Você está na página 1de 45

Escola Secundária c/ 3º ciclo D.

Manuel I
Biologia – Geologia (11º ano)

by Ana Kastro
E entre tanta diversidade, existirá
algo em comum nos seres vivos?

Todos são formados por células e estas por moléculas!


HÁ UMA UNIDADE EM COMUM A NÍVEL CELULAR E
MOLECULAR! by Ana Kastro
Tem de existir
informação
distinta nas células
destes seres!!!
(e que por isso lhes conferem
as diferenças)

by Ana Kastro
E as
parecenças
entre pais e
filhos…?

Kirk Douglas e seu filho,


Michael Douglas by Ana Kastro
ZIGOTO

O ser humano é formado por biliões (1014)


de células , todas elas resultantes de uma única – o ovo ou
zigoto. Esta célula já possui toda a informação necessária
by Ana Kastro
para o nosso crescimento e desenvolvimento.
Informação … ?
 Que informação é essa ?

 Onde está armazenada?

 E como se transmite à
descendência?

 Qual o seu suporte físico?

by Ana Kastro
by Ana Kastro
1 - Acetabularia experiments

by Ana Kastro
Joachim Hämmerling
(botânico)

A Acetabularia é uma alga unicelular de grandes dimensões


constituída por um pé, onde se localiza o núcleo, e um caulículo
na extremidade do qual se diferencia um “chapéu”. Há várias
espécies destas algas, entre elas a Acetabularia mediterranea e a
doAna
Acetabularia crenulada que apenas diferem na forma by Kastro
“chapéu”.
Experiência A – corte da Acetabularia

A ZONA BASAL CONTÉM ALGO RESPONSÁVEL


PELA VIDA E REGENERAÇÃO DAS PORÇÕES
by Ana Kastro
PERDIDAS DA ACETABULÁRIA !!!
Experiência B – Troca de núcleos da
Acetabularia
É O NÚCLEO QUE DETERMINA
O FORMATO DO CHAPÉU
REGENERADO !!!

Acetabularia Acetabularia
crenulata mediterranea

by Ana Kastro
O que existirá assim de
tão importante no núcleo
das células…??

by Ana Kastro
E o que será aquela “massa”que se encontra
dispersa no citoplasma das células
procarióticas…?

by Ana Kastro
2 – Griffith’s experiments (1928)
Frederick Griffith
(médico inglês)

Diplococcus pneumoniae
(trabalhou com bactérias causadoras
de pneumonia humana)

by Ana Kastro
2 – Griffith’s experiments
Griffith reparou que existiam 2 estirpes diferentes de bactérias Diplococcus pneumoniae:

Tipo S (do inglês, smooth)  Tipo R (do inglês, rough)  (não


(patogénica): possuíam uma cápsula (daí patogénica): não possuíam cápsula e, por
serem “lisas”/smooth) feitas de isso, tinham um aspecto rugoso/rough. Por
polissacarídeos e, por isso eram mais não terem cápsula eram mais “frágeis“ e
resistentes à acção do sistema imunitário. by Ana
susceptíveis à acção do sistema Kastro
imunitário.
2 – Griffith’s experiments

E como não
podia deixar
de ser…
Griffith usou
ratos como
cobaias!!!

by Ana Kastro
2 – Griffith’s experiments
Inoculando bactérias da estirpe
S (com cápsula) em ratos, todos
eles morriam.

Inoculando bactérias da estirpe R


(desprovidas de cápsula) em ratos,
todos eles sobreviviam.

Ao aquecer uma solução contendo


bactérias da estirpe S com posterior
inoculação da mesma nos ratos, todos
by Ana Kastro
eles sobreviviam!
2 – Griffith’s experiments
1ª Conclusão
Apenas as bactérias S provocam a
morte dos pobres ratos…!

2ª Conclusão
As bactérias S, submetidas
ao calor, morrem e perdem o
carácter virulento…
by Ana Kastro
2 – Griffith’s experiments
Uma mistura de bactérias da forma S mortas pelo calor
e bactérias da forma R vivas foi injectada em ratos. Os
ratos morrem! E mais: ao analisar o sangue dos ratos
mortos nesta experiência, Griffith encontrou bactérias R
e … bactérias vivas do tipo S!!!

Amostra
sanguínea

A única explicação possível para esta situação


seria que alguma informação teria passado das
bactérias S mortas para as bactérias R vivas, de tal
forma que estas foram capazes de formar uma
cápsula tornando-se patogénicas!!! As bactérias R
foram transformadas !!! by Ana Kastro
2 – Griffith’s experiments
… “algo” das bactérias S mortas tinha
passado para as bactérias R, transformando-
as e tornando-as virulentas.
Bactérias S

A esse algo (que Griffith não sabia


o que era) chamou-lhe:

Princípio Transformante!
Bactérias R
(TORNAM-SE (Permitia transformar um tipo de bactérias
VIRULENTAS) noutro!)

by Ana Kastro
2 – Griffith’s experiments
http://nortonbooks.com/college/biology
/animations/ch12a01.htm

by Ana Kastro
2 – Griffith’s experiments
Infelizmente, Griffith não pôde
continuar a desenvolver as suas
investigações e nunca chegou a
identificar qual a natureza química do
material genético!

Em 1941, e no decorrer da II Guerra


Mundial, Londres foi bombardeado e
o edifício onde se encontrava a
trabalhar foi atingido, provocando a
sua morte e a de muitos outros
cidadãos…

by Ana Kastro
3 – Avery, MacLeod e McCarty experiments
(1944)

Maclyn McCarty
(geneticista americano)
Colin MacLeod
(geneticista canadiano)

… desde sempre ficaram intrigados com as


descobertas de Griffith e tentaram tudo por tudo
para descobrir o que era afinal o princípio
by Ana Kastro
“transformante” …
3 – Avery, MacLeod e McCarty experiments
(1944)

by Ana Kastro
3 – Avery, MacLeod e McCarty experiments
(1944)
Esta foi uma das experiências flagrantes…

Apenas o extracto
contendo DNA
provocou a morte dos
ratos – no seu sangue
surgiram bactérias
capsuladas vivas!!!

by Ana Kastro
3 – Avery, MacLeod e McCarty experiments
(1944)
E esta comprovou…!!!

Meio de cultura Meio de cultura com


com bactérias R bactérias R
+ Meio de cultura com + Meio de cultura com
Meio de cultura DNA da bactérias R DNA da bactérias S bactérias R
com bactérias R bactérias S + tratado com +
DNA da bactérias S enzimas que DNA da bactérias S
tratado com degradam o RNA tratado com
enzimas que enzimas que degradam
proteínas
Transformaram-se em S degradam o DNA

Transformaram-se em S
by Ana Kastro
3 – Avery, MacLeod e McCarty experiments
(1944)
AFINAL O QUE É QUE ACONTECEU ???
PORQUE MOTIVO O RATO MORREU?

O DNA das bactérias S detém informação para a produção de


cápsulas… O DNA destas bactérias passou para as R fazendo
com que estas produzissem, por si mesmas, uma cápsula

Transformaram-se em S, daí surgir este tipo de by Ana Kastro


bactéria na análise sanguínea do pobre rato!
3 – Avery, MacLeod e McCarty experiments
(1944)

REPARA BEM NA IMAGEM…

by Ana Kastro
3 – Avery, MacLeod e McCarty experiments
(1944)

by Ana Kastro
3 – Avery, MacLeod e McCarty experiments
(1944)

MALDITO
DNA

by Ana Kastro
3 – Avery, MacLeod e McCarty experiments
(1944)
Avery e os seus colaboradores, bem tentaram
provar que era o DNA o material que continha a
informação genética, mas a comunidade
científica da altura não aceitou as evidências
destas experiências…

Na altura os cientistas eram fãs das


proteínas - queriam a todo o custo
acreditar que estas é que detinham a
informação genética já que:

 As proteínas possem maior massa molecular que


o DNA;
 As proteínas são quimicamente mais complexas
que o DNA.
by Ana Kastro
Qual a natureza do material genético?

DNA PROTEÍNAS

by Ana Kastro
4 – Alfred Hershey e Martha Chase experiments
Alfred Hershey (1952)
(microbiólogo norte-americano)
Martha Chase
(geneticista norte-americana)

by Ana Kastro
4 – Alfred Hershey e Martha Chase experiments
(1952)

Hershey e
Chase
trabalharam
com
bacteriófagos

Vírus (designados T2) que


infectam bactérias

by Ana Kastro
4 – Alfred Hershey e Martha Chase experiments
(1952)

Na verdade, os vírus NÃO SÃO


seres vivos!

Eles não têm metabolismo


próprio e são tão simples que
não se reproduzem entre si!

Dependem de bactérias (ou outros) para se


reproduzirem! São parasitas obrigatórios!

by Ana Kastro
4 – Alfred Hershey e Martha Chase experiments
(1952)

Constituição dos vírus T2

Cápsula
DNA
proteica

Vírus observado ao Microscópio


electrónico

by Ana Kastro
4 – Alfred Hershey e Martha Chase experiments
(1952)

Como é que os vírus infectam as bactérias?

Quando os vírus infectam uma célula não penetram nela!!! Eles injectam material
genético para o seu interior; esta passa a ser autenticamente escravizada, sendo
“obrigada” a produzir novas cápsulas e novos vírus… A célula acaba por sofrer
lise, libertando os novos vírus que rapidamente infectam outras células…!!!
by Ana Kastro
4 – Alfred Hershey e Martha Chase experiments
(1952)

Hershey e Chase decidiram marcar radioactivamente


dois lotes de bacteriófagos!!!
 Uns foram marcados com 35S e outros
com 32P …
 Sabiam, à partida, que as proteínas das
cápsulas dos vírus continham S (enxofre)
mas não tinham fósforo (P)

 Sabiam também que o DNA dos vírus


tinha fósforo (P) mas as proteínas das
cápsulas dos vírus, não!

Ao marcar radioactivamente uma substância, consegue-se seguir


o seu trajecto!!! by Ana Kastro
4 – Alfred Hershey e Martha Chase experiments
(1952)

Cápsula radioactiva
com35S DNA radioactivo com
32P

Infecção de bactérias com cada


um destes vírus e observar o que é
que é introduzido para o seu
interior: proteínas… ou DNA …
by Ana Kastro
4 – Alfred Hershey e Martha Chase experiments
(1952)

O DNA marcado com 32P encontrava-se no interior da bactéria


enquanto que as proteínas marcadas com 35S foram detectadas
apenas no exterior. by Ana Kastro
4 – Alfred Hershey e Martha Chase experiments
(1952)

O DNA marcado com 32P encontrava-se no interior da bactéria


enquanto que as proteínas marcadas com 35S foram detectadas
apenas no exterior. by Ana Kastro
4 – Alfred Hershey e Martha Chase experiments
(1952)
http://recursos.cnice.mec.es/biosfera/profesor/animaciones/ciclo_litico.swf

Na verdade, o T2 fixa-se
sobre a bactéria e injecta o
seu DNA para o interior,
permanecendo a cápsula
no exterior! O DNA viral irá
agora obrigar a bactéria a
produzir todos os
componentes necessários à
produção de novos vírus
(inclusivé as proteínas das
cápsulas), os quais são
libertados para o exterior
devido ao rebentamento
O material genético destes vírus é o DNA bacteriano!
e não as proteínas!!!
by Ana Kastro
4 – Alfred Hershey e Martha Chase experiments
(1952)
http://highered.mcgraw-hill.com/olc/dl/120076/bio21.swf

Pág. 17 do manual

… Quando se
marcaram
radioactivamente as
proteínas, os vírus
descendentes não
tinham cápsulas
radioactivas!!!

by Ana Kastro
Todas as atenções
se voltaram agora
para o DNA!!!!

 Como seria o seu …


“aspecto” e estrutura?

by Ana Kastro
by Ana Kastro