Você está na página 1de 21

Veritas

Revista de Filosofia da PUCRS


e-ISSN 1984-6746

Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406

http://dx.doi.org/10.15448/1984-6746.2016.2.21864

Varia

A concepção fenomenológica de
verdade como elemento motivador da
“virada idealista” Husserliana*
The phenomenological conception of truth as a
seminal element of the Husserlian “idealistic turn”
**Juliana Missaggia

Resumo: Este artigo analisa o papel da concepção fenomenológica


de verdade para a chamada “virada idealista” no pensamento
husserliano. Embora normalmente não se leve em consideração a
noção de verdade como elemento motivador nessa transformação da
fenomenologia, pretendo demonstrar que se trata de uma das razões
centrais para tal modificação. Para tanto, analiso também uma série de
questões fundamentais para a compreensão do conceito de verdade na
fenomenologia de Husserl, muitas vezes causadoras de interpretações
equivocadas: as noções de intenção significativa, intenção intuitiva e
evidência; a originalidade de tais conceitos em relação à concepção
de verdade como correspondência e os diferentes tipos de verdade no
pensamento husserliano, os quais mantêm uma coerência interna a
despeito de suas particularidades.
Palavras-chave: Fenomenologia. Husserl. Verdade. Evidência. Idealismo.
Abstract: This paper analyzes the role played by the phenomenological
conception of truth in Husserl’s “idealistic turn”. In the context of his
transformation of phenomenology, I argue that, while usually neglected
in its seminal character, Husserl’s conception of truth is indeed crucial
to understanding the changes underwent by his philosophy. To that
end, I delve into a key set of issues – namely, the notions of meaningful
intention, intuitive intention and evidence; the originality of those
concepts as compared to the conception of truth as correspondence, as
well as the different types of truth in Husserl’s thought – all of which
share a certain internal coherence, despite each one’s specificities.
Keywords: Phenomenology. Husserl. Truth. Evidence. Idealism.

** Esse artigo é fruto de uma pesquisa que contou com o apoio do CNPq e da CAPES-PDSE.
** Doutora em Filosofia pela PUCRS, professora de Filosofia da Universidade Católica de
Pernambuco. <jumissaggia@gmail.com>.
Este artigo está licenciado sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite
uso irrestrito, distribuição e reprodução em qualquer meio, desde que a publicação original seja corretamente citada.
http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR
J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

A questão sobre as razões da “virada idealista”


na filosofia husserliana

A pós a publicação de sua importante obra de 1901, Logische


Untersuchungen, que recebeu diversas críticas devido ao seu
suposto psicologismo, Husserl passa por uma revisão de sua filosofia que
resulta na chamada “virada idealista” da fenomenologia. Tal modificação
de seu pensamento, surpreendente mesmo para alguns alunos próximos,
é ainda hoje objeto de estudo e polêmica entre intérpretes. A opiniões se
dividem tanto no que diz respeito ao que teria motivado o filósofo, como
também no que concerne ao modo como devemos entender o “idealismo”
por ele proposto.
Embora o debate em torno da “virada idealista” na filosofia husserliana
tenha surgido a partir do primeiro volume de Ideen1 (1913), Husserl
não chega a nomear sua filosofia como “idealista” nessa obra, mas
desenvolve ali todas as bases daquilo que depois define como “idealismo
transcendental” (transzendentaler Idealismus)2. Usualmente, considera-se
que as razões principais da passagem para o idealismo seriam sobretudo
a falha do projeto fenomenológico realista, tal como desenvolvido em
Logische Untersuchungen, e a tentativa de estabelecer definitivamente
a fundamentação última como base da filosofia.
Uma figura exemplar em torno desse debate é Roman Ingarden.
O filósofo polonês desenvolveu estudos interessantes desde uma
abordagem realista para a fenomenologia, tendo sido um dos alunos
de Husserl que mais fortemente se opôs à “virada idealista”. Ingarden
criticou, desde um ponto de vista fenomenológico, diversos aspectos do
projeto desenvolvido por seu professor a partir de Ideen I, questionando
também quais teriam sido as razões que motivaram tal mudança. A
leitura de Ingarden é fundamental, além disso, por ter sido um dos
primeiros a analisar e objetar o projeto husserliano idealista influenciando
amplamente interpretações “tradicionais” do idealismo transcendental,
assim como diversas críticas a Husserl.
A proximidade entre os dois filósofos era grande, como atesta o amplo
material disponível de correspondência entre eles, porém a divergência
em relação ao tema realismo/idealismo permaneceu como um tópico
de disputa jamais resolvido. Como comenta Ingarden, a respeito de um

1
Ideen zu einer reinen Phänomenologie und phänomenologischen Philosophie. Erstes Buch:
Allgemeine Einführung in die reine Phänomenologie, doravante “Ideen I”.
2
O termo é usado seguidamente principalmente a partir de 1915, e aparece em diversas obras,
como Die Krisis der europäischen Wissenschaften und die transzendentale Phänomenologie:
Eine Einleitung in die phänomenologische Philosophie, Cartesianische Meditationen e Formale
und transzendentale Logik.

Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406 387


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

encontro com Husserl em 1928: “Durante minha estadia em Freiburg


jamais havíamos falado sobre isso. Mas agora Husserl me disse, ainda
que brevemente: (...) “o senhor ainda verá que o idealismo transcendental
é a única solução possível”3.
Ingarden entende que, no período de Logische Untersuchungen o
pensamento husserliano era fundamentalmente realista, mas que uma
série de fatores levaram o filósofo a assumir uma postura explicitamente
idealista anos depois. O autor afirma, no entanto, que essa mudança
drástica de posição filosófica não se deu da noite para o dia, mas sim foi
resultado de um processo que durou mais de dez anos e que envolveu a
dificuldade de lidar com algumas questões fundamentais, entre as quais
a concepção de filosofia como uma ciência rigorosa e a busca por um
método particular para a fundamentação última de tal ciência4.
Embora esteja de acordo que as razões normalmente apontadas como
motivadoras da virada idealista sejam de fato elementos importantes,
pretendo demonstrar, a partir de leituras mais recentes e à luz dos novos
textos publicados, que a concepção fenomenológica de verdade é uma
das razões centrais para tal transformação no pensamento husserliano.
Uma boa compreensão disso, no entanto, pressupõe em primeiro lugar
encontrar uma interpretação adequada para o conceito fenomenológico
de verdade, assim como estabelecer em que medida tal noção se manteve
ou não ao longo do desenvolvimento da filosofia de Husserl.

Intenção significativa, intenção intuitiva e evidência


O conceito de verdade da filosofia husserliana está relacionado, em
primeiro lugar, com as noções de intuição (Anschauung) e evidência
(Evidenz). Tais conceitos, que Husserl desenvolveu mais detidamente
em Logische Untersuchungen, causam dificuldade justamente pela sua
amplitude que dá margem para equivocidade. De fato, em alguns de seus
escritos, Husserl usa a expressão “intuição” sem uma prévia e precisa
definição, embora no interior da própria noção faça diferenciações,
tais como intuição “adequada” ou “inadequada”, intuição empírica
(empirische Anschauung) e intuição de essência (Wesensanschauung)
(Ideen I, §3). Como aponta Hintikka5, ainda que muitas vezes os intérpretes
partam do princípio de que a intuição na fenomenologia seria próxima
ao conceito kantiano, na verdade, em um sentido primário, intuição diria
respeito a conhecimentos imediatos de qualquer tipo.

3
INGARDEN, Roman. Meine Erinnerungen an Edmund Husserl, p. 159.
4
INGARDEN, Roman. On the motives which led Husserl to transcendental idealism, p.1-2.
5
HINTIKKA, Jaakko. The notion of intuition in Husserl, p. 60.

388 Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

A noção de intuição, de fato, é por vezes conceituada de maneira


bastante geral – como em Erfahrung und Urteil –, enquanto um “ver”
e “experienciar” de objetos no modo como eles se mostram 6. Em
Logische Untersuchungen 7 Husserl distingue diferentes tipos de
intuição e esclarece o termo a partir do contraste entre dois modos
de atos intencionais, a intenção significativa e a intenção intuitiva.
Tal distinção permite evidenciar a diferença entre dois conceitos
fundamentais na fenomenologia husserliana: intenção e intuição. Em
poucas palavras, a intenção (Intention) é qualquer ato que envolve o
dirigir-se para algo ou a apreensão de algo enquanto uma coisa que
possui determinado significado, independentemente da existência ou
não desse algo para além do próprio ato intencional significativo. A
intuição (Anschauung), por outro lado, envolve a presença do objeto
visado no ato8.
Assim, a intenção significativa (signitive Intention) diz respeito
a esse ato intencional no qual o objeto visado não está presente em
“carne e osso” (leibhaftig), ou seja, não há uma referência preenchida
pela presença do objeto, mas apenas uma referência vazia, ainda que
dotada de alguma significação particular. Não há nenhuma imagem ou
percepção atual do objeto da intenção. A intenção intuitiva, por outro lado,
envolve não apenas uma significação pela qual a coisa é tomada, mas
também a presença direta do objeto visado, como no caso das intenções
perceptivas. Desse modo, a intuição é uma intenção particular na qual
o objeto se mostra à consciência “em pessoa”. Como esclarece Husserl:
“A intenção significativa apenas aponta para o seu objeto, enquanto que
a intenção intuitiva o traz em presença”9.
A esses dois tipos de atos intencionais, estão conectadas diferentes
noções: a intuição é uma intenção que se dá no modo da plenitude (Fülle)
e do preenchimento (Erfüllung), pois trata de um objeto particular que
está presente para o ato. A intenção significativa, no entanto, é uma
referência vazia (Leermeinen), já que significa mas não refere a algo
particular presente para o ato. Essa diferença fica clara se pensarmos
nas diversas expressões de nosso discurso cotidiano que não remetem
a nenhum objeto em particular mas que, ainda assim, significam algo
para nós.
Husserl ressalta que a distinção entre intenções significativas e
intuitivas não é algo sutil: não é o caso da defasagem entre a presença
clara ou obscura de um objeto – isso, como detalharemos a seguir,
6
HUSSERL, Edmund. Erfahrung und Urteil, p. 421.
7
HUSSERL, Edmund. Logische Untersuchungen, VI, §21, Hua 19/1, p. 606-608.
8
Cf. DRUMMOND, John J. Historical dictionary of Husserl’s philosophy, p. 110.
9
HUSSERL, Edmund. Logische Untersuchungen, VI, §21, Hua 19/1, p. 607.

Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406 389


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

ocorre internamente ao campo da própria intuição. Trata-se, na verdade,


de intenções de naturezas desiguais. Como exemplifica o filósofo, na
“transição de uma intenção significativa para a intuição correspondente
experienciamos não apenas um mero aumento, como na mudança de uma
imagem desbotada ou um mero esboço para uma pintura plenamente
vivaz”10, o que ocorre é antes uma mudança essencial na intenção
como no caso da mera referência de uma pintura nunca antes vista a
qual a pessoa só conhece pelo nome, para o posterior preenchimento
da intenção pela presença da própria pintura, quando a pessoa tem
acesso à obra.
A importância dessa diferença e sua relação com o conhecimento fica
manifesta diante da necessidade de encontrar um critério para definir o
que é verdadeiro e falso. Husserl encontra tal critério a partir da noção
de evidência (Evidenz), que diz respeito justamente à possibilidade de
preenchimento adequado do ato intencional, à intuição preenchida. Um
ato intencional envolve evidência quando aquilo que é intencionado no
ato significativo está em total correspondência com o que é dado; quando,
portanto, o preenchimento é apropriado:

[Na evidência] o objeto não é apenas significado, mas em sentido estrito


ele é dado, e dado tal como é significado (...). A própria evidência é um
ato do tipo mais perfeito de correspondência. Como toda identificação,
ela é um ato objetificante, sendo o seu correlato objetivo ser no sentido
da verdade, ou simplesmente verdade (...)11.

Assim, há uma relação direta entre evidência e verdade, pois sendo


evidente um ato onde há perfeita correspondência entre aquilo que é
apreendido significativamente e aquilo que é dado “em pessoa”, será
esse o critério para determinar o que é verdadeiro e, portanto, o que
pode propriamente ser tomado como conhecimento. Além disso, Husserl
se refere, na passagem citada, à evidência como um ato objetivante
(objektivierender Akt). Esses dizem respeito a todo ato que faz referência
a um objeto, que presenta algo enquanto algo objetivo, de modo que
inclui tanto atos predicativos, como pré-predicativos, seja um ato nominal
(que dá nome a um objeto), seja um julgamento ou uma percepção. Não
objetivante são todos os atos nos quais não há referência direta ao objeto,
mas antes tratam da maneira pela qual o objeto é dado, como desejos e
sentimentos12.
10
Ibidem.
11
HUSSERL, Edmund. Logische Untersuchungen, VI, §38, Hua 19/1, p. 651. Ver também
HUSSERL, Edmund. Cartesianische Meditationen, §26, Hua 1, p. 95.
12
HUSSERL, Edmund. Logische Untersuchungen, V, §37, Hua 19/1, p. 496-499.

390 Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

Reformulando algumas análises de Brentano, Husserl sustenta que


todo ato ou é objetivante ou baseia-se em um tal tipo de ato13. Além
disso, os atos objetivantes podem tanto ser posicionais (setzender Akt)
ou não posicionais, no caso dos primeiros o objeto é visado como algo
que existe (como nas percepções e memórias), no caso dos segundos,
não há referência à sua existência (como nas fantasias), e o objeto pode
ser tomado como uma mera presença. A evidência, portanto, é um ato
no qual necessariamente há a presença de algo enquanto algo objetivo,
entendendo por “objetivo” não apenas um objeto individual, mas
também um estado de coisas (Sachverhalt), isto é, o correlato ou o objeto
intencional de determinado ato de intencionalidade.

A originalidade dos conceitos de evidência e verdade


É importante observar que essas análises sobre os critérios para o
conhecimento verdadeiro, embora desenvolvidas mais amplamente no
período de Logische Untersuchungen, são mantidas e aperfeiçoadas
na chamada fase da virada “idealista” de Husserl, quando o filósofo
reitera a necessidade de encontrar na evidência o “princípio de todos
os princípios” que serve de fundamento para o conhecimento seguro,
agora reforçada pela noção de intuição pura, coerente com o ponto de
partida da redução fenomenológica: “é preciso manter-se fiel ao ‘princípio
de todos os princípios’, segundo o qual a clareza perfeita é medida da
verdade”14. De fato, não haveria qualquer outro critério possível para
distinguir o verdadeiro do falso senão a própria noção de evidência e
é a partir dessa base que o conhecimento fenomenológico deve ser
desenvolvido:

13
“(...) Husserl afirma que a tese de Franz Brentano de que todo ato é ou uma presentação
ou fundado em uma presentação é reinterpretada com a afirmação de que toda experiência
intencional é ou um ato objetificante ou fundado em um ato objetificante” (DRUMMOND, John
J. Historical dictionary of Husserl’s philosophy, p. 149). Ver BRENTANO, Franz. Psychologie
vom empirischen Standpunkte, p. 104-115.
14
HUSSERL, Edmund. Ideen I, §78, p. 151 e 174. Nas Meditações Cartesianas, Husserl
define evidência do seguinte modo: “evidência (...) designa o modo de consciência bem
preeminente da autoaparição, do apresentar-se a si próprio, do dar-se a si próprio de
uma coisa, de um estado de coisas, de uma generalidade, de um valor, etc., no modo
final do ele próprio aí, imediata, intuitiva e originalmente dado” (HUSSERL, Edmund.
Cartesianische Meditationen, §24, p. 92-94). Observação sobre traduções: para a citação das
obras de Husserl utilizamos, geralmente, o nome reduzido do livro (“Krisis”, por exemplo),
seguido da paginação no original e, quando disponível, da página correspondente na
tradução em língua portuguesa, a qual citamos. Eventualmente alteramos a tradução,
casos nos quais acrescentamos “t.a.”, “tradução alterada”. Nas obras utilizadas para
as quais não há tradução em nosso idioma, a tradução citada é de nossa responsa-
bilidade.

Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406 391


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

É preciso frisar que nosso reiterado recurso à clareza intuitiva (evidência, isto
é, intuição), não é, aqui como em parte alguma, uma mera frase, mas exprime (...)
o recuo àquilo que há de último em todo conhecimento, exatamente como
se fala de evidência nos axiomas lógicos e aritméticos mais primitivos15.

Algo a ser destacado, porém, é que evidência nada tem a ver com
qualquer espécie de “sentimento” de que algo é verdadeiro. Husserl
é bastante claro em afastar da noção de evidência qualquer traço de
psicologismo, de modo que não podemos conectar à noção de evidência
o mero sentimento subjetivo. De fato, se dependermos de estados
psicológicos subjetivos como critério para determinar o verdadeiro
do falso, necessariamente cairemos em contradições, pois um mesmo
ato intencional pode nos despertar sentimentos de dúvida ou certeza
dependendo de fatores exclusivamente subjetivos e cambiantes, como
nosso estado emocional. Husserl descreve as obscuridades metodoló-
gicas a serem evitadas:

Fala-se, é verdade, em evidência, mas em vez de colocá-la, como


evidência, em relações de essência com o ver habitual, recorre-se a um
‘sentimento de evidência’, que, como um index veri místico, empresta
ao juízo uma coloração emotiva. Tais apreensões são possíveis somente
enquanto ainda não se aprendeu a analisar os tipos de consciência em
visão pura e na forma de essências, em vez de fazer, de cima para baixo,
teorias a respeito deles. Esses supostos sentimentos de evidência, de
necessidade do pensar e como quer que ainda possam ser chamados,
não passam de sentimentos inventados teoricamente16.

Será também com base na noção de evidência que Husserl irá criticar
a posição cética, uma vez que essa necessariamente cai em contradição
ao tentar refutar a possibilidade de conhecimento apelando justamente
para argumentos baseados no próprio critério de evidência, enquanto
único meio possível para determinar o verdadeiro e distingui-lo do
falso. No debate com o cético, não é o caso de discutir e contrastar duas
concepções distintas de verdade, mas sim a impossibilidade mesma
do debate, uma vez que o interlocutor ao mesmo tempo utiliza e nega a
capacidade fundamental que se encontra na base de qualquer noção de
verdade: a possibilidade de distinguir algo como claro e evidente.
Isso não significa, porém, que a concepção de conhecimento na
fenomenologia apele para um rigor tal que apenas axiomas lógicos
sejam tomados como verdadeiros. De fato, há graus de evidência mais

HUSSERL, Edmund. Ideen I, §79, p. 157, p. 180.


15

Ibidem, §21, p. 39, p. 65. O filósofo reitera o mesmo em outras obras, como Einleitung in die
16

Logik und Erkenntnistheorie (Hua 24, p. 156) e Die Idee der Phänomenologie (Hua 2, p. 59).

392 Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

e menos “seguros”, e faz parte do modo mesmo como conhecemos


que determinados objetos sejam conhecidos mais facilmente do que
outros: de modo geral, temos mais segurança na correção de um cálculo
matemático do que em uma experiência perceptual. É reconhecendo
essas diferenças que Husserl distingue diversos modos de evidência,
que estão sempre relacionadas com o modo como o objeto apresenta-se
e ao tipo de preenchimento intuitivo: temos, assim, evidências apodíticas
(indubitáveis de essências), evidências assertóricas (apercepção de algo
individual), evidências inadequadas (passíveis de aumento ou diminuição
a partir de novas evidências) e adequadas (exaustiva, sem aumento de
gradações posteriores)17.
Da mesma maneira, é natural que em diversos modos de atos
intencionais devamos estar sempre cientes da possibilidade de revisão
da intuição. É o caso, por exemplo, de um determinado ato perceptivo
enganoso que, através de outro ato, é corrigido. O ponto central, porém,
é que não há outro meio para a revisão e correção que não a própria
evidência. Portanto, não é o caso que uma evidência jamais possa
mostrar-se falha, mas sim que esse é o único critério de que dispomos
para alcançar algo que possamos chamar de conhecimento (Ideen I,
§122-5)18.
A possibilidade ou necessidade de correção e revisão, portanto, não
é uma demonstração de algum tipo de “imperfeição”, pois o fato de que
nossa capacidade de conhecer se dê desse modo é uma condição que
deve ser constatada na elaboração de qualquer teoria do conhecimento.
O equívoco residiria justamente no contrário: tomar as condições
particulares de determinadas formas de saber (como a percepção de
qualquer objeto ser sempre parcial) como uma imperfeição, partindo de
um pressuposto de exigência alheio ao modo de se mostrar do objeto,
é um engano a ser evitado. A consequência de não tomar tal cuidado é
evidente: não poderíamos considerar como um saber efetivo nada além
dos axiomas lógicos e matemáticos mais elementares.
O erro por trás desse tipo de procedimento na elaboração de teorias
do conhecimento – tal como exigir evidência adequada ou apoditicidade
para a percepção de objetos transcendentes – situa-se em uma concepção
prévia e equivocada sobre o que podemos ou não tomar como saber
seguro. O que falta, segundo Husserl, é ser fiel ao princípio, conhecido

17
HUSSERL, Edmund. Ideen I, §137, §138, p. 317-320. Não cabe aqui uma análise exaustiva
dos tipos de evidência. Para um aprofundamento do tema, ver STRÖKER, Elisabeth. Husserls
Evidenzprinzip. Sinn und Grenzen einer methodischen Norm der Phänomenologie als
Wissenschaft, VÁSQUEZ, Guillermo Hoyos. Von der Adäquaten zur Apodiktischen Evidenz
e MCGILL, V. J. Evidence in Husserl’s Phenomenology.
18
Ver também HUSSERL, Edmund. Formale und transzendentale Logik (Hua 17, p. 130, ss).

Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406 393


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

desde Aristóteles19, segundo o qual de cada coisa devemos esperar o


grau e tipo de evidência que lhe é própria e possível, de acordo com o
modo de ser da coisa (Ideen I, §52). Nesse sentido, também, podemos
questionar em que medida a filosofia husserliana é intelectualista em
relação à teoria do conhecimento.
Esse ponto, ao qual voltaremos adiante, é fundamental para entender
no que consiste o projeto fenomenológico e a sua originalidade em relação
a outras filosofias, pois ainda que a crítica husserliana ao ceticismo seja
bastante tradicional e sua concepção de verdade pareça se inserir no
grupo das doutrinas clássicas da consciência, a maneira como o filósofo
irá conduzir a justificativa para o conhecimento verdadeiro, à luz da
concepção de redução fenomenológica, está entre os fundamentos que
motivaram a novidade trazida pelo idealismo transcendental.
Um primeiro indício desse aspecto, que já pode ser destacado, é
a diferença entre a concepção de verdade apresentada por Husserl e
a tradicional concepção de verdade como correspondência. De fato, à
primeira vista, os conceitos de verdade e conhecimento na fenomenologia
podem parecer bastante tradicionais: verdade é definida como a total
concordância entre aquilo que é intencionado e aquilo que é dado
enquanto tal20 e conhecimento como a identificação entre aquilo que é
intencionado e aquilo que é dado, em plena conexão com a noção de
evidência21.
No entanto, não devemos entender esse “dado” como um estado de
coisas independente da consciência. Embora essas análises partam do
contexto de Logische Untersuchungen, elas se mantêm, ainda que com
alguns desenvolvimentos, a partir da “virada idealista” de Husserl. É o
caso, por exemplo, do conceito de verdade apresentado nas Meditações
Cartesianas, quando o filósofo define: “Na fundamentação autêntica
[do conhecimento], os juízos mostram-se como corretos, como concor-
dantes, ou seja, a fundamentação é a concordância do juízo com a própria
situação julgada (com a coisa ou o estado de coisas)”22.
Nesse sentido, também aqui não se deve perder de vista a redução
fenomenológica, que impede análises sobre objetos puro e simples,
tal como concebidos na atitude natural. Desse modo, a clássica teoria
da verdade como correspondência, de um lado, diz respeito à relação
entre a consciência e o objeto puro e simples (dois domínios, portanto,
ontologicamente distintos), de modo que a verdade ocorre quando há

19
Aristóteles, Ética a Nicômaco, 1094 b 24-7. Ver RUSSELL, Matheson. Husserl: A Guide for the
Perplexed, p. 103.
20
HUSSERL, Edmund. Logische Untersuchungen, VI, §39, Hua 19, p. 651-652.
21
Ibidem, VI, Hua 19, p. 539.
22
HUSSERL, Edmund. Cartesianische Meditationen, §4, Hua 1, p. 48 e 51.

394 Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

adequação entre a coisa intencionada, pensada ou julgada e a “realidade”


enquanto estado de coisas independente da consciência.
A concepção de verdade fenomenológica, por outro lado, entende
a correspondência como a coincidência entre duas intenções, uma
meramente significativa e outra intuitiva. Ou seja, não se trata de
campos ontológicos diversos, mas de uma adequação entre dois atos
pertencentes ao mesmo campo da consciência transcendental e,
portanto, ao mesmo domínio ontológico23. O ponto chave é entender
o papel do preenchimento da intenção, que garante a apreensão de
uma evidência e não de uma mera intenção significativa porém vazia
de preenchimento24.
É importante ressaltar, ainda, que embora Husserl parta de uma
teoria da evidência semelhante a de Descartes, ele precisa justificar
sua concepção de evidência a partir de outras bases: ao contrário do
projeto cartesiano, ainda imbuído, segundo o filósofo alemão, de uma
“escolástica escondida, como um preconceito não esclarecido” 25, a
fenomenologia não pode se valer da ideia de um Deus veraz e bondoso
como garantia da veracidade do que nos é dado como evidente ou, nos
termos cartesianos, como claro e distinto. Se isso já se mostrou um
problema difícil para Descartes – acusado, já por seus contemporâneos,
de ter formulado um argumento circular26 –, para Husserl, conforme
veremos adiante, a dificuldade parece ainda maior.

23 Descrever, porém, a maneira como Husserl irá justificar essa coincidência ontológica e sua
concepção de conhecimento de modo geral certamente não é tarefa fácil, nem pode ser
resumida em poucas linhas, transcendendo os limites desse estudo. Ainda assim, adianto,
a seguir, alguns pontos centrais em torno desse debate.
24
Cf. RUSSELL, Matheson. Husserl: A Guide for the Perplexed, p. 104-5 e ZAHAVI, Dan. Husserl’s
Phenomenology, p. 31-32.
25
HUSSERL, Edmund. Cartesianische Meditationen, §10, Hua 1, p. 61-62.
26
A regra da clareza e da distinção, nas Meditações Metafísicas, serve como uma “regra da
verdade”, pois é a partir dela que se tem a garantia de que as ideias são verdadeiras: se algo
é concebido clara e distintamente, é verdadeiro. Embora essa regra seja “validada” apenas
na quarta meditação, ela já aparece, explicitamente, na terceira meditação. Esse problema
em torno do aparecimento da regra da verdade é uma das formulações do chamado “círculo
cartesiano”. A dificuldade se dá pelo fato de que a regra da clareza e da distinção surge,
na terceira meditação, antes da certeza da existência de Deus; mas é somente na quarta
meditação, através da ideia de um Deus veraz e bom, que tal regra obtém a “prova” de sua
validade. Em poucas palavras: Deus é sumamente perfeito e, por isso, não iria jamais nos
enganar; há, também, uma propensão natural nos seres humanos para consentir com aquilo
que é percebido clara e distintamente (e não lhes foi dada nenhuma faculdade que corrija tal
inclinação), do que se segue que o que é percebido clara e distintamente deverá ser verdadeiro,
caso contrário, Deus seria enganador. A dificuldade, portanto, é que Descartes recorre à
“clareza e distinção” em diversos pontos da terceira meditação – como por ocasião de uma
reflexão sobre a certeza da existência de si como “coisa pensante”, único conhecimento seguro
até o momento –, assim como para a própria prova da existência de Deus. Cf. DESCARTES,
René. Méditations métaphysiques e GUEROULT Martial, Descartes selon l’ordre des raisons.

Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406 395


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

As diferentes definições de verdade e sua coerência

Analisando escritos posteriores de Husserl, vemos ainda que o


filósofo distingue – como na obra de 1929, Formale und Transzendentale
Logik – dois conceitos de verdade aos quais se conectam dois conceitos
de evidência: no primeiro sentido, verdade diz respeito à adequação
de um juízo a determinado estado de coisas27 (“efetividade”) dados
claramente (“por si mesmo”) à consciência. No segundo sentido, que
está na base do primeiro, verdade é aquilo que se mostra como efetivo
e realmente existente, de modo que não duvidamos de sua presença
e veracidade. Os conceitos correspondentes de evidência são o que
permite os dois sentidos de verdade: no segundo sentido, a própria
presença clara do estado de coisas “efetivo”; no primeiro sentido, aquilo
que serve de critério e acompanha o juízo verdadeiro: esse só pode ser
assim considerado quando está de acordo com uma evidência dada.
Nas palavras de Husserl:

Além do conceito crítico de verdade, o conceito da correção de um juízo


através da sua correção presente ou passada à efetividade [Wirklichkeit]
por si mesma dada, temos também o conceito de efetividade como um
segundo conceito de verdade. A verdade é agora o efetivamente ou
realmente existente, enquanto o correlato da evidência [Evidenz] que
dá a si mesma. Naturalmente, o efetivo [das Wirkliche] no sentido do
real [des Realen] é apenas um caso particular desse conceito alargado e
analítico-formal de efetividade. A palavra evidência também é tomada,
em conexão com esses dois conceitos de verdade, em dois sentidos:
além de significar o ter original próprio de um ser efetivo ou verdadeiro,
evidência também significa a propriedade pertencente ao julgamento
(...) quando ele está de acordo, na atualidade [Aktualität] original, com
uma efetividade correspondente28.

A esses dois conceitos, Sokolowski denomina verdade como


correção (correctness) e verdade como manifestação (disclosure)29.
Segundo o intérprete, a diferença fica clara se levarmos em conta que a
27
Também aqui vale a ressalva feita anteriormente: Husserl parte sempre da redução
fenomenológica, portanto não devemos entender “estado de coisas” e “efetividade” nesse
contexto como tratando da realidade pura e simples tal como concebida na atitude natural.
28
HUSSERL, Edmund. Formale und transzendentale Logik. Hua 17, p. 133. Opto por traduzir
Wirklichkeit sempre como “efetividade”, mesmo nos casos em que o termo é usado em um
sentido mais amplo, como nessa passagem (sentido pelo qual o próprio Husserl chama a
atenção na passagem citada). O significado do conceito nesse contexto – enquanto um estado
de coisas dado de maneira evidente à consciência – não deve ser confundido, portanto, com
seu uso mais restrito, enquanto realidade “pura e simples”, tal como dada na atitude natural.
Embora muitos prefiram traduzir o termo como “atualidade” isso gera problemas no momento
de diferenciar Wirklichkeit de Aktualität, como também seria o caso aqui.
29
SOKOLOWSKI, Robert, Introduction to Phenomenology, p.158-159.

396 Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

primeira sempre diz respeito a um juízo ou sentença que necessita de


confirmação através de uma evidência. O segundo conceito, por outro
lado, seria verdade em um sentido mais elementar, e que não necessita
de confirmação; ao contrário, pode ser justamente o que permite a
confirmação da verdade enquanto correção: trata-se da presença de um
estado de coisas inteligível, qualquer objeto que se apresente como algo
real e atual para a consciência. Nesse caso, portanto, não há um juízo
prévio a ser confirmado ou não, mas a manifestação mesma de algo como
um dado cuja presença ou modo de ser não desperta dúvidas30.
No que diz respeito à evidência, Sokolowski reconhece os dois sentidos
como correspondentes aos dois conceitos de verdade apresentados:
quanto à verdade como correção, a evidência serve como o critério de
avaliação da veracidade ou não da sentença ou juízo, ela é o que permite
a verificação; no caso da verdade como manifestação, a evidência é
justamente o que acompanha a presença do objeto ou estado de coisas:
a coisa mesma apresenta-se no modo de uma evidência, isto é, como algo
claro e distinto para a consciência31.
Esse sentido duplo de verdade parece ser, em última instância,
um resumo ou compilação daquilo que o filósofo havia desenvolvido
anteriormente. De fato, encontramos uma distinção ainda mais detalhada
da amplitude que o conceito de Wahrheit pode abranger na fenomenologia,
a qual determina quatro tipos ou significados de verdade32: 1) em primeiro
lugar, verdade diz respeito à experiência atual da correspondência
adequada entre o objeto tal como concebido na intenção significativa e
na intuição preenchida, quando da sua presença clara para a consciência
(uma experiência específica da verdade como “correção”, nos termos de
Sokolowski); 2) verdade é também a ideia mesma de relação adequada
presente em qualquer ato de correspondência, enquanto uma ideia
essencial necessária para a consciência ao conceber algo como correto;
ou seja, verdade aqui diz respeito não a uma experiência presente de
correspondência em particular, como no primeiro sentido, mas à “ideia
de uma adequação absoluta enquanto tal”, que garante a possibilidade
de constatar sua aplicação em um ato atual33; 3) verdade enquanto o

30
Sobre a objeção de que há ambiguidade no conceito de verdade em Husserl, Dupre (DUPRE,
Louis. The Concept of Truth in Husserl, p. 353) responde adequadamente: “A resposta
para essa objeção é que o conceito de verdade ele mesmo possibilita a distinção, e que tal
distinção de modo algum implica em inconsistência. Os dois tipos de verdade são intimamente
relacionados. Haveria inconsistência se um excluísse o outro, como no caso de uma verdade
lógica imanente de um lado, e uma verdade intuitiva transcendente de outro. É óbvio que
se a verdade consiste na intuição mental de uma realidade exterior, ela não poderia dizer
respeito à uma estrutura lógica pura. Mas Husserl deixa claro que as coisas que são dadas
no julgamento verdadeiro não são de modo algum realidades exteriores”.
31
SOKOLOWSKI, Robert, Introduction to Phenomenology, p. 162.
32
HUSSERL, Edmund. Logische Untersuchungen, Hua 19/1, VI, §39, p. 651-653.
33
Ibidem, Hua 19/1, VI, §39, p. 652.

Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406 397


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

“verdadeiro”: a própria coisa enquanto critério de correção que serve


de base para o julgamento sobre a veracidade. Nesse caso, seria a
coisa intuída em contraste com a coisa meramente intencionada como
significativa (antes de seu preenchimento intuitivo). Trata-se de um
sentido semelhante à verdade como “manifestação”, mas aqui em
comparação com a mera intenção significativa do objeto. 4) Por fim,
temos o conceito de verdade como a correção de um juízo: um julgamento
mostra-se verdadeiro quando corresponde adequadamente a um estado
de coisas, tal como dados na evidência34.
É interessante ressaltar que os conceitos de verdade desenvolvidos
por Hussserl – seja no período de Logische Untersuchungen, seja em
períodos posteriores, como em Formale und Transzendentale Logik – não
limitam-se à noção de verdade como correspondência entre dois objetos
de esferas ontológicas distintas (o “juízo” ou “ideia” em adequação com
a “realidade” ou um “estado de coisas” independente), nem tampouco
estão restritos à análise lógica de juízos e proposições, ainda que
também digam respeito a essa esfera. A fenomenologia, de fato, trata
do conceito de verdade como uma experiência muito mais basilar, na
qual está assentada a possibilidade do juízo verdadeiro35. O problema,
no entanto, é como determinar e justificar a relação de correspondência,
principalmente no contexto “realista” na primeira fase de Husserl, o que
cabe, portanto, analisar brevemente.

A noção de verdade como elemento motivador da “virada idealista”


Ainda que tanto no período de Logische Untersuchungen quando
em obras posteriores Husserl estabeleça uma relação de identidade
entre evidência e verdade, e que as análises da obra de obra de 1901
se mantenham, ao menos a esse respeito e a grosso modo, nos escritos
posteriores, há controvérsias sobre em que medida e com quais limites
a teoria da verdade se modificou a partir da chamada “virada idealista”
34 Como analisa Russell (RUSSELL, Matheson. Husserl: A Guide for the Perplexed, p.106), esse
conceito de verdade é paralelo ao aristotélico, segundo o qual uma sentença é verdadeira se
diz o que é o caso (Aristóteles, Metafísica, 1011 b 25-30). Nas análises de Husserl se trata,
portanto, de um conceito de verdade que pressupõe os anteriores.
35
É também digno de nota a grande influência de Husserl nas concepções de verdade
pregadas por outros fenomenólogos, como Heidegger e Merleau-Ponty, o que por vezes
passa despercebido aos estudiosos. Quando Heidegger se refere, por exemplo, à verdade
“antepredicativa” e ao “desvelamento” e afirma ser o conceito tradicional de verdade como
correspondência algo fundado em um conceito anterior e mais fundamental, o filósofo não
está tão distante de seu professor. Ver HEIDEGGER, Martin. Sein und Zeit, p. 213-219,
Heidegger, Martin. Vom Wesen des Grundes, p. 11-17. Para um estudo sobre as diferenças
entre as concepções de verdade de Husserl e Heidegger, ver TUGENDHAT, Ernst. Heideggers
Idee von Wahrheit, assim como o importante trabalho de Tugendhat: Der wahrheitsbegriff
bei Husserl und Heidegger, esclarecedor também no que diz respeito especificamente ao
conceito de verdade em Husserl.

398 Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

da fenomenologia. Ingarden comenta, a partir de suas considerações


sobre a concepção de verdade das Investigações Lógicas, que Husserl
teria rejeitado muito do que havia desenvolvido nesse período36.
Segundo Günther Patzig não podemos compreender os desen-
volvimentos posteriores como apenas um complemento em relação
ao que foi estabelecido nas primeiras obras de Husserl, pois por trás
da identificação entre evidência e verdade, podemos encontrar duas
concepções com resultados bastante distintos: uma coisa é entender a
verdade como fundada na evidência, de modo a alegar que só podemos
tratar da verdade como algo com sentido quando há evidência, e outra
coisa é reduzir verdade à evidência, como sendo uma e a mesma coisa.
Segundo o intérprete, essa é uma diferença fundamental entre os escritos
da chamada fase “realista”, que adota a segunda opção, e aqueles da
fase “idealista”, que adota a primeira37.
Em Logische Untersuchungen Husserl entenderia o julgamento
evidente como algo que é, ao mesmo tempo, um caso particular e uma
experiência da ideia de verdade, e desenvolveria uma teoria de identidade
tal que não poderia haver graus de evidência, pois, dada a identificação
com verdade, isso abriria margem para dizer que algo é “mais ou menos”
verdadeiro, ou um pouco verdadeiro e um pouco falso, contrariando
axiomas lógicos fundamentais38. Um julgamento evidente seria composto
por três momentos: o ato de julgar, a percepção de um estado de coisas
(seja ideal ou real) e o insight de que aquilo que é expresso no juízo
corresponde de fato ao estado de coisas percebido39. Haveria, portanto,
a necessidade de estabelecer uma ponte que garantisse o sucesso do
insight, uma justificativa adequada para a ponte entre o juízo e o estado
de coisas percebido que garantisse sua objetividade40.
Segundo a leitura de Patzig, foi justamente a falha em encontrar uma
justificativa adequada para a noção de evidência, assim como a sua
relação com a verdade nesses termos, que conduziu Husserl ao idealismo.

36
“A evidência ‘oral’ de que Husserl considerou sua posição (...) como falsa foram suas palavras
em uma conversa comigo no outono de 1927. Quando ele perguntou qual foi o assunto das
minhas aulas na Universidade de Lwów, eu disse que em uma delas eu li, entre outras
coisas, o primeiro volume das Investigações Lógicas, especialmente o último capítulo. Husserl
respondeu: ‘Ach, warum haben Sie dies gelesen, da habe ich mich so verrannt’ [Ah, por que o
senhor leu isso, eu me equivoquei muito ali]” INGARDEN, Roman. On the motives which led
Husserl to transcendental idealism, p. 8. Vale ressaltar, também, que essa é uma das razões
pelas quais optamos por analisar a concepção das Investigações Lógicas, no que diz respeito
à concepção de verdade, a partir do segundo volume.
37
PATZIG, Günther. Husserl on Truth and Evidence, p. 179. Ver também ver PATZIG, Günther.
Kritische Bemerkungen zu Husserls Thesen über das Verhältnis von Wahrheit und Evidenz.
38
PATZIG, Günther. Husserl on Truth and Evidence, p. 187-188.
39
Ibidem, p. 191-192.
40
Ibidem, p. 194.

Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406 399


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

A dificuldade por trás do desenvolvimento da noção residia em parte na


concepção de lógica pregada pelo filósofo nesse período, que procurava
justificá-la como uma ciência que investiga fatos objetivos (relações de
objetos ideais, unidades ideais de significado, etc.), os quais seriam
apreendidos a partir de um insight intuitivo41. Husserl acabaria, ao fim,
por estabelecer um argumento circular para fundamentar sua concepção
de lógica: ele refere-se à noção de evidência para justificar a existência
de objetos ideais, mas na própria noção de evidência (identificada de
antemão com verdade) ele pressupõe que é evidente o acesso a tais
objetos como existentes e, portanto, que é verdadeira sua existência
objetiva42.

A enigmática virada idealista de Husserl (...) pode ser em parte


compreendida se considerarmos que ele foi levado à virada pela tensão
das mesmas dificuldades que se apresentaram contra sua teoria da
evidência. No lugar do problema de como verificar uma realidade
objetiva, surge o problema da constituição de um mundo unificado de
objetos intencionais da consciência pura. Se a evidência para o primeiro
Husserl era a ponte entre ato e objeto, garantindo sua verdade, agora
não é nem necessário nem adequado construir tal ponte, uma vez que a
fundamentação cartesiana foi adotada em uma formulação husserliana.
A separação entre ato e objeto que inicialmente precisava de uma ponte,
agora desaparece: temos o mundo de antemão em nossas cogitationes,
e fenomenologia pode agora ser entendida como a descrição e análise
da constituição do mundo em nossos atos de consciência. (...) É somente
no contexto de uma posição estritamente idealista que é possível
manter, sem contradição, uma identidade entre evidência e verdade.
É surpreendente o preço que Husserl paga para salvar sua teoria da
evidência. Um preço que parece excessivamente alto, de modo que
preferiríamos rejeitar essa tese atrativa (...)43.

Assim, Patzig entende que a necessidade de justificar a objetividade


foi responsável pela teoria da identificação entre evidência e verdade,
mas que as falhas na sua argumentação, reconhecidas posteriormente
por Husserl, o conduziram para o idealismo, no qual poderia manter sua
teoria – embora também a tenha reformulado, a partir da abertura dada
pelo novo contexto. O idealismo seria uma solução atraente na medida em
que previne contra a necessidade de buscar uma ponte entre ato e objeto,
já que os próprios atos constituem os objetos. Segundo o intérprete,
portanto, Husserl prefere ser levado ao idealismo do que abrir mão de sua
teoria da verdade, o que constitui uma falha grave no seu pensamento.

41
Ibidem, p. 195.
42
Ibidem, p. 192.
43 Ibidem, p. 192.

400 Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

Levinas desenvolve uma análise que vai, em parte, na mesma di-


reção. Ele mostra que Maurice Pradines, em um dos primeiros trabalhos
publicados na França acerca da filosofia husserliana 44, criticava
justamente esse aspecto que Patzig aponta como sendo o problema que
Husserl evitou ao converter sua filosofia em um idealismo: para manter
a concepção de verdade em sua conexão com a intuição preenchida (a
evidência), seria necessário explicar a relação entre a intuição e a coisa
a qual ela se dirige. Em outras palavras, partindo de um ponto de vista
realista, é necessário explicar como se tem garantias de que a intuição
foi realmente preenchida de maneira correta e que a suposta evidência
de fato corresponde com o estado de coisas ao qual a consciência teria
acesso.

A dificuldade que Pradines percebe na intuição, que é incapaz de


explicar ‘o enigma’ de sua própria transcendência, não abrange o
caráter intencional da consciência. (...) Como podemos confiar em uma
intuição que pretende apreender o ser, um ser que na hipótese realista
existe por si mesmo? Como, quando descrevemos os dados intuitivos,
podemos ultrapassar a esfera da ‘descrição psicológica’ e obter asserções
ontológicas? (...) Para responder a tais objeções, nós precisamos voltar
à noção husserliana de ser, (...) o realismo de Logische Untersuchungen
foi apenas um estágio na elaboração da fenomenologia, e o que agora
é chamado de idealismo de Ideen deve aparecer para fornecer um
valor ontológico para os dados da intuição. O idealismo de Ideen é
um idealismo intencional e consequentemente concebe de uma nova
maneira o modo de existir e a estrutura da consciência, assim como a
existência ‘fenomênica’ das coisas. O idealismo parece resolver o ‘enigma
da intuição’45.

Levinas entende, portanto, que essa dificuldade só se configura


no contexto do realismo de Logische Untersuchungen, mas não no
idealismo de Ideen. Segundo sua leitura, o idealismo transcendental, ao
contrário de evitar fazer asserções ontológicas – ou nem mesmo dever
fazê-las –, como sustentam alguns intérpretes46, permite justamente uma
investigação ontológica das coisas elas mesmas. Isso se torna possível,
tal como apontou Patzig, por toda a “realidade” ser constituída na própria
consciência, de modo que não é mais necessário buscar uma ponte que
conecte de modo seguro a consciência e os objetos. Nesse sentido, o

44
PRADINES, Maurice, Le Problème de la sensation.
45
LEVINAS, Emmanuel. Théorie de l’intuition dans la phénoménologie de Husserl, p. 138.
46
Cf. HOLMES, Richard H., Is Transcendental Phenomenology Committed to Idealism?, HALL,
Harrison. Was Husserl a Realist or an Idealist?, WALLNER, Ingrid M., In Defense of Husserl’s
Transcendental Idealism: Roman Ingarden’s Critique Reexamined, HUTCHESON, P. Husserl’s
Problem of Intersubjectivity.

Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406 401


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

“enigma da intuição” identificado pelos críticos de Husserl, dissolve-se


a partir da defesa do idealismo.
Como esclarece Levinas, por trás de tal solução está uma concepção
particular de consciência enquanto uma esfera absoluta: “a noção de
existência absoluta da consciência – e sua primazia com respeito a
outras regiões da realidade – nos autoriza a dar credibilidade ao que a
intuição reivindica”; ou seja, é somente na medida em que a consciência
é prioritária em relação a outras regiões de ser que podemos confiar nos
dados que ela apreende como evidentes. “A intuição é um ato cujo sentido
intrínseco consiste em fornecer-nos objetos ‘em pessoa’; desse modo, os
dados da intuição não necessitam, para serem verdadeiro, de comparação
com um ser verdadeiro independente da consciência”47. Na verdade, mais
do que isso, o caráter absoluto da consciência faz com que nem mesmo
seja possível tal comparação, na medida em que não há – como afirmam
as polêmicas passagens “idealistas” de Husserl – nenhuma realidade
independente da consciência48.
Estou de acordo com o argumento central de Patzig e Levinas
– segundo o qual a teoria da verdade e da evidência foi em parte
responsável pela “virada idealista” –, mas não acredito que ela tenha
se dado pelas razões apresentadas. No meu ponto de vista, não foi para
manter uma concepção de verdade em conexão com evidência que
Husserl foi conduzido ao “idealismo”, mas sim que essa sua concepção
o levou a perceber os equívocos dos pressupostos que o conduziam na
primeira fase de seu pensamento. Além disso, acredito que o idealismo
desenvolvido por Husserl, ao menos em alguns aspectos fundamentais,
representou um progresso frutífero e vantajoso da sua filosofia, de modo
que tampouco concordo com a avaliação de Patzig e com as críticas,
mencionadas anteriormente, de Ingarden.
Além disso, embora aceite em linhas gerais a argumentação aqui
apresentada do intérprete alemão, não estou de acordo com a leitura que
faz da suposta rejeição de Husserl aos graus de evidência no período
de Logische Untersuchungen e, portanto, da total identidade entre
evidência e verdade. Acredito, ao invés, que nesse aspecto em particular
a teoria da verdade não se modificou tão substancialmente. De fato,
Husserl afirma que evidência em um sentido estrito diz respeito ao ato
de “uma síntese perfeita de preenchimento”, mas o filósofo também
reconhece que “faz sentido falar de graus e níveis de evidência”49.
Portanto, embora em Logische Untersuchungen não seja desenvolvida
47
Ibidem, p. 153.
48
Ver também: LEVINAS, Emmanuel. En découvrant l‘existence avec Husserl et Heidegger,
p. 30-31.
49
HUSSERL, Edmund. Logische Untersuchungen, Hua 19/1, VI, §38, p. 651.

402 Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

uma gama tão específica de classificações e tipos de evidência como


nas obras posteriores, isso não significa que Husserl já não atentasse
para o fato, pois inclusive o reconhecesse explicitamente. Penso que
esse teria sido, inclusive, um dos pontos problemáticos da teoria da
evidência, no sentido da dificuldade de conciliá-la com o tipo de filosofia
desenvolvida por Husserl nesse período.
Do mesmo modo, ainda que considere acertada, de maneira geral, a
avaliação de Levinas, acredito que seja necessário analisar com cautela
suas afirmações sobre a prioridade ontológica da consciência. Embora
não caiba nesse estudo uma investigação detalhada da questão, é
importante ter em vista que sobretudo na fase tardia do pensamento
husserliano e levando em conta publicações mais recentes – algumas
das quais Levinas não teve acesso – encontramos concepções mais
sofisticadas do papel da consciência do que sugere a leitura levinasiana.
Um exemplo bastante ilustrativo quanto a esse aspecto é a relação
entre consciência e corpo, principalmente a partir da noção de corpo
enquanto corpo vivo (Leib), essencialmente diferente dos demais corpos
do mundo, e que aponta para uma união psicofísica. É interessante
observar que todo o desenvolvimento da noção de subjetividade
como ligada e vinculada a um corpo, tal como aparece na fase tardia
do pensamento do filósofo alemão, coloca em cheque a leitura da
fenomenologia husserliana como aquela de um ego “descarnado” e
“sem mundo”50.
Assim, tais análises, ainda que remetam a uma série de outras
questões e dificuldades dentro da fenomenologia, são suficientes para
compreender, em linhas gerais, qual o entendimento de Husserl sobre
os critérios para a definição de verdade e conhecimento, e o modo como
tais critérios acabam por vincular o pensador alemão ao idealismo. É
importante reiterar, porém, que os conceitos empregados no que diz
respeito a esse tema – como intenção, evidência e verdade – são bastantes
amplos e ramificados, de modo que é necessário avaliar sempre de acordo
com cada contexto qual o sentido empregado.
Além disso, fica também destacado que a concepção fenomenológica
de verdade desenvolvida a partir da “virada idealista” do pensamento de
Husserl, ainda que possa parecer à primeira vista bastante tradicional,
afasta-se da definição clássica na medida em que se mantém fiel à redução
fenomenológica. Assim, uma vez que a origem de tal concepção seria
em parte resultado das aporias geradas no contexto realista, surge como
tarefa reavaliar o projeto fenomenológico de Logische Untersuchungen

50
Ver, por exemplo: HUSSERL, Edmund. Ideen II, §56, p. 245, HUSSERL, Edmund. Ideen II, §54,
p. 214-215, HUSSERL, Edmund. Krisis, §62, p. 219, HUSSERL, Edmund. Krisis, §62, p. 175 e 219. .

Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406 403


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

à luz de sua relação com a fase idealista, assim como a própria maneira
como devemos entender o idealismo husserliano e sua suposta vinculação
com idealismos típicos da tradição filosófica.

Referências
ARISTOTLE. Metaphysics. Translated by W. D. Ross. Oxford: Oxford University Press,
1924.
ARISTOTLE. Nicomachean Ethics. Translated by W. D. Ross. Oxford: Oxford University
Press, 1980.
BRENTANO, Franz. Psychologie vom empirischen Standpunkte. Leipzig: Duncker &
Humblot, 1974.
DESCARTES, René. Méditations métaphysiques. Paris: PUF, 1968.
DRUMMOND, John J. Historical dictionary of Husserl’s philosophy. Lanham: Scarecrow
Press, 2008.
DUPRE, Louis. “The Concept of Truth in Husserl”. Philosophy and Phenomenological
Research (1964), p. 345-354.
GUEROULT Martial, Descartes selon l’ordre des raisons. Paris: Aubier-Montaigne,
1953.
HALL, Harrison. “Was Husserl a Realist or an Idealist?”. In: H.L. Dreyfus and H. Hall
(eds.). Husserl, Intentionality and Cognitive Science. Cambridge, MA: MIT Press,
1982. p. 169-190.
HEIDEGGER, Martin. Sein und Zeit. Achtzehnte Auflage. Unveränderter Nachdruck
der fünfzehnten, an Hand der Gesamtausgabe duchgesehenen Auflage. Tübingen:
Max Niemeyer Verlag, 2001.
HEIDEGGER, Martin. Vom Wesen des Grundes. Vittorio Klostermann, 1995.
HINTIKKA, Jaakko. The notion of intuition in Husserl. Revue internationale de
philosophie, 2, 224 (2003), p. 57-79.
HOLMES, Richard H., “Is Transcendental Phenomenology Committed to Idealism?”.
The Monist, 59 (1975).
HUSSERL, Edmund. Husserliana 1. Cartesianische Meditationen und Pariser Vorträge.
Ed. Stephan Strasser. Den Haag: Martinus Nijhoff, 1950, rpt. 1973; Meditações
Cartesianas e Conferências de Paris. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.
HUSSERL, Edmund. Husserliana 2. Die Idee der Phänomenologie. Fünf Vorlesungen.
Ed. Walter Biemel. Den Haag: Martinus Nijhoff, 1950, rpt. 1973.
HUSSERL, Edmund. Husserliana 3, 1-2. Ideen zu einer reinen Phänomenologie
undphänomenologischen Philosophie. Erstes Buch. Allgemeine Einfuhrung in die reine
Phänomenologie. Ed. Karl Schuhmann. Den Haag: Martinus Nijhoff, 1976; Ideias para
uma Fenomenologia Pura e para uma Filosofia Fenomenológica. São Paulo: Ideias e
Letras, 2006.
HUSSERL, Edmund. Husserliana 4. Ideen zu einer reinen Phänomenologie und
phänomenologischen Philosophie. Zweites Buch. Phänomenologische Untersuchungen
zur Konstitution. Ed. Marly Biemel. The Hague: Martinus Nijhoff, 1952.

404 Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

HUSSERL, Edmund. Husserliana 6. Die Krisis der europäischen Wissenschaften und


die transzendentale Phänomenologie. Eine Einleitung in diephänomenologische
Philosophie. Ed. Walter Biemel. The Hague: Martinus Nijhoff, 1954, rpt. 1962; A
crise das ciências europeias e a fenomenologia transcendental. São Paulo: Forense
Universitária, 2012.
HUSSERL, Edmund. Husserliana 17. Formale und transzendentale Logik. Versuch
einer Kritik der logischen Vernunft. Ed. Paul Janssen. The Hague: Martinus Nijhoff,
1974.
HUSSERL, Edmund. Husserliana 18. Logische Untersuchungen. Erster Band.
Prolegomena zur reinen Logik. Ed. Elmar Holenstein. The Hague: Martinus Nijhoff,
1975.
HUSSERL, Edmund. Husserliana 20. Logische Untersuchungen. Ergänzungsband.
Erster Teil. Ed. Ullrich Meile. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 2002.
HUSSERL, Edmund. Husserliana 24. Einleitung in die Logik und Erkenntnistheorie.
Vorlesungen 1906/7. Ed. Ullrich Meile. Dordrecht: Martinus Nijhoff, 1984.
HUSSERL, Edmund. Erfahrung und Urteil: Untersuchungen zur Genealogie der Logik.
Ed. L. Landgrebe. Prague: Academia-Verlag, 1939.
HUTCHESON, P. “Husserl’s Problem of Intersubjectivity.” Journal of the British Society
for Phenomenology, 11 (1980), p. 144-162.
INGARDEN, Roman. On the motives which led Husserl to transcendental idealism.
Martinus Nijhoff, 1975.
INGARDEN, Roman. “Meine Erinnerungen an Edmund Husserl“. In: Edmund Husserl:
Briefe an Roman Ingarden. Mit Erläuterungen Und Erinnerungen an Husserl. The
Hague: Martinus Nijhoff. Phaenomenologica, 25 (1968).
LEVINAS, Emmanuel. En découvrant l‘existence avec Husserl et Heidegger. Paris:
Vrin, 1982.
LEVINAS, Emmanuel. Théorie de l’intuition dans la phénoménologie de Husserl. Paris:
Vrin, 1963.
MCGILL, V. J. “Evidence in Husserl’s Phenomenology”. In: Phenomenology:
Continuation and Criticism. Springer Netherlands, 1973. p. 145-166.
PATZIG, Günther. „Kritische Bemerkungen zu Husserls Thesen über das Verhältnis
von Wahrheit und Evidenz.“ Edmund Husserl 1859-2009: Beiträge aus Anlass der 150.
Wiederkehr des Geburtstages des Philosophen, 14 (2011), p. 57-76.
PATZIG, Günther. “Husserl on Truth and Evidence”. In: Readings on Edmund
Husserl’s Logical Investigations, ed. J.N. Mohanty, The Hague: Martinus Nijhoff,
1977. p. 179-196.
PRADINES, Maurice, Le Problème de la sensation. Paris: Alcan, 1928.
RUSSELL, Matheson. Husserl: A Guide for the Perplexed. London: Continuum, 2006.
SOKOLOWSKI, Robert, Introduction to Phenomenology. New York: Cambridge
University Press, 2000.
STRÖKER, Elisabeth. „Husserls Evidenzprinzip. Sinn und Grenzen einer methodischen
Norm der Phänomenologie als Wissenschaft. Für Ludwig Landgrebe zum 75.
Geburtstag“. Zeitschrift für philosophische Forschung (1978), p. 3-30.

Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406 405


J. Missaggia – A concepção fenomenológica de verdade ...

TUGENDHAT, Ernst. Der wahrheitsbegriff bei Husserl und Heidegger. Walter de


Gruyter, 1970.
TUGENDHAT, Ernst. Heideggers Idee von Wahrheit. In: Heidegger: Perspektiven zur
Deutung seines Werks. Ed. Otto Pöggeler. Cologne: Kiepenheuer und Witsch, 1969.
VÁSQUEZ, Guillermo Hoyos. ”Von der Adäquaten zur Apodiktischen Evidenz”.
In: Intentionalität als Verantwortung. Springer Netherlands, 1976. p. 149-172.
WALLNER, Ingrid M. “In Defense of Husserl’s Transcendental Idealism: Roman
Ingarden’s Critique Reexamined”. Husserl Studies, 4 (1987).
ZAHAVI, Dan. Husserl’s Phenomenology. California: Stanford University Press, 2003.

Endereço postal:
Universidade Católica de Pernambuco
Centro de Teologia e Ciências Humanas
Rua do Príncipe, 526 – Boa Vista
Recife, PE, Brasil

Data de recebimento: 11-09-2016


Data de aceite: 23-11-2016

406 Veritas | Porto Alegre, v. 61, n. 2, maio-ago. 2016, p. 386-406