Você está na página 1de 2

1° Parte da Aula – Estado, Patrimônio cultural y comunidades indígenas: Machu Picchu y la história

de um diálogo assimétrico

Patrimônio Pré-hispânico

• Países desenvolvidos
• Estados Nacionais - “Patrimônio Nacional”
• Povos indígenas
• “patrimônio mundial” (UNESCO)

Patrimônio Indígena

• Patrimônio Nacional
• Patrimônio mundial
• Alheios
• Não seriam consultados

Repatriação e Reparação

Opinião da professora: Pensar na importância cultural “latino-americana” desse patrimônio pré-


hispânico.

Poema do Pablo Neruda - Alturas de Machu Picchu

• Exaltar essa ideia de uma américa ancestral

2° Parte da aula – Cultura Material

• Ulpiano Bezerra de Meneses - “A cultura material no estudo das sociedades antigas (1983)”
• Riscos em trabalhar com fontes arqueológicas
• Usar a fontes escritas como fonte Primária
• Crítica: As coisas materiais revelariam apenas uma parte do fenômeno histórico - Isso
acontece com qualquer fonte histórico, pois nenhuma fonte histórica da exatidão no sentido
histórico (daria conta só de uma parte do conteúdo histórico)
• Lixo - Aquilo que foi excluído da atividade cultural
• Boas partes do conteúdo material são encontrados em túmulos, corpos, fosseis, “restos”
• Particularidades das fontes materiais: Uma vantagem dessas fontes é a maior ubiquidade,
pois sempre irá existir fonte material em qualquer estudo, também terá uma menor
“permeabilidade ideológica”, mas alguns materiais ainda podem ajudar na identificação de
ideologias, outra característica é a predominância do anonimato e é conhecida por ser
quantitativa. As fontes materiais ajudam identificar uma vida cotidiana

Opinião do autor sobre Cultura Material: Por cultura material poderíamos entender aquele
segmento do meio físico que é socialmente apropriado pelo homem. Por apropriação social convém
pressupor que o homem intervém, modela, dá forma a elementos do meio físico, segundo
propósitos e normas culturais. Essa ação, portanto, não é aleatória, casual, individual, mas se alinha
conforme padrões, entre os quais se incluem os objetivos e projetos. Assim, o conceito pode tanto
abranger artefatos, estruturas, modificações da paisagem, como coisas animadas (uma sebe, um
animal doméstico), e, também, o próprio corpo, na medida em que ele é passível desse tipo de
manipulação (deformações, mutilações, sinalizações) ou, ainda, os seus arranjos espaciais (um
desfile militar, uma cerimônia litúrgica).