Você está na página 1de 12

Kalecki: Investimento e ciclo

Profa. Maria Isabel Busato


Kalecki: investimento e ciclo
• A análise cíclica é baseada na interação do tipo
multiplicador e acelerador
Pt K t
(1) Ft   aSt  b c d
t t
Onde: a = sensibilidade do investimento à St; b = sensibilidade
do investimento à variação no lucro; c = sensibilidade do
investimento à variação no estoque de capital

• Seja K t
( 2)  Ft  
t
Onde: δ = valor absoluto da depreciação
Kalecki: investimento e ciclo
• (2) em (1)

Pt
(3) Ft   aS t  b  c ( Ft   )  d
t
• Equação 3: Mostra que as decisões de investir em capital fixo são função tanto
do nível de atividades econômicas (St) como da taxa de modificação desse
mesmo nível (ΔP/Δt ).
Ft   cFt a b Pt c  d
(3.1)  St  
1 c 1 c 1  c t 1 c

a Pt
(4) Ft   S t  b'  d'
1 c t
Onde: θ é um hiato temporal médio menor do que τ; e b’ e d’ são:

b c  d
b'  d'
1 c 1 c
Kalecki: investimento e ciclo
• Investimento em estoque

Yt
J t  e (5) I TOTAL  I  F  J
t
• Investimento total será dado pela soma do investimento em capital fixo + Investimento
em Estoque
a Pt Yt
(6) It   St  b' e  d'
1 c t t
• A equação 6 expressa (a) a relação, com um hiato temporal, entre o investimento em
capital fixo, de um lado, e a poupança, a taxa de modificação dos lucros e a taxa de
modificação no estoque de capital em equipamento de outro (o efeito modificação do
estoque de capital se reflete no coeficiente a/(1+c)

 Pt 1 I t  w Yt 1 I t  w
( 6 . 1) ( )( ) (6.2) ( )( )
t 1 q t t (1   )(1  q) t
Kalecki: investimento e ciclo
• Reescrevendo a eq. 6, incluindo 6.1 e 6.2
a 1 e I t  w Yt
(7 ) I t   It  ( )(b' ) e  d'
1 c 1 q 1   t t
(7.1)it  I t  
a 1 e it
(8) it    (it   )  ( )(b' )  d'
1 c 1 q 1   t
• O desvio do investimento em relação à depreciação dará o investimento
líquido :

 1  b e  a
       g  d   (1 
'
)
 1  q  1  c 1    1 c
Kalecki: investimento e ciclo – usando artifício defasagens, em
conformidade com planilha excel simulando ciclos

a it  w
(10) it   it   g
1 c t
Artifício: fazer Δt= θ = 1 e vamos fazer Δit = it - it-1, Logo:

  a 
(11) it 2     it 1  it  g
  1 c 
g= constante; i= investimento líquido

 1  b e 
      
1 q  1  c 1   
Ciclo em Kalecki
• Esta é a equação geral do ciclo utilizada na análise do ciclo econômico
na formulação de Kalecki (equação 23’ da página 147:

a it  w
(10) it   it  
1 c t
Kalecki não elaborou a solução formal (matemática) para a existência do
ciclo, para tanto, ver: Possas (1987), p.146 e usar como complemento a
planilha de Excel disponibilizada com título “simulando ciclo em Kalecki.
Ciclo em Kalecki

it+θ = a/1+c . it + μ.∆it–ω/∆t


• a/(1+c).it: captura influência da poupança corrente (a) e ampliação da
capacidade produtiva [1/(1+c)];

• μ = 1/(1 – q).[b′ + e/(1 – α′)]. ∆It–ω/∆t: captura influência da taxa de


modificação dos lucros [b′/(1 – q)] e da produção [e/(1 – q)(1 – α′)].
Mecanismo do ciclo
• Observação: it é o investimento líquido. Ver equação 7.1
Partindo do ponto “A” da figura do próximo slide: Partiremos da hipótese de que
a economia se encontra na fase de recuperação, com Investimento = depreciação,
e investimento líquido em it=0, no ponto A da figura a seguir. Ver Kaleki (1954,
Cap 11, p. 147); Nesse ponto, Investimento iguala à depreciação e o investimento
líquido será igual a zero, it =0. “Observe que no ponto “A” o primeiro fator à
direita da igualdade será nulo: a/(1+c)it, porque it é nulo no ponto onde
Investimento = Depreciação. A economia vinha se recuperando com μΔit-w > 0.
Logo, it+ϴ > 0;
• Ultrapassando “A” de baixo para cima, o investimento líquido passa a ser
positivo, nos levando ao ponto “B”, implicando que está havendo entregas
líquidas de capital, o que passa a desestimular a continuidade do investimento
(ver equação 1 e 10).
Mecanismo do ciclo
“Contudo, depois de i ter se tornado positivo, o problema de sua continua
elevação (i.e. se it+ϴ > it), depende dos valor dos coeficientes a/(1+c) e
de μ; De fato, o primero componente de it+ϴ, isto é, a/(1+c)it é mais baixo
que i, porque supusemos a/(1+c) <1 e isso tende a reduzir it+ϴ abaixo de
it.
Por outro lado, o segundo componente μ Δit-w/Δt é positivo porque i
estava se elevando antes de alcançar o nível de it, e isso tente a aumentar
it+ϴ acima do nível it. Há, portanto duas alternativas: a) que os
coeficientes a/(1+c) e de μ são tais que a elevação do investimento afinal
se detém no ponto C; ou b) que a elevação contínua até que as atividades
economicas chegem a um níel onde um aumento adicionao nao seja
permitido por escassez da capacidade produtiva existente ou da mão de
obra disponível».
Mecanismo do ciclo
• “Tomemos a primeira alternativa. Depois de o investimento ter-se detido
em C, não pode ser mantido nesse nível, mas tem que cair de D para E. De
fato, representando o nível máximo de i por itop, temos para o ponto D: it =
itop e ∆it – ω/∆t = 0.

• Assim, para it + θ ao ponto E, o componente μ.∆it – ω/∆t é igual a zero e o


componente [a/(1+c)].itop é menor que itop porque a/1+c < 1.
Consequentemente, it+θ é menor que itop e o investimento cai de seu nível
mais alto até o ponto E.

• Dali para diante o investimento se deslocará para baixo, isto é, it+θ será mais
baixo que it, por duas razões: o componente [a/(1+c)].it será menor que it, e
o componente μ.∆it – ω/∆t será negativo. Dessa forma, i finalmente cairá a
zero, isto é, o investimento chegará ao nível da depreciação.” (Kalecki,
p.148)
Mecanismo básico intuitivo do ciclo kaleckiano –
princípio do ajustamento do estoque de capital
• Mecanismos básico: Durante O período de gestão, o I eleva o nível da
demanda efetiva. A elevação dos lucros no período torna novos projetos
atraentes, incentivando novas decisões de investimento, o investimento
como categoria de gasto produz efeitos favoráveis no nível de atividade.
Uma vez concluído o Investimento, ele representa adição ao estoque de
capital, afetando de modo adverso as decisões de investir.
• Ver noção intuitiva do ciclo kaleckiano em: JOBIM, A.J. A Macrodinâmica de
Michal Kalecki.

• Referências
• JOBIM, A.J. A Macrodinâmica de Michal Kalecki.
• M.Kalecki, Teoria da dinâmica econômica: ensaio sobre as mudanças cíclicas
e a longo prazo da economia capitalista, Nova cultural, 1977[1954].
• Possas, M.L. A dinâmica da economia capitalista: uma abordagem teórica.
São Paulo, brasiliense, 1987.

Você também pode gostar