O que significa PBQP-H O PBQP-H, Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat, é um instrumento do Governo Federal para cumprimento dos

compromissos firmados pelo Brasil quando da assinatura da Carta de Istambul (Conferência do Habitat II/1996). A sua meta é organizar o setor da construção civil em torno de duas questões principais: a melhoria da qualidade do habitat e a modernização produtiva. A busca por esses objetivos envolve um conjunto de ações, entre as quais se destacam: avaliação da conformidade de empresas de serviços e obras, melhoria da qualidade de materiais, formação e requalificação de mão-de-obra, normalização técnica, capacitação de laboratórios, avaliação de tecnologias inovadoras, informação ao consumidor e promoção da comunicação entre os setores envolvidos. Dessa forma, espera-se o aumento da competitividade no setor, a melhoria da qualidade de produtos e serviços, a redução de custos e a otimização do uso dos recursos públicos. O objetivo, em longo prazo, é criar um ambiente de isonomia competitiva, que propicie soluções mais baratas e de melhor qualidade para a redução do déficit habitacional no país, atendendo, em especial, a produção habitacional de interesse social. Os impactos que o PBQP-H causa na engenharia O principal objetivo do PBQP-H é trazer mais qualidade e produtividade para a construção civil, visando assim uma melhoria dos produtos para o cliente (comprador). Na prática, o programa consiste em identificar quais são os pontos mais críticos na empresa e padronizar os serviços. Por exemplo, se a empresa acha que o serviço de pintura é importante para a qualidade percebida pelo cliente, então ela deve padronizar este serviço; se julga que a concretagem das peças estruturais é vital para a qualidade da obra, então tem que padronizar a tarefa; se acredita que os tijolos são materiais importantes para a qualidade da edificação, então tem que padronizar a forma de receber, armazenar e manusear os mesmos. Depois de um tempo, a empresa deve medir os resultados para ver se o cliente está percebendo mais qualidade e melhorar cada vez mais seus procedimentos padronizados. O PBQP-H exige que além dos serviços, a construtora controle ainda alguns materiais. Estes materiais devem ter o recebimento, armazenamento e manuseio de

forma padronizada. Sendo assim, qualquer obra da empresa deve seguir as mesmas seqüências e regras para a execução dos serviços e tratamento dos materiais mais importantes. Um problema freqüente que ocorre em diversas empresas é que muitos engenheiros negligenciam o PBQP-H porque, segundo eles, o programa tem muita papelada. Normalmente este tipo de profissional não se envolve no programa por preguiça de raciocinar e entender os conceitos de qualidade ou então por julgar que a empresa não precisa do programa. Na prática várias empresas encontram dificuldades na implantação ou manutenção do programa de qualidade. A principal razão para isto é que o PBQP-H acaba se tornando um corpo estranho na empresa e é tratado como uma burocracia a ser vencida. Os engenheiros param de se envolver com o programa, passam a terceirizá-lo a outras pessoas na empresa, deixam de conhecer a Política da Qualidade, não sabem sequer quais são os serviços e materiais controlados! A gerência e diretoria da empresa não cobram ou não sabem cobrar o desenvolvimento do programa, então tudo pára. Se a empresa encarar o programa desta maneira, estará fadada a não conquistar a certificação ou a perdê-la. Somente com envolvimento de todos os setores da empresa (compras, financeiro, etc.) na busca pela qualidade é que se pode realmente entregar produtos de excelência para os clientes! A participação da diretoria da empresa é crucial, bem como o envolvimento por completo dos engenheiros nos processos de qualidade. Conduzido de maneira séria, o PBQP-H pode trazer ganhos enormes para a empresa e seus clientes. Os benefícios na engenharia proporcionados pelo PBQP-H: • • • • Combate a não-conformidade; Mercado equalizado e competitivo; Confiabilidade do agente financiador e do cliente; Compatibilidade de projetos.

Benefícios para o consumidor final: • • • Utilização de materiais e serviços de melhor qualidade; Acesso a tecnologias de construção diferenciadas; Redução de custos – preços mais competitivos.

Pré-requisitos para uma empresa possuir PBQP-H Organizações podem participar do PBQP-H inserindo-se em alguns desses perfis: Contratante: setor público, atuando por meio de Termo de Adesão e Acordo Setorial, firmado entre os agentes da cadeia produtiva e o PBQP-Habitat, prevendo o desenvolvimento de ações que integram o Programa; Agentes do Setor: fabricantes de materiais e componentes, atuando por meio de um Programa Setorial de Qualidade (PSQ), que é elaborado, operacionalizado e acompanhado numa parceria entre setor público e privado; empresas de serviços e obras, por meio da participação no SiQ/SiAC - Sistema de Qualificação de Empresas de Serviços e Obras/Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras, além do Acordo Setorial, em que são definidos os prazos e metas para a qualificação das empresas em cada unidade da Federação; Instituições: agentes financiadores e de fomento, pela participação em projetos que busquem utilizar o poder de compra como indutor da melhoria da qualidade e aumento da produtividade do setor da construção civil. Incluem-se aqui os agentes de fiscalização e de direito econômico, pela promoção da isonomia competitiva do setor, por meio de ações de combate à produção que não obedeça às normas técnicas existentes, e de estímulo à ampla divulgação e respeito ao Código de Defesa do Consumidor; Consumidores: exercendo seu direito de cidadania ao exigir qualidade dos produtos e serviços do setor da construção civil, e utilizando seu poder de compra ao dar preferência às empresas que tenham compromisso com os sistemas de qualidade do PBQP-Habitat. O PBQP-Habitat é um programa de adesão voluntária, onde o Estado é um agente indutor e mobilizador da cadeia produtiva da construção civil. A implementação do Programa ocorre basicamente nas etapas descritas abaixo: Sensibilização e Adesão: os diversos segmentos da cadeia produtiva, reunidos por unidade da federação, assistem a uma apresentação do Programa, feita por técnicos da Coordenação Geral do PBQP-H. Essa etapa busca sensibilizar e mobilizar o setor privado e os contratantes públicos estaduais para aderirem ao PBQP-H.

Programas Setoriais: em um segundo momento, as entidades do setor se organizam para realizar um diagnóstico do segmento da construção civil na sua unidade da federação, resultando na formulação de um Programa Setorial de Qualidade (PSQ). Acordos Setoriais: o diagnóstico feito na fase anterior fundamenta um Acordo Setorial entre o setor privado, o setor público estadual e a CAIXA, bem como demais agentes financeiros, definindo metas e cronogramas de implantação dos Programas de Qualidade e, com isso, estabelecendo a prática do uso do poder de compra. Por fim, após os processos descritos anteriormente, o PBQP-H é composto por quatro níveis, denominados por A, B, C e D (no nível D a empresa se responsabiliza legalmente pela auto-declaração de conformidade, já nos itens A, B e C é realizada auditoria). Descritos da seguinte maneira: Nível "D": • Auto-declaração de conformidade

Nível "C": É o segundo nível de avaliação da conformidade. Aqui são verificadas as cláusulas relacionadas a: • • Requisitos gerais e de documentação (requisitos gerais, manual da qualidade, controle de documentos e registros); Responsabilidade da Direção da empresa (comprometimento da direção da empresa, foco no cliente, política da qualidade, objetivos da qualidade, planejamento do sistema de gestão da qualidade, responsabilidades • • • • • Provisão de e autoridades, designação representante de pessoal, da direção, comunicação interna, análise crítica pela direção); recursos, treinamento, conscientização e competência; Planejamento da qualidade da obra; Identificação de requisitos relacionados à obra; Aquisição; Controle de operações;

• • • • • • • • • •

Identificação e rastreabilidade; Preservação de produto; Controle de dispositivos de medição e monitoramento; Satisfação de clientes; Auditorias internas; Inspeção e monitoramento de materiais e serviços; Controle de materiais e serviços não conformes; Análise de dados; Melhoria contínua; Ações corretivas.

Nível "B": É o terceiro nível de avaliação da conformidade, onde além das cláusulas auditadas no Nível C, são verificadas de forma evolutiva as cláusulas relacionadas a: • • • • • • • Infra-estrutura; Planejamento da execução da obra; Análise crítica dos requisitos relacionados à obra; Comunicação com o cliente; Controle de alterações de projetos; Análise crítica de projetos fornecidos pelo cliente; Propriedade do cliente.

Nível "A": É o quarto e último nível de avaliação da conformidade, quando, além das cláusulas auditadas no Nível B, são verificadas de forma evolutiva as cláusulas relacionadas a: • • • • • Comunicação interna; Ambiente de trabalho; Planejamento da elaboração do projeto; Entradas de projeto; Saídas de projeto;

• • • • • •

Análise crítica de projeto; Verificação de projeto; Validação de projeto; Validação de processos; Medição e monitoramento de processos; Ações preventivas.

Referências
http://www.angloengenharia.com.br/site/engenharia/pbqp-h-o-que-e-ecomo-identificar-se-uma-empresa-o-leva-a-serio/ http://www.lrqa.com.br/certificacao/qualidade/pbqp-h.asp http://www.qualidadebrasil.com.br/artigo/qualidade/o_que_e__pbqp-h_ http://www4.cidades.gov.br/pbqp-h/