Você está na página 1de 4

A plataforma de Petróleo.

Jornal Pelicano
5 Maiores Acidentes com Plataformas de Petróleo
Todas as atividades relacionadas à exploração petrolífera são de suma importância para a
obtenção dos combustíveis que literalmente movimentam o mundo contemporâneo. Dentre
elas, as plataformas petrolíferas se destacam também por sua periculosidade. Conheça agora
os acidentes mais marcantes ocorridos em plataformas e as causas que culminaram em suas
gigantescas proporções.

9 de janeiro de 2014

Os 5 maiores acidentes com plataformas de petróleo. (Imagem: Jornal Pelicano)


Acidentes na exploração de petróleo Offshore acontecem no mundo todo. Muitas vezes, falhas
são revertidas a tempo e a situação é controlada; em outras, erros sucessivos (humanos ou
não) levam a desastres que custam centenas de vidas e danos irreparáveis ao meio ambiente.
Os riscos dessa atividade são proporcionais à profundidade da exploração, e atualmente as
plataformas vêm se modernizando a fim de adentrar cada vez mais o oceano em busca do tão
valioso “ouro negro”.

O perigo advém não apenas da extração e separação de óleo, água e gás, bem como seu
armazenamento, mas também da própria flutuação da estrutura. O professor de Engenharia
Oceânica da UFRJ, Segen Estefen, afirma: “A possibilidade de você ter explosões é inerente à
atividade de exploração do petróleo. Você pode ter vazamento de gás. Você pode ter falta de
controle no armazenamento do óleo. Então, toda aquela atividade do petróleo, intrinsecamente,
é algo perigoso.”

Veja quais foram os 5 maiores acidentes com plataformas de petróleo ocorridos até hoje, seja
pelas perdas humanas ou pelo impacto ambiental que geraram.

5Enchova (1984)

Navios FiFi combatem incêndio na plataforma Enchova. (Foto: Google Imagens)


O acidente na plataforma da Petrobras situada na Bacia de Campos deixou 37 mortos e 23
feridos. A perfuração de um poço de petróleo provocou uma explosão seguida de um grande
incêndio; quando um dos cabos de aço da baleeira na qual alguns trabalhadores tentavam
escapar ficou preso, o outro se roupeu e a embarcação despencou de 30 metros de altura. A
falta de manutenção adequada e condenação de alguns equipamentos da plataforma podem
ter sido as principais causas do desastre.

4P-36 (2001)

Plataforma P36 adernada. (Foto: Google Imagens)


O acidente na maior plataforma de produção de petróleo em alto-mar da sua época foi também
o maior da Petrobras. Duas explosões num tanque de óleo e gás foram responsáveis pela
tragédia que, das 175 pessoas a bordo, matou 11, todos integrantes da equipe de emergência.
A plataforma atingiu 16º de inclinação após o alagamento de parte do compartimento. Apesar
das tentativas de aprumar a estrutura novamente, 5 dias depois a P-36 sucumbiu e naufragou,
arrastando consigo um reservatório de 1500 toneladas de óleo. A conclusão foi que o acidente
ocorreu devido à “não conformidade quanto a procedimentos operacionais, de manutenção e
de projeto”.

3Alexander Kielland (1980)

Plataforma Alexander Kielland afunda. (Foto: Google Imagens)


A plataforma nomeada em homenagem a um escritor norueguês, localizada no campo de
Ekofisk, Noruega, sofreu um grave acidente quando um dos principais braços horizontais de
sustentação de sua estrutura se partiu, causando outras rupturas que deixaram a plataforma
adernada num ângulo de 35º. Problemas na cadeia de comando e fracasso nas tentativas de
lançar as baleeiras fizeram com que a maior parte dos trabalhadores não pudesse ser salva
antes que a estrutura se quebrasse e a plataforma rolasse por completo. Dos 212 homens a
bordo, 123 foram mortos.

2Deepwater Horizon (2010)

Deepwater Horizon incendiada. (Foto: Google Imagens)


O desastre ocorrido no Golfo do México foi o segundo maior da história de acidentes
petrolíferos, perdendo apenas para a Guerra do Golfo, embora fosse o maior dos desastres
acidentais em termos de liberação de petróleo. A plataforma pertencente à empresa Beyond
Petroleum explodiu com 126 pessoas a bordo, afundando menos de 48 horas depois. 11
trabalhadores morreram. Por uma falha no sistema de segurança, a tampa do poço onde era
extraído o petróleo ficou aberta. Ao todo, 206 milhões de galões foram liberados na água.

1Piper Alpha (1988)

Piper Alpha arde em chamas no horizonte; (Foto: Google Imagens)


O Acidente na Piper Alpha foi o mais famoso desastre ocorrido em plataformas de petróleo. A
Piper operava no Mar do Norte, a mais de 220 quilômetros da costa da Escócia. Tudo
aconteceu quando um vazamento de condensado de gás natural incendiou-se e causou uma
grande explosão; uma segunda explosão, gerada pelo contínuo fornecimento de gás, engolfou
então toda a plataforma. O agravante da situação foi o fato de a primeira explosão, que
destruiu a sala de controle, ter provocado a morte da maior parte das pessoas que poderiam
dar a ordem de evacuação aos trabalhadores, dificultando assim a rápida transmissão de
informações e organização da retirada.

Além disso, a plataforma Tartan, próxima à Piper, permaneceu bombeando gás diretamente ao
núcleo do fogo até a tubulação que ligava ambas se romper devido ao calor. Seus operários
não possuíam autonomia para parar a produção, apesar de ver as chamas no horizonte. Então,
era tarde demais. Uma embarcação especializada em combate ao fogo, Tharos, conseguiu
aproximar-se da Piper, mas já não era possível impedir a destruição.

As causas do acidente foram o antiquado sistema de ordens de serviço, que também não foi
seguido com rigidez, falhas em alguns sistemas de segurança, rotas de fuga que não eram
bem conhecidas pelo pessoal (muitos que não encontraram as embarcações salva-vidas
saltaram no mar), falta de treinamento e falhas de segurança no projeto de construção da
plataforma. O resultado: 167 pessoas morreram, a maioria sufocada pela fumaça, e apenas 62
trabalhadores sobreviveram.

Larissa Cazarim
Larissa Cazarim
Segundo Oficial de Máquinas e Membra Honorária do Jornal Pelicano. Foi aluna da EFOMM de
2013 a 2015, Comandante de Companhia, Adaptadora-aluna, Atleta da Equipe de Basquete,
Monitora do Grêmio de Máquinas, Escritora e Presidente do Jornal Pelicano.
NOTÍCIAS RELACIONADASDO MESMO ESCRITOR

Primeiro porta-contêiner viajará pela primeira vez com biocombustível sustentável

Empoderando as mulheres na Comunidade Marítima

Aula inaugural EFOMM 2019


1 COMENTÁRIO
AvatarDouglas Santiago
23 de outubro de 2017 at 17:00
Sobre a Deepwater horizon pensei que ela pertence-se a Transocean prestando serviço para
BP
E o problema não foi não ter aguardado a pega do cimento .

RESPONDER
DEIXAR UMA RESPOSTA
Comentário:
Nome:

Email:

Site:

Notifique-me sobre novos comentários por e-mail.

Notifique-me sobre novas publicações por e-mail.

Redes Sociais
4,071SeguidoresSEGUIR
2,683InscritosINCREVER-SE

Assine nossa Newsletter!


Assine o Jornal Pelicano gratuitamente e receba notificações por email toda vez que uma
notícia nova for publicada.

Endereço de Email
Endereço de Email

Assinar

Torne o Pelicano ainda melhor!


O que você procura no Jornal Pelicano?

Notícias sobre a EFOMM


Notícias sobre a Marinha Mercante
Curiosidades

View Results

Jornal Pelicano
Jornal Pelicano - O canal de notícias dos alunos da EFOMM

© Jornal Pelicano 2016 - Todos os direitosreservados