Você está na página 1de 4

O Iluminismo, ou também Ilustração, pode ser definido como um

movimento de pensadores e idéias que se originou ainda no século XVII e teve


seu desenvolvimento pleno ao longo do século XVIII. É importante destacar
que as raízes do pensamento Iluminista remontam ao florescimento da
Revolução Científica iniciada século XVI, que veio a transformar a visão de
mundo e de homem da Europa do período moderno, trazendo o racional como
o alicerce maior na produção de conhecimento.

O termo Iluminismo faz uso de uma contraposição de sua época com o


período histórico anterior em curso na Europa, a Idade Média. Na visão dos
pensadores iluministas, o tempo da Ilustração foi o Século das Luzes, que
cintilava sobre as trevas da ignorância que observavam no mundo medieval,
que pautado na fé e nos dogmas cristãos para explicar sua realidade, era visto
como sinônimo de ignorância.

De modo geral, os Iluministas se caracterizavam pela oposição aos


dogmas religiosos, proclamando o pensamento autônomo e crítico como o
instrumento para a constituição de uma nova sociedade, apoiada na liberdade
e contrária aos governos autoritários e absolutistas.

Muitos dos maiores representantes da corrente Iluminista são


amplamente conhecidos no campo da filosofia, influenciando diversos ramos
do pensamento como a moral, a política e a ciência. Dentre esses nomes
podemos citar: Voltaire e sua defesa da liberdade de expressão, da liberdade
religiosa e ao Absolutismo; Montesquieu, teórico crítico ao Absolutismo que
propõe a separação total entre religião e a política conjuntamente da separação
do poder do Estado em três: Poder Legislativo, Judiciário e Executivo. Outro
exemplo é Denis Diderot, precursor da organização da Enciclopédia, obra que
aborda temas relacionados à produção científica de conhecimento e das Artes
em geral.

Contudo, é muito comum tratar o Iluminismo, até pela fama de seus


representantes, como um movimento quase que exclusivamente francês,
associando-o diretamente ao processo de eclosão da Revolução Francesa. A
França foi, certamente, local de intenso desenvolvimento do pensamento
Iluminista, mas que representa apenas parte da amplitude do que chamamos
de Iluminismo.

Podemos observar claras repercussões das idéias Iluministas, por


exemplo, do outro lado do Oceano Atlântico, inspirando a Revolução
Americana que originou os Estados Unidos com o processo de Independência
da Inglaterra ainda na década de 1770. Mesmo no continente Europeu, as Ilhas
Britânicas também tiveram lugar de grande importância na constituição e
desenvolvimento da Ilustração.

Na Escócia, duas figuras são de destacada relevância: David Hume e


Adam Smith. Hume foi um filósofo que se dedicou em grande medida a refletir
sobre como o conhecimento é produzido, postulando que a experiência
sensível e empírica do ser humano em conexão com as disposições mentais e
racionais são os mecanismos pelos quais se constrói conhecimento,
impactando diretamente no modo pelo qual se estrutura o pensamento
científico. Já Smith em sua clássica obra A Riqueza das Nações se debruçou
em analisar o sistema econômico mercantil posto no século XVIII, lançando as
bases para o liberalismo econômico, examinando a ação individual e do
interesse próprio na geração de riqueza, e também a divisão especializada do
trabalho como pontos fundamentais de sua argumentação.

Na Inglaterra, um dos grandes precursores do pensamento Iluminista foi


Isaac Newton, cientista que teve grande impacto na formulação de leis
científicas gerais da natureza, fundamento da ciência clássica, como a lei da
gravitação universal.

Grande nome do Iluminismo Inglês, John Locke, apoiado na relativa


maior liberdade de pensamento observada na Inglaterra após a Revolução
Gloriosa de 1688, em comparação com nações europeias nas quais a Igreja
Católica tinha maior autoridade como Espanha e Portugal, concebeu uma
filosofia que se assenta essencialmente na oposição ao Absolutismo.

Para Locke, o mundo político se forma por meio de um contrato social,


firmado entre os homens, que abdicam de seu Estado de natureza e investem
uma autoridade de poder para que resguarde os direitos naturais do ser
humano, o direito à vida, à propriedade e à liberdade, opondo-se a idéia de que
a autoridade do governante procede de Deus. Para assegurar o respeito a
esses direitos, Locke sugere a divisão dos poderes do Estado, como
Montesquieu e que caso não sejam respeitados, ao povo é reservado ao povo
o direito à rebelião.

Assim, as idéias de Locke foram indispensáveis para a formação do


pensamento liberal e a criação da Monarquia Parlamentarista Inglesa ainda no
século XVIII, na qual o Monarca representa apenas a chefia do Estado, tendo
seus poderes limitados pelas leis fundamentais previstas na Constituição,
cabendo ao representante eleito pelo povo, no caso Inglês o primeiro-ministro,
as decisões políticas que afetam a nação interna e externamente, junto ao
Parlamento e às instâncias jurídicas.
Citar os precursores

Você também pode gostar