Você está na página 1de 49

Motores Aerotérmicos

Turbojato
• Motor projetado para que a turbina extraia a
energia cinética dos gases suficiente para
girar o compressor (60 a 80%);
• O restante será transformado em propulsão
na descarga.

3/16/2010 EAPAC/GMP111 57
Motores Aerotérmicos

• Possui alto nível de ruído pois toda a tração é


desenvolvida na descarga;

• Ótimo desempenho em grandes altitudes e


velocidade da aeronave;

• Alto consumo de combustível.

3/16/2010 EAPAC/GMP111 58
Motores Aerotérmicos

3/16/2010 EAPAC/GMP111 59
Motores Aerotérmicos

• Conhecido também como jato puro;

• Pode ser considerado simples ou duplo;

• O duplo possui 2 conjuntos rotativos de


compressores;

3/16/2010 EAPAC/GMP111 60
Motores Aerotérmicos

Compressor de Compressor de Câmara de Descarga


baixa pressão alta pressão combustão
Turbina de alta
pressão
Turbina de
baixa pressão

3/16/2010 EAPAC/GMP111 61
Motores Aerotérmicos

Compressor de baixa pressão (LPC):


• Low Pressure Compressor;

• Pressão de admissão é a pressão de


impacto;

• Acionado pela turbina de baixa pressão (LPT).

3/16/2010 EAPAC/GMP111 62
Motores Aerotérmicos

Compressor de alta pressão (HPC):


• High Pressure Compressor;

• A pressão no seu interior é maior;

• Acionado pela turbina de alta pressão (HPT).

3/16/2010 EAPAC/GMP111 63
Motores Aerotérmicos
• Nos motores turbo jato com compressor duplo,
o arranque gira primeiro o eixo de alta pressão
composto pelo HPC e HPT;
• Os eixo de baixa e alta pressão são paralelos e
concêntricos;
• Alta taxa de compressão;
• Reduz a possibilidade de estol do compressor.
3/16/2010 EAPAC/GMP111 64
Motores Aerotérmicos

3/16/2010 EAPAC/GMP111 65
Motores Aerotérmicos

Turbohélice

• Motor de propulsão mista;

• Mais complexo do que um motor turbojato;

• Consiste em um motor turbojato equipado


com hélice;

3/16/2010 EAPAC/GMP111 66
Motores Aerotérmicos

• A turbina aciona uma hélice;

• Deve existir uma caixa de redução de


velocidade entre a turbina e a hélice;

• Força de propulsão conseguida: 90% hélice


+10% gases de escapamento;

3/16/2010 EAPAC/GMP111 67
Motores Aerotérmicos

3/16/2010 EAPAC/GMP111 68
Motores Aerotérmicos

3/16/2010 EAPAC/GMP111 69
Motores Aerotérmicos

• Produz mais tração em baixas velocidades do


que um turbojato;

• Requer menos pista para decolagem;

• Ideais para vôos em média velocidade;

• Menor consumo de combustível.

3/16/2010 EAPAC/GMP111 70
Motores Aerotérmicos

Turboeixo

• Motor de propulsão mista;

• Muito semelhante ao motor turbohélice;

• Possuem turbina livre assim como nos


modernos turbohélices;

3/16/2010 EAPAC/GMP111 71
Motores Aerotérmicos
• Usados em diversos segmentos como
embarcações, trens, usinas, bombas etc;
• Na aviação usados em helicópteros;
• A turbina livre é acionada pelos gases e
expansão e não possui qualquer ligação
mecânica com o eixo principal do motor.

3/16/2010 EAPAC/GMP111 72
Motores Aerotérmicos

• A turbina livre é a responsável pelo


acionamento de rotores de helicópteros,
máquinas industriais, usinas etc.

3/16/2010 EAPAC/GMP111 73
Motores Aerotérmicos

3/16/2010 EAPAC/GMP111 74
Motores Aerotérmicos

3/16/2010 EAPAC/GMP111 75
Motores Aerotérmicos
Turbofan
• Motor muito semelhante a um turbohélice
onde a hélice é substituída pela ventoinha ou
fan;
• Possui duas correntes de ar a serem
descarregadas na atmosfera;

3/16/2010 EAPAC/GMP111 76
Motores Aerotérmicos
• Ar frio proveniente do fan (ar secundário ou
“bypass”);
• Ar quente proveniente da queima da mistura
(ar primário);
• Pode ser considerado baixa razão de bypass
(até 40%) e alta razão de bypass (> 40%).

3/16/2010 EAPAC/GMP111 77
Motores Aerotérmicos
• O fan produz de 30 a 75% da tração gerada
pelo motor;
• É um motor que acelera maior massa de ar
do que um turbojato;
• Somente 20% do ar admitido é usado para
queima.

3/16/2010 EAPAC/GMP111 78
Motores Aerotérmicos
• Permite alta tração e baixo
consumo de combustível;

• Muito silencioso;

• O diâmetro externo das pás


do fan é bem menor do que
as hélices de um
turbohélice.
3/16/2010 EAPAC/GMP111 79
Motores Aerotérmicos

3/16/2010 EAPAC/GMP111 80
Motores Aerotérmicos

3/16/2010 EAPAC/GMP111 81
Motores Não-aerotérmicos
Foguete

• Foguetes que impulsionam satélites tem o


mesmo princípio de funcionamento que os
rojões, buscapés etc;

• Podem operar dentro e fora da atmosfera pois


carrega o oxigênio necessário para combustão.

3/16/2010 EAPAC/GMP111 82
Motores Não-aerotérmicos

• O oxigênio pode ser carregado na forma


líquida ou através de outras substâncias que
por reação química liberam oxigênio.

3/16/2010 EAPAC/GMP111 83
Motores Não-aerotérmicos

3/16/2010 EAPAC/GMP111 84
Construção dos motores

• O motor à reação é dividido por seções;

• Cada seção corresponde à um ciclo de


operação do motor;

• Cada seção possui um capítulo no manual de


manutenção do motor.

3/16/2010 EAPAC/GMP111 85
Construção dos motores

1. Entrada de ar
2. Seção do compressor
3. Seção de combustão
4. Seção da turbina
5. Seção do escapamento
6. Seção de acessórios
7. Sistemas

3/16/2010 EAPAC/GMP111 86
Construção dos motores

• O fator que mais influencia na construção de


um motor é o tipo de compressor, axial ou
centrífugo.

3/16/2010 EAPAC/GMP111 87
Sistema ATA 100
• Assim como toda aeronave e seus sistemas,
o motor possui uma série de capítulos
exclusivos para ele;
• O capítulo 72 do sistema ATA 100 está
relacionado com o motor e seu
funcionamento.

3/16/2010 EAPAC/GMP111 88
Sistema ATA 100
• 72-00-00 –Descrição geral
• 72-10-00 – Caixa de redução de velocidade (turboélice)
• 72-20-00 – Entrada de ar do motor
• 72-30-00 – Compressor
• 72-40-00 – Câmara de combustão
• 72-50-00 – Seção de turbina
• 72- 60-00 – Seção de acessórios

3/16/2010 EAPAC/GMP111 89
Sistema ATA 100
70 – STANDARD AND PRACTICE
71 – POWER PLANT
72 – ENGINE
73 – ENGINE FUEL CONTROL
74 – IGNITION
75 – AIR
76 – ENGINE CONTROLS
77 – ENGINE INDICATION
78 – EXHAUST
79 – OIL
80 - STARTER
3/16/2010 EAPAC/GMP111 90
Sistema de indução de ar
• Visa captar e canalizar o ar para o motor;
• Deve fornecer o ar com pouco
turbilhonamento de fluxo;
• Para o motor, deve ser capaz de captar o ar
e reduzir a possibilidade de ingestão de
detritos.

3/16/2010 EAPAC/GMP111 91
Sistema de indução de ar

• Para a aeronave, deve ser projetado de tal


forma a reduzir o arrasto durante o
deslocamento da aeronave;

3/16/2010 EAPAC/GMP111 92
Sistema de indução de ar

3/16/2010 EAPAC/GMP111 93
Sistema de indução de ar
• Para aeronaves subsônicas o duto de
admissão ideal é o do tipo pitot;
• Possui pequeno comprimento interno;
• Gera pequeno atrito do ar com as paredes
internas;
• Aproveita melhor a pressão de impacto.
3/16/2010 EAPAC/GMP111 94
Sistema de indução de ar

• Não é recomendado para aviões


supersônicos devido as ondas de choque;

3/16/2010 EAPAC/GMP111 95
Sistema de indução de ar

3/16/2010 EAPAC/GMP111 96
Sistema de indução de ar

• O sistema de indução ideal para teste em


motores é o do tipo boca de sino;

• Possui elevada eficiência aerodinâmica;

• Conduz o ar com mínima perda de pressão;

• Em alguns casos possui tela protetora.

3/16/2010 EAPAC/GMP111 97
Sistema de indução de ar

3/16/2010 EAPAC/GMP111 98
Sistema de indução de ar
• O sistema de indução pode ser de simples
entrada ou dupla entrada;
• Na simples, conduz o ar axialmente para o
motor;
• A dupla é instalada quando há interferência
da estrutura da aeronave. Ex: Caças

3/16/2010 EAPAC/GMP111 99
Sistema de indução de ar

3/16/2010 EAPAC/GMP111 100


Sistema de indução de ar

• O formato interno depende da velocidade


operacional da aeronave: supersônica ou
subsônica;

• Isto se deve aos efeitos do escoamento da ar


nos dois patamares de velocidade.

3/16/2010 EAPAC/GMP111 101


Sistema de indução de ar
• Em aeronaves subsônicas, o duto ideal é o
de formato interno divergente;
• Em vôo de cruzeiro reduz a velocidade do ar
admitido;
• Aumenta a pressão estática favorecendo aos
compressores.

3/16/2010 EAPAC/GMP111 102


Sistema de indução de ar
• Em aeronaves supersônicas, o duto ideal
pode ser de diversas formas;
• Na decolagem, pouso, subida etc, velocidade
subsônica;
• O melhor formato é o que combina duas
seções, convergente e divergente.

3/16/2010 EAPAC/GMP111 103


Sistema de indução de ar

• Este formato é conhecido como geometria


variável;

• Possui mecanismos que alteram o formato


da entrada de ar para uma melhor eficiência;

3/16/2010 EAPAC/GMP111 104


Sistema de indução de ar

3/16/2010 EAPAC/GMP111 105

Você também pode gostar