Você está na página 1de 6

10/02/2019 Como estudar e escrever uma boa redação, segundo esta ‘edutuber’ - Nexo Jornal

ENTREVISTA (HTTPS://WWW.NEXOJORNAL.COM.BR/ENTREVISTA/)

Como estudar e escrever uma boa redação,


segundo esta ‘edutuber’
Juliana Domingos de Lima 10 Fev 2019 (atualizado 10/Fev 00h54)

Youtuber de educação tem mais de 1,5 milhão de seguidores e lança livro com
método para escrever um bom texto e outras dicas de estudo

FOTO: REPRODUÇÃO

 HOJE ESTUDANTE DE HISTÓRIA NA UFMG, ALADIM INICIOU SEU CANAL EM 2013, AINDA NO ENSINO MÉDIO

O nicho dos “edutubers” atrai milhões (https://revistagalileu.globo.com/Revista/noticia/2018/03/youtubers-


democratizam-o-acesso-educacao-conheca-principais-canais.html) de espectadores no Brasil — em geral,
jovens estudantes em ano de vestibular.

Com mais de 1,8 milhões de inscritos, o canal


(https://www.youtube.com/channel/UCx7HKmnCIIbRBF2FjAoV0bg) de Débora Aladim faz dela uma das
maiores youtubers de educação do país.

https://www.nexojornal.com.br/entrevista/2019/02/10/Como-estudar-e-escrever-uma-boa-reda%C3%A7%C3%A3o-segundo-esta-%E2%80%98e… 1/6
Hoje estudante de história na UFMG,
10/02/2019 Aladim
Como estudar iniciou
e escrever seu
uma boacanal em
redação, 2013,esta
segundo ainda no ensino
‘edutuber’ médio, e ganhou
- Nexo Jornal

popularidade na rede ao compartilhar videoaulas de História, seu método de redação e outras dicas de estudo.
Em 2016, chegou a produzir videoaulas para o Ministério da Educação.

ESTRATÉGIAS ARGUMENTATIVAS PARA A REDAÇÃO DO ENEM - D…


D…

Em janeiro de 2019, ela lançou, pela editora Objetiva, o livro “Redação Infalível
(https://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=88292)– e outras dicas para você arrasar nas
provas”, um manual que dialoga diretamente com os jovens que se preparam para concorrer uma vaga na
universidade, com linguagem ágil e acessível como a de seus vídeos.

No livro, ela dá dicas sobre como montar um cronograma de estudo, como priorizar e revisar matérias, como
fazer anotações eficientes, como se manter motivado, como se manter calmo, como escrever uma redação
passo a passo, entre outras várias sugestões.

Ao Nexo, Aladim falou sobre as dificuldades e inseguranças dos estudantes, suas principais indicações de
como estudar e sobre seu método de redação.

Como você começou a fazer vídeos?


DÉBORA ALADIM Comecei em 2013. Eu sempre fui apaixonada por História e, durante o ensino fundamental,
fazia resumos antes das provas de História que eu compartilhava com meus colegas de sala. Eles tiravam
xerox, mandavam por e-mail... meus resumos ajudavam todo mundo. Antes das provas, todo mundo já
contava que eu ia fazer um resumo.

Em 2013, entrei no Ensino Médio e meu canal nasceu por uma grande coincidência. Ia ter uma prova, então
meus colegas estavam contando com o resumo, só que o meu computador tinha quebrado e eu tinha
machucado a mão, então eu não conseguia escrever nem digitar e não tinha como fazer o resumo. E aí,
justamente, eles pediram para eu fazer um vídeo.

https://www.nexojornal.com.br/entrevista/2019/02/10/Como-estudar-e-escrever-uma-boa-reda%C3%A7%C3%A3o-segundo-esta-%E2%80%98e… 2/6
Eu fiz, e como não consegui enviar
10/02/2019 por
Como e-mail,
estudar postei
e escrever o boa
uma vídeo no YouTube.
redação, segundo esta Esse foi -oNexo
‘edutuber’ primeiro
Jornal vídeo do meu

canal, que ainda existe para quem quiser ver. Foi assim que meu canal nasceu, por acidente, nunca tive
nenhuma pretensão, até porque na época em que comecei nem tinha muita gente falando de educação no
YouTube.

Por que você diria que o seu canal se tornou um dos maiores canais educativos do
Brasil?
DÉBORA ALADIM Acho que é justamente pela proximidade, pela abordagem que meu canal tem. Porque há
vídeos de professores dando aulas ou filmando dentro de sala de aula, mas minha proposta sempre foi
diferente, nunca me apresentei como uma professora, como alguém hierarquicamente superior a quem
assiste meus vídeos.

Sempre me apresentei como uma aluna que está compartilhando as coisas que está aprendendo, tanto que
meu canal “bombou” quando eu estava no meu ano de vestibular e comecei a compartilhar como estava
estudando, como organizava meu horário, porque tinha aula em período integral e era difícil ter tempo de
estudar.

Sou uma pessoa em constante aprendizado, falando para outras pessoas que estão procurando conhecimento.

Quais as principais dificuldades e inseguranças dos estudantes que assistem aos


seus vídeos, segundo os comentários e mensagens que te enviam?
DÉBORA ALADIM Acho que a insegurança diz muito respeito à família [dos estudantes]. Foi uma coisa que eu
passei também, não só pela cobrança da família, mas porque quando eu estava no terceiro ano [do ensino
médio] — eu faço faculdade de História atualmente —, e falei o curso que queria fazer, minha família não
apoiou. Eles não queriam, justamente por essa visão que se tem sobre as licenciaturas, de que ser professor
não é algo positivo no Brasil.

Vejo que muito da insegurança dos alunos vem da expectativa que as pessoas ao redor têm, que os professores
têm de que eles vão bem, essa imagem toda de que o vestibular é estressante e não tem como sair ileso
daquilo, que você vai realmente perder sua vida social, ter que sacrificar suas vontades e desejos, que vai ser
muito difícil, que há muita concorrência. Toda essa imagem de “bicho-papão” é a maior fonte de insegurança
das pessoas.

Entre as outras dificuldades, acho que a principal é conseguir equilibrar: tanto ter uma quantidade boa de
estudo quanto ter o resto também. Muita gente não consegue manter o tempo de estudo, não consegue
estudar por muito tempo, tem dificuldade de concentração, de memorização. Existem várias técnicas de
estudo, várias metodologias e todas elas demandam dedicação da pessoa, demandam energia e tempo. Isso é
difícil, porque estamos vivendo um momento em que os vídeos, o celular exigem pouco tempo de
concentração.

Se você tivesse que selecionar três dicas valiosas de método de estudo para
serem dadas a eles, quais seriam?
DÉBORA ALADIM A primeira com certeza seria o Método Pomodoro, que está no livro e que eu pessoalmente
uso para estudar, porque ele ajuda, justamente, na questão da concentração.

É muito melhor ver o estudo em blocos curtos. A gente pensa 'o que são 25
minutos? É tão pouco tempo'.
https://www.nexojornal.com.br/entrevista/2019/02/10/Como-estudar-e-escrever-uma-boa-reda%C3%A7%C3%A3o-segundo-esta-%E2%80%98e… 3/6
Ele sugere estudar em blocos de Como
10/02/2019 25 ouestudar
30 minutos, sendo
e escrever uma que durante
boa redação, segundo20
estaminutos
‘edutuber’ -aNexo
concentração
Jornal e atenção
devem ser totais, não pode mexer no celular ou com qualquer outra coisa, e os cinco ou dez minutos restantes
são de descanso.

Para mim, isso ajuda muito. É muito melhor ver o estudo em blocos curtos. A gente pensa “o que são 25
minutos? É tão pouco tempo”. Fica muito mais fácil de digerir, a mente fica muito mais aberta. Muitas vezes,
criamos bloqueios pensando “é muita matéria, não vai dar tempo”, e aí a gente acaba se sabotando, ficando
nervoso e ansioso e não conseguindo estudar.

Em geral, os estudantes não sabem descansar corretamente. Não sabem fazer


um momento de pausa que vai realmente relaxar

Outra dica que sempre dou é sobre descanso. Isso é muito importante, porque muitos estudantes ficam
exaustos — e com motivo, porque dedicam muito tempo [ao estudo]. Em geral, o que vejo é que os estudantes
não sabem descansar corretamente. Não sabem fazer um momento de pausa que vai realmente relaxar,
recompor as energias, porque estamos muito viciados em tecnologia.

Muitos alunos ficam mexendo no celular na pausa dos estudos, ou no computador. Eu falo que é como se o
nosso cérebro estivesse correndo, na hora de estudar, e agora estivesse caminhando. Não está parado
descansando. Só está fazendo uma atividade que gasta menos energia. Nas minhas pausas de estudo, gosto de
realmente não fazer nada.

Eu sento, olho pela janela, tento fazer um momento de meditação, ou então converso com outras pessoas,
com minha família, encontro alguém. Realmente ter um momento de qualidade, entrar em contato com
outros seres humanos, ter contato físico com as pessoas. Isso me ajuda muito a recompor as energias. São só
alguns exemplos, mas são coisas que realmente relaxam.

Quando estou estudando, faço também uma lista de coisas que eu queria estar fazendo no lugar de estudar.
Estar vendo uma série, sair com um amigo. Anoto essas coisas e, quando tenho um tempo livre, vou fazer isso.
Porque aí realmente me dá aquela satisfação de “eu mereço esse lazer que eu estou tendo agora”.

A última dica valiosa de método de estudo é manter anotações. Falo muito no livro sobre anotações, sobre
formas de resumo, sobre como tomar nota. As pessoas subestimam muito caderno, resumo, anotação.
Quando a gente ouve o professor, vê uma aula e não anota aquilo, não tem nenhum registro. Sua mente vai
falhar com você, ela não vai conseguir lembrar de todos os detalhes. Se você não registrar, vai perder aquilo
pra sempre. As anotações são muito importantes e é essencial encontrar um método de anotação adequado
para você — há vários no livro —, para ter um registro daquilo que estuda, organizar os pensamentos, as
matérias e ter um estudo mais ordenado.

O que é importante saber para escrever uma boa redação?


DÉBORA ALADIM É importante saber que a redação está na sua mão. Isso é grande parte da questão que eu
quis trabalhar no livro: tirar o medo que as pessoas têm dela. Por ser tão importante, por valer mil pontos [no
Enem], muita gente tem medo da redação, acha que vai falhar, já começa muito nervoso.

https://www.nexojornal.com.br/entrevista/2019/02/10/Como-estudar-e-escrever-uma-boa-reda%C3%A7%C3%A3o-segundo-esta-%E2%80%98e… 4/6
10/02/2019 Como estudar e escrever uma boa redação, segundo esta ‘edutuber’ - Nexo Jornal

Isso é grande parte da questão que eu quis trabalhar no livro: tirar o medo
que as pessoas têm da redação

O modelo Enem foi feito mesmo para os jovens fazerem, o tema sempre leva em conta o ambiente em que as
pessoas vivem, o contexto do Brasil, nunca vão cobrar um assunto muito “voado”, muito diferente.

A pessoa tem que ter em mente que estudou, que se preparou. O que ela pode, ela fez. É possível, sim.
Existem formas de escrever redação, formas que funcionam, em que a estrutura sempre vai ser a mesma e, se
você souber fazer bem a estrutura, o que você colocar de argumentos, de proposta de intervenção, só vai
adicionar.

Se o aluno treinar bastante a redação, independentemente do tema, já vai ter pontos garantidos, porque vai
saber estruturar direito o texto, vai saber escrever, vai saber usar a linguagem. É isso que eu quero dizer com
“a redação está na sua mão”. Você se preparou muito para esse momento e é a sua hora de brilhar.

Quais são as maiores dificuldades que estudantes costumam ter nesse aspecto?
DÉBORA ALADIM Na redação, a maior dificuldade que eu vejo é com a proposta de intervenção. O modelo
Enem exige que se coloque uma proposta de intervenção, que nada mais é do que sugerir coisas que
resolveriam o problema. Essa também é a minha maior dificuldade.

Por exemplo, o tema do uso de dados para a manipulação das pessoas, educação para surdos no Brasil,
violência contra a mulher. São problemas grandes, que nenhum governo conseguiu resolver até agora, e eles
esperam que a gente coloque medidas que vão ser resolutivas. Realmente é uma parte muito difícil, o modelo
Enem é um dos únicos que exige isso.

O que o método de redação que você criou traz de novo?


DÉBORA ALADIM O que eu acho que meu método traz de inovador é a simplicidade. Eu desenvolvi esse
método quando estava no terceiro ano e tinha muita dificuldade para escrever redação.

Via as redações dos colegas que eram elogiados pela professora e eles sempre escreviam de forma muito
profunda, com palavras difíceis, e eu ficava pensando “eu não consigo, não tenho esse vocabulário todo, não
tenho essa desenvoltura. Redação não é pra mim, eu não vou conseguir”.

Quando eu entendi a forma em que a redação era feita, quando comecei a fazer a minha estrutura de redação,
percebi que escrever uma redação não precisa ser difícil. Os corretores sempre vão procurar as mesmas
coisas: a estrutura, a gramática correta, os argumentos, a proposta de intervenção, a coesão textual.

Meu método consiste em uma introdução; depois explicar por que essa situação é um problema, convencer o
leitor de que há um problema; mostrar por que o problema ainda não foi resolvido e depois apresentar como
resolver o problema. Aí você tem a argumentação, tem a coesão textual, porque o texto flui, todos os
parágrafos têm conexão.

A inovação é desmistificar esse bicho de sete cabeças que as pessoas acham que é a redação. É mostrar que
qualquer um, mesmo com vocabulário simples, com o pensamento menos mirabolante, consegue escrever
uma boa redação.

VEJA TAMBÉM

EXPRESSO (HTTPS://WWW.NEXOJORNAL.COM.BR/EXPRESSO/) Por que


conteúdos de jornais são usados em vestibulares
(https://www.nexojornal.com.br/expresso/2019/01/03/Por-
https://www.nexojornal.com.br/entrevista/2019/02/10/Como-estudar-e-escrever-uma-boa-reda%C3%A7%C3%A3o-segundo-esta-%E2%80%98e… 5/6
que-conte%C3%BAdos-de-jornais-s%C3%A3o-usados-em-
10/02/2019 Como estudar e escrever uma boa redação, segundo esta ‘edutuber’ - Nexo Jornal

vestibulares)

https://www.nexojornal.com.br/entrevista/2019/02/10/Como-estudar-e-escrever-uma-boa-reda%C3%A7%C3%A3o-segundo-esta-%E2%80%98e… 6/6

Você também pode gostar