Você está na página 1de 10

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS, LÍNGUA NATURAL DO

SUJEITO SURDO

Ferreira, Luísa Bischof Justus1 - UNICENTRO

Grupo de Trabalho de Pesquisa: Diversidade e Inclusão


Agência Financiadora: não contou com financiamento

Resumo

Este projeto de pesquisa de cunho bibliográfico, teve como resultado mostrar a importância da
Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS, como língua natural do sujeito surdo, para o
desenvolvimento cognitivo, psicológico, social. Para todas as pessoas a comunicação é de
extrema importância para a sobrevivência, para sermos compreendidos é necessário que
saibamos uma língua, que muitas vezes aprendemos de maneira natural, desde quando
nascemos somos expostos à uma língua por meio de nossos pais, familiares, para os ouvintes
a língua oral é de fácil aprendizagem, porém para os surdos é grande a dificuldade para
compreende-la, sendo necessária estudá-la. A língua de sinais não é universal, sendo que cada
país possui a sua, no Brasil a LIBRAS é reconhecida e regulamentada como a língua oficial
da comunidade surda desde 2002, sendo o principal meio de comunicação, assim os surdos se
expressam de forma natural, e que são capazes de compreender o mundo que os cerca, mas a
realidade dos surdos brasileiros é que primeiramente lhes é ensinado a língua oral, no caso o
português, e posteriormente a LIBRAS, sendo necessário oportunizar o primeiro contato com
sua língua materna desde quando se descobre a surdez, a família precisa ser a principal fonte
incentivadora, para não prejudicar o desenvolvimento do surdo para que possam compreender
o mundo a sua volta, sendo a LIBRAS uma língua espacial-visual facilita o entendimento das
palavras, por se tratar de uma língua natural, não sendo necessário um treinamento para
aprende-la, e o português lhes é ensinado na maneira escrita, tornando o sujeito surdo um ser
bilíngue.

Palavras-chave: LIBRAS. Língua Natural. Surdo, Bilíngue.

1. Introdução

Para todas as pessoas a comunicação é a maneira mais importante para expressar seu
pensamento, seu sentimento, sua opinião. Para isso utilizamos uma língua, podemos dizer que

1
Pós Graduada em LIBRAS pela instituição Uníntese. Professora Interprete Colaboradora da Universidade
Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO. E-mail: justus.luisa@gmail.com

ISSN 2176-1396
22086

a linguagem é natural do ser humano. Sobre comunicação e linguagem, os autores UZAN et


al (2008) citam o seguinte:

A comunicação é uma necessidade humana, e as linguagens oral e escrita são as


formas mais comuns de comunicação. Por isso, pode-se dizer que a linguagem é
natural do ser humano e, através da linguagem, o ser humano estrutura seu
pensamento, traduz o que sente, registra o que conhece, se comunica com os outros,
produz significação e sentido. (UZAN et al, 2008, p.1).

Desde nosso nascimento somos expostos à comunicação, no caso das crianças


ouvintes o contato com o português, língua natural, é dada desde os primeiros dias de vida,
para as crianças surdas esta chance não é oferecida, conforme menciona CAPORALI et al
(2005),

[...] a criança ouvinte desde seu nascimento é exposta à língua oral, dessa forma é
fornecida para ela a oportunidade de adquirir uma língua natural, a qual irá permitir
realizar trocas comunicativas, vivenciar situações do seu meio e, assim, possuir uma
língua efetiva e constituir sua linguagem. Para a criança surda deveria ser dada a
mesma oportunidade, de adquirir uma língua própria para constituir sua linguagem.
(CAPORALI et al, 2005, p. 587)

A língua portuguesa é uma língua oral-auditiva, sendo que para os ouvintes adquiri-la
se torna uma maneira fácil e natural, pois a todo momento somos expostos a ela. A língua de
sinais é uma língua visual-espacial, sendo esta natural para o surdo, pois não é necessário um
treinamento para adquiri-la, conforme cita RUBIO et al (2014, p. 14) “a língua de sinais é a
única que pode ser adquirida naturalmente pelo surdo; basta que ele seja posto em contato
com os seus pares. Já a língua oral pode ser aprendida, mas não adquirida espontaneamente”,
sendo assim fazendo com que tenham o primeiro contato com sua língua natural tardio, de
acordo com CAPORALI et al (2005)

Vivemos em uma sociedade na qual a língua oral é imperativa, e por consequência


caberá a todos que fazem parte dela se adequarem aos seus meios de comunicação,
independentemente de suas possibilidades. Qualquer outra forma de comunicação,
como ocorre com a língua de sinais, é considerada inferior e impossível de ser
comparada com as línguas orais. (CAPORALI et al, 2005, p. 584).

Para tanto, a família se torna a principal fonte incentivadora para que a criança surda
tenha o contato com sua língua natural desde os primeiros anos de vida, muitas vezes os pais
não aceitam a língua de sinais, prejudicando o desenvolvimento cognitivo, emocional e
pessoal da criança, segundo FALCÃO (2007) “a interação familiar possibilita a aquisição de
valores culturais e morais imprescindíveis na formação da pessoa cidadã”, sobre esse assunto
as autoras CAPORALI et al (2005), expõem sua opinião
22087

É imprescindível para essa criança e para sua família que o contato com a língua de
sinais seja estabelecido o mais rápido possível. Quando a família aceita a surdez e a
LIBRAS como uma modalidade comunicativa importante e passa a utilizá-la com a
criança, esta irá apresentar condição para realizar novas aquisições, impulsionando
seu desenvolvimento linguístico. A família, então, exerce papel determinante para o
estabelecimento da língua de sinais, como língua funcionante no discurso da criança
surda nos primeiros anos de vida. Quando a criança não recebe o suporte familiar,
apresentará, muitas vezes, resultados insatisfatórios quanto ao desenvolvimento de
linguagem e comunicação, o que irá afetá-la emocionalmente. A família é o alicerce
para a criança e quando esta base não está firme advirão consequências para o
desenvolvimento, gerando comportamentos agressivos e frustrações. (CAPORALI
et al 2005, p. 591).

Infelizmente muitos pais não sabem como agir ao descobrir a surdez de seu filho (a),
faltando até mesmo informações de profissionais da área a respeito da língua de sinais, mas
quanto mais tardio for o contato do surdo com sua língua natural maior será a possibilidade do
mesmo ter futuros problemas, emocionais, cognitivos, sendo então firmada a importância em
aprender sua língua, LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais desde seu nascimento, quando
inicia-se o processo de comunicação.

Se os pais recebessem orientação por parte dos profissionais sobre a importância da


LIBRAS no desenvolvimento do surdo e das possibilidades de comunicação que ela
oferece (uma vez que a criança pode aprender, contar sobre os seus sentimentos e
situações vivenciadas), com certeza haveriam menos complicações e problemas
emocionais. Daí a importância dos pais em adquirir a LIBRAS o mais rápido
possível. (RUBIO et al, 2014, p.10).

Desenvolvimento

LIBRAS- Língua Brasileira de Sinais

Primeiramente é importante compreender sobre a língua de sinais, é uma língua


visual-gestual, o que se diferencia da nossa língua portuguesa, que é oral-auditiva, porém tem
seus significados, suas regras e exercem o papel fundamental de um língua, a comunicação,
expressando o sentimento, vontades e ideias do locutor, a língua de sinais não é universal,
cada país possui a sua, conforme cita RUBIO et al (2014):

As línguas de sinais não são universais. Cada uma possui sua própria estrutura
gramatical. A língua de sinais, assim como a língua oral é a representação da cultura
de um povo. Países com a mesma língua oral possuem línguas de sinais diferentes.
Um exemplo, é o caso de Brasil e Portugal. Por mais que esses países possuam a
mesma língua oral, possuem língua de sinais diferentes. (RUBIO et al, 2014, p.3).

A autora CAPORALI et al (2005, p.589), expressa sobre respeitar a língua de sinais,


pois exerce o papel fundamental que é a comunicação, “a língua de sinais tem como meio
22088

propagador o campo gesto-visual, o que a diferencia da língua oral, que utiliza o canal oral-
auditivo. Além dessa diferença, também apresenta antagonismos quanto às regras
constitutivas. No entanto, a língua de sinais deve ser respeitada como língua, pois assume a
mesma função da língua oral, a comunicação”.
As autoras RUBIO et al (2014), citam sobre a naturalidade da língua de sinais,
também demonstram as regras, e as constantes mudanças que esta língua sofre, pois sempre
há novos sinais sendo criados.

As línguas de sinais são naturais, pois surgiram do convívio entre as pessoas. Elas
podem ser comparadas à complexidade e expressividade das línguas orais, pois pode
ser passado qualquer conceito, concreto ou abstrato, emocional ou racional,
complexo ou simples por meio delas. Trata-se de línguas organizadas e não de
simples junção de gestos. Por este motivo, por terem regras e serem totalmente
estruturadas, são chamadas Línguas. As línguas de sinais diferenciam-se das línguas
orais porque se utilizam de um meio visual-espacial, ou seja, na elaboração das
línguas de sinais precisamos olhar os movimentos que o emissor realiza para
entendermos sua mensagem. As línguas de sinais possuem mecanismos
morfológicos, sintáticos e semânticos. O canal usado nas línguas de sinais (o espaço)
pode contribuir muito para a produção de sinais que estejam mais em contato com a
realidade do que puramente as palavras. Como todas as outras, as línguas de sinais
estão em constante mudança com novos sinais, sendo introduzidos pela comunidade
Surda de acordo com sua necessidade. (RUBIO et al, 2014, p.3).

Sobre a Língua Brasileira de Sinais, ela é uma língua completa e cheia de significados,
foi reconhecida no ano de 2002 como língua oficial da comunidade surda brasileira.
Conforme citam os autores UZAN et al (2008, p.2) “a Libras, assim como diversas línguas
existentes, é composta por níveis linguísticos: fonologia, morfologia, sintaxe e semântica.
Assim, constitui um sistema linguístico de transmissão de ideias e fatos na qual há uma forma
de comunicação e expressão, de natureza visual- motora, com estrutura gramatical própria”.
Para o pesquisador FALCÃO (2007), o aprendizado da LIBRAS deixa o surdo livre,
para viver, para se expressar, ou simplesmente para SER.

Aprender Libras é respirar a vida por outros ângulos, na voz do silêncio, no


turbilhão das águas, no brilho do olhar. Aprender Libras é aprender a falar de longe
ou tão de perto que apenas o toque resolve todas as aflições do viver, diante de todos
os desafios audíveis. Nem tão poético, nem tão fulgaz…apenas um Ser livre de
preconceitos e voluntário da harmonia do bem viver. Nesta perspectiva de agregar
valores além da Língua Portuguesa, a Libras se apresenta como intensificador da
formação bilíngue, Libras e Língua Portuguesa. (FALCÃO, 2007).

Bilinguismo

O bilinguismo se refere ao conhecimento de duas línguas, podendo ser na modalidade


escrita e/ou oral, conforme CAPORALI et al (2005) cita:
22089

O bilinguismo possibilita ao surdo adquirir/aprender a língua que faz parte da


comunidade surda. O trabalho bilíngue educacional respeita as particularidades da
criança surda, estabelecendo suas capacidades como meio para essa criança realizar
seu aprendizado. Esta proposta também oferece o acesso à língua oral e aos
conhecimentos sistematizados, priorizando que a educação deve ser construída a
partir de uma primeira língua, a de sinais, para em seguida ocorrer a aquisição da
segunda língua, o português (oral e/ou escrito). (CAPORALI et al, 2005, p. 591).

Sobre bilinguismo a autora BORTOLOTI, menciona que é algo muito simples, que faz
parte da educação do surdo para melhorar seu aprendizado no contexto escolar.

Bilinguismo, é o uso de dois ou mais sistemas distintos da linguagem pela mesma


pessoa, é uma proposta de ensino, acessível à criança surda e ouvinte, duas línguas
no contexto escolar, fazendo parte da proposta pedagógica, e em que profissionais
através da LIBRAS possam melhorar o ensino–aprendizagem do o aluno surdo. O
Bilinguismo é considerado algo mais do que o simples, uso de duas línguas.
(BORTOLOTI, p. 13).

Para o sujeito surdo, é importante que o mesmo aprenda primeiramente sua língua
natural, LIBRAS, para que então está o ajude a compreender a aquisição de uma segunda
língua.

Assim, a concepção bilíngue linguística e cultural luta para que o sujeito surdo tenha
o direito de adquirir/aprender a LIBRAS e que está o auxilie, não só na aquisição da
segunda língua (majoritária), mas que permita sua real integração na sociedade, pois
ao adquirir uma língua estruturada o surdo pode criar concepções e oportunidades,
participando ativamente do convívio em seu meio. (CAPOLARI et al 2005, p.592).

O contato com sua língua facilita a compreensão sobre o mundo, facilitando a


compreensão das palavras e os seus significados.

A proposta educacional bilíngue é a que mais possibilita o desenvolvimento integral


da criança surda, uma vez que respeita a sua condição proporcionando que está se
desenvolva primeiramente na sua língua natural. O contato com a comunidade surda
proporciona a formação da identidade de surdo e confere a este a capacidade de
domínio da linguagem, podendo assim dar significado ao mundo. A intenção não é
isolar o indivíduo surdo a um grupo, mas permitir que primeiro este tenha a chance
de adquirir a linguagem assim como o ouvinte. Após isso, o surdo pode ser posto em
contato com a Língua Portuguesa. Pela LIBRAS, o surdo atribui significado a
palavra escrita e o processo de alfabetização torna-se mais fácil. (RUBIO et al, 2014,
p.14).

Desenvolvimento do Sujeito Surdo através da LIBRAS

O objetivo desta pesquisa é demonstrar a importância para o desenvolvimento


cognitivo, a facilidade em aprender, questionar, e se expressar do surdo por meio de sua
língua natural a LIBRAS, como é um projeto de cunho bibliográfico, foi levantado vários
autores que citam sobre esse assunto, o desenvolvimento do sujeito surdo por meio da
22090

LIBRAS, conforme (BORTOLOTI, p. 17) descreve “consideramos a importância da LIBRAS


- Língua Brasileira de Sinais para os alunos surdos, como forma de facilitar conhecimentos e
a aquisição de vocabulário amplo”.
LIBRAS como língua natural do sujeito surdo, ou seja, não é necessário um
treinamento para adquiri-la e aprende-la. Através da LIBRAS o surdo é capaz de compreender
o mundo em que vive, dar significados às palavras, comunicar-se, expor seus sentimentos,
desejos, exercer seu papel em uma sociedade. Muitas vezes com a língua portuguesa não
conseguem se expressar ou entender os significados das palavras. Os autores UZAN et al,
explicam porque a LIBRAS é a língua natural da comunidade surda:

[...] a Libras é uma língua natural surgida entre os surdos brasileiros com o propósito
de atender às necessidades comunicativas de sua comunidade. São línguas naturais
porque, como as línguas orais, surgiram espontaneamente da interação entre os
surdos, além de, através de sua estrutura, poderem expressar qualquer conceito
desde o descritivo/concreto ao emocional/abstrato. (UZAN et al, 2008, p.2).

Por meio da LIBRAS, sua língua materna, o sujeito surdo consegue aprender e
conhecer a língua portuguesa, construindo os significados de uma segunda língua, facilitando
assim seu entendimento conforme citam os autores RUBIO et al (2014).

A partir da aquisição da Língua de Sinais que a criança constrói sua subjetividade,


compreendendo o que se passa ao seu redor, trocando ideias, ou seja, através da
LIBRAS a criança pode dar significado ao mundo. A aquisição da LIBRAS é que
dará condições de se desenvolver as relações interpessoais, constituindo assim o
funcionamento cognitivo e afetivo promovendo a constituição da subjetividade. O
surdo ao adquirir a LIBRAS como primeira língua tem a condição de desenvolver
todas as suas potencialidades, para depois ser posto em contato com a língua
majoritária na modalidade oral ou escrita que promoverá sua inserção social. Nesse
processo a LIBRAS tem função mediadora no processo de aprendizagem da Língua
Portuguesa. (RUBIO et al, 2014, p.12).

Porém, infelizmente muitos surdos aprendem a LIBRAS após aprenderem o


português, sem ter um primeiro contato com sua língua natural de imediato, sendo assim a
importância em fazer com que tenham um contato o mais rápido possível com sua língua
materna, conforme relata CAPORALI et al (2005)

Há então a necessidade de se colocar a criança surda próxima de seus pares o mais


rápido possível, ou seja, em contato com um adulto surdo, fluente em LIBRAS, que
será para essa criança o meio mais fácil de propiciar sua aquisição da língua. Nestas
condições, adquirindo a LIBRAS, ela se tornará capaz de significar o mundo. As
experiências mais promissoras indicam para a necessidade de atuação direta dos
adultos surdos sinalizadores com os surdos que não têm acesso à língua de sinais,
para que este se dê de forma rápida e eficiente, além de isso contribuir para a
formação da identidade de pessoa surda desses sujeitos. (CAPORALI et al, 2005, p.
588).
22091

Sobre esse tema a autora BORTOLOTI também cita que de maneira oral não é
possível o surdo expressar suas ideias, sendo por meio da língua de sinais a possibilidade de
se comunicar.

A Língua de Sinais é utilizada pela maioria das pessoas surdas oferecendo a elas a
oportunidade da comunicação e expressão, desenvolvendo seu potencial de maneira
que, a língua oral não os permite, pois é organizada de uma forma que define suas
próprias regras em todos os níveis linguísticos [...] expressando ideias complexas e
abstratas, transmitindo informações. (BORTOLOTI, p.17)

É de extrema importância incentivar os pais, toda a comunidade sobre a relevância da


LIBRAS para o crescimento e aprendizado dos surdos, conforme cita FALCÃO (2007),

é essencial para as crianças surdas utilizarem a Língua de Sinais de sua comunidade


com seus pais, com os profissionais da área educacional e com as pessoas de
convívio mais próximo para que garanta o desenvolvimento psíquico, social, político
e psicológico. É de fundamental importância a interação entre as crianças na
sociedade, sem formação de guetos nem de comunidades isoladas, onde todos
convivem e interagem física e linguisticamente. A convivência interpessoal e
dialética deve ser percebida com naturalidade e refletida sobre os papéis sociais cuja
vida, dignamente vivida, funciona como referencial histórico e cultural e não como
modelo para ninguém. É preciso atribuir perspectivas e possibilidades humanas
entendendo o surdo como um ser eficiente, que se comunica por outro canal e,
consequentemente, tem outra língua. (FALCÃO, 2007).

Os autores Uzan et al (2008) em sua pesquisa mostram que as pessoas surdas utilizam
a visão e os gestos para se comunicarem, sendo a língua de sinais tendo a mesma função de
uma língua oral – a comunicação.
Os atuais linguísticos demonstram que a língua de sinais oferece para as pessoas
surdas o mesmo conteúdo e funções necessárias à mediação das experiências de
aprendizagem, formais ou informais, oportunizando-lhes o desenvolvimento pleno
da linguagem, pois faz isso utilizando outro canal a visão e uma outra forma de
comunicação a língua de sinais. Embora a grande maioria desconheça, esse conjunto
de “gestos desenhados no ar” estrutura uma língua organizada, com as mesmas
funções das línguas orais. (UZANet al, 2008, p.4).
Para o desenvolvimento dos surdos é importante que os mesmos tenham contato com
sua língua natural desde crianças, sendo integradas na comunidade surda, oportunizando
assim seu crescimento pessoal, cognitivo, para MARQUES et al (2013, p. 516) “a Libras é
fundamental para que o sujeito surdo alcance o patamar mais alto no desenvolvimento,
tornando-se humanizado no nível cultural próprio aos dias contemporâneos”, e a autora
STROBEL (2008) cita em sua pesquisa:
22092

Os sujeitos surdos que tem acesso à língua de sinais e à participação da comunidade


surda tem maior segurança, auto-estima e identidade surda. Por isto, é importante
que as crianças surdas convivam com pessoas surdas adultas em quem se
identificam e tem acesso às informações e conhecimentos no seu cotidiano.
(STROBEL, 2008, p. 61).

Sobre o desenvolvimento do sujeito surdo, CAPORALI et al (2005),

Pensando no indivíduo surdo, acreditamos que seja importante para este como
sujeito: crescer, desenvolver-se, amadurecer, construir e constituir-se inserido numa
língua própria e natural. A criança, ao ter acesso a uma língua, passa a desenvolver
linguagem, interagindo com o outro, repensando suas ações, elaborando seu
pensamento, vivenciando novas experiências e se desenvolvendo. Uma criança que
não escuta possui as mesmas condições de aprendizagem que uma criança ouvinte,
porém o acesso à linguagem se dará por meio do canal gesto-visual. Ao permitir que
a criança surda tenha a oportunidade de se desenvolver de forma análoga à das
crianças ouvintes, estar-se-á respeitando sua língua, sua diferença. Não se pode mais
negar aos surdos o direito de serem parte integrante e participativa de nossa
sociedade. Além disso, para que o surdo possa desenvolver-se, não basta apenas
permitir que use sua língua, é preciso também promover a integração com sua
cultura, para que se identifique e possa utilizar efetivamente a língua de sinais. A
comunidade surda terá muita importância para o desenvolvimento da identidade,
pois nessa comunidade a língua de sinais ocorre de forma espontânea e efetiva. Todo
sujeito precisa interagir em seu meio, apropriar-se de sua cultura e de sua história, e
formar sua identidade por intermédio do convívio com o outro. (CAPORALI et al,
2005, p. 595).

Por fim, os autores MARQUES et al (2013), pesquisaram que o aprendizado da


LIBRAS poderia favorecer também as crianças ouvintes, não apenas as surdas, acontecendo
uma interação social na escola, fazendo com que também descubram um novo mundo cheio
de significados.

[...] em nossa pesquisa indagamos quanto o ensino da Libras poderia favorecer a


aprendizagem e o desenvolvimento de crianças surdas e ouvintes. Justificamos que a
inserção desse ensino permitiria à criança surda multiplicar o número de
interlocutores, passando a ter acesso a trocas linguísticas efetivas com seus pares,
enquanto para as crianças ouvintes um novo mundo pode se descortinar, dando-lhes
o acesso a um universo cultural até então desconhecido, além de um trabalho
corporal diferenciado do existente nesse ensino. Isso significa que com esse ensino
as crianças podem se interessar por uma linguagem que emprega recursos como
movimento e expressões corporais e faciais, pois estas crianças se encontram em
fase de descoberta do mundo e de como podem nele se situar e sobre ele agir.
(MARQUES et al 2013, p. 505).

Considerações Finais

Para podermos expressar nosso pensamento e sentimento nos comunicamos, e assim


podemos ser compreendidos, utilizamos uma língua que nos é ensinada de uma maneira
natural, a qual aprendemos sem esforços ou dificuldades, e então desde crianças entendemos o
mundo a nossa volta. As crianças ouvintes ao nascerem já têm um contato direto com sua
22093

língua natural, o português, porém para a criança surda, este contato é atrasado, pois muitas
vezes ao nascerem, nem sempre é diagnosticada a surdez, retardando o aprendizado pela sua
língua natural, a língua de sinais (LIBRAS). Os motivos pelo qual a criança demorará mais a
aprender a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS, se darão pela falta de conhecimento de seus
pais, de médicos, os quais muitas vezes optam e aconselham os pais a procurarem
fonoaudiólogos e até mesmo realizarem implante coclear.
Portanto é de extrema importância que o surdo aprenda a LIBRAS como primeira
língua, de forma natural, e posteriormente o português, tornando-o um ser bilíngue, para que
possa ser estimulado por meio da LIBRAS fazendo com que a percepção sobre o mundo, a
comunicação, o aprendizado de diferentes áreas e seu desenvolvimento cognitivo e emocional
se torne muito mais fácil.

REFERÊNCIAS

BORTOLOTI, R. T. LIBRAS como possibilidade e alternativa para o ensino da língua


portuguesa para o aluno surdo. Paraná, p. 1-22. Disponível em
<http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1067-4.pdf>. Acesso em 01 de
setembro de 2014.

CAPORALI, S. A., DIZEU, L. C. T. B. A Língua de Sinais constituindo o sujeito surdo.


Campinas – SP: Educ. Soc., vol. 26, nº91, p. 583-597, maio/agosto 2005. Disponível em
<www.cedes.unicamp.br>. Acesso em 01 de setembro de 2014.

FALCÃO, L. A. Acessibilidade, Inclusão Social e Educação de Surdos: Um paradigma


em foco. Petropolis – RJ: Editora Arara Azul, 1ª edição, março-2007. Disponível em <
http://editora-arara-azul.com.br/site/edicao/78>. Acesso em 07 de novembro de 2014.

MARQUES, H. C. R., BARROCO, S. M. S., SILVA, T. S. A. O ensino da Língua Brasileira


de Sinais na Educação Infantil para crianças ouvintes e surdas: Considerações com base na
psicologia histórico – cultural. Marília – SP: Revista Brasileira de Educação Especial, vol.
19, nº4, p. 503-518, Out/Dez 2013. Disponível em
<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-65382013000400003&script=sci_arttext>.
Acesso em 11 de agosto de 2014.

RUBIO, J. A. S., QUEIROZ, L. S. A aquisição da Linguagem e Integração Social: A


LIBRAS como formadora de identidade do surdo. São Roque – SP: Faculdade de São Roque,
Revista Eletrônica Saberes da Educação, vol. 5, nº 1, 2014. Disponível em
<http://www.facsaoroque.br/novo/publicacoes/publi_atual_2014.html>. Acesso em 23 de
outubro de 2014.
22094

STROBEL, K. L. Surdos: Vestígios Culturais não Registrados na História. Florianópolis -


SC, 2008. Tese de Doutorado em Educação – UFSC - Universidade Federal de Santa
Catarina. Disponível em < http://www.cultura-sorda.eu/resources/Tesis_Strobel_2008.pdf>.
Acesso em 04 de setembro de 2014.

UZAN, A. J. S., OLIVEIRA, M. R. T. O., LEON, O. R. A importância da Língua


Brasileira de Sinais – (LIBRAS) como língua materna no contexto da Escola do Ensino
Fundamental. Paraíba-PB - : XII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e VIII
Encontro Latino Americano de Pós- Graduação- Universidade do Vale da Paraíba, 2008.
Disponível em
<http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2008/anais/arquivosINIC/INIC1396_01_A.pdf>.
Acesso em 21 de agosto de 2014.