Você está na página 1de 39

Análise Numérica

Integração

Renato Martins Assunção

DCC - UFMG

2012

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 1/1


Introdução

Calcular integrais é uma tarefa rotineira em engenharia, aparecendo


em quase todo problema que exige algum cálculo mais sofisticado.
Diferente de outras operações matemáticas, integração de funções
não é simples.
Por exemplo, somos capazes de derivar quase qualquer função, por
mais complicada que seja.
Integração é uma história completamente diferente.

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 2/1


Revisão de cálculo

Integral de f (x) no
intervalo [a, b]:
Z b
f (x)dx
a

Interpretação geométrica:
a integral é igual à área
(com sinal) entre o eixo x
e o gráfico da função f (x).

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 3/1


Revisão de cálculo

Para se obter a integral devemos encontrar uma primitiva F (x).


Isto é, encontrar uma função F (x) tal que F 0 (x) = f (x) para todo
x ∈ [a, b].
Assim, Z b
f (x)dx = F (b) − F (a).
a

x3
Z
Por exemplo, x 2 dx = + C e portanto
3
b
b 3 a3
Z
x 2 dx = − .
a 3 3

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 4/1


Achando uma primitiva

Z x
Achar a primitiva F (x) = f (u)du não é tarefa simples.
a
Não existe um método geral que forneça a primitiva F (x) para
uma função arbitraria f (x).
O que nós temos são algumas regras de integração que podem nos
auxiliar em alguns casos.

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 5/1


Regras de integração

Conhecemos alguns casos simples:

x a+1
Z
x a dx =
a+1
Z
sen(x)dx = − cos(x)
Z
e x dx = e x

Usamos propriedades básicas:


Z Z Z
[f (x) + g (x)]dx = f (x)dx + g (x)dx
Z Z
cf (x)dx = c f (x)dx

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 6/1


Técnicas de integração
Usamos algumas técnicas de integração.
SubstituiçãoZ de variáveis
Calcular x 2 (x 3 + 1)5 dx
Substituı́mos
u = x3 + 1
du = 3x 2 dx
1
du = x 2 dx
3
Portanto
Z Z
1
x 2 (x 3 + 1)5 dx = u 5 du
3
1 u6
= · +C
3 6
1 6
= u +C
18
1 3
= (x + 1)6 + C
18

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 7/1


Técnicas de integração

Z Z
Integração por partes: udv = uv − vdu.
Z
Calcular x sec2 (x)dx.

Tome u = x e dv = sec2 (x).


Então du = dx e v = tan(x), e assim
Z Z
2
x sec (x)dx = x tan(x) − tan(x)dx
= x tan(x) − (− ln | cos(x)|) + C
= x tan(x) + ln | cos(x)| + C .

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 8/1


Técnicas de integração

Integrais envolvendo potências de funções trigonométricas podem


ser manipuladas usando identidades trigonométricas até reduzi-las
a uma forma simples.
Z Z
3 4
cos (x)sen (x)dx = cos2 (x)sen4 (x) cos(x)dx
Z
= (1 − sen2 (x))sen4 (x) cos(x)dx
Z
= (sen4 (x) − sen6 (x) cos(x)dx
Z Z
= (sen (x) cos(x)dx − sen6 (x) cos(x)dx
4

1 5 1
= sen (x) − sen7 (x) + C
5 7

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 9/1


Técnicas de integração
p p
Se uma integral contém uma raiz da seguinte forma a2 ± x 2 , x 2 − a2 , então uma
substituição trigonométrica
Z pode ser útil.
dx
Por exemplo, integrar √ .
x2 4 − x2
Tome
x = asenθ = 2senθ
dx = 2 cos θdθ
p
4 − x 2 = 2 cos θ
Então
Z Z
dx 2 cos θdθ
√ =
x2 4 − x2 (4sen2 θ)(2 cos θ)
Z
1 dθ
=
4 sen2 θ
Z
1
= csc2 θdθ
4
1
= − cot θ + C
4

1 4 − x2
= − · +C
4 x
Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 10 / 1
Técnicas de integração

Frações parciais: se uma integral envolve uma razão entre


polinômios de x podemos reescrevê-lo como soma de funções mais
simples.
Por exemplo,
Z  
x −1 −1/2
Z
1/2
2
dx = + dx
3x − 14x + 15 3x − 5 x − 3
e usamos que Z
1
dx = log |x − a| + C .
x −a

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 11 / 1


Muito ou pouco?

Parece uma enorme quantidade de técnicas.


Tão grande que conseguimos resolver qualquer integral.
Longe disso: só conseguimos resolver algumas poucas integrais.
Não conseguimos obter primitivas na maioria das integrais que
aparecem em problemas mais práticos.

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 12 / 1


Inexistência de primitiva

Não se trata de incompetência ou de continuar buscando certas


integrais.
Podemos provar matemáticamente que, mesmo se nos
restringirmos apenas às funções dadas por fórmulas, nem todas as
funções admitem uma primitiva que também seja escrita como
combinação (finita) de funções elementares!

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 13 / 1


Integrar é difı́cil

A integral existe e é bem definida.


Você pode até desenhar o gráfico da função e ter uma ideia da
área sob a curva.
No entanto, algumas funções simples não possuem uma solução
analı́tica (uma fórmula) para expressar esta área sob a curva.

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 14 / 1


Exemplo

Em cálculos de
probabilidade, é muito
comum precisarmos
calcular uma integral do
seguinte tipo:
Z b
2
e −x dx
a
2
Podemos traçar o gráfico da função gaussiana f (x) = e −x , mas não
existe fórmula para a primitiva.

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 15 / 1


Problema com dados empı́ricos

Em engenharia, muitas vezes queremos calcular a integral de f (x)


num intervalo [a, b] mas conhecemos a função f (x) apenas em
alguns pontos.
Por exemplo, suponha que queremos calcular a área total de um
lago.
Vamos representar o contorno do lago com duas funcoes f (x) e
g (x).

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 16 / 1


Área de um lago

Represente a parte
superior do contorno como
f (x) e a parte inferior
como g (x).

Então a área do lago é igual a integral


Z b
[f (x) − g (x)]dx.
a

Note que f (x) − g (x) é o comprimento do segmento de reta


vertical conectando os extremos do lago em x.

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 17 / 1


Medindo y (x) = f (x) − g (x)

Medimos y (x) num


conjunto de 12 pontos ao
longo do eixo x.
Plotamos y (x) versus x
num gráfico (ao lado).
Podemos interpolar
mentalmente y (x) e ter
uma ideia da integral
desejada
Z x11
y (x)dx
x0

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 18 / 1


Integração numérica

Assim, existem dois motivos para procurarmos uma aproximação


Z b
numérica para a integral f (x)dx:
a
Impossibilidade de obter uma primitiva para a integral de f (x).
Desconhecimento de f (x) exceto em alguns pontos x0 , x1 , . . . , xn .
Nesta parte do curso, vamos aprender algumas técnicas de
integração numérica.

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 19 / 1


Integração numérica

Outro nome (antigo) para


integração numérica é
quadratura.
O nome parece ser
resultado da ideia de
aproximar uma área
(=integral) por pequenos
quadrados.

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 20 / 1


Fórmula geral

Todas os métodos de integração (ou quadratura) numérica


aproximam a integral de f (x) por uma soma:
Z b n
X
f (x)dx ≈ wi f (xi ),
a i=1

Veja que formamos uma soma ponderada de n valores de f (x).


A função f (x) é avaliada APENAS nos pontos (ou nós) x1 , . . . , xn .
Os pesos wi não precisam somar 1 nem ser positivos.

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 21 / 1


Z b
Definição de integral f (x)dx
a

Escolhe-se n + 1 pontos
a = x0 , x1 , . . . , xn = b e
pontos ci em cada
intervalo [xi−1 , xi ]
Some as áreas dos
retângulos de base
hi = xi − xi−1 e altura
f (ci ).
Aumente o número n de pontos fazendo os retângulos cada vez
menores.
A integral é definida como o limite desta soma de áreas de
retângulos cada vez menores.

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 22 / 1


Definição de integral

Isto é Z b n
X
f (x)dx = lim f (ci )(xi − xi−1 ),
a n→∞
i=1

Supondo que n é grande o suficiente, podemos aproximar a integral


simplesmente por esta soma de áreas de retângulos:
Z b n
X
f (x)dx ≈ f (ci )(xi − xi−1 ),
a i=1

Em princı́pio, esta aproximação é válida para qualquer ponto


ci ∈ [xi−1 , xi ] mas algumas escolhas são mais comuns.

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 23 / 1


Integral de x 2 em [0, 2]

a = 0, b = 2
n=4
0 = x0 , x1 = 0.5, x2 = 1, x3 = 1.5, x4 = 2

Três escolhas para o ponto ci


No inı́cio do intervalo: ci = xi−1
No final do intervalo: ci = xi

No meio do intervalo: ci = (xi−1 + xi )/2

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 24 / 1


Aproximação pela esquerda

Figura: Animação em http://en.wikipedia.org/wiki/Riemann sum.

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 25 / 1


Aproximação pela direita

Figura: Animação em http://en.wikipedia.org/wiki/Riemann sum.

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 26 / 1


Aproximação pelo meio

Figura: Animação em http://en.wikipedia.org/wiki/Riemann sum.

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 27 / 1


Fórmulas
b−a
Divida [a, b] em n subintervalos (cada um de comprimento h = ), e sejam xi = a+ih, i =
n
0, . . . , n os pontos finais destes subintervalos.
Regra do ponto final esquerdo:
Z b n
X
f (x)dx ≈ Ln (f ) = hf (xi−1 ),
a i=1

ou seja, pesos são todos iguais, wi = h, e os nós são pontos finais esquerdos.
Regra (análoga) do ponto final direito:
Z b X n
f (x)dx ≈ Rn (f ) = hf (xi ).
a i=1

Regra do ponto médio:


Z b n  
X xi−1 + xi
f (x)dx ≈ Mn (f ) = hf .
a i=1
2

Novamente todos pesos iguais, mas os nós nos pontos médios.


Embora todos métodos convergem para a integral limite de Riemann, eles fazem isto em
taxas diferentes! A regra do ponto médio é geralmente muito mais acurada – apesar dos três
métodos aproximarem o integrando por uma constante em cada subintervalo.
Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 28 / 1
Retângulo → Trapézio

Uma aproximação que costuma ser melhor é aproximar a pequena


área no intervalo [xi−1 , xi ] por um trapézio ao invés de um
retângulo.

Aproximação
por
retângulos

Aproximação
por
trapézios

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 29 / 1


Regra do trapézio

Pontos extremos dos intervalos:

a = x0 < x1 < x2 < x3 < . . . < xn−1 < xn = b.

Área do trapézio =

f (xi ) + f (xi+1 )
· (xi+1 − xi )
2

Integral é aproximadamente igual à soma das áreas desses trapézios.

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 30 / 1


Regra do trapézio

Quando o espaçamento entre os pontos for constante, terminamos


com fórmulas muito simples.
Seja h = x1 − x0 = x2 − x1 = . . . = xn − xn−1 .
Como o trapézio com base [xi−1 , xi ] tem área
h · (f (xi ) + f (xi−1 ))/2, a soma das áreas dos trapézios é igual
h
[(f (x0 ) + f (x1 )) + (f (x1 ) + f (x2 )) + . . . + (f (xn−2 ) + f (xn−1 )) + (f (xn−1 ) + f (xn ))].
2

Excetuando o 1o e último termos, todos os outros aparecem duas


vezes na soma. A área total dos trapézios fica igual a
h
[f (x0 ) + 2f (x1 ) + 2f (x2 ) + . . . + 2f (xn−1 ) + f (xn )].
2

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 31 / 1


Regra do trapézio

Assim, a fórmula é muito simples:


n
h hX
[f (x0 ) + 2f (x1 ) + 2f (x2 ) + . . . + 2f (xn−1 ) + f (xn )] = wi f (xi ).
2 2 i=0

Cada um dos pontos recebe um peso wi :


wi = 1 se xi = x0 = a ou xn = b.
wi = 2 se xi não for um dos pontos extremos.

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 32 / 1


Exemplo - Regra do trapézio

Sabemos que a derivada da função arctan é 1/(1 + x 2 )


Assim, sabemos que
Z 1 1 π
dx = arctan(1) − arctan(0) =
0 1 + x2 4

Vamos usar a regra do trapézio dividindo o intervalo [0, 1] usando


11 pontos x0 = 0, x1 = 0.1, . . . , x11 = 1 e portanto, usamos n = 10
subintervalos com h = 0.1:
π 0.1
≈ {f (0) + 2f (0.1) + 2f (0.2) + . . . + 2f (0.9) + f (1)}
4 2

onde f (x) = 1/(1 + x 2 )


Temos π = 4 × Integral
Usando 5 casas decimais, encontramos π ≈ 3.1400 errando na
terceira casa decimal.
Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 33 / 1
Método de Simpson

Um método ainda melhor é o de Simpson.


Sua ideia é usar DOIS subintervalos e aproximar a função f (x) por
uma parábola neste intervalo.
A parábola deve passar pelos pontos (xi−1 , f (xi−1 )), (xi , f (xi )), e
(xi+1 , f (xi+1 )).
Vamos supor agora que temos 2n intervalos e portanto 2n + 1
pontos:

a = x0 < x1 < x2 < . . . < x2n−2 < x2n−1 < x2n = b.

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 34 / 1


Método de Simpson

Simpson aproximando a função f (x) no intervalo [a, b] com uma


parábola usando os subintervalos [a, m] e [m, b].

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 35 / 1


Encontrando o polinômio

A parábola que passa pelos pontos (xi−1 , f (xi−1 )), (xi , f (xi )), e
(xi+1 , f (xi+1 )) pode ser apresentada na forma de um polinômio de
Lagrange:
(x − xi )(x − xi+1 ) (x − xi−1 )(x − xi+1 )
p(x) = f (xi−1 ) + f (xi )
(xi−1 − xi )(xi−1 − xi+1 ) (xi − xi−1 )(xi − xi+1 )
(x − xi−1 )(x − xi )
+ f (xi+1 ).
(xi+1 − xi−1 )(xi+1 − xi )

Se h = x1 − x0 = x2 − x1 = . . . = x2n − x2n−1 então


Z xi+1
h
f (x)dx ≈ [f (xi−1 ) + 4f (xi ) + f (xi+1 )].
xi−1 3

Veja como é simples esta formula!!

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 36 / 1


Encontrando a regra

A integral no intervalo [a, b] é aproximada pela soma das áreas das


parábolas ajustadas em cada um dos n pares de intervalos
sucessivos.
Somando sobre todos estes n pares de intervalos teremos:
Z b n Z x2i n
X X h
f (x)dx = f (x)dx ≈ [f (x2i−2 ) + 4f (x2i−1 ) + f (x2i )]
a i=1 x2i−2 i=1
3
h
= [f (x0 ) + 4f (x1 ) + 2f (x2 ) + 4f (x3 ) + . . . + 4f (x2n−1 ) + f (x2n )]
3
n n−1
" #
h X X
= f (x0 ) + 4 f (x2i−1 ) + 2 f (x2i ) + f (x2n ) ,
3 i=1 i=1

b−a
onde h = .
2n

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 37 / 1


Regra de Simpson

h
{y0 + 4y1 + 2y2 + 4y3 + 2y4 + . . . + 2y2n−2 + 4y2n−1 + y2n }
3

Chamada também de regra de 1/3 de Simpson.


Em geral, ela fornece resultados mais precisos que as outras regras,
mais simples, que aprendemos até agora.

Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 38 / 1


Exemplo
Z 1
1
Vamos recalcular 4 dx = arctan(1) − arctan(0) = π
0 1 + x2
Usaremos 10 intervalos, como antes.
Temos
2(y2 + y4 + y6 + y8 ) = 6.33731529
4(y1 + y3 + y5 + y7 + y9 ) = 15.7246294,

E então
Z 1 1 0.1
dx ≈ (1.0000 + 6.33731529 + 15.7246294 + 0.5000),
0 1 + x2 3

ou seja, Z 1 1
π=4 dx ≈ 3.14159263,
0 1 + x2

que difere de pi apenas na 8a casa decimal.


Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 39 / 1