Você está na página 1de 48

O que é o Petróleo ??

Mistura de hidrocarbonetos parafínicos,


naftênicos e aromáticos em proporções
variáveis contendo como impurezas
compostos de S, N, O e metais.
Estão associados ao petróleo gás
natural, sedimentos (areia) e água salgada.
A separação da água e dos sedimentos é
iniciada no campo de produção pois não
estão incorporadas ao óleo (impurezas
oleofóbicas) e finalizada nas refinarias
(dessalinização).
Composição elementar média

Elemento % em peso
Carbono 83 a 87
Hidrogênio 11 a 14
Enxofre 0,06 a 8
Nitrogênio 011 a 1,7
Oxigênio 0,50
Metais ( Fe, Ni, V etc.) 0,30
Origem:

Resultado de uma lenta degradação


bacteriológica de substâncias orgânicas que
se depositaram no fundo dos lagos.
HISTÓRIA

O petróleo era conhecido já na


antiguidade, devido a afloramentos
frequentes no Oriente Médio. No Antigo
Testamento, é mencionado diversas vezes, e
estudos arqueológicos demonstram que foi
utilizado há quase seis mil anos.
Os registros históricos da utilização do
petróleo remontam a 4000 a.C. Os povos da
Mesopotâmia, do Egito, da Pérsia e da Judéia
já utilizavam o betume para pavimentação de
estradas, calafetação de grandes construções,
aquecimento e iluminação de casas,
lubrificação e até como laxativo.
No início da era cristã, os árabes davam ao
petróleo fins bélicos e de iluminação. Alguns
povos utilizavam o petróleo há cerca de 600
anos para o cozimento de alimentos,
iluminação e aquecimento.

O petróleo de Baku, no Azerbaijão, já era


produzido em escala comercial, para os
padrões da época, quando Marco Polo viajou
pelo norte da Pérsia, em 1271.
A moderna indústria petrolífera data de
meados do século XIX. Em 1850, na Escócia,
James Young descobriu que o petróleo podia
ser extraído do carvão e xisto betuminoso, e
criou processos de refinação.
Em agosto de 1859 o americano Edwin
Laurentine Drake, perfurou o primeiro poço
para a procura do petróleo, na Pensilvânia,
ele fez jorrar petróleo em escala comercial
iniciando uma corrida ao chamado ouro
negro fazendo com que a produção mundial
no ano seguinte atingisse a marca de 70.000
toneladas. O poço revelou-se produtor e a
data passou a ser considerada a do
nascimento da moderna indústria petrolífera.
A produção de óleo cru nos Estados
Unidos, de dois mil barris em 1859,
aumentou para aproximadamente três
milhões em 1863, e para dez milhões de
barris em 1874.

Em 1887, com o advento dos motores a


explosão, as frações de petróleo passaram a
ter grandes aplicações, surgindo assim a
gasolina, o diesel e o querosene de aviação
etc.
Até o final do século XIX, os Estados
Unidos dominaram praticamente sozinhos o
comércio mundial de petróleo, devido em
grande parte à atuação do empresário John D.
Rockefeller. A supremacia americana só era
ameaçada, nas últimas décadas do século
XIX, pela produção de óleo nas jazidas do
Cáucaso, exploradas pelo grupo Nobel, com
capital russo e sueco.
Em 1901 uma área de poucos
quilômetros quadrados na península de
Apsheron, junto ao mar Cáspio, produziu
11,7 milhões de toneladas, no mesmo ano
em que os Estados Unidos registravam uma
produção de 9,5 milhões de toneladas. O
resto do mundo produziu, ao todo, 1,7
milhão de toneladas.
Outra empresa, a Royal Dutch–Shell Group,
de capital anglo–holandês e apoiada pelo
governo britânico, expandiu-se rapidamente
no início do século XX, e passou a controlar a
maior parte das reservas conhecidas do
Oriente Médio. Mais tarde, a empresa passou
a investir na Califórnia e no México, e entrou
na Venezuela.
Paralelamente, companhias europeias
realizaram intensas pesquisas em todo o
Oriente Médio, e a comprovação de que a
região dispunha de cerca de setenta por
cento das reservas mundiais provocou
reviravolta em todos os planos de exploração.
A primeira guerra mundial pôs em
evidência a importância estratégica do
petróleo. Pela primeira vez foi usado o
submarino com motor diesel, e o avião surgiu
como nova arma. A transformação do
petróleo em material de guerra e o uso
generalizado de seus derivados – era a época
em que a indústria automobilística começava
a ganhar corpo – fizeram com que o controle
do suprimento se tornasse questão de
interesse nacional.
O governo americano passou a incentivar
empresas do país a operarem no exterior.
Refino

O óleo cru extraído do poço não tem


aplicação direta. A sua utilização ocorre por
meio de seus derivados. Para que isso ocorra,
o petróleo é fracionado em seus diversos
componentes através do refino ou destilação
fracionada.
Este processo aproveita os diferentes
pontos de ebulição das substâncias que
compõem o petróleo, separando-as e
convertendo em produtos finais.
Os derivados mais conhecidos são:

 Gás liquefeito (GLP) ou gás de cozinha;


 Gasolina;
 Naftas;
 Óleo diesel;
 Querosene de aviação e de iluminação;
 Óleos combustíveis;
 Asfaltos;
 Lubrificantes;
 Combustíveis marítimos;
 Solventes;
 Parafinas;
 Coque de petróleo.
Qualidade do petróleo

Conhecer a qualidade do petróleo que vai


ser destilado é imprescindível para os
processos de refino, porque, dependendo da
sua composição química e do seu aspecto,
serão produzidos tipos distintos de derivados
em proporções diferentes.
Qualidade do petróleo

Petróleo mais leve produz maior volume de


gasolina, GLP e naftas (produtos leves);
qualidades mais pesadas produzem mais óleos
combustíveis e asfaltos; tipos com densidade
intermediária produzem derivados médios,
como o óleo diesel e o querosene.
Qualidade do petróleo

Para se analisar a qualidade deve-se levar


em conta alguns aspectos:

o tipo de solo de onde o petróleo foi extraído e


a natureza da matéria orgânica que lhe deu
origem são fatores determinantes na variação
da composição química, densidade e coloração
do petróleo.
Qualidade do petróleo

O processamento do petróleo mais pesado,


como o encontrado no Brasil, requer uma
capacidade maior das unidades para converter
as frações em combustíveis nobres.

22/09/14
Destilação atmosférica e a vácuo

A primeira etapa do processo de refino é a


destilação atmosférica. O petróleo é aquecido e
fracionado em uma torre que possui pratos
perfurados em várias alturas.

Como a parte inferior da torre é mais


quente, os hidrocarbonetos gasosos sobem e
se condensam ao passarem pelos pratos.
Destilação atmosférica e a vácuo

Nessa etapa são extraídos, por ordem


crescente de densidade, gases combustíveis,
GLP, gasolina, nafta, solventes e querosenes,
óleo diesel e um óleo pesado, chamado resíduo
atmosférico, que é extraído do fundo da torre.
Esse resíduo é então reaquecido e levado
para uma outra torre, onde o seu
fracionamento ocorrerá a uma pressão abaixo
da atmosfera.
Destilação atmosférica e a vácuo

Nesta torre será extraída mais uma parcela


de óleo diesel e um produto chamado
genericamente de Gasóleo, que não constitui
um produto pronto. Ele servirá como matéria-
prima para produção de gases combustíveis,
GLP, gasolina e outros.
Destilação atmosférica e a vácuo

O resíduo de fundo da destilação a vácuo é


recolhido na parte inferior da torre e será
destinado à produção de asfalto ou será usado
como óleo combustível pesado.
Craqueamento
Este processo quebra as moléculas de
hidrocarbonetos pesados, convertendo-as em
gasolina e outros destilados com maior valor
comercial. Os dois principais tipos são o
craqueamento térmico e o catalítico.
Craqueamento Térmico

Coqueamento: o resíduo da destilação é


aquecido acima de 482 ºC até o craqueamento
em óleo pesado, gasolina , nafta e um resíduo
de carbono (coque).
Craqueamento Catalítico

Utiliza um catalisador que é uma


substância que facilita essa conversão, porém
em condições de pressão mais reduzidas. Os
catalisadores mais usados são: platina, alumina
ou sílica.
Em ambos os tipos de craqueamento a
utilização de temperaturas relativamente altas
é essencial.
Polimerização

Por meio deste processo ocorre a


combinação entre moléculas de
hidrocarbonetos mais leves do que a gasolina
com moléculas de hidrocarboneto de
densidades semelhante.
O objetivo do processo é produzir gasolina
com alto teor de octano (hidrocarboneto com
oito carbonos), que possui elevado valor
comercial.
Alquilação

É um processo semelhante ao da
polimerização. Também há conversão de
moléculas pequenas de hidrocarbonetos em
moléculas mais longas, porém difere da
polimerização porque neste processo pode
haver combinação de moléculas diferentes
entre si.
Alquilação

A gasolina obtida por meio da alquilação


geralmente apresenta um alto teor de
octanagem, sendo de grande importância na
produção de gasolina para aviação.
Dessulfurização
Processo utilizado para retirar compostos
de enxofre do óleo cru, tais como: gás
sulfídrico, mercaptanas, sulfetos e
dissulfetos.

Este processo melhora a qualidade


desejada para o produto final.
Dessalinização e desidratação
O objetivo destes processos é remover sal
e água do óleo cru. Por meio dele o óleo é
aquecido e recebe um catalisador. A massa
resultante é decantada ou filtrada para retirar
a água e o sal contidos no óleo.
São compostos químicos constituídos
apenas pelos elementos carbono (C) e
hidrogênio (H).

Os hidrocarbonetos presentes no petróleo


cru podem ser agrupados em : alcanos,
ciclanos e aromáticos.
Alcanos

- Fórmula geral CnH2n+2


- Parafinas normais - 15 a 20% em peso de
óleo.
- Isoparafinas - cerca de 1% em peso.
Ciclanos

- Fórmula geral CnH2n contendo um ou mais


anéis saturados, são conhecidos como
naftênicos por se concentrarem na fração
do óleo denominada nafta.

- Hidrocarbonetos naftênicos - 20 a 40% em


peso do óleo
Aromáticos

- Fórmula geral CnHn.

- Cadeia fechada.
O petróleo que é extraído dos poços, na
terra ou no mar, é transportado através de
oleodutos ou navios petroleiros até os
terminais marítimos - um porto especial
para carga e descarga. Outra etapa do
processo é levar esse petróleo dos
terminais até as refinarias, onde será
processado e dará origem a gasolina,
diesel, gás, óleo combustível, lubrificantes,
asfalto entre outros derivados.
A empresa subsidiária Petrobras
Transporte S.A. (Transpetro) é a responsável
pelo transporte e armazenagem do petróleo e
seus derivados.
A atividade de distribuição engloba a
aquisição, armazenamento, transporte,
comercialização e o controle de qualidade
dos combustíveis. A empresa responsável por
esta atividade é a subsidiária Petrobras
Distribuidora, que mantém um rigoroso
sistema de controle de qualidade: o Programa
"De Olho no Combustível". A empresa conta
com uma rede de mais de sete mil postos e é
a única a estar presente em todo o território
nacional.
bajhs