Você está na página 1de 23

O ARREBATAMENTO

CURSO BÍBLICO CRISTÃO

CBC
C. B. C
O CBC é um curso bíblico totalmente gratuito para todos os cristãos que desejam
conhecer e aprender a poderosa palavra de Deus, nos seus mais diversos estudos
doutrinários.

O Curso é constituído por cinco Matérias doutrinarias (Doutrina da bíblia, Doutrina do


Homem, Doutrina de Cristo, Doutrina da Salvação e Doutrina do Arrebatamento).

O curso é enviado gratuitamente em PDF uma vez solicitado livremente pelo


interessado ao curso do C.B.C.

Se caso, o aluno desejar um certificado de conclusão das cinco Matérias que já


estudou, terá que solicitar uma prova emitida pelo C.B.C , e também, pagará apenas
uma taxa simbólica de 10 reais pelo certificado de conclusão do curso.

C.B.C Página 2
A SEGUNDA VINDA DE CRISTO
A Segunda Vinda de Cristo é mencionada 318 vezes no NT, porém um
exame descuidado de muitos trechos pode levar a conceitos conflitantes.
Por exemplo, um trecho nos diz que Cristo virá “nos ares” (1Ts 4.17),
enquanto outro diz que Ele virá à Terra. Um trecho diz que virá em
secreto, “como ladrão outro diz que todo olho o verá”. Um trecho ensina
que sua vinda será um num tempo de regozijo, enquanto outro diz que os
povos da Terra se lamentarão. E agora como entender isso?

1. AS DUAS FASES DA SEGUNDA VINDA

A Segunda Vinda de Cristo se dará em duas fases distintas. A primeira é


chamada de ESPERANÇA BENDITA, falando assim do Arrebatamento da
Igreja que será antes da Grande Tribulação. A segunda fase é chamada de
APARECIMENTO ou MANIFESTAÇÃO EM GLORIA, falando assim do retorno
Em Gloria de Cristo e a Igreja depois da Grande Tribulação (Tt 2.13; Jo
14.2-3;Cl 3.4).

2. ENTENDENDO MELHOR AS DUAS FASES DISTINTAS

Na primeira fase Cristo virá para a Igreja (Jo 14.2-3), na segunda fase
Cristo virá com a igreja (Cl 3.4). Na primeira fase Cristo virá nos ares (1Ts
4.17), na Segunda fase Cristo virá a Terra ( Zc 14.1-4; Ap 16.13-16). Na
primeira fase Cristo virá de modo invisível (Mt 25.41-42; 1Co 15.52), na
Segunda fase Cristo virá de modo visível (At 1.11;Ap 1.7). Na primeira fase
Cristo virá antes da Grande Tribulação (1Ts 1.10; Ap 3.10), na Segunda
fase Cristo virá depois da Grande Tribulação (Jd 14; Ap 1.7; 19.18). Na
primeira fase Cristo virá estabelecer o Tribunal para Igreja (Rm 14.10, 1Co
3.12-15; 4.5), na Segunda fase Cristo virá estabelecer o Milênio para Israel
( Ap 20.1-4). A primeira fase será iminente (Tt 2:13; 1 Ts 4:13-18; 1Co
15:50-54), já a Segunda fase será precedida por sinais (2 Ts 2:4; Mt 24:15-
30; Ap 6-18).

C.B.C Página 3
OS SINAIS DA VOLTA DE CRISTO
Primeiramente, a Bíblia diz: “daquele dia e hora ninguém sabe” (Mt
24.36). Ninguém. Qualquer tentativa de prever não passará de soberba e
heresia, loucura e engano. Todos os que tentaram predizer a data da vinda
do Senhor ou do fim do mundo caíram em vergonha e descrédito porque
a afirmação de Jesus é inconfundível. Em segundo lugar, a Bíblia diz: “Não
estais em trevas para que aquele dia, como ladrão, vos surpreenda” (1Ts
5.4). Apesar de não saber dia e hora, isso não significa que estamos
distraídos e que a volta de Jesus, bem como seus resultados seja uma
surpresa para nós. Há sinais indicando que a volta de Jesus e a
consumação de todas as coisas está próxima. Estão acontecendo coisas
importantes que não podem ser ignoradas: “Compreendeis a face dos
céus e não sabeis discernir os sinais dos tempos?” (Mt 16.3).

1. OS SINAIS NO MUNDO RELIGIOSO

Ao ser questionado pelos seus discípulos sobre o que aconteceria antes da


sua vinda e do fim do mundo (Mt 24.3), Jesus respondeu: “Acautelai-vos,
que ninguém vos engane, porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu
sou o Cristo; e enganarão a muitos” (vv. 4,5). O vocábulo “muitos” merece
atenção especial, uma vez que costumamos emprega-lo genericamente,
para qualquer grupo de pessoas ou coisas. Na passagem em apreço,
significa muitos mesmo! Em Mateus 24.11 está escrito: “Levantar-se-ão
muitos falsos profetas e enganarão a muitos” “muitos e muitos. De fato,
não serão poucos os enganadores nos dias que antecederão ao
Arrebatamento. A cada dia, aumenta o numero dos falsos profetas que
com a sua aparência de piedade (2 Tm 3.5; I Rs 13.15-18) e dizendo que
estão a serviço de Deus (Ap 2.2,20), se passam por ovelhas (Mt 7.15) e
enganarão a muitos desavisados (Ef 4.14). Em vários lugares do mundo
têm surgido indivíduos que dizem ser o Cristo. Somente na cidade de Los
Angeles, na Califórnia, existem 200 falsos Cristos, sem contar com o
maluco aqui do Brasil que é carregado para cima e para baixo pelos seus
fieis. Por esta razão a bíblia se expressa por inúmeras vezes que O MESMO
JESUS (Lc 24.15-36), asseverando que Ele mesmo, o Senhor Jesus voltará
para buscar a sua Igreja.

C.B.C Página 4
2. OS SINAIS NO MUNDO POLITICO

“Então lhes disse: Então levantar-se-á nação contra nação, e reino contra
reino” (Lc 21.10). As guerras e os constantes rumores de novos conflitos
também apontam para o retorno de Cristo (Mt 24.6,7). A ambição
desenfreada, a ganancia insaciável de algumas nações leva a provocar
guerras de modo deliberado. O motivo das guerras são políticas, e tem
haver com a sede do poder e a conquista de novos territórios, que vem
produzindo conflitos desnecessários. No século 20, apesar da euforia de
que tudo progredia a passos largos em direção a uma utopia mundial, foi
marcado por duas sangrentas guerras mundiais, seguida por inúmeros
conflitos da guerra fria. Apenas 21 anos após ter terminado a 1ª Guerra,
quando o mundo achava que estava em paz, estourou a Segunda, que
deixou um saldo de 77 milhões de mortos (destes, pelo menos 7 milhões
de judeus). A bomba atômica, atirada sobre Hiroshima e Nagazaki em 6 de
agosto de 1945, trouxe ao mundo o conhecimento de um poder de
destruição nunca antes sonhado a energia atômica. “Assim, por exemplo,
já em 1993, estimava-se que havia cerca de 48 guerras étnicas em
andamento pelo mundo afora e que havia 164 reivindicações e conflitos
étnico-territoriais a respeito de fronteiras na ex-União Soviética, dos quais
30 envolviam alguma forma de conflito armado.” A bíblia faz menção a
uma grande guerra sangrenta conhecida como a guerra do Armagedom,
que ocorrerá no fim dos tempos (Lc 21.24). Esta será a maior, a mais
poderosa, a mais equipada, a mais abrangente e sangrenta guerra que
ocorrerá no fim dos dias. Todas as nações e todos os povos com o seu
exercito e poderio bélico-militar, estarão presentes. Um único exercito
procedente do oriente marchará na Guerra do Armagedom, com 200
milhões de soldados (Ap 9.16). Armas nucleares, biológicas e químicas
serão largamente utilizadas no maior conflito universal registrado na
historia da humanidade (Ap 16.13-16).

C.B.C Página 5
3. SINAIS NO MUNDO SOCIAL

A fome e as doenças estão diariamente proclamando a vindo do Senhor


Jesus com uma velocidade incrível. Segundo dados estatísticos há cerca de
800 milhões de pessoas desnutridas no mundo. Falta comida para
alimentar os seres humanos. A escassez de alimentos é um problema que
os economistas, políticos, militares e religiosos não conseguem resolver.
De acordo com as estatísticas da ONU, aproximadamente um bilhão de
pessoas passam fome, mais de 20 milhões de pessoas falecem por ano por
causa da fome, e mais 800 milhões de pessoas vão dormir diariamente
com fome. O surgimento de doenças, pragas e enfermidades, nunca
conhecidas pelo ser humano estão por todas as partes, desafiando os
conhecimentos científicos. Vacinas, antídotos e remédios de todo os tipos
não conseguem curar as enfermidades que assolam a humanidade cada
vez mais com maior frequência. Enfermidades como AIDS, a dengue, a
malária, o impaludismo, a tuberculose, a hepatite, a diarreia, gripe das
aves, doenças dos macacos, dos ratos, da abelha africana, doenças dos
porcos, sarampo, pneumonia, a lepra e o câncer e novas doenças
altamente contagiosas que surgem periodicamente ainda não foram
totalmente erradicadas. Elas continuam ceifando vida de milhares de
seres humanos no mundo (Is 1.6). A OMS considera a malária a pior
doença tropical e parasitária da atualidade, perdendo em gravidade
apenas para a AIDS, e ceifando três milhões de pessoas por ano, desde
1980. A AIDS, por sua vez, foi identificada em 1981, nos Estados Unidos, e
desde então foi considerada uma epidemia pela Organização Mundial de
Saúde, com 22 milhões de mortos até o momento.

4. OS SINAIS NO MUNDO NATURAL

Os sinais no mundo natural tem despertado a atenção de muitos, e tem


levado a muitos ao desespero. O último século ainda testemunhou dois
dos maiores terremotos da história (China, 1920, 180 mil mortos; Japão,
1923. Total de feridos 1,5 milhão, dos quais 200 mil morreram). O
terremoto no Japão foi descrito na ocasião como a “maior catástrofe
desde o dilúvio”. Faltou mencionar os terríveis terremotos do Haiti, no
ano passado, e o quarto maior terremoto da história, ocorrido neste mês,
no Japão, com intensidade máxima de 9 graus na escala Richter.
C.B.C Página 6
Vejamos Alguns Dos Grandes Sinais Na Atmosfera, No Sol, Na Lua E No
Espaço Sideral Que Estão Acontecendo Agora Mesmo:

1. O terremoto que atingiu o Japão em 2011 alterou o eixo de rotação da


terra.

2. Os ufologistas não se cansam de propagar as aparições dos objetos


voadores não identificados.

3. A terra tem sido inundada com o fenômeno da aurora boreal.

4. A lua está com a sua posição em relação à terra alterada.

5. Repetidas vezes a mídia tem divulgado a presença de asteroides com


rota provável de colisão com terra.

6. A ocorrência de riscos à humanidade por conta das "chuvas de


meteoritos".

7. O sol está apresentando grandes instabilidades, emitindo assim


tempestades de calor em direção ao espaço.

8. Os tsunamis são eventos caracterizados por enormes ondas do mar


que, por causa da ocorrência de um terremoto submarino passam a ser
criadas e direcionadas ao continente. São fenômenos a muito conhecido,
principalmente pelos orientais, mas, o que caracteriza este acontecimento
como um dos sinais que indicam a iminente volta de Jesus. Em
consequência destas ondas, dos terremotos, dos sinais celestes, das
guerras e revoluções, dos furacões e principalmente da ausência da paz
interior que só Jesus pode oferecer, os homens têm apresentado
atualmente um comportamento de total desespero e incerteza com
relação ao futuro, mas essas catástrofes são os sinais de que Jesus está
voltando.

C.B.C Página 7
5. OS SINAIS NO MUNDO MORAL

No que diz respeito aos sinais morais dos últimos dias, já podemos
observar a imoralidade generalizada, a pornografia nas literaturas, na
televisão, no cinema e nas peças teatrais, e por incrível que pareça, a
depravação moral tem se manifestado até nas escolas e nas
universidades. A prática do aborto, da pedofilia, a vulgarização do
casamento, a prática e o reconhecimento oficial do casamento
homossexual, o divórcio e a desintegração da família são sinais claros da
vota de Cristo. Neste tempo o nível espiritual de muitos estaria muito
baixo, porque o amor se esfriaria, gerando assim incredulidade, apostasia,
a proliferação de heresias, seitas, e a promoção do ecumenismo (Mc 13.7;
Rm 1.18-32;2Tm 3.1-9).

6. OS SINAIS NO MUNDO ECONÔMICO

A economia envolve toda a humanidade, é ela que pretende promover o


equilíbrio entre as pessoas e a sociedade, os povos e todas as nações do
mundo. A economia mundial é alvo de estudos e vigilância a cada dia.
Autoridades financeiras constantemente preveem instabilidade, crises que
podem afetar profundamente a vida de todas as pessoas. A visão que João
teve do cavalo branco em Apocalipse 6.5,6 prediz que nos últimos tempos
haverá escassez mundial de alimentos. Atualmente, muitos povos sofrem
com essa situação. Nos últimos anos a economia tem enfrentado uma
crise assustadora. A inflação, o preço absurdo dos alimentos e dos gêneros
que satisfazem as necessidades básicas do ser Humano, vem afetando a
economia mundial. Diariamente, especialistas em assuntos econômicos
realizam estudos e elaboram projetos tentando auxiliar as pessoas no que
diz respeito à economia. Estudos especiais são realizados sempre para o
estabelecimento de regras para o sistema financeiro econômico mundial.
Atualmente, as Grandes empresas operam em parceria com as de
pequeno e médio porte. Segundo os economistas, a tendência à
globalização econômica é cada vez maior. Não existe outra solução viável
para os problemas econômicos que vem afetando as nações. A
globalização econômica tem sido alvo das muitas investidas satânicas, e
tudo isso para preparar a chegada do Anticristo.

C.B.C Página 8
7. OS SINAIS NO MUNDO DA CIÊNCIA

“Muitos correrão de uma parte para outra e a ciência se multiplicará” (Dn


12.4). A cada dia novas conquistas no campo cientifico relacionadas a
todos os setores da vida humana. A modernização do maquinário das
indústrias, o computador, a utilização cada vez mais frequente de robôs e
a internet são alguns exemplos dos passos gigantescos dados pela ciência.
A tendência é o crescimento acelerado, possibilitando o ser humano a
utilização da tecnologia sofisticada e super-avançada. Por exemplo, a
tecnologia empregada na medicina torna cada dia mais eficiente.
Computadores mais sofisticados auxiliam os profissionais no tratamento
da saúde. Na educação, na segurança, na economia, no comercio de um
modo Geral, a tecnologia progressivamente está conquistando mais
espaço. Cada vez mais novas atividades anunciada é mais um sinal de que
a volta de Cristo se aproxima. Em suma, o avanço espetacular da ciência é
um forte sinal que a qualquer momento seremos Arrebatados. Os sinais
como terremotos, maremotos, tremores de terra, tufões e furacões que
antecedem o Arrebatamento da Igreja são apenas reflexos dos que irão
acontecer com intensidade durante a Grande Tribulação e que prescindirá
a segunda fase da segunda vinda de Cristo em Gloria.

A PRIMEIRA FASE DA VINDA DE CRISTO

O Arrebatamento da Igreja é o momento mais palpitante e esperado pela


Igreja do Senhor, porque trata da nossa eterna redenção, e por ser o tema
mais importante de todo o Novo Testamento.

1. A PALAVRA ARREBATAR

Significa tirar com rapidez, com ímpeto, com violência, e é exatamente o


que o Senhor Jesus fará com aqueles que prometeu vir busca-los. O
Senhor virá buscar o que é seu e não pedirá licença a seu ninguém
(1Co15.51-52).

C.B.C Página 9
2. O ARREBATAMENTO DA IGREJA E O QUE ACONTECERÁ NOS ARES

No Arrebatamento, Jesus virá até as nuvens. Seus pés não tocarão o solo
desta vez, como acontecerá mais tarde, quando Ele se revelar
publicamente, descendo sobre o monte das Oliveiras, em Jerusalém.
Portanto, nos ares ocorrerá o encontro de Jesus com sua Igreja, para
nunca mais haver separação.

3. O ARREBATAMENTO DA IGREJA, E O QUE OCORRERÁ NA TERRA

Na terra, dar-se-á a ressurreição dos mortos justos, bem como a


transformação dos vivos (justos), segundou que está escrito em
1Tessalonicenses 4.16,17. Este duplo milagre é chamado na Bíblia de
redenção do corpo (Rm 8.23). Quanto à ressurreição dos justos, o que
temos no arrebatamento da Igreja é a continuação da primeira
ressurreição, iniciada por Jesus sendo "Cristo as primícias" (1 Co 15.23), e
concluída em Apocalipse 20.4. Em 1Coríntios 15.23, o termo "ordem", no
original, indica fileira, grupo, turma, como formatura de militares ou de
escola.

4. A IMINÊNCIA DO ARREBATAMENTO

O Apostolo Paulo escrevendo á igreja de corinto ele diz: “Num momento,


num abrir e fechar de olhos, antes da última trombeta; porque a trombeta
soara, e os mortos ressuscitarão primeiro e nós seremos transformados
(1Co 15.52). Veja que a palavra ”momento” na sua forma original no grego
é “átomos” que por sua vez significa sem divisão. O que nós entendemos
é, que o Arrebatamento não será medido e nem notado pelo tempo
humano (cronos), pois será num tempo indivisível e impossível de ser visto
pelo homem. O arrebatamento será rápido, “num abrir e fechar de olhos”
(1Co 15.52). Nesse tempo indivisível acontecerá em primeiro lugar, a
ressurreição de todos os santos que morreram em Cristo. E em segundo
lugar, a transformação dos mortos ressuscitados e dos vivos para serem
Arrebatados como disse Paulo: “O mesmo Senhor descera do céu com
grande brado, com voz de arcanjo e com a trombeta de Deus, e os mortos
ressuscitarão primeiro, depois nós que ficamos vivos seremos Arrebatados
juntamente com “eles” entre as nuvens para o encontro do Senhor nos
Ares ( 1Ts 4.16-17).
C.B.C Página 10
5. O ARREBATAMENTO E O TRIUNFO DA IGREJA.

A Igreja militante desde o primeiro século vem lutando contras as forças


do inferno, as forças que vem tentando prevalecer sobre a Igreja do
Senhor (Mt 16.18). A Igreja tem sido perseguida, atacada e acusada pelos
seus algozes. Mas o Arrebatamento será o momento em que a Igreja irá
triunfar de uma vez por todas sobre seus inimigos, será o momento em
que a Igreja deixará de ser Igreja militante para ser a Igreja Triunfante. A
Igreja Triunfará sobre o pecado, o mundo, satanás e seus demônios (Rm
8.18, Fl 3.20-21), será o momento que a Igreja será Glorificada,
Imortalizada e eternizada (1Co 15.52-54).

6. O ARREBATAMENTO E O MILAGRE DA GLORIFICAÇÃO.

A glorificação é um fato futuro que se dará na ocasião do Arrebatamento


da Igreja (1Ts 4.1617;1Co 15.52 . A Glorificação é o ato culminante da obra
redentora de Deus no homem. Quando o crente for Glorificado, ele estará
moralmente perfeito. Terá recebido um corpo Glorificado, terá herdado
sua herança eterna e terá recebido como recompensa o louvor da parte
de Deus e uma posição no céu de acordo com sua fidelidade na Terra. De
fato não é errado dizer que o crente que morreu já foi Glorificado e já
recebeu o seu galardão. O crente que morre, realmente vai direto à
“Glória” e já desfruta parte da sua Glorificação futura, ou seja, uma
comunhão plena com Deus (2 Co 5.8) e uma natureza livre do pecado (Hb
12.23); e mesmo assim, ele, juntamente com todos os crentes que ainda
vivem, esperará até o “dia de Cristo” para sua Glorificação ser
completada. A Bíblia diz que os vivos, nessa ocasião, serão transformados
e Arrebatados juntos com os mortos ressuscitados para o encontro do
Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com Ele (lTs 4.13-18).

7. A GLORIA DO NOVO CORPO

Nossa jornada não terminará com o corpo surrado pela doença, enrugado
pelo peso dos anos, coberto de pó na sepultura, mas receberemos um
corpo de glória, semelhante ao de Cristo (Fp 3.21). O Nosso corpo de
humilhação, sujeito a fraqueza, a enfermidade e ao pecado, será revestido
da imortalidade e brilhara como o sol no seu fulgor, brilhara como as
estrelas no firmamento, e será um corpo tão glorioso quanto o corpo da
C.B.C Página 11
gloria de Cristo. O corpo da ressurreição é apropriado para um ambiente
espiritual. Em seu corpo ressurreto, Jesus movia-se rapidamente de um
lugar para outro e até atravessava portas trancadas; no entanto, os
discípulos puderam tocá-lo e senti-lo (Lc 24: 33-43; Jo 20: 19-29). O
presente corpo é mortal e decretado a morrer; o corpo glorificado será
imortal, destinado a permanecer por toda a eternidade (Rm 8.53). Por
isso, Paulo regozijou-se: “Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó
morte, o teu aguilhão?” (Rm 8. 55).

O ARREBATAMENTO PRE-TRIBULACIONISTA

“Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei


da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que
habitam na terra” (Ap 3.10). A passagem em foco e outras similares tanto
do Antigo como do Novo Testamento, indicam que a Igreja do Senhor
jamais passará pela Grande Tribulação. É evidente que, para aqueles que
advogam que a Igreja deve passar por este período crítico de angústia,
fazem sua defesa no significado da preposição “EK”. Esta preposição “Ek”
leva os intérpretes a uma interpretação literal de “sair de dentro”.
Refutando, assim, a interpretação pré-tribulacionista do presente
versículo. A palavra “da” significa “para fora de” e em si traz a ideia de ser
guardado da tribulação e não meramente conservado através dela, como
alguns asseveravam. Ora, se a Igreja estivesse destinada ao passar pela
Grande Tribulação, uma coisa seria certa; em lugar de ler-se: “eu te
guardarei da hora da tentação”, ler-se-ia: “eu te guardarei na hora da
tentação”. E Paulo também teria dito: “Jesus, que nos livra na ira futura”,
e não da ira futura” (1 Ts 1.10). Nossa solene convicção, portanto, é: A
Igreja não passará pela Grande Tribulação (Ct 2.17; Is 26.20;Ap 3.10).

C.B.C Página 12
ENSINO FIGURADO DO ARREBATAMENTO PRÉ-TRIBULACIONISTA DO
ANTIGO TESTAMENTO

1. Enoque Trasladado antes do dilúvio destruidor (Gn 5.24 e Hb 11.5) é


uma figura da Igreja Arrebatada antes do juízo sobre o mundo, na volta de
Jesus em glória.

2. Elias Arrebatado antes da conquista de Israel por seus inimigos (2 Rs


2.11) é uma figura dos santos que serão Trasladados no Arrebatamento.
Não provarão a morte.

3. Ló posto a salvo antes de Deus subverter as cidades ímpias de Sodoma


e Gomorra. Jesus disse que assim será quando Ele vier (Lc 17.29,30).

4. José teve para si uma esposa gentílica antes da catástrofe da fome


sobre o Egito e as demais nações (Gn cap. 41).

ENSINO FIGURADO DO ARREBATAMENTO PRÉ-TRIBULACIONISTA DO


NOVO TESTAMENTO

1. A Estrela da Manhã de Apocalipse 22.16, e o "Sol da Justiça" de


Malaquias 4.2. A estrela da manhã, como sabemos, sempre precede o sol.
Jesus, como a Estrela da Manhã, está vindo para a Igreja. Mas, como o Sol
da Justiça, sua vinda é para Israel e as demais nações.

2. Jesus, na sua primeira vinda, quando nasceu em Belém, revelou-se


primeiramente aos que o esperavam, como Simeão e Ana. Mais tarde é
que se revelou publicamente na sinagoga de Nazaré (Lc 4.10,21).

3. Efésios 1.13,14 - O Espírito Santo como selo e como penhor. "Em quem
também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da
vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo
Espírito da promessa, o qual é o penhor da nossa herança até o resgate da
sua propriedade, em louvor da sua glória”. O Espírito Santo como selo é a
prova de que Deus nos comprou, e que somos sua possessão. Ele
habitando em nós é um investimento divino e também um penhor,
significando que em breve Ele virá para levar toda sua "compra". É
evidente que nessa ocasião Ele virá para levar somente o que é seu.

C.B.C Página 13
A RESSURREIÇÃO DOS JUSTOS E INJUSTOS
A bíblia menciona dez casos de ressurreição. Porem no presente estudo, o
termo ressurreição significa o soerguimento do corpo liberto dos poderes
da morte, redivivo, ficando de pé de novo. É certo diferenciar a doutrina
da ressurreição estudada no novo testamento da doutrina da
ressurreição. Uma fala da ressurreição do corpo, ou das funções físicas
desta vida. A outra fala da nossa transformação em um corpo Glorioso
para nunca mais morrer. É por isso que a bíblia nos fala de duas
ressureições, conhecidas como: A primeira e a Segunda Ressurreição.

AS DUAS RESSURREIÇÕES

A bíblia é clara quando fala de duas ressurreições (1Ts 4.16-7;Ap 20.5),


sendo uma para vida eterna, e outra para condenação eterna. Essas duas
ressurreições são separada uma da outra por um período de mil anos ( Ap
20.5). Assim como a vinda do Senhor é vista em duas etapas sendo uma
antes da grande tribulação, e outra depois da grande tribulação. Assim
também a ressurreição é vista em duas etapas sendo uma durante o
arrebatamento, e outra depois do milênio (1Ts 4.16-17; Ap 20.5). Então
fica claro que a bíblia separa a primeira ressurreição da segunda por um
período de mil anos, fazendo distinção uma da outra. A primeira
ressurreição é para os salvos, a segunda é para os perdidos. Na primeira
ressurreição os salvos receberão um corpo Glorioso, na segunda os ímpios
ressuscitarão em seus corpos para serem jugados. A primeira é para
ressuscitar pra nunca mais morrer, e a segunda é para receber o dano da
segunda morte. É por isso que João diz em Apocalipse 20.6: “Bem-
aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre
estes não tem poder a segunda morte, mas serão sacerdotes de Deus e de
Cristo e reinarão com ele mil anos”.

OS TRÊS GRUPOS DISTINTOS DE RESSUSCITADOS


Há distintos grupos de ressuscitados integrantes da primeira ressurreição,
como indica o termo original "tagma", ou seja, “Cada um por sua ordem”
(1Co15.23).

C.B.C Página 14
1. AS PRIMÍCIAS DA PRIMEIRA RESSURREIÇÃO

São Cristo e os que ressuscitaram quando Ele venceu a morte (Mt 27.53;
1Co 15.20,23; Cl 1.18). A Festa das Primícias em Levítico 23.10-12
tipificava isto, quando um molho (que é um coletivo) era movido perante
o Senhor. Molho implica um grupo. Esta festa típica previa Jesus
ressuscitar com um grupo, o que de fato aconteceu. Graças a Deus que a
ressurreição dos fiéis já começou, pois Cristo as primícias da ressurreição
já ressuscitou! (At 26.23).

2. A COLHEITA GERAL DA RESSURREIÇÃO

Segundo o Pastor Antônio Gilberto, os que vão ressuscitar no momento do


Arrebatamento da Igreja (1Ts 4.16) são todos os mortos salvos desde o
tempo de Adão (Dt 16.9,10.), enquanto outros estudiosos acreditam ser
apenas os Mortos “em Cristo” ou seja de Cristo até o Arrebatamento
sendo assim, uma referencia exclusiva a Igreja.

3. OS RABISCOS DA COLHEITA (LV 23.22).

Os gentios salvos e martirizados durante a Grande Tribulação


ressuscitarão logo antes do Milênio. (Apo 6.9-11; 7.9-14; 15.2; 20.4.)
Levítico capítulo 23 é a história da Igreja escrita de antemão. Temos aí
entre outras coisas a ressurreição prefigurada. A palavra ressurreição
implica em ressurreição do corpo que morreu e foi sepultado, ou de
alguma outra forma ficou retido aqui na terra. Se o corpo ressurreto não
fosse o mesmo, isto não seria ressurreição. Seria uma nova criação, e o
termo na Bíblia seria um absurdo. Os crentes ressuscitarão num corpo
glorioso em vários sentidos (1Co 15), e os ímpios, num corpo ignominioso,
em que sofrerão pela eternidade (Mt 10.28). Os nãos salvos farão parte da
segunda ressurreição, a qual abrange todos os ímpios mortos, e ocorrerá
ao findar o Milênio (Dn 12.2; Jo 5/.28,29; Ap 20.5).

C.B.C Página 15
O ESTADO INTERMEDIÁRIO

É uma habitação espiritual fixa e temporal. Biblicamente, o Estado


Intermediário é um modo de existir entre a vida e a ressurreição final do
corpo sepultado. No Antigo Testamento, esse lugar é identificado como
Sheol (no hebraico), e no Novo Testamento como Hades (no grego). Os
dois termos dizem respeito ao reino da morte (Sl 18.5; 2 Sm 22.5,6). É um
lugar espiritual em que as almas e espíritos dos mortos habitam fixamente
ate que seus corpos sejam ressuscitados para a vida eterna ou para a
perdição eterna. É o estado das almas e espíritos fora de seus corpos,
aguardando o tempo em que terão de comparecer perante Deus.

OS DOIS LADOS DIFERENTES

Jesus descreveu esse lugar, o rico e Lazaro participavam de uma


conversação no Sheol ou Hades, estando apenas de lados diferentes (Lc
16.19-31). O apostolo Paulo descreve o, no que diz respeito aos salvos,
como um lugar de comunhão com o Senhor (2 Co 5.6-9; Fp 1.23). A Bíblia
denomina o como um “lugar de consolação”, “seio de Abraão” ou
“Paraíso” 9Lc 16.22,25; 2 Co 12.2-4). Se fosse um lugar neutro para as
almas e espíritos dos mortos, não haveria razão para Jesus identifica-lo
com os nomes que deu. Da mesma forma “o lugar de tormento” não teria
razão de ser, se não houvesse consciência naquele lugar. A Bíblia rejeita a
teoria de que o Sheol ou Hades é um lugar de repouso inconsciente. A
Bíblia fala dos crentes falecidos com “os que dormem no Senhor” (1 Co
15.6; 1 Ts 4.13), e isto não refere se a uma forma de dormir inconsciente,
mas de repouso, de descanso. As atividades existentes no Sheol ou Hades
não implicam que os mortos possam sair daquele lugar, mas que estão
retidos ate a ressurreição de seus corpos para apresentarem se perante o
Senhor (Lc 16.19-31; 23.43; At 7.59).

SHEOL E HADES, ANTES E DEPOIS DO CALVÁRIO.

Antes do Calvário. O Sheol ou Hades dividia-se em três partes distintas.


Para entender essa habitação provisória dos mortos, podemos ilustra-lo
por um circulo dividido em três partes. A primeira parte é o lugar dos
justos, chamada “Paraíso”, “seio de Abraão”, “lugar de consolo” (Lc
16.22,25; 23.43). A segunda é a parte dos ímpios, denominada “lugar de
C.B.C Página 16
tormentos” (Lc 16.23). A terceira fica entre a dos justos e a dos ímpios, e é
identificada como “lugar de trevas”, “lugar de prisões eternas”, “abismo”
(Lc 16.26; 2 Pe 2.4; Jd v.6). Nessa terceira parte foi aprisionada uma classe
de anjos caídos, a qual não sai desse abismo, senão quando Deus permitir
nos dias da Grande Tribulação (Ap 9.1-12). Não há qualquer possibilidade
de contato com esses espíritos caídos; habitantes do Poço do Abismo.
Depois do Calvário. Houve uma mudança dentro do mundo das almas e
espíritos dos mortos após o evento do Calvário. Quando Cristo enfrentou
a morte e o inferno, e as venceu, efetuou uma mudança radical no Sheol
ou Hades (Ef 4.9,10; Ap 1.17,18). A parte do “Paraíso” foi trasladada
(transferida) para o terceiro céu, na presença de Deus (2 Co 12.2,4),
separando-se completamente das “partes inferiores” onde continuam os
ímpios mortos aguardando a transferência para o largo de fogo eterno.
Somente, os justos gozam dessa mudança em esperança pelo dia final
quando esse estado temporário se acabara, e viverão para sempre com o
Senhor, num corpo espiritual ressurreto.

O TRIBUNAL DE CRISTO

Em Apocalipse 22.12 está escrito: “E eis que cedo venho, e o meu galardão
esta comigo, para dar a cada um segundo a sua obra”. Temos nesta seção
a alusão ao “Tribunal de Cristo” que se dará logo após o Arrebatamento
da Igreja. Esse Tribunal não atuará com o objetivo de condenar ou
justificar alguém, mas de julgar as obras dos cristãos, visando galardoar
todos os que foram fieis ao senhor e mantiveram suas vestes brancas e
puras. O Tribunal de Cristo será somente para Igreja. E ali serão julgadas
todas as obras dos crentes salvos. Nesse julgamento seremos analisados
pelo Senhor para saber se fomos verdadeiros ou não. Nesse tribunal o
Senhor julgará nossas quantidades e nossas qualidades. O resultado desse
julgamento será a nossa recompensa ou o nosso detrimento (Rm 14.10,
1Co 3.12-15; 4.5). Todo esse plano está relacionado à glorificação de Deus
pela manifestação de Sua justiça no crente.

C.B.C Página 17
1. O PROPÓSITO DO TRIBUNAL DE CRISTO

A palavra traduzida por "compareçamos" em 2Coríntios 5.10 poderia ser


mais bem traduzida por "sejamos manifestos" de modo que o versículo
diria: "Porque importa que todos sejamos manifestos". Isso implica que o
propósito do Tribunal de Cristo é fazer uma manifestação pública,
demonstração ou revelação do caráter e das motivações essenciais do
indivíduo. Não seremos julgados em massa, ou em classes, mas um por
um, de acordo com o mérito individual confirma o fato de ser esse um
julgamento individual dos crentes perante o Senhor (2Co 5.10).

2. TIPOS DE GALARDÕES QUE SERÁ ENTREGUE NO TRIBUNAL CRISTO

Haverá vários tipos de galardões representados por coroas. Não são


coroas literais, mais diferentes tipos de gratuidades (recompensas).

1. Coroa da vida (Ap 2.10, Tg 1.12), esse tipo de coroa será entregue
aqueles que foram fieis até a morte.
2. Coroa da vitória (1Co 9.25), esse tipo de coroa será entregue a
todos os crentes que não viveu segundo a carne e nem segundo o
mundo.
3. Coroa da gloria ( 1Pe 5.2-4), esse tipo de coroa será entregue aos
obreiros em geral, que cuidaram do rebanho do senhor, e fizeram a
obra de Deus com amor.
4. Coroa da justiça (2Tm 4.7-8), esse tipo de coroa será entregue a

4.1; 1Ts 2.19-20), esse tipo de coroa será entregue a todos os


ganhadores de almas ( Pv11.30 ).

3. A GRANDE COROAÇÃO DA IGREJA

O Noivo antes de levar a noiva para as Bodas, Ele a coroará primeiro no


Seu Grande “encontro” (em grego “apantesis” Mt 25.6) com ela nos Ares.
Quando uma menina judia se casava, começava a usar na cabeça uma
Coroa (diadema) com dez moedas (dracmas) de prata gravada nelas o
nome do Esposo, essa Coroa indicava que aquela menina era casada. Essa
Coroa com dez moedas de prata era a antiga versão judaica da aliança de
casamento e seria uma verdadeira tragédia perder uma dessas moedas.

C.B.C Página 18
Na parábola da dracma perdida o Senhor Jesus fez menção a uma mulher
que havia perdido uma moeda (dracma) de sua Coroa e a procurou até
entra-la (Lc 15.8-10). Perder uma das moedas de prata de sua Coroa era
perder a sua identidade como Esposa, era perder a sua dignidade perante
o Esposo, foi por esta razão que a mulher se preocupou em procura-la, e
se alegrou muito quando a encontrou (Lc 15.810). A Igreja não pode
perder a sua identidade de Igreja perante o mundo, e nem a sua dignidade
de Esposa perante Cristo (Ap 22.12). A Missão da Igreja hoje é procurar as
almas perdidas que são as dracmas de sua Grande Coroa (Fp 4.1; 1Ts 2.19-
20; Ap 22.12), e esta Coroa dará a Igreja a dignidade de entrar nas Bodas
do Cordeiro Como Sua Esposa (Ap. 19:7-8).

AS BODAS DO CORDEIRO

É preciso distinguir entre as bodas, que ocorrem no céu e são celebradas


antes do retorno de Cristo, e a ceia das bodas (Mt 25.10; Lc 12.37), que
ocorre na terra depois de seu retorno). Essa visão prevê duas celebrações,
uma no céu, antes da segunda vinda e a outra após a segunda vinda, na
terra. Uma segunda interpretação vê o anúncio de Apocalipse 19.9 como
uma previsão da ceia de casamento que ocorrerá na terra após as bodas e
a segunda vinda, a respeito das quais está sendo feito um anúncio no céu
antes do retorno a terra. Visto que o texto grego não diferencia a ceia de
casamento da ceia das bodas (ou as núpcias das bodas), mas usa a mesma
palavra para ambas e visto que a ceia de casamento é usada
sistematicamente em relação a Israel na terra, seria melhor adotar essa
visão e ver as bodas do Cordeiro como o acontecimento celestial no qual a
Igreja é eternamente unida a Cristo, e a festa ou ceia das bodas como o
milênio para o quais judeus e gentios serão convidados, que ocorrerá na
terra e onde o Noivo será honrado pela apresentação da noiva a todos os
seus amigos que estão reunidos ali.

C.B.C Página 19
1. AS BODAS DO CORDEIRO

Em muitos trechos do Novo Testamento a relação entre Cristo e a Igreja é


revelada pelo uso de figuras do noivo e da noiva (Jo 3.29; Rm 7.4; 2Co
11.2; Ef 5.25-33; Ap 19.7,8; 21.1-22.7). Na Translação da Igreja, Cristo
aparece como o noivo que leva a noiva consigo para que o relacionamento
que foi prometido seja consumado e os dois se tornem um.

2. A HORA DAS BODAS

É revelada nas Escrituras como algo que ocorre entre a Translação da


Igreja e a segunda vinda de Cristo. Antes do Arrebatamento a Igreja ainda
aguarda essa união. Conforme Apocalipse 19.7, as bodas já terão ocorrido
na segunda vinda, pois a declaração é: "são chegadas às bodas do
Cordeiro". Esse casamento parece seguir os acontecimentos do Tribunal
de Cristo, visto que, quando surge, a Igreja aparece adornada com "os
atos de justiça dos santos" (Ap 19.8), que só podem referir-se às coisas
que foram aceitas no tribunal de Cristo. Desse modo, as bodas devem
ocorrer entre o Tribunal de Cristo e a segunda vinda.

3. O LOCAL DAS BODAS

Só pode ser o céu. Visto que se segue ao Tribunal de Cristo, demonstrado


como acontecimento celestial, e visto que, quando o Senhor retornar, a
Igreja virá nos Ares (Ap 19.14), as bodas devem ocorrer no céu. Nenhum
outro local seria adequado a um povo celestial (Fp 3.20).

4. OS PARTICIPANTES DAS BODAS

As bodas do Cordeiro constituem um acontecimento que, evidentemente,


inclui Cristo e a Igreja. Será mostrado mais adiante, com base em Daniel
12.1-3 e Isaías 26.19-21, que a ressurreição de Israel e dos santos do
Antigo Testamento não ocorrerá até a segunda vinda de Cristo. Apocalipse
20.4-6 esclarece que os santos da tribulação também não ressuscitarão
até aquele dia. Embora fosse impossível eliminar esses grupos da posição
de observadores, eles não ocupam a posição de participantes do
acontecimento em si.

C.B.C Página 20
5. A CEIA DAS BODAS

As bodas do Cordeiro referem-se particularmente à Igreja e ocorrem no


céu. A ceia de casamento inclui Israel e ocorre na terra. Em Mateus 22.1-
14, em Lucas 14.16-24 e em Mateus 25.1-13, trechos em que Israel
aguarda o retorno do noivo e da noiva, a festa ou a ceia de casamento é
localizado na terra e tem referência especial a Israel. A ceia de casamento
tornase então uma parábola de todo o período do milênio para o qual
Israel será convidado durante o período Tribulacional, convite que muitos
rejeitarão, sendo por isso lançado fora, e muitos aceitarão e serão
recebidos. Por causa da rejeição, o convite será estendido aos gentios, de
sorte que muitos deles serão incluídos. Israel, na segunda vinda, estará
esperando que o Noivo venha para a cerimônia de casamento e o convide
para aquela ceia, na qual o Noivo apresentará Sua noiva para os amigos
(Mt 25.1-13).

OS SINAIS DA VINDA DO ANTICRISTO

A vinda do Anticristo não ocorrerá sem sinais precursores. Pelo menos


três eventos deverão ocorrer antes dele surgir na Terra. Estes eventos são
sinais indicadores de que o Arrebatamento da Igreja está prestes a
acontecer, porque para o Anticristo se manifestar a Igreja de Cristo precisa
ser Arrebatada primeiro

1. O MISTÉRIO DA INJUSTIÇA

O mistério da injustiça é a atividade secreta dos poderes do mal, ora


evidente no mundo inteiro, aumentará até alcançar seu ponto máximo na
total zombaria e desprezo a qualquer padrão ou preceito bíblico. Por
causa do predomínio da iniquidade, o amor de muitos esfriará (Mt 24.10-
12; Lc 18.8). O mistério da injustiça que já opera no mundo hoje deverá
intensificarse (2Ts 2.7); ai virá a “apostasia” (2Ts 2.3).

2. APOSTASIA

Ocorrerá a “apostasia” que literalmente significa “desvio”, “afastamento”,


“abandono” (2Ts 2.3). Nos últimos dias, um grande número de pessoas da
Igreja apartar-se-á da verdade bíblica. Tanto o apóstolo Paulo quanto
Cristo revela um quadro Muito difícil da Igreja nos últimos dias (Mt 24.5,
C.B.C Página 21
10-13, 24; 1Tm 4.1; 2Tm 4.3-4). Paulo, principalmente, ressalta que nos
últimos dias elementos ímpios ingressarão nas Igrejas em geral. Os falsos
dirigentes apresentarão uma salvação fácil e uma graça divina sem valor,
desprezando as exigências de Cristo quanto ao arrependimento, à
separação da imoralidade, e à lealdade a Deus e seus padrões (2Pe 2.1-3,
12-19). Os falsos evangelhos, voltados a interesses humanos, necessidades
e alvos egoístas, gozarão de popularidade. A apostasia moral, que é o
abandono da comunhão salvífica com Cristo e o envolvimento com o
pecado e a imoralidade. Esses apóstatas poderão até anunciar a sã
doutrina bíblica, e mesmo assim nada terem com os padrões morais de
Deus (Is 29.13; Mt 23.25-28). Muitas Igrejas permitirão quase tudo para
terem muitos membros, dinheiro, sucesso e prestígio (1Tm 4.1). O
Evangelho da cruz, com o desafio de sofrer por Cristo (Fp 1.29), de
renunciar todo pecado (Rm 8.13), de sacrificar-se pelo reino de Deus e de
renunciar a si mesmo será algo raro (Mt 24.12; 2Tm 3.1-5; 4.3).

3. O AFASTAMENTO DO ESPIRITO SANTO

O Espírito Santo será “afastado” (2Ts 2.7). Isso não significa ser Ele tirado
do Mundo, mas que cessará sua influência restritiva à iniquidade e ao
surgimento do Anticristo. Entendem-se, nos meios eruditos da Bíblia, que
o restringente em 2Ts 2.6, refere-se ao Espírito Santo e seu ministério de
conter a iniquidade, ao passo que em 2Ts 2.7, “um que, agora” (no gênero
masculino) refere-se aos crentes reunidos a Cristo e tirados daqui, isto é,
Arrebatados ao encontro do Senhor nos Ares, a fim de estarem sempre
com Ele (1Ts 4.17). Retirando-se o Espírito Santo, cessará a inibição à
aparição do “homem do pecado”, no cenário terreno (2Ts 2.3,4). Então
será liberada uma influência poderosa e enganadora sobre todos os que
se recusam a amar a verdade de Deus; os tais aceitarão as imposturas do
homem do pecado, e a sociedade humana descerá a uma depravação
jamais vista.

C.B.C Página 22
REFERENCIAS TEOLÓGICAS
1. Ciro Sanches Zibordi-Erros escatológico que os pregadores devem
evitar (CPAD)

2. Pastor Antonio Gilberto-Calendário da Profecia (CPAD)

3. Antonio Gilberto-Daniel e Apocalipse (CPAD)

4. J.Dwight Pentecost-Manual de escatologia (Editora Vida)

5. Ciro Sanches Zibordi-Teologia sistemática pentecostal (CPAD)

6. Joá Caitano - O Mistério Do Apocalipse (Central Gospel)

7. Waldemar Pereira Paixão- Apocalipse Revelação final (kairos)

PROFESSOR
Aldinei leite de Queiroz é Ministro do evangelho de Jesus Cristo, é
formado em teologia pela ICI BRASIL e pela IBADEP. É aluno do seminário
de educação teológica das assembleias de Deus no Brasil (SETAD).

CONTATOS

14 997390432

C.B.C Página 23