Você está na página 1de 2

Penhane BOLETIM OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO DE APOIO E ASSISTÊNCIA JURÍDICA AS COMUNIDADES

Director Executivo: Rui de Vasconcelos* Sede: AAAJC* Telefone: 20030252*Cidade de Tete *Chingodzi* Editado em Português e Inglês

Projecto “floresta em pé” pode ter encalhado?

Sendo que a floresta desempenha uma função ecológica importante


floresta, através de actividades de preservação e aumento de stock
na conservação da água, do solo e da biodiversidade, e constitui
florestal.
ainda uma importante fonte de matéria-prima e produtos alimenta-
res no meio rural e porque presta igualmente uma diversidade de
De tudo isso a que se propôs realizar, o “Projecto Floresta em Pé”
serviços climáticos, ambientais, económicos, sociais e culturais, o
está a trabalhar mais na certificação de algumas concessões florestais,
país adoptou um projecto denominado “Floresta em Pé” visando
capacitação de fiscais de protecção, construção de acampamentos de
promover o desenvolvimento rural baseado na protecção, conserva-
fiscalização, distribuição de algumas colmeias a associações de api-
ção, valorização, criação e utilização sustentável da floresta, apoiar
cultores, instalação de unidades de processamento de mel, mas com
o sector privado, através do desenvolvimento da indústria madei-
muita pompa referia-se ao financiamento de carpintarias distritais, e
reira nacional, da diversificação e maximização da cadeia de valor
abertura de viveiros florestais. Porém, ainda não alcançou nenhuma
do sector florestal.
dessas acções pelo menos na perspectiva mensurável.

É um projecto que a nosso ver está encalhado nalgum lugar, embo-


O projecto está associado a terra que representa o recurso natural
ra tivesse um valioso contributo para estimular a criação de postos
mais importante para o desenvolvimento sócio-económico e de cuja
de trabalho no sector florestal, através da diversificação de bens e
gestão e administração eficiente, pode conferir maior domínio terri-
produtos, baseados no paradigma da conservação e que poderia
torial, produtividade e harmonia no convívio das comunidades. É
capitalizar a busca e aplicação de fundos internacionais e receitas
neste espírito que o Estado desenhou um outro ambicioso projecto
nacionais na protecção, conservação, valorização, criação bem como
denominado “Terra Segura” dando a conhecer a necessidade de
a utilização sustentável da floresta.
reforçar o sistema de administração e gestão de terras, com foco no
acesso, registo e gestão da informação.
Aliás, um dos objectivos da criação deste grande projecto é de miti-
gar o impacto das medidas de reestruturação e reforma do sector
florestal, promover o desenvolvimento das comunidades locais
através do apoio ao maneio comunitário e valorização dos recursos
florestais, sobretudo e particularmente dos produtos não madeirei-
ros, mas também criar alternativas à exploração desenfreada da

Projecto Terra Segura pensa em 5 milhões de DUAT’s

Nota-se que a explosão demográfica e a crescente procura de mento de ocupação de 5 milhões de parcelas (DUAT’s), a conclusão do
recursos naturais levanta novos desafios à capacidade do Esta- processo de instalação do Sistema Integrado de Gestão de Terras, a
do de gerir a terra. São desafios que vão desde o conflito de realização de 4 campanhas de divulgação de direitos e obrigações de
terras, a ociosidade da terra, ordenamento do território e a uso da terra, a capacitação de 800 agentes de fiscalização das normas
exploração sustentável da terra. Por intermédio deste Projecto de uso da terra, e ainda 4 capacitações dos Administradores distritais
Terra Segura o governo comprometeu-se a implementar o sobre a gestão da terra, como defende o governo.
registo e titulação do Direito de Uso e Aproveitamento da
Terra (DUAT).

Está no quadro destas acções, o mapeamento do território em


escala de 1:50.000 e 1:25.000 do território nacional, a constru-
ção de um cadastro nacional actualizado, fiável e transparente, Parceiros:
mecanismos eficientes de emissão de DUATs, descentralização
da capacidade técnica de gestão e administração da terra aos
distritos, divulgação dos direitos e obrigações de uso e apro-
veitamento nas comunidades, optimização do uso da terra
através da transferência de técnicas de cultivo que permita
aumentar os níveis de produtividade, democratização do aces-
so à terra respeitando a igualdade de género e, ainda a segu-
rança de posse de terra.
Até porque o Projecto Terra Segura prevê o registo e regula-

Quem somos? Associação de Apoio e Assistência Jurídica as Comunidades (AAAJC), é uma organização da Sociedade Civil
Moçambicana, não-governamental, sem fins lucrativos, de âmbito nacional, fundada em 2008 e com os seus estatutos legal-
mente publicados em 2010 no Boletim da República nº. 2, III serie, 4º suplemento de 19 de Janeiro. A sede é na cidade de Tete.
Penhane OFICIAL REPORT CARD OF THE ASSOCIATION FOR SUPPORT AND LEGAL ASSISTANCE TO COMMUNITIES

The Executive Director Rui de Vasconcelos* Sede: AAAJC* Telefone: 20030252*City of Tete*Chingodzi* Edited in Portuguese & English
o
Edition n 177

Project “standing forest” may have run aground?

As the forest plays an important ecological role in conserving water, From all of this, the “Standing Forest Project” is working hard on
soil and biodiversity, it is also an important source of raw material certifying some forest concessions, training protection inspectors,
and food in rural areas and because it also provides a diversity of building surveillance camps, distributing some hives to beekeeper
climate, environmental, economic, socially and culturally, the coun- associations, installing Honey processing units, but with a lot of
try has adopted a project called “Standing Forest” aimed at promot- pomp, referred to the financing of district carpentry, and the open-
ing rural development based on the protection, conservation, en- ing of forest nurseries. However, it has not yet achieved any of these
hancement, creation and sustainable use of the forest, supporting the actions at least from a measurable perspective.
private sector through the development of the national timber indus-
try, diversification and maximizing the forest sector value chain. It is The project is associated with land that represents the most im-
a project that we think is stranded somewhere, although it has a portant natural resource for socio-economic development and
valuable contribution to stimulate the creation of jobs in the forest whose efficient management and administration can give greater
sector, through the diversification of goods and products, based on territorial dominance, productivity and harmony in the communi-
the conservation paradigm that could capitalize on the search and ties living together. It is in this spirit that the State has designed
application of international funds and national revenues in the pro- another ambitious project called “Terra Segura”, making known the
tection, conservation, enhancement, creation and sustainable use of need to strengthen the land administration and management sys-
the forest. tem, focusing on access, registration and management of infor-
mation.
Indeed, one of the objectives of the creation of this major project is to
mitigate the impact of forest sector restructuring and reform
measures, to promote the development of local communities by
supporting community management and enhancing forest re-
sources, particularly and particularly non-timber products, but also
create alternatives to rampant forest exploitation through preserva-
tion activities and increased forest stock.

“Terra Segura (Safe Land)” Project thinks about 5 million DUAT's

It is noted that the demographic explosion and the growing demand rights and obligations of use of the land, training of 800 land use
for natural resources raise new challenges to the state's ability to law enforcement officers, and 4 district administrators training on
manage land. These challenges range from land conflict, land idle- land management, as advocated by the government.
ness, land use planning and sustainable land exploitation. Through
this “Terra Segura Project the government has committed to imple-
ment the registration and titling of the Right of Use the Land
(DUAT).

These actions include mapping the territory at 1: 50,000 and 1: 25,000


national territory, building an up-to-date, reliable and transparent
national register, efficient mechanisms for issuing DUATs, decen- Partners:
tralizing technical management capacity and land administration to
districts, dissemination of community rights and obligations, opti-
mal use of land through the transfer of cultivation techniques to
increase productivity, democratization of access to land while re-
specting gender equality and, still the security of land tenure.

Also because the Terra Segura Project foresees the registration and
regulation of the occupation of 5 million parcels (DUAT's), the con-
clusion of the installation process of the Integrated Land Manage-
ment System, the accomplishment of 4 campaigns of disclosure of

Who Are We? The Association for Support and Legal Assistance to Communities (AAAJC) is an mozambican Civil Society Organization (CSO) based in Tete province, non-governmental and non proffit, created in 2008 by
a group of Paralegals in natural resources and development law, formed by the Center for Legal and Judicial Training (CFJJ), now Ministry of Justice, who decided to organize themselves based on their knowledge to promote
social and economic development and respect for human rights based on observance of the principles of social justice, equity and sustainability. Its scope of action was limited to the areas of economic development and poverty
reduction in a participatory manner, legal support to communities and citizens, environmental education, conflict resolution, advocacy of public policies and human rights. In 2010, following the implementation of some initiatives
and completing the process of its constitution, the organization was formally legalized with statutes published in the Bulletin of the Republic no. 2, III series, 4th supplement of January 19, 2010.