Cataluna Malveiro, mandatário. Sindicato do Trabalhadores da Indústria Vidreira;
Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil e Ma-
Declaração deiras do Distrito de Braga;
A direcção nacional da FESAHT — Federação dos Sin- Sindicato dos Trabalhadores da Construção, Madeiras,
dicatos de Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Mármores e Cortiças do Sul;
Turismo de Portugal declara que outorga esta convenção Sindicato dos Trabalhadores da Construção, Madeiras,
em representação dos: Mármores, Pedreiras, Cerâmica e Materiais de Construção
de Portugal;
SINTAB — Sindicato dos Trabalhadores de Agricultura Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil, Madei-
e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de ras, Mármores e Pedreiras do Distrito de Viana do Castelo;
Portugal; SICOMA — Sindicato dos Trabalhadores da Constru-
STIANOR — Sindicato dos Trabalhadores das Indús- ção, Madeiras, Olarias e Afins da Região da Madeira.
trias de Alimentação do Norte.
Lisboa, 14 de Abril de 2010. — Pela Direcção: Maria de
Lisboa, 13 de Abril de 2010. — Pela Direcção Nacional/ Fátima Marques Messias — José Alberto Valério Dinis.
FESAHT: Augusto Coelho Praça — Joaquim Pereira Pires.
Depositado em 21 de Abril de 2010, a fl. 72 do livro
Declaração n.º 11, com o n.º 52/2010, nos termos do artigo 494.º do
Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12
Para os devidos efeitos, declara-se que a FIEQUIME- de Fevereiro.
TAL — Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgi-
cas, Química, Farmacêutica, Eléctrica, Energia e Minas
representa as seguintes organizações sindicais:
SINORQUIFA — Sindicato dos Trabalhadores da Quí-
mica, Farmacêutica, Petróleo e Gás do Norte; Contrato colectivo entre a ANIL — Associação
SINQUIFA — Sindicato dos Trabalhadores da Quí- Nacional dos Industriais de Lanifícios e ou-
mica, Farmacêutica, Petróleo e Gás do Centro, Sul e Ilhas; tra e o SINDEQ — Sindicato Democrático da
Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Metalúrgicas Energia, Química, Têxtil e Indústrias Diversas
e Metalomecânicas dos Distritos de Aveiro, Viseu, Guarda e outro — Alteração salarial e outras.
e Coimbra;
Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Metalúrgicas Alteração ao CCT publicado no Boletim do Trabalho e
e Metalomecânicas do Distrito de Braga; Emprego, 1.ª série, n.º 25, de 8 de Julho de 2006, n.º 29,
Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários e Actividades de 8 de Agosto de 2007, n.º 26, de 15 de Julho de 2008,
Metalúrgicas da Região autónoma da Madeira; e republicado no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 21,
Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Metalúrgica e de 8 de Junho de 2009.
Metalomecânica dos Distritos de Lisboa, Leiria, Santarém,
Cláusulas alteradas
e Castelo Branco;
Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Metalúrgicas
e Metalomecânicas do Norte; Cláusula 1.ª
Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Metalúrgicas Área e âmbito
e Metalomecânicas do Sul;
Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Metalúrgi- 1 — O presente CCT aplica -se em todo o território na-
cas e Metalomecânicas do Distrito de Viana do Castelo; cional e obriga, por um lado, todas as empresas que exerçam
quaisquer actividades representadas pela ANIL — Asso-
Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira;
ciação Nacional dos Industriais de Lanifícios e pela ANIT-
SIESI — Sindicato das Indústrias Eléctricas do Sul e
-LAR, Associação Nacional das Indústrias de Têxteis-Lar
Ilhas;
e, por outro, os trabalhadores ao seu serviço representados
STIENC — Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias
pelo SINDEQ, Sindicato Democrático da Energia, Química,
Eléctricas do Norte e Centro.
Têxteis e Indústrias Diversas e sindicatos outorgantes.
Lisboa, 15 de Abril de 2010. — Pelo Secretariado: José 2 — O presente CCT aplica-se às empresas e aos traba-
Joaquim Franco Antunes — José Manuel de Sousa Tavares lhadores da indústria de lanifícios, têxteis-lar, têxtil algodo-
Machado. eira e fibras, rendas, bordados, passamanarias e tapeçaria.

1606
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

3 — As partes outorgantes vinculam-se a requerer ao cado no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 25,
ministério responsável pela área laboral, no momento do de 8 de Julho de 2006, n.º 29, de 8 de Agosto de 2007,
depósito do presente contrato colectivo de trabalho, a apli- n.º 26, de 15 de Julho de 2008, e republicado no Boletim
cação da tabela salarial e subsídio de refeição, com efeitos a do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 21, de 8 de Junho
partir da entrada em vigor, às empresas e aos trabalhadores de 2009, e que não foram objecto da presente revisão.
da indústria de lanifícios, têxteis-lar, têxtil algodoeira e 2 — O regime constante do presente contrato colectivo
fibras, rendas, bordados, passamanarias e tapeçaria não de trabalho entende-se globalmente mais favorável que
filiados nos organismos outorgantes. os anteriores.
4 — O presente contrato colectivo de trabalho abrange
210 empregadores e 27 300 trabalhadores. ANEXO I

Cláusula 2.ª Categorias profissionais têxteis-lar, algodoeira e fibras,


rendas, bordados, passamanarias
Vigência e denúncia
Alterações:
1 — (Mantém-se.) A redacção do n.º 5.2, «Armazém», passa a ser a se-
2 — A tabela salarial e o subsídio de refeição constante guinte:
nos anexos IV e V deste contrato vigorarão por 12 meses,
5.2 — Armazém:
produzindo efeitos a partir de 1 de Março de 2010 e vigo-
rando até 28 de Fevereiro de 2011, e o restante clausulado Fiel de armazém. — É o(a) trabalhador(a) que assume
vigorará por dois anos, contados a partir da data da repu- a responsabilidade pela mercadoria existente no armazém,
blicação em 2009. controlando a sua entrega e saída e executando, nomea-
3 — (Mantém-se.) damente, trabalhos de escrituração, pesagem e medição.
4 — (Mantém-se.) Conferente. — É o(a) trabalhador(a) que segundo di-
5 — (Mantém-se.) rectrizes verbais ou escritas de um superior hierárquico
6 — (Mantém-se.) confere ou separa dos lotes mercadorias ou produtos com
7 — (Mantém-se.) vista ao seu acondicionamento ou expedição, podendo
8 — (Mantém-se.) registar a entrada e ou saída de mercadorias.
Distribuidor(a). — É o(a) trabalhador(a) que distribui
Cláusula 53.ª as mercadorias por clientes ou sectores de venda, proce-
dendo ao seu acondicionamento e podendo auxiliar nos
Tipos de faltas
serviços de embalagem e outros serviços indiferenciados.
1 — (Mantém-se.) Auxiliar de armazém. — É o(a) trabalhador(a) que ma-
2— ....................................... nual ou mecanicamente cuida do arrumo das mercadorias
ou produtos no estabelecimento ou armazém e outras ta-
a) (Mantém-se.) refas indiferenciadas.
b) (Mantém-se.) Rotulador(a)-etiquetador(a)-embalador(a). — É o(a)
c) (Mantém-se.) trabalhador(a) que faz ou aplica rótulos ou etiquetas nas
d) (Mantém-se.) embalagens para a sua conveniente identificação, utilizando
e) (Mantém-se.) métodos manuais ou mecânicos e embala e ou desembala
f) A motivada por deslocação a estabelecimento de en- mercadorias, com vista à sua expedição ou armazenamento.
sino de responsável pela educação de menor por motivo da Operador(a) de pontes rolantes. — É o(a) trabalhador(a)
situação educativa deste, pelo tempo estritamente necessá- que conduz as pontes rolantes.
rio, até quatro horas por trimestre, por cada um; Enfardador(a) mecânico ou manual. — É o(a)
g) (Mantém-se.) trabalhador(a) que, mecânica ou manualmente, enfarda
h) (Mantém-se.) os artigos têxteis.
i) (Mantém-se.)
j) (Mantém-se.) ANEXO IV
k) (Mantém-se.)
Tabela salarial e subsídio de refeição
3 — (Mantém-se.)
1 — A tabela salarial e o subsídio de refeição a seguir
indicados vigoram para o período compreendido entre 1 de
Cláusula 92.ª
Março de 2010 e 28 de Fevereiro de 2011.
Disposição final 2 — O subsídio de refeição para o período compreen-
dido entre 1 de Março de 2010 e 28 de Fevereiro de 2011
O regime constante do presente contrato colectivo de
é fixado em € 2,35 por dia de trabalho, nos termos da
trabalho entende-se globalmente mais favorável do que cláusula 75.ª deste contrato colectivo de trabalho.
os anteriores. 3 — Tabela salarial:
Cláusula 93.ª Valor da retribuição
Grupo
mensal (em euros)
Disposição final
1 — Dão-se como reproduzidas todas as matérias em A. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 847,50
vigor constantes do contrato colectivo de trabalho publi- B. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 732,50

1607
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Contrato colectivo entre a APIO — Associação


Valor da retribuição
Grupo
mensal (em euros) Portuguesa da Indústria de Ourivesaria e o
SIMA — Sindicato das Indústrias Metalúrgicas
C. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 638,50 e Afins — Alteração salarial e outra.
D. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 572
E. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 531
F........................................ 484
G. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 478,50
CAPÍTULO I
H. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 477
I ........................................ 476 Área, âmbito e denúncia
J ........................................ 475,50
Cláusula 1.ª
ANEXO V Área e âmbito

O presente contrato colectivo de trabalho aplica -se


Sector administrativo
em todo o território nacional, obriga, por um lado, as
Tabela salarial e subsídio de refeição empresas singulares e colectivas que estejam filiadas
na APIO — Associação Portuguesa da Indústria de
Têxteis-lar, têxtil algodoeira e fibras, rendas, bordados, Ourivesaria e, por outro lado, os trabalhadores ao seu
passamanarias e tapeçaria serviço representados pela associação sindical signa-
1 — Tabela salarial para o período 1 de Março 2010 a tária.
28 de Fevereiro 2011: A presente convenção aplica-se aos sectores de acti-
vidade da indústria de ourivesaria em todo o território
Grupo
Remuneração mensal nacional.
(em euros)

Cláusula 2.ª
A. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 813,50
B. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 755 Vigência e denúncia
C. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 711,50
D. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 655 1— .......................................
E. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 640 2 — As tabelas salariais e demais cláusulas de expressão
F........................................ 571
G. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 513 pecuniária terão uma vigência de doze meses, com efeitos
H. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475,50 a partir de 1/1/2010 e serão revistas anualmente.
3— .......................................
2 — O subsídio de refeição é fixado em € 2,35 por dia 4— .......................................
de trabalho, nos termos da cláusula 75.ª deste contrato 5— .......................................
colectivo de trabalho. 6— .......................................
7— .......................................
Porto, 24 de Março de 2010. 8— .......................................
Pela Associação Nacional dos Industriais de Lanifícios: 9— .......................................
10 — . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Ivo Aguiar de Carvalho, mandatário. 11 — . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Pela ANIT-LAR, Associação Nacional das Indústrias
ANEXO III
de Têxteis-Lar:
Luís Carlos Sousa Ribeiro de Fontes, mandatário. Tabela salarial

Pelo SINDEQ, Sindicato Democrático da Energia, Quí-


Grau Valor em €
mica, Têxteis e Indústrias Diversas:
Francisco Afonso Negrões, mandatário. I ......................................... 945
Osvaldo Fernandes de Pinho, mandatário. II. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 891
III . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 832
Pelo SITEMAQ, Sindicato da Mestrança e Marinhagem IV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 771
V. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 679
da Marinha Mercante, Energia e Fogueiros de Terra: VI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 637
VII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 551
Francisco Afonso Negrões, mandatário. VIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 536
Osvaldo Fernandes de Pinho, mandatário. IX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 485
X. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475
Depositado em 28 de Abril de 2010, a fl. 74 do livro
n.º 11, com o n.º 65/2009, nos termos do artigo 494.º do Nota. — Mantêm-se em vigor as matérias do IRCT
Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 publicado no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 24, 29
de Fevereiro. de Junho de 2009.

1608
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Declaração Cláusula 3.ª


Para cumprimento do disposto no artigo 492.º, n.º 1, Área
alínea g), conjugado com o 494.º do Código do Trabalho,
declara-se que serão potencialmente abrangidos pela pre- A área territorial de aplicação do presente CCT define-se
sente convenção colectiva de trabalho 93 empresas e 272 pela área territorial da República Portuguesa.
trabalhadores.
Cláusula 4.ª
Lisboa, 8 de Abril de 2010.
Denúncia e revisão
Pela APIO — Associação Portuguesa da Indústria de
Ourivesaria: 1 — (Mantém a redacção em vigor.)
2 — A tabela salarial e as cláusulas de expressão pecu-
Carlos Nicolau Caria, mandatário. niária produzem efeitos a 1 de Janeiro de 2010.
Pelo SIMA — Sindicato das Indústrias Metalúrgicas 3 a 9 — (Mantêm a redacção em vigor.)
e Afins:
Cláusula 69.ª
José António Simões, secretário-geral.
Isenção de horário de trabalho
Depositado em 21 de Abril de 2010, a fl. 72 do livro
n.º 11, com o n.º 53/2010, nos termos do artigo 494.º do 1 — (Mantém a redacção em vigor.)
Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 2 — (Mantém a redacção em vigor.)
de Fevereiro. 3 — O trabalhador isento, se for das categorias dos
níveis IX, VIII e VII, terá direito a um prémio de 20 %, cal-
culado sobre a sua remuneração de base mensal; se for de
outra categoria, o prémio de isenção será de 25 %.
4 — (Mantém a redacção em vigor.)
Contrato colectivo entre a APHORT — Associa- ANEXO I
ção Portuguesa de Hotelaria, Restauração e
Turismo e a FESAHT — Federação dos Sindi- Estabelecimentos e empresas
catos da Agricultura, Alimentação, Bebidas,
Hotelaria e Turismo de Portugal — Alteração A) Classificação dos estabelecimentos e empresas
salarial e outras.
1 — Para os efeitos da cláusula 2.ª deste CCT, os es-
Artigo 1.º tabelecimentos e empresas são integrados nos seguintes
grupos:
Artigo de revisão
Grupo A:
No CCT publicado no Boletim do Trabalho e Emprego,
1.ª série, n.º 26, de 15 de Julho de 2008, com revisão parcial Hotéis de 5 estrelas;
publicada no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, Hotéis-apartamentos de 5 estrelas;
n.º 20, de 29 de Maio de 2009, são introduzidas as se- Aldeamentos turísticos de 5 estrelas;
guintes alterações: Apartamentos turísticos de 5 estrelas;
Estabelecimentos de restauração e bebidas de luxo e
CAPÍTULO I típicos;
Campos de golfe;
Âmbito, área e vigência Clubes de 1.ª ;
Health clubs;
Cláusula 1.ª Instalações de SPA, balneoterapia, talassoterapia e ou-
Âmbito tros semelhantes;
Casinos;
1 — Este contrato colectivo de trabalho, adiante desig- Salas de bingo;
nado por CCT, obriga, por um lado, as empresas representa- Abastecedoras de aeronaves;
das pela APHORT — Associação Portuguesa de Hotelaria, Empresas de catering;
Restauração e Turismo e, por outro, os trabalhadores ao Fábricas de refeições;
seu serviço representados pela FESAHT — Federação dos
Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria Grupo B:
e Turismo de Portugal.
2 — O número de empresas abrangidas por este CCT é Hotéis de 4 estrelas;
de 4850 e o número de trabalhadores é de 26 000. Hotéis-apartamentos de 4 estrelas;
Aldeamentos turísticos de 4 estrelas;
Cláusula 2.ª Apartamentos turísticos de 4 estrelas;
Estalagem de 5 estrelas;
Âmbito subjectivo
Parques de campismo de 4 estrelas;
Este CCT aplica-se aos estabelecimentos e empresas Albergarias;
constantes do anexo I e aos trabalhadores cujas categorias Pousadas;
constam do anexo II. Embarcações turísticas;

1609
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Estabelecimentos termais; serviços similares com outras designações que sejam ou


Estabelecimentos de animação turística; venham a ser adoptadas.
Estabelecimentos de turismo júnior e turismo sénior,
designadamente pousadas exploradas pela Movijovem e ANEXO II
centros de férias exploradas pela INATEL;
Categorias profissionais e níveis de remuneração
Grupo C:
Categorias profissionais Níveis
Hotéis de 3, 2 e 1 estrelas;
Hotéis-apartamentos de 3 e 2 estrelas;
Estalagens de 4 estrelas; 1 — Direcção
Pensões de 1.ª, 2.ª e 3.ª; Director de hotel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IX
Motéis de 3 e 2 estrelas; Subdirector de hotel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
Aldeamentos turísticos de 3 e 2 estrelas; Assistente de direcção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
Apartamentos turísticos de 3 e 2 estrelas; Director de alojamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
Director de relações públicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
Parques de campismo de 3, 2 e 1 estrelas; Director de produção (food and beverage) . . . . . . . . . . . . VIII
Clubes de 2.ª; Director de pensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
Estabelecimentos de restauração e bebidas; Director artístico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
Cantinas e bares concessionados; 2 — Recepção — Portaria
Estabelecimentos do turismo no espaço rural;
Técnico de acolhimento (guest relations) . . . . . . . . . . . . . VIII
Casas de hóspedes e lares; Chefe de recepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII
Outros estabelecimentos de dormidas. Subchefe de recepção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI
Recepcionista — principal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V
B) Denominação dos estabelecimentos e empresas Recepcionista de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
Recepcionista de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Hotéis, pensões, pousadas, estalagens, albergarias, re- Recepcionista estagiário. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II
sidenciais, motéis, casinos, apartamentos turísticos, aldea- Recepcionista — aprendiz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . I
Porteiro de restauração e bebidas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
mentos turísticos, moradias turísticas, complexos turísticos, Trintanário principal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V
pousadas da juventude, centros de férias, clubes, health Trintanário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
clubs, instalações de spa, balneoterapia, talassoterapia e Bagageiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II
Mandarete . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II
outras semelhantes campos de golfe, residências, hospe- Chefe de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI
darias, casas de hóspedes, casas de dormidas, lares com Vigilante. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
fins lucrativos, parques de campismo públicos, parques de
3 — Controlo e economato
campismo privados, parques de campismo associativos,
conjuntos turísticos, turismo no espaço rural, designada- Chefe de secção de controlo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI
Controlador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI
mente hotéis rurais, parques de campismo rural, turismo Estagiário de controlador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . I
de habitação, turismo rural, agro-turismo, casas de campo, Aprendiz de controlador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . I
turismo de aldeia, turismo da natureza, designadamente Chefe de compras/ecónomo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI
casas de natureza, casas-abrigo, centros de acolhimento, Despenseiro/cavista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Ajudante de despenseiro/cavista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II
casas-retiro, estabelecimentos ou actividades de interpre- Estagiário de despenseiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II
tação ambiental e desporto da natureza independentemente Aprendiz de despenseiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . I
da sua denominação, empresas de animação turística, de- 4 — Alojamento — Andares — Quartos
signadamente campos de golfe, parques temáticos, balne-
ários termais, balneários terapêuticos, estabelecimentos Governanta-geral de andares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI
Governanta de andares/rouparia/lavandaria/limpeza. . . . . V
de congressos, autódromos, kartódromos, embarcações Empregada de rouparia/lavandaria . . . . . . . . . . . . . . . . . . II
turísticas, teleféricos e outros estabelecimentos, seja qual Aprendiz de empregada de rouparia/lavandaria . . . . . . . . I
for a sua designação, destinados à animação turística, Empregada de andares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
nomeadamente de índole cultural, desportiva, temática Aprendiz de empregada de andares/quartos . . . . . . . . . . . II
Controlador de minibares. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
e de laser, restaurantes em todas as suas modalidades, Controlador de room-service . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
incluindo os snack-bars e self-services, casas de pasto, Costureira. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
casas de comidas, casas de vinhos e petiscos, tendinhas- Ajudante de lar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
-bar, cervejarias, marisqueiras, esplanadas, pubs, bufetes, 5 — Restauração e bebidas
incluindo os de casas de espectáculos e recintos de diver- Director de restaurante. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
são ou desportivos; botequins, cantinas, bares, salões de Gerente de restauração e bebidas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
dança (dancings), discotecas, cabarés, boîtes e night-clubs, Chefe de mesa/snack bar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII
salões de bilhares e ou de jogos; abastecedores de aero- Subchefe de mesa/snack bar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI
Empregado de mesa — principal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V
naves (catering) e preparadoras; fornecedores e fábricas Empregado de mesa de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
de refeições para aeronaves, ao domicílio, de banquetes, Empregado de mesa de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
recepções e beberetes e outras refeições colectivas; cafés, Estagiário de empregado de mesa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II
pastelarias, cafetarias, confeitarias, salões e casas de chá Aprendiz de empregado de mesa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . I
Escanção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V
e leitarias, geladarias; estabelecimentos de fabrico de pas- Empregado de snack bar — principal . . . . . . . . . . . . . . . . V
telaria, padaria e geladaria; estabelecimentos comerciais, Empregado de snack bar de 1.ª. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
industriais ou agrícolas e tabernas ou estabelecimentos e Empregado de snack bar de 2.ª. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III

1610
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Categorias profissionais Níveis Categorias profissionais Níveis

Estagiário de snack bar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II Encarregado de limpeza. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V


Aprendiz de snack bar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . I Empregado de limpeza. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II
Chefe de balcão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII Guarda de lavabos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II
Subchefe de balcão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI
Empregado de balcão principal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V 10 — Abastecedoras de aeronaves
Empregado de balcão de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV Técnico de catering . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
Empregado de balcão de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III Supervisor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI
Estagiário de empregado de balcão . . . . . . . . . . . . . . . . . . II Controlador de operações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V
Aprendiz de empregado de balcão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . I Assistente de operações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
Recepcionista de restauração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV Chefe de cais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII
Preparador de banquetes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III Chefe de sala . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V
Supervisor de bares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII Preparador/embalador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Chefe de barman/barmaid . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII
Subchefe de barman . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI 11 — Refeitórios, cantinas e bares sob regime
Barman/barmaid — principal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V de concessão
Barman/barmaid de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
Barman/barmaid de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III Encarregado de refeitório A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
Estagiário de barman/barmaid . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II Encarregado de refeitório B . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII
Aprendiz de barman/barmaid . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . I Empregado de refeitório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Chefe de cafetaria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V Cozinheiro principal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
Cafeteiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III Cozinheiro de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII
Estagiário de cafeteiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II Cozinheiro de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V
Aprendiz de cafeteiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . I Cozinheiro de 3.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
Empregado de jogos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Distribuidor de refeições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III 12 — Termas, health clubs, piscinas e praias,
instalações de spa, balneoterapia, talossoterapia,
6 — Cozinha talassoterapia e outras semelhantes
Chefe de cozinha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII Director . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
Subchefe de cozinha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII Professor de natação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
Cozinheiro principal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII Empregado de consultório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V
Cozinheiro de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI Empregado de inalações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V
Cozinheiro de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV Empregado de secção de fisioterapia. . . . . . . . . . . . . . . . . V
Cozinheiro de 3.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III Banheiro termal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Estagiário de cozinheiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II Buvete . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Aprendiz de cozinheiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . I Duchista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Assador/grelhador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III Esteticista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Manicuro/pedicuro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
7 — Pastelaria/padaria/confeitaria/geladaria Massagista terapêutico de recuperação e sauna . . . . . . . . . IV
Banheiro — nadador-salvador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
Chefe/mestre pasteleiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII Tratador/conservador de piscinas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
Subchefe/mestre pasteleiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII Vigia de bordo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Pasteleiro principal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII Bilheteiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Pasteleiro de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI Empregado de balneários. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Pasteleiro de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV Moço de terra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II
Pasteleiro de 3.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III Estagiário de empregado de balneário . . . . . . . . . . . . . . . . II
Estagiário de pasteleiro/oficial de pastelaria . . . . . . . . . . . II Aprendiz de empregado de balneário . . . . . . . . . . . . . . . . I
Aprendiz de pasteleiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . I
Amassador/panificador principal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII 13 — Golfe
Amassador/panificador de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI
Amassador/panificador de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V Director de golfe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
Amassador de 3.ª/aspirante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV Professor de golfe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
Aspirante de amassador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV Secretário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII
Estagiário de amassador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II Recepcionista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Aprendiz de amassador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . I Chefe de manutenção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII
Forneiro principal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII Capataz de campo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI
Forneiro de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI Capataz de rega . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI
Forneiro de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V Operador de golfe principal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
Forneiro de 3.ª/aspirante de forneiro . . . . . . . . . . . . . . . . . IV Operador de golfe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Estagiário de forneiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II Chefe de caddies . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
Aprendiz de forneiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . I Caddie . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Oficial de pastelaria de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII
Oficial de pastelaria de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI 14 — Animação e desportos
Oficial de pastelaria de 3.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
Encarregado de animação e desportos . . . . . . . . . . . . . . . . VII
8 — Qualidade Monitor de animação e desportos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI
Tratador de cavalos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Director de qualidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII Chefe de bowling . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI
Nutricionista. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII Empregado de bowling . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Microbiologista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII Recepcionista de bowling . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
9 — Higiene e limpeza Disk-jockey. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
Recepcionista de teleférico de mais de cinco anos . . . . . . V
Chefe de copa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V Recepcionista de teleférico até cinco anos. . . . . . . . . . . . . IV
Copeiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II Electromecânico de teleférico de mais de cinco anos . . . . V
Copeiro — aprendiz. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . I Electromecânico de teleférico até cinco anos . . . . . . . . . . IV

1611
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Categorias profissionais Níveis Categorias profissionais Níveis

15 — Parque de campismo 21 — Rodoviários


Encarregado de parque de campismo . . . . . . . . . . . . . . . . VII Chefe de movimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI
Subencarregado de parque de campismo. . . . . . . . . . . . . . VI Expedidor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V
Recepcionista de parque de campismo principal . . . . . . . . V Motorista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
Recepcionista de parque de campismo de 1.ª . . . . . . . . . . IV Ajudante de motorista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II
Recepcionista de parque de campismo de 2.ª . . . . . . . . . . III
Recepcionista de parque de campismo estagiário . . . . . . . II 22 — Salas de bingo
Recepcionista de parque de campismo aprendiz . . . . . . . . I Chefe de sala . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IX
Empregado de balcão de parque de campismo principal. . V Adjunto de chefe de sala . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII
Empregado de balcão de parque de campismo de 1.ª . . . . IV Caixa fixo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI
Empregado de balcão de parque de campismo de 2.ª . . . . III Caixa auxiliar volante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V
Estagiário de empregado de balcão de parque de campismo Controlador de entradas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
II
Porteiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
Aprendiz de empregado de balcão de parque de campismo
I 23 — Categorias diversas
Guarda de parque de campismo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Guarda de acampamento turístico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III Encarregado de jardins. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
Florista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
16 — Sector administrativo Jardineiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Vigilante de crianças sem funções pedagógicas . . . . . . . . II
Director administrativo e financeiro . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII Empregado de turismo de espaço rural . . . . . . . . . . . . . . . III
Director de serviços . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
Director de pessoal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
Formador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII Notas
Chefe de pessoal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII
Chefe de departamento de divisão ou de serviços . . . . . . . VII 1 — Todas as categorias constantes deste CCT têm-se
Contabilista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII como aplicadas a ambos os sexos.
Chefe de secção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI 2 — Os trabalhadores que exercem a sua actividade
Tesoureiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI profissional em parques de campismos e que estão classifi-
Secretário de direcção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V
Controlador de caixa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V
cados como recepcionistas e empregados de balcão alteram
Caixa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V a designação da categoria profissional, a saber:
Assistente administrativo principal . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI
Assistente administrativo de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V
Anterior categoria Nova categoria
Assistente administrativo de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
Assistente administrativo de 3.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III
Estagiário de assistente administrativo . . . . . . . . . . . . . . . II Recepcionista — principal. . . . . . Recepcionista de parque de cam-
Aprendiz de assistente administrativo . . . . . . . . . . . . . . . . I pismo principal.
Cobrador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV Recepcionista de 1.ª . . . . . . . . . . . Recepcionista de parque de cam-
Chefe de telefones . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI pismo de 1.ª
Telefonista de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV Recepcionista de 2.ª . . . . . . . . . . . Recepcionista de parque de cam-
Telefonista de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III pismo de 2.ª
Estagiário de telefonista. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II Recepcionista estagiário. . . . . . . . Recepcionista de parque de cam-
Aprendiz de telefonista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . I pismo estagiário.
Recepcionista aprendiz . . . . . . . . Recepcionista de parque de cam-
17 — Sector comercial pismo aprendiz.
Director comercial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII Empregado de balcão principal. . . Empregado de balcão de parque
Promotor de vendas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI de campismo principal.
Caixeiro-encarregado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI Empregado de balcão de 1.ª . . . . . Empregado de balcão de parque
Caixeiro chefe de secção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V de campismo de 1.ª
Caixeiro de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV Empregado de balcão de 2.ª . . . . . Empregado de balcão de parque
Caixeiro de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III de campismo de 2.ª
Estagiário de caixeiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II Estagiário de empregado de bal- Estagiário de empregado de balcão
Aprendiz de caixeiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . I cão. de parque de campismo.
Aprendiz de empregado de balcão Aprendiz de empregado de balcão
18 — Serviços técnicos e manutenção de parque de campismo.
Director de serviços técnicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VIII
Chefe de serviços técnicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII ANEXO III
Electromecânico em geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI
Operário polivalente principal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V Retribuições
Operário polivalente de 1.ª. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
Operário polivalente de 2.ª. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III Tabela salarial
Estagiário de operário polivalente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II
Aprendiz de operário polivalente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . I Tabela salarial para vigorar de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro
19 — Embarcações de 2010
Mestre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VI (Em euros)
Motorista marítimo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IV
Marinheiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . III Níveis Grupo A Grupo B Grupo C

20 — Garagens
Encarregado geral de garagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII IX . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 029 1 743 1 162
Empregado de garagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . II VIII. . . . . . . . . . . . . . . . 1 045 929 813

1612
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

(Em euros) ANEXO IV


Níveis Grupo A Grupo B Grupo C
Definições de funções
Mantém a redacção em vigor sendo introduzidas as
VII . . . . . . . . . . . . . . . . 929 813 756
VI . . . . . . . . . . . . . . . . . 756 696 640 seguintes alterações:
V. . . . . . . . . . . . . . . . . . 671 645 602
IV . . . . . . . . . . . . . . . . . 651 622 582 15 — Parque de campismo
III . . . . . . . . . . . . . . . . . 592 579 532
II. . . . . . . . . . . . . . . . . . 538 510 510 1 — Encarregado de parque de campismo. — É o tra-
I .................. 502 502 502 balhador a quem compete supervisionar, zelar, dirigir,
conservar, controlar e garantir as condições de serviço,
Notas definições de processos, gestão de pessoas e executar as
1 a 4 — (Mantêm a redacção em vigor.) tarefas inerentes ao bom funcionamento da unidade «par-
que de campismo», incluindo os serviços turísticos e co-
Artigo 2.º merciais, quando não concessionados, bens e instalações,
de harmonia com as instruções emanadas pela entidade
Vencimentos mínimos empregadora, bem como zelar pelo cumprimento de nor-
Aos trabalhadores abrangidos por esta convenção são mas de higiene, eficiência, disciplina e promoção daquela
garantidas as remunerações pecuniárias de base mínimas unidade turística.
constantes da tabela salarial prevista no artigo anterior. 2 — Subencarregado de parque de campismo. — É
o trabalhador que coadjuva o encarregado de parque de
campismo no exercício das suas funções e, por delegação
Artigo 3.º
do mesmo, pode encarregar-se de supervisionar, zelar,
Diuturnidades dirigir, conservar, controlar e garantir as condições de ser-
viço, definições de processos, gestão de pessoas e executar
Os trabalhadores abrangidos pelas diuturnidades pre-
as tarefas inerentes ao bom funcionamento da unidade
vistas na cláusula 126.ª deste CCT receberão, por cada
«parque de campismo», incluindo os serviços turísticos e
diuturnidade vencida, a importância de € 6,50 mensais.
comerciais, quando não concessionados, bens e instalações,
de harmonia com as instruções emanadas pela entidade
Artigo 4.º empregadora, bem como zelar pelo cumprimento de nor-
Prémio de conhecimento de línguas mas de higiene, eficiência, disciplina e promoção daquela
unidade turística. Substituir o encarregado de parque de
Os trabalhadores com direito ao prémio de línguas pre- campismo nas suas ausências.
visto no n.º 5 da cláusula 127.ª deste CCT receberão, por 3 — Recepcionista de parque de campismo. — É o tra-
cada idioma reconhecido, o valor de € 42 mensais. balhador que se ocupa dos serviços de recepção e portaria.
Acolhe os campistas e demais clientes prestando-lhes to-
Artigo 5.º das as informações necessárias sobre o empreendimento
Valor pecuniário da alimentação turístico e acompanha a estada dos clientes em tudo o que
for preciso; mantém-se informado sobre os eventos a de-
1 — Nos casos previstos nos n.os 2 e 3 da cláusula 129.ª, correr no empreendimento turístico e sobre a cidade e os
o valor do subsídio de refeição é de € 4,40 por cada dia eventos principais que nela decorrem, para prestar todas
de serviço efectivo. as informações necessárias; efectua reservas e demais
2 — Nos casos previstos no n.º 4 da cláusula 129.ª, os serviços, procedendo à inscrição dos clientes nos registos
valores são os seguintes: do parque; atende pedidos e reclamações dos clientes;
a) Situações duradouras: completas por mês — € 97; emite, apresenta e recebe as respectivas contas e executa
b) Situações esporádicas ou precárias (refeições avul- as tarefas necessárias à regularização de contas com os
sas): clientes, apurando o movimento geral do caixa e trata dos
ficheiros gerais; prepara e executa a correspondência da
Pequeno-almoço — € 1,85; secção e respectivo arquivo, elabora estatísticas e outros
Almoço, jantar e ceia completa — € 5,85; relatórios; certifica-se que não existe impedimento para a
Ceia simples — € 3,38. saída dos clientes; zela pela limpeza da secção; no período
nocturno zela pela segurança dos clientes; efectua serviços
3 — Para todos os trabalhadores abrangidos por esta de escrituração inerentes à exploração do estabelecimento
convenção colectiva de trabalho o valor global do subsídio e opera com os equipamentos informáticos e de comuni-
de alimentação nas férias e subsídio de férias é o previsto cações e telecomunicações quando instalados na secção;
na alínea a) do número anterior. encarrega-se da venda de artigos de loja de conveniência
e bar quando disponibilizados; guarda objectos de valor e
Artigo 2.º dinheiro em lugar adequado; controla a entrega e restituição
IRCT
das chaves dos alojamentos e das facilidades individual-
mente prestadas; comunica às secções o movimento de
Mantêm-se em vigor as demais disposições que não se- chegadas e saídas, bem como os serviços a prestar aos
jam expressamente derrogadas pela presente convenção. clientes.

1613
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

4 — Empregado de balcão de parque de campismo. — É Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Hotelaria,


o trabalhador que atende e serve os clientes em restauran- Turismo, Restaurantes e Similares do Algarve;
tes e similares executando o serviço de cafetaria próprio Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Hotelaria,
do balcão e a venda dos produtos expostos, quando in- Turismo, Restaurantes e Similares do Centro;
tegrado em serviço de loja de conveniência, cobrando Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Hotelaria,
as respectivas importâncias; atende e fornece os pedidos Turismo, Alimentação, Serviços e Similares da Região
dos empregados de mesa, certificando-se previamente da Autónoma da Madeira;
exactidão dos registos; verifica se os produtos ou alimen- Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Hotelaria,
tos a fornecer correspondem em qualidade, quantidade e Turismo, Restaurantes e Similares do Norte;
apresentação dos padrões estabelecidos pelo empregador; Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Hotelaria,
executa com regularidade a exposição em prateleiras e Turismo, Restaurantes e Similares do Sul.
montras dos produtos para venda; procede às operações Lisboa, 1 de Março de 2010. — Pela Direcção Nacio-
de abastecimento; elabora as necessárias requisições de nal: Maria Albertina Correia Ferreira — José António
víveres, bebidas e outros produtos a fornecer pela secção, Miranda Freitas.
ou procede à sua aquisição directa aos fornecedores, nos Depositado em 26 de Abril de 2010, a fl. 73 do livro
termos em que for devidamente autorizado; efectua ou n.º 11, com o n.º 61/2009, nos termos do artigo 494.º do
manda efectuar os respectivos pagamentos, dos quais, Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de
presta contas diariamente ao encarregado de parque; atende 12 de Fevereiro.
pedidos e reclamações dos clientes; emite, apresenta e
recebe as respectivas contas e executa as tarefas necessá-
rias à regularização de contas com os clientes, apurando
o movimento geral do caixa e trata dos ficheiros gerais;
executa ou colabora nos trabalhos de limpeza e arrumação
Acordo de empresa entre o Metropolitano de
das instalações, bem como na conservação e higiene dos Lisboa, E. P. E., e a FECTRANS — Federação
utensílios de serviço; efectua ou colabora na realização de dos Sindicatos de Transportes e Comunica-
inventários periódicos da secção. No self-service, serve re- ções e outros — Alteração.
feições e bebida; ocupa-se da preparação, limpeza e higiene
dos balcões, salas, mesas e utensílios de trabalho. Abastece Texto integral do acordo de empresa aplicável à ge-
ainda os balcões de bebidas e comidas confeccionadas e neralidade dos trabalhadores, publicado no Boletim do
colabora nos trabalhos de controlo exigidos à exploração. Trabalho e Emprego, n.º 14, de 15 de Abril de 2009, com
Confecciona gelados e abastece os balcões ou máquinas as rectificações publicadas no Boletim do Trabalho e Em-
de distribuição e serve os clientes. prego, n.º 23, de 22 de Junho de 2009.
5 — Guarda do parque de campismo. — É o trabalhador Primeira revisão parcial ao texto integral publicado
que, sob a orientação e direcção do encarregado do parque,
cuida da conservação, asseio e vigilância das instalações do Ao primeiro dia do mês de Abril de 2010, o Metropo-
parque. Providencia a resolução das anomalias verificadas litano de Lisboa, E. P. E., e a FECTRANS — Federação
nas instalações, comunica superiormente as irregularidades dos Sindicatos de Transportes e Comunicações /CGTP-
que sejam do seu conhecimento. -IN, o STTM — Sindicato dos Trabalhadores da Tracção
6 — Guarda de acampamento turístico. — É o trabalha- do Metropolitano de Lisboa, o SINDEM — Sindicato da
dor responsável pela conservação, asseio e vigilância de um Manutenção do Metropolitano, o SITRA — Sindicato dos
acampamento turístico. Deve resolver todas as anomalias Trabalhadores dos Transportes, a FETESE — Federação
que surjam nas instalações e comunicar superiormente as dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços, a FEP-
irregularidades que sejam do seu conhecimento. CES — Federação Portuguesa dos Sindicatos do Comér-
cio, Escritórios e Serviços, e o SQTD — Sindicato dos
Porto, 2 de Março de 2010. Quadros Técnicos de Desenho acordaram em negociações
directas a matéria que se segue e que, segundo a cláusula
Pela APHORT — Associação Portuguesa de Hotelaria, 1.ª deste AE obriga, por um lado, o Metropolitano de Lis-
Restauração e Turismo: boa, E. P. E., e, por outro, os trabalhadores ao seu serviço
Eduardo José Cardoso da Cunha, mandatário. filiados nas associações sindicais outorgantes.
Pela FESAHT — Federação dos Sindicatos da Agri- Cláusula 1.ª
cultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de
Portugal: Área e âmbito

Francisco Manuel Martins Lopes de Figueiredo, man- 1 — O presente acordo de empresa, adiante designado
datário. por AE, obriga o Metropolitano de Lisboa, E. P. E., pres-
tador do serviço público de transporte colectivo do sub-
Declaração solo, a seguir referido por Empresa, e os trabalhadores
ao seu serviço, representados pelas associações sindicais
A direcção nacional da FESAHT — Federação dos Sin- outorgantes.
dicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e 2 — (Redacção igual.)
Turismo de Portugal declara que outorga esta convenção 3 — Este AE abrange esta entidade empregadora e 1418
em representação dos seguintes Sindicatos: trabalhadores.

1614
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Cláusula 2.ª Pelo SINDEM — Sindicato da Manutenção do Me-


tropolitano:
Vigência
Luís Carlos Conceição Matias Franco, mandatário.
Com excepção da tabela salarial e todas as cláusulas
com expressão pecuniária que têm uma vigência não su- Pelo SITRA — Sindicato dos Trabalhadores dos Trans-
perior a 12 meses, reportada a 1 de Janeiro de cada ano, o portes:
presente acordo manter-se-á em vigor até 31 de Dezembro Francisco Manuel Vaz Peres, mandatário.
de 2015. Silvino Esteves Correia, mandatário.
Cláusula 28.ª Pela FETESE — Federação dos Sindicatos dos Traba-
lhadores de Serviços:
Anuidades
Joaquim Manuel Galhanas da Luz, mandatário.
1 — (Redacção igual.)
2 — (Redacção igual.) Pela FEPCES — Federação Portuguesa dos Sindicatos
3 — (Redacção igual.) do Comércio, Escritórios e Serviços:
4 — Será atribuída uma anuidade suplementar aos tra- Diamantino José Neves Lopes, mandatário.
balhadores que completem, ou já tenham completado, 15
anos de antiguidade. Pelo SQTD — Sindicato dos Quadros Técnicos de De-
5 — O montante estabelecido no n.º 1 será actualizado senho:
na mesma percentagem em que o for a tabela salarial que Diamantino José Neves Lopes, mandatário.
integra o AE para a generalidade dos trabalhadores. Declaração

Cláusula 40.ª A FECTRANS — Federação dos Sindicatos de Trans-


portes e Comunicações representa os seguintes sindicatos:
Sobrevivência
STRUP — Sindicato dos Trabalhadores de Transportes
1 — (Redacção igual.) Rodoviários e Urbanos de Portugal;
2 — No caso de existirem filhos ou equiparados, e desde STRUN — Sindicato dos Trabalhadores de Transportes
que estejam na dependência económica paternal até ao Rodoviários e Urbanos do Norte;
fim do ano civil em que completem 25 anos de idade ou STRAMM — Sindicato dos Trabalhadores Rodoviá-
se encontrem incapacitados, a pensão de sobrevivência rios e Actividades Metalúrgicas da Região Autónoma da
referida no n.º 1 será de 75 %. Madeira;
3 — Ocorrendo o falecimento do cônjuge viúvo, dei- Sindicato dos Profissionais dos Transportes, Turismo e
xando filhos e ou equiparados e desde que estejam em Outros Serviços da Horta;
situação de dependência económica até ao fim do ano Sindicato dos Profissionais dos Transportes, Turismo e
civil em que completem 25 anos de idade ou se encontrem Outros Serviços de São Miguel e Santa Maria;
incapacitados, estes terão direito à percentagem referida SNTSF — Sindicato Nacional dos Trabalhadores do
em 1 enquanto subsistir a situação ou se se mantiver a Sector Ferroviário;
incapacidade. OFICIAIS/MAR — Sindicato dos Capitães, Oficiais Pi-
4 — (Redacção igual.) lotos, Comissários e Engenheiros da Marinha Mercante;
5 — (Redacção igual.) SIMAMEVIP — Sindicato dos Trabalhadores da Mari-
6 — (Redacção igual.) nha Mercante, Agências de Viagens, Transitários e Pesca;
Sindicato dos Transportes Fluviais, Costeiros e da Ma-
Lisboa, 1 de Abril de 2010. rinha Mercante.
Pela Metropolitano de Lisboa, E. P. E.: Lisboa, 31 de Março de 2010. — Pela Direcção Nacio-
Joaquim José de Oliveira Reis, presidente do conselho nal: (Assinaturas ilegíveis.)
de administração. Declaração
Luís Filipe Salgado Zenha de Morais Correia, vogal
do conselho de administração. A FETESE — Federação dos Sindicatos dos Trabalha-
Jorge Manuel Quintela de Brito Jacob, vogal do con- dores de Serviços, por si e em representação dos sindicatos
selho de administração. seus filiados:
Miguel Teixeira Ferreira Roquette, vogal do conselho SITESE — Sindicato dos Trabalhadores e Técnicos
de administração. de Serviços.
Pela FECTRANS — Federação dos Sindicatos de Lisboa, 1 de Abril de 2010. — Pelo Secretariado: Victor
Transportes e Comunicações/CGTP-IN: Hugo de Jesus Sequeira — Vítor Manuel Sousa Melo Boal.
Diamantino José Neves Lopes, mandatário. Declaração
Pelo STTM — Sindicato dos Trabalhadores da Tracção Informação da lista de sindicatos representados na FEP-
do Metropolitano de Lisboa: CES no âmbito desta convenção:
José Manuel da Silva Marques, mandatário. CESP — Sindicato dos Trabalhadores do Comércio,
Luís Filipe de Ascenção Pereira, mandatário. Escritórios e Serviços de Portugal;

1615
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Sindicato dos Trabalhadores Aduaneiros em Despa- fim do ano civil em que completem 25 anos de idade ou
chantes e Empresas; se encontrem incapacitados, a pensão de sobrevivência
STAD — Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de referida no n.º 1 será de 75 %.
Portaria, Vigilância, Limpeza, Domésticas e Actividades 3 — Ocorrendo o falecimento do cônjuge viúvo, dei-
Diversas. xando filhos e ou equiparados e desde que estejam em
31 de Março de 2010. situação de dependência económica até ao fim do ano
civil em que completem 25 anos de idade ou se encontrem
Depositado em 26 de Abril de 2010, a fl. 74 do livro incapacitados, estes terão direito à percentagem referida
n.º 11, com o n.º 62/2010, nos termos do artigo 494.º do no n.º 1 enquanto subsistir a situação ou se se mantiver a
Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 incapacidade.
de Fevereiro. 4 — (Redacção igual.)
5 — (Redacção igual.)
6 — (Redacção igual.)
Lisboa, 14 de Abril de 2010.
Acordo de empresa entre o Metropolitano de Lisboa, Pelo Metropolitano de Lisboa, E. P. E.:
E. P. E., e o SENSIQ — Sindicato Joaquim José de Oliveira Reis, presidente do conselho
de Quadros e Técnicos e outros — Alteração de administração.
Texto integral do acordo de empresa aplicável aos téc- Luís Filipe Salgado Zenha de Morais Correia, vogal
nicos superiores publicado no Boletim do Trabalho e Em- do conselho de administração.
prego, n.º 29, de 8 de Agosto de 2009. Jorge Manuel Quintela de Brito Jacob, vogal do con-
selho de administração.
Primeira revisão parcial ao texto integral publicado Miguel Teixeira Ferreira Roquette, vogal do conselho
de administração.
Ao 14 dias do mês de Abril de 2010, o Metropolitano
de Lisboa, E. P. E., e o SENSIQ — Sindicato de Qua-
dros e Técnicos, a FE — Federação dos Engenheiros e a Pelo SENSIQ — Sindicato de Quadros e Técnicos:
FECTRANS — Federação dos Sindicatos de Transportes Francisco Martins Piedade Jacinto, mandatário.
e Comunicações/CGTP-IN acordaram em negociações Rodolfo Frederico Beja Lima Knapič, mandatário.
directas a matéria que se segue e que, segundo a cláusula Maria da Natividade dos Anjos Oliveira Marques
1.ª deste AE obriga, por um lado, o Metropolitano de Lis- Afonso, mandatário.
boa, E. P. E., e, por outro, os técnicos superiores ao seu
serviço filiados nas associações sindicais outorgantes. Pela FE — Federação dos Engenheiros:
Cláusula 1.ª João José Bento Silva Fernandes, mandatário.
Área e âmbito Pela FECTRANS — Federação dos Sindicatos de
1 — O presente acordo de empresa, adiante designado Transportes e Comunicações/CGTP-IN:
por AE, obriga, o Metropolitano de Lisboa, E. P. E., presta- Diamantino José Neves Lopes, mandatário.
dor do serviço público de transporte colectivo do subsolo, José Luís Carmo Santos, mandatário.
a seguir referido por empresa, e os trabalhadores ao seu
serviço, detentores de um grau académico conferido pelo Declaração de outorga
ensino superior e que exerçam funções de técnico superior,
representados pelas associações sindicais outorgantes. A FE — Federação dos Engenheiros declara que re-
2 — (Redacção igual.) presenta, na negociação da revisão do acordo de empresa
3 — Este AE abrange este empregador e 218 traba- do Metropolitano de Lisboa 2010, os Sindicatos seus fi-
lhadores. liados:
SNE — Sindicato Nacional dos Engenheiros;
Cláusula 2.ª SERS — Sindicato dos Engenheiros.
Vigência
Lisboa, 2 de Janeiro de 2010. — O Presidente do
Com excepção da tabela salarial e todas as cláusulas SNE — Sindicato Nacional dos Engenheiros, João Lou-
com expressão pecuniária que têm uma vigência não su- renço Martins de Oliveira Pinto. — O Presidente do
perior a 12 meses, reportada a 1 de Janeiro de cada ano, o SERS — Sindicato dos Engenheiros, António Manuel
presente acordo manter-se-á em vigor até 31 de Dezembro Mendes Marques.
de 2015.
Cláusula 26.ª Declaração

Sobrevivência A FECTRANS — Federação dos Sindicatos de Trans-


portes e Comunicações representa os seguintes Sindicatos:
1 — (Redacção igual.)
2 — No caso de existirem filhos ou equiparados, e desde STRUP — Sindicato dos Trabalhadores de Transportes
que estejam na dependência económica paternal até ao Rodoviários e Urbanos de Portugal;

1616
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

STRUN — Sindicato dos Trabalhadores de Transportes pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, são neste mo-
Rodoviários e Urbanos do Norte; mento abrangidos pela presente convenção 1 empresa e
STRAMM — Sindicato dos Trabalhadores Rodoviá- 18 trabalhadores.
rios e Actividades Metalúrgicas da Região Autónoma da
Madeira; Cláusula 2.ª
Sindicato dos Profissionais dos Transportes, Turismo e Vigência, denúncia e revisão
Outros Serviços da Horta;
Sindicato dos Profissionais de Transporte, Turismo e ...........................................
Outros Serviços de São Miguel e Santa Maria; 2 — As tabelas salariais e demais cláusulas de expressão
SNTSF — Sindicato Nacional dos Trabalhadores do pecuniária terão uma vigência de 12 meses, contados a
Sector Ferroviário; partir de 1 de Janeiro de 2010, e serão revistas anualmente.
...........................................
OFICIAIS/MAR — Sindicato dos Capitães, Oficiais
Pilotos, Comissários e Engenheiros da Marinha Mercante;
SIMAMEVIP — Sindicato dos Trabalhadores da CAPÍTULO VI
Marinha Mercante, Agências de Viagens, Transitários e
Pesca; Lugar da prestação de trabalho
Sindicato dos Transportes Fluviais, Costeiros e da Ma- ...........................................
rinha Mercante.
Cláusula 40.ª
Lisboa, 14 de Abril de 2010. — A Direcção Nacional: Deslocações
(Assinaturas ilegíveis.)
1 — Sempre que deslocado em serviço, o trabalhador
Depositado em 26 de Abril de 2010, a fl. 74 do livro terá direito ao pagamento de:
n.º 11, com o n.º 63/2010, nos termos do artigo 494.º do
Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 ...........................................
de Fevereiro. d) Ajudas de custo de montante igual a € 60/dia quando
a deslocação seja fora dos distritos de Lisboa e Setúbal.

...........................................

Acordo de empresa entre a AIL — Associação dos CAPÍTULO XVI


Inquilinos Lisbonenses e o CESP — Sindicato
dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios Disposições transitórias e finais
e Serviços de Portugal — Alteração salarial e ...........................................
outras.
O acordo de empresa, celebrado entre a AIL — Asso- Cláusula 80.ª
ciação dos Inquilinos Lisbonenses e o CESP — Sindicato Cláusula de salvaguarda
dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços
de Portugal e outra, com publicação da última revisão no Mantêm-se em vigor as matérias que, entretanto, não
Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 24, de 29 de foram objecto de alteração, constantes do texto consoli-
Junho de 2009, é alterado como segue: dado, cuja publicação está inserta Boletim do Trabalho e
Emprego, 1.ª série, n.º 17/2008, e as matérias constantes da
publicação no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série,
CAPÍTULO I n.º 24, de 29 de Junho de 2009.
Âmbito e vigência
ANEXO IV
Cláusula 1.ª
Tabela salarial para 2010
Âmbito
Remunerações
1 — O presente acordo de empresa, adiante designado Níveis Categorias profissionais
(euros)
por AE, obriga, por uma parte, a AIL — Associação dos
Inquilinos Lisbonenses e, por outra, as associações sindi- I Director de serviços . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 364
cais outorgantes e os trabalhadores ao serviço daquela por
estas representados. II Chefe de serviços . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 200
2 — Este AE é aplicado nos distritos de Lisboa e Setú- III Coordenador de serviços . . . . . . . . . . . . . . . . . . 987
bal — aos serviços prestados aos inquilinos (CAE-Rev.3:
94995). IV Chefe de secção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 915
3 — O âmbito profissional é o constante nos anexos I e IV. Técnico de sistema informático . . . . . . . . . . . .
4 — Para cumprimento do disposto na alínea g), do V Subchefe de secção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 808,50
n.º 1 do artigo 492.º do Código do Trabalho, aprovado

1617
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Remunerações
de empresa ao qual o STFPSA adere, presentemente em
Níveis Categorias profissionais
(euros) número de 95.
Pontinha, 19 de Março de 2010.
VI Escriturário especializado . . . . . . . . . . . . . . . . . 759
Pelo Centro de Formação Profissional para o Sector
VII Escriturário de 1.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 693 Alimentar — CFPSA:
VIII Escriturário de 2.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 635
Isabel Eulália da Costa Campos, presidente do conselho
de administração.
IX Escriturário de 3.ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 591 Mário Pereira Gonçalves, vogal do conselho de ad-
ministração.
X Estagiário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 539
Pelo Sindicato dos Trabalhadores da Função Pública
XI Empregado de limpeza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 505 do Sul e Açores:
Luís Henrique Moreira Romão Esteves, membro da
Lisboa, 1 de Março de 2010.
direcção.
Pela AIL — Associação dos Inquilinos Lisbonenses: Fernando José Monte dos Santos, membro da direcção.
Ricardina Dias Pires Fernandes Lourenço, directora. Depositado em 23 de Abril de 2010, a fl. 73 do livro
António Fernando da Silveira Machado, director. n.º 11, com o n.º 57/2010, nos termos do artigo 494.º do
Ramiro Nelson Cardoso da Silva, tesoureiro da direc- Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12
de Fevereiro.
ção.

Pelo CESP — Sindicato dos Trabalhadores do Comér-


cio, Escritórios e Serviços de Portugal:
Ana Maria Martins Penalva Barros, mandatária. Contrato colectivo entre a AECOPS — Associação
Maria Emília Marques, mandatária. de Empresas de Construção e Obras Públicas e
Serviços e outras e o SETACCOP — Sindicato
da Construção, Obras Públicas e Serviços
Depositado em 27 de Abril de 2010, a fl. 74 do livro Afins e outros — Rectificação.
n.º 11, com o n.º 64/2010, nos termos do artigo 494.º do
Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 Por ter sido publicado com inexactidão no Boletim do
de Fevereiro. Trabalho e Emprego, n.º 12, de 29 de Março de 2010, a
pp. 964 e seguintes, o contrato colectivo em epígrafe, a
seguir se procede à sua rectificação, mediante a republi-
cação integral.

TÍTULO I
Acordo de adesão entre o Centro de Formação Clausulado geral
Profissional para o Sector Alimentar — CFPSA
e o Sindicato dos Trabalhadores da Função CAPÍTULO I
Pública do Sul e Açores ao acordo de empresa Área, âmbito e vigência
celebrado entre o CFPSA e a FETESE — Fe-
deração dos Sindicatos dos Trabalhadores de Cláusula 1.ª
Serviços e outros.
Área e âmbito
O Centro de Formação Profissional para o Sector
Alimentar — CFPSA, por um lado, e o STFPSA — Sin- 1 — O presente CCT obriga, por um lado, as empresas
dicato dos Trabalhadores da Função Pública do Sul singulares ou colectivas que, no território do continente,
e Açores, por outro, acordam entre si, ao abrigo do se dedicam à actividade da construção civil, obras públicas
disposto no artigo 504.º do Código do Trabalho, na e serviços relacionados com a actividade da construção e
versão revista e aprovada pela Lei n.º 7/2009, de 12 estejam filiadas nas associações de empregadores outor-
Fevereiro, a adesão da referida associação sindical ao gantes e, por outro, os trabalhadores ao seu serviço das
acordo de empresa celebrado entre o Centro de Forma- categorias profissionais nele previstas e constantes do ane-
ção Profissional para o Sector Alimentar — CFPSA e a xo III representados pelas associações sindicais signatárias.
FETESE — Federação dos Sindicatos dos Trabalhado- 2 — As partes outorgantes vinculam-se a requerer ao
res de Serviços e Outros — revisão global, publicado ministério responsável pela área laboral, no momento do
no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 23, de 22 de depósito do presente contrato, a sua aplicação, com efeitos
Junho de 2008. a partir da sua entrada em vigor, às empresas e aos traba-
Para cumprimento do disposto na alínea g) do n.º 1 lhadores da construção civil e obras públicas não filiados
do artigo 492.º, conjugado com o artigo 496.º do Código nos organismos outorgantes.
do Trabalho, serão potencialmente abrangidos todos os 3 — O presente CCT abrange 18 517 empregadores e
trabalhadores do CFPSA, instituição constante do acordo 300 000 trabalhadores.

1618
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Cláusula 2.ª b) O local de trabalho ou, não havendo um fixo ou


Vigência
predominante, a indicação de que o trabalho é prestado
em várias localizações;
O presente CCT entra em vigor no dia 1 do mês seguinte c) A sede ou o domicílio do empregador;
ao da sua publicação no Boletim do Trabalho e Emprego d) A categoria do trabalhador, incluindo a respectiva
e será válido pelo prazo mínimo de dois anos, renovando- classe, escalão ou grau, e a caracterização sumária do seu
-se sucessivamente por períodos de um ano, enquanto não conteúdo;
for denunciado por qualquer das partes, salvo as matérias e) A data de celebração do contrato e a do início dos
referentes a tabela salarial e subsídio de refeição que pro- seus efeitos;
duzem efeitos a partir de 1 de Janeiro 2010 e que serão f) A duração das férias ou, se não for possível conhecer
válidas pelo prazo de um ano. essa duração, os critérios para a sua determinação;
g) Os prazos de aviso prévio a observar pelo empregador
CAPÍTULO II e pelo trabalhador para a cessação do contrato ou, se não
for possível conhecer essa duração, os critérios para a sua
Admissão, classificação e carreira profissional determinação;
h) O valor e a periodicidade da retribuição;
Cláusula 3.ª i) O período normal de trabalho diário e semanal, espe-
Condições gerais de admissão cificando os casos em que é definido em termos médios;
j) O instrumento de regulamentação colectiva de tra-
1 — Antes da admissão na empresa ou se a urgência balho aplicável;
da admissão o justificar, nos 15 dias seguintes, os traba-
l) Dispensa do período experimental, se a houver;
lhadores serão submetidos a exame de saúde destinado a
verificar da sua aptidão física e psíquica para o exercício m) O número da apólice de seguro de acidentes de tra-
das funções correspondentes à actividade em vista para o balho e a identificação da entidade seguradora;
respectivo contrato. n) O número de identificação da segurança social do
2 — Só podem ser admitidos os trabalhadores que satis- empregador;
façam as seguintes condições gerais: o) Condições específicas da prestação de trabalho, se
as houver;
a) Terem idade não inferior a 16 anos; p) Tratando-se de contrato de trabalho a termo, a in-
b) Possuírem a escolaridade mínima obrigatória legal- dicação do motivo justificativo, bem como da data da
mente imposta, nos seguintes termos: respectiva cessação, no caso de termo certo, ou da sua
duração previsível, no caso de termo incerto;
Data de nascimento Anos de escolaridade q) Tratando-se de contrato de trabalho a tempo par-
cial, a indicação do período normal de trabalho diário e
Anterior a 1 de Janeiro de 1967 . . . . . . . . . . . . . . . Quatro anos. semanal com referência comparativa ao trabalho a tempo
Entre 1 de Janeiro de 1967 e 31 de Dezembro de completo.
1980 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Seis anos.
Posterior a 31 de Dezembro de 1980 . . . . . . . . . . . Nove anos.
5 — O contrato de trabalho será elaborado em dupli-
cado, destinando-se um exemplar ao empregador e outro
c) Possuírem as habilitações estabelecidas na presente
ao trabalhador. Tratando-se de trabalhador estrangeiro,
regulamentação para o exercício da profissão;
d) Possuírem certificados de aptidão profissional, car- aplicar-se-ão as disposições específicas constantes na
teira ou cédula, devidamente actualizada, sempre que o cláusula 63.ª
exercício da profissão esteja legalmente condicionado 6 — No acto de admissão deverão ainda ser fornecidos
com essa exigência. aos trabalhadores os seguintes documentos:
a) Regulamento interno, se o houver;
3 — Sem prejuízo das disposições relativas ao trabalho b) Outros regulamentos específicos da empresa, tais
de menores consignadas na cláusula 68.ª, a escolaridade como regulamento de segurança, regulamento de regalias
mínima ou as habilitações referidas nas alíneas b) e c) do sociais e outros, caso existam.
número anterior serão dispensadas:
a) Aos trabalhadores que à data da entrada em vigor 7 — No acto da admissão será ainda prestada informa-
do presente CCT estejam ao serviço de empresas por ele ção ao trabalhador relativamente:
abrangidas; a) Aos riscos para a segurança e saúde, bem como as
b) Aos trabalhadores que demonstrem já ter desempe- medidas de protecção e de prevenção e a forma como se
nhado funções correspondentes às de qualquer das profis- aplicam, relativos quer ao posto de trabalho ou função quer,
sões previstas nos anexos ao presente contrato. em geral, à empresa, estabelecimento ou serviço;
b) As medidas e as instruções a adoptar em caso de
4 — O contrato de trabalho será obrigatoriamente escrito perigo grave e iminente;
e assinado por ambas as partes, devendo dele constar: c) As medidas de primeiros socorros, de combate a
a) Identificação das partes, nomeadamente, sendo socie- incêndios e de evacuação dos trabalhadores em caso de
dade, a existência de uma relação de coligação societária, sinistro, bem como os trabalhadores ou serviços encarre-
de participações recíprocas, de domínio ou de grupo; gados de as pôr em prática.

1619
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

8 — Nas empresas com mais de 50 trabalhadores, os 2 — Para os profissionais administrativos, técnicos de


empregadores deverão, em igualdade de qualificação, dar desenho, cobradores e telefonistas o período normal de
preferência à admissão de trabalhadores com capacidade trabalho semanal é de 37,5 horas.
de trabalho reduzida, com deficiência ou doença crónica, 3 — A criação de horários desfasados no período normal
caso existam postos de trabalho que a possibilitem. de trabalho semanal previsto no número anterior deverá
9 — Para o preenchimento de postos de trabalho, o obedecer aos seguintes parâmetros:
empregador deverá dar preferência aos trabalhadores que
na empresa já prestem serviço e possuam as qualificações a) Dois períodos fixos distribuídos no período normal
requeridas. de trabalho diário a que o trabalhador está obrigado, de
segunda-feira a sexta-feira;
Cláusula 4.ª b) As horas complementares aos períodos fixos serão
preenchidas entre as 8 horas e 30 minutos e as 19 horas.
Classificação profissional
1 — Os profissionais abrangidos pelo presente contrato 4 — Por acordo, o empregador e os trabalhadores podem
serão obrigatoriamente classificados, segundo as funções definir o período normal de trabalho em termos médios,
desempenhadas, numa das categorias profissionais cons- nos termos da legislação em vigor, sendo a duração média
tantes do anexo II. do trabalho apurada por referência a oito meses, tendo em
2 — Compete à comissão paritária, e a pedido das conta que:
associações sindicais ou de empregadores, deliberar sobre a) As horas de trabalho prestado em regime de alarga-
a criação de novas profissões ou categorias profissionais, mento do período normal de trabalho, de acordo com o
que passarão a fazer parte integrante do presente con- disposto no presente número, serão compensadas com a
trato após publicação no Boletim do Trabalho e Emprego, redução daquele período em igual número de horas, não
igualmente lhe competindo definir as respectivas funções
podendo ser superior a 2 horas nas semanas em que a
e enquadramentos.
duração do trabalho seja inferior a 40 horas, ou então por
redução em meios-dias ou dias inteiros, sem prejuízo do
Cláusula 5.ª
direito ao subsídio de refeição;
Condições gerais de acesso b) Se a média das horas de trabalho semanal prestadas
Para efeitos de promoção a categorias superiores, no período de referência for inferior ao período normal
entende-se como «serviço efectivo na categoria» todo o de trabalho previsto nos n.os 1 e 2, por razões imputáveis
período de tempo, seguido ou interpolado, em que houve ao empregador, será saldado em favor do trabalhador o
efectiva prestação de trabalho naquela categoria, indepen- período de horas de trabalho não prestado;
dentemente da empresa em que tenha sido prestado e desde c) Durante o período de prestação de trabalho no re-
que devidamente comprovado, sendo pois de excluir os gime de adaptabilidade disposto no presente número, o
períodos de tempo correspondentes a eventuais suspensões trabalhador pode solicitar a utilização da totalidade ou
do contrato de trabalho. parte do crédito de horas já constituído, conforme as suas
necessidades e por acordo com o empregador;
Cláusula 6.ª d) Cessando o contrato de trabalho, o trabalhador e o
empregador têm o direito de receber, com base no valor
Carreira profissional da hora normal, o montante resultante do crédito de horas
A carreira profissional dos trabalhadores abrangidos que, respectivamente, exista a seu favor.
pelo presente CCT é regulamentada no anexo I.
5 — Compete ao empregador estabelecer os horários
Cláusula 7.ª de trabalho, bem como eventuais alterações aos mesmos,
nos termos da legislação em vigor e da presente regula-
Enquadramento
mentação.
As profissões e categorias previstas são enquadradas 6 — Em todos os locais de trabalho deve ser afixado,
nos níveis de retribuição constantes do anexo III. em lugar bem visível, um mapa de horário de trabalho ela-
borado pelo empregador, devendo ser enviada a respectiva
cópia à Autoridade para as Condições do Trabalho.
CAPÍTULO III 7 — O empregador deve manter um registo que permita
Prestação do trabalho apurar o número de horas de trabalho prestadas pelo tra-
balhador, por dia e por semana, com indicação da hora de
início e termo do trabalho, o qual, em caso de prestação
SECÇÃO I de trabalho em regime de adaptabilidade, deverá conter
Duração do trabalho indicação expressa de tal facto.
8 — O período de trabalho diário deve ser interrompido,
Cláusula 8.ª em regra, sem prejuízo do número seguinte, por um perí-
odo de descanso que não poderá ser inferior a uma hora
Duração e organização do tempo de trabalho
nem superior a duas, de modo que os trabalhadores não
1 — O período normal de trabalho terá a duração prestem mais de cinco horas de trabalho consecutivo, ou
máxima de 8 horas por dia e de 40 horas por semana, quatro horas e meia, tratando-se de trabalhadores menores
distribuído por cinco dias consecutivos. ou motoristas de pesados.

1620
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

9 — Salvo tratando-se de trabalhadores menores ou 2 — A isenção de horário de trabalho pode compreender


motoristas de pesados, a prestação de trabalho poderá as seguintes modalidades:
ser alargada até seis horas consecutivas e o intervalo de a) Não sujeição aos limites máximos dos períodos nor-
descanso diário ser reduzido a meia hora. mais de trabalho;
10 — Sem prejuízo da laboração normal, as empresas b) Possibilidade de alargamento da prestação a um
devem conceder no primeiro período de trabalho diário determinado número de horas, por dia ou por semana;
o tempo mínimo necessário à tomada de uma refeição c) A observância dos períodos normais de trabalho
ligeira, normalmente designada por «bucha», em moldes acordados.
a regulamentar pelo empregador.
3 — O trabalhador abrangido pela isenção de horário
Cláusula 9.ª de trabalho tem direito a uma retribuição especial corres-
Banco de horas
pondente a:

1 — Por acordo escrito entre o empregador e o traba- a) 22 % da retribuição base, tratando-se das modalidades
previstas nas alíneas a) e b) do número anterior;
lhador, pode ser instituído um regime de banco de horas,
b) Duas horas de trabalho suplementar por semana,
em que a organização do tempo de trabalho obedece ao tratando-se da modalidade prevista na alínea c) do número
disposto nos números seguintes. anterior.
2 — A necessidade de prestação de trabalho em acrés-
cimo é comunicada pelo empregador ao trabalhador com 4 — A retribuição especial devida em caso de isenção
uma antecedência mínima de cinco dias, salvo se outra for de horário de trabalho é considerada para efeito de férias,
acordada ou em caso de força maior. subsídio de férias e subsídio de Natal, estando igualmente
3 — O período normal de trabalho pode ser aumentado sujeita a todos os impostos e descontos legais.
até 2 horas diárias e 50 horas semanais, tendo o acréscimo 5 — A retribuição especial devida em caso de isenção
por limite 180 horas por ano. de horário de trabalho não é considerada para efeitos de
4 — A compensação do trabalho prestado em acrés- cálculo de pagamento de trabalho suplementar, trabalho
cimo é feita mediante a redução equivalente do tempo nocturno e trabalho por turnos.
de trabalho, a utilizar no decurso do mesmo ano civil, 6 — O acordo de isenção de horário de trabalho ces-
devendo o empregador avisar o trabalhador com cinco dias sará nos precisos termos e condições em que deixarem de
de antecedência, salvo caso de força maior devidamente subsistir os fundamentos que lhe deram origem, caso em
justificado. que o mesmo poderá cessar mediante comunicação escrita
5 — A utilização da redução do tempo de trabalho para dirigida ao outro contraente, com uma antecedência não
compensar o trabalho prestado em acréscimo pode ser re- inferior a 30 dias.
querida pelo trabalhador ao empregador, por escrito, com
uma antecedência mínima de cinco dias. Cláusula 11.ª
6 — O empregador só pode recusar o pedido de uti- Trabalho suplementar
lização da redução do tempo de trabalho referido no nú-
1 — Considera-se trabalho suplementar todo aquele que
mero anterior por motivo de força maior devidamente é prestado fora do horário de trabalho.
justificado. 2 — Considera-se ainda trabalho suplementar:
7 — Na impossibilidade de utilização da redução do
tempo de trabalho no ano civil a que respeita, pode sê-lo a) Nos casos de isenção de horário de trabalho estabe-
até ao termo do 1.º trimestre do ano civil seguinte ou ser lecida na alínea a) do n.º 2 da cláusula anterior o trabalho
retribuída com acréscimo de 100 %. prestado nos dias de descanso semanal, obrigatório ou
complementar e feriados;
Cláusula 10.ª b) Nos casos de isenção de horário de trabalho estabe-
lecida na alínea b) do n.º 2 da cláusula anterior o trabalho
Isenção de horário de trabalho que seja prestado fora desse período;
1 — Por acordo escrito, enviado à Autoridade para as c) Nos casos de isenção de horário de trabalho estabe-
Condições do Trabalho, pode ser isento de horário de tra- lecida na alínea c) do n.º 2 da cláusula anterior o trabalho
prestado que exceda a duração do período normal de tra-
balho o trabalhador que se encontre numa das seguintes
balho diário ou semanal.
situações:
a) Exercício de cargos de administração, de direcção, de 3 — Não se compreende na noção de trabalho suple-
chefia, de chefias intermédias, de confiança, de fiscalização mentar:
ou de apoio aos titulares desses cargos; a) O trabalho prestado para compensar suspensões de
b) Execução de trabalhos preparatórios ou complemen- actividade, independentemente da causa, de duração não
tares, que pela sua natureza só possam ser efectuados fora superior a 48 horas seguidas ou interpoladas por um dia
dos limites dos horários normais de trabalho; de descanso ou feriado, quando haja acordo entre o em-
c) Exercício regular da actividade fora do estabeleci- pregador e os trabalhadores;
mento, sem controlo imediato da hierarquia; b) A tolerância de quinze minutos para as transacções,
d) Exercício da actividade de vigilância, de transporte operações e serviços começados e não acabados na hora
e de vendas. estabelecida para o termo do período normal de trabalho

1621
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

diário, não sendo, porém, de admitir que tal tolerância deixe c) Um número de horas igual ao período normal de
de revestir carácter excepcional, devendo o acréscimo de trabalho nos dias de descanso semanal, obrigatório ou
trabalho ser pago como retribuição normal quando perfi- complementar, e nos feriados.
zer quatro horas ou no termo do ano civil ou, por troca,
mediante acordo, para compensar atrasos diários que não 2 — A prestação de trabalho suplementar prevista no
podem exceder a tolerância diária prevista nem as quatro n.º 5 da cláusula 11.ª não fica sujeita aos limites do número
horas mensais; anterior, não devendo contudo a duração média do trabalho
c) A formação profissional, ainda que realizada fora do semanal exceder 48 horas num período de referência de
horário de trabalho. 12 meses. No cálculo da média os dias de férias são sub-
traídos ao período de referência em que são gozados.
4 — O trabalho suplementar pode ser prestado quando 3 — Os dias de ausência por doença, bem como os
as empresas tenham de fazer face a acréscimos eventuais dias de licença por maternidade e paternidade e de licença
e transitórios de trabalho, que não justifiquem a admissão especial do pai ou da mãe para assistência a pessoa com de-
de trabalhadores com carácter permanente ou em regime ficiência e a doente crónico são considerados, para efeitos
do número anterior, com base no correspondente período
de contrato a termo, observando-se, no entanto, o descanso
normal de trabalho.
intercorrente de onze horas entre as jornadas. 4 — O limite anual de horas de trabalho suplementar
5 — O trabalho suplementar pode ainda ser prestado aplicável a trabalhador a tempo parcial é de 80 horas por
em casos de força maior ou quando se torne indispensável ano ou o correspondente à proporção entre o período nor-
para prevenir ou reparar prejuízos graves para a empresa mal de trabalho e o de trabalhador a tempo completo em
bem como para assegurar o cumprimento de prazos con- situação comparável quando superior.
tratualmente estabelecidos para conclusão de obras ou 5 — Mediante acordo escrito, o limite referido no nú-
fases das mesmas. mero anterior pode ser elevado até 200 horas por ano.
6 — A prestação de trabalho suplementar tem de ser
prévia e expressamente determinada pelo empregador, sob Cláusula 14.ª
pena de não ser exigível o respectivo pagamento.
Retribuição do trabalho suplementar
7 — O empregador deve registar o trabalho suplementar
em suporte documental adequado, nos termos legalmente 1 — O trabalho suplementar prestado em dia normal
de trabalho será remunerado com os seguintes acréscimos
previstos.
mínimos:
Cláusula 12.ª a) 50 % da retribuição base horária na primeira hora;
b) 75 % da retribuição base horária nas horas ou fracções
Obrigatoriedade e dispensa da prestação de trabalho suplementar
subsequentes.
1 — Os trabalhadores estão obrigados à prestação de
trabalho suplementar, salvo quando, havendo motivos 2 — Sempre que o trabalhador haja de prestar trabalho
atendíveis, devidamente comprovados, nomeadamente suplementar em dia normal de trabalho, fora dos casos de
assistência inadiável ao agregado familiar, expressamente prolongamento ou antecipação do seu período de trabalho,
solicitem a sua dispensa. terá direito:
2 — Não estão sujeitos à obrigação estabelecida no a) Ao pagamento integral das despesas de transporte
número anterior: de ida e volta ou a que lhe sejam assegurados transpor-
a) Os trabalhadores com deficiências ou com doença tes quando não seja possível o recurso aos transportes
crónica; públicos;
b) As trabalhadoras grávidas; b) Ao pagamento, como trabalho suplementar, do tempo
c) As trabalhadoras com filhos de idade inferior a 12 meses; gasto na viagem de ida e volta, não contando, porém, para
o cômputo dos limites máximos diários ou anuais estabe-
d) Os pais que hajam gozado licença de paternidade nos
lecidos na cláusula 13.ª
casos de incapacidade física ou psíquica da mãe, morte da
mãe ou decisão conjunta dos pais até os filhos perfazerem 3 — No caso de o trabalho suplementar se suceder
os 12 meses; imediatamente a seguir ao período normal e desde que se
e) Os trabalhadores-estudantes, excepto nas situações pressuponha que aquele venha a ter uma duração igual ou
previstas no n.º 5 da cláusula 11.ª superior a uma hora e trinta minutos, o trabalhador terá
direito a uma interrupção de quinze minutos entre o horário
3 — É proibida a prestação de trabalho suplementar por normal e suplementar, que será remunerada nos termos do
trabalhadores menores. n.º 1 da presente cláusula.
4 — Sempre que a prestação de trabalho suplementar
Cláusula 13.ª exceda no mesmo dia três horas seguidas, o trabalhador
Número máximo de horas de trabalho suplementar terá direito a uma refeição integralmente custeada pelo
empregador.
1 — O trabalho suplementar fica sujeito, por trabalha- 5 — O trabalho prestado em dia de descanso semanal,
dor, aos seguintes limites: descanso semanal complementar ou feriado obrigatório
a) 200 horas de trabalho por ano; será remunerado de acordo com a seguinte fórmula:
b) Duas horas por dia normal de trabalho; R = (rh × n) × 2

1622
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

sendo: 3 — A retribuição do trabalho normal nocturno será


superior em 45 % à retribuição base a que dá direito o
R — remuneração do trabalho prestado em dia de des-
trabalho equivalente prestado durante o dia, nas horas de
canso semanal, descanso semanal complementar ou feriado
obrigatório; trabalho que sejam prestadas no período previsto no n.º 1
rh — remuneração horária; da presente cláusula.
n — número de horas trabalhadas. 4 — O acréscimo retributivo previsto nos números an-
teriores não é devido quando no momento da contratação
6 — Independentemente do número de horas que o do trabalhador a retribuição tenha sido estabelecida aten-
trabalhador venha a prestar, a respectiva retribuição não dendo à circunstância de o trabalho dever ser prestado
poderá, todavia, ser inferior à correspondente a quatro exclusivamente em período nocturno.
horas, calculadas nos termos do número anterior.
7 — Quando o período de trabalho prestado nos termos Cláusula 17.ª
do n.º 5 desta cláusula seja igual ou superior a cinco horas, Trabalho em regime de turnos
os trabalhadores têm direito ao fornecimento gratuito de
uma refeição. 1 — Apenas é considerado trabalho em regime de tur-
nos o prestado em turnos rotativos, em que o trabalhador
Cláusula 15.ª está sujeito às correspondentes variações de horário de
trabalho.
Descanso compensatório 2 — Os trabalhadores só poderão mudar de turno após
1 — A prestação de trabalho suplementar em dia útil, o período de descanso semanal.
em dia de descanso semanal complementar ou em dia 3 — A prestação de trabalho em regime de turnos con-
feriado, confere aos trabalhadores o direito a um descanso fere ao trabalhador o direito ao seguinte complemento de
compensatório remunerado, correspondente a 25 % das retribuição, o qual deixará de ser devido sempre que se
horas de trabalho suplementar realizado. suspenda a prestação de trabalho em tal regime:
2 — O descanso compensatório vence-se quando perfi- a) Em regime de dois turnos em que apenas um seja
zer um número de horas igual ao período normal de traba- total ou parcialmente nocturno, acréscimo de 25 % sobre
lho diário e deve ser gozado num dos 30 dias seguintes. a retribuição mensal;
3 — Quando o descanso compensatório for devido por b) Em regime de três turnos, ou de dois turnos total
trabalho suplementar não prestado em dias de descanso ou parcialmente nocturnos, acréscimo de 35 % sobre a
semanal, obrigatório ou complementar, pode o mesmo por retribuição mensal.
acordo entre o empregador e o trabalhador ser substituído
por prestação de trabalho remunerado com um acréscimo
4 — O complemento de retribuição imposto no número
não inferior a 100 %.
4 — Nas microempresas e nas pequenas empresas, o anterior inclui o acréscimo de retribuição pelo trabalho
descanso compensatório previsto no n.º 1 pode ser subs- nocturno prestado em regime de turnos.
tituído mediante acordo por prestação de trabalho remu- 5 — O subsídio de turno é considerado para efeitos
nerado com um acréscimo não inferior a 100 % ou na falta de retribuição do período de férias e respectivo subsídio
de acordo gozado quando perfizer um número de horas sempre que se verifiquem, pelo menos, 120 dias de tra-
igual ao período normal de trabalho diário nos 90 dias balho efectivo, seguidos ou interpolados, nos 12 meses
seguintes. imediatamente anteriores ao gozo das férias.
5 — Sempre que a prestação de trabalho suplementar 6 — O empregador deve organizar um registo separado
prestado em dia normal de trabalho exceda seis horas dos trabalhadores incluídos em cada turno.
seguidas, o trabalhador terá o direito de descansar num
dos três dias subsequentes, a designar por acordo entre as Cláusula 18.ª
partes, sem perda de remuneração. Funções de vigilância
6 — Os trabalhadores que tenham trabalhado no dia
de descanso semanal obrigatório têm direito a um dia de 1 — As funções de vigilância serão desempenhadas, em
descanso completo, sem perda de remuneração, num dos princípio, por trabalhadores com a categoria de guarda.
três dias seguintes. 2 — Nos locais de trabalho onde não se justifique a
7 — Na falta de acordo, o dia de descanso compensa- permanência de um guarda, as funções de vigilância fora
tório será fixado pelo empregador. do período normal de trabalho poderão ser exercidas por
trabalhadores que durante o período normal exerçam outras
Cláusula 16.ª funções, desde que estes dêem o seu acordo por escrito e
lhes sejam fornecidas instalações para o efeito, bem como
Trabalho nocturno
um acréscimo de 40 % sobre a sua retribuição base.
1 — Considera-se nocturno o trabalho prestado no 3 — O disposto no número anterior é aplicável aos
período que decorre entre as 22 horas de um dia e as 7 horas guardas a quem sejam fornecidas instalações no local de
do dia seguinte. trabalho e que fora do respectivo período normal também
2 — Sem prejuízo dos acréscimos devidos por força exerçam funções de vigilância.
da cláusula 14.ª, a retribuição do trabalho suplementar 4 — A vigilância resultante da permanência não obriga-
nocturno será superior em 30 % à retribuição base a que dá tória prevista nos dois números anteriores, mesmo durante
direito o trabalho equivalente prestado durante o dia. os dias de descanso semanal, descanso semanal comple-

1623
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

mentar e feriados, não confere direito a remuneração para a) Necessidades prementes da empresa ou por estrita
além dos 40 % constantes no n.º 2. necessidade do trabalhador, que seja por este aceite e au-
5 — O direito ao alojamento e ao acréscimo de remu- torizada pela Autoridade para as Condições do Trabalho;
neração cessa com o termo das funções de vigilância atri- b) Incapacidade física ou psíquica permanente e defini-
buídas. tiva do trabalhador que se mostre pacificamente aceite e
autorizada pela Autoridade para as Condições do Trabalho
SECÇÃO II ou judicialmente verificada que o impossibilite do desem-
penho das funções que integram o seu posto de trabalho.
Objecto do contrato de trabalho
Cláusula 22.ª
Cláusula 19.ª
Substituições temporárias
Funções compreendidas no objecto do contrato de trabalho
1 — Sempre que um trabalhador substitua outro de cate-
1 — O trabalhador deve exercer a actividade correspon- goria e retribuição superiores terá o direito de receber uma
dente à categoria profissional para que foi contratado. remuneração correspondente à categoria do substituído
2 — A categoria profissional contratada compreende durante o tempo que essa substituição durar.
as funções que lhe sejam afins ou funcionalmente liga- 2 — Se a substituição durar mais de um ano, o substituto
das, para as quais o trabalhador detenha qualificação pro- manterá o direito à retribuição quando finda a substitui-
fissional adequada e que não impliquem desvalorização ção, regressar à sua anterior função, salvo tratando-se de
profissional. substituições em cargos de chefia.
3 — Consideram-se afins ou funcionalmente ligadas, 3 — Terminado o impedimento do trabalhador substitu-
designadamente, as actividades compreendidas no mesmo ído e se nos 30 dias subsequentes ao termo do impedimento
grupo ou carreira profissional. não se verificar o seu regresso ao lugar, o trabalhador que
4 — O disposto nos n.os 2 e 3 confere ao trabalhador, durante mais de um ano o tiver substituído será promovido
sempre que o exercício das funções afins ou funcional- à categoria profissional daquele com efeitos desde a data
mente ligadas exigir especiais qualificações, o direito a em que houver tido lugar a substituição.
formação profissional nos termos legalmente previstos.
5 — No caso em que às funções afins ou funcionalmente Cláusula 23.ª
ligadas, previstas nos n.os 2 e 3, corresponder retribuição
mais elevada, o trabalhador terá direito a esta e, após seis Cedência ocasional de trabalhadores
meses de exercício dessas funções, terá direito a reclassi- 1 — A cedência ocasional de trabalhadores consiste na
ficação, a qual só poderá ocorrer mediante o seu acordo. disponibilização temporária e eventual do trabalhador do
quadro de pessoal próprio de um empregador para outra
Cláusula 20.ª empresa, a cujo poder de direcção o trabalhador fica su-
Prestação temporária de funções não compreendidas jeito, sem prejuízo da manutenção do vínculo contratual
no objecto do contrato de trabalho inicial.
1 — O trabalhador pode ser temporariamente incumbido 2 — A cedência ocasional de um trabalhador de uma
de funções não compreendidas no objecto do contrato empresa para outra só será permitida desde que:
desde que tenha capacidade para as desempenhar e as a) Não implique mudança de empregador e não deter-
mesmas não impliquem diminuição da retribuição nem mine diminuição de direitos, regalias e garantias;
modificação substancial da posição do trabalhador. b) Se constate que não há para aquele trabalhador, na
2 — O desempenho temporário de funções, a que se re- empresa cedente, trabalho da sua categoria profissional;
fere o número anterior, só terá lugar se no local de trabalho c) O trabalhador cedido esteja vinculado à empresa
se verificar a impossibilidade de afectar o trabalhador para cedente mediante contrato de trabalho sem termo, exceptu-
a execução de tarefas correspondentes ao objecto do seu ando tratando-se de contrato de trabalho a termo justificado
contrato ou quando o interesse da empresa o exija. ao abrigo do n.º 1 da cláusula 54.ª;
3 — Quando às funções temporariamente prestadas nos d) O trabalhador concorde com a cedência.
termos dos números anteriores corresponder uma remu-
neração mais favorável, o trabalhador terá direito a essa 3 — O trabalhador cedido regressará à empresa cedente
remuneração e mantê-la-á definitivamente se a prestação logo que cesse a causa que motivou a cedência.
durar mais de 180 dias seguidos ou interpolados em cada 4 — O empregador que pretenda, nos termos do n.º 1,
ano, contados a partir do início de cada prestação. ceder um trabalhador a outra empresa, associada ou não,
4 — A prestação temporária de funções não compre- com ou sem representantes legais comuns, entregará àquele
endidas no objecto de trabalho deve ser justificada, com documento assinado pelas duas empresas interessadas, do
indicação do tempo previsível. qual conste:
Cláusula 21.ª a) Identificação, assinaturas e domicílio ou sede das
partes;
Mudança de categoria
b) Identificação do trabalhador cedido;
O trabalhador só pode ser colocado em categoria inferior c) Indicação da actividade a prestar pelo trabalhador;
àquela para que foi contratado ou a que foi promovido d) Local de trabalho onde o trabalhador prestará ser-
quando tal mudança decorra de: viço;

1624
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

e) Condições especiais em que o trabalhador é cedido, Cláusula 25.ª


se as houver; Comissão de serviços
f) Salvaguarda de todos os direitos, regalias e garantias
do trabalhador; Para além das situações previstas na legislação em vigor,
g) Responsabilização solidária do empregador a quem podem ser exercidas em regime de comissão de serviço
é cedido o trabalhador pelos créditos deste; as funções correspondentes às seguintes categorias pro-
h) Data do seu início e indicação do tempo previsível fissionais:
da respectiva duração. a) Director de serviço;
b) Técnico de grau III;
5 — Do acordo de cedência ocasional celebrado entre c) Encarregado geral (CCOP);
a empresa cedente e cessionária deverá constar ainda a d) Técnico oficial de contas;
declaração de concordância do trabalhador cedido. e) Analista informático de sistemas.
6 — O documento a que se refere o n.º 4 da presente
cláusula será entregue com a antecedência de:
CAPÍTULO IV
a) Três dias úteis, no caso de o novo local de trabalho
Local de trabalho
permitir o regresso diário à residência habitual do traba-
lhador;
Cláusula 26.ª
b) Duas semanas, quando não permitir tal regresso.
Local habitual de trabalho
Cláusula 24.ª 1 — Por local habitual de trabalho entende-se o lugar
Cedência definitiva de trabalhadores onde deve ser realizada a prestação de acordo com o esti-
pulado no contrato ou o lugar resultante de transferência
1 — A cedência definitiva do trabalhador de um empre- definitiva do trabalhador.
gador para outro só é permitida se à respectiva proposta, 2 — Na falta de indicação expressa, considera-se local
apresentada com a antecedência mínima de 15 dias, der habitual de trabalho o que resultar da natureza da acti-
o trabalhador o seu acordo por escrito e não determinar vidade do trabalhador e da necessidade da empresa que
diminuição dos direitos, regalias e garantias estipuladas tenha levado à sua admissão, desde que esta última fosse
na lei e neste contrato, nomeadamente os decorrentes da ou devesse ser conhecida pelo trabalhador.
antiguidade, que será sempre contada a partir da data de 3 — O local habitual de trabalho determinado nos ter-
admissão ao serviço da cedente. mos dos números anteriores poderá ser:
2 — Apenas existe cedência definitiva do trabalhador, a) Local habitual de trabalho fixo;
nos termos do número anterior, quando esta conste de b) Local habitual de trabalho não fixo, exercendo o
documento escrito, assinado pela entidade cedente e pela trabalhador a sua actividade indistintamente em diversos
cessionária, do qual será obrigatoriamente fornecida cópia lugares ou obras.
ao trabalhador, e cedência essa que não confere a este, por
si só, direito a indemnização por despedimento pago pelo Cláusula 27.ª
empregador cedente.
Trabalhadores com local de trabalho não fixo
3 — O documento referido no número anterior conterá
obrigatoriamente: 1 — Os trabalhadores com local de trabalho não fixo
têm direito, nos termos a acordar com o empregador, no
a) A identificação, remuneração, categoria e antiguidade momento da admissão ou posteriormente a esta, ao paga-
do trabalhador; mento das seguintes despesas directamente impostas pelo
b) Local de trabalho onde o trabalhador prestará serviço exercício da actividade:
ou, se for caso disso, o carácter não fixo do mesmo;
c) Condições especiais em que o trabalhador é cedido, a) Despesas com transporte;
se as houver; b) Despesas com alimentação;
d) Salvaguarda de todos os direitos, regalias e garantias c) Despesas de alojamento.
do trabalhador, incluindo as decorrentes da antiguidade;
e) Responsabilização solidária do empregador a quem é 2 — As despesas com alimentação e alojamento poderão
ser custeadas através da atribuição de ajudas de custo, nos
cedido o trabalhador pelos créditos deste sobre a cedente,
termos e com os condicionalismos previstos na lei.
vencidos nos 12 meses anteriores à cedência.
Cláusula 28.ª
4 — No prazo de sete dias a contar do início da pres-
tação do trabalho junto da entidade cessionária, pode o Deslocações inerentes às funções
trabalhador reassumir o seu cargo ao serviço da entidade 1 — O trabalhador encontra-se adstrito às deslocações
cedente, revogando o acordo referido no n.º 1 desta cláu- inerentes às suas funções ou indispensáveis à sua formação
sula. profissional.
5 — O disposto na presente cláusula não prejudica a 2 — O empregador tem que custear as despesas do
faculdade de o empregador admitir o trabalhador nos ter- trabalhador impostas pelas deslocações, podendo haver
mos de outras disposições aplicáveis deste contrato. lugar ao pagamento de ajudas de custos para as despesas

1625
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

com alimentação e alojamento, nos termos e com os con- Cláusula 31.ª


dicionalismos previstos na lei. Transferências temporárias sem regresso diário à residência

Cláusula 29.ª 1 — Nas transferências temporárias sem regresso diário


à residência os trabalhadores deslocados terão direito a:
Transferência temporária de trabalhadores
com local de trabalho fixo a) Pagamento ou fornecimento integral da alimentação
1 — Designa-se por transferência temporária a realiza- e alojamento, podendo tais despesas ser custeadas através
ção a título transitório das actividades inerentes a um posto do pagamento de ajudas de custo, nos termos e com os
de trabalho fora do local habitual de prestação do mesmo condicionalismos previstos na lei;
que pressuponha a manutenção do respectivo posto no b) Transporte gratuito assegurado pelo empregador ou
local de trabalho fixo de origem, para o qual o trabalhador pagamento integral das despesas de transporte de ida e
regressa finda a transferência. volta: no início e no termo da transferência temporária; no
2 — Por estipulação contratual, inicial ou posterior, o início e no termo dos períodos de férias gozados durante a
empregador pode, quando o interesse da empresa o exija, manutenção da mesma; por cada duas semanas de duração
transferir temporariamente o trabalhador para outro local da transferência temporária;
de trabalho. c) Pagamento de um subsídio correspondente a 25 %
3 — Consideram-se transferências temporárias com da retribuição base.
regresso diário à residência aquelas em que o período de
tempo despendido, incluindo a prestação de trabalho e as 2 — Na aplicação do direito conferido na alínea a) do
viagens impostas pela transferência, não ultrapasse em número anterior deve igualmente atender-se aos princípios
mais de duas horas o período normal de trabalho acrescido consignados no n.º 2 da cláusula 30.ª
do tempo consumido nas viagens habituais. 3 — O subsídio referido na alínea c) do n.º 1 é calculado
4 — Consideram-se transferências temporárias sem re- em função do número de dias consecutivos que durar a
gresso diário à residência as que, por excederem o limite de transferência temporária, com exclusão nos períodos de
duas horas previsto no número anterior, não permitam a ida férias gozados durante a sua permanência.
diária do trabalhador ao local onde habitualmente pernoita, 4 — O trabalhador deverá ser dispensado da transferên-
salvo se este optar pelo respectivo regresso, caso em que cia temporária prevista nesta cláusula nos termos previstos
será aplicável o regime estabelecido para as transferências na lei e no presente contrato para a dispensa da prestação
com regresso diário à residência. de trabalho suplementar.
5 — Salvo motivo imprevisível, a decisão de transferên-
cia temporária de local de trabalho tem de ser comunicada Cláusula 32.ª
ao trabalhador com vinte e quatro horas de antecedência. Transferências temporárias para fora do continente/país

Cláusula 30.ª 1 — As normas reguladoras das transferências temporá-


rias para fora do continente serão sempre objecto de acordo
Transferência temporária com regresso diário à residência escrito entre o trabalhador e o empregador, podendo haver
1 — Os trabalhadores transferidos temporariamente lugar ao pagamento de ajudas de custos para as despesas
com regresso diário à residência terão direito a que: com alimentação e alojamento.
2 — Tratando-se de transferência temporária para o
a) Lhes seja fornecido ou pago meio de transporte de estrangeiro, por período superior a um mês, do texto do
ida e volta, na parte que vá além do percurso usual entre acordo deverá constar:
a sua residência e o local habitual de trabalho;
b) Lhes seja fornecido ou pago almoço, jantar ou ambos, a) Duração previsível do período de trabalho a prestar
consoante as horas ocupadas, podendo tais despesas ser no estrangeiro;
custeadas através do pagamento de ajudas de custo, nos b) Moeda em que será efectuada a retribuição e respec-
termos e com os condicionalismos previstos na lei; tivo lugar de pagamento;
c) Lhes seja pago ao valor da hora normal o tempo gasto c) Condições de eventual repatriamento;
nas viagens de ida e volta entre o local da prestação e a d) Acessos a cuidados de saúde.
residência do trabalhador, na parte em que exceda o tempo
habitualmente gasto entre o local habitual de trabalho e a 3 — No caso de destacamento para o estrangeiro, o
referida residência. empregador deve comunicar, com cinco dias de antecedên-
cia, à Autoridade para as Condições do Trabalho:
2 — Na aplicação do disposto na alínea b) do número a) A identidade dos trabalhadores a destacar;
anterior devem as partes proceder segundo os princípios de b) O utilizador, se for o caso;
boa-fé e as regras do senso comum, tendo em conta, no caso c) O local de trabalho;
do pagamento da refeição, os preços correntes no tempo e d) O início e o termo previsíveis da deslocação.
local em que a despesa se efectue, podendo o empregador
exigir documento comprovativo da despesa feita. Cláusula 33.ª
3 — Os trabalhadores deverão ser dispensados das trans-
Doença do trabalhador
ferências temporárias referidas nesta cláusula nos termos
previstos na lei e no presente contrato para a dispensa de 1 — Registando-se uma situação de doença cuja duração
trabalho suplementar. se prevê superior a dois dias, o trabalhador terá direito ao

1626
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

pagamento ou fornecimento de transporte de regresso à CAPÍTULO V


sua residência.
Retribuição do trabalho
2 — Prevendo-se um período de doença igual ou inferior
a dois dias, o trabalhador permanecerá no local de trabalho,
Cláusula 37.ª
cessando todos os direitos, deveres e garantias das partes,
na medida em que pressuponham a efectiva prestação Noção de retribuição
de trabalho, sendo no entanto assegurado pelo emprega- 1 — A retribuição mensal integra o que, nos termos da
dor, durante o período de inactividade, a manutenção das lei e do presente contrato, o trabalhador tem o direito de
condições previamente estabelecidas no que concerne a receber como contrapartida do seu trabalho.
alojamento e alimentação. 2 — A retribuição mensal engloba a retribuição base e
3 — Por solicitação do trabalhador, e prevendo-se uma todas as outras prestações regulares e periódicas, nomea-
recuperação no prazo de oito dias, poderá o trabalhador damente a retribuição especial por isenção de horário de
permanecer no local de trabalho, dentro dos condiciona- trabalho e o complemento de retribuição pela prestação de
lismos previstos no número anterior. trabalho em regime de turnos.
3 — Considera-se retribuição mínima as constantes do
Cláusula 34.ª anexo III do presente contrato.
4 — Considera-se retribuição base a retribuição mínima
Falecimento do trabalhador transferido temporariamente
efectivamente paga por cada empregador quando superior
No caso de falecimento do trabalhador transferido tem- aos valores da tabela.
porariamente, o empregador suportará as despesas decor- 5 — Até prova em contrário, presume-se constituir
rentes da transferência do corpo para o local da residência retribuição toda e qualquer outra prestação do emprega-
habitual. dor ao trabalhador.

Cláusula 35.ª Cláusula 38.ª


Ocorrência de períodos de inactividade Retribuição horária
durante a transferência temporária O valor da remuneração horária será calculado segundo
Sem prejuízo da possibilidade que o empregador dis- a seguinte fórmula:
põe de fazer cessar a transferência temporária, o regime Rb × 12
previsto na cláusula 31.ª subsiste enquanto esta perdurar, 52 × n
independentemente de durante a referida transferência
ocorrerem períodos de inactividade. em que Rb é o valor da remuneração base e n o período
normal de trabalho semanal.
Cláusula 36.ª
Cláusula 39.ª
Transferência definitiva dos trabalhadores
com local de trabalho fixo Documento a entregar ao trabalhador no acto do pagamento

1 — Para além de outras situações previstas no contrato No acto do pagamento da retribuição o empregador deve
de trabalho o empregador pode transferir o trabalhador para entregar ao trabalhador documento do qual conste:
outro local de trabalho, a título definitivo, nas seguintes a) A identificação do empregador, nome completo do
situações: trabalhador e a categoria profissional deste;
a) As transferências motivadas pela mudança ou por b) Número de inscrição na segurança social do traba-
encerramento total ou parcial do estabelecimento ou obra; lhador;
b) Transferência motivada por interesse do empregador c) Período a que respeita a retribuição, descriminando
ou do trabalhador nas situações previstas na legislação em a retribuição base e demais prestações;
vigor e no contrato de trabalho. d) Indicação do montante ilíquido e de todos os descon-
tos e deduções efectuados, bem como o montante líquido
a receber;
2 — As condições da transferência prevista na alínea b)
e) Identificação da companhia seguradora para a qual
do n.º 1 devem constar de documento assinado por ambas
tenha sido transferido o risco relativo a acidentes de tra-
as partes. balho.
3 — O empregador deve custear as despesas do traba-
lhador impostas pela transferência motivada pela mudança Cláusula 40.ª
ou por encerramento total ou parcial do estabelecimento
ou obra ou por interesse da empresa, decorrentes do acrés- Abono para falhas
cimo de custos de transporte, alimentação e resultantes de 1 — Os trabalhadores que exerçam funções de paga-
mudança de residência. mento ou recebimento têm direito, enquanto se mantiverem
4 — Salvo motivo imprevisível, a decisão de transferên- classificados nas profissões a que correspondam essas
cia definitiva de local de trabalho tem de ser comunicada funções, a um abono mensal para falhas de 5 % sobre a
ao trabalhador com 10 dias de antecedência. retribuição mínima estipulada para o nível VII.

1627
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

2 — Sempre que os trabalhadores referidos no número 7 — As dispensas para consultas pré-natais, preparação
anterior sejam substituídos nas funções citadas por perío- para o parto, amamentação e aleitação não implicam perda
dos iguais ou superiores a 15 dias o substituto terá direito do subsídio de refeição.
ao abono para falhas na proporção do tempo de substi- 8 — Sempre que a natureza, localização e duração das
tuição. obras e o número de trabalhadores que nelas trabalhem o
justifiquem, deverá ser previsto um local coberto e abri-
Cláusula 41.ª gado das intempéries, dotado de água potável e dispondo
Subsídio de Natal de mesas e bancos, onde o pessoal possa preparar e tomar
as suas refeições.
1 — Todos os trabalhadores têm direito a um subsídio 9 — Tratando-se de obras que ocupem mais de 50 tra-
de Natal de valor igual a um mês de retribuição base, balhadores por período superior a seis meses, quando a sua
sendo contudo proporcional ao tempo de serviço efectivo natureza e localização o justifiquem, deverão ser montadas
prestado no ano a que se reporta. cozinhas com chaminés, dispondo de pia e dotadas de água
2 — Para efeitos no disposto no número anterior, se- potável, e refeitórios com mesas e bancos, separados das
rão tidos em conta para atribuição do subsídio os dias de primeiras, mas ficando-lhes contíguos.
não prestação de trabalho por motivo de falecimento de
10 — As construções a que se referem os números ante-
parentes ou afins, casamento, parto, de licença parental
exclusiva e obrigatória do pai e ainda pelo crédito de horas riores, que poderão ser desmontáveis, devem satisfazer as
de membro da direcção de associação sindical. condições expressas nas disposições legais em vigor.
3 — No caso de faltas motivadas por doença subsidiada
até 30 dias por ano, o empregador pagará ao trabalhador Cláusula 43.ª
o complemento da prestação compensatória paga a título Utilização de viatura própria
de subsídio de Natal pela segurança social.
4 — Na determinação do ano a que o subsídio respeita, Aos trabalhadores que, mediante acordo prévio, se des-
podem as empresas considerar o período compreendido loquem em viatura própria ao serviço da empresa será pago
entre 1 de Novembro do ano anterior e 31 de Outubro do por cada quilómetro percorrido e conforme a natureza do
ano do respectivo processamento. veículo a percentagem que se indica do preço em vigor do
5 — O subsídio de Natal será pago até 15 de Dezem- litro da gasolina sem chumbo 98:
bro de cada ano, salvo no caso da cessação do contrato Automóveis ligeiros: 20 %;
de trabalho, em que o pagamento se efectuará na data da Motociclos: 10 %;
cessação referida. Bicicletas motorizadas: 8 %.
Cláusula 42.ª
Subsídio de refeição CAPÍTULO VI
1 — Os trabalhadores abrangidos pelo presente contrato Suspensão da prestação do trabalho
colectivo terão direito por dia de trabalho efectivamente
prestado a um subsídio de refeição no valor de € 5,13, a SECÇÃO I
partir de 1 de Janeiro de 2010.
2 — Não terão direito ao subsídio de refeição correspon- Descanso semanal e feriados
dente ao período de uma semana os trabalhadores que no
decurso da mesma hajam faltado injustificadamente. Cláusula 44.ª
3 — O valor do subsídio referido no n.º 1 não será con- Descanso semanal
siderado no período de férias, bem como para o cálculo
dos subsídios de férias e de Natal. 1 — Em princípio, o dia de descanso semanal será ao
4 — O subsídio de refeição previsto nesta cláusula não domingo, sendo o sábado considerado dia de descanso
é devido aos trabalhadores ao serviço do empregador que semanal complementar.
forneçam integralmente refeições ou nelas comparticipem 2 — Sem prejuízo do disposto no n.º 1 da cláusula 8.ª,
com montantes não inferiores aos valores mencionados o descanso semanal poderá não coincidir com o sábado e
no n.º 1. o domingo, nas seguintes situações:
5 — Para efeitos dos n.os 1, 2 e 6, o direito ao subsídio
de refeição efectiva-se com a prestação de trabalho nos a) Aos trabalhadores necessários para assegurar a conti-
dois períodos normais de laboração diária ou no período nuidade dos serviços que não possam ser interrompidos;
convencionado nos contratos de trabalho a tempo parcial b) Ao pessoal dos serviços de limpeza ou encarregados
e desde que não se registe num dia uma ausência superior de outros trabalhos preparatórios e complementares que
a 25 % do período de trabalho diário. devam necessariamente ser efectuados no dia de descanso
6 — Os trabalhadores a tempo parcial têm direito ao dos restantes trabalhadores;
pagamento integral do subsídio de refeição, nos mesmos c) Aos guardas e porteiros;
termos aplicáveis aos trabalhadores a tempo inteiro, quando d) Aos trabalhadores que exerçam actividade em
a prestação de trabalho diária seja igual ou superior a cinco exposições e feiras;
horas, ou sendo a prestação de trabalho diária inferior a e) Aos trabalhadores que exerçam a actividade de ven-
cinco horas à proporção do respectivo período normal de dedores e promotores de vendas;
trabalho semanal. f) Trabalhadores em regime de turnos.

1628
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

3 — Sempre que possível, o empregador deve propor- dias de descanso ou feriados imediatamente anteriores ou
cionar aos trabalhadores que pertençam ao mesmo agre- posteriores ao dia ou dias de faltas.
gado familiar o descanso semanal e o descanso semanal
complementar nos mesmos dias. Cláusula 48.ª
4 — Aos trabalhadores em regime de turnos será asse- Suspensão do contrato por motivo de impedimento prolongado
gurado, no mínimo de seis em seis semanas, o descanso
semanal coincidente com o sábado e o domingo. 1 — Quando o trabalhador esteja temporariamente
impedido por facto que não lhe seja imputável, nomeada-
Cláusula 45.ª mente doença ou acidente, e o impedimento se prolongue
por mais de um mês, cessam os direitos e garantias das
Feriados partes, na medida em que pressuponham a efectiva pres-
1 — São feriados obrigatórios os seguintes: tação de trabalho.
2 — O tempo de suspensão conta para efeitos de anti-
1 de Janeiro; guidade, conservando o trabalhador o direito ao lugar e
Sexta-Feira Santa; continuando obrigado a guardar lealdade ao empregador.
Domingo de Páscoa; 3 — O disposto no n.º 1 começará a observar-se mesmo
25 de Abril; antes de expirado o prazo de um mês, a partir do momento
1 de Maio; em que haja a certeza ou se preveja com segurança que o
Corpo de Deus (festa móvel); impedimento terá duração superior àquele prazo.
10 de Junho; 4 — O contrato caducará, porém, no momento em que
15 de Agosto; se torne certo que o impedimento é definitivo.
5 de Outubro; 5 — No dia imediato ao da cessação do impedimento, o
1 de Novembro; trabalhador deve apresentar-se ao empregador para retomar
1 de Dezembro; a actividade, sob pena de incorrer em faltas injustificadas,
8 de Dezembro; salvo se existirem motivos atendíveis que impeçam a com-
25 de Dezembro. parência do trabalhador no prazo considerado.

2 — O feriado de Sexta-Feira Santa poderá ser obser- SECÇÃO III


vado em outro dia com significado local no período da
Páscoa. Férias
3 — Para além dos feriados estabelecidos no n.º 1,
observar-se-á também a terça-feira de Carnaval e o fe- Cláusula 49.ª
riado municipal ou, na sua falta, o feriado da capital do Duração do período de férias
distrito.
4 — Nas empresas com locais de trabalho dispersos por 1 — O período anual de férias tem a duração mínima
mais de um concelho, poderá a empresa, caso exista acordo de 22 dias úteis.
entre esta e a maioria dos trabalhadores de cada local de 2 — A duração do período de férias é aumentada no
trabalho, adoptar genericamente o feriado municipal da caso de o trabalhador não ter faltado ou na eventualidade
localidade em que se situa a respectiva sede. de ter apenas faltas justificadas no ano a que as férias se
reportam, nos seguintes termos:
Cláusula 46.ª a) Três dias de férias até ao máximo de uma falta ou
Véspera de Natal dois meios dias de faltas;
b) Dois dias de férias até ao máximo de duas faltas ou
A véspera de Natal (24 de Dezembro) será dia de não quatro meios dias de faltas;
prestação de trabalho para todos os trabalhadores, sem c) Um dia de férias até ao máximo de três faltas ou seis
perda de remuneração. meios dias de faltas.

SECÇÃO II 3 — Para efeitos do número anterior, são equiparadas


às faltas os dias de suspensão do contrato de trabalho por
Faltas facto respeitante ao trabalhador.
4 — Somente as ausências ao serviço motivadas pelo
Cláusula 47.ª gozo de licença em situação de risco clínico durante a
Faltas gravidez, licença por interrupção da gravidez, licença
parental em qualquer das modalidades, licença por adop-
1 — Para além das faltas justificadas previstas na lei, ção e licença parental complementar em qualquer das suas
consideram-se ainda como faltas justificadas e sem perda modalidades, bem como as faltas dadas por trabalhado-
de retribuição as originadas pela necessidade de dádiva de res legalmente eleitos para as estruturas de representação
sangue, pelo tempo tido como indispensável. colectiva ou representação nos domínios da segurança e
2 — Sem prejuízo dos efeitos disciplinares, tratando-se saúde no trabalho não afectam o aumento da duração do
de faltas injustificadas a um ou meio período normal de período anual de férias previsto no n.º 2.
trabalho diário, o período de ausência a considerar para 5 — Para efeitos da aquisição do bónus de férias pre-
efeitos de perda de retribuição abrangerá os dias ou meios visto no n.º 2, só será considerada a assiduidade registada

1629
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

no ano civil subsequente ao ano da admissão, exceptuando caso da sua não existência, com a aceitação maioritária
as admissões ocorridas no dia 1 de Janeiro. dos trabalhadores abrangidos;
6 — No ano da contratação, o trabalhador tem direito, c) Por período superior a 15 dias consecutivos entre 1 de
após seis meses completos de execução do contrato, a gozar Maio e 31 de Outubro, quando a natureza da actividade
2 dias úteis de férias por cada mês de duração do contrato assim o exigir;
nesse ano, até ao máximo de 20 dias úteis. d) Durante as férias escolares do Natal, não podendo
7 — No caso de sobrevir o termo do ano civil antes de exceder cinco dias úteis consecutivos.
decorrido o prazo referido no número anterior ou antes de
gozado o direito a férias, pode o trabalhador usufrui-lo até 2 — Salvo o disposto no número seguinte, o encerra-
30 de Junho do ano civil subsequente. mento da empresa ou estabelecimento não prejudica o gozo
8 — Da aplicação do disposto nos n.os 6 e 7 não pode efectivo do período efectivo de férias a que o trabalhador
resultar para o trabalhador o direito ao gozo de um período tenha direito.
de férias, no mesmo ano civil, superior a 30 dias úteis. 3 — Os trabalhadores que tenham direito a um período
9 — No caso de a duração do contrato de trabalho ser de férias superior ao do encerramento podem optar por
inferior a seis meses, o trabalhador tem o direito de gozar receber a retribuição e o subsídio de férias correspondentes
dois dias úteis de férias por cada mês completo de duração à diferença, sem prejuízo de ser sempre salvaguardado o
do contrato, contando-se para o efeito todos os dias segui- gozo efectivo de 20 dias úteis de férias, ou por gozar, no
dos ou interpolados de prestação de trabalho. todo ou em parte, o período excedente de férias prévia ou
10 — Aos efeitos da suspensão do contrato de trabalho posteriormente ao encerramento.
por impedimento prolongado, respeitante ao trabalhador,
sobre o direito a férias aplica-se a legislação em vigor. Cláusula 52.ª
11 — Aos efeitos da cessação do contrato de trabalho Cumulação de férias
sobre o direito a férias aplica-se a legislação em vigor.
12 — Em caso de cessação de contrato no ano civil Para além das situações previstas na legislação aplicá-
subsequente ao da admissão ou cuja duração não seja vel, terão ainda o direito de acumular férias de dois anos
superior a 12 meses será atribuído um período de férias os trabalhadores estrangeiros que pretendam gozá-las no
proporcional ao da duração do vínculo. país de origem.
13 — Para efeitos de férias, a contagem dos dias úteis
compreende os dias de semana de segunda-feira a sexta- Cláusula 53.ª
-feira, com exclusão dos feriados. Retribuição durante as férias
14 — O trabalhador pode renunciar parcialmente ao
direito a férias, recebendo a retribuição e o subsídio res- 1 — A retribuição correspondente ao período de férias
pectivos, sem prejuízo de ser assegurado o gozo efectivo não pode ser inferior à que os trabalhadores receberiam
de 20 dias úteis de férias. se estivessem em serviço efectivo.
2 — Além da retribuição mencionada no número ante-
Cláusula 50.ª rior, os trabalhadores têm direito a um subsídio de férias
de montante equivalente à retribuição mensal que será
Marcação do período de férias pago antes do início de um período mínimo de 15 dias
1 — O período de férias é marcado por acordo entre o úteis consecutivos de férias e proporcionalmente no caso
de gozo interpolado de férias, salvo acordo escrito em
empregador e o trabalhador.
contrário.
2 — Na falta de acordo cabe ao empregador marcar as
3 — O acréscimo da duração do período de férias refe-
férias, podendo fazê-lo entre o período que decorre entre rido no n.º 2 da cláusula 49.ª não releva, em caso algum,
1 de Maio e 31 de Outubro. para o cálculo do montante do subsídio de férias.
3 — Tratando-se de pequenas, médias e grandes empre- 4 — A redução do período de férias, nos casos em que
sas, metade do período anual de férias poderá ser marcado esta seja legalmente possível, não implica redução corres-
unilateralmente pelo empregador fora do período previsto pondente no subsídio de férias.
no número anterior.
4 — O mapa de férias, com indicação do início e termo
dos períodos de férias de cada trabalhador, deve ser elabo- CAPÍTULO VII
rado até 15 de Abril de cada ano e afixado nos locais de
trabalho entre essa data e 31 de Outubro. Contratos a termo

Cláusula 51.ª Cláusula 54.ª


Encerramento da empresa ou estabelecimento Admissibilidade de celebração de contratos a termo

1 — O empregador pode encerrar, total ou parcialmente, 1 — O contrato de trabalho a termo pode ser celebrado
a empresa ou o estabelecimento nos seguintes termos: para a execução, direcção ou fiscalização de trabalhos de
construção civil, obras públicas, montagens e reparações
a) Até 15 dias consecutivos entre 1 de Maio e 31 de industriais, em regime de empreitada ou em administração
Outubro; directa, nas obras a cargo do empregador, incluindo os
b) Por período superior a 15 dias consecutivos ou fora respectivos projectos e propostas bem como outras acti-
do período entre 1 de Maio e 31 de Outubro, mediante vidades complementares de controlo e acompanhamento,
parecer favorável da comissão de trabalhadores ou, no nomeadamente de natureza técnica ou administrativa, sem

1630
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

prejuízo de outras situações previstas na lei ou em contrato Cláusula 58.ª


de trabalho. Contratos sucessivos
2 — É admitida a celebração de contrato por prazo
inferior a seis meses nos casos referidos no número 1 — A cessação, por motivo não imputável ao trabalha-
anterior. dor, de contrato de trabalho a termo impede nova admissão
3 — Desde que o contrato seja justificado ao abrigo do ou afectação de trabalhador através de contrato a termo
n.º 1 da presente cláusula, podem ser celebrados contratos ou de trabalho temporário cuja execução se concretize
a termo certo, tendo em vista o desempenho da actividade para o mesmo posto de trabalho ou ainda de contrato de
do trabalhador em diversas obras a cargo do empregador, prestação de serviços para o mesmo objecto, celebrado
desde que o trabalhador em causa permaneça em cada obra com o mesmo empregador ou sociedade que com este se
por períodos que não ultrapassem oito meses consecutivos, encontre em relação de domínio ou de grupo, ou mantenha
sem necessidade de estabelecer relação entre a justificação estruturas organizativas comuns, antes de decorrido um
invocada e o termo estipulado, e bem assim sem necessi- período de tempo equivalente a um terço de duração do
dade de identificação concreta das obras. contrato, incluindo as suas renovações.
2 — Para além das situações previstas na lei, não é
Cláusula 55.ª aplicável o princípio previsto no número anterior nos
seguintes casos:
Formalidades
a) Nova ausência do trabalhador substituído ou a
1 — Para além das formalidades expressas na cláu-
ausência de outro trabalhador;
sula 3.ª deve constar do contrato a indicação do motivo
b) Execução, direcção e fiscalização de trabalhos de
justificativo da aposição do termo com menção expressa
construção civil, obras públicas, montagens e reparações
dos factos que o integram, devendo estabelecer-se a
industriais, em regime de empreitada ou em administração
relação entre a justificação invocada e o termo estipu-
directa, incluindo os respectivos projectos e outras activi-
lado, com excepção do previsto no n.º 3 da cláusula
dades complementares de controlo e acompanhamento, no-
anterior.
meadamente de natureza técnica ou administrativa, desde
2 — Tratando-se de contrato de trabalho a termo certo,
que as sucessivas contratações não ultrapassem o período
as partes poderão definir que o local de trabalho é não
de três anos, no caso de sucessivos contratos a termo certo
fixo.
ou a termo certo e incerto, ou o período de seis anos, no
3 — Considera-se sem termo o contrato em que falte
caso de sucessivos contratos a termo incerto.
a redução a escrito, a assinatura das partes, o nome ou
denominação ou, simultaneamente, as datas da celebração
Cláusula 59.ª
do contrato e de início do trabalho, bem como aquele em
que se omitam ou sejam insuficientes a referência exigida Caducidade do contrato a termo certo
no n.º 1 da presente cláusula.
O contrato caduca no termo do prazo estipulado desde
que o empregador ou o trabalhador comunique por forma
Cláusula 56.ª
escrita, com a antecedência mínima de, respectivamente,
Período experimental 15 ou 8 dias consecutivos, a vontade de o fazer cessar.
Nos contratos de trabalho a termo, o período experi-
mental tem a seguinte duração: Cláusula 60.ª
Compensação por caducidade de contrato a termo
a) 30 dias para contratos de duração igual ou superior
a 6 meses; A caducidade do contrato a termo que decorra de
b) 15 dias nos contratos a termo certo de duração inferior declaração do empregador confere ao trabalhador direito
a 6 meses e nos contratos a termo incerto cuja duração se a uma compensação correspondente a três ou dois dias de
preveja não vir a ser superior àquele limite. retribuição base proporcional ao tempo de serviço efec-
tivamente prestado, consoante o contrato tenha durado
Cláusula 57.ª por um período que, respectivamente, não exceda ou seja
Duração e renovação dos contratos a termo
superior a seis meses.

1 — O contrato de trabalho a termo certo pode ser Cláusula 61.ª


renovado até três vezes e a sua duração não pode exceder
Comunicação
três anos, excepto nos casos previstos nas alíneas a) e b)
do n.º 1 do artigo 148.º do Código do Trabalho. 1 — Nos termos da lei, o empregador deve comunicar
2 — O contrato a termo incerto não pode ter duração à Autoridade para as Condições do Trabalho a celebração,
superior a seis anos. com indicação do respectivo fundamento e a cessação dos
3 — A renovação de contrato de trabalho a termo certo contratos a termo.
está sujeita à verificação dos fundamentos que justificaram 2 — O empregador deve comunicar a celebração de
a sua celebração, bem como à forma escrita no caso de as contrato de trabalho a termo, com indicação do respectivo
partes estipularem prazo diferente do inicial ou renovado, motivo justificativo, bem como a cessação do mesmo à
considerando-se como um único contrato aquele que seja comissão de trabalhadores e à associação sindical em que
objecto de renovação. o trabalhador esteja filiado, no prazo de cinco dias úteis.

1631
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

CAPÍTULO VIII sem prejuízo do cumprimento das regras do ingresso e


permanência de estrangeiros em Portugal.
Protecção da parentalidade
Cláusula 65.ª
Cláusula 62.ª
Comunicação da celebração e cessação dos contratos
Protecção da parentalidade
1 — O empregador deve comunicar à Autoridade para as
O empregador deve dar cumprimento ao regime de Condições do Trabalho, na forma legalmente prevista:
protecção da parentalidade nos termos e condições pre-
vistos na lei. a) A celebração de contrato de trabalho com trabalhador
estrangeiro ou apátrida, antes do início da sua execução;
b) A cessação de contrato, nos 15 dias posteriores.
CAPÍTULO IX
2 — O disposto no número anterior não é aplicável a
Trabalho de estrangeiros ou apátridas contrato de trabalho de cidadão nacional de país membro
do espaço económico europeu ou de outro Estado que
Cláusula 63.ª consagre a igualdade de tratamento com cidadão nacional
Condições prévias de contratação em matéria de livre exercício de actividade profissional.
A celebração de contrato de trabalho com cidadão
estrangeiro ou apátrida só é admissível se o mesmo for CAPÍTULO X
titular de documento comprovativo do cumprimento das Trabalho de menores
obrigações legais relativas à entrada, permanência ou re-
sidência em Portugal, sem prejuízo de outros requisitos Cláusula 66.ª
legais aplicáveis, nomeadamente no que se refere à forma
e conteúdo do contrato de trabalho. Princípios gerais
1 — O empregador deve proporcionar ao menor con-
Cláusula 64.ª dições de trabalho adequadas à respectiva idade que pro-
Formalidades tejam a sua segurança, saúde, desenvolvimento físico,
psíquico e moral bem como a sua educação e formação,
1 — Para além dos elementos previstos na cláusula 3.ª, o respeitando a legislação em vigor relativa às actividades,
contrato de trabalho celebrado com cidadão estrangeiro ou processos e condições de trabalho condicionados e proi-
apátrida está sujeito à forma escrita, devendo ser celebrado bidos a menores.
em duplicado e conter as seguintes indicações: 2 — O empregador deve avaliar os riscos relacionados
a) Identificação, assinaturas e domicílio ou sede das com o trabalho antes de o menor começar a trabalhar e
partes; sempre que haja qualquer alteração importante das con-
dições de trabalho nos termos da lei aplicável.
b) Referência ao visto de trabalho ou ao título de auto-
rização de residência ou permanência do trabalhador em
Cláusula 67.ª
território português;
c) A actividade do empregador; Celebração do contrato de trabalho
d) Actividade contratada e retribuição do trabalhador; 1 — É válido o contrato de trabalho celebrado direc-
e) Local e período normal de trabalho; tamente com o menor que tenha completado 16 anos de
f) Valor, periodicidade e forma de pagamento da retri- idade, concluído a escolaridade obrigatória e disponha
buição; de capacidades físicas e psíquicas adequadas ao posto de
g) Datas da celebração do contrato e do início da pres- trabalho, salvo oposição escrita dos seus representantes
tação da actividade. legais.
2 — O contrato celebrado directamente com menor
2 — Em anexo ao contrato deve ainda constar a identi- que não tenha concluído a escolaridade obrigatória só é
ficação e domicílio da pessoa ou pessoas beneficiárias de válido mediante a autorização escrita dos seus represen-
pensão em caso de morte resultante de acidente de trabalho tantes legais.
ou doença profissional.
3 — O exemplar do contrato que ficar com o empre- Cláusula 68.ª
gador deve ter apensos documentos comprovativos do Admissão de trabalhadores menores sem escolaridade
cumprimento das obrigações legais relativas à entrada e obrigatória ou sem qualificação profissional
à permanência ou residência do cidadão estrangeiro ou
apátrida em Portugal, sendo apensas cópias dos mesmos 1 — O menor com idade igual ou superior a 16 anos
documentos ao outro exemplar. que não tenha concluído a escolaridade obrigatória ou
4 — O disposto na presente cláusula não é aplicável a não possua qualificação profissional pode ser admitido a
contrato de trabalho de cidadão nacional de país membro prestar trabalho desde que se verifiquem cumulativamente
do espaço económico europeu ou de outro Estado que as seguintes condições:
consagre a igualdade de tratamento com cidadão nacional a) Frequente modalidade de educação ou formação
em matéria de livre exercício de actividade profissional, que confira, consoante o caso, a escolaridade obrigatória,

1632
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

qualificação profissional, ou ambas, nomeadamente em desenvolvidas na empresa ou a concessão de tempo para


centros novas oportunidades, excepto no caso em que o frequência de formação por iniciativa do trabalhador, de
menor apenas preste trabalho durante as férias escolares; acordo com a legislação em vigor aplicável.
b) No caso previsto no número anterior, o menor be- 2 — O trabalhador deve comparecer e participar de
neficia do estatuto de trabalhador-estudante, tendo a dis- modo diligente nas acções de formação profissional que
pensa ao trabalho para frequência de aulas com duração lhe sejam proporcionadas.
em dobro da prevista no n.º 3 do artigo 90.º do Código
do Trabalho.
CAPÍTULO XIII
2 — O empregador comunicará à Autoridade para as
Condições do Trabalho, nos oito dias subsequentes, a Cessação do contrato de trabalho
admissão de menores efectuada nos termos do número
anterior. Cláusula 73.ª
Indemnização por cessação do contrato de trabalho
Cláusula 69.ª
1 — O montante da indemnização é de 30 dias de retri-
Descanso diário buição base, por cada ano completo de antiguidade, sendo
O horário de trabalho do menor deve assegurar um proporcional em caso de fracção de ano, nas seguintes
descanso diário mínimo de doze horas consecutivas entre situações de cessação contratual:
os períodos de trabalho de dois dias sucessivos.
a) Resolução do contrato de trabalho, incluindo os ce-
lebrados a termo, por iniciativa do trabalhador com invo-
Cláusula 70.ª
cação de justa causa, aceite pelo empregador ou declarada
Protecção da segurança e saúde do menor judicialmente;
Sem prejuízo das obrigações estabelecidas em dispo- b) Resolução do contrato de trabalho por iniciativa do
sições especiais, o empregador deve submeter o menor a trabalhador, com invocação de prejuízo sério nas situações
exames de saúde, nomeadamente: de transferências definitivas do local de trabalho, aceite
pelo empregador ou declarada judicialmente;
a) Exame de saúde que certifique a adequação da sua c) Despedimento declarado ilícito;
capacidade física e psíquica ao exercício das funções, a d) Em caso de procedência da oposição do empregador
realizar antes do início da prestação do trabalho ou nos
à reintegração do trabalhador.
15 dias subsequentes à admissão se esta for urgente e com
o consentimento dos representantes legais do menor;
b) Exame de saúde anual, para que do exercício da 2 — Nas situações previstas nas alíneas a), c) e d) do
actividade profissional não resulte prejuízo para a sua saúde número anterior, o montante da indemnização não pode
e para o seu desenvolvimento físico e psíquico. ser inferior a três meses da retribuição base.

CAPÍTULO XI CAPÍTULO XIV


Trabalhadores-estudantes Segurança e saúde no trabalho

Cláusula 71.ª Cláusula 74.ª


Trabalhador-estudante Organização de serviços e obrigações gerais do empregador

1 — Considera-se trabalhador-estudante o trabalhador 1 — Independentemente do número de trabalhadores


que frequenta qualquer nível de educação escolar, bem que se encontrem ao seu serviço, o empregador deve orga-
como curso de pós-graduação, mestrado ou doutoramento nizar serviços de segurança e saúde, visando a prevenção
em instituição de ensino ou ainda curso de formação pro- de riscos profissionais e a promoção da saúde dos traba-
fissional ou programa de ocupação temporária de jovens lhadores, de acordo com o estabelecido na legislação em
com duração igual ou superior a seis meses. vigor aplicável.
2 — Os deveres e os direitos dos trabalhadores- 2 — Através dos serviços mencionados no número
-estudantes são os consignados na lei em vigor. anterior, devem ser tomadas as providências necessárias
para prevenir os riscos profissionais e promover a saúde
CAPÍTULO XII dos trabalhadores, garantindo-se, entre outras legalmente
consignadas, as seguintes medidas:
Formação profissional
a) Identificação, avaliação e controlo, com o conse-
Cláusula 72.ª quente registo, dos riscos para a segurança e saúde nos
locais de trabalho, incluindo dos riscos resultantes da
Princípios gerais exposição a agentes químicos, físicos e biológicos;
1 — O empregador deve assegurar a cada trabalhador b) Promoção e vigilância da saúde, bem como a organi-
o direito individual à formação, através de um número zação e manutenção dos registos clínicos e outros elemen-
mínimo anual de horas de formação, mediante acções tos informativos de saúde relativos a cada trabalhador;

1633
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

c) Elaboração de relatórios sobre acidentes de trabalho de protecção colectiva e individual, bem como cumprir os
que tenham ocasionado ausência por incapacidade superior procedimentos de trabalho estabelecidos;
a três dias; d) Adoptar as medidas e instruções estabelecidas para os
d) Informação e formação sobre os riscos para a segu- casos de perigo grave e iminente, quando não seja possível
rança e saúde, bem como sobre as medidas de prevenção estabelecer contacto imediato com o superior hierárquico
e de protecção; ou com os trabalhadores que desempenhem funções es-
e) Organização, implementação e controlo da utilização pecíficas nos domínios da segurança e saúde no local de
dos meios destinados à prevenção e protecção, colectiva trabalho;
e individual, e coordenação das medidas a adoptar em e) Colaborar com o empregador em matéria de segurança
caso de emergência e de perigo grave e iminente, bem e saúde no trabalho e comunicar prontamente ao supe-
como organização para minimizar as consequências dos rior hierárquico ou aos trabalhadores que desempenhem
acidentes; funções específicas nos domínios da segurança e saúde no
f) Afixação da sinalização de segurança nos locais de local de trabalho qualquer deficiência existente.
trabalho;
g) Fornecer o vestuário especial e demais equipamento Cláusula 76.ª
de protecção individual adequado à execução das tarefas
cometidas aos trabalhadores quando a natureza particular Medidas de segurança e protecção
do trabalho a prestar o exija, sendo encargo do empregador 1 — No desenvolvimento dos trabalhos devem ser
a substituição por deterioração desse vestuário e demais observados os preceitos legais gerais, assim como as pres-
equipamento, por ele fornecidos, ocasionada, sem culpa crições específicas para o sector no que se refere à segu-
do trabalhador, por acidente ou uso normal, mas inerente rança e saúde no trabalho.
à actividade prestada; 2 — Os trabalhos têm de decorrer em condições de
h) Dotar, na medida do possível, os locais de trabalho segurança adequadas, devendo as situações de risco ser
de vestiários, lavabos, chuveiros e equipamento sanitá- avaliadas durante as fases de projecto e planeamento, tendo
rio, tendo em atenção as normas de higiene sanitária em em vista a integração de medidas de prevenção por forma
vigor. a optimizar os índices de segurança nas fases de execução
e exploração.
3 — Os representantes dos trabalhadores ou, na sua 3 — Avaliar e controlar os riscos remanescentes das
falta, os próprios trabalhadores devem ser consultados medidas implementadas de acordo com o número anterior e
por escrito sobre as matérias legalmente consignadas no adoptar as medidas adequadas para prevenir tais riscos.
domínio da segurança e saúde no trabalho nos seguintes 4 — As medidas de segurança adoptadas deverão privi-
termos: legiar a protecção colectiva face à individual e responder
a) A consulta deve ser realizada duas vezes por ano e adequadamente aos riscos específicos que ocorram nas
registada em livro próprio organizado pelo empregador; diferentes fases de execução dos trabalhos, excepto nos
b) O parecer dos representantes dos trabalhadores ou, casos de impossibilidade técnica.
na sua falta, dos próprios trabalhadores deve ser emitido 5 — O estado de conservação e operacionalidade dos
por escrito no prazo de 15 dias; sistemas de protecção deve ser garantido mediante controlo
c) Decorrido o prazo referido na alínea anterior sem que periódico.
o parecer tenha sido entregue ao empregador, considera-se 6 — Nos trabalhos que envolvam riscos especiais
satisfeita a exigência da consulta. dever-se-á proporcionar informação e formação especí-
fica bem como adoptar os respectivos procedimentos de
4 — Os profissionais que integram os serviços de segu- segurança.
rança e saúde do trabalho exercem as respectivas activida-
des com autonomia técnica relativamente ao empregador Cláusula 77.ª
e aos trabalhadores. Representantes dos trabalhadores para
a segurança e saúde no trabalho
Cláusula 75.ª
1 — Os representantes dos trabalhadores para a segu-
Obrigações gerais do trabalhador rança e saúde no trabalho são eleitos nos termos previstos
Constituem obrigações dos trabalhadores, de entre na lei em vigor aplicável.
outras previstas na lei: 2 — Pode ser criada uma comissão de segurança e saúde
no trabalho de composição paritária.
a) Cumprir as prescrições de segurança e saúde no traba- 3 — Os representantes dos trabalhadores não poderão
lho estabelecidas nas disposições legais em vigor aplicáveis exceder:
bem como as instruções determinadas com esse fim pelo
empregador; a) Empresas com menos de 51 trabalhadores — 1 re-
b) Zelar pela sua segurança e saúde, bem como pela presentante;
segurança de terceiros que possam ser afectados pelas suas b) Empresas de 51 a 150 trabalhadores — 2 represen-
acções ou omissões no trabalho; tantes;
c) Utilizar correctamente, e segundo as instruções trans- c) Empresas de 151 a 300 trabalhadores — 3 repre-
mitidas pelo empregador, máquinas, aparelhos, instrumen- sentantes;
tos, substâncias perigosas e outros equipamentos e meios d) Empresas de 301 a 500 trabalhadores — 4 repre-
postos à sua disposição, designadamente os equipamentos sentantes;

1634
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

e) Empresas de 501 a 1000 trabalhadores — 5 repre- sentantes que integram a comissão paritária, quatro em
sentantes; representação de cada uma das partes.
f) Empresas de 1001 a 1500 trabalhadores — 6 repre- 13 — Sempre que as empresas desenvolvam acções
sentantes; de prevenção e controlo de alcoolemia de acordo com as
g) Empresas com mais de 1500 trabalhadores — 7 re- disposições previstas na presente cláusula, não se torna
presentantes. necessária a elaboração de regulamento interno para o
efeito.
Cláusula 78.ª
Prevenção e controlo de alcoolemia CAPÍTULO XV
1 — Não é permitida a realização de qualquer trabalho Igualdade de tratamento e não discriminação
sob o efeito do álcool, nomeadamente a condução de
máquinas, trabalhos em altura e trabalhos em valas. Cláusula 79.ª
2 — Considera-se estar sob o efeito do álcool o traba-
lhador que, submetido a exame de pesquisa de álcool no Igualdade de tratamento e não discriminação
ar expirado, apresente uma taxa de alcoolemia igual ou 1 — Todos os trabalhadores têm direito à igualdade de
superior a 0,5 g/l. oportunidades e de tratamento no que se refere ao acesso
3 — Aos trabalhadores abrangidos pelo Código da ao emprego, à formação e promoção profissionais e às
Estrada é aplicável a taxa de alcoolemia prevista naquele condições de trabalho.
Código. 2 — O empregador não pode praticar qualquer discri-
4 — O estabelecimento de medidas de controlo de minação, directa ou indirecta, baseada, nomeadamente,
alcoolemia deverá ser precedido de acções de informação na ascendência, idade, sexo, orientação sexual, estado
e sensibilização organizadas conjuntamente com os repre- civil, situação familiar, património genético, capacidade
sentantes dos trabalhadores eleitos nos termos definidos na de trabalho reduzida, deficiência ou doença crónica,
lei nos domínios da segurança e saúde no trabalho. nacionalidade, origem étnica, religião, convicções políticas
5 — O controlo de alcoolemia será efectuado com ou ideológicas e filiação sindical.
carácter aleatório entre os trabalhadores que prestem ser-
viço na empresa, bem como àqueles que indiciem estado
de embriaguez, devendo para o efeito utilizar-se material CAPÍTULO XVI
apropriado, devidamente aferido e certificado.
6 — O exame de pesquisa de álcool no ar expirado Ferramentas e outros instrumentos de trabalho
será efectuado pelo empregador ou por trabalhador com
competência delegada para o efeito, ambos com formação Cláusula 80.ª
adequada, sendo sempre possível ao trabalhador reque- Utilização de ferramentas
rer a assistência de uma testemunha, dispondo de quinze
minutos para o efeito, não podendo contudo deixar de se 1 — O empregador obriga-se a colocar à disposição dos
efectuar o teste caso não seja viável a apresentação da trabalhadores as ferramentas indispensáveis ao exercício
testemunha. das respectivas funções.
7 — Assiste sempre ao trabalhador submetido ao teste 2 — O trabalhador obriga-se a manter em bom estado
o direito à contraprova, realizando-se, neste caso, um de conservação a ferramenta que lhe foi atribuída, res-
segundo exame nos dez minutos imediatamente subse- peitando os prazos de durabilidade estabelecidos pela
quentes ao primeiro. empresa, sendo que qualquer dano que não resulte da
8 — A realização do teste de alcoolemia é obrigatória normal utilização da mesma ou perda será da sua res-
para todos os trabalhadores, presumindo-se em caso de ponsabilidade.
recusa que o trabalhador apresenta uma taxa de alcoolemia
igual ou superior a 0,5 g/l. Cláusula 81.ª
9 — O trabalhador que apresente taxa de alcoolemia Devolução de ferramentas e outros instrumentos de trabalho
igual ou superior a 0,5 g/l ficará sujeito ao poder disciplinar
da empresa, sendo a sanção a aplicar graduada de acordo Cessando o contrato, o trabalhador deve devolver ime-
com a perigosidade e a reincidência do acto. diatamente ao empregador os instrumentos de trabalho e
10 — Sem prejuízo do disposto no número anterior e quaisquer outros objectos que sejam pertença deste, sob
como medida cautelar, caso seja apurada ou presumida pena de incorrer em responsabilidade civil pelos danos
taxa de alcoolemia igual ou superior a 0,5 g/l, o trabalhador causados.
será imediatamente impedido de prestar serviço durante
o restante período de trabalho diário, com a consequente CAPÍTULO XVII
perda da remuneração referente a tal período.
11 — Em caso de teste positivo, será elaborada uma Interpretação, integração e aplicação do contrato
comunicação escrita, sendo entregue cópia ao trabalha-
dor. Cláusula 82.ª
12 — As partes outorgantes constituirão uma comissão
Comissão paritária
de acompanhamento permanente para fiscalizar a aplica-
bilidade das matérias que integram a presente cláusula, 1 — As partes outorgantes constituirão uma comis-
constituída por oito membros, designados pelos repre- são paritária composta de oito membros, quatro em

1635
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

representação de cada uma delas, com competência para TÍTULO II


interpretar as disposições deste contrato, integrar casos
omissos e alterar matéria vigente, nos termos da decla- Condições específicas de admissão
ração relativa à comissão paritária, publicada juntamente e carreira profissional
ao presente CCT. ANEXO I
2 — Cada uma das partes pode fazer-se acompanhar
de assessores. Condições específicas de admissão
3 — Para efeito da respectiva constituição, cada
uma das partes indicará à outra e ao ministério res-
ponsável pela área laboral, no prazo de 30 dias, após CAPÍTULO XVIII
a publicação deste contrato, a identificação dos seus Condições específicas de admissão
representantes.
4 — A substituição de representantes é lícita a todo o SECÇÃO I
tempo, mas só produz efeitos 15 dias após as comunicações
referidas no número anterior. Cobradores
5 — No primeiro dia de reunião, as partes estipularão
Cláusula 85.ª
o regimento interno da comissão, observando-se, todavia,
as seguintes regras: Condições específicas de admissão

a) As resoluções serão tomadas por acordo das partes, 1 — Na categoria profissional de cobrador só podem ser
admitidos trabalhadores nas seguintes condições:
sendo enviadas ao ministério responsável pela área laboral
para publicação nos prazos seguintes: a) Terem a idade mínima de 18 anos;
b) Possuírem a escolaridade mínima obrigatória nos
Matéria relativa a interpretação de disposições vigentes termos previstos na alínea b) do n.º 2 da cláusula 3.ª
e integração de casos omissos — imediatamente após o
seu acordo; 2 — As habilitações referidas na alínea b) do número
Matéria relativa à alteração de matéria vigente — jun- anterior não serão exigíveis:
tamente com o próximo CCT (revisão geral); a) Aos trabalhadores que à data da entrada em vigor do
presente CCT desempenhem funções de cobrador;
b) Essas resoluções, uma vez publicadas, terão efeito b) Aos trabalhadores que tenham desempenhado funções
a partir de: de cobrador;
c) Aos trabalhadores do quadro permanente da empresa
Matéria interpretativa — desde a data de entrada em
que, por motivo de incapacidade física comprovada, pos-
vigor do presente CCT; sam ser reclassificados como cobradores.
Matéria integradora — no dia 1 do mês seguinte ao da
sua publicação; Cláusula 86.ª
Matéria relativa à alteração de matéria vigente — na
Categorias profissionais e acesso
data da entrada em vigor do CCT (revisão geral).
1 — Os cobradores serão distribuídos pelas categorias
Cláusula 83.ª profissionais de 1.ª e 2.ª
2 — Os cobradores de 2.ª classe serão obrigatoriamente
Sucessão de regulamentação promovidos à 1.ª classe após cinco anos de serviço efectivo
A presente revisão revoga a convenção publicada no na categoria.
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 13, de 8 de Abril de
Cláusula 87.ª
2005, e sucessivas alterações, cujas disposições ficam
totalmente revogadas com a entrada em vigor do pre- Período experimental — Trabalhadores efectivos
sente contrato e são substituídas pelas agora acordadas, O período experimental dos cobradores será de 90 dias.
entendendo-se o regime neste constante como globalmente
mais favorável. SECÇÃO II

Cláusula 84.ª Comércio

Disposição transitória Cláusula 88.ª


Os sindicatos e associações de empregadores decidem Condições específicas de admissão
criar uma comissão técnica paritária para estudos e 1 — Nas categorias profissionais a que se refere a pre-
definições do enquadramento de funções, a qual, no prazo sente secção só podem ser admitidos trabalhadores com a
de seis meses a contar da data da publicação da presente idade mínima de 16 anos.
convenção, deverá elaborar texto definitivo a ser incluído 2 — Como praticantes só poderão ser admitidos traba-
na próxima revisão. lhadores com menos de 18 anos de idade.

1636
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

3 — As habilitações mínimas para a admissão de tra- SECÇÃO III


balhadores a que se refere esta secção são a escolaridade Construção civil e obras públicas
mínima obrigatória, nos termos previstos na alínea b) do
n.º 2 da cláusula 3.ª Cláusula 92.ª
4 — As habilitações referidas no número anterior não
são exigíveis: Condições específicas de admissão

a) Aos trabalhadores que tenham desempenhado as 1 — Nas categorias profissionais a que se refere esta
funções que correspondam às de qualquer das profissões secção só poderão ser admitidos trabalhadores de idade
não inferior a:
previstas no anexo II;
b) Aos trabalhadores do quadro permanente da a) 18 anos para todas as categorias profissionais em que
empresa que, por motivo de incapacidade física compro- não haja aprendizagem, salvo para as categorias de auxiliar
vada, possam ser reclassificados como caixeiros, similares menor e praticante de apontador, para as quais poderão ser
ou profissionais de armazém. admitidos trabalhadores de idade não inferior a 16 anos;
b) 16 anos para todas as outras categorias.
Cláusula 89.ª
2 — Só podem ser admitidos como técnicos adminis-
Acesso trativos de produção os trabalhadores habilitados com o
1 — Os trabalhadores que ingressem na profissão com 9.º ano de escolaridade completo ou equivalente.
idade igual ou superior a 18 anos serão classificados em 3 — Só podem ser admitidos como técnico de obra
categoria superior a praticante. estagiário ou técnico de obra os trabalhadores habilitados
com o respectivo curso ou os que demonstrem já ter de-
2 — Os praticantes de caixeiro serão promovidos a
sempenhado funções correspondentes às desta profissão.
caixeiro-ajudante logo que completem dois anos ao serviço 4 — Só podem ser admitidos como técnico de recupera-
efectivo ou 18 anos de idade. ção estagiário ou técnico de recuperação os trabalhadores
3 — O praticante de armazém será promovido a uma habilitados com o respectivo curso ou os que demonstrem
das categorias profissionais superiores, compatível com já ter desempenhado funções correspondentes às dessa
os serviços desempenhados durante o tempo de prática, profissão.
logo que complete dois anos de serviço efectivo ou 18 anos
de idade. Cláusula 93.ª
4 — Os caixeiros-ajudantes serão promovidos a terceiros-
Estágio
-caixeiros logo que completem três anos de serviço efectivo
na categoria. 1 — O período de estágio do técnico de obra é de
5 — O tempo máximo de permanência na categoria três anos, findo o qual será promovido a técnico de obra
de caixeiro-ajudante previsto no número anterior será (grau I).
reduzido para dois anos sempre que o trabalhador 2 — O técnico de obra de grau I terá acesso aos graus
tiver prestado um ano de serviço efectivo na categoria superiores, a seu pedido e mediante prova prestada no
de praticante. desempenho de funções, ou por proposta da empresa.
6 — Os terceiros-caixeiros e segundos-caixeiros serão 3 — O período de estágio do técnico de recuperação
é de três anos, findo o qual será promovido a técnico de
promovidos à categoria imediatamente superior logo que
recuperação (grau I).
completem quatro anos de serviço efectivo em cada uma 4 — O técnico de recuperação de grau I terá acesso aos
daquelas categorias. graus superiores a seu pedido e mediante prova prestada no
desempenho de funções ou por proposta da empresa.
Cláusula 90.ª
Densidades Cláusula 94.ª
1 — É obrigatória a existência de um caixeiro- Aprendizagem
-encarregado ou de um chefe de secção sempre que 1 — A aprendizagem far-se-á sob a responsabilidade
o número de caixeiros e praticantes de caixeiro no de um profissional com a categoria de oficial, sempre
estabelecimento ou na secção seja igual ou superior que as empresas não possuam serviços autónomos para a
a três. formação profissional.
2 — Os profissionais caixeiros serão classificados 2 — A duração da aprendizagem não poderá ultrapas-
segundo o quadro de densidades constante do anexo IV. sar três, dois e um ano, conforme os aprendizes forem
admitidos com 16, 17 e 18 ou mais anos de idade, res-
Cláusula 91.ª pectivamente.
3 — Os trabalhadores que forem admitidos como apren-
Período experimental — Trabalhadores efectivos dizes com 16, 17 e 18 ou mais anos de idade ingressam
O período experimental será de: imediata e respectivamente no 1.º, 2.º, 3.º anos de apren-
dizagem.
120 dias para a categoria de vendedor e para as catego- 4 — Para efeitos do disposto no n.º 2, contar-se-á o
rias superiores à de primeiro-caixeiro; tempo de aprendizagem na mesma profissão em empresa
90 dias para as restantes categorias profissionais. diferente daquela em que se acha o aprendiz, sendo a prova

1637
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

desse tempo de aprendizagem, quando exigida pelo empre- m) Montador de caixilharias;


gador, feita através de declaração passada pelo empregador n) Montador de elementos pré-fabricados;
anterior, a qual poderá ser confirmada pelo novo emprega- o) Montador de estores;
dor pelos mapas enviados aos organismos oficiais. p) Montador de pré-esforçados;
5 — Deverão igualmente ser tidos em conta, para os q) Sondador;
efeitos do n.º 2, os períodos de frequência dos cursos de r) Vulcanizador.
escolas técnicas ou análogas ou dos centros de aprendiza-
gem da respectiva profissão oficialmente reconhecidos. 2 — Haverá três anos de prática nas categorias profis-
sionais seguintes:
Cláusula 95.ª
a) Cabouqueiro ou montante;
Profissões com aprendizagem b) Calceteiro;
Haverá aprendizagem nas categorias profissionais c) Condutor manobrador de equipamentos industriais
seguintes: nível III;
d) Condutor manobrador de equipamento de marcação
a) Assentador de tacos; de estradas;
b) Armador de ferro; e) Montador de casas pré-fabricadas;
c) Assentador de isolamentos térmicos e acústicos; f) Montador de cofragens;
d) Canteiro; g) Tractorista.
e) Carpinteiro de limpos;
f) Carpinteiro de tosco ou cofragem; Cláusula 98.ª
g) Cimenteiro;
h) Estucador; Pré-oficialato
i) Fingidor; 1 — Os trabalhadores admitidos nos termos da cláusula
j) Ladrilhador ou azulejador; 94.ª, completado que seja o respectivo período de apren-
l) Montador de andaimes; dizagem, ingressam na categoria de pré-oficial.
m) Montador de material de fibrocimento; 2 — A duração do pré-oficialato não poderá ultrapassar
n) Marmoritador; quatro, três ou dois anos consoante os trabalhadores já
o) Pedreiro; possuam um, dois ou três anos de aprendizagem, respec-
p) Pintor; tivamente.
q) Pintor decorador;
r) Trolha ou pedreiro de acabamentos. Cláusula 99.ª
Cláusula 96.ª Formação profissional

Praticantes A conjugação dos períodos de aprendizagem e pré-


-oficialato consignados nas cláusulas anteriores será encur-
1 — Nas categorias profissionais onde não haja apren- tada em dois anos, desde que os trabalhadores frequentem
dizagem os trabalhadores ingressarão com a categoria de com aproveitamento curso da respectiva especialidade
praticante. em Centro Protocolar da Indústria da Construção Civil e
2 — Os praticantes de apontador terão um ou dois anos Obras Públicas ou outros do mesmo nível que oficialmente
de prática, consoante tenham sido admitidos com idade venham a ser criados.
igual ou superior a 18 anos ou com menos de 18 anos.
3 — Os praticantes não poderão permanecer mais de Cláusula 100.ª
dois ou três anos nesse escalão consoante as profissões
indicadas na cláusula seguinte. Promoções obrigatórias
1 — Os auxiliares menores não poderão permanecer
Cláusula 97.ª nessa categoria mais de um ano, findo o qual transitarão
Profissões com prática para aprendizes, salvo se, entretanto, por terem completado
18 anos de idade, tiverem passado a serventes.
1 — Haverá dois anos de prática nas categorias profis- 2 — Os trabalhadores com a categoria de oficial de 2.ª
sionais seguintes: logo que completem três anos de permanência no exercí-
a) Ajustador-montador de aparelhagem de elevação; cio da mesma profissão serão promovidos a oficial de 1.ª,
b) Apontador; salvo se o empregador comprovar por escrito a inaptidão
c) Assentador de aglomerados de cortiça; do trabalhador.
d) Assentador de revestimentos; 3 — Os trabalhadores com a categoria de chefe de
e) Condutor manobrador de equipamentos industriais equipa logo que completem dois anos de permanência
nível I e nível II; no exercício da mesma profissão serão promovidos a
f) Enformador de pré-fabricados; arvorados, salvo se o empregador comprovar por escrito
g) Entivador; a inaptidão de trabalhador.
h) Espalhador de betuminosos; 4 — No caso de o trabalhador não aceitar a prova apre-
i) Impermeabilizador; sentada pelo empregador, nos termos dos números anterio-
j) Marteleiro; res, terá o direito de exigir um exame técnico-profissional,
l) Mineiro; a efectuar no seu posto normal de trabalho.

1638
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Cláusula 101.ª Cláusula 106.ª


Período experimental — Trabalhadores efectivos Promoções e acessos
O período experimental para os trabalhadores da cons- 1 — Os aprendizes serão promovidos a ajudantes após
trução civil terá a seguinte duração: trêss de serviço efectivo na profissão.
2 — Os ajudantes serão promovidos a pré-oficiais logo
90 dias para auxiliares menores, aprendizes e pratican- que completem dois anos de serviço efectivo naquela ou
tes, oficiais de 1.ª e 2.ª ou equiparados; desde que tenham completado um dos seguintes cursos:
180 dias para as categorias superiores. curso profissional de uma escola oficial de ensino técnico
profissional da Casa Pia de Lisboa, do Instituto Técnico
SECÇÃO IV Militar dos Pupilos do Exército, 2.º grau de torpedeiros
electricistas da marinha de guerra portuguesa, escola de
Agentes técnicos de arquitectura marinheiros e mecânicos da marinha mercante portuguesa,
e engenharia/construtores civis
cursos de formação profissional do ministério responsável
pela área laboral e cursos dos centros protocolares ou cur-
Cláusula 102.ª sos equivalentes promovidos pelas associações de empre-
Condições especiais de admissão gadores e sindicais outorgantes do presente contrato.
3 — Os pré-oficiais serão promovidos a oficiais logo
1 — Só podem ser admitidos como agentes técnicos de que completem dois anos de serviço naquela categoria,
arquitectura e engenharia/construtores civis os trabalhado- salvo se o empregador comprovar por escrito a inaptidão
res habilitados com o curso de construtor civil. do trabalhador.
2 — Sem prejuízo do disposto no número anterior, as 4 — No caso de o trabalhador não aceitar a prova apre-
empresas só poderão admitir agentes técnicos de arquitec- sentada pelo empregador, nos termos do número anterior,
tura e engenharia/construtores civis portadores da respec- terá o direito de exigir um exame técnico-profissional, nos
tiva carteira profissional. moldes previstos na cláusula seguinte.
5 — Os pré-oficiais do 2.º ano que ao longo da sua
Cláusula 103.ª carreira não tenham adquirido conhecimentos técnicos que
Período experimental — Trabalhadores efectivos lhes permitam desempenhar a totalidade ou a maioria das
tarefas previstas para o oficial electricista poderão requerer
O período experimental dos agentes técnicos de arqui- a sua passagem a auxiliar técnico. O empregador poderá
tectura e engenharia/construtores civis terá a duração de condicionar essa passagem à efectivação de um exame nos
180 dias. moldes previstos na cláusula seguinte.
6 — Os auxiliares técnicos poderão, ao fim de dois anos
SECÇÃO V na categoria, requerer a sua passagem a oficial electricista.
O empregador poderá condicionar essa passagem à efec-
Electricistas tivação de um exame nos moldes previstos na cláusula
seguinte.
Cláusula 104.ª 7 — Os auxiliares de montagem poderão, após cinco
Condições específicas de admissão anos de efectivo desempenho na função, requerer a sua
passagem a auxiliar técnico. O empregador poderá con-
1 — Nas categorias profissionais a que se refere esta dicionar essa passagem à efectivação de um exame nos
secção só poderão ser admitidos trabalhadores com idade moldes previstos na cláusula seguinte.
mínima de 16 anos. 8 — Os profissionais electricistas, com escolaridade
2 — Terão preferência na admissão como aprendizes e mínima de nove anos ou formação profissional ou escolar
ajudantes os trabalhadores que frequentem, com aprovei- equivalente, poderão progredir na carreira profissional
tamento, os cursos de electricidade das escolas técnicas. ascendendo à categoria de técnico operacional, grau I, a
3 — Terão preferência na admissão na categoria de pré- seu pedido, mediante provas prestadas no desempenho de
-oficial e em categorias superiores os trabalhadores que funções, ou por proposta da empresa.
tenham completado com aproveitamento um dos cursos 9 — O técnico operacional, grau I, terá acesso a técnico
referidos no n.º 2 da cláusula 106.ª deste contrato. operacional, grau II, ao fim de quatro anos, ou de três anos,
4 — Sem prejuízo do disposto nos números anteriores, caso esteja habilitado com um dos cursos técnicos equiva-
as empresas só poderão admitir trabalhadores electricistas lente ao nível do 12.º ano de escolaridade.
portadores de respectiva carteira profissional devidamente 10 — O técnico operacional bem como todos os profis-
legalizada e actualizada nos averbamentos, salvo no início sionais electricistas terão acesso à categoria de assistente
da aprendizagem. técnico, a seu pedido e mediante provas prestadas no de-
sempenho de funções, ou por proposta da empresa.
Cláusula 105.ª
Aprendizagem
Cláusula 107.ª
Exames
A aprendizagem far-se-á sob a responsabilidade de um
profissional com a categoria de oficial, sempre que as 1 — Os exames previstos na cláusula anterior versam
empresas não possuam serviços autónomos para a forma- matérias práticas e teóricas consignadas em programas a
ção profissional. elaborar e divulgados previamente.

1639
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

2 — A prestação do exame poderá ser dispensada caso f) Oficial — categoria única;


o empregador reconheça e ateste a aptidão do trabalha- g) Auxiliar técnico — categoria única;
dor para o desempenho de funções inerentes a categorias h) Pré-oficial:
superiores.
3 — Compete ao empregador, nos 15 dias subsequen- Do 2.º ano;
tes à recepção do requerimento para exame, informar a Do 1.º ano;
comissão paritária prevista na cláusula 82.ª
4 — A comissão paritária, no prazo de 15 dias, comuni- i) Ajudante:
cará o requerimento à comissão de exame já constituída ou Do 2.º ano;
que nomeará nesse mesmo prazo e da qual farão parte um Do 1.º ano;
representante das associações sindicais, um representante
das associações de empregadores, um terceiro elemento j) Aprendiz:
escolhido por ambas as partes.
5 — Competirá à comissão de exame estruturar os pro- Do 3.º ano;
gramas em que posteriormente se irá basear para elabora- Do 2.º ano;
ção das provas teóricas, assim como para a indicação do Do 1.º ano;
trabalho prático a realizar.
6 — Os exames realizar-se-ão no prazo de 30 dias, de l) Auxiliar de montagens — categoria única.
preferência no local de trabalho ou caso se mostre aconse-
lhável nos centros de formação profissional da indústria. Cláusula 111.ª
7 — A aprovação no exame determina a promoção à Garantia especial de segurança
categoria superior, com efeitos a partir da data da apre-
sentação do requerimento para exame. Sempre que no exercício da sua profissão o trabalhador
8 — A não aprovação no exame determina a impossi- electricista corra o risco de electrocussão, não poderá tra-
bilidade de requerer novo exame antes de decorrido um balhar sem ser acompanhado por outro trabalhador.
ano sobre a data de realização das provas. A promoção à
categoria superior resultante da aprovação neste último Cláusula 112.ª
exame terá efeitos a partir da data em que o mesmo for Carteiras profissionais
requerido.
1 — Para o exercício da profissão de electricista nos
Cláusula 108.ª graus profissionais definidos na cláusula 110.ª é necessário
certificado profissional.
Densidades
2 — Os certificados profissionais são emitidos em
O número total de aprendizes não poderá exceder conformidade com as normas legais vigentes, mediante
metade do total de oficiais. declaração passada pelas empresas, na qual conste um dos
graus profissionais definidos na cláusula 110.ª
Cláusula 109.ª
Cláusula 113.ª
Período experimental — Trabalhadores efectivos
Especialidade da carteira profissional
O período experimental dos electricistas terá a seguinte
duração: 1 — Electricista bobinador. — É o trabalhador que
monta, desmonta, repara e ensaia diversos tipos de
90 dias para auxiliares de montagem, aprendizes, aju- bobinagem de aparelhos eléctricos de corrente contínua e
dantes pré-oficiais, auxiliares técnicos e oficiais; alterna, de baixa e alta tensão, mono e trifásicos, em fá-
180 dias para as categorias superiores. brica, oficina ou lugar de utilização, tais como geradores,
transformadores, motores e outros aparelhos eléctricos
Cláusula 110.ª bobinados, efectua os isolamentos necessários, as ligações
Graus profissionais e protecções de enrolamentos, monta escovas, colectores
ou anéis colectores, terminais e arma qualquer tipo
Os trabalhadores a que se refere a presente secção serão
de núcleo magnético; utiliza aparelhagem de detecção
distribuídos pelos seguintes graus profissionais:
e medida; interpreta esquemas de bobinagem e outras
a) Assistente técnico: especificações técnicas; consulta normalmente literatura
da especialidade. Pode, se necessário, modificar as carac-
Grau II;
terísticas de determinado enrolamento.
Grau I;
Poderá por vezes complementarizar o seu trabalho com
a execução de outras tarefas simples mas indispensáveis ao
b) Técnico operacional:
bom prosseguimento dos trabalhos da sua profissão.
Grau II; 2 — Montador-reparador de aparelhos de refrigeração
Grau I; e climatização. — É o trabalhador que monta, instala,
conserva, repara e ensaia circuitos eléctricos de aparelhos
c) Encarregado — categoria única; de refrigeração e climatização, bem como os dispositivos
d) Chefe de equipa — categoria única; de comando automático, de controlo, protecção e segu-
e) Oficial principal — categoria única; rança de aparelhos eléctricos, tais como queimadores,

1640
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

electrobomba, unidades de refrigeração e aquecimento, Poderá por vezes complementarizar o seu trabalho
condensadores, evaporadores, compressores, frigoríficos com a execução de outras tarefas simples mas indis-
e outros; determina as posições, coloca os condutores, pensáveis ao bom prosseguimento dos trabalhos da sua
efectua as necessárias ligações, isolamentos e protecções; profissão.
utiliza aparelhos de detecção e medida; cumpre e provi- 6 — Montador-reparador de instalações eléctricas de
dencia para que sejam cumpridas as normas de segurança alta tensão. — É o trabalhador que monta, modifica, con-
das instalações eléctricas de baixa tensão. serva, repara e ensaia circuitos e aparelhagem eléctrica
Poderá por vezes complementarizar o seu trabalho com de alta tensão em fábrica, oficina ou lugar de utilização,
a execução de outras tarefas simples mas indispensáveis ao tais como transformadores, disjuntores, seccionadores,
bom prosseguimento dos trabalhos da sua profissão. pára-raios, barramentos isoladores e respectivos circuitos
3 — Montador-reparador de elevadores. — É o tra- de comando, medida, contagem e sinalização; procede
balhador que instala, conserva, repara, regula e ensaia às necessárias ligações de cabos condutores, sua protec-
circuitos eléctricos de elevadores, monta-cargas, escadas ção e isolamento; utiliza aparelhos eléctricos de detecção
rolantes e outros aparelhos similares em fábrica, oficina e medida; interpreta esquemas de circuitos eléctricos e
ou nos locais de utilização, tais como circuitos de força
outras especificações técnicas; cumpre e faz cumprir o
motriz de comando, de encravamento, de chamada, de
Regulamento de Segurança de Subestações e Postos de
protecção, de segurança, de alarme, de sinalização e de
iluminação; interpreta planos de montagem, esquemas Transformação e Seccionamento.
eléctricos e outras especificações técnicas; monta con- Poderá por vezes complementarizar o seu trabalho
dutores e efectua as necessárias ligações, isolamentos e com a execução de outras tarefas simples mas indis-
protecções; utiliza aparelhos eléctricos de medida e ensaio; pensáveis ao bom prosseguimento dos trabalhos da sua
cumpre e faz cumprir o Regulamento de Segurança de profissão.
Elevadores Eléctricos. 7 — Montador de redes AT/BT e telecomunicações. — É
Poderá por vezes complementarizar o seu trabalho com o trabalhador que monta, regula, conserva, repara, ensaia
a execução de outras tarefas simples mas indispensável ao e vigia redes aéreas ou subterrâneas de transporte e dis-
bom prosseguimento dos trabalhos da sua profissão. tribuição de energia eléctrica de alta e baixa tensão, bem
4 — Montador de instalações eléctricas de alta e como redes de telecomunicações; erige e estabiliza postes,
baixa tensão. — É o trabalhador que efectua trabalhos torres e outros suportes de linhas eléctricas; executa a
de montagem, conservação e reparação de equipamentos montagem de caixas de derivação, juntação ou terminais
e circuitos eléctricos de AT/BT. Executa montagens de de cabos em valas, pórticos ou subestações, monta diversa
equipamentos e instalações de refrigeração e clima- aparelhagem, tal como isoladores, pára-raios, separadores,
tização, máquinas eléctricas estáticas e móveis, apa- fusíveis, amortecedores; sonda as instalações e traçados
relhagem de comando, detecção, protecção, controlo, das redes para verificação do estado de conservação do
sinalização, encravamento, corte e manobra, podendo material; orienta a limpeza da faixa de protecção das
por vezes orientar estas operações. Efectua a pesquisa linhas, podendo por vezes decotar ramos de árvores ou
e reparação de avarias e afinações nos equipamentos e eliminar quaisquer outros objectos que possam interferir
circuitos eléctricos utilizando aparelhagem eléctrica de com o traçado; guia frequentemente a sua actividade por
medida e ensaio; lê e interpreta desenhos ou esquemas esquemas de traçados e utiliza aparelhos de medida para
e especificações técnicas; zela pelo cumprimento das detecção de avarias.
normas de segurança das instalações eléctricas AT/BT. Poderá por vezes complementarizar o seu trabalho
Cumpre e faz cumprir os regulamentos de segurança com a execução de outras tarefas simples mas indis-
aplicáveis à especialidade. pensáveis ao bom prosseguimento dos trabalhos da sua
Poderá por vezes complementarizar o seu trabalho com profissão.
a execução de outras tarefas simples mas indispensáveis ao 8 — Instrumentista (montador-reparador de ins-
bom prosseguimento dos trabalhos da sua profissão. trumentos de medida e controlo industrial). — É o
5 — Montador de instalações eléctricas de baixa
trabalhador que detecta e repara avarias em circuitos
tensão. — É o trabalhador que instala, conserva, repara
eléctricos, electrónicos, pneumáticos e hidráulicos, com
e ensaia circuitos e aparelhagem eléctrica em estabeleci-
mentos industriais, comerciais, particulares ou em outros desmontagem, reparação e montagem de aparelhos de
locais de utilização, tais como circuitos de força motriz, regulação, controlo, medida, protecção, manobra,
aquecimentos, de iluminação, de sinalização, de sonori- sinalização, alarme, vigilância ou outros; realiza ensaios
zação, de antenas e outros; determina a posição de órgãos de equipamentos em serviço ou no laboratório com
eléctricos, tais como portinholas, caixas de coluna, tubos verificação das respectivas características, seu funcio-
ou calhas, quadros, caixas de derivação e ligação e de namento normal e procede à sua aferição se necessário,
aparelhos eléctricos, tais como contadores, disjuntores, interpreta incidentes de exploração; executa relatórios
contactores, interruptores, tomadas e outros; coloca os informativos sobre os trabalhos realizados, interpreta
condutores e efectua as necessárias ligações, isolamentos gráficos, tabelas, esquemas e desenhos necessários ao
e protecções; utiliza aparelhos eléctricos de detecção e exercício da função.
medida e interpretação de esquemas de circuitos eléctricos Poderá por vezes complementarizar o seu trabalho
e outras especificações técnicas; cumpre e providencia com a execução de outras tarefas simples mas indis-
para que sejam cumpridas as normas de segurança das pensáveis ao bom prosseguimento dos trabalhos da sua
instalações eléctricas de baixa tensão. profissão.

1641
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

SECÇÃO VI de serviço no respectivo grau e na mesma empresa, salvo


Enfermeiros
se o empregador comprovar por escrito a inaptidão do
trabalhador.
Cláusula 114.ª 4 — Os técnicos administrativos de grau I serão pro-
movidos ao grau superior logo que completem três anos
Condições específicas de admissão de serviço no respectivo grau e na mesma empresa, salvo
Nas categorias profissionais de enfermagem só podem se a o empregador comprovar por escrito a inaptidão do
ser admitidos trabalhadores que possuam carteira profis- trabalhador.
sional. 5 — Para efeitos de promoção dos profissionais referi-
dos no número anterior será contado o tempo já prestado
Cláusula 115.ª na categoria profissional.
6 — No caso de o trabalhador não aceitar a prova apre-
Densidades sentada pelo empregador, nos termos dos n.os 3 e 4, terá o
Existirá um enfermeiro-coordenador sempre que exis- direito de exigir um exame técnico-profissional, a efectuar
tam mais de três trabalhadores de enfermagem no mesmo no seu posto de trabalho.
local de trabalho. 7 — A promoção dos profissionais referidos nas alíne-
as c) e d) do n.º 1 da cláusula anterior rege-se nos mesmos
Cláusula 116.ª termos da cláusula 166.ª
Período experimental — Trabalhadores efectivos
Cláusula 119.ª
O período experimental dos trabalhadores de enferma- Período experimental — Trabalhadores efectivos
gem terá a duração de 180 dias.
O período experimental para os trabalhadores de escri-
SECÇÃO VII tório terá a seguinte duração:

Escritório 90 dias para estagiários, escriturários ou equiparados;


120 dias para técnico administrativo, técnico de conta-
Cláusula 117.ª bilidade, subchefe de secção e categorias superiores;
240 dias para técnico oficial de contas.
Condições específicas de admissão
1 — Nas categorias profissionais a que se refere a pre- SECÇÃO VIII
sente secção só poderão ser admitidos trabalhadores nas
seguintes condições: Fogueiros

a) Terem a idade mínima de 17 anos; Cláusula 120.ª


b) Possuírem o 12.º ano de escolaridade, excepto o
disposto nas alíneas seguintes; Condições específicas de admissão
c) Contabilista — curso adequado do ensino superior; 1 — Na categoria profissional prevista na presente sec-
d) Técnico oficial de contas — inscrição na Câmara dos ção só poderão ser admitidos trabalhadores de idade não
Técnicos Oficiais de Contas. inferior a 18 anos e com a escolaridade mínima obrigatória
nos termos previstos na alínea b) do n.º 2 da cláusula 3.ª
2 — As habilitações referidas no número anterior não 2 — Sem prejuízo do disposto no número anterior, as
serão exigíveis: empresas só poderão admitir trabalhadores fogueiros por-
a) Aos trabalhadores que exercendo as funções transitem tadores da respectiva carteira profissional.
de empresa, abrangida pela convenção;
b) Aos trabalhadores do quadro permanente da empresa Cláusula 121.ª
que por motivo de incapacidade física comprovada possam Período experimental — Trabalhadores efectivos
ser reclassificados como trabalhadores de escritório.
O período experimental dos fogueiros terá a duração
Cláusula 118.ª de 90 dias.
Acessos e promoções
SECÇÃO IX
1 — O estágio para escriturário terá a duração máxima
de três anos para os trabalhadores admitidos com 17 anos Garagens
de idade e de dois anos para os admitidos com a idade
igual ou superior a 18 anos. Cláusula 122.ª
2 — Os escriturários de 3.ª e 2.ª classes serão promovi- Condições específicas de admissão
dos à classe superior logo que completem três anos de ser-
viço na classe e na mesma empresa, salvo se o empregador Nas categorias profissionais previstas na presente secção
comprovar por escrito a inaptidão do trabalhador. só podem ser admitidos trabalhadores com a idade mínima
3 — Os operadores de computador de I e II serão pro- de 18 anos e com a escolaridade mínima obrigatória nos
movidos ao grau superior logo que completem três anos termos previstos na alínea b) do n.º 2 da cláusula 3.ª

1642
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Cláusula 123.ª Cláusula 127.ª


Período experimental — Trabalhadores efectivos Estágio
O período experimental das categorias previstas nesta 1 — O estágio tem a duração de 12 meses, salvo para
secção terá a duração de 90 dias. os profissionais com um curso de reciclagem das escolas
hoteleiras terminado com aproveitamento, em que o perí-
SECÇÃO X odo de estágio findará com a conclusão do curso.
Hotelaria 2 — Logo que concluído o período de aprendizagem o
trabalhador passará automaticamente à categoria de esta-
Cláusula 124.ª giário nas funções de cozinheiro, despenseiro e empregado
Condições específicas de admissão
de balcão.
3 — Para o cômputo dos períodos de estágio serão adi-
Nas categorias profissionais a que se refere esta sec- cionadas as fracções de tempo de serviço prestadas pelo
ção só podem ser admitidos trabalhadores nas seguintes trabalhador nas várias empresas que o contratem nessa
condições:
qualidade, desde que superiores a 60 dias e devidamente
a) Terem idade mínima de 16 anos; comprovadas.
b) Possuírem carteira profissional ou, caso a não pos-
suam e seja obrigatória para o exercício da respectiva Cláusula 128.ª
profissão, possuírem as habilitações mínimas exigidas por
lei ou pelo regulamento da carteira profissional. Título profissional

1 — O documento comprovativo da categoria profissio-


Cláusula 125.ª nal é a carteira profissional ou o cartão de aprendiz.
Preferência de admissão 2 — Nenhum profissional poderá exercer a sua acti-
Em igualdade de condições têm preferência na admis- vidade sem estar munido de um desses títulos, quando
são: obrigatórios para o exercício da profissão.
a) Os diplomados pelas escolas hoteleiras e já titulares Cláusula 129.ª
de carteira profissional;
b) Os profissionais titulares de carteira profissional que Densidades
tenham sido aprovados em cursos de aperfeiçoamento das
1 — Nas secções em que haja até dois profissionais só
escolas hoteleiras;
c) Os profissionais munidos da competente carteira pode haver um aprendiz e naquelas em que o número for
profissional. superior poderá haver um aprendiz por cada três profis-
sionais.
Cláusula 126.ª 2 — Caso exista secção de despensa, o seu trabalho
Aprendizagem
deverá ser dirigido por trabalhador de categoria não inferior
à de despenseiro.
1 — Os trabalhadores admitidos com menos de 18 anos
de idade têm um período de aprendizagem de um ano de Cláusula 130.ª
trabalho efectivo; porém, se o período de aprendizagem
findar antes de o trabalhador ter completado 18 anos de Quadro de densidades
idade será prolongado até essa data.
2 — Os trabalhadores admitidos com mais de 18 anos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
de idade só terão de cumprir um período de aprendizagem
de um ano para as categorias de despenseiro e empregado Cozinheiro de 1.ª . . . . . . . - - - - - - - 1 1 1
de balcão. Cozinheiro de 2.ª . . . . . . . - 1 1 1 2 2 3 3 3 3
3 — Seja qual for a idade no momento de admissão, o Cozinheiro de 3.ª . . . . . . . 1 1 2 3 3 4 4 4 6 5
período de aprendizagem para as funções de cozinheiro
será de dois anos. Nota. — Havendo mais de 10 cozinheiros, observar-se-
4 — Não haverá aprendizagem para as categorias de -ão, quanto aos que excederem a dezena, as proporções
roupeiro, lavador e empregado de refeitório, sem prejuízo mínimas neste quadro.
do disposto no antecedente n.º 1.
5 — O aprendiz só poderá mudar de profissão para que Cláusula 131.ª
foi contratado por comum acordo das partes.
Período experimental — Trabalhadores efectivos
6 — Para o cômputo dos períodos de aprendizagem
serão adicionadas as fracções de tempo de serviço prestadas Para a categoria de encarregado de refeitório, ecónomo
pelo trabalhador nas várias empresas que o contratem nessa e para a função de cozinheiro responsável pela confecção
qualidade, desde que superiores a 60 dias e devidamente o período experimental é de 180 dias, sendo de 90 dias
comprovadas. para as restantes categorias profissionais.

1643
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Cláusula 132.ª Cláusula 136.ª


Graus profissionais Aprendizagem
Os trabalhadores de hotelaria serão distribuídos pelos 1 — A aprendizagem far-se-á sob a responsabilidade
seguintes graus profissionais: de um profissional com a categoria de oficial, sempre
Cozinheiros: que as empresas não possuam serviços autónomos para a
formação profissional.
De 1.ª; 2 — A duração da aprendizagem não poderá ultrapassar
De 2.ª; três, dois e um ano, conforme os aprendizes forem admi-
De 3.ª; tidos, respectivamente, com 16, 17 e 18 ou mais anos de
Estagiário; idade.
Aprendiz; 3 — Findo o tempo de aprendizagem, o aprendiz será
promovido a praticante.
Despenseiro e empregado de balcão e ecónomo: 4 — Para os efeitos do disposto no n.º 2, serão tomados
Categoria única; em conta os períodos de frequência dos cursos de escolas
Estagiário; técnicas ou de centros de formação profissional da respec-
Aprendiz; tiva profissão oficialmente reconhecidos.

Encarregado de refeitório, empregado de refeitório, Cláusula 137.ª


lavador e roupeiro — categoria única. Tirocínio

Cláusula 133.ª 1 — O período de tirocínio do praticante é de seis


meses ou dois anos, conforme as profissões constem
Direito à alimentação ou não da cláusula 142.ª, findo o qual será promovido
1 — Os trabalhadores de hotelaria têm direito à alimen- a pré-oficial.
tação, cujo valor não é dedutível do salário. 2 — Igualmente para efeitos do disposto no n.º 1, contar-
2 — O direito à alimentação fica salvaguardado e con- -se -á o tempo de tirocínio na mesma profissão em
signado nos precisos termos em que actualmente está con- empresa diferente daquela em que se encontra o praticante,
sagrado para os trabalhadores de hotelaria ao serviço da sendo a prova desse tempo de tirocínio, quando exigida
indústria de construção civil e obras públicas. pelo empregador, feita através de declaração passada pelo
empregador anterior, a qual poderá ser confirmada pelo
SECÇÃO XI novo empregador pelos mapas enviados aos organismos
oficiais.
Madeiras 3 — A idade mínima dos praticantes é de 18 anos, salvo
para os que tenham os cursos referidos no n.º 4 da cláusula
Cláusula 134.ª 136.ª e para os admitidos em profissões que não exijam
Condições específicas de admissão aprendizagem.
1 — Nas categorias profissionais a que se refere a pre- Cláusula 138.ª
sente secção só poderão ser admitidos trabalhadores de
idade não inferior a: Densidades

a) 18 anos para todas as categorias profissionais em que Não poderá haver mais de metade de aprendizes em
não haja aprendizagem; relação ao número total de trabalhadores do conjunto das
b) 16 anos para todas as outras categorias. profissões para as quais se prevê a aprendizagem.

2 — Só podem ser admitidos como técnico de recupera- Cláusula 139.ª


ção estagiário ou técnico de recuperação os trabalhadores Promoções obrigatórias
habilitados com o respectivo curso ou os que demonstrem
já ter desempenhado funções correspondentes às dessa 1 — Os praticantes não poderão permanecer nessa cate-
profissão. goria mais de dois anos, findos os quais serão promovidos
a pré-oficiais.
Cláusula 135.ª 2 — Os trabalhadores com a categoria de pré-oficial que
completem dois anos de permanência na mesma empresa
Estágio
no exercício da mesma profissão serão promovidos a ofi-
1 — O período de estágio do técnico de recuperação cial de 2.ª, salvo se o empregador comprovar por escrito
é de três anos, findo o qual será promovido a técnico de a inaptidão do trabalhador.
recuperação (grau I). 3 — No caso de o trabalhador não aceitar a prova apre-
2 — O técnico de recuperação de grau I terá acesso aos sentada pelo empregador nos termos do número anterior,
graus superiores, a seu pedido e mediante prova prestada terá o direito de exigir um exame técnico-profissional, a
no desempenho de funções ou por proposta da empresa. efectuar no seu posto de trabalho.

1644
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Cláusula 140.ª exercício da mesma profissão serão promovidos a oficial


Categorias profissionais
de 1.ª, salvo se o empregador comprovar por escrito a
inaptidão do trabalhador.
Os encarregados e os oficiais terão as seguintes cate- 2 — Os trabalhadores com a categoria de praticante
gorias profissionais: de britador/operador de britadeira ascenderão à categoria
respectiva ao fim de dois anos de prática, salvo se o empre-
a) Encarregados — categoria única; gador comprovar por escrito a inaptidão do trabalhador.
b) Oficiais de 1.ª, de 2.ª, pré-oficial, praticante e apren- 3 — No caso de o trabalhador não aceitar a prova apre-
diz. sentada pelo empregador nos termos dos números anterio-
res, terá o direito de exigir um exame técnico-profissional,
Cláusula 141.ª a efectuar no seu posto normal de trabalho.
Período experimental — Trabalhadores efectivos
O período experimental para os trabalhadores de ma- SECÇÃO XIII
deiras terá a seguinte duração: Metalúrgicos
90 dias para aprendizes, praticantes, pré-oficiais e ofi-
ciais de 1.ª e 2.ª; Cláusula 147.ª
180 dias para encarregados. Condições específicas de admissão

Cláusula 142.ª 1 — Nas categorias profissionais a que se refere esta


secção só poderão ser admitidos trabalhadores com escola-
Período de prática de seis meses ridade mínima obrigatória nos termos previstos na alínea b)
As categorias profissionais de embalador e operador de do n.º 2 da cláusula 3.ª e de idade não inferior a:
máquina de juntar folha com ou sem guilhotina admitem a) 18 anos para todas as categorias profissionais em que
apenas um período de prática de seis meses. não haja aprendizagem;
b) 16 anos para todas as outras categorias.
SECÇÃO XII
2 — Serão directamente admitidos na categoria ime-
Mármores diatamente superior a aprendiz:
Cláusula 143.ª a) Os trabalhadores com os cursos de escolas técnicas
ou outros equivalentes oficialmente reconhecidos;
Quadros e acessos b) Os trabalhadores com 18 ou mais anos de idade que
1 — A aprendizagem só existe para as categorias profis- possuam cursos de centros de formação profissional da
sionais de canteiro, polidor manual e polidor maquinista. respectiva profissão oficialmente reconhecidos.
2 — A aprendizagem terá a duração de três anos para
a categoria de canteiro e de dois anos para as de polidor 3 — Só podem ser admitidos como técnico de recupera-
manual e polidor maquinista. ção estagiário ou técnico de recuperação os trabalhadores
habilitados com o respectivo curso ou os que demonstrem
Cláusula 144.ª já ter desempenhado funções correspondentes às dessa
profissão.
Categorias profissionais 4 — Só podem ser admitidos como técnico de gás os
Dividem-se em duas categorias (1.ª e 2.ª) os trabalha- trabalhadores habilitados com formação escolar mínima ao
dores das profissões definidas no anexo II, com excepção nível de 12.º ano de escolaridade que tenham frequentado,
das de brigador/operador de britaria, canteiro, canteiro- com aproveitamento, cursos de formação adequados à
-assentador, carregador de fogo, seleccionador e serra- especialidade e que possuam a respectiva licença emitida
dor. por um dos organismos reconhecidos pela DGE.
5 — Só podem ser admitidos como instalador de redes
Cláusula 145.ª de gás os trabalhadores habilitados com formação escolar
mínima ao nível do 9.º ano de escolaridade que tenham
Período experimental — Trabalhadores efectivos frequentado, com aproveitamento, cursos de formação ade-
O período experimental das categorias previstas nesta quados à especialidade e que possuam a respectiva licença
secção terá a duração seguinte: emitida por um dos organismos reconhecidos pela DGE.
6 — Só podem ser admitidos como técnico de refri-
90 dias para aprendizes e praticantes oficiais de 1.ª, geração e climatização os trabalhadores habilitados com
2.ª ou equiparados; formação escolar mínima ao nível de 12.º ano de escola-
180 dias para categorias superiores. ridade.

Cláusula 146.ª Cláusula 148.ª


Promoções obrigatórias Aprendizagem
1 — Os trabalhadores com a categoria de oficial de 1 — A aprendizagem far-se-á sob a responsabilidade de
2.ª logo que completem quatro anos de permanência no um profissional, com a categoria de oficial, de reconhecida

1645
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

capacidade técnica e valor moral, sempre que as empre- Cláusula 153.ª


sas não possuam serviços autónomos para a formação Período experimental — Trabalhadores efectivos
profissional.
2 — A duração da aprendizagem não poderá ultrapassar O período experimental dos trabalhadores metalúrgicos
três, dois ou um ano, conforme os aprendizes forem admiti- terá a seguinte duração:
dos, respectivamente, com 16, 17 e 18 ou mais anos de idade. 90 dias para aprendizes e praticantes, oficiais de 1.ª,
3 — Findo o tempo de aprendizagem, os aprendizes 2.ª e 3.ª ou equiparados;
serão promovidos à categoria imediatamente superior. 180 dias para categorias superiores.
4 — Para os efeitos do disposto no n.º 2, deverão ser
tomados em conta os períodos de frequência dos cursos de
escolas técnicas ou de centros de formação profissional da SECÇÃO XIV
respectiva profissão oficialmente reconhecidos. Porteiros, contínuos e paquetes
5 — Igualmente para os efeitos do disposto no n.º 2,
contar-se-á o tempo de aprendizagem na mesma profis- Cláusula 154.ª
são em empresa diferente daquela em que se encontra o
aprendiz, sendo a prova desse tempo de aprendizagem, Condições específicas de admissão
quando exigida pelo empregador, feita através de decla- Nas categorias profissionais a que se refere a presente
ração passada pelo empregador anterior, a qual poderá ser secção só poderão ser admitidos trabalhadores de idade
confirmada pelo novo empregador pelos mapas enviados não inferior:
aos organismos oficiais.
a) 16 anos para a categoria de paquete;
Cláusula 149.ª b) 18 anos para as restantes categorias.
Profissões sem aprendizagem Cláusula 155.ª
Não haverá aprendizagem nas seguintes categorias pro- Acessos
fissionais:
Os paquetes que completem 18 anos de idade serão
Agentes de métodos; promovidos a contínuos.
Encarregado;
Chefe de equipa. Cláusula 156.ª
Cláusula 150.ª Período experimental — Trabalhadores efectivos

Estágio A admissão na empresa dos trabalhadores previstos


nesta secção será sempre feita a título experimental durante
1 — O período de estágio do técnico de recuperação os primeiros 90 dias.
é de três anos, findo o qual será promovido a técnico de
recuperação (grau I).
2 — O técnico de recuperação de grau I terá acesso aos SECÇÃO XV
graus superiores a seu pedido e mediante prova prestada no Químicos
desempenho de funções ou por proposta da empresa.
Cláusula 157.ª
Cláusula 151.ª
Condições específicas de admissão
Promoções obrigatórias
1 — Nas categorias profissionais a que se refere a pre-
1 — Os praticantes não poderão permanecer nessa sente secção só podem ser admitidos trabalhadores com a
categoria mais de dois anos. Findos estes, transitarão para idade mínima de 16 anos.
oficiais de 3.ª 2 — As habilitações mínimas para a admissão dos tra-
2 — Os trabalhadores com a categoria de oficial de balhadores a que se refere esta secção são:
3.ª ou de 2.ª que completem, respectivamente, dois ou três
anos de permanência na mesma empresa no exercício da a) Para a categoria de auxiliar de laboratório a escolari-
mesma profissão serão promovidos à categoria imediata, dade mínima obrigatória, nos termos previstos na alínea b)
salvo se o empregador comprovar por escrito a inaptidão do n.º 2 da cláusula 3.ª;
do trabalhador. b) Para as categorias de analista principal o curso com-
3 — No caso de o trabalhador não aceitar a prova apre- pleto das escolas industriais adequado às funções a de-
sempenhar.
sentada pelo empregador nos termos do número anterior,
terá o direito a exigir um exame técnico-profissional, a
efectuar no seu posto normal de trabalho. 3 — As habilitações referidas no número anterior não
serão exigíveis:
Cláusula 152.ª a) Aos trabalhadores que à data da entrada em vigor do
Densidades
presente CCT desempenhem funções descritas no anexo II
para os trabalhadores químicos;
O número total de aprendizes não poderá exceder b) Aos trabalhadores que tenham desempenhado funções
metade do total de oficiais. descritas no anexo II para os trabalhadores químicos;

1646
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

c) Aos trabalhadores do quadro permanente da empresa Cláusula 163.ª


que por motivo de incapacidade física comprovada pos- Período experimental — Trabalhadores efectivos
sam ser reclassificados numa das categorias constantes do
anexo II para os trabalhadores químicos. O período experimental dos motoristas terá a duração de
90 ou 120 dias, tratando-se, respectivamente, de motorista
Cláusula 158.ª de ligeiros ou de pesados.
Estágio
SECÇÃO XVII
1 — Na categoria de auxiliar de laboratório a duração
Técnicos
máxima do estágio é de um ano.
2 — Na categoria de analista a duração máxima do
Cláusula 164.ª
estágio é de dois anos.
Condições de admissão
Cláusula 159.ª 1 — Só podem ser admitidos como técnicos os traba-
Promoções obrigatórias lhadores habilitados com curso superior respectivo, diplo-
mados por escolas nacionais ou estrangeiras, bem como,
1 — Os trabalhadores com a categoria de analista de nos casos em que o exercício da actividade se processe a
2.ª que completem três anos de permanência na mesma coberto de um título profissional, sejam possuidores do
empresa no exercício da mesma profissão serão promo- respectivo título, emitido segundo a legislação em vigor.
vidos a analistas de 1.ª, salvo se o empregador comprovar 2 — No caso de técnicos possuidores de diplomas pas-
por escrito a inaptidão do trabalhador. sados por escolas estrangeiras, os mesmos terão de ser
2 — No caso de o trabalhador não aceitar a prova apre- oficialmente reconhecidos nos termos previstos na legis-
sentada pelo empregador nos termos do número anterior lação em vigor.
terá o direito de exigir um exame técnico-profissional, a
efectuar no seu posto normal de trabalho. Cláusula 165.ª
Período experimental — Trabalhadores efectivos
Cláusula 160.ª
O período experimental dos técnicos terá a duração
Período experimental — Trabalhadores efectivos de 180 dias, salvo para o pessoal de direcção ou chefia e
O período experimental dos trabalhadores químicos quadros superiores, que será de 240 dias.
será de:
Cláusula 166.ª
a) 90 dias para o auxiliar de laboratório e analistas;
Graus profissionais
b) 120 dias para o analista principal.
1 — Os profissionais referidos nesta secção distribuem-
Cláusula 161.ª -se por três graus, em que o primeiro será desdobrado em
dois escalões (I-A e I-B), apenas diferenciados pelos ven-
Graus profissionais
cimentos (o escalão I-B seguindo-se ao escalão I-A).
Os trabalhadores químicos poderão ser distribuídos 2 — Os licenciados não poderão ser admitidos no
pelos seguintes graus profissionais: escalão I-A; os bacharéis poderão ser admitidos nos
escalões I-A e I-B.
Analista principal — classe única; 3 — Os graus I-A e I-B podem ser considerados período
Analista: de estágio em complemento da formação académica.
De 1.ª classe;
De 2.ª classe; SECÇÃO XVIII
Estagiário; Técnicos de desenho
Auxiliar de laboratório — estagiário. Cláusula 167.ª
Condições específicas de admissão
SECÇÃO XVI
1 — Grupo A — técnicos de desenho — podem ser
Rodoviários admitidos para as categorias de técnicos de desenho os
trabalhadores habilitados com um dos cursos técnicos
Cláusula 162.ª seguintes:
Condições específicas de admissão a) Curso do ensino secundário — 12.º ano (mecano-
As condições mínimas de admissão para o exercício das tecnia; electrotecnia; radiotecnia/electrónica; construção
funções inerentes à categoria de motorista são: civil; equipamento e interiores/decoração; introdução às
artes plásticas, design e arquitectura; artes gráficas), que
a) Possuírem as habilitações exigidas por lei; ingressam na categoria de desenhador ou de medidor após
b) Possuírem a carta de condução. 12 meses de tirocínio;

1647
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

b) Cursos de formação profissional que confira o telefones, sinalização e automatismos eléctricos). Aplica-
nível III-UE ou curso tecnológico — 12.º ano, de formação ção em trabalhos de engenharia e tecnologias eléctricas
adequada, ou curso técnico da via profissionalizante/via e electrónicas, nomeadamente desenho, normalização,
técnico-profissional — 12.º ano ou cursos das escolas pro- medições e orçamentação, planeamento, preparação e as-
fissionais (nível III-UE), nomeadamente: desenhador de sistência a trabalhos;
construção civil, desenhador de construções mecânicas, de- c) Ramo de construções, arquitectura e topografia (cons-
senhador electrotécnico, medidor orçamentista, técnico de truções civis e industriais, estruturas de betão armado e
equipamento, técnico de design cerâmico/metais, técnico cofragens, infra-estruturas, arquitectura e urbanismo,
de obras/edificações e obras, que ingressam numa das cate- topografia, cartografia e geodesia). Aplicação em trabalhos
gorias respectivas após 12 meses de tirocínio grupo VII. de arquitectura e engenharia e tecnologia das construções,
nomeadamente desenho, normalização, medições e or-
2 — Grupo B — operador-arquivista — para a profissão çamentação, levantamentos, planeamento, preparação e
deste grupo deverá ser dada prioridade a trabalhadores de assistência a trabalhos;
outras actividades profissionais já ao serviço da empresa d) Ramo de artes e design (decoração, maqueta, publi-
que reúnam condições, nomeadamente ter a idade mínima cidade, desenho gráfico e de exposição). Aplicação em
de 18 anos e a escolaridade mínima obrigatória nos termos trabalhos decorativos, de maqueta, de desenho de comu-
previstos na alínea b) do n.º 2 da cláusula 3.ª nicação, gráfico e artístico.
3 — As habilitações referidas nos números anteriores
não serão exigíveis:
SECÇÃO XIX
a) Aos trabalhadores que à data da entrada em vigor
do presente CCT desempenhem funções das categorias Telefonistas
previstas nesta secção;
b) Aos trabalhadores a que já tenha sido atribuída fora Cláusula 171.ª
da empresa uma das categorias previstas nesta secção. Condições específicas de admissão

Cláusula 168.ª 1 — Na categoria profissional de telefonista só podem


ser admitidos trabalhadores nas seguintes condições:
Acessos
a) Terem a idade mínima de 16 anos;
1 — O período máximo de tirocínio é o indicado nas b) Possuírem a escolaridade mínima obrigatória nos
alíneas a) e b) do n.º 1 da cláusula anterior. termos previstos na alínea b) do n.º 2 da cláusula 3.ª
2 — Nas categorias com dois graus, os profissionais no
grau I terão acesso ao grau II após pelo menos um ano de 2 — As habilitações referidas na alínea b) do número
permanência naquele grau, a seu pedido e mediante provas anterior não serão exigíveis:
prestadas no desempenho da função e ou por aquisição de
formação profissional ou por proposta da empresa. a) Aos trabalhadores que à data da entrada em vigor do
presente CCT desempenhem funções de telefonistas;
Cláusula 169.ª b) Aos trabalhadores que tenham desempenhado funções
de telefonistas;
Período experimental — Trabalhadores efectivos c) Aos trabalhadores do quadro permanente da empresa
O período experimental das categorias previstas nesta que por motivo de incapacidade física comprovada possam
secção terá a duração seguinte: ser reclassificados como telefonistas.
90 dias para operadores-arquivistas, tirocinantes, Cláusula 172.ª
desenhadores-medidores, desenhadores e medidores;
180 dias para desenhadores preparadores de obra, pla- Período experimental — Trabalhadores efectivos
nificadores, medidores orçamentistas, assistentes opera- O período experimental de telefonista terá a duração
cionais e desenhadores projectistas. de 90 dias.
Cláusula 170.ª
SECÇÃO XX
Outras disposições
Técnicos de topografia
A actividade profissional do grupo A — técnicos de
desenho é identificada no âmbito dos seguintes ramos de Cláusula 173.ª
actividade, subdividindo-se estes por especialidades:
Condições específicas de admissão
a) Ramo de mecânica (mecânica, máquinas, equipamen-
tos mecânicos, tubagens, estruturas metálicas, instrumen- 1 — Só podem ser admitidos como técnicos de topo-
tação e controlo, climatização). Aplicação em trabalhos grafia trabalhadores com a idade mínima de 18 anos, as
de engenharia e tecnologia mecânicas, nomeadamente habilitações e outras exigências previstas na cláusula se-
desenho, normalização, medições e orçamentação, plane- guinte.
amento, preparação e assistência a trabalhos; 2 — Serão dispensados das exigências referidas no
b) Ramo de electrotecnia (electrotecnia e electróni- número anterior os técnicos de topografia que à data da
ca — equipamentos e instalações eléctricas, iluminação, entrada em vigor do presente contrato desempenhem fun-

1648
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

ções que correspondam a qualquer das categorias previstas 3 — O topógrafo de grau II terá acesso ao grau III a
nesta secção. seu pedido e mediante prova prestada no desempenho de
funções ou por proposta da empresa.
Cláusula 174.ª 4 — O topógrafo de grau III, desde que habilitado com
curso superior ou equiparado, terá acesso à categoria de
Requisitos para o exercício de funções
geómetra a seu pedido e mediante prova prestada no de-
1 — Porta-miras — formação escolar mínima ao nível sempenho de funções ou por proposta da empresa.
do 6.º ano do ensino básico ou equivalente. Responsabili-
dade por transporte de equipamento muito sensível. Cláusula 176.ª
2 — Ajudante de fotogrametrista — formação escolar Período experimental — Trabalhadores efectivos
mínima ao nível do 9.º ano do ensino básico ou equivalente;
visão estereoscópica adequada. O período experimental dos técnicos de topografia terá
3 — Fotogrametrista auxiliar — formação escolar mí- a duração seguinte:
nima ao nível do 9.º ano do ensino básico ou equivalente. 90 dias para porta-miras, registador/medidor, ajudantes
Experiência de, pelo menos, dois anos como ajudante de de fotogrametrista, técnico auxiliar de topografia, fotogra-
fotogrametrista. Visão estereoscópica adequada. metristas auxiliares e revisores fotogramétricos;
4 — Registador/medidor — formação escolar mínima 180 dias para fotogrametristas, topógrafos, geómetras,
ao nível do 9.º ano do ensino básico ou equivalente. Expe- calculadores e cartógrafos.
riência de pelo menos três anos como porta-miras. Respon-
sabilidade por manuseamento e utilização de equipamento
muito sensível. SECÇÃO XXI
5 — Revisor fotogramétrico — formação escolar Técnicos de segurança e higiene do trabalho da construção
mínima ao nível do 9.º ano do ensino básico ou equiva-
lente. Experiência de, pelo menos, um ano na categoria de Cláusula 177.ª
fotogrametrista auxiliar. Visão estereoscópica adequada.
Condições específicas de admissão
6 — Técnico auxiliar de topografia — formação escolar
mínima ao nível do 9.º ano do ensino básico ou equiva- 1 — Podem ser admitidos como técnicos de segurança
lente. Experiência profissional de, pelo menos, dois anos e higiene do trabalho no sector da construção os trabalha-
como registador/medidor. Responsabilidade por utilização dores que, cumulativamente, reúnam as seguintes condi-
e manuseamento de aparelhagem sensível. ções:
7 — Fotogrametrista — formação escolar mínima ao
a) Técnicos superiores de segurança e higiene do tra-
nível do 9.º ano do ensino básico ou equivalente. Experiên- balho:
cia de, pelo menos, três anos na categoria de fotogrametrista
auxiliar. Visão estereoscópica adequada. Responsabilidade Estarem habilitados com curso de formação profissio-
pela utilização e manuseamento de aparelhagem sensível, nal de nível V que integre matéria específica do sector
designadamente todo o tipo de aparelhos restituidores da construção e dos riscos profissionais decorrentes da
utilizados na fotogrametria. actividade;
8 — Topógrafo — formação escolar mínima ao nível Serem titulares de CAP (certificado de aptidão profis-
do 12.º ano da via de ensino ou via profissionalizante ou sional), emitido pelas entidades com competência para o
formação escolar de nível superior, com conhecimento efeito.
de topografia. Curso de cartografia topografia do Serviço
Cartográfico do Exército e antigos cursos de topografia e b) Técnicos de segurança e higiene do trabalho:
agrimensura, ministrados nas ex-colónias. Responsabili- Estarem habilitados com curso de formação profissio-
dade pela utilização e manuseamento de aparelhagem de nal de nível III que integre matéria específica do sector
grande precisão, com utilização de diversos instrumentos da construção e dos riscos profissionais decorrentes da
ópticos e electrónicos. actividade;
9 — Geómetra — formação escolar específica de nível Serem titulares de CAP (certificado de aptidão profis-
superior, nomeadamente dos institutos politécnicos, ou sional), emitido pelas entidades com competência para o
diplomados na mesma área pelo Serviço Cartográfico do efeito.
Exército, bem como por outros organismos reconhecidos
oficialmente, não sendo as referidas habilitações exigidas Cláusula 178.ª
aos trabalhadores que desempenhem estas funções em 1 de
Março de 1997. Acessos
1 — O período de estágio do técnico de segurança
Cláusula 175.ª e higiene do trabalho é de um ano, findo o qual será pro-
Promoções e acessos
movido a técnico de segurança e higiene do trabalho
(grau I). Terá acesso ao grau II a seu pedido e mediante
1 — Os topógrafos distribuem-se por três graus. prova prestada no desempenho de funções ou por proposta
2 — O grau I é considerado como estágio, que terá a da empresa.
duração de três anos, excepto para os profissionais habi- 2 — O técnico superior de segurança e higiene do tra-
litados com o curso superior, que será de dois anos, findo balho será admitido no grau I, considerado como período
o qual será promovido a topógrafo de grau II. de estágio com a duração de um ano, em complemento

1649
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

da formação académica, findo o qual será promovido ao Cláusula 182.ª


grau II. Terá acesso ao grau III a seu pedido e mediante Lugares de subdirecção ou subchefia
prova prestada no desempenho de funções ou por proposta
da empresa. Nas categorias que integram os grupos I e II do anexo
IIIe que envolvem funções de direcção ou chefia podem
Cláusula 179.ª as empresas criar internamente lugares de subdirecção ou
subchefia.
Período experimental — Trabalhadores efectivos

1 — O período experimental dos técnicos superiores de ANEXO II


segurança e higiene do trabalho terá a duração de 180 dias,
Definições de funções
salvo quando ocuparem lugares de direcção ou chefia, que
será de 240 dias.
A — Cobradores
2 — O período experimental do técnico de segurança
e higiene do trabalho e do estagiário de técnico de segu- Cobrador. — É o trabalhador que procede, fora dos
rança e higiene do trabalho é, respectivamente, de 180 e escritórios, a recebimentos, pagamentos e depósitos,
90 dias. considerando-se-lhe equiparado o empregado de serviços
externos que efectua funções análogas relacionadas com o
escritório, nomeadamente de informações e fiscalização.
SECÇÃO XXII
Profissões comuns B — Comércio
Ajudante de fiel de armazém. — O trabalhador que
Cláusula 180.ª coadjuva o fiel de armazém e o substitui em caso de
Períodos experimentais/profissões impedimento.
comuns — Trabalhadores efectivos Caixa de balcão. — É o trabalhador que recebe
numerário em pagamento de mercadorias ou serviços no
Os períodos experimentais dos trabalhadores abrangidos comércio; verifica as somas devidas; recebe o dinheiro,
por esta secção terão a seguinte duração: passa um recibo ou bilhete, conforme o caso, regista estas
Auxiliar de limpeza e manipulação — 90 dias; operações em folhas de caixa e recebe cheques.
Auxiliar de montagens — 90 dias; Caixeiro. — É o trabalhador que vende mercadoria
Chefe de departamento — 180 dias; directamente ao público; fala com o cliente no local de
Chefe de secção — 180 dias; venda e informa-se do género de produtos que deseja;
Condutor manobrador de equipamentos indus- ajuda o cliente a efectuar a escolha do produto; anuncia o
triais — 120 dias; preço, cuida da embalagem do produto ou toma as medidas
Director de serviços — 240 dias; necessárias à sua entrega; recebe encomendas, elabora
Guarda — 90 dias; notas de encomenda e transmite-as para execução. É por
Jardineiro — 90 dias; vezes encarregado de fazer o inventário periódico das
Recepcionista — 90 dias; existências.
Caixeiro-ajudante. — É o trabalhador que estagia para
Servente — 90 dias;
caixeiro.
Subchefe de secção — 120 dias. Caixeiro-encarregado ou chefe de secção. — É o traba-
lhador que no estabelecimento ou numa secção do estabele-
SECÇÃO XXIII cimento se encontra apto a dirigir o serviço e o pessoal do
estabelecimento ou da secção; coordena, dirige e controla
Disposições comuns
o trabalho e as vendas.
Chefe de compras. — É o trabalhador especialmente
Cláusula 181.ª encarregado de apreciar e adquirir os artigos para uso e
Exames venda no estabelecimento.
Chefe de vendas. — É o trabalhador que dirige, co-
Os exames referidos nas cláusulas, destinando-se ex- ordena ou controla um ou mais sectores de vendas da
clusivamente a averiguar da aptidão do trabalhador para o empresa.
exercício das funções normalmente desempenhadas no seu Conferente. — É o trabalhador que verifica, controla e,
posto de trabalho, ocorrerão num prazo máximo de 30 dias eventualmente, regista a entrada e ou saída de mercadorias,
a contar do seu requerimento e serão efectuados por um instrumentos e materiais do armazém.
júri composto por dois elementos, um em representação Demonstrador. — É o trabalhador que faz demons-
dos trabalhadores, o qual será designado pelo delegado trações de artigos em estabelecimentos industriais, em
sindical ou, na sua falta, pelo sindicato respectivo, e ou- exposições ou no domicílio, antes ou depois da venda.
tro em representação da empresa. Em caso de desacordo Distribuidor. — É o trabalhador que distribui as mer-
insuperável dos membros do júri, poderão estes solicitar cadorias por clientes ou sectores de vendas.
um terceiro elemento ao centro de formação profissional Embalador. — É o trabalhador que acondiciona e ou
mais próximo, com a função de monitor da profissão em desembala produtos diversos por métodos manuais ou me-
causa, que decidirá. cânicos, com vista à sua expedição ou armazenamento.

1650
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Encarregado de armazém. — É o trabalhador que dirige Ajustador-montador de aparelhagem de elevação. — É


outros trabalhadores e toda a actividade de um armazém, o trabalhador que exclusiva ou predominantemente ajusta
responsabilizando-se pelo seu bom funcionamento. e monta peças para obtenção de dispositivos em geral,
Encarregado-geral. — É o trabalhador que dirige e utilizados para deslocar cargas, mas é especializado na
coordena a acção de dois ou mais caixeiros-encarregados ajustagem e montagem de gruas, guindastes, pontes ro-
e ou encarregados de armazém. lantes, diferenciais, outros dispositivos similares, o que
Fiel de armazém. — É o trabalhador que superintende requer conhecimentos específicos.
nas operações de entrada e saída de mercadorias e ou Apontador. — É o trabalhador que executa folhas de
materiais; executa ou fiscaliza os respectivos documen- ponto e de ordenados e salários da obra, o registo de entra-
tos; responsabiliza-se pela arrumação e conservação das das, consumos e saídas de materiais, ferramentas e máqui-
mercadorias e ou materiais; examina a concordância nas e, bem assim, o registo de quaisquer outras operações
entre as mercadorias recebidas e as notas de encomenda, efectuadas nos estaleiros das obras ou em qualquer estaleiro
recibos ou outros documentos e toma nota dos danos e da empresa.
perdas; orienta e controla a distribuição de mercadorias Armador de ferro. — É o trabalhador que exclusiva ou
pelos sectores da empresa, utentes ou clientes; comunica predominantemente executa e coloca as armaduras para
os níveis de stocks; promove a elaboração de inventários betão armado a partir da leitura do respectivo desenho em
e colabora com o superior hierárquico na organização estruturas de pequena dimensão.
material do armazém. Arvorado. — É o trabalhador que possuindo conheci-
Inspector de vendas. — É o trabalhador que inspecciona mentos técnicos de mais do que uma profissão comuns à
o serviço dos vendedores caixeiros-ajudantes e de praça; actividade de construção civil chefia e coordena em peque-
visita os clientes e informa-se das suas necessidades; nas obras várias equipas da mesma ou diferentes profissões.
recebe as reclamações dos clientes, verifica a acção dos Na actividade em obra procede à leitura e interpretação
seus inspeccionados pelas notas de encomenda, ausculta- de desenhos e às respectivas marcações sendo igualmente
ção da praça, programas cumpridos, etc. responsável pelo aprovisionamento da mesma.
Praticante. — É o trabalhador com menos de 18 anos Assentador de aglomerados de cortiça. — É o traba-
de idade que no estabelecimento está em regime de apren- lhador que exclusiva ou predominantemente assenta
dizagem. revestimentos de cortiça e seus derivados.
Promotor de vendas. — É o trabalhador que, actuando Assentador de isolamentos térmicos e acústicos. — É o
em pontos directos e indirectos de consumo, procede no trabalhador que executa a montagem em edifícios e outras
sentido de esclarecer o mercado com o fim específico de instalações de materiais isolantes com o fim de regularizar
incrementar as vendas da empresa. temperaturas e eliminar ruídos.
Prospector de vendas. — É o trabalhador que verifica as Assentador de revestimentos. — É o trabalhador que
possibilidades do mercado nos seus vários aspectos e pre- assenta revestimentos diversos, tais como papel, alcatifas,
ferências, poder aquisitivo e solvabilidade, estuda os meios plásticos e equiparados.
eficazes de publicidade de acordo com as características do Assentador de tacos. — É o trabalhador que exclusiva
público a que os produtos se destinam, observa os produtos ou predominantemente executa betumilhas e assenta tacos
quanto à sua aceitação pelo público e a melhor maneira de (ladrilhos de madeira) em pavimentos.
os vender. Pode eventualmente organizar exposições. Auxiliar menor. — É o trabalhador sem qualquer espe-
Vendedor. — É o trabalhador que, predominantemente cialização profissional com idade inferior a 18 anos.
fora do estabelecimento, solicita encomendas, promove e Batedor de maço. — É o trabalhador que exclusiva ou
vende mercadorias por conta da entidade patronal. Trans- predominantemente ajuda o calceteiro, especialmente nos
mite as encomendas ao escritório central ou delegações a acabamentos de calçadas.
que se encontre adstrito e envia relatórios sobre as transac- Cabouqueiro ou montante. — É o trabalhador que
ções comerciais que efectuou. Pode ser designado de: exclusiva ou predominantemente realiza trabalhos de des-
monte e preparação de pedras nas pedreiras e nas obras.
a) Viajante. — Quando exerce a sua actividade numa
Calceteiro. — É o trabalhador que exclusiva ou pre-
zona geográfica determinada fora da área definida para o
dominantemente procede ao revestimento e reparação de
caixeiro de praça;
pavimentos, justapondo e assentando paralelepípedos,
b) Pracista. — Quando exerce a sua actividade na área
cubos ou outros sólidos de pedra, utilizando as ferramen-
onde está instalada a sede da entidade patronal e concelhos
tas apropriadas para o efeito. Pode ainda formar motivos
limítrofes;
decorativos, por assentamento e justaposições de pedra,
c) Caixeiro de mar. — Quando se ocupa do forneci-
de vária natureza, tais como: caravelas, flores, etc. Estuda
mento para navios.
os desenhos e procede aos alinhamentos e marcações ne-
cessários para enquadramento do molde.
Vendedor especializado ou técnico de vendas. — É o Canteiro. — É o trabalhador que exclusiva ou predo-
trabalhador que vende mercadorias cujas características e minantemente executa e assenta cantarias nas obras ou
ou funcionamento exijam conhecimentos especiais. oficinas.
Capataz. — É o trabalhador designado de um grupo de
C — Construção civil e obras públicas
indiferenciados para dirigir os mesmos.
Afagador-encerador. — É o trabalhador que desbasta, Carpinteiro de limpos. — É o trabalhador que predomi-
afaga, betuma, dá cor, encera, enverniza e limpa pavimen- nantemente trabalha em madeiras, incluindo os respectivos
tos de madeira. acabamentos no banco de oficina ou na obra.

1651
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

Carpinteiro de tosco ou cofragem. — É o trabalhador Encarregado fiscal ou verificador de qualidade. — É


que exclusiva ou predominantemente executa e monta o trabalhador que mediante caderno de encargos verifica
estruturas de madeira em moldes para fundir betão. a execução da obra.
Carregador-catalogador. — É o trabalhador que pre- Encarregado geral. — É o trabalhador que, possuindo
dominantemente colabora no levantamento, transporte e conhecimentos técnicos sobre actividades extra e comuns
arrumação de peças fabricadas e cataloga-as; procede ao à actividade de construção civil, chefia uma obra de grande
carregamento e descarregamento de viaturas e informa das dimensão e complexidade ou coordena simultaneamente
respectivas posições. várias obras. Além das tarefas inerentes à categoria pro-
Chefe de equipa. — É o profissional que, executando fissional de encarregado de 1.ª, é responsável pelo plane-
tarefas da sua especialidade, quando incumbido chefia um amento, gestão e controlo de obras.
conjunto de trabalhadores da mesma profissão e outros Enformador de pré-fabricados. — É o trabalhador que
indiferenciados. obtém elementos de alvenaria, tais como paredes, lajes e
Chefe de oficina. — É o trabalhador que exerce funções componentes para escadas por moldação em cofragens
de direcção e chefia das oficinas da empresa. metálicas, onde dispõe argamassas, tijolos, outros materiais
Cimenteiro. — É o trabalhador que executa trabalhos e vários acessórios, segundo as especificações técnicas
recebidas.
de betão armado, incluindo, se necessário, as respectivas
Entivador. — É o trabalhador que exclusiva ou pre-
cofragens, as armaduras de ferro e manipulação de dominantemente executa entivações e escoramentos de
vibradores. Eventualmente pode manobrar equipamentos terrenos, quer em céu aberto quer em galerias ou poços.
relacionados com o desempenho da sua função. Espalhador de betuminosos. — É o trabalhador que
Condutor-manobrador de equipamento de marcação exclusiva ou predominantemente rega ou espalha betu-
de estradas. — É o trabalhador que a partir da leitura de minosos.
desenhos/plantas determina os locais a pintar e procede à Estucador. — É o trabalhador que trabalha em esboços,
respectiva pré-marcação. Conduz e opera o equipamento estuques, lambris e respectivos acabamentos.
accionando e regulando o mesmo, de modo a efectuar Fingidor. — É o trabalhador que exclusiva ou predomi-
correctamente os trabalhos de sinalização horizontal de nantemente imita com tintas madeira ou pedra.
estradas ou pistas. Impermeabilizador. — É o trabalhador que exclusiva
Controlador. — É o trabalhador que tem a seu cargo ou predominantemente executa trabalhos especializados
o controlo de rendimento da sua produção e comparação de impermeabilização, procedendo também ao fecho das
deste com o previsto, devendo saber interpretar desenhos juntas.
e fazer medições em obras. Ladrilhador ou azulejador. — É o trabalhador que
Controlador de qualidade. — É o trabalhador que exclusiva ou predominantemente executa assentamentos
dá assistência técnica na oficina às operações de pré- de ladrilhos, mosaicos, azulejos ou similares.
-fabricação de elementos de alvenaria ou outros, realiza Marmoritador. — É o trabalhador que exclusiva ou pre-
inspecções versando sobre a qualidade do trabalho exe- dominantemente executa revestimentos com marmorite.
cutado e controla a produtividade atingida; interpreta de- Marteleiro. — É o trabalhador que com carácter exclu-
senhos e outras especificações referentes aos elementos sivo manobra martelos, perfuradoras ou demolidores, de
de que se ocupa; submete-os a exames minuciosos em acordo com especificações verbais ou desenhadas.
determinados momentos do ciclo de fabrico, servindo-se Mineiro. — É o trabalhador que predominantemente
de instrumentos de verificação e medida ou observando realiza trabalhos de abertura de poços ou galerias.
a forma de cumprimento das normas de produção da em- Montador de andaimes. — É o trabalhador qualificado,
presa; regista e transmite superiormente todas as anomalias capaz de efectuar, de forma autónoma e com competência,
constatadas a fim de se efectivarem correcções ou apurarem todos os trabalhos relativos à montagem, modificação e
responsabilidades. desmontagem de andaimes em tubos metálicos e outros
Encarregado de 1.ª — É o trabalhador que além de andaimes homologados em estaleiros ou edifícios.
possuir conhecimentos técnicos de todas as tarefas comuns Participa na organização do estaleiro e na sua segu-
rança.
às profissões do sector detém conhecimentos genéricos de
Participa nos trabalhos de medição e de planificação das
actividades extra construção civil, nomeadamente sobre operações para a montagem, a modificação e desmontagem
instalações especiais. Além das tarefas inerentes à catego- dos andaimes. Controla o equipamento e escolhe elementos
ria de encarregado de 2.ª, exerce o controle de trabalhos de montagem, tubos e guarnições e outros elementos auxi-
a mais e a menos e controla a qualidade e quantidade das liares e materiais. Desenha esboços simples e lê planos de
actividades próprias e de subempreiteiros. construção. Efectua trabalhos a fim de assegurar um apoio
Encarregado de 2.ª — É o trabalhador que possuindo e uma ancorarem de andaimes de trabalhos, de protecção
conhecimentos de todas as tarefas comuns à actividade e de suporte. Monta, modifica e desmonta andaimes de
de construção civil chefia uma frente de trabalho ou obra trabalho, de protecção e de suporte, recorrendo a elementos
de pequena dimensão e reduzida complexidade técnica. de montagem, tubos e guarnições. Monta, modifica e des-
No decurso da obra procede à leitura e interpretação de monta andaimes cantile-ver, andaimes de tecto, suspensos
desenhos e às respectivas marcações bem como ao apro- e outros sistemas de andaimes homologados. Monta e
visionamento da mesma. Responsabiliza-se pela organi- desmonta aparelhos de elevação.
zação de estaleiros de obra e pela gestão de equipamentos. Coloca, fixa e retira revestimentos de protecção nos
Controla o fabrico de materiais em obra e a qualidade dos andaimes. Opera e efectua a manutenção dos elementos do
materiais de construção. andaime, das ferramentas e aparelhos utilizados. Regista

1652
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

os dados técnicos e relata sobre o desenrolar do trabalho Técnico administrativo de produção. — É o trabalha-
e os resultados do mesmo. dor que, para além das tarefas próprias dos apontadores,
Montador de caixilharia. — É o trabalhador que executa executa outras tarefas, de carácter administrativo, que
unicamente trabalhos relacionados com a montagem de variam consoante a natureza e importância da obra ou
caixilhos, janelas e portas em madeira, alumínio ou PVC estabelecimento onde trabalha, nomeadamente: redige
sem que tenha de proceder a qualquer modificação nos relatórios, cartas e outros documentos relativos à obra ou
elementos, com excepção de pequenos acertos. estabelecimento, manualmente ou à máquina, dando-lhes
Montador de casas pré-fabricadas. — É o trabalhador o seguimento apropriado; examina a correspondência
que procede à montagem de casas pré-fabricadas e aos tra- recebida, classifica-a e compila os dados necessários para
balhos inerentes à sua implantação e execução integral. as respostas; organiza ficheiros de guias de remessa de
Montador de cofragens. — É o trabalhador que em obra materiais, máquinas e ou equipamentos, para posterior con-
efectua operações de manobra, acerto, aprumo e ajuste de ferência e classificação das respectivas facturas; prepara e
moldes de outros elementos que constituirão as cofragens codifica elementos de input para tratamento informático;
metálicas, de madeira ou mistas recuperáveis e estandardi- participa na conferência e análise de outputs, podendo
zadas, onde vai ser fundida a alvenaria de betão, utilizando elaborar dados estatísticos (indicadores de gestão) para
ferramentas manuais e mecânicas. informação da direcção; responde pelo preenchimento de
Montador de elementos pré-fabricados. — É o trabalha- formulários oficiais, para obtenção de licenças exigidas
dor que colabora na deposição, nivela, apruma, implanta pela obra (tapumes, ocupações em via pública, tabuletas,
e torna solidários por amarração e betumarem os vários ligações às redes, etc.) procedendo ao resgate dos respec-
elementos pré-fabricados com que erige edificações, para tivos depósitos, findos os trabalhos, efectua as operações
o que utiliza esteios, níveis, prumos e pilões. inerentes ao controlo, manutenção e reparação do equi-
Montador de estores. — É o trabalhador que exclusiva pamento administrativo à carga da obra; supervisiona na
ou predominantemente procede montagem de estores. montagem, funcionamento e manutenção das instalações
Montador de material de fibrocimento. — É o trabalha- sociais da obra ou estaleiro, designadamente casernas,
dor que exclusiva ou predominantemente, independente- sanitários, refeitórios e cozinhas, zelando pelo respectivo
mente ou em grupo, prepara e aplica quer tubos quer chapas equipamento; elabora processos de instrução preliminar,
de fibrocimento, regendo-se pelas directrizes que lhe são no âmbito do exercício do poder disciplinar da empresa.
transmitidas e pela leitura de desenhos. Executa os traba- Para além das tarefas acima descritas, pode coordenar,
lhos inerentes à montagem de material de fibrocimento e dirigir e controlar o trabalho dos apontadores da obra ou
seus acessórios e orienta o pessoal de serventia. estabelecimento.
Montador de pré-esforçados. — É o trabalhador que Técnico de obra/condutor de obra. — É o trabalhador
arma e instala, em construções civis ou obras públicas, que identifica o projecto, o caderno de encargos e plano de
vigas, asnas e outros elementos estruturais de betão trabalho da obra e determina a sequência das diversas fases
armado, aplicando-lhes, por meio de cabos de aço, as ten- de construção. Identifica os materiais de construção e tem
sões previamente especificadas, para o que utiliza equipa- conhecimento das técnicas e da sua aplicação. Organiza
mento apropriado. o estaleiro, mede os trabalhos realizados, determina os
Oficial de vias férreas. — É o trabalhador que, manu- tempos e orçamenta trabalhos de construção civil.
seando os equipamentos ligeiros e as ferramentas adequa- Técnico de obra estagiário. — É o trabalhador que ao
das, executa, manual ou mecanicamente, todas as tarefas nível da função exigida faz tirocínio para ingresso na
específicas da actividade de construção e manutenção categoria de técnico de obra. A partir de orientações dadas,
de infra-estruturas ferroviárias, assegurando, sempre executa trabalhos auxiliares, coadjuvando os técnicos.
que necessário, a vigilância da mesma e a protecção dos Técnico de recuperação. — É o trabalhador que identi-
trabalhos. Dá ainda apoio na operação das máquinas pe- fica os problemas subjacentes à área a restaurar (azularia,
sadas de via. Poderá executar as tarefas de «piloto de via cantaria, estuques, pintura mural). Propõe metodologias de
interdita». intervenção e seu faseamento; identifica materiais e equi-
Oficial principal. — É o trabalhador que executa tarefas pamentos e estabelece o respectivo orçamento e prazos a
inerentes à sua profissão, a quem se reconhece um nível de cumprir, tendo em vista restaurar e manufacturar, podendo
conhecimentos e polivalência superior às exigíveis para o gerir pequenas equipas.
oficial de 1.ª, podendo, em obras de pequena dimensão, ter Técnico de recuperação estagiário. — É o trabalhador
a seu cargo um ou mais trabalhadores indiferenciados. que executa sob orientação do técnico de recuperação, con-
Pedreiro. — É o trabalhador que exclusiva ou predomi- soante os graus, funções de diferentes níveis de dificuldade,
nantemente aparelha pedra em grosso e executa alvenarias quer no que concerne ao conhecimento dos materiais quer
de tijolo, pedra ou blocos; pode também fazer assenta- no adestramento manual e de utilização dos equipamentos
mentos de manilhas, tubos ou cantarias, rebocos e outros em estaleiro/oficina.
similares ou complementares. Tractorista. — É o trabalhador que exclusiva ou predo-
Pintor. — É o trabalhador que predominantemente pre- minantemente conduz e manobra todos os tractores.
para e executa qualquer trabalho de pintura em oficina e Trolha ou pedreiro de acabamentos. — É o trabalhador
nas obras, podendo eventualmente assentar vidros. que exclusiva ou predominantemente executa alvenarias
Pintor decorador. — É o trabalhador que exclusiva de tijolos ou blocos, assentamentos de manilhas, tubos,
ou predominantemente executa decorações de tinta sobre mosaicos, azulejos, rebocos, estuques e outros trabalhos
paredes ou tectos de qualquer espécie. similares ou complementares.
Sondador. — É o trabalhador que exclusiva ou predomi- Vibradorista. — É o trabalhador que predominante-
nantemente manobra sondas e faz recolha de amostras. mente homogeneíza e compacta massas de betão fresco

1653
Boletim do Trabalho e Emprego, n.o 17, 8/5/2010

incorporado em elementos constituintes de obras públicas, dos materiais e equipamentos, podendo controlar a sua
transmitindo vibrações ao material por meio de dispositivos aquisição; elabora propostas técnico-comerciais de acordo
mecânicos que maneja. Quando não haja trabalho da sua com os cadernos de encargos, orienta os trab