Você está na página 1de 24

Profª Marcia Zampier

UNICENTRO / 2014

1
Empreendedores Privados
X
Empreendedores Sociais

Empreendedorismo Empresarial
É um processo dinâmico pelo qual indivíduos identificam
ideias e oportunidades econômicas e atuam desenvolvendo-as,
transformando-as em empreendimentos e, portanto, reunindo
capital, trabalho e outros recursos para a produção de bens e
serviços.

Trata-se portanto, de uma atividade econômica geradora de


bens e serviços para venda.

FONTE: Melo Neto e Froes (2002). 2


Empreendedores Privados
X
Empreendedores Sociais

Empreendedorismo Social
Não produz bens e serviços para vender, mas para solucionar
problemas sociais;

Não é direcionado para mercados, mas para segmentos


populacionais em situações de risco social (exclusão social,
pobreza, miséria, risco de vida).

FONTE: Melo Neto e Froes (2002). 3


Diferenças

Empreendedorismo Privado Empreendedorismo Social


É individual É coletivo
Produz bens e serviços para o Produz bens e serviços para a
mercado comunidade
Tem o foco no mercado Tem o foco na busca de soluções
para os problemas sociais
Sua medida de desempenho é o Sua medida de desempenho é o
lucro impacto social
Visa satisfazer necessidades dos Visa resgatar pessoas da situação
clientes e ampliar as de risco social e promovê-las
potencialidades do negócio

FONTE: Melo Neto e Froes (2002, p. 11). 4


Empreendedores Sociais
São pessoas que trazem aos problemas sociais a mesma
imaginação que os empreendedores do mundo dos negócios
trazem à criação de riquezas;
Buscam soluções inovadoras para os problemas sociais
existentes e potenciais;
Seu trabalho consiste em ver onde a sociedade está estagnada e
encontrar uma nova maneira de resolver o problema;
Suas ideias e inovações são adicionadas à metodologia utilizada
na busca de soluções para os problemas sociais, objeto das ações
de empreendedorismo social.
Esse empreendedor é um tipo especial de líder;
Sua medida de sucesso é o impacto social, ou seja, o nº de
pessoas beneficiadas com a solução proposta no programa ou
projeto de empreendedorismo social.
FONTE: Melo Neto e Froes (2002). 5
Empreendedorismo Social
Conceito e Natureza

O processo de empreendedorismo social tem início com uma


ideia, a exemplo do que ocorre com o empreendedorismo
empresarial.
O empresarial começa com a identificação de uma necessidade,
que, se bem definida, apresenta-se como uma oportunidade de
negócio e de mercado.
 No empreendedorismo empresarial, a ideia toma a forma de um
produto ou serviço.
 Já no empreendedorismo social é diferente. A ideia geralmente
está associada a um ou mais problemas sociais relevantes.

FONTE: Melo Neto e Froes (2002). 6


Empreendedorismo Social
Conceito e Natureza

A força e criatividade do empreendedorismo social estão no seu


esperado impacto social, ou seja, na sua capacidade de gerar
soluções eficientes e eficazes para os problemas identificados.
 O empreendedor social conhece os problemas sociais
prioritários e emergentes da cidade, região e país onde atua. Sua
ideia corresponde à sua visão dessas questões.
 A visão representa uma abordagem penetrante do problema, a a
formulação de uma nova estratégia social, de um modelo inovador
de atuação.

FONTE: Melo Neto e Froes (2002). 7


Empreendedorismo Social
Conceito e Natureza

 O impacto social desta ideia-visão-modelo está diretamente


relacionado à capacidade de gerar benefícios, diretos e indiretos,
para o maior nº possível de pessoas afetadas pelo problema
social, e de provocar mudanças significativas na estrutura e
funcionamento do sistema atual (educação, saúde, combate à
violência, etc);
 A ideia também deve ser facilmente assimilada por todas as
pessoas envolvidas, agentes de mudança, gestores e executores
do projeto, parceiros e, sobretudo, pela população beneficiada.
Sua difusão e adoção devem ser imediatas, contínuas e
permanentes.

FONTE: Melo Neto e Froes (2002). 8


Empreendedorismo Convencional
Desafios

São os desafios que emergem das vicissitudes do livre comércio,


do desenvolvimento e aplicação de novas tecnologias, das
mudanças no perfil do consumidor e das normas e legislação
vigentes:
 Competitividade;
 Busca dos diferenciais competitivos;
 Vencer a concorrência;
 Conquistar clientes;
 Alcançar a lucratividade e a produtividades necessárias.

FONTE: Melo Neto e Froes (2002). 9


Empreendedorismo Social
Desafios

 Os desafios decorrem de condicionamentos sociais,


econômicos, políticos e, sobretudo, culturais e ambientais.
 Este empreendedorismo social tema na comunidade o seu
principal eixo de atuação, diferentemente do empreendedorismo
convencional, cuja principal força motriz é o mercado.
 De que precisam as ações de empreendedorismo social para
serem bem-sucedidas?

FONTE: Melo Neto e Froes (2002). 10


Empreendedorismo Social
Desafios
Elas demandam o cumprimento das seguintes exigências:
 Mudanças de comportamento da população;
 Preservação das culturas locais;
 Desenvolvimento de processos de participação;
 Introdução e prática de novas formas de inserção social;
 Engajamento das pessoas no processo;
 Incentivo à iniciativa de auto-sustentação;
 Incentivo à adoção de comportamentos responsáveis e éticos;
 Garantia do uso sustentável de áreas naturais e da proteção das
culturas locais;
 Autogeração de renda e emprego.
FONTE: Melo Neto e Froes (2002). 11
Empreendedorismo Social
Benefícios para a população local

Empreendedorismo Social é um processo de transformação da


sociedade que se caracteriza por diversos elementos:
Aumento do nível de conhecimento da comunidade com relação
aos recursos existentes;
 Aumento do nível de consciência da comunidade com relação ao
seu próprio desenvolvimento;
 Mudança de valores das pessoas que são sensibilizadas,
encorajadas e fortalecidas em sua auto-estima;
 Aumento da participação dos membros da comunidade em
ações empreendedoras locais;
Aumento do sentimento de conexão das pessoas com a sua
cidade, terra e cultura;
FONTE: Melo Neto e Froes (2002). 12
Empreendedorismo Social
Benefícios para a população local

Empreendedorismo Social é um processo de transformação da


sociedade que se caracteriza por diversos elementos:
 Estímulo ao surgimento de novas ideias que incluem alternativas
sustentáveis para o desenvolvimento;
 Transformação da população em proprietária e operadora dos
empreendimentos sociais locais;
 Inclusão social da comunidade;
 Busca de maior auto-suficiência pelos membros da comunidade
local;
 Melhoria da qualidade de vida dos habitantes.

FONTE: Melo Neto e Froes (2002). 13


Empreendedorismo Social
Benefícios para a população local

Percebe-se então que os benefícios para a comunidade local são


diversos: maior conhecimento; conscientização; auto-estima; auto-
suficiência; participação; novas ideias e valores; sentimento de
conexão e, sobretudo novo papel exercido pela população local: de
mão-de-obra barata a proprietária e gestora dos empreendimentos
locais.

FONTE: Melo Neto e Froes (2002). 14


Os espaços de atuação da sociedade
civil

São 3 tipos de espaços públicos aonde as pessoas podem


participar, como:
Comunitário
Público estatal
Público não-estatal

FONTE: Melo Neto e Froes (2002). 15


Os espaços de atuação da sociedade
civil

São 3 tipos de espaços públicos aonde as pessoas podem


participar, como:
Comunitário Atuação das associações
comunitárias e dos
micromovimentos
sociais.

Restrito às ações de
solidariedade e convívio
social entre os moradores
de uma localidade.

FONTE: Melo Neto e Froes (2002). 16


Os espaços de atuação da sociedade
civil

São 3 tipos de espaços públicos aonde as pessoas podem


participar, como:
Público estatal

Órgãos públicos e agências


estatais, prestando
serviços e exercendo o
controle e fiscalização.

FONTE: Melo Neto e Froes (2002). 17


Os espaços de atuação da sociedade
civil
São 3 tipos de espaços públicos aonde as pessoas podem participar,
como: ONG´s
Público não-estatal e
OSCIPs

Organizações da Sociedade Civil de


Interesse Público  pessoas
Atividades jurídicas de direito privado,
desenvolvidas constituídas sob a forma de
associações civis sem fins lucrativos
pelas organizações
que se habilitam à administração de
da sociedade que recursos humanos, instalações e
assumem as equipamentos pertencentes ao
tarefas estatais. poder público e ao recebimento de
recursos orçamentários para a
prestação de serviços sociais.
FONTE: Melo Neto e Froes (2002). 18
Sociedade Sustentável
É uma sociedade com capacidade para encontrar e realizar novas
alternativas para promover o seu próprio desenvolvimento.
É uma sociedade que sabe inovar em termos de ações de geração
de emprego e renda e que busca novas formas de inserção social.
É uma sociedade com acesso à terra, à moradia e aos demais
serviços sociais básicos. E mais, com poder de pressão e
mobilização, consciente de seus direitos e apta no exercício e
promoção da cidadania.
É uma coletividade onde o consumismo é substituído pelo crescente
montante de recursos destinados à inserção e ao reinvestimento na
própria comunidade.
É onde existe uma vontade política forte e direcionada para o
desenvolvimento auto-sustentável do local e da região, e cujo
resultado final é o bem-estar social.
FONTE: Melo Neto e Froes (2002, p. 103). 19
Comunidades Sustentáveis

É aquela comunidade que possui alta capacidade de gestão;


participação; integração; iniciativa; produção; articulação;
mobilização; organização aliada a um alto grau de conscientização;
sensibilização; senso de solidariedade e preservação de sua
identidade e objetivo comum.

O empreendedorismo social depende de comunidades


sustentáveis para gerar resultados satisfatórios.

Sem a força da comunidade, sem a prática da cidadania ativa,


projetos de empreendedorismo social tornam-se insustentáveis,
definham rumo ao desaparecimento.

FONTE: Melo Neto e Froes (2002). 20


Exemplos de Projetos/Programas de
Empreendedorismo Social

Soro caseiro
Bolsa-escola
Médicos de família
Universidade solidaria

FONTE: Melo Neto e Froes (2002). 21


Mas afinal, o que é
SUSTENTABILIDADE?

22
Sustentabilidade

Pode ser entendida como:


 Um conceito ecológico: como a capacidade que tem um
ecossistema de atender às necessidades das populações que nele
vivem, ou seja, refere-se aos recursos naturais existentes numa
sociedade que suportam às ações empreendedoras locais;
 Um conceito político: que limita o crescimento em função da
dotação de recursos naturais, da tecnologia aplicada no uso
desses recursos e do nível efetivo de bem-estar da coletividade, ou
seja, a sustentabilidade representa a capacidade da sociedade
organizar-se por si mesma.

FONTE: Melo Neto e Froes (2002, p. 105). 23


REFERÊNCIAS

MELO NETO, F. P.; FROES, C. Empreendedorismo Social: A


transição para a sociedade sustentável. Rio de Janeiro:
Qualitymark, 2002.

24

Você também pode gostar