Você está na página 1de 74

1

CONSIDERAÇÕES
Este material é uma apostila de 2018 utilizada no minicurso Robot, baseado no
conteúdo desenvolvido pelos alunos Felipe Batista Irikura, Felipe Drago Romano,
Milton Manzoni Junior do Programa de Educação Tutorial (PET) de Engenharia Civil
da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, campus Campo Mourão - PR.
Esta apostila é fundamentada na versão 2018 em português do software.

2
ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES
Figura 1- Projeto Estrutural Elaborado no Robot .............................................. 7
Figura 2- Importando Projetos Autodesk® ........................................................ 7
Figura 3- Interface inicial do programa. ............................................................ 9
Figura 4- Menu de novos tipos de projetos. .................................................... 10
Figura 5- Menu de Barras ............................................................................... 11
Figura 6- Botão Arquivo .................................................................................. 11
Figura 7- Barra Standard ................................................................................ 12
Figura 8- Área de trabalho .............................................................................. 12
Figura 9- Inspetor de Objeto ........................................................................... 15
Figura 10 - Navegador de Propriedades ......................................................... 15
Figura 11 - Vistas ............................................................................................ 16
Figura 12 - Personalizar menus e barras ........................................................ 16
Figura 13- Preferências do trabalho ............................................................... 17
Figura 14- Inserir novo material ...................................................................... 18
Figura 15- Definição de material ..................................................................... 19
Figura 16 - Preferências ................................................................................. 20
Figura 17 - Comando do mouse ..................................................................... 21
Figura 18- Ícone projeto 2D ............................................................................ 22
Figura 19- Ícone Definição de eixo ................................................................. 23
Figura 20- Exemplo de eixo estrutural Eixo estrutural .................................... 23
Figura 21- Eixo formado com as coordenadas da Figura 19 .......................... 24
Figura 22- Ícone “Nós” .................................................................................... 25
Figura 23- Ícone “Tabelas” para criação de nós ............................................. 26
Figura 24- Criando nós a partir das tabelas .................................................... 27
Figura 25- Criando nós nos eixos ................................................................... 28
Figura 26 - Criando nós nos eixos usando barras .......................................... 29
Figura 27- Ícone de Seções e seções pré definidas ....................................... 30
Figura 28- Ícone de “Novo” ............................................................................. 31
Figura 29- Criando nova seção ....................................................................... 31
Figura 30- Ícone de “Barras” ........................................................................... 32
Figura 31- Criando as barras .......................................................................... 33
Figura 32- Ícone “Formas de seção” ............................................................... 33
3
Figura 33- Selecionando “Formas de seção” .................................................. 34
Figura 34- Ícone “Apoios” ............................................................................... 35
Figura 35- Janela “Apoios”.............................................................................. 35
Figura 36- Ícone “Nova definição de apoio” .................................................... 36
Figura 37 - Modelos de apoios ....................................................................... 36
Figura 38- Criação de apoios.......................................................................... 37
Figura 39- Apoio criado................................................................................... 37
Figura 40- Aplicando apoios na estrutura ....................................................... 38
Figura 41- Ícone para visualização dos apoios ............................................... 38
Figura 42- Selecionando o ícone de visualização dos apoios ........................ 39
Figura 43- Ícone “Tipos de carga” ................................................................... 40
Figura 44- Janela “Tipos de carga” ................................................................. 40
Figura 45- Ícone “Definição de carga” ............................................................ 41
Figura 46- Escolhendo a carga ....................................................................... 41
Figura 47- Janela “Definição de carga” ........................................................... 42
Figura 48- Carga distribuída uniforme ............................................................ 43
Figura 49- Aplicando carga distribuída ........................................................... 43
Figura 50- Cargas aplicadas ........................................................................... 44
Figura 51- Cálculos da estrutura ..................................................................... 45
Figura 52- Cálculos da estrutura ..................................................................... 46
Figura 53- Resultados..................................................................................... 46
Figura 54- Escolhendo os diagramas e reações ............................................. 47
Figura 55- Reações de apoio.......................................................................... 48
Figura 56- Valores das reações de apoio ....................................................... 48
Figura 57 - Exemplo de viga bi apoiada.......................................................... 49
Figura 58 - Diagrama de momento ................................................................. 49
Figura 59 - Valores dos diagramas ................................................................. 50
Figura 60 - Diagrama com valores .................................................................. 50
Figura 61 - Força Fz ....................................................................................... 51
Figura 62- Diagrama de esforço cortante ....................................................... 52
Figura 63- Viga bi apoiada com força axial ..................................................... 52
Figura 64- Força Fx ........................................................................................ 53
Figura 65- Diagrama esforço normal .............................................................. 53
Figura 66 - Convenção de sinais positivos para o Robot ................................ 54
4
Figura 67 - Deformações ................................................................................ 55
Figura 68- Valores das deformações .............................................................. 55
Figura 69 - Ícone Projeto de estrutura 3D ....................................................... 56
Figura 70 - Eixo Estrutural .............................................................................. 57
Figura 71 - Esquema de eixos ........................................................................ 57
Figura 72 - Configuração da coluna e da viga ................................................ 58
Figura 73 - Configuração dos pilares .............................................................. 59
Figura 74 - Eixo cartesiano ............................................................................. 59
Figura 75 - Tabela vista .................................................................................. 59
Figura 76 - Configuração dos apoios no perfil 2D ........................................... 60
Figura 77 - Configuração dos apoios no perfil 3D ........................................... 61
Figura 78 - Configuração das vigas no perfil 2D ............................................. 61
Figura 79 - Configuração da viga em 3D ........................................................ 62
Figura 80 - Colocação no nó ao centro ........................................................... 63
Figura 81 - Janela de Vínculos Rígidos .......................................................... 63
Figura 82 - Janela de definição de vínculos.................................................... 64
Figura 83 - Nó central sobre vínculo ............................................................... 65
Figura 84 - Caracterísitca de um diafrágma.................................................... 65
Figura 85 - Janela de cópia ............................................................................ 66
Figura 86 - Vigas e diafrágmas nos três pavimentos ...................................... 67
Figura 87 - Janela dos tipos de carga ............................................................. 68
Figura 88 - Configuração com as cargas DL1 ................................................ 69
Figura 89 - Configuração com as cargas LL1 ................................................. 69
Figura 90 - Configuração com a carga de VENTOx ....................................... 70
Figura 91 - Configuração com a carga de VENTOy ....................................... 70
Figura 92 - Deformação .................................................................................. 71
Figura 93 - Valores de deformação ................................................................ 72
Figura 94 - Reações ....................................................................................... 72
Figura 95 - Valores de reações....................................................................... 73

5
6
CONHECENDO O PROGRAMA

Figura 1- Projeto Estrutural Elaborado no Robot

O Autodesk® Robot™ Structural Analysis Professional é um software de


cálculo estrutural direcionado para engenheiros civis e engenheiros mecânicos, muito
usado para modelar de dimensionar estruturas.

Figura 2- Importando Projetos Autodesk

7
Nos primeiros contatos com o programa já é possível notar a capacidade do
software e a quantidade de informações que podem ser colocadas para projetar de
acordo com sua preferência.
O Robot™ pode ser editado da maneira que preferir, utilizando os dados que
desejar, ou então optar pelos danos já definidos.
No banco de dados do software já tem armazenados um grande número de
normas, porém nenhuma norma brasileira está pré-definida, e isso se torna um
problema para projetar.
Por ser recheados de funções, o software deve ser introduzido aos poucos,
partindo dos conceitos básicos e conforme vamos aprendendo e se familiarizando
com o programa tudo vai ficando mais simples e intuitivo.

8
COMANDOS
Para essa apostila, estaremos utilizando a versão 2018 do Robot Structural
Analysis Professional em português, portanto todos os comandos serão em
português.

● Interface inicial do programa

Figura 3- Interface inicial do programa.

9
● Novo projeto

Figura 4- Menu de novos tipos de projetos.

Nesta janela você poderá trabalhar com o projeto que melhor se adequa ao
momento. Estas divisões são caracterizadas por:

1. Projeto de construção;
2. Projeto de estrutura 3D – trabalhará somente com elementos de barra;
3. Projeto de casca – trabalhará com estruturas de formas quaisquer (barras e
planos);
4. Projeto de treliça 3D;
5. Projeto de placa – trabalhará apenas com planos
6. Projeto de estrutura 2D – trabalhará apenas com elementos de barra (mais simples
que utilizar o projeto 2);
7. Projeto de grelha;
8. Projeto de treliça 2D;
9. Projeto de estrutura volumétrica;
10. Projeto de estrutura de tensão plana;
11. Projeto de estrutura com flambagem plana;
12. Projeto de estrutura com simetria de eixos;
13. Projeto de elementos de CA;
14. Projeto de conexão;
15. Definição de seção;
16. Projeto de estrutura parametrizada – trabalhará com ajustes para construção de
algo já jeito;

10
Abaixo dos novos projetos, existem as opções “Novo” e “Abrir projeto...”, a
primeira opção abre a janela apresentada na Figura 6, onde são apresentadas
diversas opções de projeto (Projeto de construção, projeto de estrutura 3D, projeto de
estrutura 2D, projeto de treliça 2D….) cada um possui características próprias; a
segunda opção abre projetos previamente produzidos.

● Menu de Barras

Figura 5- Menu de Barras

Este é o menu superior, que contém alguns comandos do Robot. O Menu de


Barras é formado pelos comandos existentes no Robot.

● Botão Arquivo

Figura 6- Botão Arquivo

11
Este botão contém algumas funções importantes como, abrir, salvar, salvar
como, exportar, importar e imprimir.

• Barra Standard (Padrão)

Figura 7- Barra Standard

Esta barra contém as várias funções básicas, como: Abrir, salvar, desfazer,
avançar, além de apresentar funções como calcular, editar e vistas.

• Área de trabalho do Robot

Barra padrão Menu

Inspetor de objetos
Barra de ferramentas

Propriedades
Vistas

Figura 8- Área de trabalho

A área de trabalho do Robot é composta pelo menu, barra padrão, barra de


ferramentas, inspetor de objeto, propriedades e vistas. A barra padrão já foi abordada
acima (Figura 7).

12
● Menu

o Editar
Possui comandos de edição do projeto.

o Vista
Possui opções de comando de visualização do projeto, desde a movimentação
em duas dimensões como em três dimensões, e também modificar o tipo de
visualização de projeto que se deseja ter.

o Geometria
Possui a opção de determinar os tipos de estrutura, de apoios, de articulações,
os materiais, as propriedades de seções, construção de nós e barras e os eixos
estruturais.

o Cargas
Possui opções para acréscimo de cargas na estrutura, sejam elas ativas ou
mortas.

o Análise
Possui opções para definir os tipos de análise da estrutura, fazer os cálculos
da estrutura, verificar se a estrutura se apresenta isostática e onde os erros se
encontram, analisar estruturas com abordagem sísmica (Análise DAM - Direct
Analysis Method).

o Resultados
Possui opções de visualizações de diversos tipos de resultados, como
diagramas de forças, deslocamentos, tensões.

o Projeto
Possui opções de projetos de aço e madeira, as conexões entre barras de aço
e armadura em casos de estruturas de concreto armado.

13
o Ferramentas
Possui opções para determinar unidades de medida, aplicar cotas, criar
estimativas de custo, determinar o tipo de solo no qual a estrutura se apoia, determinar
preferências de trabalho (como direção de eixos, tipos de materiais usados), além de
personalizar os menus e barras de ferramentas.

o Suplementos
Possui opções para gerar estruturas instaladas no programa, integrar os
projetos do Revit com o projeto estrutural no Robot, utilizar vigas compostas, analisar
por meio do Italy NTC 2008.

o Janela
Possui a opção de abrir, ou dividir, janelas de trabalho, ou vistas diferentes
(tabelas, mapas…).

o Ajuda
É o menu de ajuda do Robot Structural Analysis Professional, encontra-se em
inglês.

o Comunidade
Possui opções para entrar em contato com a comunidade Autodesk, por meio
de fóruns e contato do cliente com a empresa.

14
● Inspetor de objeto

Figura 9- Inspetor de Objeto

O Inspetor de Objeto contém a lista de objetos que se pode ver, selecionar ou


editar na estrutura.

● Propriedades

Figura 10 - Navegador de Propriedades

15
Na janela e propriedades é possível configurar o elemento, dimensões,
propriedades, tipos de articulações nas extremidades.

● Vistas

Figura 11 - Vistas

Nas Vistas é possível escolher quais atributos o autor gostaria que fossem
visíveis na área de trabalho (número de nós, número de barras, descrições de painel,
símbolo de apoio, formas de seção, sistemas locais, interiores de painéis, símbolos
de carga, descrições dos valores de carga).

Como configurar a área de trabalho do Robot

Figura 12 - Personalizar menus e barras

16
Caso algumas das barras ou abas sumirem, uma forma simples de corrigir esse
erro é indo na aba Ferramentas e clicando em Personalizar, em seguida se escolhe
qual menu deseja-se editar. Também se encontra a opção para definir ou alterar
atalhos de teclado.

● Unidades e materiais

Figura 13- Preferências do trabalho

A janela de preferências do trabalho pode ser acessada através da ícone


Ferramentas, onde é possível decidir com quais parâmetros seu projeto será
desenvolvido. Nesta janela pode-se definir quais unidades serão usadas para as
dimensões, forças, deslocamentos, pode definir a origem e o tipo de material que será
usado, assim como quais normas serão utilizadas para se definir os cálculos.

17
Como inserir um novo material

Figura 14 - Inserir novo material

Na janela de preferências do trabalho ao definir a origem dos materiais que


serão utilizados, serão apresentadas algumas opções de conjuntos básicos, são
algumas opções de materiais existentes com a propriedades já definidas, porém caso
deseje utilizar um material que não esteja presente na lista de materiais você pode
inserir um novo.

18
Figura 15- Definição de material

Ao clicar em modificação abrirá uma janela na qual se pode modificar as


propriedades dos materiais existentes ou criar um novo, para isso serão necessárias
as propriedades do novo material. Após modificar as propriedades, só clicar em
Adicionar para que o novo material seja acrescentado a lista, caso queira modificar as
propriedades de um material existente só clicar em OK.

19
• Preferências

Figura 16 - Preferências

A janela de preferências pode ser acessada através do ícone Ferramentas no


menu, onde é possível editar o modo como irá trabalhar com o Robot, a linguagem, a
visualização dos menus e da área de trabalho e também definir os parâmetros de
impressão e tempo de salvamento do arquivo.

● Mouse

Os mouses têm funções um pouco diferente no Robot. O botão do meio exerce


toda a função de controlar a câmera. Por isso é recomendável que se use um mouse
ao trabalhar com o programa.

20
27

Botão Esquerdo: Botão Direito:

Seleciona entidades Abre abas com várias

de desenho. opções.

Botão Scroll: botão “rolante” que dá Zoom e Pan (move a tela)


no desenho, Shift + botão Wheel gira a tela no desenho.

Figura 17 - Comando do mouse

21
INICIANDO UM PROJETO 2D
Após criar um novo projeto, configurar os comandos iniciais como unidade de
medida e atalhos do teclado ou carregar um template com as configurações prontas,
estamos prontos para iniciar um projeto.

CRIANDO SISTEMA DE COORDENADAS

Para iniciar o projeto em 2D, é necessário começar um novo projeto clicando


no ícone de “Projeto de estrutura 2D”

Figura 18- Ícone projeto 2D

22
No menu da direita, clique no ícone “Definição de eixo”

Figura 19- Ícone Definição de eixo

Ao clicar no ícone de “Definição de eixo”, abre uma janela para criar o sistema
de eixos que iremos trabalhar. Isso nos auxiliará para construção da estrutura.

Figura 20- Exemplo de eixo estrutural Eixo estrutural

23
É preciso colocar valores nos três parâmetros (Posição, Nº de repet. e
Distância) dos dois eixos (X e Z).

• Posição: É o valor do ponto inicial no eixo em que está sendo criado.


• Nº de repet.: É a quantidade de vezes que a criação de ponto se repetirá
• Distância: é a distância entre os pontos criados.

Obs: Para criar o sistema de coordenadas é necessário preencher tanto o eixo


X quanto o Z

Exemplo:
Se colocarmos posição “0”, número de repet. “2” e distância “1.5”, será criado
três pontos (no eixo de preferência) com distância de 1,5 metros entre o ponto e o
ponto anterior.

Agora um exemplo utilizando o software, exemplificando a figura anterior


(Figura 20). Após clicar em aplicar, aparecerá o eixo:

Figura 21- Eixo formado com as coordenadas da Figura 19

24
CRIANDO OS NÓS

Depois da criação dos eixos, é necessário a criação dos nós.


Lembrando que existem várias possibilidades para a criação dos nós, e não é
realmente necessário a criação do sistema de eixos, mas facilita.

Para melhor explicação da criação de nós, mostraremos 3 modos.

• Modo 1

Nesse modo se utiliza as coordenadas de cada nó, criando-os apenas digitando


um valor para o eixo X e um valor para o eixo Z.
Basta clicar no ícone do “Nós” no menu da direita, como mostra a figura:

Figura 22- Ícone “Nós”

• Modo 2

Esse modo é parecido com o modo um, porém mais prático.


Clique no ícone de “Tabelas” e selecione “Nós”.

25
Figura 23- Ícone “Tabelas” para criação de nós

Quando clicamos em “Ok”, abre uma janela para colocarmos os valores dos
nós.
O interessante desse modo é que já podemos definir os apoios nos nós que
desejarmos.

26
Figura 24- Criando nós a partir das tabelas

Podemos notar que no canto inferior esquerdo, conseguimos voltar na vista da


estrutura e vice-versa.
Para excluirmos a opção “Nós” deste espaço, basta clicar em “Tabelas”
novamente e desmarcar a opção “Nós”.

27
• Modo 3

Nesse modo não vamos criar os nós separadamente, utilizaremos o sistema de


eixo que criamos anteriormente para ir criando os nós conforme for preciso.
Quando criamos uma barra entre os pontos dos eixos, o nó é criado
automaticamente, sem nos preocuparmos com coordenada nenhuma, ou então
clicamos no ícone de “Nós” (Figura 21) e com o mouse clicamos nos pontos dos eixos.

Figura 25- Criando nós nos eixos

28
Figura 26 - Criando nós nos eixos usando barras

29
CRIANDO AS BARRAS

As barras, assim como os nós, possuem várias maneiras de serem feitas, e


aqui será ensinada uma dessas maneiras, uma das mais simples, usando os nós já
prontos ou então usando o sistema de eixo.
O princípio é o mesmo para os dois casos.

Para iniciarmos, precisamos começar definindo o material e a forma das nossas


seções.
Clicando no ícone de “Seções”, aparece uma janela com seções já definidas
pelo programa.

Figura 27- Ícone de Seções e seções pré definidas

Podemos criar nossas próprias seções, usando o menu superior da janela


aberta, clicando no ícone de “Novo”.

30
Figura 28- Ícone de “Novo”

Ao clicarmos no ícone de “Novo”, abrirá uma outra janela, onde poderemos


criar uma nova seção, com o material e dimensões desejadas e escolhendo também
o tipo de seção, que mudará dependendo da finalidade.

Figura 29- Criando nova seção

31
Após definirmos as seções que usaremos, podemos começar a desenhar as
barras.
Clicando no ícone de “Barras”, abrirá uma janela onde poderemos definir a
seção que iremos usar.

Figura 30- Ícone de “Barras”

Com o sistema de eixo ou os nós já prontos, basta apenas abrir a janela das
barras, definir o que queremos criar e ir clicando nos pontos ou nós.

32
Figura 31- Criando as barras

Após criarmos as barras, podemos visualizar a forma da sua seção utilizando


o menu inferior esquerdo.

Figura 32- Ícone “Formas de seção”

33
Figura 33- Selecionando “Formas de seção”

34
CRIANDO OS APOIOS

Seguindo os passos que foram passados anteriormente, já temos o sistema de


eixo, os nós e as barras e agora vamos aprender como adicionamos os apoios.
Lembrando que essa sequência não é uma regra, apenas uma sugestão.

Para os apoios também temos um ícone para sua criação, que fica no menu da
direita.

Figura 34- Ícone “Apoios”

Quando selecionado, abre para nós uma janela onde poderemos usar os
apoios já definidos pelo programa ou criarmos o nosso.

Figura 35- Janela “Apoios”

35
Na figura acima (Figura 35) temos apoios do próprio software e alguns já
criados.
Para criação dos apoios, basta seguirmos os passos a abaixo:

• Clique no Ícone “Nova definição de apoio”.

Figura 36- Ícone “Nova definição de apoio”


• Escolha o modelo do seu apoio (Rígido, Estático, Atrito…) na nova janela
aberta.

Figura 37 - Modelos de apoios

36
• Nomeie o apoio em “Legenda” e defina as direções fixas e clique em
adicionar.

Figura 38- Criação de apoios

• Pronto, temos nosso apoio criado.

Figura 39- Apoio criado

37
Após o apoio criado, precisamos adicioná-lo no nó de preferência, basta
selecionar o apoio desejado e clicar nos nós.

Figura 40- Aplicando apoios na estrutura

Assim como as barras, temos a opção de visualização do apoio ou não, usando


o menu inferior esquerdo.

Figura 41- Ícone para visualização dos apoios

38
Figura 42- Selecionando o ícone de visualização dos apoios

39
APLICAÇÕES DE CARGAS

Com nossa estrutura pronta, podemos começar a aplicar tensões em nosso


projeto e calcular os esforços.
Primeiro é preciso criar as forças de acordo com a natureza que queremos,
podendo ser morto, ativo, vento, neve, acidental e sísmico. O que mais vamos utilizar
é o morto, que seria o peso da própria estrutura e o ativo que são cargas aplicadas na
estrutura.
Para criar essas cargas, basta clicar no ícone “Tipos de cargas” no menu da
direita.

Figura 43- Ícone “Tipos de carga”

Figura 44- Janela “Tipos de carga”

40
A janela que abre quando clicamos nesse ícone, é bem intuitiva e fácil de editar.
Basta apenas escolher a natureza da carga, o nome e a legenda e então clicar
em adicionar.
Depois disso, precisamos editar essas cargas clicando no ícone “Definição de
carga”, também no menu da direita, mas antes precisamos escolher a carga que
vamos editar.

Figura 45- Ícone “Definição de carga”

Para escolher a carga, vamos selecionar a desejada no menu superior.

Figura 46- Escolhendo a carga

Então abrirá uma janela onde poderemos optar em cargas nodais (Nó), carga
distribuída (Barras) ou peso próprio da estrutura.

No exemplo abaixo foi utilizado a carga de natureza “ativo”.

41
Figura 47- Janela “Definição de carga”

Para exemplificar, vamos aplicar uma carga nodal e outra distribuída, basta
apenas clicar no ícone desejado, escolher os valores, clicar em adicionar e aplicar na
barra ou no nó.

42
Figura 48- Carga distribuída uniforme

Figura 49- Aplicando carga distribuída

43
Figura 50- Cargas aplicadas

44
RESULTADOS

Neste capítulo vamos mostrar como analisamos os resultados das aplicações


de carga, mostrando os diagramas mais utilizados.
Depois de todas as cargas definidas e aplicadas, precisamos dar o comando
para o software, para que ele faça os cálculos necessários para obtermos as
informações da estrutura.
Se alterarmos algo após os cálculos, precisaremos dar o comando novamente,
para que o programa atualize os resultados.

No menu superior, basta clicar em “Análise” e depois em “Cálculos”.

Figura 51- Cálculos da estrutura

Isso abrirá uma janela, mostrando que os cálculos estão sendo realizados.

45
Figura 52- Cálculos da estrutura

Com os cálculos prontos, podemos começar a analisar os diagramas e as


reações.
Devemos, no menu superior, clicar em “Resultados” e depois “Diagramas para
barras…”. Com isso abrirá uma janela onde selecionaremos qual reação ou diagrama
queremos ver.

Figura 53- Resultados

46
Figura 54- Escolhendo os diagramas e reações

• Reações

Para vermos as reações, clicamos em “Reações”, selecionamos as reações


que queremos e também selecionamos a opção “Descrições”, para o software mostrar
os valores das forças.

47
Figura 55- Reações de apoio

Figura 56- Valores das reações de apoio

48
• Momentos

Para esse caso, vamos mudar o exemplo para melhor visualização.


Utilizaremos uma viga biapoiada com um carregamento.

Figura 57 - Exemplo de viga bi apoiada

Na janela de diagramas, clicamos em “NTM” e selecionamos “Momento My”.


Após aplicarmos, teremos isso:

Figura 58 - Diagrama de momento

Ainda podemos visualizar os valores máximos e mínimos do diagrama, basta


clicar em “Parâmetros”, na mesma janela anterior, e selecionar a opção “texto”.
Vale ressaltar que quando selecionamos essa opção, o software também nos
mostrará os valores de deformação de esforços cortantes, que serão apresentados
ainda nesse capítulo.

49
Figura 59 - Valores dos diagramas

Figura 60 - Diagrama com valores

50
• Esforço cortante

Para análise dos esforços cortantes, vamos continuar com a viga biapoiada
como exemplo.
Vamos abrir a mesma janela de antes, selecionar “NTM” e escolher a opção
“Força Fz”
É interessante retirar a opção do diagrama do momento que selecionamos
antes, para facilitar a visualização.

Figura 61 - Força Fz

51
Figura 62- Diagrama de esforço cortante

• Esforço Normal
Como no exemplo utilizado anteriormente não adicionamos forças no eixo X, o
esforço normal é 0. Então adicionaremos uma força de -10 kN no apoio móvel nesse
mesmo exemplo.

Figura 63- Viga bi apoiada com força axial

Esse é um caso onde precisamos selecionar a opção “Cálculos” novamente,


pois uma nova carga foi adicionada.

Agora na janela dos diagramas, selecionamos “Força Fx” e depois em aplicar.

52
Figura 64- Força Fx

Figura 65- Diagrama esforço normal

Observe que ao calcular manualmente ou utilizar um segundo programa (como


o Ftool), obteremos um resultado diferente do apresentado pelo Robot, isso se deve
a convenção de sinais positivos para barras adotado pelo programa, como mostrado
na figura 65.

53
Figura 66 - Convenção de sinais positivos para o Robot

• Deformações
Devido a erros de tradução o software utiliza o termo Flambagem para tratar de
deformações, portanto não existe um botão nomeado de deformação.
Então, na janela de diagramas, procuramos “Flambagem” no menu superior e
selecionamos a opção “flambagem”.

54
Figura 67 - Deformações

Figura 68- Valores das deformações

Note que foi criado um ponto sobre a barra, isso para que o software
mostrasse o valor naquele ponto.

55
INICIANDO UM PROJETO 3D
Dentro do programa podem-se encontrar diferentes maneiras de projetar algo
em um espaço tridimensional. Dependendo do projeto do qual se tem, é possível abrir
um ”projeto” no Robot Autodesk que melhor se adequa à sua montagem.
Para melhor entendimento, o exemplo a seguir poderá auxiliar na modelagem
do espaço tridimensional com barras:

NOVO PROJETO DE ESTRUTURA 3D

Figura 69 - Ícone Projeto de estrutura 3D

Definindo eixos

Seguindo o mesmo padrão da figura 18, clique no ícone “Definição de Eixo”


para a criação. Nesse momento a eixo z dará uma característica tridimensional ao
projeto, ele valerá como a altura da edificação.

56
Figura 70 - Eixo Estrutural
Para cada criação de posição, número de repetições e distâncias é necessário
clicar em “Adicionar” para que se crie os valores nos eixos estruturais.
Após a criação dos eixos, aparecerá algo do tipo:

Figura 71 - Esquema de eixos

57
Criação das barras

Para prosseguir com o projeto, terá que serem criadas as barras (conforme é
aplicado na estrutura 2D). Dessa forma terá uma coluna e viga da seguinte forma:

Figura 72 - Configuração da coluna e da viga

Para a construção das colunas será utilizada a formatação das novas seções
já feitas. Pegará do nó da base e se elevará até o valor de z = 9 (o modo 3 sobre nós
será melhor para trabalhar nessa parte).

58
Figura 73 - Configuração dos pilares

Trabalhando com cada pavimento é melhor que o projeto esteja em 2D e, para


isso, pode-se fazer da seguinte maneira:
Clique em:

Figura 74 - Eixo cartesiano

e nele aparecerá a tabela:

Figura 75 - Tabela vista

59
Nessa tabela é possível que se trabalhe em planos, nesse caso o que modifica
é o plano a cada valor de “z”.

Apoios

Colocando os apoios deixe:

2D XY Eixo da estrutura 1
Selecione os nós e clique em “Engastado” e logo após em “Aplicar”. Após fazer
isso ficará da seguinte forma:

Figura 76 - Configuração dos apoios no perfil 2D

Nesse exemplo os apoios são engastados, mas poderiam seguir outro tipo. No
caso de não existir o que se precisa, é necessária a criação de um novo apoio.

60
Figura 77 - Configuração dos apoios no perfil 3D

• Vigas

Para a colocação das vigas é melhor que ainda se trabalhe no perfil


bidimensional. Nesse caso coloque:
2D XY Eixo da estrutura 2
A configuração ficará:

Figura 78 - Configuração das vigas no perfil 2D

Seguindo o mesmo preceito das colunas, as vigas deverão iniciar em um nó e


terminar ao seu final.
Observação: Nesse exemplo o eixo Y não terá uma coluna no nó 1-2 e 3-2,
sendo assim pegar do nó 1-3 e 3-3 respectivamente.

61
Figura 79 - Configuração da viga em 3D

• Colocando o diafragma
Para trabalhar com o diafragma rígido é necessário que trabalhemos com os
vínculos da estrutura. Trabalhando ainda no plano:

2D XY Eixo da estrutura 2

De início é necessário que coloquemos um nó ao centro do retângulo formado


pelas vigas, pois ela auxiliará na colocação dos vínculos.

62
Figura 80 - Colocação no nó ao centro

Iremos na barra superior em:


GEOMETRIA ATRIBUTOS ADICIONAIS VÍNCULOS RÍGIDOS
Seguindo esses passos abrirá a janela:

Figura 81 - Janela de Vínculos Rígidos

63
Vá a “NOVO VÍNCULO RÍGIDO” (quadro vermelho na figura) e nele selecione
os seguintes itens:

Figura 82 - Janela de definição de vínculos

Os itens selecionados garantem que sua estrutura não terá um movimento em


x, y e z.
Disso, adicione uma legenda e clique em ADICIONAR.
De início clique no nó central, configurando-o.

64
Figura 83 - Nó central sobre vínculo

Após selecionar, clique no espaço escrito “SELEÇÃO DE NÓS


SECUNDÁRIOS”. Em seguida, selecione todas as vigas partindo da esquerda para
direita de cima para baixo, deixando-as de forma progressiva.

Figura 84 - Caracterísitca de um diafrágma

Para colocar esse diafragma nos pavimentos seguintes, selecione as vigas


juntamente com o diafragma.

65
Essa construção será refeita para z = 6 e z = 9, podendo ser feita selecionando
as vigas e o diafragma. Vá até a barra superior em:

EDITAR EDITAR MOVER/COPIAR

Figura 85 - Janela de cópia

Os vetores dx, dy e dz são os valores com os quais sejam copiadas as vigas


selecionadas e o diafragma. Nesse caso 0;0;3 é a solicitação da cópia sem
deslocamento em x e y e um deslocamento em z de 3. Para o último pavimento
coloque,
2D XY Eixo da estrutura 3

e faça o mesmo procedimento.

66
Figura 86 - Vigas e diafrágmas nos três pavimentos

• Adicionando as cargas

Adicionando cargas na estrutura


Para nomear os tipos de cargas que existirão na estrutura, iremos na barra
superior em:
CARGAS TIPOS DE CARGAS
Aparecendo ao final do exemplo:

67
Figura 87 - Janela dos tipos de carga
Seguindo a composição, fomos na barra lateral direita em

DEFINIÇÃO DE CARGAS BARRA CARGA UNIFORME (para DL1 e LL1)

DEFINIÇÃO DE CARGAS NÓ FORÇA NODAL (para VENTOx e VENTOy)

para DL1 terá apenas uma força P em z no valor de -10 kN/m.

68
Figura 88 - Configuração com as cargas DL1

Para LL1 terá apenas uma força P em z no valor de -5 kN/m.

Figura 89 - Configuração com as cargas LL1

Para VENTOx terá apenas uma força F em z no valor de 20 kN/m nos três
pavimentos.

69
Figura 90 - Configuração com a carga de VENTOx

Para VENTOy terá apenas uma força F em z no valor de 45 kN/m nos três
pavimentos.

Figura 91 - Configuração com a carga de VENTOy

70
Após solicitação dos cálculos é possível obter os diagramas, disso seguirá:
RESULTADOS DIAGRAMA DE PARA BARRAS
Com isso, aparecerá:

Figura 92 - Deformação

Na seção “Flambagem” selecione o ítem flambagem e aplique.

71
Figura 93 - Valores de deformação

Após isso vá em Reações e marque:

Figura 94 - Reações

Disso aparecerá no projeto as seguintes reações:

72
Figura 95 - Valores de reações
Terminado assim a construção do projeto tridimensional.

73
74