Você está na página 1de 1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS – PUC

INSTITUTO DE FILOSOFIA E TEOLOGIA DOM JOÃO – IFTDJ


CURSO DE TEOLOGIA BACHARELADO
DISCIPLINA DE GRAÇA E PNEUMATOLOGIA

GRUPO 11: ALDO LAMARCHE, ARIOVALDO AFONSO, BRUNO DE ARAÚJO E FRANCISCO


EDUARDO

AS FORÇAS CARISMÁTICAS DA VIDA

Referência: MOLTMANN, Jürgen. O Espírito da Vida; O Espírito e a Teologia da Vida. Loyola, 2002. Capítulo
IX. p. 174-188.

§2 – Falar em línguas
- Historicamente é inegável o fenômeno de as comunidades cristãs haverem nascido sob o falar em língua, como já
é relatado nos Atos dos Apóstolos 2 a respeito do primeiro Pentecostes.
- Considera uma tão forte comoção interior pelo Espírito que sua forma de expressão ultrapassa a esfera da
linguagem inteligível e externa-se pela glossolalia, da mesma forma como uma dor intensa se expressa por um choro
desinibido, ou uma intensa alegria se manifesta pelo pular e o dançar.
- O autor entende o “falar em línguas” como o processo pelo qual a língua das pessoas mudas começa a desprender-
se e elas começam a expressar o que sentem e experimentam.
- O discurso profético é um carisma especial, pois num kairós pessoal ou público ele encontra a palavra acertada, a
palavra que liga ou desliga, e diz concretamente e no momento certo o que é pecado e o que é graça.
- Porém faz uma crítica ao “movimento carismático” pelo negligenciar de certos carismas. Se os carismas são dados
não para que se fuja da realidade deste mundo par um mundo de sonhos religiosos, e sim para testemunhar a
soberania libertadora de Cristo nos conflitos deste mundo, então o “movimento carismático” não pode transformar-
se numa religião depolitizada, e muito menos despolitizante.
§3 – O despertar das experiências carismáticas
- Muitas pessoas possuem mais capacidades do que pensam possuir.
- Mas quem se retrai para dentro de si próprio, este não tem como conhecer sus próprias possibilidades.
- Só quando alguém tenta ultrapassar seus próprios limites é que terá condições de conhecê-los e de aceitá-los.
- Existem pessoas que de antemão consideram tudo impossível.
- Com isto eles escapam a muitos conflitos, mas também pouco experimentam da vida real.
- Mas também existem pessoas que acreditam no que é possível.
- Aquele que crê torna-se um homem das possibilidades.
- Nossas possiblidades carismáticas são despertadas pela confiança: em Deus, em nós mesmos e na que os outros
depositam em nós.
- O amor próprio pressupõe o amor a si.
- Amor a si é a força para o amor ao próximo. Amor a si é o chão para uma vida de liberdade.
- O obstáculo essencial que nos impede de termos a experiência carismática não está em querermos
desesperadamente ser nós mesmos, mas em não querermos desesperadamente ser o que somos.