Você está na página 1de 4

ESCOLAS SOCIOLÓGICAS DO CRIME

Para estudar o fenômeno criminal é necessário o estudo dos fatores sociais, dos criminosos e também como a sociedade reage ao
crime. Isso mostra que o crime não é um fenômeno individual e isolado; este resulta sempre de uma construção social ou de uma
reação social a um determinado comportamento. As teorias que estudaram o fenômeno criminal em conexão com os fenômenos
normais e ordinários da vida cotidiana foram as teorias de consenso e de conflito.

Consenso: defendem que a ordem na sociedade é encontrada quando há um perfeito funcionamento das instituições da
sociedade, de forma que os indivíduos tenham objetivos comuns entre eles. Nas palavras de Shecaira (p. 64):
Para a perspectiva das teorias consensuais, a finalidade da sociedade é atingida quando há um perfeito funcionamento
de suas instituições, de forma que os indivíduos compartilhem os objetivos comuns a todos os cidadãos, aceitando as regras
vigentes e compartilhando as regras sociais dominantes.

Conflito: o crime representa uma tentativa de subversão da ordem jurídica imposta pelas classes dominantes aos grupos
que, embora mais numerosos, não detém o poder de promover as alterações sociais que julgam necessárias pelos meios
convencionais. Segundo Shecaira (p. 134):
Para a teoria do conflito, no entanto, a coesão e a ordem na sociedade são fundadas na força e na coerção, na
dominação por alguns e sujeição de outros; ignora-se a existência de acordos em torno de valores de que depende o próprio
estabelecimento da força.

A) Teorias de Consenso:

a) Teoria da Anomia (ou estrutural – funcionalista):


Conhecida também como teoria de Subcultura delinquente (Sampaio). Teoria da qual o sociólogo Emile Durkhein é seu
maior expoente, defende a:
a) normalidade do delito; e
b) a funcionalidade do crime,
Ou seja, em toda a sociedade haverá condutas desviadas em face das condutas regradas, sendo o delito a outra face da
moeda. O delito deriva não de anomalias do individuo, mas sim de uma situação social onde falta coesão e ordem no tocante às
normas e valores daquele local. Neste ambiente, o crime encontra terreno fértil para atuar.
Durkhein emprega o termo anomia para mostrar que algo na sociedade não funciona de forma harmônica. Algo desse
corpo está funcionando de forma patológica, ou seja, anomicamente. A anomia seria então uma crise moral da sociedade, uma
patologia gerada por regras falhas de conduta, tendo em vista que uma sociedade sem regras claras, sem valores e sem limites é
uma sociedade doente.
Na tentativa de curar a sociedade da anomia, Durkhein escreve a obra Da divisão do trabalho social, onde ele descreve a
necessidade de estabelecer uma solidariedade orgânica entre os membros da sociedade, ou seja, a solução estaria, seguindo o
exemplo de um organismo biológico, onde cada órgão tem uma função e depende dos outros para sobreviver, cada membro da
sociedade exerceria uma função na divisão do trabalho, obrigando o individuo através de um sistema de direitos e deveres, a sentir
a necessidade de se manter coeso e solidário aos outros. O importante, segundo Durkhein, é que o individuo se sinta parte de um
todo, que realmente precise da sociedade de forma orgânica, interiorizada e não meramente mecânica.

Outro importante expoente foi Robert King Merton o qual explica que:

O comportamento desviado pode ser considerado, no plano sociológico, um sintoma de dissociação entre as aspirações
socioculturais e os meios desenvolvidos para alcançar tais aspirações. Assim, o fracasso no atingimento das aspirações ou metas
culturais em razão da impropriedade dos meios institucionalizados pode levar à anomia, isto é, a manifestações comportamentais
em que as normas sociais são ignoradas ou contornadas. (SAMPAIO, 62)
Cita-se como exemplo o recente caso do Haiti e a dificuldade de controle da ordem pública que a força de paz da ONU
enfrenta naquele Estado. O colapso do governo anterior gerou uma situação de anomia nos país (ex.: saques, estupros e violações
de direitos humanos, como torturas e aumento dos homicídios).
Teoria da Subcultura permite que a conduta delitiva se origine em razão do caráter diversificado da estrutura social, que é
formada por variados grupos com interesses e valores diferenciados e até mesmo discordantes. Assim, esses grupos se organizam
com seus próprios valores e normas de conduta aceitas com corretas em seu meio, criando-se aquilo que se chama de subcultura.
Com isso, surge a necessidade de que cada grupo busque fazer valer os seus interesses frente aos oficialmente impostos e
também frente aos interesses dos outros grupos sociais com que rivalizam.

Nas palavras de Sampaio (p.63):

A teoria da subcultura delinquente é tida como teoria de consenso, criada pelo sociólogo Albert Cohen (Delinquent boys,
1955). Três ideias básicas sustentam a subcultura: 1) o caráter pluralista e atomizado da ordem social; 2) a cobertura normativa da
conduta desviada; 3) as semelhanças estruturais, na gênese, dos comportamentos regulares e irregulares.
Essa teoria é contrária à noção de uma ordem social, ofertada pela criminologia tradicional. Identificam-se como
exemplos as gangues de jovens delinquentes, em que o garoto passa a aceitar os valores daquele grupo, admitindo-os para si
mesmo, mais que os valores sociais dominantes.
A partir deste contexto surge, então, o crime como expressão dos interesses e valores desses diversos grupos. Assim
sendo, um grupo de uma classe mais baixa rejeita os valores do grupo dominante porque não integram o seu mundo, pois os
valores da classe média divergem dos valores da classe menos favorecida financeiramente. As classes mais baixas procuram
então substituir normas e valores da sociedade com uma alternativa. Sendo assim, o crime passa a ser sinônimo de status, de
protesto ou ainda como uma forma de “aparecer”.

b) Escola de Chicago:
É considerada uma teoria sociológica explicativa do cri
me, com o surgimento da escola de Chicago, que possui como expoente Robert Park e Ernest Burguess, a criminologia abandonou
a figura do delinquente nato e passou a valorar a influencia do meio ambiente nas ações criminosas, para descobrir estes dados
utilizava inquéritos sociais, centrando seus estudos nos problemas sociais, a partir da imersão do cientista social no meio urbano e
na vida das comunidades, tendo a pesquisa de campo como método privilegiado para a coleta de dados, fundamentando assim
uma de suas principais características, que é empirismo e o emprego da observação direta em todas as investigações, ou seja,
caracterizou-se pelo seu empirismo e sua finalidade pragmática (CALHAU, p. 66). As teorias que compõe a Escola de Chicago
são:

c) Teoria Ecológica:
De acordo com Nestor Sampaio (p.57): “Há dois conceitos básicos para que se possa entender a ecologia criminal e seu
efeito criminógeno: a ideia de “desorganização social” e a identificação de “áreas de criminalidade” (que seguem uma gradient
tendency)”.
Tem sua atenção voltada para o impacto criminológico em face do desenvolvimento urbano. De acordo com essa teoria, a
cidade é que produz a delinquência, pois há um paralelismo entre o crescimento da cidade e o aumento da criminalidade.

A teoria ecológica fundamenta-se na ideia da:

a) desorganização do desenvolvimento;
b) falta de controle social gerados pelo desenvolvimento urbano;
c) deterioração dos grupos primários, como família, escola, etc., resultando em relações sociais superficiais, alta mobilidade, crise
nos valores tradicionais, superpopulação e descontrole social.
Nesse sentido, o crime nada mais é do que um subproduto da desorganização da grande cidade. Segundo a teoria
ecológica, somente uma reestruturação urbanística e arquitetônica será capaz de influir na diminuição e prevenção da
criminalidade.
Outra importante contribuição desta escola foi a Teoria das Zonas Concêntricas (Ernest Burguess), que baseava a cidade
de Chicago em 5 zonas concêntricas, que se expandem a partir do centro. A conclusão deste estudo foi que quanto mais próxima
fosse a localização da zona em relação ao centro da cidade, maior a taxa de criminalidade. Além disso, constatou que taxas mais
altas indicavam os locais nos quais havia maior deterioração do espaço físico e população em declínio.

d) Teoria Espacial:
A analise da área social explicariam o delito, ou seja, o nível social, a urbanização e a segregação estariam diretamente
ligados ao crime. Essa teoria busca explicar que algumas arquiteturas propiciam o crime, como por exemplo, a construção de uma
casa de vidro em pleno centro urbano. A Obra Defensible Space, de Oscar Newman, um dos defensores desta teoria, defende um
modelo residencial que crie obstáculos à pratica do delito. Para o arquiteto, o desenho arquitetônico de uma casa pode favorecer
ao crime, quando essa arquitetura torna fácil o acesso a estranhos ou quando existe visibilidade de fora para dentro. Além disso,
Oscar Newman defende a construção de áreas publicas menores, para que cada morador tenha atitudes de dono do local.
Segundo Newman, as pessoas só preservam e cuidam dos espaços que são percebidos como seus.
Para finalizar, a Escola de Chicago atribui sobrepeso à desorganização social, elevando-a à categoria de fator criminógeno.
(VIANA, p. 96)

e) Teoria da Associação Diferencial:


Teoria criada pelo sociólogo Edwin H.Sutherland, inspirada em Gabriel Tarde, verificou que o crime não pode ser definido
apenas como disfunção ou inadaptação das pessoas de classes menos favorecidas. Para o sociólogo, o comportamento criminal é
aprendido e não fruto de carga hereditária. Assim sendo, os atos delituosos, por constituírem atos da vida humana, são
normalmente aprendidos pelos indivíduos como os atos não delituosos, em função das diversas experiências sociais que ocorrem
ao longo da vida.
Sob esse aspecto, afirma-se que as reações do individuo são condicionadas ou influenciadas constantemente pelas
reações daqueles que integram seu meio social. Em outras palavras, observando as reações das pessoas que estão à sua volta, o
individuo passa a agir de igual maneira. Assim, pode afirmar que o crime não é produto de uma anormalidade qualquer, seja física
ou psíquica, mas sim de um processo natural de aprendizagem baseado no contexto social.
Assim, sob a égide desta teoria, em 1939 cunha-se a expressão Crimes do colarinho branco (White collar crimes), Na
definição de Edwin Sutherland: “a violação da lei penal por pessoas de elevado padrão socioeconômico, no exercício abusivo de
uma profissão licita”. É a delinquência econômica, na expressão de Manzanera Rodrigues. É o crime daqueles indivíduos de alto
ou significativo status socioeconómico, que tranquilamente ignoram as leis para aumentar os lucros de suas atividades
ocupacionais, principalmente aquelas relativas.
No white colar crime, também chamado de “delinquência dourada”, a violência praticamente inexiste ou é rara, pois que
seus promovedores atingem os propósitos colimados através da astúcia e da fraude, paramentados, que estão, com folgadas
vestes aparentemente legais. Respaldado fundamentalmente em seu poderio económico, o criminoso de colarinho branco desfruta
de ampla impunidade, de respeitabilidade social e até de intangibilidade! (FERNANDES, p. 440-441).
Valter e Newton Fernandes (p.442) apresentam interessante comparativo entre o crime de colarinho branco e o crime
organizado. E afirma que aquele nem sempre é variante deste.
Na esfera criminológica, em perfunctório exame, pode assomar que o “crime do colarinho branco” é uma variante do
chamado “crime organizado”. Não é assim, todavia, e a apreciação dogmática do white collar crime torna transparente que se trata
de criminalidade essencialmente ligada ao controle da economia em um sistema capitalista. Por isso a fragilidade da fiscalização
estatal quando às voltas com tal prática delituosa. Demais disso, nos países pobres, o rígido enfrentamento penal é direcionado
hegemonicamente aos desprotegidos do contexto. Tal deliberação praticamente nunca investe contra a criminalidade das
poderosas corporações industriais cuja lesividade atentatória aos interesses coletivos permanece incólume e até
complacentemente encoberta pelo aparelho repressivo do Estado, robustecendo, assim, as denominadas “cifras negras” da
delinquência. Trata-se da impunidade oficial com que, nos países subdesenvolvidos e sem justiça democrática, se galardoa os
poderosos, nada importando que eles cometam crimes altamente prejudiciais ao desenvolvimento socioeconômico do país!

B) Teorias de Conflito:

a) Teoria do Labelling Approach:


Conhecida também como Teoria do Etiquetamento ou Reação Social, criada na década de 60 e considerada como um
marco das teorias de conflito, mudou a forma de analisar o crime, deixando de focar o fenômeno delitivo e passando a valorar a
reação social proveniente de um crime, tem como principais expoentes foram Erving Goffman e Howard Becker.
De acordo com Sampaio (p. 64): “Por meio dessa teoria ou enfoque, a criminalidade não é uma qualidade da conduta
humana, mas a consequência de um processo em que se atribui tal “qualidade” (estigmatização)”.
A essência desta teoria pode ser definida, em termos gerais, que cada um se torna aquilo que os outros veem em nós.
Entende-se, sob esse ponto de vista, que a conduta humana é decisivamente influenciada pelos processos de interação social,
sendo que o individuo tem de si a imagem que os outros fazem dele. Por essa razão, a natureza delitiva de uma conduta praticada
por esse individuo não se encontra na conduta em si, e muito menos na pessoa de que a pratica, mas na valorização que a
sociedade confere a ela.
Assim, crime e reação social são manifestações de uma só realidade onde o criminoso apenas se distingue do homem
normal devido a rotulação que recebe, tanto pelas instancias formais como pelas informais.

De acordo com essa teoria, o individuo se converte em delinquente não porque tenha realizado uma conduta negativa, mas
sim porque determinadas instituições sociais etiquetaram lhe como tal, tendo ele assumido o referido status de delinquente que as
instituições do controle social distribuem de forma discriminatória.
Cumpre observar que para os defensores da teoria do etiqueta mento, o sistema penal opera na contramão de seus
pretensos objetivos, pois de acordo com essa mecânica, a prisão teria a função reprodutora, pois uma vez aplicada sobre o
individuo a etiqueta social que o identifica como criminoso, será ele lançado em um circulo vicioso, passando o individuo a
enxergar-se como delinquente e agir como tal. Nestor Sampaio (p. 65), define bem a criminalização primária e a secundária:
Sustenta-se que a criminalização primária produz a etiqueta ou rótulo, que por sua vez produz a criminalização
secundária (reincidência). A etiqueta ou rótulo (materializados em atestado de antecedentes, folha corrida criminal, divulgação de
jornais sensacionalistas etc.) acaba por impregnar o indivíduo, causando a expectativa social de que a conduta venha a ser
praticada, perpetuando o comportamento delinquente e aproximando os indivíduos rotulados uns dos outros. Uma vez condenado,
o indivíduo ingressa numa “instituição” (presídio), que gerará um processo institucionalizador, com seu afastamento da sociedade,
rotinas do cárcere etc. Uma versão mais radical dessa teoria anota que a criminalidade é apenas a etiqueta aplicada por policiais,
promotores, juízes criminais, isto é, pelas instâncias formais de controle social. Outros, menos radicais, entendem que o
etiquetamento não se acha apenas na instância formal de controle, mas também no controle informal, no interacionismo simbólico
na família e escola (“irmão ovelha negra”, “estudante rebelde” etc.).

b) Teoria Crítica, Radical ou Nova Criminologia


Consolidou-se ao criticar as posturas tradicionais da teoria de consenso e, ancorada no pensamento marxista, acreditava
ser o modelo econômico adotado em terminado local o principal fator gerador da criminalidade.
A criminologia Radical assume o papel da classe trabalhadora, da classe explorada e passa a criticar o modo de produção
capitalista, bem como os meios de reprodução dos modos de produção. Critica o modo de produção capitalista, baseada na mais-
valia, por ser uma forma de exploração da mão de obra e provocar injustiças sociais e desigualdades ocasionadoras dos altos
índices de criminalidade. O Grupo de Berkeley surge como reação aos objetivos básicos da escola de Criminologia que se
consubstanciava na formação de técnicos e profissionais treinados para a luta contra o crime. (CALHAU, p. 85)
Nestor Sampaio (p. 68) afirma que é: “Uma vertente diferenciada surge nos Estados Unidos, com a denominação lei e
ordem ou tolerância zero (zero tolerance), decorrente da teoria das “janelas quebradas” (broken windows theory), inspirada pela
escola de Chicago, dando um caráter “sagrado” aos espaços públicos”.

Você também pode gostar