Amadeu de Souza-Cardoso 1887-1918 Precursor da arte moderna, morto prematuramente aos 31 anos de idade, Amadeu de Souza

-Cardozo não teve oportunidade de ver seu trabalho reconhecido: seguiu a mesma trilha dos vanguardeiros de todos os tempos e de todas actividades, administrando a incompreensão alheia. A humanidade custa a aceitar novos processos ou ideias diferenciadas e assim, para os precursores, a apreciação objectiva e o coroamento de seus esforços se dá, ou no final da vida, ou somente após sua morte. Nascido em 1887 e falecido em 1918, as primeiras experiências de Souza-Cardozo se deram no desenho, especialmente como caricaturista. Aos 19 anos, mudou-se para Paris, tomando contato primeiro com o Impressionismo e depois com o Expressionismo e o Cubismo. Valeu-lhe muito sua aproximação com Amadeu Modigliani, de quem se tornou um grande amigo, compartilhando com ele um ateliê e até realizando exposições juntos, em 1911. Preso ainda ao traço, em 1912 publicou um álbum com 20 desenhos e em seguida, «com paciência de beneditino» copiou o conto de Flaubert La légende de Saint Julien l’Hospitalier, trabalhos ignorados pelo apreciadores de arte. Este último trabalho, depois de ficar por muitos anos nas mãos do editor, acabou sendo adquirido pela própria viúva do pintor, para evitar que fosse destruído. Depois de participar de uma exposição nos Estados Unidos, em 1913, voltou a Portugal, onde teve a ousadia de realizar duas exposições, respectivamente em Porto e em Lisboa, causando

Em 1958.entre seus patrícios.com. a Biblioteca-Museu de Amarante. por Anita Malfatti: suas obras foram criticadas. bem aceitos pelo público e pela crítica. o nome de Souza-Cardoso ganhou a devida importância em Portugal. tal como outros tantos. porém. realizou uma exposição de suas obras. foi criado um prêmio para distinguir pintores modernistas. deu a uma de suas salas o nome do pintor.pitoresco. Em 1953. Morreu nesse mesmo ano e muito tempo se passou até que as opiniões fossem revistas e seu nome ocupasse o devido lugar na história da pintura portuguesa. sua cidade natal. desiste do . à medida em que os preconceitos com relação ao modernismo foram sendo afastados. em 1918.br/ Amadeo de Souza Cardoso 1887-1918 Aos 18 anos matriculou-se na Escola das Belas Artes de Lisboa. que recebeu o nome de «Prêmio Souza-Cardoso». Ele era um visionário. a França realizou uma retrospectiva do pintor. Lentamente. Em 1925. houve até confronto físico entre críticos e defensores da arte moderna. Cedo. em Portugal. o mesmo escândalo que seria provocado no Brasil. em Paris. pagou um alto preço por isso. com 150 trabalhos. mas Souza-Cardoso não teve tempo para esperar. a Casa de Portugal. Com o término da Primeira Guerra Mundial. surgiria a grande oportunidade de desenvolver e encontrar reconhecimento de sua obra. Ninguém é culpado. Retirado de : http://www. em momentos. Dois anos depois parte para Paris. vivia fora de seu tempo. onde frequenta cursos de preparação para a Escola de Belas Artes. Dez anos depois. anos mais tarde. ridicularizadas e.

com Modigliani expõe no XXVII Salon des Indépendents de Paris que o classifica de um estilo precioso e mundano com algo . Em 1918 falece vítima da pneumónica. Em 1908 instala-se no número catorze da Cité de Falguière. no seu atelier. Em 1959. N. em que se revela um poder inventivo que precedeu. entre outros portugueses que vagueavam pelos ateliers de Montparnasse. Participou intensamente em exposições de vanguarda na Alemanha e América. convivendo em Paris com vários pintores dos quais se destaca Modigliani com quem exporá em 1911. à época cubista. estudando pintura em várias academias livres e no atelier do espanhol Anglada Camarasa . em que o seu vivo temperamento de colorista e o seu deslumbrado apego às formas do "torrão natal" se combinam em sínteses de espantosa força e admirável originalidade. onde continua a pintar. A sua obra fica praticamente desconhecida até 1952 quando se dá o descobrimento que culmina no S. em muitos aspectos outros artistas bem mais famosos. Em 1917 faz parte de um movimento futurista português. Em 1916 com oitenta óleos. que em breve ultrapassaria entrando numa fase de intenso experimentalismo abstralizante . Iniciou o seu trabalho com pequenas "pochades" de impressão. verificar-se o extraordinário mérito deste artista desde os primeiros desenhos e pinturas. fixandose em Manhufe. I. aguarelas e desenhos expõe com o título de Abstraccionismo. A primeira grande guerra obriga-o a regressar. então.espanhol com quem acamaradou.curso de arquitectura. Pôde. de carácter decorativo e orientalizante . Depois. como Delaunay ou Léger.

com tendência para a geometrização dessas formas. Tudo joga e se contradiz num "non sens". A obra de Amadeu é a passagem do figurativo ao abstracto. .aspectos decorativos e surpreendentes com desenhos cubistas que transmitem: elegância. aguarelas e desenhos que se encontram integrados no " Parto da Viola" que é um conjunto de obras de difícil classificação histórica lembrando Cubismo e Futurismo. emoção. laranjas e amarelas que conduzem a uma acção extremamente dinâmica. sinais de uma vida futurística. A sua obra apresenta um mundo progressivo de tensão dramática com um crescimento de raiva. oposto ao impressionismo. mas já reagindo contra estes. num curto tempo de vida. apresenta dezenas de óleos. Amadeu acumula elementos geométricos caligráficos. Este dinamismo implica movimento e velocidade.paisagens exóticas com estilizações prodigiosas. Este futurismo é implícito ao dinamismo sintáctico da intelectualização futurista dos seus amigos lisboetas. cujo colorido é espectacular de influência oriental luxuosa. mistério. pelo facto de substituir a análise da cor pela das formas dos objectos. rosas. cujas funções são espaço e luz conduzindo à forma do cubismo. . Na sua pintura revela um sentimento romântico com o fascínio da sua cor. Detentor de uma vasta obra. poesia e simbolismo. com o sentido feérico. verdes. imaginação. com linhas encurvadas azuis. A sua obra é caracterizada por: . Este é um dos estilos das artes plásticas mais salientes no primeiro quartel do século XX.decorativo no seu grafismo estilizado.

em seguida. freguesia de Mancelos. Alexander Archipenko. As suas primeiras experiências artísticas conhecidas foram desenhos e caricaturas. 25 de Outubro de 1918) foi um pintor português. por isso parte para Paris em 1906. A sua família era rica e influenciou-o a ingressar no curso de Direito na Universidade de Coimbra. Embora tendo tido uma vida curta. Em 1912. copiou o conto de Gustave Flaubert "La Légende de Saint Julien l'Hospitalier". dedicou-se à pintura. Frequentou ateliers preparatórios para a Academia das Beaux-Arts e a Academia Viti do pintor catalão Anglada Camarasa mas. Juan Gris e Robert Delaunay. cubista. Em 1910. voltou a . futurista. apesar disso. a sua obra tornou-se imortal. expôs trabalhos no Salon des Indépendants. O curso não satisfaz o seu génio criativo. Depois. procurava a originalidade e a criatividade na sua obra.jokerartgallery.com (Manhufe. instala-se no número catorze da Cité de Falguière. Depressa desistiu do curso e mudou-se para o curso de Arquitectura na Academia de Belas Artes de Lisboa em 1905. Poder-se-á dizer que foi um pintor impressionista. em 1911.A Obra de Amadeu é a realidade da chegada inédita ao abstraccionismo de linha cubista com a proposta de um purismo " avant-la-lettre" sem o apoio do grupo baseado na sua revolta pessoal contra o destino. instalando-se em Montparnasse com a intenção de continuar a estudar. Retirado de : http://www. não chegou a ser admitido. Apesar das múltiplas influências. Constantin Brancusi. esteve alguns meses em Bruxelas e. expressionista. trabalhos ignorados pelos apreciadores de arte. 14 de Novembro de 1887 — Espinho. Depois de participar com oito trabalhos numa exposição realizada em 1913 no Armory Show (Estados Unidos da América). prosseguindo o caminho traçado pelos artistas de vanguarda da sua época. precursor da arte moderna. Amarante. aproximando-se progressivamente das vanguardas e de artistas como Amedeo Modigliani. Em 1908. publicou um álbum com vinte desenhos e. em Paris. mas sempre recusou qualquer rótulo.

1911 Cabeça. como as colagens e outras formas de expressão plástica. vítima da "pneumónica" que grassava em Portugal. Dez anos depois. Regressa então a Portugal. num e noutro caso com novidade e algum escândalo. bem aceites pelo público e pela crítica. foi criado um prémio para distinguir pintores modernistas. onde teve a ousadia de fazer duas exposições. 1913Entrada. em 1916. sob o título "Abstraccionismo". tendo pintado com grande constância. morre prematuramente em Espinho. em Berlim. O cubismo em expansão por toda a Europa foi uma influência marcante no seu cubismo analítico. que recebeu o nome de "Prémio Souza-Cardoso". expor no Porto. aos 31 anos de idade. Saut du Lapin. encontrase em Barcelona com Antoni Gaudí e parte para Madrid. ao ponto de. 114 obras. que serão também expostas em Lisboa. com 150 trabalhos. 1917 [editar] Rescaldo Em 1925. [editar] Obras • • • • • • • Barcos Cabeça Canção Popular a Russa e o Fígaro Cozinha da Casa de Manhouce Entrada Les Cavaliers Menina dos Cravos . Amadeu de Sousa Cardoso explora o expressionismo e. onde é surpreendido pelo início da I Guerra Mundial. participou ainda no Herbstsalon da Galeria Der Sturm. a França realizou uma retrospectiva do pintor. respectivamente no Porto e em Lisboa. Nesse ano. 1917Pintura. experimenta novas formas e técnicas. em Portugal. Em 25 de Outubro de 1918. onde inicia uma meteórica carreira na experimentação de novas formas de expressão.Portugal. Em 1914. nos seus últimos trabalhos.

com 18 anos. das longas conversas com o seu tio Francisco Cardoso. no concelho de Amarante. para lá foram empurrados. apesar de lá contar com um amigo e correligionário monárquico de seu pai.• • • • • Pintura Pintura (Brut 300 TSF) Procissão Corpus Christi Retrato de Francisco Cardoso Saut du Lapin Amadeo nasceu a 14 de Novembro de 1887. da freguesia de Mancelos. sendo apontados Penafiel e Coimbra como lugares onde os mesmos terão decorrido. Ver fotos de Manhufe Há autores que divergem quanto à localidade em que terá feito os estudos liceais. Pode ler-se em «Amadeo de Souza-Cardoso».)Lisboa é um símbolo. que por lá costumava passar férias. [1] Na cidade-luz Amadeo instala-se em Montparnasse e convive com uma plêiade de outros artistas portugueses e estrangeiros que virão igualmente a ganhar fama e lustre. 1988. Manuel Laranjeira. em Novembro de 1906. p. em correspondência trocada com o seu grande amigo e médico de Espinho. que o nosso pintor achava a vida lisboeta demasiado limitada e fútil para as suas aspirações. pelintras e todos os outros mariolas.. até ao ano de 1905. A qualidade do ensino artístico também o terá decepcionado. o conselheiro António Cândido. o resumo da torpeza nacional: aos que não corrompe. parte para Lisboa para seguir Arquitectura na Escola Superior de Belas-Artes. com um pouco de saúde. e da certeza que daquela cidade provinham os melhores arquitectos e artistas que trabalhavam em Portugal. (. o que decorre da resposta que lhe fora remetida em carta pelo referido médico: «A impressão que a futilíssima vida lisboeta lhe está causando a você é a impressão que ela causa a todos aqueles que. da autoria de António José Queirós (Amarante. Ao tempo. no lugar de Manhufe. que chegou a ocupar o lugar de Presidente da Câmara Municipal de Amarante.» Pouco tempo depois. certamente. parece que a capital depressa deixou de lhe agradar e o cansou. enoja-os. em que. Foi filho de um abastado proprietário rural de seu nome José Emygdio de Souza Cardoso. Certo: Lisboa é boa para conselheiros. Amadeo parte para Paris com a certeza do apoio da abastada bolsa de seu pai. .. A infância passou-a Amadeo no ambiente calmo e rural de Manhufe. A atracção por Paris vinha-lhe. 9).

Emmerico Nunes. expõe trabalhos de pintura no XXVIII Salon des Indépendants e no Salon d'Automne. Feira de Sevilha. na Alemanha. Em 1911 expõe alguns trabalhos no XXVII Salon des Indépendants em Paris. a que parece também não ser estranho o pintor espanhol Anglada Camarasa (1872-1959). Em 1912 publica um álbum intitulado XX Dessins par Amadeo de Souza Cardoso.Amadeo desinteressa-se pela arquitectura e dedica-se à caricatura. 1909/10. cujas aulas acompanhou na Academia Viti. Em 1913 participa com oito quadros no Armory Show. e ainda no London Salon para além de galerias de Munique. 1912. óleo s/ madeira. campo em que já havia dado alguns passos. que teve lugar nas cidades de Nova Iorque. . nos EUA. Sónia e Robert Delaunay. Em 1914 expõe no XXX Salon des Indépendants. em Paris. Eduardo Vianna e outros ajudaram-no a cimentar o seu próprio caminho. Hamburgo e Colónia. c. c. Le Moulin. da série XX Dessins. O contacto com outros artistas como Amadeo Modigliani. onde toma contacto e se deixa seduzir pela pintura dos primitivos flamengos. Chicago e Boston. Em 1910 faz uma estadia de 3 meses em Bruxelas. mesmo antes da sua partida para Paris.

mais exactamente à cidade do Porto. A ousadia e vanguardismo de Amadeo estavam longe de agradar à provinciana sociedade burguesa do Porto. e esta exposição foi considerada uma provocação. demora-se em Madrid e finalmente regressa a Portugal. mas há que realçar o apoio que lhe foi dado por um já respeitado artista. Nesta cidade do Porto faz a primeira exposição dos seus trabalhos em Portugal. tendo Amadeo sido agredido. . dedicou-se diariamente à pintura e ainda planeou uma exposição em Nova Iorque. em Lisboa. acabando por receber tratamento no Hospital da Misericórdia. não foi muito bem recebida pela crítica. Excerto da crítica de Almada Negreiros à exposição de Amadeo na Liga Naval Exilado no seu atelier da Casa do Ribeiro. Almada Negreiros. Serão o mesmo lugar? Nesta exposição apresentou 114 obras com o título genérico «Abstraccionismo». que sobre ele disse: «Amadeo de Souza Cardoso é a primeira descoberta de Portugal na Europa do século XX!». em Manhufe. onde vem a casar com Lucia Pecetto (que conhecera em Paris). na Liga Naval. e se alguns dizem que a mesma decorreu num terraço do Café Magestic outros apontam para o Salão de Festas do Jardim Passos Manuel. A exposição que se seguiu.Nesse ano parte para Barcelona.

» . Corriam contudo os anos decisivos da guerra que se arrastava desde 1914 e Amadeo já não deixa Portugal como pretendia. em Espinho.Aspecto actual da famosa Casa do Ribeiro. a natureza fonte de vida... A sua arte definiu-a ela mesmo. A 25 de Outubro de 1918 é surpreendido pela morte. de cor. que no entanto já o tinha atingido. é um produto emotivo da natureza. tal como a sinto. de sensibilidade.A arte. o atelier de Amadeo em Manhufe (em cima). para onde havia fugido à gripe pneumónica que grassava na sua terra. casario e capela da rua principal de acesso (em baixo). de profundidade e de poder emotivo. em carta remetida de Paris para o seu amigo e confidente tio Francisco: «.

tendo percorrido vários países da Europa na década de 18(80) e ficado apaixonado por Paris. António José (1988). D. c. Luís Van Zeller (s/d). s/d). Ainda documentação diversa publicada pela Câmara Municipal de Amarante no cinquentenário da morte do pintor. que estabeleceu muitas amizades no mundo da política. . Nota: [1] De referir a forte influência e apoio que este tio Francisco exerceu sobre Amadeo. António Barroso. QUEIRÓS. Sidónio Pais e a Elite Política Amarantina. Anégia Editores. Entre os seus amigos contam-se o rei D. Era também amante da arte equestre e da caça. e muito outros. mesmo quando elas contrariavam as vontades do pai José Emygdio. Manuel II. Carlos e o filho deste. Amarante—Uma Ponte entre a História e a Natureza. Luís Pimenta de Castro (s/d). 1850-1922. apoiando-o sempre nas suas opções. Era homem de grande cultura e sensibilidade artística e literária.Cavaquinho. bispo do Porto. Pequena História de Amarante. Este tio Francisco foi um homem muito viajado. MACEDO. Armando Malheiro & DAMÁSIO. Paulino (coord. Teixeira de Pascoaes e família.. 1915 Bibliografia: GOMES. Amadeo de Souza-Cardoso. das artes e até do espectáculo. SILVA. D. António Cândido. das letras. Amarante. António Cândido. óleo s/ tela.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful