Você está na página 1de 12

Lista 2 – Mecânica dos Sólidos

1. Defina os estágios que ocorrem durante a falha de um componente


durante a fadiga e explique como os concentradores de tensão afetam a
resistência à fadiga de um componente.
São 3 estágios:
 Estágio 1: Nucleação (ocorre na máxima tensão de cisalhamento)
 Estágio 2: Crescimento e Propagação (ocorre na máxima tensão normal)
 Estágio 3: Falha catastrófica
Estágio 1: A falha por fadiga nucleia principalmente em singularidades
(estruturais ou geométricas) ou descontinuidades (inclusões, defeitos e poros).

A nucleação ocorre preferencialmente na superfície sendo caracterizada pela


formação da trinca devido ao acúmulo de tensões, causando deslizamentos
entre os planos gerando discordâncias, que promovem a formações de intrusões
e extrusões que acabam por gerar a trinca.

Estágio 2: Caracterizado pelo aumento da velocidade de propagação da trinca


com a direção de propagação tendendo a ficar perpendicular ao carregamento
90º da máxima tensão normal. A trinca cresce num sistema de abertura e
fechamento, de acordo com o ciclo de deformação da ponta da trinca, o que
produz as chamadas marcas de praia.

Estágio 3: Caracterizada quando a trinca atinge um comprimento crítico,


fazendo com que o material rompa de maneira frágil, sendo que o KIC será quem
determinará o comprimento crítico.

Os concentradores de tensão buscam a superfície do material mais


suscetível ao início da nucleação, além de influenciar no KIC, que está
relacionado ao comprimento crítico para a ruptura.

Para uma severa concentração de tensão, o local de iniciação pode ser


extremamente pequeno. Podem existir inúmeros locais para a iniciação de uma
trinca de fadiga, como contorno de grão ou uma inclusão.
2) Determine a vida à fadiga de um aço 4142 (420HB) quando submetido a
uma tensão de σa 420MPa e σm 200MPa. Determine a vida deste
componente, utilizando Goodman.

3) Explique os mecanismos de nucleação da falha por fadiga.


A falha por fadiga nucleia principalmente em singularidades (estruturais ou
geométricas) ou descontinuidades (inclusões, defeitos, poros etc...)
A nucleação ocorre preferencialmente na superfície, em virtude das maiores
tensões, ou devido a maior facilidade de ocorrência de deformações plásticas e
formação de bandas de deslizamento.
4. Como são formadas as marcas de praia e como ocorre a solicitação
mecânica de uma trinca durante um carregamento cíclico.

Marcas de Praia são o único fator encontrado em diversas fraturas por


fadiga e a sua presença é positiva auxiliando a identificação das fraturas por
fadiga. Marcas de praia são referidas em relação ao aspecto macroscópico da
fratura e indicam interrupções nos períodos de propagação das fraturas por
fadiga em metais dúcteis. Não devem ser confundidas com estrias, embora
estejam muitas vezes presentes nas superfícies de fratura. Devem existir
milhares de estrias entre duas marcas de praia.
Marcas de Praia formam-se quando:
 A deformação plástica microscópica na ponta da trinca de fadiga ocorre
em períodos de parada de máquina ou quando a tensão cíclica não é elevada o
suficiente para promover o crescimento da trinca de fadiga. Durante a parada da
máquina, a ponta da trinca endurece por deformação e este endurecimento leva
a criação de uma barreira temporária à propagação da trinca, que ocorre quando
a máquina retorna à atividade.
 Diferenças no tempo de corrosão na propagação da trinca de fadiga Áreas
próximas à origem da trinca de fadiga estão sujetas a maior tempo de corrosão,
podendo indicar diferentes estágios de corrosão, aparecendo como marcações
até a ruptura final.
 Grandes mudanças na magnitude ou frequência de carregamento O mais
comum é o aumento na carga que induz à formação de marcas gigantes.

5. O que é uma curva S-N e como que ela é obtida, desenhe uma e indique
o limite de fadiga.
A maior parte foi desenvolvida por Wohler em 1860. Que observou que o
aço poderia romper com tensões bem abaixo do limite elástico do material, desde
que fosse aplicada de forma cíclica. No entanto, havia um valor crítico de tensão
cíclica, o limite a fadiga, abaixo deste a fadiga não ocorrerá.
Na curva S-N aborda-se a amplitude de tensão (σa) com o número de
ciclos para a falha.
A partir da curva S-N, temos a regra da acumulação linear de dano para
prever o comportamento de um material sujeito à carregamento de amplitudes
variado.

6. A pá de um ventilador industrial é construída em alumínio, apresenta KIC


𝒅𝒂
de 34MPa√m e propagação de trincas de fadiga conforme 𝒅𝑵
= 𝟒, 𝟖 ∗
𝟏𝟐 (∆𝐊)𝟑 . Uma trinca inicial de profundidade a1 = 8 mm foi identificada
𝟏𝟎
na superfície da pá. A tensão máxima de trabalho é de 180 MPa e mínima
de 0 MPa. Qual o número de ciclos até a falha? Considere a peça submetida
a flexão.

7. Uma peça submetida a uma carga máxima a tração de 350 MPa e R=0,2 é
verificada por ultrassom com uma medição mínima de 0,2mm de
comprimento de trinca. Escolha dentre estes três aços aquele que promove
um maior intervalo de inspeção, sendo que se considera um limite de 1\3
do comprimento de trinca máximo como um limite razoável para o intervalo
de inspeção:
 aço A-517F σesc 760MPa, KIC 187MPavm m 3,0 e C 0,69x10^(-8)
MPa√m
 aço 4340 σesc 1296MPa, KIC 80MPavm m 2,25 e C 0,136x10^(-6)
MPa√m
 RQC 100 σesc 778MPa, KIC 150MPavm m 4,5 e C 0,56x10^(-7) MPa√m
*Utilize a lei de Paris

8. Explique a influência da rugosidade, do tamanho de grão e


processamento na resistência à fadiga de materiais metálicos.

Rugosidade temos que quanto maior a rugosidade mais rápido a trinca irá se
formar na superfície. Já em um material com rugosidade baixa, a trinca tem mais
dificuldade de se formar
A respeito do tamanho de grão, quanto menor o tamanho de grão mais fácil para
a trinca se formar, porém, mais difícil para se propagar. Com maior tamanho de
grão, a trinca tem dificuldade para se formar, porém, mais fácil para se propagar.
9. Uma liga de alumínio 2024T4 é sujeita a um carregamento cíclico com
σmin 50 MPa e σmax 280 MPa. Determine a vida deste componente, utiliza
os critérios de Goodman modificado.

10. Uma liga de T6Al4V é usado para fazer um vaso de pressão cilíndrico
com extremidade fechada, sendo este feito de uma chapa de 2,5mm com
250mm de comprimento. Qual o valor de carregamento (pressão interna)
que pode levar o vaso a romper com 105 ciclos.

11. Uma liga de alumínio 2024T4 é sujeita a um carregamento cíclico com


σmin -250 MPa e σmax 250MPa. Determine a vida deste componente,
utilizado os critérios de Goodman via strain based approach.
12. Determine o aço mais adequado para a construção de uma componente
submetido a tração com R=0,4 e carga máxima de 350MPa. Sabendo que o
material deve ter um coeficiente de segurança para fratura dúctil igual a 1,4
determine a melhor escolha do material para este componente utilizando o
critério de Gerber e Smith.

13. Uma liga de alumínio 2024T4 é sujeita a um carregamento cíclico com


σmin 80 MPa e σmax 260MPa. Determine a vida deste componente, utiliza
os critérios de Goodman e Gerber. Explique qual deles seria mais
conservativo e o menos conservativo.
14. Uma liga de aço maraging é sujeita a um carregamento cíclico com σmin
de 300 MPa e σmax de 600MPa. Determine a vida deste componente, utiliza
os critérios de Goodman e SWT. Explique como a alteração da tensão
média de 450MPa para 500MPa afetaria a vida a fadiga utilizando estes
modelos.
σ'f = 2050MPa
b = -0,0977
15. Descreva como a tensão média e a amplitude de tensão afetam a vida
de um componente a fadiga.
À medida que a tensão média aumenta, verifica-se que há uma redução
tanto no limite de fadiga, quanto na resistência à fadiga do material para uma
vida infinita.
Amplitude de tensão aplicada abaixo do limite de fadiga dá ao
componente a chamada vida infinita.

16. Um determinado componente estrutural é submetido a cargas cíclicas


com Δσ de 350 MPa. Uma trinca inicial de profundidade a1 = 3 mm foi
identificada na superfície da pá. Qual o número de ciclos até a falha para
cada material? Qual material apresenta maior número de ciclos até a falha?
Y=1,12
𝒅𝒂 𝟏𝟎
Martensítico: KIC de 50 MPa√m; 𝒅𝑵 = 𝟑, 𝟐 ∗ 𝟏𝟎 (∆𝐊)𝟑
𝒅𝒂 𝟏𝟐
Austenítico: KIC de 120 MPa√m; 𝒅𝑵 = 𝟖, 𝟒 ∗ 𝟏𝟎 (∆𝐊)𝟑
𝒅𝒂 𝟏𝟏
Ferrítico: KIC de 100 MPa√m; 𝒅𝑵 = 𝟒, 𝟖 ∗ 𝟏𝟎 (∆𝐊)𝟑

17. O modelo de análise de crescimento de trinca por fadiga estabelece três


regiões com diferentes comportamentos de velocidade de crescimento de
trinca, explique-as e descreva como as características metalúrgicas afetam
estas regiões.
18. Descreva as diferenças de comportamento entre aços martensíticos,
austeníticos e ferríticos quanto ao processo de fadiga.
A martensita(mais durinho e com mais tensões residuais), no estado pós têmpera, praticamente nunca
é utilizada, sendo necessária a aplicação de um tratamento térmico posterior a têmpera. Este tratamento térmico,
denominado revenimento, tem como objetivos aliviar as tensões geradas pela formação da martensita, além de reduzir
sua dureza, para os valores especificados pelo projeto. Portanto, como resultado do tratamento térmico de têmpera,
espera-se a formação de uma microestrutura totalmente martensítica, com a maior dureza que possa ser atingida pelo
aço tratado. Depois, no revenimento, em função do tempo de tratamento e da temperatura, atinge-se a dureza
desejada.

Ferrita, Aço macio


O austenitico é o melhor, pois a propagação de trinca é mais lenta, por que ele é oq mais
absorve energia aumentando a resistência mecanica

20. Qual a principal diferença entre a análise por propagação de trinca por
fadiga da/dN e stress based approach.
23. Diferencie os tipos de deformação ocorridos durante carregamentos
cíclicos e faça um desenho explicando como seria o gráfico, tensão x
Deformação, em ciclos curtos, médios e longos de carregamento.