Você está na página 1de 3

Curso/Disciplina: Direito Penal (Parte Geral) – Módulo Teoria do crime

Aula: Crimes x Contravenções


Professor (a): Cláudia Barros
Monitor (a): Felipe Loyola

Nº da aula 01

Crimes e contravenções:

O Brasil adota uma classificação bipartida de infração penal cujos conceitos de crime e de contravenção são
espécies. Há outros países que adotam uma classificação tripartida de infração penal: Crimes (mais grave),
delitos (meio termo) e contravenções (menos grave).

Observação! No Brasil, o delito e sinônimo de crime.

Algumas leis não diferenciam o crime da contravenção, por exemplo, a Lei 9613/89 não estabelecesse
diferenciação entre o crime e a contravenção para a caracterização da lavagem de capitais, que é um crime
assessório (parasitário).

Lei 9613/98. Art. 1o Ocultar ou dissimular a natureza, origem, localização, disposição, movimentação ou propriedade de
bens, direitos ou valores provenientes, direta ou indiretamente, de infração penal. (Redação dada pela Lei nº 12.683, de
2012)

Não há, ontologicamente, diferença entre o crime e a contravenção. A classificação de uma conduta como
crime ou contravenção é uma opção legislativa.

As contravenções são categorias de condutas que consideram menos grave a lesão ao bem jurídico. Em outras
palavras, a contravenção se diferencia do crime por grau e pela opção do legislador.

Até 1997, o porte de arma era considerado uma conduta contravencional. Só após 1997 que o legislativo
decidiu classificar o porte de armas como uma conduta criminosa. O maus-tratos a animais era classificado
como contravenção penal, atualmente é considerado uma conduta criminosa.

Observação! Hoje, as condutas criminosas de menor potencial ofensivo tendem a sair da esfera do direito
penal devido ao seu caráter fragmentário e subsidiário.
1
Página

Todos os direitos reservados ao Master Juris. www.masterjuris.com.br


Crime Contravenção penal (crime anão1)
Cabe todos os tipos de ação penal. Toda contravenção é de ação penal púbica
incondicionada.
Territorialidade + extraterritorialidade Não é aplicado o princípio da extraterritorialidade
Pune-se a tentativa de crime A tentativa de contravenção não é punida
Podes ser doloso ou culposo Não exige nem o dolo e nem a culpa2
Erro proibição O erro é de direito3
O cabimento do sursis depende de condições Cabe o sursis independentemente da pena aplicada

Reincidência:

LCP. Art. 7º Verifica-se a reincidência quando o agente pratica uma contravenção depois de passar em julgado a
sentença que o tenha condenado, no Brasil ou no estrangeiro, por qualquer crime, ou, no Brasil, por motivo de
contravenção.

REINCIDÊNCIA

CONTRAVENÇÃO
CONTRAVENÇÃO
CRIME CONTRAVENÇÃO CRIME NO
NO BRASIL
ESTRANGEIRO

TRÂNSITO EM TRÂNSITO EM TRÂNSITO EM TRÂNSITO EM TRÂNSITO EM


JULGADO JULGADO JULGADO JULGADO JULGADO

NOVA NOVA
NOVO CRIME CRIME CONTRAVENÇÃO
CONTRAVENÇÃO CONTRAVENÇÃO

NÃO NÃO
REINCIDENTE REINCIDENTE REINCIDENTE
REINCIDENTE REINCIDENTE

ART. 7º DA LCP ART. 7º DA LCP ART. 7º DA LCP ART. 7º DA LCP ART. 7º DA LCP

ARTS. 63 E
SEGUINTES DO
CP

1
Classificação de Nelson Hungria.
2
Página

2
A professora não concorda com essa afirmação, porque a Lei de contravenções penais foi feita sem bases
finalistas (culpa e o dolo na culpabilidade). Hodiernamente, é impossível conceber uma conduta penalmente relevante
sem dolo ou culpa.
3
Nomenclatura aplicável no momento em que a LCP foi promulgada (sem bases finalistas)

Todos os direitos reservados ao Master Juris. www.masterjuris.com.br


AÇÃO PENAL NOS CRIMES SEXUAIS – Redação originária do CP
Regra: ação penal privada.
Exceções:
a) se a vítima ou seus pais não tivessem dinheiro para o processo: ação pública condicionada à representação.
b) se o crime era cometido com abuso do poder familiar, ou da qualidade de padrasto, tutor ou curador: ação
pública incondicionada.
c) se da violência resultasse lesão grave ou morte da vítima: ação pública incondicionada.
d) se o crime de estupro fosse praticado mediante o emprego de violência real: ação pública incondicionada.
Redação da Lei 12.015/09
Regra: ação penal pública condicionada à representação.
Exceções:
a) Vítima menor de 18 anos: incondicionada.
b) Vítima vulnerável: incondicionada.
c) Se foi praticado mediante violência real: incondicionada (Súm. 608-STF).
d) Se resultou lesão corporal grave ou morte: polêmica, mas prevalecia que deveria ser aplicado o mesmo raciocínio
da Súmula 608-STF.
Redação da Lei 13.718/18 (quadro atual)
Ação pública incondicionada (sempre).
Todos os crimes contra a dignidade sexual são de ação pública incondicionada. Não há exceções!
Veja a nova redação do art. 225 do CP:
Art. 225. Nos crimes definidos nos Capítulos I e II deste Título, procede-se mediante ação penal pública
incondicionada. (Redação dada pela Lei nº 13.718/2018).