Você está na página 1de 33

SIMPLIFICANDO

A FISIOLOGIA

“A FISIOLOGIA COMO A GENTE ENTENDE”


SIMPLIFICANDO
A FISIOLOGIA
Neste E-book você irá aprender de
uma vez por todas assuntos básicos
da Fisiologia do Exercício de
maneira fácil e rápida, utilizando as
técnicas que eu usava para assimilar
essa importante matéria, desta
maneira você que ainda é estudante
vai conseguir entender o conteúdo
e ter mais facilidade nas provas,
para você que já se formou irei te
ajudar incrementando ainda mais
em seu conhecimento, fazendo
com que você possa ter um ótimo
retorno em suas aulas de Personal
Trainer.
O GRANDE SEGREDO
Durante todos os anos em que estudei
matérias complexas sempre me peguei com
dificuldades, porém desenvolvi um método
que pode te ajudar muito, esse método
chama-se “I TEACHER”, isso mesmo, “EU
PROFESSOR”, este método consiste em você
dar aulas para você mesmo, e como funciona?
Simples e em apenas 4 passos.

Passo 1: Leia o conteúdo e anote apenas


pontos chaves, fazendo em formato de
tópicos.

Passo 2: Explique o que você entendeu do


conteúdo como se estivesse dando uma aula,
utilizando estes pontos que anotou, porém
utilizando um gravador, mas faça isso pelo
menos em duas gravações

Passo 3: Resuma o conteúdo da sua própria


gravação.

Passo 4: Simplifique, isso mesmo, agora do


seu resumo você vai anotar apenas
PALAVRAS CHAVES, com isso sempre que
lembrar das palavras chaves irá conseguir
montar uma explicação diferente para o
mesmo assunto, ou seja, você APRENDEU.
SUMÁRIO 01 Capítulo 1
Bioenergética
Substratos Energéticos
Trabalhos Biológicos.
Sistemas de Produção de energia

02 Capítulo 2
ATP-CP,
Sistema Glicolítico
Sistema Oxidativo.

03 Capítulo 3
Homeostase.
Homeostasia.
Estado Estável.

04 Capítulo 4
Consumo de Oxigênio (VO2).
Limiar Anaeróbio.

05 Capítulo 5
Princípios da Fisiologia do Exercício.
Atividade Física e Exercício.
Exercícios Aeróbios e anaeróbios.
CAPÍTULO 1

BIOENERGÉTICA.

SUBSTRATOS ENERGÉTICOS.

5
BIOENERGÉTICA.
1) O que é?

Bioenergética são todos os processos fisiológicos realizados


pelo corpo humano para a fabricação de energia, é a
capacidade de transformar energia química em energia
mecânica.

2) Para que serve?

Tem o papel de fazer com que o corpo faça a síntese de mais


energia através da alimentação, transformando substratos
energéticos em energia para o movimento.

3) Qual sua aplicação no Exercício Físico?

A Bioenergética durante o exercício trabalha de acordo com


os trabalhos biológicos e sistemas de produção de energia,
quanto maior a tarefa maior a demanda energética.

Desempenho Físico.

Capacidade de produção de energia.

Capacidade de utilização.

6
Substratos Energéticos.

O que são?

São fontes de energia utilizadas para manter o corpo em


funcionamento em exercício ou em repouso.
Quais são?

1) Gordura

Armazenada pelo organismo para utilização em tarefas


longas, é um substrato energético muito poderoso, pois 1
grama de gordura possui 9 Kcal, para energia é mais comum
serem utilizados os ácidos graxos.

2) Carboidrato

São os açucares obtidos através da alimentação,


transformados facilmente em energia, 1 grama de carbo gera 4
kcal, são encontrados como:

- Monossacarídeos ----> Açúcares simples.


- Dissacarídeos -----> União de 2 açucares simples.
- Polissacarídeos ----> União de 3 ou mais Açucares simples.

Todos estes são transformados em glicose, para que seja


possível sua entrada na célula para produção de energia.
Ligação
3) Proteína =
Aminoácido
São polipeptídeos formados por cadeias de aminoácidos
ligados entre sí pela chamada ligação peptídica, utilizado como
energia através da conversão da alanina em glicose no fígado.
7
Trabalhos Biológicos.

1) Trabalho Mecânico

O trabalho mecânico se dá através da contração muscular,


tendo como resultado final o movimento, por exemplo: o
bíceps realiza uma contração (trabalho mecânico), isso faz com
que a articulação do cotovelo flexione (movimento).

2) Trabalho Químico

Realizado nas células, através da decomposição e


recomposição de componentes, um exemplo disso é a
reconstrução muscular, além disso podemos ter como outro
exemplo a construção de energia dentro da célula.

8
3) Trabalho de transporte

O trabalho de transporte se trata do carregamento de


substâncias do corpo através do sangue, podendo ser O2,
hormônios, substratos energéticos e etc, sempre parte do meio
mais concentrado para o menos concentrado, isso quer dizer
que o corpo sempre irá mandar nutrientes de onde tem para
onde não tem, por exemplo: o glicogênio sai do fígado e vai
para as células gerar energia.

9
Sistemas de Produção de Energia
Quais são?

1) Sistema de energia a longo prazo.

Utilizado em atividades de longa duração, como exercícios


aeróbios, sendo em questão usada a gordura com fonte de
energia predominante.

2) Sistema de Energia a curto prazo.

Predominante em atividades de curta duração, como


exercícios anaeróbios, sendo utilizado o carboidrato como
fonte energética principal.

3) Sistema de energia imediata.

Predominante em atividades em que a ação é imediata,


como: arremesso, chute, tacada e etc. Sendo utilizado o ATP
como fonte energética principal.

Como são utilizados?

10
CAPÍTULO 2

ATP-CP

SISTEMA GLICOLÍTICO

SISTEMA OXIDATIVO

11
ATP-CP
1) O que é ATP?

Moeda energética do corpo humano, sendo a mais rápida fonte


de energia que pode ser utilizada, é sintetizada no interior das
células pelas organelas chamadas de mitocôndrias.

ATP – Trifosfato de Adenosina.


A – Adenosina ( Ligação entre Adenina + Ribose).
T – Tri.
P – Phosphate (Fosfato).

2) O que é CP?
Creatina Fosfato: é a junção de uma Creatina a um Fosfato.

3) O que são Enzimas?


Toda enzima é uma proteína com um único tipo de função seja de
quebra ou de construção.

ATPase: corresponde a uma enzima com função de quebra das


ligações dos fosfatos do ATP, transformando em difosfato de
adenosina, vulgo ADP.

CK ou Creatina Quinase: é uma enzima, que tem como função


quebrar a ligação entre creatina e fosfato

12
Funcionamento do ATP-CP

1 ATP P P P
ATPase quebra o ATP P C

2
ATP P P P P C
Geração de ENERGIA

Fosfato liberado vai até o ADP


3
ADP P P P C
CK quebra a Creatina Fosfato

Fosfato vai para o ADP


4
ATP P P P C

Ressíntese de ATP.

13
Sistema Glicolítico

Utiliza a glicose proveniente do carboidrato dos alimentos, neste


processo de criação de energia são geradas 4 moléculas de ATP.
A glicose contem 6 moléculas de carbono, ela é quebrada ao meio,
neste processo geram 2 piruvatos, nesta quebra produzem 2 novos
ATPs, tendo como produto final 4 ATPs

ATP ATP

2
ATP ATP

3
ATP ATP

ATP ATP

14
Oxidativo
Trata-se da utilização da gordura como fonte de energia na chamada
lipólise, esse processo ocorre na seguinte sequencia:

Lipólise

- Liberação de Hormônios (Gh, glucagon, adrenalina, cortisol)


- Enzimas que quebram do triglicerídeo (no adipócito).
- Glicerol vai para o fígado virar glicose.
- Liberação dos ácidos graxos.
- Transporte dos ácidos graxos pelo sangue auxiliado pela albumina até
a célula para ser oxidada.
- Acetil COa leva para a mitocôndria na matriz mitocondrial.

Glicerol

Ácidos Graxos serão transportados


para a célula para se transformar
em energia.

15
CAPÍTULO 3

HOMEOSTASE.
HOMEOSTASIA.
ESTADO ESTÁVEL.

16
Homeostase
1) O que é Homeostase?

A Homeostase é definida como manutenção do ambiente interno


normal, constante ou inalterado.

2) Para que serve?

Serve para manter o organismo funcionando normalmente.

3) Qual sua aplicação no Exercício Físico?

Sua aplicação se dá pós exercício, pois é responsável por trazer o


organismo a um estado “normal” ou equilibrado.

17
Homeostasia
1) O que é?

Definição: manutenção das condições estáticas no meio interno

- Homeostasia

Todos os órgãos e tecidos do corpo humano realizando funções que


propiciem manutenção das condições para que fiquem constantes, ou
seja, é o processo em que se passa para chegar na homeostase.

18
Estado Estável (Steady-Steate)

1) O que é?
Estado em que o organismo se encontra constante, porém não significa
que está normal.

2) Como ocorre no exercício?


Durante o exercício pode ocorrer de várias maneiras, seja com o
controle da PAS ( Pressão Arterial Sistêmica), por meio da Glicemia,
Vo2 ( Consumo de Oxigênio) e etc

19
CAPÍTULO 4

CONSUMO DE OXIGÊNIO
(VO2).

LIMIAR ANAERÓBIO.

20
Consumo de Oxigênio (VO2)

O que é?
- Captar
- Transportar
- Utilizar
É um Parâmetro de estimativa da função cardiorespiratória.

Consumo Máximo de Oxigênio

O que influencia o VO2 max?

O VO2max é influenciado pelos seguintes fatores:


Massa Corporal
• Sexo
• Idade
• Herança Genética
• Treinamento

21
Limiar Ventilatório
Também chamado de Limiar de lactato o Limiar ventilatório é uma
variável para medição de nível de esforço, utilizando a porcentagem
da Intensidade de esforço maior que o anterior, aumento exponencial
do lactato no sangue em relação aos níveis de repouso.

Transição da predominância do metabolismo aeróbio para o


anaeróbio.

22
CAPÍTULO 5

PRINCÍPIOS DA FISIOLOGIA DO
EXERCÍCIO.

ATIVIDADE FÍSICA E EXERCÍCIO.

EXERCÍCIOS AERÓBIOS E
ANAERÓBIOS.

23
Princípios da Fisiologia do Exercício
1) Individualidade Biológica

Dois indivíduos por mais parecidos que sejam nunca serão iguais,
mesmo que sejam gêmeos, pois irão se desenvolver de maneira
diferente, mesmo se aplicarmos os mesmos estímulos, cotidianos e
etc.

Segundo Tubino (1984), a individualidade biológica é definida como


um fenômeno de variabilidade entre elementos da mesma espécie,
fazendo com que não existam indivíduos iguais

24
2) Princípio da Adaptação

- O processo de adaptação representa a lei mais importante da vida


são as adaptações biológicas no esporte são mudanças funcionais e
estruturais devido a pratica esportiva e psicofísica.

- “Capacidade de adaptação” ou “adaptabilidade” é o nome


que se dá à diferente assimilação dos estímulos, depende também de
fatores genéticos.

25
3) Princípio da Sobrecarga

Princípio onde se deve buscar sobrecarregar o organismo do


indivíduo da maneira correta, ajustando frequência, intensidade e
duração de treino, devendo ser progressiva.
- Sempre pensando na recuperação.

Para Tubino (1984), deve se observar as variáveis de carga sendo


volume a quantidade e intensidade a qualidade, utilizando de
métodos propícios à isso.

26
4) Princípio da Supercompensação

Quando nosso corpo sofre algum tipo de estímulo ou desgaste ele


tem a capacidade de se recuperar criando uma reserva a mais,
preparando para um possível novo estímulo.

Fase I: Fadiga – Neste momento o corpo está sofrendo o estímulo, as


reservas de energia estão sendo utilizadas e estão sendo depletadas.

Fase II: Compensação: hora de se recuperar do estímulo para


conseguir as reservas iniciais de energia.

Fase III: Supercompensação – É nessa hora que o corpo humano nos


surpreende, com medo de um possível novo desafio ele supera os
níveis iniciais de energia para que em um próximo momento ele
possa sobreviver a atividade sem correr riscos.

27
5) Princípio da Reversibilidade

- Se após a supercompensação e treinamentos você parar, os seus


ganhos irão decair até o estado inicial.
- Necessário um novo estímulo para sempre ter novas adaptações.
- Da mesma maneira que ganhamos podemos perder, ao observar a
imagem, podemos notar que após o pico da supercompensação a
linha começa a decair, isso ocorre por não haver outro estímulo, não
sendo necessário manter aquele estoque. Isso ocorre com a massa
muscular quando o indivíduo para de realizar os exercícios, a massa
muscular construída começa a voltar ao estado inicial, pois não é
necessário mantê-la.

28
6) Princípio da Especificidade

O conteúdo específico da carga de treino produz adaptações


específicas
- Treinamento conforme a necessidade do atleta.
- Treino Aeróbio (Esportes de resistência).
- Treinamento de força ( Strongman).

Para objetivos específicos são necessários estímulos específicos, cada


desafio o corpo responde de uma maneira,se o indivíduo deseja ser
um strongman o treinamento dele deve ser predominantemente
anaeróbio e de força máxima, claro que isso varia de pessoa para
pessoa.
Um maratonista por exemplo: seu treino deve contemplar com uma
maior predominância exercícios aeróbios, o mesmo vale para um
fisiculturista, cada um terá um tipo de treino adequado para seus
objetivos.

29
Atividade Física e Exercício
1) Atividade Física

Qualquer forma de movimento corporal em que haja gasto calórico


ou dispêndio de Energia. Ex: caminhar, saltar, subir escadas e etc.

2) Exercício Físico.

Atividade física feita de forma estruturada e organizada, tais como:


musculação, Corrida, alto rendimento.

30
Exercícios Aeróbios e Anaeróbios
1) Exercício Aeróbio.

↓ Baixa intensidade
↑ Longa duração (após 2 minutos)
- Requer O2 molecular
- Gordura como principal substrato energético.

2) Exercício Anaeróbio.

- ↑ Alta intensidade
- ↓ Curta duração (até 2 minutos)
- “ou durante um aumento da resistência ao movimento com
determinada velocidade”
- Não requer O2 molecular
- Carboidrato como substrato energético

31
REFERÊNCIAS

Cadernos de referência de esporte - Treinamento esportivo. –


Brasília: Fundação Vale, UNESCO, 2013. Volume 4

Cadernos de referência de esporte – Fisiolofia do Exercício. –


Brasília: Fundação Vale, UNESCO, 2013. Volume 2

Guedes DP. Atividade física, aptidão física e saúde. In: Carvalho T,


Guedes DP, Silva JG (orgs.). Orientações Básicas sobre Atividade Física e
Saúde para Profissionais das Áreas de Educação e Saúde. Brasília:
Ministério da Saúde e Ministério da Educação e do Desporto, 1996.

Skott, K, P, Edward T. Howley; Fisiologia do exercício: teoria e


aplicação ao condicionamento e ao desempenho. 5. ed. Barueri,
Manole, 2005.

32
AUTOR
Olá, me chamo Wellington Martins,
tenho 22 anos de idade, acabo de me
formar em Educação Física, na minha
época de faculdade me peguei com
dificuldades quanto a Fisiologia do
Exercício, li muitos livros e aquilo
não entrava na minha cabeça, foi aí
que decidi dar um basta nisso!!!
Percebi que a minha maneira de
estudar é que estava errada, então
criei um método de estudar que
facilitou muito minha trajetória e
queria compartilhar com vocês para
ajudar vocês que também tem a
mesma dificuldade. Espero que ajude
vocês, obrigado!!!