Você está na página 1de 2

Análise do conto "George", de Maria Judite

Carvalho: a liberdade e suas decorrências

ESCRITO POR ANÔNIMO 14:18 //


Gi, George, Georgina. Assim, com os nomes dispostos exatamente nesta ordem, podemos ver
uma ligação entre as três personagens do conto de Maria Judite Carvalho, da obra Seta
Despedida, percepção que não temos nas primeiras linhas: Gi-orgi-na. Um nouveau-roman, que
me segurou a cada linha, e me fez ir e voltar na narrativa, assim como a personagem principal
faz com sua vida: vai e volta, para enfim poder partir.

Se afirmando como personagem do "novo romance", George sofre um processo de


deterioração, perde sua identidade - Gi - e se mascara. Larga (ou perde?) a Gi, na vila onde
morou com sua família e seu ex-noivo, mas tem de reencontrá-la, mesmo que de forma
efêmera, ao receber sua antiga casa como herança.

Mas George agora é uma estimada pintora, residente - por quanto tempo? - de Amsterdam e
não quer o seu passado de volta. E para se livrar dele, definitivamente, vende a casa - símbolo
de refúgio para os homens, uma estabilidade que ela não quer. A personagem, além de um
pseudônimo - estrangeiro, reafirmando sua máscara social -, mantém apenas malas que
"agora são caras, leves, malas de voar, e com rodinhas". Casa? Nem pensar. A velhice mora
nelas - e a liberdade passa bem longe -, e talvez, por isto, encontrou com Georgina na
residência de seus falecidos pais.

Georgina, assim como Gi, é uma personagem que não tem traços definidos; mas em
contrapartida, seu sorriso nada a ver tem com o da outra: "por que havia de ter? -, são como
o dia e a noite". Gi está, aos olhos da sociedade, em seu melhor momento: 18 anos, noiva,
com o enxoval pronto. Já Georgina tem quase 70 anos de idade, consciente da proximidade
da morte, com dinheiro no banco e sem muita perspectiva de vida. Ao contrário do que
George imagina, a velhice, "o único crime sem perdão", irremediavelmente acordou na casa
alugada e mobiliada de Georgina. E nada adiantou morar em quartos e apartamentos sem
mobília própria, porque a velhice, sem pedir licença, entra pela porta da frente.

George é uma personagem descentralizada, desertificada, que não se deixa envolver por
objetos ou por pessoas que a prenda. A ausência de mobília própria lhe dá a possibilidade de
deslocar-se facilmente: "Teve muitos amores, grandes e não tanto, definitivos e passageiros,
simples amores, casou-se, divorciou-se, partiu, chegou, voltou a partir e a chegar, quantas
vezes?". Mas por quê?

Por que George larga Gi, seu noivo, seus pais e seu enxoval na vila? Será George apenas um
ser disposto a subverter a sociedade machista portuguesa com um pseudônimo masculino e
estrangeiro? Terá tido George amores femininos, por isto largou (ou perdeu?) o noivo
português? O que o nome George tem a nos dizer da personagem? Será uma personagem
biologicamente mulher, porém com identidade de gênero masculina? Serão,
respectivamente, Gi, George e Georgina a pátria antes da guerra, durante a guerra e pós
guerra (país desfigurado)? Será, também, a casa um símbolo para a pátria mãe, lugar onde
muitos não queriam estar e por isto migravam?

Creio que a resposta seja sim para todas as questões. George viveu em uma época bem mais
opressora do que a que vivemos hoje. Seus pais lhe arranjaram um casamento; sua mãe
preparou seu enxoval. George largou toda a expectativa que seus genitores descarregavam
em cima dela e perdeu-se no mundo. Casou-se, divorciou-se, teve vários amores - que não
têm o gênero definido e nem há necessidade. George mantém um pseudônimo masculino e
estrangeiro para projetar sua arte. Teria ela tanta notoriedade assinando com um nome
português e feminino? Provavelmente não.
George quer liberdade, conquistar o mundo, ser senhora de si. E, para uma mulher, talvez
isso signifique solidão. "George" é o grito de "uma voz estrangulada" e está reunido, junto
com outros contos de despedidas (de despedir-se ou ser despedida?), na obra "Seta
Despedida". O nome da obra nos dá a ideia de algo que vai e não volta ("seta despedida não
volta ao arco"), assim como George. Quando volta, obrigada, volta para despedir-se de seu
passado (vende a casa e com ela todas as lembranças). Mas, irremediavelmente, encontra
também com outro fantasma: seu futuro. Georgina está só, com as mãos trêmulas - o que lhe
impede de trabalhar - e lamentando a perda de recordações de seu passado. Georgina, por
absoluta falta de escolha - a morte -, tenta se reapropriar do que é seu, em vão.

George é a decisão, Georgina as consequências dela. E Gi? Alguém que se perdeu (de forma
proposital ou não) durante esse processo.
Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no Facebook