Você está na página 1de 3

1.

A década de 1920 entrou para a história como

1
os “vibrantes anos vinte”. Explique o significado
dessa expressão.
2. Por que os Estados Unidos transformaram
Lucros da guerra radi-calmente sua política imigratória a partir dos
anos 1920? Quais foram os sinais de intolerância
As nações europeias saíram da Primeira Guer- que explicitaram o apoio social às novas medidas?
ra Mundial (1914-1918) com suas economias arra-
3. Explique o que foi a queda da Bolsa de
sadas. Os Estados Unidos, ao contrário, retiraram- Nova York e de que modo ela afetou a
-se do conflito muito mais prósperos do que quan- economia mundial.
do entraram: entre 1914 e 1920, a riqueza do país 4. De que modo a política de Roosevelt
aumentou em 250%. Muito dessa expansão se de- procurou combater, a partir de 1933, a crise
veu às exportações de gêneros alimentícios, arma- econômica que teve início com a queda da Bolsa,
mentos e outros produtos industrializados à Europa em 1929?
durante o conflito e ao aumento do comércio com a
América Latina e a Ásia.
Se no início da guerra os norte-americanos en-
contravam-se endividados, no final do conflito de-
tinham créditos comerciais de mais de 3 bilhões de
dólares. Além disso, tinham a receber cerca de 9,5
bilhões de dólares de empréstimos feitos a gover-
nos europeus nesse período. média e alta, que dispunham do dinheiro necessário

2
para consumir as últimas novidades das fábricas nor-
te-americanas: automóveis, geladeiras, fogões elétri-
cos, aspiradores de pó, aparelhos de rádio, etc.
Anos vibrantes Estimulados pela publicidade, os norte-america-
A agricultura se mecanizou e as fábricas aumen- nos saíam às compras em ritmo frenético. Essa inces-
taram sua produção. Muito contribuiu para isso o fato sante procura por novos bens duráveis deu origem
de as indústrias terem implantado a linha de monta- ao fenômeno do consumismo. Veja na seção Eu tam-
gem móvel*. Esse avanço tecno- bém posso participar os impactos do consumismo na
lógico, desenvolvido pela primei- * Veja o filme sociedade atual e propostas para se pôr em prática o
ra vez na indústria automobilística Tempos
chamado consumo consciente.
modernos,
no início do século XX, permitia a de Charles Esse estilo de vida, conhecido como American
fabricação em série de um mesmo Chaplin, 1936. way of life, era encarado por muitos norte-america-
produto em um tempo bem mais nos como o que havia de mais moderno em todo o
curto e com mão de obra menor do que antes. Isso fa- mundo. Desfrutando de uma situação financeira mais
zia com que as mercadorias chegassem às lojas com favorável, a classe média passou a matricular seus fi-
preços mais acessíveis ao consumidor. lhos em faculdades e a construir elegantes residên-
Tudo isso marcou o início de um período conheci- cias com amplos jardins. O automóvel se transformou
do como Roaring Twenties, os “vibrantes anos vinte”. em um dos artigos de consumo mais desejados na
Nessa época, difundiu-se pelo país a ideia de que a época. Em 1920, cerca de 9 milhões de veículos circu-
prosperidade estava ao alcance de todos. Tratava- lavam pelas ruas dos Estados Unidos; dez anos mais
-se, na verdade, de uma ideia tarde, esse número já era três vezes maior.
ilusória*, pois 90% da renda * Leia a peça A morte Em meio a tantas novidades, o lazer da popula-
do caixeiro-viajante,
nacional estava concentra- de Arthur Miller. ção também se diversificou. A vida noturna tornou-
da nas mãos de apenas 13% Editora Villa Rica. -se intensa. Era grande o número de pessoas que fre-
da população. Cerca de 6 mi- quentavam as casas noturnas de Nova York e outras
lhões de famílias viviam com apenas 3 dólares por cidades para assistir apresentações de cantores e mú-
dia. A maior parte desse contingente era formada sicos negros como Billie Holiday e Louis Armstrong,
por negros. que divulgavam entre o público branco um novo gê-
Quem de fato desfrutou da prosperidade ofe- nero musical nascido na comunidade negra dos Esta-
recida pelos “vibrantes anos vinte” foram as classes dos Unidos: o jazz.
Outra forma de entretenimento eram as trans- político dos Estados Unidos. Como resultado disso,
missões radiofônicas. A primeira estação de rádio diversas leis foram criadas para restringir a entrada
com fins comerciais começou a de estrangeiros. Os que não
funcionar em 1920. Famílias in- * Veja o filme A escondiam suas ideias revolu- * Veja o filme Sacco e
Vanzetti, de Giuliana
teiras se reuniam ao redor de um era do rádio, cionárias eram perseguidos* Montaldo, 1971.
aparelho de rádio* para acompa- de Woody e deportados do país.
Allen, 1987.
nhar os mais diversos programas. A intolerância espalhou-se pelo país. A socie-
Mas a principal diversão dos norte- dade secreta Ku Klux Klan, criada após a Guerra de
-americanos era o cinema. Ricos e pobres formavam Secessão com o objetivo de salvaguardar “a supre-
filas para assistir às películas que saíam dos estúdios macia branca”, chegou a reunir 5 milhões de inte-
cinematográficos de Hollywood. Eram filmes mudos grantes e passou a perseguir e a assassinar negros,
que mostravam na tela artistas como Charlie Cha- judeus, imigrantes, líderes trabalhistas. A discrimina-
plin, Buster Keaton, Mary Pickford, Rodolfo Valentino ção racial e o preconceito contra os negros acentu-
e muitos outros. O primeiro filme sonoro, O cantor de aram ainda mais as tensões sociais. Violentos confli-
jazz, estreou em 1927. tos raciais irromperam em diversas regiões.
Atrizes, atores e diretores tornaram-se verdadei- Ligas e associações de defesa da moral e dos
ras celebridades. As fitas, difundidas em todo o mun- bons costumes surgiram por toda parte. A pretexto
do, transformaram-se no mais importante veículo de de “libertar as classes inferiores” do perigo do álcool,
propaganda do American way of life, como explica o o governo aprovou em 1919 uma lei que proibia a
boxe da página seguinte. fabricação, a venda e o transporte de bebidas alcoó-
licas. Entretanto, ao contrário do que se esperava, a
Tempos de intolerância Universal History Archive/Getty Images

Durante a década de 1920, os Estados Unidos


foram governados por presidentes do Partido Repu- Entre 1920 e
blicano que isolaram ainda mais o país da comunida- 1933, vigorou nos
Estados Unidos
de internacional. Se até as primeiras décadas do sécu- lei proibindo
lo XX os imigrantes podiam entrar livremente em seu a fabricação,
território, durante o pós-guerra a situação se inverteu distribuição e
venda de bebidas
e uma onda de preconceito contra estrangeiros to- alcoólicas. Toda
mou conta do país. bebida alcoólica
produzida era
Os imigrantes começaram a ser vistos como
considerada ilegal
uma ameaça ao emprego dos trabalhadores norte- e deveria ser
-americanos. E como alguns eram adeptos de ideias descartada, como
a cerveja jogada
anarquistas e socialistas, o governo passou a encará- fora nesta foto,
-los também como um perigo para o próprio sistema sem data.
Estados Unidos: euforia, depressão e recuperação Capítulo 7 83

Lei Seca, como ficou conheci- vam ações na Bolsa de Valores de Nova York era de
* Veja os filmes
da, estimulou o mercado clan- Era uma vez na enorme euforia. Entre 1925 e 1929, o valor global
destino de bebidas e favoreceu América, de Sergio das ações passou de 27 bilhões de dólares para 67
a expansão do crime organiza- Leone, 1984 e Os
intocáveis, de Brian bilhões de dólares. As pessoas estavam tão empolga-
do. Surgiram quadrilhas* (as de Palma, 1987. das com essa valorização que chegavam a tomar em-
gangues) que, além de con- préstimos no banco para comprar títulos na Bolsa. O
trabandear bebidas alcoólicas, passaram a controlar
presidente Herbert Hoover (1929-1933), do Partido
prostíbulos, casas de jogo e o tráfico de drogas.
Republicano, chegou a afirmar pouco antes de sua
Um dos fora da lei mais famosos desse período
posse, no começo de 1929: “Nós nos Estados Unidos
foi Al Capone (1899-1947), chefe da máfia de Chica-
estamos mais próximos do triunfo final sobre a pro-
go que, em fins da década de 1920, administrava um
império no submundo do crime avaliado em 50 mi- breza do que nunca se esteve em qualquer nação”.
lhões de dólares. A trepidante vida noturna, a euforia As previsões do novo presidente, contudo, não
consumista, a Lei Seca, a prosperidade desmedida e se concretizaram. Em outubro de 1929 teve início a
a alta criminalidade tornaram os anos 1920 também pior crise econômica da história dos Estados Unidos e
conhecidos como os anos loucos. do mundo capitalista até então: a Grande Depressão.

3
Como foi possível passar da prosperidade para o
colapso econômico em tão pouco tempo? Na verda-
A queda da Bolsa de, os primeiros sintomas de crise surgiram em mea-
de Nova York dos dos anos 1920, quando a Europa, já recuperada
Apesar desses problemas sociais, o sentimen- da Primeira Guerra Mundial, diminuiu as importações
to de que a prosperidade não tinha limites era gran- de produtos agrícolas dos Estados Unidos. Isso levou
de. O clima em que viviam as pessoas que negocia- muitos agricultores norte-americanos à falência.
A indústria também foi atingida pela diminui- Como membro do Partido Republicano, o pre-
ção das importações europeias. Entretanto, as gran- sidente Hoover era seguidor fiel do liberalismo eco-
des empresas não reduziram a produção, o que levou nômico, segundo o qual não havia necessidade de o
à acumulação de grandes estoques que não encon- Estado intervir na economia, pois o próprio mercado
travam compradores. Configurava-se, assim, uma cri- resolveria a crise. Desse modo, não adotou nenhuma

4
se de superprodução. Ao perceber o desequilíbrio, as medida para sair da Depressão.
empresas começaram a demitir trabalhadores.
Com isso, o valor das ações dessas empresas na
Bolsa de Valores de Nova York começou a cair. Preo- O New Deal
cupados com a queda, os donos de ações (milhões de Em 1933, ao assumir a presidência dos Estados
pessoas) procuraram vender seus papéis o mais rápi- Unidos, Franklin Roosevelt, do Partido Democrata, pôs
do possível. No dia 24 de outubro de 1929, o preço em prática uma política oposta à de Hoover. Para ele,
das ações despencou, levando ao crash (quebra) da o Estado devia intervir a fundo na economia. Somente
Bolsa de Nova York. dessa forma seria possível retirar o país da Depressão.
O impacto do crash para a economia norte-ame- Para tanto, ele propôs um plano, conhecido
ricana foi catastrófico. A renda nacional reduziu-se à como New Deal (Novo Acordo), que articulava as
metade. Milhões de investidores perderam suas econo- ações do governo com as da iniciativa privada e tinha
entre seus objetivos elevar a renda dos trabalhadores.
mias. Mais de 5 mil bancos fecharam, deixando seus
Diversas medidas foram adotadas:
clientes sem dinheiro. Oitenta mil fábricas e 32 mil ca-
t desvalorização do dólar para tornar as exportações
sas comerciais faliram. Cerca de 15 milhões de trabalha-
mais competitivas;
dores ficaram desempregados.
t empréstimos aos bancos para evitar novas falências;
A fome e a miséria espalha- * Leia o livro As vinhas
t implantação de um sistema de seguridade social,
ram-se pelo país. No campo, da ira, de John
Steinbeck, Editora com a criação do seguro-desemprego;
milhares de fazendas faliram Record, e veja o filme t criação de um vasto programa de obras públicas
e muitos agricultores, sem ter As vinhas da ira, de com o intuito de gerar novos empregos;
como pagar as dívidas, tiveram John Ford, 1939.
t contratação de 3 milhões de jovens para o desen-
de abandonar suas terras*. volvimento de projetos ambientais;
Sem dinheiro e sem ter onde morar, muitos t salário mínimo e direito de organização sindical;
norte-americanos passaram a viver em barracos de t estímulo à produção agrícola.
madeira ou tendas nas favelas surgidas em diver- A economia do país se reaqueceu e a indústria
sas cidades dos Estados Unidos. Eram as chamadas voltou a produzir. Mais de 8 milhões de postos de tra-
hoovervilles (expressão criada a partir do sobrenome balho foram criados e milhares de obras públicas,
do presidente Hoover). Grande quantidade de sem- concluídas: 8 mil parques, 1 600 es- * Veja o filme Rio
-teto dirigiu-se também para os abrigos do governo, colas, 800 aeroportos, 3 300 barra- violento, de Elia
que se encontravam constantemente lotados. A ali- gens*, 78 mil pontes e mais de um Kazan, 1960.
mentação dessas pessoas ficava a cargo de institui- milhão de quilômetros de estradas.
ções de caridade que serviam sopas populares, diante Estudos mais recentes a respeito do New Deal,
das quais formavam-se grandes filas pelas ruas. Es- entretanto, afirmam que as conquistas obtidas com
trangeiros e grupos étnicos minoritários passaram a a implementação desse programa de reformas fo-
sofrer perseguições, acusados de competirem com os ram mais limitadas do que se pensava até então. Se-
estadunidenses no escasso mercado de trabalho. gundo essas análises, o New Deal não conseguiu dar
um fim real à Depressão e estimular o crescimento
A Grande Depressão propagou-se rapidamen-
te para outros países que mantinham relações co- econômico a níveis semelhantes ao do período an-
merciais com os Estados Unidos ou contavam com terior ao da Primeira Guerra Mundial. Além disso,
investimentos do capital norte-americano. O comér- observam os estudiosos dessa linha de interpreta-
cio mundial desabou. Bancos e indústrias fecharam. ção, os benefícios resultantes desse programa não
foram tão democraticamente distribuídos, pois te-
A produção industrial das principais nações capitalis-
riam privilegiado, principalmente, os donos de com-
tas caiu em até 50%.
plexos industriais.
Em todo o mundo, cerca de 30 milhões de pes-soas Para esses analistas, o problema da exclusão ra-
perderam seus empregos: só na Alemanha foram 6 milhões cial também permaneceu: os negros norte-america-
de desempregados; na Inglaterra, 3 mi-lhões. Os preços nos, apesar de terem sido um dos grupos sociais que
mundiais dos produtos agrícolas desabaram. Nações mais sentiram os efeitos da crise de 1929, não fo-
como o Brasil, cujas economias dependiam das exportações ram objeto de preocupação do governo Roosevelt.
agropecuárias foram du-ramente atingidas. Um dos poucos A economia norte-americana teria sido impulsiona-
países a escapar da crise foi a União Soviética, cuja da, de fato, pela deflagração da Segunda Guerra
economia, de tipo estatal (ou socialista-burocrática), Mundial (veja o capítulo 9), em 1939, que permitiu
obedecia a um rígi-do planejamento, e não às leis do à indústria dos Estados Unidos apresentar elevados
mercado, como as economias capitalistas. níveis de crescimento.

Você também pode gostar