Você está na página 1de 12

1.

Deixa de besteira
Mestre Barrão
Ó menina ainda eu me lembro
Tu era contente quando eu te conheci
Hoje em dia so vive arretada
De cara fechada empinando o nariz
Reclamando, falando besteira
Mas da capoeira eu não vou desistir
Capoeira ela é tudo o que eu tenho
Foi na capoeira que eu te conheci
Ó menina chega bem pertinho
Olha escuta direito o que eu vou te dizer
Sem a capoeira tu sabe eu não vivo
Se tu foi embora eu consigo viver
Eu não quero que tu vai embora
Mas se foi prometo não chorar
Vou embora, vou la pra ribeira
Jogar capoeira até o sol raiar
Não vai embora menina
deixa de besteira
eu gosto de você
mais adoro a capoeira
Não vai embora menina
deixa de besteira
vem comigo para Recife
vamos jogar capoeira
Não vai embora menina
deixa de besteira

2. Esperança de ser livre


Mestre Barrão
Composición: Mestre Barrão
Negro escravo,
Foi pego fugindo da senzala
Correndo nos canaviais
Capturado pelo feitor
Que no tronco o amarrou
E o guerreiro valente gritava.
Derrepente uma voz recuava
Mataram o Rei Zumbi
Assim a notícia chego
E o guerreio
Que nunca chorava
Nesse dia ele choro.
Iê...
Ô valente guerreiro e forte
Não acreditava na sorte
Não tinha medo da morte quando o fato aconteceu
Com a notícia que veio de longe
Dizendo que o Rei Zumbi morreu.
E o guerreiro amarrado no tronco
A Deus pedia proteção
Olhando para cima lamentou
Ainda chorando falo
Ô mataram o Rei Zumbi a esperança de ser livre acabou.
Ô valente guerreio choro
Ê choro choro.
E o valente guerreiro choro (3x)
Ô valente guerreiro e forte
Não acreditava na sorte
Não tinha medo da morte quando o fato aconteceu
Com a notícia que veio de longe
Dizendo que o Rei Zumbi morreu.
E o guerreiro amarrado no tronco
A Deus pedia proteção
Olhando para cima lamentou
Ainda chorando falo
Ô mataram o Rei Zumbi a esperança de ser livre acabou.
1. Lamento do Menino
Mestre Barrão
Certa vez eu caminhava
sentindo um aperto no coração
Eu vi um menino chorando
com seu berimbau na mão
Perguntei pra o menino
O que foi que aconteceu
E o menino ainda chorando
Disse meu mestre morreu
Me sentei com o menino
e comecei a lhe explicar
que seu mestre ele partiu
foi pro céu com Deus morar
Foi pra perto de seu Bimba, Pastinha e Besouro Mangangá
Foi pra junto de Traíra, Canjiquinha e o mestre Valdemar
Onde tu tiver jogando,
teu mestre vai estar la
para guiar os teus caminhos
junto com pai Oxalá
O menino tu não chora (bis)
teu mestre não vai gostar
porque tu és a semente
que um dia vai brotar
O menino levantou
Com um gesto sorridente
Apertando a minha mão
E caminhou logo contente
O seu gesto somidente
Isso sim me comoveu
Porque vi que o menino
Naquele momento entendeu
Não chora menino, não fica à chorar,
não chora menino,
que o teu mestre foi pro céu com Deus morar
Não chora menino, não fica à chorar
Não chora menino,
que o teu mestre foi pro céu com Deus morar
Não chora menino, não fica à chorar
Não chora menino
Foi pra perto de Bimba e Valdemar

1. Segura o coco
Mestre Barrão
Lé lé lé… lélélé lé lélé…lalalá
Lé lélé… lé lélé lé lé lé…laia laia
Lé lé lé… lélélé lé lélé…lalalá
Lé lélé… lé lélé lé lé lé…laia laia
Deixe amigo, deixei mãe, eu deixei tia
Eu larguei toda família
No nordeste e vim pra cá
Hoje eu vivo nesse mundo de estrangeiro
Sou um simples brasileiro
Morando no Canadá
Sou nordestino
Olha eu sou cabra da peste
Sinto falta do nordeste
E um dia quero voltar
Para pernambuco terra de meu coração
Terra de padrinho Ciço
E o Cangacero Lampião
Terra de frevo, Ciranda, coco, embolada
Escuta aqui meu camarada
O que eu vou te falar
Essa dança de coco é gostoso de dançar
Segura o coco camará segura o coco
Segura o coco não deixa coco quebrar
(bis)
Dança o coco João
Dança Zefrinha
Não importa de é de tarde,
Se é de noite, se é de dia
Essa dança do coco
Eu nunca vi coisa mas bela
Esse coco vem de longe
Vem de la casa amarela
Segura o coco camará segura o coco
Segura o coco não deixa coco quebrar (bis)
Lé lé lé… lélélé lé lélé…lalalá
Lé lélé… lé lélé lé lé lé…laia laia (bis)
1. Sou Capoeira
Mestre Barrão
Sou capoeira, fui menino de rua
Pois é seu moço, hoje a vida continua
Quando eu era criança
Eu era discriminado
Muita gente me dizia
Pra deixar capoeira de lado
Diziam que a capoeira
Era coisa pra maloquiero
Que eu tinha ir pra escola
Estudar pra ganhar muito dinheiro
Que tinha que ir pra escola
Estudar e ser formado
Para ter uma profissão
Ser doutor, engenheiro, advogado
Mais olha moço, para mim isso era besteira
Porque o que eu queria mesmo
Era aprender a arte da capoeira
Mas o tempo foi passando
Tudo só ficou pra trás
Hoje eu viajo o mundo inteiro
Mal de mim não falam mais
Não falam da capoeira
Não falam mal de ninguém
Porque hoje eles já sabem o valor que capoeira tem

Music & lyrics: Biro do Grupo Cordão de Ouro de Campinas


Lead vocal: Suassuna
All instuments: Acordeon

Sou capoeira olha eu sei que sou


Eu vim aqui foi para jogar
Faço bonito só porque tenho talento
E solto meus movimentos com a voz no coração

Que amor é esse que trago no coração


Uma alegria e uma vontadade de ficar
São Bento Grande, Iuna e Cavalaria
Quando toca me arrepia hoje é dia de jogar

E o cantador solta a voz pro povo ouvir


Berimbau viola arma a roda e solta o som
A meia lua é ligeira e corta o vento
Capoeira joga dentro como o mestre me ensinou

Sou capoeira...

E o capoeira é astuto e é velhaco


É inimigo do perigo e confusão
Mas ele sabe o valor de uma vida
Por isso corre de briga e quer mais é vadiar

E o cantador...
Sou capoeira...
E o capoeira é astuto...
1. SOU UM JOGADOR
Sou um jogador, jogador de capoeira,
capoeira é uma arte da cultura brasileira.
Certo día numa roda, em noite de lua cheia,
eu jogava rasteirinho levantando a poeira.
O día amanhecía lá no fundo do quintal
ao som do pandeiro e o atabaque
acompanhando ao berimbau.
Em meio os golpes ligeiros, uma força me movía
era de mestre Gigante com toda sua valentía.
Viajei o mundo enteiro, percorri os sete mares,
salve meu mestre Gigante era um dos guerreiros de Palmares.

Olha pega esse negro no mato…


CORO: Não dá, não dá para pegar!

Viajei o mundo enteiro, percorri os sete mares,


salve meu mestre Gigante era um dos guerreiros de Palmares.

Olha pega esse negro no mato…


CORO: Não dá, não dá para pegar!

3. CANJIQUINHA MORREU
Era um día de Novembro e nem bem amanheceu
au vou falar para voces oi o que foi que aconteceu,
a cidade já sabía pois a noticia correo
no jornal saio escrito foi Canjiquinha que morreu,
foi se embora mais um mestre (Bis), conhecido e respeitado,
grande contador de historias, oi ai ai, e sempre será lembrado.
Jogo nas rodas de bamba a foi homenageado,
não existe na Bahía, olha quem não conhece uma canção
que falei de Canjiquinha, filho de Cosme e Damião.
E é por isso que eu canto (bis), ai meu Deus! eu repito esse refrão
Deus salvar ao grande mestre ai ai ai,
alegría da nassão, camaradinha.
Hê viva esse mestre
Hê soube jogar

LAUÊ (SER MESTRE)

Ser mestre é difícil mas não impossível


Ser mestre exige sacríficio
Ser mestre é feito com dedicação
Ser mestre é feito com o coração... oi lele laia.

La laue laue laia

Você ensinando aprende também


Você ensinando faz bem a alguém
E vai semeando ao alunos seus
Um pouco de paz um pouco de Deus
La laue laue laia

Se um dia eu cair
Me de a sua mão
Me ajuda a levanter
Pra jogar capoeira la laê laiá

La laue laue laia

2.- Sou Brasileiro


Eh eh camarada
Eh eh camará
EH EH CAMARADA
EH EH CAMARÁ

Eh eh camarada
Eh eh camará
EH EH CAMARADA
EH EH CAMARÁ

Eu que nasci no Brasil Sou Brasileiro


Hoje em dia estou no estrangeiro
Troce meu berimbau para ensinar
A luta que nasceu no cativeiro
No meio da dor e desespero
Que o negro criou pra não apanhar

EH eh camarada
EH eh camará
EH EH CAMARADA
EH EH CAMARÁ

Eh eh camarada
Eh eh camará
EH EH CAMARADA
EH EH CAMARÁ
EH EH CAMARÁ

3.- Ganga Zumba e Zumbi


Lala lae lala lae laia
LALA LAE LALA LAE LAIA
Lala lae lala lae laia
LALA LAE LALA LAE LAIA
Me chama me chama me chama que eu vou
ME CHAMA ME CHAMA ME CHAMA QUE EU VOU
Me chama me chama me chama que eu vou
ME CHAMA ME CHAMA ME CHAMA QUE EU VOU
Lala lae lala lae laia
LALA LAE LALA LAE LAIA

Zumbi era Rei


Ganga Zumba foi Rei
Palmares festejava
ZUMBI ERA REI
GANGA ZUMBA FOI REI
PALMARES FESTEJAVA

Lala lae lala lae laia


LALA LAE LALA LAE LAIA
Me chama me chama me chama que eu vou
ME CHAMA ME CHAMA ME CHAMA QUE EU VOU

Um toque de aviso
Ecuo o tambor
Vai ter guerra senhor do engenho chegou

Lala lae lala lae laia


LALA LAE LALA LAE LAIA
Me chama me chama me chama que eu vou
ME CHAMA ME CHAMA ME CHAMA QUE EU VOU

Grande aldeia palmares


Palmares foi nação
De quilombola do negro fujão

Lala lae lala lae laia


LALA LAE LALA LAE LAIA
Me chama me chama me chama que eu vou
ME CHAMA ME CHAMA ME CHAMA QUE EU VOU
Me chama me chama me chama que eu vou
ME CHAMA ME CHAMA ME CHAMA QUE EU VOU
Lala lae lala lae laia
LALA LAE LALA LAE LAIA

9.- Besouro Preto


Besouro Preto de Manganga
Corpo fechado carregava patúa
BESOURO PRETO DE MANGAGA

La na Bahia sua historia eu vi contar


BESOURO PRETO DE MANGAGA

Oi só morreu porque paro de orar


BESOURO PRETO DE MANGAGA

Fechou seu corpo só com oração


O seu patúa era sua proteção
Numa emboscada em marancagalha
Foi faca de tucum não foi navalha
Besouro Preto

BESOURO PRETO DE MANGAGA


La na Bahia sua historia eu vi contar
BESOURO PRETO DE MANGAGA

Besouro Preto paro de orar


Já não carregava o seu patúa
Seus orixas nada podiam fazer
Uma mão lava a outra
E assim que tem que ser
Besouro Preto

BESOURO PRETO DE MANGAGA


Santo Amaro sua historia eu vi falar
BESOURO PRETO DE MANGAGA

Besouro Preto não sabia ler


Armaram uma tocaia pra ele morrer
Cercaram Besouro em marancagalha
Sem patúa a mandinga falha
Besouro Preto

BESOURO PRETO DE MANGAGA


Corpo fechado carregava patúa
BESOURO PRETO DE MANGAGA

10.- Balanço do Capoeira


Eu faço o nome do pai para na roda entrar
Peço a São Bento pro meu jogo guardar
Se eu cair numa demanda vou lutar pra ganhar
Você que me ver no chão, mas eu só vou balançar

Balanço, balanço e não caiu, não deu


Foi São bento, lhe protegeu
BALANÇO, BALANÇO E NÃO CAIU NÃO DEU

Foi sorte que Deus lhe deu


BALANÇO, BALANÇO E NÃO CAIU NÃO DEU
Veja o que aconteceu
BALANÇO, BALANÇO E NÃO CAIU NÃO DEU

Quem nunca caiu, é porque nunca jogou


Quem nunca trocou, nenhuma historia contou
Já vi na capoeira muito enganador
Não quebra gereba vira tocador

Balanço, balanço e não caiu, não deu


Foi São bento, lhe protegeu
BALANÇO, BALANÇO E NÃO CAIU NÃO DEU

Foi sorte que Deus lhe deu


BALANÇO, BALANÇO E NÃO CAIU NÃO DEU

Ser calmo e preciso com talento já nasceu


Eu sou capoeira nesse mundo de Deus
Vou tocando meu barco de acordo com a maré
Se a onda é grande eu tento ficar de pé

Balanço, balanço e não caiu, não deu


Foi São bento, lhe protegeu
BALANÇO, BALANÇO E NÃO CAIU NÃO DEU

Foi sorte que Deus lhe deu


BALANÇO, BALANÇO E NÃO CAIU NÃO DEU

11.- Luta Regional


Quando seu Bimba criou a regional
Com dois pandeiros e um só berimbau
Subiu no ringue e fez acontecer
A regional do seu Bimba e pra valer
Cabra caiu na capoeira
Levou martelo, cabeçada e rasteira
CABRA CAIU NA CAPOEIRA

A Regional é uma luta brasileira


CABRA CAIU NA CAPOEIRA

Estilo novo é muito eficiente


Apresentou até pro presidente
A Capoeira quando legalizada
Sua academia a primeira registrada
Cabra caiu, meu Deus, na capoeira
toma cuidado com o tombo da ladeira

CABRA CAIU NA CAPOEIRA

Foi no martelo cabeçada e ponteira


CABRA CAIU NA CAPOEIRA

Mas muita gente veio lhe desafiar


Seu Caiçara também foi lá tentar
E foi lá dentro da sua academia
Era valente com ousadia
Cabra caiu, meu Deus, na capoeira
Levou martelo, cabeçada e rasteira

CABRA CAIU NA CAPOEIRA

O mestre Bimba foi bamba na capoeira


CABRA CAIU NA CAPOEIRA

O Mestre bimba então armou o berimbau


Pra defender a capoeira regional
Um pé na boca bem logo na entrada
Seu Caiçara caiu não entendeu nada
E pé meu filho eu falei pra você
Foi mestre Bimba osso duro de roer
Cabra caiu, meu Deus, na capoeira
Cuidado moço com o tombo da ladeira

CABRA CAIU NA CAPOEIRA


O mestre Bimba foi bomba na capoeira

CABRA CAIU NA CAPOEIRA