Você está na página 1de 32

A lenda da Iara

Também conhecida como a “mãe das águas”. Iara é uma personagem do folclore brasileiro. De acordo com a
lenda, de origem indígena, Iara é uma sereia (corpo de mulher da cintura para cima e de peixe da cintura para baixo)
morena de cabelos negros e olhos castanhos.
A lenda conta que a linda sereia fica nos rios do norte do país, onde costuma viver.
Nas pedras das encostas, costuma atrair os homens com seu belo e irresistível canto. As vítimas costumam
seguir Iara até o fundo dos rios, local de onde nunca mais voltam. Os poucos que conseguem voltar acabam ficando
loucos em função dos encantamentos da sereia. Neste caso, conta a lenda, somente um ritual realizado por um pajé
(chefe religioso indígena, curandeiro) pode livrar o homem do feitiço.

http://www.suapesquisa.com/folclorebrasileiro/lendadaiara

1 – Qual o gênero do texto que você leu?

2 – Para que servem as lendas?

3 – Como é conhecida a Iara?

4 – Qual o nome da lenda que você acabou de ler?

5 – A lenda conta a história de qual personagem folclórico?

6 – Como o texto descreve a sereia?

7 – Como a Iara costumava seduzir os homens?

8 – Depois de seduzir os homens, o que acontecia com eles?


Festa na testa da vaca

Julieta, a vaquinha, pastava contente


Um capim verdinho, muito atraente.
Mas veio uma mosca, pousou na sua testa
E chamou o mosquito, para fazerem juntos uma festa.

O zumbido atraiu dona Borboleta.


E os três irritavam a pobre Julieta.
Chateada, a vaquinha decidiu de uma vez:
Deu uma testada e... esmagou os três.

1 – Qual o gênero do texto que você leu?

2 – Para que servem os poemas?

3 – Onde se passa a história?

4 – Quais as informações do texto que mostram isso?

5 – Qual foi a decisão que a vaca Julieta tomou?

6 – Por que ela tomou essa decisão?

7 – O título da história está de acordo com o poema? Por quê?

8 – O que você achou da reação da vaca Julieta?


O macaco de óculos

Um macaco, que se achava muito esperto e inteligente, estava ficando velho e já não enxergava muito bem.
Preocupado com isso, resolveu sua esperteza e saber o que os homens fazem quando ficam velhos e já não enxergam
bem.
Conversando com alguns, descobriu que era preciso usar óculos. Arranjou seis pares de óculos para não correr
o risco de um só não dar certo.
Pendurou um no pescoço, outro no rabo, um na cabeça, outro na nuca, um no pé, um outro na mão, mas
nada! Continuava sem enxergar. Cheirou, lambeu, mudou as posições e não conseguiu nenhum resultado.
Continuava enxergando mal, o macaco, então pensou que estava sendo enganado pelos homens. Ficou
furioso!
Pegou seus pares de óculos, jogou-os no chão e pisou em cima.
Coitado! Continuou sem enxergar!

1 – Quem é o personagem da história?

2 – O macaco não enxergava bem por que?

3 – Para descobrir como enxergar melhor, o macaco foi conversar com quem?

4 – Em quais lugares do corpo, o macaco pendurou os óculos?

5 – O macaco pensou que estava sendo enganado pelos homens. O que é ser enganado?

6 – “Só podia ser engraçado, macaco botar óculos no rabo”. Na frase, o que a palavra botar significa?
A pipa e a flor

Era uma vez uma pipa de cara risonha que ficou enfeitiçada por uma florzinha maravilhosa. Não conseguindo
mais viver sem ela, deu sua linha para a flor segurar. A flor, então soltou a linha para a pipa voar bem alto.
Mas a flor, aqui debaixo, percebeu que estava ficando triste. Não, não é que estivesse ficando triste. Estava
ficando com raiva. Que injustiça que a pipa pudesse voar tão alto, e ela tivessem de ficar plantada no chão. E teve
inveja da pipa.
Tinha raiva ao ver a felicidade da pipa, longe dela...
Tinha raiva quando via as pipas lá em cima, tagarelando entre si. E a flor, sozinha, deixada de fora.
- Se a pipa me amasse de verdade não poderia estar feliz lá em cima longe de mim. Ficaria o tempo todo
comigo...
E a inveja juntou-se ao ciúme.
Inveja é ficar infeliz vendo as coisas bonitas e boas que os outros têm, e nós não.
Ciúme é a dor que dá quando a gente imagina a felicidade do outro, sem que a gente esteja com ele.
E a flor começou a ficar malvada.
Ficava emburrada quando a pipa chegava.
Exigia explicação de tudo.
E a pipa começou a ter medo de ficar feliz, pois sabia que isto faria a flor sofrer.
E a flor foi aos poucos encurtando a linha.
A pipa não mais podia voar.
Via, ali do baixinho, de sobre o quintal (esta era toda a distância que a flor lhe permitia voar) as outras pipas, lá
de cima... E sua boca foi ficando triste. E percebeu que já não gostava tanto da flor, como no início.

Rubens Alves, A pipa e a flor. São Paulo, Loyola, s/d... 3ª edição.

1 – O que a pipa sentiu quando subiu bem alto?

2 – Para a pipa, o que era bom saber quando estava lá no alto?

3 – Quem, lá embaixo, esperava a pipa?

4 – Por que a pipa não podia mas voar?

5 – Qual foi o sentimento da pipa em relação à flor, quando via as outras pipas voando lá em cima?

6 – Você achou correta a atitude da flor?

7 – Quem é o autor desta história?

8 – Você gostou do final da história? Por quê?


A carta

Hoje fiquei animado.


O carteiro me entregou
Uma carta de um grande amigo
Que muito me alegrou!

Na carta ele escrevia


Que tinha muita saudade
E que qualquer dia
Voltaria para nossa cidade.

Comecei a pensa
Nos programas que iríamos fazer:
Visitar alguns amigos
E nos divertimos a valer.

1 – O que o carteiro entregou?

2 – De quem era a carta?

3 – O que dizia a carta?

4 – Como o personagem do poema ficou?

5 – O que o personagem escreveu na carta?


O boto que já nasceu triste

O boto Ninho nasceu forte e corado. Como todos os bebês, mamava com muito apetite. Em volta, os botos
discutiam com quem ele se parecia. Enquanto havia dúvidas sobre isso, todos concordavam num ponto:
- O boto Ninho tem uma expressão muito triste. Por que será?
Ele somente se acalmou no colo da mamãe. Um cardume de tucunaré ficou olhando e depois aplaudiu aquele
lindo espetáculo.
O boto Ninho havia nascido com a expressão triste porque sabia dos perigos que teria de enfrentar. O homem
se instalará na região, com firme propósito de explorar os botos, ou matá-los e aproveitar partes do seu corpo como
amuletos (a lenda diz que seus olhos e dentes dão sorte) ou ainda como atração turística em outras regiões.
Esta história foi escrita por Arnaldo Niskier e faz parte do livro O boto e o raio de sol, da Editores Melhoramentos.

1 – Como nasceu o boto?

2 – Em que ele se assemelhava aos bebês?

3 – Por que o boto Ninho nasceu com a expressão triste?


O patinho feio

Num bosque, perto de um lago, uma pata fez seu ninho. O patinho que nasceu por último era feio e passou a ser ,
maltratado pela mãe, pelos irmãozinhos e pelos outros patos.
Um dia, não suportando mais, o patinho feio foi embora. Ele viveu, então, muitas aventuras e passou por outros
sofrimentos. Finalmente, se viu num magnífico jardim. Aí encontrou três belos cisnes e descobriu que ele era, na
verdade, um cisne, um lindo cisne.

1 – Quem é o personagem principal da história?

2 – Qual é a característica principal desse personagem?

3 – Onde se passa a história?


O mutirão da limpeza

O leão Papelão convocou uma reunião. Todos foram chegando: o gavião Pimentão, o pavão Lilico, o leitão
Bolão, o macaco Limão e a rãzinha Bilinha.
- Por favor, façam silêncio.
O momento é de atenção. Vocês viram como nossa floresta esta suja? Todos tragam água, sabão, vassoura e
pano de chão.
- Isso mesmo. Ninguém respeita nada. Jogam tudo na mata.
O gavião Pimentão e o leitão Bolão pegaram um escovão e começaram a lavar os portões e as janelas das
casas.
A rãzinha, o pavão e o macaco Limão foram catar os papéis e as latas velhas.
A floresta foi ficando linda! Tudo limpinho e brilhando.
O leão Papelão agora é o capitão. Se a sujeira começa a aparecer, convoca mutirão, com a vassoura na mão.

1 – Quem convocou a reunião?

2 – Quem chegou para a reunião?

3 – Qual era o objetivo para a reunião?

4 – Por onde começou a limpeza?


Diferentes tipos de família
Raphaela Antônia Sousa Silva

Família é uma confusão


Porém seu Significado
É de Paixão,
Ede grande coração.

O amor de família
É de verdade
É puro, e contém
Solidariedade.

Muitas vezes a família


É muito engraçada,
Acabamos falando sem querer,
Um tanto de Piada.

Família não precisa ser de DNA,


Pois família que é família
É baseada em amar.

Família faz diversos


Programas de diversão,
Jogar um jogo, ir ao parque.
Ouve um DVD na televisão.

Minha família
Não é aquela Sorridente da TV
Somos a família engraçada
Cabeça pra baixa, doidona
Que só quem está de perto
E a gente consegue ver.

Minha família
É pura União,
Nunca me deixa
Na solidão.

Corações feios ou partidos,


Sendo de famílias,
Permanecem Unidos.

1 – O que significa família?

2 – Por que a família não precisa ser de DNA?

3 – Como é a família do texto?


Raiozinho de sol

Um raiozinho fugiu do sol e ficou escondido. Ele queria ver o que acontecia na floresta, quando acabava o dia.
Dentro da noite, o raiozinho parecia um sol. Por isso os passarinhos não foram para os ninhos, as abelhas zumbiam
sobre as flores e as formigas carregavam alimentos. Eles diziam cansados:
- Que dia comprido! Não tem fim!
Quando amanheceu de verdade, as aves dormiam fora dos ninhos, as abelha fora da colmeia e as formigas no caminho
do formigueiro.
O raiozinho viu que sua curiosidade havia atrapalhado a vida da floresta, não deixando os bichos descansarem.
Arrependido, voltou para o seu pai sol.
Isa R. de Azevedo Sousa. Pequenos contos para gente pequena. Nº 2. São Paulo. Editora do Brasil.

1 – Que motivo o raiozinho de sol tinha para fugir?

2 – O que os animais diziam, cansados?

3 – O que o raiozinho de sol achou da própria curiosidade?

4 – Dentro da noite o que o raiozinho parecia?

5 – Por que os animais não foram dormir?

6 – Ao final da história, como o raiozinho ficou?

7 – Você também tem curiosidade sobre alguma coisa?


Era uma vez uma mãe porca que tinha três porquinhos um dia ela resolveu que chegaria a hora de seus filhos
conhecerem o mundo sendo assim, os três porquinhos se despediram da sua mãe, e partiram cada um por um caminho
diferente.
O primeiro porquinho se cansou de andar, fez uma casinha de palha e deitou-se para dormir.
Chegou um lobo faminto e disse:
- Abre a porta porquinho, ou soprarei com força e a tua casa derrubarei.
O porquinho não abriu, o lobo então soprou com força, a casa se desmanchou e o porquinho correu para a casa
de seu segundo irmão.
O segundo porquinho também era um pouco preguiçoso. Quando ficou cansado, fez uma cabana de galhos e foi
brincar com seu irmão.
O lobo faminto chegou dizendo:
- Abre a porta porquinhos ou soprarei, soprarei e tua casa derrubarei.
Os porquinhos não quiseram abrir, então o lobo soprou e soprou, derrubou a cabana e os porquinhos saíram
correndo para a casa do terceiro irmão.
O terceiro porquinho era muito trabalhador.
Quando decidiu buscar um lugar para morar. Construiu uma casa com tijolos e cimento.
Novamente apareceu o lobo e bateu na porta da casa do terceiro porquinho.
- Abre ou soprarei, soprarei e tua casa derrubarei!
- Podes sobrar quanto quiseres – disse o porquinho – que não tenho medo!
O lobo soprou e soprou com todas as suas forças até ficar vermelho, mas a casa não se mexeu nem um
pouquinho.
- Olha que vais ficar cansado – zombaram os porquinhos que estavam tranquilos.
O terceiro porquinho tinha feito um bom trabalho, e a casa era muito resistente.
O lobo, astuto, subiu no telhado e desceu pela chaminé estava disposto a entrar na casa de qualquer forma.
Porém, os porquinhos perceberam as intenções do lobo e destamparam o caldeirão com água fervendo que
estava na lareira.
O lobo caiu na panela e queimou-se com a água saiu em disparada e nunca mais voltou a aparecer.

1 – Qual é o título do texto?

2 – Quais os personagens que aparecem no texto?

3 – Qual o gênero do texto?

4 – Para que servem os contos?

5 – A mãe porca resolveu o que?

6 – De que o primeiro porquinho fez sua casa?

7 – O segundo porquinho fez sua casa de que?

8 – Quem foi o porquinho que construiu uma casa de tijolos e cimento?

9 – Quem diz a frase: “Abre ou soprarei e tua casa derrubarei”?

10 – O que aconteceu com o lobo depois que ele subiu pela chaminé?

11 – Como era o terceiro porquinho?


A foca
Quer ver a foca
Ficar feliz?
É por uma bola
No seu nariz.

Quer ver a foca


Bater palminha?
É dar a ela
Uma sardinha.

Quer ver a foca


Fazer uma briga?
É espetar ela
Bem na barriga!

1 – Qual o gênero do teto que você leu?

2 – Para que servem os poemas?

3 – Como a foca bate palminha?

4 – Como a foca fica quando se coloca uma bola no seu nariz?

5 – Qual o título do poema?

6 – O nome do autor é?

7 – Quando a foca faz um briga?

8 – Onde mora uma foca?


Irmão Prático

Estamos com muito medo!


O lobo passou por aqui e
Nossas casinhas caíram.
Terça-feira mudaremos
Para sua casa.
Até logo
Heitor e Cícero
14/10/2006

1 – Qual o gênero do texto que você leu?

2 – Para que servem os bilhetes?

3 – Quem mandou o bilhete?

4 – Qual foi a mensagem?

5 – Qual foi a despedida feita no bilhete?

6 – Quem recebeu o bilhete?


Borboletas multicores

Venham participar do arrasta pé no jardim das margaridas na primeira noite de lua cheia na hora
em que a coruja começar a cantar.
A música correrá por conta do rouxinol azul.
Vocês vão adorar.
DONA LELÉ, A joaninha que dança balé.

1 – Qual o gênero do texto que você leu?

2 – Para que servem os convites?

3 – Para quem é o convite?

4 – Quem está convidando?

5 – Para que dona Lelé convida?

6 – Em que noite será o arrasta pé?

7 – Em que horas será o arrasta pé?

8 – Quem irá tocar e cuidar das músicas?

9 – Onde vai acontecer a festa?

10 – O que significa borboletas multicores?

11 – O que faz dona Lelé?


A chácara do Chico Bolacha
(Cecília Meireles)

Na chácara do Chico Bolacha


o que se procura
nunca se acha.

Quando chove muito


Chico brinca de barco,

porque a chácara
vira charco.

Quando chove nada,


Chico trabalha na enxada.

E logo se machuca
e fica de mão inchada.

Por isso, com o Chico Bolacha


o que se procura nunca se acha.

Dizem que a chácara do Chico


só tem chuchu

e um cachorro coxo
que se chama Caxambu.

Outra coisa, ninguém procure,


porque não se acha.

Coitado do Chico Bolacha.

1 – Qual é o título do texto?

2 – Que gênero é este?

3 – Para que servem os poemas?

4 – De quem é a chácara?

5 – De que o Chico brinca quando chove?

6 – O que ele faz quando não chove?

7 – O que tem na chácara do Chico Bolacha?

8 – Qual o assunto principal do texto?


Navio

O navio já vai longe


Já partiu para o alto mar.
Em barquinhos e jangadas
Pescadores vão pescar.

1 – Qual o título do texto?

2 – Para onde foi o navio?

3 – O que os pescadores vão fazer?

4 – Em que eles vão?

5 – Quais são os meios de transporte do texto?

6 – Geralmente o que os pescadores pescam?


Chico Cochicho

Esta é a chácara do Chico Cochicho


Onde você vai poder achar
Muita planta, gente e bicho.

Mas na chácara do Chico Cochicho


Você nunca vai achar
(Não adianta procurar...)

Estas coisas que eu vou falar:


Menino chorão,
Poeira no chão,
Chicote na mão,
Chefe ou patrão,
Chave no portão
Ou chuva de algodão!

1 – Qual o gênero do texto que você leu?

2 – Para que servem as poesias?

3 – Qual é o título dessa poesia?

4 – Qual é o nome da autora?

5 – Onde mora Chico Cochicho?

6 – Se você for na chácara do Chico Cochicho, o que você vai poder achar lá?
O pica-pau

O que mais sinto falta do tempo em que morava na fazenda é do barulho do pica-pau:
Toque, toque, toque.
Lá estava o pica-pau batendo o bico no tronco das árvores.
Ele estava sempre à procura do alimento que mais apreciava: larvas de insetos
escondidos na madeira.
Ah! Que saudade do toque, toque, toque do pica-pau.
1-qual o gênero do texto que você observou?

2- Para que servem as tirinhas?

3-Qual o personagem aparece nesse texto?

4 – Nesta tirinha é possível ver que o coelho Sansão conhece bem as placas de trânsito. Como sabemos disso?

5 – Na tirinha aparecem duas placas com um mesmo símbolo, mas com indicações diferentes.
6-
Não é permitido ocupar os elevadores comendo lanches ou ingerindo líquidos, como água, refrigerantes ou
café.
Nosso objetivo é manter os elevadores limpos e, também, evitar possíveis acidentes desagradáveis provocados
por esbarrões.
Agradecemos a sua colaboração
O síndico

1.Que tipo de texto você leu?


( ) bilhete
( ) aviso
( ) carta

2.Responda.

a) A quem esse texto se destina?

b) Quem escreveu esse aviso?

c) Qual o assunto?

d) Onde você acha que esse texto deve ser fixado?

e) Na sua opinião, esse tipo de texto deve ser escrito com letras grandes ou pequenas? Por quê?

f) O aviso deve ter muitas ou poucas palavras? Por quê?


BOMBOM DE PÁSCOA

Ingredientes:

200 gramas de cobertura de chocolate ao leite


1 xícara de chá de crespinhos de arroz
* forminhas de papel

Modo de Fazer:

Coloque o chocolate numa tigela refratária para derreter em banho-maria. Com cuidado, retire o chocolate do
fogo e mexa até esfriar.
Misture os crespinhos de arroz. Por último, coloque a massa nas forminhas e deixe gelar por 15 minutos.
Rendimento: 30 bombons

Vocabulário: refratária: Que suporta calor elevado sem alterar. Pode permanecer em contato com o fogo.

Compreensão oral
1-Qual o gênero do texto que você leu?

2- Para que servem as receitas?

3-Para preparar os bombons, o chocolate será colocado em banho-maria para:

( ) gelar ( ) derreter ( ) cozinhar ( ) esfriar

4-Esta receita é de um prato:


( ) doce ( ) salgado

2.A massa dessa receita é formada pelos seguintes ingredientes:


( ) farinha, ovos e arroz.
( ) arroz, chocolate e ovos.
( ) arroz e chocolate derretido.
( ) chocolate derretido e crespinhos de arroz.

3.O que é uma tigela refratária?

4.A seqüência correta para o preparo dos bombons é:

( ) Deixe o chocolate gelar, coloque os docinhos nas formas e o chocolate na tigela refratária.
( ) Misture os crespinhos, coloque os docinhos nas formas e derreta o chocolate.
( ) Derreta o chocolate, mexa-o até esfriar e misture os crespinhos de arroz.
O LELÊ FOI NA ESCOLA PELA PRIMEIRA VEZ. NA VOLTA, A MAMÃEZINHA DO LELÊ PERGUNTOU:
- LELÊ, QUERIDO, O QUE VOCÊ APRENDEU NA ESCOLA HOJE?
- QUE EU NÃO ME CHAMO LELÊ. ME CHAMO ALEXANDRE.

ANEDOTINHAS DO BICHINHO DA MAÇÃ, ZIRALDO

Compreensão oral
1-QUAL O GENERO DO TEXTO QUE VOCÊ LEU?
2-PARA QUE SERVEM AS PIADAS?
3.QUAL O NOME DO MENINO ?
4. O APELIDO DO ALEXANDRE É.
 ALEXANDRE
 LELÊ

5-PARA ONDE ALEXANDRE FOI?


DE QUE COR É?
(Luciana de Almeida)

Abra os olhos ... olhe bem a sua volta...


Quantas cores você viu? Amarelo, alaranjado, verde, azul, anil...
Tudo nesse mundo tem cor!
A gema do ovo da ema é amarela como o sol no céu.
A pena da cauda do pavão é da cor de cada momento:
VERMELHA, quando está com raiva;
AZUL, quando está contente; AMARELA, quando está cansada;
VIOLETA, quando está por um triz. MULTICOLORIDA, quando está feliz!

Compreensão oral

1-Responda:
a)- Título:
b)- Autora:
c)- A autora diz que cada momento tem a sua cor. Por quê?

2)- De que cor você pintaria:


a)- a saudade?
b)- a dor?
c)- o amor?
d)- a tristeza?
e)- a preguiça?

3-Você conhece o pavão?

4-Qual a cor do ovo da gema do pavão?

5-Quanto o pavão esta com raiva como ficam suas penas?

6-O que significa multicolorida?


A ÁRVORE

A ÁRVORE TEM UM AMIGO MUITO ESPECIAL, O PASSARINHO.


CERTO DIA, A ÁRVORE AO VER O PASSARINHO FALOU:
___ AMIGO PASSARINHO, VOCÊ É MUITO IMPORTANTE PARA MIM. VOCÊ CARREGA AS
SEMENTES E COME OS BICHOS QUE ESTRAGAM AS MINHAS FOLHAS.
O PASSARINHO PIOU E DISSE:
___ ÁRVORE AMIGA, EU LHE DEVO MINHA VIDA. AQUI EU FAÇO O MEU NINHO. AQUI EU PEGO
A MINHA COMIDA, AQUI EU FICO SEGURO DOS PERIGOS.
A ÁRVORE LOGO DISSE:
___ NESSA VIDA, UM AMIGO AJUDA O OUTRO.

RESPONDA:
1-

A) QUAIS SÃO OS PERSONAGENS DESTA HISTÓRIA?

B) QUEM É O AMIGO ESPECIAL DA ÁRVORE ?

C) QUAL É A IMPORTÂNCIA DAS ÁRVORES PARA NÓS?

D) VOCÊ JÁ AJUDOU ALGUÉM? ESCREVA COMO FOI ESSA AJUDA.


A PORTA

VINÍCIUS DE MORAES

EU SOU FEITA DE MADEIRA


MADEIRA, MATÉRIA MORTA
MAS NÃO HÁ COISA NO MUNDO
MAIS VIVA DO QUE UMA PORTA.

EU ABRO DEVAGARINHO
PRA PASSAR O MENININHO
EU ABRO COM CUIDADO
PRA PASSAR O NAMORADO
EU ABRO BEM PRAZENTEIRA
PRA PASSAR A COZINHEIRA
EU ABRO DE SUPETÃO
PRA PASSAR O CAPITÃO.

SÓ NÃO ABRO
PRA ESSA GENTE QUE DIZ
QUE SE UMA PESSOA É BURRA
É BURRA COMO UMA PORTA.

EU SOU MUITO INTELIGENTE!


EU FECHO A FRENTE DA CASA
FECHO A FRENTE DO QUARTEL
FECHO TUDO NESSE MUNDO
SÓ VIVO ABERTA NO CÉU.

RESPONDA:
1-Qual o gênero do texto que você leu?
2- Para que servem os poemas?

3-DE QUAL MATERIAL A PORTA É FEITA?

4-QUEM PASSA PELA PORTA QUANDO ELA É ABERTA DEVAGARINHO?

5-COM QUAL ANIMAL ALGUMAS PESSOAS COMPARAM UMA PORTA?

( ) UM CACHORRO
( ) UM CAVALO
( ) UM BURRO

6-QUAL É A QUALIDADE DA PORTA CITADA NO TEXTO?

7-EM QUAL LOCAL A PORTA VIVE ABERTA?


A Viagem

Eram horas de dormir.


A Joana já estava cansada, adormeceu e sonhou…
Passou o Janeiro, Fevereiro, o Março… Viajou durante um ano.
Ao longo da viagem, a Joana parou num mês pequenino e engraçado, um mês
que ora tinha vinte e oito, ora tinha vinte e nove dias. Era o Fevereiro.
Em cada passo que dava, a Joana descobria coisas novas.
Mas, de repente, a Joana acordou e pensou:
- Porque será que Fevereiro não tem sempre o mesmo número de dias?

Eva Soares

Responde de acordo com o texto:

1. Qual é a personagem do texto?


2. Qual foi o sonho da Joana?
3. Em que mês é que a Joana parou?

O castanheiro

Era uma vez um castanheiro que tinha castanhas muito


bonitas e boas. O castanheiro morava num jardim lindo
junto da escola da Joaninha. Quando veio o Outono as
folhas do castanheiro ficaram amarelas, vermelhas e
castanhas. Que bonito ! A Joaninha todos os dias ficava a
olhar para ele toda contente...

1. De que árvore fala o texto? ________________________________


________________________________________________________
2. Como eram as suas castanhas? _____________________________
________________________________________________________
3. Onde morava o castanheiro? ______________________________
_______________________________________________________
4. Como ficaram as folhas do castanheiro quando chegou o Outono?
________________________________________________________
________________________________________________________
5. Como se chamava a menina que tanto gostava de olhar para o castanheiro durante o Outono

Dona Joaninha:

Olá, eu sou a Dona Joaninha, tenho seis patinhas que me levam por aí.

Na minha cabeça tenho duas antenas para sentir o cheiro e gosto das coisas.

Minha comida preferida são outros insetos, alguns destes insetos que servem para me alimentar fazem mal às plantas.

Por isso muitos agricultores, aquelas pessoas que plantam e colhem, acham que eu sou benéfica, pois eu ajudo a
diminuir o número de pragas e as plantinhas crescem felizes e dão muitos frutos.

Eu posso viver até cento e oitenta dias, cerca de seis meses, mas não sei se vou viver tanto assim, é que tem muito
agricultor e até mesmo nas casas das pessoas, que passam veneno nas plantas, os chamados agrotóxicos, para matar os
insetos que prejudicam as plantas e eu, que não faço mal a ninguém, acabo morrendo também.

Eu acho que não deveriam usar tanto veneno assim, eu e muitos outros insetos amigos meus, ajudam a acabar com
várias pragas.

Os agricultores podiam nos contratar para acabar com os inimigos das plantas, ia ser melhor para todo mundo,
inclusive para o próprio ser humano, já que não ia ter veneno na comida que ele come.

Mas já que isso nem sempre acontece, é bom lavar muito bem todas as verduras antes de comer, isso para ninguém
correr o risco de ficar doente ou intoxicado.

Copyright © www.sol.eti.br

Proibida Reprodução

Responda as Perguntas Abaixo:

É só ler a frase e escrever a resposta na caixinha que tem em baixo de cada pergunta. Cada resposta é composta de
apenas uma palavra.

1) Qual é o nome do inseto descrito no texto?


.

2) Quantas patas a joaninha tem?

3) Onde ficam as antenas da joaninha?

4) Qual é a comida preferida da joaninha?

5) Até quantos meses a joaninha pode viver?

6) Como são chamados os venenos que os agricultores passam nas plantas?

7) Para diminuir os riscos de alguém ficar doente, o que é necessário fazer com as verduras antes de comer?

Era uma vez uma árvore que amava um menino.

E todos os dias

o menino

vinha,

juntava

suas

folhas

e com elas fazia

coroas de rei;

com elas brincava

de rei da floresta.

Subia em seu grosso tronco,

balançava-se em seus galhos,


comia suas maçãs.

E brincavam

de esconder.

quando ficava cansado,

o menino repousava

à sua sombra fresquinha.

O menino amava a árvore...

profundamente.

e a árvore era feliz.

Shel Silverstein ( tradução Fernando Sabino)

1. De que fala o texto?

_______________________________________________________

2. Quem o escreveu?

_______________________________________________________

3. Quem o traduziu para nossa língua?

______________________________________________________

4. Onde o menino repousava?

_____________________________________________________

5. Por que a árvore era feliz?

_____________________________________________________

6. É possível um ser humano ser amigo da Natureza? Como podemos fazer isso?
_________________________________________________________

7. Por que é importante cuidarmos da Natureza?