Você está na página 1de 25

VILL A-LOBOS E A

HERANÇA DO
ESTILO CULTO NAS
BACHIANAS
BRASILEIRAS
N O RTO N D U D E Q U E ( U F P R )
1. INTRODUÇÃO
2. NEOCLASSISMO
3. ESTILO CULTO E VILLA-LOBOS
3.1 FUGUE D’ÉCOLE
4. ILUSTRAÇÕES NAS FUGAS
4. ILUSTRAÇÕES NAS FUGAS

Tabela 1 – segmentação formal na fuga, Bachianas Brasileiras no. 1, terceiro movimento

Seção Compassos Tonalidade Componente estrutural


Exposição 1 1–16 Sol menor -> Mib maior S

Episódio 1 17–30 Mib maior -> Sol menor CS (contrassujeito) por aumentação
S (sujeito) modificado

Exposição 2 31–8 Sol menor -> Dó menor


Passagem Sequencial

Exposição 3
39–43 Dó menor -> Sol menor Stretto 1
44–6 Sol menor Stretto 2
Episódio Sequencial 47–58 Sol menor -> Dó menor G Pedal (cc. 47–9)

Episódio 2 59–65 Dó menor -> Sol menor CS primazia

Exposição 4 66–74 Ré menor -> Mib maior Fugue dupla


Sib pedal
Episódio 3 74–94 Mib maior -> Sib maior S por aumentação
Cadência final
Tabela 2 – segmentação formal na fuga; Bachianas brasileiras no. 7, quarto movimento
Seção Compassos Tonalidade Componente estrutural

Exposição 1 1–48 Ré menor (cc. 1–12) Sujeito (S)


Lá menor (cc. 13–24) Apresentação contrassujeito 1
Mi menor (cc. 25–36) (CS)
Si menor (cc. 37–48)
A Episódio 1 49–62 CS2-Contrassujeito principal
(cc. 49–52) Progressão 5as Fá#–Si–Mi–Lá
(cc. 53–62) Pedal em Lá (V de Ré)

Exposição 2 63–110 Ré menor (cc. 63–74) CS principal


Lá menor (cc. 75–86)
Mi menor (cc. 87–98)
Si menor (cc. 99–110)
B Episódio 2 111–3 material baseado no Episódio 1
Progressão 5as Fá#–Si–Mi–Lá (V de
Ré menor)

Exposição 3 114–35 Ré menor (cc. 114–25) CS principal (imitação “stretto”)


(Reexposição) Lá menor (cc. 126–8) Grandioso
Ré menor (cc. 129–42) Pedal em Lá cc. 137ff

C
Coda 136–48 Cadência final (cc. 143–8) Pedal em Lá (V)
Lento
6+–I (terça de picardia)
Tabela 3 – segmentação formal da fuga; Bachianas Brasileiras no. 8,
quarto movimento

Seção Compassos Tonalidade Componente estrutural

Introdução 1–6 Dó menor Fragmento de S

Exposição 1 7–21 S–Dó menor/ Sol menor/Dó menor Apresentação tradicional de Sujeito e
Cadência para Dó menor respostas (i–v–i)

Episódio 1 23–46.1 Fá menor (cc. 32–3) Fragmento de S


Novo CS (cc. 27–9)
Dó menor (cc. 37ff) Textura

Exposição 2 46–57 (Fá menor) Stretto


Cadência para Dó menor Progressão 5as

Episódio 2 58–65 CS

Coda 66–70 Cadência final 6+


Tabela 4 – segmentação formal Bachianas Brasileiras no. 9
Seção Compassos Tonalidade Componente estrutural
Prelúdio

Apresentação temática 1–14 Dó maior Apresentação do tema na vla.


Apresentação conclusiva 15–9 Dó maior Confirmação tonal e transição para
a seção coral
Seção Coral 20–32 politonal cc. 24–6: 6+–V–I
cc. 30–2
Seção final 33–7 Dó maior Acorde Final: Dó maior com 9a e
6a acrescentada
Fuga

Exposição 1 1–28 Fá menor (Dório) Sujeito Fá


Exposição 1

Dó menor (Eólio) Resposta Dó


Cadencial 6+

Episódio 1 29–44 Dó menor Transição


Mi bemol Textura de acordes (cc. 33–6)
Desenvolvimento

Fragmentação (cc. 37–8)


Elaboração de S (cc. 39–44)
Episódio 2 45–55 Progressão 5as progressão para Tema novo – tópico coral
Mib major (c. 50)
Episódio 3 56–71 Mib menor Elaboração de S
Sujeito (Mib menor, cc. 60–3)
Exposição 2 72–94 Começa em Ré menor com 5a Stretto – Sujeito abreviado
diminuta e progride para Lá
menor (cc. 75–7)
Exposição 2

Cadencial para Dó (cc. 78–81)


Grandioso 82–95 Dó menor Stretto – Progressão 5as
Tema 2 elaborado
cc. 93–4 Transição – Politonal
Coda Meno 95–9 Cadência Final Politonal
4. 1 CO M PARAÇÃO ENTRE EXPO SI ÇÕ ES

Exemplo 1, cc. 7–18; Bachianas Brasileiras no. 8, quarto movimento


Exemplo 2, apresentações do sujeito; Bachianas Brasileiras no. 7, quarto
movimento
Exemplo 3a e 3b, apresentações do sujeito; Bachianas Brasileiras no. 9,
segundo movimento
4.2 EPISÓDIOS

Exemplo 4, cc. 48–56; Bachianas Brasileiras no. 7, quarto movimento


Exemplo 5a, cc. 23–9; 5b, cc. 37–46; Bachianas Brasileiras no. 8,
quanto movimento
Exemplo 5b, cc. 37–46; Bachianas Brasileiras no. 8, quanto movimento
4.3 STRETTO

Exemplo 6, cc. 38–46; Bachianas Brasileiras no. 1, terceiro movimento


Exemplo 7a, cc. 63–6; 7b, 7b, cc. 126–30; Bachianas Brasileiras no. 7, quarto
movimento
Exemplo 8, cc. 46–50; Bachianas Brasileiras no. 8, quarto movimento
4.4 PEDAIS

Exemplo 9a, cc. 65–75; 9b,


cc. 74–81; Bachianas
Brasileiras no. 1, terceiro
movimento
Exemplo 9b, cc. 74–81; Bachianas Brasileiras no. 1, terceiro movimento
Exemplo 10, cc. 114–20, Bachianas Brasileiras no. 7, quarto movimento
5. TÓPICO CORAL

Exemplo 11a, cc. 88–95, 11b,


cc. 96–105, Bachianas
Brasileiras no. 3, segundo
movimento
Exemplo 12, cc.
14–20, Bachianas
Brasileiras no. 1,
segundo
movimento

Exemplo 13, cc.


138–146,
Bachianas
Brasileiras no. 1,
primeiro
movimento
Exemplo 14, cc. 45–51, Bachianas Brasileiras no. 9, segundo movimento
Exemplo 15, cc. 1–18, Bachianas Brasileiras no. 4, segundo movimento
Exemplo 16a, cc. 52–3, 16b, cc.
71–2; Bachianas Brasileiras no. 4,
segundo movimento
OBRIGADO!
7. REFERÊNCIAS

BÉHAGUE, Gerard. Heitor Villa-Lobos: The Search for Brazil’s Musical Soul. Austin: Institute of Latin American Studies University of Texas at Austin, 1994.
BEKKER, Paul. Neue Musik. Stuttgard: Deustche Verlags-Anstalt, 1923.
BLUME, Friederich. “Bach in the Romantic Era.” The Musical Quarterly 50, no. 3 (1964), p. 290–306.
CHAPIN, Keith. Learned Style and Learned Styles. In: MIRKA, Danuta (ed.). The Oxford Handbook of Topic Theory. Oxford: Oxford University Press, 2014, p. 301–29.
CORRÊA, Sérgio Nepomuceno Alvim. Alberto Nepomuceno, Catálogo Geral. Rio de Janeiro: Funarte, 1985.
__________. Leopoldo Miguéz, Catálogo de Obras. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Música, 2005.
CORRÊA DO LAGO, Manoel Aranha. O Círculo Veloso-Guerra e Darius Milhaud no Brasil. Rio de Janeiro: Reler Editora, 2010.
DAHLHAUS, Carl. Counterpoint. In SADIE, Stanley (ed The New Grove Dictionary of Music and Musicians, 1st ed.. London: Macmillan, 1980. Vol. 4, p. 833–851.
__________. Foundations of Music History. Tradução para o inglês J. B. Robinson. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.
__________. Nineteenth-Century Music. Trad. J Bradford Robinson. Berkeley: University of California Press, 1989.
D’INDY, Vincent. Cours de Composition Musicale. Paris: A. Durand et Fils, Éditeurs, 1909.
DUDEQUE, Norton. “Intertextuality and Stylization in Villa-Lobos’s Bachianas Brasileiras Nº 1”, Musica Theorica, 2, 2017, p. 19–51.
FINSCHER, Ludwig. “Bach’s Posthumous Role in Music History.” Bach Perspectives 3 (1998), p. 1–21.
FRISCH, Walter. “Reger’s Bach and Historicist Modernism.” 19th-Century Music 25, no. 2 (2001), p. 296–312.
GEDALGE, André. Traité de La Fugue. Paris: Enoch & Cie, Éditeurs, 1901.
HINTON, Stephen. “Hindemith, Bach, and the Melancholy of Obligation”, in Bach Perspectives 3, Michael Marissen (Editor), Lincoln: University of Nebraska Press, 1998, p.
133-150.
HYDE, Martha M. “Neoclassic and Anachronistic Impulses in Twentieth-Century Music.” Music Theory Spectrum 18, no. 2 (1996), p. 200–235.
KIEFER, Bruno. Villa-Lobos e o modernismo na música brasileira. Porto Alegre: Movimento; Brasília: INL: Fundação Nacional Pró-Memória, 1986.
KOECHLIN, Charles.“Le retour à Bach”, La revue musicale 8, no. 1, Nov. 1926, p. 1-12.
MESSING, Scott. Neoclassicism in Music From the Genesis of the Concept through the Schoenberg/Stravinsky Polemic. Rochester: University of Rochester Press, 1988.
MUSEU VILLA-LOBOS. Villa-Lobos, Sua Obra. Rio de Janeiro: MEC/Museu Villa-Lobos, 1972.
NÓBREGA, Adhemar. “Roteiros de Villa-Lobos”. In Presença de Villa-Lobos, 4º volume. Rio de Janeiro: MEC/DAC/Museu Villa-Lobos, 1969, p. 7–26.
__________. “Atualidade da Música de Villa-Lobos”. In Presença de Villa-Lobos. Rio de Janeiro: MEC-Museu Villa-Lobos, 1969, p. 13-19.
__________. As Bachianas Brasileiras de Villa-Lobos. Rio de Janeiro: MEC-Departamento de Assuntos Culturais, 2a edição, 1976.
PLESCH, Melanie. 2017. The Learned Style in Argentine Music: Topic Simultaneity and Rhetorics of Identity in the Work of Carlos Guastavino. Revista Portuguesa de
Musicologia n. 4, v. 1, p. 121–40.
RATNER, Leonard. Classic Music – Expression, Form, and Style. New York: Schirmer Books, 1980.
SCHOENBERG, Arnold. Style and Idea, Selected Writings of Arnold Schoenberg. Ed. Leonard Stein. London: Faber & Faber, 1975.
STRAUS, Joseph N. Remaking the Past. Musical Modernism and the Influence of Tonal Tradition. Cambridge: Harvard University Press, 1990.
TARASTI, Eero. Heitor Villa-Lobos: The Life and Works, 1887-1959. London: McFarland, 1995.
TARUSKIN, Richard. Stravisnky and the Russian Traditions. Oxford: Oxford University Press, 1996.
VILLA-LOBOS, Heitor. Solfejos Originais e Sôbre Têmas de Cantigas Populares, Para Ensino de Canto Orfeônico. Rio de Janeiro: Irmãos Vitale, 1946.
WALKER, Paul. Fugue, §8 20th century. In SADIE, Stanley and John Tyrrell (eds.) The New Grove Dictionary of Music and Musicians, 2nd ed. London: Macmillan, 2001. Vol. 9, p.
330–331.
WHEELDON, Marianne. Anti-Debussyism and the Formation of French Neoclassicism. Journal of the American Musicological Society, v. 70, n. 2, 2017, p. 433–74.