Você está na página 1de 41

CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG.

DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 1 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

1. OBJETIVO

Esta nota técnica tem como objetivo de apresentar diversos tipos de tubulações plásticas utilizadas e as que
não devem ser utilizadas em unidades da Sanepar explicando as similaridades, diferenças e aplicação. São
tubos e conexões para aplicação de produto químico, distribuição de água ou coleta de esgoto.

2. NORMAS A SEREM UTILIZADAS

Devem ser seguidas as normas – seus apêndices e suas normas de referência em última revisão – em todas
atividades pertinentes ao projeto, ao fornecimento, à montagem, à instalação e aos testes. Para acesso as
especificações da Sanepar consultar em www.sanepar.com.br>Fornecedores>Licitações> Marca>Descrição
do Material. Para acesso os códigos de materiais consultar em
http://site.sanepar.com.br/informacoes_tecnicas > Código de Materiais – SAM (clicar sobre o código).

Tabela 01 – Normas

NORMA DESCRIÇÃO

AASHTO Standard Specification for Corrugated Polyethylene Drainage Pipe (Especificação padrão para tubo de
M252 drenagem de polietileno corrugado)

ANSI b 16.5 Pipe Flanges and Fittings Package (Flanges de Tubulação e Pacote de Conexões)

AASHTO Standard Specification for Corrugated Polyethylene Pipe, 300- to 1500-mm (12- to 60-in.) Diameter
M294 (Especificação padrão para tubos de polietileno corrugado, diâmetro de 300 a 1500 mm 12 a 60 pol.)

ASTM F2648 Standard Specification for 2 to 60 inch [50 to 1500 mm] Annular Corrugated Profile Wall Polyethylene (PE)
Pipe and Fittings for Land Drainage Applications (Especificação padrão para tubos de polietileno (PE) de
parede corrugada anular de 2 a 60 pol. [50 a 1500 mm] Tubos e conexões de polietileno (PE) para
aplicações de drenagem em terrenos).

ASTM D3212 Standard Specification for Elastomeric Seals (Gaskets) for Joining Plastic Pipe (Especificação padrão para
vedações elastoméricas (juntas) para unir tubos de plástico).

ASTM D3350 Standard Specification for Polyethylene Plastics Pipe and Fittings Mialsater (Especificação padrão para tubo
de plástico de polietileno e acessórios Mialsate).
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 2 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

Tabela 01 – Normas (continuidade)

NORMA DESCRIÇÃO

ASTM D2321 Standard Practice for Underground Installation of Thermoplastic Pipe for Sewers and Other Gravity-Flow
Applications (Prática padrão para instalação subterrânea de tubos termoplásticos para esgotos e outras
aplicações de fluxo de gravidade).

ASTM D2412 Standard Test Method for Determination of External Loading Characteristics of Plastic Pipe by Parallel-
Plate Loading (Método de Teste Padrão para Determinação das Características de Carga Externa do Tubo de
Plástico por Carga de Placa Paralela).

ASTM 1785 Standard Specification for Poly(Vinyl Chloride) (PVC) Plastic Pipe, Schedules 40, 80, and 120 – 80 –
Especificação padrão para Policloreto de Vinila (PVC) tubulação de plástico, espessuras 40, 80 e 120.

ASTM D2467 Standard Specification for Poly(Vinyl Chloride) (PVC) Plastic Pipe Fittings, Schedule 80 – Especificação
padrão para Policloreto de Vinila (PVC) tubulação de plástico, espessura 80.

ASTM F441 Standard Specification for Chlorinated Poly(Vinyl Chloride) (CPVC) Plastic Pipe, Schedules 40 and 80 –
Especificação padrão para Policloreto de Vinila Clorado (CPVC) tubulação de plástico, espessuras 40 e 80.

ASTM F439 Standard Specification for Chlorinated Poly (Vinyl Chloride) (CPVC) Plastic Pipe Fittings, Schedule 8. –
Especificação padrão para Policloreto de Vinila Clorado (CPVC) tubulação de plástico, espessura 80.

EN ISO 10931 Plastics piping systems for industrial applications – Poly(vinylidene fluoride) (PVDF) – Specifications for
components and the system (Sistemas de tubulação plásticas para aplicações industriais - Poli (fluoreto de
vinilideno) (PVDF) - Especificações para componentes e sistema).

ISO 7483 Dimensions of gaskets for use with flanges to ISO 7005 (Dimensões das juntas para uso com flanges
conforme ISO 7005)

ISO 7005 Pipe flanges-- Part 1: Steel flanges for industrial and general service piping systems (Flanges de tubo - Parte
1: Flanges de aço para sistemas de tubulação de serviço industrial e geral)

ISO 16422 Pipes and joints made of oriented unplasticized poly(vinyl chloride) (PVC-O) for the conveyance of water
under pressure -- Specifications

FDA 21 CFE – Code Of Federal Regulations Title 21 – FDA – Title 21 – Food And Drugs Chapter I – Food And
Drug Administration (CFE - Código dos Regulamentos Federais Título 21 - FDA - Título 21 - Alimentação
e Drogas Capítulo I - Administração de Alimentos e Medicamentos).

NBR 5648 Tubos e conexões de PVC-U com junta soldável para sistemas prediais de água fria – Requisitos
(Comercialmente PVC predial para água).

NBR 5647 Sistemas para adução e distribuição de água – Tubos e conexões de PVC 6,3 com junta elástica e com
diâmetro nominais até DN 100 (Comercialmente PVC Infraestrutura).
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 3 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

Tabela 01 – Normas (continuidade)

NORMA DESCRIÇÃO
NBR 5688 Tubos e conexões de PVC-U para sistemas prediais de água pluvial, esgoto sanitário e ventilação –
Requisitos (Comercialmente PVC predial para esgoto).

NBR 7362 Sistemas enterrados para condução de esgoto (Comercialmente PVC Infraestrutura para esgoto COM
PAREDE MACIÇA). Parte 1: Requisitos para tubos de PVC com junta elástica. Parte 2: Requisitos para
tubos de PVC com parede maciça.

NBR 7665 Sistemas para adução e distribuição de água – Tubos de PVC 12 DEFOFO com junta elástica – Requisitos.
Parte 1: Requisitos gerais: Home. (Comercialmente PVC Infraestrutura para água).

NBR 7675 Tubos e conexões de ferro dúctil e acessórios para sistemas de adução e distribuição de água – Requisitos.

NBR 13747 Junta elástica para tubos e conexões de ferro fundido dúctil - Tipo JE2GS - Especificação

NBR 14968 Válvula-gaveta de ferro fundido nodular com cunha emborracha - Requisitos

NBR 15561 Tubulação de polietileno PE 80 e PE 100 para transporte de água e esgoto sob pressão — Requisitos

NBR 15593 Sistemas enterrados para distribuição e adução de água e transporte de esgotos sob pressão - Requisitos para
conexões soldáveis de polietileno PE 80 PE 100

NBR 15750 Tubulações de PVC-O (cloreto de polivinila não plastificado orientado) para sistemas de transporte de água
ou esgoto sob pressão — Requisitos e métodos de ensaios.

NBR 15880 Conexões de ferro fundido dúctil para tubos de PVC 6,3 e polietileno PE — Requisitos (Peças em FD com
diâmetro externo do PVC PBA)

NBR 21138 Sistemas de tubulações plásticas para drenagem e esgoto subterrâneos não pressurizados — Sistemas de
tubos com paredes estruturadas de policloreto de vinila não plastificado (PVC-U), polipropileno (PP) e
polietileno (PE). Parte 1: Especificações de materiais e critérios de desempenho para tubos, conexões e
sistemas . Parte 2: Tubos e conexões com a superfície externa lisa, Tipo A (Comercialmente PVC de
Infraestrutura para esgoto COM PAREDE CELULAR). Parte 3: Tubos e conexões com a superfície externa
não lisa, Tipo B (Comercialmente PVC de Infraestrutura para esgoto COM PAREDE CORRUGADA).

Anexo XX da Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu
Portaria de padrão de potabilidade.
Consolidação
n°5 do MS/17

NSF/ANSI Drinking Water System Components – Health Effects by most governmental agencies that regulate drinking
STANDARD & water supplies. (Componentes do Sistema de Água Potável - Efeitos na Saúde pela maioria das agências
61 governamentais que regulam o abastecimento de água potável).
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 4 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

Tabela 02 – Especificações

FUNÇÃO CÓDIGO DE MATERIAL ESPECIFICAÇÃO

Retira odor SANEPAR – Especificação Especificação para fornecimento de Carvao Ativado Umectado 4.2 - ONU
Básica EB/USMA/000000233 – 1362 – III - Embalagem de 25kg. Número de Iodo Mínimo de 750 mg de
(pó)
Código 19739 l/g, Índice de Fenol Máximo de 2,5 g/l, Densidade aparente 0,2 a 0,75g/cm

Retira ferro e SANEPAR – Especificação Especificação para fornecimento de Ortopolifosfato (Solido) - Embalagem
manganês Básica EB/USMA/000000123 – de 25kg. Fosfato Reativo (PO4): Mínimo de 15 e máximo de 25.
(Sólido) Código 259861

Coagulante SANEPAR – Especificação Especificação para fornecimento de Cloreto Ferrico, Solucao – 8 – ONU
Básica EB/USMA/000000214 2582 – III Granel – Sem informação sobre carretas. FeCl3, Concentração
(líquido e
Código 161667 38%, Densidade de 1,4
sólido)
Sanepar – Especificação Básica Especificação para fornecimento de Poli-Cloreto de Aluminio - Solucao -
EB/USMA/000000121 – 8 - ONU 1760 - III (Bombonas de 50kg/Conteiner 1000litros) AL2CL6-
Código 197955 N(OH)n, Concentração 36%, Densidade de 1,25 a 1,31

Sanepar – Especificação Básica Especificação para fornecimento de Poli-Cloreto de Aluminio - Solucao -


EB/USMA/000000136 – 8 - ONU 1760 - III (Carretas de 12000kg e 30000kg, Carretas com volume
Código SAM 276138 não determinado na especificação versão 15 de 17/07/2018) AL2CL6-
N(OH)n, Concentração 36%, Densidade de 1,25 a 1,31

SANEPAR – Especificação Especificação para fornecimento de Sulfato de Aluminio Liquido - 8 - Onu


Básica EB/USMA/000000129 – 1760 – III – Carretas de 13.500 kg a 27.000 kg.AL2 (SO4)3 Concentração
Código SAM 123897 48%, Densidade 1,33

SANEPAR – Especificação Especificação para fornecimento de Sulfato de Aluminio Granulado -


Básica EB/USMA/000000119 – Embalagem de 25kg. ONU: Produto não classificado como perigoso para
Código 19704 transporte. Al2 O3 (Alumina total solúvel em água: mínimo 14% em
massa.

Desinfectante SANEPAR – Especificação Acido Cloridrico(Muriatico Teor De 30 A 33% - 8 - ONU 1789 – II. Sem
(líquido e Básica EB/USMA/000000135 – informações quanto carreta e peso de embalagem.
sólido) Código 262820

SANEPAR – Especificação Acido Sulfurico 78% - 8 - ONU 1830 – II. Teor de H2 SO4: 78 a 79% em
Básica EB/GSLOG/0000000004 massa, Densidade: 1,68 a 1,72 g/cm3. Sem peso da embalagem ou da
– Código 267673 carreta.

SANEPAR – Especificação Purate (Solucao Clorato de Sodio e Peroxido de Hidrogenio) - 5.1 - ONU
Básica EB/USMA/000000143 – 2428 – II. Clorato de sódio: Clorato de sódio. Clorato de sódio: Clorato de
Código 277665 sódio% em massa. Container de 1000 litros (1400kg)
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 5 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

Tabela 02 – Especificações (continuidade)

FUNÇÃO CÓDIGO DE MATERIAL ESPECIFICAÇÃO

Desinfectante SANEPAR – Especificação Especificação para fornecimento Hipoclorito de sodio, Solução - 8 - ONU
(líquido e Básica EB/USMA/000000135 – 1791 - II - Bombona com 25,0 kg - (Concentração 10%). NaCLO, Cloro
sólido) Código 96113 ativo 10% a 12%, Densidade = 1,2

SANEPAR – Especificação Especificação para fornecimento de Hipoclorito de Sodio Solução a Granel


Básica EB/USMA/000000128 – – 9 – ONU 1791 – II (Concentração 10%) – Carreta ou container 2000 kg
Código 282152 a 5000kg. NaCLO, Cloro ativo 10% a 12%, Densidade = 1,2

SANEPAR – Especificação Especificação para fornecimento de Sistema de producao de cloro a base


Básica EB/USMA/0000001608, de salmoura e eletrolise. NaCLO + Ox, Hipoclorito de Sódio 0,65%,
1609, 1610, 1611 e 0120 – Cloreto de Sódio (NaCl) 96,9%, Densidade = 1,0, Cloreto de sódio –
Códigos 305514, 305515, NaCl.(Para fabricação do hipoclorito de sódio 0,65% de concentração)
305513, 305512, 264504

Alcalinizante: SANEPAR – Especificação Especificação para fornecimento de Soda caustica (hidroxido de sodio -
Corrige PH Básica EB/USMA/000000341 – solido) - 8 - ONU 1823 II (embalagem com 25,0 kg). Teor de NaOH
(líquido e Código 103918 (Hidróxido de Sódio): Mínimo de 96% em massa.
sólido)
SANEPAR – Especificação Especificação para fornecimento de Soda caustica (hidroxido de sodio -
Básica EB/USMA/000000127 – solido) - 8 - ONU 1824 II – Carretas de 13.500 kg. NaOH, Concentração
Código 267660 49%, Densidade 1,52.

SANEPAR – Especificação Especificação para fornecimento de Soda caustica (hidroxido de sodio -


Básica EB/USMA/000000341 – solido) - 8 - ONU 1823 II (embalagem com 25,0 kg). Teor de NaOH
Código 103918 (Hidróxido de Sódio): Mínimo de 96% em massa.

Alcalinizante: SANEPAR – Especificação Especificação para fornecimento de Soda caustica (hidroxido de sodio -
Corrige PH Básica EB/USMA/000000341 – solido) - 8 - ONU 1823 II (embalagem com 25,0 kg). Teor de NaOH
(líquido e Código 103918 (Hidróxido de Sódio): Mínimo de 96% em massa.
sólido)
SANEPAR – Especificação Especificação para fornecimento de Soda caustica (hidroxido de sodio -
Básica EB/USMA/000000127 – solido) - 8 - ONU 1824 II – Carretas de 13.500 kg. NaOH, Concentração
Código 267660 49%, Densidade 1,52.

SANEPAR – Especificação Especificação para fornecimento de Hidroxido de Calcio Liquido em


Básica EB/USMA/000000118 Suspensao para Tratamento de Agua. Na(OH)2, Concentração 19,8%,
Código 242004 Densidade 1,19

SANEPAR – Especificação Especificação para fornecimento de Barrilha densa (Carbonato de sodio) -


Básica EB/USMA/000000124 – Embalagem com 25,0 kg ONU: Produto não classificado como perigoso
Código 9631 para transporte.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 6 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

Tabela 02 – Especificações (continuidade)

FUNÇÃO CÓDIGO DE MATERIAL ESPECIFICAÇÃO

Flúor (líquido SANEPAR – Especificação Especificação para fornecimento de Ácido Fluossilícico - 8 - ONU 1778 -
e sólido) Básica EB/USMA/000000341 – II - Embalagem de 30 litros ou 1000 litros. (Líquido)
Código 294983

SANEPAR – Especificação Especificação para fornecimento de Ácido Fluossilícico - 8 - ONU 1778 -


Básica EB/USMA/000000139 – II – Carretas de 13500kg a 27000kg. H2 Si F6, Concentração 20%,
Código 153028 Densidade = 1,2, (Líquido)

SANEPAR – Especificação Especificação para fornecimento de Fluossilicato de sódio - 6.1 - ONU


Básica EB/USMA/000000117 – 2674 - III - Embalagem de 25kg.
Código 19690

Tabela 03 – Notas técnicas relacionadas

NOTA DESCRIÇÃO

Nota técnica 01 Considerações Gerais a respeito de aplicação dos Códigos de Material

Nota técnica 02 Tubulações para sistemas de abastecimento de água e sistemas de


esgotamento sanitário – Requisitos (Referente a substituição de material
indicado para tubulações e conexões no estudo e/ou projeto e constante
dos materiais a serem aplicado na obra e/ou serviço(...).

TUBOS E CONEXÕES FD (FERRO DÚCTIL) BOLSA JE 2GS BB, PB,


Nota Técnica 05 (Resolução N° 560/2018 –
PP, BBF, BF NBR 7675 OU JE ISO 2531 E NBR 15420 OU ISO 7186,
DP/DI/DO/DA)
CONEXÕES ESPECIAIS FLANGEADAS NBR 7560 E AWWA C200 E
C210, PEÇAS ESPECIAIS EM AÇO, CONEXÕES JE BB, PB NBR
15880 (PARA PVC 5647).

Tabela 03 – Notas técnicas relacionadas (continuidade)

NOTA DESCRIÇÃO

Nota Técnica 09 Adaptadores de Transição

Nota Técnica 10 Válvulas


CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 7 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

3. LISTA DE SIGLAS E EXPRESSÕES

2D – 2 Dimensões
3D – 3 Dimensões
ABNT – Associação brasileira de Normas Técnicas
ASME – American Society of Mechanical Engineers
ASTM – ASTM International (Antiga American Society for Testing and Materials)
ASTM D2846 – Standard Specification for Chlorinated Poly (Vinyl Chloride) – (CPVC) Plastic Hot and
Cold Water Distribution Systems BSP – British Standard Pipe
CPVC – Policloreto de Vinila Clorado
CFE – Code Of Federal Regulations
BB – Bolsa/Bolsa
BP – Bolsa/Ponta
BBB – Bolsa/Bolsa/Bolsa
BBP – Bolsa/Bolsa/Ponta
BBF – Bolsa/Bolsa/Flange
BSP – British Standard Pipe
DE – Diâmetro Externo
DI – Diâmetro Interno
DEFOFO – Diâmetro Externo do ferro fundido dúctil
DN – Diâmetro Nominal
FDA – Food And Drug Administration
FD – Ferro dúctil
FGS – Fabricantes de tubos e conexões de polietileno
GF – Georg Fischer
ISO (JE ISO) – International Organization for Standardization
JS – Junta Soldável
L – Litro
NBR (ABNT NBR) – Assossiação Brasileira de Normas Tecnicas
NSF – National Science Foundation
M – Metros
MM – Milímetros
MG – Miligramas
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 8 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

NPT – National Pipe Thread


PB – Ponta Bolsa
PBA – Ponta Bolsa Anel (PVC NBR 5647)
PEAD – Polietileno de alta densidade
PP – Ponta/Ponta
PP – Polipropileno
PPH – Polipropileno Homopolímero
PPM – Partes por Milhão (mg/l)
PPR – Polipropileno Random
PRFV – Plástico Reforçado com Fibra de Vidro
PSI – Pound force Per Square inch (lbf/in²) ou libra-força por polegada quadrada: é a pressão resultante da
força de uma libra-força aplicada a uma área de uma polegada quadrada.
PVC – Policloreto de Vinila
PVC-C – Policloreto de Vinila Clorado
PVC-U – Policloreto de Vinila não plastificado
PVC-O Policloreto de Vinila Bio-Orientado
PVDF – Fluoreto de polivinilideno
PN – Pressão Nominal
SAM – Sistema de Administração de Materiais da Sanepar
SABESP – Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo
SDR – Medida padrão tabelada resultante do cálculo da relação entre o diâmetro e a espessura do tubo.
SCH – Schedule (Espessura)
SMA / SM – Solicitação de materiais (obsoleto)
SME – Solicitação de materiais eletrônica (substitui antiga SMA ou SM)
GSLOG – Gerência de Suprimentos e Logística

4. CONSIDERAÇÕES GERAIS

Segue tabela comparativa dos tubos e conexões que devem ser aplicados e aqueles que não devem ser
aplicados nas instalações da Sanepar.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 9 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

Tabela 04 – Tipos de tubos e conexões plásticas

MATERIAL TIPO APLICAÇÃO DN / DE CONEXÃO COMPATIBILIDADE


CPVC SCH 80 PREDIAL PRODUTO DE 20 ATÉ SOLDÁVEL POR SOMENTE CPVC SCH 80. NÃO É
ASTM F439/441 QUÍMICOS DE 75 COLA ESPECÍFICA COMPATÍVEL COM A LINHA DE
CLORADOS (DIFERENTE DA CPVC PARA ÁGUA QUENTE
TEMPERATURA COLA PARA PVC RESIDENCIAL (ASTM D2846). NÃO É
93°C NBR 5648) COMPATÍVEL COM A LINHA DE PVC
NBR 5647 e NBR 5648.
PEAD INFRAES- ESGOTO E DN 100 À DN JUNTA ELÁSTICA, NÃO ESTÁ HOMOLOGADO NA
CORRUGADO TRUTURA ÁGUA PLUVIAL 1200 SOLDADA OU SANEPAR (EM FASE DE TESTE PARA
NBR 21138(1) FUSÃO REDE DE COLETA DE ESGOTO).
PODE SER APLICADO PARA
DRENAGEM OU REDE PLUVIAL.
PEAD PREDIAL / ÁGUA E DE 20 ATÉ SOLDÁVEL POR NÃO UTILIZAR COM PRODUTO
(MACIÇO) NBR INFRAEST. ESGOTO E DE 1200 TERMOFUSÃO OU QUÍMICO.INFRAESTRUTURA:
15561 e NBR LIGAÇÃO ELETROFUSÃO 1)ELETROFUSÃO CONEXÕES SÃO
15593 PREDIAL DE SEMPRE PN 16.
ÁGUA 2)TERMOFUSÃO CONECTAM SOMENTE
COM MESMO SDR. CONEXÕES IGUAIS
PARA ÁGUA E ESGOTO.
PP PREDIAL / ESGOTO E NÃO ESTÁ HOMOLOGADO NA
CORRUGADO INFRAEST. ÁGUA PLUVIAL SANEPAR PARA ESGOTO. PODE SER
NBR 21138(1) APLICADO PARA DRENAGEM OU REDE
PLUVIAL.
PPH 100(1) PREDIAL PRODUTOS DE 20 ATÉ SOLDÁVEL POR SOMENTE COM PPH 100 DO MESMO
QUÍMICOS DE 75 TERMOFUSÃO FABRICANTE. NÃO É COMPATÍVEL
“ALCALINOS” COM PPR OU OUTROS PP´s. NÃO DEVE
SER MAIS APLICADO NA SANEPAR.
PRFV INFRAES- ÁGUA E TODOS FLANGE E BOLSA NÃO ESTÁ HOMOLOGADO NA
TRUTURA ESGOTO SANEPAR
PVC SCH 80 PREDIAL 1)PRODUTOS DE 20 ATÉ SOLDÁVEL POR SOMENTE PVC SCH 80. NÃO É
ASTM QUÍMICOS DE 75 COLA ESPECÍFICA COMPATÍVEL COM A LINHA DE PVC
2461/1785 EXCETOS OS (DIFERENTE DA NBR 5647 e NBR 5648.
CLORADOS COLA PVC NBR
2) EMPERATURA 5648)
60°C
PVC NBR 5647 INFRAES- ÁGUA ATÉ 40°C DN 50,75,100 JUNTA ELÁSTICA 1) COMPATÍVEL COM PEÇAS DE FD
– PVC PBA TRUTURA NBR 15880 E PVC NBR 5647.
2) VER NOTA TÉCNICA 05 PARA
APLICAÇÃO.
3) TUBULAÇÃO NÃO DEVE FICAR
EXPOSTA AO SOL.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 10 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

Tabela 04 – Tipos de tubos e conexões plásticas (continuidade)

MATERIAL TIPO APLICAÇÃO DN / DE CONEXÃO COMPATIBILIDADE


PVC-U NBR PREDIAL E ÁGUA DE 20 ATÉ SOLDÁVEL POR 1) COMPATÍVEL SOMENTE COM PVC
5648 – PVC COLETA DE 75 COLA. NBR 5648.
PREDIAL AMOSTRA 2) NÃO DEVE SER ADOTADO PARA
DE ÁGUA APLICAÇÃO DE PRODUTO
QUÍMICO, EXCETO ÁGUA DE
ARRASTE.
3) TUBULAÇÃO NÃO DEVE FICAR
EXPOSTA AO SOL.
PVC NBR 7665 INFRAES- ÁGUA DN 80 AO DN JUNTA ELÁSTICA 1) SOMENTE CONEXÕES EM PEÇAS
TRUTURA 300 DE FD NBR 7675.
2) TUBULAÇÃO NÃO DEVE FICAR
EXPOSTA AO SOL.
PVC-O INFRAES- ÁGUA/ESGOTO DN 100 AO JUNTA ELÁSTICA SOMENTE CONEXÕES EM PEÇAS DE FD
TRUTURA DN 300 NBR 7675.
PVC NBR 7362 INFRAES- ESGOTO DN 100 À DN JUNTA ELÁSTICA EXISTEM TUBOS E CONEXÕES.
(MACIÇO) TRUTURA 400
PVC INFRAES- ESGOTO E DN 150 À DN JUNTA ELÁSTICA NÃO ESTÁ HOMOLOGADO NA
CORRUGADO TRUTURA ÁGUA PLUVIAL 1000 SANEPAR PARA ESGOTO. PODE SER
NBR 21138(1) APLICADO PARA DRENAGEM OU REDE
PLUVIAL.
PVC PAREDE INFRAES- ESGOTO E DN 150 À DN JUNTA ELÁSTICA PERTENCIA A NBR 7362 E PASSOU
CELULAR NBR TRUTURA ÁGUA PLUVIAL 400 PARA NBR 21138 JUNTAMENTE COM O
21138 PVC CORRUGADO E PEAD
CORRUDADO.
PVC-U NBR PREDIAL ESGOTO E DN 40 À DN JUNTA ELÁSTICA FOI CADASTRADA SOMENTE LINHA
5688 – PVC ÁGUA PLUVIAL 200 E JUNTA SÉRIE NORMAL.
PREDIAL SOLDÁVEL
PVDF(1) PREDIAL PROD.QUÍMICOS DE 20 ATÉ SOLDÁVEL POR SOMENTE COM PVDF. NÃO DEVE SER
“ÁCIDOS” DE 75 TERMOFUSÃO MAIS APLICADO NA SANEPAR.

Nota 01: Não deve ser utilizado nos projetos. Item segue na tabela para complementar justificativa técnica.
Esses itens podem ser revisados mediante justificativa.

5. CADASTRO E APLICAÇÃO

5.1 CPVC SCH 80 E PVC SCH 80

Tubos, conexões, válvulas em CPVC SCH 80 e PVC SCH 80 foram cadastrados no caderno de materiais
conforme os seguintes critérios:
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 11 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

(a) Tubos ponta-ponta.


(b) Conexões JS.
(c) PN 10 – Pressão mínima para tubos e conexões.
(d) PN 16 – Pressão para válvulas.
(e) Norma conforme citadas no item 02.
(f) NSF 14/61 e FDA 21.
(g) DE – Diâmetro externo 20, 25, 32, 40, 50, 63. Demais diâmetros devem ser cadastrados caso a caso.
(h) Não devem ser adquiridas peças menores que de 20.
(i) Rosca NPT.
(j) Adaptadores para conexão JS Bolsa/BSP Macho e Fêmea.
(k) Fabricante homologado chama o material de PVC-C ou CPVC.
(l) Schedule 80 refere-se a espessura. Não devem ser aceitos tubos Schedule 40.
(m)Uniões devem ser utilizadas a cada metro de tubulação para evitar entupimento.
(n) Não é necessário utilizar PVC Norma ASTM 2467 para condução de água, salvo em casos em que
necessite um tubo com maior pressão ou com proteção U.V.
(o) Não é necessário utilizar CPVC Norma ASTM F441 para condução de água, salvo em casos em que
necessite um tubo com maior pressão (CPVC SCH 80 - 8000 psi e PVC SCH 80 -7200 psi), maior
resistência a temperatura (CPVC SCH 80 - 93°C e PVC SCH 80 - 60°C), ou com proteção U.V.
(p) As flanges de CPVC SCH 80 e PVC SCH 80 seguem o padrão de furação ANSI b 16.5 150 psi. Esse
é o mesmo citado pela ISO 7005.

Imagem 06 – Flange (origem Ipex: Fabricante não homologado)


CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 12 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

Tabela 05 – Flange e parafusos CPVC SCH 80 e PVC SCH 80

DE (a) DN em D (diâmetro b Medida do Número de Comprimento


polegadas externo da (Espessura Parafuso furos do parafuso
flange) da flange) (I) (mm)
20 ½” 95 12 M16 4 50
25 ¾” 105 14 M16 4 50
32 1” 115 16 M16 4 65
40 1.1/4” 140 16 M16 4 65
50 1.1/2” 150 25 M16 4 75
63 2” 165 29 M19 4 75
75 2.1/2” 185 24 M19 4 90
90 3” 200 24 M19 4 90
110 4” 220 27 M22 8 100
125 5” 250 27 M22 8 100
160 6” 285 31 M22 8 100
200 8” 340 36 M22 8 125
Origem da Planilha: Georg Fischer (fabricante homologado) e Ipex (fabricante não homologado)

p.1) Os parafusos das flanges devem ser em aço inox 316 e seu respetivos comprimentos, medidas e
quantidades devem ser verificados na tabela abaixo.
p.2) Deve ser utilizada junta elástica.
p.3) Seguem padrão dos descritivos referente aos parafusos e juntas elásticas das flanges em CPVC
SCH 80 e PVC SCH 80.
p.3.1) PARAFUSO ACO INOX 316 A4 ROSCA INTEGRAL CABECA SEXTAVADA M
“XX” X “XX” MM.
p.3.2) PORCA SEXTAVADA, EM ACO INOX AISI 316, NORMA: DIN 934; ROSCA
METRICA NORMAL – M“XX”
p.3.3) JUNTA ELASTICA EPDM DUREZA 65 SHORE PARA FLANGE PVC/CPVC SCH80
D “XX”
p.3.4)ARRUELA LISA, EM ACO INOX AISI 316, NORMA: DIN 125A; - M“XX”
o) Para tubulação de CPVC SCH 80 e PVC SCH 80 são utilizadas abraçadeiras tipo grampo em PP
tipo grampo.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 13 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

Imagem - Abraçadeira tipo grampo em PP (Georg Fischer)

o.1) Seguem abaixo as distâncias das abraçadeiras:

Tabela 06 – Distância Máxima das abraçadeiras

DN Distância Máxima (metros)


20 0,5
25 0,7
32 1,0
40 1,1
50 1,2
63 1,3
75 1,5
90 2,0
110 2,0
125 2,0
160 2,5
200 2,5

Origem da Planilha: Ipex (fabricante não homologado)


CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 14 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

5.2 CPVC SCH 80 E PVC SCH 80 – RESISTÊNCIA QUÍMICA

Tabela 07 – Reagentes e resinas de CPVC SCH 80 e PVC SCH 80


REAGENTE CPVC SCH 80 PVC SCH 80
Ácido fluossilícico – Recomendado de 23°C à 93°C – 30% Recomendado 23°C e 60°C – 50% de
Especificação Sanepar: de concentração pela Ipex. concentração pela Ipex.
20% de concentração. Recomendado de 20°C à 60°C – 32% Recomendado de 20°C à 40°C – 32%
de concentração pela Georg Fischer. de concentração pela G.Fischer
Recomendado pela Tigre, porém não Recomendado pela Tigre, porém não
informa concentração e temperatura. informa temperatura, o tipo do PVC e
concentração.
Ácido Sulfurico – Recomendado de 23°C à 93°C – 80% Recomendado 23°C e 60°C pela Ipex.
Especificação Sanepar: de concentração pela Ipex.
78% de concentração. Recomendado de 20°C à 40°C – 78% a Recomendado com restrição pela Georg
93% de concentração pela Georg Fischer de 20°C à 40°C.
Fischer.
Recomendado ≤ 95% de concentração Recomendado de 75 a 100% pela Tigre
pela Tigre (não informa a temperatura). com efeito moderado. Tigre recomenda
com efeito satisfatório a 22°C.
Água clorada com Recomendado 23°C à 93°C pela Ipex. Recomendado 23°C e 60°C pela Ipex.
hipoclorito
Recomendado de 20°C à 60°C pela Recomendado de 20°C à 60°C pela
Conforme Anexo XX
Georg Fischer para água clorada com Georg Fischer para água clorado com
da Portaria de
cloro menor ou igual 0,1PPM. cloro menor ou igual 0,1 PPM.
Consolidação n°5 do
Recomendado pela Tigre. Não consta na tabela da Tigre
MS/17 até 5 PPM.
Recomendado de 23°C à 93°C pela Não consta na tabela da Ipex.
Ipex.
Recomendado de 23°C à 93°C pela Não consta na tabela da Ipex.
Ipex.
Recomendado de 20°C à 80°C G.F. Recomendado de 20°C à 60°C G.F.

Recomendado pela Tigre, porém não Recomendado pela Tigre. Não informa
informa concentração. temperatura, o PVC e a concentração.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 15 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

Tabela 07 – Reagentes e resinas de CPVC SCH 80 e PVC SCH 80 (continuidade)

REAGENTE CPVC SCH 80 PVC SCH 80


Clorato de hidrogênio – Recomendado pela Tigre, porém não Não consta nas tabelas dos fabricantes.
Especificação Sanepar: informa concentração.
40% de concentração
do Purate.
Cloreto de sódio – Não consta na tabela da Ipex. Não consta na tabela da Ipex.
Especificação Sanepar: Recomendado 20°C à 80°C George Recomendado 20°C, 40°C, 60°C e
40% de concentração Fischer. 80°C George Fischer
do Purate. Recomendado pela Tigre, porém não Recomendado pela Tigre, porém não
Também é utilizado informa concentração. informa concentração.
para produção do
hipoclorito de sódio
0,65% de concentração.
Cloreto Férrico sódio – Recomendado de 23°C à 93°C pela Recomendado 23°C e 60°C pela Ipex.
Especificação Sanepar: Ipex.
38% de concentração. Recomendado 20°C, 40°C, 60°C e 80°C Não consta na tabela da Georg Fischer.
George Fischer.
Tigre recomenda para cloreto de ferro. Tigre recomenda para cloreto de ferro.
Cloro gás (seco) – Não recomendado pela Ipex. Não recomendado pela Ipex.
Especificação Sanepar: Não recomendado pela Georg Fischer. Não recomendado pela Georg Fischer.
100% de concentração. Não recomendado pela Tigre. Não recomendado pela Tigre.
Ver observação abaixo. Recomendado pela Sanepar na forma Recomendado pela Sanepar na forma
diluída. Considerar água saturada. diluída. Considerar água saturada.
Recomendado 23°C à 93°C pela Ipex. Recomendado 23°C e 60°C pela Ipex.

Recomendado de 20°C à 80°C George Recomendado 20°C e 60°C pela


Fischer. George Fischer.
Não consta na tabela da Tigre Não consta na tabela da Tigre.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 16 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

Tabela 07 – Reagentes e resinas de CPVC SCH 80 e PVC SCH 80 (continuidade)

REAGENTE CPVC SCH 80 PVC SCH 80


Cloro na água Recomendado de 23°C à 93°C pela Não consta na tabela da Ipex.
(saturado) Ipex.
Não consta na tabela da Georg Fischer. Recomendado pela Georg Fischer a
20°C e 40°C.
Não consta na tabela da Tigre. -
Dióxido de cloro. Recomendado 23°C à 93°C pela Ipex. Não consta na tabela da Ipex.
Ver observação abaixo. Não consta na tabela da Georg Fischer. Não consta na tabela da Georg Fischer.
Não consta na tabela da Tigre. Não consta na tabela da Tigre.
Hidróxido de cálcio – Recomendado 23°C à 93°C pela Ipex. Recomendado 23°C e 60°C pela Ipex.
Especificação Sanepar: Recomendado de 20°C à 60°C George Recomendado de 20°C à 40°C George
95% de concentração. Fischer. Fischer.
Recomendado pela Tigre, a 48°C. Não Recomendado pela Tigre, a 48°C. Não
informa o tipo do PVC e concentração informa o tipo do PVC e concentração
Hidróxido de Sódio – Não é recomendado pela Ipex. Recomendado 23°C e 60°C pela Ipex
Especificação Sanepar: Recomendado 23°C à 93°C pela Ipex (como soda cáustica <40%)
49% de concentração. (como soda cáustica <40%)
(passa por diluição) Recomendado de 20°C à 40°C George Recomendado pela Georg Fischer a
Quando granulado Fischer a 80%. 20°C, 40ºC e 60°C.
chamado de soda
cáustica. Recomendo pela Tigre para Recomendo pela Tigre para
concentração de 50%. concentração de 50%.

Hipoclorito de cálcio – Recomendado 23°C à 93°C pela Ipex. Recomendado 23°C e 60°C pela Ipex.
Especificação Sanepar:
65% de concentração. Não consta na tabela da Georg Fischer. Não consta na tabela da Georg Fischer.
(passa por diluição)
Recomendo pela Tigre para Recomendado pela Tigre, porém não
concentração de 30%. informa temperatura, o tipo do PVC e
concentração.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 17 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

Tabela 07 – Reagentes e resinas de CPVC SCH 80 e PVC SCH 80 (continuidade)

REAGENTE CPVC SCH 80 PVC SCH 80


Hipoclorito de sódio – Recomendado de 23°C à 93°C pela Recomendado 23°C pela Ipex.
Especificação Sanepar: Ipex.
10% a 12% de Recomendado 20°C de 10 a 50% de Recomendado 20°C à 40°C de 10 a
concentração. concentração pela George Fischer. 50% de concentração pela G.Fischer.
Recomendado < 20% de concentração Recomendado pela Tigre a < 20% de
pela Tigre. Recomendado aplicação concentração, porém não informa
com efeito modero a 100% de temperatura e o tipo do PVC.
concentração.
Hipoclorito de sódio Recomendado 20°C à 40°C de 0,5 a 2 Recomendado 20°C à 40°C de 0,5 a 2
por eletrofusão – PPM de concentração pela George PPM de concentração pela George
Especificação Sanepar: Fischer. Fischer.
0,65% de concentração.

Ver observação abaixo.


Sulfato de Alumínio – Recomendado 23°C à 93°C pela Ipex. Recomendado pela Ipex para alumínios,
Especificação Sanepar: exceto fluoreto de alumínio.
48% de concentração.

Observações:

a) Essa apenas uma tabela de referência para projetistas. Detalhes sobre a aplicação devem ser
consultados os fabricantes.
b) A Tigre e a George Fischer possuem simuladores para consulta.
c) A Ipex e a Tigre são apenas referências, pois, no momento, não estão homologados.
d) O cloro gás não é conduzido pela tubulação na forma pura. Ele é diluído em água.
e) Não constam nas tabelas se o dióxido de cloro é formado pela reação do ácido clorídrico com clorito
de sódio, ácido sulfúrico e purate (cloreto de sódio e clorato de hidrogênio) ou cloro gás.
f) O hipoclorito de sódio produzido por eletrofusão possui variação da concentração conforme
fabricante.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 18 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

5.2.1 CPVC SCH 80 E PVC SCH 80

Peças foram cadastradas conforme o descritivo nos seus respectivos DE´s, levando em consideração norma,
fornecedores e aplicação. Nos projetos devem constar código de materiais e o descritivo das respectivas
peças (conforme Nota técnica 01). Com o objetivo de facilitar a busca, abaixo estão listadas o descritivo para
cada tipo de peça.
É possível encontrar o desenho 3D das peças no site da empresa homologada. O caminho do site é http://cad.
georgfischer.com/?la=100. No Auto CAD, para gerar o desenho 2d, selecione a vista desejada e execute o
comando flatshot.

5.3 CPVC SCH 80

Seguem abaixo os descritivos:

a) TUBO CPVC SCH80 SOLDAVEL PN10 P/ TUBULACAO DE “XX”MM ASTM F441 NSF/ANSI STD 14&61 FDA
21
b) ABRACADEIRA PARA TUBOS CPVC/PVC SCH80 TIPO GRAMPO POLIPROPILENO COM PROTECAO UV DE
“XX”
c) ADAPTADOR CPVC JS BOLSA/ROSCA MACHO NPT SCHEDULE 80 PN 10 ASTM F439 NSF/ANSI STD 14&61
FDA 21 DE “XX”
d) FLANGE CEGO CPVC SCHEDULE 80 PN 10 ASTM F439 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 DE “XX”
e) FLANGE FEMEA CPVC JS SCHEDULE 80 PN 10 ASTM F439 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 DE “XX”
f) JUNTA ELASTICA EPDM DUREZA 65 SHORE PARA FLANGE PVC CPVC SCH80 ADAPTADOR CPVC ROSCA
MACHO NPT COM PONTA TIPO ESPIGAO PN 10 SCHEDULE 80 ASTM F439 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 DE
“XX”
g) ADAPTADOR CPVC JS BOLSA/ROSCA MACHO BSP SCH80 PN 10 ASTM F439 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21
DE “XX”
h) ADAPTADOR CPVC JS BOLSA/ROSCA FEMEA BSP SCH80 PN 10 ASTM F439 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21
DE “XX”
i) CAP CPVC JS SCHEDULE 80 PN 10 ASTM F439 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 DE “XX”
j) CRUZETA CPVC JS BBBB SCHEDULE 80 PN 10 ASTM F439 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 DE “XX”
k) CURVA CPVC JS BB 45 PN 10 SCHEDULE 80 ASTM F439 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 DE “XX”
l) CURVA CPVC JS BB 90 PN 10 SCHEDULE 80 ASTM F439 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 DE “XX”
m) LUVA CPVC JS BB PN 10 SCHEDULE 80 ASTM F439 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 DE “XX”
n) REDUCAO CPVC SCH80 SOLDAVEL PN 10 P/ TUBULACAO DE32 x 20mm ASTM F439 NSF/ANSI STD 14&61
FDA 21, DE “XX” x “XX”
o) TE 45° CPVC JS BBB PN 10 SCHEDULE 80 ASTM F439 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 DE “XX”
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 19 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

p) TE CPVC JS BBB PN10 SCHEDULE 80 ASTM F439 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 DE “XX”
q) UNIAO CPVC JS PN 10 SCHEDULE 80 ASTM F439 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 DE “XX”
r) FILTRO COM NIPLE CPVC (CRIVO) PARA VALVULA DE RETENCAO JS BBPN10 SCHEDULE 80 ASTM F439
NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 DE “XX”. Obs.: Crivo é uma peça a parte da válvula de retenção.
s) VALVULA RETENCAO DUPLA UNIAO EM CPVC JS PN16 FECHAMENTO MINIMO COM 1 MCA SCHEDULE
80 EN ISO 16137 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 DE “XX”. Obs.: Crivo é uma peça a parte da válvula de retenção.
t) Para válvulas ver Nota Técnica 10 – Válvulas.

5.3.1 APLICAÇÃO

Para aplicação dos tubos e conexões em CPVC SCH80 deve-se considerar:


(a) No momento, não existe válvula esfera três vias vertical para CPVC SCH80.
(b) Não confundir CPVC SCH80 com a linha de CPVC (ASTM D2846) predial para água quente.
(c) Não confundir CPVC SCH80 com a linha de PVC SCH80 (ASTM D2467).
(d) Para válvula diafragma acionamento por volante entenda-se como acionamento manual.
(e) Para curvas, entenda-se como joelho.
(f) No comércio chamam CPVC também de PVC-C.

5.4 PVC SCH 80

Seguem abaixo os descritivos conforme planilha Código de Materiais - SAM. Assim como o descritivo para
busca no site do fabricante homologado.
a) TUBO PVC SCH80 JS PN10 DE”XX”MM ASTM D1785 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 - DE 20, 25, 32, 40, 50, 63 e
75.
b) ABRACADEIRA PARA TUBOS CPVC/PVC SCH80 TIPO GRAMPO POLIPROPILENO COM PROTECAO UV DE
DE 20, 25, 32, 40, 50, e 63 (igual ao item apresentado nas peças de CPVC SCH 80).
c) ADAPTADOR ROSCA NPT MACHO/SOLDA PVC SCH80 PN10 DE”xx”MM X 1/2 POL ASTM D2467 NSF/ANSI
STD 14&61 FDA 21 ABRACADEIRA PARA TUBOS CPVC/PVC SCH80 TIPO GRAMPO POLIPROPILENO COM
PROTECAO UV DE DE 20, 25, 32, 40, 50, e 63.
d) ADAPTADOR PVC JS BOLSA/ROSCA FEMEA BSP SCH80 PN10 ASTM D2467 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21
DE 63 POL 2”, DE 20 POL 1/2”, DE 25 POL 3/4”, DE 32 POL 1”, DE 40 POL 1.1/4”, DE 50 POL 1.1/2”
e) ADAPTADOR PVC JS BOLSA/ROSCA FEMEA BSP SCH80 PN10 ASTM D2467 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21
DE 25 POL 3/4”, DE 32 POL 1”, DE 40 POL 1.1/4”, DE 50 POL 1.1/2”, DE 63 POL 2”
f) REDUCAO PVC SCH80 JS PN10 DE“XX” X “XX”MM ASTM D2467 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21- DE25 X
20MM, DE32 X 25MM, DE32 X 20MM, DE40 X 20MM, DE40 X 25MM, DE40 X 32MM, DE50 X 20MM, DE50 X
25MM, DE50 X 32MM, DE50 X 40MM, DE63 X 20MM, DE63 X 25MM, DE63 X 32MM, DE63 X 45MM, DE63 X
50MM, DE75 X 20MM, DE75 X 25MM, DE75 X 32MM, DE75 X 40MM, DE75 X 50MM, DE75 X 63MM
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 20 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

g) REDUCAO PVC SCH80 JS ROSCA NPT FEMEA PN10 DE“XX”MM X “XX”POL ASTM D2467 NSF/ANSI STD
14&61 FDA 21 - DE25MM X 1/2 POL, DE32MM X 3/4 POL, DE40MM X 1 POL, DE50MM X 1/2 POL, DE50MM X
1.1/4 POL, DE63MM X ½, DE63MM X 3/4 POL, DE63MM X 1 POL
h) CAP PVC SCH80 JS PN10 DE“XX”MM ASTM D2467 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 – DE 20, 25, 32, 40, 50, 63 e
75.
i) CRUZETA PVC JS SCH80 PN10 DE20mm ASTM D2467 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 – DE 20, 25, 32, 40, 50, 63
e 75.
j) FLANGE CEGO PVC SCH80 SOLDAVEL PN10 DE“XX”MM ASTM D2467 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 – DE
20, 25, 32, 40, 50, 63 e 75.
k) JUNTA ELASTICA EPDM DUREZA 65 SHORE PARA FLANGE PVC CPVC SCH80 - Ver item CPVC.
l) FLANGE FEMEA PVC SCH80 SOLDAVEL PN10 DE“XX”MM ASTM D2467 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 – DE
20, 25, 32, 40, 50, 63 e 75.
m) JOELHO PVC JS 90 SCH80 PN10 DE20MM ASTM D2467 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 2121 – DE 20, 25, 32, 40, 50,
63 e 75.
n) JOELHO PVC JS 45 SCH80 PN10 DE20MM ASTM D2467 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 – DE 20, 25, 32, 40, 50,
63 e 75.
o) LUVA PVC SCH80 FEMEA PN10 JS/ROSCA NPT DE“XX”MM X “XX”POL ASTM D2467 NSF/ANSI STD 14&61
FDA 21 - DE20MM X 1/2 POL, DE25MM X 3/4 POL, DE32MM X 1 POL, DE40MM X 1.1/4 POL, DE50MM X 1.1/2
POL, DE63MM X 2 POL, DE75MM X 2.1/2 POL.
p) LUVA SIMPLES PVC JS SCH80 PN10 DE“XX”MM ASTM D2467 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 21 – DE 20, 25,
32, 40, 50, 63 e 75.
q) NIPLE ROSCA NPT MACHO/ROSCA NPT MACHO PVC SCH80 JS PN10 “XX”POL ASTM D2467 NSF/ANSI STD
14&61 FDA 21 – ½”, ¾”, 1” 1.1/4”, 1.1/2”,2”.
r) 301328 NIPLE ROSCA NPT MACHO/ROSCA NPT MACHO PVC SCH80 JS PN10 1.1/2 POL ASTM D2467
NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21
s) TE PVC SCH80 JS PN10 DE“XX”MM ASTM D2467 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 2121 – DE 20, 25, 32, 40, 50, 63 e
75.
t) JUNCAO PVC SCH80 JS PN10 DE“XX”MM ASTM D2467 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 2121 – DE 20, 25, 32, 40,
50, 63 e 75.
u) UNIAO PVC SCH80 JS PN10 DE“XX”MM ASTM D2467 NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 – DE 20, 25, 32, 40, 50, 63
e 75.
v) ADAPTADOR ROSCA NPT/MACHO ESPIGAO PVC SCH80 JS PN10 DE “XX”MM ASTM D2467 NSF/ANSI STD
14&61 FDA 21 – DE 20, 25, 32, 40, 50, 63 e 75.
w) FILTRO COM NIPLE PVC (CRIVO) PARA VALVULA DE RETENCAO JS BB PN10 SCHEDULE 80 ASTM D2467
NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 DE 20, 25, 32, 40, 50, 63 e 75.
x) VALVULA RETENCAO DUPLA UNIAO FECHA COM 1MCA PVC SCH80 JS PN16 DE “XX”MM EN ISO 16137
NSF/ANSI STD 14&61 FDA 21 – DE 20, 25, 32, 40, 50, 63.
y) Para válvulas ver Nota Técnica 10 – Válvulas.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 21 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

5.4.1 APLICAÇÃO

Para aplicação dos tubos e conexões em PVC SCH80 deve-se considerar:

(a) No comércio também chamam o PVC ASTM D2467 de PVC-U (ou U-PVC), porém foi definido
como padrão da Sanepar utilizar o termo PVC ASTM D2467.
(b) Não confundir PVC ASTM D2467 com PVC-U NBR 5648. Por esse motivo, ambos materiais
possuem a norma descrita no corpo do descritivo da peça.
(c) No momento, não existe a válvula esfera três vias vertical tipo T acionamento manual.
(d) No momento, não existe a válvula esfera três vias vertical tipo T ou L com opção para automação.

5.5 PPH100 E PPR

Os tubos e conexões em PPH-100 ou PPR normalmente são utilizados para produto químico alcalinos como
hidróxido de sódio, hidróxido de cálcio, sulfato de alumínio e água. No momento, não deve ser aplicado na
Sanepar devido à(s):

(1) Divergências nas normas seguidas pelos fabricantes.


(2) Diferenças nas resinas utilizadas.
(3) Diferenças nas classes de pressões.
(4) Diferenças nos diâmetros das tubulações.
(5) Alto custo para produzir quando a resina não está na linha de produção.
(6) Falta de dois concorrentes.
(7) PN 6Kg/cm2 utilizados em nos projetos ser inferior ao PN do PVC-U (NBR 5648) que é
7,5kgf/cm2.
(8) O processo de termofusão exige mão de obra especializada.
(9) Portanto, sugere-se que as tubulações de polipropileno para água sejam substituídas por:
a) Ferro dúctil (NBR 7675) - bolsa ou flange.
b) PVC (NBR 5648 e NBR 5647) – soldável.
c) PVC Schedule 80 (Norma ASTM D1785) – soldável.
d) PEAD (polietileno) - termofusão ou eletrofusão;
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 22 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

5.6 PVDF

Os tubos e conexões em PVDF normalmente são utilizados para qualquer produto químico principalmente o
ácido fluossilícico. No momento, não deve ser aplicado na Sanepar devido à:

− Dificuldades de encontrar mão de obra qualificada para instalação.


− Necessidade de um equipamento de termofusão específico.
− Dificuldade de manutenção.

5.7 PEAD

Para mais informações, ver Nota técnica 05 e Nota Técnica 09 - Adaptadores de Transição e Nota Técnica
10 - Válvulas.

5.7.1 PEAD/PVC/PP CORRUGADO NBR 21138

Quanto aos tubos em PEAD/PVC/PP Corrugado – NBR 21138 seguem considerações:

a) Não devem ser aplicados em rede coleta de esgoto da Sanepar, pois no momento, passam por testes.
b) Podem ser aplicados em rede pluvial ou drenagem.

5.7.1.1 PEAD/PVC/PP CORRUGADO NBR 21138 ou AASTO M252

Seguem considerações dos tubos de PEAD ou PVC ou PP corrugados NBR 21138 para aplicação para
drenagem e água pluvial:

a) Os tubos podem ser em PEAD ou PVC ou PP ou outro material plástico.


b) As normas podem ser a NBR 21138 ou AASTO M252.
c) No momento, os tubos plásticos corrugados são aplicados somente em drenagem e água pluvial.
d) Os diâmetros variam. Cada fabricante, mesmo seguindo a mesma norma NBR 21138, pode
padronizar os diâmetros da maneira que julgar conveniente. A norma NBR 21138 permite
diferenciação.
e) Devido às diferenças entre fabricantes os tubos plásticos corrugados estão padronizados pelo DI/DN.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 23 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

f) Não devem ser cadastradas as conexões. A única conexão a ser especificada é a Luva.
g) Não devem ser utilizados tubos de PEAD Corrugado para agricultura, comunicação, cabos de
energia.
h) A Sanepar nas especificações do tubo deve padronizar os diâmetros com objetivo de obter
concorrência. Segue tabela de diâmetros:

Tabela 08 – Diâmetro Nominal, diâmetro externo e fabricantes

DN DI DE FABRICANTE PLÁSTICO
CORRUGADO
100 (range de 15mm) 92 110 Politejo PP/PEAD
100 110 Corr Plastik PVC
103 120 Tigre PEAD
107 110 PVC Brazil PVC
112 125 Politejo PP/PEAD
150 (range de 13mm) 140 160 Politejo PP/PEAD
147 160 Corr Plastik PVC
147,6 160 Tigre PVC
148,2 160 Amanco PVC
152,8 160 PVC Brazil PVC
153 176 Tigre PEAD
200 (range de 25mm) 175 200 Politejo PP/PEAD
182 200 Corr Plastik PVC
185,2 200 Tigre PVC
185,2 200 Amanco PVC
191 200 PVC Brazil PVC
200 232 Tigre PEAD
250 (range de 27mm) 222 250 Politejo PP/PEAD
228 250 Corr Plastik PVC
231,5 250 Amanco PVC
231,5 250 Tigre PVC
237,8 250 PVC Brazil PVC
249 290 Tigre PEAD
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 24 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

Tabela 08 – Diâmetro Nominal, diâmetro externo e fabricantes (continuidade)

DN DI DE FABRICANTE PLÁSTICO
CORRUGADO
300 (range de 37mm) 271 315 Politejo PP/PEAD
286 315 Corr Plastik PVC
291,2 315 Tigre PVC
291,2 315 Amanco PVC
299,6 315 PVC Brazil PVC
308 367 Tigre PEAD
350 (range de 12mm) 328 355 Amanco PVC
328 355 Tigre PVC
337,6 355 PVC Brazil PVC
400 (range de 25mm) 356 400 Politejo PP/PEAD
364 400 Corr Plastik PVC
369,6 400 Tigre PVC
369,6 400 Amanco PVC
382 445 Tigre PEAD
380,4 400 PVC Brazil PVC
500 (range de 57mm) 446 500 Politejo PP/PEAD
454,7 499 Amanco PVC
460 545 Tigre PEAD
503 587 Corr Plastik PEAD
716 800 Politejo PP/PEAD
738,4 798,5 Amanco PVC
774 900 Tigre PEAD
796 900 Corr Plastik PEAD
900 1000 Politejo PP/PEAD
912 1044 Tigre PEAD
921 998 Amanco PVC
1000 (range de 61mm) 989 1138 Corr Plastik PEAD
1040 1200 Politejo PP/PEAD
1050 1221 Tigre PEAD
1200 (range de 12mm) 1192 1395 Corr Plastik PEAD
1204 1367 Tigre PEAD
Obs.: Medidas em milímetros.
i) Deve ser calculado o projeto pelo menor diâmetro interno do DN equivalente.
j) Deve ser desenhado o projeto pelo maior diâmetro externo do DN equivalente.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 25 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

5.7.1.2 PEAD/PVC/PP CORRUGADO NBR 21138 ou AASTO M252

Seguem os padrões dos descritivos cadastradas na planilha de códigos de materiais:

a) TUBO PEAD OU PVC-U OU PP CORRUGADO JE PB DRENAGEM E AGUA PLUVIAL 6M NBR 21138


AASHTO M252 DI 92 A 112 DN 100
b) TUBO PEAD OU PVC-U OU PP CORRUGADO JE PB DRENAGEM E AGUA PLUVIAL 6M NBR 21138
AASHTO M252 DI 140 A 153 DN 150
c) TUBO PEAD OU PVC-U OU PP CORRUGADO JE PB DRENAGEM E AGUA PLUVIAL 6M NBR 21138
AASHTO M252 DI 175 A 200 DN 200
d) TUBO PEAD OU PVC-U OU PP CORRUGADO JE PB DRENAGEM E AGUA PLUVIAL 6M NBR 21138
AASHTO M252 DI 222 A 249 DN 250
e) TUBO PEAD OU PVC-U OU PP CORRUGADO JE PB DRENAGEM E AGUA PLUVIAL 6M NBR 21138
AASHTO M252 DI 271 A 308 DN 300
f) TUBO PEAD OU PVC-U OU PP CORRUGADO JE PB DRENAGEM E AGUA PLUVIAL 6M NBR 21138
AASHTO M252 DI 328 A 338 DN 350
g) TUBO PEAD OU PVC-U OU PP CORRUGADO JE PB DRENAGEM E AGUA PLUVIAL 6M NBR 21138
AASHTO M252 DI 356 A 381 DN 400
h) TUBO PEAD OU PVC-U OU PP CORRUGADO JE PB DRENAGEM E AGUA PLUVIAL 6M NBR 21138
AASHTO M252 DI 446 A 503 DN 500
i) TUBO PEAD OU PVC-U OU PP CORRUGADO JE PB DRENAGEM E AGUA PLUVIAL 6M NBR 21138
AASHTO M252 DI 551 A 614 DN 600
j) TUBO PEAD OU PVC-U OU PP CORRUGADO JE PB DRENAGEM E AGUA PLUVIAL 6M NBR 21138
AASHTO M252 DI 716 A 738 DN 700
k) TUBO PEAD OU PVC-U OU PP CORRUGADO JE PB DRENAGEM E AGUA PLUVIAL 6M NBR 21138
AASHTO M252 DI 774 A 796 DN 800
l) TUBO PEAD OU PVC-U OU PP CORRUGADO JE PB DRENAGEM E AGUA PLUVIAL 6M NBR 21138
AASHTO M252 DI 900 A 921DN 900
m) TUBO PEAD OU PVC-U OU PP CORRUGADO JE PB DRENAGEM E AGUA PLUVIAL 6M NBR 21138
AASHTO M252 DI 989 A 1050 DN 1000
n) TUBO PEAD OU PVC-U OU PP CORRUGADO JE PB DRENAGEM E AGUA PLUVIAL 6M NBR 21138
AASHTO M252 DI 1192 A 1204 DN 1200

5.7.2 PEAD (“LISO OU RÍGIDO”) NBR 15561 E 15593

O PEAD referentes às NBR 15561 e NBR 15593 são aplicados na rede de distribuição e água ou coleta de
esgoto. Seguem considerações:
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 26 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

(a) Soldável por termofusão ou eletrofusão.


a.1) A técnica de soldagem é uma escolha do projetista.
a.2) O sistema de soldagem por eletrofusão conecta tubos de espessuras diferentes e resinas
diferentes (PE 80 e PE 100).
a.3) As peças para eletrofusão, no momento, custam mais.
a.4) As peças de eletrofusão não precisam extrema precisão no topo das peças para soldagem.
a.5) O sistema de soldagem por termofusão conectam tubos de espessuras iguais e resinas diferentes
(PE 80 e PE 100).
a.6) A soldagem por termofusão é feita conectando o topo das conexões, logo, necessitam de muita
precisão no corte de topo.
a.7) Ambos métodos de soldagem são influenciadas pela temperatura ambiente e pela forma de
execução da solda.
(b) Resina PE 100 deve ser aplicada para todas as peças.
(c) Resina PE 80 deve ser aplicada somente para manutenção.
(d) Conexões são iguais para água e esgoto.
(e) Conexões PN 12,5 para termofusão não foram cadastradas por falta de fabricante. Para tubo PN 12,5
devem ser utilizadas conexões de eletrofusão.
(f) Tubos de polietileno possuem diferenciação entre água (linha azul) e esgoto (sem linha ou com linha
ocre).
(g) Tubos e conexões DE 75, DE 125 e DE 140 não são contemplados pela NBR 15561, ou seja, não
devem ser utilizados nos projetos. Na NBR 15593 ainda constam dos diâmetros DE 75, 125 e 140,
porém deve ser adotada a NBR 15561 referente aos tubos.
(h) Seguem diâmetros para tubos e conexões em PEAD: DE 63, 90, 110, 160, 180, 200, 225, 250, 280,
315, 355, 400, 450, 500, 560, 630, 710, 800, 900, 1200.
(i) Os diâmetros DE 1400, 1600, 1800, 2000 devem ser cadastrados caso a caso.
(j) Tubos e conexões PN 20 e PN 25 devem ser cadastrados caso a caso, devido dificuldade de encontrar
fabricantes.
(k) Não devem ser projetadas redes em polietileno em PN 5, 6 e 8 para rede de distribuição de água ou
coleta de esgoto. PN 10 é o PN mínimo a ser adotado.
(l) Os tubos de polietileno são vendidos em rolo de 50 e 100 metros (DE 63, 90 e 110) e em barra de 6 e
12 metros (para todos diâmetros).
l.1) Não estão cadastrados todas as formas de fabricação, pois devem ser analisados caso a caso para
cadastro.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 27 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

(m)Os tubos de polietileno PE 100 foram cadastrados utilizando o PN. O projetista deve compatibilizar
com o SDR desejado.

Tabela 09 – Relação PN e SDR para resina de polietileno PE 100

PN SDR

10 17

12,5 13,6

16 11

20 9

25 7,4

5.7.2.1 PEAD – TRANSIÇÃO

Para transição da tubulação de FD para PEAD não devem ser utilizadas Luvas FD JE 2GS, pois:
a) Para aplicar luva FD JE 2GS ou outro tipo de luva, entre tubulações com diâmetro externo com
medidas próximas, devem ser feitos os testes.
a.1.1) Não é possível garantir se o ajuste do anel de borracha (NBR 13747 ou outro) atende as
necessidades.
a.1.2) As tubulações plásticas são flexíveis e podem sofrer deformações.
a.1.3) Se em algum momento for aplicada a luva, deve feito um reforço na parte interna dos tubos
plásticos utilizando peças metálicas.
a.1.4) As tubulações de materiais diferentes com diâmetros externos próximos, devem ser conectados
com uniões mecânicas ou outras conexões citadas na Nota Técnica 09 – Adaptadores de Transição.
b) A transição para outros materiais e equipamentos podem ser feitas por meio de colarinho e flange.
b.1.1) O Colarinho é uma peça de termofusão. Logo, deve ser utilizado uma luva de eletrofusão para
conectar. Devido à isso, o colarinho para eletrofusão é longo.
b.1.2) Não existem colarinhos para todos os diâmetros. Foi encontrado até DE 1000 para PN 10 DE
800 para PN 16.
b.1.2.1) Para Colarinhos com DE maiores que os citados acima, deve ser analisado caso a
caso.
b.1.2.2) Para Colarinhos PN 25 devem ser especificados caso a caso.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 28 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

b.1.3) Segue tabela para compatibilização dos colarinhos, flanges avulsas e comprimento de
parafusos.
b.1.3.1) Observar que as medidas dos parafusos para flanges de FD são diferentes dos
parafusos para Colarinho de PEAD.
b.1.3.2) A origem da tabela é o FGS, GF, SABESP, NBR 15561 e 15593.
b.1.3.3) As medidas apresentadas pela NBR 15593 são diferentes da tabela apresenta pelos
fabricantes, pois a norma determina somente as medidas mínimas para flange avulsa e para o
L1, L2 e L3 do Colarinho.
b.1.3.4) Sendo assim, cada fabricante pode adotar uma medida maior, se julgar necessário.
b.1.3.5) Cabe cada projetista consultar demais fabricantes.
b.1.3.6) A medida dos parafusos são as somas do item “b”, “L2” e “L3” da tabela, mais a
cabeça do parafuso. Todos os itens multiplicados por dois colarinhos.
b.1.3.7) Sendo assim, se for tiver somente uma flange conectando a medida deve um pouco
menor.
b.1.3.8) O projetista deve conferir as medidas dos parafusos. Não devem ser do mesmo
tamanhos dos parafusos utilizados com flanges de FD.
b.1.3.9) Conforme Nota técnica 02 referente a tubos e conexões em FD, parafusos para água
devem ser em aço carbono e parafusos para esgoto devem ser em aço inox 316.

Imagem 07 – Flange (NBR 7675) planta e corte AA


CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 29 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

Imagem 08 – Colarinho longo PEAD - Vista Frontal

Tabela 10 – Dimensões do colarinho, da flange avulsa e comprimento dos parafusos. 4


Diâmetro b (flange) L2 L3 Parafuso
DE DN PN PN PN SDR Quantidade Diâmetro (mm) Comprimento
PE- FD 10 16 25
AD
Flan 17 13,6 9 PN PN PN PN PN PN PN PN PN
-ge 11 7 10 16 25 10 16 25 10 16 25
63 50 20 18 21 20 14 14 17 4 4 4 M16 M16 M16 120 120 130
751 80 20 18 22 22 16 16 19 4 4 4 M16 M16 M16 125 125 140
90 80 20 21 25 25 20 20 20 8 8 8 M16 M16 M20 140 140 150
110 100 20 21 25 30 21 21 21 8 8 8 M16 M16 M20 150 150 160
1251 100 20 21 25 30 25 25 28 8 8 8 M16 M16 M20 160 160 180
1401 125 26 22 25 30 25 25 30 8 8 8 M16 M16 M24 170 170 190
160 150 26 22 29 33 18 25 31 8 8 8 M20 M20 M24 170 170 210
1802 150 26 22 32 37 20 30 34 8 8 8 M20 M20 M24 180 190 220
2002 200 29 25 32 40 24 32 36 8 12 12 M20 M20 M24 210 200 230
225 200 29 25 32 40 24 35 36 8 12 12 M20 M20 M27 210 210 200
2502 250 32 25 32 40 25 35 36 12 12 12 M20 M24 M27 210 210 250
280 250 32 25 32 40 35 37 40 12 12 12 M20 M24 M27 230 220 250
315 300 36 29 35 40 50 50 47 12 12 16 M20 M24 M27 260 250 270
355 350 42 32 38 40 33 40 53 16 16 16 M20 M24 M30 250 240 270
400 400 42 32 41 40 36 45 55 16 16 16 M24 M27 M33 250 250 300
450 450 56 32 41 36 46 60 - 20 20 20 M24 M27 M33 290 270 -
500 500 56 38 453 46 46 60 - 20 20 20 M24 M30 M33 310 300 -
560 600 68 44 503 50 50 60 - 20 20 20 M27 M33 M36 350 320 -
630 600 68 44 543 50 50 60 - 20 20 20 M27 M33 M36 350 320 -
710 700 49 51 613 35 50 60 - 24 24 24 M27 M33 M39 280 320 -
800 800 58 57 643 40 52 65 - 24 24 24 M30 M36 M45 320 340 -
900 900 62 64 693 50 70 - - 28 28 28 M30 M36 M45 380 - -
1000 1000 41 70 753 60 70 - - 28 28 28 M33 M36 M52 390 - -
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 30 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

(1) Diâmetros não contemplados pela NBR 15561.


(2) Diâmetros contemplados pela NBR 15561, porém não devem ser mais aplicados em projetos da Sanepar.
(3) Medidas não estão definidas na NBR 15593
(4) Tabela foi confeccionada com dados da FGS, George Fischer, NBR 15561, NBR 15593, SABESP.

5.7.2.2 PEAD – TUBOS

Não devem ser aplicadas válvulas em PEAD nos sistemas da Sanepar. Para ver detalhes ver Nota Técnica 10
– Válvulas.

5.7.2.3 PEAD – TUBOS

Seguem os descritivos dos tubos em polietileno soldadas por eletrofusão cadastradas na planilha de códigos
de materiais.
(a) TUBO POLIETILENO PE 100 PN “XX” (BARRA COM “XX” M) DE “XX”
(b) TUBO POLIETILENO PE 100 PN “XX” (ROLO COM “XX” M) DE “XX”
(c) TUBO POLIETILENO PE 100 PN “XX” FAIXA OCRE PARA ESGOTO (ROLO COM “XX”M) DE “XX”
(d) TUBO POLIETILENO PE 100 PN “XX” FAIXA OCRE PARA ESGOTO (BARRA COM “XX”M) DE “XX”

5.7.2.4 PEAD – VÁLVULAS

Não devem ser utilizadas válvulas em PEAD em sistemas de abastecimento de água e coleta de esgoto da
Sanepar. Podem ser utilizadas:

a) As válvulas gaveta (NBR 14968).


b) Para válvula gaveta, ver nota técnica 10 – Válvulas.

5.7.3 PEAD SOLDADO POR ELETROFUSÃO

Seguem considerações para conexões e tubos em PEAD soldados por eletrofusão:

(a) Possuem conexão PN 16 para água.


(b) Conexões PN 10 existem, mas são utilizadas somente para gás.
(c) Conectam tubos com espessuras diferentes.
(d) Conectam resinas diferentes.
(e) Diâmetros até DE 630.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 31 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

(f) A solda é feita por meio de corrente elétrica que passa pelos eletrodos.
(g) Tês BBB não são fabricados por todas empresas. O fabricantes que possuírem Tê BBP deve entregar
uma luva para complementar.
(h) Peças PP (ponta-ponta) para eletrofusão devem ser longas.
(i) Cruzetas e algumas reduções devem ser em termofusão com uma luva de eletrofusão, pois não há
fabricantes.

5.7.3.1 PEAD SOLDADO POR ELETROFUSÃO - CONEXÕES

Seguem os descritivos das conexões em polietileno soldadas por eletrofusão cadastradas na planilha de
códigos de materiais:

(a) CAP POLIETILENO PE 100 PN 16 PARA ELETROFUSAO DE “XX”


(b) COLAR DE SERVICO PE 100 PN 16 PARA ELETROFUSAO DE “XX” DE “XX”
(c) COLARINHO LONGO POLIETILENO INJETADO (PARA ELETROFUSAO) PE 100 PN 16 DE “XX”
(d) FLANGE ACO CARBONO COM FURACAO PARA COLARINHO PEAD EPOXI ISO 12944 320UM C5M
DURABILIDADE ALTA OU PP (NBR 7675/15593) PN “XX” DE “XX” DN “XX”
(e) JOELHO 11° POLIETILENO PARA ELETROFUSAO PE 100 PN 16 DE “XX”
(f) JOELHO 22,5° POLIETILENO PARA ELETROFUSAO PE 100 PN 16 DE “XX”
(g) JOELHO 30° POLIETILENO PARA ELETROFUSAO PE 100 PN 16 DE “XX”
(h) JOELHO 45° POLIETILENO PARA ELETROFUSAO PE 100 PN 16 DE “XX”
(i) JOELHO 90° POLIETILENO PARA ELETROFUSAO PE 100 PN 16 DE “XX”
(j) JOELHO AJUSTAVEL 0 A 12 GRAUS POLIETILENO PE 100 BP PN 16 PARA ELETROFUSAO DE “XX”
(k) JOELHO AJUSTAVEL 0 A 24 GRAUS POLIETILENO PE 100 BP PN 16 PARA ELETROFUSAO DE “XX”
(l) LUVA DE TRANSICAO POLIETILENO PE 100 FD PP PN 16 PARA ELETROFUSAO DE 110 DN “XX”
(m) LUVA DE TRANSICAO POLIETILENO PE 100 FLANGE FD PN 16 PARA ELETROFUSAO DE “XX” DN “XX”
(n) LUVA POLIETILENO PE 100 PN 16 PARA ELETROFUSAO DE “XX”
(o) LUVA TRANSICAO POLIETILENO PE 100 PN16 ELETROFUSAO ROSCA FEMEA DE “XX” X “XX” POL
(p) LUVA TRANSICAO POLIETILENO PE 100 PN16 ELETROFUSAO ROSCA MACHO DE “XX” POL “XX””
(q) REDUCAO POLIETILENO PE 100 PN 16 PARA ELETROFUSAO DE “XX” DE “XX”
(r) TE POLIETILENO PARA ELETROFUSAO BBP PE 100 PN 16 DE “XX”
(s) TE POLIETILENO PARA ELETROFUSAO BBF PE 100 PN 16 DE “XX” DN “XX”
(t) TE REDUCAO POLIETILENO BBP PARA ELETROFUSAO PE 100 PN 16 DE “XX” DE “XX”
(u) TE POLIETILENO PARA ELETROFUSAO BBB PE 100 PN 16 DE “XX”
(v) TE DE SERVICO POLIETILENO ELETROFUSAO PE 100 DE 90 DE “XX”
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 32 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

5.7.4 PEAD SOLDADO POR TERMOFUSÃO

Seguem considerações para conexões e tubos em PEAD soldados por termofusão:


(a) Não conectam tubos com espessuras diferentes.
(b) Conectam resinas diferentes.
(c) Possuem conexões injetadas (até DE 315).
(d) Possuem conexões segmentadas/gomadas (até DE 2000).
(e) Deve ser dado prioridade para conexões injetadas.
(f) Para solda deve ser realizada solda de topo (em 90 graus).

5.7.4.1 PEAD SOLDADO POR TERMOFUSÃO - CONEXÕES

Seguem os descritivos das conexões em polietileno soldadas por termofusão cadastradas na planilha de
códigos de materiais:

a) CAP POLIETILENO INJETADO TERMOFUSAO PE 100 PN 10 DE “XX”


b) CAP POLIETILENO INJETADO TERMOFUSAO PE 100 PN 16 DE “XX”
c) FLANGE ACO CARBONO COM FURACAO PARA COLARINHO PEAD EPOXI ISO 12944 320UM C5M
DURABILIDADE ALTA OU PP (NBR 7675/15593) PN 10 DE “XX” DN “XX”
d) FLANGE ACO CARBONO COM FURACAO PARA COLARINHO PEAD EPOXI ISO 12944 320UM C5M
DURABILIDADE ALTA OU PP (NBR 7675/15593) PN “16” DE “XX” DN “XX”
e) CRUZETA POLIETILENO INJETADO TERMOFUSAO PE 100 PN 10 DE “XX”
f) CRUZETA POLIETILENO INJETADO TERMOFUSAO PE 100 PN 16 DE “XX”
g) CRUZETA POLIETILENO SEGMENTADA TERMOFUSAO PE 100 PN 10 DE “XX”
h) CURVA POLIETILENO INJETADA 30 TERMOFUSAO PE 100 PN 10 DE “XX”
i) CURVA POLIETILENO INJETADA 30 TERMOFUSAO PE 100 PN 16 DE “XX”
j) CURVA POLIETILENO INJETADA 45 TERMOFUSAO PE 100 PN 10 DE “XX”
k) CURVA POLIETILENO INJETADA 45 TERMOFUSAO PE 100 PN 16 DE “XX”
l) CURVA POLIETILENO INJETADA 90 TERMOFUSAO PE 100 PN 10 DE “XX”
m) CURVA POLIETILENO INJETADA 90 TERMOFUSAO PE 100 PN 16 DE “XX”
n) CURVA POLIETILENO SEGMENTADA 30 TERMOFUSAO PE 100 PN 10 DE “XX”
o) CURVA POLIETILENO SEGMENTADA 45 TERMOFUSAO PE 100 PN 10 DE “XX”
p) CURVA POLIETILENO SEGMENTADA 60 TERMOFUSAO PE 100 PN 10 DE “XX”
q) FLANGE ACO SEM ROSCA COM FURACAO PN 10 PARA COLARINHO DE PEAD DE “XX”
r) FLANGE ACO SEM ROSCA COM FURACAO PN 16 PARA COLARINHO DE PEAD DE “XX”
s) JOELHO POLIETILENO INJETADO 45 TERMOFUSAO PE 100 PN 10 DE “XX”
t) JOELHO POLIETILENO INJETADO 45 TERMOFUSAO PE 100 PN 16 DE “XX”
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 33 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

u) JOELHO POLIETILENO INJETADO 90 TERMOFUSAO PE 100 PN 10 DE “XX”


v) JOELHO POLIETILENO INJETADO 90 TERMOFUSAO PE 100 PN 16 DE “XX”
w) REDUCAO POLIETILENO INJETADO TERMOFUSAO PE 100 PN 10 DE “XX” DE “XX”
x) REDUCAO POLIETILENO INJETADO TERMOFUSAO PE 100 PN 16 DE “XX” DE “XX”
y) TE 45 POLIETILENO INJETADO TERMOFUSAO PE 100 PN 10 DE “XX”
z) TE 45 POLIETILENO INJETADO TERMOFUSAO PE 100 PN 16 DE “XX”
aa) TE 45 POLIETILENO SEGMENTADO TERMOFUSAO PE 100 PN 10 DE “XX”
bb) TE 45 POLIETILENO SEGMENTADO TERMOFUSAO PE 100 PN 16 DE “XX”
cc) TE POLIETILENO INJETADO TERMOFUSAO PE 100 PN 10 DE “XX”
dd) TE POLIETILENO INJETADO TERMOFUSAO PE 100 PN 16 DE “XX”
ee) TE REDUCAO POLIETILENO INJETADO TERMOFUSAO PE 100 PN 10 DE “XX” DE “XX”
ff) TE REDUCAO POLIETILENO INJETADO TERMOFUSAO PE 100 PN 16 DE “XX” DE “XX”

5.8 PRFV

As tubulações em PRFV de todos os diâmetros e normas de fabricação para sistemas de abastecimento de


água e sistema de coleta de esgoto não devem ser aplicadas na Sanepar. Somente devem ser aceitas as
tubulações em PRFV referentes aos projetos em andamento.

5.9 PVC-U NBR 5648, PVC 6,3 NBR 5647, PVC 12 NBR 7665

Tubos e conexões em PVC-U NBR 5648 (predial), PVC 6,3 NBR 5647 (infraestrutura), PVC 12 7665
(infraestrutura) foram cadastrados conforme os seguintes critérios:
(a) Tubos PB e Conexões BB.
(b) PN diversos.
(c) Norma conforme citadas no item 02.
(d) Justa Elástica integrada (JEI) – Priorizar a este tipo de junta para garantir a sua montagem correta.
(e) Para maiores informações, ver Nota técnica 05.

5.9.1 PVC-U NBR 5648

Tubos e conexões em PVC-U NBR 5648 são conhecidos como PVC Predial foram cadastrados, conforme os
seguintes critérios:
(a) Tubos PB.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 34 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

(b) Conexões PB ou BB
(c) PN 750 KPA – Pressão mínima para tubos e conexões.
(d) DE – Diâmetro externo 20, 25, 32, 40, 50, 60.
(e) Rosca BSP.
(f) DN – Não é mais utilizado pela NBR 5648 e pelos fornecedores.
(g) Diversos fabricantes homologados.
(h) PVC-U é o termo utilizado pela norma NBR 5648. No comércio também chamam o PVC ASTM 2467
de PVC-U, porém foi definido como padrão da Sanepar utilizar o termo PVC-U conforme apresentado
em sua norma. Dessa forma, para diferenciar os PVC´s existe a norma no descritivo.
(i) Não confundir os itens abaixo, pois os diâmetros são incompatíveis.
(1) PVC-U NBR 5647 DN 50 (60,6mm).
(2) PVC 5648 DE 50.
(3) PVC 5648 DN 50 (60mm).
(2) Não confundir os itens abaixo, pois os diâmetros são incompatíveis.
(1) PVC-U NBR 5647 DN 75 (85,6mm).
(2) PVC 5648 DE 75.
(3) PVC 5648 DN 75 (85mm).

5.9.1.1 PVC-U NBR 5648

Peças foram cadastradas conforme o descritivo nos seus respectivos DE´s, levando em consideração norma,
fornecedores, aplicação. Nos projetos devem constar código de materiais e descritivo das respectivas peças
(conforme Nota técnica 01). Seguem abaixo os descritivos:

a) TUBO PVC-U JS PB PN750KPA NBR 5648 (3M) DE 20 DN 15, DE 25 DN 20, DE 32 DN 25, DE 40 DN 32, DE 50
DN 40, DE 60 DN 50
b) TUBO PVC-U JS PB PN750KPA NBR 5648 (6M) DE 20 DN 15, DE 25 DN 20, DE 32 DN 25, DE 40 DN 32, DE 50
DN 40, DE 60 DN 50
c) ADAPTADOR CURTO PVC-U JS BOLSA/ROSCA FEMEA PN750KPA NBR 5648 DE 20 POL 1/2", DE 25 POL
3/4", DE 32 POL 1", DE 40 POL 1.1/4", DE 40 POL 1.1/2", DE 50 POL 1.1/2", DE 60 POL 2"
d) BUCHA DE REDUCAO CURTA PVC-U JS BB PN750KPA NBR 5648 DE 32 DE 25, 32, 40, 50.
e) BUCHA DE REDUCAO LONGA PVC-U JS BB PN750KPA NBR 5648 DE 32 DE 20, DE 40 DE 20, DE 40 DE 25, DE
50 DE 20, DE 50 DE 25, DE 50 DE 32, DE 60 DE 32, DE 60 DE 40, DE 60 DE 50.
f) CAP PVC-U JS BB PN750KPA NBR 5648 DE 20, 25, 32, 40, 50, 60.
g) CURVA 45° PVC-U JS BB PN750KPA NBR 5648 DE 20, 25, 32, 40, 50, 60
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 35 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

h) CURVA 90° PVC-U JS BB PN750KPA NBR 5648 DE 20, 25, 32, 40, 50, 60
i) CURVA TRANSPOSICAO PVC-U JS BB PN750KPA NBR 5648 DE 20, 25, 32, 40, 50, 60
j) CRUZETA PVC-U JS BB PN750KPA NBR 5648 DE 25, 50.
k) JOELHO 45° PVC-U JS BB PN750KPA NBR 5648 DE 20, 25, 32, 40, 50, 60
l) JOELHO 90° PVC-U JS BB PN750KPA NBR 5648 DE 25, 32, 40, 50, 60
m) JOELHO REDUCAO 90° PVC-U JS BOLSA/ROSCA PN750KPA NBR 5648 DE 20 POL 1/2”, DE 25 POL 1/2”, DE 25
POL 3/4”
n) JOELHO 90° PVC-U JS BOLSA/ROSCA LATAO PN750KPA NBR 5648 DE 20 POL 1/2”, DE 25 POL 3/4”, DE 25
POL 1/2”, DE 32 POL 3/4”
o) LUVA DE CORRER PVC-U PBA PN750KPA NBR 5648 DE 20, 25, 32, 40, 50, 60
p) LUVA REDUCAO PVC-U JS BB PN750KPA NBR 5648 DE 25 DE 20, 25, 32, 40, 50.
q) LUVA PVC-U JS BB PN750KPA NBR 5648 DE 20, 25, 32, 40, 50, 60
r) LUVA PVC-U JS BOLSA/ROSCA LATAO PN750KPA NBR 5648 DE 25 POL 1/2”, DE 20 POL 1/2”, DE 25 POL
3/4”,
s) LUVA PVC-U JS BOLSA/ROSCA MACHO PN750KPA NBR 5648 DE 20 POL 1/2”, DE 25 POL 1/2”, DE 25 POL
3/4”, DE 32 POL 1”, DE 40 POL 1.1/4”, DE 50 POL 1.1/2”
t) TE 90° PVC-U JS BB PN750KPA NBR 5648 DE 20, 25, 32, 40, 50, 60
u) TE 90° REDUCAO PVC-U JS BB PN750KPA NBR 5648 DE 25 DE 20, DE 32 DE 25, DE 40 DE 25, DE 40 DE 32, DE
50 DE 20, DE 50 DE 25, DE 50 DE 32, DE 50 DE 40, DE 60 DE 25, DE 60 DE 50
v) TE 90° PVC-U JS BOLSA/ROSCA CENTRAL PN750KPA NBR 5648 DE 20 POL 1/2”, DE 25 POL 1/2”, DE 32 POL
3/4”, DE 40 POL 3/4”
w) TE PVC-U JS BOLSA/ROSCA CENTRAL LATAO PN750KPA NBR 5648 DE 20 POL 1/2”, DE 25 POL 1/2”, DE 32
POL 3/4”, DE 40 POL 3/4”
x) UNIAO PVC-U JS BB PN750KPA NBR 5648 DE 20, 25, 32, 40, 50, 60
y) VALVULA DE RETENCAO PVC-U JS BB PN750KPA NBR 5648 DE 20, 25, 32, 40, 50, 60

5.10 PVC 6,3 NBR 5647

Os tubos de PVC 6,3 NBR 5647 são tubos normalmente aplicados em infraestrutura urbana. Eles não devem
mais utilizados para redes de distribuição de água da Sanepar. Porém poderão ser utilizados para manutenção
das redes ou em pequenos trechos em projeto. Pode ser utilizado conexões em FD para PVC PBA conforme
NBR 15880.

5.10.1 TUBO PVC 6,3 NBR 5647

Seguem abaixo lista dos tubos de 60, 75 e 100 MCA:

a) TUBO PVC JEI PB PN 0,60 MPA DN 50, 75 e 100


CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 36 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

b) TUBO PVC JEI PB PN 0,75 MPA DN 50, 75 e 100


c) TUBO PVC JEI PB PN 1,0 MPA DN 50, 75 e 100

5.10.2 CONEXÕES PVC 6,3 NBR 5647

Ver Nota técnica 02 referente a tubos e conexões em FD.


As peças em PVC NBR 5647 devem passar por revisão, porém considerar as observações da Nota Técnica
05.

5.10.3 TUBOS CONEXÕES PVC 6,3 NBR 5647/1977

Para aplicação dos tubos e conexões em PVC NBR 5647 deve-se considerar:
(a) Não serão utilizados tubos e conexões referente a NBR 5647/77;
(b) De acordo com informações da GSLOG, as peças de PVC NBR 5647/77 possuem:
(1) Alto custo.
(2) Demora na entrega.
(3) Falta de atendimento do pedido.
(4) Falta de concorrência.
(5) Peças de plástico são produzidas por meio de tubos de PVC resistentes, que posteriormente
passam por aquecimento para moldar as novas peças e, dessa forma, perde-se a resistência.
(c) Adaptadores estão em fase de análise e cadastro.

5.11 TUBOS PVC NBR 7362 OU NBR 21138

Os tubos e conexões de PVC NBR 7362, devido mudança na norma, passam a contemplar somente os tubos
de parede maciça. Os tubos e conexões de PVC parede celular passam para a NBR 21138. Devido às
característica similares para aplicação e concorrência os dois tubos estão contemplados no mesmo descritivo
de material, ou seja, pode ser entregue um ou outro tubo.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 37 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

Tabela 11 – Tubos de PVC Parede Maciça e Parede Celular

TUBO PVC ESGOTO TUBO PVC ESGOTO MPA


PAREDE MACIÇA PARACE CELULAR
DN DE DI DN DE DI
100 110 105 100 - - 2,5
150 160 152,8 150 160 152,8 2,5
200 200 191 200 200 191 2,5
250 250 237,8 250 250 237,8 2,5
300 315 299,6 300 315 299,6 3,2
350 355 337,6 350 355 337,6 3,2
400 400 380,4 400 400 380,4 3,2

5.11.1 TUBOS PVC NBR 7362 OU NBR 21138

Segue padrão do descritivo:

(a) TUBO PVC JEI PB COLETOR DE ESGOTO PAREDE MACICA NBR 7362 OU NUCLEO
CELULAR NBR ISO 21138-2 DN 100
(b) TUBO PVC JEI PB COLETOR DE ESGOTO PAREDE MACICA NBR 7362 OU NUCLEO
CELULAR NBR ISO 21138-2 DN 150
(c) TUBO PVC JEI PB COLETOR DE ESGOTO PAREDE MACICA NBR 7362 OU NUCLEO
CELULAR NBR ISO 21138-2 DN 200
(d) TUBO PVC JEI PB COLETOR DE ESGOTO PAREDE MACICA NBR 7362 OU NUCLEO
CELULAR NBR ISO 21138-2 DN 300
(e) TUBO PVC JEI PB COLETOR DE ESGOTO PAREDE MACICA NBR 7362 OU NUCLEO
CELULAR NBR ISO 21138-2 DN 250
(f) TUBO PVC JEI PB COLETOR DE ESGOTO PAREDE MACICA NBR 7362 OU NUCLEO
CELULAR NBR ISO 21138-2 DN 350

(g) TUBO PVC JEI PB COLETOR DE ESGOTO PAREDE MACICA NBR 7362 OU NUCLEO
CELULAR NBR ISO 21138-2 DN 400
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 38 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

5.12 TUBOS PVC 12 DEFOFO NBR 7665

Os tubos de PVC 12 NBR 7665 DEFOFO são tubos normalmente aplicados em infraestrutura urbana. Serão
utilizados na Sanepar como opção para substituição ao PVC-O conforme Nota Técnica a respeito. Seguem
abaixo lista dos tubos de 100 MCA contendo descritivos.

a) TUBO PVC DEFOFO DUCTIL JEI 1,0 MPA - NBR 7665 DN 150, 200, 250, 300, 350, 400, 500,

5.12.1 CONEXÕES PARA PVC 12 DEFOFO NBR 7665

As conexões a serem utilizadas com tubos de PVC 12 DEFOFO NBR 7665 são as referentes à NBR 7675.
Para informações ver Nota Técnica 02.

5.13 PVC-O

O tubos PVC-O (Bio-orientado) devem ser utilizados para água ou esgoto. Observar que não existe conexão
para PVC-O, portanto devem ser utilizadas as conexões em FD NBR 7675. Para informações ver Nota
Técnica 02.
Os tubos foram cadastrados conforme os seguintes critérios:
(a) PN 12,5;
(b) PN 16;
(c) Para água - Faixa azul;
(d) Para esgoto - Faixa ocre;
(e) Comprimento útil 5,75m;
(f) Comprimento total: 6m;
(g) Junta Elástica Integrada.
(h) DEFOFO - Diâmetro externo do Ferro Fundido.
(i) DN 100, 150, 200, 250, 300.
(j) Vale ressaltar que existe somente um fornecedor deste tipo de tubo, porém necessitamos garantir a
concorrência. Dessa forma, é necessário que informem outros materiais para substituição. Por isso, os
projetos devem conter:
(1) Os códigos de materiais e descrição do material substituto.
(2) Informar para qual material a tubulação foi dimensionada.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 39 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

(3) Indicar que se o material for substituído deve ser feito redimensionamento hidráulico, conforme Nota
Técnica a respeito.
(4) Para maiores informações, ver Nota técnica 05.

5.13.1 TUBOS DE PVC-O

Seguem os descritivos cadastrados:

a) TUBO PVC-O DEFOFO JEI PB NBR 15750 / ISO 16422 PN12,5 FAIXA AZUL (6 METROS) (COMPRIMENTO
UTIL 5,75 M) DN 100, 150, 200, 250, 300
b) TUBO PVC-O DEFOFO JEI PB NBR 15750 / ISO 16422 PN 12,5 FAIXA OCRE PARA ESGOTO (6 METROS)
(COMPRIMENTO UTIL 5,75 M) DN 100, 150, 200, 250,300
c) TUBO PVC-O DEFOFO JEI PB NBR 15750 / ISO 16422 PN 12,5 FAIXA OCRE PARA ESGOTO (6 METROS)
(COMPRIMENTO UTIL 5,75 M) DN 100, 150, 200, 250, 300
d) TUBO PVC-O DEFOFO JEI PB PN16 FAIXA OCRE PARA ESGOTO (6 METROS) (COMPRIMENTO UTIL 5,75 M)
DN100, 150, 200, 250,300

5.13.2 CONEXÕES PARA PVC-O

As conexões para tubos de PVC-O a serem utilizadas são as referentes à NBR 7675. Para informações ver
Nota Técnica 02.

6. TRANSIÇÃO

Para transição de materiais, ver Nota Técnica 09 – Adaptadores de transição.

7. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Esta nota técnica pode ser alterada sempre que for necessário.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 40 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

8. RESPONSÁVEL(IS) PELA NOTA TÉCNICA E CONTROLE DE REVISÕES:

Tabela 12 – Revisões
Rev Data Descrição: Elaboração: Aprovação:

Téc. Eidilaine Engº Leandro Novak


Ribeiro da Silva CREA 64716-D/PR
01 15/01/2019 Nota técnica 07 – Emissão inicial
– GPES – CRT GPES
1700777173

02 07/03/2019 1) Retirado item “a” do tópico 5.6.4, pois foi transferido para o
tópico 5.6.2: “Possuem diversos PN, sendo que o PN mínimo é o
PN 10”. Ver nota técnica 05.
2) Retirado o item “j” do tópico 5.6.3, pois estava igual ao item
“g”.
3) Inserido diferenciação de tubos de água e esgoto em PEAD:
Item “e” tópico 5.6.2.
Téc. Eidilaine
4) Inserido os diâmetros que podem ser utilizados e aqueles que Engº Leandro Novak
Ribeiro da Silva
NÃO podem ser utilizados para tubulação em PEAD: Item “f”, CREA 64716-D/PR
– GPES – CRT
“g” e “h” tópico 5.6.2. GPES
1700777173
5) Inserido nota sobre tubos de polietileno PN 20 e 25: Item “i”
tópico 5.6.2.
6) Retirado a palavra “aproximadamente: Item “d” tópico 5.6.4.
7) Foram incluídos os “padrões” dos descritivos nos tópicos 5.6.3.1
e 5.6.4.1
8) Incluído nota para aplicação de tubos de polietileno PN 12,5.
9) Inserido nota para soldagem por termofusão e eletrofusão.

03 20/03/2019 1) Inclusão do item “h tópico 5.6.3”: Referente a transição de


materiais.
2) Alteração do item “o” tópico 5.6.3: Demais diâmetro para todos
diâmetros. Téc. Eidilaine Engº Leandro Novak
3) Incluído opção para aplicar tubo de PEAD corrugado para Ribeiro da Silva CREA 64716-D/PR
drenagem e água pluvial. – GPES – CRT GPES
4) Incluído notas a respeito da aplicação do colarinho de PEAD. 1700777173
5) Incluído tabela para parafusos de colarinho PEAD.
6) Incluído o descritivo de flange avulsa para colarinho PEAD.
7) Incluído considerações de transição.
CÓDIGO VERSÃO DATA DA APROVAÇÃO USO EXCLUSIVO DA GPES PÁG. DE
NT-07 04 01/04/2019 NOTA TÉCNICA 41 41
ASSUNTO
TUBULAÇÕES PLÁSTICAS

Tabela 12 – Revisões (continuidade)

Rev Data Descrição: Elaboração: Aprovação:

04 01/04/2019 1) Inclusão de tubos plásticos (PP, PEAD e PVC) corrugados para


drenagem pluvial.
2) Inclusão de flange em CPVC SCH 80 e PVC SCH 80 e seus
acessórios (parafuso, arruela, porca, junta elástica).
3) Inclusão de tabela de compatibilidade química.
4) Alteração do da Tabela de Especificações contendo densidades e
Téc. Eidilaine Engº Leandro Novak
concentrações dos produtos químicos.
Ribeiro da Silva CREA 64716-D/PR
5) Inclusão das notas técnicas.
– GPES – CRT GPES
6) Incluído nota sobre tudo de PRFV.
1700777173
7) Retirada das válvulas em CPVC SCH 80 e PVC SCH 80 e
inclusão na Nota Técnica 10 – Válvulas
8) Atualização do tubo para esgoto PVC NBR 7362 parede lisa e
inclusão do tubo para esgoto PVC NBR 21138 parede celular
9) Alteração do título de TUBOS E CONEXÕES PLÁSTICOS
PARA TUBULAÇÕES PLÁSTICAS.

Você também pode gostar